Plano Estratégico para Investimentos em Projetos de P&D ANEEL Gerência de Tecnologia e Inovação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Plano Estratégico para Investimentos em Projetos de P&D ANEEL 2011-2016. Gerência de Tecnologia e Inovação"

Transcrição

1 Plano Estratégico para Investimentos em Projetos de P&D ANEEL Gerência de Tecnologia e Inovação

2 Plano Estratégico para Investimentos em Projetos de P&D ANEEL O que a Light pretende fazer em P&D no período de 2011 a 2016? O Programa de Pesquisa & Desenvolvimento foi criado pela Lei nº 9991 de 24/07/00, com o objetivo de apoiar esforços voltados para a inovação tecnológica no Brasil, estimulando a criação e a perpetuação do conhecimento no setor de energia elétrica. No ano de 2008, a ANEEL revisou o Manual de P&D, definindo as novas regras de aplicação obrigatória de recursos pelas concessionárias. Determinou também que as concessionárias definissem um Plano Estratégico de Investimentos em P&D para um horizonte de 5 anos. Em conformidade, no mês de novembro de 2011, a Light enviou à ANEEL o seu Plano Estratégico de P&D, e neste guia, o público interessado conhecerá esse plano e as linhas de pesquisa de interesse da Light. Desta forma, a empresa dá continuidade ao processo iniciado com a revista SABER LIGHT, publicação de P&D em que se procura integrar a gente da Light com seus parceiros de pesquisa, em uma jornada pela busca da inovação. O objetivo da Light, com este trabalho, é indicar o caminho da inovação que pretende trilhar e a partir dele gerar valor para a empresa e para a sociedade, garantindo que os projetos de P&D estejam alinhados aos objetivos estratégicos da empresa. Ao longo das próximas páginas, você quer seja colaborador que busca soluções para os problemas da empresa, quer seja parceiro que visa contribuir com soluções conhecerá o que a Light está planejando em pesquisa e desenvolvimento, e inovação. Em dois capítulos, serão apresentadas as 10 linhas de pesquisa da Light SESA e as 7 da Light Energia, com seus objetivos e justificativas. Algumas dessas linhas de pesquisa são comuns às duas empresas.. José Humberto Castro Diretor de Distribuição

3 CAPÍTULO I LIGHT SERVIÇOS DE ELETRICIDADE S.A. 1. REDUÇÃO DAS PERDAS E DA INADIMPLÊNCIA 1.1. Tecnologias, sistemas, equipamentos e dispositivos de combate às perdas e a inadimplência Tecnologias digitais associadas às redes inteligentes (Smart Grid) focadas no combate às perdas e a inadimplência. 2. EXCELÊNCIA DA DISTRIBUIÇÃO 2.1. Supervisão, monitoramento e controle de redes de distribuição com foco em tecnologias digitais e Smart Grid Planejamento, operação, qualidade e confiabilidade da rede aérea Planejamento, operação, qualidade e confiabilidade da rede subterrânea Operação, qualidade e confiabilidade das subestações Segurança ocupacional 3. EXCELÊNCIA COMERCIAL E DE SUPORTE 3.1. Relacionamento com clientes 3.2. Inteligência e integração de sistemas corporativos e operacionais 3.3. Assuntos tarifários

4 1. REDUÇÃO DAS PERDAS E DA INADIMPLÊNCIA 1.1. Tecnologias, sistemas, equipamentos e dispositivos de combate às perdas e a inadimplência. O combate às perdas é um dos grandes desafios da Light, evidenciado como uma das principais diretrizes de seu planejamento estratégico. Na área de concessão da Light o volume de perdas totalizou 21,29% de toda energia distribuída em 2010, o que representa GWh em perdas. Desse montante, 6,3% correspondiam a perdas técnicas e 14,99% a perdas comerciais. A energia furtada na área de concessão da Light seria suficiente para suprir o estado do Espírito Santo. Destaca-se também a importância de redução de perdas técnicas relacionadas à rede de distribuição. A inadimplência também é outro problema, apenas 50% dos clientes de varejo da Light pagam suas contas em dia O objetivo central é pesquisar e desenvolver sistemas, componentes, dispositivos e metodologias que permitam a redução das perdas técnicas, não técnicas e da inadimplência nas distribuidoras de energia elétrica. Além disso, buscar-se-á pesquisar, desenvolver e difundir conhecimentos e tecnologias que permitam automatizar, melhorar a eficiência dos processos e incrementar a proteção das redes contra furtos de energia; desenvolver novas tecnologias e ferramentas para identificação de desvios por meio de circuitos elétricos e medidores; aperfeiçoar dispositivos de bloqueio e de alarme de fraude; reduzir as perdas oriundas de ligações e religações, bem como, aperfeiçoar procedimentos visando à redução das perdas comerciais.

5 1. REDUÇÃO DAS PERDAS E DA INADIMPLÊNCIA 1.2. Tecnologias digitais associadas às redes inteligentes (Smart Grid) focadas no combate às perdas e a inadimplência. As redes inteligentes, ou smart grids, representam um grande avanço de qualidade e eficiência para o setor elétrico. Trata-se de uma tecnologia capaz de garantir mais eficiência no sistema de transmissão e distribuição de energia, reduzindo falhas e interrupções, ao mesmo tempo oferecendo uma maior interação com o consumidor. Entre as vantagens, essa tecnologia permite o controle exato e permanente do consumo de cada medidor pela concessionária o que permitiria reduzir o furto de energia, ao impedir/detectar em tempo real quaisquer instalações ou ligações ilegais na rede. O objetivo central é pesquisar e desenvolver sistemas, componentes, dispositivos e metodologias que permitam a redução das perdas técnicas, não técnicas e da inadimplência nas distribuidoras de energia elétrica, integrados de forma preferencial com as tecnologias Smart Grid. Além disso, buscar-se-á pesquisar, desenvolver e difundir conhecimentos e tecnologias que permitam automatizar, melhorar a eficiência dos processos, incrementar a proteção das redes contra fraudes. Destaca-se como foco as tecnologias smart grid, que permitam desenvolver: sistemas de medição eletrônica e controle e gerenciamento de energia, onde se destaca a necessidade de aprimoramento de técnicas e equipamentos que minimizem a fraude, para coibir e detectar furtos; desenvolver estudos e sistema de inteligência computacional para predição e gestão de perdas, vindo a correlacionar perdas de energia, inadimplência e aspectos socioeconômicos; desenvolver novas tecnologias para identificação de desvios por meio de circuitos elétricos e medidores, dispositivos de bloqueio e de alarme de fraude; e, eliminar as perdas oriundas de ligações novas e religações, bem como, aperfeiçoar procedimentos visando à redução das perdas comerciais.

6 2. EXCELÊNCIA DA DISTRIBUIÇÃO 2.1. Supervisão, monitoramento e controle de redes de distribuição com foco em tecnologias digitais e Smart Grid. Em função da natureza da energia elétrica, do marco regulatório do setor de distribuição e das demandas do mercado, a confiabilidade e a qualidade da energia entregue ao consumidor são componentes estratégicos. As tecnologias e conhecimentos destinados ao monitoramento, controle e supervisão de redes de distribuição de energia elétrica tem importância fundamental, pois impactam diretamente na melhoria da qualidade do serviço prestado pela distribuidora de energia. Neste cenário, o desenvolvimento das redes inteligentes, ou smart grids, representa um grande avanço para o setor elétrico. Trata-se de uma tecnologia capaz de garantir maior qualidade às redes de transmissão e distribuição de energia. As aplicações deste conjunto de tecnologias e conhecimentos permitem a elaboração de novos e otimizados sistemas de supervisão, controle e monitoramento da rede; de novos componentes para a rede (sensores, telemedição integrada, etc.); a introdução de ferramentas computacionais e modelos matemáticos; assim como o desenvolvimento de sistemas de inteligência e ferramentas computacionais para otimizar os ativos da rede (georeferenciamento, alertas, etc.). Todas estas são ações que estão alinhadas com os objetivos estratégicos da Light. As redes inteligentes também ampliam o número de canais de comunicação. Com aplicativos web e mostradores avançados as equipes operacionais e técnicas da companhia podem ter informações em tempo real sobre o desempenho das equipes de campo e da rede de distribuição. O objetivo geral será pesquisar e desenvolver sistemas, softwares, instrumentos e componentes digitais que contribuam para as ações de supervisão, monitoramento e controle de redes de distribuição de energia, integradas às tecnologias Smart Grid. Permitindo a gestão otimizada e, em tempo real, das redes de distribuição aérea e subterrânea, a automação

7 de redes e subestações. Para isso será necessário desenvolver expertise e difundir conhecimentos a partir do investimento em projetos de P&D que tenham como foco: implementar novas tecnologias de medição e monitoramento; geo-referenciamento; modernizar sistemas de monitoramento e controle existentes; automatizar processos de controle utilizando sempre, de preferência, ferramentas e inteligência computacional; sistemas e ferramentas de monitoração de parâmetros técnicos, perturbações e impactos na carga; sistemas de supervisão remota e integração ao sistema de manutenção e proteção de equipamentos e instalações; otimizar a modelagem de redes.

8 2. EXCELÊNCIA DA DISTRIBUIÇÃO 2.2. Planejamento, operação, qualidade e confiabilidade da rede aérea. Em 2010, o consumo de energia no Brasil foi de GWh, com aumento de 7,8% em relação a O crescimento da demanda de energia gera uma pressão considerável sobre o sistema elétrico e sobre as empresas de energia. Os 31 municípios atendidos pela Light somam aproximadamente 11 milhões de pessoas, o que representa 2/3 do total de 16 milhões de habitantes do Estado do Rio de Janeiro. O consumo total de energia na área de concessão da Light SESA (clientes cativos + transporte de energia de clientes livres) no ano foi de GWh, um crescimento de 4,2% em relação ao mesmo período de A perspectiva é que os grande projetos e obras de infra-estrutura a serem implantados nos próximos seis anos no Rio de Janeiro representem investimentos da ordem de R$ 78 bilhões e um consumo adicional anual de energia de cerca de GWh em 2016, somente na área de concessão da Light. A Light está orientando a sua estratégia em função das oportunidades e desafios de longo prazo que este cenário apresenta e vem investindo pesadamente na qualidade do seu sistema de distribuição aérea e subterrânea. Ademais o crescimento da geração distribuída (GD) vem se tornando cada vez mais evidente no panorama energético mundial. A GD foi impulsionada no cenário nacional pela crise do setor elétrico em A integração de unidades de GD baseadas em energia eólica, solar, gás e biomassa constituem um desafio para o planejamento e operação de redes de distribuição. O objetivo geral será pesquisar e desenvolver equipamentos, dispositivos, componentes e ferramentas que contribuam para o planejamento, otimização da operação e melhoria da eficiência e qualidade da rede energia elétrica da Light. Desta forma, atendendo ao crescimento esperado da demanda e do crescimento da oferta de energia em Geração Distribuída. Para isso será necessário desenvolver expertise e difundir conhecimentos a partir do investimento em projetos de P&D que tenham como foco: otimizar materiais, equipamentos e componentes qualificando

9 e ampliando a vida útil das instalações; robustecer a rede reduzindo os riscos de sobrecarga bem como incrementar os dispositivos de proteção e blindagem da rede; reduzir os riscos de falhas de equipamentos, componentes e instalações de rede e técnicas de operação, manutenção; desenvolver dispositivos e ferramentas que otimizem a manutenção e o monitoramento de parâmetros técnicos da rede; melhorar a disponibilidade dos sistemas elétricos - por meio do planejamento, da antecipação de incidentes, da agilidade no pré-diagnóstico e, também, na alocação ou realocação das equipes.

10 2. EXCELÊNCIA DA DISTRIBUIÇÃO 2.3. Planejamento, operação, qualidade e confiabilidade da rede subterrânea A Light tem a maior rede subterrânea da América Latina com uma rede de Km (45% da rede subterrânea brasileira) e que atende às regiões do Centro, Zona Sul, Barra da Tijuca e parte da Zona Norte da cidade do Rio de Janeiro. As redes de distribuição subterrâneas são formadas por instalações e equipamentos com alta complexidade de implantação, operação e manutenção. Além disso, as redes subterrâneas compartilham o uso do subsolo com outras concessionárias de serviço público, galerias pluviais, rede de metrô e demais estruturas. As redes subterrâneas sofrem ainda com a depredação e o furto de cabos e outros equipamentos. Dada a complexidade do sistema e a dificuldade de acesso visual, a identificação dos elementos de rede danificados ou furtados requer, além do constante monitoramento, a investigação em laboratórios, incluindo a utilização de unidades móveis, para a localização de defeitos. A qualidade e confiabilidade da rede subterrânea são estratégicas para a Light, tanto que a empresa vem implementando importantes ações como o plano de modernização do sistema de distribuição subterrânea, o plano de manutenção preventiva do subterrâneo e o Projeto de Automação das Câmaras Transformadoras Subterrâneas O objetivo geral será pesquisar e desenvolver equipamentos, dispositivos, componentes e ferramentas que contribuam para o planejamento, otimização e melhoria da eficiência e qualidade da rede subterrânea da Light, atendendo ao crescimento esperado da demanda de energia e evitando incidentes. Para isso será necessário desenvolver expertise e difundir conhecimentos a partir do investimento em projetos de P&D que tenham como foco: otimizar materiais, equipamentos e componentes qualificando e ampliando a vida útil das câmaras subterrâneas e demais estruturas; robustecer a rede subterrânea reduzindo os riscos de sobrecarga e explosões bem como incrementar os dispositivos de segurança; reduzir os riscos de falhas de equipamentos, componentes e

11 instalações de rede e técnicas de operação e manutenção; desenvolver dispositivos e ferramentas que otimizem a manutenção e o monitoramento de parâmetros técnicos; melhorar a disponibilidade dos sistemas elétricos - por meio do planejamento, da antecipação de incidentes, da agilidade no pré-diagnóstico e, também, na alocação ou realocação das equipes.

12 2. EXCELÊNCIA DA DISTRIBUIÇÃO 2.4. Operação, qualidade e confiabilidade das subestações Como prestadora de serviço público comprometida com o desenvolvimento de sua área de concessão, a Light está sempre buscando aprimorar a qualidade dos seus serviços, com o objetivo de garantir a disponibilidade e a confiabilidade do fornecimento de energia a seus consumidores. O aumento esperado na demanda de energia do Rio de Janeiro, em face aos grandes investimentos previstos para os próximos anos, amplia as exigências e os desafios de adequação do sistema de distribuição da Light. Neste sentido, a Light tem investido na construção, ampliação e modernização de subestações e linhas de transmissão, além dos investimentos em pessoal e treinamento especializado. Em 2010 as subestações de Copacabana e do Leblon foram foco de obras estruturais. Além disso estão sendo construídas seis subestações (três na Baixada Fluminense, duas na Zona Sul da capital e uma em Itaguaí) e ampliadas as operações de nove subestações. O objetivo central será pesquisar e desenvolver equipamentos, dispositivos, componentes e ferramentas que contribuam para o planejamento, otimização e melhoria da eficiência e qualidade das subestações da Light, atendendo ao crescimento esperado da demanda de energia e garantindo a qualidade no fornecimento de energia elétrica. Para isso será necessário desenvolver expertise e difundir conhecimentos a partir do investimento em projetos de P&D que tenham como foco: otimizar materiais, equipamentos e componentes qualificando e ampliando a vida útil das instalações; reduzir os riscos de sobrecargas e falhas, incrementar os dispositivos de segurança; reduzir os riscos de operação, manutenção; desenvolver dispositivos e ferramentas que otimizem a manutenção e o monitoramento de parâmetros técnicos.

13 2. EXCELÊNCIA DA DISTRIBUIÇÃO 2.5. Segurança ocupacional A Light foi pioneira na cultura de prevenção de acidentes no trabalho no País. Em 1944 registrou a primeira Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (CIPA) do Brasil. Atualmente a segurança permanece como um componente estratégico para a Light. Em 2009, a Light se tornou a primeira empresa do setor elétrico brasileiro a adotar o Sistema de Gestão de Trabalho Seguro (SGTS) e a empresa desenvolve uma série de iniciativas que visam a garantir a saúde, a segurança e a qualidade de vida de seus trabalhadores próprios e dos empregados das empresas contratadas. O objetivo central é desenvolver sistemas, metodologias, práticas, equipamentos e dispositivos que elevem o grau de confiabilidade e segurança de práticas de operação e manutenção da Light. Os projetos de P&D devem ter como foco: a definição de metodologias que, uma vez internalizadas na empresa, assegurem comportamentos e formas de desenvolvimento de atividades mais seguras por parte de turmas de manutenção; desenvolvimento de sistemas computacionais que, a partir de indicadores adequados e inteligência computacional específica, sejam capazes de avaliar riscos e apontar alternativas de boa gestão de RH; desenvolvimento de materiais, equipamentos e sistemas de monitoramento e supervisão, capazes de assegurar maiores níveis de segurança patrimonial e humana; otimizar as práticas vigentes no que diz respeito à operação e à manutenção de instalações e redes.

14 3. EXCELÊNCIA COMERCIAL E DE SUPORTE 3.1. Relacionamento com clientes A Light possui o compromisso com a excelência dos seus serviços. O planejamento estratégico da companhia destaca ações que tem como objetivo: estabelecer um relacionamento mais estreito com seus clientes, fidelizar o cliente, aprimorar a conceituação da relação empresa-cliente. A Light está busca investir em inovação e criatividade para apresentar as melhores soluções. Tanto no segmento de varejo como no de grandes clientes, as ações de melhoria devem ser contínuas e buscam garantir ao cliente um atendimento capaz de dar solução às demandas, apoiado em processos cada vez mais eficientes. Neste contexto, as redes inteligentes (Smart Grid) surgem como um conjunto de tecnologias que estão revolucionando a relação distribuidora-cliente. Sob a ótica do cliente, destaca-se a possibilidade de desenvolver soluções, sistemas e ferramentas inteligentes que irão facilitar a sua interação com a empresa. Entre as vantagens que essa nova tecnologia está o controle exato e permanente do consumo de cada medidor pelo cliente, o acompanhamento dos níveis de qualidade da energia recebida e a multiplicação dos canais de interação com a empresa. Com isso, via a utilização de televisores, telefones celulares, aplicativos web e mostradores avançados, os clientes poderão acompanhar e controlar seu consumo de emergia através de interfaces amigáveis (gráficos e estimativas de consumo), programar seus equipamentos e eletrodomésticos para funcionar fora do horário de pico (com menor tarifa), acompanhar e controlar o carregamento das baterias dos seus veículos elétricos (carros e motos), dentre outras possibilidades. O objetivo central será pesquisar e desenvolver sistemas, softwares, equipamentos, dispositivos, componentes e ferramentas que contribuam o fortalecimento da relação empresa-cliente e que permita reposicionar a imagem da companhia Os projetos de P&D deverão estar focados no desenvolvimento de tecnologias e conhecimentos, integrados à tecnologia de Smart Grid, que

15 permitam desenvolver expertise e conhecimentos sobre: gestão energética pelo lado da demanda, através da utilização de canais multimídia interativos e relacionamento em tempo real (medidores, displays, softwares, aplicativos para celular, Iphone, tablets); Inteligência Comercial e/ou de Mercado aplicados à a gestão comercial, novos negócios e serviços; Sistemas e componentes que otimizem o atendimento emergencial e comercial da empresa; gerenciamento do abastecimento de veículos elétricos (VE s) na residência; interface entre o VE, distribuidora, postos de abastecimento de VE s e cliente (via celular, web, etc.); Sistemas, tecnologias e metodologias que permitam a criação de indicadores e sistemas de inteligência computacional para determinar a satisfação do cliente em relação aos serviços prestados e que possibitem, à companhia, adotar um comportamento ágil e proativo produzindo o conhecimento necessário para antecipar as necessidades dos clientes

16 3. EXCELÊNCIA COMERCIAL E DE SUPORTE 3.2. Inteligência e integração de sistemas corporativos e operacionais O planejamento estratégico da Light contempla um conjunto de objetivos e metas não cobertos inteiramente pelos temas ANEEL mas que podem ser beneficiados por projetos de P&D. Algumas linhas de pesquisa levadas a cabo por empresas concessionárias no exterior, convergentes com objetivos da empresa, não se integram nos temas ANEEL. Há necessidade de adotar novas estruturas e práticas de aprendizado para o desenvolvimento de sistemas corporativos em empresas distribuidoras de energia, principalmente as vinculadas ao desenvolvimento das redes inteligentes (Smart Grid). O desenvolvimento do Smart Grid cria demandas sobre TI e Telecom em escala exponencial dado a necessidade de tratamento de volume muito maior de dados e informações e da integração de novos elementos nas redes (softwares diversos, sistemas, sensores, atuadores, medidores, veículos elétricos e geração distribuída). Ademais existe principalmente a necessidade de investigar os melhores caminhos e soluções para integração dos diversos sistemas de uma distribuidora de energia (operação, manutenção, relacionamento com clientes, Gestão, Planejamento, gente, etc.) com o Smart Grid. Nessa linha, também é necessário acompanhar novas tecnologias cognitivas que possam levar a novas aplicações capazes de produzir soluções inovadoras pra problemas de gestão do conhecimento, como sistemas especialistas para incorporar o conhecimento tácito de empregados. O objetivo central será pesquisar e desenvolver sistemas que contribuam para: otimizar a integração de sistemas de TI da companhia às suas necessidades. integrar os sistemas operacionais e de gestão da companhia; desenvolver tecnologias cognitivas focadas na gestão de conhecimentos, no desenvolvimento da inteligência competitiva, no estímulo ao empreendedorismo e à inovação.

17 3. EXCELÊNCIA COMERCIAL E DE SUPORTE 3.3. Assuntos tarifários Em função da natureza da energia elétrica, do marco regulatório do setor de distribuição e das demandas do mercado, o relacionamento entre distribuidora e agência reguladora torna-se um dos componentes estratégicos. A Light contribui ativamente para o aprimoramento do marco regulatório de setor elétrico. Por exemplo, a Light deu significativas contribuições técnicas no âmbito da Audiência Pública nº 040, da ANEEL, que visa definir as premissas para o 3º ciclo de revisão tarifária, o qual, no caso da Light, se inicia em novembro de 2013, e que foi objeto de grande polêmica no setor elétrico. Nesse contexto, as atividades de pesquisa convergentes com o planejamento estratégico da Light visam dar maior sustentabilidade a esses aspectos do negócio e alavancar novos negócios que se delineiam com a evolução do mercado. Também torna-se fundamental compreender os aspectos regulatórios, metrológicos e de conformidade aplicáveis à utilização efetiva de novas tecnologias, componentes, dispositivos. O objetivo central será pesquisar e desenvolver investigações, pesquisas, estudos e metodologias de estruturas tarifárias e regulatórias, que contribuam para: desenvolver indicadores e condicionantes para formação de tarifas de energia elétrica do marco regulatório e tarifário, ferramentas para antecipar e acompanhar as aberturas do mercado e as mudanças regulatórias; fomentar o processo de regulamentação de novas tecnologias e componentes; compreensão e otimização dos aspectos metrológicos e de conformidade de novas tecnologias.

18 CAPÍTULO II LIGHT ENERGIA S.A. 1. FONTES ENERGÉTICAS 1.1. Energia hidrelétrica Energia térmica com foco em gás natural 1.3. Energia solar e eólica 2. EXCELÊNCIA DA GERAÇÃO 2.1. Otimização do sistema 2.2. Segurança ocupacional 2.3. Gestão ambiental 2.4. Inteligência de mercado

19 1. FONTES ENERGÉTICAS 1.1. Energia hidrelétrica. O parque gerador da Light Energia tem 853 MW de capacidade instalada, com 5 usinas geradoras. Um dos grandes objetivos estratégicos do Grupo Light e da Light Energia é viabilizar, a médio prazo, a expansão significativa da sua atual capacidade de geração. Uma linha de ação específica tem como foco projetos de geração de energia hidrelétrica. Nos últimos anos a Light tem investido na construção das PCHs, como Itaocara (com capacidade de 195MW) e Paracambi (com capacidade de 25MW). Recentemente o Grupo Light, junto com a CEMIG, adquiriu cerca de 10% das ações da Usina de Belo Monte. Neste sentido, projetos de P&D com foco em energia hidrelétrica tornam-se estratégicos para a Light Energia uma vez que existe uma série de desafios relacionados à esta fontes de geração desde questões técnicas (equipamentos, componentes, sistemas, etc.), regulatórias, sociais e ambientais envolvidas. O objetivo central é desenvolver equipamentos, componentes, dispositivos, metodologias, sistemas que melhorem a eficiência, qualidade e segurança das fontes de geração hidrelétrica, que reduzam os custos de manutenção, segurança patrimonial, monitoramento e controle, que possibilitem o desenvolvimento de projetos com menor impacto ambiental e social. Bem como, de conhecimentos e tecnologias que agreguem novas oportunidades em projetos de geração hidrelétrica.

20 1. FONTES ENERGÉTICAS 1.2. Energia térmica com foco em gás natural Um dos grandes objetivos estratégicos do Grupo Light e da Light Energia é viabilizar, a médio prazo uma expansão significativa da sua atual capacidade de geração. Uma linha de ação específica nesta estratégica tem como foco a energia térmica, principalmente utilizando gás natural. A produção de energia com gás natural é uma oportunidade estratégica, uma vez que o Estado do Rio de Janeiro detém cerca de 50% das reservas de gás natural do Brasil. A geração de energia com gás natural tem características importantes como os baixos índices de emissão de poluentes (em comparação a outros combustíveis fósseis), facilidade de transporte e baixos índices de contaminantes. O objetivo central é desenvolver novos ou melhores equipamentos, componentes, dispositivos, metodologias, tecnologias e sistemas que possibilitem avanços de eficiência, qualidade e confiabilidade na geração de energia térmica com gás natural. Um dos focos desta pesquisa é o de dotar a Light Energia de um pool de conhecimentos capaz de aproveitar e maximizar as oportunidades de investimentos em energia térmica gerada a partir de gás natural. Podem ser estudados projetos para aproveitamento de gás natural fornecido por empresas que o extraiam de resíduos urbanos ou biomassa.

21 1. FONTES ENERGÉTICAS 1.3. Energia solar e eólica As energias renováveis representam hoje 88% da energia que se usa no Brasil. O Plano Decenal de Expansão da Energia - PDE 2020 destaca a crescente importância das energias renováveis, principalmente energia eólica e solar. A energia eólica deve crescer de cerca de 1 gigawatt, em 2010, para 10 gigawatts, em A Light, frente aos seus objetivos estratégicos de expandir a geração e do seu compromisso socioambiental, tem investindo fortemente em projetos de fontes renováveis de energia. Dentre os projetos em desenvolvimento destacam-se os de geração eólica e solar. Em geração eólica, o Grupo já conta com dois projetos no Ceará, que somam 30 MW de capacidade instalada. Recentemente, o Grupo Light, do qual a Light Energia faz parte, adquiriu o controle acionário da Renova Energia, empresa que possui 20 parques eólicos no Nordeste que somam 423 MW, em fase de implantação. O objetivo central é o de desenvolver novos ou melhores equipamentos, componentes, dispositivos, metodologias, tecnologias e sistemas que possibilitem avanços de eficiência, qualidade e confiabilidade na geração de energia solar e eólica. Em energia solar o foco está no desenvolvimento de sistemas (fotovoltaicos ou de termo-acumulação) mais eficientes, em termos de conversão de energia solar, redução de custos (placas, conversores, armazenamento de energia), desenvolvimento de novas técnicas, elementos, componentes, bem como de sistemas de integração da energia gerada à rede de distribuição. Em energia eólica o foco também está centrado na eficiência técnica e econômica dos sistemas, em produzir com maior qualidade e confiabilidade, bem como em redes de transmissão e sistemas de integração.

22 2. EXCELÊNCIA DA GERAÇÃO 2.1. Otimização do sistema O planejamento estratégico da Light Energia prevê, além da expansão de sua geração, a implantação de programas de excelência em qualidade e otimização do seu sistema de geração. Atualmente seu parque gerador possui as certificações em gestão de qualidade, meio ambiente, segurança e saúde. O Sistema de Gestão da Qualidade foi implantado em 1998 nas hidrelétricas de Fontes Nova, Nilo Peçanha e Pereira Passos. Tais perspectivas estão em consonância com a redução de riscos de falhas de equipamentos, componentes e instalações e técnicas de operação, manutenção e extensão da vida útil das instalações existentes. O objetivo central será pesquisar e desenvolver equipamentos, dispositivos, componentes e ferramentas que contribuam para a otimização e qualificação das unidades de geração, transmissão e subestações da Light, bem como dos seus instrumentos/mecanismos de gestão, controle e manutenção. Para isso será necessário desenvolver expertise e gerar conhecimentos a partir de projetos de P&D que tenham como foco: aplicação de técnicas de inteligência computacional, novos materiais, componentes e equipamentos que robusteçam os níveis de segurança da geração, sistemas de gestão operacional de usinas, monitoramento e controle de barragens e subestações; novas metodologias e práticas e operação e manutenção; otimização do despacho; gerenciamento de carga; inspeção & automação.

Objetivo. 0 Conceitos. 0 Funcionalidades. 0 Desafios. 0 Experiências de Implantação

Objetivo. 0 Conceitos. 0 Funcionalidades. 0 Desafios. 0 Experiências de Implantação Objetivo 0 Conceitos 0 Funcionalidades 0 Desafios 0 Experiências de Implantação Smart Grid Conceitos 0 NÃO é só Medição Eletrônica e Telecom!! 0 Envolve conhecimentos sobre: 0 Tecnologia, Padrões, Normas

Leia mais

Sm S a m r a t r t Gr G i r d Bruno Erik Cabral

Sm S a m r a t r t Gr G i r d Bruno Erik Cabral Bruno Erik Cabral Smart Grid Agenda Introdução Definição Características Confiabilidade Flexibilidade Eficiência Sustentabilidade Medidores Inteligentes Controle avançado Cenário Internacional Cenária

Leia mais

Com entrada em funcionamento de três novas usinas hidrelétricas nos próximos anos, a Light vai ampliar em 230 MW sua produção de energia

Com entrada em funcionamento de três novas usinas hidrelétricas nos próximos anos, a Light vai ampliar em 230 MW sua produção de energia Relatório Sustainability de Sustentabilidade Report 2010 2010 Geração Com entrada em funcionamento de três novas usinas hidrelétricas nos próximos anos, a Light vai ampliar em 230 MW sua produção de energia

Leia mais

Investimentos da AES Brasil crescem 32% e atingem R$ 641 milhões nos primeiros nove meses do ano

Investimentos da AES Brasil crescem 32% e atingem R$ 641 milhões nos primeiros nove meses do ano Investimentos da AES Brasil crescem 32% e atingem R$ 641 milhões nos primeiros nove meses do ano Valor faz parte de plano de investimentos crescentes focado em manutenção, modernização e expansão das operações

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DO FÓRUM DAS ASSOCIAÇÕES EMPRESARIAIS PRÓ- DESENVOLVIMENTO DO MERCADO DE GÁS NATURAL CONSULTA PÚBLICA ANEEL Nº 005/2014

CONTRIBUIÇÃO DO FÓRUM DAS ASSOCIAÇÕES EMPRESARIAIS PRÓ- DESENVOLVIMENTO DO MERCADO DE GÁS NATURAL CONSULTA PÚBLICA ANEEL Nº 005/2014 CONTRIBUIÇÃO DO FÓRUM DAS ASSOCIAÇÕES EMPRESARIAIS PRÓ- DESENVOLVIMENTO DO MERCADO DE GÁS NATURAL CONSULTA PÚBLICA ANEEL Nº 005/2014 Descrição: Obter subsídios para identificar a necessidade de criação

Leia mais

PRINCIPAIS CONSTATAÇÕES

PRINCIPAIS CONSTATAÇÕES PRINCIPAIS CONSTATAÇÕES GRUPO DE ESTUDOS DE GERAÇÃO HIDRÁULICA GGH É necessário o aprofundamento dos estudos para o uso de unidades geradoras hidráulicas que permitam a otimização do uso da água Geradores

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL GE Distributed Power Jose Renato Bruzadin Sales Manager Brazil T +55 11 2504-8829 M+55 11 99196-4809 Jose.bruzadini@ge.com São Paulo, 11 de Julho de 2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: GE Distributed Power AGÊNCIA

Leia mais

Experiências em Redes Inteligentes Institutos Lactec e UFPR. Por Rodrigo Jardim Riella riella@lactec.org.br

Experiências em Redes Inteligentes Institutos Lactec e UFPR. Por Rodrigo Jardim Riella riella@lactec.org.br Experiências em Redes Inteligentes Institutos Lactec e UFPR Por Rodrigo Jardim Riella riella@lactec.org.br Agenda Os Institutos Lactec Projetos nas áreas de Smart Grids Piloto Programa Smart Grid Light

Leia mais

Gestão da Inovação - CEMIG. Arlindo Porto Neto Diretor Vice-Presidente (DVP) Data:03/06/2011

Gestão da Inovação - CEMIG. Arlindo Porto Neto Diretor Vice-Presidente (DVP) Data:03/06/2011 Gestão da Inovação - CEMIG Arlindo Porto Neto Diretor Vice-Presidente (DVP) Data:03/06/2011 Sustentabilidade Mineirão Solar Cemig classificada no Índice Dow Jones de Sustentabilidade DJSI World nos últimos

Leia mais

GrandAmazon. Energia para o futuro Os desafios da sustentabilidade. Wilson Ferreira Jr. e Miguel Saad 16/03/2012

GrandAmazon. Energia para o futuro Os desafios da sustentabilidade. Wilson Ferreira Jr. e Miguel Saad 16/03/2012 GrandAmazon Energia para o futuro Os desafios da sustentabilidade Wilson Ferreira Jr. e Miguel Saad 16/03/2012 A alta complexidade do sistema elétrico brasileiro traz 3 grandes desafios para a política

Leia mais

As PCHs no contexto energético futuro no Brasil

As PCHs no contexto energético futuro no Brasil As PCHs no contexto energético futuro no Brasil Campinas, 29 de Outubro de 2013. Charles Lenzi Agenda de Hoje Conjuntura Atual Desafios da Competitividade Nossas propostas Conclusões A ABRAGEL Associação

Leia mais

VI Forum Latino Americano de Smart Grid Estratégias e Tecnologias de Tranformação do Negócio. Claudio T Correa Leite

VI Forum Latino Americano de Smart Grid Estratégias e Tecnologias de Tranformação do Negócio. Claudio T Correa Leite VI Forum Latino Americano de Smart Grid Estratégias e Tecnologias de Tranformação do Negócio 27nov2013 Claudio T Correa Leite CPqD na Dinâmica de Transformação do Setor Elétrico A Dinâmica dos Mercados

Leia mais

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO Luiz Eduardo Barata Secretário-Executivo CÂMARA DOS DEPUTADOS Brasília, 22 de setembro de 2015 Energia

Leia mais

Projeto de Monitoração e Melhoria Contínua com Six-Sigma, IoT e Big Data

Projeto de Monitoração e Melhoria Contínua com Six-Sigma, IoT e Big Data Projeto de Monitoração e Melhoria Contínua com Six-Sigma, IoT e Big Data Contexto As pressões do mercado por excelência em qualidade e baixo custo obrigam as empresas a adotarem sistemas de produção automatizados

Leia mais

A 1ª Cidade Inteligente da América Latina

A 1ª Cidade Inteligente da América Latina A 1ª Cidade Inteligente da América Latina Imagine... gerar somente a energia que precisamos em nossas casas através de fontes renováveis... saber o consumo de energia de cada aparelho elétrico conectado

Leia mais

CONSOLIDAÇÃO DAS DEMANDAS DO SORTEIO Nº 017/2011 - EDITAL DE CREDENCIAMENTO Nº 02/2009

CONSOLIDAÇÃO DAS DEMANDAS DO SORTEIO Nº 017/2011 - EDITAL DE CREDENCIAMENTO Nº 02/2009 1 1 3 2 1 3 3 4 1 4 4 1 5 5 3 6 5 3 7 5 3 CONSOLIDAÇÃO DAS DEMANDAS DO SORTEIO Nº 017/2011 - EDITAL DE CREDENCIAMENTO Nº 02/2009 avaliação inicial do "Desenvolvimento de Sistema Integrado de Geração de

Leia mais

Programas Sistemas Projetos

Programas Sistemas Projetos Programas Sistemas Projetos A Cemig Maior empresa integrada do setor de energia elétrica do País, a Cemig também é o maior grupo distribuidor, responsável por aproximadamente 12% do mercado nacional. A

Leia mais

A SILENCIOSA MUDANÇA DO MODELO DE NEGÓCIOS DO SETOR ELÉTRICO MUNDIAL (*)

A SILENCIOSA MUDANÇA DO MODELO DE NEGÓCIOS DO SETOR ELÉTRICO MUNDIAL (*) A SILENCIOSA MUDANÇA DO MODELO DE NEGÓCIOS DO SETOR ELÉTRICO MUNDIAL (*) A evolução tecnológica proporcionada pelas Smart Grids já colocou em plena marcha, mundialmente e silenciosamente, uma grande mudança

Leia mais

DIGITALIZAÇÃO E GESTÃO INTELIGENTE DA MEDIÇÃO COMO FERRAMENTA DE CONTROLE DE PERDAS E PROTEÇÃO DA RECEITA

DIGITALIZAÇÃO E GESTÃO INTELIGENTE DA MEDIÇÃO COMO FERRAMENTA DE CONTROLE DE PERDAS E PROTEÇÃO DA RECEITA DIGITALIZAÇÃO E GESTÃO INTELIGENTE DA MEDIÇÃO COMO FERRAMENTA DE CONTROLE DE PERDAS E PROTEÇÃO DA RECEITA MOTIVADORES Níveis elevados de perdas não técnicas das empresas Restrições mais rígidas (ambientais,

Leia mais

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica Apresentação CEI Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica A CEI é produtora independente de energia em MG, com 9 usinas em operação, 15 empreendimentos hidrelétricos em desenvolvimento (130MW) e

Leia mais

VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética

VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética Copel Distribuição S.A Vlademir Daleffe 25/03/2015 1 VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH 1. Composição tarifária

Leia mais

Soluções inteligentes em energia. Energia para a vida

Soluções inteligentes em energia. Energia para a vida Soluções inteligentes em energia Energia para a vida O Brasil e o mundo contam com a nossa energia. A Prátil é uma empresa de soluções inteligentes em energia, que atua nos segmentos de infraestrutura

Leia mais

Utilização do Google Earth e Google Maps na CEMIG

Utilização do Google Earth e Google Maps na CEMIG Utilização do Google Earth e Google Maps na CEMIG Roberto Proença da Silva Carlos Alberto Moura Companhia Energética de Minas Gerais - CEMIG Superintendência de Tecnologia da Informação - TI Gerência de

Leia mais

Eficiência Energética

Eficiência Energética Eficiência Energética Smart Grid - Redes Inteligentes Anderson D. Carvalho, Helionay F. Rocha, Jeiza P. Bittencourt, Jéssica M. Ribeiro, Luiz F. Rocha, Wellerson C. Leite, Vinicius M. Pacheco. Centro Universitário

Leia mais

Apresentação Corporativa Outubro de 2014

Apresentação Corporativa Outubro de 2014 Apresentação Corporativa Outubro de 2014 Grupo Light Estrutura diversificada com atuação nos segmentos de distribuição, geração e comercialização de energia 2 Light em números Distribuição Estado RJ Área

Leia mais

Setor Elétrico Brasileiro Um Breve histórico. Pontos Básicos da regulação para a Distribuição. Desafios regulatórios Associados à Distribuição

Setor Elétrico Brasileiro Um Breve histórico. Pontos Básicos da regulação para a Distribuição. Desafios regulatórios Associados à Distribuição viii SUMÁRIO Apresentação Prefácio e Agradecimentos Introdução C a p í t u l o 1 Setor Elétrico Brasileiro Um Breve histórico 1.1 Mudanças ocorridas nos anos 1990 1.2 Avanços e aprimoramentos em 2003 C

Leia mais

Investimentos da AES Brasil chegam a R$ 1,1 bi em 2010 e meta é R$ 1,2 bi para 2011

Investimentos da AES Brasil chegam a R$ 1,1 bi em 2010 e meta é R$ 1,2 bi para 2011 Investimentos da AES Brasil chegam a R$ 1,1 bi em 2010 e meta é R$ 1,2 bi para 2011 Grupo aumentou quadro de colaboradores próprios em 29%. Juntas, AES Eletropaulo e AES Sul distribuíram energia para mais

Leia mais

PROPOSIÇÕES PARA O FORTALECIMENTO DA INDÚSTRIA DE EQUIPAMENTOS PARA GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TEMPOS DE CRISE

PROPOSIÇÕES PARA O FORTALECIMENTO DA INDÚSTRIA DE EQUIPAMENTOS PARA GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TEMPOS DE CRISE 1ºTri 00 3ºTri 00 1ºTri 01 3ºTri 01 1ºTri 02 3ºTri 02 1ºTri 03 3ºTri 03 1ºTri 04 3ºTri 04 1ºTri 05 3ºTri 05 1ºTri 06 3ºTri 06 1ºTri 07 3ºTri 07 1ºTri 08 3ºTri 08 1ºTri 09 3ºTri 09 1ºTri 10 3ºTri 10 1ºTri

Leia mais

Mercado de energia elétrica: condições atuais de atendimento à carga e tendências para 2015. Manoel Arlindo Zaroni Torres

Mercado de energia elétrica: condições atuais de atendimento à carga e tendências para 2015. Manoel Arlindo Zaroni Torres Mercado de energia elétrica: condições atuais de atendimento à carga e tendências para 2015 Manoel Arlindo Zaroni Torres São Paulo, 1 de outubro de 2014 Aviso importante Este material pode incluir declarações

Leia mais

Projeto Smart Grid. Visão Geral

Projeto Smart Grid. Visão Geral Projeto Smart Grid Visão Geral Contextualização Sobre o Smart Grid Smart Grid Light Estratégia da Light para os próximos anos 2 3-8 usinas - 98 SE - 111 SE - 7.500 2500 circuitos 19.685 km 1045 Dispositivos

Leia mais

O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída

O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída Fórum sobre Eficiência Energética e Geração Distribuída O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Superintendência de Pesquisa

Leia mais

3º. Seminário Nacional de Segurança e Saúde no Setor Elétrico Brasileiro

3º. Seminário Nacional de Segurança e Saúde no Setor Elétrico Brasileiro SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA, SAÚDE OCUPACIONAL E MEIO AMBIENTE: A EXPERIÊNCIA DA Rio de Janeiro, 2002 ! A Light - Serviços de Eletricidade S.A. foi constituída em 9 de julho de 1904, no Canadá, e recebeu

Leia mais

REDES DE ENERGIA ELÉTRICA INTELIGENTES

REDES DE ENERGIA ELÉTRICA INTELIGENTES REDES DE ENERGIA ELÉTRICA INTELIGENTES (SMART GRIDS) FAUSTO DE PAULA MENEZES BANDEIRA Consultor Legislativo da Área XII Recursos Minerais, Hídricos e Energéticos ABRIL/2012 Fausto de Paula Menezes Bandeira

Leia mais

AES ELETROPAULO. Workshop Smart Grid - FIESP 29/07/2015

AES ELETROPAULO. Workshop Smart Grid - FIESP 29/07/2015 AES ELETROPAULO Workshop Smart Grid - FIESP 29/07/2015 1 AES Eletropaulo AES Eletropaulo % Brasil Area Concessão 4,526 (km 2 ) 0,05% Brazil Consumidores 6,8 (milhões) 9% Brasil Energia 46 (TWh) 11% São

Leia mais

Melhoria na confiabilidade da aplicação dos reles digitais através do monitor MDP

Melhoria na confiabilidade da aplicação dos reles digitais através do monitor MDP Melhoria na confiabilidade da aplicação dos reles digitais através do monitor MDP Eng. Fernando Azevedo COPEL Distribuição Eng. Henrique Florido Filho - Pextron 1 A Copel Companhia Paranaense de Energia,

Leia mais

Consumo Consciente Energia Elétrica

Consumo Consciente Energia Elétrica Consumo Consciente Energia Elétrica Agosto 2010 Planeta SUSTENTABILIDADE NO CONSUMO Incentivo ao consumo responsável e consciente IMPORTÂNCIA DA ENERGIA PARA O GRUPO Compra energia elétrica de 23 concessionárias

Leia mais

Smart Grid e Net Metering no Brasil

Smart Grid e Net Metering no Brasil Smart Grid e Net Metering no Brasil Daniel Vieira Superintendência de Regulação dos Serviços de Distribuição SRD/ANEEL Cidade do México 30/01/2013 Sistema de Distribuição 63 concessionárias de distribuição

Leia mais

Contribuição do grupo Energisa à Consulta Pública nº 015/2010

Contribuição do grupo Energisa à Consulta Pública nº 015/2010 Rio de Janeiro, 09 de novembro de 2010. Contribuição do grupo Energisa à Consulta Pública nº 015/2010 Apresentamos nossas considerações acerca dos questionamentos apresentados na Nota Técnica nº043/2010-srd/aneel,

Leia mais

Disciplina: Fontes Alternativas de Energia

Disciplina: Fontes Alternativas de Energia Disciplina: Fontes Alternativas de Parte 1 Fontes Renováveis de 1 Cronograma 1. Fontes renováveis 2. Fontes limpas 3. Fontes alternativas de energia 4. Exemplos de fontes renováveis 1. hidrelétrica 2.

Leia mais

Classificação: Público

Classificação: Público Classificação: Público Classificação: Público Empresa Um dos maiores e mais sólidos grupos de energia elétrica do Brasil e América Latina, que completa 60 anos em 2012. Principais Atividades Energia: geração,

Leia mais

ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA SUPERINTENDÊNCIA DE PROJETOS DE GERAÇÃO (SPG) CHESF 1 TEMAS ABORDADOS PERFIL DA CHESF MATRIZ ENERGÉTICA FONTES DE ENERGIA RENOVÁVEIS & NUCLEAR ASPECTOS ECONÔMICOS

Leia mais

Projeto Cidades do Futuro Convênio D423 Cemig D

Projeto Cidades do Futuro Convênio D423 Cemig D Projeto Cidades do Futuro Convênio D423 Cemig D Tadeu Batista Coordenador Projeto Cidades do Futuro tbatista@cemig.com.br cidadesdofuturo@cemig.com.br www.cemig.com.br/smartgrid facebook.com/cemig.energia

Leia mais

Minigeração e Microgeração Distribuída no Contexto das Redes Elétricas Inteligentes. Djalma M. Falcão

Minigeração e Microgeração Distribuída no Contexto das Redes Elétricas Inteligentes. Djalma M. Falcão Smart Grid Trends & Best Practices 17 e 18 de Outubro de 2013 Salvador-BA Minigeração e Microgeração Distribuída no Contexto das Redes Elétricas Inteligentes Djalma M. Falcão Redes Elétricas Inteligentes

Leia mais

29/09/2010. Carlos Alberto FRÓES Lima, MsC Gilberto De Martino JANNUZZI, PhD FEM- Planejamento Energético Unicamp Brasil

29/09/2010. Carlos Alberto FRÓES Lima, MsC Gilberto De Martino JANNUZZI, PhD FEM- Planejamento Energético Unicamp Brasil Carlos Alberto FRÓES Lima, MsC Gilberto De Martino JANNUZZI, PhD FEM- Planejamento Energético Unicamp Brasil 28 a 30 de Setembro de 2010 Centro de Convenções Frei Caneca São Paulo BRASIL Metering, smart

Leia mais

A inserção das fontes de energia renováveis no processo de desenvolvimento da matriz energética do país: A participação da Energia Eólica

A inserção das fontes de energia renováveis no processo de desenvolvimento da matriz energética do país: A participação da Energia Eólica A inserção das fontes de energia renováveis no processo de desenvolvimento da matriz energética do país: A participação da Energia Eólica Elbia Melo 1 No ano de 2012, o Brasil figurou no cenário internacional

Leia mais

A Atuação da Finep em Energia e Tecnologias Limpas DENE

A Atuação da Finep em Energia e Tecnologias Limpas DENE A Atuação da Finep em Energia e Tecnologias Limpas DENE Agenda FINEP Departamento de Energia e Tecnologias Limpas DENE Programas Setoriais Inova Energia A Finep A Finep é uma empresa pública vinculada

Leia mais

INOVA ENERGIA. Plano Conjunto de Apoio à Inovação Propostas para atuação ANEEL BNDES FINEP

INOVA ENERGIA. Plano Conjunto de Apoio à Inovação Propostas para atuação ANEEL BNDES FINEP INOVA ENERGIA Plano Conjunto de Apoio à Inovação Propostas para atuação ANEEL BNDES FINEP Elementos de Articulação INOVA ENERGIA: Elementos da Proposta Fontes de Recursos Linhas Temáticas Subvenção, Crédito

Leia mais

Gestão de Ativos de Distribuição

Gestão de Ativos de Distribuição Gestão de Ativos de Distribuição Smart Grid na Cemig Denys Cláudio Cruz de Souza Superintendência de Desenvolvimento e Engenharia da Distribuição O que é Smart Grid? Sistema elétrico inteligente, que integra

Leia mais

Agenda Regulatória ANEEL 2014/2015 - Destaques

Agenda Regulatória ANEEL 2014/2015 - Destaques Agenda Regulatória ANEEL 2014/2015 - Destaques Carlos Alberto Mattar Superintendente - SRD 13 de março de 2014 Rio de Janeiro - RJ Sumário I. Balanço 2013 II. Pautas para GTDC - 2014 III. Principais audiências

Leia mais

Capítulo VIII. Antecipando o futuro para atender à demanda de smart grid. Smart grids Redes Inteligentes

Capítulo VIII. Antecipando o futuro para atender à demanda de smart grid. Smart grids Redes Inteligentes 40 Apoio Smart grids Redes Inteligentes Capítulo VIII Antecipando o futuro para atender à demanda de smart grid Por Flavio Roberto Antonio* As distribuidoras possuem uma necessidade de modernização não

Leia mais

XVII ENERJ. A Importância da Termoeletricidade na Matriz Elétrica Brasileira para os próximos 5 e 10 anos. Cenário de uso reduzido de reservatórios

XVII ENERJ. A Importância da Termoeletricidade na Matriz Elétrica Brasileira para os próximos 5 e 10 anos. Cenário de uso reduzido de reservatórios XVII ENERJ A Importância da Termoeletricidade na Matriz Elétrica Brasileira para os próximos 5 e 10 anos. Cenário de uso reduzido de reservatórios 27 de novembro de 2015 1 Considerações Iniciais Cenário

Leia mais

DESAFIOS DO SETOR ENERGÉTICO NO RIO GRANDE DO SUL

DESAFIOS DO SETOR ENERGÉTICO NO RIO GRANDE DO SUL DESAFIOS DO SETOR ENERGÉTICO NO RIO GRANDE DO SUL Humberto César Busnello A SITUAÇÃO ENERGÉTICA DO RIO GRANDE DO SUL TEM QUE SER VISTA NO CONTEXTO DO MODELO DO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO, ESPECIALMENTE

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO DE INVESTIMENTOS EM P&D

PLANO ESTRATÉGICO DE INVESTIMENTOS EM P&D 1 PLANO ESTRATÉGICO DE INVESTIMENTOS EM P&D 2014-2018 3 4 Introdução 6 O Desenvolvimento do Plano Estratégico de Investimentos em P&D 12 Caracterização dos Temas para Projetos de P&D Light SESA 44 Caracterização

Leia mais

AES Eletropaulo. Area Concessão. Energia. Eletropaulo. Brasil. 4,526 (km 2 ) 0,05% 6,8 (milhões) 46 (TWh) 11% Brasil.

AES Eletropaulo. Area Concessão. Energia. Eletropaulo. Brasil. 4,526 (km 2 ) 0,05% 6,8 (milhões) 46 (TWh) 11% Brasil. AES ELETROPAULO 1 AES Eletropaulo AES Eletropaulo % Brasil Area Concessão 4,526 (km 2 ) 0,05% Brazil Consumidores 6,8 (milhões) 9% Brasil Energia 46 (TWh) 11% São Paulo Estado 2 PROJETO AES ELETROPAULO

Leia mais

Projeto InovCity Status de execução e principais aprendizados para o desenvolvimento futuro das smart grids no Brasil

Projeto InovCity Status de execução e principais aprendizados para o desenvolvimento futuro das smart grids no Brasil Projeto InovCity Status de execução e principais aprendizados para o desenvolvimento futuro das smart grids no Brasil São Paulo, 27 de Novembro de 2013 Agenda Grupo EDP Apresentação do projeto Status de

Leia mais

5% o consumo residencial no horário de pico, entre 18h e 21h, segundo Pepitone, diretor da ANEEL. Isto equivale, segundo ele, ao consumo de uma

5% o consumo residencial no horário de pico, entre 18h e 21h, segundo Pepitone, diretor da ANEEL. Isto equivale, segundo ele, ao consumo de uma 58 5 Smart Grid Segundo especialistas da área de energia, o smart grid pode ser definido como uma Rede Elétrica Inteligente que distribui energia elétrica com auxílio de tecnologia digital, monitorando

Leia mais

V Conferência da RELOP - Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa

V Conferência da RELOP - Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa V Conferência da RELOP - Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa Aspetos regulatórios da energia renovável no Brasil Fernando Colli Munhoz Assessor Sup. de Regulação

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 005/2014

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 005/2014 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 005/2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: Celesc Distribuição S.A. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: Nota Técnica nº 025/2014

Leia mais

Projetos de Pesquisa e Desenvolvimento P&D. Companhia Energética do Maranhão - CEMAR. Última atualização:

Projetos de Pesquisa e Desenvolvimento P&D. Companhia Energética do Maranhão - CEMAR. Última atualização: Projetos de Pesquisa e Desenvolvimento P&D Companhia Energética do Maranhão - CEMAR Última atualização: Março/2015 Título do Projeto: Desenvolvimento de Cabeça de Série de Transformador com Medição Integrada

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 Índice Conceito de Energia Renovável Energias Renováveis no Brasil Aspectos Gerais de Projetos Eólicos, a Biomassa e PCHs Outorga de Autorização de Projetos Incentivos

Leia mais

Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável

Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável Gilberto Hollauer Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético Abril de 2015 1 Sumário Política Energética

Leia mais

Pesquisa e Desenvolvimento que geram avanços

Pesquisa e Desenvolvimento que geram avanços P&D O compromisso das empresas com o desenvolvimento sustentável por meio da energia limpa e renovável será demonstrado nesta seção do relatório. Nela são disponibilizados dados sobre a Pesquisa, Desenvolvimento

Leia mais

PROJETO UTE PAMPA SUL

PROJETO UTE PAMPA SUL PROJETO UTE PAMPA SUL 21/Junho/10 Tractebel Energia GDF SUEZ - Todos os Direitos Reservados 1 UTLC 363 MW SISTEMA ELÉTRICO BRASILEIRO EMPREENDEDOR PROJETO DA UTE PAMPA SUL 2 Sistema Elétrico Brasileiro

Leia mais

SMART GRID COPA E OLIMPÍADA SUSTENTÁVEL! Paulo Roberto Pedroso de Oliveira (11) 3378 8600 (11) 9935 9080 paulo @ascx.com.br http://www.ascx.com.

SMART GRID COPA E OLIMPÍADA SUSTENTÁVEL! Paulo Roberto Pedroso de Oliveira (11) 3378 8600 (11) 9935 9080 paulo @ascx.com.br http://www.ascx.com. SMART GRID COPA E OLIMPÍADA SUSTENTÁVEL! Paulo Roberto Pedroso de Oliveira (11) 3378 8600 (11) 9935 9080 paulo @ascx.com.br http://www.ascx.com.br É DIFÍCIL FAZER ALGUÉM MUDAR DE COMPORTAMENTO, SE ÊLE

Leia mais

SP COGEN Master Plan 2020

SP COGEN Master Plan 2020 SP COGEN Master Plan 2020 São Paulo 01de Agosto de 2013 1 Introdução Motivação Expansão imobiliária Restrições pontuais nas redes de distribuição em áreas de grande mutação urbana Interesse crescente na

Leia mais

Desafios Técnicos e Socioeconômicos da Oferta de Energia

Desafios Técnicos e Socioeconômicos da Oferta de Energia Desafios Técnicos e Socioeconômicos da Oferta de Energia Nelson Leite Presidente da ABRADEE 1 Porto Alegre, 18 de junho de 2015 1 Agenda 1 - Panorama do setor de distribuição de E. Elétrica 2 - Perspectivas

Leia mais

Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Garantia para o sistema

Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Garantia para o sistema Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Garantia para o sistema Duas importantes medidas foram anunciadas no fim de março pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) para tornar mais

Leia mais

Riscos e Oportunidades do Mercado de Energia Elétrica

Riscos e Oportunidades do Mercado de Energia Elétrica PwC Energy Day 1º Seminário sobre aspectos de energia elétrica Riscos e Oportunidades do Mercado de Energia Elétrica Claudio J. D. Sales Rio de Janeiro, 20 de setembro de 2011 O conteúdo deste relatório

Leia mais

COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO. SOLUÇÕES INTEGRADAS EM ÁGUA E ENERGIA ELÉTRICA Tema 3: Eficiência Energética

COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO. SOLUÇÕES INTEGRADAS EM ÁGUA E ENERGIA ELÉTRICA Tema 3: Eficiência Energética COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO V CIERTEC - SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE GESTÃO DE PERDAS, EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA E PROTEÇÃO DA RECEITA NO SETOR ELÉTRICO Área

Leia mais

Crescimento com Sustentabilidade

Crescimento com Sustentabilidade Crescimento com Sustentabilidade Djalma Bastos de Morais Diretor Presidente Maio de 2008 1/XX Investimentos asseguram agregação de valor Nossa política de investimentos garante crescimento sustentável:

Leia mais

Petrobras aprova Plano de Negócios 2010-2014

Petrobras aprova Plano de Negócios 2010-2014 1 Petrobras aprova Plano de Negócios 2010-2014 O Conselho de Administração aprovou o Plano de Negócios 2010-2014, com investimentos totais de US$ 224 bilhões, representando a média de US$ 44,8 bilhões

Leia mais

Projetos de Pesquisa e Desenvolvimento P&D. Companhia Energética do Maranhão - CEMAR. Última atualização:

Projetos de Pesquisa e Desenvolvimento P&D. Companhia Energética do Maranhão - CEMAR. Última atualização: Projetos de Pesquisa e Desenvolvimento P&D Companhia Energética do Maranhão - CEMAR Última atualização: Março/2016 PROGRAMA DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO CEMAR CONCLUÍDO 2015 Título do Projeto: Sistema

Leia mais

PROJETO DE UM MICRO INVERSOR INTEGRADO AOS PAINÉIS SOLARES PARA APLICAÇÃO EM CONSUMIDORES RESIDENCIAIS Solução n o 411

PROJETO DE UM MICRO INVERSOR INTEGRADO AOS PAINÉIS SOLARES PARA APLICAÇÃO EM CONSUMIDORES RESIDENCIAIS Solução n o 411 PROJETO DE UM MICRO INVERSOR INTEGRADO AOS PAINÉIS SOLARES PARA APLICAÇÃO EM CONSUMIDORES RESIDENCIAIS Solução n o 411 Eng. João Marcos Castro Soares (Diretor de P&D) São Paulo, 29 de abril de 2015 REIVAX

Leia mais

Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável

Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável Anexo III da Resolução n o 1 da CIMGC Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução A atividade de projeto do Projeto de MDL das Usinas Eólicas Seabra, Novo Horizonte

Leia mais

Smart Energy Energias Inteligentes A Visão da Indústria, Instituições de P&D e Especialistas Álvaro Dias Júnior

Smart Energy Energias Inteligentes A Visão da Indústria, Instituições de P&D e Especialistas Álvaro Dias Júnior Smart Energy Energias Inteligentes Álvaro Dias Júnior 8 de maio de 2014, Curitiba Cenário Econômico Brasileiro A importância do Brasil tanto na área econômica quanto política, tem aumentado nos últimos

Leia mais

Mercado de Energia: O Futuro dos Ambientes de Contratação Livre e Regulado Rui Altieri Presidente do Conselho de Administração da CCEE

Mercado de Energia: O Futuro dos Ambientes de Contratação Livre e Regulado Rui Altieri Presidente do Conselho de Administração da CCEE Richard Lee Hochstetler Instituto Acende Brasil Mercado de Energia: O Futuro dos Ambientes de Contratação Livre e Regulado Rui Altieri Presidente do Conselho de Administração da CCEE MERCADO DE ENERGIA:

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA ANEEL nº 003/2007 (ap003_2007@aneel.gov.br) Contribuições da TRACTEBEL ENERGIA S.A.

AUDIÊNCIA PÚBLICA ANEEL nº 003/2007 (ap003_2007@aneel.gov.br) Contribuições da TRACTEBEL ENERGIA S.A. Introdução AUDIÊNCIA PÚBLICA ANEEL nº 003/2007 (ap003_2007@aneel.gov.br) Contribuições da TRACTEBEL ENERGIA S.A. A Tractebel Energia, isoladamente ou por meio da APINE, vem estudando e discutindo o tema

Leia mais

Uma Agenda Para o Desenvolvimento do Setor Elétrico Brasileiro. Joisa Dutra 1

Uma Agenda Para o Desenvolvimento do Setor Elétrico Brasileiro. Joisa Dutra 1 Uma Agenda Para o Desenvolvimento do Setor Elétrico Brasileiro. Joisa Dutra 1 O desenvolvimento do setor elétrico é essencial para promover crescimento do Brasil. Entretanto, a conjuntura atual do setor

Leia mais

Da ideia ao mercado Um caminho de percalços

Da ideia ao mercado Um caminho de percalços Da ideia ao mercado Um caminho de percalços CONTEXTO REGULATÓRIO % da ROL a ser investido em P&D Investimento Recolhimento SEGMENTO P&D Light FNDCT MME Light SESA 0,2% 0,2% 0,1% Light Energia 0,4% 0,4%

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

HÁ 130 ANOS A FURUKAWA PARTICIPA ATIVAMENTE NA VIDA DAS PESSOAS, ATRAVÉS DA CONTÍNUA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA.

HÁ 130 ANOS A FURUKAWA PARTICIPA ATIVAMENTE NA VIDA DAS PESSOAS, ATRAVÉS DA CONTÍNUA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA. HÁ 130 ANOS A FURUKAWA PARTICIPA ATIVAMENTE NA VIDA DAS PESSOAS, ATRAVÉS DA CONTÍNUA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA. CRIANDO SOLUÇÕES COMPLETAS PARA EMPRESAS E PESSOAS DATA CENTER SOLUÇÃO ITMAX ENTERPRISE REDES

Leia mais

3º Congresso Internacional de Tecnologias para o Meio Ambiente. Bento Gonçalves RS, Brasil, 25 a 27 de Abril de 2012

3º Congresso Internacional de Tecnologias para o Meio Ambiente. Bento Gonçalves RS, Brasil, 25 a 27 de Abril de 2012 Segurança energética, energia renovável e geração termelétrica: o caso do suprimento às capitais sede da Copa de 2014 Marina Seelig 1, Lauren Anne Botelho 2, Paulo Smith Schneider 3 1 Grupo de Estudos

Leia mais

- Projeto & Concepção - Solicitação de Acesso - Venda de Equipamentos - Instalação - Conexão com Distribuidora. Campinas

- Projeto & Concepção - Solicitação de Acesso - Venda de Equipamentos - Instalação - Conexão com Distribuidora. Campinas A Blue Sol Energia Solar visa disseminar a tecnologia fotovoltaica e o conhecimento sobre os temas no Brasil promovendo, portanto, uma fonte limpa, renovável e inesgotável de energia, alinhada com a crescente

Leia mais

USO ESTRATÉGICO DA ÁGUA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES

USO ESTRATÉGICO DA ÁGUA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES USO ESTRATÉGICO DA ÁGUA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES Pontos Principais... A Sabesp tem compromisso com a política pública e com critérios de eficiência de mercado O novo marco regulatório do saneamento encerra

Leia mais

Apresentação Câmara dos Deputados. CEG - Gas Natural Fenosa

Apresentação Câmara dos Deputados. CEG - Gas Natural Fenosa Apresentação Câmara dos Deputados CEG - Gas Natural Fenosa Operação e manutenção do Sistema Subterrâneo de Gás Canalizado no RJ 23 de agosto de 2011 1 Um Grupo Mundial presente no Brasil 25 países Mais

Leia mais

Luiz Carlos Santini Jr Gerente de Perdas Comerciais Enersul Brasil

Luiz Carlos Santini Jr Gerente de Perdas Comerciais Enersul Brasil Luiz Carlos Santini Jr Gerente de Perdas Comerciais Enersul Brasil 19 a 21 de outubro de 2009 Hotel Transamérica São Paulo BRASIL Enersul Empresa Energética de Mato Grosso do Sul Enersul Empresa distribuidora

Leia mais

GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA HIDRELÉTRICA-SISTEMA ELÉTRICO

GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA HIDRELÉTRICA-SISTEMA ELÉTRICO GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA HIDRELÉTRICA-SISTEMA ELÉTRICO HIDRELÉTRICAS Definição Originada a partir da energia solar, responsável pela evaporação da água; A água que precipita é armazenada na forma de

Leia mais

Dinâmica Empresarial e Mecanismo de Formação de Preço Seminário Internacional de Integração Energética Brasil Colômbia

Dinâmica Empresarial e Mecanismo de Formação de Preço Seminário Internacional de Integração Energética Brasil Colômbia Dinâmica Empresarial e Mecanismo de Formação de Preço Seminário Internacional de Integração Energética Brasil Colômbia Antônio Carlos Fraga Machado Presidente do Conselho de Administração da CCEE 15 de

Leia mais

Seminário: Energia e Meio Ambiente A origem hídrica da crise de energia

Seminário: Energia e Meio Ambiente A origem hídrica da crise de energia Seminário: Energia e Meio Ambiente A origem hídrica da crise de energia José Henrique R. Cortez Câmara de Cultura José Henrique Cortez 1 Energia e Meio Ambiente Crise Energética? José Henrique Cortez 2

Leia mais

DEMANDA GT SOLUÇÕES PARA AUDITORIA CONTÍNUA

DEMANDA GT SOLUÇÕES PARA AUDITORIA CONTÍNUA DEMANDA GT SOLUÇÕES PARA AUDITORIA CONTÍNUA OBJETIVOS Desenvolvimento de metodologia e sistema de automação do monitoramento de riscos e controles organizacionais para: Minimização dos riscos regulatórios

Leia mais

Projetos InovCityEDP. Rio de Janeiro, 15 de Maio de 2014

Projetos InovCityEDP. Rio de Janeiro, 15 de Maio de 2014 Projetos InovCityEDP Rio de Janeiro, 15 de Maio de 2014 Agenda Soluções Smart Grid implantadas na EDP Projeto InovCity Aparecida Projeto InovCity ES Desafios para o Setor Elétrico Barreiras à serem vencidas

Leia mais

São Paulo, 28 de abril de 2006. Ref.: Contribuição à Consulta Pública Plano Decenal de Energia Elétrica PDEE 2006/2015

São Paulo, 28 de abril de 2006. Ref.: Contribuição à Consulta Pública Plano Decenal de Energia Elétrica PDEE 2006/2015 São Paulo, 28 de abril de 2006 CT/301/2006 Excelentíssimo Senhor Silas Rondeau Ministério de Minas e Energia Brasília DF CC: Ministério de Minas e Energia Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético

Leia mais

Aspectos Regulatórios de Redes Inteligentes no Brasil

Aspectos Regulatórios de Redes Inteligentes no Brasil IEEE Workshop SMART GRID Trends & Best Practices Aspectos Regulatórios de Redes Inteligentes no Brasil Marco Aurélio Lenzi Castro Superintendência de Regulação dos Serviços de Distribuição SRD/ANEEL Salvador,

Leia mais

Células de combustível

Células de combustível Células de combustível A procura de energia no Mundo está a aumentar a um ritmo alarmante. A organização WETO (World Energy Technology and Climate Policy Outlook) prevê um crescimento anual de 1,8 % do

Leia mais

Orçamento ANEXO III ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS CONTROLADAS PELO ESTADO

Orçamento ANEXO III ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS CONTROLADAS PELO ESTADO Governo do Estado de Minas Gerais Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão Subsecretaria de Planejamento, Orçamento e Qualidade do Gasto Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária

Leia mais

Monitoramento da Qualidade do Serviço no Brasil Visão do Órgão Regulador

Monitoramento da Qualidade do Serviço no Brasil Visão do Órgão Regulador Monitoramento da Qualidade do Serviço no Brasil Visão do Órgão Regulador 4º Congreso Internacional de Supervisión del Servicio Eléctrico Romeu Donizete Rufino Diretor-Geral da ANEEL 27 de novembro de 2014

Leia mais

DIAGNÓSTICO E DEFINIÇÃO DE SOLUÇÕES

DIAGNÓSTICO E DEFINIÇÃO DE SOLUÇÕES Somos uma empresa brasileira, especializada em soluções de automação de máquinas e processos industriais, instalação, comissionamento e segurança de infraestrutura elétrica e de máquinas, microgeração

Leia mais

A Regulação para o Estabelecimento do Mercado de Energia Fotovoltaica no Brasil - O Papel da ANEEL -

A Regulação para o Estabelecimento do Mercado de Energia Fotovoltaica no Brasil - O Papel da ANEEL - Inova FV Workshop Inovação para o Estabelecimento do Setor de Energia Solar Fotovoltaica no Brasil A Regulação para o Estabelecimento do Mercado de Energia Fotovoltaica no Brasil - O Papel da ANEEL - Armando

Leia mais

Chegou Kwara. para o Brasil brilhar cada vez mais

Chegou Kwara. para o Brasil brilhar cada vez mais Chegou Kwara. para o Brasil brilhar cada vez mais Chegou Kwara, uma nova geração em energia. Uma empresa de eficiência energética que presta serviços especializados de manutenção em plantas de geração

Leia mais