GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO IFRN/CAMPUS NATAL - ZONA NORTE: UMA ABORDAGEM CRÍTICA-CONSTRUTIVA À LUZ DE UMA NOVA PROPOSTA DE GESTÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO IFRN/CAMPUS NATAL - ZONA NORTE: UMA ABORDAGEM CRÍTICA-CONSTRUTIVA À LUZ DE UMA NOVA PROPOSTA DE GESTÃO"

Transcrição

1 GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO IFRN/CAMPUS NATAL - ZONA NORTE: UMA ABORDAGEM CRÍTICA-CONSTRUTIVA À LUZ DE UMA NOVA PROPOSTA DE GESTÃO Gracielle Rodrigues Dantas Mestranda em Ciências Biológicas na Universidade Federal do Rio Grande do Norte UFRN Bacharel e Licenciada em Ciências Biológicas pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN Técnica em Controle Ambiental pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte - IFRN Janaína Silva de Morais Técnica em Controle Ambiental pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte IFRN Graduanda em Pedagogia pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN José Beldson Elias Ramos Engenheiro Civil pela Universidade Federal de Campina Grande Mestre em Engenharia pela Universidade Federal de Campina Grande Doutor em Geociências pela Universidade Federal de Pernambuco - UFPE Endereço: Rua Rio dos Sinos, nº. 328, Conjunto Parque dos Coqueiros Bairro Nossa Senhora da Apresentação Natal RN CEP: Brasil Tel: +55 (84) RESUMO A partir da Revolução Industrial houve a transformação na quantidade e composição dos resíduos gerados. Dessa forma, toneladas de matérias-primas ao serem industrializadas e consumidas geraram rejeitos e resíduos. Entre os locais que contribuem para a geração de resíduos destaca-se o ambiente escolar, uma vez que há a produção dos mesmos em quantidades significativas. A escola é de fundamental importância na produção de conhecimento e na formação de indivíduos capazes de entender e serem responsáveis pelo ambiente em que vivem. Desse modo, destaca-se o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte IFRN, sendo o alvo desse estudo o campus Natal Zona Norte. O presente trabalho tem como objetivo realizar uma abordagem crítica-construtiva das condições de limpeza do IFRN/Campus Natal Zona Norte, com a finalidade de propor um modelo de gestão e gerenciamento, mediante a caracterização dos resíduos. Este estudo se caracterizou como uma pesquisa de abordagem descritivaexplorátoria de caráter quali-quantitativa, sendo realizadas entrevistas com a Direção de Apoio Acadêmico e a Coordenação dos serviços de limpeza; e aplicados questionários com a comunidade escolar interna. Também foi realizada a caracterização dos resíduos e a observação in loco de todo o processo de gerenciamento dos resíduos sólidos da instituição. Percebeu-se que alguns profissionais da equipe de limpeza não utilizam os equipamentos de proteção individuais adequadamente. Os servidores não conhecem o quanto é produzido por suas atividades, contribuindo para a geração dispendiosa de resíduos. Os alunos e professores possuem uma consciência positiva em relação ao meio ambiente e aos resíduos sólidos, porém, a falta de uma contínua educação ambiental gera atitudes inadequadas em relação a essas questões. Após a análise dos dados foi proposto um plano de gerenciamento. Assim, acredita-se que a partir da efetivação do plano de gerenciamento, a comunidade escolar crie uma consciência sobre o desperdício, à escassez dos recursos naturais não renováveis e a importância econômica, social e ambiental na tomada de atitudes corretas. Palavras chave: Resíduos Sólidos, Plano de Gerenciamento, IFRN/ZN. INTRODUÇÃO A partir da Revolução Industrial, ocorrida no final do século XIX, grandes modificações ocorreram. Aliada a essa mudança, houve uma grande transformação na quantidade e na composição dos resíduos gerados pela sociedade. Esses eram basicamente compostos de restos de alimentos, vidro, cerâmica, papel e metal e a eles passaram a incorporar o plástico e outros resíduos oriundos de atividades agrícolas e industriais. Assim, as modificações ambientais advindas de ações antrópicas levaram à alteração de ambientes naturais, poluição do meio ambiente físico e consumo de recursos naturais sem critérios. Nesse ambiente onde a natureza é

2 profundamente agredida, toneladas de matérias-primas, provenientes dos mais diversos lugares do planeta, são industrializadas e consumidas gerando, assim, rejeitos e resíduos, que comumente são chamados de lixo. A palavra lixo origina-se do latim lix que significa cinzas ou lixívia (BIDONE; POVINELLI, 1999). Os resíduos sólidos apresentam-se nos estados sólidos e semi-sólidos, resultantes das atividades do homem e dos animais e abandonados como imprestáveis e indesejáveis. (LEME, 1984). De acordo com Fundação Nacional de Saúde - FUNASA, os resíduos sólidos são materiais heterogêneos, (inertes, minerais e orgânicos) resultantes das atividades humanas e da natureza, os quais podem ser parcialmente utilizados, gerando, entre outros aspectos, proteção à saúde pública e economia de recursos naturais. (BRASIL, 2006, p. 227). A produção de resíduos sólidos faz parte do cotidiano do ser humano, que devido ao aumento da população humana, à concentração dessa população em centros urbanos, à forma e ao ritmo da ocupação desses espaços e ao modo de vida com base na produção e consumo cada vez mais rápidos de bens, os problemas causados pelos resíduos gerados tendem a ser tornarem mais perceptíveis. Dessa forma, esses resíduos ora considerados como rejeitos, devem ser manejados e destinados de forma adequada. Assim, os sistemas de resíduos sólidos constituem conjuntos ordenados de estruturas e serviços cujo objetivo é solucionar o manejo e a destinação de resíduos de forma sanitária e ambientalmente segura e viável do ponto de vista econômico. As atividades básicas do sistema são: a coleta, o acondicionamento, o transporte, o tratamento e a disposição final dos resíduos sólidos (OLIVEIRA, 1992). Dentre as instituições da sociedade podemos destacar as educacionais, as quais apresentam o desenvolvimento de variadas atividades pedagógico-administrativas, além de atividades oriundas da alimentação em cantinas e/ou refeitórios. Todas essas atividades por sua vez costumam gerar uma relevante quantidade de resíduos, os quais compreendem materiais como papel, plástico, papelão, metal, e ainda resíduos originados da alimentação. Algumas instituições de ensino desenvolvem projetos de pesquisa, na tentativa de buscar alternativas para a problemática do lixo (RAMOS, [1999?]). Dentre elas destacam-se a Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS) na Bahia e a Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) em São Paulo, que desenvolvem projetos de coleta seletiva do lixo, visando ao aproveitamento dos resíduos gerados nesses campus. A escola é um instrumento de conscientização e de fundamental importância na produção de conhecimento e na preocupação na formação de indivíduos capazes de entender e serem responsáveis pelo meio ambiente em que vivem. Essa conscientização pode e deve ser iniciada na escola, devido o seu papel educacional e responsabilidade na formação social, cultural e científica dos alunos, professores e servidores, no que diz respeito a várias temáticas a serem trabalhadas, como por exemplo, os resíduos gerados nas atividades da instituição. Sendo assim, o processo de construção de uma postura de comportamentos e atitudes se faz necessário para a transformação desse espaço escolar em ambiente de prazer, saúde e cidadania. No Estado do Rio Grande do Norte podemos destacar os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia do RN - IFRN, que possuem a função social de promover educação científico-tecnológicohumanística visando à formação integral do profissional cidadão crítico-reflexivo, competente técnica e eticamente e comprometido efetivamente com as transformações sociais, políticas e culturais. Atualmente o IFRN, além do Campus Central, localizado na Capital do Estado, possui outros 11 campi. Desses, o Campus da Zona Norte de Natal está funcionando há pouco mais de 2 anos. Apesar do pouco tempo de funcionamento o Campus Natal Zona Norte possui uma estrutura física, administrativa e pedagógica de uma instituição de médio porte, contendo uma comunidade escolar de aproximadamente 840 pessoas. Com um número significante de pessoas que a escola atende, a produção de resíduos sólidos gerados pela instituição é relevante, necessitando assim de uma atenção especial para esses resíduos. Dentre as inúmeras posturas que a escola deve adquirir em relação aos seus resíduos sólidos, deve-se destacar a importância de um plano de gerenciamento desses resíduos como forma de contribuir para a questão ambiental e assumir o seu papel de conscientizadora e formadora de cidadãos conscientes. Diante do exposto acima, o presente trabalho investigativo tem como princípio geral realizar uma abordagem crítica-construtiva das condições de limpeza do IFRN/Campus Natal Zona Norte, com a finalidade de propor um modelo de gestão e gerenciamento, mediante a caracterização dos resíduos. Como forma de justificar o tema, é visto que o atual padrão de consumo resultante de um modelo de desenvolvimento econômico, onde o possuir sobrepõe e ser vem provocando excessiva geração de resíduos sólidos, provenientes principalmente da industrialização e da descartabilidade dos produtos. Esses resíduos geralmente têm acondicionamento e destinos inadequados, causando diversos impactos ambientais e sociais, como contaminação do solo e das águas, propiciando locais de criadouros para vetores transmissores de doenças ao homem, além da degradação humana nos lixões.

3 Para diminuir a problemática dos resíduos sólidos é necessário sensibilizar os seres humanos no sentido de reduzir o consumo, reutilizar e reciclar os resíduos gerados, além de repensar as atitudes que degradam o meio ambiente, principalmente no que diz respeito ao acondicionamento e ao destino dos resíduos produzidos. O gerenciamento de resíduos sólidos é de extrema importância, devendo ocorrer de forma correta desde a geração nas residências e estabelecimentos comerciais até as instituições. Um plano de gerenciamento de resíduos tem como principal função orientar e definir objetivos, metas e diretrizes para a correta destinação dos resíduos produzidos pela instituição. Por isso se faz necessário, principalmente, em instituições de médio e grande porte, o correto gerenciamento dos resíduos produzidos, com o intuito de prevenir, reduzir, segregar, reutilizar, acondicionar, coletar, transportar, tratar e dar a destinação final adequada a esses resíduos. Propostas de gerenciamento adequado dos resíduos sólidos e de educação ambiental desenvolvidas junto à comunidade escolar possibilitam a propagação do conhecimento e promoção dos princípios da sustentabilidade, buscando mudanças de atitudes em relação aos problemas econômicos, sociais e ambientais que cercam a questão dos resíduos sólidos. Essas ações contribuem para efetivar o papel da escola como instituição formadora de cidadãos conscientes de seu papel na sociedade e na relação com o meio ambiente e com o seu semelhante. A avaliação da situação atual do gerenciamento dos resíduos sólidos do IFRN/Campus Natal Zona Norte torna-se indispensável para elaborar um modelo eficiente de gerenciamento, o que faz desse estudo relevante e colaborador para a melhoria e efetivação do papel da escola em relação aos seus resíduos sólidos. METODOLOGIA Esse estudo se caracteriza como uma pesquisa de abordagem descritiva-explorátoria de caráter qualiquantitativa, pelo fato de observar e descrever a realidade do objeto investigado, caracterizando fenômenos e populações, dando uma visão abrangente sobre o nível de conscientização e comprometimento da comunidade escolar em relação aos resíduos gerados, como também, a quantidade e os tipos de resíduos produzidos pela instituição. A população considerada foi toda a comunidade escolar interna. Foram realizadas entrevistas com a Direção de Apoio Acadêmico e a Coordenação da equipe de limpeza; e aplicados questionários com 08 servidores administrativos, 09 funcionários da equipe de limpeza, 06 professores e 100 alunos da escola. Como forma de verificar a quantidade e a qualidade dos resíduos produzidos pela instituição, foi realizada a caracterização física dos mesmos. Também foi feita a observação e o registro das atividades diárias realizadas pela equipe de limpeza, a fim de registrar e acumular informações sobre o atual gerenciamento dos resíduos da instituição. Após a realização da coleta dos dados, da observação in loco e do levantamento bibliográfico, os dados foram tabulados e avaliados com o intuito de possibilitar o alcance dos objetivos propostos pelo trabalho. ANALISANDO O ATUAL GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO IFRN/CAMPUS NATAL - ZONA NORTE O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte IFRN/ Campus Natal Zona Norte, localizado na Rua Brusque, n 2926, Conjunto Santa Catarina Bairro Potengi Natal/RN, oferece à população cursos que compreendem cursos técnicos de nível médio, como informática, eletrotécnica, manutenção de computadores, sistemas de informação, eletrônica e comércio. Ainda, oferece cursos de formação inicial e continuada, como operação de computadores, montagem e instalação de computadores, desenvolvimento de web sites, programação, língua inglesa, eletricista predial e gestão e vendas. A instituição é dotada de uma infra-estrutura composta por salas de administração, auditório (capacidade para 160 lugares) e sala de audiovisual (capacidade para 60 pessoas), biblioteca e laboratório de estudos de informática, salas de aula e laboratório de línguas, laboratório de química, biologia, física e matemática, laboratórios de informática, laboratórios de eletricidade e eletrônica de potência, eletrônica analógica e digital, manutenção de computadores, redes de computadores, salas de servidores e sala de estudos de servidores, área de convivência, lanchonete/restaurante e lojinha, setor de saúde (atendimento médico e odontológico, enfermagem), assistência estudantil (psicologia e serviço social, diretório acadêmico) e quadra coberta. O quadro de servidores e funcionários da escola contempla aproximadamente 840 pessoas, das quais 48 são funcionários e servidores, 42 constituem o quadro docente da instituição e 730 completam o quadro de alunos do IFRN.

4 Atualmente, a instituição está em processo de expansão e crescimento da área física, com a construção de novas salas de aula e espaços de convivência, e sendo assim, o quadro de pessoas do corpo institucional irá sofrer um relevante aumento quantitativo brevemente. DIAGNÓSTICO ATUAL DO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO IFRN/CAMPUS NATAL - ZONA NORTE Com o intuito de se realizar um diagnóstico inicial sobre o gerenciamento dos resíduos sólidos da instituição, foi feita uma entrevista com o responsável pelo setor de limpeza do IFRN Campus Natal-Zona Norte. Os quesitos avaliados durante a entrevista contemplaram todas as etapas inerentes ao gerenciamento, desde a segregação até a destinação final. A partir da entrevista, com relação aos resíduos produzidos na instituição, percebeu-se que não se há um valor exato sobre a produção e nem uma caracterização qualitativa dos mesmos. Como exemplos dos materiais produzidos têm-se material comum, reciclável, orgânico, eletrônico e serviços de saúde, o que se justifica pelo fato de a instituição possui ambulatório para atendimentos da comunidade escolar. Relacionado à segregação dos resíduos, foi informado que a mesma ocorre de forma satisfatória, sendo realizada a partir da colaboração da comunidade escolar interna, cuja separação dos materiais gerados se dá através da disposição dos mesmos nos respectivos coletores que a instituição possui. De acordo com os aspectos sobre acondicionamento, foi relatado que os coletores disponibilizados no IFRN/ZN constituem-se de: 1 coletor destinado à coleta seletiva, 3 coletores estacionários disponibilizados pelos corredores centrais da escola, 5 coletores estacionários duplos, para papel e resíduo comum, 5 coletores destinados aos resíduos gerados na área da cantina/refeitório e ainda três carros coletores do tipo Lutocar para o transporte interno dos resíduos da instituição. Ainda, sobre o serviço de varrição, foi descrito que esse ocorre manualmente, sendo realizado diariamente nas salas de aula, ocorrendo quatro vezes ao dia; os corredores são varridos com a freqüência de duas vezes ao dia, enquanto que os banheiros são varridos três vezes ao dia. A freqüência de limpeza e esvaziamento dos resíduos dispostos nos coletores das áreas comuns ocorre uma vez ao dia. Aos sábados, também é feita uma limpeza geral da escola, com carga horária de 4 horas para a realização de todas as etapas do gerenciamento. A coleta dos resíduos dos banheiros acontece 3 vezes ao dia. A entrevista ainda relatou que com relação ao acondicionamento temporário interno, foi observado que esse é feito a partir de três carros coletores do tipo Lutocar que também são utilizados para o transporte dos resíduos até a casa do lixo, que por sua vez constitui-se no local físico de armazenamento externo. A coleta externa dos resíduos da instituição ocorre três vezes por semana, através do serviço de limpeza pública municipal (Companhia de Serviços Urbanos de Natal - URBANA). Para os resíduos do serviço de saúde a coleta ocorre duas vezes por semana, por uma empresa especializada na remoção desses resíduos (SERQUIP - Tratamento de Resíduos Ltda). Vale ressaltar que, ainda na entrevista realizada, o responsável pelo setor da limpeza revelou não existir nenhum tratamento de resíduos dentro da instituição, sendo apenas realizado o reaproveitamento/reutilização de resíduos, como o papel, nas atividades administrativas. Após a realização da entrevista, e como forma de se aproximar da realidade do objeto de estudo e com a finalidade de confrontar e complementar os dados obtidos na mesma, foi realizada pelas pesquisadoras a observação in loco de todas as etapas do processo de gerenciamento dos resíduos sólidos da instituição. A primeira etapa observada foi a segregação, onde foi visto que em alguns coletores ocorre a mistura de materiais como plástico em coletores destinados a vidro. Ainda, as áreas de uso comum da instituição apresentaram-se sujas, havendo vários tipos de resíduos como plásticos, papéis, restos alimentares próximos à área da cantina espalhados pelo chão e corredores. Com relação à etapa de acondicionamento, foram vistos os tipos e as quantidades de coletores disponibilizados pela instituição, sendo satisfatórios esses dois aspectos. Dentre os coletores destacam-se os destinados à coleta seletiva, coletores comuns e coletores para papel e rejeito, sendo suas quantidades já citadas anteriormente. O serviço de varrição, bem como limpeza dos banheiros e corredores também foi acompanhado, porém neles não se aplicam aspectos negativos quanto ao processo, sendo realizados de maneira coerente para os quais se destinam. Entretanto, no que diz respeito ao uso de equipamentos de proteção individual (EPIs), nem todos os funcionários utilizam os que são disponibilizados, sendo ausentes alguns desses elementos (máscaras, luvas, botas) e outros. A próxima etapa analisada refere-se à limpeza e esvaziamento dos coletores. Percebeu-se que essa fase do processo é a que ocorre de maneira menos satisfatória, havendo a junção dos resíduos segregados em coletores destinados a coleta seletiva no momento em que os funcionários esvaziam os recipientes para dar seqüência ao processo de gerenciamento, descaracterizando assim funcionalmente o uso apropriado dos coletores.

5 No transporte interno dos resíduos, percebeu-se que apesar de possuírem carros do tipo Lutocar destinados à condução desses materiais, alguns funcionários o realizam de maneira inadequada, efetuando o transporte desses resíduos com o uso das mãos, sendo um agravante quando os funcionários não utilizam EPIs, como luvas, entrando em contato diretamente com os materiais descartados, que quando não embalados corretamente, pode ser considerado um risco direto para a sua saúde. Com relação às condições físicas da casa do lixo, vários agravantes podem ser enumerados. Foi visto que, apesar do piso permitir a lavagem, o portão de acesso à casa do lixo permite a entrada de animais sinantrópicos, que encontram abrigo e alimentação nesses locais. Tal fato pode gerar condições favoráveis para criadouros de vetores transmissores de doenças, e ainda permite a proliferação de moscas, baratas, entre outros, que constituem um agravo à saúde pública. Ainda, com relação aos aspectos físicos, a casa do lixo encontra-se ao lado da quadra de esportes, o que permite um contato direto com os resíduos ali destinados, principalmente por não haver nenhum tipo de identificação da área de destinação externa nem meios que impeçam a entrada de terceiros. Em relação às condições sanitárias, foi visto que nem todos os acondicionadores encontravam-se providos de tampas, e alguns resíduos estavam dispostos no chão, apesar de haver recipientes destinados para acondicionálos; tal fato também constitui um agravante à saúde, agindo sinergicamente com as condições físicas desapropriadas supracitadas e assim, causando riscos à comunidade escolar. No transporte externo, última etapa do gerenciamento dos resíduos na instituição, foi observada várias inconformidades no que diz respeito ao processo. O primeiro ponto negativo refere-se ao meio como os resíduos eram transportados, em veículo aberto possibilitando que, durante o transporte, os sacos contendo-os pudessem cair, além de permitir o vazamento de chorume. Pode-se observar também que, assim como na etapa de transporte interno, alguns funcionários não faziam uso dos EPIs necessários, deixando-os sujeitos ao contato direto com os resíduos. Após o transporte externo, os sacos ficam disponibilizados na calçada do entorno da instituição, criando condições sanitárias, estéticas e ambientais desagradáveis, além de incentivar os moradores a usar o espaço para depositar os seus resíduos, aumentado assim a quantidade de sacos nos arredores do IFRN/ZN. A partir da observação e dos fatos constatados, foi visto a necessidade de estabelecer procedimentos mínimos para o gerenciamento dos resíduos, de modo a enfrentar o problema de gerenciar os resíduos gerados, encontrando formas de evitar e reduzir a geração dos mesmos que sejam prejudiciais ao meio ambiente e a saúde pública. CARACTERIZAÇÃO FÍSICA DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS PELA INSTITUIÇÂO Como forma de verificar a qualidade e quantidade dos resíduos sólidos da instituição foi realizada a caracterização física desses resíduos. Para essa finalidade, foram recolhidos todos os resíduos gerados na instituição em dois dias que se encontravam na Casa do Lixo. Após recolher todo o material, o mesmo foi colocado sobre uma lona. Em seguida foi realizada a pesagem dos resíduos ainda misturados para verificar o seu peso total. A separação dos resíduos foi realizada a partir do tipo de material, sendo eles madeira, matéria orgânica, metais, papel, papelão, plástico, vidro e isopor. Os dados a respeito da caracterização física dos resíduos podem ser observados na tabela abaixo: Componentes Peso (kg) Porcentagem (%) Madeira 0,7kg 1% Matéria Orgânica 29,3 kg 42% Metais 2,2 kg 3% Papel 17,3 kg 25% Papelão 4,6 kg 7% Plástico 14,3 kg 20% Vidro 0,8 kg 1% Isopor 0,7 kg 1% Total 69,9 kg 100% Figura 1: Resultados dos tipos de resíduos produzidos pela instituição Os dados acima podem ser justificados pelo fato de a instituição contar com cantina e refeitório para a comunidade escolar, o que contribui para a produção de resíduos orgânicos em maior quantidade. Dentre os

6 resíduos plásticos, o grande contribuinte para essa percentagem foram os copos descartáveis, enquanto que metais, vidro e isopor constituem uma fração mínima dos resíduos gerados no IFRN/ZN. PERCEPÇÃO ATUAL DA COMUNIDADE ESCOLAR INTERNA DO IFRN/CAMPUS NATAL ZONA NORTE A partir da análise dos questionários aplicados, percebeu-se que os profissionais de limpeza possuem consciência da importância do seu trabalho, embora alguns a tenham apenas localmente (para a instituição). Embora sejam profissionais que realizem o gerenciamento, tendo, portanto contato diretamente com os resíduos, o uso dos EPIs é falho, pois os mesmos não são utilizados adequadamente (ausência de luvas e botas, por exemplo). Quanto a maneiras de otimização do seu trabalho, todos aceitaram passar por treinamentos ou medidas relacionadas que pudessem auxiliar na melhoria da realização de suas tarefas, o que mostra um ponto relevante já que os mesmos dispõem-se a aprimorar suas técnicas a partir de ações como essa. Todos ainda mostraram-se satisfeitos quanto à segregação dos resíduos pela comunidade escolar e também quanto a todas as etapas de gerenciamento que ocorre, bem como quanto à disposição dos coletores pela escola. Tais informações são imprescindíveis e relevantes no que diz respeito à elaboração de um plano de gerenciamento, um dos objetivos do trabalho proposto. Após a verificação dos resultados obtidos a partir dos questionários realizados, viu-se que, apesar de os servidores terem consciência dos problemas gerados a partir da produção dos resíduos por sua atividade, tal percepção não se aplica nos setores de trabalho. Os mesmos não conhecem a produção quantitativa oriunda de suas atividades, o que contribui para a geração dispendiosa de resíduos. Além disso, todas as etapas inerentes ao processo de gerenciamento são comprometidas, uma vez que não há coletores específicos para os resíduos gerados (esse se aplica somente para resíduos de saúde), o reaproveitamento de resíduos não ocorre apenas o papel é reaproveitado, e de maneira incipiente e metade dos servidores não sabem se dão uma destinação final correta a seus resíduos. Mesmo sendo um dos setores responsáveis por grande parte dos resíduos gerados, o descaso com o gerenciamento dos mesmos é facilmente perceptível. É importante que os componentes desse setor sejam instruídos a ter uma nova postura diante de suas atividades e do reaproveitamento/reutilização dos resíduos oriundos do seu trabalho, uma vez que tal ação favorece a instituição não somente no aspecto econômico, mas também no aspecto social e ambiental. Na pesquisa realizada com os alunos da instituição, percebeu-se de uma forma geral que eles possuem uma consciência positiva em relação ao meio ambiente e aos resíduos sólidos, porém, a falta de uma contínua educação ambiental gera atitudes inadequadas em relação a essas questões. Os professores também possuem uma boa percepção sobre esses assuntos, porém, apesar do conhecimento e da consciência do seu papel enquanto educadores eles não trabalham com freqüência temas ambientais em sala de aula. PROPOSTA DE GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS Após a observação do gerenciamento dos resíduos da instituição e identificação dos pontos e aspectos contraproducentes durante a realização do mesmo, é proposto um plano de gerenciamento de resíduos sólidos (PGRS) com a finalidade de assegurar que o processo seja realizado de forma harmônica sob a perspectiva ambiental e da legislação em vigor. O PGRS contempla medidas alternativas para o controle e minimização de danos causados ao meio ambiente e ao patrimônio quando da ocorrência de situações anormais envolvendo quaisquer das etapas do gerenciamento dos resíduos. As etapas aqui propostas seguem a metodologia utilizada, descrita através das fases convencionais de gerenciamento, seguindo-se em ordem: segregação, acondicionamento e coleta, transporte interno, armazenamento interno, transporte externo e armazenamento externo, por última etapa, destinação final dos resíduos. Etapa de segregação Durante a observação in loco da etapa de segregação, foi visto que, apesar dessa ser considerada como satisfatória pelos funcionários da equipe de limpeza, a separação correta dos materiais não ocorre apropriadamente, sendo facilmente identificáveis resíduos misturados em coletores que deveriam ser utilizados especificamente para o resíduo para o qual se destina (coletores para coleta seletiva). Para solucionar esse inconveniente, faz-se necessário que toda a comunidade escolar, desde servidores até alunos, seja conscientizada de forma a realizar a devida separação dos resíduos, seja por meio de palestras, vídeos, campanhas ou ainda semanas internas para treinamentos sobre como destiná-los corretamente.

7 Devido à instituição gerar vários tipos de materiais, dentre eles resíduos de serviços de saúde e resíduos eletrônicos, a identificação dos resíduos deve ser também implementada, pois serve para garantir a segregação realizada nos locais de geração e deve estar presente nas embalagens e coletores, nos locais de armazenamento e nos veículos de coleta interna e externa. A utilização de simbologias baseadas na norma da ABNT NBR 7500 e na resolução CONAMA nº 275/01, procurando sempre orientar quanto ao risco de exposição, pode ser um fator relevante para que seja disponibiliza a adequada separação dos materiais a partir da sua fonte. Etapa de acondicionamento A partir dos problemas diagnosticados, pela observação, na etapa de acondicionamento propõem-se novas medidas para o processo de esvaziamento de coletores e uso de EPIs. Para o primeiro, é imprescindível a realização de treinamento dos funcionários da equipe de limpeza uma vez que, os mesmos revelaram que isso não ocorre sendo esse, possivelmente o fator preponderante para tais atitudes. Em relação ao uso de EPIs, também se fazem necessárias reuniões para o exercício do uso de todos os equipamentos, considerando direitos e deveres do empregador e empregados quanto ao uso de EPIs adequado. Para que essa etapa seja realizada de forma correta, de acordo com Medeiros (2002), se faz necessário: Especificar por tipo ou grupo de resíduos, os tipos de recipientes utilizados para o acondicionamento, especificando a capacidade. Estabelecer procedimentos para o correto fechamento, vedação e manuseio dos recipientes, de forma a evitar vazamentos e/ou ruptura dos mesmos e portar símbolo de identificação compatível com o tipo de resíduo acondicionado. Listar Equipamentos de Proteção Individual a serem utilizados pelos funcionários envolvidos nas operações de acondicionamento/transporte de resíduos. Descrever os procedimentos para higienização dos EPIs, fardamento, equipamentos, recipientes e relação de produtos químicos empregados. Etapa de coleta e transporte interno De acordo com o observado, o único aspecto não procedente com a realização da etapa foi, mais uma vez, a falta de uso de EPIs pelos funcionários, o que reforça a necessidade de ações preventivas e/ou corretivas quanto ao uso desses equipamentos. Como forma de otimização da coleta e do transporte interno ainda podem ser descritas as seguintes propostas abaixo (MEDEIROS, 2002): Descrever procedimentos de coleta e transporte interno, informando se esta é manual ou mecânica. Relacionar as especificações dos equipamentos utilizados nesta etapa. Descrição das medidas a serem adotadas em caso de rompimento de recipientes, vazamento de líquidos, derrame de resíduos, ou ocorrência de outras situações indesejáveis. Descrever procedimentos de higienização dos recipientes e equipamentos e os produtos empregados. Apresentar planta baixa do estabelecimento, especificando as rotas dos resíduos. Etapa de Armazenamento temporário externo Vários agravantes foram constatados nessa etapa, desde aspectos físicos a sanitários. Propõem-se, então, portões telados que não permitam a entrada de animais atraídos pelos resíduos, como insetos, artrópodes e animais sinantrópicos. Para o problema de localização, recomenda-se a modificação do local da casa de lixo, sendo essa construída em um local de fácil acesso para a destinação final, porém, evitando que seja próximo a áreas de convivência da comunidade escolar, evitando assim o possível contato dos integrantes da instituição com os resíduos dispostos do local de armazenamento externo. Ainda, a casa do lixo deve possuir, no mínimo, ambientes separados para atender o armazenamento de recipientes de resíduos do tipo infectante com resíduos comuns ou passíveis de reciclagem. Vale salientar que não poderá ser feito armazenamento temporário com disposição direta dos sacos sobre o piso, bem como disposição dos mesmos em acondicionadores que não possuam sistema de vedação (tampa, por exemplo), fato esse que foi visto durante a observação in loco. A limpeza do ambiente também é fundamental para que se estabeleçam as condições sanitárias adequadas para o local de disposição.

8 Como considerações adicionais, para o correto funcionamento dessa etapa, segundo Medeiros (2002), se torna necessário descrever a área de armazenamento temporário de resíduos, obedecendo às seguintes medidas de segurança e proteção ambiental: impermeabilização do piso; cobertura e ventilação; drenagem de águas pluviais; drenagem de líquidos percolados e derramamentos acidentais; bacia de contenção; isolamento e sinalização; acondicionamento adequado; controle de operação; treinamento de pessoal. monitoramento da área; os "containeres" e os tambores devem ser rotulados e apresentar bom estado de conservação. Assinalar em planta baixa a localização das áreas de estocagem temporária dos resíduos. Etapa de coleta e transporte externo Foi constatado que, adicionalmente ao uso dos coletores do tipo Lutocar, são utilizados veículos inapropriados para o transporte dos resíduos, permitindo que durante o trajeto de transporte alguns sacos de lixo caíssem, sujando os corredores e demais locais por onde os veículos possuem acesso. Tal uso deve ser evitado ou eliminado, pois os veículos devem ser fechados, de fácil lavagem e manuseio, com drenos que permitam a lavagem e saída de líquidos, como o chorume, produzido durante a decomposição da matéria orgânica componente dos resíduos. Etapa de Tratamento e Destinação final dos resíduos Barros et al., (1995, p. 204) aponta que, num mundo moderno, não é mais possível desperdiçar e acumular de forma poluente materiais recuperáveis. A prática da reciclagem, então, demonstra uma maior preocupação ambiental, já que significa fazer retornar ao ciclo de produção materiais que foram usados e descartados; Nunesmaia (1997) reforça ainda as estratégias de gestão de resíduos sólidos e seus principais instrumentos, que por viabilidade e eficiência de funcionamento serão abordados como sugestão para o plano de gerenciamento do IFRN/ZN. Subprojeto Coleta Seletiva Apesar de a instituição contar com alguns coletores específicos para coleta seletiva, o subprojeto relacionado ao tema pode ser implementado de maneira mais eficiente, sendo um trabalho realizado não só com servidores que são responsáveis por grande parte da geração de resíduos recicláveis alunos e professores da instituição, e sim, estendendo-se a todo o IFRN, inclusive os funcionários da limpeza, mostrando que é importante no momento do esvaziamento dos coletores não misturar os resíduos previamente separados, de acordo com a sua simbologia de cores, pela comunidade escolar. Para tanto, deve-se levar em consideração que a própria escola apenas conta com os coletores específicos pela instituição, porém não há uma preocupação com a destinação final desses resíduos recicláveis, e assim não existe nenhuma associação de catadores interligada com o IFRN/ZN que possa coletar esse material previamente separado, e assim disponibilizar um destino ambientalmente correto; esse fato pode ser repensado e corrigido, cabendo a direção da escola autorizar o contato da equipe de limpeza responsável com as associações, fazendo com que haja benefício não só pra comunidade escolar, mas também para os catadores, dando uma oportunidade de emprego e melhoria de vida e ainda, sendo de extrema relevância para o meio ambiente tal ação. A comunidade do entorno da escola poderia também ser acionada, de forma a separar os resíduos secos papel, plástico, vidro e metais dos molhados, como material orgânico, com a participação de campanhas realizadas pelos alunos. Dessa forma, acredita-se que a implantação e o efetivo funcionamento da coleta seletiva no IFRN/ZN propiciem um ambiente saudável, que levará a população a uma tomada de consciência sobre o desperdício, a escassez dos recursos naturais não renováveis e a importância de prolongar a vida útil dos aterros sanitários. Subprojeto reciclagem artesanal de papel

9 Assim como visto em Nunesmaia (1997), no IFRN/ZN também se verifica que o desperdício de papel nas instituições de ensino é um fato que representou um dado importante na concepção do projeto. A idéia de implantar no campus uma oficina artesanal de papel, dentre outros fatores, pode-se destinar a um projeto de educação ambiental. De acordo com Nunesmaia (1997), a oficina possibilita a oportunidade de as pessoas, sejam elas da comunidade escolar ou do entorno caso a oficina seja aberta a visitantes observarem todo o ciclo do papel, desde seu descarte até a confecção de folhas. Pertinentemente citado, a oficina pode ainda funcionar como centro de treinamento de agentes multiplicadores. Já para os alunos e docentes, a oficina poderia ainda ter a função de estimular o interesse científico através de pesquisas como enfoque em cores, texturas, gramaturas, espessuras e ainda resistência e durabilidade do papel reciclado, bem como de um controle de qualidade não prejudicial ao meio ambiente, chegando a um modelo ideal de qualidade na confecção artesanal do papel, ao tempo em que demonstrasse suas possibilidades comerciais, trazendo benefícios financeiros para a instituição e ambientais para a sociedade. Subprojeto Copo descartável, descarte essa idéia A partir da observação da porcentagem de resíduos produzidos na instituição, o plástico ocupa a terceira posição (14,3%) em produção pelo IFRN/ZN; a maioria do componente dessa porcentagem constitui-se de copos descartáveis, sendo responsáveis pelos números alarmantes de desperdício, uma vez que os mesmos são utilizados na maioria das situações, apenas uma vez. Considerando a importância em incentivar a comunidade escolar em uma conscientização sobre o desperdício, e ainda chamar a atenção para a escassez dos recursos naturais não renováveis, é proposto o subprojeto intitulado Copo descartável, descarte essa idéia, onde os alunos, servidores, professores e demais componentes do corpo da instituição, seriam sugestionados a trazerem consigo sua própria garrafa de água, ou ainda copos plásticos reutilizáveis, possibilitando assim a diminuição da geração de copos descartáveis, uma medida que traria benefícios em níveis econômicos e ambientais. Subprojeto compostagem / minhocário Nesse subprojeto, um dos fatores consideráveis para a sua realização foi a quantidade de matéria orgânica produzida na instituição (42%, o maior tipo de resíduo produzido pelo campus), além da necessidade de definir e desenvolver uma metodologia de reciclagem da fração orgânica compatível com a localização da instituição, de baixo custo e com controles técnicos. A partir da alta quantidade de fração de matéria-prima gerada pelo IFRN/ZN, poderia ser produzido adubo através do processo de compostagem. Outro fator que pode corroborar para a realização desse subprojeto é a eficiência e aplicabilidade de um projeto no IFRN Natal Sede Central, onde funciona um minhocário a partir de folhas de árvores que, ao serem decompostas, servem de adubo para a terra, com auxílio desses anelídeos para a aragem do solo, que pode, posteriormente, ser utilizado para cultivos de hortaliças e demais vegetais, possibilitando a introdução dos mesmos no cardápio de refeições dos alunos que se alimentem na instituição. CONSIDERAÇÕES FINAIS A Escola é responsável por ser um ambiente formador de um cidadão consciente e racional quanto aos recursos ambientais disponíveis, o que possibilita uma postura de preservação e proteção do meio em que vive. Diante do que foi exposto com a realização desse trabalho, sabe-se que é necessária a promoção de alternativas viáveis para a mudança do gerenciamento dos resíduos sólidos do IFRN/ZN. O comprometimento da direção da escola com todo o público do IFRN/ZN propicia a efetivação do plano de gerenciamento proposto. É necessário que haja um estreitamento da relação direção/equipe de limpeza, no sentido de dar aos últimos o apoio infra-estrutural, além da promoção de palestras, treinamentos periódicos e demais atividades que promovam uma melhoria das condições de trabalho desses profissionais. Os servidores também devem ser incentivados a políticas de redução de geração de resíduos, onde treinamentos e orientações técnicas podem servir como base para tal finalidade. Como o presente trabalho se prontificou a enumerar vários aspectos relevantes inerentes à produção de resíduos, tais dados devem circular entre a equipe de servidores, mostrando o valor em quantidade e qualidade dos resíduos gerados, possibilitando que neles se crie uma postura de redução da produção dos mesmos; essa pode se dar além de treinamentos, ou incentivos dentro dos departamentos/setores, como gincanas e premiações para os ambientes que tiverem uma menor produção de resíduos, como por exemplo.

10 Por fim, a interação entre professores e alunos é de fundamental importância para que a temática de resíduos sólidos possa fazer parte dos assuntos abordados em salas de aula. A educação ambiental deve ser de abrangência em todos os cursos oferecidos, e não apenas àqueles relacionados com a área ambiental, pois, como visto, em todos os cursos há geração de resíduos (desde comuns a eletrônicos). Despertar no aluno a consciência da necessidade de destinação adequada, bem como de redução ou reutilização de materiais gerados, através de vídeos, campanhas, semanas internas sobre resíduos sólidos (podendo ser criada por vários professores de diferentes matérias, promovendo a multidisciplinaridade), podem ser idéias positivas quanto a esse aspecto. Dessa forma, acredita-se que a partir do comprometimento de servidores, profissionais de limpeza, professores e alunos na implantação e na efetivação do funcionamento do plano de gerenciamento proposto para o IFRN/ZN, seja criado/propiciado um ambiente saudável, que levará a comunidade escolar (e ainda, a comunidade do entorno) a uma criação de consciência sobre o desperdício, a escassez dos recursos naturais não renováveis e a importância econômica, social e ambiental na tomada de atitudes como essas. É necessário que a comunidade esteja presente e conscientizada a respeito do problema e esteja disposta a participar efetivamente da solução. Essa é fundamental importância, pois, além de influenciar no comportamento, contribui para melhorar o nível de compreensão da comunidade, com conseqüentes mudanças de atitude e aceitação de responsabilidade. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. ABNT, Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 7500 Símbolos de riscos manuseio para o transporte e armazenamento de materiais. Rio de janeiro, BARROS, Raphael T. de Vasconcelos. et al. Saneamento. Belo Horizonte: Escola de Engenharia da UFMG, (Manual de Saneamento e proteção ambiental para os municípios. Vol. II) 3. BRASIL, Fundação Nacional de Saúde. Manual de saneamento. 4. ed. Brasília, Fundação Nacional de Saúde, BIDONE, Francisco Ricardo Andrade; POVINELLI, Jurandyr. Conceitos básicos de resíduos sólidos. São Paulo: EESC/USP, CONAMA, Conselho Nacional do Meio Ambiente. Resolução nº 275 de 25 de abril Disponível em: <http://www.mma.gov.br/port/conama/res/res01/res27501.html>. Acesso em: 19 jun LEME, Francilio Paes. Engenharia do saneamento ambiental. Rio de Janeiro: LTC livros Técnicos e Científicos Editora S.A., MEDEIROS, Carlos. Instruções para a elaboração do plano de gerenciamento de resíduos sólidos Disponível em: <http://www.fiepr.org.br/sindicatos/simov/uploadaddress/pgrs%5b14817%5d.pdf>. Acesso em: 01 jun NUNESMAIA, Maria de Fátima da Silva. Lixo: soluções alternativas projeções a partir da experiência UEFS. Feira de Santana: Universidade Estadual de Feira de Santana, OLIVEIRA, W.E. Resíduos sólidos e limpeza pública. In: Philippi Jr A, organizador. Saneamento do meio. São Paulo: FUNDACENTRO, RAMOS, José Beldson Elias. Gerenciamento integrado do lixo da UnED Juazeiro do Norte. Núcleo de estudos sobre controle tecnológico e ambiental Curso de Edificações Centro Federal de Educação Tecnológica do Ceará CEFET/CE. Juazeiro do Norte, [1999?].

INSTRUÇOES PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS -

INSTRUÇOES PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS - INSTRUÇOES PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS - I. APRESENTAÇÃO O presente Termo de Referência visa subsidiar os diversos empreendimentos quanto à elaboração e apresentação

Leia mais

PASSO A PASSO: COMO ELABORAR E IMPLEMENTAR O PGRSS

PASSO A PASSO: COMO ELABORAR E IMPLEMENTAR O PGRSS PASSO A PASSO: COMO ELABORAR E IMPLEMENTAR O PGRSS PASSO 1 IDENTIFICAÇÃO DO PROBLEMA: Abrange o reconhecimento do problema e a sinalização positiva da administração para início do processo. Definir, um

Leia mais

Progresso e Desenvolvimento de Guarulhos S/A

Progresso e Desenvolvimento de Guarulhos S/A Progresso e Desenvolvimento de Guarulhos S/A Programa de Gestão Ambiental Agosto de 2009 Programa de Gestão Ambiental Agosto de 2009 1 1. O Programa de Gestão Ambiental O Programa de Gestão Ambiental da

Leia mais

GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO CAMPUS UBERABA

GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO CAMPUS UBERABA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO CAMPUS UBERABA GOMIDES, J.E. 1 ; SCHENKEL, C.A. 2 ; SOUSA, J.S. 3 1 Acadêmica do Curso Superior de

Leia mais

Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde

Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde Naraiana Agapito, naraagapito@yahoo.com.br 1 Introdução Embora a geração de resíduos oriundos das atividades humanas faça parte da própria história do homem,

Leia mais

Eixo Temático ET-03-016 - Gestão de Resíduos Sólidos

Eixo Temático ET-03-016 - Gestão de Resíduos Sólidos 147 Eixo Temático ET-03-016 - Gestão de Resíduos Sólidos VIABILIDADE DO PROGRAMA DE COLETA SELETIVA NO IFPB CAMPUS PRINCESA ISABEL: CARACTERIZAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS Queliane Alves da Silva 1 ; Ana Lígia

Leia mais

RECICLANDO PELA VIDA IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA EM UM ÓRGÃO DA ADMINISTRAÇÃO PUBLICA

RECICLANDO PELA VIDA IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA EM UM ÓRGÃO DA ADMINISTRAÇÃO PUBLICA RECICLANDO PELA VIDA IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA EM UM ÓRGÃO DA ADMINISTRAÇÃO PUBLICA Kelma Maria Nobre Vitorino (Orientadora) Química industrial pela UFC, 1988. Mestrado em Engenharia Sanitária e Ambiental

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DO ESTADO DE GOIÁS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DO ESTADO DE GOIÁS PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DO ESTADO DE GOIÁS Jose Rodrigo dos Santos Silva Graduado em engenharia ambiental pela PUC-GO (Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE

SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE RESOLUÇÃO CONEMA Nº 56 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013. ESTABELECE CRITÉRIOS PARA A INEXIGIBILIDADE DE

Leia mais

DIAGNÓSTICO PARA IMPLANTAÇÃO DE PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM UM POSTO DE COMBUSTÍVEL NA CIDADE DE FORTALEZA CE.

DIAGNÓSTICO PARA IMPLANTAÇÃO DE PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM UM POSTO DE COMBUSTÍVEL NA CIDADE DE FORTALEZA CE. DIAGNÓSTICO PARA IMPLANTAÇÃO DE PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM UM POSTO DE COMBUSTÍVEL NA CIDADE DE FORTALEZA CE. Adriana Sampaio Lima (1) Bióloga pela Universidade Federal do Ceará (UFC).

Leia mais

PGRSS PASSO A PASSO NATAL/RN NOV/2013

PGRSS PASSO A PASSO NATAL/RN NOV/2013 NATAL/RN NOV/2013 PLANO DE GERENCIAMENTO DE RSS Documento que aponta e descreve ações relativas ao manejo dos resíduos sólidos nos estabelecimentos assistenciais de saúde Considerando as Características

Leia mais

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO CENTRO DE TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DA CATURRITA EM SANTA MARIA-RS

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO CENTRO DE TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DA CATURRITA EM SANTA MARIA-RS DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO CENTRO DE TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DA CATURRITA EM SANTA MARIA-RS Carolina Gaspar Enderle (1) Aluna do curso Técnico em Segurança do Trabalho do Colégio Técnico Industrial

Leia mais

ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL

ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL MENDONÇA, Ana Maria Gonçalves Duarte. Universidade Federal de Campina Grande. E-mail: Ana.duartemendonca@gmail.com RESUMO

Leia mais

Programa de Consumo Consciente nas Instituições de Ensino Superior Particulares FOREXP. Fórum de Extensão das IES Particulares

Programa de Consumo Consciente nas Instituições de Ensino Superior Particulares FOREXP. Fórum de Extensão das IES Particulares Programa de Consumo Consciente nas Instituições de Ensino Superior Particulares FOREXP Fórum de Extensão das IES Particulares Consumir conscientemente significa atentar para os efeitos que este ato acarreta

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA FERRAMENTA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE POMBAL

A IMPORTÂNCIA DA FERRAMENTA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE POMBAL A IMPORTÂNCIA DA FERRAMENTA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE POMBAL Erica Bento SARMENTO 1 Diêgo Lima CRISPIM 2 Jucielio Calado ALVES 3 Alan Del Carlos Gomes

Leia mais

AVALIAÇÃO AMBIENTAL EM UMA COOPERATIVA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS

AVALIAÇÃO AMBIENTAL EM UMA COOPERATIVA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS 182 AVALIAÇÃO AMBIENTAL EM UMA COOPERATIVA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS Nagiélie Muara SILVA 1* ; Camilla Stheffani Oliveira Machado 2 ; Maria Cristina Rizk 3 1,2 Discente em Engenharia Ambiental pela Universidade

Leia mais

Secretaria Municipal de meio Ambiente

Secretaria Municipal de meio Ambiente PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL O presente Programa é um instrumento que visa à minimização de resíduos sólidos, tendo como escopo para tanto a educação ambiental voltada

Leia mais

Uma Ação Extensionista em Construção Frente ao Problema do Lixo Produzido num Campus Universitário 1

Uma Ação Extensionista em Construção Frente ao Problema do Lixo Produzido num Campus Universitário 1 Uma Ação Extensionista em Construção Frente ao Problema do Lixo Produzido num Campus Universitário 1 Vinícius Augusto Morais, 9º módulo de Engenharia Florestal/UFLA, vemorais@bol.com.br; Kelly Lopes Silva,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SSP Nº 03/2011. UNIDADE RESPONSÁVEL: Unidades de Saúde e Secretaria Municipal de Saúde.

INSTRUÇÃO NORMATIVA SSP Nº 03/2011. UNIDADE RESPONSÁVEL: Unidades de Saúde e Secretaria Municipal de Saúde. Fls.: 1 de 11 INSTRUÇÃO NORMATIVA SSP Nº 03/2011 VERSÃO: 01/2011 APROVAÇÃO EM: 20 de julho de 2011 ATO DE APROVAÇÃO: Decreto nº 20/2011 UNIDADE RESPONSÁVEL: Unidades de Saúde e Secretaria Municipal de

Leia mais

Alex Maciel Gonzaga, Sean Conney Vieira da SILVA, & Flávia Pereira da SILVA

Alex Maciel Gonzaga, Sean Conney Vieira da SILVA, & Flávia Pereira da SILVA 1 QUALIDADE DA COLETA E A NECESSIDADE DE UMA CONSCIÊNCIA DE PRESERVAÇÃO AMBIENTAL NA CIDADE DE GOIANA Alex Maciel Gonzaga, Sean Conney Vieira da SILVA, & Flávia Pereira da SILVA RESUMO O consumismo da

Leia mais

ESTUDO DE CASO DA QUANTIDADE E DESTINAÇÃO FINAL DOS RESÍDUOS SÓLIDOS ORGÂNICOS DOMICILIARES DO BAIRRO URUPÁ NA CIDADE DE JI- PARANÁ/RO

ESTUDO DE CASO DA QUANTIDADE E DESTINAÇÃO FINAL DOS RESÍDUOS SÓLIDOS ORGÂNICOS DOMICILIARES DO BAIRRO URUPÁ NA CIDADE DE JI- PARANÁ/RO ESTUDO DE CASO DA QUANTIDADE E DESTINAÇÃO FINAL DOS RESÍDUOS SÓLIDOS ORGÂNICOS DOMICILIARES DO BAIRRO URUPÁ NA CIDADE DE JI- PARANÁ/RO Rafael Ranconi Bezerra ¹ Graduando em Engenharia Ambiental pela Universidade

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS 1. JUSTIFICATIVA O presente Termo de Referência tem por fim orientar a elaboração do PGRS conforme previsto no

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS PREFEITURA MUNICIPAL DE TUCURUÍ PARÁ SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE TUCURUÍ SEMMA / TUCURUÍ PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS APRESENTAÇAO O presente documento consolida o diagnóstico

Leia mais

LT 500 kv Mesquita Viana 2 e LT 345 kv Viana 2 Viana. Novembro de 2010. Anexo 6.3-2 Plano de Gerenciamento e Disposição de Resíduos

LT 500 kv Mesquita Viana 2 e LT 345 kv Viana 2 Viana. Novembro de 2010. Anexo 6.3-2 Plano de Gerenciamento e Disposição de Resíduos EIIA Não excluir esta página LT 500 kv Mesquita Viana 2 e LT 345 kv Viana 2 Viana Novembro de 2010 Coordenador: Consultor: 2422-00-EIA-RL-0001-00 Rev. nº 00 Preencher os campos abaixo Revisão Ortográfica

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (PGRSS)

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (PGRSS) Subcoordenadoria de Vigilância Sanitária Rio Grande do Norte PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (PGRSS) Drogarias Modelo Simplificado 0 RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO DA

Leia mais

Segurança, Meio Ambiente e Saúde QHSE

Segurança, Meio Ambiente e Saúde QHSE Segurança, Meio Ambiente e Saúde QHSE Preservação e Conservação A preservação é o esforço para proteger um ecossistema e evitar que ele seja modificado. Depende também da presença e ação do homem sobre

Leia mais

Projeto SeparAção INTRODUÇÃO OBJETIVO GERAL Objetivos específicos

Projeto SeparAção INTRODUÇÃO OBJETIVO GERAL Objetivos específicos Projeto SeparAção INTRODUÇÃO Há muito tempo o homem vem utilizando os recursos naturais que ele encontra em seu habitat e a cada ano que passa, novas formas de uso são descobertas. O maior problema dessa

Leia mais

PROGRAMA DE COLETA SELETIVA CODEBA

PROGRAMA DE COLETA SELETIVA CODEBA 1 PROGRAMA DE COLETA SELETIVA CODEBA SALVADOR BA FEVEREIRO - 2012 1. INTRODUÇÃO 2 O presente Programa de Coleta Seletiva trata dos resíduos gerados pela Companhia, tendo sua elaboração e implementação

Leia mais

Gerenciamento de Resíduos

Gerenciamento de Resíduos Gerenciamento de Resíduos ANVISA RDC 306/04 - REGULAMENTO TÉCNICO PARA GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DE SAÚDE veronica.schmidt@ufrgs.br O perigo do lixo hospitalar. Resíduos biológicos - culturas de microrganismos

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MANEJO

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MANEJO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MANEJO NATAL/RN OUT/2013 GERENCIAMENTO DOS RSS PROCEDIMENTOS PLANEJADOS E IMPLEMENTADOS minimizar a produção na fonte, destinar e dispor com segurança Planejamento

Leia mais

"PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL"

PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL Reciclagem e Valorizaçã ção o de Resíduos Sólidos S - Meio Ambiente UNIVERSIDADE DE SÃO S O PAULO "PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL" Associação sem fins lucrativos, o CEMPRE se dedica à promoção

Leia mais

MUNICÍPIO: Departamento Municipal de Limpeza Urbana - DMLU NOME DO RESPONSÁVEL: Darci Campani ( 2003 ) Diretor Geral IMPLEMENTADO EM: FAX:

MUNICÍPIO: Departamento Municipal de Limpeza Urbana - DMLU NOME DO RESPONSÁVEL: Darci Campani ( 2003 ) Diretor Geral IMPLEMENTADO EM: FAX: SECRETARIA NACIONAL DE ASSUNTOS INSTITUCIONAIS SNAI DIRETÓRIO NACIONAL DO PT Coleta Seletiva GESTÃO: MUNICÍPIO: 1989-1992 Porto Alegre PREFEITO: Olívio Dutra ÓRGÃO RESPONSÁVEL: Departamento Municipal de

Leia mais

Site Terra, 05 de Junho de 2013

Site Terra, 05 de Junho de 2013 Site Terra, 05 de Junho de 2013 Mesmo com data para acabar, lixões subsistem no Brasil. Mais da metade dos municípios brasileiros não impõe a destinação adequada ao lixo. Assim, cerca de 75 mil toneladas

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos. Pernambuco - PE

Política Nacional de Resíduos Sólidos. Pernambuco - PE Política Nacional de Resíduos Sólidos Pernambuco - PE Desafios 1. Eliminar lixões 2. Eliminar aterro controlado 3. Implantar aterro sanitário 4. Coleta seletiva 5. Compostagem e 6. Logística reversa Legenda

Leia mais

Lixo. A vida é repleta de Química, Física, História e todas outras ciências que estudamos. Da mesma maneira, o ENEM, aborda os conteúdos que

Lixo. A vida é repleta de Química, Física, História e todas outras ciências que estudamos. Da mesma maneira, o ENEM, aborda os conteúdos que Lixo 1 A vida é repleta de Química, Física, História e todas outras ciências que estudamos. Da mesma maneira, o ENEM, aborda os conteúdos que estudamos em temáticas que rementem ao nosso cotidiano. Dessa

Leia mais

Consultórios Médicos e Clínicas Médicas

Consultórios Médicos e Clínicas Médicas Subcoordenadoria de Vigilância Sanitária Rio Grande do Norte PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (PGRSS) Consultórios Médicos e Clínicas Médicas Modelo Simplificado 0 RIO GRANDE DO

Leia mais

Modelo de gerenciamento de resíduos sólidos: um estudo de caso na indústria de panificação em Natal-RN

Modelo de gerenciamento de resíduos sólidos: um estudo de caso na indústria de panificação em Natal-RN Modelo de gerenciamento de resíduos sólidos: um estudo de caso na indústria de panificação em Natal-RN Handson Cláudio Dias Pimenta (UFRN/PEP) handsonpimenta@hotmail.com Sérgio Marques Júnior (UFRN) sergio@ct.ufrn.br

Leia mais

2.0 Objetivos 2.1 Geral. 2.2 Específicos

2.0 Objetivos 2.1 Geral. 2.2 Específicos 1. INTRODUÇÃO O lixo é um problema crônico que vem afetando comunidades no mundo inteiro. No Brasil, a geração de lixo per capita varia de acordo com o porte populacional do município. Segundo dados da

Leia mais

O LIXO NAS RUAS. É preciso conscientizar as pessoas sobre os riscos que a falta de cuidado com o lixo pode trazer à sociedade.

O LIXO NAS RUAS. É preciso conscientizar as pessoas sobre os riscos que a falta de cuidado com o lixo pode trazer à sociedade. O LIXO NAS RUAS É preciso conscientizar as pessoas sobre os riscos que a falta de cuidado com o lixo pode trazer à sociedade. Por Maria Alice Luna Sampaio Hoje em dia, não podemos dar um passo fora de

Leia mais

Plano de Gerenciamento de RSS PGRSS

Plano de Gerenciamento de RSS PGRSS Plano de Gerenciamento de RSS PGRSS Documento que aponta e descreve ações a relativas ao manejo dos resíduos sólidos, s observadas suas características, no âmbito dos estabelecimentos, contemplando os

Leia mais

AMOSTRAGEM DA DESTINAÇÃO DO LIXO DOMÉSTICO EM BAIRROS NA CIDADE DE UBÁ MG RESUMO

AMOSTRAGEM DA DESTINAÇÃO DO LIXO DOMÉSTICO EM BAIRROS NA CIDADE DE UBÁ MG RESUMO 1 AMOSTRAGEM DA DESTINAÇÃO DO LIXO DOMÉSTICO EM BAIRROS NA CIDADE DE UBÁ MG Letícia Alves Pacheco 1 Kênia Ribas de Assis 2 Mariana da Costa J. Miranda 3 Eliane Aparecida de Souza 4 RESUMO A questão do

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE TOCANTINS-MINAS GERAIS

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE TOCANTINS-MINAS GERAIS A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE TOCANTINS-MINAS GERAIS Renata Soares Pinto (*), Washington Luiz Nunes Apolinário, Carlos Fernando Lemos, Denise

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA Resolução nº 307, de 5 de Julho de 2002. Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil, disciplinando as ações

Leia mais

I-070 - DIAGNÓSTICO DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇO DE SAÚDE EM UM HOSPITAL PÚBLICO EM BELÉM/PA

I-070 - DIAGNÓSTICO DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇO DE SAÚDE EM UM HOSPITAL PÚBLICO EM BELÉM/PA I-070 - DIAGNÓSTICO DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇO DE SAÚDE EM UM HOSPITAL PÚBLICO EM BELÉM/PA Lana Tais da Silva Coelho (1) Estudante do curso de Engenharia Ambiental do Instituto de

Leia mais

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini O lixo é conhecido como os restos das atividades humanas considerados inúteis, indesejáveis e descartáveis. No entanto, separado nos seus

Leia mais

TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Profa. Margarita María Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com

TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Profa. Margarita María Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Profa. Margarita María Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com TRATAMENTO Série de procedimentos destinados a reduzir a quantidade ou o potencial poluidor dos

Leia mais

Resíduo Hospitalar: uma questão de saúde pública e ambiental

Resíduo Hospitalar: uma questão de saúde pública e ambiental ISSN 1984-9354 Resíduo Hospitalar: uma questão de saúde pública e ambiental Gabriel Marreiros Ribas Fernandes (LATEC/UFF) Resumo: O trabalho vem demonstrar a importância do manuseio correto, da coleta

Leia mais

Projeto de Redução dos Resíduos e Descarte Correto

Projeto de Redução dos Resíduos e Descarte Correto Instituto do Câncer do Estado de São Paulo Octavio Frias de Oliveira (Icesp) do Hospital das Clínicas da FMUSP Projeto de Redução dos Resíduos e Descarte Correto Responsável pelo trabalho: Vânia Rodrigues

Leia mais

MANUSEIO, ACONDICIONAMENTO, ARMAZENAMENTO E TRANSPORTE DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS. Profa. Margarita Maria Dueñas O.

MANUSEIO, ACONDICIONAMENTO, ARMAZENAMENTO E TRANSPORTE DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS. Profa. Margarita Maria Dueñas O. MANUSEIO, ACONDICIONAMENTO, ARMAZENAMENTO E TRANSPORTE DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS Profa. Margarita Maria Dueñas O. RESÍDUOS PERIGOSOS Ponto de geração Destino final FASE INTERNA COLETA ACONDICIONAMENTO FASE

Leia mais

TÍTULO: IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA EM FACULDADE PRIVADA NO INTERIOR DE MINAS GERAIS

TÍTULO: IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA EM FACULDADE PRIVADA NO INTERIOR DE MINAS GERAIS TÍTULO: IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA EM FACULDADE PRIVADA NO INTERIOR DE MINAS GERAIS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE PITÁGORAS

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N. 307, DE 05 DE JULHO DE 2002 Alterações: Resolução CONAMA n. 348, de 16.08.04 Resolução CONAMA n. 431, de 24.05.11 Resolução CONAMA n. 448, de 18.01.12 Resolução

Leia mais

PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI. Audiencia Pública - Prognóstico

PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI. Audiencia Pública - Prognóstico PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI Audiencia Pública - Prognóstico LEGISLAÇÃO: Constituição 1988: Artigo 225 Lei 11.445/2007 (Saneamento Básico) Decreto 7.217/2010 (Saneamento

Leia mais

III-220 PROGRAMA DE COLETA SELETIVA EM GRANDES INSTITUIÇÕES DE ENSINO: OS RESÍDUOS SÓLIDOS ANALISADOS E VALORIZADOS SOB A ÓTICA DA GESTÃO AMBIENTAL

III-220 PROGRAMA DE COLETA SELETIVA EM GRANDES INSTITUIÇÕES DE ENSINO: OS RESÍDUOS SÓLIDOS ANALISADOS E VALORIZADOS SOB A ÓTICA DA GESTÃO AMBIENTAL III-220 PROGRAMA DE COLETA SELETIVA EM GRANDES INSTITUIÇÕES DE ENSINO: OS RESÍDUOS SÓLIDOS ANALISADOS E VALORIZADOS SOB A ÓTICA DA GESTÃO AMBIENTAL Régia Lúcia Lopes (1) Engenheira Civil pela UFRN em 1986.

Leia mais

ESCOLA SENAI CELSO CHARURI CFP 5.12 PROGRAMA DE CONTROLE DA COLETA SELETIVA E DESTINO DOS MATERIAIS DESCARTADOS

ESCOLA SENAI CELSO CHARURI CFP 5.12 PROGRAMA DE CONTROLE DA COLETA SELETIVA E DESTINO DOS MATERIAIS DESCARTADOS ESCOLA SENAI CELSO CHARURI CFP 5.12 PROGRAMA DE CONTROLE DA COLETA SELETIVA E DESTINO DOS MATERIAIS DESCARTADOS PROGRAMA Nº 04/2012 SENAI-SP. Projeto desenvolvido pelo CFP 5.12 Escola SENAI Celso Charuri.

Leia mais

VI-059 - PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E LÍQUIDOS DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL - PUC / RS

VI-059 - PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E LÍQUIDOS DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL - PUC / RS VI-059 - PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E LÍQUIDOS DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL - PUC / RS Gilson Spanemberg (1) Engenheiro Químico (PUC/RS). Mestre em Ecologia

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DA SAÚDE (PGRSS)

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DA SAÚDE (PGRSS) PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DA SAÚDE (PGRSS) 1 1. Apresentação do Projeto O presente documento tem por finalidade apresentar um Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviço de Saúde

Leia mais

Sustentabilidade: Segregar Resíduos Sólidos na Intervenção Cardiovascular. Ivanise Gomes

Sustentabilidade: Segregar Resíduos Sólidos na Intervenção Cardiovascular. Ivanise Gomes Sustentabilidade: Segregar Resíduos Sólidos na Intervenção Cardiovascular Ivanise Gomes O que é Sustentabilidade? Prática de atividades economicamente viáveis, socialmente justas e ecologicamente corretas

Leia mais

RESÍDUOS SÓLIDOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL: Diagnóstico do Cenário atual de Três Lagoas MS.

RESÍDUOS SÓLIDOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL: Diagnóstico do Cenário atual de Três Lagoas MS. RESÍDUOS SÓLIDOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL: Diagnóstico do Cenário atual de Três Lagoas MS. Ana Cláudia Santos da Silva Graduanda em Engenharia Ambiental e Sanitária Faculdades Integradas de Três Lagoas - AEMS

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE CANOAS

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE CANOAS TERMO DE REFERÊNCIA PLANO DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGIRS 1 JUSTIFICATIVA O presente Termo de Referência tem por fim orientar a elaboração do PGIRS. 2 OBJETIVO O objetivo do PGIRS

Leia mais

"PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL"

PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL "PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL" Quem somos: Associação sem fins lucrativos, fundado em 1992, o CEMPRE se dedica à promoção da reciclagem dentro do conceito de gerenciamento integrado

Leia mais

ambiente e para a saúde da comunidade, esta percepção não se tem traduzido em ações efetivas que possibilitem mudanças qualitativas na situação

ambiente e para a saúde da comunidade, esta percepção não se tem traduzido em ações efetivas que possibilitem mudanças qualitativas na situação GERENCIAMENTO DO LIXO NA CIDADE DE ESPERANÇA PB: UMA QUESTÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Joanilma dos Santos SILVA 1, Gabriele de OLIVEIRA 1, Aline Pereira RODRIGUES¹, Hellen Regina Guimarães da SILVA 1, Mário

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE TERMO DE REFERÊNCIA PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE CURITIBA

Leia mais

Ideal Qualificação Profissional

Ideal Qualificação Profissional 2 0 1 1 Finalista Estadual - SP Categoria Serviços de Educação 2 0 1 2 Vencedora Estadual - SP Categoria Serviços de Educação 2 0 1 2 Finalista Nacional Categoria Serviços de Educação Apresentação O desenvolvimento

Leia mais

MELHORIAS IMPLANTADAS NO CENTRO DE RECICLAGEM DA VILA PAULICÉIA - SÃO BERNARDO DO CAMPO/SP

MELHORIAS IMPLANTADAS NO CENTRO DE RECICLAGEM DA VILA PAULICÉIA - SÃO BERNARDO DO CAMPO/SP MELHORIAS IMPLANTADAS NO CENTRO DE RECICLAGEM DA VILA PAULICÉIA - SÃO BERNARDO DO CAMPO/SP Cristiane Ferreira, Fernanda Duran, Julia Lima e Juliana Santos Mercedes-Benz do Brasil Ltda. RESUMO O Centro

Leia mais

REVISÃO 2º BIMESTRE LIXO E SEU DESTINO

REVISÃO 2º BIMESTRE LIXO E SEU DESTINO REVISÃO 2º BIMESTRE LIXO E SEU DESTINO 1) Analise as alternativas sobre aspectos relacionados ao lixo e marque (V) para as verdadeiras e (F) para as falsas. ( ) O lixo é caracterizado como tudo aquilo

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO PGRSS DO HU ANO 2015

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO PGRSS DO HU ANO 2015 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO PGRSS DO HU ANO 2015 ESTRUTURA FÍSICA Reestruturação dos locais para o armazenamento interno dos resíduos Definir local para sala de utilidades por andar Evitar o contato dos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002)

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil. Correlações: Alterada pela Resolução nº 469/15

Leia mais

O QUE É O AMBIENTAÇÃO?

O QUE É O AMBIENTAÇÃO? PROJETO PILOTO O QUE É O AMBIENTAÇÃO? É o projeto que pretende inserir os valores sócio- ambientais na administração pública do Estado, por meio de iniciativas que possibilitem a mudança de comportamento

Leia mais

PORTARIA 83/2000 NORMA TÉCNICA SLU/PBH Nº 002/2000

PORTARIA 83/2000 NORMA TÉCNICA SLU/PBH Nº 002/2000 PORTARIA 83/2000 NORMA TÉCNICA SLU/PBH Nº 002/2000 Aprova Norma Técnica que estabelece as características de localização, construtivas e os procedimentos para uso do abrigo externo de armazenamento de

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ PROGRAMA DE GESTÃO SOCIOAMBIENTAL. Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos (Modelo Sugestivo)

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ PROGRAMA DE GESTÃO SOCIOAMBIENTAL. Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos (Modelo Sugestivo) MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ PROGRAMA DE GESTÃO SOCIOAMBIENTAL Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos (Modelo Sugestivo) Comarca de xxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxx / 2013 1. IDENTIFICAÇÃO DO

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE VIRGÍNIA MG

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE VIRGÍNIA MG PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE VIRGÍNIA MG Diagnóstico da Infraestrutura do Sistema de Coleta e Tratamento de Resíduos Sólidos no Setor de Mobilização 2, bairros Vargem Alegre, Serra Verde, Rio

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DA GESTÃO DE RESIDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE EM UMA UNIDADE MUNICIPAL DE SAÚDE (UMS) DE BELÉM-PA SEGUNDO A LEGISLAÇÃO

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DA GESTÃO DE RESIDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE EM UMA UNIDADE MUNICIPAL DE SAÚDE (UMS) DE BELÉM-PA SEGUNDO A LEGISLAÇÃO AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DA GESTÃO DE RESIDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE EM UMA UNIDADE MUNICIPAL DE SAÚDE (UMS) DE BELÉM-PA SEGUNDO A LEGISLAÇÃO Raphael de Souza Vale(1) Graduando em Engenharia Ambiental

Leia mais

o ojet Pr a Consciênci 1 Resíduos

o ojet Pr a Consciênci 1 Resíduos Projeto Consciência Resíduos 1 Qual é a diferença entre resíduo e lixo? 2 Qual é a diferença entre resíduo e lixo? Resíduo pode ser considerado qualquer material que sobra após uma ação ou processo produtivo.

Leia mais

Gestão dos resíduos sólidos, reciclagem e sustentabilidade ambiental

Gestão dos resíduos sólidos, reciclagem e sustentabilidade ambiental Gestão dos resíduos sólidos, reciclagem e sustentabilidade ambiental Grupo: Fabiana Augusta César Irene Benevides Vinícius Tôrres Pires Samira Chantre Gestão de Resíduos Sólidos Gestão/gerir:Administrar,dirigir,

Leia mais

A importância da coleta seletiva e do aterro sanitário para o município de Quarto Centenário

A importância da coleta seletiva e do aterro sanitário para o município de Quarto Centenário A importância da coleta seletiva e do aterro sanitário para o município de Quarto Centenário Regina da Silva Ferreira 1 regina-s-ferreira@hotmail.com Resumo: O presente trabalho teve como objetivo demonstrar

Leia mais

SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PORTO ALEGRE

SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PORTO ALEGRE SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PORTO ALEGRE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA SANTA CASA: SAÚDE PÚBLICA COMPROMETIDA COM A PRESERVAÇÃO AMBIENTAL Responsável pelo trabalho: Bruna Vallandro Trolli Vieira - Analista

Leia mais

Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos de referência

Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos de referência Página 1 de 9 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 00 01 20/05/2009 30/09/2009 16/12/09 Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos

Leia mais

III-235 - COMUNICAÇÃO AMBIENTAL NO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS

III-235 - COMUNICAÇÃO AMBIENTAL NO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS III-235 - COMUNICAÇÃO AMBIENTAL NO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS Sandra Maria Furiam Dias (1) Engenheira Civil. Doutora em Saúde Pública pela FSP/USP. Professora Adjunta do Departamento de

Leia mais

ANÁLISE DOS IMPACTOS SOCIOAMBIENTAIS PROVOCADOS PELO ATERRO SANITÁRIO NO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL/ RS 1

ANÁLISE DOS IMPACTOS SOCIOAMBIENTAIS PROVOCADOS PELO ATERRO SANITÁRIO NO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL/ RS 1 ANÁLISE DOS IMPACTOS SOCIOAMBIENTAIS PROVOCADOS PELO ATERRO SANITÁRIO NO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL/ RS 1 DAMBROS, Gabriela 2 ; BARROS, Liliane Costa de 3 ; LOUZADA, José Antônio 4; WIZNIEWSKY, Carmen Rejane

Leia mais

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes revista especializada em tratamento de DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS ULTRAVIOLETA Sistema de decantação Ação dos decantadores em tratamento de água Fenasan 2013 9 772236 261064 junho/julho-2013

Leia mais

Experiência: O Serviço de Análises Clínicas em Sintonia com o Meio Ambiente

Experiência: O Serviço de Análises Clínicas em Sintonia com o Meio Ambiente Experiência: O Serviço de Análises Clínicas em Sintonia com o Meio Ambiente Universidade Federal do Paraná Hospital de Clínicas Serviço de Análises Clínicas Responsável: Mônica Evelise Silveira Equipe:

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SAÚDE: ESTUDO DE CASO CLINICA DE DIALISE.

IMPLANTAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SAÚDE: ESTUDO DE CASO CLINICA DE DIALISE. IMPLANTAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SAÚDE: ESTUDO DE CASO CLINICA DE DIALISE. Kelly Dayana Benedet Maas Universidade Federal de Mato Grosso, Mestrado em Ciências Florestais e Ambientais-UFMT

Leia mais

LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS ARTIGO 13 -ORIGEM RSU(domiciliares e de limpeza pública) Comerciais e Prestadores de Serviços Serviços Públicos de Saneamento Básico Industriais

Leia mais

DIAGNÓSTICO DO PROGRAMA DE COLETA SELETIVA EM SANTA TEREZINHA DE ITAIPU - PR. Coleta Seletiva, nem tudo é lixo, pense, separe, recicle e coopere.

DIAGNÓSTICO DO PROGRAMA DE COLETA SELETIVA EM SANTA TEREZINHA DE ITAIPU - PR. Coleta Seletiva, nem tudo é lixo, pense, separe, recicle e coopere. DIAGNÓSTICO DO PROGRAMA DE COLETA SELETIVA EM SANTA TEREZINHA DE ITAIPU - PR Coleta Seletiva, nem tudo é lixo, pense, separe, recicle e coopere. Março de 2015 DESCRIÇÃO DO PROGRAMA DE COLETA SELETIVA HISTÓRICO

Leia mais

Educação Ambiental: Lixo e Reciclagem na escola

Educação Ambiental: Lixo e Reciclagem na escola Educação Ambiental: Lixo e Reciclagem na escola 1 Cristiane Aparecida Almeida¹, Juliana Vanir de Souza Carvalho², Yara Luiza Coelho¹. ¹ Graduanda do curso de Licenciatura em Química Universidade do Estado

Leia mais

E-07/204.019/05 FEEMA - FUNDAÇÃO ESTADUAL DE ENGENHARIA DO MEIO AMBIENTE

E-07/204.019/05 FEEMA - FUNDAÇÃO ESTADUAL DE ENGENHARIA DO MEIO AMBIENTE RAZÃO SOCIAL: HOSPITAL DE CLINICAS DE NITEROI LTDA UNIDADE: HOSPITAL ENDEREÇO: RUA LA SALLE, 12 BAIRRO: CENTRO MUNICÍPIO: NITEROI PROCESSO: E-07/204.019/05 1. CARACTERIZAÇÃO DA ATIVIDADE 2. CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

"PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL"

PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL "PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL" Associação sem fins lucrativos, fundado em 1992, o CEMPRE se dedica à promoção da reciclagem dentro do conceito de gerenciamento integrado do lixo.

Leia mais

Lixo na escola: Educação ambiental e a Sustentabilidade escolar

Lixo na escola: Educação ambiental e a Sustentabilidade escolar Lixo na escola: Educação ambiental e a Sustentabilidade escolar E.M. Jenny de Andrade Faria Patrícia Mara Nunes de Souza Mariele Rosa Introdução Dentre os reflexos do consumo exagerado, e quase sempre

Leia mais

APOIO E REAÇÕES AOS EQUIPAMENTOS DE ENTREGA VOLUNTÁRIA EM TOLEDO - PR

APOIO E REAÇÕES AOS EQUIPAMENTOS DE ENTREGA VOLUNTÁRIA EM TOLEDO - PR APOIO E REAÇÕES AOS EQUIPAMENTOS DE ENTREGA VOLUNTÁRIA EM TOLEDO - PR Tainara IankaMaas Acadêmica de Iniciação Científica do curso de Geografia da Unioeste, campus de Mal. C. Rondon-PR, Integrante do Laboratório

Leia mais

A CONSCIENTIZAÇÃO AMBIENTAL NO ÂMBITO ESCOLAR. PALAVRAS-CHAVE: Educação Ambiental, Reciclagem, Coleta Seletiva.

A CONSCIENTIZAÇÃO AMBIENTAL NO ÂMBITO ESCOLAR. PALAVRAS-CHAVE: Educação Ambiental, Reciclagem, Coleta Seletiva. A CONSCIENTIZAÇÃO AMBIENTAL NO ÂMBITO ESCOLAR Gicélia Moreira (ID) 1*, Luzia M. C. Honório (IC) 1, Meryglaucia S. Azevedo (PET) 2, Guilherme L. Lucena (PG) 3, Vandeci D. dos Santos (PQ) 1, Afranio G. da

Leia mais

Anexo 6.4-4 Relatório da Oficina Procedimentos e Técnicas de Reuso e Reciclagem

Anexo 6.4-4 Relatório da Oficina Procedimentos e Técnicas de Reuso e Reciclagem 3º RELATÓRIO CONSOLIDADO DE ANDAMENTO DO PBA E DO ATENDIMENTO DE CONDICIONANTES 6.4 PROGRAMA DE INCENTIVO À CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL E O DESENVOLVIMENTO DE ATIVIDADES PRODUTIVAS Anexo 6.4-4 Relatório da

Leia mais

UMA PROPOSTA INTERDISCIPLINAR DE CONSCIENTIZAÇÃO SOBRE O LIXO INTEGRANDO: UNIVERSIDADE, ESCOLA E COMUNIDADE

UMA PROPOSTA INTERDISCIPLINAR DE CONSCIENTIZAÇÃO SOBRE O LIXO INTEGRANDO: UNIVERSIDADE, ESCOLA E COMUNIDADE UMA PROPOSTA INTERDISCIPLINAR DE CONSCIENTIZAÇÃO SOBRE O LIXO INTEGRANDO: UNIVERSIDADE, ESCOLA E COMUNIDADE Resumo COSTA, Josiane da 1 - UNILA ONOFRIO, Alvaro Barcellos 2 - UNILA Grupo de Trabalho - Educação

Leia mais

Município: São Pedro do Ivaí e-mail: nilsonmarquedeoliveira@seed.pr.gov.br Fone: (43) 3451 1241

Município: São Pedro do Ivaí e-mail: nilsonmarquedeoliveira@seed.pr.gov.br Fone: (43) 3451 1241 NRE: Ivaiporã Nome do Professor: Nilson Marques de Oliveira Município: São Pedro do Ivaí e-mail: nilsonmarquedeoliveira@seed.pr.gov.br Fone: (43) 3451 1241 Escola: Escola Estadual Vicente Machado Ensino

Leia mais

RESÍDUOS DOS SERVIÇOS DE. Hélida Rosa Silva Enfª Resp. Técnica GRSS CTAALS

RESÍDUOS DOS SERVIÇOS DE. Hélida Rosa Silva Enfª Resp. Técnica GRSS CTAALS RESÍDUOS DOS SERVIÇOS DE SAÚDE Hélida Rosa Silva Enfª Resp. Técnica GRSS CTAALS 1- SUMÁRIO - O que é o plano de gerenciamento (PGRSS) e gerenciamento de resíduos (GRSS)? - Objetivo do PGRSS - Leis que

Leia mais

Preservação do meio ambiente

Preservação do meio ambiente Preservação do meio ambiente Introdução: Este texto, visando a preservação do ambiente em que vivemos, traz atitudes fáceis e práticas que você mesmo pode tomar para tornar o mundo um lugar mais agradável

Leia mais

SITUAÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES DE CATADORES DE MATERIAIS RECICLÁVEIS EM ALGUNS MUNICÍPIOS DA RMBH

SITUAÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES DE CATADORES DE MATERIAIS RECICLÁVEIS EM ALGUNS MUNICÍPIOS DA RMBH SITUAÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES DE CATADORES DE MATERIAIS RECICLÁVEIS EM ALGUNS MUNICÍPIOS DA RMBH Júlio Eymard Werneck Costa Graduando em Engenharia Civil pela UFMG. Bolsista de iniciação científica. Tainá Ulhoa

Leia mais

Lixo. LIX (Latin)= CINZAS (=Lixo).

Lixo. LIX (Latin)= CINZAS (=Lixo). PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA SUBPROJETO DE GEOGRAFIA ESCOLA ESTADUAL DESEMBARGADOR FLORIANO CAVALCANTI SUPERVISORA: INÊS PACHECO BOLSISTAS: DAYAN MUNIZ E JAILZA REIS RESÍDUOS

Leia mais

Projeto de Incentivo à Reciclagem

Projeto de Incentivo à Reciclagem Projeto de Incentivo à Reciclagem Boas Práticas em Meio Ambiente Apresentação: O objetivo do seguinte projeto tem a finalidade de auxiliar a implementação da Coleta Seletiva e posteriormente envio para

Leia mais

Sistema de Produção e Escoamento de Gás e Condensado no Campo de Mexilhão, Bacia de Santos

Sistema de Produção e Escoamento de Gás e Condensado no Campo de Mexilhão, Bacia de Santos Sistema de Produção e Escoamento de Gás e Condensado no Campo de Mexilhão, Bacia de Santos (Unidade de Tratamento e Processamento de Gás Monteiro Lobato UTGCA) 3º Relatório Semestral Programa de gerenciamento

Leia mais