Quarto Estudo de Follow up dos Diplomados

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Quarto Estudo de Follow up dos Diplomados"

Transcrição

1 Cursos de Formação em Alternância na Banca Quarto Estudo de Follow up dos Diplomados Relatório Cursos terminados entre 2006 e 2009 Projecto realizado em parceria e financiado pelo Instituto de Emprego e Formação Profissional Dezembro de 2011

2 ÍNDICE 1. Introdução Resultado Global dos Cursos de Lisboa e do Porto Motivos Invocados para Voltarem a Escolher o Curso que Frequentaram Sugestões tendo em vista o Aperfeiçoamento do Curso Formação Profissional Sugerida para o Futuro Depoimentos ANEXO 1 RESULTADOS POR CURSO I.1 Técnicas e Operações Bancárias 1 (TOB 1) Lisboa e Porto I.2 Técnicas e Operações Bancárias 2 (TOB 2) Lisboa I.3 Técnicas de Gestão de Clientes - Banca (TGCB) Lisboa I.4 Técnicas e Operações Bancárias - Educação e Formação Porto I.5 Técnico Comercial Bancário - Educação e Formação de Adultos Lisboa e Porto ANEXO 2 QUESTIONÁRIO DE FOLLOW-UP DOS DIPLOMADOS Formação em Alternância na Banca 1

3 1. INTRODUÇÃO O Instituto de Formação Bancária (IFB) e o Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP) desenvolvem em parceria, desde 1992, Cursos de Formação em Alternância na Banca. Foram até agora formados diplomados, que obtiveram equivalência ao 12.º Ano de escolaridade e/ou a Níveis de Qualificação Profissional da UE (Nível 3 ou 4, e, de acordo com a classificação actual, Nível 4 ou 5). Integrada na sua política de qualidade, o IFB procura acompanhar o percurso profissional e escolar dos formandos que concluem os Cursos de Formação em Regime de Alternância, concretamente no que respeita à sua inserção e evolução profissional, bem como em outros aspectos considerados relevantes. O presente relatório refere-se aos seguintes Cursos realizados em Lisboa e no Porto no período de 2006 a 2009: Técnicas e Operações Bancárias 1 (TOB 1) destinou-se a jovens com o 9.º Ano completo e teve uma duração de 3 anos (3 675 horas). Uma vez concluído, o Curso conferiu equivalência ao 12.º Ano e uma Qualificação Profissional de Nível 3; Técnicas e Operações Bancárias 2 (TOB 2) destinou-se a jovens com o 12.º Ano completo e teve uma duração de 15 meses (1 800 horas). Após conclusão, o Curso conferiu uma Qualificação Profissional de Nível 3; Técnicas de Gestão de Clientes Banca (TGCB) destinou-se a jovens que, para além do 12.º Ano completo, detinham igualmente uma Qualificação Profissional de Nível 3. O Curso teve uma duração de 13 meses (1 560 horas) e, após conclusão, conferiu um Diploma de Especialização Tecnológica (DET) e o Nível 4 de Qualificação Profissional, de acordo com um protocolo assinado com o Instituto Superior de Gestão Bancária (ISGB); Curso Técnico Comercial Bancário (TCB-EFA) Curso de Educação e Formação de Adultos POPH. Destinou-se a jovens com o 12.º Ano e idade igual ou superior a 23 anos, e teve a duração de 13 meses (1 600 horas). Atribuiu, igualmente, o Nível 3 de Qualificação Profissional; Técnicas e Operações Bancárias (TOB-EF) Curso de Educação e Formação (Despacho Conjunto n.º 453/2004, de 27 Julho, do Ministério da Educação e do Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social). Destinou-se a jovens com o 12.º Ano completo e teve a duração de 15 meses (1 740 horas). Atribuiu o Nível 3 de Qualificação Profissional. 2 Formação em Alternância na Banca

4 Derivado da preocupação em acompanhar o desenvolvimento de carreira e de prosseguimento de estudos superiores dos formandos que concluíram os referidos Cursos, o IFB elabora, desde 1995, um estudo de Follow-up dos Diplomados, como se segue: 1.º Estudo 1.ª à 5.ª Edição do Curso Geral Bancário em Regime de Alternância (CGBRA), abrangendo os Cursos terminados entre 1995 e Estudo publicado em º Estudo 6.ª à 9.ª Edição do CGBRA, abrangendo os Cursos terminados entre 1999 e Estudo publicado em º Estudo 10.ª, 11.ª e 12.ª Edições do CGBRA, abrangendo os Cursos terminados entre 2003 e 2005, do Curso de TOB 2 1.ª Edição, terminado em 2005 e do Curso de TGCB 1.ª Edição, terminado em Estudo publicado em º Estudo O presente Estudo, envolvendo: 13.ª, 14.ª, 15.ª e 16.ª Edições do Curso TOB 1, que abrange os Cursos terminados entre 2006 e 2009; 2.ª, 3.ª, 4.ª e 5.ª Edições do Curso TOB 2, que abrange os Cursos terminados entre 2006 e 2009; 1.ª Edição do Curso TOB-EF, terminado em 2007; 2.ª e 3.ª Edições do Curso TGCB, que abrange os Cursos terminados em 2006 e 2007; 1.ª Edição do Curso TCB-EFA, terminado em Com vista à elaboração deste estudo, foi apresentado aos diplomados um questionário de follow-up, em anexo, cujos resultados são objecto do presente Relatório. O estudo foi dirigido aos jovens que terminaram o Curso entre 2006 e 2009, num total de 630. Foram recebidas 301 respostas correspondentes a 48% do universo total, de acordo com o quadro seguinte. Cursos Diplomados Lisboa Porto Total Respostas recebidas (Em quantidade e em %) 13.ª Edição TOB (56%) 14.ª Edição TOB (53%) 15.ª Edição TOB (43%) 16.ª Edição TOB (66%) 2.ª Edição TOB (46%) 3.ª Edição TOB (40%) 4.ª Edição TOB (30%) 5.ª Edição TOB (43%) 2.ª Edição TGCB (57%) 3.ª Edição TGCB (76%) 1.ª Edição TOB-EF (41%) 1.ª Edição TCB-EFA (37%) Total (48%) Formação em Alternância na Banca 3

5 2. RESULTADO GLOBAL DOS CURSOS DE LISBOA E DO PORTO 2.1 Situação Actual relativa ao Trabalho e Estudo Gráfico 1 Situação face ao mercado de trabalho Lisboa e Porto Global Um dado muito significativo é o facto de 92% dos Diplomados se encontrarem a trabalhar e/ou a prosseguir estudos superiores. 5,5% Global - Lisboa Global Global - Porto A maioria (85%) dos Diplomados encontra-se integrada no mercado de trabalho. De realçar, no entanto, que cerca 35% além de trabalhar, também estuda num Curso Superior, elevando assim o seu nível de habilitações académicas. 4 Formação em Alternância na Banca

6 2.2 Instituição onde Exerce Actividade Gráfico 2 Instituição onde exerce actividade Lisboa e Porto 4,6% Global - Lisboa Global Global - Porto Dos Diplomados que se encontram a trabalhar, 65% desenvolvem a sua actividade em Instituições de Crédito, enquanto 29% desempenham funções noutras empresas. Este último dado é elucidativo quanto às possibilidades que o Curso fornece aos Formandos que o concluem, não sendo o ingresso no mercado de trabalho exclusivo à área da Banca. 4,6% Formação em Alternância na Banca 5

7 2.3 Situação Académica Gráfico 3 Frequência do ensino superior Lisboa e Porto 1,3% 1,3% 1,7% Global Lisboa Global Global - Porto Cerca de 50% dos Diplomados continuaram os estudos no ensino superior, acumulando ou não com a actividade profissional. 6 Formação em Alternância na Banca

8 2.4 Estabelecimento de Ensino que Frequenta Gráfico 4 Estabelecimento de ensino que frequenta Lisboa e Porto Global - Lisboa Global Global - Porto Do total de Diplomados que continuaram os estudos, cerca de 25% optaram pelo Instituto Superior de Gestão Bancária (ISGB), sendo que 54% dos Diplomados optaram por continuar os seus estudos em outros estabelecimentos de ensino superior. Do total dos Diplomados, 21% não responderam. Formação em Alternância na Banca 7

9 2.5 Opinião sobre o Curso Se pudesse voltar atrás, escolheria novamente o seu Curso? Gráfico 5 Voltaria a escolher o Curso Lisboa e Porto 5,5,% 5,3% Global - Lisboa 4,8% Global Global - Porto A grande maioria dos Diplomados (95%) escolheria de novo o seu Curso, se pudesse voltar atrás, o que reflecte um elevado grau de satisfação com o mesmo. 8 Formação em Alternância na Banca

10 3. MOTIVOS INVOCADOS PARA VOLTAREM A ESCOLHER O CURSO QUE FREQUENTARAM Independentemente de se encontrarem empregados na área da Banca, a maioria dos Diplomados confere ao Curso grande importância, pelo facto de contribuir para a sua formação profissional e pessoal. São igualmente referidos como muito positivos, aspectos relacionados com a exigência do Curso, do seu currículo e dos conteúdos ministrados, do conhecimento prático obtido, assim como a preparação que oferece para a realidade da actividade Bancária. A saída profissional é o aspecto mais focado pelos Diplomados, uma vez que a grande maioria ficou empregada no Sector Bancário. O bom ambiente, o profissionalismo dos Formadores e a experiência teórica e prática (através dos estágios), que o Curso proporciona, são outros pontos focados pelos Diplomados como de importância acrescida. Além da formação técnica, a formação cívica e humana é também considerada um aspecto muito positivo e diferenciador de outras escolas. Apenas uma pequena percentagem dos Diplomados (5%) referiram que não voltariam a escolher o Curso se voltassem atrás, apontando como razões as dificuldades de ingresso no mundo da Banca e o facto de o Curso não ter correspondido às suas expectativas. 4. SUGESTÕES TENDO EM VISTA O APERFEIÇOAMENTO DO CURSO Os Diplomados apontam como mais importantes os seguintes aspectos: Maior duração dos períodos de Formação em Contexto de Trabalho (Estágios) 1 e maior incidência de Prática Simulada, no contexto da Formação em Sala, pela importância que os Formandos lhe conferem na compreensão, consolidação e desenvolvimento das técnicas e conhecimentos teóricos adquiridos; Maior carga horária ao nível dos domínios da língua estrangeira e portuguesa; Maior incidência na componente prática da Área Comercial; Reajustamento de alguns conteúdos programáticos e respectiva carga horária. 5. FORMAÇÃO PROFISSIONAL SUGERIDA PARA O FUTURO No que respeita a sugestões para o futuro, a maioria dos Diplomados refere acções de formação nas áreas Comercial, Técnicas de Vendas, Crédito, Mercados Financeiros, Análise Técnica de Investimentos, Fraude e Risco Operacional e acções de actualização e/ou workshops de conhecimentos sobre a Banca, devido ao actual contexto de constantes oscilações. Foram em menor número os Diplomados que fizeram referência a outras acções, nomeadamente, relacionadas com o Atendimento de Clientes, Produtos Bancários direccionados para o segmento de empresas, Inglês Técnico, Títulos e Mercado de Capitais. 1 Presentemente, os Cursos de Aprendizagem já respondem a esta sugestão (40% de duração do Curso é passada na FCT). Formação em Alternância na Banca 9

11 6. DEPOIMENTOS Transcrevem-se algumas das citações mais significativas dos Diplomados: «O Curso é excelente. Ajuda-nos a entrar no mercado de trabalho mais preparados». «O IFB é, a nível nacional, a melhor escola neste nicho de formação». «Este Curso contribuiu da melhor forma para o meu futuro». «A forma como qualquer docente da instituição se preocupa com os alunos foi algo que me marcou. Desde o porteiro até ao director existia um laço de amizade forte». «O Curso é muito intenso a nível teórico, devendo ter uma maior componente prática». «Apostar mais na disciplina de Inglês que é cada vez mais importante no sector da Banca». «Continuação do excelente trabalho desenvolvido no passado, presente e no futuro». «Continuem o excelente trabalho que têm feito, com um excelente corpo directivo, docente e administrativo, que tenta tirar sempre o máximo de todos aqueles que frequentam os cursos ministrados, mantendo assim o IFB como uma referência no mercado de trabalho». «Foi uma experiência absolutamente fantástica, o que adquirimos neste curso é fundamental para a nossa vida». «Foi uma das melhores escolhas da minha vida. Cada ano que passa aumenta o meu progresso profissional na Instituição de Crédito onde trabalho. O IFB e ISGB foram uma mais-valia para mim». «Porque me proporcionou uma aprendizagem especializada e qualificada a nível europeu numa área onde pretendo seguir carreira». «Sobretudo pela grande preparação que providencia para o mercado de trabalho através dos estágios, e pelo reconhecimento que tem na banca». «Porque apesar dos obstáculos e dificuldades no fim foi com grande satisfação que finalizei o curso. Aprendi bastante, não só a nível pedagógico como pessoal». «O curso abriu-me imensas portas, além disso continuo na Instituição Bancária onde fiz o meu estágio e estou a poucos dias de passar a efectiva. O IFB preparou-me para o mercado de trabalho e foi uma enorme mais-valia». «Qualidade do grupo docente, assim como o programa curricular. Além disso, o próprio Instituto, pelo facto de se preocupar não só com a formação académica do indivíduo mas, também, com a formação intelectual e humana, considero como factor diferenciador e gerador de vantagem competitiva relativamente as outras escolas do mesmo tipo». Os Diplomados comunicaram, por fim, alguns aspectos globais acerca do projecto, nomeadamente: Agrado pelo facto de o IFB se preocupar com o seu percurso após terminarem o Curso, enquanto outros referiram que o IFB deveria dar mais apoio aos Diplomados não inseridos no mercado de trabalho, devido às actuais dificuldades na procura de emprego; Grande agrado pelo Curso; Reconhecimento da saída profissional que o Curso lhes possibilitou, incentivando-nos a continuar. 10 Formação em Alternância na Banca

12 ANEXO 1 RESULTADOS POR CURSO Formação em Alternância na Banca 11

13 I.1 Técnicas e Operações Bancárias 1 (TOB 1) Lisboa e Porto Gráfico 1 Situação Actual Referente ao Trabalho e Estudo 5.9% Lisboa Porto Um dado bastante significativo é o facto de 94% dos Diplomados de Lisboa se encontrarem a trabalhar e/ou a prosseguir estudos superiores. No caso do Porto esta realidade espelha uma percentagem de 82%. Outro 8.8% dado importante é que existe uma percentagem elevada de Diplomados a continuarem os estudos, elevando assim o seu nível de qualificação e know how. Gráfico 2 Situação Profissional Actual Lisboa Porto A maioria dos Diplomados que se encontra integrada no mercado de trabalho desempenha funções em Instituições de Crédito, concretamente 68,5% em Lisboa e 58,8% no Porto, sendo que os restantes desempenham funções noutras empresas. Significa, pois, que o Curso permite aos Formandos que o concluem ingresso no mercado de trabalho não se cingido exclusivamente à área da Banca. Pela análise das respostas aos questionários (Lisboa e Porto), podemos concluir que a grande maioria dos Diplomados se encontra a desempenhar as funções de Administrativo (atendimento geral, caixa, escriturário, etc.) e de Assistente Comercial. 12 Formação em Alternância na Banca

14 No entanto, existem casos entre os Diplomados que terminaram o Curso há mais tempo, que já exercem funções de maior responsabilidade, concretamente na área de Gestão de Carteiras de Clientes Particulares e de Negócios. Existe ainda uma pequena percentagem de Diplomados que se estabeleceram por conta própria. Gráfico 3 Frequência do Ensino Superior Lisboa Porto Relativamente à continuação de estudos superiores, é de realçar que cerca de 58% dos Diplomados de Lisboa continuaram os estudos no ensino superior (acumulando ou não com a actividade profissional). No Porto, a percentagem de Diplomados que deram continuidade aos estudos é de 46%. Gráfico 4 Estabelecimento de Ensino Superior Frequentado Lisboa Porto Em relação à escolha do estabelecimento de ensino superior para darem continuidade aos estudos, 36% dos Diplomados de Lisboa optaram pelo Instituto Superior de Gestão Bancária, enquanto, no Porto, essa percentagem é de 32%. Os restantes diplomados, 64% de Lisboa e 68% do Porto optaram por dar continuidade aos seus estudos noutros estabelecimentos de ensino superior. Formação em Alternância na Banca 13

15 Gráfico 5 Voltaria a escolher este Curso? 4% Lisboa Porto Quando questionados sobre se escolheriam novamente este Curso, a grande maioria dos Diplomados (96% em Lisboa e 100% no Porto) responde afirmativamente, o que reflecte o elevado grau de satisfação em relação ao Curso. I.2 Técnicas e Operações Bancárias 2 (TOB 2) Lisboa Todas as edições do Curso Técnicas e Operações Bancárias 2 foram realizadas apenas em Lisboa. Gráfico 6 Situação Actual Referente ao Trabalho e Estudo 3,3% Cerca de 91% dos Diplomados encontram-se a trabalhar e/ou a prosseguir estudos superiores, o que reflecte a importância dada à elevação do nível de qualificação e know how. 14 Formação em Alternância na Banca

16 Gráfico 7 Situação Profissional Actual A maioria dos Diplomados que se encontra integrada no mercado de trabalho desempenha funções em Instituições de Crédito (71,7%), sendo que os restantes 28,3% dos Diplomados desempenham funções noutras empresas. Importa salientar que o Curso permite aos Formandos que o concluem ingresso no mercado de trabalho não se cingido exclusivamente à área da Banca. Pela análise das respostas aos questionários, podemos concluir que a grande maioria dos Diplomados se encontra a desempenhar as funções de Administrativo (atendimento geral, caixa, escriturário, etc.) e de Assistente Comercial. No entanto, existem casos entre os Diplomados que terminaram o Curso há mais tempo, que já exercem funções de maior responsabilidade, concretamente na área de Gestão de Carteiras de Clientes Particulares. Existe ainda uma pequena percentagem de Diplomados que exerce funções de Chefia e Coordenação em empresas não afectas ao Sector Bancário. Gráfico 8 Frequência do Ensino Superior Relativamente à continuação de estudos superiores, é de realçar que cerca de 46,7% dos Diplomados continuaram os estudos no ensino superior (acumulando ou não com a actividade profissional). Dos 53,3% dos Diplomados que não deram continuidade aos estudos, existe uma percentagem de candidatos ao ensino superior para o ano lectivo 2011/2012. Formação em Alternância na Banca 15

17 Gráfico 9 Estabelecimento de Ensino Superior Frequentado Em relação à escolha do estabelecimento de ensino para darem continuidade aos estudos superiores, 23,3% dos Diplomados optaram pelo Instituto Superior de Gestão Bancária. Os restantes diplomados, 76,7% optaram por dar continuidade aos seus estudos noutros estabelecimentos de ensino superior. Gráfico 10 Voltaria a escolher este Curso? 6.5% Quando questionados sobre se escolheriam novamente este curso, a grande maioria dos Diplomados (cerca de 94%) responde afirmativamente, o que reflecte a elevada satisfação global em relação ao Curso. 16 Formação em Alternância na Banca

18 I.3 Técnicas de Gestão de Clientes - Banca (TGCB) Lisboa As duas edições do Curso Técnicas de Gestão de Clientes - Banca foram realizadas apenas em Lisboa. Gráfico 11 Situação Actual Referente ao Trabalho e Estudo 3.6% Cerca de 96% dos Diplomados encontram-se a trabalhar e/ou a prosseguir estudos superiores, o que reflecte a importância dada à elevação do nível de qualificação e know how. Gráfico 12 Situação Profissional Actual 3.8% A maioria dos Diplomados que se encontra integrada no mercado de trabalho desempenha funções em Instituições de Crédito (96,2%), estando os restantes Diplomados a desempenhar funções noutras empresas. Pela análise das respostas aos questionários, podemos concluir que a grande maioria dos Diplomados se encontra a desempenhar as funções de Administrativo (atendimento geral, caixa, escriturário, etc.). Formação em Alternância na Banca 17

19 Gráfico 13 Frequência do Ensino Superior Relativamente à continuação de estudos, é de realçar que apenas 39,3% dos Diplomados afirmam continuar os estudos no ensino superior (acumulando ou não com a actividade profissional). Gráfico 14 Estabelecimento de Ensino Superior Frequentado Em relação à escolha do estabelecimento de ensino superior para darem continuidade aos estudos, 72,7% dos Diplomados optaram pelo Instituto Superior de Gestão Bancária. Os restantes diplomados, 27,3% optaram por dar continuidade aos seus estudos noutros estabelecimentos de ensino superior. 18 Formação em Alternância na Banca

20 Gráfico 15 Voltaria a escolher este Curso? 7.1% Quando questionados sobre se escolheriam novamente este Curso, a grande maioria dos Diplomados (93%) responde afirmativamente, o que reflecte uma elevada satisfação relativamente às expectativas do Curso. I.4 Técnicas e Operações Bancárias Educação e Formação Porto Realizou-se apenas uma edição do Curso de Técnicas e Operações Bancárias Educação e Formação no Porto. Gráfico 16 Situação Actual Referente ao Trabalho e Estudo Cerca de 88% dos Diplomados encontram-se a trabalhar e/ou a prosseguir estudos superiores, o que reflecte a importância dada à elevação do nível de qualificação e know how. Os restantes 13%, apenas se encontram a estudar. Formação em Alternância na Banca 19

21 Gráfico 17 Situação Profissional Actual Cerca de 57% dos Diplomados que se encontra integrada no mercado de trabalho desempenha funções em Instituições de Crédito, estando os restantes Diplomados, 43% a desempenhar funções noutras empresas. Importa salientar que o Curso permite aos Formandos que o concluem ingresso no mercado de trabalho não se cingido exclusivamente à área da Banca. Gráfico 18 Frequência do Ensino Superior Relativamente à continuação de estudos superiores, importa realçar que cerca de 69% dos Diplomados afirmam continuar os estudos no ensino superior (acumulando ou não com a actividade profissional). 20 Formação em Alternância na Banca

22 Gráfico 19 Estabelecimento de Ensino Superior Frequentado Em relação à escolha do estabelecimento de ensino para darem continuidade aos estudos superiores, 41,7% dos Diplomados optaram pelo Instituto Superior de Gestão Bancária. A maioria dos diplomados, 58,3% optou por dar continuidade aos seus estudos noutros estabelecimentos de ensino superior. Gráfico 20 Voltaria a escolher este Curso? 6.2% Quando questionados sobre se escolheriam novamente este Curso, a grande maioria dos Diplomados (94%) responde afirmativamente, o que reflecte uma elevada satisfação relativamente às expectativas iniciais do Curso. Formação em Alternância na Banca 21

23 I.5 Técnico Comercial Bancário Educação e Formação de Adultos Lisboa e Porto Relativamente ao Curso de Técnico Comercial Bancário, foi realizada uma edição em Lisboa e duas no Porto. Gráfico 21 Situação Actual Referente ao Trabalho e Estudo Lisboa Porto Um dado bastante significativo é o facto de 94% dos Diplomados de Lisboa se encontrarem a trabalhar e/ou a prosseguir estudos superiores. No caso do Porto esta realidade espelha uma percentagem de 75%. Outro dado importante é que existe uma percentagem elevada de Diplomados a continuarem os estudos, elevando assim o seu nível de qualificação e know how. Gráfico 22 Situação Profissional Actual Lisboa Porto A maioria dos Diplomados de Lisboa que se encontra integrada no mercado de trabalho desempenha funções em Instituições de Crédito, concretamente 64,7%. No Porto, a realidade é bem diferente, na medida em que 75% dos Diplomados desempenham funções noutras empresas. Significa, pois, que o Curso permite aos Formandos que o concluem ingresso no mercado de trabalho não se cingido exclusivamente à área da Banca. 22 Formação em Alternância na Banca

24 Pela análise das respostas aos questionários (Lisboa e Porto), podemos concluir que a grande maioria dos Diplomados se encontra a desempenhar as funções de Administrativo (atendimento geral, caixa, escriturário, etc.) e de Assistente Comercial. No entanto, existem casos entre os Diplomados que exercem funções de maior responsabilidade, concretamente na área de Gestão de Carteiras de Clientes Particulares. Gráfico 23 Frequência do Ensino Superior Lisboa Porto Relativamente à continuação de estudos, é de realçar que cerca de 47% dos Diplomados de Lisboa continuaram os estudos no ensino superior (acumulando ou não com a actividade profissional). No Porto, a percentagem de Diplomados que deram continuidade aos estudos é de 25%. Gráfico 24 Estabelecimento de Ensino Superior Frequentado 12.5% Lisboa Porto Em relação à escolha do estabelecimento de ensino superior para darem continuidade aos estudos, tanto os Diplomados de Lisboa, como do Porto optaram maioritariamente por outros estabelecimentos de ensino superior, que não o Instituto Superior de Gestão Bancária. Em Lisboa a percentagem de alunos que ingressaram no Instituto Superior de Gestão Bancária é de cerca de 35%, enquanto no Porto situa-se nos 12,5%. Formação em Alternância na Banca 23

25 Gráfico 25 Voltaria a escolher este Curso? Lisboa Porto Quando questionados sobre se escolheriam novamente este curso, a totalidade dos Diplomados de Lisboa responde afirmativamente, enquanto essa percentagem nos Diplomados do Porto se situa nos 75%. O grau de satisfação em relação ao Curso pode considerar-se elevado. 24 Formação em Alternância na Banca

26 ANEXO 2 QUESTIONÁRIO DE FOLLOW-UP DOS DIPLOMADOS Formação em Alternância na Banca 25

27 Cursos de Formação em Alternância na Banca = QUESTIONÁRIO = de Follow-up de Diplomados Caro Diplomado, Tendo terminado o seu Curso entre 2006 e 2009, vimos convidá-lo a participar no 4.º Estudo de Follow-Up de Diplomados, que o IFB se encontra a realizar. Não deixe de responder, a sua resposta é anónima e muito importante para recolha dos dados estatísticos dos Cursos. Agradecemos o favor de devolver este questionário, devidamente preenchido, pelo correio (envelope de porte-pago em anexo), até ao dia 12 de Maio de Obrigado pela sua colaboração! Nota: Enviamos-lhe este questionário em papel, porque não temos na nossa posse o seu endereço de actualizado, de outro modo ter-lhe-ia sido enviado on-line. Por isso, solicitamos-lhe que nos envie uma mensagem de para com os seus dados actualizados. Os nossos agradecimentos! I IDENTIFICAÇÃO E SITUAÇÃO ACTUAL Identificação Curso frequentado (edição e ano de conclusão): TOB1 (13ª ed. 2006) TOB2 (2ª ed. 2006) TGCB (2ª ed. 2006) TOB1 (14ª ed. 2007) TOB2 (3ª ed. 2007) TGCB (3ª ed. 2007) TOB1 (15ª ed. 2008) TOB2 (4ª ed. 2008) TOB-EF Porto (1º ed. 2007) TOB1 (16ª ed. 2009) TOB2 (5ª ed. 2009) TCB-EFA (1ª ed. 2009) Pólo: Lisboa Porto Sexo: Masc. Fem. Idade (em ): anos Situação Actual: Apenas Trabalho Apenas Estudo Trabalho e Estudo Não Trabalho nem Estudo II CONTINUAÇÃO DE ESTUDOS Se decidiu continuar a estudar: Frequenta(ou) o Ensino Superior? Sim Não Se sim, escolheu: ISGB Instituto Superior de Gestão Bancária Outro 26 Formação em Alternância na Banca

28 III SITUAÇÃO PROFISSIONAL Se trabalha actualmente, indique onde exerce a sua actividade: Numa Instituição de Crédito Noutra Empresa Qual a sua função actual?. IV OPINIÃO SOBRE O CURSO Se pudesse voltar atrás, escolheria novamente o seu Curso? Sim Não Porquê? O Curso foi adequado às exigências requeridas para o desempenho das suas funções? Sim Não O que alteraria no seu Curso? V FORMAÇÃO PROFISSIONAL 1 Que Acções de Formação considera que o IFB poderia disponibilizar, para contribuir para o seu desenvolvimento profissional? VI COMENTÁRIOS/SUGESTÕES Formação em Alternância na Banca 27

29 VII CONTACTE-NOS em Formação de Jovens - Banca Facebook: Tertúlia dos Alunos e Ex-Alunos do IFB (Alternância) Muito Obrigado Instituto de Formação Bancária Maio de Formação em Alternância na Banca

Cursos de Formação em Alternância na Banca Relatório de Follow-up 2010-2013 Lisboa e Porto

Cursos de Formação em Alternância na Banca Relatório de Follow-up 2010-2013 Lisboa e Porto Cursos de Formação em Alternância na Banca Relatório de Follow-up 2010-2013 Lisboa e Porto Outubro de 2015 Índice 1. Introdução... 3 2. Caraterização do Estudo... 4 3. Resultado Global dos Cursos de Lisboa

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Cooperação, Parcerias e Contratos Internacionais. Relatório de Avaliação Final. Suzete Lopes suzetelopes@leaderconsulting.info.

FICHA TÉCNICA. Cooperação, Parcerias e Contratos Internacionais. Relatório de Avaliação Final. Suzete Lopes suzetelopes@leaderconsulting.info. FICHA TÉCNICA Título Organização Curso Relatório de Avaliação Final Suzete Lopes suzetelopes@leaderconsulting.info Cooperação, Parcerias e Contratos Internacionais Entidade Leader Consulting, 08 de Dezembro

Leia mais

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

Curso de Educação e Formação em Desenho Assistido por Computador / Construção Civil

Curso de Educação e Formação em Desenho Assistido por Computador / Construção Civil Curso de Educação e Formação em Desenho Assistido por Computador / Construção Civil Saída Profissional: Operador CAD Certificação ao nível do 9º Ano / Nível II Laboral Bem-Vindo/a à FLAG! A FLAG é uma

Leia mais

Relatório. Turística

Relatório. Turística Relatório anual de avaliação de curso Gestão do Lazer e da Animação Turística 2008 2009 Estoril, Março 200 Francisco Silva Director de Curso de GLAT Conteúdo Introdução... 3 2 Dados do Curso... 3 3 Avaliação

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA FERNÃO DE MAGALHÃES. REGULAMENTO DOS CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos. I - Objecto

ESCOLA SECUNDÁRIA FERNÃO DE MAGALHÃES. REGULAMENTO DOS CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos. I - Objecto ESCOLA SECUNDÁRIA FERNÃO DE MAGALHÃES REGULAMENTO DOS CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos I - Objecto O presente regulamento define a organização, desenvolvimento e acompanhamento dos Cursos de Educação

Leia mais

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO INDICE 1 NOTA PRÉVIA 3 2 LINHAS DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA 4 3 PLANO DE FORMAÇÃO 4 4 FREQUÊNCIA DE ACÇÕES DE FORMAÇÃO 6

Leia mais

CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA

CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA PARTE I - MISSÃO, VALORES, VISÃO E LINHAS DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA DO COMISSARIADO DA AUDITORIA O Comissariado da Auditoria (CA) funciona como órgão independente na

Leia mais

INFORMAÇÕES PARA A PÁGINA DA ESCOLA FRASE DE ABERTURA NOVOS TESTEMUNHOS DE EX-ALUNOS A INCLUIR

INFORMAÇÕES PARA A PÁGINA DA ESCOLA FRASE DE ABERTURA NOVOS TESTEMUNHOS DE EX-ALUNOS A INCLUIR INFORMAÇÕES PARA A PÁGINA DA ESCOLA FRASE DE ABERTURA De acordo com os últimos dados disponíveis do Observatório para a inserção profissional da Universidade Nova de Lisboa, a taxa de emprego dos alunos

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO E MESTRADOS EXECUTIVOS DO ISLA CAMPUS LISBOA

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO E MESTRADOS EXECUTIVOS DO ISLA CAMPUS LISBOA REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO E MESTRADOS EXECUTIVOS DO ISLA CAMPUS LISBOA 1.º OBJECTIVO Os Cursos de Pós-Graduação e Mestrados Executivos do ISLA Campus Lisboa são programas de estudos que visam

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOÃO VILLARET

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOÃO VILLARET AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOÃO VILLARET Escola E.B. 2/3 João Villaret Tão importante quanto o que se ensina e se aprende é como se ensina e como se aprende. (César Coll) O Agrupamento de Escolas João Villaret

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575. Artigo 25.º. Artigo 20.º

Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575. Artigo 25.º. Artigo 20.º Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575 Artigo 20.º Oferta formativa e monitorização 1 A oferta formativa destinada aos activos desempregados é assegurada através de cursos de educação

Leia mais

Estudo sobre os diplomados pelo ISCTE-IUL. Perspectiva das Entidades Empregadoras

Estudo sobre os diplomados pelo ISCTE-IUL. Perspectiva das Entidades Empregadoras Estudo sobre os diplomados pelo ISCTE-IUL Perspectiva das Entidades Empregadoras Julho 2011 Ficha Técnica ISCTE Instituto Universitário de Lisboa Edição Gabinete de Estudos, Avaliação, Planeamento e Qualidade

Leia mais

Um mar de oportunidades. Mestrado em Gestão Portuária. Mensagem do Presidente da ENIDH Escola Superior Náutica Infante D. Henrique.

Um mar de oportunidades. Mestrado em Gestão Portuária. Mensagem do Presidente da ENIDH Escola Superior Náutica Infante D. Henrique. Um mar de oportunidades Mestrado em Gestão Portuária Mensagem do Presidente da ENIDH Escola Superior Náutica Infante D. Henrique A ENIDH é a Escola Superior pública portuguesa que assegura a formação de

Leia mais

Gestão Bancária Gestão e Sistemas de Informação

Gestão Bancária Gestão e Sistemas de Informação Gestão Bancária Gestão e Sistemas de Informação O Instituto Superior de Gestão Bancária (ISGB) é um estabelecimento de ensino superior dirigido preferencialmente às necessidades de todo o Setor Financeiro.

Leia mais

A Formação Pós-Graduada na Faculdade de Direito da Universidade Agostinho Neto

A Formação Pós-Graduada na Faculdade de Direito da Universidade Agostinho Neto Universidade Agostinho Neto Faculdade de Direito Workshop sobre Formação Pós-Graduada e Orientação A Formação Pós-Graduada na Faculdade de Direito da Universidade Agostinho Neto Por: Carlos Teixeira Presidente

Leia mais

1 INFORMAÇÕES SOBRE O TITULAR DA QUALIFICAÇÃO. 1.1 Apelido(s): xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. 1.3 Data de nascimento (ano/mês/dia): xxxxxxx

1 INFORMAÇÕES SOBRE O TITULAR DA QUALIFICAÇÃO. 1.1 Apelido(s): xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. 1.3 Data de nascimento (ano/mês/dia): xxxxxxx SUPLEMENTO AO DIPLOMA Este Suplemento ao Diploma segue o modelo elaborado pela Comissão Europeia, pelo Conselho da Europa e pela UNESCO/CEPES. A finalidade deste Suplemento é fornecer dados independentes

Leia mais

Provedor do Estudante Processo n.º: 38.2010-PE Recomendação n.º 8/2010-PE Assunto: Regras de funcionamento da unidade curricular de Inglês

Provedor do Estudante Processo n.º: 38.2010-PE Recomendação n.º 8/2010-PE Assunto: Regras de funcionamento da unidade curricular de Inglês Provedor do Estudante Processo n.º: 38.2010-PE Recomendação n.º 8/2010-PE Assunto: Regras de funcionamento da unidade curricular de Inglês Na qualidade de Provedor do Estudante recebi, no decurso do ano

Leia mais

1 INFORMAÇÕES SOBRE O TITULAR DA QUALIFICAÇÃO. 1.1 Apelido(s): xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. 1.3 Data de nascimento (ano/mês/dia): xxxxxxx

1 INFORMAÇÕES SOBRE O TITULAR DA QUALIFICAÇÃO. 1.1 Apelido(s): xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. 1.3 Data de nascimento (ano/mês/dia): xxxxxxx SUPLEMENTO AO DIPLOMA Este Suplemento ao Diploma segue o modelo elaborado pela Comissão Europeia, pelo Conselho da Europa e pela UNESCO/CEPES. A finalidade deste Suplemento é fornecer dados independentes

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO

AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos de Turismo sobre a ESEC 4 3.2. Opinião dos alunos sobre

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL Entrevista com Eng.º Victor Sá Carneiro N uma época de grandes transformações na economia dos países, em que a temática do Empreendedorismo assume uma grande relevância

Leia mais

UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA

UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA Acção de formação Módulo, curso, curso livre, curso multidisciplinar ou seminário realizado no âmbito da Educação Contínua ou da Aprendizagem

Leia mais

Para quem inscrito no 12º ano sem o concluíres

Para quem inscrito no 12º ano sem o concluíres Os Cursos de Especialização Tecnológica (CET) são formações pós-secundárias não superiores que te preparam para uma especialização científica ou tecnológica numa determinada área de formação. Para quem

Leia mais

Curso de Formação Curso para a Utilização do Excel na Atividade Docente (Data de início: 16/06/2015 - Data de fim: 30/06/2015)

Curso de Formação Curso para a Utilização do Excel na Atividade Docente (Data de início: 16/06/2015 - Data de fim: 30/06/2015) Curso de Formação Curso para a Utilização do Excel na Atividade Docente (Data de início: 16/06/2015 - Data de fim: 30/06/2015) I - Autoavaliação (formandos) A- Motivação para a Frequência da Ação 1- Identifique,

Leia mais

8274 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 282 6 de Dezembro de 2003

8274 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 282 6 de Dezembro de 2003 8274 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIEB N. o 282 6 de Dezembro de 2003 Portaria n. o 13/2003 de 6 de Dezembro Considerando que o DecretoLei n. o 205/96, de 25 de Outubro, vem alterar a disciplina jurídica da

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA ABERTURA A People & Skills foi criada para responder às necessidades de um mercado cada vez mais apostado em desenvolver e consolidar competências que

Leia mais

Relatório de Actividades do Provedor do Estudante - 2009/2011 -

Relatório de Actividades do Provedor do Estudante - 2009/2011 - Relatório de Actividades do Provedor do Estudante - 2009/2011 - Caros Estudantes e restante Comunidade Académica do IPBeja, No dia 29 de Abril de 2009 fui nomeado Provedor do Estudante pelo Presidente

Leia mais

Regulamento de Creditação e Avaliação das Competências

Regulamento de Creditação e Avaliação das Competências Regulamento de Creditação e Avaliação das Competências O Conselho Técnico-Científico do ISCE Douro, na sua reunião de 6 de maio de 2015, deliberou, por unanimidade, assumir que todos os regulamentos do

Leia mais

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES 2015 2 Formar gestores e quadros técnicos superiores, preparados científica e tecnicamente para o exercício de funções na empresa

Leia mais

EngIQ. em Engenharia da Refinação, Petroquímica e Química. Uma colaboração:

EngIQ. em Engenharia da Refinação, Petroquímica e Química. Uma colaboração: EngIQ Programa de Doutoramento em Engenharia da Refinação, Petroquímica e Química Uma colaboração: Associação das Indústrias da Petroquímica, Química e Refinação (AIPQR) Universidade de Aveiro Universidade

Leia mais

Regras de enquadramento do POPH. O presente documento técnico integra fichas de síntese das principais Tipologias de Intervenção do POPH.

Regras de enquadramento do POPH. O presente documento técnico integra fichas de síntese das principais Tipologias de Intervenção do POPH. Regras de enquadramento do POPH O presente documento técnico integra fichas de síntese das principais Tipologias de Intervenção do POPH. Este documento é orientativo da regulamentação do Programa, não

Leia mais

Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo

Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo Criada em Setembro de 2005 em Sacavém, a Explicolândia Centros de Estudo tem sido ao longo dos anos, uma

Leia mais

Novembro de 2008 ISBN: 978-972-614-430-4. Desenho gráfico: WM Imagem Impressão: Editorial do Ministério da Educação Tiragem: 5 000 exemplares

Novembro de 2008 ISBN: 978-972-614-430-4. Desenho gráfico: WM Imagem Impressão: Editorial do Ministério da Educação Tiragem: 5 000 exemplares Título: Educação em Números - Portugal 2008 Autoria: Gabinete de Estatística e Planeamento da Educação (GEPE)/Ministério da Educação Edição: Gabinete de Estatística e Planeamento da Educação (GEPE)/Ministério

Leia mais

Escola E.B. 2,3 de Lousada. Opinião dos Directores de Turma sobre os documentos propostos para a avaliação dos alunos

Escola E.B. 2,3 de Lousada. Opinião dos Directores de Turma sobre os documentos propostos para a avaliação dos alunos Escola E.B. 2,3 de Lousada Opinião dos Directores de Turma sobre os documentos propostos para a avaliação dos alunos Maria do Céu Belarmino ceubelarmino@sapo.pt Rui Mesquita rui.jv.mesquita@sapo.pt Dezembro

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM MARKETING Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira Interior, através

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO F O R M A Ç Ã O A V A N Ç A D A CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO FORMAÇÃO ESPECÍFICA PARA MEMBROS DA ORDEM DOS ENGENHEIROS ENQUADRAMENTO O CEGE/ISEG é um centro de investigação e projectos do ISEG Instituto

Leia mais

Projecto de Lei n.º 54/X

Projecto de Lei n.º 54/X Projecto de Lei n.º 54/X Regula a organização de atribuição de graus académicos no Ensino Superior, em conformidade com o Processo de Bolonha, incluindo o Sistema Europeu de Créditos. Exposição de motivos

Leia mais

Curso de Técnico Comercial Bancário

Curso de Técnico Comercial Bancário Curso de Técnico Comercial Bancário Este curso é integralmente financiado pelo Estado Português e Fundo Social Europeu não tendo quaisquer custos para os participantes. OBJECTIVOS Os Cursos de Aprendizagem

Leia mais

Auto-avaliação da Licenciatura em Gestão e Administração Hoteleira

Auto-avaliação da Licenciatura em Gestão e Administração Hoteleira Auto-avaliação da Licenciatura em Gestão e Administração Hoteleira Relatório Resumo Junho de 2012 Índice 1. Objectivo... 3 2. Enquadramento... 3 3. Trabalho realizado... 3 4. Dados síntese da Licenciatura

Leia mais

Projecto de criação de uma escola de Gestão das Artes. Algumas considerações estratégicas

Projecto de criação de uma escola de Gestão das Artes. Algumas considerações estratégicas Projecto de criação de uma escola de Gestão das Artes Algumas considerações estratégicas António Jorge Monteiro Abril de 1992 2 I. A História II. O Mercado III. Os Cursos IV. Os Professores V. Os Alunos

Leia mais

Inquérito de Empregabilidade

Inquérito de Empregabilidade Inquérito de Empregabilidade / Qual a situação face ao emprego dos nossos diplomados do ano letivo 2012/2013? Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias Índice I. O que é o Relatório de Empregabilidade...2

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DO EVENTO

RELATÓRIO FINAL DO EVENTO RELATÓRIO FINAL DO EVENTO Outubro 2010 1. INTRODUÇÃO Uma vez terminado o evento Start Me Up Alto Minho, apresentam-se de seguida um conjunto de elementos que, em jeito de conclusão, se revelam oportunos

Leia mais

FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE

FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE O presente Regulamento tem como lei habilitante o Decreto-Lei nº 74/2006, de 24 de Março,

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM EMPREENDEDORISMO E CRIAÇÃO DE EMPRESAS Artigo 1.º Criação A Universidade

Leia mais

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite que a FCT me dirigiu para

Leia mais

澳 門 特 別 行 政 區 政 府 Governo da Região Administrativa Especial de Macau 個 人 資 料 保 護 辦 公 室 Gabinete para a Protecção de Dados Pessoais

澳 門 特 別 行 政 區 政 府 Governo da Região Administrativa Especial de Macau 個 人 資 料 保 護 辦 公 室 Gabinete para a Protecção de Dados Pessoais Estudo do grau de conhecimento e das necessidades de protecção de dados pessoais entre os alunos do ensino secundário e do ensino superior de Macau 2014 Sumário Para saber qual o grau de conhecimento e

Leia mais

DTIM Associação Regional para o Desenvolvimento das Tecnologias de Informação na Madeira

DTIM Associação Regional para o Desenvolvimento das Tecnologias de Informação na Madeira DTIM Associação Regional para o Desenvolvimento das Tecnologias de Informação na Madeira APOIO DO FUNDO SOCIAL EUROPEU: Através do Programa Operacional Plurifundos da Região Autónoma da Madeira (POPRAM

Leia mais

SUPLEMENTO I SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência. Quarta-feira, 26 de setembro de 2012 Número 187

SUPLEMENTO I SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência. Quarta-feira, 26 de setembro de 2012 Número 187 I SÉRIE Quarta-feira, 26 de setembro de 2012 Número 187 ÍNDICE SUPLEMENTO Ministério da Educação e Ciência Portaria n.º 292-A/2012: Cria uma experiência-piloto de oferta formativa de cursos vocacionais

Leia mais

Projecto de Formação para os Jovens Voluntários (2014) Orientações para as instituições de formação

Projecto de Formação para os Jovens Voluntários (2014) Orientações para as instituições de formação Projecto de Formação para os Jovens Voluntários (2014) Orientações para as instituições de formação 1. Objectivo Estar em coordenação com o desenvolvimento dos trabalhos do Governo da RAEM para os jovens,

Leia mais

Regulamento de Estágios

Regulamento de Estágios Programa de Inserção Profissional Regulamento de Estágios Faculdade de Ciências Humanas Nos últimos anos, o ensino universitário tem vindo a integrar nos percursos formativos a realização de estágios curriculares

Leia mais

Análise Matemática II

Análise Matemática II Página Web 1 de 7 Análise Matemática II Nome de utilizador: Arménio Correia. (Sair) LVM AM2_Inf Questionários INQUÉRITO ANÓNIMO» AVALIAÇÃO de AM2 e dos DOCENTES Relatório Ver todas as Respostas View Todas

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM GESTÃO Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira Interior, através do Departamento

Leia mais

Regulamento Geral da Formação

Regulamento Geral da Formação Regulamento Geral da Formação Regulamento n.º 32/2006, de 3 de Maio publicado no Diário da República, II Série, n.º 85, de 3 de Maio de 2006 Artigo 1.º Objecto 1 Este regulamento define as regras relativas

Leia mais

Banca, Seguros e Mercados Financeiros

Banca, Seguros e Mercados Financeiros Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica Vasco da Gama Sines Tecnopolo Pós-Graduação Banca, Seguros e Mercados Financeiros Edital 2ª Edição 2011 1 Enquadramento A Escola Superior

Leia mais

GABINETE DA MINISTRA DESPACHO

GABINETE DA MINISTRA DESPACHO DESPACHO A concretização do sistema de avaliação do desempenho estabelecido no Estatuto da Carreira dos Educadores de Infância e dos Professores dos Ensinos Básico e Secundário (ECD), recentemente regulamentado,

Leia mais

O programa assenta em três eixos determinantes:

O programa assenta em três eixos determinantes: São vários os estudos europeus que apontam para um défice crescente de recursos especializados nas tecnologias de informação. Só em Portugal, estima-se que estejam atualmente em falta 3.900 profissionais

Leia mais

[A CARTA DE APRESENTAÇÃO] Projecto CLDS Guarda + Social. Gabinete de Empregabilidade e Inserção

[A CARTA DE APRESENTAÇÃO] Projecto CLDS Guarda + Social. Gabinete de Empregabilidade e Inserção 2011 Projecto CLDS Guarda + Social Gabinete de Empregabilidade e Inserção [A CARTA DE APRESENTAÇÃO] É uma carta simples e breve que deve acompanhar o Curriculum Vitae. CLDS Guarda + Social Carta de Apresentação

Leia mais

COMBATE AO TRABALHO INFANTIL Nota de Imprensa

COMBATE AO TRABALHO INFANTIL Nota de Imprensa COMBATE AO TRABALHO INFANTIL Nota de Imprensa No próximo dia 12 de Junho, comemora-se o Dia Mundial de Combate ao Trabalho Infantil. O PETI e o Escritório da OIT Organização Internacional do Trabalho em

Leia mais

Licenciatura em Biologia

Licenciatura em Biologia Licenciatura em Biologia Regulamento de Estágio Profissionalizante Para dar cumprimento ao estipulado no Despacho n.º 22 420/2001 da Reitoria da Universidade de Aveiro, publicado no Diário da República

Leia mais

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação Versão de Abril de 2014 APRESENTAÇÃO DO PEDIDO A1. Instituição de ensino superior

Leia mais

IESG - INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GARÇA LTDA. Rua América, 281 Garça/SP CEP 17400-000 (14) 3407-2505 www.uniesp.edu.br/garca

IESG - INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GARÇA LTDA. Rua América, 281 Garça/SP CEP 17400-000 (14) 3407-2505 www.uniesp.edu.br/garca IESG - INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GARÇA LTDA. Rua América, 281 Garça/SP CEP 17400-000 (14) 3407-2505 www.uniesp.edu.br/garca PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DOS EGRESSOS O Instituto de Ensino de Garça,

Leia mais

Regulamento do Prémio de Mérito 2011/2012. Enquadramento

Regulamento do Prémio de Mérito 2011/2012. Enquadramento Enquadramento Lei nº 39/2010, de 2 de Setembro «CAPÍTULO VI Mérito escolar Artigo 51.º -A Prémios de mérito 1 Para efeitos do disposto na alínea h) do artigo 13.º, o regulamento interno pode prever prémios

Leia mais

O Processo de Bolonha e o desafio da empregabilidade

O Processo de Bolonha e o desafio da empregabilidade O Processo de Bolonha e o desafio da empregabilidade P o r M a r g a r i d a S a r a i v a, J o r g e C a s a s N o v a s, J o s é R o b e r t o e E l i z a b e t h R e i s Um ano lectivo após o arranque

Leia mais

REGULAMENTO FORMAÇÃO EM CONTEXTO TRABALHO

REGULAMENTO FORMAÇÃO EM CONTEXTO TRABALHO REGULAMENTO FORMAÇÃO EM CONTEXTO TRABALHO FORMAÇÃO EM CONTEXTO DE TRABALHO REGULAMENTO Artigo 1º Âmbito 1. A Formação em Contexto de Trabalho (FCT) faz parte integrante do Plano Curricular de qualquer

Leia mais

Regulamento de Acesso e Ingresso de Estudantes Internacionais. 1º, 2º e 3º ciclos do IST

Regulamento de Acesso e Ingresso de Estudantes Internacionais. 1º, 2º e 3º ciclos do IST Regulamento de Acesso e Ingresso de Estudantes Internacionais 1º, 2º e 3º ciclos do IST O Decreto- Lei nº 36/2014 de 10 de março regula o estatuto do Estudante Internacional (EEI). O Regulamento de Ingresso

Leia mais

Curso de Gestão Para Empresários e Directores

Curso de Gestão Para Empresários e Directores Curso de Gestão Para Empresários e Directores Sob a direcção do Doutor José Nunes Maia, Professor Aposentado do ISCTE Lisboa, a MoreData pretende dar início à 1ª edição do Curso de Gestão para Empresários

Leia mais

3.4. EDUCAÇÃO. Problemas Sociais Identificados. Problemas Sociais Priorizados. 3.4.1. Educação: Enquadramento: Alunos sem projecto de vida

3.4. EDUCAÇÃO. Problemas Sociais Identificados. Problemas Sociais Priorizados. 3.4.1. Educação: Enquadramento: Alunos sem projecto de vida 3.4. EDUCAÇÃO Problemas Sociais Identificados Insucesso escolar Falta de expectativas socioprofissionais Alunos sem projecto de vida Expectativas inadequadas para famílias Problemas Sociais Priorizados

Leia mais

5. Esquema do processo de candidatura

5. Esquema do processo de candidatura Projecto e colecção de perguntas e respostas sobre o Exame Unificado de Acesso (disciplinas de Língua e Matemática) das quatro instituições do ensino superiorde Macau I Contexto Cada instituição do ensino

Leia mais

A Implementação do Processo de Bolonha em Portugal e os Relatórios Institucionais da sua Concretização uma Análise Exploratória

A Implementação do Processo de Bolonha em Portugal e os Relatórios Institucionais da sua Concretização uma Análise Exploratória A Implementação do Processo de Bolonha em Portugal e os Relatórios Institucionais da sua Concretização uma Análise Exploratória António M. Magalhães CIPES/FPCEUP Apresentação: 1. A implementação do Processo

Leia mais

Empresas que se mexem, são empresas que crescem!

Empresas que se mexem, são empresas que crescem! Empresas que se mexem, são empresas que crescem! Apresentação do Projecto/ Abertura de inscrições Introdução A Adere-Minho - Associação para o Desenvolvimento Regional do Minho, entidade de natureza associativa

Leia mais

NCE/14/01786 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/14/01786 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/14/01786 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade De Évora A.1.a. Outra(s)

Leia mais

CURSO DE GESTÃO BANCÁRIA

CURSO DE GESTÃO BANCÁRIA CURSO DE GESTÃO BANCÁRIA PLANO CURRICULAR A análise referente ao Programa de Ensino e, em particular ao conteúdo do actual Plano de Estudos (ponto 3.3. do Relatório), merece-nos os seguintes comentários:

Leia mais

Caracterização dos cursos de licenciatura

Caracterização dos cursos de licenciatura Caracterização dos cursos de licenciatura 1. Identificação do ciclo de estudos em funcionamento Os cursos de 1º ciclo actualmente em funcionamento de cuja reorganização resultam os novos cursos submetidos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. N. o 184 11-8-1998 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. N. o 184 11-8-1998 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 184 11-8-1998 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A 3907 seguem as atribuições e competências que lhes são conferidas pelos respectivos estatutos, aprovados, respectivamente, pelos Decretos-Leis n. os 74/95,

Leia mais

Diagnóstico de Necessidades de Formação de Inglês do Corpo Docente do Instituto Politécnico de Beja

Diagnóstico de Necessidades de Formação de Inglês do Corpo Docente do Instituto Politécnico de Beja Diagnóstico de Necessidades de Formação de Inglês do Corpo Docente do Instituto PolitécnicodeBeja ServiçosdePlaneamentoeDesenvolvimentoEstratégico Maio2010 DiagnósticodeNecessidadesdeFormaçãoemLínguaInglesa

Leia mais

BALANÇO FINAL PLANO DE FORMAÇÃO 2014 Anexo R&C 2014

BALANÇO FINAL PLANO DE FORMAÇÃO 2014 Anexo R&C 2014 BALANÇO FINAL PLANO DE FORMAÇÃO 2014 Anexo R&C 2014 INTRODUÇÃO A Sociedade Portuguesa para a Qualidade na Saúde (SPQS) executou, em 2014, um Plano de Formação dirigido aos seus associados e outros profissionais

Leia mais

1. Motivação para o sucesso (Ânsia de trabalhar bem ou de se avaliar por uma norma de excelência)

1. Motivação para o sucesso (Ânsia de trabalhar bem ou de se avaliar por uma norma de excelência) SEREI UM EMPREENDEDOR? Este questionário pretende estimular a sua reflexão sobre a sua chama empreendedora. A seguir encontrará algumas questões que poderão servir de parâmetro para a sua auto avaliação

Leia mais

REGULAMENTO CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DO INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DA INFORMAÇÃO E DA ADMINISTRAÇÃO (ISCIA) Disposições Gerais

REGULAMENTO CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DO INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DA INFORMAÇÃO E DA ADMINISTRAÇÃO (ISCIA) Disposições Gerais REGULAMENTO CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DO INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DA INFORMAÇÃO E DA ADMINISTRAÇÃO (ISCIA) Disposições Gerais O presente regulamento visa aplicar o regime estabelecido

Leia mais

Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores. Projeto Educativo. Educar para a Cidadania

Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores. Projeto Educativo. Educar para a Cidadania Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores Projeto Educativo Educar para a Cidadania Preâmbulo O Projeto Educativo é o documento que consagra a orientação educativa

Leia mais

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Identificação

Leia mais

«As organizações excelentes gerem, desenvolvem e libertam todo o potencial dos seus colaboradores ao nível individual, de equipa e organizacional.

«As organizações excelentes gerem, desenvolvem e libertam todo o potencial dos seus colaboradores ao nível individual, de equipa e organizacional. A melhoria não é um acontecimento pontual ( ) um processo que necessita de ser planeado, desenvolvido e concretizado ao longo do tempo em sucessivas vagas, produzindo uma aprendizagem permanente. De acordo

Leia mais

A procura dos cursos da Escola de Hotelaria e Turismo do Estoril triplicou

A procura dos cursos da Escola de Hotelaria e Turismo do Estoril triplicou Pág: 12 Área: 18,37 x 22,86 cm² Corte: 1 de 5 Entrevista ALEXANDRA PEREIRA Directora da Escola de Hotelaria e Turismo do Estoril A procura dos cursos da Escola de Hotelaria e Turismo do Estoril triplicou

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DO 51º CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA

PLANO DE ESTUDOS DO 51º CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA PLANO DE ESTUDOS DO 51º CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA Janeiro de 2012 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESTINATÁRIOS... 4 3. FINALIDADE... 4 4. OBJECTIVOS GERAIS... 4 5. PLANO CURRICULAR... 5 6.

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM GESTÃO DE UNIDADES DE SAÚDE Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira

Leia mais

THIS FORM IS ONLY FOR TESTING AND ONLY FOR INTERNAL EUROPEAN COMMISSION / NATIONAL AGENCIES USE. PLEASE DO NOT DISTRIBUTE!

THIS FORM IS ONLY FOR TESTING AND ONLY FOR INTERNAL EUROPEAN COMMISSION / NATIONAL AGENCIES USE. PLEASE DO NOT DISTRIBUTE! Programa de Aprendizagem ao Longo da Vida Versão do : 1.3 / Versão Adobe Reader: 9.302 THIS FORM IS ONLY FOR TESTING AND ONLY FOR INTERNAL EUROPEAN COMMISSION / NATIONAL AGENCIES USE. PLEASE DO NOT DISTRIBUTE!

Leia mais

COMISSÃO MINISTERIAL DE COORDENAÇÃO DO PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO

COMISSÃO MINISTERIAL DE COORDENAÇÃO DO PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO Despacho Considerando que os regulamentos específicos do Programa Operacional Potencial Humano (POPH) são aprovados pela respectiva Comissão Ministerial de Coordenação, nos termos do n.º 5 do artigo 30º

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA

TERMOS DE REFERÊNCIA Nô Pintcha Pa Dizinvolvimentu UE-PAANE - Programa de Apoio aos Actores Não Estatais TERMOS DE REFERÊNCIA CONTRATO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA PARA FORMADOR/A/S EM GESTÂO ADMINISTRATIVA E SECRETARIADO PARA O

Leia mais

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO E DOS EDUCADORES DE INFÂNCIA Considerando a vontade comum do

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Título Estatísticas da Educação 2008/2009 - Adultos

FICHA TÉCNICA. Título Estatísticas da Educação 2008/2009 - Adultos FICHA TÉCNICA Título Estatísticas da Educação 2008/2009 - Adultos Autoria Gabinete de Estatística e Planeamento da Educação (GEPE) Direcção de Serviços de Estatística Edição Gabinete de Estatística e Planeamento

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Diário da República, 1.ª série N.º 144 28 de Julho de 2009 4829

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Diário da República, 1.ª série N.º 144 28 de Julho de 2009 4829 Diário da República, 1.ª série N.º 144 28 de Julho de 2009 4829 Limites às elegibilidades 13 O investimento constante do n.º 4 é elegível quando o seu uso for indispensável à execução da operação, sendo

Leia mais

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS I Os cinco domínios 1. Resultados 2. Prestação do serviço educativo 3. Organização e gestão escolar 4. Liderança 5. Capacidade de auto-regulação

Leia mais

Proposta de Decreto Legislativo Regional

Proposta de Decreto Legislativo Regional Proposta de Decreto Legislativo Regional Regulamenta na Região Autónoma dos Açores, os aspectos relativos à realização, em escolas da rede pública, do estágio pedagógico das licenciaturas em ensino e dos

Leia mais

REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO

REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO Artigo 1.º Objectivo e Âmbito 1 - O presente regulamento estabelece, de acordo com o n.º 3 do artigo 45.º do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de Março, com a redação dada pelos Decretos-Leis

Leia mais

Técnico/a Especialista em Exercício Físico (TEEF)

Técnico/a Especialista em Exercício Físico (TEEF) Técnico/a Especialista em Exercício Físico (TEEF) O que é um CET? É um curso de Especialização Tecnológica que permite atingir o nível V de qualificação da União Europeia de acordo com a Portaria n.º 782/2009

Leia mais

(PROPOSTA) REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE COMPETÊNCIAS ACADÉMICAS, EXPERIÊNCIAS PROFISSIONAIS E OUTRA FORMAÇÃO

(PROPOSTA) REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE COMPETÊNCIAS ACADÉMICAS, EXPERIÊNCIAS PROFISSIONAIS E OUTRA FORMAÇÃO (PROPOSTA) Ú~e ~JU&~~L~ 6~i ~ / ~ 7J7t1 REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE COMPETÊNCIAS ACADÉMICAS, EXPERIÊNCIAS PROFISSIONAIS E OUTRA FORMAÇÃO Conforme o determinado pelo artigo 45 O A do Decreto Lei n 074/2006

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 422/VIII

PROJECTO DE LEI N.º 422/VIII PROJECTO DE LEI N.º 422/VIII OBRIGA À DIVULGAÇÃO, POR ESCOLA E POR DISCIPLINA, DOS RESULTADOS DOS EXAMES DO 12.º ANO DE ESCOLARIDADE, BEM COMO DE OUTRA INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR QUE POSSIBILITE O CONHECIMENTO

Leia mais

Versão Pública. Ccent. 76/2005 GRUPO CTT / NOVA EAD. Decisão de Não Oposição Da Autoridade da Concorrência

Versão Pública. Ccent. 76/2005 GRUPO CTT / NOVA EAD. Decisão de Não Oposição Da Autoridade da Concorrência Versão Pública Ccent. 76/2005 GRUPO CTT / NOVA EAD Decisão de Não Oposição Da Autoridade da Concorrência 18/01/2006 Versão Pública DECISÃO DE NÃO OPOSIÇÃO DA AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA AC I Ccent. N.º

Leia mais

Regulamento Financeiro de Cursos de Graduação e Pós graduação

Regulamento Financeiro de Cursos de Graduação e Pós graduação INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS E EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA Regulamento Financeiro de Cursos de Graduação e Pós graduação ENSINO ONLINE. ENSINO COM FUTURO 2015 Preâmbulo Este documento identifica e regula todas

Leia mais