A questão da água no Nordeste

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A questão da água no Nordeste"

Transcrição

1 A questão da água no Nordeste

2 República Federativa do Brasil Dilma Vana Rousseff Presidenta Ministério do Meio Ambiente Izabella Mônica Vieira Teixeira Ministra Agência Nacional de Águas - ANA Diretoria Colegiada Vicente Andreu Guillo ( Diretor-Presidente) Dalvino Troccoli Franca Paulo Lopes Varella Neto João Gilberto Lotufo Conejo Paulo Rodrigues Vieira Secretaria-Geral (SGE) Mayui Vieira Guimarães Scafuto Procuradoria-Geral (PGE) Emiliano Ribeiro de Souza Corregedoria (COR) Elmar Luis Kichel Auditoria Interna (AUD) Edmar da Costa Barros Chefia de Gabinete (GAB) Horácio da Silva Figueiredo Júnior Coordenação de Articulação e Comunicação (CAC) Antônio Félix Domingues Coordenação de Gestão Estratégica (CGE) Bruno Pagnoccheschi Superintendência de Planejamento de Recursos Hídricos (SPR) Ney Maranhão Superintendência de Gestão da Rede Hidrometeorológica (SGH) Valdemar Santos Guimarães Superintendência de Gestão da Informação (SGI) Sérgio Augusto Barbosa Superintendência de Apoio à Gestão de Recursos Hídricos (SAG) Rodrigo Flecha Ferreira Alves Superintendência de Implementação de Programas e Projetos (SIP) Ricardo Medeiros de Andrade Superintendência de Regulação (SRE) Francisco Lopes Viana Superintendência de Usos Múltiplos e Eventos Críticos (SUM) Joaquim Guedes Corrêa Gondim Filho Superintendência de Fiscalização (SFI) Flávia Gomes de Barros Superintendência de Administração, Finanças e Gestão de Pessoas (SAF) Luís André Muniz Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação Marco Antônio Raupp Ministro Centro de Gestão e Estudos Estratégicos - CGEE Presidente Mariano Francisco Laplane Diretor executivo Marcio de Miranda Santos Diretores Antonio Carlos Filgueira Galvão Fernando Cosme Rizzo Assunção Gerson Gomes

3 A questão da água no Nordeste

4

5 Agência Nacional de Águas Ministério do Meio Ambiente Centro de Gestão e Estudos Estratégicos A questão da água no Nordeste Brasília DF 2012

6 Agência Nacional de Águas (ANA) Setor Policial Sul, Área 5, Quadra 3, Blocos B, L, M e T CEP: Brasília, DF PABX: (61) Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE) SCN Qd 2, Bl. A, Ed. Corporate Financial Center sala 1102 CEP: Brasília, DF Telefone: (61) Edição/Tatiana de Carvalho Pires Capa / Eduardo Oliveira Diagramação/Diogo Moraes Gráficos / Mariana Brito Apoio Bibliográfico / Lilian Thomé Revisão / Anna Cristina de Araújo Rodrigues Projeto Gráfico / Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE) Esta publicação é parte integrante das atividades desenvolvidas no âmbito do Contrato do Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE)/Agência Nacional de Águas (ANA) Ação: Organização de um Livro versando sobre a Questão da Água na Região Nordeste Todos os direitos reservados pela Agência Nacional de Águas (ANA) e pelo Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE). Os textos contidos nesta publicação poderão ser reproduzidos, armazenados ou transmitidos, desde que citada a fonte. Impresso em 2012 Catalogação na fonte C389q Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (Brasil) A Questão da Água no Nordeste / Centro de Gestão e Estudos Estratégicos, Agência Nacional de Águas. Brasília, DF: CGEE, p.; il, 24 cm ISBN Recursos Hídricos. 2. Qualidade da água. 3. Balanço Hídrico. 4. Brasil, Nordeste I. Centro de Gestão e Estudos Estratégicos II. Agência Nacional de Águas III. Título. CDU (812/813)

7 A questão da água no Nordeste Supervisão Antonio Carlos Filgueira Galvão Coordenação Antonio Rocha Magalhães Consultor José Roberto de Lima Autores Ana Paula Fioreze Anna Paola Michelano Bubel Antonio Édio Pinheiro Callou Bruna Craveiro de Sá Mendonça Carlos Motta Nunes Ciro Garcia Pinto Cristine Ferreira Gomes Viana Dirceu Silveira Reis Junior Eduardo Sávio P. R. Martins Flávia Simões Ferreira Rodrigues Francisco de Assis de Souza Filho Francisco José Coelho Teixeira Francisco Lopes Viana João Carlos de Mendonça Nascentes Joaquim Guedes Corrêa Gondim Filho José Aguiar de Lima Júnior José Nilson B. Campos José Otamar de Carvalho José Yarley de Brito Gonçalves Julien Burte Luciano Meneses Cardoso da Silva Luiz Gabriel T. de Azevedo Marcel Bursztyn Márcia Regina Silva Cerqueira Coimbra Patrick Thomas Paulo Nobre Robson Franklin Vieira Rodrigo Flecha Ferreira Alves Suely Salgueiro Chacon Walt Disney Paulino Os textos apresentados nesta publicação são de responsabilidade dos autores.

8

9 Lista de Siglas AL ANA ASA BA BHRSF BNB BNDES Cagece CBHSF C-BT CCCII CCCMA CE CEDAE CEIVAP CERTOH CETESB CHESF CMMAD CNRH Codevasf COGERH COMASP COSIGUA CPATSA CPFL CPRM Estado de Alagoas Agência Nacional de Águas Articulação com o Semiárido Brasileiro Estado da Bahia Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco Banco do Nordeste do Brasil S.A Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Companhia de Água e Esgoto do Ceará Comitê da Bacia Hidrográfica do São Francisco Big Thompson Project Centro de Clima Canadense Canadian Centre for Climate Modelling and Analysis Estado do Ceará Companhia Estadual de Águas e Esgoto Comitê para Integração da Bacia Hidrográfica do Rio Paraíba do Sul Certificado de Avaliação da Sustentabilidade da Obra Hídrica Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental Companhia Hidrelétrica do São Francisco Comissão Mundial sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento Conselho Nacional de Recursos Hídricos Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e Parnaíba Companhia de Gestão de Recursos Hídricos Segurança e Produtividade do Sinduscon/SP Companhia Siderúrgica da Guanabara Centro de Pesquisa Agropecuária do Trópico Semiárido Companhia Paulista de Força e Luz Serviço Geológico do Brasil

10 CPTEC CTC CTMH CVSF DAEE DASP DBO DNAEE DNOCS Eco-92 EIA EMAE Ematerce Embrapa ENOS ETENE EUA FGV FNE FNMA FUNCATE Funceme Fundaj GFDL GTDN HADCM3 IBAMA IBGE ICID ICMS Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos Coordenação Técnica de Combate à Desertificação Câmara Técnica de Monitoramento Hidrológico Comissão do Vale do São Francisco Departamento de Águas e Energia Elétrica do Estado de São Paulo Departamento Administrativo do Serviço Público Demanda Bioquímica de Oxigênio Departamento Nacional de Águas e Energia Elétrica Departamento Nacional de Obras e Saneamento do Rio de Janeiro Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento Estudos de Impacto Ambiental Companhia de Eletricidade responsável Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Ceará Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária El Niño-Oscilação Sul Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste Estados Unidos da América Fundação Getúlio Vargas Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste Fundo Nacional do Meio Ambiente Fundação de Ciências e Tecnologias Espaciais Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos Fundação Joaquim Nabuco Geophysical Fluid Dynamics Laboratory Grupo de Trabalho para o Desenvolvimento do Nordeste Hadley Centre Coupled Model Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Conferência Internacional sobre Impactos de Variações Climáticas e Desenvolvimento Sustentável em Regiões Semiáridas Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços

11 IET IFOCS IICA INGÁ INMET INPE INSA IOCS IPA IPCC IPEA IPECE IQA IRI ITCZ LHWP LHWRF MA MAM MCT MDA MDS MIN Minter MMA MME MW NAO NCEP NCWCD NDJ Índice de Estado Trófico Inspetoria Federal de Obras Contra as Secas Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura Instituto de Gestão das Águas e Clima-Bahia Instituto Nacional de Meteorologia Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais Instituto Nacional do Semiárido Inspetoria de Obras Contra as Secas Instituto de Pesquisas Agronômicas de Pernambuco Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará Índice de Qualidade das Águas International Research Institute for Climate and Society Zona de Convergência Intertropical Lesotho Highlands Water Project Lesotho Highlands Water Revenue Fund Estado do Maranhão Anomalias pluviométricas sobre o Nordeste em março-abril-maio Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério do Desenvolvimento Agrário Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Ministério da Integração Nacional Ministério do Interior Ministério do Meio Ambiente Ministério de Minas e Energia Megawatt Ocilação do Atlântico Norte National Centers for Environmental Prediction Northern Colorado Water Conservancy District Oscilação do Atlântico Norte durante novembro-dezembro-janeiro

12 NE NOAA OECD OMJ OMM ONGs OSC PAM PAN-Brasil PAPP PB PBAs PCJ PE PEC PFPT PI PIB PISF PLANVASF PLIRHINE PNAD PNDR PNLT PNRH PNUD PNUMA PRODHAM Pronaf PRSF Região Nordeste National Oceanic and Atmospheric Administration Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico Ondas de Madden e Julian Organização Meteorológica Mundial Organizações Não Governamentais Organizações da Sociedade Civil Plano de Atividades e Metas Programa Nacional de Combate à Desertificação e Mitigação dos Efeitos de Seca Programa de Apoio ao Pequeno Produtor Rural no Nordeste Estado da Paraíba Projetos Básicos Ambientais Comitês das Bacias Hidrográficas dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí Estado de Pernambuco Proposta de Emenda à Constituição Programa de Frentes Produtivas de Trabalho Estado do Piauí Produto Interno Bruto Projeto de Integração do Rio São Francisco com as Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional Plano Diretor para o Desenvolvimento do Vale do São Francisco Plano de Aproveitamento Integrado dos Recursos Hídricos do Nordeste Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Política Nacional de Desenvolvimento Regional Plano Nacional de Logística e Transportes Plano Nacional de Recursos Hídricos Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente Projeto de Desenvolvimento Hidroambiental Programa Nacional da Agricultura Familiar Programa de Revitalização da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco

13 RIMA RM RMSP RN SABESP SE SEMADS SEPLAN-PR SEPRE SHR-BA SHRE SIN SINGREH SIRAC Sisar SMHS SNIS SOHIDRA SRH Sudene Suvale TR TSA TSM UHE UKHI UNCCD UNESCO UNFCCC USBR Relatório de Impacto Ambiental Região Metropolitana Região Metropolitana São Paulo Estado do Rio Grande do Norte Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo Estado de Sergipe Secretaria de Meio Ambiente e de Desenvolvimento Urbano do Estado Secretaria de Planejamento da Presidência da República Secretaria Especial de Políticas Regionais Superintendência de Recursos Hídricos da Bahia Snowy Hydro Renewable Energy Sistema Interligado Nacional Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos Serviços Integrados de Assessoria e Consultoria Sistema Integrado de Saneamento Rural Snowy Mountains Hydroelectric Scheme Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento Superintendência de Obras Hidráulicas Secretaria de Recursos Hídricos Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste Superintendência do Vale do São Francisco Tempo de Retorno Trópico Semiárido do Nordeste Temperatura da Superfície do Mar Usina Hidrelétrica Serviço Meteorológico da Inglaterra Convenção das Nações Unidas de Combate à Desertificação e Mitigação dos Efeitos da Seca Organização das Nações Unidas para Educação, a Ciência e a Cultura Convenção-Quadro sobre Mudanças Climáticas United States Bureau of Reclamation

14 USDI USGS UTE VCAN WBG WWTP ZCAS ZCIT ZCITS United States Department of the Interior United States Geological Survey Usina Termelétrica de Santa Cruz Vórtices Ciclônicos de Altos Níveis World Bank Group Wanjiazhai Water Transfer Project Zonas de Convergência Intertropical do Atlântico Sul Zona de Convergência Intertropical Zonas de Convergência Intertropical do Atlântico Sul e do Ramo Sul da ITCZ

15 Sumário Apresentação 17 Agradecimentos 19 Introdução 21 Resumo executivo 22 Capítulo 1 As origens das águas no Nordeste 31 Introdução 31 O ciclo anual das precipitações e da evaporação 33 Variabilidade interanual das precipitações sazonais 36 Mudanças climáticas globais e disponibilidade hídrica sobre o Nordeste: 39 Conclusões 43 Capítulo 2 As secas e seus impactos 45 Introdução 45 Dimensões e manifestações das secas 49 As áreas de ocorrência de secas no Nordeste 57 Mudanças climáticas, desertificação e secas 65 Impactos das secas 67 Redes de infraestrutura hídrica e de proteção social 90 Considerações finais 97 Capítulo 3 As águas do Nordeste e o balanço hídrico 101 Introdução 101 Os eventos extremos 115 Perspectivas futuras 119 Capítulo 4 Os usos da água e o desenvolvimento regional 123 Os aspectos envolvidos na diversidade do Nordeste que condicionam os recursos hídricos 123 As disponibilidades hídricas do Nordeste 128 Os usos, as demandas hídricas atuais e a infraestrutura para o desenvolvimento regional 140

16 Síntese das disponibilidades hídricas 146 Perspectivas de atendimento das demandas urbanas futuras 148 Inserção do planejamento dos recursos hídricos no desenvolvimento regional 150 Capítulo 5 A Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco: usos, balanço hídrico, gestão e desafios 157 Caracterização geral da bacia 157 Usos múltiplos da água 164 Balanço hídrico 173 Gestão dos recursos hídricos e desafios para sua implementação 175 Considerações finais 179 Capítulo 6 Águas do futuro e o futuro das águas 181 Introdução 181 Águas do futuro: desafios e cenários 183 Veredas e caminhos das águas (análise e diretrizes) 200 Agenda para o futuro das águas 208 Observações finais 217 Capítulo 7 A questão ambiental e a qualidade da água nas bacias hidrográficas do Nordeste 219 Condições ambientais do Nordeste e sua relação com a quantidade e qualidade das águas 220 Efeitos das condições ambientais sobre os aspectos quantitativos e qualitativos dos corpos hídricos 236 A qualidade da água nos principais corpos hídricos do Nordeste 241 Os desafios da gestão da qualidade da água 245 Capítulo 8 Recuperação ambiental e revitalização de bacias 247 Introdução 247 A recuperação de bacias hidrográficas como vetor de sustentabilidade 248 A constatação da degradação nas bacias hidrográficas 251 A degradação de bacias hidrográficas no Nordeste brasileiro 254 A revitalização de bacias hidrográficas no Nordeste 255 Revitalização de bacias hidrográficas: um espaço de possibilidade à integração de políticas 259 Considerações finais 261

17 Capítulo 9 A evolução das políticas públicas no Nordeste 263 Introdução 263 Definições 265 A seca de como geradora das políticas públicas 268 As políticas públicas relativas às secas 269 As políticas relacionadas com o desenvolvimento regional 277 O gerenciamento das águas 278 As políticas do futuro 281 Síntese final 287 Capítulo 10 Gerenciamento integrado de recursos hídricos no Nordeste 291 Antecedentes históricos e primeiras iniciativas de gerenciamento de recursos hídricos no Nordeste período de 1500 a A implementação do gerenciamento integrado de recursos hídricos no Nordeste ( ) 298 Perspectivas futuras para o gerenciamento integrado de recursos hídicos no Nordeste 328 Capítulo 11 Integração de bacias hidrográficas 333 Introdução 333 Experiências internacionais 335 Experiências brasileiras 352 Lições aprendidas 361 Conclusões e recomendações 371 Capítulo 12 Projeto de Integração do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional PISF 375 Introdução 375 Histórico e concepção 376 Descrição do projeto 377 O processo de discussão e licenciamento 380 O início das obras 383 A gestão das águas do PISF 383 Histórico do processo de montagem do sistema de gestão do PISF 384 Um olhar crítico sobre o projeto 387

18 Considerações finais 391 Referências 393 Anexo 1 Série de Debates sobre A QUESTÃO DA ÁGUA NO NORDESTE 421

19 A questão da água no Nordeste Apresentação Este livro é fruto de trabalho colaborativo entre a Agência Nacional de Água (ANA) e o Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE), e visa colocar à disposição da sociedade brasileira uma série de informações sobre a dinâmica dos recursos hídricos no Nordeste, seus avanços, fragilidades e desafios, de forma a subsidiar análises e processos decisórios pertinentes. O livro destina-se a todos aqueles que têm interesse na questão da água no Semiárido e no desenvolvimento regional nordestino. O trabalho teve início com uma série de debates em 2008 sobre A Questão da Água no Nordeste, e contou com a participação de especialistas, técnicos de governos, tanto federal como estaduais, e também representantes de organizações da sociedade civil (os resultados encontram-se publicados em CD-Rom, e disponíveis em e Numa segunda fase, com base nessas discussões, um grupo de especialistas elaborou Notas Técnicas sobre os principais temas considerados estratégicos tais como clima, balanço hídrico, qualidade da água, gestão integrada de recursos hídricos e integração de bacias hidrográficas que agora subsidiam os capítulos seguintes desta publicação. A gestão das águas no Nordeste representa um desafio a ser enfrentado. É preciso que, tratando-se de fator escasso na Região, a água seja administrada de forma eficiente e eficaz. Assegurar que a água esteja disponível para as diferentes formas de consumo implica viabilizar investimentos de distintas naturezas e, sobretudo, gerenciar cuidadosamente sua oferta e o uso. Isso se torna mais complexo diante da realidade climática da Região e dos vários interesses que envolvem desde as instâncias de governo até as diversas categorias de usuários. O desenvolvimento sustentável do Semiárido é uma questão estratégica para o país. Como elemento inprescindível ao desenvolvimento, a água precisa ser administrada de forma a permitir que os diversos usos ligados ao bem-estar da população e ao crescimento econômico sejam adequadamente atendidos. Nesse quadro abrangente da questão dos recursos hídricos no Nordeste, os progressos realizados nos últimos anos em matéria de infraestrutura e de gestão integrada foram positivos, mas ainda há muito o que se fazer para aperfeiçoar o sistema de gestão e para enfrentar as ameaças advindas das mudanças climáticas. Vicente Andreu Guillo Presidente da ANA Mariano Francisco Laplane Presidente do CGEE 17

20

21 A questão da água no Nordeste Agradecimentos Várias pessoas e instituições contribuíram para a realização deste livro. Em primeiro lugar, gostaria de agradecer aos dirigentes da ANA, na pessoa do ex-presidente José Machado, do atual presidente Vicente Andreu, do diretor Dalvino Trocolli Franca e do ex-diretor e atual coordenador de Gestão Estratégica Bruno Pagnoccheschi, e do CGEE, na pessoa da ex-presidenta Lúcia Carvalho Pinto de Melo, do atual presidente Mariano Francisco Laplane, do diretor Antonio Carlos Filgueira Galvão e da assessora Carmem Silvia Corrêa Bueno, os quais não apenas asseguraram as condições para a realização da série de debates sobre "A Questão da Água no Nordeste" e para a preparação do livro, como participaram diretamente em diversas ocasiões, acompanhando todo o processo e contribuindo com valiosas orientações, informações e sugestões. Da mesma forma, os agradecimentos vão para as equipes técnicas da ANA e do CGEE, pela sua participação nos debates e pelas inúmeras sugestões. Um agradecimento especial é dirigido aos participantes dos seis debates realizados em 2008, por suas contribuições técnicas para o entendimento da questão da água no Nordeste. Vários desses participantes concordaram em escrever os capítulos que fazem parte deste livro. Gostaria também de agradecer pelo apoio administrativo e financeiro recebido tanto no âmbito da ANA quanto do CGEE. Durante o processo de preparação do livro, foi importante o papel desempenhado pelo consultor José Roberto de Lima, do CGEE, durante todas as etapas. Também quero agradecer às equipes de contratos e de eventos do CGEE, nas pessoas de Alexandra Kruger da Silva, Elaine Michon, Silvana Rolon e Solange Figueiredo, e da ANA, na pessoa de Magaly Vasconcelos Arantes de Lima, pela organização dos dois workshops de autores, realizados em Finalmente, agradeço a Tatiana Pires, Eduardo de Oliveira e Diogo Alves, da equipe de editoração do CGEE, pelo importante apoio para a editoração e publicação deste livro. Antonio Rocha Magalhães Coordenador 19

22

23 A questão da água no Nordeste Introdução Antonio Rocha Magalhães 1 Em 2008, a Agência Nacional de Águas (ANA) e o Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE) realizaram uma série de debates sobre a questão da água no Nordeste. Os debates ocorreram alternativamente nas sedes da ANA e do CGEE, em Brasília, e envolveram eminentes especialistas e tomadores de decisão sobre a questão regional e os diversos aspectos da política de recursos hídricos. Os temas debatidos e os nomes dos especialistas estão referidos no final deste livro. Os debates foram organizados em um relatório, disponível em forma eletrônica (ANA, CGEE). Concluído o projeto, os anos de 2009 e 2010 foram dedicados à realização da Segunda Conferência Internacional sobre Clima, Sustentabilidade e Desenvolvimento em Regiões Semiáridas (ICID+18), organizada pelo CGEE, com o patrocínio do Governo do Ceará, do Ministério do Meio Ambiente, do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, do Ministério da Integração Nacional e do Banco do Nordeste do Brasil, e com apoio e participação da ANA e muitas outras instituições brasileiras e internacionais. De novo, a temática dos recursos hídricos em regiões secas foi debatida, dessa vez não só em relação ao Nordeste do Brasil, mas também das regiões semiáridas de outras partes do mundo (ICID+18, 2010). Em 2011, em face da repercussão positiva alcançada com a realização da série de debates e das discussões na ICID+18, a ANA e o CGEE resolveram organizar e publicar um livro sobre o tema, com vistas a uma disponibilização mais ampla, sobretudo para interessados não especialistas, como estudantes, tomadores de decisão do governo, do setor privado e da sociedade civil, e para estudiosos em geral. Considerou-se que o livro seria útil e que, embora muito se fale sobre a problemática da água no Nordeste, não existe uma fonte de informação atualizada e facilmente disponível que ajude a esclarecer dúvidas e mesmo preconceitos que muitas vezes são expostos quando o assunto é a discussão das alternativas para o desenvolvimento regional. Há temas que geram controvérsias, como, por exemplo, a discussão sobre política de acumulação versus uso da água; a questão dos grandes projetos versus os pequenos aproveitamentos; a morte de rios (por causa do desmatamento e da degradação ambiental) e as possibilidades de revitalização de bacias; o gerenciamento da água; as implicações da variabilidade e das mudanças climáticas; as soluções para o enfrentamento das secas; e a ideia de integração entre bacias hidrográficas. 1 Líder de Projeto, Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE) 21

24 Agência Nacional de Águas Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Ciência, Tecnologia e Inovação Na verdade, há necessidade de mais estudos e mais divulgação sobre o tema das águas do Nordeste e do Semiárido. No ano de 1980, a Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste (Sudene) publicou o que se pode dizer que foi o estudo mais importante até hoje: o Plano Integrado de Recursos Hídricos do Nordeste (PLIRHINE), com dados de balanço hídrico sobre 24 grandes bacias de dez estados da região. Esse estudo, embora agora desatualizado, continua sendo uma referência importante. Quinze anos depois, nos anos de 1994 e 1995, o Projeto Áridas, por meio do seu Grupo de Recursos Hídricos, produziu uma série de trabalhos seminais e introduziu a ideia de sustentabilidade nas ações referentes a otimização da oferta e gerenciamento dos usos da água (Projeto Áridas). Foram definidos indicadores de sustentabilidade, construídos cenários tendenciais e desejados, analisadas as vulnerabilidades às variações e mudanças climáticas e sugeridas diretrizes para uma política de desenvolvimento sustentável (MCKAUGHAN, 2008). Os estudos do Projeto Áridas influenciaram na formulação de políticas de recursos hídricos tanto em nível federal quanto de alguns estados 2. A coletânea de estudos do Projeto Áridas está disponível por via eletrônica (http://www.mi.gov.br/infraestruturahidrica/publicacoes /projeto_aridas.asp) e também em forma de livro (VIEIRA, 2000). Resumo executivo Nas últimas duas décadas, aconteceram importantes mudanças sobre a questão dos recursos hídricos no país e no Nordeste em particular. A partir de 1997, o Brasil passou a contar com uma Lei das Águas, em substituição ao antigo Código das Águas. Já antes disso, dois Estados (São Paulo e Ceará) haviam promulgado suas respectivas leis estaduais de recursos hídricos. Avanços significativos foram alcançados nos aspectos institucionais, tanto no Governo Federal quanto em vários estados, com a criação de secretarias para cuidar da política de recursos hídricos. Em 2000, foi criada a Agência Nacional de Águas (ANA). Nesse contexto, uma nova síntese que resumisse o conhecimento e atualizasse a discussão sobre a política de gerenciamento dos recursos hídricos no Nordeste mostrou-se necessária, e este livro se coloca como uma resposta a essa necessidade. O livro está organizado em 12 capítulos (ver o sumário), acrescidos de introdução e conclusões. Para cada capítulo, foram convidados um ou mais especialistas, entre os que participaram da série de debates ANA/CGEE. Um trabalho desses, escrito a múltiplas mãos, corre o risco de resultar em um todo heterogêneo, com diferentes estilos e enfoques em cada capítulo. Isso é até certo ponto inevitável. Neste trabalho, para diminuir essa possibilidade, começamos por definir um escopo geral e realizar um workshop inicial com os autores, para construir a ideia de um projeto comum. 2 Ramon Rodrigues, secretário de Irrigação do Ministério de Integração Nacional. Apresentação durante a ICID+18 em Fortaleza de 16 a 20 de agosto de

25 A questão da água no Nordeste Um segundo workshop foi realizado com base em uma primeira versão dos diversos documentos, quando pontos de superposição foram identificados e compatibilizados. Além disso, um processo de revisão interativo, entre autores e entre estes e a coordenação do projeto, no CGEE, foi realizado em múltiplas rodadas de comentários e novas versões. O relatório da série de debates deveria ser o ponto de partida para cada autor. A qualidade técnica de cada capítulo é garantida pela qualificação dos respectivos autores. Foram eliminadas algumas áreas de superposição, mas ainda assim há temas, como a questão das secas e a política de águas, que são tratados em mais de um capítulo. Nestes casos, trata-se de visões diferentes e complementares, de modo que enriquecem o tratamento do tema, por isso há recorrência quanto ao tratamento de alguns temas em diferentes partes do livro. O capítulo 1 versa sobre a origem das águas do Nordeste. A região depende de chuvas que anualmente caem sobre o seu território com exceção do Rio São Francisco, que recebe significativa contribuição da água da Região Sudeste, e do Rio Parnaíba, com uma contribuição menor oriunda de Tocantins, na Região Amazônica. As chuvas do Nordeste são causadas por movimentos de nuvens influenciados, principalmente, pelas temperaturas da superfície do mar no Atlântico Tropical e no Pacífico Equatorial (neste caso, graças aos fenômenos El Niño e La Niña). Na verdade, o Nordeste tem três principais regimes de chuvas. Um que abrange os estados do sul da região (Bahia, parte norte de Minas Gerais, sul do Piauí e do Maranhão), que é influenciado por frentes frias vindas do sul. O segundo, abrangendo o norte do Nordeste (Maranhão, Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, partes de Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Bahia), é influenciado pelos deslocamentos da Zona de Convergência Intertropical (ZCIT), por sua vez influenciada pela oscilação das temperaturas de superfície entre o Atlântico Sul e Norte. E o terceiro, na zona costeira a leste (Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Sergipe, Bahia), influenciado por ventos alísios do Sudeste e distúrbios atmosféricos vindos do Atlântico. O capítulo ainda introduz o problema da variabilidade anual e interanual, refletida nos episódios de secas e veranicos, bem como as perspectivas de clima futuro, diante do problema das mudanças climáticas e do risco de que os processos de desertificação avencem sobre a região. O capítulo 2 retoma o tema da variabilidade climática e detalha o problema das secas que historicamente marcaram a sociedade nordestina. A seca se caracteriza, sob o aspecto meteorológico, como uma redução na precipitação anual, em relação à média de precipitação em anos considerados normais. Em um ano de grande seca, a redução de precipitação pode ser superior a 50%. Além da redução na quantidade de chuva, a intensidade da seca também depende da sua distribuição no tempo e no espaço. Em anos de seca, o período com superávit hídrico, que é de quatro meses em anos normais, pode reduzir-se para um, dois ou três meses, tempo insuficiente para o cultivo agrícola. A primeira seca de que se tem notícia no Nordeste data de Desde então, foram registrados

26 Agência Nacional de Águas Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Ciência, Tecnologia e Inovação anos de seca até As secas variam segundo a intensidade dos seus impactos, que podem ser de natureza econômica, ambiental e social. Tradicionalmente, a primeira consequência da seca é a falta d água, que afeta o abastecimento de pessoas e de animais, bem como as atividades agrícolas. Os impactos da seca dependem da vulnerabilidade das pessoas, das atividades econômicas e do meio ambiente. As pessoas pobres são, naturalmente, as mais vulneráveis, porque não dispõem de meios para enfrentar crises de qualquer natureza. O Semiárido, como se sabe, tem a maior parte da sua população em condição de pobreza, portanto, de alta vulnerabilidade. Entre as atividades econômicas, as que dependem diretamente do clima são mais vulneráveis, de modo especial a agricultura de sequeiro e a pecuária. Em conjunto, a pequena agricultura de subsistência, praticada por trabalhadores rurais e pequenos produtores, forma o conjunto econômico e social mais vulnerável à seca. No Nordeste, tradicionalmente, os impactos sobre a agricultura de subsistência têm sido devastadores. Sem chuva não há produção de sequeiro. Assim, essa atividade pode cessar completamente e afetar milhões de pessoas, incluindo trabalhadores rurais, meeiros e pequenos e médios proprietários. De repente, milhões de pessoas ficam sem a sua subsistência, o que acarreta uma calamidade social. Em episódios paradigmáticos de grandes secas, como em , 1915, 1932, 1958, 1983, milhões de pessoas foram afetadas e tiveram sua sobrevivência comprometida. Nas secas mais antigas, a quantidade de pessoas que morriam de fome, sede e doenças ligadas à desnutrição provocada pela seca podia chegar a várias centenas de milhares. Por isso a seca no Nordeste se caracteriza, sobretudo, como um grave problema social. O impacto efetivo sobre as pessoas e suas atividades varia também com o resultado de políticas públicas e estratégias de resposta às secas. No Nordeste, ao longo do último século e meio, foi criada insfraestrutura de acumulação de água em açudes e infraestrutura de transportes, que tem se mostrado capaz de assegurar o abastecimento de água para a maioria da população em anos de secas. O desenvolvimento econômico, nos últimos 50 anos, reduziu a participação da agricultura no Produto Interno Bruto (PIB), o que se refletiu em menor impacto econômico da redução de chuvas. E as recentes políticas de proteção social têm criado uma rede de proteção para as pessoas mais pobres. Em consequência, uma grande seca meteorológica em 2010 não repetiu a experiência de calamidade social, como ocorrido há um par de décadas. O capítulo 3 discute o balanço hídrico no Nordeste. O balanço hídrico compara oferta e demanda de água para um determinado período. Do lado da oferta, a maior parte da precipitação que acontece é evaporada. Segundo o Projeto Áridas (VIEIRA, 2000), com base em dados do PLIRHINE, o total de precipitação em um ano normal chega a bilhões de metros cúbicos, dos quais bilhões são evaporados ou evapotranspirados, enquanto 149 bilhões se escoam superficialmente e 24

BOLETIM DE MONITORAMENTO DA BACIA DO ALTO PARAGUAI

BOLETIM DE MONITORAMENTO DA BACIA DO ALTO PARAGUAI BOLETIM DE MONITORAMENTO DA BACIA DO ALTO PARAGUAI v.6, n. 01, jan. 2011 Bol. Mon. Bacia do Alto Paraguai, Brasília, v. 6, n. 01, p. 1-21, jan. 2011 República Federativa do Brasil Dilma Vana Rousseff Presidenta

Leia mais

INFOCLIMA, Ano 11, Número 11 INFOCLIMA. Previsão de Consenso 1 CPTEC/INPE e INMET para o trimestre Dezembro/04 a fevereiro/05

INFOCLIMA, Ano 11, Número 11 INFOCLIMA. Previsão de Consenso 1 CPTEC/INPE e INMET para o trimestre Dezembro/04 a fevereiro/05 INFOCLIMA BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 11 11 de novembro de 2004 Número 11 Previsão de Consenso 1 CPTEC/INPE e INMET para o trimestre Dezembro/04 a fevereiro/05 CARACTERIZADO O INÍCIO DO FENÔMENO

Leia mais

PROGNÓSTICO CLIMÁTICO. (Fevereiro, Março e Abril de 2002).

PROGNÓSTICO CLIMÁTICO. (Fevereiro, Março e Abril de 2002). 1 PROGNÓSTICO CLIMÁTICO (Fevereiro, Março e Abril de 2002). O Instituto Nacional de Meteorologia, órgão do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, com base nas informações de análise e prognósticos

Leia mais

INFOCLIMA. BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 11 15 de julho de 2004 Número 7

INFOCLIMA. BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 11 15 de julho de 2004 Número 7 INFOCLIMA BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 11 15 de julho de 2004 Número 7 Previsão de Consenso 1 INMET e CPTEC/INPE PREVISÃO DE NORMALIDADE DAS CHUVAS E DAS TEMPERATURAS NA MAIOR PARTE DO PAÍS Sumário

Leia mais

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 A BACIA HIDROGRÁFICA COMO UNIDADE DE PLANEJAMENTO OCUPAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA O DESMATAMENTO DAS BACIAS OCUPAÇÃO DA BACIA

Leia mais

Manejo de Recursos Hídricos no Semi-árido. Julho de 2004 BNDES Rio de Janeiro

Manejo de Recursos Hídricos no Semi-árido. Julho de 2004 BNDES Rio de Janeiro Manejo de Recursos Hídricos no Semi-árido Julho de 2004 BNDES Rio de Janeiro Vulnerabilidades do Nordeste Brasileiro Principais causas: - Instabilidade Climática: Distribuição irregular das chuvas, com

Leia mais

Figura 1 Localização da bacia do rio São Francisco. Fonte: Acessado em 01/02/2009.

Figura 1 Localização da bacia do rio São Francisco. Fonte:<http://siscom.ibama.gov.br/msfran/uploads/images/fig1_1.jpg> Acessado em 01/02/2009. Variabilidade Temporal da Vazão e Precipitação no Alto e Baixo São Francisco Karine Mirieli dos Santos Costa Maria Elisa Siqueira Silva Elaine Rosângela da Silva Departamento de Geografia - Universidade

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA Instituto Nacional de Meteorologia INMET Coordenação Geral de Agrometeorologia

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA Instituto Nacional de Meteorologia INMET Coordenação Geral de Agrometeorologia 1 PROGNÓSTICO DE ESTAÇÃO PARA A PRIMAVERA DE 2003 TRIMESTRE Outubro-Novembro-Dezembro. A primavera começa neste ano às 07:47h do dia 23 de setembro e vai até 05:04h (horário de Verão) de Brasília, do dia

Leia mais

MEIO AMBIENTE RECURSOS HÍDRICOS BEM CUIDAR PARA PERENIZAR

MEIO AMBIENTE RECURSOS HÍDRICOS BEM CUIDAR PARA PERENIZAR MEIO AMBIENTE RECURSOS HÍDRICOS BEM CUIDAR PARA PERENIZAR Introdução Em 2000 havia no mundo mais de 1 bilhão de pessoas sem suficiente disponibilidade de água para consumo doméstico e se estima que, em

Leia mais

Rio São Francisco ERROS DA TRANSPOSIÇÃO

Rio São Francisco ERROS DA TRANSPOSIÇÃO Rio São Francisco ERROS DA TRANSPOSIÇÃO Bacia do São Francisco Irrigação na bacia do rio Potencial irrigável cerca de 1 milhão de hectares Efetivamente irrigados cerca de 340 mil hectares e em constante

Leia mais

Previsão de Consenso 1 CPTEC/INPE e INMET

Previsão de Consenso 1 CPTEC/INPE e INMET I N F O C L I M A BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 11 14 de fevereiro de 2004 Número 2 Divisão de Operações Chefia: Dr. Marcelo Seluchi Editor: Dr. Marcelo Seluchi Elaboração: Operação Meteorológica

Leia mais

PROGNÓSTICO TRIMESTRAL (Setembro Outubro e Novembro de- 2003).

PROGNÓSTICO TRIMESTRAL (Setembro Outubro e Novembro de- 2003). 1 PROGNÓSTICO TRIMESTRAL (Setembro Outubro e Novembro de- 2003). O prognóstico climático do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), órgão do Ministério da Agricultura, Pecuária e do Abastecimento,

Leia mais

PROGNÓSTICO DE ESTAÇÃO PARA A PRIMAVERA DE 2001. TRIMESTRE Outubro-Novembro-Dezembro.

PROGNÓSTICO DE ESTAÇÃO PARA A PRIMAVERA DE 2001. TRIMESTRE Outubro-Novembro-Dezembro. 1 PROGNÓSTICO DE ESTAÇÃO PARA A PRIMAVERA DE 2001 TRIMESTRE Outubro-Novembro-Dezembro. A Primavera começa este ano às 22h04min (hora de Brasília), no dia 22 de setembro e termina às 17h20min (horário de

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO A DE COMBATE À DESERTIFICAÇÃO E MITIGAÇÃO DOS EFEITOS DA SECA- PAN-Brasil

PROGRAMA DE AÇÃO A DE COMBATE À DESERTIFICAÇÃO E MITIGAÇÃO DOS EFEITOS DA SECA- PAN-Brasil PROGRAMA DE AÇÃO A NACIONAL DE COMBATE À DESERTIFICAÇÃO E MITIGAÇÃO DOS EFEITOS DA SECA- PAN-Brasil Secretaria de Extrativismo e Desenvolvimento Rural Sustentável Coordenação de Combate à Desertificação

Leia mais

Projeto de Integração do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional

Projeto de Integração do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional Projeto de Integração do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional Semi-árido Brasileiro - População Eixo Norte PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO SEMI-ÁRIDO E DA BACIA

Leia mais

PROGNÓSTICO TRIMESTRAL Agosto-Setembro-Outubro de 2003. Prognóstico Trimestral (Agosto-Setembro-Outubro de 2003).

PROGNÓSTICO TRIMESTRAL Agosto-Setembro-Outubro de 2003. Prognóstico Trimestral (Agosto-Setembro-Outubro de 2003). 1 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA Instituto Nacional de Meteorologia INMET Endereço: Eixo Monumental VIA S1 Telefone: + 55 61 344.3333/ Fax:+ 55 61 344.0700 BRASÍLIA / DF - CEP:

Leia mais

INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015

INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015 INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015 1. INTRODUÇÃO A estação do verão inicia-se no dia 21 de dezembro de 2014 às 20h03 e vai até as 19h45 do dia 20 de março de 2015. No Paraná, historicamente, ela é bastante

Leia mais

Impacto do Fenômeno El Niño na Captação de Chuva no Semi-árido do Nordeste do Brasil

Impacto do Fenômeno El Niño na Captação de Chuva no Semi-árido do Nordeste do Brasil Impacto do Fenômeno El Niño na Captação de Chuva no Semi-árido do Nordeste do Brasil Vicente de Paulo Rodrigues da Silva, Hiran de Melo (Professor DEE/CCT/UFPB), Antônio Heriberto de Castro Teixeira (EMBRAPA

Leia mais

MESA REDONDA ÁGUA: ESCASSEZ, USO RACIONAL

MESA REDONDA ÁGUA: ESCASSEZ, USO RACIONAL MESA REDONDA ÁGUA: ESCASSEZ, USO RACIONAL IV SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE ENGENHARIA DE SAÚDE PÚBLICA Rodrigo Flecha Superintendente de Gestão de Recursos Hídricos 18 de março de 2013 Belo Horizonte/MG ESTRUTURA

Leia mais

INMET/CPTEC-INPE INFOCLIMA, Ano 13, Número 07 INFOCLIMA. BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 13 13 de julho de 2006 Número 07

INMET/CPTEC-INPE INFOCLIMA, Ano 13, Número 07 INFOCLIMA. BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 13 13 de julho de 2006 Número 07 INFOCLIMA BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 13 13 de julho de 2006 Número 07 PERMANECE A TENDÊNCIA DE CHUVAS ABAIXO DA MÉDIA NA REGIÃO SUL SUMÁRIO EXECUTIVO A primeira semana da estação de inverno,

Leia mais

Variação Temporal de Elementos Meteorológicos no Município de Pesqueira-PE

Variação Temporal de Elementos Meteorológicos no Município de Pesqueira-PE Variação Temporal de Elementos Meteorológicos no Município de Pesqueira-PE Diogo Francisco Borba Rodrigues¹; Abelardo Antônio de Assunção Montenegro²; Tatiana Patrícia Nascimento da Silva³ & Ana Paula

Leia mais

SEMINÁRIO Curso: Geografia Disciplina: Hidrogeográfia Professor: Felipe Brasil 4 Período / UNESA Bacia Hidrográfica Rio São Francisco 2 semestre de 2011 Graduandos: Alexandre Graciniano Mª de Lourdes 1

Leia mais

Nordeste: o de Hoje Está Melhor do que o de Ontem

Nordeste: o de Hoje Está Melhor do que o de Ontem BNDES 6ª Reunião Extraordinária Comitê de Arranjos Produtivos, Inovação, Desenvolvimento Local, Regional e Socioambiental (CAR-IMA) Perspectivas para o Desenvolvimento da Região Nordeste Nordeste: o de

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCANDO PARA UM AMBIENTE MELHOR Apresentação A Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos do Rio Grande do Norte SEMARH produziu esta

Leia mais

FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL

FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL Francisca Cardoso da Silva Lima Centro de Ciências Humanas e Letras, Universidade Estadual do Piauí Brasil Franlima55@hotmail.com

Leia mais

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO DA ESTAÇÃO DA EMBRAPA SEMIARIDO, PROJETO BEBEDOURO PRETOLINA/PE, ATRAVÉS DA TÉCNICA DE QUANTIS

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO DA ESTAÇÃO DA EMBRAPA SEMIARIDO, PROJETO BEBEDOURO PRETOLINA/PE, ATRAVÉS DA TÉCNICA DE QUANTIS ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO DA ESTAÇÃO DA EMBRAPA SEMIARIDO, PROJETO BEBEDOURO PRETOLINA/PE, ATRAVÉS DA TÉCNICA DE QUANTIS Iug Lopes¹; Miguel Júlio Machado Guimarães²; Juliana Maria Medrado de Melo³. ¹Mestrando

Leia mais

Francis Lacerda MUDANÇAS CLIMÁTICAS E IMPACTOS NO ARARIPE

Francis Lacerda MUDANÇAS CLIMÁTICAS E IMPACTOS NO ARARIPE Francis Lacerda MUDANÇAS CLIMÁTICAS E IMPACTOS NO ARARIPE Introdução O recém divulgado relatório do IPCC AR5 sobre a base científica das mudanças climáticas conclui, com acima de 90% de confiança, que

Leia mais

INTEGRAÇÃO DOS INSTRUMENTOS DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS COM O PLANO DE BACIA

INTEGRAÇÃO DOS INSTRUMENTOS DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS COM O PLANO DE BACIA INTEGRAÇÃO DOS INSTRUMENTOS DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS COM O PLANO DE BACIA COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA Reconhecer a água como bem econômico e dar ao usuário uma indicação de seu real valor Incentivar

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 1ª Ano Tema da aula: Dinâmica Climática e Formações Vegetais no Brasil Objetivo da aula: conhecer a diversidade

Leia mais

OBJETIVOS. Identificar e caracterizar os objetivos do Projeto Cisternas e da Transposição do rio São Francisco.

OBJETIVOS. Identificar e caracterizar os objetivos do Projeto Cisternas e da Transposição do rio São Francisco. I A INTEGRAÇÃO REGIONAL NO BRASIL OBJETIVOS Identificar e caracterizar os objetivos do Projeto Cisternas e da Transposição do rio São Francisco. Assunto 5: O PROJETO CISTERNAS E A TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO

Leia mais

Atmosfera e o Clima. Clique Professor. Ensino Médio

Atmosfera e o Clima. Clique Professor. Ensino Médio Atmosfera e o Clima A primeira camada da atmosfera a partir do solo é a troposfera varia entre 10 e 20 km. É nessa camada que ocorrem os fenômenos climáticos. Aquecimento da atmosfera O albedo terrestre

Leia mais

CAPÍTULO 8 O FENÔMENO EL NIÑO -LA NIÑA E SUA INFLUENCIA NA COSTA BRASILEIRA

CAPÍTULO 8 O FENÔMENO EL NIÑO -LA NIÑA E SUA INFLUENCIA NA COSTA BRASILEIRA CAPÍTULO 8 O FENÔMENO EL NIÑO -LA NIÑA E SUA INFLUENCIA NA COSTA BRASILEIRA O comportamento climático é determinado por processos de troca de energia e umidade que podem afetar o clima local, regional

Leia mais

AVALIAÇÃO SOBRE GOVERNANÇA AMBIENTAL NOS MUNICÍPIOS DO SEMI-ÁRIDO BRASILEIRO

AVALIAÇÃO SOBRE GOVERNANÇA AMBIENTAL NOS MUNICÍPIOS DO SEMI-ÁRIDO BRASILEIRO AVALIAÇÃO SOBRE GOVERNANÇA AMBIENTAL NOS MUNICÍPIOS DO SEMI-ÁRIDO BRASILEIRO Aristides Pereira Lima Green 1 Frederico Cavadas Barcellos 2 Deborah Moreira Pinto 3 I. Introdução As regiões semi-áridas se

Leia mais

NARRATIVA DO MONITOR DAS SECAS DO MÊS DE JUNHO DE 2015

NARRATIVA DO MONITOR DAS SECAS DO MÊS DE JUNHO DE 2015 NARRATIVA DO MONITOR DAS SECAS DO MÊS DE JUNHO DE 2015 Condições Meteorológicas do Mês de Junho de 2015 Historicamente, conforme pode ser observada na figura 1 (b), no mês de junho, o litoral oeste do

Leia mais

Fenômenos e mudanças climáticos

Fenômenos e mudanças climáticos Fenômenos e mudanças climáticos A maioria dos fenômenos climáticos acontecem na TROPOSFERA. Camada inferior da atmosfera que vai do nível do mar até cerca de 10 a 15 quilômetros de altitude. Nuvens, poluição,

Leia mais

Diagnóstico, Monitoramento de Desastres Naturais com foco na Seca no Semiárido Nordestino

Diagnóstico, Monitoramento de Desastres Naturais com foco na Seca no Semiárido Nordestino Diagnóstico, Monitoramento de Desastres Naturais com foco na Seca no Semiárido Nordestino CEX Seca no Semiárido Nordestino CEMADEN-MCTI Brasília, 28 de Maio de 2015 2 Operação do CEMADEN EM FUNCIONAMENTO

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências.

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. PROJETO DE LEI Nº 51/2008 Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPIRITO SANTO DECRETA: Art. 1º Esta lei institui

Leia mais

CLIMAS DO BRASIL MASSAS DE AR

CLIMAS DO BRASIL MASSAS DE AR CLIMAS DO BRASIL São determinados pelo movimento das massas de ar que atuam no nosso território. É do encontro dessas massas de ar que vai se formando toda a climatologia brasileira. Por possuir 92% do

Leia mais

RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO HIDROLOGIA I RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1 - Introdução: Apresentação do Programa da Disciplina, Sistema de Avaliação; Conceito; Importância e Aplicação da Hidrologia (2h) 2 - Ciclo Hidrológico (2h);

Leia mais

INFORMATIVO CLIMÁTICO

INFORMATIVO CLIMÁTICO GOVERNO DO MARANHÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO NÚCLEO GEOAMBIENTAL LABORATÓRIO DE METEOROLOGIA INFORMATIVO CLIMÁTICO MARANHÃO O estabelecimento do fenômeno El Niño - Oscilação Sul (ENOS) e os poucos

Leia mais

Complexo regional do Nordeste

Complexo regional do Nordeste Antônio Cruz/ Abr Luiz C. Ribeiro/ Shutterstock gary yim/ Shutterstock Valter Campanato/ ABr Complexo regional do Nordeste Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses, MA. Sertão de Pai Pedro, MG. O norte

Leia mais

Mudanças Climáticas: Efeitos Sobre a Vida e Impactos nas Grandes Cidades. Água e Clima As lições da crise na região Sudeste

Mudanças Climáticas: Efeitos Sobre a Vida e Impactos nas Grandes Cidades. Água e Clima As lições da crise na região Sudeste Mudanças Climáticas: Efeitos Sobre a Vida e Impactos nas Grandes Cidades Água e Clima As lições da crise na região Sudeste Mudanças Climáticas: Efeitos Sobre a Vida e Impactos nas Grandes Cidades A água

Leia mais

Clima e Formação Vegetal. O clima e seus fatores interferentes

Clima e Formação Vegetal. O clima e seus fatores interferentes Clima e Formação Vegetal O clima e seus fatores interferentes O aquecimento desigual da Terra A Circulação atmosférica global (transferência de calor, por ventos, entre as diferentes zonas térmicas do

Leia mais

Superintendência de Gestão da Rede Hidrometeorológica SGH Valdemar Santos Guimarães

Superintendência de Gestão da Rede Hidrometeorológica SGH Valdemar Santos Guimarães 2a Edição República Federativa do Brasil Dilma Vana Rousseff Presidente Ministério do Meio Ambiente (MMA) Izabella Mônica Vieira Teixeira Ministra Agência Nacional de Águas (ANA) Diretoria Colegiada Vicente

Leia mais

Mudanças climáticas e ambientais e seus efeitos na saúde: cenários e incertezas para o Brasil

Mudanças climáticas e ambientais e seus efeitos na saúde: cenários e incertezas para o Brasil Organização Pan-Americana da Saúde Série Saúde Ambiental 1 Mudanças climáticas e ambientais e seus efeitos na saúde: cenários e incertezas para o Brasil Organização Pan-Americana da Saúde Organização

Leia mais

INVESTIMENTOS, ABORDAGENS E ESFORÇOS COMUNS NO SANEAMENTO RURAL

INVESTIMENTOS, ABORDAGENS E ESFORÇOS COMUNS NO SANEAMENTO RURAL VI SEMINÁRIO NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL I ENCONTRO LATINO-AMERICANO DE SANEAMENTO RURAL INVESTIMENTOS, ABORDAGENS E ESFORÇOS COMUNS NO SANEAMENTO RURAL Ernani Ciríaco de Miranda Diretor SNSA/MCIDADES

Leia mais

CAPÍTULO 11 O FENÔMENO EL NINO

CAPÍTULO 11 O FENÔMENO EL NINO CAPÍTULO 11 O FENÔMENO EL NINO 1.0. O que é o El Nino? É o aquecimento anômalo das águas superficiais na porção leste e central do oceano Pacífico equatorial, ou seja, desde a costa da América do Sul até

Leia mais

VULNERABILIDADE CLIMÁTICA DO NORDESTE BRASILEIRO: UMA ANÁLISE DE EVENTOS EXTREMOS NA ZONA SEMI-ÁRIDA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO SÃO FRANCISCO

VULNERABILIDADE CLIMÁTICA DO NORDESTE BRASILEIRO: UMA ANÁLISE DE EVENTOS EXTREMOS NA ZONA SEMI-ÁRIDA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO SÃO FRANCISCO VULNERABILIDADE CLIMÁTICA DO NORDESTE BRASILEIRO: UMA ANÁLISE DE EVENTOS EXTREMOS NA ZONA SEMI-ÁRIDA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO SÃO FRANCISCO 1 Weber Andrade Gonçalves; Magaly de Fatima Correia 2 ; Lincoln

Leia mais

Water resources management and metering regulation A gestão de recursos hídricos e a regulação da medição de água Gisela Forattini

Water resources management and metering regulation A gestão de recursos hídricos e a regulação da medição de água Gisela Forattini Water resources management and metering regulation A gestão de recursos hídricos e a regulação da medição de água Gisela Forattini A Gestão de Recursos Hídricos H e a Regulação da Medição de Água Situação

Leia mais

A Construção de um Programa de Revitalização na Bacia do rio São Francisco

A Construção de um Programa de Revitalização na Bacia do rio São Francisco A Construção de um Programa de Revitalização na Bacia do rio São Francisco Antônio Thomaz Gonzaga da Matta Machado Projeto Manuelzão/UFMG Conceito de Revitalização Caráter técnico-científico Legislação

Leia mais

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 CAP. 02 O território brasileiro e suas regiões.( 7º ano) *Brasil é dividido em 26 estados e um Distrito Federal (DF), organizados em regiões. * As divisões

Leia mais

Águas de Minas e Energia a Contribuição de Minas para o Sistema Elétrico Importância dos Reservatórios de Cabeceira.

Águas de Minas e Energia a Contribuição de Minas para o Sistema Elétrico Importância dos Reservatórios de Cabeceira. Águas de Minas e Energia a Contribuição de Minas para o Sistema Elétrico Importância dos Reservatórios de Cabeceira. 1 Sumário Produção de Energia Elétrica no Brasil e o no Mundo Características de Usinas

Leia mais

ENCONTRO ÁGUA E FLORESTA GESTÃO INTEGRADA DOS RECURSOS HÍDRICOS

ENCONTRO ÁGUA E FLORESTA GESTÃO INTEGRADA DOS RECURSOS HÍDRICOS ENCONTRO ÁGUA E FLORESTA GESTÃO INTEGRADA DOS RECURSOS HÍDRICOS Prof. Demetrios Christofidis EDUCAÇÃO PARA MUDANÇA DE TRAJETÓRIA CONSTITUIÇÃO FEDERAL Lei nº 9.984/2000 Criação da ANA 1988 1997 2000 2002

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DAS CONDIÇÕES METEOROLÓGICAS DO ESTADO DE ALAGOAS

RELATÓRIO MENSAL DAS CONDIÇÕES METEOROLÓGICAS DO ESTADO DE ALAGOAS Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos de Alagoas RELATÓRIO MENSAL DAS CONDIÇÕES METEOROLÓGICAS DO ESTADO DE ALAGOAS Diretoria de Meteorologia / Sala de Alerta Março/2016 Conteúdo

Leia mais

REVITALIZAÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO METAS E RESULTADOS

REVITALIZAÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO METAS E RESULTADOS REVITALIZAÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO METAS E RESULTADOS Localização da Bacia do Rio São Francisco 13 milhões de habitantes 8% da população do País 8% 503 municípios 7 Unidades da Federação: Bahia (48,0%

Leia mais

VARIABILIDADE DO VENTO NA BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO DURANTE A OCORRÊNCIA DA ZCAS

VARIABILIDADE DO VENTO NA BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO DURANTE A OCORRÊNCIA DA ZCAS VARIABILIDADE DO VENTO NA BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO DURANTE A OCORRÊNCIA DA ZCAS De Fonseca da Silva e José Ivaldo B. Brito 2 RESUMO A intensidade e direção do vento são variáveis de grande interesse

Leia mais

Mudanças climáticas globais e recursos hídricos com enfoque para as bacias hidrográficas

Mudanças climáticas globais e recursos hídricos com enfoque para as bacias hidrográficas Mudanças climáticas globais e recursos hídricos com enfoque para as bacias hidrográficas Emília Hamada Pesquisador, Embrapa Meio Ambiente, Jaguariúna - SP A mudança climática global começou a ser discutida

Leia mais

ANÁLISE MULTITEMPORAL DO PADRÃO DE CHUVAS NA ZONA OESTE DO RIO DE JANEIRO NO ÂMBITO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS

ANÁLISE MULTITEMPORAL DO PADRÃO DE CHUVAS NA ZONA OESTE DO RIO DE JANEIRO NO ÂMBITO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS ANÁLISE MULTITEMPORAL DO PADRÃO DE CHUVAS NA ZONA OESTE DO RIO DE JANEIRO NO ÂMBITO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS ALMEIDA, Paula Maria Moura de (Orientadora) 1 KOVAC, Marcel da Silva 2 Palavras-chave: Precipitação.

Leia mais

Aquecimento Global, Mudanças Climáticas e impactos no Brasil Jose A. Marengo CPTEC/INPE

Aquecimento Global, Mudanças Climáticas e impactos no Brasil Jose A. Marengo CPTEC/INPE Aquecimento Global, Mudanças Climáticas e impactos no Brasil Jose A. Marengo CPTEC/INPE Foreign & Commonwealth Office Desastre climático e midiático. Uma coisa é produzir dados, outra é torná-los inteligíveis

Leia mais

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades Climatologia É uma parte da que estuda o tempo e o clima cientificamente, utilizando principalmente técnicas estatísticas na obtenção de padrões. É uma ciência de grande importância para os seres humanos,

Leia mais

O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado

O MATOPIBA e o desenvolvimento destrutivista do Cerrado O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado Paulo Rogerio Gonçalves* No dia seis de maio de 2015 o decreto n. 8447 cria o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba e seu comitê gestor.

Leia mais

CICLO DE PALESTRAS E DEBATES

CICLO DE PALESTRAS E DEBATES CICLO DE PALESTRAS E DEBATES PLC PROGRAMA Nº 30/11 NOVO PRODUTOR CÓDIGO FLORESTAL DE ÁGUA Ã NO GUARIROBA Á COMISSÃO DE AGRICULTURA E REFORMA AGRÁRIA DO SENADO FEDERAL Devanir Garcia dos Santos Gerente

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES GEOMORFOLÓGICAS E HIDROGEOGRÁFICAS ÀS REFLEXÕES SOBRE A TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO

CONTRIBUIÇÕES GEOMORFOLÓGICAS E HIDROGEOGRÁFICAS ÀS REFLEXÕES SOBRE A TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO CONTRIBUIÇÕES GEOMORFOLÓGICAS E HIDROGEOGRÁFICAS ÀS REFLEXÕES SOBRE A TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO Fernando Souza Damasco 1 ; Caio Araujo Varela 2 fernandodamasco@hotmail.com 1 Universidade Federal

Leia mais

Classificações climáticas

Classificações climáticas Classificações climáticas Glauber Lopes Mariano Departamento de Meteorologia Universidade Federal de Pelotas E-mail: glauber.mariano@ufpel.edu.br glaubermariano@gmail.com O clima do Brasil pode ser classificado

Leia mais

- SEMINÁRIO SEGURANÇA HÍDRICA - CENÁRIO DO ESTADO DE MINAS GERAIS

- SEMINÁRIO SEGURANÇA HÍDRICA - CENÁRIO DO ESTADO DE MINAS GERAIS - SEMINÁRIO SEGURANÇA HÍDRICA - CENÁRIO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Eng. Mário Cicareli Pinheiro POTAMOS Engenharia e Hidrologia Ltda. mario.cicareli@potamos.com.br Belo Horizonte, 27 de março de 2014 SUMÁRIO

Leia mais

Núcleo União Pró-Tietê. Água : O ouro azul do planeta

Núcleo União Pró-Tietê. Água : O ouro azul do planeta Núcleo União Pró-Tietê Água : O ouro azul do planeta Água A água é um mineral, elemento químico simples (H 2 O) fundamental para o planeta. Forma oceanos, geleiras, lagos e rios. Cobre ¾ da superfície

Leia mais

ASSEMBLÉIA GERAL DA RELOB AS ESTRUTURAS DE GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS NAS BACIAS PCJ

ASSEMBLÉIA GERAL DA RELOB AS ESTRUTURAS DE GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS NAS BACIAS PCJ ASSEMBLÉIA GERAL DA RELOB AS ESTRUTURAS DE GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS NAS BACIAS PCJ Dalto Favero Brochi Consórcio PCJ Rio de Janeiro Novembro / 2008 LOCALIZAÇÃO DAS BACIAS PCJ CARACTERIZAÇÃO DAS BACIAS

Leia mais

Previsão de El Niño - Carta N o. 8

Previsão de El Niño - Carta N o. 8 IRPAA - Instituto Regional da Pequena Agropecuária Apropriada Setor de Clima e Água Caixa Postal 21, 48900-000 Juazeiro-BA Tel: (074)811-6481 Fax: (074)811-5385 E-mail: irpaa@netcap.com.br Previsão de

Leia mais

Domínios Morfoclimáticos

Domínios Morfoclimáticos Domínios Morfoclimáticos Os domínios morfoclimáticos representam a interação e a integração do clima, relevo e vegetação que resultam na formação de uma paisagem passível de ser individualizada. Domínios

Leia mais

Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO Bacia Hidrográfica Área drenada por um conjunto de rios que, juntos, formam uma rede hidrográfica, que se forma de acordo com elementos fundamentais como o clima

Leia mais

Data: /08/2014 Bimestre: 2. Nome: 8 ANO B Nº. Disciplina: Geografia Professor: Geraldo

Data: /08/2014 Bimestre: 2. Nome: 8 ANO B Nº. Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Data: /08/2014 Bimestre: 2 Nome: 8 ANO B Nº Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Valor da Prova / Atividade: 2,0 (DOIS) Nota: GRUPO 3 1- (1,0) A mundialização da produção industrial é caracterizada

Leia mais

TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO. Professor Afonso Henriques Moreira Santos, D.Sc.

TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO. Professor Afonso Henriques Moreira Santos, D.Sc. TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO Professor Afonso Henriques Moreira Santos, D.Sc. Bacia do Rio São Francisco Reservatório de Furnas Bacia do São Francisco TRÊS MARIAS ITAPARICA SOBRADINHO MOXOTÓ PAULO

Leia mais

PROGNÓSTICO DE VERÃO

PROGNÓSTICO DE VERÃO 1 PROGNÓSTICO DE VERÃO (Janeiro, Fevereiro e Março de 2002). O Verão terá início oficial às 17h21min (horário de verão) do dia 21 de dezembro de 2001 e estender-se-á até às 16h15min do dia 20 de março

Leia mais

CP/CAEM/2005 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 2005 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO

CP/CAEM/2005 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 2005 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO CP/CAEM/05 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 05 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA DO BRASIL 1ª QUESTÃO (Valor 6,0) Analisar os fatores fisiográficos do espaço territorial do Brasil, concluindo sobre a influência

Leia mais

ESTADO DOS CADASTROS DE USUÁRIOS NAS BACIAS PCJ NO ANO DE 2013

ESTADO DOS CADASTROS DE USUÁRIOS NAS BACIAS PCJ NO ANO DE 2013 Primeiro Termo Aditivo Contrato nº 003/ANA/2011 INDICADOR 4 OPERACIONALIZAÇÃO DA COBRANÇA Indicador 4B Cadastro de Usuários ESTADO DOS CADASTROS DE USUÁRIOS NAS BACIAS PCJ NO ANO DE 2013 4B - Cadastro

Leia mais

INFLUÊNCIA DO OCEANO PACÍFICO NA PRECIPITAÇÃO DA AMAZÔNIA OCIDENTAL

INFLUÊNCIA DO OCEANO PACÍFICO NA PRECIPITAÇÃO DA AMAZÔNIA OCIDENTAL INFLUÊNCIA DO OCEANO PACÍFICO NA PRECIPITAÇÃO DA AMAZÔNIA OCIDENTAL Correia, D.C. (1) ; Medeiros, R.M. (2) ; Oliveira, V.G. (3) ; Correia, D. S. (4) ; Brito, J.I.B. (5) dariscorreia@gmail.com (1) Mestranda

Leia mais

Curso de Gestão de Águas Pluviais

Curso de Gestão de Águas Pluviais Curso de Gestão de Águas Pluviais Capítulo 4 Prof. Carlos E. M. Tucci Prof. Dr. Carlos E. M. Tucci Ministério das Cidades 1 Capítulo 4 Gestão Integrada Conceito Marcos Mundiais, Tendência e Estágio Institucional

Leia mais

Os desafios da gestão de recursos hídricos e as ações para redução do potencial de escassez de água

Os desafios da gestão de recursos hídricos e as ações para redução do potencial de escassez de água Os desafios da gestão de recursos hídricos e as ações para redução do potencial de escassez de água Mierzwa, José Carlos Departamento de Engenharia Hidráulica e Ambiental Escola Politécnica da Universidade

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

Projeto de Integração do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional

Projeto de Integração do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional Projeto de do Rio São Francisco com Projeto de do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional Modelo Institucional para a Gestão das Águas do São Francisco Projeto de do Rio São

Leia mais

AS CHUVAS E AS SECAS INFLUENCIADAS PELO EL NIÑO E LA NIÑA NO SUL E NORDESTE BRASILEIRO

AS CHUVAS E AS SECAS INFLUENCIADAS PELO EL NIÑO E LA NIÑA NO SUL E NORDESTE BRASILEIRO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS FLORIANÓPOLIS DEPARTAMENTO ACADEMICO DE SAÚDE E SERVIÇOS CURSO TÉCNICO DE METEOROLOGIA ANA PAULA GOLÇALVES CARLA ROSA LOPES

Leia mais

Palavras-chave: Recursos hídricos; participação comunitária.

Palavras-chave: Recursos hídricos; participação comunitária. Título: Recursos Hídricos: a participação social como requisito para o financiamento de projetos Tema: Recursos Hídricos Autora: Luciana Cibelle Araujo dos Santos Co-autoras: Marize Castro e Isabela dos

Leia mais

GEOGRAFIA. Professora Bianca

GEOGRAFIA. Professora Bianca GEOGRAFIA Professora Bianca TERRA E LUA MOVIMENTO DA LUA MOVIMENTOS DA TERRA TEMPO E CLIMA Tempo é o estado da atmosfera de um lugar num determinado momento. Ele muda constantemente. Clima é o conjunto

Leia mais

Resumo. Abstract. 1. Introdução

Resumo. Abstract. 1. Introdução Contribuições da Região Amazônica e do Oceano Atlântico nas chuvas intensas de Janeiro de 2004 sobre a Região Nordeste do Brasil Raimundo Jaildo dos Anjos Instituto Nacional de Meteorologia raimundo.anjos@inmet.gov.br

Leia mais

DIRETRIZES ESTRATÉGICAS DO CTHIDRO. Prof. Dr. Carlos Eduardo Morelli Tucci

DIRETRIZES ESTRATÉGICAS DO CTHIDRO. Prof. Dr. Carlos Eduardo Morelli Tucci DIRETRIZES ESTRATÉGICAS DO CTHIDRO Prof. Dr. Carlos Eduardo Morelli Tucci Abril 2013 1 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1 INSTRUMENTOS LEGAIS PARA A CRIAÇÃO DO CTHIDRO... 3 1.2 OBJETIVOS DO CT-HIDRO... 3 1.3

Leia mais

WWDR4 Resumo histórico

WWDR4 Resumo histórico WWDR4 Resumo histórico Os recursos hídricos do planeta estão sob pressão do crescimento rápido das demandas por água e das mudanças climáticas, diz novo Relatório Mundial das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento

Leia mais

Vegetação. Solo. Relevo. Clima. Hidrografia

Vegetação. Solo. Relevo. Clima. Hidrografia Vegetação Solo Relevo Clima Hidrografia VEGETAÇÃO E SOLOS HETEROGÊNEA CALOR E UMIDADE RÁPIDA DECOMPOSIÇÃO/FERTILIDADE. NUTRIENTES ORGÂNICOS E MINERAIS (SERRAPILHEIRA). EM GERAL OS SOLOS SÃO ÁCIDOS E INTEMPERIZADOS.

Leia mais

TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO

TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO 71 TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO César Nunes de Castro 58 Parte considerável da região Nordeste brasileira convive historicamente com o problema da seca. Especificamente a região conhecida como semiárido,

Leia mais

Junho, 2015. Proposta do Observatório do Clima para a Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC) Brasileira

Junho, 2015. Proposta do Observatório do Clima para a Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC) Brasileira Proposta do Observatório do Clima para a Contribuição Nacionalmente Determinada Pretendida do Brasil Junho, 2015 Proposta do Observatório do Clima para a Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC) Brasileira

Leia mais

A REALIZAÇÃO DE REUNIÕES PÚBLICAS NO ÂMBITO DO PROGRAMA DE REVITALIZAÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO. Laysa Deiró de Lima Izis de Oliveira Alves

A REALIZAÇÃO DE REUNIÕES PÚBLICAS NO ÂMBITO DO PROGRAMA DE REVITALIZAÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO. Laysa Deiró de Lima Izis de Oliveira Alves A REALIZAÇÃO DE REUNIÕES PÚBLICAS NO ÂMBITO DO PROGRAMA DE REVITALIZAÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO Laysa Deiró de Lima Izis de Oliveira Alves Programa de Revitalização da Bacia Hidrográfica do São Francisco

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Atlas de saneamento Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão Guido Mantega INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidente Eduardo

Leia mais

Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO Grande extensão territorial Diversidade no clima das regiões Efeito no clima sobre fatores socioeconômicos Agricultura População Motivação! Massas de Ar Grandes

Leia mais

10. Não raro, a temperatura no Rio de Janeiro cai bruscamente em função da chegada de "frentes" frias.

10. Não raro, a temperatura no Rio de Janeiro cai bruscamente em função da chegada de frentes frias. Nome: Nº: Turma: Geografia 1º ano Apoio Didático - Exercícios Silvia Jun/09 10. Não raro, a temperatura no Rio de Janeiro cai bruscamente em função da chegada de "frentes" frias. a) O que são "frentes"?

Leia mais

PLANO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS

PLANO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS ESTUDO ESTUDO PLANO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS José de Sena Pereira Jr. Consultor Legislativo da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento Urbano e Regional

Leia mais

Órgão de Coordenação: Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia e do Meio Ambiente SECTMA

Órgão de Coordenação: Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia e do Meio Ambiente SECTMA 12.4 SISTEMA DE GESTÃO PROPOSTO 12.4.1 ASPECTOS GERAIS O Sistema de Gestão proposto para o PERH-PB inclui órgãos da Administração Estadual, Administração Federal, Sociedade Civil e Usuários de Água, entre

Leia mais

EVOLUÇÃO DA TEMPERATURA NA REGIÃO DE GUARATINGUETÁ - SÃO PAULO - BRASIL

EVOLUÇÃO DA TEMPERATURA NA REGIÃO DE GUARATINGUETÁ - SÃO PAULO - BRASIL 1 EVOLUÇÃO DA TEMPERATURA NA REGIÃO DE GUARATINGUETÁ - SÃO PAULO - BRASIL João Ubiratan de Lima e Silva; Milton César Marques RESUMO O presente trabalho está fundamentado em uma pesquisa com base nos dados

Leia mais

VARIABILIDADE DE ÍNDICES DE PRECIPITAÇÃO E TEMPERATURA NA AMAZÔNIA OCIDENTAL

VARIABILIDADE DE ÍNDICES DE PRECIPITAÇÃO E TEMPERATURA NA AMAZÔNIA OCIDENTAL VARIABILIDADE DE ÍNDICES DE PRECIPITAÇÃO E TEMPERATURA NA AMAZÔNIA OCIDENTAL Santos, D.C. (1) ; Medeiros, R.M. (1) ; Correia, D. S. () ; Oliveira, V.G. (3) ; Brito, J.I.B. () dariscorreia@gmail.com (1)

Leia mais

CADERNOS DE CAPACITAÇÃO EM RECURSOS HÍDRICOS

CADERNOS DE CAPACITAÇÃO EM RECURSOS HÍDRICOS CADERNOS DE CAPACITAÇÃO EM RECURSOS HÍDRICOS VOLUME 5 PLANOS DE RECURSOS HÍDRICOS E ENQUADRAMENTO DOS CORPOS DE ÁGUA PLANOS DE RECURSOS HÍDRICOS E ENQUADRAMENTO DOS CORPOS DE ÁGUA CADERNOS DE CAPACITAÇÃO

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS EM UM CENÁRIO DE CRISE HÍDRICA

GERENCIAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS EM UM CENÁRIO DE CRISE HÍDRICA GERENCIAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS EM UM CENÁRIO DE CRISE HÍDRICA A ÁGUA NO MUNDO E NO BRASIL Um sexto da população mundial, mais de um bilhão de pessoas, não têm acesso a água potável; Segundo a ONU,

Leia mais