CRITÉRIOS BÁSICOS PARA PROJETOS DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO RURAL - RDR NTD-05

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CRITÉRIOS BÁSICOS PARA PROJETOS DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO RURAL - RDR NTD-05"

Transcrição

1 CRITÉRIOS BÁSICOS PARA PROJETOS DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO RURAL - RDR NTD-05

2

3 11/01/2007 2/40 1. OBJETIVO 3 PÁG. 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO 3 3. NORMAS E/OU DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 3 4. CONCEITOS BÁSICOS 3 5. TIPOS DE OBRAS E ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS 6 6. OBTENÇÃO DE DADOS PRELIMINARES 6 7. LEVANTAMENTO DE CARGA E DETERMINAÇÃO DE DEMANDA 7 8. EXPLORAÇÃO DO TRAÇADO E LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO 9 9. CONFIGURAÇÃO BÁSICA DIMENSIONAMENTO ELÉTRICO DIMENSIONAMENTO MECÂNICO APRESENTAÇÃO DO PROJETO ANEXOS 25

4

5 11/01/2007 3/40 1. OBJETIVO Estabelecer os critérios básicos para a elaboração de projetos de Rede Aérea de Distribuição Rural RDR, de forma a assegurar boas condições técnico-econômicas das instalações e da qualidade do serviço de energia elétrica. 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO Aplica-se a projetos de redes aéreas de distribuição rurais novas, melhorias e ampliações em sistema trifásico nas tensões primárias de 13,8 kv e 34,5 kv. 3. S COMPLEMENTARES 3.1 Normas da ABNT NBR Projeto de Linhas Aéreas de Transmissão de Energia Elétrica NBR Redes de Distribuição Aérea Rural de Energia Elétrica 3.2 Normas da CELPA NTD 01 - Fornecimento de Energia Elétrica em Baixa Tensão NTD 02 - Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Primária de Distribuição NTD 08 - Critérios para Levantamento Topográfico NTD 11 - Montagem de Redes de Distribuição Aérea Urbana 13,8 kv e 34,5 kv NTD 14 - Montagem de Redes de Distribuição Aérea Rural 13,8 kv e 34,5 kv ITD 03 Critério para utilização de Chaves Fusíveis em Redes Aéreas de Distribuição ITD 21 CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DE PÁRA-RAIOS EM REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE 13,8kV E 34,5kV PD 01 - Montagem de Redes de Distribuição Aérea Rural Trifásica 13,8 kv e 34,5 kv PD 03 - Ferragens Eletrotécnicas para Redes Aéreas, Urbanas e Rurais de Distribuição de Energia Elétrica ETD 01 - Transformadores para Redes Aéreas de Distribuição 15 kv e 36,2 kv ETD 02 - Postes de Concreto 3.3 Outras Instituições CODI Critérios para Projetos de Redes Aéreas de Distribuição Rural Resolução ANEEL nº. 505/01 OBS: Em suas últimas revisões. 4. CONCEITOS BÁSICOS 4.1 Sistema de distribuição Parte do sistema de potência destinado ao transporte de energia elétrica, a partir do barramento secundário de uma subestação (onde termina a transmissão ou subtransmissão) até os pontos de consumo. 4.2 Subestação de distribuição Subestação abaixadora e/ou elevadora de tensão da qual derivam os alimentadores de distribuição. 4.3 Rede de Distribuição Aérea Rural RDR Parte integrante do sistema de distribuição implantado, na sua maior parte, fora do perímetro urbano de cidades, distritos e vilas.

6 11/01/2007 4/ Rede de distribuição primária Parte de uma rede de distribuição que alimenta transformadores de distribuição e/ou pontos de entrega sob a mesma tensão primária nominal. 4.5 Derivação de distribuição Ligação feita em qualquer ponto de um sistema de distribuição, para alimentar tronco, ramal, transformador de distribuição ou ponto de entrega. 4.6 Alimentador de distribuição Parte de uma rede primária numa determinada área de uma localidade que alimenta, diretamente ou por intermédio de seus ramais, transformadores de distribuição da CELPA e/ou de consumidor. 4.7 Tronco do alimentador Parte de um alimentador de distribuição que transporta a parcela principal da carga total. 4.8 Ramal rural Parte de um alimentador de distribuição, fora do perímetro urbano, que deriva diretamente do tronco do alimentador. 4.9 Rede secundária Parte da rede de distribuição energizada pelos secundários dos transformadores de distribuição Sistema radial Sistema ou parte de um sistema de potência no qual, em condições normais de operação só pode haver fluxo de energia em um único sentido Carga instalada Somatória das potências nominais das cargas ligadas ao sistema considerado Demanda É a potência elétrica, em kva, requisitada por determinada carga instalada durante um período de tempo definido. Normalmente se considera a potência média de 15 minutos Demanda máxima Maior de todas as demandas ocorridas durante um período específico de tempo (um dia, dois dias, um ano, etc) Demanda média É a relação entre a quantidade de energia elétrica consumida, durante um período de tempo qualquer e o número de horas do mesmo período Fator de carga Relação entre a demanda média e a demanda máxima ocorrida no mesmo período de tempo.

7 11/01/2007 5/40 Ex.: No período de um ano. FC = dm D Para um ano: FC = c 8760 x D onde: FC Fator de Carga C = Consumo anual em kwh D = demanda máxima em kw dm = demanda média em kva 4.16 Fator de demanda Relação entre a demanda máxima de uma instalação, verificada em um período especificado e a correspondente carga instalada (menos as reservas) Fator de potência 4.18 Flecha Relação entre a potência ativa e a potência aparente. Maior distância, em um vão de rede aérea, entre um condutor e a reta que passa por seus pontos de fixação, medida em condições específicas Rede aérea Rede elétrica em que os condutores, geralmente nus, ficam elevados em relação ao solo ou afastados de outras superfícies, que não os respectivos suportes Transposição Permutação da posição relativa dos condutores de uma rede elétrica Estrutura de apoio Estrutura que suporta os condutores e/ou estais componentes de uma rede aérea Estrutura ancorada 4.23 Estai 4.24 Vão Suporte na qual é feita a ancoragem de todos os condutores de dois vãos contíguos de uma rede. Cabo destinado a assegurar ou reforçar a estabilidade de um suporte de rede aérea, transferindo esforços para outra estrutura, contraposte ou âncora. Distância horizontal entre dois suportes consecutivos de uma rede aérea Vão básico do gabarito Vão adotado na elaboração da tabela de flechas, a partir da tração horizontal correspondente, para construção do gabarito.

8 11/01/2007 6/ Vão ancorado Vão compreendido entre duas estruturas de ancoragem Vãos contínuos Série de 2 ou mais vãos compreendidos entre estruturas de ancoragem Vão regulador Vão fictício, mecanicamente equivalente a uma série de vãos contínuos, compreendidos entre estruturas ancoradas, e que serve para a definição do valor do vão para tração de montagem Simbologia A simbologia a ser utilizada para representação em projetos está estabelecida na NTD TIPOS DE OBRAS Os projetos de Rede de Distribuição Rural - RDR, classificam-se em: 5.1 Projetos de Rede Nova São aqueles que visam a implantação de todo o sistema de distribuição necessário para o atendimento a uma determinada área onde não existe rede de distribuição. 5.2 Projetos de Melhoria de Rede São aqueles que visam promover alterações em uma rede existente, seja para adequá-la a novas situações de carga, seja por motivo de segurança, obsoletismo, melhoria nas condições de fornecimento ou adequação das instalações ao meio ambiente. 5.3 Projetos de Ampliação de Rede São aqueles destinados a atender novos consumidores que implicam no prolongamento da rede de distribuição existente. 6. OBTENÇÃO DOS DADOS PRELIMINARES Inicialmente, deve-se obter basicamente: as características do projeto; o planejamento básico; os projetos existentes. 6.1 Características do projeto Consiste na determinação do tipo de projeto a ser desenvolvido, da área a ser abrangida e do estado atual da rede, quando esta existir. 6.2 Planejamento básico Os projetos deverão atender a um planejamento básico, que permita um desenvolvimento progressivo, compatível com a área em estudo. Em área onde o sistema elétrico será totalmente implantado ou ampliado, o projeto deverá ser precedido de uma análise a fim de determinar a disponibilidade do sistema elétrico para a região.

9 11/01/2007 7/ Projetos existentes Deverão ser verificados os possíveis projetos anteriormente elaborados na área abrangida, ainda não construídos ou em construção, que deverão ser considerados nos projetos em elaboração. 7. LEVANTAMENTO DE CARGA E DETERMINAÇÃO DA DEMANDA 7.1 Levantamento de carga Consiste na coleta dos dados de carga dos consumidores em potencial, localizados na área em estudo. Os procedimentos serão diferenciados de acordo com o tipo de projeto, conforme a seguir: Projeto de melhoria de rede a) Consumidores ligados à rede primária Localizar em planta todos os consumidores ligados à rede primária com os seguintes dados: natureza da atividade; horário de funcionamento, indicando o período de carga máxima e sazonalidade, caso haja; carga total caso não haja medição de demanda e capacidade instalada; possíveis novas ligações na rede primária, ou acréscimo de carga na área do projeto. b) Consumidores ligados à rede secundária Localizar os consumidores residenciais rurais, anotando-se em planta o tipo de ligação (monofásica, bifásica ou trifásica), e os não residenciais (oficinas, laticínios, etc), indicando-se a carga total instalada e seu horário de funcionamento. Os consumidores não residenciais de pequena carga (bar, armazém, etc), deverão ser tratados como residenciais. c) Consumidores especiais Anotar o horário de funcionamento e a carga total instalada, observando-se a existência de aparelhos que possam ocasionar oscilação de tensão na rede (raio X, solda elétrica, forno a arco, etc) Projeto de ampliação ou rede nova As cargas a considerar nestes casos, serão fundamentadas no cadastramento das propriedades, que deverá ser realizado de modo a avaliar a real necessidade da carga a ser instalada, conforme os equipamentos eletrodomésticos e eletro rurais que serão instalados, identificando-se a potência de cada equipamento e fator de potência. Deverá ser anotada a existência de aparelhos que possam ocasionar oscilação de tensão na rede ou outro tipo de influência considerada anormal Projeto de complementação de fases A complementação de fases em RDR deve ser executada quando o carregamento em ramais monofásicos ultrapassar 8A e/ou quando houver desequilíbrio de corrente nos circuitos. 7.2 Determinação de demanda O procedimento para determinação dos valores de demanda estão descritos em função de várias situações possíveis de projetos. No cálculo de demanda deve ser considerado um horizonte de 10 anos, utilizando a taxa de crescimento de carga característica da região conforme Tabela 1(Anexo I).

10 11/01/2007 8/ Projeto de melhoria de rede A determinação da demanda poderá ser obtida através de medição ou pelo processo estimativo Processo por medição No processo por medição deverá ser obtido o perfil da carga do alimentador diretamente das medições de seu tronco e ramais, observando-se sempre a coincidência com as demandas das ligações existentes na rede primária. Confrontando-se os resultados das medições com as respectivas cargas instaladas serão obtidos fatores de demanda típicos que poderão ser utilizados como recurso, na determinação de demanda por estimativa, em outras áreas. a) Tronco de alimentadores rurais A determinação de demanda máxima de alimentadores rurais, basicamente, é feita através de relatório de acompanhamento da subestação de distribuição. Na impossibilidade de obter a demanda máxima através de relatórios de acompanhamento, deverá ser feita medição na saída do alimentador em estudo (ver Nota 1). b) Ramais rurais Para determinação da demanda máxima dos ramais rurais, deverão ser instalados equipamentos de medição no inicio do ramal (ver Nota 1). c) Consumidores ligados na rede primária Deverá ser feita verificação da demanda máxima do consumidor através da leitura do medidor de kwh / Demanda. Deverá ser considerada, ainda, previsão de aumento de carga. NOTA 1: Para os alimentadores e ramais rurais, as medições devem ser efetuadas com a rede operando em sua configuração normal em dia de carga típica, por um período mínimo de 48 horas Processo estimativo a) Tronco de alimentadores rurais No caso de melhoria de rede, esse processo não se aplica aos alimentadores. A determinação da demanda será sempre feita por relatórios de acompanhamento ou medição. b) Ramais rurais A estimativa de demanda máxima poderá ser feita através da demanda máxima do alimentador, obtida na subestação, em confronto com a capacidade das cargas dos transformadores instalados ao longo do mesmo. Deverá ser analisada sempre, a simultaneidade de funcionamento das cargas dos consumidores ligados à rede primária. c) Consumidores ligados à rede primária A demanda de consumidores ligados à rede primária deverá ser estimada aplicando-se à carga instalada um fator de demanda típico, dependendo da natureza da atividade, conforme Manual de Participação Financeira do Consumidor e da Empresa).

11 11/01/2007 9/ Projeto de ampliação ou rede nova Nos projetos de ampliação ou atendimento às novas localidades, a determinação da demanda será feita em função da demanda de transformadores de distribuição de áreas similares já atendidas, considerando-se a influência de demandas individuais de consumidores ligados à rede primária, aplicando-se os fatores de demanda conhecidos de consumidores similares. Na determinação da demanda de consumidores em baixa tensão será utilizada a NTD-01 ou poderá ser também obtida através do fator de carga e do kwh/consumidor, a ser determinado através do faturamento dos consumidores característicos da região. 8. EXPLORAÇÃO DO TRAÇADO E LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO 8.1 Exploração do traçado Deverão ser avaliadas as condições existentes do projeto e do terreno, incluindo as possíveis condições futuras, com o objetivo de pré-determinar o possível traçado, buscando sempre a melhor solução técnico-econômica. Para ocupação da faixa de domínio de rodovias, ferrovias, etc, deve-se atender as normas técnicas dos órgãos resposavéis. 8.2 Levantamento topográfico Os serviços topográficos compõem-se em 3 partes: traçado da RDR; levantamento e nivelamento da diretriz da RDR; detalhamento dos acidentes geográficos e outros obstáculos na faixa Traçado da RDR O traçado depende, em grande parte, da capacidade de observação do Topógrafo, que deverá sempre que possível, seguir os critérios a seguir: a) situar-se em terrenos menos acidentados, evitando-se aqueles com inclinação transversal superior a 30%; b) desviar de picos elevados, desde que economicamente viável, para evitar esforços excessivos de vento e descargas atmosféricas; c) as estruturas deverão ser colocadas fora da faixa de domínio das rodovias e em posição tal que a distância medida sobre a superfície do terreno, da estrutura à borda exterior do acostamento, seja maior que a altura da estrutura. d) situar-se dentro da faixa de domínio das rodovias, até no máximo 1,5 m de distância da cerca limítrofe, de acordo com a norma do DNIT, e em hipótese alguma no interior da faixa de domínio das ferrovias; e) a diretriz escolhida, sempre que possível, será paralela à estrada. O traçado da RDR poderá se afastar da diretriz estabelecida quando houver necessidade de contornar obstáculos (construções, mato denso, áreas reflorestadas, lagos, etc), cortar curvas fechadas ou evitar terrenos impróprios para fundação; f) manter uma distância de segurança de pedreiras em exploração, fornos de cal, usina de produtos químicos, etc;

12 11/01/ /40 g) evitar paralelismo em longos trechos com linhas de telecomunicações com fio nu. O afastamento mínimo entre os respectivos eixos deverá ser de 50 metros para 13,8 kv e 75 metros para 34,5 kv; h) as travessias sobre rodovias, ferrovias, linhas de telecomunicação, vias navegáveis, deverão ser feitas com ângulo mínimo de 60º entre os eixos das linhas e/ou da via atravessada; i) as travessias sob linhas de transmissão deve estar o mais próximo possível da direção normal ao eixo da linha, observando-se o ângulo mínimo de 15º e máximo de 105º; j) não serão permitidas as travessias sobre edificações tais como casas, galpões, etc; k) deve ser perfeitamente identificada a RDR existente de onde se fizer a derivação, indicando propriedade, destino e procedência, tensão de isolamento e operação, número de fases, bitola dos condutores, tipo de estrutura e o número do poste (para posterior planta de localização). NOTA: Deverá apresentar as coordenadas geográficas dos pontos notáveis da RDR projetada Levantamento e nivelamento da diretriz da RDR Após a definição do traçado da RDR, será executado o levantamento do perfil do terreno e a respectiva planta baixa, numa faixa de 20 metros (10 metros de cada lado) ou mais, se necessário. Exigências mínimas: Colocação de piquetes em todos os pontos de estação, em intervalos máximos de 150 metros, de preferência em saliências do terreno e obrigatório nas divisas de propriedades e nos pontos de mudança dos tipos de vegetação e cultura. Os piquetes deverão ser fincados firmemente no terreno e ter dimensões de 30 x 4 x 4 cm, confeccionados com madeira de boa qualidade, pintados na cor branca para ângulos ou derivações e na cor laranja para alinhamento. A cada piquete corresponderá uma estaca testemunha com dimensões 50 x 2,5 x 4 cm, confeccionada com madeira de boa qualidade, pintada na cor laranja, numerada com tinta preta na face voltada para o piquete em ordem crescente no sentido de caminhamento. A estaca deverá ser fincada no máximo 30 cm no solo e a tinta utilizada terá que manter inalterada a condição de leitura por longo período. As visadas intermediárias deverão estar afastadas em média de 50 m, segundo a natureza do terreno, sendo mais próximas umas das outras nas cumeadas dos morros e dispensáveis nos fundos das grotas e gargantas. Quando a inclinação do terreno, transversalmente ao traçado da RDR, ultrapassar 20% deverão ser levantados os perfis laterais situados 5 metros à esquerda e à direita do traçado Detalhamento dos acidentes geográficos e outros obstáculos na faixa Os acidentes na faixa ou nas suas imediações serão levantados com precisão compatível para cada caso com os seguintes detalhes: Cruzamento com rodovias ou ferrovias: dados para identificação da estrada, inclusive rumos e nomes das localidades mais próximas por ela servida, posição quilométrica exata do ponto de cruzamento, ângulo de cruzamento, posições relativas das cercas e postes das linhas de telecomunicações, limite da faixa de domínio, indicação do norte verdadeiro. Cruzamento com rede de distribuição rural, linhas de transmissão e de telecomunicação: distâncias do ponto de cruzamento aos postes ou estruturas adjacentes, ângulo, alturas dos cabos ou fios no ponto de cruzamento, temperatura ambiente na hora da medição, tensão de transmissão ou distribuição, número das estruturas adjacentes ao cruzamento, dados para identificação da linha,

13 11/01/ /40 inclusive o nome da empresa ou do proprietário particular da linha atravessada, indicação do norte verdadeiro. Acidentes isolados importantes: edificações, blocos de pedra, etc, com imposição relativa, contorno aproximado, cota do topo e indicações de sua natureza. Os cursos d'água (rios, córregos, ribeiros, etc), deverão constar direção da correnteza, sua denominação, nível d'água por ocasião do levantamento, bem como estimativa da máxima cheia provável e navegabilidade. Terrenos impróprios para fundação de estruturas: posição relativa, delimitação e indicação de sua natureza (brejos, erosão, terrenos de pouca resistência, rochas, etc). Tipo de vegetação e cultura: posição relativa, delimitação ao longo da faixa e indicação de sua natureza (mato, bracatinga, pasto, milharal, etc). Muros, cercas indicando os tipos de arame (farpado, liso, tela, etc), altura e quantidade de fios, valas divisórias e a limitação exata das propriedades atravessadas com o nome dos proprietários. Nas proximidades de torres de microondas, rádio difusão, antena repetidora e parabólica de televisão deve ser indicada a distância entre o eixo da RDR e o ponto central da torre. No caso de atravessar um loteamento, deverá ser aproveitado o armamento existente para passagem da RDR, devendo ser solicitado da Prefeitura Municipal uma carta com o alinhamento, onde conste a largura da pista, do passeio e canteiros e se comprometendo pela exatidão dos mesmos. NOTA: Qualquer outro acidente de importância que interferir no desenvolvimento do traçado, deverá ser levantado. De modo geral, deverão constar posição e cotas relativas, altura, delimitação e indicação de sua natureza. 8.3 Levantamento Topográfico Expedito Em um determinado trecho, por falha ou ausência de fotografias aéreas e a critério da CONTRATADA, poderá ser utilizado o levantamento topográfico expedito, neste caso o mesmo deverá ser feito da seguinte maneira: A área a ser levantada deverá ser subdividida em retângulos do tamanho A1, de forma a que possa concluir-se quantos desenhos serão necessários executar para cobrir toda a área. Será admitida uma superposição máxima de 02 (dois) traçados em um único formato. Deverá ser usada a escala de 1/5000 na horizontal, 1/500 na vertical para RDR s e 1/1000 para RDU s, devendo as mesmas serem desenhadas em pranchas separadas O levantamento dessa área será feito através de leituras obtidas no hodômetro do carro ou a trena, para os deslocamentos. E da leitura dos ângulos horizontais de deflexão, na bússola ou GPS. Estas leituras caso não tenham correção devem ser feitas com o veículo parado, a fim de evitar-se a influência das partes metálicas do mesmo Quando surgirem loteamentos, colônias agrícolas ou casos semelhantes, deverão ser solicitadas, aos seus proprietários ou responsáveis, plantas mais precisas referentes a essas áreas. Conseguindo-se essas plantas, o levantamento expedito poderá ser dispensado Caderneta de Campo Para anotação do levantamento, deverá ser utilizada caderneta própria para esse fim, devendo a CONTRATADA anotar: a) medições efetuadas;

14 11/01/ / Desenho b) desenho e cálculo das distâncias; c) norte magnético e rumo; d) todos os ângulos ou deflexões da RDR medidos e calculados; e) levantamento planimétrico da RDR e também os detalhes quando necessários; f) todos os demais elementos colhidos no terreno para o estabelecimento do traçado; g) nome do Topógrafo, datas e tipo de aparelho usado Perfil e Planta Baixa O perfil e a planta baixa deverão ser desenhados no programa autocad, podendo a critério da CONTRATANTE, serem normografados em tinta nanquin, em papel vegetal de boa qualidade, nos formatos padronizados pela CONTRATANTE. A configuração gráfica será de acordo com as Normas de simbologia da CONTRATANTE Planta do Traçado A planta do traçado será desenhada em autocad podendo a critério da CONTRATANTE, serem normografados em tinta nanquin, em papel vegetal de boa qualidade, nos formatos padronizados pela CONTRATANTE. Será permitido efetuar cortes no traçado, desde que seja referido sempre a mesma indicação ao norte magnético. A configuração gráfica será de acordo com as Normas de simbologia da CONTRATANTE. 9. CONFIGURAÇÃO BÁSICA As redes de distribuição terão de forma geral uma configuração radial e serão constituídas de troncos trifásicos de 3 condutores e ramais trifásicos e monofásicos para alimentar pequenas localidades e propriedades rurais. 10. DIMENSIONAMENTO ELÉTRICO Os critérios para dimensionamento elétrico, proteção, seccionamento e aterramento das redes de distribuição rural são: 10.1 Níveis de tensão As tensões nominais primárias padronizadas pela CELPA são 13,8kV e 34,5kV, podendo ser fixada a tensão de fornecimento primário no ponto de entrega de energia a determinado consumidor, conforme limites estabelecidos na tabela 3 da Resolução ANEEL nº. 505/01. A queda de tensão deverá ser determinada através de cálculos ou medições registradas. Os cálculos deverão ser feitos utilizando os coeficientes unitários de queda de tensão percentual definidos na Tabela 2 (Anexo II). O formulário a ser utilizado encontra-se no Quadro do Anexo III e um exemplo de cálculo no Anexo IV Perfil de tensão Para o dimensionamento da rede de distribuição rural deve-se determinar o perfil de tensão mais adequado às condições da rede e subestações. Os fatores a serem considerados na determinação do perfil de tensão são: comprimento da RDR;

15 11/01/ /40 tipo e bitola do condutor; tensão no barramento da subestação; transformador de distribuição; cargas a serem supridas Condutores Serão utilizados condutores de alumínio com alma de aço - CAA, nas bitolas 2 AWG, 1/0 AWG e 4/0 AWG, constantes na Tabela 3 (Anexo V). A escolha da bitola deve ser feita de acordo com a queda de tensão máxima permitida e capacidade de condução dos condutores. O cálculo de queda de tensão deve ser elaborado utilizando coeficiente unitário de queda de tensão, fator de demanda e taxas de crescimento de carga para um horizonte de 10 anos Carregamento Na configuração radial, o carregamento deverá ser compatível com o limite térmico do condutor. Quando houver previsão de interligação com outras RDR's deverão ser consideradas as cargas sujeitas a transferência Desequilíbrio de carga O máximo desequilíbrio permissível em qualquer ponto de uma RDR será de 20%. O desequilíbrio será determinado pela equação: d% = 3 x (2Ia Ib Ic) (Ic Ib) 2 x Ia + Ib + Ic onde: Ia, Ib e Ic são os módulos das correntes nas fases, em ampères Correção de níveis de tensão Havendo necessidade de correção do nível de tensão, deve-se verificar a possibilidade de fazê-lo utilizando os seguintes meios: troca de taps dos transformadores; troca dos condutores; instalação de reguladores de tensão; instalação de bancos de capacitores Transformadores Deverão atender as normas ETD-01 - Transformadores para Redes Aéreas de Distribuição 15 kv e 36,2 kv e NBR 5440 da ABNT Proteção Proteção contra sobrecorrente Para dimensionamento da proteção contra sobrecorrente deverão utilizar alguns critérios para definição do equipamento a ser usado. Os principais critérios estão resumidos a seguir: a) Religador automático

16 11/01/ /40 Os religadores devem ser utilizados obedecendo aos seguintes critérios: em redes de distribuição onde se deseja suprir áreas sujeitas a falhas transitórias, cuja elevada probabilidade de interrupção tenha sido constatada através de dados estatísticos; em todas as saídas de alimentadores das subestações quando justificar técnica e economicamente sua aplicação; em pontos de circuitos longos, onde o curto-circuito mínimo não é suficiente para sensibilizar o dispositivo de retaguarda; após as cargas cuja continuidade de serviço seja importante. b) Chaves fusíveis e elos fusíveis As chaves fusíveis devem ser instaladas nas seguintes situações: na estrutura dos bancos de capacitores; no primário dos transformadores de distribuição; em ramais ou rede tronco onde não se justifica economicamente a instalação de religador. A escolha dos elos fusíveis da rede deve ser feita de modo a garantir a coordenação ou seletividade da proteção da rede, garantindo segurança e proteção a condutores e equipamentos. Demais critérios, bem como, a escolha dos elos fusíveis dos transformadores estão estabelecidos na ITD Proteção contra sobretensão A proteção contra sobretensão será feita através de pára-raios do tipo válvula, equipados com dispositivo de desligamento automático. a) Seleção Os pára-raios a serem utilizados são de: 12kV, para rede de distribuição em 13,8kV; 30kV, para rede de distribuição em 34,5kV. A corrente de descarga deverá ser no máximo de 10 ka, o nível de proteção para impulso dos páraraios deverá coordenar com os níveis básicos de isolamento para impulso dos equipamentos por ele protegido. b) Localização Deverão ser projetados pára-raios nas seguintes situações: em estruturas que contenham transformadores, reguladores de tensão, bancos de capacitores, religadores, chaves a óleo e seccionadores; em todo fim de linha; se após um fim de linha trifásica seguir uma fase, deve-se prever pára-raios em todas as fases dos fins de linhas trifásicas.

17 11/01/ /40 de 4 em 4 Km, nos pontos de fácil acesso, levando-se em conta os pára-raios instalados conforme situações acima NOTA: Este espaçamento de 4 em 4 km para aplicação de pára-raios poderá ser reduzido, em função de estudo específico de proteção contra sobretensão para coordenação de isolamento Demais critérios de localização estão estabelecidos na ITD Seccionamento As chaves utilizadas para seccionamento são: Chaves tripolares para abertura sob carga (chaves a óleo) e chaves faca unipolares com dispositivo para abertura sob carga, mediante equipamento apropriado Localização As seccionadoras unipolares (com gancho para abertura em carga) e tripolares para abertura em carga deverão ser utilizadas em pontos de manobra, visando eliminar a necessidade de desligamentos nas subestações e minimizar o tempo de interrupção, bem como restringir ao máximo o número de consumidores atingidos pela manobra. As chaves deverão ser localizadas em pontos de fácil acesso, para maior facilidade de operação. Recomenda-se a utilização das chaves nos seguintes pontos: interligação de alimentadores rurais, na condição normalmente aberta, nos pontos de separação dos circuitos; onde são previstas manobras para transferência de carga; de 6 em 6 Km, nos pontos de fácil acesso, facilitando as manobras de RDR; após o ponto de entrada de consumidores importantes, onde justificar técnica e economicamente a abertura com carga; pontos próximos ao início e fim de concentrações significativas de carga. NOTA: Não deve ser projetada chave faca unipolar onde exista a possibilidade de sua operação causar um desequilíbrio de corrente tal, que atue os disjuntores ou religadores de retaguarda. Portanto, sendo necessária a operação freqüente da chave, deverá ser prevista chave a óleo tripolar ou chave tripolar para abertura com carga Aterramento Considerações gerais Deverão ser aterrados todos os pára-raios e as carcaças de todos os equipamentos. Os aterramentos de pára-raios e carcaças de transformadores devem ser independentes do aterramento do neutro da rede secundária. Os condutores de aterramento devem ser contínuos e não devem ter em série nenhuma parte metálica de equipamentos elétricos ou ferragens. A interligação dos equipamentos elétricos à malha de terra deverá ser feita através de um único condutor de aterramento.

18 11/01/ /40 A distância mínima da haste de aterramento mais próxima do poste deverá ser de 1 m. A parte superior da haste deve estar no mínimo a 50 cm abaixo da superfície do solo. A distância mínima entre hastes de aterramento é o seu comprimento (2400 mm). O condutor de aterramento deverá ser de cobre ou aço cobreado de bitola mínima de 16mm 2, bem fixado ao poste através de eletroduto tipo PVC, até uma altura mínima de 3 m e se possível instalado internamente ao poste. O valor máximo recomendado para o aterramento será de 20 ohms. A configuração do aterramento será de livre escolha, desde que atenda a máxima resistência de aterramento permitida. Deverão ser utilizados hastes de aterramento de cobre ou aço cobre de comprimento de 2400mm, Recomendamos que o aterramento fique a uma distância mínima de 30 m de edificações que abriguem pessoas ou animais Aterramento de cercas proceder conforme definido na NTD DIMENSIONAMENTO MECÂNICO Este dimensionamento tem por objetivo determinar o esforço mecânico resultante sobre uma determinada estrutura para que se possa verificar sua condição de estabilidade. Definido o traçado, deverão ser locadas nos desenhos as estruturas necessárias ao suporte da rede. Na planta baixa além dos dados topográficos deverão ser indicadas as estruturas conforme exemplo do Anexo VI. Para dimensionar as estruturas deve-se considerar os seguintes aspectos: tração de projeto dos condutores calculada para condição de vento máximo e temperatura mínima; ação do vento sobre os condutores e estruturas; peso da estrutura e condutores; resistência mecânica do solo, poste, cruzeta, ferragens, armações e isoladores; espaçamento e tensão elétrica entre condutores; ângulo de deflexão da rede; espaçamento entre estruturas Estais Deve-se evitar o uso de estais. Utilizar ao máximo estruturas auto-portantes; Os estais nas estruturas de ancoragem e fim de linha devem ser instalados, respectivamente, sempre na direção da bissetriz do ângulo de deflexão da linha ou na direção da linha; Os estais devem formar um ângulo 45º referente ao poste; cabo de aço a ser utilizado nos estais é o de bitola 7,94 mm 2.

19 11/01/ / Postes Os postes a serem utilizados devem estar em conformidade com a ETD-02 Postes de Concreto de Seção Duplo T. Os contrapostes poderão ser de madeira preservada com tratamento preservativo adequado, e utilizando-se apenas o cerne da madeira. Não serão aceitos contrapostes com: sinais de apodrecimento, principalmente no cerne; avarias no alburno provenientes do corte ou transporte; fraturas transversais; depressões acentuadas Engastamento Na elaboração do projeto deve-se levar em conta o momento resistente oferecido pelo solo ao tombamento da estrutura, que depende basicamente dos seguintes aspectos: profundidade do engastamento; dimensões da base do poste; características do terreno. A profundidade de instalação ou engastamento, para qualquer tipo de poste, será igual a: C = L ,6 m onde: e = engastamento, em metros; L = comprimento do poste, em metros. Sendo as dimensões da base dos postes padronizadas, conforme descrição do item Engastamento de Postes constante da Norma PD-01, conclui-se que o fator determinante do tipo de engastamento é a característica do solo. Na Tabela 4 do Anexo VII, encontra-se a definição de fundações para alguns tipo de solos. A fundação poderá ser diferente da encontrada na tabela, desde que os cálculos sejam apresentados juntamente com o projeto, devendo ser considerado neste cálculo uma sobrecarga de 40% da resistência nominal do poste, pois a mesma foi considerada na confecção dos ábacos. Em regiões pantanosas, a fundação deverá ser feita conforme definição na Norma PD Estabilidade das estruturas Na elaboração do projeto deve-se levar em conta as características que definem a estabilidade das estruturas tais como: resistência mecânica do poste aos esforços de compressão que, atuando na direção de seu comprimento provocarão um esforço de compressão ou flambagem; resistência mecânica do solo aos esforços de compressão; resistência mecânica da cruzeta à flexão, sendo considerados os esforços verticais e horizontais que poderão atuar sobre a mesma;

20 11/01/ /40 a carga nominal da cruzeta será igual a 50% de sua carga de ruptura; resistência mecânica do estai; resistência mecânica dos pinos Gabaritos As catenárias dos gabaritos utilizados para projeto de redes médias de distribuição rural foram plotadas a partir das Tabelas de Trações e Flexas indicadas nas Normas PD-01 e NTD-14. Foram utilizados os seguintes vãos básicos para a construção dos respectivos gabaritos: a) vãos contínuos: usados para vãos contínuos ou ancorados até 220 m (Anexo VIII - Figura 1). curva do condutor (catenária) na condição de flecha máxima (50º C, sem vento) com vão básico de 140 m. curva do condutor (catenária) na condição de flecha mínima (5º C, sem vento) com vão básico de 240 m. b) vãos ancorados: usados para vãos ancorados entre 220 m e 550 m ( Anexo IX - Figura 2). curva do condutor (catenária) na condição de flecha máxima (50º C, sem vento) com vão básico de 350 m. c) detalhe de travessia: usado para vãos até 150 m (Anexo X - Figura 3). curva do condutor (catenária) na condição de flecha máxima (50º C, sem vento) com vão básico de 90 m Linha do pé do poste e linha de solo São linhas paralelas à linha (catenária) do condutor na condição de flecha máxima sem vento, indicando respectivamente o pé das estruturas e a distância do cabo condutor ao solo. A linha do pé do poste representa a altura livre do poste de 10 m. A linha do solo representa a altura mínima exigida de 6 m para a maioria dos vãos Utilização Escalas Os gabaritos devem ser utilizados para cabo de alumínio CAA e regiões com incidência de vento até 100 Km/h. A correta utilização do gabarito será fundamental para não comprometer a segurança da RDR. Um exemplo de utilização dos gabaritos encontra-se no Anexo XI. Os gabaritos para vãos contínuos e ancorados são confeccionados na escala 1:500 na vertical e 1:5000 na horizontal. Para detalhe de travessia 1:100 na vertical e 1:500 na horizontal Considerações sobre a montagem O desenho do perfil do cabo deve representar tão fielmente quanto possível a sua posição na condição de flecha máxima. Para que o projeto represente a construção, a montagem dos cabos deve ser realizada nas condições de projeto, ou seja, a montagem deve ser feita com a tração correta em função dos vãos e temperatura ambiente, de acordo com Tabelas das Normas PD-01 e NTD-14.

NORMA TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO CRITÉRIOS BÁSICOS PARA PROJETOS DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO

NORMA TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO CRITÉRIOS BÁSICOS PARA PROJETOS DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO NORMA TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO CRITÉRIOS BÁSICOS PARA PROJETOS DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO RURAL EMISSÃO: novembro/99 REVISÃO: JULHO 2014 FOLHA : 1 / 91 A P R E S E N T A Ç Ã O Esta Norma Técnica estabelece

Leia mais

NORMA TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO CRITÉRIOS BÁSICOS PARA PROJETOS DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO

NORMA TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO CRITÉRIOS BÁSICOS PARA PROJETOS DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO NORMA TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO CRITÉRIOS BÁSICOS PARA PROJETOS DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO RURAL EMISSÃO: novembro/99 REVISÃO: NOV./09 FOLHA : 1 / 91 A P R E S E N T A Ç Ã O Esta Norma Técnica estabelece

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG D. Estruturas para Redes de Distribuição Aéreas Rurais Classes 15 e 36,2 kv. NTC-06 Revisão 1

NORMA TÉCNICA CELG D. Estruturas para Redes de Distribuição Aéreas Rurais Classes 15 e 36,2 kv. NTC-06 Revisão 1 NORMA TÉCNICA CELG D Estruturas para Redes de Distribuição Aéreas Rurais Classes 15 e 36,2 kv NTC-06 Revisão 1 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. INTRODUÇÃO 1 2. OBJETIVO 2 3. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

Leia mais

MANUAL DE ENGENHARIA

MANUAL DE ENGENHARIA 1. OBJETIVO Este procedimento tem por objetivo estabelecer critérios e recomendações para levantamento topográfico efetuado pela CELPA ou empresas contratadas, de forma a auxiliar as atividades de cadastramento,

Leia mais

INTRODUÇÃO POSTES ATERRAMENTO ESTAIAMENTO CONDUTORES

INTRODUÇÃO POSTES ATERRAMENTO ESTAIAMENTO CONDUTORES 3$'5 2'((6758785$6 '(/,1+$6(5('(6 PARTE 1 ASPECTOS GERAIS INTRODUÇÃO POSTES ATERRAMENTO ESTAIAMENTO CONDUTORES Gerência de Planejamento e Engenharia Processo de Engenharia e Obras ASPECTOS GERAIS PARTE

Leia mais

CRITÉRIOS DE ELABORAÇÃO DE PROJETOS TRAVESSIA DE OCUPAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO

CRITÉRIOS DE ELABORAÇÃO DE PROJETOS TRAVESSIA DE OCUPAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO 1/16 1. Rodovias O uso da faixa de domínio das estradas de rodagem estaduais e federais delegadas, é regulamentada pela Decisão Normativa nº 35, de 18 de agosto de 2003, emitida pelo DAER/RS. 1.1. Locação

Leia mais

Critérios Básicos para Elaboração de Projetos de Redes de Distribuição Aérea Especial DAE

Critérios Básicos para Elaboração de Projetos de Redes de Distribuição Aérea Especial DAE ITA - 006 Rev. 0 Setembro / 2003 Critérios Básicos para Elaboração de Projetos de Redes de Distribuição Aérea Especial DAE Praça Leoni Ramos n 1 São Domingos Niterói RJ Cep 24210-205 http:\\ www.ampla.com

Leia mais

ÍNDICE NTD-15 MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL TRIFÁSICA E MONOFÁSICA 13,8 E 34,5 KV

ÍNDICE NTD-15 MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL TRIFÁSICA E MONOFÁSICA 13,8 E 34,5 KV ÍNDICE APRESENTAÇÃO....2 1-OBJETIVO...3 2-AMPLITUDE... 3 3-RESPONSABILIDADE QUANTO AO CUMPRIMENTO...3 4-INSTRUÇÕES GERAIS...3 5-CONDUTORES...4 6-PROCEDIMENTOS...5 6.1- Afastamentos padronizados...5 6.2-Engastamento

Leia mais

1.1. Locação da rede de distribuição

1.1. Locação da rede de distribuição 1. Rodovias O uso da faixa de domínio das estradas de rodagem estaduais e federais delegadas, é regulamentada pela Decisão Normativa nº 35, de 18 de agosto de 2003, emitida pelo DAER/RS. 1.1. Locação da

Leia mais

NT CRITÉRIO PARA PROJETO DE REDES E LINHAS AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO DE E.E IT PROJETO DE REDES E LINHAS AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO RURAL TRIFÁSICA.

NT CRITÉRIO PARA PROJETO DE REDES E LINHAS AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO DE E.E IT PROJETO DE REDES E LINHAS AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO RURAL TRIFÁSICA. 1 de 66 ÍNDICE 1. OBJETIVO 2. ÂMBO DE APLICAÇÃO 3. NORMAS COMPLEMENTARES 4. DEFINIÇÕES 5. ANTEPROJETO 6. CONTEÚDO DE PROJETO 7. SIMBOLOGIA 8. LEVANTAMENTO 9. ESTIMATIVA DE DEMANDA 10. PROJETO CONVENCIONAL

Leia mais

Aula 08 Instalações Elétricas de Distribuição. Professor Jorge Alexandre A. Fotius

Aula 08 Instalações Elétricas de Distribuição. Professor Jorge Alexandre A. Fotius Aula 08 Instalações Elétricas de Distribuição Professor Jorge Alexandre A. Fotius Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Em áreas urbanas com baixa densidade

Leia mais

NT - CRITÉRIOS PARA PROJETOS DE REDES E LINHA AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO IT - APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO E SUBESTAÇÃO REBAIXADORA

NT - CRITÉRIOS PARA PROJETOS DE REDES E LINHA AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO IT - APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO E SUBESTAÇÃO REBAIXADORA Página 1 de 1. OBJETIVO 2. ÂMBO DE APLICAÇÃO 3. NORMAS E/OU DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. ANEXOS 6. VIGÊNCIA. APROVAÇÃO Página 2 de 1. OBJETIVO Esta norma estabelece as condições exigíveis

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA MEMORIAL DESCRITIVO E JUSTIFICATIVO DE CÁLCULO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM MÉDIA TENSÃO 13.8KV CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA RUA OSVALDO PRIMO CAXILÉ, S/N ITAPIPOCA - CE 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

CRITÉRIO DE PROJETO CP 015 DISTRIBUIÇÃO AÉREA ECONÔMICA - DAE

CRITÉRIO DE PROJETO CP 015 DISTRIBUIÇÃO AÉREA ECONÔMICA - DAE CRITÉRIO DE PROJETO CP 015 DISTRIBUIÇÃO AÉREA ECONÔMICA - DAE DOCUMENTO NORMATIVO CRITÉRIO DE PROJETO DISTRIBUIÇÃO AÉREA ECONÔMICA - DAE Código Página Revisão Emissão CP 015 I 1 JAN/2004 APRESENTAÇÃO A

Leia mais

Autorização para ocupação transversal e/ou longitudinal da faixa de domínio por linhas físicas de transmissão e distribuição de energia.

Autorização para ocupação transversal e/ou longitudinal da faixa de domínio por linhas físicas de transmissão e distribuição de energia. fls. 1/11 ÓRGÃO: MANUAL: DIRETORIA DE ENGENHARIA ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para ocupação transversal e/ou longitudinal da faixa de domínio por linhas físicas de transmissão e distribuição

Leia mais

Redes de Distribuição Áreas Urbanas - RDAU

Redes de Distribuição Áreas Urbanas - RDAU Redes de Distribuição Áreas Urbanas - RDAU Normas CEMIG ND2.1 - Instalações Básicas de Redes de Distribuição Áreas Urbanas ND3.1 - Projetos de Redes de Distribuição Aéreas Urbanas RDU Rede de Distribuição

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE MPN-DP-01/MN-3 TÍTULO: INSTALAÇÕES BÁSICAS DE BT ISOLADA Página 1 MPN-DP-01/MN-3 TÍTULO: INSTALAÇÕES BÁSICAS DE BT ISOLADA ÍNDICE CAPÍTULO Página 1. OBJETIVO 4 2. APLICAÇÃO 4 3. AFASTAMENTOS MÍNIMOS 5

Leia mais

MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL-13,8kV e 34,5kV

MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL-13,8kV e 34,5kV MONTAGEM DE S DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA NTD-14 NTD 14 MONTAGEM DE S DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA CONTROLE DE VERSÕES NTD-14 - MONTAGEM DE S DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA Nº.: DATA VERSÃO 1 13/07/4 0 2 03/9 1 NTD 14 MONTAGEM

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ESTRUTURAS PARA MONTAGEM DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO URBANA SECUNDÁRIA COM CABOS MULTIPLEXADOS APRESENTAÇÃO

PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ESTRUTURAS PARA MONTAGEM DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO URBANA SECUNDÁRIA COM CABOS MULTIPLEXADOS APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO 1-1 SUMÁRIO SEÇÃO 1 Apresentação SEÇÃO 2 Engastamento de postes SEÇÃO 3 Afastamentos mínimos SEÇÃO 4 Instalações básicas SEÇÃO 5 Cruzamentos SEÇÃO 6 Rabichos SEÇÃO 7 Aterramento 1 OBJETIVO

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-004 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO URBANA

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-004 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO URBANA NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-004 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO URBANA SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 1 2. ASPECTOS GERAIS... 1 3. EXCEÇÕES... 1 4. TENSÕES DE FORNECIMENTO...

Leia mais

ISF 203: ESTUDOS TOPOGRÁFICOS PARA PROJETOS BÁSICOS DE FERROVIAS

ISF 203: ESTUDOS TOPOGRÁFICOS PARA PROJETOS BÁSICOS DE FERROVIAS ISF 203: ESTUDOS TOPOGRÁFICOS PARA PROJETOS BÁSICOS DE FERROVIAS 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços de Estudos Topográficos nos Projetos Básicos de Engenharia Ferroviária. Devem ser considerados

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTE - 028

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTE - 028 NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTE - 028 MONTAGEM DE S PRIMÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA AÉREA, RURAL, COM CONDUTORES NUS - 13,8 E 34,5 kv DIRETORIA DE ENGENHARIA CORPORATIVA INDICE 1- OBJETIVO...

Leia mais

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.02.04 REDE CONVENCIONAL TRANSFORMADORES

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.02.04 REDE CONVENCIONAL TRANSFORMADORES Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Estruturas Trifásicas com Transformadores 6.1. Estrutura M1 com Transformador 6.2.

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo ESPECIFICAÇÃO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 01-18/01/2013 29/01/2013 APROVADO POR SEBASTIÃO J. SANTOLIN - DTES- SUMÁRIO 1. RESUMO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...

Leia mais

CRITÉRIO DE PROJETO CP-003/2006 R-01

CRITÉRIO DE PROJETO CP-003/2006 R-01 DIRETORIA TÉCNICA GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT CRITÉRIO DE PROJETO CP-003/2006 R-0 REDE DE DISTRIBUIÇÃO RURAL MONOFILAR DEPARTAMENTO DE NORMAS E PROCEDIMENTOS CP-003/2006 R-0 DOCUMENTO

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-005 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO RURAL

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-005 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO RURAL NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-005 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO RURAL SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. ASPECTOS GERAIS... 2 3. EXCEÇÕES... 2 4. TENSÕES DE FORNECIMENTO...

Leia mais

TENSÕES MECÂNICAS ADMISSÍVEIS PARA ELABORAÇÃO E/OU VERIFICAÇÃO DE PROJETOS DE TRAVESSIAS AÉREAS UTILIZANDO CABOS SINGELOS DE ALUMÍNIO COM ALMA DE AÇO

TENSÕES MECÂNICAS ADMISSÍVEIS PARA ELABORAÇÃO E/OU VERIFICAÇÃO DE PROJETOS DE TRAVESSIAS AÉREAS UTILIZANDO CABOS SINGELOS DE ALUMÍNIO COM ALMA DE AÇO RT 2.002 Página 1 de 6 1. OBJETIVO Estabelecer parâmetros técnicos para subsidiar a padronização dos critérios para adoção de tensões mecânicas de projeto quando da utilização de cabos singelos de alumínio

Leia mais

MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO

MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO Dados do cliente Proprietário: Roney Casagrande CPF: 765.425.990-53 Endereço: Estrada Pinhal da Serra, n 04452, Interior Cidade: Pinhal da Serra RS CEP: 95.390-000 Dados da

Leia mais

PLANEJAMENTO E PROJETOS DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA. Projeto de Redes aéreas do sistema de distribuição

PLANEJAMENTO E PROJETOS DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA. Projeto de Redes aéreas do sistema de distribuição UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE ENGENHARIA DE ILHA SOLTEIRA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA PLANEJAMENTO E PROJETOS DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

Leia mais

DIMENSIONAMENTO OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS:

DIMENSIONAMENTO OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS: DIMENSIONAMENTO OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS: Chamamos de dimensionamento técnico de um circuito à aplicação dos diversos itens da NBR 5410 relativos à escolha

Leia mais

BAIXA TENSÃO Uso Geral

BAIXA TENSÃO Uso Geral Dimensionamento OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONA- MENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS: Chamamos de dimensionamento técnico de um circuito à aplicação dos diversos itens da NBR 5410/2004 relativos à escolha

Leia mais

Tabelas de Dimensionamento

Tabelas de Dimensionamento Com o objetivo de oferecer um instrumento prático para auxiliar no trabalho de projetistas, instaladores e demais envolvidos com a seleção e dimensionamento dos em uma instalação elétrica de baixa tensão,

Leia mais

ISF 209: PROJETO GEOMÉTRICO

ISF 209: PROJETO GEOMÉTRICO ISF 209: PROJETO GEOMÉTRICO 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços constantes do Projeto Geométrico dos Projetos de Engenharia Ferroviária, Projeto Básico e Projeto Executivo. 2. FASES DO PROJETO

Leia mais

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Página 1 de 9 Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Capitulos 01 - Requisitos 02 - Etaqpas 03 - Traçado 04 - Trafego e Clssificação 05 - Geometria 06 - Caracteristicas Técnicas 07 - Distancia

Leia mais

Redes Protegidas Compactas - Critérios para Projetos e Padronização de Estruturas. Norma. Revisão 03 07/2014 NORMA ND.12

Redes Protegidas Compactas - Critérios para Projetos e Padronização de Estruturas. Norma. Revisão 03 07/2014 NORMA ND.12 Redes Protegidas Compactas - Critérios para Projetos e Padronização de Estruturas Norma 07/2014 NORMA ELEKTRO Eletricidade e Serviços S.A. Diretoria de Operações Rua Ary Antenor de Souza, 321 Jd. Nova

Leia mais

COMPANHIA ENERGÉTICA DE ALAGOAS NTC - 001 NORMA DE COMPARTILHAMENTO DE INFRAESTRUTURA

COMPANHIA ENERGÉTICA DE ALAGOAS NTC - 001 NORMA DE COMPARTILHAMENTO DE INFRAESTRUTURA COMPANHIA ENERGÉTICA DE ALAGOAS NTC - 001 NORMA DE COMPARTILHAMENTO DE INFRAESTRUTURA Outubro 2008 Companhia Energética de Alagoas-CEAL Superintendência de Projetos e Obras-SPP Gerencia de Projetos e Obras

Leia mais

BAIXA TENSÃO Uso Geral

BAIXA TENSÃO Uso Geral Dimensionamento OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONA- MENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS: Chamamos de dimensionamento técnico de um circuito à aplicação dos diversos itens da NBR 5410/2004 relativos à escolha

Leia mais

POSTE DE CONCRETO PARA APLICAÇÃO EM ENTRADAS DE SERVIÇO

POSTE DE CONCRETO PARA APLICAÇÃO EM ENTRADAS DE SERVIÇO Exigências Mínimas 1 Objetivo Estabelecer as condições mínimas para construção de postes de concreto armado ou concreto protendido, destinados à utilização em entradas de serviço de unidades consumidoras,

Leia mais

NTD - 04 Norma Técnica de Distribuição

NTD - 04 Norma Técnica de Distribuição NTD - 04 Norma Técnica de Distribuição Critérios para Projeto de Redes Aéreas Urbanas Convencionais (Redes Aéreas Nuas) 1ª EDIÇÃO Abril - 2007 DT Diretoria Técnica DEN Divisão de Engenharia SEEP- Seção

Leia mais

Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS

Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS Elementos geométricos de uma estrada (Fonte: PONTES FILHO, 1998) GEOMETRIA DE VIAS 1. INTRODUÇÃO: A geometria de uma estrada é definida pelo traçado do

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS IMPLANTAÇÃO.

ESPECIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS IMPLANTAÇÃO. OBRA: COL. EST. RESIDENCIAL SÃO PEDRO - PROJETO PADRÃO SECULO XXI. LOCAL: - Rua Tucunaré com Rua Pacu e Avenida Astolpho Leão Borges APM-05, Residencial São Pedro Goianira - GO ESPECIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 12/03/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Informações ENE065 http://www.ufjf.br/ivo_junior/ ENE065_NOTURNO Generalidades Sistema Elétrico de Potência

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG. Estruturas para Redes Aéreas Isoladas em Tensão Secundária de Distribuição. NTC-18 Revisão 2

NORMA TÉCNICA CELG. Estruturas para Redes Aéreas Isoladas em Tensão Secundária de Distribuição. NTC-18 Revisão 2 NORMA TÉCNICA CELG Estruturas para Redes Aéreas Isoladas em Tensão Secundária de Distribuição NTC-18 Revisão 2 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. INTRODUÇÃO 1 2. OBJETIVO 2 3. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

Leia mais

ANEXO II ATIVIDADES DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES

ANEXO II ATIVIDADES DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES ANEXO II ATIVIDADES DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES A descrição das atividades tem como propósito facilitar o relacionamento entre a CONTRATANTE e a CONTRATADA, na medida em que visa

Leia mais

COELCE DECISÃO TÉCNICA CRITÉRIO PARA INSTALAÇÃO DT - 106 RELIGADOR AUTOMÁTICO TRIFÁSICO DE 15 KV USO EM POSTE

COELCE DECISÃO TÉCNICA CRITÉRIO PARA INSTALAÇÃO DT - 106 RELIGADOR AUTOMÁTICO TRIFÁSICO DE 15 KV USO EM POSTE DECISÃO TÉCNICA CRITÉRIO PARA INSTALAÇÃO DT - 16 RELIGADOR AUTOMÁTICO TRIFÁSICO DE 15 KV USO EM POSTE DOCUMENTO NORMATIVO DA TRANSMISSÃO DESIM -896-1 I JUN/1 Í N D I C E 1 OBJETIVO...1 2 NORMAS E TRABALHOS...1

Leia mais

ECONOMIA NAS FUNDAÇÕES DE TORRES ESTAIADAS EM LINHAS DE TRANSMISSÃO DE 460 kv. Rubens Ashcar CTEEP

ECONOMIA NAS FUNDAÇÕES DE TORRES ESTAIADAS EM LINHAS DE TRANSMISSÃO DE 460 kv. Rubens Ashcar CTEEP IX/FI-22.7 COMITÊ 22 LINHAS AÉREAS DE ALTA TENSÃO ECONOMIA NAS FUNDAÇÕES DE TORRES ESTAIADAS EM LINHAS DE TRANSMISSÃO DE 460 kv Rubens Ashcar CTEEP RESUMO Este trabalho apresenta a economia obtida nas

Leia mais

NORMA TÉCNICA DA DISTRIBUIÇÃO NTD - 04 MANUAL TÉCNICO DE COMPARTILHAMENTO DE POSTES

NORMA TÉCNICA DA DISTRIBUIÇÃO NTD - 04 MANUAL TÉCNICO DE COMPARTILHAMENTO DE POSTES NORMA TÉCNICA DA DISTRIBUIÇÃO NTD - 04 MANUAL TÉCNICO DE COMPARTILHAMENTO DE POSTES 29.09.2000 3/18 PÁG. 1. OBJETIVO... 3/18 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 3/18 3. S COMPLEMENTARES... 3/18 4. TERMINOLOGIA...

Leia mais

REDES MONOFILARES COM RETORNO POR TERRA CRITÉRIOS PARA PROJETO E MONTAGEM 13,8kV E 34,5kV NTD-16

REDES MONOFILARES COM RETORNO POR TERRA CRITÉRIOS PARA PROJETO E MONTAGEM 13,8kV E 34,5kV NTD-16 REDES MONOFILARES COM RETORNO POR TERRA CRITÉRIOS PARA PROJETO E MONTAGEM 13,8kV E 34,5kV NTD-16 APRESENTAÇÃO A presente Norma Técnica de distribuição, visa o estabelecimento de diretrizes e critérios

Leia mais

NTE - 011 PADRÕES PRÉ-FABRICADOS

NTE - 011 PADRÕES PRÉ-FABRICADOS NORMA TÉCNICA NTE - 011 PADRÕES PRÉ-FABRICADOS 1. OBJETIVO Esta norma tem por objetivo padronizar, especificar e fixar os critérios e as exigências técnicas mínimas relativas à fabricação e o recebimento

Leia mais

Capítulo 6 ELEMENTOS GEOMÉTRICOS DAS ESTRADAS DE RODAGEM

Capítulo 6 ELEMENTOS GEOMÉTRICOS DAS ESTRADAS DE RODAGEM Capítulo 6 ELEMENTOS GEOMÉTRICOS DAS ESTRADAS DE RODAGEM 6.1. INTRODUÇÃO A geometria de uma estrada é definida pelo traçado do seu eixo em planta e pelos perfis longitudinal e transversal. A Fig. 6.1 apresentada

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE MPN-DP-1/MN-3 29/5/212 RES nº 85/212, 29/5/212 TÍTULO: INSTALAÇÕES BÁSICAS DE BT ISOLADA Página 1 MPN-DP-1/MN-3 29/5/212 RES nº 85/212, 29/5/212 TÍTULO: INSTALAÇÕES BÁSICAS DE BT ISOLADA ÍNDICE CAPÍTULO

Leia mais

Tipos de linhas. Sumário Linhas Elétricas Dimensionamento. Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas

Tipos de linhas. Sumário Linhas Elétricas Dimensionamento. Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas Tipos de linhas Sumário Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas Instalação dos condutores Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas Os cabos multipolares só deve conter os condutores de um

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO ENTRADA DE ENERGIA EM ALTA TENSÃO

MEMORIAL DESCRITIVO ENTRADA DE ENERGIA EM ALTA TENSÃO MEMORIAL DESCRITIVO ENTRADA DE ENERGIA EM ALTA TENSÃO Responsável Técnico: Proprietário / Responsável Legal: Marcos Antônio de Sordi Instituto Federal de Ciência e Eng.º Eletricista CREA PR-73895/D Tecnologia

Leia mais

REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREAS RURAIS

REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREAS RURAIS NORMA DE DISTRIBUIÇÃO VERSÃO Nº DA VIGÊNCIA R2 13/05/2013 R2 13/05/2013 SUMÁRIO 1 Finalidade... 3 2 Âmbito de Aplicação... 3 3 Conceitos Básicos... 3 4 Referências... 7 5 Considerações Gerais... 9 6 Planejamento...

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG. Simbologia para Projetos de Redes de Distribuição de Energia Elétrica Urbanas e Rurais NTC-64

NORMA TÉCNICA CELG. Simbologia para Projetos de Redes de Distribuição de Energia Elétrica Urbanas e Rurais NTC-64 NORMA TÉCNICA CELG Simbologia para Projetos de Redes de Distribuição de Energia Elétrica Urbanas e Rurais NTC-64 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. INTRODUÇÃO 1 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 2 3. TIPOS

Leia mais

Instalações Elétricas Industriais

Instalações Elétricas Industriais Instalações Elétricas Industriais ENG 1480 Professor: Rodrigo Mendonça de Carvalho Instalações Elétricas Industriais CAPÍTULO 01 INTRODUÇÃO Flexibilidade: admitir mudanças nas localizações dos equipamentos,

Leia mais

HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior

HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior Compartilhamento de Postes da Rede de Energia Elétrical Processo Planejar, Ampliar e Melhorar o Sistema Elétrico Atividade Obras de Distribuição Código Edição Data VR01.02-01.015 2ª Folha 1 DE 15 16/10/2008

Leia mais

São identificadas pelas características inerentes aos sistemas de distribuição:

São identificadas pelas características inerentes aos sistemas de distribuição: Capítulo2 CHAVE-FUÍVEI PARA PROTEÇÃO DE ALIMENTADORE E TRANFORMADORE 2.1 Introdução Classicamente, os sistemas de distribuição primários, aéreos, trifásicos e aterrados, constituídos por condutores nus,

Leia mais

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.01.01 CRITÉRIOS DE ELABORAÇÃO DE PROJETOS. Sumário

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.01.01 CRITÉRIOS DE ELABORAÇÃO DE PROJETOS. Sumário 1. Objetivo... 6 2. Aplicação... 6 3. Documentos de referência... 6 4. Obtenção de dados preliminares... 6 4.1. Características do projeto... 6 4.1.1. Localização... 6 4.1.2. Tensão de operação... 6 4.1.3.

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-RE- 001

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-RE- 001 NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-RE- 001 MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO COMPACTA PROTEGIDA CLASSE 15 kv DIRETORIA DE ENGENHARIA CORPORATIVA página APRESENTAÇÃO 1. OBJETIVO...03 2. CAMPO DE APLICAÇÃO...03

Leia mais

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS E IMPLANTAÇÃO DE REDE DE ENERGIA ELÉTRICA NAS FAIXAS DE DOMÍNIO SOB JURISDIÇÃO DO DERBA

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS E IMPLANTAÇÃO DE REDE DE ENERGIA ELÉTRICA NAS FAIXAS DE DOMÍNIO SOB JURISDIÇÃO DO DERBA 1. OBJETIVO Estabelecer instruções, critérios e condições para implantação de rede de transmissão e/ou distribuição de energia elétrica nas faixas de domínio das rodovias sob jurisdição do DERBA, assim

Leia mais

ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA

ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA NORMA TÉCNICA CELG D Compartilhamento de Infraestrutura com Redes de Telecomunicações e Demais Ocupantes NTC-15 Revisão 2 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. OBJETIVO 1 2. CAMPO DE APLICAÇÃO 2 3. NORMAS E DOCUMENTOS

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 60

COMUNICADO TÉCNICO Nº 60 Página 1 de 15 COMUNICADO TÉCNICO Nº 60 ALTERAÇÃO DE TENSÃO SECUNDÁRIA DE NOVOS EMPREENDIMENTOS NO SISTEMA RETICULADO SUBTERRÂNEO (NETWORK) Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia da

Leia mais

NTD-12 MONTAGEM DE REDES AÉREAS SECUNDÁRIAS ISOLADAS COM CABOS MULTIPLEXADOS

NTD-12 MONTAGEM DE REDES AÉREAS SECUNDÁRIAS ISOLADAS COM CABOS MULTIPLEXADOS NTD-1 APRESENTAÇÃO 4 1. OBJETIVO 5. AMPLITUDE 5 3. RESPONSABILIDADE QUANTO AO CUMPRIMENTO 5 4. CONCEITUAÇÃO 5 4.1. REDE DE DISTRIBUIÇÃO 5 4.. REDE DE DISTRIBUIÇÃO URBANA RDU 5 4.3. REDE DE DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

SISTEMA DE DOCUMENTOS NORMATIVOS SUBSISTEMA DE NORMAS TÉCNICAS

SISTEMA DE DOCUMENTOS NORMATIVOS SUBSISTEMA DE NORMAS TÉCNICAS APRESENTAÇÃO...4 1 OBJETIVO...3 2 AMPLITUDE...3 3 RESPONSABILIDADE QUANTO AO CUMPRIMENTO...3 4 CONCEITUAÇÃO...3 4.1 REDE DE DISTRIBUIÇÃO...3 4.2 REDE DE DISTRIBUIÇÃO URBANA RDU...3 4.3 REDE DE DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

projecto de postos de transformação

projecto de postos de transformação 123 Henrique Ribeiro da Silva Dep. de Engenharia Electrotécnica (DEE) do Instituto Superior de Engenharia do Porto (ISEP) projecto de postos de transformação {2.ª Parte - Postos em Cabine} Os postos de

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO CURSO DE FORMAÇÃO

CONCURSO DE ADMISSÃO CURSO DE FORMAÇÃO CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 20 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 Seja um circuito RLC série alimentado por uma fonte de tensão e sem energia inicialmente armazenada.

Leia mais

CÓPIA NÃO CONTROLADA

CÓPIA NÃO CONTROLADA NT - 05.006.00 1 de 140 ÍNDICE 1 FINALIDADE... 6 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 6 3 DEFINIÇÕES... 6 3.1 Alimentador de Distribuição... 6 3.2 Aterramento... 6 3.3 Carga Instalada... 6 3.4 Demanda (Média)... 6

Leia mais

PADRÃO TÉCNICO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA COM CONDUTORES NUS PT.DT.PDN.03.05.012 01 POSTE DE CONCRETO DE SEÇÃO DUPLO T

PADRÃO TÉCNICO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA COM CONDUTORES NUS PT.DT.PDN.03.05.012 01 POSTE DE CONCRETO DE SEÇÃO DUPLO T SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PADRÃO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA COM CONDUTORES NUS PT.DT.PDN.03.05.012 01 APROVADO POR PAULO JORGE TAVARES DE LIMA DSEE 11/12/2014 DATA SUMÁRIO

Leia mais

TABELA DE REMUNERAÇÃO DOS SERVIÇOS

TABELA DE REMUNERAÇÃO DOS SERVIÇOS TABELA DE REMUNERAÇÃO DOS SERVIÇOS ANEXO II 1. REDE DE DISTRIBUIÇÃO URBANA (RDU) Os serviços de Melhoria e Ampliação de Rede de Distribuição Urbana executados conforme projeto executivo elaborado serão

Leia mais

Informações e Tabelas Técnicas

Informações e Tabelas Técnicas Características dos condutores de cobre mole para fios e cabos isolados 1 Temperatura característica dos condutores 1 Corrente de curto-circuito no condutor 1 Gráfico das correntes máximas de curto-circuito

Leia mais

DEPARTAMENTO DE DISTRIBUIÇÃO

DEPARTAMENTO DE DISTRIBUIÇÃO 1 OBJETIVOS Esta norma estabelece os requisitos, condições técnicas mínimas e os procedimentos a serem seguidos na elaboração e apresentação de projetos de compartilhamento de infraestrutura das redes

Leia mais

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado.

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado. NT.005 Requisitos Mínimos para Interligação de Gerador de Consumidor Primário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento e

Leia mais

- verificar a adequação de novos sistemas e a precisão dos seus projetos;. - detectar as alterações naturais ou provocadas em sistemas existentes;

- verificar a adequação de novos sistemas e a precisão dos seus projetos;. - detectar as alterações naturais ou provocadas em sistemas existentes; 1. OBJETIVO Estabelecer os procedimentos a serem seguidos nas medições das resistências de sistemas de aterramento instalados na rede de distribuição. Essas medições são necessárias para: - verificar a

Leia mais

NORMA TÉCNICA. NTE-001 MONTAGEM DE REDES PRIMÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA COM CABOS COBERTOS CLASSE 15 kv. Cuiabá Mato Grosso - Brasil

NORMA TÉCNICA. NTE-001 MONTAGEM DE REDES PRIMÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA COM CABOS COBERTOS CLASSE 15 kv. Cuiabá Mato Grosso - Brasil NORMA TÉCNICA NTE-001 MONTAGEM DE REDES PRIMÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA COM CABOS COBERTOS CLASSE 15 kv Cuiabá Mato Grosso - Brasil APRESENTAÇÃO 1- OBJETIVO...04 2- CAMPO DE APLICAÇÃO...04

Leia mais

Instalações Elétricas Industriais. Prof. Carlos T. Matsumi

Instalações Elétricas Industriais. Prof. Carlos T. Matsumi Instalações Elétricas Industriais Divisão de Sistemas de Alimentação Faixa de Tensão Elétrica (IE) orrente Alternada - A orrente ontínua- Extra Baixa Tensão: Tensão Inferior à 50 V (A) e 120 V () Baixa

Leia mais

PADRÃO DE ESTRUTURA PE 031 R 03 REDE PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA DE ENERGIA ELÉTRICA URBANA E RURAL

PADRÃO DE ESTRUTURA PE 031 R 03 REDE PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA DE ENERGIA ELÉTRICA URBANA E RURAL PADRÃO DE ESTRUTURA PE 031 R 03 REDE PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA DE ENERGIA ELÉTRICA URBANA E RURAL DOCUMENTO NORMATIVO Código PADRÃO DE ESTRUTURA PE - 031 Página I REDE PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 01-17/09/2012 22/10/2012 ENGENHARIA E SISTEMAS TÉCNICOS (DTES-ES) APROVADO POR MARCELO POLTRONIERI (DTES-ES) SUMÁRIO

Leia mais

NORMAS E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA TRABALHOS TOPOGRÁFICOS - CDA I OPERAÇÕES DE CAMPO

NORMAS E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA TRABALHOS TOPOGRÁFICOS - CDA I OPERAÇÕES DE CAMPO NORMAS E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA TRABALHOS TOPOGRÁFICOS - CDA I OPERAÇÕES DE CAMPO 1- As normas técnicas objetivam a caracterização de imóveis rurais pelo levantamento e materialização de seus limites,

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Atualização das informações. Nome dos grupos

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Atualização das informações. Nome dos grupos Instalação de Banco de Capacitores em Baixa Tensão Processo Realizar Novas Ligações Atividade Executar Ligações BT Código Edição Data SM04.14-01.008 2ª Folha 1 DE 9 26/10/2009 HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES

Leia mais

NT - CRITÉRIOS PARA PROJETOS DE REDES E LINHA AÉREAS DE DISTRIBUIÇÀO

NT - CRITÉRIOS PARA PROJETOS DE REDES E LINHA AÉREAS DE DISTRIBUIÇÀO REV. PAG. 1 de 95 - REDES AÉREAS URBANAS 1. OBJETIVO Esta norma tem por objetivo estabelecer os critérios básicos para elaboração de projetos de Redes de Distribuição Aérea Urbana (RDU) de forma a assegurar

Leia mais

DEFINIÇÕES. Entrada de energia. Entrada de serviço

DEFINIÇÕES. Entrada de energia. Entrada de serviço 1 Entrada de energia DEFINIÇÕES Instalação de responsabilidade do consumidor, compreendendo ramal de entrada, poste particular ou pontalete, caixas, dispositivos de proteção, eletrodo de aterramento e

Leia mais

COMPARTILHAMENTO DE INFRA-ESTRUTURA DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO COM REDES DE TELECOMUNICAÇÕES

COMPARTILHAMENTO DE INFRA-ESTRUTURA DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO COM REDES DE TELECOMUNICAÇÕES ANEXO 1 COMPARTILHAMENTO DE INFRA-ESTRUTURA DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO COM REDES DE TELECOMUNICAÇÕES Diretoria Técnica Planejamento e Engenharia - 2 - COMPARTILHAMENTO DE INFRA-ESTRUTURA DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

NTE - 023 MONTAGEM DE REDES SECUNDÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA AÉREA TRIFÁSICA, URBANA, COM CONDUTORES ISOLADOS MULTIPLEXADOS

NTE - 023 MONTAGEM DE REDES SECUNDÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA AÉREA TRIFÁSICA, URBANA, COM CONDUTORES ISOLADOS MULTIPLEXADOS NORMA TÉCNICA NTE - 023 MONTAGEM DE REDES SECUNDÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA AÉREA TRIFÁSICA, URBANA, COM CONDUTORES ISOLADOS MULTIPLEXADOS Cuiabá Mato Grosso - Brasil INDICE 1 OBJETIVO...03

Leia mais

SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS

SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS 4EN 2013/1 SOLIVAN ALTOÉ SISTEMA ELÉTRICO CONCEITOS BÁSICOS SISTEMA ELÉTRICO CONCEITOS BÁSICOS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Transmissão de energia elétrica A tensão elétrica

Leia mais

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-02 CAPÍTULO TÍTULO PÁGINA 1. GERAL ÍNDICE INTRODUÇÃO... 1 1 1 Objetivo... 1 2 2 Terminologia... 1 2 2. CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-007 CRITÉRIOS BÁSICOS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREAS RURAIS

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-007 CRITÉRIOS BÁSICOS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREAS RURAIS NORMA DE DISRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-007 CRIÉRIOS BÁSICOS PARA ELABORAÇÃO DE PROJEOS DE REDES DE DISRIBUIÇÃO AÉREAS RURAIS SUMÁRIO 1. INRODUÇÃO... 1 2. APLICAÇÃO...... 1 3. ENSÕES DE FORNECIMENO... 1 4.

Leia mais

CAPACIDADE DE CONDUÇÃO DE CORRENTE 1/40

CAPACIDADE DE CONDUÇÃO DE CORRENTE 1/40 1/40 Os valores de capaci dade de condução de correntes constantes das tabelas a seguir, foram calculados de acordo com os critérios estabelecidos pela NBR 11301. Para os cálculos foram consideradas aterradas

Leia mais

3. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

3. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 1. OBJETIVO Esta Norma estabelece os procedimentos e condições técnicas mínimas para permitir o compartilhamento da infra-estrutura da Centrais Elétricas Matogrossenses S.A. CEMAT com empresa prestadora

Leia mais

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS CAPÍTULO 2: ESQUEMA GERAL DA TUBULAÇÃO TELEFÔNICA. RECOMENDAÇÕES A tubulação telefônica é dimensionada em função da quantidade de pontos telefônicos previsto para cada parte do edifício. Cada ponto telefônico

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-20

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-20 NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-20 MONTAGEM DE REDES PRIMÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA AÉREA, URBANA COM CABOS COBERTOS EM ESPAÇADORES CLASSE 15 kv página APRESENTAÇÃO 1. OBJETIVO...03 2.

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 02

COMUNICADO TÉCNICO Nº 02 COMUNICADO TÉCNICO Nº 02 Página 1 de 1 ALTERAÇÕES NAS TABELAS PARA DIMENSIONAMENTO DOS PADRÕES DE ENTRADA DE BAIXA TENSÃO DE USO INDIVIDUAL 1.OBJETIVO Visando a redução de custos de expansão do sistema

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO COMPARTILHAMENTO DE INFRA-ESTRUTURA

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO COMPARTILHAMENTO DE INFRA-ESTRUTURA NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO EMISSÃO: CT-DEZEMBRO/03 REVISÃO: CT-FEVEREIRO/04 FOLHA : 1 / 3 SUMÁRIO 1 - OBJETIVO 2 - CAMPO DE APLICAÇÃO 3 - NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 4 - DEFINIÇÕES 5 - CONDIÇÕES

Leia mais

Projeto de Instalações Elétricas Residenciais

Projeto de Instalações Elétricas Residenciais Projeto de Instalações Elétricas Residenciais Me. Hader Aguiar Dias Azzini hader_azzini@hotmail.com Campinas - ES 2014 Introdução Em geral, o projeto elétrico compreende quatro partes: Memória (justificativa

Leia mais

Norma Técnica Interna SABESP NTS 024

Norma Técnica Interna SABESP NTS 024 Norma Técnica Interna SABESP NTS 024 REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA Elaboração de Projetos Procedimento São Paulo Maio - 1999 NTS 024 : 1999 Norma Técnica Interna SABESP S U M Á R I O 1 RECOMENDAÇÕES DE

Leia mais

PADRÃO DE ENTRADA DE INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL SIMPLIFICADO

PADRÃO DE ENTRADA DE INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL SIMPLIFICADO PADRÃO DE ENTRADA DE E N E R G I A E L É T R I C A E M INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL SIMPLIFICADO www.celesc.com.br PADRÃO DE ENTRADA DE E N E R G I A E L É T R I C A E M INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 14/05/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Dimensionamento dos Condutores FASE Ampacidade Queda de Tensão Seção Mínima Dimensionamento dos Condutores

Leia mais

Superintendência de Desenvolvimento e Engenharia da Distribuição TD ND-3.3 - TABELAS

Superintendência de Desenvolvimento e Engenharia da Distribuição TD ND-3.3 - TABELAS 02.111-TD/AT-3013a Superintendência de Desenvolvimento e Engenharia da Distribuição TD ND-3.3 - TABELAS Gerência de Desenvolvimento e Engenharia de Ativos da Distribuição TD/AT Belo Horizonte Setembro/2013

Leia mais