1ª REVISÃO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1ª REVISÃO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL"

Transcrição

1 Câmara Municipal Pmbal 1ª REVISÃO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE POMBAL RELATÓRIO EXPLICATIVO DAS CONDICIONANTES - SERVIDÕES ADMINISTRATIVAS E RESTRIÇÕES DE UTILIDADE PÚBLICA R EV. 03 Fevereir 2014

2 DESCRIÇÃO TÉCNICA Pedr Murtinh - Vereadr COORDENAÇÃO GERAL Michäel da Mta Antóni - Vereadr * Celestin Mta - Arquitetura COORDENAÇÃO TÉCNICA Sílvia Ferreira - Planeament Reginal e Urban Ana Cards - Gegrafia - Planeament e Gestã d Territóri EQUIPA TÉCNICA Ana Rita Freire - Engenharia Civil Nelsn Mendes - Arquitetura Paula Vieira - Gegrafia Física e Ordenament d Territóri / SIG Lisete Vieira - Gegrafia -Cartgrafia e SIG COLABORAÇÃO Nélia Frags - Arquitetura Paisagista Túlia Paiva - Engenharia Gelógica CONSULTADORIA Fernanda Paula Oliveira - Jurista Armand Ferreira - Gegrafia OUTRAS COLABORAÇÕES TÉCNICAS Helena Mura e Thierry Aubry - Arquelgia Nelsn Pedrsa - História da Arte OUTRAS COLABORAÇÕES Anabela Silva - Administrativa Santelm Oliveira - Desenhadr * Vereadr em exercíci de funções até Outubr de 2013

3 INDICE INTRODUÇÃO RECURSOS NATURAIS RECURSOS HÍDRICOS Dmíni hídric Leit e margens de curss de água, lags e lagas, e leit e margem das águas d mar (Dmíni Públic Marítim) Perímetrs de prteçã de captações de água subterrânea destinadas a abasteciment públic RECURSOS GEOLÓGICOS Recurss Minerais Pedreiras (Massas minerais) Áreas cativas e Áreas de reserva Cntrats de cncessã mineira Salgema Aprveitament das cavidades salinas Cntrats de prspeçã e pesquisa Recurss Hidrgelógics Águas de nascente RECURSOS AGRÍCOLAS E FLORESTAIS Reserva Agrícla Nacinal (RAN) Aprveitaments Hidragríclas Oliveiras Sbreirs e Azinheiras Regime Flrestal Árvres de Interesse Públic RECURSOS ECOLÓGICOS Reserva Eclógica Nacinal (REN) Rede Natura 2000 Síti Sicó/Alvaiázere (PTCON0045) PATRIMÓNIO BENS IMÓVEIS CLASSIFICADOS E RESPETIVA ZONA DE PROTEÇÃO Mnument Nacinal Interesse Públic Interesse Municipal Zna Geral de Prteçã e Zna Especial de Prteçã EQUIPAMENTOS DEFESA NACIONAL INFRAESTRUTURAS REDE ELÉTRICA NACIONAL GASODUTOS REDE RODOVIÁRIA Rede Rdviária Nacinal e Rede Nacinal de Autestradas Rede Nacinal Fundamental Rev. 03 Fevereir 2014 Pág. 2 de 82

4 Rede Nacinal Cmplementar Rede Nacinal de Autestradas Estradas Reginais, sb jurisdiçã da EP- Estradas de Prtugal, S.A Estradas Nacinais Desclassificadas, sb jurisdiçã da EP- Estradas de Prtugal, S.A Rede Municipal Estradas Reginais, sb jurisdiçã da Câmara Municipal Estradas Nacinais Desclassificadas, sb jurisdiçã da Câmara Municipal Estradas Municipais e Caminhs Municipais Estruturaçã hierárquica REDE FERROVIÁRIA SERVIDÃO RADIOELÉTRICA VÉRTICES OU MARCOS GEODÉSICOS ATIVIDADES PERIGOSAS ESTABELECIMENTOS COM PRODUTOS EXPLOSIVOS ESTABELECIMENTOS COM SUBSTÂNCIAS PERIGOSAS INCÊNDIOS FLORESTAIS PERIGOSIDADE DE INCÊNDIO FLORESTAL POVOAMENTOS FLORESTAIS PERCORRIDOS POR INCÊNDIOS Rev. 03 Fevereir 2014 Pág. 3 de 82

5 INDICE DE QUADROS Quadr 1: Pedreiras (recuperaçã e explraçã) licenciadas Quadr 2: Identificaçã das Áreas de Reserva e respetivas áreas Quadr 3: Cntrats de cncessã mineira, pr freguesia, em març de Quadr 4: Cntrats de prspeçã e pesquisa de depósits minerais, pr mineral e pr freguesia, em julh de Quadr 5: Regadis existentes n cncelh de Pmbal Quadr 6: Identificaçã das árvres classificadas de Interesse Públic Quadr 7: Imóveis cm classificaçã de Mnument Nacinal Quadr 8: Imóveis cm classificaçã de Interesse Públic Quadr 9: Bem cm classificaçã de Interesse Municipal Quadr 10: Znas de servidã afetas as IP e IC Quadr 11: Classificaçã das vias pertencentes à Rede Nacinal Fundamental Quadr 12: Classificaçã das vias pertencentes à Rede Nacinal Cmplementar Quadr 13: Classificaçã das vias pertencentes à Rede Nacinal de Autestradas Quadr 14: Classificaçã da via pertencente às Estradas Reginais sb jurisdiçã da EP-Estradas de Prtugal, SA Quadr 15: Zna de servidã afeta as IP, IC, EN e ER Quadr 16: Classificaçã das vias pertencentes às Estradas Nacinais Desclassificadas sb jurisdiçã da EP-Estradas de Prtugal, SA Quadr 17: Classificaçã das vias pertencentes às Estradas Reginais sb jurisdiçã da Câmara Municipal Quadr 18: Classificaçã das vias pertencentes às Estradas Nacinais Desclassificadas sb jurisdiçã da Câmara Municipal Quadr 19: Classificaçã das vias pertencentes às Estradas Municipais Quadr 20: Classificaçã das vias pertencentes a Caminhs Municipais Quadr 21: Crdenadas ds vértices gedésics da área gegráfica d Cncelh de Pmbal, n Sistema de Referência Datum Rev. 03 Fevereir 2014 Pág. 4 de 82

6 INTRODUÇÃO A Planta de Cndicinantes é um ds elements cnstituintes d Plan Diretr Municipal, em cnfrmidade cm a alínea c), d artig 86.º d Decret-Lei n.º 46/09, de 20 de fevereir, que altera e republica Decret-Lei n.º 380/99, de 22 de setembr. De acrd cm mesm diplma (alínea c), d n.º 1, d artig 86.º), a Planta de Cndicinantes, identifica as servidões e restrições de utilidade pública em vigr que pssam cnstituir limitações u impediments a qualquer frma específica de aprveitament, devend, assim, cntemplar tdas as cndicinantes que afetam territóri municipal. O presente dcument pretende cnstituir a identificaçã das diversas servidões administrativas e restrições de utilidade pública incidentes n cncelh de Pmbal, send este, apenas um dcument cmplementar da Planta de Cndicinantes válida e eficaz ns terms da lei. As diversas servidões administrativas e restrições de utilidade pública sã rganizadas mediante a síntese a seguir apresentada, cm base na publicaçã Servidões e Restrições de Utilidade Pública (SRUP), editada pela Direçã-Geral d Ordenament d Territóri e Desenvlviment Urban (DGOTDU), de setembr de 2011, e n Guia Orientadr Revisã d PDM, editad pela Cmissã de Crdenaçã e Desenvlviment Reginal d Centr, de 2012: 1. Recurss Naturais a. Recurss hídrics i. Dmíni públic hídric 1. Leit e margens de curss de água, lags e lagas 2. Leit e margem das águas d mar (Dmíni Públic Marítim) ii. Captações de água subterrânea para abasteciment públic b. Recurss gelógics i. Recurss Minerais 1. Pedreiras (Massas minerais) 2. Áreas cativas e Áreas de reserva 3. Depósits minerais a) Cntrats de cncessã mineira b) Salgema Aprveitament das cavidades salinas c) Cntrats de prspeçã e pesquisa ii. Recurss Hidrgelógics 1. Águas de nascente c. Recurss agríclas e flrestais i. Reserva Agrícla Nacinal (RAN) Rev. 03 Fevereir 2014 Pág. 5 de 82

7 ii. Obras de Aprveitament Hidragrícla iii. Oliveiras iv. Sbreirs e Azinheiras v. Regime flrestal vi. Árvres de Interesse Públic d. Recurss eclógics i. Reserva Eclógica Nacinal (REN) ii. Rede Natura 2000 Síti Sicó/Alvaiázere (PTCON0045) 2. Patrimóni a. Imóveis classificads e respetiva zna de prteçã i. Mnument Nacinal ii. Interesse Públic iii. Interesse Municipal iv. Zna geral de prteçã e zna especial de prteçã 3. Equipaments a. Defesa nacinal 4. Infraestruturas a. Rede elétrica nacinal b. Gasduts c. Rede rdviária i. Rede Rdviária Nacinal e Rede Nacinal de Autestradas 1. Rede Nacinal Fundamental 2. Rede Nacinal Cmplementar 3. Rede Nacinal de Autestradas ii. Estradas Reginais, sb jurisdiçã da EP-Estradas de Prtugal, S. A. iii. Estradas Nacinais desclassificadas, sb jurisdiçã da EP Estradas de Prtugal, S.A. iv. Rede Municipal 1. Estradas Reginais, sb jurisdiçã da Câmara Municipal 2. Estradas Nacinais desclassificadas, sb jurisdiçã da Câmara Municipal 3. Estradas Municipais e Caminhs Municipais v. Estruturaçã hierárquica d. Rede ferrviária e. Servidã radielétrica f. Vértices u Marcs gedésics 5. Atividades perigsas a. Estabeleciments cm prduts explsivs b. Estabeleciments cm substâncias perigsas 6. Riscs naturais e tecnlógics a. Incêndis Flrestais i. Perigsidade de incêndi flrestal ii. Pvaments Flrestais Percrrids pr incêndis b. Indústrias Perigsas Neste dcument, acmpanhand as cndicinantes legalmente recnhecidas, é também identificada legislaçã geral e específica, cnstituind, assim, uma rientaçã à caraterizaçã das servidões administrativas e restrições de utilidade pública em cnfrmidade cm grup temátic acima identificad. Rev. 03 Fevereir 2014 Pág. 6 de 82

8 Cm desdbrament da Planta de Cndicinantes sã cnsideradas as seguintes peças gráficas: Cndicinantes Gerais; Reserva Agrícla Nacinal e Aprveitaments Hidragríclas; Reserva Eclógica Nacinal; Perigsidade de Incêndi Flrestal e Áreas Percrridas pr Incêndi. A delimitaçã na Planta de Cndicinantes das áreas sujeitas a servidã u restriçã deve ser encarada a títul indicativ e nã substitui as delimitações cnstantes ns dcuments legais que as cnstituíram e que, nrmalmente, pssuem um mair detalhe e rigr, cm é exempl patrimóni arquitetónic. Da mesma frma, a delimitaçã incrreta u a nã delimitaçã de qualquer servidã ns elements d PDM nã prejudica a sua eficácia ns terms em que fi u vier a ser legalmente cnstituída. Na Planta de Cndicinantes, pr vezes e pr insuficiência de escala, apenas se identifica bjet de prteçã u salvaguarda, cm sã exempls a rede rdviária, a rede ferrviária u s vértices gedésics. A verificaçã d respeit pelas znas de servidã deve ser cnfirmada cas a cas, cm api de cartgrafia de prmenr adequada. Rev. 03 Fevereir 2014 Pág. 7 de 82

9 1 RECURSOS NATURAIS 1.1 RECURSOS HÍDRICOS Dmíni hídric O dmíni públic hídric subdivide-se em dmíni públic marítim, dmíni públic fluvial e lacustre e dmíni públic das restantes águas. O dmíni públic marítim cmpreende (artig 3.º da Lei n.º 54/2005, de 15 de nvembr): - As águas csteiras e territriais; - As águas interires sujeitas à influência das marés, ns ris, lags e lagas; - O leit das águas csteiras e territriais e das águas interires sujeitas à influência das marés; - Os funds marinhs cntígus da platafrma cntinental, abrangend tda a zna ecnómica exclusiva; - As margens das águas csteiras e das águas interires sujeitas à influência das marés. O dmíni públic lacustre e fluvial cmpreende (artig 5.º da Lei n.º 54/2005, de 15 de nvembr): - Curss de água navegáveis u flutuáveis, cm s respetivs leits, e ainda as margens pertencentes a entes públics; - Lags e lagas navegáveis u flutuáveis, cm s respetivs leits, e ainda as margens pertencentes a entes públics; - Curss de água nã navegáveis nem flutuáveis, cm s respetivs leits e margens, desde que lcalizads em terrens públics, u s que pr lei sejam recnhecids cm aprveitáveis para fins de utilidade pública, cm a prduçã de energia elétrica, irrigaçã, u canalizaçã de água para cnsum públic; - Os canais e valas navegáveis u flutuáveis, u aberts pr entes públics, e as respetivas águas; - As albufeiras criadas para fins de utilidade pública, nmeadamente prduçã de energia elétrica u irrigaçã, cm s respetivs leits; - Os lags e lagas nã navegáveis u flutuáveis, cm s respetivs leits e margens, frmads pela natureza em terrens públics; - Os lags e lagas circundads pr diferentes prédis particulares u existentes dentr de um prédi particular, quand tais lags e lagas sejam alimentads pr crrente pública; - Os curss de água nã navegáveis nem flutuáveis nascids em prédis privads, lg que transpnham abandnads s limites ds terrens u prédis nde nasceram u para nde fram cnduzids pel seu dn, se n final frem lançar-se n mar u em utras águas públicas. Rev. 03 Fevereir 2014 Pág. 8 de 82

10 O dmíni públic hídric das restantes águas cmpreende (artig 7.º da Lei n.º 54/2005, de 15 de nvembr): - As águas nascidas e águas subterrâneas existentes em terrens u prédis públics; - As águas nascidas em prédis privads, lg que transpnham abandnadas s limites ds terrens u prédis nde nasceram u para nde fram cnduzidas pel seu dn, se n final frem lançar-se n mar u em utras águas públicas; - As águas pluviais que caiam em terrens públics u que, abandnadas, neles crram; - As águas pluviais que caiam em algum terren particular, quand transpuserem abandnadas s limites d mesm prédi, se n final frem lançar-se n mar u em utras águas públicas; - As águas das fntes públicas e ds pçs e reservatóris públics, incluind tds s que vêm send cntinuamente usads pel públic u administrads pr entidades públicas. LEGISLAÇÃO APLICÁVEL Lei n.º 54/2005, de 15 de nvembr, alterada pela Declaraçã de Retificaçã n.º 4/2006, de 16 de janeir Estabelece a titularidade ds recurss hídrics. Lei n.º 58/2005, de 29 de dezembr, alterada pel Decret-Lei n.º 245/2009, de 22 de setembr, e revista e republicada pel Decret-Lei n.º 130/2012, de 22 de junh Aprva a Lei da Água. Decret-Lei n.º 226-A/2007, de 31 de mai Estabelece regime jurídic da utilizaçã ds recurss hídrics. Decret-Lei n.º 115/2010, de 22 de utubr Aprva quadr para avaliaçã e gestã ds riscs de inundaçã cm bjetiv de reduzir as suas cnsequências prejudiciais Leit e margens de curss de água, lags e lagas, e leit e margem das águas d mar (Dmíni Públic Marítim) De acrd cm artig 4.º d Decret-Lei n.º 130/2012, de 22 de junh, leit e margem, definem-se da seguinte frma: - «Leit», terren cbert pelas águas, quand nã influenciadas pr cheias extrardinárias, inundações u tempestades, nele se incluind s muchões, ldeirs e areais nele frmads pr depsiçã aluvial, send leit limitad pela linha da máxima preia-mar das águas vivas equinciais, n cas de águas sujeitas à influência das marés; - «Margem», a faixa de terren cntígua u sbranceira à linha que limita leit das águas cm largura legalmente estabelecida; Rev. 03 Fevereir 2014 Pág. 9 de 82

11 CONSTITUIÇÃO E CARATERÍSTICAS DA SERVIDÃO Estã sujeits a servidões administrativas s leits e margens ds curss de água, lags e lagas e das águas d mar, send que (Lei n.º 54/2005, de 15 de nvembr, e Decret-Lei n.º 130/2012, de 22 de junh): a margem das águas d mar, bem cm a das águas navegáveis u flutuáveis sujeitas à jurisdiçã das autridades marítimas e prtuárias, tem a largura de 50 m; a margem das restantes águas navegáveis u flutuáveis tem a largura de 30 m; a margem das águas nã navegáveis nem flutuáveis, nmeadamente trrentes, barrancs e córregs de caudal descntínu, tem a largura de 10 m. Tdas as parcelas privadas ds leits u margens de águas públicas estã sujeitas a servidã de us públic, n interesse geral (artig 21.º, Lei n.º 54/2005, de 15 de nvembr): - de acess às águas e - de passagem a lng das águas: da pesca, da navegaçã u flutuaçã, quand se trate das águas navegáveis u flutuáveis, da fiscalizaçã e plícia das águas pelas autridades cmpetentes. Nestas parcelas, n respetiv subsl e n espaç aére crrespndente, nã é permitida a execuçã de quaisquer bras, permanentes u temprárias, sem autrizaçã da entidade a quem cuber a jurisdiçã sbre a utilizaçã das águas públicas crrespndentes. Os prprietáris de parcelas privadas de leits e margens de águas públicas devem mantê-las em bm estad de cnservaçã e estã sujeits a tdas as brigações que a lei estabelecer n que respeita à execuçã de bras hidráulicas necessárias à gestã adequada das águas públicas em causa, nmeadamente de crreçã, regularizaçã, cnservaçã, desbstruçã e limpeza. O Estad, através das administrações das regiões hidrgráficas (ARH), pde substituir-se as prprietáris, realizand as bras necessárias à limpeza e desbstruçã das águas públicas pr cnta deles. N cas de linhas de água em aglmerad urban, pde ser municípi a substituir-se as prprietáris. Na Planta de Cndicinantes Cndicinantes Gerais apenas se encntram delimitads s eixs ds curss de água, s limites ds lags e lagas e a linha da máxima preia-mar de águas vivas equinciais (LMPAVE), tend em cnsideraçã a cmplexidade da representaçã da área d dmíni públic hídric e da área sujeita à servidã inerente. Rev. 03 Fevereir 2014 Pág. 10 de 82

12 1.1.2 Perímetrs de prteçã de captações de água subterrânea destinadas a abasteciment públic N cncelh de Pmbal existem 21 captações de águas subterrâneas para abasteciment públic, às quais estã assciads perímetrs de prteçã que cnstituem servidões e restrições de utilidade pública: - Fur PS1 e Fur PS2, na Mata Nacinal d Urs; - Furs F1 e F2, situads nas margens d Ribeir d Deglaç; - Captações 12B(JK1), 12C(MF7) e 12D(SL2), n lcal de Ribeira de Sant Amar; - Captações 15A (MF3), 15B (JK3), 15C (MF12) e 15D (MF14), ns lcais de Venda Nva, Outeir da Vinha e Lagar d Caranguej; - Captações 8A (SO1) e 8B (MF2) lcalizadas n lcal da Pedrgueira; - Captações P1-200, P2-200 e P2-100C, lcalizadas na Guia; - Captaçã 4A(AC1), em Caxaria; - Captações 31A(JK7) e 31B(MF6), n lcal de Chã de Baix; - Captações 34B(MF10) e 34C(MF15), em Carnide. Além das enunciadas, existem ainda, pr td cncelh, diversas captações de águas subterrâneas para abasteciment públic às quais nã se encntram, cntud, assciadas quaisquer servidões e restrições de utilidade pública. LEGISLAÇÃO APLICÁVEL Decret-Lei n.º 382/99, de 22 de setembr, alterad pel artig 88.º d Decret-Lei n.º 226- A/2007, de 31 de mai Estabelece perímetrs de prteçã para captações de águas subterrâneas destinadas a abasteciment públic. Lei n.º 58/2005, de 29 de dezembr, alterada pel Decret-Lei n.º 245/2009, de 22 de setembr e revista e republicada pel Decret-Lei n.º 130/2012, de 22 de junh Aprva a Lei da Água. Decret-Lei n.º 226-A/2007, de 31 de mai Aprva regime jurídic da autrizaçã, licença u cncessã para utilizaçã ds recurss hídrics. Prtaria n.º 702/2009, de 6 de julh Estabelece s terms da delimitaçã ds perímetrs de prteçã das captações destinadas a abasteciment públic de água para cnsum human, bem cm s respetivs cndicinaments. Resluçã de Cnselh de Ministrs n.º 34/2006, de 28 de març Aprva a delimitaçã ds perímetrs de prteçã de dis furs de captaçã de águas subterrâneas cnstruíds nas margens d ribeir d Deglaç, n cncelh de Pmbal. Rev. 03 Fevereir 2014 Pág. 11 de 82

13 Resluçã de Cnselh de Ministrs n.º 58/2007, de 24 de abril Aprva a delimitaçã ds perímetrs de prteçã das captações designadas pr fur PS1 e fur PS2, cnstruíds na Mata d Urs, cncelh de Pmbal. Prtaria n.º 347/2012, de 29 de utubr Aprva a delimitaçã ds perímetrs de prteçã das captações de água subterrânea n lcal de Ribeira de Sant Amar, cncelh de Pmbal. Prtaria n.º 357/2012, de 31 de utubr Aprva a delimitaçã ds perímetrs de prteçã das captações de água subterrânea ns lcais de Venda Nva, Outeir da Vinha e Lagar d Caranguej, n cncelh de Pmbal. Prtaria n.º 395/2012, de 30 de nvembr Aprva a delimitaçã ds perímetrs de prteçã das captações de água subterrânea n lcal de Pedrgueira, cncelh de Pmbal. Prtaria n.º 34/2013, de 29 de janeir Aprva a delimitaçã ds perímetrs de prteçã de várias captações de água subterrânea lcalizadas n cncelh de Pmbal Prtaria n.º 72/2013, de 15 de fevereir Aprva a delimitaçã d perímetr de prteçã da captaçã 4A (AC1), n cncelh de Pmbal Prtaria n.º 73/2013, de 15 de fevereir Aprva a delimitaçã ds perímetrs de prteçã de duas captações de água subterrânea n lcal de Chã de Baix, cncelh de Pmbal Prtaria n.º 77/2013, de 18 de fevereir Aprva a delimitaçã ds perímetrs de prteçã de duas captações de água subterrânea em Carnide, cncelh de Pmbal CONSTITUIÇÃO E CARATERÍSTICAS DA SERVIDÃO As captações de água subterrânea destinadas a abasteciment públic de água para cnsum human de aglmerads ppulacinais cm mais de 500 habitantes u cuj caudal de explraçã seja superir a 100m 3 /dia ficam abrangidas pel dispst n Decret-Lei n.º 382/99, de 22 de setembr, para tdas as znas de prteçã. Tdas as restantes captações de água subterrânea destinadas a abasteciment públic de água para cnsum human sã abrangidas pel dispst n referid diplma, n que diz respeit à delimitaçã da zna de prteçã imediata. O perímetr de prteçã é a área cntígua à captaçã na qual se interditam u cndicinam as instalações e as atividades suscetíveis de pluírem as águas subterrâneas, e englba a Zna de Prteçã Imediata, a Zna de Prteçã Intermédia e a Zna de Prteçã Alargada. Além d especificad na legislaçã específica relativ as perímetrs de prteçã de cada captaçã, há ainda que cnsiderar: - Na zna de prteçã imediata: Rev. 03 Fevereir 2014 Pág. 12 de 82

14 É interdita qualquer instalaçã u atividade, cm excepçã das que têm pr finalidade a cnservaçã, manutençã e melhr explraçã da captaçã; O terren é vedad e tem que ser mantid limp de quaisquer resídus, prduts u líquids que pssam prvcar infiltraçã de substâncias indesejáveis para a qualidade da água da captaçã. - Na zna de prteçã intermédia pdem ser cndicinadas as seguintes atividades e instalações quand sejam susceptíveis de prvcar a pluiçã das águas subterrâneas: Pastrícia; Uss agríclas e pecuáris; Aplicaçã de pesticidas móveis e persistentes na água u que pssam frmar substâncias tóxicas, persistentes u biacumuláveis; Edificações; Estradas e caminhs de ferr; Parques de campism; Espaçs destinads a práticas desprtivas; Estações de tratament de águas residuais; Cletres de águas residuais; Fssas de esgts; Unidades industriais; Cemitéris; Pedreiras e quaisquer escavações; Explrações minerais; Lags e quaisquer bras u escavações destinadas à reclha e tratament de água u quaisquer substâncias susceptíveis de se infiltrarem. - Na zna de prteçã intermédia sã interditas as seguintes atividades e instalações: Infra-estruturas aernáuticas; Oficinas e estações de serviç de autmóveis; Depósits de materiais radiativs, de hidrcarbnets e de resídus perigss; Psts de abasteciment e áreas de serviç de cmbustíveis; Transprtes de hidrcarbnets, de materiais radiativs u de utras substâncias perigsas; Canalizações de prduts tóxics; Lixeiras e aterrs sanitáris. Rev. 03 Fevereir 2014 Pág. 13 de 82

15 - Na zna de prteçã alargada pdem ser cndicinadas as seguintes atividades e instalações quand sejam susceptíveis de prvcar a pluiçã das águas subterrâneas: Utilizaçã de pesticidas móveis e persistentes na água u que pssam frmar substâncias tóxicas, persistentes u biacumuláveis; Cletres de águas residuais; Fssas de esgts; Lags e quaisquer bras u escavações destinadas à reclha e tratament de água u quaisquer substâncias susceptíveis de se infiltrarem, Estações de tratament de águas residuais; Cemitéris; Pedreiras e explrações mineiras; Infraestruturas aernáuticas; Oficinas e estações de serviç de autmóveis; Psts de abasteciment e áreas de serviç de cmbustíveis; - Nas znas de prteçã alargada sã interditas as seguintes atividades e instalações: Transprte de hidrcarbnets, de materiais radiativs u de utras substâncias perigsas; Depósits de materiais radiativs, de hidrcarbnets e de resídus perigss; Canalizações de prduts tóxics; Refinarias e indústrias químicas; Lixeiras e aterrs sanitáris. Nas znas de prteçã especial (em znas em que haja cnexã hidráulica direta u através de cndutas cársicas u fissuras) sã interditas quaisquer atividades u instalações. Nas znas de prteçã especial cntra avanç da cunha salina (nas znas csteiras nde exista u pssa existir intrusã marinha) pdem ser limitads s caudais de explraçã das captações existentes e interdita a cnstruçã u a explraçã de nvas captações de água subterrânea u cndicinad seu regime de explraçã. O perímetr de prteçã pderá nã incluir as znas de prtecçã intermédia u alargada, relativamente a captações de águas subterrâneas em sistemas aquífers cuj risc de cntaminaçã seja reduzid, desde que demnstrad pr estuds hidrgelógics. Rev. 03 Fevereir 2014 Pág. 14 de 82

16 1.2 RECURSOS GEOLÓGICOS Recurss Minerais Pedreiras (Massas minerais) Atualmente existem 31 explrações de massas minerais (pedreiras) licenciadas, em explraçã, e 8 pedreiras licenciadas em fase de recuperaçã, cnfrme identificad n Quadr 1. Quadr 1: Pedreiras (recuperaçã e explraçã) licenciadas N.º de pedreira Designaçã Freguesia 5587 Vale de Nelas 5695 Vale de André Albergaria ds Dze 5927 Silveirinha Carriç 5595 Nasce-Água 6528 Guia Guia 6580 Charneca da Guia 6555 Vale Galeg Meirinhas 2908 Alt ds Cresps, n.º Barrcal, n.º Barrigueira Russa de Cima (Alt ds 5236 Cresps, n.º 3) Pmbal 5380 Vale de Cimbra, n.º Maranh, n.º Russa 5922 Vale de Cimbra 6227 Casal Fernã Jã 5191 Vale Mleir 5192 Vale Pç - Charneca 5316* Vale da Fnte, n.º Vale d Pç, n.º ** Cavadas, II 5582 Vale da Sbreira 5679** Os Três Teares 5740** Fntanheira II Redinha 6205 Pedreira d Vale Gravi 4870 Trviscais da Cavadinha 4039** b) Vale d Pç, n.º ** b) Vale d Pç, n.º ** b) Cavadas I 5381** b) Charneca da Redinha 5422** b) Fntanheira 5442 Madrn 5660 Bacharéis Santiag de Litém 5716 Barrinh n.º 2 S. Simã de Litém 5258 Vale de Sugue 5441 Cim d Outeir Vermil 5766 Outeir da Ranha 4919 Chã Queimad Vila Cã 6419 Cascnh a) * Encntra-se situada n limite d cncelh de Pmbal cm cnselh de Sure Rev. 03 Fevereir 2014 Pág. 15 de 82

17 ** Pedreiras em fase de recuperaçã a) Apesar de se encntrar n cncelh de Sure, licenciament fi efetuad pela CM de Pmbal b) Descnhece-se a delimitaçã crreta da sua implantaçã, cntud, encntram-se implantadas n NER Núcle de Explraçã da Redinha Na Planta de Cndicinantes Cndicinantes Gerais apenas fram delimitadas as áreas afetas à explraçã das massas minerais, a invés das Znas de Defesa e Zna Especiais de Defesa, abaix identificadas, que efetivamente cnstituem servidões e restrições de utilidade pública, tend em cnsideraçã a cmplexidade da representaçã das respetivas znas de servidã. Na mesma Planta, e tend em cnsideraçã a falta de infrmaçã sbre a delimitaçã das Pedreiras acima referenciadas, ptu-se pela delimitaçã d NER, nde as mesmas se encntram implantadas. LEGISLAÇÃO APLICÁVEL Decret-Lei n.º 90/90, de 16 de març Disciplina regime geral de revelaçã e aprveitament ds recurss gelógics. Decret-Lei n.º 270/2001, de 6 de utubr, alterad e republicad pel Decret-Lei n.º 340/2007, de 12 de utubr Define regime jurídic da pesquisa e explraçã de massas minerais (pedreiras). CONSTITUIÇÃO E CARATERÍSTICAS DA SERVIDÃO O prédi n qual se lcalize uma pedreira e, bem assim, s prédis vizinhs, pdem ser sujeits a servidã administrativa, em razã d interesse ecnómic da explraçã da massa mineral (artig 35.º d Decret-Lei n.º 90/90, de 16 de març). A pesquisa e explraçã de massas minerais nã pde ser licenciada nas znas de terren que circundam edifícis, bras, instalações, mnuments, acidentes naturais, áreas u lcais classificads de interesse científic u paisagístic (artig 4.º, n.º 1 d Decret-Lei n.º 270/2001, de 6 de utubr, e art. 38.º d Decret-Lei n.º 90/90, de 16 de març). Tais znas designam-se pr znas de defesa e devem bservar as distâncias fixadas em prtaria de cativaçã u, na falta destas, as seguintes distâncias medidas a partir da brdadura da escavaçã (artig 4.º, n.º 1 e anex II d Decret-Lei n.º 270/2001, de 6 de utubr): Rev. 03 Fevereir 2014 Pág. 16 de 82

18 - 10 m - relativamente a: Prédis rústics, urbans u mists vizinhs, murads u nã; Curss de água nã navegáveis e de regime nã permanente; - 15 m - relativamente a caminhs públics; - 20 m - relativamente a: Cndutas e fluids, Linhas elétricas de baixa tensã, Linhas aéreas de telecmunicações telefónicas nã integradas na explraçã, Linhas de telecmunicações e teleféric, Cabs subterrânes elétrics e de telecmunicações; - 30 m - relativamente a: Pntes, Pstes elétrics de média e alta tensã, Psts elétrics de transfrmaçã u de telecmunicações; - 50 m - relativamente a: Ris navegáveis e canais, Nascentes de águas, curss de água de regime permanente e canais, Nascentes u captações de água, Edifícis nã especificads (nã lcalizads em pedreira) e lcais de us públic, Estradas nacinais u municipais, Linhas férreas; - 70 m - relativamente a aut-estradas e estradas internacinais; m - relativamente a: Mnuments nacinais, Lcais classificads de valr turístic, Instalações e bras das Frças Armadas e das frças e serviçs de segurança, Esclas, Hspitais; m - relativamente a lcais e znas classificadas cm valr científic u paisagístic. Rev. 03 Fevereir 2014 Pág. 17 de 82

19 Estas znas de defesa devem ainda ser respeitadas sempre que se pretendam implantar na vizinhança de pedreiras nvas edificações alheias à pedreira (artig 4.º, n.º 2 d Decret-Lei n.º 270/2001, de 6 de utubr, e artig 38.º d Decret-Lei n.º 90/90, de 16 de març). A cnstruçã destas edificações a que seja inerente uma zna de defesa que afete pedreiras já em explraçã, carece de autrizaçã prévia a cnceder pr despach cnjunt d Ministr d Ambiente e d Ordenament d Territóri e d Ministr da Ecnmia, da Invaçã e d Desenvlviment (n.º 2, d artig 38.º d Decret-Lei n.º 90/90, de 16 de març) Áreas cativas e Áreas de reserva Neste cncelh, existem 2 Áreas Cativas, uma na parte Sul d cncelh, para efeits de explraçã de argilas cm qualidades refratárias, e utra na parte Nrte, para efeits de explraçã de argilas cinzentas especiais. Encntram-se também declaradas 4 Áreas de Reserva, para efeits de aprveitament de argilas especiais: Quadr 2: Identificaçã das Áreas de Reserva e respetivas áreas Área de Reserva Área (ha) A 591,56 B 1093,81 D 31,04 E 209,24 As áreas de reserva A e B estã definidas na área cativa da parte Sul d cncelh e as D e E na área cativa da parte Nrte. LEGISLAÇÃO APLICÁVEL Decret-Lei n.º 90/90, de 16 de març Disciplina regime jurídic de revelaçã e aprveitament de bens naturais existentes na crsta terrestre, genericamente designads pr recurss gelógics, integrads u nã n dmíni públic, cm excepçã das crrências de hidrcarbnets. Decret-Lei n.º 270/2001, de 6 de utubr, alterad e republicad pel Decret-Lei n.º 340/2007, de 12 de utubr Define regime jurídic da pesquisa e explraçã de massas minerais (pedreiras). Decret Regulamentar n.º 31/95, de 22 de nvembr Declara diversas áreas de reserva para efeits de aprveitament de argilas especiais (Barracã-Pmbal-Redinha). Prtaria n.º 448/90, de 16 de junh Cativa áreas destinadas à explraçã de pedreiras situadas nas znas de Águeda, de Pmbal e de Barracã. Rev. 03 Fevereir 2014 Pág. 18 de 82

20 Prtaria n.º 733/94, de 12 de agst Declara cativa, ressalvads s direits adquirids, para efeits de explraçã de argilas, uma área situada entre as pvações de Pelariga e Redinha, abrangend parte ds cncelhs de Pmbal e de Sure, ns distrits de Leiria e Cimbra. CONSTITUIÇÃO E CARATERÍSTICAS DA SERVIDÃO As servidões cnstituídas, além de identificadas na legislaçã geral, sã cmplementadas pel especificad ns diplmas específics de cada Área, Cativa u de Reserva Cntrats de cncessã mineira Cnfrme Quadr 3, existem 14 cntrats de cncessã mineira n cncelh. Quadr 3: Cntrats de cncessã mineira, pr freguesia, em març de 2013 Freguesia N.º de cntrat Minerais Denminaçã Albergaria ds Dze C-90 Caulin Vale de André Albergaria ds Dze / S. Simã de Litém C-99 Caulin Vale de André, n.º 2 Albergaria ds Dze / S. Simã de Litém / Vila Cã / Abiúl C-127 Caulin Figueired Almagreira C-112 Caulin e Quartz Nets Carriç C-16 Salgema Carriç Guia C-132 Caulin Guia 1 Guia / Carriç C-125 Caulin e Feldspat Guia Meirinhas C-135 Caulin Mendes Meirinhas / Vermil / Carnide C-119 Caulin e Quartz Vale Galeg C-107 Caulin Russa C-115 Caulin e Quartz Russa de Cima, n.º 1 Pmbal C-116 Caulin e Quartz Russa de Cima, n.º 2 C-120 Caulin e Quartz Cresps, n.º 1 C-121 Caulin e Quartz Vale de Cimbra LEGISLAÇÃO APLICÁVEL Decret-Lei n.º 88/90, de 16 de març Aprva regulament d aprveitament de depósits minerais. Decret-Lei n.º 90/90, de 16 de març Disciplina regime geral de revelaçã e aprveitament ds recurss gelógics. Cntrat (extrat) n.º 699/2012, de 27 de nvembr Cntrat de cncessã de explraçã de depósits minerais de caulin a que crrespnde n.º de cadastr C-132 Guia 1, Rev. 03 Fevereir 2014 Pág. 19 de 82

Workshop Nova Legislação que regula a aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos (PF)

Workshop Nova Legislação que regula a aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos (PF) Wrkshp Nva Legislaçã que regula a aplicaçã de Prduts Fitfarmacêutics (PF) Quinta d Vallad, Vilarinh ds Freires Branca Teixeira 23 de mai de 2013 Nva Legislaçã Lei nº26/2013 de 11 de abril Regula as actividades

Leia mais

Assessoria Urbanística para Implementação do Plano de Urbanização da Meia Praia

Assessoria Urbanística para Implementação do Plano de Urbanização da Meia Praia Excert Planta Plan de Urbanizaçã da Meia Praia - PUMP A área de intervençã d Plan de Urbanizaçã crrespnde a uma faixa da rla csteira d Barlavent Algarvi que se situa a Nascente da Cidade de Lags e se estende

Leia mais

GUIA DE APOIO AO PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE

GUIA DE APOIO AO PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE GUIA DE APOIO AO PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE Reprte de Ameaça Iminente de Dan Ambiental e de Ocrrência de Dan Ambiental n Âmbit d Regime da Respnsabilidade Ambiental Agência Prtuguesa d Ambiente Julh

Leia mais

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versão: 1 Data: 28/10/2013

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versão: 1 Data: 28/10/2013 PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020 DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versã: 1 Data: 28/10/2013 M5. ORGANIZAÇÃO DA PRODUÇÃO AÇÃO 5.1. CRIAÇÃO DE AGRUPAMENTOS E ORGANIZAÇÃO DE PRODUTORES NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

Ano financeiro de 2012

Ano financeiro de 2012 An financeir de 2012 v Fnte de Códig da Códig/An/Tip Datas Mntante Previst Classific. /Nº d Mntante Executad An %(a) % (b) 1. FUNÇÕES GERAIS 2.922.100 5.998.478 8.920.578 613.248,97 613.248,97 20,99 6,87

Leia mais

CAE Rev_3: 47990 VENDAS AUTOMÁTICAS (VENDING)

CAE Rev_3: 47990 VENDAS AUTOMÁTICAS (VENDING) O cnteúd infrmativ dispnibilizad pela presente ficha nã substitui FUNCHAL CAE Rev_3: 47990 VENDAS AUTOMÁTICAS (VENDING) ÂMBITO A atividade de venda autmática deve bedecer à legislaçã aplicável à venda

Leia mais

CAE Rev_3: 74900 e 71120 LICENCIAMENTO DE EMPRESAS PARA O EXERCÍCIO DE ACTIVIDADES DE PRODUÇÃO E RENOVAÇÃO DE CADASTRO PREDIAL

CAE Rev_3: 74900 e 71120 LICENCIAMENTO DE EMPRESAS PARA O EXERCÍCIO DE ACTIVIDADES DE PRODUÇÃO E RENOVAÇÃO DE CADASTRO PREDIAL O cnteúd infrmativ dispnibilizad pela presente ficha nã substitui a cnsulta ds diplmas legais referenciads e da entidade licenciadra. FUNCHAL CAE Rev_3: 74900 e 71120 LICENCIAMENTO DE EMPRESAS PARA O EXERCÍCIO

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Prgrama de Desenvlviment Rural d Cntinente para 2014-2020 Medida 7 AGRICULTURA e RECURSOS NATURAIS Açã 7.2 PRODUÇÃO INTEGRADA Enquadrament Regulamentar Artig 28.º Agrambiente e clima d Regulament (UE)

Leia mais

Lista de verificação do conteúdo do Plano de Emergência Interno

Lista de verificação do conteúdo do Plano de Emergência Interno Intrduçã Lista de verificaçã d cnteúd d Plan de Emergência Intern (artig 18.º d Decret-Lei n.º 254/2007, de 12 de julh) O Decret-Lei n.º 254/2007, de 12 de julh, estabelece regime de prevençã de acidentes

Leia mais

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO OPERAÇÕES DE DESMATAÇÃO, DESARBORIZAÇÃO E APLICAÇÃO DE FITOFARMACÊUTICOS

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO OPERAÇÕES DE DESMATAÇÃO, DESARBORIZAÇÃO E APLICAÇÃO DE FITOFARMACÊUTICOS Página 1 de 9 0 CONTROLO DE REVISÕES... 2 1 OBJECTIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO... 2 2 REFERÊNCIAS... 2 3 DEFINIÇÕES... 2 4 ABREVIATURAS... 3 5 PROCEDIMENTO... 3 5.1 NECESSIDADE DE DESARBORIZAÇÃO OU DESMATAÇÃO...

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL EDITAL CANDIDATURA AOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS (CTeSP) 2015 CONDIÇÕES DE ACESSO 1. Pdem candidatar-se a acess de um Curs Técnic Superir Prfissinal (CTeSP) da ESTGL tds s que estiverem

Leia mais

Zoneamento Caraguatatuba (Lei Complemen

Zoneamento Caraguatatuba (Lei Complemen Zneament Caraguatatuba (Lei Cmplemen Zna (art. 105) Características Macrzna de Prteçã Ambiental (MSPA) A Macrzna de Prteçã Ambiental / MZPA é cnstituída pel Parque Estadual da Serra d Mar Núcle Caraguatatuba.

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N 379, DE 19 DE OUTUBRO DE 2006 Cria e regulamenta sistema de dads e infrmações sbre a gestã flrestal n âmbit d Sistema Nacinal

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/6 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ABATE E DESRAME DE ÁRVORES 2 DESCRIÇÃO As tarefas de abate e desrame de árvres estã habitualmente relacinadas cm s seguintes trabalhs Levantaments

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Prgrama de Desenvlviment Rural d Cntinente para 2014-2020 Medida 7 AGRICULTURA e RECURSOS NATURAIS Açã 7.1 AGRICULTURA BIOLÓGICA Enquadrament Regulamentar Artig 29º - Agricultura bilógica d Regulament

Leia mais

PROJETO CADASTRO DE FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUA SUBTERRÂNEA

PROJETO CADASTRO DE FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUA SUBTERRÂNEA IINNTTRRODDUUÇÇÃÃO I As decisões sbre a implementaçã de ações de cnvivência cm a seca exigem cnheciment básic sbre a lcalizaçã, caracterizaçã e dispnibilidade das fntes de água superficiais e subterrâneas.

Leia mais

N O T A J U S T I F I C AT I V A. À existência de alguns equipamentos que vieram contribuir para um maior afluxo de trânsito

N O T A J U S T I F I C AT I V A. À existência de alguns equipamentos que vieram contribuir para um maior afluxo de trânsito Página 1 de 15 N O T A J U S T I F I C AT I V A Atendend: A aument de númer de viaturas em circulaçã À alteraçã da circulaçã em algumas vias e lcais À existência de alguns equipaments que vieram cntribuir

Leia mais

Gestão de SHST e Ambiente. Regras de Qualidade, Ambiente e Segurança aplicáveis às entidades externas

Gestão de SHST e Ambiente. Regras de Qualidade, Ambiente e Segurança aplicáveis às entidades externas 1 / 7 I. OBJETIVO E ÂMBITO Este dcument estabelece as regras de Segurança n Trabalh e Ambiente aplicáveis a entidades que venham a desenvlver actividades dentr da RESIESTRELA, em regime de cntrat, prestaçã

Leia mais

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal INDICE DE PREÇOS TURISTICO Desenvlvid n quadr d Prgrama Cmum de Estatística CPLP cm api técnic d INE de Prtugal Estrutura da Apresentaçã INTRODUÇÃO. METODOLOGIA. FORMA DE CÁLCULO. PROCESSO DE TRATAMENTO.

Leia mais

ANA, Aeroportos de Portugal, S.A. Plano de Acções de Gestão e Redução de Ruído para o Aeroporto de Lisboa Resumo Não-Técnico

ANA, Aeroportos de Portugal, S.A. Plano de Acções de Gestão e Redução de Ruído para o Aeroporto de Lisboa Resumo Não-Técnico ANA, Aerprts de Prtugal, S.A. Plan de Acções de Gestã e Reduçã de Ruíd para Aerprt de Lisba Resum Nã-Técnic Janeir 2014 Aerprt de lisba Plan de Ações de Gestã e Reduçã de Ruíd 2013-2018 Cnteúd CONTEÚDO...

Leia mais

Gestão ambiental de zonas de amortecimento de unidades de conservação em áreas urbanas

Gestão ambiental de zonas de amortecimento de unidades de conservação em áreas urbanas Gestã ambiental de znas de amrteciment de unidades de cnservaçã em áreas urbanas Marta Feppel Ribeir Instituiçã: Universidade d Estad d Ri de Janeir IVIG/COPPE/Universidade Federal d Ri de Janeir Email:

Leia mais

DECLARA çã o DE.IMP A CTE AMBIENT AL

DECLARA çã o DE.IMP A CTE AMBIENT AL Anex: MINIsTÉRIO DAS CrnADES, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE Gabinete d Secretári de Estad d Ambiente e Ordenament d Tern"tóri DECLARA çã DE.IMP A CTE AMBIENT AL "LINHA ALQUEV A -FRONTEIRA ESPANHOLA,

Leia mais

Direitos e Obrigações no âmbito dos Acidentes Profissionais e Doenças Profissionais

Direitos e Obrigações no âmbito dos Acidentes Profissionais e Doenças Profissionais Cmunicaçã Direits e Obrigações n âmbit ds Acidentes Prfissinais e Denças Prfissinais Direits e Obrigações n âmbit ds Acidentes Prfissinais e Denças Prfissinais (Lei nº 98/2009 de 4 de Setembr) 1- QUEM

Leia mais

UHE SANTO ANTONIO. MARGEM ESQUERDA Análise crítica: Guilherme Todt S D- RT- 0063-13 00

UHE SANTO ANTONIO. MARGEM ESQUERDA Análise crítica: Guilherme Todt S D- RT- 0063-13 00 UHE SANTO ANTONIO Titul: Dcument N. Rev. RELATÓRIO DE DESMOBILIZAÇÃO DO 3 MODULO DA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTE (ETE)- S D- RT- 0063-13 00 Elabraçã: Tarcis Camil MARGEM ESQUERDA Análise crítica:

Leia mais

SI Inovação Projectos de Empreendedorismo Qualificado Aviso nº 6/SI/2011

SI Inovação Projectos de Empreendedorismo Qualificado Aviso nº 6/SI/2011 Objectiv Tiplgia SI Invaçã Prjects de Empreendedrism Qualificad Avis nº 6/SI/2011 Prmver a invaçã n tecid empresarial através d estímul a empreendedrism qualificad. Api à criaçã de empresas nvas u nascentes

Leia mais

AVISO. operações urbanísticas, que evoluirá até à desmaterialização total, num curto espaço de tempo,

AVISO. operações urbanísticas, que evoluirá até à desmaterialização total, num curto espaço de tempo, AVISO NORMAS DE INSTRUÇÃO DE PROCESSOS EM FORMATO DIGITAL A Câmara Municipal de Viseu vai iniciar, n próxim dia 5 de Janeir de 2015, a implementaçã da tramitaçã eletrónica ds prcesss de licenciament/admissã

Leia mais

Regime de Exercício da Atividade Industrial (REAI)

Regime de Exercício da Atividade Industrial (REAI) Relatóri de dads estatístics Regime de Exercíci da Atividade Industrial (REAI), IP Relatóri de indicadres estatístics d REAI Períd de 29/01/2009 a 31/01/2012 1 Títul: Relatóri de dads estatístics d Regime

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS REALIZAR MANUTENÇÃO PREDIAL

MANUAL DE PROCEDIMENTOS REALIZAR MANUTENÇÃO PREDIAL Códig: MAP-DILOG-002 Versã: 00 Data de Emissã: 01/01/2013 Elabrad pr: Gerência de Instalações Aprvad pr: Diretria de Lgística 1 OBJETIVO Estabelecer cicl d prcess para a manutençã predial crretiva e preventiva,

Leia mais

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO 1. PREÂMBULO... 1 2. NATUREZA E OBJECTIVOS... 1 3. MODO DE FUNCIONAMENTO... 2 3.1 REGIME DE ECLUSIVIDADE... 2 3.2 OCORRÊNCIAS... 2 3.3

Leia mais

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2 EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL REGULAMENTO ESPECÍFICO: EQUIPAMENTOS PARA A COESÃO LOCAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2 Ns terms d regulament específic Equipaments para a Cesã Lcal,

Leia mais

WORKSHOP 1 Critérios ambientais e sociais na contratação: Como fazer?

WORKSHOP 1 Critérios ambientais e sociais na contratação: Como fazer? WORKSHOP 1 Critéris ambientais e sciais na cntrataçã: Cm fazer? Paula Trindade Investigadra LNEG Crdenadra Building SPP Helena Esteván EcInstitut Tratad da Uniã Eurpeia Princípis: Livre mviment de bens

Leia mais

Curso Profissional de Técnico Auxiliar de Saúde

Curso Profissional de Técnico Auxiliar de Saúde Curs Prfissinal de Técnic Auxiliar de Saúde Planificaçã Anual de Higiene, Segurança e Cuidads Gerais An Letiv 2014/2015 Códig Módul Cnteúds - - Apresentaçã 17/09/14 - - Avaliaçã Diagnóstica Inicial 6572

Leia mais

Cm Criar Seu Própri Empreg em Apenas 5 Passs 1 1º Pass: A IDEIA 2º Pass: O CONTACTO COM VÁRIAS INSTITUIÇÕES E ENTIDADES 3º Pass: PLANO DE NEGÓCIOS 4º Pass: CRIAÇÃO DA EMPRESA E INÍCIO DE ACTIVIDADE 5º

Leia mais

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco Orientações e Recmendações Orientações relativas à infrmaçã periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de ntaçã de risc 23/06/15 ESMA/2015/609 Índice 1 Âmbit de aplicaçã... 3 2 Definições... 3 3 Objetiv

Leia mais

RELATOR: Senador EUNÍCIO OLIVEIRA

RELATOR: Senador EUNÍCIO OLIVEIRA De Plenári, err1 substituiçã à COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sbre Prjet de Lei da Câmara 209, de 2015, de autria d Deputad Aeltn Freitas, que altera a Lei n 8.906, de 4 de julh de 1994

Leia mais

Uma nova proposta para a Agenda Ambiental Portuária

Uma nova proposta para a Agenda Ambiental Portuária Uma nva prpsta para a Agenda Ambiental Prtuária Marcs Maia Prt Gerente de Mei Ambiente O grande desafi a tratar cm as questões ambientais prtuárias é bter um resultad equilibrad que harmnize s cnflits

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 Tend presente a Missã da Federaçã Prtuguesa de Autism: Defesa incndicinal ds direits das pessas cm Perturbações d Espectr d Autism e suas famílias u representantes. Representaçã

Leia mais

AEPSA. Audição sobre as PPL 123/XII (GOV) e 125/XII (GOV) COMISSÃO DE AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E PODER LOCAL

AEPSA. Audição sobre as PPL 123/XII (GOV) e 125/XII (GOV) COMISSÃO DE AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E PODER LOCAL AEPSA Audiçã sbre as PPL 123/XII (GOV) e 125/XII (GOV) COMISSÃO DE AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E PODER LOCAL 13 de Març de 2013 AGENDA 1. Apresentaçã da AEPSA a) A AEPSA em Prtugal b) Estratégia

Leia mais

MODIFICAÇÕES AO ORÇAMENTO DA DESPESA

MODIFICAÇÕES AO ORÇAMENTO DA DESPESA ENTIDADE MDIFICAÇÕES A RÇAMENT DA Pagina: 1 TTAL DE ALTERAÇÕES : 13 CMVC TTAL DE REVISÕES : 2 D AN CNTABILISTIC DE 2014 ATÉ À DATA : 2014/12/31 IDENTIFICAÇÃ DAS RUBRICAS MDIFICAÇÕES RÇAMENTAIS DTAÇÕES

Leia mais

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES CIRCULAR AC Nº 07/2015

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES CIRCULAR AC Nº 07/2015 BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES CIRCULAR AC Nº 07/2015 Atualiza a Lista de Prduts, Linhas e Prgramas Passíveis de Outrga de Garantia pel Fund Garantidr para Investiments FGI.

Leia mais

TEXTOS COMPLEMENTARES 1 DESTACAMENTO DE TRABALHADORES

TEXTOS COMPLEMENTARES 1 DESTACAMENTO DE TRABALHADORES TEXTOS COMPLEMENTARES 1 DESTACAMENTO DE TRABALHADORES 2.7. Destacament de Trabalhadres Frma e cnteúd de cntrat cm trabalhadr estrangeir u apátrida N art.º 5 d CT (Capítul II - Lei 7/2009 de 12/02) cntrat

Leia mais

QUESTÕES SIGNIFICATIVAS DA GESTÃO DA ÁGUA

QUESTÕES SIGNIFICATIVAS DA GESTÃO DA ÁGUA QUESTÕES SIGNIFICATIVAS DA GESTÃO DA ÁGUA REGIÃO HIDROGRÁFICA DO TEJO PARTICIPAÇÃO PÚBLICA Janeir, 2009 Cnhece a Directiva Quadr da Água e a Lei da Água? A Directiva 2000/60/CE, d Parlament Eurpeu e d

Leia mais

As capitais mais populosas do país

As capitais mais populosas do país 1 a Questã: (2,0 pnts) G a b a r i t G e g r a f i a O mapa apresenta as sete maires capitais d Brasil, em ppulaçã. Se, pr um lad, algumas dessas capitais cnfirmam tendências histricamente cnsagradas na

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da Comissão de Acompanhamento, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da Comissão de Acompanhamento, sendo composto por duas partes: DOC. CA/N/15/08 PROGRAMA OPERACIONAL ALENTEJO EIXO 2 DESENVOLVIMENTO URBANO E EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL INSTRUMENTO: MOBILIDADE TERRITORIAL O presente dcument suprta a apreciaçã d

Leia mais

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social Anex 03 Recmendaçã nº 3: estatut padrã, estatut fundamental e cntrat scial 1. Resum 01 Atualmente, Estatut da Crpraçã da Internet para a atribuiçã de nmes e númers (ICANN) tem um mecanism únic para alterações.

Leia mais

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL DEPARTAMENTO DO RIO DE JANEIRO

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL DEPARTAMENTO DO RIO DE JANEIRO 52ª PREMIAÇÃO ANUAL IAB RJ EDITAL 2014 INTRODUÇÃO O Institut de Arquitets d Brasil - IAB-RJ cnvca arquitets e urbanistas a participarem da 52ª Premiaçã Anual ds Arquitets que, em 2014, agrega às categrias

Leia mais

GUIA COMPRAR CASA. Faça um estudo dos preços praticados na zona escolhida, de forma a estar preparado para negociar a compra.

GUIA COMPRAR CASA. Faça um estudo dos preços praticados na zona escolhida, de forma a estar preparado para negociar a compra. GUIA COMPRAR CASA Esclha da Casa 1. Esclha da Zna Esclha a zna gegráfica nde pretende cmprar casa, tend em atençã aspects relacinads cm equipaments sciais existentes, cm cnsultóris médics, hspitais, esclas,

Leia mais

Agenda: 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 3 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 5

Agenda: 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 3 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 5 Agenda: Event Sage AEBB Legislaçã inventári permanente (reduçã ds limites) Cnfigurações inventári permanente (ligaçã à CTB) O inventári a 31 de dezembr (imprtância d cntrl stcks, sage inventáris cntagem

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Prgrama de Desenvlviment Rural d Cntinente para 2014-2020 Medida 7 AGRICULTURA e RECURSOS NATURAIS Açã 7.3 PAGAMENTOS REDE NATURA Enquadrament Regulamentar Artigs d Regulament (UE) n.º 1305/2013, d Cnselh

Leia mais

Acção 3.1.2. Criação e Desenvolvimento de Microempresas

Acção 3.1.2. Criação e Desenvolvimento de Microempresas A Eurpa investe nas Znas Rurais Acçã 3.1.2. Criaçã e Desenvlviment de Micrempresas Âmbit Criaçã e desenvlviment de micrempresas cuj ram de actividade pderá ser alv de delimitaçã n âmbit ds Plans de Desenvlviment

Leia mais

Alteração à Linha de Crédito para apoio às Empresas de Produção, Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas, Pecuários e Florestais

Alteração à Linha de Crédito para apoio às Empresas de Produção, Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas, Pecuários e Florestais Inf - Estruturas Infrmaçã Mensal d Sectr Linha de Crédit PME 2009 Alteraçã à Linha de Crédit para api às Empresas de Prduçã, Transfrmaçã e Cmercializaçã de Prduts Agríclas, Pecuáris e Flrestais A Linha

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

As ferramentas SIG na análise e planeamento da inclusão. João Pereira Santos

As ferramentas SIG na análise e planeamento da inclusão. João Pereira Santos As ferramentas SIG na análise e planeament da inclusã Jã Pereira Sants 1 Agenda Apresentaçã Intergraph Evluçã SIGs Prjects SIGs Exempls Questões 2 Apresentaçã Intergraph Fundada em 1969, cm nme de M&S

Leia mais

Termo de Referência para Elaboração do Relatório Ambiental Prévio (RAP)

Termo de Referência para Elaboração do Relatório Ambiental Prévio (RAP) Term de Referência para Elabraçã d Relatóri Ambiental Prévi (RAP) O Relatóri Ambiental Prévi é um estud técnic elabrad pr um prfissinal habilitad u mesm equipe multidisciplinar que ferece elements para

Leia mais

CHIPRE Unido na Diversidade A UNIÃO EUROPEIA E OS DESAFIOS DO SÉCULO XX

CHIPRE Unido na Diversidade A UNIÃO EUROPEIA E OS DESAFIOS DO SÉCULO XX CHIPRE Unid na Diversidade A UNIÃO EUROPEIA E OS DESAFIOS DO SÉCULO XX CHIPRE Um país, duas bandeiras CHIPRE Um país dividid CHIPRE- Um país dividid REPUBLICA DE CHIPRE Capital: Nicósia Territóri: 5.895

Leia mais

ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL DO APROVEITAMENTO HIDROELÉCTRICO DO ALVITO. EDP - Gestão da Produção de Energia, S.A. RESUMO NÃO TÉCNICO

ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL DO APROVEITAMENTO HIDROELÉCTRICO DO ALVITO. EDP - Gestão da Produção de Energia, S.A. RESUMO NÃO TÉCNICO ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL DO APROVEITAMENTO HIDROELÉCTRICO DO ALVITO EDP - Gestã da Prduçã de Energia, S.A. RESUMO NÃO TÉCNICO Nvembr 2009 1 O Prcess de Avaliaçã Enquadrament d Estud de Impacte Ambiental

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO PORTO

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO PORTO FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO PORTO C e n t r d e I n f r m á t i c a NORMAS DE UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA A FMUP dispõe de salas e labratóris de infrmática gerids pel Centr

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações SAZONALIZAÇÃO DE CONTRATO INICIAL E DE ENERGIA ASSEGURADA PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para

Leia mais

Objeto de Avaliação Caraterísticas e Estrutura Critérios Gerais de Classificação. Tipologia / nº itens. A prova está organizada em cinco grupos:

Objeto de Avaliação Caraterísticas e Estrutura Critérios Gerais de Classificação. Tipologia / nº itens. A prova está organizada em cinco grupos: ESCOLA SECUNDÁRIA PADRE BENJAMIM SALGADO An Letiv 2011/2012 INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Disciplina: Bilgia - Códig 302 Nível de Ensin: Secundári Frmaçã: Específica Mdalidade: Prva Escrita

Leia mais

GUIA DOS CARTÕES DE CREDITO BUSINESS / BUSINESS TRADE / BUSINESS GOLD

GUIA DOS CARTÕES DE CREDITO BUSINESS / BUSINESS TRADE / BUSINESS GOLD GUIA DOS CARTÕES DE CREDITO BUSINESS / BUSINESS TRADE / BUSINESS GOLD Índice Identificaçã e Utilizaçã Infrmações Úteis Segurs Assciads Serviçs Assciads Telefnes úteis Cuidads a ter cm seu cartã Identificaçã

Leia mais

Consulta Serviços de conceção e desenvolvimento criativo, produção e montagem do Fórum PORTUGAL SOU EU

Consulta Serviços de conceção e desenvolvimento criativo, produção e montagem do Fórum PORTUGAL SOU EU Cnsulta Serviçs de cnceçã e desenvlviment criativ, prduçã e mntagem d Fórum PORTUGAL SOU EU Julh 2014 Cnteúd 1. Intrduçã... 2 2. Enquadrament... 2 3. Públic-Alv... 2 4. Objetivs da Cnsulta... 3 5. Cndições

Leia mais

Turismo Sénior. Outono / Inverno 2011-12. Benalmadena Benidorm Maiorca

Turismo Sénior. Outono / Inverno 2011-12. Benalmadena Benidorm Maiorca Turism Sénir Outn / Invern 2011-12 Benalmadena Benidrm Mairca Entidades envlvidas Oriznia é descbrir e desfrutar. É fazer cm a cnfiança que smente uma rganizaçã líder n sectr turístic ibéric pde ferecer.

Leia mais

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização CIRCULAR Data: 2007/10/10 Númer d Prcess: DSDC/DEPEB/2007 Assunt: GESTÃO DO CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007 Para: Inspecçã-Geral de Educaçã Direcções Reginais de Educaçã

Leia mais

Este documento tem como objetivo definir as políticas referentes à relação entre a Sioux e seus funcionários.

Este documento tem como objetivo definir as políticas referentes à relação entre a Sioux e seus funcionários. OBJETIVO Este dcument tem cm bjetiv definir as plíticas referentes à relaçã entre a Siux e seus funcináris. A Siux se reserva direit de alterar suas plíticas em funçã ds nvs cenáris da empresa sem avis

Leia mais

Seminário de Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Seminário de Gestão Resíduos Sólidos Urbanos Seminári de Gestã Resídus Sólids Urbans EKOS 2015 Brasília, 27 de agst de 2015 Área de Mei Ambiente Martin Inguville martin.inguville@bndes.gv.br O Resídu Sólid Urban é apenas um ds tips de resídus, embra

Leia mais

Desafios e Oportunidades. Os Planos de Gestão de Riscos de Inundações (PGRI)

Desafios e Oportunidades. Os Planos de Gestão de Riscos de Inundações (PGRI) Desafis e Oprtunidades. Os Plans de Gestã de Riscs de Inundações (PGRI) Cláudia Brandã e Jsé Salvad Divisã d Estad das Dispnibilidades Hídricas 5/02/2015 O QUE SE COMENTA SOBRE AS CHEIAS OU INUNDAÇÕES

Leia mais

AGÊNCIA REGULADORA DE AGUAS, ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL

AGÊNCIA REGULADORA DE AGUAS, ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL AGÊNCIA REGULADORA DE AGUAS, ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL PUBLICADA NO DODF Nº 158 DE 05 DE AGOSTO DE 2014 ALTERADA POR MEIO DA PORTARIA Nº 112, DE 13 DE AGOSTO DE 2014, PUBLICADA NO

Leia mais

DÚVIDAS SOBRE OS BENEFÍCIOS ATRIBUÍDOS AOS ANTIGOS COMBATENTES?

DÚVIDAS SOBRE OS BENEFÍCIOS ATRIBUÍDOS AOS ANTIGOS COMBATENTES? DÚVIDAS SOBRE OS BENEFÍCIOS ATRIBUÍDOS AOS ANTIGOS COMBATENTES? ÂMBITO PESSOAL O regime jurídic d serviç militar prestad em cndições especiais de dificuldade u perig, aprvad pela Lei n.º 9/2002, de 11

Leia mais

Ambas as provas terminam na Reitoria da Universidade de Aveiro.

Ambas as provas terminam na Reitoria da Universidade de Aveiro. REGULAMENTO CORRIDA SOLIDÁRIA BOSCH 2015 1. DENOMINAÇÃO A Bsch em Prtugal, representada pela Bsch Termtecnlgia, S.A, em Aveir, em parceria cm as Câmaras Municipais de Aveir e Ílhav, a Assciaçã Industrial

Leia mais

2. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias. Síntese dos termos e condições gerais da Linha de Crédito PME Crescimento. Condições genéricas:

2. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias. Síntese dos termos e condições gerais da Linha de Crédito PME Crescimento. Condições genéricas: 2. Cndições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Síntese ds terms e cndições gerais da Linha de Crédit PME Cresciment ( presente dcument identifica as principais características da Linha de Crédit PME

Leia mais

Estratégias de Conservação da Biodiversidade

Estratégias de Conservação da Biodiversidade Estratégias de Cnservaçã da Bidiversidade Estratégia Glbal De entre tds esses prcesss internacinais desenvlvids será de destacar decrrid após a Cnferência de Estclm, de 1972, que daria lugar à criaçã d

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSOS ESPECIAIS DE ACESSO E INGRESSO MINISTRADOS NO IPP NO ENSINO SUPERIOR NOS CURSOS

REGULAMENTO CONCURSOS ESPECIAIS DE ACESSO E INGRESSO MINISTRADOS NO IPP NO ENSINO SUPERIOR NOS CURSOS REGULAMENTO CONCURSOS ESPECIAIS DE ACESSO E INGRESSO NO ENSINO SUPERIOR NOS CURSOS MINISTRADOS NO IPP JULHO 2010 ÍNDICE CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS Object... 3 Âmbit bjectiv... 3 Âmbit subjectiv...

Leia mais

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal.

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal. SIUPI SISTEMA DE INCENTIVOS À UTILIZAÇÃO DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL FICHA DE MEDIDA Apia prjects que visem estimular investiment em factres dinâmics de cmpetitividade, assciads à invaçã tecnlógica, a design

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para Prcediment de Cmercializaçã. Inserid

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Prgrama de Desenvlviment Rural d Cntinente para 2014-2020 Medida 7 AGRICULTURA e RECURSOS NATURAIS Açã 7.8 RECURSOS GENÉTICOS Enquadrament Regulamentar Artigs d Regulament (UE) n.º 1305/2013, d Cnselh

Leia mais

Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos 'n.tltuto do Daf'a do Maio

Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos 'n.tltuto do Daf'a do Maio IDt:MJ\ Gvern d Estad d Ri Grande d Nrte Secretaria de Estad d Mei Ambiente e ds Recurss Hídrics 'n.tltut d Daf'a d Mai Ambient d Ri Grande d Nrt Ofici n 1092/2008-DG Natal. 4 de setembr de 2008. À Senhra

Leia mais

Software Development Kit (SDK) do Microsoft Kinect para Windows

Software Development Kit (SDK) do Microsoft Kinect para Windows Sftware Develpment Kit (SDK) d Micrsft Kinect para Windws Os presentes terms de licenciament cnstituem um cntrat entre a Micrsft Crpratin (u dependend d país em que reside uma das respetivas empresas afiliadas)

Leia mais

AVISO CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS

AVISO CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL SUSTENTABILIDADE E EFICIÊNCIA NO USO DE RECURSOS (PO SEUR) EIXO PRIORITÁRIO 3 PROTEGER O AMBIENTE E PROMOVER A EFICIÊNCIA DOS RECURSOS

Leia mais

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR ESTABELECIMENTO EMPRESARIAL (Ponto 5) Prof. João Glicério de Oliveira Filho

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR ESTABELECIMENTO EMPRESARIAL (Ponto 5) Prof. João Glicério de Oliveira Filho ESTABELECIMENTO EMPRESARIAL (Pnt 5) Prf. Jã Glicéri de Oliveira Filh I. Nções gerais - Máquina de trabalh d empresári - França - Fund de cmérci - Itália - Azienda - Navarrini - "Cmplex de frças ecnômicas

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações SAZONALIZAÇAO DE CONTRATO DE LEILÃO DE VENDA EDITAL DE LEILÃO Nº 001 / 2002 - MAE PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment

Leia mais

MTur Sistema Artistas do Turismo. Manual do Usuário

MTur Sistema Artistas do Turismo. Manual do Usuário MTur Sistema Artistas d Turism Manual d Usuári Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESCRIÇÃO DO SISTEMA... 3 3. ACESSAR O SISTEMA... 4 4. UTILIZANDO O SISTEMA... 9 4.1. CADASTRAR REPRESENTANTE... 9 4.2. CADASTRAR

Leia mais

PARCERIA PÚBLICO PRIVADA SETOR HABITACIONAL JARDINS MANGUEIRAL

PARCERIA PÚBLICO PRIVADA SETOR HABITACIONAL JARDINS MANGUEIRAL PARCERIA PÚBLICO PRIVADA SETOR HABITACIONAL JARDINS MANGUEIRAL Jardins Mangueiral Primeira Parceria Públic-Privada d Brasil Jardins Mangueiral Famílias beneficiadas: 8.000. Casas de dis e três quarts

Leia mais

MAN{FESTAÇÃO TÉCNICA SUPERINTENDÊNCIA DE MEIO AMBIENTE/SEMAR/PI

MAN{FESTAÇÃO TÉCNICA SUPERINTENDÊNCIA DE MEIO AMBIENTE/SEMAR/PI TERRA QUERDA GOVERNO 00 ESTADO Secretria d Mei Ambiente e Recurss Hídrics d Estad d Piauí MAN{FESTAÇÃO TÉCNCA SUPERNTENDÊNCA DE MEO AMBENTESEMARP ASSUNTO Manifestaçã técnica da SEMARP cm relaçã à sbrepsiçã

Leia mais

MENSAGEM Nº 458, DE 30 DE JUNHO DE 2008.

MENSAGEM Nº 458, DE 30 DE JUNHO DE 2008. MENSAGEM Nº 458, DE 30 DE JUNHO DE 2008. Senhr Presidente d Senad Federal, Cmunic a Vssa Excelência que, ns terms d 1 d art. 66 da Cnstituiçã, decidi vetar parcialmente, pr incnstitucinalidade e cntrariedade

Leia mais

SI à Qualificação e Internacionalização de PME Projectos Individuais e de Cooperação Aviso nº 7/SI/2011

SI à Qualificação e Internacionalização de PME Projectos Individuais e de Cooperação Aviso nº 7/SI/2011 Objectiv Tiplgia SI à Qualificaçã e Internacinalizaçã de PME Prjects Individuais e de Cperaçã Avis nº 7/SI/2011 Prmçã da cmpetitividade das empresas através d aument da prdutividade, da flexibilidade e

Leia mais

H. Problemas/outras situações na ligação com a Segurança Social;

H. Problemas/outras situações na ligação com a Segurança Social; Mdel de Cmunicaçã Certificads de Incapacidade Temprária Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes n âmbit ds CIT Certificads de Incapacidade Temprária.

Leia mais

REN Rede Eléctrica Nacional, S.A. MAXIPRO Engenharia, S.A.

REN Rede Eléctrica Nacional, S.A. MAXIPRO Engenharia, S.A. REN Rede Eléctrica Nacinal, S.A. MAXIPRO Engenharia, S.A. EIA d Eix da RNT entre Carrapatel, Fridã, Ribeira de Pena e Vila Puca de Aguiar, a 400kV - Refrmulaçã ds trçs 4, 5, 6 e 10 e das lcalizações para

Leia mais

Procedimentos para aceitação de materiais e equipamentos fornecidos à EDP Distribuição

Procedimentos para aceitação de materiais e equipamentos fornecidos à EDP Distribuição Julh 2010 Prcediments para aceitaçã de materiais e equipaments frnecids à EDP Distribuiçã DGF/Departament Gestã de Materiais e Equipaments Prcediments para aceitaçã de materiais e equipaments frnecids

Leia mais

Geoprocessamento no gerenciamento das malhas fundiárias das Unidades de Conservação Federais

Geoprocessamento no gerenciamento das malhas fundiárias das Unidades de Conservação Federais MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE-ICMBi DIRETORIA DE AÇÕES SOCIOAMBIENTAIS E CONSOLIDAÇÃO TERRITORIAL EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO-DISAT COORDENAÇÃO GERAL

Leia mais

(1) (2) (3) Estágio II Semestral 6 Inovação e Desenvolvimento de Produtos Turísticos

(1) (2) (3) Estágio II Semestral 6 Inovação e Desenvolvimento de Produtos Turísticos Estági II Semestral 6 Invaçã e Desenvlviment de Prduts Turístics Desenvlviment e Operacinalizaçã de Prjects Turístics Inglês Técnic IV Legislaçã e Ética d Turism Opçã Semestral 4 6/6 Sistemas de Infrmaçã

Leia mais

O projeto Key for Schools PORTUGAL

O projeto Key for Schools PORTUGAL O prjet Key fr Schls PORTUGAL O teste Key fr Schls O teste Key fr Schls é cncebid para aplicaçã em cntext esclar e está de acrd cm Quadr Eurpeu Cmum de Referência para as Línguas O teste Key fr Schls permite

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 12/2005, DE 03 DE NOVEMBRO DE 2005

RESOLUÇÃO N o 12/2005, DE 03 DE NOVEMBRO DE 2005 RESOLUÇÃO N 12/2005, DE 03 DE NOVEMBRO DE 2005 Aprva Regiment da Bibliteca Universitária - Sistema de Biblitecas da UFMG, e revga a Resluçã n 27/93, de 22/12/93, que aprvu Regiment da Bibliteca Universitária.

Leia mais

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000 GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisã: 000 A Mercur S.A., empresa estabelecida desde 1924, se precupa em cnduzir as suas relações de acrd cm padrões étics e cmerciais, através d cumpriment da legislaçã

Leia mais

Plano Director Municipal do Paúl Cabo Verde

Plano Director Municipal do Paúl Cabo Verde Plan Directr Municipal d Paúl Cab Verde Paúl cnstitui mais pequen municípi da mntanhsa ilha de Sant Antã, em Cab Verde. Distante ds maires centrs urbans d País, de difícil acess e lnge ds principais destins

Leia mais

Legenda da Mensagem de Resposta à Verificação de Elegibilidade (respostaelegibilidade)

Legenda da Mensagem de Resposta à Verificação de Elegibilidade (respostaelegibilidade) Legenda da Mensagem de Respsta à Verificaçã de Elegibilidade (respstaelegibilidade) Mensagem : Respta à verificaçã de elegibilidade (respstaelegibilidade) - Flux : Operadra para Prestadr Códig da mensagem

Leia mais

Data: 17 de Outubro de 2011

Data: 17 de Outubro de 2011 Títul: AIA2442 Linhas de Muit Alta Tensã a 400 kv e Psts de Crte da Iberdrla na regiã d Alt Tâmega Autria: Agência Prtuguesa d Ambiente Gabinete de Avaliaçã de Impactes Ambientais August Serran Data: 17

Leia mais

Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa

Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa Inventári de Emissões de Gases de Efeit Estufa CEDS BRAVO 2011 Objetivs d inventári Cumprir exigências externas/internas Identificar, quantificar e relatar as principais emissões de GEE Implementar ações

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS QUESTIONÁRIO PARA O DIAGNÓSTICO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

PLANO MUNICIPAL DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS QUESTIONÁRIO PARA O DIAGNÓSTICO DE RESÍDUOS SÓLIDOS PLANO MUNICIPAL DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS QUESTIONÁRIO PARA O DIAGNÓSTICO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Janeir/2014 1 PMIJ08012014 Sã Paul, 08 de Janeir de 2014. À PREFEITURA MUNICIPAL DE xyxyxyxyxyxyxy

Leia mais

Resumo Executivo - Funcionalidades 1 INTRODUÇÃO

Resumo Executivo - Funcionalidades 1 INTRODUÇÃO 1 INTRODUÇÃO A crescente cmplexidade ds prjets, a quantidade de infrmaçã que lhes está assciada e aument d númer de intervenientes n prcess cnstrutiv, transfrmaram a indústria da cnstruçã numa indústria

Leia mais