Relatório de Atividades 2013

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório de Atividades 2013"

Transcrição

1 Relatório de Atividades 2013 Relatório de Atividades Filantrópicas referente ao ano de 2013 Fevereiro de

2 SUMÁRIO Sobre o Viva Rio... 3 SEGURANÇA HUMANA... 4 ASSISTÊNCIA MEIO AMBIENTE EDUCAÇÃO COMUNICAÇÃO VOLUNTARIADO ANEXO ANEXO

3 Sobre o Viva Rio O Viva Rio nasceu em resposta ao clima de insegurança e indignação que permeava a cidade do Rio de Janeiro. Em julho de 1993, oito meninos de rua foram assassinados em frente à Igreja da Candelária, no centro da cidade. No mês seguinte, um grupo de policiais militares entrou na favela de Vigário Geral e matou 21 pessoas. Sob o impacto dessas tragédias, um grupo de 40 pessoas, vindas de diversos setores da sociedade, se reuniu em torno de uma pergunta: O que nós, cidadãos, podemos fazer?. Em 1995, o Viva Rio tornou-se uma Organização não Governamental, sem fins lucrativos. Assim, pôde dedicar-se com mais eficiência à implementação de projetos que demonstram que soluções para a violência são viáveis e estão ao nosso alcance (dos nossos governos e da sociedade). Desde então, atua no interior de comunidades de baixa renda e, particularmente, em áreas violentas. Desenvolve pesquisas; produz campanhas de mobilização popular; executa projetos e trabalha para propor e acompanhar o desenvolvimento de políticas públicas. Desde 1999, passou a agir também em escala Internacional. Hoje, seja no tema da violência juvenil, da reforma das instituições de segurança, ou da reabilitação dos espaços urbanos, o Viva Rio atua entre o local e o internacional, construindo redes de relacionamento entre diferentes atores e entidades. A partir das experiências vividas nas favelas do Rio de Janeiro, chega a outros contextos, em especial, a países da América Latina, Caribe e África. Missão do Viva Rio: Promover a cultura de paz e viabilizar a inclusão social. 3

4 SEGURANÇA HUMANA 4

5 1. Informações Técnicas 1.1. Área (Coordenação do Projeto) Segurança Humana 1.2. Nome do Projeto Projeto de Artes Marciais Faz Paz 1.3. Coordenador da Área Ubiratan Ângelo 1.4. Coordenador da Atividade Sandro Costa 1.5. Descrição das atividades/serviços Desenvolvidos O projeto visa aplicar cursos de artes marciais mistas para jovens residentes do território. Os cursos serão ministrados por professores com notório saber em lutas como jiu-jitsu, muay-thai, boxe, taekwondo e wrestiling. O intuito é enfatizar que as artes marciais, se corretamente aplicadas, podem ser uma opção saudável para o corpo e a mente, envolvendo conhecimentos disciplinares em prol de uma cultura de paz. Também objetiva promover a aproximação dos jovens das comunidades atendidas pelas equipes de saúde para permitir que sejam desenvolvidas ações para aperfeiçoar os conhecimentos básicos de diversos temas que impactam sobre a saúde das pessoas Objetivo Promover aulas de artes marciais, como Tae-Kwon-Do, Boxe e Muay-thai para jovens de 12 a 18 anos moradores das comunidades e adjacências; Identificar talentos em artes marciais para competições nacionais e internacionais das modalidades olímpicas e MMA (Artes Marciais Mistas), bem como fomentar a socialização, promover cidadania e a cultura de paz; Promover roda de conversas entre os alunos do Projeto e profissionais da Estratégia Saúde da Família sobre temas eleitos pelos profissionais de saúde, para a promoção da saúde e espaços saudáveis, utilizando o conceito mais ampliado de saúde; Valorizar o desenvolvimento local através de contratações de profissionais de artes marciais que sejam moradores das respectivas comunidades; 5

6 Prover os recursos materiais e humanos, bem como a adequação do espaço físico de cada local para permitir o desenvolvimento das artes marciais Período de realização 12 meses (período integral de 2013) 1.8. Resultados obtidos As atividades estão sendo desenvolvidas com sucesso, proporcionando os primeiros resultados nos campeonatos e a mudança comportamental dos frequentadores das atividades. Casa de Cultura Milton Santos Inscrições e manutenção das atividades desenvolvidas; participação dos alunos em campeonatos com excelentes resultados; ótima interação com a comunidade local Índice de desempenho Inscrições e manutenção de mais de 160 jovens para as modalidades de Jiu-Jitsu e Muaythai que estão distribuídos em 3 (três) turmas entre os turnos da manhã e tarde de 2ª a 6 feira; Acompanhamento do processo de compra de materiais para as atividades e uniformes; Inscrição e acompanhamento dos alunos aptos em campeonatos de Jiu-Jitsu e Muay-thai Público Alvo Jovens em situação de vulnerabilidade social residentes nas comunidades: Tabajaras, Costa Barros e Penha Número total de beneficiários atendidos 160 jovens atendidos Número de beneficiários atendidos de forma gratuita 100% Percentual da gratuidade parcial 0% Número de beneficiários atendidos de forma não gratuita 0% 2. Informações Financeiras 6

7 2.1. Financiador Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro 2.2. Orçamento R$ , Valor Recebido R$ ,00 3. Avaliação Final 3.1. Avaliação Final Os benefícios alcançados foram: Consolidação das parcerias comunitárias nos seguintes territórios: Sylvio Braunner Continuidade das atividades já desenvolvidas; Dante Romanó Inscrições e manutenção das atividades desenvolvidas. Portus e Quitanda Incorporação das atividades já realizadas nesta unidade para os projetos da variável-1. Casa de Cultura Milton Santos Inscrições e manutenção das atividades desenvolvidas; participação dos alunos em campeonatos com excelentes resultados; ótima interação com a comunidade local. João Barros Barreto Em parceria com a Unidade João Barros Barreto iniciou-se o Projeto FAZ PAZ MMA na quadra esportiva da Comunidade do Tabajaras em Botafogo. 7

8 1. Informações Técnicas 1.1. Área (Coordenação do Projeto) Segurança Humana 1.2. Nome do Projeto Plataforma de Expansão da Tecnologia Social do Rio de Janeiro (TSRIO) 1.3. Coordenador da Área Ubiratan Ângelo 1.4. Coordenador da Atividade Carlos Roberto Oliveira Cesar Fernandes 1.5. Descrição das atividades/serviços Desenvolvidos Sistematização do conhecimento social empírico acumulado no Estado do Rio de Janeiro, contribuindo para que se transforme numa Tecnologia Social passível de transferência para outros Estados e Regiões Objetivo Sistematização de boas práticas sociais realizadas no Estado do Rio de Janeiro nas últimas décadas, sob uma forma didática e atraente, propícia à sua disseminação Produção de manuais descritivos e aplicativos nos campos do Policiamento de Proximidade em Áreas sujeitas à Violência Armada; da Gestão de Resíduos Sólidos e da Geração de Bio Energia; da Educação Inclusiva de Jovens em situação de risco social; da Assistência Básica de Saúde em bairros pobres. Produção de material promocional que apresente os conteúdos acima referidos em linguagem amigável a formadores de opinião e operadores de políticas públicas. Construção de uma plataforma WEB para divulgação e implementação dos modelos de tecnologia social do Rio de Janeiro através de Crowdfunding e outras fontes de financiamento Período de realização Outubro de 2013 a Dezembro de

9 1.8. Resultados obtidos Entrevistas com especialistas sobre política da pacificação da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro (PMERJ). Coleta de informações sobre programas de intervenção para resolução de conflitos urbanos, especialmente em zonas de alta vulnerabilidade social. Além disso, o projeto coletou informações sobre gestão de biodigestores, especialmente os dados referentes a política usada na região serrana do Rio de Janeiro Índice de desempenho Até o momento, foram coletadas informações de 03 áreas em relação às 07 áreas incluídas no projeto. Porém o projeto ainda permanecerá ativo durante todo o ano de Calcula-se que o material coletado, até o momento, seja transcrito em cerca de 100 páginas Público Alvo Poder público de outros municípios e estados do Brasil. Além disso, o material desenvolvido poderá ser utilizado em outros países que possuem demandas semelhantes àquelas do território fluminense Número total de beneficiários atendidos Cerca de 8 pessoas entrevistas e 04 instituições atendidas pelo projeto Número de beneficiários atendidos de forma gratuita 100% Percentual da gratuidade parcial 0% Número de beneficiários atendidos de forma não gratuita 0% 2. Informações Financeiras 2.1. Financiador Cooperacion Andina de Fomento (CAF) 2.2. Orçamento US$ ,00 ou cerca de R$ ,00 9

10 2.3. Valor Recebido US$ ,00 3. Avaliação Final 3.1. Avaliação Final O projeto permanece na fase inicial, onde consultores estão coletando informações técnicas de especialistas em segurança pública, biodigestores e mediação de conflitos. Espera-se que nos próximos meses de 2014, o projeto inclua as áreas restantes e desenvolva a sistematização das tecnologias sociais. Por fim, o projeto apoiará a exportação desses conhecimentos para outras cidades, estados ou países. 10

11 1. Informações Técnicas 1.1. Área (Coordenação do Projeto) Segurança Humana 1.2. Nome do Projeto Curso de Cidadania e Responsabilidade para Policiais 1.3. Coordenador da Área Ubiratan Ângelo 1.4. Coordenador da Atividade Fabiano Monteiro 1.5. Descrição das atividades/serviços Desenvolvidos O curso proposto visa qualificar policiais envolvidos no processo de pacificação em territórios anteriormente dominados e influenciado pelas ações de traficantes de drogas na cidade do Rio de Janeiro Objetivo 1. Qualificar de 200 policiais que servirão como multiplicadores em questões relacionadas aos direitos humanos e ajudar a desenvolver uma integração entre a polícia ea sociedade em áreas pacificadas do Rio de Janeiro; Aumentar o compromisso dos atores inseridos no sistema de segurança pública, a fim de garantir os direitos humanos básicos para a população da área pacificada; Preparar material didático (áudio visual e textual) para estar disponível para a Polícia Militar PMERJ-Estado do Rio de Janeiro, com o objetivo de formar novos agentes policiais que atuam em áreas pacificadas e não pacificadas; Disseminar o debate sobre a participação dos órgãos de segurança pública no desenvolvimento local, especialmente com relação à: (1) a manutenção da paz social, (2) a coordenação na resolução de problemas locais, (3) a inclusão social dos jovens Período de realização Fevereiro de 2013 a Dezembro de Resultados obtidos O projeto capacitou 205 policiais atuantes em áreas pacificadas, habilitando-os para atuarem junto à rede de proteção local na temática de direitos humanos, direitos de grupos 11

12 vulneráveis, redes locais, etc Índice de desempenho O projeto tinha como objetivo capacitar 200 policiais e capacitou 205 agentes. O sucesso pode ser metido pelo número de visitas técnicas feitas policiais aos órgãos da rede de proteção social, buscando novas saídas para casos que têm uma dimensão extra-criminal Público Alvo Policiais que servirão como multiplicadores em questões relacionadas aos direitos humanos e ajudar a desenvolver uma integração entre a polícia e a sociedade em áreas pacificadas do Rio de Janeiro Número total de beneficiários atendidos 205 alunos Número de beneficiários atendidos de forma gratuita 100% Percentual da gratuidade parcial 0% Número de beneficiários atendidos de forma não gratuita 0% 2. Informações Financeiras 2.1. Financiador AUSAID 2.2. Orçamento AUD ,89 (dólar australiano) ou cerca de R$ , Valor Recebido AUD ,89 12

13 3. Avaliação Final 3.1. Avaliação Final A avaliação do projeto é positiva, pois os participantes se sentiram mais inclinados a se envolver nas tecnologias sociais aplicadas ao desenvolvimento social das favelas. No contexto do combate bélico ao tráfico, a polícia era marcada por um alto nível de letalidade e com baixa popularidade junto aos moradores. Com a força da convivência e com capacitações específicas como esta é possível perceber um aumento da credibilidade da polícia junto aos moradores, bem como uma postura mais cooperativa com os mesmos. 13

14 1. Informações Técnicas 1.1. Área (Coordenação do Projeto) Segurança Humana 1.2. Nome do Projeto Acolhendo e garantindo direitos! Violência Doméstica 1.3. Coordenador da Área Ubiratan Ângelo 1.4. Coordenador da Atividade Lidiane Malanquini 1.5. Descrição das atividades/serviços Desenvolvidos O projeto visa elaborar cartilha elucidativa e curso de capacitação sobre violência doméstica/intrafamiliar, para os profissionais da Estratégia de Saúde da Família (ESF) da Área Programática 3.3 e 2.1 Agentes Comunitários de Saúde, Assistentes Sociais, Enfermeiros, Gerentes de Unidade, Médicos, Psicólogos, Dentistas, Auxiliares de Saúde Bucal e Técnicos de Enfermagem Objetivo Produção de material didático sobre Violência Doméstica para profissionais da Estratégia de Saúde da Família; Capacitar profissionais da Estratégia de Saúde da Família sobre a temática Violência Doméstica; 1.7. Período de realização Janeiro de 2013 a Dezembro de 2013 (12 meses) 1.8. Resultados obtidos Neste período, o Conselho Consultivo da Cartilha Construindo Juntos: profissionais e usuários da Estratégia de Saúde da Família lidando com a Violência Doméstica! conseguiu finalizar a análise do conteúdo e apresentação gráfica do material. Atualmente, 14

15 estão acontecendo os pré-testes da cartilha e apreciação desta pelos coordenadores das CAP 2.1 e 3.3. A previsão é que após a aprovação e últimas modificações o material seja reproduzido e iniciemos a 3ª etapa do projeto (Capacitação dos profissionais da Estratégia de Saúde da Família). Neste período, também já iniciamos o diálogo com as CAP 2.1 e 3.3 para pensarmos a estrutura e dinâmica do curso em cada área, bem como a definição do número de profissionais atendidos e carga horária Índice de desempenho 100% das 15 equipes capacitadas durante o período planejado Público Alvo Agentes Comunitários de Saúde, Assistentes Sociais, Enfermeiros, Gerentes de Unidade, Médicos, Psicólogos, Dentistas, Auxiliares de Saúde Bucal e Técnicos de Enfermagem Número total de beneficiários atendidos 15 equipes, totalizando 180 profissionais capacitados Número de beneficiários atendidos de forma gratuita 100% Percentual da gratuidade parcial 0% Número de beneficiários atendidos de forma não gratuita 0% 2. Informações Financeiras 2.1. Financiador Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro 2.2. Orçamento R$ , Valor Recebido R$ ,00 15

16 3. Avaliação Final 3.1. Avaliação Final Foram realizadas reuniões sistemáticas ao longo do ano de 2013 para elaboração do conteúdo teórico e gráfico da cartilha Construindo Juntos: profissionais e usuários da estratégia de saúde da família lidando com a Violência Doméstica. O Conselho Consultivo é composto por representantes do Nível Central da Secretaria Municipal de Saúde e das CAP envolvidas (2.1 e 3.3) e profissionais da OSS Viva Rio Saúde. No final de setembro foi aprovado tanto o conteúdo teórico e gráfico do material. 16

17 ASSISTÊNCIA 17

18 1. Informações Técnicas 1.1. Área (Coordenação do Projeto) Assistência Social 1.2. Nome do Projeto Viva Rio Inclusão Programa de Inclusão Social para PCD 1.3. Coordenador da Área Alexandre Fernandes 1.4. Coordenador da Atividade Alexandre de Góes 1.5. Descrição das atividades/serviços Desenvolvidos O projeto Viva Rio Inclusão visa atender uma parcela significativa da população que se situa como portador de deficiência, incluindo deficiências físicas, visuais, auditivas ou mentais. O programa é dividido em quatro eixos operacionais: 1) qualificação para o mercado de trabalho; 2) estudos de avaliação e atendimento para pessoas com deficiência no programa Estratégia da Saúde da Família no município do Rio de Janeiro; 3) debate e sensibilização sobre o tema da inclusão de pessoas com deficiência; 4) promoção de redes intersetoriais sobre o mesmo tema; 5) ação voltada a ressocialização de crianças e adolescentes com deficiência com base na metodologia de Brinquedotecas Comunitárias. É importante ressaltar que a simples inclusão das pessoas com deficiências no mercado de trabalho, sem um estudo e trabalho específico, tem como resultado sua total exclusão. O simples cumprimento de cotas pela iniciativa privada não significa inclusão. Atualmente, é quase impossível que as empresas consigam cumprir as cotas estabelecidas por lei. E não é por falta de vontade. A inclusão atual é realizada sem a preocupação adequada por parte do Estado, quanto à adequação (habilitação e reabilitação) do deficiente ao exercício da função e ao novo mundo do trabalho. Portanto, ao longo do ano de 2013, o Viva Rio desenvolveu atividades que visam integrar as pessoas com deficiência no quadro socioeconômico de empresas, políticas públicas e na própria sociedade. Assim, o tema ganhou tamanha notoriedade que se tornou um programa prioritário para a organização, mobilizando todos os departamentos e projetando uma nova visão de respeito e inclusão dessa população. 18

19 1.6. Objetivos a) Analisar o ambiente de trabalho das pessoas com deficiências; b) Avaliar o impacto da inclusão das pessoas com deficiência no ambiente de trabalho; c) Sensibilizar os profissionais da importância da inclusão das pessoas com deficiências no mercado de trabalho. d) Avaliar o atendimento de pessoas com deficiência no tocante à política de Atenção Primária desenvolvida pela Estratégia da Saúde da Família; e) Fortalecer e formar uma rede de mobilização, entre instituições, órgãos públicos e pessoas, para discutir o papel das políticas públicas e os direitos das pessoas portadoras de deficiência; f) Promover a ressocialização de crianças e adolescentes, com deficiência, por meio de metodologias pautadas em Brinquedotecas Comunitárias 1.7. Período de realização Janeiro de 2013 a Dezembro de 2013 (ainda ativo) 1.8. Resultados obtidos O Viva Rio obteve os seguintes resultados: Publicação de um Diagnóstico sobre Pessoas com Deficiência dentro do Programa Estratégia da Saúde da Família; Desenvolvimento de Cursos de Capacitação para Sensibilização na Gestão para Questões Voltadas às Pessoas com Deficiência; Seminário O Desafio da Inclusão Social de Pessoas com Deficiência ; Levantamento estatístico dos usuários do Saúde da Família que são registradas como Pessoas com Deficiência; Programa de Inclusão e Recrutamento profissional de Pessoas com Deficiência. 19

20 Além das ações de sensibilização ou qualificação para o mercado de trabalho, o Viva Rio também promoveu atividades visando a ressocialização de crianças e adolescentes, oriundas de áreas vulneráveis, que possuem deficiências físicas, mentais, auditivas ou visuais. A seguir é apresentada a matéria do Jornal O DIA em relação a esta ação: 20

21 1.9. Índice de desempenho Os índices de desempenho das atividades são desenvolvidos em duas categorias: (1) percentagem de PCD que são atendidas no programa Saúde da Família das áreas programáticas da 2.1, 3.1 e 3.3; e (2) índices qualitativos e quantitativos amostrais obtidos no Diagnóstico dos Questionários de Pessoas com Deficiência. A seguir são apresentados alguns dados relevantes para composição desses índices: Total de PCD cadastrados na base de dados do programa Estratégia da Saúde da Família, nas áreas programáticas 2.1, 3.1 e 3.3: AP TOTAL DE DEFICIENTES TOTAL DE CADASTRADOS % DEFICIENTES ,26% ,33% ,28% TOTAL ,30% Esse resultado revela que as operações controladas e monitoradas pelo Viva Rio impactam 2978 pessoas que se enquadram no âmbito da política de PCD. Dessas, 1739 são caracterizadas por deficiência visuais, 436 com deficiências auditivas, 686 com deficiências motoras e 118 com deficiências mentais. Em relação a esta segunda categoria, índices foram medidos conforme uma pesquisa amostral para compor o Diagnóstico de PCD que trabalham em unidades ou clínicas do programa Saúde da Família. A seguir são apresentados os seguintes resultados: O seu posto de trabalho oferece condições de mobilidade? Condições de Mobilidade Nenhuma 1 Muito pouca 1 Pouca 1 Muita 5 Extrema 6 21

22 A sua condição de pessoa com deficiência interfere no seu desempenho? Condição interfere no desempenho Nem um pouco 8 Muito pouco 4 Um pouco 2 Seu gerente/coordenador oferece suporte ao seu trabalho? Gerente oferece suporte Nenhum suporte 1 Algum suporte 3 Bastante suporte 4 Total suporte 6 Veja o anexo 1 e anexo 2 para analisar mais detalhes sobre o (2) diagnóstico das entrevistas e sobre os (1) números de controle do programa do Estratégia da saúde da Família Público Alvo Pessoas com deficiência da cidade do Rio de Janeiro, gestores de políticas públicas e outros profissionais que lidem com o mesmo tema Número total de beneficiários atendidos Cerca de pessoas portadoras de deficiência caracterizadas por deficiências visuais, motoras, auditivas ou mentais Número de beneficiários atendidos de forma gratuita 100% Percentual da gratuidade parcial 0% Número de beneficiários atendidos de forma não gratuita 0% 22

23 2. Informações Financeiras 2.1. Financiador Essas ações são incentivadas por programas de inclusão social que são desenvolvidas em parceria com o Estratégia da Saúde da Família Orçamento R$ Valor Recebido R$ Avaliação Final 3.1. Avaliação Final A avaliação final do projeto mostrou-se, até o momento, satisfatória. Segundo o Diagnóstico das entrevistas com Pessoas com Deficiência (anexo 2), o trabalho proposto no programa Estratégia da Saúde da Família (nas áreas 2.1, 3.1 e 3.3) tem sido acima das expectativas. Basta ressaltar que 86% dos profissionais PCD não veem nenhuma atitude ofensiva em função de comportamentos preconceituosos. Também cabe evidenciar que 93% dos entrevistados possuem boa ou ótima relação com seus colegas de trabalho. O estudo sobre os indicadores quantitativos, de pessoas autodeclaradas PCD, incluídas no programa Estratégia da Saúde da Família também revelam que há a necessidade em ampliar o escopo operacional da Atenção Básica para esse público. Tendo em vista que o programa é construído para prevenir patologias e proporcionar saúde, cabe ressaltar que novas ações podem ser propostas para lidar especialmente com esse público. Com base nas observações anteriores, foram desenvolvidas atividades que focam em segmentos específicos do público PCD: tais como as brinquedotecas comunitárias, principalmente a Maurício de Souza (anexo 3), próxima à favela da Rocinha (zona sul do Rio de Janeiro). Nela, são desenvolvidas atividades com crianças especiais (especialmente aquelas que possuem deficiências mentais) em um espaço lúdico, mostrando à importância do brincar na educação. Este espaço possibilita às crianças realizarem atividades lúdicas e a explorarem as suas curiosidades, o que promoverá sua socialização e compartilhamento de alegrias. 23

24 1. Informações Técnicas 1.1. Área (Coordenação do Projeto) Saúde e Assistência 1.2. Nome do Projeto Projeto de Acolhimento Institucional Voltado a Crianças e Adolescentes Usuários de Substâncias Psicoativas, Especialmente Crack 1.3. Coordenador da Área Ana Schneider 1.4. Coordenador da Atividade Marília Rocha 1.5. Descrição das atividades/serviços Desenvolvidos As crianças e adolescentes serão encaminhadas das centrais de recepção para as casas, após terem sido avaliadas por equipes multiprofissional da central com os devidos encaminhamentos judiciais. A equipe multiprofissional das casas de acolhimento fará o acolhimento e avaliação, bem como a construção do projeto individual de cada indivíduo considerando a autonomia do indivíduo, o vínculo (ou seu reestabelecimento) com a família e os recursos comunitários existentes em seu território como escola, local para desenvolvimento de atividades esportivas e de lazer. As equipes deverão estar articuladas com os serviços de atenção psicossocial do território bem como unidade de saúde de referência Objetivo O serviço de acolhimento será destinado excepcionalmente para crianças e adolescentes de ambos os sexos sob medida de proteção (Art. 98 /ECA) e em situação de risco pessoal e social, cujas famílias ou responsáveis encontrem-se temporariamente impossibilitados de cumprir sua função de cuidado e proteção. Estes serviços terão como objetivo preservar vínculos com a família de origem, salvo determinação judicial em contrário; e desenvolver com os adolescentes condições para a independência e o autocuidado Período de realização Junho de 2013 a Dezembro de 2013 (7 meses) Ainda ativo 24

25 3.3. Resultados obtidos Acolhimento de 100 crianças em 05 casas no município do Rio de Janeiro (Bangu, Penha, Bonsucesso, Jacarepaguá e Del Castilho) Índice de desempenho Em cada casa moram até 20 crianças e adolescentes, que dispõem de sala de informática, biblioteca, salas multiuso com jogos e brinquedos e área de convivência. A ideia é que as unidades promovam a ressignificação das vidas desses meninos e meninas e ajudem na sua gradual reinserção familiar e comunitária Público Alvo Cerca de 100 vagas para jovens entre 12 e 17 anos, usuários de drogas psicoativas, especialmente crack Número total de beneficiários atendidos 100 crianças e adolescentes usuários de substâncias psicoativas, especialmente crack 1.8. Número de beneficiários atendidos de forma gratuita 100% 1.9. Percentual da gratuidade parcial 0% Número de beneficiários atendidos de forma não gratuita 0% 2. Informações Financeiras 2.1. Financiador Secretaria Municipal de Assistência Social 2.2. Orçamento R$ , Valor Recebido em 2013 R$ ,69 25

26 3. Avaliação Final 3.1. Avaliação Final A parceria do Viva Rio com o Município e o Estado é fundamental para criar uma rede. Já tarbalha-se de forma integrada com as secretarias municipais, isso encorpa o trabalho. O modelo de reabilitação por confinamento fracassou. Temos que dar estímulo e condições para que o jovem queira estar aqui e mudar sua vida, saindo da situação de risco. O projeto Casa Viva foi ampliado pela Secretaria de Desenvolvimento Social. As cinco unidades já estão em funcionamento. Em parceria com o Viva Rio, a prefeitura oferecerá ao todo 100 vagas no novo modelo especializado no acolhimento de menores com dependência química. 26

27 MEIO AMBIENTE 27

28 1. Informações Técnicas 1.1. Área (Coordenação do Projeto) Meio Ambiente 1.2. Nome do Projeto Trabalho socioambiental no programa de esgotamento sanitário do distrito sede do município de Itaboraí 1.3. Coordenador da Área Tião Santos 1.4. Coordenador da Atividade Tião Santos 1.5. Descrição das atividades/serviços Desenvolvidos O Programa prevê atividades de educação, comunicação e desenvolvimento socioambiental, promovendo a sustentabilidade socioeconômica e ambiental do empreendimento de esgotamento sanitário do distrito sede do município de Itaboraí, fortalecendo a geração de renda, o protagonismo da população e a transparência administrativa e comunicacional do projeto de contenção do rio Objetivo Melhorar o fluxo de informações entre os envolvidos no projeto de esgotamento sanitário e a comunidade local; Desenvolver um programa de educação ambiental para crianças, jovens e adultos residentes do território; Fomentar iniciativas de desenvolvimento socioambiental em território Período de realização Outubro de 2013 a Dezembro de 2013 (ainda ativo) 1.8. Resultados obtidos O projeto encontra-se em fase de estruturação, com contratação de profissionais e necessidade de grande esforço de articulação, já que se entende ser necessária 28

29 incorporação de mão de obra local, tanto para garantir adequado conhecimento do território, como para movimentação da economia local e desenvolvimento humano dos profissionais da cidade, podendo já com essa ação gerar impacto qualitativo na vida destas pessoas Índice de desempenho O projeto já realizou as seguintes atividades de contratação e adequação, tendo em vista o seu início: Gerente da casa Contratado Assistente Social Já selecionado, em processo de contratado Articulador Socioambiental Já selecionado, em processo de contratado Articulador Socioambiental ênfase comunicação Já selecionado, em processo de Contratado. Supervisor Pedagógico Já selecionado, em processo de contratação. Assistente Administrativo I Contratado Assistente Administrativo II Já selecionado, em processo de contratação. Motorista Em processo de contratação Profissional de copa e cozinha Em processo de contratação Aluguel de Imóvel - Já realizado o contrato Compra de mobiliário - Já realizado Compra de automóvel - Em processo Adequação do espaço - Em processo Seminário de Planejamento - Realizado Planejamento Local detalhado - Realizado para os primeiros meses e sistematizado para os primeiros 03 meses de ação Público Alvo População circunscrita pelo Programa de esgotamento sanitário do distrito sede do município de Itaboraí Número total de beneficiários atendidos Cerca de 3500 famílias Número de beneficiários atendidos de forma gratuita 100% Percentual da gratuidade parcial 0% Número de beneficiários atendidos de forma não gratuita 0% 29

30 2. Informações Financeiras 2.1. Financiador Bio Rio 2.2. Orçamento R$ , Valor Recebido em 2013 R$ ,13 3. Avaliação Final 3.1. Avaliação Final O intuito é criar um espaço onde ações estruturantes possam ser asseguradas, com o planejamento participativo, incluindo assembleias gratuitas e abertas para qualquer pessoa física ou jurídica que esteja envolvida diretamente ou indiretamente com as obras. Neste sentido, espera-se que o apoio da população, das empresas e da máquina pública construa Planos de Ações periódicos para o estabelecimento de metas qualitativas e quantitativas, pautando-se pelo mútuo respeito e pela preservação dos valores regionais. 30

31 1. Informações Técnicas 1.1. Área (Coordenação do Projeto) Meio Ambiente 1.2. Nome do Projeto Projeto Socioambiental ao Programa de Esgotamento sanitário do 1 distrito do município de Maricá 1.3. Coordenador da Área Tião Santos 1.4. Coordenador da Atividade Tião Santos 1.5. Descrição das atividades/serviços Desenvolvidos Tendo em vista que as obras impactarão a rotina social, econômica e ambiental da cidade, o projeto de esgotamento sanitário do distrito sede do município de Maricá contará com um Programa de assistência e desenvolvimento socioambiental para aumentar o diálogo e melhorar a qualidade de vida das populações em questão. Sendo assim, o principal intuito do Programa para educação, comunicação e desenvolvimento socioambiental é promover a sustentabilidade socioeconômica e ambiental do empreendimento, fortalecendo a geração de renda, o protagonismo da população e a transparência administrativa e comunicacional do projeto de contenção Objetivo Melhorar o fluxo de informações entre os envolvidos no projeto de esgotamento sanitário e a comunidade local; Desenvolver um programa de educação ambiental para crianças, jovens e adultos residentes do território; Fomentar iniciativas de desenvolvimento socioambiental em território Período de realização Outubro de 2013 a Dezembro de 2013 (ainda ativo) 31

RELATÓRIO DE ATIVIDADES

RELATÓRIO DE ATIVIDADES RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2012 1 ÍNDICE 1. Saúde 1.1. Estratégia da Saúde da Família Área Programática 2.1 (Rio de Janeiro) 1.2. Estratégia da Saúde da Família Área Programática 3.1 (Rio de Janeiro) 1.3.

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES

RELATÓRIO DE ATIVIDADES RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013 1 ÍNDICE 1. Saúde 1.1. Estratégia da Saúde da Família Área Programática 2.1 (Rio de Janeiro) 1.2. Estratégia da Saúde da Família Área Programática 3.1 (Rio de Janeiro) 1.3.

Leia mais

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

Esporte como fator de inclusão de jovens na sociedade FGR: Gustavo:

Esporte como fator de inclusão de jovens na sociedade FGR: Gustavo: Esporte como fator de inclusão de jovens na sociedade Entrevista cedida à FGR em Revista por Gustavo de Faria Dias Corrêa, Secretário de Estado de Esportes e da Juventude de Minas Gerais. FGR: A Secretaria

Leia mais

Programa Viver é Melhor. Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente)

Programa Viver é Melhor. Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Programa Viver é Melhor Mostra Local de: Londrina Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Legião da Boa Vontade (LBV) Cidade: Londrina/PR

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos:

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos: 1 INTRODUÇÃO Sobre o Sou da Paz: O Sou da Paz é uma organização que há mais de 10 anos trabalha para a prevenção da violência e promoção da cultura de paz no Brasil, atuando nas seguintes áreas complementares:

Leia mais

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA!

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! NOSSA VISÃO Um mundo mais justo, onde todas as crianças e todos os adolescentes brincam, praticam esportes e se divertem de forma segura e inclusiva. NOSSO

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento,

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Projetos e Capacitação Ministério do Desenvolvimento Social

Leia mais

TEATRO SOCIAL: VALORES PARA A VIDA

TEATRO SOCIAL: VALORES PARA A VIDA TEATRO SOCIAL: VALORES PARA A VIDA Utilizando o Teatro como Ferramenta de Ensino e Transformação Social CONEXÃO SOCIAL REDE NACIONAL DE ENSINO SOCIOEMOCIONAL IASEA 2015 1. APRESENTAÇÃO TEATRO SOCIAL é

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS Art. 1. A Política de Assistência Estudantil da Pós-Graduação da UFGD é um arcabouço de princípios e diretrizes

Leia mais

Plano de Ação. Plano de Ação - 2013. Plano de Ação para o Ano de 2013: Finalidades Estatutárias. Objetivos. Origem dos Recursos.

Plano de Ação. Plano de Ação - 2013. Plano de Ação para o Ano de 2013: Finalidades Estatutárias. Objetivos. Origem dos Recursos. Plano de Ação 2013 Plano de Ação para o Ano de 2013: Finalidades Estatutárias Objetivos Origem dos Recursos Infraestrutura Público Alvo Capacidade de Atendimento Recursos Financeiros Utilizados Recursos

Leia mais

PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios. Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015

PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios. Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015 PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015 Ação Educativa Organização não governamental fundada por um

Leia mais

Relat a óri r o Despert r ar r 2 013

Relat a óri r o Despert r ar r 2 013 Relatório Despertar 2013 2 Apoiada na crença de que é possível contribuir para o desenvolvimento humano na totalidade dos seus potenciais, a Associação Comunitária Despertar, realiza anualmente ações que

Leia mais

EDITAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS MUNICÍPIO DE CAUCAIA-CE

EDITAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS MUNICÍPIO DE CAUCAIA-CE EDITAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS MUNICÍPIO DE CAUCAIA-CE 1. INTRODUÇÃO A ASSOCIAÇÃO BENEFICENTE LUZIA LOPES GADÊLHA, por meio do Termo Convênio nº 05/2015, como parte integrante do Projeto Fortalecendo

Leia mais

EDITAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS MUNICÍPIO DE MARANGUAPE-CE

EDITAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS MUNICÍPIO DE MARANGUAPE-CE EDITAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS MUNICÍPIO DE MARANGUAPE-CE EDITAL N 20/2015 1. INTRODUÇÃO A ASSOCIAÇÃO BENEFICENTE LUZIA LOPES GADÊLHA, por meio do Termo Convênio nº 05/2015, como parte integrante

Leia mais

REGULAMENTO SEMANA UEMG

REGULAMENTO SEMANA UEMG REGULAMENTO SEMANA UEMG Belo Horizonte, abril de 2015 0 SUMÁRIO CAPÍTULO I DA SEDE, DATA E DA INSTITUIÇÃO PROMOTORA... 2 CAPÍTULO II DA ABRANGÊNCIA DA SEMANA UEMG... 2 CAPÍTULO III DOS OBJETIVOS... 2 CAPÍTULO

Leia mais

Lions Clube Centro-São José dos Campos

Lions Clube Centro-São José dos Campos Lions Clube Centro-São José dos Campos Projeto Transformação BRASIL Transformação é um projeto que visa ampliar as oportunidades educativas, investindo no desenvolvimento do potencial de cada criança e

Leia mais

3.1 Planejar, organizar logística e tecnicamente das Oficinas temáticas de formação da Agentes de Prevenção e seus parceiros locais.

3.1 Planejar, organizar logística e tecnicamente das Oficinas temáticas de formação da Agentes de Prevenção e seus parceiros locais. EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 10/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 10/2012 TIPO: MELHOR TÉCNICA O Centro de Promoção da Saúde, entidade privada sem fins lucrativos, inscrita

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

MOC 10. CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO DE ATIVIDADES - COMUNIDADE NOSSA SENHORA APARECIDA

MOC 10. CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO DE ATIVIDADES - COMUNIDADE NOSSA SENHORA APARECIDA 10. CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO DE ATIVIDADES - COMUNIDADE NOSSA SENHORA APARECIDA EIXO Macroação ATIVIDADES Compor a equipe técnica com experiências no trabalho de desenvolvimento de comunidade. Identificar

Leia mais

PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Proposta de ações para elaboração do Plano Estadual da Pessoa com Deficiência Objetivo Geral: Contribuir para a implementação

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

Plano de Ação. Colégio Estadual Ana Teixeira. Caculé - Bahia Abril, 2009.

Plano de Ação. Colégio Estadual Ana Teixeira. Caculé - Bahia Abril, 2009. Plano de Ação Colégio Estadual Ana Teixeira Caculé - Bahia Abril, 2009. IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE ESCOLAR Unidade Escolar: Colégio Estadual Ana Teixeira Endereço: Av. Antônio Coutinho nº 247 bairro São

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Elaborada pela Diretoria de Assuntos Estudantis 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa e Extensão nos dias

Leia mais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Estatuto da Criança e do Adolescente: 18 anos, 18 Compromissos A criança e o adolescente no centro da gestão municipal O Estatuto

Leia mais

POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA - NOR 350

POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA - NOR 350 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA APROVAÇÃO: Resolução DIREX nº 462, de 10/09/2012. VIGÊNCIA: 10/09/2012 POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA - NOR 350 1/6 ÍNDICE

Leia mais

PROGRAMA CRIANÇA ESPERANÇA PROCESSO SELETIVO 2011

PROGRAMA CRIANÇA ESPERANÇA PROCESSO SELETIVO 2011 PROGRAMA CRIANÇA ESPERANÇA PROCESSO SELETIVO 2011 Junho/2011 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. QUEM PODERÁ CONCORRER... 3 3. QUE TIPOS DE PROJETO PODERÃO SER APOIADOS... 4 4. QUAIS SÃO OS CRITÉRIOS DE SELEÇÃO...

Leia mais

CONVOCATÓRIA PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS PROGRAMA CRIANÇA ESPERANÇA PROCESSO SELETIVO 2012

CONVOCATÓRIA PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS PROGRAMA CRIANÇA ESPERANÇA PROCESSO SELETIVO 2012 CONVOCATÓRIA PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS PROGRAMA CRIANÇA ESPERANÇA PROCESSO SELETIVO 2012 Junho/2012 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. ORGANIZAÇÕES ELEGÍVEIS PARA APOIO... 3 2. TIPOS DE PROJETO PODERÃO SER

Leia mais

Pólos da Paz e Praças da Paz SulAmérica

Pólos da Paz e Praças da Paz SulAmérica A iniciativa O projeto Praças é uma iniciativa do Instituto Sou da Paz, em parceria com a SulAmérica, que promove a revitalização de praças públicas da periferia de São Paulo com a participação da comunidade

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015

XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015 XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015 Modelo 2: resumo expandido de relato de experiência Resumo expandido O Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas de São

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

UNIVERSIDADE LIVRE DO MEIO AMBIENTE

UNIVERSIDADE LIVRE DO MEIO AMBIENTE UNIVERSIDADE LIVRE DO MEIO AMBIENTE A INSTITUIÇÃO A Universidade Livre do Meio Ambiente - Unilivre, instalada em Curitiba, Paraná, é uma organização não governamental sem fins lucrativos, recentemente

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 254/2014

EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 254/2014 EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 254/2014 O Presidente do Instituto Pauline Reichstul-IPR, torna público que receberá inscrições para o processo seletivo de pessoal para atuação no projeto Ações Integradas

Leia mais

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária Apoio: Secretária municipal de educação de santo Afonso PROJETO INTERAÇÃO FAMÍLIA X ESCOLA: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA. É imperioso que dois dos principais

Leia mais

LEI PAULISTA DE INCENTIVO AO ESPORTE PIE PROGRAMA DE INCENTIVO AO ESPORTE DECRETO 55.636/2010

LEI PAULISTA DE INCENTIVO AO ESPORTE PIE PROGRAMA DE INCENTIVO AO ESPORTE DECRETO 55.636/2010 LEI PAULISTA DE INCENTIVO AO ESPORTE PIE PROGRAMA DE INCENTIVO AO ESPORTE DECRETO 55.636/2010 ESCOLA DE Pedal Batatais Histórico da Entidade e Descritivo de Atividades Fundada em 1999 por JOSÈ REGINALDO

Leia mais

Política Nacional sobre Drogas e o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Crack, é possível vencer. SALVADOR/BA ABRIL de 2012

Política Nacional sobre Drogas e o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Crack, é possível vencer. SALVADOR/BA ABRIL de 2012 Política Nacional sobre Drogas e o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Crack, é possível vencer SALVADOR/BA ABRIL de 2012 MARCOS HISTÓRICOS 1998: Adesão do Brasil aos princípios diretivos

Leia mais

FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM)

FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM) FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM) A extensão é o processo educativo, cultural e científico que articula, amplia, desenvolve e reforça o ensino e a pesquisa,

Leia mais

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 Estabelece parâmetros para orientar a constituição, no âmbito dos Estados, Municípios e Distrito Federal, de Comissões Intersetoriais de Convivência

Leia mais

THALITA KUM PROJETO - CUIDANDO COM HUMANIDADE DOS ACAMADOS E DE SEUS CUIDADORES.

THALITA KUM PROJETO - CUIDANDO COM HUMANIDADE DOS ACAMADOS E DE SEUS CUIDADORES. THALITA KUM PROJETO - CUIDANDO COM HUMANIDADE DOS ACAMADOS E DE SEUS CUIDADORES. ANA LUCIA MESQUITA DUMONT; Elisa Nunes Figueiredo. Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte SMSA-BH (Atenção Básica)

Leia mais

PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS

PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS ENCONTRO DE GRUPOS REGIONAIS DE ARTICULAÇÃO- ABRIGOS - SÃO PAULO O QUE É UMA REDE DE PROTEÇÃO SOCIAL? sistemas organizacionais capazes de reunir indivíduos e instituições,

Leia mais

Sumário. I. Apresentação do Manual. II. A Prevenção de Acidentes com Crianças. III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre

Sumário. I. Apresentação do Manual. II. A Prevenção de Acidentes com Crianças. III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre Sumário I. Apresentação do Manual II. A Prevenção de Acidentes com Crianças III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre IV. Como a Educação pode contribuir para a Prevenção de Acidentes no Trânsito V. Dados

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Construindo a Sociedade que Queremos

Mostra de Projetos 2011. Construindo a Sociedade que Queremos Mostra de Projetos 2011 Construindo a Sociedade que Queremos Mostra Local de: Piraquara Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Associação

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL FICHA DE APRESENTAÇÃO SISTEMA INTERATIVO DE MONITORAÇÃO E PARTICIPAÇÃO PARA O APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DA PLATAFORMA DE C O O P E R A Ç Ã O A M B I

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS 1. Categorias profissionais que já compõem o SUAS RS: - Psicólogo - Assistente Social - Advogado - Educador Social - Nutricionista - Pedagogo - Enfermeiro - Estagiários - Supervisores e Coordenação - Técnico

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS A sistematização que segue refere-se aos pontos trabalhados pelo grupo, no sentido de ativar a reflexão de questões que seriam tratadas no Encontro Estadual dos Trabalhadores do SUAS, realizado dia 16

Leia mais

Redes sociais no Terceiro Setor

Redes sociais no Terceiro Setor Redes sociais no Terceiro Setor Prof. Reginaldo Braga Lucas 2º semestre de 2010 Constituição de redes organizacionais Transformações organizacionais Desenvolvimento das organizações articuladas em redes

Leia mais

Espaço Criança Esperança São Paulo CEE Oswaldo Brandão

Espaço Criança Esperança São Paulo CEE Oswaldo Brandão Espaço Criança Esperança São Paulo CEE Oswaldo Brandão OS RECURSOS FINANCEIROS DO ESPAÇO CRIANÇA ESPERANÇA TV GLOBO realiza CAMPANHA CRIANÇA ESPERANÇA com programa na TV UNESCO recebe DOAÇÃO e apóia diferentes

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social II Fórum de Informação em Saúde IV Encontro da Rede BiblioSUS O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social Maria de Fátima Ramos Brandão Outubro/2007 1 Apresentação O Projeto Casa Brasil Modelos

Leia mais

O GRUPO DOM BOSCO ENSINO FUNDAMENTAL DOM BOSCO

O GRUPO DOM BOSCO ENSINO FUNDAMENTAL DOM BOSCO ENSINO FUNDAMENTAL DOM BOSCO O GRUPO DOM BOSCO Este é o momento de dar espaço à curiosidade, de fazer novas descobertas e formar suas próprias ideias. SEDE HORTO - Berçário - Educação Infantil - 1º Ano

Leia mais

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL Programa de Proteção a Crianças e Adolescentes Ameaçados de Morte PPCAAM Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Secretaria de Direitos Humanos Presidência

Leia mais

1. Centro para a Juventude. 199 jovens frequentaram os cursos de:

1. Centro para a Juventude. 199 jovens frequentaram os cursos de: Relatório Despertar 2014 2 Apoiada na crença de que é possível contribuir para o desenvolvimento humano na totalidade dos seus potenciais, a Associação Comunitária Despertar, realiza anualmente ações que

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria para promover estudos, formular proposições e apoiar as Unidades

Leia mais

UNIVERSIDADE METODISTA DE SÃO PAULO

UNIVERSIDADE METODISTA DE SÃO PAULO UNIVERSIDADE METODISTA DE SÃO PAULO PROJETO DE EXTENSÃO EDITAL N.º 05/2010 PROJETO RONDON- JULHO 2011 A Universidade Metodista de São Paulo concorrerá a quatro operações nacionais no mês de Julho de 2011.

Leia mais

Apoio às políticas públicas já existentes;

Apoio às políticas públicas já existentes; Uma voz complementa a outra, um sorriso cativa o próximo e é nesse pensamento que o Instituto Mundo Melhor, organização sem fins lucrativos liderada pelo Grupo MM Mercadomóveis, trabalha com projetos sociais

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS EDUCAÇÃO BÁSICA ENSINO SUPERIOR EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL EDUCAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SISTEMA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA EDUCAÇÃO E MÍDIA Comitê Nacional de Educação

Leia mais

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO Maria Salete da Silva Josiane dos Santos O Programa Assistência Sócio-Jurídica, extensão do Departamento de Serviço Social, funciona no Núcleo

Leia mais

visitas às instituições sociais. Os colaboradores voluntários também foram consultados, por meio da aplicação de um questionário.

visitas às instituições sociais. Os colaboradores voluntários também foram consultados, por meio da aplicação de um questionário. 1. Apresentação O Voluntariado Empresarial é um dos canais de relacionamento de uma empresa com a comunidade que, por meio da atitude solidária e proativa de empresários e colaboradores, gera benefícios

Leia mais

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE Os currículos deverão ser encaminhados para o endereço eletrônico seguranca.cidada@mj.gov.br até o dia 20 de dezembro de 2015.

Leia mais

SEMEAR Serviço Médico Educacional de Atendimento em Reabilitação, uma entidade considerada de utilidade Pública Federal, com data de fundação em 12 de Outubro de 1985, foi registrado como Associação Civil

Leia mais

ações de cidadania ONG estimula o protagonismo de jovens para que eles atuem transformando a realidade de região castigada pela seca no Ceará

ações de cidadania ONG estimula o protagonismo de jovens para que eles atuem transformando a realidade de região castigada pela seca no Ceará ações de cidadania Onde o sol nasce ONG estimula o protagonismo de jovens para que eles atuem transformando a realidade de região castigada pela seca no Ceará O triste cenário já é um velho conhecido por

Leia mais

6h diárias - 11 meses

6h diárias - 11 meses 6h diárias - 11 meses PROPOSTA PEDAGÓGICA PROGRAMA DE APRENDIZAGEM EM AUXILIAR DE VAREJO ÍNDICE 1 - Apresentação da Entidade ijovem 3 2 - Justificativa do Programa. 3 3 Público-alvo: 4 4 Objetivo geral:

Leia mais

Transformando o presente, construindo o amanhã.

Transformando o presente, construindo o amanhã. Transformando o presente, construindo o amanhã. Primeira sede em 1988 História No dia 23 de novembro de 1988, a Fundação Belgo-Mineira foi oficialmente constituída, a fim de promover ações de marketing

Leia mais

ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS DE ALAGOAS

ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS DE ALAGOAS ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS DE ALAGOAS ENSINO BÁSICO Nomes das instituições representadas: SEE/AL, SEMED-Maceió, SEMED-Barra de Santo Antônio- Campestre e Novo Lino, Associação Clube

Leia mais

Edital de Seleção. Edital de seleção PROGRAMA DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA E PROGRAMA JOVENS PESQUISADORES para organizações da sociedade civil

Edital de Seleção. Edital de seleção PROGRAMA DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA E PROGRAMA JOVENS PESQUISADORES para organizações da sociedade civil Edital de seleção PROGRAMA DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA E PROGRAMA JOVENS PESQUISADORES para organizações da sociedade civil Início das inscrições: 22 de fevereiro de 2013 Final das inscrições: 20 de março de

Leia mais

CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS

CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS APRESENTAÇÃO Em Dezembro de 2004 por iniciativa da Federação das Indústrias do Estado do Paraná o CPCE Conselho Paranaense de Cidadania Empresarial nasceu como uma organização

Leia mais

III- DADOS DO PRESIDENTE

III- DADOS DO PRESIDENTE PLANO DE AÇÃO 2014 I- IDENTIFICAÇÃO Nome: Associação dos Deficientes Físicos de Lençóis Paulista - ADEFILP Endereço: Pernambuco, 333, Jardim Cruzeiro Lençóis Paulista SP CEP 18680470 Telefone: (014) 3264-9700

Leia mais

SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA

SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA Romaldo Bomfim Medina Jr 1 Luciane Silva Ramos 2 Fernanda Franceschi de Freitas 3 Carmem Lúcia Colomé Beck 4 O movimento

Leia mais

Información sobre Herramientas Metodológicas de Diagnóstico Participativo

Información sobre Herramientas Metodológicas de Diagnóstico Participativo Datos generales: Información sobre Herramientas Metodológicas de Diagnóstico Participativo 1. Nombre de la herramienta: Conselhos de Desenvolvimento Comunitário (Programa Comunidade Ativa) 2. Organización

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA PREFEITURA DE JUIZ FORA SECRETARIA DE SAÚDE PROGRAMA DE EDUCAÇÃO PELO TRABALHO PARA A SAÚDE PET SAÚDE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA PREFEITURA DE JUIZ FORA SECRETARIA DE SAÚDE PROGRAMA DE EDUCAÇÃO PELO TRABALHO PARA A SAÚDE PET SAÚDE UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA PREFEITURA DE JUIZ FORA SECRETARIA DE SAÚDE PROGRAMA DE EDUCAÇÃO PELO TRABALHO PARA A SAÚDE PET SAÚDE UAPS INDUSTRIAL Construindo planejamento em saúde JUIZ DE FORA

Leia mais

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS 1 DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E OBJETIVO DO MOVIMENTO 2 Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos!

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! Documento final aprovado por adolescentes dos Estados do Amazonas, da Bahia, do Ceará, do Mato Grosso,

Leia mais

Projeto Cidades da Copa PLANO DE AÇÃO PORTO ALEGRE - RS

Projeto Cidades da Copa PLANO DE AÇÃO PORTO ALEGRE - RS Projeto Cidades da Copa PLANO DE AÇÃO PORTO ALEGRE - RS PORTO ALEGRE EM AÇÃO É ESPORTE E EDUCAÇÃO O esporte não é educativo a priori, é o educador que precisa fazer dele ao mesmo tempo um objeto e meio

Leia mais

No Brasil, a Shell contratou a ONG Dialog para desenvolver e operar o Programa, que possui três objetivos principais:

No Brasil, a Shell contratou a ONG Dialog para desenvolver e operar o Programa, que possui três objetivos principais: PROJETO DA SHELL BRASIL LTDA: INICIATIVA JOVEM Apresentação O IniciativaJovem é um programa de empreendedorismo que oferece suporte e estrutura para que jovens empreendedores de 18 a 30 anos desenvolvam

Leia mais

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância A Escola A ENAP pode contribuir bastante para enfrentar a agenda de desafios brasileiros, em que se destacam a questão da inclusão e a da consolidação da democracia. Profissionalizando servidores públicos

Leia mais

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Guia do Educador CARO EDUCADOR ORIENTADOR Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 2. PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Objetivo GERAL 5 METODOLOGIA 5 A QUEM SE DESTINA? 6 O QUE

Leia mais

PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes

PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes pág. 1 PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes MISSÃO Somos uma rede nacional escoteira de

Leia mais

Projeto Amplitude. Plano de Ação 2015. Conteúdo

Projeto Amplitude. Plano de Ação 2015. Conteúdo Projeto Amplitude Plano de Ação 2015 P r o j e t o A m p l i t u d e R u a C a p i t ã o C a v a l c a n t i, 1 4 7 V i l a M a r i a n a S ã o P a u l o 11 4304-9906 w w w. p r o j e t o a m p l i t u

Leia mais

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira.

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 1 PROJETO SETORIAL INTEGRADO BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 2 Introdução O Ministério da Cultura, sugeriu a Fundação

Leia mais

Plano de Trabalho e Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras

Plano de Trabalho e Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras Plano de Trabalho e Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras 1. Introdução O Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras foi idealizado pelo Conselho Gestor da Escola,

Leia mais

Apresentação. SUPERINTEDÊNCIA GERAL Magda Fonseca Coutinho. COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA Mércia Corrêa de Oliveira

Apresentação. SUPERINTEDÊNCIA GERAL Magda Fonseca Coutinho. COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA Mércia Corrêa de Oliveira Apresentação SUPERINTEDÊNCIA GERAL Magda Fonseca Coutinho COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA Mércia Corrêa de Oliveira Descritivo: "A educação deve possibilitar ao corpo e à alma toda a perfeição e a beleza que podem

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013 RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013 Instituto Lojas Renner Instituto Lojas Renner Promover a inserção de mulheres no mercado de trabalho por meio de projetos de geração de renda é o objetivo do Instituto Lojas

Leia mais

DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP

DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP São Paulo - SP - maio 2011 Rita Maria Lino Tarcia, Universidade Federal

Leia mais

Políticas Públicas no Brasil. Secretaria Nacional de Juventude

Políticas Públicas no Brasil. Secretaria Nacional de Juventude Políticas Públicas no Brasil Secretaria Nacional de Juventude Prioridades 2012 PPJ como política de Estado Articulação Intersetorial (Comitê, Avaliação do Projovem) Marcos Legais Estatuto da Juventude

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher TERMO DE REFERENCIA Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Supervisão Geral No âmbito do Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher, conveniado com a Secretaria Especial

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS CUL 07-09 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS CUL 07-09 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS CUL 07-09 01 Vaga 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria de pessoa física para realizar ações e organizar atividades

Leia mais

EDITAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS MUNICÍPIO DE FORTALEZA-CE (TERRITÓRIO CEARÁ PACÍFICO VICENTE PINZON)

EDITAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS MUNICÍPIO DE FORTALEZA-CE (TERRITÓRIO CEARÁ PACÍFICO VICENTE PINZON) EDITAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS MUNICÍPIO DE FORTALEZA-CE (TERRITÓRIO CEARÁ PACÍFICO VICENTE PINZON) EDITAL Nº 21/2015 1. INTRODUÇÃO A ASSOCIAÇÃO BENEFICENTE LUZIA LOPES GADÊLHA, por meio do Termo

Leia mais

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental TRANSVERSALIDADE Os temas transversais contribuem para formação humanística, compreensão das relações sociais, através de situações de aprendizagens que envolvem a experiência do/a estudante, temas da

Leia mais

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE IV. CÂMARA TEMÁTICA DA EDUCACÃO, CULTURA E DESPORTOS Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE Meta 1 Toda criança e jovem de 4 a 17 anos na escola; Meta 2 Até 2010, 80% e,

Leia mais

Relatório de Sustentabilidade 2014

Relatório de Sustentabilidade 2014 1 Relatório de Sustentabilidade 2014 2 Linha do Tempo TAM VIAGENS 3 Política de Sustentabilidade A TAM Viagens uma Operadora de Turismo preocupada com a sustentabilidade, visa fortalecer o mercado e prover

Leia mais

A PRÁTICA PROFISSIONAL DO ASSISTENTE NA APAM-ASSOCIAÇÃO DE PROMOÇÃO A MENINA DE PONTA GROSSA.

A PRÁTICA PROFISSIONAL DO ASSISTENTE NA APAM-ASSOCIAÇÃO DE PROMOÇÃO A MENINA DE PONTA GROSSA. A PRÁTICA PROFISSIONAL DO ASSISTENTE NA APAM-ASSOCIAÇÃO DE PROMOÇÃO A MENINA DE PONTA GROSSA. SILVA, Jessica Da¹. NADAL, Isabela Martins². GOMES, R.C. Ana³. RESUMO: O presente trabalho é referente à prática

Leia mais

Esfera: 10 Função: 12 - Educação Subfunção: 367 - Educação Especial UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação

Esfera: 10 Função: 12 - Educação Subfunção: 367 - Educação Especial UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Programa 1374 Desenvolvimento da Educação Especial Numero de Ações 16 Ações Orçamentárias 0511 Apoio ao Desenvolvimento da Educação Especial Produto: Projeto apoiado UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais