MENSAGEM DO PREFEITO. Alceu Barbosa Velho Prefeito Municipal

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MENSAGEM DO PREFEITO. Alceu Barbosa Velho Prefeito Municipal"

Transcrição

1

2

3 MENSAGEM DO PREFEITO Tratar com maior carinho e respeito as pessoas que fazem parte da nossa vida integra os princípios de uma sociedade que prioriza o equilíbrio. Nesta perspectiva universal, os Gestores Públicos precisam traçar políticas que valorizem as singularidades daqueles que significam a matriz produtiva da nossa trajetória como sociedade. O Guia do Idoso é uma prova do compromisso que assumimos na prefeitura de Caxias do Sul, de promover e garantir, a todos os que ultrapassaram a marca dos 60 anos de idade, os benefícios da informação sobre seus direitos. No dia 6 de agosto de 2013 sancionamos a Lei que institui a Política Municipal do Idoso e cria a Coordenadoria Municipal do Idoso. A Política Municipal do Idoso tem por objetivo assegurar os direitos sociais do idoso, criando condições para promover sua autonomia, integração e participação efetiva na sociedade. A lei também norteará as ações financiadas pelo Fundo Municipal do Idoso, criado em Com isso, Caxias do Sul abre caminhos para colocar em prática um conjunto de ações pensadas há muito tempo por experimentadas lideranças que representam os idosos de nossa cidade, a partir da Associação dos Aposentados. Cuidar de todos e zelar para que os idosos tenham direito de usufruir benefícios previstos em Lei integram o rol de prioridades da Administração Municipal de Caxias do Sul, da Fé e do Trabalho. Alceu Barbosa Velho Prefeito Municipal 3 3

4 Espelho do tempo Ao ver pelas ruas da minha cidade Alguém que demonstra idade avançada, Contemplo a figura já envelhecida De quem fez da vida uma longa jornada Me vem à lembrança meus pais e avós E toda a ternura que deles recebo, Se, trêmulas as mãos e lento o andar, No brilho do olhar a paz eu percebo Felizes aqueles que guardam seus entes, Seus troncos sagrados ainda viventes, Pois fonte de amor é a vida anciã; E em cada semblante de um rosto enrugado Enxergo um espelho com brilho dourado E a imagem que vejo sou eu amanhã!!! Sebastião Teixeira Corrêa, 60 anos. Contribuiu por quase 30 anos no funcionalismo público caxiense. Hoje aposentado, segue nos agraciando com seus versos em prol da justiça. 4 4

5 QUEM É O IDOSO? Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), são consideradas idosas as pessoas acima de 60 anos em países em desenvolvimento e 65 anos em países desenvolvidos. O Estatuto do Idoso diz que no Brasil são consideradas idosas as pessoas acima de 60 anos. O envelhecimento Tem múltiplas dimensões: cronológica, biológica, psicológica, política, cultural e social; É uma construção social; Mobiliza diversas dimensões da vida social e produz um grande número de demandas. 5 5

6 ENVELHECIMENTO ATIVO É o processo de otimização das oportunidades de saúde, participação e segurança, com o objetivo de melhorar a qualidade de vida à medida que as pessoas ficam mais velhas (OMS, 2005). Michele Clos Assistente Social e Consultora da UNESCO PILARES DA ESTRUTURA POLÍTICA PARA O ENVELHECIMENTO ATIVO ENVELHECIMENTO ATIVO Participação Saúde Segurança 6 6

7 Participação Participação integral das pessoas idosas na vida familiar e comunitária; Oportunidades de aprendizagem durante o curso da vida. 7 7

8 Saúde Prevenir e reduzir a carga de deficiências em excesso, doenças crônicas e mortalidade prematura ambientes seguros, qualidade de vida, apoio social; Reduzir os fatores de risco associados às principais doenças e aumentar fatores que protegem a saúde durante a vida; Desenvolver um contínuo de serviços sociais e de saúde acessíveis, baratos, de alta qualidade e adequados à terceira idade, que aborde as necessidades e os direitos de homens e mulheres em processo de envelhecimento. 8 8

9 Segurança Assegurar proteção, segurança e dignidade às pessoas idosas, através dos direitos e necessidades de segurança social, financeira e física das pessoas idosas; Reduzir as iniquidades nos direitos à segurança e às necessidades das pessoas mais idosas. 9 9

10 CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO O Conselho Municipal do Idoso de Caxias do Sul CMI, criado pela Lei Municipal nº 6071, de 1º de setembro de 2003, tem como objetivo principal garantir os direitos das pessoas idosas de Caxias do Sul, observando o cumprimento de normas legais no atendimento às pessoas idosas. Tem por competência a formulação, coordenação, supervisão e avaliação da Política Municipal do Idoso. Art. 5º Compete ao Conselho Municipal do Idoso: I - formular, coordenar, supervisionar e avaliar a Política Municipal do Idoso; II - definir as prioridades da Política Municipal do Idoso, estimulando ações voltadas ao atendimento das necessidades básicas do idoso, mediante a participação da família, da sociedade e de entidades governamentais e não governamentais; III - formular estratégias e controle de execução da Política do Idoso; IV - garantir ao idoso a aplicação dos direitos previstos na Política Municipal do Idoso; V - fomentar projetos e programas específicos para atendimento ao idoso nas áreas de promoção e assistência social, saúde, educação, trabalho, habitação, urbanismo, cultura, esporte, lazer e jurídica, entre outras, em consonância com a Política Nacional do Idoso; VI - promover a participação do idoso na formulação, aplicação e avaliação das leis, políticas, planos, projetos e programas a serem desenvolvidos, através das organizações e entidades que o representem; 10 10

11 VII - observar o cumprimento de normas legais no atendimento aos idosos expressas na Constituição, em leis, decretos, portarias federais, estaduais e municipais, inclusive a destinação orçamentária das secretarias municipais; VIII - promover conferências, simpósios, seminários, campanhas e encontros específicos; IX - elaborar seu Regimento Interno. Endereço: Rua Visconde de Pelotas, Bairro Centro Caxias do Sul, (junto à Casa da Cidadania) Fones: / / Ramal 224 Horário de Atendimento: Segundas a sextas-feiras: 8h às 12h - 13h30min às 17h Reuniões do Conselho Municipal do Idoso Todas as primeiras sextas-feiras de cada mês, das 8h30min às 10h30min. Confirmar presença através dos fones acima indicados. Você é nosso(a) convidado(a)!!! 11 11

12 POLÍTICA MUNICIPAL DO IDOSO (Lei Municipal 7.636/13) Tem por objetivo assegurar os direitos sociais do idoso, criando condições para promover sua autonomia, integração e participação efetiva na sociedade. A Política Municipal do Idoso será regida pelos seguintes princípios: I - é obrigação da família, da sociedade e do poder público assegurar ao idoso, com absoluta prioridade, a efetivação do direito à vida, à saúde, à alimentação, à educação, à cultura, ao esporte, ao lazer, ao trabalho, à cidadania, à liberdade, à dignidade, ao respeito e à convivência familiar e comunitária; II - o idoso goza de todos os direitos fundamentais inerentes à pessoa humana, sem prejuízo da proteção integral, assegurandolhe, por lei ou por outros meios, todas as oportunidades e facilidades para a preservação de sua saúde física e mental e seu aperfeiçoamento intelectual, espiritual e social, em condições de liberdade e dignidade; III - as questões relativas ao envelhecimento humano dizem respeito a toda a comunidade caxiense, devendo ser objeto de conhecimento e informação para todos; IV - nenhum idoso será objeto de qualquer tipo de negligência, discriminação, violência, crueldade, opressão ou coerção e/ou atentado aos seus direitos; V - o idoso será o principal agente e destinatário das transformações a serem efetivadas através dessa política; VI - as diferenças econômicas, sociais, culturais e o respeito às tradições dos vários segmentos da sociedade caxiense deverão ser observadas pelo poder público municipal e pela sociedade na aplicação desta Lei

13 COORDENADORIA MUNICIPAL DO IDOSO O envelhecimento populacional é um fenômeno global que traz repercussões sociais, econômicas, políticas e culturais, e, por conseguinte, merece a atenção de órgãos públicos, dos formuladores de políticas sociais, da sociedade em geral e da família, no intuito de atender, com dignidade, esta parcela da população. É dentro deste enfoque que a Coordenadoria organiza suas ações. Tem como principal objetivo, coordenar, acompanhar e avaliar as ações relativas à Política Municipal do Idoso, com a finalidade de implantar e fortalecer políticas públicas que assegurem os direitos sociais do idoso em Caxias do Sul. Sua principal atribuição está em construir o diagnóstico da realidade do idoso no Município, articulados com as demais políticas setoriais, visando subsidiar na elaboração do Plano de Ação Governamental Integrado que venha promover a proteção social ao idoso. Almeja-se construir Políticas Públicas, com ações que favoreçam um processo de envelhecimento ativo e saudável, com foco na prevenção, evitando o isolamento, a violação de direitos e o abrigamento. Assim, o fio norteador do trabalho da coordenadoria esta em proporcionar aos idosos o convívio (especialmente o intergeracional), o acesso à cultura e ao lazer e cuidados com a saúde, bem como motivá-los a novos projetos de vida e o fortalecimento dos vínculos familiares e comunitários. Conforme lei de criação, compete à Coordenadoria Municipal do Idoso: I - coordenar as ações relativas à Política Municipal do Idoso; II - participar no acompanhamento e na avaliação da Política Municipal do Idoso; III - coordenar a elaboração do diagnóstico da realidade do idoso no Município, articulados com as demais políticas setoriais, visando subsidiar a elaboração do Plano de Ação Governamental Integrado; 13 13

14 IV - promover as articulações intersecretarias e estabelecer parcerias com a sociedade civil organizações não governamentais, empresas privadas e instituições de ensino - necessárias à implementação da Política Municipal do Idoso; V - encaminhar para apreciação e deliberação do Conselho Municipal do Idoso os relatórios semestrais e anuais de atividades; VI - coordenar o cadastramento e manter o sistema de cadastro atualizado de entidades e organizações de atendimento ao idoso no Município; VII - prestar assessoramento técnico, em conjunto com as demais secretarias, às entidades e organizações de atendimento ao idoso no Município, de acordo com as diretrizes definidas pelo Conselho Municipal do Idoso; VIII - promover capacitações, simpósios, seminários e encontros específicos na área do idoso na garantia da qualidade dos serviços prestados; IX - fomentar estudos, levantamentos, pesquisas e publicações sobre a situação social do idoso, em conjunto com a rede governamental e não governamental de atendimento ao idoso; X - subsidiar nas resoluções deliberadas pelo Conselho Municipal do Idoso; XI - outras competências correlatas. A coordenadoria está funcionando de segunda a sexta, das 8h às 17h30min Endereço: Rua Bento Gonçalves, 1253 Fone:

15 FUNDO MUNICIPAL DO IDOSO - FUMDI O Fundo Municipal do Idoso, criado através da Lei 7.346, de 11 de outubro de 2011, objetiva facilitar a captação, o repasse e a aplicação de recursos destinados ao desenvolvimento de ações de atendimento ao idoso em Caxias do Sul. Os recursos do FUMDI financiarão serviços, programas e projetos de prevenção, promoção e defesa dos direitos dos idosos, através de edital, a ser realizado pelo Conselho Municipal do Idoso (CMI). O Conselho também é o responsável pela seleção e fiscalização dos projetos contemplados pelo Fundo. A principal fonte de captação de recursos do FUMDI é a destinação de parte do Imposto de Renda devido, tanto de pessoas físicas (6%), quanto jurídicas (1%), não implicando em nenhum ônus extra a quem com ele contribui. Esta iniciativa, cujos benefícios para a sociedade são extremamente significativos, está alinhada com a crescente importância do papel que os indivíduos podem exercer como agentes ativos do desenvolvimento das comunidades e na construção e manutenção de uma cidadania responsável

16 ENVELHECER ATIVAMENTE É POSSÍVEL Venha participar! Órgãos Governamentais e Não-Governamentais de Atendimento à Pessoa Idosa Associação dos Aposentados e Pensionistas de Caxias do Sul AAPOPECS O crescimento de nossa Associação se dará com maior número de associados. Atualmente já estamos com mais de sócios. Somente assim fortaleceremos nossa entidade para defender os interesses dos aposentados em conjunto com a FETAPERGS, Federação dos Trabalhadores Aposentados e Pensionistas do Estado do RS e com a COBAP, Confederação Brasileira de Aposentados, Pensionistas e Idosos. Um dos compromissos da Associação é orientar os associados sobre seus direitos previdenciários assegurados pela Constituição Federal e nas legislações específicas que, frequentemente, são modificadas. Oferecemos aos associados: Convênios de assistência médica e odontológica. Assessoria jurídica na área previdenciária em nossa sede. Plano funeral. Convênios com farmácias, óticas e aparelhos auditivos. Nas terças-feiras, às 14h, na sede da Associação, palestras com o professor Antônio J. Zanatta. Confecção de carteira para viagens intermunicipais para aposentados e pensionistas a partir de 65 anos e com renda mensal até três salários mínimos

17 A AAPOPECS está representada, com um titular e um suplente, nos seguintes Conselhos Municipais: Assistência Social - CMAS Defesa do Consumidor - CONDECON Idoso - CMI Saúde - CMS Participamos também do Conselho de Previdência Social do INSS INSS/GEX DOCUMENTOS PARA SE ASSOCIAR: Identidade, CPF, número do benefício, comprovante de residência e documento de identificação dos dependentes. No dia que se associa paga taxa de inscrição de R$ 10,00 e uma mensalidade de R$ 17,00. Sede Própria: Av. Júlio de Castilhos, º Andar Ed. Brazex Fone: (54) Facebook: aapopecscaxiasdosul Associação de Clube de Mães de Caxias do Sul - ACMCS Rua Pinheiro Machado, 3251 (SESI) - Fone segunda a quinta-feira à tarde das 14 h às 16h30min A Associação de Clubes de Mães de Caxias do Sul - ACMCS é uma entidade assistencial sem renda fixa e sem fins lucrativos. Congrega, apoia e incentiva Clubes de Mães em torno de objetivos e atividades comuns, visando a valorização e o aperfeiçoamento pessoal, familiar e comunitário da mulher. Visa, também, capacitar a mulher a exercer suas funções de esposa, mãe, dona de casa e cidadã por meio de programas de formação, promovendo a convivência e a sociabilidade, despertando a consciência da responsabilidade social, a cooperação com o poder público e demais entidades comunitárias

18 Não tem vínculo político, religioso ou sectário. Com esse objetivo, são realizadas inúmeras atividades cívicas, recreativas, culturais, sociais e assistenciais, como campanhas, cursos, palestras, convênios, seminários, encontros, passeios e festas. A ACMCS também participa de promoções organizadas por outras entidades ou órgãos públicos. A ACMCS realiza, na primeira segunda-feira de cada mês, assembleia geral para repassar às representantes dos Clubes de Mães filiados, informações necessárias para o bom desempenho de um Clube e a organização de atividades como palestras, treinamentos, atividades de lazer ou culturais. Entendemos que ser integrante de um Clube de Mães é uma oportunidade para a mulher poder participar socialmente de um grupo saudável, ter condições de interagir com colegas que também buscam um convívio agradável com as demais, realizar cursos, ter a oportunidade de aprender coisas novas, trocar idéias e experiências que contribuirão para seu desenvolvimento. Um Clube de Mães é um local de crescimento pessoal, de valorização da mulher, de incentivo a sua autoestima e satisfação pessoal. Para participar de um Clube de Mães basta a mulher estar disposta a buscar a convivência com um grupo já formado e candidatar-se a filiar-se ao mesmo. Associação Centro de Promoção do Menor Santa Fé Rua Ildo Francisco Ferreira, Bairro Santa Fé Fone: Modalidade de Atendimento: Grupo de Convivência com encontros semanais Associação Brasileira de Alzheimer e Doenças Similares Rua Vinte de Setembro, 1102 (Fundos) Bairro Centro Fone: / Responsável: Fernanda Bianca Garcia Modalidades de Atendimento: Palestras Gratuitas, Cursos e Grupos de Apoio a Cuidadores e Familiares 18 18

19 Associação Caxiense de Atenção aos Necessitados - SCAN Rua Pinheiro Machado, 2442 Sala 09 - Bairro São Pelegrino Fone: Coordenadora Técnica: Elirci Ana Wieczorek Modalidades de Atendimento: 1. Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos com encontros semanais. 2. Atendimento Domiciliado para idosos 3. Centro Dia - Serviço de Proteção Social Especial para Pessoas Idosas e suas Famílias 4. Serviço de Proteção Social Especial para Pessoas Idosas e suas Famílias SPEI SCAN Esta modalidade atenderá até 100 idosos. São situações de média complexidade, onde o idoso é vítima de todos os gêneros de violência. São situações encaminhadas pelo Ministério Público, Judiciário e Rede de Proteção ao Idoso (Conselho Municipal do Idoso, Conselho Municipal de Assistência, FAS, Coordenadoria do Idoso, UBS s, CRAS, entre outros). Primeiramente os idosos são atendidos em seu domicílio, onde são realizados os encaminhamentos necessários para evitar que o caso seja direcionado ao abrigamento. Centro Cultural Espírita Jardelino Ramos Rua Assis Brasil, 363 Bairro Jardelino Ramos Fone: e Responsável: Vanessa Zulian Modalidade de Atendimento: SPEI - Serviço de Proteção Social Especial para Pessoas Idosas e suas Famílias Esta modalidade tem por objetivo promover orientação, apoio e acompanhamento às pessoas idosas de Caxias do Sul, como medida de proteção, sempre que os direitos reconhecidos no Estatuto do Idoso forem ameaçados ou violados (Lei nº / Artigo 45 - inciso II) São situações encaminhadas pelo Ministério Público, Judiciário, Conselho Municipal do Idoso, Conselho Municipal de Assistência 19 19

20 Social e Rede de Proteção ao Idoso (FAS, Coordenadoria do Idoso, UBS s, CRAS, entre outros). CCC - Centro de Convivência Capuchinhos Rua Eugenio Nicolete, n 878, Bairro São Caetano Fone: Responsável: Lourdes Bierende Modalidades de Atendimento: 1. Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos com encontros semanais. 2. Atendimento domiciliado para idosos 3. Centro Dia - Serviço de Proteção Social Especial para Pessoas Idosas e suas Famílias Tem como objetivo proporcionar apoio e ajudar a suprir as necessidades de idosos em situação de vulnerabilidade social ou abandono, contribuindo também para o processo de envelhecimento ativo, saudável e autônomo do idoso e garantindo uma melhor qualidade de vida. Centro de Convivência Tia Oli É um espaço de acolhida e escuta, com grupos operativos de reflexão, encontros e convivência; oficinas que preservem a autonomia e a independência do idoso para que desenvolvam suas potencialidades e aptidões. Para mais informações: (54) Endereço: Rua Sarmento Leite, 2758, Bairro Rio Branco LEFAN A LEFAN tem a missão de resgatar e promover as famílias necessitadas, através da educação e da assistência social. Uma entidade socioassistencial que estimula e exercita o desenvolvimento individual e coletivo, possibilitando a promoção e o fortalecimento dos vínculos familiares e comunitários. Localiza-se na Rua General Sampaio, 189, bairro Rio Branco Telefone:

21 IPAM Instituto de Previdência e Assistência Municipal (Programa Aposentadoria Cidadã) Público Alvo: Aposentados e Pensionistas da Prefeitura de Caxias do Sul. Rua Pinheiro Machado, 2269 Bairro São Pelegrino Fones: / Objetivos do Programa: 1- Proporcionar atividades que incentivem o bem-estar, melhorando a qualidade de vida, contemplando os diferentes interesses físicos, intelectuais, artísticos e sociais; 2- Promover e estimular o relacionamento e a socialização; 3- buscar a melhoria da autoestima e a prevenção de doenças. Atividades desenvolvidas (encontros semanais): ginástica, yoga, hidroginástica, informática, oficina de qualidade de vida, teatro e artesanato. Atividades esporádicas: oficina de memória, confraternização, passeios culturais, palestras educativas Responsável: Maria Marlene Faria SESC Serviço Social do Comércio Maturidade Ativa Rua Moreira César, 2462, Bairro Centro Fone: Responsável: Débora Revers Meneguzzo O Programa SESC Maturidade Ativa é uma alternativa para oferecer melhor qualidade de vida aos comerciários aposentados ou dependentes de comerciárias acima de 50 anos. Através dele, o SESC realiza diversas atividades que estimulam o convívio e a valorização dessa faixa etária. Atividades de integração, atividades físicas e artísticas, turismo e ações sociais

22 22 Fundação Caxias e Justiça Restaurativa A Lei nº 7.754, de 29 de abril de 2014, institui o Programa Municipal de Pacificação Restaurativa, que consiste num conjunto articulado de estratégias inspiradas nos princípios da Justiça Restaurativa, abrangendo atividades de pedagogia social promotoras da Cultura de Paz e do Diálogo, e implementadas mediante a oferta de serviços de solução autocompositiva de conflitos. Os principais objetivos da Justiça Restaurativa incluem a RESPONSABILIZAÇÃO DO OFENSOR, com apoio da sua família, amigos e pessoas da sua comunidade, objetivando restaurar relacionamentos. A REPARAÇÃO DE DANOS, direta ou indiretamente, visa atender às NECESSIDADES DA VÍTIMA, e dos demais atingidos pela violação. E um acordo ou plano de comportamentos futuros costuma ser elaborado a fim de fortalecer vínculos afetivos e laços sociais, promovendo o COESIONAMENTO DA COMUNIDADE. O Programa Municipal de Pacificação Restaurativa será executado por órgãos e instâncias de colaboração, entre eles, as Centrais de Pacificação Restaurativa. As Centrais de Pacificação Restaurativa são os espaços de serviço destinados ao atendimento da população mediante a aplicação dos métodos de solução autocompositiva de conflitos, bem como à difusão dos princípios e das alternativas metodológicas pacificadoras para aplicações em outros âmbitos de convivência social. I - Central Judicial de Pacificação Restaurativa: destinada a atender casos encaminhados pela justiça local. Visa oferecer atendimento restaurativo a situações de conflitos, litígios, crimes ou atos infracionais que aportam na esfera judicial. Endereço: Rua Dr. Montaury, 2107, Bairro Exposição, 6º andar, Fórum de Caxias do Sul Fone: (54)

23 II - Central de Pacificação Restaurativa da Infância e da Juventude: destinada a atender situações encaminhadas pela rede socioassistencial, envolvendo crianças, adolescentes e seu entorno familiar e comunitário. Visa oferecer atendimento restaurativo a situações de conflitos, litígios, crimes ou atos infracionais de menor potencial ofensivo, em situações cuja menor relevância jurídica desaconselhe ou torne desnecessária sua judicialização. Endereço: Rua Francisco Getúlio Vargas, 1130, Bairro Petrópolis, UCS - Bloco 58 Fone: (54) ramal 2324 III - Central de Pacificação Restaurativa Comunitária: destinada a atender situações oriundas da comunidade da Zona Norte da cidade, atuando tanto de maneira preventiva como na busca de pacificação de conflitos já instaurados. Visa oferecer atendimento restaurativo a situações de conflitos e potenciais litígios, crimes ou atos infracionais em situações cuja menor relevância jurídica desaconselhe sua judicialização. Endereço: Rua das Fruteiras,925, Bairro Santa Fé, junto ao CRAS Norte Fone: (54)

24 Órgãos Públicos Municipais FAS Fundação de Assistência Social Rua Bento Gonçalves, Bairro Centro Fone: A Fundação de Assistência Social é a gestora da política municipal de assistência social e tem por finalidade planejar, coordenar, articular, executar, monitorar e avaliar a política municipal de assistência social. Suas ações são preconizadas e normatizadas pela Lei de 7 de dezembro de 1993 Lei Orgânica de Assistência Social - LOAS, e estão de acordo com os princípios, diretrizes e objetivos da Política Nacional de Assistência Social (PNAS 2004) e com os eixos estruturantes de gestão e princípios organizativos do Sistema Único de Assistência Social (SUAS 2005). Hoje, a FAS executa, aproximadamente, 30 programas/serviços. Cadastro Único Rua Bento Gonçalves, 1253 Fone: O Cadastro Único para Programas Sociais é um instrumento que identifica e caracteriza as famílias com renda mensal de até meio salário mínimo por pessoa ou de três salários mínimos no total. O Cadastro Único possibilita conhecer a realidade socioeconômica dessas famílias, trazendo informações de todo o núcleo familiar, das características do domicílio, das formas de acesso a serviços públicos essenciais e também dados de cada um dos componentes da família. É importante que todas as pessoas idosas e pessoas com deficiência (PCDs) que recebem o Benefício de Prestação Continuada (BPC), sejam incluídas no Cadastro Único para que possamos conhecer a realidade de cada família. A inclusão no Cadastro Único permite que as famílias de baixa renda, possam participar de programas sociais, como o Programa 24 24

25 Bolsa Família (PBF). Para participar do PBF é necessário que a renda familiar seja de até R$ 140,00 per capita. Documentos Necessários: Para pessoas acima de 18 anos: Carteira de Trabalho, Comprovante de Renda e de Residência, CPF, RG e Certidão de Casamento ou de Nascimento. Para pessoas menores de 18 anos: Certidão de Nascimento e Atestado de Escolaridade (pode ser a agenda escolar). O Cadastro Único confecciona, também, a carteira para viagens interestaduais para as pessoas idosas com renda individual de até dois salários mínimos e que NÃO TENHAM como comprovar a renda através de : 1- Carteira de Trabalho e Previdência Social, 2- Contra-cheque de pagamento, 3- Carnê de Contribuição para o INSS e 4- Extrato de Pagamento de Benefício ou Declaração fornecida pelo INSS. Procure o Cadastro Único com os seguintes documentos: CPF, Documento de Identidade e Comprovante de Endereço. Tarifa Social de Energia Elétrica A Tarifa Social de Energia Elétrica dá direito a descontos na tarifa residencial e será concedida de acordo com a faixa de consumo, conforme definida pela Lei Federal nº de 20 de janeiro de Para famílias com consumo de até 30 Kwh/mês, o desconto será de 65%; Para famílias que consomem entre 31 Kwh/mês e 100 kwh/ mês, o desconto será de 40%; Para famílias que consomem entre 101 Kwh/mês e 220 Kwh/ mês, o desconto será de 10%

26 Quem tem Direito: Tem direito à Tarifa Social de Energia Elétrica, as famílias que possuírem renda familiar mensal per capita de até meio salário mínimo e que estejam inscritas no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal. Tem direito, também, aquelas famílias que tenham entre seus moradores, usuários do Benefício de Prestação Continuada (BPC). Tem direito, ainda, a unidade consumidora habitada por família inscrita no Cadastro Único com renda familiar de até 3 salários mínimos que tenha, entre seus familiares, membros portadores de doença ou patologia cujo tratamento exija o uso continuado de aparelhos que, para seu funcionamento, precisem de energia elétrica. CRAS Centro Centro de Referência de Assistência Social Centro Rua Vinte de Setembro, Bairro Centro Fone: Coordenadora: Melisa Boz CRAS Norte Centro de Referência de Assistência Social Zona Norte Rua das Fruteiras, Bairro Santo Antônio Fone: Coordenadora: Janete Aparecida Razera Oro CRAS Oeste Centro de Referência de Assistência Social Zona Oeste Rua Angelina Estéfen de Souza, Bairro Reolon Fone: Coordenadora: Ema Berenice Giacomelli Pazini CRAS Leste Centro de Referência de Assistência Social Zona Leste Rua Oberdan Cavinatto, Bairro De Lazzer Fone: Coordenadora: Edione Salete Mores 26 26

27 CRAS Sul Centro de Referência de Assistência Social Zona Sul Rua Laudelino Ribeiro, Bairro Esplanada Fone: Coordenadora: Sandra Salvi Anderle CREAS Centro Centro de Referência Especializado de Assistência Social Rua Vinte de Setembro, Bairro Centro Fone: Coordenadora: Ana Maria Franchi Pincolini Secretaria Municipal da Cultura Localização: Rua Augusto Pestana, 50 - Bairro São Peregrino (Estação Férrea) Fone: (54) A Secretaria Municipal da Cultura promove ações culturais valorizando a liberdade e a diversidade entre toda comunidade. A realização permanente de atividades artísticas permeia pelos mais diversos segmentos de público, abrangendo a sociedade como um todo. Na estação férrea são oferecidos os seguintes serviços: Biblioteca da Estação, Jardim da Leitura e Expresso da Leitura Unidade de Arte e Cultura Popular Divisão de Financiamento e Fomento à Cultura: Lei de Incentivo à Cultura e Financiarte Centro Municipal de Cultura Dr. Henrique Ordovás Filho Rua Luiz Antunes, Bairro Panazzolo CEP Fones: Horários: segunda a sexta das 9h às 22h, sábado e domingo das 15h às 22h Serviços oferecidos neste local: 27 27

28 Sala de Cinema Ulysses Geremia: a) Projeto Matinê às 3 com variada programação cinematográfica na Sala de Cinema, todas as quintas-feiras, às 15h. A entrada é gratuita. b) A Sala de Cinema Ulysses Geremia conta com filmes inéditos, que não são apresentados em espaços de apelo comercial. Os filmes ficam em cartaz de quinta a domingo, em diferentes horários: quinta e sexta às 19h30min e sábado e domingo às 20h A entrada custa R$8 e R$4 (estudantes e idosos). Galerias de artes: Visitas Mediadas das Exposições a duas galerias de artes, onde são expostos diversos tipos de obras de arte, dos mais variados estilos. A entrada é franca, e o funcionamento da galeria é de segunda a sexta, das 9h às 18h30min e sábados das 15h30min às 18h30min. Sala de Teatro: A Sala de Teatro é mais um espaço cultural localizada no Ordovás que possibilita espetáculos de música, dança e teatro contemplando os mais diversificados públicos. Cia Municipal de Dança Escola Preparatória de Dança Unidade de Artes Visuais Coordenação dos Centros Comunitários Cinema no Bairro Zarabatana Café/Bar Fone Casa da Cultura Percy Vargas de Abreu e Lima - Teatro Municipal Rua Dr. Montaury, 1333 Centro Fones: e Horário: segunda a sexta das 8h30min às 18h

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I Da Finalidade. CAPÍTULO II Dos Princípios, Objetivos e Metas Seção I Dos Princípios

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I Da Finalidade. CAPÍTULO II Dos Princípios, Objetivos e Metas Seção I Dos Princípios LEI N. 1.343, DE 21 DE JULHO DE 2000 Institui a Política Estadual do Idoso - PEI e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que a Assembléia Legislativa do Estado

Leia mais

www.unifeb.edu.br PROJETO CUIDA DIREITO do Idoso

www.unifeb.edu.br PROJETO CUIDA DIREITO do Idoso www.unifeb.edu.br Cartilha do Idoso APRESENTAÇÃO OS DIREITOS DOS IDOSOS NO MUNICÍPIO DE BARRETOS ASSISTÊNCIA SOCIAL PENSÃO ALIMENTÍCIA PLANO DE SAÚDE PREVIDÊNCIA SOCIAL INFORMAÇÕES ÚTEIS APRESENTAÇÃO Essa

Leia mais

PROGRAMAÇÃO MÊS DO IDOSO 2015

PROGRAMAÇÃO MÊS DO IDOSO 2015 PROGRAMAÇÃO MÊS DO IDOSO 2015 Dia: 1 de outubro - quinta-feira 2ª Mostra Sênior: Lazer em Dança Horário: 13h30min Local: UCS Teatro inscritos para a mostra e convidados Realização: Serviço Social do Comércio

Leia mais

Disciplina: modernidade e Envelhecimento Curso de Serviço Social 3º e 5º Semestre Políticas públicas para idosos 1 Marco Legal Nacional Constituição Federal (1988) Art. 202 Inciso I Ao idoso é assegurado

Leia mais

O COMPROMISSO DE CUIDAR BEM DE QUEM MAIS PRECISA

O COMPROMISSO DE CUIDAR BEM DE QUEM MAIS PRECISA O COMPROMISSO DE CUIDAR BEM DE QUEM MAIS PRECISA DEDICADO AO POVO DE UBERLÂNDIA, AOS SERVIDORES MUNICIPAIS E A TODAS AS PESSOAS QUE TRABALHAM PELO BEM DA NOSSA GENTE. Uberlândia-MG, janeiro de 2012. BemSocial.

Leia mais

Serviços públicos destinados à pessoa idosa em Minas Gerais

Serviços públicos destinados à pessoa idosa em Minas Gerais Serviços públicos destinados à pessoa idosa em Minas Gerais Serviços instituídos pelo poder público, organizados de acordo com a parte do Estatuto do Idoso à qual estão relacionados. Serviços relacionados

Leia mais

Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. CAPÍTULO I. Da Finalidade

Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. CAPÍTULO I. Da Finalidade Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte lei:

Leia mais

LEI Nº.1015 DE 11 DE NOVEMBRO DE 2013.

LEI Nº.1015 DE 11 DE NOVEMBRO DE 2013. LEI Nº.1015 DE 11 DE NOVEMBRO DE 2013. Dispõe sobre a Política Municipal de Atendimento ao Idoso do Município de São Gonçalo do Rio Abaixo, Cria o Conselho Municipal do Idoso e dá outras providências.

Leia mais

LEI Nº 6559 DE 16 DE OUTUBRO DE 2013. INSTITUI A POLÍTICA ESTADUAL DO IDOSO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

LEI Nº 6559 DE 16 DE OUTUBRO DE 2013. INSTITUI A POLÍTICA ESTADUAL DO IDOSO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LEI Nº 6559 DE 16 DE OUTUBRO DE 2013. INSTITUI A POLÍTICA ESTADUAL DO IDOSO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de

Leia mais

MINISTÉRIO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL ATENDIMENTO À PESSOA IDOSA

MINISTÉRIO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL ATENDIMENTO À PESSOA IDOSA MINISTÉRIO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL ATENDIMENTO À PESSOA IDOSA BRASIL Ü 2025 32 milhões de idosos 6º LUGAR NO MUNDO 2002 15 milhões de Idosos LEGISLAÇÃO DE PROTEÇÃO SOCIAL PARA O IDOSO Lei Orgânica da Assistência

Leia mais

Curso: Reflexões sobre o papel dos conselhos estadual e municipais do idoso

Curso: Reflexões sobre o papel dos conselhos estadual e municipais do idoso Curso: Reflexões sobre o papel dos conselhos estadual e municipais do idoso Novembro de 2014 Apoio: A Garantia de Proteção Integral da Pessoa Idosa e a Fiscalização das ILPIS Cláudia Maria Beré Promotora

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

Conselho Municipal dos Direitos do Idoso

Conselho Municipal dos Direitos do Idoso Conselho Municipal dos Direitos do Idoso Av. Duque de Caxias, 635 Jd. Mazzei II Londrina-PR Fone: (43) 3372-4046 / Fax: (43) 3372-4547 cmdi@londrina.pr.gov.br / cmdi_londrina@yahoo.com.br 7ª CONFERÊNCIA

Leia mais

Horário de Atendimento de segunda a sexta-feira das 8h às 12h e das 13h30 às 17h

Horário de Atendimento de segunda a sexta-feira das 8h às 12h e das 13h30 às 17h Programa e Projetos Secretaria Municipal de Assistência Social Rua José Teodoro Ramos, nº 16 - Fones (18) 3341-1412 - 3341-4681 Horário de Atendimento de segunda a sexta-feira das 8h às 12h e das 13h30

Leia mais

LEI Nº 7.636, DE 31 DE JULHO DE 2013. CAPÍTULO I DA FINALIDADE CAPÍTULO II DOS PRINCÍPIOS E DAS DIRETRIZES. Seção I Dos Princípios

LEI Nº 7.636, DE 31 DE JULHO DE 2013. CAPÍTULO I DA FINALIDADE CAPÍTULO II DOS PRINCÍPIOS E DAS DIRETRIZES. Seção I Dos Princípios LEI Nº 7.636, DE 31 DE JULHO DE 2013. Institui a Política Municipal do Idoso, cria a Coordenadoria Municipal do Idoso e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE CAXIAS DO SUL. Faço saber que a Câmara

Leia mais

Prefeitura Municipal de Itanhangá Gestão 2005/2008

Prefeitura Municipal de Itanhangá Gestão 2005/2008 LEI Nº 019/2005 DATA: 10 DE MARÇO DE 2005. SÚMULA: CRIA O CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTENCIA SOCIAL DA OUTRAS PROVIDÊNCIS. O Sr. VALDIR CAMPAGNOLO, Prefeito Municipal de Itanhangá, Estado de Mato Grosso,

Leia mais

LEI Nº 3.612, DE 13/09/2012.

LEI Nº 3.612, DE 13/09/2012. LEI Nº 3.612, DE 13/09/2012. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO PROGRAMA FAMÍLIA ACOLHEDORA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO MUNICIPAL DE ARACRUZ, ESTADO DO ESPÍRITO SANTO, NO USO DE SUAS ATRIBUIÇÕES LEGAIS,

Leia mais

Programa Viver é Melhor. Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente)

Programa Viver é Melhor. Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Programa Viver é Melhor Mostra Local de: Londrina Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Legião da Boa Vontade (LBV) Cidade: Londrina/PR

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MOGI DAS CRUZES

PREFEITURA MUNICIPAL DE MOGI DAS CRUZES Projeto de Lei n 340/99 464 LEI N 4.864 DE 12 DE MARÇO DE 1999 Dispõe sobre a Política Municipal do Idoso, e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE MOGI DAS CRUZES; FAÇO SABER QUE A CÂMARA MUNICIPAL

Leia mais

Relat a óri r o Despert r ar r 2 013

Relat a óri r o Despert r ar r 2 013 Relatório Despertar 2013 2 Apoiada na crença de que é possível contribuir para o desenvolvimento humano na totalidade dos seus potenciais, a Associação Comunitária Despertar, realiza anualmente ações que

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS Art. 1. A Política de Assistência Estudantil da Pós-Graduação da UFGD é um arcabouço de princípios e diretrizes

Leia mais

PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Proposta de ações para elaboração do Plano Estadual da Pessoa com Deficiência Objetivo Geral: Contribuir para a implementação

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE CACHOEIRA DO SUL PRINCESA DO JACUÍ CAPITAL NACIONAL DO ARROZ Secretaria Municipal de Administração

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE CACHOEIRA DO SUL PRINCESA DO JACUÍ CAPITAL NACIONAL DO ARROZ Secretaria Municipal de Administração ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE CACHOEIRA DO SUL PRINCESA DO JACUÍ CAPITAL NACIONAL DO ARROZ Secretaria Municipal de Administração EDITAL N 009/2015 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO A

Leia mais

III- DADOS DO PRESIDENTE

III- DADOS DO PRESIDENTE PLANO DE AÇÃO 2014 I- IDENTIFICAÇÃO Nome: Associação dos Deficientes Físicos de Lençóis Paulista - ADEFILP Endereço: Pernambuco, 333, Jardim Cruzeiro Lençóis Paulista SP CEP 18680470 Telefone: (014) 3264-9700

Leia mais

Prefeitura Municipal de Nova Mutum

Prefeitura Municipal de Nova Mutum LEI Nº 1.854, DE 20 DE ABRIL DE 2015. Dispõe sobre a Política Municipal dos Direito da Pessoa Idosa e cria o Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa Idosa e dá outras providências. O Sr. Leandro Félix

Leia mais

DECRETO Nº 1948 QUE REGULAMENTA A POLÍTICA NACIONAL DO IDOSO

DECRETO Nº 1948 QUE REGULAMENTA A POLÍTICA NACIONAL DO IDOSO DECRETO Nº 1948 QUE REGULAMENTA A POLÍTICA NACIONAL DO IDOSO Presidência da República Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 1.948, DE 3 DE JULHO DE 1996. Regulamenta a Lei n 8.842, de 4 de janeiro

Leia mais

CAPÍTULO I DA FINALIDADE

CAPÍTULO I DA FINALIDADE LEI Nº 1.392, DE 11 DE SETEMBRO DE 2009. DISPÕE SOBRE A POLÍTICA MUNICIPAL DO IDOSO, CRIA O CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO E O FUNDO MUNICIPAL DOS DIREITOS DO IDOSO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. (Alterado pela

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO SEBASTIÃO DO OESTE ESTADO DE MINAS GERAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO SEBASTIÃO DO OESTE ESTADO DE MINAS GERAIS LEI COMPLEMENTAR Nº 38, DE 22 DE FEVEREIRO DE 2011. Altera dispositivos e Cria Secretaria de Esporte, Cultura, Lazer e Turismo na Lei Complementar nº 24, de 23 de abril de 2009, que dispõe sobre a Organização

Leia mais

Projeto de Decreto. (Criar uma denominação/nome própria para o programa)

Projeto de Decreto. (Criar uma denominação/nome própria para o programa) Projeto de Decreto Dispõe sobre as atribuições e competência do Programa de Execução de Medidas Socioeducativas em Meio Aberto, atendendo à Resolução do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente,

Leia mais

A letra Q, símbolo do programa de qualidade no serviço público Gespública, pelo qual a Seplan é certificada, figura em todos os seus documentos.

A letra Q, símbolo do programa de qualidade no serviço público Gespública, pelo qual a Seplan é certificada, figura em todos os seus documentos. Q A letra Q, símbolo do programa de qualidade no serviço público Gespública, pelo qual a Seplan é certificada, figura em todos os seus documentos. É uma alusão à essência e ao compromisso da Secretaria

Leia mais

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis PARÂMETROS PARA A CONSTITUIÇÃO DAS COMISSÕES INTERSETORIAIS DE ACOMPANHAMENTO DO PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO, PROTEÇÃO E DEFESA DO DIREITO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA

Leia mais

LEI Nº 4.963, DE 9 DE SETEMBRO DE 2003

LEI Nº 4.963, DE 9 DE SETEMBRO DE 2003 PREFEITURA MUNICIPAL DE PELOTAS GABINETE DO PREFEITO LEI Nº 4.963, DE 9 DE SETEMBRO DE 2003 Dispõe sobre a Política Social do Idoso, dá nova regulamentação ao Conselho Municipal do Idoso e revoga a Lei

Leia mais

Faço saber que a Câmara Municipal de Queimados, APROVOU e eu SANCIONO a seguinte Lei:

Faço saber que a Câmara Municipal de Queimados, APROVOU e eu SANCIONO a seguinte Lei: LEI N.º 1135/13, DE 01 DE ABRIL DE 2013. Dispõe sobre o Sistema Municipal de Assistência Social de Queimados e dá outras providências. Faço saber que a Câmara Municipal de Queimados, APROVOU e eu SANCIONO

Leia mais

Palestra: Política Nacional de Assistência Social e Sistema Único da Assistência Social SUAS

Palestra: Política Nacional de Assistência Social e Sistema Único da Assistência Social SUAS Palestra: Política Nacional de Assistência Social e Sistema Único da Assistência Social SUAS Professores: Leonardo Martins Prudente e Adailton Amaral Barbosa Leite Brasília, Agosto de 2013 Política Nacional

Leia mais

SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL -Principais serviços que a Assistência Social possui para atendimento de idosos: - Proteção Social Básica (atendimento preventivo) - Centro de Convivência do Idoso - atualmente

Leia mais

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE Lei nº 4791/2008 Data da Lei 02/04/2008 O Presidente da Câmara Municipal do Rio de Janeiro nos termos do art. 79, 7º, da Lei Orgânica do Município do Rio de Janeiro, de 5 de abril de 1990, não exercida

Leia mais

Expediente. Produção Técnica: Esta é uma publicação técnica da Secretaria de Desenvolvimento Social e Cidadania do Município de Parnaíba.

Expediente. Produção Técnica: Esta é uma publicação técnica da Secretaria de Desenvolvimento Social e Cidadania do Município de Parnaíba. CARTILHA do CRAS PREFEITURA MUNICIPAL DE PARNAÍBA PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA - PSB SISTEMA ÚNICO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL - SUAS SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL E CIDADANIA Prefeitura Municipal de Parnaíba

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR Irma Martins Moroni da Silveira FALAR DA CONTEMPORANEIDADE É REFLETIR SOBRE O TEMPO PRESENTE Falar do hoje da Assistência Social; Como

Leia mais

EIXO I GESTÃO CULTURAL DEMOCRÁTICA E PARTICIPATIVA

EIXO I GESTÃO CULTURAL DEMOCRÁTICA E PARTICIPATIVA PLANO MUNICIPAL DE CULTURA DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ Comissão de Elaboração do Plano Municipal de Cultura: Anderson Beluzzo, Celso Peixoto, Dagma Castro, Elias Alcides Luciano, Guilhermina Stuker, João Alexandre

Leia mais

OBSERVATÓRIO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS DIRIGIDAS À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE EM PIRACICABA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOS AUTISTAS DE PIRACICABA AUMA

OBSERVATÓRIO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS DIRIGIDAS À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE EM PIRACICABA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOS AUTISTAS DE PIRACICABA AUMA OBSERVATÓRIO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS DIRIGIDAS À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE EM PIRACICABA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOS AUTISTAS DE PIRACICABA AUMA Entidade não governamental, com personalidade jurídica

Leia mais

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 Estabelece parâmetros para orientar a constituição, no âmbito dos Estados, Municípios e Distrito Federal, de Comissões Intersetoriais de Convivência

Leia mais

JOVEM COM DEFICIÊNCIA

JOVEM COM DEFICIÊNCIA JOVEM COM DEFICIÊNCIA 1. Promover cursos de educação profissional de nível básico (técnico e tecnológico nos termos da Lei 9.394/96) e superior em espaços públicos e privados, respeitando a inclusão de

Leia mais

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

Das diretrizes gerais

Das diretrizes gerais PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 (Do Sr. Anderson Ferreira) Dispõe sobre o Estatuto da Família e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Esta Lei institui o Estatuto da Família e dispõe

Leia mais

História. ADAV: Associação para o Desenvolvimento e a Assistência de Talentos e Vocações

História. ADAV: Associação para o Desenvolvimento e a Assistência de Talentos e Vocações História ADAV: Associação para o Desenvolvimento e a Assistência de Talentos e Vocações Em 1929, convidada a dirigir um dos primeiros laboratórios de psicologia de Minas Gerais, ligado à Escola de Aperfeiçoamento

Leia mais

Cadastro Único: um cadastro, vários programas sociais.

Cadastro Único: um cadastro, vários programas sociais. Cadastro Único: um cadastro, vários programas sociais. Secretaria de Estado da Assistência e Desenvolvimento Social. O CADASTRO ÚNICO é a porta de entrada para os Programas Sociais do Governo Federal e

Leia mais

EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL

EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL Proposta I Fomentar a criação de grêmios estudantis, fóruns de juventude, diretórios centrais de estudantes,

Leia mais

MÓDULO V Experiência de acolhimento em família solidária Aula 08. 1. Acompanhamento dos casos na modalidade de proteção em Família Solidária

MÓDULO V Experiência de acolhimento em família solidária Aula 08. 1. Acompanhamento dos casos na modalidade de proteção em Família Solidária MÓDULO V Experiência de acolhimento em família solidária Aula 08 Por Leonardo Rodrigues Rezende 1 1. Acompanhamento dos casos na modalidade de proteção em Família Solidária Os casos encaminhados à modalidade

Leia mais

SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV

SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV SOCIOASSISTENCIAL X SOCIOEDUCATIVO SOCIOASSISTENCIAL apoio efetivo prestado a família, através da inclusão em programas de transferência de renda

Leia mais

Defensoria Pública do Estado de São Paulo Núcleo Especializado dos Direitos do Idoso e da pessoa com Deficiência

Defensoria Pública do Estado de São Paulo Núcleo Especializado dos Direitos do Idoso e da pessoa com Deficiência Defensoria Pública do Estado de São Paulo Núcleo Especializado dos Direitos do Idoso e da pessoa com Deficiência O que é a Defensoria Pública? A Defensoria Pública do Estado é uma Instituição permanente

Leia mais

1. Centro para a Juventude. 199 jovens frequentaram os cursos de:

1. Centro para a Juventude. 199 jovens frequentaram os cursos de: Relatório Despertar 2014 2 Apoiada na crença de que é possível contribuir para o desenvolvimento humano na totalidade dos seus potenciais, a Associação Comunitária Despertar, realiza anualmente ações que

Leia mais

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diretriz 01 - Promoção da cultura do respeito e da garantia dos direitos humanos de

Leia mais

LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015

LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015 LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015 Institui o Sistema Municipal de Assistência Social do Município de Santo Antônio da Patrulha e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL de Santo Antônio da Patrulha,

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 Institui as diretrizes gerais de promoção da saúde do servidor público federal, que visam orientar os órgãos e entidades do Sistema de Pessoal Civil da Administração

Leia mais

PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA DO SUAS

PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA DO SUAS PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA DO SUAS CRAS Centro de Referência de Assistência Social PÚBLICO-ALVO: A PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA B DO SUAS Famílias, seus membros e indivíduos em situação de vulnerabilidade social

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE NATAL

PREFEITURA MUNICIPAL DE NATAL PREFEITURA MUNICIPAL DE NATAL Lei Nº 05129/99 Tipo: LEI ORDINÁRIA Autor: CHEFE DO EXECUTIVO MUNICIPAL Data: (13/9/1999) Classificação: REGULAMENTAÇÃO Ementa: Dispõe sobre a Política Municipal do idoso,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 16, DE 5 DE MAIO DE 2010

RESOLUÇÃO Nº 16, DE 5 DE MAIO DE 2010 RESOLUÇÃO Nº 16, DE 5 DE MAIO DE 2010 Define os parâmetros nacionais para a inscrição das entidades e organizações de assistência social, bem como dos serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais

Leia mais

www.desenvolvimentosocial.sp.gov.br

www.desenvolvimentosocial.sp.gov.br www.desenvolvimentosocial.sp.gov.br 5.485.424 idosos - 2014 9.316.614 idosos - 2030 Fonte: Fundação SEADE Novas Demandas e Desafios Poder Público Sociedade Famílias Garantia de Direitos Proteção Social

Leia mais

EDITAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS MUNICÍPIO DE CAUCAIA-CE

EDITAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS MUNICÍPIO DE CAUCAIA-CE EDITAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS MUNICÍPIO DE CAUCAIA-CE 1. INTRODUÇÃO A ASSOCIAÇÃO BENEFICENTE LUZIA LOPES GADÊLHA, por meio do Termo Convênio nº 05/2015, como parte integrante do Projeto Fortalecendo

Leia mais

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI)

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) Presidência da República Controladoria-Geral da União Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL (PETI) O PETI é um programa do Governo Federal que

Leia mais

CADASTRO ÚNICO POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA E SEUS DIREITOS

CADASTRO ÚNICO POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA E SEUS DIREITOS CADASTRO ÚNICO POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA E SEUS DIREITOS SABIA? VOCÊ As pessoas em situação de rua têm direito a estar no Cadastro Único. O que é o Cadastro Único? O Cadastro Único identifica quem são

Leia mais

Como se Tornar um Município Amigo do Idoso. Critérios para a Obtenção do Selo de Município Amigo do Idoso

Como se Tornar um Município Amigo do Idoso. Critérios para a Obtenção do Selo de Município Amigo do Idoso Como se Tornar um Município Amigo do Idoso Critérios para a Obtenção do Selo de Município Amigo do Idoso 2 3 GERALDO ALCKMIN Governador do Estado de São Paulo ROGERIO HAMAM Secretário de Estado de Desenvolvimento

Leia mais

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO Maria Salete da Silva Josiane dos Santos O Programa Assistência Sócio-Jurídica, extensão do Departamento de Serviço Social, funciona no Núcleo

Leia mais

EDITAL N. 02 PARA SELEÇÃO DE AGENTES COMUNITÁRIOS DE JUSTIÇA E CIDADANIA DO NÚCLEO DE JUSTIÇA COMUNITÁRIA DE GOIÁS

EDITAL N. 02 PARA SELEÇÃO DE AGENTES COMUNITÁRIOS DE JUSTIÇA E CIDADANIA DO NÚCLEO DE JUSTIÇA COMUNITÁRIA DE GOIÁS EDITAL N. 02 PARA SELEÇÃO DE AGENTES COMUNITÁRIOS DE JUSTIÇA E CIDADANIA DO NÚCLEO DE JUSTIÇA COMUNITÁRIA DE GOIÁS 1. DA ABERTURA 1.1. A Prefeitura Municipal de Goiás convida toda comunidade Vilaboense,

Leia mais

Excelentíssimo Senhor Presidente da Câmara de Vereadores e demais Edis.

Excelentíssimo Senhor Presidente da Câmara de Vereadores e demais Edis. MENSAGEM Nº. 02/2013 Excelentíssimo Senhor Presidente da Câmara de Vereadores e demais Edis. Com nossos cordiais cumprimentos encaminhamos a V. Exa. e digníssimos Pares dessa R. Casa Legislativa, o Projeto

Leia mais

LEI Nº. 1917 LEI. Art. 2º. O Programa será vinculado ao Departamento Municipal de Ação Social e tem por objetivos:

LEI Nº. 1917 LEI. Art. 2º. O Programa será vinculado ao Departamento Municipal de Ação Social e tem por objetivos: LEI Nº. 1917 SÚMULA: Institui o Programa de Guarda Subsidiada de Crianças e Adolescentes, denominado "Programa Família Acolhedora e dá outras providências. A Câmara Municipal de Palmas, Estado do Paraná,

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA FEDERAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO 67. Planejamento Estratégico da PFDC

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA FEDERAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO 67. Planejamento Estratégico da PFDC PROCURADORIA FEDERAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO 67 Planejamento Estratégico da PFDC Pessoa Idosa 2010 PROCURADORIA FEDERAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO 68 INTRODUÇÃO Tema: Pessoa Idosa A missão da Procuradoria

Leia mais

Instituições de Longa Permanência: Desafios e Modelos Possíveis. Neuma Nogueira Coordenadora do Grupo Vida - Brasil

Instituições de Longa Permanência: Desafios e Modelos Possíveis. Neuma Nogueira Coordenadora do Grupo Vida - Brasil Instituições de Longa Permanência: Desafios e Modelos Possíveis Neuma Nogueira Coordenadora do Grupo Vida - Brasil Há 17 anos promovendo os direitos dos idosos com qualidade de vida. Nossa História O Grupo

Leia mais

Projeto Pequenas Damas

Projeto Pequenas Damas Mostra Local de: Arapongas Projeto Pequenas Damas Categoria do projeto: I Projetos em Andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Associação das Damas de Caridade de Arapongas

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher TERMO DE REFERENCIA Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Supervisão Geral No âmbito do Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher, conveniado com a Secretaria Especial

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO

CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO Despacho 2007 Nº PROJETO DE LEI Nº 1099/2007 Considera de utilidade pública o Grupo de Formadores de Educadores Populares GEFEP. Autor: Vereador Eliomar Coelho. DECRETA: A Câmara Municipal do Rio de Janeiro

Leia mais

A porta de entrada para você receber os benefícios dos programas sociais do Governo Federal.

A porta de entrada para você receber os benefícios dos programas sociais do Governo Federal. A porta de entrada para você receber os benefícios dos programas sociais do Governo Federal. Para que serve o Cadastro Único? O Cadastro Único foi criado para o governo saber melhor quem são e como vivem

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Projeto Exercitando Direitos do PELC - Programa de Esporte e Lazer da Cidade

Mostra de Projetos 2011. Projeto Exercitando Direitos do PELC - Programa de Esporte e Lazer da Cidade Mostra de Projetos 2011 Projeto Exercitando Direitos do PELC - Programa de Esporte e Lazer da Cidade Mostra Local de: Piraquara Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais.

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS PREFEITURA MUNICIPAL DE TABATINGA SECRETARIA MUNICIPAL DEGABINETE

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS PREFEITURA MUNICIPAL DE TABATINGA SECRETARIA MUNICIPAL DEGABINETE «HEFEIIUIIA DE TflBfITinOII SlecautmÁM^ ntusa àdadt. LEI N" 72L DE 23 DE JUNHO DE 2015. Dispõe sobre criação de academias ao Ar Livre no Município de Tabatinga e dá outras providencias. u o PREFEITO DO

Leia mais

O PETI e o Trabalho em Rede. Maria de Fátima Nassif Equipe Proteção Social Especial Coordenadoria de Ação Social Secretaria de Desenvolvimento Social

O PETI e o Trabalho em Rede. Maria de Fátima Nassif Equipe Proteção Social Especial Coordenadoria de Ação Social Secretaria de Desenvolvimento Social O PETI e o Trabalho em Rede Maria de Fátima Nassif Equipe Proteção Social Especial Coordenadoria de Ação Social Secretaria de Desenvolvimento Social Articulação da rede de serviços socioassistenciais Proteção

Leia mais

Art. 2 O Sistema Municipal de Assistência Social de Mangueirinha SUAS é regido pelos seguintes princípios:

Art. 2 O Sistema Municipal de Assistência Social de Mangueirinha SUAS é regido pelos seguintes princípios: LEI Nº 1720/2012 Dispõe sobre o Sistema Municipal de Assistência Social de Mangueirinha SUAS (Sistema Único de Assistência Social). Faço saber, que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná

Leia mais

GRUPO: DESENVOLVIMENTO COMUNITÁRIO COM AS FAMILIAS ATENDIDAS NO PAIF Em Parceria com Ação Social São João Evangelista

GRUPO: DESENVOLVIMENTO COMUNITÁRIO COM AS FAMILIAS ATENDIDAS NO PAIF Em Parceria com Ação Social São João Evangelista GRUPO: DESENVOLVIMENTO COMUNITÁRIO COM AS FAMILIAS ATENDIDAS NO PAIF Em Parceria com Ação Social São João Evangelista CRAS- CENTRO DE REFERÊNCIA DA ASSITÊNCIA SOCIAL Março, 2012 I-IDENTIFICAÇÃO: Nome Projeto:

Leia mais

Câmara Municipal de Uberaba A Comunidade em Ação LEI Nº 7.904

Câmara Municipal de Uberaba A Comunidade em Ação LEI Nº 7.904 A Comunidade em Ação LEI Nº 7.904 Disciplina a Política Municipal de Enfrentamento à Violência Sexual e dá outras providências. O Povo do Município de Uberaba, Estado de Minas Gerais, por seus representantes

Leia mais

ESPAÇO TRANSFORMADOR. Institucionalizado para a Comunidade. Transformação Baseada na tomada de consciência, na descoberta e na mudança de atitudes e

ESPAÇO TRANSFORMADOR. Institucionalizado para a Comunidade. Transformação Baseada na tomada de consciência, na descoberta e na mudança de atitudes e ESPAÇO TRANSFORMADOR Transformação Baseada na tomada de consciência, na descoberta e na mudança de atitudes e comportamentos e especialmente na construção e aplicação dos conhecimentos apreendidos. Organização

Leia mais

Deixe-me ser feliz CAPI - Casa de Amparo e Proteção à Infância

Deixe-me ser feliz CAPI - Casa de Amparo e Proteção à Infância Deixe-me ser feliz CAPI - Casa de Amparo e Proteção à Infância Objetivo: Como previsto pelo estatuto da entidade, Art 2º, tem por finalidade a proteção e o amparo à crianças na faixa etária de 0 (zero)

Leia mais

COLIGAÇÃO INOVAR É PRECISO PROPOSTA DE GOVERNO 2013/2016

COLIGAÇÃO INOVAR É PRECISO PROPOSTA DE GOVERNO 2013/2016 COLIGAÇÃO INOVAR É PRECISO PROPOSTA DE GOVERNO 2013/2016 ADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL Implantar o Plano Diretor. Implantar o Orçamento participativo. Valorização pessoal do funcionário público municipal. Implantação

Leia mais

Tipo OCA. Subação. 1-Ações de Infraestrutura da Gestão Superior NEX. 2-Participação da Fundação em Eventos Locais, Nacionais e Internacionais NEX

Tipo OCA. Subação. 1-Ações de Infraestrutura da Gestão Superior NEX. 2-Participação da Fundação em Eventos Locais, Nacionais e Internacionais NEX Relatório do Criança e Adolescente ( ) Página 1 de 42 EIXO: ACESSO À EDUCAÇÃO DE QUALIDADE SUB-EIXO: CULTURA (b) (c) 13-Cultura 122-Administração Geral 146-Gestão da Política Cultural 2338-Gestão Superior

Leia mais

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Realização: Ágere Cooperação em Advocacy Apoio: Secretaria Especial dos Direitos Humanos/PR Módulo III: Conselhos dos Direitos no

Leia mais

PROGRAMA Nº- 105 CASA DA MULHER/CENTRO ESPECIALIZADO DE ATENDIMENTO A MULHER CASA ABRIGO

PROGRAMA Nº- 105 CASA DA MULHER/CENTRO ESPECIALIZADO DE ATENDIMENTO A MULHER CASA ABRIGO ÓRGÃO RESPONSÁVEL: Secretaria Municipal de Políticas Públicas para Mulher NOME: PROGRAMA Nº- 105 CASA DA MULHER/CENTRO ESPECIALIZADO DE ATENDIMENTO A MULHER CASA ABRIGO Código Descrição FUNÇÃO: 14 Direitos

Leia mais

V Simpósio da ARELA-RS sobre Esclerose Lateral Amiotrófica ELA

V Simpósio da ARELA-RS sobre Esclerose Lateral Amiotrófica ELA V Simpósio da ARELA-RS sobre Esclerose Lateral Amiotrófica ELA Geneviève Lopes Pedebos Assistente Social Mestre em Serviço Social pela PUCRS Porto Alegre, 08/05/2010 Na área da saúde, o Assistente Social

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

RESOLUÇÃO CNAS Nº 11, DE 23 DE SETEMBRO DE 2015.

RESOLUÇÃO CNAS Nº 11, DE 23 DE SETEMBRO DE 2015. RESOLUÇÃO CNAS Nº 11, DE 23 DE SETEMBRO DE 2015. Caracteriza os usuários, seus direitos e sua participação na Política Pública de Assistência Social e no Sistema Único de Assistência Social, e revoga a

Leia mais

PAIF. Programa de Atenção Integral à Família - PAIF CRAS

PAIF. Programa de Atenção Integral à Família - PAIF CRAS Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Assistência Social Programa de Atenção Integral à Família - PAIF CRAS PAIF IMPORTANTE INTERRELAÇÃO ENTRE PAIF E CRAS CRAS O

Leia mais

Políticas Públicas no Brasil. Secretaria Nacional de Juventude

Políticas Públicas no Brasil. Secretaria Nacional de Juventude Políticas Públicas no Brasil Secretaria Nacional de Juventude Prioridades 2012 PPJ como política de Estado Articulação Intersetorial (Comitê, Avaliação do Projovem) Marcos Legais Estatuto da Juventude

Leia mais

Asilo São Vicente de Paulo

Asilo São Vicente de Paulo Asilo São Vicente de Paulo O Asilo São Vicente de Paulo promove a qualidade de vida e o resgate à dignidade da pessoa idosa. Atualmente é responsável pela garantia dos direitos fundamentais de 150 idosas.

Leia mais

Serviços de Proteção Social Básica Dados sobre os serviços de Proteção Social Básica

Serviços de Proteção Social Básica Dados sobre os serviços de Proteção Social Básica SECRETARIA MUNICIPAL DE POLITICAS SOCIAIS SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Belo Horizonte, 05 de fevereiro de 2010. Prezado Senhor, A Secretaria Municipal Adjunta de Assistência Social,

Leia mais

NPJ - Núcleo de Prática Jurídica

NPJ - Núcleo de Prática Jurídica NPJ - Núcleo de Prática Jurídica O Núcleo de Prática Jurídica - NPJ da FSG constitui-se como o espaço que promove a articulação entre o ensino, a pesquisa e a extensão e é voltado para a formação prática

Leia mais

Consulta Pública ESTRATÉGIAS

Consulta Pública ESTRATÉGIAS Plano Municipal de Educação PME Secretaria Municipal de Educação São Francisco do Sul Fórum Municipal de Educação Consulta Pública META 3: Universalizar, até 2016, o atendimento escolar para toda a população

Leia mais

Coordenação-Geral de Regulação da Gestão do SUAS do Departamento de Gestão do SUAS

Coordenação-Geral de Regulação da Gestão do SUAS do Departamento de Gestão do SUAS Coordenação-Geral de Regulação da Gestão do SUAS do Departamento de Gestão do SUAS SUAS E SISAN MARCO LEGAL - Art. 6º da CF/88 : São direitos sociais a educação, a saúde, a alimentação, o trabalho, a moradia,

Leia mais

LEI N 1.892/2008 Dá nova redação a Lei nº 1.580/2004

LEI N 1.892/2008 Dá nova redação a Lei nº 1.580/2004 LEI N 1.892/2008 Dá nova redação a Lei nº 1.580/2004 Povo do Município de Viçosa, por seus representantes legais, aprovou e eu, em seu nome, sanciono e promulgo a seguinte Lei: Das disposições Gerais Art.

Leia mais

Experiência no Atendimento Domiciliar ao Paciente Serviço Social

Experiência no Atendimento Domiciliar ao Paciente Serviço Social Experiência no Atendimento Domiciliar ao Paciente Serviço Social Flávia J.Rodrigues de Sá Pinheiro de Melo Assistente Social Especialista em Saúde Mental e Moléstias Infecciosas - Unicamp Serviço Atenção

Leia mais

e construção do conhecimento em educação popular e o processo de participação em ações coletivas, tendo a cidadania como objetivo principal.

e construção do conhecimento em educação popular e o processo de participação em ações coletivas, tendo a cidadania como objetivo principal. Educação Não-Formal Todos os cidadãos estão em permanente processo de reflexão e aprendizado. Este ocorre durante toda a vida, pois a aquisição de conhecimento não acontece somente nas escolas e universidades,

Leia mais

MOC 10. CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO DE ATIVIDADES - COMUNIDADE NOSSA SENHORA APARECIDA

MOC 10. CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO DE ATIVIDADES - COMUNIDADE NOSSA SENHORA APARECIDA 10. CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO DE ATIVIDADES - COMUNIDADE NOSSA SENHORA APARECIDA EIXO Macroação ATIVIDADES Compor a equipe técnica com experiências no trabalho de desenvolvimento de comunidade. Identificar

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 254/2014

EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 254/2014 EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 254/2014 O Presidente do Instituto Pauline Reichstul-IPR, torna público que receberá inscrições para o processo seletivo de pessoal para atuação no projeto Ações Integradas

Leia mais