Caracterização Florestal

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Caracterização Florestal"

Transcrição

1 PLANO DIRETOR MUNICIPAL PENACOVA Caracterização Florestal abril 2015 município de lugar do plano, gestão do território e cultura

2 Índice A. Introdução... 3 B. Os PROF s... 4 C. O PROF do Centro Litoral... 6 C. 1. S u b - R e g i õ e s H o m o g é n e a s... 7 C. 2. E s p a ç o s F l o r e s t a i s P r i o r i t á r i o s D. Os Recursos Florestais D. 1. E s p a ç o s F l o r e s t a i s D. 2. P r o d u t i v i d a d e P o t e n c i a l D.2.1. CLIMA D.2.2. ORO G RAFIA D.2.3. LITO LO GI A D.2.4. POTEN CI A LI DAD E PRO DU TI VA D. 3. R e c u r s o s e P r o d u t o s F l o r e s t a i s D.3.1. Á RVORES DE INTERE SSE PÚ BLI CO D.3.2. CAÇA D.3.3. PES CA EM ÁGU AS INTE RI O RE S D.3.4. MA D EI RA E R ESI N A D.3.5. F RU TOS, COGU MELO S E ERVA S AROM ÁTI C AS D.3.6. SI LVO PASTO RÍ CI A D.3.7. REC REI O E PAI SA GEM D.3.8. BIOM ASSA PA RA A ENERGI A D. 4. P e r i g o s i d a d e d e I n c ê n d i o D. 5. R i s c o d e I n c ê n d i o D. 6. R e g u l a m e n t o P R O F C e n t r o L i t o r a l C o m p a t i b i l i z a ç ã o c o m o P D M lugar do plano, gestão do território e cultura município de Penacova 2

3 A. I n t r o d u ç ã o No âmbito da elaboração de um Plano Diretor Municipal é fundamental conhecer o território para o qual se está a elaborar a figura de ordenamento sobre o qual irá incidir. Neste campo específico de atuação, do setor florestal, é evidente a sua enorme expressão neste concelho. Nessa medida é fulcral que uma parte dos trabalhos de revisão do Plano Diretor Municipal de Penacova se debruce na caracterização e análise desse setor. Nesta medida, importa sobretudo procurar uma compatibilização entre os diferentes usos do solo, nomeadamente os solos urbanos e os solos florestais, e assegurar que as diferentes valências que caracterizam os espaços florestais, entre os quais, a de lazer, a de proteção e conservação, e de produção. No atual sistema de ordenamento e das figuras de plano enquadráveis no sistema português, as figuras mais diretamente relacionadas com a classificação e qualificação dos solos, e com o ordenamento florestal são sobretudo os planos diretores municipais e, mais recentemente, os planos regionais de ordenamento florestal. Desta forma, e aqui chegados, no âmbito da atual revisão do PDM de Penacova, importa sobretudo articular e compatibilizar as duas figuras de plano, no caso deste Concelho com o Plano Regional de Ordenamento Florestal do Centro Litoral (PROF CL). Assim, para o conhecimento mais integrado do território de Penacova, no que se refere à ocupação florestal, recorre-se ao PROF CL, onde foi feito um considerável esforço no tratamento de dados de base, transformando-os em informação útil no processo de planeamento em questão, pelo que seria insensato proceder a novos trabalhos conducentes à obtenção da mesma informação. Desta forma, na presente caracterização, socorre-se à caracterização efetuada no PROF CL, sempre que tal se justifique útil e consentâneo com a metodologia de trabalho adotada, até porque estas realidades são bem mais abrangentes do que a área restrita do concelho, e para a qual as delimitações administrativas pouco importam. O PROF CL procede à caracterização e diagnóstico da região, nomeadamente à identificação dos espaços florestais, à caracterização biofísica e infraestrutural e à caracterização socioeconómica. É também efetuada a definição dos objetivos gerais e operacionais e a definição dos modelos gerais de silvicultura e de gestão dos recursos florestais e associados. Com a análise deste instrumento de política sectorial pretende-se compreender o seu espírito e filosofia, nomeadamente a nível das repercussões que terá no PDM de Penacova, uma vez que se trata de um projeto com uma abrangência territorial e normativa muito alargada que, sem dúvida, é um documento valioso e útil ao nível do ordenamento e planeamento dos recursos florestais. lugar do plano, gestão do território e cultura município de Penacova 3

4 B. O s P R O F s Os princípios orientadores da Lei de Bases da Política Florestal (Lei n.º 33/96, de 17 de agosto) e as orientações e objetivos estratégicos do Plano de Desenvolvimento Sustentável da Floresta Portuguesa consagram pela primeira vez instrumentos de ordenamento e planeamento florestal, designados por Planos Regionais de Ordenamento Florestal (PROF s), que, definindo diretrizes relativas à ocupação e ao uso dos espaços florestais e de forma articulada com os restantes instrumentos de gestão territorial, promoverão, em ampla cooperação entre o Estado e os proprietários florestais privados, a gestão sustentável dos espaços florestais por eles abrangidos. Foi através da Resolução do Conselho de Ministros n.º 118/2000 de , que ficou determinada a elaboração dos PROF s, instrumentos de gestão territorial de âmbito nacional, a aplicar em 21 regiões de Portugal continental e nas regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Os PROF são um elemento charneira no sistema de planeamento florestal português desenvolvendo as orientações preconizadas ao nível do planeame nto florestal nacional e da legislação em vigor e traduzindo-as sempre que necessário em programas de ação, em atribuição de competências ou em normas concretas de silvicultura e de utilização do território. Estas normas serão posteriormente utilizadas no processo de elaboração dos planos de gestão florestal (PGF), dos planos de utilização de baldios (PUB), dos planos diretores municipais (PDM) e dos planos municipais de intervenção na floresta (PMIF). Um dos objectivos-chave do planeamento florestal regional, intimamente ligado com a proteção dos espaços florestais e com o aumento da sua produtividade, lato sensu, é o de garantir que todo o território receba assistência, vigilância e tratamento permanentes, com um sentido social claro, prevenindo o surgimento de espaços de abandono, onde são comuns acontecimentos como grandes incêndios, proliferação de espécies invasoras e de pragas ou ainda intervenções abusivas e furtivas sem deteção de responsáveis. Simultaneamente, será constituída uma base de informação que interessa não só à elaboração dos planos regionais, mas também à gestão dos espaços florestais pelos serviços do Estado e pelos restantes agentes, aos níveis da administração de propriedades florestais, da recuperação de áreas atingidas por acontecimentos catastróficos (fogos, tempestades, etc.), da elaboração dos PGF, dos PUB ou ainda do acompanhamento da elaboração de PDM, de PROT ou de planos especiais, por exemplo. DGF / MADRP Segundo a DGRF, e de uma forma resumida, os PROF s: Organizam os espaços florestais ao nível regional e estabelecem um enquadramento técnico e normativo para a utilização dos recursos florestais; lugar do plano, gestão do território e cultura município de Penacova 4

5 Asseguram que todos os espaços florestais tenham assistência, vigilância e tratamento permanentes; Definem zonas de intervenção prioritária e os meios e agentes responsáveis pela execução das ações preconizadas; Definem normas orientadoras para a elaboração dos PGF. Por sua vez os PGF, regulam, no tempo e no espaço, as intervenções de natureza cultural e/ou de exploração, visando a produção sustentada de bens e serviços ao nível das unidades de produção florestal. lugar do plano, gestão do território e cultura município de Penacova 5

6 C. O P R O F d o C e n t r o L i t o r a l O Plano Regional de Ordenamento Florestal do Centro Litoral ( PROF CL ), o qual abrange o concelho de Penacova, foi aprovado pelo Decreto Regulamentar n.º 11/2006, de 21 de julho. DR n.º 140, Série I. Figura 1. Região e Respetivos concelho da área-plano do PROF CL Fonte: PROF CL, 2006 A sua elaboração foi acompanhada por uma comissão mista de acompanhamento formada pelos representantes da Direção-Geral dos Recursos Florestais, da Direção Regional de Agricultura da Beira Litoral, do Instituto da Conservação da Natureza, da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro, dos municípios abrangidos pela região PROF, do Serviço Nacional de Bombeiros e Proteção Civil, das organizações de proprietários florestais e dos órgãos administrativos dos baldios e representantes das indústrias e serviços mais representativos da região PROF, de forma a integrar as diversas vertentes e interesses do setor florestal. Este instrumento, para além de Penacova, abrange os municípios de Águeda, Albergaria-a-Velha, Anadia, Aveiro, Batalha, Cantanhede, Coimbra, Condeixa-a-Nova, Estarreja, Figueira da Foz, Ílhavo, Leiria, Marinha Grande, Mealhada, Mira, Montemor-o-Velho, Murtosa, Oliveira do Bairro, Ovar, Pombal, Porto de lugar do plano, gestão do território e cultura município de Penacova 6

7 Mós, Sever do Vouga, Soure e Vagos. Assim, a região PROF Centro Litoral abarca grande parte do Litoral da Região Centro, ocupando cerca de hectares. C.1. Sub-Regi ões H om og éneas Os objetivos dos PROF s, designadamente os do Centro Litoral, estão orientados em função da definição das sub-regiões homogéneas, as quais deverão ser criadas ao nível da freguesia. Genericamente as subregiões homogéneas resultam do somatório dos espaços florestais, dos espaços incultos, dos espaços improdutivos e das águas interiores. A organização dos espaços florestais e respetivo zonamento, nesta região, é feita ao nível de sub-regiões homogéneas, que correspondem a unidades territoriais com elevado grau de homogeneidade relativamente ao perfil de funções dos espaços florestais e às suas características, possibilitando a definição territorial de objetivos de utilização como resultado da otimização combinada de três funções principais. Figura 2. Sub-Regiões Homogéneas na área-plano do PROF do Centro Litoral Fonte: PROF CL, 2006 lugar do plano, gestão do território e cultura município de Penacova 7

8 De acordo com o PROF do Centro Litoral, existem 8 sub-regiões homogéneas: 1 Sub-região homogénea Entre Vouga e Mondego 2 Sub-região homogénea Calcários de Cantanhede 3 Sub-região homogénea Ria e Foz do Vouga 4 Sub-região homogénea Gândaras do Norte 5 Sub-região homogénea Dunas Litorais e Baixo Mondego 6 Sub-região homogénea Gândaras Sul 7 Sub-região homogénea Sicó e Alvaiázere 8 Sub-região homogénea Porto de Mós e Mendiga Todas as sub-regiões homogéneas têm em comum a prossecução de vários objetivos específicos, os quais se encontram expressos no artigo 12.º do Decreto Regulamentar 11/2006, de 21 de julho, e que a seguir se apresentam: a) Diminuir o número de ignições de incêndios florestais; b) Diminuir a área queimada; c) Promover o redimensionamento das explorações florestais de forma a otimizar a sua gestão, nomeadamente: i) Divulgar informação relevante para desenvolvimento da gestão florestal; ii) Realização do cadastro das propriedades florestais; iii) Redução das áreas abandonadas; iv) Criação de áreas de gestão única de dimensão adequada; v) Aumentar a incorporação de conhecimentos técnico-científicos na gestão através da sua divulgação ao público-alvo; d) Aumentar o conhecimento sobre a silvicultura das espécies florestais; e) Monitorizar o desenvolvimento dos espaços florestais e o cumprimento do Plano. Por sua vez, cada sub-região homogénea possui os seus objetivos específicos, encontrando-se especificados no artigo 13.º do Decreto Regulamentar 11/2006, de 21 de julho, aqueles que se aplicam à sub-região homogénea de Entre Vouga e Mondego, à qual pertence Penacova conjuntamente com mais dez municípios: Águeda, Albergaria-a-Velha, Anadia, Aveiro, Coimbra, Estarreja, Mealhada, Oliveira do Bairro, Ovar e Sever do Vouga. 1 Na sub-região homogénea de Entre Vouga e Mondego visa-se a implementação e incrementação das funções de produção, proteção e desenvolvimento da silvo-pastorícia, caça e pesca nas águas interiores. 2 A fim de prosseguir as funções referidas no número anterior, são estabelecidos os seguintes objetivos específicos: lugar do plano, gestão do território e cultura município de Penacova 8

9 a) Diversificar a ocupação dos espaços florestais arborizados com espécies que apresentem bons potenciais produtivos; b) Recuperar as áreas em situação de maior risco de erosão; c) Desenvolver a prática da pesca nas águas interiores associada ao aproveitamento para recreio nos espaços florestais: i) Identificar as zonas com bom potencial para o desenvolvimento da atividade da pesca e desenvolver o ordenamento dos recursos piscícolas; ii) Dotar todas as zonas prioritárias para a pesca identificadas no inventário com infraestruturas de apoio (por exemplo, acessos e pontos de pesca) e criar zonas concessionadas para a pesca; d) Recuperar os troços fluviais degradados; e) Aumentar a atividade associada à caça, enquadrando-a com o aproveitamento para recreio nos espaços florestais: i) Aumentar o conhecimento do potencial cinegético da região; ii) Aumentar o número de áreas com gestão efetiva e a rendibilidade da atividade cinegética e manter a integridade genética das espécies cinegéticas; iii) Aumentar o nível de formação dos responsáveis pela gestão de zonas de caça; f) Desenvolver a atividade silvo-pastoril: i) Aumentar o nível de gestão dos recursos silvo-pastoris e o conhecimento sobre a atividade silvopastoril; ii) Integrar totalmente a atividade silvo-pastoril na cadeia de produção de produtos certificados; g) Adequar os espaços florestais à crescente procura de atividades de recreio e de espaços de interesse paisagístico: i) Definir as zonas com bom potencial para o desenvolvimento de atividades de recreio e com interesse paisagístico e elaborar planos de adequação destes espaços ao uso para recreio; ii) Dotar as zonas prioritárias para recreio e com interesse paisagístico com infraestruturas de apoio; iii) Adequar o coberto florestal nas zonas prioritárias para a utilização para recreio e com interesse paisagístico; h) Desenvolver a atividade apícola: i) Aumentar o nível de gestão dos recursos apícolas e o conhecimento sobre a atividade apícola e integrar a atividade Os espaços florestais, consoante as características próprias de cada região onde se inserem, desempenham uma multiplicidade de funções, as quais se encontram agrupadas em cinco funções: 1 Produção; 2 - Proteção do solo e dos recursos hídricos; 3 - Conservação dos habitats e das espécies de fauna e flora; 4 - Silvopastorícia, caça e pesca; lugar do plano, gestão do território e cultura município de Penacova 9

10 5 Recreio: estética da paisagem; Conforme se pode constatar através da figura seguinte, as diferentes funções diferenciam-se territorialmente na sub-região consoante o potencial que cada território apresenta para o seu desenvolvimento. Detendo-nos no município de Penacova, no que respeita à função produção, constatase que é muito importante em todo o seu território. Por sua vez a função proteção revela-se importante e, nas freguesias de Penacova, Lorvão, Figueira de Lorvão, Sazes de Lorvão e parte da de Carvalho, como sem especial relevância. Relativamente à função conservação e função recreio quase todo o território revela um potencial sem especial relevância, exceção feita à parte Sudoeste da freguesia de Carvalho, a qual apresenta um potencial para esta função tido como importante. Por fim, a função silvopastorícia, caça e pesca apresenta um potencial importante na grande maioria do Concelho. lugar do plano, gestão do território e cultura município de Penacova 10

11 Figura 3. Função Produção Função Proteção Função Conservação Habitats Fauna e Flora Função Silvopastorícia, Caça e Pesca Função Recreio Estética da Paisagem Fonte: PROF CL Bases de Ordenamento lugar do plano, gestão do território e cultura município de Penacova 11

12 Esta sub-região apresenta um elevado potencial para a produção lenhosa, em particular através do pinheiro-bravo e o eucalipto que constituem as principais fileiras produtivas nacionais, pese embora também demonstre características propícias para o desenvolvimento da silvopastorícia, caça e pesca em águas interiores. Aliado a estas potencialidades existe a necessidade de uma proteção acrescida face à existência de declives acentuados em determinadas zonas. Uma vez que estas características se apresentam com diferentes potenciais, as funções desta sub-região encontram-se hierarquizadas da seguinte forma: 1ª função: Produção (Contribuição dos espaços florestais para o bem-estar material das sociedades rurais e urbanas através da produção de madeira, cortiça, biomassa para a energia, frutos e sementes, materiais vegetais e orgânicos); 2ª função: Proteção (Contribuição dos espaços florestais para a manutenção das geocenoses e das infraestruturas antrópicas através da proteção da rede hidrográfica, proteção contra a erosão eólica, hídrica e cheias, proteção microclimática e ambiental); 3ª função: Silvopastorícia, caça e pesca em águas interiores (Contribuição dos espaços florestais para o desenvolvimento da caça, pesca e pastorícia, através do suporte à caça e conservação das espécies cinegéticas, à pastorícia, à apicultura e à pesca em águas interiores). Figura 4. Sub-regiões Homogéneas - 1ª Função 2ª Função 3ª Função Fonte: PROF CL Bases de Ordenamento lugar do plano, gestão do território e cultura município de Penacova 12

13 O PROF CL aponta uma série de pontos fortes e fracos às diversas sub-regiões homogéneas. Concretamente para a sub-região homogénea de Entre Vouga e Mondego (Quadro 1.) são apontados como pontos fortes o elevado potencial para a produção de material lenhoso e para a atividade piscatória, a considerável superfície de zona de caça, a existência de produtos certificados fruto da atividade silvopastoril, os fortes valores paisagísticos, entre outros. Relativamente ao pontos fracos são apontados os riscos de erosão e de incêndio, assim como a existência de troços fluviais em estado degradado. Quadro 1. Pontos Fortes e Fracos, Sub-região Homogénea Entre Vouga e Mondego PONTOS FORTES PONTOS FRACOS Elevado potencial para produção de material lenhoso - Eucalipto, pinheiro-bravo, carvalho-alvarinho Elevado potencial para a atividade piscatória - Cursos de água dos rios Vouga e Mau, classificados como piscícolas e a proximidade da albufeira da Aguieira onde se pratica pesca profissional Região com uma elevada superfície de zonas de caça com rendimentos resultantes da exploração da caça menor e migratórias - Potencial para caça maior Risco de erosão médio Declives mais acentuados a este da sub-região bem como nas vertentes do rio Vouga, conjugados com zonas de ocorrência/intensidade de precipitação elevada Troços fluviais degradados ou muito degradados Maior risco de incêndio - Nos concelhos de Sever do Vouga, Penacova, e a estedos de Águeda e de Anadia, devido, em particular, à existência de grandes manchas contínuas de vegetação. Atividade silvopastoril com produtos certificados - Carne arouquesa, DOP e Carne Marinhoa, DOP Região com valores paisagísticos Proximidade do litoral, Mata do Buçaco, planaltos da Serra do Arestal, vale do rio Vouga e potenciais de recreio e lazer associados a atividades desportivas como por ex. canoagem no rio Vouga Existência de áreas sob gestão da Administração Pública Perímetro Florestal do Rio Mau, Buçaco, Préstimo, Ladario e Caramulo Potencial para a produção de mel de eucalipto. Fonte: PROF Centro Litoral lugar do plano, gestão do território e cultura município de Penacova 13

14 C.2. E sp aço s Flor est ai s P rioritários O PROF CL propõe e identifica freguesias com espaços florestais prioritários para instalação de Zonas de Intervenção Florestal ZIF, tendo por base três critéros: Zonas dominadas por pequenas propriedades florestais (com área inferior à área mínima que obriga à elaboração do Plano de Gestão Florestal - PGF); Zonas com uma superfície significativa de área ardida recente; Zonas de floresta madura que interessa estruturar com vista à defesa contra incêndios e/ou conservação. Atualmente existe no Concelho de Penacova uma Zona de Intervenção Florestal - ZIF Mondalva, constituída ao abrigo da Portaria n.º 1472/2008, de 17 de dezembro, com ha e, que abrange as freguesias de Oliveira do Mondego, Paradela, São Paio do Mondego, São Pedro de Alva e Travanca do Mondego. As zonas de intervenção florestal consistem em áreas territoriais contínuas e delimitadas constituída maioritariamente por espaços florestais, submetida a um plano de gestão florestal e a um plano específico de intervenção florestal e gerida por uma única entidade. A ZIF Mondalva tem como entidade gestora a Caule Associação Florestal da Beira Serra, encontrando-se com PGF (DIF-345) e PEIF (DUDEIF-139A) aprovados pelo ICNF, desde maio de 2012 e março de 2010, respetivamente. Além disso, no Concelho existe uma outra área com plano de gestão florestal aprovado pelo ICNF desde 11 de novembro de 2010, gerida pelo Grupo Portucel Soporcel. Esta área tem 120,6 ha e abrange as freguesias de Penacova e Friúmes. Na figura seguinte estão representadas as áreas submetidas ao regime florestal, áreas geridas pelo Grupo Portucel Soporcel e, área da ZIF Mondalva. lugar do plano, gestão do território e cultura município de Penacova 14

15 Figura 5. Instrumentos de Planeamento Florestal do concelho de Penacova Fonte: PMDFCI, 2014 C.3. Áreas P r ot egi d as, R ede Nat ura 2000 e R egim e Flor est al No Concelho de Penacova não existem áreas protegidas e áreas classificadas no âmbito da rede Natura O perímetro florestal do Buçaco é a única área submetida ao regime florestal em Penacova. Este perímetro é administrado em co-gestão pelo Instituto da Conservação da Natureza e Florestas (ICNF), e três conselhos diretivos de baldios: conselho diretivo dos baldios de Sazes do Lorvão (freguesia de Sazes do Lorvão), conselho diretivo dos baldios de Carvalho (freguesia de Carvalho), conselho diretivo dos baldios do Casal, Casalito, Chã e Ribela (freguesia de Penacova). O Município de Penacova é detentor de algumas propriedades, nomeadamente a Mata da Atalhada, a Chã da Mata e o Felgar, que administra num sistema semelhante ao regime florestal. lugar do plano, gestão do território e cultura município de Penacova 15

16 Figura 6. Perímetro Florestal Fonte: PMDFCI, 2014 lugar do plano, gestão do território e cultura município de Penacova 16

17 O s R e c u r s o s F l o r e s t a i s C.4. E sp aço s Flor est ai s Conforme se pode observar no quadro e figura seguintes, os espaços florestais na região do Centro Litoral têm um peso de cerca de 63% da área total da região PROF. Estes espaços florestais são compostos, na sua maioria, por espaços arborizados os quais ocupam cerca de 45% da área total desta região. Por sua vez, os espaços florestais não arborizados e os espaços constituídos por águas interiores têm aqui um peso de 15% e 3%, respetivamente. Quadro 2. Distribuição da área dos espaços florestais no Centro Litoral Espaços Florestais Área (ha) % na região PROF % em Portugal Arborizados Não Arborizados Águas Interiores Total Fonte: PROF Centro Litoral Bases de Ordenamento (DGF, 2001). No que se refere ao município de Penacova, pode fazer-se uma análise idêntica através da Figura 5., a qual reflete, à semelhança daquilo que acontece na região PROF CL, a primazia da presença dos espaços florestais arborizados face às outras duas classes de espaços florestais. Sendo de destacar a forte presença de áreas não arborizadas que se concentram particularmente nas freguesias de Friúmes, Paradela e São Pedro de Alva e a presença das águas interiores correspondentes às barragens da Raiva e da Aguieira. lugar do plano, gestão do território e cultura município de Penacova 17

18 Figura 7. Localização dos Espaços Florestais Fonte: PROF CL Bases de Ordenamento Os espaços florestais na região do Centro Litoral, assim como no caso concreto do município de Penacova, correspondem a uma área bastante considerável, pelo que não podem ser um aspeto a menosprezar, pois representam um importante setor da economia da região com um peso determinantemente estratégico. Através da figura seguinte pode observar-se que a área florestal ocupa cerca de 77% do total da superfície do concelho. Os espaços florestais têm particular expressão na união de freguesias São Pedro de Alva e São Paio do Mondego (2 833 ha), de Penacova (2 493 ha), Carvalho (2 405 ha) e Figueira de Lorvão (2 111 ha). Já a área agrícola representa cerca de 14% da área do Concelho (2 929 ha), destacando-se a união de freguesias de São Pedro de Alva e São Paio do Mondego (590 ha) e Lorvão (418 ha). Assim, no Concelho de Penacova, os espaços florestais e agrícolas ocupam cerca de 91% da área total ( ha). lugar do plano, gestão do território e cultura município de Penacova 18

19 Figura 8. Mapa do Uso do Solo, Penacova Fonte: PMDFCI, 2014 Da observação da figura seguinte, extraem-se os tipos de povoamento florestal que ocorrem nesta região. Tem-se assim que o povoamento dominante na região é o do Pinheiro-bravo que, com cerca de 65% do total dos espaços com ocupação florestal, representa cerca de 15% do total deste povoamento em Portugal continental. Este tipo de povoamento ocorre em particular na zona litoral entre Ílhavo e a Marinha Grande, entrando para o interior, de forma mais disseminada a par com os povoamentos de eucalipto. Por sua vez, na zona interior-norte da região, na qual se inclui o município de Penacova, existe uma clara supremacia dos povoamentos de eucalipto que, no cômputo total dos povoamentos florestais da região, representam cerca de 29%. lugar do plano, gestão do território e cultura município de Penacova 19

20 Figura 9. Ocupação Florestal Fonte: PROF CL Bases de Ordenamento Quando analisada a evolução da área dos espaços florestais no Centro Litoral (ver quadro seguinte), verifica-se que se registou um acréscimo entre o ano de 1964 e A área ocupada pelos espaços florestais arborizados registou o seu maior acréscimo entre os anos de 1964 e 1974 continuando a aumentar, mas menos significativamente, até ao ano de O último Inventário Florestal Nacional assinalou um pequeno decréscimo da área arborizada, mas, ainda assim, esta área registou um acréscimo de cerca de 9,5% no período em análise. Relativamente à área ocupada por incultos, verificou-se um aumento na ordem dos 68%, o que pode ser o reflexo do abandono da agricultura, uma vez que não ocorreu alteração da área ocupada por espaços florestais arborizados. lugar do plano, gestão do território e cultura município de Penacova 20

21 Quadro 3. Espaços Florestais Evolução da área dos espaços florestais no Centro Litoral. Área (x1000ha) IFN1 (1964) IFN2 (1974) IFN3 (1982) IFN4 (1995) Arborizados Incultos s.d. 38 s.d. 64 Total s.d. 289 s.d. 318 Fonte: PROF Centro Litoral Bases de Ordenamento (Inventários Florestais Nacionais) Segundo o PMDFCI (ver figura seguinte), verifica-se que a ocupação florestal no Concelho de Penacova é constituída essencialmente por eucaliptos que, correspondendo a ha representam cerca de 81% da área total de ocupação florestal do Concelho. As plantações jovens de eucaliptos e a regeneração natural de pinheiro bravo representam cerca de 10% (1 665 ha) da área total de ocupação florestal do Concelho e encontram-se predominantemente nas freguesias de Carvalho, Penacova e Sazes do Lorvão, com respetivamente, cerca de 341 ha, 245 ha e 279 ha. Os povoamentos de acácias também estão presentes em cerca de 6% (929 ha) da área total de ocupação florestal do Concelho. As espécies florestais de pinheiro bravo e pinheiro manso representam, conjuntamente, aproximadamente 1% (143 ha) da área florestal do Concelho e, tal como os choupos (12 ha) e outras folhosas (314 ha) têm uma expressão reduzida. lugar do plano, gestão do território e cultura município de Penacova 21

22 Figura 10. Ocupação Florestal, Penacova Fonte: PMDFCI, 2014 C.5. Produtividade Pot enci al As variáveis relacionadas com a temperatura, precipitação, altimetria e litologia, condicionam o potencial para a ocorrência e desenvolvimento das várias espécies florestais. C.5.1. CLIM A O clima, em particular as temperaturas máximas e mínima e a quantidade e distribuição da precipitação, constitui um fator determinante para a escolha das espécies arbóreas no planeamento florestal, pois permite selecionar as que melhor se adaptam às características climáticas locais. É de referir que aqui se espelha apenas a tendência da região que, na generalidade, apresenta Invernos suaves cujas temperaturas mínimas rondam os 10ºC e verãos relativamente amenos, com temperaturas médias de aproximadamente 20ºC. Penacova possui uma temperatura média anual que se situa entre os 15-16ºC. No que se refere à precipitação, no mapa da distribuição da precipitação média anual para região do Centro Litoral (ver figura seguinte), observa-se que as zonas mais no interior, correspondentes às de maior lugar do plano, gestão do território e cultura município de Penacova 22

23 cota, apresentam uma precipitação mais elevada. Penacova apresenta valores médios entre os 900 e os 1800mm de precipitação média anual. Figura 11. Temperatura Média Anual Precipitação Média Anual Fonte: PROF CL Bases de Ordenamento C.5.2. ORO GRA FI A Relativamente à caracterização orográfica da região PROF do Centro Litoral, no que respeita à altimetria e declives, considera-se que se trata de uma região plana na plataforma litoral, que possui declives entre 0-10%, havendo no entanto diversas zonas montanhosas, em particular nos municípios de Sever do Vouga, Águeda, Porto de Mós e Penacova, que correspondem às serras de Talhadas, Caramulo, Buçaco e Sicó, com declives superiores a 10%. lugar do plano, gestão do território e cultura município de Penacova 23

24 Figura 12. Altimetria Declives Fonte: PROF CL Bases de Ordenamento C.5.3. LITOLOG IA O tipo de rocha presente numa região, associado aos vários tipos de solo e às diversas variáveis biofísicas, constitui outro fator determinante para o potencial produtivo, condicionando as espécies florestais e mesmo a própria florestação. Conforme se pode observar através da seguinte, a região Centro Litoral é constituída maioritariamente por rochas ácidas e destas, destacam-se as ácidas brandas, como areias, arenitos e argilas característicos das zona litorais. Com uma menor incidência surgem as rochas ácidas duras, localizadas a Nordeste, no qual se insere o município de Penacova. Com ocorrência idêntica, e menor que as anteriormente referidas, temse as rochas básicas e os complexos de rochas de dureza e acidez variáveis, a Sul e Sudeste da região e ainda na sua zona central. O território de Penacova é formado quase na totalidade por rochas ácidas duras. Destas, tem-se os complexos xisto-grauváquicos como os claramente dominantes, destacando-se neste território os quartzitos que o atravessam no sentido Noroeste Sudeste sendo de referir que, na região Centro Litoral para além da ocorrência deste tipo de rocha em Penacova, só se verifica no concelho de Albergaria-a- Velha. lugar do plano, gestão do território e cultura município de Penacova 24

25 Figura 13. Litologia Fonte: PROF CL Bases de Ordenamento C.5.4. POTE NCIALID ADE PROD U TIVA Relativamente às espécies com maior potencialidade produtiva destacam-se o Carvalho-Alvarinho e o Eucalipto que apresentam uma potencialidade ótima em todo o território municipal, e o Pinheiro-Bravo classificado com uma potencialidade de desenvolvimento favorável em toda a extensão do Concelho. Quadro 4. Potencialidade produtiva em Penacova. Espécies Potencialidade Produtiva Marginal Desfavorável Regular Favorável Ótima Carvalho-Alvarinho Carvalho-Cerquinho x x Carvalho-Negral x x x x Castanheiro x x Eucalipto Pinheiro-Bravo x Sobreiro x x x Fonte: PROF CL Bases de Ordenamento lugar do plano, gestão do território e cultura município de Penacova 25

26 Figura 14. Potencialidade Produtiva: Carvalho-Alvarinho Carvalho Cerquinho Carvalho-Negral Fonte: PROF CL Bases de Ordenamento lugar do plano, gestão do território e cultura município de Penacova 26

27 Figura 15. Potencialidade Produtiva: Castanheiro Eucalipto Pinheiro Bravo Fonte: PROF CL Bases de Ordenamento lugar do plano, gestão do território e cultura município de Penacova 27

28 Figura 16. Potencialidade Produtiva: Sobreiro Fonte: PROF CL Bases de Ordenamento C.6. Recurso s e Produt os Fl or est ai s Os recursos florestais, os quais englobam os recursos cinegéticos, aquícolas, silvopastoris, de recreio e paisagem e de biomassa, revelam uma importância relevante ao nível sócio-económico e turístico de determinada região. C.6.1. ÁRVORE S DE I NTE RE SSE PÚBLICO O arvoredo pode constituir uma interessante moldura de monumentos arquitetónicos, valorizando as paisagens. Por este motivo, devem proteger-se todos os arranjos florestais e de jardins de interesse artístico ou histórico, tal como os exemplares isolados de espécies vegetais que pelo seu porte, idade ou raridade façam recomendar a sua conservação. Sendo que no concelho de Penacova existem as seguintes árvores de interesse público. lugar do plano, gestão do território e cultura município de Penacova 28

29 Quadro 5. Arvores de Interesse Público Freguesia/Lugar Nº Processo Nome Científico São Paio do Mondego Ermidas KNJ3/042 Eucalyptus globulus Labillardiére Nome Vulgar Eucalipto (6 exep.) Descrição Classificação Idade Maciço D.R. nº 195 II Série de 24/08/ Penacova Quinta de Santo António KNJ1/312 Sequoia sempervirens (Don) Endl Sequoia Arvore Isolada D.R. nº 81 II Sériede 07/04/ Penacova Terreiro Penacova de KNJ1/314 Wisteria sinensis (Sims) Sweet glicínia nº1 Arvore Isolada D.R. nº 81 II Sériede 07/04/ Penacova Terreiro Penacova de KNJ1/315 Wisteria sinensis (Sims) Sweet glicínia nº1 Arvore Isolada D.R. nº 81 II Sériede 07/04/ Figueira Lorvão Semelha- Albarqueira de KNJ1/511 Eucalyptus obliqua L Herit Eucalipto Arvore Isolada Aviso nº9 de 29/07/ Fonte: ICNF, 2014 C.6.2. CAÇA Através da figura seguinte pode observar-se que a região Centro Litoral possui uma considerável área abrangida por zonas de caça. A caça menor e as migratórias são as mais significativas nesta região, tendo a caça maior uma importância relevante nos concelhos de Pombal e de Penacova devido à caça do javali. lugar do plano, gestão do território e cultura município de Penacova 29

30 Figura 17. Zonas de Caça Fonte: PROF CL Bases de Ordenamento De acordo com a base de dados no ICNF, no concelho de Penacova existem cinco Zonas de Caça Municipais (ZCM) e três Zonas de Caça Associativas (ZCA), nas quais se pode caçar diversas espécies de aves e mamíferos, como a Codorniz, o Coelho e a Raposa (na caça menor), o Pombo, a Rola e a Galinhola (nas migatórias) e o javali (na caça maior), como se indica no quadro seguinte. lugar do plano, gestão do território e cultura município de Penacova 30

31 Quadro 6. Zonas de Caça em Penacova. Nº Zona Caça Designação ZC Area (há) Entidade Tipo de Zona 1484 ZCA Penacova ZCA Penacova 1804, ZCM de Sazes de Lorvão ZCA de Friumes ZCM do Alto concelho de Penacova ZCM Penacova ZCM Sazes de Lorvão ZCM de Figueira de Lorvão 2160 Ass. Caçadores e Pescadores do Alto concelho de Penacova Cl.Desportivo e Cultural de Penacova Ass. Caça e Pesca Beira Serra Cácemes Ass. Amigos da Caça e Pesca do Grupo de Solideriedade Social, Desp., cultural e recre. De Miro Ass. Caçadores e Pescadores do Alto concelho de Penacova Cl.Desportivo e Cultural de Penacova Junta de Freguesia de Sazes do Lorvão Beiracaça - Ass. Caça e Pesca da Freguesia de Lorvão Associativa Associativa Municipal Associativa Municipal Municipal Municipal Municipal Fonte: ICNF,2014 C.6.3. PESCA E M ÁGUAS INTE R IORE S Os recursos aquícolas do rio Mondego têm uma relevância sócio-económica e turística para a Região. Este Rio comporta a atividade da pesca profissional e desportiva, existindo portanto a necessidade de conciliar o exercício desta atividade com a proteção dos recursos aquícolas, promovendo um equilíbrio entre a fauna piscícola e a sua captura. Conforme se pode verificar através da figura seguinte, Penacova dispõem de dois cursos de água classificados como piscícolas, designadamente os rios Mondego e Alva. A prática da atividade piscatória encontra-se aqui regulada através da Concessão de Pesca Desportiva do Rio Mondego e da Zona de Pesca Profissional do Médio Mondego, cujos troços se encontram identificados na figura seguinte e descritos na tabela que a seguir se apresenta. lugar do plano, gestão do território e cultura município de Penacova 31

32 Figura 18. Aptidão para a Pesca Fonte: PROF CL Bases de Ordenamento Quadro 7. Zonas e Concessões de Pesca em Penacova. Zonas / Concessões de Pesca Concessão de Pesca Desportiva do Rio Mondego e afluentes - Despacho nº13/2011/cp, de 9 de junho, Álvara nº301/2011, de 15 de junho Troço / Extensão Concessão de pesca no troço do rio Mondego, com cerca 10 Km de extensão, desde 100 m para jusante da minihídrica de Penacova, a montante, até à foz da ribeira de Poiares, a jusante, incluindo ainda 2 km do rio Alva e das ribeiras de Aveledo, Miro, Presa, Selga, Ribas, Albarqueira e Poiares, para montante da respetiva confluência com o rio Mondego, freguesias de Penacova, Lorvão, Friúmes e Oliveira do Mondego, concelho de Penacova Zona de Pesca Profissional do Médio Mondego Confluência com a ribeira de Poiares, freguesias de Lorvão (Penacova) e Arrifana (Vila Nova de Poiares) e a ponte de Caminho de Ferro da Portela, freguesia de Torres do Mondego (Coimbra) 14Km Fonte: ICNF, 2014 A Carta Piscícola Nacional (CPN) é uma base de dados que foi disponibilizada pela então Autoridade Florestal Nacional a todas e a todos os interessados nos recursos piscícolas dos ecossistemas fluviais. A CPN tem, como objetivo principal, reunir informação científica relativa aos peixes dos rios e albufeiras de Portugal, assim no concelho de Penacova, podemos encontrar as seguintes espécies: Alosa alosa (Sável), lugar do plano, gestão do território e cultura município de Penacova 32

33 Barbus bocagei (barbo-comum, barbo do norte), Chondrostoma polylepis (boga-comum, boga-de-bocareta), Lepomis gibbosus (perca-sol, peixe-sol), Micropterus salmoides (achigã), Anguilla anguilla (enguiaeuropeia, meixão (juvenil), angula (juvenil)), Squalius carolitertii (escalo-do-norte), Chondrostoma oligolepis (ruivaco, ruivaca), Cobitis palúdica (verdemã-comum, peixe-rei), Carassius auratus (pimpão, peixevermelho, peixe-dourada), Gyprinus carpio (carpa, sarmão), Gobio lazanoi (góbio), Alosa jallax (savelha, saboga), Petromyzon marius (lampreia marinha), Gambusia holbrooki (gambúsia, gambúsino), Squalius alburnoides (bordalo), Salmo truta (truta-marisca, truta-fário, truta-de-rio), oncorhynchus mykiss (truta arcoiris). C.6.4. M ADE IRA E RESINA Como foi referido o grande potencial da sub-região e, em particular, de Penacova é o lenhoso. A madeira e a resina constituem os produtos florestais mais rentáveis financeiramente, que têm como destino várias atividades como a serração, a produção de pasta de papel, de celulose ou de energia, entre muitas outras. C.6.5. FRU TOS, COGUMELOS E E RVAS AROM ÁTIC AS Para além dos produtos lenhosos, a floresta tem a capacidade de produzir vários produtos não-lenhosos que representam uma boa fonte de rendimento, como o mel, os cogumelos e as ervas aromáticas. C.6.6. SILVOPA STO RÍCIA Ainda como recurso importante surge a silvopastorícia com a qual se associa a floresta com as pastagens, contribuindo com rendimentos complementares ou alternativos provenientes da produção de carne e outros derivados, criando condições para a fixação de população junto a áreas florestais que não possuem uma grande aptidão para a produção de madeira. Ambientalmente esta atividade contribui para o consumo de material combustível por parte dos animais (bovinos, ovinos e caprinos), o que se traduz numa redução do risco de incêndio. C.6.7. R E CRE IO E PAI SAGEM Os espaços florestais são cada vez mais procurados para o recreio e turismo, principalmente pela expressão paisagística que detêm, pela fruição das vistas panorâmicas que proporcionam, pelos elementos como percursos, parques de merendas, miradouros que potenciam a sua utilização, tornando-a mais apetecível, uma vez que transmitem alguma sensação de conforto e segurança. Isto é, a floresta tem de ser encarada também como um espaço de recreio e lazer onde se podem desenvolver um conjunto de atividades como a pesca, caça, o pedestrianismo, a BTT, a observação da fauna e flora. lugar do plano, gestão do território e cultura município de Penacova 33

34 Percursos Pedestres O Concelho de Penacova tem um rico património natural, no qual se podem incluir uma grande variedade de estradas florestais, assim como de caminhos e carreiros tradicionais. Isto é uma vantagem por duas razões: primeiro porque a prática do pedestrianismo é feita essencialmente por caminhos desta natureza; e segundo, porque o turismo de natureza é uma das novas tendências do turismo e que está a ganhar cada vez mais importância, privilegiando o contacto com o mundo rural através da descoberta destas infraestruturas. Paralelamente, constata-se que a procura turística estrangeira no Concelho de Penacova é essencialmente constituída por turistas europeus com grande interesse por atividades desportivas que lhes permitam ter contacto com a natureza, como é o caso do pedestrianismo. A marcação dos percursos tem assim como objetivos essenciais (1) dotar o Concelho de Penacova de uma rede de Percursos pedestres que constituam oferta para os visitantes e praticantes de pedestrianismo, tendo como fundo várias temáticas, e (2) contribuir para a promoção do património construído, natural e paisagístico do Concelho. Neste momento, no Concelho estão definidos 3 percursos pedestres: um, na freguesia de Carvalho, outro na freguesia de Penacova e, um terceiro, na freguesia de Friúmes. No entanto, apenas o percurso PR2 Na Rota dos Moinhos, se encontra homologado pela Federação Portuguesa de Campismo e Montanhismo, encontrando-se os restantes em fase de homologação. Zonas de Recreio Como zonas de recreio estão identificadas as seguintes, Portela da Oliveira, Moinhos de Gavinhos, Moinhos da Atalhada, Praia fluvial de Vale da Chã, Parque de campismo do Reconquinho, Parque de campismo de Vila Nova, Vimieiro, Cornicovo, Ermidas Sr.ª das Neves, Capela do Montalto, Azenha de Arcos. Quatro destes espaços têm uma visibilidade privilegiada, sendo utilizados, com frequência para a vigilância de incêndios (Portela da Oliveira, Capela do Montalto, Serra da Atalhada e Moinhos de Gavinhos). C.6.8. BIOM ASSA PA RA A E NE RGIA Portugal, respondendo às alterações climáticas, assumiu compromissos internacionais que visam a redução da emissão de gases com efeito de estufa (GEE) e reforçam a necessidade de melhorar a eficiência energética e de promover as energias renováveis. Surge assim como um dos grandes objetivos a diversificação das fontes e aproveitamento dos recursos endógenos, que passam pelo aumento da produção de energia através das fontes renováveis, na produção energética total, reduzindo a dependência externa de energia e a emissão de gases com efeito de estufa. lugar do plano, gestão do território e cultura município de Penacova 34

35 Esta diversificação energética passa pela produção de energia através da utilização da biomassa florestal, com vantagens económicas, sociais e ambientais, contribuindo para reduzir a carga de combustível existente na floresta e consequentemente o risco de incêndios florestais. É de referir que, conforme se pode observar na figura seguinte, Penacova tem na sua proximidade, no município com o qual confina a Norte, Mortágua, uma central termoelétrica, pelo que os seus resíduos florestais como a lenha resultante do abate de árvores, resíduos provenientes de áreas ardidas, resíduos provenientes da limpeza das florestas e matos, entre outros, poderão aí ser valorizados. Figura 19. Localização da Central Termelétrica de Mortágua Fonte: C.7. Perigosi d ade de In cêndi o O mapa de perigosidade de incêndio produzida pelo SCRIF baseia-se na ponderação de 7 critérios, divididos por quatro atributos. A orografia é avaliada pelos declives e pelas exposições; a ocupação do solo é avaliada pelo tipo de manchas de vegetação, pela rede viária e pela rede hidrográfica; a demografia é avaliada pela distribuição da população por Km 2 ; e as infraestruturas são avaliadas através da visibilidade obtida pela rede de postos de vigia (SCRIF, 2003). No que se refere às classes de perigosidade, no município de Penacova, existe um predomínio da classe Alta (31%). A classe Baixa e a classe Muito Baixa representam conjuntamente mais de 41%, a Média representa 13% e a classe Muito Alta apenas 9%. Pela figura seguinte consegue-se aferir que a parte Oeste do Concelho, constituído pelas freguesias de Sazes de Lorvão, Figueira de Lorvão, Lorvão e Penacova, é onde ocorre a maior concentração de áreas lugar do plano, gestão do território e cultura município de Penacova 35

GESTÃO DO RISCO DE INCÊNDIO FLORESTAL COM RECURSO À PASTORÍCIA

GESTÃO DO RISCO DE INCÊNDIO FLORESTAL COM RECURSO À PASTORÍCIA . GESTÃO DO RISCO DE INCÊNDIO FLORESTAL COM RECURSO À PASTORÍCIA As atividades humanas transformaram e modelaram a Serra da Estrela. O aproveitamento de madeiras e lenhas, transformaram as encostas outrora

Leia mais

PLANO REGIONAL ORDENAMENTO FLORESTAL DO TÂMEGA

PLANO REGIONAL ORDENAMENTO FLORESTAL DO TÂMEGA PLANO GIONAL ORDENAMENTO FLOSTAL DO TÂMEGA Objectivos específicos comuns a) Diminuir o número de ignições de incêndios florestais; b) Diminuir a área queimada; c) Reabilitação de ecossistemas florestais:

Leia mais

Caracterização Florestal

Caracterização Florestal Caracterização Florestal Enquadramento A. Geral O Concelho de Valença tem uma área de 11 790 ha e situa-se na zona Norte do país, região do Minho, distrito de Viana do Castelo, e faz fronteira fluvial

Leia mais

Agricultura e Desenvolvimento Rural: Que instrumentos de Financiamento 2014-2020

Agricultura e Desenvolvimento Rural: Que instrumentos de Financiamento 2014-2020 Agricultura e Desenvolvimento Rural: Que instrumentos de Financiamento 2014-2020 Painel Pararelo II Desenvolvimento Florestal do Alto Minho: Principais prioridades 2014-2020 Estratégia Territorial de Valorização

Leia mais

Dinâmica da ocupação florestal do solo Economia e regulação. Departamento de Gestão e Produção Florestal Conceição Ferreira

Dinâmica da ocupação florestal do solo Economia e regulação. Departamento de Gestão e Produção Florestal Conceição Ferreira Dinâmica da ocupação florestal do solo Economia e regulação Departamento de Gestão e Produção Florestal Conceição Ferreira Perspetiva histórica Fixação e arborização das dunas, 1802 José de Bonifácio Andrada

Leia mais

Distribuição dos incêndios florestais no concelho de Oliveira do Hospital *

Distribuição dos incêndios florestais no concelho de Oliveira do Hospital * 25 Distribuição dos incêndios florestais no concelho de Oliveira do Hospital * Introdução Os incêndios florestais, como quaisquer outros fenómenos que se desenrolem à superfície terrestre, são localizáveis.

Leia mais

7264 Diário da República, 1.ª série N.º 175 8 de setembro de 2015

7264 Diário da República, 1.ª série N.º 175 8 de setembro de 2015 7264 Diário da República, 1.ª série N.º 175 8 de setembro de 2015 Portaria n.º 274/2015 de 8 de setembro O Decreto -Lei n.º 137/2014, de 12 de setembro, estabeleceu o modelo de governação dos fundos europeus

Leia mais

PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE CANTANHEDE (ALTERAÇÃO)

PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE CANTANHEDE (ALTERAÇÃO) DEPARTAMENTO DE URBANISMO Divisão de Ordenamento do Território PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE CANTANHEDE (ALTERAÇÃO) AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA RELATÓRIO JUSTIFICATIVO PARA A NÃO REALIZAÇÃO JULHO 2012

Leia mais

20090521_TMO_DFCI09 Avila, Espanha 24 de Setembro 2009 (V congresso forestal Espanhol)

20090521_TMO_DFCI09 Avila, Espanha 24 de Setembro 2009 (V congresso forestal Espanhol) A Defesa da Floresta Contra Incêndios Portugal Tiago Oliveira Protecção florestal Avila, Espanha 24 de Setembro 2009 (V congresso forestal Espanhol) Agenda 1. O sector florestal em Portugal - overview

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DA GESTÃO FLORESTAL EM GRUPO. Breve guia informativo UNIMADEIRAS

CERTIFICAÇÃO DA GESTÃO FLORESTAL EM GRUPO. Breve guia informativo UNIMADEIRAS CERTIFICAÇÃO DA GESTÃO FLORESTAL EM GRUPO Breve guia informativo UNIMADEIRAS 2 O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA GESTÃO FLORESTAL? 3 A Certificação da Gestão Florestal é a garantia que uma propriedade florestal

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE ÁREAS ARDIDAS

RECUPERAÇÃO DE ÁREAS ARDIDAS RECUPERAÇÃO DE ÁREAS ARDIDAS Informação-síntesepara apoioà sessãode avaliação dos trabalhos desenvolvidosapóso GIF de Catraia São Brás de Alportel e Tavira, 24 de novembro de 2014 1. ÁREA ARDIDA ENTRE

Leia mais

5172 Diário da República, 1. a série N. o 140 21 de Julho de 2006 MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS

5172 Diário da República, 1. a série N. o 140 21 de Julho de 2006 MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS 5172 Diário da República, 1. a série N. o 140 21 de Julho de 2006 MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS Aviso n. o 603/2006 Por ordem superior se torna público que o Governo da República Portuguesa depositou

Leia mais

TEMAS DE SIG DISPONÍVEIS NO MUNICÍPIO DE MIRANDELA. TEMAS VETORIAIS Designação

TEMAS DE SIG DISPONÍVEIS NO MUNICÍPIO DE MIRANDELA. TEMAS VETORIAIS Designação Cidade 1_2000 Cidade - Edifícios 1_2000 Cidade - Toponímia 1_2000 TEMAS DE SIG DISPONÍVEIS NO MUNICÍPIO DE MIRANDELA Cidade - Altimetria 1_5000 Cidade - Anexos 1_5000 Cidade - Anexos 1_5000 Cidade - Aqueduto

Leia mais

Versão Consolidada. Portaria n.º 1137-C/2008, de 9 de Outubro

Versão Consolidada. Portaria n.º 1137-C/2008, de 9 de Outubro Portaria n.º 1137-C/2008, de 9 de Outubro A gravidade dos incêndios florestais nas últimas décadas afectou significativamente o património florestal e contribuiu para criar uma imagem de altos riscos associada

Leia mais

2262 Diário da República, 1. a série N. o 70 10 de Abril de 2007

2262 Diário da República, 1. a série N. o 70 10 de Abril de 2007 2262 Diário da República, 1. a série N. o 70 10 de Abril de 2007 Decreto Regulamentar n. o 42/2007 de 10 de Abril Uma gestão correcta dos espaços florestais passa necessariamente pela definição de uma

Leia mais

ASSOCIAÇÃO TRANSUMÂNCIA E NATUREZA. apoie esta campanha em www.ppl.com.pt

ASSOCIAÇÃO TRANSUMÂNCIA E NATUREZA. apoie esta campanha em www.ppl.com.pt ASSOCIAÇÃO TRANSUMÂNCIA E NATUREZA apoie esta campanha em www.ppl.com.pt A Pombal do Coto Fernando Romão A Faia Brava é a primeira área protegida privada do país, no coração do vale do Côa, no Nordeste

Leia mais

Reformulação do Indicador 11 Gestão e Conservação da Floresta

Reformulação do Indicador 11 Gestão e Conservação da Floresta Reformulação do Indicador 11 Gestão e Conservação da Floresta Ação de Formação Eco XXI 2015 Agência Portuguesa do Ambiente Alfragide/Amadora 23 de Fevereiro de 2015 FLORESTA Conservação da natureza e da

Leia mais

Curso Defesa da Floresta contra Incêndios

Curso Defesa da Floresta contra Incêndios Curso Defesa da Floresta contra Incêndios os antecedentes do Projecto: Fogos de 2003 e 2005 que devastaram a Região Centro; Implementação do Plano Nacional DFCI; Instalação das Comissões Municipais; Aprovação

Leia mais

CPAI COMISSÃO PERMANENTE DE APOIO AO INVESTIDOR

CPAI COMISSÃO PERMANENTE DE APOIO AO INVESTIDOR ANEXO V - NOTAS EXPLICATIVAS Este formulário é de preenchimento obrigatório e serve de sustentação à auto-avaliação realizada no Anexo III Os itens I Preenchimento dos requisitos de elegibilidade e II

Leia mais

Gestão Multifuncional. (Portaria n.º 821/2008, de 8 de Agosto de 2008)

Gestão Multifuncional. (Portaria n.º 821/2008, de 8 de Agosto de 2008) Gestão Multifuncional (Portaria n.º 821/2008, de 8 de Agosto de 2008) Âmbito O aproveitamento das potencialidades do espaço florestal está particularmente associado aos sistemas multifuncionais, constituindo

Leia mais

MEDIDA 8 - PROTEÇÃO E REABILITAÇÃO DOS POVOAMENTOS FLORESTAIS PDR 2020

MEDIDA 8 - PROTEÇÃO E REABILITAÇÃO DOS POVOAMENTOS FLORESTAIS PDR 2020 MEDIDA 8 - PROTEÇÃO E REABILITAÇÃO DOS POVOAMENTOS FLORESTAIS PDR 2020 Programa de Desenvolvimento Rural Novas Medidas de Apoio ao Investimento Operação 8.1.1 Florestação de Terras Agrícolas e não Agrícolas

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020. Medida 4 - VALORIZAÇÃO dos RECURSOS FLORESTAIS

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020. Medida 4 - VALORIZAÇÃO dos RECURSOS FLORESTAIS Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 4 - VALORIZAÇÃO dos RECURSOS FLORESTAIS Enquadramento Regulamentar Artigos do Regulamento (UE) n.º 1305/2013 do Conselho e do Parlamento

Leia mais

E s t r u t u r a V e r d e

E s t r u t u r a V e r d e Estrutura Verde A. Introdução O conceito de Estrutura Verde insere-se numa estratégia de desenvolvimento sustentado, objecto fundamental das políticas do ordenamento do território. A Estrutura Verde é

Leia mais

JUSTIFICAÇÃO PARA A NÃO SUJEIÇÃO DO PLANO DE PORMENOR DE REABILITAÇÃO URBANA DE SANTA CATARINA A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA

JUSTIFICAÇÃO PARA A NÃO SUJEIÇÃO DO PLANO DE PORMENOR DE REABILITAÇÃO URBANA DE SANTA CATARINA A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA JUSTIFICAÇÃO PARA A NÃO SUJEIÇÃO DO PLANO DE PORMENOR DE REABILITAÇÃO URBANA DE SANTA CATARINA A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA CÂMARA MUNICIPAL DE SINES DEPARTAMENTO DE GESTÃO TERRITORIAL DIVISÃO DE

Leia mais

7. Condicionantes. : Reserva Ecológica Nacional; : Reserva Agrícola Nacional; : Domínio Público Hídrico; : Património Classificado;

7. Condicionantes. : Reserva Ecológica Nacional; : Reserva Agrícola Nacional; : Domínio Público Hídrico; : Património Classificado; 7. Condicionantes De acordo com a legislação em vigor existe um conjunto de figuras legais que de algum modo, condicionam o território ou constituem servidões administrativas e outras restrições de utilidade

Leia mais

Visita de Estudo ao Perímetro Florestal da Serra do Marão. Março de 2010 UTAD. Desenvolvimento Rural

Visita de Estudo ao Perímetro Florestal da Serra do Marão. Março de 2010 UTAD. Desenvolvimento Rural Março de 2010 UTAD Visita de Estudo ao Perímetro Florestal da Serra do Marão Desenvolvimento Rural Nuno Novais nº34001 Cláudio Lourenço nº 33999 André Ferreira nº34842 Luís Resende nº35462 Introdução O

Leia mais

região madeira acaporama adrama madeira leste e porto santo madeira norte e oeste projetos leader 122

região madeira acaporama adrama madeira leste e porto santo madeira norte e oeste projetos leader 122 TERRITÓRIO região madeira madeira leste e porto santo acaporama 124 madeira norte e oeste adrama 126 projetos leader 122 minha terra 123 acaporama território madeira leste e porto santo www.acaporama.org

Leia mais

Gestão e conservação de habitats prioritários dos Sítios de São Mamede e Nisa/Lage da Prata

Gestão e conservação de habitats prioritários dos Sítios de São Mamede e Nisa/Lage da Prata Projeto LIFE Natureza nº LIFE04/NAT/PT/000214 Gestão e conservação de habitats prioritários dos Sítios de São Mamede e Nisa/Lage da Prata Comunidade Intermunicipal do Alto Alentejo/José Conchinha 1. Como

Leia mais

Projecto HidroValor. Avaliação dos Impactos Económicos, Sociais e Ambientais de Novos Médios e Grandes Aproveitamentos Hídricos na Região Centro

Projecto HidroValor. Avaliação dos Impactos Económicos, Sociais e Ambientais de Novos Médios e Grandes Aproveitamentos Hídricos na Região Centro Projecto HidroValor Avaliação dos Impactos Económicos, Sociais e Ambientais de Novos Médios e Grandes Aproveitamentos Hídricos na Região Centro 11 Agradecimentos Os autores do presente estudo, querem

Leia mais

Enquadramento Turismo Rural

Enquadramento Turismo Rural Enquadramento Turismo Rural Portugal é um País onde os meios rurais apresentam elevada atratividade quer pelas paisagens agrícolas, quer pela biodiversidade quer pelo património histórico construído o

Leia mais

CAPÍTULO 7 EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO

CAPÍTULO 7 EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO CAPÍTULO 7 EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO ÍNDICE DE TEXTO VII. EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO...219 217 218 VII. EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO O presente capítulo tem como

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 289/XII/1.ª RECOMENDA AO GOVERNO A VALORIZAÇÃO ENERGÉTICA DA BIOMASSA NO OBJETIVO DE PROTEÇÃO DA FLORESTA

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 289/XII/1.ª RECOMENDA AO GOVERNO A VALORIZAÇÃO ENERGÉTICA DA BIOMASSA NO OBJETIVO DE PROTEÇÃO DA FLORESTA PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 289/XII/1.ª RECOMENDA AO GOVERNO A VALORIZAÇÃO ENERGÉTICA DA BIOMASSA NO OBJETIVO DE PROTEÇÃO DA FLORESTA Os desafios do futuro da nossa sociedade obrigam a uma nova abordagem

Leia mais

Incêndio. quilómetros, devido aos seus fumos negros e densos

Incêndio. quilómetros, devido aos seus fumos negros e densos Incêndio A propagação de um incêndio depende das condições meteorológicas (direcção e intensidade do vento, humidade relativa do ar, temperatura), do grau de secura e do tipo do coberto vegetal, orografia

Leia mais

Conceito de intervenção a hierarquização e estruturação do corredor cultural entre Chaves e Vila Real

Conceito de intervenção a hierarquização e estruturação do corredor cultural entre Chaves e Vila Real Conceito de intervenção a hierarquização e estruturação do corredor cultural entre Chaves e Vila Real A referenciação dos percursos como componentes da estrutura edificada (in Magalhães, Manuela; Arquitectura

Leia mais

Agenda 21 Local de Figueiró dos Vinhos 3ª Sessão do Fórum Participativo

Agenda 21 Local de Figueiró dos Vinhos 3ª Sessão do Fórum Participativo Agenda 21 Local de Figueiró dos Vinhos 3ª Sessão do Fórum Participativo 22 de Fevereiro de 2010 Índice Índice PARTE I SÍNTESE DO 2º FÓRUM PARTICIPATIVO (10 minutos) PARTE II SÍNTESE DA ESTRATÉGIA DA SUSTENTABILIDADE

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020. Medida 9 MANUTENÇÃO DA ATIVIDADE AGRÍCOLA EM ZONAS DESFAVORECIDAS

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020. Medida 9 MANUTENÇÃO DA ATIVIDADE AGRÍCOLA EM ZONAS DESFAVORECIDAS Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 9 MANUTENÇÃO DA ATIVIDADE AGRÍCOLA EM ZONAS DESFAVORECIDAS Enquadramento Regulamentar Artigos do Regulamento (UE) n.º 1305/2013, do

Leia mais

Revisão do Plano Diretor Municipal de Carrazeda de Ansiães Fase 4 Plano Diretor Municipal Volume III Programa de Execução

Revisão do Plano Diretor Municipal de Carrazeda de Ansiães Fase 4 Plano Diretor Municipal Volume III Programa de Execução Revisão do Plano Diretor Municipal de Carrazeda de Ansiães Fase 4 Plano Diretor Municipal Volume III Programa de Execução Janeiro 2015 E17093 RR - Planning, Lda. Av. Gomes Freire, n.º 18 2760 066 Caxias

Leia mais

Emergência de instrumentos e mecanismos de liderança a e participação em territórios rios de baixa densidade

Emergência de instrumentos e mecanismos de liderança a e participação em territórios rios de baixa densidade Emergência de instrumentos e mecanismos de liderança a e participação em territórios rios de baixa densidade O caso dos PROVERE Joaquim Felício CCDRC/MAIS CENTRO Coimbra, 24 novembro 2014 1 política pública

Leia mais

DOCUMENTO ORIENTADOR 1ª REVISÃO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE MEALHADA

DOCUMENTO ORIENTADOR 1ª REVISÃO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE MEALHADA DOCUMENTO ORIENTADOR 1ª REVISÃO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE MEALHADA [APROVADA EM ASSEMBLEIA MUNICIPAL DE 10 DE ABRIL DE 2015 E PUBLICADA EM DIÁRIO DA REPÚBLICA ATRAVÉS DO AVISO N.º 4234/2015, DE 20

Leia mais

Geografia de Portugal

Geografia de Portugal Geografia de Portugal Lúcio CUNHA Departamento de Geografia CEGOT Universidade de Coimbra Email: luciogeo@ci.uc.pt Europa: o espaço Características gerais da Europa: - A Europa na placa euroasiática Características

Leia mais

P l a n o 2 0 1 4 FUNDAÇÃO LUSO

P l a n o 2 0 1 4 FUNDAÇÃO LUSO P l a n o 2 0 1 4 FUNDAÇÃO LUSO 1 Ações novidade no Plano de 2014 Ambiente Protocolo da Fundação Luso & Quercus Desenvolvimento de ações de valorização do ecossistemas na serra do Buçaco e a plantação

Leia mais

Consulta Pública. Florestas de Alto Valor de Conservação da Unidade de Gestão Florestal do Grupo Unifloresta. Às Partes Interessadas do Grupo

Consulta Pública. Florestas de Alto Valor de Conservação da Unidade de Gestão Florestal do Grupo Unifloresta. Às Partes Interessadas do Grupo Florestas de Alto Valor de Conservação da Unidade de Gestão Florestal do Grupo Unifloresta Consulta Pública Às Partes Interessadas do Grupo Unifloresta Unimadeiras, S.A. O Grupo Unifloresta foi formalmente

Leia mais

MONTIJO, CIDADE SAUDÁVEL E SUSTENTÁVEL DA CICLOVIA A UMA REDE PEDONAL E CICLÁVEL

MONTIJO, CIDADE SAUDÁVEL E SUSTENTÁVEL DA CICLOVIA A UMA REDE PEDONAL E CICLÁVEL MONTIJO, CIDADE SAUDÁVEL E SUSTENTÁVEL DA CICLOVIA A UMA REDE PEDONAL E CICLÁVEL Identificação do ponto de partida: O Município de Montijo: - Integra a Rede Portuguesa das Cidades Saudáveis, com quatro

Leia mais

Manual de Limpeza de Terrenos

Manual de Limpeza de Terrenos 2015 Manual de Limpeza de Terrenos RECURSOS FLORESTAIS O Manual Limpeza de Terrenos tem como área de atuação os Serviços de Recursos Florestais da Câmara Municipal de Vila Nova de Poiares e tem por objetivo

Leia mais

PATRIMÓNIO CULTURAL/HISTÓRICO

PATRIMÓNIO CULTURAL/HISTÓRICO PRAIA DE MELIDES Praia acessível 38º 07 44.31 N 8º 79 33.34 O Praia de extenso areal equipada com apoio de praia, restauração e estacionamentos, bem como condições de excelência ao nível ambiental e acessibilidades,

Leia mais

CONFERÊNCIA: O futuro dos territórios rurais. - Desenvolvimento Local de Base Comunitária. Painel 1: Coesão e Sustentabilidade Territorial

CONFERÊNCIA: O futuro dos territórios rurais. - Desenvolvimento Local de Base Comunitária. Painel 1: Coesão e Sustentabilidade Territorial Painel 1: Coesão e Sustentabilidade Territorial 5 Augusto Ferreira Departamento Técnico - CONFAGRI MINHA TERRA - Federação Portuguesa de Associações de Desenvolvimento Local 20.Set.2013 Hotel da Estrela

Leia mais

Ações Integradas de Âmbito Municipal para a Promoção do Desenvolvimento Económico no Alto Minho

Ações Integradas de Âmbito Municipal para a Promoção do Desenvolvimento Económico no Alto Minho Ações Integradas de Âmbito Municipal para a Promoção do Desenvolvimento Económico no Alto Minho Sessão Desenvolvimento e Competitividade Económica: O Papel do Poder Local Viana do Castelo, 9 de abril de

Leia mais

1. Promover a melhoria das condições de vida das população das áreas susceptíveis

1. Promover a melhoria das condições de vida das população das áreas susceptíveis CNCCD -PROPOSTA DE PROGRAMA DE ACÇÃO NACIONAL DE COMBATE À DESERTIFICAÇÃO 2011 / 2020 1. Promover a melhoria das condições de vida das população das áreas susceptíveis 1- Promover a melhoria das condições

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 2 CONHECIMENTO Ação 2.1 CAPACITAÇÃO E DIVULGAÇÃO Enquadramento Regulamentar Regulamento (UE) n.º 1305/2013, do Conselho e do Parlamento

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC - SNUC PREVISÃO LEGAL Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e àcoletividade

Leia mais

A Sustentabilidade do Uso da Biomassa Florestal

A Sustentabilidade do Uso da Biomassa Florestal A Sustentabilidade do Uso da Biomassa Florestal Francisco Goes Aveiro, 20 de Março de 2014 CELPA, Associação da Indústria Papeleira Pomos o Futuro no Papel Índice 1. A CELPA 2. O eucaliptal nacional 3.

Leia mais

Polis Litoral Operações Integradas de Requalificação e Valorização da Orla Costeira

Polis Litoral Operações Integradas de Requalificação e Valorização da Orla Costeira Polis Litoral Operações Integradas de Requalificação e Valorização da Orla Costeira OBJECTIVOS DO POLIS LITORAL: (RCM n.º 90/2008, de 3 de Junho) a) Proteger e requalificar a zona costeira, tendo em vista

Leia mais

INTRODUÇÃO OPÇÕES DO PLANO

INTRODUÇÃO OPÇÕES DO PLANO INTRODUÇÃO O presente Orçamento para o ano de 2014 para o qual o órgão Executivo da Junta de Freguesia de Labruja elaborou e aprovou, orientar-se-á na linha do plano traçado para os quatro anos do mandato,

Leia mais

LOCALIZAÇÃO E BREVE APRESENTAÇÃO GEOGRÁFICA DA SUB-REGIÃO DO DOURO SUPERIOR

LOCALIZAÇÃO E BREVE APRESENTAÇÃO GEOGRÁFICA DA SUB-REGIÃO DO DOURO SUPERIOR LOCALIZAÇÃO E BREVE APRESENTAÇÃO GEOGRÁFICA DA SUB-REGIÃO DO DOURO SUPERIOR 1. LOCALIZAÇÃO A sub-região Douro Superior localiza-se no Interior Norte do país e integra os distritos de Bragança e Guarda,

Leia mais

A florestação do PFSMMV e a gestão do risco de incêndio florestal

A florestação do PFSMMV e a gestão do risco de incêndio florestal A florestação do PFSMMV e a gestão do risco de incêndio florestal Índice: Breve caracterização do Perímetro Florestal da Serra do Marão e Meia Via Florestação do PFSMMV Incêndios e Reflorestação O incêndio

Leia mais

CENTRO ESCOLAR DAS LAGOAS PONTE DE LIMA

CENTRO ESCOLAR DAS LAGOAS PONTE DE LIMA CENTRO ESCOLAR DAS LAGOAS PONTE DE LIMA Projeto Energia Construção Sustentável www.cezero.pt / www.cezero.com.br CENTRO ESCOLAR DAS LAGOAS PONTE DE LIMA PROJETO Arquitetura e sistemas construtivos Maximização

Leia mais

TURISMO DE NATUREZA. AEP / Gabinete de Estudos

TURISMO DE NATUREZA. AEP / Gabinete de Estudos TURISMO DE NATUREZA AEP / Gabinete de Estudos Junho de 2008 1 1. Situação a nível europeu De acordo com o Estudo realizado por THR (Asesores en Turismo Hotelería y Recreación, S.A.) para o Turismo de Portugal,

Leia mais

Opinião Legislação Jurisprudência

Opinião Legislação Jurisprudência 01 área de prática de ambiente e energia newsletter abril 2014 editorial Temos o prazer de enviar a Newsletter de Ambiente da jpab José Pedro Aguiar Branco & Associados, Sociedade de Advogados, RL. alterações

Leia mais

Projecto REDE CICLÁVEL DO BARREIRO Síntese Descritiva

Projecto REDE CICLÁVEL DO BARREIRO Síntese Descritiva 1. INTRODUÇÃO Pretende-se com o presente trabalho, desenvolver uma rede de percursos cicláveis para todo o território do Município do Barreiro, de modo a promover a integração da bicicleta no sistema de

Leia mais

Utilização Racional de Biomassa Florestal Mitos e Realidades

Utilização Racional de Biomassa Florestal Mitos e Realidades Utilização Racional de Biomassa Florestal Mitos e Realidades Paulo Canaveira Seminário Tecnicelpa Bioenergias. Novas Tendências 30 Março 2007 CELPA, Associação da Indústria Papeleira Pomos o Futuro no

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

Ministério do Meio Ambiente IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Unidade de Conservação Área geograficamente estabelecida para se alcançar um objetivo específico de conservação por meio do uso controlado dos recursos biológicos

Leia mais

Telefone p/ contato: ( ) FAX: ( ) e-mail: Coordenadas geográficas * (Lat/Long) no Sistema Geodésico, SAD-69 Lat. -. Long ( )

Telefone p/ contato: ( ) FAX: ( ) e-mail: Coordenadas geográficas * (Lat/Long) no Sistema Geodésico, SAD-69 Lat. -. Long ( ) 1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR NOME / RAZÃO SOCIAL *: End.: rua/av *: n *: Bairro *: CEP *: Município *: Telefone *: ( ) FAX *: ( ) e-mail: CNPJ (CGC/MF n.º) *: CGC/TE n. *: CPF/CIC n. *: End. P/ correspondência:

Leia mais

MUNICIPIO DE PORTEL N.º Identificação (NIPC) 506 196 445

MUNICIPIO DE PORTEL N.º Identificação (NIPC) 506 196 445 Proposta de Alteração ao Regulamento do Plano Diretor Municipal de Portel _ Resultado da conferência de serviços e abertura do período de discussão pública Em cumprimento da deliberação tomada em reunião

Leia mais

Pescas e Aquicultura na Região Centro BREVE CARACTERIZAÇÃO

Pescas e Aquicultura na Região Centro BREVE CARACTERIZAÇÃO Pescas e Aquicultura na Região Centro BREVE CARACTERIZAÇÃO As distintas actividades das pescas têm uma representação expressiva na área de actuação da DRAPCentro: frota de pesca (local, costeira e do largo);

Leia mais

Pellets Power, Lda. Relatório da base de abastecimento para Produtores de biomassa. www.sustainablebiomasspartnership.org

Pellets Power, Lda. Relatório da base de abastecimento para Produtores de biomassa. www.sustainablebiomasspartnership.org Pellets Power, Lda Relatório da base de abastecimento para Produtores de biomassa www.sustainablebiomasspartnership.org Version 1.0 March 2015 For further information on the SBP Framework and to view the

Leia mais

Estratégia de Dinamização e de Divulgação

Estratégia de Dinamização e de Divulgação Estratégia de Dinamização e de Divulgação Plano de Ação de 2015 FEVEREIRO 2015 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. VISÃO DA BOLSA DE TERRAS... 4 3. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS - LINHAS GERAIS DA ESTRATÉGIA... 5

Leia mais

Fotografias PauloHSilva//siaram. Saber Mais... Ambiente Açores

Fotografias PauloHSilva//siaram. Saber Mais... Ambiente Açores Fotografias PauloHSilva//siaram Saber Mais... Ambiente Açores Convenção Diversidade Biológica O que é a Convenção da Diversidade Biológica? A Convenção da Diversidade Biológica é um acordo assinado entre

Leia mais

Diagnóstico do Território Análise SWOT

Diagnóstico do Território Análise SWOT Recursos Endógenos e Património Natural Condições edafo-climáticas adequadas para o incremento de determinado tipo de produções, nomeadamente, a vinha e a produção extensiva de carne; Região inserida na

Leia mais

Visita à Serra do Marão

Visita à Serra do Marão UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO Engenharia Florestal DESENVOLVIMENTO RURAL Prof. José Portela Visita à Serra do Marão Os Gaivotas Ana Furtado 27838 Carlos Marinho 27839 Célia Lemos 27841 Isabel

Leia mais

PDR 2014-2020 - Análise SWOT

PDR 2014-2020 - Análise SWOT A - Sector Agroalimentar Os produtos do complexo agroflorestal são bens internacionalmente transacionáveis com peso importante no comércio internacional Indústrias agroalimentares dinâmicas, com elevada

Leia mais

RELATÓRIO DO ESTADO DO AMBIENTE 2008 INDICADORES

RELATÓRIO DO ESTADO DO AMBIENTE 2008 INDICADORES RELATÓRIO DO ESTADO DO AMBIENTE 28 1 INDICADORES ÁGUA 8 Evolução do número de análises em cumprimento do valor paramétrico 1, Análises (n.º) 7 6 5 4 3 2 1 591 65 64 278 97,48% 97,53% Fonte: ERSAR, 29 623

Leia mais

Determinação da Aptidão para a Prática de Desportos de Natureza em Áreas Protegidas. Luís Quinta-Nova lnova@ipcb.pt

Determinação da Aptidão para a Prática de Desportos de Natureza em Áreas Protegidas. Luís Quinta-Nova lnova@ipcb.pt Determinação da Aptidão para a Prática de Desportos de Natureza em Áreas Protegidas Luís Quinta-Nova lnova@ipcb.pt Enquadramento Decreto-Lei n.º 108/2009, de 15 de Maio - Enquadramento legal das atividades

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 8 PROTEÇÃO E REABILITAÇÃO DE POVOAMENTOS FLORESTAIS Ação 8.1 SILVICULTURA SUSTENTÁVEL Enquadramento Regulamentar Artigos do Regulamento

Leia mais

1. Aumentar o conhecimento sobre a fileira (dimensão, valor, intervenientes);

1. Aumentar o conhecimento sobre a fileira (dimensão, valor, intervenientes); SUMÁRIO EXECUTIVO Enquadramento do Estudo O Estudo Económico de Desenvolvimento da Fileira do medronho enquadra-se na estratégia de valorização da floresta do, procurando estudar a dinamização da fileira

Leia mais

O novo quadro institucional dos assuntos do Mar em Portugal

O novo quadro institucional dos assuntos do Mar em Portugal O novo quadro institucional dos assuntos do Mar em Portugal 19 de Abril de 2012 (5.ª feira), 17h00 CONVITE O Presidente da Sociedade de Geografia de Lisboa (SGL) tem a honra de convidar V. Ex.ª e sua Exma.

Leia mais

FÓRUM DE INTERCÂMBIO DE EXPERIÊNCIAS SUSTENTÁVEIS. Desenvolvimento de Atividades Inovadoras para a Gestão do Território

FÓRUM DE INTERCÂMBIO DE EXPERIÊNCIAS SUSTENTÁVEIS. Desenvolvimento de Atividades Inovadoras para a Gestão do Território FÓRUM DE INTERCÂMBIO DE EXPERIÊNCIAS SUSTENTÁVEIS 7 Novembro Santiago de Compostela Desenvolvimento de Atividades Inovadoras para a Gestão do Território 2 DESOURB Desenvolvimento Urbano Sustentável EIXOS

Leia mais

Plano Diretor Municipal de Penacova

Plano Diretor Municipal de Penacova Plano Diretor Municipal de Penacova Avaliação Ambiental Estratégica Resumo Não Técnico abril 2015 Lugar do Plano, Ges tão do Ter ritório e Cultur a Av enida Ar au jo e Silva 52. 3810-0 48 Av eiro tel.

Leia mais

Presidência do Conselho de Ministros

Presidência do Conselho de Ministros 692-(2) Diário da República, 1.ª série N.º 24 4 de fevereiro de 2015 Presidência do Conselho de Ministros Resolução do Conselho de Ministros n.º 6-B/2015 A Estratégia Nacional para as Florestas (ENF),

Leia mais

Ciência Viva no Verão

Ciência Viva no Verão Ciência Viva no Verão Participação da Agência Portuguesa do Ambiente 1/10 1. Ciência Viva no Verão A Ciência Viva no Verão é uma iniciativa da Agência Nacional para a Cultura Científica e Tecnológica que

Leia mais

3968 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 152 30 de Junho de 2004

3968 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 152 30 de Junho de 2004 3968 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 152 30 de Junho de 2004 arranque de sobreiros e azinheiras carece apenas de autorização da direcção regional de agricultura competente. 6... 7... 8... Artigo 13.

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DOS RECURSOS NATURAIS Direção Regional do Ambiente

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DOS RECURSOS NATURAIS Direção Regional do Ambiente REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DOS RECURSOS NATURAIS Direção Regional do Ambiente Alteração do Plano de Ordenamento da Paisagem Protegida da Cultura da Vinha da Ilha do Pico POPPVIP Relatório

Leia mais

Seminário de Abertura da Discussão Pública da proposta de Programa de Acção Nacional de Combate à Desertificação

Seminário de Abertura da Discussão Pública da proposta de Programa de Acção Nacional de Combate à Desertificação Seminário de Abertura da Discussão Pública da proposta de Programa de Acção Nacional de Combate à Desertificação Direcção Regional de Florestas do Alentejo Lisboa, 21 de Julho de 2011 Sistemas Fundamentais

Leia mais

MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR

MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR DIVISÃO DE AMBIENTE E URBANISMO ELABORAÇÃO DO PLANO DE INTERVENÇÃO NO ESPAÇO RURAL DA ÁREA DE D EXPLORAÇÃO CONSOLIDADA DE RECURSOS GEOLÓGICOS DA SERRA DA FALPERRA TERMOS

Leia mais

0 3 0 1 2 1 0.2.6 6 0 0 M CI.I

0 3 0 1 2 1 0.2.6 6 0 0 M CI.I CI.IM006.6.20121030 Estratégia de Sustentabilidade Zona Costeira de Cascais Zona Costeira de Cascais Parque Natural Sintra Cascais 15 praias balneares 17 praias monitorizadas permanentemente ZIBA Zona

Leia mais

5.º INVENTÁRIO FLORESTAL NACIONAL Apresentação do Relatório Final. Direcção Nacional de Gestão Florestal

5.º INVENTÁRIO FLORESTAL NACIONAL Apresentação do Relatório Final. Direcção Nacional de Gestão Florestal 5.º INVENTÁRIO FLORESTAL NACIONAL Apresentação do Relatório Final Direcção Nacional de Gestão Florestal SEFDR 7 de Setembro de 2010 1. INOVAÇÕES 1.ª cobertura aerofotográfica digital Utilização de software

Leia mais

Definição e classificação

Definição e classificação Definição A gestão de resíduos urbanos Qual o nosso papel? Definição e classificação «Resíduo» qualquer substância ou objecto de que o detentor se desfaz ou tem a intenção ou a obrigação de se desfazer,

Leia mais

Grupo divulga importância da Certificação Florestal a convite da SEDRF

Grupo divulga importância da Certificação Florestal a convite da SEDRF Grupo divulga importância da Certificação Florestal a convite da SEDRF A convite da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Rural e das Florestas, o Grupo Portucel Soporcel participou numa série de Sessões

Leia mais

Os Percursos Pedestres nos AçoresA

Os Percursos Pedestres nos AçoresA Os Percursos Pedestres nos AçoresA Importância para a Monitorização e Valorização das Áreas Ambientais S. Diogo Caetano,, Eva A. Lima, Rita Melo, Teófilo Braga e Luís s N. Botelho Subida ao Pico da Vara,

Leia mais

Conhecer para estruturar e promover o sector do Turismo.

Conhecer para estruturar e promover o sector do Turismo. As Dinâmicas Regionais e os seus atores Conhecer para estruturar e promover o sector do Turismo. I.P.L. 26.10.2011 Praia do Osso da Baleia Trilhos de Interpretação da Natureza - Projecto Ecomatur I - Trilho

Leia mais

Estudo Prospectivo da Fileira Florestal. Questionário

Estudo Prospectivo da Fileira Florestal. Questionário Nota Explicativa O Estudo Prospectivo da Fileira Florestal" tem como objectivo iniciar um processo de caracterização na óptica da inovação e transferências de tecnologias de de uma visão de conjunto integrada

Leia mais

4. Visão e objectivos estratégicos

4. Visão e objectivos estratégicos A visão que se propõe para o futuro do Município da Sertã consubstancia-se em VENCER O FUTURO, CONSTRUINDO UM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL. Esta visão, sustentada na contextualização sócio-económica e ambiental

Leia mais

Avaliação Quantitativa de Biomassa Florestal Queimada

Avaliação Quantitativa de Biomassa Florestal Queimada A Multifuncionalidade da Floresta através da Exploração dos Recursos Florestais, Silvopastorícia, Lazer e Turismo Avaliação Quantitativa de Biomassa Florestal Queimada L o u s ã 1 0 A b r i l 2 0 0 8 Medida

Leia mais

Promoção da actividade resineira em Portugal no âmbito da PAC pós 2013

Promoção da actividade resineira em Portugal no âmbito da PAC pós 2013 Promoção da actividade resineira em Portugal no âmbito da PAC pós 2013 Francisco Avillez (Professor Emérito do ISA, UTL e coordenado científico da AGR.GES) 16 de Abril de 2013 1. Evolução do pinheiro bravo

Leia mais

X Ambiente e Salubridade

X Ambiente e Salubridade X Ambiente e Salubridade 1. Abastecimento de Água A taxa de Cobertura de Abastecimento de água no Concelho de Pombal é de aproximadamente 99%, podendo deste modo considerar-se que cobre todas as freguesias

Leia mais

ANEXO 3. A floresta portuguesa FACTOS E NÚMEROS

ANEXO 3. A floresta portuguesa FACTOS E NÚMEROS ANEXO 3 FACTOS E NÚMEROS A floresta portuguesa 1. Os espaços florestais ocupam 5,4 milhões de hectares e representam cerca de dois terços da superfície de Portugal Continental. Destes, 3,4 milhões de hectares

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências.

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. PROJETO DE LEI Nº 51/2008 Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPIRITO SANTO DECRETA: Art. 1º Esta lei institui

Leia mais

Versão Consolidada. Portaria n.º 229-A/2008, de 6 de Março

Versão Consolidada. Portaria n.º 229-A/2008, de 6 de Março Portaria n.º 229-A/2008, de 6 de Março O Regulamento (CE) n.º 1698/2005, do Conselho, de 20 de Setembro, que estabelece as regras gerais do apoio ao desenvolvimento rural sustentável, tem como objetivo,

Leia mais

ZIF PENHASCOSO NORTE. Projecto de Regulamento Interno CAPÍTULO I. Objecto

ZIF PENHASCOSO NORTE. Projecto de Regulamento Interno CAPÍTULO I. Objecto ZIF PENHASCOSO NORTE Projecto de Regulamento Interno CAPÍTULO I Objecto Artigo 1º O Regulamento Interno a) O presente Regulamento Interno define os objectivos específicos e as regras de funcionamento da

Leia mais

A Indústria Papeleira no Contexto das Alterações Climáticas

A Indústria Papeleira no Contexto das Alterações Climáticas A Indústria Papeleira no Contexto das Alterações Climáticas Luís Costa Leal Director-Geral CELPA, Associação da Indústria Papeleira CELPA, Associação da Indústria Papeleira Pomos o Futuro no Papel Nesta

Leia mais

Maria João Carneiro mjcarneiro@ua.pt Diogo Soares da Silva diogo.silva@ua.pt Vítor Brandão vmbrandao@ua.pt Elisabete Figueiredo elisa@ua.

Maria João Carneiro mjcarneiro@ua.pt Diogo Soares da Silva diogo.silva@ua.pt Vítor Brandão vmbrandao@ua.pt Elisabete Figueiredo elisa@ua. Maria João Carneiro mjcarneiro@ua.pt Diogo Soares da Silva diogo.silva@ua.pt Vítor Brandão vmbrandao@ua.pt Elisabete Figueiredo elisa@ua.pt Universidade de Aveiro, Portugal Avaliar os discursos sobre o

Leia mais