PLANO DE CONSERVAÇÃO PÓS-LIFE PROJETO LIFE ESTEPÁRIAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO DE CONSERVAÇÃO PÓS-LIFE PROJETO LIFE ESTEPÁRIAS"

Transcrição

1 PLANO DE CONSERVAÇÃO PÓS-LIFE PROJETO LIFE ESTEPÁRIAS Projeto LIFE07/NAT/P/ Conservação da Abetarda, Sisão e Peneireiro-das-torres nas estepes cerealíferas do Baixo Alentejo Dezembro de 2012 Rita Alcazar () Liliana Barosa () Beneficiário Coordenador

2 Beneficiário Coordenador: Beneficiários Associados: Programa de Financiamento Comunitário: Com a contribuição do instrumento financeiro LIFE da Comunidade Europeia (75%) Co-financiadores: O financiamento da REN é uma Medida financiada no âmbito do Plano de Promoção e Desempenho Ambiental aprovado pela Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos

3 FICHA TÉCNICA Textos e Coordenação da Edição: Rita Alcazar () & Liliana Barosa () Com os contributos de: Ana Lampreia (AACB), Beatriz Estanque (), Carlos Rochinha (EDP Distribuição), Cátia Marques (), Eduardo Santos (), Francisco Moreira (ISA), Hugo Lousa (), Joana Almodovar (ICNF), Joana Bernardo (EDP Distribuição), João Madeira (ACOS), João Paulo Silva (ISA e FCUL), Ricardo Neto (ANPC) e Rui Constantino () Revisão dos textos: Sónia Fragoso () Fotografias da Capa: Abetarda e Sisão de Luís Venâncio e Peneireiro-das-torres de Yves Adams Créditos fotográficos no relatório: Iván Vásquez (páginas 4, 6, 21, 28 e 29), Luís Venâncio (páginas 8, 11 e 35), Ricardo Guerreiro (páginas (15 e 18), (página 36) Ilustrações: Pedro Fernandes Citação aconselhada: Alcazar, R. & Barosa, L Plano de Conservação Pós-LIFE. Projeto LIFE Estepárias Conservação da Abetarda (Otis tarda), Sisão (Tetrax tetrax) e Peneireiro-dastorres (Falco naumanni) nas estepes cerealíferas do Baixo Alentejo (LIFE07/NAT/P/654)., Castro Verde, Portugal Projeto LIFE Estepárias (Contrato LIFE07/NAT/P/654) - Conservação da Abetarda (Otis tarda), Sisão (Tetrax tetrax) e Peneireiro-das-torres (Falco naumanni) nas estepes cerealíferas do Baixo Alentejo Beneficiário coordenador: Liga para a Protecção da Natureza () Beneficiários Associados: CIS - IUL e EDP - Distribuição Duração: janeiro de 2009 a dezembro de 2012 Montante total do Projeto: (comparticipação da União Europeia a 75%) Website do Projeto: Contactos do Coordenador do Projeto: Liga para a Protecção da Natureza Centro de Educação Ambiental do Vale Gonçalinho, Herdade do Vale Gonçalinho, Apartado 84, Castro Verde, Portugal Tel.:

4 O Programa LIFE é o instrumento de financiamento para o ambiente da União Europeia (UE). O objetivo geral do LIFE é contribuir para a implementação, atualização e desenvolvimento da política ambiental da UE e da legislação de Projetos-piloto ou de demonstração de valor acrescentado europeu. Em particular, o programa LIFE Natureza cofinancia projetos que visam restaurar e conservar habitats naturais ameaçados e proteger espécies de conservação prioritária na UE. Natura 2000 A Natureza da Europa para ti! Este Projeto foi implementado dentro da Rede Natura 2000 Europeia. Foi selecionado porque inclui algumas das espécies e habitats mais ameaçados da Europa. Todos os 27 países na União Europeia estão a trabalhar em conjunto na Rede Natura 2000 de modo a proteger a herança natural da Europa, diversa e rica, para o benefício de todos.

5 Índice Índice... 5 Prefácio Introdução As Estepes Cerealíferas As espécies-alvo do Projeto LIFE Estepárias Abetarda (Otis tarda) Sisão (Tetrax tetrax), Peneireiro-das-torres ou Francelho (Falco naumanni) Ameaças O Projeto LIFE Estepárias As áreas de intervenção Os objetivos As ações do Projeto LIFE Estepárias e os principais resultados Desafios Análises SWOT por ZPE Objetivos do Plano Pós-LIFE Metodologia do Plano de Conservação Pós-LIFE Referências Bibliográficas... 46

6 Agradecimentos Ao longo do Projeto LIFE Estepárias muitas pessoas colaboraram e envolveram-se ativamente para que este projeto fosse bem-sucedido, mas sobretudo para que estas carismáticas aves continuem a exibir os seus voos e estejam presentes para as gerações futuras. Desde os técnicos da equipa do projeto, da e dos Beneficiários Associados, a voluntários, agricultores, proprietários, gestores cinegéticos, fotógrafos que gentilmente cederam imagens extraordinárias destas emblemáticas aves (Faísca, Iván Vázquez, Luís Quinta, Luís Venâncio, Nuno Lecoq, Ricardo Guerreiro e Rui Cunha), ilustradores que com o seu talento nos trouxeram outras facetas destas espécies (Rui Sousa, Rita Nunes, João Tiago Tavares e Pedro Fernandes), técnicos de entidades públicas (ICNF, DRAPAL, GNR-SEPNA, CMCV, CEABN) e privadas (AACB, ACOS, ALDEIA-RIAS, SPEA, ANPC, FAC), investigadores científicos, empresas e cofinanciadores e muitos outros colaboradores, que não tentaremos nomear com receio de inadvertidamente esquecer algum. A TODOS um sincero OBRIGADO pelos vossos contributos, dedicação e empenho. Bem Hajam! JUNTOS A PROTEGER AS AVES ESTEPÁRIAS!

7 Lista de Abreviaturas AACB - Associação de Agricultores do Campo Branco ACOS Associação de Criadores de Ovinos do Sul ANPC Associação Nacional de Proprietários e Produtores de Caça BFD Bird Flight Diverter CARAS Centro de Acolhimento e Recuperação de Animais Silvestres CEABN Centro de Ecologia Aplicada Prof. Baeta Neves CEAVG Centro de Educação Ambiental do Vale Gonçalinho CMCV Câmara Municipal de Castro Verde DGAC SUL Departamento de Gestão de Áreas Classificadas do Sul DRAPAL Direcção Regional de Agricultura e Pescas do Alentejo EDP Distribuição Energias de Portugal Distribuição ELA Estrutura Local de Apoio FBF Firefly Bird Flapper FEADER Fundo Europeu Agrícola de Desenvolvimento Rural FFCUL Fundação da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa GNR-SEPNA Guarda Nacional Republicana Serviço de Proteção da Natureza e do Ambiente IBA Important Bird Area ICNB Instituto da Conservação da Natureza e da Biodiversidade INP Investimentos Não Produtivos ISA Instituto Superior de Agronomia da Universidade Técnica de Lisboa ISCTE /IUL Instituto Universitário de Lisboa IUCN International Union for Conservation of Nature Liga para a Protecção da Natureza ONGA Organização Não Governamental de Ambiente PAC Política Agrícola Comum PCVS Programa Castro Verde Sustentável PDM Plano Diretor Municipal PNVG Parque Natural do Vale do Guadiana PRODER Programa de Desenvolvimento Rural PRRN Programa da Rede Rural Nacional REN Redes Energéticas Nacionais, SGPS, S.A. RIAS Centro de Recuperação e Investigação de Animais Selvagens SPA Special Protection Area SPEA Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves ZC Zona de Caça ZPE Zona de Protecção Especial

8 Prefácio O Plano de Conservação Pós-LIFE constitui um dos últimos produtos desenvolvidos pelo Projeto LIFE Estepárias, e foi preparado de forma a cumprir da melhor forma os requisitos da Comissão Europeia. Neste documento apresenta-se um resumo da situação atual, no momento de conclusão do Projeto LIFE Estepárias, para as áreas de intervenção do projeto e define quais as futuras necessidades de conservação e gestão do habitat. Com este documento pretende-se também assegurar a sustentabilidade a longo prazo das intervenções efetuadas durante o Projeto LIFE Estepárias, bem como, de algumas linhas de trabalho que devem existir ou continuar para assegurar a conservação a longo prazo da Abetarda, Sisão e Peneireiro-das-torres nas estepes cerealíferas do Baixo Alentejo. O Plano de Conservação Pós-LIFE tem os seguintes objetivos específicos: Assegurar a continuidade a longo prazo das ações implementadas e da conservação das aves estepárias; Apresentar os principais resultados e as lições retiradas durante o projeto; Estabelecer constrangimentos, oportunidades e ameaças para as espécies-alvo, em cada Zona de Proteção Especial abrangida pelo projeto, tendo em conta os estatutos de conservação nacional e europeu para cada espécie; Contribuir para identificar necessidades e perspetivas de conservação futuras, de acordo com as necessidades de gestão de habitat e administrativas; Avaliar as várias partes interessadas a envolver na implementação das medidas de conservação, as fontes de financiamento e a calendarização para alcançar os objetivos; Definir o planeamento e desenvolvimento da continuidade das ações iniciadas durante o projeto, nos anos seguintes, e como é que a gestão das espécies a longo prazo será desenvolvida nas áreas de intervenção do projeto, incluindo informação sobre as ações que serão mantidas, quando, por quem e com que fontes de financiamento. 1

9 1. Introdução A Liga para a Proteção da Natureza é uma Organização Não Governamental de Ambiente (ONGA), sem fins lucrativos e com estatuto de Utilidade Pública que tem como principais objetivos a conservação do património natural, da diversidade das espécies e dos ecossistemas. Fundada em 1948, esta é a associação de defesa do ambiente mais antiga da Península Ibérica. A tem um historial de implementação de projetos de Conservação da Natureza compatíveis com o desenvolvimento rural sustentável e uma longa experiência na gestão agrícola compatível com a conservação das aves estepárias. Exemplo disso é o Programa Castro Verde Sustentável (PCVS), em funcionamento desde 1992, e que incluiu a execução de diversos projetos nacionais e europeus, entre os quais 3 projetos LIFE Natureza: LIFE92 NAT/P/ Conservação da avifauna estepária em Castro Verde (primeira fase), decorreu entre 1993 e 1995; LIFE95 NAT/P/ Conservação da avifauna estepária em Castro Verde (segunda fase), que decorreu entre 1996 e 1999; LIFE02/NAT/P/ "Recuperação do Peneireiro-das-torres em Portugal", que decorreu entre 2002 e O principal objetivo do PCVS é criar um modelo de desenvolvimento rural que concilie as atividades económicas regionais (como, por exemplo, a agricultura e caça) com a conservação das aves estepárias a longo prazo. Para isso, foi e é fundamental trabalhar conjuntamente com as populações locais (agricultores, gestores florestais e cinegéticos, organizações públicas e privadas, escolas e público em geral), de modo a conservar habitats naturais e seminaturais. O envolvimento da na conservação dos ecossistemas estepários data, assim, de há 20 anos, quando no início da década de 1990 os sistemas agrícolas extensivos da região de Castro Verde estavam na eminência de serem convertidos em florestas de rápido crescimento, devido à sua baixa produtividade e fraca rentabilidade económica. No final dos anos 80, os terrenos mais importantes para as aves estepárias do Concelho de Castro Verde tinham sido adquiridos por empresas de pasta de papel, que pretendiam florestálos com espécies florestais de crescimento rápido, como o eucalipto. Estas alterações na 2

10 ocupação do solo iriam levar a um abandono da atividade agrícola e, portanto, ao desaparecimento da avifauna estepária estritamente dependente da manutenção de práticas agrícolas cerealíferas extensivas. A colaboração com atores locais, regionais e até nacionais catalisou uma série de colaborações que permitiram intervir para preservar a integridade ecológica destes locais. Na altura, a, o Serviço Nacional de Parques e Reservas Naturais (antecessor do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas - ICNF), a Direção Geral das Florestas e a Câmara Municipal de Castro Verde (CMCV) e a Associação de Agricultores do Campo Branco (AACB) decidiram atuar de forma conjunta para a salvaguarda deste habitat. Desse esforço conjunto resultou a interdição de florestação de terras agrícolas no Plano Diretor Municipal (PDM) de Castro Verde (cerca de 85% do território do concelho), a candidatura da a fundos comunitários do Programa LIFE para aquisição dos principais terrenos para a conservação das aves estepárias e a elaboração de um estudo preliminar para a proposta submetida pela AACB de criação de uma Medida Agroambiental, o Plano Zonal de Castro Verde. Entre 1993 e 1998, a adquiriu, com o apoio do programa LIFE, 5 propriedades no Concelho de Castro Verde, com um total de hectares e, em 2000, a inaugurou o Centro de Educação Ambiental do Vale Gonçalinho (CEAVG), que passou a funcionar como o Pólo local da em Castro Verde. A ligação às universidades tem sido, desde o início, essencial para o desenvolvimento de estudos científicos que fundamentem as opções de gestão. Em 1995 surge o Plano Zonal de Castro Verde 1. Esta Medida Agroambiental, integrada nas Medidas de Acompanhamento 2 da Política Agrícola Comum (PAC) da reforma de 1992 (que funcionaram como as medidas precursoras dos Planos de Desenvolvimento Rural que surgiram nas reformas da PAC subsequentes), teve como objetivo apoiar financeiramente os agricultores da região do Campo Branco 3 para manterem uma agricultura extensiva de sequeiro, com a rotação cereal-pousio, com práticas culturais compatíveis com o ciclo de vida das aves estepárias. 1 Em 2007 esta medida passou a ser designada como Intervenção Territorial Integrada (ITI) de Castro Verde. 2 As Medidas de Acompanhamento da PAC, em 1992, incluíram além das Medidas Agroambientais, a Florestação de Terras Agrícolas e a Reforma Antecipada e tinham como objetivos responder a maiores exigências ambientais e essencialmente incentivar a redução da produção agrícola para minimizar os impactes dos excedentes. 3 entre 1995 e 2006 a área beneficiada por esta medida correspondeu à área designada como biótopo Corine, que abrangia uma parte da ZPE de Castro Verde e uma pequena parte da ZPE do Vale do Guadiana, junto a Algodor. 3

11 Apenas em 1999, foi efetuada a classificação deste território como Zona de Proteção Especial (ZPE), no âmbito da Rede Natura 2000 (Rede Europeia de Espaços Naturais), na sequência da classificação pelo Birdlife International como IBA (Important Bird Area). A área abrangida por esta ZPE foi posteriormente alargada em 2008, como medida de compensação dos impactes ambientais da construção da autoestrada do Sul (A2). A ZPE de Castro Verde assume, desde então, um papel preponderante na conservação das aves estepárias, tanto a nível nacional como Europeu, sendo a maior área estepária portuguesa e a que apresenta um melhor estado de conservação favorável para as aves estepárias. A classificação como ZPE, a proteção estabelecida no PDM de Castro Verde às áreas agrícolas, o desenvolvimento de projetos de conservação da natureza e biodiversidade pela e a adesão dos agricultores às medidas agroambientais, foram os instrumentos chave para a manutenção e melhoramento do estado de conservação favorável do habitat estepário na ZPE de Castro Verde, desde a década de Em 1995, foi criado o Parque Natural do Vale do Guadiana (PNVG), que é coincidente com a quase totalidade da ZPE do mesmo nome, classificada em Neste ano foi também classificada a ZPE de Mourão/Moura/Barrancos. Em 2008, foram classificadas novas ZPE para a proteção das aves estepárias (8), nas quais se incluiu a ZPE de Piçarras. O Projeto LIFE Estepárias, aprovado pela Comissão Europeia em 2008, dá continuidade ao trabalho da efetuado em termos de conservação das aves estepárias em Portugal, trabalhando em ameaças que não tinham sido até então abordadas e alargando a área de intervenção a outras ZPE com habitat estepário além da ZPE de Castro Verde. 4

12 2. As Estepes Cerealíferas As estepes caracterizam-se por serem paisagens com um relevo suave dominado por planícies, onde predomina uma vegetação herbácea e uma escassez de árvores. Em Portugal não existem verdadeiras estepes mas a centenária agricultura extensiva moldou um habitat com caraterísticas semelhantes à estepe natural euro-asiática, localizado essencialmente nas planícies alentejanas, ao qual se chama pseudo-estepe, planícies cerealíferas ou estepes cerealíferas. A estepe cerealífera é um ecossistema predominantemente herbáceo, situado em zonas mais ou menos planas, e resulta da ação do Homem e da Natureza ao longo dos tempos através da agricultura extensiva caraterizada pela rotação entre culturas de cereal de sequeiro (trigo e aveia) e pousios (pastagens espontâneas). Este tipo de uso agrícola proporciona uma grande variedade de biótopos para variadas espécies, nomeadamente searas, restolhos, pousios, pastagens e cultivos de leguminosas. Ao longo dos últimos séculos, muitas espécies adaptaram-se a este habitat formando um ecossistema que está dependente da manutenção da atividade agrícola extensiva. Infelizmente, os habitats estepários estão atualmente em declínio na Europa, sendo mesmo apontados por alguns autores como sendo um dos ecossistemas mais ameaçados da Europa, mais do que as zonas húmidas e bosques, devido à rapidez com que o Homem os transforma e destrói. Acresce ainda, que se estima que cerca de 60% das aves em regressão na Europa estejam associadas ao habitat agrícola, como é o caso das aves estepárias. Em Portugal, este tipo de habitat encontra-se sobretudo representado no Alentejo e apresenta também uma preocupante tendência regressiva, associada principalmente às alterações dos usos agrícolas, nomeadamente a florestação de terras agrícolas e a implementação de regadios (nalguns casos com culturas anuais de regadio e noutros com conversão de culturas agrícolas anuais em permanentes, como é o caso da vinha e do olival). Um vasto leque de espécies de aves dependente deste habitat encontra-se atualmente em regressão, apresentando um estatuto de conservação desfavorável. A Abetarda, o Sisão e o Peneireiro-das-torres são três das espécies consideradas no grupo das aves estepárias e funcionam como espécies bandeira para a conservação deste ecossistema único, dependendo exclusivamente deste meio. 5

13 3. As espécies-alvo do Projeto LIFE Estepárias 3.1 Abetarda (Otis tarda) Ordem Gruiformes, Família Otitidae Descrição: A Abetarda apresenta dimorfismo sexual acentuado, podendo os machos apresentar o dobro do peso das fêmeas, podendo pesar até 16 Kg. O comprimento total atingido varia entre os 75 e os 105 cm e a envergadura entre os 190 e 260 cm. Distribuição: A área de distribuição da Abetarda estende-se se de uma forma descontínua, desde o Norte de África e Península Ibérica, através do Centro e Sul da Europa, Ásia Menor, Sul da Sibéria, Turquestão, Mongólia e Manchúria até à porção mais Oriental da China. 6

14 Figura 1 - Distribuição mundial de Abetarda. Reprodução: Nidifica no solo, em pequena depressão abrigada na vegetação. A localização do ninho é escolhida pela fêmea, frequentemente em pousios ou em searas pouco densas. Durante a época de reprodução os machos agregam-se em torno de áreas específicas (áreas de Lek ) onde desenvolvem comportamentos de parada nupcial extremamente elaborados, sendo a posição hierárquica do macho determinante da qualidade das exibições. A localização geográfica destas áreas permanece praticamente inalterada ao longo dos anos. O principal período da atividade reprodutora é de finais de março a maio, embora se possa prolongar até junho. Um baixo nível de perturbação é essencial para o sucesso da reprodução; a fêmea abandona facilmente as posturas quando perturbada, especialmente no início da incubação. Trabalhos desenvolvidos em Castro Verde revelaram um tamanho de postura variável entre 2 e 3 ovos como valor mais frequente. O período de incubação é de 28 dias. Os cuidados parentais são exercidos pela fêmea. As crias começam a voar às 5 semanas de idade. As crias-fêmeas acompanham geralmente a fêmea até à próxima época de reprodução, enquanto as crias-machos empreendem movimentos dispersivos de alguma magnitude. Alimentação: A alimentação dos adultos tem uma importante componente vegetal (sobretudo folhas e inflorescências, mas também rebentos, caules, sementes e, em períodos de escassez alimentar, rizomas ou bolbos), sendo que no verão, a componente animal adquire bastante relevância; as crias, durante os primeiros meses, alimentam-se basicamente de insetos. Fenologia: Em Portugal, a maior parte das populações é residente. No entanto, podem executar alguns movimentos condicionados pela disponibilidade de alimento. 7

15 Organização social: A organização social é complexa, com bandos unisexuais e bandos mistos, de tamanho e composição variáveis ao longo do ano. Requisitos de habitat: Requer grandes extensões de campo aberto e relativamente planos. Na Península Ibérica requer áreas de mosaico de seara, restolhos, pousios e pastagens, que providenciem uma diversidade de oportunidades alimentares e invertebrados em abundância para alimentar as crias. A seleção do habitat por esta espécie é condicionada pela disponibilidade dos recursos alimentares e ainda pelos requisitos de acasalamento e nidificação. Distribuição Nacional: Em Portugal, a Abetarda distribui-se de forma fragmentada desde o Sudoeste da Beira Baixa até ao Sul do Alentejo. Os principais núcleos reprodutores estão localizados no Baixo Alentejo e na parte Leste do Alto Alentejo, sendo que cerca de 80% ocorre na região do Campo Branco (ZPE de Castro Verde). Figura 2 - Mapa da distribuição nacional de Abetarda (Fonte: Atlas das aves nidificantes de Portugal, 2008). 8

16 Abundância: Segundo Pinto et al. (2005) a estimativa para Portugal, em 2005, seria de indivíduos de Abetarda, dos quais 912 em Castro Verde (79%). Dados não publicados (Márcia Pinto, Pedro Rocha, LIFE Estepárias, comm. pess.) indicam que em 2011 o número de Abetardas deverá rondar os indivíduos, dos quais em Castro Verde (74%). Estatutos: Estatuto de Conservação a nível mundial (IUCN 2012): Vulnerável Estatuto no Livro Vermelho dos Vertebrados de Portugal (ICNB 2005): Em Perigo Está incluída no Anexo I da Diretiva Aves (tendo sido classificada como espécie de conservação prioritária no espaço europeu), Anexo II da Convenção de Berna, Anexo I/II da Convenção de Bona e no Anexo I da CITES. 9

17 Figura 3 - Figuras ilustrativas do ciclo de vida da Abetarda (Autoria: Pedro Fernandes) 10

18 3.2 Sisão (Tetrax tetrax), Ordem Gruiformes, Família Otitidae Descrição: O Sisão pertence à mesma família que a Abetarda, mas é consideravelmente mais pequeno. É uma ave de médio porte, com 40 a 45 cm de comprimento e 105 a 115 cm de envergadura. Pesa entre 700 a 950 gramas, sendo as fêmeas ligeiramente mais pequenas que os machos. Durante a primavera, estas aves apresentam um dimorfismo sexual evidente, quando o macho exibe uma plumagem com um colar preto com barras brancas em torno do pescoço. Distribuição: O Sisão é uma ave de distribuição Paleártica, apresentando dois núcleos principais: um ocidental, abrangendo a Península Ibérica, França e extremo Sudeste de Itália (na Sardenha), e outro oriental, no Sudeste da Rússia Europeia e o Cazaquistão. Inverna numa vasta área desde o Mediterrâneo, passando pela Turquia e o Cáucaso, até ao Irão. De forma errática, ocorre ainda no Sul da Ásia. 11

19 Figura 4 - Distribuição mundial do Sisão. Reprodução: As fêmeas fazem o ninho no solo, selecionando uma vegetação baixa, geralmente coincidente com pousios e na proximidade de machos em parada. A postura é habitualmente de 3 ou 4 ovos que são incubados durante dias. As crias têm os cuidados parentais apenas da fêmea e completam o crescimento aos dias. Alimentação: Os adultos alimentam-se sobretudo de matéria vegetal, nomeadamente rebentos, folhas, flores e sementes. Em zonas agrícolas mostram preferência por leguminosas e crucíferas. A alimentação das crias é essencialmente animal, à base de insetos, nomeadamente ortópteros e coleópteros. Fenologia: As populações do Sul da sua distribuição, em particular da Península Ibérica, tendem a ser sedentárias ou parcialmente migradoras, ao contrário das populações do Norte que são totalmente migradoras. Organização social: No inverno, o Sisão é gregário. Nessa altura, os bandos podem atingir os milhares de indivíduos e é habitual o uso de dormitórios comunitários. Na época de reprodução, os machos adultos defendem territórios bem definidos, que são visitados pelas fêmeas com o único objetivo de serem copuladas. Requisitos de Habitat: Em época de reprodução os machos adultos optam preferencialmente pelos pousios para formar os seus territórios, selecionando áreas com vegetação baixa e em 12

20 locais com uma maior disponibilidade de insetos. No inverno, os bandos selecionam pousios novos, campos de cereal e pastagens, assim como restolhos, alqueives antigos com algum revestimento, meloais e clareiras das plantações de girassol. Distribuição Nacional: Em Portugal o Sisão pode ser encontrado desde Trás-os-Montes até ao Algarve, sendo a sua distribuição mais localizada a Norte do rio Tejo. Cerca de 85% da área de distribuição da espécie localiza-se no Alentejo, concentrando cerca de 90 a 95% da população nacional. Figura 5 - Mapa da distribuição nacional de Sisão (Fonte: Atlas das aves nidificantes de Portugal, 2008). Abundância: Segundo Silva & Pinto (2006) os efetivos de Sisão rondam os machos na região do Alentejo. Estatutos: Estatuto de conservação a nível mundial (IUCN 2012): Quase ameaçado Estatuto no Livro Vermelho dos Vertebrados de Portugal (ICNB 2005): Vulnerável Está incluída no Anexo I da Diretiva Aves (tendo sido classificada como espécie de conservação prioritária no espaço europeu), Anexo II da Convenção de Berna e no Anexo I da CITES. 13

21 Figura 6 - Imagens ilustrativas do ciclo de vida do Sisão (Autoria: Pedro Fernandes). 14

22 3.3 Peneireiro-das-torres ou Francelho (Falco naumanni) Ordem Falconiformes, Família Falconidae Descrição: O Peneireiro-das-torres é um pequeno falcão com asas estreitas, longas e pontiagudas. Atinge os 30 cm de comprimento, 58 a 72 cm de envergadura e 200 gramas de peso. Esta espécie apresenta dimorfismo sexual, tanto ao nível da plumagem (os machos apresentam tonalidade cinza na cabeça, coberturas e cauda enquanto as fêmeas são totalmente castanhas com manchas escuras), como de tamanho (as fêmeas são ligeiramente maiores). Distribuição atual: Tem uma distribuição estival Paleártica, nidificando desde Portugal e Espanha até à antiga União Soviética, Afeganistão, Mongólia e NE da China, embora muito fragmentada e com pequenos núcleos em muitos países. Tem uma distribuição invernante que compreende essencialmente a África, a Sul do Sahara. Na Europa, tem uma distribuição 15

23 essencialmente Mediterrânica, nidificando na Península Ibérica, França, Itália, ex-jugoslávia, Roménia e Grécia. Figura 7 - Mapa da distribuição mundial de Peneireiro-das-torres. Reprodução: Utilizam predominantemente construções humanas para nidificar. As construções utilizadas são essencialmente estruturas humanas abandonadas, como castelos, muralhas, igrejas, edifícios rurais (montes alentejanas). Os indivíduos chegam às áreas de reprodução em finais de fevereiro, inícios de março (inicialmente os machos e depois as fêmeas). A postura, variável entre 3 e 6 ovos, tem início em meados de abril. A incubação tem uma duração aproximada de 1 mês, tal como a permanência das crias no ninho. As áreas de reprodução são abandonadas entre finais de julho e meados de agosto. Nos locais das suas colónias podem também nidificar espécies como a Gralha-de-cabeça-cinzenta, o Pombocomum, o Rolieiro, o Mocho-galego, a Coruja-das-torres ou o Peneireiro-vulgar. Alimentação: A alimentação do Peneireiro-das-torres carateriza-se por uma predominância de invertebrados e por uma presença quase insignificante de vertebrados. Dentro dos invertebrados, os grupos mais importantes na alimentação são, por ordem de importância, os ortópteros, coleópteros e aracnídeos. Fenologia: Apresenta duas rotas migratórias distintas: uma descreve migração primaveril ao longo do Sahara Ocidental, em que os primeiros indivíduos chegam às áreas de reprodução em meados de fevereiro e na outra a migração ocorre pelo Leste africano. A migração outonal da população europeia ocorre essencialmente ao longo do Mediterrâneo ocidental. 16

24 Organização social: É um falconiforme gregário durante todo o ciclo de vida. Nidifica em colónias que chegam a ultrapassar a centena de casais. O gregarismo é também evidenciado no comportamento de caça e nas áreas de invernada. Tem locais de dormida comunitários, em árvores isoladas ou grupos de árvores. Requisitos de habitat: É extremamente dependente das áreas agrícolas de caráter extensivo para as atividades de caça. Entre os principais habitats de caça identificados, destacam-se os pousios ou pastagens e, durante a época de ceifa, os restolhos. Distribuição Nacional: A distribuição da espécie em Portugal restringe-se atualmente ao Alentejo. Nesta região está ausente das áreas litorais encontrando-se a maioria das colónias no Baixo-Alentejo na região do Campo Branco. Figura 8 - Mapa da distribuição nacional de Peneireiro-das-torres (Fonte: Atlas das aves nidificantes de Portugal, 2008). Abundância: A população portuguesa, para 2005, encontra-se estimada em cerca de 427 a 462 casais, dos quais cerca de 80% da população nas Zonas de Proteção Especial de Castro Verde (62% da população nacional) e do Vale do Guadiana (17-18% da população nacional) (Catry, Cordeiro & Alcazar, 2005). 17

25 Estatutos: Estatuto de conservação a nível mundial (IUCN 2012): Pouco preocupante Estatuto no Livro Vermelho dos Vertebrados de Portugal (ICNB 2005): Vulnerável Está incluída no Anexo I da Diretiva Aves, tendo sido classificada como espécie de conservação prioritária no espaço europeu, no Anexo II da Convenção de Bona, no Anexo II da CITES e no Anexo B da Convenção Africana sobre Conservação da Natureza e Recursos Naturais. 18

26 Figura 9 - Imagens ilustrativas do ciclo de vida do Peneireiro-das-torres (Autoria: Pedro Fernandes). 19

27 4. Ameaças Plano de Conservação Pós-LIFE As ameaças à conservação destas aves incluem: Perda e fragmentação do habitat por: o o o o o Transformação da agricultura de sequeiro (cereais em rotação com pastagens) em regadio ou culturas permanentes como o olival e a vinha. A transformação para regadio representa, a introdução de culturas agrícolas desadequadas para a alimentação e reprodução das aves, a redução ou desaparecimento dos pousios, a alteração da estrutura da vegetação e a utilização de agroquímicos que reduzem a disponibilidade alimentar. A conversão das culturas agrícolas anuais de sequeiro em culturas permanentes como o olival e a vinha representam a perda do habitat adequado. Florestação das terras agrícolas. Abandono do meio rural, com o aparecimento de matos em substituição das pastagens e das culturas de cereal. Construção de estradas e barragens representam perda direta do habitat nas áreas de implantação mas também constituem fatores de fragmentação das populações e de perturbação. Desaparecimento dos locais de nidificação para o Peneireiro-das-torres, devido à recuperação do património edificado ou ao colapso dos edifícios rurais onde existiam colónias. Fragmentação das populações devido à existência de vedações e de estradas. Nos últimos anos o número de vedações em explorações agrícolas tem aumentado significativamente, funcionando como barreira à circulação das aves, sobretudo na Abetarda mas também no Sisão, e provocando mortalidade por colisão. Degradação do habitat por sobrepastoreio e uso desadequado de agroquímicos, que reduzem a disponibilidade alimentar. O sobrepastoreio provoca ainda a alteração do coberto vegetal que fica desadequado para a nidificação das aves e o pisoteio do gado pode representar a perda das posturas nos ninhos. Colisão e eletrocussão com linhas elétricas. Perturbação e pilhagem de ninhos (incluindo destruição intencional). A perturbação dos locais de nidificação pode despoletar a separação entre as fêmeas e as crias que ficam 20

28 mais vulneráveis à predação, no caso da Abetarda e do Sisão, ou representar o abandono das posturas nas três espécies. A pilhagem de ninhos para tentativas de criação em cativeiro ou para coleções ainda ocorrem atualmente. Alterações climáticas representam uma nova ameaça para estas espécies pois assiste-se a um aumento da frequência de secas extremas ou de fenómenos climáticos mais intensos fora de época (como vagas de calor), que têm consequências ao nível do habitat (por exemplo ao nível da estrutura e coberto da vegetação) e das aves (por exemplo crias ainda muito pequenas e vulneráveis). 21

29 5. O Projeto LIFE Estepárias O Projeto LIFE Estepárias Conservação da Abetarda (Otis tarda), Sisão (Tetrax tetrax) e Peneireiro-das-torres (Falco naumanni) nas estepes cerealíferas do Baixo Alentejo (LIFE07/NAT/P/654), decorreu entre 2009 e 2012, tendo como área de intervenção as ZPE de Castro Verde, Mourão/Moura/Barrancos, Vale do Guadiana e Piçarras. Este projeto foi coordenado pela e teve como parceiros a EDP Distribuição e o Centro de Investigação e Intervenção Social do ISCTE - IUL, contando com o apoio financeiro do Programa LIFE da Comissão Europeia (75%) e do cofinanciamento da Somincor, EDP e da REN (através do Plano de Promoção do Desempenho Ambiental da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos) As áreas de intervenção No âmbito deste projeto foram desenvolvidas ações em quatro Zonas de Proteção Especial (ZPE) do Baixo Alentejo: Castro Verde, Piçarras, Vale do Guadiana e Mourão/Moura/Barrancos. Estas ZPE integram a Rede Natura 2000, que constitui a Rede Europeia de Espaços Naturais. A ZPE de Castro Verde ( ha) abrange os concelhos de Castro Verde, Aljustrel, Beja, Ourique, Almodôvar e Mértola. Aqui a paisagem, a perder de vista, é dominada pelas extensas planícies com searas e pastagens. Esta representa a maior área de habitat estepário do país, onde se localizam as mais importantes áreas de parada nupcial de Abetarda (cerca de 75% da população nacional) e as maiores densidades de Sisão (cerca de metade da população durante a época de reprodução). Detém cerca de 70% da população reprodutora de Peneireiro-dastorres, assim como, importantes populações de Rolieiro, Calhandra-real, Tartaranhão-caçador e Cortiçol-de-barriga-preta. A ZPE de Piçarras (2.827ha) situa-se nos concelhos de Ourique, Castro Verde e Almodôvar. É uma pequena área predominantemente agrícola com cultivos extensivos de cereal e pastagens intercalados com montados abertos de sobro e azinho. Esta ZPE foi classificada em 2008 para salvaguardar as aves estepárias que aí ocorrem, em particular uma população reprodutora de Abetarda. A ZPE de Vale do Guadiana (76.547ha) coincide na sua quase totalidade com o Parque Natural do Vale do Guadiana, abrangendo os concelhos de Mértola, Beja, Serpa e Alcoutim. A zona é marcada pelos vales encaixados do Rio Guadiana e seus afluentes, marginados por escarpas e 22

30 matagais mediterrânicos com montados de azinho. Embora as planícies cerealíferas sejam muito localizadas, são muito importantes para a Abetarda, Sisão, Peneireiro-das-torres e Cortiçol-de-barriga-preta. Na ZPE de Mourão/Moura/Barrancos (84.909ha), cuja área abrange os concelhos de Barrancos, Moura, Mourão e Serpa, a paisagem é bastante heterogénea, sendo composta por um mosaico de searas, pastagens, montados de azinho e sobro, vinhas e olivais. As áreas com caraterísticas estepárias são escassas e fragmentadas devido à intensificação agrícola, que inclui também a conversão das culturas agrícolas anuais (nomeadamente as culturas arvenses de sequeiro) para olivais intensivos de regadio. Estas mudanças no habitat constituem uma séria ameaça para as aves estepárias que ainda ocorrem nesta ZPE Os objetivos Este projeto LIFE focou-se essencialmente em medidas de gestão do habitat não diretamente associadas a questões agrícolas, dado que estas deverão ser abrangidas pelo Programa de Desenvolvimento Rural (PRODER), para o período , financiado pelo Fundo Europeu Agrícola de Desenvolvimento Agrícola (FEADER) da PAC. Os principais objetivos do Projeto LIFE Estepárias foram: Proteger as áreas de reprodução de Abetarda; Minimizar o impacte de linhas elétricas (colisão e eletrocussão) e de vedações (colisão e efeito barreira); Promover o restabelecimento populacional do Peneireiro-das-torres na ZPE de Mourão/Moura/Barrancos; Definir medidas de adaptação e minimização das alterações climáticas; Implementar um programa de recuperação para aves estepárias feridas; Maximizar a gestão cinegética para abranger as aves estepárias, contribuindo para a implementação de medidas de adaptação às alterações climáticas; Promover a participação de agricultores e caçadores na conservação das aves estepárias; Sensibilizar e melhorar a disseminação de informação sobre boas práticas de gestão do habitat para a proteção das aves estepárias. 23

31 5.3. As ações do Projeto LIFE Estepárias e os principais resultados Proteger as áreas de reprodução de Abetarda Com este projeto foram adquiridos novos terrenos na ZPE de Castro Verde, num total de 168,4ha, que ficarão reservadas à proteção a longo prazo desta espécie e da restante comunidade de aves estepárias. Estes terrenos foram selecionados por serem importantes áreas de paradas nupciais de Abetarda Melhorar o habitat de nidificação do Peneireiro-das-torres Com a construção de uma nova torre nidificação na ZPE de Mourão/Moura/Barrancos, pretendeu-se incentivar a recolonização natural da espécie no concelho de Moura. De igual modo, nos novos terrenos adquiridos na ZPE de Castro Verde, foram melhoradas as condições para a sua reprodução com a construção de uma nova torre de nidificação. Foram assim disponibilizados 80 novos locais de nidificação em cada uma das duas torres (total de 160 novos locais e nidificação). Minimizar os impactes das linhas elétricas Através da correção de 40km de linhas elétricas na ZPE de Castro Verde (9,8 km com BFD Bird Flight Diverter espirais duplas, 14,9km com FBF - Firefly Bird Flappers fitas e 15,3 km com FBF rotativos), pretendeu-se diminuir o impacte destas infraestruturas na Abetarda e Sisão. A eficácia de diferentes tipos de sinalizadores anti colisão para estas espécies foi testada ao longo do projeto, tendo sido verificada a maior eficácia dos sinalizadores FBF Rotativos. A proteção de 146 apoios minimizou a probabilidade de eletrocussão de Peneireiros-das-torres e de outras aves de rapina que frequentemente poisam nestas estruturas. Reduzir as barreiras físicas nas áreas de alimentação e reprodução Através de acordos com agricultores e proprietários, pretendeu-se reduzir os impactes da elevada densidade de vedações para o gado, que tem como consequência a colisão de aves com o arame farpado e o efeito barreira. Quando possível, foi feita a remoção da vedação, tendo sido retirados 2.036m de vedações em 3 áreas de parada nupcial de Abetarda. Cerca de 41km (40.773m) de vedações foram sinalizadas para reduzir a colisão e foram instaladas 184 passagens para a fauna, em 28km (28.156m) de vedações, permitindo a transição das aves ao 24

32 longo das parcelas vedadas. Com as várias medidas, foram identificadas as melhores práticas para vedações. Minimizar os efeitos das alterações climáticas Foi desenvolvido um estudo científico pelo Centro de Ecologia Aplicada Baeta Neves (CEABN) do Instituto Superior de Agronomia (ISA) apara antecipar cenários face às alterações climáticas, que demonstrou alguns dos impactes a médio e longo prazo mas também a importância que determinadas políticas (como as de agricultura e desenvolvimento rural) podem ter já a curto prazo. Adicionalmente, como medidas de adaptação às alterações climáticas, foram testadas diferentes metodologias para perceber quais as melhores formas de disponibilizar alimento suplementar e pontos de água nas alturas de maior escassez, nomeadamente em anos de seca. Em colaboração com os gestores cinegéticos foram estabelecidos planos de gestão com 12 Zonas de Caça, numa área com cerca de ha, para adaptar a gestão cinegética à conservação das aves estepárias e minimizar impactes das alterações climáticas, através da instalação de 35 bebedouros e 37 pontos de alimentação, para que estejam acessíveis não só às espécies cinegéticas como também às aves estepárias. Também nas Reservas da Biodiversidade 4 da se instalaram bebedouros artificiais (16) e pontos de alimentação suplementar (18). Adicionalmente testaram-se 21 muretes de pedra posta em pequenos barrancos, como forma de retenção adicional da água e maior taxa de infiltração no solo, que serão vantajosos em termos de maior disponibilidade de insetos e de vegetação verde por um período de tempo mais alargado. Implementar um Plano de Recuperação de aves estepárias feridas Como estas aves requerem cuidados especiais, investiu-se na capacitação e formação de recursos humanos para consolidar as práticas para a sua recuperação, bem como na melhoria de instalações e equipamentos, de modo a se especializar um centro de recuperação de animais silvestres na recuperação de aves estepárias. O centro de referência atualmente é o RIAS Centro de Recuperação e Investigação de Animais Selvagens, em Olhão, gerido pela Associação ALDEIA, com a qual foi estabelecido um protocolo de colaboração. Durante os 4 4 As herdades que são propriedade da e cujos fins são a conservação da natureza e a proteção da biodiversidade são designadas como Reservas da Biodiversidade. 25

33 anos do projeto, foi possível efetuar a recuperação de 121 aves estepárias (49%) das 247 que ingressaram para recuperação. Divulgar e Sensibilizar Pretendeu-se estimular os agricultores e proprietários na implementação de boas práticas para as aves estepárias (nomeadamente a manutenção dos sistemas agrícolas extensivos de sequeiro, vedações menos impactantes, entre outras), incentivar os caçadores a participar e colaborar na conservação ativa destas espécies e sensibilizar o público em geral para a importância da sua proteção. As ações de educação ambiental com escolas envolveram alunos, de 68 turmas do pré-escolar ao ensino secundário, de 20 escolas dos concelhos das quatro ZPE do projeto. Foram ainda efetuadas palestras a 598 alunos do ensino superior. Foi também realizada uma consulta participativa pelo CIS às comunidades locais para conhecer as opiniões dos residentes quanto à importância da conservação das aves estepárias e quais as ações de gestão que consideram mais importantes manter. Produção de Materiais de Comunicação. Para disseminar a informação junto de diferentes públicos, elaboraram-se diferentes materiais de comunicação: website, brochura, manuais de boas práticas (agrícola e cinegética), cartazes, pastas, conto infantil, autocolantes, vídeo, painéis exteriores, edição especial da Revista Liberne. Foram ainda efetuados 8 Notas de Imprensa e houve cerca de 65 notícias publicadas em diversos meios de comunicação, bem como, 48 apresentações do projeto a diferentes públicos (seminários, colóquios, entre outros) Desafios Apesar do Projeto LIFE Estepárias ter atingido as metas previstas, as necessidades de conservação a longo prazo ainda permanecem, sobretudo em algumas das áreas estepárias que não foram abrangidas por este projeto. As aves estepárias estão fortemente dependentes da gestão agrícola que é efetuada nas suas áreas de ocorrência. O estudo científico dos efeitos das alterações climáticas (Moreira et. Al., 2012), refere precisamente que mais prementes que as alterações climáticas serão os efeitos a 26

34 curto prazo das políticas agrícolas e de ordenamento do território que podem afetar estas espécies. No atual Programa de Desenvolvimento Rural Português (PRODER), no âmbito da Política Agrícola Comum, estão disponíveis Medidas Agroambientais para a manutenção da rotação cereal-pousio, às quais os agricultores podem aderir caso estejam interessados. Por este motivo, o Projeto LIFE Estepárias não incluiu nenhuma medida de gestão do habitat agrícola. No entanto, enquanto na ZPE de Castro Verde a adesão dos agricultores a estas Medidas Agroambientais foi positiva desde 2007, com cerca de 140 aderentes em 2011 e uma área beneficiada acima dos hectares (PRODER, 2011), o mesmo não se verificou nas outras ZPE do projeto (que foram beneficiadas apenas a partir de 2011 pela ITI das Zonas Rede Natura do Alentejo, cuja adequação às especificidades de cada território não é a mais apropriada). Para o futuro será importante assegurar a continuação de Medidas Agroambientais que apoiem os agricultores na manutenção de uma atividade agrícola favorável à conservação das aves estepárias. Apoios esses que devem ser justos e com compromissos adequados às especificidades de cada território. A equipa do projeto manteve a articulação com as entidades ligadas à implementação das Medidas Agroambientais, nomeadamente na transferência das boas práticas em vedações e pontos de abeberamento, que foram incorporados nos Normativos de gestão das duas ITI que são definidos pelas Estruturas Locais de Apoio (ELA). Assim, os resultados obtidos e boas práticas definidas durante o Projeto LIFE Estepárias foram sendo disseminados também desta forma. Em termos agrícolas será importante aprofundar o impacte do corte dos fenos no sucesso reprodutor da Abetarda e do Sisão, e conseguir encontrar formas de compatibilizar esta componente da atividade agropecuária com o ciclo de vida das aves estepárias (através de apoios específicos aos agricultores, por exemplo). Um aspeto que também poderia ser abordado seria a valorização dos produtos/recursos associados às estepes cerealíferas, nomeadamente através de processos de certificação. Algumas das problemáticas abordadas pelo Projeto LIFE Estepárias (locais de nidificação, vedações, linhas elétricas, recuperação de aves feridas e alterações climáticas) são comuns a outras áreas de ocorrência destas espécies e da Rede Natura 2000, tanto em Portugal como noutros países da Europa. Através dos Manuais de Boas Práticas (Agrícolas e Cinegéticas) e da comunicação em rede com outros projetos foi possível maximizar o potencial de replicação das 27

35 medidas desenvolvidas e demonstradas ao longo destes quatro anos de projeto. A cooperação com outras regiões europeias com habitat estepário deve ser mantida e incentivada (nomeadamente com Espanha, França, Itália e Grécia). Será importante aprofundar algumas temáticas de um ponto de vista mais científico, como o impacte de estruturas lineares (linhas elétricas, vedações) e das medidas de adaptação às alterações climáticas. Também a monitorização das tendências populacionais a longo prazo para as três espécies e numa base regular deve continuar a ser mantida, bem como, aprofundar melhor os movimentos efetuados por diferentes meta-populações de Abetarda. Seria interessante uma revisão da proposta do Plano de Ação para a Conservação das Aves Estepárias, e sua posterior aprovação pelo Ministério do Ambiente, bem como a elaboração de Planos de Gestão para as ZPE com habitat estepário. O envolvimento e dedicação da equipa do Projeto foi uma peça fundamental para alcançar com sucesso os objetivos que foram inicialmente propostos. A experiência entretanto adquirida, alicerçada no Plano de Conservação Pós-LIFE, permitirá continuar a trabalhar na proteção destas espécies ameaçadas a médio e longo prazo, contando também com o apoio envolvimento de diferentes parceiros. Neste sentido, será importante manter as dinâmicas locais criadas para a conservação das aves estepárias, bem como, a continuidade na disseminação dos resultados obtidos. 28

CENTRO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO VALE GONÇALINHO CASTRO VERDE

CENTRO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO VALE GONÇALINHO CASTRO VERDE CENTRO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO VALE GONÇALINHO CASTRO VERDE Seminário Equipamentos de Educação Ambiental para a Sustentabilidade Cátia Marques & Rita Alcazar Lisboa, APA, 19 de Dezembro de 2011 Centro

Leia mais

RELATÓRIO FINAL. Data de apresentação do relatório 1 de Setembro de 2009

RELATÓRIO FINAL. Data de apresentação do relatório 1 de Setembro de 2009 Terceira Convocatória RELATÓRIO FINAL 1. Identificacão do projecto Código do projecto Acrónimo Subprograma FAUNATRANS II/ SP4.E16 FAUNATRANS II 4. Extremadura Alentejo - Centro 2. Ámbito temporal do relatório

Leia mais

A LPN face à conservação da Biodiversidade em Portugal

A LPN face à conservação da Biodiversidade em Portugal A LPN face à conservação da Biodiversidade em Portugal 26 de Setembro, 2007 Seminário Sociedade civil, Empresas e Biodiversidade Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa Índice 1) A LPN 2) Programas e Projectos

Leia mais

LPN - SEDE NACIONAL Estrada do Calhariz de Benfica, 187 1500-124 Lisboa T. +351 217 780 097 F. +351 217 783 208 lpn.natureza@lpn.

LPN - SEDE NACIONAL Estrada do Calhariz de Benfica, 187 1500-124 Lisboa T. +351 217 780 097 F. +351 217 783 208 lpn.natureza@lpn. Índice 1. O mais pequeno dos Peneireiros... 1 2. Principais factores de ameaça... 3 3. Como identificar... 4 4. Uma espécie migradora... 5 5. Os montes abandonados... 6 6. Onde preferem habitar?... 8 7.

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 1 INOVAÇÃO Ação 1.1 GRUPOS OPERACIONAIS Enquadramento Regulamentar Artigos do Regulamento (UE) n.º 1305/2013, do Conselho e do Parlamento

Leia mais

Plano de Atividades 2014. www.andonicanela.com

Plano de Atividades 2014. www.andonicanela.com Plano de Atividades 2014 (Revisão) www.andonicanela.com PROGRAMA DE ACTIVIDADES 2014 REVISTO INTRODUÇÃO e VERTENTE ESTRATÉGICA A LPN como a mais antiga e mais consistente organização não governamental

Leia mais

PEGADA HÍDRICA EM PORTUGAL

PEGADA HÍDRICA EM PORTUGAL Resumo do relatório Water Footprint in Portugal WWF Mediterrâneo, 2010 O Problema: uma pegada demasiado elevada O Relatório Planeta Vivo 2008 da WWF demonstra que o uso insustentável da água é um problema

Leia mais

Testes de Diagnóstico

Testes de Diagnóstico INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA agrinov.ajap.pt Coordenação Técnica: Associação dos Jovens Agricultores de Portugal Coordenação Científica: Miguel de Castro Neto Instituto Superior de Estatística

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural 2014 2020 Seminário A PAC rumo a 2020: fazer face aos desafios da sustentabilidade João Marques DSPP 19 de Abril de 2013 1 1 Programação do Desenvolvimento Rural 2014-2020

Leia mais

8 anos de Planos de Promoção do Desempenho Ambiental (PPDA)

8 anos de Planos de Promoção do Desempenho Ambiental (PPDA) 8 anos de Planos de Promoção do Desempenho Ambiental (PPDA) PPDA CONCRETIZAÇÃO DAS OBRIGAÇÕES ESTATUTÁRIAS DA ERSE Estatutos Ferramentas Contribuir para melhorar o desempenho ambiental das empresas que

Leia mais

Gestão e conservação de habitats prioritários dos Sítios de São Mamede e Nisa/Lage da Prata

Gestão e conservação de habitats prioritários dos Sítios de São Mamede e Nisa/Lage da Prata Projeto LIFE Natureza nº LIFE04/NAT/PT/000214 Gestão e conservação de habitats prioritários dos Sítios de São Mamede e Nisa/Lage da Prata Comunidade Intermunicipal do Alto Alentejo/José Conchinha 1. Como

Leia mais

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30 de julho de 2014 Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 Informações gerais O Acordo de Parceria abrange cinco fundos: Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural

Programa de Desenvolvimento Rural Programa de Desenvolvimento Rural PDR 2020 do Continente Terra no Horizonte 2014-2020 Tavira, 13 Março 2014 1 2 Panorama Principais constatações Atuação Constrangimentos e Necessidades 3 Arquitetura 4

Leia mais

PRACTICE Acções de Recuperação e Prevenção para Combater a Desertificação. Uma Avaliação Integrada

PRACTICE Acções de Recuperação e Prevenção para Combater a Desertificação. Uma Avaliação Integrada PRACTICE Acções de Recuperação e Prevenção para Combater a Desertificação. Uma Avaliação Integrada Zona de Protecção Especial de Castro Verde: local de estudo em Portugal Projecto PRACTICE Prevention and

Leia mais

Domínio Prioritário Natureza e Biodiversidade

Domínio Prioritário Natureza e Biodiversidade Domínio Prioritário Natureza e Biodiversidade Projectos contribuem para: aplicação, desenvolvimento, avaliação e seguimento da política e legislação da UE na área da natureza e da biodiversidade, incluindo

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. ANÁLISE ESTRATÉGICA

1. INTRODUÇÃO 2. ANÁLISE ESTRATÉGICA CADERNO FICHA 11. RECUPERAÇÃO 11.4. OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS O presente documento constitui uma Ficha que é parte integrante de um Caderno temático, de âmbito mais alargado, não podendo, por isso, ser interpretado

Leia mais

REGULAMENTO BOLSA DE ÁRVORES AUTÓCTONES

REGULAMENTO BOLSA DE ÁRVORES AUTÓCTONES REGULAMENTO BOLSA DE ÁRVORES AUTÓCTONES 1 REGULAMENTO BOLSA DE ÁRVORES AUTÓCTONES PROJETO FLORESTA COMUM PREÂMBULO Tendo por base o protocolo celebrado entre a AFN Autoridade Florestal Nacional, o ICNB,

Leia mais

Enquadramento Turismo Rural

Enquadramento Turismo Rural Enquadramento Turismo Rural Portugal é um País onde os meios rurais apresentam elevada atratividade quer pelas paisagens agrícolas, quer pela biodiversidade quer pelo património histórico construído o

Leia mais

Maria João Carneiro mjcarneiro@ua.pt Diogo Soares da Silva diogo.silva@ua.pt Vítor Brandão vmbrandao@ua.pt Elisabete Figueiredo elisa@ua.

Maria João Carneiro mjcarneiro@ua.pt Diogo Soares da Silva diogo.silva@ua.pt Vítor Brandão vmbrandao@ua.pt Elisabete Figueiredo elisa@ua. Maria João Carneiro mjcarneiro@ua.pt Diogo Soares da Silva diogo.silva@ua.pt Vítor Brandão vmbrandao@ua.pt Elisabete Figueiredo elisa@ua.pt Universidade de Aveiro, Portugal Avaliar os discursos sobre o

Leia mais

Fotografias PauloHSilva//siaram. Saber Mais... Ambiente Açores

Fotografias PauloHSilva//siaram. Saber Mais... Ambiente Açores Fotografias PauloHSilva//siaram Saber Mais... Ambiente Açores Convenção Diversidade Biológica O que é a Convenção da Diversidade Biológica? A Convenção da Diversidade Biológica é um acordo assinado entre

Leia mais

O Concelho de Beja. Localização

O Concelho de Beja. Localização O Concelho de Beja Localização Beja, capital de distrito, situa-se na região do Baixo Alentejo, no coração da vasta planície alentejana. É sede de um dos maiores concelhos de Portugal, com cerca de 1150

Leia mais

Prioridades para o Programa de Desenvolvimento Rural 2014-2020 e outros mecanismos de sustentabilidade ambiental da PAC em Portugal

Prioridades para o Programa de Desenvolvimento Rural 2014-2020 e outros mecanismos de sustentabilidade ambiental da PAC em Portugal Prioridades para o Programa de Desenvolvimento Rural 2014-2020 e outros mecanismos de sustentabilidade ambiental da PAC em Portugal Posição da SPEA Outubro 2013 Coordenação: Dr. Domingos Leitão Introdução

Leia mais

SEGUNDO PILAR DA PAC: A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO RURAL

SEGUNDO PILAR DA PAC: A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO RURAL SEGUNDO PILAR DA PAC: A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO RURAL A última reforma da política agrícola comum (PAC) manteve a estrutura em dois pilares desta política, continuando o desenvolvimento rural a representar

Leia mais

síntese das propostas do seminário desertificação e biodiversidade de Castro Verde / Mértola.

síntese das propostas do seminário desertificação e biodiversidade de Castro Verde / Mértola. síntese das propostas do seminário desertificação e biodiversidade de Castro Verde / Mértola. desertificação, biodiversidade e alterações climáticas Mogadouro 2011 Desertificação e Biodiversidade Carta

Leia mais

Seminário de Abertura da Discussão Pública da proposta de Programa de Acção Nacional de Combate à Desertificação

Seminário de Abertura da Discussão Pública da proposta de Programa de Acção Nacional de Combate à Desertificação Seminário de Abertura da Discussão Pública da proposta de Programa de Acção Nacional de Combate à Desertificação Direcção Regional de Florestas do Alentejo Lisboa, 21 de Julho de 2011 Sistemas Fundamentais

Leia mais

Trabalho realizado por: João Rabaça. 11º Ano do Curso Técnico de gestão de Equipamentos Informáticos

Trabalho realizado por: João Rabaça. 11º Ano do Curso Técnico de gestão de Equipamentos Informáticos Trabalho realizado por: João Rabaça 11º Ano do Curso Técnico de gestão de Equipamentos Informáticos Introdução Animais em vias de extinção - O que são? - O que é a extinção? -O cachalote -O Lince Ibérico

Leia mais

Programa de Valorização da Fileira da Pinha/Pinhão"

Programa de Valorização da Fileira da Pinha/Pinhão Seminário Valorização da Fileira da Pinha/Pinhão Alcácer do Sal Programa de Valorização da Fileira da Pinha/Pinhão" Nélia Aires Eng.ª Florestal UNAC -União da Floresta Mediterrânica 18. 09. 2012 Índice

Leia mais

Planos de Promoção do

Planos de Promoção do Planos de Promoção do Desempenho Ambiental Sector eléctrico Balanço de 5 anos e novas regras 20 de Maio de 2008 Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos 1 Enquadramento 4 A tem as seguintes responsabilidades

Leia mais

Actividades Estação Biológica do Garducho. Maio Junho de 2009

Actividades Estação Biológica do Garducho. Maio Junho de 2009 Actividades Estação Biológica do Garducho Maio Junho de 2009 Inserir texto / índice Indíce Quem Somos Onde estamos Objectivos Principais projectos Actividades na Estação Biológica do Garducho Calendarização

Leia mais

Reflexões sobre o Quinto relatório de avaliação do IPCC constatações e complexidades Natal outubro 2015. CAROLINA DUBEUX carolina@ppe.ufrj.

Reflexões sobre o Quinto relatório de avaliação do IPCC constatações e complexidades Natal outubro 2015. CAROLINA DUBEUX carolina@ppe.ufrj. Reflexões sobre o Quinto relatório de avaliação do IPCC constatações e complexidades Natal outubro 2015 CAROLINA DUBEUX carolina@ppe.ufrj.br A mudança do clima e a economia Fonte: Adaptado de Margulis

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 3 - VALORIZAÇÃO DA PRODUÇÃO AGRÍCOLA Versão submetida à CE a 5 de maio de 2014 sujeita a aprovação Ação 3.1 JOVENS AGRICULTORES Nota

Leia mais

Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros. Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014

Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros. Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014 Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014 O desafio Horizonte 2020 Compromissos Nacionais Metas UE-27 20%

Leia mais

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020 SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Contexto Convenção sobre Diversidade

Leia mais

Consulta Pública. Florestas de Alto Valor de Conservação da Unidade de Gestão Florestal do Grupo Unifloresta. Às Partes Interessadas do Grupo

Consulta Pública. Florestas de Alto Valor de Conservação da Unidade de Gestão Florestal do Grupo Unifloresta. Às Partes Interessadas do Grupo Florestas de Alto Valor de Conservação da Unidade de Gestão Florestal do Grupo Unifloresta Consulta Pública Às Partes Interessadas do Grupo Unifloresta Unimadeiras, S.A. O Grupo Unifloresta foi formalmente

Leia mais

RUMO AO FUTURO QUE QUEREMOS. Acabar com a fome e fazer a transição para sistemas agrícolas e alimentares sustentáveis

RUMO AO FUTURO QUE QUEREMOS. Acabar com a fome e fazer a transição para sistemas agrícolas e alimentares sustentáveis RUMO AO FUTURO QUE QUEREMOS Acabar com a fome e fazer a transição para sistemas agrícolas e alimentares sustentáveis O futuro que queremos não se concretizará enquanto a fome e a subnutrição persistirem,

Leia mais

GESTÃO DO RISCO DE INCÊNDIO FLORESTAL COM RECURSO À PASTORÍCIA

GESTÃO DO RISCO DE INCÊNDIO FLORESTAL COM RECURSO À PASTORÍCIA . GESTÃO DO RISCO DE INCÊNDIO FLORESTAL COM RECURSO À PASTORÍCIA As atividades humanas transformaram e modelaram a Serra da Estrela. O aproveitamento de madeiras e lenhas, transformaram as encostas outrora

Leia mais

ASSOCIAÇÃO TRANSUMÂNCIA E NATUREZA. apoie esta campanha em www.ppl.com.pt

ASSOCIAÇÃO TRANSUMÂNCIA E NATUREZA. apoie esta campanha em www.ppl.com.pt ASSOCIAÇÃO TRANSUMÂNCIA E NATUREZA apoie esta campanha em www.ppl.com.pt A Pombal do Coto Fernando Romão A Faia Brava é a primeira área protegida privada do país, no coração do vale do Côa, no Nordeste

Leia mais

1. Acções de sensibilização

1. Acções de sensibilização PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL / 2013-2014 As atividades propostas compreendem diferentes momentos de reflexão, discussão e ação, dirigindo-se a toda a comunidade educativa que contempla diferentes níveis

Leia mais

Posição da SPEA sobre a Energia Eólica em Portugal. Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves

Posição da SPEA sobre a Energia Eólica em Portugal. Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves Posição da SPEA sobre a Energia Eólica em Portugal Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves 1. Introdução A energia eólica é a fonte de energia que regista maior crescimento em todo o mundo. A percentagem

Leia mais

Marca Priolo Balanço do desenvolvimento e implementação (2013-2014)

Marca Priolo Balanço do desenvolvimento e implementação (2013-2014) 2015 Marca Priolo Balanço do desenvolvimento e implementação (2013-2014) Azucena de la Cruz Martin Gabinete CETS Terra do Priolo 01-01-2015 Marca Priolo Balanço do desenvolvimento e implementação (2013-2014)

Leia mais

Manual da Marca Priolo

Manual da Marca Priolo 2015 Manual da Marca Priolo Carta Europeia de Turismo Sustentável Terras do Priolo ÍNDICE RESUMO 01 1. NOTA INTRODUTÓRIA 02 1.1 Justificação da necessidade de criação da Marca Priolo 02 2. PROCEDIMENTO

Leia mais

Evolução da Agricultura Portuguesa no Período 1989/2010. Análise de Indicadores Relevantes.

Evolução da Agricultura Portuguesa no Período 1989/2010. Análise de Indicadores Relevantes. Evolução da Agricultura Portuguesa no Período 1989/2010. Análise de Indicadores Relevantes. Deolinda Alberto 1, José Pedro Fragoso Almeida 2 1 Professor Adjunto, Escola Superior Agrária de Castelo Branco,

Leia mais

JUSTIFICAÇÃO PARA A NÃO SUJEIÇÃO DO PLANO DE PORMENOR DE REABILITAÇÃO URBANA DE SANTA CATARINA A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA

JUSTIFICAÇÃO PARA A NÃO SUJEIÇÃO DO PLANO DE PORMENOR DE REABILITAÇÃO URBANA DE SANTA CATARINA A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA JUSTIFICAÇÃO PARA A NÃO SUJEIÇÃO DO PLANO DE PORMENOR DE REABILITAÇÃO URBANA DE SANTA CATARINA A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA CÂMARA MUNICIPAL DE SINES DEPARTAMENTO DE GESTÃO TERRITORIAL DIVISÃO DE

Leia mais

Promoção da Biodiversidade em Pastagens Extensivas

Promoção da Biodiversidade em Pastagens Extensivas Seminário Boas Práticas Agrícolas para a Biodiversidade Promoção da Biodiversidade em Pastagens Extensivas Santarém 14.06.2013, João Madeira Estrutura da Apresentação 1. situação de partida (demografia,

Leia mais

O que é a DESERTIFICAÇÃO?

O que é a DESERTIFICAÇÃO? Maria José Roxo Pedro Cortesão Casimiro Tiago Miguel Sousa O que é a DESERTIFICAÇÃO? Projecto DesertLinks Framework 5 União Europeia Geografia e Planeamento Regional Faculdade de Ciências Sociais e Humanas

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Universidade de Évora, 10 de março de 2015 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo Central Alentejo Litoral

Leia mais

As Questões Ambientais do Brasil

As Questões Ambientais do Brasil As Questões Ambientais do Brasil Unidades de conservação de proteção integral Existem cinco tipos de unidades de conservação de proteção integral. As unidades de proteção integral não podem ser habitadas

Leia mais

SEMINÁRIO AVALIAÇÃO DO RISCO DE COLISÃO DE AVES COM LINHAS AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA: O CASO SISÃO

SEMINÁRIO AVALIAÇÃO DO RISCO DE COLISÃO DE AVES COM LINHAS AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA: O CASO SISÃO A EDP DISTRIBUIÇÃO E A AVIFAUNA SEMINÁRIO AVALIAÇÃO DO RISCO DE COLISÃO DE AVES COM LINHAS AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA: O CASO SISÃO Lisboa, 11 de Novembro de 2011

Leia mais

Aluno nº: Ano: Turma: Data: 28 de maio de 2012

Aluno nº: Ano: Turma: Data: 28 de maio de 2012 E S C O L A S E C U N D Á R I A D. J O Ã O I I - S E T Ú B A L TESTE DE GEOGRAFIA A (2º ANO) Nº6/VERSÃO 02 Nome: Aluno nº: Ano: Turma: Data: 28 de maio de 2012 É obrigatório indicar a versão do teste na

Leia mais

Bolsa Nacional de Terras. A Cultura do Medronheiro

Bolsa Nacional de Terras. A Cultura do Medronheiro Bolsa Nacional de Terras A Cultura do Medronheiro Sardoal, 19 novembro 2015 A nossa Visão Potenciar o máximo aproveitamento e utilização do território rural português O desafio inicial da Bolsa de Terras

Leia mais

Introdução 02. CRER Metodologia Integrada de Apoio ao Empreendedor 04. Passos para criação do CRER Centro de Recursos e Experimentação 05

Introdução 02. CRER Metodologia Integrada de Apoio ao Empreendedor 04. Passos para criação do CRER Centro de Recursos e Experimentação 05 criação de empresas em espaço rural guia metodológico para criação e apropriação 0 Introdução 02 O que é o CRER 03 CRER Centro de Recursos e Experimentação 03 CRER Metodologia Integrada de Apoio ao Empreendedor

Leia mais

1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural

1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural MEDIDA 3.1 Diversificação da Economia e Criação de Emprego 1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural 2. Enquadramento Regulamentar Artigo

Leia mais

Pré-Projeto de Educação Ambiental

Pré-Projeto de Educação Ambiental Pré-Projeto de Educação Ambiental Vamos Descobrir e Valorizar o Alvão Ano 2014/15 Centro de Informação e Interpretação Lugar do Barrio 4880-164 Mondim de Basto Telefone: 255 381 2009 ou 255 389 250 1 Descobrir

Leia mais

ANÁLISE EXTERNA ANÁLISE INTERNA

ANÁLISE EXTERNA ANÁLISE INTERNA 3. DIAGNÓSTICO ESTRATÉGICO Neste último sub-capítulo do diagnóstico procurar-se-ão cruzar as diversas componentes analisadas nos pontos anteriores, numa dupla perspectiva: Análise externa - a avaliação

Leia mais

PLANO REGIONAL ORDENAMENTO FLORESTAL DO TÂMEGA

PLANO REGIONAL ORDENAMENTO FLORESTAL DO TÂMEGA PLANO GIONAL ORDENAMENTO FLOSTAL DO TÂMEGA Objectivos específicos comuns a) Diminuir o número de ignições de incêndios florestais; b) Diminuir a área queimada; c) Reabilitação de ecossistemas florestais:

Leia mais

PO AÇORES 2020 FEDER FSE

PO AÇORES 2020 FEDER FSE Apresentação pública PO AÇORES 2020 FEDER FSE Anfiteatro C -Universidade dos Açores -Ponta Delgada 04 de marçode 2015 PO AÇORES 2020 UM CAMINHO LONGO, DIVERSAS ETAPAS A definição das grandes linhas de

Leia mais

M A N U A L D E I D E N T I F I C A Ç Ã O D A S A N D O R I N H A S D E P O R T U G A L

M A N U A L D E I D E N T I F I C A Ç Ã O D A S A N D O R I N H A S D E P O R T U G A L M A N U A L D E I D E N T I F I C A Ç Ã O D A S A N D O R I N H A S D E P O R T U G A L Andorinha-das-chaminés Andorinha-dos-beirais Andorinha-das-barreiras Andorinha-dáurica Andorinha-das-rochas INTRODUÇÃO

Leia mais

Promoção da actividade resineira em Portugal no âmbito da PAC pós 2013

Promoção da actividade resineira em Portugal no âmbito da PAC pós 2013 Promoção da actividade resineira em Portugal no âmbito da PAC pós 2013 Francisco Avillez (Professor Emérito do ISA, UTL e coordenado científico da AGR.GES) 16 de Abril de 2013 1. Evolução do pinheiro bravo

Leia mais

Padrão de Desempenho 6 V2

Padrão de Desempenho 6 V2 Introdução 1. O Padrão de Desempenho 6 reconhece que a proteção e a conservação da biodiversidade, a manutenção dos serviços dos ecossistemas e o manejo sustentável dos recursos naturais vivos são fundamentais

Leia mais

Agricultura Presente, um Projecto com Futuro

Agricultura Presente, um Projecto com Futuro Direcção Regional de Agricultura e Pescas de Lisboa e Vale do Tejo Agricultura Presente, Agricultura Presente, um Projecto com Futuro um Projecto com Futuro (LVT) 4.878 projetos aprovados Investimento

Leia mais

A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA

A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA Entende-se por biomassa florestal primaria (BFP) a fração biodegradável dos produtos gerados e que são processados com fins energéticos. Nos casos dos reflorestamentos, a

Leia mais

7. Condicionantes. : Reserva Ecológica Nacional; : Reserva Agrícola Nacional; : Domínio Público Hídrico; : Património Classificado;

7. Condicionantes. : Reserva Ecológica Nacional; : Reserva Agrícola Nacional; : Domínio Público Hídrico; : Património Classificado; 7. Condicionantes De acordo com a legislação em vigor existe um conjunto de figuras legais que de algum modo, condicionam o território ou constituem servidões administrativas e outras restrições de utilidade

Leia mais

Organização: Financiamento: Apoio: PROJETO TURISMO EM ÁREAS RURAIS: IDENTIFICAÇÃO, PROMOÇÃO E DISSEMINAÇÃO DE BOAS PRÁTICAS

Organização: Financiamento: Apoio: PROJETO TURISMO EM ÁREAS RURAIS: IDENTIFICAÇÃO, PROMOÇÃO E DISSEMINAÇÃO DE BOAS PRÁTICAS Organização: Financiamento: Apoio: PROJETO TURISMO EM ÁREAS RURAIS: IDENTIFICAÇÃO, PROMOÇÃO E DISSEMINAÇÃO DE BOAS PRÁTICAS OBJETIVOS DO PROJETO: Com o projeto pretende-se divulgar e sistematizar um conjunto

Leia mais

Turismo e Água Proteger o nosso futuro comum Dia Mundial do Turismo 2013

Turismo e Água Proteger o nosso futuro comum Dia Mundial do Turismo 2013 Turismo e Água Proteger o nosso futuro comum Dia Mundial do Turismo 2013 Caraterização das práticas relacionadas com o consumo de água nas empresas de alojamento turístico de Montemor-o-Novo Anualmente,

Leia mais

FORMAÇÃO AGRICULTURA, AMBIENTE E INOVAÇÃO

FORMAÇÃO AGRICULTURA, AMBIENTE E INOVAÇÃO FORMAÇÃO AGRICULTURA, AMBIENTE E INOVAÇÃO PROJECTO RURAL VALUE Desenvolvimento sustentável de sistemas agrícolas extensivos ameaçados Programa Castro Verde Sustentável Centro de Educação Ambiental do Vale

Leia mais

Procifisc Engenharia e Consultadoria, Lda.

Procifisc Engenharia e Consultadoria, Lda. 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa, com sede em Castelo Branco, é uma empresa criada em 2007 que atua nos domínios da engenharia civil e da arquitetura. Atualmente, é uma empresa

Leia mais

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Programa de da ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (ELD) 1 / 16 Programa de da 1. Caracterização Socioeconómica do Território A caracterização do território deve centrar-se em dois aspectos

Leia mais

ELEGIBILIDADE DA PARCELA AGRÍCOLA APLICAÇÃO DO ARTIGO 34.º DO REGULAMENTO (CE) N.º 1122/2009

ELEGIBILIDADE DA PARCELA AGRÍCOLA APLICAÇÃO DO ARTIGO 34.º DO REGULAMENTO (CE) N.º 1122/2009 ELEGIBILIDADE DA PARCELA AGRÍCOLA APLICAÇÃO DO ARTIGO 34.º DO REGULAMENTO (CE) N.º 1122/2009 1. Os requisitos de elegibilidade das parcelas agrícolas resultam da conjugação da realidade agronómica e ecológica

Leia mais

CONFERÊNCIA: O futuro dos territórios rurais. - Desenvolvimento Local de Base Comunitária. Painel 1: Coesão e Sustentabilidade Territorial

CONFERÊNCIA: O futuro dos territórios rurais. - Desenvolvimento Local de Base Comunitária. Painel 1: Coesão e Sustentabilidade Territorial Painel 1: Coesão e Sustentabilidade Territorial 5 Augusto Ferreira Departamento Técnico - CONFAGRI MINHA TERRA - Federação Portuguesa de Associações de Desenvolvimento Local 20.Set.2013 Hotel da Estrela

Leia mais

Aviso - ALG-28-2015-11

Aviso - ALG-28-2015-11 Eixo Prioritário 5 Investir no Emprego OT 8 Promover a Sustentabilidade e a Qualidade do Emprego, e Apoiar a Mobilidade dos Trabalhadores PI 8.9 Apoio ao crescimento propício ao emprego, através do desenvolvimento

Leia mais

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Unidades de Conservação SNUC Sistema Nacional de Unidades de Conservação Sistema Nacional de Unidades de Conservação Lei

Leia mais

MASTER EXECUTIVO GESTÃO ESTRATÉGICA

MASTER EXECUTIVO GESTÃO ESTRATÉGICA Pág.: 1/10 HISTÓRICO DO DOCUMENTO / EMISSÃO Data Ver. Objeto da Revisão Elab. / Verif. (Função / Nome / Assinatura(*)) C. Técnicocientífica/ S. Iglésias Aprovação (Função / Nome / Assinatura(*)) Diretora/

Leia mais

1 Criação de uma bolsa anual de árvores para oferta

1 Criação de uma bolsa anual de árvores para oferta Floresta Comum, Qual o objectivo principal do Floresta Comum? O objectivo? O Floresta Comum, é um programa de incentivo à reflorestação com a floresta autóctone portuguesa. Para a concretização deste objectivo,

Leia mais

Ação 14- Indicação de Áreas Protegidas para Criação de Unidades de Conservação (incluindo nascentes e trechos de cursos de água com Classe Especial)

Ação 14- Indicação de Áreas Protegidas para Criação de Unidades de Conservação (incluindo nascentes e trechos de cursos de água com Classe Especial) 180 SUB-PROGRAMA 7 USO DO SOLO Áreas Protegidas Este Sub-Programa contempla uma única ação, que trata da Indicação de Áreas Protegidas para Criação de Unidades de Conservação (incluindo nascentes e trechos

Leia mais

Análise SWOT. Área: Território. Rede Social. - Novo Acesso Rodoviário - Qualidade do Ambiente - Recursos Naturais

Análise SWOT. Área: Território. Rede Social. - Novo Acesso Rodoviário - Qualidade do Ambiente - Recursos Naturais Área: Território - Novo Acesso Rodoviário - Qualidade do Ambiente - Recursos Naturais - Dinamização da Exploração dos Recursos Naturais para Actividades Culturais e Turísticas - Localização Geográfica

Leia mais

serviços ambientais e qualificação de um território (imagens e textos de apoio a uma apresentação verbal) Carlos Rio Carvalho

serviços ambientais e qualificação de um território (imagens e textos de apoio a uma apresentação verbal) Carlos Rio Carvalho serviços ambientais e qualificação de um território (imagens e textos de apoio a uma apresentação verbal) Carlos Rio Carvalho missão do Parque de Natureza de Noudar Dar cumprimento ao

Leia mais

SEMINÁRIO: Tecnologias para o Desenvolvimento Econômico Sustentável

SEMINÁRIO: Tecnologias para o Desenvolvimento Econômico Sustentável SEMINÁRIO: Tecnologias para o Desenvolvimento Econômico Sustentável "INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE ASSOCIADOS A CENÁRIOS SOCIOAMBIENTAIS, NECESSÁRIOS AOS NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS DA AMAZÔNIA" 1. INSTITUCIONAL

Leia mais

O ENOTURISMO. Conceito:

O ENOTURISMO. Conceito: Conceito: O conceito de enoturismo ainda está em formação e, a todo o momento, vão surgindo novos contributos; Tradicionalmente, o enoturismo consiste na visita a vinhas, estabelecimentos vinícolas, festivais

Leia mais

Diagnóstico de oportunidades de quebra de barreiras para acesso às políticas públicas da Agricultura Familiar em São Félix do Xingu, Pará.

Diagnóstico de oportunidades de quebra de barreiras para acesso às políticas públicas da Agricultura Familiar em São Félix do Xingu, Pará. TERMO DE REFERÊNCIA Diagnóstico de oportunidades de quebra de barreiras para acesso às políticas públicas da Agricultura Familiar em São Félix do Xingu, Pará. 1. Título: Diagnóstico de oportunidades para

Leia mais

Relatório de Estágio. Análise dos dados constantes na Base de Dados das Rotas do Vinho

Relatório de Estágio. Análise dos dados constantes na Base de Dados das Rotas do Vinho Relatório de Estágio Análise dos dados constantes na Base de Dados das Rotas do Vinho Rui Neves Lisboa, 21 de Junho de 2011 Índice Introdução... 3 Caracterização da Base de Dados... 4 Recolha e validação

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 2 CONHECIMENTO Ação 2.1 CAPACITAÇÃO E DIVULGAÇÃO Enquadramento Regulamentar Regulamento (UE) n.º 1305/2013, do Conselho e do Parlamento

Leia mais

Valorizar os produtos da terra. Melhorar a vida das nossas aldeias. documento síntese para consulta e debate público 9 Fev 2015

Valorizar os produtos da terra. Melhorar a vida das nossas aldeias. documento síntese para consulta e debate público 9 Fev 2015 PROGRAMA VISEU RURAL Valorizar os produtos da terra Melhorar a vida das nossas aldeias documento síntese para consulta e debate público 9 Fev 2015 CONSELHO ESTRATÉGICO DE VISEU Apresentação. O mundo rural

Leia mais

CNAI 10. Visita Técnica

CNAI 10. Visita Técnica CNAI 10 Visita Técnica Baixo Sabor, 21de Outubro de 2010 INVESTIMENTOS HÍDRICOS DO GRUPO EDP Amarante 01 de Julho 2010 PGAI Plano de Gestão Ambiental Integrado do Vale do Sabor e Região Circundante Medidas

Leia mais

Parcerias para a investigação e inovação no âmbito da Programação para o Desenvolvimento Rural 2014-2020

Parcerias para a investigação e inovação no âmbito da Programação para o Desenvolvimento Rural 2014-2020 Parcerias para a investigação e inovação no âmbito da Programação para o Desenvolvimento Rural 2014-2020 PDR 2014-2020 do Continente Cláudia Costa Diretora Adjunta do Gabinete de Planeamento e Políticas

Leia mais

Categoria Voluntariado BB

Categoria Voluntariado BB Categoria Voluntariado BB Voluntário BB: Everaldo Costa Mapurunga Nome do Projeto: Sustentabilidade e Vida Entidade Apoiada: Centro Espírita O Pobre de Deus Localização: Viçosa do Ceará Ceará O Projeto

Leia mais

TDR N O 11/2011 Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental da região do Projeto REDD+ Jari/Amapá Módulo Regulamentações, Programas e Projetos

TDR N O 11/2011 Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental da região do Projeto REDD+ Jari/Amapá Módulo Regulamentações, Programas e Projetos São Paulo, 11 de abril de 2011. Ref.: Termo de referência para realização de proposta técnica e financeira para diagnóstico socioeconômico e ambiental módulo regulamentações, programas e projetos da região

Leia mais

Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante do Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural

Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante do Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural Guião de Programa de Rádio e Televisão Tema: Redução de Emissões de Desmatamento e Degradação Florestal (REDD+) Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante

Leia mais

Nome científico: Nome Popular: Classe: Ordem: Família: Subfamília: Género: Espécie: Características:

Nome científico: Nome Popular: Classe: Ordem: Família: Subfamília: Género: Espécie: Características: Nome científico: Lutra lutra Nome Popular: Lontra europeia, lontra-comum Classe: Mammalia Ordem: Carnívora Família: Mustelidae Subfamília: Lutrinae Género: Lutra Espécie: Lutra lutra Características: A

Leia mais

P l a n o 2 0 1 4 FUNDAÇÃO LUSO

P l a n o 2 0 1 4 FUNDAÇÃO LUSO P l a n o 2 0 1 4 FUNDAÇÃO LUSO 1 Ações novidade no Plano de 2014 Ambiente Protocolo da Fundação Luso & Quercus Desenvolvimento de ações de valorização do ecossistemas na serra do Buçaco e a plantação

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE PRODUÇÃO SECRETARIA EXECUTIVA DE ESTADO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E MEIO AMBIENTE

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE PRODUÇÃO SECRETARIA EXECUTIVA DE ESTADO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E MEIO AMBIENTE GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE PRODUÇÃO SECRETARIA EXECUTIVA DE ESTADO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E MEIO AMBIENTE. CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE-COEMA Câmara Técnica Especial PROCESSO

Leia mais

Subprograma Ação Climática Programa LIFE 2014-2017. Sessão Divulgação: Convocatória 2015

Subprograma Ação Climática Programa LIFE 2014-2017. Sessão Divulgação: Convocatória 2015 Subprograma Ação Climática Programa LIFE 2014-2017 Sessão Divulgação: Convocatória 2015 Cristina Carreiras Pedro Baptista APA, 25-06-2015 LIFE 2014-2020 Áreas Prioritárias Subprograma Ambiente Ambiente

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

1. Promover a melhoria das condições de vida das população das áreas susceptíveis

1. Promover a melhoria das condições de vida das população das áreas susceptíveis CNCCD -PROPOSTA DE PROGRAMA DE ACÇÃO NACIONAL DE COMBATE À DESERTIFICAÇÃO 2011 / 2020 1. Promover a melhoria das condições de vida das população das áreas susceptíveis 1- Promover a melhoria das condições

Leia mais

Pagamentos Diretos Regime de Pagamento Base. Esclarecimento sobre o pagamento por práticas agrícolas benéficas para o clima e o ambiente Greening

Pagamentos Diretos Regime de Pagamento Base. Esclarecimento sobre o pagamento por práticas agrícolas benéficas para o clima e o ambiente Greening Pagamentos Diretos Regime de Pagamento Base Esclarecimento sobre o pagamento por práticas agrícolas benéficas para o clima e o ambiente Greening A presente nota de divulgação tem por objectivo facultar

Leia mais

Plano de Desenvolvimento do Alto Minho

Plano de Desenvolvimento do Alto Minho Plano de Desenvolvimento do Alto Minho Síntese dos focus group preparatórios sobre o tema Como tornar o Alto Minho uma região resiliente 1. Sustentabilidade 2. Coesão 3. Flexibilidade e adaptabilidade

Leia mais

PRIMEIROS PASSOS DA AAE EM PORTUGAL APLICAÇÃO À ESTRATÉGIA DE INVESTIMENTO DO PARQUE ALQUEVA

PRIMEIROS PASSOS DA AAE EM PORTUGAL APLICAÇÃO À ESTRATÉGIA DE INVESTIMENTO DO PARQUE ALQUEVA PRIMEIROS PASSOS DA AAE EM PORTUGAL APLICAÇÃO À ESTRATÉGIA DE INVESTIMENTO DO PARQUE ALQUEVA Maria do Rosário Partidário, Sofia Antunes, Júlio de Jesus e Marta Garcia LOCALIZAÇÃO Localizado no Concelho

Leia mais

O Desenvolvimento Rural na Região. Carlos Pedro Trindade

O Desenvolvimento Rural na Região. Carlos Pedro Trindade O Desenvolvimento Rural na Região de Lisboa e Vale do Tejo Carlos Pedro Trindade O Desenvolvimento Rural na Região de Lisboa e Vale do Tejo 1. A Agricultura da região de LVT 2. O apoio ao Sector Agrícola

Leia mais

PLANO DE AÇÃO NACIONAL DO PATO MERGULHÃO

PLANO DE AÇÃO NACIONAL DO PATO MERGULHÃO OBJETIVO GERAL O objetivo deste plano de ação é assegurar permanentemente a manutenção das populações e da distribuição geográfica de Mergus octosetaceus, no médio e longo prazo; promover o aumento do

Leia mais

Investimentos de Pequena Dimensão Acção 112

Investimentos de Pequena Dimensão Acção 112 Incentivos PRODER Investimentos de Pequena Dimensão Acção 112 Investimentos de Pequena Dimensão Acção 112 Abertura: A partir de 22 de Maio Objectivos: Melhorar condições vida, trabalho e produção dos agricultores

Leia mais

NOÇÕES DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIA DO AMBIENTE PROFESSOR: RAMON LAMAR PARTE III 05/11/2015

NOÇÕES DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIA DO AMBIENTE PROFESSOR: RAMON LAMAR PARTE III 05/11/2015 CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIA DO AMBIENTE PROFESSOR: RAMON LAMAR PARTE III LEGISLAÇÃO AMBIENTAL NOÇÕES DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981, conhecida como Política

Leia mais