POSSIBILIDADES DE DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NA ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL MORRO DO URUBU (ARACAJU/ SE)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "POSSIBILIDADES DE DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NA ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL MORRO DO URUBU (ARACAJU/ SE)"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO E MEIO AMBIENTE ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: DESENVOLVIMENTO REGIONAL PROGRAMA REGIONAL DE DESENVOLVIMENTO E MEIO AMBIENTE POSSIBILIDADES DE DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NA ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL MORRO DO URUBU (ARACAJU/ SE) Autor: Turismóloga Joyce Barreto Pinto Orientador: Prof. Dr. José Roberto de Lima Andrade Maio 2008 São Cristóvão Sergipe Brasil

2 ii UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO E MEIO AMBIENTE ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: DESENVOLVIMENTO REGIONAL PROGRAMA REGIONAL DE DESENVOLVIMENTO E MEIO AMBIENTE POSSIBILIDADES DE DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NA ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL MORRO DO URUBU (ARACAJU/ SE) Dissertação de Mestrado apresentada ao Núcleo de Pós-Graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente da Universidade Federal de Sergipe, como parte dos requisitos exigidos para a obtenção do título de Mestre em Desenvolvimento e Meio Ambiente. Autor: Turismóloga Joyce Barreto Pinto Orientador: Prof. Dr. José Roberto de Lima Andrade Maio 2008 São Cristóvão Sergipe Brasil

3 FICHA CATALOGRÁFICA ELABORADA PELA BIBLIOTECA CENTRAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE P659p Pinto, Joyce Barreto Possibilidades de desenvolvimento do ecoturismo na Área de Proteção Ambiental Morro do Urubu (Aracaju SE) / Joyce Barreto Pinto. São Cristóvão, f. : il. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente) Núcleo de Pós-Graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente, Programa Regional de Desenvolvimento e Meio Ambiente, Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa, Universidade Federal de Sergipe, Orientador: Prof. Dr. José Roberto de Lima Andrade 1. Ecoturismo. 2. Área de Proteção Ambiental Morro do Urubu Aracaju, SE. 3. Sustentabilidade ambiental Unidades de conservação. I. Título. CDU :338.48(813.7)

4 iii UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO E MEIO AMBIENTE ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: DESENVOLVIMENTO REGIONAL PROGRAMA REGIONAL DE DESENVOLVIMENTO E MEIO AMBIENTE POSSIBILIDADES DE DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NA ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL MORRO DO URUBU (ARACAJU/ SE) Dissertação de Mestrado defendida por Joyce Barreto Pinto e aprovada no dia 29 de fevereiro de 2008 pela banca examinadora constituída pelos doutores: José Roberto de Lima Andrade Universidade Federal de Sergipe / UFS Alceu Pedrotti Universidade Federal de Sergipe/ UFS Francisco Sandro Rodrigues Holanda Universidade Federal de Sergipe/ UFS

5 iv Este exemplar corresponde à versão final da Dissertação de Mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente. José Roberto de Lima Andrade Universidade Federal de Sergipe / UFS

6 v É concedida ao Núcleo responsável pelo Mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente da Universidade Federal de Sergipe permissão para disponibilizar, reproduzir cópias desta dissertação e emprestar ou vender tais cópias. Joyce Barreto Pinto Universidade Federal de Sergipe / UFS José Roberto de Lima Andrade Universidade Federal de Sergipe / UFS

7 vi Agradecimentos Enfim, o momento em que posso externar, subjetivamente, a satisfação em estar perfazendo mais um percurso em minha vida. Caminho este percorrido com muita determinação e paixão. Costumo dizer que este mestrado foi uma terapia para mim. Uma oportunidade que surgiu num momento de incertezas e que, sem sombra de dúvidas, sem o dedo de Deus e de alguns anjos terráqueos não estaria se concretizando nesta ocasião. Assim, agradeço, primeiramente a Deus pela oportunidade me conferida no momento em que muito precisei. Agradeço a meus pais, Marta e Júlio, a meu irmão, Julinho, e a toda minha família e amigos de longa data pelo apoio e confiança que depositam em mim. Aos amigos que fiz nesta jornada, que puderam compartilhar comigo os momentos de alegrias e angústias durante esses anos. Turma de Boa Fé, vocês são mil!! Meus sinceros agradecimentos ao meu irmão, Julinho, minha prima Daniela, Emerson, Cadu, Lício Valério, Daniela Rocha e Elaine (CEFET/ SE), que contribuíram para a realização deste trabalho de forma direta, colaborando na pesquisa de campo, leituras, críticas e sugestões. A todos representantes de empresas e órgãos que se dispuseram a colaborar com as entrevistas e a pesquisa de campo, assim como a comunidade do entorno da APA Morro do Urubu. Por fim, agradeço aos professores do núcleo PRODEMA, em especial ao meu orientador, José Roberto, pelo comprometimento, apoio e confiança.

8 vii Havia tanto pra lhe contar A natureza Mudava a forma, o estado e o lugar Era absurdo Havia tanto pra lhe mostrar Era tão belo Mas olhe agora o estrago em que está Tapetes fartos de folhas e flores O chão do mundo se varre aqui Essa idéia do natural ser sujo Do inorgânico não se faz Destruição é reflexo do humano Se a ambição desumana o Ser Essa imagem de infértil deserto Nunca pensei que chegasse aqui Auto-destrutivos, Falsas vitimas nocivas? Havia tanto pra aproveitar Sem poderio Tantas histórias, tantos sabores Capins dourados Havia tanto pra respirar Era tão fino Naqueles rios a gente banhava Desmatam tudo e reclamam do tempo Que ironia conflitante ser Desequilíbrio que alimenta as pragas Alterado grão, alterado pão Sujamos rios, dependemos das águas Tanto faz os meios violentos Luxúria é ética do perverso vivo Morto por dinheiro Cores, tantas cores Tais belezas Foram-se Versos e estrelas Tantas fadas que eu não vi Falsos bens, progresso? Com a mãe, ingratidão Deram o galinheiro Pra raposa vigiar Vanessa Da Mata - Absurdo

9 viii RESUMO A atividade turística envolve 52 setores da economia, gerando milhares de empregos e fazendo circular bilhões de dólares. No entanto, provoca também diversos impactos negativos, principalmente no que se refere aos aspectos naturais e culturais. Desde meados da década de 60, quando das primeiras iniciativas contra alguns fatores ligados ao modelo de desenvolvimento vigente e às problemáticas sociais e ambientais provocadas por este, esta realidade vem sofrendo transformações. Atrelado a este fato, surgiram novos segmentos de turismo, ligados à natureza e preocupados com a questão ambiental, a exemplo do ecoturismo. A relação entre meio ambiente e turismo é muito intrínseca, sobretudo quando se fala em unidades de conservação. O Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC) prevê em algumas categorias a intervenção indireta do homem, facilitando a relação com as comunidades envolvidas. O ecoturismo, segmento do turismo que, diante do fortalecimento da consciência ambiental e da procura por melhoria da qualidade de vida, tem ganhado cada vez mais adeptos nos últimos anos, caracterizando-se como uma alternativa ao desenvolvimento das populações entorno, uma vez que ele considera que os benefícios devem contemplar tanto a conservação das áreas visitadas quanto a questão sócio-econômica da comunidade local. Em vista desta realidade, o presente trabalho se propôs a analisar os aspectos naturais e sócio-culturais na Área de Proteção Ambiental Morro do Urubu e possibilidades para o desenvolvimento do ecoturismo local. A Área de Proteção Ambiental Morro do Urubu localiza-se na zona Norte de Aracaju e apresenta a única cobertura vegetal com remanescentes da Mata Atlântica na cidade. Conclui-se que, mesmo incipiente no estado, o ecoturismo, sobretudo na APA Morro do Urubu, tem grandes possibilidades de se transformar em produto ecoturístico. Palavras-chave: Ecoturismo, unidades de conservação, Morro do Urubu.

10 ix ABSTRACT The tourism involves 52 sectors of the economy, generating thousands of jobs and make billions of dollars being circulated. However, it causes also several negative impacts, particularly with regard to natural and cultural aspects. Since the mid- 60, when the first initiatives against some factors related to the current model of development and to social and environmental problems caused by this, the reality is undergoing changes. Trailer to this fact, it emerged new segments of tourism linked to nature and concerned about the environmental issue, such as ecotourism. The relationship between environment and tourism is very intrinsic, especially when speaking in units of conservation. The National System of Conservation Units (SNUC) provides in some categories the indirect intervention of people, facilitating the relationship with the communities involved. The ecotourism, tourism segment that before the strengthening of environmental awareness and demand for improved quality of life, has gained more supporters in recent years, characterizing itself as an alternative to the development of the people around. It believes that the benefits should cover both the conservation of the areas visited as a socio-economic issue of the local community. In view of this reality, this work is proposed to analyse the natural and socio-cultural aspects in the Area of Environmental Protection Morro do Urubu and possibilities for the development of the ecotourism in this area. The Environmental Protection Area of Morro do Urubu is located in the area north of Aracaju and contains the unique vegetation cover with remnants of Atlantic Forest in the city. It is concluded that even in the nascent state, ecotourism, especially in APA Morro do Urubu has great potential to grow into ecoturístico product. Key-words: Ecotourism, units of conservation, Morro do Urubu.

11 x SUMÁRIO NOMENCLATURA xii LISTA DE FIGURAS xiv LISTA DE QUADROS xvi LISTA DE GRÁFICOS xvii LISTA DE TABELAS xviii CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO CAPÍTULO 2 TURISMO E SUSTENTABILIDADE Considerações Gerais sobre Turismo Impactos do turismo e Planejamento do Turismo Sustentável Políticas Públicas e a Evolução do Turismo no Contexto Nacional A Atividade Turística no Brasil e em Sergipe Ecoturismo e a Questão Ambiental no Brasil e em Sergipe Panorama da Questão Ambiental Conservação da Natureza no Brasil e em Sergipe Ecoturismo em Unidades de Conservação CAPÍTULO 3 METODOLOGIA Área de Estudo Questões da Pesquisa Técnicas e Instrumentos de Coleta de Dados Seleção da Amostra Análise e Representação dos Dados

12 xi CAPÍTULO 4 ECOTURISMO NA ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL MORRO DO URUBU A Área de Proteção Ambiental Morro do Urubu Potencial Ecoturístico da Área de Proteção Ambiental Morro do Urubu Subsídios para o desenvolvimento do ecoturismo na Área de Proteção Ambiental Morro do Urubu: olhares dos e sobre os três setores Comunidade Órgão Público de Meio Ambiente Sistema de Gestão Ambiental para a Área de Proteção Ambiental Morro do Urubu Órgão Público de Turismo Agências de Turismo Receptivo Propostas para a implementação do ecoturismo na Área de Proteção Ambiental Morro do Urubu CAPÍTULO 5 CONCLUSÕES REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS APÊNDICES

13 xii NOMENCLATURA APA Área de Proteção Ambiental CNTUR Conselho Nacional de Turismo CNUMAD Conferencia das Nações Unidas sobre Desenvolvimento e Meio Ambiente DEAGRO Departamento de Desenvolvimento Agropecuário de Sergipe EMBRATUR Instituto Brasileiro de Turismo FUNGETUR Fundo Geral de Turismo IBAMA Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis IBDF Instituto Brasileiro de Desenvolvimento Florestal MMA Ministério do Meio Ambiente MTUR Ministério do Turismo OMT Organização Mundial do Turismo ONG Organização Não-Governamental ONU Organização das Nações Unidas OSCIP Organização da Sociedade Civil de Interesse Público PAC Programa de Aceleração do Crescimento PIB Produto Interno Bruto

14 xiii PLANTUR Plano Nacional do Turismo PNMA Política nacional do Meio Ambiente PNMT Programa de Municipalização do Turismo PNT Plano Nacional do Turismo PRODETUR / NE Programa de Desenvolvimento do Turismo do Nordeste SNUC Sistema Nacional de Unidades de Conservação SETUR Secretaria de Estado do Turismo SEMARH Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos UC Unidade de Conservação WTTC World Travel & Tourism Council (Conselho Mundial de Turismo e Viagens)

15 xiv LISTA DE FIGURAS Figura Produto Turístico Figura 2.2 Turismo Sustentável Figura Macro Programas do Turismo/ PNT Figura 2.4 Evolução do Conceito de Ecoturismo Figura 4.1 Mapa da APA Morro do Urubu Figura 4.2 Vista aérea da Área de Proteção Ambiental Morro do Urubu Figura 4.3 Bairro Portos Dantas Figura 4.4 Remanescente de Mata Atlântica Figura 4.5 Fachada de entrada do Parque José Rollemberg Leite Figura 4.6 Área natural de lazer do Parque José Rollemberg Leite Figura 4.7 Zoológico Figura 4.8 Instalações da Biblioteca Figura 4.9 Fachada do prédio da Administração Figura 4.10 Espaço livre no Parque da Cidade Figura 4.11 Hípica da Cavalaria da Policia Militar

16 xv Figura 4.12 Mirante Figura 4.13 Teleférico Figura 4.14 Bilheteria do Teleférico Figura 4.15 Trilha na APA Morro do Urubu Figura 4.16 Placa de identificação da APA e do Parque José Rollemberg Leite Figura 4.17 Proposta Organizacional para o Sistema Estadual de Unidades de Conservação e para a Gestão Ambiental da APA Morro do Urubu

17 xvi LISTA DE QUADROS Quadro 2.1 Critérios para segmentação do turismo Quadro 2.2 Impactos do Turismo Quadro 2.3 Etapas do Planejamento Quadro 2.4 Roteiros Turísticos de Sergipe Quadro 2.5 Rotas Turísticas de Sergipe Quadro 2.6 Programas e Projetos Plano Estratégico do Turismo de Sergipe Quadro 2.7 Entraves globais ao desenvolvimento sustentável Quadro 2.8 Princípios do Ecoturismo Quadro Distribuição da amostragem Quadro 4.1 Análise das potencialidades identificadas na APA Morro do Urubu

18 xvii LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 4.1 Gênero dos entrevistados Gráfico 4.2 Ocupação dos entrevistados Gráfico 4.3 Renda dos entrevistados Gráfico 4.4 Local de trabalho dos entrevistados Gráfico 4.5 Escolaridade dos entrevistados Gráfico 4.6 Tempo de residência no entorno da APA Gráfico 4.7 Sentimento em relação à moradia no local Gráfico 4.8 Visitação na Unidade Gráfico 4.9 Usos da Unidade Gráfico Avaliação de infra-estrutura e serviços locais Gráfico 4.11 Conhecimento da Área de Proteção Ambiental Gráfico Avaliação da preservação da APA e do Parque da Cidade

19 xviii LISTA DE TABELAS Tabela Motivos para Realização da Principal Viagem Doméstica, por Renda (em %) --30

20 CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO

21 Capítulo 1 Introdução 2 INTRODUÇÃO O modelo de desenvolvimento baseado na acumulação de bens e riquezas que permeia no mundo é um dos maiores causadores dos problemas ambientais e sociais. No entanto, desde a década de 60, vem se firmando uma concepção de desenvolvimento que agrega a conservação do meio ambiente natural e das características sócio-culturais de uma população. Dessa época para cá, diversos acontecimentos tornaram-se muito relevantes tanto para a busca de ações de mitigação dos impactos negativos ao meio sócio-ambiental causados pelo desenvolvimento econômico, quanto para a recuperação dos danos causados pela problemática ambiental quanto para prevenção dos danos, a exemplo da educação ambiental. O turismo, como segmento econômico, é por um lado predador do espaço e gerador de agravos ambientais e danos irreversíveis (Coriolano, 2006, p. 176), além de proporcionar a inclusão/ exclusão através da integração e concentração de grandes conglomerados atuantes nos principais mercados emissores (CORIOLANO, 2006). Esse poder de inclusão/ exclusão e destruição/ conservação vai, no entanto, depender do planejamento, a fim de minimizar os impactos negativos e maximizar os positivos. Assim, a sustentabilidade é a palavra da vez tanto para a inclusão social e melhoria da qualidade de vida, quanto para a conservação ambiental (e cultural) e para o desenvolvimento econômico das localidades. O Plano Nacional de Turismo destaca a questão da inclusão social, visto que a atividade pode proporcionar melhorias socioeconômicas para as populações residentes em locais onde se desenvolva o turismo com base na sustentabilidade. Diante da realidade em que se encontra o mundo, com todas as problemáticas em torno da questão ambiental e da situação acerca da preservação e do desenvolvimento do turismo no estado de Sergipe, torna-se cada vez mais relevante o estudo das possibilidades de uma interação entre a atividade turística e a preservação dos recursos naturais, que são considerados um dos principais atrativos turísticos de uma região.

22 Capítulo 1 Introdução 3 O Estado de Sergipe possui um grande potencial para o desenvolvimento do turismo em ambientes naturais, sobretudo o ecoturismo. A maioria dos roteiros comercializados em âmbito estadual contempla recursos naturais como praias, dunas, rios e manguezais. No entanto, tem-se despertado ultimamente para roteiros mais alternativos e com um contato mais intrínseco entre homem e natureza, a exemplo da Serra de Itabaiana. Assim, observa-se a necessidade e o interesse em novos roteiros e destinos no Estado, levando em conta, inclusive, a conservação destes ambientes e a inclusão das comunidades. Por se tratar de uma unidade de conservação em área urbana, a Área de Proteção Ambiental do Morro do Urubu corre sérios riscos de não atender aos objetivos conservacionistas. Trata-se de uma unidade de conservação localizada na zona norte da capital sergipana e conta com o último remanescente de mata atlântica do perímetro de Aracaju, em uma área de 213, 8724 ha (duzentos e treze hectares, oitenta e sete ares e 24 centiares). Diante desses fatos e da situação socioeconômica da região norte da cidade de Aracaju, caracterizada, dentre outras, por uma parcela da população com média de salários inferior à média da população de Aracaju, além da intensidade de invasões nas áreas ao redor do morro, o desenvolvimento do ecoturismo na APA seria uma alternativa capaz de mobilizar a comunidade e os visitantes para a preservação do meio ambiente, em especial da unidade de conservação em destaque (tanto através de educação ambiental quanto de recuperação de áreas degradadas), além de gerar empregos para a população do entorno e promover o bem estar dos agentes envolvidos. Por outro lado, contribuirá também para o incremento da atividade turística em Sergipe, por estar desenvolvendo novos produtos para o turismo do estado. Assim, o objetivo geral deste trabalho é analisar aspectos naturais e sócioculturais na área de Proteção Ambiental Morro do Urubu (Aracaju /SE) e possibilidades para o desenvolvimento do ecoturismo local. Os específicos são: - Levantar e caracterizar os aspectos sócio-culturais e ambientais da Área de Proteção Ambiental Morro do Urubu;

23 Capítulo 1 Introdução 4 - Caracterizar como a comunidade local e a iniciativa privada relacionam-se com a área da APA Morro do Urubu; - Identificar estratégias para o desenvolvimento sustentável do ecoturismo local. Por tratar da relação da atividade turística com o meio ambiente, o presente trabalho analisa aspectos potenciais para a prática da atividade, possibilidades e desafios para o desenvolvimento do turismo sustentável. Diante disso, seu referencial teórico está dividido em três partes, as quais abordam assuntos que permitem fundamentar o estudo a ser desenvolvido. Nesse contexto a pesquisa vai abordar temas relacionados ao turismo, à sustentabilidade, às unidades de conservação e ao ecoturismo. objetivos. O Capítulo 1 apresenta uma breve introdução acerca do trabalho, assim como seus O Capítulo 2 aborda assuntos relacionados ao Turismo e Sustentabilidade. São tratados assuntos básicos do turismo, conceitos, histórico, além dos impactos do fenômeno e o processo de planejamento para a implementação da atividade. Apresenta também a evolução do Turismo no contexto nacional através das políticas públicas do país para a atividade. Traz também a realidade do de Sergipe, identificando características do turismo no Estado, como perfil da demanda e oferta. Fala ainda da questão ambiental no mundo, da conservação da natureza no Brasil e em Sergipe e os temas ecoturismo e unidades de conservação. desta pesquisa. No Capítulo 3, são abordados os métodos e técnicas utilizados para a realização Por fim, o Capítulo 4 consiste dos resultados obtidos com a realização das pesquisas e as discussões acerca dos mesmos.

24 Capítulo 2 Turismo e Sustentabilidade 5 CAPÍTULO 2 TURISMO E SUSTENTABILIDADE

25 Capítulo 2 Turismo e Sustentabilidade Considerações gerais sobre turismo O turismo tornou-se um fenômeno bastante importante para o desenvolvimento econômico de uma localidade ou região. Sua natureza heterogênea caracteriza-se por englobar diversos setores da economia e por também ser considerado como uma prática social e cultural, capaz de proporcionar experiências e interações sociais entre os agentes, agregada à sua abrangência e seus diferentes modos de serem planejados e desenvolvidos. Além disso, seu conceito é resultado de diversas controvérsias. A atividade turística começou a ser estudada no Brasil há menos de quarenta anos, quando da criação do primeiro curso superior de turismo, na década de 70. Tal fato, faz com que este seja um ramo de estudo da ciência social aplicada bastante recente. Para melhor entender a atividade turística é interessante recorrer à análise da evolução das viagens no mundo. Segundo Ignarra (2003), o hábito de viajar para outras localidades, seja por qual motivo for, data da Idade Antiga. Neste período, as viagens aconteciam principalmente por motivações econômicas, resultantes da necessidade de comércio com outros povos, o que não impossibilita dizer que os antigos viajavam também por motivos de ordem religiosa e de lazer, para contemplar as pirâmides do Egito e participar dos jogos olímpicos na Grécia Antiga, por exemplo. Durante a Idade Média, devido às invasões bárbaras e à queda do Império Romano, as viagens sofreram grande declínio. Isso porque a formação dos feudos dificultava a integração entre as regiões do ponto de vista econômico, dentre outros. Como exceções, aconteciam as expedições das Cruzadas e das viagens de cunho cultural realizadas pelos jovens de famílias nobres que iam estudar nos grandes centros culturais da Europa, além dos deslocamentos por motivos religiosos. No contexto do surgimento da ciência no século XVII, passou-se a viajar com a finalidade de se descobrir novos lugares. A idéia de progresso de Bacon ( ) deu ao mundo a oportunidade de se avançar no conhecimento, dentre eles o conhecimento de novos

26 Capítulo 2 Turismo e Sustentabilidade 7 territórios. Além disso, na época, tornaram-se comum as viagens de até três anos realizadas pelos jovens nobres ingleses, acompanhados por instrutores pela Europa, Grécia e Oriente Médio. Tais viagens ficaram conhecidas como grand tour e teve como principais pontos de visitação o Coliseu, a Torre de Pisa, o templo de Atenas na Grécia, as pirâmides do Egito, dentre outros (DIAS, 2005). Todavia, o grande impulso das viagens se deu entre os séculos XVIII e XIX, com o advento do capitalismo comercial, do crescimento industrial e do avanço da tecnologia. Para Lickorish e Jenkins (2000, p. 28) a melhoria na alfabetização e, conseqüentemente, na comunicação, foram fatores importantes para a demanda por viagens no intuito de conhecer novos países e encontrar pessoas. A atividade turística como atividade econômica é datada do período da Revolução Industrial, já que foi a partir dessa época que o turismo foi transformado num fenômeno mundial de massas (SEABRA, 2001, p.13). A evolução do turismo está bastante atrelada ao desenvolvimento dos transportes. Com o aperfeiçoamento dos meios de locomoção, o turismo foi ganhando cada vez mais espaço e adeptos. Conforme Dias (2005), a invenção do trem e das ferrovias possibilitou um aumento de viajantes e de segurança e conforto nas viagens. Apesar de as ferrovias já oferecerem viagens de excursão, desviando-se dos primeiros objetivos do transporte que eram o carregamento de carga, o responsável pela organização do primeiro pacote turístico agenciado no mundo, no ano de 1841, foi Thomas Cook. O pacote já incluía transporte, acomodação e atividades no local de destino. Este é o início do turismo moderno que trouxe para a atualidade, entre outras contribuições, a introdução do conceito de excursão organizada, a participação de profissionais acompanhando grupos os guias de turismo e a criação dos cupons de hotel, conhecidos atualmente como voucher. O termo turismo começa a ser utilizado em meados dos séculos XIX e XX. Primeiramente, foi utilizado o conceito de lazer, que tem origem em finais do século XIX. Com a revolução industrial, a produção em série provocou uma necessidade de ter pessoas que consumissem tais produtos e fizessem girar a economia, tornando-se o tempo livre (e logo em seguida as férias) uma alternativa para o mercado de consumo. Nesse contexto, surge o turismo propriamente dito. Apesar de muitas definições ao longo dos tempos, desde o início

27 Capítulo 2 Turismo e Sustentabilidade 8 do século XX, o turismo hoje é definido, segundo a Organização Mundial do Turismo OMT como o as atividades das pessoas que viajam ou permanecem em lugares que não o seu ambiente normal por não mais do que um ano consecutivo, por lazer, trabalho ou outras razões (COOPER et al, 2001, p. 42). Atividades estas, relacionadas aos transportes, lazer, hospedagens, alimentação, circulação e venda de produtos, atividades culturais, entretenimento, dentre outros. O tempo livre e as garantias dos direitos dos trabalhadores de usufruírem deste tempo (férias e aumento das rendas reais), a partir da segunda metade do século XIX até a Primeira Guerra Mundial, provocaram um grande impulsionamento das viagens cada vez mais intensas, caracterizando, assim, um incremento do turismo contemporâneo. A partir do período entre guerras, as viagens se intensificaram ainda mais, principalmente as terrestres, realizadas com automóveis. Entre as décadas de 40 e 50 a aviação se incorpora às viagens turísticas, tornando-se um dos meios de transporte mais utilizados devido à comodidade, o conforto, a curta duração da viagem, entre outros fatores. O turismo passa a ser considerado a indústria de serviços que está ao alcance das diversas classes trabalhadoras, embora se torne mais comum em pessoas de classe média e média alta devido a sua absorção pelo capitalismo. A dominação do sistema capitalista exige cada vez mais que os serviços sejam prestados de forma mais responsável, atendendo às expectativas dos consumidores, que estão muito mais exigentes. Tal fato colabora para a modernização dos sistemas nas agências de viagens e redes hoteleiras, além da integração entre esses setores, iniciada depois das guerras mundiais. Assim como a modernização dos transportes, a tecnologia em sistemas de informação também contribuiu para alavancar a atividade turística. Por outro lado, o modelo de vida atual das pessoas vem provocando problemas de saúde, principalmente atrelados ao estresse do cotidiano, o que colabora para a procura por roteiros turísticos mais alternativos. Esse fato ocorre desde a década de 90, acompanhado por uma consciência ambiental também maior e pela procura do contato turista/ comunidade. A gama de atrativos, serviços, produtos e tipos de infra-estrutura existentes no turismo exigem a segmentação da atividade. Essa segmentação leva em conta também fatores

28 Capítulo 2 Turismo e Sustentabilidade 9 relacionados ao agente principal, o turista. Os agentes do turismo constituem-se dos turistas ou excursionistas, dos prestadores de serviços, do governo e da comunidade. O turista é aquele que viaja com o objetivo de recreação, porém que permanece no mínimo 24 horas no destino. O excursionista ou turista de um dia são aqueles que viajam com o mesmo objetivo do turista, mas não pernoitam na localidade turística. Os prestadores de serviços, governo e comunidade serão abordados ao longo do trabalho, principalmente ao serem tratados os impactos econômicos do turismo, as políticas públicas e o turismo sustentável e ecoturismo, respectivamente. Tecnicamente, pode-se dizer que a segmentação do turismo pode ser estabelecida através de elementos da oferta e de variáveis da demanda. O quadro 2.1 demonstra os principais critérios para a segmentação do turismo levando em consideração as características da demanda. Quadro 2.1 Critérios para segmentação do turismo CRITÉRIOS Geográfico Sociodemográfico Motivo da Viagem Psicográfico Comportamento CLASSIFICAÇÃO Região, Habitat, População, Clima Idade, Sexo, Tamanho da unidade familiar, Ciclo de vida familiar, Renda, Nível socioprofissional, Formação e nível educacional, Nacionalidade Lazer, Profissional, Outros Estilo de vida, personalidade. Motivação de compra, Freqüência de uso, Fontes de informação, Atitude sobre produto, Fidelidade à marca, Sensibilidade aos fatores de marketing Fonte: Adaptado de DIAS, 2005, p. 69. A Cartilha de Segmentação do Ministério do Turismo (disponível em classifica as variáveis de demanda como sendo: fatores demográficos (idade e sexo), fatores sociológicos (profissão, crenças religiosas, nível cultural,estado civil, formação educacional), fatores econômicos (renda) e fatores turísticos (transporte e alojamento utilizado, destinos preferidos, objetivo e duração da viagem, atividades de entretenimento).

29 Capítulo 2 Turismo e Sustentabilidade 10 A segmentação turística estabelecida a partir da oferta é definida pelos tipos de turismo que se baseiam, como já comentado, nos serviços, atrativos, produtos e tipos de infraestrutura. Cabe por bem, primeiramente, conceituar alguns termos mencionados. Segundo Cooper (2001, p.56), os conceitos de demanda variam de acordo com os autores. Ele coloca que economistas, geógrafos, psicólogos abordam o tema de formas diferente, porém todas úteis. Do ponto de vista dos economistas, é tratada como sendo a relação da quantidade de qualquer produto ou serviço que as pessoas queiram comprar por cada preço específico durante um determinado período de tempo, que descreve a relação entre demanda e preço. Para os geógrafos, caracteriza-se pelo número total de pessoas que viajam, ou gostariam de viajar, para utilizar instalações e serviços turísticos em lugares afastados de seus locais de residência e trabalho. Tal definição implica nos conceitos de demanda efetiva a que já consome determinado produto turístico e demanda potencial aquela que tem condições de consumir o produto, mas não o fez devido algum dos fatores de influência da demanda (preço do produto, preço dos produtos concorrentes, renda do consumidor, nível de investimento em divulgação, variações climáticas, disponibilidade de tempo etc). Já os psicólogos levam em consideração a motivação comportamental, o que proporciona examinar a interação entre personalidade, ambiente e demanda turística. A oferta turística compreende um conjunto de bens, serviços, recursos, infraestrutura turística a serem oferecidos por um dado preço e em dado período de tempo. Lage e Milone (2000, p. 28) definem serviços e equipamentos turísticos como o conjunto de edificações, instalações e serviços indispensáveis ao desenvolvimento da atividade turística (meios de hospedagem, alimentação, entretenimento, agenciamento, informações, dentre outros voltados para o atendimento ao turista). Atrativo turístico, por sua vez, é todo lugar, objeto ou acontecimento de interesse turístico que motiva o deslocamento de grupos humanos para conhecê-lo (LAGE e MILONE, 2000, p. 28). Já o produto turístico caracteriza-se pelos bens e serviços produzidos para atender às necessidades dos consumidores nas atividades de viagens e lazer. A figura 2.1 mostra a composição do produto turístico (LAGE e MILONE, 2000, p. 25).

30 Capítulo 2 Turismo e Sustentabilidade 11 Figura Produto Turístico Bens, serviços, serviços auxiliares Infra-estrutura e equipamentos Fonte: Adaptado de Ignarra (2003) Gestão Produto Turístico Recursos Imagem da marca Preço Vale também ressaltar os equipamentos de apoio turístico, considerados por Ignarra (2003) como precondição para o desenvolvimento turístico. Para Lage e Milone (2000, p. 29) caracteriza-se por todo o conjunto de obras e instalações de estrutura física básica, tais como sistema de comunicações, transporte e serviços urbanos (água, energia, esgoto, limpeza e sinalização urbana etc). Conforme o exposto, podemos classificar os segmentos da atividade turística de acordo com a oferta turística e conforme a Cartilha de Segmentação do Ministério do Turismo em: turismo social, ecoturismo, turismo cultural, náutico, de esportes, de estudos e intercâmbio, de aventura, de pesca, de sol e praia, rural, de eventos e negócios e de saúde. Definido como a forma de conduzir e praticar a atividade turística promovendo a igualdade de oportunidades, a eqüidade, a solidariedade e o exercício da cidadania na perspectiva da inclusão, o turismo social é considerado pelo Ministério do Turismo como uma atividade que deve atender a todos os demais segmentos de forma transversal. O ecoturismo, segundo o documento, toma como base a definição das Diretrizes para uma Política Nacional de Ecoturismo, e será melhor detalhado no capitulo 2. O turismo cultural compreende as atividades turísticas relacionadas à vivência do conjunto de elementos significativos do patrimônio histórico e cultural e dos eventos culturais, valorizando e promovendo os bens materiais e imateriais da cultura. Insere-se neste segmento atividades de cunho cívico, religioso, místico e esotérico, étnico e gastronômico.

31 Capítulo 2 Turismo e Sustentabilidade 12 O turismo náutico caracteriza-se pela utilização de embarcações náuticas (balsa; - bote; - escuna; - flutuante; - hovercraft; - jangada; - lancha; - saveiro; - traineira; - veleira; - iate; - moto aquática e similares; - barcaça; - chato e - outras embarcações) como finalidade da movimentação turística. Insere-se nesta categoria o turismo fluvial, o marítimo, em represa e o lacustre ¹. O turismo de esportes compreende as atividades turísticas decorrentes da prática, envolvimento ou observação de modalidades esportivas ². O turismo de estudos e intercâmbio constitui-se da movimentação turística gerada por atividades e programas de aprendizagem e vivências para fins de qualificação, ampliação de conhecimento e de desenvolvimento pessoal e profissional. O turismo de aventura compreende os movimentos turísticos decorrentes da prática de atividades de aventura de caráter recreativo e não competitivo. Era uma prática bastante associada ao ecoturismo, mas que hoje conta com características próprias, o que tem contribuído para a formulação e execução de políticas públicas ligadas diretamente à atividade, principalmente relacionadas à segurança. Acontecem em ambientes naturais ou construídos, rurais ou urbanos, protegidos ou não, todavia devem preocupar-se em evitar e minimizar possíveis impactos negativos ao ambiente, além de respeitar e valorizar as características das comunidades receptoras. pesca amadora. O turismo de pesca compreende as atividades turísticas decorrentes da prática da ¹ Ver mais em Segmentação do Turismo: Marcos Conceituais, p. 33. ² Ver mais em Segmentação do Turismo: Marcos Conceituais, p. 23.

32 Capítulo 2 Turismo e Sustentabilidade 13 O turismo de sol e praia engloba as atividades turísticas relacionadas à recreação, entretenimento ou descanso em praias, sejam elas marítimas, fluviais, lacustres ou artificiais, em função da presença conjunta de água, sol e calor. O turismo rural caracteriza-se pelo conjunto de atividades turísticas desenvolvidas no meio rural, comprometido com a produção agropecuária, agregando valor a produtos e serviços, resgatando e promovendo o patrimônio cultural e natural da comunidade. O turismo de negócios e eventos compreende o conjunto de atividades turísticas decorrentes dos encontros de interesse profissional, associativo, institucional, de caráter comercial, promocional, técnico, científico e social. Por fim, o turismo de saúde envolve as atividades turísticas decorrentes da utilização de meios e serviços para fins médicos, terapêuticos e estéticos. Outras denominações como turismo hidrotermal, turismo hidromineral, turismo hidroterápico, turismo termal, termalismo, turismo de bem-estar, turismo de águas e vários outros podem ser compreendidos como turismo de saúde Impactos do turismo e Planejamento do Turismo Sustentável Durante muitos anos, o turismo foi visto como um fenômeno altamente positivo tanto pelo seu aspecto econômico, quanto por se tratar de um fenômeno sociocultural (DIAS, 2005). Esta concepção vem mudando, principalmente pelo fato de ser reconhecida também sua característica influenciadora no meio ambiente. De fato, a atividade turística compreende todas estas dimensões, causando impactos positivos e negativos a todos os campos citados. Por ser uma atividade de prestação de serviços que engloba 52 setores produtivos da economia, o turismo é capaz de gerar diversos empregos, sejam eles diretos, indiretos, induzidos ou temporários. Os empregos diretamente ligados ao turismo são aqueles situados nos segmentos de hospedagem, agências de viagens, alimentos e bebidas (restaurantes, bares

33 Capítulo 2 Turismo e Sustentabilidade 14 etc), recreação, dentre outros. Os indiretos são aqueles criados em função dos gastos e necessidades de atendimento para turistas em outros setores, como supermercados, farmácias, postos de gasolina etc. Já os empregos induzidos se caracterizam como os que são criados em função do gasto dos residentes devido à renda obtida com e para o turismo, a exemplo das escolas de idiomas. Quanto aos empregos temporários, podemos citar aqueles que são gerados com a construção de equipamentos de infra-estruturas turística e urbana, como hotéis e estradas, respectivamente (DIAS, 2005). Diante desse fato, percebe-se que o turismo é capaz de movimentar um efeito multiplicador na economia, pois uma vez gerando empregos diretos e indiretos, vai provocar gastos em outros setores da economia (não ligados diretamente à atividade), proporcionando, assim, a geração de novos empregos nestes, resultando numa redistribuição da renda. Além disso, provoca a arrecadação de impostos e encargos para a construção e manutenção de infraestrutura e equipamentos, melhorando a qualidade de vida das populações receptoras. Conforme Ignarra (2003, p. 146) estima-se que de cada 11 (onze) trabalhadores um está empregado no setor de viagens e turismo. Ele coloca também que, segundo a WTTC (World Travel & Tourism Council) no ano de 2001 o turismo gerou US$ 12,9 bilhões no Brasil de impostos. Outro fator determinante da economia do turismo são os efeitos sobre importação e exportação. O turista que sai do país gasta seu dinheiro fora deste, como se comprasse uma mercadoria do estrangeiro. Já o turista que entra no país, ao contrário, gasta dinheiro ganho fora, portanto trazendo divisas iguais às geradas por uma exportação (BARRETO, 2000, p. 18). Tal efeito repercute na balança comercial. A influência do turismo sobre os preços é outro impacto econômico, porém não tão benéfico quanto os citados anteriormente. A depender da demanda e oferta turística, além da sazonalidade (alteração dos períodos de alta e baixa temporada), os preços podem variar muito, provocando, muitas vezes, inflação sobre os serviços e produtos consumidos pelos turistas, que atinge também aos moradores das localidades, já que estes consomem muitos dos serviços turísticos. Um outro impacto relacionado à economia do turismo, mas que acaba por provocar danos ao aspecto social de uma localidade, está relacionado à priorização dos

34 Capítulo 2 Turismo e Sustentabilidade 15 investimentos em infra-estrutura turística (empreendimentos hoteleiros, aeroportos...) ao invés de infra-estrutura social ligada à educação, saúde local, segurança (hospitais, creches, escolas etc). Socioculturalmente, a atividade turística traz diversos benefícios às pessoas que viajam e às que recebem os turistas. As relações interpessoais que o turismo provoca são importantes tanto pelo aspecto psicológico do turista, que passa a ter um sentimento de liberdade, modificando seu comportamento, muitas vezes agindo de forma mais espontânea, fugindo às regras impostas pelas normas e valores da sociedade (o que a partir de certo ponto pode ser prejudicial). Além disso, o intercâmbio de informações e inovações repercute positivamente em ambos os lados (comunidade e visitante) e a herança cultural passa a ser conservada a partir do momento em que a comunidade entende que seus costumes se caracterizam como um importante recurso turístico. Conforme Dias (2005, p. 119), a troca de informações torna-se um fator de difusão tecnológica, social e cultural fundamental no processo de globalização. Apesar dos benefícios do turismo no campo sociocultural, é notório também que, com a atividade, há uma tendência de ocorrer choques culturais entre os atores sociais no que diz respeito às diferenças de grupos étnicos e religiosos, valores, estilos de vida, padrões de consumo, além de manifestações de etnocentrismo³. Outros fatores que se caracterizam como sendo impactos negativos do turismo em relação ao aspecto sociocultural é o comprometimento da infra-estrutura como abastecimento de água, luz, assim como saturação do comércio local (supermercados, farmácias etc) e os problemas de saúde, muitas vezes causados por visitantes advindos de locais com epidemias ou devido ao esgotamento de infraestrutura que pode acarretar, dente outros, num problema de abastecimento de água potável, provocando a transmissão de doenças. O Quadro 2.2 exemplifica alguns impactos negativos e positivos do turismo nos campos citados, como também os efeitos ambientais provocados pela atividade. ³ O etnocentrismo caracteriza-se pelo julgamento da cultura e hábitos alheios como sendo inferior a de quem o faz.

35 Capítulo 2 Turismo e Sustentabilidade 16 Quadro 2.2 Impactos do Turismo Econômicos Socioculturais Ambientais EFEITOS IMPACTOS POSITIVOS IMPACTOS NEGATIVOS Geração de renda. Criação de empregos. Estabilização da balança de pagamentos. Distribuição de renda. Catalisador de outros setores econômicos. Proporciona novas áreas de lazer, atividades culturais e zonas comerciais. Justifica a conservação dos recursos culturais de modo geral. Financiamento de infraestruturas utilizadas por turistas e residentes. Melhora o conhecimento da cultura local. Contribui para a criação de identidade de uma comunidade (ou sua consolidação) Justifica a conservação dos recursos naturais. Contribui para o estabelecimento de padrões de qualidade ambiental. Fonte: DIAS (2005, p. 111) apud Bigné, Font e Andreu (2000). Conservação da infraestrutura exclusivamente para o turismo. Inflação e aumento geral dos preços. Especulação imobiliária. Aumento do custo dos serviços públicos. Distorção no desenvolvimento de outros setores econômicos. Conflitos entre turistas e residentes. Falsa autenticidade.. Efeito demonstração com a adoção de estilos de vida e hábitos e costumes dos visitantes. Aumento da criminalidade. Deterioração física do ambiente. Prejudica a paisagem com o desenvolvimento arquitetônico não-integrado. Aumento da poluição de modo geral e da contaminação. Causa transtorno ao ciclo de vida natural. A falsa autenticidade acontece quando costumes não característicos de determinada comunidade são utilizados como atrativos turísticos culturais tradicionais. Um exemplo comum é a comercialização de artesanato que, muitas vezes, não são confeccionados pelos moradores, mas sim por artesãos dos mais variados locais e comunidades. O efeito demonstração com a adoção de estilos de vida e hábitos e costumes dos visitantes é resultado da interação dos atores (turistas e moradores locais), provocando mudanças no comportamento característico das comunidades receptoras pela visualização de hábitos e costumes dos visitantes percebidos como padrões pela sociedade globalizada.

36 Capítulo 2 Turismo e Sustentabilidade 17 Os recursos naturais se constituem em um dos principais atrativos turísticos de uma região, além de que os mesmos são utilizados também para o desenvolvimento da atividade turística, como construção de infra-estrutura turística e são influenciados pelos deslocamentos de pessoas para fins turísticos. Diante disso, é notório que o turismo provoca diversos impactos ao meio ambiente natural. Dias (2005) aponta que o turismo provoca prejuízo aos recursos naturais ao consumir grande quantidade de água, gerar resíduos sólidos e lixo, além de recursos para a construção de infra-estrutura turística. Fala também que causa o aumento da poluição seja esta do ar, sonora, visual ou pelo próprio lixo; o desflorestamento e a utilização insustentável dos espaços para o desenvolvimento dos equipamentos e infra-estrutura necessários ao turismo; impactos físicos da atividade, como o pisoteamento do solo. A perda da biodiversidade e alterações no ecossistema pela presença dos visitantes (daí a importância que se leve em consideração a capacidade de suporte do ambiente); além do aumento do efeito estufa, provocado pela emissão excessiva de gás carbônico, principalmente pela queima de combustíveis fósseis como o óleo e a gasolina, também são impactos provocados pelo turismo, segundo o autor. Diante de todos esses problemas, que são também causados por inúmeras outras atividades econômicas, e do contexto de discussão das problemáticas ambientais, intensificada por volta dos anos 60, vem-se buscando utilizar alternativas que possam minimizar os impactos negativos causados pelo turismo, principalmente os relacionados ao meio físico e sócio cultural. Apesar da gama de impactos negativos provocados, o turismo, se bem planejado e gerenciado, ainda caracteriza-se como sendo uma alternativa para se desenvolver uma região, proporcionando empregos e renda para a comunidade, melhorias na qualidade de vida, intercâmbio cultural, conservação do meio ambiente natural e das heranças culturais. Com o despertar para a consciência ambiental, os consumidores dos produtos turísticos passaram a ser mais exigentes tanto com a conservação dos recursos naturais e culturais quanto com a qualidade dos serviços prestados. Assim, os recursos turísticos (naturais e culturais) só se apresentam como atrativos para os turistas se bem conservados.

37 Capítulo 2 Turismo e Sustentabilidade 18 Nesse contexto e com o advento das discussões acerca do desenvolvimento sustentável, o turismo passa a ser estudado não só como alternativa econômica para as populações, mas também como ferramenta para a conservação do meio ambiente, seja através do planejamento, respeitando os limites dos recursos naturais, seja pela educação ambiental de comunidades e visitante (através da interpretação da natureza) e pela sensibilização dos atores sociais para a prática da conservação e respeito ao meio ambiente natural e às comunidades, despertando também o sentimento de pertencimento à localidade e ao meio em geral, já que se está inserido nele. Assim, é importante caracterizar o desenvolvimento do turismo sustentável, que consiste no planejamento discutido de forma sistêmica, procurando atender à sustentabilidade envolvendo as dimensões sociocultural, econômica e ambiental, como mostra a Figura 2.2. Figura 2.2 Turismo Sustentável DIMENSÃO AMBIENTAL TURISMO SUSTENTÁVEL A B DIMENSÃO ECONÔMICA C DIMENSÃO SOCIOCULTURAL Fonte: DIAS, 2005, p. 110 (adaptada de Siart, 2003) definido como Segundo Kinker (2005, p. 17) apud Wall (1997) o turismo sustentável pode ser aquele que é desenvolvido e mantido em uma área (comunidade, ambiente) de maneira que, e em uma escala que, se mantenha viável pelo maior tempo possível, não degradando ou alterando o ambiente de que usufrui (natural e cultural), não interferindo no desenvolvimento de outras atividades e processos, não degradando a qualidade de vida da população envolvida, mas pelo contrário servindo de base para uma diversificação da economia local. O planejamento do sistema turístico deve ter o objetivo de estruturar um destino de modo que a atividade aumente a qualidade de vida da localidade na qual irá se desenvolver

A decolagem do turismo

A decolagem do turismo A decolagem do turismo OBrasil sempre foi considerado detentor de um enorme potencial turístico. Em 1994, no entanto, o país recebeu menos de 2 milhões de turistas internacionais, um contingente que, na

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE PROJETOS

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE PROJETOS 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE PROJETOS OS BENEFÍCIOS DA APLICAÇÃO DAS DIRETRIZES DA GESTÃO DE PROJETOS REUNIDAS NO PMBOK NO PLANEJAMENTO TURÍSTICO DE DESTINOS ALUNA: HELENA PERES

Leia mais

RESENHAS. Marketing Turístico e de Hospitalidade: Fonte de Empregabilidade e Desenvolvimento para o Brasil

RESENHAS. Marketing Turístico e de Hospitalidade: Fonte de Empregabilidade e Desenvolvimento para o Brasil RESENHAS Marketing Turístico e de Hospitalidade: Fonte de Empregabilidade e Desenvolvimento para o Brasil Erika Helena Bautto Completa, abrangente e extremamente didática, Marketing Turístico e de Hospitalidade:

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO CURSO: TURISMO ( bacharelado) Missão Formar profissionais humanistas, críticos, reflexivos, capacitados para planejar, empreender e gerir empresas turísticas, adaptando-se ao

Leia mais

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

Análise do Sistema de Indicador do Turismo da Macaronésia e sua Aplicabilidade nas Áreas Litorâneas do Nordeste Brasileiro

Análise do Sistema de Indicador do Turismo da Macaronésia e sua Aplicabilidade nas Áreas Litorâneas do Nordeste Brasileiro Análise do Sistema de Indicador do Turismo da Macaronésia e sua Aplicabilidade nas Áreas Litorâneas do Nordeste Brasileiro Cícero de Souza Lacerda Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) Mestre em

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS História da Cultura CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1º PERÍODO Repassar ao alunado a compreensão do fenômeno da cultura e sua relevância para

Leia mais

ANEXO XXII POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO DE FOZ DO IGUAÇU LEI Nº 4.291, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014.

ANEXO XXII POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO DE FOZ DO IGUAÇU LEI Nº 4.291, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014. ANEXO XXII POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO DE FOZ DO IGUAÇU LEI Nº 4.291, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014. DISPÕE SOBRE A POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO, PREVISTA NO CAPÍTULO X, DO TÍTULO V, DA LEI ORGÂNICA DO MUNICÍPIO,

Leia mais

DSCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

DSCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO Turno: MATUTINO Currículo nº 9 Currículo nº 10 Reconhecido pelo Decreto Estadual n. o 5.497, de 21.03.02, D.O.E. nº 6195 de 22.03.02. Renovação de Reconhecimento Decreto

Leia mais

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Fica instituída a Política Municipal de Educação Ambiental, seus objetivos, princípios

Leia mais

(Do Sr. Wellington Fagundes) Art. 1º Esta Lei institui a Política Nacional de Bens e Serviços Ambientais e Ecossistêmicos PNBSAE.

(Do Sr. Wellington Fagundes) Art. 1º Esta Lei institui a Política Nacional de Bens e Serviços Ambientais e Ecossistêmicos PNBSAE. PROJETO DE LEI N o, DE 2011 (Do Sr. Wellington Fagundes) Institui a Política Nacional de Bens e Serviços Ambientais e Ecossistêmicos PNBASAE, e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art.

Leia mais

ENCONTRO NACIONAL DE CAMPISMO

ENCONTRO NACIONAL DE CAMPISMO ENCONTRO NACIONAL DE CAMPISMO MTUR/DEAOT/CGQT Campinas, 20 de março de 2010 ENCONTRO NACIONAL DE CAMPISMO POLÍTICAS DE INCENTIVO AO TURISMO NORMATIZAÇÃO DE CAMPINGS COPA DO MUNDO E OLIMPÍADAS REGISTRO

Leia mais

DSCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

DSCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO Turno: MATUTINO Currículo nº 9 Currículo nº 10 Reconhecido pelo Decreto Estadual n. o 5.497, de 21.03.02, D.O.E. nº 6195 de 22.03.02. Renovação de Reconhecimento Decreto

Leia mais

O turismo e os recursos humanos

O turismo e os recursos humanos Introdução O turismo e os recursos humanos Belíssimas praias, dunas, cachoeiras, cavernas, montanhas, florestas, falésias, rios, lagos, manguezais etc.: sem dúvida, o principal destaque do Brasil no setor

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.951

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.951 ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.951 A ATIVIDADE TURÍSTICA E O SEGMENTO DE EVENTOS. PERSPECTIVAS DE CRESCIMENTO GRAÇAS À COPA

Leia mais

Estudos e projetos para o Oceanário de Salvador. Categoria Valorização e gestão de atrativos turísticos e criação de novos produtos

Estudos e projetos para o Oceanário de Salvador. Categoria Valorização e gestão de atrativos turísticos e criação de novos produtos Componente 1 Título da Ação Estratégia de Produto Turístico Item 1.4 Objetivos Estudos e projetos para o Oceanário de Salvador Categoria Valorização e gestão de atrativos turísticos e criação de novos

Leia mais

TÉCNICO EM HOSPEDAGEM

TÉCNICO EM HOSPEDAGEM Imagens para explicar que às vezes o turista quer um lugar simples, no meio da natureza para descansar, basta estar limpo, asseado e arejado, nem todos querem luxo, existe vários perfis de clientes.(grifo

Leia mais

5 Proposta pedagógica da escola

5 Proposta pedagógica da escola 5 Proposta pedagógica da escola A escola onde este estudo se realizou localiza-se na periferia da cidade do Rio de Janeiro, e passou a integrar a rede FAETEC (Fundação de Apoio à Escola Técnica do Rio

Leia mais

TURISMO. o futuro, uma viagem...

TURISMO. o futuro, uma viagem... TURISMO o futuro, uma viagem... PLANO NACIONAL DO TURISMO 2007-2010 OBJETIVOS Desenvolver o produto turístico brasileiro com qualidade, contemplando nossas diversidades regionais, culturais e naturais.

Leia mais

PLANEJAMENTO DE PRÁTICAS DE ECOTURISMO NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO AMBIENTAL DA BARRA DO RIO MAMANGUAPE, PARAÍBA

PLANEJAMENTO DE PRÁTICAS DE ECOTURISMO NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO AMBIENTAL DA BARRA DO RIO MAMANGUAPE, PARAÍBA PLANEJAMENTO DE PRÁTICAS DE ECOTURISMO NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO AMBIENTAL DA BARRA DO RIO MAMANGUAPE, PARAÍBA José Rodrigo Lima Torres 1 Ingrid Almeida Da Silva 2 Cibelle Batista Gondim 3 RESUMO As áreas

Leia mais

FETREMIS-FACULDADE DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DA REGIÃO MISSIONÁRIA SIRLÉIA APARECIDA DE REZENDE SILVA

FETREMIS-FACULDADE DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DA REGIÃO MISSIONÁRIA SIRLÉIA APARECIDA DE REZENDE SILVA FETREMIS-FACULDADE DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DA REGIÃO MISSIONÁRIA SIRLÉIA APARECIDA DE REZENDE SILVA CONSCIENTIZAÇÃO E RESPONSABILIDADE SOCIAL Contagem-MG 2013 2 FETREMIS - FACULDADE DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA

Leia mais

LEI Nº 9.265 CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS E OBJETIVOS DA POLÍTICA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

LEI Nº 9.265 CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS E OBJETIVOS DA POLÍTICA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL LEI Nº 9.265 Institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. Lei: O GOVERNADOR DO ESPÍRITO SANTO Faço saber que a Assembléia Legislativa decretou e eu sanciono a seguinte Art.

Leia mais

ROSEMARY OLIVEIRA DE LIMA

ROSEMARY OLIVEIRA DE LIMA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA - CCT CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS - CESA MESTRADO PROFISSIONAL EM GESTÃO DE NEGÓCIOS TURÍSTICOS MPGNT ROSEMARY OLIVEIRA DE LIMA

Leia mais

GESTÃO DO TURISMO Profa. Andreia Roque

GESTÃO DO TURISMO Profa. Andreia Roque GESTÃO DO TURISMO Profa. Andreia Roque Conteúdo Programático 1- Introdução ao Turismo: Gestão Local Conteúdo Programático TEMA GERAL : Abordagem sistêmica do fenômeno turismo. Inclui aspectos de mercado

Leia mais

TURISMO E EDUCAÇÃO JUNTO À

TURISMO E EDUCAÇÃO JUNTO À TURISMO E EDUCAÇÃO JUNTO À COMUNIDADE: O ENSINO SUPERIOR ATUANDO EM ARARAQUARA. Eduarda Escila Ferreira Lopes* Nádia Pizzolitto** Turismo e educação junto à comunidade: City Tour Hoje o turismo assume

Leia mais

ATUALIZAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE TURISMO - PDTur. Prefeitura Municipal de Mairiporã

ATUALIZAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE TURISMO - PDTur. Prefeitura Municipal de Mairiporã ATUALIZAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE TURISMO - PDTur Prefeitura Municipal de Mairiporã Secretaria de Meio Ambiente e Turismo Departamento de Turismo - DeTur Apresentação Um Plano Diretor de Turismo é uma ferramenta

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MPH0813 PLANO NACIONAL DE TURISMO: UM CAMINHO PARA A BUSCA DO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

LEI Nº 9.265. Institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências.

LEI Nº 9.265. Institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. LEI Nº 9.265 Institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESPÍRITO SANTO Faço saber que a Assembléia Legislativa decretou e eu sanciono a seguinte Lei: Art.

Leia mais

CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE

CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE MATRIZ CURRICULAR Curso: TURISMO E HOTELARIA Graduação: BACHARELADO Regime: SERIADO ANUAL - NOTURNO Duração: 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS -

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

LEI Nº 12.780, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2007

LEI Nº 12.780, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2007 LEI Nº 12.780, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2007 (Projeto de lei nº 749/2007, da Deputada Rita Passos - PV) Institui a Política Estadual de Educação Ambiental O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que

Leia mais

Introdução. Núcleo de Pesquisas

Introdução. Núcleo de Pesquisas Introdução O verão é um período onde Santa Catarina demonstra todo a sua vocação para a atividade turística. Endereço de belas praias, o estado se consolidou como um dos principais destinos de turistas,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO REGIONAL ATRAVÉS DO TURISMO: GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA

DESENVOLVIMENTO REGIONAL ATRAVÉS DO TURISMO: GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA DESENVOLVIMENTO REGIONAL ATRAVÉS DO TURISMO: GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA Camila Fagundes 1 Mary Sandra Guerra Ashton 2 Universidade Feevale Resumo: O presente estudo é parte da pesquisa em andamento intitulada:

Leia mais

ECOTURISMO NAS AULAS DE GEOGRAFIA: UMA PROPOSTA DE ENSINO.

ECOTURISMO NAS AULAS DE GEOGRAFIA: UMA PROPOSTA DE ENSINO. ECOTURISMO NAS AULAS DE GEOGRAFIA: UMA PROPOSTA DE ENSINO. Leomar Tiradentes Colégio de Aplicação - COLUNI Universidade Federal de Viçosa 36570-000 Viçosa - MG Campus Universitário leotiradentes@yahoo.com.br

Leia mais

INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS

INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS Secretaria Municipal de Urbanismo INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS Lei de Uso e Ocupação do Solo: Introdução Estamos construindo uma cidade cada vez melhor A Lei

Leia mais

Autores: ANNARA MARIANE PERBOIRE DA SILVA, MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA

Autores: ANNARA MARIANE PERBOIRE DA SILVA, MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA RELAÇÕES ENTRE A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O SETOR DE HOSPITALIDADE: um estudo de caso aplicável ao curso Técnico de Hospedagem Secretaria de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente de Pernambuco Autores: ANNARA

Leia mais

DSCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

DSCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO Turno: MATUTINO Currículo nº 9 Currículo nº 10 Reconhecido pelo Decreto Estadual n. o 5.497, de 21.03.02, D.O.E. de 22.03.02. Para completar o currículo pleno do curso superior

Leia mais

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009)

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009) MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS RESOLUÇÃO N o 98, DE 26 DE MARÇO DE 2009 (Publicada no D.O.U em 30/07/2009) Estabelece princípios, fundamentos e diretrizes para a educação,

Leia mais

Daniela Campioto Cyrilo Lima*, Emanuela Matos Granja*, Fabio Giordano **

Daniela Campioto Cyrilo Lima*, Emanuela Matos Granja*, Fabio Giordano ** AVALIAÇÃO SOBRE AS PRÁTICAS EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL DESENVOLVIDA ATRAVÉS DO ECOTURISMO NO CAMINHO DO MAR PARQUE ESTADUAL DA SERRA DO MAR NÚCLEO ITUTINGA PILÕES Daniela Campioto Cyrilo Lima*, Emanuela Matos

Leia mais

Consultando o Dicionário da Língua Portuguesa de Aurélio Buarque de Holanda Ferreira, encontra-se a seguinte definição para turismo:

Consultando o Dicionário da Língua Portuguesa de Aurélio Buarque de Holanda Ferreira, encontra-se a seguinte definição para turismo: 4 Turismo O objetivo deste capítulo é apresentar definições de turismo, a relação entre turismo e fontes de emprego, a importância do domínio da língua inglesa para o mercado e o perfil do profissional

Leia mais

NOSSA ASPIRAÇÃO JUNHO/2015. Visão Somos uma coalizão formada por associações

NOSSA ASPIRAÇÃO JUNHO/2015. Visão Somos uma coalizão formada por associações JUNHO/2015 NOSSA ASPIRAÇÃO Visão Somos uma coalizão formada por associações empresariais, empresas, organizações da sociedade civil e indivíduos interessados em contribuir para a promoção de uma nova economia

Leia mais

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Lei 17505-11 de Janeiro de 2013 Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Súmula: Institui a Política Estadual de Educação Ambiental e o Sistema de Educação Ambiental e adota outras

Leia mais

Roteiro de entrevistas

Roteiro de entrevistas Roteiro de entrevistas 1 / 10 Destino: Local: Entrevistador: Entrevistado(s): Instituição: Data: Aspectos Ambientais 1.Preparação e atendimento a emergências ambientais 1.1. Há riscos de emergências ambientais?

Leia mais

TURISMO RURAL COMO VETOR DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO.

TURISMO RURAL COMO VETOR DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO. TURISMO RURAL COMO VETOR DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO. SILVA, Odair Vieira da. Bacharelado e Licenciatura em Geografia Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP), Campus Presidente

Leia mais

O SETOR PÚBLICO E AS AÇÕES DE ORGANIZAÇÃO DO TURISMO NO MUNICÍPIO DA ILHA DE ITAMARACÁ-PE

O SETOR PÚBLICO E AS AÇÕES DE ORGANIZAÇÃO DO TURISMO NO MUNICÍPIO DA ILHA DE ITAMARACÁ-PE 1 O SETOR PÚBLICO E AS AÇÕES DE ORGANIZAÇÃO DO TURISMO NO MUNICÍPIO DA ILHA DE ITAMARACÁ-PE GUILHERME ALVES DE SANTANA, MICHELLY ELAINE DE OLIVEIRA CONCEIÇÃO & EVERTON MEDEIROS BEZERRA Introdução Devido

Leia mais

ROTEIRIZAÇÃO TURÍSTICA

ROTEIRIZAÇÃO TURÍSTICA Ministério do Turismo Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Departamento de Estruturação, Articulação e Ordenamento Turístico Coordenação Geral de Regionalização PROGRAMA DE REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO

Leia mais

ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE A SUSTENTABILIDADE DE EMPREENDIMENTOS ECOLÓGICOS A PARTIR DA EXPLORAÇÃO DO TURISMO

ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE A SUSTENTABILIDADE DE EMPREENDIMENTOS ECOLÓGICOS A PARTIR DA EXPLORAÇÃO DO TURISMO IV SEMEAD ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE A SUSTENTABILIDADE DE EMPREENDIMENTOS ECOLÓGICOS A PARTIR DA EXPLORAÇÃO DO TURISMO Ana Lúcia Menezes dos Santos 1 Celso Cláudio de Hildebrand e Grisi 2 RESUMO Este artigo

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PEA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL 1

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PEA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL 1 1 1. APRESENTAÇÃO O presente Termo de Referência visa orientar e fornecer subsídios para a elaboração e conseqüente implantação do Programa de Educação Ambiental (PEA) a ser apresentado à Coordenadoria

Leia mais

PROJETO SÃO SEBASTIÃO TEM PARQUE

PROJETO SÃO SEBASTIÃO TEM PARQUE PROJETO SÃO SEBASTIÃO TEM PARQUE FASE II Estrada da Praia Brava: Adequação da Visitação Pública do Parque Estadual Serra do Mar Proponente: Ambiental Litoral Norte OSCIP PROJETO SÃO SEBASTIÃO TEM PARQUE

Leia mais

APL DE TURISMO NO LITORAL DO PIAUÍ

APL DE TURISMO NO LITORAL DO PIAUÍ APL DE TURISMO NO LITORAL DO PIAUÍ (A) Teresina; (B) Cajueiro da Praia; (C) Luis Correia; (D) Parnaíba; (E) Ilha Grande Rota das Emoções: Jericoacoara (CE) - Delta (PI) - Lençóis Maranhenses (MA) Figura

Leia mais

Proporcionar aos idosos, aposentados e pensionistas oportunidade de viajar e de usufruir os benefícios

Proporcionar aos idosos, aposentados e pensionistas oportunidade de viajar e de usufruir os benefícios Objetivos do Projeto Geral Proporcionar aos idosos, aposentados e pensionistas oportunidade de viajar e de usufruir os benefícios da atividade turística, como forma de fortalecimento do setor de turismo

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

TURISMO DE NATUREZA. AEP / Gabinete de Estudos

TURISMO DE NATUREZA. AEP / Gabinete de Estudos TURISMO DE NATUREZA AEP / Gabinete de Estudos Junho de 2008 1 1. Situação a nível europeu De acordo com o Estudo realizado por THR (Asesores en Turismo Hotelería y Recreación, S.A.) para o Turismo de Portugal,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.936

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.936 ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.936 A POSSIBILIDADE DO TURÍSMO EM QUAISQUER LUGARES GEOGRÁFICOS: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE

Leia mais

Meio Ambiente,Turismo e Ordenamento Territorial

Meio Ambiente,Turismo e Ordenamento Territorial Meio Ambiente,Turismo e Ordenamento Territorial O Turismo é a atividade mais promissora para a promoção do desenvolvimento sustentável Entretanto...o modelo adotado de Turismo no litoral brasileiro tem

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP. vi.unicamp2010@gmail.com

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP. vi.unicamp2010@gmail.com UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP e-mail: vi.unicamp2010@gmail.com ANÁLISE DOS CONFLITOS ENTRE ÁREAS DE USO E OCUPAÇÃO DOS SOLOS E ÁREAS DE CONSERVAÇÃO NO MUNICÍPIO DE ILHA COMPRIDA (SP). Viviane

Leia mais

Apresentação de projetos na Bahiatursa

Apresentação de projetos na Bahiatursa Apresentação de projetos na Bahiatursa - Orientações - janeiro/2012 Apresentação A Bahiatursa, empresa oficial de turismo do Estado da Bahia, é vinculada à Secretaria de Turismo do Estado e tem como finalidade

Leia mais

APL DE TURISMO E ARTESANATO DE BONITO SERRA DA BODOQUENA

APL DE TURISMO E ARTESANATO DE BONITO SERRA DA BODOQUENA APL DE TURISMO E ARTESANATO DE BONITO SERRA DA BODOQUENA CONTEXTUALIZAÇÃO Contempla os municípios de Bodoquena, Bonito e Jardim; O Turismo e a Pecuária são as principais eixos de desenvolvimento; Possui

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Domitila Bercht é bacharel em turismo e moradora da região

APRESENTAÇÃO. Domitila Bercht é bacharel em turismo e moradora da região Proposta e estudo temático para Seminário a ser realizado em Visconde de Mauá. Vila de Visconde de Mauá. Serra da Mantiqueira, agosto de 2010. Domitila Bercht 1. APRESENTAÇÃO Este estudo pretende ser uma

Leia mais

Ministério do Turismo. Brasil: Destino Turístico Internacional Gestão da Política de Turismo Turismo no Brasil: Uma Viagem para Todos

Ministério do Turismo. Brasil: Destino Turístico Internacional Gestão da Política de Turismo Turismo no Brasil: Uma Viagem para Todos Ministério do Turismo Brasil: Destino Turístico Internacional Gestão da Política de Turismo Turismo no Brasil: Uma Viagem para Todos Sumário Executivo Em 2005, do total previsto para o Ministério do Turismo,

Leia mais

GESTÃO DO TURISMO Profa. Andreia Roque

GESTÃO DO TURISMO Profa. Andreia Roque GESTÃO DO TURISMO Profa. Andreia Roque 3 -Administração da Empresa de Turismo Princípios da Administração de Recursos Administração Abrangente: Olhando o Todo Teoria da Administração e Gestão Teoria da

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 138, DE 24 DE JUNHO DE 2009

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 138, DE 24 DE JUNHO DE 2009 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 138, DE 24 DE JUNHO DE 2009 O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Leia mais

INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE DE DESTINOS TURÍSTICOS. Novembro de 2014

INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE DE DESTINOS TURÍSTICOS. Novembro de 2014 INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE DE DESTINOS TURÍSTICOS Novembro de 2014 1 Competitividade de Destinos Emergência nos estudos sobre estratégia empresarial Indústria, empresas, países, organizações Diferentes

Leia mais

O SISTEMA BRASILEIRO DE CLASSIFICAÇÃO DE MEIOS DE HOSPEDAGEM E A HOTELARIA NO BRASIL

O SISTEMA BRASILEIRO DE CLASSIFICAÇÃO DE MEIOS DE HOSPEDAGEM E A HOTELARIA NO BRASIL O SISTEMA BRASILEIRO DE CLASSIFICAÇÃO DE MEIOS DE HOSPEDAGEM E A HOTELARIA NO BRASIL Anna Carolina do Carmo Castro Larissa Mongruel Martins de Lara RESUMO: O presente estudo tem por objetivo explicar a

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA nº 16/2015. Responsável: Unidade de Negócios Projetos Especiais. Rio de Janeiro, 9 de junho de 2015. 1.

TERMO DE REFERÊNCIA nº 16/2015. Responsável: Unidade de Negócios Projetos Especiais. Rio de Janeiro, 9 de junho de 2015. 1. TERMO DE REFERÊNCIA nº 16/2015 Responsável: Unidade de Negócios Projetos Especiais Rio de Janeiro, 9 de junho de 2015. 1. Identificação Contratação de consultoria de pessoa física (PF) para diagnóstico

Leia mais

COPA DO MUNDO FIFA 2014 BRASIL. Oportunidades e Desafios

COPA DO MUNDO FIFA 2014 BRASIL. Oportunidades e Desafios COPA DO MUNDO FIFA 2014 BRASIL Oportunidades e Desafios COPA DO MUNDO - OPORTUNIDADES Um evento esportivo do porte de uma Copa do Mundo é como uma grande vitrine do país no exterior e corresponde a um

Leia mais

PRINCÍPIOS DO RIO. Princípio 1

PRINCÍPIOS DO RIO. Princípio 1 PRINCÍPIOS DO RIO António Gonçalves Henriques Princípio 1 Os seres humanos são o centro das preocupações para o desenvolvimento sustentável. Eles têm direito a uma vida saudável e produtiva em harmonia

Leia mais

FERRAMENTAS UTILIZADAS PELO SEBRAE / MT

FERRAMENTAS UTILIZADAS PELO SEBRAE / MT MISSÃO SEBRAE Missão: Ser uma organização de desenvolvimento, ética e séria, gerando alternativas de soluções para nossos clientes tornarem-se competitivos alinhados à sustentabilidade da vida. ÁREA DE

Leia mais

também padecem de preocupações de curto prazo; construção de um consenso falso; desinformação; lógicas oligárquicas; particularismos.

também padecem de preocupações de curto prazo; construção de um consenso falso; desinformação; lógicas oligárquicas; particularismos. O processo de COACHING aplicado nos pólos de crescimento econômico do País: uma abordagem sistêmica com foco na qualificação profissional e na sustentabilidade social das regiões. Por Wagner Duarte Nunca

Leia mais

Centro Cultural e de Exposições de Maceió

Centro Cultural e de Exposições de Maceió Centro Cultural e de Exposições de Maceió Descrição Administrar, explorar comercialmente e desenvolver eventos culturais, de lazer e de negócios no Centro Cultural e de Exposições de Maceió, localizado

Leia mais

TIMPACTOS POSITIVOS E NEGATIVOS DA PRÁTICA DE TURISMO EM AMBIENTES RURAIS.

TIMPACTOS POSITIVOS E NEGATIVOS DA PRÁTICA DE TURISMO EM AMBIENTES RURAIS. TIMPACTOS POSITIVOS E NEGATIVOS DA PRÁTICA DE TURISMO EM AMBIENTES RURAIS. SILVA, Odair Vieira da. Bacharelado e Licenciatura em Geografia Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP),

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO DE CONTROLE

Leia mais

ANALISE DO COMPORTAMENTO SOCIOAMBIENTAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE PALMAS

ANALISE DO COMPORTAMENTO SOCIOAMBIENTAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE PALMAS ANALISE DO COMPORTAMENTO SOCIOAMBIENTAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE PALMAS XAVIER, Patrícia Alves Santana LIMA, Suzany Saraiva GOMES, Alan Rios RESUMO O presente estudo teve como objetivo analisar

Leia mais

Como relacionar Educação Ambiental e Turismo (Eco e Rural)?

Como relacionar Educação Ambiental e Turismo (Eco e Rural)? ENCONTRO ÁGUA & FLORESTA o estado da arte da educação ambiental Como relacionar Educação Ambiental e Turismo (Eco e Rural)? Andréa Rabinovici ENCONTRO ÁGUA & FLORESTA o estado da arte da educação ambiental

Leia mais

IDENTIFICANDO O HÓSPEDE EM PONTA GROSSA ATRAVÉS DO MÉTODO DE PESQUISA DE DEMANDA

IDENTIFICANDO O HÓSPEDE EM PONTA GROSSA ATRAVÉS DO MÉTODO DE PESQUISA DE DEMANDA 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( X) TRABALHO (

Leia mais

19ª REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO ESTADUAL DE TURISMO. 05 de Dezembro de 2013 BDMG Belo Horizonte

19ª REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO ESTADUAL DE TURISMO. 05 de Dezembro de 2013 BDMG Belo Horizonte 19ª REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO ESTADUAL DE TURISMO 05 de Dezembro de 2013 BDMG Belo Horizonte ESTATÍSTICAS DO TURISMO MINEIRO -Perfil da Demanda -Estudo de Competitividade -Dados Econômicos RAFAEL OLIVEIRA

Leia mais

PED - PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA CIDADE DE SANTOS

PED - PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA CIDADE DE SANTOS PED - PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA CIDADE DE SANTOS MARÇO-2007 OBJETIVO Os principais objetivos desta pesquisa são: Conhecer e divulgar a situação do emprego e desemprego na cidade de Santos, de

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.902

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.902 ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.902 O TURISMO DE EVENTOS ENQUANTO MECANISMO DE PRESERVAÇÃO E PROPAGAÇÃO DE IDENTIDADES CULTURAIS

Leia mais

19/03/2013 1995: OMT. Elementos comuns a diferentes definições de turismo. Conceitos-chave:

19/03/2013 1995: OMT. Elementos comuns a diferentes definições de turismo. Conceitos-chave: 1995: OMT IFSP Profa. Rafaela Malerba O turismo compreende as atividades que realizam as pessoas durante suas viagens e estadas em lugares diferentes ao seu entorno habitual, por um período consecutivo

Leia mais

A COMPOSIÇÃO DO GASTO TURÍSTICO NOS MUNICÍPIOS DE CANELA E GRAMADO - RIO GRANDE DO SUL / RS Ms. Caroline Ciliane Ceretta 1

A COMPOSIÇÃO DO GASTO TURÍSTICO NOS MUNICÍPIOS DE CANELA E GRAMADO - RIO GRANDE DO SUL / RS Ms. Caroline Ciliane Ceretta 1 A COMPOSIÇÃO DO GASTO TURÍSTICO NOS MUNICÍPIOS DE CANELA E GRAMADO - RIO GRANDE DO SUL / RS Ms. Caroline Ciliane Ceretta 1 RESUMO: O presente estudo objetiva descrever e analisar a composição dos gastos

Leia mais

CULTURA, GASTRONOMIA E TURISMO: DESENVOLVIMENTO LOCAL ESTUDO DE CASO DA III FESTA DA FARINHA DE ANASTÁCIO (MS)

CULTURA, GASTRONOMIA E TURISMO: DESENVOLVIMENTO LOCAL ESTUDO DE CASO DA III FESTA DA FARINHA DE ANASTÁCIO (MS) CULTURA, GASTRONOMIA E TURISMO: DESENVOLVIMENTO LOCAL ESTUDO DE CASO DA III FESTA DA FARINHA DE ANASTÁCIO (MS) 1 TREVIZAN, Fernanda Kiyome Fatori INTRODUÇÃO A promoção dos recursos humanos e do planejamento

Leia mais

O TURISMO CULTURAL COMO FATO GERADOR E DE SUSTENTABILIDADE DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL

O TURISMO CULTURAL COMO FATO GERADOR E DE SUSTENTABILIDADE DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL 384 O TURISMO CULTURAL COMO FATO GERADOR E DE SUSTENTABILIDADE DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL Esilaine Aparecida Tavares Pavan - Uni-FACEF Barbara Fadel Uni-FACEF INTRODUÇÃO A Revolução Industrial trouxe

Leia mais

RETRATO DO TURISMO RURAL PELO SEBRAE NACIONAL

RETRATO DO TURISMO RURAL PELO SEBRAE NACIONAL RETRATO DO TURISMO RURAL PELO SEBRAE NACIONAL PEC Nordeste - 2015 Evelynne Tabosa dos Santos Gestora Estadual do Programa de Turismo do Ceará TURISMO NO BRASIL - HISTÓRICO Atividade presente na Constituição

Leia mais

Município D 8.902 545 6,12 Município E 231.977 3.544 1,53 Município F 93.655 1.280 1,37

Município D 8.902 545 6,12 Município E 231.977 3.544 1,53 Município F 93.655 1.280 1,37 01 - Os problemas ambientais estão na ordem do dia dos debates científicos, das agendas políticas, da mídia e das relações econômicas. Até muito recentemente, ao se falar de meio ambiente, as instituições

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 374, DE 12 DE JUNHO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 374, DE 12 DE JUNHO DE 2015 RESOLUÇÃO Nº 374, DE 12 DE JUNHO DE 2015 Publicado em: 03/07/2015 O CONSELHO FEDERAL DE BIOLOGIA CFBio, Autarquia Federal, com personalidade jurídica de direito público, criado pela Lei nº 6.684, de 03

Leia mais

Plano Estratégico Nacional do Turismo. Desafios do Turismo Sustentável do PATES

Plano Estratégico Nacional do Turismo. Desafios do Turismo Sustentável do PATES Ferramentas para a Sustentabilidade do Turismo Seminário Turismo Sustentável no Espaço Rural Castro Verde, 7 Março 2012 Teresa Bártolo 2012 Sustentare Todos os direitos reservados www.sustentare.pt 2 Turismo

Leia mais

METODOLOGIA. Realização

METODOLOGIA. Realização // METODOLOGIA OBJETIVOS DA PESQUISA Produzir um painel de informações públicas sobre consciência ambiental no país; Continuar uma série histórica iniciada em 1991 sobre o tema; Conhecer os hábitos de

Leia mais

É a alteração no meio ambiente ou em algum de seus componentes por determinada ação ou atividade humana.

É a alteração no meio ambiente ou em algum de seus componentes por determinada ação ou atividade humana. 7. IMPACTOS AMBIENTAIS E MEDIDAS MITIGADORAS RECOMENDADAS 7.1. AVALIAÇÃO GERAL O que é Impacto Ambiental? É a alteração no meio ambiente ou em algum de seus componentes por determinada ação ou atividade

Leia mais

* Respectivamente, gerente, administradora e engenheiro da Gerência Setorial 4 do BNDES.

* Respectivamente, gerente, administradora e engenheiro da Gerência Setorial 4 do BNDES. HOTEL DE NEGÓCIOS Mary Lessa Alvim Ayres Ilka Gonçalves Daemon Paulo Cesar Siruffo Fernandes* Resumo Muito têm-se falado de hotéis de negócios: oportunidades de investimentos, grupos estrangeiros alardeando

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 06/ 2011 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de do Centro de Ciências Humanas, Letras

Leia mais

Enquadramento Turismo Rural

Enquadramento Turismo Rural Enquadramento Turismo Rural Portugal é um País onde os meios rurais apresentam elevada atratividade quer pelas paisagens agrícolas, quer pela biodiversidade quer pelo património histórico construído o

Leia mais

Habilitação Profissional do Tecnólogo em Gestão do Turismo

Habilitação Profissional do Tecnólogo em Gestão do Turismo PERFIL PROFISSIONAL Habilitação Profissional do Tecnólogo em Gestão do Turismo É o profissional que atua em agências de viagens, em meios de hospedagem, em empresas de transportes e de eventos; promove

Leia mais

O turismo e o seu contributo para o desenvolvimento da Madeira

O turismo e o seu contributo para o desenvolvimento da Madeira O turismo e o seu contributo para o desenvolvimento da Madeira Lisboa, 5 de Julho 2012 Bruno Freitas Diretor Regional de Turismo da Madeira O Destino Madeira A Região Autónoma da Madeira (RAM) ocupa, desde

Leia mais

Proposta de Curso de Turismo Rural Polo de Ecoturismo de São Paulo Sindicato Rural de SP / SENAR

Proposta de Curso de Turismo Rural Polo de Ecoturismo de São Paulo Sindicato Rural de SP / SENAR Proposta de Curso de Turismo Rural Polo de Ecoturismo de São Paulo Sindicato Rural de SP / SENAR Objetivo Ampliar o olhar sobre a propriedade rural, fornecendo ferramentas para identificar e implantar

Leia mais

Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15

Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15 Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15 Formada por associações empresariais, empresas, organizações da sociedade civil e indivíduos interessados na construção

Leia mais

SEGMENTAÇÃO DO PUBLICO PARA UMA ECOPOUSADA EM IBIRAMA SC

SEGMENTAÇÃO DO PUBLICO PARA UMA ECOPOUSADA EM IBIRAMA SC SEGMENTAÇÃO DO PUBLICO PARA UMA ECOPOUSADA EM IBIRAMA SC 1 INTRODUÇÃO Alice Mecabô 1 ; Bruna Medeiro 2 ; Marco Aurelio Dias 3 O turismo é uma atividade que hoje é considerada um dos meios econômicos que

Leia mais

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV Realizar projetos para destinação de resíduos sólidos * Meio Ambiente Desenvolver programas de educação ambiental Apresentar pequenos e médios projetos de recuperação (seqüestro

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 Consultoria especializada (pessoa física) para elaborar e implantar novas metodologias

Leia mais

Departamento de Qualificação e Certificação e Produção Associada ao Turismo

Departamento de Qualificação e Certificação e Produção Associada ao Turismo Ministério do Turismo Ministério do Turismo Departamento de Qualificação e Certificação e Produção Associada ao Turismo Funções e Objetivos Coordenar as ações voltadas à qualificação profissional e à melhoria

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável de Pólo Turístico Ribeirão Branco - SP

Desenvolvimento Sustentável de Pólo Turístico Ribeirão Branco - SP Desenvolvimento Sustentável de Pólo Turístico Ribeirão Branco - SP NOVA CAMPINA 1 Objetivo para potencializar o desenvolvimento sustentável de Pólos Turísticos Fortalecimento e integração dos elos da Cadeia

Leia mais