TRAVESTIS EXPLORADAS SEXUALMENTE: NECESSIDADES DE POLÍTICAS DE ENFRENTAMENTO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TRAVESTIS EXPLORADAS SEXUALMENTE: NECESSIDADES DE POLÍTICAS DE ENFRENTAMENTO"

Transcrição

1 TRAVESTIS EXPLORADAS SEXUALMENTE: NECESSIDADES DE POLÍTICAS DE ENFRENTAMENTO Alan de Loiola Alves Resumo: O presente artigo tem como temática uma das expressões da questão social presente na realidade social brasileira: a exploração sexual comercial de adolescentes travestis. A exploração sexual comercial infanto-juvenil é uma violência sexual e conforme a Organização Internacional do Trabalho (OIT) é uma das formas mais aviltantes de trabalho infantil. Esta violação dos direitos humanos encontra-se circunscrita numa atividade lucrativa do mercado do sexo, consistindo num crime globalizado, sendo as travestis juvenis prezas fáceis para a rede de exploração, pois subvertem a lógica inteligível do gênero, sendo vítimas de transfobia e estigmatizadas pela sociedade. Este trabalho tem como objetivo apresentar a vivência das adolescentes travestis no mercado do sexo na cidade Rio de Janeiro. Desse modo, a comercialização sexual de travestis juvenis no município carioca encontra-se organizado, existindo uma rede de exploração com agenciadores-aliciadores e clientes, os programas sexuais são tabelados, existe uma jornada regular de trabalho. Ademais, as travestis não são protegidas pela rede de proteção a criança e adolescente. Assim sendo, faz-se necessário proteger as adolescentes travestis, incluindo-as nas políticas de proteção a infância e juventude. Palavras chaves: Travestis Adolescentes. Exploração Sexual Comercial. Gênero. Violência. Introdução Este artigo tem como tema a exploração sexual comercial de adolescentes travestis na cidade do Rio de Janeiro. A Declaração aprovada durante o I Congresso Mundial contra a Exploração Sexual Comercial de Crianças e Adolescentes, Estocolmo 1996, definiu que: (...) a exploração sexual comercial de crianças é uma violação fundamental dos direitos da criança. Esta compreende o abuso sexual por adultos e a remuneração em espécie ao menino ou menina e a uma terceira pessoa ou várias. A criança é tratada como um objeto sexual e uma mercadoria. A exploração sexual comercial de crianças constitui uma forma de coerção e violência contra crianças, que pode implicar o trabalho forçado e formas contemporâneas de escravidão (LEAL e LEAL, 2002, p. 42). A inserção de crianças e adolescentes no mercado do sexo consiste num comércio ilegal e altamente lucrativo e globalizado. Ele é articulado em redes e rotas nacionais e internacionais com o tráfico de drogas e de pessoas, com a corrupção e a pedofilia. Mesmo que a negociação do sexo não esteja organizada, sendo construída através dos arranjos informais, isto é, por situações isoladas e esporádicas é considerada no âmbito do comercio ilegal. 1

2 Nesse sentido, a população infanto-juvenil é duplamente explorada, uma vez que gera lucro econômico para a rede de exploração sexual, como também é fonte de prazer sexual para os consumidores desse comércio. Desse modo, crianças e adolescentes no mercado do sexo são submetidas a uma forma de trabalho, exercendo uma atividade danosa e perigosa para seu desenvolvimento físico, mental, espiritual, moral ou social, interferindo na sua educação e formação pessoal e social. De acordo com Eva Faleiros (2000), existe uma caracterização do mundo do trabalho na exploração sexual comercial de criança e adolescentes distinguindo-se em três diferentes tipos de trabalho: o formal, o informal e o escravo. A primeira forma é representada não pelo aspecto legal, isto é, reconhecido através de registro, mas sim pela relação definida entre patrão trabalhador, onde do contrato de trabalho está bem definido, constando a atividade exercida, assim como a paga pelo trabalho e carga horária trabalhada. A segunda forma, o trabalho informal, se dá pela não contratação, ou seja, a atividade é exercida por conta própria na prostituição de rua, incluindo meninos e meninas de rua, ou através da oferta individual de serviços sexuais, o contrato da atividade é realizada entre o cliente e o adolescente ou a criança. Já a terceira forma, é caracterizada pelo trabalho escravo, que possui como característica a relação de propriedade e servidão, não tendo contrato de trabalho nas relações sexuais comerciais. Vale ressaltar que esse contrato de trabalho envolvendo crianças e adolescentes no mercado do sexo é relativo, não sendo formalizado e sim estabelecido verbalmente, na qual o preço é determinado pelo adulto (cliente e agente), por ato sexual, ficando assim a população infantojuvenil sujeita a determinação de outrem. Neste contexto, o preço estabelecido na relação sexual está organizado em função da qualidade dos serviços e dos produtos ofertados, como também pelo nível da clientela, o espaço urbano aonde são oferecidos os serviços e a aparência das crianças e adolescentes, existindo uma rotatividade dos mesmos nos espaços do mercado do sexo. Como observa Faleiros (2000, p.34), como qualquer outro ramo de negócios este está sujeito à oferta e à demanda, ou seja, às "leis" do mercado. A exploração sexual comercial infanto-juvenil consiste numa atividade sexual com base no valor de uso e de troca, pois a prática sexual envolvendo crianças e adolescentes é utilizada pelos jovens como forma de troca para conquistar algo, exercendo essa atividade em longas jornadas de trabalho, mantendo várias relações sexuais em locais insalubres, não possuem contrato de trabalho e nem renda fixa e estável. Além disso, são usadas para gerar lucro para o proprietário, 2

3 movimentando milhões de dólares de todo o mundo como aponta Paiva e Pereira (1996, p. 231). Araújo (1996) afirma que a inserção de crianças e adolescentes no mercado do sexo corresponde ao terceiro comércio mundial ilegal em termos de lucratividade, ficando atrás do comércio de armas e do narcotráfico. A exploração sexual comercial de travestis adolescentes juvenis é um fenômeno complexo, visto que os mesmos mantêm relações homoeróticas na prática sexual no mercado do sexo e, ainda possuem identidade de gênero feminina, sendo consideradas pela sociedade como desviantes e marginais, são culpabilizadas por vivenciarem esta violência, sofrendo forte preconceito e estigma. 1- Travestis adolescentes: uma questão de gênero As adolescentes travestis 1 identificadas neste trabalho são jovens do sexo masculino com idade entre 12 a 17 anos e 11 meses 2, que possuem identidade de gênero feminina, provocando alterações corporais para adquirirem aparência feminina, que adotam nomes femininos. Segundo Benedetti, as travestis são: aquelas que promovem modificações nas formas do seu corpo visando a deixá-lo o mais parecido possível com o das mulheres; vestem-se e vivem cotidianamente como pessoas pertencentes ao gênero feminino sem, no entanto, desejar explicitamente recorrer à cirurgia de transgenitalização para retirar o pênis e construir uma vagina (BENEDETTI, 2000, p.18),. Contudo, é importante destacar que não pretende-se enquadrar as travestis num formato ou único modelo, pois reconhece as multiplicidades envolvidas nas identidades e na sexualidade humana, na qual existe dentro da travestilidade 3 não é diferente. Todavia, a travesti não busca ser mulher, sabe que não é uma mulher e também não se identifica como uma, ela procura a aparência da mulher que existe no seu imaginário. Parafraseando Benedetti (2000), a aparência corporal feminina é importante para as travestis na sua percepção corporal e formação como sujeito, em função disso realizam transformação no 1 Vale destacar que a utilização do artigo a travesti se dá por compreender a perspectiva de Silva (2007, p.16) que salienta: ainda que no universo travesti não haja consenso sobre qual é o gênero da palavra, uso o artigo feminino para me referir às travestis não só por uma posição política (uma vez que o tratamento no gênero feminino é uma das reivindicações dos movimentos sociais), mas também para estar mais de acordo com a forma como elas se tratam. Entre si, os artigos, pronomes e substantivos para se auto-referirem, ou para tratarem aquelas que lhes são próximas, estarão sempre no feminino. 2 Segundo o Estatuto da Criança e Adolescente, adolescente no Brasil é considerado a partir dos 12 anos. 3 O termo travestilidade é usado no mesmo sentido proposto por William Peres (2004) apud Silva (2007, p.18) uma vez que não só para marcar a heterogeneidade de possibilidades identitárias das travestis, como também em substituição ao sufixo ismo, que remete a doença e a patologia. 3

4 corpo, tomando hormônio feminino, fazem ingestão ou aplicação de medicamentos que contenham progesterona e estrogênio para desenvolver os seios, arredondar os quadris, diminuir os pêlos. Além disso, fazem aplicações de silicone industrial ou prótese, usam roupas femininas, fazem uso de maquiagem e utilizam os artigos femininos. Como apontam Silva (2007) e Fábregas-Martinez (2000) as travestis estão marcadas pelo estigma. Silva (2007) salienta que isso ocorre em função do embaralhamento do gênero, isto é, a identidade do gênero feminino não corresponde ao sexo biológico, que é masculino, mas elas realizam a construção do feminino em corpos masculinos, sendo percebidas com a sexualidade exacerbada, desregrada e problemática. Todavia, a construção da identidade de gênero conta também com a participação dos sujeitos, que estão implicados no processo plural e permanente deste processo (Louro, 1999). Afinal cada indivíduo poderá escolher o seu gênero, estando em conformidade ou não com o sexo biológico ou com as formas atribuídas estruturalmente ao masculino e feminino. Entretanto, essa escolha de viver e usar o corpo de acordo com um estilo consiste em interpretar, reproduzir e reorganizar as normas de gênero. Além disso, a adoção do gênero pode transitar entre o masculino e o feminino e vice-versa (Butler, 1988 apud Saffioti 2001). As travestis possuem identidade gênero feminino, não seguindo a lógica inteligível do gênero. Conforme define Butler, 1990 apud Saffioti (2001, p.6), o gênero inteligível é aquele que de alguma forma, instituem e mantém relações de coerência e continuidade entre sexo, gênero, práticas sexuais e desejo. Desse modo, as travestis desobedecem aos papéis sexuais e sociais estabelecidos pela sociedade, que os definem através do sexo biológico. Em decorrência disso, as travestis são percebidas como desviantes, marginais, sendo discriminas. Neste sentido, está presente a discriminação entre as identidades sociais dominantes, tidas como normais, com as identidades sociais dominadas, consideradas anormais e desviantes, como aponta Guimarães (2004). Este processo é produto da divisão do trabalho, que determinou a identidade social, como positiva ou negativa. Assim sendo, as travestis juvenis que estão construindo e desenvolvendo sua identidade sexual e de gênero, são prezas fáceis para o mercado do sexo, em função do preconceito vivido. 2 Exploração sexual comercial de travestis juvenis no Rio de Janeiro 4

5 A cidade do Rio de Janeiro chamada por cidade maravilhosa, em função das belezas naturais e belezas arquitetônicas, que possui como por exemplo: as praias de Copacabana e Ipanema, a Lagoa Rodrigo de Freitas, a Floresta da Tijuca, o Cristo Redentor e o Teatro Municipal, entre outras, assim como por ser reconhecida sua população como hospitaleira, divertida e sensual.. Este é um dos principais municípios do país e como salienta Evangelista (2003) é uma das mais ricas também e responsável por 62% do Produto Interno Bruto PIB do estado do Rio de Janeiro. Todavia, não é só por seus encantos que a cidade maravilhosa é conhecida, pois ela também tem índices altos de violência urbana, como assaltos, narcotráfico e homicídios. Em amostragem do IBGE nos anos de 2007 e 2008 foram notificados respectivamente e 2,336 casos de homicídios dolosos 4. De acordo como o IBGE (2000) aproximadamente pessoas moram em aglomerados subnormais, espalhados por toda região do município, tanto nas zona sul, norte, oeste e centro A cidade maravilhosa como toda grande metrópole vive um diversificado serviço sexual em todo território, existindo um complexo mercado do sexo, incluindo homens, mulheres, travestis, jovens, idosos e inclusive crianças e adolescentes como prestadores desse serviço. Neste quadro encontram-se as adolescentes travestis, que são exploradas sexualmente em todo território municipal, como mostra a tabela abaixo. Tabela 1: Travestis Adolescentes Exploradas Sexualmente na Cidade do Rio de Janeiro 5 Nº Pontos de Prostituição Zona Total 1 Av. Augusto Severo (Glória) Sul 01 2 Estrada do Pau Ferro (Jacarepaguá) Oeste 02 3 Quinta da Boa Vista (São Cristóvão) Norte 14 4 Praça do Ó (Barra da Tijuca) Oeste 02 5 Rua da Regeneração (Bonsucesso) Norte 03 Total de Adolescentes do Sexo Masculino em Situação de Exploração Sexual Comercial 22 4 Segundo o Código Penal Brasileiro no Art 18, diz-se que o crime é doloso, quando o agente quis o resultado ou assumiu o risco de produzi-lo. 5 Fonte: Pesquisa Garotos sem Programa: estudo sobre a exploração sexual comercial de adolescentes do sexo masculino na cidade do Rio de Janeiro. Diário de Campo (junho a dezembro de 2008). 5

6 Esses cinco pontos 6 possuem características semelhantes com certos matizes peculiares, na qual as adolescentes travestis, são chamados e se identificam como travinhas, tendo um número expressivo na Quinta da Boa Vista. Este termo é utilizado no meio em função da pouca idade, pouca transformação no corpo e na fase de iniciação no mercado do sexo. Neste caso, o termo possui semelhanças com o que Silva (2007, p.55) chamou de ninfetinha, pois valem-se da precocidade com que começaram a ingerir hormônios femininos para legitimar sua permanência naquela região. Os programas sexuais nessas localidades são realizados geralmente diariamente, com jornada destinada à exploração sexual comercial longa, permanecendo até nove horas, cobrando pela atividade sexual entre R$ 10,00 e R$ 30,00, arrecadando em média R$ 150,00 pela prática de seis programas numa noite. Os clientes são em sua maioria homens casados com idades entre 20 a 60 anos. Esta organização está pautada na organização da prostituição de travestis adultas. É importante destacar que violência na exploração sexual comercial não está somente na realização de programas sexuais, mas também na exposição, na disponibilidade e o não recebimento por esses serviços, caracterizando da mesma forma a violência, a exploração. O lucro dos comerciantes do sexo e da rede de exploração sexual como um todo é certo, visto que é cobrado do adolescente uma taxa para o exercício dos programas. No mercado do sexo tudo tem um preço, inclusive a rua, assim as adolescentes para ficarem expostas nos lugares para realizar programas sexuais, geralmente pagam uma taxa ao dono do local, em que alguns pontos como na Quinta da Boa Vista é cobrado R$ 120,00 (cento e vinte reais) semanalmente pelo ponto na rua e pelo local de moradia, republica de travestis. Ainda, as travestis sofrem com as agressões físicas e verbas, assim como pelos furtos praticados pelos clientes, pelos transeuntes, pelas colegas que vivenciam a situação de prostituição, pelos donos dos pontos e pelos policiais. A primeira atividade sexual comercial das adolescentes travestis ocorreu na faixa etária entre 10 e 14 anos, em alguns casos antes do processo de transformação no corpo. As pesquisas sobre meninas em situação de exploração sexual comercial indicam a predominância da primeira atividade sexual comercial com idade entre 12 e 14 anos, porém existem crianças com idades mais precoces exploradas sexualmente no Brasil, na qual a gravidade desta situação deve ser considerada na medida em que, anteriormente ao desenvolvimento dos caracteres 6 Vale salientar, a existência de outros pontos de prostituição de adolescentes travestis disseminadas na cidade, como por exemplo, Av. Atlântica em Copacabana, mas sendo possível a realização da pesquisa nesta área. 6

7 sexuais secundários, ou seja, maturação biológica, a partir do qual podemos supor a maturação psicológica (Libório, 2003, p.212). As travestis juvenis relatam que a motivação para a realização do programa sexual comercial se deu pelo desejo de vivenciar a travestilidade, habilidade natural, desejo de ser profissional do sexo e pela possibilidade de ganhar dinheiro. No que tange as relações familiares, as adolescentes apontam como boas ou razoáveis, pois em alguns casos são provedoras ou contribuem no orçamento familiar. A contribuição financeira atenua a orientação e identidade sexual travesti, como também a inserção no mercado do sexo. Ainda, chama-se atenção para a existência da influência direta e/ ou indireta de familiares na exploração sexual comercial, em alguns casos primos, irmãs e/ou vizinhos levam-as para realizar programas sexuais, inserindo-as no mercado do sexo. Sobre a vida escolar, as travestis juvenis destacaram que estão fora da rede educacional a mais de um ano, apontando para a não frequência escolar a pouca motivação, pois vivenciavam situações de bullying, em função da orientação sexual e da transformação do corpo. Além disso, pela necessidade de exercer alguma atividade de trabalho e/ ou a inserção na exploração sexual comercial, sendo incompatível desenvolver essa atividade e frequentar a escola. A respeito da rede de proteção a criança e ao adolescente e as políticas de enfrentamento a exploração sexual comercial infanto-juvenil na cidade do Rio de Janeiros, as travestis informam que nunca foram atendidas pelo Conselho Tutelar, nem pelas abordagens policiais de combate a comercialização sexual da população infantil, assim como as escolas não notificaram aos órgãos competentes a evasão escolar. Contudo, as travestis juvenis destacam a necessidade de medidas de enfrentamento a exploração sexual comercial infanto-juvenil, ressaltando que não concordam com a esta situação vivenciada por elas, na qual destaca como possíveis medidas de proteção a repressão policial e criação de um espaço para os homossexuais adolescentes. Considerações Finais Este artigo mostrou a vivencia das adolescentes travestis no mercado do sexo, na qual a exploração sexual comercial dessas jovens na cidade do Rio de Janeiro encontra-se de forma organizada, pautada na organização da prostituição de rua de travestis adultas, na qual as jovens adotam a linguagem e as denominações dos territórios, assim como realiza jornada de trabalho regular, programa sexual tabelado e ainda são obrigadas a pagar pelo ponto de prostituição e pelos 7

8 investimentos no corpo, como por exemplo, estimulantes sexuais, silicone, hormônio feminino, entre outros artigos estéticos e/ou farmacêuticos. Os pontos de prostituição e os investimentos no corpo geralmente são cobrados pelos aliciadoresagenciadores. A denominação travinha que é dada para as travestis juvenis, as descaracterizam enquanto adolescentes, tirando o caráter de pessoas em desenvolvimento e sujeitos de direitos, coisificando e rotulando dentro de uma lógica perversa, a lógica do mercado. Além disso, destaca-se a invisibilidade das travestis juvenis na rede proteção a criança e o adolescente, assim como nas políticas de combate a exploração sexual comercia, pois não tiveram passagem por nenhum órgão de proteção, isto é, existindo esquecimento deste grupo, na qual seus direitos não tem sido garantidos. Assim sendo, nota-se a necessidade de prosseguir e ampliar as medidas para enfrentar esta problemática. Acreditando no processo de protagonismo dessas jovens, deve-se assumi-los como principal personagem da sua história, trabalhando e estimulando-os nas suas potencialidades e desejos, com propósito de construir alternativas e formas de enfrentamento, vislumbrando outras formas de trabalho, sobrevivência e diversão, que não seja a exploração sexual. Desse modo, fazer valer as vozes das travestis juvenis, transformando-os em sujeitos de direitos. Para isto, precisa-se compreender que as adolescentes travestis também são violentados sexualmente, para que as incluam na agenda política. Neste sentido, sugere-se que as estratégias de enfrentamento à exploração sexual comercial infanto-juvenil, seja realizada conforme a identidade sexual e de gênero, pois as demandas e a realidade vivenciada no mercado do sexo são distintas, assim como precisa prestar a atenção nas percepções das adolescentes sobre a sua situação. Ademais, propõe-se o atendimento das famílias e das jovens dentro do paradigma de redes que implica na articulação entre os segmentos voltados para o atendimento dessa população, isto é, assistência social, educação, saúde e jurídica, permitindo melhor interação e informação acerca das necessidades apresentadas. Ainda, faz-se necessária uma medida a longo prazo, com propósito de prevenir a inserção de crianças e adolescentes no mercado do sexo. Para isto, a realização de campanhas a fim de mudar a postura e o comportamento da população em relação aos preconceitos e estigmas. Ainda é preciso que a população esteja informada sobre a importância das políticas, dos programas e das leis de proteção à criança e o adolescente. O Estado também deve assumir seu papel de proteção, garantindo condições para a família proteger seus membros criança ou adolescente, gerando emprego e renda, com intuito de enfrentar a 8

9 desigualdade social, como também, escolas públicas de qualidade e com ensino laico para todos, atendimento à saúde amplo e preventivo e que as medidas de proteção sejam efetivas e respeitadas. Assim sendo, com o propósito de proteger a infância e a juventude dos riscos sociais, é fundamental que se dê continuidade aos estudos e ao processo de investigação sobre essa temática. Referências ALVES, Alan de Loiola. Garotos sem programa: estudo sobre exploração sexual comercial de adolescentes do sexo masculino na cidade do Rio de Janeiro. Dissertação (Mestrado em Serviço Social) Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, ARAÚJO, Braz. Congresso Mundial contra a Exploração Sexual de Crianças, 27 a 31 de agosto de 1996 Estocolmo, Suécia Rascunho para discussão 5 de fevereiro de In: Araújo, Braz (coord.) Crianças e adolescentes no Brasil; diagnósticos, políticas e participação da sociedade. Campinas, Fundação Cargil, BENEDETTI, Marcos Renato. Hormonizada! Reflexões sobre o uso de hormônios e tecnologia do gênero entre travestis que se prostituem em Porto Alegre. IN: FREITAS, Karen Bruck, FÁBREGAS-MARTINEZ, Ana Isabel e BENEDETTI, Marcos Rentato. Na Batalha: sexualidade, identidade e poder no universo da prostituição. Porto Alegre: Dacasa: Palmarica, EVANGELISTA, Helio de Araújo. Rio de Janeiro: violência, jogo do bicho e narcotráfico segundo uma interpretação. Rio de Janeiro: Revan, FÁBREGAS-MARTÍNEZ, Ana Isabel. A identidade masculina entre os michês de porto Alegre. IN: FREITAS, Karen Bruck, FÁBREGAS-MARTINEZ, Ana Isabel e BENEDETTI, Marcos Rentato. Na Batalha: sexualidade, identidade e poder no universo da prostituição. Porto Alegre: Dacasa: Palmarica, Traçando a batalha: breve perfil da prostituição em espaços privados de Porto Alegre. IN: FREITAS, Karen Bruck, FÁBREGAS-MARTINEZ, Ana Isabel e BENEDETTI, Marcos Rentato. Na Batalha: sexualidade, identidade e poder no universo da prostituição. Porto Alegre: Dacasa: Palmarica, FALEIROS, Eva T. Silveira. Repensando os conceitos de violência, abuso e exploração sexual de crianças e de adolescentes. Brasília: CECRIA, GUIMARÃES, Carmen Dora. O homossexual visto por entendidos. Rio de Janeiro: Garamond, LEAL e LEAL, Maria de Fátima (Org). Pesquisa sobre tráfico de mulheres, crianças e adolescentes para fins de exploração sexual comercial no Brasil. Relatório Nacional. CECRIA (Centro de Referência, Estudos e Ações sobre Crianças e Adolescentes), LOURO, Guacira Lopes. Pedagogias da sexualidade. IN: LOURO, Guacira Lopes (org). O corpo educado: pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica,

10 PAIVA, Denise Maria Fonseca e PEREIRA, Rosana Sperandio. Exploração, abuso sexual e maus tratos de crianças e adolescentes: análise de uma realidade. In: Braz, Araújo (coord.) Crianças e adolescentes no Brasil; diagnósticos, políticas e participação da sociedade. Campinas, Fundação Cargil, SAFFIOTI, Heleieth I.B.. Contribuições feministas para o estudo da violência de gênero. In: Lebrys, estudos feministas, número 1-2, julho/ dezembro, SILVA, Larissa Pelúcio. Nos nervos, na carne, na pele: uma etnografia sobre prostituição travesti e o modelo preventivo de AIDS. São Carlos: Tese de Doutorado em Ciências Sociais, Universidade Federal de São Carlos, Transvestites Sexually Exploited: Policy Needs Coping Abstract: This article is one of the thematic expressions of social issues present in the Brazilian social reality: the commercial sexual exploitation of teenage transvestites. The commercial sexual exploitation of children and adolescents is sexual violence and as the International Labour Organization (ILO) is one of the basest forms of child labor. This violation of human rights is circumscribed in a profitable activity of the sex trade, consisting of a globalized crime, juvenile being transvestites "prezas" easy for network exploration because the logic intelligible subvert the genre, being victims of transphobia and stigmatized by society. This paper aims to present the experience of adolescents in the sex transvestites in Rio de Janeiro city. Thus, the sexual marketing of transvestites youth in the municipality of Rio de Janeiro is organized, there is a network of bookies-operation with customers and pimps, sex programs are tabulated, there is a regular working day. Moreover, transvestites are not protected by the safety net of the child and adolescent. Therefore, it is necessary to protect teenage transvestites, including the policies for the protection of children and youth. Keywords: Transvestite Juvenile. Commercial Sexual Exploitation. Gender. Violence. 10

TRAVINHA NA QUINTA: A EXPLORAÇÃO SEXUAL COMERCIAL DE ADOLESCENTES TRAVESTIS

TRAVINHA NA QUINTA: A EXPLORAÇÃO SEXUAL COMERCIAL DE ADOLESCENTES TRAVESTIS TRAVINHA NA QUINTA: A EXPLORAÇÃO SEXUAL COMERCIAL DE ADOLESCENTES TRAVESTIS Introdução Alan de Loiola Alves Universidade Nove de Julho alanloiola@yahoo.com.br O fenômeno exploração sexual comercial infanto-juvenil

Leia mais

O TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL NO ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES Alicia Santolini TONON 1 Juliene AGLIO 2

O TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL NO ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES Alicia Santolini TONON 1 Juliene AGLIO 2 1 O TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL NO ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES Alicia Santolini TONON 1 Juliene AGLIO 2 RESUMO: Este artigo apresenta uma reflexão sobre a violência

Leia mais

Exploração Sexual Comercial de Crianças as e Adolescentes

Exploração Sexual Comercial de Crianças as e Adolescentes Exploração Sexual Comercial de Crianças as e Adolescentes Gorete Vasconcelos go_vasconcelos@yahoo.com.br Marcos Históricos e Políticos Código de Menores /1927 Doutrina da Situação Irregular; Declaração

Leia mais

POLÍTICA DE ENFRETAMENTO A EXPLORAÇÃO SEXUAL COMERCIAL INFANTO-JUVENIL NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO.

POLÍTICA DE ENFRETAMENTO A EXPLORAÇÃO SEXUAL COMERCIAL INFANTO-JUVENIL NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. POLÍTICA DE ENFRETAMENTO A EXPLORAÇÃO SEXUAL COMERCIAL INFANTO-JUVENIL NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. Alan de Loiola Alves 1 RESUMO O presente trabalho tem como objetivo apresentar as políticas sociais para

Leia mais

Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes

Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes Mostrando que a proteção de nossas crianças e adolescentes também está em fase de crescimento Subsecretaria de Promoção

Leia mais

Violência contra a Pessoa Idosa. Sandra Regina Gomes Fonoaudióloga e Gerontóloga sandra@longevida.com.br

Violência contra a Pessoa Idosa. Sandra Regina Gomes Fonoaudióloga e Gerontóloga sandra@longevida.com.br Violência contra a Pessoa Idosa Sandra Regina Gomes Fonoaudióloga e Gerontóloga sandra@longevida.com.br Violência contra as pessoas idosas: FOTOGRAFIA: THINKSTOCK problema sério e invisível Síntese de

Leia mais

SUGESTÕES DE COMO ABORDAR NAS EMPRESAS O TEMA DO ENFRENTAMENTO DA EXPLORAÇÃO SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES

SUGESTÕES DE COMO ABORDAR NAS EMPRESAS O TEMA DO ENFRENTAMENTO DA EXPLORAÇÃO SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES SUGESTÕES DE COMO ABORDAR NAS EMPRESAS O TEMA DO ENFRENTAMENTO DA EXPLORAÇÃO SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES PRESIDENTA DA REPÚBLICA Dilma Vana Rousseff MINISTRA DE ESTADO CHEFE DA SECRETARIA DE

Leia mais

VIOLÊNCIA E BULLYING HOMO/TRANSFÓBICA NAS ESCOLAS E NAS AULAS DE EFE: ENTENDENDO PARA PODER MINIMIZAR ESSAS PRÁTICAS.

VIOLÊNCIA E BULLYING HOMO/TRANSFÓBICA NAS ESCOLAS E NAS AULAS DE EFE: ENTENDENDO PARA PODER MINIMIZAR ESSAS PRÁTICAS. VIOLÊNCIA E BULLYING HOMO/TRANSFÓBICA NAS ESCOLAS E NAS AULAS DE EFE: ENTENDENDO PARA PODER MINIMIZAR ESSAS PRÁTICAS. Prof. Me. Leonardo Morjan Britto Peçanha Licenciado e Bacharel em Educação Física (UNISUAM);

Leia mais

ORIENTAÇÕES DE COMUNICAÇÃO SOBRE VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES

ORIENTAÇÕES DE COMUNICAÇÃO SOBRE VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES A proteção e a promoção dos direitos da infância e adolescência também devem ser contempladas na forma como falamos e comunicamos este assunto. Alguns cuidados com a comunicação são fundamentais para proteger

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE

VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE Equipe LENAD: Ronaldo Laranjeira Clarice Sandi Madruga IlanaPinsky Maria Carmen Viana Divulgação: Maio de 2014. 1. Porque esse estudo é relevante? Segundo a Subsecretaria

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

Combate à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes: Um Desafio à Primeira Década do Novo Milênio

Combate à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes: Um Desafio à Primeira Década do Novo Milênio Combate à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes: Um Desafio à Primeira Década do Novo Milênio A exploração é caracterizada pela relação sexual de criança ou adolescente com adultos, mediada por

Leia mais

LEVANTAMENTO SOBRE CRIANÇAS EM SITUAÇÕES DE RISCO NO BRASIL

LEVANTAMENTO SOBRE CRIANÇAS EM SITUAÇÕES DE RISCO NO BRASIL ESTUDO LEVANTAMENTO SOBRE CRIANÇAS EM SITUAÇÕES DE RISCO NO BRASIL Renata Baars Consultora Legislativa da Área XXI Previdência e Direito Previdenciário ESTUDO JULHO/2009 Câmara dos Deputados Praça 3 Poderes

Leia mais

HOMENS QUE SE PROSTITUIEM E AS DIFERENTRES IDENTIDADES

HOMENS QUE SE PROSTITUIEM E AS DIFERENTRES IDENTIDADES HOMENS QUE SE PROSTITUIEM E AS DIFERENTRES IDENTIDADES Introdução Alan de Loiola Alves Universidade Nove de Julho alanloiola@yahoo.com.br Na cidade do Rio Janeiro, assim como em qualquer outro grande metrópole,

Leia mais

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude.

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude. A MULHER NA ATIVIDADE AGRÍCOLA A Constituição Federal brasileira estabelece no caput do art. 5º, I, que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações e reconhece no dispositivo 7º a igualdade de

Leia mais

TRABALHO INFANTIL. CEREST ESTADUAL Márcia Peixoto Lucimeira Costa

TRABALHO INFANTIL. CEREST ESTADUAL Márcia Peixoto Lucimeira Costa TRABALHO INFANTIL CEREST ESTADUAL Márcia Peixoto Lucimeira Costa O que é trabalho infantil? São crianças e adolescentes economicamente ativos, meninos e meninas com idade até 18 anos que contribuam para

Leia mais

AÇÕES DE COMBATE A HOMOFOBIA NAS ESCOLAS DO PÓLO DO CEFAPRO (CENTRO DE FORMAÇÃO E ATUALIZAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO) DE TANGARÁ DA SERRA-MT

AÇÕES DE COMBATE A HOMOFOBIA NAS ESCOLAS DO PÓLO DO CEFAPRO (CENTRO DE FORMAÇÃO E ATUALIZAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO) DE TANGARÁ DA SERRA-MT AÇÕES DE COMBATE A HOMOFOBIA NAS ESCOLAS DO PÓLO DO CEFAPRO (CENTRO DE FORMAÇÃO E ATUALIZAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO) DE TANGARÁ DA SERRA-MT RELATO DE EXPERIÊNCIA Introdução Marcos Serafim Duarte

Leia mais

1.4 Objeto e Metodologia

1.4 Objeto e Metodologia 1.4 Objeto e Metodologia O objeto a pesquisa cujos dados serão apresentados foi definido juntamente com a SAS- Secretaria de Assistência Social de Presidente Prudente em especial com a equipe do CREAS

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES PAIR

PROGRAMA NACIONAL DE ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES PAIR Presidência da República Secretaria de Direitos Humanos Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Departamento de Políticas Temáticas dos Direitos da Criança e do Adolescente

Leia mais

Direitos das Vítimas. Convenção do Conselho da Europa relativa à Luta contra o Tráfico de Seres Humanos

Direitos das Vítimas. Convenção do Conselho da Europa relativa à Luta contra o Tráfico de Seres Humanos Direitos das Vítimas Convenção do Conselho da Europa relativa à Luta contra o Tráfico de Seres Humanos O tráfico de seres humanos viola os direitos e destrói as vidas de inúmeras pessoas na Europa e fora

Leia mais

A invisibilidade do trabalho infanto-juvenil doméstico

A invisibilidade do trabalho infanto-juvenil doméstico PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - PIBIC A invisibilidade do trabalho infanto-juvenil doméstico NOME DA BOLSISTA: Clarice de Sousa Silva ORIENTADOR (A) DO PROJETO: Ana Cristina

Leia mais

elementos para refletirmos a respeito da liberdade do corpo da prostituta na prática da

elementos para refletirmos a respeito da liberdade do corpo da prostituta na prática da PROSTITUIÇÃO E A LIBERDADE DO CORPO 1 Primeiramente quero agradecer o convite e falar que estou encantada de falar deste tema para uma platéia tão especial. Bom, na minha comunicação pretendo levantar

Leia mais

Relatório da Pessoa Idosa

Relatório da Pessoa Idosa Relatório da Pessoa Idosa 2012 O Relatório da Pessoa Idosa 2012, com base nos dados de 2011, se destina à divulgação dos dados de criminalidade contra a pessoa idosa (idade igual ou superior a 60 anos),

Leia mais

TRAFICO DE PESSOAS Subsídios para proposição de ações e políticas de segurança pública

TRAFICO DE PESSOAS Subsídios para proposição de ações e políticas de segurança pública TRAFICO DE PESSOAS Subsídios para proposição de ações e políticas de segurança pública Documento enviado ao Conselho de Segurança do Estado do Pará (Consep) Belém, outubro de 2013. Redação: Jaqueline Almeida

Leia mais

Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes: barreiras ao convívio democrático Josevanda Mendonça Franco Professora-Especialista

Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes: barreiras ao convívio democrático Josevanda Mendonça Franco Professora-Especialista CURSO DE APERFEIÇOAMENTO PARA O PROCESSO SELETIVO E CONSULTIVO PARA DIRETORES ESCOLARES Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes: barreiras ao convívio democrático Josevanda Mendonça Franco Professora-Especialista

Leia mais

PROFISSIONAIS DO SEXO UMA PERSPECTIVA ANTROPOLÓGICA DO ESTIGMA DA PROSTITUIÇÃO. Vanessa Petró* 1. Introdução. Comportamento Desviante e Estigma

PROFISSIONAIS DO SEXO UMA PERSPECTIVA ANTROPOLÓGICA DO ESTIGMA DA PROSTITUIÇÃO. Vanessa Petró* 1. Introdução. Comportamento Desviante e Estigma PROFISSIONAIS DO SEXO UMA PERSPECTIVA ANTROPOLÓGICA DO ESTIGMA DA PROSTITUIÇÃO Vanessa Petró* 1 Introdução O presente artigo tem o intuito de desenvolver algumas idéias acerca de comportamentos desviantes

Leia mais

29 DE JANEIRO DIA NACIONAL DA VISIBILIDADE DE TRAVESTIS E TRANSEXUAIS. Jaqueline Gomes de Jesus* 1

29 DE JANEIRO DIA NACIONAL DA VISIBILIDADE DE TRAVESTIS E TRANSEXUAIS. Jaqueline Gomes de Jesus* 1 29 DE JANEIRO DIA NACIONAL DA VISIBILIDADE DE TRAVESTIS E TRANSEXUAIS Jaqueline Gomes de Jesus* 1 Uma história única cria estereótipos, e o problema com os estereótipos não é que eles sejam mentirosos,

Leia mais

PERSPECTIVAS DE ANÁLISE DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA MULHER: MAPEAMENTO DAS DENÚNCIAS ENTRE OS ANOS DE 2010 E 2011 NA CIDADE DE CAMPINA GRANDE-PB

PERSPECTIVAS DE ANÁLISE DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA MULHER: MAPEAMENTO DAS DENÚNCIAS ENTRE OS ANOS DE 2010 E 2011 NA CIDADE DE CAMPINA GRANDE-PB PERSPECTIVAS DE ANÁLISE DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA MULHER: MAPEAMENTO DAS DENÚNCIAS ENTRE OS ANOS DE 2010 E 2011 NA CIDADE DE CAMPINA GRANDE-PB Autoria: Antonio Pereira Cardoso da Silva Filho Universidade

Leia mais

Artigo 1º - Fica autorizado o Poder Executivo a criar o Programa de Acessibilidade e Segurança da População LGBTT no Estado de São Paulo.

Artigo 1º - Fica autorizado o Poder Executivo a criar o Programa de Acessibilidade e Segurança da População LGBTT no Estado de São Paulo. PROJETO DE LEI Nº 173, DE 2015 Autoriza a criação do Programa Estadual de Acessibilidade e Segurança da População LGBTT no Estado de São Paulo e dá outras providências. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO

Leia mais

Secretaria Nacional de Justiça promove a prevenção ao Tráfico de Pessoas em parceria com ONGs

Secretaria Nacional de Justiça promove a prevenção ao Tráfico de Pessoas em parceria com ONGs Secretaria Nacional de Justiça promove a prevenção ao Tráfico de Pessoas em parceria com ONGs Nos últimos anos conhecemos histórias de vida de algumas mulheres acompanhadas na nossa entidade, que estiveram

Leia mais

Cartilha de Prevenção Orientações para o combate à Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes

Cartilha de Prevenção Orientações para o combate à Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes Art. 5º Nenhuma criança ou adolescente será objeto de qualquer forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão, punido na forma da lei qualquer atentado, por ação ou omissão,

Leia mais

A SituAção da 2015 PAternidAde no Mundo: resumo e recomendações

A SituAção da 2015 PAternidAde no Mundo: resumo e recomendações Situação a 2015 aternidade o Mundo: esumo e ecomendações ais são importantes. As relações pai-filho/a, em todas as comunidades e em todas as fases da vida de uma criança, têm impactos profundos e abrangentes

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL TEORIA MARXISTA NA COMPREENSÃO DA SOCIEDADE CAPITALISTA Disciplina: QUESTÃO E SERVIÇO Professora: Maria da Graça Maurer Gomes Türck Fonte: AS Maria da Graça Türck 1 Que elementos são constitutivos importantes

Leia mais

SEMANA 3 A CONTRIBUIÇAO DOS ESTUDOS DE GÊNERO

SEMANA 3 A CONTRIBUIÇAO DOS ESTUDOS DE GÊNERO SEMANA 3 A CONTRIBUIÇAO DOS ESTUDOS DE GÊNERO Autor (unidade 1 e 2): Prof. Dr. Emerson Izidoro dos Santos Colaboração: Paula Teixeira Araujo, Bernardo Gonzalez Cepeda Alvarez, Lívia Sousa Anjos Objetivos:

Leia mais

Breve Cronologia das Ações

Breve Cronologia das Ações A ECPAT nasce como campanha de mobilização contra o turismo sexual nos países asiáticos e, a partir de 1995, torna-se referência mundial no combate à exploração sexual comercial, à pornografia e ao tráfico

Leia mais

www.senado.leg.br/datasenado

www.senado.leg.br/datasenado www.senado.leg.br/datasenado Lei Maria da Penha completa 9 Promulgada em 2006, a Lei Maria da Penha busca garantir direitos da mulher, além da prevenção e punição de casos de violência doméstica e familiar.

Leia mais

INCLUSÃO SOCIAL E A POLÍTICA PÚBLICA DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS (SCFV).

INCLUSÃO SOCIAL E A POLÍTICA PÚBLICA DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS (SCFV). INCLUSÃO SOCIAL E A POLÍTICA PÚBLICA DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS (SCFV). Maria Mabel Nunes de Morais; Raiany Augusto Carvalho; Samara Pereira de Sousa; Édja Larissa Simão de Lacerda; Maria

Leia mais

Carta Política. Campanha Cidades Seguras para as Mulheres

Carta Política. Campanha Cidades Seguras para as Mulheres Carta Política Campanha Cidades Seguras para as Mulheres Brasil - 2014 Nós, mulheres de diversas localidades e comunidades de Pernambuco, Rio Grande do Norte, Rio de Janeiro e São Paulo, que há muito

Leia mais

1. Garantir a educação de qualidade

1. Garantir a educação de qualidade 1 Histórico O Pacto pela Juventude é uma proposição das organizações da sociedade civil, que compõem o Conselho Nacional de Juventude, para que os governos federal, estaduais e municipais se comprometam

Leia mais

SERVIÇO DE ESCUTA PSICOLÓGICA: UMA ESCUTA PROFUNDA DE CARÁTER EMERGENCIAL

SERVIÇO DE ESCUTA PSICOLÓGICA: UMA ESCUTA PROFUNDA DE CARÁTER EMERGENCIAL SERVIÇO DE ESCUTA PSICOLÓGICA: UMA ESCUTA PROFUNDA DE CARÁTER EMERGENCIAL MORAIS 1, Alexsandra Dias LIMA 2, Aline Cristine da Silva GOMES 3, Inalígia Figueiredo FRANCA 4, Juliana Monteiro da OLIVEIRA 5,

Leia mais

TRABALHO INFANTIL NO PARÁ

TRABALHO INFANTIL NO PARÁ TRABALHO INFANTIL NO PARÁ Maria de Nazaré Sá de Oliveira- Pedagoga Exercendo a presidência do Conselho Estadual dos Direitos da Criança e Adolescente do Pará- representando a sociedade civil. A realidade

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA FEDERAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO 55. Planejamento Estratégico

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA FEDERAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO 55. Planejamento Estratégico PROCURADORIA FEDERAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO 55 Planejamento Estratégico Criança e Adolescente 2010 PROCURADORIA FEDERAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO 56 INTRODUÇÃO Tema: Criança e Adolescente A questão da infância

Leia mais

JOVEM HOMOSSEXUAL substituir por JOVENS GAYS, LÉSBICAS, BISSEXUAIS E TRANSGÊNEROS (GLBT) ou por JUVENTUDE E DIVERSIDADE SEXUAL

JOVEM HOMOSSEXUAL substituir por JOVENS GAYS, LÉSBICAS, BISSEXUAIS E TRANSGÊNEROS (GLBT) ou por JUVENTUDE E DIVERSIDADE SEXUAL JOVEM HOMOSSEXUAL substituir por JOVENS GAYS, LÉSBICAS, BISSEXUAIS E TRANSGÊNEROS (GLBT) ou por JUVENTUDE E DIVERSIDADE SEXUAL OBJETIVOS E METAS 1. Prover apoio psicológico, médico e social ao jovem em

Leia mais

Como proceder à notificação e para onde encaminhá-la?

Como proceder à notificação e para onde encaminhá-la? Se a família não quiser ou não puder assumir a notificação, o educador deverá informar a família que, por força da lei, terá que notificar o fato aos órgãos competentes. Como proceder à notificação e para

Leia mais

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 337 DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM

Leia mais

Palavras-chaves: denuncia, consumo de álcool, consumo de drogas.

Palavras-chaves: denuncia, consumo de álcool, consumo de drogas. VIOLENCIA CONTRA A MULHER E A DEPENDENCIA FINACEIRA. UM ESTUDO DE CASO NO MUNICIPIO DE PITANGA. MARLY APARECIDA MAZUR MACHADO/UNICENTRO E-MAIL: maymazur@outlook.com SIMÃO TERNOSKI (ORIENTADOR)/UNICENTRO

Leia mais

25 de novembro - Dia Internacional de Combate à Violência Contra as Mulheres. Carta de Brasília

25 de novembro - Dia Internacional de Combate à Violência Contra as Mulheres. Carta de Brasília Anexo VI 25 de novembro - Dia Internacional de Combate à Violência Contra as Mulheres Carta de Brasília Na véspera do Dia Internacional de Combate à Violência Contra as Mulheres nós, trabalhadoras dos

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS PAPÉIS E COMPETÊNCIAS O SERVIÇO PSICOSSOCIAL NO CREAS... O atendimento psicossocial no serviço é efetuar e garantir o atendimento especializado (brasil,2006). Os profissionais envolvidos no atendimento

Leia mais

Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas. Núcleo de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas NETP/RS traficodepessoas@ssp.rs.gov.

Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas. Núcleo de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas NETP/RS traficodepessoas@ssp.rs.gov. Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas Núcleo de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas NETP/RS traficodepessoas@ssp.rs.gov.br 51-3288 1936 NETP/RS Secretaria da Segurança Pública do Estado É um dos programas

Leia mais

Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores

Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE POLÍTICAS PARA MULHERES SECRETRIA DE ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores

Leia mais

- Adolescentes desprotegidos

- Adolescentes desprotegidos + Adolescentes estudando - Adolescentes desprotegidos É da Nossa Conta! = [Cartilha Empregador] Promenino Fundação Telefônica Apoio cartilha_empregador_geral_final.indd 1 01/08/14 17:22 A Campanha É da

Leia mais

A LITERATURA ESCOLARIZADA

A LITERATURA ESCOLARIZADA Revista Eletrônica da Faculdade Metodista Granbery http://re.granbery.edu.br - ISSN 1981 0377 Curso de Pedagogia N. 12, JAN/JUN 2012 A LITERATURA ESCOLARIZADA Raylla Portilho Gaspar 1 RESUMO Esse artigo

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Observatório de Violências e Acidentes Observatório de Violações de Direitos de Crianças e Adolescentes Carnaval 2015 Bahia

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Observatório de Violências e Acidentes Observatório de Violações de Direitos de Crianças e Adolescentes Carnaval 2015 Bahia RELATÓRIO CONSOLIDADO 6º DIA DO CARNAVAL 2015 Salvador-BA Revisado 24-02-15 Das 18 horas de 12/02/2015 às 06 horas de 17/02/2015 foram consolidados/analisados pelo Observatório um total de 1126 atendimentos:

Leia mais

MARCHA MUNDIAL DAS MULHERES TERCEIRA AÇÃO INTERNACIONAL

MARCHA MUNDIAL DAS MULHERES TERCEIRA AÇÃO INTERNACIONAL MARCHA MUNDIAL DAS MULHERES TERCEIRA AÇÃO INTERNACIONAL Autonomia econômica das mulheres Autonomia econômica das mulheres se refere à capacidade das mulheres de serem provedoras de seu próprio sustento,

Leia mais

Um mundo melhor começa aqui

Um mundo melhor começa aqui Um mundo melhor começa aqui h, 12 de junho de 2009 O Dia mundial contra o trabalho infantil vai ser celebrado a 12 de Junho de 2009. Este ano, o Dia mundial marca o décimo aniversário da adopção da importante

Leia mais

Notas sobre experiências de Pacificação em favelas do Rio de Janeiro - Brasil.

Notas sobre experiências de Pacificação em favelas do Rio de Janeiro - Brasil. Conferencia Internacional Violencia en Barrios en America Latina Notas sobre experiências de Pacificação em favelas do Rio de Janeiro - Brasil. Lia de Mattos Rocha Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Leia mais

do Idoso Portaria 104/2011

do Idoso Portaria 104/2011 DEVER DE NOTIFICAR- do Idoso Portaria 104/2011 Lei 6.259/75l Lei 10.778/03, ECA, Estatuto n Médicos n Enfermeiros n Odontólogos n Biólogos n Biomédicos n Farmacêuticos n Responsáveis por organizações e

Leia mais

Abuso Sexual Contra Crianças e Adolescentes

Abuso Sexual Contra Crianças e Adolescentes Abuso Sexual Contra Crianças e Adolescentes Direitos Sexuais de Crianças e Adolescentes Direitos sexuais são direitos humanos universais; Baseiam-se no direito à liberdade, à dignidade e à igualdade para

Leia mais

Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem (PNAISH)

Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem (PNAISH) Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem (PNAISH) 15/07/2011 METALÚRGICO, 26 ANOS Não costumo fazer exame porque sinto meu corpo bom, ótimo. Nunca senti uma dor. Senti uma dor uma vez na

Leia mais

Declaração de Estocolmo. Declaração de Estocolmo

Declaração de Estocolmo. Declaração de Estocolmo Declaração de Estocolmo Declaração de Estocolmo Como resultado do Congresso Mundial sobre Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, realizado em Estocolmo, em 1998, foi apresentada uma Declaração e

Leia mais

ENFRENTAMENTO AO TRÁFICO DE PESSOAS: DESAFIO PARA O GOVERNO BRASILEIRO E PARA A EDUCAÇÃO.

ENFRENTAMENTO AO TRÁFICO DE PESSOAS: DESAFIO PARA O GOVERNO BRASILEIRO E PARA A EDUCAÇÃO. ENFRENTAMENTO AO TRÁFICO DE PESSOAS: DESAFIO PARA O GOVERNO BRASILEIRO E PARA A EDUCAÇÃO. Larissa Gabrielle Braga e Silva 1 Orientadora: Profª Maria Helena Morra 2 RESUMO O Brasil é um país de faces contraditórias

Leia mais

A INFLUÊNCIA DE GÊNERO NAS DIFICULDADES DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO

A INFLUÊNCIA DE GÊNERO NAS DIFICULDADES DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO A INFLUÊNCIA DE GÊNERO NAS DIFICULDADES DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO OLIVEIRA, A. A. (UFCG) 1 ARRUDA, S. F. A. (UFCG) 2 INTRODUÇÃO As mulheres pouco a pouco vêm ampliando seu espaço na economia nacional.

Leia mais

Atividades Acadêmico-Científico- -Culturais: Diversidade Cultural. Contextualização. Gênero. Teleaula 2. Letras. Diversidade de Gênero

Atividades Acadêmico-Científico- -Culturais: Diversidade Cultural. Contextualização. Gênero. Teleaula 2. Letras. Diversidade de Gênero Atividades Acadêmico-Científico- -Culturais: Diversidade Cultural Teleaula 2 Diversidade de Gênero Profa. Dra. Marcilene Garcia de Souza tutorialetras@grupouninter.com.br Letras Contextualização Por que

Leia mais

EIXO VI Justiça Social, Educação e Trabalho: Inclusão, Diversidade e Igualdade

EIXO VI Justiça Social, Educação e Trabalho: Inclusão, Diversidade e Igualdade EIXO VI Justiça Social, Educação e Trabalho: Inclusão, Diversidade e Igualdade 251 No contexto de um Sistema Nacional Articulado de Educação e no campo das políticas educacionais, as questões que envolvem

Leia mais

Violência contra as Mulheres em Pernambuco

Violência contra as Mulheres em Pernambuco Violência contra as Mulheres em Pernambuco Recife, 25 de novembro de 2015 FICHA TÉCNICA Coordenação: Equipe do SOS Corpo Instituto Feminista para Democracia Pesquisadora: Ana Paula Melo (pesquisadora convidada)

Leia mais

RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos Atores do Sistema de Garantia de Direitos participantes das Oficinas em São Paulo

RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos Atores do Sistema de Garantia de Direitos participantes das Oficinas em São Paulo RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos Atores do Sistema de Garantia de Direitos participantes das Oficinas em São Paulo APRESENTAÇÃO A SaferNet Brasil é uma associação civil de direito privado, com

Leia mais

II CAPACITAÇÃO DE CONSELHEIROS TUTELARES E DE DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

II CAPACITAÇÃO DE CONSELHEIROS TUTELARES E DE DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE II CAPACITAÇÃO DE CONSELHEIROS TUTELARES E DE DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE SEDESE Belo Horizonte, 25 de Outubro de 2012. ABUSO E EXPLORAÇÃO SEXUAL INFANTO-JUVENIL Maria de Lurdes Rodrigues Santa

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA IDOSOS. Edinilsa Ramos de Souza CLAVES/ENSP/FIOCRUZ

VIOLÊNCIA CONTRA IDOSOS. Edinilsa Ramos de Souza CLAVES/ENSP/FIOCRUZ VIOLÊNCIA CONTRA IDOSOS Edinilsa Ramos de Souza CLAVES/ENSP/FIOCRUZ O que é Violência contra idosos? É um ato (único ou repetido) ou omissão que lhe cause dano ou aflição e que se produz em qualquer relação

Leia mais

Malabaristas Equilibristas infantis lutando por uma vida digna

Malabaristas Equilibristas infantis lutando por uma vida digna Malabaristas Equilibristas infantis lutando por uma vida digna Autor: Alexandre Pontieri (Advogado, Pós-Graduado em Direito Tributário pela UNIFMU-SP, Pós-Graduado em Direito Penal pela ESMP-SP) Publicado

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO Núcleo de Apoio Profissional de Serviço Social e Psicologia Corregedoria Geral da Justiça

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO Núcleo de Apoio Profissional de Serviço Social e Psicologia Corregedoria Geral da Justiça I- A Comissão de Abrigo da Comarca de São Paulo A comissão de abrigo é constituída de assistentes sociais e psicólogos da capital que se reúnem desde 2005 sob a coordenação do Núcleo de Apoio Profissional

Leia mais

Política de Proteção Infantil

Política de Proteção Infantil Política de Proteção Infantil Diga SIM à Proteção Infantil! Como uma organização internacional de desenvolvimento comunitário centrado na criança e no adolescente, cujo trabalho se fundamenta na Convenção

Leia mais

6h diárias - 11 meses

6h diárias - 11 meses 6h diárias - 11 meses PROPOSTA PEDAGÓGICA PROGRAMA DE APRENDIZAGEM EM AUXILIAR DE TELEMARKETING ÍNDICE 1 - Apresentação da Entidade ijovem 3 2 - Justificativa do Programa. 3 3 Público-alvo: 4 4 Objetivo

Leia mais

VIOLÊNCIA E SAÚDE RELATO DE UM EXPERIÊNCIA

VIOLÊNCIA E SAÚDE RELATO DE UM EXPERIÊNCIA A imagem não pode ser exibida. Talvez o computador não tenha memória suficiente para abrir a imagem ou talvez ela esteja corrompida. Reinicie o computador e abra o arquivo novamente. Se ainda assim aparecer

Leia mais

A caminho da igualdade

A caminho da igualdade A caminho da igualdade Estudo mostra que a educação é determinante para reduzir as desigualdades de gênero, em todas as fases de vida das mulheres 50 KPMG Business Magazine Como defender a empresa Os Jogos

Leia mais

SUBCOMISSÃO PERMANENTE DE SEGURANÇA PÚBLICA Comissão de Constituição e Justiça - SENADO FEDERAL PLANO DE TRABALHO

SUBCOMISSÃO PERMANENTE DE SEGURANÇA PÚBLICA Comissão de Constituição e Justiça - SENADO FEDERAL PLANO DE TRABALHO SUBCOMISSÃO PERMANENTE DE SEGURANÇA PÚBLICA Comissão de Constituição e Justiça - SENADO FEDERAL PLANO DE TRABALHO 1. Contextualização e finalidades A violência, a falta de segurança e o medo da criminalidade

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 19/A

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 19/A 9 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 19/A QUESTÃO 16 O Capítulo II das Entidades de Atendimento ao Idoso, da Lei nº 10.741, de 2003, que dispõe sobre o Estatuto do Idoso, coloca no Parágrafo Único

Leia mais

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. O setor privado de ensino sob um perspectiva de gênero.

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. O setor privado de ensino sob um perspectiva de gênero. Pesquisa O setor privado de ensino sob um perspectiva de gênero. Introdução Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e políticas capazes de ampliar a inserção da mulher no mercado de trabalho.

Leia mais

Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação-Porto\Portugal. Uma perspectiva comportamental em Adolescentes Obesos: Brasil x Portugal

Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação-Porto\Portugal. Uma perspectiva comportamental em Adolescentes Obesos: Brasil x Portugal Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação-Porto\Portugal Discente: Genaina Bibiano Vieira Disciplina: Desenvolvimento Humano Uma perspectiva comportamental em Adolescentes Obesos: Brasil x Portugal

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: ESTUDO EXPLORATÓRIO E REFLEXIVO NO CREAS DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP

VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: ESTUDO EXPLORATÓRIO E REFLEXIVO NO CREAS DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 385 VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: ESTUDO EXPLORATÓRIO E REFLEXIVO NO CREAS DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 JOGOS COMPUTACIONAIS E A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: CONTRIBUIÇÕES DAS PESQUISAS E DAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS Regina Célia Grando Universidade São Francisco regina.grando@saofrancisco.edu.br Resumo: No presente

Leia mais

ANEXO 01. CURSO: Tecnólogo em Segurança Pública e Social UFF

ANEXO 01. CURSO: Tecnólogo em Segurança Pública e Social UFF ANEXO 01 CURSO: Tecnólogo em e Social UFF SELEÇÃO DE VAGAS REMANESCENTES DISCIPLINAS / FUNÇÕES - PROGRAMAS / ATIVIDADES - PERFIS DOS CANDIDATOS - NÚMEROS DE VAGAS DISCIPLINA/FUNÇÃO PROGRAMA/ATIVIDADES

Leia mais

A EDUCAÇÃO ESCOLAR: UMA POSSIBILIDADE REAL DE COMBATE AO PRECONCEITO DE IDENTIDADE DE GÊNERO

A EDUCAÇÃO ESCOLAR: UMA POSSIBILIDADE REAL DE COMBATE AO PRECONCEITO DE IDENTIDADE DE GÊNERO A EDUCAÇÃO ESCOLAR: UMA POSSIBILIDADE REAL DE COMBATE AO PRECONCEITO DE IDENTIDADE DE GÊNERO Luciana do Carmo Ferreira UFMS lu_dcf@hotmail.com Drª. Inara Barbosa Leão UFMS inarableao@hotmail.com Lívia

Leia mais

Jorge Abrahão de Castro Diretor da Diretoria de Estudos Sociais Brasília, 20 janeiro de 2010

Jorge Abrahão de Castro Diretor da Diretoria de Estudos Sociais Brasília, 20 janeiro de 2010 Juventude e Políticas Sociais no Brasil Jorge Abrahão de Castro Diretor da Diretoria de Estudos Sociais Brasília, 20 janeiro de 2010 Juventude e suas questões Juventude e População: Brasil 2008: 50,2 milhões

Leia mais

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS MARTA LÚCIA DA SILVA ROSANA CAPPUTI BORGES Educação Infantil: desigualdades de idade e raça, um grande desafio a ser conquistado. São Paulo 2012 EDUCAÇÃO

Leia mais

NAS TENDAS DA SEXUALIDADE E GÊNERO FARIA, Lívia Monique de Castro UFLA GT-23: Gênero, Sexualidade e Educação Agência Financiadora: MEC e DEPEM

NAS TENDAS DA SEXUALIDADE E GÊNERO FARIA, Lívia Monique de Castro UFLA GT-23: Gênero, Sexualidade e Educação Agência Financiadora: MEC e DEPEM 1 NAS TENDAS DA SEXUALIDADE E GÊNERO FARIA, Lívia Monique de Castro UFLA GT-23: Gênero, Sexualidade e Educação Agência Financiadora: MEC e DEPEM Introdução Inserir a temática da sexualidade e gênero nos

Leia mais

Como o Brasil enfrenta a exploração sexualcomercial de crianças e adolescentes

Como o Brasil enfrenta a exploração sexualcomercial de crianças e adolescentes Como o Brasil enfrenta a exploração sexualcomercial de crianças e adolescentes 1. Introdução Fenômeno dos mais graves de nosso tempo, a exploração sexual-comercial de crianças e adolescentes não deve ser

Leia mais

Palavras-chave: adolescente, risco pessoal, prática profissional

Palavras-chave: adolescente, risco pessoal, prática profissional PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL E ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL NA CASA SANTA LUIZA DE MARILLAC. SOMER, Diana Galone (estagio I), e-mail: dianassomer@gmail.com BOMFATI, Adriana (supervisor), e-mail:

Leia mais

EXPLORAÇÃO SEXUAL COMERCIAL

EXPLORAÇÃO SEXUAL COMERCIAL EXPLORAÇÃO SEXUAL COMERCIAL DE CRIANÇAS AS E ADOLESCENTES Margarete S. Marques Psicóloga clínica. Mestre em Psicologia PUC-SP Consultora Childhood Brasil mar-marques@uol.com.br CAMINHO DA CRIANÇA A PARA

Leia mais

A PRÁTICA PROFISSIONAL DO ASSISTENTE NA APAM-ASSOCIAÇÃO DE PROMOÇÃO A MENINA DE PONTA GROSSA.

A PRÁTICA PROFISSIONAL DO ASSISTENTE NA APAM-ASSOCIAÇÃO DE PROMOÇÃO A MENINA DE PONTA GROSSA. A PRÁTICA PROFISSIONAL DO ASSISTENTE NA APAM-ASSOCIAÇÃO DE PROMOÇÃO A MENINA DE PONTA GROSSA. SILVA, Jessica Da¹. NADAL, Isabela Martins². GOMES, R.C. Ana³. RESUMO: O presente trabalho é referente à prática

Leia mais

Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno

Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno A crise de representação e o espaço da mídia na política RESENHA Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno Rogéria Martins Socióloga e Professora do Departamento de Educação/UESC

Leia mais

Morte brasileira: a trajetória de um país

Morte brasileira: a trajetória de um país Retratos da violência Morte brasileira: a trajetória de um país A morte é um grande personagem. De capuz e foice na mão, comove plateias no mundo todo. Mas será esse mesmo o perfil da morte brasileira?

Leia mais

SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV

SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV SOCIOASSISTENCIAL X SOCIOEDUCATIVO SOCIOASSISTENCIAL apoio efetivo prestado a família, através da inclusão em programas de transferência de renda

Leia mais