CAPÍTULO 3 DIREITO DE PROPRIEDADE, EXTERNALIDADES, E PROBLEMAS AMBIENTAIS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CAPÍTULO 3 DIREITO DE PROPRIEDADE, EXTERNALIDADES, E PROBLEMAS AMBIENTAIS"

Transcrição

1 TIETENBERG, T. (1996). Cap. 3 - Prprety rights, externalities, and envirnmental prblems (pp ). 1 Intrduçã CAPÍTULO 3 DIREITO DE PROPRIEDADE, EXTERNALIDADES, E PROBLEMAS AMBIENTAIS Depis de ter estudad s critéris de alcaçã eficiente e sustentabilidade, nvas questões surgem: Quand falhas na eficiência e sustentabilidade crreriam? Prque s indivídus e grups de interesses divergem da sciedade cm um td? Que circunstâncias causam divisões de interesses, e que pde ser feit sbre ist? Para examinar estas questes vams utilizar cnceit cnhecid cm Direit de Prpriedade (D.P.) Neste capítul este cnceit será explrad e discutid s seguintes pnts: Cm DP pde ser usad para entender pr que bem ambiental é subvalrizad pr ambs, mercad e a plítica gvernamental; cm gvern e mercad pdem, em certas casiões, usar cnheciment sbre DP e seus efeits ns incentivs para rquestrar uma abrdagem crdenada para reslver estas dificuldades. Direit de Prpriedade e Alcações Eficientes de Mercad: Cnceit: Em ecnmia, direit de prpriedade refere-se a cnjunt de títuls que gvernam direit d prprietári, privilégis, e limitações quant a us ds recurss. Os direits de prpriedade sã adquirids pels indivídus, cm n cas da ecnmia capitalista, u pel estad, cm n cas da ecnmia scialista de planejament centralizad. Implicações para us ds recurss: O direit de prpriedade determina a maneira cm prdutres e cnsumidres usam estes recurss ambientais. Através d exame ds títuls e cm eles afetam cmprtament human, DP permite um melhr entendiment de cm s prblemas ambientais surgem cm resultad das alcações d gvern e d mercad. A frma cm s direits de prpriedade é alcada tem um grande impact na frma cm as externalidades sã tratadas pela plítica pública. Estrutura de Direit de Prpriedade Eficiente A estrutura de DP que pde prduzir alcações eficientes em uma ecnmia de mercad tem quatr características: Universalidade: Tds s recurss sã de prpriedade privada, e tds s títuls sã cmpletamente especificads. Exclusividade: Tds s benefícis e custs gerads pela prpriedade e us ds recurss pertencem a prprietári, e smente prprietári, direta u indiretamente, pde vendê-ls a terceirs. Transferibilidade: Tds s DPs pdem ser transferids de um prprietári para utr mediante trca vluntária. Legitimidade: Os DPs devem ser prtegids d cnfisc invluntári u aprpriaçã pr terceirs. Os princípis básics cm que direit de prpriedade cnduz a uma alcaçã ds recurss de frma eficiente sã: Princípi d us eficiente: O prprietári de um recurs cm DP bem-definid (exibind estas quatr características) tem um incentiv frte de usar recurs eficientemente prque a reduçã n valr daquele recurs representa um prejuíz

2 TIETENBERG, T. (1996). Cap. 3 - Prprety rights, externalities, and envirnmental prblems (pp ). 2 pessal. Pr exempl: O prdutr que é prprietári de terras tem incentiv para usar fertilizante e irrigaçã pr que aument de prduçã eleva seu nível de renda. Princípi da transaçã eficiente: Quand s DPs bem-definids sã trcads, cm na ecnmia de mercad, a trca favrece a eficiência. Pr exempl: Prque vendedr tem direit para pribir cnsum d prdut na ausência de pagament, cria a brigatriedade d pagament pr parte d cnsumidr para que pssa receber prdut. Dad preç de mercad, cnsumidr decide quant cmprar pr mei da esclha da quantidade que maximize seu benefíci líquid. Análise Gráfica da Alcaçã Eficiente em um Mercad Cmpetitiv Benefici liquid d cnsumidr: é estimada pela área abaix da curva de demanda mens a área crrespndente as custs. Cust d cnsumidr: crrespnde à área abaix da linha de preç, já que representa despesas na aquisiçã d bem. Pnt para maximizar benefici liquid d cnsumidr: Dad preç P*, a quantidade Qd unidades. Excedente d cnsumidr: A área abaix da curva de demanda e acima d preç, limitada a esquerda pel eix vertical e a direita pela quantidade d bem send cnsiderad. Pnt para maximizar benefici liquid d prdutr: Dad preç P*, pela decisã de vender Qs unidades. Excedente d prdutr: O benefíci líquid recebid (Área B) pel vendedr. Crrespnde à área abaix da linha de preç e acima da curva de cust marginal, limitada a esquerda pel eix vertical e a direita pela quantidade d bem send cnsiderad. Ajuste dinâmic: O nível de preç encarad pel prdutr e cnsumidr será ajustad até que a ferta seja igual a demanda. Dad preç, cnsumidres maximizam seu excedente, prdutres maximizam seu excedente, e mercad entra em equilíbri.

3 TIETENBERG, T. (1996). Cap. 3 - Prprety rights, externalities, and envirnmental prblems (pp ). 3 Pr que esta alcaca é eficiente? A alcaçã eficiente, denminada de Eficiência Estática, que crre n pnt de equilíbri, faz benefíci líquid ser maximizad pela alcaçã de mercad que é igual à sma d excedente d prdutr e cnsumidr. O sistema de preçs induz as partes (agentes ecnômics), agind em interesse própri, a tmarem decisões que sejam eficientes d pnt de vista da sciedade cm um td. Ist significa que sistema de preçs canaliza a energia mtivada pel interesse própri n sentid de decisões scialmente eficientes e prdutivas. Excedente d Prdutr, Remuneraçã de Escassez, e Equilíbri Cmpetitiv de Lng Praz Excedente d Prdutr (EP): Já que a área sb a linha de preç é a receita ttal, e a área sb a curva de cust marginal é cust variável ttal, excedente d prdutr esta relacinad cm lucr. N curt praz, bserva-se tant custs fixs quant variáveis, prtant EP é a sma d lucr mais cust fix (send EP = RT CV e Lucr = RT CV CF, entã RT CV = Lucr + CF u EP = Lucr + CF). N lng praz, existe cmente cust variável, prtant EP = Lucr + RFT (RFT = Remuneraçã d Fatres de Prduçã). Remuneraçã ds fatres de prduçã é retrn as fatres escasss pssuíds pel prdutr. Pr exempl, na cmpetiçã perfeita de lng praz crre acess livre de nvas firmas na indústria (entrada livre de nvas firmas n mercad), prém s lucrs sã btids sem aumentar s preçs de cmpra ds insums, ist é, lucr de lng praz é zer, fazend a EP igual à remuneraçã ds fatres. Remuneraçã de Escassez (RE) é uma remuneraçã equivalente a excedente d prdutr que persiste n equilíbri cmpetitiv de lng praz. Esta remuneraçã de escassez surge da alcaçã de recurss exauríveis, quand cust marginal de us é psitiv, e que excede cust de extraçã d recurs. Em terms de mensuraçã, a remuneraçã escassa (RE) é a área sb a linha de preç e acima d cust marginal de extraçã.

4 TIETENBERG, T. (1996). Cap. 3 - Prprety rights, externalities, and envirnmental prblems (pp ). 4 Cust marginal de extraçã (CME) é cust incrrid na extraçã de uma unidade d recurs, prtant, de fat é uma despesa direta, u seja, cnsme recurss. Cust marginal de us (CMU) é cnsiderad cm parte d excedente d prdutr prque cust marginal de us é um cust de prtunidade, u seja, um cust que pderia ser pag na frma de lucrs u benefíci líquid que se deixaria de ganhar cas prprietári d recurs esclhesse nã extrair a última unidade. Quand a alcaçã de máxim lucr é esclhida, este cust nã acntece de fat (cust que nã fi desemblsad), e, prtant, prprietári d recurs se aprpria cm remuneraçã escassa. Esta fnte de excedente d prdutr nã é eliminada pela cmpetiçã; prtant, mesm quand temp é uma imprtante cnsideraçã na presença de um DP bemdefinid, a alcaçã de mercad e a alcaçã eficiente cincidem. Categrias e Regimes de Direit de Prpriedade: Categrias de Direit de Prpriedade: Acess: direits de prpriedade para desfrutar s benefícis da prpriedade. Os usuáris autrizads têm direits de acess, tais cm permissões para s pescadres caminharem nas vias de uma fazenda de carcinicultura. Extraçã: Direit para extrair u remver algum u tds s prduts da prpriedade. Os usuáris autrizads têm direits de acess e extraçã, tais cm aqueles cm licenças de pesca válids. Gerenciament: Direit para regular us (acess, extraçã) e melhraments. Os atres sciais tais cm agricultres que participam d gerenciament ds sistemas de irrigaçã pública mantém esses direits. Exclusã: Direit para excluir utrs de ter acess, extraçã e gerenciament. Os prprietáris que cletivamente gvernam a prpriedade-cmum (ex: piscina de cndmíni) mantém direits de exclusã. Alienaçã: Direits para vender (alienar) prpriedade para utra pessa. Os prprietáris de carrs têm direit de vender seus carrs para utra pessa. Direits de usufrut: sã direits de extraçã que pde estar assciad à terra u pdem cbrir direits estabelecids em acrds. O Estad pde ser prprietári na capacidade legal pública. Regimes Direit de Prpriedade: A questã de quem mantém direit de prpriedade determina cm a lei e a plítica pública tratam as externalidades.

5 TIETENBERG, T. (1996). Cap. 3 - Prprety rights, externalities, and envirnmental prblems (pp ). 5 Prpriedade-privada: Quand s individus u empresas tem direit de usar, reter e dispr (transacinar) recurs, pribind seu us pr terceirs. Prpriedade privada nã é a única frma pssível de definir títuls para us de recurss. Prpriedade-estad: Quand gvern pssui e cntrla a prpriedade. Este regime existe nã smente ns antigs países cmunistas, mas também, em diferentes graus, em tds s países d mund. Pr exempl, s parques e flrestas sã pssuíds e administrads pel gvern em nações capitalistas e scialistas. Prblemas cm eficiência e sustentabilidade pdem aparecer quand s incentivs ds burcratas que implementam e/u fazem as regras para us ds recurss divergem ds interesses da cletividade. Prpriedade-cmum: Quand a prpriedade é pssuída e administrada cnjuntamente pr cert grup de pessas. Os títuls para us ds recurss de prpriedade-cmum pdem ser frmais, prtegids pr regras legais especificas, u pdem ser infrmais, prtegidas pr tradiçã u cstume. Estes regimes exibem váris graus de eficiência e sustentabilidade, dependend das regras que emergem da tmada de decisã cletiva. Pr exempl: na Suíça, sistema de alcaçã de pastagem para limitar númer de animais pr área; n Sri Lanka, sistema de rtaçã d direit de pesca a fim de assegurar acess just as melhres lcais e temp enquant prtege estque de peixes. Res nullius: Quand ninguém pssui u exerce cntrle sbre s recurss. O principal element deste regime se baseia n princípi de que primeir que chega é quem se serve primeir, uma vez que nenhum indivídu u grup tem pder legal para restringir acess. Recurss de livre-acess têm criad aquil que é chamad ppularmente de "tragédia ds cmuns". Pr exempl: a caça de búfal ns E.U.; a captura de avantes n Nrdeste d Brasil. Exempl de Direit de Prpriedade Imprpriamente Definida: Caça a Búfal American Curva de prdut médi: a curva de prdut médi (PMe = Q/E) tem declividade negativa, prtant quant mair a quantidade de esfrç de caça despendid, menr tamanh da ppulaçã. Ist implica que as ppulações menres suprtam menr númer de abates pr unidade de esfrç. Valr prdut médi da caça: VPMe = P. PMe = P. Q / E P = preç d búfal (cnstante) Q = quantidade abatida. P. Q = receita da caça E = númer de unidades de esfrç de caça Q*: Nível eficiente de caça que crrespnde a nível em que a curva d prdut marginal (u benefíci marginal) crta a curva de cust marginal. Neste pnt, benefíci liquid é maximizad. Esta alcaçã prduzirá à sciedade uma remuneraçã escassa crrespndente à área ABDC. Qm: Alcaçã de livre-acess a búfal (ineficiente). Nesta cndiçã, s caçadres nã têm direits de exclusividade levand-s a explrar recurs até pnt em que seu benefíci médi iguala a cust médi. Nenhum caçadr teria incentiv para prteger a remuneraçã escassa através da restriçã a esfrç de caça s caçadres nã se aprpriariam da remuneraçã de escassez.

6 TIETENBERG, T. (1996). Cap. 3 - Prprety rights, externalities, and envirnmental prblems (pp ). 6 Características da frmulaçã da alcaçã de livre-acess: (1) Na presença de uma demanda suficiente, acess irrestrit causará a sbre explraçã ds recurss; (2) A remuneraçã escassa é dissipada; ninguém se aprpria da remuneraçã, que é perdida. CM: Cust marginal de caça cnstante (esfrç marginal de caça); CMe: Cust médi de caça cnstante (esfrç médi de caça); CM = CMe PMa: Prdutividade marginal de caça; PMe: Prdutividade média de caça; Externalidade cm Fnte de Falha de Mercad: bjetiv desta seçã é avaliar as externalidades psitivas e negativas n cntext de um mercad de cmpetiçã perfeita e identificar ineficiências causadas pelas externalidades e as intervenções plíticas pssíveis. Cnceit de Externalidade: A externalidade surge da vilaçã da característica de exclusividade, u seja, quand um agente nã tma decisões para assumir tdas as cnseqüências de suas ações. Uma externalidade existe em qualquer situaçã em que algum agente, seja uma firma u pessa, depende diretamente de sua atividade e também das atividades sb cntrle de utrs agentes. Tips de Externalidades: Desecnmia externa: Circunstância na qual a parte afetada é prejudicada pela externalidade (efeits externs negativs). Pr exempl: a pluiçã da água representa uma desecnmia externa. Um cust nã-cmpensad surgid entre s membrs da sciedade (u s aspects d mund natural que prezam) resultante de subprduts da trca ecnômica, tais cm as transações de mercad. Prque devems ns imprtar cm a cndiçã de eficiência alcativa num mercad cmpetitiv perfeit quand existe externalidade presente? Prque num mercad cmpetitiv nã-regulad, s custs externs nã sã cmputads (internalizads) na curva de cust marginal da firma, que significa que a decisã de ferta da firma ignra s custs externs. Cm cnseqüência, quand a prduçã de um bem u serviç gera significativa externalidade negativa, as firmas maximizadras de lucr em um mercad cmpetitiv irã fertar quantidades elevadas daquele bem u serviç, s cnsumidres pagarã um preç subsidiad e cnsumirã muit deste bem. Exempl:

7 TIETENBERG, T. (1996). Cap. 3 - Prprety rights, externalities, and envirnmental prblems (pp ). 7 Duas firmas lcalizadas num ri: Firma 1 - Usina de ferr; Firma 2 Htel. O Cnflit se caracteriza pel us ineficiente da água, de frma que a Firma 1 usa ri cm cletr de dejets enquant a Firma 2 usa ri para atividades de recreaçã (balneári). Implicações: (i) Prque a indústria de ferr nã paga s custs pela reduçã de negócis d htel resultante ds resídus jgads n ri, é puc prvável que se sensibilize pels custs de suas decisões; e (ii) O aument de resídus n ri impõe um cust extern a htel, um cust que a indústria de ferr pderia cnsiderar e que levaria a um declíni da quantidade de resídus despejads. Definiçã das variáveis: D: A curva de demanda pr ferr; CMp: O cust marginal privad da prduçã de ferr (excet cntrle de pluiçã e dans); CMs: A funçã cust marginal scial (incluind cust da pluiçã e cust de prduçã de ferr). Qm: Prduçã de ferr (sem cntrle de emissã de pluente) para maximizar excedente d cnsumidr privad. Q*: Prduçã de ferr que maximiza benefíci líquid (alcaçã eficiente). Cnclusões sbre a alcaçã de mercad de bens que causam externalidades de pluiçã: 1. A prduçã d bem é muit grande.

8 TIETENBERG, T. (1996). Cap. 3 - Prprety rights, externalities, and envirnmental prblems (pp ) A pluiçã prduzida é alta. 3. Os preçs ds prduts respnsáveis pela pluiçã sã muit baixs. 4. Uma vez que s custs sã externs, nenhum incentiv na busca de frmas de prduçã que levem a um menr nível de pluiçã pr unidade d prdut sã intrduzidas n mercad. 5. Reciclagem e reus das substâncias pluentes sã desencrajadas já que sua liberaçã n ambiente é ineficientemente de baix cust. Cnclusã: Efeit das imperfeições de mercad de um bem termina afetand a demanda de matéria-prima, trabalh etc. Os efeits finais sã sentids na ecnmia cm um td. Ecnmia externa: Circunstância na qual a parte afetada é beneficiada pela externalidade (efeits externs psitivs). Pr exempl: a paisagem, espaç abert, habitat silvestre, benefícis da bacia hidrgráfica devid à pastagem prvida. Um benefíci nãpag as utrs membrs da sciedade gerada cm um efeit clateral u cnseqüência de uma trca ecnômica, tais cm entre um cmpradr e um vendedr. Pr exempl, indivídus que cmpram uma área de paisagem criam uma ecnmia externa para tds que passam. Prque ist se cnstitui num prblema? O nã pagament pr benefícis é uma cisa maravilhsa. Prtant, nã pagar pela externalidade psitiva nã é prblema. O prblema é que mercad nã alcará s recurss suficientes de bens (terra em paisagem) se smente s benefícis ds fazendeirs sã refletids na dispsiçã-a-pagar pela terra em paisagem. Prtant, muita terra agrícla será alcada para mradia e desenvlviment cmercial a invés de manter as terras cm paisagens sb a alcaçã de mercad, uma vez que s benefícis externs nã sã internalizads na curva de demanda de mercad. Prtant, geralmente, quand ecnmias externas estã presentes, haverá escassez de ferta destes recurss n mercad. Pssível intervençã gvernamental que pderia ajudar a garantir a quantidade ótima scial de paisagem num prcess de mercad: prver subsídis àqueles que prvêm externalidades psitivas à sciedade; financiament públic para aquisiçã de infra-estrutura de cnservaçã; atribuir direit de prpriedade as residentes da vizinhança assegurand-lhes s benefícis externs prvids pels bens ambientais. Ist significaria que s prprietáris nã teriam direit plen (ilimitad) de desenvlver suas terras. Externalidades pecuniárias: Externalidades pecuniárias aparecem quand efeit extern é transmitid através de alts preçs. Pr exempl, quand uma firma se mve para determinada área e faz cm que a remuneraçã da terra se eleve. Este aument cria um efeit negativ para aqueles que pagam alugueis, prtant, é uma desecnmia externa. A desecnmia pecuniária, prem, nã causa uma falha de mercad prque s alts aluguéis resultantes estã refletind a escassez da terra.

9 TIETENBERG, T. (1996). Cap. 3 - Prprety rights, externalities, and envirnmental prblems (pp ). 9 Terias das Intervenções Plíticas de Aument de Eficiência Taxa Piguviana (denminada em hmenagem a ecnmista inglês A.C. Pigu): Taxa pr unidade de prdut (p.e., eletricidade) igual a cust marginal extern, cm receitas de taxaçã send usadas para cmpensar aqueles prejudicads pels dans ambientais. O que acntece se a taxa piguviana fr menr d que cust pr unidade de reduçã da emissã? Para uma taxa piguviana reslver cmpletamente a ineficiência devida às externalidades negativas, a seguinte situaçã deve ser garantida: habilidade para cmputar a medida de cust marginal extern; habilidade d sistema plític de prduzir uma plítica ambiental eficiente; habilidade para mnitrar emissões, cbrar a taxa aprpriada e fiscalizar sistema. Bens Públics cm Fnte de Falha de Mercad Bens públics sã bens que exibem ambs, cnsum indivisível e de nã-exclusã. A nã-exclusividade refere-se às circunstâncias nde, uma vez tend recurs sid prvid, mesm para aqueles que deixem de pagar pr eles, nã pdem ser excluíds de desfrutar ds benefícis ferecids pel recurs. A indivisibilidade crre quand cnsum individual nã diminui a quantidade fertada para utrs. Pr exempl: muits ds recurss ambientais sã bens públics, tais cm "bela paisagem", ar pur, água limpa, e a diversidade bilógica. Exempl de Falha de Mercad Originada ds Bens Públics: Analise Ecnômica da Diversidade Bilógica: A diversidade bilógica está relacinada cm a quantidade de variabilidade genética entre indivídus dentr de cada espécie e númer de espécies dentr de uma cmunidade de rganisms. A diversidade bilógica é imprtante para a sciedade pr gerar nvas fntes de aliment, energia, substâncias químicas industriais, matérias-primas, e medicaments. Prém, a tendência é de diminuiçã da diversidade bilógica. Em 1990, de 3 a 30 milhões de espécies existentes atualmente, aprximadamente 12% das espécies de mamífers e 11% das espécies de pássars fram classificads cm ameaçadas. Algumas questões sã pstas em discussã. Pde-se cnfiar n setr privad para prduzir a quantidade eficiente de bens públics cm a diversidade bilógica? Infelizmente a respsta é nã! Cm alternativa de sluçã, pde-se prpr a cleta de cntribuições para preservar as espécies em extinçã. Se assim fsse feit, a receita seria suficiente para pagar pr um nível eficiente de diversidade eclógica? Em geral a respsta é nã. Prque? Para respnder a essas questões, vams cnsiderar duas curvas de demanda que representam as preferências de dis cnsumidres, A e B. Prque a pessa A valriza mais a diversidade, sua curva de demanda sempre se situa acima da curva de demanda da pessa B. A demanda de mercad é smatóri vertical das curvas de demanda individual. A sma vertical é necessária prque tds pdem cnsumir simultaneamente a mesma quantidade de diversidade eclógica. A curva de cust marginal (CM) é cust de prver serviçs ambientais, cnsiderada aqui cm cnstante. O nível eficiente de diversidade (Q*) é a alcaçã que maximiza benefíci líquid, u seja, é a alcaçã nde a curva de demanda cruza a curva de cust marginal. O benefíci líquid é representad gemetricamente pela prçã da área sb a curva de demanda de mercad a qual se lcaliza acima da curva de cust

10 TIETENBERG, T. (1996). Cap. 3 - Prprety rights, externalities, and envirnmental prblems (pp ). 10 marginal. Desta frma, haveria receita suficiente prveniente de cntribuições para fertar nível eficiente de diversidade? Nã. Para entender que acntece, bserve a esta seqüência de events: A pessa B vai a caixa de cleta primeir e bserva que nada havia nela. Prtant, B decide cntribuir. Quant? Ele cntribui até que seu benefíci líquid seja maximizad, em qb. A seguir, a pessa A vai a caixa e bserva que B já cmpru qb. Quant A vai cmprar? A respsta é (qa qb), prque este nível maximiza seu benefíci líquid, dad que qb já fi cmprad. A cleta ttal é suficiente para cbrir s custs de qa unidades de diversidade. Prtant, a prduçã nã é eficiente. Cm se explica a ineficiência resultante? A ineficiência resulta prque cada pessa é capaz de se transfrmar em free rider (carneir, aprveitadr, prtunista) sbre a cntribuiçã de utras pessas. Quand ist acntece, há a tendência para diminuir incentiv de cntribuir, e a arrecadaçã nã é suficiente para financiar a quantidade eficiente d bem públic; ele será sub-fertad. Entretant, a ferta privada nã será zer. Alguma diversidade será fertada privativamente. Em que cnsiste a cmplexidade d prblema ds bens públics? O equilíbri eficiente de mercad requer preçs diferenciads para cada cnsumidr. Se fsse cbrad Pa d cnsumidr A e Pb d cnsumidr B, ambs estariam satisfeits cm a alcaçã eficiente (a alcaçã eficiente teria maximizad seu benefíci líquid dad s preçs). A receita arrecadada seria suficiente para financiar a ferta de bens públics: Pb. Q* + Pa. Q* = CM. Q* Cnclui-se, prtant, que um sistema de preçs eficiente existe, mas é muit difícil executá-l. O sistema eficiente de preçs requer cbrar um preç diferenciad para cada cnsumidr, e, na ausência de exclusã, cnsumidres pdem nã revelarem a magnitude de sua preferência pel bem. Prtant, prdutr nã pde saber que preç cbrar. Estrutura de Mercads Imperfeits Os prblemas ambientais também crrem quand um ds participantes numa trca de DP exerce uma frça desigual na determinaçã ds resultads. Ist crre em uma estrutura de mercad imperfeit, pr exempl, Mnpóli. Mnpóli existe quand um prdut é vendid pr um únic vendedr. A alcaçã de recurss em uma estrutura de mnpóli nã resulta em eficiência estática.

11 TIETENBERG, T. (1996). Cap. 3 - Prprety rights, externalities, and envirnmental prblems (pp ). 11 N gráfic, nde é representada a alcaçã d mercad mnplista, uma alcaçã eficiente crrespnde a nível B que resultará n benefíci líquid equivalente à área delimitada pr HIC. A alcaçã d mnplista, mnpóli prduziria e venderia 0A, nde a receita marginal iguala a cust marginal, e preç cbrad seria 0F. O excedente d prdutr é maximizad, mas é ineficiente prque esta esclha faz cm que a sciedade perca benefíci líquid igual a EDC. Um Cartel, que é resultante da calizã entre prdutres para restringir prduçã e aumentar preçs, também resulta em alcaçã ineficiente ds recurss. Pr exempl, s principais países exprtadres de petróle. Divergência entre Taxa de Descnt Scial e Privada Cndiçã para maximizar excedente d prdutr e valr presente líquid: As cndições "perfeitas" implicam em: ausência de externalidades; crreta definiçã de DPs; existência de mercads cmpetitivs (dentr d qual DP pde ser trcad); alcaçã eficientemente ds recurss; e taxa de descnt futura d benefíci líquid que seja de acrd cm as aspirações da sciedade cm um td. Taxa de descnt aplicad pelas firmas e us ds recurss: Taxa de descnt elevada, eles extrairiam e venderiam s recurss mais rápid d que seria eficiente, enquant que uma taxa abaix d que a taxa de descnt aprpriada, eles seriam excessivamente cnservadres. Pr que a taxa de descnt scial e privada diferem? A taxa de descnt scial é igual a cust de prtunidade scial d capital. O cust d capital pde ser classificad em dis tips: cust d capital livre-de-risc, a taxa de retrn d capital btid quand nã há risc nenhum de se bter mais u mens retrn esperad; cust d capital cm prêmi-de-risc, um cust adicinal requerid para cmpensar s prprietáris d capital quand retrn esperad e atual (de fat) pde diferir. Pr causa d prêmi-derisc, cust de capital é mair nas indústrias de risc d que nas indústrias sem risc. A diferença entre as taxas de descnt privad e scial pde surgir da diferença ns prêmis de risc scial e privad. Se s riscs de certas decisões privadas sã diferentes ds riscs encarads pela sciedade cm um td, entã s prêmis scial e privad pdem diferir. Pr exempl, se uma firma está recesa de que seus bens vã ser cnfiscads pel gvern, a firma pde esclher uma taxa de descnt mair para s lucrs antes que a nacinalizaçã crra. D pnt de vista da sciedade representada pel gvern ist nã é um risc e, prtant, uma menr taxa de descnt é

12 TIETENBERG, T. (1996). Cap. 3 - Prprety rights, externalities, and envirnmental prblems (pp ). 12 aprpriada. Quand estas circunstâncias aparecem, as decisões de mercad nã sã eficientes. Falha Gvernamental Intrduçã: Alguns prblemas ambientais têm surgid pr falha da plítica a invés das instituições ecnômicas. Os grups de interesses especiais (específics) usam prcess plític para engajar n que ficu cnhecid cm caça pr remuneraçã. Caça pr remuneraçã cnsiste d us ds recurss em lbbying e utras atividades cm bjetiv de assegurar a ediçã de legislações de prteçã. Pr que, entã, s perdedres nã se rganizam para prteger seus interesses? Uma das principais razões dist é a ignrância d eleitr. É ecnmicamente racinal para eleitr permanecer ignrante em muitas questões simplesmente pr causa d alt cust de manter-se infrmad e a baixa prbabilidade que um únic vt ( seu) será decisiv. Além d mais, é difícil para grups difuss de indivídus, nde cada pessa é afetada apenas ligeiramente, rganizar uma psiçã cerente e unificada. Uma psiçã de sucess é, em cert sentid, um bem públic cm a tendência de se aprveitarem da psiçã de utrs. Frmas de caça pr remuneraçã: Os prdutres pdem prcurar prteçã quant às pressões de prduts trazids pela imprtaçã u pela prcura de preçs mínims para manter s preçs acima ds níveis eficientes. Os cnsumidres pdem prcurar preçs máxims u subsídis especiais para transferir parte de seus custs as cntribuintes cm um td. Qualquer que seja a sua frma, a existência de caçadres de remuneraçã cria um desafi diret pela pressupsiçã de que uma intervençã direta d gvern autmaticamente leva a uma mair eficiência. Natureza d prblema: Estes cass ilustram uma premissa ecnômica de que s prblemas ambientais surgem pr causa da divergência entre s bjetivs ds indivídus e da cletividade. Este é um mecanism de explicaçã frte prque nã só sugere prque s prblemas surgem, mas cm eles pdem ser reslvids através d "realinhament" ds incentivs individuais para trná-ls cmpatíveis cm s bjetivs cletivs. Embra esta abrdagem seja evidente, ela gera cntrvérsias. A cntrvérsia envlve se prblema sã s valres individuais u a traduçã imprópria destes valres em açã. Os ecnmistas sempre têm evitad discutir se s valres ds cnsumidres sã distrcids, já que tal supsiçã levaria à necessidade de detectar "crret" cnjunt de valres. Ambs, capitalism e a demcracia sã baseads na pressupsiçã de que a mairia sabe que está fazend, sejam angariand vts para s candidats u vts em dinheir para s bens e serviçs. A Busca da Eficiência Fi vist que s prblemas ambientais surgem quand s DPs sã definids imprpriamente, quand esses direits sã trcads sb cndições utras que nã as cndições cmpetitivas, e quand as taxas de descnt scial e privada divergem. Agra, pde-se usar a definiçã de eficiência para explrar as pssíveis sluções, tais

13 TIETENBERG, T. (1996). Cap. 3 - Prprety rights, externalities, and envirnmental prblems (pp ). 13 cm as negciações privadas, as sluções judiciais, e a regulamentaçã através das instituições gvernamentais, legislativ e executiv. Sluções Privadas através de Negciaçã: A frma mais simples de restaurar a eficiência crre quand númer das partes afetadas é pequen, que faz a negciaçã pssível. Supnha, pr exempl, barulh de um sistema de sm stere perturband a tranqüilidade da nite. Esta situaçã é um prblema ambiental prque dn d sm nã suprta exclusivamente s custs de suas ações. Pr causa da externalidade, uma ineficiência crre. qm: Nível de decibéis quand prprietári d sm nã cnsidera bemestar da vizinhança; q*: Nível eficiente de barulh qual maximiza benefíci líquid. Cm nível de eficiência pde ser restaurad numa relaçã de nã-mercad? A primeira pssibilidade é a negciaçã individual. O vizinh pderia efetuar uma trca cm dn d stere, dinheir pr reduçã d barulh. Supnha, pr exempl, que vizinh ferecesse um pagament de P* pr cada decibel reduzid. O dn d sm estaria dispst a reduzir a nível q* decibeis pr causa da vantagem btida. O dn d sm perde benefici crrespndente a Cqmq*, mas ganha a receita igual a retângul CBqmq*, que é mair. Pr utr lad, vizinh está também em melhr situaçã d que antes. Embra ele tenha pagad a dn d stere (CBqmq*), vizinh nã precisa suprtar cust d sm alt (ACq*qm), que é mair. Nte que em equilíbri nã cmpensa ferecer um pagament mair u menr que P* pr que tal pagament iria prduzir muit u puca reduçã n nível de barulh. Pagaments (u subrns) nã é a única frma que as vítimas têm à sua dispsiçã para reduzir pluiçã. Quand as vítimas também cnsmem s prduts prduzids pels pluidres, bicte pr parte ds cnsumidres é pssível. Quand as vítimas sã empregadas pr prdutres, greves u utras frmas de resistência a trabalh sã pssíveis ("pass de tartaruga"). A discussã sbre a negciaçã ds indivídus levanta duas questões: (1) Deve DP sempre pertencer à pessa que a ganhu u se apderu dela primeir?

14 TIETENBERG, T. (1996). Cap. 3 - Prprety rights, externalities, and envirnmental prblems (pp ). 14 (2) Cm pdem s riscs ambientais ser administrads quand a negciaçã previa é claramente impraticável? Estas questões sã rtineiramente respndidas pel sistema judiciári. A Crte: Regras de Prpriedade e Regras de Respnsabilidade (Cmpensaçã, Indenizaçã) O sistema judiciári pde respnder as cnflits ambientais através da impsiçã seja de regras de prpriedade u regras de cmpensaçã (indenizaçã). As regras de prpriedade especificam a alcaçã inicial d direit. Os direits n cnflit sbre barulh na vizinhança sã, de um lad, direit para clcar sm stere alt e, d utr, direit pela paz e tranqüilidade. Na aplicaçã das regras de prpriedade, a crte simplesmente decide qual direit é mais imprtante e clca uma restriçã cntra a vilaçã deste direit. A restriçã é remvida smente pela btençã d cnsentiment da parte cuj direit fi vilad. Cnsentiment é usualmente btid mediante um acrd mnetári fra da crte. Nte que na ausência da decisã judicial, direit é naturalmente alcad à parte que pde facilmente apderar-se deste direit. A crte deve decidir quant à remçã desta alcaçã natural. Segund Rnald Case (1960), se s custs de negciaçã frem desprezíveis e s cnsumidres afetads puderem negciar livremente um cm utr (e quand númer de partes afetadas fr pequen), a crte pderia alcar direit para qualquer um ds dis sem afetar a eficiência d resultad. O únic efeit da decisã judicial seria quant à distribuiçã ds custs e benefícis entre as partes afetadas. Esta cnclusã ficu cnhecida cm Terema de Case. Vltand a exempl d cnflit sbre barulh: Se dn d sm tivesse DP, seria d interesse d vizinh ferecer uma cmpensaçã de P* pr decibel para reduçã d barulh resultand n nível desejável q*. Se vizinh tivesse DP, para experimentar elevad nível de barulh, dn d sm deveria cmpensar vizinh. Seria vantajs ferecer a vizinh P* pr decibel permitid, e cas huvesse aceitaçã vizinh estaria maximizand benefíci líquid pessal pr aceitar q* decibéis. A diferença entre estas duas alcações é crrespnde à frma cm cust de bter nível de decibeis eficientes é dividid entre as partes: Quand DP é dad a dn d sm stere, cust recai sbre vizinh. Quand DP é dad a vizinh, cust recai sbre prprietári. Em qualquer ds cass nível eficiente de decibeis é atingid. O terema de Case mstra que a própria existência de uma ineficiência dispara uma pressã para a melhra. Além d mais, a existência desta pressã nã depende de quem tem DP. Críticas de rdem teórica e prática cm relaçã a Terema de Case: O terema assume que a riqueza nã afeta resultad. A decisã de cnferir DP a uma das partes resulta em transferir riqueza para utra parte. Esta

15 TIETENBERG, T. (1996). Cap. 3 - Prprety rights, externalities, and envirnmental prblems (pp ). 15 transferêcia pderia deslcar a curva de demanda para a direita, uma vez que uma renda mair resulta em uma mair demanda. Prtant, dand DP para dn d sm deslcaria a curva de demanda para a direita; dand a vizinh deslcaria a curva de cust para a esquerda. Assim, quand efeit renda é significativ, tip de regra de prpriedade afeta resultad. Nrmalmente, efeit renda é pequen, prtant a supsiçã de efeit renda zer nã se cnstitui em uma falha fatal. O terema distrce s incentivs das partes envlvidas. Quand DP é dad a dn d sm cria-se um incentiv para se fazer barulh. Já que fazer barulh se transfrmu em uma atividade rentável, utrs vizinhs seriam encrajads a ligarem seus steres em alt vlume para receber cmpensaçã. Ist nã seria eficiente. O númer de partes envlvidas pde criar dificuldades para aplicaçã d terema. A negciaçã é também difícil de ser aplicada quand númer de pessas afetadas pel barulh é grande. Na presença de muitas partes afetadas, a reduçã d barulh é um bem públic. O prblema de aprveitadres faria difícil para grup agir cesamente e eficientemente para a restauraçã da eficiência. Regras de Cmpensaçã e Regras de Respnsabilidade: Quand as negciações entre s indivídus nã é uma questã prática pr uma razã u utra, a crte pde aplicar as regras de cmpensaçã. Essas sã regras cnsistem de indenizações em funçã ds prejuízs mnetáris, depis d fat, incrrids pelas partes prejudicadas. O mntante a ser pag é crrespndente a mntante ds dans incrrids. Prtant, uma regra eficiente de cmpensaçã impria prejuízs iguais à área sb ECA de E para nível de decibel esclhid. Supnha, pr exempl, que dn d stere persistiu em emitir qm decibeis. Se a crte decidisse que s dans eram aprpriads, premiaria cm um mntante igual a EAqm. Regras de cmpensaçã sã interessantes d pnt de vista ecnômic pr que as decisões criam precedentes para utrs cass. Imagine, pr exempl, cm s incentivs para prevenir vazament de óle pr uma cmpanhia de óle sã mdificads, tend eles que limpar após um vazament de óle e cmpensar pescadres pela reduçã de peixes capturads. Fica evidente que a prevençã de acidentes é mais barat d que lidar cm s prejuízs, uma vez tenha crrid. As limitações desta abrdagem deve-se a fat de que as regras variam cas a cas e sã baseadas em circunstâncias únicas de cada cas. Administrativamente,

16 TIETENBERG, T. (1996). Cap. 3 - Prprety rights, externalities, and envirnmental prblems (pp ). 16 tais determinações sã muit caras. Gasts, tais cm temp da crte, taxas de advgads e utrs, caem na categria chamada pels ecnmistas de custs de transaçã. N presente cntext, estes sã custs administrativs incrrids na tentativa de crrigir a ineficiência. Quand númer de partes envlvidas na disputa é grande e as circunstâncias sã cmuns, tenta-se crrigir as ineficiências através de estatuts u regulamentaçã a invés de decisões judiciais. Regulamentaçã d Executiv e Legislativ Estas sluções sã várias: O legislativ pderia ditar que ninguém deveria clcar seu stere mais alt d que q*. Esta determinaçã pderia ser refrçada pr uma sentença de prisã pesada u fiança para reprimir s infratres ptenciais. Uma taxa de P*, pr exempl, induziria dn d stere a reduzir barulh para q*. O legislativ pderia estabelecer regras para permitir mair flexibilidade e ainda reduzir prejuíz. Pr exempl, alguns prédis de apartaments para slteirs permitiriam sm alt enquant utrs, restrits para pessas idsas e casais jvens cm crianças que precisam de um períd lng de repus, pderiam estabelecer padrões restritivs de silênci. Cm esta abrdagem, aqueles que gstam de sm alt iriam para primeir prédi e aqueles que nã gstam iriam para últim. Um Papel Eficiente d Gvern Enquant a abrdagem ecnômica sugere que a açã gvernamental pderia ser usada para restaurar eficiência, também sugere que ineficiência nã é cndiçã suficiente para justificar intervençã gvernamental. Qualquer mecanism crretiv envlve cust de transaçã. Se estes custs de transaçã sã alts suficiente, e benefíci derivad da crreçã da ineficiência é pequen, entã é melhr simplesmente viver cm a ineficiência. Assim cm a sciedade evluiu, a escala de atividade ecnômica (e emissões) evluiu. Muitas cidades cm ar e água pluíds estã experimentand prblemas séris pr causa da aglmeraçã de atividades. Ambas a expansã e aglmeraçã aumentaram a quantidade de emissões pr unidade de vlume de ar e água. Cm resultad, as cncentrações de pluentes têm causad prblemas perceptíveis à saúde humana, cresciment das plantas, e estética. Histricamente, assim cm a renda cresceu, a demanda pr atividades de recreaçã aumentu. Muitas dessas atividades de recreaçã, tais cm caminhadas, canagem, acntecem em áreas ambientais únicas e virgens. Cm númer dessas áreas declinand cm resultad de sua cnversã para utrs uss, valr das áreas remanescentes têm aumentad. Prtant, benefíci da prteçã de algumas áreas aumentu a lng d temp, até mesm excedid cust de transaçã de prtegê-las da pluiçã e/u desenvlviment. O nível e cncentraçã da atividade ecnômica aumentu s prblemas de pluiçã, aumentad assim a demanda pr ar pur e áreas virgens. Tal situaçã tem criad as cndições necessárias à açã gvernamental.

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS Questã n 1 Cnheciments Específics O text dissertativ deve cmtemplar e desenvlver s aspects apresentads abaix. O papel d PPA é de instrument de planejament de médi/lng praz que visa à cntinuidade ds bjetivs

Leia mais

TEORIA DO OLIGOPÓLIO, MODELOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS.

TEORIA DO OLIGOPÓLIO, MODELOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS. Ntas de Aula Ecnmia Industrial Nta_aula_4_Preç-Oligpli TEORIA DO OLIGOPÓLIO, MODELOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS. Bibligrafia: KON, Anita. Ecnmia Industrial. Sã Paul: Nbel, 2001. (CAPÍTULO 2) PINDYCK, RS e RUBINFELD,

Leia mais

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000 GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisã: 000 A Mercur S.A., empresa estabelecida desde 1924, se precupa em cnduzir as suas relações de acrd cm padrões étics e cmerciais, através d cumpriment da legislaçã

Leia mais

AULA 3 GERENCIAMENTO DE CUSTOS E GESTÃO DE OPERAÇÕES PARA A QUALIDADE TOTAL. Prof. Glauce Almeida Figueira

AULA 3 GERENCIAMENTO DE CUSTOS E GESTÃO DE OPERAÇÕES PARA A QUALIDADE TOTAL. Prof. Glauce Almeida Figueira AULA 3 GERENCIAMENTO DE CUSTOS E GESTÃO DE OPERAÇÕES PARA A QUALIDADE TOTAL Prf. Glauce Almeida Figueira EMENTA AULA TÓPICOS 31/08 Intrduçã a Cntabilidade de Custs ; Terminlgia Cntábil; Tips de Custei;

Leia mais

Artigo 12 Como montar um Lava Jato

Artigo 12 Como montar um Lava Jato Artig 12 Cm mntar um Lava Jat Antigamente era cmum bservar as pessas, n final de semana, cm seus carrs, bucha e sabã nas mãs. Apesar de ainda haver pessas que preferem fazer serviç suj szinhas, s lava

Leia mais

Projetos, Programas e Portfólios

Projetos, Programas e Portfólios Prjets, Prgramas e Prtfólis pr Juliana Klb em julianaklb.cm Prjet Segund PMBOK (2008): um prjet é um esfrç temprári empreendid para criar um nv prdut, serviç u resultad exclusiv. Esta definiçã, apesar

Leia mais

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões:

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões: Pessal, vislumbr recurss na prva de cnheciments específics de Gestã Scial para as seguintes questões: Questã 01 Questã 11 Questã 45 Questã 51 Questã 56 Vejams as questões e arguments: LEGISLAÇÃO - GESTÃO

Leia mais

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA CAMINHO PARA ELABORAÇÃO DE AGENDAS EMPRESARIAIS EM ADAPTAÇÃO ÀS MUDANÇAS DO CLIMA Prpsta de Framewrk Resultad d diálg crrid em 26 de junh de 2013, n Fórum Latin-American

Leia mais

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL ÍNDICE I. Apresentaçã e bjectivs d wrkshp II. III. Resultads ds inquérits Ambiente cmpetitiv Negóci Suprte Prcesss

Leia mais

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social Anex 03 Recmendaçã nº 3: estatut padrã, estatut fundamental e cntrat scial 1. Resum 01 Atualmente, Estatut da Crpraçã da Internet para a atribuiçã de nmes e númers (ICANN) tem um mecanism únic para alterações.

Leia mais

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO:

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5.1 INTRODUÇÃO A rganizaçã da manutençã era cnceituada, até há puc temp, cm planejament e administraçã ds recurss para a adequaçã à carga de trabalh esperada.

Leia mais

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa Manual Cm intrduzir emplyeeship na empresa Índice Intrduçã Pass 1 - Cnheça as vantagens d emplyeeship para a empresa Pass 2 - Saiba que é a cultura emplyeeship Pass 3 - Aprenda a ter "bns" empregads Pass

Leia mais

o CUSTO DO FINANCIAMENTO

o CUSTO DO FINANCIAMENTO CUSTO DO FINANCIAMENTO DAS VENDAS A PRESTACOES NO BRASIL POLIA LERNER HAMBURGER JORGE WILSON SIMIERA JACOB "A dispnibilidade de vendas a prestaçã tem ajudad a cmpensar, de certa frma" as desigul"a.ldades

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA E DE ÉTICA POLÍTICA SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO

CÓDIGO DE CONDUTA E DE ÉTICA POLÍTICA SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO CÓDIGO DE CONDUTA E DE ÉTICA POLÍTICA SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO POLÍTICA SOBRE PRESENTESE ENTRETENIMENTO Oferecer u receber presentes cmerciais e entreteniment é frequentemente uma frma aprpriada

Leia mais

táxis compartilhados Shared-transport / Shared-taxi

táxis compartilhados Shared-transport / Shared-taxi Benefícis ds serviçs de transprte de táxis cmpartilhads Shared-transprt / Shared-taxi Reuniã de Especialistas sbre Transprte Urban Sustentável: Mdernizand e Trnand Eclógicas as Frtas de Táxis nas Cidades

Leia mais

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis PCP Vensis PCP O PCP é módul de planejament e cntrle de prduçã da Vensis. Utilizad n segment industrial, módul PCP funcina de frma ttalmente integrada a Vensis ERP e permite às indústrias elabrar

Leia mais

Os Oito Principais de Sistemas de

Os Oito Principais de Sistemas de Infrme Especial Os Oit Principais in Yur DSD Mits Mbile de Sistemas de Security Strategy Gerenciament de Armazém para empresas de pequen e médi prte. Intrduçã A era das perações manuais em Armazéns está

Leia mais

3 Fundamentos do Comportamento dos Hidrocarbonetos Fluidos

3 Fundamentos do Comportamento dos Hidrocarbonetos Fluidos 3 Fundaments d Cmprtament ds Hidrcarbnets Fluids 3.1. Reservatóris de Petróle O petróle é uma mistura de hidrcarbnets, que pde ser encntrada ns estads: sólid, líquid, u ass, dependend das cndições de pressã

Leia mais

ORGANIZAÇÕES DE ECONOMIA SOCIAL: O QUE AS DISTINGUE E COMO PODEM SER SUSTENTÁVEIS 1. Américo M. S. Carvalho Mendes

ORGANIZAÇÕES DE ECONOMIA SOCIAL: O QUE AS DISTINGUE E COMO PODEM SER SUSTENTÁVEIS 1. Américo M. S. Carvalho Mendes ORGANIZAÇÕES DE ECONOMIA SOCIAL: O QUE AS DISTINGUE E COMO PODEM SER SUSTENTÁVEIS 1 Améric M. S. Carvalh Mendes Área Transversal de Ecnmia Scial Universidade Católica Prtuguesa - Prt 1. SECTOR DA ECONOMIA

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI GESTÃO DE PROJETOS Uma visã geral Bead n diretrizes d PMI 1 Intrduçã Objetiv da Apresentaçã O bjetiv é frnecer uma visã geral ds prcesss de Gestã de Prjets aplicads à Gestã de Empreendiments. O que é Prjet?

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

O que é sucessão de responsabilidades?

O que é sucessão de responsabilidades? GLOSSÁRIO DO EMPREENDEDOR O que é capital inicial? É capital de gir necessári para iniciar as atividades de seu negóci e "rdar" as perações até cmeçar a gerar receita suficiente para equilibrar este capital.

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2014 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3. Limites de expsiçã à

Leia mais

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco Orientações e Recmendações Orientações relativas à infrmaçã periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de ntaçã de risc 23/06/15 ESMA/2015/609 Índice 1 Âmbit de aplicaçã... 3 2 Definições... 3 3 Objetiv

Leia mais

REQUISITOS PRINCIPAIS: Regulamentação final sobre controles preventivos de alimentos para consumo humano Visão rápida

REQUISITOS PRINCIPAIS: Regulamentação final sobre controles preventivos de alimentos para consumo humano Visão rápida O FDA ferece esta traduçã cm um serviç para um grande públic internacinal. Esperams que vcê a ache útil. Embra a agência tenha tentad bter uma traduçã mais fiel pssível à versã em inglês, recnhecems que

Leia mais

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS Prjets n Bima Amazônia A Critéris Orientadres B C D E F Cndicinantes Mínims para Prjets Mdalidades de Aplicaçã ds Recurss Restriçã de Us ds Recurss Critéris

Leia mais

Este documento tem como objetivo definir as políticas referentes à relação entre a Sioux e seus funcionários.

Este documento tem como objetivo definir as políticas referentes à relação entre a Sioux e seus funcionários. OBJETIVO Este dcument tem cm bjetiv definir as plíticas referentes à relaçã entre a Siux e seus funcináris. A Siux se reserva direit de alterar suas plíticas em funçã ds nvs cenáris da empresa sem avis

Leia mais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais 53 3 Frmulaçã da Metdlgia 3.1. Cnsiderações Iniciais O presente capítul tem cm finalidade prpr e descrever um mdel de referencia para gerenciament de prjets de sftware que pssa ser mensurável e repetível,

Leia mais

Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Vox Mercado Pesquisa e Projetos Ltda. Dados da organização

Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Vox Mercado Pesquisa e Projetos Ltda. Dados da organização Data de elabraçã da ficha: Jun 2007 Prefeitura Municipal de Bel Hriznte Vx Mercad Pesquisa e Prjets Ltda. Dads da rganizaçã Nme: Prefeitura Municipal de Bel Hriznte Endereç: Av. Afns Pena, 1212 - Cep.

Leia mais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais Nvas Salvaguardas Ambientais e Sciais Discussões Técnicas de Gvern ESS10 Acess a Infrmaçã e engajament de stakehlders 15 de utubr, 2014 Objetivs da ESS10 (1/2) Delinear uma abrdagem sistemática para engajament

Leia mais

Microeconomia. É subjetiva. Depende dos valores de quem decide. Exemplo: deve aumentar-se a TSU? A resposta depende dos objetivos do decisor.

Microeconomia. É subjetiva. Depende dos valores de quem decide. Exemplo: deve aumentar-se a TSU? A resposta depende dos objetivos do decisor. Micrecnmia CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO O que é a Ecnmia? Estud da esclha em cndições de escassez, ist é, quand s recurss nã sã suficientes para satisfazer tds s desejs de tdas as pessas. Cm esclher? A esclha

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações SAZONALIZAÇÃO DE CONTRATO INICIAL E DE ENERGIA ASSEGURADA PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para

Leia mais

Segmentação de Imagem

Segmentação de Imagem em pr bjectiv dividir a imagem em regiões u bjects segund um critéri Frequentemente resultad nã é uma imagem mas um cnjunt de regiões/bjects A precisã da fase de segmentaçã determina sucess u falha ds

Leia mais

Administração AULA- 7. Economia Mercados [3] Oferta & Procura

Administração AULA- 7. Economia Mercados [3] Oferta & Procura Administraçã AULA- 7 1 Ecnmia Mercads [3] Oferta & Prcura Prf. Isnard Martins Bibligrafia: Rsseti J. Intrduçã à Ecnmia. Atlas 06 Rbert Heilbrner Micr Ecnmia N.Gregry Mankiw Isnard Martins Pag - 1 Oferta,

Leia mais

METAS DE COMPREENSÃO:

METAS DE COMPREENSÃO: 1. TÓPICO GERADOR: Vivend n sécul XXI e pensand n futur. 2. METAS DE COMPREENSÃO: Essa atividade deverá ter cm meta que s aluns cmpreendam: cm se cnstrói saber científic; cm as áreas d saber estã inter-relacinadas

Leia mais

O desafio da regulação econômico-financeira dos operadores públicos de serviços de saneamento básico no Brasil: primeiras experiências

O desafio da regulação econômico-financeira dos operadores públicos de serviços de saneamento básico no Brasil: primeiras experiências O desafi da regulaçã ecnômic-financeira ds peradres públics de serviçs de saneament básic n Brasil: primeiras experiências Karla Bertcc Trindade VI Fr Iber American de Regulación 11/11/2013 - Mntevide,

Leia mais

PLD (Preço de Liquidação das Diferenças)

PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) 20 05 3 PLD (Preç de Liquidaçã das Diferenças) PLD - 4ª Semana de Mai de 203 (8.05.203 a 24.05.203) PLD médi PLD médi 2 R$/MWh Sudeste Sul Nrdeste Nrte Sudeste 34,58 344,32 Pesada 360,7 360,7 360,7 360,7

Leia mais

T12 Resolução de problemas operacionais numa Companhia Aérea

T12 Resolução de problemas operacionais numa Companhia Aérea T12 Resluçã de prblemas peracinais numa Cmpanhia Aérea Objectiv Criar um Sistema Multi-Agente (SMA) que permita mnitrizar e reslver s prblemas relacinads cm s aviões, tripulações e passageirs de uma cmpanhia

Leia mais

Alterações na aplicação do Critério Brasil, válidas a partir de 01/01/2013

Alterações na aplicação do Critério Brasil, válidas a partir de 01/01/2013 Alterações na aplicaçã d Critéri Brasil, válidas a partir de 01/01/2013 A dinâmica da ecnmia brasileira, cm variações imprtantes ns níveis de renda e na psse de bens ns dmicílis, representa um desafi imprtante

Leia mais

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006 1 GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Dads da rganizaçã Data de elabraçã da ficha: Fev 2008 Nme: GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Endereç: Av. Brigadeir Faria Lima, 2.413 1º andar

Leia mais

3 Aplicações dos Modelos de Análise de Crédito

3 Aplicações dos Modelos de Análise de Crédito 3 Aplicações ds Mdels de Análise de Crédit Pdem ser citads cm principais estuds realizads para previsã de inslvência de pessas jurídicas: Estud de Tamari O estud fi realizad n final da década de 50 e fi

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA 1. Intrduçã e Objetivs a) O Cncurs de Ideias OESTECIM a minha empresa pretende ptenciar apareciment de prjets invadres na regiã d Oeste sempre numa perspetiva de desenvlviment ecnómic e scial. b) O Cncurs

Leia mais

PRINCIPAIS REQUISITOS: Regra final sobre Programas de Verificação do Fornecedor Estrangeiro Em resumo

PRINCIPAIS REQUISITOS: Regra final sobre Programas de Verificação do Fornecedor Estrangeiro Em resumo O FDA ferece esta traduçã cm um serviç para um grande públic internacinal. Esperams que vcê a ache útil. Embra a agência tenha tentad bter uma traduçã mais fiel pssível à versã em inglês, recnhecems que

Leia mais

Transformadores. Transformadores 1.1- INTRODUÇÃO 1.2- PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO

Transformadores. Transformadores 1.1- INTRODUÇÃO 1.2- PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO Transfrmadres 1.1- INTRODUÇÃO N estud da crrente alternada bservams algumas vantagens da CA em relaçã a CC. A mair vantagem da CA está relacinada cm a facilidade de se elevar u abaixar a tensã em um circuit,

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2015 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 2.1. Organgrama... 4 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3.

Leia mais

Unidade 7: Sínteses de evidências para políticas

Unidade 7: Sínteses de evidências para políticas Unidade 7: Sínteses de evidências para plíticas Objetiv da Unidade Desenvlver um entendiment cmum d que é uma síntese de evidências para plíticas, que inclui e cm pde ser usada 3 O que é uma síntese de

Leia mais

TESTE DE SOFTWARE (Versão 2.0)

TESTE DE SOFTWARE (Versão 2.0) Universidade Luterana d Brasil Faculdade de Infrmática Disciplina de Engenharia de Sftware Prfessr Luís Fernand Garcia www.garcia.pr.br TESTE DE SOFTWARE (Versã 2.0) 9 Teste de Sftware Imprtância Dependência

Leia mais

Reajuste Tarifário de 2006. Esclarecimentos sobre os valores concedidos pela ANEEL

Reajuste Tarifário de 2006. Esclarecimentos sobre os valores concedidos pela ANEEL Reajuste Tarifári de 2006 Esclareciments sbre s valres cncedids pela ANEEL Abril/2006 Agenda Intrduçã IRT 2006 CVA PASEP-COFINS Impact na geraçã de caixa 2 ANEEL divulga reajuste de 6,7% Resluçã Hmlgatória

Leia mais

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 QUALIDADE RS PGQP PROGRAMA GAÚCHO DA QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 GUIA PARA CANDIDATURA SUMÁRIO 1. O PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP... 3 1.1 Benefícis... 3 2. PREMIAÇÃO... 3 2.1 Diretrizes

Leia mais

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida O que é invaçã? Para a atividade humana: é a intrduçã de alg nv, que atua cm um vetr para desenvlviment human e melhria da qualidade de vida Para as empresas: invar significa intrduzir alg nv u mdificar

Leia mais

Aliança Estratégica com a Delta Dezembro, 2011. Uma Consistente História de Investimento

Aliança Estratégica com a Delta Dezembro, 2011. Uma Consistente História de Investimento Aliança Estratégica cm a Delta Dezembr, 2011 Uma Cnsistente História de Investiment 1 Agenda Resum da Operaçã 1 Benefícis da Operaçã 2 2 Disclaimer O material a seguir é uma apresentaçã cnfidencial cntend

Leia mais

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Resposta. Resposta

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Resposta. Resposta ATENÇÃO: Escreva a resluçã COMPLETA de cada questã n espaç a ela reservad. Nã basta escrever resultad final: é necessári mstrar s cálculs u racicíni utilizad. Questã Uma pessa pssui a quantia de R$7.560,00

Leia mais

Todos os direitos reservados Versão 1.2

Todos os direitos reservados Versão 1.2 Guia de Relatóris Tds s direits reservads Versã 1.2 1 Guia de Relatóris Índice 1 Pedids... 3 1.1 Mnitr de Pedids... 3 1.2 Pedids... 4 1.3 Estatísticas de Pedids... 5 1.4 Acess e Cnsum... 7 1.5 Pedids pr

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação Os nvs uss da tecnlgia da infrmaçã nas empresas Sistemas de Infrmaçã Prf. Marcel da Silveira Siedler siedler@gmail.cm SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Planejament

Leia mais

Por favor, considere a proteção ao meio ambiente antes de imprimir esse documento

Por favor, considere a proteção ao meio ambiente antes de imprimir esse documento Interbrs Tecnlgia e Sluções de Internet Ltda. Rua Dr. Guilherme Bannitz, 126 2º andar Cnj. 21 /179 Itaim Bibi - Sã Paul- SP - 04532-060 Fne: 55 11 9209-3717 / 55 11 8162-0161 Pr favr, cnsidere a prteçã

Leia mais

A nova metodologia de apuração do DI propõe que o cálculo seja baseado em grupos de taxas e volumes, não mais em operações.

A nova metodologia de apuração do DI propõe que o cálculo seja baseado em grupos de taxas e volumes, não mais em operações. Taxa DI Cetip Critéri de apuraçã a partir de 07/10/2013 As estatísticas d ativ Taxa DI-Cetip Over (Extra-Grup) sã calculadas e divulgadas pela Cetip, apuradas cm base nas perações de emissã de Depósits

Leia mais

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016 Sua hra chegu. Faça a sua jgada. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 Salvadr, nvembr de 2015. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 é uma cmpetiçã interna da Laureate

Leia mais

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito*

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* 20 Api O Setr Elétric / Julh de 2009 Desenvlviment da Iluminaçã Pública n Brasil Capítul VII Prjets de eficiência energética em iluminaçã pública Pr Lucian Haas Rsit* Neste capítul abrdarems s prjets de

Leia mais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais Nvas Salvaguardas Ambientais e Sciais Discussões Técnicas de Gvern ESS1 Avaliaçã e Gerenciament de Riscs e Impacts Sciais e Ambientais 15 de utubr, 2014 Objetivs da ESS1 Identificar, avaliar e gerir s

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL Intrduçã O presente Regulament cnstitui um dcument intern d curs de Ciências Cntábeis e tem pr bjetiv reger as atividades relativas a Estági de Iniciaçã

Leia mais

A atuação do Síndico Profissional é a busca do pleno funcionamento do condomínio. Manuel Pereira

A atuação do Síndico Profissional é a busca do pleno funcionamento do condomínio. Manuel Pereira A atuaçã d Síndic Prfissinal é a busca d plen funcinament d cndmíni Manuel Pereira Missã e Atividades Habilidade - Cnhecems prfundamente a rtina ds cndmínis e seus prblemas administrativs. A atuaçã é feita

Leia mais

DISCIPLINA: Matemática. MACEDO, Luiz Roberto de, CASTANHEIRA, Nelson Pereira, ROCHA, Alex. Tópicos de matemática aplicada. Curitiba: Ibpex, 2006.

DISCIPLINA: Matemática. MACEDO, Luiz Roberto de, CASTANHEIRA, Nelson Pereira, ROCHA, Alex. Tópicos de matemática aplicada. Curitiba: Ibpex, 2006. DISCIPLINA: Matemática 1- BIBLIOGRAFIA INDICADA Bibliteca Virtual Pearsn MACEDO, Luiz Rbert de, CASTANHEIRA, Nelsn Pereira, ROCHA, Alex. Tópics de matemática aplicada. Curitiba: Ibpex, 2006. PARKIN, Michael.

Leia mais

GESTÃO DE LABORATÓRIOS

GESTÃO DE LABORATÓRIOS Seminári Luanda, 26,27,28,29 e 30 de Mai de 2014 - Htel **** Guia Prática GESTÃO DE LABORATÓRIOS Finanças Assegure uma gestã eficaz de tdas as áreas 40 hras de Frmaçã Especializada Cnceits ecnómic-financeirs

Leia mais

ESCLARECIMENTOS AOS CANDIDATOS

ESCLARECIMENTOS AOS CANDIDATOS ESCLARECIMENTOS AOS CANDIDATOS Ecnmia é um assunt freqüentemente exigid em cncurss públics. Talvez, que mais assuste s candidats que vã estudar Ecnmia pela primeira vez seja vcabulári ecnmês. Diante diss,

Leia mais

ANÁLISE DE DESEMPENHO DOS GRAFICOS DE x E R.

ANÁLISE DE DESEMPENHO DOS GRAFICOS DE x E R. ANÁLISE DE DESEMPENHO DOS GAFICOS DE E. Vims cm cnstruir e utilizar s gráfics de cntrle. Agra vams estudar sua capacidade de detectar perturbações n prcess. GÁFICO de Em um julgament, veredict final será

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PONTIFÍI UNIERSIDDE TÓLI DE GOIÁS DEPRTMENTO DE MTEMÁTI E FÍSI Prfessres: Edsn az e Renat Medeirs EXERÍIOS NOT DE UL II Giânia - 014 E X E R Í I OS: NOTS DE UL 1. Na figura abaix, quand um elétrn se deslca

Leia mais

Passo 1: Descrição do plano de negócios

Passo 1: Descrição do plano de negócios Manual Cm fazer um plan de negócis Índice Intrduçã Pass 1: Descriçã d plan de negócis Pass 2: Abrdagem d mercad Pass 3: Investiments e financiament Pass 4: Cnta de explraçã prvisinal Pass 5: Orçament prvisinal

Leia mais

RELATOR: Senador EUNÍCIO OLIVEIRA

RELATOR: Senador EUNÍCIO OLIVEIRA De Plenári, err1 substituiçã à COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sbre Prjet de Lei da Câmara 209, de 2015, de autria d Deputad Aeltn Freitas, que altera a Lei n 8.906, de 4 de julh de 1994

Leia mais

Manual do Rondonista 2006

Manual do Rondonista 2006 Manual d Rndnista 2006 www.defesa.gv.br/prjetrndn 1 1 ÍNDICE MANUAL DO RONDONISTA... 3 I. FINALIDADE... 3 II. O PROJETO RONDON...3 a. Missã...3 b. Objetivs...3 III. DEVERES E DIREITOS DO RONDONISTA...

Leia mais

Como identificar, vender e comercializar com os prospectos de pequenas empresas Parte 2/3

Como identificar, vender e comercializar com os prospectos de pequenas empresas Parte 2/3 Cm identificar, vender e cmercializar cm s prspects de pequenas empresas Parte 2/3 A pequena empresa é um mercad massiv em imprtante cresciment, que alcançu uma maturidade em terms de prtunidade para s

Leia mais

1) A faculdade mediúnica é indício de algum estado patológico ou simplesmente anormal?

1) A faculdade mediúnica é indício de algum estado patológico ou simplesmente anormal? 1) A faculdade mediúnica é indíci de algum estad patlógic u simplesmente anrmal? - As vezes anrmal, mas nã patlógic. Há médiuns de saúde vigrsa. Os dentes sã pr utrs mtivs. 2) O exercíci da faculdade mediúnica

Leia mais

Aula 03 Circuitos CA

Aula 03 Circuitos CA Campus I Jã Pessa Disciplina: Análise de Circuits Curs Técnic Integrad em Eletrônica Prfª: Rafaelle Felician 1. Elements de Circuits n dmíni de Fasres Intrduçã Para cmpreender a respsta de dispsitivs básics

Leia mais

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde Anex V Sftware de Registr Eletrônic em Saúde Implantaçã em 2 (duas) Unidades de Saúde Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ESTRATÉGIAS E PROCEDIMENTOS DE IMPLANTAÇÃO... 3 4 INFRAESTRUTURA NAS UNIDADES DE SAÚDE -

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Gabinete do Deputado FERNANDO JORDÃO - PMDB/RJ Brasília, 21 de março de 2011.

CÂMARA DOS DEPUTADOS Gabinete do Deputado FERNANDO JORDÃO - PMDB/RJ Brasília, 21 de março de 2011. Gabinete d Deputad FERNANDO JORDÃO - PMDB/RJ Brasília, 21 de març de 2011. Quand ingressei cm Requeriment slicitand a presença de Vssas Senhrias na Cmissã, estava assustad, cm, aliás, tda a ppulaçã, cm

Leia mais

1ª EDIÇÃO. Regulamento

1ª EDIÇÃO. Regulamento 1ª EDIÇÃO Regulament 1. OBJETIVO O Prêmi BRASILIDADE é uma iniciativa d Serviç de Api às Micr e Pequenas Empresas n Estad d Ri de Janeir SEBRAE/RJ, idealizad pr Izabella Figueired Braunschweiger e cm a

Leia mais

Economia Financeira Internacional

Economia Financeira Internacional Ecnmia Financeira Internacinal Curs de Ecnmia, 3º an, 2001-2002 PADEF 11/07/2002 Parte A Sem cnsulta Duraçã: 1 hra 1. Cnsidere três praças financeiras, Lndres (L), Nva Irque (NY) e Paris (P), bem cm as

Leia mais

Design Patterns ABSTRACT FACTORY EMERSON BARROS DE MENESES

Design Patterns ABSTRACT FACTORY EMERSON BARROS DE MENESES Design Patterns ABSTRACT FACTORY EMERSON BARROS DE MENESES 1 Breve Históric Sbre Design Patterns A rigem ds Design Patterns (Padrões de Desenh u ainda Padrões de Prjet) vem d trabalh de um arquitet chamad

Leia mais

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis Manutençã Vensis Manutençã É módul que permite gerenciament da manutençã de máquinas e equipaments. Prgramaçã de manutenções preventivas u registr de manutenções crretivas pdem ser feits de frma

Leia mais

Boletim Comercial. Tema: BC003 Plano de Disponibilidade Ilimitada de Recursos UV. Introdução

Boletim Comercial. Tema: BC003 Plano de Disponibilidade Ilimitada de Recursos UV. Introdução Bletim Cmercial Tema: BC003 Plan de Dispnibilidade Ilimitada de Recurss UV Intrduçã Sistemas de cura UV sã cada vez mais presentes em indústrias que imprimem grandes vlumes de materiais, independente d

Leia mais

CONTROLE INTERNO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA: Um Estudo de Caso

CONTROLE INTERNO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA: Um Estudo de Caso CONTROLE INTERNO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA: Um Estud de Cas Camila Gmes da Silva 1, Vilma da Silva Sant 2, Paul César Ribeir Quintairs 3, Edsn Aparecida de Araúj Querid Oliveira 4 1 Pós-graduada em

Leia mais

WORKSHOP SOBRE PARCERIAS PÚBLICO- PRIVADAS E CONCESSÕES

WORKSHOP SOBRE PARCERIAS PÚBLICO- PRIVADAS E CONCESSÕES WORKSHOP SOBRE PARCERIAS PÚBLICO- PRIVADAS E CONCESSÕES Tribunal de Cntas da Uniã Marcel Pachec ds Guaranys Brasília, 22.11.2011 ROTEIRO Dads d setr Infraestrutura aeprtuária: desafis Definiçã da mdalidade

Leia mais

Vensis Associação Vensis ERP Entidades, Sindicatos e Federações.

Vensis Associação Vensis ERP Entidades, Sindicatos e Federações. Vensis Assciaçã Vensis ERP Entidades, Sindicats e Federações. Vensis Assciaçã O Vensis Assciaçã é um sistema desenvlvid para entidades cm sindicats, assciações, federações, fundações e utras de natureza

Leia mais

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO:

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3.1 MANUTENÇÃO CORRETIVA A manutençã crretiva é a frma mais óbvia e mais primária de manutençã; pde sintetizar-se pel cicl "quebra-repara", u seja, repar ds equipaments após a avaria.

Leia mais

Curso de Extensão: Finanças Corporativas

Curso de Extensão: Finanças Corporativas 1. Apresentaçã Curs de Extensã: Finanças Crprativas Uma crpraçã é, genericamente, caracterizada pela tmada de duas decisões fundamentais, a de financiament e a de investiment. O prcess de seleçã, análise

Leia mais

Aula 11 Bibliotecas de função

Aula 11 Bibliotecas de função Universidade Federal d Espírit Sant Centr Tecnlógic Departament de Infrmática Prgramaçã Básica de Cmputadres Prf. Vítr E. Silva Suza Aula 11 Biblitecas de funçã 1. Intrduçã À medida que um prgrama cresce

Leia mais

A SUPERINFLAÇÃO BRASILEIRA EM 1989: NOTAS E COMENTÁRIOS

A SUPERINFLAÇÃO BRASILEIRA EM 1989: NOTAS E COMENTÁRIOS A SUPERINFLAÇÃ BRASILEIRA EM 1989: NTAS E MENTÁRIS Gentil Crazza* "A inflaçã é uma frma de distribuir s ganhs e as perdas através das frças impessais d mercad." Charles Kindieberger Intrduçã A ecnmia e

Leia mais

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA MANUAL ds LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA Objetiv 1. Oferecer as aluns a infra-estrutura e suprte necessári à execuçã de tarefas práticas, slicitadas pels prfessres, bservand s prazs estabelecids. 2. Oferecer

Leia mais

2. A programação completa e mais informações estarão disponíveis no site www.gar.esp.br.

2. A programação completa e mais informações estarão disponíveis no site www.gar.esp.br. REGULAMENTO 1. Sbre Event 1. A Gramad Adventure Running é uma prva de revezament junt à natureza que será realizada n dia 09/05/2015 (Sábad) em Gramad, n Estad d Ri Grande d Sul, cm participaçã de ambs

Leia mais

Questão 48. Questão 46. Questão 47. Questão 49. alternativa A. alternativa B. alternativa C

Questão 48. Questão 46. Questão 47. Questão 49. alternativa A. alternativa B. alternativa C Questã 46 O ceficiente de atrit e índice de refraçã sã grandezas adimensinais, u seja, sã valres numérics sem unidade. Iss acntece prque a) sã definids pela razã entre grandezas de mesma dimensã. b) nã

Leia mais

QUALICORP. Figura 1: Estrutura do mercado de cartões. Competição. Redecard (fechamento de capital)

QUALICORP. Figura 1: Estrutura do mercado de cartões. Competição. Redecard (fechamento de capital) Nesta carta, referente a 3º trimestre de 2012, explicarems nssa visã em relaçã a investiment em Ciel, analisand as pssíveis mudanças cmpetitivas devid a fechament de capital da Redecard, pr exempl, e s

Leia mais

CAPÍTULO IV. Valores, Crenças, Missão, Visão.e Política da Qualidade. Waldemar Faria de Oliveira

CAPÍTULO IV. Valores, Crenças, Missão, Visão.e Política da Qualidade. Waldemar Faria de Oliveira CAPÍTULO IV Valres, Crenças, Missã, Visã.e Plítica da Qualidade. Waldemar Faria de Oliveira Há alguns ans, quand tínhams ótims atletas, perdíams a Cpa d Mund de futebl, as Olimpíadas, errand em cisas básicas.

Leia mais

AUTOR NICOLAU BELLO 1. N I c o b e l o @ h o t m a I l. C o m

AUTOR NICOLAU BELLO 1. N I c o b e l o @ h o t m a I l. C o m AUTOR NICOLAU BELLO 1 N I c b e l @ h t m a I l. C m PROPÓSITO DAS INVESTIGAÇÕES Ter relatóris ds acidentes Respstas imediatas inicial Reunir às evidências Análises de suas causas. Ações crretivas. Relatóris

Leia mais

Art. 2º. Trata-se de uma promoção de caráter exclusivamente de estimulo cultural, profissional e acadêmico sem vínculo com sorteios.

Art. 2º. Trata-se de uma promoção de caráter exclusivamente de estimulo cultural, profissional e acadêmico sem vínculo com sorteios. Prêmi Data Pint de Criatividade e Invaçã - 2011 N an em que cmpleta 15 ans de atuaçã n mercad de treinament em infrmática, a Data Pint ferece à cmunidade a prtunidade de participar d Prêmi Data Pint de

Leia mais

CARTILHA PARA ORIENTAÇÃO ACERCA DAS OBRIGAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS PARA O PERÍODO ELEITORAL

CARTILHA PARA ORIENTAÇÃO ACERCA DAS OBRIGAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS PARA O PERÍODO ELEITORAL MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL SECRETARIA DA RECEITA PREVIDENCIÁRIA - SRP DEPARTAMENTO DE FISCALIZAÇÃO - DEFIS CARTILHA PARA ORIENTAÇÃO ACERCA DAS OBRIGAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS PARA O PERÍODO ELEITORAL

Leia mais

III.3. SISTEMAS HÍBRIDOS FIBRA/COAXIAL (HFC)

III.3. SISTEMAS HÍBRIDOS FIBRA/COAXIAL (HFC) 1 III.3. SISTEMAS HÍBRIDOS FIBRA/COAXIAL (HFC) III.3.1. DEFINIÇÃO A tecnlgia HFC refere-se a qualquer cnfiguraçã de fibra ótica e cab caxial que é usada para distribuiçã lcal de serviçs de cmunicaçã faixa

Leia mais

Guia de Bem-Estar Gestão do peso

Guia de Bem-Estar Gestão do peso Guia de Bem-Estar Gestã d pes Cm este guia pde beneficiar a sua vida Benefícis psitivs: Melhr saúde geral Mais energia Melhria da imagem crpral e da aut-estima Melhria da dispsiçã Melhria d rendiment físic

Leia mais

Posição CELPA Associação da Indústria Papeleira

Posição CELPA Associação da Indústria Papeleira R. Marquês Sá da Bandeira, 74, 2º 1069-076 Lisba, Prtugal Tel. +351 217-611-510 Fax. +351 217-611-529 E-mail. celpa@celpa.pt http://www.celpa.pt Psiçã CELPA Assciaçã da Indústria Papeleira Para: De: Estatut:

Leia mais

Esta Cartilha vai ajudar você a entender melhor o Fundo Paraná de Previdência Multipatrocinada e o Plano de Benefícios JMalucelli.

Esta Cartilha vai ajudar você a entender melhor o Fundo Paraná de Previdência Multipatrocinada e o Plano de Benefícios JMalucelli. ÍNDICE CARTILHA EXPLICATIVA... 3 FUNDO PARANÁ... 4 PATRIMÔNIO... 5 SEGURANÇA... 5 BENEFÍCIO FISCAL... 6 ASFUNPAR... 7 PLANO JMALUCELLI... 8 PARTICIPANTES... 8 Participante Ativ... 8 Participante Assistid...

Leia mais

Direção do deslocamento

Direção do deslocamento Referência: Sears e Zemansky Física I Mecânica Capítul 6: TRABALHO E ENERGIA CINÉTICA Resum: Prfas. Bárbara e Márcia. INTRODUÇÃO A imprtância d cnceit de energia se baseia n princípi da cnservaçã da energia:

Leia mais