Poderiam perderse todos os exemplares do Quixote, em castelhano e nas traduções

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Poderiam perderse todos os exemplares do Quixote, em castelhano e nas traduções"

Transcrição

1 Aluno(a) Turma N o Série 5 a Ensino Fundamental Data / / 06 Matérias Português Professora Carmen Valverde LISTA DE RECUPERAÇÃO PARALELA UNIDADE I Poderiam perderse todos os exemplares do Quixote, em castelhano e nas traduções ; poderiam perder-se todos, mas a figura de Dom Quixote já é parte da memória da humanidade. (JORGE LUIS BORGES, ESCRITOR ARGENTINO) Pintura de PORTINARI PARA SUA INFORMAÇÃO quixote. s. cdd(o/a) 1. Pessoa que se mete ingenuamente no que não lhe diz respeito ou que toma dores de outrem e se sai mal. 2. Pessoa ingênua, sonhadora, excessivamente romântica. quixotesco (ê) adj. 1. Relativo a Dom Quixote, personagem de Miguel de Cervantes, na obra Don Quixote de La Mancha. 2. Ridículo; grotesco. 3. Excessivamente romântico ou sonhador.

2 TEXTO 01 O personagem Dom Quixote de la Mancha, um fidalgo fascinado por histórias de cavalaria, foi criado há quase 500 anos. De tanto ler livros sobre nobres cavaleiros, passa a acreditar que é um deles. Assim, vende tudo o que possui, pega o magro pangaré e uma armadura velha e sai pela Espanha em defesa dos mais fracos. Junta-se a ele Sancho Pança, seu fiel escudeiro, cuja montaria é um pobre burrico. DOM QUIXOTE E SANCHO PANÇA Depois de cavalgarem por algumas horas, chegaram a um grande campo onde se viam muitos moinhos de ventos. Dom Quixote exclamou para o criado: Veja, meu fiel Sancho! Diante de nós estão mais de trinta gigantes! Vou combatê-los e matar um por um. Que gigantes? Sancho Pança só via moinhos de vento. Olhe lá! Têm braços enormes, devem medir metros... Aquilo não são gigantes, meu amo... São moinhos de vento! E aqueles braços são as pás que fazem girar a pedra para moer os grãos. Você não tem prática nessas aventuras! E, invocando o nome de sua amada Dulcinéia, cravou a lança numa das pás do moinho mais próximo. Foi a conta. A força da batida reduziu sua lança a pedaços e cavalo e cavaleiro foram atirados a distância. Sancho Pança, aflito, correu em socorro do desastrado combatente: Eu avisei que eram moinhos de vento e não gigantes! São os azares da guerra. Eram gigantes e agora são moinhos. São artes diabólicas que provocam essas transformações. Sancho Pança, sem entender nada, deixou que seu patrão e Deus resolvessem aquele problema. Apesar dos ferimentos, Dom Quixote só lamentava a perda de sua lança. Sentia dores por todo o corpo mas não se lastimava, pois isso não era procedimento digno de um verdadeiro herói da cavalaria andante. (Minguel de Cervantes, Dom Quixote, adaptação de José Angeli. São Paulo: Scipione, 1999.) Após reler com atenção o texto, responda às questões que seguem. 01. Embora fosse alertado por seu escudeiro que os gigantes na verdade eram moinhos de vento, Dom Quixote não desiste de enfrentá-los. A partir deste comportamento, escreva três adjetivos que possam descrever a personalidade de Dom Quixote e justifique a sua escolha.

3 3 02. Mesmo depois de ser abatido pelos moinhos de vento, Dom Quixote continua afirmando que antes eles eram gigantes. Que justificativa é dada para a transformação que, segundo ele, ocorreu? 03. É correto afirmar que a experiência com os moinhos de vento fez com que Dom Quixote desistisse da idéia de ser um cavaleiro? Justifique sua resposta. 04. Por causa de Dom Quixote, as pessoas sonhadoras são chamadas de quixotescas. Esta qualificação pode ter um sentido positivo ou negativo. Dê um exemplo para cada um dos sentidos citados acima. TEXTO 02 E A HISTÓRIA ERA ASSIM... Em todos os tempos, sempre existiram guerreiros para defender reinos, territórios e países. Na Idade Média ( ), os guerreiros mais corajosos recebiam do rei o título de cavaleiro. Para ser cavaleiro, era preciso saber lutar com várias armas: espada, escudo, lança, 05 clava e punhal. Os cavaleiros enfrentavam seus inimigos montados a cavalo e vestidos com armaduras e capacetes. Como esses equipamentos eram pesados, eles viajavam acompanhados de ajudantes: os pajens e escudeiros. O dever de todo cavaleiro era proteger crianças, mulheres e pobres, obedecendo a um código de honra chamado de leis de cavalaria. Também caçava e participava de torneios, lutas organizadas por nobres e 10 reis. No século XVII, época em que Dom Quixote foi escrito, histórias de cavaleiros, estavam na moda. Eram romances de cavalaria.

4 4 15 Na Inglaterra, quase todos conheciam Os feitos do rei Artur e os cavaleiros da Távola Redonda. Na Alemanha, havia a lenda de Rolando, o valoroso cavaleiro, e, na Espanha e França, as aventuras de Carlos Magno, o rei guerreiro. Mas Dom Quixote era cavaleiro trapalhão. Seu cavalo de batalha, Rocinante, era velho e magro. Seu escudeiro, Sancho Pança, não era nobre nem jovem e, ainda por cima, viajava montado num pequeno burro. Nada era mágico ou maravilhoso na vida de Dom Quixote. 20 Quando ele saiu de sua casa para viajar pelo mundo em busca de aventura, tudo deu errado. Em sua primeira aventura, confundiu uma comitiva de cavalariços com guerreiros inimigos e os atacou. Foi derrotado e humilhado. Libertou, por engano, um grupo de ladrões e avançou contra moinhos de vento pensando que fossem gigantes. Dom Quixote, o Cavaleiro de Triste Figura, jamais conseguiu ser um herói como os dos romances que leu. E, talvez por ter sido apenas um homem simples, cheio de boas intenções 25 e uma coragem que raramente usou, tornou-se uma das personagens mais encantadoras de toda a literatura ocidental, transformando seu criador, Miguel de Cervantes, num escritor de uma história clássica. SCLIAR, Moacyr. Vice-versa ao contrário. São Paulo, Companhia das Letrinhas, p Segundo o texto, qual a condição para que um guerreiro fosse considerado um cavaleiro? 06. Transcreva do texto o trecho que mostra as atribuições de um cavaleiro? 07. Apesar de não ter sido verdadeiramente um cavaleiro, Dom Quixote é uma personagem importante da literatura ocidental. Que características foram responsáveis por este destaque?

5 08. Classifique as frases abaixo em verbal ou nominal. a) Veja, meu fiel Sancho! (l. 4 texto I) 5 b) Que gigantes? (l. 6 texto I) c) Mas Dom Quixote era cavaleiro trapalhão. (l. 16 texto II) d) Foi derrotado e humilhado. (l. 21 texto II) e) Coitado de Dom Quixote! (Adaptada) 09. Classifique as frases abaixo seguindo o seguinte código: (A) Declarativa afirmativa. (B) Declarativa negativa. (C) Imperativa. (D) Exclamativa. (E) Interrogativa. ( )...São moinhos de vento! (l. 8 texto I) ( ) Olhe lá! (l. 7 texto I) ( ) Aquilo não são gigantes, meu amo... (l. 8 texto I) ( ) Os cavaleiros enfrentavam seus inimigos... (l. 5 texto II) ( ) Você conhece Dom Quixote? (Adaptada) 10. Indique a quantidade de orações existentes nos períodos abaixo e, em seguida, classifique-os em simples ou compostos. a) Quando ele saiu de sua casa para viajar pelo mundo em busca de aventura, tudo deu errado. (ls. 19/20 texto II) b) Na Inglaterra, quase todos conheciam Os feitos do rei Arthur e os cavaleiros da Távola Redonda. (ls. 13/14 texto II) c) Depois de cavalgarem por algumas horas, chegaram a um grande campo onde se viam muitos moinhos de ventos. (ls. 1/2 texto I) d) Têm braços enormes, devem medir metros... (l. 7 texto I) e) Você não tem prática nessas aventuras! (l. 10 texto I)

6 6 11. Retire os pronomes encontrados nas tirinhas que seguem e classifique-os. a) b) c)

CONCURSO DE ADMISSÃO 2013/2014 PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA (Prova 1) 6º Ano / Ensino Fundamental

CONCURSO DE ADMISSÃO 2013/2014 PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA (Prova 1) 6º Ano / Ensino Fundamental Leia atentamente o texto 1 e responda às questões de 01 a 12 assinalando a única alternativa correta. Texto 1 Uma história de Dom Quixote Moacyr Scliar 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO 2013/2014 PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA (Prova 3) 6º Ano / Ensino Fundamental

CONCURSO DE ADMISSÃO 2013/2014 PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA (Prova 3) 6º Ano / Ensino Fundamental Leia atentamente o texto 1 e responda às questões de 01 a 12 assinalando a única alternativa correta. Texto 1 Uma história de Dom Quixote Moacyr Scliar 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20

Leia mais

Tyll, o mestre das artes

Tyll, o mestre das artes Nome: Ensino: F undamental 5 o ano urma: T ata: D 10/8/09 Língua Por ortuguesa Tyll, o mestre das artes Tyll era um herói malandro que viajava pela antiga Alemanha inventando golpes para ganhar dinheiro

Leia mais

Atividade: Leitura e interpretação de texto. Português- 8º ano professora: Silvia Zanutto

Atividade: Leitura e interpretação de texto. Português- 8º ano professora: Silvia Zanutto Atividade: Leitura e interpretação de texto Português- 8º ano professora: Silvia Zanutto Orientações: 1- Leia o texto atentamente. Busque o significado das palavras desconhecidas no dicionário. Escreva

Leia mais

4ºano. 3º período 1.4 LÍNGUA PORTUGUESA. 30 de agosto de 2013

4ºano. 3º período 1.4 LÍNGUA PORTUGUESA. 30 de agosto de 2013 4ºano 1.4 LÍNGUA PORTUGUESA 3º período 30 de agosto de 2013 Cuide da organização da sua avaliação, escreva de forma legível, fique atento à ortografia e elabore respostas claras. Tudo isso será considerado

Leia mais

2011 ano Profético das Portas Abertas

2011 ano Profético das Portas Abertas 2011 ano Profético das Portas Abertas Porta Aberta da Oportunidade I Samuel 17:26 - Davi falou com alguns outros que estavam ali, para confirmar se era verdade o que diziam. "O que ganhará o homem que

Leia mais

Uma Técnica Muito Extraordinária

Uma Técnica Muito Extraordinária Uma Técnica Muito Extraordinária Obrigado, Alberto. Você está se tornando um excelente escudeiro. 1 1 escudeiro: um jovem de família nobre que auxiliava um cavaleiro até ele mesmo se tornar cavaleiro Nosso

Leia mais

Uma história de Dom Quixote

Uma história de Dom Quixote FICHA DA SEMANA 5º ANO A / B Instruções: 1- Cada atividade terá uma data de realização e deverá ser entregue a professora no dia seguinte; 2- As atividades deverão ser copiadas e respondidas no caderno,

Leia mais

LIÇÃO 2 Esteja Preparado

LIÇÃO 2 Esteja Preparado LIÇÃO 2 Esteja Preparado Lembra-se do dia em que começou a aprender a ler? Foi muito difícil, não foi? No princípio não sabemos nada sobre leitura. Depois ensinaramlhe a ler as primeiras letras do alfabeto.

Leia mais

Preparando-se para a luta espiritual (O capacete da salvação e a espada do Espírito) Efésios 6.17,18 Pr. Vlademir Silveira Série Armadura de Deus

Preparando-se para a luta espiritual (O capacete da salvação e a espada do Espírito) Efésios 6.17,18 Pr. Vlademir Silveira Série Armadura de Deus Preparando-se para a luta espiritual (O capacete da salvação e a espada do Espírito) Efésios 6.17,18 Pr. Vlademir Silveira Série Armadura de Deus Mensagem # 5 IBMC 03/11/12 INTRODUÇÃO Vídeo: Como ter a

Leia mais

Língua Portuguesa 4 º ano. A camponesa sábia *

Língua Portuguesa 4 º ano. A camponesa sábia * Avaliação 3 o Bimestre NOME: N º : CLASSE: Na sétima unidade você leu algumas histórias com príncipes e princesas em seus majestosos castelos. O texto a seguir é mais uma dessas histórias. Ele nos conta

Leia mais

AS VIAGENS ESPETACULARES DE PAULO

AS VIAGENS ESPETACULARES DE PAULO Bíblia para crianças apresenta AS VIAGENS ESPETACULARES DE PAULO Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:Janie Forest Adaptado por: Ruth Klassen O texto bíblico desta história é extraído ou adaptado da

Leia mais

COLÉGIO SHALOM Ensino Fundamental 9º Ano Profº: Clécio Oliveira Língua 65 Portuguesa Aluno (a):. No.

COLÉGIO SHALOM Ensino Fundamental 9º Ano Profº: Clécio Oliveira Língua 65 Portuguesa Aluno (a):. No. COLÉGIO SHALOM Ensino Fundamental 9º Ano Profº: Clécio Oliveira Língua 65 Portuguesa Aluno (a):. No. Trabalho Avaliativo Valor: 30 % Nota: Minhas Férias Eu, minha mãe, meu pai, minha irmã (Su) e meu cachorro

Leia mais

UM FILHO FAVORITO QUE SE TORNA UM ESCRAVO

UM FILHO FAVORITO QUE SE TORNA UM ESCRAVO Bíblia para crianças apresenta UM FILHO FAVORITO QUE SE TORNA UM ESCRAVO Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:Byron Unger; Lazarus Adaptado por: M. Kerr; Sarah S. Traduzido por: Judith Menga Produzido

Leia mais

Jesus contou aos seus discípulos esta parábola, para mostrar-lhes que eles deviam orar sempre e nunca desanimar.

Jesus contou aos seus discípulos esta parábola, para mostrar-lhes que eles deviam orar sempre e nunca desanimar. Lc 18.1-8 Jesus contou aos seus discípulos esta parábola, para mostrar-lhes que eles deviam orar sempre e nunca desanimar. Ele disse: "Em certa cidade havia um juiz que não temia a Deus nem se importava

Leia mais

A História dos Três Porquinhos

A História dos Três Porquinhos SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA Mantenedora da PUC Minas e do COLÉGIO SANTA MARIA DATA: 0 / / 03 UNIDADE: III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE LÍNGUA PORTUGUESA.º ANO/EF ALUNO(A): N.º: TURMA: PROFESSOR(A): VALOR:

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL DE LÍNGUA PORTUGUESA

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL DE LÍNGUA PORTUGUESA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL DE LÍNGUA PORTUGUESA Nome: Nº 8º Data / / Professor: Nota: A INTRODUÇÃO Agora, você terá a oportunidade de recuperar os conteúdos do ano por meio de um roteiro de estudo. Leia

Leia mais

Bloco de Recuperação Paralela DISCIPLINA: Língua Portuguesa

Bloco de Recuperação Paralela DISCIPLINA: Língua Portuguesa COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Bloco de Recuperação Paralela DISCIPLINA: Língua Portuguesa Nome: Ano: 3º Ano 2º Etapa 2014 Colégio Nossa Senhora da Piedade Área do Conhecimento: Códigos e Linguagens

Leia mais

Lição 1 Como Amar os Inimigos

Lição 1 Como Amar os Inimigos Lição 1 Como Amar os Inimigos A. Como seus pais resolviam as brigas entres você e seus irmãos? B. Em sua opinião qual a diferença entre amar o inimigo e ser amigo do inimigo? PROPÓSITO: Aprender como e

Leia mais

400 anos do cavaleiro sonhador

400 anos do cavaleiro sonhador 400 anos do cavaleiro sonhador Há 400 anos, Miguel de Cervantes publicava a primeira parte de Dom Quixote, livro que marcou a história da literatura. Críticos e estudiosos retomam a efeméride para discutir

Leia mais

Nome: nº Data: 7º ano Profa.:Juliana Sanches

Nome: nº Data: 7º ano Profa.:Juliana Sanches 1 Nome: nº Data: 7º ano Profa.:Juliana Sanches Conteúdo: - Predicação Verbal; - Modo e Tempo Verbal; - Vozes Verbais. Trabalho para Recuperação 01. Leia a tira. a) Na oração Queria mandar um alô para o

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

Brasileiros esperam ganhar salário três vezes maior após fazer MBA

Brasileiros esperam ganhar salário três vezes maior após fazer MBA COLÉGIO SHALOM Ensino Fundamental 6º Ano Profª: Margareth Rodrigues Dutra Disciplina: Língua Portuguesa Aluno(a): TRABALHO DE RECUPERAÇÃO Data de entrega: 18/12/14 Questão 1- Leia o texto a seguir. Brasileiros

Leia mais

Durante dois anos, a cia. teatral 4comPalito se debruçou sobre a árdua. de Cervantes, para um texto teatral, visando a uma montagem de espetáculo.

Durante dois anos, a cia. teatral 4comPalito se debruçou sobre a árdua. de Cervantes, para um texto teatral, visando a uma montagem de espetáculo. Dramaturgia de Quixote um estudo sobre o processo de construção do texto teatral inspirado na obra O engenhoso fidalgo Dom Quixote de la Mancha, de Miguel de Cervantes Júlio César Viana Saraiva (UFMG)

Leia mais

Aluno(a): Nº. Disciplina: Português Data da prova: 03/10/2014. P1-4 BIMESTRE. Análise de textos poéticos. Texto 1. Um homem também chora

Aluno(a): Nº. Disciplina: Português Data da prova: 03/10/2014. P1-4 BIMESTRE. Análise de textos poéticos. Texto 1. Um homem também chora Lista de Exercícios Aluno(a): Nº. Professor: Daniel Série: 9 ano Disciplina: Português Data da prova: 03/10/2014. P1-4 BIMESTRE Análise de textos poéticos Texto 1 Um homem também chora Um homem também

Leia mais

História de Trancoso

História de Trancoso Aluno(a): Professor(a): Turma: n o : Data: Leia o texto a seguir com atenção. História de Trancoso Joel Rufi no dos Santos Era uma vez um fazendeiro podre de rico, que viajava solitário. Ah, quem me dera

Leia mais

Um crente bêbado é melhor que o sóbrio desviado Pr. Harry Tenório. Pelo teu nome por sua vida eu não farei uma coisas dessas! 2 Sm 11.

Um crente bêbado é melhor que o sóbrio desviado Pr. Harry Tenório. Pelo teu nome por sua vida eu não farei uma coisas dessas! 2 Sm 11. Um crente bêbado é melhor que o sóbrio desviado Pr. Harry Tenório Pelo teu nome por sua vida eu não farei uma coisas dessas! 2 Sm 11.11 Introdução Negar princípios parece ser uma coisa comum em nossos

Leia mais

DAVI, O REI (PARTE 1)

DAVI, O REI (PARTE 1) Bíblia para crianças apresenta DAVI, O REI (PARTE 1) Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:Lazarus Adaptado por: Ruth Klassen O texto bíblico desta história é extraído ou adaptado da Bíblia na Linguagem

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

ADORADOR X GUERREIRO

ADORADOR X GUERREIRO ADORADOR X GUERREIRO Texto Chave ISamuel 16:17-18 17 E Saul respondeu aos que o serviam: Encontrem alguém que toque bem e tragam- no até aqui. 18 Um dos oficiais respondeu: Conheço um filho de Jessé, de

Leia mais

Bíblia para crianças. apresenta O SÁBIO REI

Bíblia para crianças. apresenta O SÁBIO REI Bíblia para crianças apresenta O SÁBIO REI SALOMÃO Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:Lazarus Adaptado por: Ruth Klassen O texto bíblico desta história é extraído ou adaptado da Bíblia na Linguagem

Leia mais

Você é um Cristão Embaixador ou Turista do Reino de Deus?

Você é um Cristão Embaixador ou Turista do Reino de Deus? Você é um Cristão Embaixador ou Turista do Reino de Deus? 2 Coríntios 5:18-20 Ora, tudo provém de Deus, que nos reconciliou consigo mesmo por meio de Cristo e nos deu o ministério da reconciliação, a saber,

Leia mais

ATIVIDADES DE LÍNGUA PORTUGUESA-4º ANO

ATIVIDADES DE LÍNGUA PORTUGUESA-4º ANO Disciplina : Língua Portuguesa Professora: Nilceli Barueri, / 08 / 2010 2ª postagem Nome: n.º 4º ano ATIVIDADES DE LÍNGUA PORTUGUESA-4º ANO Queridos alunos, aqui está a segunda postagem de Língua Portuguesa.

Leia mais

A Vida do Rei Asa - Bisneto de Salomão

A Vida do Rei Asa - Bisneto de Salomão A Vida do Rei Asa - Bisneto de Salomão 1 Reis 15:9-15 No ano vinte do reinado de Jeroboão em Israel, Asa se tornou rei de Judá 10 e governou quarenta e um anos em Jerusalém. A sua avó foi Maacá, filha

Leia mais

Texto 1 O FUTEBOL E A MATEMÁTICA Modelo matemático prevê gols no futebol Moacyr Scliar

Texto 1 O FUTEBOL E A MATEMÁTICA Modelo matemático prevê gols no futebol Moacyr Scliar PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS BANCO DE QUESTÕES - LÍNGUA PORTUGUESA - 5 ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ========================================================================== Texto 1 O FUTEBOL E A MATEMÁTICA

Leia mais

Centro Educacional Souza Amorim Jardim Escola Gente Sabida Sistema de Ensino PH Vila da Penha. Ensino Fundamental

Centro Educacional Souza Amorim Jardim Escola Gente Sabida Sistema de Ensino PH Vila da Penha. Ensino Fundamental Centro Educacional Souza Amorim Jardim Escola Gente Sabida Sistema de Ensino PH Vila da Penha Ensino Fundamental Turma: PROJETO INTERPRETA AÇÂO (INTERPRETAÇÃO) Nome do (a) Aluno (a): Professor (a): DISCIPLINA:

Leia mais

Processo Seletivo 1.º Semestre 2012 004. Prova Dissertativa

Processo Seletivo 1.º Semestre 2012 004. Prova Dissertativa Processo Seletivo 1.º Semestre 2012 004. Prova Dissertativa Técnico Concomitante ou Subsequente ao Ensino Médio Instruções Confira seu nome e número de inscrição impressos na capa deste caderno. Assine

Leia mais

O MOÇO DAVI Lição 56. 1. Objetivos: Ensinar que Deus olha para nossos corações enquanto o homem olha na aparência física.

O MOÇO DAVI Lição 56. 1. Objetivos: Ensinar que Deus olha para nossos corações enquanto o homem olha na aparência física. O MOÇO DAVI Lição 56 1 1. Objetivos: Ensinar que Deus olha para nossos corações enquanto o homem olha na aparência física. 2. Lição Bíblica: 1 Samuel 16 e 17 (Base bíblica para a história o professor)

Leia mais

Sistema de Ensino CNEC 2014-07a-07s-ac-05 Português: Interpretação de texto, construção de frase

Sistema de Ensino CNEC 2014-07a-07s-ac-05 Português: Interpretação de texto, construção de frase 2 o ano Ensino Fundamental Data: / / Atividades de Ciências (Recortar e colar no caderno de Matemática e Ciências.) Nome: A leitura nos faz viajar! Pegue carona com a Estrela Tinim e descubra grandes aventuras!

Leia mais

SAMUEL, O PROFETA Lição 54. 1. Objetivos: Ensinar que Deus quer que nós falemos a verdade, mesmo quando não é fácil.

SAMUEL, O PROFETA Lição 54. 1. Objetivos: Ensinar que Deus quer que nós falemos a verdade, mesmo quando não é fácil. SAMUEL, O PROFETA Lição 54 1 1. Objetivos: Ensinar que Deus quer que nós falemos a verdade, mesmo quando não é fácil. 2. Lição Bíblica: 1 Samuel 1 a 3 (Base bíblica para a história o professor) Versículo

Leia mais

O líder convida um membro para ler em voz alta o objetivo da sessão:

O líder convida um membro para ler em voz alta o objetivo da sessão: SESSÃO 3 'Eis a tua mãe' Ambiente Em uma mesa pequena, coloque uma Bíblia, abriu para a passagem do Evangelho leia nesta sessão. Também coloca na mesa uma pequena estátua ou uma imagem de Maria e uma vela

Leia mais

1. (FUVEST-SP) Em Queria que me ajudasses, o trecho destacado pode ser substituído por:

1. (FUVEST-SP) Em Queria que me ajudasses, o trecho destacado pode ser substituído por: COLÉGIO DE APLICAÇÃO DOM HÉLDER CÂMARA AVALIAÇÃO: EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES I DISCIPLINA: LÍNGUA PORTUGUESA PROFESSOR(A): ANA PAULA DA VEIGA CALDAS ALUNO(A) DATA: / / TURMA: M SÉRIE: 9º ANO DATA PARA ENTREGA:

Leia mais

TRABALHO DE RECUPERAÇÃO / PORTUGUÊS - 1º ANO

TRABALHO DE RECUPERAÇÃO / PORTUGUÊS - 1º ANO TRABALHO DE RECUPERAÇÃO / PORTUGUÊS - 1º ANO INSTRUÇÃO: Leia o texto a seguir para responder às questões de 01 a 03. O DESCONSOLO DA PERDA Betty Milan* Por que Dom Quixote de la Mancha é um dos romances

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO II ETAPA LETIVA HISTÓRIA 3.º ANO/EF 2015

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO II ETAPA LETIVA HISTÓRIA 3.º ANO/EF 2015 SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA MANTENEDORA DA PUC Minas E DO COLÉGIO SANTA MARIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO II ETAPA LETIVA HISTÓRIA 3.º ANO/EF 2015 Caro(a) aluno(a), É tempo de conferir os conteúdos estudados

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO

CADERNO DE ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO COLÉGIO ARNALDO 2015 CADERNO DE ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO LÍNGUA PORTUGUESA Aluno (a): Turma: 2º Ano Professora: Data de entrega: Valor: 20 pontos CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Leitura e interpretação de textos

Leia mais

AUTORES E ILUSTRADORES: FELIPE DE ROSSI GUERRA JULIA DE ANGELIS NOGUEIRA VOGES

AUTORES E ILUSTRADORES: FELIPE DE ROSSI GUERRA JULIA DE ANGELIS NOGUEIRA VOGES AUTORES E ILUSTRADORES: FELIPE DE ROSSI GUERRA JULIA DE ANGELIS NOGUEIRA VOGES 1ºC - 2011 APRESENTAÇÃO AO LONGO DESTE SEMESTRE AS CRIANÇAS DO 1º ANO REALIZARAM EM DUPLA UM TRABALHO DE PRODUÇÃO DE TEXTOS

Leia mais

PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS

PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS BANCO DE QUESTÕES - PORTUGUÊS - 8º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================== BRINCADEIRA Começou

Leia mais

Texto Bíblico: Efésios 6.12-13

Texto Bíblico: Efésios 6.12-13 Lição 13 Uma batalha intensa e sem trégua Texto Bíblico: Efésios 6.12-13 No mesmo instante em que recebemos a Jesus como Senhor e Salvador de nossa vida, assumimos uma posição contrária ao império das

Leia mais

NÃO SE ENCONTRA O QUE SE PROCURA

NÃO SE ENCONTRA O QUE SE PROCURA NÃO SE ENCONTRA O QUE SE PROCURA Do Autor: ficção Não te deixarei morrer, David Crockett (Contos e Crónicas), 2001 Equador (Romance), 2003 Premio Grinzane Cavour Narrativa Straniera (Itália) Rio das Flores

Leia mais

Avaliação 2 o Bimestre

Avaliação 2 o Bimestre Avaliação 2 o Bimestre NOME: N º : CLASSE: Na quarta unidade lemos um texto sobre a Mãe d Água, um ser misterioso que vive na água. Você conhece algum outro ser fantástico parecido com esse? A seguir,

Leia mais

Lista Complementar de Revisão

Lista Complementar de Revisão Aluno(a) Turma N o 7 o Ano - Ensino Fundamental II Data / / Matéria: PORTUGUÊS Professoras: Alessandra, Carla, Francis, Sheila e Thaís TEXTO Lista Complementar de Revisão A nova professora Dona Celinha

Leia mais

A AUSTERIDADE DE ESPARTA PROFª TEREZA SODRÉ MOTA

A AUSTERIDADE DE ESPARTA PROFª TEREZA SODRÉ MOTA A AUSTERIDADE DE ESPARTA PROFª TEREZA SODRÉ MOTA A cidade-estado de Esparta, situada nas beiras do rio Eurotas, na região do Peloponeso, na Grécia, foi um dos fenômenos mais fascinantes da história em

Leia mais

SINTAXE. ISJB - Colégio Salesiano Jardim Camburi. Profa. Me. Luana Lemos. llemos@salesiano.org.br

SINTAXE. ISJB - Colégio Salesiano Jardim Camburi. Profa. Me. Luana Lemos. llemos@salesiano.org.br SINTAXE ISJB - Colégio Salesiano Jardim Camburi Profa. Me. Luana Lemos 1 FRASE, ORAÇÃO E PERÍODO FRASE unidade mínima de comunicação. Ex: Nós estudamos muito. Frase nominal exprime uma visão estática do

Leia mais

1. Frei Luís de Sousa Almeida Garrett

1. Frei Luís de Sousa Almeida Garrett 1. Frei Luís de Sousa Almeida Garrett De entre as alternativas a seguir apresentadas, escolhe a que te parecer mais correcta, assinalando com um círculo. 1.1. O autor da obra Frei Luís de Sousa é A. Camões.

Leia mais

7 DE SETEMBRO INDEPENDENCIA DO BRASIL

7 DE SETEMBRO INDEPENDENCIA DO BRASIL 7 DE SETEMBRO INDEPENDENCIA DO BRASIL A HISTÓRIA... A Independência do Brasil éum dos fatos históricos mais importantes de nosso país, pois marca o fim do domínio português e a conquista da autonomia política.

Leia mais

De que jeito se governava a Colônia

De que jeito se governava a Colônia MÓDULO 3 De que jeito se governava a Colônia Apresentação do Módulo 3 Já conhecemos bastante sobre a sociedade escravista, especialmente em sua fase colonial. Pouco sabemos ainda sobre a organização do

Leia mais

GRUPO IV 2 o BIMESTRE PROVA A

GRUPO IV 2 o BIMESTRE PROVA A A GERAÇÃO DO CONHECIMENTO Transformando conhecimentos em valores www.geracaococ.com.br Unidade Portugal Série: 6 o ano (5 a série) Período: MANHÃ Data: 12/5/2010 PROVA GRUPO GRUPO IV 2 o BIMESTRE PROVA

Leia mais

DOCE BALANÇO Novela de Antonio Figueira

DOCE BALANÇO Novela de Antonio Figueira DOCE BALANÇO Novela de Antonio Figueira Escrita por Antonio Figueira Personagens deste capítulo: DETETIVE AMADEU ALFREDINHO DELEGADO NOGUEIRA VALÉRIA MONTEIRO PRADO MALU CARMEN HUGO MATIAS MARCELÃO ISADORA

Leia mais

Mas o mais importante é que saiba que irei sempre te amar

Mas o mais importante é que saiba que irei sempre te amar Eterna gratidão Pai, há tantas coisas que queria te falar Mas o mais importante é que saiba que irei sempre te amar É meu protetor, companheiro e amigo Aquele que sempre esteve comigo. Desde o primeiro

Leia mais

#93r. 11.7 O Apocalipse X Mateus 24

#93r. 11.7 O Apocalipse X Mateus 24 11.7 O Apocalipse X Mateus 24 #93r Há uma grande semelhança entre a sequência dos acontecimentos do período da Tribulação, descritos no livro do Apocalipse, com relação a Mateus 24. Vamos hoje, analisar

Leia mais

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Apresentaremos 4 lições, que mostram algum personagem Bíblico, onde as ações praticadas ao longo de sua trajetória abençoaram a vida de muitas

Leia mais

Aula 4.1 Conteúdo: Frase Classificação quanto à intenção Classificação quanto à estrutura (oração) LÍNGUA PORTUGUESA FORTALECENDO SABERES

Aula 4.1 Conteúdo: Frase Classificação quanto à intenção Classificação quanto à estrutura (oração) LÍNGUA PORTUGUESA FORTALECENDO SABERES 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Aula 4.1 Conteúdo: Frase Classificação quanto à intenção Classificação quanto à estrutura (oração) 3 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES

Leia mais

Abertura da Exposição Álvaro Cunhal, no Porto Segunda, 02 Dezembro 2013 17:57

Abertura da Exposição Álvaro Cunhal, no Porto Segunda, 02 Dezembro 2013 17:57 Intervenção de Jerónimo de Sousa, Secretário-Geral, Porto, Acto de abertura da Exposição «Álvaro Cunhal Vida, Pensamento e Luta: Exemplo que se Projecta na Actualidade e no Futuro» Em nome do Partido Comunista

Leia mais

Apêndice F-15d CURSO DE EXTENSÃO Educação Ambiental em Bacias Hidrográficas: diagnósticos sócio-ambientais e construção de maquetes RELATÓRIO PARCIAL

Apêndice F-15d CURSO DE EXTENSÃO Educação Ambiental em Bacias Hidrográficas: diagnósticos sócio-ambientais e construção de maquetes RELATÓRIO PARCIAL Apêndice F-15d CURSO DE EXTENSÃO Educação Ambiental em Bacias Hidrográficas: diagnósticos sócio-ambientais e construção de maquetes Segundo módulo RELATÓRIO PARCIAL 07 de novembro de 2005 Associação Comercial

Leia mais

PERÍODO HOMÉRICO EM HOMENAGEM A HOMERO QUEM FOI HOMERO?

PERÍODO HOMÉRICO EM HOMENAGEM A HOMERO QUEM FOI HOMERO? PERÍODO HOMÉRICO EM HOMENAGEM A HOMERO QUEM FOI HOMERO? Homero foi um poeta épico da Grécia Antiga, ao qual tradicionalmente se atribui a autoria dos poemas épicos Ilíada e Odisseia. Poemas épicos = são

Leia mais

DATA: / / 2015 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE EDUCAÇÃO RELIGIOSA 4.º ANO/EF ALUNO(A): N.º: TURMA: PROFESSOR (A): VALOR: 10,0 MÉDIA: 6,0 RESULTADO: %

DATA: / / 2015 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE EDUCAÇÃO RELIGIOSA 4.º ANO/EF ALUNO(A): N.º: TURMA: PROFESSOR (A): VALOR: 10,0 MÉDIA: 6,0 RESULTADO: % SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA Mantenedora da PUC Minas e do COLÉGIO SANTA MARIA DATA: / / 205 UNIDADE: III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE EDUCAÇÃO RELIGIOSA 4.º ANO/EF ALUNO(A): N.º: TURMA: PROFESSOR (A):

Leia mais

Hamlet. William Shakespeare. É só o Começo. Coleção

Hamlet. William Shakespeare. É só o Começo. Coleção William Shakespeare Adaptação para neoleitores, a partir do original em inglês: Paulo Seben Revisão técnica: Pedro Garcez Supervisão: Luís Augusto Fischer Hamlet Versão adaptada para neoleitores a Coleção

Leia mais

A Cura de Naamã - O Comandante do Exército da Síria

A Cura de Naamã - O Comandante do Exército da Síria A Cura de Naamã - O Comandante do Exército da Síria Samaria: Era a Capital do Reino de Israel O Reino do Norte, era formado pelas 10 tribos de Israel, 10 filhos de Jacó. Samaria ficava a 67 KM de Jerusalém,

Leia mais

GRUPO III 1 o BIMESTRE PROVA A

GRUPO III 1 o BIMESTRE PROVA A A GERAÇÃO DO CONHECIMENTO Transformando conhecimentos em valores www.geracaococ.com.br Unidade Portugal Série: 6 o ano (5 a série) Período: MANHÃ Data: 22/4/2010 PROVA GRUPO GRUPO III 1 o BIMESTRE PROVA

Leia mais

Para gostar de pensar

Para gostar de pensar Rosângela Trajano Para gostar de pensar Volume III - 3º ano Para gostar de pensar (Filosofia para crianças) Volume III 3º ano Para gostar de pensar Filosofia para crianças Volume III 3º ano Projeto editorial

Leia mais

NOME DO ALUNO: Nº: DISCIPLINA: HISTÓRIA ANO: 6º TURMA: PROFESSORA: LUISA DATA: / / 2013 NOTA: ESTUDO DIRIGIDO 1º SEMESTRE

NOME DO ALUNO: Nº: DISCIPLINA: HISTÓRIA ANO: 6º TURMA: PROFESSORA: LUISA DATA: / / 2013 NOTA: ESTUDO DIRIGIDO 1º SEMESTRE NOME DO ALUNO: Nº: DISCIPLINA: HISTÓRIA ANO: 6º TURMA: PROFESSORA: LUISA DATA: / / 2013 NOTA: ESTUDO DIRIGIDO 1º SEMESTRE Querido(a) aluno(a), Estas atividades são para auxiliar e organizar o seu estudo.

Leia mais

Avaliação 1 o Bimestre

Avaliação 1 o Bimestre Avaliação 1 o Bimestre NOME: N º : CLASSE: Na primeira unidade você leu uma letra de música do grupo Skank sobre a grande emoção que o futebol desperta na maioria dos brasileiros. Na segunda, você leu

Leia mais

LEITURA ORIENTADA NA SALA DE AULA

LEITURA ORIENTADA NA SALA DE AULA LEITURA ORIENTADA NA SALA DE AULA UMA AVENTURA NA FALÉSIA COLEÇÃO UMA AVENTURA ATIVIDADES PROPOSTAS Leitura orientada por capítulos Interpretação do texto/funcionamento da Língua Fichas de trabalho para

Leia mais

Unidade 5 Teatro e cinema

Unidade 5 Teatro e cinema Sugestões de atividades Unidade 5 Teatro e cinema 9 PORTUGUÊS 1 Português Leia com atenção o texto a seguir. Trata-se de outro trecho da obra O Auto da Compadecida. Chega então agora a vez de Sua Desgracência,

Leia mais

Série: CRESCIMENTO Preletor: Dr. Bob Harrison Cd: 1/11

Série: CRESCIMENTO Preletor: Dr. Bob Harrison Cd: 1/11 TEMA: CRESCIMENTO, AVANÇO E CONQUISTA! 1/11. PRINCIPES E PRINCESAS SE VOCÊ É UMA DAS MILHARES DE PESSOAS QUE DESEJAM CRESCER, QUE DE VERDADE QUEREM CRESCIMENTO PARA SUA VIDA, AQUI VÃO ALGUMAS BOAS NOTÍCIAS.

Leia mais

LIÇÃO 8 Necessidades Sociais Satisfeitas

LIÇÃO 8 Necessidades Sociais Satisfeitas LIÇÃO 8 Necessidades Sociais Satisfeitas E perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós perdoamos aos nossos devedores (Mateus 6:12). Esta é uma lição importante. Fixamos as condições para o nosso próprio

Leia mais

FICHA PARA CATÁLOGO DE PRODUÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA PROFESSOR PDE/2012-2013

FICHA PARA CATÁLOGO DE PRODUÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA PROFESSOR PDE/2012-2013 FICHA PARA CATÁLOGO DE PRODUÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA PROFESSOR PDE/2012-2013 Autor Escola de atuação Município Núcleo Regional de Educação Orientador Título: A leitura em movimento na sala de aula Yolanda

Leia mais

Unidade 4: Obedeça ao Senhor Neemias e o muro

Unidade 4: Obedeça ao Senhor Neemias e o muro Histórias do Velho Testamento 3 a 6 anos Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse Unidade 4: Obedeça ao Senhor Neemias e o muro O Velho Testamento está cheio de histórias que Deus nos deu, espantosas e verdadeiras.

Leia mais

endereço: data: Telefone: E-mail: PARA QUEM CURSA O 6.O ANO EM 2015 Disciplina: Prova: PoRTUGUÊs

endereço: data: Telefone: E-mail: PARA QUEM CURSA O 6.O ANO EM 2015 Disciplina: Prova: PoRTUGUÊs Nome: N.º: endereço: data: Telefone: E-mail: Colégio PARA QUEM CURSA O 6.O ANO EM 2015 Disciplina: Prova: PoRTUGUÊs desafio nota: Um cavaleiro andante que vivia num mundo de sonhos e seu fiel escudeiro

Leia mais

UNIDADE 1. Escreva um relatório sobre a visita à locadora.

UNIDADE 1. Escreva um relatório sobre a visita à locadora. 2 UNIDADE 1 Escreva um relatório sobre a visita à locadora. 3 UNIDADE 2 Entrevista Escreva nesse espaço as 2 perguntas que sua equipe elaborou e registre a resposta dada pelo entrevistado. 4 UNIDADE 3

Leia mais

MORAL: UMA BOA AÇÃO GANHA A OUTRA.

MORAL: UMA BOA AÇÃO GANHA A OUTRA. O LEÃO E O RATINHO UM LEÃO, CANSADO DE TANTO CAÇAR, DORMIA ESPICHADO DEBAIXO DA SOMBRA DE UMA BOA ÁRVORE. VIERAM UNS RATINHOS PASSEAR POR CIMA DELE E ELE ACORDOU. TODOS CONSEGUIRAM FUGIR, MENOS UM, QUE

Leia mais

Projeto Dom Quixote. 1. Justificativa:

Projeto Dom Quixote. 1. Justificativa: - 1 - Projeto Dom Quixote 1. Justificativa: A EEB. Antenor Nascentes atende educandos da área rural e urbana do município de Princesa SC, esta localizada na região extremo-oeste próximo à divisa com a

Leia mais

PROVA BIMESTRAL Língua portuguesa

PROVA BIMESTRAL Língua portuguesa 7 o ano 2 o bimestre PROVA BIMESTRAL Língua portuguesa Escola: Nome: Turma: n o : Sotaque mineiro: é ilegal, imoral ou engorda? Gente, simplificar é um pecado. Se a vida não fosse tão corrida, se não tivesse

Leia mais

O primeiro sermão que preguei na PIB em Penápolis depois de empossado foi baseado neste texto, mas a mensagem de hoje não é uma reedição.

O primeiro sermão que preguei na PIB em Penápolis depois de empossado foi baseado neste texto, mas a mensagem de hoje não é uma reedição. Lições essenciais para nos tornamos vitoriosos em 2011 Êxodo 17.8-16 Pr. Fernando Fernandes PIB em Penápolis, 09/01/2011 O primeiro sermão que preguei na PIB em Penápolis depois de empossado foi baseado

Leia mais

Objetos projetados por Leonardo Da Vinci para ser usados em guerras e, a maioria, serviria de inspiração mais tarde para nossos objetos atuais de

Objetos projetados por Leonardo Da Vinci para ser usados em guerras e, a maioria, serviria de inspiração mais tarde para nossos objetos atuais de A arte da guerra Biografia O grande Leonardo da Vinci, talvez o maior artista do Renascimento, era um personagem exercia atividade em várias áreas: pintor, arquiteto, cientista, matemático, poeta, músico

Leia mais

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri. Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.com Página 1 1. HISTÓRIA SUNAMITA 2. TEXTO BÍBLICO II Reis 4 3.

Leia mais

Dom Quixote do Pilar. Adrian Parra Carneiro

Dom Quixote do Pilar. Adrian Parra Carneiro Adrian Parra Carneiro Dom Quixote do Pilar Dissertação sobre o livro Fogo Morto objetivando a conclusão do primeiro semestre da Faculdade de Biblioteconomia e Ciência da Informação pela Fundação Escola

Leia mais

Meu pássaro de papel

Meu pássaro de papel ALUNO (A): ANO: 3º TURMA: (A) (C) PROFESSOR (A): VALOR DA AVALIAÇÃO: 40 pontos DATA: CENTRO EDUCACIONAL SAGRADA FAMÍLIA 22 / 08 / 2013 TRIMESTRE: 2º NOTA: COMPONENTE CURRICULAR: LÍNGUA PORTUGUESA ENSINO

Leia mais

CURUPIRA AVALIAÇÃO DE CONTEÚDO DO GRUPO VIII 3 O BIMESTRE RESOLUÇÃO COMENTADA

CURUPIRA AVALIAÇÃO DE CONTEÚDO DO GRUPO VIII 3 O BIMESTRE RESOLUÇÃO COMENTADA Aluno(a) Data: 14 / 09 / 11 3 o ano 2 a Série Turma: Ensino Fundamental I Turno: Matutino Professoras: Disciplinas: Língua Portuguesa, Matemática, Ciências Naturais e História/Geografia Eixo Temático Herança

Leia mais

A idéia de Diana é criar um mundo perfeito, feito pelo que há de melhor em todas as raças. Por isso, as mulheres mais belas são respeitas na

A idéia de Diana é criar um mundo perfeito, feito pelo que há de melhor em todas as raças. Por isso, as mulheres mais belas são respeitas na As Amazonas As amazonas têm um sistema de vida bastante peculiar. Em primeiro lugar, todas são mulheres, grande parte bonitas, e todas devotas da deusa Diana. Vivem em pequenas cidades dentro de florestas,

Leia mais

ROMANTISMO EM PORTUGAL E NO BRASIL

ROMANTISMO EM PORTUGAL E NO BRASIL AULA 10 LITERATURA PROFª Edna Prado ROMANTISMO EM PORTUGAL E NO BRASIL I - CONTEXTO HISTÓRICO Na aula passada nós estudamos as principais características do Romantismo e vimos que a liberdade era a mola

Leia mais

JOÃO E O PÉ DE FEIJÃO EM CORDEL

JOÃO E O PÉ DE FEIJÃO EM CORDEL 1 NOME: Nº: 4º ANO: DATA DE ENTREGA: Queridos alunos e alunas As férias chegaram e com elas a vontade de passear, viajar, brincar com os amigos e curtir o merecido descanso, mas não podemos esquecer que

Leia mais

A ponte. Projeto: leitura e produção de texto. Texto de Heinz Janisch e ilustrações de Helga Bansch. Elaborado por: Ana Lúcia Maestrello

A ponte. Projeto: leitura e produção de texto. Texto de Heinz Janisch e ilustrações de Helga Bansch. Elaborado por: Ana Lúcia Maestrello A ponte Texto de Heinz Janisch e ilustrações de Helga Bansch Tradução: José Feres Sabino Projeto: leitura e produção de texto Indicação: Fundamental 1 Elaborado por: Ana Lúcia Maestrello às diferenças.

Leia mais

TESTE DE CONSCIÊNCIA EMOCIONAL. (Adaptado de Jonh Gottman e Joan DeClaire, em A Inteligência Emocional na Educação) IRA

TESTE DE CONSCIÊNCIA EMOCIONAL. (Adaptado de Jonh Gottman e Joan DeClaire, em A Inteligência Emocional na Educação) IRA TESTE DE CONSCIÊNCIA EMOCIONAL (Adaptado de Jonh Gottman e Joan DeClaire, em A Inteligência Emocional na Educação) O seguinte teste foi concebido para o ajudar a encarar a sua própria vida emocional, o

Leia mais

Porque Galeano escreve, eu sonho, porque sonho, eu não sou...

Porque Galeano escreve, eu sonho, porque sonho, eu não sou... Léolo, o personagem do belíssimo filme de Jean-Claude Lauzon, cercado pela loucura e pelo horror, repetia: Porque eu sonho, não estou louco, porque eu sonho, eu não sou... Galeano compartilha conosco um

Leia mais

5º Ano O amor é paciente. (I Coríntios 13:4 a)

5º Ano O amor é paciente. (I Coríntios 13:4 a) 5º Ano Roteiro Semanal de Atividades de Casa (13 a 17 de Maio 2013) NA TEIA DA ARANHA Resolva as operações, pinte a trilha que o resultado seja 67 e descubra o inseto que caiu na teia da aranha. O inseto

Leia mais

Tovadorismo. 2 - (UFPA - 2010) Das estrofes abaixo, a que apresenta traços da estética do Trovadorismo é:

Tovadorismo. 2 - (UFPA - 2010) Das estrofes abaixo, a que apresenta traços da estética do Trovadorismo é: Tovadorismo 1 - (PUC-Camp - 2011) A poesia medieval procurou enaltecer os valores e as virtures do cavaleiro. Nessa poesia, o amor cortês, referido no texto, pressupunha uma concepção mítica do amor, que

Leia mais

O povo da graça: um estudo em Efésios # 34 Perseverando com graça - Efésios 6.18-24

O povo da graça: um estudo em Efésios # 34 Perseverando com graça - Efésios 6.18-24 Perseverando com graça Efésios 6.18-24 O povo da graça: um estudo em Efésios # 34 18 Orem no Espírito em todas as ocasiões, com toda oração e súplica; tendo isso em mente, estejam atentos e perseverem

Leia mais

Parte 1: Compreensão e interpretação do texto. As cruéis sereias. Aluno(a): Professor(a): Turma: n o : Data:

Parte 1: Compreensão e interpretação do texto. As cruéis sereias. Aluno(a): Professor(a): Turma: n o : Data: Aluno(a): Professor(a): Turma: n o : Data: Leia o texto a seguir com atenção. Trata-se de um trecho da epopeia Odisseia, atribuída ao poeta grego Homero. Originariamente narrada em versos, ela narra as

Leia mais

ANÁLISE DO FILME OS 300 & A CIDADE GREGA ESPARTA

ANÁLISE DO FILME OS 300 & A CIDADE GREGA ESPARTA FACELI FACULDADE SUPERIOR DE LINHARES DISCIPLINA DE HISTÓRIA DO DIREITO CURSO DE DIREITO / 1º DIREITO B ANÁLISE DO FILME OS 300 & A CIDADE GREGA ESPARTA BARBARA LICIA JAMARA FERREIRA P. ARAUJO JANE SCHULZ

Leia mais