projectos de engenharia e fiscalização de obras, lda.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "projectos de engenharia e fiscalização de obras, lda."

Transcrição

1 projectos de engenharia e fiscalização de obras, lda.

2

3 PORTUGAL ARGELIA ANGOLA

4 BARRA MORADIAS EM BANDA Correia & Nóbrega, Lda Caniço, R. A. Madeira MORADIA UNIFAMILIAR João Fernandes Monte, R. A. Madeira ZARCO SHOPPING Imobiliária Almirante Reis, Lda Porto Santo, R. A. Madeira BAÍA SHOPPING Olilobos Investimentos Imobiliários, Lda Câmara de Lobos, R. A. Madeira HABITAÇÃO COLECTIVA Correia & Nóbrega, Lda Caniço, R. A. Madeira LAR DE TERCEIRA IDADE E CENTRO DE DIA Santa Casa da Misericórdia Santa Cruz, R. A. Madeira Implementação do Sistema de Gestão da Qualidade na área da fiscalização de obras REMODELAÇÃO DO HOTEL REID S PALACE Ridler Shepherd Low International Funchal, R. A. Madeira LAR DE TERCEIRA IDADE E CENTRO DE DIA Centro de Segurança Social da Madeira Funchal, R. A. Madeira LAR DE TERCEIRA IDADE E CENTRO DE DIA Segurança Social da Madeira Porto Moniz, R. A. Madeira REMODELAÇÃO DO HOTEL RAGA Hotel Raga, S. A. Funchal, R. A. Madeira EDIFÍCIO CONCÓRDIA Dinis & Carvalho, Lda Funchal, R. A. Madeira

5 LAR DE TERCEIRA IDADE E CENTRO DE DIA Segurança Social da Madeira Funchal, R. A. Madeira REMODELAÇÃO AUDITÓRIO Segurança Social da Madeira Funchal, R. A. Madeira MORADIA UNIFAMILIAR Jean-Claude Bailly Calheta, R. A. Madeira MORADIA UNIFAMILIAR Graça Dias Funchal, R. A. Madeira MORADIA UNIFAMILIAR António Machado Porto Santo, R. A. Madeira MORADIA UNIFAMILIAR Alberto Lopes Porto Santo, R. A. Madeira REMODELAÇÃO DO HOTEL ENOTEL LIDO Enotel, S. A. Funchal, R. A. Madeira REMODELAÇÃO DO HOTEL INATEL Fundação Inatel Porto Santo, R. A. Madeira REMODELAÇÃO DO HOTEL ENOTEL BAÍA Enotel, S. A. Ponta do Sol, R. A. Madeira INFRA ESTRUTURAS DO LOTEAMENTO PORTO SANTO GOLFE RESORT Sociedade de Desenvolvimento do Porto Santo, S. A. Porto Santo, R. A. Madeira EQUIPAMENTO DE APOIO AOS CARREIROS DO MONTE José de Freitas Caetano Funchal, R. A. Madeira REMODELAÇÃO DO HOTEL ENOTEL QUINTA DO SOL Enotel, S. A. Funchal, R. A. Madeira HOTEL MADEIRA H. M. - Exploração Hoteleira, S.A. Funchal, R. A. Madeira RESTAURANTE QUINTA ESTAÇÃO Labirinto da Fama, Lda Funchal, R. A. Madeira HOTEL DUAS TORRES Duas Torres - Explorações Turísticas da Madeira, Lda Funchal, R. A. Madeira HOTEL VILA VENTURA Empreendimentos Turístico Santa Cruz, R. A. Madeira HOTEL LIBERVITA Fundação Social do Quadro Bancário Porto Santo, R. A. Madeira ESTÁDIO ARENA MARÍTIMO Club Sport Marítimo Funchal, R. A. Madeira A VENDA DO NORTE LSF - Supermercados Unipessoal, Lda São Vicente, R. A. Madeira

6 ÍNDICE EMPRESA FISCALIZAÇÃO EM OBRA COORDENAÇÃO DE SEGURANÇA EM OBRA PRINCIPAIS TRABALHOS ELABORADOS GRUPO AB4 CONTACTOS

7 EMPRESA A empresa Barra4 e seus representantes, pretendem dar a conhecer os seus serviços na área de projectos de engenharia e da coordenação e fiscalização de empreendimentos, bem como a Coordenação de Segurança em Obra. A empresa tem uma vasta experiência de 12 anos de actividade na preparação de todos os projectos de engenharia necessários para uma obra, e na fiscalização e coordenação de obras, nomeadamente: hotéis, centros comerciais, edifícios, lares de 3ª idade, habitação colectiva, moradias, etc. A área geográfica de operação da empresa até à data tem sido a Madeira e o Porto Santo. Queremos desta forma dar a conhecer um pouco melhor a nossa actividade, pelo que, a seguir fazemos uma breve descrição da empresa, incluindo as equipas técnicas afectas à empresa e as tarefas que a empresa desempenha nestas áreas. 7

8 FISCALIZAÇÃO EM OBRA O sistema de ficalização e controlo a desenvolver pela empresa, envolve as seguintes áreas funcionais interligadas: - Verificação dos projectos de alterações ou complementares presentes à entidade adjudicante no decurso da obra, sempre que necessário; - Acompanhamento pormenorizado de todos os trabalhos realizados pelo empreiteiro; - Análise, controlo e previsão de tempos e prazos necessários, comparando as estimativas baseadas no Plano de Trabalhos da obra aprovado; - Acompanhar e controlar a administração da obra, verificando todas as medições ou revisões orçamentais; - Comparação das características da obra já realizada, dos materiais, dos processos, dos equipamentos e das soluções adoptadas pelo empreiteiro com as cláusulas, condições e características estabelecidas pelo projecto e 8

9 pelo título contratual da obra; - Controlo da qualidade de execução dos trabalhos; - Acompanhamento, análise e controlo das condições de segurança; - Contribuir para manter a necessária troca e fornecimento de informação entre as entidades intervenientes e o dono da obra, - Participar e secretariar reuniões com o dono da obra (com uma periodicidade de uma semana), que permitam a análise do andamento dos trabalhos da obra e das acções desenvolvidas pela fiscalização; - Coordenar e secretariar as reuniões e demais contactos que o dono da obra decida efectuar com entidades intervenientes na execução da obra, fazendo executar as acções daí resultantes; - Propor, participar e secretariar reuniões com o empreiteiro (com uma periodicidade de uma semana) e/ou com o autor do projecto ou com outras entidades directa ou indirectamente ligadas à obra, a fim de analisar os trabalhos em curso, esclarecer dúvidas, estudar alterações ou identificar e encaminhar problemas a resolver; - Preparar, acompanhar ou conduzir todas as visitas à obra julgadas convenientes pelo dono da obra; - Elaborar relatórios pormenorizados a submeter ao dono da obra, contendo todas as análises, informações, pareceres, recomendações e propostas decorrentes da sua actuação; - Análise e informação, em termos conclusivos, do Planos de Trabalho proposto pelo empreiteiro, relativos aos trabalhos contratuais e eventuais adicionais e estudo das correcções necessárias de modo a respeitar com segurança as datas limites acordadas, com apresentação dos consequentes planos alternativos à entidade adjudicante; - Verificação do desenvolvimento da obra em termos do Plano de Trabalhos aprovado; - Identificar e caracterizar os principais desvios verificados, propondo, fundamentalmente, as acções necessárias à sua compensação; - Implementação das medidas aprovadas pelo dono da obra, com o fim de recuperar eventuais atrasos, de forma a dar cumprimento às datas estabelecidas; - Controlar a qualidade da obra e dos trabalhos em curso, contribuindo para o seu elevado nível; - Elaborar todas as recomendações julgadas convenientes com o fim de preservar a qualidade de execução; - Participar na realização dos ensaios em obra, quando previstos no seu Título Contratual, em colaboração com o empreiteiro, o autor do projecto e outras entidades especializadas; 9

10 - Analisar a qualidade dos materiais, equipamentos e processos utilizados pelo empreiteiro em obra, implementando as acções necessárias; - Verificar as operações executadas pelo empreiteiro e a qualidade dos equipamentos utilizados; - Apreciar e informar dos planos de mobilização do empreiteiro do que concerne a mão-de-obra, equipamento e materiais; - Apreciar e informar sobre o estaleiro do empreiteiro e as demais instalações provisórias; - Providenciar para quem sejam realizados todos os desenhos das alterações introduzidas no projecto, durante a obra, a executar pelo Projectista ou pelo empreiteiro; - Acompanhar e controlar todas as condições de segurança com que se desenvolvem os trabalhos da obra, propondo atempadamente todas as medidas julgadas pertinentes; - Proceder, mensalmente, às medições dos trabalhos executados necessários à elaboração dos autos de medição da obra e informar o dono da obra sobre as reclamações eventualmente apresentadas pelo empreiteiro; - Analisar as propostas de trabalhos a mais e menos, a sua conformidade com os valores orçamentais e respectivas medições e controlar a sua execução; - Apoiar, do ponto de vista técnico e administrativo, qualquer situação de contencioso ou diferendo existente entre o dono da obra e o empreiteiro e/ ou demais intervenientes nos trabalhos, relativa ao projecto ou à obra. Conclusão da obra: - Nesta fase prepara-se e elabora-se o Auto de Recepção Provisório da Obra - Recepção definitiva da obra: é elaborado o Auto de Recepção Definitivo da obra, 5 anos após a elaboração do auto de recpeção provisório da mesma. Dependendo do cliente, nem sempre é lavrado pela fiscalização. 10

11 COORDENAÇÃO DE SEGURANÇA O serviço a prestar pelo coordenador de segurança em obra (CSO), desenvolve-se da seguinte forma: -Assume um carácter de responsabilidade permanente até à conclusão dos trabalhos; -Aplica-se a um tipo de obra que envolve riscos especiais às suas condicionantes; c) Inclui a validação técnica dos Planos de Segurança e Saúde (PSS) ou outro para a execução da Obra; -Apoia o Dono de Obra na elaboração e actualização do documento designado por Comunicação Prévia de Abertura de Estaleiro ; -Contempla a realização de reuniões periódicas com os responsáveis das equipas presentes na obra, na óptica de fiscalização em matéria de segurança no trabalho; -Promove e verifica o cumprimento dos PSS ou outro, bem como das outras obrigações das entidades executantes e dos trabalhadores independentes, nomeadamente no que se refere 11

12 ao sistema de emergência, às condicionantes existentes no terreno e na área envolvente, aos trabalhos que envolvam riscos especiais, aos processos construtivos especiais, às actividades que possam ser incompatíveis no tempo ou no espaço e ao sistema de comunicação entre os intervenientes na obra; -Promove a divulgação recíproca entre todos os intervenientes na obra, de informações sobre riscos profissionais e sua prevenção; -Regista as actividades de coordenação em matéria de segurança e saúde; -Implica uma estreita colaboração entre o Dono de Obra/Coordenação e o responsável pela Coordenação de Segurança, na resolução de problemas referentes a esta matéria, sem o prejuízo das normas de segurança. Os Objectivos primordiais passam por: a) Imprimir uma dinâmica de segurança em toda a obra; b) Concluir a obra com zero acidentes; c) Contribuir para o bem-estar e segurança de todos os intervenientes. MORADIA UNIFAMILIAR Jean Claude Bailly 12

13

14 PRINCIPAIS TRABALHOS ELABORADOS

15 MORADIAS EM BANDA Local Santa Cruz, R.A. Madeira Cliente Correia & Nóbrega, Lda Data 2001 FISCALIZAÇÃO 15

16 ZARCO SHOPPING Local Porto Santo, R.A. Madeira Cliente Imobiliária Almirante Reis, Lda Data 2002 FISCALIZAÇÃO 16

17 Baía SHOPPING Local Câmara de Lobos, R.A. Madeira Cliente Olilobos - Investimentos Imobiliários, Lda Data 2003 FISCALIZAÇÃO 17

18 HABITAÇÃO COLECTIVA Local Santa Cruz, R.A. Madeira Cliente Correia & Nóbrega, Lda Data 2003 FISCALIZAÇÃO 18

19 LAR DE TERCEIRA IDADE E CENTRO DE DIA Local Santa Cruz, R.A. Madeira Cliente Santa Casa da Misericórdia de Santa Cruz Data 2005 FISCALIZAÇÃO E COORDENAÇÃO DE SEGURANÇA EM OBRA 19

20 REMODELAÇÃO HOTEL REID S PALACE Local Funchal, R.A. Madeira Cliente Ridler Shepherd Low International Data 2006 FISCALIZAÇÃO E COORDENAÇÃO DE SEGURANÇA EM OBRA 20

21 21

22 LAR DE SÃO FRANCISCO Local Funchal, R.A. Madeira Cliente Centro de Segurança Social da Madeira Data 2006 FISCALIZAÇÃO E COORDENAÇÃO DE SEGURANÇA EM OBRA 22

23 REMODELAÇÃO HOTEL RAGA Local Funchal, R.A. Madeira Cliente Hotel Raga, S.A. Data 2006 FISCALIZAÇÃO 23

24 24

25 EDIFÍCIO CONCÓRDIA Local Funchal, R.A. Madeira Cliente Dinis & Carvalho, Lda Data 2006 FISCALIZAÇÃO E COORDENAÇÃO DE SEGURANÇA EM OBRA 25

26 26

27 LAR DE TERCEIRA IDADE E CENTRO DE DIA Local Porto Moniz, R.A. Madeira Cliente Segurança Social da Madeira Data 2007 FISCALIZAÇÃO E COORDENAÇÃO DE SEGURANÇA EM OBRA 27

28 LAR DO VALE FORMOSO Local Funchal, R.A. Madeira Cliente Segurança Social da Madeira Data 2009 FISCALIZAÇÃO E COORDENAÇÃO DE SEGURANÇA EM OBRA 28

29 REMODELAÇÃO AUDITÓRIO Local Funchal, R.A. Madeira Cliente Segurança Social da Madeira Data 2009 FISCALIZAÇÃO 29

30 MORADIA UNIFAMILIAR Local Calheta, R.A. Madeira Cliente Jean Claude Bailly Data 2010 FISCALIZAÇÃO 30

31 31

32 MORADIA UNIFAMILIAR Local Porto Santo, R.A. Madeira Cliente Alberto Lopes Data 2010 FISCALIZAÇÃO 32

33 REMODELAÇÃO HOTEL ENOTEL LIDO Local Funchal, R.A. Madeira Cliente Enotel, S.A. Data 2011 FISCALIZAÇÃO 33

34 REMODELAÇÃO DO HOTEL ENOTEL BAÍA Local Ponta do Sol, R.A. Madeira Cliente Enotel, S.A. Data 2011 FISCALIZAÇÃO 34

35 REMODELAÇÃO DO HOTEL INATEL Local Porto Santo, R.A. Madeira Cliente Fundação Inatel Data 2011 FISCALIZAÇÃO E COORDENAÇÃO DE SEGURANÇA EM OBRA 35

36 LOTEAMENTO PORTO SANTO GOLFE RESORT Local Porto Santo, R.A. Madeira Cliente Sociedade de Desenvolvimento, S.A. Data 2011 FISCALIZAÇÃO E COORDENAÇÃO DE SEGURANÇA EM OBRA 36

37 CARREIROS DO MONTE Local Funchal, R.A. Madeira Cliente José de Freitas Caetano Data 2012 FISCALIZAÇÃO 37

38 HOTEL ENOTEL QUINTA DO SOL Local Funchal, R.A. Madeira Cliente Enotel, S.A. Data 2013 FISCALIZAÇÃO E COORDENAÇÃO DE SEGURANÇA EM OBRA 38

39 39

40 HOTEL MADEIRA Local Funchal, R.A. Madeira Cliente H.M. - Exploração Hoteleira, S.A. Data 2014 FISCALIZAÇÃO E COORDENAÇÃO DE SEGURANÇA EM OBRA 40

41 41

42 42

43 RESTAURANTE QUINTA ESTAÇÃO Local Funchal, R.A. Madeira Cliente Labirinto da Fama, Lda Data 2014 FISCALIZAÇÃO E COORDENAÇÃO DE SEGURANÇA EM OBRA 43

44 HOTEL DUAS TORRES Local Funchal, R.A. Madeira Cliente Duas Torres Explorações Turísticas, Lda Data 2014 FISCALIZAÇÃO E COORDENAÇÃO DE SEGURANÇA EM OBRA 44

45 45

46 HOTEL VILA VENTURA Local Santa Cruz, R.A. Madeira Cliente Vila Ventura Empreendimentos Turísticos Data 2014 FISCALIZAÇÃO 46

47 A VENDA DO NORTE Local São Vicente, R.A. Madeira Cliente LSF - Supermercados Unipessoal, Lda Data 2015 FISCALIZAÇÃO 47

48 HOTEL LIBERVITA Local Porto Santo, R.A. Madeira Cliente Fundação Social do Quadro Bancário Data Em execução FISCALIZAÇÃO E COORDENAÇÃO DE SEGURANÇA EM OBRA 48

49 49

50 50

51 51

52 ESTÁDIO ARENA MARÍTIMO Local Funchal, R.A. Madeira Cliente Club Sport Marítimo Data Em execução FISCALIZAÇÃO E COORDENAÇÃO DE SEGURANÇA EM OBRA 52

53 53

54 GRUPO AB4 MARCO ASCENSÃO Arquitecto FILIPE SOUSA Arquitecto NUNO FERNANDES Engenheiro Civil CÁTIA ANDRADE Administrativa O GRUPO AB4 possui nos seus quadros uma equipa de profissionais jovens e dinâmicos, desde arquitectos, engenheiros, gestores e administrativos, com capacidade para desenvolver projectos com qualidade, profissionalismo e satisfação a todos os nossos clientes. DANIELA LOPES Arquitecta MARGARIDA F. Arquitecta MIGUEL HENRIQUES Arquitecto NUNO FERNANDES Designer 3D PAULO GOMES Engenheiro de Minas FRANCISCO F. Engenheiro Civil PAULO JASMINS Engenheiro Civil MARCO PESTANA Coordenador de Segurança e Saúde em Obra CARLOS NASCIMENTO Técnico Fiscal de Obras LUÍS GASPAR Técnico Fiscal de Obras 54

55 CONTACTOS ab4, Lda Rua do Visconde Anadia 19, 2º Andar - SALAS H/I Funchal, MADEIRA PORTUGAL Tel Fax FUNCHAL, MADEIRA 55

56

Regime jurídico da qualificação profissional dos técnicos responsáveis por projectos, pela fiscalização de obra e pela direcção de obra

Regime jurídico da qualificação profissional dos técnicos responsáveis por projectos, pela fiscalização de obra e pela direcção de obra Área de Prática - Imobiliário Julho 2009 Regime jurídico da qualificação profissional dos técnicos responsáveis por projectos, pela fiscalização de obra e pela direcção de obra A Lei n.º 31/2009, de 03.07.,

Leia mais

REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO

REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO DE Área de Formação 862 Segurança e Higiene no Trabalho Formação Profissional Contínua/de Especialização ÍNDICE 1- ENQUADRAMENTO... 3 2- OBJECTIVO GERAL... 4 3- OBJECTIVOS

Leia mais

Perspetiva da Fiscalização/Comissionamento

Perspetiva da Fiscalização/Comissionamento Perspetiva da Fiscalização/Comissionamento Apresentação 1. Ampliação do conceito Fiscalização para Comissionamento 2. Definição de Comissionamento ou Processo de Comissionamento, PC 3. Fluxograma do Processo

Leia mais

Estaleiros Temporários ou Móveis Decreto-Lei n.º 273/2003, de 29 de Outubro

Estaleiros Temporários ou Móveis Decreto-Lei n.º 273/2003, de 29 de Outubro Estaleiros Temporários ou Móveis Decreto-Lei n.º 273/2003, de 29 de Outubro 1. INTRODUÇÃO A indústria da Construção engloba um vasto e diversificado conjunto de características, tais como: Cada projecto

Leia mais

O seu parceiro na Gestão de Projetos e Manutenção

O seu parceiro na Gestão de Projetos e Manutenção O seu parceiro na Gestão de Projetos e Manutenção Índice 1. Introdução. 3 2. PROM&E GROUP.... 4 3. Building Management Organograma. 6 3.1 Project Management 7 3.2 Gestão Manutenção.. 16 3.3 Otimização

Leia mais

Coordenação de Segurança e Saúde da fase de construção. José M. Cardoso Teixeira 1

Coordenação de Segurança e Saúde da fase de construção. José M. Cardoso Teixeira 1 Coordenação de Segurança e Saúde da fase de construção José M. Cardoso Teixeira 1 Universidade do Minho, Departamento de Engenharia Civil Azurém, P 4800-058 Guimarães, Portugal RESUMO De uma forma geral,

Leia mais

O reconhecimento como uma referência na área de consultadoria em engenharia em Portugal.

O reconhecimento como uma referência na área de consultadoria em engenharia em Portugal. VISÃO & MISSÃO VISÃO O reconhecimento como uma referência na área de consultadoria em engenharia em Portugal. MISSÃO Actuar junto de empresas industriais, de serviços, estabelecimentos de ensino, empresas

Leia mais

ÍNDICE PERFIL MERCADOS ONDE A A400 ESTÁ PRESENTE VOLUME DE NEGÓCIOS CERTIFICAÇÕES PROJECTOS DE REFERÊNCIA CONTACTOS

ÍNDICE PERFIL MERCADOS ONDE A A400 ESTÁ PRESENTE VOLUME DE NEGÓCIOS CERTIFICAÇÕES PROJECTOS DE REFERÊNCIA CONTACTOS DOSSIER DE IMPRENSA ÍNDICE 1 PERFIL - A Empresa - Os Colaboradores - Os serviços 2 MERCADOS ONDE A A400 ESTÁ PRESENTE - A Internacionalização VOLUME DE NEGÓCIOS 4 CERTIFICAÇÕES 5 PROJECTOS DE REFERÊNCIA

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE ORGANIZAÇÃO DE EVENTOS

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE ORGANIZAÇÃO DE EVENTOS PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE ORGANIZAÇÃO DE EVENTOS PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Organização de Eventos Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/7 ÁREA DE ACTIVIDADE OBJECTIVO GLOBAL SAÍDAS

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO Considerando que:--------------------------------------------------------------------------------- a) A Escola Profissional da Nazaré (adiante designada por EPN ou Escola) em cumprimento

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU NOS DOMÍNIOS DO EQUIPAMENTO, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES.

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU NOS DOMÍNIOS DO EQUIPAMENTO, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Decreto n.º 28/98 de 12 de Agosto Protocolo de Cooperação entre a República Portuguesa e a República da Guiné-Bissau nos Domínios do Equipamento, Transportes e Comunicações, assinado em Bissau em 11 de

Leia mais

Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R

Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R AVALIAÇÃO DOS TERRENOS E EDIFÍCIOS DAS EMPRESAS DE SEGUROS E DOS FUNDOS DE PENSÕES Considerando que, de acordo com a regulamentação

Leia mais

PROTOCOLO ENTRE O EXÉRCITO PORTUGUÊS E A "VILA GALÉ- SOCIEDADE DE EMPREENDIMENTOS TURíSTICOS, S.A. 1. Preâmbulo

PROTOCOLO ENTRE O EXÉRCITO PORTUGUÊS E A VILA GALÉ- SOCIEDADE DE EMPREENDIMENTOS TURíSTICOS, S.A. 1. Preâmbulo G~ Vila Galé HOTÉIS PROTOCOLO ENTRE O EXÉRCITO PORTUGUÊS E A "VILA GALÉ- SOCIEDADE DE EMPREENDIMENTOS TURíSTICOS, S.A." 1. Preâmbulo A celebração do presente protocolo tem como objectivo assegurar aos

Leia mais

Manual da Garantia Mútua

Manual da Garantia Mútua Março de 2007 Manual da Garantia Mútua O que é a Garantia Mútua? É um sistema privado e de cariz mutualista de apoio às pequenas, médias e micro empresas (PME), que se traduz fundamentalmente na prestação

Leia mais

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO Decreto N. 2/ 2003 De 23 de Julho Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal O Decreto Lei N 7/ 2003 relativo à remodelação da estrutura orgânica

Leia mais

B-Bruxelas: Estudo sobre a situação do mercado de encomendas da UE, com especial ênfase no comércio electrónico 2012/S 99-163950. Anúncio de concurso

B-Bruxelas: Estudo sobre a situação do mercado de encomendas da UE, com especial ênfase no comércio electrónico 2012/S 99-163950. Anúncio de concurso 1/5 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:163950-2012:text:pt:html B-Bruxelas: Estudo sobre a situação do mercado de encomendas da UE, com especial ênfase no comércio

Leia mais

CURRICULUM VITAE NUNO ESTEVES ENGENHEIRO CIVIL

CURRICULUM VITAE NUNO ESTEVES ENGENHEIRO CIVIL CURRICULUM VITAE NUNO ESTEVES ENGENHEIRO CIVIL IDENTIFICAÇÃO PESSOAL Nome: Nuno José Correia de Freitas Couto Esteves Naturalidade: Monserrate Viana do Castelo Data de Nascimento: 05/10/1974 Nacionalidade:

Leia mais

Procedimento de Contratação. (artº 5º do CCP Contratação Excluída) Procedimento 5/2013

Procedimento de Contratação. (artº 5º do CCP Contratação Excluída) Procedimento 5/2013 Procedimento de Contratação (artº 5º do CCP Contratação Excluída) Procedimento 5/2013 Aquisição de Serviços de Consultores-formadores de Ligação e Especialistas para a execução do Projecto nº 084749/2012/831

Leia mais

É aprovado o Regulamento dos Núcleos Distritais ou Regionais do Projecto VIDA, anexo a este despacho e que dele faz parte integrante.

É aprovado o Regulamento dos Núcleos Distritais ou Regionais do Projecto VIDA, anexo a este despacho e que dele faz parte integrante. PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS E MINISTÉRIOS DA DEFESA NACIONAL, DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA, DA JUSTIÇA, DA EDUCAÇÃO, DA SAÚDE E DO EMPREGO E DA SEGURANÇA SOCIAL. Despacho conjunto. - Considerando

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES. Resolução do Conselho do Governo n.º 161/2006 de 14 de Dezembro de 2006

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES. Resolução do Conselho do Governo n.º 161/2006 de 14 de Dezembro de 2006 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES Resolução do Conselho do Governo n.º 161/2006 de 14 de Dezembro de 2006 A SPRAçores Sociedade de Promoção e Gestão Ambiental, S.A., é uma sociedade que tem por

Leia mais

REGULAMENTO DO CONTROLO DE QUALIDADE DA ORDEM DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS. (Artigo 68.º do Decreto-Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro)

REGULAMENTO DO CONTROLO DE QUALIDADE DA ORDEM DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS. (Artigo 68.º do Decreto-Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro) REGULAMENTO DO CONTROLO DE QUALIDADE DA ORDEM DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS (Artigo 68.º do Decreto-Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro) CAPÍTULO I Objectivos e caracterização do controlo de qualidade

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão, incluindo os de Corrupção e Infracções conexas

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão, incluindo os de Corrupção e Infracções conexas Plano de Prevenção de Riscos de Gestão, incluindo os de Corrupção e Infracções conexas Relatório Anual O presente relatório pretende demonstrar o acompanhamento e a forma como os diversos serviços do Município

Leia mais

SEMINÁRIO A EMERGÊNCIA O PAPEL DA PREVENÇÃO

SEMINÁRIO A EMERGÊNCIA O PAPEL DA PREVENÇÃO SEMINÁRIO A EMERGÊNCIA O PAPEL DA PREVENÇÃO As coisas importantes nunca devem ficar à mercê das coisas menos importantes Goethe Breve Evolução Histórica e Legislativa da Segurança e Saúde no Trabalho No

Leia mais

Artigo 2.º Equidade, diligência e transparência

Artigo 2.º Equidade, diligência e transparência REGULAMENTO DA POLITICA DE TRATAMENTO DA EMPRESA DE SEGUROS, A.M.A., AGRUPACIÓN MUTUAL ASEGURADORA, MÚTUA DE SEGUROS A PRIMA FIJA NO QUADRO DO SEU RELACIONAMENTO COM OS TOMADORES DE SEGUROS, SEGURADOS,

Leia mais

FORMAÇÃO AVANÇADA: GESTÃO, DIRECÇÃO E FISCALIZAÇÃO DE OBRAS

FORMAÇÃO AVANÇADA: GESTÃO, DIRECÇÃO E FISCALIZAÇÃO DE OBRAS 1 FUNDAMENTAÇÃO Numa altura em que as empresas de construção se debatem com uma elevada concorrência de mercado que leva à apresentação em fase de concurso com preços anormalmente baixos, necessitam de

Leia mais

C U R R I C U L U M V I T A E

C U R R I C U L U M V I T A E CURRICULUM VITAE INFORMAÇÃO PESSOAL Nome Morada Contacto Tel / Email Nacionalidade Portuguesa Data de nascimento 14/06/1965 JOÃO ANTÓNIO DIAS MARTINS Rua Custódio Pereira Ramos, 480-D, R/c, Dto. 4455-123

Leia mais

Condições da Apólice de Seguro

Condições da Apólice de Seguro Condições da Apólice de Seguro Minuta de Apólice de Responsabilidade Civil Profissional de Projectistas Requerida para Qualquer Contratação da PARQUE ESCOLAR, E.P.E. O seguro de RC Profissional, nos exactos

Leia mais

CIRE Código de Insolvência e Recuperação de Empresas

CIRE Código de Insolvência e Recuperação de Empresas CIRE Código de Insolvência e Recuperação de Empresas Decreto-Lei n.º 53/2004 de 18 de Março Processo n.º 195/12.0TBPNF Tribunal Judicial de Penafiel 3º Juízo Relatório do (Artigo 155º do CIRE) de Santos

Leia mais

PROPOSTA DE SEGURO TODOS OS RISCOS DESMONTAGEM, TRANSPORTE E MONTAGEM

PROPOSTA DE SEGURO TODOS OS RISCOS DESMONTAGEM, TRANSPORTE E MONTAGEM PROPOSTA DE SEGURO TODOS OS RISCOS DESMONTAGEM, TRANSPORTE E MONTAGEM INTERNATIONAL COMMERCIAL AND ENGINEERING ICE SEGUROS S.A. 141A Rua José Craveirinha Bairro de Polana Cidade de Maputo Moçambique INSTRUÇÕES

Leia mais

PHC dteamcontrol Interno

PHC dteamcontrol Interno PHC dteamcontrol Interno A gestão remota de projectos em aberto A solução via Internet que permite acompanhar os projectos em aberto em que o utilizador se encontra envolvido, gerir eficazmente o seu tempo

Leia mais

GESTÃO DE PROJECTOS IMOBILIÁRIOS, LDA.

GESTÃO DE PROJECTOS IMOBILIÁRIOS, LDA. GESTÃO DE PROJECTOS IMOBILIÁRIOS, LDA. GESTÃO COORDENAÇÃO FISCALIZAÇÃO 03 1: INTRODUÇÃO 1: INTRODUÇÃO 04 A promoção de um empreendimento imobiliário é um processo complexo que envolve capitais avultados

Leia mais

O aumento da força de vendas da empresa

O aumento da força de vendas da empresa PHC dcrm O aumento da força de vendas da empresa O enfoque total na actividade do cliente, através do acesso remoto à informação comercial, aumentando assim a capacidade de resposta aos potenciais negócios

Leia mais

PHC dteamcontrol Interno

PHC dteamcontrol Interno O módulo PHC dteamcontrol Interno permite acompanhar a gestão de todos os projectos abertos em que um utilizador se encontra envolvido. PHC dteamcontrol Interno A solução via Internet que permite acompanhar

Leia mais

Procedimento de Gestão PG 01 Gestão do SGQ

Procedimento de Gestão PG 01 Gestão do SGQ Índice 1.0. Objectivo. 2 2.0. Campo de aplicação... 2 3.0. Referências e definições....... 2 4.0. Responsabilidades... 3 5.0. Procedimento... 4 5.1. Política da Qualidade 4 5.2. Processos de gestão do

Leia mais

Dossiê de Preços de Transferência

Dossiê de Preços de Transferência Dossiê de Preços de Transferência Fiscalidade 2011 3 Índice Pág. 1. Preços de Transferência 03 1.1 Conceito 03 1.2 O que são Preços de Transferência 03 1.3 Porquê os Preços de Transferência? 03 1.4 Entidades

Leia mais

Anúncio de concurso. Serviços

Anúncio de concurso. Serviços 1/5 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:316749-2014:text:pt:html Suécia-Estocolmo: Serviços de gestão de documentos e serviços de bioinformática, bioestatística,

Leia mais

12CNG CONGREssO NaCiONal de GEOtECNia GUIMArães 2010

12CNG CONGREssO NaCiONal de GEOtECNia GUIMArães 2010 26 A 29 de abril. GUIMARãES 2010 geotecnia e desenvolvimento sustentável Convite A Sociedade Portuguesa de Geotecnia (SPG) e o Departamento de Engenharia Civil da Universidade do Minho (DEC-UM) têm a honra

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE REDONDO REGIMENTO

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE REDONDO REGIMENTO y Câmara Municipal de Redondo CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE REDONDO REGIMENTO O DL 7/2003, de 15 de Janeiro, que prevê a constituição do Conselho Municipal de Educação, regulou as suas competências

Leia mais

Minuta de Apólice de Responsabilidade Civil Profissional de Projectistas Requerida para Qualquer Contratação da PARQUE ESCOLAR, E.P.E.

Minuta de Apólice de Responsabilidade Civil Profissional de Projectistas Requerida para Qualquer Contratação da PARQUE ESCOLAR, E.P.E. Minuta de Apólice de Responsabilidade Civil Profissional de Projectistas Requerida para Qualquer Contratação da PARQUE ESCOLAR, E.P.E. No entanto, para que o nível de exigência aqui definido não constitua

Leia mais

Sociedades de Garantia Mútua (SGM) são:

Sociedades de Garantia Mútua (SGM) são: Sociedades de Garantia Mútua (SGM) são: Operadores financeiros que prestam às instituições bancárias as garantias que lhes permitem disponibilizar às PME empréstimos em condições mais favoráveis. Ao partilhar

Leia mais

Responsabilidades do Responsável de Segurança na implementação das Medidas de Autoprotecção (MAP) LOGO

Responsabilidades do Responsável de Segurança na implementação das Medidas de Autoprotecção (MAP) LOGO Responsabilidades do Responsável de Segurança na implementação das Medidas de Autoprotecção (MAP) 1 Francisco Ideias Martins - Assistant Director of Engineering Introdução Hotel Ritz Four Seasons Lisboa

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO CURSO

FICHA TÉCNICA DO CURSO FICHA TÉCNICA DO CURSO AVALIAÇÃO DE BENS IMOBILIÁRIOS EDIÇÃO Nº01/2013 1. DESIGNAÇÃO DO CURSO Avaliação de Bens Imobiliários. 2. COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER No final da formação, os participantes deverão

Leia mais

PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO

PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO ÍNDICE 1.- INTRODUÇÃO... 3 2.- ESPECIFICAÇÕES SOBRE AS OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO... 3 3.- PLANO DE PREVENÇÃO

Leia mais

Serviço de Intervenção e Cobranças Condições do Serviço de Intervenção e Cobranças

Serviço de Intervenção e Cobranças Condições do Serviço de Intervenção e Cobranças Serviço de Intervenção e Cobranças Condições do Serviço de Intervenção e Cobranças A Câmara de Comércio e Indústria Luso-Alemã, através do seu Departamento Jurídico e Fiscal, presta auxílio a empresas

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES DIRECÇÃO REGIONAL DA CULTURA CADERNO DE ENCARGOS CONCURSO PÚBLICO Nº 01 / 2009

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES DIRECÇÃO REGIONAL DA CULTURA CADERNO DE ENCARGOS CONCURSO PÚBLICO Nº 01 / 2009 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES CADERNO DE ENCARGOS CONCURSO PÚBLICO Nº 01 / 2009 FISCALIZAÇÃO E COORDENAÇÃO DE SEGURANÇA DA EMPREITADA PARA A CONSTRUÇÃO DA NOVA BIBLIOTECA PÚBLICA E ARQUIVO

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Câmara Municipal do Funchal. Divisão de Atendimento e Informação

MANUAL DA QUALIDADE. Câmara Municipal do Funchal. Divisão de Atendimento e Informação Câmara Municipal do Funchal Divisão de Atendimento e Informação INDICE Promulgação Âmbito Exclusões Hierarquia da documentação do Sistema de Gestão da Qualidade Política da Qualidade Missão e Visão Apresentação

Leia mais

REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE DAS EMPRESAS DO GRUPO EDP

REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE DAS EMPRESAS DO GRUPO EDP REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE DAS EMPRESAS DO GRUPO EDP Aprovado em reunião do Conselho de Administração Executivo da EDP Energias de Portugal, S.A. (EDP) em 25 de Março de 2008 Capítulo I Disposições

Leia mais

QUADROS SUPERIORES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, DIRIGENTES E QUADROS SUPERIORES DE EMPRESA

QUADROS SUPERIORES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, DIRIGENTES E QUADROS SUPERIORES DE EMPRESA GRANDE GRUPO 1 QUADROS SUPERIORES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, DIRIGENTES E QUADROS SUPERIORES DE EMPRESA Os quadros superiores da administração pública, dirigentes e quadros superiores de empresa dão pareceres

Leia mais

Regulamento da Política de Tratamento da MAPFRE SEGUROS no Quadro do seu Relacionamento com os Tomadores de Seguros, Segurados, Beneficiários ou

Regulamento da Política de Tratamento da MAPFRE SEGUROS no Quadro do seu Relacionamento com os Tomadores de Seguros, Segurados, Beneficiários ou Regulamento da Política de Tratamento da MAPFRE SEGUROS no Quadro do seu Relacionamento com os Tomadores de Seguros, Segurados, Beneficiários ou Terceiros Lesados Janeiro 2010 REGULAMENTO DA POLÍTICA DE

Leia mais

Manda o Governo, pelos Ministros de Estado e das Finanças e das Obras Públicas Transportes e Comunicações, o seguinte: Artigo 1.º.

Manda o Governo, pelos Ministros de Estado e das Finanças e das Obras Públicas Transportes e Comunicações, o seguinte: Artigo 1.º. Legislação Portaria n.º 542/2007, de 30 de Abril Publicado no D.R., n.º 83, I Série, de 30 de Abril de 2007 SUMÁRIO: Aprova os Estatutos do Instituto da Construção e do Imobiliário, I.P.. TEXTO: O Decreto-Lei

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 145 29 de Julho de 2008 5106-(19)

Diário da República, 1.ª série N.º 145 29 de Julho de 2008 5106-(19) Diário da República, 1.ª série N.º 145 29 de Julho de 2008 5106-(19) Portaria n.º 701-E/2008 de 29 de Julho O Código dos Contratos Públicos consagra a obrigação das entidades adjudicantes de contratos

Leia mais

Definição de. Funções e Honorários 2008. Documento orientador

Definição de. Funções e Honorários 2008. Documento orientador Definição de Funções e Honorários 2008 Documento orientador Índice Introdução... 3 Capítulo I > Projectistas e Consultores de Arquitectura e Engenharia Honorários indicativos... 5 Descrição das várias

Leia mais

Gestão da Produção Planeamento

Gestão da Produção Planeamento Planeamento José Cruz Filipe IST / ISCTE / EGP JCFilipe Abril 2006 1 Tópicos O ciclo geral de planeamento O planeamento agregado O Director da Produção (PDP ou MPS) O Materials Requirement Planning (MRP)

Leia mais

Município de Vieira do Minho

Município de Vieira do Minho CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VIEIRA DO MINHO REGIMENTO INTERNO A lei nº 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo19º, nº 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os conselhos

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO FISCAL

REGULAMENTO DO CONSELHO FISCAL REGULAMENTO DO CONSELHO FISCAL O presente instrumento regulamenta a composição, exercício da competência, deveres, funcionamento e serviços de apoio do Conselho Fiscal da Sonae SGPS, SA. COMPOSIÇÃO 1.

Leia mais

NO ÂMBITO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

NO ÂMBITO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE INTRODUÇÃO Página: / Revisão:0 MANUAL DE FUNÇÕES NO ÂMBITO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE XZ Consultores Direção INTRODUÇÃO Página: / Revisão:0 ÍNDICE CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 1 Mapa de Controlo das Alterações

Leia mais

Manual de Gestão da Qualidade

Manual de Gestão da Qualidade Manual de Gestão da Qualidade A Índice A Índice... 2 B Manual da Qualidade... 3 C A nossa Organização... 4 1 Identificação... 4 2 O que somos e o que fazemos... 4 3 Como nos organizamos internamente -

Leia mais

Investimento Adjudicado 2007-2009

Investimento Adjudicado 2007-2009 Programa de Modernização das Escolas do Ensino Secundário Investimento Adjudicado 2007-2009 Comissão Parlamentar de Educação e Ciência, Memorando de apoio à audição parlamentar de 24 Março de 2010 NOTA

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. 2710 Diário da República, 1.ª série N.º 87 6 de Maio de 2009

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. 2710 Diário da República, 1.ª série N.º 87 6 de Maio de 2009 2710 Diário da República, 1.ª série N.º 87 6 de Maio de 2009 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA Assembleia Legislativa Decreto Legislativo Regional n.º 12/2009/M Adapta à Região Autónoma da Madeira o Decreto -Lei

Leia mais

Regulamento n.º 1/2008, de 12 de Maio de 2008

Regulamento n.º 1/2008, de 12 de Maio de 2008 Regulamento n.º 1/2008, de 12 de Maio de 2008 Fundos de Investimento Imobiliário Registo e Autorização de Peritos Avaliadores B.O n.º 18 - I Série Regulamento nº 1/2008 12 de Maio Fundos de Investimento

Leia mais

A ÁREA DE PRÁTICA DE DIREITO PÚBLICO DA ABBC

A ÁREA DE PRÁTICA DE DIREITO PÚBLICO DA ABBC ABBC A atuação da ABBC assenta na independência, no profissionalismo e na competência técnica dos seus advogados e colaboradores, com o escrupuloso respeito das regras deontológicas que presidem ao exercício

Leia mais

EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética

EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética 1. Objecto e Âmbito do Regulamento O presente regulamento foi adoptado pelo Conselho Geral e de Supervisão (CGS) e pelo Conselho de Administração Executivo

Leia mais

Curso de Educação e Formação em Desenho Assistido por Computador / Construção Civil

Curso de Educação e Formação em Desenho Assistido por Computador / Construção Civil Curso de Educação e Formação em Desenho Assistido por Computador / Construção Civil Saída Profissional: Operador CAD Certificação ao nível do 9º Ano / Nível II Laboral Bem-Vindo/a à FLAG! A FLAG é uma

Leia mais

Ligações às redes de energia eléctrica. Setembro de 2011

Ligações às redes de energia eléctrica. Setembro de 2011 Ligações às redes de energia eléctrica Setembro de 2011 Índice Competências da ERSE Princípios e conceitos gerais Potência requisitada Procedimentos para ligação de uma instalação à rede Ponto de ligação

Leia mais

Curso de Pós-Graduação

Curso de Pós-Graduação Curso de Pós-Graduação PÓS GRADUAÇÃO EM DIREITO IMOBILIÁRIO Funchal Maio de 2010 PÓS-GRADUAÇÃO DE DIREITO IMOBILIÁRIO Esta Pós-Graduação resulta da parceria entre a APEL (Associação Promotora do Ensino

Leia mais

Instalações Eléctricas de Serviço Particular

Instalações Eléctricas de Serviço Particular Colégio de Engenharia Electrotécnica Instalações Eléctricas de Serviço Particular A problemática do enquadramento legal das Instalações Eléctricas de Serviço Particular tem sido objecto, ao longo do tempo,

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE ESTRATÉGIA E PERFORMANCE

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE ESTRATÉGIA E PERFORMANCE Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE ESTRATÉGIA E PERFORMANCE Aprovado em 18 de Junho de 2015 REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ESTRATÉGIA E PERFORMANCE ÍNDICE Artigo 1.º Instituição

Leia mais

FRANQUIA Global XXI Consultores

FRANQUIA Global XXI Consultores Página 1 de 6 FRANQUIA Global XXI Consultores A Global XXI Consultores, Lda. é desde 2003, uma entidade certificada pela SGS ICS - International Certification Services, de acordo com os requisitos da Norma

Leia mais

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:378383-2013:text:pt:html

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:378383-2013:text:pt:html 1/6 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:378383-2013:text:pt:html Polónia-Varsóvia: Contrato-quadro para desenvolvimento de Intranet com base em SharePoint, sistema

Leia mais

Conselho Municipal de Educação

Conselho Municipal de Educação 1 Regimento do (CME) do Município de Vila Nova de Paiva A Lei 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo 19, n.º2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os conselhos locais

Leia mais

Email: engiarea@mail.telepac.pt site: www.engiarea.com

Email: engiarea@mail.telepac.pt site: www.engiarea.com Endereço: Rua Professor Pinto Peixoto, 6C 1600-820 Lisboa Tel: 21 757 74 30/21 757 35 31 Fax: 21 755 09 35 Email: engiarea@mail.telepac.pt site: www.engiarea.com IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA DESIGNAÇÃO SOCIAL:

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Pág. 1 de 15. Actuar. Verifica r. Data: 09/05/2011 Edição: 01 Revisão: 00 Entrada em vigor:

MANUAL DA QUALIDADE. Pág. 1 de 15. Actuar. Verifica r. Data: 09/05/2011 Edição: 01 Revisão: 00 Entrada em vigor: MANUAL DA QUALIDADE Pág. 1 de 15 Planear Realizar Actuar Verifica r Rubrica: Rubrica: MANUAL DA QUALIDADE Pág. 2 de 15 INDICE: CAP. 1 - MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE 1.1. - Objectivo 1.2. - Âmbito e exclusões

Leia mais

M O D E L O E U R O P E U D E

M O D E L O E U R O P E U D E M O D E L O E U R O P E U D E C U R R I C U L U M V I T A E INFORMAÇÃO PESSOAL Nome Morada Rua António Pereira Carrilho, n.º 38, 4.º, 1000-047 Lisboa Telefone/Fax +351.218.444.200 / +351.218.444.209 Correio

Leia mais

Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão. Preâmbulo

Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão. Preâmbulo REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO FUNDÃO Publicação II SÉRIE N.º 98 20 de Maio de 2010 Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão Preâmbulo A Lei de Bases do Sistema Educativo

Leia mais

MESA DA ASSEMBLEIA GERAL

MESA DA ASSEMBLEIA GERAL BANIF - SGPS, S.A. Sociedade Aberta Matriculada na Conservatória do Registo Comercial do Funchal Sede Social: Rua de João Tavira, 30 9004 509 Funchal Capital Social: 350.000.000 Euros * Número único de

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º 97/11 Critérios de Avaliação e Peritos Avaliadores dos Imóveis dos Fundos de Investimento Imobiliário

Regulamento da CMVM n.º 97/11 Critérios de Avaliação e Peritos Avaliadores dos Imóveis dos Fundos de Investimento Imobiliário Não dispensa a consulta do diploma publicado em Diário da República Regulamento da CMVM n.º 97/11 Critérios de Avaliação e Peritos Avaliadores dos Imóveis dos Fundos de Investimento Imobiliário O Decreto

Leia mais

Associação Portuguesa de Classe Access

Associação Portuguesa de Classe Access Associação Portuguesa de Classe Access Um pouco de historia Novembro de 2001- Chegada a Portugal dos primeiros ACCESS. Fevereiro de 2005 - Reunião da APVA, Figueira da Foz: estimava-se que existiam 30

Leia mais

Our innovative solutions wherever you need us. ABREU ADVOGADOS FERREIRA ROCHA & ASSOCIADOS Em parceria: Portugal Moçambique. Consolidar o Futuro

Our innovative solutions wherever you need us. ABREU ADVOGADOS FERREIRA ROCHA & ASSOCIADOS Em parceria: Portugal Moçambique. Consolidar o Futuro Our innovative solutions wherever you need us. ABREU ADVOGADOS FERREIRA ROCHA & ASSOCIADOS Em parceria: Portugal Moçambique Consolidar o Futuro Abreu Advogados Ferreira Rocha & Associados 2012 PORTUGAL

Leia mais

COMISSÃO EXECUTIVA DA ESPECIALIZAÇÃO EM SEGURANÇA NO TRABALHO DA CONSTRUÇÃO PROCEDIMENTOS PARA ATRIBUIÇÃO DO TÍTULO DE ENGENHEIRO ESPECIALISTA EM

COMISSÃO EXECUTIVA DA ESPECIALIZAÇÃO EM SEGURANÇA NO TRABALHO DA CONSTRUÇÃO PROCEDIMENTOS PARA ATRIBUIÇÃO DO TÍTULO DE ENGENHEIRO ESPECIALISTA EM PROCEDIMENTOS PARA ATRIBUIÇÃO DO TÍTULO DE ENGENHEIRO ESPECIALISTA EM Procedimentos para a atribuição do título de Engenheiro Especialista em Segurança no Trabalho da Construção 1 Introdução...2 2 Definições...4

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A DIRECÇÃO REGIONAL DE PLANEAMENTO E RECURSOS EDUCATIVOS E O SERVIÇO DE SAÚDE DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA, E.P.E.

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A DIRECÇÃO REGIONAL DE PLANEAMENTO E RECURSOS EDUCATIVOS E O SERVIÇO DE SAÚDE DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA, E.P.E. PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A DIRECÇÃO REGIONAL DE PLANEAMENTO E RECURSOS EDUCATIVOS E O SERVIÇO DE SAÚDE DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA, E.P.E. Considerando que incumbe ao Serviço de Saúde da Região

Leia mais

Property & Construction Property & Construction. Estudos de Remuneração 2012

Property & Construction Property & Construction. Estudos de Remuneração 2012 Property & Construction Property & Construction Estudos de Remuneração 2012 3 Michael Page Page Estudos de Remuneração 2012 - Property & Construction 4 Apresentamos-lhe os Estudos de Remuneração 2012,

Leia mais

POLÍTICA DE AMBIENTE, QUALIDADE E SEGURANÇA

POLÍTICA DE AMBIENTE, QUALIDADE E SEGURANÇA HOMOLOGAÇÃO: José Eduardo Carvalho 14-03- Pág. 2 de 5 A Tagusgás subscreve a Política AQS da Galp Energia. A Política AQS da Tagusgás foi definida tendo em consideração os Objectivos Estratégicos do Grupo

Leia mais

Qualidade e Segurança

Qualidade e Segurança Qualidade e Segurança Contactos: SEDE - Serviços técnicos e estaleiro Estrada José Justino Anjos, nº2003 (A) Carrascal de Manique 2785-659 S. Domingos de Rana T. (+351) 214 481 080 F. (+351) 214 442 522

Leia mais

MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO

MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO Paulo Pinto Obrigações legais e metodologias para a sua implementação Conteúdo 2 Medidas de Autoprotecção O que são? Enquadramento legal Responsabilidades Coimas e sanções acessórias

Leia mais

- PERFIL DO GRUPO - O Portfólio de negócios, obedece a um critério de maturidade e geração de valor, no qual o Grupo, concilia:

- PERFIL DO GRUPO - O Portfólio de negócios, obedece a um critério de maturidade e geração de valor, no qual o Grupo, concilia: GRUPO FERREIRA A GFH, é um Grupo sólido e inovador, detendo um curriculum de projectos de qualidade reconhecida, com um portfólio de negócios diversificado, e que aposta no processo de internacionalização,

Leia mais

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA NOTA JUSTIFICATIVA A Lei 159/99, de 14 de Setembro, estabelece no seu artigo 19.º, n.º 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os Conselhos locais de Educação. A Lei 169/99, de 18

Leia mais

SMARTCALL. Apresentação

SMARTCALL. Apresentação SOBRE A SMARTCALL SMARTCALL Apresentação A SmartCall desenvolve serviços inovadores direccionados para a dinamização do relacionamento das empresas com os seus clientes e a criação de novas oportunidades

Leia mais

COMISSÃO DA MARCA DE QUALIDADE LNEC SECÇÃO DE INSCRIÇÃO E CLASSIFICAÇÃO

COMISSÃO DA MARCA DE QUALIDADE LNEC SECÇÃO DE INSCRIÇÃO E CLASSIFICAÇÃO COMISSÃO DA MARCA DE QUALIDADE LNEC SECÇÃO DE INSCRIÇÃO E CLASSIFICAÇÃO QUALIFICAÇÃO COMO GESTOR GERAL DA QUALIDADE DE EMPREENDIMENTOS DA CONSTRUÇÃO INSTRUÇÕES DE CANDIDATURA 1. DESTINATÁRIOS A Marca de

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume I - Princípios Gerais. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume I - Princípios Gerais. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume I - Princípios Gerais um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

A MISSÃO. Satisfazer as necessidades dos nossos clientes, garantindo excelência no serviço prestado. Construímos Soluções

A MISSÃO. Satisfazer as necessidades dos nossos clientes, garantindo excelência no serviço prestado. Construímos Soluções A MISSÃO Satisfazer as necessidades dos nossos clientes, garantindo excelência no serviço prestado. Construímos Soluções PRINCÍPIOS DA EMPRESA Experiência Profissionalismo Qualidade Confidencialidade Ética

Leia mais

Artigo 1.º Âmbito. Artigo 2.º Equidade, Diligência e Transparência

Artigo 1.º Âmbito. Artigo 2.º Equidade, Diligência e Transparência REGULAMENTO DA POLÍTICA DE TRATAMENTO - TOMADORES DE SEGUROS, SEGURADOS, BENEFICIÁRIOS OU TERCEIROS LESADOS - Artigo 1.º Âmbito 1 - O presente Regulamento consagra os princípios adoptados pela Zurich Insurance

Leia mais

ATRIBUIÇÃO DE DIREITO DE EXPLORAÇÃO DE QUIOSQUE SITUADO NO JARDIM DO ALMIRANTE REIS

ATRIBUIÇÃO DE DIREITO DE EXPLORAÇÃO DE QUIOSQUE SITUADO NO JARDIM DO ALMIRANTE REIS ATRIBUIÇÃO DE DIREITO DE EXPLORAÇÃO DE QUIOSQUE SITUADO NO JARDIM DO ALMIRANTE REIS CADERNO DE ENCARGOS Página 1 de 11 Índice Cláusula 1ª Objeto do Procedimento ------------------------------------------------------

Leia mais

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS - DOCUMENTO 15 Extractos dos Referentes Externos e Internos que suportam o Referencial 2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS REFERENTES EXTERNOS LEGISLAÇÃO Lei nº 31/2002 de 20 de Dezembro CAPÍTULO I Sistema

Leia mais

UK-Londres: Prestação de serviços de organização de viagens 2012/S 96-158472. Anúncio de concurso. Serviços

UK-Londres: Prestação de serviços de organização de viagens 2012/S 96-158472. Anúncio de concurso. Serviços 1/6 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:158472-2012:text:pt:html UK-Londres: Prestação de serviços de organização de viagens 2012/S 96-158472 Anúncio de concurso

Leia mais

O Grupo EXISTENCE, S.A., criou e desenvolve um projecto que engloba um conjunto de RESIDÊNCIAS ASSISTIDAS MEDICALIZADAS quatro estrelas, em rede, e

O Grupo EXISTENCE, S.A., criou e desenvolve um projecto que engloba um conjunto de RESIDÊNCIAS ASSISTIDAS MEDICALIZADAS quatro estrelas, em rede, e O Grupo EXISTENCE, S.A., criou e desenvolve um projecto que engloba um conjunto de RESIDÊNCIAS ASSISTIDAS MEDICALIZADAS quatro estrelas, em rede, e em todo o território nacional (cerca de 70% da capacidade

Leia mais

PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO

PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO CVGARANTE SOCIEDADE DE GARANTIA MÚTUA PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO 14 de Outubro de 2010 O que é a Garantia Mútua? É um sistema privado e de cariz mutualista de apoio às empresas,

Leia mais

incorporação de um novo colaborador

incorporação de um novo colaborador incorporação de um novo colaborador Manual de Excelência no Serviço 21 4. A Incorporação de um Novo Colaborador Recrutamento e Selecção Antes da incorporação de um novo colaborador no Hotel será obrigatório

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE BRAGANÇA

CÂMARA MUNICIPAL DE BRAGANÇA CÂMARA MUNICIPAL DE BRAGANÇA Regulamento do Processo de Fiscalização das Obras Particulares Sujeitas a Licenciamento Municipal Preâmbulo Estabelece o artigo 24º. do DL 445/91, de 20 Novembro, com a redacção

Leia mais

Apresentação ecoinside

Apresentação ecoinside Documento compatível com caracteres ecofont - reduzindo o consumo do seu tinteiro em mais de 20%. Mais informações e download gratuito em www.ecofont.com Apresentação ecoinside Eco-Empreendedorismo: Ideias

Leia mais

Escolas de Pentatlo Moderno

Escolas de Pentatlo Moderno Escolas de Pentatlo Moderno ÍNDICE O que é o franchising PENTAKID? 3 Serviços PENTAKID 5 Marketing 6 Recursos Humanos 7 Financiamento 8 Processo de aquisição 9 Ficha técnica 10 Carta de resposta 11 2 O

Leia mais