MILITÂNCIA E FISCALIZAÇÃO NO DIA DAS ELEIÇÕES E QUESTÕES CRIMINAIS. Seguem abaixo algumas orientações úteis para o DIA DAS ELEIÇÕES.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MILITÂNCIA E FISCALIZAÇÃO NO DIA DAS ELEIÇÕES E QUESTÕES CRIMINAIS. Seguem abaixo algumas orientações úteis para o DIA DAS ELEIÇÕES."

Transcrição

1 MILITÂNCIA E FISCALIZAÇÃO NO DIA DAS ELEIÇÕES E QUESTÕES CRIMINAIS Militantes/Fiscais, Bom Dilma! Seguem abaixo algumas orientações úteis para o DIA DAS ELEIÇÕES. Cada militante/fiscal é extremamente importante neste dia das eleições, não só pelo peso do seu voto, mas, principalmente, pela sua capacidade de convencimento objetivando buscar a adesão de outros eleitores ao projeto do PT, que vem mudando a realidade dos brasileiros, materializado na figura do maior presidente que o Brasil já teve, o companheiro Lula. Faz-se necessária, dessa forma, a continuidade com avanço, garantindo-se a eleição de Dilma Rousseff no próximo dia 31. Além de contribuir significativamente para a lisura do processo eleitoral, fornecendo as condições para a vitória, o militante e o fiscal devem tomar algumas precauções acerca de sua atuação no dia das eleições. Lembramos que qualquer militante pode ser um fiscal das eleições, ainda que não esteja credenciado, pois poderá denunciar eventuais irregularidades para um fiscal credenciado ou para o próprio funcionário da Justiça Eleitoral. Dessa forma, elaboramos algumas orientações para que sejam observadas no dia das eleições. Forte abraço e até a vitória! Coordenação do Jurídico Dilma 13 JOSÉ EDUARDO CARDOZO MÁRCIO LUIZ SILVA Coligação PT/PMDB/PSB/PCdoB/PDT/PRB/PR/PTC/PTN/PSC SHS Quadra 2 Bloco H subsolo Hotel Brasília Imperial Brasília -DF CEP Fone: (61) /Fax.: (61) E -mail: com

2 ESCLARECIMENTOS, SITUAÇÕES E ATITUDES A SEREM ADOTADAS 1) Os Partidos Políticos poderão fiscalizar a votação e a apuração? Sim. Cada partido ou coligação poderá nomear 2 (dois) fiscais junto a cada mesa receptora, funcionando um de cada vez. 2) Quais os procedimentos iniciais e os horários para a abertura dos trabalhos de votação na seção eleitoral? O horário de votação vai das 8 horas às 17 horas em todo o país. Às 17 horas, serão recolhidos os títulos dos eleitores que se encontrarem na fila, para os quais serão distribuídas senhas. É importante porém que o fiscal chegue à seção eleitoral às 7 horas, para acompanhar o processo de instalação da seção e o início da votação, apresentando-se para o presidente e demais mesários de forma cordial. O fiscal deverá vistoriar a instalação da seção, solicitando, caso já não esteja sendo efetivado, a emissão da zerésima, que é um documento emitido pelo presidente da Mesa Receptora de Votos antes do início da votação. Após a emissão da zerésima o fiscal poderá comprovar que não existe nenhum voto registrado na urna eletrônica. Ao final da votação, o fiscal acompanhará todos os procedimentos para a emissão do boletim de urna, devendo solicitar ao presidente da Mesa Receptora de Votos uma via do boletim a ser impresso. Temos em cada seção o resultado daquela urna registrado em disquete, que é encaminhado para totalização, deve-se ter atenção à retirada do disquete e o procedimento de encaminhamento deste para o fórum onde serão totalizados os votos. 2

3 3) Algumas informações que o fiscal deve ter para esclarecer o eleitor e atuar em caso de problemas. O eleitor poderá votar com uma cola onde conste o nome da Dilma e do Governador(a) que irá votar, caso haja segundo turno para essa eleição também. A relação contendo nome e número dos candidatos deverá estar em uma lista afixada nas escolas pela Justiça Eleitoral no dia da eleição. Caso a relação não esteja afixada na seção, o fiscal deverá requisitar ao funcionário da Justiça Eleitoral a sua afixação. Caso seja exigido, deverá escrever uma solicitação de próprio punho e pegar o recebido do funcionário. Para votar o eleitor deverá levar apenas um documento de identificação oficial com foto. Não há traje específico para o eleitor votar. Ele pode votar trajando "short", bermuda, camiseta regata, boné, sandália ou descalço. O eleitor não poderá ingressar na cabina de votação portando aparelhos de telefonia celular, máquinas fotográficas e filmadoras. Quando estiver na cabina de votação o eleitor não poderá ser orientado pelos mesários ou pelos fiscais. 4) Quem tem preferência para votar? Têm prioridade para votar os eleitores com mais de 65 anos, os enfermos, os deficientes físicos e mulheres grávidas ou lactantes. Também têm prioridade os candidatos, os juízes e seus auxiliares de serviço, promotores públicos e funcionários quando a serviço da Justiça Eleitoral, policiais militares em serviço, fiscais e delegados de partidos. 5) O que devo saber sobre as urnas eletrônicas? Se houver falha na urna eletrônica deve-se solicitar a substituição por outra do mesmo tipo. Na impossibilidade de sua substituição por outra é utilizado o sistema tradicional de votos, havendo cédulas de papel, a serem confeccionadas de maneira tal que, dobradas, resguardem o sigilo do voto sem que seja necessário o emprego de cola para fechá-las. 3

4 Ocorrendo votação por cédulas, a apuração desses votos é feita na urna eletrônica, sendo os votos lidos um a um e registrados na urna. Ao final é expedido o boletim de urna apresentando o resultado da votação naquela seção. Se faltar energia elétrica o funcionamento da Urna Eletrônica não será comprometido, pois ela possui uma bateria interna e, se necessário, poderá, também, ser utilizada bateria automotiva. Reclamações sobre a urna, relacionadas a não estar aparecendo a foto dos candidatos. Geralmente isto não ocorre, o que se passa é que a tela da urna pode estar ruim e não mostra corretamente e com nitidez as fotografias dos candidatos. Também pode ocorrer que a posição da urna fique com incidência direta da luz do sol que não permite que o eleitor verifique a fotografia. 6) E sobre justificativa do voto, o que devo saber? Se o eleitor estiver, no dia da eleição, na sua cidade, que é diferente daquela relativa ao seu domicílio eleitoral, deverá dirigir-se a um funcionário da Justiça Eleitoral para solicitar gratuitamente o formulário de requerimento de justificativa eleitoral, preenchê-lo obrigatoriamente com o número do título e entregá-lo, no dia da eleição, em qualquer local de votação. O formulário também estará disponível na internet no site do TRE do estado. Se o eleitor não formalizar a justificativa no dia da eleição, deverá comparecer ao seu Cartório Eleitoral, no prazo de 60 dias a contar da data da eleição, munido dos documentos que comprovem o motivo da ausência. Neste último caso, o eleitor preencherá no Cartório um requerimento dirigido ao Juiz e aguardará a resposta. O prazo de 60 dias é contado a partir de cada turno. Portanto, 1º e 2º turnos têm prazos diferentes. 4

5 7) É permitida a manifestação individual e silenciosa da preferência do cidadão por partido político, coligação ou candidato, incluída a que se contenha no próprio vestuário ou que se expresse no porte de bandeira ou de flâmula ou pela utilização de adesivos em veículos ou objetos de que tenha posse (Art. 49 da Resolução TSE nº /2009). Assim, pode o eleitor entrar na seção para votar com bandeira, flâmula, banner, adesivos autocolantes (praguinhas, melequinhas, etc), broches, em suas vestes, desde que esteja sozinho e de forma silenciosa. Também pode ir vestido com camisa do PT ou outra camisa com inscritos contendo o nome e número da candidata Dilma, desde que produzida de forma artesanal e personalizada pelo próprio eleitor. Importante que o eleitor mantenha-se em silêncio quanto à sua preferência sem gritar ou falar palavras de ordem que demonstrem que está pedindo votos para a Dilma ou atacando o candidato adversário. Da mesma forma, vale destacar que essa manifestação silenciosa deve ser individual, pois se o eleitor entra em grupo em uma seção eleitoral, todos com camisas semelhantes, na cor vermelha ou até mesmo do partido, ai poderá ser enquadrado pela Justiça Eleitoral como crime de boca de urna. 8) É vedada, durante todo o dia da votação e em qualquer local público ou aberto ao público, a aglomeração de pessoas portando os instrumentos de propaganda de modo a caracterizar manifestação coletiva, com ou sem utilização de veículos (Art. 49, 1º da Resolução TSE nº /2009 e artigo 39-A, 1º, da Lei 9.504/1997). Também não poderá haver aglomeração de pessoas com bandeiras da candidata ou do PT, vestindo camisetas padronizadas, contendo ou não propaganda eleitoral (ex.: todos de camisetas vermelhas iguais contendo adesivos da Dilma, com bandeiras, em uma esquina próxima de um prédio público que abrigue seções eleitorais). Por outro lado, não poderá haver carreata, ou situação similar com carros, motos ou bicicletas, contendo bandeiras ou fazendo barulho com buzinas, 5

6 músicas, ou gritando palavras de ordem em qualquer local da cidade, pois caracteriza manifestação coletiva. 9) É proibido aos servidores, aos mesários, escrutinadores ou a aquele que esteja trabalhando nas eleições, o uso de vestuário ou objeto que contenha qualquer propaganda de partido político, coligação ou candidato, no recinto das seções eleitorais e juntas apuradoras (Art. 49, 2º da Resolução TSE nº /2009 e artigo 39-A, 2º da Lei 9.504/1997). Se o fiscal verificar essa situação, deve se dirigir diretamente ao mesário e informar que a conduta dele é proibida pela lei, pedindo educadamente para que ele retire a propaganda. Caso o mesário insista em permanecer afrontando a lei, cabe ao fiscal chamar o funcionário da Justiça Eleitoral para reclamar sobre o fato. Todavia é importante que produza provas do fato antes disso, de forma discreta. Pode chamar outras pessoas para testemunharem, verem o que ele viu, ou até mesmo fazer filmagem ou fotografia, sempre adotando cautelas para evitar violência mútua. Também é importante que o fiscal, a cada votação de um eleitor, verifique a cabine de votação para evitar que coloquem adesivos ou qualquer outro tipo de propaganda eleitoral naquele espaço. Não poderá existir no âmbito do prédio público (geralmente escolas) qualquer tipo de adesivo, cartaz, faixa ou outro tipo de propaganda, devendo reclamar sobre o fato com o funcionário da Justiça Eleitoral. 10) Aos fiscais partidários, nos trabalhos da votação, só será permitido que, em suas vestes utilizadas, constem o nome e a sigla do partido político ou coligação a que sirvam (Art. 49, 3º da Resolução TSE nº /2009 e artigo 39-A, 3º da Lei 9.504/1997). O fiscal da coligação poderá vestir camisa com a estrela com o nome do PT ou o nome por extenso, não poderá constar número. Se o fiscal verificar essa situação nos fiscais do adversário, deve se dirigir diretamente ao presidente da seção e exigir providências. Caso o mesário 6

7 não faça nada, cabe ao fiscal chamar o funcionário da Justiça Eleitoral para reclamar sobre o fato. QUESTÕES CRIMINAIS RELACIONADAS AO DIA DAS ELEIÇÕES A prática conhecida como boca de urna propaganda eleitoral no dia da eleição não é admitida pela legislação eleitoral e inclusive constitui crime punível pelo art.39, 5º, da Lei 9.504/97 com detenção de seis meses a um ano, com a alternativa de prestação de serviços à comunidade pelo mesmo período, e multa no valor de cinco mil a quinze mil UFIR. Este informativo tem o objetivo de esclarecer advogados e coordenadores jurídicos sobre a jurisprudência a respeito da boca de urna e os procedimentos com ela relacionados. 1. TEMPO A boca de urna é vedada no dia da eleição. A propaganda eleitoral até as 22 horas do dia anterior é permitida. Art. 10, 6º, Resolução /09 do TSE: Até as 22 horas do dia que antecede a eleição, serão permitidos distribuição de material gráfico, caminhada, carreata, passeata ou carro de som que transite pela cidade divulgando jingles ou mensagens de candidatos (Lei nº 9.504/97, art. 39, 9º). 2. COMPORTAMENTO É proibida a distribuição de material em locais públicos ou a tentativa de arregimentar eleitores no dia da eleição. É VEDADO deixar material em local público acessível ao eleitor (ex. sobre mesas na rua). Mesmo que não haja distribuição, o comportamento equivale à boca de urna. 7

8 NÃO é proibido o transporte de material de um local a outro, em veículos ou mesmo em sacolas ou bolsas. O ato proibido é a distribuição. Em suma, o art. 39, 5º, da Lei 9504/97 pune TRÊS CONDUTAS NO DIA DA ELEIÇÃO: (i) o uso de alto-falantes e amplificadores de som, ou a promoção de comício ou carreata; (ii) a arregimentação de eleitor ou a propaganda de boca de urna; (iii) a divulgação de qualquer espécie de propaganda de partidos políticos ou de seus candidatos. 3. CONCEITOS E APLICAÇÃO PELA JURISPRUDÊNCIA Para que ocorra o delito apontado, o autor do fato deve ter a vontade livre e consciente de realizar propaganda vedada, com o fim de influir na vontade do eleitor. 1 Vale frisar que se considera cometido o crime no MOMENTO em que se dá a propaganda irregular, ou seja, MESMO que o eleitor não aceite a propaganda ilícita realizada ou que o(a) candidato(a) seja ou não eleito(a). 2 NÃO configura boca de urna a entrega de material no interior das sedes dos partidos e comitês eleitorais 3 (Res /02 e Res , art. 6º, ambas do TSE). 1. O TRE-SP já se manifestou pela absolvição de indivíduo que, no local e dia da votação, portava camiseta com propaganda, mas não tinha consciência de que, como isso, poderia realizar uma propaganda vedada. Trata-se de pessoas simples que foram vítimas, pois, agraciados com uma camiseta, estavam na movimentação popular, como é peculiar aos jovens. O recorrente tinha, à época, dezenove anos. Trata-se de lavrador, com baixo nível de instrução (primeiro grau incompleto). Com certeza não tinha, como afirma, consciência de estar praticando ato ilícito. Aliás, nem sequer consta de que tivesse sido advertido a retirar-se do pátio da escola, ou de que a prática seria vedada. (TRE-SP, Recurso Criminal nº. 1778, Rel. Eduardo Muylaert, j ). V. também: CAMARGO, Suzana. Crimes Eleitorais, 2ª edição, São Paulo, Revista dos Tribunais, 2006, p Ademais, o Tribunal Superior Eleitoral firmou entendimento de que o crime de boca de urna independe da obtenção do resultado, que, no caso, seria o aludido convencimento ou coação do eleitor: (...) (TSE, HC nº. 669/RJ, Rel. Min. Carmen Lúcia, DJe , p. 27). No mesmo sentido, os julgados do TSE: AG nº 7678, Rel. Min. Caputo Bastos, DJ ; Ag 1974, Rel. Min. Nelson Jobim, ; RHC nº 20, Rel. Min. Néri da Silveira, ; HC nº 312, Rel. Min. Costa Leite, Confiram-se ainda os julgados do TRE-SP, Rel. Juiz José Roberto Pacheco di Francesco, nos seguintes Recursos Criminais: nº 1694, DOE ; nº 1664, DOE ; nº 1704, DOE ; nº 1688, DOE Trancamento da ação penal Crime Art. 39, 5º, II, da Lei 9.504/07 Distribuição de propaganda política no dia da eleição Boca-de-urna Inexistência Atipicidade. 1. A entrega de material de campanha a cabos eleitorais, no interior de residência, não 8

9 Obs.1: conforme a Consulta nº. 552/DF, do TSE, a chamada propaganda de boca de urna NÃO se confunde com a captação de sufrágio. Aquela se caracteriza pela coação que inibe a vontade do eleitor, enquanto esta constitui o oferecimento ou promessa de vantagem ao eleitor, com o fim de obter-lhe o voto. Obs.2: é PERMITIDA a MANIFESTAÇÃO INDIVIDUAL e SILENCIOSA da PREFERÊNCIA do eleitor por PARTIDO POLÍTICO, coligação ou candidato, revelada exclusivamente pelo uso de bandeiras, broches, dísticos e adesivos em veículos (Lei nº 9504/97, art. 39A, caput, e Resolução , art. 49, caput). No entanto, é VEDADA a AGLOMERAÇÃO DE PESSOAS portando vestuário padronizado (bandeiras, broches e etc), de forma a caracterizar MANIFESTAÇÃO COLETIVA. A violação desta regra constitui divulgação de propaganda irregular crime do art. 39, 5º, III, da Lei 9504/97. (Resolução , art. 49). Obs.3: FISCAIS PARTIDÁRIOS. SÓ é PERMITIDO que de seus CRACHÁS constem o NOME e a SIGLA do partido ou coligação. É VEDADA a PADRONIZAÇÃO DO VESTUÁRIO. A violação desta regra também configura divulgação de propaganda irregular crime do art. 39, 5º, III, da Lei 9504/97. (Resolução , art. 49). 4. PRISÃO EM FLAGRANTE O artigo 39, 5º, da Lei 9504/97 é delito de menor potencial ofensivo, pois a pena máxima prevista seis meses de detenção não é superior a dois anos (art. 61, Lei 9099/95). A jurisprudência do TSE admite a aplicação da Lei 9099/95 (Lei dos Juizados Especiais) aos crimes eleitorais 4. se enquadra no crime capitulado no art. 39, 5º, II, da Lei nº 9.504/97, delito que pune a distribuição de propaganda a eleitor, no dia da votação, com o intuito de influir na formação da vontade. 2. Na Res.-TSE nº , este Tribunal Superior esclareceu que a proibição constante do art. 6º da Res.-TSE nº não se aplica à entrega ou à distribuição, a quem o solicite, de material de propaganda eleitoral no interior das sedes dos partidos políticos e dos comitês eleitorais. Concessão da ordem.(tse, HC nº 474/SP, Rel. Min. Fernando Neves, DJe ). 4. TSE, Recurso Especial Eleitoral nº /PR, Rel. Min. Marco Aurélio, DJe

10 Assim, uma vez constatadas as práticas das condutas acima indicadas os envolvidos serão encaminhados À AUTORIDADE POLICIAL MAIS PRÓXIMA DO LOCAL DOS FATOS, para lavratura de TERMO CIRCUNSTANCIADO (arts. 63 e 69, Lei 9099/95). Assim, não cabe prisão em flagrante pelo crime de boca de urna, apenas restrição de liberdade para que seja conduzido à presença da autoridade policial competente para lavratura do termo circunstanciado. Na delegacia, após lavrado este, o autor do fato que for encaminhado ao Juízo competente ou assumir o compromisso de comparecimento não poderá ser preso em flagrante, tampouco será exigida a fiança (art. 69, parágrafo único, Lei 9099/95). Lavrado o TERMO CIRCUNSTANCIADO e assumido o COMPROMISSO o autor será imediatamente colocado em liberdade. 10

MANUAL DE FISCALIZAÇÃO

MANUAL DE FISCALIZAÇÃO MANUAL DE FISCALIZAÇÃO ELEIÇÕES 2010 1 I - FISCALIZAÇÃO DURANTE A VOTAÇÃO Número de Fiscais e Delegados Cada Partido ou Coligação poderá nomear dois (2) Delegados em cada Zona Eleitoral e dois (2) Fiscais

Leia mais

Informações para o dia da eleição

Informações para o dia da eleição Tribunal Regional Eleitoral do Ceará Justiça Eleitoral Informações para o dia da eleição NO DIA DA ELEIÇÃO O QUE É PERMITIDO? É permitida a manifestação individual e silenciosa da preferência do cidadão

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 04, DE 10 DE JUNHO DE 2015, DA COMISSÃO ELEITORAL.

RESOLUÇÃO Nº 04, DE 10 DE JUNHO DE 2015, DA COMISSÃO ELEITORAL. 1 RESOLUÇÃO Nº 04, DE 10 DE JUNHO DE 2015, DA COMISSÃO ELEITORAL. EMENTA: FIXA O QUE DEVE SER CUMPRIDO E O QUE DEVE SER PROIBIDO DURANTE O DIA DAS ELEIÇÕES - 2015 - DO SINTAF-CE. O PRESIDENTE DA COMISSÃO

Leia mais

Calendário Eleitoral 2012 - Eleições Municipais

Calendário Eleitoral 2012 - Eleições Municipais Calendário Eleitoral 2012 - Eleições Municipais Em ano de eleições municipais é importante estar atento ao calendário eleitoral 2012 para as eleições municipais. O Tribunal Superior Eleitoral/TSE divulgou

Leia mais

ÍNDICE APRESENTAÇÃO...3 FISCALIZAR É UM DIREITO...3 DOS FISCAIS...4 DAS CREDENCIAIS...4. DAS URNAS e DO CADERNO DE ELEITORES...5

ÍNDICE APRESENTAÇÃO...3 FISCALIZAR É UM DIREITO...3 DOS FISCAIS...4 DAS CREDENCIAIS...4. DAS URNAS e DO CADERNO DE ELEITORES...5 ÍNDICE APRESENTAÇÃO...3 FISCALIZAR É UM DIREITO...3 DOS FISCAIS...4 DAS CREDENCIAIS...4 DAS URNAS e DO CADERNO DE ELEITORES...5 DA SUBSTITUIÇÃO DE URNAS...7 DA VOTAÇÃO...7 DA MESA RECEPTORA...9 DA VOTAÇÃO

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 2ª Câmara de Coordenação e Revisão

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 2ª Câmara de Coordenação e Revisão MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 2ª Câmara de Coordenação e Revisão Voto nº 2766 /2012 PROCEDIMENTO MPF Nº 1.00.000.017644/2011-42 ORIGEM: PROCURADORIA REGIONAL ELEITORAL DO DISTRITO FEDERAL PROCURADOR REGIONAL

Leia mais

Instrução n o 126. Brasília DF

Instrução n o 126. Brasília DF Relator: Ministro Arnaldo Versiani. Instrução n o 126 Resolução n o 23.089 Brasília DF Calendário Eleitoral (Eleições de 2010). O Tribunal Superior Eleitoral, usando das atribuições que lhe conferem o

Leia mais

Pode. Alto-falantes ou amplificadores de som. Pode

Pode. Alto-falantes ou amplificadores de som. Pode O Tribunal Superior Eleitoral publicou a Resolução nº 23.404/14, com as regras sobre propaganda eleitoral a serem seguidas nas eleições de 2014. Estão relacionados abaixo os tipos de propaganda mais comuns

Leia mais

Cartilha VOTE CONSCIENTE VOTE BEM

Cartilha VOTE CONSCIENTE VOTE BEM Cartilha VOTE VOTE BEM CONSCIENTE O mês de outubro marca a escolha de quem estará, durante os próximos anos, à frente do poder no Brasil. É um dos momentos mais significativos, pois é a hora de o brasileiro

Leia mais

PSDB MANUAL DE FISCALIZAÇÃO. Chegou o grande momento da Campanha Eleitoral. Nesta eleição precisamos ficar de olho para que tudo saia como queremos.

PSDB MANUAL DE FISCALIZAÇÃO. Chegou o grande momento da Campanha Eleitoral. Nesta eleição precisamos ficar de olho para que tudo saia como queremos. PSDB MANUAL DE FISCALIZAÇÃO Chegou o grande momento da Campanha Eleitoral. Nesta eleição precisamos ficar de olho para que tudo saia como queremos. E você, como nosso fiscal e amigo, é peça fundamental

Leia mais

LIVRO VIII DA ÁREA ELEITORAL

LIVRO VIII DA ÁREA ELEITORAL LIVRO VIII DA ÁREA ELEITORAL Art. 512. O Ministério Público Eleitoral atua perante todas as instâncias e fases do processo eleitoral, na condição de parte ou de custos legis, com a mesma legitimidade assegurada

Leia mais

Como Funcionam as Eleições Municipais. Penas de crimes eleitorais. candidato, penalizada de acordo com o art. 39, 5º da Lei 9.504/97.

Como Funcionam as Eleições Municipais. Penas de crimes eleitorais. candidato, penalizada de acordo com o art. 39, 5º da Lei 9.504/97. 35 candidato, penalizada de acordo com o art. 39, 5º da Lei 9.504/97. Guia do Eleitor Calendário Eleitoral A distribuição de qualquer tipo de propaganda eleitoral, como santinhos ou panfletos, punível

Leia mais

INSTRUÇÕES DO TSE ELEIÇÕES 2010

INSTRUÇÕES DO TSE ELEIÇÕES 2010 INSTRUÇÕES DO TSE ELEIÇÕES 2010 Secretaria de Gestão da Informação Brasília 2010 Tribunal Superior Eleitoral Secretaria de Gestão da Informação Coordenadoria de Jurisprudência SAS Praça dos Tribunais Superiores,

Leia mais

INSTRUÇÕES DO TSE ELEIÇÕES 2010

INSTRUÇÕES DO TSE ELEIÇÕES 2010 INSTRUÇÕES DO TSE ELEIÇÕES 2010 SECRETARIA DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO BRASÍLIA 2010 Tribunal Superior Eleitoral Secretaria de Gestão da Informação Coordenadoria de Jurisprudência SAS Praça dos Tribunais Superiores,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 09, DE 04 DE AGOSTO DE 2015 - CMDCA.

RESOLUÇÃO Nº 09, DE 04 DE AGOSTO DE 2015 - CMDCA. RESOLUÇÃO Nº 09, DE 04 DE AGOSTO DE 2015 - CMDCA. Dispões sobre a Propaganda Eleitoral bem como outros informes sobre o Processo de Escolha dos Membros do Conselho Tutelar de Esplanada-BA para a gestão

Leia mais

MANUAL DE FISCALIZAÇÃO

MANUAL DE FISCALIZAÇÃO ELEIÇOES 2010 MANUAL DE FISCALIZAÇÃO Diretório Nacional Anexo I - Senado Federal - 17º andar Tel.: (61) 3303-3041 - Fax: 3303-3984 CEP: 70165-900 - Brasília - DF E-mail: pp@pp.org.br Fundação Milton Campos

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL RESOLUÇÃO N 23.089 INSTRUÇÃO N 126 - CLASSE 19ª - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL.

TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL RESOLUÇÃO N 23.089 INSTRUÇÃO N 126 - CLASSE 19ª - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL. TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL RESOLUÇÃO N 23.089 INSTRUÇÃO N 126 - CLASSE 19ª - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL. Relator: Ministro Arnaldo Versiani. CALENDÁRIO ELEITORAL (Eleições de 2010) O Tribunal Superior

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL RESOLUÇÃO Nº 23.341*

TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL RESOLUÇÃO Nº 23.341* TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL RESOLUÇÃO Nº 23.341* INSTRUÇÃO Nº 933-81.2011.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL Relator: Ministro Arnaldo Versiani Interessado: Tribunal Superior Eleitoral Calendário

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 22.714. INSTRUÇÃO Nº 117 CLASSE 12ª BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL. Relator: Ministro Ari Pargendler.

RESOLUÇÃO Nº 22.714. INSTRUÇÃO Nº 117 CLASSE 12ª BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL. Relator: Ministro Ari Pargendler. RESOLUÇÃO Nº 22.714 INSTRUÇÃO Nº 117 CLASSE 12ª BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL. Relator: Ministro Ari Pargendler. Dispõe sobre a fiscalização do sistema eletrônico de votação, a votação paralela e a cerimônia

Leia mais

OUTUBRO DE 2013 5 de outubro - sábado (1 ano antes)

OUTUBRO DE 2013 5 de outubro - sábado (1 ano antes) Resolução TSE nº 23.390 Calendário Eleitoral - Eleições 2014 TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL RESOLUÇÃO Nº 23.390 INSTRUÇÃO N 269.79.2013.6.00.0000 - CLASSE 19 - BRASíLIA - DISTRITO FEDERAL Relator: Ministro

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 6.996, DE 7 DE JUNHO MAIO DE 1982. Dispõe sobre a utilização de processamento eletrônico de dados nos serviços eleitorais e

Leia mais

EDITAL Nº 0003/2013 CURSO DE PEDAGOGIA FACULDADE DE EDUCAÇÃO E LINGUAGEM CAMPUS UNIVERSITÁRIO SINOP

EDITAL Nº 0003/2013 CURSO DE PEDAGOGIA FACULDADE DE EDUCAÇÃO E LINGUAGEM CAMPUS UNIVERSITÁRIO SINOP EDITAL Nº 0003/2013 FACULDADE DE EDUCAÇÃO E LINGUAGEM A UNEMAT, pessoa jurídica de direito público da administração indireta, instituída pelo Poder Público Estadual, criada sob a natureza de Fundação Pública,

Leia mais

ELEIÇÕES 2012 CAMPANHA ELEITORAL

ELEIÇÕES 2012 CAMPANHA ELEITORAL 2S SOLUÇÕES pode e não pode Elaboração: Victor Ferreira João de Oliveira 2 COMÍCIOS E REUNIÕES PÚBLICAS Tradicional forma de arregimentação de pessoas para difundir a proposta do candidato, partido ou

Leia mais

MANUAL DO CANDIDATO Eleições 2014 Propaganda Eleitoral O Que Pode e o Que não Pode

MANUAL DO CANDIDATO Eleições 2014 Propaganda Eleitoral O Que Pode e o Que não Pode MANUAL DO CANDIDATO Eleições 2014 Propaganda Eleitoral O Que Pode e o Que não Pode Patricia Brasil Mestranda em Direito Político e Econômico pela Universidade Presbiteriana Mackenzie Especialista em Direito

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL LEI Nº 11.300, DE 10 DE MAIO DE 2006 Dispõe sobre propaganda, financiamento e prestação de contas das despesas com campanhas eleitorais, alterando a Lei n o 9.504, de 30

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE COLÉGIO ELEITORAL ESPECIAL COMISSÃO ELEITORAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE COLÉGIO ELEITORAL ESPECIAL COMISSÃO ELEITORAL INSTRUÇÕES PARA AS MESAS RECEPTORAS E APURADORAS DA ELEIÇÃO AOS CARGOS DE REITOR E VICE-REITOR DA UFAC QUADRIÊNIO 2012/2016 APRESENTAÇÃO Senhores membros das Mesas Receptoras e Apuradoras de votos, Ressaltando

Leia mais

de 13 \l..íá2l-= 1p ^

de 13 \l..íá2l-= 1p ^ PUBLICADO NO DIÁRIO DA JUSTIÇA de 13 \l..íá2l-= 1p ^ TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL ACÓRDÃO N 3.107 (25.10.2002) MANDADO DE SEGURANÇA N 3.107 - CLASSE 14 a - DISTRITO FEDERAL (Brasília). Relator: Ministro

Leia mais

QUESTÕES SOBRE A PROPAGANDA ELEITORAL

QUESTÕES SOBRE A PROPAGANDA ELEITORAL QUESTÕES SOBRE A PROPAGANDA ELEITORAL São as seguintes situações as mais comuns de Propaganda Eleitoral: 1. PROPAGANDA ELEITORAL NOS EDIFÍCIOS PÚBLICOS. Nos bens cujo uso dependa de cessão ou permissão

Leia mais

Sumário APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO... 13 APRESENTAÇÃO... 15 NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 17 NOTA À SEGUNDA EDIÇÃO... 19 DIREITO ELEITORAL...

Sumário APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO... 13 APRESENTAÇÃO... 15 NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 17 NOTA À SEGUNDA EDIÇÃO... 19 DIREITO ELEITORAL... Sumário APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO... 13 APRESENTAÇÃO... 15 NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 17 NOTA À SEGUNDA EDIÇÃO... 19 CAPÍTULO 1 DIREITO ELEITORAL... 21 1.1. Conceito...21 1.1.1. Competência legislativa em

Leia mais

Propaganda Eleitoral. Eduardo Buzzinari Ribeiro de Sá 1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS ESPÉCIES DE PROPAGANDA POLÍTICA

Propaganda Eleitoral. Eduardo Buzzinari Ribeiro de Sá 1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS ESPÉCIES DE PROPAGANDA POLÍTICA Série Aperfeiçoamento de Magistrados 7 Curso: 1º Seminário de Direito Eleitoral: Temas Relevantes para as Eleições de 2012 Propaganda Eleitoral 85 Eduardo Buzzinari Ribeiro de Sá 1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS

Leia mais

Carta de Serviços aos Cidadãos

Carta de Serviços aos Cidadãos Carta de Serviços aos Cidadãos Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul: a cada dia mais próximo da comunidade www.tre-jus.br O Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul é um órgão do Poder

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO VALE DO TELES PIRES

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO VALE DO TELES PIRES EDITAL N o 002/2016 A - UNEMAT, pessoa jurídica de direito público da administração indireta, instituída pelo Poder Público Estadual, criada sob a natureza de Fundação Pública, pela Lei Complementar Estadual

Leia mais

NORMAS ELEITORAIS PARA OS MEMBROS DA CIPA

NORMAS ELEITORAIS PARA OS MEMBROS DA CIPA NORMAS ELEITORAIS PARA OS MEMBROS DA CIPA A Comissão Eleitoral estabelece normas para eleição dos membros da CIPA da Fundação de Ensino e Pesquisa de Itajubá FEPI. Art. 1º - Até 45 (quarenta e cinco) dias

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 23.341 INSTRUÇÃO Nº 933-81.2011.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL

RESOLUÇÃO Nº 23.341 INSTRUÇÃO Nº 933-81.2011.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº 23.341 INSTRUÇÃO Nº 933-81.2011.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL Relator: Ministro Arnaldo Versiani Interessado: Tribunal Superior Eleitoral Calendário Eleitoral. Eleições de

Leia mais

Orientações sobre PROPAGANDA ELEITORAL

Orientações sobre PROPAGANDA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE MINAS GERAIS Secretaria Judiciária Eleições 2012 Orientações sobre PROPAGANDA ELEITORAL O Tribunal Superior Eleitoral publicou a Resolução nº 23.370/2011, com as regras sobre

Leia mais

Manual de Fiscalização do PPS

Manual de Fiscalização do PPS Eleições 2008 Manual de Fiscalização do PPS Secretaria de Formação Política - Atualizado em: 26/09/2008 APRESENTAÇÃO Fruto de um amplo processo de discussão no seio do Partido Popular Socialista, elaboramos

Leia mais

Propaganda Eleitoral

Propaganda Eleitoral Noções gerais sobre Propaganda Eleitoral Diogo Mendonça Cruvinel Assistente de Apoio à Propaganda Eleitoral TRE-MG 2º Seminário de Legislação Eleitoral Câmara Municipal de Belo Horizonte 24/04/2014 Legislação

Leia mais

PASSO A PASSO DA ELEIÇÃO

PASSO A PASSO DA ELEIÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE PRAÇA SANTOS DUMONT, ESQ. COM A AVENIDA REPÚBLICA DO LÍBANO, N. º185 Setor Aeroporto 74070-040 Goiânia Goiás TELEFAX: (0XX62) 3524 2601 E 3524-2602

Leia mais

PROPAGANDA ELEITORAL

PROPAGANDA ELEITORAL O que é Propaganda Eleitoral? A partir de quando pode ocorrer a propaganda eleitoral? Pode ser realizada propaganda eleitoral em língua estrangeira? Quais os tipos de propaganda eleitoral permitidos? A

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. INSTRUÇÃO Nº 112 - CLASSE 12ª - DISTRITO FEDERAL (Brasília).

RESOLUÇÃO Nº. INSTRUÇÃO Nº 112 - CLASSE 12ª - DISTRITO FEDERAL (Brasília). RESOLUÇÃO Nº INSTRUÇÃO Nº 112 - CLASSE 12ª - DISTRITO FEDERAL (Brasília). Relator: Ministro Ari Pargendler. Dispõe sobre pesquisas eleitorais. O TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL, usando das atribuições que

Leia mais

Edital para eleições do Centro Acadêmico de Psicologia do INESP/FUNEDI/UEMG

Edital para eleições do Centro Acadêmico de Psicologia do INESP/FUNEDI/UEMG EDITAL N 01/2012 Edital para eleições do Centro Acadêmico de Psicologia do INESP/FUNEDI/UEMG Os representantes da Comissão Eleitoral do Curso de Psicologia do Instituto de Ensino Superior e Pesquisa INESP

Leia mais

Press Kit - Eleições 2014

Press Kit - Eleições 2014 Press Kit - Eleições 2014 Dados gerais 249 zonas eleitorais, sendo 152 no interior e 97 na capital 27 polos de urnas, sendo 18 no interior e 9 na capital 141 mesas de justificativa de votos 92 municípios

Leia mais

Resolução n o 23.216. Brasília DF. Dispõe sobre a arrecadação de recursos financeiros de campanha eleitoral por cartões de crédito.

Resolução n o 23.216. Brasília DF. Dispõe sobre a arrecadação de recursos financeiros de campanha eleitoral por cartões de crédito. Relator: Ministro Arnaldo Versiani. Interessado: Tribunal Superior Eleitoral. Instrução n o 22-06.2010.6.00.0000 Resolução n o 23.216 Brasília DF Dispõe sobre a arrecadação de recursos financeiros de campanha

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 23.450 INSTRUÇÃO Nº 525-51.2015.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL

RESOLUÇÃO Nº 23.450 INSTRUÇÃO Nº 525-51.2015.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº 23.450 INSTRUÇÃO Nº 525-51.2015.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL Relator: Ministro Gilmar Mendes Interessado: Tribunal Superior Eleitoral Calendário Eleitoral (Eleições de 2016).

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL COMITÊ GESTOR DE INVESTIMENTO E PREVIDÊNCIA 2015

REGULAMENTO ELEITORAL COMITÊ GESTOR DE INVESTIMENTO E PREVIDÊNCIA 2015 O Comitê Gestor de Investimento e Previdência é um órgão de deliberação colegiada e de atuação no âmbito exclusivo da ELEKTRO Eletricidade e Serviços S.A. O Comitê Gestor de Investimento e Previdência

Leia mais

Você pode contribuir para eleições mais justas

Você pode contribuir para eleições mais justas Procuradoria Regional Eleitoral no Estado de SP Defesa da democracia, combate à impunidade. Você pode contribuir para eleições mais justas Os cidadãos e as cidadãs podem auxiliar muito na fiscalização

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL COMISSÃO ELEITORAL

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL COMISSÃO ELEITORAL UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL COMISSÃO ELEITORAL REGULAMENTO DA CAMPANHA ELEITORAL PARA A ELEIÇÃO DOS CARGOS DE REITOR(A) E VICE-REITOR(A) DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL QUADRIÊNIO

Leia mais

ELEIÇÕES 2012: PROPAGANDA ELEITORAL: Conheça as formas permitidas e não permitidas

ELEIÇÕES 2012: PROPAGANDA ELEITORAL: Conheça as formas permitidas e não permitidas ELEIÇÕES 2012: PROPAGANDA ELEITORAL: Conheça as formas permitidas e não permitidas Em comentário anterior foram abordadas as condutas vedadas a agentes públicos e candidatos no período eleitoral, compreendido

Leia mais

Prestação de Contas Eleitoral. Flávio Ribeiro de Araújo Cid Consultor Eleitoral

Prestação de Contas Eleitoral. Flávio Ribeiro de Araújo Cid Consultor Eleitoral Prestação de Contas Eleitoral Flávio Ribeiro de Araújo Cid Consultor Eleitoral Janeiro de 2006 ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DA PRESTAÇÃO DE CONTAS PARA AS ELEIÇÕES DE 2006 Trata-se de um tema revestido

Leia mais

EDITAL Nº 002/2015/CONSELHO ADMINISTRATIVO DA FAESPE

EDITAL Nº 002/2015/CONSELHO ADMINISTRATIVO DA FAESPE EDITAL Nº 002/2015/CONSELHO ADMINISTRATIVO DA FAESPE A - UNEMAT, pessoa jurídica de direito público da administração indireta, instituída pelo Poder Público Estadual, criada sob a natureza de Fundação

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral do Distrito Federal Coordenação de Organização e Fiscalização de Propaganda Eleitoral

Tribunal Regional Eleitoral do Distrito Federal Coordenação de Organização e Fiscalização de Propaganda Eleitoral Tribunal Regional Eleitoral do Distrito Federal Presidente do Tribunal Regional Eleitoral do Distrito Federal Desembargador Otávio Augusto Barbosa Vice-Presidente e Corregedor do Tribunal Regional Eleitoral

Leia mais

2a Edição mesario205x275.p65 1 6/8/2008, 12:02

2a Edição mesario205x275.p65 1 6/8/2008, 12:02 2 a Edição mesario205x275.p65 1 Prezado Mesário, Esperamos que este material seja útil no dia da eleição, para evitar dificuldades e resolver eventuais dúvidas. Aqui você encontrará a síntese do trabalho

Leia mais

PHS SP. 1º Curso de Marke.ng Polí.co. II - Aspectos Legais da Campanha

PHS SP. 1º Curso de Marke.ng Polí.co. II - Aspectos Legais da Campanha 1º Curso de Marke.ng Polí.co II - Aspectos Legais da Campanha Palestrante: Dra. Patricia Brasil Especialista em Direito Eleitoral pela EJEP Escola Eleitoral Paulista do TER/SP Especialista em Direito Criminal

Leia mais

EDITAL Nº 023/2014, de 03/06/2014

EDITAL Nº 023/2014, de 03/06/2014 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS CAMPUS JUIZ DE FORA RECONHECIDO PELA LEI Nº 11.892, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2008 SUCESSOR DO COLÉGIO TÉCNICO UNIVERSITÁRIO DA

Leia mais

Processo Eleitoral para Eleições Diretas de Diretores nas Escolas da Rede Municipal de Ensino de Linhares

Processo Eleitoral para Eleições Diretas de Diretores nas Escolas da Rede Municipal de Ensino de Linhares EDITAL Nº. 02/2010 Processo Eleitoral para Eleições Diretas de Diretores nas Escolas da Rede Municipal de Ensino de Linhares A PREFEITURA MUNICIPAL DE LINHARES, por meio da SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO REITORIA/ASSOC

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO REITORIA/ASSOC EDITAL Nº 002/2012/FAEL/CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP/MT A - UNEMAT, pessoa jurídica de direito público da administração indireta, instituída pelo Poder Público Estadual, criada sob a natureza de Fundação

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 28/2008 Regulamenta a Pesquisa Eleitoral junto à Comunidade Universitária visando subsidiar a elaboração da lista

Leia mais

Cartilha Eleitoral. Eleições Gerais 2014. TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL Rio Grande Do Sul

Cartilha Eleitoral. Eleições Gerais 2014. TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL Rio Grande Do Sul Cartilha Eleitoral Eleições Gerais 2014 TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL Rio Grande Do Sul Pleno do Tribunal Regional Eleitoral/RS Composição em junho de 2014 Presidente Des. Marco Aurélio Heinz Vice-Presidente

Leia mais

Tire suas dúvidas 2014

Tire suas dúvidas 2014 Tire suas dúvidas 2014 Sumário 1. Título e situação eleitoral... 4 1.1 Atendimento ao eleitor após 7 de maio de 2014 (cadastro fechado)... 4 1.2 Alistamento eleitoral... 4 1.3 Transferência de município...

Leia mais

INSTRUÇÕES DO TSE Brasília 2012

INSTRUÇÕES DO TSE Brasília 2012 INSTRUÇÕES DO TSE Brasília 2012 2012 Tribunal Superior Eleitoral Secretaria de Gestão da Informação Coordenadoria de Jurisprudência Setor de Administração Federal Sul (SAFS), Quadra 7, Lotes 1/2 70070-600

Leia mais

T r i b u n a l S u p e r i o r E l e i t o r a l INSTRUÇÕES DO TSE Atualizada até 17.7.2014 B r a s í l i a 2 0 1 4

T r i b u n a l S u p e r i o r E l e i t o r a l INSTRUÇÕES DO TSE Atualizada até 17.7.2014 B r a s í l i a 2 0 1 4 T r i b u n a l S u p e r i o r E l e i t o r a l INSTRUÇÕES DO TSE Atualizada até 17.7.2014 B r a s í l i a 2 0 1 4 2014 Tribunal Superior Eleitoral É permitida a reprodução parcial desta obra desde que

Leia mais

EDITAL Nº 002/2015 ELEIÇÃO COLEGIADO DE CURSO DE ENFERMAGEM, CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE TANGARÁ DA SERRA

EDITAL Nº 002/2015 ELEIÇÃO COLEGIADO DE CURSO DE ENFERMAGEM, CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE TANGARÁ DA SERRA EDITAL Nº 002/2015 ELEIÇÃO COLEGIADO DE CURSO DE ENFERMAGEM, A - UNEMAT, pessoa jurídica de direito público da administração indireta, instituída pelo Poder Público Estadual, criada sob a natureza de Fundação

Leia mais

Dúvidas Eleitorais Eleições Municipais 2008

Dúvidas Eleitorais Eleições Municipais 2008 Dúvidas Eleitorais Eleições Municipais 2008 Dúvidas Eleitorais Eleições Municipais 2008 Pleno do Tribunal Regional Eleitoral/RS Composição em junho de 2008 Presidente Des. João Carlos Branco Cardoso Vice-Presidente

Leia mais

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL PROCESSO: RC 1-30.2013.6.21.0068 PROCEDÊNCIA: FLORES DA CUNHA RECORRENTE: MINISTÉRIO PÚBLICO ELEITORAL RECORRIDO: JONATAN DE OLIVEIRA -----------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 005/2015

RESOLUÇÃO Nº 005/2015 RESOLUÇÃO Nº 005/2015 Regulamenta e publica Edital complementar das regras da Campanha Eleitoral para a eleição dos conselheiros tutelares de Cacique Doble. O Conselho Municipal dos Direitos da Criança

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 21.740 CAPÍTULO I DA ASSINATURA DIGITAL

RESOLUÇÃO Nº 21.740 CAPÍTULO I DA ASSINATURA DIGITAL RESOLUÇÃO Nº 21.740 INSTRUÇÃO Nº 85 - CLASSE 12ª - DISTRITO FEDERAL (Brasília). Relator: Ministro Fernando Neves. Dispõe sobre a assinatura digital dos programas fontes e programas executáveis que compõem

Leia mais

RESOLUÇÃO N 23.219 INSTRUÇÃO N 296-67.2010.6.00.0000 - CLASSE 19 - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL.

RESOLUÇÃO N 23.219 INSTRUÇÃO N 296-67.2010.6.00.0000 - CLASSE 19 - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL. TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL RESOLUÇÃO N 23.219 INSTRUÇÃO N 296-67.2010.6.00.0000 - CLASSE 19 - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL. Relator: Ministro Arnaldo Versiani. Interessado: Tribunal Superior Eleitoral.

Leia mais

75,%81$/ 683(5,25 (/(,725$/ BRASÍLIA

75,%81$/ 683(5,25 (/(,725$/ BRASÍLIA 75,%81$/ 683(5,25 (/(,725$/ 2 a edição BRASÍLIA SECRETARIA DE DOCUMENTAÇÃO E INFORMAÇÃO SEÇÃO DE PUBLICAÇÕES TÉCNICO-ELEITORAIS 2002 ã Tribunal Superior Eleitoral Tribunal Superior Eleitoral DG Secretaria

Leia mais

Orientações sobre PROPAGANDA ELEITORAL

Orientações sobre PROPAGANDA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE MINAS GERAIS Secretaria Judiciária Eleições 2012 Orientações sobre PROPAGANDA ELEITORAL As regras sobre a veiculação de propaganda eleitoral estão contidas na Lei das Eleições

Leia mais

AMAJUM. No próximo dia 7 de outubro, o povo brasileiro retorna às urnas, desta vez para escolher prefeitos, vice-prefeitos e vereadores.

AMAJUM. No próximo dia 7 de outubro, o povo brasileiro retorna às urnas, desta vez para escolher prefeitos, vice-prefeitos e vereadores. No próximo dia 7 de outubro, o povo brasileiro retorna às urnas, desta vez para escolher prefeitos, vice-prefeitos e vereadores. Produção: Ação conjunta: Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso Parceiro:

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 23.362 INSTRUÇÃO Nº 935-51.2011.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL

RESOLUÇÃO Nº 23.362 INSTRUÇÃO Nº 935-51.2011.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº 23.362 INSTRUÇÃO Nº 935-51.2011.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL Relator: Ministro Arnaldo Versiani Interessado: Tribunal Superior Eleitoral Dispõe sobre os modelos de lacres

Leia mais

Pesquisas Eleitorais Res. TSE nº 23.453/15 Lei nº 12.891/2013.

Pesquisas Eleitorais Res. TSE nº 23.453/15 Lei nº 12.891/2013. Pesquisas Eleitorais Res. TSE nº 23.453/15 Lei nº 12.891/2013. PESQUISAS E TESTES PRÉ-ELEITORAIS Duas regras básicas: 1º) para conhecimento pessoal ou uso interno, pode ser feita de forma livre e informal;

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA REGIONAL ELEITORAL DE PERNAMBUCO

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA REGIONAL ELEITORAL DE PERNAMBUCO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA REGIONAL ELEITORAL DE PERNAMBUCO REF.: REPRESENTAÇÃO N.º 717/2006 CLASSE 16 REPRESENTANTE: PARTIDO DOS TRABALHADORES - PT REPRESENTADO: PARTIDO SOCIAL DA DEMOCRACIA

Leia mais

REGULAMENTO PARA ELEIÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA E DO CONSELHO FISCAL DA ASUNIRIO PARA BIÊNIO 2014 A 2016.

REGULAMENTO PARA ELEIÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA E DO CONSELHO FISCAL DA ASUNIRIO PARA BIÊNIO 2014 A 2016. Associação dos Trabalhadores em Educação da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro ASUNIRIO Rua Voluntários da Pátria, 107 - Botafogo - RJ CEP 22270-000 CNPJ - 29.260.486/0001-89 Telefax 2541-0924

Leia mais

REGRAS A SEREM SEGUIDAS DURANTE O PROCESSO ELEITORAL

REGRAS A SEREM SEGUIDAS DURANTE O PROCESSO ELEITORAL COMISSÃO ELEITORAL DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL CEUERGS ELEIÇÃO DOS CARGOS DE REITOR E VICE-REITOR DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL QUADRIÊNIO 2010/2014 REGRAS A SEREM SEGUIDAS

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº xx.xxx INSTRUÇÃO Nº 952-19.2013.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL

RESOLUÇÃO Nº xx.xxx INSTRUÇÃO Nº 952-19.2013.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº xx.xxx INSTRUÇÃO Nº 952-19.2013.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL Relator: Ministro Dias Toffoli Interessado: Tribunal Superior Eleitoral Dispõe sobre pesquisas eleitorais para

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 22.579. INSTRUÇÃO Nº 111 CLASSE 12ª DISTRITO FEDERAL (Brasília).

RESOLUÇÃO Nº 22.579. INSTRUÇÃO Nº 111 CLASSE 12ª DISTRITO FEDERAL (Brasília). RESOLUÇÃO Nº 22.579 INSTRUÇÃO Nº 111 CLASSE 12ª DISTRITO FEDERAL (Brasília). Relator: Ministro Ari Pargendler. CALENDÁRIO ELEITORAL (Eleições de 2008) O Tribunal Superior Eleitoral, usando das atribuições

Leia mais

ROTEIRO PARA PESQUISAS ELEITORAIS

ROTEIRO PARA PESQUISAS ELEITORAIS TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ SECRETARIA JUDICIÁRIA COORDENADORIA DE JURISPRUDÊNCIA E DOCUMENTAÇÃO GUIA PRÁTICO 1 ROTEIRO PARA PESQUISAS ELEITORAIS RESOLUÇÃO TSE Nº 23.364/2011 ELEIÇÕES 2012 REGISTRO

Leia mais

INSTRUÇÃO Nº xxx-xx.xxxx.x.xx.xxxx CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL

INSTRUÇÃO Nº xxx-xx.xxxx.x.xx.xxxx CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº xx.xxx INSTRUÇÃO Nº xxx-xx.xxxx.x.xx.xxxx CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL Relator: Ministro Dias Toffoli Interessado: Tribunal Superior Eleitoral Dispõe sobre pesquisas eleitorais para

Leia mais

Informativo TSE SESSÃO ORDINÁRIA. Eleições 2008. Propaganda eleitoral irregular. Limitação. Legislação municipal. Prevalência. Legislação eleitoral.

Informativo TSE SESSÃO ORDINÁRIA. Eleições 2008. Propaganda eleitoral irregular. Limitação. Legislação municipal. Prevalência. Legislação eleitoral. SESSÃO ORDINÁRIA Eleições 2008. Propaganda eleitoral irregular. Limitação. Legislação municipal. Prevalência. Legislação eleitoral. A propaganda eleitoral irregular em questão diz respeito às eleições

Leia mais

Obrigações Eleitorais

Obrigações Eleitorais Obrigações Eleitorais Votação no Catar Inscrição eleitoral para residentes no Catar Documentação necessária para inscrição eleitoral no Catar Transferência do título de eleitor para o Catar Documentação

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA

EXCELENTÍSSIMO SENHOR PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA EXCELENTÍSSIMO SENHOR PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA CARLOS SAMPAIO, cidadão brasileiro, deputado federal, com endereço profissional na Câmara dos Deputados, Anexo I, Edifício Principal, Brasília DF, telefone

Leia mais

expert PDF Trial Prestação de Contas Eleitorais Res. 23.406/14 TSE Setembro 2014 Elaborado por: Grupo de Trabalho CRC SP

expert PDF Trial Prestação de Contas Eleitorais Res. 23.406/14 TSE Setembro 2014 Elaborado por: Grupo de Trabalho CRC SP Palestra Prestação de Contas Eleitorais Res. 23.406/14 TSE Elaborado por: Grupo de Trabalho CRC SP Prestação de Contas Eleitorais A reprodução total ou parcial, bem como a reprodução de apostilas a partir

Leia mais

REGULAMENTO DO PROCESSO DE CONSULTA ELEITORAL PARA ESCOLHA AO CARGO DE DIRETOR GERAL DO CÂMPUS MURIAÉ DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS

REGULAMENTO DO PROCESSO DE CONSULTA ELEITORAL PARA ESCOLHA AO CARGO DE DIRETOR GERAL DO CÂMPUS MURIAÉ DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS REGULAMENTO DO PROCESSO DE CONSULTA ELEITORAL PARA ESCOLHA AO CARGO DE DIRETOR GERAL DO CÂMPUS MURIAÉ DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO DA ELEIÇÃO Art. 1º A normatização do processo

Leia mais

23.216 - INSTRUÇÃO Nº 22-06.2010.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL.

23.216 - INSTRUÇÃO Nº 22-06.2010.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL. 23.216 - INSTRUÇÃO Nº 22-06.2010.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL. Relator: Ministro Arnaldo Versiani. Interessado: Tribunal Superior Eleitoral. Dispõe sobre a arrecadação de recursos financeiros

Leia mais

PROPAGANDA ELEITORAL

PROPAGANDA ELEITORAL PROPAGANDA ELEITORAL Katherine Schreiner katherine@eleitoralbrasil.com.br http://www.eleitoralbrasil.com.br Propaganda Política A expressão propaganda política é empregada para significar, em síntese,

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO AMAZONAS

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO AMAZONAS Processo n.156-80.2014.6.04.0000 Classe 42 Representação por Pesquisa Eleitoral Irregular Representante: Diretório Regional do Partido do Movimento Democrático Brasileiro PMDB e Coligação Majoritária Renovação

Leia mais

Comissão de Consulta à Comunidade para escolha do Reitor e Vice-Reitor da Universidade Federal de Santa Maria

Comissão de Consulta à Comunidade para escolha do Reitor e Vice-Reitor da Universidade Federal de Santa Maria REGIMENTO INTERNO DE CONSULTA À COMUNIDADE A Comissão de Consulta, no uso de suas atribuições, que lhe foram outorgadas pelas entidades, Seção Sindical dos Docentes da UFSM SEDUFSM, Associação dos Servidores

Leia mais

SUCESSÃO DO CONSELHO FISCAL E COORDENAÇÃO COLEGIADA DO SINTET-UFU Biênio 2016-2018 REGIMENTO ELEITORAL PROCEDIMENTOS PRELIMINARES

SUCESSÃO DO CONSELHO FISCAL E COORDENAÇÃO COLEGIADA DO SINTET-UFU Biênio 2016-2018 REGIMENTO ELEITORAL PROCEDIMENTOS PRELIMINARES SUCESSÃO DO CONSELHO FISCAL E COORDENAÇÃO COLEGIADA DO SINTET-UFU Biênio 2016-2018 REGIMENTO ELEITORAL PROCEDIMENTOS PRELIMINARES Art.1º. De acordo com os Art. 39, 40 e 50 do Estatuto Social do Sindicato

Leia mais

DECRETO-LEI Nº 2.848, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1940

DECRETO-LEI Nº 2.848, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1940 DECRETO-LEI Nº 2.848, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1940 Código Penal O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da atribuição que lhe confere o art. 180 da Constituição, decreta a seguinte lei: CÓDIGO PENAL PARTE ESPECIAL

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA UNIDADE DESCENTRALIZADADE EDUCAÇÃO SUPERIORDA UFSM EM SILVEIRA MARTINS UDESSM COMISSÃO ELEITORAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA UNIDADE DESCENTRALIZADADE EDUCAÇÃO SUPERIORDA UFSM EM SILVEIRA MARTINS UDESSM COMISSÃO ELEITORAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA UNIDADE DESCENTRALIZADADE EDUCAÇÃO SUPERIORDA UFSM EM SILVEIRA MARTINS UDESSM COMISSÃO ELEITORAL REGIMENTO INTERNO DE CONSULTA À COMUNIDADE A comissão Eleitoral, no

Leia mais

Manual do instrutor de mesário: eleições 2014. -- Fortaleza: TRE-CE, 2014. 22 p. ; 21 cm.

Manual do instrutor de mesário: eleições 2014. -- Fortaleza: TRE-CE, 2014. 22 p. ; 21 cm. 2014, TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO CEARÁ R. Jaime Benévolo, 21 - Centro CEP 60.050-080 - Fortaleza - Ceará PABX: (85) 3453.3500 Sítio eletrônico: www.tre-ce.jus.br Ficha Técnica Coordenadoria de Educação

Leia mais

Questões de Processo Penal

Questões de Processo Penal Questões de Processo Penal 1º) As Contravenções Penais (previstas na LCP) são punidas com: a) ( ) Prisão Simples; b) ( ) Reclusão; c) ( ) Detenção; d) ( ) Não existe punição para essa espécie de infração

Leia mais

Comissão de Direito Eleitoral

Comissão de Direito Eleitoral Presidente Leonardo Alencar de Figueiredo Vice-Presidente Edson Guimarães Membros Flávio Aragão Ximenes José Maria Rios Leonardo Henrique Carvalho Carlos Roberto de Araújo Érica Torres Passos Isabel Cristina

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE GESTÃO E NEGÓCIOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE GESTÃO E NEGÓCIOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE GESTÃO E NEGÓCIOS EDITAL N o 01/2014, DO CONSELHO DA FACULDADE DE GESTÃO E NEGÓCIOS Regulamenta a eleição

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 22.143. INSTRUÇÃO Nº 100 - CLASSE 12ª - DISTRITO FEDERAL (Brasília).

RESOLUÇÃO Nº 22.143. INSTRUÇÃO Nº 100 - CLASSE 12ª - DISTRITO FEDERAL (Brasília). RESOLUÇÃO Nº 22.143 INSTRUÇÃO Nº 100 - CLASSE 12ª - DISTRITO FEDERAL (Brasília). Relator: Ministro Caputo Bastos. Dispõe sobre pesquisas eleitorais. O Tribunal Superior Eleitoral, usando das atribuições

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 6/2013 (ELEIÇÕES-IBDFAM) ADITIVO

RESOLUÇÃO Nº 6/2013 (ELEIÇÕES-IBDFAM) ADITIVO RESOLUÇÃO Nº 6/2013 (ELEIÇÕES-IBDFAM) ADITIVO Dispõe sobre os procedimentos, critérios, condições de elegibilidade, normas de campanha eleitoral e pressupostos de proclamação dos eleitos nas eleições do

Leia mais