ConferÊncia. GoVernanÇa do SOlo RELATÓRIO. Missão Aprimorar a Administração Pública em benefício da sociedade por meio do controle externo.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ConferÊncia. GoVernanÇa do SOlo RELATÓRIO. Missão Aprimorar a Administração Pública em benefício da sociedade por meio do controle externo."

Transcrição

1 Missão Aprimorar a Administração Pública em benefício da sociedade por meio do controle externo. Visão Ser referência na promoção de uma Administração Pública efetiva, ética, ágil e responsável. RELATÓRIO ConferÊncia GoVernanÇa do SOlo BRASÍLIA - DF, 25 A 27 de março de 2015

2 República Federativa do Brasil Tribunal de Contas da União S Ministros Ubiratan Aguiar, Presidente Benjamin Zymler, Vice-Presidente MINISTROS Marcos Vinicios Vilaça Aroldo Cedraz Valmir de Oliveira Campelo (Presidente) Walton Alencar Rodrigues Augusto Nardes Aroldo Cedraz Augusto Nardes Raimundo Carreiro Raimundo Carreiro (Vice-presidente) Walton Alencar José JorgeRodrigues Benjamin Zymler Auditores José Múcio Monteiro Augusto Sherman Cavalcanti Marcos Ana Bemquerer ArraesCosta André Luís de Carvalho Bruno Weder de Dantas Oliveira Vital do Rêgo Ministério Público Lucas Rocha Furtado, Procurador-Geral Paulo Soares Bugarin, Subprocurador-Geral Maria Alzira Ferreira, Subprocuradora-Geral MINISTROS-SUBSTITUTOS Marinus Eduardo de Vries Marsico, Procurador Cristina Augusto Machado Sherman da Costa e Silva, Cavalcanti Procuradora Júlio Marcelo de Oliveira, Procurador Sérgio Marcos Ricardo Bemquerer Costa Caribé, Procurador Costa André Luís de Carvalho Weder de Oliveira S O MINISTÉRIO PÚBLICO JUNTO AO TCU Paulo Soares Bugarin (Procurador-Geral) Lucas Rocha Furtado (Subprocurador-geral) Cristina Machado da Costa e Silva (Subprocuradora-geral) Marinus Eduardo de Vries Marsico (Procurador) Júlio Marcelo de Oliveira (Procurador) Sérgio Ricardo Costa Caribé (Procurador)

3 RELATÓRIO ConferÊncia GoVernanÇa do SOlo BRASÍLIA - DF, 25 A 27 de março de 2015 Teatro Oi Brasília - Royal Tulip Hotel - Brasília DF Brasília, 2015

4 Copyright 2015, Tribunal de Contas da União. Impresso no Brasil / Printed in Brazil <www.tcu.gov.br> Permite-se a reprodução desta publicação, em parte ou no todo, sem alteração do conteúdo, desde que citada a fonte e sem fins comerciais. Conferência Governança do Solo (2015 : Brasília, DF). Relatório / Conferência Governança do Solo, 25 a 27 de março de 2015, Brasília, DF. - Brasília : Tribunal de Contas da União, p. : il. O conteúdo dessa cartilha também pode ser encontra do em meio eletrônico, no Portal do Tribunal de Contas da União. 1. Uso do solo. 2. Desenvolvimento sustentável. 3. Mudança do clima. I. Título. Ficha catalográfica elaborada pela Biblioteca Ministro Ruben Rosa

5 Já passou da hora de a degradação dos solos entrar no radar das políticas públicas. No Brasil, não se sabe exatamente quais seriam as responsabilidades dos diferentes entes governamentais na execução de uma política coerente para conservação dos solos. Hoje parte das ações se localiza no Ministério do Meio Ambiente, outra no Ministério da Agricultura, outra no Ministério do Desenvolvimento Agrário etc. As coisas estão desarticuladas. MATHEUS ZANELLA, pesquisador brasileiro do Global Soil Forum e membro do Instituto de Estudos Avançados de Sustentabilidade (IASS).

6 Apresentação

7 Em consonância com a missão a que se consagra o Tribunal de Contas da União (TCU), de contribuir para o aperfeiçoamento da administração pública federal, em benefício da sociedade, apresentei ao Colendo Plenário, na Sessão do dia 23 de janeiro de 2013 comunicação propondo a realização de uma conferência sobre a problemática dos solos no Brasil, com ênfase na questão da governança. Pretendia-se então que o evento viesse a acontecer em novembro de 2014, porém houve necessidade de transferi-la para março do ano seguinte, ante o fato de 2015 haver sido declarado Ano Internacional de Solos (AIS) pela Assembleia Geral das Nações Unidas, com intuito de ampliar e fortalecer a percepção da opinião pública mundial sobre a gravidade da questão do solo que fora encampada por aquela Agência e pela International Union of Soil Sciences (IUSS). O surgimento da ideia de um encontro dessa magnitude em Brasília, remonta a novembro de 2012, quando representei o TCU em Berlim - Alemanha, na primeira Global Soil Week, promovido pelo Institute for Advance Sustainability Studies (IASS), ocasião em que tive a oportunidade de tomar contato com os grandes progressos em Ciência do Solo verificados no mundo. Naquele evento de Berlim, restou patente que a acelerada degradação dos solos, perpetrada em variados graus em todos os continentes, compromete inapelavelmente as condições essenciais de sobrevivência material das populações humanas, no tempo presente e no futuro. Para o enfrentamento desse quadro de dificuldade, durante a Global Soil Week foram sugeridos diversos expedientes de agronomia ecológica visando a assegurar a efetiva implementação dos numerosos dispositivos acordados em tratados internacionais voltados precipuamente para as questões de Meio Ambiente, além de terem sido cotejadas as legislações ambientais nacionais. Em julho de 2014, recebi um convite para proferir palestra na abertura da Assembleia Geral da Aliança Global em Solos - Global Soil Partnership (GPS), grupo criado pela Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), que visa ao aprimoramento da governança dos recursos limitados do solo do planeta, no sentido da preservação daqueles que estão saudáveis e produtivos como forma de afiançar a segurança alimentar no mundo e, também, para fornecer infraestrutura de serviços ambientais essenciais. Por ocasião da assembleia da Aliança Global, tive a honra de anunciar que o TCU estava em plenos preparativos para realização do encontro internacional sobre solo em meados de Decorridos mais de dois anos desde a comunicação ao Plenário do TCU, cumpridas as etapas de prospecção e planejamento, realizou-se a Conferência Governança do Solo, com grande repercussão, nos dias 25, 26 e 27 de março de 2015, no Teatro Oi Brasília Royal Tulip Hotel, sob minha coordenação. Como forma de obter o suporte necessário à melhor escolha dos temas e ao adequado dimensionamento das palestras e sessões técnicas paralelas, foram levados em consideração os resultados colhidos na fiscalização realizada por este tribunal, sob a modalidade Levantamento-Operacional, no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e no Ministério 5 ConferÊncia GoVernanÇa do SOlo

8 do Meio Ambiente, com o objetivo de identificar riscos e propor ações de controle na área de governança de solos (TC /2014-3). Para garantir a boa consecução do evento, foram estabelecidas proveitosas parcerias com diversas instituições ligadas ao assunto, as quais, desde o primeiro momento em que a ideia da Conferência foi lançada, prestaram imediato apoio e total engajamento, tais como: o Ministério do Meio Ambiente, a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), a Sociedade Brasileira de Ciência do Solo (SBCS), a Itaipu Binacional, a Agência Nacional de Águas, a Sociedade Nacional da Agricultura, o Banco do Brasil e a União dos Auditores Federais de Controle Externo (Auditar), além de entidades internacionais como o Instituto de Estudos Avançados em Sustentabilidade da Alemanha (IASS) Global Soil Forum e a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) - Global Soil Partnership. A propósito, registro que os dirigentes de tais instituições não mediram esforços para fornecer todo apoio no processo de desenho e de construção deste encontro. Entre os conferencistas do encontro constavam Ministros de Estado e autoridades de governo, além de destacadas personalidades da sociedade civil, dirigentes e tomadores de decisão do governo, professores e pesquisadores, numerosos especialistas, que, por meio da abordagem dos temas propostos, traçaram um cenário, o mais realista possível, com os aspectos que afetam a governança do solo, a exemplo da produtividades desse bem natural, os riscos de degradação e os conflitos de utilização, bem como apontaram as boas práticas de manutenção da saúde dos solos e ainda abordaram diversos outros assuntos que lhes são inerentes. Registrou-se também a participação de autoridades e estudiosos de expressão nacional e internacional, como por exemplo, Bráulio Ferreira de Souza Dias, secretário-executivo da Convenção sobre Diversidade Biológica; Carlos Nobre, da Secretaria de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação; José Graziano (por vídeo), diretor-geral da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO); Klaus Töpfer, diretor-executivo do Instituto de Estudos Avançados em Sustentabilidade; Maurício Antônio Lopes, presidente da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa); Moujahed Achouri, diretor da Divisão de Terras e Águas da FAO; Rainer Horn, professor-doutor em Ciência do Solo da Universidade de Kiel (Alemanha); e Roberto Rodrigues, coordenador do Centro de Agronegócios da Fundação Getúlio Vargas. A programação do evento constituiu-se de palestras e sessões técnicas paralelas, distribuídas em quatro eixos temáticos específicos: Conhecimento dos solos e institucionalidade; Vulnerabilidades: mudanças climáticas, desertificação, eventos extremos e degradação; Sustentabilidade da produção agropecuária, segurança alimentar e serviços ambientais; e, Organização territorial e solos. Convém salientar que os assuntos de grande relevância que estiveram em pauta na Conferência apenas confirmaram o fato de que renomadas Entidades de Fiscalização Superior (EFS) a essa altura já formaram razoável portfólio em auditorias conjuntas relativas ao solo e às 6

9 florestas, embora com variáveis objetivos, visto que tais procedimentos ainda dependem do nível de especialização das equipes e das condições ambientais a serem avaliadas. No entanto, essas iniciativas se justificam pela facilitação da composição de cenários regionais, até mesmo inter-regionais, instrumentos de grande valia na montagem de diagnósticos sobre situação de risco ao patrimônio natural ou dano consumado. Em inúmeros países, incluindo o Brasil, as EFS vêm ofertando sua expertise aos governantes no sentido da implementação de políticas públicas destinadas a estimular as populações usuárias do solo e das florestas a manejá-los de modo sustentável. Com a intenção de carrear resultados proveitosos para o País e, assim, influenciar na adoção de medidas em nível global na preservação e uso sustentável desse bem precioso, ao final da Conferência, as Secretarias de Relações Internacionais (Serint) e da Agricultura e Meio Ambiente (SecexAmbiental), deste Tribunal, responsáveis pela condução do encontro apresentaram a Carta de Brasília, um documento que contempla as reflexões, considerações e conclusões envolvendo a temática de solos, ao tempo em que partilha com a sociedade uma série de propostas de melhoria materializadas num conjunto de medidas estruturantes a serem priorizadas pelos agentes responsáveis. Conforme consigna a Carta de Brasília, atualmente não existe no Brasil uma política nacional específica para os solos, um tema que tangencia várias outras já estabelecidas, a exemplo da Política Nacional de Recursos Hídricos (Lei nº 9.433, de 8 de janeiro de 1997); a Política Nacional de Irrigação (Lei nº , de 11 de janeiro de 2013); e, a Política Nacional de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (Lei nº , de 29 de abril de 2013). De fato, por ser um assunto que se encontra disperso em diferentes legislações, a percepção do solo como recurso estratégico, não renovável, de altíssima importância social, econômica e ambiental - bem como sua gestão nas diferentes esferas de governo - é imensamente dificultada. Penso que uma possível solução para isso seria a articulação e o encaminhamento de projeto de lei inspirado nos delineamentos expostos na Carta de Brasília. Na solenidade de encerramento do encontro, usei da palavra para dizer que [...] esperamos que a sociedade civil, a comunidade científica, a academia, o empresariado e os gestores públicos permaneçam mobilizados, de modo a priorizar os solos nas discussões que tratam dos recursos naturais e de seu uso sustentável. Essa ação, com certeza, trará ao cenário social, governamental e político propostas capazes aprimorar os mecanismos de governança relacionados ao tema debatido neste fórum. Percebe-se que iniciativas como esta favorecem o diálogo, organizam o conhecimento já existente e permitem o surgimento de grandes ideias, tendentes a garantir subsistência digna às gerações futuras. Nesse sentido, creio que alguns pontos evidenciados neste evento serão, doravante, objeto de nossos esforços para que se transformem em ações práticas. Parece-me claro, a partir da Carta aqui elaborada, que precisamos compartilhar nossas preocupações com toda a sociedade, provocar o Congresso Nacional com propostas factíveis de ajustes no ordenamento jurídico e alertar o Poder Executivo quanto à necessidade de planejamento adequado de suas ações. Somente por meio da conscientização social e de atuações conjuntas teremos um sistema normativo coerente com os objetivos que buscamos e um plano estratégico que estabeleça metas, 7 ConferÊncia GoVernanÇa do SOlo

10 responsáveis e prazos para as políticas públicas fundamentais, capazes tanto de reverter o panorama de degradação hoje existente como de promover o desenvolvimento sustentável do País. Por certo, a jornada é longa e, para que tenhamos uma evolução a partir deste nosso encontro, é necessário estabelecer um fórum permanente de discussão e troca de informações em nível nacional e internacional. Na expectativa de que a Conferência tenha se tornado o embrião de um modelo universal de governança do solo, que faça com que as nações do mundo entendam a premente necessidade de planejar e debater o uso sustentável desse bem natural em todos os níveis de intensidade, para que esse recurso natural escasso e essencial para a existência humana passe a ocupar um destacado papel no processo de elaboração das agendas de desenvolvimento pós-2015, aproveito para apresentar aqui meus melhores agradecimentos, pela contribuição de todos aqueles que se envolveram na concretização do evento, especialmente os ilustres Ministros e os servidores das várias unidades do Tribunal envolvidas, bem como aos dirigentes e servidores de órgãos parceiros, com os quais queremos dividir o êxito da empreitada. Por oportuno, gostaria de assinalar minha participação como convidado de honra da terceira Global Soil Week (GSW), que ocorreu em Berlim, Alemanha, no período de 19 a 23 de abril deste ano, na qual apresentei os resultados da Conferência do Solo e as conclusões consignadas na Carta de Brasília, exibindo vídeo que dava exata dimensão do evento. A terceira Semana Global sobre Solos contou com mais de 500 participantes de 80 países. O tema deste ano foi Soil. The Substance of Transformation (Solo. A substância de transformação). O fórum foi palco de enfrentamento de questões de alta complexidade relacionadas à degradação, governança e gestão do solo. Na ocasião, reuni-me com representantes da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), da (Agência de Cooperação Alemã para o Desenvolvimento (GIZ), do Ministério das Relações Exteriores do Brasil em Berlim e com técnicos da Institute for Advanced Sustainability Studies (IASS), para debater como atuações das Entidades de fiscalização Superiores (EFS) podem contribuir para o alcance das metas pactuadas nos Objetivos para o Desenvolvimento Sustentável (ODS), especialmente no tocante à governança dos solos e da água. No decorrer do evento, o titular da SecexAmbiental, Junnius Arifa, e o diretor de Sustentabilidade, daquela secretaria, Tiago Costa, compartilharam a metodologia e os critérios utilizados no trabalho realizado sobre governança de solos e conduziram os debates em quatro sessões temáticas: Segurança alimentar e o papel dos solos; Iniciativas de monitoramento, controle e avaliação dos ODS relacionados à gestão do território e do solo e controle e transparência; Nexos para a implementação da governança colaborativa na Agenda pós-2015 e neutralização da degradação dos solos no mundo. Por fim, registro também que designei o mencionado secretário da SecexAmbiental, para representar o TCU no evento sobre mecanismos de acompanhamento, avaliação, gestão e governança dos recursos naturais para alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), 8

11 decorrente da agenda pós-2015, propostos pela Assembleia-geral das Nações Unidas, em O encontro, realizado em Nova Iorque, nos dias 12, 13 e 14 do mês de maio último, foi organizado em conjunto pelas seguintes instituições: Institute for Advanced Sustainability Studies (Iass) de Potsdam, Alemanha; Biovision Foundation de Zurique, Suíça; Millennium Institute de Washington, EUA; Programa das Nações Unidades para o Meio Ambiente (Unep); Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (Ifad) e Convenção das Nações Unidas para o Combate à Desertificação e Mitigação dos Efeitos das Secas (UNCCD). Segundo o secretário Junnius Arifa, A partir das experiências compartilhadas no evento, que reuniu representantes de vários países, instituições da Organização das Nações Unidas, ONGs, universidades, sociedade civil e setor privado, ecoou de forma uníssona a necessidade de se fazer um acompanhamento independente e transparente da implementação dos ODS, envolvendo uma abordagem participativa de todos os atores, especialmente das EFS e da sociedade civil, com a criação de indicadores de desempenho universais e palpáveis, cujo foco deve se dirigir à identificação das causas dos problemas a fim de buscar soluções criativas e transformadoras, partindo de iniciativas nacionais que envolvam também as regionalidades, com aproveitamento dos mecanismos já existentes.. Diante do exposto, apresento este relatório com o registro dos principais momentos da Conferência Governança do Solo, com breves resumos das sessões técnicas, que se desenvolveram simultaneamente com as palestras e, também, a Carta de Brasília e a proposta de encaminhamento. Em anexo, contam as programações do encontro e o rol com os trabalhos desenvolvidos pelo TCU que voltados à gestão e à governança dos recursos naturais. Brasília, 30 de junho de 2015 Ministro Aroldo Cedraz Presidente 9 ConferÊncia GoVernanÇa do SOlo

12 Sumário

13 HIGHLIGTHS DO EVENTO 12 RESUMOS DAS SESSÕES TÉCNICAS 20 EIXO 1 - CONHECIMENTO DOS SOLOS E INSTITUCIONALIDADE 21 EIXO 2 - VULNERABILIDADES: MUDANÇAS CLIMÁTICAS, DESERTIFICAÇÃO, EVENTOS EXTREMOS E DEGRADAÇÃO 26 EIXO 3 - SUSTENTABILIDADE DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA, SEGURANÇA ALIMENTAR E SERVIÇOS AMBIENTAIS 29 EIXO 4 - ORGANIZAÇÃO TERRITORIAL E SOLOS 35 CARTA DE BRASÍLIA 39 ENCAMINHAMENTO 44 ANEXO I PROGRAMAÇÕES DAS PALESTRAS 46 ANEXO II PROGRAMAÇÕES DAS SESSÕES TÉCNICAS 48 ANEXO III - AÇÕES DO TCU ConferÊncia GoVernanÇa do SOlo

14 Highligths do evento

15 25 DE MARÇO DE 2015 A Conferência Governança do Solo, conforme previsto, teve início às 9 horas de quarta-feira, 25 de março de 2015, com as atividades de credenciamento e café da manhã de boas-vindas aos participantes. Constituíram a mesa de abertura do evento o presidente do Tribunal de Contas da União (TCU), ministro Aroldo Cedraz; o presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), João Martins; o vice-presidente de gestão de pessoas e desenvolvimento sustentável do Banco do Brasil, Robson Rocha; o diretor jurídico da Itaipu Binacional, Cézar Eduardo Ziliotto; o representante no Brasil da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), Alan Bojanic; o diretor-executivo do Instituto de Estudos Avançados em Sustentabilidade, Klaus Töpfer; o ministro do Desenvolvimento Agrário, Patrus Ananias; a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira; e o presidente da Embrapa, Maurício Antônio Lopes. Fez-se presente à cerimônia de abertura, o ilustre ministro-substituto do TCU Marcos Bemquerer. O ministro Aroldo Cedraz, que presidia a mesa de abertura, falou de sua expectativa de que a conferência viesse representar um embrião para futura formatação de um modelo universal de governança do solo, considerando que o solo é um recurso absolutamente importante, que está no centro do desenvolvimento do mundo. Produz alimentos e energia para todos. Na ótica do presidente do TCU, uma das finalidades do evento era apresentar sugestões sobre o aprimoramento dos mecanismos de governo relacionados a esse recurso renovável imprescindível à sociedade. O presidente da Embrapa, Maurício Antônio Lopes, acentuou que o solo é o sustentáculo da segurança alimentar da humanidade. O Brasil deu exemplo para o mundo nos últimos 40 anos. Nenhum país fez o mesmo. Transformou grandes porções de terras inférteis em terra boa para plantio e uso sustentável.. O representante no Brasil da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), Alan Bojanic, frisou que o mundo inteiro está atento em relação às práticas em conservação dos solos desenvolvidas no Brasil. O diretor-executivo do Instituto de Estudos Avançados em Sustentabilidade, Klaus Töpfer, avaliou positivamente a preocupação do TCU em relação à atual situação dos solos brasileiros que se verifica em seus estudos sobre preservação ambiental. O ministro do Desenvolvimento Agrário, Patrus Ananias, referiu-se à Conferência como um evento histórico ao afirmar da sua felicidade pessoal em ver o TCU à frente de uma iniciativa que diz respeito à nossa vida e à vida das gerações futuras. Esse é um evento que projeta resultados futuros para os nossos filhos, netos e netos dos nossos netos.. A ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, ressaltou que um dos desafios do Brasil hoje é dialogar com a riqueza do seu território. É importante trabalharmos juntos na governança do solo, que é fundamental para a sustentabilidade hídrica, para a produção de alimentos e para o uso sustentável de nossas florestas.. 13 ConferÊncia GoVernanÇa do SOlo

16 Para o presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), João Martins, o solo é o grande patrimônio do produtor rural, enquanto para o vice-presidente de gestão de pessoas e desenvolvimento sustentável do Banco do Brasil, Robson Rocha, é urgente a implementação de uma política de sensibilização visando ampliar a adesão da sociedade brasileira à causa do uso correto do solo, devidamente conscientizada de que se trata de um recurso finito. O diretor jurídico da Itaipu Binacional, Cézar Eduardo Ziliotto, chamou a atenção dos presentes para a necessidade de se respeitar efetivamente a premissa de que não existe desenvolvimento sustentável sem o meio ambiente equilibrado. Ao final da solenidade de abertura, foi exibido vídeo apresentando aspectos da temática que se desenvolveria na Conferência. Em seguida ao término da solenidade de abertura, ocorreram as palestras conduzidas por Klaus Töpfer, diretor-executivo do Instituto de Estudos Avançados em Sustentabilidade, Moujahed Achouri, diretor da Divisão de Terras e Águas da FAO e Rainer Horn, professor-doutor em Ciência do Solo da Universidade de Kiel (Alemanha). No papel de mediador, Paulo Protásio, diretor técnico da Sociedade Nacional de Agricultura. Na parte da tarde, a Conferência Governança do Solo retomou os trabalhos por intermédio da palestra ministrada pelo presidente da Embrapa, Maurício Antônio Lopes, que focalizou principalmente a importância da comunicação e a necessidade de cuidado com o solo, além de mencionar os recentes avanços da ciência desse recurso natural e as formas de aplicação desses conteúdos à luz dos desafios a serem enfrentados pelas sociedades. Durante a palestra, tratou-se dos temas em destaque na sociedade atualmente, como recursos hídricos, ciclo do carbono e sua relação direta com o solo, segundo ele Um recurso tão necessário, porém finito e de rápida degradação.. Maurício Antônio Lopes acentuou que o Brasil conseguiu desenvolver tecnologia apta a transformar em férteis enormes quantidades de solos havidos como excessivamente ácidos e improdutivos, e que, por essa razão, a agricultura brasileira é hoje uma referência no mundo. Um dos objetivos da Embrapa citados pelo palestrante foi a disseminação de práticas sustentáveis no País para contribuir com as políticas públicas referentes ao solo. A importância do código florestal também foi mencionada. Em seguimento das palestras, iniciaram-se sete sessões técnicas paralelas, com participação de renomados especialistas em temas específicos relacionados aos quatro eixos em torno dos quais se estruturou a Conferência. 14 Highligths do evento

17 26 DE MARÇO DE 2015 O segundo dia do evento foi marcado por debates entre representantes de diversos organismos ambientais, que compartilharam exemplos e dialogaram sobre desafios e lacunas referentes à governança do solo. As apresentações realizaram-se em sessões técnicas, divididas em quatro eixos principais: conhecimento dos solos e institucionalidade; vulnerabilidades do solo frente às mudanças climáticas, à desertificação e aos eventos extremos; sustentabilidade da produção agropecuária, segurança alimentar e serviços ambientais; e organização territorial e solos. Distribuídos por sete ambientes, os participantes puderam interagir de forma dinâmica, por meio de perguntas e respostas, e aquilatar os desafios a serem superados na conservação e exploração do solo. No que se refere ao tema Conhecimento dos solos e institucionalidade, um dos palestrantes foi Clístenes Williams Araújo do Nascimento, engenheiro agrônomo e doutor em Solos e Nutrição de Plantas pela Universidade Federal de Viçosa (UFV), que falou sobre o combate à presença de metais pesados no solo. Clístenes também abordou a questão de resoluções para gerenciamento ambiental de áreas contaminadas por esses elementos químicos em decorrência de atividades antrópicas e pintou em cores realistas a gravidade do problema. Prosseguindo na discussão do tema, Cristine Carole Muggler, professora da Universidade Federal de Viçosa (UFV), discorreu sobre educação em solos. Na visão dela, a educação em solos precisa ganhar força, por exercer um papel crucial para o alcance da boa governança nesse mister. O segundo painel conteve apresentações sobre vulnerabilidades: mudanças climáticas, desertificação, eventos extremos e degradação. Um dos debates levantados com o tema foi a questão da reabilitação dos solos degradados examinada no que concerne a opções técnicas e governança. Sobre o assunto, José Procópio de Lucena, da Articulação para o Semiárido (Asa Brasil), enfatizou a necessidade da elaboração de políticas públicas impulsionadoras da convivência sustentável e harmoniosa entre núcleos de agricultura familiar, o semiárido e a água, que é o elemento essencial em todo o processo. O painel sobre Sustentabilidade da produção agropecuária, segurança alimentar e serviços ambientais contou com a participação de Bernardo Baeta Neves Strassburg, do Instituto Internacional para a Sustentabilidade (ISS), que mencionou o processo de recuperação de áreas degradadas em larga escala, que, segundo pensa, poderiam ser áreas provedoras de bens e serviços para o agricultor e a sociedade. Bernardo Baeta ainda vaticinou que até 15 ConferÊncia GoVernanÇa do SOlo

18 2040, o Brasil vai ser o país de maior expansão agrícola do mundo. Existe espaço disponível para que a maior expansão agropecuária do mundo ocorra com desmatamento zero. O vice-presidente da Rede Brasil de Organismos de Bacias Hidrográficas (Rebob), Luiz Firmino Martins Pereira, encarregou-se de iniciar o debate no quarto e último painel da manhã, que versou sobre Organização territorial e solos. Um dos principais pontos abordados pelo palestrante foi o trabalho desenvolvido por comitês de bacias hidrográficas com planos de contingência para enfrentamento da crise hídrica em diversas regiões do País. Luiz Firmino alertou para a necessidade de atuação conjunta entre importantes órgãos e instituições, sociais e políticos, para o alcance de soluções concretas e eficazes. Acentuou que todos estão vivendo hoje parte da escassez da água, que mostra claramente a necessidade de um plano de atuação considerando as características para cada região. Não existe fórmula pronta, mas há um caminho a seguir. Dando sequência à discussão do tema proposto no painel, pronunciou- -se o professor associado da Universidade Estadual de Londrina (UEL), Ricardo Ralisch, que também alertou para o mau uso do solo, que, segundo pensa, tem impacto direto no curso da água. O professor Ralisch apontou o conhecimento da paisagem como fator essencial para a boa governança do solo. No período da tarde de quinta-feira, 26 de março, os participantes da Conferência de Governança do Solo assistiram à palestra Biodiversity and global soil governance, ministrada pelo secretário-executivo da Convenção sobre Diversidade Biológica (CDB), Bráulio Ferreira Dias. O palestrante reportou-se ao status global e atual do solo ressaltando os fatores determinantes da degradação desse bem natural. Sabemos que boa parte das áreas degradadas estão associadas à produção agrícola e pecuária, feitas muitas vezes de forma não sustentável, e sabemos que em função do crescimento da população humana vem um aumento da demanda por alimentos e a pressão sobre os solos vai aumentar, então o risco de isso levar a uma degradação ainda maior dos solos é muito grande.. Após a palestra do representante da CDB, os participantes se distribuíram entre as sessões técnicas que aconteciam simultaneamente. Em um dos recintos, o diretor Tiago Modesto da SecexAmbiental apresentou o painel Governança e gestão do uso do território e dos solos não urbanos papel do governo, com base em dados obtidos no procedimento de auditoria sobre governança de solos não urbanos, ainda em curso. Expôs não só o objetivo do trabalho, o de analisar a governança do solo em território nacional de uma forma integrada, observando como políticas de conservação do recurso solo interagem com a gestão do território de uma forma ampla, mas também o escopo do estudo, a metodologia utilizada e os resultados preliminares obtidos na fiscalização, destacando o fato de as legislações referentes à água e ao solo ainda se mostrarem dissociadas e apresentarem lacunas consideráveis. Visitamos alguns Estados. Não adianta fazer auditoria no papel, temos que ir a campo e colocar a mão na terra., afirmou. 16 Highligths do evento

19 Gonçalo Signorelli de Farias, presidente da Sociedade Brasileira de Ciência de Solo (SBCS), apresentou breve histórico dos solos no Brasil e destacou alguns achados do levantamento feito pela equipe técnica do Tribunal sobre a regulação da ocupação e do uso da terra e da sustentabilidade do solo e da água; enquanto o representante da Procuradoria da República do Mato Grosso do Sul (PRMS/MPF), procurador Marco Antonio Delfino de Almeida, criticou o vigente cenário de (des)governança dos solos no Brasil e a necessidade de uma vigorosa intervenção do governo federal para corrigir essa situação. Não temos um marco legal. Ainda que tenhamos restrições, nós não sabemos quantos estrangeiros têm terras pelo território nacional.. Nelson Ananias Filho, assessor técnico da Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), elogiou o trabalho feito pelo TCU. Este é um trabalho inédito e muito bem executado, que evidencia os acertos e os desacertos da governança de solo neste país.. Jes Weigelt, representante do Institute for Advanced Sustainability Studies (IASS), fez um breve comentário sobre o alto nível do estudo publicado pelo TCU, os desafios ainda existentes e os próximos passos possíveis. Esse é o primeiro estudo que eu li que trata o solo em combinação com a água, e não só trata da sustentabilidade, mas, ao mesmo tempo, da ocupação e do uso da terra.. 27 DE MARÇO DE 2015 Para concluir o ciclo de debates da Conferência, três importantes nomes da academia científica e do âmbito governamental foram convidados a enfocar as boas práticas e o estágio das artes no campo da conservação e proteção dos solos. Assim, foram chamados à mesa para ministrar suas palestras, Harald Ginzky, da Agência Federal Ambiental da Alemanha, Carlos Nobre, diretor do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (Cemaden/MCTI), e Roberto Rodrigues, ex- -ministro da Agricultura e atual coordenador do Centro de Agronegócio da FGV/EESP. Harald Ginzky fez uma breve apresentação sobre legislação e práticas alemãs voltadas à recuperação de solos degradados. O representante da Alemanha trouxe exemplos de boas práticas em legislação específicas na área de conservação e restauração em três países, que foram identificadas por meio de estudo feito na legislação alemã, brasileira e norte-americana. Ao falar do cenário brasileiro, Harald Ginzky alertou para a falta de dados e planejamento na área de recuperação de solos degradados. O solo já é uma questão internacional que pode gerar conflitos e impactos em áreas fronteiriças. Assim, urge a necessidade de promover uma lei internacional, que compreenda as necessidades globais., disse enfaticamente. Em seguida, o diretor do Cemadem, Carlos Nobre, trouxe para a discussão o problema do processo de urbanização mal planejado e a importância de restauração ecológica de bacia de drenagem como boa governança de uso da terra. Segundo os dados apresentados na apresentação, existem hoje no Brasil mais de 5 milhões de pessoas vivendo em áreas de riscos de 17 ConferÊncia GoVernanÇa do SOlo

20 desastres naturais. Para o diretor e também pesquisador científico, isso é um problema que reflete a necessidade de revisão do Código Florestal e de interligação entre Ciência e políticas públicas. As metas de desenvolvimento sustentável precisam caminhar na mesma direção das metas do desenvolvimento humano., enfatizou. Por último, falou o coordenador do Centro de Agronegócio da FGV/EESP, Roberto Rodrigues, que defendeu a necessidade de o Brasil adotar estratégias para garantir a segurança alimentar em nível global. O Brasil foi chamado internacionalmente para aumentar em 40% a produção de alimentos, no prazo de 10 anos.. De acordo com o ex-ministro da Agricultura, é preciso compatibilizar a demanda com o uso adequado do solo por meio de tecnologia e produtividade. É preciso cuidar do solo para que o País cumpra seu papel na história. A segurança alimentar é o único caminho verdadeiro da paz., encerrou Roberto Rodrigues. A cerimônia de encerramento da Conferência foi conduzida pelo presidente do Tribunal de Contas da União (TCU), ministro Aroldo Cedraz, que se manifestou entusiasticamente sobre os auspiciosos frutos do evento. Alinhada à missão institucional, esta Casa compreendeu a importância do tema e suas repercussões em diversas áreas de atuação governamental, e assumiu o compromisso de realizar uma ampla discussão sobre o assunto no País. O ministro Cedraz, ao dar por encerrada a Conferência, afirmou: Alguns inicialmente não acreditavam que o Brasil seria capaz de promover este evento, pois parecia uma tarefa impossível. Mas a presença de importantes nomes de diversas instâncias foi fundamental para enriquecer os debates durante esses três dias. Este evento lança as bases para o mundo entender a necessidade de se planejar e discutir solos em todos os níveis. Fizeram parte também da mesa o secretário-executivo da Convenção sobre Diversidade Biológica (CDB), Bráulio de Souza Dias; o diretor-presidente da Agência Nacional de Águas (Ana), Vicente Andreu Guillo; o presidente da Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico do Distrito Federal (Adasa), Vinícius Benevides; o presidente da Sociedade Brasileira de Ciência do Solo (SBCS), Gonçalo Signorelli de Farias; o presidente da Sociedade Nacional de Agricultura (SNA), Antônio Mello Alvarenga Neto; o presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de São Paulo (Faesp), Fábio de Salles Meirelles; e o ex-secretário de Estado e ex-deputado federal Fabio Feldmann. Para Fábio Feldmann, coordenador de meio ambiente no plano de governo do candidato a presidente da República, Aécio Neves, a discussão sobre o tema é urgente e a promoção do evento pelo TCU foi um pontapé fundamental para um debate aprofundado. A Humanidade enfrenta desafios muito grandes nessa questão. Ter lideranças que ajudem a fazer essa transição de mentalidade da importância do solo em diversos âmbitos é mais que necessário. Ao felicitar o TCU pela iniciativa da realização da Conferência que então se encerrava, Feldmann afirmou que um Tribunal de Contas do século XXI é aquele que olha para além dos prédios públicos, em permanente disposição para defender todos os patrimônios da União, inclusive o solo.. 18 Highligths do evento

Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15

Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15 Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15 Formada por associações empresariais, empresas, organizações da sociedade civil e indivíduos interessados na construção

Leia mais

CONFERÊNCIA GOVERNANÇA DO SOLO

CONFERÊNCIA GOVERNANÇA DO SOLO CONFERÊNCIA GOVERNANÇA DO SOLO DOCUMENTO DE REFERÊNCIA Período de realização: 25 a 27 de março de 2015 Local: Brasília, DF (Hotel Royal Tulip Brasília Alvorada) Realização: 1. Contexto: Os solos constituem

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO PROGRAMAÇÃO DO EVENTO Dia 08/08 // 09h00 12h00 PLENÁRIA Nova economia: includente, verde e responsável Nesta plenária faremos uma ampla abordagem dos temas que serão discutidos ao longo de toda a conferência.

Leia mais

A Ministra do Meio Ambiente do Brasil, Senadora Marina Silva, apresentou a agenda para consideração dos participantes, tendo sido aprovada.

A Ministra do Meio Ambiente do Brasil, Senadora Marina Silva, apresentou a agenda para consideração dos participantes, tendo sido aprovada. II Reunião de Ministros de Meio Ambiente do MERCOSUL 8 de novembro de 2004, Brasília, Brasil Ata da Reunião nº 02/04 Realizou-se na cidade de Brasília, República Federativa do Brasil, no dia 8 de novembro

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

Padrão de Príncipes, Critérios e Indicadores para Florestas Modelo. Rede Ibero-Americana de Florestas Modelo 2012

Padrão de Príncipes, Critérios e Indicadores para Florestas Modelo. Rede Ibero-Americana de Florestas Modelo 2012 Meta superior (RIABM 2011): A Floresta Modelo é um processo em que grupos que representam uma diversidade de atores trabalham juntos para uma visão comum de desenvolvimento sustentável em um território

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL Washington, D.C., EUA, 28 de setembro a 2 de outubro de 2009 CD49.R10 (Port.) ORIGINAL:

Leia mais

Política Nacional de Meio Ambiente

Política Nacional de Meio Ambiente Política Nacional de Meio Ambiente O Brasil, maior país da América Latina e quinto do mundo em área territorial, compreendendo 8.511.996 km 2, com zonas climáticas variando do trópico úmido a áreas temperadas

Leia mais

RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COE INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E GESTÃO DE CARBONO CO2 ZERO

RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COE INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E GESTÃO DE CARBONO CO2 ZERO RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COE INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E GESTÃO DE CARBONO CO2 ZERO DECLARAÇÃO DE APOIO CONTÍNUO DO DIRETOR PRESIDENTE Brasília-DF, 29 de outubro de 2015 Para as partes

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências.

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. PROJETO DE LEI Nº 51/2008 Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPIRITO SANTO DECRETA: Art. 1º Esta lei institui

Leia mais

Fórum do CB27 em Natal Medidas para a redução do efeito estufa

Fórum do CB27 em Natal Medidas para a redução do efeito estufa 11 Fórum do CB27 em Natal Medidas para a redução do efeito estufa Alex Régis Ana Lúcia Araújo Assessora de Comunicação da SEMURB Considerado um dos mais participativos, desde a sua criação, o VI Encontro

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE Lei nº 4791/2008 Data da Lei 02/04/2008 O Presidente da Câmara Municipal do Rio de Janeiro nos termos do art. 79, 7º, da Lei Orgânica do Município do Rio de Janeiro, de 5 de abril de 1990, não exercida

Leia mais

Pós-graduando em Educação Ambiental e Recursos Hídricos CRHEA/USP. Pós-graduanda em Educação Ambiental e Recursos Hídricos CRHEA/USP

Pós-graduando em Educação Ambiental e Recursos Hídricos CRHEA/USP. Pós-graduanda em Educação Ambiental e Recursos Hídricos CRHEA/USP EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO DE PREVENÇÃO E RECUPERAÇÃO DE IMPACTOS CAUSADOS PELA POLUIÇÃO DAS ÁGUAS DA REPRESA DE FURNAS NO ENTORNO DO MUNICÍPIO DE ALFENAS-MG FÁBIO VIEIRA MARTINS Pós-graduando

Leia mais

Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar

Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar março de 2012 Introdução Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar na gestão pública. A criação

Leia mais

A Experiência do Instituto Ecoar para a Cidadania e da Associação Ecoar Florestal na conservação da sociobiodiversidade no Estado de São Paulo 1

A Experiência do Instituto Ecoar para a Cidadania e da Associação Ecoar Florestal na conservação da sociobiodiversidade no Estado de São Paulo 1 A Experiência do Instituto Ecoar para a Cidadania e da Associação Ecoar Florestal na conservação da sociobiodiversidade no Estado de São Paulo 1 Gabriela Priolli de Oliveira 2 João Carlos Seiki Nagamura

Leia mais

Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo

Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo Samira Santana de Almeida 1 RELATÓRIO 1. Apresentação O presente

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO. Avaliação do Programa Nacional Biblioteca da Escola - PNBE

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO. Avaliação do Programa Nacional Biblioteca da Escola - PNBE TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO Secretaria de Fiscalização e Avaliação de Programas de Governo - SEPROG Sumários Executivos Avaliação do Programa Nacional Biblioteca da Escola - PNBE Brasília 2002 RESPONSABILIDADE

Leia mais

Observatórios Socioambientais

Observatórios Socioambientais Observatórios Socioambientais Angelo José Rodrigues Lima Programa Água para a Vida Superintendência de Conservação WWF Brasil Uberlândia, 18 de setembro de 2014 Missão do WWF-Brasil Contribuir para que

Leia mais

São Paulo, 25 de abril de 2013.

São Paulo, 25 de abril de 2013. São Paulo, 25 de abril de 2013. Discurso do diretor de Relacionamento Institucional e Cidadania, Luiz Edson Feltrim, na SME Banking Conference 2013 1 Dirijo saudação especial a Sra. Ghada Teima, IFC Manager

Leia mais

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Atores envolvidos Movimentos Sociais Agricultura Familiar Governos Universidades Comunidade Científica em Geral Parceiros Internacionais,

Leia mais

A gestão da Secretaria de Fiscalização de Tecnologia da Informação

A gestão da Secretaria de Fiscalização de Tecnologia da Informação A gestão da Secretaria de Fiscalização de Tecnologia da Informação Cláudio Castello Branco Introdução A criação da Secretaria de Fiscalização de Tecnologia da Informação (Sefti) no Tribunal de Contas da

Leia mais

Levantamento de Governança de Segurança Pública igovseg2013

Levantamento de Governança de Segurança Pública igovseg2013 SUMÁRIO EXECUTIVO SEGURANÇA PÚBLICA Levantamento de Governança de Segurança Pública igovseg2013 República Federativa do do Brasil Brasil Tribunal de Contas da União Ministros Ubiratan Aguiar, Presidente

Leia mais

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Introdução 10.1. A terra costuma ser definida como uma entidade física, em termos de sua topografia e sua natureza

Leia mais

Tratados internacionais sobre o meio ambiente

Tratados internacionais sobre o meio ambiente Tratados internacionais sobre o meio ambiente Conferência de Estocolmo 1972 Preservação ambiental X Crescimento econômico Desencadeou outras conferências e tratados Criou o Programa das Nações Unidas para

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil

Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil Nós, representantes de governos, organizações de empregadores e trabalhadores que participaram da III Conferência Global sobre Trabalho Infantil, reunidos

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO. Avaliação do Programa Irrigação e Drenagem

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO. Avaliação do Programa Irrigação e Drenagem TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO Secretaria de Fiscalização e Avaliação de Programas de Governo - SEPROG Sumários Executivos Avaliação do Programa Irrigação e Drenagem Brasília 2002 RESPONSABILIDADE EDITORIAL

Leia mais

Iniciativas Futuro Verde" do Japão

Iniciativas Futuro Verde do Japão 1. Compreensão Básica Iniciativas Futuro Verde" do Japão 1. Nas condições atuais, em que o mundo está enfrentando diversos problemas, como o crescimento populacional, a urbanização desordenadas, a perda

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

Atuação do COEP frente às mudanças climáticas. Equipe Mobilizadores Oficina Mudanças Climáticas Novembro de 2011

Atuação do COEP frente às mudanças climáticas. Equipe Mobilizadores Oficina Mudanças Climáticas Novembro de 2011 Atuação do COEP frente às mudanças climáticas Equipe Mobilizadores Oficina Mudanças Climáticas Novembro de 2011 Mudanças Climáticas e pobreza As populações mais pobres tendem a ficar mais vulneráveis diante

Leia mais

PMS-MT Cartilha. Breve histórico e Abrangência Objetivos gerais e benefícios esperados Componentes. Governança Funcionamento do Programa

PMS-MT Cartilha. Breve histórico e Abrangência Objetivos gerais e benefícios esperados Componentes. Governança Funcionamento do Programa PMS-MT Cartilha Breve histórico e Abrangência Objetivos gerais e benefícios esperados Componentes Fortalecimento da gestão ambiental municipal Contexto e benefícios Tarefas Regularização ambiental e fundiária

Leia mais

Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011. 66/121. Políticas e programas voltados à juventude

Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011. 66/121. Políticas e programas voltados à juventude Organização das Nações Unidas A/RES/66/121 Assembleia Geral Distribuição: geral 2 de fevereiro de 2012 65 a sessão Item 27 (b) da pauta Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL FICHA DE APRESENTAÇÃO SISTEMA INTERATIVO DE MONITORAÇÃO E PARTICIPAÇÃO PARA O APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DA PLATAFORMA DE C O O P E R A Ç Ã O A M B I

Leia mais

ONG BRASI O DIÁLOGO ABRE CAMINHOS PARA O DESENVOLVIMENTO. Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil

ONG BRASI O DIÁLOGO ABRE CAMINHOS PARA O DESENVOLVIMENTO. Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil ONG BRASI 2012 O DIÁLOGO ABRE CAMINHOS PARA O DESENVOLVIMENTO Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil Dezembro de 2013 3 EXPEDIENTE Presidenta

Leia mais

Núcleo de Gestão Ambiental Avançada - NUGA

Núcleo de Gestão Ambiental Avançada - NUGA Núcleo de Gestão Ambiental Avançada - NUGA Coordenador(es): Istvan Karoly Kasznar MISSÃO O Núcleo de Gestão Ambiental Avançada (NUGA) foi concebido para desenvolver estudos e práticas inovadoras de gestão

Leia mais

Francisco Cardoso SCBC08

Francisco Cardoso SCBC08 Formando profissionais para a sustentabilidade Prof. Francisco CARDOSO Escola Politécnica da USP Francisco Cardoso SCBC08 1 Estrutura da apresentação Objetivo Metodologia Resultados investigação Conclusão:

Leia mais

EDITAL Nº 003/2009/BRA/06/032 CÓDIGO ARRANJOS PRODUTIVOS

EDITAL Nº 003/2009/BRA/06/032 CÓDIGO ARRANJOS PRODUTIVOS EDITAL Nº 003/2009/BRA/06/032 CÓDIGO ARRANJOS PRODUTIVOS O Projeto BRA/06/032 comunica aos interessados que estará procedendo à contratação de consultoria individual, na modalidade produto, para prestar

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2015

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2015 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2015 Disciplina a profissão de Agroecólogo. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º É requisito mínimo para o exercício da função profissional de Agroecólogo a comprovação

Leia mais

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL PROFESSORA ENG. FLORESTAL CIBELE ROSA GRACIOLI OUTUBRO, 2014. OBJETIVOS DA DISCIPLINA DISCUTIR PRINCÍPIOS ÉTICOS QUESTÃO AMBIENTAL CONHECER A POLÍTICA E A LEGISLAÇÃO VOLTADAS

Leia mais

Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental

Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental I. Contexto Criada em 1996, a reúne atualmente oito Estados Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique,

Leia mais

RISCOS EMERGENTES NO SETOR DE SEGUROS NO CONTEXTO DA AGENDA DE DESENVOLVIMENTO PÓS-2015

RISCOS EMERGENTES NO SETOR DE SEGUROS NO CONTEXTO DA AGENDA DE DESENVOLVIMENTO PÓS-2015 RISCOS EMERGENTES NO SETOR DE SEGUROS NO CONTEXTO DA AGENDA DE DESENVOLVIMENTO PÓS-2015 Rio+20 (2012): O Futuro que Queremos Cúpula das Nações Unidas (setembro de 2015): Agenda de Desenvolvimento Pós-2015

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS Conselho Interamericano de Desenvolvimento Integral (CIDI)

ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS Conselho Interamericano de Desenvolvimento Integral (CIDI) - 1 - ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS Conselho Interamericano de Desenvolvimento Integral (CIDI) ANEXO I PRIMEIRA REUNIÃO INTERAMERICANA DE MINISTROS OEA/Ser./XLIII.1 E ALTAS AUTORIDADES DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES

PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES Organizador Patrocínio Apoio PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 O Turismo é uma das maiores fontes de

Leia mais

RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE ASSENTAMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE REFORMA AGRÁRIA

RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE ASSENTAMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE REFORMA AGRÁRIA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO MDA INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA INCRA RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE

Leia mais

Documento em construção. Declaração de Aichi-Nagoya

Documento em construção. Declaração de Aichi-Nagoya Documento em construção Declaração de Aichi-Nagoya Declaração da Educação para o Desenvolvimento Sustentável Nós, os participantes da Conferência Mundial da UNESCO para a Educação para o Desenvolvimento

Leia mais

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais PRINCÍPIOs 1. A inclusão digital deve proporcionar o exercício da cidadania, abrindo possibilidades de promoção cultural,

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

CAF: Um banco de desenvolvimento ao serviço da água na América Latina

CAF: Um banco de desenvolvimento ao serviço da água na América Latina CAF: Um banco de desenvolvimento ao serviço da água na América Latina Apoio financeiro e técnico no setor água O CAF apoia os esforços que os países da região realizam para garantir que toda a população

Leia mais

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade DECLARAÇÃO DOS MINISTROS DA AGRICULTURA, SÃO JOSÉ 2011 1. Nós, os Ministros e os Secretários de Agricultura

Leia mais

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições I. Informações preliminares sobre a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável ( Rio+20 ) De 28 de maio

Leia mais

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil 1 A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO MUNDO GLOBALIZADO 1 Introdução Área de atuação. A Carta de Bangkok (CB) identifica ações, compromissos e garantias requeridos para atingir os determinantes

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 Consultoria especializada (pessoa física) para elaborar e implantar novas metodologias

Leia mais

PORTARIA MMA Nº 43, DE 31 DE JANEIRO DE 2014

PORTARIA MMA Nº 43, DE 31 DE JANEIRO DE 2014 PORTARIA MMA Nº 43, DE 31 DE JANEIRO DE 2014 A MINISTRA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE, no uso de suas atribuições, e tendo em vista o disposto na Lei nº 10.683, de 28 de maio de 2003, e no Decreto nº 6.101,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.346, DE 15 DE SETEMBRO DE 2006. Cria o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SISAN com vistas em assegurar

Leia mais

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009)

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009) MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS RESOLUÇÃO N o 98, DE 26 DE MARÇO DE 2009 (Publicada no D.O.U em 30/07/2009) Estabelece princípios, fundamentos e diretrizes para a educação,

Leia mais

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância A Escola A ENAP pode contribuir bastante para enfrentar a agenda de desafios brasileiros, em que se destacam a questão da inclusão e a da consolidação da democracia. Profissionalizando servidores públicos

Leia mais

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS 2014 1 Índice 1. Contexto... 3 2. O Programa Cidades Sustentáveis (PCS)... 3 3. Iniciativas para 2014... 5 4. Recursos Financeiros... 9 5. Contrapartidas... 9 2 1. Contexto

Leia mais

Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio

Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio Nome Desarrollo de Sistemas de Gobierno y Gestión en Empresas de Propiedad Familiar en el Perú Objetivo Contribuir

Leia mais

Marcha Global contra o Trabalho Infantil Conferência Internacional sobre Trabalho Infantil na Agricultura Washington DC, EUA 28-30 julho, 2012

Marcha Global contra o Trabalho Infantil Conferência Internacional sobre Trabalho Infantil na Agricultura Washington DC, EUA 28-30 julho, 2012 Marcha Global contra o Trabalho Infantil Conferência Internacional sobre Trabalho Infantil na Agricultura Washington DC, EUA 28-30 julho, 2012 MARCO DE AÇÃO A Conferência Internacional sobre Trabalho Infantil

Leia mais

As Interfaces entre os Processos de Licenciamento Ambiental e de Outorga pelo Uso da Água. Campo Grande - MS

As Interfaces entre os Processos de Licenciamento Ambiental e de Outorga pelo Uso da Água. Campo Grande - MS As Interfaces entre os Processos de Licenciamento Ambiental e de Outorga pelo Uso da Água Maria de Fátima Chagas 23 de novembro de 2009 23 de novembro de 2009 Campo Grande - MS A Água e Meio Ambiente -

Leia mais

Brasília, 9 de maio de 2012

Brasília, 9 de maio de 2012 Brasília, 9 de maio de 2012 Discurso do presidente Alexandre Tombini em evento no Sebrae para lançamento do Plano de Ação para Fortalecimento do Ambiente Institucional para a Adequada Inclusão Financeira

Leia mais

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal I- Introdução Mestrados Profissionais em Segurança Pública Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal Este documento relata as apresentações, debates e conclusões

Leia mais

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Marcelo de Paula Neves Lelis Gerente de Projetos Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério das Cidades Planejamento

Leia mais

A AGRONOMIA, OS PROFISSIONAIS E A AGENDA AMBIENTAL

A AGRONOMIA, OS PROFISSIONAIS E A AGENDA AMBIENTAL A AGRONOMIA, OS PROFISSIONAIS E A AGENDA AMBIENTAL Kleber Santos Engenheiro Agrônomo M.Sc. Goiânia, 6 de maio de 2011 Política Ambiental Brasileira Início das discussão de políticas públicas ambientais,

Leia mais

As ações do Pacto serão delineadas de acordo com as seguintes prioridades:

As ações do Pacto serão delineadas de acordo com as seguintes prioridades: Finalidade A conservação da biodiversidade e de demais atributos da Mata Atlântica depende de um conjunto articulado de estratégias, incluindo a criação e a implantação de Unidades de Conservação, Mosaicos

Leia mais

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS 1 DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E OBJETIVO DO MOVIMENTO 2 Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

NOSSA ASPIRAÇÃO JUNHO/2015. Visão Somos uma coalizão formada por associações

NOSSA ASPIRAÇÃO JUNHO/2015. Visão Somos uma coalizão formada por associações JUNHO/2015 NOSSA ASPIRAÇÃO Visão Somos uma coalizão formada por associações empresariais, empresas, organizações da sociedade civil e indivíduos interessados em contribuir para a promoção de uma nova economia

Leia mais

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos A formação em Farmácia Seminário do BNDES 7 de maio de 2003 Por que RH para Fármacos e Medicamentos? Fármacos e Medicamentos como campo estratégico

Leia mais

A Fundação Espaço ECO

A Fundação Espaço ECO www.espacoeco.org Sustentabilidade que se mede A Fundação Espaço ECO (FEE ) é um Centro de Excelência em Educação e Gestão para a sustentabilidade, que mede e avalia a sustentabilidade por meio de metodologias

Leia mais

Remunerações e Benefícios de Autoridades

Remunerações e Benefícios de Autoridades Remunerações e Benefícios de Autoridades 1. Remuneração e os benefícios pagos aos ministros e aos ministros-substitutos do TCU, tais como abonos, cotas e auxílios REMUNERAÇÃO/ BENEFÍCIO VALOR MENSAL FUNDAMENTO

Leia mais

Estimados colegas representantes dos países membros do Fórum das Federações, Embaixadores e delegados

Estimados colegas representantes dos países membros do Fórum das Federações, Embaixadores e delegados PRESIDENCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Assunto: DISCURSO DO EXMO. SUBCHEFE DE ASSUNTOS FEDERATIVOS DA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS DA

Leia mais

Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade

Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade Existe a compreensão evidente por parte das lideranças empresariais, agentes de mercado e outros formadores de opinião do setor privado

Leia mais

Ministério das Relações Exteriores. Declaração Conjunta Brasil-Estados Unidos sobre Mudança do Clima Washington, D.C., 30 de junho de 2015

Ministério das Relações Exteriores. Declaração Conjunta Brasil-Estados Unidos sobre Mudança do Clima Washington, D.C., 30 de junho de 2015 Ministério das Relações Exteriores Assessoria de Imprensa do Gabinete Nota nº 259 30 de junho de 2015 Declaração Conjunta Brasil-Estados Unidos sobre Mudança do Clima Washington, D.C., 30 de junho de 2015

Leia mais

A GOVERNANÇA INTERNACIONAL PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: ECOSOC, COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL, PNUMA

A GOVERNANÇA INTERNACIONAL PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: ECOSOC, COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL, PNUMA A GOVERNANÇA INTERNACIONAL PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: ECOSOC, COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL, PNUMA Tarciso Dal Maso Jardim 1 A Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável,

Leia mais

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE Os currículos deverão ser encaminhados para o endereço eletrônico seguranca.cidada@mj.gov.br até o dia 20 de dezembro de 2015.

Leia mais

TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO

TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO [30] TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO 1. As zonas áridas e semi-áridas constituem um conjunto de formações naturais complexas, dispersas em vários pontos do planeta e muito diferenciadas

Leia mais

Carta à sociedade referente à participação no Plano de Investimentos do Brasil para o FIP

Carta à sociedade referente à participação no Plano de Investimentos do Brasil para o FIP Carta à sociedade referente à participação no Plano de Investimentos do Brasil para o FIP Prezado(a)s, Gostaríamos de agradecer por sua participação e pelas contribuições recebidas no âmbito da consulta

Leia mais

DOCUMENTO DE REFERÊNCIA. Zig Koch

DOCUMENTO DE REFERÊNCIA. Zig Koch DOCUMENTO DE REFERÊNCIA Zig Koch O Programa E-CONS, Empreendedores da Conservação, é uma iniciativa idealizada pela SPVS - Sociedade de Pesquisa em Vida Selvagem e Educação Ambiental e implementada em

Leia mais

GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO Eduardo Henrique de Accioly Campos. VICE-GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO João Soares Lyra Neto

GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO Eduardo Henrique de Accioly Campos. VICE-GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO João Soares Lyra Neto GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO Eduardo Henrique de Accioly Campos VICE-GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO João Soares Lyra Neto SECRETÁRIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E MEIO AMBIENTE Luciana Barbosa de

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE. Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR

Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE. Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR 1 Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR A Definição e organização do sistema: 1 O Sistema Nacional de Promoção da Igualdade Racial

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

AVALIAÇÃO DE EFETIVIDADE DE MOSAICOS DE ÁREAS PROTEGIDAS NO BRASIL

AVALIAÇÃO DE EFETIVIDADE DE MOSAICOS DE ÁREAS PROTEGIDAS NO BRASIL AVALIAÇÃO DE EFETIVIDADE DE MOSAICOS DE ÁREAS PROTEGIDAS NO BRASIL 2.º CURSO SOBRE GESTÃO E MOSAICOS DE ÁREAS PROTEGIDAS DANIELE GIDSICKI FLONA DE IPANEMA, 16 DE AGOSTO DE 2012 Fotos: Daniele Gidsicki

Leia mais

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012)

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO Resposta ao Observatório do Clima sobre suas considerações ao Sumário de informações sobre como

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

Projeto Nacional de Ações Integradas Público-Privadas para Biodiversidade PROBIO II AÇÕES DO MMA

Projeto Nacional de Ações Integradas Público-Privadas para Biodiversidade PROBIO II AÇÕES DO MMA Projeto Nacional de Ações Integradas Público-Privadas para Biodiversidade PROBIO II AÇÕES DO MMA COMPONENTE 1: Priorização da Biodiversidade em Setores Governamentais Objetivo: Implementar a Política Nacional

Leia mais

Órgão de Coordenação: Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia e do Meio Ambiente SECTMA

Órgão de Coordenação: Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia e do Meio Ambiente SECTMA 12.4 SISTEMA DE GESTÃO PROPOSTO 12.4.1 ASPECTOS GERAIS O Sistema de Gestão proposto para o PERH-PB inclui órgãos da Administração Estadual, Administração Federal, Sociedade Civil e Usuários de Água, entre

Leia mais

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Brasília, 02 de janeiro de 2015. Ministra Miriam Belchior, demais autoridades, parentes e amigos aqui presentes.

Leia mais

Marcele Bastos. o Graduada em Comunicação Social - Relações Públicas. Fundamentos de marketing. o Especialista em Gestão - ênfase em Marketing

Marcele Bastos. o Graduada em Comunicação Social - Relações Públicas. Fundamentos de marketing. o Especialista em Gestão - ênfase em Marketing o Especialista em Gestão - ênfase em Marketing o Graduada em Comunicação Social - Relações Públicas o Docente universitária na disciplina Fundamentos de marketing o 12 anos de experiência em comunicação

Leia mais

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII)

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII) PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO Secretaria-Executiva Diretoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Plano de Integridade Institucional (PII) 2012-2015 Apresentação Como

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP

ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP INTRODUÇÃO A Agenda 21 Local é um instrumento de planejamento de políticas públicas que envolve tanto a sociedade

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 6.047-D, DE 2005. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 6.047-D, DE 2005. O CONGRESSO NACIONAL decreta: COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 6.047-D, DE 2005 Cria o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional - SISAN com vistas em assegurar o direito

Leia mais

MORATÓRIA DA SOJA: Avanços e Próximos Passos

MORATÓRIA DA SOJA: Avanços e Próximos Passos MORATÓRIA DA SOJA: Avanços e Próximos Passos - Criação e Estruturação da Moratória da Soja - Realizações da Moratória da Soja - A Prorrogação da Moratória - Ações Prioritárias Relatório Apresentado pelo

Leia mais