Fórum Nacional QPC. 30 de setembro de 2009 Claudio L. Gastal Diretor Presidente

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fórum Nacional QPC. 30 de setembro de 2009 Claudio L. Gastal Diretor Presidente"

Transcrição

1 Fórum Nacional QPC 30 de setembro de 2009 Claudio L. Gastal Diretor Presidente

2 Diretriz do MBC Movimento Brasil Competitivo Estimular iniciativas estaduais de Qualidade, Produtividade e Competitividade (QPC) em todos os estados brasileiros de forma sustentável - REDE QPC

3 Movimento Brasil Competitivo Objetivos dos Encontros Líderes _ Consolidação da Rede de Lideranças Estaduais _ Identificação de Prioridades _ Agenda de Compromissos dos Líderes

4 Ação Conjunta

5 1ºEncontro de Líderes da REDE QPC Abril 2009 Brasília/DF

6 2ºEncontro de Líderes da REDE QPC Julho 2009 Porto Alegre/RS

7 Agenda Nacional de Compromissos da Rede QPC 1º ENCONTRO DE LÍDERES PRIORIDADES Data: 16/04/2009 Local: Brasília 2º ENCONTRO DE LÍDERES PESQUISA DE MATURIDADE Data: 21/07/2009 Local: Porto Alegre 3º ENCONTRO DE LÍDERES Próximo : 10/11/2009 Local: Brasília PLANEJAMENTO DOS PEQPC

8 Data, local e horário Data: 10 de novembro de 2009 (terça-feira) Local: Brasília Alvorada Hotel Brasília/DF Horário: 15h30 as 17h00 (duração 1h30) Estimativa de participantes: 20 lideranças Evento no mesmo dia: Reunião do Conselho Superior do MBC (10h 13h) Os líderes serão convidados a participar da Reunião do Conselho Superior do MBC.

9 Proposta de Pauta Agenda de Compromissos dos Líderes HORÁRIO ATIVIDADE RESPONSÁVEL ENTREGÁVEL DURAÇÃO 17h Abertura MBC / Forum QPC Entendimento comum das atividades do dia 10 17h10 Apresentação dos resultados da pesquisa de avaliação da maturidade dos PEQPC MBC Entendimento comum dos resultados do 2º Encontro 20 17h30 Definição dos compromissos estaduais e nacionais MBC 18h10 Encerramento MBC Agenda Nacional de Compromissos dos Líderes Entendimento comum sobre próximos passos h20 Fechamento do Encontro Conselho Superior do MBC Entendimento comum da importância da Agenda Nacional de Compromissos da Rede QPC 10

10 Movimento Brasil Competitivo Resultado da Pesquisa com os Programas Estaduais de Qualidade, Produtividade e Competitividade 2ª edição

11 Movimento Brasil Competitivo Programas Estaduais dedicados a promoção da qualidade, produtividade e competitividade independente de seu grau de maturidade, presente ou não no Fórum dos PEQPC. Participantes: 15 PEQPC (SE, PB, ES, AL, MS, PR, SC, BA, MG, SP,RJ, RS, RO, PE, AM); Período de aplicação: julho a agosto de 2009.

12 Premissa 1 Estrutura e Governança Pontos fortes Missão e visão 80%(Q1) Objetivos 80% (Q2) Organograma - 90%(Q3) Progcapacit 90% (Q5) Código ética 80% (Q8) Parcerias com entidades de classe 90%(Q11) EstrutGov c/ Representação externa 90%(Q14) Reflexões Sabe quem é. Está organizado. Sabe quem quer ser. Tem representação da sociedade. Palavras chaves Organização / Representação 2ª pesquisa dom lideranças dos Programas Estaduais de Qualidade, Produtividade e Competitividade

13 Premissa 1 Estrutura e Governança Oportunidades de melhoria Reflexões Estatuto - 60%(Q4)) Termo de referência 40%(Q7) Sede própria 40% (Q9) O que precisa ser feito e fatores de impacto. Como funciona o dia-a-dia. Como o PEQCP conduz os processos. Atuação centralizada. Palavras chaves Organização funcional/ Diretrizes base 2ª pesquisa dom lideranças dos Programas Estaduais de Qualidade, Produtividade e Competitividade

14 Premissa 2 Produtos e Processos Pontos fortes Reflexões Mat. promocional 100% (Q15) Portal 100% (Q17) Sist. sensibil/ adesão 80% (Q18) Premiação 90% (Q19) Agenda anual eventos 90% (Q24) Sist. Form Facilitadores Q 90% (Q25) Cursos/ Premio/ Semin 80% (Q26) Os produtos chave da instalação do PEQPC são Portal e o Prêmio da Qualidade. Os produto-chave de mobilização são cursos e seminários. Palavras chaves Foco no portal, prêmio, curso e seminários 2ª pesquisa dom lideranças dos Programas Estaduais de Qualidade, Produtividade e Competitividade

15 Premissa 2 Produtos e Processos Oportunidades de melhoria Reflexões Plano de comunicação e relacionamento institucional - 40%(Q16) Processos mapeados/indicad 40%(Q22) Certificação ISO 20% (Q23) Baixo grau de utilização de: - ferramentas de comunicação e relacionamento institucional. - Gerenciamento e certificação dos processos relativos aos produtos do PEQPC. - Os produtos de menor grau de utilização são:, sistema de avaliação, visitas de benchmark, publicações e congressos. Palavras chaves Comunicação / Relacionamento / Produtos / Processos 2ª pesquisa dom lideranças dos Programas Estaduais de Qualidade, Produtividade e Competitividade

16 Premissa 3 Auto-sustentação Pontos fortes Patrocinadores e apoiadores 100%(Q29) Reflexões Há ênfase no vínculo de sustentação econômica do programa ao setor industrial, ao Governo Federal e mensalidades das organizações que aderiram. Palavras chaves Mantenedores 2ª pesquisa dom lideranças dos Programas Estaduais de Qualidade, Produtividade e Competitividade

17 Premissa 3 Auto-sustentação Oportunidades de melhoria Plano de viabilidade econômica 70%(Q28) Reflexões Ausência de formulação de um plano que garanta a sustentabilidade do PEQPC Palavras chaves Sustentabilidade / Captação de recursos 2ª pesquisa dom lideranças dos Programas Estaduais de Qualidade, Produtividade e Competitividade

18 Premissa 4 Gestão interna e comunicação Pontos fortes Reflexões Sistema comunicação com as empresas com Adesão 100% (32) Gestão do orçamento anual 90% (Q 43) Executivo com dedicação exclusiva 70%(Q44) Há convicção de que a profissionalização da gestão do programa é fator decisivo para o sucesso do mesmo. Palavras chaves Comunicação com empresas participantes orçamento 2ª pesquisa dom lideranças dos Programas Estaduais de Qualidade, Produtividade e Competitividade

19 Premissa 4 Gestão Interna e Comunicação Oportunidades de melhoria Sistema de comunicação com público em geral 60% (Q33) Assessoria de imprensa 70%(Q34) Operadora de evento 30%(Q35) Agência de publicidade 20%(Q36) Gestão dos Processos 60% (Q37) Manual de Gestão 30%(Q38) Marca registrada INPI -30%(Q39) Registro Junta Comercial 30%(Q40) Sistema de avaliação risco 30%(Q41) Sistema auditoria contábil, tributária e fiscal independente 40%(Q42) Reflexões Os programas carecem de: - Suporte especializado, em especial, daqueles que impactam diretamente na performance dos produtos e processos. - Regularização de marca e de registro social. Baixo grau de utilização de: - Mecanismos de controle de suas atividades. - Ferramentas de gestão interna. Palavras chaves Suporte especializado / Registros legais / Mecanismos de controle 2ª pesquisa dom lideranças dos Programas Estaduais de Qualidade, Produtividade e Competitividade

20 Análise da performance dos PEQPC 2ª pesquisa dom lideranças dos Programas Estaduais de Qualidade, Produtividade e Competitividade

21 Performance dos PEQPC Nº DE RESPOSTAS "SIM" Básico Intermediário Avançado PRQ MS Competitivo MCE APQ PMQP MPC PPQ PPEG MAC PQ RIO MCS PQA ABGC COMPETE ES PGQP 0 0,0% 25,0% 50,0% 75,0% 100,0% Básico Intermediário Avançado GRAU RESULTADO 2ª pesquisa dom lideranças dos Programas Estaduais de Qualidade, Produtividade e Competitividade

22 Plotagem da performance dos PEQPC 2006 Nº DE RESPOSTAS "SIM" Básico Intermediário Avançado PQDF MCS PEQPCT MQRGN PRQ MT MPC COMPETE ES PPQ PQG-PA PROCEG MAC MS COMPETITIVO MCE ABGC PQA PMQP PPQG PQ RIO PGQP 0 0,0% 25,0% 50,0% 75,0% 100,0% Básico Intermediário Avançado GRAU RESULTADO 2ª pesquisa dom lideranças dos Programas Estaduais de Qualidade, Produtividade e Competitividade

23 Performance dos PEQPC 40 Nº DE RESPOSTAS "SIM" Básico Intermediário Avançado PRQ MS Competitivo MCE APQ PMQP MPC PPQ PPEG MAC PQ RIO MCS PQA ABGC COMPETE ES PGQP 0 0,0% 25,0% 50,0% 75,0% 100,0% Básico Intermediário Avançado GRAU RESULTADO 2ª pesquisa dom lideranças dos Programas Estaduais de Qualidade, Produtividade e Competitividade

24 Próximos Passos Movimento Brasil Competitivo 1. Enviar os resultados da pesquisa customizadas aos PEQPC (até 16/10); 2. Pesquisa com os PEQPC referente a Rede de Portais da Rede QPC (set -out/09); 3. Realização do 3ºEncontro de Líderes Estaduais da Rede QPC (nov/09); 4. Termo de Referência aos PEQPC (fev/10) com base nos resultados da Pesquisa de Maturidade 2009.

25 SBN - Quadra 1 - Bloco B - Sala Edifício CNC Brasília/DF Fone/Fax:

49ª. Reunião Brasília 24 e 25/03/2010. Conclusivas FQPC

49ª. Reunião Brasília 24 e 25/03/2010. Conclusivas FQPC 49ª. Reunião Brasília 24 e 25/03/2010 Visão Estratégica Reflexão Conclusivas FQPC Forum QPC MISSÃO: Promover, fortalecer e integrar Programas Estaduais e Setoriais de QPC, visando contribuir para o desenvolvimento

Leia mais

RUMO DAS FORMAS DE GESTÃO E SUSTENTABILIDADE DOS PROGRAMAS

RUMO DAS FORMAS DE GESTÃO E SUSTENTABILIDADE DOS PROGRAMAS Natureza Jurídica Característica da Qualidade Rio Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Energia, Indústria e Serviços do Rio de Janeiro Critérios de Excelência da FNQ e Norma ISO 9001:2000

Leia mais

Planejamento Estratégico 2007 2008. Quatro Projetos da Equipe 1

Planejamento Estratégico 2007 2008. Quatro Projetos da Equipe 1 Planejamento Estratégico 2007 2008 Objetivo Estratégico: Estimular criação / desenvolvimento e fortalecimento de programas estaduais e setoriais. Quatro Projetos da Equipe 1 revisão em 26/09/2007 Missão:

Leia mais

Gestão Colaborativa. Luiz Ildebrando Pierry Curitiba/PR 30 de setembro de 2009. Qualidade e Produtividade para Enfrentar a Crise INOVAÇÃO

Gestão Colaborativa. Luiz Ildebrando Pierry Curitiba/PR 30 de setembro de 2009. Qualidade e Produtividade para Enfrentar a Crise INOVAÇÃO Qualidade e Produtividade para Enfrentar a Crise Gestão Colaborativa INOVAÇÃO SUSTENTABILIDADE GESTÃO COLABORATIVA EMPREENDEDORISMO CRIATIVIDADE Luiz Ildebrando Pierry Curitiba/PR 30 de setembro de 2009

Leia mais

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1)

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) ANEXO I BICICLETA ESCOLAR Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) Assunto: Adesão à ata de registro de preços nº 70/2010 do pregão eletrônico nº 40/2010. 1 2 BICICLETA 20 - AC,

Leia mais

Marcel Menezes Fortes II CONGRESSO BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO E CERTIFICAÇÃO EM SERGIPE

Marcel Menezes Fortes II CONGRESSO BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO E CERTIFICAÇÃO EM SERGIPE Marcel Menezes Fortes II CONGRESSO BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO E CERTIFICAÇÃO EM SERGIPE 1 Agradecimentos e reflexões iniciais 2 Normas e Sistema de Gestão Integrado 3 Modelo de Excelência na Gestão 4 Interfaces

Leia mais

Programa de Melhoria da Gestão em Hospitais Filantr

Programa de Melhoria da Gestão em Hospitais Filantr Imagem: Santa Casa de Santos fundada em 1543 Atualização: 26/outubro Programa de Melhoria da Gestão em Hospitais Filantr ópicos Filantró Hospitais e Entidades Filantrópicas - CMB Objetivos do Projeto Governança

Leia mais

Programa de Melhoria da Gestão em Hospitais Filantr

Programa de Melhoria da Gestão em Hospitais Filantr Imagem: Santa Casa de Santos fundada em 1543 Programa de Melhoria da Gestão em Hospitais Filantr ópicos Filantró Hospitais e Entidades Filantrópicas - CMB Objetivos do Projeto Governança Metodologia Seleção

Leia mais

4ªConferência Brasileira de Arranjos Produtivos Locais OPORTUNIDADES DE MELHORIA NA GESTÃO DOS APLS PROPOSIÇÕES MBC

4ªConferência Brasileira de Arranjos Produtivos Locais OPORTUNIDADES DE MELHORIA NA GESTÃO DOS APLS PROPOSIÇÕES MBC 4ªConferência Brasileira de Arranjos Produtivos Locais OPORTUNIDADES DE MELHORIA NA GESTÃO DOS APLS PROPOSIÇÕES MBC QUEM SOMOS O (MBC) foi criado em novembro de 20012 e é reconhecido como uma Organização

Leia mais

A estratégia do PGQP frente aos novos desafios. 40ª Reunião da Qualidade 09-10-2006 Eduardo Guaragna

A estratégia do PGQP frente aos novos desafios. 40ª Reunião da Qualidade 09-10-2006 Eduardo Guaragna A estratégia do PGQP frente aos novos desafios 40ª Reunião da Qualidade 09-10-2006 Eduardo Guaragna PROCESSO DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO MACROFLUXO ENTRADAS PARA O PROCESSO - Análise de cenários e conteúdos

Leia mais

Movimento Brasil Competitivo

Movimento Brasil Competitivo Movimento Brasil Competitivo O NOVO CONPI Conselho das Partes Interessadas Irani Carlos Varella Presidente do CONPI Assessor do Presidente da Petrobras Belém, 25 de setembro de 2007 Revisão das Atribuições

Leia mais

Programa Excelência na Gestão das Organizações de Software

Programa Excelência na Gestão das Organizações de Software Programa Excelência na Gestão das Organizações de Software EQPS Recife PE - 26 SET 05 Carlos Mathias Mota Varga CBM Tecnologia POLÍTICA DE SOFTWARE - QUALIDADE META DA POLÍTICA AUMENTAR A COMPETITIVIDADE

Leia mais

Data: 23 e 24 de maio de 2013 Horário: 08h00-17h00 Centro de Convenções Rebouças. Av. Rebouças, 600 (estacionamento) Av. Dr.

Data: 23 e 24 de maio de 2013 Horário: 08h00-17h00 Centro de Convenções Rebouças. Av. Rebouças, 600 (estacionamento) Av. Dr. Data: 23 e 24 de maio de 2013 Horário: 08h00-17h00 Centro de Convenções Rebouças. Av. Rebouças, 600 (estacionamento) Av. Dr. Enéas de Carvalho Aguiar, 23 (portaria 1) Cerqueira Cesar São Paulo - SP Todos

Leia mais

Estratégias de atuação da FNQ

Estratégias de atuação da FNQ Estratégias de atuação da FNQ Mudanças na estrutura organizacional FNQ Estrutura organizacional principais mudanças Direção Executiva COMEX Diretor Executivo: Ricardo Correa Martins Principais Processos

Leia mais

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde INFORME SARGSUS Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde 1 ESFERA MUNICIPAL 1.1 Relatório de Gestão Ano 2013 Até a presente data,

Leia mais

Sublimites estaduais de enquadramento para. Nacional 2012/2013. Vamos acabar com essa ideia

Sublimites estaduais de enquadramento para. Nacional 2012/2013. Vamos acabar com essa ideia Sublimites estaduais de enquadramento para o ICMS no Simples Nacional 2012/2013 Vamos acabar com essa ideia 4 CNI APRESENTAÇÃO Os benefícios do Simples Nacional precisam alcançar todas as micro e pequenas

Leia mais

Regina Parizi Diretora Executiva MAIO/2009

Regina Parizi Diretora Executiva MAIO/2009 Regina Parizi Diretora Executiva MAIO/2009 Estrutura e Distribuição Geográfica Estrutura Estatutária A GEAP GEAP é administrada por por um um Conselho Deliberativo responsável pela pela definição da da

Leia mais

DEMANDA DE CANDIDATOS POR CARGO / UF NÍVEL SUPERIOR

DEMANDA DE CANDIDATOS POR CARGO / UF NÍVEL SUPERIOR EM CARGOS DE E DE NÍVEL INTERMEDIÁRIO Administrador AC 1 14 14.00 Administrador AL 1 53 53.00 Administrador AP 1 18 18.00 Administrador BA 1 75 75.00 Administrador DF 17 990 58.24 Administrador MT 1 55

Leia mais

Pendências de Envio do Relatório de Gestão Municipal-2013 aos CMS

Pendências de Envio do Relatório de Gestão Municipal-2013 aos CMS INFORME SARGSUS Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde 1 ESFERA MUNICIPAL 1.1 Relatório de Gestão Ano 2013 Até a presente data,

Leia mais

II Fórum de Coordenadores de imunizações dos estados e de municípios de capital, 2014

II Fórum de Coordenadores de imunizações dos estados e de municípios de capital, 2014 II Fórum de Coordenadores de imunizações dos estados e de municípios de capital, 2014 Situação e mecanismo para avançar no processo de implantação do SIPNI Carla Magda A. S. Domingues Coordenadora Geral

Leia mais

PROPOSTA DE ROTEIRO PARA OS SEMINARIOS PREPARATORIOS DO CAU TRANSICAO, IMPLANTACAO E FUNCIONAMENTO

PROPOSTA DE ROTEIRO PARA OS SEMINARIOS PREPARATORIOS DO CAU TRANSICAO, IMPLANTACAO E FUNCIONAMENTO 1 PROPOSTA DE ROTEIRO PARA OS SEMINARIOS PREPARATORIOS DO CAU TRANSICAO, IMPLANTACAO E FUNCIONAMENTO O Colégio Brasileiro de Arquitetos CBA, após apreciação e aprovação deste documento no dia 1 de junho

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR E DE NÍVEL MÉDIO DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR E DE NÍVEL MÉDIO DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA Nível superior Cargo 1: Contador DF Brasília/Sede da Administração Central 35 1820 52,00 Nível médio Cargo 2: Agente Administrativo AC Rio Branco/Sede da SRTE 2 1496 748,00 Nível médio Cargo 2: Agente

Leia mais

Mapeamento de Experiências Municipais e Estaduais no campo do Envelhecimento e Saúde da Pessoa Idosa

Mapeamento de Experiências Municipais e Estaduais no campo do Envelhecimento e Saúde da Pessoa Idosa COMEMORAÇÃO DOS 29 ANOS DO ICICT/FIOCRUZ Mapeamento de Experiências Municipais e Estaduais no campo do Envelhecimento e Saúde da Pessoa Idosa O papel da COSAPI no incentivo de experiências exitosas de

Leia mais

PLANO BÁSICO DE ORGANIZAÇÃO ABRAPP - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS ENTIDADES FECHADAS DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR

PLANO BÁSICO DE ORGANIZAÇÃO ABRAPP - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS ENTIDADES FECHADAS DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR Aprovado na 135ª Reunião Ordinária do Conselho Deliberativo, em 18 de dezembro de 2012 1 PLANO BÁSICO DE ORGANIZAÇÃO ABRAPP - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS ENTIDADES FECHADAS DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR Aprovado

Leia mais

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE:

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Lista de Siglas d CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Boletim Ano VI - Edição nº 2/211 Boletim Ano VI - Edição nº 1 / 211 Painel de Indica Nº 1/215 Técnicos Respon Equipe

Leia mais

EDITAL SG/MPU N.º 27, DE 2 DE OUTUBRO DE 2007.

EDITAL SG/MPU N.º 27, DE 2 DE OUTUBRO DE 2007. VA PUBLICADO NO DIÁRIO OFICIAL DA UNIÃO DE 4/10/2007, SEÇÃO 3, PÁG.. EDITAL SG/MPU N.º 27, DE 2 DE OUTUBRO DE 2007. Divulgar a distribuição de vagas do Concurso Público para provimento de cargos e formação

Leia mais

EXECUÇÃO DE PROGRAMAS ESTRATÉGICOS

EXECUÇÃO DE PROGRAMAS ESTRATÉGICOS EXECUÇÃO DE PROGRAMAS ESTRATÉGICOS 6º FÓRUM NACIONAL DE ESTRATÉGIA NA PRÁTICA & GESTÃO POR PROCESSOS Conteúdo da Apresentação Modelo de Gestão de Porto Alegre Alinhamento Planejamento Estratégico e Orçamento

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Acessos Quantidade de Acessos no Brasil Dividido por Tecnologia/Velocidade/UF

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Acessos Quantidade de Acessos no Brasil Dividido por Tecnologia/Velocidade/UF AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Acessos Quantidade de Acessos no Brasil Dividido por Tecnologia/Velocidade/UF UF Tecnologia Velocidade Quantidade de Acessos AC ATM 12 Mbps a 34Mbps 3 AC ATM 34 Mbps

Leia mais

Projeto 05. Plano de intercâmbio / parceria entre os examinadores de diferentes Estados e Setores

Projeto 05. Plano de intercâmbio / parceria entre os examinadores de diferentes Estados e Setores Projeto 05 Plano de intercâmbio / parceria entre os examinadores de diferentes Estados e Setores Estimular intercâmbio/ parceria entre os examinadores de diferentes estados e setores Desenvolver plano

Leia mais

Combate à Pobreza, Crescimento Inclusivo e Nova Agenda Social. Centro de Políticas Sociais FGV Wanda Engel Rio de Janeiro, 27 de novembro de 2015

Combate à Pobreza, Crescimento Inclusivo e Nova Agenda Social. Centro de Políticas Sociais FGV Wanda Engel Rio de Janeiro, 27 de novembro de 2015 Combate à Pobreza, Crescimento Inclusivo e Nova Agenda Social Centro de Políticas Sociais FGV Wanda Engel Rio de Janeiro, 27 de novembro de 2015 Marcos da Política de Combate à Pobreza Antecedentes: Assistência

Leia mais

Luiz Ildebrando PIERRY 28/4/2009

Luiz Ildebrando PIERRY 28/4/2009 Luiz Ildebrando PIERRY 28/4/2009 Estrutura da AQRS/PGQP 2009/2010 CONSELHO SUPERIOR CONSELHO FISCAL CTSA CTSA CONSELHO DIRETOR SECRETARIA EXECUTIVA Comitês Setoriais Comitês Regionais Org. com Termo de

Leia mais

RELATÓRIO FORMADORES DE OPINIÃO E ASSOCIADOS

RELATÓRIO FORMADORES DE OPINIÃO E ASSOCIADOS RELATÓRIO FORMADORES DE OPINIÃO E ASSOCIADOS RESULTADOS PESQUISA COM COMITÊS Definição e significado do PGQP para os comitês: Definições voltadas para ao Programa Significado do PGQP Qualificação das organizações

Leia mais

Sobre o CAIS Estatísticas Relatório de Incidentes de Segurança Visão Geral Incidentes envolvendo clientes do PoP-SC

Sobre o CAIS Estatísticas Relatório de Incidentes de Segurança Visão Geral Incidentes envolvendo clientes do PoP-SC Relatório Mensal de Incidentes de Segurança como instrumento de melhoria contínua Rildo Souza Centro de Atendimento a Incidentes de Segurança (CAIS) Agenda Sobre o CAIS Estatísticas Relatório de Incidentes

Leia mais

A agenda que está na mesa: A agenda do ICMS e do PIS-Cofins

A agenda que está na mesa: A agenda do ICMS e do PIS-Cofins A agenda que está na mesa: A agenda do ICMS e do PIS-Cofins Fórum Estadão Brasil Competitivo Bernard Appy outubro de 2012 Relevância da agenda PIS e Cofins ICMS Relevância da agenda PIS e Cofins ICMS Relevância

Leia mais

Rede Brasileira de Monitoramento e Avaliação

Rede Brasileira de Monitoramento e Avaliação Rede Brasileira de Monitoramento e Avaliação Ciclo de formação em monitoramento e avaliação: a experiência do MDS na formação de agentes públicos estaduais e municipais. Autores: Patricia Vilas Boas Marcilio

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CARTA COLIC Nº 20/2010 Brasília-DF, 12 de maio de 2010. À Empresa Interclip A/C. Sra. Danielle de Paula Fone/Fax: (31) 3211-7523 Prezada Senhora, A presente carta faz-se em consideração aos questionamentos

Leia mais

QUADRO NACIONAL DA GREVE DOS SERVIDORES DA DRT novembro/2009

QUADRO NACIONAL DA GREVE DOS SERVIDORES DA DRT novembro/2009 QUADRO NACIONAL DA GREVE DOS SERVIDORES DA DRT novembro/2009 ESTADOS GREVE/PERCENTUAL ES Greve * MG Greve a partir de 13/11 PR Greve * RJ Greve * RS Greve * SE Greve * BA Greve * SP Adesão a partir do

Leia mais

Planejamento Estratégico 2007-2008

Planejamento Estratégico 2007-2008 Planejamento Estratégico 2007-2008 Missão: Promover, fortalecer e integrar programas estaduais e setoriais de QPC, visando contribuir para o desenvolvimento sustentável do Brasil e a qualidade de vida

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE CAPACITAÇÃO E QUALIFICAÇÃO ABLA

PROGRAMA NACIONAL DE CAPACITAÇÃO E QUALIFICAÇÃO ABLA PROGRAMA NACIONAL DE CAPACITAÇÃO E QUALIFICAÇÃO ABLA Programa Nacional de Capacitação e Qualificação ABLA Convênio nº 635/2007. Objeto: Aumentar a qualidade na prestação de serviços e competitividade dos

Leia mais

PERFIL DOS FABRICANTES DE ESTRUTURAS DE AÇO. Resumo Executivo Pesquisa 2013

PERFIL DOS FABRICANTES DE ESTRUTURAS DE AÇO. Resumo Executivo Pesquisa 2013 PERFIL DOS FABRICANTES DE ESTRUTURAS DE AÇO Resumo Executivo Pesquisa 2013 APRESENTAÇÃO Em ação conjunta para o melhor conhecimento das capacidades do mercado brasileiro da construção em aço, o CBCA Centro

Leia mais

Crescer agregando valor

Crescer agregando valor Crescer agregando valor Marcio Araujo de Lacerda Presidente do Conselho de Administração Maio de 2008 1/XX Orientações do Governo Mineiro Para Minas Gerais: Um Estado para Resultados Visão: Tornar Minas

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO CHEFE DA SECRETARIA ESPECIAL DE POLÍTICAS DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

O MINISTRO DE ESTADO CHEFE DA SECRETARIA ESPECIAL DE POLÍTICAS DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA PORTARIA N o, DE DE DE 2009. Aprova o regimento da II Conferência Nacional de Promoção da Igualdade Racial O MINISTRO DE ESTADO CHEFE DA SECRETARIA ESPECIAL DE POLÍTICAS DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL

Leia mais

G e s t ã o Colaborativa, Humanizada e Sustentável. Luiz Ildebrando Pierry Coordenador Executivo Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade

G e s t ã o Colaborativa, Humanizada e Sustentável. Luiz Ildebrando Pierry Coordenador Executivo Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade G e s t ã o Colaborativa, Humanizada e Sustentável Luiz Ildebrando Pierry Coordenador Executivo Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade Mudanças Estratégias Escolhas Circunstâncias O momento que vivemos:

Leia mais

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE:

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Lista de Siglas do Pa CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Boletim Ano VI - Edição nº 2/211 Boletim Ano VI - Edição nº 1 / 211 Painel de Indicador Nº 2/215 Técnicos Responsáv

Leia mais

Também organizamos eventos, seminários, palestras e encontros, de acordo com as possibilidades e necessidades dos nossos associados.

Também organizamos eventos, seminários, palestras e encontros, de acordo com as possibilidades e necessidades dos nossos associados. APRESENTAÇÃO O FDJUR - Fórum de Departamentos Jurídicos tem como objetivo disseminar modelos e ferramentas de gestão para o mercado jurídico empresarial e incentivar os associados ao estudo, desenvolvimento,

Leia mais

PROMOÇÃO VIVO CONTROLE MÓVEL COM CARTÃO DE CRÉDITO

PROMOÇÃO VIVO CONTROLE MÓVEL COM CARTÃO DE CRÉDITO PROMOÇÃO VIVO CONTROLE MÓVEL COM CARTÃO DE CRÉDITO DISPOSIÇÕES GERAIS DA PROMOÇÃO 1.1. A promoção Vivo Controle Móvel no Cartão de Crédito é realizada pela Telefônica Brasil S/A, que oferece os benefícios

Leia mais

O Grupo Canal Energia

O Grupo Canal Energia Media Kit O Grupo CanalEnergia Linhas de Negócios Portal CanalEnergia.com.br - site referência na geração de conteúdo para o setor elétrico ZonaElétrica - produtora web e multimídia Agência CanalEnergia

Leia mais

Programa Rede A PARCERIA CFC E SEBRAE: EDUCAÇÃO EMPREENDEDORA EM RESPONSABILIDADE PROFISSIONAL E SOCIAL

Programa Rede A PARCERIA CFC E SEBRAE: EDUCAÇÃO EMPREENDEDORA EM RESPONSABILIDADE PROFISSIONAL E SOCIAL Programa Rede A PARCERIA CFC E SEBRAE: EDUCAÇÃO EMPREENDEDORA EM RESPONSABILIDADE PROFISSIONAL E SOCIAL JUSTIFICATIVA A experiência na implementação da primeira versão do Programa Contabilizando o Sucesso

Leia mais

Com a sua atuação pró-ativa a SUCESU trouxe diversos benefícios em prol do setor que representa no Brasil, podendo destacar:

Com a sua atuação pró-ativa a SUCESU trouxe diversos benefícios em prol do setor que representa no Brasil, podendo destacar: Introdução É grande a parcela da população das nações mais desenvolvidas do mundo que está se organizando em sociedades e associações civis que defendem interesses comuns. Essas pessoas já perceberam que

Leia mais

MA003. Página 1 de 11. Responsável. Revisão A de 21/01/2015. Cantú & Stange Software. Página

MA003. Página 1 de 11. Responsável. Revisão A de 21/01/2015. Cantú & Stange Software. Página Manual de instalação de NF-e Zada MA003 Responsável Revisão A de 21/01/2015 FL Página 01 de 11 Página 1 de 11 MA003 Revisão A de 21/01/2015 Responsável: FL Manual de instalação de NF-e Zada MANUAL DE INSTALAÇÃO

Leia mais

Fórum Permanente das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte

Fórum Permanente das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Secretaria de Comércio e Serviços Departamento de Micro, Pequenas e Médias M Empresas Fórum Permanente das Microempresas e Empresas de Pequeno

Leia mais

Transporte Escolar nos Estados e no DF. Novembro/2011

Transporte Escolar nos Estados e no DF. Novembro/2011 Transporte Escolar nos Estados e no DF Novembro/2011 UFs onde existe terceirização total ou parcial (amostra de 16 UFs) AC AL AP AM DF GO MT MS PB PI RJ RN RO RR SE TO TERCEIRIZAÇÃO TERCEIRIZAÇÃO TERCEIRIZAÇÃO

Leia mais

O que muda com a Lei Geral (para maiores informações acessar WWW.LEIGERAL.COM.BR)

O que muda com a Lei Geral (para maiores informações acessar WWW.LEIGERAL.COM.BR) O que muda com a Lei Geral (para maiores informações acessar WWW.LEIGERAL.COM.BR) Pontos Lei Geral Como é hoje 1 Alcance da Lei A lei do Simples está voltada para os tributos federais. Os sistemas de tributação

Leia mais

Hotelaria Hospitalar. Comunicação e Treinamentos Histórico da Empresa e Sua Sócia Fundadora

Hotelaria Hospitalar. Comunicação e Treinamentos Histórico da Empresa e Sua Sócia Fundadora Hotelaria Hospitalar Comunicação e Treinamentos Histórico da Empresa e Sua Sócia Fundadora Hotelaria Hospitalar Comunicação e Treinamentos Histórico da Empresa Data da Fundação e Público Alvo; Missão,

Leia mais

Programa Nacional Alfabetização na Idade Certa PNAIC

Programa Nacional Alfabetização na Idade Certa PNAIC Programa Nacional Alfabetização na Idade Certa PNAIC Objetivo e principais componentes Objetivo O PNAIC é um programa integrado cujo objetivo é a alfabetização em Língua Portuguesa e Matemática, até o

Leia mais

Investe São Paulo. Campinas, 17 de março de 2015

Investe São Paulo. Campinas, 17 de março de 2015 Investe São Paulo Campinas, 17 de março de 2015 Missão Ser a porta de entrada para novos investimentos e a expansão dos negócios existentes, gerando inovação tecnológica, emprego e renda. Promover a competitividade

Leia mais

Plano Estratégico de Comunicação Integrada

Plano Estratégico de Comunicação Integrada Plano Estratégico de Comunicação Integrada 2015 2016 SBN 2015-2016 1 - Plano Estratégico de Comunicação Integrada Comunicação Imprensa Publicidade Marketing Cursos Eventos Ações pontuais 1 - Plano Estratégico

Leia mais

EVOLUÇÃO & PROGNÓSTICOS

EVOLUÇÃO & PROGNÓSTICOS APRESENTAÇÃO POPULAÇÃO CARCERÁRIA BRASILEIRA O objetivo deste trabalho, elaborado pela Comissão de Monitoramento e Avaliação do DEPEN, é realizar um levantamento, de forma sucinta, sobre o quadro evolutivo

Leia mais

Carga Tributária dos Combustíveis por Estado. Referência: Junho/2015

Carga Tributária dos Combustíveis por Estado. Referência: Junho/2015 Carga Tributária dos Combustíveis por Estado Referência: Junho/2015 Pontos importantes da Lei 12.741/2012 para a revenda de combustíveis Art. 1º Emitidos por ocasião da venda ao consumidor de mercadorias

Leia mais

ÍNDICE RELATÓRIO SIOR 2012. Pág. 02 NOTÍCIAS 2011/2012. Pág. 03 ANÁLISE DAS DEMANDAS. Pág. 04 GRÁFICO DE DEMANDAS POR ESTADO. Pág.

ÍNDICE RELATÓRIO SIOR 2012. Pág. 02 NOTÍCIAS 2011/2012. Pág. 03 ANÁLISE DAS DEMANDAS. Pág. 04 GRÁFICO DE DEMANDAS POR ESTADO. Pág. RELATÓRIO SIOR 2012 ÍNDICE NOTÍCIAS 2011/2012 ANÁLISE DAS DEMANDAS GRÁFICO DE DEMANDAS POR ESTADO TEMPO DE ATENDIMENTO DEMANDAS CONSIDERADAS PROCEDENTES MAPA DAS PRINCIPAIS DEMANDAS CONSIDERADAS PROCEDENTES

Leia mais

FEIRÃO CAIXA DA CASA PRÓPRIA. II Fórum de Comunicação do Governo Federal no Nordeste 11 NOV 2008

FEIRÃO CAIXA DA CASA PRÓPRIA. II Fórum de Comunicação do Governo Federal no Nordeste 11 NOV 2008 FEIRÃO CAIXA DA CASA PRÓPRIA ESTRATÉGIA DO FEIRÃO OS PÚBLICOS TRABALHADOS ESTRATÉGIA DE COMUNICAÇÃO RESULTADOS ESTRATÉGIA DO FEIRÃO Disponibilizar espaço para a interação entre demanda (população), oferta

Leia mais

Faça parte da nossa história! Plano de Patrocínio 2014

Faça parte da nossa história! Plano de Patrocínio 2014 Faça parte da nossa história! Plano de Patrocínio 2014 Sobre a FNQ História Criada em 1991, por um grupo de representantes dos setores público e privado, a Fundação Nacional da Qualidade (FNQ) procura

Leia mais

RELATÓRIO DE DESEMPENHO

RELATÓRIO DE DESEMPENHO RELATÓRIO DE DESEMPENHO Referência: julho/agosto de 2013 Diretoria Financeira Diretores fazem visita a Ministro do STJ Objetivo da visita foi oficializar convite ao Ministro Humberto Martins para palestras

Leia mais

Diagnóstico da institucionalização da Política Nacional de Educação Permanente do Sistema Único de Assistência Social nos estados brasileiros

Diagnóstico da institucionalização da Política Nacional de Educação Permanente do Sistema Único de Assistência Social nos estados brasileiros Diagnóstico da institucionalização da Política Nacional de Educação Permanente do Sistema Único de Assistência Social nos estados brasileiros Denise Mafra Gonçalves; Maria Cristina Abreu Martins de Lima;

Leia mais

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia Sessão Plenária 5: Programas Nacionais de Estímulo e Apoio às Incubadoras de Empresas e Parques Tecnológicos Ana Lúcia Vitale Torkomian Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério

Leia mais

O QUE É A LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE?

O QUE É A LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE? O QUE É A LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE? Instrumento que permite o financiamento, por meio de incentivos fiscais, de projetos esportivos aprovados pelo Ministério do Esporte. BASE LEGAL: Lei 11.438/06 -

Leia mais

BrazilFoundation abre edital para de projetos e negócios sociais

BrazilFoundation abre edital para de projetos e negócios sociais Financiamento e apoio técnico BrazilFoundation abre edital para de projetos e negócios sociais Estão abertas inscrições online até 30 de novembro para o edital bianual da BrazilFoundation que selecionará

Leia mais

MERCADO DE CAPITALIZAÇÃO JANEIRO / ABRIL -2011

MERCADO DE CAPITALIZAÇÃO JANEIRO / ABRIL -2011 MERCADO DE CAPITALIZAÇÃO JANEIRO / ABRIL -2011 1 MERCADO DE CAPITALIZAÇÃO: O Mercado de títulos de capitalização vem mantendo crescimentos fortes e retornos robustos. Nesse período o volume de vendas atingiu

Leia mais

Planejamento Estratégico 2007-2008

Planejamento Estratégico 2007-2008 Planejamento Estratégico 2007-2008 Missão: Promover, fortalecer e integrar programas estaduais e setoriais de QPC, contribuindo para o desenvolvimento sustentável do Brasil e a qualidade de vida de seus

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Associativo RESULTADOS 2009 2010

Programa de Desenvolvimento Associativo RESULTADOS 2009 2010 Programa de Desenvolvimento Associativo RESULTADOS 2009 2010 Brasília, 2010 Programa de Desenvolvimento Associativo RESULTADOS 2009 2010 CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA CNI PRESIDENTE Robson Braga de

Leia mais

ATA DE REUNIÃO XXXV FÓRUM NACIONAL DOS PROGRAMAS DE QUALIDADE, PRODUTIVIDADE E COMPETITIVIDADE. P a r t i c i p a n t e s

ATA DE REUNIÃO XXXV FÓRUM NACIONAL DOS PROGRAMAS DE QUALIDADE, PRODUTIVIDADE E COMPETITIVIDADE. P a r t i c i p a n t e s ATA DE REUNIÃO XXXV FÓRUM NACIONAL DOS PROGRAMAS DE QUALIDADE, PRODUTIVIDADE E COMPETITIVIDADE DATA: 24 DE OUTUBRO DE 2006 Inicio: 10:20 horas LOCAL: Vitória/ES - Salão de Recepção da FINDES- Avenida Nossa

Leia mais

AGENDA DE SEMINÁRIOS CALENDÁRIO 2016/1

AGENDA DE SEMINÁRIOS CALENDÁRIO 2016/1 AGENDA DE SEMINÁRIOS CALENDÁRIO 2016/1 AGENDA DE SEMINÁRIOS CALENDÁRIO 2016/1 >> INFORMAÇÕES GERAIS Os treinamentos são realizados no Centro de Treinamento, nas instalações da Ciber Equipamentos Rodoviários

Leia mais

O ECONOMISTA Fundamental em qualquer empresa por quê?

O ECONOMISTA Fundamental em qualquer empresa por quê? O profissional mais estratégico que a empresa precisa ter: O ECONOMISTA Fundamental em qualquer empresa por quê? Diagnostica. Avalia. Cria. Planeja. Resolve. O Economista é um profissional imprescindível

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento C o m p an h i a N ac io n a l d e Abastecimento D i r e t o r i a d e Opercações e A b a stecimento S u p erintedência de O p erações Comerciais G e r ên c i a d e Formação e Controle de Estoques P o

Leia mais

PROCOMPI Programa de Apoio à Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias. 6ª Conferência Brasileira de APLs Brasília - DF

PROCOMPI Programa de Apoio à Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias. 6ª Conferência Brasileira de APLs Brasília - DF PROCOMPI Programa de Apoio à Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias 6ª Conferência Brasileira de APLs Brasília - DF Dezembro de 2013 OBJETIVO Promover a competitividade das micro e pequenas empresas

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO 8º CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS NOS CARGOS DE ANALISTA E DE TÉCNICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO 8º CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS NOS CARGOS DE ANALISTA E DE TÉCNICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO Cargo 1: Analista do MPU Área de Atividade: Apoio Técnico-Administrativo Especialidade: Arquivologia Distrito Federal / DF 596 4 149,00 Especialidade: Biblioteconomia Acre / AC 147 1 147,00 Especialidade:

Leia mais

Desvio de Finalidade Papel Imune

Desvio de Finalidade Papel Imune Desvio de Finalidade Papel Imune Compliance com as Leis de Defesa da Concorrência ALERTA: Evitar quaisquer discussões ou conversações sobre temas sensíveis à livre competição entre as empresas associadas,

Leia mais

Política Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora. Portaria GM/MS n 1.823, de 23 de agosto de 2012

Política Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora. Portaria GM/MS n 1.823, de 23 de agosto de 2012 Política Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora Portaria GM/MS n 1.823, de 23 de agosto de 2012 MARCOS LEGAIS: Constituição Federal de 1988 Art. 200 Ao SUS compete, além de outras atribuições,

Leia mais

Oficina de Avaliação sobre a Implantação e Utilização do e-sus AB GT e-sus AB/DAB/SAS/MS Maio de 2015

Oficina de Avaliação sobre a Implantação e Utilização do e-sus AB GT e-sus AB/DAB/SAS/MS Maio de 2015 Estratégia e-sus AB caminhos da implantação Oficina de Avaliação sobre a Implantação e Utilização do e-sus AB GT e-sus AB/DAB/SAS/MS Maio de 2015 Assista o vídeo que mostra como os profissionais de saúde

Leia mais

POLITICAS PARA O TRÂNSITO SEGURO DE MOTOS

POLITICAS PARA O TRÂNSITO SEGURO DE MOTOS Seminário POLITICAS PARA O TRÂNSITO SEGURO DE MOTOS LEGISLAÇÃO, FISCALIZAÇÃO E POLÍTICA DE SEGURANÇA Brasília DF 13 de setembro de 2012 Regulamentação da atividade de mototaxista Mesmo diante da ausência

Leia mais

REDE NACIONAL DE QUALIDADE, PRODUTIVIDADE E COMPETITIVIDADE E O MOVIMENTO COMPETITIVO SERGIPE

REDE NACIONAL DE QUALIDADE, PRODUTIVIDADE E COMPETITIVIDADE E O MOVIMENTO COMPETITIVO SERGIPE REDE NACIONAL DE QUALIDADE, PRODUTIVIDADE E COMPETITIVIDADE E O MOVIMENTO COMPETITIVO SERGIPE Aladio Antonio de Sousa Petrobras/UN-SEAL Marcel Menezes Fortes Petrobras/DSG/PG Movimento Competitivo Sergipe

Leia mais

Relatório Anual de Desempenho 2012

Relatório Anual de Desempenho 2012 Relatório Anual de Desempenho 2012 Brasília, janeiro de 2013 ALÔ SENADO Em 2012, o Alô Senado registrou 1.098.035 mensagens distribuídas. A maior parte dos atendimentos (95%) foram solicitações de envio

Leia mais

Governança Pública. O Desafio do Brasil. Contra a corrupção e por mais desenvolvimento. Governança de Municípios. Março/2015

Governança Pública. O Desafio do Brasil. Contra a corrupção e por mais desenvolvimento. Governança de Municípios. Março/2015 Governança Pública O Desafio do Brasil Contra a corrupção e por mais desenvolvimento Governança de Municípios Março/2015 João Augusto Ribeiro Nardes Ministro do TCU Sumário I. Introdução-OTCUeocombateàcorrupção

Leia mais

Alteração item I.2, III e IV Oferta prorrogada até 31/07/2011 PROMOÇÃO VIVO SMARTPHONE: INTERNET, VIVO VOCE E VANTAGENS REGULAMENTO

Alteração item I.2, III e IV Oferta prorrogada até 31/07/2011 PROMOÇÃO VIVO SMARTPHONE: INTERNET, VIVO VOCE E VANTAGENS REGULAMENTO Alteração item I.2, III e IV Oferta prorrogada até 31/07/2011 PROMOÇÃO VIVO SMARTPHONE: INTERNET, VIVO VOCE E VANTAGENS REGULAMENTO Vivo DF I. DISPOSIÇÕES GERAIS DA PROMOÇÃO I.1. Descrição Geral A Promoção

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE FUTEBOL

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE FUTEBOL CAMPEONATO BRASILEIRO DA SÉRIE D TABELA BÁSICA / EDIÇÃO 2015 PRIMEIRA FASE 1ª 12/07 - Dom A1 Vilhena RO X Remo PA 1ª A1 São Raimundo RR X Nacional AM 1ª A2 PI 1 PI X Interporto TO 1ª A2 Guarani CE X Santos

Leia mais

PGQP. Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade. Qualidade Gestão Inovação Competitividade Sustentabilidade

PGQP. Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade. Qualidade Gestão Inovação Competitividade Sustentabilidade PGQP Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade Qualidade Gestão Inovação Competitividade Sustentabilidade visão das lideranças A Excelência de qualquer organização depende da sinergia entre três fatores:

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PARA A INFÂNCIA E A ADOLESCÊNCIA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PARA A INFÂNCIA E A ADOLESCÊNCIA Seminário de Vigilância e Prevenção da Violência e Promoção da Cultura da Paz SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PARA A INFÂNCIA E A ADOLESCÊNCIA Secretaria Especial dos Direitos Humanos Subsecretaria de Promoção

Leia mais

Monitoramento de agrotóxicos em água para consumo humano

Monitoramento de agrotóxicos em água para consumo humano Seminário de Vigilância em Saúde de Populações Expostas a Agrotóxicos Mesa Redonda I Exposição humana a agrotóxicos: ações em desenvolvimento Monitoramento de agrotóxicos em água para consumo humano Coordenação

Leia mais

Alteração Item I.II Oferta prorrogada até 31/05/2013

Alteração Item I.II Oferta prorrogada até 31/05/2013 Alteração Item I.II Oferta prorrogada até 31/05/2013 I. DIOSIÇÕES GERAIS DA PROMOÇÃO PROMOÇÃO VIVO VOCÊ ILIMITADO REGULAMENTO VIVO I.I. Descrição Geral: A Promoção Vivo Você Ilimitado (doravante Promoção

Leia mais

Apresentação do IDConselho Municipal. Apresentação elaborada pela Coordenação Geral de Vigilância Socioassistencial CGVIS Brasília

Apresentação do IDConselho Municipal. Apresentação elaborada pela Coordenação Geral de Vigilância Socioassistencial CGVIS Brasília Apresentação do IDConselho Municipal Apresentação elaborada pela Coordenação Geral de Vigilância Socioassistencial CGVIS Brasília 5.366 Conselhos Municipais que preencheram o Censo SUAS 2014 Dinâmica de

Leia mais

Gestão da Qualidade da Banda Larga

Gestão da Qualidade da Banda Larga Gestão da Qualidade da Banda Larga Agência Nacional de Telecomunicações Brasília, 17 de maio de 2013 METODOLOGIA DE MEDIÇÃO INDICADORES DE BANDA LARGA FIXA Avaliações realizadas através de medidores instalados

Leia mais

Diagnóstico Situacional da capacidade instalada Rede de Frio Crie Vigilância de Eventos Adversos

Diagnóstico Situacional da capacidade instalada Rede de Frio Crie Vigilância de Eventos Adversos Coordenação Geral do Programa Nacional de Imunizações CGPNI Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis DEVIT Secretaria de Vigilância em Saúde SVS Diagnóstico Situacional da capacidade instalada

Leia mais

2ª Reunião Grupo Técnico de Sistematização de Informações Contábeis e Fiscais

2ª Reunião Grupo Técnico de Sistematização de Informações Contábeis e Fiscais Subsecretaria de Contabilidade Pública Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação 2ª Reunião Grupo Técnico de Sistematização de Informações Contábeis e Fiscais SICONFI 2014 OBJETIVOS

Leia mais

FÓRUM ESTADUAL DA UNDIME. Belo Horizonte, 3 de abril de 2013.

FÓRUM ESTADUAL DA UNDIME. Belo Horizonte, 3 de abril de 2013. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FÓRUM ESTADUAL DA UNDIME MINAS GERAIS Belo Horizonte, 3 de abril de 2013. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ALINHAMENTO DOS PLANOS MUNICIPAIS E ESTADUAIS DE EDUCAÇÃO AO PNE SECRETARIA DE ARTICULAÇÃO

Leia mais

País: Brasil Mutuário: União. União Executor: Unidade de Coordenação de Programas da Secretaria Executiva do Ministério da Fazenda Nome do Projeto:

País: Brasil Mutuário: União. União Executor: Unidade de Coordenação de Programas da Secretaria Executiva do Ministério da Fazenda Nome do Projeto: País: Brasil Mutuário: União União Executor: Unidade de Coordenação de Programas da Secretaria Executiva do Ministério da Fazenda Nome do Projeto: Programa Nacional de Apoio à Gestão Administrativa e Fiscal

Leia mais

A EDIÇÃO PAULISTA DA ECONOFARMA ESTÁ DE VOLTA. -feira

A EDIÇÃO PAULISTA DA ECONOFARMA ESTÁ DE VOLTA. -feira A EDIÇÃO PAULISTA DA ECONOFARMA ESTÁ DE VOLTA -feira EM 2014, A ECONOFARMA RETORNA COM UM NOVO OLHAR SOBRE O VAREJO FARMACÊUTICO CENÁRIO ATUAL O varejo nacional projeta otimismo de crescimento para os

Leia mais

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP. Ministério da Educação MEC

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP. Ministério da Educação MEC 01) Qual o seu estado civil? A) Solteiro(a). B) Casado(a). C) Separado(a)/desquitado(a)/divorciado(a). D) Viúvo(a). E) Outro. 02) Como você se considera? A) Branco(a). B) Negro(a). C) Pardo(a)/mulato(a).

Leia mais

Fundação Banco do Brasil. Tecnologia Social para superar a pobreza

Fundação Banco do Brasil. Tecnologia Social para superar a pobreza Fundação Banco do Brasil Tecnologia Social para superar a pobreza Missão Articular e desenvolver ações sustentáveis de inclusão e transformação social, mobilizando parceiros e contribuindo para a promoção

Leia mais

NOSSA MISSÃO NOSSA ASPIRAÇÃO NOSSOS CLIENTES

NOSSA MISSÃO NOSSA ASPIRAÇÃO NOSSOS CLIENTES NOSSA MISSÃO Estimular e apoiar as organizações para o desenvolvimento e evolução de sua gestão, por meio da disseminação dos Fundamentos e Critérios de Excelência, para que se tornem sustentáveis, cooperativas

Leia mais

profissional: desafios e integração

profissional: desafios e integração O papel das IES na formação profissional: desafios e integração da equipe de saúde Clarice A. Ferraz Coordenadora d Geral das Ações Técnicas em Educação na Saúde e Formação de Profissionais de Nível Médio

Leia mais