Orientações para o Planejamento e Realização do Projeto Final

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Orientações para o Planejamento e Realização do Projeto Final"

Transcrição

1 Orientações para o Planejamento e Realização do Projeto Final Simone Diniz Junqueira Barbosa Versão: 1.0.4

2 Orientações para o Planejamento e Realização do Projeto Final Sumário 1 Introdução Projeto I Proposta de Projeto Relatório do Projeto I Acompanhamento do Projeto I Projeto II Relatório Final Código-Fonte Apresentação Acompanhamento do Projeto II Datas Projeto I Projeto II...7 Apêndice I Roteiro para a Proposta... 8 Apêndice II Roteiro para o Relatório de Projeto I...13 Apêndice III Roteiro para o Relatório Final de Projeto...18 Simone D.J. Barbosa 2

3 Orientações para o Planejamento e Realização do Projeto Final 1 Introdução Este documento apresenta orientações gerais para o planejamento e realização das disciplinas Projeto I e Projeto II nos cursos de Engenharia de Computação e Bacharelado em Informática. 2 Projeto I Os produtos do Projeto I são: Proposta de Projeto Relatório de Projeto I 2.1 Proposta de Projeto Já nas primeiras semanas do Projeto I, deve-se identificar a visão e os objetivos gerais da aplicação a ser projetada. Por volta do segundo mês do Projeto I, o aluno deverá entregar uma proposta de projeto. Para elaborar a proposta, é necessário definir o domínio do problema, o escopo da solução e o ambiente computacional de desenvolvimento e execução da aplicação. É importante que o aluno conheça as tecnologias a serem utilizadas antes de finalizar a redação da proposta, para se certificar da viabilidade da execução do que está propondo, no tempo de que dispõe. Para auxiliar no planejamento do trabalho, o aluno deverá incluir na proposta um cronograma para as atividades do Projeto I. A proposta deve seguir as recomendações feitas pelo prof. Arndt von Staa em documento anexo. O Apêndice I apresenta um roteiro sugerido para a proposta. A proposta deve ser redigida de forma incremental desde a primeira semana de aula, conforme indicado na próxima seção, Proposta de Projeto. A versão completa da proposta deve ser entregue ao professor orientador com pelo menos uma semana antes do prazo estipulado pelo Departamento, para que haja tempo de efetuar eventuais correções ou ajustes no documento. 2.2 Relatório do Projeto I Ao final da disciplina de Projeto I, o aluno deve entregar um relatório descrevendo as atividades realizadas, as tecnologias estudadas, os protótipos construídos, os Simone D.J. Barbosa 3

4 Orientações para o Planejamento e Realização do Projeto Final problemas encontrados e como foram contornados. Um roteiro sugerido para o Relatório de Projeto I é apresentado no Apêndice II. O conteúdo de parte do relatório de Projeto I depende do processo de desenvolvimento seguido pelo aluno. Caso o aluno opte por seguir um processo de desenvolvimento mais tradicional como em cascata, o relatório deve incluir os conteúdos completos relacionados à seção 5 do roteiro sugerido para o Relatório de Projeto Final, no Apêndice III. Caso o aluno decida por seguir um processo de desenvolvimento em espiral ou por prototipação, o relatório deve incluir os ciclos (no mínimo 2) de projeto e desenvolvimento realizados durante o Projeto I onde, para cada ciclo, deve incluir os conteúdos parciais relacionados às seções 5 e 6 do roteiro sugerido para o Relatório de Projeto Final, no Apêndice III. Finalmente, se o aluno optar por um desenvolvimento incremental, deve incluir os incrementos (no mínimo 3) cada qual de acordo com as seções 4, 5 e 6 do Relatório de Projeto Final, no Apêndice III. 2.3 Acompanhamento do Projeto I Toda semana o aluno deve fazer contato com o orientador para relatar o seu progresso no Projeto I (até a 5ª feira de cada semana). Este contato pode ser feito via ou presencialmente, conforme combinado na semana anterior. A cada contato, devem ser entregues dois produtos: relato informal contendo as seguintes informações: o que foi feito desde o último relato que dificuldades ou problemas foram encontrados quais destes ainda estão sem solução qual é o planejamento para a próxima semana (relacionando o estágio atual do trabalho ao cronograma planejado) versão parcial da proposta (ou do relatório de Projeto I, após a proposta ter sido entregue), incorporando as seções (parciais) correspondentes às atividades realizadas naquela semana Em outras palavras, o relatório do Projeto I deverá ser redigido incrementalmente ao longo de todo o período. Simone D.J. Barbosa 4

5 Orientações para o Planejamento e Realização do Projeto Final A qualidade e regularidade desses relatos farão parte da nota do aluno em Projeto I. 3 Projeto II Durante o Projeto II, o aluno deve realizar as etapas previstas no Projeto I. Propostas de modificação no planejamento ou no cronograma devem ser justificadas por escrito e aprovadas pelo professor orientador. Ao longo de todo o período, o aluno deve redigir trechos do Relatório Final de Projeto. Um roteiro sugerido para este relatório é apresentado no Apêndice III. Os produtos do Projeto II são: Relatório Final Código-fonte da aplicação Apresentação (slide show) para a banca examinadora 3.1 Relatório Final Ao final da disciplina de Projeto II, o aluno deve entregar um relatório descrevendo todo o projeto. O relatório deve ser apresentado em duas versões: 1) versão digital gravada em CD-ROM; 2) versão impressa e encadernada. Um roteiro sugerido para o Relatório Final é apresentado no Apêndice III. 3.2 Código-Fonte O código-fonte da aplicação desenvolvida deve ser documentado e entregue em CD- ROM juntamente com o relatório final. Como todo trabalho acadêmico, esse códigofonte é de domínio público. Sugere-se que a documentação do código-fonte siga o padrão proposto por Staa (2000). Simone D.J. Barbosa 5

6 Orientações para o Planejamento e Realização do Projeto Final 3.3 Apresentação O aluno deve preparar uma apresentação para apresentar seu trabalho à banca examinadora. A apresentação também deve ser gravada no CD-ROM do Projeto Final. A estrutura da apresentação será planejada juntamente com o orientador, a partir do penúltimo mês do Projeto II. 3.4 Acompanhamento do Projeto II Toda semana o aluno deve fazer contato com o orientador para relatar o seu progresso no Projeto II (até a 5ª feira de cada semana). Este contato pode ser feito via ou presencialmente, conforme combinado na semana anterior. A cada contato, devem ser entregues três produtos: relato informal contendo as seguintes informações: o que foi feito desde o último relato que problemas ou dificuldades foram encontrados quais destes ainda estão sem solução qual é o planejamento para a próxima semana (relacionando o estágio atual do trabalho ao cronograma planejado) versão parcial do Relatório Final de Projeto I, incorporando as seções (parciais) correspondentes às atividades realizadas naquela semana código implementado e documentado até o momento Em outras palavras, o Relatório Final deverá ser redigido incrementalmente ao longo de todo o período. 4 Datas Consulte nos quadros abaixo as datas de entrega dos produtos elaborados a cada etapa, no período de : Simone D.J. Barbosa 6

7 Orientações para o Planejamento e Realização do Projeto Final 4.1 Projeto I Produto Prazo Entregue a Proposta de Projeto Final 01/out/2005 orientador Proposta de Projeto Final 10/out/2005 secretaria Relatório de Projeto I 5/dez/2005 orientador 4.2 Projeto II Produto Prazo Entregue a Relatório Final 5/nov/2005 orientador Código-fonte da aplicação Apresentação do Projeto (slideshow) Relatório Final Código-fonte da aplicação Apresentação do Projeto (slideshow) 16/nov/2005 secretaria 5 Referências STAA, A.v. Programação Modular. Editora Campus Simone D.J. Barbosa 7

8 Apêndice I Roteiro para a Proposta Este apêndice apresenta um exemplo de roteiro para a proposta a ser redigida nas primeiras semanas da disciplina Projeto I. Este roteiro deve ser adaptado conforme o tipo de projeto realizado.

9 Título do Projeto Proposta Aluno: Nome do aluno Orientadora: Simone Diniz Junqueira Barbosa Período:

10 Projeto Final Proposta Sumário 1 Introdução Estado da arte Objetivos do trabalho Atividades propostas Referências bibliográficas...12 Nome do Aluno 10

11 Projeto Final Proposta 1 Introdução domínio de aplicação definição do problema justificativa da relevância do problema e da ausência de soluções satisfatórias (disponíveis na rede) 2 Estado da arte tecnologias e aplicações existentes que endereçam o problema descrito na seção 1 conceitos e padrões relacionados ao domínio do problema ou da solução a ser proposta 3 Objetivos do trabalho objetivos específicos a serem alcançados, tendo em vista a definição do problema e os trabalhos relacionados. escopo da aplicação usuários, organizações e situações que se deseja apoiar o que se busca avançar com relação ao estado da arte 4 Atividades propostas estudos a serem realizados método / processo de desenvolvimento que será seguido atividades que serão realizadas modelos e representações que serão criados cronograma de estudo, projeto e desenvolvimento proposto Nome do Aluno 11

12 Projeto Final Proposta 5 Referências bibliográficas livros, apostilas artigos, websites e outras referências utilizadas na redação da proposta (utilize uma norma amplamente aceita para a padronização das referências bibliográficas) Dica: sempre anote as referências à medida que efetuar sua pesquisa Nome do Aluno 12

13 Apêndice II Roteiro para o Relatório de Projeto I Este apêndice apresenta um exemplo de roteiro para o relatório a ser redigido durante a disciplina Projeto I. Este roteiro deve ser adaptado conforme o tipo de projeto realizado.

14 Título do Projeto Relatório de Projeto I Aluno: Nome do aluno Orientadora: Simone Diniz Junqueira Barbosa Período:

15 Relatório de Projeto I Sumário 1 Introdução Estado da arte Objetivos do trabalho Atividades propostas e realizadas Cronograma <Seções que dependem das atividades realizadas> Esboço do relatório final Referências bibliográficas Nome do Aluno 15

16 Relatório de Projeto I 1 Introdução << semelhante ao Relatório Final de Projeto, no Apêndice III> 2 Estado da arte << semelhante ao Relatório Final de Projeto, no Apêndice III> 3 Objetivos do trabalho << semelhante ao Relatório Final de Projeto, no Apêndice III> 4 Atividades propostas e realizadas << o que foi incluído na Proposta >> o que foi realizado de fato apreciação e discussão sobre as diferenças entre as atividades propostas e realizadas: dificuldades encontradas, soluções para essas dificuldades e pendências para o Projeto II 5 Cronograma cronograma de estudo, projeto e desenvolvimento o cronograma planejado (o que foi incluído na proposta) o cronograma real (o que foi realizado de fato) apreciação e discussão sobre as diferenças nos dois cronogramas Nome do Aluno 16

17 Relatório de Projeto I 6 <Seções que dependem das atividades realizadas> 7 Esboço do relatório final estrutura do relatório final, com uma breve descrição sobre o conteúdo de cada seção ou sub-seção que será redigida no Projeto Final (pode ser adaptado do roteiro apresentado no Apêndice III) 8 Referências bibliográficas livros, apostilas artigos, websites e outras referências utilizadas no Projeto I (utilize uma norma amplamente aceita para a padronização das referências bibliográficas) Dica: sempre anote as referências à medida que efetuar sua pesquisa Nome do Aluno 17

18 Apêndice III Roteiro para o Relatório Final de Projeto Este apêndice apresenta um exemplo de roteiro para relatório final de projeto. Este roteiro deve ser adaptado conforme o tipo de projeto realizado.

19 Título do Projeto Relatório Final Aluno: Nome do aluno Orientadora: Simone Diniz Junqueira Barbosa Período:

20 Projeto Final Sumário 1 Introdução Estado da Arte Objetivos Atividades realizadas Projeto e especificação da aplicação Cenários de uso Projeto da interação humano-computador Modelo de interação Storyboards anotados Inspeção da interface projetada Modelo de dados Projeto modular Implementação e avaliação Planejamento e execução de testes funcionais Planejamento e execução de testes com usuários Comentários sobre a implementação Considerações finais Referências bibliográficas Nome do Aluno 20

21 Projeto Final 1 Introdução Sobre a motivação Qual foi a motivação deste trabalho? Sobre o domínio da aplicação Qual é o domínio do problema? Por que é relevante? Que aplicações existem neste domínio? Quais as limitações destas aplicações? Seu projeto é a extensão de um sistema existente, ou uma aplicação inteiramente nova? Caso seja um sistema existente, foi o uso continuado do sistema que gerou demandas de evolução e motivou este trabalho? Que demandas são essas? Sobre os usuários-alvo Deve-se descrever os perfis de usuários e situações a que a sua aplicação se destina: Quem utilizará o seu sistema? Quais são as características das pessoas e do ambiente de uso do sistema (e.g. escritório, lar, em movimento (na rua) )? Quais são os objetivos, necessidades e expectativas dos usuários e das organizações em que se encontram? Sobre o ambiente computacional Qual foi o ambiente tecnológico de desenvolvimento (plataforma computacional, sistema operacional)? E o ambiente de uso da aplicação? Qual foi a plataforma tecnológica utilizada? dispositivo (PC, handheld, celular,...), sistema operacional, linguagem de programação, SGBD, e outros. Sobre a adequação do trabalho como Projeto Final Como esse trabalho se encaixa nos requisitos de projeto final? O que você vai aplicar do que você aprendeu em todo o curso? 2 Estado da Arte Descrição e avaliação de tecnologias e aplicações existentes Nome do Aluno 21

22 Projeto Final tecnologias e aplicações existentes que endereçam o problema descrito na seção anterior conceitos e padrões relacionados ao domínio do problema ou da solução a ser proposta Descrição objetiva das aplicações existentes. Apreciação dessas aplicações buscando identificar pontos fortes e fracos, limitações e possibilidades de melhoria, integração ou extensão. Apreciação da utilidade da aplicação com relação aos problemas que o domínio apresenta e os usuários que se visa apoiar. Descreva brevemente os tipos de avaliação realizados, incluindo o método, seus benefícios e suas limitações: inspeção da arquitetura e código (caso se trate da extensão ou refactoring de uma aplicação existente); e inspeção da interface com usuário. 3 Objetivos Tendo em vista a definição do problema e os trabalhos relacionados, quais são os objetivos específicos a serem alcançados? escopo da aplicação usuários, organizações e situações que se deseja apoiar o que se busca avançar com relação ao estado da arte 4 Atividades realizadas Estudos preliminares Qual era o conhecimento prévio do aluno e experiência com o ambiente tecnológico de desenvolvimento? Estudos conceituais e de tecnologia Que estudos precisaram ser realizados para o desenvolvimento deste trabalho? Nome do Aluno 22

23 Projeto Final Que linguagens de programação, APIs ou sistemas de apoio ao desenvolvimento precisaram ser aprendidos? Protótipos para aprendizado e demonstração Para auxiliar a fixar os estudos realizados e demonstrar a viabilidade da proposta, que protótipos foram gerados? Método Descreva o processo de projeto e desenvolvimento. Qual foi o método seguido? Considerando o método, quais foram as atividades desenvolvidas? Que modelos e representações foram elaborados? Apresente o cronograma de projeto e desenvolvimento, incluindo as atividades do Projeto I. 5 Projeto e especificação da aplicação Caso o processo de desenvolvimento tenha ocorrido de forma incremental ou em ciclos, cada ciclo deve ser descrito completamente, indicando o escopo de desenvolvimento de cada ciclo e decisões que afetam o ciclo seguinte (por exemplo, mudanças na definição do problema ou do escopo da solução). Isto significa ainda que as sub-seções abaixo podem ser apresentadas repetidas vezes (uma vez por ciclo), conforme as representações que foram definidas ou refinadas durante cada ciclo. 5.1 Cenários de uso Descrever cenários de uso da aplicação, indicando os cenários que já são apoiados por aplicações existentes, cenários que contemplam novos objetivos, e cenários que apresentam novas formas de se alcançar objetivos que já eram possíveis nas aplicações atuais. É importante considerar aqui variações sobre os cenários de uso, em particular as situações de erro que podem ocorrer em cada ponto de cada cenário. Deve-se considerar também cenários de configuração que tornem a aplicação flexível, útil a mais de uma classe de usuários e aplicável a um conjunto variado de situações. Nome do Aluno 23

24 Projeto Final 5.2 Projeto da interação humano-computador Nesta seção deve-se descrever a aplicação do ponto de vista do usuário. Isto significa definir a interface com usuário e o comportamento aparente da aplicação (as possíveis interações do usuário com o sistema) Modelo de interação Nesta etapa deve-se elaborar uma representação de todos os possíveis caminhos de interação do usuário com o sistema, do ponto de vista do usuário. Para isto, sugere-se utilizar a linguagem de representação MoLIC (favor pegar a versão preliminar do manual de uso da linguagem com a Profa. Simone) Storyboards anotados Para complementar o modelo de interação, deve-se definir em detalhes como será a interface com o usuário (e.g. as telas da aplicação), ainda antes da implementação. Esta interface pode ser representada na forma de storyboards ou rascunhos de tela, e devem incluir anotações que indiquem seu comportamento dinâmico e as relacionem com o modelo de interação Inspeção da interface projetada Nesta seção deve-se apresentar uma avaliação por inspeção da interface com usuário e dos processos de interação apoiados pela solução proposta nas sub-seções anteriores. Recomenda-se utilizar técnicas de avaliação heurística e de percurso cognitivo. 5.3 Modelo de dados Deve-se descrever cuidadosamente o modelo de dados utilizado. Pode-se representálo através de um diagrama de entidade e relacionamento ou diagrama de classes, complementados por um dicionário de dados. Deve-se ainda relacionar os dados aos elementos de interface a que são mapeados, direta ou indiretamente. No caso de mapeamentos indiretos, deve-se indicar ainda qual é a função de mapeamento dos dados de/para a interface (tanto no modo de entrada quanto no modo de saída de dados). Por exemplo: dado = data de nascimento; elemento de interface na entrada = calendário (apresentado nas telas X, Y e Z na seção 5.2.2); elemento de interface de saída = número indicando a idade, f(data atual - data de nascimento). Nome do Aluno 24

25 Projeto Final 5.4 Projeto modular Esta seção deve apresentar o projeto modular da aplicação, descrevendo a arquitetura da aplicação, seus módulos e funções. 6 Implementação e avaliação 6.1 Planejamento e execução de testes funcionais Independentemente do foco do projeto, a funcionalidade da aplicação deve ser cuidadosamente testada. Esta seção deve descrever como foi testado o sistema, indicando as técnicas de teste utilizadas, bem como os cenários e casos de teste utilizados, e os resultados obtidos. 6.2 Planejamento e execução de testes com usuários Caso o foco do projeto seja na área de IHC, o aluno deve planejar e efetuar testes com usuários. O aluno deve descrever o método de teste utilizado, o material preparado para o teste, o teste-piloto, os dados coletados durante os testes e o resultado da análise desses dados. 6.3 Comentários sobre a implementação Quais foram os problemas encontrados? Como eles foram contornados? Caso não tenham sido contornados, qual foi o motivo? 7 Considerações finais Quais foram as contribuições deste trabalho (para a comunidade acadêmico-científica ou para comunidades de usuários)? O que você aprendeu com este trabalho? O que você faria diferente se fosse começá-lo agora (limitações do produto ou do processo)? Nome do Aluno 25

26 Projeto Final Quais são as oportunidades para trabalhos futuros que você identificou e que pode recomendar para um próximo aluno? 8 Referências bibliográficas Quais foram os livros, apostilas, artigos, websites e outras referências consultados e que serviram de base para este trabalho? Certifique-se de utilizar uma norma amplamente aceita para a padronização das referências bibliográficas. Dica: sempre anote as referências à medida que efetuar sua pesquisa Nome do Aluno 26

27 Projeto Final Documentação final do projeto (AvS). mini-plano: seqüência de tarefas de desenvolvimento utilizadas junto com estatísticas de tempo e esforço por tarefa. especificação do programa objetivos, requisitos diagramas de especificação, por exemplo use-cases e diagrams de seqüência. projeto modular do programa critérios de projeto utilizados diagramas de arquitetura e/ou segmentação do programa, por exemplo UML. organização do programa (componentes, módulos, classes,...), por exemplo diagramas de classe UML. diagramas de organização dos dados, por exemplo diagramas de modelagem de dados, ou entidade e relacionamentos. código fonte cuidadosamente comentado comentários cabeçalho de módulos, classes e funções 3 comentários de controle de versão assertivas para dados e procedimentos pseudo instruções procure estabelecer e/ou adotar padrões de programação. Os apêndices do livro Staa, A.v.; Programação Modular, Campus 2000; contêm uma extensa lista de padrões de programação que pode servir de exemplo para a adaptação às características específicas do trabalho. roteiro de teste efetuado, composto de: Nome do Aluno 27

28 Projeto Final critérios de teste utilizado descrição dos casos teste na medida do possível procure utilizar testes automatizados scripts de teste automatizado logs gerados pelo teste automatizado documentação para o usuário O formato da documentação técnica varia em função da linguagem usada Nome do Aluno 28

Projeto Final de Engenharia de Computação

Projeto Final de Engenharia de Computação Orientações para Desenvolvimento do Projeto Final de Engenharia de Computação compilado por: Noemi Rodriguez texto baseado em: Orientações para o Planejamento e Realização do Projeto Final, de Simone Barbosa

Leia mais

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas PIM PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO COM O MERCADO GUIA DE CURSO Tecnologia em Sistemas de Informação Tecnologia em Desenvolvimento Web Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnologia em Sistemas

Leia mais

Modelo para Documento de. Especificação de Requisitos de Software

Modelo para Documento de. Especificação de Requisitos de Software Modelo para Documento de Especificação de Requisitos de Software Prof. Dr. Juliano Lopes de Oliveira (Baseado na norma IEEE Std 830-1993 - Recommended Practice for Software Requirements Specifications)

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

Tópicos de Ambiente Web. Modulo 2 Processo de desenvolvimento de um site Professora: Sheila Cáceres

Tópicos de Ambiente Web. Modulo 2 Processo de desenvolvimento de um site Professora: Sheila Cáceres Tópicos de Ambiente Web Modulo 2 Processo de desenvolvimento de um site Professora: Sheila Cáceres Roteiro Motivação Desenvolvimento de um site Etapas no desenvolvimento de software (software:site) Analise

Leia mais

Modelo para Documento de. Especificação de Requisitos de Software

Modelo para Documento de. Especificação de Requisitos de Software Modelo para Documento de Especificação de Requisitos de Software (Baseado na norma IEEE Std 830-1993 - Recommended Practice for Software Requirements Specifications) A boa organização lógica do documento

Leia mais

Processos de Desenvolvimento de Software

Processos de Desenvolvimento de Software Processos de Desenvolvimento de Software Gerenciamento de Projetos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e

Leia mais

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Histórico Uso de Metodologias Histórico Uso de Metodologias Era da Pré-Metodologia 1960-1970 Era da Metodologia

Leia mais

Engenharia de Sistemas de Computador

Engenharia de Sistemas de Computador Engenharia de Sistemas de Computador Sistema é um conjunto ou disposição de elementos que é organizado para executar certo método, procedimento ou controle ao processar informações. Assim, o que é um Sistema????????

Leia mais

Professor: Curso: Disciplina:

Professor: Curso: Disciplina: Professor: Curso: Disciplina: Aula 1 Turma: Esp. Marcos Morais de Sousa Sistemas de informação Engenharia de Software I Dinâmica da disciplina, plano de curso e avaliação 03º semestre Prof. Esp. Marcos

Leia mais

:: aula 11. :: Diagrama de Seqüência e Protótipos. :: Olá! Nesta aula, continuaremos a 4ª fase do Projeto Desenho.

:: aula 11. :: Diagrama de Seqüência e Protótipos. :: Olá! Nesta aula, continuaremos a 4ª fase do Projeto Desenho. :: Nome do Curso Sistemas da informação :: Nome da Unidade Curricular PI Sistemas orientados a objetos :: Tema da aula Diagrama de Seqüência e Prototipação :: Fase / Etapa Fase 4 Desenho do Projeto e Interligação

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Desenvolvendo o Plano de Gerenciamento do Projeto. Coletando Requisitos. Declarando

Leia mais

1. Ementa 2. Objetivos Gerais: 3. Objetivos Específicos 4. Estruturação do conteúdo da disciplina e sistemática as ser desenvolvida:

1. Ementa 2. Objetivos Gerais: 3. Objetivos Específicos 4. Estruturação do conteúdo da disciplina e sistemática as ser desenvolvida: 1. Ementa Gerenciamento e desenvolvimento de um projeto que acompanhe as etapas do ciclo de vida do software e ou hardware, com ênfase em: documentação, determinação dos requisitos, projeto lógico, projeto

Leia mais

! Introdução. " Motivação para Processos de Software. ! Processo Unificado (USDP) " Definições " RUP x USDP " Características do Processo Unificado

! Introdução.  Motivação para Processos de Software. ! Processo Unificado (USDP)  Definições  RUP x USDP  Características do Processo Unificado Agenda! Introdução " Motivação para Processos de Software! (USDP) " Definições " RUP x USDP " Características do! Descrição detalhada do! Processos Derivados! Templates simplificados! Conclusões 2 Processo

Leia mais

MANUAL DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS FATEC ZONA LESTE

MANUAL DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS FATEC ZONA LESTE MANUAL DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS FATEC ZONA LESTE 1. DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 4 2. OBJETIVO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)...

Leia mais

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com /

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / andre.belini@ifsp.edu.br MATÉRIA: SIG Aula N : 11 Tema: Como desenvolver e

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

Resumo do BABok 2.0 O Guia de Referência de Análise de Negócio Curso de Analista de Negócio 3.0

Resumo do BABok 2.0 O Guia de Referência de Análise de Negócio Curso de Analista de Negócio 3.0 O que é BABok? O BABok 2.0, Corpo de Conhecimento de Análise de Negócios, é considerado como um Guia Referência de Práticas de Análise de Negócio. Este guia é publicado e mantido pelo IIBA. O guia BABok

Leia mais

FACULDADE 7 DE SETEMBRO CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FACULDADE 7 DE SETEMBRO CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FACULDADE 7 DE SETEMBRO CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FORTALEZA - 2014 Diretor Geral Ednilton Gomes de Soárez Diretor

Leia mais

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2 Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Engenharia de Software Objetivo da aula Depois desta aula você terá uma revisão sobre o

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC DCC Departamento de Ciência da Computação Joinville-SC

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC DCC Departamento de Ciência da Computação Joinville-SC CURSO: Bacharelado em Ciência da Computação DISCIPLINA: ANPS Análise e Projeto de Sistemas AULA NÚMERO: 3 DATA: PROFESSOR: Murakami Sumário 1 APRESENTAÇÃO...1 2 DESENVOLVIMENTO...1 2.1 Revisão...1 2.1.1

Leia mais

Especialização em Engenharia de Software com Ênfase em Software Livre ESL2/2008. Projeto Agenda Saúde Requisitos e Modelagem UML

Especialização em Engenharia de Software com Ênfase em Software Livre ESL2/2008. Projeto Agenda Saúde Requisitos e Modelagem UML Projeto Agenda Saúde Requisitos e Modelagem UML Histórico de Revisão Versão 0.1 Data 01/06/09 Revisor Descrição Versão inicial Sumário 1. Introdução...4 1.1 Visão geral deste documento...4 1.2 Módulos

Leia mais

Msc. Daniele Carvalho Oliveira Doutoranda em Ciência da Computação UFU Mestre em Ciência da Computação UFU Bacharel em Ciência da Computação UFJF

Msc. Daniele Carvalho Oliveira Doutoranda em Ciência da Computação UFU Mestre em Ciência da Computação UFU Bacharel em Ciência da Computação UFJF Msc. Daniele Carvalho Oliveira Doutoranda em Ciência da Computação UFU Mestre em Ciência da Computação UFU Bacharel em Ciência da Computação UFJF 1. Identificação de um problema a ser implementado 2. Análise

Leia mais

Quem vem primeiro? Projeto de Sw ou Projeto de IHC? Melhor virem juntos, integrados.

Quem vem primeiro? Projeto de Sw ou Projeto de IHC? Melhor virem juntos, integrados. 1 Projeto de IHC 2 Design de IHC O que é design de IHC? Também chamado de projeto de IHC. DESIGN Concepção (intelectual) da experiência do usuário Concretização desta concepção em uma representação que

Leia mais

CENTRO TECNOLÓGICO UFES COLEGIADO DO CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL NORMAS PARA O PROJETO DE GRADUAÇÃO

CENTRO TECNOLÓGICO UFES COLEGIADO DO CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL NORMAS PARA O PROJETO DE GRADUAÇÃO CENTRO TECNOLÓGICO UFES COLEGIADO DO CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL NORMAS PARA O PROJETO DE GRADUAÇÃO O Colegiado do Curso de Engenharia Ambiental, em reunião de 26 de agosto de 2011, RESOLVE: Aprovar

Leia mais

Objetivos. Processos de Software. Tópicos abordados. O processo de software. Modelos genéricos de modelos de processo de software.

Objetivos. Processos de Software. Tópicos abordados. O processo de software. Modelos genéricos de modelos de processo de software. Processos de Software Objetivos Apresentar os modelos de processo de software Conjunto coerente de atividades para especificar, projetar, implementar e testar s de software Descrever os diferentes modelos

Leia mais

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI Nome da Empresa Documento Visão Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 23/02/2015 1.0 Início do projeto Anderson, Eduardo, Jessica, Sabrina, Samuel 25/02/2015 1.1 Correções Anderson e Eduardo

Leia mais

Processos de Software. 2007 by Pearson Education Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1

Processos de Software. 2007 by Pearson Education Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1 Processos de Software Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1 Objetivos Apresentar modelos de processos de software Descrever três modelos genéricos de processo e quando

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Processo de software I Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + O que é Engenharia de Software n Definição dada pela IEEE [IEE93]: n Aplicação de uma abordagem sistemática,

Leia mais

Orientações Gerais para as Disciplinas de Trabalho de Conclusão do Cursos de Sistemas para Internet IFRS - Câmpus Porto Alegre

Orientações Gerais para as Disciplinas de Trabalho de Conclusão do Cursos de Sistemas para Internet IFRS - Câmpus Porto Alegre Orientações Gerais para as Disciplinas de Trabalho de Conclusão do Cursos de Sistemas para Internet IFRS - Câmpus Porto Alegre Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul -

Leia mais

3 OOHDM e SHDM 3.1. OOHDM

3 OOHDM e SHDM 3.1. OOHDM 32 3 OOHDM e SHDM Com a disseminação em massa, desde a década de 80, de ambientes hipertexto e hipermídia, principalmente a Web, foi identificada a necessidade de elaborar métodos que estruturassem de

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO Departamento: Disciplina: Pré-Requisitos: I D E N T I F I C A Ç Ã O Sistemas de Informação Engenharia de Software Aplicada (ESA) Engenharia de Software (ES) CH: 7 Curso: Bacharelado em Sistemas de Informação

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE/ SISTEMAS DE SOFTWARE

ENGENHARIA DE SOFTWARE/ SISTEMAS DE SOFTWARE ENGENHARIA DE SOFTWARE/ SISTEMAS DE SOFTWARE CMP1280/CMP1250 Prof. Me. Fábio Assunção Introdução à Engenharia de Software SOFTWARE Programa de computador acompanhado dos dados de documentação e configuração

Leia mais

Processo de Desenvolvimento Unificado

Processo de Desenvolvimento Unificado Processo de Desenvolvimento Unificado Processo de Desenvolvimento de Software? Conjunto de atividades bem definidas; com responsáveis; com artefatos de entrada e saída; com dependências entre as mesmas

Leia mais

Processos de Design de IHC (Parte II)

Processos de Design de IHC (Parte II) Interface Homem/Máquina Aula 8 Professor Leandro Augusto Frata Fernandes laffernandes@ic.uff.br Material disponível em http://www.ic.uff.br/~laffernandes/teaching/2011.1/tcc-00.184 Roteiro da Aula de Hoje

Leia mais

8 Considerações finais

8 Considerações finais 8 Considerações finais Neste trabalho, propusemo-nos a elaborar uma ferramenta epistêmica de apoio ao design de SiCo s, fundamentada na EngSem, que ajude o designer a elaborar seu projeto da comunicação

Leia mais

Introdução Engenharia de Software

Introdução Engenharia de Software Introdução Engenharia de Software Auxiliadora Freire Fonte: Engenharia de Software 8º Edição / Ian Sommerville 2007 Slide 1 EMENTA Parte 1 Conceitos de Engenharia de Software. Processo de desenvolvimento

Leia mais

Avaliação de IHC: objetivos

Avaliação de IHC: objetivos Avaliação de IHC: objetivos Decisões de design afetam usabilidade Conhecimento dos usuários e de suas necessidade Design: Design: diferentes diferentes soluções soluções possíveis possíveis Interação:

Leia mais

Engenharia de Software. Parte I. Introdução. Metodologias para o Desenvolvimento de Sistemas DAS 5312 1

Engenharia de Software. Parte I. Introdução. Metodologias para o Desenvolvimento de Sistemas DAS 5312 1 Engenharia de Software Parte I Introdução Metodologias para o Desenvolvimento de Sistemas DAS 5312 1 Mitos do Desenvolvimento de Software A declaração de objetivos é suficiente para se construir um software.

Leia mais

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS PDS - DATASUS Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS Coordenação Geral de Arquitetura e Engenharia Tecnológica Coordenação de Padronização e Qualidade de Software Gerência de Padrões e Software

Leia mais

Modelo de Qualidade CMMI

Modelo de Qualidade CMMI Modelo de Qualidade CMMI João Machado Tarcísio de Paula UFF - Campus Rio das Ostras Resumo Este trabalho tem como objetivo explicar de forma simples o que é e como funciona o modelo de qualidade CMMI,

Leia mais

Princípios da Engenharia de Software Aula 02. Prof.: Franklin M. Correia

Princípios da Engenharia de Software Aula 02. Prof.: Franklin M. Correia Princípios da Engenharia de Software Aula 02 Prof.: Franklin M. Correia Na aula anterior... Introdução a Engenharia de Software O que é software? O que é Engenharia de Software? Conceitos importantes Tipos

Leia mais

SABiO: Systematic Approach for Building Ontologies

SABiO: Systematic Approach for Building Ontologies SABiO: Systematic Approach for Building Ontologies Ricardo de Almeida Falbo Engenharia de Ontologias Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Preocupações Principais do

Leia mais

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral 9.1 Programa do Módulo 2 Orientação a Objetos Conceitos Básicos Análise Orientada a Objetos (UML) O Processo Unificado (RUP) Processo Unificado: Visão Geral 9.2 Encaixa-se na definição geral de processo:

Leia mais

Art. 2º - Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação. Professora Sandra Denise Kruger Alves Chefe do DEC

Art. 2º - Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação. Professora Sandra Denise Kruger Alves Chefe do DEC RESOLUÇÃO DEC No 01/2013 Fixa normas para Elaboração e Apresentação dos Trabalhos de Conclusão do Curso de Graduação em Engenharia Civil. A Chefia do Departamento do Curso de Engenharia Civil, no uso de

Leia mais

Ferramenta de Testes de Programas para Auxílio na Aprendizagem de Programação

Ferramenta de Testes de Programas para Auxílio na Aprendizagem de Programação Ferramenta de Testes de Programas para Auxílio na Aprendizagem de Programação Denise Santiago (FURB) denise@senior.com.br Maurício Capobianco Lopes (FURB) mclopes@furb.br Resumo. Este artigo apresenta

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO FACULDADE DE INFORMÁTICA CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Aprovado na 22ª reunião do Conselho de Unidade (CONSUN) da Faculdade de Informática realizada dia 30 de

Leia mais

Testes de Usabilidade

Testes de Usabilidade Testes de Usabilidade Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro Setembro de 2012 Prof. Edwar Saliba Júnior 1 Reflexão Ao fazer referência à questão da qualidade da relação

Leia mais

MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK. Cesar Eduardo Freitas Italo Alves

MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK. Cesar Eduardo Freitas Italo Alves MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK Cesar Eduardo Freitas Italo Alves A ORIGEM DO MSF (MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK) Baseado na experiência da empresa na construção de softwares como Office e Windows e

Leia mais

Gestão Comercial GUIA RÁPIDO DE INSTALAÇÃO DO ORYON. www.projectinfo.com.br

Gestão Comercial GUIA RÁPIDO DE INSTALAÇÃO DO ORYON. www.projectinfo.com.br Gestão Comercial GUIA RÁPIDO DE INSTALAÇÃO DO ORYON www.projectinfo.com.br Parabéns por adquirir o Oryon Gestão Comercial: uma poderosa ferramenta para a administração comercial. Agilidade nas vendas,

Leia mais

Aprenda as melhores práticas para construir um completo sistema de teste automatizado

Aprenda as melhores práticas para construir um completo sistema de teste automatizado Aprenda as melhores práticas para construir um completo sistema de teste automatizado Renan Azevedo Engenheiro de Produto de Teste e Medição -Américas Aprenda as melhores práticas para construir um completo

Leia mais

Módulo I - Aula 3 Tipos de Sistemas

Módulo I - Aula 3 Tipos de Sistemas Módulo I - Aula 3 Tipos de Sistemas Agora que você já conheceu algumas características dos Sistemas de Informação, nesta aula você vai aprender um pouco sobre tipos de sistemas. Você conhecerá a integração

Leia mais

Seminário Sobre Reunir Registros

Seminário Sobre Reunir Registros Seminário Sobre Reunir Registros Esta lição e seus recursos de aprendizado podem ser usados para preparar um seminário de três a quatro horas sobre preparar, reunir, processar e entregar os registros a

Leia mais

Projeto de Redes Top-Down

Projeto de Redes Top-Down Projeto de Redes Top-Down Referência: Slides extraídos (material de apoio) do livro Top-Down Network Design (2nd Edition), Priscilla Oppenheimer, Cisco Press, 2010. http://www.topdownbook.com/ Alterações

Leia mais

Software para especificação de motores de indução trifásicos

Software para especificação de motores de indução trifásicos Instituto Federal Sul-riograndense Campus Pelotas - Curso de Engenharia Elétrica Software para especificação de motores de indução trifásicos Disciplina: Projeto Integrador III Professor: Renato Neves

Leia mais

Exercícios orientadores da aprendizagem e sua solução; Indicação das referências complementares para cada

Exercícios orientadores da aprendizagem e sua solução; Indicação das referências complementares para cada 9 MATERIAIS DIDÁTICOS - Com base no conhecimento adquirido nas reuniões anteriores, o professor deve preparar uma proposta dos materiais que pretende produzir para o seu curso/disciplina. - É importante

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores. Trabalho Interdisciplinar Semestral. 3º semestre - 2012.1

Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores. Trabalho Interdisciplinar Semestral. 3º semestre - 2012.1 Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Trabalho Interdisciplinar Semestral 3º semestre - 2012.1 Trabalho Semestral 3º Semestre Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Apresentação

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia

Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia RESOLUÇÃO Nº 023/2010-CTC CERTIDÃO Certifico que a presente resolução foi afixada em local de costume, neste Centro, no dia 26/03/2010. Maria Celenei de Oliveira Secretária Aprova Regulamento do componente

Leia mais

Humano-Computador (IHC)

Humano-Computador (IHC) 1 INF1403 Introdução a Interação Humano-Computador (IHC) Turma 3WA Professora: Clarisse Sieckenius de Souza Revisão para a P2 23/06/2010 Matéria da Prova Tudo o que não caiu na P1 1. Da aula do dia 05/05

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 3 Planejamento e Aula 8 do Projeto Aula 08 do Projeto SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 ACOMPANHAMENTO DO PROJETO... 3 1. do Progresso...

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 1. DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) é um processo de reflexão e elaboração intelectual

Leia mais

Desenvolvendo Websites com PHP

Desenvolvendo Websites com PHP Desenvolvendo Websites com PHP Aprenda a criar Websites dinâmicos e interativos com PHP e bancos de dados Juliano Niederauer 19 Capítulo 1 O que é o PHP? O PHP é uma das linguagens mais utilizadas na Web.

Leia mais

Documentação de um Produto de Software

Documentação de um Produto de Software Documentação de um Produto de Software Versão 3.0 Autora: Profª Ana Paula Gonçalves Serra Revisor: Prof. Fernando Giorno 2005 ÍNDICE DETALHADO PREFÁCIO... 4 1. INTRODUÇÃO AO DOCUMENTO... 6 1.1. TEMA...

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Ponta Grossa 2012 ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Trabalho elaborado pelo

Leia mais

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML.

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML. MODELAGEM ORIENTADA A OBJETOS APLICADA À ANÁLISE E AO PROJETO DE SISTEMA DE VENDAS ALTEMIR FERNANDES DE ARAÚJO Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas ANDRE LUIZ DA CUNHA DIAS Discente da

Leia mais

O quê avaliação? Unidade IV - Avaliação de Interfaces. Quem deve avaliar um produto de software? Técnicas de Avaliação

O quê avaliação? Unidade IV - Avaliação de Interfaces. Quem deve avaliar um produto de software? Técnicas de Avaliação Unidade IV - Avaliação de Interfaces O quê avaliação? O quê avaliação? Técnicas de Avaliação Tipos de Avaliação com Usuários Paradigmas de avaliação com usuários Avaliação rápida e suja Testes de Usabilidade

Leia mais

MDMS-ANAC. Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC. Superintendência de Tecnologia da Informação - STI

MDMS-ANAC. Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC. Superintendência de Tecnologia da Informação - STI MDMS-ANAC Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC Superintendência de Tecnologia da Informação - STI Histórico de Alterações Versão Data Responsável Descrição 1.0 23/08/2010 Rodrigo

Leia mais

Design de IHC Design da Comunicação Modelos de Interação

Design de IHC Design da Comunicação Modelos de Interação 1 Design de IHC Design da Comunicação Modelos de Interação INF1403 Introdução a IHC Luciana Salgado Representações e Aspectos de IHC Representações e Aspectos de IHC Representações e Aspectos de IHC Representações

Leia mais

Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP

Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Departamento de Ciências da Computação e Estatística Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP André

Leia mais

Plano de Gerência de Configuração

Plano de Gerência de Configuração Plano de Gerência de Configuração Objetivo do Documento Introdução A aplicação deste plano garante a integridade de códigos-fonte e demais produtos dos sistemas do, permitindo o acompanhamento destes itens

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Requisitos Cap. 06 e 07 Sommerville 8 ed. REQUISITOS DE SOFTWARE» Requisitos são descrições de serviços fornecidos pelo sistema e suas restrições operacionais. REQUISITOS DE USUÁRIOS: São

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Universidade Federal do Ceará Bacharelado em Computação cadeira de Engenharia de Software Estudo de Viabilidade Equipe: Carlos H. Sindeaux Edilson Júnior Emanuelle Vieira Franklin Chaves José M. Silveira

Leia mais

AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0

AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0 AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0 SUMÁRIO 1 Conceitos Básicos... 3 1.1 O que é Software?... 3 1.2 Situações Críticas no desenvolvimento

Leia mais

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho.

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. - DSI DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. Preocupação: Problema técnicos Mudança na natureza e conteúdo do trabalho

Leia mais

ATO Nº 91/2015/GP/TRT 19ª, DE 1º DE JUNHO DE 2015

ATO Nº 91/2015/GP/TRT 19ª, DE 1º DE JUNHO DE 2015 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA DÉCIMA NONA REGIÃO ATO Nº 91/2015/GP/TRT 19ª, DE 1º DE JUNHO DE 2015 O DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA

Leia mais

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process)

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Diferentes projetos têm diferentes necessidades de processos. Fatores típicos ditam as necessidades de um processo mais formal ou ágil, como o tamanho da equipe

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Introdução à Melhoria de Processos de Software baseado no MPS.BR Prof. Maxwell Anderson www.maxwellanderson.com.br Agenda Introdução MPS.BR MR-MPS Detalhando o MPS.BR nível G Introdução

Leia mais

O Rational Unified Process (RUP) é um processo de desenvolvimento de software inspirado no

O Rational Unified Process (RUP) é um processo de desenvolvimento de software inspirado no 1.1 RATIONAL UNIFIED PROCESS (RUP) O Rational Unified Process (RUP) é um processo de desenvolvimento de software inspirado no processo que atende pelo nome de Processo Unificado (ou UP do inglês Unified

Leia mais

TÉCNICAS DE ESTRUTURAÇÃO PARA DESIGN RESPONSIVO: AMPLIANDO A USABILIDADE NO AMBIENTE WEB

TÉCNICAS DE ESTRUTURAÇÃO PARA DESIGN RESPONSIVO: AMPLIANDO A USABILIDADE NO AMBIENTE WEB TÉCNICAS DE ESTRUTURAÇÃO PARA DESIGN RESPONSIVO: AMPLIANDO A USABILIDADE NO AMBIENTE WEB Tiago Volpato 1, Claudete Werner 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil tiagovolpatobr@gmail.com,

Leia mais

AVALIAÇÃO DE INTERFACES UTILIZANDO O MÉTODO DE AVALIAÇÃO HEURÍSTICA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AUDITORIA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES

AVALIAÇÃO DE INTERFACES UTILIZANDO O MÉTODO DE AVALIAÇÃO HEURÍSTICA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AUDITORIA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES AVALIAÇÃO DE INTERFACES UTILIZANDO O MÉTODO DE AVALIAÇÃO HEURÍSTICA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AUDITORIA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES Rafael Milani do Nascimento, Claudete Werner Universidade Paranaense (Unipar)

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

AULA 1 INTRODUÇÃO - ENGENHARIA DE SOFTWARE. Prof. Msc. Hélio Esperidião

AULA 1 INTRODUÇÃO - ENGENHARIA DE SOFTWARE. Prof. Msc. Hélio Esperidião AULA 1 INTRODUÇÃO - ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Msc. Hélio Esperidião O QUE É UM ALGORITMO? É qualquer procedimento computacional bem definido que informa algum valor ou conjunto de valores como entrada

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA E INFORMÁTICA BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO RAPID APPLICATION DEVELOPMENT

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA E INFORMÁTICA BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO RAPID APPLICATION DEVELOPMENT UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA E INFORMÁTICA BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO RAPID APPLICATION DEVELOPMENT Disciplina: Modelagem a Programação Orientada a Objetos

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO CURSO TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO CURSO TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO CURSO TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO O Curso Técnico em Segurança do Trabalho estabelece em seu Plano Pedagógico de Curso a realização do Estágio Curricular

Leia mais

Pós-Graduação Lato Sensu em Engenharia de Software

Pós-Graduação Lato Sensu em Engenharia de Software FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI FLORIANÓPOLIS DIREÇÃO GERAL DA FACULDADE: JOÃO ROBERTO LORENZETT COORDENAÇÃO DA FACULDADE: PRISCILA FAGUNDES COORDENAÇÃO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: JANICE DETERS

Leia mais

Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Subseqüente ao Ensino Médio, na modalidade a distância, para:

Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Subseqüente ao Ensino Médio, na modalidade a distância, para: INSTITUIÇÃO: IFRS CAMPUS BENTO GONÇALVES CNPJ: 94728821000192 ENDEREÇO: Avenida Osvaldo Aranha, 540. Bairro Juventude. CEP: 95700-000 TELEFONE: (0xx54) 34553200 FAX: (0xx54) 34553246 Curso de Educação

Leia mais

Regulamento Complementar do Trabalho de Conclusão de Curso do Curso de Engenharia de Computação UTFPR, campus Pato Branco

Regulamento Complementar do Trabalho de Conclusão de Curso do Curso de Engenharia de Computação UTFPR, campus Pato Branco Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Pato Branco Engenharia de Computação Regulamento Complementar do Trabalho de Conclusão de Curso do Curso de Engenharia de Computação

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 3 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 3-29/04/2006 1 Monitoria Marina Albuquerque E-mail: monitoriaes2@yahoo.com.br Horário de Atendimento: Terça e quinta de 09:00

Leia mais

Teste de software. Definição

Teste de software. Definição Definição O teste é destinado a mostrar que um programa faz o que é proposto a fazer e para descobrir os defeitos do programa antes do uso. Quando se testa o software, o programa é executado usando dados

Leia mais

Metodologia e Gerenciamento do Projeto na Fábrica de Software v.2

Metodologia e Gerenciamento do Projeto na Fábrica de Software v.2 .:: Universidade Estadual de Maringá Bacharelado em Informática Eng. de Software III :. Sistema de Gerenciamento de Eventos - Equipe 09 EPSI Event Programming System Interface Metodologia e Gerenciamento

Leia mais

Análise e Projeto de Sistemas. Engenharia de Software. Análise e Projeto de Sistemas. Contextualização. Perspectiva Histórica. A Evolução do Software

Análise e Projeto de Sistemas. Engenharia de Software. Análise e Projeto de Sistemas. Contextualização. Perspectiva Histórica. A Evolução do Software Análise e Projeto de Sistemas Análise e Projeto de Sistemas Contextualização ENGENHARIA DE SOFTWARE ANÁLISE E PROJETO DE SISTEMAS ENGENHARIA DA INFORMAÇÃO Perspectiva Histórica Engenharia de Software 1940:

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI DE DESENVOLVIMENTO GERENCIAL - FATESG PROJETO INTEGRADOR 3º PERÍODO GOIÂNIA

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI DE DESENVOLVIMENTO GERENCIAL - FATESG PROJETO INTEGRADOR 3º PERÍODO GOIÂNIA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI DE DESENVOLVIMENTO GERENCIAL - FATESG PROJETO INTEGRADOR 3º PERÍODO GOIÂNIA 2012. INFORMAÇÕES GERAIS FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI DE DESENVOLVIMENTO GERENCIAL Coordenação

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES. Trabalho de Graduação

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES. Trabalho de Graduação DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES Trabalho de Graduação Orientando: Vinicius Stein Dani vsdani@inf.ufsm.br Orientadora: Giliane

Leia mais

PIM. CST em Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Projeto Integrado Multidisciplinar. 4º/3º Períodos 2010/2 UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO

PIM. CST em Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Projeto Integrado Multidisciplinar. 4º/3º Períodos 2010/2 UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO CST em Análise e Desenvolvimento de Sistemas PIM Projeto Integrado Multidisciplinar 4º/3º Períodos 2010/2 PIM - PROJETO INTEGRADO MULTIDISCIPLINAR TEMA Projeto e implementação

Leia mais

SERG 2014 SEMIOTIC ENGINEERING RESEARCH GROUP

SERG 2014 SEMIOTIC ENGINEERING RESEARCH GROUP Interação Humano-Computador Avaliação em IHC: Percurso Cognitivo www.inf.puc-rio.br/~inf1403 4 paradigmas para a avaliação de IHC 1. O rápido e rasteiro (que prima pela informalidade) 2. Os testes de usabilidade

Leia mais

Soluções em TI para Web

Soluções em TI para Web Integração do Moodle com SIGA-EUC Lino Vaz Moniz lino@badiu.net linovazmoniz@gmail.com Outubro de 2010 1 Sumário 1- Objetivo...3 3- Justificativa...3 4 Funcionalidades do Modulo...4 5- Cronograma...6 6-

Leia mais

Palavras-Chaves: engenharia de requisitos, modelagem, UML.

Palavras-Chaves: engenharia de requisitos, modelagem, UML. APLICAÇÃO DA ENGENHARIA DE REQUISITOS PARA COMPREENSÃO DE DOMÍNIO DO PROBLEMA PARA SISTEMA DE CONTROLE COMERCIAL LEONARDO DE PAULA SANCHES Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas RENAN HENRIQUE

Leia mais

Manual do Usuário ZKPatrol1.0

Manual do Usuário ZKPatrol1.0 Manual do Usuário ZKPatrol1.0 SOFTWARE Sumário 1 Introdução de Funções... 3 1.2 Operação Básica... 4 1.3 Seleção de idioma... 4 2 Gerenciamento do Sistema... 5 2.1 Entrar no sistema... 5 2.2 Sair do Sistema...

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

DIRETRIZES DE ORIENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DO TRABALHO DE CURSO

DIRETRIZES DE ORIENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DO TRABALHO DE CURSO Manual de Orientação das Atividades do Trabalho de Conclusão de Curso INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE RIO VERDE - IESRIVER CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DIRETRIZES DE ORIENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DO TRABALHO DE

Leia mais