Nota de Informação Estatística Lisboa, 20 de fevereiro de 2012

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Nota de Informação Estatística Lisboa, 20 de fevereiro de 2012"

Transcrição

1 Nota de Informação Estatística Lisboa, 2 de fevereiro de 212 Novo capítulo do Boletim Estatístico relativo ao endividamento do setor não financeiro O Banco de Portugal inicia hoje a publicação do novo capítulo K do Boletim Estatístico, relativo ao endividamento do setor não financeiro (cfr. Figura 1). Pela primeira vez, é divulgada informação estatística sobre o endividamento combinando diferentes dimensões de análise, nomeadamente: setor devedor e setor financiador, tipo de instrumento financeiro, prazo original, atividade económica e dimensão da empresa, o que constitui uma realização inovadora a nível internacional, possível em virtude das características ímpares do sistema estatístico gerido pelo Banco de Portugal 1. Figura 1 Delimitação do setor não financeiro SETOR NÃO FINANCEIRO Setor público não financeiro Setor privado não financeiro Administrações públicas (AP) Empresas privadas Entidades das AP exceto empresas Empresas públicas incluídas nas AP Empresas públicas não incluídas nas AP Empresas públicas Particulares Inicia-se também a divulgação da nova Secção A.2, que integra uma síntese dos principais indicadores relativos ao endividamento do setor não financeiro (cfr. Quadro 1). Salvo indicação em contrário, as estatísticas publicadas na Secção A.2 e no Capítulo K apresentam a dívida numa ótica não consolidada, isto é, consideram/incluem as dívidas entre entidades do mesmo setor 2. 1 As estatísticas agora publicadas têm por base a informação compilada no âmbito das estatísticas monetárias e financeiras, das estatísticas da balança de pagamentos e da posição de investimento internacional, das estatísticas de títulos, das estatísticas das finanças públicas, das contas financeiras, bem como informação obtida a partir da exploração da Central de Balanços e da Central de Responsabilidades de Crédito. 2 O mesmo é dizer que se uma entidade de um setor conceder um empréstimo a outra entidade do mesmo setor, este empréstimo é considerado na dívida total desse setor. 1

2 Nota de Informação Estatística Lisboa, 2 de fevereiro de 212 No final de 211, o valor da dívida não consolidada do setor não financeiro ascendia a cerca de 715 mil milhões de euros, correspondendo a 418% do PIB (42% em 21). Naquela data, a dívida não consolidada do setor público não financeiro totalizava 236 mil milhões de euros (138% do PIB). A dívida pública consolidada na ótica de Maastricht 3 e líquida de depósitos da administração central correspondia a 99% do PIB. Quadro 1 Endividamento do setor não financeiro Set-1 Dez-1 Set-11 Dez-11 Dez-1 Dez-11 Set-1 Dez-1 Set-11 Dez-11 (1 6 euros) (t. v. h. - em %) (em percentagem do PIB (1) ) Dívida total 1 Administrações públicas ,1 14,5 12,7 17,6 125,2 124,4 Por memória: 2 Dívida na ótica de Maastricht (1) ,2 13,7 9,9 93,4 11,4 17,2 3 Dívida na ótica de Maastricht líquida de depósitos da administração central , 7,3 86,7 91,3 98,3 98,8 4 Empresas públicas ,3 6,6 22,7 25,1 26,5 27, 5 Empresas públicas incluídas nas administrações públicas (1) ,5 11,9 9,5 11,8 12,9 13,4 6 Empresas públicas não incluídas nas administrações públicas ,8 1,9 13,2 13,3 13,5 13,6 7 Setor público não financeiro (1 + 6) ,2 13,1 115,9 12,9 138,7 138, 8 Empresas privadas ,2 -,5 175,2 176,9 178, 177,7 9 PMEs (1) ,7-1,6 17,9 19,3 19,1 18,6 1 Microempresas (321 mil) ,2-1,1 47,2 47,8 47,9 47,7 11 Pequenas empresas (39 mil) ,7-2,6 29,9 3, 29,7 29,5 12 Médias empresas (6 mil) ,9-1,4 3,9 31,5 31,5 31,4 13 Grandes empresas (1) (1 milhar) ,2 -,2 41,6 41,9 41,8 42,3 14 SGPS não financeiras (3 mil) ,6 3,8 25,7 25,6 27,1 26,9 15 Particulares (1) ,4-2,4 13,9 14,2 12,8 12,6 16 do qual: habitação ,4-1,6 72,3 72,4 72, 71,9 17 Setor privado não financeiro (8 + 15) ,9-1,2 279,2 281,1 28,8 28,3 18 Total - endividamento do setor não financeiro (7 + 17) ,8 3,1 395,1 41,9 419,5 418,4 No final de 211, a dívida não consolidada do setor privado não financeiro situava-se em 479 mil milhões de euros, perfazendo 28% do PIB (281% em 21). As empresas registavam um nível de endividamento de 178% do PIB (177% em 21) e os particulares um nível de endividamento de 13% do PIB (14% em 21). O endividamento dos particulares ascendia, em 211, a cerca de 121% do rendimento disponível (cfr. quadro K.1.1 do capítulo K do Boletim Estatístico). em percentagem do PIB Gráfico 1 - Endividamento do setor não financeiro: público e privado em percentagem do PIB Gráfico 2 - Endividamento do setor não financeiro: público e privado, por subsetor Público Privado Público Privado Público Privado Público Privado Público Privado Setor público não financeiro Setor privado não financeiro Adm. Públ excl. empresas públ. Empresas públ. incl. AP Empresas públ. não Incl. AP Empresas privadas Particulares 3 Os valores agora divulgados para a dívida pública têm um caráter preliminar, sendo o respetivo apuramento, em cumprimento da legislação comunitária no âmbito da Notificação do Procedimento dos Défices Excessivos, da responsabilidade das autoridades estatísticas portuguesas. Ver conceitos de dívida pública no anexo a esta nota. 2

3 Nota de Informação Estatística Lisboa, 2 de fevereiro de 212 Dívida pública 4 Para o setor das administrações públicas, importa destacar o conceito de dívida na ótica de Maastricht, o qual corresponde à dívida consolidada das administrações públicas, excluindo os créditos comerciais 5. Adicionalmente, e no âmbito do Programa de Assistência Financeira a Portugal (PAF), foi estabelecido para cada ano um limite 6 para o valor da dívida pública; o conceito utilizado tem por base a dívida na ótica de Maastricht, mas exclui um conjunto de situações especificadas no memorando de entendimento 7. No Quadro 2 apresenta-se uma síntese dos principais conceitos e respetivos valores para o final de 211. Quadro 2 Conceitos de dívida pública e comparação com o critério de desempenho do Programa de Assistência Financeira a Portugal (PAF) dezembro euros (em % do PIB) taxa de variação homóloga em % (1) Dívida não consolidada das administrações públicas 212,7 124,4 14,5 (2) Dívidas entre entidades das administrações públicas 25,3 14,8 22,9 (3)=(2-1) Dívida consolidada das administrações públicas 187,3 19,6 13,4 (4) Créditos comerciais obtidos pelas administrações públicas 4. 2,3 3,3 (5)=(3-4) Dívida na ótica de Maastricht 183,3 17,2 13,7 (6) Dívida na ótica de Maastricht líquida de depósitos da administração central ,8 7,3 (7) Exclusões para efeitos do critério de desempenho do PAF 15,5 9,1.. (8)=(5-7) Dívida das administrações públicas para efeitos do critério de desempenho do PAF 167,8 98,2.. (9) Limite máximo do critério de desempenho do PAF 175,9 12,9.. (1)=(8-9) Diferença face ao limite máximo do critério -8,1-4,7.. Dívida das empresas públicas O Banco de Portugal divulga, pela primeira vez, o valor da dívida do conjunto das empresas públicas não financeiras, estejam ou não incluídas no setor institucional das AP 8 (cfr. quadro K.2.2 do capítulo K do Boletim Estatístico). O endividamento total deste conjunto de entidades, no final de 211, correspondia a 27% do PIB (25% em 21), ou seja, cerca de 2% da dívida do setor público não financeiro. No caso das empresas públicas incluídas 4 A questão da consolidação é particularmente relevante no caso da dívida das administrações públicas, setor para o qual existem diversos conceitos, genericamente designados por dívida pública, definidos no anexo a esta nota. 5 Este conceito difere ainda do da dívida direta do Estado, compilada pelo Instituto de Gestão da Tesouraria e do Crédito Público (IGCP) numa base mensal e divulgada também pelo Banco de Portugal. As diferenças devem-se, principalmente, a: i. diferenças de delimitação do setor - a dívida direta do Estado inclui apenas a dívida emitida pelo Estado, enquanto na dívida de Maastricht se incluem todas as entidades classificadas, para fins estatísticos, no setor institucional das administrações públicas; ii. efeitos de consolidação - a dívida direta do Estado reflete apenas os passivos deste subsetor, enquanto a dívida de Maastricht é consolidada, isto é, excluem-se os ativos das administrações públicas em passivos emitidos pelas próprias administrações públicas; iii. capitalização dos certificados de aforro - a dívida direta do Estado inclui a capitalização acumulada dos certificados de aforro, que é excluída da definição de Maastricht. 6 Definido a partir do memorando de entendimento técnico: limite máximo para a dívida das administrações públicas (critério de desempenho). 7 Exclui: (i) dívida contraída para efeitos da recapitalização dos bancos; (ii) depósitos do IGCP; e (iii) (a partir de final de setembro 211) prépagamento de margem dos empréstimos do Fundo Europeu de Estabilização Financeira (FEEF). Para 211 o valor do limite será ajustado por revisões ao valor de 21. Adicionalmente, para efeitos do programa, todos os ativos em moeda estrangeira, responsabilidades e fluxos, serão avaliados às "taxas de câmbio do Programa", tal como definidas abaixo, com exceção dos pontos que afetem os saldos orçamentais públicos, que serão avaliados à taxa de câmbio à vista (isto é, à taxa aplicável para entrega imediata) em vigor na data da transação. As taxas câmbio do Programa são as aplicáveis a 5 de maio de 211. Em particular, as taxas de câmbio para efeitos do Programa são 1 euro = 1,483 dólar dos EUA, 1 euro = 116,839 japonês, 1,9512 euro = 1 SDR. (ver pontos 2, 12 e 13, parte C do memorando de entendimento técnico). 8 O Banco de Portugal disponibiliza no seu sítio na internet a lista de entidades para fins estatísticos que integram estes diferentes setores: 3

4 Nota de Informação Estatística Lisboa, 2 de fevereiro de 212 nas AP, verificou-se, em 211, um acréscimo do endividamento junto das AP e uma redução do endividamento junto do setor financeiro residente (cfr. Quadro K.1.3 do capítulo K do Boletim Estatístico). Dívida das empresas privadas por setor de atividade económica e classe de dimensão da empresa No que respeita à distribuição da dívida das empresas privadas por setor de atividade económica (Gráfico 3), destaca-se o peso dos setores da construção e das atividades imobiliárias, apesar do decréscimo ocorrido em 211. Por dimensão de empresa, observa-se uma distribuição relativamente homogénea entre classes de dimensão, apesar da distribuição em termos do número de empresas (cfr. quadro K.1.1 do capítulo K do Boletim Estatístico). As microempresas apresentavam o maior peso da dívida, correspondendo a 47.7% do PIB no final de 211 (Gráfico 4). Gráfico 3 Endividamento das empresas privadas, por CAE: Dez 211 Indústrias (B+C) Gráfico 4 Endividamento das empresas privadas, por dimensão (% PIB) 2 ( ) Outras 11% B+C 14% Eletricidade, gás e água (D+E) 16 K 15% J I H G 17% D+E 8% F+L 25% Construção (F) + Ativ. Imob. (L) Comércio (G) Transportes (H) Alojamento e restauração (I) Informação e de comunicação (J) SGPS (K, 6422) Outras atividades Micro empresas Pequenas empresas Médias empresas Grandes empresas SGPS Em termos do endividamento por tipo de financiador (quadro K.1.3 do capítulo K do Boletim Estatístico), os gráficos 5 e 6 evidenciam o maior recurso ao exterior pelas administrações públicas, apesar do aumento significativo do endividamento junto do setor financeiro registado entre 27 e 211. No caso das empresas privadas, é também relevante o financiamento entre entidades do mesmo setor, enquanto nos particulares domina o endividamento junto do setor financeiro. Note-se que os particulares são considerados como financiadores por via dos empréstimos (suprimentos) concedidos às empresas de que são sócios, das aplicações em certificados de aforro e certificados do Tesouro e de créditos comerciais concedidos enquanto empresários em nome individual. em percentagem do PIB Gráfico 5 Desagregação por setor financiador: Dez 27 Gráfico 4 Desagregação por setor financiador: Dez 211 g g ç p G á co 6 esag egação po seto a c ado e 3 25 em percentagem do PIB Administrações públicas Setor financeiro Empresas Particulares Exterior Administrações públicas Setor financeiro Empresas Particulares Exterior 4

5 Nota de Informação Estatística Lisboa, 2 de fevereiro de 212 A secção K.2 do capítulo K do Boletim Estatístico apresenta a dívida de cada um dos setores devedores, por tipo de instrumento financeiro e prazo original (cfr. Gráficos 7 a 1). A secção K.3 apresenta os valores relativos ao endividamento junto do setor financeiro residente para cada um dos setores devedores Gráfico 7 - Dívida das administrações públicas, por instrumento financeiro (% PIB) Empréstimos Títulos de dívida Créditos comerciais Outras responsabilidades do Tesouro Certificados de aforro e do Tesouro Gráfico 8 - Dívida das empresas públicas, por instrumento financeiro (% PIB) Empréstimos Títulos de dívida Créditos comerciais Gráfico 9 - Dívida das empresas privadas, por instrumento financeiro (% PIB) Gráfico 1 - Dívida dos particulares, por finalidade (% PIB) Empréstimos Títulos de dívida Créditos comerciais Habitação Consumo e outros fins ANEXOS: A - Conceitos Metodológicos B Nova secção A.2 e novo capítulo K publicados no Boletim Estatístico 5

6 Nota de Informação Estatística Lisboa, 2 de fevereiro de 212 Anexo A Conceitos Metodológicos Conceito de dívida O conceito de dívida apresentado inclui empréstimos, títulos de dívida e créditos comerciais. No caso das administrações públicas, inclui ainda os certificados de aforro, certificados do Tesouro e outras responsabilidades do Tesouro. Os valores apresentados são baseados em posições em fim de período avaliadas pelo valor nominal, excluindo juros corridos. Salvo indicação em contrário, é apresentada para cada setor a dívida numa ótica não consolidada, isto é, não são anuladas posições de dívida entre entidades do mesmo setor (por exemplo, se uma empresa conceder créditos comerciais a outra empresa, estes são incluídos na dívida total das empresas). Dívida pública A questão da consolidação é particularmente relevante no caso da dívida das administrações públicas, setor para o qual existem diversos conceitos, genericamente designados por dívida pública. Estes conceitos estão definidos no quadro 2. Quadro 2 Conceitos de dívida pública Dívida não consolidada das administrações públicas Dívida consolidada das administrações públicas Dívida na ótica de Maastricht Dívida das empresas públicas Dívida do setor público não financeiro Corresponde à soma da dívida não consolidada da administração central, da administração regional e local e dos fundos da Segurança Social. Inclui: empréstimos, títulos de dívida, certificados de aforro, certificados do Tesouro e outras responsabilidades do Tesouro, créditos comerciais. Inclui a dívida não consolidada das empresas públicas compreendidas nas administrações públicas e que estão consideradas na administração central ou na administração regional e local, consoante o seu detentor. Corresponde à dívida não consolidada das administrações públicas deduzida da componente de dívida entre entidades do próprio setor. Por exemplo, excluem-se as obrigações do Tesouro emitidas pela administração central que estão na carteira dos fundos da Segurança Social; os empréstimos do Tesouro às empresas públicas incluídas nas administrações públicas. Inclui: empréstimos, títulos de dívida, certificados de aforro, certificados do Tesouro e outras responsabilidades do Tesouro, créditos comerciais. Inclui a dívida consolidada das empresas públicas classificadas nas administrações públicas. Corresponde à dívida consolidada das administrações públicas deduzida dos créditos comerciais. Corresponde à soma da dívida não consolidada das empresas públicas incluídas nas administrações públicas e das empresas públicas não financeiras não incluídas nas administrações públicas. Inclui: empréstimos, títulos de dívida, créditos comerciais. Corresponde à dívida não consolidada das administrações públicas acrescida da dívida não consolidada das empresas públicas não incluídas nas administrações públicas. Inclui: empréstimos, títulos de dívida, certificados de aforro, certificados do Tesouro e outras responsabilidades do Tesouro, créditos comerciais. 6

7 Nota de Informação Estatística Lisboa, 2 de fevereiro de 212 Anexo B Nova secção A.2 e novo capítulo K publicados no Boletim Estatístico Endividamento do setor não financeiro 7

8 em percentagem do PIB em percentagem do PIB em percentagem do PIB A.2 ENDIVIDAMENTO (1) DO SETOR NÃO FINANCEIRO Fonte: Banco de Portugal e Instituto Nacional de Estatística Set-1 Dez-1 Set-11 Dez-11 Dez-1 Dez-11 Set-1 Dez-1 Set-11 Dez-11 (1 6 euros) (t. v. h. - em %) (em percentagem do PIB (1) ) Dívida total 1 Administrações públicas Por memória: 2 Dívida na ótica de Maastricht (1) Dívida na ótica de Maastricht líquida de depósitos da administração central Empresas públicas Empresas públicas incluídas nas administrações públicas (1) Empresas públicas não incluídas nas administrações públicas Setor público não financeiro (1 + 6) Empresas privadas PMEs (1) Microempresas (321 mil) Pequenas empresas (39 mil) Médias empresas (6 mil) Grandes empresas (1) (1 milhar) SGPS não financeiras (3 mil) Particulares (1) do qual: habitação Setor privado não financeiro (8 + 15) Total - endividamento do setor não financeiro (7 + 17) Endividamento do setor não financeiro: público e privado Endividamento do setor não financeiro: público e privado, por subsetor Público Privado Público Privado Público Privado Público Privado Público Privado Setor público não financeiro Setor privado não financeiro Adm. Públ excl. empresas públ. Empresas públ. incl. AP Empresas públ. não Incl. AP Empresas privadas Particulares Endividamento das empresas privadas, por CAE: Dez-211 Desagregação por setor financiador : Dez-11 3 Indústrias (B+C) 25 Outras 11% B+C 14% Eletricidade, gás e água (D+E) 2 K 15% D+E 8% Construção (F) + Ativ. Imob. (L) Comércio (G) 15 1 J Transportes (H) 5 I H F+L 25% Alojamento e restauração (I) Informação e de comunicação (J) G 17% SGPS (K, 6422) Outras atividades Administrações públicas Setor financeiro Empresas Particulares Exterior (1) Para mais informação ver notas ao quadro K.1.1 do capítulo K do Boletim Estatístico. Fevereiro A

9 ENDIVIDAMENTO DO SETOR NÃO FINANCEIRO K NON-FINANCIAL SECTOR INDEBTEDNESS Dívida total, principais indicadores K.1 Total debt, main indicators Dívida total, por setor devedor K.2 Total debt, by category of borrower Dívida junto do setor financeiro residente K.3 Debt vis-à-vis the resident financial sector

10 K.1.1 RÁCIOS DE ENDIVIDAMENTO (1) INDEBTEDNESS RATIOS (1) Em percentagem do PIB (2) As a percentage of GDP (2) Valores não consolidados Non-consolidated values Fonte/Source: Banco de Portugal; Instituto Nacional de Estatística Dez 7 Dez 8 Dez 9 Dez 1 Set 11 Dez 11 Em percentagem / In percentages Dec 7 Dec 8 Dec 9 Dec 1 Sep 11 Dec 11 1 Administrações públicas... 2 Administração central... 3 Administração regional e local... 4 Fundos da segurança social... Por memória: 5 Dívida na ótica de Maastricht (3)... 5a Dívida na ótica de Maastricht líquida de depósitos da administração central General government... Central government... Local government... Social security funds... Memo items: Maastricht debt (3)... Maastricht debt net of deposits of the central government... 6 Empresas públicas... 7 Empresas públicas incluídas nas administrações públicas (4)... 8 Empresas públicas não incluídas nas administrações públicas Public corporations... Public corporations included in the general government (4)... Public corporations not included in the general government... 9=[1]+[8] Setor público não financeiro Non-financial public sector... 1 Empresas privadas... Por setor de atividade económica (5) : 11 Indústrias transformadoras e extrativas (B+C) Eletricidade, gás e água (D+E) Construção (F) Comércio por grosso e a retalho; reparação de veículos automóveis e motociclos (G) Transportes e armazenagem (H) Alojamento e restauração (I) Atividades de informação e de comunicação (J) Sociedades gestoras de participações sociais não financeiras (K, 6422) Atividades imobiliárias (L)... 2 Atividades de consultoria, técnicas e administrativas (M+N) Educação, saúde e outras atividades de serviços sociais e pessoais (P+Q+R+S) Outras atividades (A+O) Private corporations... By economic activity (5) : Manufacturing, mining and quarrying (B+C)... Electricity, gas and water (D+E)... Construction (F)... Wholesale and retail trade; repair of motor vehicles and motorcycles (G)... Transportation and storage (H)... Accommodation and food service activities (I)... Information and communication (J)... Non-financial holdings (K, 6422)... Real estate activities (L)... Professional, scientific, technical and administrative activities (M+N)... Education, human health, social work and other personal activities (P+Q+R+S)... Other activities (A+O)... Por dimensão (6) 23 Microempresas (321 mil) Pequenas empresas (39 mil) Médias empresas (6 mil) Grandes empresas (1 milhar) By size (6) Micro corporations (321 thousand)... Small corporations (39 thousand)... Medium corporations (6 thousand)... Large corporations (1 thousand) Particulares (7) Empréstimos para habitação Empréstimos para consumo e outros fins... 3 do qual: Financiamento à atividade empresarial em nome individual concedido pelo setor financeiro residente Por memória: Endividamento em percentagem do rendimento disponível (8) Private individuals (7)... Housing loans... Loans for consumption and other purposes... of which: sole trade financing granted by the resident financial sector... Memo item: Indebtedness in percentage... of gross disposable income (8)... 32=[1]+[27] Setor privado não financeiro Non-financial private sector... 33=[9]+[32] Total - endividamento do setor não financeiro... Financiado por: 34 Administrações públicas Setor financeiro (9) Empresas Particulares (7) Exterior Total - non-financial sector indebtedness... Financed by: General government... Financial sector (9)... Corporations... Private individuals (7)... External... (1) A dívida inclui: empréstimos, títulos de dívida (valor nominal) e créditos comerciais. No caso da administração central incluem-se ainda os certificados de aforro, certificados do Tesouro e outras responsabilidades do Tesouro. / Debt includes: loans, debt securities (nominal value) and trade credits. In the case of central government it also includes saving certificates, Treasury certificates and other Treasury liabilities. (2) O valor do PIB corresponde ao acumulado dos últimos quatro trimestres, divulgado pelo Instituto Nacional de Estatística. Para o trimestre mais recente, e caso este valor não esteja ainda disponível, é utilizada uma estimativa calculada pelo Banco de Portugal com base na informação divulgada pelo Instituto Nacional de Estatística, nomeadamente a variação em volume do último trimestre. / GDP figures refer to the last four quarters cumulated flows, published by Instituto Nacional de Estatística. For the latest quarter, and when such figure is not available, it is used an estimate calculated by Banco de Portugal on the basis of information disseminated by Instituto Nacional de Estatística, namely the volume change for the last quarter. (3) Os valores agora divulgados para a dívida pública têm um caráter preliminar, sendo o respetivo apuramento em cumprimento da legislação comunitária no âmbito da notificação de abril 212 do Procedimento dos Défices Excessivos da responsabilidade das autoridades estatísticas portuguesas. Este conceito difere do conceito dívida direta do Estado, compilada pelo Instituto de Gestão da Tesouraria e do Crédito Público (IGCP) numa base mensal e divulgada também pelo Banco de Portugal, devido, principalmente, a: i. diferenças de delimitação do setor - a dívida direta do Estado inclui apenas a dívida emitida pelo Estado, enquanto na dívida de Maastricht se incluem todas as entidades classificadas, para fins estatísticos, no setor institucional das administrações públicas; ii. efeitos de consolidação - a dívida direta do Estado reflete apenas os passivos deste subsetor, enquanto a dívida de Maastricht é consolidada, isto é, excluem-se os ativos das administrações públicas em passivos emitidos pelas próprias administrações públicas; iii. capitalização dos certificados de aforro - a dívida direta do Estado inclui a capitalização acumulada dos certificados de aforro, que é excluída da definição de Maastricht. / The data published now for public debt are still preliminary, since the April 212 notification of Excessive Deficit Procedure by the Portuguese statistical authorities in the framework of the european community legislation is still running. This concept differs from the concept of direct State debt, which is compiled monthly by the Portuguese Treasury and Debt Management Agency (IGCP) and also published by Banco de Portugal. The main differences are: i. sector delimitation direct State debt includes only debt issued by the State, while the Maastricht debt includes the debt of all entities classified, for statistical purposes, in general government; ii. consolidation direct State debt shows only the liabilities of the State, while the Maastricht debt is consolidated, i.e. assets of general government which are liabilities of general government are excluded; iii. accrued interest of saving certificates direct State debt includes the accrued interest of saving certificates, which are excluded from Maastricht debt. (4) Incluídas na linha 1. / Included in row 1. (5) Secção da CAE - Rev.3 entre parêntesis. / Section of NACE Rev.2 in brackets. (6) Exclui as sociedades gestoras de participações sociais não financeiras identificadas na linha 18. Entre parêntesis: número de empresas relativo a 211 em cada classe de dimensão segundo a base de dados de referência utilizada na compilação destas estatísticas. Classificação baseada na Recomendação da Comissão de 6 de maio de 23. Microempresas: número de empregados inferior a 1 e volume de negócios e/ou balanço total anual não excede 2 milhões de euros. Pequenas empresas: número de empregados inferior a 5 e volume de negócios e/ou balanço total anual não excede 1 milhões de euros. Médias empresas: número de empregados inferior a 25 e volume de negócios não excede 5 milhões de euros ou balanço total anual não excede 43 milhões de euros. Grandes empresas: casos restantes. / Excludes non-financial holdings identified in row 18. In brackets: number of corporations relative to 211 included in each class of dimension based in the reference database used for the compilation of these statistics. Classification based on the Commission Recommendation of 6 May 23. Microenterprises: number of employees below 1 and turnover and/ or annual balance-sheet total not above 2 million euros. Small enterprises: number of employees below 5 and turnover and/or annual balance-sheet total does not exceed 1 million euros. Medium-sized enterprises: number of employees below 25 and annual turnover not exceeding 5 million euros and/or annual balance-sheet total not exceeding 43 million euros. Large enterprises: remaining cases. (7) Inclui, para além das famílias, empresários em nome individual e instituições sem fins lucrativos ao serviço das famílias. / Includes, in addition to households, sole traders and non-profit institutions serving households. (8) O valor do rendimento disponível corresponde ao acumulado dos últimos quatro trimestres, divulgado pelo Instituto Nacional de Estatística. Para o período mais recente, e caso este valor não esteja ainda disponível, é utilizado o valor do trimestre anterior. / Gross disposable income figures refer to the last four quarters cumulated flows, published by Instituto Nacional de Estatística. For the latest period, and when such figure is not available, it is used the previous quarter. (9) Setor financeiro residente. / Resident financial sector. Fevereiro K.1

11 K.1.2 DÍVIDA (1) POR SETOR, ATIVIDADE E DIMENSÃO DEBT (1) BY SECTOR, ACTIVITY AND DIMENSION Valores não consolidados Non-consolidated values Fonte/Source: Banco de Portugal; Instituto Nacional de Estatística 1 6 euros 1 Administrações públicas... 2 Administração central... 3 Administração regional e local... 4 Fundos da segurança social... Por memória: 5 Dívida na ótica de Maastricht (2)... 5a Dívida na ótica de Maastricht líquida de depósitos da administração central General government... Central government... Local government... Social security funds... Memo items: Maastricht debt (2)... Maastricht debt net of deposits of the central government... 6 Empresas públicas... 7 Empresas públicas incluídas nas administrações públicas (3)... 8 Empresas públicas não incluídas nas administrações públicas Public corporations... Public corporations included in the general government (3)... Public corporations not included in the general government... 9=[1]+[8] Setor público não financeiro Non-financial public sector... 1 Empresas privadas... Por setor de atividade económica (4) : 11 Indústrias transformadoras e extrativas (B+C) Eletricidade, gás e água (D+E) Construção (F) Comércio por grosso e a retalho; reparação de veículos automóveis e motociclos (G) Transportes e armazenagem (H) Alojamento e restauração (I) Atividades de informação e de comunicação (J) Sociedades gestoras de participações sociais não financeiras (K, 6422) Atividades imobiliárias (L)... 2 Atividades de consultoria, técnicas e administrativas (M+N) Educação, saúde e outras atividades de serviços sociais e pessoais (P+Q+R+S) Outras atividades (A+O) Private corporations... By economic activity (4) : Manufacturing, mining and quarrying (B+C)... Electricity, gas and water (D+E)... Construction (F)... Wholesale and retail trade; repair of motor vehicles and motorcycles (G)... Transportation and storage (H)... Accommodation and food service activities (I)... Information and communication (J)... Non-financial holdings (K, 6422)... Real estate activities (L)... Professional, scientific, technical and administrative activities (M+N)... Education, human health, social work and other personal activities (P+Q+R+S)... Other activities (A+O)... Por dimensão (5) 23 Microempresas (321 mil) Pequenas empresas (39 mil) Médias empresas (6 mil) Grandes empresas (1 milhar) By size (5) Micro corporations (321 thousand)... Small corporations (39 thousand)... Medium corporations (6 thousand)... Large corporations (1 thousand) Particulares (6) Empréstimos para habitação Empréstimos para consumo e outros fins... 3 do qual: Financiamento à atividade empresarial em nome individual concedido pelo setor financeiro residente Private individuals (6)... Housing loans... Loans for consumption and other purposes... of which: sole trade financing granted by the resident financial sector... 31=[1]+[27] Setor privado não financeiro Non-financial private sector... 32=[9]+[31] Total - endividamento do setor não financeiro Total - non-financial sector indebtedness... Financiado por: 33 Administrações públicas Setor financeiro (7) Empresas Particulares (6) Exterior Financed by: General government... Financial sector (7)... Corporations... Private individuals (6)... External... (1) A dívida inclui: empréstimos, títulos de dívida (valor nominal) e créditos comerciais. No caso da administração central incluem-se ainda os certificados de aforro, certificados do Tesouro e outras responsabilidades do Tesouro. / Debt includes: loans, debt securities (nominal value) and trade credits. In the case of central government it also includes saving certificates, Treasury certificates and other Treasury liabilities. (2) Os valores agora divulgados para a dívida pública têm um caráter preliminar, sendo o respetivo apuramento em cumprimento da legislação comunitária no âmbito da notificação de abril 212 do Procedimento dos Défices Excessivos da responsabilidade das autoridades estatísticas portuguesas. Este conceito difere do conceito dívida direta do Estado, compilada pelo Instituto de Gestão da Tesouraria e do Crédito Público (IGCP) numa base mensal e divulgada também pelo Banco de Portugal, devido, principalmente, a: i. diferenças de delimitação do setor - a dívida direta do Estado inclui apenas a dívida emitida pelo Estado, enquanto na dívida de Maastricht se incluem todas as entidades classificadas, para fins estatísticos, no setor institucional das administrações públicas; ii. efeitos de consolidação - a dívida direta do Estado reflete apenas os passivos deste subsetor, enquanto a dívida de Maastricht é consolidada, isto é, excluem-se os ativos das administrações públicas em passivos emitidos pelas próprias administrações públicas; iii. capitalização dos certificados de aforro - a dívida direta do Estado inclui a capitalização acumulada dos certificados de aforro, que é excluída da definição de Maastricht. / The data published now for public debt are still preliminary, since the April 212 notification of Excessive Deficit Procedure by the Portuguese statistical authorities in the framework of the european community legislation is still running. This concept differs from the concept of direct State debt, which is compiled monthly by the Portuguese Treasury and Debt Management Agency (IGCP) and also published by Banco de Portugal. The main differences are: i. sector delimitation direct State debt includes only debt issued by the State, while the Maastricht debt includes the debt of all entities classified, for statistical purposes, in general government; ii. consolidation direct State debt shows only the liabilities of the State, while the Maastricht debt is consolidated, i.e. assets of general government which are liabilities of general government are excluded; iii. accrued interest of saving certificates direct State debt includes the accrued interest of saving certificates, which are excluded from Maastricht debt.. (3) Incluídas na linha 1. / Included in row 1. (4) Secção da CAE - Rev.3 entre parêntesis. / Section of NACE Rev.2 in brackets. (5) Exclui as sociedades gestoras de participações sociais não financeiras identificadas na linha 18. Entre parêntesis: número de empresas relativo a 211 em cada classe de dimensão segundo a base de dados de referência utilizada na compilação destas estatísticas. Classificação baseada na Recomendação da Comissão de 6 de maio de 23. Microempresas: número de empregados inferior a 1 e volume de negócios e/ou balanço total anual não excede 2 milhões de euros. Pequenas empresas: número de empregados inferior a 5 e volume de negócios e/ou balanço total anual não excede 1 milhões de euros. Médias empresas: número de empregados inferior a 25 e volume de negócios não excede 5 milhões de euros ou balanço total anual não excede 43 milhões de euros. Grandes empresas: casos restantes. / Excludes non-financial holdings identified in row 18. In brackets: number of corporations relative to 211 included in each class of dimension based in the reference database used for the compilation of these statistics. Classification based on the Commission Recommendation of 6 May 23. Microenterprises: number of employees below 1 and turnover and/or annual balance-sheet total not above 2 million euros. Small enterprises: number of employees below 5 and turnover and/or annual balance-sheet total does not exceed 1 million euros. Medium-sized enterprises: number of employees below 25 and annual turnover not exceeding 5 million euros and/or annual balance-sheet total not exceeding 43 million euros. Large enterprises: remaining cases. (6) Inclui, para além das famílias, empresários em nome individual e instituições sem fins lucrativos ao serviço das famílias. / Includes, in addition to households, sole traders and non-profit institutions serving households. (7) Setor financeiro residente. / Resident financial sector. K Banco de Portugal Boletim Estatístico

12 K.1.3 DÍVIDA (1), POR SETOR DEVEDOR E FINANCIADOR DEBT (1), BY DEBTOR AND CREDITOR SECTORS Valores não consolidados Non-consolidated values Fonte/Source: Banco de Portugal 1 6 euros 1 Administrações públicas... Financiado por: 2 Administrações públicas... 3 Setor financeiro (2)... 4 Empresas... 5 Particulares (2)... 6 Exterior General government... Financed by: General government... Financial sector (2)... Corporations... Private individuals (2)... External... 7=[13]+[19] Empresas públicas... Financiado por: 8 Administrações públicas... 9 Setor financeiro (2)... 1 Empresas Particulares (3) Exterior Public corporations... Financed by: General government... Financial sector (2)... Corporations... Private individuals (3)... External Empresas públicas incluídas nas administrações públicas (4)... Financiado por: 14 Administrações públicas Setor financeiro (2) Empresas Particulares (3) Exterior Public corporations included in the general government (2)... Financed by: General government... Financial sector (2)... Corporations... Private individuals (3)... External Empresas públicas não incluídas nas administrações públicas... Financiado por: 2 Administrações públicas Setor financeiro (2) Empresas Particulares (3) Exterior Public corporations not included in the general government... Financed by: General government... Financial sector (2)... Corporations... Private individuals (3)... External Empresas privadas... Financiado por: 26 Administrações públicas Setor financeiro (2) Empresas Particulares (3)... 3 Exterior Private corporations... Financed by: General government... Financial sector (2)... Corporations... Private individuals (3)... External Particulares (3)... Financiado por: 32 Administrações públicas Setor financeiro (2) Empresas Particulares (3) Exterior Private individuals (1)... Financed by: General government... Financial sector (2)... Corporations... Private individuals (3)... External... (1) A dívida inclui: empréstimos, títulos de dívida (valor nominal) e créditos comerciais. No caso da administração central incluem-se ainda os certificados de aforro, certificados do Tesouro e outras responsabilidades do Tesouro. / Debt includes: loans, debt securities (nominal value) and trade credits. In the case of central government it also includes saving certificates, Treasury certificates and other Treasury liabilities. (2) Setor financeiro residente. / Resident financial sector. (3) Inclui, para além das famílias, empresários em nome individual e instituições sem fins lucrativos ao serviço das famílias. / Includes, in addition to households, sole traders and non-profit institutions serving households. (4) Incluídas na linha 1. / Included in row 1. Fevereiro K.1

13 K.2.1 DÍVIDA DAS ADMINISTRAÇÕES PÚBLICAS GENERAL GOVERNMENT DEBT Valores não consolidados Non-consolidated values Fonte/Source: Banco de Portugal 1 6 euros 1 Total - dívida das administrações públicas... 2 Empréstimos... 3 Internos... 4 Até 1 ano... 5 A mais de 1 ano... 6 Externos... 7 Até 1 ano... 8 A mais de 1 ano... 9 Títulos de dívida... 1 Detidos por residentes Até 1 ano A mais de 1 ano Detidos por não residentes Até 1 ano A mais de 1 ano Certificados de aforro e do Tesouro Outras responsabilidades do Tesouro Créditos comerciais Total - general government debt... Domestic... External... Held by residents... Held by non-residents... Saving and Treasury certificates... Other Treasury liabilities... Trade credits Administração central... 2 Empréstimos Internos Até 1 ano A mais de 1 ano Externos Até 1 ano A mais de 1 ano Títulos de dívida Detidos por residentes Até 1 ano... 3 A mais de 1 ano Detidos por não residentes Até 1 ano A mais de 1 ano Certificados de aforro e do Tesouro Outras responsabilidades do Tesouro Créditos comerciais Central government Domestic... External... Held by residents... Held by non-residents... Saving and Treasury certificates... Other Treasury liabilities... Trade credits Administração regional e local Empréstimos Internos... 4 Até 1 ano A mais de 1 ano Externos Até 1 ano A mais de 1 ano Títulos de dívida Detidos por residentes Até 1 ano A mais de 1 ano Detidos por não residentes... 5 Até 1 ano A mais de 1 ano Créditos comerciais Local government... Domestic... External... Held by residents... Held by non-residents... Trade credits Fundos da segurança social Social security funds... Informação complementar: 54 Dívida consolidada das administrações públicas Dívida consolidada da administração central Dívida consolidada da administração regional e local Consolidação entre subsetores = [54]-[18] Dívida na ótica de Maastricht (1) Dívida na ótica de Maastricht líquida de depósitos da administração central Suplementary information: General government consolidated debt... Central government consolidated debt... Local government consolidated debt... Consolidation between subsectors... Maastricht debt (1)... Maastricht debt net of deposits of the central government... (1) Os valores agora divulgados para a dívida pública têm um caráter preliminar, sendo o respetivo apuramento em cumprimento da legislação comunitária no âmbito da notificação de abril 212 do Procedimento dos Défices Excessivos da responsabilidade das autoridades estatísticas portuguesas. Este conceito difere do conceito dívida direta do Estado, compilada pelo Instituto de Gestão da Tesouraria e do Crédito Público (IGCP) numa base mensal e divulgada também pelo Banco de Portugal, devido, principalmente, a: i. diferenças de delimitação do setor - a dívida direta do Estado inclui apenas a dívida emitida pelo Estado, enquanto na dívida de Maastricht se incluem todas as entidades classificadas, para fins estatísticos, no setor institucional das administrações públicas; ii. efeitos de consolidação - a dívida direta do Estado reflete apenas os passivos deste subsetor, enquanto a dívida de Maastricht é consolidada, isto é, excluem-se os ativos das administrações públicas em passivos emitidos pelas próprias administrações públicas; iii. capitalização dos certificados de aforro - a dívida direta do Estado inclui a capitalização acumulada dos certificados de aforro, que é excluída da definição de Maastricht. / The data published now for public debt are still preliminary, since the April 212 notification of Excessive Deficit Procedure by the Portuguese statistical authorities in the framework of the european community legislation is still running. This concept differs from the concept of direct State debt, which is compiled monthly by the Portuguese Treasury and Debt Management Agency (IGCP) and also published by Banco de Portugal. The main differences are: i. sector delimitation direct State debt includes only debt issued by the State, while the Maastricht debt includes the debt of all entities classified, for statistical purposes, in general government; ii. consolidation direct State debt shows only the liabilities of the State, while the Maastricht debt is consolidated, i.e. assets of general government which are liabilities of general government are excluded; iii. accrued interest of saving certificates direct State debt includes the accrued interest of saving certificates, which are excluded from Maastricht debt. K Banco de Portugal Boletim Estatístico

Nota de Informação Estatística Lisboa, 20 de Outubro de 2010

Nota de Informação Estatística Lisboa, 20 de Outubro de 2010 Nota de Informação Estatística, 20 de Outubro de 2010 Novos quadros de informação estatística da Central de Responsabilidades de Crédito - empréstimos concedidos pelo sistema financeiro residente a particulares

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 8 de novembro de 2012

Nota de Informação Estatística Lisboa, 8 de novembro de 2012 Nota de Informação Estatística Lisboa, 8 de novembro de 212 Divulgação dos Quadros do Setor das empresas não financeiras da Central de Balanços dados de 211 O Banco de Portugal divulga hoje no BPStat Estatísticas

Leia mais

Banco de Portugal divulga estatísticas das contas financeiras das administrações públicas e da dívida pública

Banco de Portugal divulga estatísticas das contas financeiras das administrações públicas e da dívida pública N.º 7 Abril 2015 Banco de Portugal divulga estatísticas das contas financeiras das administrações públicas e da dívida pública Na edição de abril de 2015 do Boletim Estatístico são divulgadas as contas

Leia mais

106 BANCO DE PORTUGAL Boletim Estatístico

106 BANCO DE PORTUGAL Boletim Estatístico 106 BANCO DE PORTUGAL Boletim Estatístico B.7.1.1 Taxas de juro sobre novas operações de empréstimos (1) concedidos por instituições financeiras monetárias a residentes na área do euro (a) Interest rates

Leia mais

Banco de Portugal divulga novas séries estatísticas

Banco de Portugal divulga novas séries estatísticas N.º 11 outubro 214 Banco de Portugal divulga novas séries estatísticas O Banco de Portugal publica hoje novas séries estatísticas nos seguintes domínios: Estatísticas de instituições financeiras não monetárias,

Leia mais

Banco de Portugal divulga estatísticas de balanço e taxas de juro dos bancos relativas a 2013

Banco de Portugal divulga estatísticas de balanço e taxas de juro dos bancos relativas a 2013 N.º fevereiro Banco de Portugal divulga estatísticas de balanço e taxas de juro dos bancos relativas a Estatísticas de balanço Aplicações Crédito interno Em e pelo terceiro ano consecutivo, o crédito interno

Leia mais

Public Debt Dívida Pública. dossiers. Economic Outlook Conjuntura Económica. Conjuntura Económica. Estado e Governo. Public Debt / Dívida Pública

Public Debt Dívida Pública. dossiers. Economic Outlook Conjuntura Económica. Conjuntura Económica. Estado e Governo. Public Debt / Dívida Pública dossiers Economic Outlook Conjuntura Public Debt Dívida Pública Last Update Última Actualização:08/12/2015 Portugal Economy Probe (PE Probe) Prepared by PE Probe Preparado por PE Probe Copyright 2015 Portugal

Leia mais

Fonte / Source: Banco Central Europeu / European Central Bank. Depósitos com pré-aviso até 3 meses. equiparados até 2 anos (1)

Fonte / Source: Banco Central Europeu / European Central Bank. Depósitos com pré-aviso até 3 meses. equiparados até 2 anos (1) B.0.1 AGREGADOS MONETÁRIOS DA ÁREA DO EURO (a) EURO AREA MONETARY AGGREGATES (a) Saldos em fim de mês End-of-month figures Fonte / Source: Banco Central Europeu / European Central Bank M3 Circulação monetária

Leia mais

IV JORNADAS IBERO-ATLÂNTICAS DE ESTATÍSTICAS REGIONAIS 22 e 23 de junho de 2012 ESTATÍSTICAS FINANCEIRAS REGIONAIS. João Cadete de Matos

IV JORNADAS IBERO-ATLÂNTICAS DE ESTATÍSTICAS REGIONAIS 22 e 23 de junho de 2012 ESTATÍSTICAS FINANCEIRAS REGIONAIS. João Cadete de Matos 22 e 23 de junho de 2012 ESTATÍSTICAS FINANCEIRAS REGIONAIS João Cadete de Matos 1ª Parte Estatísticas do Banco de Portugal Estatísticas Financeiras Regionais 2 Evolução da difusão Estatística no Banco

Leia mais

ENDIVIDAMENTO DO SETOR NAO FINANCEIRO

ENDIVIDAMENTO DO SETOR NAO FINANCEIRO ENDIVIDAMENTO DO SETOR NAO FINANCEIRO NON-FINANCIAL SECTOR INDEBTEDNESS Dfvida total, principais indicadores K.1 Total debt, main indicators Dfvida total, por setor devedor K.2 Total debt, by category

Leia mais

POLÍTICA DE REVISÕES DAS ESTATÍSTICAS DO BANCO DE PORTUGAL

POLÍTICA DE REVISÕES DAS ESTATÍSTICAS DO BANCO DE PORTUGAL POLÍTICA DE REVISÕES DAS ESTATÍSTICAS DO BANCO DE PORTUGAL Departamento de Estatística do Banco de Portugal 2013 I INTRODUÇÃO Os principais referenciais sobre a qualidade estatística 1 identificam a importância

Leia mais

Portugal Enquadramento Económico

Portugal Enquadramento Económico Portugal Enquadramento Económico Fonte: INE PIB e Procura Interna em Volume (Tvh) em % do PIB 40 35 30 25 20 15 10 5 0 Formação bruta de capital fixo (total economia) FBCF excepto Construção FBCF Construção

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 2011

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 2011 Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 211 Banco de Portugal divulga Contas Nacionais Financeiras para 21 O Banco de Portugal divulga hoje no Boletim Estatístico e no BPstat Estatísticas

Leia mais

1.2 Situação patrimonial dos setores não financeiros

1.2 Situação patrimonial dos setores não financeiros .2 Situação patrimonial dos setores não financeiros No primeiro semestre de 203, prosseguiu o processo de ajustamento gradual dos desequilíbrios no balanço dos particulares 3 Nos primeiros seis meses de

Leia mais

Fluxos de Investimento Directo de Portugal com o Exterior

Fluxos de Investimento Directo de Portugal com o Exterior Investimento Directo de Portugal com o Exterior eiro a ho de 28 Fluxos de Investimento Directo de Portugal com o Exterior eiro a ho de 28 Informação Portugal, 21 de sto de 28 Investimento Directo de Portugal

Leia mais

Statistics Estatísticas do Mercado de Trabalho. Labour Market Statistics Estatísticas do Mercado de Trabalho. dossiers

Statistics Estatísticas do Mercado de Trabalho. Labour Market Statistics Estatísticas do Mercado de Trabalho. dossiers dossiers Economic Outlook Conjuntura Last Update Última Atualização: 13-02-2015 Prepared by PE Probe Preparado por PE Probe Copyright 2015 Portugal Economy Probe PE Probe All rights reserved Index / Índice

Leia mais

Portugal Área Euro (1) EUA 7.0 7.3 3.9 5.2 5.8 4.4 2.6 1.5 1.2 7.1 12.0 4.9 5.8 5.5 4.9 6.5 4.8 5.6. Portugal. em percentagem -10 -15.

Portugal Área Euro (1) EUA 7.0 7.3 3.9 5.2 5.8 4.4 2.6 1.5 1.2 7.1 12.0 4.9 5.8 5.5 4.9 6.5 4.8 5.6. Portugal. em percentagem -10 -15. Dezembro A. Contas nacionais Fonte: Banco de, Instituto Nacional de Estatística, Banco Central Europeu, Eurostat e Bureau of Economic Analysis Área Euro () EUA ºT - ºT - ºT - ºT - ºT - ºT - ºT - ºT - ºT

Leia mais

Banco de Portugal divulga estatísticas de balanço e taxas de juro dos bancos relativas a 2014

Banco de Portugal divulga estatísticas de balanço e taxas de juro dos bancos relativas a 2014 N.º 3 fevereiro 215 Banco de Portugal divulga estatísticas de balanço e taxas de juro dos bancos relativas a 21 O Banco de Portugal publica hoje, no Boletim Estatístico, as estatísticas de balanço e de

Leia mais

Acesso online através da Internet à Base de Dados Estatística Interativa do Banco de Portugal

Acesso online através da Internet à Base de Dados Estatística Interativa do Banco de Portugal Acesso online através da Internet à Base de Dados Estatística Interativa do Banco de Portugal Internet online access to the Banco de Portugal Statistical Interactive Database O BPstat Estatísticas online

Leia mais

Empréstimos de Outras Instituições Financeiras Monetárias a Particulares e Sociedades não Financeiras (a)

Empréstimos de Outras Instituições Financeiras Monetárias a Particulares e Sociedades não Financeiras (a) Empréstimos de Outras Instituições Financeiras Monetárias a Particulares e (a) Peso (b) 10 6 euros Variações homólogas (%) Dif. (p.p.) Tendência (x100) (c) Média Mensal (%) (d) 2013 2014 ago/15 set/15

Leia mais

Acesso online através da Internet à Base de Dados Estatística Interativa do Banco de Portugal

Acesso online através da Internet à Base de Dados Estatística Interativa do Banco de Portugal Acesso online através da Internet à Base de Dados Estatística Interativa do Banco de Portugal Internet online access to the Banco de Portugal Statistical Interactive Database O BPstat Estatísticas online

Leia mais

Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008. Micro, Pequenas. e Médias. Empresas. em Portugal

Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008. Micro, Pequenas. e Médias. Empresas. em Portugal Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008 28 de Junho de 2010 Micro, Pequenas e Médias Empresas em Portugal Em 2008, existiam 349 756 micro, pequenas e médias empresas (PME) em Portugal,

Leia mais

BOLETIM ESTATÍSTICO. Statistical Bulletin 8 2015. Lisboa, 2015 www.bportugal.pt

BOLETIM ESTATÍSTICO. Statistical Bulletin 8 2015. Lisboa, 2015 www.bportugal.pt BOLETIM ESTATÍSTICO Statistical Bulletin 8 2015 Lisboa, 2015 www.bportugal.pt BOLETIM ESTATÍSTICO 2015 Banco de Portugal Av. Almirante Reis, 71 1150-012 Lisboa www.bportugal.pt Edição Departamento de Estatística

Leia mais

Cerca de 13% das famílias endividadas têm encargos com a dívida superiores a 40% do seu rendimento

Cerca de 13% das famílias endividadas têm encargos com a dívida superiores a 40% do seu rendimento Inquérito à Situação Financeira das Famílias 2010 25 de maio de 2012 Cerca de 13% das famílias endividadas têm encargos com a dívida superiores a 40% do seu rendimento O Inquérito à Situação Financeira

Leia mais

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014)

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) 1. Taxa de Desemprego O desemprego desceu para 14,3% em maio, o que representa um recuo de 2,6% em relação a maio de 2013. Esta é a segunda maior variação

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal fevereiro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 5 Comércio internacional...

Leia mais

Procedimento dos Défices Excessivos (2ª Notificação de 2014)

Procedimento dos Défices Excessivos (2ª Notificação de 2014) Procedimento dos Défices Excessivos 2ª Notificação 2014 30 de setembro de 2014 Procedimento dos Défices Excessivos (2ª Notificação de 2014) Nos termos dos Regulamentos da União Europeia, o INE envia hoje

Leia mais

Crédito ao sector privado não financeiro (taxas de variação homóloga)

Crédito ao sector privado não financeiro (taxas de variação homóloga) G1 Crédito ao sector privado não financeiro (taxas de variação homóloga) 35 3 25 Em percentagem 2 15 1 5 Jan-91 Jan-92 Jan-93 Jan-94 Jan-95 Jan-96 Jan-97Jan-98 Jan-99 Jan- Jan-1 Sociedades não Financeiras

Leia mais

Empréstimos de Outras Instituições Financeiras Monetárias a Particulares e Sociedades não Financeiras (a)

Empréstimos de Outras Instituições Financeiras Monetárias a Particulares e Sociedades não Financeiras (a) Empréstimos de Outras Instituições Financeiras Monetárias a Particulares e (a) Peso (b) 10 6 euros Variações homólogas (%) Dif. (p.p.) Tendência (x100) (c) Média Mensal (%) (d) 2013 2014 set/15 out/15

Leia mais

O indicador de sentimento económico em Junho manteve-se inalterado na União Europeia e desceu 0.6 pontos na Área Euro.

O indicador de sentimento económico em Junho manteve-se inalterado na União Europeia e desceu 0.6 pontos na Área Euro. Julho 2012 Jun-02 Jun-03 Jun-04 Jun-05 Jun-06 Jun-07 Jun-08 Jun-09 Jun-10 Jun-11 Jun-12 Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico em Junho manteve-se inalterado na União Europeia

Leia mais

Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União Europeia (+0.2 pontos) quer na Área Euro (+0.7 pontos).

Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União Europeia (+0.2 pontos) quer na Área Euro (+0.7 pontos). Mai-04 Mai-05 Mai-06 Mai-07 Mai-08 Mai-09 Mai-10 Mai-11 Mai-12 Análise de Conjuntura Junho 2014 Indicador de Sentimento Económico Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União

Leia mais

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria Análise de Conjuntura Abril 2012 Indicador de Sentimento Económico Após uma melhoria em Janeiro e Fevereiro, o indicador de sentimento

Leia mais

BOLETIM ESTATÍSTICO STATISTICAL BULLETIN

BOLETIM ESTATÍSTICO STATISTICAL BULLETIN BOLETIM ESTATÍSTICO STATISTICAL BULLETIN 4 2011 Lisboa, 2011 Disponível em www.bportugal.pt Publicações Estatísticas Banco de Portugal EUROSISTEMA Banco de Portugal Departamento de Estatística Edifício

Leia mais

RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO. sobre os passivos implícitos com impacto potencial nos orçamentos públicos

RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO. sobre os passivos implícitos com impacto potencial nos orçamentos públicos COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30.6.2015 COM(2015) 314 final RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO sobre os passivos implícitos com impacto potencial nos orçamentos públicos PT PT RELATÓRIO

Leia mais

PME Investe VI Aditamento

PME Investe VI Aditamento PME Investe VI Aditamento O apoio do FINOVA às empresas Fundo gerido pela PME Investimentos No seguimento do quadro de apoios concedidos às empresas portuguesas no âmbito das linhas de apoio PME Investe,

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. Nº 2 Fevereiro 2009

GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. Nº 2 Fevereiro 2009 Boletim Mensal de Economia Portuguesa Nº 2 Fevereiro 2009 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia e da Inovação GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais

Leia mais

OVERVIEW DO SISTEMA BANCÁRIO PORTUGUÊS

OVERVIEW DO SISTEMA BANCÁRIO PORTUGUÊS OVERVIEW DO SISTEMA BANCÁRIO PORTUGUÊS ÍNDICE I. Importância do Sector Bancário na Economia II. III. Actividade de Crédito Financiamento IV. Solvabilidade V. Regimes de Recapitalização Pública e de Concessão

Leia mais

A Actividade Económica dos Açores nas Estatísticas do Banco de Portugal

A Actividade Económica dos Açores nas Estatísticas do Banco de Portugal Jornadas de Estatística Regional Angra do Heroísmo, 29 de Novembro de 2013 A Actividade Económica dos Açores nas Estatísticas João Cadete de Matos Director, Departamento de Estatística Principais indicadores

Leia mais

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação Fundo Especial de Investimento Aberto CAIXA FUNDO RENDIMENTO FIXO IV (em liquidação) RELATÓRIO & CONTAS Liquidação RELATÓRIO DE GESTÃO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RELATÓRIO DO AUDITOR EXTERNO CAIXAGEST Técnicas

Leia mais

LINHAS DE CRÉDITO E APOIO EMPRESAS DOS AÇORES. 2011- Junho

LINHAS DE CRÉDITO E APOIO EMPRESAS DOS AÇORES. 2011- Junho LINHAS DE CRÉDITO E APOIO ÀS EMPRESAS DOS AÇORES 2011- Junho CONJUNTURA INTERNACIONAL ADVERSA No final do ano de 2008 dá-se o colapso de algumas das principais instituições financeiras dos EUA Rápida contaminação

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros Danos d. Automóvel II PROVISÕES TÉCNICAS E ATIVOS REPRESENTATIVOS

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal janeiro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 COMUNICADO Página 1 / 9 RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 09 de Setembro de 2005 (Os valores apresentados neste comunicado reportam-se ao primeiro semestre de 2005, a não ser quando especificado

Leia mais

Parte 1 Part 1. Mercado das Comunicações. na Economia Nacional (2006-2010)

Parte 1 Part 1. Mercado das Comunicações. na Economia Nacional (2006-2010) Parte 1 Part 1 Mercado das Comunicações na Economia Nacional (2006-2010) Communications Market in National Economy (2006/2010) Parte 1 Mercado das Comunicações na Economia Nacional (2006-2010) / Part 1

Leia mais

BOLETIM ESTATÍSTICO. Statistical Bulletin 2 2015. Lisboa, 2015 www.bportugal.pt

BOLETIM ESTATÍSTICO. Statistical Bulletin 2 2015. Lisboa, 2015 www.bportugal.pt BOLETIM ESTATÍSTICO Statistical Bulletin 2 2015 Lisboa, 2015 www.bportugal.pt BOLETIM ESTATÍSTICO 2015 Banco de Portugal Av. Almirante Reis, 71 1150-012 Lisboa www.bportugal.pt Edição Departamento de Estatística

Leia mais

Volume de Negócios do setor do Comércio estabilizou, mas o número de empresas e pessoal ao serviço diminuíram

Volume de Negócios do setor do Comércio estabilizou, mas o número de empresas e pessoal ao serviço diminuíram Estatísticas do Comércio 2013 26 de dezembro de 2014 Volume de Negócios do setor do Comércio estabilizou, mas o número de empresas e pessoal ao serviço diminuíram Em 2013 o setor do Comércio era constituído

Leia mais

Hotelaria mantém crescimento mas com desaceleração no número de hóspedes e de dormidas

Hotelaria mantém crescimento mas com desaceleração no número de hóspedes e de dormidas Atividade Turística Fevereiro de 20 15 de Abril de 20 Hotelaria mantém crescimento mas com desaceleração no número de hóspedes e de dormidas Os estabelecimentos hoteleiros registaram cerca de 2 milhões

Leia mais

Miguel Coelho Universidade Lusíada de Lisboa

Miguel Coelho Universidade Lusíada de Lisboa Demasiado tarde para ser perdoada? Uma análise sintética sobre o impacto de uma renegociação da dívida pública Miguel Coelho Universidade Lusíada de Lisboa Lusíada. Economia & Empresa. Lisboa, n.º 16/2013

Leia mais

91% das empresas com 10 e mais pessoas ao serviço utilizam Internet de banda larga

91% das empresas com 10 e mais pessoas ao serviço utilizam Internet de banda larga 06 de novembro de 2012 Sociedade da Informação Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Empresas 2012 91% das empresas com 10 e mais pessoas ao serviço utilizam Internet

Leia mais

Perspectiva de um Emitente Soberano República de Portugal

Perspectiva de um Emitente Soberano República de Portugal Perspectiva de um Emitente Soberano República de Portugal 31 de Janeiro de 2011 Alberto Soares IDENTIDADE FUNDAMENTAL DA MACROECONOMIA ECONOMIA ABERTA Poupança Interna + Poupança Externa Captada = Investimento

Leia mais

Fórum Permanente de Micro e Pequenas Empresas. Comitê de Comércio Exterior. Brasília Julho de 2011

Fórum Permanente de Micro e Pequenas Empresas. Comitê de Comércio Exterior. Brasília Julho de 2011 Fórum Permanente de Micro e Pequenas Empresas Comitê de Comércio Exterior Brasília Julho de 2011 BALANÇA BRASILEIRA DE COMÉRCIO EXTERIOR DE BENS E SERVIÇOS* US$ Bilhões BRAZILIAN FOREIGN TRADE IN GOODS

Leia mais

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego Mobilidade dos Trabalhadores ESTATÍSTICAS STICAS em síntese O presente estudo baseia-se nas informações que integram a base do Sistema de Informação Longitudinal de Empresas, Estabelecimentos e Trabalhadores

Leia mais

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 PORTUGAL Economic Outlook Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 Portugal: Adaptação a um novo ambiente económico global A economia portuguesa enfrenta o impacto de um ambiente externo difícil,

Leia mais

ANÁLISE SETORIAL DAS SOCIEDADES NÃO FINANCEIRAS EM PORTUGAL 2009-2014

ANÁLISE SETORIAL DAS SOCIEDADES NÃO FINANCEIRAS EM PORTUGAL 2009-2014 ANÁLISE SETORIAL DAS SOCIEDADES NÃO FINANCEIRAS EM PORTUGAL 2009-2014 Estudos da Central de Balanços Novembro 2014 18 18 ANÁLISE SETORIAL DAS SOCIEDADES NÃO FINANCEIRAS EM PORTUGAL 2009-2014 Estudos da

Leia mais

PME INVESTE V - 750 milhões de euros - ENCERRADA. PME IINVESTE II / QREN - 1.010 milhões de euros ABERTA

PME INVESTE V - 750 milhões de euros - ENCERRADA. PME IINVESTE II / QREN - 1.010 milhões de euros ABERTA PME INVESTE As Linhas de Crédito PME INVESTE têm como objectivo facilitar o acesso das PME ao crédito bancário, nomeadamente através da bonificação de taxas de juro e da redução do risco das operações

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011 Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 População a Milhares Hab. INE 10.563 10.586 10.604 10.623 10.638 10.636 10.643 2º Trimestre

Leia mais

A economia do Mar nas estatísticas do Banco de Portugal

A economia do Mar nas estatísticas do Banco de Portugal A economia do Mar nas estatísticas do Banco de Portugal Luís Teles Diretor Adjunto Departamento de Estatística VI Jornadas Ibero-Atlânticas de Estatística Regional Angra do Heroísmo 22 setembro 2014 2

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA - IES DECLARAÇÃO ANUAL. PERGUNTAS & RESPOSTAS Anexo A. Formulários ANEXO A

INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA - IES DECLARAÇÃO ANUAL. PERGUNTAS & RESPOSTAS Anexo A. Formulários ANEXO A Formulários ANEXO A 90) QUAL É A UNIDADE MONETÁRIA A CONSIDERAR PARA PREENCHIMENTO DA IES? O preenchimento deve ser efetuado em euros, com duas casas decimais. 91) COMO DEVO PREENCHER O QUADRO 02-A? Este

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2014

Linha de Crédito PME Crescimento 2014 Linha de Crédito PME Crescimento 2014 As empresas têm à sua disposição, desde o passado dia 3 de março, uma nova linha de crédito para apoiar o financiamento da sua atividade. Trata-se da linha PME Crescimento

Leia mais

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro.

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro. Abr-04 Abr-05 Abr-06 Abr-07 Abr-08 Abr-09 Abr-10 Abr-11 Abr-12 Análise de Conjuntura Maio 2014 Indicador de Sentimento Económico Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos

Leia mais

SECTOR EMPRESARIAL DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA

SECTOR EMPRESARIAL DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA SECTOR EMPRESARIAL DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2013 Direção Regional de Estatística da Madeira Uma porta aberta para um universo de informação estatística Catalogação Recomendada Sector Empresarial da

Leia mais

Caraterização do setor dos serviços em Portugal. Paula Menezes Coordenadora da Área da Central de Balanços 1 dezembro 2014 Lisboa

Caraterização do setor dos serviços em Portugal. Paula Menezes Coordenadora da Área da Central de Balanços 1 dezembro 2014 Lisboa Caraterização do setor dos serviços em Portugal Paula Menezes Coordenadora da Área da Central de Balanços 1 dezembro 2014 Lisboa 1. Estrutura e dinâmica do setor: o que mudou em 10 anos? 2. Análise económica

Leia mais

International Trade and FDI between Portugal-China Comércio Internacional e IDE entre Portugal-China. dossiers. Economic Outlook Conjuntura Económica

International Trade and FDI between Portugal-China Comércio Internacional e IDE entre Portugal-China. dossiers. Economic Outlook Conjuntura Económica dossiers Economic Outlook Conjuntura Económica International Trade and FDI between Portugal-China Comércio Internacional e IDE entre Portugal-China Last Update Última Actualização: 10-02-2015 Prepared

Leia mais

Comércio Internacional Saídas aumentam 15,1% e Entradas diminuem 3,6%

Comércio Internacional Saídas aumentam 15,1% e Entradas diminuem 3,6% 09 de janeiro de 2012 Estatísticas do Comércio Internacional Novembro de 2011 Comércio Internacional Saídas aumentam 15,1% e Entradas diminuem 3,6% No período de setembro a novembro de 2011, as saídas

Leia mais

LINHA DE APOIO À CONSOLIDAÇÃO FINANCEIRA EMPRESAS DO SECTOR DO TURISMO [Fonte: Turismo de Portugal, I.P., set 2014]

LINHA DE APOIO À CONSOLIDAÇÃO FINANCEIRA EMPRESAS DO SECTOR DO TURISMO [Fonte: Turismo de Portugal, I.P., set 2014] LINHA DE APOIO À CONSOLIDAÇÃO FINANCEIRA EMPRESAS DO SECTOR DO TURISMO [Fonte: Turismo de Portugal, I.P., set 2014] INFORMAÇÃO SINTETIZADA 1 OBJETO Criar as condições para a adequação dos serviços de dívida

Leia mais

ISSN 0872-9514. Empresas em Portugal. Edição 2013. Estatísticas oficiais

ISSN 0872-9514. Empresas em Portugal. Edição 2013. Estatísticas oficiais ISSN 0872-9514 2011 Edição 2013 Empresas em Portugal e Estatísticas oficiais Edição 2013 2 FICHA TÉCNICA Título Editor Instituto Nacional de Estatística, I.P. Av. António José de Almeida 1000-043 Lisboa

Leia mais

Papel das empresas no novo sistema das estatísticas externas. Carla Marques

Papel das empresas no novo sistema das estatísticas externas. Carla Marques Papel das empresas no P ld novo sistema das estatísticas externas Carla Marques ESQUEMA DA APRESENTAÇÃO I. Estatísticas externas Portuguesas II. Sistema das estatísticas externas e necessidade de reformulação

Leia mais

Em termos nominais, as exportações aumentaram 2,1% e as importações diminuíram 3,5%

Em termos nominais, as exportações aumentaram 2,1% e as importações diminuíram 3,5% Estatísticas do Comércio Internacional Fevereiro 2015 09 de abril de 2015 Em termos nominais, as exportações aumentaram 2,1% e as importações diminuíram 3,5% As exportações de bens aumentaram 2,1% e as

Leia mais

Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9 pontos na UE e +0.5 pontos na Área Euro 1.

Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9 pontos na UE e +0.5 pontos na Área Euro 1. Jan-04 Jan-05 Jan-06 Jan-07 Jan-08 Jan-09 Jan-10 Jan-11 Jan-12 Análise de Conjuntura Fevereiro 2014 Indicador de Sentimento Económico Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9

Leia mais

Apresentação de contas de 2011. 02 de Maio de 2012

Apresentação de contas de 2011. 02 de Maio de 2012 Apresentação de contas de 02 de Maio de 2012 Balanço balanço simplificado Milhões de euros 2010 (Reexpresso) Variação Valor % Ouro 14 964 12 979 1 985 15,29% Activos de Gestão Activos de Política Monetária

Leia mais

REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS: 2010-2014

REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS: 2010-2014 NOTAS CEMEC 01/2015 REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS: 2010-2014 Carlos A. Rocca Lauro Modesto Santos Jr. Fevereiro de 2015 1 1. Introdução No Estudo Especial CEMEC de novembro

Leia mais

Abertas candidaturas à Linha de Crédito PME Investe VI

Abertas candidaturas à Linha de Crédito PME Investe VI Abertas candidaturas à Linha de Crédito PME Investe VI No seguimento do quadro de apoios concedidos às empresas portuguesas no âmbito das linhas de apoio PME Investe, estão abertas a partir de 18 de Junho

Leia mais

2012/2013. Novembro 2013

2012/2013. Novembro 2013 2012/2013 Novembro 2013 13 Análise setorial das sociedades não financeiras EM PORTUGAL 2012/2013 Estudos da Central de Balanços Novembro 2013 13 BANCO DE PORTUGAL Av. Almirante Reis, 71 1150-012 Lisboa

Leia mais

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos).

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos). Nov-02 Nov-03 Nov-04 Nov-05 Nov-06 Nov-07 Nov-08 Nov-09 Nov-10 Nov-12 Análise de Conjuntura Dezembro 2012 Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer

Leia mais

A atual oferta de financiamento

A atual oferta de financiamento Ciclo de Conferências CIP Crescimento Económico: Diversificar o modelo de financiamento das PME A atual oferta de financiamento Nuno Amado 28.nov.14 Centro de Congressos de Lisboa 5 Mitos sobre o financiamento

Leia mais

SAP anuncia resultados do Segundo Trimestre de 2009

SAP anuncia resultados do Segundo Trimestre de 2009 SAP anuncia resultados do Segundo Trimestre de 2009 A SAP continua a demonstrar um forte crescimento das suas margens, aumentando a previsão, para o ano de 2009, referente à sua margem operacional Non-GAAP

Leia mais

School of Economics and Management

School of Economics and Management School of Economics and Management TECHNICAL UNIVERSITY OF LISBON Department of Economics Carlos Pestana Barros & Nicolas Peypoch Pedro Leão Consequências A Comparative Analysis de desequilíbrios of Productivity

Leia mais

LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN. Condições Gerais da Linha - Documento de Divulgação -

LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN. Condições Gerais da Linha - Documento de Divulgação - LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN Condições Gerais da Linha - Documento de Divulgação - A - Condições Gerais 1. Montante Global e Linhas Específicas: (Milhões de Euros) Montante Global da Linha 1.000 Linhas

Leia mais

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 126/2015, Série I, de 01/07, páginas 4545-4547. ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 126/2015, Série I, de 01/07, páginas 4545-4547. ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA MOD. 4.3 Classificação: 0 6 0. 0 1. 0 1 Segurança: P úbl i c a Processo: Direção de Serviços de Comunicação e Apoio ao Contribuinte Legislação Diploma Lei n.º 64/2015, de 1 de julho Estado: vigente Resumo:

Leia mais

Empresa Demo 1 PT500000001

Empresa Demo 1 PT500000001 Empresa Demo 1 PT500000001 Member of Federation of Business Information Service Índice Índice Introdução...3 Classificação total...4 Classificação por dimensão... 5 Quota de mercado...6 Volume de negócios

Leia mais

Economia portuguesa Garantir a estabilidade para alicerçar um crescimento sustentado. Carlos da Silva Costa

Economia portuguesa Garantir a estabilidade para alicerçar um crescimento sustentado. Carlos da Silva Costa Economia portuguesa Garantir a estabilidade para alicerçar um crescimento sustentado Carlos da Silva Costa Economia portuguesa Garantir a estabilidade para alicerçar um crescimento sustentado I. As raízes

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

As estatísticas do comércio internacional de serviços e as empresas exportadoras dos Açores

As estatísticas do comércio internacional de serviços e as empresas exportadoras dos Açores As estatísticas do comércio internacional de serviços e as empresas exportadoras dos Açores Margarida Brites Coordenadora da Área das Estatísticas da Balança de Pagamentos e da Posição de Investimento

Leia mais

Estatísticas trimestrais sobre processos de falência, insolvência e recuperação de empresas e sobre processos especiais de revitalização (2007-2013)

Estatísticas trimestrais sobre processos de falência, insolvência e recuperação de empresas e sobre processos especiais de revitalização (2007-2013) Abril de 2014 Boletim n.º 15 DESTAQUE ESTATÍSTICO TRIMESTRAL 4º Trimestre de 2013 Estatísticas trimestrais sobre processos de falência, insolvência e recuperação de empresas e sobre processos especiais

Leia mais

ALVES RIBEIRO - INVESTIMENTOS FINANCEIROS, SGPS, S.A. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) 1. NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

COMUNICADO 9M 2015 COMUNICADO 9M 2015. (Contas não auditadas)

COMUNICADO 9M 2015 COMUNICADO 9M 2015. (Contas não auditadas) COMUNICADO 9M 2015 (Contas não auditadas) 30 novembro 2015 1 1. EVOLUÇÃO DOS NEGÓCIOS 1.1. ÁREA FINANCEIRA A Área Financeira do Grupo concentra as atividades financeiras, incluindo a Orey Financial e as

Leia mais

Manual de Instrução. Para o preenchimento do questionário sobre OPERAÇÕES E POSIÇÕES COM EXTERIOR EMPRESAS DE TRANSPORTE

Manual de Instrução. Para o preenchimento do questionário sobre OPERAÇÕES E POSIÇÕES COM EXTERIOR EMPRESAS DE TRANSPORTE Manual de Instrução Para o preenchimento do questionário sobre OPERAÇÕES E POSIÇÕES COM EXTERIOR EMPRESAS DE TRANSPORTE Direcção de Estatísticas Económicas e Financeiras DEEF 1.Introdução O Manual de Instrução

Leia mais

EMPRÉSTIMO OBRIGACIONISTA OBRIGAÇÕES COLEP / 2014 2017 FICHA TÉCNICA

EMPRÉSTIMO OBRIGACIONISTA OBRIGAÇÕES COLEP / 2014 2017 FICHA TÉCNICA EMPRÉSTIMO OBRIGACIONISTA OBRIGAÇÕES COLEP / 2014 2017 FICHA TÉCNICA Emitente: Colep Portugal, S.A. Modalidade: Emissão de obrigações a taxa variável por oferta particular e direta. Moeda: Euro ( ). Montante

Leia mais

Seminário. 12 novembro 2013. Iniciativa conjunta INE LNEC

Seminário. 12 novembro 2013. Iniciativa conjunta INE LNEC Seminário 12 novembro 2013 Iniciativa conjunta INE LNEC Casa própria ou arrendamento perfil da ocupação residencial emportugal Bárbara Veloso INE 12 novembro 2013 Iniciativa conjunta INE LNEC Sumário Aumentaram

Leia mais

II Seminário sobre o SCN - Brasil Referência 2010. Atividade Financeira

II Seminário sobre o SCN - Brasil Referência 2010. Atividade Financeira II Seminário sobre o SCN - Brasil Referência 2010 Atividade Financeira Coordenação de Contas Nacionais/IBGE (São Paulo, 19 de junho de 2013) 1 Setor Institucional Empresas Financeiras Unidades institucionais

Leia mais

NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO

NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO 1. O presente estudo dá continuidade ao trabalho de natureza estatística relativo às declarações do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (Declaração de Rendimentos

Leia mais

GERDAU. 1 o Trim. 2001

GERDAU. 1 o Trim. 2001 GERDAU Informações Relevantes 2 o Trimestre de Senhores Acionistas: O ano de iniciou-se movido pelo bom desempenho econômico brasileiro do ano anterior: forte crescimento industrial, inflação sob controle,

Leia mais

Conjuntura da Construção n.º 77 O SETOR CONTINUA EM CRISE MAS EMPRESÁRIOS ACREDITAM NA RECUPERAÇÃO

Conjuntura da Construção n.º 77 O SETOR CONTINUA EM CRISE MAS EMPRESÁRIOS ACREDITAM NA RECUPERAÇÃO FEPICOP - FEDERAÇÃO PORTUGUESA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO E OBRAS PÚBLICAS Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais

Leia mais

I Seminário Nacional dos Fóruns Estaduais das

I Seminário Nacional dos Fóruns Estaduais das BALANÇA BRASILEIRA DE COMÉRCIO EXTERIOR DE SERVIÇOS* - US$ Bilhões BRAZILIAN FOREIGN TRADE IN SERVICES BALANCE* - US$ Billion I Seminário Nacional dos Fóruns Estaduais das Microempresas e Empresas 2010

Leia mais

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 I. BALANÇA DE PAGAMENTOS A estatística da Balança de Pagamentos regista as transacções económicas ocorridas, durante

Leia mais

Banco de Portugal. Suplemento 1 2008 ao Boletim Estatístico. Maio 2008

Banco de Portugal. Suplemento 1 2008 ao Boletim Estatístico. Maio 2008 Banco de Portugal EUROSISTEMA Suplemento 1 2008 ao Boletim Estatístico Maio 2008 Disponível em www.bportugal.pt Publicações e Estatísticas BANCO DE PORTUGAL Departamento de Estatística Av. Almirante Reis,

Leia mais

Artigo 7.º Fiscalização

Artigo 7.º Fiscalização Artigo 7.º Fiscalização 1 - Todas as pessoas, singulares ou coletivas, de direito público ou de direito privado, a quem sejam concedidos benefícios fiscais, automáticos ou dependentes de reconhecimento,

Leia mais