Validação e Incerteza na Medição Analítica

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Validação e Incerteza na Medição Analítica"

Transcrição

1 Validação e Incerteza na Medição Analítica Ministério da Saúde ANVISA / GGLAS Pierre Morel

2 Programação do Curso (Validação e Certificado de Calibração) Princípios da prática Analítica Boas práticas de medição Confiabilidade metrológica de um laboratório Exatidão Exercício Robustez Validação em microbiologia Validação : Definição Planejamento Pontos importantes Relação custo-benefício Critérios de aceitação Guias Fluxograma Estabilidade Especificidade/Seletividade Limite de quantificação Linearidade Exercício Precisão Exercício Certificado de calibração : Definições Objetivos Conteúdo Fluxograma Exercícios

3 Programação do Curso (Incertezas) Por quê calcular a incerteza? Contexto atual Referências deste curso Desmistificação do Cálculo de Incertezas Vocabulário Internacional de Metrologia Bases de um Cálculo de Incertezas Roteiro de um Cálculo de Incertezas Especificação do mensurando Exemplo Identificação das fontes de Incerteza : Diagrama de Ishikawa Exemplo Exercício Quantificação dos componentes Exemplo Exercício Cálculo da Incerteza combinada Exemplo Exercício Cálculo da Incerteza expandida Exemplo Análise das contribuições Exemplo Apresentação dos resultados Como calcular Incertezas

4 Princípios da Prática Analítica

5 Os 6 Princípios 1. As medições analíticas devem ser realizadas para satisfazer um requisito acordado entre ambas as partes. 2. As medições analíticas devem ser realizadas utilizando métodos e equipamentos que tenham sido testados de maneira a assegurar que eles atendam o seu propósito. 3. O pessoal deve ser qualificado e competente para suas tarefas. 4. Há uma avaliação independente, a intervales regulares, da performance do laboratório. 5. As medições analíticas realizadas em um laboratório são consistentes com aquelas realizadas em outro laboratório. 6. As organizações realizando medições analíticas devem ter procedimentos de Controle de Qualidade e Garantia da Qualidade.

6 Boas Práticas de Medição

7 Boas Práticas de Medição Estabeleça uma especificação clara dos requisitos de medição. Realize uma amostragem apropriada. Utilize Pessoal competente e treinado. Utilize um método de medição validado. Estabeleça a rastreabilidade através de padrões de calibração. Estime a incerteza da medição. Utilize o Controle de Qualidade (QC) e participe de programas interlaboratoriais. Estabeleça e mantenha um Sistema credenciado da Qualidade (QA).

8 Confiabilidade Metrológica de um Laboratório rio

9 Qualidade de um Laboratório Prazo Qualidade Científica Custo

10 Qualidade Científica Processo de medição analítica ESPECIFICAÇÕES NECESSIDADES DE MEDIÇÃO DISPONIBILIZAÇÃO RECURSOS do produto qual grandeza? qual incerteza? escolha método escolha eqtos recursos humanos VIGILÂNCIA DO PROCESSO manutenção eqtos rastreabilidade (calibração/ padrão)

11 3 últimos passos para completar o ciclo metrológico gico...

12 Qualidade Científica Processo de medição analítica ESPECIFICAÇÕES NECESSIDADES DE MEDIÇÃO DISPONIBILIZAÇÃO RECURSOS do produto qual grandeza? qual incerteza? escolha método escolha eqtos recursos humanos VIGILÂNCIA DO PROCESSO manutenção eqtos rastreabilidade (calibração/ padrão) 1 VALIDAÇÃO

13 Passo 1 VALIDAÇÃO Estabilidade Especificidade Seletividade Limite de detecção Limite de quantificação Linearidade Sensibilidade Faixa de trabalho Precisão Exatidão Robustez Sendo exigido, há tempo, no contexto de todos os sistemas da qualidade

14 Qualidade Científica Processo de medição analítica ESPECIFICAÇÕES NECESSIDADES DE MEDIÇÃO DISPONIBILIZAÇÃO RECURSOS do produto qual grandeza? qual incerteza? escolha método escolha eqtos recursos humanos VIGILÂNCIA DO PROCESSO manutenção eqtos rastreabilidade (calibração/ padrão) 2 1 VALIDAÇÃO INCERTEZA DA MEDIÇÃO ANALÍTICA

15 Passo 2 Incerteza da Medição Analítica Especificação do mensurando Identificação das fontes de incerteza Quantificação dos componentes Cálculo da incerteza combinada Cálculo da incerteza expandida Análise das contribuições Cálculo obrigatório no contexto da ISO 17025; a REBLAS começou a dar treinamento e a exigir estes cálculos.

16 Referências principais para o Cálculo C de Incertezas GUM Guide to the Expression of Uncertainty in Measurement (Guia para a Expressão da Incerteza de Medição). Quantifying Uncertainty in Analytical Measurement (Eurachem / CITAC).(Será divulgado em breve em português pela REBLAS) Para começar :

17 Qualidade Científica Processo de medição analítica ESPECIFICAÇÕES NECESSIDADES DE MEDIÇÃO DISPONIBILIZAÇÃO RECURSOS do produto qual grandeza? qual incerteza? escolha método escolha eqtos recursos humanos VIGILÂNCIA DO PROCESSO manutenção eqtos rastreabilidade (calibração/ padrão) VALIDAÇÃO INCERTEZA DA MEDIÇÃO ANALÍTICA

18 Passo 3 : INCERTEZA vs TOLERÂNCIA 2 X Incerteza 2 X Incerteza LIE LSE Não?? OK?? Não Outras situações possíveis :

19 Passo 3 Definição da aceitabilidade O Cliente e/ou o Órgão Fiscalizador e o Laboratório de análises definem a aceitabilidade do produto ou da situação em função da posição do resultado da análise frente a : tolerância nível de incerteza Último passo para fechar o ciclo da confiabilidade metrológica : o laboratório fornece um serviço compatível com as necessidades do Cliente. Após esta etapa, ciclo PDCA de melhorias contínuas consideradas pertinentes.

20 Qualidade Científica Processo de medição analítica ESPECIFICAÇÕES NECESSIDADES DE MEDIÇÃO DISPONIBILIZAÇÃO RECURSOS do produto qual grandeza? qual incerteza? escolha método escolha eqtos recursos humanos Fechamento do Ciclo Metrológico VIGILÂNCIA DO PROCESSO VALIDAÇÃO manutenção eqtos rastreabilidade (calibração/ padrão) INCERTEZA DA MEDIÇÃO ANALÍTICA

21 Validação

22 Programação do Curso (Validação e Certificado de Calibração) Princípios da prática Analítica Boas práticas de medição Confiabilidade metrológica de um laboratório Validação : Definição Planejamento Pontos importantes Relação custo-benefício Critérios de aceitação Guias Fluxograma Estabilidade Especificidade/Seletividade Limite de quantificação Linearidade Exercício Precisão Exercício Exatidão Exercício Robustez Validação em microbiologia Certificado de calibração : Definições Objetivos Conteúdo Fluxograma Exercícios

23 A Validação de um método m é o processo de conseguir uma evidência documentada que o método m é capaz de medir o que ele tem como finalidade medir. Poderemos ter confiança em resultados de uma medição somente se utilizarmos um método de forças e fraquezas conhecidas.

24 Planejamento geral de uma validação I. Especificar os requisitos da medição. II. Selecionar um método apropriado. III. A não ser que o método já seja validado, avaliar as informações a respeito da validação e selecionar uma das opções seguintes : 1. Verificação de um método previamente validado; 2. validação de mudanças pequenas de métodos; 3. validação de mudança de um método para outro; 4. formalização da validação de um método conhecido; 5. validação de um novo método. IV. Decidir do rigor da validação. V. Planejar a validação. VI. Realizar os experimentos; VII. Avaliar as informações obtidas. VIII. Adaptar o método às necessidades. IX. Documentar método e validação. X. Utilizar o método com confiança.

25 Pontos importantes de uma validação 1) Objetivo e criticidade da medição. 2) Descrição do mensurando. 3) Amostragem, manuseio e transporte da amostra. 4) Tolerâncias do equipamento, tais como resolução e sensibilidade. 5) Calibração e rastreabilidade da medição. 6) Especificidade. 7) Seletividade. 8) Faixa de trabalho. 9) Linearidade. 10) Sensibilidade. 11) Limite de detecção. 12) Limite de quantificação. 13) Exatidão. 14) Precisão. 15) Robustez. 16) Registro do estudo de validação. 17) Confirmação que o método atende os requisitos. 18) Controle de mudanças.

26 Relação (custo X benefício) da validação A validação precisa ser desenvolvida com um rigor adequado : Rigor demasiado Custo alto Rigor insuficiente O método não atingirá os requisitos.

27 Critério rio de aceitação Primeiro passo na validação : estabelecer critérios de aceitação para cada um dos parâmetros : internamente ao laboratório; ou por norma; ou por imposição do Órgão Fiscalizador ou Credenciador.

28 Guias da Indústria Farmacêutica Guia para validação de métodos analíticos ANVISA. Contempla: Métodos bioanalíticos : determinação quantitativa de fármacos e/ou metabólitos em matrizes biológicas; métodos microbiológicos e imunológicos. Especificidade / Seletividade Precisão Exatidão Linearidade Faixa de trabalho Limite de detecção Limite de quantificação Robustez ICH Q2B Validationof Analytical Methodology Aplicável a produtos farmacêuticos e biológicos Especificidade Precisão Exatidão Linearidade Faixa de trabalho Limite de detecção Limite de quantificação Robustez

29 Fluxograma Validação Instável Não específico ou seletivo Específico Não atende os requisitos Método Estabilidade Especificidade /Seletividade Limite de quantificação Não atende Não atende Estável Não atende ou seletivo Não atende Não atende Atende os requisitos Método validado Robustez Exatidão Precisão Faixa de trabalho Atende Atende Atende Atende Atende Linearidade

30 Validação Estabilidade

31 Estabilidade (1/2) Soluções suficientemente estáveis durante o tempo de medição. Amostras e padrões testados por 48 horas,por exemplo. Estabilidade freqüentemente conforme temperatura e tempo. Quantificação determinada e comparada com soluções novas. Se há um problema de estabilidade, devem ser pesquisadas outras condições de estocagem ou aditivos.que melhorem a estabilidade. Aceitabilidade : por exemplo, desvio de 2 % em relação a solução nova; para impurezas, desvio de 20%.

32 Estabilidade (2/2) Métodos bioanalíticos (FDA): A estabilidade de um fármaco em um fluido biológico é função : das condições de armazenamento; Das propriedades químicas do fármaco, da matriz e dos recipientes. A estabilidade de um analito em um sistema particular de matriz e recipiente é relevante somente para este sistema e não deve ser extrapolado para outros sistemas. Os procedimentos devem contemplar a estabilidade do analito : durante a amostragem; durante o manuseio; após um longo prazo (congelamento) e curto prazo (temperatura ambiente), após ciclos de congelamento e descongelamento, após o processo analítico. As condições utilizadas nos ensaios de estabilidade devem refletir as stuações encontradas normalmente no dia-a-dia.

33 Validação Seletividade /Especificidade

34 Seletividade /Especificidade (1/4) Um método específico é um método que produz uma resposta para um único analito. Um método seletivo é um método que produz uma resposta para um analito particular sem interferências de outros componentes na matriz. Sendo que há poucos métodos específicos, consideraremos somente a seletividade. Várias ferramentas são utilizadas para alcançar a seletividade : reação preliminar; extração; diferenças de distribuição, de mobilidade ou permeabilidade; detecção; combinação de sensores; respostas baseadas sobre interações avaliadas matematicamente (quimiometria seletividade computacional).

35 Seletividade /Especificidade (2/4) Para obter a seletividade, pode-se, por exemplo : analisar a matriz sem o analito, verificando que nenhum interferente acabe eluindo no tempo de retenção do analito de interesse; ou, se não houver possibilidade conseguir a matriz sem o analito, dopar a matriz com possíveis interferentes; ou utilizar a estatística : podem ser aplicados os testes F(Snedecor) de homogeneidades de variâncias e o teste t (Student) de comparação de médias. Prepara-se dois grupos de, no mínimo, 7 amostras de teste, um com a matriz e o outro sem : 1) Faz-se o teste F par verificar se as variâncias das amostras podem ser consideradas iguais e compara-se F=(s 1 ) 2 /(s 2 ) 2 (com s2>s 1 ) ao valor de F tabelado : se o F calculado for menor que o F tabelado, a matriz não tem efeito importante sobre a precisão do método. 2) se o F calculado for maior que o F tabelado, as variâncias podem ser consideradas desiguais e calcula-se t, comparando com t tabelado. Se o t calculado for menor que o t tabelado, a matriz não afeta o ensaio. Se o t calculado for maior que o t tabelado, poe-se concluir que a matriz tem um efeito estatisticamente significante sobre o resultado do ensaio. ou comparar as inclinações das curvas de adição padrão, um grupo de amostras contendo a matriz e o outro grupo não incluindo a matriz. Se as curvas forem paralelas, o método é seletivo.

36 Seletividade /Especificidade (3/4) Freqüentemente, trata-se de uma propriedade qualitativa. Porém, existem vários modelos complexos que permitem quantificar a seletividade. Em cada caso, a recuperação do(s) analito(s) de interesse deve ser determinada (aceitável, por exemplo, entre 80 e 120 %) e as influências de interferências suspeitas devidamente mencionadas. Se a seletividade não for assegurada, a linearidade, a exatidão e a precisão estarão comprometidas.

37 Seletividade /Especificidade (4/4) Guia para Validação ANVISA : Seletividade / Especificidade : Para determinação do teor de fármaco, analisar a solução padrão do mesmo, em presença de quantidades conhecidas de possíveis interferentes (impurezas, excipientes, produtos de degradação), demonstrando-se que os resultados não são afetados pela presença de tais componentes. Na ausência de padrão de produto de degradação, sub-produto ou impureza, comparar os resultados de análise com os resultados de análises das mesmas amostras utilizando-se outro método bem caracterizado e validado. Quando apropriado, nestes casos, submeter as amostras a condições de estresse : luz, umidade, hidrólise e oxidação. Métodos bioanalíticos (FDA): Obter análises de amostras-branco de matrizes biológicas apropriadas de, pelo menos, seis fontes. Cada branco deve ser testado para seletividade no limite de quantificação.

38 Validação Limite de detecção

39 Limite de detecção (1/2) A menor concentração de analito que produza uma resposta detectável acima do ruído do sistema. Quando medições são realizadas a níveis muito baixos de analito, é importante conhecer qual é a concentração a mais baixa que pode ser detectada de maneira confiável pelo método. Requisito particularmente para baixos níveis de analito. O limite de detecção pode ser baseado : em avaliação visual para métodos não instrumentais; na relação sinal-ruído para os métodos mostrando o ruído da linha de base. Esta relação é determinada comparando os sinais de amostras com concentração baixa conhecida com aqueles de amostras-branco. A relação sinal-ruído de 3 é considerada como aceitável.

40 Limite de detecção (2/2) ou no desvio-padrão da resposta e da inclinação : LD = 3,3 s/s, sendo que s é o desvio-padrão da resposta e S é a inclinação da curva de calibração; s pode ser obtido a partir: do desvio-padrão do branco; da curva de calibração realizada a partir de amostras com analito na faixa do limite de detecção. O desvio-padrão residual ou o intercepto com o eixo do y poderá ser utilizado como sendo o desvio-padrão. ou o valor do branco + 3 s ou o valor do branco + t s (t : Student) para (n-1) graus de liberdade. Guia para Validação ANVISA : Limite de detecção: A relação sinal-ruído de 2 a 3 é considerada como aceitável; ou LD = 3,3 s/s.

41 Validação Limite de quantificação

42 Limite de quantificação (1/2) A menor concentração de analito que possa ser medida com nível aceitável de incerteza (ou com exatidão e precisão aceitáveis). Requisito particularmente para baixos níveis de analito. O limite de detecção pode ser determinado : em avaliação visual para métodos não instrumentais; reduzindo a concentração do analito até que a precisão do método não seja mais aceitável. na relação sinal-ruído para os métodos mostrando o ruido da linha de base. Esta relação é determinada comparando os sinais de amostras com concentração baixa conhecida com aqueles de amostras-branco. A relação sinal-ruído de 10 é considerada como aceitável. ou o valor do branco + 5 a 10 s

43 Limite de quantificação (2/2) ou no desvio-padrão da resposta e da inclinação : LD = 10 s/s, sendo que s é o desvio-padrão da resposta e S é a inclinação da curva de calibração; s pode ser obtido a partir: do desvio-padrão do branco; da curva de calibração realizada a partir de amostras com analito na faixa do limite de detecção. O desvio-padrão residual ou o intercepto com o eixo do y poderá ser utilizado como sendo o desvio-padrão. ou estabelecendo uma curva ( s versus concentração) a partir de : vários níveis de concentração; 7 replicatas; Guia para Validação ANVISA : Limite de quantificação: A relação sinal-ruído de 5 é considerada como aceitável; ou LD = 10 s/s.

44 Validação Linearidade

45 Linearidade (1/4) A resposta do analito é linearmente proporcional á concentração. no mínimo, 5 níveis de concentração para permitir detectar alguma faixa não linear; por exemplo, de 50 a 150 % da concentração-alvo; ou de 0,05 a 2,5 % em caso de concentrações baixas; em replicata (no mínimo, duplicata ou triplicata). Aceitabilidade : visual; coeficiente de correlação > 0,999; intercepto com o eixo y; inclinação da reta (sensibilidade); curva [(y/x)=f(x)] ou [(y/x)=f(logx)] para identificar a linearidade, especialmente na faixa de trabalho : obtem-se uma linha horizontal.

46 Linearidade (2/4) Guia para Validação ANVISA : Linearidade : 5 concentrações diferentes; resultados analisados por método estatistíco apropriado, como, por exemplo, a regressão linear pelo método dos mínimos quadrados; deve-se apresentar : as curvas obtidas; o coeficiente de regressão linear; o intercepto da reta. Métodos bioanalíticos (FDA): Curva de calibração : para cada analito na amostra; na mesma matriz que as amostras, dopando a matriz com quantidades conhecidas de analito;

47 Linearidade (3/4) y = a+ bx Inclinação = b = N i= 1 ( x x) ( y y) i N i= 1 i ( x x) i 2 Intercepto = a = y b x

48 Linearidade (4/4) Coeficientedecorrelação com : 2 1 ( ) 2 Sxx = x x N 2 1 ( ) 2 Syy = y y N 1 Sxy = xy x y N ( )( ) = r = S S xx xy S yy

49 Validação Faixa de trabalho

50 Faixa de trabalho Intervalo de concentração com exatidão, linearidade e precisão aceitáveis. Intervalo obtido a partir dos ensaios de : Linearidade, para obter a linearidade; exatidão para obter a exatidão; de precisão para obter a precisão; ou de exatidão para obter a precisão, esta sendo avaliada a partir dos resultados em triplicata. Aceitabilidade Linearidade e exatidão : mesmos critérios que aqueles já mencionados. por exemplo : Precisão : > 97 % ; para impurezas : > 90 % Guia para Validação ANVISA : Faixa de trabalho : Fármacos e medicamentos : % da concentração teórica; uniformidade de conteúdo : % da concentração teórica; teste de dissolução : ± 20 % além do intervalo especificado; determinação de impurezas : do nível esperado até 120 % do limite máximo especificado.

51 Validação Precisão

52 Precisão A precisão expressa o grau de dispersão entre medições independentes a partir de uma mesma amostra, amostras semelhantes ou padrões sob condições definidas. A precisão pode ser contemplada a dois níveis: Repetitividade Reprodutibilidade

53 VIM Repetitividade (1/2) Grau de concordância entre os resultados de medições sucessivas de um mesmo mensurando efetuadas sob as mesmas condições de medição.

54 VIM Repetitividade (2/2) As condições de repetitividade incluem : mesmo procedimento de medição; mesmo observador; mesmo instrumento de medição, utilizado nas mesmas condições; mesmo local; repetição em curto período de tempo.

55 VIM Reprodutibilidade (1/2) Grau de concordância entre os resultados de medições de um mesmo mensurando, efetuadas sob condições variadas de medição.

56 VIM Reprodutibilidade (2/2) As condições alteradas podem incluir : princípio de medição; método de medição; observador; instrumento de medição; padrão de referência; local; condições de utilização; tempo.

57 Precisão (1/2) A precisão é avaliada pela estimativa do desvio-padrão : 1 n s( X) = X X 1 n j= 1 ( ) 2 j ou pelo coeficiente de variação ; CV sx ( ) = 100 X No mínimo 10 determinações em cada concentração. Aceitabilidade : conforme determinado previamente pelo laboratório.

58 Precisão (2/2) Guia para Validação ANVISA : Faixa de trabalho : No mínimo 9 determinações (3 concentrações com 3 réplicas ou 6 determinações na concentração média. Precisões intracorrida e inter-corridas; Valor máximo de CV : 15 % Métodos bioanalíticos (FDA): Valor máximo de CV : 15 % e 20 % no L.Q.

59 Validação Exatidão

60 Exato, porém impreciso Exatidão vs Precisão Preciso, porém inexato Inexato e impreciso Exato e preciso

61 VIM Exatidão de medição Grau de concordância entre o resultado de uma medição e um valor verdadeiro do mensurando.

62 Exato, porém impreciso Preciso, porém inexato Erro aleatório X Erro sistemático Exato e preciso Inexato e impreciso

63 VIM Erro sistemático tico Média que resultaria de um infinito número de medições do mesmo mensurando, efetuadas sob condições de repetitividade, menos o valor verdadeiro do mensurando.

64 VIM Erro aleatório Resultado de uma medição menos a média que resultaria de um infinito número de medições do mesmo mensurando efetuadas sob condições de repetitividade.

65 Erro vs Incerteza Erro sistemático» ERRO Valor verdadeiro Erro aleatório» INCERTEZA ERRO INCERTEZA

66 Correção INCERTEZA

67 Exatidão (1/2) 3 maneiras de determiná-la : Analisando uma amostra de concentração conhecida (padrão) e comparando o resultado ao valor verdadeiro; comparando os resultados da análise pelo novo método ao resultado por um método de exatidão conhecida; dopando uma matriz branco com analito e calculando a taxa de recuperação das quantidades conhecidas de dopante. Amostras em triplicata; Mínimo de 3 níveis (de 50 a 150 % ou de 80 a 120 %) da concentração-alvo; ou, para impurezas, de 0,1 a 2,5 % de impureza. Aceitabilidade (Exemplos) Taxa de recuperação =100 ± 2 % para impurezas de 0,1 a 2,5 % : diferença de recuperação de 0,1 % absoluto ou 10 % relativo (o maior valor).

68 Exatidão (2/2) Guia para Validação ANVISA : Exatidão : 3 concentrações (baixa, média e alta) com 3 réplicas cada; mesmo dia (exatidão intradia ) e em dias diferentes (exatidão inter-dias); Em uma mesma corrida analítica (exatidão intracorrida) e em corridas diferentes (exatidão inter-corridas); Exatidão Concentração médiaexp erimental = 100 Concentraçãoteórica Métodos bioanalíticos (FDA): No mínimo, 5 determinações por concentração. Valor médio dentro de 15 % do valor verdadeiro ou 20 % no L.Q. É recomendado um mínimo de 3 concentrações na faixa de concentrações esperadas.

69 Exatidão Taxa de recuperação (1/3) Medição 1 Amostra Resultado R 1 Amostra + Dopante Medição 2 Resultado R 2 (R 2 R 1 ) Quantidade medida de dopante R 3 Se R4 é a quantidade adicionada de dopante, (R 4 R 3 ) = Erro

70 Exatidão Taxa de recuperação (2/3) ( x x) Taxa dere cuperação(%) = d 100 onde: x d = média dos resultados deamostras dopadas x = média dos resultados deamostras nãodopadas d = quantidadededopante d

71 Exatidão Taxa de recuperação (3/3) A exatidão depende da matriz, do processamento da amostra e da concentração de analito. Dados do manual AOAC ( Peer verified Methods Program ). Unidade 100 % 10 % 1 % 0,1 % 100 ppm 10 ppm 1 ppm 100 ppb 10 ppb 1 ppb Recuperação média (%)

72 Validação Robustez

73 Robustez Capacidade de um método permanecer inalterado frente a pequenas alterações nos parâmetros, por exemplo : Temperatura; Tempo de extração ph; concentração de tampão; volume de injeção; diferentes colunas; Velocidade do fluxo; Composição da matriz; etc...). É uma indicação da confiabilidade do método durante seu uso normal. Estes parâmetros podem ser testados : um por um; ou simultaneamente via planejamento de experimentos (DOE). Aceitabilidade : se os efeitos das alterações não tornaram inaceitável o método, estas alterações serão incorporadas ao método.

74 Validação de métodos m em Laboratórios rios de Microbiologia

75 Validação em Microbiologia A validação deve refletir as reais condições de trabalho. Validação para o sistema (método/analito/matriz). Devem ser guardados os dados de validação dos kits. Para métodos qualitativos : o especificidade; o erro relativo; o falso positivo; o falso negativo; o limite de detecção; o efeito da matriz; o repetitividade; o reprodutibilidade. Para métodos quantitativos : o especificidade; o sensibilidade; o erro relativo; o desvio positivo; o desvio negativo; o limite de detecção; o limite de quantificação; o efeito da matriz; o repetitividade; o reprodutibilidade.

76 Certificado de Calibração

77 Programação do Curso (Validação e Certificado de Calibração) Princípios da prática Analítica Boas práticas de medição Confiabilidade metrológica de um laboratório Validação : Definição Planejamento Pontos importantes Relação custo-benefício Critérios de aceitação Guias Fluxograma Estabilidade Especificidade/Seletividade Limite de quantificação Linearidade Exercício Precisão Exercício Exatidão Exercício Robustez Validação em microbiologia Certificado de calibração : Definições Objetivos Conteúdo Fluxograma Exercícios

78 VIM - Calibração Conjunto de operações que estabelece, sob condições especificadas, a relação entre os valores indicados por um instrumento de medição ou sistema de medição ou valores representados por uma medida materializada ou um material de referência, e os valores correspondentes das grandezas estabelecidos por padrões.

79 VIM - Ajuste Operação destinada a fazer com que um instrumento de medição tenha desempenho compatível com o seu uso.

80 VIM Exatidão de medição Grau de concordância entre o resultado de uma medição e um valor verdadeiro do mensurando.

81 Exato, porém impreciso Preciso, porém inexato Erro aleatório X Erro sistemático Exato e preciso Inexato e impreciso

82 Erro vs Incerteza Erro sistemático» ERRO Valor verdadeiro Erro aleatório» INCERTEZA ERRO INCERTEZA

83 Principais objetivos da calibração 1. Assegurar que as leituras de um instrumento são consistentes com outras medições; 2. Determinar a exatidão das leituras dos instrumentos; 3. Estabelecer a confiabilidade do instrumento.

84 Certificado de Calibração Contém informações com o propósito de garantir a rastreabilidade das medidas.

85 Deve: Certificado de Calibração estabelecer a identidade e credibilidade do Laboratório de Calibração; identificar de maneira única o instrumento e o seu proprietário; identificar as medições realizadas; apresentar uma declaração não ambígua dos resultados, incluindo uma declaração da incerteza.

86 Certificado de Calibração Informa sobre: o erro; a incerteza.

87 Certificado de Calibração: Informações Necessárias 1/3 INFORMAÇÕES NECESSÁRIAS POR QUÊ? 1. Título: Certificado de Calibração 2. Nome e Endereço do Laboratório de Calibração 3. Identificação única do certificado, isto é, um número de relatório 4. Cada página deve ser numerada e o total de páginas informado. 5. Nome e endereço do Cliente 6. Identificação não ambígua do instrumento, incluindo marca, modelo, número de série e número de versão do software. Para estabelecer o que o documento pretende ser. Para conhecer quem contatar para outras informações. Para poder ser rastreado todo o trabalho relacionado a calibração e o uso do instrumento. Para saber se a informação está completa. Para rastreabilidade Para saber ser o relatório está correto e o instrumento está completo.

88 Certificado de Calibração: Informações Necessárias 2/3 INFORMAÇÕES NECESSÁRIAS 7. Data da calibração ( e data de recebimento quando isso for crítico) 8. Identificação do método de calibração usado ou descrição não ambígua de qualquer método não padronizado usado, e/ou modificações a partir de método padronizado. 9. Condições nas quais a calibração foi realizada, por exemplo, temperatura ambiental, condições operacionais e opções de instrumentos. 10. Resultados de medições e correlatos. POR QUÊ? Para saber até que ponto os resultados são atuais. Como os resultados foram obtidos? Como estas e outras informações se relacionam às medições que eu realizo. Esta e a próxima categoria de informação são informações importantes do relatório: ler com cuidado! Para assegurar que você pode reproduzir as condições da calibração e assegurar que os resultados são aplicáveis a sua situação. Estes formam o coração do relatório, o investimento pago por estas informações.

89 Certificado de Calibração: Informações Necessárias 3/3 INFORMAÇÕES NECESSÁRIAS 11. Um enunciado da incerteza estimada dos resultados da calibração. 12. Assinatura(s) e nome da pessoa(s) responsável(ies) pelo conteúdo do relatório. 13. Declaração que o certificado não pode ser produzido na íntegra, sem aprovação por escrito do laboratório. 14. Identificação da acreditação do Laboratório em NBR ISO na calibração. POR QUÊ? Para capacitar você a calcular a incerteza das suas medidas. Para indicar que o relatório foi realizado de acordo com o sistema da qualidade do laboratório. Para assegurar que todas as informações relevantes estão sempre disponíveis para o usuário do certificado, e que os dados do certificado não podem ser corrompidos. Para assegurar que o laboratório é competente para prover todas as informações acima.

90 Resumindo: Título Nome e Endereço do Laboratório de Calibração Nome e Endereço do Cliente Identificação do Equipamento Método Condições nas quais a calibração foi realizada Resultados de medições Incerteza estimada No. do Certificado No. de Páginas Datas do relatório e da calibração Assinatura do responsável Declaração que o certificado não pode ser reproduzido Identificação da Acreditação do Laboratório para Calibração

91 Fluxograma de Auditoria do Certificado de Calibração 1/3 Existe POP para a calibração do equipamento? Sim Neste POP constam os critérios de aceitabilidade da calibração do equipamento quanto ao erro permissível? Sim Não Não Redigir Determinar Neste POP constam os critérios de aceitabilidade da calibração do equipamento quanto à incerteza permissível?

92 Fluxograma de Auditoria do Certificado de Calibração 2/3 Neste POP constam os critérios de aceitabilidade calibração do equipamento quanto à incerteza permissível? Não Esta incerteza é um componente importante Sim Determinar da incerteza final? Sim Não Providenciar calibração Existe certificado de calibração? Não e/ou certificado Sim A data está compatível com o requisito do POP? Não Calibrar Sim Providenciar Não O certificado contém todas as informações necessárias? outra cópia Sim

Treinamento: Metrologia em Química

Treinamento: Metrologia em Química Treinamento: Metrologia em Química Local: SINPROQUIM Rua Rodrigo Cláudio, 185 Aclimação - São Paulo SP MÓDULO 1 Curso: Estatística para Laboratórios Analíticos Data: 16 e 17 de junho de 2008 Horário: das

Leia mais

Validação de métodos bioanalíticos. Validação: o que é? PROGRAMA DE SEGURANÇA DE QUALIDADE ANALÍTICA ETAPAS CRÍTICAS DO PROCEDIMENTO ANALÍTICO

Validação de métodos bioanalíticos. Validação: o que é? PROGRAMA DE SEGURANÇA DE QUALIDADE ANALÍTICA ETAPAS CRÍTICAS DO PROCEDIMENTO ANALÍTICO Validação de métodos bioanalíticos Material desenvolvido por: Profa. Dra. Isarita Martins FCF-UNIFAL-MG (com alguns slides de Profa. Dra. Maria Elisa P.B. de Siqueira Profa. Dra. Pierina Bonato) Validação:

Leia mais

Incertezas de Medições em Calibrações: aplicações práticas no ambiente hospitalar

Incertezas de Medições em Calibrações: aplicações práticas no ambiente hospitalar I Congresso Brasileiro de Engenharia Clínica Palestra: Incertezas de Medições em Calibrações: aplicações práticas no ambiente hospitalar São Paulo, 30 de Setembro de 2005 Gilberto Carlos Fidélis Instrutor

Leia mais

Uso de Materiais de Referência

Uso de Materiais de Referência Uso de Materiais de Referência Ricardo Rezende Zucchini Célia Omine Iamashita IPT Divisão de Química Agrupamento de Materiais de Referência Introdução Série de guias ISO sobre Materiais de Referência ABNT

Leia mais

Método de Monte Carlo e ISO

Método de Monte Carlo e ISO Método de Monte Carlo e ISO GUM para cálculo l de incerteza Prof. Dr. Antonio Piratelli Filho Universidade de Brasilia (UnB) Faculdade de Tecnologia Depto. Engenharia Mecânica 1 Introdução: Erro x incerteza

Leia mais

Introdução à Análise Química QUI 094 ERRO E TRATAMENTO DE DADOS ANALÍTICOS

Introdução à Análise Química QUI 094 ERRO E TRATAMENTO DE DADOS ANALÍTICOS Introdução a Analise Química - II sem/2012 Profa Ma Auxiliadora - 1 Introdução à Análise Química QUI 094 1 semestre 2012 Profa. Maria Auxiliadora Costa Matos ERRO E TRATAMENTO DE DADOS ANALÍTICOS Introdução

Leia mais

http://e-legis.anvisa.gov.br/leisref/public/showact.php?id=15132&word=

http://e-legis.anvisa.gov.br/leisref/public/showact.php?id=15132&word= Page 1 of 15 Legislação em Vigilância Sanitária Página Inicial Pesquisa Complementar Estatísticas do site Normas Consolidadas Publicações de Hoje Glossário Ajuda título: Resolução RE nº 899, de 29 de maio

Leia mais

Calibração de Equipamentos

Calibração de Equipamentos Vídeo Conferência Calibração de Equipamentos Instituto de Pesos e Medidas do Estado do Paraná Junho/2014 Diferença entre calibração e a verificação metrológica Calibração Estabelece o erro de medição e

Leia mais

Aula ERROS E TRATAMENTOS DE DADOS

Aula ERROS E TRATAMENTOS DE DADOS ERROS E TRATAMENTOS DE DADOS METAS Apresentar os algarismos significativos e operações que os envolvem; apresentar os conceitos de precisão e exatidão; apresentar os tipos de erros experimentais; apresentar

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE VALIDAÇÃO DE MÉTODOS DE ENSAIOS QUÍMICOS

ORIENTAÇÃO SOBRE VALIDAÇÃO DE MÉTODOS DE ENSAIOS QUÍMICOS Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial ORIENTAÇÃO SOBRE VALIDAÇÃO DE MÉTODOS DE ENSAIOS QUÍMICOS Documento de caráter orientativo DOQ-CGCRE-008 Revisão 0 JUNHO/007 MOD-SEGEQ-00

Leia mais

MÉTODOS DE CALIBRAÇÃO

MÉTODOS DE CALIBRAÇÃO MÉTODOS DE CALIBRAÇÃO Sinais obtidos por equipamentos e instrumentos devem ser calibrados para evitar erros nas medidas. Calibração, de acordo com o INMETRO, é o conjunto de operações que estabelece, sob

Leia mais

Curso Calibração, Ajuste, Verificação e Certificação de Instrumentos de Medição

Curso Calibração, Ajuste, Verificação e Certificação de Instrumentos de Medição Curso Calibração, Ajuste, Verificação e Certificação de Instrumentos de Medição Instrutor Gilberto Carlos Fidélis Eng. Mecânico com Especialização em Metrologia pelo NIST - Estados Unidos e NAMAS/UKAS

Leia mais

Revisão. Quim. Nova, Vol. 27, No. 5, 771-780, 2004 VALIDAÇÃO EM MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS E ELETROFORÉTICOS

Revisão. Quim. Nova, Vol. 27, No. 5, 771-780, 2004 VALIDAÇÃO EM MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS E ELETROFORÉTICOS Quim. Nova, Vol. 27, No. 5, 771-780, 2004 VALIDAÇÃO EM MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS E ELETROFORÉTICOS Marcelo Ribani Instituto de Tecnologia do Paraná, Rua Prof. Algacir M. Mader, 3775, 81350-010 Curitiba -

Leia mais

ISO 17025 Versão 2005

ISO 17025 Versão 2005 1º Fórum Regional de Química - ES ISO 17025 Versão 2005 Rev. 14 Samuel Vieira JUN/2010 1 Terminologia e Siglas ABNT NBR ISO 9000:2000 Sistemas de gestão da qualidade Fundamentos e Vocabulário ABNT NBR

Leia mais

FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025. Laboratório(s) avaliado(s): Nº

FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025. Laboratório(s) avaliado(s): Nº FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025 FORMULÁRIO REVISÃO: 04 NOV/2008 Laboratório(s) avaliado(s): Nº Período de Avaliação: Data inicial da avaliação: / / Data término

Leia mais

CÁLCULO DE INCERTEZA EM ENSAIO DE TRAÇÃO COM OS MÉTODOS DE GUM CLÁSSICO E DE MONTE CARLO

CÁLCULO DE INCERTEZA EM ENSAIO DE TRAÇÃO COM OS MÉTODOS DE GUM CLÁSSICO E DE MONTE CARLO ENQUALAB-28 Congresso da Qualidade em Metrologia Rede Metrológica do Estado de São Paulo - REMESP 9 a 2 de junho de 28, São Paulo, Brasil CÁLCULO DE INCERTEZA EM ENSAIO DE TRAÇÃO COM OS MÉTODOS DE GUM

Leia mais

GARANTIA DE QUALIDADE DOS DADOS ANALÍTICOS - FICÇÃO OU REALIDADE?

GARANTIA DE QUALIDADE DOS DADOS ANALÍTICOS - FICÇÃO OU REALIDADE? GARANTIA DE QUALIDADE DOS DADOS ANALÍTICOS - FICÇÃO OU REALIDADE? Thomas Schilling (1) Doutorado em química analítica na Universidade Técnica em Graz (Áustria). Pós-doutorado no Departamento de Tecnologia

Leia mais

Método Comparativo de Calibração de Sistema por Interferometria a laser para medição Linear Wellington Santos Barros 1,Gregório Salcedo Munõz 2,

Método Comparativo de Calibração de Sistema por Interferometria a laser para medição Linear Wellington Santos Barros 1,Gregório Salcedo Munõz 2, METROLOGIA-003 Metrologia para a Vida Sociedade Brasileira de Metrologia (SBM) Setembro 0 05, 003, Recife, Pernambuco - BRASIL Método Comparativo de Calibração de Sistema por Interferometria a laser para

Leia mais

Lab Management : a tool for competitiveness. Celso Romero Kloss

Lab Management : a tool for competitiveness. Celso Romero Kloss Lab Management : a tool for competitiveness Celso Romero Kloss METROLOGIA NO DIA A DIA A VELOCIDADE DAS MUDANÇAS A aceleração da história é também medido pelo tempo entre a descoberta de um processo tecnológico

Leia mais

Controle de Qualidade de Laboratório

Controle de Qualidade de Laboratório Controle de Qualidade de Laboratório de Ensaio Aliado à Tecnologia Paulo Henrique Muller Sary Diretor Técnico SaaS Ambiental Porto Alegre, 25 de julho de 2014. Garantia da Qualidade O programa de garantia

Leia mais

1.1 Definições e Conceitos Importantes

1.1 Definições e Conceitos Importantes 1 INTRODUÇÃO À TEORIA DE ERROS Quando procuramos obter resultados através de observações experimentais, devemos ter sempre à mente que nossa observações serão sempre limitadas, no sentido de que jamais

Leia mais

A INTEGRAÇÃO ENTRE ESTATÍSTICA E METROLOGIA

A INTEGRAÇÃO ENTRE ESTATÍSTICA E METROLOGIA A INTEGRAÇÃO ENTRE ESTATÍSTICA E METROLOGIA João Cirilo da Silva Neto jcirilo@araxa.cefetmg.br. CEFET-MG-Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais-Campus IV, Araxá Av. Ministro Olavo Drumonnd,

Leia mais

REQUISITOS GERAIS PARA COMPETÊNCIA DE LABORATORIOS DE ENSAIO E CALIBRAÇÃO NBR ISO/IEC 17025

REQUISITOS GERAIS PARA COMPETÊNCIA DE LABORATORIOS DE ENSAIO E CALIBRAÇÃO NBR ISO/IEC 17025 CURSO E-LEARNING REQUISITOS GERAIS PARA COMPETÊNCIA DE LABORATORIOS DE ENSAIO E CALIBRAÇÃO NBR ISO/IEC 17025 Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitido a distribuição física ou eletrônica deste

Leia mais

Coordenação Geral de Acreditação

Coordenação Geral de Acreditação Coordenação Geral de Acreditação ORIENTAÇÕES AOS LABORATÓRIOS QUÍMICOS NO ATENDIMENTO DOS REQUISITOS DA ABNT NBR ISO/IEC 17025 E POLÍTICAS DE ACREDITAÇÃO DA CGCRE Documento de caráter orientativo (DOQ-Cgcre-035)

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DO 8º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL VAZÃO

RELATÓRIO FINAL DO 8º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL VAZÃO RELATÓRIO FINAL DO 8º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL VAZÃO PROCESSO CERTIFICADO ISO 9001:008 pela SGS Certificadora Certificado BR 98/0139 8-set-00 Relatório do PEP 008/010

Leia mais

Módulo 2. Identificação dos requisitos dos sistemas de medição, critérios de aceitação e o elemento 7.6 da ISO/TS.

Módulo 2. Identificação dos requisitos dos sistemas de medição, critérios de aceitação e o elemento 7.6 da ISO/TS. Módulo 2 Identificação dos requisitos dos sistemas de medição, critérios de aceitação e o elemento 7.6 da ISO/TS. Conteúdos deste módulo Discriminação Decomposição da variação do sistema de medição Variação

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE EM LABORATÓRIOS

GESTÃO DA QUALIDADE EM LABORATÓRIOS Curso GESTÃO DA QUALIDADE EM LABORATÓRIOS Data: 23 de abril de 2014 Hora: 13 às 17 horas Ministrante: Eng. Químico ROBÉRIO FERNANDES ALVES DE OLIVEIRA Diretor Vice-Presidente da ABQ Meus contatos: Email:

Leia mais

ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA. Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva

ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA. Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva Joel Alves da Silva, Diretor Técnico JAS-METRO Soluções e Treinamentos

Leia mais

CREDENCIAMENTO DE LABORATÓRIOS

CREDENCIAMENTO DE LABORATÓRIOS 1 OBJETIVO Estabelecer as responsabilidades, os procedimentos e os critérios técnicos para o credenciamento de laboratórios. 2 CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma é aplicada aos laboratórios públicos ou privados

Leia mais

Proposta para a estimativa da incerteza de medição e garantia da qualidade do teste de germinação 1

Proposta para a estimativa da incerteza de medição e garantia da qualidade do teste de germinação 1 37 Proposta para a estimativa da incerteza de medição e garantia da qualidade do teste de germinação 1 Glaucia Bortoluzzi Maag 2 *, Filipe de Medeiros Albano 3, Rosinha Maria Peroni Mesquita 2 RESUMO A

Leia mais

GUIA PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE MANUTENÇÃO DA CONFIABILIDADE METROLÓGICA DE INSTRUMENTOS DE MEDIÇÃO

GUIA PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE MANUTENÇÃO DA CONFIABILIDADE METROLÓGICA DE INSTRUMENTOS DE MEDIÇÃO GUIA PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE MANUTENÇÃO DA CONFIABILIDADE METROLÓGICA DE INSTRUMENTOS DE MEDIÇÃO Sereno H.R.S. 1, Sheremetieff Jr. A. 2 1 Inmetro, Duque de Caxias, Brasil hrsereno@inmetro.gov.br

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DO 4º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL MASSA

RELATÓRIO FINAL DO 4º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL MASSA RELATÓRIO FINAL DO 4º PROGRAMA DE SAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL MASSA PROCESSO CERTIFICADO ISO 9001:2008 pela SGS Certificadora Certificado BR 98/0139 8-set-200 Relatório do PEP 004/2010

Leia mais

Curso ISO 17025 orientado para Auditores Internos

Curso ISO 17025 orientado para Auditores Internos Curso ISO 17025 orientado para Auditores Internos Pierre Morel Ministério da Saúde ANVISA / GGLAS Slide 001 Qualidade e Sistemas em Laboratório Sistema da Qualidade : condição necessária e suficiente?

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA INCERTEZA DE MEDIÇÃO EM DURÔMETROS PARA PESQUISA METROLÓGICA

DETERMINAÇÃO DA INCERTEZA DE MEDIÇÃO EM DURÔMETROS PARA PESQUISA METROLÓGICA DETERMINAÇÃO DA INCERTEZA DE MEDIÇÃO EM DURÔMETROS PARA PESQUISA METROLÓGICA Pires, Fábio de Souza Nascimento, Jôneo Lopes do Cardoso, Tito Lívio Medeiros* INSTITUTO NACIONAL DE TECNOLOGIA INT 1. Introdução

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DA QUALIDADE EM LABORATÓRIO

IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DA QUALIDADE EM LABORATÓRIO IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DA QUALIDADE EM LABORATÓRIO Leonardo César Amstalden Gerente da Qualidade Laboratório T&E Analítica Rua Lauro Vannucci 1260 Campinas - SP (19) 3756-6600 SISTEMA DA QUALIDADE Um

Leia mais

VALIDAÇÃO DE MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS PARA A DETERMINAÇÃO DE RESÍDUOS DE MEDI- CAMENTOS VETERINÁRIOS EM ALIMENTOS

VALIDAÇÃO DE MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS PARA A DETERMINAÇÃO DE RESÍDUOS DE MEDI- CAMENTOS VETERINÁRIOS EM ALIMENTOS Quim. Nova, Vol. 31, No. 5, 1190-1198, 2008 VALIDAÇÃO DE MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS PARA A DETERMINAÇÃO DE RESÍDUOS DE MEDI- CAMENTOS VETERINÁRIOS EM ALIMENTOS Revisão Jonas Augusto Rizzato Paschoal e Susanne

Leia mais

Introdução a Química Analítica. Professora Mirian Maya Sakuno

Introdução a Química Analítica. Professora Mirian Maya Sakuno Introdução a Química Analítica Professora Mirian Maya Sakuno Química Analítica ou Química Quantitativa QUÍMICA ANALÍTICA: É a parte da química que estuda os princípios teóricos e práticos das análises

Leia mais

Aspectos técnicos relacionados à

Aspectos técnicos relacionados à II Workshop de Acreditação de Produtores de Materiais de Referência e de Provedores de Ensaios de Proficiência Aspectos técnicos relacionados à norma ISO 13528:2005 Roberto Gonçalves Junqueira Professor

Leia mais

Leticia de A. P. Rodrigues Msc Ciência de Alimentos, doutoranda em Química Analítica Metrologia Química e volumétrica - MQV SENAI Lauro de Freitas

Leticia de A. P. Rodrigues Msc Ciência de Alimentos, doutoranda em Química Analítica Metrologia Química e volumétrica - MQV SENAI Lauro de Freitas Leticia de A. P. Rodrigues Msc Ciência de Alimentos, doutoranda em Química Analítica Metrologia Química e volumétrica - MQV SENAI Lauro de Freitas Definição de rastreabilidade metrológica VIM, 2012 Propriedade

Leia mais

REQUISITOS PARA ACREDITAÇÃO

REQUISITOS PARA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025:2005 REQUISITOS PARA ACREDITAÇÃO OBJETIVO Demonstrar a documentação básica necessária para atender aos requisitos de acreditação para ensaios. ISO 9001 X ISO 17025 Abordagem Abrangência

Leia mais

SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO E OBJETIVO... 3 2 COORDENAÇÃO DO PROGRAMA E POLÍTICA DE CONFIDENCIALIDADE... 4 3 ITEM DA COMPARAÇÃO, PARÂMETROS E RESULTADOS...

SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO E OBJETIVO... 3 2 COORDENAÇÃO DO PROGRAMA E POLÍTICA DE CONFIDENCIALIDADE... 4 3 ITEM DA COMPARAÇÃO, PARÂMETROS E RESULTADOS... COMPARAÇÃO ENTRE ORGANISMOS EM INSPEÇÃO: ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS, MEDIÇÕES DE ESPESSURA POR ULTRASSOM Programa PEP REDE 1406 Rodada 012/2015 (Instruções aos Participantes, atualizado em 30/03/2015) SUMÁRIO

Leia mais

Proposta de Nota Técnica Cgcre. Verificação intermediária das balanças utilizadas por laboratórios que realizam ensaios químicos e biológicos

Proposta de Nota Técnica Cgcre. Verificação intermediária das balanças utilizadas por laboratórios que realizam ensaios químicos e biológicos Proposta de Nota Técnica Cgcre Verificação intermediária das balanças utilizadas por laboratórios que realizam ensaios químicos e biológicos Ana Cristina D. M. Follador Coordenação Geral de Acreditação

Leia mais

1. A Vigilância Sanitária pode acatar a verificação metrológica realizada pelo IPEM como calibração?

1. A Vigilância Sanitária pode acatar a verificação metrológica realizada pelo IPEM como calibração? Página 1 de 8 Esclarecimentos prestados pelo IPEM-PR aos questionamentos realizados pela Vigilância Sanitária, através do oficio n 420/2014 DVVSP/CEVS/SVS de 04 de junho de 2014. 1. A Vigilância Sanitária

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

Regina Tenório DOCUMENTAÇÃO DE VALIDAÇÃO DE METODOLOGIA ANALÍTICA

Regina Tenório DOCUMENTAÇÃO DE VALIDAÇÃO DE METODOLOGIA ANALÍTICA Regina Tenório DOCUMENTAÇÃO DE VALIDAÇÃO DE METODOLOGIA ANALÍTICA São Paulo 2007 2 CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS CURSO DE FARMÁCIA REGINA TENÓRIO DOCUMENTAÇÃO DE VALIDAÇÃO DE

Leia mais

COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS MECÂNICOS: ÁREA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS, PRESSOSTATO

COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS MECÂNICOS: ÁREA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS, PRESSOSTATO COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS MECÂNICOS: ÁREA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS, PRESSOSTATO Programa PEP REDE 1401 Rodada 021/2015 (Instruções aos Participantes, atualizado em 25/08/2015) F.PEP-4.6-003,

Leia mais

Vocabulário Internacional de Termos Fundamentais e Gerais de METROLOGIA

Vocabulário Internacional de Termos Fundamentais e Gerais de METROLOGIA Vocabulário Internacional de Termos Fundamentais e Gerais de METROLOGIA Medições 1. Medição Conjunto de operações que tem por objetivo determinar um valor de uma grandeza. As operações podem ser feitas

Leia mais

Acreditação de Laboratórios. Acreditação de Laboratórios. Acreditação

Acreditação de Laboratórios. Acreditação de Laboratórios. Acreditação Acreditação de Laboratórios Acreditação Acreditação de Laboratórios Como Acreditar Laboratórios Vantagens da Acreditação Documentos Básicos para Acreditação Reconhecimento Internacional Acreditação A acreditação

Leia mais

VALIDAÇÃO DO SISTEMA DE CLIMATIZAÇÃO DE CÂMARAS DE ESTOCAGEM QUANTO À TEMPERATURA E UMIDADE RELATIVA

VALIDAÇÃO DO SISTEMA DE CLIMATIZAÇÃO DE CÂMARAS DE ESTOCAGEM QUANTO À TEMPERATURA E UMIDADE RELATIVA VALIDAÇÃO DO SISTEMA DE CLIMATIZAÇÃO DE CÂMARAS DE ESTOCAGEM QUANTO À TEMPERATURA E UMIDADE RELATIVA JULIANA S. ZANINI 1, VALÉRIA D. A. ANJOS 2, LUCIANO ARMILIATO 3, ERNESTO QUAST 4 N o 10229 Resumo Neste

Leia mais

A simulação no cálculo da incerteza da medição

A simulação no cálculo da incerteza da medição A simulação no cálculo da incerteza da medição MACHADO, Vicente Departamento Acadêmico de Eletrônica Centro Federal de Educação Tecnológica do Paraná - (CEFET-PR), Av. Sete de Setbro, 65 CEP 800-90 Fone:

Leia mais

AULAS 13, 14 E 15 Correlação e Regressão

AULAS 13, 14 E 15 Correlação e Regressão 1 AULAS 13, 14 E 15 Correlação e Regressão Ernesto F. L. Amaral 23, 28 e 30 de setembro de 2010 Metodologia de Pesquisa (DCP 854B) Fonte: Triola, Mario F. 2008. Introdução à estatística. 10 ª ed. Rio de

Leia mais

A IMPLEMENTAÇÃO DA GARANTIA DA QUALIDADE PELA NBR ISO/IEC 17025: 2005 E SEUS FATORES CRÍTICOS

A IMPLEMENTAÇÃO DA GARANTIA DA QUALIDADE PELA NBR ISO/IEC 17025: 2005 E SEUS FATORES CRÍTICOS ENQUALAB-2006 Congresso e Feira da Qualidade em Metrologia Rede Metrológica do Estado de São Paulo - REMESP 30 de maio a 01 de junho de 2006, São Paulo, Brasil A IMPLEMENTAÇÃO DA GARANTIA DA QUALIDADE

Leia mais

EXPRESSÃO DA INCERTEZA NA MEDIÇÃO DA DUREZA BRINELL

EXPRESSÃO DA INCERTEZA NA MEDIÇÃO DA DUREZA BRINELL EXPRESSÃO A INCERTEZA NA MEIÇÃO A UREZA BRINELL Sueli Fischer Beckert Instituto Superior de Tecnologia IST, Centro de Mecânica de Precisão de Joinville CMPJ sueli@sociesc.com.br Joinville, SC, Brasil Luciana

Leia mais

COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS DE ELETRODOMÉSTICOS E SIMILARES: FERRO ELÉTRICO DE PASSAR ROUPA

COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS DE ELETRODOMÉSTICOS E SIMILARES: FERRO ELÉTRICO DE PASSAR ROUPA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS DE ELETRODOMÉSTICOS E SIMILARES: FERRO ELÉTRICO DE PASSAR ROUPA Apoio: Programa PEP REDE 1505 Rodada 047/2015 (Instruções aos Participantes, atualizado em 31/08/2015)

Leia mais

Marcus Henrique C. de la Cruz

Marcus Henrique C. de la Cruz Incerteza de Medição em Análise Química Análise Cromatográfica Marcus Henrique C. de la Cruz Comissão do Programa de Ensaio de Proficiência EP - INCQS Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde

Leia mais

Roteiro para aulas de calibração com manômetros Analógicos

Roteiro para aulas de calibração com manômetros Analógicos Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Curso Técnico em Automação Industrial Roteiro para aulas de calibração com manômetros Analógicos Rio Grande, setembro

Leia mais

SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE INFORMAÇÕES PARA LABORATÓRIO DE METROLOGIA

SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE INFORMAÇÕES PARA LABORATÓRIO DE METROLOGIA SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE INFORMAÇÕES PARA LABORATÓRIO DE METROLOGIA Alysson Andrade Amorim Luiz Soares Júnior Universidade Federal do Ceará, Centro de Tecnologia, Departamento de Engenharia Mecânica,

Leia mais

Ensaio de Proficiência em Sucos 2ª Rodada Ácido Benzóico em Suco de Laranja

Ensaio de Proficiência em Sucos 2ª Rodada Ácido Benzóico em Suco de Laranja Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Protocolo nº 004/2014 (Dimci/Dicep) Revisão nº 00

Leia mais

SUMÁRIO 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 METODOLOGIA

SUMÁRIO 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 METODOLOGIA RM 53 ORIENTAÇÕES SOBRE DECLARAÇÃO DA INCERTEZA DE MEDIÇÃO EM METROLOGIA DIMENSIONAL PROCEDIMENTO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE REVISÃO: 04 ABR/2015 SUMÁRIO 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO 2 REFERÊNCIAS

Leia mais

METROLOGIA SENAI / SP

METROLOGIA SENAI / SP METROLOGIA SENAI / SP Rede de Laboratórios de Serviços Senai / SP Eduardo Ferreira Garcia GIT Metrologia Definição : Metrologia : Ciência da medição e suas aplicações Nota : A metrologia engloba todos

Leia mais

Avaliação da variação do sistema de medição Exemplo 1: Diâmetros de bico injetor de combustível

Avaliação da variação do sistema de medição Exemplo 1: Diâmetros de bico injetor de combustível Avaliação da variação do sistema de medição Exemplo 1: Diâmetros de bico injetor de combustível Problema Um fabricante de bicos injetores de combustível instala um novo sistema digital de medição. Os investigadores

Leia mais

Desenvolvimento e operação de programas de ensaio de proficiência

Desenvolvimento e operação de programas de ensaio de proficiência XV Encontro Nacional sobre Metodologias e Gestão de Laboratórios da EMBRAPA XV MET Embrapa Clima Temperado PELOTAS - RS Desenvolvimento e operação de programas de ensaio de proficiência Gilberto Batista

Leia mais

Análise Crítica de Certificados de Calibração

Análise Crítica de Certificados de Calibração Análise Crítica de Certificados de Calibração João Carlos Antunes de Souza Ana Cristina D. M. Follador Chefe da Divisão Chefe do de Núcleo Acreditação de Avaliação de Laboratórios- de Laboratórios DICLA/CGCRE/INMETRO

Leia mais

(Instruções aos Participantes, atualizado em 25/08/2015)

(Instruções aos Participantes, atualizado em 25/08/2015) COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS ELÉTRICOS E ÓPTICOS: LÂMPADAS Apoio: Programa PEP REDE 1503 Rodada 036/2015 (Instruções aos Participantes, atualizado em 25/08/2015) F.PEP-4.6-003, rev. 002 Origem:

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo Coordenação Geral de Acreditação ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO Documento de caráter orientativo DOQ-CGCRE-002 Revisão 03

Leia mais

O serviço Elaboramos propostas de formação de acordo com as reais necessidades dos laboratórios, sugerindo os seguintes temas:

O serviço Elaboramos propostas de formação de acordo com as reais necessidades dos laboratórios, sugerindo os seguintes temas: Form + Lab O que é? O Form + Lab é um serviço de formação criado para apoiar os laboratórios na valorização dos seus colaboradores e na resposta às necessidades do Sistema de Gestão da Qualidade. Recorrendo

Leia mais

Palestra 1: Rastreabilidade metrológica em ensaios químicos Pontos relevantes para avaliação dos avaliadores (Vanderléa de Souza Inmetro/Dimci)

Palestra 1: Rastreabilidade metrológica em ensaios químicos Pontos relevantes para avaliação dos avaliadores (Vanderléa de Souza Inmetro/Dimci) Relatório das atividades desenvolvidas no III Workshop de Avaliadores e Especialistas em Calibração e Ensaios na Área de Química Local: Hotel São Francisco Rio de Janeiro - Brasil Período: 17 e 18 de Outubro

Leia mais

PROTOCOLO DO 2º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA

PROTOCOLO DO 2º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PROTOCOLO DO 2º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PROGRAMA DA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE CALIBRAÇÃO EM MASSA ESPECÍFICA MEDIÇÕES REALIZADAS NAS INSTALAÇÕES PERMANENTES Rodada 01 Revisão 00 02 de

Leia mais

PROTOCOLO DO 1º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA

PROTOCOLO DO 1º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PROTOCOLO DO 1º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PROGRAMA DA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE CALIBRAÇÃO NA AREA DE PRESSÃO FORA DAS INSTALAÇÕES PERMANENTES Rodada 01 Revisão 02 22 de Novembro de 2013

Leia mais

Sistema de Gestão de Medição: importante, mas nem sempre reconhecido

Sistema de Gestão de Medição: importante, mas nem sempre reconhecido Sistema de Gestão de Medição: importante, mas nem sempre reconhecido Nasario de S.F. Duarte Jr. (São Paulo, SP) Resumo: o objetivo deste artigo é ressaltar a importância de se estabelecer um sistema de

Leia mais

RM 62 REQUISITOS SOBRE A PARTICIPAÇÃO DE LABORATÓRIOS EM ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA SUMÁRIO

RM 62 REQUISITOS SOBRE A PARTICIPAÇÃO DE LABORATÓRIOS EM ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA SUMÁRIO SUMÁRIO 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 METODOLOGIA 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO O presente documento tem o objetivo definir os requisitos sobre a participação de laboratórios

Leia mais

CAPÍTULO 1 MEDIÇÃO E O ERRO DE MEDIÇÃO

CAPÍTULO 1 MEDIÇÃO E O ERRO DE MEDIÇÃO CAPÍTULO 1 MEDIÇÃO E O ERRO DE MEDIÇÃO 1.1. Definições do Vocabulário Internacional de Metrologia (VIM) Metrologia: Ciência das medições [VIM 2.2]. Medição: Conjunto de operações que têm por objectivo

Leia mais

Especificação Técnica ÍNDICE DE REVISÕES

Especificação Técnica ÍNDICE DE REVISÕES UNIDADE: GERAL 1 de 15 ÍNDICE DE REVISÕES Rev. 0 EMISSÃO INICIAL DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS 1 2 6.1.6-b inclusão: repetibilidade de 0,1% (zero virgula um por cento); 6.1.7 inclusão: Desvio padrão

Leia mais

Acreditação de laboratórios. Validação de métodos. nº 10 julho/2005

Acreditação de laboratórios. Validação de métodos. nº 10 julho/2005 nº 10 julho/2005 Acreditação de laboratórios O diretor de Acreditação da SBPC/ ML, Guilherme de Oliveira, e o gerente Técnico do PALC, Ismar Barbosa, explicam o que é acreditação de laboratório, suas vantagens

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA METROLOGIA NO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

A IMPORTÂNCIA DA METROLOGIA NO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE A IMPORTÂNCIA DA METROLOGIA NO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ESTE MATERIAL É EXCLUSIVO PARA USO EM TREINAMENTOS / CURSOS DA ESTATICA. CÓPIAS SOMENTE COM AUTORIZAÇÃO DO AUTOR. METROLOGIA Ciência da medição

Leia mais

ABNT NBR ISO 10012 NORMA BRASILEIRA. Sistemas de gestão de medição Requisitos para os processos de medição e equipamento de medição

ABNT NBR ISO 10012 NORMA BRASILEIRA. Sistemas de gestão de medição Requisitos para os processos de medição e equipamento de medição NORMA BRASILEIRA ABNT NBR ISO 10012 Primeira edição 30.04.2004 Válida a partir de 31.05.2004 Sistemas de gestão de medição Requisitos para os processos de medição e equipamento de medição Measurement management

Leia mais

PROTOCOLO DO 1º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA

PROTOCOLO DO 1º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PROTOCOLO DO 1º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PROGRAMA DA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE CALIBRAÇÃO CALIBRAÇÕES REALIZADAS NAS INSTALAÇÕES PERMANENTES Rodada 01 Revisão 03 11 de NOVEMBRO de 2014

Leia mais

Gerenciando o Sistema de Medição

Gerenciando o Sistema de Medição Gerenciando o Sistema de Medição A finalidade deste artigo é colaborar na reflexão e conscientização de todos os níveis das empresas - desde a alta administração ao usuário dos instrumentos - quanto aos

Leia mais

RELATÓRIO DE 2014/2015 MOD01 rev12

RELATÓRIO DE 2014/2015 MOD01 rev12 ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- PROGRAMA INTERLABORATORIAL

Leia mais

Manual de validação, verificação/confirmação de desempenho, estimativa da incerteza de medição e controle de qualidade intralaboratorial

Manual de validação, verificação/confirmação de desempenho, estimativa da incerteza de medição e controle de qualidade intralaboratorial Manual de validação, verificação/confirmação de desempenho, estimativa da incerteza de medição e controle de qualidade intralaboratorial Divisão de Ensaios Químicos Coordenação-Geral de Apoio Laboratorial

Leia mais

Rastreabilidade metrológica: pontos relevantes para avaliação dos avaliadores

Rastreabilidade metrológica: pontos relevantes para avaliação dos avaliadores Rastreabilidade metrológica: pontos relevantes para avaliação dos avaliadores Vanderléa de Souza Diretoria de Metrologia Científica e Industrial Dimci/Inmetro 17/10/11 Conteúdo Conceitos de Medição Estrutura

Leia mais

Validação e Controle de Qualidade Analítica

Validação e Controle de Qualidade Analítica guia de Validação e Controle de Qualidade Analítica Fármacos em Produtos para Alimentação Animal e Medicamentos Veterinários CGAL/SDA Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Ministério da

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DO 2º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL VOLUME

RELATÓRIO FINAL DO 2º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL VOLUME RELATÓRIO FINAL DO 2º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL VOLUME PROCESSO CERTIFICADO ISO 9001:2008 pela SGS Certificadora Certificado BR 98/0139 8-set-200 Relatório do PEP

Leia mais

Relatório de Ensaio Nº FLA 0003/2013

Relatório de Ensaio Nº FLA 0003/2013 Página 1 de 6 Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul LABELO - Laboratórios Especializados em Eletroeletrônica Calibração e Ensaios Rede Brasileira de Laboratórios de Ensaios Laboratório

Leia mais

A Viabilidade de Implementação de Sistemas de Calibração na Indústria Newton Bastos Vendas Técnicas Presys Instrumentos e Sistemas Ltda * Alguns Questionamentos * Você sabe como está a Gerenciamento das

Leia mais

INCERTEZA NA MEDIÇÃO DE BLOCOS-PADRÃO COM MICRÔMETROS ANALÓGICOS

INCERTEZA NA MEDIÇÃO DE BLOCOS-PADRÃO COM MICRÔMETROS ANALÓGICOS 6º CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE FABRICAÇÃO 6 th BRAZILIAN CONFERENCE ON MANUFACTURING ENGINEERING 11 a 15 de abril de 2011 Caxias do Sul RS - Brasil April 11 th to 15 th, 2011 Caxias do Sul RS

Leia mais

A avaliação da incerteza do tipo B. Segundo o Guia para Expressão da Incerteza na Medição (Joint Commitee for Guides

A avaliação da incerteza do tipo B. Segundo o Guia para Expressão da Incerteza na Medição (Joint Commitee for Guides A avaliação da incerteza do tipo B Segundo o Guia para Expressão da Incerteza na Medição (Joint Commitee for Guides in Metrology, 2008a), em condições ideais, todas as incertezas em laboratório seriam

Leia mais

Ensaios de Proficiência

Ensaios de Proficiência Ensaios de Proficiência Xerém, 01 de Junho de 2007 Thiago de Oliveira Araujo Pesquisador Labin - Dquim Introdução A ISO Guia 43 Preparo das amostras Análise dos dados Conclusões Sumário Introdução Conceitos

Leia mais

1º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE ELETRICIDADE

1º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE ELETRICIDADE 1º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE ELETRICIDADE GRANDEZA: TENSÃO CONTÍNUA E ALTERNADA, CORRENTE CONTÍNUA E ALTERNADA E RESISTÊNCIA ELÉTRICA PROCESSO CERTIFICADO ISO

Leia mais

Aula 04 Método de Monte Carlo aplicado a análise de incertezas. Aula 04 Prof. Valner Brusamarello

Aula 04 Método de Monte Carlo aplicado a análise de incertezas. Aula 04 Prof. Valner Brusamarello Aula 04 Método de Monte Carlo aplicado a análise de incertezas Aula 04 Prof. Valner Brusamarello Incerteza - GUM O Guia para a Expressão da Incerteza de Medição (GUM) estabelece regras gerais para avaliar

Leia mais

QUANTIFICAÇÃO DA INCERTEZA NAS MEDIÇÕES ANALÍTICAS

QUANTIFICAÇÃO DA INCERTEZA NAS MEDIÇÕES ANALÍTICAS QUANTIFICAÇÃO DA INCERTEZA NAS MEDIÇÕES ANALÍTICAS VERSÃO EM PORTUGUÊS DO GUIA EURACHEM/CITAC TRADUÇÃO E ADAPTAÇÃO DA 2ª EDIÇÃO (2000) MARIA FILOMENA GOMES FERREIRA CRUJO CAMÕES Outubro 2001 ÍNDICE PREFÁCIO

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO TESTE DE SOFTWARE PARA A QUALIDADE DO PROJETO

A IMPORTÂNCIA DO TESTE DE SOFTWARE PARA A QUALIDADE DO PROJETO A IMPORTÂNCIA DO TESTE DE SOFTWARE PARA A QUALIDADE DO PROJETO Autora: LUCIANA DE BARROS ARAÚJO 1 Professor Orientador: LUIZ CLAUDIO DE F. PIMENTA 2 RESUMO O mercado atual está cada vez mais exigente com

Leia mais

6 Calibração de Sistemas de. Fundamentos de Metrologia

6 Calibração de Sistemas de. Fundamentos de Metrologia 6 Calibração de Sistemas de Medição Fundamentos de Metrologia Motivação definição do mensurando procedimento de medição resultado da medição condições ambientais operador sistema de medição Posso confiar

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DO 6º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA 2011 COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL ELETRICIDADE. GRANDEZA: CORRENTE ALTERNADA 60 Hz

RELATÓRIO FINAL DO 6º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA 2011 COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL ELETRICIDADE. GRANDEZA: CORRENTE ALTERNADA 60 Hz RELATÓRIO FINAL DO 6º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA 2011 COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL ELETRICIDADE GRANDEZA: CORRENTE ALTERNADA 60 Hz PROCESSO CERTIFICADO ISO 9001:2008 pela SGS Certificadora Certificado

Leia mais

Análise crítica dos resultados oriundos de certificados de calibração relativo à calibração de bloco-padrão utilizando lógica fuzzy.

Análise crítica dos resultados oriundos de certificados de calibração relativo à calibração de bloco-padrão utilizando lógica fuzzy. Análise crítica dos resultados oriundos de certificados de calibração relativo à calibração de bloco-padrão utilizando lógica fuzzy. Flávio Carnelli Frade 1,2, Pedro Bastos Costa 1,3, Giovane Quadreli

Leia mais

Comparação Interlaboratorial com Termopar tipo K de -40 a 300 C

Comparação Interlaboratorial com Termopar tipo K de -40 a 300 C Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL INMETRO Protocolo de Comparação n.º 001/2008 (Dimci/Dicep)

Leia mais

PROTOCOLO DO 5º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE MASSA

PROTOCOLO DO 5º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE MASSA PROTOCOLO DO 5º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE MASSA Revisão 01-15 de abril de 2013 Fol. 1 de 8 INTRODUÇÃO A SETTING CALIBRATION LABORATORIES iniciou suas atividades

Leia mais

Um Estudo Comparativo de Sistemas Comerciais de Monitoramento da Limpeza com ATP

Um Estudo Comparativo de Sistemas Comerciais de Monitoramento da Limpeza com ATP Um Estudo Comparativo de Sistemas Comerciais de Monitoramento da Limpeza com ATP Baseado em dados gerados pelo Sillliker Group Inc Resumo O desempenho de 5 sistemas de monitoramento da higiene com ATP

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE QUÍMICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE QUÍMICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE QUÍMICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA VALIDAÇÃO DE MÉTODOS ANALÍTICOS - ESTUDOS DE CASOS RELEVANTES DE ATIVIDADES DOS LABORATÓRIOS

Leia mais

INE 7001 - Procedimentos de Análise Bidimensional de variáveis QUANTITATIVAS utilizando o Microsoft Excel. Professor Marcelo Menezes Reis

INE 7001 - Procedimentos de Análise Bidimensional de variáveis QUANTITATIVAS utilizando o Microsoft Excel. Professor Marcelo Menezes Reis INE 7001 - Procedimentos de Análise Bidimensional de variáveis QUANTITATIVAS utilizando o Microsoft Excel. Professor Marcelo Menezes Reis O objetivo deste texto é apresentar os principais procedimentos

Leia mais