CASO DAS MORTES APÓS EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NO HOSPITAL VERA CRUZ EM JANEIRO 2013, CAMPINAS-SP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CASO DAS MORTES APÓS EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NO HOSPITAL VERA CRUZ EM JANEIRO 2013, CAMPINAS-SP"

Transcrição

1 CASO DAS MORTES APÓS EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NO HOSPITAL VERA CRUZ EM JANEIRO 2013, CAMPINAS-SP

2

3 O Caso Descrição inicial Providências Imediatas com as informações disponíveis Inicio da Investigação Sequencia na investigação Imediato: Situar o problema Avaliar a dimensão do ocorrido Avaliar o risco iminente - ações ações e providências Novas Informações Primeiras Hipóteses Primeiras Conclusões ações e providências Continuidade da Investigação ações e providências Conclusão ações e providências Novas Hipóteses

4 O CASO Em 28/01/2013, 03 pacientes (2 homens e 1 mulher, 25 a 39 anos), submetidos a exames de ressonância magnética (RM) de crânio, entre 18:00hs e 21:00hs, tiveram parada cardiorrespiratória, 25 a 40 minutos após administração de contraste. Evoluíram a óbito no próprio serviço.

5 O CASO O primeiro paciente passou mal no serviço de RM e foi encaminhado ao pronto socorro do HVC e evoluiu a óbito no PS. A segunda paciente saiu do serviço de RM sem manifestar reações e adentrou o PS pela porta externa, passando mal e desmaiou antes de poder fornecer qualquer informação ao serviço. Não foi, portanto, relacionada ao óbito do serviço de RM de imediato. O terceiro paciente passou mal no serviço de RM e foi encaminhado ao PS. A paciente que entrou no PS pela porta externa somente foi relacionada aos demais óbitos, após os outros dois óbitos de pacientes encaminhados do serviço de RM ao PS.

6 A RNM é utilizada como auxílio diagnóstico para diversas doenças... A RNM utiliza ondas eletromagnéticas para obter imagens de órgãos e estruturas internas de pacientes de modo rotineiro em hospitais do mundo todo, sendo considerado um procedimento seguro para a obtenção destas imagens Para auxiliar no diagnóstico, muitas vezes é necessária a utilização de contraste, que é injetado na veia do paciente para melhor visualização das imagens.

7 PROVIDÊNCIAS IMEDIATAS Lacração das salas de procedimento Suspensão das atividades - Interdição do serviço Interdição de todos os produtos presentes no serviço e materiais descartados (resíduos) Encaminhamento de amostras ao Instituto Adolfo Lutz, para análise Inspeção sanitária no serviço de RM Interdição cautelar dos lotes de contrastes e SF (pelo CVS)

8 Máquinas Procedimento Pacientes Submetidos ao Procedimento Fatores Individuais Contraste Soro Fisiológicos

9 O CASO A INVESTIGAÇÃO Procedimentos de Ressonancia 68 procedimentos no dia Em 61 pacientes Com contraste 34 pacientes no dia 03 óbitos 2 pacientes realizaram exames após os óbitos - 1 recebeu contraste, nenhum teve reação

10 O CASO A INVESTIGAÇÃO Primeiro caso Sala GE2 Injeção Manual Contraste Dotaren ácido gadotérico, fabricado por Guerbet Produtos Radiológicos Ltda. Segundo e terceiro caso Sala GE1 Bomba de Infusão Contraste Magnevistan gadopentetato de dimeglumina, fabricado por Bayer HealthCare Pharmaceuticals Os pacientes foram submetidos à venóclise antes do contraste, recebendo 10ml de soro fisiológico (SF); e mais 10ml após uso de contraste. Soro fisiológico de marcas distintas e lotes diferentes

11 MPS 17h 18h h 20h 21h MCAM 17h 18h 19h 20h h PSRPF 17h 18h 19h 20h h

12 INVESTIGAÇÃO DOS CASOS Ação conjunta: - Vigilância em Saúde de Campinas, com participação: Vigilância Sanitária Estadual (GVS e CVS) Vigilância Sanitária Nacional (Anvisa: Gerência de Serviços de Saúde, Inspeção de Produtos, Gerência de Farmacovigilância) Instituto Adolfo Lutz Campinas, São Paulo - Polícia Civil - Instituto de Criminalística - Instituto Médico Legal - Centro de Controle de Intoxicações CCI da Unicamp

13

14 PRIMEIRAS HIPÓTESES Pacientes tinham contraindicação para os contrastes Contaminação dos produtos Contraste Fatores Individuais Super dosagem de contraste Soro Fisiológicos Problemas nos equipamentos Máquinas

15 INVESTIGAÇÃO DOS CASOS Iniciada a investigação epidemiológica: investigação clínica dos óbitos; avaliação de antecedentes individuais entrevista com os familiares avaliação dos equipamentos, dos produtos e materiais utilizados nos procedimentos; avaliação dos processos de trabalho envolvidos; busca por substância exógena, subproduto de reação, entre outros; avaliação quanto à superdosagem de contraste.

16 INVESTIGAÇÃO Nenhum dos 3 pacientes apresentou sinais de quadro alérgico pós-contraste Não apresentavam contraindicações para realização da RM Não foi identificado nenhum antecedente epidemiológico em comum aos três pacientes ou fatores de risco

17 INVESTIGAÇÃO Avaliação de documentos: dos atendimentos de todos os pacientes atendidos pelo serviço no dia dos óbitos do atendimento dos pacientes que passaram pelo pronto-socorro dos equipamentos de RM e bomba de infusão Entrevista dos funcionários individualmente, em grupos e dos Responsáveis Técnicos

18 Máquinas Procedimento Pacientes Submetidos ao Procedimento Fatores Individuais Contraste Soro Fisiológicos Processos de trabalho

19 PROVIDÊNCIAS IMEDIATAS Inspeções nos serviços de RM do município: verificar a presença dos lotes de produtos interditados; busca por ocorrências de reações adversas ou outras informações. Notificação no site do CVS - suspeita de reação adversa a medicamento. Notificação de Intoxicação Exógena (SINAN)

20 PRIMEIRAS CONCLUSÕES O serviço possuia registros incompletos e insuficientes dos procedimentos. A descrição dos casos foi baseada nos poucos registros e nos relatos de profissionais. Os 3 casos estavam relacionados com: mesmo tipo de reação e evolução clínica, refratariedade a manobras de reanimação e foram atendidos sequencialmente no mesmo serviço. Não haviam pontos comuns nos 3 casos: antecedentes epidemiológicos, aparelhos de RM, profissionais que realizaram procedimentos, lotes de produtos usados (soro e contraste).

21 PRIMEIRAS CONCLUSÕES Da Vigilância em Saúde: grande possibilidade de erro de procedimento, não relatado. Da Polícia Civil: suspeita de fator exógeno, levando à suposição de morte por envenenamento.

22 CONTINUIDADE DAS INVESTIGAÇÕES Pesquisas sobre reações adversas relacionadas ao uso de contraste e aos procedimentos de RM. Suspeita de produção de um subproduto com lab. de controle de qualidade da Unicamp. Consulta e reunião com fabricantes de contrastes sobre possibilidades de reações. Aprofundamento das investigações iniciadas: dos óbitos, dos equipamentos e procedimentos realizados. ANVISA divulgou Comunicação de Risco nº 01/2013

23 COMUNICAÇÃO DE RISCO Nº 01/2013 ESCLARECIMENTOS SOBRE EXAMES DE RESSONANCIA NUCLEAR MAGNÉTICA - RNM

24 Em relação aos casos de óbito relacionados à RNM, ocorridos recentemente em Campinas, Estado de São Paulo, a Anvisa informa que: 1. Enviou técnicos ao município para acompanhar e auxiliar as investigações coordenadas pela Vigilância Sanitária local. 2. As amostras dos produtos utilizados durante os procedimentos de ressonância nuclear magnética, no hospital onde ocorreram os óbitos, foram encaminhadas pela Vigilância Sanitária local para o Instituto Adolfo Lutz para análise. 3. Até o momento, não há elementos suficientes que justifiquem a interdição dos produtos em todo o território nacional. 4. Novas informações serão repassadas a população assim que disponíveis. Gerência-Geral de Tecnologia em Serviços de Saúde

25 RESULTADO DE ANÁLISE - IAL Análise fiscal de SF (embalagens íntegras): endotoxina bacteriana: ausente elementos químicos : ausentes cloro e sódio: normais Análise fiscal de contrastes: frascos fechados: ensaios de acordo com indicação dos fabricantes, satisfatórios. Análise de orientação para resíduos (materiais e produtos abertos), satisfatórios.

26 RESULTADO DE ANÁLISE - IAL Análise dos êmbolos da bomba de infusão (2 seringas amostra A e B), da sala GE1, resíduo: Aspecto: solução límpida, incolor, nas amostras A e B Identificação de contraste: apenas em uma das seringas (amostra A) foi identificado Dotaren (espectrofotômetro UV); Espectrofotometria de massa (Método Q1): na mesma seringa em que se identificou o Dotaren (amostra A), presença de meglumina, mas não foi conclusiva para Dotaren, nem para Magnevistan; na outra seringa (amostra B) as análises não foram conclusivas.

27 AVALIAÇÃO Após reuniões com o GVS, IML, CCI, delegados responsáveis pelo caso e representante do IAL: O CCI informou que testou todos os possíveis medicamentos e venenos utilizados para homicídio e suicídio nas amostras dos pacientes e não encontrou a presença de nenhuma substância exógena. O IML indicou que as mortes ocorreram por embolia, ainda não especificada. A polícia entendeu descartada a hipótese de sabotagem, voltando as atenções para erros de procedimentos.

28 NOVAS PROVIDÊNCIAS A Vigilância de Campinas organizou reunião com os laboratórios envolvidos: IAL, CCI e IML, e polícia civil para avaliar: quais análises o IAL poderia ainda realizar quais as perspectivas de conclusão das análises iniciadas e outras necessidades de análises Conclusões: IAL faria as análises de qualidade dos produtos Após, as amostras iriam para polícia civil para envio ao CCI da Unicamp

29 AUTUAÇÕES AO SERVIÇO DE RM Principais autuações feitas pela Vigilância em Saúde de Campinas (lavrados 84 autos): Interdição do Serviço de RM; Por manter fichas de atendimento com preenchimento incompleto, impedindo a identificação dos procedimentos realizados e dos responsáveis pela execução dos mesmos, prejudicando a rastreabilidade; Por fornecer e utilizar produtos (medicamentos e correlatos) sem possuir sistema de controle para rastreabilidade do número de lote e validade;

30 AUTUAÇÕES AO SERVIÇO DE RM Principais autuações feitas pela Vigilância em Saúde de Campinas: Por manter estoque de produtos (medicamentos, correlatos, de higiene e de limpeza) em uma casa localizada em outro endereço, sem possuir as licenças junto aos órgãos públicos; 15 dias após as mortes, foi identificado um estoque de segurança de outros produtos no serviço de radiologia, sob a guarda de um médico do serviço de radiologia: interdição dos produtos.

31 RESCONSTITUIÇÃO DOS FATOS Vigilância em Saúde municipal participou da reconstituição policial: Observadas algumas alterações nos procedimentos inicialmente descritos, mas manteve-se a primeira conclusão: Não foram encontrados pontos comuns nos: antecedentes epidemiológicos, aparelhos de RM, profissionais que fizeram os procedimentos e nos produtos usados (soro e contraste). Reforçou a possibilidade de erros em procedimentos.

32 ACHADO FINAL A partir de novas investigações policiais (depoimentos, pesquisas de publicações de profissionais da RMC): relatos do uso de perfluorocarbono em RM (em bobinas endorretais). Sua toxicidade (letalidade por embolia gasosa) caso fosse injetado na corrente sanguínea, foi confirmada pelo CCI. A Polícia Civil solicitou mandado de busca e apreensão do produto perfluorocarbono.

33 ACHADO FINAL Durante a busca, a polícia civil encontrou na área de manutenção de máquinas: 3M Fluorinert TM FC 770 Líquido Eletrônico (USA) FOR INDUSTRIAL USE ONLY, NOT INTENDED AS MEDICAL DEVICE OR DRUG. Lot Net Wt. : 5.0 Kg/11 1bs. Os médicos informaram que o FC-770 era utilizado em exames de próstata (bobinas endorretais). Essas bobinas tinham seu interior preenchido com FC-770, que enchia um balão na sua extremidade. Eram introduzidas no paciente, para melhorar a qualidade das imagens.

34

35 BOBINA ENDORRETAL

36 ACHADO FINAL O produto era reutilizado. O FC-770 também era empregado no exame de saco escrotal e pênis, sendo utilizado dentro de uma bolsa para dar apoio e melhorar a qualidade das imagens (travesseiro). Essa bolsa era uma embalagem de soro fisiológico (250ml), reutilizada e sem identificação. Era guardada numa gaveta no posto de enfermagem.

37

38 ACHADO FINAL As mortes foram devidas à injeção equivocada do produto FC770, no lugar de SF, em doses suficientes para causar embolia gasosa (10 ml).

39 ACHADO FINAL Sem contraindicação aos contrastes Sem antecedentes epidemiológicos Análise dos fluidos corporais dos três pacientes, não identificou presença de medicamentos e drogas de abuso, praguicidas, substâncias voláteis, cianeto, metais O CCI da Unicamp identificou a presença de perfluorocarbono no sangue total dos pacientes que foram a óbito.

40 CONCLUSÕES DA VIGILÂNCIA Houve uma somatória de erros. Os mais relevantes: utilização de produto sem registro na ANVISA (para uso industrial); reutilização de embalagem de SF; manutenção de produto, cuja injeção IV é letal, acondicionado em embalagem reutilizada de SF (para uso IV), sem identificação; funcionária recém admitida, sem treinamento e sem supervisão, executando procedimentos.

41 CONCLUSÕES DA VIGILÂNCIA Fatos que prejudicaram a investigação: o serviço, após a ocorrência dos óbitos, alterou a localização dos produtos, materiais e resíduos as autoridades desconheciam o uso do FC-770 em procedimentos impossibilidade de rastrear os produtos utilizados Impossibilidade de rastrear os procedimentos realizados e seus responsáveis (ausência de procedimento escrito e de registros)

42 CONCLUSÕES DA VIGILÂNCIA Fatores potencializadores das ações: Trabalho multiprofissional e interinstitucional Retaguarda laboratorial que permitiu confirmar as hipóteses

43 Parecer Sociedade Brasileira de Radiologia O uso deste produto em bobinas endorretais em exames de RM de próstata tem sido descrito na literatura médica internacional. Outra utilização é nos chamados SatPads (bolsas preenchidas com o perfluorcabono) Ambos são acessórios para RM.

44 Parecer Sociedade Brasileira de Radiologia SatPads

45 Parecer Conselho Regional de Medicina O uso de composto PFC na bobina endorretal é uma forma segura e eficaz de obtenção de imagens de alta resolução e resultados espectroscópicos da próstata, aumentando o valor diagnóstico da espectroscopia no câncer de próstata.

46

47 Verificação dos Registros Manutenção e Funcionamento aparelho de RM bomba de infusão Máquinas Procedimento Fatores Individuais Pesquisa: Substâncias exógenas Subproduto Estudo sobre os produtos Contraste Soro Fisiológicos Pacientes Submetidos ao Procedimento Fluxo de trabalho e atribuições Quantidade de profissionais Responsáveis técnicos Capacitações Registros de atendimento Processos de trabalho

48 CVS Shirley Fujysawa Okuno - física - SERSA Adalton Guimaraes Ribeiro - farmacêutico/ditep Maria de Lourdes Viude Oliveira - médica/ditep GVS Raquel Maria Ramalheira Duarte - bióloga Carla Regina de Menezes Pompeo - enfermeira Adriana Tiozzo M. T. Argondízio - farmacêutica Maria Cecília Yahn Armani - médica ANVISA Maria Angela da Paz Gerente de Regulação e Controle Sanitário em Serviços de Saúde - GGTES Giselle Silva Calado e Romério Área de Farmacovigilância Juliano Engenheiro APOIO À INVESTIGAÇÃO

49 Alena Costa Marruaz médica sanitarista, DEVISA/VISA Regional Leste Ana Silvia Martinelli Zeni Farmacêutica, DEVISA/VISA Regional Leste Ângela Ester M. de Paula Figueiredo Enfermeira, DEVISA/VISA Regional Leste Cléria Maria Moreno Giraldelo Farmacêutica, DEVISA/equipe central Daniela Piasecki DEVISA/Coord. área de produtos de interesse à saúde Eliana de Fátima Paranhos Fernandes Coordenadora, VISA Regional Leste/DEVISA Márcia Micuci Beltramelli Dentista, DEVISA/equipe central Nilce Angela Coraça Farmacêutica, DEVISA/VISA Regional Leste Rosa Virginia Saito di Tullio Física, DEVISA/equipe central Responsáveis pela Investigação e Elaboração de Relatório

50 Ana Cecília B. de Campos P. Zuiani Enfermeira, DEVISA/VISA Regional Sul Eloisa Cristina Santos Costa Coordenadora, VISA Regional Noroeste/DEVISA Naoko Yanagizawa J. da Silveira Médica, DEVISA/equipe central Thais Fernanda Klems Enfermeira, DEVISA/VISA Regional Leste Maria Terezinha de Mendonça Enfermeira, DEVISA/VISA Regional Leste Ana Cristina Oliveira Enfermeira, DEVISA/VISA Regional Leste Vania Martins de Oliveira Farmacêutica, DEVISA/VISA Regional Leste Alessandra M. Vaz de L. Chiste Silva Farmacêutica, DEVISA/VISA Regional Leste Brigina Kemp Diretora de Vigilância em Saúde/DEVISA SMS Campinas Contribuíram com a Investigação

51 DESAFIOS como ser ágil com instrumental trabalhoso como conhecer e controlar as consequências das economias que o serviço faz (tem que dar lucro, trabalho realizado em linha de produção) e de trabalhadores sobrecarregados, sem capacitação, sem supervisão, sofrendo pressão para produzir; trabalho interinstitucional; retaguarda laboratorial; como lidar com o risco assumido.

52 VOCÊ VÊ WATSON, MAS NÃO OBSERVA The Sherlock Holmes Stories Sir Arthur Conan Doyle (apud Lindquist, M. Seeing and observing in International Pharmacovigilance, 2003) Obrigada!!! Cléria M. M. Giraldelo

CASO DAS MORTES APÓS EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NO HOSPITAL VERA CRUZ EM JANEIRO 2013, CAMPINAS-SP

CASO DAS MORTES APÓS EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NO HOSPITAL VERA CRUZ EM JANEIRO 2013, CAMPINAS-SP CASO DAS MORTES APÓS EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NO HOSPITAL VERA CRUZ EM JANEIRO 2013, CAMPINAS-SP O CASO Em 28/01/2013, 03 pacientes (2 homens e 1 mulher, 25 a 39 anos), submetidos a exames de ressonância

Leia mais

Guia de Farmacovigilância - Anvisa. ANEXO IV - Glossário

Guia de Farmacovigilância - Anvisa. ANEXO IV - Glossário Guia de Farmacovigilância - Anvisa ANEXO IV - Glossário De acordo com a RESOLUÇÃO - RDC Nº 4, DE 10/02/09 (DOU 11/02/09): Dispõe sobre as normas de farmacovigilância para os detentores de registro de medicamentos

Leia mais

Tracur besilato de atracúrio. Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. Solução Injetável 10 mg/ml MODELO DE BULA PARA O PACIENTE

Tracur besilato de atracúrio. Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. Solução Injetável 10 mg/ml MODELO DE BULA PARA O PACIENTE Tracur besilato de atracúrio Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. Solução Injetável 10 mg/ml MODELO DE BULA PARA O PACIENTE IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Tracur besilato de atracúrio APRESENTAÇÃO Solução Injetável

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Informe Técnico nº 1 MERCÚRIO METÁLICO Diante da exposição por Mercúrio metálico de moradores do Distrito de Primavera, Município de Rosana, SP, a DOMA/CVE presta o seguinte Informe Técnico. Breve histórico

Leia mais

ROTEIRO PARA COLETA DE ALIMENTO EM CASO DE SURTOS DE DOENÇAS TRANSMITIDA POR ALIMENTO DTA

ROTEIRO PARA COLETA DE ALIMENTO EM CASO DE SURTOS DE DOENÇAS TRANSMITIDA POR ALIMENTO DTA ROTEIRO PARA COLETA DE ALIMENTO EM CASO DE SURTOS DE DOENÇAS TRANSMITIDA POR ALIMENTO DTA 1) PRIMEIRO PASSO - Recebimento da Notificação: Quando recebida a notificação de surto de DTA, deve-se notificar

Leia mais

Oncologia. Aula 3: Legislação específica. Profa. Camila Barbosa de Carvalho

Oncologia. Aula 3: Legislação específica. Profa. Camila Barbosa de Carvalho Oncologia Aula 3: Legislação específica Profa. Camila Barbosa de Carvalho Legislações importante em oncologia - RDC n o. 220/2004 - RDC n o. 67/2007 - RDC n o. 50/2002 - RDC n o. 306/2004 - NR 32/2005

Leia mais

Amostra grátis de remédios: ANVISA regula a produção e dispensação

Amostra grátis de remédios: ANVISA regula a produção e dispensação Amostra grátis de remédios: ANVISA regula a produção e dispensação Profª Dra Roseli Calil / DEC Enfº Adilton D. Leite / SADP A ANVISA, através da RDC (RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA da Agência Nacional

Leia mais

Gerenciamento de Resíduos

Gerenciamento de Resíduos Gerenciamento de Resíduos ANVISA RDC 306/04 - REGULAMENTO TÉCNICO PARA GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DE SAÚDE veronica.schmidt@ufrgs.br O perigo do lixo hospitalar. Resíduos biológicos - culturas de microrganismos

Leia mais

NÚCLEO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR

NÚCLEO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR NÚCLEO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR Enfª Dda. Verginia Rossato Enfª Danieli Bandeira Santa Maria, 2012 Portaria GM/MS nº 2529, de 23 de novembro de 2004 Institui o Subsistema Nacional de Vigilância

Leia mais

PROBLEMAS SANITÁRIOS NA PRÁTICA

PROBLEMAS SANITÁRIOS NA PRÁTICA PROBLEMAS SANITÁRIOS NA PRÁTICA Dr. Alessandro Vieira De Martino Farmacêutico Bioquímico CRF 33754 Formado no curso de Farmácia e Bioquímica pela Universidade Bandeirante de São Paulo UNIBAN Pós-Graduado

Leia mais

Inserir logo da VISA Estadual ou Municipal

Inserir logo da VISA Estadual ou Municipal RELATÓRIO DE INSPEÇÃO VERIFICAÇÃO DO ATENDIMENTO ÀS DISPOSIÇÕES DA RDC n 67/07 2ª ETAPA DO CURSO DE CAPACITAÇÃO DE INSPETORES PARA INSPEÇÃO EM FARMÁCIAS 1. IDENTIFICAÇÃO DA FARMÁCIA: 1.1. Razão Social:

Leia mais

RDC 60. Perguntas e Respostas. RDC nº 60, RDC 60 - PERGUNTAS E RESPOSTAS

RDC 60. Perguntas e Respostas. RDC nº 60, RDC 60 - PERGUNTAS E RESPOSTAS Regulamentação SOBRE AMOSTRAS GRÁTIS DE MEDICAMENTOS RDC 60 Perguntas e Respostas RDC nº 60, de 26 de NOVEmbro de 2009 1 Regulamentação SOBRE AMOSTRAS GRÁTIS RDC 60 Perguntas e Respostas RDC nº 60, de

Leia mais

SEGURANÇA DO PACIENTE E QUALIDADE EM SERVIÇOS DE SAÚDE

SEGURANÇA DO PACIENTE E QUALIDADE EM SERVIÇOS DE SAÚDE Congresso Internacional de Qualidade em Serviços e Sistemas de Saúde Qualihosp -2013 SEGURANÇA DO PACIENTE E QUALIDADE EM SERVIÇOS DE SAÚDE Maria Angela da Paz Gerente de Regulação e Controle Sanitário

Leia mais

International Paper do Brasil Ltda

International Paper do Brasil Ltda International Paper do Brasil Ltda Autor do Doc.: Editores: Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Título: Tipo do Documento: SubTipo: Serviços de Limpeza e Disposição

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO

INSTRUÇÃO DE TRABALHO Pg.: 1 de Elaboração Verificação Aprovação Janaina Bacci Data: Data: Data: Título da Atividade: Procedimentos para descarte de Resíduos Quimioterápicos Executante: Colaboradores envolvidos na manipulação

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MANEJO

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MANEJO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MANEJO NATAL/RN OUT/2013 GERENCIAMENTO DOS RSS PROCEDIMENTOS PLANEJADOS E IMPLEMENTADOS minimizar a produção na fonte, destinar e dispor com segurança Planejamento

Leia mais

ANEXO ROTEIRO DE INSPEÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR

ANEXO ROTEIRO DE INSPEÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 1 OBJETIVO: ANEXO ROTEIRO DE INSPEÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR Este Roteiro estabelece a sistemática para a avaliação do cumprimento das ações do Programa de Controle de Infecção

Leia mais

REGIMENTO INTERNO Da constituição, localização, finalidade e missão do Banco de Olhos capítulo III 1º.

REGIMENTO INTERNO Da constituição, localização, finalidade e missão do Banco de Olhos capítulo III 1º. REGIMENTO INTERNO Da constituição, localização, finalidade e missão do Banco de Olhos O Banco de Olhos da Santa Casa de Campo Grande é constituído de uma estrutura administrativa, conforme o capítulo III

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. PARECER COREN-SP 014/2012 CT PRCI n 99.072/2012 e Ticket nº 279.315

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. PARECER COREN-SP 014/2012 CT PRCI n 99.072/2012 e Ticket nº 279.315 PARECER COREN-SP 014/2012 CT PRCI n 99.072/2012 e Ticket nº 279.315 Assunto: Administração de Oxigênio medicinal, sem prescrição médica, por meio de cateter nasal em situação de emergência. 1. Do fato

Leia mais

Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD Núcleo Municipal de Controle de Infecção Hospitalar - NMCIH

Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD Núcleo Municipal de Controle de Infecção Hospitalar - NMCIH Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD ALERTA EPIDEMIOLÓGICO I Influenza Suína ABRIL 2009 Definição de caso 1-Caso suspeito de infecção humana pelo vírus da influenza suína A (H1N1). Apresentar

Leia mais

Cosmetovigilância. Impacto na Inspeção. Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes. Maria do Carmo Lopes Severo - UINSC

Cosmetovigilância. Impacto na Inspeção. Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes. Maria do Carmo Lopes Severo - UINSC Cosmetovigilância Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes Roberto Wagner Barbirato Gerência Geral de Inspeção e Controle de Insumos, Medicamentos e Produtos - GGIMP Maria do Carmo Lopes Severo

Leia mais

Competências da SUBVISA

Competências da SUBVISA (Decreto Nº 33.360 de 17 de janeiro de 2011 - Dispõe sobre a Estrutura Organizacional da Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil - SMSDC) Competências da SUBVISA S/SUBVISA Subsecretaria de Vigilância,

Leia mais

Vigilância epidemiológica de surtos de doenças diarreicas e alimentares 2º CONGRESSO BRASILEIRO DE POLÍTICA, PLANEJAMENTO E GESTÃO EM SAÚDE

Vigilância epidemiológica de surtos de doenças diarreicas e alimentares 2º CONGRESSO BRASILEIRO DE POLÍTICA, PLANEJAMENTO E GESTÃO EM SAÚDE 2º CONGRESSO BRASILEIRO DE POLÍTICA, PLANEJAMENTO E GESTÃO EM SAÚDE UNIVERSALIDADE, IGUALDADE E INTEGRALIDADE DA SAÚDE: UM PROJETO POSSÍVEL A experiência do Pet-Saúde/Vigilância em Saúde na implementação

Leia mais

SEGURANÇA NA MEDICAÇÃO. Câmara de Apoio Técnico- COREN SP PROJETO COREN SP 2010 SEGURANÇA DO PACIENTE

SEGURANÇA NA MEDICAÇÃO. Câmara de Apoio Técnico- COREN SP PROJETO COREN SP 2010 SEGURANÇA DO PACIENTE SEGURANÇA NA MEDICAÇÃO Câmara de Apoio Técnico- COREN SP PROJETO COREN SP 2010 SEGURANÇA DO PACIENTE Erro de Medicação Complexidade do sistema de saúde Ambientes especializados e dinâmicos Condições que

Leia mais

PID2011-05114. Caixa com 1 seringa preenchida de 0,3 ml contendo 50, 75, 100 ou 200 mcg de betaepoetinametoxipolietilenoglicol.

PID2011-05114. Caixa com 1 seringa preenchida de 0,3 ml contendo 50, 75, 100 ou 200 mcg de betaepoetinametoxipolietilenoglicol. Mircera betaepoetina-metoxipolietilenoglicol Roche Ativadores contínuos dos receptores de eritropoietina IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome do produto: Mircera Nome genérico: betaepoetina-metoxipolietilenoglicol

Leia mais

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar MANUAL DO AVALIADOR Parte I 1.1 Liderança Profissional habilitado ou com capacitação compatível. Organograma formalizado, atualizado e disponível. Planejamento

Leia mais

Importação de Produtos para Saúde

Importação de Produtos para Saúde Importação de Produtos para Saúde Gerência de Inspeção de Produtos e Autorização de Empresas em Portos, Aeroportos Fronteiras e Recintos Alfandegados GIPAF Mônica Cristina A. F. Duarte Organograma - ANVISA

Leia mais

Deposteron cipionato de testosterona

Deposteron cipionato de testosterona Deposteron cipionato de testosterona EMS SIGMA PHARMA LTDA Solução I.M. 100 mg/ ml MODELO DE BULA - PACIENTE Deposteron cipionato de testosterona APRESENTAÇÕES Solução oleosa injetável 100 mg/ml em embalagem

Leia mais

Prostigmine metilsulfato de neostigmina

Prostigmine metilsulfato de neostigmina Prostigmine metilsulfato de neostigmina APRESENTAÇÕES Solução Injetável 0,5 mg/ml - Embalagem com 50 ampolas de 1 ml. USO INJETÁVEL USO ADULTO E PEDIÁTRICO COMPOSIÇÃO Cada ml contém 0,5 mg de metilsulfato

Leia mais

Dispõe sobre os resíduos sólidos provenientes de serviços de saúde e dá outras providências.

Dispõe sobre os resíduos sólidos provenientes de serviços de saúde e dá outras providências. LEI Nº 10.099, DE 07 DE FEVEREIRO DE 1994. Dispõe sobre os resíduos sólidos provenientes de serviços de saúde e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Faço saber, em cumprimento

Leia mais

ÍNDICE - 31/01/2005 O Estado de S.Paulo...2 Metrópole...2 O Estado de S.Paulo...3 Vida&...3 câncer

ÍNDICE - 31/01/2005 O Estado de S.Paulo...2 Metrópole...2 O Estado de S.Paulo...3 Vida&...3 câncer ÍNDICE - O Estado de S.Paulo...2 Metrópole...2 Intoxicação pode ter causado morte de casal...2 O Estado de S.Paulo...3 Vida&...3 Teste ajuda detecção precoce de câncer de mama...3 Gazeta Mercantil...4

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Boas Práticas de Fabricação de Saneantes e Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes Coordenação de Insumos Farmacêuticos, Saneantes e Cosméticos Gerência

Leia mais

BOAS PRÁTICAS DE DISPENSAÇÃO PARA FARMÁCIA E DROGARIA RESOLUÇÃO Nº 328, DE 22 DE JULHO DE 1999

BOAS PRÁTICAS DE DISPENSAÇÃO PARA FARMÁCIA E DROGARIA RESOLUÇÃO Nº 328, DE 22 DE JULHO DE 1999 RESOLUÇÃO Nº 328, DE 22 DE JULHO DE 1999 Dispõe sobre requisitos exigidos para a dispensação de produtos de interesse à saúde em farmácias e drogarias. BOAS PRÁTICAS DE DISPENSAÇÃO PARA FARMÁCIA E DROGARIA

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE MANUAL DE ROTINAS E PROCEDIMENTOS - ODONTOLOGIA

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE MANUAL DE ROTINAS E PROCEDIMENTOS - ODONTOLOGIA INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE MANUAL DE ROTINAS E PROCEDIMENTOS - ODONTOLOGIA Este material tem como objetivo básico servir como sugestão para elaboração do Manual de Rotinas e Procedimentos para Estabelecimentos

Leia mais

Tatuagem e Colocação de Adornos

Tatuagem e Colocação de Adornos ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DIVISÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Centro Estadual de Vigilância em Saúde Núcleo de Estabelecimento de Saúde Tatuagem e Colocação de Adornos Ana Carolina Kraemer Enfermeira - Especialista

Leia mais

Diário Oficial da União DOU 10 de abril de 2001

Diário Oficial da União DOU 10 de abril de 2001 Diário Oficial da União DOU 10 de abril de 2001 RESOLUÇÃO - RDC Nº 56, DE 6 DE ABRIL DE 2001 Estabelece os requisitos essenciais de segurança e eficácia aplicáveis aos produtos para saúde, referidos no

Leia mais

Dispõe sobre as normas de farmacovigilância para os detentores de registro de medicamentos de uso humano.

Dispõe sobre as normas de farmacovigilância para os detentores de registro de medicamentos de uso humano. Resolução da Diretoria Colegiada RDC nº 4 ANVISA de 10 de fevereiro de 2009 Dispõe sobre as normas de farmacovigilância para os detentores de registro de medicamentos de uso humano. A Diretoria Colegiada

Leia mais

Resolução Estadual nº 08, de 11 de março de 1987

Resolução Estadual nº 08, de 11 de março de 1987 Resolução Estadual nº 08, de 11 de março de 1987 O Secretário de Estado da Saúde e do Bem-Estar Social, no uso de suas atribuições conferidas pelos artigos 45, letras A e P da Lei Estadual nº 6636/74,

Leia mais

MEDICAMENTOS. CAPACITAÇÃO EM FARMACOLOGIA PARA AS EQUIPES DE SAÚDE BUCAL Auxiliares e Técnicos em Saúde Bucal 2015

MEDICAMENTOS. CAPACITAÇÃO EM FARMACOLOGIA PARA AS EQUIPES DE SAÚDE BUCAL Auxiliares e Técnicos em Saúde Bucal 2015 MEDICAMENTOS CAPACITAÇÃO EM FARMACOLOGIA PARA AS EQUIPES DE SAÚDE BUCAL Auxiliares e Técnicos em Saúde Bucal 2015 Parceria: Farmácia Escola da UFRGS - Programa Farmácia Popular Programa de Pós-Graduação

Leia mais

FARMÁCIAS E DROGARIAS

FARMÁCIAS E DROGARIAS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE FARMÁCIAS E DROGARIAS Nome Fantasia: Razão Social: Endereço: Responsável Técnico: CRF: Telefone: CNPJ: Secretaria Municipal de Saúde de Feira de Santana - Av. João Durval

Leia mais

CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA PROF. ALEXANDRE VRANJAC INFORME TÉCNICO CONJUNTIVITE

CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA PROF. ALEXANDRE VRANJAC INFORME TÉCNICO CONJUNTIVITE CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA PROF. ALEXANDRE VRANJAC INFORME TÉCNICO CONJUNTIVITE Conjuntivite é a inflamação da conjuntiva, que é uma membrana que recobre a porção anterior da esclera e a face

Leia mais

DROGARIAS REGULARIZAÇÃO DE ESTABELECIMENTO DE INTERESSE À SAÚDE

DROGARIAS REGULARIZAÇÃO DE ESTABELECIMENTO DE INTERESSE À SAÚDE DROGARIAS REGULARIZAÇÃO DE ESTABELECIMENTO DE INTERESSE À SAÚDE Lei 8080/90 Art. 6º, 1º: Entende-se por vigilância sanitária um conjunto de ações capaz de eliminar, diminuir ou prevenir riscos à saúde

Leia mais

Bula com informações ao Paciente soro anticrotálico

Bula com informações ao Paciente soro anticrotálico soro anticrotálico solução injetável IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO soro anticrotálico APRESENTAÇÃO O soro anticrotálico, heterólogo e hiperimune, é apresentado em ampolas contendo 10 ml de solução injetável

Leia mais

RESOLUÇÃO N 24, DE 08 DE JUNHO DE 2015

RESOLUÇÃO N 24, DE 08 DE JUNHO DE 2015 RESOLUÇÃO N 24, DE 08 DE JUNHO DE 2015 Dispõe sobre recolhimento de alimentos e sua comunicação à Anvisa e aos consumidores. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das

Leia mais

FARMACOVIGILÂNCIA MEDQUÍMICA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA MANUAL PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE NOTIFICAÇÃO DE SUSPEITAS DE REAÇÕES ADVERSAS

FARMACOVIGILÂNCIA MEDQUÍMICA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA MANUAL PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE NOTIFICAÇÃO DE SUSPEITAS DE REAÇÕES ADVERSAS FARMACOVIGILÂNCIA MEDQUÍMICA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA MANUAL PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE NOTIFICAÇÃO DE SUSPEITAS DE REAÇÕES ADVERSAS Para uso de profissionais da saúde, hospitais, clínicas, farmácias

Leia mais

Sistema de Vigilância Epidemiológica das Doenças Transmitidas por Água e Alimentos ROTINA OPERACIONAL

Sistema de Vigilância Epidemiológica das Doenças Transmitidas por Água e Alimentos ROTINA OPERACIONAL SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SES/SP COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS - CCD CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA - CVE DIVISÃO DE DOENÇAS DE TRANSMISSÃO HÍDRICA E ALIMENTAR DDTHA Av. Dr. Arnaldo, 351

Leia mais

COMPOSIÇÃO Cada frasco ampola contém 100 mg de azacitidina e 100 mg de manitol como excipiente.

COMPOSIÇÃO Cada frasco ampola contém 100 mg de azacitidina e 100 mg de manitol como excipiente. Vidaza azacitidina FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Vidaza pó liofilizado para injeção, está disponível em frasco ampola com 100 mg de azacitidina. USO SUBCUTÂNEO USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada frasco ampola

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO HEMOVIGILÂNCIA Responsáveis: Enfª Cledes Moreira Enfª Danielli S. Barbosa Enfª Luciana Paiva VAMOS TRABALHAR HOJE Os cuidados na instalação de sangue e hemocomponentes.

Leia mais

NUTRIÇÃO ENTERAL HOSPITAL SÃO MARCOS. Heloisa Portela de Sá Nutricionista Clínica do Hospital São Marcos Especialista em Vigilância Sanitária

NUTRIÇÃO ENTERAL HOSPITAL SÃO MARCOS. Heloisa Portela de Sá Nutricionista Clínica do Hospital São Marcos Especialista em Vigilância Sanitária NUTRIÇÃO ENTERAL HOSPITAL SÃO MARCOS Heloisa Portela de Sá Nutricionista Clínica do Hospital São Marcos Especialista em Vigilância Sanitária Secretária Nutricionista Gerente Nutricionista Planejamento

Leia mais

Solução Glicofisiológica

Solução Glicofisiológica Solução Glicofisiológica Solução injetável cloreto de sódio + glicose 9 mg/ml + 50 mg/ml 1 Forma farmacêutica e apresentações: Solução injetável MODELO DE BULA Solução Glicofisiológica cloreto de sódio

Leia mais

Legifol CS folinato de cálcio. APRESENTAÇÕES Legifol CS solução injetável de 10 mg/ml em embalagens contendo 10 ampolas de 5 ml (50 mg).

Legifol CS folinato de cálcio. APRESENTAÇÕES Legifol CS solução injetável de 10 mg/ml em embalagens contendo 10 ampolas de 5 ml (50 mg). Legifol CS folinato de cálcio I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Legifol CS Nome genérico: folinato de cálcio APRESENTAÇÕES Legifol CS solução injetável de 10 mg/ml em embalagens contendo

Leia mais

RASTREABILIDADE DE MEDICAMENTOS

RASTREABILIDADE DE MEDICAMENTOS Não reproduza sem os devidos créditos! PLÁGIO É CRIME! RASTREABILIDADE DE MEDICAMENTOS Farmacêutica Daiane Lima de Oliveira Serviço de Farmácia SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DE MEDICAMENTOS DOSE UNITÁRIA Cinco

Leia mais

ANEXO I Descrição dos Cargos

ANEXO I Descrição dos Cargos ANEXO I Descrição dos Cargos DESCRIÇÃO: 1. - Auxiliar de Enfermagem: Prestar cuidados diretos de enfermagem ao paciente, por delegação e sob a supervisão do enfermeiro e do médico. Administrar medicação

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE TERMO DE REFERÊNCIA PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE CURITIBA

Leia mais

FARMÁCIA EM SERVIÇOS DE SAÚDE. Farm. Corina Keller 23ª GESAU Blumenau 2014

FARMÁCIA EM SERVIÇOS DE SAÚDE. Farm. Corina Keller 23ª GESAU Blumenau 2014 FARMÁCIA EM SERVIÇOS DE SAÚDE Farm. Corina Keller 23ª GESAU Blumenau 2014 Lei nº 5991/73: Art. 4º, Inciso X - Farmácia - estabelecimento de manipulação de fórmulas magistrais e oficinais, de comércio de

Leia mais

Page 1. Objetivos da investigação. Surtos de infecção de sítio cirúrgico por micobactérias de crescimento rápido Brasil, 2003/2008

Page 1. Objetivos da investigação. Surtos de infecção de sítio cirúrgico por micobactérias de crescimento rápido Brasil, 2003/2008 Surtos de infecção de sítio cirúrgico por micobactérias de crescimento rápido Brasil, 2003/2008 Gerência de Investigação e Prevenção das Infecções e dos Eventos Adversos Gerência Geral de Tecnologia em

Leia mais

Como fazer a escolha correta do detergente enzimático e quais os cuidados para o uso

Como fazer a escolha correta do detergente enzimático e quais os cuidados para o uso Como fazer a escolha correta do detergente enzimático e quais os cuidados para o uso Enfa. Dra. ROSA AIRES BORBA MESIANO Coordenadora de Controle e Monitoramento de saneantes Gerência Geral de Saneantes

Leia mais

ANEXO I IDENTIFICADOR DO PRODUTO. Fato Gerador (DV)

ANEXO I IDENTIFICADOR DO PRODUTO. Fato Gerador (DV) ANEXO I TABELA DE DESCONTOS DA TAXA DE FISCALIZAÇÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA IDENTIFICADOR DO PRODUTO TIPO DE EMPRESA ITENS DESCRIÇÃO DO FATO GERADOR Fato Gerador (DV) GRUPO I GRANDE GRUPO II GRANDE GRUPO

Leia mais

Investigação de caso suspeito de doença por vírus Ebola (DVE), Cascavel/PR, 2014

Investigação de caso suspeito de doença por vírus Ebola (DVE), Cascavel/PR, 2014 Investigação de caso suspeito de doença por vírus Ebola (DVE), Cascavel/PR, 2014 Secretaria de Estado da Saúde do Paraná Superintendência de Vigilância em Saúde Centro de Informações Estratégicas e Resposta

Leia mais

CLORETO DE SÓDIO 0,9%

CLORETO DE SÓDIO 0,9% FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES: Solução injetável. SISTEMA FECHADO Solução de cloreto de sódio 0,9% (cloreto de sódio 9 mg/ml): Frascos de plástico transparente com 50 ml, 100 ml, 250 ml, 500 ml e

Leia mais

Farmacovigilância no Brasil

Farmacovigilância no Brasil Agência Nacional de Vigilância Sanitária Farmacovigilância no Brasil Unidade de Farmacovigilância Brasília, May 2002 Agência Nacional de Vigilância Sanitária Diretor Presidente Substituto da ANVISA Cláudio

Leia mais

Palavras- chave: Vigilância epidemiológica, Dengue, Enfermagem

Palavras- chave: Vigilância epidemiológica, Dengue, Enfermagem ANÁLISE DAS NOTIFICAÇÕES DE DENGUE APÓS ATUAÇÃO DO SERVIÇO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR INTRODUÇÃO: A Dengue é uma doença infecciosa febril aguda de amplo espectro clínico e de grande importância

Leia mais

LACRIFILM (carmelose sódica)

LACRIFILM (carmelose sódica) LACRIFILM (carmelose sódica) União Química Farmacêutica Nacional S.A. solução oftálmica 5 mg/ml LACRIFILM carmelose sódica Solução oftálmica estéril IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES

Leia mais

Perguntas Frequentes sobre liberação de processos ANVISA Pessoa Física

Perguntas Frequentes sobre liberação de processos ANVISA Pessoa Física Perguntas Frequentes sobre liberação de processos ANVISA Pessoa Física Prezado cliente, Este material foi criado com o objetivo de esclarecer todas as dúvidas que podem surgir a respeito da inspeção de

Leia mais

Check-list Procedimentos de Segurança

Check-list Procedimentos de Segurança Check-list Procedimentos de Segurança 1. Cultura de Segurança 1.1 1.2 Existe um elemento definido como responsável pelas questões da segurança do doente Promove o trabalho em equipa multidisciplinar na

Leia mais

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Padrão Nível 1 Uso seguro e racional de medicamentos Dimensões da qualidade Aceitabilidade, adequação e integralidade Assistência Farmacêutica

Leia mais

Decreto 8077 14/08/2013 - REGULAMENTA CONDIÇÕES FUNCIONAMENTO EMPRESAS SUJEITAS LICENCIAMENTO SANITÁRIO, Publicado no DO em 15 ago 2013

Decreto 8077 14/08/2013 - REGULAMENTA CONDIÇÕES FUNCIONAMENTO EMPRESAS SUJEITAS LICENCIAMENTO SANITÁRIO, Publicado no DO em 15 ago 2013 Decreto 8077 14/08/2013 - REGULAMENTA CONDIÇÕES FUNCIONAMENTO EMPRESAS SUJEITAS LICENCIAMENTO SANITÁRIO, Publicado no DO em 15 ago 2013 Regulamenta as condições para o funcionamento de empresas sujeitas

Leia mais

Centro de Contaminantes

Centro de Contaminantes SALA DE SITUAÇÃO EM VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA AMBIENTAL - SAÚDE INSTITUTO ADOLFO LUTZ DO Centro de Contaminantes Adriana Palma de Almeida DO 1 2 3 MISSÃO DO INSTITUTO ADOLFO LUTZ Participar das ações de

Leia mais

Em Distribuidora de Medicamentos, Correlatos, Cosméticos e Saneantes Domissanitários.

Em Distribuidora de Medicamentos, Correlatos, Cosméticos e Saneantes Domissanitários. Em Distribuidora de Medicamentos, Correlatos, Cosméticos e Saneantes Domissanitários. Nº PROCESSO REQUERIMENTO RAZÃO SOCIAL IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO NOME DE FANTASIA NÚMERO DO CNPJ NÚMERO ÚLTIMO

Leia mais

RESÍDUOS DOS SERVIÇOS DE. Hélida Rosa Silva Enfª Resp. Técnica GRSS CTAALS

RESÍDUOS DOS SERVIÇOS DE. Hélida Rosa Silva Enfª Resp. Técnica GRSS CTAALS RESÍDUOS DOS SERVIÇOS DE SAÚDE Hélida Rosa Silva Enfª Resp. Técnica GRSS CTAALS 1- SUMÁRIO - O que é o plano de gerenciamento (PGRSS) e gerenciamento de resíduos (GRSS)? - Objetivo do PGRSS - Leis que

Leia mais

EFEITOS ADVERSOS A MEDICAMENTOS

EFEITOS ADVERSOS A MEDICAMENTOS EFEITOS ADVERSOS A MEDICAMENTOS INTRODUÇÃO As informações contidas neste folheto têm a finalidade de orientar as pessoas que passaram ou que podem passar pela experiência não-desejada dos efeitos adversos

Leia mais

Dimensão Segurança do Doente. Check-list Procedimentos de Segurança

Dimensão Segurança do Doente. Check-list Procedimentos de Segurança 1. 1.1 1.2 Cultura de Segurança Existe um elemento(s) definido(s) com responsabilidade atribuída para a segurança do doente Promove o trabalho em equipa multidisciplinar na implementação de processos relativos

Leia mais

2. Quais os objetivos do Programa Nacional de Segurança do Paciente?

2. Quais os objetivos do Programa Nacional de Segurança do Paciente? O tema Segurança do Paciente vem sendo desenvolvido sistematicamente pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) desde sua criação, cooperando com a missão da Vigilância Sanitária de proteger

Leia mais

Informe Epidemiológico CHIKUNGUNYA N O 03 Atualizado em 24-11-2014, às 11h.

Informe Epidemiológico CHIKUNGUNYA N O 03 Atualizado em 24-11-2014, às 11h. Informe Epidemiológico CHIKUNGUNYA N O 03 Atualizado em 24-11-2014, às 11h. Vigilância Epidemiológica de Febre Chikungunya No Brasil, a febre chikungunya é uma doença de notificação compulsória e imediata,

Leia mais

Autoclavagem. Microondas. Manejo de Resíduos Sólidos e de Serviços de Saúde Tratamento preliminar e destinação

Autoclavagem. Microondas. Manejo de Resíduos Sólidos e de Serviços de Saúde Tratamento preliminar e destinação USP Incineração Manejo de Resíduos Sólidos e de Serviços de Saúde Profa. Dra. Vera Letticie de Azevedo Ruiz 2014 1 Deve seguir a Resolução CONAMA nº 316 de 2002 Processo cuja operação seja realizada acima

Leia mais

Autores: Patrícia Turqueto Azzoni ¹, Virginia Swain Muller ², Fabiana Cristina Pereira Guimarães³.

Autores: Patrícia Turqueto Azzoni ¹, Virginia Swain Muller ², Fabiana Cristina Pereira Guimarães³. Título: Controle sanitário de estabelecimentos comerciais farmacêuticos com dispensação de produtos sujeitos ao controle da Portaria SVS/MS nº 344/98, e suas atualizações. Autores: Patrícia Turqueto Azzoni

Leia mais

ALERTA SARAMPO Atualização da Situação Epidemiológica, Setembro 2014:

ALERTA SARAMPO Atualização da Situação Epidemiológica, Setembro 2014: ALERTA SARAMPO Atualização da Situação Epidemiológica, Setembro 2014: O Estado de São Paulo reforça a recomendação para que todos os GVE mantenham os municípios de sua área de abrangência em TOTAL ALERTA

Leia mais

SISTEMA DE TECNOVIGILÂNCIA DE BIO-MANGUINHOS, EM ATENDIMENTO A RDC N 0 67 / ANVISA / 21/12/2009

SISTEMA DE TECNOVIGILÂNCIA DE BIO-MANGUINHOS, EM ATENDIMENTO A RDC N 0 67 / ANVISA / 21/12/2009 MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ INSTITUTO DE TECNOLOGIA EM IMUNOBIOLÓGICOS BIO-MANGUINHOS SISTEMA DE TECNOVIGILÂNCIA DE BIO-MANGUINHOS, EM ATENDIMENTO A RDC N 0 67 / ANVISA / 21/12/2009 ASCLIN

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA RDC Nº 16, DE 21 DE MARÇO DE 2012

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA RDC Nº 16, DE 21 DE MARÇO DE 2012 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA RDC Nº 16, DE 21 DE MARÇO DE 2012

Leia mais

COSMETOVIGILÂNCIA NO BRASIL

COSMETOVIGILÂNCIA NO BRASIL Ministério da Saúde Gerência-Geral de Cosméticos COSMETOVIGILÂNCIA NO BRASIL Juliana Araujo Costa Curitiba, junho de 2013 COSMETOVIGILÂNCIA É a atividade que consiste em observar e analisar os eventuais

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DOS RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE POR UNIDADE GERADORA E A SEGREGAÇÃO DOS RESÍDUOS POR GRUPO.

CARACTERIZAÇÃO DOS RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE POR UNIDADE GERADORA E A SEGREGAÇÃO DOS RESÍDUOS POR GRUPO. 1 Unidade ou serviço Descrição do Resíduo Grupo Estado -Secreções, excreções, e outros fluidos orgânicos. -Recipientes e materiais resultantes do processo de assistência à saúde, que não contenha sangue

Leia mais

COMUNICADO DE RISCO N 001/2014 - GVIMS/GGTES/SSNVS/ANVISA

COMUNICADO DE RISCO N 001/2014 - GVIMS/GGTES/SSNVS/ANVISA Agência Nacional de Vigilância Sanitária COMUNICADO DE RISCO N 001/2014 - GVIMS/GGTES/SSNVS/ANVISA Orientações para os serviços de saúde em virtude da suspensão do uso em todo o território nacional de

Leia mais

Transamin Ácido Tranexâmico

Transamin Ácido Tranexâmico Transamin Ácido Tranexâmico 250 mg Zydus Nikkho Farmacêutica Ltda Comprimidos Bula do Paciente I- IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO TRANSAMIN ácido tranexâmico APRESENTAÇÕES Comprimidos de 250 mg. Embalagem

Leia mais

XXXIV Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Farmacêutica

XXXIV Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Farmacêutica XXXIV Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Farmacêutica Agência Nacional de Vigilância Sanitária ANVISA: Desafios e Metas para o Próximo Triênio INSTITUÍDA Anvisa Desafios e Metas para o Próximo

Leia mais

A) Legenda e descrição pormenorizada para os ícones dos atributos de qualificação dos prestadores de serviço na saúde suplementar

A) Legenda e descrição pormenorizada para os ícones dos atributos de qualificação dos prestadores de serviço na saúde suplementar Capítulo I A) Legenda e descrição pormenorizada para os ícones dos atributos de qualificação dos prestadores de serviço na saúde suplementar 1 - Prestadores de serviços hospitalares: a) Acreditação de

Leia mais

Fortalecendo o Sistema de Farmacovigilância para a introdução de novos medicamentos para a tuberculose no Brasil

Fortalecendo o Sistema de Farmacovigilância para a introdução de novos medicamentos para a tuberculose no Brasil Fortalecendo o Sistema de Farmacovigilância para a introdução de novos medicamentos para a tuberculose no Brasil Introdução Em 2009, o Ministério da Saúde (MS) do Brasil mudou seu esquema de tratamento

Leia mais

Saúdee Trabalho. Raphael Mendonça Guimarães, Ph.D

Saúdee Trabalho. Raphael Mendonça Guimarães, Ph.D Saúdee Trabalho Raphael Mendonça Guimarães, Ph.D TRABALHADORES X POPULAÇÃO GERAL Saúde do Trabalhador Medicina do Trabalho; Saúde Ocupacional; Saúde do Trabalhador. Exposição ambiental X Exposição ocupacional

Leia mais

OTO-XILODASE. Apsen Farmacêutica S.A. Solução Otológica 100 UTR + 50 mg + 5 mg / 1 ml

OTO-XILODASE. Apsen Farmacêutica S.A. Solução Otológica 100 UTR + 50 mg + 5 mg / 1 ml OTO-XILODASE Apsen Farmacêutica S.A. Solução Otológica 100 UTR + 50 mg + 5 mg / 1 ml OTO-XILODASE cloridrato de lidocaína + sulfato de neomicina + hialuronidase APSEN FORMAS FARMACÊUTICAS Solução otológica

Leia mais

ÍNDICE - 06/08/2004 O Estado de S.Paulo... 2 Geral...2 Folha de S.Paulo... 3 Opinião...3 O Dia (RJ)... 4 Ciência & Saúde...4

ÍNDICE - 06/08/2004 O Estado de S.Paulo... 2 Geral...2 Folha de S.Paulo... 3 Opinião...3 O Dia (RJ)... 4 Ciência & Saúde...4 ÍNDICE - O Estado de S.Paulo...2 Geral...2 EUA vão investigar remédio regulador do colesterol...2 Folha de S.Paulo...3 Opinião...3 PAINEL DO LEITOR...3 Genéricos...3 O Dia (RJ)...4 Ciência & Saúde...4

Leia mais

Art.5 Os registros concedidos anteriormente à vigência desta Resolução deverão se adequar à mesma no momento de sua revalidação.

Art.5 Os registros concedidos anteriormente à vigência desta Resolução deverão se adequar à mesma no momento de sua revalidação. RESOLUÇÃO ANVISA Nº 206, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2006 DOU 20.11.2006 Estabelece Regulamento Técnico de Produtos para Diagnóstico de uso in vitro e seu Registro, Cadastramento, e suas alterações, revalidações

Leia mais

PARECER CRM/MS N 16/2012 PROCESSO CONSULTA Nº 33/2011 INTERESSADO:

PARECER CRM/MS N 16/2012 PROCESSO CONSULTA Nº 33/2011 INTERESSADO: PARECER CRM/MS N 16/2012 PROCESSO CONSULTA Nº 33/2011 INTERESSADO: Dra. B. F. D./SECRETARIA DE ESTADO DA SAUDE/MS ASSUNTO/PALAVRA CHAVE: Sigilo medico. Prontuário Médico. Registro de Câncer de Base Populacional.

Leia mais

ROTEIRO PARA AUTO INSPEÇÃO

ROTEIRO PARA AUTO INSPEÇÃO Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Vigilância em Saúde Gerência de Produtos e Serviços de Interesse da Saúde Subgerência de Produtos Para a Saúde, Saneantes Domissanitários e Cosméticos Roteiro

Leia mais

Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante

Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante POR QUE CRIAR CIHDOTTs? 6294 hospitais no país Necessidade de descentralização Equipes localizadas dentro do hospital notificante

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO ANEXO II REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES

GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO ANEXO II REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES 1. PARA ENFERMEIRO ANEXO II REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES Requisitos para Contratação: Diploma, devidamente registrado, de conclusão do curso de graduação em Enfermagem, Registro no Órgão de Classe competente.

Leia mais

ENOXALOW enoxaparina sódica. Forma farmacêutica e apresentações Solução injetável. Via de administração: IV/SC

ENOXALOW enoxaparina sódica. Forma farmacêutica e apresentações Solução injetável. Via de administração: IV/SC ENOXALOW enoxaparina sódica Forma farmacêutica e apresentações Solução injetável. Via de administração: IV/SC 20 mg/0,2 ml cartucho com 1 ou 10 seringas. 40 mg/0,4 ml cartucho com 1 ou 10 seringas. 60

Leia mais

Elaboração do manual da qualidade: Experiência em uma indústria de produtos de limpeza

Elaboração do manual da qualidade: Experiência em uma indústria de produtos de limpeza Elaboração do manual da qualidade: Experiência em uma indústria de produtos de limpeza Elizangela Veloso elizangelaveloso@yahoo.com.br Carlos Antonio Pizo (UEM) capizo@uem.br Resumo A comercialização de

Leia mais

SUP E RINT E NDÊ NCIA DE VIG IL ÂNCIA E M SAÚDE

SUP E RINT E NDÊ NCIA DE VIG IL ÂNCIA E M SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Gerência de Vigilância Epidemiológica Coordenação de Controle das Doenças Hídricas e Alimentares Av. 136, s/nº, Qd.F44, Lt 22 a 24, Edf. César Sebba, Setor Sul,

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Práticas seguras de distribuição de medicamentos.

Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Práticas seguras de distribuição de medicamentos. Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Práticas seguras de distribuição de medicamentos. POP nº 06 - NUVISAH/HU Versão: 01 Próxima revisão: 30/07/2016

Leia mais

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor Presidente, determino a sua publicação:

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor Presidente, determino a sua publicação: Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública nº 2, de 13 de janeiro de 2009. D.O.U de 17/02/09 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das

Leia mais

COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO E PARECERES PARECER n.º 012/2014

COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO E PARECERES PARECER n.º 012/2014 COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO E PARECERES PARECER n.º 012/2014 Assunto: Legalidade de administração de contraste em clínica radiológica e de diagnóstico por imagem. Aprovado na 539ª Reunião Ordinária de Plenário

Leia mais