Manual de Orientação e Procedimentos do Responsável Técnico CRMV-RJ Ver SET13

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manual de Orientação e Procedimentos do Responsável Técnico CRMV-RJ Ver. 1.1.1 19SET13"

Transcrição

1 0 Ver SET13

2 1 MANUAL DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS DO RESPONSÁVEL TÉCNICO SUMÁRIO CAPÍTULO I Orientações Gerais e Obrigações do Responsável Técnico (RT) DOS LIMITES DE CARGA HORÁRIA: DA CAPACITAÇÃO PARA ASSUMIR A RESPONSABILIDADE TÉCNICA DA HOMOLOGAÇÃO DOS CONTRATOS DE RESPONSABILIDADE TÉCNICA DOS LIMITES DA ÁREA DE ATUAÇÃO DO RT DOS IMPEDIMENTOS PARA ASSUMIR A RESPONSABILIDADE TÉCNICA DA RESPONSABILIDADE PELA QUALIDADE DOS PRODUTOS E SERVIÇOS PRESTADOS DO LIVRO DE REGISTRO DE OCORRÊNCIAS DO RESPONSÁVEL TÉCNICO DA OBRIGAÇÃO NO CUMPRIMENTO DA CARGA HORÁRIA DA CONSTATAÇÃO DE IRREGULARIDADES NOS ESTABELECIMENTOS PELA FISCALIZAÇÃO DO CRMV- RJ DO RESPONSÁVEL TÉCNICO QUE É PROPRIETÁRIO DA EMPRESA E QUE TRABALHE EM REGIME DE DEDICAÇÃO EXCLUSIVA DO RELACIONAMENTO COM OS SERVIÇOS DE INSPEÇÃO E FISCALIZAÇÃO DA REVISÃO CONSTANTE DAS NORMAS DAS DOENÇAS DE NOTIFICAÇÃO OBRIGATÓRIA DA NECESSIDADE DE AFIXAÇÃO DA IDENTIFICAÇÃO DO RESPONSÁVEL TÉCNICO NO LOCAL DE TRABALHO DA HABILITAÇÃO DO ESTABELECIMENTO DA COBRANÇA DE HONORÁRIOS DA EMISSÃO DO LAUDO INFORMATIVO DA OBRIGAÇÃO DE COMUNICAR A BAIXA DA ANOTAÇÃO DE RESPONSABILIDADE TÉCNICA DA PROTEÇÃO DO MEIO AMBIENTE DA COMISSÃO DE RESPONSABILIDADE TÉCNICA E CÂMARA TÉCNICA DA LEGISLAÇÃO DE APOIO PARA O EXERCÍCIO DA RESPONSABILIDADE TÉCNICA... 8

3 2 CAPÍTULO II PROCEDIMENTOS DO RESPONSÁVEL TÉCNICO ESTABELECIMENTOS APÍCOLAS E MELIPONÁRIOS ESTABELECIMENTOS DE AQUICULTURA ASSOCIAÇÕES DE CRIADORES E ENTIDADES DE REGISTRO GENEALÓGICO BIOTÉRIOS DE ANIMAIS DE LABORATÓRIO CANIS, GATIS, ABRIGOS, PENSÕES, HOTÉIS, SPA, ESCOLAS DE ADESTRAMENTO, EMPRESAS DE ALUGUEL DE CÃES DE GUARDA E SEUS CONGÊNERES CASAS AGROPECUÁRIAS, PET SHOPS, DROGARIAS VETERINÁRIAS E ESTABELECIMENTOS QUE COMERCIALIZEM E/OU DISTRIBUEM PRODUTOS VETERINÁRIOS, RAÇÕES, SAIS MINERAIS E ANIMAIS CENTROS OU UNIDADES DE CONTROLE DE ZOONOSES E FATORES BIOLÓGICOS DE RISCO CHINCHILICULTURA CUNICULTURA INDÚSTRIAS DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL (INDÚSTRIAS DE CARNE E DERIVADOS, LEITE E DERIVADOS, PESCADOS E DERIVADOS, MEL E DERIVADOS, OVOS E DERIVADOS) E OS ESTABELECIMENTOS ATACADISTAS E VAREJISTAS DE ALIMENTOS DE ORIGEM ANIMAL EMPRESAS DE CONTROLE E COMBATE ÀS PRAGAS E VETORES (EMPRESAS DESINSETIZADORAS) EMPRESAS DE PRODUÇÃO ANIMAL (FAZENDAS E CRIADOUROS) ENTIDADES CERTIFICADORAS ESTABELECIMENTOS AVÍCOLAS AVOZEIROS E MATRIZEIROS: INCUBATÓRIOS: GRANJAS DE PRODUÇÃO DE OVOS PARA CONSUMO: PRODUÇÃO DE FRANGOS DE CORTE: ESTABELECIMENTOS DE ENSINO SUPERIOR DE MEDICINA VETERINÁRIA E DE ZOOTECNIA ESTABELECIMENTOS RELACIONADOS À MULTIPLICAÇÃO ANIMAL ESTABELECIMENTOS QUE INDUSTRIALIZAM RAÇÕES, CONCENTRADOS, INGREDIENTES E SAIS MINERAIS PARA ALIMENTAÇÃO ANIMAL ESTRUTIOCULTURA - CRIAÇÃO DE AVESTRUZES - CRIADOUROS: INCUBATÓRIOS EXPOSIÇÕES, FEIRAS, LEILÕES E OUTROS EVENTOS PECUÁRIOS... 34

4 3 21 GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DOS SERVIÇOS DA SAÚDE ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DA SAÚDE (PGRSS) HARAS, JÓQUEIS-CLUBES, CENTROS DE TREINAMENTO E OUTRAS ENTIDADES HÍPICAS HOSPITAIS, CLÍNICAS, CONSULTÓRIOS, AMBULATÓRIOS E DEMAIS SERVIÇOS VETERINÁRIOS EVENTOS PARA CONTROLE CIRÚRGICO DE NATALIDADE DE CÃES E GATOS COMUMENTE DENOMINADOS DE CAMPANHAS OU MUTIRÕES DE CASTRAÇÃO LABORATÓRIOS DE PATOLOGIA, DIAGNÓSTICO E ANÁLISES CLÍNICAS VETERINÁRIAS INDÚSTRIAS DE PELES E COUROS INDÚSTRIAS DE PRODUTOS VETERINÁRIOS MINHOCULTURA PLANEJAMENTO, ASSISTÊNCIA TÉCNICA E CONSULTORIA VETERINÁRIA E ZOOTÉCNICA PRODUÇÃO DE OVOS E LARVAS DE BICHO DA SEDA (SERICICULTURA) SUINOCULTURA JARDINS ZOOLÓGICOS, PARQUES NACIONAIS E CRIADOUROS DE ANIMAIS SELVAGENS ESTABELECIMENTOS ATACADISTAS E VAREJISTAS DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL SUPERMERCADOS E SIMILARES... 48

5 4 MANUAL DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS DO RESPONSÁVEL TÉCNICO CAPÍTULO I Orientações Gerais e Obrigações do Responsável Técnico (RT) Este capítulo trata de situações relacionadas com a responsabilidade do profissional perante a empresa e o consumidor e, sobre o qual, OBRIGATORIAMENTE, deve estar ciente para o bom desempenho de sua função. 1 - DOS LIMITES DE CARGA HORÁRIA: O Profissional poderá comprometer seu tempo, no máximo, com carga horária de 48 (quarenta e oito) horas semanais. O número de empresas que cada profissional poderá assumir como RT dependerá da quantidade de horas especificada em cada contrato; do tempo gasto com o deslocamento entre as empresas sob sua responsabilidade técnica e, se for o caso, da carga horária de sua atividade principal. A carga horária mínima para o desempenho da função de RT é de 6 (seis) horas semanais. Assim, o número máximo de empresas nas quais o profissional poderá exercer a responsabilidade técnica não poderá ultrapassar a 8 (oito) estabelecimentos. Para as atividades de criação (avicultura, suinocultura, bovinocultura, apicultura, aquicultura e outras) o número máximo de estabelecimentos que o RT poderá assumir será definido em Portarias específicas do CRMV-RJ ou pelos dos órgãos de inspeção e fiscalização competentes. 2 DA CAPACITAÇÃO PARA ASSUMIR A RESPONSABILIDADE TÉCNICA Caberá ao CRMV-RJ e às instituições parceiras oferecer um curso básico de Responsabilidade Técnica, onde serão discutidos os conceitos básicos, legislação pertinente e orientações gerais constantes desse manual. O processo de capacitação e de atualização é de responsabilidade dos profissionais. Logo, recomenda-se que os mesmos busquem treinamento específico na área em que assumirem a responsabilidade técnica, mantendo-se sempre atualizados e cumprindo as normas e resoluções do CFMV e CRMV-RJ.

6 5 3 DA HOMOLOGAÇÃO DOS CONTRATOS DE RESPONSABILIDADE TÉCNICA A homologação dos contratos de responsabilidade técnica é da competência da reunião plenária do CRMV-RJ que analisará o parecer emitido por um relator previamente designado pela sua Diretoria Executiva. 4 DOS LIMITES DA ÁREA DE ATUAÇÃO DO RT A área de atuação do RT deverá ser, preferencialmente, no município onde reside o profissional ou no máximo num raio de 100 (cem) quilômetros deste, podendo o CRMV- RJ, a seu juízo, conceder anotação em situações excepcionais, quando plenamente justificado e homologado em plenária após parecer de conselheiro relator. 5 DOS IMPEDIMENTOS PARA ASSUMIR A RESPONSABILIDADE TÉCNICA O Servidor Público com atribuições de fiscalização em serviços ou áreas tais como Vigilância Sanitária, Defesa Sanitária Animal, Serviço de Inspeção Estadual (SIE), Serviço de Inspeção Federal (SIF) e Serviço de Inspeção Municipal (SIM), ficará impedido de assumir a função de responsabilidade técnica naqueles estabelecimentos sujeitos a fiscalização do órgão em que estiver vinculado. Os Profissionais que tiveram seus contratos já homologados sem que tenha sido observado o disposto neste item, ficam obrigados a buscar o CRMV-RJ para regularizar a situação. 6 DA RESPONSABILIDADE PELA QUALIDADE DOS PRODUTOS E SERVIÇOS PRESTADOS O RT deverá ser o profissional que busca garantir à empresa contratante, bem como à sociedade, a qualidade dos produtos oferecidos e/ou serviços prestados, e responderá CIVIL E PENALMENTE por possíveis danos que possam vir a ocorrer ao consumidor, ao ambiente ou ao animal, uma vez caracterizada sua culpa por negligência, imprudência, imperícia ou omissão, sem prejuízo das sanções previstas no código de ética profissional. 7 DO LIVRO DE REGISTRO DE OCORRÊNCIAS DO RESPONSÁVEL TÉCNICO O RT deverá manter na empresa, à disposição dos fiscais do CRMV-RJ e dos órgãos de fiscalização, o LIVRO DE REGISTRO DE OCORRÊNCIAS, o qual deverá ser registrado no Conselho Regional, com páginas numeradas e sequenciais. No Livro de registro de ocorrência serão anotadas todas as datas e horários de visitas do RT, as ocorrências, as não conformidades e respectivas recomendações para proprietários e funcionários, com as devida ciência do responsável pelo estabelecimento. Quando o proprietário ou o responsável pelo estabelecimento negar-se a executar a recomendação apontada no Livro de Registro de Ocorrências ou dificultar a ação,

7 6 deverá o Responsável Técnico fazer a comunicação por escrito ao CRMV-RJ. A comunicação de possível extravio do livro de ocorrências deverá ser feita da mesma forma ao CRMV-RJ. 8 DA OBRIGAÇÃO NO CUMPRIMENTO DA CARGA HORÁRIA Uma vez definida a carga horária mínima e máxima, para o exercício das funções de RT, cabe ao CRMV-RJ fiscalizar o cumprimento desse quesito. O Responsável Técnico que descumprir as normas estabelecidas pelo CRMV-RJ estará sujeito a ter a sua Anotação de Responsabilidade Técnica cancelada e responder a Processo Ético-Profissional. Pedidos de concessões quanto à carga horária, poderão ser analisados pelo CRMV-RJ, principalmente em casos especiais que envolvam: localização do estabelecimento, disponibilidade de profissionais habilitados para exercer as funções de RT na localidade e determinadas condições das empresas. 9 DA CONSTATAÇÃO DE IRREGULARIDADES NOS ESTABELECIMENTOS PELA FISCALIZAÇÃO DO CRMV- RJ. Quando solicitado pela fiscalização do CRMV-RJ, o RT e o responsável pelo estabelecimento deverão permitir o acesso às instalações com vistas à fiscalização do exercício profissional na função de responsabilidade técnica e com a finalidade de buscar informações que subsidiem o Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado do Rio de Janeiro em suas ações de planejamento na defesa da Sociedade sua função primária e para a valorização profissional. As visitas acompanhadas se darão principalmente, por ocasião das visitas de rotina dos Fiscais do CRMV-RJ nos estabelecimentos, podendo participar da visitação os profissionais credenciados pela Presidência do CRMV-RJ, assim como os representantes regionais e os membros da Diretoria Executiva do CRMV-RJ e seus conselheiros. 10 DO RESPONSÁVEL TÉCNICO QUE É PROPRIETÁRIO DA EMPRESA E QUE TRABALHE EM REGIME DE DEDICAÇÃO EXCLUSIVA O Profissional que for proprietário da empresa fica também obrigado à Anotação de Responsabilidade Técnica e deverá seguir as mesmas exigências previstas neste manual, inclusive com a definição do prazo de validade. O regime de dedicação exclusiva do responsável técnico não poderá exceder ao limite de 48 (quarenta e oito) horas semanais.

8 7 11 DO RELACIONAMENTO COM OS SERVIÇOS DE INSPEÇÃO E FISCALIZAÇÃO O RT deverá atuar nos estabelecimentos de modo a fazer cumprir as normas emanadas pela legislação em que se baseiam as atuações dos órgãos de inspeção oficial, e buscar de modo consoante e amigável atingir o propósito da qualidade do produto ou serviço, para o benefício da sociedade. 12 DA REVISÃO CONSTANTE DAS NORMAS O RT poderá propor a revisão das normas legais ou decisões das autoridades constituídas, para fins de modificação, sempre que estas venham conflitar com os aspectos científicos, técnicos e profissionais. Deverá fazer a proposição de modo consubstanciado para análise do CRMV-RJ e as devidas providências. 13 DAS DOENÇAS DE NOTIFICAÇÃO OBRIGATÓRIA O RT deverá comunicar às Autoridades Sanitárias Oficiais a ocorrência de Enfermidades de Notificação Obrigatória. A notificação deverá ser acompanhada de Laudo Técnico emitido pelo RT ou outro Profissional devidamente habilitado. 14 DA NECESSIDADE DE AFIXAÇÃO DA IDENTIFICAÇÃO DO RESPONSÁVEL TÉCNICO NO LOCAL DE TRABALHO O RT deverá informar ao proprietário do estabelecimento sobre a obrigatoriedade de ser afixado, em local visível, quadro onde conste documento fornecido pelo CRMV-RJ, que inclua o seu nome como RT. 15 DA HABILITAÇÃO DO ESTABELECIMENTO O Profissional RT deve assegurar-se de que o estabelecimento no qual assumirá ou assumiu a responsabilidade técnica, encontra-se legalmente habilitado para o desempenho de suas atividades, especialmente quanto ao seu registro junto ao CRMV- RJ e demais órgãos relacionados à sua atividade. 16 DA COBRANÇA DE HONORÁRIOS Os honorários mínimos que devem ser cobrados pela prestação de serviços como Responsável Técnico, sob pena de responder a Processo Ético Profissional, deverão tomar por base de referência e proporcionalidade, aqueles previstos na Lei Federal A de 22 de abril de 1966.

9 8 O Profissional que executar qualquer atividade, diferente da função de Responsável Técnico, poderá cobrar separadamente os seus honorários. 17 DA EMISSÃO DO LAUDO INFORMATIVO Caso o proprietário, ou responsável pelo estabelecimento, se recuse a executar a orientação constante no livro de registro de ocorrências, ou dificulte a ação do Responsável Técnico, este deverá emitir, em até 30 dias, ou prazo superior desde que justificável, um Laudo Informativo em 2 (duas) vias. A primeira deverá ser encaminhada ao Presidente do CRMV-RJ e a segunda via ficará em posse do profissional. O Laudo Informativo deverá conter as informações detalhadas das exigências postuladas e não atendidas, sob pena de responder o RT por omissão ou conivência. 18 DA OBRIGAÇÃO DE COMUNICAR A BAIXA DA ANOTAÇÃO DE RESPONSABILIDADE TÉCNICA Fica o RT obrigado a comunicar à Empresa e ao CRMV-RJ, no máximo em 08 (oito) dias, a sua baixa da Anotação de Responsabilidade Técnica. Caso contrário, o RT continuará sendo corresponsável pelos possíveis riscos ou danos para o consumidor, respondendo perante o CRMV-RJ e a Justiça. 19 DA PROTEÇÃO DO MEIO AMBIENTE É de responsabilidade do RT inteirar-se da legislação ambiental federal, estadual e municipal, orientando a adoção de medidas preventivas e reparadoras sobre os possíveis danos ao meio ambiente provocados pela atividade do estabelecimento sob sua responsabilidade técnica. 20 DA COMISSÃO DE RESPONSABILIDADE TÉCNICA E CÂMARA TÉCNICA A Comissão de Responsabilidade Técnica do CRMV-RJ, assim como a Câmara Técnica, deverão subsidiar e apoiar o CRMV-RJ nas deliberações sobre as exceções, os casos omissos e possíveis dúvidas surgidas quanto ao fiel cumprimento das normas que constam neste Manual. 21 DA LEGISLAÇÃO DE APOIO PARA O EXERCÍCIO DA RESPONSABILIDADE TÉCNICA A legislação que trata dos assuntos que regulam as diversas atividades dos estabelecimentos que requerem Responsabilidade Técnica de Médicos Veterinários e Zootecnictas é vasta e sofre frequentes atualizações ou revogações. Assim sendo, o CRMV-RJ apresenta uma relação de alguns endereços eletrônicos onde os profissionais poderão manter-se atualizados.

10 9 ENDEREÇOS ELETRÔNICOS SUGERIDOS: - Portal da Presidência da República: - Ministério do Meio Ambiente: - Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento: - Ministério da Pesca e Aquicultura: - Ministério da Saúde: - Agência Nacional de Vigilância Sanitária: - Instituto Brasileiro de Meio Ambiente: - Conselho Federal de Medicina Veterinária: - Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado do Rio de Janeiro: - Secretaria de Estado da Agricultura: - Secretaria do Estado do Ambiente: - Secretaria de Estado de Saúde: - Instituto Estadual do Ambiente:

11 10 CAPÍTULO II PROCEDIMENTOS DO RESPONSÁVEL TÉCNICO 1 ESTABELECIMENTOS APÍCOLAS E MELIPONÁRIOS Estabelecimento Apícola é aquele que tem como objetivo a criação de abelhas com a finalidade de produção do mel e outros produtos apícolas. O meliponário é o local destinado à criação racional de abelhas silvestres nativas, composto de um conjunto de colônias alojadas em colméias especialmente preparadas para o manejo e manutenção dessas espécies. Quando no desempenho de suas funções técnicas, o Responsável Técnico (RT) pelos estabelecimentos apícolas e meliponários deve; orientar sobre procedimentos que envolvem a colheita; orientar para transporte adequado das melgueiras assim como quanto aos cuidados a serem dispensados com os veículos utilizados; orientar os funcionários quanto à observação dos preceitos básicos de higiene pessoal, uso de vestuário adequado e da manipulação; orientar e capacitar os funcionários encarregados das diversas etapas da obtenção do mel; orientar a empresa quanto à utilização das embalagens, conforme o previsto na legislação vigente; 2 ESTABELECIMENTOS DE AQUICULTURA São caracterizados como estabelecimentos de aquicultura aqueles que mantem animais aquáticos em qualquer nível de confinamento e para quaisquer fins. São considerados animais aquáticos os peixes, crustáceos, moluscos, anfíbios e outros animais que tenham qualquer fase de seu desenvolvimento no ambiente aquático. Quando no desempenho de suas funções técnicas, o Responsável Técnico (RT) pelos estabelecimentos de aquicultura devem: Orientar continuamente o pessoal envolvido em todas as operações realizadas no estabelecimento com objetivo de fornecer as informações necessárias ao bom desempenho de suas funções. Certificar-se que há monitoração diária dos principais parâmetros de qualidade de água nos tanques/viveiros: temperatura, oxigênio, ph e transparência;

12 11 Manter-se atualizado quanto à legislação pertinente em relação a implantação de empreendimentos aquícolas, assim como aquelas relacionadas com o seu funcionamento e com a proteção ao meio ambiente. Garantir manejo sanitário preventivo contra doenças infecciosas, parasitoses, intoxicações e contaminações por cianotoxinas; Orientar quanto à necessidade de manter o devido isolamento das áreas destinadas ao cultivo de animais aquáticos de modo a restringir a movimentação ao pessoal que trabalha na atividade e impedir o acesso de animais domésticos; Manter-se atualizado quanto à legislação do CONAMA principalmente aquelas relacionadas com a análise da água da(s) fonte(s) de abastecimento e dos efluentes e seus padrões de qualidade; Denunciar ao órgão competente, ou ao CRMV-RJ, as situações em que a prática do empreendimento ou estabelecimento ponha em risco o meio ambiente, a fauna e a flora; Assegurar a ocorrência de uma inspeção rigorosa de todos os animais aquáticos transportados vivos e impedir o deslocamento de animais portadores de ectoparasitas; Orientar de modo a transportar toda carga de animal aquático, em qualquer fase de desenvolvimento, sempre em veículos adequados para tal fim; Impedir a entrada de qualquer lote de animal aquático adquirido de outra propriedade que não esteja acompanhado da GTA e comunicar ao órgão competente a ocorrência de carga desacompanhada da documentação, especificando a origem; Avaliar periodicamente o controle da alimentação por meio de medidas de consumo diário, ganho de peso ou crescimento, levando em consideração os parâmetros requeridos para cada espécie; Impedir o uso de antibióticos, hormônios, drogas, biocidas ou qualquer produto que venha causar danos à saúde pública ou aos animais e utilizar somente produtos, medicamentos e vacinas aprovados pelo órgão competente para uso na aquicultura; Monitorar a limpeza periódica das bordas dos tanques/viveiros, inclusive da vegetação, assim como da limpeza profunda com retirada completa de todo sedimento do fundo e ao redor do tanque após cada despesca; Garantir o adequado controle de roedores e outras pragas nas instalações em geral; Manter informações atualizadas quanto a infra-estrutura física utilizada para criação dos animais aquáticos, como por exemplo: número de tanques/viveiros em atividade, em manutenção ou em construção; tipo de tanque/viveiro (escavado, alvenaria, fibra, plástico, etc.) utilizado em cada fase de produção; áreas dos tanques/viveiros expressa em m2 ou hectare ou do volume da lâmina d água expresso em m3; localização das fontes de abastecimento; localização do(s) tanque(s) ou equipamento(s) utilizado(s) para tratamento da(s) fonte(s) de abastecimento ou do(s) tanque(s) para decantação de sedimento e tratamento de resíduos poluentes; locais utilizados para armazenamentos de alimentos, produtos químicos e veterinários e equipamentos de uso geral utilizados na rotina de produção; número de tanques em produção, número de reprodutores; número médio de indivíduos produzidos por ciclo reprodutivo; tempo médio de vida dos reprodutores; duração de cada ciclo, peso e tamanho médio ao final em cada fase da vida produtiva;

13 12 3 ASSOCIAÇÕES DE CRIADORES E ENTIDADES DE REGISTRO GENEALÓGICO Entidades que têm como objetivo reunir pessoas interessadas em promover técnicas e comercializar determinada raça ou conjunto de raças de uma determinada espécie animal, responsabilizando-se inclusive por registros genealógicos, avaliação e desempenho desses animais por intermédio de provas zootécnicas. Quando no desempenho de suas funções técnicas, o Responsável Técnico pelas associações de criadores e entidades de registro genealógico deve: orientar e acompanhar os eventos promocionais da Associação procurando sempre pautar suas ações dentro dos princípios da ética; primar pela qualidade zootécnica dos animais submetidos ao registro genealógico, avaliando estes animais dentro dos padrões oficiais de cada raça; assegurar a ancestralidade dos animais inscritos nos livros de registro genealógico; garantir a veracidade das anotações dos dados de produção lançando nos livros competentes; responsabilizar-se pela qualidade das provas zootécnicas promovidas pela Associação e pela divulgação dos dados obtidos; garantir que todas as atividades realizadas por funcionários e/ou prestadores de serviços e/ou estagiários sejam supervisionadas por técnicos qualificados; garantir a execução do sistema de segurança e sigilo dos dados coletados; orientar os associados sobre a necessidade da rastreabilidade dos animais; 4 BIOTÉRIOS DE ANIMAIS DE LABORATÓRIO Entende-se por biotério os locais onde se criam ou mantém animais para pesquisas laboratoriais ou objetivos semelhantes. A presença de um profissional com experiência comprovada na área de animais de laboratório é um fator de garantia e segurança em um biotério, pois assegura um bom manejo, produzindo animais de boa qualidade, respeitando seu bem-estar. Quando no desempenho de suas funções técnicas, o Responsável Técnico por biotérios de animais de laboratório deve: ser responsável pela criação, saúde e bem-estar dos animais do biotério;

14 13 prestar atendimento e serviços específicos da medicina veterinária para animais de laboratório, tais como clínica de rotina e emergência, patologia e reprodução, anestesia e cirurgia; atentar para que a empresa onde exerça sua função possua formulários que permitam o registro, o controle e a avaliação dos serviços prestados; desenvolver ações de medicina veterinária preventiva; realizar diagnósticos, tratamentos e controle de epizootias e enzootias de animais de laboratório; ter acesso aos protocolos de pesquisa que envolvam animais de laboratório; ter conhecimento dos pareceres dos Comitês de Ética no Uso de Animais -CEUA; conhecer as leis específicas e regulamentos relacionados ao uso de animais em experimentação; estar atualizado quanto ao conhecimento de zoonoses e de biossegurança para manter a rotina de trabalho de acordo com as normas de segurança ambiental; orientar os funcionários sobre a importância da manutenção e disposição adequada dos alimentos e insumos utilizados; adotar procedimentos adequados e estabelecidos em normas para a morte humanitária de animal de laboratório; orientar quanto a implantação de sistema de gerenciamento de resíduos de modo a garantir o destino adequado dos dejetos sólidos e animais mortos e demais resíduos gerados pela atividade sob sua responsabilidade; 5 CANIS, GATIS, ABRIGOS, PENSÕES, HOTÉIS, SPA, ESCOLAS DE ADESTRAMENTO, EMPRESAS DE ALUGUEL DE CÃES DE GUARDA E SEUS CONGÊNERES Entende-se por Canil e Gatil respectivamente os locais de criação de cães e gatos com finalidade de comércio. Hotel, SPA, Abrigos e Pensão são estabelecimentos onde são recebidos animais para estada. Escola para cães são estabelecimentos onde são recebidos e mantidos cães para adestramento. Quando no desempenho de suas funções técnicas, o Responsável Técnico por estes estabelecimentos deverá: orientar sobre o manejo, a alimentação e os cuidados gerais que são adequados para cada espécie, procurando assegurar o direito dos animais ao seu bem-estar; ter pleno conhecimento das normas de saúde pública atinente à atividade, bem como das normativas do CFMV e do CRMV- ter conhecimento da qualificação do pessoal e sempre que se fizer necessário capacitá-los para as atividades a serem desempenhadas; somente permitir acesso aos locais de estada, de animais que estejam acompanhados do atestado de vacinação fornecido por médico veterinário;

15 14 orientar para os estabelecimento de regras no funcionamento que evitem fugas e acasalamentos indesejados; isolar imediatamente os animais suspeitos de qualquer problema sanitário, evitando contato com os sadios; promover a adoção de medidas profiláticas que garantam a saúde dos animais e a higiene permanente dos equipamentos e das instalações, orientando quanto ao destino correto dos resíduos gerados pela atividade; notificar as autoridades sanitárias quando suspeitar de doenças de interesse da saúde pública; impedir a aplicação de tranquilizantes e demais produtos sem a sua prévia orientação ou presença; quando possuir medicamentos de uso controlado (anestésicos, psicotrópicos, tranquilizantes) mantê-los em lugar seguro, de preferência em armário que possa ser fechado à chave, conjuntamente com o receituário próprio e manter livro de registro; realizar ações ou estabelecer métodos de controle a fim de assegurar o uso de medicamentos dentro do prazo de validade e a manutenção adequada dos produtos biológicos; garantir a utilização de fichas cadastrais dos animais mantidos em caráter temporário (locais de estadia) ou permanente (locais de criação) onde devem constar as principais ocorrências. estabelecer o controle sanitário de todos os animais existentes nos abrigos de animais, garantindo a imunização e vermifugação dos mesmos; providenciar local adequado para o acondicionamento e armazenamento da alimentação animal; orientar sobre a importância de implantação de um controle integrado de roedores e pragas; 6 CASAS AGROPECUÁRIAS, PET SHOPS, DROGARIAS VETERINÁRIAS E ESTABELECIMENTOS QUE COMERCIALIZEM E/OU DISTRIBUEM PRODUTOS VETERINÁRIOS, RAÇÕES, SAIS MINERAIS E ANIMAIS Quando no desempenho de suas funções técnicas, o Responsável Técnico, de acordo com as atividades desenvolvidas no estabelecimento, deve: conhecer e manter-se atualizado quanto aos aspectos técnicos e legais a que estão sujeitos os estabelecimentos sob sua responsabilidade técnica, relativos aos serviços ofertados e produtos comercializados, neles incluídos os animais, quando for o caso; Deverão ser dadas as orientações necessárias para os proprietários de estabelecimentos principalmente quanto:

16 15 a manutenção de toda documentação do estabelecimento referente a licenciamento nos órgãos competentes à mostra e à disposição dos órgãos fiscalizadores; a necessidade do estabelecimento apresentar todas características físicas e estruturais requeridas por normas legais vigentes; a necessidade do descarte correto dos resíduos sólidos, em consonância com as normas legais vigentes, principalmente quando houver a comercialização de produtos de uso veterinário e rações, sob pena de responder por danos à saúde pública e/ou ao meio ambiente; a importância do controle e/ou combate às pragas urbanas (desinsetização, desratização e descupinização quando necessário) de acordo com as normas vigentes; a higienização dos reservatórios de água e controle de qualidade da mesmo, conforme normas vigentes; a necessidade de manter um profissional habilitado para responder como responsável técnico das atividades de armazenamento e comercialização de defensivos agrícolas, quando for o caso; a manutenção higiênico sanitária adequada do estabelecimento e dos alojamentos, gaiolas e/ou aquários, quando houver comercialização de animais, e dos veículos transportadores, bem como dos engradados, gaiolas e caixas utilizadas, quando houver transporte de animais, assim como orientar os funcionários envolvidos nas operações citadas; conhecer a origem dos animais comercializados, permitindo a entrada no estabelecimento somente daqueles com o Atestado Sanitário Para Trânsito, conforme as espécies em questão; manter organizado o arquivo com o Atestado Sanitário para Trânsito e demais documentos relativos aos animais conforme normas legais vigentes; orientar para que gaiolas, aquários e demais alojamentos estejam dispostos de tal forma que ofereçam conforto físico e térmico aos animais, bem como garantam a sua integridade e bem estar, levando em consideração fatores como iluminação natural sem exposição direta ao sol e intempéries, ventilação, aeração e movimentação; orientar quanto à dessedentação e alimentação adequada aos animais, conforme as espécies em questão, considerando ainda as quantidades necessárias à satisfação individual e/ou coletiva; orientar quanto ao uso de comedouros e bebedouros adequados ao tipo de alojamento, quantidades e espécies de animais em questão; não permitir a presença, manutenção ou exposição à venda de animais debilitados, desnutridos, doentes, feridos, mutilados, fêmeas prenhes em adiantado estado de gestação ou em período de lactação ou amamentação, bem como aos filhotes em idades inferiores às de desmame, resguardadas as peculiaridades de cada espécie; fazer cessar qualquer ato de abuso ou crueldade contra os animais presentes no estabelecimento, sob pena de responder solidariamente por maus tratos à animais; não permitir o abandono, o descarte, nem o abate ou sacrifício no interior do estabelecimento, dos animais cuja presença ou permanência seja proibida; garantir que os animais, cuja presença ou permanência no estabelecimento seja proibida, sejam encaminhados, conforme o caso, à Estabelecimentos Médico Veterinários para assistência veterinária;

17 16 permitir somente a comercialização de rações e/ou produtos devidamente registrados e/ou cadastrados pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, conforme o caso; garantir que rações e/ou produtos expostos à venda estejam dentro do prazo de validade, que quando expirados deverão ser recolhidos para descarte adequado; orientar o proprietário do estabelecimento quanto à aquisição de rações e/ou produtos de uso veterinário somente de estabelecimentos registrados e/ou licenciados pelos órgãos competentes, conforme o caso, e mediante Nota Fiscal; garantir que os produtos sejam vendidos na embalagem original, sem violação do dispositivo de fechamento ou lacre, e sem fracionamento na revenda conforme o regulamento; certificar-se que os produtos acondicionados em embalagens coletivas, para venda unitária, estejam acompanhados das respectivas bulas; garantir que a armazenagem, estocagem e exposição à venda de rações e produtos sejam feitas de forma setorizada, e de acordo com as recomendações de rotulagem e/ou bula, especialmente no que concerne à exposição à luz, temperatura e umidade, de forma a garantir a qualidade e integridade dos mesmos; garantir que sejam obedecidas a legislação relativa às especialidades farmacêuticas que contenham substâncias sujeitas ao controle especial, e as recomendações inerentes à prescrição obrigatória do médico veterinário (contidas na rotulagem), retenção e arquivamento de receita veterinária; orientar o proprietário do estabelecimento e demais empregados que a substituição de medicamentos ou produtos de uso veterinários prescritos somente pode ser feita por Médico Veterinário, e somente quando não houver recomendação expressa de não intercambialidade, por parte do profissional prescritor; suspender a comercialização de rações e produtos suspeitos de adulteração, informando o fato ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, e ao fabricante; orientar o proprietário que a comercialização de ração à granel implica na responsabilidade do estabelecimento na manutenção da qualidade da mesma, a partir de seu efetivo recebimento; garantir que os produtos que exijam refrigeração (vacinas, soros, antígenos e etc.) sejam armazenados, mantidos, acondicionados e/ou entregues ao comprador, na temperatura recomendada na rotulagem ou bula; certificar-se que refrigeradores e/ou câmaras frias sejam dotados de termômetro com capacidade de aferição das temperaturas máxima e mínima; aferir a temperatura de refrigeradores e câmaras frias, no mínimo uma vez ao dia, mantendo mapa de controle das mesmas; orientar, quando necessário, o comprador ou usuário, quanto à conservação, ao manuseio e uso correto dos produtos comercializados; não praticar a assistência médico veterinária à animais no local (prescrição, vacinação, aplicação de medicamento e/ou produto de uso veterinário e etc.), sob risco de responder à processo Ético-Profissional perante o CRMV-RJ, sem prejuízo de outras penalidades cabíveis; orientar o proprietário do estabelecimento e demais empregados quanto a proibição da prescrição, vacinação, aplicação de medicamento e/ou produto de uso veterinário e demais atos inerentes à assistência médica veterinária no interior do estabelecimento; não permitir a existência de carteira de vacinação (em branco) no estabelecimento (sob pena de cumplicidade com ilícito penal);

18 17 adotar os procedimentos de segurança, no estabelecimento, quanto aos produtos de uso veterinário que ofereçam risco ao meio ambiente, aos animais ou ao homem, especialmente quando da ocorrência de acidente que provoque vazamento ou exposição do conteúdo do produto; denunciar ao CRMV-RJ qualquer ato observado que caracterize a prática de exercício ilegal da profissão de Médico Veterinário ou a prática de maus tratos aos animais, por funcionários e/ou proprietário do estabelecimento comercial; informar ao CRMV-RJ quanto aos desvios de atividade praticados pelo estabelecimento no que se refere às Resoluções do CFMV e do CRMV- 7 CENTROS OU UNIDADES DE CONTROLE DE ZOONOSES E FATORES BIOLÓGICOS DE RISCO As Unidades de Controle de Zoonoses e Fatores Biológicos de Risco (UCZS) são estabelecimentos onde se desenvolvem as atividades de vigilância ambiental, o controle de zoonoses e doenças transmitidas por vetores e reservatórios. O Responsável Técnico quando no exercício de suas funções, deve: colaborar na orientação, coordenação e gerenciamento dos programas de controle de zoonoses, roedores e vetores; desenvolver projetos de educação em saúde destinados aos cidadãos; garantir a prevenção das doenças infecciosas dos animais e a higiene das instalações; orientar sobre a qualidade e adequação da alimentação dos animais internados; fazer cumprir todos os atos que impliquem na adequação quanto da captura dos animais; orientar sobre incidências de zoonoses e procedimentos de saúde pública; notificar as autoridades sanitárias sobre a ocorrência de enfermidades zoonóticas, diagnosticadas por profissionais qualificados acompanhados pelo seu laudo técnico ou por outro profissional designado para o assunto específico; garantir o uso de formulários de serviços tais como: termo de compromisso de doação; termo de compromisso de adoção; fichas cadastrais; recibos de pagamento, prontuários e outros; capacitar o pessoal atendente e funcionários de campo para que possam prestar informações e tratamento adequado aos cidadãos e manejar respeitosamente os animais, garantindo-lhes o bem-estar; usar adequadamente a área de isolamento garantindo que animais doentes não tenham contato com os sadios; quanto aos medicamentos (anestésicos, psicotrópicos, tranquilizantes) mantê-los em lugar seguro, de preferência em armário que possa ser fechado a chave;

19 18 dar especial atenção ao acondicionamento, manutenção e armazenamento de vacinas e antígenos, controlando rigorosamente as condições de temperatura dos refrigeradores; desenvolver as atividades no que diz respeito à higiene do ambiente, separação, destinação dos resíduos sólidos de saúde e estocagem dos insumos, estabelecendo um Programa de Gerenciamento de Resíduos Sólidos de Saúde (PGRSS); garantir a observância dos direitos dos animais e do seu bem-estar; na aplicação dos procedimentos e métodos de eutanásia, atender o que prevê a Resolução CFMV nº /12, ou outras que vierem substituí-la ou complementa-la ; promover a capacitação do pessoal, quanto aos cuidados na aplicação de inseticidas, raticidas e/ou outros produtos, e seu efeito no meio ambiente, evitando danos à natureza, e conhecer o ciclo de vida das pragas e vetores a serem combatidos; conhecer o mecanismo de ação, a toxicidade e o poder residual dos produtos químicos usados no controle de pragas e vetores; garantir a utilização de produtos com prazo de validade adequado; fazer cumprir todas as normas de segurança dos trabalhadores e de seus equipamentos; 8 CHINCHILICULTURA Atividade que se destina à criação, produção de peles ou de reprodutores. O Responsável Técnico pelos criatórios de chinchilas, quando no exercício de suas funções, deve: planejar e orientar a execução de projetos de construções específicos, de acordo com a finalidade da criação quando contratado para tal fim; manter rígido controle dos dados sobre reprodução, identificações, registros, exposições, abates, controle dos acasalamentos, desmames, controle sanitário e métodos profiláticos; garantir que o empreendimento seja dotado de instalações e materiais mínimos (bicos, gaiolas, colares, material de abate, caixas de transporte, ar condicionado, telefones e carros); orientar e capacitar a equipe de trabalhadores da empresa, ministrando-lhes ensinamentos necessários à sua segurança e ao bom desempenho de suas funções, especialmente acerca das atividades de manejo, práticas higiênico-sanitárias, manipulação de produtos, técnicas de contenção de animais, respeito ao bem estar e à vida animal; orientar e capacitar os funcionários quanto ao manejo adequado, em tarefas, como: troca de maravalha; banho de pó; água; ração; anotações básicas como nascimentos e

20 19 mortes; controle de temperatura e outras informações que irão subsidiar a parte técnica na tomada de decisões; assegurar a higiene das instalações e adjacências e biossegurança do empreendimento; expedir atestado sanitário de todos os animais comercializados com a finalidade de reprodução; estabelecer o método mais adequado quanto à identificação dos animais, como: brincos, tatuagens, ou na gaiola usando o sistema internacional ou qualquer sistema próprio que permita evitar cruzamentos; adotar medidas preventivas e mitigadoras aos possíveis impactos ao meio ambiente provocados pela empresa, orientando, ainda, seus funcionários, diretores e proprietários acerca de todas as questões técnicas e legais; notificar as autoridades dos órgãos ambientais nas ocorrências de impactos ao meio ambiente; Orientar para a implantação de um plano de gerenciamento de resíduos com previsão de destinação minimante para vasilhames de medicamentos, embalagens e animais mortos; orientar a alimentação equilibrada para as diferentes categorias animais; orientar o armazenamento correto de medicamentos, rações, concentrados, grãos, suplemento vitamínico e mineral, observando as condições de umidade, temperatura e ventilação do local e manter um rigoroso controle de entrada das matérias primas; monitorar programa de controle integrado de roedores e pragas; 9 CUNICULTURA Atividade que se destina à criação racional com finalidade específica de produção de carne, peles e pêlos. O Responsável Técnico pelos criatórios de coelhos, quando no exercício de suas funções, deve: planejar e orientar a execução de projetos de construções específicos, de acordo com a finalidade da criação quando for contratado para tal fim; manter o controle dos dados sobre reprodução, identificações, registros, exposições, abates, controle dos acasalamentos, desmames, controle sanitário e métodos profiláticos; garantir que o empreendimento seja dotado de instalações e materiais mínimos (bicos de metal para água, comedouros, gaiolas, ninhos, tatuadores, cortinas, etc.); orientar e capacitar a equipe de trabalhadores da empresa quanto à sua segurança e ao bom desempenho de suas funções, especialmente acerca das atividades de manejo, práticas higiênico-sanitárias, manipulação de produtos, técnicas de contenção de animais, respeito ao bem estar e à vida animal;

RESPONSABILIDADE TÉCNICA T COMÉRCIO DE PRODUTOS VETERINÁRIOS

RESPONSABILIDADE TÉCNICA T COMÉRCIO DE PRODUTOS VETERINÁRIOS Serviço o Público P Federal Conselho Regional de Medicina Veterinária ria do RS Setor de Fiscalização RESPONSABILIDADE TÉCNICA T NO COMÉRCIO DE PRODUTOS VETERINÁRIOS RIOS Mateus da Costa Lange Médico Veterinário

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA VETERINÁRIA DO ESTADO DE SANTA CATARINA - CRMV-SC

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA VETERINÁRIA DO ESTADO DE SANTA CATARINA - CRMV-SC RESOLUÇÃO CRMV-SC N 042/2007, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2007 O Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado de Santa Catarina CRMV/SC, em Sessão Plenária Ordinária nº 275 de 15 fevereiro de 2007, amparados

Leia mais

RESOLUÇÃO CRMV-DF Nº 06, de 24 de Março de 2014

RESOLUÇÃO CRMV-DF Nº 06, de 24 de Março de 2014 RESOLUÇÃO CRMV-DF Nº 06, de 24 de Março de 2014 Aprova as Normas de orientação técnico-profissional, destinadas ao médico veterinário e ao zootecnista que desempenham a função de Responsável Técnico junto

Leia mais

043765 S/SUBVISA/SVFSZ/UJV Unidade de Diagnóstico, Vigilância, Fiscalização Sanitária e Medicina Veterinária Jorge Vaitsman

043765 S/SUBVISA/SVFSZ/UJV Unidade de Diagnóstico, Vigilância, Fiscalização Sanitária e Medicina Veterinária Jorge Vaitsman DO de 08/08/13 NOVA ESTRUTURA 043765 S/SUBVISA/SVFSZ/UJV Unidade de Diagnóstico, Vigilância, Fiscalização Sanitária e Medicina Veterinária Jorge Vaitsman Cumprir e fazer cumprir no Município do Rio de

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS.

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS. RESOLUÇÃO.../SESA/PR O Secretário Estadual de Saúde, no uso de suas atribuições legais e: CONSIDERANDO a Portaria nº 326/1997/SVS/MS, a Resolução RDC nº275/2002, a Resolução RDC nº 216/2004, da ANVISA,

Leia mais

WebSite da Vigilância Sanitária

WebSite da Vigilância Sanitária Página 1 de 5 SERVIÇOS MAIS ACESSADOS: Selecione um Serviço Página Principal Quem somos Regularize sua Empresa Roteiros Denúncias e Reclamações Vigilância e Fiscalização Sanitária em Indústrias de Alimentos

Leia mais

Art. 1º - O artigo 104 do Decreto Estadual nº 31.455, de 20 de fevereiro de 1987, passa a vigorar com a seguinte redação:

Art. 1º - O artigo 104 do Decreto Estadual nº 31.455, de 20 de fevereiro de 1987, passa a vigorar com a seguinte redação: DECRETO Nº 2, DE 8 DE JANEIRO DE 2015. Altera e acresce dispositivos ao Decreto nº 31.455, de 1987, que regulamenta os arts. 30 e 31 da Lei nº 6.320, de 20 de dezembro de 1983, que dispõem sobre alimentos

Leia mais

ANEXO 8 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE ESTABELECIMENTOS VETERINÁRIOS

ANEXO 8 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE ESTABELECIMENTOS VETERINÁRIOS ANEXO 8 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE ESTABELECIMENTOS VETERINÁRIOS PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE ESTABELECIMENTOS VETERINÁRIOS Data da vistoria: / / A CADASTRO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1069, DE 27 DE OUTUBRO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 1069, DE 27 DE OUTUBRO DE 2014 RESOLUÇÃO Nº 1069, DE 27 DE OUTUBRO DE 2014 Dispõe sobre Diretrizes Gerais de Responsabilidade Técnica em estabelecimentos comerciais de exposição, manutenção, higiene estética e venda ou doação de animais,

Leia mais

INFOMAÇÕES IMPORTANTES CATEGORIAS

INFOMAÇÕES IMPORTANTES CATEGORIAS INFOMAÇÕES IMPORTANTES CATEGORIAS Para efeito de seleção das categorias que possuem divisão de 1 o, 2 o,3 o, vigoram os seguintes paramentos abaixo listados: 1 o categoria Contrato social acima de R$ 30.000,00

Leia mais

LEGISLAÇÃO E RESPONSABILIDADE TÉCNICA T ESTABELECIMENTOS DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL

LEGISLAÇÃO E RESPONSABILIDADE TÉCNICA T ESTABELECIMENTOS DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL SEMINÁRIO DE RESPONSABILIDADE TÉCNICAT MÓDULO AVANÇADO ADO INSPEÇÃO SANITÁRIA ESTRELA RS 28 DE MAIO DE 2013 LEGISLAÇÃO E RESPONSABILIDADE TÉCNICA T EM ESTABELECIMENTOS DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL RESPONSÁVEL

Leia mais

Cadeia Produtiva de Bovinos e Bubalinos

Cadeia Produtiva de Bovinos e Bubalinos Cartilha do novo Serviço de Rastreabilidade da Cadeia Produtiva de Bovinos e Bubalinos SISBOV Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil COORDENAÇÃO:

Leia mais

MANUAL DO RESPONSÁVEL TÉCNICO

MANUAL DO RESPONSÁVEL TÉCNICO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA VETERINÁRIA DO ESTADO DA PARAÍBA MANUAL DO RESPONSÁVEL TÉCNICO Normas e Procedimentos FEVEREIRO DE 2014 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO PARA REGISTRO E FISCALIZAÇÃO DE ESTABELECIMENTOS QUE MANIPULAM PRODUTOS DE USO VETERINÁRIO

REGULAMENTO TÉCNICO PARA REGISTRO E FISCALIZAÇÃO DE ESTABELECIMENTOS QUE MANIPULAM PRODUTOS DE USO VETERINÁRIO REGULAMENTO TÉCNICO PARA REGISTRO E FISCALIZAÇÃO DE ESTABELECIMENTOS QUE MANIPULAM PRODUTOS DE USO VETERINÁRIO 1. Objetivo Este Regulamento Técnico fixa os requisitos mínimos exigidos para o registro e

Leia mais

NRR 5 - Produtos Químicos

NRR 5 - Produtos Químicos NRR 5 - Produtos Químicos 5.1. Esta Norma trata dos seguintes produtos químicos utilizados no trabalho rural: agrotóxicos e afins, fertilizantes e corretivos. 5.1.1. Entende-se por agrotóxicos as substâncias

Leia mais

Standard da OIE Controle de cães não domiciliados

Standard da OIE Controle de cães não domiciliados Standard da OIE Controle de cães não domiciliados Capítulo 7.7 Lizie Buss Med Vet Fiscal Federal Agropecuário Comissão de BEA/MAPA Conceito de bem-estar animal OIE Como um animal está se ajustando as condições

Leia mais

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO N.º 014/2007 - GEDSA

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO N.º 014/2007 - GEDSA INSTRUÇÃO DE SERVIÇO N.º 014/2007 - GEDSA Considerando, a importância da avicultura catarinense para a economia do estado; Considerando a necessidade de controle sanitário para evitar a reintrodução da

Leia mais

DELIBERAÇÃO N.º 594/2003

DELIBERAÇÃO N.º 594/2003 DELIBERAÇÃO N.º 594/2003 Dispõe sobre o Exercício Profissional de Farmacêuticos-Bioquímicos em Laboratórios de Análises Clínicas. O PRESIDENTE DO CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DO ESTADO DO PARANÁ - CRF/PR,

Leia mais

RDC 60. Perguntas e Respostas. RDC nº 60, RDC 60 - PERGUNTAS E RESPOSTAS

RDC 60. Perguntas e Respostas. RDC nº 60, RDC 60 - PERGUNTAS E RESPOSTAS Regulamentação SOBRE AMOSTRAS GRÁTIS DE MEDICAMENTOS RDC 60 Perguntas e Respostas RDC nº 60, de 26 de NOVEmbro de 2009 1 Regulamentação SOBRE AMOSTRAS GRÁTIS RDC 60 Perguntas e Respostas RDC nº 60, de

Leia mais

http://www.agricultura.sc.gov.br/index.php?option=com_docman&task=doc_download...

http://www.agricultura.sc.gov.br/index.php?option=com_docman&task=doc_download... Page 1 of 5 Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Agricultura e Desenvolvimento Rural Portaria SAR nº 17/2010, de 28/10/2010 O Secretário de Estado da Agricultura e Desenvolvimento Rural, no

Leia mais

1.5. Dados pessoais que devem constar na receita médica. 1.6. Validade das receitas de medicamentos antimicrobianos

1.5. Dados pessoais que devem constar na receita médica. 1.6. Validade das receitas de medicamentos antimicrobianos Atualizado: 10 / 05 / 2013 FAQ AI 1. Controle de medicamentos antimicrobianos (antibióticos) 1.1. Informações gerais 1.2. Uso contínuo (tratamento prolongado) 1.3. Retenção da segunda via da receita médica

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento D.O.U. Nº 225, sexta-feira, 24 de novembro de 2006. Pág. 10 SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA No- 65, DE 21 DE NOVEMBRO

Leia mais

adota a seguinte Resolução de Diretoria Colegiada e eu, Diretor-Presidente, determino a sua publicação:

adota a seguinte Resolução de Diretoria Colegiada e eu, Diretor-Presidente, determino a sua publicação: Resolução - RDC nº 275, de 21 de outubro de 2002(*) Republicada no D.O.U de 06/11/2002 Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Procedimentos Operacionais Padronizados aplicados aos Estabelecimentos Produtores/Industrializadores

Leia mais

AQUICULTURA. Curso Sanidade em Aqüicultura. CRMVSP, 25 de maio de 2012

AQUICULTURA. Curso Sanidade em Aqüicultura. CRMVSP, 25 de maio de 2012 LEGISLAÇÃO SANITÁRIA EM AQUICULTURA Curso Sanidade em Aqüicultura CRMVSP, 25 de maio de 2012 CONCEITOS - A saúde é um direito de todos e dever do Estado (Constituição Federal); - Ações indelegáveis de

Leia mais

RESOLUÇÃO CRM-PR N.º 191/2013.

RESOLUÇÃO CRM-PR N.º 191/2013. RESOLUÇÃO CRM-PR N.º 191/2013. Dispõe sobre a obrigatoriedade dos Contratos firmados entre as Operadoras de Planos de Saúde e os Médicos seguirem as Normativas da ANS Agência Nacional de Saúde Suplementar.

Leia mais

RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13)

RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13) RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13) O SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE, usando da atribuição que lhe confere o Art. 45, Inciso XIV, da Lei Estadual nº 8.485

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2004

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2004 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2004 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA, DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,

Leia mais

RESPONSABILIDADE TÉCNICAT NA MEDICINA VETERINÁRIA RIA SEMINÁRIO DE RESPONSABILIDADE TÉCNICAT 11 DE OUTUBRO DE 2013

RESPONSABILIDADE TÉCNICAT NA MEDICINA VETERINÁRIA RIA SEMINÁRIO DE RESPONSABILIDADE TÉCNICAT 11 DE OUTUBRO DE 2013 RESPONSABILIDADE TÉCNICAT NA MEDICINA VETERINÁRIA RIA SEMINÁRIO DE RESPONSABILIDADE TÉCNICAT MÓDULO AVANÇADO ADO SAÚDE PÚBLICAP 11 DE OUTUBRO DE 2013 BAGÉ - RS Quem não se comunica, se trumbica! José Abelardo

Leia mais

LEGISLAÇÃO EM SANIDADE

LEGISLAÇÃO EM SANIDADE Claudio Regis Depes 1983 Médico Veterinário Unesp (Jaboticabal) 2003 Especialização em Saúde Pública Veterinária Unesp (Botucatu) Trabalha na Coordenadoria de Defesa Agropecuária em Assis Gerente do Programa

Leia mais

RENASES LISTA 2012 V I G I L Â N C I A S A N I T Á R I A

RENASES LISTA 2012 V I G I L Â N C I A S A N I T Á R I A RENASES LISTA 2012 V I G I L Â N C I A S A N I T Á R I A Nota: A lista de critérios ou regramentos de acesso às ações e serviços constantes da RENASES está prevista no art. 7º da Portaria nº 842/GM/MS,

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Boas Práticas de Fabricação de Saneantes e Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes Coordenação de Insumos Farmacêuticos, Saneantes e Cosméticos Gerência

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO PARA REGISTRO DE PRODUTOS E RÓTULOS DE ORIGEM ANIMAL

INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO PARA REGISTRO DE PRODUTOS E RÓTULOS DE ORIGEM ANIMAL PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA BRÉSCIA SECRETARIA DA AGRICULTURA SERVIÇO DE INSPEÇÃO MUNICIPAL - SIM INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO PARA REGISTRO DE PRODUTOS E RÓTULOS DE ORIGEM

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA VETERINÁRIA DO DISTRITO FEDERAL GESTÃO 2013-2016

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA VETERINÁRIA DO DISTRITO FEDERAL GESTÃO 2013-2016 CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA VETERINÁRIA DO DISTRITO FEDERAL GESTÃO 2013-2016 MANUAL DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS PARA O EXERCÍCIO DE RESPONSABILIDADE TÉCNICA BRASÍLIA/DF 1ª EDIÇÃO 2014 CONSELHO REGIONAL

Leia mais

SISTEMA BRASILEIRO DE IDENTIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE ORIGEM

SISTEMA BRASILEIRO DE IDENTIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE ORIGEM SISTEMA BRASILEIRO DE IDENTIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE ORIGEM Luiz Carlos de Oliveira Secretário de Defesa Agropecuária Ministério Da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Instrução normativa n o 21 de

Leia mais

DELIBERAÇÃO Nº 146/12

DELIBERAÇÃO Nº 146/12 DELIBERAÇÃO Nº 146/12 Dispõe sobre a Responsabilidade Técnica e o Exercício Profissional de Farmacêutico apto a atuar em Análises Clínicas e Postos de Coleta e dá outras providências. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

GUIA DE ORIENTAÇÃO PARA A PESSOA JURÍDICA INTERESSADA NA COMERCIALIZAÇÃO ANIMAIS SILVESTRES BRASILEIROS

GUIA DE ORIENTAÇÃO PARA A PESSOA JURÍDICA INTERESSADA NA COMERCIALIZAÇÃO ANIMAIS SILVESTRES BRASILEIROS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS CENTRO DE CONSERVAÇÃO E MANEJO DE RÉPTEIS E ANFÍBIOS RAN GUIA DE ORIENTAÇÃO

Leia mais

MANUAL DE RASTREABILIDADE

MANUAL DE RASTREABILIDADE MANUAL DE RASTREABILIDADE A.P.C.B.R.H/RASTRECERT CNPJ: 76.607.597/0001-07 Inscrição Estadual: 101.15739-39 Endereço: Rua Professor Francisco Dranka, nº 608 Bairro Orleans - CEP: 81200-560 Curitiba-Paraná

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO - MEDICINA VETERINÁRIA

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO - MEDICINA VETERINÁRIA 1. IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO - MEDICINA Estágio Supervisionado Obrigatório (ESO) é uma disciplina curricular da Faculdade de Medicina Veterinária da Faculdade

Leia mais

Prefeitura Municipal de Ipiranga do Norte

Prefeitura Municipal de Ipiranga do Norte Lei nº 400, de 21 de março de 2013. DISPÕE SOBRE IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE INSPEÇÃO MUNICIPAL - SIM DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL E VEGETAL NO MUNICIÍPIO DE IPIRANGA DO NORTE-MT E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes

Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO UFERSA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ANIMAIS - DCAn DISCIPLINA: INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes 2013 INTRODUÇÃO Principais

Leia mais

DO PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO E DA APLICAÇÃO DO CERTIFICADO SANITÁRIO NACIONAL OU DA GUIA DE TRÂNSITO

DO PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO E DA APLICAÇÃO DO CERTIFICADO SANITÁRIO NACIONAL OU DA GUIA DE TRÂNSITO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 10, DE 1º- DE ABRIL DE 2014 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA, DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC No- 22, DE 23 DE ABRIL DE 2013

RESOLUÇÃO - RDC No- 22, DE 23 DE ABRIL DE 2013 RESOLUÇÃO - RDC No- 22, DE 23 DE ABRIL DE 2013 Aprova os Procedimentos Comuns para as Inspeções nos Fabricantes de Produtos Médicos e Produtos para Diagnóstico de Uso in vitro nos Estados Partes, e dá

Leia mais

Atualizada.: 19/04/2012 ANEXO 1 E

Atualizada.: 19/04/2012 ANEXO 1 E COORDENADORIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA E AMBIENTAL MEDIA COMPLEXIDADE ANEXO 1 E Ótica; Creches; Instituições de longa permanência para idosos; Instituições que prestem serviços de atenção a pessoas com

Leia mais

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO Art. 1º - Corpo Clínico é o conjunto de médicos que se propõe a assumir solidariamente a responsabilidade de prestar atendimento aos usuários que

Leia mais

RESOLUÇÃO CRMV-PA Nº008, de 11 de março de 2015

RESOLUÇÃO CRMV-PA Nº008, de 11 de março de 2015 RESOLUÇÃO CRMV-PA Nº008, de 11 de março de 2015 Normatiza os Procedimentos de Contracepção de Animais de companhia (Cães e Gatos, machos e fêmeas) em Programas de Educação em Saúde, Guarda Responsável

Leia mais

Tania Pich Gerente Geral de Saneantes - ANVISA

Tania Pich Gerente Geral de Saneantes - ANVISA Funcionamento de empresas especializadas na prestação de serviço de controle de vetores e pragas urbanas Tania Pich Gerente Geral de Saneantes - ANVISA A Nova RDC 18 Objetivo e Abrangência Definições Requisitos

Leia mais

Não DADOS DA EMPRESA RAZÃO SOCIAL: ENDEREÇO:

Não DADOS DA EMPRESA RAZÃO SOCIAL: ENDEREÇO: Formulário para renovação de credenciamento para comercialização de vacina contra a febre aftosa no Estado do Rio Grande do Sul (O preenchimento desse formulário deve ser realizado pelo Médico Veterinário

Leia mais

Amostra grátis de remédios: ANVISA regula a produção e dispensação

Amostra grátis de remédios: ANVISA regula a produção e dispensação Amostra grátis de remédios: ANVISA regula a produção e dispensação Profª Dra Roseli Calil / DEC Enfº Adilton D. Leite / SADP A ANVISA, através da RDC (RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA da Agência Nacional

Leia mais

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE 1. OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Estas exigências definem os deveres e as responsabilidades da CONTRATADA e estabelecem as orientações, requisitos

Leia mais

REGULAMENTO DA INSPEÇÃO INDUSTRIAL E SANITÁRIA DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL TÍTULO II CLASSIFICAÇÃO DOS ESTABELECIMENTOS

REGULAMENTO DA INSPEÇÃO INDUSTRIAL E SANITÁRIA DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL TÍTULO II CLASSIFICAÇÃO DOS ESTABELECIMENTOS 5 REGULAMENTO DA INSPEÇÃO INDUSTRIAL E SANITÁRIA DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL TÍTULO II CLASSIFICAÇÃO DOS ESTABELECIMENTOS Art. 20 - A classificação dos estabelecimentos de produtos de origem animal abrange:

Leia mais

Decreto 8077 14/08/2013 - REGULAMENTA CONDIÇÕES FUNCIONAMENTO EMPRESAS SUJEITAS LICENCIAMENTO SANITÁRIO, Publicado no DO em 15 ago 2013

Decreto 8077 14/08/2013 - REGULAMENTA CONDIÇÕES FUNCIONAMENTO EMPRESAS SUJEITAS LICENCIAMENTO SANITÁRIO, Publicado no DO em 15 ago 2013 Decreto 8077 14/08/2013 - REGULAMENTA CONDIÇÕES FUNCIONAMENTO EMPRESAS SUJEITAS LICENCIAMENTO SANITÁRIO, Publicado no DO em 15 ago 2013 Regulamenta as condições para o funcionamento de empresas sujeitas

Leia mais

(HOJE É FEITO POR PETICIONAMENTO ELETRÔNICO NO SITE DA ANVISA)

(HOJE É FEITO POR PETICIONAMENTO ELETRÔNICO NO SITE DA ANVISA) ANEXO I Solicitação de Autorização de Funcionamento de Empresas Distribuidoras de Produtos Farmacêuticos (HOJE É FEITO POR PETICIONAMENTO ELETRÔNICO NO SITE DA ANVISA) A empresa interessada em desenvolver

Leia mais

Considerando que é dever do Estado instaurar condições para a existência de concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições:

Considerando que é dever do Estado instaurar condições para a existência de concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições: MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria nº 109, de 13 de junho de 2005. O PRESIDENTE DO

Leia mais

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar MANUAL DO AVALIADOR Parte I 1.1 Liderança Profissional habilitado ou com capacitação compatível. Organograma formalizado, atualizado e disponível. Planejamento

Leia mais

Art. 1º Acrescentar os parágrafos únicos aos arts. 1º e 4º ; o art. 10-A com seus incisos de I, II, III e IV; o

Art. 1º Acrescentar os parágrafos únicos aos arts. 1º e 4º ; o art. 10-A com seus incisos de I, II, III e IV; o MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 36, DE 6 DE DEZEMBRO DE 2012 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁ- RIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

RESOLUÇÃO N 24, DE 08 DE JUNHO DE 2015

RESOLUÇÃO N 24, DE 08 DE JUNHO DE 2015 RESOLUÇÃO N 24, DE 08 DE JUNHO DE 2015 Dispõe sobre recolhimento de alimentos e sua comunicação à Anvisa e aos consumidores. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das

Leia mais

PARTE 1 - LEIS PARTE 2 - DECRETOS

PARTE 1 - LEIS PARTE 2 - DECRETOS PARTE 1 - LEIS 5.517, de 23-10-1968 Dispõe sobre o exercício da profissão de médico veterinário e cria os Conselhos Federal e Regionais de Medicina Veterinária 5.550, de 04-12-1968 Dispõe sobre o exercício

Leia mais

Diário Oficial da União Seção 1 DOU 11 de dezembro de 2013 [Páginas 76-77]

Diário Oficial da União Seção 1 DOU 11 de dezembro de 2013 [Páginas 76-77] *Este texto não substitui o publicado do Diário Oficial da União* Diário Oficial da União Seção 1 DOU 11 de dezembro de 2013 [Páginas 76-77] RESOLUÇÃO - RDC Nº 54, DE10 DE DEZEMBRO DE 2013 Dispõe sobre

Leia mais

TÍTULO I DAS DISPOSIÇOES INICIAIS. Art. 3º O projeto mencionado nos artigos 1º e 2º desta Lei é destinado, prioritariamente, nesta ordem:

TÍTULO I DAS DISPOSIÇOES INICIAIS. Art. 3º O projeto mencionado nos artigos 1º e 2º desta Lei é destinado, prioritariamente, nesta ordem: LEI Nº 2.511, de 17 de setembro de 2015. DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO PARA O CONTROLE POPULACIONAL DE ANIMAIS DOMÉSTICOS DO MUNICÍPIO DE CATANDUVAS/SC QUE ESPECIFICA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS Gisa Aparecida

Leia mais

DECRETO Nº 18.403, DE 12 DE SETEMBRO DE 2013.

DECRETO Nº 18.403, DE 12 DE SETEMBRO DE 2013. DECRETO Nº 18.403, DE 12 DE SETEMBRO DE 2013. Estabelece normas para utilização de Parques e Praças Municipais para Feiras de Adoção de Animais e de Eventos Relacionados à causa animal. O PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

Consórcio Fênix Rua Cândido Ramos nº550 - CEP 88090.800 Capoeiras - Florianópolis/SC - Brasil CNPJ 19.962.391/0001-53 sac@consorciofenix.com.

Consórcio Fênix Rua Cândido Ramos nº550 - CEP 88090.800 Capoeiras - Florianópolis/SC - Brasil CNPJ 19.962.391/0001-53 sac@consorciofenix.com. 1 2 CONSÓRCIO FÊNIX PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE MOBILIDADE URBANA - SMMU MANUAL DOS USUÁRIOS DO SISTEMA SIM MODALIDADE POR ÔNIBUS DIREITOS E DEVERES DAS PARTES ENVOLVIDAS

Leia mais

DIPOA. Origem Animal. José Luis Ravagnani Vargas

DIPOA. Origem Animal. José Luis Ravagnani Vargas DIPOA Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal José Luis Ravagnani Vargas SIF (Competências) Fiscalização de estabelecimentos produtores de produtos de origem animal Exemplo: Matadouros frigoríficos,

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 383/2010, de 26 de abril de 2010.

LEI COMPLEMENTAR Nº 383/2010, de 26 de abril de 2010. LEI COMPLEMENTAR Nº 383/2010, de 26 de abril de 2010. Procedência: Poder Executivo Natureza: Projeto de Lei Complementar nº 1022/2009 DOM - Edição nº 224 de 30.04.2010 Fonte: CMF/Gerência de Documentação

Leia mais

Registro de Empresas nos Conselhos de Medicina - Resolução: 1626 de 23/10/2001

Registro de Empresas nos Conselhos de Medicina - Resolução: 1626 de 23/10/2001 Registro de Empresas nos Conselhos de Medicina - Resolução: 1626 de 23/10/2001 Ementa: Dispõe sobre as instruções para Registro de Empresas nos Conselhos de Medicina. Fonte: CFM O Conselho Federal de Medicina,

Leia mais

Formalização do Funcionamento de. Nutrição. Profª. Mônica de Caldas Rosa dos Anjos

Formalização do Funcionamento de. Nutrição. Profª. Mônica de Caldas Rosa dos Anjos Formalização do Funcionamento de Unidades de Alimentação e Nutrição Profª. Mônica de Caldas Rosa dos Anjos A sobrevivência de agrupamentos humanos está diretamente relacionada à existência de objetivos

Leia mais

ANEXO I IDENTIFICADOR DO PRODUTO. Fato Gerador (DV)

ANEXO I IDENTIFICADOR DO PRODUTO. Fato Gerador (DV) ANEXO I TABELA DE DESCONTOS DA TAXA DE FISCALIZAÇÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA IDENTIFICADOR DO PRODUTO TIPO DE EMPRESA ITENS DESCRIÇÃO DO FATO GERADOR Fato Gerador (DV) GRUPO I GRANDE GRUPO II GRANDE GRUPO

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO DAS MEDIDAS DE DEFESA SANITÁRIA ANIMAL

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO DAS MEDIDAS DE DEFESA SANITÁRIA ANIMAL LEI N. 1.486, DE 17 DE JANEIRO DE 2003 Dispõe sobre a Defesa Sanitária Animal no Estado do Acre e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que a Assembléia Legislativa

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 670, DE 10 DE AGOSTO DE 2000

RESOLUÇÃO Nº 670, DE 10 DE AGOSTO DE 2000 RESOLUÇÃO Nº 670, DE 10 DE AGOSTO DE 2000 Conceitua e estabelece condições para o funcionamento de estabelecimentos médicos veterinários, e dá outras providências. O CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA VETERINÁRIA

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA LEI Nº 2.052, DE 26 DE OUTUBRO DE 2015 (D.O.M. 26.10.2015 N. 3.760 Ano XVI) DISPÕE sobre a criação e a venda no varejo de cães e gatos por estabelecimentos comerciais no município de Manaus, bem como as

Leia mais

FARMÁCIAS E DROGARIAS

FARMÁCIAS E DROGARIAS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE FARMÁCIAS E DROGARIAS Nome Fantasia: Razão Social: Endereço: Responsável Técnico: CRF: Telefone: CNPJ: Secretaria Municipal de Saúde de Feira de Santana - Av. João Durval

Leia mais

Manual do Responsável Técnico

Manual do Responsável Técnico Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado de Rondônia (CRMV-RO) Manual do Responsável Técnico 2ª Edição CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA VETERINÁRIA DO ESTADO DE RONDÔNIA JUNTA GOVERNATIVA INTERINA

Leia mais

O Vereador Dario Francisco da Silveira, Presidente da Câmara Municipal de Canoas, com assento nesta casa, vem, na PROJETO DE LEI Nº...

O Vereador Dario Francisco da Silveira, Presidente da Câmara Municipal de Canoas, com assento nesta casa, vem, na PROJETO DE LEI Nº... Ao Colendo Plenário da Câmara Municipal de Canoas O Vereador Dario Francisco da Silveira, Presidente da Câmara Municipal de Canoas, com assento nesta casa, vem, na forma regimental, à presença de Vossas

Leia mais

DOCUMENTOS EXIGIDOS PARA EMISSÃO DO ALVARÁ SANITÁRIO. Área de Medicamentos e Produtos de Interesse à Saúde (AMPIS)

DOCUMENTOS EXIGIDOS PARA EMISSÃO DO ALVARÁ SANITÁRIO. Área de Medicamentos e Produtos de Interesse à Saúde (AMPIS) 1 DOCUMENTOS EXIGIDOS PARA EMISSÃO DO ALVARÁ SANITÁRIO Área de Medicamentos e Produtos de Interesse à Saúde (AMPIS) DROGARIAS (CONFORME LEI FEDERAL 5991/73, RESOLUÇÃO RDC ANVISA 44/09 E OUTRAS PERTINENTES)

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE TERMO DE REFERÊNCIA PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE CURITIBA

Leia mais

Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993

Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993 Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993 Resolução CONAMA Nº 009/1993 - "Estabelece definições e torna obrigatório o recolhimento e destinação adequada de todo o óleo lubrificante usado ou contaminado".

Leia mais

O Prefeito Municipal de Ribas do Rio Pardo, Estado de Mato Grosso do Sul, faz saber que a Câmara Municipal aprovou e ele sanciona a Seguinte Lei.

O Prefeito Municipal de Ribas do Rio Pardo, Estado de Mato Grosso do Sul, faz saber que a Câmara Municipal aprovou e ele sanciona a Seguinte Lei. LEI MUNICIPAL Nº. 947/2010 Institui a Política Municipal de Meio Ambiente, cria o Conselho e Fundo Municipal de Meio Ambiente e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Ribas do Rio Pardo, Estado

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA PORTARIA Nº 136, DE 2 DE JUNHO DE 2006.

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA PORTARIA Nº 136, DE 2 DE JUNHO DE 2006. Portaria Nº 136, DE 02 DE JUNHO DE 2006 Situação: Vigente Publicado no Diário Oficial da União de 05/06/2006, Seção 1, Página 4 Ementa: Submete à consulta pública, por um prazo de 60 (sessenta) dias, a

Leia mais

TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Resoluções Nº 31/97 e 09/01 do Grupo Mercado Comum.

TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Resoluções Nº 31/97 e 09/01 do Grupo Mercado Comum. MERCOSUL/XXXVI SGT Nº11/P. RES. N /11 PROCEDIMENTOS COMUNS PARA AS INSPEÇÕES NOS FABRICANTES DE PRODUTOS MÉDICOS E PRODUTOS PARA DIAGNÓSTICO DE USO IN VITRO NOS ESTADOS PARTES (REVOGAÇÃO DAS RES. GMC Nº

Leia mais

Art. 6º O farmacêutico responsável por farmácia homeopática terá auxiliares de sua confiança.

Art. 6º O farmacêutico responsável por farmácia homeopática terá auxiliares de sua confiança. Decreto nº 57.477, de 20 de dezembro de 1965 Dispõe sobre manipulação, receituário, industrialização e venda de produtos utilizados em homeopatia e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Coordenação: Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) Colaboração: Confederação da

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS

NORMAS REGULAMENTADORAS NORMAS REGULAMENTADORAS As Normas Regulamentadoras estabelecem critérios e procedimentos obrigatórios relacionados à segurança e medicina do trabalho, que devem ser seguidos por empresas de acordo com

Leia mais

Dispõe sobre a defesa da sanidade animal e vegetal no Estado do Tocantins. Regulamentação

Dispõe sobre a defesa da sanidade animal e vegetal no Estado do Tocantins. Regulamentação LEI Nº 1082, DE 1º DE JULHO DE 1999. Dispõe sobre a defesa da sanidade animal e vegetal no Estado do Tocantins. Regulamentação O Governador do Estado do Tocantins, Faço saber que a Assembléia Legislativa

Leia mais

Cadeia Produtiva de Bovinos e Bubalinos

Cadeia Produtiva de Bovinos e Bubalinos Cartilha do novo Serviço de Rastreabilidade da Cadeia Produtiva de Bovinos e Bubalinos SISBOV Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Coordenação:

Leia mais

Anexo D Divisão de Análises Clínicas HU/UFSC. Versão 01. Atribuições dos Cargos

Anexo D Divisão de Análises Clínicas HU/UFSC. Versão 01. Atribuições dos Cargos DOC MQB -02 MQB.pdf 1/5 Cargo: Assistente de Laboratório 1. Planejar o trabalho de apoio do laboratório: Interpretar ordens de serviços programadas, programar o suprimento de materiais, as etapas de trabalho,

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM N.º 1716/2004. (Publicada no D.O.U. de 19 Fev 2004, Seção I, pg. 205) (Modificada pela Resolução CFM nº 1773/2005)

RESOLUÇÃO CFM N.º 1716/2004. (Publicada no D.O.U. de 19 Fev 2004, Seção I, pg. 205) (Modificada pela Resolução CFM nº 1773/2005) RESOLUÇÃO CFM N.º 1716/2004 (Publicada no D.O.U. de 19 Fev 2004, Seção I, pg. 205) (Modificada pela Resolução CFM nº 1773/2005) O Conselho Federal de Medicina, no uso das atribuições que lhe confere a

Leia mais

MANUAL PARA INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE EMPREENDIMENTOS DE USO E MANEJO DE FAUNA SILVESTRE EM CATIVEIRO NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

MANUAL PARA INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE EMPREENDIMENTOS DE USO E MANEJO DE FAUNA SILVESTRE EM CATIVEIRO NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SETOR DE FAUNA SILVESTRE DEPARTAMENTO DE BIODIVERSIDADE SECRETARIA DO AMBIENTE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL MANUAL PARA INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE EMPREENDIMENTOS DE USO E MANEJO DE FAUNA SILVESTRE EM

Leia mais

Inserir logo da VISA Estadual ou Municipal

Inserir logo da VISA Estadual ou Municipal RELATÓRIO DE INSPEÇÃO VERIFICAÇÃO DO ATENDIMENTO ÀS DISPOSIÇÕES DA RDC n 67/07 2ª ETAPA DO CURSO DE CAPACITAÇÃO DE INSPETORES PARA INSPEÇÃO EM FARMÁCIAS 1. IDENTIFICAÇÃO DA FARMÁCIA: 1.1. Razão Social:

Leia mais

2. Conforme exigido no Anexo II, item 1.4 do edital os produtos devem atender às Normas Regulamentadoras do Ministério do Trabalho e emprego.

2. Conforme exigido no Anexo II, item 1.4 do edital os produtos devem atender às Normas Regulamentadoras do Ministério do Trabalho e emprego. Ilmo. Sr. Dr. Pregoeiro SESI/BA Pregão Eletrônico 20/2012 Objeto: Razões de Recurso IMUNOSUL DISTRIBUIDORA DE VACINAS E PRODUTOS MÉDICOS HOSPITALARES LTDA, já qualificada, em face do Pregão Presencial

Leia mais

PORTARIA Nº 038/2008-AGED/MA DE 03 DE MARÇO DE 2008.

PORTARIA Nº 038/2008-AGED/MA DE 03 DE MARÇO DE 2008. ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÀRIA E DESENVOLVIMENTO RURAL AGÊNCIA ESTADUAL DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MARANHÃO PORTARIA Nº 038/2008-AGED/MA DE 03 DE MARÇO DE 2008. O DIRETOR

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE RONDÔNIA REQUERIMENTO PARA CRT (Certidão de Responsabilidade Técnica)

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE RONDÔNIA REQUERIMENTO PARA CRT (Certidão de Responsabilidade Técnica) CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE RONDÔNIA REQUERIMENTO PARA CRT (Certidão de Responsabilidade Técnica) Eu, Enfermeiro (a), inscrito (a) sob n.º COREN-RO, em / / Endereço Residencial: Nº, Bairro:, Cidade:,

Leia mais

SISTEMA DE PRODUÇÃO DE CARNE ORGÂNICA: A RASTREABILIDADE COMO FERRAMENTA PARA A CERTIFICAÇÃO.

SISTEMA DE PRODUÇÃO DE CARNE ORGÂNICA: A RASTREABILIDADE COMO FERRAMENTA PARA A CERTIFICAÇÃO. SISTEMA DE PRODUÇÃO DE CARNE ORGÂNICA: A RASTREABILIDADE COMO FERRAMENTA PARA A CERTIFICAÇÃO. Valmir L. Rodrigues Médico Veterinário/Biorastro Hoje, mais que antigamente, o consumidor busca serviços de

Leia mais

A Segurança Alimentar no Âmbito da Autoridade Veterinária

A Segurança Alimentar no Âmbito da Autoridade Veterinária A Segurança Alimentar no Âmbito da Autoridade Veterinária Escola Professional de Hotelaria e Turismo da Madeira 7 de Junho de 2006 João Carlos Dória Médico Veterinário D. R. Veterinária Código Bases de

Leia mais

SEÇÃO VII PRODUTOS VEGETAIS, SEUS SUBPRODUTOS E RESÍDUOS DE VALOR ECONÔMICO, PADRONIZADOS PELO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO

SEÇÃO VII PRODUTOS VEGETAIS, SEUS SUBPRODUTOS E RESÍDUOS DE VALOR ECONÔMICO, PADRONIZADOS PELO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEÇÃO VII PRODUTOS VEGETAIS, SEUS SUBPRODUTOS E RESÍDUOS DE VALOR ECONÔMICO, PADRONIZADOS PELO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS Os produtos vegetais, seus subprodutos

Leia mais

1. OBJETIVO DO SERVIÇO O Pet Assistência tem por objetivo proporocionar o atendimento a um conjunto de assistência a seus animais domésticos.

1. OBJETIVO DO SERVIÇO O Pet Assistência tem por objetivo proporocionar o atendimento a um conjunto de assistência a seus animais domésticos. 1. OBJETIVO DO SERVIÇO O Pet Assistência tem por objetivo proporocionar o atendimento a um conjunto de assistência a seus animais domésticos. A quantidade de animais de estimação não será limitada, podendo

Leia mais

MANUAL DE PREENCHIMENTO PARA EMISSÃO DE GUIA DE TRÂNSITO ANIMAL DE ABELHAS, BICHO- DA-SEDA E OUTROS INVERTEBRADOS TERRESTRES

MANUAL DE PREENCHIMENTO PARA EMISSÃO DE GUIA DE TRÂNSITO ANIMAL DE ABELHAS, BICHO- DA-SEDA E OUTROS INVERTEBRADOS TERRESTRES MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA SDA DEPARTAMENTO DE SAÚDE ANIMAL DSA COORDENAÇÃO DE TRÃNSITO E QUARENTENA ANIMAL CTQA MANUAL DE PREENCHIMENTO PARA

Leia mais

ANEXO I DO OBJETO. 3) Os profissionais contratados deverão providenciar o cadastramento junto ao corpo clínico da CONTRATANTE, como membros efetivos;

ANEXO I DO OBJETO. 3) Os profissionais contratados deverão providenciar o cadastramento junto ao corpo clínico da CONTRATANTE, como membros efetivos; ANEXO I DO OBJETO Descrição da PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM NEUROCIRURGIA E NEUROLOGIA AOS PACIENTES DO HOSPITAL, PRONTO SOCORRO ADULTO, PRONTO SOCORRO INFANTIL E AMBULATÓRIO, compreendendo as seguintes funções:

Leia mais

REGIMENTO INTERNO HOSPITAL VETERINÁRIO UNIMAR

REGIMENTO INTERNO HOSPITAL VETERINÁRIO UNIMAR REGIMENTO INTERNO HOSPITAL VETERINÁRIO UNIMAR O Coordenador do Curso de Medicina Veterinária da Universidade de Marília UNIMAR, no uso de suas atribuições legais, expede o presente regimento, regulamentando

Leia mais

RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010

RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010 RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010 Dispõe sobre a coleta, armazenamento e destinação de embalagens plásticas de óleo lubrificante pós-consumo no Estado do Paraná. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE E RECURSOS

Leia mais

MEDICAMENTOS. CAPACITAÇÃO EM FARMACOLOGIA PARA AS EQUIPES DE SAÚDE BUCAL Auxiliares e Técnicos em Saúde Bucal 2015

MEDICAMENTOS. CAPACITAÇÃO EM FARMACOLOGIA PARA AS EQUIPES DE SAÚDE BUCAL Auxiliares e Técnicos em Saúde Bucal 2015 MEDICAMENTOS CAPACITAÇÃO EM FARMACOLOGIA PARA AS EQUIPES DE SAÚDE BUCAL Auxiliares e Técnicos em Saúde Bucal 2015 Parceria: Farmácia Escola da UFRGS - Programa Farmácia Popular Programa de Pós-Graduação

Leia mais