ENTRE. A CASA É SUA. AQUI VOCÊ BUSCA O CONHECIMENTO, DEBATE NOVAS IDEIAS, PARTICIPA DE UM CONVÍVIO INTENSO.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ENTRE. A CASA É SUA. AQUI VOCÊ BUSCA O CONHECIMENTO, DEBATE NOVAS IDEIAS, PARTICIPA DE UM CONVÍVIO INTENSO."

Transcrição

1 ENTRE. A CASA É SUA. AQUI VOCÊ BUSCA O CONHECIMENTO, DEBATE NOVAS IDEIAS, PARTICIPA DE UM CONVÍVIO INTENSO. AV. EPITÁCIO PESSOA, LAGOA, RIO DE JANEIRO, RJ CEP: TEL.: (21) (222SABER) RJ.CASADOSABER.COM.BR

2 Saber e sabor têm a mesma raiz latina. Em um passado distante, sapere podia significar tanto ter conhecimento quanto agradar ao paladar. Esses dois conceitos sempre estiveram juntos na CASA DO SABER RIO, ao longo de seus oito anos. Afinal, para nós, o conhecimento deve ser transmitido de forma prazerosa. Se essa junção é uma preocupação que nos orienta, neste semestre ela estará ainda mais explícita em dois cursos: um de gastronomia, outro de cerveja. E não apenas pelos temas propostos, mas também porque com eles transcendemos a experiência da CASA DO SABER RIO para além dos espaços de nossas salas de aula. A chef Roberta Sudbrack, uma das mais inventivas do mundo, volta à CASA para falar sobre sua visão da gastronomia, filosofia de trabalho, e para refletir sobre o métier. A novidade é que um dos dois encontros do curso será em seu restaurante, no Jardim Botânico, considerado um dos melhores do planeta. Depois da teoria, um menu-degustação permitirá que apreciemos ainda mais os princípios de sua prática. No outro curso-experiência, o sommelier José Raimundo Padilha, representante do Brasil em concursos internacionais, explicará as diferenças entre as tradicionais escolas de cerveja a alemã, a belga, a inglesa, a norte-americana e a brasileira. Cada aula incluirá degustações para exemplificar os estilos. O último encontro será um passeio até o Museu da Bohemia, em Petrópolis, um dos maiores centros de experiência cervejeira do mundo e o maior do país. Mas nossos cursos e palestras são para todos os gostos. Até para quem não bebe e não é gourmet. Afinal, a preocupação em cada semestre é sempre montar um cardápio abrangente e consistente que possa agradar a paladares intelectuais variados. Serão 70 opções, em que mesclamos tradição e novidades. E ninguém mais indicado para representar a tradição de que tanto nos orgulhamos quanto a Musa da CASA DO SABER RIO, a professora Cleonice Berardinelli. Ela dará uma palestra sobre Fernando Pessoa e Camões em setembro, logo após celebrar seu aniversário de 98 anos. Outro professor titular da CASA, o físico Luiz Alberto Oliveira, versará sobre a incerteza. As ciências, neste catálogo, ganharam uma ênfase especial. É uma das novidades. O neurocientista Stevens Rehen, que deu uma das palestras mais instigantes do semestre passado, fará duas aulas refletindo sobre o impacto da ciência do século XXI no comportamento humano.

3 Um curso com o matemático Marcelo Viana, do Instituto Nacional de Matemática Pura e Plicada (IMPA) explicará, para leigos, o que é a Teoria do Caos aquela que diz que o bater de asas de uma borboleta pode mudar o rumo natural das coisas. E o físico Constantino Tsallis falará sobre o princípio da entropia, uma de suas especialidades. Com diversos prêmios internacionais e considerado nossa maior esperança para um Nobel de Ciências, Tsallis é autor do artigo científico exclusivamente brasileiro mais citado por pesquisadores acadêmicos em todo o mundo, em todos os tempos. Por falar em principais especialistas no país em suas áreas, teremos o egiptólogo Antonio Brancaglion Júnior, curador das múmias do Museu Nacional da UFRJ e referência nacional no tema. Entre uma viagem e outra para o Egito, ele ministrará um curso introdutório sobre a civilização faraônica. O professor de literatura e tradutor Paulo Bezerra, que já verteu do russo para o português mais de 50 obras de grandes autores, vai discorrer sobre Doistoiévski e a cultura russa no século XIX. E para quem gosta de saborear algo tipicamente brasileiro, nada melhor do que um curso com uma das pessoas que melhor pensam o país, o antropólogo Roberto DaMatta. Trinta anos depois da publicação de O que faz o brasil, Brasil?, ele revê na CASA esse seu livro clássico. Mas poucos professores neste semestre nos dão tanto gosto de anunciar na programação quanto Auterives Maciel Júnior, que, plenamente recuperado, volta a lecionar após afastamento por motivo de saúde. Enfim, um catálogo como este não é para quem vive de dietas restritivas intelectuais. É para quem tem fome de saber. ARMANDO STROZENBERG pelo conselho DIRETOR Luiz antonio ryff DIRETOR de conteúdo

4 QUEM SOMOS A CASA DO SABER é um centro de debates e disseminação do conhecimento, no Rio de Janeiro e em São Paulo, que permite o acesso à cultura de forma clara, envolvente, e também rigorosa e fiel às obras dos criadores. Em um ambiente extra-acadêmico, a CASA DO SABER oferece cursos livres, palestras e oficinas de estudo nas áreas de artes plásticas, ciências, cinema, filosofia, literatura, teatro, história, música, pensamento contemporâneo e psicanálise, reunindo renomados professores e conferencistas. As palestras e os cursos, estes com duração de um a três meses, em encontros de duas horas, apresentam o diferencial de serem ministrados em pequenos grupos para promover a troca de ideias e uma maior interação entre os participantes e os mestres. CARTA DE PRINCÍPIOS POR UM SABER SEM DOGMAS O saber é um meio de aprimorar o ser humano: pressupõe o debate, o embate democrático e a diversidade de ideias. PELA PRESERVAÇÃO E USUFRUTO DA CULTURA É uma necessidade do ser humano, em busca do crescimento, absorver, traduzir e entender a riqueza cultural existente. PELA CRIAÇÃO DE UM CENTRO DE TROCA A CASA DO SABER é um lugar privilegiado de troca de conhecimento. Aqui se resgata e se estimula o debate entre as diferentes áreas do saber. Aqui se acredita que o saber se transmite de forma mais eficiente por meio do intercâmbio e do diálogo. POR UMA LINGUAGEM CLARA, ACESSÍVEL E RIGOROSA A linguagem e a metodologia devem ser claras, eficazes e facilitadoras de acesso ao conhecimento e de sua apreensão. A linguagem deve estimular a conversa, a curiosidade e o prazer da reflexão. POR UM CONTATO ENRIQUECEDOR A CASA DO SABER é também um centro do prazer de pensar, de se expressar e de aprender.

5 CONSELHO RIO DE JANEIRO CONSELHO DIRETOR ALEXANDRE RIBENBOIM ANTONIO ALBERTO GOUVEA VIEIRA ARMANDO STROZENBERG ELISABETE CARNEIRO FLORIS ILANA STROZENBERG JORGE CARNEIRO LUIZ EDUARDO VASCONCELOS PATRICIA FAINZILlBER DIRETOR DE CONTEÚDO LUIZ ANTONIO RYFF DIRETORA DE OPERAÇÕES ADRIANA SULAM SAUL ZEBULUN CONSELHO são paulo CONSELHO DIRETOR ANA MARIA DINIZ CELSO LODUCCA GABRIEL CHALlTA JAIR RIBEIRO DA SILVA NETO LUIZ FELIPE D ÁVILA MARIA FERNANDA CÂNDIDO PIERRE MOREAU DIRETOR EXECUTIVO MARIO VITOR SANTOS

6 casa do saber NA empresa A CASA DO SABER desenvolve atividades exclusivas para empresas interessadas em investir na ampliação dos horizontes de seus profissionais. Os programas podem abranger diversas áreas de conhecimento, em diferentes formatos e durações. Ministradas com a qualidade característica dos cursos da CASA DO SABER, essas aulas especiais podem acontecer na empresa, em nossa sede na Lagoa ou em outro espaço definido de comum acordo. Para mais informações, visite: rj.casadosaber.com.br/empresas ou mande para EVENTOS E REUNIÕES A CASA DO SABER oferece seu espaço para reuniões de trabalho internas ou com seus parceiros comerciais e para eventos em geral. Com excelente localização, possui ambientes confortáveis, salas equipadas com aparelhos de projeção e som e estrutura para coffee-break. Mais informações pelo CARTÃO PAIDEIA UNIVERSALIS A CASA DO SABER desenvolveu um cartão exclusivo que garante ingresso em todos os cursos, palestras e eventos da programação do segundo semestre de Com ele, é possível compor um conjunto de cursos mais amplo e adequado aos diversos interesses do aluno. Para isso, basta adquirir o Paideia Universalis (R$ 5,5 mil) e comunicar sua presença na aula com antecedência de 48 horas. A edição é limitada a dez cartões. Para conhecer os cursos que serão oferecidos durante o segundo semestre, acesse rj.casadosaber.com.br. VALE-PRESENTE Presenteie pensamento, arte, filosofia, história, ciências, psicanálise. Invista na formação, na informação e na transformação. A CASA DO SABER preparou vales que dão acesso aos cursos. Apresentados em embalagens especiais, indicam o título do curso escolhido ou representam um valor que pode ser convertido em aulas.

7 FORMAS DE PAGAMENTO À VISTA Pode ser feito através de cartão de crédito (Visa, Amex ou Mastercard), cartão de débito (Visa ou Mastercard), cheque ou dinheiro. INTERNET O site da CASA DO SABER permite que o aluno pague sua inscrição usando seu computador, sem precisar telefonar nem ter de ir à CASA DO SABER. Acesse rj.casadosaber.com.br. TELEFONE Os pagamentos efetuados através de cartão de crédito (Visa, Amex ou Mastercard) podem ser feitos por telefone. Nesse caso, o canhoto do cartão e o recibo serão entregues ao aluno no primeiro dia do curso. PARCELAMENTO A divisão de parcelas é realizada de acordo com as premissas de cada curso e por meio de cheques pré-datados, feitos na inscrição (as parcelas seguintes à da inscrição podem ser datadas para períodos consecutivos de 30 dias após o início do curso). O pagamento também pode ser feito com cartão de crédito (Visa, Amex ou Mastercard), mas, nesse caso, as parcelas mensais contam a partir da data da inscrição. > Apenas o pagamento garante a vaga em qualquer curso ou especial da CASA DO SABER. Não serão permitidas inscrições para aulas avulsas. Em caso de dúvida, por favor, entre em contato conosco: (21) / 222SABER.

8 DESCONTOS PROGRAMA DE FIDELIDADE A CASA DO SABER valoriza aqueles que escolhem o nosso espaço como fonte de conhecimento e troca de ideias. Por isso, criamos um programa de fidelidade para beneficiar os alunos mais assíduos neste semestre. O desconto é válido para todos os cursos da programação do segundo semestre de % de desconto para quem se matricular em quatro cursos. (Se as inscrições forem feitas em momentos diferentes, o desconto vale a partir do quarto curso adquirido e não será aplicado aos que tenham sido pagos anteriormente). 15% de desconto para quem se inscrever em cinco ou mais cursos. (Se as inscrições forem feitas em momentos diferentes, o desconto vale a partir do quinto curso adquirido e não será aplicado aos que tenham sido pagos anteriormente). 15% DE DESCONTO PARA PAGAMENTOS ANTECIPADOS Não deixe para a última hora a inscrição no curso que você deseja frequentar. Quem efetuar o pagamento até dez dias antes do início de um curso terá 15% de desconto no preço. O desconto é válido para todos os cursos da programação do segundo semestre de DESCONTO PARA CLUBE SOU+RIO A CASA DO SABER RIO O GLOBO oferece descontos exclusivos para membros do Clube SOU+RIO: 50% de desconto nos cursos da tarde (o número de vagas é limitado). Nos outros cursos da programação o desconto, mediante apresentação da carteira do clube, é de 10% (sem limite de vagas). Membros do clube também terão 10% de desconto na aquisição do Cartão Paideia Universalis, limitado aos dez cartões que a CASA DO SABER RIO O GLOBO emite por semestre. DESCONTOS PARA UNIVERSITÁRIOS E PROFESSORES A CASA DO SABER RIO o globo mantém uma política de descontos exclusiva para professores universitários e alunos de todos os níveis. 20% de desconto na matrícula feita a qualquer tempo de antecedência do início do curso. O benefício é válido para todos os cursos da programação. Será exigido documento que comprove a matrícula ativa em qualquer instituição de ensino superior. > É importante ressaltar que os descontos não são cumulativos entre si nem com qualquer outra promoção veiculada pela CASA DO SABER rio o globo.

9 POLÍTICAS DE CANCELAMENTO Se você cancelar a inscrição no curso com mais de 15 dias de antecedência em relação à primeira aula, receberá um reembolso integral do pagamento efetuado à CASA DO SABER. Caso o cancelamento ocorra entre 15 dias e 48 horas antes do início do curso, o reembolso será de 50% do valor pago. Após as últimas 48 horas que antecedem o início do curso, não haverá restituição, porém você poderá indicar outra pessoa para ocupar o seu lugar na classe (nossos cursos têm vagas limitadas e a eventual desistência de última hora dificultará a oferta da vaga a novos alunos). 1. Para melhor controle mútuo, o cancelamento de cursos deve ser feito por escrito, via , para: a/c da Gerência Administrativa e Financeira. 2. O curso poderá ser cancelado pela CASA DO SABER até 48 horas antes de seu início na hipótese de não atingir o número mínimo de inscrições. Nesse caso, os valores já pagos pelo aluno serão integralmente restituídos mediante a apresentação dos dados bancários completos, que deve ser feita até 15 dias após o cancelamento do curso.

10

11 2 SEMESTRE DE 2014

12 ESPECIAIS 1 ROBERTA SUDBRACK: REFLEXÕES E PRÁTICA ROBERTA SUDBRACK 2 LYGIA CLARK, O ABANDONO DA ARTE Ferreira Gullar e Luiz Camillo Osorio 3 OS LUSÍADAS E MENSAGEM: UM JOGO INTERTEXTUAL CLEONICE BERARDINELLI 4 O QUE FAZ O brasil, BRASIL? UM CLÁSSICO REVISTO 30 ANOS DEPOIS ROBERTO DAMATTA 5 OS BASTIDORES DAS CAPAS HISTÓRICAS DE VOGUE DANIELA FALCÃO E GIOVANNI FRASSON 6 FILOSOFIA NATURAL DA INCERTEZA LUIZ ALBERTO OLIVEIRA 7 REFLEXÕES SOBRE O IMPACTO DA CIÊNCIA DO SÉCulo XXI NO COMPORTAMENTO HUMANO STEVENS REHEN 8 COMO ENFRENTAR A MORTE MARY DEL PRIORE E NEIF MUSSE, CHAIM KATZ E HELOISA HELENA BARBOZA MODERAÇÃO E COORDENAÇÃO: AFFONSO ROMANO DE SANT ANNA 9 OS PRINCÍPIOS DA ENTROPIA CONSTANTINO TSALLIS E ALEXANDRA CLEOPATRA TSALLIS 10 O CAPITAL NO SÉCULO XXI DE KARL MARX A THOMAS PIKETTY MONICA DE BOLLE AULAS ABERTAS 11 FEIRA MODERNA 7: A TECNOLOGIA NOS FILMES DE FICÇÃO CIENTÍFICA NO LIMIAR DA REALIDADE ALEXANDRE ROLDÃO, ANDRÉ GORDIRRO E STEVENS REHEN COORDENAÇÃO E MODERAÇÃO: BETO LARGMAN 12 Fotografia contemporânea como arte MAURO TRINDADE CICLO cultura e tecnologia 13 LITERATURA E TECNOLOGIA: QUEM INFLUENCIA QUEM? ANDRÉ VALLIAS e JULIO SILVEIRA MODERAÇÃO: CRISTIANE COSTA

13 14 DANÇA E TECNOLOGIA: QUEM INFLUENCIA QUEM? DANI LIMA E PAULA GORINI MODERAÇÃO: NAYSE LOPEZ 15 ARTES PLÁSTICAS E TECNOLOGIA: QUEM INFLUENCIA QUEM? FREDERICO DALTON e MARIANA MANHÃES MODERAÇÃO: MAURO TRINDADE 16 CINEMA E TECNOLOGIA: QUEM INFLUENCIA QUEM? vários MODERAÇÃO: PEDRO BUTCHER PENSAMENTO 17 PSICOPATOLOGIA DA VIDA COTIDIANA II A VONTADE E SUAS VARIAÇÕES RICARDO KRAUSE 18 QUESTÕES DE FILOSOFIA DA CIÊNCIA II ROGÉRIO SOARES DA COSTA 19 Pensadores: Século XX LUDOVIC SOUTIF, ROGÉRIO SOARES DA COSTA, PEDRO DUARTE, EDUARDO JARDIM, ALEXANDRE COSTA, LEANDRO CHEVITARESE E LUIZ BERNARDO ARAÚJO 20 DESAFIOS DA PSICANÁLISE NA ATUALIDADE JULIO VERZTMAN, TERESA PINHEIRO E FERNANDA PACHECO FERREIRA COORDENAÇÃO: JULIO VERZTMAN 21 CRIAR OU ENQUADRAR-SE: QUAL O SEU MAIS ALTO SENTIMENTO? UM ENSAIO COM NIETZSCHE, ESPINOSA, CANGUILHEM E WINNICOTT ANDRÉ MARTINS 22 OS FILÓSOFOS E AS FORMAS DE ARTE PEDRO DUARTE 23 PARA ENTENDER JUNG PAULA PANTOJA BOECHAT 24 FERNANDO PESSOA E OS GREGOS O ÉTHOS E A ÉTICA DE RICARDO REIS Alexandre Costa 25 A ESTÉTICA DE SCHOPENHAUER JOSÉ THOMAZ BRUM 26 A MEMÓRIA NA PSICANÁLISE EDUARDO ROZENTHAL 27 MITOS FEMININOS DE BELEZA, MATERNIDADE, CASAMENTO E AUTONOMIA Renato NOGUERA

14 28 MÍSTICA E RELIGIÃO ENTRE HINDUS, GREGOS, CRISTÃOS E ISLÂMICOS ROGÉRIO SOARES DA COSTA 29 PAIXÕES HUMANAS E POLÍTICA EM ESPINOSA E HOBBES DELMO MATTOS E RENATO NUNES BITTENCOURT 30 DEPRESSÃO OU TRISTEZA? SOBRE A DOR DE EXISTIR SANDRA NISKIER FLANZER 31 WALTER BENJAMIN: LITERATURA E MODERNIDADE MARCELA OLIVEIRA 32 JUSTIÇA: DO SENTIMENTO À IDEIA JÚLIO POMPEU 33 O PRÓLOGO DE ZARATUSTRA, DE NIETZSCHE LEANDRO CHEVITARESE 34 A MORTE DO HOMEM E O ALÉM-HOMEM AUTERIVES MACIEL JÚNIOR 35 CONVIVENDO COM PESSOAS DIFÍCEIS COMO TRAÇOS SUBCLÍNICOS INTERFEREM NOS RELACIONAMENTOS INTERPESSOAIS RICARDO KRAUSE 36 UMA REFLEXÃO SOBRE O AMOR EROS E LIBERDADE REGINA SCHÖPKE História, ciências e atualidade 37 OS BOURBONS, UMA DINASTIA EUROPEIA FRANCISCO VIEIRA 38 IMPRENSA E MÍDIA NA ERA DIGITAL PEDRO DORIA 39 A CRISE DO SONHO AMERICANO MAURÍCIO SANTORO 40 QUEM EDUCA? OS PAIS, A ESCOLA E AS NOVAS FORMAS DE SUBJETIVAÇÃO CÉSAR MUSSI IBRAHIM 41 uma introdução À TEORIA DO CAOS MARCELO VIANA 42 AS GRANDES NAÇÕES CERVEJEIRAS ORIGENS, CARACTERÍSTICAS E IMPORTÂNCIA CULTURAL DAS CERVEJAS JOSÉ RAIMUNDO PADILHA

15 43 A HISTÓRIA DOS ESTADOS UNIDOS ATRAVÉS DO CINEMA FRANCISCO VIEIRA 44 ISLÃ: RELIGIÃO, CIVILIZAÇÃO E POLÍTICA Paulo Gabriel Hilu 45 O HOMEM E O PLANETA TERRA: UM CASAMENTO EM CRISE SÉRGIO BESSERMAN 46 INTRODUÇÃO AO MUNDO DA CACHAÇA Agostinho Lima Novo 47 A MODA BRASILEIRA NO SÉCULO XXI PRINCIPAIS FENÔMENOS, ACONTECIMENTOS, PLAYERS E PERSPECTIVAS PAULA ACIOLI, MARCIA DISITZER E VANESSA BARONE 48 OS VILÕES DA BÍBLIA LEANDRO KARNAL 49 UM panorama DA ECONOMIA MUNDIAL PÓS-GUERRA FRIA LUIZ CARLOS DELORME PRADO E EDUARDO PINTO 50 GRANDES ROTEIROS DE ENOTURISMO PELO MUNDO AMÉRICA DO SUL, PAÍSES ANGLÓFILOS E EUROPA BRUNO AGOSTINI 51 O EGITO ANTIGO UMA INTRODUÇÃO À CIVILIZAÇÃO FARAÔNICA ANTONIO BRANCAGLION JÚNIOR 52 O INDIVÍDUO NA SOCIEDADE DE MASSA FAMA, MODA, CONSUMO E TURISMO MARIA CLAUDIA COELHO 53 Descobrindo a América do Sul no Século XXI PAULO VELASCO ARTES 54 HISTÓRIA DA ARTE NA SEGUNDA METADE DO SÉCULO XX E NO SÉCULO XXI ARQUITETURA E ESCULTURA HÉLIO DIAS FERREIRA 55 CONTEXTOS HISTÓRICOS DA ARTE E DE SUA FORMAÇÃO FRANZ MANATA 56 SEMPRE VERDI MARCEL GOTTLIEB 57 SISTEMA x INDIVÍDUO NA ÓTICA DE GÊNIOS DA LITERATURA MARCELO BACKES

16 58 SEM CARA DE BANDIDO: O ROCK BRASILEIRO DOS ANOS 80 ARTHUR DAPIEVE 59 UM PERCURSO DA ARTE MODERNA À ARTE CONTEMPORÂNEA FERNANDO COCCHIARALE 60 A POESIA FRANCESA DO SÉCULO XIX VICTOR HUGO, BAUDELAIRE, VERLAINE, RIMBAUD E OUTROS ANGELA PERRICONE 61 DOSTOIÉVSKI E A CULTURA RUSSA DO SÉCULO XIX PAULO BEZERRA 62 como fazer (e ver) CINEMA ALBERTO FLAKSMAN 63 A VONTADE DA BELEZA E A REALIDADE DA FEIURA O BELO E O FEIO NA HISTÓRIA LEANDRO KARNAL 64 O DIREITO EM SHAKESPEARE JOSÉ ROBERTO DE CASTRO NEVES 65 QUATRO CLÁSSICOS DA ÓPERA O MELHOR DE BIZET, PUCCINI, ROSSINI E MOZART MARCEL GOTTLIEB 66 GRANDES MESTRES DO GÓTICO TARDIO E DO RENASCIMENTO HÉLIO DIAS FERREIRA 67 Peças fundamentais do teatro moderno ANDRÉ GARDEL 68 CARTOGRAFIAS SUBJETIVAS RELAÇÕES ENTRE A ARTE CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA E A ARQUITETURA, OS MAPAS E OS CIRCUITOS DANIELA NAME 69 A IMAGEM DA MULHER EM MACHADO DE ASSIS LUIS FILIPE RIBEIRO 70 OS GRANDES AMANTES DA LITERATURA OCIDENTAL MARCELO BACKES

17 O prazer de pensar e aprender Conheça o canal da casa do saber no you tube https://www.youtube.com/casadosaber Vídeos novos duas vezes por semana: às terças e quintas, às 10h.

18 especiais

19 1 ROBERTA SUDBRACK: REFLEXÕES E PRÁTICA ROBERTA SUDBRACK 2 ENCONTROs especiais Ter o prazer de comer em um dos melhores restaurantes do país e do mundo, segundo a lista da prestigiada revista Restaurants, é uma experiência fantástica. Mas poder fazer isso e ainda conhecer o pensamento e os métodos de criação da chef desse restaurante é algo bem melhor e muito, muito mais enriquecedor. Pois é isto que Roberta Sudbrack vai proporcionar aos alunos da CASA DO SABER RIO O GLOBO: vivenciar por algumas horas, na teoria e na prática, o seu processo criativo. Serão dois rituais. No primeiro, Roberta apresentará (em duas turmas de 25 alunos) suas reflexões sobre culinária, os sabores e a exuberância dos ingredientes brasileiros por meio de um recorte único: evidenciando aquilo que está presente no nosso dia a dia às vezes de modo marginal, às vezes de modo banal. Ela vai mostrar o que a inspira e seus critérios de escolha e de combinações para extrair novas dimensões e trazer à tona, como ela mesma diz, essa personalidade oculta de tantos significados e oferecer a linguagem da alta gastronomia para que cada ingrediente possa se expressar. No segundo encontro, juntando as duas turmas no restaurante que leva seu nome, no Jardim Botânico, Roberta completa sua viagem narrativa do modo que melhor se expressa: cozinhando. Em um menu degustação, as possibilidades de sua imaginação conduzirão o público dessas duas turmas a uma experiência sensorial, estética e contemporânea. Assim, se terá uma oportunidade singular de passar pelo trabalho e pelo pensamento de Roberta, considerada desde o início da carreira uma das chefs mais inspiradoras da gastronomia nacional. turma AGO > AULA NA CASA DO SABER RIO O GLOBO, às 20h SET > ALMOÇO HARMONIZADO NO RESTAURANTE ROBERTA SUDBRACK, às 13H* >

20 especiais turma AGO > AULA NA CASA DO SABER RIO O GLOBO, às 20h SET > ALMOÇO HARMONIZADO NO RESTAURANTE ROBERTA SUDBRACK, às 13h45* *Menu degustação de três pratos com duas taças de vinho, água, café e serviço incluídos. ROBERTA SUDBRACK. Chef autodidata e considerada uma das melhores e mais inovadoras do país, ficou conhecida sobretudo por valorizar ingredientes poucos glamourosos, como a jaca, o quiabo e o chuchu. Foi chef de cozinha da Presidência da República. Seu restaurante ficou entre os 100 melhores do mundo na lista de 2012 e 2013 da Restaurants. E em 2014 seu restaurante foi eleito o 48º melhor do mundo pelo ranking da prestigiada revista inglesa Elite Traveler. QUARTAs-FEIRAs R$ 300

21 2 LYGIA CLARK, O ABANDONO DA ARTE Ferreira Gullar e Luiz Camillo Osorio 1 ENCONTRO especiais Na tênue fronteira entre a arte e a não arte, entre a estética e a imersão analítica, encontra-se Lygia Clark, uma artista cuja obra não está delimitada por molduras nem redomas. Lygia rompeu com a equação composta por autor e espectador, provocando novas sensações psíquicas e sensoriais a cada experiência estética com a participação do outro, seja em Caminhando ou em A casa é o corpo. Sua relevância internacional ficou mais uma vez evidente com a reunião de 300 obras suas em uma grande retrospectiva que se encerra no final de agosto no MoMA, em Nova York: Lygia Clark: The Abandonment of Art, (Lygia Clark: O abandono da arte, ). Para discutir o trabalho dessa criadora fundamental na história da arte brasileira, a CASA DO SABER RIO O GLOBO convida o poeta e crítico de arte Ferreira Gullar para um bate-papo com o também crítico de arte Luiz Camillo Osorio. Ao lado de Lygia Clark, Ferreira Gullar assinou, em 1959, o Manifesto Neoconcreto, que deu início a um movimento de reencontro artístico com a subjetividade. Luiz Camillo Osorio é o atual curador do MAM-RJ, museu que abrigou a 1ª Exposição de Arte Neoconcreta do país. FERREIRA GULLAR. Poeta, ensaísta e crítico de arte. Recebeu em 2005 o Prêmio Machado de Assis da ABL pelo conjunto da obra. É autor de diversos livros de poesia, como A luta corporal, e de crítica de arte, com destaque para Argumentação contra a morte da arte e Relâmpagos, que reúne textos sobre artistas como Michelangelo, Picasso, Calder e Iberê Camargo. Escreveu o Manifesto Neoconcreto, em 1959, e presidiu a Fundação Nacional de Arte (Funarte). É colunista regular da Folha de S.Paulo. Professor e parceiro da CASA DO SABER RIO desde a sua inauguração. LUIZ CAMILLO OSORIO. Doutor em Filosofia, professor do Departamento de Filosofia da PUC-Rio e curador do MAM-RJ. 29 AGO > SEXTA-FEIRA, ÀS 19H30 R$ 100

22 3 especiais Os Lusíadas e Mensagem: Um jogo intertextual Cleonice Berardinelli 1 AULA Dois poemas, dois poetas. Quatro séculos de permeio. O primeiro, Luís Vaz de Camões; o segundo, Fernando Pessoa. Na obra pessoana, Camões não é citado, no entanto, com nenhum outro poeta Pessoa estabeleceu tão patente intertextualidade, perceptível por qualquer leitor d Os Lusíadas que se depare com o pequenino volume de Mensagem. Há entre os dois poemas, porém, uma diferença profunda: o poeta renascentista procura ressaltar a feição bravamente atuante de seus heróis, e assim o vemos, ao enumerar todos os reis de Portugal; o poeta do século XX não enumera, seleciona. CLEONICE BERARDINELLI. Professora da CASA DO SABER RIO desde sua inauguração, dedica-se aos estudos de Literatura Portuguesa há mais de cinco décadas. Professora emérita da PUC-Rio e da UFRJ. Membro da ABL. Autora, entre outros, do livro de ensaios Fernando Pessoa: outra vez te revejo e organizadora de diversas edições com poemas do poeta português, como Fernando Pessoa Antologia poética, o mais recente. 03 SET > QUARTA-FEIRA, ÀS 20H R$ 130

23 4 O que faz o brasil, Brasil? Um clássico REVISTO 30 ANOS DEPOIS ROBERTO DAMATTA especiais 3 AULAS Em 1984, Roberto DaMatta, um dos principais antropólogos brasileiros, publicou o livro O que faz o brasil, Brasil?. Na contramão de uma visão oficial do país, calcada na sequência de fatos históricos exaustivamente elencados em manuais, DaMatta propôs uma leitura da identidade brasileira através não somente de suas instituições e leis, mas também do jeitinho malandro ; não apenas através da arte, da política e da economia, mas também dos rituais, das festas e da comida. Nesse curso, o autor revisitará as principais temáticas contidas em sua obra e que ainda povoam nosso imaginário e ajudam a explicar o que é o Brasil OUT > O QUE FAZ O BRASIL, BRASIL? O contexto histórico da publicação de O que faz o brasil, Brasil?. Como a obra foi concebida e elaborada OUT > O BRASIL COM b E COM B A casa, a rua e o trabalho. As relações raciais. Comidas e mulheres OUT > PÁTRIA DE FESTAS E RITUAIS O Carnaval, as festas de ordem, a malandragem e a religiosidade. ROBERTO DAMATTA. Antropólogo e professor titular na PUC-Rio. Mestre e doutor pela Universidade de Harvard, Estados Unidos. Professor emérito de Antropologia na Universidade Notre Dame, Estados Unidos. É autor de diversos livros, entre os quais, Carnavais, malandros e heróis; O que faz o brasil, Brasil?; A casa e a rua: espaço, cidadania, mulher e morte no Brasil. É articulista semanal dos jornais O Globo e O Estado de S. Paulo. QUINTAS-FEIRAS, ÀS 20H R$ 180 na inscrição + 1 parcela de R$ 180

24 5 especiais Os bastidores das capas históricas de Vogue Daniela Falcão E Giovanni Frasson 1 ENCONTRO Como são produzidas as grandes capas da Vogue? A diretora de redação e o diretor de moda da revista revelam segredos de bastidores sobre algumas de suas capas mais trabalhosas e comentadas de todos os tempos. Da ideia e do convite ao dia do shooting: os caprichos das celebridades (e dos fotógrafos), as locações impossíveis, os debates sobre conceito, o cerco dos paparazzi, a escolha das roupas, dos cabelos e da maquiagem. Detalhes saborosos como o menu sui generis de Rihanna, a blindagem antipaparazzi de Kate Moss, Gisele Bündchen e Luiza Brunet no Amazonas e muito mais. DANIELA FALCÃO. Jornalista. É diretora de redação da Vogue desde Antes, editou as revistas Trip e Tpm. Foi repórter da Folha de S.Paulo de 1994 a 2001, trabalhando no Cotidiano e na Sucursal de Brasília, além de ter sido correspondente em Nova York e editora assistente do caderno Equilíbrio. Foi editora da revista Domingo, no Jornal do Brasil. Tem especialização em cobertura jornalística de assuntos ligados à infância pela Columbia University, Estados Unidos. GIOVANNI FRASSON. Um dos diretores de moda mais relevantes do país, começou há 30 anos na revista Nova. Trabalhou na Moda Brasil e está na Vogue há 27 anos. Foi stylist de marcas como Zoomp, Rosa Chá, G, Iódice, Tessuti, Graça Ottoni e Colcci. É professor em cursos de moda. Faz palestras pelo país sobre o tema há mais de 15 anos. 03 NOV > SEGUNDA-FEIRA, ÀS 20H R$ 150

25 6 Filosofia Natural da Incerteza LUIZ ALBERTO OLIVEIRA 1 AULA especiais A formulação do princípio da incerteza, por Werner Heisenberg, em 1927, representou para muitos filósofos da ciência uma ruptura radical com a cosmovisão clássica, baseada no mecanicismo newtoniano. O paradoxo é claro: a intervenção experimental requerida para se conhecer, isto é, medir com precisão um dado aspecto de um sistema microscópico necessariamente inviabiliza a determinação, com precisão comparável, de uma grandeza complementar. Mesmo o mais sofisticado dos aparatos experimentais não poderia extrair senão uma parcela limitada da informação necessária para determinar, à maneira clássica, a evolução do sistema. Ou seja: a partir de então, produzir conhecimento se torna indissociável de produzir ignorância. Na perspectiva de Heisenberg, a vigência dessa incerteza fundamental em nossa apreensão dos eventos em escala microscópica acarreta um desdobramento da própria noção de realidade. Não há entidades com atributos continuamente estáveis e definidos no domínio quântico. Para aquém da realidade atual, efetiva, regras matemáticas governam o possível; o que chamamos de mundo objetivo seria então a expressão macroscópica de uma trama de relações microscópicas que não padecem, elas mesmas, de objetividade. As substâncias individualizadas que comporiam a instância última da existência material são substituídas por virtualidades, coisas vagas. Portanto, a convicção tradicional de que o mundo real seja essencialmente bem-determinado se reduz a uma crença de caráter metafísico (ou psicológico) que não é reivindicada pela própria teoria quântica que, com o tempo, revelou-se a mais bem comprovada concepção já produzida pela física. Com não pequena ironia, a incerteza parece agora ser a mais confiável das certezas... LUIZ ALBERTO OLIVEIRA. Físico, doutor em Cosmologia, pesquisador do Instituto de Cosmologia, Relatividade e Astrofísica (ICRA-BR) do Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas (CBPF/MCTI), onde também atua como professor de História e Filosofia da Ciência. Professor da CASA DO SABER RIO desde a sua fundação, palestrante e consultor de diversas instituições, é curador do Museu do Amanhã do Rio de Janeiro, com inauguração prevista para NOV > QUINTA-FEIRA, ÀS 20H R$ 100

26 7 especiais REFLEXÕES SOBRE O IMPACTO DA CIÊNCIA DO SÉCULO XXI NO COMPORTAMENTO HUMANO STEVENS REHEN 2 AULAS Células-tronco, órgãos criados em laboratório e digitais, diagnósticos genéticos, clonagem, interface cérebro-máquina. Os avanços da ciência biomédica ampliam as possibilidades de escolha, inclusive no que parecia imutável. O curso visa estimular, numa linguagem popular e compreensível, reflexões sobre o impacto do progresso científico recente na qualidade e na expectativa de vida, no cotidiano e nas relações pessoais NOV > PRIMEIRA AULA NOV > SEGUNDA AULA STEVENS REHEN. Professor titular do Instituto de Ciências Biomédicas da UFRJ. Formado em Ciências Biológicas Genética pela UFRJ, com mestrado e doutorado pela mesma universidade e pós-doutorado em Neurociências pela Universidade da Califórnia e pelo Instituto de Pesquisa Scripps, nos Estados Unidos. Foi presidente da Sociedade Brasileira de Neurociências e Comportamento e diretor adjunto de Pesquisa do Instituto de Ciências Biomédicas da UFRJ. É coordenador da Rede Nacional de Terapia Celular do Ministério da Saúde, secretário executivo para o Congresso Mundial da International Brain Research Organization (Rio 2015). É autor do livro Células-tronco: o que são? Para que servem? e de diversos artigos em revistas científicas internacionais. QUARTAS-FEIRAS, ÀS 20H R$ 100 na inscrição + 1 parcela de R$ 100

27 8 COMO ENFRENTAR A MORTE Mary Del Priore e Neif Musse, Chaim SAMUEL Katz E Heloisa Helena Barboza Moderação e coordenação: Affonso Romano de Sant anna especiais 2 ENCONTROS Cada cultura, cada religião e cada período histórico possui uma relação específica com a morte. Em uma época em que as pessoas vivem mais, cresce o número de idosos e a vida é prolongada artificialmente por aparelhos, esse assunto não pode mais ser tabu. O que o direito tem a nos dizer sobre a morte? E a psicanálise? O que a história pode nos ensinar? A medicina, certamente, tem aspectos a nos revelar sobre o fim da vida, tema recorrente na literatura e em outras artes. Nesses dois ciclos, um médico, uma historiadora, um psicanalista e uma advogada especialista em bioética abordarão a morte por prismas diversos, mediados pelo escritor Affonso Romano de Sant Anna NOV > A morte na História e na Medicina MARY DEL PRIORE E NEIF MUSSE Mediação: AFFONSO ROMANO DE SANT ANNA DEZ > A morte no Direito e na Psicanálise CHAIM SAMUEL KATZ E HELOISA HELEZA BARBOSA Mediação: AFFONSO ROMANO DE SANT NNA MARY DEL PRIORE. Historiadora com pós-doutorado na École des Hautes Études en Sciences Sociales, França. Lecionou na PUC-Rio e na USP. Colabora com diversas publicações, entre as quais o jornal O Estado de S. Paulo. Recebeu o prêmio Jabuti por História das mulheres no Brasil. É autora de O castelo de papel, entre outros livros. NEIF MUSSE. Médico graduado pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), é especialista em Cardiologia e Geriatria. Integra a equipe da Unidade Cardiointensiva do Hospital Federal do Andaraí, no Rio de Janeiro, e é professor de Medicina na UFJF. CHAIM SAMUEL KATZ. Psicanalista e escritor. É autor de Psicanálise e instituição, O coração distante, Freud e a multiplicidade edípica, entre outros livros. Membro titular da Academia Brasileira de Filosofia. >

28 especiais HELOISA HELENA BARBOZA. Doutora em Direito pela Uerj e em Ciências pela Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (ENSP/Fiocruz). Professora da Uerj, é pesquisadora de Direito, com ênfase em Biodireito e Bioética. Trabalha, entre outros temas, com reprodução assistida e repercussões da biotecnologia na vida humana. AFFONSO ROMANO DE SANT ANNA. Poeta, cronista, professor, administrador cultural e jornalista. Tem mais de 40 livros publicados, ensinou em universidades estrangeiras e nacionais e, à frente da Biblioteca Nacional ( ), criou o Proler, o Sistema Nacional de Bibliotecas e programas de exportação da cultura brasileira. SEGUNDAS-FEIRAS, ÀS 20H R$ 110 na inscrição + 1 parcela de R$ 110

29 9 OS PRINCÍPIOS DA Entropia CONSTANTINO TSALLIS E ALEXANDRA CLEOPATRA TSALLIS 2 ENCONTROS especiais Nascido na Grécia, Constantino Tsallis é autor de uma teoria revolucionária em mecânica estatística sobre o princípio da entropia, uma grandeza que mede a desordem ou a falta de informação em níveis microscópicos. Seu nome já foi aventado para o prêmio Nobel de Física. Por causa de sua estatística de Tsallis, ele se tornou o autor de artigo científico exclusivamente brasileiro mais citado por pesquisadores acadêmicos em todo o mundo, em todos os tempos. Inicialmente aplicada apenas ao universo da física, sua teoria passou a ser adotada em outros campos, como a biologia, a economia, a linguística e a psicologia. Nesse curso, Tsallis explicará os princípios da entropia e, na segunda aula, em conjunto com a psicóloga Alexandra Tsallis, abordará aplicações em outros campos, além da física NOV > Entropia: os territórios da complexidade A entropia mede a desordem de um sistema ou, ainda, a ignorância do observador no que se refere ao estado desse sistema. Tal conceito está baseado não somente nas possibilidades que um sistema possui, mas também e sobretudo nas probabilidades que ele tem de estar em determinado estado. A entropia é um conceito paralelo ao de energia. Ambos constituem os ingredientes principais da termodinâmica, ciência dos físicos, químicos, engenheiros e biólogos, entre outros. A evolução do conceito de entropia, de sua formulação no século XIX até os dias de hoje, será desenvolvida nessa aula, assim como suas conexões com a complexidade e o nosso cotidiano. Suas inúmeras aplicações em ciências naturais, artificiais e sociais serão ilustradas dez > Entropia: uma possibilidade de experiência em ação Um dos pilares da física contemporânea é (junto com as mecânicas clássica e quântica, a teoria da relatividade e o eletromagnetismo) a mecânica estatística, que, por sua vez se refere à termodinâmica. A entropia está diretamente relacionada ao grau de ignorância que um observador tem em relação a um sistema. Essa premissa permite entender uma série de fenômenos de economia, linguística, psicologia, ciência dos computadores, neurociências e outras áreas. A partir de experiências concretas, a entropia será pensada em ação entre nós. >

30 especiais CONSTANTINO TSALLIS. Docteur d Etat ès Sciences Physiques (Université de Paris-Orsay, 1974). Pesquisador emérito do Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas, do Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação. Doutor honoris causa da Universidade Nacional de Córdoba-Argentina; da Universidade Estadual de Maringá, no Paraná; da Universidade Federal do Rio Grande do Norte e da Universidade Aristotélica de Thessalonica, Grécia. Membro da Academia Brasileira de Ciências. Recebeu o Prêmio México de Ciência e Tecnologia e a maior distinção da Academia de Atenas, originariamente fundada por Platão. Suas mais de 300 publicações em revistas internacionais já receberam mais de 12 mil citações ISI, a base internacional de informação científica. ALEXANDRA CLEOPATRA TSALLIS. Doutora em Psicologia Social pela Uerj em associação com o Centre de Sociologie de l Innovation Ecôle de Mines/Paris (2005). Pós-doutorado no Programa de Pós-Graduação em Psicologia/UFRJ (2010). Professora adjunta do Instituto de Psicologia da Uerj. Professora colaboradora do Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social/Uerj e chefe do Serviço de Psicologia Aplicada do Instituto de Psicologia/Uerj. Pesquisadora do Núcleo de Cognição e Coletivos/UFRJ. Pesquisadora do Grupo de Pesquisa Entre Redes/UFF. Professora do Instituto Gestalt em Figura, no Rio de Janeiro. QUINTAS-FEIRAS, ÀS 20H R$ 100 na inscrição + 1 parcela de R$ 100

31 10 O CAPITAL NO SÉCULO XXI DE KARL MARX A THOMAS PIKETTY MONICA DE BOLLE 1 encontro Há muito tempo um livro de economia não provocava tanto rebuliço em todo o mundo como O capital no século XXI, do economista francês Thomas Piketty. Embasado em um vasto levantamento estatístico e discutindo temas como concentração de renda e desigualdade da riqueza, o livro chegou ao primeiro lugar na lista de mais vendidos do New York Times, foi best-seller em diversos países e transformou Piketty em uma celebridade planetária. A edição brasileira tem previsão de só chegar às livrarias no último trimestre do ano. Mas a responsável por sua tradução, a economista Monica de Bolle, vem à CASA DO SABER RIO O GLOBO para explicar a importância da obra, contextualizá-la e destrinçar suas polêmicas. MONICA DE BOLLE. Economista. É sócio-diretora da Galanto Consultoria e diretora do Instituto de Estudos de Política Econômica Casa das Garças (IEPE/ CdG) e professora do Departamento de Economia da PUC-Rio. Chefiou a área de Pesquisa Macroeconômica Internacional do Banco BBM. Foi economista do Fundo Monetário Internacional (FMI), em Washington, de 2000 a É Ph.D. em Economia pela London School of Economics, com especialização em Crises Financeiras. DATA A CONFIRMAR R$ 100

32 aulas abertas especiais

33 11 Feira Moderna 7: a tecnologia nos filmes de ficção científica No limiar da realidade ALEXANDRE ROLDÃO, ANDRÉ GORDIRRO E STEVENS REHEN COORDENAÇÃO E MODERAÇÃO: BETO LARGMAN 1 ENCONTRO A ficção científica é um dos gêneros mais populares da arte, seja na literatura, na TV, no rádio ou nas histórias em quadrinhos. Mas foi no cinema que o tema encontrou sua forma mais perfeita: com a ajuda dos efeitos especiais, incrivelmente aprimorados ao longo das décadas, tornou-se possível representar, de maneira convincente, todas as tecnologias vislumbradas pelos autores. Nesse encontro, o jornalista Beto Largman recebe um jornalista especializado, um crítico de cinema e um cientista para analisarem juntos a tecnologia descrita em alguns dos filmes de ficção científica mais emblemáticos. Quais se concretizaram? Algumas tecnologias continuam verossímeis apenas no campo da ficção? E quais estão no limiar de se tornarem realidade? AULAS ABERTAS ALEXANDRE ROLDÃO. Jornalista. Há mais de 10 anos coordena a área de programas de Ciência e Tecnologia do canal de jornalismo a cabo da TV Globo. Como analista de tendências do Labmidia, estuda a relação entre novas tecnologias, comportamento social e comunicação. Participou de grupo de estudos no Executive Program da Singularity University. É editor executivo do programa sobre inovação da Globonews, o Navegador ANDRÉ GORDIRRO. Jornalista, crítico de cinema e tradutor, escreve sobre tecnologia e games no site Clube do Hardware e sobre cinema na revista Preview. Entre os mais de 20 livros traduzidos, estão a série cyberpunk Feios, de Scott Westerfeld, e Pequeno irmão, de Cory Doctorow. Regularmente palestra sobre Guerra nas estrelas e Jornada nas estrelas em convenções e cursos sobre ficção científica. STEVENS REHEN. Professor titular do Instituto de Ciências Biomédicas da UFRJ. Formado em Ciências Biológicas Genética pela UFRJ, com mestrado e doutorado pela mesma universidade e pós-doutorado em Neurociências pela Universidade da Califórnia, Estados Unidos, e pelo Instituto de Pesquisa Scripps, no mesmo país. Foi presidente da Sociedade Brasileira de Neurociências e Comportamento e diretor adjunto de Pesquisa do Instituto de Ciências Biomédicas da UFRJ. É coordenador da Rede Nacional de Terapia Celular do Ministério da Saúde e secretário executivo para o Congresso Mundial da International Brain Research Organization (Rio 2015). Autor de Células-tronco: o que são? Para que servem?, além de diversos artigos em revistas científicas internacionais. >

34 BETO LARGMAN. Jornalista, blogueiro e consultor especializado em tecnologia, inovação e novas mídias, edita o blog Feira Moderna no site do jornal O Globo e faz comentários regularmente sobre esses assuntos no Canal Futura, na TV Brasil e na Globonews. Gerenciou projetos ligados a tecnologia, comunicação, mídias eletrônicas, arte e cultura. AULAS ABERTAS 02 OUT > QUINTA-FEIRA, às 20H EVENTO GRATUITO. VAGAS LIMITADAS. INSCRIÇÕES A UMA SEMANA DO ENCONTRO.

35 12 Fotografia contemporânea como arte MAURO TRINDADE 1 ENCONTRO Desde sua invenção, no século XIX, a fotografia provocou uma vasta discussão sobre seu caráter documental e suas possibilidades artísticas dos trabalhos pictóricos de Oscar Rejlander e Henry Robinson às obras contemporâneas de Max Yavno, Gordon Matta-Clark, Diane Arbus, William Eggleston e Stephen Shore. Com o abandono da concepção modernista de pureza e o rompimento com o passado, a fotografia das últimas décadas retomou práticas pioneiras, como colagens e montagens, reafirmando a descategorização e o caráter conceitualista da arte. Mais e mais artistas passaram a se utilizar da fotografia como suporte de suas obras. A partir daí, ela foi incorporada a museus e coleções, recebendo mostras e exposições específicas, além de crítica especializada. Surgiram galerias dedicadas exclusivamente a essa arte e uma pesquisa mais ampla da produção do passado foi desenvolvida em universidades e centros de pesquisa. Novas estratégias de veiculação da fotografia foram adotadas pelo mercado de arte, com cópias limitadas, suportes especiais e séries vintage. Essa palestra analisará a fotografia no contexto das artes e de sua participação no mercado, onde tem se tornado cada vez mais aceita, discutida e utilizada com o apoio de grandes galerias nacionais e internacionais. AULAS ABERTAS Mauro Trindade. Jornalista, doutor em História e Crítica da Arte pela Escola de Belas Artes (EBA) da UFRJ e professor do Instituto de Artes da Uerj. Foi professor de História da Arte na EBA/UFRJ. Trabalhou como repórter, crítico e editor nos jornais Tribuna da Imprensa, Jornal do Brasil e O Globo, e nas revistas Veja Rio e Bravo!, entre outras publicações. Lecionou nas universidades Estácio de Sá e Veiga de Almeida e na Pós-Graduação em Estéticas do Movimento na Faculdade Angel Vianna. 06 NOV > QUINTA-FEIRA, ÀS 20H EVENTO GRATUITO. VAGAS LIMITADAS. INSCRIÇÕES A UMA SEMANA DO ENCONTRO.

36 13 CICLO cultura e tecnologia Literatura e tecnologia: quem influencia quem? ANDRÉ VALLIAS e JULIO SILVEIRA MODERAÇÃO: CRISTIANE COSTA 1 ENCONTRO AULAS ABERTAS As redes sociais e as ferramentas da tecnologia da informação se tornaram uma das mais importantes formas de divulgação das expressões artísticas em geral: literárias, cênicas, plásticas e cinematográficas. Porém, como se dá o caminho inverso? Até que ponto a revolução digital vem modificando e redesenhando o momento de criação das obras e a relação do artista com o próprio trabalho? Quais os frutos dessa nova troca e de que forma ela se relaciona com o público? Este é um ciclo de debates que reúne especialistas e criadores em torno de uma reflexão contemporânea. E nesse debate o tema é a literatura. ANDRÉ VALLIAS. Poeta e designer gráfico. Pesquisa as possibilidades criativas para poetas nos novos meios digitais e interativos. De 1987 a 1994 viveu na Alemanha, onde contribuiu com alguns dos mais importantes poetas sonoros e visuais da Europa, como o poeta russo Valeri Scherstjanoi. JULIO SILVEIRA. Editor. Formado em Administração de Empresas, na PUC-Rio com extensão em Economia da Cultura (Paris IX). Foi cofundador da Casa da Palavra, coordenador editorial da Nova Fronteira, gerente editorial da Agir e Ediouro, e Publisher da Thomas Nelson Brasil. Atualmente está à frente da Ímã Editorial, referência no emprego de novos recursos digitais para publicação; e coordena o Fórum Autor 2.0, onde escritores e editores investigam os novos papéis no segmento editorial. Cristiane Costa. Formada em Jornalismo pela UFF e doutora em Comunicação e Cultura pela UFRJ. Professora e coordenadora do Curso de Jornalismo da Escola de Comunicação (ECO) da UFRJ e curadora de projetos especiais da editora Nova Fronteira. Foi uma das criadoras do curso Publishing Management O Negócio do Livro, na FGV. Foi editora do Caderno Ideias, suplemento literário do Jornal do Brasil; da revista Nossa História; do Portal Literal; e da revista eletrônica Overmundo. É autora do livro Pena de aluguel: escritores jornalistas no Brasil. Desenvolve pesquisa sobre novas estratégias narrativas em mídia digital para o pós-doutorado pelo Programa Avançado de Cultura Contemporânea. 20 ago > QUARTA-FEIRA, ÀS 20H EVENTO GRATUITO. VAGAS LIMITADAS. INSCRIÇÕES A UMA SEMANA DO ENCONTRO.

37 14 CICLO cultura e tecnologia DANÇA e tecnologia: quem influencia quem? DANI LIMA E PAULA GORINI MODERAÇÃO: NAYSE LOPEZ 1 ENCONTRO As redes sociais e as ferramentas da tecnologia da informação se tornaram uma das mais importantes formas de divulgação das expressões artísticas em geral: literárias, cênicas, plásticas e cinematográficas. Porém, como se dá o caminho inverso? Até que ponto a revolução digital vem modificando e redesenhando o momento de criação das obras e a relação do artista com o próprio trabalho? Quais os frutos dessa nova troca e de que forma ela se relaciona com o público? Este é um ciclo de debates que reúne especialistas e criadores em torno de uma reflexão contemporânea. E nesse debate o tema é a dança. AULAS ABERTAS DANI LIMA. Bailarina e coreógrafa. Fundadora da Intrépida Trupe, grupo que integrou por 13 anos. Em 1997 criou sua companhia com a qual tem realizado espetáculos, residências e workshops em instituições artísticas e em festivais no Brasil e na Europa. PAULA GORINI. Pesquisadora de arte contemporânea e professora de Comunicação Social. Formou-se em Jornalismo pela FACHA, cursou dança contemporânea na Escola Angel Vianna, e fez especialização em Jornalismo Cultural e mestrado em Comunicação Social na Uerj. Atualmente trabalha com pesquisa em comunicação, novas tecnologias e arte contemporânea. Nayse Lopez. Jornalista. Atua como curadora de dança desde Realizou, como curadora, crítica de dança e jornalista, mostras e conferências na área da dança, das artes performativas e da cooperação cultural. Entre os últimos projetos, está a Conferência Internacional de Dança e Cooperação Cultural, realizada em Rio de Janeiro e São Paulo, em Desde 2001 é curadora convidada do Festival Panorama de Dança; a partir de 2006 passou a assinar também sua direção artística. É fundadora e editora do site especializado em dança 17 set > QUARTA-FEIRA, ÀS 20H EVENTO GRATUITO. VAGAS LIMITADAS. INSCRIÇÕES A UMA SEMANA DO ENCONTRO.

38 15 cultura e tecnologia ARTES PLÁSTICAS e tecnologia: quem influencia quem? MARIANA MANHÃES e FREDERICO DALTON MODERAÇÃO: MAURO TRINDADE 1 ENCONTRO AULAS ABERTAS As redes sociais e as ferramentas da tecnologia da informação se tornaram uma das mais importantes formas de divulgação das expressões artísticas em geral: literárias, cênicas, plásticas e cinematográficas. Porém, como se dá o caminho inverso? Até que ponto a revolução digital vem modificando e redesenhando o momento de criação das obras e a relação do artista com o próprio trabalho? Quais os frutos dessa nova troca e de que forma ela se relaciona com o público? Este é um ciclo de debates que reúne especialistas e criadores em torno de uma reflexão contemporânea. E nesse debate o tema é artes plásticas. MARIANA MANHÃES. Formada em Psicologia pela UFF e mestre em Comunicação e Cultura pela UFRJ. Mariana trabalha com instalações envolvendo MP4, celulares, caixas de som, e é atuante em debates sobre arte, tecnologia e novas ferramentas de telecomunicação. FREDERICO DALTON. Fotógrafo. Formado em Comunicação Social e Cinema pela UFF. Realizou estudos de videoarte na Academia de Arte de Düsseldorf, com Nam June Paik e Nan Hoover. Ao longo da carreira tem desenvolvido pesquisa sobre a imagem, empregando projeção de slides e objetos em suas obras. Mauro Trindade. Jornalista, doutor em História e Crítica da Arte pela Escola de Belas Artes (EBA) da UFRJ e professor do Instituto de Artes da Uerj. Foi professor de História da Arte na EBA/UFRJ. Trabalhou como repórter, crítico e editor nos jornais Tribuna da Imprensa, Jornal do Brasil e O Globo, e nas revistas Veja Rio e Bravo!, entre outras publicações. Lecionou nas universidades Estácio de Sá e Veiga de Almeida e na Pós-Graduação em Estéticas do Movimento na Faculdade Angel Vianna. 15 out > QUARTA-FEIRA, ÀS 20H EVENTO GRATUITO. VAGAS LIMITADAS. INSCRIÇÕES A UMA SEMANA DO ENCONTRO.

39 16 cultura e tecnologia CINEMA e tecnologia: quem influencia quem? vários MODERAÇÃO: PEDRO BUTCHER 1 ENCONTRO As redes sociais e as ferramentas da tecnologia da informação se tornaram uma das mais importantes formas de divulgação das expressões artísticas em geral: literárias, cênicas, plásticas e cinematográficas. Porém, como se dá o caminho inverso? Até que ponto a revolução digital vem modificando e redesenhando o momento de criação das obras e a relação do artista com o próprio trabalho? Quais os frutos dessa nova troca e de que forma ela se relaciona com o público? Este é um ciclo de debates que reúne especialistas e criadores em torno de uma reflexão contemporânea. E nesse debate o tema é o cinema. AULAS ABERTAS Pedro Butcher. Jornalista e crítico de cinema, trabalhou nos jornais O Dia, Jornal do Brasil e O Globo e na revista Veja Rio. Foi também editor do site Filme B, especializado no mercado de cinema do Brasil. É coautor dos livros Abril despedaçado História de um filme e Cinema Desenvolvimento e mercado. Desde 2002 é crítico de cinema da Folha de S.Paulo. 12 nov > QUARTA-FEIRA, ÀS 20H EVENTO GRATUITO. VAGAS LIMITADAS. INSCRIÇÕES A UMA SEMANA DO ENCONTRO.

40 pensamento

41 Apoio acadêmico: Café Especial do Brasil Fazenda Sertãozinho Sul de Minas Na mitologia grega, Orfeu sempre esteve vinculado ao mundo da música e da poesia. Sua maestria na cítara e a suavidade de sua voz eram tais que os animais selvagens o seguiam, as árvores inclinavam suas copas para ouvi-lo e mesmo os homens mais insensíveis eram invadidos por ternura e bondade.

42 17 Psicopatologia da Vida Cotidiana II A Vontade e suas variações RICARDO KRAUSE 4 AULAS Muito mais do que nos damos conta, somos instados, diariamente, a tomar decisões. Desde o que vamos comer ou vestir até a carreira a seguir e a nos casarmos ou não... Pequenos e grandes impasses que obedecem a lógicas predeterminadas cada vez mais conhecidas e, quase sempre, inconscientes. Como e por que fazemos nossas escolhas? A neurociência e os mecanismos do impasse. A compulsão à repetição freudiana. Esses e outros temas serão abordados nesse curso (que, de forma independente, dá continuidade ao do semestre anterior), cujo foco são os transtornos da vontade. PENSAMENTO AGO > Uni, duni, tê A vontade, os impulsos e a tomada de decisão. Como se processam as escolhas. Sexo, comida, internet, álcool e drogas: impulsividade e compulsão. A neurociência por trás dos impasses do dia a dia AGO > Mamãe mandou eu escolher este daqui O desenvolvimento do senso moral na infância e na adolescência. Do superego de Freud a surplus repression de Marcuse. Delimitando o conceito de limite. Obediência e transgressão, pecados e virtudes sob o ponto de vista evolutivo AGO > Linha de Impasse A arte das decisões adequadas. Planejamento e função executiva. Neuroeconomia: um novo campo de estudo das decisões financeiras. O autoengano e suas consequências. Propaganda, persuasão e convencimento: como influenciar as escolhas alheias SET > Oh, bruta flor do querer As escolhas amorosas e afetivas em tempos de amores líquidos. A síndrome do dedo podre: o que pode estar por trás das escolhas equivocadas. Abulia: quando não se tem vontade. O desejo do não desejo. RICARDO KRAUSE. Médico especialista em Psiquiatria e Psiquiatria da Infância e Adolescência pela Associação Brasileira de Psiquiatria. Membro da Associação Americana de Psiquiatria e da Academia Americana de Psiquiatria da Infância e Adolescência. Médico assistente do Setor de Psiquiatria da Infância da Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro. TERÇAS-FEIRAS, ÀS 20H R$ 240 na inscrição + 1 parcela de R$ 240

43 18 Questões de Filosofia da Ciência II ROGÉRIO SOARES DA COSTA 3 AULAS Dando continuidade (mas de forma independente) à exposição iniciada no curso anterior acerca das reflexões filosóficas sobre a ciência realizadas no século XX, este segundo módulo apresentará o pensamento de mais três importantes filósofos. O objetivo é aprofundar a discussão, ampliando o leque de temas estudados. O curso iniciará com o pensamento do físico, filósofo e historiador da ciência Pierre Duhem sobre a natureza da teoria física. Na segunda aula, será abordada a filosofia da ciência natural de Carl Gustav Hempel. No terceiro dia de aula, o foco será a virada pragmática de Larry Laudan na compreensão da ciência AGO > PIERRE DUHEM. Ciência e Metafísica: rivalidade ou cooperação? AGO > CARL GUSTAV HEMPEL. Lógica, Racionalidade e Ciências Naturais AGO > LARRY LAUDAN. Há progresso científico sem verdade? ROGÉRIO SOARES DA COSTA. Professor do Departamento de Filosofia da PUC-Rio e doutor em Filosofia pela mesma instituição. Pesquisador de pós-doutorado na Uerj. Pesquisa nas áreas de filosofia e história da ciência, metafísica, epistemologia, filosofia da natureza, filosofia antiga e medieval e religião comparada. PENSAMENTO QUINTAS-FEIRAS, ÀS 20H R$ 150 na inscrição + 1 parcela de R$ 150

44 19 Pensadores: Século XX LUDOVIC SOUTIF, ROGÉRIO SOARES DA COSTA, PEDRO DUARTE, EDUARDO JARDIM, ALEXANDRE COSTA, LEANDRO CHEVITARESE E LUIZ BERNARDO ARAÚJO 7 AULAS O curso reúne destacados professores para apresentar os aspectos mais relevantes do pensamento de alguns dos principais filósofos do Ocidente. Os temas serão analisados sob a perspectiva do contexto histórico, da biografia dos autores e de sua contribuição para a filosofia PENSAMENTO AGO > LUDWIG WITTGENSTEIN LUDOVIC SOUTIF AGO > KARL POPPER ROGÉRIO SOARES DA COSTA SET > MARTIN HEIDEGGER PEDRO DUARTE SET > HANNAH ARENDT EDUARDO JARDIM SET > JEAN-PAUL SARTRE ALEXANDRE COSTA SET > MICHEL FOUCAULT LEANDRO CHEVITARESE SET > JÜRGEN HABERMAS LUIZ BERNARDO ARAÚJO LUDOVIC SOUTIF. Professor de Filosofia na PUC-Rio. Doutor em Filosofia pela Université Paris I Panthéon-Sorbonne e pós-doutor pela USP. Em 2011, publicou na França um livro e uma coletânea intitulados, respectivamente: Wittgenstein et le problème de l espace visuel: phénoménologie, géométrie, grammaire e Wittgenstein en confrontation. ROGÉRIO SOARES DA COSTA. Professor do Departamento de Filosofia da PUC-Rio e doutor em Filosofia pela mesma instituição. Pesquisador de pós-doutorado na Uerj. Pesquisa nas áreas de filosofia e história da ciência, metafísica, epistemologia, filosofia da natureza, filosofia antiga e medieval e religião comparada. PEDRO DUARTE. Doutor e mestre em Filosofia pela PUC-Rio, onde é professor na graduação, na pós-graduação e na especialização em Arte e Filosofia. É professor colaborador do Mestrado em Filosofia da Arte da UFF. Foi professor visitante nas universidades Brown, Estados Unidos, e Södertörns, Suécia. É autor do livro Estio do tempo: Romantismo e estética moderna; e prepara A palavra modernista: vanguarda e manifesto

45 EDUARDO JARDIM. Escritor e professor do Departamento de Filosofia e do Departamento de Letras da PUC-Rio. É autor dos livros A brasilidade modernista: sua dimensão filosófica, Limites do moderno, A morte do poeta, A duas vozes e Hannah Arendt: pensadora da crise e de um novo início. Organizou Italo Campofiorito: olhares sobre o moderno. ALEXANDRE COSTA. Professor adjunto do Departamento de Filosofia da UFF. Doutor em Filosofia pela Universität Osnabrück, Alemanha, e pela UFRJ. Pós-doutor em Teoria da Música na Antiguidade (USP) e em Filologia Clássica (USP/ Humboldt-Universität zu Berlin). Autor de Heráclito: fragmentos contextualizados e A história da filosofia em 40 filmes (coautoria com Patrick Pessoa), entre outros livros. LEANDRO CHEVITARESE. Doutor em Filosofia pela PUC-Rio. Professor adjunto de Filosofia do Departamento de Educação e Sociedade da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ) e professor convidado da Especialização em Filosofia Contemporânea da PUC-Rio. LUIZ BERNARDO ARAÚJO. Doutor em Filosofia pela Université Catholique de Louvain, Bélgica, com pós-doutorado pela State University of New York. Professor do Departamento de Filosofia da Uerj. Pesquisador do CNPq. Autor de Religião e modernidade em Habermas e Pluralismo e justiça, entre outros livros, e organizador de Filosofia prática e modernidade e Esfera pública e secularismo. SEGUNDAS-FEIRAS, ÀS 20H R$ 270 na inscrição + 2 parcelas de R$ 250 PENSAMENTO

46 20 Desafios da psicanálise na atualidade JULIO VERZTMAN, TERESA PINHEIRO E FERNANDA PACHECO FERREIRA COORDENAÇÃO: JULIO VERZTMAN 4 AULAS PENSAMENTO Mais de um século após o surgimento da psicanálise, é possível perceber transformações cruciais na subjetividade humana, em comparação com o contexto em que essa nova forma de perceber a mente nasceu. Disciplina criada por Freud para responder a um dos grandes enigmas de sua época, a histeria, a psicanálise lançou luz sobre um tipo de sujeito oriundo da cultura individualista moderna: o sujeito neurótico. Sujeito dividido, fruto do conflito psíquico, que permitiu um modo inédito de conceber a sexualidade e o desejo. Nesse curso, serão analisados alguns problemas, caso se apliquem indiscriminadamente, hoje em dia, conceitos elaborados por Freud a partir de seus pacientes neuróticos; e o impacto que certas mudanças no contexto humano contemporâneo produzem na experiência do sofrimento, na noção de conflito, na dimensão da sexualidade, na formação do eu AGO > A psicanálise frente ao sujeito contemporâneo Julio Verztman AGO > Narcisismo e certeza de si Teresa Pinheiro SET > As compulsões e as novas formas de angústia Fernanda Pacheco Ferreira SET > Vergonha, timidez e fobia social Julio Verztman JULIO VERZTMAN. Psicanalista, psiquiatra, professor de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica (UFRJ), psiquiatra do IPUB (UFRJ), coordenador do Núcleo de Estudos em Psicanálise e Clínica da Contemporaneidade (Nepecc/UFRJ). TERESA PINHEIRO. Psicanalista, doutora pela Université Paris VII, é coordenadora do Núcleo de Estudos em Psicanálise e Clínica da Contemporaneid de (Nepecc/ UFRJ). Autora de diversos artigos e dos livros Ferenczi: do grito à palavra e As bases do amor materno. FERNANDA PACHECO FERREIRA. Psicanalista. Doutora em Psicologia Clínica pela PUC-Rio, é pesquisadora do Núcleo de Estudos em Psicanálise e Clínica da Contemporaneidade (Nepecc/UFRJ). É pós-doutoranda em Teoria Psicanalítica (UFRJ). QUARTAS-FEIRAS, ÀS 20H R$ 220 na inscrição + 1 parcela de R$ 220

47 21 Criar ou enquadrar-se: Qual o seu mais alto sentimento? Um ensaio com Nietzsche, ESPINOSA, Canguilhem e Winnicott André Martins 4 AULAS Meu ensinamento diz: viver de tal modo que tenhas de desejar viver outra vez, é a tarefa pois assim será em todo o caso! Quem encontra no esforço o mais elevado sentimento, que se esforce; quem encontra no repouso o mais elevado sentimento, que repouse; quem encontra em enquadrar-se, seguir, obedecer, o mais elevado sentimento, que obedeça. Nesse fragmento escrito no outono de 1881, publicado postumamente, Nietzsche enuncia seu pensamento sobre o eterno retorno de uma maneira particularmente instigante, lembrando Fernando Pessoa: Sê inteiro em tudo que fazes. Nietzsche radicaliza o preceito, acrescentando que se esteja inteiro mesmo que seja ao enquadrar-se e obedecer, caso o indivíduo encontre na obediência o seu mais elevado sentido. Nietzsche está afirmando que existe, em alguns casos, uma natureza submissa? Há submissos por natureza? Pode haver saúde na submissão? Questão difícil e paradoxal, sobretudo se formulada por um dos maiores pensadores do ato criativo. Canguilhem relativizava o conceito de saúde, sendo por isso muitas vezes mal interpretado, como se qualquer estado físico ou psíquico pudesse ser tomado como saudável. Winnicott e Espinosa esclarecem que não, embora a relatividade da saúde permaneça, na forma de afirmação da realidade atual e de uma gradação entre a enfermidade e a saúde. Espinosa, por outro lado, propõe a obediência como um bem, mas sob certas condições, podendo ser a desobediência uma libertação. Nesse curso nos propomos a investigar esse paradoxo, com a ajuda da filosofia de Nietzsche, Espinosa e Canguilhem e da teoria psicanalítica de Winnicott. PENSAMENTO SET > a autonomia dos autônomos Análise do aforismo póstumo de Nietzsche (e do acréscimo de sua irmã) e o cipó-matador SET > A obediência e a desobediência segundo Espinosa A autonomia de cada um e a aceitação da servidão voluntária SET > canguilhem e winnicott Saúde como potência criativa SET > winnicott e a vida criativa Uma questão afetiva, para cada um de nós refletir sobre a própria vida. >

48 André Martins. Filósofo e psicanalista, é professor associado da UFRJ. Doutor em Filosofia pela Université de Nice, na França, doutor em Teoria Psicanalítica pela UFRJ, com pós-doutorado sênior em Filosofia pela Université de Provence, também na França. É autor, entre outros livros, de Pulsão de morte? Por uma clínica psicanalítica da potência e organizador de Spinoza et la psychanalyse. Tem artigos publicados em diversos países, como França, Portugal, Alemanha, Hungria, Estados Unidos e Bélgica. SEGUNDAS-FEIRAS, ÀS 20H R$ 200 na inscrição + 1 parcela de R$ 200 PENSAMENTO

49 22 Os filósofos e as formas de arte PEDRO DUARTE 4 AULAS Na filosofia contemporânea, a relação com a arte foi experimentada com vigor inédito na história. Seus autores não pensaram apenas sobre a arte, mas com a arte e através da arte. Isso foi feito por meio da investigação articulada das obras de artistas singulares com as formas de arte em geral, como a pintura, o cinema, a literatura e a poesia. Tratava-se de descobrir a potencialidade de tais formas por meio do exercício delas feito por grandes artistas SET > Merleau-Ponty e a pintura SET > Gilles Deleuze e o cinema SET > Michel Foucault e a literatura SET > Octavio Paz e a poesia PEDRO DUARTE. Doutor e mestre em Filosofia pela PUC-Rio, onde é professor na graduação, na pós-graduação e na especialização em Arte e Filosofia. É professor colaborador do Mestrado em Filosofia da Arte da UFF. Foi professor visitante nas universidades Brown, Estados Unidos, e Södertörns, Suécia. É autor do livro Estio do tempo: Romantismo e estética moderna; e prepara A palavra modernista: vanguarda e manifesto. PENSAMENTO QUINTAS-FEIRAS, ÀS 20H R$ 220 na inscrição + 1 parcela de R$ 220

50 23 PARA ENTENDER Jung PAULA PANTOJA BOECHAT 4 AULAS PENSAMENTO Ex-discípulo e colaborador de Sigmund Freud, o psicanalista suíço Carl Gustav Jung ficou conhecido por uma obra singular e original que buscou expandir o campo de atuação da psicanálise. Suas ideias sobre os arquétipos e o inconsciente coletivo têm sido a base de numerosos estudos, não só na área das psicoterapias como também nas da sociologia e da mitologia, como nos mostram os estudos de Michel Maffesoli e Joseph Campbell, entre outros autores. A sincronicidade, por meio da qual Jung explica o porquê de técnicas oraculares, como astrologia, tarô, I-Ching, têm despertado igualmente grande interesse. A importância da espiritualidade para o homem atual é outra ideia-chave de sua teoria, que busca nos mostrar o processo de individuação de cada um de nós, seres únicos. Pois, conforme diz, só o que nós somos verdadeiramente tem o poder de nos curar. Esse curso pretende fazer uma introdução aos principais conceitos de C.G. Jung, com exemplos da clínica e da literatura, trazendo suas concepções para o momento atual e esclarecendo o uso equivocado de suas teorias SET > A Estrutura da Psique para a psicologia junguiana O que são arquétipos e como os identificamos em obras de literatura, mitos e lendas SET > Entendendo os Arquétipos Os principais arquétipos descritos por Jung em nossos sonhos, nas nossas vidas e no comportamento social atual SET > A Sincronicidade Como Jung explica as técnicas oraculares ou divinatórias e as intuições pessoais SET > A Espiritualidade na Psicologia de Jung A redescoberta da importância da espiritualidade e do mito individual em cada um de nós. O chamado processo de individuação. PAULA PANTOJA BOECHAT. Médica, analista junguiana membro da International Association for Analytical Psychology (IAAP), Suíça, ex-presidente da Associação Junguiana do Brasil (AJB), é especialista em Terapia Familiar Sistêmica e mestre em Psicologia Clínica pela PUC-Rio. Autora do livro Terapia familiar: mitos, símbolos e arquétipos. SEXTAS-FEIRAS, ÀS 19H30 R$ 220 na inscrição + 1 parcela de R$ 220

51 24 Fernando Pessoa e os Gregos o éthos e a ética de Ricardo Reis Alexandre Costa 4 AULAS Esse curso abordará os traços principais do pensamento de Ricardo Reis no conjunto dos poemas escritos por esse heterônimo de Fernando Pessoa. A intenção é expor, inicialmente, o íntimo diálogo que a sua poesia estabelece com a poesia antiga, o que se manifesta na menção recorrente a deuses e a algumas das ideias fundamentais da mitologia greco-latina, tais como a concepção de destino e a não liberdade do homem. Em sequência, mostrará como esse pensamento que move a pena do poeta acaba por conformar um éthos (um domínio) e uma ética que assumem e reivindicam uma determinada postura diante da vida e do mundo SET > As odes de Ricardo Reis e a heteronímia NA obra de Fernando Pessoa O lugar da natureza, do homem e dos deuses segundo Ricardo Reis SET > Imortalidade divina e mortalidade humana, POTência e impotência A grandeza do homem e a sua submissão ao destino. A finitude e a não liberdade humanas. A negação do livre-arbítrio e o elogio da vontade. PENSAMENTO SET > Harmonia e ordem O prazer, o espetáculo da vida e o ideal de beleza SET > Por uma ética das Odes: serenidade ou indiferença? Ricardo Reis e as filosofias do período helenístico. O barão de Teive e a Educação do estoico. ALEXANDRE COSTA. Professor adjunto do Departamento de Filosofia da UFF. Doutor em Filosofia pela Universität Osnabrück, Alemanha, e pela UFRJ. Pós-doutor em Teoria da Música na Antiguidade (USP) e em Filologia Clássica (USP/ Humboldt-Universität zu Berlin). Autor de Heráclito: fragmentos contextualizados e A história da filosofia em 40 filmes (coautoria com Patrick Pessoa), entre outros livros. TERÇAS-FEIRAS, ÀS 20H R$ 220 na inscrição + 1 parcela de R$ 220

52 25 A ESTÉTICA DE SCHOPENHAUER JOSÉ THOMAZ BRUM 3 AULAS Esse curso apresenta o tema da contemplação estética e o estudo das diferentes artes, tal como abordados pelo filósofo Arthur Schopenhauer no terceiro livro de sua obra principal: O mundo como vontade e representação (1819). Essa estética marca um contraponto risonho com a sua filosofia pessimista SET > A contemplação estética SET > A classificação das artes: a arquitetura, A escultura e a pintura SET > A poesia e a metafísica da música PENSAMENTO JOSÉ THOMAZ BRUM. Professor de Estética no Curso de Especialização em História da Arte da PUC-Rio. Licenciado e mestre em Filosofia pela mesma instituição, é doutor em Filosofia pela Université de Nice, França. Publicou Nietzsche: as artes do intelecto, O pessimismo e suas vontades e Schopenhauer et Nietzsche: vouloir-vivre et volonté de puissance. É tradutor de Clément Rosset e Emil Cioran. QUARTAS-FEIRAS, ÀS 20H R$ 165 na inscrição + 1 parcela de R$ 165

53 26 A MEMÓRIA NA PSICANÁLISE EDUARDO ROZENTHAL 3 AULAS A memória pode ser comumente definida como a capacidade de reter e evocar informações adquiridas em uma experiência anterior. Para a psicanálise, contudo, trata-se de um conceito crucial. Mais do que uma capacidade, ela é considerada a própria estrutura do inconsciente. Nesse curso, abordaremos três momentos da teoria freudiana da memória que podem ser nomeados como memória do passado ou tempo que passou, memória do presente ou tempo que passa e memória do presente eterno ou tempo que não passa, cada um deles dando ensejo a uma clínica analítica particular SET > MEMÓRIA DO TEMPO QUE PASSOU É a memória como reprodução do trauma ocorrido. A respectiva proposta clínica é a interpretação do analista, que promove a rememoração da imagem subjetiva do evento traumático com a catarse do sofrimento do analisante SET > MEMÓRIA DO TEMPO QUE PASSA É a memória como imagem inconsciente que não pode ser rememorada. Será preciso interpretar e reinterpretar indefinidamente o inconsciente do analisante, produzindo novas memórias cada vez menos dolorosas SET > MEMÓRIA DO TEMPO QUE NÃO PASSA É a memória como força sem imagem. Interpretar já não é suficiente. É preciso acolher a força pura que se produz no analisante como compulsão avassaladora, reservando a tais vivências de profunda angústia um lugar seguro na clínica. PENSAMENTO EDUARDO ROZENTHAL. Psicanalista. Mestre em Teoria Psicanalítica pela UFRJ. Doutor em Saúde Coletiva pelo Instituto de Medicina Social da Uerj. Professor da Universidade Santa Úrsula (USU). Autor do livro O ser no gerúndio: corpo e sensibilidade na psicanálise. QUINTAS-FEIRAS, ÀS 20H R$ 165 na inscrição + 1 parcela de R$ 165

54 27 MITOS FEMININOS DE BELEZA, MATERNIDADE, CASAMENTO E AUTONOMIA Renato NOGUERA 3 AULAS A partir da leitura de narrativas míticas gregas, judaico-cristãs, iorubás e tupis-guaranis de Afrodite, Medusa, Hera, Perséfone, Oxum, Obá, Iemanjá, Iansã, Lilith, Eva e Iara, vamos tratar dos modelos, dos arquétipos e das perspectivas de mãe, esposa, amante e guerreira. Abordaremos também algumas interpretações filosóficas e psicanalíticas sobre essas categorias e suas interfaces no mundo contemporâneo SET > AFRODITE, MEDUSA, HERA E PERSÉFONE Perspectivas filosóficas e psicanalíticas sobre modelos de beleza, maternidade, casamento, mulher guerreira e conflitos com o masculino na mitologia grega. PENSAMENTO set > OXUM, OBÁ, IEMANJÁ E IANSÃ Perspectivas filosóficas e psicanalíticas sobre modelos de beleza, maternidade, casamento, mulher guerreira e conflitos com o masculino na mitologia iorubá OUT > LILITH, EVA E IARA Perspectivas filosóficas e psicanalíticas sobre modelos de beleza, maternidade, casamento, mulher guerreira e conflitos com o masculino nas mitologias judaico-cristã e tupi-guarani. Renato Noguera. Professor adjunto de Filosofia da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ). Doutor em Filosofia pela UFRJ, mestre em Filosofia e Epistemologia da Psicanálise pela Universidade Federal de São Carlos (UFS- Car). Autor de Aprendendo a ensinar: uma introdução aos fundamentos filosóficos da educação. segundas-feiras, ÀS 17H R$ 165 na inscrição + 1 parcela de R$ 165

55 28 Mística e Religião entre hindus, gregos, cristãos e islâmicos ROGÉRIO SOARES DA COSTA 5 AULAS A mística se refere ao contato unitivo do homem com o princípio último de todas as coisas, para além de todo conceito e explicação. A religião, por sua vez, compõe-se de um corpo doutrinal, ritual e moral que advém de uma experiência com o sagrado e conduz, em suas mais altas expressões, a uma imersão no inexprimível. Que relações podem existir entre essas duas vias, uma vez que a mística se mostra como um caminho que ultrapassa qualquer formulação doutrinária? Esse curso pretende explorar algumas respostas a essa pergunta central, a partir da apresentação das relações estabelecidas concretamente nas místicas hindu, grega, cristã e islâmica SET > A sabedoria do silêncio: o que é mística? OUT > Os Himalaias do Espírito OUT > A Contemplação do Uno OUT > O Inefável e os Nomes de Deus OUT > O Nicho das Luzes ROGÉRIO SOARES DA COSTA. Professor do Departamento de Filosofia da PUC-Rio e doutor em Filosofia pela mesma instituição. Pesquisador de pós-doutorado na Uerj. Pesquisa nas áreas de filosofia e história da ciência, metafísica, epistemologia, filosofia da natureza, filosofia antiga e medieval e religião comparada. PENSAMENTO SEGUNDAS-FEIRAS, ÀS 20H R$ 250 na inscrição + 1 parcela de R$ 250

56 29 Paixões humanas e política em Espinosa e Hobbes Delmo Mattos E Renato Nunes Bittencourt 4 AULAS Na sociedade contemporânea, os acontecimentos diários decorrentes de violência, injustiça e individualização, assim como seus efeitos na esfera coletiva e individual, carecem de uma reflexão mais contundente para que se encontre soluções plausíveis. Nesse contexto, tanto do pensamento de Espinosa ( ) quanto do de Thomas Hobbes ( ), apesar da distância no tempo, emergem soluções e reflexões para essas questões. PENSAMENTO out > Hobbes e as paixões naturais na constituição DA natureza humana As paixões humanas e a luta pelo poder, o medo da morte e a luta de todos contra todos no estado de natureza. Liberdade e preservação da vida. A guerra e a busca da paz. Delmo Mattos out > Espinosa e as paixões como motores da política O medo a serviço do poder tirânico, a alegria e o amor como elementos agregadores da multidão em sua luta por justiça social Renato Nunes Bittencourt out > Hobbes e a unidade política do Estado máquina Multidão, violência e ausência de limites. Abdicação de direitos e formação da unidade política. Representação, consentimento e autoridade política. A paz e a segurança na sociedade civil. Delmo Mattos out > Espinosa e o papel das superstições na política A influência da teologia dogmática na práxis política e a intolerância religiosa (uma questão extemporânea). Renato Nunes Bittencourt Delmo Mattos. Doutor em Filosofia pela UFRJ. Professor da FGV-RJ e da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ). Membro do núcleo estruturante do grupo de trabalho Hobbes, da Associação Nacional de Pós-Graduação em Filosofia (Anpof). Autor de O problema da liberdade e a liberdade como problema em Thomas Hobbes. Renato Nunes Bittencourt. Doutor em Filosofia pela UFRJ. Professor do Curso de Especialização em Pesquisa de Mercado e Opinião da Uerj. QUARTAS-FEIRAS, ÀS 20H R$ 200 na inscrição + 1 parcela de R$ 200

57 30 Depressão ou tristeza? Sobre a Dor de existir SANDRA NISKIER FLANZER 4 AULAS Sob que formas um sujeito manifesta a sua dor? Como diferenciar, à luz da psicanálise, tristeza, depressão e dor? Há diversas maneiras de lidar com a dor, cada vez mais escamoteadas. A dor se refere sempre a uma perda fundamental, e é, por vezes, tão inevitável quanto necessária (quando se trata da dor de existir ). Em seu ensaio Luto e melancolia, Freud distingue uma perda vivida como luto de outra, que permanece sem elaboração, denominada melancolia. A tristeza vivenciada pela ausência de um objeto difere da prostração e da apatia advindas de uma posição na qual nada é capaz de afetar o sujeito, um esvaziamento do eu, um furo cavado por onde a vida escoa. Essas noções serão abordadas à luz de alguns trechos da obra de Clarice Lispector, que, como ninguém, soube expressar a dor de existir OUT > Conceitos fundamentais da psicanálise Freud e Lacan numa abordagem sobre a dor OUT > Depressão ou Tristeza? Seria a depressão uma dor ou uma ausência de dor? OUT > Melancolia O nada para além da moldura vazia. PENSAMENTO OUT > Sobre a Dor de existir Uma visão histórica sobre o termo, auxiliada pela literatura de Clarice Lispector. SANDRA NISKIER FLANZER. Psicanalista. Mestre e doutora em Teoria Psicanalítica pela UFRJ. Autora dos livros a pa-lavra e Por um, segundo. SEXTAS-FEIRAS, ÀS 19h30 R$ 200 na inscrição + 1 parcela de R$ 200

58 31 Walter Benjamin: literatura e modernidade MARCELA OLIVEIRA 4 AULAS Walter Benjamin formulou seu pensamento filosófico em contato com obras de arte, através de ensaios e críticas literárias. Esse curso vai apresentar suas análises da modernidade elaboradas em suas leituras das obras de Baudelaire, Proust e Brecht OUT > Pobreza de experiência na modernidade OUT > As correspondências na poesia lírica de Baudelaire OUT > O tempo entrecruzado no romance de Proust OUT > A suspensão no teatro épico de Brecht PENSAMENTO Marcela Oliveira. Professora do Departamento de Filosofia da PUC-Rio, onde se formou doutora e mestre, atuando na graduação e na pós-graduação com especialização em Arte e Filosofia. Possui graduação em Jornalismo pela UFRJ. Desenvolve estudos em filosofia contemporânea, estética e teoria do teatro. SEXTAS-FEIRAS, ÀS 19H30 R$ 200 na inscrição + 1 parcela de R$ 200

59 32 JUSTIÇA: Do sentimento à ideia JÚLIO POMPEU 4 AULAS O que é a justiça? Esta pode parecer uma pergunta sem importância, pois quer tenhamos uma resposta ou não para ela, o fato é que muitas vezes vemos e sofremos coisas que chamamos de injustiça. Um sentimento ora de raiva, ora de impotência, outras vezes de indignação, uma estranha sensação de que algo está fora do lugar, de que as coisas não deveriam ser daquela maneira. A justiça seria a correção desses sentimentos ruins. Para além de um sentimento, será que podemos compreender o que é o justo e o injusto em nossa existência? Esse curso apresentará ideias antigas e modernas sobre a justiça, do sentimento à ideia, sob o olhar da filosofia OUT > A justiça na natureza segundo os antigos OUT > A justiça nas leis e nos homens: Platão e Aristóteles OUT > As razões da justiça: Habermas e Rawls OUT > A justiça feita pelos juristas: Bourdieu JÚLIO POMPEU. Professor do Departamento de Direito da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) e doutorando em Psicologia na mesma instituição. Mestre em Direito pela PUC-Rio. Autor de Somos maquiavélicos: o que Maquiavel nos ensinou sobre a natureza humana. É coautor, com Clóvis de Barros Filho, de A filosofia explica as grandes questões da humanidade. PENSAMENTO SEGUNDAS-FEIRAS, ÀS 20H R$ 220 na inscrição + 1 parcela de R$ 220

60 33 O PRÓLOGO DE ZARATUSTRA, DE NIETZSCHE Leandro Chevitarese 3 AULAS Assim falou Zaratustra é considerada a obra-prima de Nietzsche. Esse curso pretende apresentar algumas das principais noções presentes nessa obra do autor, a partir de uma leitura de seu Prólogo. Serão tematizadas questões como a morte de deus, o niilismo, o super-homem, o último-homem, a transvaloração dos valores e a genealogia da moral OUT > O presente de Zaratustra e a Morte de Deus OUT > Os discursos sobre o Super-homem e o Último Homem OUT > O Equilibrista e os companheiros de Zaratustra PENSAMENTO Leandro Chevitarese. Doutor em Filosofia pela PUC-Rio. Professor adjunto de Filosofia do Departamento de Educação e Sociedade da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ) e professor convidado da Especialização em Filosofia Contemporânea da PUC-Rio. QUINTAS-FEIRAS, ÀS 20H R$ 165 na inscrição + 1 parcela de R$ 165

61 34 A MORTE DO HOMEM E O ALÉM-HOMEM AUTERIVES MACIEL JÚNIOR 8 AULAS A morte do homem anunciada por Nietzsche e analisada por Michel Foucault é um acontecimento pouco explorado pela filosofia contemporânea. Entretanto, o mundo atual coloca em evidência as consequências desse evento, ao mostrar subjetividades e formas de vida não mais regidas pelos valores que orquestravam o humanismo moderno. Assistimos ao advento de vidas pós-humanas incrementadas pelas ciências e tecnologias que anunciam uma nova era, com novos poderes, novas subjetividades e novos estilos de vida: a era cyborg. O curso analisa o declínio da forma homem e o surgimento de vidas pós-humanas, cuja principal característica é a hibridização do orgânico com a máquina OUT > O DECLÍNIO DA FORMA-HOMEM E O ADVENTO DO ALÉM-HOMEM Nietzsche e a superação do humano. Foucault e a morte do homem NOV > A MORTE DO HOMEM E O SUPER-HOMEM, SEGUNDO DELEUZE O advento de subjetividades pós-humanas NOV > DA SOCIEDADE DISCIPLINAR AO CONTROLE As várias faces da pós-humanidade no mundo contemporâneo NOV > BIOTECNOLOGIA E PODER NO NOSSO FUTURO PÓS-HUMANO A era das próteses e o surgimento de novas tecnologias de poder. PENSAMENTO NOV > O MANIFESTO CYBORG DE DONNA HARAWAY A era cyborg segundo Toni Negri: um novo cenário político DEZ > AS TECNOLOGIAS DO SEXO E A DESNATURALIZAÇÃO DA SEXUALIDADE O dispositivo da sexualidade e as práticas contrassexuais segundo Michel Foucault DEZ > BIOPODER E POLÍTICA CYBORG EM FOUCAULT, NEGRI E HARAWAY Poder e resistência na era pós-humana DEZ > AS TECNOLOGIAS DE SI E O SURGIMENTO DO ALÉM-HOMEM Novos estilos de vida. AUTERIVES MACIEL JÚNIOR. Professor de Filosofia da UFF e da PUC-Rio. Mestre em Filosofia pela Uerj e doutor em Teoria Psicanalítica pela UFRJ. É autor de Os pré-socráticos: a invenção da razão. QUARTAS-FEIRAS, ÀS 17H R$ 200 na inscrição + 3 parcelas de R$ 200

62 35 Convivendo com pessoas difíceis Como traços subclínicos interferem nos relacionamentos interpessoais RICARDO KRAUSE 4 AULAS Sartre disse que o inferno são os outros, mas há quem exagere e leve essa definição ao extremo. Em tempos de redefinição dos parâmetros de convivência, há quem se destaque por ser difícil de lidar. O limite sutil entre o exagerado e o patológico nos traços de personalidade é o objeto de estudo desse curso, cujo mote é a questão: de que maneira o entendimento da dinâmica por trás dos sintomas pode nos ajudar a compreender melhor aqueles que nos incomodam? PENSAMENTO nov > Oh, dia! Oh, vida! Oh, azar! O que terá acontecido com a boa e velha tristeza? De que maneira a dificuldade de adaptação às exigências e ao novo ritmo da vida se transformaram em diagnóstico a ser medicado? A felicidade obrigatória e seus dissidentes: desanimados, mal-humorados e pessimistas DEZ > Você sabe com quem está falando? Os que se julgam merecedores de atenção e privilégios especiais e se ressentem quando não os recebem. A explosão dos vips. Celebridades e subcelebridades. Facebook, Twitter e a evasão de privacidade. Richard Sennet e o declínio do homem público DEZ > Cada coisa no seu lugar Os síndicos de si mesmos e suas ambições perfeccionistas de mundo. O pavor à desordem e ao imprevisto. A dificuldade de confiar no outro. A insatisfação permanente dos obcecados por horários, tabelas e metas. O dia a dia inflexível do espectro obsessivo DEZ > O Diabo veste P (de pequeno) Crianças malcomportadas precisam de diagnóstico? De que maneira as novas configurações familiares comprometem o exercício do limite? Que tipos de mau comportamento infantil requerem atenção especializada? O que o comportamento dos pais tem a ver com tudo isso? RICARDO KRAUSE. Médico especialista em Psiquiatria e Psiquiatria da Infância e Adolescência pela Associação Brasileira de Psiquiatria. Membro da Associação Americana de Psiquiatria e da Academia Americana de Psiquiatria da Infância e Adolescência. Médico assistente do Setor de Psiquiatria da Infância da Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro. SEXTAS-FEIRAS, ÀS 19H30 R$ 240 na inscrição + 1 parcela de R$ 240

63 36 Uma reflexão sobre o amor Eros e liberdade Regina Schöpke 3 AULAS Schopenhauer dizia que o amor não era algo humano e sim um artifício que a natureza inventou para se perpetuar. Nietzsche, seguindo uma linha semelhante, afirmava que o amor é a espiritualização da paixão ou da sensualidade, querendo com isso dizer que o homem diviniza, eleva, dá contornos de grandeza ao desejo. Carnal ou espiritual, natural ou inventado, o que é o amor? É um sentimento que une os seres ou uma força transgressora que pode ameaçar o equilíbrio e a ordem social, se não for contido no casamento? Eros e Liberdade: o que se ganha e o que se perde do eu na relação com o outro? Esse curso discutirá as definições de amor na filosofia e na literatura; as diferentes formas de amor: o amor carnal, o amor espiritual, o amor cristão, a amizade; o amor como força transgressora e política; e as formas de captura do amor pelos poderes estabelecidos DEZ > Amor x Paixão: o paradoxo do desejo e a espiritualização DA carne DEZ > Eros e Liberdade: o amor como transgressão DEZ > O Eu e o Outro: o amor como elo de união, mas também COMO captura do ser Regina Schöpke. Doutora em Filosofia pela Unicamp, mestra em Filosofia pela UFRJ e em História Medieval pela UFF. É colaboradora dos jornais O Globo e O Estado de S. Paulo, com mais de 100 artigos publicados. Autora dos livros Por uma filosofia da diferença: Gilles Deleuze, o pensador nômade, Matéria em movimento: a ilusão do tempo e o eterno retorno e Dicionário filosófico; e tradutora de mais de 20 obras de filosofia. QUARTAS-FEIRAS, ÀS 20H R$ 150 na inscrição + 1 parcela de R$ 150

64 história, ciências e atualidade

65 37 Os Bourbons, uma dinastia europeia FRANCISCO VIEIRA 4 AULAS Símbolo de absolutismo, a dinastia dos Bourbons deu à França momentos gloriosos de sua história. Além de traçar as fronteiras atuais do país, construiu símbolos de poder como Versalhes e foi testemunha e agente de momentos decisivos para a história da humanidade, e trágicos para a dinastia, como a Revolução Francesa. Mas essa família ainda voltaria ao poder na França com a rebelião burguesa de 1830, com Luís Filipe, apelidado de Rei Burguês. E outros ramos da família ajudariam a escrever a história da Espanha, onde ainda reina, e da Itália. Vamos conhecer de perto personagens como Luís XIV e Luís XVI, da França, Carlos III, da Espanha, e alguns ligados à história do Brasil, como Carlota Joaquina, a imperatriz Thereza Cristina e o Conde d Eu AGO > Das origens ao trono da França AGO > De Luís XIV ao rei burguês Luís Filipe AGO > Os Borbóns em Madri set > Os Borboni de Nápoles, de Parma e do Luxemburgo FRANCISCO VIEIRA. Doutor em História Social pela UFF e pesquisador no Centro de Documentação da Rede Globo de Televisão. SEXTAS-FEIRAS, ÀS 17H R$ 220 na inscrição + 1 parcela de R$ 220 História, Ciências e atualidade

66 38 IMPRENSA E MÍDIA NA ERA DIGITAL PEDRO DORIA 3 AULAS A imprensa é, há décadas, arena de reverberação das ideias e dos clamores da sociedade. A atividade jornalística se consolidou como canal de interlocução entre a sociedade civil, as instituições e os poderes tanto que chegou a ser chamada, talvez exageradamente, de quarto poder. Todos somos impactados pela imprensa, de alguma forma e em alguma medida, seja como cidadãos comuns, seja como protagonistas em organizações de diversas naturezas. Em meio à acelerada profusão de informações, como se informar melhor? Quais os riscos envolvidos? Esse curso aborda as recentes transformações da imprensa e mostra como o jornalismo tem se adaptado a tais mudanças, tanto como meio de informação quanto como empresa ago > JORNALISMO: O QUE É, COMO FUNCIONA? Do século XVIII ao XXI, a invenção do jornalismo. Como funciona o negócio. Os gêneros: diferenças entre reportagem, matéria, feature, crônica, coluna, artigo. A hierarquia numa redação. Um dia na vida de uma redação contemporânea. História, Ciências e atualidade AGO > DEMOCRACIA E INTERNET Como funciona uma democracia? A relação entre jornalismo e política. A importância da informação e do debate numa democracia. Dos anos 60 até hoje, a evolução da internet. Os dois conflitos eternos: liberdade de expressão x privacidade; informação verdadeira x informação falsa SET > A IMPRENSA HOJE A reinvenção do negócio. A pressão bolivariana sobre a imprensa na América Latina. Polarização política. As redes sociais entram na disputa. A fronteira entretenimento x jornalismo. PEDRO DORIA. Editor executivo e colunista do jornal O Globo. Foi editor-chefe de conteúdos digitais de O Estado de S. Paulo e colunista da Folha de S.Paulo. Foi um dos fundadores dos sites NO. e NoMínimo. É autor de sete livros, entre eles, 1565: enquanto o Brasil nascia e TERÇAS-FEIRAS, ÀS 20H R$ 150 na inscrição + 1 parcela de R$ 150

67 39 A Crise do Sonho Americano Maurício Santoro 4 AULAS A crise financeira global teve no estouro da bolha imobiliária nos Estados Unidos, em 2008, o seu estopim. E esse foi um fator decisivo na eleição de Barack Obama o primeiro negro a se tornar presidente do país, com uma plataforma organizada em torno da mudança. Os últimos anos foram marcados, nos Estados Unidos, por duros embates que colocaram em xeque a crença em oportunidades relativamente igualitárias de ascensão social, levando ao questionamento do sistema político. Por que o sonho americano está em crise? Os dados socioeconômicos são, de fato, tão ruins? Quais as perspectivas para o país nos próximos anos? set > Somos os 99% O movimento Occupy Wall Street colocou no centro do debate político norte-americano o tema da desigualdade. A distância entre classes sociais nos Estados Unidos cresce de maneira constante desde o fim da década de 70 essa aula discutirá as várias explicações e as polêmicas sobre quais políticas públicas devem ser implementadas para lidar com o problema set > Democratas, republicanos e descontentes O sistema bipartidário tem enfrentado críticas crescentes de movimentos sociais de vários espectros ideológicos, do Occupy Wall Street ao Tea Party; e a polarização entre democratas e republicanos levou o país a impasses perigosos em questões como dívida pública, pacotes de estímulo à economia e reforma da política de saúde. É possível reformar os grandes partidos ou ver surgir novas siglas influentes? set > O Mal-Estar na Cultura A economia vai mal, mas os Estados Unidos vivem uma era de ouro na televisão, com diversas séries de excelente qualidade. Como o tema da crise é retratado em produções como Breaking Bad, Homeland, House of Cards? Ou na nostalgia irônica pela década de 60, em Mad Men? E como o tema aparece na literatura e no cinema? História, Ciências e atualidade set > Em Busca da Doutrina Obama Em política externa, a crise tem sido marcada pelos esforços do governo norte-americano em terminar as longas e impopulares guerras do Afeganistão e Iraque; pelas polêmicas em torno dos direitos humanos na prisão de Guantánamo e do uso de drones; pelas dificuldades em lidar com as revoltas da Primavera Árabe e com uma Rússia mais assertiva; e pelas consequências internacionais da turbulência econômica. Existe uma doutrina Obama na diplomacia, com uma resposta coerente a esses desafios? >

68 MAURÍCIO SANTORO. Jornalista e cientista político. Assessor de Política Externa e Direitos Humanos da Anistia Internacional Brasil. Doutor em Ciência Política pelo Instituto Universitário de Pesquisas do Estado do Rio de Janeiro (Iuperj). Lecionou em várias instituições no Brasil (FGV, PUC, Universidade Candido Mendes, Academia Militar das Agulhas Negras), nos Estados Unidos (New School University, Nova York) e na Argentina (Universidad Torcuato di Tella, Buenos Aires). Autor do livro Ditaduras contemporâneas. SEXTAS-FEIRAS, ÀS 19H30 R$ 200 na inscrição + 1 parcela de R$ 200 História, Ciências e atualidade

69 40 QUEM EDUCA? OS PAIS, A ESCOLA E AS NOVAS FORMAS DE SUBJETIVAÇÃO CÉSAR MUSSI IBRAHIM 4 AULAS A família atual vem progressivamente transferindo para a escola uma parte significativa da educação dos filhos. O fenômeno da terceirização da educação produz novas formas de subjetivação. Haveria uma pressuposição dos pais de que caberia a outras instâncias sociais o exercício da autoridade sobre a prole? Esse curso discutirá os efeitos dessa omissão da família sobre o psiquismo da criança e do jovem na atualidade set > PRIMEIRA AULA A função da contenção dos impulsos primários. A visão freudiana da travessia da animalidade à condição humana set > SEGUNDA AULA A internalização compulsória das interdições civilizatórias. A incompatibilidade entre amor e civilização set > TERCEIRA AULA O papel transferencial do educador. As funções paterna e materna desempenhadas pela escola. As expectativas idealizadas da família em relação à escola set > QUARTA AULA A recusa à aprendizagem como desaceleração do desenvolvimento emocional. A omissão e a permissividade como agentes de entorpecimento diante da aquisição do conhecimento. CÉSAR MUSSI IBRAHIM. Psicanalista especializado em Terapias de Família e de Adolescentes e professor na PUC-Rio. Mestre em Psicologia pela mesma instituição. TERÇAS-FEIRAS, ÀS 20H R$ 240 na inscrição + 1 parcela de R$ 240 História, Ciências e atualidade

70 41 uma introdução À TEORIA DO CAOS MARCELO VIANA 3 AULAS O bater das asas de uma borboleta no Brasil pode iniciar um tornado no Texas?, questionou o meteorologista Edward Lorenz, em um artigo publicado em A metáfora proposta por Lorenz ilustra um paradigma fundamental da Teoria do Caos: pequenas diferenças nas condições iniciais de um sistema dinâmico podem provocar resultados inesperados em longo prazo. Longe de ser uma ciência da desordem, a Teoria do Caos busca reter a previsibilidade da natureza ao estabelecer padrões de organização por trás de uma aparente casualidade. Nesse curso, um dos maiores especialistas em sistemas dinâmicos do país propõe uma introdução à Teoria do Caos e discute os principais aspectos e aplicações desse recente campo de estudo SET > TEORIA DO CAOS I SET > TEORIA DO CAOS II out > TEORIA DO CAOS III História, Ciências e atualidade MARCELO VIANA. Graduado em Matemática pela Universidade do Porto, Portugal, é doutor em Sistemas Dinâmicos pelo Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada (IMPA), instituição na qual é pesquisador titular. É presidente do Conselho Gestor do Mestrado Profissional em Matemática em rede nacional, vice-presidente da União Matemática Internacional e presidente da Sociedade Brasileira de Matemática. É membro titular da Academia Brasileira de Ciências e da Academia de Ciências para o Mundo em Desenvolvimento. QUARTAS-FEIRAS, ÀS 20H R$ 150 na inscrição + 1 parcela de R$ 150

71 42 AS GRANDES NAÇÕES CERVEJEIRAS Origens, características e importância cultural das cervejas JOSÉ RAIMUNDO PADILHA 5 ENCONTROS Onde e como nasceram as cervejas que conhecemos hoje? A bebida alcoólica mais consumida pela humanidade tem uma trajetória que se confunde com a própria história da civilização. Para compreender a cerveja também como produto cultural, e não apenas alimentício, esse curso apresentará os principais estilos de cervejas agrupados pelas escolas cervejeiras que os conceberam. E explorará diferenças sensoriais por meio de degustações e harmonizações com cervejas artesanais brasileiras e importadas, contextualizando o momento e as condições em que foram criadas. O último encontro será uma visita guiada à fábrica da Bohemia, em Petrópolis (RJ), onde fica o Museu da Bohemia, o maior centro de experiência cervejeira do país. Inclui transporte (saindo da Casa do Saber Rio O Globo), palestra e almoço harmonizado. O passeio será realizado no sábado (01/11) out > Escola Alemã: rigor técnico e amor pela cerveja out > Escola Belga: prazeres e sabores intensos out > Escola Inglesa: escuras, amargas e deliciosas out > Estados Unidos e Brasil: o novo mundo e o Renascimento DA cerveja Artesanal nov > visita guiada à fábrica da Bohemia (O PASSEIO OCORRERÁ NO SÁBADO) JOSÉ RAIMUNDO PADILHA. Publicitário formado pela PUC-Rio, consolidou sua formação em cerveja como sommelier de cervejas pela Doemens Akademie, na Alemanha. Representou o Brasil em concurso internacional de sommelier de cerveja. Especializou-se em introduzir o público iniciante no universo das cervejas especiais. Criador da Delirium Akademie, dedicada ao estudo da bebida. Colunista independente, autor do site Sommelier de Cervejas e sommelier de cervejas do The Beer Planet. História, Ciências e atualidade TERças-feiras, às 20h R$ 200 na inscrição + 1 parcela de R$ 200

72 43 A História dos ESTADOS UNIDOS através do cinema FRANCISCO VIEIRA 6 AULAS Arte por excelência do século XX, o cinema é um meio eficaz de comunicação de massa, além de ser formador de opinião. Ao se tornar um contador de histórias com aventuras, romances, dramas e epopeias, fictícias ou reais o cinema ajudou a construir a nacionalidade dos Estados Unidos, um país novo, dividido. E como a sétima arte contou a trajetória dessa poderosa nação aos norte-americanos e ao mundo? Fiel à realidade? Como uma fantasia idealizada do passado? Como versão conveniente para alguns? A cada encontro, serão exibidos trechos de filmes que nos ajudarão a percorrer, e compreender, diferentes momentos da história norte-americana out > A Colonização out > A Independência e a expansão out > A Escravidão e a Guerra Civil out > A Grande depressão nov > Da segunda Guerra mundial à guerra fria nov > A Guerra do Vietnã e a revolução de costumes História, Ciências e atualidade FRANCISCO VIEIRA. Doutor em História Social pela UFF e pesquisador no Centro de Documentação da Rede Globo de Televisão. SEXTAS-FEIRAS, ÀS 17H R$ 220 na inscrição + 2 parcelas de R$ 220

73 44 ISLÃ: Religião, Civilização e Política Paulo Gabriel Hilu 4 AULAS A partir de um enfoque antropológico, esse curso pretende apresentar a formação do islã e sua expansão como religião universal e como civilização. Nesse trajeto, serão analisadas as diferentes configurações religiosas e culturais ligadas ao sunismo, ao xiismo e ao sufismo; as reformas religiosas nos séculos XIX e XX; e a emergência de fenômenos contemporâneos no mundo muçulmano out > A Formação da Tradição Islâmica Apresentação: o mundo muçulmano. O profeta e a profecia. Os textos sagrados. Os rituais. A expansão do islã e a formação da civilização islâmica out > As Correntes Religiosas O sunismo. O xiismo. O sufismo. Os impérios muçulmanos nov > Reforma e Politização: Séculos XIX e XX O contexto histórico: mudanças tecnológicas e imperialismo europeu. O modernismo islâmico. A reforma sufi. A Salafiyya (modernismo tradicionalista). A Irmandade Muçulmana e o islã político nov > Globalização, Militância e Individuação: Séculos XX e XXI Globalização do islã: missionários e migrações. Ascensão e declínio do islã político: da Revolução Iraniana à reforma do indivíduo. Individuação das crenças e práticas do islã. O liberalismo islâmico. O Jihadismo globalizado: do Afeganistão ao 11 de Setembro. Tendências contemporâneas. PAULO GABRIEL HILU. Historiador e antropólogo. Formado em História pela UFF, onde também cursou o mestrado. Doutor em Antropologia pela Boston University, Estados Unidos. Professor do Departamento de Antropologia e diretor do núcleo de estudos sobre o Oriente Médio da UFF. Autor de Islã, religião e civilização: uma abordagem antropológica, entre outros livros. Coautor de Ethnographies of Islam: Ritual Performances and Everyday Practices. História, Ciências e atualidade TERÇAS-FEIRAS, ÀS 20H R$ 220 na inscrição + 1 parcela de R$ 220

74 45 O homem e o planeta Terra: um casamento em crise SÉRGIO BESSERMAN 4 AULAS O crescimento populacional, o desmatamento, o uso de combustíveis fósseis, a construção desordenada de metrópoles. Essas e outras ações do homem, pautadas pelo crescimento econômico, vêm agredindo, ao longo dos séculos, o meio ambiente em escala global. O curso propõe analisar o impacto da ação do homem no planeta Terra, observando a crise da biodiversidade e o aquecimento global, além de discutir caminhos para o enfrentamento desse desafio out > A crise de biodiversidade: as grandes extinções NA história do planeta nov > A mudança global do clima: O aquecimento global E seus impactos nov > O desenvolvimento insustentável: agressões ao ECOSSISTEMA global e a geopolítica no século XXI nov > Uma nova civilização: a consciência, os desafios DA história e os problemas éticos do século XX História, Ciências e atualidade SÉRGIO BESSERMAN. Professor de Economia Brasileira na PUC-Rio. Foi presidente do IBGE, onde lançou, entre outras publicações, Indicadores de desenvolvimento sustentável e Glossário do meio ambiente. Foi diretor de Planejamento de Meio Ambiente do BNDES e participou, como membro da missão diplomática brasileira, das Conferências das Partes da Convenção Mundial do Clima. Preside a Câmara Técnica de Desenvolvimento Sustentável e de Governança Metropolitana da Cidade do Rio de Janeiro. É comentarista da GloboNews e da CBN. QUARTAS-FEIRAS, ÀS 20H R$ 200 na inscrição + 1 parcela de R$ 200

75 46 INTRODUÇÃO AO MUNDO DA CACHAÇA Agostinho Lima Novo 3 AULAS A cachaça está para o Brasil assim como a vodca está para a Rússia, o uísque para a Escócia e o saquê para o Japão: além de bebida alcóolica, é um símbolo do país. Podemos encontrar alusões à cachaça em vários segmentos da nossa cultura, como na música e na literatura. É o terceiro destilado mais vendido no mundo e a segunda bebida mais consumida no Brasil. O nascimento, a evolução e o reconhecimento da cachaça se confundem com a própria história do país. A cachaça serviu de moeda em troca de escravos, substituiu a bagaceira vinda de Portugal, criou crises no governo provincial e acabou virando presente de presidentes da República. Esse curso pretende fornecer não apenas uma visão da história dessa bebida, e informar os tipos comercializados, como também os critérios para identificar e avaliar uma cachaça de qualidade. Por fim, serão explicados os rituais de degustações, as técnicas para organizar uma degustação e a análise sensorial. Todos os módulos serão finalizados com uma degustação orientada e, no último, uma avaliação técnica complementará o conhecimento do aluno out > História da cachaça Como começou e sua trajetória. Processos de produção: da cana-deaçúcar à garrafa. Degustação orientada de cachaças brancas. Rituais nov > Tipos de cachaças comercializadas: CARACTERÍSTICAS e diferenças Comercialização da cachaça Mercado interno e exportação. Harmonização Drinques e pratos. Degustação orientada de cachaças envelhecidas Tipos de degustação nov > Análise sensorial Conceituação. Treinamento de olfato. Mapeamento dos sabores. Teste randômico. Avaliação técnica final. Agostinho Lima Novo. Sommelier e consultor de cachaça, autor do livro Viagem ao mundo da cachaça e coautor de Cachaça na cozinha, fundador da Cúpula da Cachaça, em São Paulo, moderador de membro da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva da Cachaça no MAPA, em Brasília. Autor do aplicativo Cachaça Brasil para a Apple. Coordenou o maior ranking de cachaças do país em História, Ciências e atualidade QUINTAS-FEIRAS, às 20H R$ 150 na inscrição + 1 parcela de R$ 150

76 47 A Moda brasileira no século XXI principais fenômenos, acontecimentos, players e perspectivas Paula Acioli, Marcia Disitzer e Vanessa Barone 3 AULAS A moda brasileira é hoje não apenas uma das maiores traduções do estilo de vida no Brasil, como também um importante produto de exportação. O conhecimento do contexto mundial e de seus impactos no país, além dos momentos- -chave no processo de formação e desenvolvimento da moda nacional, é fundamental para a compreensão de muitos dos fenômenos que determinam o cenário tão particular de uma das mais valorizadas atividades da indústria criativa do país. Ministrado por três especialistas no assunto, esse curso discutirá temas relevantes, como o contexto internacional e seus impactos na moda do Brasil; a trajetória da moda brasileira; a importância da moda praia e da periferia; as mudanças sociais e comportamentais; o cenário atual e seus principais players. História, Ciências e atualidade out > Hemisfério Norte, fast-fashion, novelas e Gisele Bündchen. Afinal, O QUE dita A moda no Brasil? Como o contexto internacional influencia a moda nacional, os fenômenos da moda no mundo e seus impactos no Brasil. A importância de Gisele Bündchen, das telenovelas, da formação dos conglomerados de moda e do fast-fashion no processo de evolução da moda brasileira. Paula Acioli nov > Moda brasileira à moda do Brasil. Qual é a nossa praia? O surgimento dos estilistas, o nascimento das semanas de moda. A moda brasileira se organiza. Fashion Rio e São Paulo Fashion Week. A moda praia e a moda da periferia são a praia do Brasil? Marcia Disitzer nov > Novos hábitos. Nova moda. O novo Brasil. O que mudou NO consumo de moda no Brasil? Uma nova classe consumidora. Um novo homem. Um novo Brasil. Novos comportamentos. Um novo perfil para o consumo de moda no Brasil. Análise do cenário atual, possibilidades e perspectivas. Vanessa Barone

77 Paula Acioli. Mestre em Moda, Cultura e Artes, bacharel em Design e Comunicação Visual pela UFRJ e especialista em Moda pelo London College of Fashion. Idealizadora e coordenadora acadêmica do curso de Gestão de Negócios no Setor da Moda da FGV. Dirige a PA/Profashional Escritório de Consultoria. Autora dos livros 30 estilistas: à moda do Rio; 45 livros de moda que você não pode deixar de ler; A seda e a chita; e A menina que conversava com as roupas. Marcia Disitzer. Bacharel em Jornalismo pela UFRJ. Editora de moda dos jornais Brasil Econômico e O Dia. Autora dos livros Um mergulho no Rio e A moda como ela é; e coautora, com Lenny Niemeyer, de Delícia receber. Docente de Cultura de Moda Brasileira no curso de Gestão de Negócios no Setor da Moda da FGV. Vanessa Barone. Bacharel em Jornalismo pela PUC-SP. Jornalista de moda e comportamento do jornal Valor Econômico. Colunista das revistas Status Menu e IstoÉ. Autora do livro Descomplique Um guia de convivência e elegância. Docente de Cultura de Moda Brasileira no curso de Gestão de Negócios no Setor da Moda da FGV e de Jornalismo de Moda no Instituto Europeu de Design. QUINTAS-FEIRAS, ÀS 20H R$ 150 na inscrição + 1 parcela de R$ 150 História, Ciências e atualidade

78 48 OS VILÕES DA BÍBLIA LEANDRO KARNAL 2 AULAS O texto da Bíblia define as mais altas aspirações morais do Ocidente judaicocristão. Porém, na vastidão cronológica de sua narrativa, surgem diversas personagens malévolas. Os vilões da Bíblia são tão fundamentais quanto seus aclamados heróis. Há muitas personagens que, ao fazerem ações contrárias ao plano de Deus, constituem a sombra necessária para tornar a Bíblia um relato sobre o Bem e os Bons. Sem que essas figuras notáveis, ficaria uma lacuna absoluta na compreensão do livro mais influente da história out > A maldade no Antigo Testamento: Lúcifer, Caim E toda A sua quadrilha nov > O mal que ronda Jesus: traidores no Novo Testamento LEANDRO KARNAL. Historiador. Doutor em História Social pela USP. Autor, entre outros livros, de Teatro da fé: representação religiosa no Brasil e no México do século XVI; História na sala de aula; e História dos Estados Unidos: das origens ao século XXI. SEXTAS-FEIRAS, ÀS 19h30 R$ 120 na inscrição + 1 parcela de R$ 120 História, Ciências e atualidade

79 49 Um panorama da Economia Mundial Pós-Guerra Fria Luiz Carlos Delorme PRADO E EDUARDO PINTO 4 AULAS O curso apresentará uma visão panorâmica da história econômica mundial pós-guerra Fria. O historiador Eric Hobsbawm considerou o século XX um século curto, que se estendeu da Primeira Guerra Mundial ao fim do socialismo real, no início dos anos 90. Nessa linha, o século XXI teria começado com o fim da União Soviética, em dezembro de Nesse sentido, esse conjunto de palestras pode ser encarado como uma introdução à história econômica do século XXI out > A Economia Mundial no fim do Século XX A vitória norte-americana na Guerra Fria: as implicações econômicas do fim do socialismo real; O apogeu do (neo)liberalismo no centro; O apogeu do (neo)liberalismo na periferia: as políticas de reforma e ajuste estrutural. LUIZ CARLOS DELORME PRADO nov > A Ascensão da Ásia Japão: do crescimento à estagnação; Do boom à crise: a economia dos Tigres Asiáticos na década de 90; A ascensão da China. LUIZ CARLOS DELORME PRADO E EDUARDO PINTO nov > A Economia Mundial: das Torres Gêmeas à Crise do SubprimE Expansão e consolidação da União Europeia; A crise das negociações multilaterais e os limites da globalização; Pós-neoliberalismo nas Américas; A economia norte-americana e as raízes da crise econômica. LUIZ CARLOS DELORME PRADO nov > A Grande Recessão: A Economia Mundial desde 2008 A crise do subprime nos Estados Unidos; A crise do euro; A economia chinesa e seu impacto na economia mundial; Os outros BRICs; Para onde vai o capitalismo? O debate sobre o capitalismo no século XXI. LUIZ CARLOS DELORME PRADO História, Ciências e atualidade >

80 LUIZ CARLOS DELORME PRADO. Graduado em Economia e Direito. Ph.D em Economia pela Universidade de Londres. Professor do Instituto de Economia da UFRJ. Foi conselheiro do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) e diretor-presidente do Centro Internacional Celso Furtado de Políticas para o Desenvolvimento. EDUARDO PINTO. Economista. Doutor em Economia pela UFRJ. Mestre em Economia pela UFBA, onde se formou. Diretor de graduação do Instituto de Economia da UFRJ. É co-organizador de A China na nova configuração global: impactos políticos e econômicos. SEXTAS-FEIRAS, ÀS 19h30 R$ 200 na inscrição + 1 parcela de R$ 200 História, Ciências e atualidade

81 50 GRANDES ROTEIROS DE ENOTURISMO PELO MUNDO AMÉRICA DO SUL, PAÍSES ANGLÓFILOS E EUROPA BRUNO AGOSTINI 3 ENCONTROS Apresentação e análise dos principais destinos de turismo relacionados ao vinho para o público brasileiro. Quando, como e por que visitar essas regiões. Quais são as diferenças entre elas e como montar um roteiro independente nov > BRASIL, URUGUAI, CHILE E ARGENTINA nov > ESTADOS UNIDOS, ÁFRICA DO SUL, AUSTRÁLIA E NOVA ZELÂNDIA nov > EUROPA BRUNO AGOSTINI. Jornalista. Editor-assistente do caderno Boa Viagem do jornal O Globo, é especializado em viagens e vinho. Assina, no site do jornal, o blog Enoteca, uma viagem pelo mundo dos vinhos e da comida. SEGUNDAS-FEIRAS, ÀS 20H R$ 150 na inscrição + 1 parcela de R$ 150 História, Ciências e atualidade

82 51 O EGITO ANTIGO UMA INTRODUÇÃO À CIVILIZAÇÃO FARAÔNICA ANTONIO BRANCAGLION JÚNIOR 6 AULAS Há aproximadamente cinco mil anos, o Vale do Nilo testemunhou o desenvolvimento de uma das civilizações mais importantes da história, a egípcia. A monumentalidade de sua arte, a singularidade de sua escrita, a originalidade de sua literatura, as suas crenças no Mundo Divino, habitado por uma multidão de deuses, formam um todo indissociável característico da cultura faraônica. Por meio de documentação textual e material, o objetivo desse curso é mostrar como os recursos naturais e as técnicas, somados às estruturas sociais e políticas e motivados por um conjunto de crenças em uma visão singular do mundo, constituíram a dinâmica do desenvolvimento da civilização egípcia nov > A Dádiva do Nilo: um oásis chamado Egito nov > Deuses e Mitos: o sagrado no Egito Antigo nov > A ARTE EGÍPCIA: O SIMBOLISMO DAS FORMAS nov > O Faraó e a sacralização do poder dez > As palavras divinas : os hieróglifos e a literatura NO Egito Antigo dez > Crenças e práticas funerárias História, Ciências e atualidade ANTONIO BRANCAGLION JÚNIOR. Egiptólogo, com pós-doutorado no Institut Français d Archéologie Orientale du Caire, Egito. É professor de Arqueologia da UFRJ e curador da coleção egípcia do Museu Nacional do Rio de Janeiro (MNRJ). TERÇAS-FEIRAS, ÀS 20H R$ 220 na inscrição + 2 parcelas de R$ 220

83 52 O Indivíduo na Sociedade de Massa Fama, moda, consumo e turismo Maria Claudia Coelho 4 AULAS As teses sobre a modernidade insistem na importância de alguns temas para se compreender o atual momento da história do Ocidente, com sua tensão entre singularidade e massificação, o sentimento de vazio, a procura pelo autêntico. Esse curso parte dessas questões para examinar quatro experiências típicas das sociedades de massa modernas: a fama, a moda, o consumo e o turismo. A proposta é discutir de que forma as grandes questões da modernidade aparecem nesses fenômenos. Que tipo de necessidade impulsiona o desejo de ser uma celebridade? Qual o fascínio que os ídolos exercem sobre os fãs? Por que estar na moda é tão valorizado? De onde vem o anseio pelo consumo? O que torna um lugar turístico? Qual a natureza desse consumo de lugares? Tais experiências, recorrentes nas sociedades de massa, parecem se entrelaçar entre si, formando um mosaico de aspirações que buscam atender a anseios do indivíduo moderno em um esforço para aplacar angústias e vazios. Por essa razão, elas nos convidam a examiná-las de maneira integrada, como estratégia para compreender o que é viver nas modernas sociedades de massa nov > O desejo de ser célebre O tema da singularização. A condição do fã e o drama do anonimato. Idolatria e carisma dez > A tensão entre ser igual e ser diferente A moda como impulso para a diferenciação. Marcas e identidade dez > Consumo e hedonismo A experiência subjetiva do consumo: antecipação x realidade. Consumo e diferenças sociais dez > Viagens turísticas e cultivo de si A curiosidade pelos outros. A busca pela autenticidade. O olhar do turista : o turismo como uma forma de percepção do mundo. História, Ciências e atualidade Maria Claudia Coelho. Antropóloga e professora do Departamento de Ciências Sociais da Uerj. É autora de O valor das intenções Dádiva, emoção e identidade e A experiência da fama Individualismo e comunicação de massa; coautora de Antropologia das emoções; e co-organizadora da coletânea Cultura e sentimentos Ensaios em antropologia das emoções. Quartas-FEIRAS, ÀS 20H R$ 200 na inscrição + 1 parcela de R$ 200

84 53 descobrindo a América do Sul no século XXI PAULO VELASCO 4 AULAS Tão perto e tão longe. Nossos vizinhos são muito menos conhecidos do que deveriam. O curso pretende diminuir essa distância dos países sul-americanos, apresentando e discutindo o momento atual vivido por eles, considerando suas dimensões políticas, econômicas, sociais e culturais. Serão debatidos temas como integração regional, bolivarianismo, democracia, narcotráfico, crescimento econômico, comércio, rivalidades regionais, sempre observando o papel e a posição do Brasil como suposto síndico da região nov > A evolução histórica do espaço sul-americano Das independências até o final do século XX dez > Argentina e Chile Economia, política e relações com o Brasil dez > Equador, Bolívia, Venezuela, Colômbia e Peru As diversidades e características do espaço andino dez > Mercosul e Unasul As possibilidades de integração regional. História, Ciências e atualidade Paulo Velasco. Doutor em Ciência Política (Iesp/Uerj) e mestre em Relações Internacionais (IRI/PUC-Rio). Chefe do Departamento de Ciência Política e Relações Internacionais do Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro Universidade Candido Mendes (Iuperj/Ucam) e professor de Política Externa Brasileira da FGV. SEXTAS-FEIRAS, ÀS 19H30 R$ 200 na inscrição + 1 parcela de R$ 200

85 projeto especial VIagens de conhecimento Descubra o mundo com os professores da CASA DO SABER. Conheça os roteiros e acompanhe as novidades no site

86 artes

87 54 HISTÓRIA DA ARTE NA SEGUNDA METADE DO SÉCULO XX E NO SÉCULO XXI ARQUITETURA E ESCULTURA Hélio Dias Ferreira 9 AULAS Esse curso pretende oferecer um panorama sobre a arquitetura e a escultura dos séculos XX e XXI, além de uma discussão sobre a história da arte ocidental na segunda metade do século XX e no século XXI. Serão apresentados os trabalhos dos principais arquitetos dessa época, de Frank Lloyd Wright e Le Corbusier até seus seguidores. Também serão vistos a multiplicidade no mundo da escultura, de Brancusi a Ron Mueck, e os múltiplos movimentos artísticos pós-segunda Guerra Mundial. Diferentes das vanguardas, mas influenciadas por elas, essas linguagens artísticas tiveram características particulares que serão analisadas AGO > ESCULTURA NOS SÉCULOS XX e XXI A múltipla possibilidade escultórica que caracterizou o século XX e o XXI. De Brancusi a Giacometti, de Henry Moore a Alexander Calder, de Richard Serra a Louise Bourgeois, de Ron Mueck a Jaume Plensa, o muito que se produziu e ainda se produz nesse campo das artes visuais AGO > Frank Lloyd Wright Um dos maiores expoentes da arquitetura moderna, Frank Lloyd Wright, e sua contribuição singular nos Estados Unidos, no início do século XX. Das prairies houses às construções de Oak Park. As atribulações em sua vida íntima e seus legados incomparáveis, como a Casa da Cascata e o prédio do Museu Guggenheim, em Nova York AGO > Le Corbusier e as inovações DA arquitetura Na modernidade Os seguidores de Le Corbusier e a contribuição singular de arquitetos como Oscar Niemeyer. Um novo conceito de arquitetura, hoje revisto por nomes da pós-modernidade, como Frank Gehry, Santiago Calatrava e Jean Nouvel. Dos primeiros prédios em pilotis à construção de Brasília, dos edifícios arrojados da arquitetura moderna às inusitadas criações da arquitetura desconstrutivista SET > EXPRESSIONISMO ABSTRATO AMERICANO E OP ART Após a Segunda Guerra Mundial, os Estados Unidos assumiram uma posição privilegiada no campo das artes visuais, com Nova York se tornando o centro da produção pictórica. Pollock, De Kooning e Rothko. ARTES

88 5. 08 SET > POP ART Nos anos 60, Andy Warhol, Roy Lichtenstein, Robert Rauschenberg, entre outros, despontaram com grande força num movimento artístico cuja base era a crítica ao capitalismo, o mundo do consumo, o cinema etc SET > NOUVEAU RÉALISME Na Europa, surgiu um grupo de artistas denominado Nouveau Réalisme pelo crítico de arte Pierre Restany. Suas obras irreverentes apresentaram linguagens como prensagens, descolagens, acumulações. A obra de Yves Klein, Niki de Saint Phalle, Tinguely, Cesar e Arman SET > MINIMALISMO, PÓS-MINIMALISMO E OUTRAS LINGUAGENS A partir dos anos 60, principalmente nos Estados Unidos, apareceram artistas como Donald Judd, Robert Morris, Dan Flavin, cujos trabalhos se propunham a mostrar o essencial da obra de arte, através de um mínimo de artifícios. Os happenings, as instalações e as performances SET > GRANDES NOMES DA ARTE CONTEMPORÂNEA Joseph Beuys, Lucian Freud, Cy Twombly, Gerhard Richter, Georg Baselitz OUT > OUTROS GRANDES NOMES DA ARTE CONTEMPORÂNEA Anselm Kiefer, Keith Haring, Jean-Michel Basquiat, Damien Hirst. HÉLIO DIAS FERREIRA. Professor da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNI-RIO), mestre em História da Arte pela UFRJ e doutor em Educação pela UFF, com parte dos estudos realizados na Université Paris III Sorbonne, França. É autor de livros de arte como Uma história da arte ao alcance de todos e Ivan Serpa: o expressionista concreto. SEGUNDAS-FEIRAS, ÀS 20H R$ 360 NA INSCRIÇÃO + 2 PARCELAS DE R$ 360 ARTES

89 55 CONTEXTOS HISTÓRICOS DA ARTE E DE SUA FORMAÇÃO FRANZ MANATA 4 AULAS Nesse curso serão discutidos as transformações da arte diante das grandes mudanças históricas e abordadas a representação na pré-história; a vocação idealista entre os gregos (século VII a.c.) e realista da Renascença (século XV, até a crise da representação instituída pelos impressionistas); a especulação formal dos modernos e a relação com a imagem para os contemporâneos; e as novas formas de articulação artística no século XXI AGO > PRIMEIRA AULA Um importante momento de inflexão na arte, quando se inaugura o naturalismo realista em contraposição ao naturalismo idealista dos gregos AGO > SEGUNDA AULA As questões colocadas pela crise da representação (meados do século XIX), com os impressionistas, e as quatro grandes vertentes do fazer moderno AGO > TERCEIRA AULA As principais questões colocadas pela contemporaneidade, inaugurada na segunda metade do século XX. O momento em que o artista se torna um comentarista do mundo, por meio da produção de imagens SET > QUARTA AULA As novas formas de articulação artística, os coletivos, os ativistas e a estética relacional. Particularidades, desafios, artistas e obras. FRANZ MANATA. Artista, curador e consultor de arte. Mestre em Linguagens Visuais pela Escola de Belas Artes (EBA) da UFRJ, é professor da Escola de Artes Visuais do Parque Lage (EAV), Rio de Janeiro. Tem formação em Economia com especialização em Sociologia e Administração Financeira pela PUC-Minas. Trabalhou durante oito anos no Departamento de Curadoria do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM-RJ). Participa, desde 1994, de projetos solo e coletivos no Brasil e no exterior, entre os quais SoundSystem, em parceria com Saulo Laudares. QUINTAS-FEIRAS, ÀS 20H R$ 200 na inscrição + 1 parcela de R$ 200 ARTES

90 56 sempre VERDI MARCEL GOTTLIEB 8 AULAS Mais do que qualquer outro, o italiano Giuseppe Verdi ( ) é o compositor de ópera mais conhecido e representado em todo o mundo, graças à qualidade das peças que criou. Ele foi um dos artistas mais influentes do século XIX, e não só na música, já que sua obra teve um papel importante na unificação italiana. A partir da análise de suas principais obras, em montagens brilhantes e com intérpretes e vozes inesquecíveis, de Callas e Tebaldi a Domingo e Pavarotti, esse curso explicará como Verdi fez da ópera um sucesso mundial atemporal SET > InÍcio conturbado Nabucco SET > Rigoletto, Il Trovatore SET > La Traviata SET > La Forza del Destino SET > Don Carlo OUT > Aida OUT > Otello OUT > Falstaff MARCEL GOTTLIEB. Fundador da Musicativa, espaço cultural destinado há mais de 10 anos à divulgação da música através de palestras e cursos. Formado em Engenharia pela PUC-Rio, com MBA na FGV. TERÇAS-FEIRAS, ÀS 17H R$ 200 na inscrição + 3 parcelas de R$ 200 ARTES

91 57 SISTEMA x INDIVÍDUO NA ÓTICA DE GÊNIOS DA LITERATURA Marcelo Backes 5 AULAS Em tempos de NSA, de vigilância total, de indivíduo transparente, de eliminação do sujeito por parte do sistema, marcada já no uso de digitais para acessar uma conta bancária e de scanners que desnudam as pessoas em aeroportos, vale a pena rever a obra de gênios da literatura universal que há mais de dois séculos abordaram filosófica e literariamente o embate entre sujeito e sistema. De Kleist a Kafka, de Gogol a Melville, não foram poucos os autores que se debruçaram sobre o assunto. Assim como Dostoiévski, um visionário que, como os outros, antecipa circunstâncias que marcariam de forma definitiva o mundo em que hoje vivemos SET > Michael Kohlhaas, de Heinrich von Kleist Uma das novelas mais geniais da literatura universal mostra como Kleist percebe o conflito entre homem e instituição já no início do século XIX, antecipando-se a Kafka em 100 anos SET > O capote e O nariz, de GOgol Dois grandes contos sobre o mundo burocrático, no limiar para o fantástico. O funcionário como avô do personagem kafkiano SET > Bartleby, o escrivão, de Herman Melville Mais um funcionário, dessa vez americano, secunda o mundo de Gogol e continua antecipando o de Kafka, numa das melhores narrativas breves do grande autor de Moby Dick SET > O grande inquisidor e outros momentos de Dostoiévski Estamos mais convictos do que nunca de que somos plenamente livres, entretanto, levamos nossa liberdade e a depositamos obedientemente aos pés dos bisbilhoteiros universais OUT > O processo, de Franz Kafka A obra mais decisiva na cunhagem do adjetivo kafkiano, de abrangência universal, estuda também as ingerências entre público e privado. Como a culpa faz de K. um Raskólnikov do mundo burocrático. MARCELO BACKES. Doutor em Germanística e Romanística pela Universidade de Freiburg, Alemanha. Escritor, professor, tradutor e crítico literário, é autor de O último minuto e A casa cai, entre outras obras. Seus romances, seus ensaios e suas poesias estão sendo publicados em vários países da Europa. ARTES QUINTAS-FEIRAS, ÀS 17H R$ 250 na inscrição + 2 parcelas de R$ 150

92 58 Sem cara de bandido: o rock brasileiro dos anos 80 Arthur Dapieve 4 AULAS Rita Lee encerrou um LP lançado em 1980 com Ôrra meu, cuja estrofe inicial era Eu tô ficando velho/ Cada vez mais doido varrido/ Roqueiro brasileiro/ Sempre teve cara de bandido. Ela não estava fazendo charme. Até ali, o rock brasileiro tinha sido um ponto fora da curva da música popular brasileira, rechaçado tanto pela esquerda quanto pela direita. Ela e Raul Seixas eram guerreiros quase solitários. Na década de 80, porém, o rock mostrou-se o gênero certo na hora e no lugar certos. Coube ao rock fazer a melhor crônica da redemocratização, fosse no aspecto comportamental ( Você não soube me amar, da Blitz), ou no político ( Inútil, do Ultraje a Rigor). A proposta do curso é mostrar, a partir do cenário nos três centros roqueiros daqueles anos Rio de Janeiro, São Paulo e Brasília, como esse tipo de música finalmente ganhou o passaporte brasileiro OUT > Bons antecedentes Como o rock chegou e se manteve vivo no Brasil até os anos 80. Celly Campello, Roberto Carlos, Mutantes, Raul Seixas. Os pontos de encontro: Circo Voador, Rádio Fluminense FM, o primeiro Rock in Rio. Menção honrosa: os gaúchos do Engenheiros do Hawaii OUT > Rio de Janeiro O gênero apresenta seu lado mais descontraído, chamado pelos detratores de rock de bermudas. As experiências comportamentais do Baixo Leblon e da Gávea. Blitz, Barão Vermelho e Paralamas do Sucesso OUT > São Paulo O gênero se pretende mais intelectualizado, mais europeu. O primeiro festival punk. A tentativa fracassada de se criar uma associação de roqueiros. As danceterias lendárias. RPM, Titãs e Ultraje a Rigor OUT > Brasília O gênero mostra a sua cara mais aguerrida, politizada. O fechamento do Congresso, a invasão da UnB, a Turma da Colina. O canal direto com as novidades do exterior. Legião Urbana, Capital Inicial e Plebe Rude. ARTES Arthur Dapieve. Professor do Departamento de Comunicação Social da PUC- -Rio. Colunista do jornal O Globo desde Autor de 10 livros, entre eles, BRock O rock brasileiro dos anos 80 e Renato Russo O trovador solitário. QUINTAS-FEIRAS, ÀS 20H R$ 200 na inscrição + 1 parcela de R$ 200

93 59 UM PERCURSO DA ARTE MODERNA À ARTE CONTEMPORÂNEA FERNANDO COCCHIARALE 1 ENCONTRO Enquanto a arte moderna foi marcada por movimentos de vanguarda que conceberam as produções como linguagem de ruptura, como forma, a arte contemporânea é resultado do transbordamento dos campos especializados instaurados pela racionalidade moderna. Na arte contemporânea, os limites sociais e artísticos são extrapolados, proporcionando novas experiências, mais conectadas e articuladas com diferentes linguagens e formatos. Nessa palestra, o curador e artista plástico Fernando Cocchiarale traçará um panorama das diferenças essenciais entre a arte moderna e a produção contemporânea. Fernando Cocchiarale. Crítico de arte, curador e artista plástico. Professor de História da Arte na PUC-Rio e na Escola de Artes Visuais (EAV) do Parque Lage, é autor de diversos livros, entre eles, Abstracionismo geométrico e informal: a vanguarda brasileira nos anos 50, com Anna Bella Geiger; e Um século de arte brasileira Coleção Gilberto Chateaubriand, com Franz Manata; além de inúmeros textos publicados em catálogos e revistas de arte. Foi curador e coordenador do programa Rumos Itaú Cultural Artes Visuais e coordenador de Artes Visuais da Fundação Nacional de Arte (Funarte) e curador do MAM-Rio. 08 OUT > QUARTA-FEIRA, ÀS 20H R$ 100 ARTES

94 60 A POESIA FRANCESA DO SÉCULO XIX VICTOR HUGO, BAUDELAIRE, VERLAINE, RIMBAUD E OUTROS ANGELA PERRICONE 4 AULAS De Lamartine a Mallarmé, passando por Victor Hugo, Baudelaire, Verlaine e Rimbaud, o século XIX marcou um momento decisivo na história da poesia francesa. Românticos, simbolistas, ou simplesmente inclassificáveis, esses poetas nos fazem entrar em mundos diferentes, profundamente influenciados pela modernidade. Nesse curso, serão abordados os estilos dos autores que mais representam esse período, sem deixar de lado o contexto histórico, cultural e literário da época OUT > Lamartine e Hugo OUT > Musset e Vigny OUT > Baudelaire e Mallarmé OUT > Rimbaud e Verlaine ANGELA PERRICONE. Professora de Francês do Departamento de Letras da PUC- Rio. É formada pela mesma instituição, onde também cursou o mestrado. Tem doutorado em Letras Neolatinas pela UFRJ. Autora de seis livros, entre os quais Imagens de Paris nos trópicos. QUINTAS-FEIRAS, ÀS 17H R$ 200 na inscrição + 1 parcela de R$ 200 ARTES

95 61 DOSTOIÉVSKI E A CULTURA RUSSA DO SÉCULO XIX PAULO BEZERRA 4 AULAS Referência na tradução do russo, o professor de literatura Paulo Bezerra, discutirá nesse curso a relação dos romances de Dostoiévski com a cultura e a literatura russas do século XIX e seu diálogo com a história e a cultura universal. Serão enfatizados a literatura como arte e o próprio Dostoiévski como artista peculiar, criador de uma nova forma de ficção: o romance polifônico. A tradução de ficção como criação e recriação também será enfocada. O curso se centrará em dois romances: Crime e castigo (primeira leitura) e Os irmãos Karamazov; mas haverá um diálogo com o restante da obra dostoievskiana, como O duplo, O idiota e Os demônios OUT > Dostoiévski Visão de Dostoiévski sobre a exclusão social. Uma voz dissonante no universo literário e ideológico da Rússia do século XIX. O pequeno homem (málienki tcheloviék) em Puchkin, Gogol e Dostoiévski. Por que e como traduzir Dostoiévski direto do original NOV > Crime e castigo Raskólnikov (raskólniki, cismas), um cismático no universo ideológico russo. A iniquidade social e a revolta de Raskólnikov: desafio à ordem social e histórica. O limite, tema central de Dostoiévski: na história; na ciência (Sólon, Kepler, Licurgo, Napoleão) e no indivíduo Raskólnikov NOV > Raskólnikov, SOnYa Marmeládova, Lújin Interação dialógica e luta entre consciências às vezes antagônicas. Raskólnikov e Kiríllov (Os demônios); Raskólnikov e Ivan Karamazov. Crime e castigo e Os irmãos Karamazov NOV > Os irmãos KaramAzov Exclusão socioafetiva e parricídio. Da revolta contra a ordem social burguesa ao desafio da ordem social e cósmica. O suplício de crianças e a recusa do mundo criado por Deus. Não há imortalidade, logo, não há virtude, então tudo é permitido. O relativismo da justiça. Dostoiévski e Machado de Assis, Dostoiévski e Nietzsche. PAULO BEZERRA. Formado em tradução pela Universidade Lomonóssov, Moscou. Mestre e doutor em Literatura Brasileira pela PUC-Rio, livre-docente em Literatura Russa pela USP. Verteu para o português mais de 50 obras russas de ciências humanas e ficção, com destaque para Gogol, Lérmontov, Ribakóv, Aitmatov, Mandelstam e os grandes romances de Dostoiévski. ARTES QUARTAS-FEIRAS, ÀS 20H R$ 240 na inscrição + 1 parcela de R$ 240

96 62 como fazer (e ver) Cinema ALBERTO FLAKSMAN 4 AULAS O que é um filme bem dirigido? Como a edição ajuda um filme a ser melhor? Qual a importância do roteiro para a qualidade final da obra? E os produtores, o que é que eles fazem? Esse curso vai mostrar como trabalham os diferentes profissionais envolvidos na realização de um filme, quais as suas atribuições, as técnicas que utilizam e como eles se articulam na realidade de uma produção. Um curso para quem quer saber mais sobre a maneira como são feitos os filmes ou simplesmente aprender a apreciar o trabalho dos diferentes profissionais envolvidos em sua realização OUT > Roteiro De onde surgem as ideias para os filmes: da ideia ao roteiro. Argumento original e argumento adaptado. Os principais elementos de um roteiro: história, época, locação, narrativa, conflito principal, intriga secundária, personagens, qualidade dos diálogos. Manuais clássicos de escrita e análise de roteiros (Robert McKee, Syd Field, Christopher Vogel, Yves Lavandier, Michel Chion). A questão da pesquisa na elaboração de roteiros. A forma de apresentação de um roteiro, rubricas e diálogos NOV > Produção As diferentes categorias de produtores: produtor financeiro, produtor artístico, produtor executivo, diretor de produção, gerentes de produção, assistentes de produção. A análise técnica do roteiro: elementos fundamentais para iniciar um orçamento. As contas principais de um orçamento: o talento, a produção de filmagem, a pós-produção, o master do qual sairá o produto/filme. Organização da produção. Plano de filmagem. Produção de documentários NOV > Direção O diretor como responsável por um produto audiovisual, com um padrão de qualidade previamente definido e realizado dentro de um rígido sistema de controle de custos. O trabalho junto com o fotógrafo e o diretor de arte. Definição de elenco, equipe técnica e locações. Noções técnicas de decupagem (plano, sequência, eixo etc.). Direção de atores. A relação com atores e técnicos. O trabalho com o montador, com a música e os efeitos sonoros. A mixagem. ARTES

97 4. 21 NOV > Edição de Imagem e Som Os elementos básicos da montagem de um filme: ritmo, desempenho dos atores, ordem das cenas (storytelling), estilo (look), duração. Por que o próprio diretor não monta o filme? Os aspectos técnicos da montagem: montagem analógica e montagem digital. Montagem durante a filmagem. Edição de som, dublagem, ruídos de sala. A duração de um filme. ALBERTO FLAKSMAN. Coordenador acadêmico e professor dos cursos de Formação de Produtores para Cinema e Televisão da Escola Superior de Propaganda e Marketing. Foi coordenador dos cursos de Formação Executiva em Cinema e TV (Film & Television Business) da FGV, com turmas no Rio de Janeiro e em São Paulo. Foi superintendente de Comércio Exterior da Agência Nacional do Cinema (Ancine). Foi diretor e produtor executivo da Videofilmes. SEXTAS-FEIRAS, ÀS 19H30 R$ 200 na inscrição + 1 parcela de R$ 200 ARTES

98 63 A vontade da beleza e a realidade da feiura o belo e o feio na história LEANDRO KARNAL 2 AULAS A vontade de ser belo e de produzir coisas bonitas é quase universal. A arte gira em torno dessa vontade. Porém, de alguma forma, o que alguns identificam como beleza outros consideram de gosto duvidoso. Existem possibilidades objetivas de discutir o belo? O kitsch/cafona seria apenas uma questão de opinião? Esse curso discute coisas feias e coisas bonitas para analisar essas questões OUT > Belo e feio em diálogo permanente. Gosto se discute? NOV > O kitsch, o cafona, o elegante e o real. Existem saídas? LEANDRO KARNAL. Historiador. Doutor em História Social pela USP. Autor de Teatro da fé: representação religiosa no Brasil e no México do século XVI; História na sala de aula; e História dos Estados Unidos: das origens ao século XXI, entre outros livros. SEXTAS-FEIRAS, ÀS 17H R$ 120 na inscrição + 1 parcela de R$ 120 ARTES

99 64 O DIREITO EM SHAKESPEARE JOSÉ ROBERTO DE CASTRO NEVES 3 AULAS As peças de Shakespeare são carregadas de temas jurídicos e de discussões sobre a legalidade. Em 20 delas há cenas de julgamento. O público do bardo inglês era composto, em boa parte, de advogados e estudantes de direito e seus textos eram encenados nas escolas de advocacia de Londres. Muitos defendem que, antes de se engajar no teatro, o autor, ao chegar em Londres, teria trabalhado como assistente de advogado. A análise dos aspectos jurídicos de suas peças permite uma compreensão diferente de suas obras, cuja apreciação não interessa apenas ao advogado, mas a qualquer pessoa NOV > PRIMEIRO ATO A megera domada, Henrique VI, Tito Andrônico, Ricardo III, Ricardo II, Romeu e Julieta NOV > SEGUNDO ATO O mercador de Veneza, Henrique V, Julio Cesar, Hamlet, Troilo e Créssida NOV > TERCEIRO ATO Medida por medida, Otelo, Tudo bem quando acaba bem, Rei Lear, Macbeth, Conto de inverno, A tempestade. JOSÉ ROBERTO DE CASTRO NEVES. É doutor em Direito Civil pela Uerj, mestre em Direito pela Universidade de Cambridge, Inglaterra, e bacharel em Direito pela Uerj. Professor de Direito Civil e de Pós-Graduação na PUC-Rio e na Uerj; e na Pós-Graduação da FGV. Autor de Medida por medida O direito em Shakespeare. SEGUNDAS-FEIRAS, ÀS 20H R$ 150 na inscrição + 1 parcela de R$ 150 ARTES

100 65 QUATRO CLÁSSICOS DA ÓPERA O MELHOR DE BIZET, PUCCINI, ROSSINI E MOZART MARCEL GOTTLIEB 4 AULAS Nascida na Itália, no século XVII, a ópera ganhou o mundo nos séculos seguintes, como uma forma que combina diversas artes. Esse curso pretende apresentar trechos de algumas das melhores montagens de quatro das óperas mais populares do planeta, como Carmen, de Bizet. Seus melhores momentos serão exibidos, comentados e comparados com os de outras montagens NOV > CARMEN, DE BIZET (METROPOLITAN, NOVA YORK, 2010) Intérpretes: Garanca, Callas, Alagna, Rhodes, Frittoli; regência de Nézet-Séguin; produção de Richard Eyre. Carmen deveria ser a primeira ópera de todo mundo. E esta é a mais recomendada, com música do século XIX e teatro do século XXI NOV > TOSCA, DE PUCCINI (COVENT GARDEN, LONDRES, 1964 e 2011) Intérpretes: Callas, Gobbi; regência de Georges Prêtre; produção de Franco Zeffirelli. Uma das grandes interpretações de Callas, comparada com outras atuais: Gheorghiu, Terfel, Kaufmann NOV > O BARBEIRO DE SEVILHA, DE ROSSINI (MADRI, 2011) Intérpretes: Florez, Spagnoli, Bayo, Pratico, Raimondi; regência de Gianluigi Gelmetti (ex-aluno de Celibidache). Uma leitura que Rossini assinaria embaixo: sua música italiana, com verve espanhola NOV > DON GIOVANNI, DE MOZART (METROPOLITAN, NOVA YORK, 2000) Intérpretes: Terfel, Fleming, Furlanetto; regência de James Levine; produção de Franco Zeffirelli. A reunião de quatro talentos atuais e insuperáveis: Terfel, Fleming, Furlanetto e Zeffirelli. MARCEL GOTTLIEB. Fundador da Musicativa, espaço cultural destinado há mais de 10 anos à divulgação da música através de palestras e cursos. Formado em Engenharia pela PUC-Rio, com MBA na FGV. TERÇAS-FEIRAS, ÀS 15H R$ 200 na inscrição + 1 parcela de R$ 200 ARTES

101 166 GRANDES MESTRES DO GÓTICO TARDIO E DO RENASCIMENTO Hélio Dias Ferreira 5 AULAS Esse curso pretende mostrar a contribuição singular deixada por mestres do Pré-Renascimento, do Proto-Renascimento e da Alta Renascença. Jan van Eyck e seus contemporâneos e o início da pintura a óleo. Os artistas da Florença do Quattrocento e a obra de Botticelli. No Cinquecento, um panorama sobre a obra dos grandes mestres da Renascença, a genialidade de Leonardo da Vinci e um novo olhar sobre o legado artístico de Michelangelo Buonarroti NOV > PRIMEIRO ENCONTRO O gótico tardio, o início de uma nova era: a obra de Jan van Eyck e de seu irmão Hubert van Eyck. E ainda os trabalhos de Rogier van der Weyden e Hans Memling. O nascimento da pintura a óleo através da arte desses mestres do Pré-Renascimento e Bruges como um dos principais centros da arte pictórica na Europa NOV > SEGUNDO ENCONTRO Principal figura do Proto-Renascimento, Botticelli não foi apenas o pintor do Nascimento de Vênus e da Chegada da primavera. A vida e a obra desse singular mestre italiano, bem como de seus colegas, e a corte de Lorenzo, o Magnífico, em Florença, considerada a nova Atenas NOV > TERCEIRO ENCONTRO Rafael Sanzio e a genialidade de Leonardo da Vinci, que foi pintor, escultor, arquiteto, inventor, astrônomo, entre outras atividades dez > QUARTO ENCONTRO A vida e a obra de Michelangelo, que abrange a escultura, a pintura e a arquitetura dez > QUINTO ENCONTRO Michelangelo e os supostos segredos das pinturas da Capela Sistina. HÉLIO DIAS FERREIRA. Professor da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNI-RIO), mestre em História da Arte pela UFRJ e doutor em Educação pela UFF, com parte dos estudos realizados na Université Paris III Sorbonne, França. É autor de livros de arte como Uma história da arte ao alcance de todos e Ivan Serpa: o expressionista concreto. QUINTAS-FEIRAS, ÀS 15H R$ 200 na inscrição + 2 parcelas de R$ 200 ARTES

102 67 Peças fundamentais do teatro moderno ANDRÉ GARDEL 5 AULAS Esse curso se propõe a desenvolver a leitura crítica de obras representativas de alguns dos autores fundamentais para o estabelecimento da dramaturgia ocidental moderna. Diante da amplitude de visões e da diversidade de tendências que conformam o período, os autores escolhidos apresentam, em suas produções, características de importantes tendências do pensamento e da criação artística: Impressionismo, vanguardas, absurdo, teatro dialético, filosófico, existencial. Além disso, seus textos se abrem, de diferentes modos, para as várias experiências de encenação que configuraram a teia estilística e performativa do teatro moderno nov > A Dramaturgia Moderna nov > As três irmãs (TchEkhov) nov > Seis personagens à procura de um autor (Pirandello) dez > Galileu Galilei (Brecht) dez > Esperando Godot (Beckett) ANDRÉ GARDEL. Professor de Teoria do Teatro e da Escola de Letras da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNI-RIO). Escritor e compositor de música popular. Publicou 10 livros, entre ensaios, poesias e didáticos, recebendo o Prêmio Carioca de Monografia de 1995 por O encontro entre Bandeira & Sinhô. TERÇAS-FEIRAS, ÀS 17H R$ 250 na inscrição + 1 parcela de R$ 250 ARTES

103 168 CARTOGRAFIAS SUBJETIVAS Relações entre a arte contemporânea brasileira e a arquitetura, os mapas e os circuitos DANIELA NAME 5 AULAS Esse curso vai apresentar obras de brasileiros de diversas gerações, mostrando como a relação com a paisagem construída nos mapas, nas cidades tem sido fonte de interesse para inquietações a respeito do espaço e das identidades individuais e nacionais. As aulas percorrem a trajetória de artistas já reconhecidos em todo o mundo, caso de Antônio Dias e Cildo Meireles, mas também apresentam jovens artistas, como Gisele Camargo e Marcelo Moscheta nov > CILDO MEIRELES E JOSÉ RESENDE A desconstrução e a refiguração do espaço a partir da obra de dois grandes artistas brasileiros nov > ANTÔNIO DIAS E LEONILSON Territórios, mapas e a cartografia do corpo dos afetos e da política dez > EDUARDO COIMBRA E RAUL MOURÃO Escultura, cidade e paisagem dez > SANDRA CINTO, BRÍGIDA BALTAR, MAYANA REDIN E MARCELO MOSCHETA Índices da paisagem e da cartografia a partir de deslocamentos físicos e subjetivos dez > LUCIA LAGUNA, LAÉRCIO REDONDO, GISELE CAMARGO E RAUL LEAL Arquitetura, história e memória. DANIELA NAME. Curadora, crítica de arte e jornalista. Mestre em Artes Visuais pela Escola de Belas Artes da UFRJ. Mantém um blog especializado em arte no site TERÇA-FEIRAS, ÀS 20H R$ 250 na inscrição + 1 parcela de R$ 250 ARTES

104 69 A IMAGEM DA MULHER EM MACHADO DE ASSIS LUIS FILIPE RIBEIRO 4 AULAS Personagem de Machado de Assis, Capitu é, certamente, a mulher mais falada da literatura brasileira. E põe falada nisso... Mas ela é uma entre tantas outras, marcantes e inesquecíveis, criadas pela genialidade de Machado de Assis, nosso escritor maior. A ideia, nesse curso, é estudar algumas dessas personagens, buscando entender que traços as unem e que valores presidem à sua construção. Namoros, casamentos, traições, fingimentos, disfarces, tudo aí está, e de uma forma especialíssima nov > As mulheres em Machado: um desejo masculino? dez > Helena: a inversão da ordem familiar e patriarcal dez > Virgília, Marcela e flor da moita : um trio do barulho dez > Sofia e Capitu: o adultério e o Século XIX LUIS FILIPE RIBEIRO. Professor de Literatura. Fez mestrado em Letras e doutorado em História. Foi professor no Colégio Pedro II e na UFF, além de vários colégios e faculdades privadas. Ministrou cursos e palestras em Cambridge, Inglaterra, na Sorbonne, França, e em Santiago de Compostela, Espanha. Escreveu, entre outros títulos, os livros Mulheres de papel: um estudo do imaginário em José de Alencar e Machado de Assis; e Geometrias do imaginário. SEGUNDAS-FEIRAS, ÀS 20H R$ 220 na inscrição + 1 parcela de R$ 220 ARTES

105 70 OS GRANDES AMANTES DA LITERATURA OCIDENTAL Marcelo Backes 4 AULAS O amor é, junto com a morte e a guerra, um dos maiores temas da literatura e das artes em geral. Em alguns momentos decisivos da história da literatura ocidental, grandes escritores foram capazes de condensar em dois amantes toda a paixão do mundo, absorvendo-a em sua dor criativa e fazendo-nos sentir o sobressalto típico diante daquilo que é cabal na vida de qualquer ser humano. Esse curso debaterá quatro desses momentos decisivos, em quatro literaturas e quatro séculos diferentes, mostrando como as obras que os abordam tiveram uma importância muito além do amor caudaloso que as fundamenta e compreenderam filosoficamente o sentido da vida nov > ROMEU E JULIETA (1595), DE SHAKESPEARE A peça Romeu e Julieta, uma das mais conhecidas de Shakespeare, pertence ao ciclo de suas primeiras tragédias. Romeu e Julieta formam, sem dúvida, o casal mais popular da tradição literária ocidental e seu alcance abrange todas as artes, da pintura à música. O idealismo amoroso de Shakespeare. Quais os antecedentes e quais os descendentes de Romeu e Julieta? dez > DOM QUIXOTE E DULCINEIA ( ), DE CERVANTES Cervantes é o maior autor espanhol de todos os tempos e Dom Quixote um dos personagens mais conhecidos e mais estudados da literatura universal. A obra Dom Quixote já era um romance pós-moderno 400 anos antes de os teóricos contemporâneos terem inventado o conceito. O amor nada idealizado de Dom Quixote por Dulcineia e o fim da inocência na literatura dez > WERTHER E CARLOTA (1774), DE GOETHE Werther não apenas é a primeira obra de sucesso de Goethe, como também dá início à prosa moderna na Alemanha, antecipando a entrada da Europa no romance oitocentista e burguês. Realidade e ficção na literatura de Goethe. O caráter decisivo de sua obra nos rumos do Romantismo e da literatura ocidental. As pedras de Bolonha e uma das grandes metáforas do amor no Ocidente. ARTES >

106 4. 18 dez > RIOBALDO E DIADORIM, DE GUIMARÃES ROSA (1956) Grande sertão: veredas divide a literatura brasileira em antes e depois de sua publicação; o Fausto bem brasileiro e arrevesado de Guimarães Rosa e seu pacto com o diabo; a história e a pré-história do Brasil, que jorram vigorosas no subsolo da narrativa rosiana. O amor transgressor de Riobaldo por Diadorim como símbolo da transgressão linguística, formal e conteudística na obra de Rosa. MARCELO BACKES. Doutor em Germanística e Romanística pela Universidade de Freiburg, Alemanha. Escritor, professor, tradutor e crítico literário, é autor de O último minuto e A casa cai, entre outras obras. Seus livros, seus ensaios e suas poesias estão sendo publicados em vários países da Europa. QUINTAS-FEIRAS, ÀS 17H R$ 220 na inscrição + 1 parcela de R$ 220 ARTES

107 Apoio acadêmico aos cursos de artes plásticas:

108

109 assistente de direção DE CONTEÚDO BRUNA CARVALHO ISADORA TOCHTROP FINANCEIRO MARCELO BRAGA ADMINISTRATIVo ADRIANA MORAES INFORMÁTICA TIAGO OLIVEIRA CATÁLOGO CURADORIA LUIZ ANTONIO RYFF capa, PROJETO GRÁFICO e DIAGRAMAÇÃO CAROLINA FERMAN REVISÃO KATHIA FERREIRA IMPRESSÃO STAMPPA O BISTRÔ DA CASA DO SABER RIO É OPERADO PELA ARTE TEMPERADA E SERVE CAFÉ ORFEU. A ARTE TEMPERADA TAMBÉM ATUA NO CENTRO CULTURAL LIGHT. ARTE TEMPERADA ANA CARVALHO & CARLOS ANDRÉ PALATNIC BISTRÔS E SERVIÇO DE BUFFET T (21)

110

111 LAGOA RODRIGO DE FREITAS praia de ipanema AV. EPITÁCIO PESSOA, LAGOA, RIO DE JANEIRO, RJ CEP: TEL.: (21) (222SABER) RJ.CASADOSABER.COM.BR

112 rj.casadosaber.com.br APOIO parceria

Mídia Kit 2015. Publicidade. Tabela com vigência a partir de janeiro de 2015 Versão I em 26/11/2014

Mídia Kit 2015. Publicidade. Tabela com vigência a partir de janeiro de 2015 Versão I em 26/11/2014 Mídia Kit 2015 Publicidade Tabela com vigência a partir de janeiro de 2015 Versão I em 26/11/2014 Multiplataforma A Prazeres da Mesa é hoje a mais dinâmica produtora de conteúdo de gastronomia em várias

Leia mais

1. CONTEXTO 2. O PROBLEMA ATUAL. Produção de DANÇA de Autoria Brasileira

1. CONTEXTO 2. O PROBLEMA ATUAL. Produção de DANÇA de Autoria Brasileira Produção de DANÇA de Autoria Brasileira 1. CONTEXTO A Dança Brasileira vive hoje um novo contexto. Estão ocorrendo mudanças significativas no modo como artistas arquitetam suas criações e essas transformações

Leia mais

Casa Daros reúne em encontro responsáveis por revistas de arte no Brasil, impressas ou online, atuais ou históricas

Casa Daros reúne em encontro responsáveis por revistas de arte no Brasil, impressas ou online, atuais ou históricas Arte em circuitos: Publicações de arte no Brasil Casa Daros reúne em encontro responsáveis por revistas de arte no Brasil, impressas ou online, atuais ou históricas Casa Daros, Rio [Auditório] 9 e 10 de

Leia mais

FERNANDO PESSOA [Professor de filosofia da UFES e organizador dos Seminários Internacionais Museu Vale]

FERNANDO PESSOA [Professor de filosofia da UFES e organizador dos Seminários Internacionais Museu Vale] Os Seminários Internacionais Museu Vale FERNANDO PESSOA [Professor de filosofia da UFES e organizador dos Seminários Internacionais Museu Vale] O propósito desta introdução, além de apresentar a oitava

Leia mais

Saiando Calcado na pesquisa de campo sobre figuras femininas relevantes dentro de suas comunidades e em cujo cotidiano estão presentes danças

Saiando Calcado na pesquisa de campo sobre figuras femininas relevantes dentro de suas comunidades e em cujo cotidiano estão presentes danças Saiando Calcado na pesquisa de campo sobre figuras femininas relevantes dentro de suas comunidades e em cujo cotidiano estão presentes danças tradicionais nas quais a saia tem forte papel expressivo, o

Leia mais

A soma será feita da seguinte forma:

A soma será feita da seguinte forma: TESTE VOCACIONAL Teste sua vocação Testes vocacionais não fazem milagres, não têm poder de apontar uma única profissão a ser seguida, mas são um bom norte acerca de aptidões e interesses. O questionário

Leia mais

Programacao. programacao de aniversario

Programacao. programacao de aniversario Programacao programacao de aniversario Teatro de Tabuas comemora 13 anos com temporada em Campinas Duas estruturas itinerantes estarao em atividade O grupo Teatro de Tábuas, sediado na cidade de Campinas,

Leia mais

284 AUTORES palíndromo Teoria e História da arte 2010 / no3 285

284 AUTORES palíndromo Teoria e História da arte 2010 / no3 285 284 AUTORES apresentação dos autores Almerinda da Silva Lopes é doutora em Comunicação e Semiótica (1997, PUC/SP), com pós-doutorado (2002) na Université Paris 1 (Panthéon-Sorbonne), na área de Linguística,

Leia mais

Programação Cultural Casa do Clube de Autores na FLIP 2011

Programação Cultural Casa do Clube de Autores na FLIP 2011 Dia 6 de julho, quarta- feira. Pela Manhã: 10:30 12:00 Titulo: 5 Passos para se tornar um autor independente. Conteúdo: Dicas, bastidores, conselhos e confidências de um autor independente bem sucedido.

Leia mais

ESCRITA CRIATIVA: Fundamentos do texto e técnicas para aprimorar a escrita Ingresso: janeiro de 2016

ESCRITA CRIATIVA: Fundamentos do texto e técnicas para aprimorar a escrita Ingresso: janeiro de 2016 ESCRITA CRIATIVA: Fundamentos do texto e técnicas para aprimorar a escrita Ingresso: janeiro de 2016 Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/cursosdeferias ESCRITA CRIATIVA: Fundamentos do texto e técnicas

Leia mais

AVALIAÇÃO Testes escritos e seminários.

AVALIAÇÃO Testes escritos e seminários. CARGA HORÁRIA: 60 horas-aula Nº de Créditos: 04 (quatro) PERÍODO: 91.1 a 99.1 EMENTA: Visão panorâmica das literaturas produzidas em Portugal, Brasil, Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique e São

Leia mais

JORNALISMO INTERNACIONAL. Ingresso Julho 2015. Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/cursosdeferias

JORNALISMO INTERNACIONAL. Ingresso Julho 2015. Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/cursosdeferias JORNALISMO INTERNACIONAL Ingresso Julho 2015 Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/cursosdeferias Jornalismo Internacional O novo papel assumido pelo Brasil no cenário global, somado às profundas transformações

Leia mais

ANEXO III PROGRAMAÇÃO ARTÍSTICA LINHAS ORIENTADORAS E OBJETIVOS

ANEXO III PROGRAMAÇÃO ARTÍSTICA LINHAS ORIENTADORAS E OBJETIVOS ANEXO III PROGRAMAÇÃO ARTÍSTICA LINHAS ORIENTADORAS E OBJETIVOS CENTRO CULTURAL VILA FLOR A programação do Centro Cultural Vila Flor deverá assentar em critérios de qualidade, diversidade, contemporaneidade

Leia mais

Semana do Meio Ambiente no Jardim Botânico do Rio de Janeiro

Semana do Meio Ambiente no Jardim Botânico do Rio de Janeiro Semana do Meio Ambiente no Jardim Botânico do Rio de Janeiro De 2 a 10 de junho Jardim comemora Semana do Meio Ambiente com várias atividades, lançamento de nova plataforma virtual e reabertura do Centro

Leia mais

GRUPO FRESTAS: FORMAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO DO EDUCADOR: SABERES, TROCA, ARTE E SENTIDOS

GRUPO FRESTAS: FORMAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO DO EDUCADOR: SABERES, TROCA, ARTE E SENTIDOS Eixo: Políticas para a Infância e Formação de Professores Contempla as produções acadêmico-científicas que tratam de ações políticas e legislações referentes à Educação Infantil e a infância. Aborda pesquisas

Leia mais

H2O - Futuro das Águas

H2O - Futuro das Águas H2O - Futuro das Águas Realizado a partir de uma iniciativa do SESC RIO, o evento cultural concebido, produzido e coordenado pelo Instituto Contemporâneo de Projetos e Pesquisa O Instituto - foi composto

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS. CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação

PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS. CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação LINHA DE PESQUISA: Inovações na Linguagem e na Cultura Midiática PROFESSOR

Leia mais

Bianca Arantes dos Santos 2 Célio José Losnak 3

Bianca Arantes dos Santos 2 Célio José Losnak 3 Cultura, história e gastronomia: análise de enquadramento do jornalismo gastronômico 1 RESUMO Bianca Arantes dos Santos 2 Célio José Losnak 3 O texto parte de uma pesquisa que tem como proposta realizar

Leia mais

Programa de vivência, criação e circulação artística e cultural. Programa de vivência, criação e circulação artística e cultural

Programa de vivência, criação e circulação artística e cultural. Programa de vivência, criação e circulação artística e cultural 1 1. Apresentação // 4 2. Objetivos e metas // 8 3. Estratégia - Música e Economia criativa // 9 4. Temáticas // 9 5. Programas // 10 6. Projetos Especiais // 10 7. Conselho gestor // 11 1. Apresentação

Leia mais

5 201 O LI Ó RTF PO 1

5 201 O LI Ó RTF PO 1 1 PORTFÓLIO 2015 Um pouco da trajetória do Colégio Ação1 QUANDO TUDO COMEÇOU 1993 Experientes profissionais fundaram, no bairro do Méier, a primeira unidade da rede Ação1. O foco do trabalho era a preparação

Leia mais

Convivência. Revista do PEN Clube do Brasil. 2ª Fase - 1º Semestre 2012 - Número 2 - Rio de Janeiro Brasil / ISSN 1518-9996 ESPECIAL

Convivência. Revista do PEN Clube do Brasil. 2ª Fase - 1º Semestre 2012 - Número 2 - Rio de Janeiro Brasil / ISSN 1518-9996 ESPECIAL Convivência Revista do PEN Clube do Brasil 2ª Fase - 1º Semestre 2012 - Número 2 - Rio de Janeiro Brasil / ISSN 1518-9996 ESPECIAL PEN CLUBE DO BRASIL: 76 ANOS (1936-2012) Cláudio Aguiar O sentido de qualquer

Leia mais

Museu do Futebol comemora sete anos

Museu do Futebol comemora sete anos Museu do Futebol comemora sete anos Programação especial de aniversário, de 29 de setembro a 4 de outubro, terá entrada gratuita e diversas atividades para toda família O Museu do Futebol instituição da

Leia mais

Problematizar os temas da sociedade, da cultura e da interculturalidade a partir do estudo e análise de obras cinematográficas.

Problematizar os temas da sociedade, da cultura e da interculturalidade a partir do estudo e análise de obras cinematográficas. Objectivos A Conferência Internacional de Cinema de Viana é um espaço de reflexão e de partilha de experiências visando a construção de uma comunidade internacional de interesses e de divulgação de projetos

Leia mais

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA. NÍVEL VII e VIII-MANHÃ; NÍVEL IX e X-NOITE

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA. NÍVEL VII e VIII-MANHÃ; NÍVEL IX e X-NOITE CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA NÍVEL VII e VIII-MANHÃ; NÍVEL IX e X-NOITE PROFESSORES - ORIENTADORES PARA O TRABALHO DE CONCLUSÃO Adriana S. Kurtz Mídia e cultura de massa Cinema

Leia mais

CURSOS DE DESIGN DE APRESENTAÇÃO. Revolucione seu jeito de comunicar ideias

CURSOS DE DESIGN DE APRESENTAÇÃO. Revolucione seu jeito de comunicar ideias CURSOS DE DESIGN DE APRESENTAÇÃO Revolucione seu jeito de comunicar ideias QUEREMOS AJUDAR A REVOLUCIONAR O JEITO DE COMUNICAR IDEIAS Especialistas em comunicar ideias usando apresentações, nossa experiência

Leia mais

Instituto Roerich da Paz e Cultura do Brasil

Instituto Roerich da Paz e Cultura do Brasil COMITÊS DA BANDEIRA DA PAZ E DO PACTO ROERICH CARTA DE PRINCÍPIOS SALVADOR/BA BRASIL 2012 CARTA DE PRINCÍPIOS PARA INSTALAÇÃO DE COMITÊS DA BANDEIRA DA PAZ E DO PACTO ROERICH NO BRASIL E NOS PAÍSES DA

Leia mais

PERSONAL STYLING. Ingresso Julho 2015. Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/cursosdeferias

PERSONAL STYLING. Ingresso Julho 2015. Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/cursosdeferias PERSONAL STYLING Ingresso Julho 2015 Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/cursosdeferias PERSONALSTYLING A profissão de Personal Stylist está em alta: tanto para mudar de estilo como para reforçar

Leia mais

Curso de guitarra começa dia 2 no Sesc Balneário

Curso de guitarra começa dia 2 no Sesc Balneário Meio: Portal do Holanda Editoria: Amazonas Hora: 13:37h Data: 20/08/15 Curso de guitarra começa dia 2 no Sesc Balneário Portal do Holanda Postado em 20/08/2015 às 13h37 Estão abertas as inscrições para

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Letras

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Letras ÁREAS DE ORIENTAÇÕES DOS PROFESSORES DO CURSO DE LETRAS (Licenciatura e Bacharelado) DOCENTE Área(s) de orientação Temas preferenciais de orientação Alexandre - Literatura - Elaboração de propostas Huady

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

ARTEBR LIVRO SABORES DO BRASIL

ARTEBR LIVRO SABORES DO BRASIL ARTEBR LIVRO SABORES DO BRASIL A empresa ARTEBR desenvolve projetos em arte, educação e literatura para diversas instituições culturais brasileiras. Atua nas áreas de consultoria e assessoria em arte e

Leia mais

Mestres 1 RESUMO. 4. Palavras-chave: Comunicação; audiovisual; documentário. 1 INTRODUÇÃO

Mestres 1 RESUMO. 4. Palavras-chave: Comunicação; audiovisual; documentário. 1 INTRODUÇÃO Mestres 1 Tiago Fernandes 2 Marcelo de Miranda Noms 3 Mariane Freitas 4 Tatiane Moura 5 Felipe Valli 6 Bruno Moura 7 Roberto Salatino 8 Conrado Langer 9 Prof. Msc. Luciana Kraemer 10 Centro Universitário

Leia mais

LICENCIATURA EM HISTÓRIA. fgv.br/vestibular

LICENCIATURA EM HISTÓRIA. fgv.br/vestibular LICENCIATURA EM HISTÓRIA fgv.br/vestibular IDEALISMO, EXCELÊNCIA E CREDIBILIDADE A Fundação Getulio Vargas surgiu em 20 de dezembro de 1944 com o objetivo de preparar profissionais qualificados em Administração

Leia mais

Universidade. Estácio de Sá. Comunicação

Universidade. Estácio de Sá. Comunicação Universidade Estácio de Sá Comunicação A Estácio Hoje reconhecida como a maior instituição particular de ensino superior do país, a Universidade Estácio de Sá iniciou suas atividades em 1970, como Faculdades

Leia mais

OPÇÕES. 1.º Ciclo 2012-2013

OPÇÕES. 1.º Ciclo 2012-2013 OPÇÕES 1.º Ciclo 2012-2013 Coimbra, 12 de julho de 2012 DEFINIÇÕES GERAIS Disciplinas de opção curricular 1- São consideradas opções curriculares as disciplinas de opção contempladas nos planos de estudos

Leia mais

cpfl cultura programa cultural da cpfl energia ciesp/sorocaba, 27 de maio de 2011

cpfl cultura programa cultural da cpfl energia ciesp/sorocaba, 27 de maio de 2011 cpfl cultura programa cultural da cpfl energia ciesp/sorocaba, 27 de maio de 2011 cpfl cultura conexões cpfl cultura e cpfl energia Energia essencial ao bem estar das pessoas e ao desenvolvimento da sociedade;

Leia mais

A Revista UP MAGAZINE

A Revista UP MAGAZINE A Revista MAGAZINE 6ª Edição (Novo Formato) Há um ano a revista Magazine vem mostrando que é comprometida com seus leitores, através de um conteúdo voltado para a informação, ideias e tendências feitos

Leia mais

SIMPÓSIO INTERNACIONAL MUSEUS, BIODIVERSIDADE E SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL

SIMPÓSIO INTERNACIONAL MUSEUS, BIODIVERSIDADE E SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL 1 SIMPÓSIO INTERNACIONAL MUSEUS, BIODIVERSIDADE E SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL Data: 08 a 10 de Junho de 2010 - Local : Museu Histórico Nacional / Rio de Janeiro Dia 11 de Junho: Visitas organizadas ao Museu

Leia mais

Considerações sobre Walter Benjamin e a Reprodutibilidade Técnica. mais possível. Com efeito, uma certeza acerca do conceito de arte é sua indefinição

Considerações sobre Walter Benjamin e a Reprodutibilidade Técnica. mais possível. Com efeito, uma certeza acerca do conceito de arte é sua indefinição Considerações sobre Walter Benjamin e a Reprodutibilidade Técnica Danilo L. Brito (UFRJ) A arte tem sido alvo de discussões de diferentes teóricos ao longo da história, desde os gregos, com sua concepção

Leia mais

colégio santo américo

colégio santo américo prosa centro de estudos 1º semestre / 2010,,,,, colégio santo américo P a l e s t r a s A arte do desenho na educação O desenho é um fazer criativo e reflexivo, imprescindível na escola. Seu percurso na

Leia mais

Áreas, sub-áreas e especialidades dos estudos da cognição

Áreas, sub-áreas e especialidades dos estudos da cognição 01. GRANDE ÁREA: CIÊNCIAS MATEMÁTICAS E NATURAIS 2. Área - Probabilidade Probabilidade Aplicada (aspectos 3. Área - Estatística Fundamentos da Estatística (aspectos Modelagem Estatística Teoria da Amostragem

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES: REGULAMENTO CONCLUINTES EM 2015/1

ATIVIDADES COMPLEMENTARES: REGULAMENTO CONCLUINTES EM 2015/1 CENTRO UNIVERSITÁRIO BELAS ARTES DE SÃO PAULO CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL Publicidade e Propaganda Rádio e Televisão Relações Públicas ATIVIDADES COMPLEMENTARES: REGULAMENTO CONCLUINTES EM 2015/1 DEFINIÇÃO

Leia mais

tecnologia estilo de vida reflexão esportividade

tecnologia estilo de vida reflexão esportividade tecnologia estilo de vida reflexão esportividade Revista Audi Audi Magazine não é uma revista sobre carros, por mais que seja editada por uma das mais prestigiadas montadoras do planeta, não dedica suas

Leia mais

MANUAL DO CANDIDATO. Extensão

MANUAL DO CANDIDATO. Extensão MANUAL DO CANDIDATO Extensão Prezado(a) Candidato(a), Agradecemos o interesse pelos nossos cursos. Este manual contém informações básicas pertinentes ao curso, tais como: objetivos do curso e das disciplinas,

Leia mais

Capacitar o aluno nas: 2015

Capacitar o aluno nas: 2015 Quando colocamos e estruturamos nossas ideias e pensamentos no papel, damos o primeiro passo para tornar real e concreta uma nova realidade: um projeto, um produto ou serviço, um desejo. O curso Põe no

Leia mais

Resumo. GT Produção Laboratorial Impresso Jornal cultural 2ª Opinião Márcia Eliane Rosa Professora de Jornalismo, doutoranda na ECA/USP

Resumo. GT Produção Laboratorial Impresso Jornal cultural 2ª Opinião Márcia Eliane Rosa Professora de Jornalismo, doutoranda na ECA/USP GT Produção Laboratorial Impresso Jornal cultural 2ª Opinião Márcia Eliane Rosa Professora de Jornalismo, doutoranda na ECA/USP Resumo O 2ª Opinião - Espaço cultural é um jornal-laboratório que vem sendo

Leia mais

Guia do Aluno. Curso a Distância (EAD) Patrimônio Imaterial: fortalecendo o Sistema Nacional

Guia do Aluno. Curso a Distância (EAD) Patrimônio Imaterial: fortalecendo o Sistema Nacional Curso a Distância (EAD) Patrimônio Imaterial: fortalecendo o Sistema Nacional Guia do Aluno 2013 1 SUMÁRIO 1 Apresentação... 3 1.1 O GUIA... 3 1.2 - INTRODUÇÃO AO CURSO... 3 1.3 OBJETIVOS... 4 2 - Conteúdo

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

WORKSHOP Sanguecine Sanguecine

WORKSHOP Sanguecine Sanguecine WORKSHOP Sanguecine é um workshop sobre a história, a produção e o mercado de cinema de gênero em âmbito mundial. Ele é derivado de um cineclube dedicado exclusivamente ao cinema fantástico e de gênero

Leia mais

TESTE VOCACIONAL PROF. BRUNO AUGUSTO COLÉGIO SÃO JOSÉ

TESTE VOCACIONAL PROF. BRUNO AUGUSTO COLÉGIO SÃO JOSÉ TESTE VOCACIONAL PROF. BRUNO AUGUSTO COLÉGIO SÃO JOSÉ S I S T E M A P O S I T I V O D E E N S I N O Na escola, você prefere assuntos ligados à: a) Arte, esportes e atividades extracurriculares b) Biologia

Leia mais

O tema desta edição do EVP em Notícias é: Conexões

O tema desta edição do EVP em Notícias é: Conexões O tema desta edição do EVP em Notícias é: Conexões Nosso entrevistado é o Prof. Dr. Rogério da Costa, da PUC-SP. A partir de um consistente referencial teórico-filosófico, mas em uma linguagem simples,

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

:: C A N A L B A N D N E W S ::

:: C A N A L B A N D N E W S :: :: TABELA DE PREÇOS :: JANEIRO JANEIRO 2013 2011 :: C A N A L B A N D N E W S :: SKY, NET, Claro TV, Oi Tv e independentes, alcança mais de 10.800.000 assinantes. SEXO 4 IDADE CLASSE SOCIAL DIA INÍCIO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO DOCE CNPJ: 18.316.265/0001-69 CEP: 35442-000 ESTADO DE MINAS GERAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO DOCE CNPJ: 18.316.265/0001-69 CEP: 35442-000 ESTADO DE MINAS GERAIS I FEIRA GASTRO-CULTURAL DE RIO DOCE MG De 24/09 à 01/10/2011, o município de Rio Doce abrigará a I Feira Gastro-Cultural que movimentará a cultura, a arte e a culinária no interior na zona da mata mineira.

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE ALUNOS PARA A ESCOLA POPULAR DE COMUNICAÇÃO CRÍTICA ESPOCC TURMAS 2014

EDITAL DE SELEÇÃO DE ALUNOS PARA A ESCOLA POPULAR DE COMUNICAÇÃO CRÍTICA ESPOCC TURMAS 2014 EDITAL DE SELEÇÃO DE ALUNOS PARA A ESCOLA POPULAR DE COMUNICAÇÃO CRÍTICA ESPOCC TURMAS 2014 O Observatório de Favelas torna pública, por meio desta chamada, as normas do processo de seleção de alunos para

Leia mais

Departamento de Enfermagem Básica (1 vaga) Processo nº 23071.004115/2009-81

Departamento de Enfermagem Básica (1 vaga) Processo nº 23071.004115/2009-81 Períodos de inscrições: no sítio http://www.concurso.ufjf.br a) Primeiro período: das 09h do dia 11/05/2009 até as 14h do dia 29/05/2009; b) Segundo período: das 09h do dia 22/06/2009 até as 14h do dia

Leia mais

TEORIAS DA COMUNICAÇÃO ENADE VOLUME

TEORIAS DA COMUNICAÇÃO ENADE VOLUME CADERNO PEDAGÓGICO TEORIAS DA COMUNICAÇÃO ENADE VOLUME 4 ISBN: 2015/1 ALUNO(A): APOIO PEDAGÓGICO: NUCLEO DE FORMAÇÃO GERAL ANNA PAULA SOARES LEMOS JOAQUIM HUMBERTO COELHO DE OLIVEIRA LUCIMAR LEVEGNHAGEN

Leia mais

o livro, busca o registro de um programa perene e inovador dentro de uma instituição cultural, a divulgação de reflexões sobre o jornalismo cultural

o livro, busca o registro de um programa perene e inovador dentro de uma instituição cultural, a divulgação de reflexões sobre o jornalismo cultural o livro, busca o registro de um programa perene e inovador dentro de uma instituição cultural, a divulgação de reflexões sobre o jornalismo cultural praticado hoje no Brasil e no exterior por meio de uma

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Propaganda, Publicidade e Criação PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Propaganda, Publicidade e Criação PLANO DE ENSINO PLANO DE ENSINO CÓDIGO UNIDADE 042 CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS CÓD. CURSO CURSO PROPAGANDA, PUBLICIDADE E CRIAÇÃO CÓD. DISC. DISCIPLINA 34033408 ARTE BRASILEIRA II CRÉDITOS ETAPA 3 Período CH ANO 2009

Leia mais

A Jornada de Master Neuro Coaching INFORMAÇÕES PARA A SUA FORMAÇÃO EM MASTER NEURO COACHING

A Jornada de Master Neuro Coaching INFORMAÇÕES PARA A SUA FORMAÇÃO EM MASTER NEURO COACHING A Jornada de Master Neuro Coaching INFORMAÇÕES PARA A SUA FORMAÇÃO EM MASTER NEURO COACHING O que você conhecerá nesta apresentação digital Características do profissional de Master Neuro Coach Benefícios

Leia mais

Bastidores de Moda em PARIS. www.ecolesuperieurerelooking.com.br

Bastidores de Moda em PARIS. www.ecolesuperieurerelooking.com.br Bastidores de Moda em PARIS www.ecolesuperieurerelooking.com.br A Ecole Supérieure de Relooking A Ecole Supérieure de Relooking está localizada em Paris, berço mundial das artes, da cultura, cidade que

Leia mais

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA JORNALISMO

Leia mais

JORNALISMO CULTURAL E CRÍTICA DE ARTE NA WEB. ANÁLISE DA PRODUÇÃO TEXTUAL E PARTICIPAÇÃO DO PÚBLICO EM SITES

JORNALISMO CULTURAL E CRÍTICA DE ARTE NA WEB. ANÁLISE DA PRODUÇÃO TEXTUAL E PARTICIPAÇÃO DO PÚBLICO EM SITES Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2013, v. 17, n. 17, p. 01 06 JORNALISMO CULTURAL E CRÍTICA DE ARTE NA WEB. ANÁLISE DA PRODUÇÃO TEXTUAL E PARTICIPAÇÃO DO PÚBLICO EM SITES AGUIRRE, Alexandra 1 BASÍLIO,

Leia mais

CHAMAMENTO PÚBLICO POIESIS Nº 03/2015

CHAMAMENTO PÚBLICO POIESIS Nº 03/2015 CHAMAMENTO PÚBLICO POIESIS Nº 03/2015 OBJETO: Processo de Seleção para o Programa de Incentivo à Pesquisa e à Tradução da Obra de Haroldo de Campos, da Casa das Rosas Centro de Referência Haroldo de Campos.

Leia mais

Anima Mundi 2015 23º Festival Internacional de Animação do Brasil Rio de Janeiro 10 a 19 de julho São Paulo 22 a 26 de julho

Anima Mundi 2015 23º Festival Internacional de Animação do Brasil Rio de Janeiro 10 a 19 de julho São Paulo 22 a 26 de julho Anima Mundi 2015 23º Festival Internacional de Animação do Brasil Rio de Janeiro 10 a 19 de julho São Paulo 22 a 26 de julho REGULAMENTO 1. PRAZOS 10/03 Data limite para finalizar a ficha de inscrição

Leia mais

MARKETING DE LUXO: Estratégias para produtos e serviços de luxo e Premium Ingresso Janeiro 2014

MARKETING DE LUXO: Estratégias para produtos e serviços de luxo e Premium Ingresso Janeiro 2014 MARKETING DE LUXO: Estratégias para produtos e serviços de luxo e Premium Ingresso Janeiro 2014 Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/cursosdeferias Marketing de Luxo: Estratégias para produtos e serviços

Leia mais

Pós Graduação em Jornalismo Investigativo

Pós Graduação em Jornalismo Investigativo Pós Graduação em Jornalismo Investigativo Público - alvo O curso foi desenvolvido para profissionais interessados em aprofundar seus conhecimentos em técnicas de reportagem e investigação jornalística,

Leia mais

20 a 23 de novembro de 2008 Galpões da Rotunda. Autor homenageado Ariano Suassuna

20 a 23 de novembro de 2008 Galpões da Rotunda. Autor homenageado Ariano Suassuna 20 a 23 de novembro de 2008 Galpões da Rotunda Autor homenageado Ariano Suassuna Apresentação : Realização: Patrocínio: Apresentação : Apoio: O 2º FELIT foi realizado nos Galpões da Rotunda, que integram

Leia mais

Cursos de Licenciatura

Cursos de Licenciatura DLLM Cursos de Licenciatura 2009-2010 1 Cursos de Licenciatura 2009/2010 1º Ciclo Bolonha DLLM Departamento de Línguas e Literaturas Modernas 2 Cursos de Licenciatura 2009-2010 DLLM DLLM Cursos de Licenciatura

Leia mais

Conviver Bem: Proporcionando Espaço de Convívio, Lazer e Cultura

Conviver Bem: Proporcionando Espaço de Convívio, Lazer e Cultura 14 Conviver Bem: Proporcionando Espaço de Convívio, Lazer e Cultura Iná Aparecida de Toledo Piza Furlan Administradora de Empresa Especialista em Gestão da Qualidade de Vida na Empresa na UNICAMP INTRODUÇÃO

Leia mais

BOLETIM MUSEU DA IMIGRAÇÃO Setembro Outubro 2014

BOLETIM MUSEU DA IMIGRAÇÃO Setembro Outubro 2014 O Boletim do Museu da Imigração chega à sua vigésima segunda edição. Este veículo tem a proposta de manter as comunidades e o público geral informados sobre o MI, destacando ainda as atividades e ações

Leia mais

CIRCULAÇÃO PERIODICIDADE

CIRCULAÇÃO PERIODICIDADE Portfólio 2015 A Revista AG é uma revista feminina, atual e sempre inovadora, que antecede tudo que é novo nas áreas de saúde, bem-estar, fitness, moda, beleza, decoração, gastronomia, viagens e muito

Leia mais

TÉCNICAS DE EDIÇÃO DE VÍDEO PARA JORNALISMO. Ingresso Julho 2015. Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/cursosdeferias

TÉCNICAS DE EDIÇÃO DE VÍDEO PARA JORNALISMO. Ingresso Julho 2015. Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/cursosdeferias TÉCNICAS DE EDIÇÃO DE VÍDEO PARA JORNALISMO Ingresso Julho 2015 Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/cursosdeferias Técnicas de Edição e Vídeo para Jornalismo Proporcionar aos alunos a oportunidade

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

ESPAÇO DE INVESTIGAÇÃO ARTÍSTICA REGULAMENTO GERAL DO ATELIÊ ABERTO #7 PROGRAMA DE RESIDÊNCIA PARA ARTISTAS E PESQUISADORES EM ARTE.

ESPAÇO DE INVESTIGAÇÃO ARTÍSTICA REGULAMENTO GERAL DO ATELIÊ ABERTO #7 PROGRAMA DE RESIDÊNCIA PARA ARTISTAS E PESQUISADORES EM ARTE. ESPAÇO DE INVESTIGAÇÃO ARTÍSTICA REGULAMENTO GERAL DO ATELIÊ ABERTO #7 PROGRAMA DE RESIDÊNCIA PARA ARTISTAS E PESQUISADORES EM ARTE. A Casa Tomada abre inscrições para a seleção de projetos da residência

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO TURMA DE 2016

EDITAL DE SELEÇÃO TURMA DE 2016 UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO INSTITUTO DE ARTE E COMUNICAÇÃO SOCIAL Programa de Pós-Graduação em Estudos Contemporâneos das Artes PPGCA-UFF EDITAL

Leia mais

Oi FUTURO APRESENTA TERCEIRO ENCONTRO DO CICLO DE ARTE DIGITAL INTER-AGIR

Oi FUTURO APRESENTA TERCEIRO ENCONTRO DO CICLO DE ARTE DIGITAL INTER-AGIR Oi FUTURO APRESENTA TERCEIRO ENCONTRO DO CICLO DE ARTE DIGITAL INTER-AGIR - Evento será no dia 13 de novembro, a partir das 19h, começando com apresentação do grupo Teatro Para Alguém com espetáculo que

Leia mais

cultura, e um meio pelo qual o homem transforma O artista tem como função representar simbolicamente a realidade em que está inserido, expressando

cultura, e um meio pelo qual o homem transforma O artista tem como função representar simbolicamente a realidade em que está inserido, expressando 1 ANO 20 / Nº 63 / dezembro DE 2014 E história da arte: novidade empolga turmas do 9o ano ste ano, o Colégio Andrews incluiu no currículo do 9o ano a disciplina de História da Arte, com o objetivo de aprofundar

Leia mais

Antropologia da Face Gloriosa. Arthur Omar

Antropologia da Face Gloriosa. Arthur Omar Antropologia da Face Gloriosa Arthur Omar Arthur Omar é um artista brasileiro múltiplo, com presença de ponta em várias áreas da produção artística contemporânea. Formado em antropologia e etnografia,

Leia mais

INFORME UVV-ES Nº21 29/07-04/08 de 2013 UVV POST. Publicação semanal interna Universidade Vila Velha - ES Produto da Comunicação Institucional

INFORME UVV-ES Nº21 29/07-04/08 de 2013 UVV POST. Publicação semanal interna Universidade Vila Velha - ES Produto da Comunicação Institucional UVV POST Publicação semanal interna Universidade Vila Velha - ES Produto da Comunicação Institucional EDITAIS DE MONITORIA E ESTÁGIO Até o dia 16 de agosto de 2013, estão abertas as inscrições para o preenchimento

Leia mais

AÇÕES DO PROGRAMA ARTE E MATEMÁTICA: POSSIBILIDADES INTERDISCIPLINARES NA EDUCAÇÃO BÁSICA

AÇÕES DO PROGRAMA ARTE E MATEMÁTICA: POSSIBILIDADES INTERDISCIPLINARES NA EDUCAÇÃO BÁSICA ISSN 2316-7785 AÇÕES DO PROGRAMA ARTE E MATEMÁTICA: POSSIBILIDADES INTERDISCIPLINARES NA EDUCAÇÃO BÁSICA Resumo Tiago Dziekaniak Figueiredo Universidade Federal do Rio Grande FURG tiago@furg.br José Alexandre

Leia mais

Leituras da paternidade, leituras de Íon, de Eurípides. De 16 a 18 de setembro de 2015. Programação

Leituras da paternidade, leituras de Íon, de Eurípides. De 16 a 18 de setembro de 2015. Programação Leituras da paternidade, leituras de Íon, de Eurípides De 16 a 18 de setembro de 2015 Programação 16 de setembro de 2015 Quarta-feira 8hs 9hs Credenciamento 9hs30 12hs Conferências de abertura: Leituras

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS CAMPUS ANÁPOLIS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS CAMPUS ANÁPOLIS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS CAMPUS ANÁPOLIS CHAMADA PÚBLICA CHAMADA PÚBLICA PARA CURSOS DE EXTENSÃO

Leia mais

MONTAGEM CINEMATOGRÁFICA. Ingresso Julho 2014. Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/cursosdeferias

MONTAGEM CINEMATOGRÁFICA. Ingresso Julho 2014. Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/cursosdeferias MONTAGEM CINEMATOGRÁFICA Ingresso Julho 2014 Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/cursosdeferias Montagem Cinematográfica Proporcionar aos alunos uma oportunidade de desenvolver e aprofundar suas

Leia mais

9/4/2013. Bem-vindo ao portal gnt.com.br

9/4/2013. Bem-vindo ao portal gnt.com.br 9/4/2013 Bem-vindo ao portal gnt.com.br GNT.COM.BR GNT.COM.BR O portal que compõe com o canal GNT sua mais completa solução de mídia para o público feminino, unindo o impacto da TV à relevância da internet.

Leia mais

SERVIÇO EDUCATIVO MASP PROGRAMAÇÃO ESPECIAL ROMA A VIDA E OS IMPERADORES Momento Itália Brasil de outubro de 2011 a junho de 2012

SERVIÇO EDUCATIVO MASP PROGRAMAÇÃO ESPECIAL ROMA A VIDA E OS IMPERADORES Momento Itália Brasil de outubro de 2011 a junho de 2012 I. A Exposição SERVIÇO EDUCATIVO MASP PROGRAMAÇÃO ESPECIAL ROMA A VIDA E OS IMPERADORES Momento Itália Brasil de outubro de 2011 a junho de 2012 II. Assessoria ao Professor: Assessoria gratuita, mediante

Leia mais

MANUAL DO CANDIDATO. Pós-graduação

MANUAL DO CANDIDATO. Pós-graduação MANUAL DO CANDIDATO Pós-graduação Prezado(a) Candidato(a), Agradecemos o interesse pelos nossos cursos. Este manual contém informações básicas pertinentes ao curso, tais como: objetivos do curso e das

Leia mais

A hora é agora! Vamos juntos alcançar um verdadeiro legado social.

A hora é agora! Vamos juntos alcançar um verdadeiro legado social. A hora é agora! Vamos juntos alcançar um verdadeiro legado social. 2013 foi ótimo! Mas, 2014 está sendo ainda melhor. Um ano de oportunidades, transformações... Mais uma chance de fazer melhor e com excelência!

Leia mais

APós-Graduação em Coaching é a mais avançada e profunda iniciativa de formação

APós-Graduação em Coaching é a mais avançada e profunda iniciativa de formação APós-Graduação em Coaching é a mais avançada e profunda iniciativa de formação em Coaching, com chancela e certificação pelo MEC. Desenvolvida pela Homero Reis e Consultores que atua no mercado formando

Leia mais

CURSO DE EXTENSÃO : GESTÃO DO MERCADO DO LUXO

CURSO DE EXTENSÃO : GESTÃO DO MERCADO DO LUXO CURSO DE EXTENSÃO : GESTÃO DO MERCADO DO LUXO Dia/Horário: Sábados das 9h00 às 18h00 (2 encontros mensais 16 horas aula) Local: Casa Semio São Paulo Carga Horária: 112 horas Coordenação: Claudio Diniz

Leia mais

Instituto Rubem Alves Plano Anual 2015

Instituto Rubem Alves Plano Anual 2015 Instituto Rubem Alves Plano Anual 2015 Proponente: Instituto Rubem Alves CNPJ nº 17.030.336/0001-08 Período: 01/01/2015 a 31/12/2015 Segmento: Patrimônio Cultural Preservação de acervos - Plano Anual Lei

Leia mais

Festival Adaptação chega a sua 3 edição com mostra de filmes e debates em homenagem aos 90 anos da Semana de Arte Moderna de 1922

Festival Adaptação chega a sua 3 edição com mostra de filmes e debates em homenagem aos 90 anos da Semana de Arte Moderna de 1922 Festival Adaptação chega a sua 3 edição com mostra de filmes e debates em homenagem aos 90 anos da Semana de Arte Moderna de 1922 Sessões de cinema no Complexo do Alemão, Especial Joaquim Pedro de Andrade

Leia mais

MUSEU DA CIDADE OCA RECEBE A MAIOR EXPOSIÇÃO JÁ REALIZADA SOBRE A CIVILIZAÇÃO MAIA

MUSEU DA CIDADE OCA RECEBE A MAIOR EXPOSIÇÃO JÁ REALIZADA SOBRE A CIVILIZAÇÃO MAIA MUSEU DA CIDADE OCA RECEBE A MAIOR EXPOSIÇÃO JÁ REALIZADA SOBRE A CIVILIZAÇÃO MAIA Mayas: revelação de um tempo sem fim reúne pela primeira vez mais de 380 objetos e homenageia esta civilização em todo

Leia mais

Faça amizades no trabalho

Faça amizades no trabalho 1 Faça amizades no trabalho Amigos verdadeiros ajudam a melhorar a saúde, tornam a vida melhor e aumentam a satisfação profissional. Você tem um grande amigo no local em que trabalha? A resposta para essa

Leia mais

Projeto de Educação Financeira No Poupar está o Ganho. Estratégia 2012/2013

Projeto de Educação Financeira No Poupar está o Ganho. Estratégia 2012/2013 Projeto de Educação Financeira No Poupar está o Ganho Estratégia 2012/2013 Contexto Experiência do Museu do Papel Moeda, adquirida desde 2008, em projetos com a comunidade, relacionados com literacia financeira

Leia mais

Luís Eduardo Magalhães - Bahia

Luís Eduardo Magalhães - Bahia Luís Eduardo Magalhães - Bahia APRESENTAÇÃO O II Festival Gastronômico de Luís Eduardo Magalhães, denominado II LEM Gastronomia, acontecerá de 01 a 04 de outubro de 2015, no Centro de Eventos Nossa Senhora

Leia mais

1º CADERNO diário, standard

1º CADERNO diário, standard Credibilidade, tradição, inovação e a maior base de assinantes do Estado fazem do jornal o principal de Minas Gerais. Líder em seu segmento e referência entre os grandes veículos de comunicação no Brasil,

Leia mais