Manipulação com hormônios da tireoide: cálculos para correção de teor e umidade. Pigmentação em foco: alterações e a melhor escolha de tratamento

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manipulação com hormônios da tireoide: cálculos para correção de teor e umidade. Pigmentação em foco: alterações e a melhor escolha de tratamento"

Transcrição

1 ISSN Publicação da ANFARMAG Associação Nacional de Farmacêuticos Magistrais. ANO 5 Nº 22 outubro/novembro/dezembro 2013 Manipulação com hormônios da tireoide: cálculos para correção de teor e umidade Pigmentação em foco: alterações e a melhor escolha de tratamento Excipiente: Hpmc para cápsulas em formulações magistrais

2 PROVISIT cosmetologia avançada tab Primeira Assessoria em Tablet para Visitação Médica do Brasil! Conheça a Assessoria Tablet Cosmetologia Avançada Exclusiva Torne sua visita muito mais Fácil, Prática e Eficiente! 6 Papers Científicos Digitais para Visitação Médica em Tablet Exclusivos; Vídeo Visita para o Médico; 6 Papers Científicos para Visitação Médica; Vídeo Treinamento para Propagandistas; 1 Tablet Gratuito!¹ 1 Licença para uso do propagandista. Agora, a Consulfarma faz a Visita para você! Prática e Econômica! Visitar seus Médicos, nunca foi tão fácil! A gratuidade do Tablet se dá mediante aquisição da assessoria em visitação médica Provisit Cosmetologia Avançada Exclusiva e assinatura de contrato fidelidade 15 meses. Este contrato dá direito a Assessoria Provisit Cosmetologia Avançada Exclusiva e 1 licença da Assessoria Provisit Tab Cosmetologia Avançada. Demais licenças não inclui o aparelho. O tablet cortesia é o modelo Galaxy Tab 10.1 da Samsung.

3 editorial Vamos estudar juntos? Insumos, tecnologias e formas farmacêuticas estão em constante evolução. Para acompanhar o ritmo, saber das novidades e, principalmente, ter segurança na manipulação para gerar produtos de qualidade garantida, temos que buscar atualização. Ainda assim, no cotidiano da profissão nos deparamos com dúvidas. Quando a dúvida surge, nada melhor que procurar a resposta na experiência dos colegas. É por isso que a Revista Técnica do Farmacêutico é como um grande grupo de estudos. A cada edição, convidamos especialistas e pautamos temas que julgamos pertinentes para o dia a dia do farmacêutico. São artigos que surgem a partir de estudos de diferentes profissionais ou de dúvidas que chegam aos ouvidos e aos s de nossa equipe técnica na rotina de atendimento ao associado. Ana Lúcia Mendes dos Santos Povreslo Diretora técnica da Anfarmag (Associação Nacional de Farmacêuticos Magistrais) Afinal, a dúvida ou a informação surgida da experiência de alguém pode ser útil até para quem ainda não havia se deparado com o dilema. A ideia é que o conteúdo que você encontra aqui tenha serventia no laboratório, ajude a solucionar desafios técnicos, contribua para a qualidade do seu trabalho e gere insights. Por isso, estamos abertos às suas sugestões. Queremos saber que textos você viu aqui que foram úteis e que outros assuntos você gostaria de ver abordados. Também, nossa proposta é que, além de leitor, você seja co-autor. A Revista Técnica do Farmacêutico Magistral só existe a partir da cocriação, pois é pela experiência múltipla de profissionais de perfil e atuação distintos que conseguimos alcançar um conjunto pertinente e enriquecedor. Boa leitura! 3

4 sumário Rua Vergueiro, o andar - CEP São Paulo - SP - Site: Tel.: (11) Fax: (11) Revista Técnica do Farmacêutico - Órgão Oficial da Anfarmag Associação Nacional de Farmacêuticos Magistrais 06 Atualidades Diretoria Nacional Gestão Presidente - Ademir Valério da Silva - SP 1 Vice-Presidente - Ivan da Gama Teixeira - SP 2 Vice-Presidente - Carlos Alberto P. Oliveira - DF 3 Vice-Presidente - Antonio Geraldo Ribeiro S. Júnior - SP Secretário-Geral - Marcelo Brasil do Couto - PA 2ª Secretária - Rejane Alves G. Hoffmann - PR Tesoureiro - Adolfo Moacir Cabral Filho - SC 2ª Tesoureira - Márcia Aparecida Gutierrez - SP Conselho Fiscal Ana Lúcia Mendes dos Santos Povreslo - SP Marcos Antonio Costa Oliveira - MG Marina Sayuri M. Hashimoto - PR Diretoria Técnica Ana Lúcia M. Povreslo Diretoria de Comunicação Gerson Appel 08 Farmacotécnica Hormônios da tireoide 14 Dermatologia Pigmentação em foco 22 Nota técnica HPMC para cápsulas 24 Insumo Fator de correção em SAMe 26 Legal 1 Resíduos sólidos Gerente Técnico e de Assuntos Regulatórios Vagner Miguel - Equipe farmacêutica da área técnica Maria Aparecida Ferreira Soares, Lúcia Helena S. G. Pinto, Carolina Leiva Fiore, Jaqueline Tiemi Watanabe, Fernando Rodrigo Zolin e Adriana Paula de Mello Alves. CONTATO COMERCIAL Simone Tavares - 29 Legal 2 Rastreabilidade do processo magistral 32 Normas Revisão do Conteúdo Editorial Presoti Comunicação / Grupo Interface - Melissa Boëchat Fotos Divulgação e Banco de Imagem Arte e diagramação Fontpress Assessoria de Comunicação Imagem da capa Shutterstock Impressão Vox Editora - Revista destinada aos farmacêuticos magistrais, dirigentes e funcionários de farmácias de manipulação e de laboratórios; prestadores de serviços e fornecedores do segmento; médicos e outros profissionais de saúde; entidades de classe de todo o território nacional; parlamentares e autoridades da área de saúde dos governos federal, estadual e municipal. Artigos assinados não refletem necessariamente a opinião da Anfarmag. A revista não se responsabiliza pelo conteúdo dos artigos assinados. É expressamente proibida a reprodução total Ou parcial dos textos da Revista Técnica do Farmacêutico Periocidade: Trimestral Circulação: Nacional Tiragem: exemplares Distribuição dirigida relação de empresas ANUNCIANTES 02 Consulfarma 05 Led 11 Elyplast 13 Ortofarma 21 Senac 35 Alternate

5 Linha de Protetores Solares LED FPS 30 + PPD 10,2 e FPS 50 + PPD 19 A RDC 30/2012 regulamenta a obrigatoriedade do Fator de Proteção UVA mínimo de 1/3 do valor de FPS para todos os protetores solares. Testados "in vivo" em laboratório credenciado pela ANVISA. LANÇAMENTO bisnaga 110g Economia, Praticidade, Segurança, Qualidade e Padronização para a farmácia de manipulação. A mais completa Linha de Bases. Creme Hidratante Hipoalergênico (Dermatológicamente Testado) Creme Hidrossolúvel Aniônico Creme Siliconado (com Emulsão água em Silicone) Creme Hidratante Clean Creme Hidratante Hidrossolúvel Creme Hidratante Não Iônico com Óleo de Amêndoas e Óleo de Uva Creme Hidratante Cold Cream Creme Hidratante Não Iônico Loção Hidratante Não Iônica com Óleo de Amêndoas e Óleo de Uva Loção Hidratante Hidrossolúvel Loção Hidratante Oil-Free Condicionador Shampoo Base Perolado Shampoo para Cabelos Secos Shampoo para Cabelos Oleosos Shampoo para Cabelos Normais Sabonete Líquido Perolado Sabonete Cremoso Gel Hidratante com Carbomer Gel Hidratante com Hidroxietilcelulose Gel Creme Hidratante Gel Creme Hidratante Plus Base para Microemulsão Fases Aquosa e Oleosa (Bases para Gel Transdérmico) Led - Laboratorio de Evolução Dermatológica Ltda. Televendas: (19) / Fax: (19)

6 Atualidades 1. Prescrição de Nutricionista avaliação e atendimento A Anfarmag, no sentido de orientar sobre a recente norma editada pelo Conselho Federal de Nutrição (CFN) publicada no DOU de 28 de junho de 2013, Seção 1, páginas 141 e 142, apresenta informações na forma de perguntas e respostas para melhor entendimento. O trabalho foi elaborado pela Anfarmag, com intercâmbio das entidades APFit e CONBRAFITO. O embasamento legal foi baseado no texto da resolução em referência. Para mais informações, acesse a área restrita ao Associado: vo---res-cff-n pratica-fitoterapia-no-ambito-do- -nutricionista0 Referência: RESOLUÇÃO CFN Nº 525, DE 25 DE JUNHO DE 2013 Regulamenta a prática da fitoterapia pelo nutricionista, atribuindo-lhe competência para, nas modalidades que especifica, prescrever plantas medicinais, drogas vegetais e fitoterápicos como complemento da prescrição dietética, e dá outras providências. Dúvidas sobre esta norma ou outra podem ser encaminhadas no portal da Anfarmag, em Acesso Restrito.

7 2. CONSELHO FEDERAL DE FARMÁCIA disponibiliza Portal Saúde baseada em evidências A Anfarmag informa que o Conselho Federal de Farmácia (CFF) vem trabalhando no sentido de promover informação para o aprimoramento técnico-científico dos farmacêuticos. Em parceria com a Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde (SGTES/ MS) do Ministério da Saúde, o CFF disponibiliza em sua página o link do portal Saúde baseada em evidências, para acesso gratuito às publicações científicas em revistas, periódicos e livros organizados pela Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior/MEC). O que é? SAÚDE BASEADA EM EVIDÊNCIAS Criado pelo Ministério da Saúde em parceria com a Capes/MEC, o Portal Saúde Baseada em Evidências reitera o compromisso do governo brasileiro de aprimorar o exercício dos trabalhadores da saúde, democratizando as condições de acesso, nas suas áreas de atuação, a conteúdos cientificamente fundamentados na perspectiva de melhor atender à população. O que irá fornecer? Conhecimento científico por meio de publicações atuais e sistematicamente revisadas. Informações, providas de evidências científicas, utilizadas para apoiar tanto a prática clínica, como também a tomada de decisão para a gestão em saúde e qualificação do cuidado, auxiliando, assim, os profissionais da saúde. pelo ou pelo Disque Saúde 136 (ligação gratuita). Bases editoriais disponíveis: Dentre as várias as bases editoriais disponibilizadas, destacam-se: Atheneu Livros Virtuais Disponibiliza mais de 200 títulos publicados, com assuntos que englobam a área de Ciências da Saúde e Medicina em geral. Dynamed Ferramenta de referência clínica, para uso no local de tratamento, que contém sumários clinicamente organizados e inclui calculadoras médicas. Embase Ferramenta on-line com revisões sistemáticas em áreas como farmacologia, ciências farmacêuticas, toxicologia, alergia e imunologia, oncologia, neurologia, cardiologia, química medicinal e descoberta de drogas. Fonte: CFF, com informações do Portal Saúde Baseada em Evidências Quem pode ter acesso? Os profissionais de saúde vinculados ao respectivo Conselho Profissional. Terão acesso à pesquisa os profissionais das áreas de Biologia, Biomedicina, Educação Física, Enfermagem, Farmácia, Fisioterapia e Terapia Ocupacional, Fonoaudiologia, Medicina, Medicina Veterinária, Nutrição, Odontologia, Psicologia e Serviço Social. Como acessar? Acesse o Portal Saúde Baseada em Evidências pelo link abaixo: Caso seja seu primeiro acesso, utilize o link Cadastro de novo usuário. Suporte Os profissionais podem solicitar informações Para mais informações, acesse a área restrita do Associado: 7

8 Farmacotécnica Manipulação de Formas Farmacêuticas com Hormônios da Tireoide: Cálculos para correção de teor e umidade Anderson de Oliveira Ferreira, MSc. Ortofarma Laboratório de Controle da Qualidade Este artigo tem o objetivo de descrever os cálculos envolvidos na obtenção da correta concentração dos hormônios tiroidianos na manipulação e preparo do produto acabado em acordo com as especificações farmacopeicas. O texto destaca que a qualidade do medicamento magistral, bem como a minimização de riscos associados, está diretamente envolvida com a correta interpretação dos resultados expressos no certificado de análise da matéria-prima, na avaliação crítica da prescrição, na precisão dos cálculos farmacêuticos e na execução correta das operações farmacêuticas. A terapia de reposição dos hormônios tiroidianos tem sido realizada por mais de 100 anos no tratamento do hipotiroidismo, e não há dúvida em relação à sua eficácia (WIER- SINGA, 2001). Os hormônios tiroidianos levotiroxina sódica (T4) e a liotironina sódica (T3) são os fármacos normalmente empregados para a correção dos baixos níveis de T3 e/ou T4 no organismo. O ajuste de doses e o emprego da associação destes dois hormônios são viabilizados por meio do preparo de medicamentos individualizados pela farmácia magistral. Contudo, eventuais desvios da qualidade em medicamentos manipulados contendo T3 e/ou T4 têm sido relatados e publicados por laboratórios oficiais. Os resultados desses relatos incluem tanto cápsulas com teores abaixo como acima do especificado para as concentrações rotuladas, além de falta de uniformidade entre as cápsulas (MAGNELLI et al., 2010). Assim como para os demais fármacos, o preparo correto e seguro de medicamento contendo hormônio tiroidiano deve ter início com uma interpretação minuciosa dos dados relacionados no certificado de análise da matéria-prima. Alguns resultados dos testes relacionados nesse documento são empregados na realização dos cálculos farmacotécnicos. Neste artigo, vamos nos ater à explanação dos cálculos envolvidos para obtenção da correta concentração dos hormônios tiroidianos no produto acabado, em acordo com as especificações relacionadas nas monografias da Farmacopeia Americana (USP), uma vez que não há monografia dessas substâncias na Farmacopeia Brasileira. Os hormônios tiroidianos T4 e T3, destinados para fins farmacêuticos e relacionados na USP, estão disponíveis nas respectivas formas químicas de levotiroxina sódica anidra ou hidratada e liotironina sódica anidra. As fórmulas moleculares e estruturais desses hormônios estão representadas abaixo: Levotiroxina sódica (T4) Fórmula molecular C 15 H 10 I 4 N NaO 4 (anidra) PM= 798,86 (anidra). CAS: C 15 H 10 I 4 N NaO 4 x H 2 O (hidrato) PM = varia de acordo com o nº de moléculas de água ligantes (ex. o PM da levotiroxina mono-hidratada é igual a 816,87 CAS: ). Fórmula estrutural (forma hidratada) 8 Revista Técnica do Farmacêutico

9 Liotironina sódica (T3) Fórmula molecular Liotironina sódica anidra (T3) (C 15 H 11 I 3 NNaO 4 ) PM=672,96. CAS: Liotironina (base) (C 15 H 12 I 3 NO 4 ) PM = 650,97. CAS: Fórmula estrutural Liotironina sódica Liotironina base É importante considerar previamente algumas definições, conceitos básicos e informações de química analítica para um melhor entendimento do que estamos abordando neste artigo: *Água de adsorção (= água higroscópica): é a água retida sobre a superfície de substâncias sólidas quando estas estão em contato com um ambiente úmido. A quantidade de água adsorvida dependerá da temperatura e da superfície específica do sólido. Quanto mais finamente dividida esta substância sólida se apresentar, maior será sua área específica exposta ao ambiente e, consequentemente, maior será a quantidade de água adsorvida. Portanto, toda substância na forma de pó apresenta uma área expressiva de exposição à umidade ambiental e tende a adsorver água em maior ou menor grau de forma específica à sua natureza química e às condições de temperatura e umidade ambiental. **Água de hidratação ou água de cristalização: este tipo de água participa da estrutura dos cristais, ou seja, é parte do retículo cristalino em proporção fixa em relação aos íons presentes. É representada na fórmula química e é computada no cálculo do peso molecular. A água está ligada à substância sólida mediante ligações de coordenação covalentes, que são normalmente mais fracas que as eletrostáticas. Entendendo os testes de determinação do conteúdo de água e perda por secagem Há uma confusão entre os profissionais farmacêuticos relacionada à interpretação dos resultados de conteúdo de água (expresso nos certificados de análise como água) e os resultados de perda por secagem. Há uma considerável diferença entre esses ensaios que precisa ser compreendida. 9

10 Farmacotécnica Conteúdo de água ou água: é determinado pelo método titrimétrico Karl Fischer e o resultado expressa somente água. O resultado não inclui outro composto volátil além da água. Perda por secagem: é determinado pelo aquecimento da amostra abaixo do seu ponto de fusão em uma estufa e o seu resultado inclui toda substância volátil, incluindo o conteúdo de água e solventes. A perda por secagem é uma técnica analítica inespecífica que remove não somente a água, mas todas as impurezas voláteis da amostra (ex. álcool). A perda por secagem ou conteúdo total de umidade de substâncias farmacêuticas pode incluir tanto água de ligação (ex. água de hidratação) como a água livre (ex. água de adsorção). Em alguns casos, a perda por secagem pode ser menor que o conteúdo de água, devido à não remoção pelo aquecimento da água ligada ao retículo cristalino (ex. água de hidratação ou cristalização). Em outros casos, a perda por secagem pode ser maior que o conteúdo de água. O teste de perda por secagem envolve o aquecimento da substância sólida, em estufa, a 105 o C por 2 horas, até obtenção de peso constante. A natureza do ingrediente farmacêutico ativo que será pesado e usado na manipulação de uma formulação relacionada em uma prescrição precisa ser exatamente conhecida. Por exemplo, se a levotiroxina sódica é um hidrato, seu peso equivalente à levotiroxina anidra deve ser calculado. Por outro lado, se houver umidade adsorvida relacionada no certificado de análise no resultado da perda por secagem da liotironina sódica, esta informação também precisa ser usada no cálculo da quantidade desse insumo que será pesada, de forma a determinar a quantidade exata de substância anidra requerida. Entendendo o ensaio de doseamento O ensaio de doseamento dos insumos farmacêuticos ativos é geralmente realizado com a amostra previamente dessecada, ou seja, reflete o teor da amostra sem umidade (substância seca ou substância anidra). Por outro lado, na manipulação o insumo ativo é empregado sem prévia dessecação. Consequentemente, torna-se imperioso que os cálculos para definição da quantidade a ser pesada considerem essa situação e se corrija tanto o teor como a umidade. A observação da forma química do insumo farmacêutico ativo, expressa no resultado do teor, é também uma informação relevante a ser considerada nos cálculos farmacêuticos. Para obtermos um produto acabado consistente com o teor especificado na rotulagem de formulações com hormônios tiroidianos, é necessário considerar nos cálculos os resultados de dois testes expressos no certificado de análise: Ensaio 1 - Determinação do conteúdo de água por Karl Fischer (aplicado na análise da levotiroxina sódica) ou perda por secagem (aplicado na análise da liotironina sódica); Ensaio 2 - Teor (expresso no doseamento do pó dessecado). Além desses dados, é importante levar em consideração como o teor é expresso na especialidade farmacêutica de referência, ou seja, qual forma química do hormônio é o parâmetro no doseamento no produto acabado. No caso do T4, o teor no produto final deverá ser expresso em termos de levotiroxina sódica anidra, e para os produtos com T3 o teor deverá ser expresso em termos de liotironina base (USP-36). Para facilitar a compreensão dos cálculos envolvidos, vamos considerar os hormônios separadamente no contexto dos exemplos abaixo relacionados: Levotiroxina sódica A levotiroxina sódica está disponível nas formas químicas hidratada e anidra. Esta discussão envolve a levotiroxina sódica mono-hidratada. É preciso considerar que a dose de levotiroxina sódica nas preparações farmacêuticas é relacionada em termos de levotiroxina sódica anidra. Exemplo: Considerando um exemplo de um lote real, seguem abaixo transcritos os resultados expressos em um certificado de análise levotiroxina sódica hidratada: 1) Determinação de água por Karl Fischer= 7,69% (especificação relacionada na USP 36 para esse ensaio= máximo de 11%). 2) Ensaio de Doseamento (pó dessecado) = 98,8% de levotiroxina sódica anidra (especificação relacionada na USP 36 para esse ensaio = entre 97 e 103%). A levotiroxina sódica é um fármaco higroscópico, conforme denota seu alto limite para o ensaio de perda por secagem (máximo de 11%). Portanto, a correção do percentual de água de adsorção* e de hidratação** expressas de forma unificada por esse ensaio é impactante e deve ser considerada no cálculo da potência e do fator de correção. O ensaio de determinação de água por Karl Fisher é um ensaio volumétrico que expressa o total de água presente na amostra, incluindo o somatório da água de absorção e hidratação. Os resultados desses dois ensaios relacionados no certificado de análise são utilizados para calcular o fator de correção conforme cálculos a seguir: Podemos simplificar os cálculos acima e calcular diretamente: FC = 100 (100% - A%) x T% onde A% = percentagem de água (expresso no certificado de análise) T% = teor de levotiroxina sódica anidra (expresso no certificado de análise) 10 Revista Técnica do Farmacêutico

11

12 Farmacotécnica Efetuando: FC = 100 = 100 = 100 = 1,096 1,1 (100% - 7,69%) x 98,8% (92,31%) x 98,8% 91,2 Fc= 1,1 (Fator multiplicador para correção do teor e água) Portanto, em relação ao lote de levotiroxina sódica discutida no exemplo, deve-se corrigir a água e o teor com a aplicação do fator de correção 1,1. Multiplicando a dose prescrita pelo fator 1,1, estaríamos corrigindo a umidade e o teor. Liotironina Base Esta discussão envolve a forma química liotironina sódica, cuja matéria-prima é doseada em termos de liotironina sódica seca. No entanto, a dose de T3 nas preparações farmacêuticas é relacionada em termos de liotironina base, e não na sua forma de sal sódico (liotironina sódica). Consequentemente, é preciso, então, empregar uma quantidade equivalente da liotironina sódica (C 15 H 11 I 3 NNaO 4 ) correspondente à quantidade rotulada de liotironina base (C 15 H 12 I 3 NO 4 ). Portanto, além da correção da umidade e do teor, torna-se também necessária a aplicação do fator de equivalência. Exemplo: Considerando um exemplo real, seguem abaixo transcritos os resultados expressos em um certificado de análise liotironina sódica: 1) Ensaio de Perda por secagem = 3,0% (especificação relacionada na USP 36 para esse ensaio = máximo de 4%). 2) Ensaio de doseamento (pó dessecado) = 96% de levotiroxina sódica anidra (especificação relacionada na USP 36 para esse ensaio = entre 95 e 101%). FC = 100 (100% - PS%) x T% onde PS% = percentual de umidade determinado por perda por secagem (expresso no certificado de análise) T% = teor de liotironina sódica determinado no pó dessecado (expresso no certificado de análise) Efetuando: FC = 100 = 100 = 100 = 1,07 (100% - 3%) x 96% (97%) x 96% 93,12 Fc= 1,07 (Fator de correção para o teor e umidade) Temos que considerar ainda os cálculos para conversão da equivalência entre liotironina sódica anidra (PM= 672,96) e liotironina base (PM=650,97): Feq = 672,96 1, ,97 Fator de equivalência= 1,034 Portanto, em relação ao lote de liotironina sódica discutido no exemplo, deve-se corrigir a umidade e o teor com a aplicação do fator de correção 1,07. Deve-se, também, aplicar o fator de equivalência entre a liotironina sódica e a liotironina base (1,034). Podemos unificar estes dois fatores em um único fator de 1,11 (1,07 x 1,034 1,11). Multiplicando a dose prescrita pelo fator 1,11, estaríamos corrigindo a umidade, o teor e a equivalência entre o sal sódico de liotironina e sua forma base. Conclusão: Os hormônios tiroidianos são fármacos de alta potência, empregados em baixa dosagem (na ordem de microgramas), e o preparo de medicamentos individualizados com esses insumos ativos deve observar os requisitos de boas práticas de manipulação (BPM) e preceitos técnicos rigorosos como forma de garantir sua eficácia, segurança, e prevenir a ocorrência de eventuais erros que possam levar a resultados nefastos. A qualidade assegurada do medicamento magistral, bem como a minimização de riscos associados, reside também na observação atenta dos resultados analíticos expressos no certificado de análise da matéria-prima, na avaliação crítica da prescrição, na precisão dos cálculos farmacêuticos e na execução correta das operações farmacêuticas de pesagem, mistura e outras envolvidas diretamente em um procedimento de preparo padronizado previamente verificado e periodicamente monitorado. Referências: 1. WIERSINGA, W.M. Thyroid Hormone Replacement Therapy. Horm Res 2001;56(suppl 1): MAGNELLI, R.F. et al. Problemas reincidentes na manipulação de fármacos de baixo índice terapêutico. Bepa 2010;7(79): STACK, B. Thyroid Potency Calculations. IJPC 2010;14(4): United States Pharmacopeial Convention, Inc. Levothyroxine Sodium USP Monograph. USP 36-NF p Idem. p Ibidem. p Ibidem. p O NEIL, M.J. et al. The Merck Index. 13 th ed. Whitehouse Station, NJ: Merck & CO., INC., 2001.p Gostou deste artigo? Opiniões, dúvidas, sugestões ou críticas, escreva para 12 Revista Técnica do Farmacêutico

13 A EXCELÊNCIA PASSA PELOS NOSSOS OLHOS Conte com a Ortofarma para a realização dos serviços essenciais ao seu negócio. Possuímos uma equipe qualificada de farmacêuticos, biomédicos, biólogos, químicos e técnicos com vasta experiência na análise do medicamento individualizado. Conheça a nossa área de atuação e leve ainda mais qualidade à sua empresa: * Controle da Qualidade; * Desenvolvimento farmacotécnico; * Validação de metodologia de análises; * Determinação de FPS e FP-UVA; * Cursos e Consultorias. Entre em contato conosco para outras informações e torne-se um cliente Ortofarma. Compromisso com a qualidade do medicamento. Controle da Qualidade

14 Dermatologia Pigmentação em foco: alterações e a melhor escolha de tratamento Pedro Malatesta Procopio de Araujo Ademir Valério da Silva O estudo das discromias tem aumentado significativamente em função da importância que se tem atribuído a elas no campo da dermatologia, visto que influencia as características funcionais e estéticas da pele e, por conseguinte, da saúde e das relações sociais. Os agentes despigmentantes configuram- -se como elementos de importante escolha no tratamento das discromias, associados aos cuidados não químicos da pele, e cabe ao farmacêutico uma atenção cada vez maior com esse assunto para a adequada orientação de pacientes. 1) RESUMO Discromias ou distúrbios pigmentares são alterações na coloração normal da pele que têm atraído uma crescente preocupação do ser humano, já que tais características refletem negativamente em sua estética. Devido a essa imensa preocupação, diversas linhas de pesquisa têm sido desenvolvidas, tentando estudar as causas de tais alterações e como revertê-las. Assim, diversos medicamentos cosméticos estão sendo criados com este fim, muitas vezes associando diferentes mecanismos de ação para combater, concomitantemente, múltiplas causas que levam a discromias. 2) INTRODUÇÃO A pigmentação da pele é determinada essencialmente pela produção de melanina. Essa substância atua também como um filtro solar, difratando ou refletindo os raios UV, pelo agrupamento dos melanossomas (vesículas localizadas dentro dos melanócitos que armazenam melanina) em torno do núcleo, protegendo assim o material genético da célula (Nicoletti et al., 2002). A melanogênese, síntese de melanina, ocorre nos melanócitos, localizados na epiderme. O precursor utilizado é o aminoácido tirosina, que sofre duas reações: uma de oxidação em diidroxifenilalanina (DOPA), e outra de desidrogenação em dopaquinona, ambas catalisadas pela enzima tirosinase (Eveline, 2006, apud Tedesco; Adriano; Silva, 2008). A dopaquinona sofre, então, uma série de reações intermediárias, gerando dois tipos de melanina: a eumelanina (cor escura da pele negra, branca ou oriental) e a feomelanina (cor avermelhada característica da raça ultiva - ruiva) (Dornellas, 2009). A tirosinase é sintetizada no retículo endoplasmático rugoso e armazenada no complexo de golgi do melanócito. As reações de conversão da tirosina em melanina ocorrem dentro de vesículas chamadas melanossomas, localizadas dentro do melanócito. Os melanócitos possuem prolongamentos ascendentes, os dentritos, ao longo dos quais os melanossomas passam por quatro estágios de maturação, sendo, então, transformados em grânulos de melanina e transferidos para os queratinócitos, na epiderme, onde eles são metabolizados (figura 1). Figura 1: Síntese de melanina em um melanócito (FONTE: Universidade Estadual de Londrina) 14 Revista Técnica do Farmacêutico

15 Nos indivíduos de cor branca, os melanossomas se desintegram e os grãos de melanina não atingem a superfície. Já nos indivíduos de cor negra, esses grãos chegam até as camadas mais superficiais (Nicoletti et al., 2002). De acordo com Nicoletti et al. (2002), a melanogênese pode ser influenciada por diversos fatores, tais como o fator genético, que controla todas as etapas, inclusive o número, tamanho, tipo e distribuição de melanossomas; o fator hormonal, pela produção de MSH (Melanocyte Stimulating Hormone), hormônio hipofisário que estimula a melanogênese, e pela influência do estrógeno e da progesterona; a ação de raios UV, sendo que os raios UV-B multiplicam os melanócitos e estimulam a tirosinase, aumentando a produção de melanina e de pigmentação, como uma reação defensiva, e os raios UV-A oxidam e escurecem os precursores da melanina, também promovendo pigmentação. Sendo a coloração da pele uma característica de extrema importância funcional e estética, suas alterações têm se tornado um grande foco de pesquisa cosmética. Essas alterações, conhecidas como distúrbios pigmentares ou discromias, podem ser causadas por diversos fatores, que podem ser genéticos, hormonais, autoimunidade ou respostas inflamatórias, podendo estar associados à exposição solar (Petri, 2009). As discromias podem ser caracterizadas por manchas com ausência de pigmento, como no vitiligo, onde há ausência de pigmentação por perda de melanina, causada pela inativação ou destruição de melanócitos. Pode ocorrer também uma hiperpigmentação da pele, que se dá por um aumento do número de melanócitos, resultando em uma produção excessiva de melanina. Isso pode ocorrer de forma localizada, como no caso do melasma, caracterizado por uma hiperpigmentação acastanhada localizada principalmente na face, desencadeada por fatores hormonais, uso de medicamentos e exposição solar. Em gestantes, esta patologia recebe o nome de cloasma ou máscara gravídica. A hiperpigmentação também pode estar associada a doenças sistêmicas, como, por exemplo, a hemocromatose ou diabetes bronzeado, incontinência pigmentar e doenças endócrinas, como a Doença de Cushing (Petri, 2009). O tratamento dos distúrbios hiperpigmentantes se dá pelo uso de ativos despigmentantes. Estes podem atuar por diversos mecanismos de ação: inibição da síntese de melanina pode se dar por inibição da biossíntese ou inativação da enzima tirosinase. O agente mais conhecido com este mecanismo é a hidroquinona, que inibe a atividade da tirosinase. Tem-se também o ácido kójico, que atua quelando íons cobre no sítio ativo da enzima; destruição de melanócitos se utilizada em altas concentrações, a hidroquinona pode ter um efeito inibidor do metabolismo celular, afetando a síntese de DNA e RNA (Parvez et al., 2006); antioxidantes podem possuir efeito direto na produção de melanina, já que a tirosina, precursor da melanina, sofre reações de oxidação catalisadas pela enzima tirosinase para ser convertida no composto final. Antioxidantes também podem ser utilizados em associação com substâncias despigmentantes para agir contra o envelhecimento cutâneo, impedindo a ação das espécies reativas de oxigênio; inibição da ET-1 a endotelina-1 (ET-1) é um mediador pró-inflamatório estimulado pela exposição cutânea a raios UV. Um aumento em sua produção ocasiona aumento na produção da enzima tirosinase e na proliferação, migração e formação de dentritos dos melanócitos. Inibir sua atividade leva, portanto, à despigmentação (Costa et al., 2010). aceleração do turnover celular agentes que atuam por meio deste mecanismo são os AHAs (alfa-hidroxi ácidos), que são esfoliantes, provocando a descamação de queratinócitos pigmentados. Mecanismos sugeridos para tal ação: esses ácidos diminuem a coesão entre corneócitos no extrato córneo da pele, acelerando assim a descamação epitelial (Barquet; Funck; Koester, 2006); interferência no transporte de grânulos de melanina a soja é um exemplo para este mecanismo, uma vez que ela inibe a expressão de receptores PAR-2 (protease-activated-receptor 2) em queratinócitos. Isso provoca uma redução na fagocitose de melanossomas por queratinócitos, reduzindo, consequentemente, a transferência de melanina (Parvez et al., 2006); bloqueio na ligação de α-msh a seu receptor um dos fatores endócrinos que estimulam a produção de melanina é a ação do hormônio melanotrófico-alfa (α-msh), que se liga a receptores MC1-R na membrana celular dos melanócitos. Essa ligação provoca ativação da enzima adenilato ciclase mediada por proteína Gs, catalisando a conversão de ATP e AMPc e ativando a enzima tirosinase. Um agente que bloqueie a ligação deste hormônio diminui, portanto, a produção de tirosinase, reduzindo a síntese de melanina (Costa et al., 2010; Miot et al., 2009). Como mencionado antes, as reações de hiperpigmentação da pele podem estar relacionadas a uma resposta inflamatória, sendo conhecidas como hiperpigmentação pós-inflamatória. Por isso, são comuns as associações de agentes despigmentantes com anti-inflamatórios. Agentes anti-inflamatórios utilizados são os glicocorticoides, que atuam por mecanismos como apoptose de linfócitos, efeitos inibitórios na cascata do ácido araquidônico e diminuição na produção de citocinas. Os glicocorticoides tópicos são classificados de acordo com sua potência, o que também influencia em sua escolha na terapia. Geralmente são utilizados esteroides mais potentes, seguidos 15

16 Dermatologia pelos menos potentes (Brunton; Lazo; Parker, 2006). Agentes despigmentantes também são comumente associados com retinoides, que são derivados da vitamina A. Essa vitamina era utilizada para tratamento de discromias devido ao seu efeito de afetar a diferenciação epitelial. Porém, o aparecimento de efeitos colaterais indesejáveis levou ao abandono de seu uso. Modificações moleculares levaram, então, à síntese de derivados, apresentando uma maior margem de segurança. Dentre vários outros derivados, destacam-se: tretinoína utilizada no tratamento da acne vulgaris. Também atua melhorando a pele fotodanificada. Seus efeitos epidermais são aumento na grossura granular e epidermal e diminuição na atividade de melanócitos, causando uma redução na hiperpigmentação. É utilizada em cremes, géis e soluções, e seu uso deve ser associado à fotoproteção, como uso de bloqueadores solares; adapaleno é um derivado retinoide sintético, disponível em formulações de gel, creme e solução. Além de apresentar os efeitos típicos da classe dos retinoides, apresenta propriedades anti-inflamatórias; isotretinoína utilizada oralmente para o tratamento da acne vulgaris. Atua normalizando a queratinização no folículo sebáceo, reduzindo a síntese de sebo (Brunton; Lazo; Parker, 2006). Algumas composições químicas foram desenvolvidas combinando agentes despigmentantes que atuam por diferentes mecanismos de ação. Um exemplo disso é a fórmula de Kligman, desenvolvida em 1975 por Kligman e Willis, composta por hidroquinona 5%, tretinoína 0,1% e dexametasona 0,1%, com efeito no tratamento de melasma, efélides e hiperpigmentação pós-inflamatória. Neste caso, temos a hidroquinona, que é um agente despigmentante inibidor da enzima tirosinase, envolvida na síntese de melanina, tretinoína que atua como um esfoliante na descamação epitelial acelerando a renovação celular e a dexametasona, que é um anti-inflamatório glicocorticoide, com atuação benéfica para a hiperpigmentação pós-inflamatória. Outras composições conhecidas são a de Pathak, que consiste de hidroquinona a 2% e tretinoína a 0,05 0,1%, e a fórmula de Westerhof, composta por N acetilcisteína a 4,7%, hidroquinona a 2% e acetonido de triancinolona. Neste último, associa-se acetonido de triancinolona, que é um corticoesteroide utilizado para o tratamento de queloides e cicatrizes hipertróficas (Achôa et al., 2011), com hidroquinona e N-acetilcisteína, um antioxidante. Outra substância que merece destaque por sua atuação como agente despigmentante é o mequinol. Este é um despigmentante de ação local, que atua impedindo a produção de melanina e aumentando sua excreção pelos melanócitos. Estudos recentes comprovam a eficácia da associação de mequinol a 2% com tretinoína a 0,01%, atuando pela sinergia de mecanismos de ação, já que o último é um retinoide com ação despigmentante esfoliante. Fleischer et al. (1993) mostraram que esta associação foi clinicamente superior do que ao utilizar-se cada um dos ativos isoladamente no tratamento da lentigo solar. 3) MATERIAIS E MÉTODOS Foram solicitadas a diversos fornecedores e fabricantes lâminas informativas sobre substâncias despigmentantes. A partir do material levantado, foram excluídas composições complexas, bem como extratos vegetais, elaboradas por determinadas empresas, evitando assim a implicação da necessidade de utilização de nomes co- 16 Revista Técnica do Farmacêutico

17 merciais. Foram priorizadas, assim, lâminas a respeito de substâncias sintéticas puras. A partir das lâminas obtidas após este processo de filtragem, foi elaborada uma tabela resumindo as principais informações nelas contidas, listando os principais ativos despigmentantes encontrados atualmente no mercado, com seus respectivos mecanismos de ação, possibilidades e incompatibilidades de associação, e o número caracterizando sua referência, que pode ser encontrada ao final deste artigo, na sessão de informes técnicos. 4) RESULTADOS Como resultado deste trabalho de compilação, foi obtida a tabela 1 - Vide tabela nas páginas 18 e 19. 5) DISCUSSÃO E CONCLUSÃO Ao longo deste trabalho, pode-se observar que há uma ampla variedade de substâncias despigmentates disponíveis no mercado. Estes produtos são fruto, como mencionado antes, de uma imensa preocupação que o ser humano tem com sua estética, que originou uma série de estudos para descobrir detalhadamente o que causa os distúrbios pigmentares. Sabe-se, então, que é a produção excessiva de melanina que provoca tais alterações, sendo que são conhecidas diversas vias pelas quais esta substância pode ser produzida. Assim, a grande variedade de agentes despigmentantes atua por meio de diferentes mecanismos de ação, que podem ser relacionados com a inibição de enzimas envolvidas na produção de melanina ou à transferência desta para as camadas superficiais da pele. Existem, ainda, agentes que estimulam a renovação celular epitelial, provocando uma descamação que é benéfica para o tratamento da hiperpigmentação. Outra conclusão à que podemos chegar a respeito das substâncias despigmentantes é que há outros ativos que são utilizados em associação com tais substâncias, embora não possuam ação despigmentante. É o caso dos anti-inflamatórios, que podem atuar na pigmentação pós-inflamatória. Muito comum são também as associações com demais agentes dermatológicos, como agentes antienvelhecimento, atingindo assim mais de um objetivo terapêutico na mesma formulação. Vale destacar que é importante observar características como ph e concentração ideais de uso dos ativos despigmentantes, para que estes possam ser associados a substâncias adequadas para tais exigências. Finalmente, podemos concluir que os agentes despigmentantes proporcionam um tratamento eficaz para a hiperpigmentação, mas é um esforço em vão utilizar tais agentes sem tomar os devidos cuidados com relação à 17

18 Dermatologia proteção solar. Conforme foi explicado anteriormente, diversos distúrbios de pigmentação são causados pela exposição em longo prazo aos raios UV-A e UV-B; portanto, evitá-los é essencial para a terapia destes distúrbios. Deve-se, então, concomitantemente ao tratamento despigmentante, evitar a exposição direta aos raios solares, utilizando também um filtro solar. Desta forma, se adota duas frentes para o tratamento: a frente farmacológica, que são os agentes despigmentantes, e a não farmacológica, que é evitar uma das possíveis causas da hiperpigmentação. 6) AGRADECIMENTOS Gostaria de agradecer ao Dr. Ademir Valerio da Silva e a todos da Farmácia Equilíbrio (Equilíbrio Homeopatia e Manipulação São Paulo/SP), que me deram a oportunidade de estagiar por um mês, que, apesar de pouco tempo, foi o suficiente para complementar meu aprendizado como farmacêutico, e onde também pude obter todo o suporte necessário para desenvolver este trabalho. Agradeço também a Anfarmag pelo interesse em meu trabalho e me dar esta oportunidade de poder fazer uma pequena contribuição em sua revista periódica, e, assim, contribuir também com o farmacêutico magistral. SUBSTÂNCIA MECANISMO DE AÇÃO ASSOCIAÇÕES E INCOMPATIBILIDADES Nº SILICATO DE ALUMÍNIO Adsorção de melanina Cremes, loções não iônicas e suspensões aquosas são os veículos mais adequados Incompatível com hidroquinona, lanette N e gel de carbopol 1 HIDROQUINONA Inibição da biossíntese de melanina Recomendada a utilização de sistemas antioxidantes por causa da reatividade Em associação com ácido glicólico, deve-se utilizar veículos não iônicos 1 ÁCIDO MÁLICO Reação com grupamentos polares da queratina, aumentando a plasticidade da camada córnea Ligeiro efeito de peeling, por diminuir a coesão entre os corneócitos Em caso de pele extremamente ressecada, com escamação severa, é preferível o uso de um veículo que seja uma emulsão óleo/água, com o AHA solúvel em água 1 ÁCIDO GLICÓLICO Atua como esfoliante, possuindo também ações antienvelhecimento e hidratante Pode ser utilizado em emulsões renovadoras para a pele, géis e cremes esfoliantes, sérums e loções antienvelhecimento, cremes e loções hidratantes para a pele, formulações para o tratamento da acne, tônicos faciais e peelings rejuvenescedores (a critério médico) 2 N6-FURFURILA- DENINA Melhora a eficiência de caminhos de manutenção e reparo da síntese proteica, modulando a ação de genes que influenciam a idade Utilizado em substituição ao ácido retinoico em géis, cremes e loções, sem causar vermelhidão ou descamação significativa. Promove redução na perda de água Não foram observadas incompatibilidades com bases 1 ÁCIDO FÍTICO Ação antioxidante, antiradical livre e clareadora, por ser um inibidor da enzima tirosinase Pode ser associado ao ácido glicólico e utilizado em pacientes com peles mais sensíveis Pode ser associado a formulações contendo vitamina C, oligoelementos umectantes e antirradicais livres Contraindicado em feridas abertas e herpes ativos 1 Vale destacar a importância do uso concomitante de fotoprotetores para o tratamento de manchas pigmentadas 18 Revista Técnica do Farmacêutico

19 SUBSTÂNCIA MECANISMO DE AÇÃO ASSOCIAÇÕES E INCOMPATIBILIDADES Nº GLABRIDINA Inibição da enzima tirosinase envolvida na síntese de melanina Atuação como antioxidante, Pode ser associado no final da formulação, à temperatura ambiente Pode ser usado em gel, loção ou creme 1 Ação bacteriostática ÁCIDO KÓJICO Atua quelando íons cobre no sítio ativo da enzima tirosinase, bloqueando sua ação e, consequentemente, a formação de melanina Pode ser associado ao ácido glicólico e outros AHAs, além de hidroquinona Apresenta incompatibilidade com metais; pode hidrolisar ésteres da formulação 2 Instável na presença de luz, quela com íons metálicos como ferro, podendo ocorrer mudança de coloração da formulação final ARBUTINA É uma hidroquinona glicosilada, apresentando maior estabilidade e menor grau de efeitos tóxicos que a hidroquinona Inibição da ação da enzima tirosinase Para evitar hidrólise, acrescentar tampão citrato/ácido cítrico nas formulações Deve-se adicionar de 0,1 a 0,2% de EDTA dissódico às formulações, para evitar possíveis reações de oxidorredução, que podem ser causadas pela presença de metais provenientes de outros ingredientes Não aquecer acima de 70ºC 1 ÁCIDO AMINOE- TILFOSFÍNICO Inibição da atividade enzimática da tautomerase DOPAcromo, estabilizando o DOPAcromo, intermediário na síntese de melanina Alta estabilidade em solução aquosa É seguro e não citotóxico. 3 ÁCIDO TRANE- XÂMICO Inibição da enzima tirosinase Interferência na interação de melanócitos com queratinócitos. Recomenda-se a incorporação em sérum 4 4-HEXILRESOR- CINOL Inibição das enzimas tirosinase e peroxidase Sugere-se a aplicação com loção base não iônica 4 NIACINAMINDA (VITAMINA B3) Impedimento da transferência dos melanossomas dos melanócitos para os queratinócitos Apresenta hidrossolubilidade Pode ser associado ao ácido retinoico e resultar em melhora da função barreira cutânea do extrato córneo (TEWL) 5 ÁCIDO OCTADE- CENODIOICO Apresenta afinidade pelo complexo protéico PPARγ, que regula a transcrição do gene da tirosinase Incorporar na fase oleosa acima de 60ºC 6 Gostou deste artigo? Opiniões, dúvidas, sugestões ou críticas, escreva para 19

20 Dermatologia 7) REFERÊNCIAS 1. ACHÔA, G. L.; ALVARES-CAPELOZZA, A. L.; MARZOLA, C.; TOLEDO-FILHO, J. L.; CAPELARI, M. M.; TOLEDO, G. L.; ZOR- ZETTO, D. L. G. O uso do acetonido de triancinolona no tratamento de queloides e cicatrizes hipertróficas. Trabalho de monografia. 23f. Curso de Especialização em Cirurgia e Traumatologia Buco Maxilo Facial da Associação Paulista de Cirurgiões Dentistas. Disponível em <http://www.actiradentes. com.br/revista/2011/textos/6revista_ato-uso_do_acetonido_de_triancinolona-2011.pdf>. Acesso em: 21/02/ BARQUET, A. P.; FUNCK, A. P. G.; KOESTER, L. S. Comparação entre alfa-hidroxiácidos e poli-hidroxiácidos na cosmiatria e dermatologia. Revista Brasileira de Farmácia, Rio de Janeiro, v. 87, n. 3, Disponível em <http://www.revbrasfarm. org.br/pdf/2006/n32006/pag_67a73_comparacao.pdf>. Acesso em 18/02/ BRUNTON, L. L.; LAZO, J. S.; PARKER, K. L. Goodman & Gilman s: The Pharmacological Basis of Therapeutics. United States of America: McGRAW-HILL, p. 4. Cosmética em Foco. Especial verão 2010 Parte 2. Disponível em <http://www.cosmeticaemfoco.com.br/2010/01/ especial-verao-parte-2.html>. Acesso em 21/02/ COSTA, A.; CORDERO, T.; MARMIRORI, J.; MOISÉS, T. A.; AL- VES, C. R. T. Associação de emblica, licorice e belides como alternativa à hidroquinona no tratamento clínico do melasma. Anais Brasileiros de Dermatologia, Campinas, vol. 85, n. 5, Disponível em <http://www.scielo.br/pdf/abd/v85n5/ v85n05a03.pdf> Acesso em 09/03/ DORNELLAS, E. Discromias. Disponível em <http://xa.yimg. com/kq/groups/ / /name/discromias. pdf> Acesso em 18/02/ DRAELOS, Z. D. The combination of 2% 4-hydroxyanisole (mequinol) and 0.01% tretinoin effectively improves the appearance of solar lentigines in ethnic groups. Journal of Cosmetic Dermatology, n. 5, Disponível em < > Acesso em 09/03/ FLEISCHER, A. B.; SCHWARTZEL, E. H.; COLBY, S. I.; ALT- MAN, D. J. The combination of 2% 4-hydroxyanisole (Mequinol) and 0.01% tretinoin is effective in improving the appearance of solar lentigines and related hyperpigmented lesions in two double-blind multicenter clinical studies. Journal of the American Academy of Dermatology, vol. 42, n. 3, Disponível em <http://www.eblue.org/article/s (00) /abstract> Acesso em 09/03/ GLABRIDIN. Glabridin. Disponível em<http://www.glabridin.com/glab.htm> Acesso em 23/02/ KENT, U. M.; AVIRAM, M.; ROSENBLAT, M.; HOLLEN- BERG, P. F. The Licorice Root Derived Isoflavan Glabridin Inhibits the Activities of Human Cytochrome P450S 3A4, 2B6, and 2C9. Drug metabolism and disposition: the biological fate of chemicals, Michigan, vol. 30, n. 6, Disponível em <http://www.experts.scival.com/umichigan/pubdetail. asp?t=pm&id= &o_id=7&> Acesso em 09/03/ KLIGMAN, A. M.; WILLIS, I. W. A New formula for Depigmenting Human Skin. Archives of Dermatology, Philadelphia, v. 111, n. 1, Disponível em <http://archderm.ama-assn. org/cgi/content/abstract/111/1/40>. Acesso em 21/02/ LOPES, C.; PEREIRA, G. G.; GAZI, H. M.; ROMARIZ, K. C. O.; CAPPI, M. C. M. Distúrbios pigmentares. In: PETRI, V. Dermatologia Prática. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, p MIOT, L. D. B.; MIOT, H. A.; SILVA, M. G.; MARQUES, M. E. A. Physiopathology of melasma. Anais Brasileiros de Dematologia, Rio de Janeiro, v. 84, n. 6, Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=s &script=sci_arttext&tlng=en>. Acesso em 23/02/ NICOLETTI, M. A.; ORSINE, E. M. A.; DUARTE, A. C. N.; BUO- NO, G. A. Hipercromias: Aspectos Gerais e Uso de Despigmentantes Cutâneos. Cosmetics & Toiletries, São Paulo, v. 14, Disponível em <http://www.tecnopress-editora.com.br/pdf/ nct_443.pdf > Acesso em 17/02/ PARVEZ, S.; KANG, M.; CHUNG, H. S.; CHO, C.; HONG, M. C.; S, M. K.; B, H. Survey and Mechanism of Skin Depigmenting and Lightening Agents. Phytotherapy Research, Seoul, v. 20, Disponível em <http:// :8888/bk21/07_down/ int62.pdf > Acesso em 18/02/ TEDESCO, I. R.; ADRIANO, J.; SILVA, D. Produtos Cosméticos Despigmentantes Nacionais disponíveis no mercado. Artigo Científico. 8f. Curso de Tecnologia em Cosmetologia e Estética, da Universidade do Vale do Itajaí, Balneário Camboriú, Santa Catarina (Univali). Disponível em <http://siaibib01. univali.br/pdf/ionice%20remiao%20tedesco.pdf> Acesso em 17/02/ UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA. Mecanismos de controle térmico. Disponível em <http://www.uel.br/pessoal/ ambridi/bioclimatologia_arquivos/caracteristicas%20cutaneas.pdf >. Acesso em 18/02/2011. Informes Técnicos: 1. GALENA 2. DEG 3. ION TECNOLOGIA & SERVIÇOS 4. LEMMA 5. DSM 6. VIA FARMA Gostou deste artigo? Opiniões, dúvidas, sugestões ou críticas, escreva para 20 Revista Técnica do Farmacêutico

24/03/2014. Enzimocosmética, peeling químico e despigmentantes: Clareamento de Pele 100% seguro para todos os fototipos

24/03/2014. Enzimocosmética, peeling químico e despigmentantes: Clareamento de Pele 100% seguro para todos os fototipos Enzimocosmética, peeling químico e despigmentantes: Clareamento de Pele 100% seguro para todos os fototipos Marcela Altvater canaldoprofissional@buonavita.com.br ENZIMOCOSMÉTICA NA RENOVAÇÃO CELULAR Para

Leia mais

Especial Melanodermias Diversidade de ativos seguros e completos que tratam as hipercromias faciais nos mais diversos estágios

Especial Melanodermias Diversidade de ativos seguros e completos que tratam as hipercromias faciais nos mais diversos estágios Especial Melanodermias Diversidade de ativos seguros e completos que tratam as hipercromias faciais nos mais diversos estágios Bioafinidade dermo epidérmica para o Clareamento & Controle da pele hiperpigmentada.

Leia mais

Despigmentantes ou agentes clareadores:

Despigmentantes ou agentes clareadores: Despigmentantes ou agentes clareadores: Na pele os melanócitos estão presentes na camada basal da epiderme,na junção dermoepiderme e são responsáveis pela produção de melanina. Ocorrem numa taxa de aproximadamente

Leia mais

Ácido Retinóico (Tretinoina)

Ácido Retinóico (Tretinoina) Material Técnico Ácido Retinóico (Tretinoina) Identificação Fórmula Molecular: C 20 H 28 O 2 Peso molecular: 300,4 DCB / DCI: 08848 Tretinoina CAS: 302-79-4 INCI: Não aplicável Denominação botânica: Não

Leia mais

Azeloglicina. Clareador, sebonormalizante, antiacnéico e hidratante. INCI Name: potassium azeloyl diglycinate.

Azeloglicina. Clareador, sebonormalizante, antiacnéico e hidratante. INCI Name: potassium azeloyl diglycinate. Azeloglicina Clareador, sebonormalizante, antiacnéico e hidratante INCI Name: potassium azeloyl diglycinate. Azeloglicina é o diglicinato de azeloil potássio, um ativo dermocosmético derivado da condensação

Leia mais

Peptídeo DESPIGMENTANTE com ação anti-mitf (MECANISMO INOVADOR)

Peptídeo DESPIGMENTANTE com ação anti-mitf (MECANISMO INOVADOR) TGP-2 PEPTÍDEO Oligopeptídeo 34 Peptídeo DESPIGMENTANTE com ação anti-mitf (MECANISMO INOVADOR) Comprovadamente ANTINFLAMATÓRIO: incidência de manchas decorrentes de processos inflamatórios; RETARDA O

Leia mais

AA 2-G (Vitamina C estabilizada)

AA 2-G (Vitamina C estabilizada) AA 2-G (Vitamina C estabilizada) INCI NAME: Ácido ascórbico-2-glicosilado CAS Number: 129499-78-1 Descrição: O AA2G (Ácido Ascórbico 2-Glicosídeo) é a vitamina C (ácido ascórbico) estabilizada com glicose.

Leia mais

PEELING ORAL FOTOENVELHECIMENTO DA PELE EFÉLIDES HIPERCROMIAS 13/3/2014. Cloasma ou Melasma. Efélides ou Sardas

PEELING ORAL FOTOENVELHECIMENTO DA PELE EFÉLIDES HIPERCROMIAS 13/3/2014. Cloasma ou Melasma. Efélides ou Sardas FOTOENVELHECIMENTO DA PELE Mudanças do fotoenvelhecimento da pele incluem pigmentação irregular, rugas e perda de elasticidade. (Rendon et al., 2010) Profª Luisa Amábile Wolpe Simas DISCROMIAS HIPERCROMIAS

Leia mais

Nicotinamida. Identificação

Nicotinamida. Identificação Material Técnico Nicotinamida Identificação Fórmula Molecular: C 6 H 6 N 2 O Peso molecular: 122.1 DCB / DCI: 06346 - nicotinamida CAS: 98-92-0 INCI: Não aplicável Denominação botânica: Não aplicável Sinonímia:

Leia mais

Despigmentantes: Informação e aconselhamento para uma correcta utilização

Despigmentantes: Informação e aconselhamento para uma correcta utilização Despigmentantes: Informação e aconselhamento para uma correcta utilização Pele e suas Funções A pele é um órgão multifuncional, complexo, resistente e flexível, que reveste o corpo e o protege contra as

Leia mais

ESTE MATERIAL FAZ PARTE DO CURSO 2 em 1: Despigmentantes: Conhecimento, Automedicação Responsável e Visita ao Médico

ESTE MATERIAL FAZ PARTE DO CURSO 2 em 1: Despigmentantes: Conhecimento, Automedicação Responsável e Visita ao Médico ESTE MATERIAL FAZ PARTE DO CURSO 2 em 1: Despigmentantes: Conhecimento, Automedicação Responsável e Visita ao Médico FICHA RESUMO Hiperpigmentação da Pele Condições-chave Hiperpigmentação da pele: Excesso

Leia mais

02 ChromabrightTM. Cosmetologia e Doenças de Pele. Índice

02 ChromabrightTM. Cosmetologia e Doenças de Pele. Índice Cosmetologia e Doenças de Pele Clareamento Cutâneo Eficaz Sem Causar Efeito Citotóxico Ativo Inibidor da Melanogênese de Forma Similar à Hidroquinona e Mais Efetivo que Arbutin, Fosfato de Ascorbil Magnésio

Leia mais

Peelings cosméticos Nova abordagem conceitual e técnica

Peelings cosméticos Nova abordagem conceitual e técnica Peelings cosméticos Nova abordagem conceitual e técnica Prof. Paschoal Rossetti Filho Março/2012 Fatores que influenciam na profundidade e conseqüente a classificação do peeling: 1. Escolha do agente queratolítico

Leia mais

A EFETIVIDADE DO PEELING DE ÁCIDO MANDÉLICO NO TRATAMENTO DA ACNE VULGAR

A EFETIVIDADE DO PEELING DE ÁCIDO MANDÉLICO NO TRATAMENTO DA ACNE VULGAR A EFETIVIDADE DO PEELING DE ÁCIDO MANDÉLICO NO TRATAMENTO DA ACNE VULGAR INTRODUÇÃO Zeferina Alexandra Trizotti da Silva Talita de Oliveira da Silva A acne é uma das alterações cutâneas mais comuns, sua

Leia mais

A indústria cosmética e a medicina contam com as mais diversas fórmulas para combater o envelhecimento e os sinais faciais presentes com a idade.

A indústria cosmética e a medicina contam com as mais diversas fórmulas para combater o envelhecimento e os sinais faciais presentes com a idade. A indústria cosmética e a medicina contam com as mais diversas fórmulas para combater o envelhecimento e os sinais faciais presentes com a idade. Cremes, loções, preenchimento, peelings, máscaras e lasers

Leia mais

THALITAN Bronzeado mais rápido, seguro e duradouro.

THALITAN Bronzeado mais rápido, seguro e duradouro. THALITAN Bronzeado mais rápido, seguro e duradouro. Thalitan é um complexo formado por um oligossacarídeo marinho quelado a moléculas de magnésio e manganês. Esse oligossacarídeo é obtido a partir da despolimerização

Leia mais

Emblica + Licorice + Belides

Emblica + Licorice + Belides Emblica + Licorice + Belides Tripla combinação de ativos vegetais apresenta-se como alternativa à hidroquinona no tratamento clínico do melasma. An Bras Dermatol. 2010 Oct. Emblica + Licorice + Belides

Leia mais

PROTOCOLOS. O poder dos ácidos no tratamento intenso de recuperação da pele MATERIAL EXCLUSIVO PARA PROFISSIONAIS

PROTOCOLOS. O poder dos ácidos no tratamento intenso de recuperação da pele MATERIAL EXCLUSIVO PARA PROFISSIONAIS S O poder dos ácidos no tratamento intenso de recuperação da pele MATERIAL EXCLUSIVO PARA PROFISSIONAIS SUPORTE AO PROFISSIONAL Um canal exclusivo para você Com o objetivo de reforçar o trabalho do profissional

Leia mais

Lauril éter sulfato de sódio

Lauril éter sulfato de sódio Material Técnico Identificação Fórmula Molecular: Não aplicável Peso molecular: Não aplicável DCB/ DCI: 05177 - lauriletersulfato de sódio CAS: 1335-72-4 INCI: Sodium laureth-2 sulfate Sinonímia: LESS

Leia mais

Clarifique Dermo Radiance

Clarifique Dermo Radiance Clareia e uniformiza o tom da pele Minimiza manchas Ilumina o rosto Protege Hidrata e nutre Treinamento Clareamento 100% seguro Resultados comprovados em 14 dias Clarifique Dermo Radiance é pura paixão

Leia mais

RESOLUÇÃO CFN N 525/2013

RESOLUÇÃO CFN N 525/2013 Página 1 de 7 RESOLUÇÃO CFN N 525/2013 Regulamenta a prática da fitoterapia pelo nutricionista, atribuindo-lhe competência para, nas modalidades que especifica, prescrever plantas medicinais, drogas vegetais

Leia mais

Dica: O visitador pode acompanhar a manipulação dos produtos, bem como sua aditivação com os ativos para melhor entendimento desta forma cosmética.

Dica: O visitador pode acompanhar a manipulação dos produtos, bem como sua aditivação com os ativos para melhor entendimento desta forma cosmética. Acne e Hidratação. Objetivo da Escolha do Tema A hidratação da pele é de fundamental importância para a manutenção dos mecanismos fisiológicos e bioquímicos da pele como os mecanismos celulares de proteção

Leia mais

Academia de Produtos. Módulo I

Academia de Produtos. Módulo I Academia de Produtos Módulo I Objetivos Após concluir o treinamento você será capaz de compartilhar com suas clientes: Como classificar diferentes tipo de pele. O que causa o envelhecimento da pele. Cinco

Leia mais

Tratamentos Pós-Escleroterapia. Guia de Formulações para Hipercromia Pós-Inflamatória e Por Deposição de Hemossiderina

Tratamentos Pós-Escleroterapia. Guia de Formulações para Hipercromia Pós-Inflamatória e Por Deposição de Hemossiderina Tratamentos Guia de Formulações para Hipercromia Pós-Inflamatória e Por Deposição de Hemossiderina Escleroterapia na Cirurgia Vascular e Dermatologia Overview, Complicações da Escleroterapia, Hiperpigmentação

Leia mais

Introdução à cosmetologia. Prof. Msc. Mayara Peron Pereira

Introdução à cosmetologia. Prof. Msc. Mayara Peron Pereira Introdução à cosmetologia Prof. Msc. Mayara Peron Pereira Cosmetologia Conceitos e definições Ciência que serve de suporte à fabricação de produtos voltados à arte do cuidado e melhoria das condições estéticas

Leia mais

Um novo conceito em peeling sequencial. Prof.Ms.Edivana Poltronieri Fisioterapeuta Dermato-Funcional e Esteticista

Um novo conceito em peeling sequencial. Prof.Ms.Edivana Poltronieri Fisioterapeuta Dermato-Funcional e Esteticista Um novo conceito em peeling sequencial Prof.Ms.Edivana Poltronieri Fisioterapeuta Dermato-Funcional e Esteticista O QUE É O PEELING 3D? Método diferenciado e patenteado de peeling superficial sequencial

Leia mais

TRINULOX. hidroquinona, tretinoína e fluocinolona acetonida EMS S/A. Creme dermatológico. 40 mg/g + 0,5 mg/g + 0,1 mg/g

TRINULOX. hidroquinona, tretinoína e fluocinolona acetonida EMS S/A. Creme dermatológico. 40 mg/g + 0,5 mg/g + 0,1 mg/g TRINULOX hidroquinona, tretinoína e fluocinolona acetonida EMS S/A. Creme dermatológico 40 mg/g + 0,5 mg/g + 0,1 mg/g TRINULOX hidroquinona, tretinoína e fluocinolona acetonida APRESENTAÇÕES Creme para

Leia mais

Gomagem e Esfoliação. Métodos e Técnicas Aplicadas à Estética Corporal I Profª. Mayara L. Vareschi

Gomagem e Esfoliação. Métodos e Técnicas Aplicadas à Estética Corporal I Profª. Mayara L. Vareschi Gomagem e Esfoliação Métodos e Técnicas Aplicadas à Estética Corporal I Profª. Mayara L. Vareschi Membrana que recobre toda a superfície corpórea Maior órgão do corpo humano (2m² e 4kg) Resistente e flexível

Leia mais

CICLO 1. Primavera. Tonificando. Linha completa de dermocosméticos faciais e corporais.

CICLO 1. Primavera. Tonificando. Linha completa de dermocosméticos faciais e corporais. CICLO 1 Primavera 2013 Tonificando suavida Linha completa de dermocosméticos faciais e corporais. fotoproteção proteja-se nesse verão nti UV e nti UVB hidratação 7 acne 14 nutrição 8 clareamento 18 revitalização

Leia mais

D-Panthenol (Dexpanthenol)

D-Panthenol (Dexpanthenol) Material Técnico Identificação Fórmula Molecular: C 9 H 19 NO 4 Peso molecular: 205,25 DCB/ DCI: 02855 - dexpantenol CAS: 81-13-0 INCI: D-Panthenol Sinonímia: Pró-Vitamina B5 Denominação botânica: Não

Leia mais

ARTIGO CIENTÍFICO. Produtos Cosméticos Despigmentantes Nacionais disponíveis no mercado.

ARTIGO CIENTÍFICO. Produtos Cosméticos Despigmentantes Nacionais disponíveis no mercado. ARTIGO CIENTÍFICO Produtos Cosméticos Despigmentantes Nacionais disponíveis no mercado. 1 Ionice Remião Tedesco - Acadêmica do Curso de Tecnologia em Cosmetologia e Estética, da Universidade do Vale do

Leia mais

A SEGURANÇA DO PACIENTE E A QUALIDADE EM MANIPULAÇÃO DE MEDICAMENTOS EM FARMÁCIAS MAGISTRAIS

A SEGURANÇA DO PACIENTE E A QUALIDADE EM MANIPULAÇÃO DE MEDICAMENTOS EM FARMÁCIAS MAGISTRAIS A SEGURANÇA DO PACIENTE E A QUALIDADE EM MANIPULAÇÃO DE MEDICAMENTOS EM FARMÁCIAS MAGISTRAIS UM POUCO ANFARMAG DE Associação INSTITUCIONAL... Nacional de Farmacêuticos Magistrais Fundada em 18 de abril

Leia mais

PREVENÇÃO DA FORMAÇÃO DE ESTRIAS

PREVENÇÃO DA FORMAÇÃO DE ESTRIAS PREVENÇÃO DA FORMAÇÃO DE ESTRIAS Existem fatores extrínsecos e intrínsecos que predispõem a ocorrência das estrias. O principal fator extrínseco é o trauma mecânico ( estresse mecânico), porém, ainda mais

Leia mais

A Utilização da Vitamina C e do Peeling de Diamante no Tratamento do Melasma Facial: um estudo comparativo

A Utilização da Vitamina C e do Peeling de Diamante no Tratamento do Melasma Facial: um estudo comparativo A Utilização da Vitamina C e do Peeling de Diamante no Tratamento do Melasma Facial: um estudo comparativo The Use of Vitamin C and Peeling Diamond in the Treatment of Facial Melasma: a comparative study

Leia mais

NANOMATERNITY QUAIS SÃO OS ATIVOS?

NANOMATERNITY QUAIS SÃO OS ATIVOS? NANOMATERNITY QUAIS SÃO OS ATIVOS? Ø Nanomaternity care Óleo de Amêndoas Doce Óleo de Semente de Uva Óleo de Linhaça Vitamina E Ø Colágeno Hidrolisado Ø Plantec Olive Active Ø Óleo de Rosa Mosqueta Ø Manteiga

Leia mais

Prática Nutrição Externa

Prática Nutrição Externa Prática Nutrição Externa Demonstração prática de uso dos produtos de nutrição externa e seus efeitos imediatos. Como a pele é o maior órgão do corpo os produtos são recomendados tanto para homens quanto

Leia mais

A Moda do Bronzeado... Entre as duas grandes Guerras inicia-se a liberação feminina. Coco Chanel lança a moda do bronzeado.

A Moda do Bronzeado... Entre as duas grandes Guerras inicia-se a liberação feminina. Coco Chanel lança a moda do bronzeado. Histórico A Moda do Bronzeado... Entre as duas grandes Guerras inicia-se a liberação feminina. Coco Chanel lança a moda do bronzeado. A pele bronzeada tornou-se moda, sinal de status e saúde. Histórico

Leia mais

Inserir logo da VISA Estadual ou Municipal

Inserir logo da VISA Estadual ou Municipal RELATÓRIO DE INSPEÇÃO VERIFICAÇÃO DO ATENDIMENTO ÀS DISPOSIÇÕES DA RDC n 67/07 2ª ETAPA DO CURSO DE CAPACITAÇÃO DE INSPETORES PARA INSPEÇÃO EM FARMÁCIAS 1. IDENTIFICAÇÃO DA FARMÁCIA: 1.1. Razão Social:

Leia mais

A verdade Sobre os Cosméticos e suas Ações Sobre a Pele

A verdade Sobre os Cosméticos e suas Ações Sobre a Pele Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira A verdade Sobre os Cosméticos e suas Ações Sobre a Pele A cosmetologia atualmente vem ganhando notoriedade,

Leia mais

Tratamento cosmetológico da pele

Tratamento cosmetológico da pele A pele Considerada o maior órgão do corpo humano, constituindo 16% do peso corporal. Funções de: Revestir as superfícies externas do corpo protegendo contra: Raios UV; Poluição; Mudanças climáticas controle

Leia mais

Conceito InflammAging

Conceito InflammAging Conceito InflammAging Em cosméticos, inflamação e envelhecimento normalmente são tratados separadamente. Pesquisas recentes tem mostrado que o envelhecer está acompanhado por um pequeno grau de inflamação

Leia mais

PREVENÇÃO DO ENVELHECIMENTO CUTÂNEO E ATENUAÇÃO DE LINHAS DE EXPRESSÃO PELO AUMENTO DA SÍNTESE DE COLÁGENO RESUMO

PREVENÇÃO DO ENVELHECIMENTO CUTÂNEO E ATENUAÇÃO DE LINHAS DE EXPRESSÃO PELO AUMENTO DA SÍNTESE DE COLÁGENO RESUMO PREVENÇÃO DO ENVELHECIMENTO CUTÂNEO E ATENUAÇÃO DE LINHAS DE EXPRESSÃO PELO AUMENTO DA SÍNTESE DE COLÁGENO MACIEL, D. 1 ; OLIVEIRA, G.G. 2. 1. Acadêmica do 3ºano do Curso Superior Tecnólogo em Estética

Leia mais

TRATAMENTO DE HIPERCROMIA PÓS-INFLAMATÓRIA COM DIFERENTES FORMULAÇÕES CLAREADORAS

TRATAMENTO DE HIPERCROMIA PÓS-INFLAMATÓRIA COM DIFERENTES FORMULAÇÕES CLAREADORAS TRATAMENTO DE HIPERCROMIA PÓS-INFLAMATÓRIA COM DIFERENTES FORMULAÇÕES CLAREADORAS DANIELI DÜRKS GONCHOROSKI 1 GIANE MÁRCIA CÔRREA 2 1. Acadêmica do uurso de Farmácia da UNIJUÍ. 2. Docente do curso de Farmácia

Leia mais

Semissólidos ERIKA LIZ

Semissólidos ERIKA LIZ Semissólidos ERIKA LIZ Ação As preparações são aplicadas à pele por seus efeitos físicos, ou seja, sua capacidade de agir como protetores, lubrificantes, emolientes, secantes, ou devido ao efeito específico

Leia mais

ONCILEG - A triancinolona acetonida

ONCILEG - A triancinolona acetonida ONCILEG - A triancinolona acetonida Legrand Pharma Indústria Farmacêutica Ltda. Pasta 1,0mg/ g IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO ONCILEG - A triancinolona acetonida APRESENTAÇÕES: ONCILEG - A é apresentado

Leia mais

Treinamento da Unidade Divina Vitória e das Unidades Descendentes

Treinamento da Unidade Divina Vitória e das Unidades Descendentes Treinamento da Unidade Divina Vitória e das Unidades Descendentes 800 Nossos Pilares Filosofia 1.Deus 2. Família 3. Trabalho Espírito de Ajuda Ajudar sem querer nada em troca Regra de Ouro Trate os outros

Leia mais

ESTUDO DOS BENEFÍCIOS DO TRATAMENTO DE MELASMA POR INTERMÉDIO DO ÁCIDO KÓJICO ASSOCIADO AO ÁCIDO GLICÓLICO.

ESTUDO DOS BENEFÍCIOS DO TRATAMENTO DE MELASMA POR INTERMÉDIO DO ÁCIDO KÓJICO ASSOCIADO AO ÁCIDO GLICÓLICO. ESTUDO DOS BENEFÍCIOS DO TRATAMENTO DE MELASMA POR INTERMÉDIO DO ÁCIDO KÓJICO ASSOCIADO AO ÁCIDO GLICÓLICO. Vanessa Cristiane dos Santos Martins 1,Silvia Patricia de Oliveira 2. 1 Acadêmica do curso de

Leia mais

TRATAMENTO ESTÉTICO DA PELE NEGRA. Prof. Esp. Maria Goreti de Vasconcelos

TRATAMENTO ESTÉTICO DA PELE NEGRA. Prof. Esp. Maria Goreti de Vasconcelos TRATAMENTO ESTÉTICO DA PELE NEGRA Prof. Esp. Maria Goreti de Vasconcelos A etnia confere características herdadas que devem ser valorizadas na indicação de procedimentos e tratamentos e na avaliação de

Leia mais

- CURSO DE MAQUIAGEM -

- CURSO DE MAQUIAGEM - - CURSO DE MAQUIAGEM - Copyright -Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada destes materiais, no todo ou em parte, constitui violação do direitos autorais. (Lei nº 9.610). A PELE CONHECENDO

Leia mais

A pele é um sistema orgânico que, quando mantida sua integridade, tem como funções:

A pele é um sistema orgânico que, quando mantida sua integridade, tem como funções: CUIDADOS COM A PELE A pele é um sistema orgânico que, quando mantida sua integridade, tem como funções: Regular a temperatura do nosso corpo; Perceber os estímulos dolorosos e agradáveis; Impedir a entrada

Leia mais

1. Ato de esfoliar ou descamar a pele. 2. Denominada esfoliação ou peeling. 3. Técnica utilizada em adição à limpeza da pele.

1. Ato de esfoliar ou descamar a pele. 2. Denominada esfoliação ou peeling. 3. Técnica utilizada em adição à limpeza da pele. 1. Ato de esfoliar ou descamar a pele. 2. Denominada esfoliação ou peeling. 3. Técnica utilizada em adição à limpeza da pele. 4. São preparações cosméticas que aceleram a descamação natural dos corneócitos

Leia mais

Nestas últimas aulas irei abordar acerca das vitaminas. Acompanhe!

Nestas últimas aulas irei abordar acerca das vitaminas. Acompanhe! Aula: 31 Temática: Vitaminas parte I Nestas últimas aulas irei abordar acerca das vitaminas. Acompanhe! Introdução O termo vitamina refere-se a um fator dietético essencial requerido por um organismo em

Leia mais

REVINAGE. Retinoide like de origem vegetal. Propriedades

REVINAGE. Retinoide like de origem vegetal. Propriedades REVINAGE Retinoide like de origem vegetal INCI: Elaeis Guineensis (Palm) Oil (and) Gossypium Herbaceum (Cotton) Seed Oil (and) Linum Usitatissimum (Linseed) Seed Oil (and) Bidens Pilosa Extract. Extrato

Leia mais

Propilenoglicol e potencial alergênico em cosméticos

Propilenoglicol e potencial alergênico em cosméticos Propilenoglicol e potencial alergênico em cosméticos Os cuidados com a aparência física e a busca incessante pelo ideal de beleza levam as pessoas a se submeterem aos mais variados tratamentos estéticos

Leia mais

QUÍMICA CELULAR NUTRIÇÃO TIPOS DE NUTRIENTES NUTRIENTES ENERGÉTICOS 4/3/2011 FUNDAMENTOS QUÍMICOS DA VIDA

QUÍMICA CELULAR NUTRIÇÃO TIPOS DE NUTRIENTES NUTRIENTES ENERGÉTICOS 4/3/2011 FUNDAMENTOS QUÍMICOS DA VIDA NUTRIÇÃO QUÍMICA CELULAR PROFESSOR CLERSON CLERSONC@HOTMAIL.COM CIESC MADRE CLÉLIA CONCEITO CONJUNTO DE PROCESSOS INGESTÃO, DIGESTÃO E ABSORÇÃO SUBSTÂNCIAS ÚTEIS AO ORGANISMO ESPÉCIE HUMANA: DIGESTÃO ONÍVORA

Leia mais

Opções de tratamento - um guia simples

Opções de tratamento - um guia simples Guia Opções de tratamento - um guia simples Para poder decidir qual é o melhor tratamento para si, é importante começar por saber quais as opções de tratamento existentes e quais as suas vantagens e desvantagens.

Leia mais

Proposta de Padronização para o Preparo de Medicamentos na Farmácia Magistral: Formas Farmacêuticas Semi-Sólidas e Líquidas

Proposta de Padronização para o Preparo de Medicamentos na Farmácia Magistral: Formas Farmacêuticas Semi-Sólidas e Líquidas XI Congresso Brasileiro de Informática em Saúde Proposta de Padronização para o Preparo de Medicamentos na Farmácia Magistral: Formas Farmacêuticas Semi-Sólidas e Líquidas Mestranda: Sybelle Okuyama Orientadora:Prof

Leia mais

COLETA DE AMOSTRA 01 de 06

COLETA DE AMOSTRA 01 de 06 01 de 06 1. PRINCÍPIO Para que os resultados dos métodos de análise expressem valores representativos da quantidade total de substância disponível, é imprescindível recorrer a técnica de coleta definida

Leia mais

Descrição/ especificação técnica: Pó cristalino branco a quase branco, com especificação de 98 a 101% de Aciclovir.

Descrição/ especificação técnica: Pó cristalino branco a quase branco, com especificação de 98 a 101% de Aciclovir. Material Técnico Identificação Fórmula Molecular: C 8 H 11 N 5 O 3 Peso molecular: 225,2 DCB/ DCI: 00082 aciclovir CAS: 59277-89-3 INCI: Não aplicável Sinonímia: Acicloguanosina; Aciclovirum; Aciklovír;

Leia mais

TRANSCUTOL CG. Informações Técnicas. INCI NAME: Ethoxydiglycol CAS NUMBER: 111-90-0 SIMILAR: Trivalin SF

TRANSCUTOL CG. Informações Técnicas. INCI NAME: Ethoxydiglycol CAS NUMBER: 111-90-0 SIMILAR: Trivalin SF Informações Técnicas TRANSCUTOL CG INCI NAME: Ethoxydiglycol CAS NUMBER: 111-90-0 SIMILAR: Trivalin SF INTRODUÇÃO Desde os anos setenta, TRANSCUTOL CG é utilizado na indústria farmacêutica devido sua poderosa

Leia mais

ONCICREM A. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Pomada Orabase 1mg/g

ONCICREM A. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Pomada Orabase 1mg/g ONCICREM A Geolab Indústria Farmacêutica S/A Pomada Orabase 1mg/g MODELO DE BULA PARA O PACIENTE Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento. Oncicrem

Leia mais

-10/11/2009. Nosso cartão de visita A PELE. Epiderme. Derme. Hipoderme

-10/11/2009. Nosso cartão de visita A PELE. Epiderme. Derme. Hipoderme ROSTO Nosso cartão de visita A PELE Epiderme Derme Hipoderme -1 Sem vascularização EPIDERME Várias camadas (última: morta) Renova: 14-30 dias DERME Elasticidade, resistência, flexibilidade e hidratação

Leia mais

ANATOMIA HUMANA II. Roteiro Sistema tegumentar. Enfermagem SISTEMA TEGUMENTAR. Prof. Me. Fabio Milioni. Conceito Estruturas. Pele Anexos.

ANATOMIA HUMANA II. Roteiro Sistema tegumentar. Enfermagem SISTEMA TEGUMENTAR. Prof. Me. Fabio Milioni. Conceito Estruturas. Pele Anexos. ANATOMIA HUMANA II Enfermagem SISTEMA TEGUMENTAR Prof. Me. Fabio Milioni Roteiro Sistema tegumentar Conceito Estruturas Pele Anexos Funções 1 CONCEITO Estudo Microscópico Maior orgão do corpo humano Proporciona

Leia mais

Acnase Creme Enxofre 2% Peróxido de Benzoíla 5%

Acnase Creme Enxofre 2% Peróxido de Benzoíla 5% Acnase Creme Enxofre 2% Peróxido de Benzoíla 5% Creme: apresentado em bisnagas com 25 g. USO TÓPICO. USO ADULTO E EM PACIENTES ACIMA DE 12 ANOS. Cada g de creme contém: Peróxido de Benzoíla... 50 mg Enxofre...

Leia mais

MODELO DE FORMATO DE BULA

MODELO DE FORMATO DE BULA APRESENTAÇÃO OMCILON-A ORABASE é apresentado em bisnaga contendo 10 g. USO ORAL TÓPICO USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada grama de OMCILON-A ORABASE contém 1mg de triancinolona acetonida. Ingredientes inativos:

Leia mais

A ÁGUA COMO REAGENTE PURA PURA PURA Destilação - Deionização Osmose Reversa - Filtração através de Carvão Ativado Ultrafiltração -

A ÁGUA COMO REAGENTE PURA PURA PURA Destilação - Deionização Osmose Reversa - Filtração através de Carvão Ativado  Ultrafiltração - 1 A ÁGUA COMO REAGENTE A água é o suprimento do Laboratório Clínico de menor custo. Talvez, por este motivo, sua qualidade seja tão negligenciada, apesar de ser um reagente importante e o mais utilizado.

Leia mais

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS PÁGINA: 1/5 SEÇÃO 1.0 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA NOME DO PRODUTO: BIOCLEANER CÓDIGO DE IDENTIFICAÇÃO: 0120/5521 NOME DO FABRICANTE: BIOCHEMICAL PRODUTOS QUIMICOS LTDA ENDEREÇO: RUA: PAPA SÃO

Leia mais

Corticóides na Reumatologia

Corticóides na Reumatologia Corticóides na Reumatologia Corticóides (CE) são hormônios esteróides produzidos no córtex (área mais externa) das glândulas suprarrenais que são dois pequenos órgãos localizados acima dos rins. São produzidos

Leia mais

Genéricos - Guia Básico. Autor: Cesar Roberto CRF-RJ: 7461

Genéricos - Guia Básico. Autor: Cesar Roberto CRF-RJ: 7461 Autor: Cesar Roberto CRF-RJ: 7461 Versão 3.00 2001 Introdução: Este guia visa a orientar o profissional farmacêutico sobre os genéricos, e como este deve proceder na hora de aviar uma receita nesta nova

Leia mais

QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier. Prática 03 Síntese do Oxalato de Bário

QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier. Prática 03 Síntese do Oxalato de Bário UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE QUÍMICA DQMC QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier Prática 03 Síntese do Oxalato

Leia mais

Clindoxyl Control peróxido de benzoíla

Clindoxyl Control peróxido de benzoíla Clindoxyl Control peróxido de benzoíla APRESENTAÇÕES Gel 50 mg/g (5%) ou 100 mg/g (10%) em bisnaga de 45g USO EXTERNO VIA TÓPICA USO ADULTO E PACIENTES ACIMA DE 12 ANOS COMPOSIÇÃO Clindoxyl Control 5%

Leia mais

LACTREX lactato de amônia LOÇÃO 120 mg/ml

LACTREX lactato de amônia LOÇÃO 120 mg/ml LACTREX lactato de amônia LOÇÃO 120 mg/ml LACTREX lactato de amônio alantoína APRESENTAÇÃO Loção para uso tópico, contendo 120 mg de lactato de amônio, 1 mg de alantoína por grama de produto. Frasco contendo

Leia mais

Azeloglicina. Denominação Científica: Diglicinato de Azeloil Potássio. Descrição:

Azeloglicina. Denominação Científica: Diglicinato de Azeloil Potássio. Descrição: Azeloglicina Inci Name Potassium Azeolaoyl Diglycinate Denominação Científica: Diglicinato de Azeloil Potássio. Descrição: O Ácido Azeláico é um dos ativos mais conhecidos no mundo pela sua eficácia no

Leia mais

Treinamento Online. obrigada pela presença. Bemvindas! Elisandra Uesato Diretora Futura Executiva de Vendas Ind

Treinamento Online. obrigada pela presença. Bemvindas! Elisandra Uesato Diretora Futura Executiva de Vendas Ind Treinamento Online obrigada pela presença Bemvindas! Elisandra Uesato Diretora Futura Executiva de Vendas Ind Produtos de cuidados para pele com manchas Elisandra Uesato Diretora Futura Executiva Vendas

Leia mais

Realização: Rx Editora e Publicidade Ltda. Local: Goiânia (GO) Data: 12 de agosto de 2006. Local: Curitiba (PR) Data: 16 de setembro de 2006

Realização: Rx Editora e Publicidade Ltda. Local: Goiânia (GO) Data: 12 de agosto de 2006. Local: Curitiba (PR) Data: 16 de setembro de 2006 CONGRESSO DA FIP 66º CONGRESSO DA FEDERAÇÃO INTERNACIONAL DE FARMÁCIA (FIP) Realização: FIP/CFF Local: Salvador - Bahia (BA) Data: 25 a 31 de agosto de 2006 Informações: Pelos telefones +31(0)70-302-1982/1981,

Leia mais

CONHEÇA A LINHA MED PROTECTION E SURPREENDA-SE COM O MELHOR CUSTO/BENEFÍCIO DO MERCADO.

CONHEÇA A LINHA MED PROTECTION E SURPREENDA-SE COM O MELHOR CUSTO/BENEFÍCIO DO MERCADO. Produtos MED PROTECTION CONHEÇA A LINHA MED PROTECTION E SURPREENDA-SE COM O MELHOR CUSTO/BENEFÍCIO DO MERCADO. Profissionais que lidam diariamente com substâncias nocivas à pele estão sujeitos a doenças

Leia mais

Sistema Nacional de Vigilância Sanitária PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Número: POP-O-SNVS-014

Sistema Nacional de Vigilância Sanitária PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Número: POP-O-SNVS-014 1/13 1. INTRODUÇÃO A garantia da segurança, eficácia e qualidade de produtos sujeitos a controle sanitário é uma preocupação constante dos serviços de vigilância sanitária. De forma a aperfeiçoar o monitoramento

Leia mais

FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES: - Vitacid Gel Gel 0,025% e Creme dermatológico 0,05%.Gel e Creme: bisnaga com 25g.

FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES: - Vitacid Gel Gel 0,025% e Creme dermatológico 0,05%.Gel e Creme: bisnaga com 25g. Vitacid Gel tretinoína CREME 0,05% GEL 0,025% Uso adulto Uso externo FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES: - Vitacid Gel Gel 0,025% e Creme dermatológico 0,05%.Gel e Creme: bisnaga com 25g. COMPOSIÇÃO:

Leia mais

OLIVEM 1000 Reestruturante Biomimético Second Skin

OLIVEM 1000 Reestruturante Biomimético Second Skin OLIVEM 1 OLIVEM 1 Primeiro Emulsionante Ativo OLIVEM 1 INCI Name: Cetearyl Olivate, Sorbitan Olivate CAS Number: 85116-8-9 / 9222-1-2 Descrição: Olivem 1 é o primeiro ingrediente emulsionante 1% ativo.

Leia mais

Síntese Artificial de Peptídeos

Síntese Artificial de Peptídeos Síntese Artificial de Peptídeos Rebeca Bayeh Seminário apresentado para a disciplina Princípios Físicos Aplicados à Fisiologia (PGF530) Prof. Dr. Adriano Mesquita Alencar Segundo semestre de 2013 Motivação

Leia mais

12/11/2012. Matriz Transdérmica à Base de Biopolímeros e Potenciadores Naturais de Permeação para Incorporação de Fármacos.

12/11/2012. Matriz Transdérmica à Base de Biopolímeros e Potenciadores Naturais de Permeação para Incorporação de Fármacos. Matriz Transdérmica à Base de Biopolímeros e Potenciadores Naturais de Permeação para Incorporação de Fármacos. Mestranda - Rosana Mírian Barros Mendes Programa de Pós-Graduação em Ciências Farmacêuticas/UFPI

Leia mais

TECNOLOGIA DE Sabões e detergentes. Conteúdos a serem abordados: --Tensão superficial -- Polaridade -- Forças intermoleculares

TECNOLOGIA DE Sabões e detergentes. Conteúdos a serem abordados: --Tensão superficial -- Polaridade -- Forças intermoleculares TECNOLOGIA DE Sabões e detergentes Conteúdos a serem abordados: --Tensão superficial -- Polaridade -- Forças intermoleculares Tensão superficial Força existente na superfície de líquidos em repouso. Fortes

Leia mais

AVICIS alfaestradiol 0,025% Solução Capilar FORMA FARMACÊUTICA, VIA DE ADMINISTRAÇÃO E APRESENTAÇÃO

AVICIS alfaestradiol 0,025% Solução Capilar FORMA FARMACÊUTICA, VIA DE ADMINISTRAÇÃO E APRESENTAÇÃO MODELO DE BULA (COMPLETA) AVICIS alfaestradiol 0,025% Solução Capilar FORMA FARMACÊUTICA, VIA DE ADMINISTRAÇÃO E APRESENTAÇÃO Solução para uso tópico no couro cabeludo. Embalagens com 1 frasco plástico

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO E CARACTERÍSTICAS DOS ANTIOXIDANTES

CLASSIFICAÇÃO E CARACTERÍSTICAS DOS ANTIOXIDANTES ANEXO : COMPLEMENTAÇÃO TEORIA CLASSIFICAÇÃO E CARACTERÍSTICAS DOS ANTIOXIDANTES 1 Antioxidantes para sistemas medicamentosos lipófilos: 1.1 NATURAIS: a) Tocoferóis: São líquidos viscosos de cor amarelada,

Leia mais

BEBEX ADE. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Pomada dermatológica 5.000UI/g + 900UI/g + 150mg/g

BEBEX ADE. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Pomada dermatológica 5.000UI/g + 900UI/g + 150mg/g BEBEX ADE Geolab Indústria Farmacêutica S/A Pomada dermatológica 5.000UI/g + 900UI/g + 150mg/g MODELO DE BULA PARA O PROFISSIONAL DA SAÚDE Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura

Leia mais

REVISAGE 3D Dr. Milton Beltrão Jr. Consultor Facial - Onodera

REVISAGE 3D Dr. Milton Beltrão Jr. Consultor Facial - Onodera REVISAGE 3D Dr. Milton Beltrão Jr. Consultor Facial - Onodera Revisage3D Você verá nesta aula: Definição Envelhecimento; Sistema Tegumentar; Alterações Envelhecimento; Revisage 3D; Indicações e Contra-Indicações;

Leia mais

CAPYLA HAIR (finasterida)

CAPYLA HAIR (finasterida) CAPYLA HAIR (finasterida) EMS SIGMA PHARMA LTDA Comprimido Revestido 1 mg IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Capyla-hair finasterida APRESENTAÇÕES Comprimidos revestidos de 1 mg de finasterida acondicionados

Leia mais

Linha de Tratamento Facial e Maquiagem Depyl Action

Linha de Tratamento Facial e Maquiagem Depyl Action Apresentação para Colaboradoras Linha de Tratamento Facial e Maquiagem Depyl Action Edição Especial especializada em beleza e bem-estar Apresentação Faz parte da postura da Depyl Action contribuir para

Leia mais

HYDROPOM Licopeno Bioliquefeito

HYDROPOM Licopeno Bioliquefeito HYDROPOM Licopeno Bioliquefeito INCI: hydrolyzed Tomato Skin Contém: Polifenóis Açúcares Naturais Licopeno Aquoso Microdispersível 1. Introdução HYDROPOM é o primeiro produto aquoso que contém licopeno

Leia mais

VITACID ACNE. Theraskin Farmacêutica Ltda. Gel. fosfato de clindamicina 12mg e tretinoína 0,25mg

VITACID ACNE. Theraskin Farmacêutica Ltda. Gel. fosfato de clindamicina 12mg e tretinoína 0,25mg VITACID ACNE Theraskin Farmacêutica Ltda. Gel fosfato de clindamicina 12mg e tretinoína 0,25mg Vitacid Acne fosfato de clindamicina e tretinoína USO TÓPICO USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 12 ANOS FORMA

Leia mais

ÁGUA REAGENTE NO LABORATÓRIO CLÍNICO

ÁGUA REAGENTE NO LABORATÓRIO CLÍNICO ÁGUA REAGENTE NO LABORATÓRIO RIO CLÍNICO Água reagente no laboratório rio clínico Água de grau reagente (água( pura); Processos de purificação: destilação e deionização (+ usado atualmente). Especificações

Leia mais

HORMOSKIN. hidroquinona, tretinoína e fluocinolona acetonida GERMED FARMACÊUTICA LTDA. Creme dermatológico. 40 mg/g + 0,5 mg/g + 0,1 mg/g

HORMOSKIN. hidroquinona, tretinoína e fluocinolona acetonida GERMED FARMACÊUTICA LTDA. Creme dermatológico. 40 mg/g + 0,5 mg/g + 0,1 mg/g HORMOSKIN hidroquinona, tretinoína e fluocinolona acetonida GERMED FARMACÊUTICA LTDA. Creme dermatológico 40 mg/g + 0,5 mg/g + 0,1 mg/g HORMOSKIN hidroquinona, tretinoína e fluocinolona acetonida APRESENTAÇÕES

Leia mais

Ecologie agora é Bril Cosméticos

Ecologie agora é Bril Cosméticos Ecologie agora é Bril Cosméticos Diversidade de produtos será reforçada na Beauty Fair Nasce uma nova empresa de cosméticos no mercado brasileiro. A Bril Cosméticos surgiu a partir da aquisição da Ecologie,

Leia mais

Cosméticos com. Argila Branca. Manganês: ação específica na formação do colágeno. Anti-infeccioso, cicatrizante, antialérgico.

Cosméticos com. Argila Branca. Manganês: ação específica na formação do colágeno. Anti-infeccioso, cicatrizante, antialérgico. Cosméticos com Argila Branca Utilizando como base de seus produtos a argila branca, a Clay Beleza da Terra preocupa-se com o bem estar de sua pele e inova em sua nova linha de cosméticos, trazendo para

Leia mais

APLICAÇÃO DO SOFTWARE E3 PARA O CONTROLE DO PROCESSO DE PRODUÇÃO ENZIMÁTICA NA NOVOZYMES

APLICAÇÃO DO SOFTWARE E3 PARA O CONTROLE DO PROCESSO DE PRODUÇÃO ENZIMÁTICA NA NOVOZYMES APLICAÇÃO DO SOFTWARE E3 PARA O CONTROLE DO PROCESSO DE PRODUÇÃO ENZIMÁTICA NA NOVOZYMES Este case apresenta a aplicação da solução Elipse E3 para automatizar e coletar mais informações sobre as etapas

Leia mais

TEGAN alfaestradiol Solução tópica (capilar) 0,25 mg/ml

TEGAN alfaestradiol Solução tópica (capilar) 0,25 mg/ml TEGAN alfaestradiol Solução tópica (capilar) 0,25 mg/ml USO TÓPICO USO ADULTO FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES Solução tópica capilar contendo 0,25 mg de alfaestradiol. Embalagem com 1 frasco plástico

Leia mais

Falando sobre o 10/6/2010

Falando sobre o 10/6/2010 Falando sobre o C 1 Cosméticos: Tudo que muda a aparência 2 Skin Care Conhecimentos básicosb 3 O que é Skin Care? É uma categoria formada por produtos, de alta tecnologia, destinados ao tratamento da pele;

Leia mais

COSMETOLOGIA NO TRATAMENTO DAS HIPERCROMIAS

COSMETOLOGIA NO TRATAMENTO DAS HIPERCROMIAS COSMETOLOGIA NO TRATAMENTO DAS HIPERCROMIAS As hipercromias ou manchas são consideradas como toda mudança de coloração da pele, sem depressões nem sobreelevações da superfície cutânea, e não varia sua

Leia mais

2- Causas A Acne é causada por alteração em 4 fatores principais

2- Causas A Acne é causada por alteração em 4 fatores principais ACNE Autor: Prof. Dr. Miguel Francischelli Neto Mestre e Doutor em Cirurgia Faculdade de Ciências Médicas da Universidade de Campinas Professor do Curso de Pós-Graduação em Medicina Estética da Universidade

Leia mais

FISPQ FLÚOR GEL NEUTRO

FISPQ FLÚOR GEL NEUTRO Página : 1 de 6 SEÇÃO 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: FLUOR GEL NEUTRO MAQUIRA Sabor: Menta Capacidade: frasco com 200 ml Teor: fluoreto de sódio a 2% Registro na Anvisa: 80322400048

Leia mais