TABELA DE EQUIVALÊNCIA FECOMP Curso de Engenharia de Computação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TABELA DE EQUIVALÊNCIA FECOMP Curso de Engenharia de Computação"

Transcrição

1 TABELA DE EQUIVALÊNCIA FECOMP Curso de Engenharia de Computação Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo ESTRUTURA DE DADOS I 68/0 ENG. DE ESTRUT. RECUPER. INFORMAÇÕES I Representação e manipulação de dados. Estruturas básicas: listas lineares, árvores e suas generalizações. Tipo de dado abstrato. Solução de problemas utilizando estrutura de dados. Representação e manipulação de informações. Estruturas básicas: listas lineares, árvores e suas generalizações. Tipos de dados abstratos. Desenvolvimento, implementação e testes de programas em aplicações particulares. OU 34/ ANÁLISE DE Conclusão 2007 Substituta ESTRUT. RECUPER. INFORMAÇÕES I 68/ ANÁLISE DE Estudo da estrutura, organização e recuperação da informação nos seus aspectos lógico e físico Substituta ORG. BÁSICA COMP. LING. 68/34 ENG. DE ORGANIZ. BÁSIC. OU 68/ ENG. ELÉTRICA 2007 Equivalente MONTAGEM COMPUTADORES Organização dos computadores Organização de computadores digitais. Elementos básicos de digitais. Elementos básicos de arquiteturas arquiteturas convencionais. Mecanismos convencionais. Organização das partes de de endereçamento e execução de um computador. Tendências atuais para instruções. Linguagem de Montagens. arquiteturas paralelas e não convencionais. Desenvolvimento de programas em Mecanismos de endereçamento e execução linguagem de montagem. de instruções. Linguagem de Montagem. Desenvolvimento de programas em linguagem de montagem. ORG. BÁSICA COMP. LING. MONTAGEM E 60/ ENG. DE Substitutas Organização dos computadores digitais, mecanismos de endereçamento e execução das instruções. Dispositivos de gerência de memória e de E/S. Interrupção vetorada. Programação via Polling e Interrupções. Montagem, relocação e carga de programas. macros. Ligação de programas. 1

2 LAB. LINGUAGEM DE MONTAGEM Desenvolvimento de programas em Linguagem de Montagem, chamadas ao Sistema Operacional. Programação de dispositivos de E/S via Polling e interrupções. Interface com linguagens de alto nível. 0/ ENG. DE ESTRUTURA DADOS II 68/0 ENG. DE ESTRUT. RECUPER. INFORMAÇÕES II Tipos de dados abstratos. Estruturas lógicas e físicas de arquivos. Estruturas básicas de armazenamento e recuperação de dados em arquivo. Indexação de arquivos. Avaliação de desempenho de métodos de classificação e recuperação da informação. Sistemas de arquivamento, recuperação e arquivos. Tipos abstratos de dados e objetos. Estruturas lógicas e físicas de arquivos. Estruturas básicas de armazenamento e recuperação de dados em arquivo. Indexação em disco. Avaliação de desempenho. Sistemas arquivamento, recuperação e segurança de arquivos. Arquivos para sistemas de gerenciamento de banco de dados PARADIGMAS LINGUAGEM PROGRAMAÇÃO I 68/34 ENG. DE PARADIGMAS LINGUAGEM PROGRAMAÇÃO Principais paradigmas de programação. Linguagens representativas de cada um dos paradigmas. Desenvolvimento de programas usando os paradigmas e as linguagens estudados. LAB. PARADIGMAS LING. PROGRAMAÇÃO Linguagens e seus diferentes paradigmas de programação. Implementação de linguagens, sintaxe, semântica e principais construções. 68/ ANÁLISE E 68/ ANÁLISE OU 0/ ENG. DE 2007 Equivalente 1999 Substitutas Estudo e utilização de uma linguagem de programação orientada a objetos. 2

3 PARADIGMAS LING. PROGRAMAÇÃO Principais paradigmas de programação. Linguagens representativas de cada um dos paradigmas. Desenvolvimento de programas usando os paradigmas e as linguagens estudados CIRCUITOS LÓGICOS 68/34 ENG. DE CIRCUITOS LÓGICOS ORGAN COMPUT Conceitos básicos. Sistemas de numeração. Aritmética binária. Códigos. Funções lógicas básicas. Minimização de funções booleanas. Análise e síntese de circuitos combinacionais. Operações aritméticas: soma, subtração, multiplicação, divisão. Unidade lógica e aritmética. Circuitos seqüenciais. Flipflops, registradores e contadores, Consideração sobre velocidade de operação de circuitos digitais. Memórias semicondutoras. Máquinas de estados. Experiências práticas sobre os assuntos apresentados. Linguagem de descrição de hardware ARQUITETURA DE COMPUTACIONAIS Álgebra Booleana e circuitos lógicos, blocos lógicos funcionais, unidades de um computador. 68/ ANÁLISE E 60/ ENG. DE LAB. CIRCUITOS LÓGICOS 0/ ENG. DE Projetos Lógicos utilizando circuitos integrados TTL e CMOS, de decodificadores, contadores, registradores, somadores e multiplicadores. Introdução ao projeto digital utilizando lógica programática (PALS). 68/34 ENG. DE ARQUITETURA E ORG. DE COMPUTADORES E 68/ ENG. DE 2007 Equivalente Substitutas Substitutas Arquitetura e organização de computadores. Tecnologias e perspectiva histórica. Medidas de desempenho. Conjunto de instruções. Memória. Unidade aritmética e lógica. Projeto básico de um processador. 'Pipeline'. Hierarquia de memória: 'cache' e memória virtual. Dispositivos de E/S. Projeto de implementação de um microcomputador didático. Desenvolvimento e teste de 'firmware' de controle. Desenvolvimento de software de tratamento de interrupções e de interfaceamento. Modelamento de uma CPU utilizando linguagem de especificação de hardware. Síntese de uma CPU e implementação utilizando um círculo lógico programável. A estrutura básica dos computadores: A unidade processadora, sub-sistemas de E/S, memória. A evolução dos computadores, tendências para o processamento paralelo, estruturas de computadores paralelo, esquemas de classificação de arquiteturas, aplicações de processamento paralelo, arquiteturas não convencionais. LABORATÓRIO MICROCOMPUTADORES 0/ ENG. DE Experiências no projeto de uma CPU didática. Programação de interfaces,dma's e controladores. 3

4 82953 OPERACIONAIS I 68/34 ENG. DE OPERACIONAIS E 60/ ENG. DE Substitutas Conceitos de processos: concorrência, regiões críticas, escalonamento. Conceitos de espaços de endereçamento e de gerenciamento de memória, memória virtual, paginação, segmentação. Sistemas de arquivos: hierarquia, proteção, organização, segurança. Funções do Sistema Operacional. Estrutura e Organização interna dos Sistemas Operacionais. Sistemas Operacionais Distribuídos. LAB. OPERACIONAIS OU 0/ ENG. DE Projeto e implementação de um protótino de sistema operacional enfocando aspectos básicos como multiprogramação, gerência de periféricos, gerência de arquivos. LAB. OPERACIONAIS E 0/ ENG. DE Substitutas INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL 68/0 ENG. DE Projeto e implementação de um protótino de sistema operacional enfocando aspectos básicos como multiprogramação, gerência de periféricos, gerência de arquivos. OPERACIONAIS 68/ ENG. ELÉTRICA 2007 Apresentação dos componentes de um sistema operacional. Compreensão da gerência das três principais partes da arquitetura de um computador: processador, memória e periféricos. Compreensão e o experimento da instalação de um sistema operacional, criação e manutenção de seu ambiente operacional. INTROD. INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL OU 68/ ENG. DE 2000 Substituta 4

5 Conceituação de inteligência artificial. Solução de problemas usando estratégias de busca. Representação e processamento de conhecimento. Aprendizado de máquina. Agentes inteligentes. Lógica de predicados. Introdução à linguagem de programação PROLOG. Resolução por refutação/inferência. Sistemas de produção/estratégia de busca. Sistemas de dedução baseados em regras Sistemas especialistas. Processamento de linguagem natural. Redes neurais. INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL 68/ ANÁLISE Lógica de Predicados. Introdução à linguagem de programação Prolog. Resolução por refutação/inferência. Sistemas de produção baseados em regras. Sistemas especialistas. Processamento de linguagem natural. Redes Neurais Equivalente REDES COMPUTADORES I 68/34 ENG. DE TELEPROCESSAMENTO E REDES E 68/ ENG. DE Substitutas Introdução: redes de computadores e a Internet. A Camada de Aplicação. A Camada de Transporte. A Camada de Rede. Noções básicas de teleprocessamento e introdução dos conceitos ligados a transmissão de dados em redes de computadores locais e de longa distância. Padronização OSI/ISO, IEEE802, CCITT, etc. Protocolos comeciais, centrais de computação e serviços de teleprocessamento OPERACIONAIS II 68/34 ENG.DE Estudo das camadas do sistema operacional envolvidas com controle de E/S. Escalonamento com tempo real. LAB. TELEPROCES E REDES 0/ ENG. DE Estudo de casos de projetos de redes de computadores, além de exercitar na prática os temas voltados para protocolos de comunicação e gerência de redes locais. PROGR. - SOFTWARE BÁSICO Estrutura e funcionamento de perifericos tipicos. Terminais, Impressoras, discos e fitas. Camadas do sistema operacional envolvida com o controle de perifericos. E 60/ ENG. DE Substitutas LAB. PROGRAMAÇÃO SIST- SOFTW BAS 5 0/ ENG. DE

6 Especificação, projeto e programação de aspectos avançados de um sistema operacional, enfocando Software de controle de periféricos tipo disco DISTRIBUÍDOS 68/0 ENG. DE Sistemas distribuídos: comunicação, nomes, sincronização, replicação e consistência, tolerância a falhas, algoritmos distribuídos, segurança, sistemas de arquivos distribuídos, aplicações distribuídas CONSTRUÇÃO DE COMPILADORES DISTRIBUÍDOS 68/ ENG. ELÉTRICA 2007 Equivalente Sistemas Distribuídos: distribuição de dados, controle e processamento. Arquiteturas distribuídas: chamada remota, threads, migração, mobilidade; falha de sistemas; deadlock; exclusão mútua; concordância; sincronização de eventos; escalonamento de processamento e linhas de comunicação; desempenho; algorítmos distribuídos. Parte prática envolvendo os assuntos tratados. e escalonamento de processamento e linhas de comunicação. Parte prática envolvendo os assuntos tratados. 68/34 ENG. DE CONSTRUÇÃO DE COMPILADORES E 68/ ENG. DE Substitutas Sistemas de execução. Análise lexical. Métodos de análise sintática. Análise semântica.geração de código objeto. Desenvolvimento do projeto e implementação de um compilador para linguagem de alto nível. Métodos de análises sintática. Sistemas de execução, geração e otimização de códigos objeto. LAB. CONSTR. DE COMPILADORES 0/ ENG. DE Desenvolvimento do projeto e implementação de um compilador para uma linguagem de alto nível típica GRÁFICA 34/0 ENG. DE GRÁFICA 68/ ENG. DE Conceitos básicos. Algoritmos de Conceitos básicos da computação desenho de primitivas gráficas. gráfica, incluindo primitivas gráficas, Representação e estruturação de transformações, periféricos de entrada e informação gráfica. Descrição, construção saída, e o desenvolvimento de um núcleo e utilização de um núcleo de um sistema gráfico tri-dimensional. gráfico. Aplicações. Substituta 6

7 TABELA DE EQUIVALÊNCIA FECOMP Curso de Engenharia Elétrica Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES A estrutura básica dos computadores: a unidade processadora, subsistemas de E/S, memória, a evolução dos computadores, tendências para o processamento paralelo, estruturas de computadores paralelos, esquemas de classificação de arquitetura, aplicações de processamento paralelo e arquiteturas não convencionais. 68/0 ENG. ELÉTRICA ARQUITETURA DE COMPUTADORES 7 OU 68/ ANÁLISE DE A estrutura básica de computadores; a unidade processadora, sub-sistemas de E/S, memória, a evolução dos computadores paralelos, esquemas de classificação de arquiteturas, aplicações de processamento paralelo e arquiteturas não convencionais. ARQUITETURA DE SIST. 68/ ENG. DE COMPUTACIONAIS Arquitetura e organização de computadores. Tecnologias e perspectiva histórica. Medidas de desempenho. Conjunto de instruções. Memória. Unidade aritmética e lógica. Projeto básico de um processador. Pipeline. Hierarquia de memória: cache e memória virtual. Dispositivos de E/S. Projeto e implementação de um microcomputador didático. Desenvolvimento e teste de firmware de controle. Desenvolvimento de software de tratamento de interrupções e de interfaceamento. Modelamento de uma CPU utilizando linguagem de especificação de hardware. Síntese de uma CPU e implementação utilizando um circuito lógico programável. Conclusão 2007 Equivalente ORGANIZAÇÃO BÁSICA DE COMPUTADORES 34/34 ENG. ELÉTRICA ORGANIZAÇÃO BÁSICA DE COMPUTADORES OU 68/ ENG. ELÉTRICA Organização de computadores Organização de computadores digitais. digitais. Elementos básicos de arquiteturas Elementos básicos de arquiteturas convencionais. Organização das partes de convencionais. Organização das partes um computador. Tendências atuais para de um computador. Tendências atuais arquiteturas paralelas e não convencionais. para arquiteturas paralelas e não Mecanismos de endereçamento e execução convencionais. Mecanismos de de instruções. Linguagem de Montagem. endereçamento e execução de Desenvolvimento de programas em instruções. Linguagem de Montagem. linguagem de montagem.

8 Desenvolvimento de programas em linguagem de montagem REDES E COMUNICAÇÃO DE DADOS Evolução das redes de comunicação de dados. Arquitetura de rede de computadores. Arquitetura TCP/IP e o Modelo de referência OSI/ISO. Interfaces e protocolo das camadas. Rede locais de computadores e redes metropolitanas. Roteamento e interconexão de redes de computadores 34/34 ENG. ELÉTRICA REDES E COMUNICAÇÃO DE DADOS DISTRIBUÍDOS 68/0 ENG. ELÉTRICA DISTRIBUÍDOS Sistemas Distribuídos: distribuição de dados, controle e processamento. Arquiteturas distribuídas e escalonamento de processamento e linhas de comunicação. Parte prática envolvendo os assuntos tratados OPERACIONAIS 34/0 ENG. ELÉTRICA OPERACIONAIS ORGAN. BÁSICA COMP. LING. MONT OU 68/ ENG. DE Organização dos computadores digitais. Elementos básicos de arquiteturas convencionais. Mecanismos de endereçamento e execução de instruções. Linguagem de Montagens. Desenvolvimento de programas em linguagem de montagem. ORGAN. BÁSICA COMP. E 60/ ENG. LING. MONT Álgebra Booleana e circuitos lógicos, blocos lógicos funcionais, unidades de um computador. LAB. LINGUAGEM DE 0/ ENG. DE MONTAGEM. Desenvolvimento de programas em Linguagem de Montagem, chamadas ao Sistema Operacional. Programação de dispositivos de E/S via Polling e interrupções. Interface com linguagens de alto nível. Evolução das redes de comunicação de dados. Arquitetura de rede de computadores. Comutação por circuito, pacote e célula. Topologia de rede e suas aplicações. Modelo de referência OSI/ISO. Interfaces e protocolos das camadas do RM- OSI. Padrão IEEE.820x. Roteamento e interconexão de redes de computadores. Controle de fluxo e congestionamento. Arquitetura TCP/IP protocolos e tecnologia. Internet. Redes de alta velocidade. Sistemas distribuídos: comunicação, nomes, sincronização, replicação e consistência, tolerância a falhas, algoritmos distribuídos, segurança, sistemas de arquivos distribuídos, aplicações distribuídas. Substitutas 68/ ENG. ELÉTRICA 68/ ENG. DE 2007 Equivalente OU 68/ ENG. ELÉTRICA 8

9 Apresentação dos componentes de um sistema operacional. Compreensão da gerência das três principais partes da arquitetura de um computador: processador, memória e periféricos. Compreensão e o experimento da instalação de um sistema operacional, criação e manutenção de seu ambiente operacional. Apresentação dos componentes de um sistema operacional. Compreensão da gerência das três principais partes da arquitetura de um computador: processador, memória e periféricos. Compreensão e o experimento da instalação de um sistema operacional, criação e manutenção de seu ambiente operacional. OU 60/ ENG. DE OPERACIONAIS Funções do Sistema Operacional. Estrutura e Organização interna dos Sistemas Operacionais. Sistemas Operacionais Distribuídos. OPERACIONAIS I Conceitos de processos: concorrência, regiões críticas, escalonamento. Conceitos de espaços de endereçamento e de gerenciamento de memória, memória virtual, paginação, segmentação. Sistemas de arquivos: hierarquia, proteção, organização, segurança. OU 68/ ENG. DE Substituta 68/ ANÁLISE DE OPERACIONAIS Apresentação dos componentes de um sistema operacional. Compreensão da gerência das três principais partes da arquitetura de um computador: - processador, memória e periféricos. Compreensão e o experimento da instalação de um sistema operacional, criação e manutenção de seu ambiente operacional. 9

10 02349 CIRCUITOS DIGITAIS I 68/34 ENG. ELÉTRICA CIRCUITOS DIGITAIS OU 68/ ENG. DE ELÉTRICA Apresentar as teorias que Conceitos básicos. Sistemas de embasam a análise e síntese de circuitos numeração. Aritmética binária. Códigos. lógicos compreendendo a lógicas Funções lógicas básicas. Minimização de combinacional, sequencial e simulações. funções booleanas. Análise e síntese de circuitos combinacionais. Operações aritméticas: soma, subtração, multiplicação, divisão. Unidade lógica e aritmética. Circuitos seqüenciais. Registradores e Contadores. Consideração sobre velocidade de operação de circuitos digitais. Elementos lógicos como memória. Memórias semicondutoras. Experiências sobre os assuntos apresentados Equivalente CIRCUITOS LÓGICOS OU 68/ ENG. DE ELÉTRICA Conceitos básicos. Sistemas de numeração. Aritmética binária. Códigos. Funções lógicas básicas. Minimização de funções booleanas. Análise e síntese de circuitos combinacionais. Operações aritméticas: soma, subtração, multiplicação, divisão. Unidade lógica e aritmética. Circuitos seqüenciais. Registradores e Contadores. Consideração sobre velocidade de operação de circuitos digitais. Elementos lógicos como memória. Memórias semicondutoras. Experiências sobre os assuntos apresentados. CIRCUITOS LÓGICOS OU 68/ ENG. DE Conceitos básicos. Sistemas de numeração. Aritmética binária. Códigos. Funções lógicas básicas. Minimização de funções booleanas. Análise e síntese de circuitos combinacionais. Operações aritméticas: soma, subtração, multiplicação, divisão. Unidade lógica e aritmética. Circuitos seqüenciais. Flip-flops, egistradores e contadores. Consideração sobre velocidade de operação de circuitos digitais. Memórias semicondutoras. Experiências práticas sobre os assuntos apresentados Equivalente Contida 10

11 CIRCUITOS LÓGICOS ORGAN. COMPUTADORES Álgebra Booleana e circuitos lógicos, blocos lógicos funcionais, unidades de um computador. LAB. CIRCUITOS LÓGICOS Projetos Lógicos utilizando circuitos integrados TTL e CMOS, de decodificadores, contadores, registradores, somadores e multiplicadores. Introdução ao projeto digital utilizando lógica programática (PALS). E 60/ ENG. DE 0/ ENG. DE Substituta 11

12 TABELA DE EQUIVALÊNCIA FECOMP Curso de Sistemas de Informação Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo INTRODUÇÃO CIÊNCIA DA 68/0 SIST. INFORMAÇÃO INTROD. COMPUTADOR OU 60/ ANÁLISE DE Apresentação dos componentes básicos Estudo funcional dos elementos de de um computador. Compreensão de seu 'HARDWARE' e 'SOFTWARE' que funcionamento. Noções de programas compõem o computador. básicos em linguagem de máquina. CIRCUITOS LÓGICOS ORG OU 68/ ENG. DE COMP. Álgebra Booleana e circuitos lógicos, blocos lógicos funcionais, unidades de um computador. Conclusão 1987 Substituta 2000 Substituta ORGANIZ. BÁSIC. COMP. LING.MONTAGEM Organização dos computadores digitais, mecanismos de endereçamento e execução das instruções. Dispositivos de gerência de memória e de E/S. Interrupção vetorada. Programação via Polling e Interrupções. Montagem, relocação e carga de programas. macros. Ligação de programas. LAB. LINGUAGEM DE MONTAGEM Desenvolvimento de programas em Linguagem de Montagem, chamadas ao Sistema Operacional. Programação de dispositivos de E/S via Polling e interrupções. Interface com linguagens de alto nível. ORGANIZ. BÁSC. COMP. LING. MONTAGEM Organização dos computadores digitais. Elementos básicos de arquiteturas convencionais. Mecanismos de endereçamento e execução de instruções. Linguagem de Montagens. Desenvolvimento de programas em linguagem de montagem. OU 68/ ENG. DE OU 0/ ENG. DE 68/ ENG. DE 2000 Substituta 2000 Substituta 2007 Substituta 12

13 82864 ESTRUTURA REC. INFORMAÇÕES I Representação e manipulação de informações. Eficiência. Estruturas básicas: listas, árvores e suas generalizações. Tipos abstratos de dados e objetos. Desenvolvimento, implementação e testes de programas em aplicações particulares. 34/34 SIST. ESTR. DADOS I OU 68/ ENG. DE INFORMAÇÃO Representação e manipulação de dados. Estruturas básicas: listas lineares, árvores e suas generalizações. Tipo de dado abstrato. Solução de problemas utilizando estrutura de dados. ESTRUT. RECUPER INFORMAÇÕES Estudo da Estrutura, Organização e Recuperação da Informação no seu aspecto lógico e acesso de sistemas de arquivo no aspecto físico. ESTRUTURA RECUPER. INFORMAÇÕES I Estudo da estrutura, organização e recuperação da informação nos seus aspectos lógico e físico. OU 60/ ANÁLISE DE 60/ ANÁLISE DE ESTRUTURA RECUP. INFORMAÇÕES II 68/0 SIST. INFORMAÇÃO ESTRUT. DADOS II 68/ ENG. DE Tipos abstratos de dados e objetos. Tipos de dados abstratos. Estruturas lógicas Estruturas lógicas e físicas de arquivos. e físicas de arquivos. Estruturas básicas de Estruturas básicas de armazenamento e armazenamento e recuperação de dados em recuperação de dados em arquivo. arquivo. Indexação de arquivos. Avaliação Indexação em disco. Avaliação de de desempenho de métodos de classificação desempenho. Sistemas arquivamento, e recuperação da informação. Sistemas de recuperação e segurança de arquivos. arquivamento, recuperação e arquivos. Arquivos para sistemas de gerenciamento de banco de dados Substituta 1980 Substituta 2000 Substituta 2007 Equivalente REDES E COM. DADOS I 34/34 SIST. INFORMAÇÃO TÓPICOS AVANÇADOS INFORM. I Introdução. Conceitos de hardware e software de redes. Arquitetura de comunicação e protocolos: OSI X TCPIP. Fundamentos de comunicação de dados: transmissão analógica e digital, meios de Apresentação de conteúdos relevantes na área de informática. REDES E COMUNIC. DADOS OU 60/ ANÁLISE DE Substituta OU 68/ ENG. ELÉTRICA 13

14 comunicação, codificação de dados, interfaces de comunicação, controle de enlace de dados, multiplexação. Redes geograficamente distribuídas: chaveamento de circuitos e de pacotes, comutação rápida de quadros (frame relay), modo de transferência assíncrono (ATM), RDSI. Redes locais: arquitetura, protocolo de acesso ao meio, pontes Evolução das redes de comunicação de dados. Arquitetura de rede de computadores. Comutação por circuito, pacote e célula. Topologia de rede e suas aplicações. Modelo de referência OSI/ISO. Interfaces e protocolos das camadas do RM- OSI. Padrão IEEE.820x. Roteamento e interconexão de redes de computadores. Controle de fluxo e congestionamento. Arquitetura TCP/IP protocolos e tecnologia. Internet. Redes de alta velocidade. REDES COMPUTADORES I 68/ ENG. DE Introdução: redes de computadores e a Internet. A camada de aplicação. A camada de transporte. A camada de rede REDES E COM. DADOS II 34/34 SIST. INFORMAÇÃO Ligação inter-redes: princípios e protocolos de roteamento: IP, ICMP, etc. Protocolos de transporte: TCP, UDP. Aplicações distribuídas: correio eletrônico, a WWW, etc. Gerência de redes: SNMP. Segurança de redes. REDES COMPUTAD. II OU 68/ ENG. DE A camada de enlace. a camada física, redes sem fio e mobilidade, redes multimídia, segurança em redes de computadores, gerenciamento de redes. TÓPICOS AVANÇADOS EM INFORMÁTICA II Apresentação de conteúdos relevantes na área de informática, não abordados em disciplinas anteriores. 60/ ANÁLISE DE 2000 Substituta ARQUITETURA DE COMPUTADORES A estrutura básica dos computadores: a unidade processadora, sub-sistemas de E/S, memória, a evolução dos computadores, tendências para o processamento paralelo, estruturas de computadores paralelos, esquemas de classificação de arquiteturas, aplicações 68/0 SIST. INFORMAÇÃO INTR. SOFTWARE BÁSICO OU 60/ ANÁLISE DE Estudo da Lógica Funcional do Computador e de Linguagem de Montagem. ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO COMPUTADORES OU 68/ ENG. DE Substituta 2000 Substituta 14

15 de processamento paralelo e arquiteturas não convencionais OPERACIONAIS 68/0 SIST. INFORMAÇÃO Apresentação dos componentes de um sistema operacional. Compreensão da gerência das três principais partes da arquitetura de um computador: processador, memória e periféricos. Compreensão e o experimento da instalação de um sistema operacional, criação e manutenção de seu ambiente operacional. Elementos básicos de arquiteturas convencionais. Organização das partes de um computador. Tendências atuais para arquiteturas paralelas. arquiteturas não convencionais. ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO OU 68/ ENG. ELÉTRICA 2007 Equivalente COMPUTADORES A estrutura básica dos computadores: a unidade processadora, subsistemas de E/S, memória, a evolução dos computadores, tendências para o processamento paralelo, estruturas de computadores paralelos, esquemas de classificação de arquitetura, aplicações de processamento paralelo e arquiteturas não convencionais. ARQUITETURA E ORG. COMPUTADORES Arquitetura e organização de computadores. Tecnologias e perspectiva histórica. Medidas de desempenho. Conjunto de instruções. Memória. Unidade aritmética e lógica. Projeto básico de um processador. 'Pipeline'. Hierarquia de memória: 'cache' e memória virtual. Dispositivos de E/S. Projeto de implementação de um microcomputador didático. Desenvolvimento e teste de 'firmware' de controle. Desenvolvimento de software de tratamento de interrupções e de interfaceamento. Modelamento de uma CPU utilizando linguagem de especificação de hardware. Síntese de uma CPU e implementação utilizando um círculo lógico programável. 68/ ENG. DE OPERACIONAIS OU 34/ ANÁLISE DE Apresentação dos componentes de um sistema operacional. Compreensão da gerência das três principais partes da arquitetura de um computador: - processador, memória e periféricos. Compreensão e o experimento da instalação de um sistema operacional, criação e manutenção de seu ambiente operacional. OPERACIONAIS OU 68/ ANÁLISE DE II Equivalente 1999 Substituta

16 Estudo do Gerenciamento de Sistemas Operacionais PARADIGMAS DE PROGRAMAÇÃO 34/34 SIST. INFORMAÇÃO Principais paradigmas de programação. Linguagens representativas de cada um dos paradigmas. Desenvolvimento de programas usando os paradigmas e as linguagens estudados. OPERACIONAIS OU 34/ ANÁLISE DE Apresentação dos componentes de um sistema operacional, para permitir a compreensão da gerência das três principais partes da arquitetura de um computador, processador, memória e periféricos. Compreensão e o experimento da instalação de um sistema operacional, criação e manutenção de seu ambiente operacional. OPERACIONAIS I OU 68/ ANÁLISE DE Estudo do Gerenciamento de Sistemas Operacionais Substituta 1999 Substituta OPERACIONAIS OU 68/ ENG. ELÉTRICA 2007 Equivalente Apresentação dos componentes de um sistema operacional. Compreensão da gerência das três principais partes da arquitetura de um computador: processador, memória e periféricos. Compreensão e o experimento da instalação de um sistema operacional, criação e manutenção de seu ambiente operacional. OPERACIONAIS I 68/ ENG. DE Conceitos de processos: concorrência, regiões críticas, escalonamento. Conceitos de espaços de endereçamento e de gerenciamento de memória, memória virtual, paginação, segmentação. Sistemas de arquivos: hierarquia, proteção, organização, segurança. PARADIGMAS LING. PROGRAMAÇÃO OU 68/ ANÁLISE DE Principais paradigmas de programação. Linguagens representativas de cada um dos paradigmas. Desenvolvimento de programas usando os paradigmas e as linguagens estudados. LINGUAGEM TÉC PROGRAM OU 60/ ANÁLISE DE IV Conceitos Fundamentais de Linguagens de Programação. Estudo dos Diferentes Paradigmas de Programação Substituta 16

17 PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETOS E 68/ ANÁLISE DE Conceitos básicos e questões relativas ao paradigma de programação orientada a objetos. Linguagens orientadas a objetos. Projeto orientado abjetos Substituta PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETOS Linguagens representativas do paradigma de orientação a objetos. Desenvolvimento de programas usando o paradigma de orientação a objetos. PARADIGMAS LING. PROGRAMAÇÃO OU 68/ ANÁLISE DE Linguagens e seus diferentes paradigmas de programação. Implementação de linguagens, sintaxe, semântica e principais construções. PARADIGMAS LING. PROGRAMAÇÃO I Principais paradigmas de progamação. Linguagens representativas de cada um dos paradigmas. Desenvolvimento de programas usando os paradigmas e as linguagens estudados. PARADIGMAS LING. PROGRAMAÇÃO Linguagens e seus diferentes paradigmas de programação. Implementação de linguagens, sintaxe, semântica e principais construções. LAB PARADIGMAS LING PROGRAMAÇÃO Estudo e utilização de uma linguagem de programação orientada a objetos. 34/34 SIST. PARADIGMAS DE INFORMAÇÃO LINGUAGEM E PROGRAMAÇÃO II Paradigmas de programação atual. Linguagens representativas do paradigma atual. Desenvolvimento de programas usando o paradigma e as linguagens estudados. OU 68/ ENG. DE E 68/ ANÁLISE DE 0/ ENG. DE 68/ ENG. DE Substitutas TÓPICOS EM INTELIGENTES 34/0 SIST. INFORMAÇÃO. INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL OU 68/ ANÁLISE DE 17

18 Estudo de temas atuais relacionados ao uso de Sistemas Inteligentes computacionais no contexto de atuação de um profissional da área de Sistemas de Informação. Lógica de Predicados. Introdução à linguagem de programação Prolog. Resolução por refutação/inferência. Sistemas de produção baseados em regras. Sistemas especialistas. Processamento de linguagem natural. Redes Neurais. LINGUAGEM E TÉCNICA PROGRAMAÇÃO OU 68/ ANÁLISE DE 1999 Substituta Estratégias de busca, lógica de predicados, prova automática de teoremas, Prolog, sistemas de dedução baseados em regras, lógica nebulosa, processamento de linguagem natural, redes neurais. INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL OU 68/ ENG. DE Conceituação de inteligência artificial. Solução de problemas usando estratégias de busca. Representação e processamento de conhecimento. Aprendizado de máquina. Agentes inteligentes. INTROD INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL 68/ ENG. DE Lógica de predicados. Introdução à linguagem de programação PROLOG. Resolução por refutação/inferência. Sistemas de produção/estratégia de busca. Sistemas de dedução baseados em regras Sistemas especialistas. Processamento de linguagem natural.redes neurais Substituta 18

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 60 h 1º Evolução histórica dos computadores. Aspectos de hardware: conceitos básicos de CPU, memórias,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO - PRÓ-REITORIA PARA ASSUNTOS ACADÊMICOS CURRÍCULO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO PERFIL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO - PRÓ-REITORIA PARA ASSUNTOS ACADÊMICOS CURRÍCULO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO PERFIL PERFIL 3001 - Válido para os alunos ingressos a partir de 2002.1 Disciplinas Obrigatórias Ciclo Geral Prát IF668 Introdução à Computação 1 2 2 45 MA530 Cálculo para Computação 5 0 5 75 MA531 Álgebra Vetorial

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR ORGANIZAÇÃO CURRICULAR O curso Técnico em Informática, em Nível Médio Subseqüente, será organizado de forma semestral, com aulas presenciais, compostos por disciplinas, com conteúdos estabelecidos, tendo

Leia mais

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br Tópicos Modelos Protocolos OSI e TCP/IP Tipos de redes Redes locais Redes grande abrangência Redes metropolitanas Componentes Repetidores

Leia mais

Grade Curricular - Engenharia de Computação

Grade Curricular - Engenharia de Computação Grade Curricular - Engenharia de Computação SEMESTRE 1 - Obrigatórias FCM0101 Física I 6 0 6 FFI0180 Laboratório de Física Geral I 2 0 2 SAP0678 Desenho 2 0 2 SAP0679 Humanidades e Ciências Sociais 2 0

Leia mais

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador Sistemas de Informação Prof. Anderson D. Moura Um programa de computador é composto por uma seqüência de instruções, que é interpretada e executada por um processador ou por uma máquina virtual. Em um

Leia mais

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES. Prof. André Dutton

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES. Prof. André Dutton ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Prof. André Dutton EMENTA: Conceitos fundamentais e histórico da ciência da computação; Histórico dos computadores, evolução e tendências; Modalidades de computadores

Leia mais

Protocolos Hierárquicos

Protocolos Hierárquicos Protocolos Hierárquicos O que é a Internet? Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais Executando aplicações distribuídas Enlaces de comunicação fibra, cobre, rádio,

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo

Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo Equivalências: Curso Sistemas de Informação (21806) Observação: A está CONTIDA em B B é SUBSTITUTA de A A é EQUIVALENTE de B 1º PERÍODO Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Conclusão

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Introdução a Programação 1º PERÍODO Fundamentos de construção de algoritmos e programas. Algoritmos:

Leia mais

Capítulo 8 Arquitetura de Computadores Paralelos

Capítulo 8 Arquitetura de Computadores Paralelos Capítulo 8 Arquitetura de Computadores Paralelos Necessidade de máquinas com alta capacidade de computação Aumento do clock => alta dissipação de calor Velocidade limitada dos circuitos => velocidade da

Leia mais

EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO Nº 01/2014 Realização: FRAMINAS - http://www.gestaoconcurso.com.br - comunicacao@gestaoconcurso.com.br

EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO Nº 01/2014 Realização: FRAMINAS - http://www.gestaoconcurso.com.br - comunicacao@gestaoconcurso.com.br RETIFICAÇÃO 01 DO EDITAL 01/2014 A Cemig Telecomunicações S.A. - CEMIGTelecom, no uso de suas atribuições constitucionais, torna público as alterações abaixo especificadas relativas ao do Edital 01/2014

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE COMPUTAÇÃO

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE COMPUTAÇÃO EMENTAS DAS S DO CURSO DE COMPUTAÇÃO INTRODUÇÃO A INFORMÁTICA EMENTA: Conceito de Informática, informação, dados e computadores; evolução histórica dos computadores; anatomia de um computador conceitos

Leia mais

AULA 03 MODELO OSI/ISO. Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação

AULA 03 MODELO OSI/ISO. Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação AULA 03 MODELO OSI/ISO Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação INTRODUÇÃO 2 INTRODUÇÃO 3 PROTOCOLOS Protocolo é a regra de comunicação usada pelos dispositivos de uma

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

EMENTÁRIO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1/5 ANEXO II RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 31/2005 EMENTÁRIO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO I SEMESTRE Algoritmos e Estruturas de Dados I Fundamentos da Computação Fundamentos Matemáticos para a Computação

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) SISTEMAS PARA INTERNET INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 68 A disciplina estuda a área da informática como um todo e os conceitos fundamentais, abrangendo

Leia mais

CURSO DE INFORMÁTICA LICENCIATURA 1 PERÍODO

CURSO DE INFORMÁTICA LICENCIATURA 1 PERÍODO CURSO DE INFORMÁTICA LICENCIATURA 1 PERÍODO DISCIPLINA: Metodologia Científica H111900 Finalidade da metodologia científica. Importância da metodologia no âmbito das ciências. Metodologia de estudos. O

Leia mais

Máquinas Multiníveis

Máquinas Multiníveis Infra-Estrutura de Hardware Máquinas Multiníveis Prof. Edilberto Silva www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Sumário Conceitos básicos Classificação de arquiteturas Tendências da tecnologia Família Pentium

Leia mais

Paralelismo. Computadores de alto-desempenho são utilizados em diversas áreas:

Paralelismo. Computadores de alto-desempenho são utilizados em diversas áreas: Computadores de alto-desempenho são utilizados em diversas áreas: - análise estrutural; - previsão de tempo; - exploração de petróleo; - pesquisa em fusão de energia; - diagnóstico médico; - simulações

Leia mais

Projeto Pedagógico do Bacharelado em Ciência da Computação. Comissão de Curso e NDE do BCC

Projeto Pedagógico do Bacharelado em Ciência da Computação. Comissão de Curso e NDE do BCC Projeto Pedagógico do Bacharelado em Ciência da Computação Comissão de Curso e NDE do BCC Fevereiro de 2015 Situação Legal do Curso Criação: Resolução CONSU no. 43, de 04/07/2007. Autorização: Portaria

Leia mais

SECRETÁRIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DO PARANÁ CURSO PROFISSIONALIZANTE INFORMÁTICA

SECRETÁRIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DO PARANÁ CURSO PROFISSIONALIZANTE INFORMÁTICA SECRETÁRIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DO PARANÁ CURSO PROFISSIONALIZANTE INFORMÁTICA Documento elaborado no encontro realizado de 10 a 12 de agosto de 2004. Curitiba, PR Perfil do Profissional Ao final de cada

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES 1 CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS Fone/Fax: BRUSQUE (47) 3211 7000 www.unifebe.edu.br (SC) 2011 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 3 01 FUNDAMENTOS DE PROGRAMAÇÃO... 3

Leia mais

Fundamentos do uso de tecnologia da informação F U P A C V R B P R O F. C H R I S T I E N L. R A C H I D

Fundamentos do uso de tecnologia da informação F U P A C V R B P R O F. C H R I S T I E N L. R A C H I D Fundamentos do uso de tecnologia da informação O USO CONSCIENTE DA TECNOLOGIA PARA O GERENCIAMENTO F U P A C V R B P R O F. C H R I S T I E N L. R A C H I D Organização 1. Vínculo Administração-Tecnologia

Leia mais

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC Curso de Sistemas de Informação

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC Curso de Sistemas de Informação EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS Disciplina: História do Contestado As civilizações primitivas do contestado. As origens, formação e herança cultural do homem do contestado. A índole guerreira do caboclo catarinense.

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 2 - MODELO DE REFERÊNCIA TCP (RM TCP) 1. INTRODUÇÃO O modelo de referência TCP, foi muito usado pela rede ARPANET, e atualmente usado pela sua sucessora, a Internet Mundial. A ARPANET é de grande

Leia mais

ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO

ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO 2009 1 Resumo do Curso Disciplinas N. de Créditos Carga horária Disciplinas Obrigatórias Disciplinas do CB/CTC 74 1.200 Obrigatórias da Engenharia 35 765 Obrigatórias do Curso

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE 2.ª SÉRIE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE (ÁREA: INFORMÁTICA)

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE 2.ª SÉRIE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE (ÁREA: INFORMÁTICA) MATRIZ CURRICULAR CURSO: GRADUAÇÃO: REGIME: DURAÇÃO: INTEGRALIZAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE (ÁREA: ) TECNÓLOGO SERIADO ANUAL - NOTURNO 03 (TRÊS) ANOS LETIVOS MÍNIMO:

Leia mais

Edeyson Andrade Gomes

Edeyson Andrade Gomes Sistemas Operacionais Conceitos de Arquitetura Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br Roteiro da Aula Máquinas de Níveis Revisão de Conceitos de Arquitetura 2 Máquina de Níveis Máquina de níveis Computador

Leia mais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Currículo 05/03/2014 10:06. Centro de Ciências Exatas e Naturais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Currículo 05/03/2014 10:06. Centro de Ciências Exatas e Naturais 5// :6 Centro de Ciências Exatas e Naturais Curso: Ciência da Computação (Noturno) Currículo: 7/ CMP.8.- Introdução à Computação Ementa: O que é Ciência da Computação. História da Computação. Estrutura

Leia mais

SIS17-Arquitetura de Computadores

SIS17-Arquitetura de Computadores Sistema de Computação SIS17-Arquitetura de Computadores Apresentação da Disciplina Peopleware Hardware Software Carga Horária: 40 horas 2 Computadores atuais Unidade Central de Processamento Entrada Computadores

Leia mais

CURSO TECNOLÓGICO 2008/01 1º SEMESTRE. Programação e Estruturas de Dados Fundamentais

CURSO TECNOLÓGICO 2008/01 1º SEMESTRE. Programação e Estruturas de Dados Fundamentais 1º SEMESTRE Programação e Estruturas de Dados Fundamentais 8 Créditos Desenvolver a lógica de programação através da construção de algoritmos utilizando português estruturado Representar a solução de problemas

Leia mais

Redes de Computadores I

Redes de Computadores I Redes de Computadores I Introdução a Redes de Computadores Prof. Esbel Tomás Valero Orellana Usos de Redes de Computadores Uma rede de computadores consiste de 2 ou mais computadores e/ou dispositivos

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº. 226, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2014.

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº. 226, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2014. ANEXO À RESOLUÇÃO Nº. 226, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2014. CURSO LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO ESTRUTURA CURRICULAR 1.1 QUADRO GERAL DA ESTRUTURA CURRICULAR Carga Horária LOTAÇÃO Módulo Disciplina Teoria Prática

Leia mais

Prof.: Roberto Franciscatto. Capítulo 1.1 Introdução

Prof.: Roberto Franciscatto. Capítulo 1.1 Introdução Sistemas Operacionais Prof.: Roberto Franciscatto Capítulo 1.1 Introdução Tipos de Sistemas Operacionais Sistemas Monoprogramáveis / Monotarefa Voltados tipicamente para a execução de um único programa.

Leia mais

linguagem técnica de informática; Perceber os sinais de pontuação e identificar sua função no texto; Ler siglas e identificar seus significados;

linguagem técnica de informática; Perceber os sinais de pontuação e identificar sua função no texto; Ler siglas e identificar seus significados; PLANO DE CURSO Disciplina Competências Habilidades Bases Tecnológicas INGLÊS TÉCNICO Aumentar e consolidar o seu vocabulário ativo e passivo, através da fixação de novas palavras e expressões contidas

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CST SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DISCIPLINA: Algoritmo e Programação I A disciplina aborda o estudo de algoritmos, envolvendo os conceitos fundamentais: variáveis, tipos de dados, constantes,

Leia mais

UFV Catálogo de Graduação 2014 109 EMENTÁRIO

UFV Catálogo de Graduação 2014 109 EMENTÁRIO UFV Catálogo de Graduação 2014 109 EMENTÁRIO As disciplinas ministradas pelo Campus Rio Paranaíba são identificadas por um código composto por três letras maiúsculas, ligadas a cada instituto, seguidas

Leia mais

Curso de Engenharia Formação Geral 1º e 2º anos

Curso de Engenharia Formação Geral 1º e 2º anos Curso de Engenharia Formação Geral 1º e 2º anos DISCIPLINA 1º Bimestre Introdução à Engenharia 40 Informática 40 Matemática 80 Produção de Textos 40 2º Bimestre Cálculo I 80 Física I 80 Inglês 20 Metodologia

Leia mais

Curso de Engenharia. Formação Geral 1º e 2º anos

Curso de Engenharia. Formação Geral 1º e 2º anos Curso de Engenharia Formação Geral 1º e 2º anos DISCIPLINA 1º Bimestre Introdução à Engenharia Informática Matemática Produção de Textos 2º Bimestre Cálculo I Física I Inglês Metodologia Científica 3º

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Arquitetura de Computadores 1

Arquitetura de Computadores. Arquitetura de Computadores 1 Computadores Computadores 1 Introdução Componentes: Processador; UC; Registradores; ALU s, FPU s, etc. Memória (Sistema de armazenamento de informações; Dispositivo de entrada e saída. Computadores 2 Introdução

Leia mais

Organização de Computadores 1. Prof. Luiz Gustavo A. Martins

Organização de Computadores 1. Prof. Luiz Gustavo A. Martins Organização de Computadores 1 1 - INTRODUÇÃO Prof. Luiz Gustavo A. Martins Arquitetura Define os elementos que impactuam diretamente na execução lógica do programa. Corresponde aos atributos visíveis veis

Leia mais

Descrição de circuitos algebricamente, álgebra de Boole e circuitos lógicos, teorema de boole e De Morgan. Simplificação e projeto.

Descrição de circuitos algebricamente, álgebra de Boole e circuitos lógicos, teorema de boole e De Morgan. Simplificação e projeto. EMENTA: Ferramentas para simulação e projeto de sistemas digitais. Equipamentos e componentes para montagem de sistemas digitais. Equipamentos para mensuração e teste na implementação de sistemas digitais.

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores... 1 Mobilidade... 1 Hardware de Rede... 2 Redes Locais - LANs... 2 Redes metropolitanas - MANs... 3 Redes Geograficamente Distribuídas - WANs... 3 Inter-redes... 5 Software de Rede...

Leia mais

Ementário das Disciplinas

Ementário das Disciplinas Ementário das Disciplinas As ementas das disciplinas estão agrupadas em semestres para uma melhor visualização da organização da matriz curricular. As referências bibliográficas serão especificadas no

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Código: 260128 Crédito: 2.2.0 Pré-requisito: Introdução a Lógica (260.102) Carga Horária: 60h Bacharelado em Ciência da Computação

PLANO DE ENSINO. Código: 260128 Crédito: 2.2.0 Pré-requisito: Introdução a Lógica (260.102) Carga Horária: 60h Bacharelado em Ciência da Computação MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ Centro de Ciências da Natureza Departamento de Informática e Estatística Disciplina: Circuitos Digitais Professor: Ivan Saraiva Silva Telefone: (86)

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTÁTISTICA GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO DISCIPLINA: COMUNICAÇÃO DE DADOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTÁTISTICA GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO DISCIPLINA: COMUNICAÇÃO DE DADOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTÁTISTICA GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO DISCIPLINA: COMUNICAÇÃO DE DADOS PROFESSOR: CARLOS BECKER WESTPHALL Terceiro Trabalho

Leia mais

6 - Gerência de Dispositivos

6 - Gerência de Dispositivos 1 6 - Gerência de Dispositivos 6.1 Introdução A gerência de dispositivos de entrada/saída é uma das principais e mais complexas funções do sistema operacional. Sua implementação é estruturada através de

Leia mais

Processos e Threads (partes I e II)

Processos e Threads (partes I e II) Processos e Threads (partes I e II) 1) O que é um processo? É qualquer aplicação executada no processador. Exe: Bloco de notas, ler um dado de um disco, mostrar um texto na tela. Um processo é um programa

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 7 Entrada/saída Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Problemas de entrada/saída Grande variedade

Leia mais

DISCIPLINA CRED CH PRÉ - REQUISITOS 1ª FASE Geometria Analítica e Álgebra Linear

DISCIPLINA CRED CH PRÉ - REQUISITOS 1ª FASE Geometria Analítica e Álgebra Linear CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS AUTORIZAÇÃO: Portaria UDESC nº 646/2001 RECONHECIMENTO: Decreto Estadual nº 3324/2005 renovado pelo Decreto Estadual nº 1664/2013 PERÍODO

Leia mais

Ler e interpretar simbologias elétricas. Elaborar diagramas elétricos em planta baixa. Ler e interpretar Planta Baixa.

Ler e interpretar simbologias elétricas. Elaborar diagramas elétricos em planta baixa. Ler e interpretar Planta Baixa. : Técnico em Informática Descrição do Perfil Profissional: O profissional com habilitação Técnica em Microinformática, certificado pelo SENAI-MG, deverá ser capaz de: preparar ambientes para a instalação

Leia mais

Capítulo 8. Sistemas com Múltiplos Processadores. 8.1 Multiprocessadores 8.2 Multicomputadores 8.3 Sistemas distribuídos

Capítulo 8. Sistemas com Múltiplos Processadores. 8.1 Multiprocessadores 8.2 Multicomputadores 8.3 Sistemas distribuídos Capítulo 8 Sistemas com Múltiplos Processadores 8.1 Multiprocessadores 8.2 Multicomputadores 8.3 Sistemas distribuídos 1 Sistemas Multiprocessadores Necessidade contínua de computadores mais rápidos modelo

Leia mais

COERÊNCIA DO CURRÍCULO DO CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO EM FACE DAS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS

COERÊNCIA DO CURRÍCULO DO CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO EM FACE DAS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS COERÊNCIA DO CURRÍCULO DO CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO EM FACE DAS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS O documento que serviu de base para a análise a seguir é o denominado "Diretrizes Curriculares

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Computacionais Introdução

Fundamentos de Sistemas Computacionais Introdução Fundamentos de Sistemas Computacionais Introdução Prof. Eduardo Alchieri Sistema Computacional Hardware Software Usuários Um ou mais processadores, memória, discos, impressoras, teclado, mouse, monitor,

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO INSTITUTO POLITÉCNICO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sistemas Operacionais Notas de Aulas: Tópicos 7 e 8 Estrutura do Sistema Operacional São Paulo 2009 1 Sumário

Leia mais

Redes de computadores são sistemas complexos. Decomposição dos sistemas em elementos realizáveis

Redes de computadores são sistemas complexos. Decomposição dos sistemas em elementos realizáveis Redes de computadores são sistemas complexos Decomposição dos sistemas em elementos realizáveis Maioria das redes são organizadas como uma série de camadas Permite a divisão de um problema grande e complexo

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais Arquitetura de Computadores Introdução aos Sistemas Operacionais O que é um Sistema Operacional? Programa que atua como um intermediário entre um usuário do computador ou um programa e o hardware. Os 4

Leia mais

Introdução. Nível do Sistema Operacional. Introdução. Um Sistema Operacional... Introdução a Sistemas Operacionais

Introdução. Nível do Sistema Operacional. Introdução. Um Sistema Operacional... Introdução a Sistemas Operacionais Introdução Nível do Sistema Operacional (Aula 14) Introdução a Sistemas Operacionais Hardware Provê os recursos básicos de computação (CPU, memória, E/S,etc.) Programas (aplicações) Definem as maneiras

Leia mais

Ementário das disciplinas do curso de Sistemas de Informação

Ementário das disciplinas do curso de Sistemas de Informação Ementário das disciplinas curso de Sistemas de Informação 01 ADMINISTRAÇÃO E GERÊNCIA DE REDES Introdução ao gerenciamento de redes. Modelos e software de gerenciamento, Áreas funcionais. A arquitetura

Leia mais

Arquitetura de Computadores Paralelismo, CISC X RISC, Interpretação X Tradução, Caminho de dados

Arquitetura de Computadores Paralelismo, CISC X RISC, Interpretação X Tradução, Caminho de dados Arquitetura de Computadores Paralelismo, CISC X RISC, Interpretação X Tradução, Caminho de dados Organização de um Computador Típico Memória: Armazena dados e programas. Processador (CPU - Central Processing

Leia mais

ÁREA DISCIPLINAR DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PROGRAMAÇÃO. Tem sob a sua responsabilidade as seguintes unidades curriculares:

ÁREA DISCIPLINAR DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PROGRAMAÇÃO. Tem sob a sua responsabilidade as seguintes unidades curriculares: ÁREA DISCIPLINAR DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PROGRAMAÇÃO e Inteligência Artificial Aplicada a Jogos, com 6 Paradigmas de Programação I, com 9 Paradigmas de Programação II, com 9 Algoritmos e Estrutura de

Leia mais

CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1 CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2011.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 ARQUITETURA DE COMPUTADORES... 4 02 FILOSOFIA... 4 03 FUNDAMENTOS MATEMÁTICOS PARA COMPUTAÇÃO...

Leia mais

Disciplina: INTRODUÇÃO AOS SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO Carga Horária: 68 (sessenta e oito) horas Crédítos: 04 (quatro)

Disciplina: INTRODUÇÃO AOS SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO Carga Horária: 68 (sessenta e oito) horas Crédítos: 04 (quatro) Disciplina: INTRODUÇÃO AOS SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO Carga Horária: 68 (sessenta e oito) horas Crédítos: 04 (quatro) 1. EMENTA: Histórico da computação. Computadores: estrutura funcional, periféricos, organização

Leia mais

CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1 CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 ARQUITETURA DE COMPUTADORES... 4 02 FILOSOFIA... 4 03 FUNDAMENTOS MATEMÁTICOS... 4 04 TEORIA

Leia mais

2006 ESPECIALIZAÇÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. 1. Justificativa. 2. Objetivos. 3. Formato do Curso. 4. Corpo Docente

2006 ESPECIALIZAÇÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. 1. Justificativa. 2. Objetivos. 3. Formato do Curso. 4. Corpo Docente 2006 ESPECIALIZAÇÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1. Justificativa A evolução tecnológica e a conseqüente diminuição do custo dos equipamentos possibilitaram a expansão dos sistemas computacionais. Atualmente,

Leia mais

MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP

MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP A internet é conhecida como uma rede pública de comunicação de dados com o controle totalmente descentralizado, utiliza para isso um conjunto de protocolos TCP e IP,

Leia mais

Ementário das disciplinas do curso de Sistemas de Informação

Ementário das disciplinas do curso de Sistemas de Informação Ementário das disciplinas curso de Sistemas de Informação 01 ADMINISTRAÇÃO E GERÊNCIA DE REDES Introdução ao gerenciamento de redes. Modelos e software de gerenciamento, Áreas funcionais. A arquitetura

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO (PROENG) ASSESSORIA DE DESENVOLVIMENTO ASSESSORIA JURÍDICA

PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO (PROENG) ASSESSORIA DE DESENVOLVIMENTO ASSESSORIA JURÍDICA FORMULÁRIO DE ALTERAÇÃO DE EMENTAS CURSO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO MATRIZ(ES) CURRICULAR(ES): 2015 ALTERAÇÕES PASSAM A VIGORAR A PARTIR DO SEMESTRE: 1 Arquitetura de Computadores Arquitetura de Computadores

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 245, DE 2 DE JUNHO DE 2014 O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Leia mais

Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes Gerenciamento de Redes As redes de computadores atuais são compostas por uma grande variedade de dispositivos que devem se comunicar e compartilhar recursos. Na maioria dos casos, a eficiência dos serviços

Leia mais

MANUTENÇÃO DE MICRO. Mário Gomes de Oliveira

MANUTENÇÃO DE MICRO. Mário Gomes de Oliveira MANUTENÇÃO DE MICRO Mário Gomes de Oliveira 1 IRQ Pedido de atenção e de serviço feito à CPU, para notificar a CPU sobre a necessidade de tempo de processamento. 2 IRQ (Interrupt Request line ou Linha

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN SISTEMAS OPERACIONAIS Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN 1.0 O Sistema Operacional como uma Máquina Virtual A arquitetura (conjunto de instruções, organização de memória, E/S e estrutura

Leia mais

UNOESTE - Universidade do Oeste Paulista F I P P - Faculdade de Informática de Presidente Prudente

UNOESTE - Universidade do Oeste Paulista F I P P - Faculdade de Informática de Presidente Prudente 1º TERMO NOTURNO - 2009 31/03/09 3ª feira 20:50 h A ADMINISTRAÇÃO 01/04/09 4ª feira 19:00 h A1/A2 INTRODUÇÃO A COMPUTAÇÃO 02/04/09 5ª feira 19:00 h A1 LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA I 02/04/09 5ª feira 20:50

Leia mais

Sistemas Multimédia. Arquitectura Protocolar Simples Modelo OSI TCP/IP. Francisco Maia famaia@gmail.com. Redes e Comunicações

Sistemas Multimédia. Arquitectura Protocolar Simples Modelo OSI TCP/IP. Francisco Maia famaia@gmail.com. Redes e Comunicações Sistemas Multimédia Arquitectura Protocolar Simples Modelo OSI TCP/IP Redes e Comunicações Francisco Maia famaia@gmail.com Já estudado... Motivação Breve História Conceitos Básicos Tipos de Redes Componentes

Leia mais

Introdução. Definição de um Sistema Distribuído (1) Definição de um Sistema Distribuído(2) Metas de Sistemas Distribuídos (2)

Introdução. Definição de um Sistema Distribuído (1) Definição de um Sistema Distribuído(2) Metas de Sistemas Distribuídos (2) Definição de um Sistema Distribuído (1) Introdução Um sistema distribuído é: Uma coleção de computadores independentes que aparecem para o usuário como um único sistema coerente. Definição de um Sistema

Leia mais

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br Revisão Karine Peralta Agenda Revisão Evolução Conceitos Básicos Modelos de Comunicação Cliente/Servidor Peer-to-peer Arquitetura em Camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Equipamentos Evolução... 50 60 1969-70

Leia mais

1 Lista de exercícios 01

1 Lista de exercícios 01 FRANCISCO TESIFOM MUNHOZ 2007 1 Lista de exercícios 01 1) No desenvolvimento e aperfeiçoamento realizado em redes de computadores, quais foram os fatores que conduziram a interconexão de sistemas abertos

Leia mais

... Máquina 1 Máquina 2

... Máquina 1 Máquina 2 Exercícios Apostila Parte 1 Lista de Exercícios 1 1) Descreva sucintamente a função de (ou o que é realizado em) cada uma das sete camadas (Física, Enlace, Redes, Transporte, Sessão, Apresentação e Aplicação)

Leia mais

Software de rede e Modelo OSI André Proto UNESP - São José do Rio Preto andre.proto@sjrp.unesp.br O que será abordado Hierarquias de protocolos (camadas) Questões de projeto relacionadas às camadas Serviços

Leia mais

Universidade Federal de São Paulo Campus São José dos Campos LISTA DE DISCIPLINAS DA GRADUAÇÃO

Universidade Federal de São Paulo Campus São José dos Campos LISTA DE DISCIPLINAS DA GRADUAÇÃO A B C Álgebra Linear Álgebra Linear Computacional Álgebra Linear II Algoritmos e Estrutura de Dados I Algoritmos e Estrutura de Dados II Algoritmos em Bioinformática Alteridade e Diversidade no Brasil

Leia mais

CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Criação Resolução n.º 1.586, de 26.09.90 Implantação do Curso na UEL 04.03.91 Reconhecimento Portaria Ministerial n.º 115, de 24.01.97 Grau Bacharel em Ciência da Computação Código 56 Turno Integral CIÊNCIA

Leia mais

Introdução a Computação

Introdução a Computação O que é um SO? Introdução a Computação Sistemas Operacionais PII Consiste em: Hardware Programas de Sistema Programas de Aplicativos 1 2 O que é um SO? Hardware não proporciona controle de alto nível disponível

Leia mais

Centro Universitário de Brusque Unifebe Curso de Sistemas de Informação

Centro Universitário de Brusque Unifebe Curso de Sistemas de Informação Ementário das disciplinas Grade 2009.1 01 ADMINISTRAÇÃO GERAL Fase: I Carga Horária: 60h/a Créditos: 04 Introdução à administração. Antecedentes históricos da administração. Escolas de administração. Administração

Leia mais

Professor: Gládston Duarte

Professor: Gládston Duarte Professor: Gládston Duarte INFRAESTRUTURA FÍSICA DE REDES DE COMPUTADORES Computador Instalação e configuração de Sistemas Operacionais Windows e Linux Arquiteturas físicas e lógicas de redes de computadores

Leia mais

1º Estudo Dirigido. Capítulo 1 Introdução aos Sistemas Operacionais

1º Estudo Dirigido. Capítulo 1 Introdução aos Sistemas Operacionais 1º Estudo Dirigido Capítulo 1 Introdução aos Sistemas Operacionais 1. Defina um sistema operacional de uma forma conceitual correta, através de suas palavras. R: Sistemas Operacionais são programas de

Leia mais

Ementas Disciplinas Obrigatórias

Ementas Disciplinas Obrigatórias Ementas Disciplinas Obrigatórias INFORMÁTICA Algoritmos I Resolução de problemas e desenvolvimento de algoritmos: análise do problema, estratégias de solução e representação. Estruturação e modularização.

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Evolução Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Sumário Introdução Componentes de um sistema computacional Conceituação Características desejáveis Organização

Leia mais

Unidade Central de Processamento Organização da UCP Execução de instruções em paralelo ("pipeline") Execução de programas

Unidade Central de Processamento Organização da UCP Execução de instruções em paralelo (pipeline) Execução de programas http://www.ic.uff.br/~debora/fac! Dar noções iniciais dos componentes básicos de um sistema de computador, assim também como conceitos fundamentais necessários para a manipulação de informação dentro do

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS 2007

SISTEMAS OPERACIONAIS 2007 SISTEMAS OPERACIONAIS 2007 VISÃO GERAL Sumário Conceito Máquina de Níveis Conceituação de SO Componentes do SO Visões do SO Conceito de Sistemas O que se espera de um sistema de computação? Execução de

Leia mais

PLANO DE ENSINO ( X ) OBRIGATÓRIA ( ) OPTATIVA. DEPARTAMENTO: Estatística e Informática (DEINFO) PROFESSOR RESPONSÁVEL: Francielle Silva dos Santos

PLANO DE ENSINO ( X ) OBRIGATÓRIA ( ) OPTATIVA. DEPARTAMENTO: Estatística e Informática (DEINFO) PROFESSOR RESPONSÁVEL: Francielle Silva dos Santos UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO Rua Dom Manoel de Medeiros, s/n Dois Irmãos 52171-900 Recife-PE Fone: 0xx-81-332060-40 proreitor@preg.ufrpe.br PLANO DE ENSINO

Leia mais

Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página

Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes 1 Redes de Dados Inicialmente o compartilhamento de dados era realizado a partir de disquetes (Sneakernets) Cada vez que um arquivo era modificado ele teria que

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO As respostas das atividades deverão ser mais simples e completas possíveis e baseadas nas aulas (vídeo-aula). Acrescentei mais informações para servirem de material de apoio aos estudos para avaliações

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. Dr. Rogério Galante Negri

Redes de Computadores. Prof. Dr. Rogério Galante Negri Redes de Computadores Prof. Dr. Rogério Galante Negri Rede É uma combinação de hardware e software Envia dados de um local para outro Hardware: transporta sinais Software: instruções que regem os serviços

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação das mensagens

Leia mais

Arquitetura de Redes. Sistemas Operacionais de Rede. Protocolos de Rede. Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Redes. Sistemas Operacionais de Rede. Protocolos de Rede. Sistemas Distribuídos Arquitetura de Redes Marco Antonio Montebello Júnior marco.antonio@aes.edu.br Sistemas Operacionais de Rede NOS Network Operating Systems Sistemas operacionais que trazem recursos para a intercomunicação

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal do Ceará Pró-Reitoria de Graduação

Ministério da Educação Universidade Federal do Ceará Pró-Reitoria de Graduação Ministério da Educação Universidade Federal do Ceará Pró-Reitoria de Graduação PROGRAMA DA DISCIPLINA 1 2 Curso: Engenharia Elétrica Código: 20 3 4 Modalidade(s): Bacharelado Currículo(s): 2005/1 5 Turno(s):

Leia mais

Mecanismo de Interrupção

Mecanismo de Interrupção Mecanismo de Interrupção Paralelismo de Operação Num sistema multiprogramado a CPU está sempre apta a compartilhar o seu tempo entre os vários programas e os diferentes dispositivos periféricos que necessitam

Leia mais