Programa de Sistemas e Gestão da Qualidade

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Programa de Sistemas e Gestão da Qualidade"

Transcrição

1 Programa de Sistemas e Gestão da Qualidade Anvisa Requisitos Fundamentais Implementação dos Requisitos Essenciais de BPADPS Norma NBR ISO 13485: ª Edição São Paulo SP 2009

2 CÓDIGO DE CONDUTA - SELO ABRAIDI EMPRESA BOA CIDADÃ CÓDIGO DE CONDUTA - SELO ABRAIDI EMPRESA BOA CIDADÃ 2ª. Edição 2009 Estrutura Geral REQUISITOS GERAIS PROGRAMAS INSTITUCIONAIS COM ÊNFASE NOS CONCEITOS DE ÉTICA E BOA CIDADANIA Código de Ética ABRAIDI (faz referência ao Código de Ética Médica do CFM e agrega o Código de Ética AdvaMed) Relações com Sociedades Médicas Continuidade dos Encontros SBOT e SBHCI Apresentação junto a SOBRICE Espaço Editorial ABRAIDI Apoio a publicação da II Edição 2008, das Diretrizes da Sociedade Brasileira de Cardiologia sobre Qualidade Profissional e Institucional, Centro de Treinamento e Certificação Profissional em Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista. ANVISA Requisitos Fundamentais Implementação dos Requisitos Essenciais de BPADPS (POPs) Norma NBR ISO 13485:2004 PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DAS ASSOCIADAS Visão de Tendências do Segmento Saúde Documento focalizando percepções estratégicas a respeito de questões críticas específicas da indústria da saúde. Estágio dos Negócios DATABRAIDI Indicadores Básicos Brasil Boletim Dados Econômicos Informativo ABRAIDI de Inadimplência IAI/ Mercado - Relatório SUS

3 Capacitação Dinâmica de Negócios Planos & Controles Orientação em Processos de Associações de Canais de Distribuição Atualização do Conhecimento Fóruns de Debates Osvaldo Coelho de Vasconcellos Centro de Treinamento Gil Moura Debates Regionais Cursos sobre Gestão PROGRAMA FLEXIBILIZAÇÃO DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS Cooperação Empresarial Doing Business in Brazil Como abrir uma Empresa - Passo a Passo Modelo ABRAIDI Suporte Jurídico Consulta Contribuintes Orientações para Mandado de Segurança (exigência do Certificado de Boas Práticas em licitações) Banco Legislação DATABRAIDI Contrato Consignação Contrato Fornecedores Dimensão de Mercado Perfil das Empresas Associadas DATABRAIDI Guia ABRAIDI Dados Básicos. Avaliação do Ambiente Compreenderá o posicionamento, relações e tendências da cadeia da saúde, composta por Agentes do Estado, Entidades de Classe, Instituições de Assistência, Operadoras/ Seguradoras, Fornecedores e Órgãos representantes da Sociedade Civil. Ações de Marketing Selo ABRAIDI Avaliação de Fornecedores Informativo Avançar - Selo ABRAIDI Empresa Boa Cidadã

4 SUMÁRIO ANVISA Requisitos Fundamentais...Div 1 Check list da documentação básica exigida pela ANVISA para empresas de produtos para a saúde Manual de Boas Práticas de Armazenamento e Distribuição de Produtos para a Saúde (Sugestão de Modelo) Implementação dos Requisitos Essenciais de BPADPS...Div 2 Requisitos Gerais POP 1 Aquisição e Entradas POP 2 Composição e Recomposição de Conjuntos de Produtos para a Saúde POP 3 Comercialização, Expedição e Entrega POP 4 - Pós-Entrega e Retorno de Produtos ao Distribuidor ou Importador POP 5 - Direção e Administração do Padrão Operacional de BPADPS POP 6 - Avaliação da Conformidade e Eficácia das BPADPS Implementadas Norma NBR ISO 13485: Div 3 Sistema da Qualidade baseado na norma ISO 13485:2004, orientada para Boas Práticas de Armazenamento, Comercialização e Distribuição de Produtos para a Saúde. Referências e Informações Complementares...Div 4

5 ANVISA REQUISITOS FUNDAMENTAIS

6 Exigência Check list (Rev. I nov.2011) Documentação básica exigida pela ANVISA para empresas de produtos para a saúde Órgão responsável: ANVISA Legislação: Informações no Site (Enquadramento do Porte da Empresa) Comprovação de porte Prazo de validade: Como enviar Anual - até 30/abril: micro e pequeno porte - até 30/junho: as demais exceto Grande I Pelo correio para ANVISA (Brasília - DF) Àt.: Gerência de Gestão de Arrecadação - GECAR (Recomenda-se enviar carta com AR) Informações complementares: Empresas enquadradas como "Grande Porte l" é desnecessária a comprovação. Órgão responsável: VISA local: Municipal ou Estadual Legislação: Código Sanitário Estadual ou Código Sanitário Municipal. Buscar Informação na VISA local. Prazo de validade: Um ano Licença Sanitária ou Alvará Sanitário Como solicitar: Informações complementares: Consultar orientações e documentação necessária na VISA local. Há inspeção da VISA local Solicitar alteração da Licença nos casos de mudança de: Contrato Social (alteração de ramo de atividade, endereço, fusões, responsável legal etc) e/ou Responsável Técnico. Órgão responsável: ANVISA Legislação: Instrução Normativa n 01/ ANVISA-30/ set. / 1994 Prazo de validade: Indeterminado Autorização de Funcionamento Como solicitar: Onde protocolar: Emitir a Petição e a Guia Eletrônica para pagamento da taxa através do Site (serviços/ atendimento e arrecadação eletrônica/ petição eletrônica) Na ANVISA - UNIAP (Brasília - DF) Informações complementares: Solicitar alteração da Autorização de Funcionamento nos casos de mudança de: Contrato Social (alteração de ramo de atividade, endereço, fusões, responsável legal etc.) e/ou Responsável Técnico

7 Exigência Check list (Rev. I nov.2011) Documentação básica exigida pela ANVISA para empresas de produtos para a saúd Registro de Produtos Órgão responsável: Legislação: Prazo de validade: Como solicitar: Onde protocolar: Informações complementares: ANVISA RDC 185/ ANVISA-22/ out / 2001; RDC 185/ ANVISA- 13/out./2006; RDC 25/ ANVISA-21/ maio / 2009; RDC 24/ ANVISA- 21 / maio / 2009; IN n 07/ ANVISA-07/ jun / anos Gerência Geral de Tecnologia de Produtos para Saúde - GGTPS Emitir a Petição e a Guia Eletrônica para pagamento da taxa através do Site (serviços / atendimento e arrecadação eletrônica / petição eletrônica Na ANVISA - UNIAP (Brasília - DF) Àt.: Gerência Geral de Tecnologia de Produtos para Saúde - GGTPS Solicitar renovação dentro do prazo máximo de 180 dias antes da data de vencimento Certificação de Plantas no Exterior RDC 25/ANVISA-22/ maio/ 2009 Estão sujeitos à exigência registros de produtos de equipamentos e materiais enquadrados nas duas classes de maior risco, III e IV Órgão responsável: Legislação: ANVISA RDC 59/ ANVISA-27/ jun / 2000; RDC 16/ ANVISA-23/ abr / 2009; RDC 66/ ANVISA-05/ out /2007; Lei n / jul / 2009 Certificação de Boas Práticas de Armazenamento e Distribuição de Produtos para a Saúde - BPADPS Prazo de validade: Como solicitar: Onde protocolar: Dois anos Gerência Geral de Inspeção e Controle de Insumos, Medicamentos e Produtos - GGIMP Emitir a Petição e a Guia Eletrônica para pagamento da taxa através do Site (serviços / atendimento / arrecadação eletrônica / petição eletrônica) Na ANVISA - UNIAP (Brasília - DF) Àt.: Gerência Geral de Inspeção e Controle de Insumos, Medicamentos e Produtos - GGIMP Informações complementares: Solicitar renovação da certificação até 120 dias antes do vencimento do certificado vigente. Órgão responsável: Legislação: ANVISA RDC 59/ ANVISA-27/ jun / 2000; RDC 16/ ANVISA-23/ abr / 2009; RDC 66/ ANVISA-05/ out /2007; RDC 24/ ANVISA-21/ maio / 2009; RDC 25/ ANVISA-21/ maio / 2009; Lei n / jul / 2009 Certificação de BPADPS Plantas no Exterior Prazo de validade: Como solicitar: Onde Protocolar: Dois anos Gerência Geral de Inspeção e Controle de Insumos, Medicamentos e Produtos - GGIMP Emitir a Petição e a Guia Eletrônica para pagamento da taxa através do Site (serviços / atendimento e arrecadação eletrônica / petição eletrônica) Na ANVISA - UNIAP (Brasília - DF) Àt.: Gerência Geral de Inspeção e Controle de Insumos, Medicamentos e Produtos - GGIMP Informações complementares: Solicitar renovação da certificação até 120 dias antes do vencimento do certificado vigente.

8 Programa de Sistemas e Gestão da Qualidade Manual de Boas Práticas de Armazenamento e Distribuição de Produtos para a Saúde (sugestão de modelo) 1- Capa: (título) Manual de Boas Práticas de Armazenamento e Distribuição de Produtos para a Saúde ( Logo e /ou nome da empresa) 2- Apresentação: (texto de apresentação da empresa e declaração de comprometimento com a efetiva implementação e melhoria contínua das Boas Práticas de Armazenamento e Distribuição de Produtos para a Saúde, assinado por seu dirigente e data) 3- POP S - Índice (fazer um índice completo do Manual e relacionar os POP S com nº da página ou divisória) 4- POP S (apresentação de cada POP) Para definição dos POP S da empresa, basear-se nos POP S Implementação dos Requisitos Essenciais de BPADPS do Código de Conduta Selo ABRAIDI Empresa Boa Cidadã. Para cada Procedimento Operacional Padrão, seguir o estabelecido com o seguinte conteúdo: (cabeçalho) Nome da Empresa/Título do POP/ Número do POP e da página/ Data/ Elaborado por:/ Aprovado por:

9 Programa de Sistemas e Gestão da Qualidade Objetivo (descrever o objetivo do POP) Setor de Competência ( indicar qual é o responsável cargo / área, pela efetiva implementação do POP ) Nota : esse responsável será o cobrado e auditado para verificação da efetiva implementação do POP. Descrição das atividades do POP e respectivas responsabilidades, autoridades e inter-relações organizacionais (descrever como é feito o POP passo- a- passo, na sequência em que as atividades efetivamente ocorrem ) Rodapé/ ou final do texto (texto) Revisão atual deste POP: Revisão atual nº xx (data) Descrição O histórico deve ser completo, da emissão ( revisão 00 ) até a revisão atual (xx ), com respectivas datas, e pode ser incluído ao final do texto do POP, não necessariamente no rodapé. Ver modelo a seguir, utilizado nos POPs da ABRAIDI : Histórico e Descrição das Revisões deste POP: * Revisão nº 00-29/ set/ Emissão inicial. * Revisão: 01 05/mar/ Revisão geral para correções e melhorias, indicada em negrito / sublinhado nos textos modificados, sem alteração dos critérios originalmente estabelecidos. * Revisão: 02 05/mai/2008 inclusão da nota geral mandatória no início da página 1 do POP e alteração do item 2.4, de acordo com o Ofício Of. 0616/ GIMEP/GGIMP/ANVISA de 31 de março de 2008 e alterações do item 2.5 do POP, destacadas em vermelho. Anexos e informações complementares SP out / Quando necessário, relacionar, descrever e/ou anexar: - bibliografias, referências, documentos, formulários, notas fiscais, fotos, imagens, nº de registros, etc, que complementem o POP e contribuam para a sua completa descrição, adequação, entendimento e efetividade.

10 IMPLEMENTAÇÃO DOS REQUISITOS ESSENCIAIS DE BPADPS

11 Programa de Sistemas e Gestão da Qualidade IMPLEMENTAÇÃO DOS REQUISITOS ESSENCIAIS DE BPADPS Em linha com as diretrizes contidas na Resolução RDC 59/00 ANVISA, ajustadas ao conceito da ISO , passíveis de acreditação pela ABRAIDI, define Procedimentos Operacionais Padrão POP ABRAIDI, compreendendo 6 (seis) procedimentos: POP 1 - AQUISIÇÃO E ENTRADAS POP 2 - COMPOSIÇÃO E RECOMPOSIÇÃO DE CONJUNTOS DE PRODUTOS PARA A SAÚDE POP 3 - COMERCIALIZAÇÃO, EXPEDIÇÃO E ENTREGA POP 4 - PÓS-ENTREGA E RETORNO DE PRODUTOS AO DISTRIBUIDOR OU IMPORTADOR POP 5 - DIREÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DO PADRÃO OPERACIONAL DE BPADPS POP 6 - AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE E EFICÁCIA DAS BPADPS IMPLEMENTADAS A Implementação dos Requisitos Essenciais de BPADPS tem por objetivos: assegurar a regularização do Distribuidor ou Importador quanto aos requisitos legais e regulamentares aplicáveis ao seu ramo de atividade e aos produtos e serviços relacionados; promover o atendimento dos requisitos consagrados e aplicáveis de Boas Práticas de Armazenamento e Distribuição de Produtos para a Saúde (BPADPS), a fim de assegurar que os produtos e serviços associados fornecidos pelo Distribuidor ou Importador sejam seguros, adequados ao uso pretendido e rastreáveis; contribuir para a melhoria contínua do desempenho empresarial do Distribuidor ou Importador; conceder ao Distribuidor ou Importador um nível superior de confiança junto ao seu Pessoal, aos seus Clientes e à Sociedade em geral.

12 REQUISITOS GERAIS

13 Página 1 / 6 Requisitos Gerais Data: 01/ out / 2009 ÍNDICE 1. DESCRIÇÃO DA IMPLEMENTAÇÃO DE REQUISITOS ESSENCIAIS DE BPADPS 2. REFERÊNCIAS DA IMPLEMENTAÇÃO DE REQUISITOS ESSENCIAIS DE BPADPS 3. DOCUMENTOS RELATIVOS A IMPLEMENTAÇÃO DE REQUISITOS ESSENCIAIS DE BPADPS 4. MODELO SISTÊMICO DOS REQUISITOS ESSENCIAIS DE BOAS PRÁTICAS DE ARMAZENAMENTO E DISTRIBUIÇÃO DE PRODUTOS PARA A SAÚDE (BPADPS) PARA A IMPLEMENTAÇÃO 5. DESCRIÇÃO DO PROCESSO RELATIVO A IMPLEMENTAÇÃO DE REQUISITOS ESSENCIAIS DE BPADPS

14 Página 2 / 6 Requisitos Gerais Data: 01/ out / DESCRIÇÃO DA IMPLEMENTAÇÃO DE REQUISITOS ESSENCIAIS DE BPADPS A IMPLEMENTAÇÃO DE REQUISITOS ESSENCIAIS DE BPADPS é um meio pelo qual a ABRAIDI busca promover o desenvolvimento empresarial e da qualidade dos produtos e serviços fornecidos pelos distribuidores e importadores associados. A adesão à IMPLEMENTAÇÃO DE REQUISITOS ESSENCIAIS DE BPADPS é condição imprescindível para um distribuidor ou importador receber o SELO ABRAIDI - EMPRESA BOA CIDADÃ; para permanecer associado ou associar-se à ABRAIDI. Para a avaliação da IMPLEMENTAÇÃO DE REQUISITOS ESSENCIAIS DE BPADPS do distribuidor ou importador, no que se refere à recomendação e concessão do SELO ABRAIDI - EMPRESA BOA CIDADÃ, foram estabelecidos 3 (três) níveis de quali?cação e seus respectivos signi?cados: Nível 1 - empresa associada a ABRAIDI e regularizada Nível 2 - empresa associada a ABRAIDI, regularizada e em processo de implementação de BPADPS Nível 3 - empresa associada a ABRAIDI, regularizada e com as BPADPS implementadas e auditadas pela Auditoria da ABRAIDI. Certificação Plena - Empresas que têm RDC 59/ANVISA e/ou ISO. 2. REFERÊNCIAS DA IMPLEMENTAÇÃO DE REQUISITOS ESSENCIAIS DE BPADPS A IMPLEMENTAÇÃO DE REQUISITOS ESSENCIAIS DE BPADPS é fundamentada no Programa de Acreditação da ONA Organização Nacional de Acreditação e na Resolução RDC 59/00 - ANVISA / MS (ver os requisitos aplicáveis entre parênteses no texto de cada Procedimento Operacional Padrão relacionado no item 3 desta Norma), referenciado no Programa de Acreditação da ONA Organização Nacional de Acreditação e ajustado aos conceitos da Norma ISO Sistema de Gestão da Qualidade para Produtos Médicos. 3. DOCUMENTOS RELATIVOS A IMPLEMENTAÇÃO DE REQUISITOS ESSENCIAIS DE BPADPS REQUISITOS GERAIS DA IMPLEMENTAÇÃO DE REQUISITOS ESSENCIAIS DE BPADPS POP 1 - AQUISIÇÃO E ENTRADAS POP 2 - COMPOSIÇÃO E RECOMPOSIÇÃO DE CONJUNTOS DE PRODUTOS PARA A SAÚDE POP 3 - COMERCIALIZAÇÃO, EXPEDIÇÃO E ENTREGA POP 4 - PÓS-ENTREGA E RETORNO DE PRODUTOS AO DISTRIBUIDOR OU IMPORTADOR POP 5 - DIREÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DO PADRÃO OPERACIONAL DE BPADPS POP 6 - AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE E EFICÁCIA DAS BPADPS IMPLEMENTADAS

15 Página 3 / 6 Requisitos Gerais Data: 01/ out / MODELO SISTÊMICO DOS REQUISITOS ESSENCIAIS DE BOAS PRÁTICAS DE ARMAZENAMENTO E DISTRIBUIÇÃO DE PRODUTOS PARA A SAÚDE (BPADPS) PARA A IMPLEMENTAÇÃO: AQUISIÇÃO E ENTRADAS ( POP 1 ) DISTRIBUIDOR OU IMPORTADOR COMPOSIÇÃO E RECOMPOSIÇÃO DE CONJUNTOS DE PRODUTOS PARA A SAÚDE (POP 2) COMERCIALIZAÇÃO, EXPEDIÇÃO E ENTREGA ( POP 3 ) PÓS-ENTREGA E RETORNO DE PRODUTOS (POP 4) CLIENTES DIREÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DA IMPLEMENTAÇÃO DE REQUISITOS ESSENCIAIS DE BPADPS (POP 5) 5. DESCRIÇÃO DO PROCESSO RELATIVO AO PROGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DE REQUISITOS ESSENCIAIS DE BPADPS 5.1 Documentos Relativos a Cabe à ABRAIDI elaborar, aprovar, emitir, entregar, controlar e revisar, sempre que julgar necessário, os documentos relativos a IMPLEMENTAÇÃO DE REQUISITOS ESSENCIAIS DE BPADPS e mantê-los atualizados junto aos distribuidores ou importadores associados. Os documentos relativos a IMPLEMENTAÇÃO DE REQUISITOS ESSENCIAIS DE BPADPS incluem esta Norma, os Procedimentos Operacionais Padrão ( POP s ) relacionados no seu item 3 e quaisquer outros documentos relacionados que venham a ser necessários elaborar, tais como : Requisitos Gerais Complementares (RGC s), Normas Orientadoras (NO s), Instruções (INS s), etc. Os documentos relativos a IMPLEMENTAÇÃO DE REQUISITOS ESSENCIAIS DE BPADPS serão entregues pela ABRAIDI aos distribuidores e importadores associados após a formalização da adesão dos mesmos a implementação, conforme o item 3 (página 7/8) dos Requisitos Gerais do Código de Conduta. Cada entrega / recebimento de documentos deverá ser registrado.

16 Página 4 / 6 Requisitos Gerais Data: 01/ out / Treinamento do Pessoal dos Distribuidores e Importadores Associados Cabe a ABRAIDI de?nir, comunicar em tempo hábil, prover, custear, registrar e controlar os treinamentos adequados do pessoal do distribuidor ou importador, responsável pela coordenação da IMPLEMENTAÇÃO DE REQUISITOS ESSENCIAIS DE BPADPS nas suas organizações. Cabe ao distribuidor ou importador enviar 2 a 3 representantes para os treinamentos (dentre eles um Diretor e o Responsável Técnico, Responsável Legal e/ou responsável pela coordenação da implementação das suas BPADPS), custear as despesas de viagem dos mesmos, participar efetivamente dos treinamentos e realizar as suas avaliações. 5.3 Requisitos para Implementação de BPADPS Os distribuidores e importadores associados devem atender aos requisitos aplicáveis contidos nos seus POP s 1a 5, relacionados no item 3 deste documento, dentro dos prazos estabelecidos no seu item 5.4, a seguir. Cabe aos distribuidores e importadores identi?car e apresentar a ABRAIDI as justi?cativas pertinentes aos requisitos que julgarem não aplicáveis aos seus respectivos sistemas de BPADPS. 5.4 Prazos, Planejamento e Monitoramento da Implementação das BPADPS Os distribuidores e importadores associados têm um prazo de até 30 dias, a partir da formalização da sua adesão a IMPLEMENTAÇÃO DE REQUISITOS ESSENCIAIS DE BPADPS, para enviar a ABRAIDI o planejamento e programação de implementação e avaliação das BPADPS nas suas organizações. Devem ser observados e atendidos os requisitos estabelecidos nesta Norma e os seguintes prazos para conclusão de implementação e avaliação das BPADPS, contados a partir da formalização da sua adesão ao Programa, para os seus vários níveis: Nível 1 - até 120 dias; Nível 2 - até 240 dias; Nível 3 - até 450 dias; Os distribuidores e importadores associados devem informar mensalmente a ABRAIDI a situação da implementação das suas BPADPS.

17 Página 5 / 6 Requisitos Gerais Data: 01/ out / Prazos, Planejamento e Monitoramento da obtenção do SELO ABRAIDI relativos a IMPLEMENTAÇÃO DE REQUISITOS ESSENCIAIS DE BPADPS Os distribuidores e importadores associados têm um prazo de até 30 dias, a partir da formalização da sua adesão a IMPLEMENTAÇÃO DE REQUISITOS ESSENCIAIS DE BPADPS, para enviar a ABRAIDI o planejamento e programação para a avaliação nos diversos níveis. Devem ser observados e atendidos os requisitos estabelecidos nesta Norma e os seguintes prazos para a obtenção dos SELOS, contados a partir da formalização da sua adesão, para os seus vários níveis: Nível 1 - até 150 dias Nível 2 - até 300 dias Nível 3 - até 540 dias Os distribuidores e importadores associados devem manter a ABRAIDI informada quanto à situação da avaliação das suas BPADPS. 5.6 Requisitos e Critérios para a Implementação e Concessão dos Níveis do SELO ABRAIDI relativo a IMPLEMENTAÇÃO DE REQUISITOS ESSENCIAIS DE BPADPS Os níveis da IMPLEMENTAÇÃO DE REQUISITOS ESSENCIAIS DE BPADPS são atingidos por meio do atendimento aos seguintes requisitos e critérios: * Nível 1 - Requisitos imprescindíveis a atender, relativos aos POP s 1 e 5, avaliados de acordo com o POP 6: 1.12.a, 1.12.b, 5.1.a, 5.1.b, 5.1.c. * Nível 2 - Requisitos imprescindíveis a atender, relativos aos POP s 1, 3, 4 e 5, avaliados de acordo com o POP 6: 1.12.a, 1.12.b, 3.9.b, 3.9.c, 4.10.a, 4.10.b, 4.10.c, 5.1.a, 5.1.b, 5.1.c. e perfazendo um mínimo de 60 % das questões aplicáveis de cada um dos POP s ( 1 a 5) da Lista de Veri?cação do POP 6, fazendo-se o arredondamento para o número inteiro imediatamente superior, quando pertinente; * Nível 3 - Requisitos imprescindíveis a atender, relativos aos POP s 1, 3, 4 e 5, avaliados de acordo com o POP 6: 1.12.a, 1.12.b, 3.9.a, 3.9.b, 3.9.c, 4.10.a, 4.10.b,4.10.c, 5.1.a, 5.1.b, 5.1.c. e perfazendo um mínimo de 90 % das questões aplicáveis de cada um dos POP s ( 1 a 5) da Lista de Veri?cação do POP 6, fazendo-se o arredondamento para o número inteiro imediatamente superior, quando pertinente; * Certificação Plena: Empresas que têm RDC 59/Anvisa e/ou ISO. Não serão concedidos ou mantidos quaisquer níveis da IMPLEMENTAÇÃO DE REQUISITOS ESSENCIAIS DE BPADPS quando evidenciado o não atendimento dos requisitos imprescindíveis aplicáveis e/ou comprovadas não-conformidades críticas ou outros aspectos negativos, que acarretem impedimentos ou prejuízos signi?cativos em relação aos objetivos e requisitos desta Norma.

18 Página 6 / 6 Requisitos Gerais Data: 01/ out / Avaliação da Conformidade e E?cácia das BPADPS Implementadas pelos Distribuidores e Importadores Associados A referência para a avaliação da conformidade e e?cácia das BPADPS implementadas são os itens aplicáveis da lista de veri?cação contida no POP 6, relacionado no item 3 destes Requisitos Gerais A avaliação será realizada: * para todos os níveis da Implementação - pela ABRAIDI, com base na documentação comprobatória fornecida pelo distribuidor ou importador associado e pertinente ao nível da IMPLEMENTAÇÃO DE REQUISITOS ESSENCIAIS DE BPADPS relacionado; * para os níveis 2 e 3 da Implementação - pelo próprio distribuidor ou importador associado, sendo que os resultados devem ser relatados formalmente a ABRAIDI, acompanhados dos resultados da última inspeção de BPADPS realizada pela VISA local; * para o nível 3 da Implementação - pela Auditoria da ABRAIDI, mediante a implementação das BPADPS do distribuidor ou importador, de acordo com as Resoluções RDC 59/00 e RDC 354/02. * Certificação Plena - Pela ANVISA, mediante a certificação das BPADPS do distribuidor ou importador, de acordo com as Resuluções RDC 59/00 e RDC 354/02. Após veri?cação da documentação, e evidências pertinentes e atendimento aos respectivos requisitos e critérios aplicáveis, cabe ao Coordenador da Comissão Técnica da ABRAIDI recomendar ao Presidente da ABRAIDI conceder o SELO ABRAIDI (relativo a IMPLEMENTAÇÃO DE REQUISITOS ESSENCIAIS DE BPADPS) aos distribuidores e importadores associados, compatível com o nível alcançado da IMPLEMENTAÇÃO DE REQUISITOS ESSENCIAIS DE BPADPS. Antes da concessão, o Coordenador da Comissão Técnica da ABRAIDI também consultará o site da ANVISA e outras fontes válidas, para veri?car se não há noti?cação de evento adverso relacionado ao distribuidor ou importador que estiver solicitando a concessão de qualquer um dos níveis da. Os distribuidores e importadores associados com certi?cação das suas BPADPS pela ANVISA também estão sujeitos aos requisitos desta Norma, conforme aplicável. Histórico e Descrição das Revisões deste POP: * - 01/out/ Reedição para compatibilização com o formato da 2a. Edição do Código de Conduta - Selo ABRAIDI Empresa Boa Cidadã. Sem alteração/ revisão de textos dos POP's e com adição do complemento - Manual de Sistema da Qualidade conforme ISO Os textos modificados na Revisão 1 estão incorporados ao texto atual sem indicações

19 POP 1 POP 1 AQUISIÇÃO E ENTRADAS

20 Procedimento Operacional Padrão (POP) POP 1 - Página 1 / 4 AQUISIÇÃO E ENTRADAS Data: 01/ out / Requisitos de BPADPS 1.1- Deve ser elaborada uma lista pelo distribuidor ou importador, contendo os itens que compra e sobre os quais ele executa controle dos seus processos de compra e de recebimento. Os itens sujeitos ao controle pelo distribuidor ou importador devem ser aqueles que tenham infuência nas suas BPADPS e objetivo geral relacionado, compatíveis com os produtos que distribui e os serviços associados que realiza (E.a). Exemplos: Produtos para a saúde (implantes, instrumentais, caixas para transporte e/ou esterilização, etc.), materiais de rotulagem e embalagem, materiais para limpeza, serviços de: controle integrado de pragas, limpeza de caixas de água e bebedouros, programa de controle médico e da saúde ocupacional (PCMSO), programa de prevenção de riscos ambientais (PPRA), manutenção (instalações, equipamentos, computadores, sistemas de informática, etc.), calibração de instrumentos (se aplicável), transporte de produtos e outros, conforme aplicável aos produtos distribuídos e serviços associados. 1.2-Devem ser estabelecidos pelo distribuidor ou importador os requisitos adequados, completos e claros para a compra de cada item sujeito ao controle, constante na lista elaborada de acordo com o item 1.1 deste POP. Devem ser observados e atendidos, mandatória e prioritariamente, os requisitos regulamentares, quando e conforme aplicáveis (ver o item 1.12 deste POP) (E.a). Exemplos: formas de identificação/rastreabilidade para o produto, tipo de embalagem/rotulagem, prazo de validade, fornecimento de certificados ou relatórios para verificação e aprovação, condições específicas e outros requisitos aplicáveis a cada tipo de item sujeito a controle. Se sujeito a regulação por órgão oficial (Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA, Ministério do Trabalho e Emprego - MTE, etc. ),deve ser feita exigência quanto ao respectivo registro válido junto aos órgãos competentes Os fornecedores dos itens sujeitos ao controle devem ser avaliados e aprovados pelo distribuidor ou importador, com base em critérios adequados e na capacidade que os mesmos têm para atender os respectivos requisitos de compra, de acordo com o item 1.2 deste POP (E.a ). Exemplos de critérios para avaliação de fornecedores (podem ser empregados um ou mais): certificação e/ou registro junto a órgão oficial regulamentador competente; sistema da qualidade aprovado ou certifcado; aprovação de amostras; histórico de fornecimentos satisfatórios junto ao distribuidor ou importador; referências positivas de outros clientes; reconhecida capacidade, etc.

21 Procedimento Operacional Padrão (POP) POP 1 - Página 2 / 4 AQUISIÇÃO E ENTRADAS Data: 01/ out / Os fornecedores aprovados devem ser mantidos em uma lista elaborada pelo distribuidor ou importador, contendo: a) os itens sujeitos ao controle que cada fornecedor está autorizado a fornecer ao distribuidor ou importador; b) o (s) critério (s) de avaliação estabelecido (s) pelo distribuidor ou importador (ver o item 1.3 deste POP) para cada fornecedor; e, c) as evidências (ou referências rastreáveis a elas) relativas a cada fornecedor, que comprovem o seu atendimento aos critérios de avaliação estabelecidos pelo distribuidor ou importador (E.a ). As evidências devem ser adequadas e compatíveis com os respectivos critérios de avaliação de fornecedores estabelecidos pelo distribuidor ou importador, válidas, atualizadas, acessíveis e legíveis O distribuidor ou importador deve realizar as compras dos itens sujeitos a controle (ver o item 1.1 deste POP) atendendo adequadamente os seguintes requisitos: a) realização das compras junto a fornecedores aprovados (ver os itens 1.3 e 1.4 deste POP); b) estabelecimento claro e completo, nos documentos de compra, dos requisitos aplicáveis a cada item sujeito a controle em processo de aquisição (ver o item 1.2 deste POP); e, c) aprovação dos documentos de compra por pessoa autorizada pelo distribuidor ou importador, antes da sua transmissão aos respectivos fornecedores (E.b ). Os documentos de compra devem ser elaborados em qualquer meio que seja adequado para atender os requisitos estabelecidos neste item do POP Os itens sujeitos a controle recebidos devem ser verificados de acordo com o estabelecido pelo distribuidor ou importador, a fim de avaliar apropriadamente o atendimento aos respectivos requisitos de compra. Os resultados dessa verificação devem ser adequadamente registrados e evidenciados pelo distribuidor ou importador (H.1.a / b / e).

22 Procedimento Operacional Padrão (POP) POP 1 - Página 3 / 4 AQUISIÇÃO E ENTRADAS Data: 01/ out / Todos os itens sujeitos a controle recebidos, após a sua verificação de acordo com o item 1.6 deste POP, devem ser adequada e claramente identificados quanto a sua situação de aprovado ou não, a fim de evitar a sua liberação, estocagem e uso inadvertidos ou não intencionais (H.3) Os itens sujeitos a controle, recebidos e reprovados, a fim de evitar a sua liberação ou uso inadvertidos ou não intencionais devem ser: a) retirados do fuxo normal; b) identificados quanto ao motivo da sua reprovação; e, c) mantidos segregados, até que tenham disposição definida pelo responsável designado ( I ) O distribuidor ou importador deve verificar, assegurar e manter a identificação e rastreabilidade dos produtos para a saúde recebidos (F); (L.2); (M.3). A identificação abrange código, tipo, descrição, lote e outras informações, conforme exigido para cada tipo de produto para saúde, observando e atendendo os requisitos regulamentares mandatórios aplicáveis (ver o item 1.12 deste POP). A rastreabilidade é a capacidade de reconstituição das informações relativas à compra e ao recebimento dos produtos para a saúde, com referência nas suas respectivas identificações O distribuidor ou importador deve tomar ações adequadas e oportunas para prevenir não-conformidades relativas aos seus processos de compra e recebimento de itens sujeitos a controle (J) Os itens sujeitos a controle recebidos devem ser manuseados e armazenados conforme definido pelo distribuidor ou importador: a) de forma adequada a evitar danos, deteriorações, contaminações, perdas, trocas e inversões; e, b) de forma adequada a prover efetivo controle quantitativo dos mesmos (K.1 / 2).

23 Procedimento Operacional Padrão (POP) POP 1 - Página 4 / 4 AQUISIÇÃO E ENTRADAS Data: 01/ out / O distribuidor ou importador de Produtos para a Saúde (PS) deve comprovar o (s) seu (s) vínculo (s) com a (s) Fonte (s) de Fornecimento (s) e demonstrar a regularidade dos Produtos para a Saúde (PS) que são disponibilizados para sua distribuição. a) Vínculo com a Fonte de Fornecimento: O distribuidor ou importador deve ter contrato de distribuição com seus fornecedores especificando a vigência e validade do contrato, o território de atuação, as responsabilidades do distribuidor ou importador e do fornecedor referentes à segurança e eficácia dos Produtos para a Saúde (PS). O fornecedor deve: prover o distribuidor ou importador com PS devidamente regulamentados, incluindo documentação técnica e sanitária pertinente; fornecer informações e treinamento sobre PS, transporte, recepção, armazenamento, manuseio e sua devida utilização; informar eventuais desvios da qualidade, retirada de PS do mercado ou qualquer outro evento relacionado ao PS, que possa pôr em risco a saúde das pessoas, conforme a regulamentação vigente. b) Regularidade Técnica de Produto: O distribuidor ou importador deve verificar e manter documentação atualizada que comprove a regularidade dos produtos comercializados com respectiva documentação de registro (cópia em papel ou eletrônica) e especificações gerais (instruções de uso ou manual de instruções). Histórico e Descrição das Revisões deste POP: * - 01/out/ Reedição para compatibilização com o formato da 2a. Edição do Código de Conduta - Selo ABRAIDI Empresa Boa Cidadã. Sem alteração / revisão de textos dos POP's e com adição do complemento - Manual de Sistema da Qualidade conforme ISO Os textos modificados na Revisão 1 e 2 estão incorporados ao atual sem indicações e/ ou destaques.

SELO ABRAIDI Programa de BPADPS

SELO ABRAIDI Programa de BPADPS SELO ABRAIDI Programa de BPADPS Reuniões: Julho a Agosto de 2010 Associação Brasileira de Importadores e Distribuidores de Implantes PAUTA * OBJETIVOS * ASPECTOS FUNDAMENTAIS * HISTÓRICO * SITUAÇÃO ATUAL

Leia mais

Código de Conduta. Selo ABRAIDI - Empresa Boa Cidadã

Código de Conduta. Selo ABRAIDI - Empresa Boa Cidadã CÓDIGO DE CONDUTA - SELO ABRAIDI EMPRESA BOA CIDADÃ CÓDIGO DE CONDUTA - SELO ABRAIDI EMPRESA BOA CIDADÃ 2ª. Edição 2009 Estrutura Geral REQUISITOS GERAIS PROGRAMAS INSTITUCIONAIS COM ÊNFASE NOS CONCEITOS

Leia mais

Código de Conduta. Selo ABRAIDI - Empresa Boa Cidadã

Código de Conduta. Selo ABRAIDI - Empresa Boa Cidadã ATUALIZAMOS NOSSO ABRAIDI ATUALIZAMOS NOSSO ABRAIDI O valor expresso em sua 1ª Edição atendeu a requisitos básicos de adaptação de nossas organizações às transformações que antevíamos ocorrendo no ambiente

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

Código de Conduta. Selo ABRAIDI - Empresa Boa Cidadã

Código de Conduta. Selo ABRAIDI - Empresa Boa Cidadã CÓDIGO DE CONDUTA - SELO ABRAIDI EMPRESA BOA CIDADÃ CÓDIGO DE CONDUTA - SELO ABRAIDI EMPRESA BOA CIDADÃ 2ª. Edição 2010 Estrutura Geral REQUISITOS GERAIS PROGRAMAS INSTITUCIONAIS COM ÊNFASE NOS CONCEITOS

Leia mais

CHECKLIST DA RDC 16/2013

CHECKLIST DA RDC 16/2013 CHECKLIST DA RDC 16/2013 Checklist para a RDC 16 de 2013 Página 2 de 10 Checklist 1. 2.1 Disposições gerais Existe um manual da qualidade na empresa? 2. Existe uma política da qualidade na empresa? 3.

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01 Sumário 1 Objetivo 2 Últimas Alterações 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão de qualidade 5 Responsabilidade da direção 6 Gestão de recursos 7 Realização do produto 8 Medição, análise e melhoria.

Leia mais

RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 16, DE 28 DE MARÇO DE 2013

RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 16, DE 28 DE MARÇO DE 2013 RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 16, DE 28 DE MARÇO DE 2013 Aprova o Regulamento Técnico de Boas Práticas de Fabricação de Produtos Médicos e Produtos para Diagnóstico de Uso In Vitro e dá outras

Leia mais

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar MANUAL DO AVALIADOR Parte I 1.1 Liderança Profissional habilitado ou com capacitação compatível. Organograma formalizado, atualizado e disponível. Planejamento

Leia mais

Treinamento ISO 9001:2008 e Selo de Qualificação ONA. Ubiara Marfinati Janeiro/2013

Treinamento ISO 9001:2008 e Selo de Qualificação ONA. Ubiara Marfinati Janeiro/2013 Treinamento ISO 9001:2008 e Selo de Qualificação ONA. Ubiara Marfinati Janeiro/2013 ISO 9001: 2008 Princípios Básicos 4.2 Controle de Documentos e Registros 5.2 Foco no Cliente 5.3 Política da Qualidade

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

RDC Nº 48, DE 25 DE OUTUBRO DE 2013

RDC Nº 48, DE 25 DE OUTUBRO DE 2013 RDC Nº 48, DE 25 DE OUTUBRO DE 2013 ITEM 10 DOCUMENTAÇÕES E REGISTROS Palestrante: Carlos Cezar Martins RDC Nº 48, DE 25 DE OUTUBRO Carlos Cezar Martins DE 2013 Farmacêutico com especialização em Qualidade

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? BUROCRACIA? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? BUROCRACIA? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE ISO? ITÁLIA CANADÁ ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL, NÃO GOVERNAMENTAL, QUE ELABORA NORMAS. FAZEM PARTE DA ISO ENTIDADES DE NORMALIZAÇÃO DE MAIS DE UMA CENTENA DE PAÍSES. JAPÃO EUA I S O INGLATERRA ALEMANHA BRASIL

Leia mais

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE ISO? ITÁLIA CANADÁ ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL, NÃO GOVERNAMENTAL, QUE ELABORA NORMAS. FAZEM PARTE DA ISO ENTIDADES DE NORMALIZAÇÃO DE MAIS DE UMA CENTENA DE PAÍSES. JAPÃO EUA I S O INGLATERRA ALEMANHA BRASIL

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná.

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná. ELABORADO POR: Carlos Eduardo Matias Enns MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVADO POR: Edson Luis Schoen 28/1/5 1 de 11 1. FINALIDADE A Saint Blanc Metalmecânica Ltda visa estabelecer as diretrizes básicas

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Boas Práticas de Fabricação de Saneantes e Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes Coordenação de Insumos Farmacêuticos, Saneantes e Cosméticos Gerência

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

---- --- --- Consultoria e Assessoria

---- --- --- Consultoria e Assessoria 4. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE SGQ. 4.1. Requisitos Gerais. A Protec estabelece, documenta e implementa o SGQ de acordo com os requisitos da NBR ISO 9001:2008. Para implementar o SGQ foi realizado um

Leia mais

DOCUMENTOS EXIGIDOS PARA EMISSÃO DO ALVARÁ SANITÁRIO. Área de Medicamentos e Produtos de Interesse à Saúde (AMPIS)

DOCUMENTOS EXIGIDOS PARA EMISSÃO DO ALVARÁ SANITÁRIO. Área de Medicamentos e Produtos de Interesse à Saúde (AMPIS) 1 DOCUMENTOS EXIGIDOS PARA EMISSÃO DO ALVARÁ SANITÁRIO Área de Medicamentos e Produtos de Interesse à Saúde (AMPIS) DROGARIAS (CONFORME LEI FEDERAL 5991/73, RESOLUÇÃO RDC ANVISA 44/09 E OUTRAS PERTINENTES)

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 16, DE 28 DE MARÇO DE 2013

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 16, DE 28 DE MARÇO DE 2013 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 16, DE 28 DE MARÇO DE 2013

Leia mais

ROTEIRO PARA AUTO INSPEÇÃO

ROTEIRO PARA AUTO INSPEÇÃO Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Vigilância em Saúde Gerência de Produtos e Serviços de Interesse da Saúde Subgerência de Produtos Para a Saúde, Saneantes Domissanitários e Cosméticos Roteiro

Leia mais

Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento

Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento Web Site: www.simplessolucoes.com.br N786-1 ISO CD 9001 Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento N786-1 ISO CD 9001 para treinamento - Rev0 SUMÁRIO Página Introdução 4 0.1 Generalidades 4 0.2 Abordagem

Leia mais

ISO 9000 ISO 9001:2008

ISO 9000 ISO 9001:2008 ISO 9001:2008 QUALIDADE II ISO 9000 A ISO 9000 - Qualidade é o nome genérico utilizado pela série de normas da família 9000 (ISO) que estabelece as diretrizes para implantação de Sistemas de Gestão da

Leia mais

Anvisa - Legislação - Portarias

Anvisa - Legislação - Portarias Page 1 of 18 Legislação Para verificar a atualização desta norma, como revogações ou alterações, acesse o Visalegis. Portaria nº 327/SNVS/MS, de 30 de julho de 1997 (DOU de 07/08/97) A Secretária de Vigilância

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

PORTARIA N 40, DE 20 DE JANEIRO DE 1997

PORTARIA N 40, DE 20 DE JANEIRO DE 1997 PORTARIA N 40, DE 20 DE JANEIRO DE 1997 Dispõe sobre Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação DOU de 21/01/1997 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO, no uso da

Leia mais

Cosmetovigilância. Impacto na Inspeção. Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes. Maria do Carmo Lopes Severo - UINSC

Cosmetovigilância. Impacto na Inspeção. Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes. Maria do Carmo Lopes Severo - UINSC Cosmetovigilância Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes Roberto Wagner Barbirato Gerência Geral de Inspeção e Controle de Insumos, Medicamentos e Produtos - GGIMP Maria do Carmo Lopes Severo

Leia mais

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD)

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD) 1/22 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Emissão do documento baseado nos requisitos da ISO 9001:2008 Vendas Gestão de Contratos Service Demais envolvidos na análise e aprovação Área / Processo Responsável

Leia mais

Saada Chequer Fernandez

Saada Chequer Fernandez Saada Chequer Fernandez Analista de Gestão em Saúde Coordenação da Qualidade CIQ/Direh/FIOCRUZ Gerenciamento da Qualidade em Laboratório de Anatomia Patológica VI Congresso Regional de Histotecnologia

Leia mais

FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025. Laboratório(s) avaliado(s): Nº

FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025. Laboratório(s) avaliado(s): Nº FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025 FORMULÁRIO REVISÃO: 04 NOV/2008 Laboratório(s) avaliado(s): Nº Período de Avaliação: Data inicial da avaliação: / / Data término

Leia mais

Lista de Verificação / Checklist

Lista de Verificação / Checklist Lista de Verificação / Checklist Avaliação NC / PC / C Departamentos Padrões de Referência /// Referências do MQ //// Referências Subjetivas A B C D E Cláusula Padrão Conforme/ Não C. 4 Sistema de Gestão

Leia mais

Elaboração do manual da qualidade: Experiência em uma indústria de produtos de limpeza

Elaboração do manual da qualidade: Experiência em uma indústria de produtos de limpeza Elaboração do manual da qualidade: Experiência em uma indústria de produtos de limpeza Elizangela Veloso elizangelaveloso@yahoo.com.br Carlos Antonio Pizo (UEM) capizo@uem.br Resumo A comercialização de

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO

INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO NBR ISO 9001:2008 INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO 8 Princípios para gestão da qualidade Foco no cliente Liderança Envolvimento das pessoas Abordagem de processos Abordagem sistêmica para a gestão Melhoria

Leia mais

Cirius Quality. A Consultoria que mais cresce no Brasil. Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP.

Cirius Quality. A Consultoria que mais cresce no Brasil. Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP. CQ Consultoria Cirius Quality e Treinamento 1º Edição Interpretação da NBR ISO 9001:2008 Cirius Quality Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP. CEP: 09980-150 i www.ciriusquality.com.br e contato@ciriusquality.com.br

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO. Portaria Nº 40, de 20 de janeiro de 1997

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO. Portaria Nº 40, de 20 de janeiro de 1997 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO Portaria Nº 40, de 20 de janeiro de 1997 DOU de 21/01/1997 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

Oncologia. Aula 3: Legislação específica. Profa. Camila Barbosa de Carvalho

Oncologia. Aula 3: Legislação específica. Profa. Camila Barbosa de Carvalho Oncologia Aula 3: Legislação específica Profa. Camila Barbosa de Carvalho Legislações importante em oncologia - RDC n o. 220/2004 - RDC n o. 67/2007 - RDC n o. 50/2002 - RDC n o. 306/2004 - NR 32/2005

Leia mais

A SEGURANÇA DA ASSISTÊNCIA DO PACIENTE CIRÚRGICO: FLUXO DE OPME NORMAS E CONDUTAS

A SEGURANÇA DA ASSISTÊNCIA DO PACIENTE CIRÚRGICO: FLUXO DE OPME NORMAS E CONDUTAS 10º Congresso Brasileiro de Enfermagem en Centro Cirúrgico, Recuperação Anestésica e Centro de Material e ESterilização- 2011 A SEGURANÇA DA ASSISTÊNCIA DO PACIENTE CIRÚRGICO: FLUXO DE OPME NORMAS E CONDUTAS

Leia mais

MERCOSUL/XXXIX SGT Nº 11/COPROSAL/ P. RES. Nº /12

MERCOSUL/XXXIX SGT Nº 11/COPROSAL/ P. RES. Nº /12 MERCOSUL/XXXIX SGT Nº 11/COPROSAL/ P. RES. Nº /12 PROCEDIMENTOS COMUNS E CONTEÚDO MÍNIMO DE RELATÓRIOS DE INSPEÇÃO NOS ESTABELECIMENTOS FARMACÊUTICOS NOS ESTADOS PARTES (REVOGAÇÃO DA RES. GMC Nº 16/09)

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos DEZ 2000 NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28º andar CEP 20003-900 Caixa Postal 1680 Rio

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

Atualizada.: 25/07/2013 4 MÉDIA COMPLEXIDADE ANEXO 1 G- DISTRIBUIDORAS

Atualizada.: 25/07/2013 4 MÉDIA COMPLEXIDADE ANEXO 1 G- DISTRIBUIDORAS 4 MÉDIA COMPLEXIDADE ANEXO 1 G- DISTRIBUIDORAS Drogarias; Ervanária, posto de medicamento, dispensário de medicamentos; Distribuidora com fracionamento de cosmético, perfume, produtos de higiene; Distribuidora

Leia mais

Norma de Referência Selo de Qualidade ABESE

Norma de Referência Selo de Qualidade ABESE Histórico das alterações: Nº Revisão Data de alteração Sumário das Alterações 00 17.03.2010 Emissão inicial do documento. 01 26.07.2010 - Alteração da numeração do item 3.24 nos critérios (numeração anterior

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade -Requisitos

Sistema de Gestão da Qualidade -Requisitos MB Consultoria Av. Constantino Nery, Nº 2789, Edifício Empire Center, Sala 1005 a 1008 Manaus - Amazonas - Brasil CEP: 69050-002 Telefones: (92) 3656.2452 Fax: (92) 3656.1695 e-mail: mb@netmb.com.br Site:

Leia mais

Implantação de Boas Práticas de Fabricação na Área da Saúde

Implantação de Boas Práticas de Fabricação na Área da Saúde GUIA PRÁTICO Implantação de Boas Práticas de Fabricação na Área da Saúde Autora: Martins, Fernanda APRESENTAÇÃO Este guia foi concebido com o intuito de auxiliar empresas da área da saúde a implantar de

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 7, de 04 de fevereiro de 2015 D.O.U de 09/02/2015

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 7, de 04 de fevereiro de 2015 D.O.U de 09/02/2015 Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública n 7, de 04 de fevereiro de 2015 D.O.U de 09/02/2015 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

Curso Básico de Inspeção em Serviços de Hemoterapia Goiânia Goiás 1º a 05 de setembro de 2014 Gestão de Qualidade e Boas Práticas no Ciclo do Sangue

Curso Básico de Inspeção em Serviços de Hemoterapia Goiânia Goiás 1º a 05 de setembro de 2014 Gestão de Qualidade e Boas Práticas no Ciclo do Sangue Curso Básico de Inspeção em Serviços de Hemoterapia Goiânia Goiás 1º a 05 de setembro de 2014 Gestão de Qualidade e SETEMBRO DE 2014 Assessoria da Garantia da Qualidade Fundação Hemocentro de Brasília

Leia mais

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES Requisitos e diretrizes para o sistema de gestão da qualidade e ambiental Página 1 de 9 1. REQUISITOS ESPECÍFICOS... 3 1.1 Objetivo... 3 1.2 Geral... 3 1.3 Documentos

Leia mais

TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Resoluções Nº 31/97 e 09/01 do Grupo Mercado Comum.

TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Resoluções Nº 31/97 e 09/01 do Grupo Mercado Comum. MERCOSUL/XXXVI SGT Nº11/P. RES. N /11 PROCEDIMENTOS COMUNS PARA AS INSPEÇÕES NOS FABRICANTES DE PRODUTOS MÉDICOS E PRODUTOS PARA DIAGNÓSTICO DE USO IN VITRO NOS ESTADOS PARTES (REVOGAÇÃO DAS RES. GMC Nº

Leia mais

14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE

14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE 14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE Sumário Prefácio 0 Introdução 1 Objetivo 2 Referência normativa 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão da qualidade 5 Responsabilidade da direção

Leia mais

Selo de Qualidade e Sustentabilidade para Lavanderias - SQS REFERENCIAL NORMATIVO REF.001

Selo de Qualidade e Sustentabilidade para Lavanderias - SQS REFERENCIAL NORMATIVO REF.001 Selo de Qualidade e Sustentabilidade para Lavanderias - SQS REFERENCIAL NORMATIVO REF.001 Versão Jul.2011 1. Introdução Este programa da Qualidade, Meio Ambiente e Segurança em Lavanderias SQS estabelece

Leia mais

Formalização do Funcionamento de. Nutrição. Profª. Mônica de Caldas Rosa dos Anjos

Formalização do Funcionamento de. Nutrição. Profª. Mônica de Caldas Rosa dos Anjos Formalização do Funcionamento de Unidades de Alimentação e Nutrição Profª. Mônica de Caldas Rosa dos Anjos A sobrevivência de agrupamentos humanos está diretamente relacionada à existência de objetivos

Leia mais

(HOJE É FEITO POR PETICIONAMENTO ELETRÔNICO NO SITE DA ANVISA)

(HOJE É FEITO POR PETICIONAMENTO ELETRÔNICO NO SITE DA ANVISA) ANEXO I Solicitação de Autorização de Funcionamento de Empresas Distribuidoras de Produtos Farmacêuticos (HOJE É FEITO POR PETICIONAMENTO ELETRÔNICO NO SITE DA ANVISA) A empresa interessada em desenvolver

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA RDC Nº 31, DE 23 DE MAIO DE 2013

Leia mais

WebSite da Vigilância Sanitária

WebSite da Vigilância Sanitária Página 1 de 5 SERVIÇOS MAIS ACESSADOS: Selecione um Serviço Página Principal Quem somos Regularize sua Empresa Roteiros Denúncias e Reclamações Vigilância e Fiscalização Sanitária em Indústrias de Alimentos

Leia mais

RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13)

RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13) RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13) O SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE, usando da atribuição que lhe confere o Art. 45, Inciso XIV, da Lei Estadual nº 8.485

Leia mais

Manual do Fornecedor. Hospital Ana Nery Santa Cruz do Sul

Manual do Fornecedor. Hospital Ana Nery Santa Cruz do Sul Manual do Fornecedor Hospital Ana Nery Santa Cruz do Sul FILOSOFIA EMPRESARIAL Negócio Saúde e conforto. Visão Ser reconhecido pela excelência na prestação de serviços em saúde no interior do Estado, pela

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE. Documentaçã. ção da Qualidade. Rosiane Nickel DVGQB LACEN/PR

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE. Documentaçã. ção da Qualidade. Rosiane Nickel DVGQB LACEN/PR SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE NOS LABORATÓRIOS RIOS CLÍNICOS: Documentaçã ção da Qualidade Rosiane Nickel DVGQB LACEN/PR QUALIDADE QUALIDADE Grau no qual um conjunto de características inerentes satisfaz

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Associação Brasileira dos Distribuidores de Produtos Químicos e Petroquímicos

Associação Brasileira dos Distribuidores de Produtos Químicos e Petroquímicos Associação Brasileira dos Distribuidores de Produtos Químicos e Petroquímicos Outubro/2007 PRODIR GESTÃO DA QUALIDADE NO PROCESSO DE DISTRIBUIÇÃO DE PRODUTOS QUÍMICOS Engº. Fernandes J. dos Santos outubro/07

Leia mais

Os 1 Item(ns) da lista de documentos que não foram cumprido(s):

Os 1 Item(ns) da lista de documentos que não foram cumprido(s): Agência Nacional de Vigilância Sanitária Unidade de Atendimento e Protocolo - UNIAP Listagem de Encaminhamento de Documentação em Caráter Precário Data: 14.11.05 EMPRESA: ANCHIETA INDÚSTRIA E COMÉRCIO

Leia mais

comparações interlaboratoriais propostos pelo MAPA e avaliação do desempenho dos técnicos do laboratório em treinamentos.

comparações interlaboratoriais propostos pelo MAPA e avaliação do desempenho dos técnicos do laboratório em treinamentos. ANEXO CRITÉRIOS PARA CREDENCIAMENTO, RECONHECIMENTO, EXTENSÃO DE ESCOPO E MONITORAMENTO DE LABORATÓRIOS NO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO - MAPA Art. 1º Os critérios constantes deste

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS.

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS. RESOLUÇÃO.../SESA/PR O Secretário Estadual de Saúde, no uso de suas atribuições legais e: CONSIDERANDO a Portaria nº 326/1997/SVS/MS, a Resolução RDC nº275/2002, a Resolução RDC nº 216/2004, da ANVISA,

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DIVISÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Centro Estadual de Vigilância em Saúde Núcleo de Estabelecimento de Saúde PODOLOGIA

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DIVISÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Centro Estadual de Vigilância em Saúde Núcleo de Estabelecimento de Saúde PODOLOGIA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DIVISÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Centro Estadual de Vigilância em Saúde Núcleo de Estabelecimento de Saúde PODOLOGIA Ana Carolina Kraemer Enfermeira - Especialista em Saúde Portaria

Leia mais

QUINTA-FEIRA, 31 DE DEZEMBRO DE 1998 MINISTÉRIO DA SAÚDE - SECRETARIA DE VIGILÂNCIA SANIT... PORTARIA Nº 1.051, DE 29 DE DEZEMBRO DE 1998

QUINTA-FEIRA, 31 DE DEZEMBRO DE 1998 MINISTÉRIO DA SAÚDE - SECRETARIA DE VIGILÂNCIA SANIT... PORTARIA Nº 1.051, DE 29 DE DEZEMBRO DE 1998 QUINTA-FEIRA, 31 DE DEZEMBRO DE 1998 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA PORTARIA Nº 1.051, DE 29 DE DEZEMBRO DE 1998 CONSULTA PÚBLICA O Secretário de Vigilância Sanitária do Ministério

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE NBR ISO 9001:2008 Índice Histórico de Revisões... 4 1. Introdução... 5 1.1. Política da Qualidade... 5 1.2. Escopo... 5 2. Histórico... 6 3. Gestão Estratégica...

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos SET/2000 PROJETO NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeir o Av. Treze de Maio, 13 28º andar CEP 20003-900 Caixa Postal 1680

Leia mais

HISTÓRICO DAS REVISÕES N.ºREVISÃO DATA IDENTIFICAÇÃO DO DOCUMENTO 00 16/04/2007 Emissão inicial

HISTÓRICO DAS REVISÕES N.ºREVISÃO DATA IDENTIFICAÇÃO DO DOCUMENTO 00 16/04/2007 Emissão inicial HISTÓRICO DAS REVISÕES N.ºREVISÃO DATA IDENTIFICAÇÃO DO DOCUMENTO 00 16/04/2007 Emissão inicial Elaborado: 16/04/2007 Superintendente e ou Gerente da unidade Análise Crítica e aprovação : 16/04/2007 Representante

Leia mais

Uso Exclusivo em Treinamento

Uso Exclusivo em Treinamento Web Site: www.simplessolucoes.com.br ABNT NBR ISO 9001:2008 Uso Exclusivo em Treinamento SUMÁRIO 0. Introdução 2 0.1 Generalidades 2 0.2 Abordagem de processo 3 0.3 Relação com a norma NBR ISO 9004 5 0.4

Leia mais

Reunião com Associações de Empresas de Produtos para Saúde

Reunião com Associações de Empresas de Produtos para Saúde Reunião com Associações de Empresas de Produtos para Saúde Atualização de Requisitos para Regularização de Produtos REGULAMENTO TÉCNICO DE PRODUTOS PARA CADASTRO DE PRODUTOS PARA SAÚDE RDC 40/2015 GEMAT

Leia mais

CURSOS PRESENCIAIS (Também podem ser ministrados in company)

CURSOS PRESENCIAIS (Também podem ser ministrados in company) 1 CURSOS PRESENCIAIS (Também podem ser ministrados in company) BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO BOAS PRÁTICAS DE LABORATÓRIO BOAS PRÁTICAS DE ARMAZENAMENTO, LOGÍSTICA E DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

SGT Nº 11 SALUD / Comisión de Productos para la Salud / Grupo Ad Hoc Domisanitarios/ Acta Nº 01/09. UNIDO IV Documentos de Trabajo

SGT Nº 11 SALUD / Comisión de Productos para la Salud / Grupo Ad Hoc Domisanitarios/ Acta Nº 01/09. UNIDO IV Documentos de Trabajo SGT Nº 11 SALUD / Comisión de Productos para la Salud / Grupo Ad Hoc Domisanitarios/ Acta Nº 01/09 UNIDO IV Documentos de Trabajo Montevideo, 5 al 7 de octubre de 2009 ATUALIZAÇÃO DE BPF (RES. GMC Nº 56/96)

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos DEZ 2000 NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos Sumário Prefácio 0 Introdução 1 Objetivo 2 Referência normativa 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão da qualidade 5 Responsabilidade

Leia mais

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Sistema de Gestão do AR 2012 - ABIQUIM Responsible Care Management

Leia mais

Programa Brasileiro de Autorregulamentação de Boas Práticas em Arbitragem, Conciliação e Mediação, PARCONIMA.

Programa Brasileiro de Autorregulamentação de Boas Práticas em Arbitragem, Conciliação e Mediação, PARCONIMA. Revisão maio 2015 Programa Brasileiro de Autorregulamentação de Boas Práticas em Arbitragem, Conciliação e Mediação, PARCONIMA. NÍVEIS DE CERTIFICAÇÃO 1 Nível Ingresso Documentos que deverão ser apresentados

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE Rev. Data. Modificações 01 14/09/2007 Manual Inicial 02 12/06/2009 Revisão Geral do Sistema de Gestão da Qualidade 03 22/10/2009 Inclusão de documento de referência no item 8. Satisfação de cliente, Alteração

Leia mais

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE RECEPÇÃO DE PRODUTOS PARA A SAÚDE DE USO CIRÚRGICO EM CENTRO DE MATERIAIS

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE RECEPÇÃO DE PRODUTOS PARA A SAÚDE DE USO CIRÚRGICO EM CENTRO DE MATERIAIS 1 MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE RECEPÇÃO DE PRODUTOS PARA A SAÚDE DE USO CIRÚRGICO EM CENTRO DE MATERIAIS 2 Apresentação Menos de dez meses depois de ter sido criada pela Associação Médica Brasileira, a Câmara

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA-RDC Nº 16, DE 1 DE ABRIL DE 2014

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA-RDC Nº 16, DE 1 DE ABRIL DE 2014 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA-RDC Nº 16, DE 1 DE ABRIL DE 2014

Leia mais

ISO 17025 Versão 2005

ISO 17025 Versão 2005 1º Fórum Regional de Química - ES ISO 17025 Versão 2005 Rev. 14 Samuel Vieira JUN/2010 1 Terminologia e Siglas ABNT NBR ISO 9000:2000 Sistemas de gestão da qualidade Fundamentos e Vocabulário ABNT NBR

Leia mais

DIS ISO 9001:2015 Publicado em Maio de 2014

DIS ISO 9001:2015 Publicado em Maio de 2014 DIS ISO 9001:2015 Publicado em Maio de 2014 Abordagem de Processos Risk-based thinking (Pensamento baseado em Risco) Anexo SL (Estrutura de Alto Nível) Anexo SL (Estrutura de Alto Nível) 1 - Escopo 2 -

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES SULTÉCNICA INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES SULTÉCNICA INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA Agosto de 2009 Revisão 05 INDICE 1. Apresentação... 03 2. Política da Qualidade e Ambiental da Sultécnica... 03 3. Expectativa para Fornecedores...

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004)

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004) PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004) Ao longo dos últimos anos, a Fundação Carlos Alberto Vanzolini vem trabalhando com a Certificação ISO 14000 e, com o atual processo de

Leia mais

Manual de Fornecedores

Manual de Fornecedores Manual de Fornecedores Fornecedores (Responsável pela Qualidade) Carimbo, Assinatura e data. 00 2 de 10 Índice 1. MANUAL DO FORNECEDOR... 3 1.1 INTRODUÇÃO... 3 1.2 OBJETIVO... 3 2. RELAÇÃO DE FORNECEDORES...

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 95, de 09 de outubro de 2014 D.O.U de 10/10/2014

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 95, de 09 de outubro de 2014 D.O.U de 10/10/2014 Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública n 95, de 09 de outubro de 2014 D.O.U de 10/10/2014 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

Concessionárias Adaptação de Dispositivo de Fixação de Contêiner (DIF)

Concessionárias Adaptação de Dispositivo de Fixação de Contêiner (DIF) PROCEDIMENTO SL - 002 Página 1 de 6 EDIÇÃO 11/12 Título: Concessionárias Adaptação de Dispositivo de Fixação de Contêiner (DIF) Rev.: 00 Data: 11/12 Emitido Por Verificado Verificado Aprovado Nome Marcos

Leia mais

Anexo II INFORME PRÉVIO. FRACIONADORA DE insumos farmacêuticos. Nome da Empresa /RS, 20

Anexo II INFORME PRÉVIO. FRACIONADORA DE insumos farmacêuticos. Nome da Empresa /RS, 20 Anexo II INFORME PRÉVIO FRACIONADORA DE insumos farmacêuticos Nome da Empresa /RS, 20 NOTA: 1. Para fins de inspeção para verificação de cumprimento de boas práticas de fracionamento é imprescindível que

Leia mais

Manual da Qualidade DATA 03/05/2011 MQ/02. Título. Elaborado: Eduardo Moreira Pinheiro

Manual da Qualidade DATA 03/05/2011 MQ/02. Título. Elaborado: Eduardo Moreira Pinheiro de Implantação: 00 55/ // 0033/ // 220011 11 Página 1 de 26 ÍNDICE- MANUAL DA QUALIDADE / RDC`N 59/2000 INDICE MANUAL DA QUALIDADE / RDC N 59/2000 1 I-INTRODUÇÃO 2 FOLHA DE APROVAÇÃO 3 II- HISTÓRICO DA

Leia mais

Resolução RDC nº 52/2009 - SERVIÇO CONTROLE DE PRAGAS (DEDETIZAÇÃO) - FUNCIONAMENTO - NOVAS REGRAS - ADEQUAÇÃO EM 180 DIAS

Resolução RDC nº 52/2009 - SERVIÇO CONTROLE DE PRAGAS (DEDETIZAÇÃO) - FUNCIONAMENTO - NOVAS REGRAS - ADEQUAÇÃO EM 180 DIAS Resolução RDC nº 52/2009 - SERVIÇO CONTROLE DE PRAGAS (DEDETIZAÇÃO) - FUNCIONAMENTO - NOVAS REGRAS - ADEQUAÇÃO EM 180 DIAS Resolução - RDC nº 52, de 22 de outubro de 2009 Dispõe sobre o funcionamento de

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) A CONCERT Technologies S.A. prioriza a segurança de seus Colaboradores, Fornecedores,

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC No- 22, DE 23 DE ABRIL DE 2013

RESOLUÇÃO - RDC No- 22, DE 23 DE ABRIL DE 2013 RESOLUÇÃO - RDC No- 22, DE 23 DE ABRIL DE 2013 Aprova os Procedimentos Comuns para as Inspeções nos Fabricantes de Produtos Médicos e Produtos para Diagnóstico de Uso in vitro nos Estados Partes, e dá

Leia mais

CÓPIA NÃO CONTROLADA. DOCUMENTO CONTROLADO APENAS EM FORMATO ELETRÔNICO. PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE

CÓPIA NÃO CONTROLADA. DOCUMENTO CONTROLADO APENAS EM FORMATO ELETRÔNICO. PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE PSQ 290.0339 - PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVAÇÃO CARLOS ROBERTO KNIPPSCHILD Gerente da Qualidade e Assuntos Regulatórios Data: / / ELABORAÇÃO REVISÃO

Leia mais

Perguntas Frequentes sobre liberação de processos ANVISA Pessoa Física

Perguntas Frequentes sobre liberação de processos ANVISA Pessoa Física Perguntas Frequentes sobre liberação de processos ANVISA Pessoa Física Prezado cliente, Este material foi criado com o objetivo de esclarecer todas as dúvidas que podem surgir a respeito da inspeção de

Leia mais

APRESENTAÇÃO MISSÃO, VISÃO E VALORES: PRINCÍPIOS GERAIS ESTRUTURA FÍSICA E PREDIAL ORGANIZAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO ANEXOS

APRESENTAÇÃO MISSÃO, VISÃO E VALORES: PRINCÍPIOS GERAIS ESTRUTURA FÍSICA E PREDIAL ORGANIZAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO ANEXOS ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO... 2 3. MISSÃO, VISÃO E VALORES:... 3 4. PRINCÍPIOS GERAIS... 3 5. ESTRUTURA FÍSICA E PREDIAL... 4 6. ORGANIZAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO... 5 7. ANEXOS... 9 1. APRESENTAÇÃO PREZADO PARCEIRO;

Leia mais