Implantação de Boas Práticas de Fabricação na Área da Saúde

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Implantação de Boas Práticas de Fabricação na Área da Saúde"

Transcrição

1 GUIA PRÁTICO Implantação de Boas Práticas de Fabricação na Área da Saúde Autora: Martins, Fernanda

2 APRESENTAÇÃO Este guia foi concebido com o intuito de auxiliar empresas da área da saúde a implantar de forma simples e direta as boas práticas de fabricação de produtos para a saúde, insumos farmacêuticos, medicamentos, saneantes, cosméticos e alimentos. Com uma experiência de mais de dez anos na área de Gestão da Qualidade nesse segmento de mercado e, como fundadora e consultora da empresa Regulatory, Fernanda Borba Martins percebeu a dificuldade e a necessidade das empresas na compreensão de questões básicas que refletem a importância dessa certificação, não somente como um requisito legal, mas como uma prática de mercado que ajuda na organização e estruturação das empresas. Este guia não substitui parcial ou integralmente as legislações de Boas Práticas vigentes no País, ele apenas auxilia as empresas na sua compreensão. 2

3 CONTEÚDO APRESENTAÇÃO... 2 CONTEÚDO... 3 CONHECENDO A ANVISA... 4 O QUE SÃO AS BOAS PRÁTICAS ( FABRICAÇÃO, ARMAZENAMENTO, DISTRIBUIÇÃO)... 5 REQUISITOS DA ALTA DIREÇÃO, RESPONSABILIDADE GERENCIAL... 6 AUDITORIAS DA QUALIDADE... 7 PESSOAL... 8 CONTROLE DE PROJETOS... 9 GERENCIAMENTO E CONTROLE DE DOCUMENTOS...10 CONTROLE DE COMPRAS...11 IDENTIFICAÇÃO E RASTREABILIDADE...12 CONTROLE DE PROCESSOS...13 INSPEÇÕES E TESTES...14 PRODUTOS NÃO CONFORMES E AÇÕES CORRETIVAS...15 REGISTRO DE RECLAMAÇÕES...16 MANUSEIO, ARMAZENAMENTO E DISTRIBUIÇÃO...17 ASSISTÊNCIA TÉCNICA E INSTALAÇÃO...18 EMBALAGEM E ROTULAGEM DE PRODUTOS...19 REGISTRO MESTRE E REGISTRO HISTÓRICO...20 TÉCNICAS DE ESTATÍSTICA...21 REQUISITOS LEGAIS RELACIONADOS A ESTE GUIA

4 CONHECENDO A ANVISA A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) é uma autarquia sob regime especial vinculada ao Ministério da Saúde, que tem como área de atuação não um setor específico da economia, mas todos os setores relacionados a produtos e serviços que possam afetar a saúde da população brasileira, sendo criada pela Lei nº 9.782, de 26 de janeiro As vigilâncias sanitárias dos municípios e estados atuam de forma autônoma, mas estão submetidas às legislações da ANVISA em instância máxima, devendo-se observar legislações específicas referentes a cada município ou estado que precisam ser verificadas sempre em paralelo. A ANVISA é um agente público responsável pela emissão de documentos de âmbito nacional para regulamentação das empresas da área da saúde, entre os principais: Autorização de Funcionamento de Empresa (AFE) Autorização especial (AE) Registros de Produtos Certificação de Boas Práticas Fica no encargo das vigilâncias sanitárias dos estados e municípios a fiscalização periódica das empresas reguladas do setor e emissão das respectivas Licenças Sanitárias, análises de obras e projetos arquitetônicos, fiscalização de denúncias, etc. Inicialmente as empresas da saúde devem requerer a licença federal e na sequência solicitar as inspeções regionalmente para iniciar o seu funcionamento. A área da atuação da vigilância sanitária é muito ampla e informações mais detalhadas sobre cada área de atuação, taxas de arrecadação, etc, devem ser consultadas no site 4

5 O QUE SÃO AS BOAS PRÁTICAS (FABRICAÇÃO, ARMAZENAMENTO, DISTRIBUIÇÃO) As Boas Práticas de Fabricação (BPF) abrangem um conjunto de medidas que devem ser adotadas pelas indústrias, importadoras, distribuidoras e transportadoras de produtos regulamentados pela ANVISA, a fim de garantir a qualidade sanitária e a conformidade dos produtos com as normas técnicas. A legislação sanitária federal regulamenta essas medidas em caráter geral, as BPF s foram baseadas em normas internacionais e ferramentas da qualidade, que constituem regras direcionando as empresas para uma forma eficaz de realizar e monitorar a rastreabilidade de suas atividades, visando a qualidade do produto que será comercializado ao consumidor/usuário. As Boas Práticas têm uma importância fundamental, não somente pelo cumprimento dos requisitos legais, mas também como uma ferramenta de gestão que possibilita uma melhor organização e controle de suas atividades, permitindo a diminuição de erros e aumento de produtividade, assegurando a melhoria contínua de processos quando bem aplicada. O intuito deste guia é mostrar nos capítulos que seguem as premissas básicas de cada um dos itens previstos nas BPF s de uma maneira geral, não entrando em questões específicas de cada ramo de atividade, mas relacionando o que elas possuem em comum. 5

6 REQUISITOS DA ALTA DIREÇÃO (RESPONSABILIDADE GERENCIAL) Este é um dos mais importantes itens que fazem parte das Boas Práticas, pois reflete o envolvimento e comprometimento que a alta direção da empresa deve ter com as regras a serem seguidas. Não é por acaso que esteja logo no início da norma, pois os sistemas da qualidade não têm futuro sem o exemplo e a proximidade dos gestores e líderes da organização na sua aplicação prática. O termo líderes não é usado aqui por acaso, pois eles serão imprescindíveis para promover o bom entrosamento das equipes e a interligação de todos os processos da sua empresa. As normas preveem que o gerenciamento da Qualidade deve ser feito de forma a envolver todo o pessoal que faz parte do recebimento, fabricação, armazenamento e distribuição do material até o cliente final, assegurando que tenha abrangência em toda a estrutura organizacional e que sejam provisionados recursos para isso. A empresa deve ter estabelecido não somente um organograma, mas também distribuir as funções de forma adequada para evitar conflitos de interesse entre as distintas áreas, assim como um membro da gerência executiva com autoridade suficiente para assegurar que os requisitos do sistema implantado sejam estabelecidos e mantidos. As gerências ou diretorias devem revisar periodicamente a efetividade do sistema da qualidade de modo a satisfazer as exigências das normas sanitárias vigentes. A sugestão é que as reuniões gerenciais ou de análise crítica (o termo é diferente, mas a finalidade é a mesma) sejam realizadas com uma periodicidade mínima determinada, de modo que se consiga avaliar os resultados em tempo hábil de tomar ações corretivas necessárias Recomendo que a sua empresa aproveite este tópico das Boas Práticas para desenvolver indicadores de desempenho/ processo de seus colaboradores convergindo para sua Política da Qualidade, ganhando uma importante ferramenta de gestão que poderá posteriormente estar vinculada a benefícios para suas equipes e melhoria da produtividade. 6

7 AUDITORIAS DA QUALIDADE Como todo sistema de qualidade, está previsto na implantação das Boas Práticas que tudo o que foi implantado seja constantemente monitorado para que esteja em conformidade com todos os requisitos que foram estabelecidos. Para tal, estão previstas auditorias da qualidade e/ou autoinspeções da qualidade embora o termo seja diferente o propósito é o mesmo. Os objetivos deste item são avaliar não somente as não conformidades, mas também as conformidades do sistema contra evidências de procedimentos, instruções, especificações e normas, comprovando que estejam em funcionamento e que o ciclo de melhoria de processos esteja girando corretamente. Aqui é válida a premissa de que não basta dizer que faz, é preciso fazer e comprovar que foi feito! As auditorias podem ser internas, realizadas pelos próprios colaboradores para uma autoavaliação/inspeção de seus próprios sistemas, procedimentos e atividades para verificar a implementação, ou externas, feitas por um de seus clientes (segunda parte) ou por empresa/órgão independente (terceira parte). Os auditores devem ser independentes dos processos auditados para evitar conflitos de interesse entre as partes. Outra dica é que seja feito um planejamento antes e depois das auditorias, com planos de ação definindo as responsabilidades, pois é muito comum as empresas passarem por uma inspeção e relaxarem com prazos na sequência, só lembrando-se de cobrar as ações corretivas na auditoria seguinte. Lembrando que estamos falando de um sistema, é fundamental o planejamento, realização e acompanhamento após as auditorias. Os colaboradores chave envolvidos no processo e que serão responsáveis pelas auditorias devem receber treinamento específico em Boas Práticas na sua área de atividade, por empresas capacitadas, mesmo que tenham experiência e possuam qualificação como auditores em outras normas de Qualidade. 7

8 PESSOAL Este tópico está intimamente relacionado ao de requisitos da alta direção tendo em vista que deve ser previsto nas empresas um número adequado de colaboradores para executar e supervisionar as atividades exercidas. As empresas devem possuir um organograma, independentemente do tipo de gráfico a escolher, em que conste a hierarquia do pessoal, assim como um descritivo de cargos/função relacionando as atividades de todos dentro da organização. Não existe um requisito mínimo de colaboradores para abertura de uma empresa, mas é importante estar atento (especialmente na produção) para o fato de que a pessoa que realiza não pode aprovar o seu próprio processo. Vale aqui um parágrafo para reiterar a importância de um Responsável Técnico atuante na empresa, que seja capaz de planejar e acompanhar todas as atividades relacionadas à segurança na fabricação e comercialização dos produtos. A figura desse responsável técnico efetivo vem ganhando cada vez mais força tornando-se parte do sistema e sendo um importante aliado para as tomadas de decisões nas empresas, pois será essa pessoa quem irá acompanhar todas as inspeções sanitárias e a implantação de normas e regulamentação, garantindo a veracidade e confiança nas informações prestadas e no produto comercializado. As Boas Práticas preveem o aperfeiçoamento contínuo dos colaboradores e toda a organização precisa ser treinada na norma a que se aplica. Deve ser prevista e planejada uma integração para aqueles que ingressam na empresa, não se esquecendo de apresentar as diretrizes da organização e regras de saúde, vestuário, conduta, uso de equipamentos de proteção coletivos e individuais ou procedimentos específicos das atividades que possam interferir na qualidade, somente pessoal capacitado deve exercer as atividades. Os consultores e terceirizados da sua empresa devem ser igualmente qualificados para as atividades para que são chamados, certifique-se de contratar pessoal capacitado, com experiência comprovada e que esses terceiros tenham os mesmos cuidados que os seus colaboradores internos, com a segurança de informação de sua empresa e qualidade de seus produtos. 8

9 CONTROLE DE PROJETOS Ao iniciar o desenvolvimento de um produto, aqui especificamente para as atividades fabris, deve-se prever que todas as suas etapas de concepção sejam documentadas e controladas, assegurando um bom resultado final. Tudo terá início no planejamento do produto/processo de forma detalhada, devendo-se prever os pontos críticos e os requisitos a serem atendidos. Os projetos devem ser sempre verificados e seus resultados validados, incluindo o acompanhamento de todas as etapas, a seleção de amostras representativas e testes sempre que forem alterados produtos e processos. Nenhum produto deverá ser colocado em comercialização sem sua prévia validação final. As atividades de suporte também deverão ser validadas, por exemplo softwares, métodos analíticos, limpeza, etc. A validação nada mais é que a evidência documentada de que os processos definidos podem produzir um produto com as características especificadas. Aqui é aplicável o desenvolvimento de um Plano Mestre de validação com um planejamento prévio de todas as etapas de fabricação e métodos analíticos envolvidos, assim como procedimentos/protocolos relacionados e um relatório conclusivo deles. Todos os dados que fizerem parte dos projetos deverão ser armazenados no que é chamado de registro histórico, que faça referência às etapas pertinentes desde sua concepção até a fabricação e controle de qualidade realizado. É importante mencionar que, antes de iniciar as atividades de validação, todos os equipamentos críticos devem estar qualificados. Se houver desvios durante o processo, eles também deverão ser registrados até que apresentem os resultados aceitáveis. 9

10 GERENCIAMENTO E CONTROLE DE DOCUMENTOS Esta parte está bastante relacionada a todo o restante das normas de BPF, pois é no controle de documentos da qualidade que se inicia a estrutura que vai desde a concepção prévia da Política da Qualidade da empresa e seus objetivos, assim como a padronização de todos os processos e atividades inter-relacionadas. A padronização aqui é a palavra-chave, pois ela influencia na eficiência e na reprodutibilidade dos trabalhos empresariais, tornando-se a forma segura para aumentar a produtividade e competitividade, diminuindo desvios e a variabilidade dos processos. Para que o sistema da qualidade tenha uma estrutura adequada, a empresa deverá prover no mínimo dos seguintes documentos: Manual da Qualidade Este documento exprime a política, o sistema e as práticas da qualidade de uma organização, devendo ser escrito de forma ampla e abrangente, descrevendo o funcionamento e gerenciamento do sistema da qualidade desenvolvido, assim como a estrutura da organização e de seus documentos, tornando-se o documento guia dos demais. Procedimentos da Qualidade Os procedimentos são documentos que descrevem de forma detalhada quando e como as atividades são feitas, as responsabilidades, onde são realizadas, incluindo questões técnicas quando apropriado e suas referências. É através dos procedimentos que os processos são padronizados, permitindo a sua reprodutibilidade. Registros da Qualidade Os registros da qualidade podem ser feitos via formulários, folhas de verificação, através de controles físicos ou sistemas eletrônicos, podendo ser utilizados um ou vários sistemas de gerenciamento. Eles refletem as evidências de que os processos foram realizados e são de fundamental importância nas auditorias da qualidade. Os fabricantes devem assegurar-se de que os documentos sejam estabelecidos, distribuídos e alterados de forma segura e eficaz. As empresas em geral preocupam-se com o controle de documentos internos, mas é recomendado aqui que os documentos externos também sejam controlados para impedir o uso indevido de documentos obsoletos. 10

11 CONTROLE DE COMPRAS Os fabricantes e importadores/distribuidores de produtos devem assegurar-se de que estão comprando suas matérias-primas, insumos, embalagens e rotulagens, assim como produtos acabados, de fonte confiável e devidamente regulamentada. É esse o motivo principal deste tópico das normas de BPF. Tudo deve iniciar em critérios de avaliação (não existe um padrão oficial, deve ser estabelecido conforme cada empresa e atividade respectivamente) que especifiquem requisitos de qualidade e regulamentares que os fornecedores devem satisfazer. Essas avaliações precisam ser registradas e periodicamente revisadas, assim como validadas preferencialmente pelo Responsável Técnico. Os formulários ou outras formas de registros de compras devem ser igualmente verificados antes da formalização do processo, lembrando-se de que quanto mais detalhes sobre a especificação do produto que se está adquirindo melhor. O controle de compras também faz parte da rastreabilidade, sendo o início de toda a cadeia, portanto é fundamental o controle adequado desses registros, proporcionando uma amarração às atividades produtivas e ou de comercialização. Os prestadores de serviços devem ser igualmente qualificados (controle de insetos e roedores, transportadoras, consultorias, etc.). Deve ser mantida na empresa uma lista com todos os fornecedores devidamente homologados, assim como um histórico daqueles que por distintos motivos tenham sido inativados. Inclua em seus formulários de compras uma observação/acordo para que seus fornecedores se comprometam a notificar qualquer alteração no produto e assegure-se que nesses casos eles passem por uma avaliação prévia. 11

12 IDENTIFICAÇÃO E RASTREABILIDADE As empresas, sejam elas fabricantes ou distribuidoras de componentes seriados ou lotes/bateladas de produção, deverão assegurar a rastreabilidade desses materiais desde o recebimento de todos os itens que fizerem parte do processo até o término da cadeia produtiva. Ressalta-se aqui a necessidade da correta identificação de todas as etapas pelas quais passa o produto dentro da sua empresa. Não é necessário investir em ferramentas caras de controle, não se preocupe se a sua empresa não possuir um sistema ERP com muitos recursos, pois mesmo um controle manual e simples (etiquetas, avisos, etc), desde que apropriadamente utilizado, pode satisfazer esse requisito. Destaca-se aqui a fundamental importância de amarração dos lotes e números de séries de produtos à sua Nota Fiscal de venda, pois esta é o documento oficialmente reconhecido e que deverá mencionar quando e para onde foi entregue o material no caso de eventos adversos. 12

13 CONTROLE DE PROCESSOS Este tópico é bastante genérico como o próprio nome já diz, pois envolve os controles de todos os processos produtivos e de armazenamento e distribuição com regras gerais. Entretanto, é possível determinar aqui alguns processos cujo controle é obrigatório: controle de contaminação ambiental (temperatura, umidade, ar condicionado e suas respectivas limpezas e manutenções, iluminação e tudo mais que possa interferir na qualidade do produto ou operacional). A limpeza e sanitização das instalações também devem ser documentadas e ter uma frequência que seja o suficiente para manter limpas as instalações da empresa, especialmente as de fabricação e armazenamento de materiais. Um controle efetivo de pragas urbanas (insetos, roedores, etc) e limpeza de caixas d água devem ser colocados em prática e mantidos com periodicidade definida. Além disso, tudo o que for referente à saúde de pessoal, higiene, vestuário (uniformes, equipamentos de proteção individuais e coletivos, etc) deve ser monitorado e a empresa assegurar-se de que se encontram em condições adequadas. Os hábitos alimentares na sua organização devem ser em locais restritos (copa, refeitório) e os colaboradores devem estar cientes desses limites. A remoção de resíduos também merece destaque, recomendo aqui que sua empresa dê uma atenção especial ao Plano de Gerenciamento de Resíduos a ser elaborado e cuide para que o recomendado seja de fato mantido na prática. Atenção, quando houver a possibilidade de contaminação cruzada entre produtos ou áreas, a empresa deve assegurar-se com métodos eficazes de controle para prevenir a contaminação. Continuam nesta lista os demais produtos auxiliares de seu processo, entre estes todo e qualquer equipamento utilizado e sua manutenção preventiva, quando houver equipamentos com softwares instalados e forem utilizados na produção, estes deverão ser validados. Em paralelo e seguindo as legislações trabalhistas vigentes, recomenda-se que mantenham os Planos Médicos de Saúde Ocupacional (PCMSO) e Plano de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA) devidamente atualizados e em vigor. 13

14 INSPEÇÕES E TESTES Os fabricantes e distribuidores de produtos devem manter atividades de inspeções para assegurar que todos os requisitos sejam alcançados em distintas etapas: Recebimento Incluem-se aqui matérias-primas, materiais de embalagem e rotulagem, produtos acabados para distribuição, reagentes para controle de qualidade e outros itens necessários ao andamento de sua cadeia. Processo Seja uma produção ou distribuição, se houver algum ponto crítico de controle intermediário durante o andamento de seu processo, ele deverá ser controlado e registrado. Produto Final Todos os produtos, sejam eles fabricados ou não pela sua empresa, somente deverão ser comercializados após passarem por testes de aprovação que devem ser preferencialmente aprovados pelo Responsável Técnico da empresa. Todos os tipos de inspeção pelas quais passa o produto, até mesmo as visuais, devem ser registradas com critérios claramente estabelecidos, fazendo parte do seu registro histórico, que veremos a seguir. 14

15 PRODUTOS NÃO CONFORMES E AÇÕES CORRETIVAS Os produtos em fase de produção ou acabados, em sua primeira comercialização ou devolvidos, devem ser sempre inspecionados para que estejam em conformidade. Para que sua empresa possa garantir esse controle é necessário entender o que é uma não conformidade quando falamos em sistemas da qualidade. A não conformidade é quando um componente, material de fabricação ou produto acabado encontra-se fora de especificações, antes ou após a distribuição., Este é um conceito bastante voltado para Boas Práticas. Quando sua empresa envolver outros sistemas de qualidade em paralelo deverá ter em mente que uma não conformidade é o não atendimento a um requisito, seja ele um produto, um procedimento ou simplesmente um documento acordado com o cliente. É preferível adotar como base esse conceito mais amplo, pois o objetivo é monitorar esses problemas dentro da empresa e utilizá-los como uma ferramenta no processo de ações corretivas e de melhoria contínua. A sua empresa deve obrigatoriamente registrar todas as não conformidades que venham a ocorrer, tomando ações efetivas para que não sejam recorrente,s as quais chamamos de ações corretivas. Para que essas ações sejam possíveis, invista um tempo adequado para investigar os problemas com cautela para que sejam avaliados imparcialmente e com detalhes. Você se surpreenderá que, na maioria das vezes, a não conformidade foi gerada não por uma, mas por diversas causas reunidas. Não se esqueça de, enquanto a investigação estiver sendo feita no caso de produtos, segregá-lo para impedir a sua comercialização acidental. Além de registrar as ações corretivas, é primordial assegurar-se de que ela foi eficaz, ou seja, que funcionou e impediu ou impedirá que o problema ocorra novamente. Procure utilizar ferramentas da qualidade já consagradas pelo seu uso nos processos de investigação, registro de não conformidades e ações corretivas, elas funcionarão como um check list para auxiliá-lo. Recomendo aqui as mais simples e diretas que são o diagrama de causa e efeito e os cinco porquês. 15

16 REGISTRO DE RECLAMAÇÕES A partir do momento em que sua empresa inicia as atividades, já deve se preocupar com o atendimento pós-venda com clientes. Para as normas de Boas Práticas, o importante é que as reclamações sejam registradas, considera-se válido que as empresas aproveitem de todo o sistema de gestão implantado e promovam iniciativas que foquem a satisfação de seu cliente. As reclamações recebidas devem ser examinadas, investigadas e registradas como não conformidades quando aplicável. Se não for necessária uma investigação, a empresa ainda assim deve justificar a razão de não ter feito esse processo e autorizar isso expressamente. Avalie sempre as reclamações de forma imparcial, sem colocar-se na defensiva, escute o que o seu cliente tem a dizer e investigue calmamente, você se surpreenderá na busca de soluções simples e objetivas quando conseguir visualizar mais claramente o problema. Lembre-se, sempre que houver reclamações referentes a produtos, de que alguns dados são imprescindíveis para o seu registro: nome, data, números de controle utilizados, dados cadastrais do reclamante, causas, resultados da investigação, ações corretivas tomadas (quando aplicável), respostas ao reclamante. Mantenha um histórico de todas as conversas com o seu cliente por escrito, mantendo dessa forma um padrão na comunicação da sua empresa e evitando assim que dados se extraviem e ocorram falhas de interpretação, muito comuns nas comunicações verbais. Formalize uma pessoa ou unidade para cuidar de todas as reclamações e controle, responda a seu cliente mesmo que o problema relatado não tenha fundamento ou não seja passível de ações corretivas, você terá dessa forma uma empresa que se preocupa com a retenção desses clientes. Monitore as reclamações recebidas para que possa perceber em um gráfico de controle o aumento ou diminuição de determinados tipos queixas relatadas, correlacione-as com eventos realizados pela empresa, atividades promocionais, etc, assim terá uma boa visão do andamento de seus processos. 16

17 MANUSEIO, ARMAZENAMENTO E DISTRIBUIÇÃO Mantenha sempre instalações adequadas e condizentes com o tipo de produtos com os quais a empresa trabalha, preocupe-se com a organização de seus estoques e especialmente com o seu layout. O manuseio deve ser feito por pessoal capacitado, divulgue aos seus colaboradores o tipo de material com o qual estão trabalhando e cuidados específicos com ele, pois compreendendo o uso o controle fica mais fácil. Assegure-se de que os produtos estão corretamente identificados e que não correm o risco de serem invertidos, trocados ou deteriorados. Classifique as suas áreas de armazenamento, é importante que todos os envolvidos saibam que tipo de material está sendo colocado e seus cuidados específicos, procure utilizar técnicas de logística já consagradas tais como o endereçamento de produtos, PEPS (primeiro que entra primeiro que sai), por exemplo. A distribuição de materiais somente poderá ser efetuada após a sua aprovação e controle, certifique-se de que somente sejam distribuídos produtos devidamente inspecionados. Este tópico relaciona-se diretamente à rastreabilidade, sendo que sua empresa deve ser responsável até a entrega no cliente, por isso utilize ferramentas adequadas de controle de entrada e saída de materiais. Utilize transportadoras confiáveis e com licença sanitária apropriada ao tipo de produto que comercializa, evitando assim problemas de segurança com o seu material ou com a regulamentação da empresa. 17

18 ASSISTÊNCIA TÉCNICA E INSTALAÇÃO Se a sua empresa fabrica, importa ou distribui equipamentos da área da saúde, ela também é responsável pela assistência técnica (direta ou indireta) desses equipamentos. Nesse caso é importante manter um controle efetivo seu ou no poder de terceiros quanto a devoluções e consertos, especialmente aqueles que envolvam risco de segurança dos produtos comercializados. Todo equipamento deve ser corretamente instalado para obter a eficácia no uso e, para tal, as instruções detalhadas de operação ou mesmo a instalação inicial devem ser feitas sob a responsabilidade da empresa em questão. Quando a organização optar pela terceirização desses serviços, assegure-se de que os procedimentos sejam devidamente divulgados e compreendidos e faça um acompanhamento de perto com as assistências autorizadas. Quando houver o comércio de equipamentos que não necessitem de cuidados adicionais na instalação, certifique-se de que seu cliente recebeu todas as informações necessárias ao uso, tais como manual de instruções e instalação, tomando sempre um cuidado adicional com o prazo e formas de extensão da garantia. 18

19 EMBALAGEM E ROTULAGEM DE PRODUTOS As embalagens dos produtos devem ser adequadamente identificadas para protegê-los durante todas as fases de fabricação, recebimento, armazenamento e distribuição. Se a sua empresa é fabricante, assegure-se de que os produtos sejam dispostos em embalagens devidamente testadas e validadas para a finalidade, se sua empresa é importadora e/ou distribuidora certifique-se das embalagens de envio dos materiais. Em ambos os casos é importante ter uma especificação descrita das condições de armazenamento do material. Da mesma forma, os rótulos dos produtos devem estar íntegros e o seu armazenamento, físico ou eletrônico, deve ser acessado somente por pessoal autorizado. Cuidados adicionais no armazenamento de rótulos impressos precisam ser tomados. Os rótulos também precisam de uma especificação clara de seu conteúdo e identificação que permita a leitura fácil e direta dos principais dados do produto. Conforme a área de atuação, a legislação específica para o conteúdo dos rótulos deve ser consultada. Atenção, quando se tratar de produtos de elevado risco, os rótulos devem ser controlados muitas vezes com um número de controle como medida de segurança adicional. 19

20 REGISTRO MESTRE E REGISTRO HISTÓRICO Este tópico trata de assuntos comuns às normas de boas práticas, mas com nomenclatura diferenciada conforme a norma, exemplo, fórmula mestra e registro de produção, etc. Entretanto, independentemente da nomenclatura, os conceitos de registro mestre e histórico são comuns. O Registro Mestre precisa ser verificado e datado pelo responsável, devem fazer parte desse registro os dados que façam referência às especificações do produto em questão., Forneça informações sobre sua formulação (quando se tratar de fabricante), documentos da qualidade, métodos utilizados, assistência técnica, instalação, inclusive especificações de software quando aplicável. Todo documento necessário para obtenção do produto final precisa estar documentado com mais ou menos requisitos conforme a atividade da sua empresa. O Registro Histórico de produtos, como o nome já diz, consiste em vários registros que permitirão a rastreabilidade de toda a cadeia, seja ela importação, distribuição ou fabricação. Os documentos que fizerem parte desse processo até a concepção ou distribuição do produto final precisam ser mantidos. Atenção, para ambos os registros, eletrônicos ou físicos, assegure-se de que os documentos sejam mantidos de forma organizada, preferencialmente juntos, ou com acesso que permita sua localização imediata para consulta. Crie um sistema de indexação para facilitar. 20

21 TÉCNICAS DE ESTATÍSTICA Se a sua empresa realiza controle estatístico de processos, planos de amostragem ou outras ferramentas e técnicas estatísticas, inclusive aquelas utilizadas para monitoramento e melhoria contínua da gestão da qualidade, estas devem ser documentadas. Lembre-se de utilizar técnicas condizentes com o tipo de atividade e com o rigor necessário para que os processos estejam sob controle, utilize aquelas determinadas por normas válidas e ferramentas da qualidade já consagradas para esta finalidade. É muito comum preocupar-se com o processo produtivo em si, mas este tópico inclui também a monitoração de eventos tais como não conformidades com produtos, reclamações de clientes e até mesmo indicadores de desempenho. 21

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Boas Práticas de Fabricação de Saneantes e Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes Coordenação de Insumos Farmacêuticos, Saneantes e Cosméticos Gerência

Leia mais

CHECKLIST DA RDC 16/2013

CHECKLIST DA RDC 16/2013 CHECKLIST DA RDC 16/2013 Checklist para a RDC 16 de 2013 Página 2 de 10 Checklist 1. 2.1 Disposições gerais Existe um manual da qualidade na empresa? 2. Existe uma política da qualidade na empresa? 3.

Leia mais

RDC Nº 48, DE 25 DE OUTUBRO DE 2013

RDC Nº 48, DE 25 DE OUTUBRO DE 2013 RDC Nº 48, DE 25 DE OUTUBRO DE 2013 ITEM 10 DOCUMENTAÇÕES E REGISTROS Palestrante: Carlos Cezar Martins RDC Nº 48, DE 25 DE OUTUBRO Carlos Cezar Martins DE 2013 Farmacêutico com especialização em Qualidade

Leia mais

CURSOS PRESENCIAIS (Também podem ser ministrados in company)

CURSOS PRESENCIAIS (Também podem ser ministrados in company) 1 CURSOS PRESENCIAIS (Também podem ser ministrados in company) BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO BOAS PRÁTICAS DE LABORATÓRIO BOAS PRÁTICAS DE ARMAZENAMENTO, LOGÍSTICA E DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA RDC Nº 31, DE 23 DE MAIO DE 2013

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 448 DE 24 DE OUTUBRO DE 2006

RESOLUÇÃO Nº 448 DE 24 DE OUTUBRO DE 2006 RESOLUÇÃO Nº 448 DE 24 DE OUTUBRO DE 2006 1215 Ementa: Regula as atribuições do farmacêutico na indústria e importação de produtos para a saúde, respeitadas as atividades afins com outras profissões. O

Leia mais

RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 16, DE 28 DE MARÇO DE 2013

RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 16, DE 28 DE MARÇO DE 2013 RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 16, DE 28 DE MARÇO DE 2013 Aprova o Regulamento Técnico de Boas Práticas de Fabricação de Produtos Médicos e Produtos para Diagnóstico de Uso In Vitro e dá outras

Leia mais

MERCOSUL/XXXIX SGT Nº 11/COPROSAL/ P. RES. Nº /12

MERCOSUL/XXXIX SGT Nº 11/COPROSAL/ P. RES. Nº /12 MERCOSUL/XXXIX SGT Nº 11/COPROSAL/ P. RES. Nº /12 PROCEDIMENTOS COMUNS E CONTEÚDO MÍNIMO DE RELATÓRIOS DE INSPEÇÃO NOS ESTABELECIMENTOS FARMACÊUTICOS NOS ESTADOS PARTES (REVOGAÇÃO DA RES. GMC Nº 16/09)

Leia mais

SISTEMA DA QUALIDADE. Garantia da Qualidade Controle de Qualidade Rastreabilidade Não conformidade

SISTEMA DA QUALIDADE. Garantia da Qualidade Controle de Qualidade Rastreabilidade Não conformidade SISTEMA DA QUALIDADE Garantia da Qualidade Controle de Qualidade Rastreabilidade Não conformidade GARANTIA DA QUALIDADE Definição: Portaria 348/1997 RDC 48/2013 Todas as ações sistemáticas necessárias

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 16, DE 28 DE MARÇO DE 2013

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 16, DE 28 DE MARÇO DE 2013 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 16, DE 28 DE MARÇO DE 2013

Leia mais

Cosmetovigilância. Impacto na Inspeção. Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes. Maria do Carmo Lopes Severo - UINSC

Cosmetovigilância. Impacto na Inspeção. Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes. Maria do Carmo Lopes Severo - UINSC Cosmetovigilância Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes Roberto Wagner Barbirato Gerência Geral de Inspeção e Controle de Insumos, Medicamentos e Produtos - GGIMP Maria do Carmo Lopes Severo

Leia mais

TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Resoluções Nº 31/97 e 09/01 do Grupo Mercado Comum.

TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Resoluções Nº 31/97 e 09/01 do Grupo Mercado Comum. MERCOSUL/XXXVI SGT Nº11/P. RES. N /11 PROCEDIMENTOS COMUNS PARA AS INSPEÇÕES NOS FABRICANTES DE PRODUTOS MÉDICOS E PRODUTOS PARA DIAGNÓSTICO DE USO IN VITRO NOS ESTADOS PARTES (REVOGAÇÃO DAS RES. GMC Nº

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

ISO 17025 Versão 2005

ISO 17025 Versão 2005 1º Fórum Regional de Química - ES ISO 17025 Versão 2005 Rev. 14 Samuel Vieira JUN/2010 1 Terminologia e Siglas ABNT NBR ISO 9000:2000 Sistemas de gestão da qualidade Fundamentos e Vocabulário ABNT NBR

Leia mais

ROTEIRO PARA AUTO INSPEÇÃO

ROTEIRO PARA AUTO INSPEÇÃO Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Vigilância em Saúde Gerência de Produtos e Serviços de Interesse da Saúde Subgerência de Produtos Para a Saúde, Saneantes Domissanitários e Cosméticos Roteiro

Leia mais

PORTARIA N 40, DE 20 DE JANEIRO DE 1997

PORTARIA N 40, DE 20 DE JANEIRO DE 1997 PORTARIA N 40, DE 20 DE JANEIRO DE 1997 Dispõe sobre Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação DOU de 21/01/1997 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO, no uso da

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01 Sumário 1 Objetivo 2 Últimas Alterações 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão de qualidade 5 Responsabilidade da direção 6 Gestão de recursos 7 Realização do produto 8 Medição, análise e melhoria.

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC No- 22, DE 23 DE ABRIL DE 2013

RESOLUÇÃO - RDC No- 22, DE 23 DE ABRIL DE 2013 RESOLUÇÃO - RDC No- 22, DE 23 DE ABRIL DE 2013 Aprova os Procedimentos Comuns para as Inspeções nos Fabricantes de Produtos Médicos e Produtos para Diagnóstico de Uso in vitro nos Estados Partes, e dá

Leia mais

Treinamento ISO 9001:2008 e Selo de Qualificação ONA. Ubiara Marfinati Janeiro/2013

Treinamento ISO 9001:2008 e Selo de Qualificação ONA. Ubiara Marfinati Janeiro/2013 Treinamento ISO 9001:2008 e Selo de Qualificação ONA. Ubiara Marfinati Janeiro/2013 ISO 9001: 2008 Princípios Básicos 4.2 Controle de Documentos e Registros 5.2 Foco no Cliente 5.3 Política da Qualidade

Leia mais

DOCUMENTOS EXIGIDOS PARA EMISSÃO DO ALVARÁ SANITÁRIO. Área de Medicamentos e Produtos de Interesse à Saúde (AMPIS)

DOCUMENTOS EXIGIDOS PARA EMISSÃO DO ALVARÁ SANITÁRIO. Área de Medicamentos e Produtos de Interesse à Saúde (AMPIS) 1 DOCUMENTOS EXIGIDOS PARA EMISSÃO DO ALVARÁ SANITÁRIO Área de Medicamentos e Produtos de Interesse à Saúde (AMPIS) DROGARIAS (CONFORME LEI FEDERAL 5991/73, RESOLUÇÃO RDC ANVISA 44/09 E OUTRAS PERTINENTES)

Leia mais

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar MANUAL DO AVALIADOR Parte I 1.1 Liderança Profissional habilitado ou com capacitação compatível. Organograma formalizado, atualizado e disponível. Planejamento

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO. Portaria Nº 40, de 20 de janeiro de 1997

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO. Portaria Nº 40, de 20 de janeiro de 1997 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO Portaria Nº 40, de 20 de janeiro de 1997 DOU de 21/01/1997 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

Anvisa - Legislação - Portarias

Anvisa - Legislação - Portarias Page 1 of 18 Legislação Para verificar a atualização desta norma, como revogações ou alterações, acesse o Visalegis. Portaria nº 327/SNVS/MS, de 30 de julho de 1997 (DOU de 07/08/97) A Secretária de Vigilância

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO - RDC N 11, DE 16 DE FEVEREIRO DE 2012

DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO - RDC N 11, DE 16 DE FEVEREIRO DE 2012 DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO - RDC N 11, DE 16 DE FEVEREIRO DE 2012 Dispõe sobre o funcionamento de laboratórios analíticos que realizam análises em produtos sujeitos à Vigilância Sanitária e dá outras

Leia mais

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Revisão 02 Manual MN-01.00.00 Requisito Norma ISO 14.001 / OHSAS 18001 / ISO 9001 4.4.4 Página 1 de 14 Índice 1. Objetivo e Abrangência 2. Documentos Referenciados

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Boas Práticas de Fabricação de Cosméticos, Produtos de Higiene e Saneantes COORDENAÇÃO DE INSUMOS FARMACÊUTICOS, SANEANTES E COSMÉTICOS GERÊNCIA GERAL DE INSPEÇÃO

Leia mais

Legislação em Vigilância Sanitária

Legislação em Vigilância Sanitária Legislação em Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO - RDC Nº 59, DE 27 DE JUNHO DE 2000 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe confere o art. 11, inciso

Leia mais

WebSite da Vigilância Sanitária

WebSite da Vigilância Sanitária Página 1 de 5 SERVIÇOS MAIS ACESSADOS: Selecione um Serviço Página Principal Quem somos Regularize sua Empresa Roteiros Denúncias e Reclamações Vigilância e Fiscalização Sanitária em Indústrias de Alimentos

Leia mais

SGT Nº 11 SALUD / Comisión de Productos para la Salud / Grupo Ad Hoc Domisanitarios/ Acta Nº 01/09. UNIDO IV Documentos de Trabajo

SGT Nº 11 SALUD / Comisión de Productos para la Salud / Grupo Ad Hoc Domisanitarios/ Acta Nº 01/09. UNIDO IV Documentos de Trabajo SGT Nº 11 SALUD / Comisión de Productos para la Salud / Grupo Ad Hoc Domisanitarios/ Acta Nº 01/09 UNIDO IV Documentos de Trabajo Montevideo, 5 al 7 de octubre de 2009 ATUALIZAÇÃO DE BPF (RES. GMC Nº 56/96)

Leia mais

Inserir logo da VISA Estadual ou Municipal

Inserir logo da VISA Estadual ou Municipal RELATÓRIO DE INSPEÇÃO VERIFICAÇÃO DO ATENDIMENTO ÀS DISPOSIÇÕES DA RDC n 67/07 2ª ETAPA DO CURSO DE CAPACITAÇÃO DE INSPETORES PARA INSPEÇÃO EM FARMÁCIAS 1. IDENTIFICAÇÃO DA FARMÁCIA: 1.1. Razão Social:

Leia mais

O FOCO DA QUALIDADE NOS PROCESSOS DE TERCEIRIZAÇÃO

O FOCO DA QUALIDADE NOS PROCESSOS DE TERCEIRIZAÇÃO O FOCO DA QUALIDADE NOS PROCESSOS DE TERCEIRIZAÇÃO Grande parte das indústrias farmacêuticas, cosméticos e de veterinários, utilizam processos de terceirização, para otimizar suas produções, para casos

Leia mais

adota a seguinte Resolução de Diretoria Colegiada e eu, Diretor-Presidente, determino a sua publicação:

adota a seguinte Resolução de Diretoria Colegiada e eu, Diretor-Presidente, determino a sua publicação: Resolução - RDC nº 275, de 21 de outubro de 2002(*) Republicada no D.O.U de 06/11/2002 Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Procedimentos Operacionais Padronizados aplicados aos Estabelecimentos Produtores/Industrializadores

Leia mais

SELO ABRAIDI Programa de BPADPS

SELO ABRAIDI Programa de BPADPS SELO ABRAIDI Programa de BPADPS Reuniões: Julho a Agosto de 2010 Associação Brasileira de Importadores e Distribuidores de Implantes PAUTA * OBJETIVOS * ASPECTOS FUNDAMENTAIS * HISTÓRICO * SITUAÇÃO ATUAL

Leia mais

Anexo II INFORME PRÉVIO. FRACIONADORA DE insumos farmacêuticos. Nome da Empresa /RS, 20

Anexo II INFORME PRÉVIO. FRACIONADORA DE insumos farmacêuticos. Nome da Empresa /RS, 20 Anexo II INFORME PRÉVIO FRACIONADORA DE insumos farmacêuticos Nome da Empresa /RS, 20 NOTA: 1. Para fins de inspeção para verificação de cumprimento de boas práticas de fracionamento é imprescindível que

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná.

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná. ELABORADO POR: Carlos Eduardo Matias Enns MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVADO POR: Edson Luis Schoen 28/1/5 1 de 11 1. FINALIDADE A Saint Blanc Metalmecânica Ltda visa estabelecer as diretrizes básicas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ MOIRA CAROLINE COSTA ROSA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ MOIRA CAROLINE COSTA ROSA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ MOIRA CAROLINE COSTA ROSA COMPARATIVO ENTRE OS REQUISITOS DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO E AS NORMAS ISO :2008 E ISO :2004, APLICADO À INDÚSTRIA DE PRODUTOS PARA A SAÚDE

Leia mais

ISO 9000 ISO 9001:2008

ISO 9000 ISO 9001:2008 ISO 9001:2008 QUALIDADE II ISO 9000 A ISO 9000 - Qualidade é o nome genérico utilizado pela série de normas da família 9000 (ISO) que estabelece as diretrizes para implantação de Sistemas de Gestão da

Leia mais

ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PRODUTOS PARA SAÚDE. Coordenação de Inspeção de Produtos CPROD

ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PRODUTOS PARA SAÚDE. Coordenação de Inspeção de Produtos CPROD ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PRODUTOS PARA SAÚDE Coordenação de Inspeção de Produtos CPROD CONTEÚDO 1. Organograma 2. Quadro de pessoal 3. Atividades de rotina 4. Atividades no âmbito nacional 5. Atividades

Leia mais

DISTRIBUIDORA DE COSMÉTICOS

DISTRIBUIDORA DE COSMÉTICOS 1. Identificação do Estabelecimento Razão Social: Nome Fantasia: CNPJ: Endereço: Bairro: Município: CEP: Fone: Fax: E-mail: Responsável Legal: CPF: Responsável Técnico: CPF: CR : 2. Inspeção Data: Objetivo:

Leia mais

Diário Oficial da União Seção 1 DOU 26 de julho de 1999

Diário Oficial da União Seção 1 DOU 26 de julho de 1999 *Este texto não substitui o publicado do Diário Oficial da União* Diário Oficial da União Seção 1 DOU 26 de julho de 1999 Resolução Nº 329, de 22 de julho de 1999 Institui o Roteiro de Inspeção para transportadoras

Leia mais

Em Distribuidora de Medicamentos, Correlatos, Cosméticos e Saneantes Domissanitários.

Em Distribuidora de Medicamentos, Correlatos, Cosméticos e Saneantes Domissanitários. Em Distribuidora de Medicamentos, Correlatos, Cosméticos e Saneantes Domissanitários. Nº PROCESSO REQUERIMENTO RAZÃO SOCIAL IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO NOME DE FANTASIA NÚMERO DO CNPJ NÚMERO ÚLTIMO

Leia mais

Formalização do Funcionamento de. Nutrição. Profª. Mônica de Caldas Rosa dos Anjos

Formalização do Funcionamento de. Nutrição. Profª. Mônica de Caldas Rosa dos Anjos Formalização do Funcionamento de Unidades de Alimentação e Nutrição Profª. Mônica de Caldas Rosa dos Anjos A sobrevivência de agrupamentos humanos está diretamente relacionada à existência de objetivos

Leia mais

Apresentaçã. ção o da RDC nº n 11 de 16 de fevereiro de 2012. Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública abril de 2013 Curitiba - Paraná

Apresentaçã. ção o da RDC nº n 11 de 16 de fevereiro de 2012. Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública abril de 2013 Curitiba - Paraná Ministério da Saúde/ Diretoria de Coordenação e Articulação do Sistema Nacional - DSNVS Apresentaçã ção o da RDC nº n 11 de 16 de fevereiro de 2012 Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública abril

Leia mais

Workshop RDC 48 11. Pessoas & Treinamento

Workshop RDC 48 11. Pessoas & Treinamento Workshop RDC 48 Regulamento Técnico de Boas Práticas de Fabricação para 11. Pessoas & Treinamento 5. Saúde, 1. Considerações Gerais 2. Definições 3. Gestão da Qualidade 4. BPF Higiene, Vestuário e 6.

Leia mais

Anexo I INFORME PRÉVIO. Indústria de Medicamentos e/ou insumos farmacêuticos. Nome da Empresa /RS, 20

Anexo I INFORME PRÉVIO. Indústria de Medicamentos e/ou insumos farmacêuticos. Nome da Empresa /RS, 20 Anexo I INFORME PRÉVIO Indústria de Medicamentos e/ou insumos farmacêuticos Nome da Empresa /RS, 20 NOTA: 1. Este informe prévio deverá ser preenchido no que couber, por indústria fabricante de medicamentos

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA REUNIÃO COM ASSOCIAÇÕES DE PRODUTOS PARA SAÚDE Gerência-Geral de Inspeção Sanitária GGINP Brasília, 27 de maio de 2015 TÓPICOS A SEREM ABORDADOS POP-SNVS-017 sobre

Leia mais

RESOLUÇÃO N 24, DE 08 DE JUNHO DE 2015

RESOLUÇÃO N 24, DE 08 DE JUNHO DE 2015 RESOLUÇÃO N 24, DE 08 DE JUNHO DE 2015 Dispõe sobre recolhimento de alimentos e sua comunicação à Anvisa e aos consumidores. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das

Leia mais

Boas Práticas de Fabricação

Boas Práticas de Fabricação Embrapa Hortaliças II Encontro Nacional do Agronegócio Pimentas (Capsicum spp.) Boas Práticas de Fabricação Fernando Teixeira Silva Embrapa Agroindústria de Alimentos I- Introdução As Boas Práticas de

Leia mais

Saada Chequer Fernandez

Saada Chequer Fernandez Saada Chequer Fernandez Analista de Gestão em Saúde Coordenação da Qualidade CIQ/Direh/FIOCRUZ Gerenciamento da Qualidade em Laboratório de Anatomia Patológica VI Congresso Regional de Histotecnologia

Leia mais

RESOLUÇÃO-RDC Nº 32, DE 5 DE JULHO DE 2011

RESOLUÇÃO-RDC Nº 32, DE 5 DE JULHO DE 2011 RESOLUÇÃO-RDC Nº 32, DE 5 DE JULHO DE 2011 Legislações - ANVISA Qui, 07 de Julho de 2011 00:00 RESOLUÇÃO-RDC Nº 32, DE 5 DE JULHO DE 2011 Dispõe sobre os critérios técnicos para a concessão de Autorização

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

Perguntas Frequentes sobre liberação de processos ANVISA Pessoa Física

Perguntas Frequentes sobre liberação de processos ANVISA Pessoa Física Perguntas Frequentes sobre liberação de processos ANVISA Pessoa Física Prezado cliente, Este material foi criado com o objetivo de esclarecer todas as dúvidas que podem surgir a respeito da inspeção de

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS.

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS. RESOLUÇÃO.../SESA/PR O Secretário Estadual de Saúde, no uso de suas atribuições legais e: CONSIDERANDO a Portaria nº 326/1997/SVS/MS, a Resolução RDC nº275/2002, a Resolução RDC nº 216/2004, da ANVISA,

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC Nº 48, DE 25 DE OUTUBRO DE 2013

RESOLUÇÃO - RDC Nº 48, DE 25 DE OUTUBRO DE 2013 RESOLUÇÃO - RDC Nº 48, DE 25 DE OUTUBRO DE 2013 Aprova o Regulamento Técnico de Boas Práticas de Fabricação para Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes, e dá outras providências. A Diretoria

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Agência Nacional de Vigilância Sanitária Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Resolução - RDC nº 210, de 04 de agosto de 2003 D.O.U de 14/08/2003 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

Atualizada.: 25/07/2013 4 MÉDIA COMPLEXIDADE ANEXO 1 G- DISTRIBUIDORAS

Atualizada.: 25/07/2013 4 MÉDIA COMPLEXIDADE ANEXO 1 G- DISTRIBUIDORAS 4 MÉDIA COMPLEXIDADE ANEXO 1 G- DISTRIBUIDORAS Drogarias; Ervanária, posto de medicamento, dispensário de medicamentos; Distribuidora com fracionamento de cosmético, perfume, produtos de higiene; Distribuidora

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC Nº 47, DE 25 DE OUTUBRO DE 2013

RESOLUÇÃO - RDC Nº 47, DE 25 DE OUTUBRO DE 2013 RESOLUÇÃO - RDC Nº 47, DE 25 DE OUTUBRO DE 2013 Aprova o Regulamento Técnico de Boas Práticas de Fabricação para Produtos Saneantes, e dá outras providências. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional

Leia mais

QUINTA-FEIRA, 31 DE DEZEMBRO DE 1998 MINISTÉRIO DA SAÚDE - SECRETARIA DE VIGILÂNCIA SANIT... PORTARIA Nº 1.051, DE 29 DE DEZEMBRO DE 1998

QUINTA-FEIRA, 31 DE DEZEMBRO DE 1998 MINISTÉRIO DA SAÚDE - SECRETARIA DE VIGILÂNCIA SANIT... PORTARIA Nº 1.051, DE 29 DE DEZEMBRO DE 1998 QUINTA-FEIRA, 31 DE DEZEMBRO DE 1998 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA PORTARIA Nº 1.051, DE 29 DE DEZEMBRO DE 1998 CONSULTA PÚBLICA O Secretário de Vigilância Sanitária do Ministério

Leia mais

Reunião com Associações de Empresas de Produtos para Saúde

Reunião com Associações de Empresas de Produtos para Saúde Reunião com Associações de Empresas de Produtos para Saúde Atualização de Requisitos para Regularização de Produtos REGULAMENTO TÉCNICO DE PRODUTOS PARA CADASTRO DE PRODUTOS PARA SAÚDE RDC 40/2015 GEMAT

Leia mais

RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº. 249, DE 13 DE SETEMBRO DE 2005.

RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº. 249, DE 13 DE SETEMBRO DE 2005. RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº. 249, DE 13 DE SETEMBRO DE 2005. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe confere o art. 11, inciso IV,

Leia mais

RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13)

RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13) RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13) O SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE, usando da atribuição que lhe confere o Art. 45, Inciso XIV, da Lei Estadual nº 8.485

Leia mais

INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO

INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO NBR ISO 9001:2008 INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO 8 Princípios para gestão da qualidade Foco no cliente Liderança Envolvimento das pessoas Abordagem de processos Abordagem sistêmica para a gestão Melhoria

Leia mais

www.megacursos.com.br O QUE É ISO?

www.megacursos.com.br O QUE É ISO? 1 O QUE É ISO? ISO significa International Organization for Standardization (Organização Internacional de Normalização), seu objetivo é promover o desenvolvimento de normas, testes e certificação, com

Leia mais

TECNOLOGIA O QUE É O SEBRAETEC A QUEM SE DESTINA COMO PARTICIPAR SETORES ATENDIDOS VANTAGENS AÇÕES NÃO COBERTAS CONTATO

TECNOLOGIA O QUE É O SEBRAETEC A QUEM SE DESTINA COMO PARTICIPAR SETORES ATENDIDOS VANTAGENS AÇÕES NÃO COBERTAS CONTATO Um investimento indispensável para o crescimento da sua empresa. O Sebrae viabiliza serviços de consultoria prestados por uma rede de instituições/empresas detentoras de conhecimento tecnológico. Através

Leia mais

Resolução RDC nº 52/2009 - SERVIÇO CONTROLE DE PRAGAS (DEDETIZAÇÃO) - FUNCIONAMENTO - NOVAS REGRAS - ADEQUAÇÃO EM 180 DIAS

Resolução RDC nº 52/2009 - SERVIÇO CONTROLE DE PRAGAS (DEDETIZAÇÃO) - FUNCIONAMENTO - NOVAS REGRAS - ADEQUAÇÃO EM 180 DIAS Resolução RDC nº 52/2009 - SERVIÇO CONTROLE DE PRAGAS (DEDETIZAÇÃO) - FUNCIONAMENTO - NOVAS REGRAS - ADEQUAÇÃO EM 180 DIAS Resolução - RDC nº 52, de 22 de outubro de 2009 Dispõe sobre o funcionamento de

Leia mais

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades 1. DESCRIÇÕES DO CARGO - ESPECIALISTA EM DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIA NUCLEAR E DEFESA a) Descrição Sumária Geral Desenvolver, projetar, fabricar,

Leia mais

Entendendo o que é o Dossiê de Produtos

Entendendo o que é o Dossiê de Produtos Entendendo o que é o Dossiê de Produtos Alberto Keidi Kurebayashi Protocolo Consultoria Personal e Health Care Todas as empresas e profissionais que atuam no setor cosmético, sejam indústrias fabricantes

Leia mais

REVISÃO PSQ GERENCIAMENTO

REVISÃO PSQ GERENCIAMENTO 1 REVISÃO PSQ GERENCIAMENTO 2 1. CARACTERIZAÇÃO DO SETOR 1.1. Definição do Gerenciamento A definição do gerenciamento pode ser dada sob diversos enfoques, dentre os quais destacamos o texto escrito por

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? BUROCRACIA? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? BUROCRACIA? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE ISO? ITÁLIA CANADÁ ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL, NÃO GOVERNAMENTAL, QUE ELABORA NORMAS. FAZEM PARTE DA ISO ENTIDADES DE NORMALIZAÇÃO DE MAIS DE UMA CENTENA DE PAÍSES. JAPÃO EUA I S O INGLATERRA ALEMANHA BRASIL

Leia mais

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE ISO? ITÁLIA CANADÁ ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL, NÃO GOVERNAMENTAL, QUE ELABORA NORMAS. FAZEM PARTE DA ISO ENTIDADES DE NORMALIZAÇÃO DE MAIS DE UMA CENTENA DE PAÍSES. JAPÃO EUA I S O INGLATERRA ALEMANHA BRASIL

Leia mais

Programação para 2011

Programação para 2011 Visadoc Assessoria em Vigilância Sanitária e Regulatória Curso de Assuntos Regulatórios e Registro de Produtos - Aplicados à Vigilância Sanitária Por que participar? O Curso de Assuntos Regulatórios e

Leia mais

REFERENCIAL TÉCNICO. Insumos Uso Apropriado na Produção Orgânica

REFERENCIAL TÉCNICO. Insumos Uso Apropriado na Produção Orgânica na produção orgânica Aprovação: C. Página: 1/10 REFERENCIAL TÉCNICO Insumos Uso Apropriado na Produção Orgânica Este documento é de propriedade da ECOCERT. Toda reprodução integral ou parcial feita sem

Leia mais

Cirius Quality. A Consultoria que mais cresce no Brasil. Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP.

Cirius Quality. A Consultoria que mais cresce no Brasil. Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP. CQ Consultoria Cirius Quality e Treinamento 1º Edição Interpretação da NBR ISO 9001:2008 Cirius Quality Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP. CEP: 09980-150 i www.ciriusquality.com.br e contato@ciriusquality.com.br

Leia mais

CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE

CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE Maio de 2003 CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE Dia 12/05/2003 Certificação e homologação de produtos, serviços e empresas do setor aeroespacial,com enfoque na qualidade Dia 13/05/2003 ISO 9001:2000 Mapeamento

Leia mais

08/09/2011 GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK GESTÃO DE PROJETOS

08/09/2011 GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK GESTÃO DE PROJETOS GESTÃO DE PROJETOS Prof. Me. Luís Felipe Schilling "Escolha batalhas suficientemente grandes para importar, suficientemente pequenas para VENCER." Jonathan Kozol GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK 1 GERÊNCIA

Leia mais

Entidade Setorial Nacional Mantenedora

Entidade Setorial Nacional Mantenedora Entidade Setorial Nacional Mantenedora Associação Nacional da Indústria Cerâmica ANICER Santa Luzia, 651, 12º andar Centro - Rio de Janeiro / RJ Tel/Fax: (21) 2524-0128 Site: www.anicer.com.br E-mail:

Leia mais

NUTRIÇÃO ENTERAL HOSPITAL SÃO MARCOS. Heloisa Portela de Sá Nutricionista Clínica do Hospital São Marcos Especialista em Vigilância Sanitária

NUTRIÇÃO ENTERAL HOSPITAL SÃO MARCOS. Heloisa Portela de Sá Nutricionista Clínica do Hospital São Marcos Especialista em Vigilância Sanitária NUTRIÇÃO ENTERAL HOSPITAL SÃO MARCOS Heloisa Portela de Sá Nutricionista Clínica do Hospital São Marcos Especialista em Vigilância Sanitária Secretária Nutricionista Gerente Nutricionista Planejamento

Leia mais

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Sistema de Gestão do AR 2012 - ABIQUIM Responsible Care Management

Leia mais

Preparando a Implantação de um Sistema de Gestão da Qualidade

Preparando a Implantação de um Sistema de Gestão da Qualidade Preparando a Implantação de um Projeto Pró-Inova - InovaGusa Ana Júlia Ramos Pesquisadora em Metrologia e Qualidade e Especialista em Sistemas de Gestão da Qualidade 1. Gestão Gestão Atividades coordenadas

Leia mais

Sistema Nacional de Vigilância Sanitária PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Número: POP-O-SNVS-014

Sistema Nacional de Vigilância Sanitária PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Número: POP-O-SNVS-014 1/13 1. INTRODUÇÃO A garantia da segurança, eficácia e qualidade de produtos sujeitos a controle sanitário é uma preocupação constante dos serviços de vigilância sanitária. De forma a aperfeiçoar o monitoramento

Leia mais

Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento

Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento Web Site: www.simplessolucoes.com.br N786-1 ISO CD 9001 Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento N786-1 ISO CD 9001 para treinamento - Rev0 SUMÁRIO Página Introdução 4 0.1 Generalidades 4 0.2 Abordagem

Leia mais

Art. 3º As empresas produtoras ficam obrigadas a informar, em cada unidade produzida para a venda final:

Art. 3º As empresas produtoras ficam obrigadas a informar, em cada unidade produzida para a venda final: Portaria n.º 802, de 08 de outubro de 1998(*) D.O. 7/4/1999 O Secretário de Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde no uso das atribuições que lhe são conferidas pelos dispositivos legais vigentes:

Leia mais

Manual da Qualidade DATA 03/05/2011 MQ/02. Título. Elaborado: Eduardo Moreira Pinheiro

Manual da Qualidade DATA 03/05/2011 MQ/02. Título. Elaborado: Eduardo Moreira Pinheiro de Implantação: 00 55/ // 0033/ // 220011 11 Página 1 de 26 ÍNDICE- MANUAL DA QUALIDADE / RDC`N 59/2000 INDICE MANUAL DA QUALIDADE / RDC N 59/2000 1 I-INTRODUÇÃO 2 FOLHA DE APROVAÇÃO 3 II- HISTÓRICO DA

Leia mais

ISO 9001:2008. Alterações e Adições da nova versão

ISO 9001:2008. Alterações e Adições da nova versão ISO 9001:2008 Alterações e Adições da nova versão Notas sobe esta apresentação Esta apresentação contém as principais alterações e adições promovidas pela edição 2008 da norma de sistema de gestão mais

Leia mais

MEDICAMENTOS GUIA Nº 01/2015 Versão 1 GUIA PARA A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO SUMÁRIO DE VALIDAÇÃO DE PROCESSO DE FABRICAÇÃO DE MEDICAMENTOS

MEDICAMENTOS GUIA Nº 01/2015 Versão 1 GUIA PARA A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO SUMÁRIO DE VALIDAÇÃO DE PROCESSO DE FABRICAÇÃO DE MEDICAMENTOS MEDICAMENTOS GUIA Nº 01/2015 Versão 1 Agência Nacional de Vigilância Sanitária GUIA PARA A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO SUMÁRIO DE VALIDAÇÃO DE PROCESSO DE FABRICAÇÃO DE MEDICAMENTOS VIGENTE A PARTIR DE 09/10/2015

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC Nº. 176, DE 21 DE SETEMBRO DE 2006.

RESOLUÇÃO - RDC Nº. 176, DE 21 DE SETEMBRO DE 2006. RESOLUÇÃO - RDC Nº. 176, DE 21 DE SETEMBRO DE 2006. Aprova o Regulamento Técnico Contratação de Terceirização para Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional

Leia mais

2 NBR ISO 10005:1997. 1 Objetivo. 3 Definições. 2 Referência normativa

2 NBR ISO 10005:1997. 1 Objetivo. 3 Definições. 2 Referência normativa 2 NBR ISO 10005:1997 1 Objetivo 1.1 Esta Norma fornece diretrizes para auxiliar os fornecedores na preparação, análise crítica, aprovação e revisão de planos da qualidade. Ela pode ser utilizada em duas

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ/01

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ/01 MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ/01 ZANDEI INDÚSTRIA DE PLÁSTICOS LTDA 1/24 MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE CÓD: MQ/01 REV: 02 PÁG: 2 / 26 REGISTRO DE REVISÕES N Data Item Súmula Revisão

Leia mais

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD)

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD) 1/22 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Emissão do documento baseado nos requisitos da ISO 9001:2008 Vendas Gestão de Contratos Service Demais envolvidos na análise e aprovação Área / Processo Responsável

Leia mais

Capítulo 4: ISO 9001 e ISO 90003

Capítulo 4: ISO 9001 e ISO 90003 Capítulo 4: ISO 9001 e ISO 90003 Capítulo 1: Introdução Capítulo 2: Conceitos Básicos Capítulo 3: Qualidade de Produto (ISO9126) Capítulo 4: ISO9001 e ISO90003 Capítulo 5: CMMI Capítulo 6: PSP Capítulo

Leia mais

Perguntas Frequentes sobre processos de liberação ANVISA para Pessoa Jurídica

Perguntas Frequentes sobre processos de liberação ANVISA para Pessoa Jurídica Perguntas Frequentes sobre processos de liberação ANVISA para Pessoa Jurídica Prezado cliente, Este material foi criado com o objetivo esclarecer possíveis dúvidas a respeito da inspeção de remessas importadas

Leia mais

Elaboração do manual da qualidade: Experiência em uma indústria de produtos de limpeza

Elaboração do manual da qualidade: Experiência em uma indústria de produtos de limpeza Elaboração do manual da qualidade: Experiência em uma indústria de produtos de limpeza Elizangela Veloso elizangelaveloso@yahoo.com.br Carlos Antonio Pizo (UEM) capizo@uem.br Resumo A comercialização de

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais