Mudança reduziria o peso do setor informal na economia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mudança reduziria o peso do setor informal na economia"

Transcrição

1 NOTA O Superior Tribunal de Justiça decidiu a favor de um consumidor que teve o cartão de crédito furtado. Os ministros concluíram que a administradora não pode pôr no contrato cláusulas que estabeleçam a responsabilidade absoluta do cliente pelas despesas feitas no cartão furtado, até a comunicação do furto. A Justiça determinou que essas cláusulas são nulas, e tanto administradoras quanto vendedores têm obrigação de verificar a regularidade da compra com cartão. Com isso, eximiu o consumidor do pagamento de três compras. Mudança reduziria o peso do setor informal na economia O contribuinte brasileiro deseja a redução da carga tributária. Com o fim do processo eleitoral e a recondução de Lula ao cargo de presidente da República, o momento é propício para mudanças. De acordo com o presidente do Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT), Gilberto Luiz do Amaral, a ação só depende de vontade política. Não é necessária qualquer reforma tributária ou alteração da Constituição, afirma. Aliás, reforma tributária é uma expressão que provoca medo, já que todas as realizadas desde 1988 prejudicaram o contribuinte, diz. Segundo Amaral, o IOF e o IPI podem ser reduzidos por portaria e, outros, como PIS, Cofins e IR, por lei ordinária. É possível diminuir alíquotas de ICMS e de ISS por decreto. Entre as propostas que Amaral defende estão a exclusão do ICMS da base de cálculo do PIS e da Cofins e a redução da alíquota do ICMS. Os governadores poderiam reduzir 1% ao ano e, assim, o Executivo teria tempo para ir se adequando. As alíquotas médias do ICMS eram de 16% há cerca de dez anos, hoje estão em 21%. Poderia se voltar a esse patamar, defende. Com essas ações, os governos teriam ainda um ganho adicional: o combate à pirataria e ao contrabando. Medidas simples e eficazes contribuiriam para o desenvolvimento da indústria e o crescimento da economia, defende. O diretor-titular do Departamento Jurídico do Ciesp, Luis Galvão, defende a incidência de tributos sobre a renda, e não sobre a produção. O ICMS e o IPI são os mais injustos: pobres e ricos pagam o mesmo quando adquirem um produto, diz. O tributo deve ser progressivo e proporcional à capacidade contributiva, explica. Tributa-se máquinas e equipamentos, e o País não tem fôlego para crescer, diz o advogado Celecino Calixto dos Reis, do escritório Braga Nascimento e Zilio Antunes. O resultado das distorções do sistema é sentido por toda a sociedade. A contratação de empregados com carteira assinada implica pagamento de tantos impostos e contribuições que os empregadores só contratam quando isso for inevitável, constata Galvão. O ônus excessivo leva à formação de um universo de trabalhadores informais, sem qualquer apoio da Previdência, e de empresários informais, contribuindo para o agravamento da concorrência desleal. Medidas simples contribuiriam para o desenvolvimento da indústria Para a indústria, a atual carga tributária impede o desenvolvimento. Mas o problema não é só o tributo, mas o sistema tributário. Para Galvão, a grande quantidade de impostos e contribuições, a complexidade que envolve o pagamento e a falta de clareza nas leis e regulamentos tornam a vida dos contribuintes um mar revolto, cheio de rochedos, verdadeiras armadilhas a que ficam sujeitos. São 600 normas diárias sobre a matéria no País, segundo Calixto. O sistema é tão complicado que essas normas são necessárias para ajustes no dia-a-dia, diz. Na visão de Luis Galvão, a absoluta observância do sistema tributário tornou-se quase impossível, porque são tantas as implicações que raramente o contribuinte consegue superá-las. Além disso, o sistema obriga as empresas a manter um número elevado de funcionários só para tratar de tributos. Os reflexos da tributação nas empresas podem ser sentidos na renda, no patrimônio e no consumo. De acordo com estudo do IBPT, são necessários 145 dias de trabalho por ano apenas para pagar o governo. O resultado é um serviço ou produto brasileiro mais caro e maior dificuldade para o consumidor brasileiro adquiri-lo. Esse binômio corrói a capacidade de consumo, impede o desenvolvimento, reduz a geração de empregos, inibe o retorno do investimento. Com isso, o investidor deixa de colocar seu dinheiro no setor e aplica no mercado financeiro, onde a rentabilidade é mais palpável, diz Amaral. Como se vê, o empresário brasileiro tem tudo contra ele, afirma Galvão. É só olhar os números. O valor agregado é a riqueza gerada pela empresa. Ele abrange o pagamento de salários, juros, aluguéis, lucros, dividendos e outros tributos. O estudo do IBPT mostra que a média da tributação é de 45% do valor agregado. Para uma empresa obter riqueza líquida para pagar o que precisa tem de gerar 82% a mais daquele valor, explica Amaral. A riqueza líquida é o que faz a empresa funcionar, ou seja, é o valor agregado, excluídos os tributos. A cada R$ 100 de riqueza líquida, é preciso agregar R$ 82 de tributos. Quem compra um carro popular paga 27,1% de tributo. No caso do iogurte, são 24%. Se o sabonete custa R$ 1, quase metade (R$ 0,42) vai para o Fisco. O valor fica escondido, quando deveria ficar claro quanto se paga de tributo no momento da compra, como ocorre nos EUA. 2

2 Mudar regime de bens pode igualar direitos dos filhos Denise: troca não pode prejudicar terceiros O atual Código Civil, em vigor desde 2003, mudou bastante a sucessão patrimonial. Uma das alterações foi a inclusão do cônjuge, em alguns regimes, na lista de herdeiros necessários, ao lado dos herdeiros que tinham esta condição antes da nova lei, os descendentes e os ascendentes. O fato de o cônjuge sobrevivente receber o mesmo quinhão destinado a cada um dos filhos causou distorções, porque gerou a possibilidade de filhos de uniões anteriores terem direitos diferentes aos do casamento atual. Mas outra mudança trazida pelo Código é capaz de corrigir essa injustiça: a possibidade de mudar o regime de bens durante o casamento. Para a advogada Denise Zilio Antunes, do escritório Braga Nascimento e Zilio Antunes, a legislação não previu a realidade dos dias de hoje, em que é cada vez mais comum a existência de filhos de diferentes uniões. A diferença de patrimônio entre eles depois que o antecessor comum morre contraria a Constituição Federal, que proibiu qualquer espécie de discriminação entre os descendentes. Mas as distinções podem ser vistas fazendo uma simples conta. Suponhamos um pai que tenha dois filhos do casamento anterior e dois do atual. Ao morrer, deixa patrimônio de R$ 1 milhão. Se ele for casado em regime de comunhão parcial de bens, a mulher fica com metade. Os outros R$ 500 mil serão divididos entre os cinco herdeiros (os quatro filhos e a mulher), e cada um receberá R$ 100 mil. Nessa situação, a mulher totalizará R$ 600 mil. Quando ela morrer, cada um dos seus Comunhão parcial É o regime legal. Os bens adquiridos durante o casamento pertencem ao casal. Ficam excluídos os bens recebidos em doação e sucessão, as obrigações anteriores ao casamento e as provenientes de atos ilícitos (salvo se resultar em proveito para o casal), bens de uso pessoal, livros e instrumentos de profi ssão, proventos do trabalho de cada um e pensões, meios-soldos, montepios e outras rendas semelhantes. Comunhão universal Tanto os bens presentes quanto os futuros se comunicam entre o casal. Também Sentença não atinge o patrimônio atual, só os bens futuros dois filhos receberá metade de seu patrimônio, ou seja, mais R$ 300 mil. Resultado: os filhos do antigo casamento ficarão com aqueles primeiros R$ 100 mil, enquanto que os filhos da segunda união terão recebido R$ 400 mil. Para proteger os legítimos interesses dos filhos, casais têm recorrido à Justiça para mudar o regime de bens de comunhão total ou de comunhão parcial para separação total. Com isso, cada um fica com os bens que adquirir depois da sentença, podendo até doar para um filho, desde que tenha a concordância dos demais. Antes imutável, agora cônjuges podem fazer juntos um pedido judicial para a alteração do regime, explicando os motivos para a decisão. Para proferir a sentença, o juiz apura as razões alegadas pelos cônjuges e verifica se a mudança não prejudica direitos de terceiros. O casal tem de provar que não há ações correndo contra ele e, se houver, que há patrimônio suficiente para pagar. Isso é feito para que não haja fraude, explica a advogada. Assim, a lei evita que possa ser criada uma situação que prejudique outras pessoas. É o caso, por exemplo, de uma separação simulada em que um dos cônjuges, endividado, queira passar todos os seus bens para o outro. Regimes de bens são dos dois as dívidas anteriores ao casamento feitas para a sua realização ou que tenham revertido para proveito comum, e as dívidas posteriores à celebração. Separação total Nenhum bem se comunica entre o casal, cada um fi ca com os seus. Participação final nos aquestos Cada cônjuge tem o seu patrimônio e adquire o direito, na dissolução do casamento, à metade dos bens adquiridos pelo casal durante o casamento, a título oneroso (que tiveram custo, exclui as doações). NOTA A transferência de propriedade de um veículo sem comunicar à seguradora não a exime de pagar indenização em caso de furto. A decisão do Superior Tribunal de Justiça beneficiou a companhia que adquiriu um automóvel em uma empresa de carros e recebeu, logo após o furto, um documento do antigo proprietário transferindo os direitos do seguro. 3

3 Nina Gaspar: dinheiro funciona como garantia Empresa pode recuperar depósito recursal esquecido 4 NOTA O empregado que é membro do conselho fiscal de sindicato não tem direito à estabilidade provisória assegurada aos dirigentes sindicais. Essa foi a decisão da Seção Especializada em Dissídios Individuais 1 do Tribunal Superior do Trabalho, confirmando o entendimento do tribunal. Para a Justiça, o benefício se refere só a cargo de direção e representação sindical. É impressionante o número de empresas que esquecem de pedir de volta o depósito recursal, condição imposta à companhia, reclamada em processo trabalhista, para recorrer de uma decisão judicial. A informação é da advogada Nina Araújo Nogueira Gaspar, do escritório Braga Nascimento e Zilio Antunes, que aponta várias causas para o esquecimento desse dinheiro, como os anos que separam o momento em que se recorre de uma decisão de seu desfecho. Encerrado o litígio, sem mais possibilidade de recurso, a sensação para as partes é a de que não há mais nada a fazer. Na verdade, o conflito entre empregador e empregado acabou, mas resta uma quantia considerável, que pertence à empresa e pode ser recuperada. Veja a seguir a íntegra da entrevista que a advogada Nina Gaspar concedeu ao Conselheiro Legal. CL O que é o depósito recursal? NG O depósito recursal é uma garantia imposta ao empregador, o chamado reclamado, no processo trabalhista. Ele tem de fazer um depósito se for condenado pecuniariamente e quiser recorrer da sentença. A comprovação do depósito tem de ser feita dentro do prazo dado para recurso. Se ele não fizer o depósito e comprová-lo, o recurso não será apreciado. CL Qualquer reclamado é obrigado a fazer o depósito para poder recorrer da sentença? NG Há raras exceções. Ficam isentos tanto do depósito recursal quanto do pagamento das custas a União, os Estados, os municípios e suas respectivas autarquias e fundações que não explorem atividade econômica. O mesmo vale para a massa falida. Já as empresas públicas e as sociedades de economia mista que exploram atividade econômica não têm o mesmo benefício, porque seguem a legislação trabalhista. Portanto, não gozam de isenção. As empresas concordatárias e aquelas em liquidação extrajudicial também estão obrigadas a Como garante o pagamento, o depósito só pode ser levantado ao final do processo pagar normalmente as custas e têm de comprovar o depósito recursal. CL O trabalhador tem a mesma obrigação? NG Não, o trabalhador não tem de fazer o depósito recursal. O empregado só paga as custas do processo, porém, na maioria das vezes, o juiz o isenta desse pagamento. Também pode pedir o benefício da justiça gratuita, se não tiver condições de arcar com despesas como honorários periciais, editais, entre outras. CL Qual o motivo deste ônus imposto ao reclamado? NG A idéia é a de que o dinheiro funcione como uma garantia, uma caução para minimizar o risco de que o recurso seja apenas para protelar, ganhar tempo. CL Qual o valor do depósito? NG Em regra, é o valor da condenação. Por exemplo, se a decisão determinou que uma indústria pague R$ 3 mil para o empregado por horas extras, férias não pagas e outros direitos trabalhistas, a empresa tem de depositar esse mesmo valor para pedir que a sentença seja revista. Mas há um teto fixado pelo Tribunal Superior do Trabalho, que é de R$ 4.808,65 no caso de recurso ordinário e R$ 9.617, 29 para outros (recurso de revista, embargos e recurso extraordinário, além de recurso em ação rescisória). Características do depósito Objetivo é o empregador garantir que tem condições de pagar; Deve ser feito e comprovado dentro do prazo dado pela Justiça para a empresa recorrer; Sem o depósito, Justiça não aprecia recursos; Dinheiro depositado fi ca na conta do FGTS do trabalhador; Valor só pode ser levantado pela empresa; Depósito corresponde ao valor da condenação, respeitado o teto de R$ 4.808,65 para recurso ordinário e R$ 9.617,29 para outros tipos.

4 CL Estes valores não acabam inibindo muitas micro e pequenas empresas de recorrer? NG Na verdade, a inibição ocorre com certa freqüência. Presume-se que o empregador tenha esse dinheiro, mas, em muitos casos, a empresa não pode dispor deste montante sem comprometer seu funcionamento, o pagamento de funcionários e de seus fornecedores. Muitos não recorrem porque poderão ter de desembolsar duas vezes: uma no depósito recursal, que só será reembolsado ao final, depois de anos, e outra se ocorrer a penhora on line, que constitui o bloqueio da conta corrente da empresa até o montante necessário para pagar a dívida. CL Onde fica esse dinheiro? NG Na conta do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço do empregado. Por isso, muitas vezes ele é literalmente encontrado pelo empregado quando ele vê seu extrato. O valor aparece lá, identificado como depósito recursal. CL O empregado consegue sacá-lo? NG Não, mesmo nas hipóteses em que a lei permite o saque do FGTS o trabalhador não tem acesso ao valor do depósito recursal, porque este Comprovação do depósito é obrigatória Em decisão proferida em fevereiro, a Subseção de Dissídios Individuais - 1 (SDI - 1) do Tribunal Superior do Trabalho negou a apreciação do recurso da empresa por atraso na comprovação do depósito recursal. Apesar de ter feito o recolhimento dentro do prazo, a companhia não conseguiu obter a autenticação da guia do depósito, em virtude de greve na Caixa Econômica Federal. O argumento não foi aceito porque o ato de juntar o comprovante de pagamento independe do funcionamento das agências. Decisões proferidas dinheiro pertence à empresa. É ela que tem de pedir ao juiz o alvará para levantá-lo. CL Por que este dinheiro é esquecido? NG Justamente porque, em geral, ele foi feito muitos anos antes é comum o processo demorar mais de seis anos. Além disso, a empresa tem a sensação de que é um dinheiro pago ao Judiciário, mas se esquece que se trata apenas de uma garantia, uma caução. CL Quando o depósito pode ser levantado? NG Como ele é uma garantia, pode ser levantado só ao final, quando o processo acabou e não se pode mais recorrer. Existe a possibilidade de levantá-lo um pouco antes, se for feito um acordo, justamente para pagar as últimas parcelas deste acordo. CL Como a empresa pode saber se tem um saldo remanescente? NG Procure um advogado e peça para ele averiguar. O processo pode até estar arquivado, mas o advogado poderá pedir o desarquivamento e levantar o dinheiro, a qualquer tempo, já que ele pertence à empresa. Mentira sobre guia leva à condenação A Sexta Turma do Tribunal Superior do Trabalho acaba de condenar uma empresa por litigância de má-fé. A empregadora recorreu da decisão proferida em favor de seu ex-empregado, um engenheiro mecânico, e não fez o depósito recursal de R$ 6.970,05. A litigância de má-fé foi determinada porque a empresa afirmou em juízo haver um documento dentro do processo que não existia - o comprovante do depósito. Os ministros a condenaram a pagar multa de 1% e indenização de 20% sobre o valor atualizado da causa. NOTA O trabalhador que deixou a empresa em caso de rescisão por aviso prévio ou por adesão a plano de demissão voluntária pode se arrepender e fazer um acordo para voltar atrás dentro do período correspondente ao aviso, mas isso só gera efeitos se a outra parte concordar. Com este entendimento, o Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo negou o pedido de um pintor que pretendia voltar à empresa de bicicletas em que trabalhava. Ele foi demitido e fez um acordo para receber R$ 30 mil (cerca de 50 vezes o valor de seu salário), mas depois alegou que foi coagido a se conciliar com a empresa. Este informativo é publicado com o apoio da ABIHPEC (Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos) Av. Paulista, 1313, cjto 1080 Bela Vista São Paulo SP CEP Tel.: Fax Assessoria de imprensa para contato: 5

5 NOTA 6 O valor correspondente a diárias e ajuda de custo, recebido mensalmente pelo empregado, integra o salário para todos os efeitos reflete no cálculo do 13º e férias, por exemplo. No caso em que essa decisão foi proferida, pelo Tribunal Regional do Trabalho de Minas Gerais, ficou provado que o trabalhador não prestava contas sobre a utilização do dinheiro. O tribunal também verificou que o montante ultrapassava 50% de seu salário-base e, portanto, não poderia ser enquadrado na exceção do parágrafo 2º do art. 457 da Consolidação das Leis do Trabalho. Essa norma admite a não inclusão destas verbas no salário quando elas não excederem aquele porcentual. Quitação de ICMS atrasado garante juros e multa menores A empresa que está com o Imposto de Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) atrasado deve avaliar a possibilidade de aderir ao Programa Especial de Pagamento de Débitos Fiscais do ICMS, que acaba de ser regulado no Estado de São Paulo. Tratase de um programa de anistia, válido para débitos até 31 de dezembro de 2005, que garante dois benefícios: redução dos juros e da multa. E vale a pena aderir em qualquer caso? Para o advogado Celecino Calixto dos Reis, do escritório Braga Nascimento e Zilio Antunes, não vale naqueles em que o contribuinte está discutindo em juízo, ou mesmo administrativamente, e tem chances reais de sair vitorioso por exemplo, se o tributo já foi pago, ou se é indevido, situações que podem ser analisadas por um advogado tributarista. Nestas hipóteses, o melhor é continuar discutindo, porque a anistia não atinge o principal, a dívida em si, o valor original da dívida, apenas os juros e a multa, e o contribuinte pode obter uma decisão que o isente do pagamento total. Já para quem deve o imposto e sabe que não tem chance de reverter a cobrança é A nota fiscal eletrônica (NF-e) entra em nova fase. Acabada a primeira etapa em que 19 empresas participaram de um projeto piloto, a Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo, integrada ao projeto nacional da NF-e, abre vagas para 50 novas companhias que queiram começar a emitir o documento. De acordo com o coordenador-adjunto de Administração Fazendária do Estado de São Paulo, Adriano Queiroga, qualquer empresa que emita notas fiscais de ICMS, modelos 1 e 1A, poderá se credenciar. Se houver mais interessados do que vagas, a Fazenda fará uma seleção com base em critérios como número de notas emitidas e se a empresa já se relaciona com outra que participa do projeto piloto. É importante lembrar que a implantação do sistema gera despesas com tecnologia. As empresas que participaram do piloto gastaram entre R$ 300 mil e R$ 3 milhões, mas Quem pagar antes terá desconto maior; programa vai até 22 de dezembro recomendável aderir ao programa, afirma Calixto dos Reis. A dívida tributária só complica o cotidiano da empresa e o pagamento pode representar um benefício de até 34%. Isso porque quando o tributo não é pago, ele se torna uma despesa. Nessa condição, é dedutível da base de cálculo do Imposto de Renda e da contribuição social, se a empresa estiver no regime de lucro real, o que representa um benefício aproximado de 34% (25% do IR e 9% da contribuição). O abatimento dos juros é sempre o mesmo, de 50%, mas o da multa é decrescente quem pagar antes, tem um desconto maior. Quem recolheu até 31 de outubro, obteve redução da multa em 90%, mas até o fim do ano ainda dá tempo de ter um desconto significativo. Quem pagar até 30 de novembro poderá fazê-lo com desconto de 80% na multa, e até 22 de dezembro, com abatimento de 70%. Atenção, o prazo final é 22 de dezembro, não 31, como poderia se pensar. As condições e regras do programa foram definidas pela Lei nº /2006 e pela Resolução Conjunta nº 03/2006 da Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo. Governo abre inscrição para nota eletrônica se estima que, agora, a despesa será consideravelmente menor, porque parte da documentação obtida com a experiência poderá ser aproveitada. Para Queiroga, as empresas que emitem um grande número de notas fiscais deverão ser as maiores interessadas em aderir, pois a troca para a nota fiscal eletrônica representará uma grande economia em aquisição de papel, impressão, tratamento interno. Segundo o agente fiscal de rendas que integra a equipe do projeto da NF-e em São Paulo Marcelo Luiz Alves Fernandez, as credenciadas terão prazo até 2 de abril de 2007 para começar a emitir a NF-e. Este é o prazo inicial, mas não será preciso substituir todas as operações, a empresa poderá indicar as que farão uso da NF-e, explica Fernandez. O prazo para credenciamento vai até o dia 16 de novembro e as informações podem ser obtidas no site clicando no ícone da NFe. No mesmo dia 16, Ciesp e Sescon promovem um evento, com palestra de representantes da Fazenda paulista. Ele será no Ciesp e outros dados podem ser obtidos pelo

6 Supersimples: sistema torna mais fácil controle da Receita Os micro e o pequenos empresários podem ter poucas mudanças com a nova legislação que está para ser aprovada no Senado. Apesar de ser aguardado como uma importante ferramenta para estimular este segmento, o novo sistema de tributação conhecido como Supersimples, que unifica oito tributos, tem sido alvo de críticas mesmo antes de sair do papel. O próprio Ciesp, em parceria com o Sindicato das Empresas de Contabilidade de São Paulo (Sescon-SP), fez várias propostas para aperfeiçoar o projeto de lei, parte delas acatada. Segundo a advogada Denise Lima, do Departamento Jurídico do Ciesp, o projeto não simplifica o dia-a-dia das empresas. O sistema torna mais fácil o controle pela Receita, mas o empresário continuará a ter bastante trabalho para acertar suas contas com o Fisco, afirma. O Supersimples mantém a obrigatoridade de entrega da Relação Anual de Informações Sociais (Rais), documento de coleta de dados importante para o Ministério do Trabalho. Embora tenha o mérito de unificar tributos das três esferas - federal, estadual e municipal -, o sistema exclui o ICMS e o ISS em vários casos. Entre os pontos mais criticados está a manutenção do teto para enquadramento - faturamento de até R$ 240 mil para as micro e de até R$ 2,4 milhões para as pequenas empresas. A proposta das entidades era aumentar o limite para R$ 480 mil e R$ 3,6 milhões, respectivamente, o que não foi aprovado. Ciesp e Sescon defenderam a adoção de um mecanismo de reajuste de faixa, o que também não ocorreu. Pior: o governo manteve as faixas e criou novas alíquotas, consolidando uma situação injusta. Quando sentir necessidade de aumentar, os contribuintes terão de Nova lei fica muito aquém das expectativas do micro e pequeno empresário brigar no Comitê Gestor de Tributação, composto só por representantes do Estado, afirma o assessor da Presidência do Sescon, José Constantino de Bastos Júnior. Pretendíamos uma alíquota de 8,6% para um faturamento de até R$ 3,6 milhões, por exemplo, mas o projeto estabeleceu um limite menor de receita, de R$ 2,4 milhões, com uma alíquota maior, de 12,6%, diz. Segundo o assessor, o teto de faturamento é apenas uma das muitas limitações que o projeto apresenta. O regime tem restrições quanto a atividades, tipos societários e até ao fato de existir débito tributário. Há uma grande lista de impedimentos, que constam dos artigos 3º e seguintes e do art. 17 do projeto. O Simples começou em 1997 e criou uma expectativa de que se tornasse universal, diz o representante do Sescon. Mas, o que ocorreu é que ele continua restrito, abrangendo indústria e comércio e aberto a pequena parte dos serviços. Muitas atividades continuam fora e as que entram têm condições desfavoráveis, com alíquotas maiores, contesta. As empresas que já estão no regime do Simples federal serão inscritas automaticamente no Supersimples. O mesmo não vai ocorrer com aquelas que estão no Simples Estadual, que terão de fazer essa opção. O projeto já foi aprovado pela Câmara dos Deputados e agora espera votação no Senado. Ele está na pauta de votação do dia sete de novembro, mas não é possível ter certeza de que será apreciado nessa data. O mais provável é que sofra modificação e tenha de voltar à Câmara. Se aprovado sem modificações, irá para sanção presidencial, possivelmente até o fim do ano, para vigorar a partir de Denise Lima: vida do empresário continua difícil ANUNCIE Anuncie no Conselheiro Legal Quer visibilidade frente a milhares de indústrias? Anuncie aqui. Contato com Gabriela, pelo telefone (11) ou pelo 7

7 Ciesp denunciará área de navegação NOTA O responsável pela consultoria jurídica cível, comercial e tributária da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq), Nivaldo Nogueira, elogiou a reunião realizada pelo Ciesp para discutir a MP 303, que trata de parcelamento de tributos e contribuições federais. Ele criticou o fato de a MP conter exigências que praticamente engessam o contribuinte. Se atrasar o pagamento de tributos vincendos, ainda que só uma vez, a empresa sofrerá uma execução e nada poderá fazer, lamentou. Nogueira lembra que é preciso analisar as armadilhas contidas na MP, conforme título da reportagem publicada pelo. 8 O Ciesp está preparando uma representação à Secretaria de Direito Econômico (SDE) em que denuncia a prática de cartel no frete marítimo. A entidade vem acompanhando a situação das indústrias que vendem seus produtos no mercado externo e, constantemente, são surpreendidas por comunicados de aumentos de preços das companhias de navegação. A elevação, em geral, é feita ao mesmo tempo pelos maiores armadores, o que pode configurar cartelização. Outro problema identificado pelo Ciesp: os contratos realizados pelas empresas de navegação não fixam com clareza as regras e as condições em que um reajuste poderá ser cobrado. A prática das companhias é enviar um fax às indústrias comunicando o aumento do frete, que, em muitos casos, chega a 25% do valor inicialmente acertado. Depois de a imprensa divulgar a intenção do Ciesp de promover a representação, diretores de uma das quatro maiores companhias de navegação do mundo, a Hamburg Süd, procuraram a entidade. Durante o encontro, os executivos da empresa explicaram os motivos que levaram a Hamburg a reajustar recentemente seus preços. Os representantes do Ciesp, o diretor-titular do Departamento de Comércio Exterior, Parceria viabiliza cursos em São Caetano do Sul A parceria com o Ciesp de São Paulo está proporcionando ao associado de São Caetano do Sul a possibilidade de participar de cursos sem sair da região. Antes restritos à Capital, agora as regionais de São Caetano do Sul e de São Bernardo já contam com uma ampla grade, programada para atender a todos os setores das indústrias. Para o diretor-titular da Diretoria Regional do Ciesp de São Caetano do Sul, Claudio Musumeci, o trabalho conjunto viabiliza a iniciativa que antes era difícil de custear. O objetivo é trazer o associado mais para perto, e até atrair novos. As micro Cursos Novembro Desenvolvimento de vendedores externos De 6 a 10 de novembro das 19 às 22 horas FMEA - Análise dos modos e efeitos das falhas De 6 a 10 de novembro das 19 às 22 horas TPM - Manutenção produtiva total De 6 a 10 de novembro das 19 às 22 horas Escrituração fiscal - Faturamento básico De 6 a 10 de novembro das 18 às 22 horas Legislação e rescisões trabalhistas De 6 a 10 de novembro das 19 às 22 horas Custos Técnicas, implantação e análise Dias 13, 14, 16 e 17 de novembro das 18 às 22 horas Administração de crédito e cobrança Dias 13, 14, 16 e 17 de novembro das 18 às 22 horas Básico de vendas - O A, B, C da venda! De 21 a 27 de novembro das 18 às 22 horas Cronoanálise - Entendendo a fábrica De 21 a 24 de novembro das 18 às 22 horas Kaizen - Melhoria contínua De 21 a 24 de novembro das 18 às 22 horas Planejamento tributário De 27 de novembro a 1º de dezembro das 19 às 22 horas Como desenvolver alto padrão em vendas De 27 de novembro a 1º de dezembro das 19 às 22 horas Gestão estratégica de capital de giro De 27 de novembro a 1º de dezembro das 19 às 22 horas Humberto Barbato, e o diretor-titular do Departamento Jurídico, Luis Galvão, não aceitaram o argumento, segundo o qual os aumentos só incidiriam sobre contratos vencidos, até porque o maior problema é que a imensa maioria das empresas exportadoras não tem contrato firmado. Sem consenso, uma nova reunião, mais ampla, foi marcada para o dia 27 de outubro e contou com a participação dos associados do Ciesp. A companhia negou a prática de cartel, disse estar tendo prejuízo e informou que os reajustes eram provocados pelo aumento de custos causados por uma infra-estrutura portuária precária. Os mais de cem representantes das indústrias que participaram do encontro disseram que as empresas não poderiam arcar com a majoração. Explicaram não ter como repassar custos para os produtos vendidos no exterior e propuseram até mesmo assimilar parte do reajuste. A empresa de navegação refutou a idéia. Diante da impossibilidade de acordo, o Ciesp resolveu entrar com uma representação contra os principais armadores. De acordo com Luis Galvão, a instituição está coletando informações que serão usadas na formulação da representação. e pequenas empresas, muitas vezes, acreditam que não precisam da assessoria prestada pelo Ciesp, mas é justamente o contrário, afirma Musumeci. Entre os cursos já programados para novembro estão os de Comunicação e Resolução de Confl itos, Modernas Técnicas de Formação de Preços e Lucros e Formação e Desenvolvimento Gerencial. Para consultar a grade completa dos cursos da Capital e das regionais, é só acessar o site do Ciesp: Outras informações podem ser obtidas no Departamento da Micro e Pequena Indústria (Dempi), pelo telefone

8 CONSELHEIRO LEGAL PUBLICAÇÃO DO DEPARTAMENTO JURÍDICO DO CENTRO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO Ano 2 - NÀ 14 Novembro de 2006 Sociedade deve pressionar por redução de carga tributária CONSELHEIRO LEGAL Publicação do Departamento Jurídico do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp) Av. Paulista, 1.313, 13º andar, São Paulo, SP Tel.: (11) TPT Comunicações Rua Tabapuã, 422, 5º andar, São Paulo, SP CEP: Tel: Fax: Colaboração: Braga Nascimento e Zilio Antunes Advogados Associados Tel: Jornalista responsável: Antonio Gaspar Reportagem: Adriana Gordon Edição de arte: Marcos Magno Fotos: Juan Guerra Tiragem: exemplares O Ciesp defende uma reforma tributária que contemple dois objetivos básicos: redução de tributos e simplificação do sistema. A questão, entretanto, tem sido vista com pessimismo pela forma politizada como vem sendo tratada. Todas as mudanças feitas desde a Constituição Federal de 1988 foram no sentido contrário ao desejado. Desde então, houve 12 reformas constitucionais em matéria tributária. Todas agravaram a situação do contribuinte, penalizaram o setor produtivo e beneficiaram apenas o Estado, afirma o presidente do Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT), Gilberto Luiz do Amaral. Em 2004, por exemplo, a reforma foi feita para se criar o Programa de Integração Social (PIS) e a Contribuição para Financiamento da Seguridade Social (Cofins) sobre importação. Desde a última Constituição, foram criados novos tributos, como Cofins, Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) e Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide). A arrecadação registra seguidos recordes e deve bater mais um no fim Recupere os recursos provenientes do depósito recursal Galvão: redução aumenta a arrecadação Pagamento de ICMS atrasado pode ser feito do ano, ultrapassando R$ 810 bilhões, volume superior a 38,5% do PIB. Para o diretor-titular do Departamento Jurídico do Ciesp, Luis Galvão, o governo parece não enxergar que a redução da carga tributária não implica, necessariamente, diminuição da arrecadação. Muito pelo contrário. Nas experiências que tivemos com a Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (Abihpec) e o Sindicato da Indústria de Perfumaria e Artigos de Toucador no Estado de São Paulo (Sipatesp) obtivemos a comprovação de que a redução de impostos pode aumentar a arrecadação, o que ocorreu quando houve corte no Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), diz. A diminuição da carga tributária faz com que os negócios aumentem. O poder público deveria ver que é muito mais vantajoso cobrar pouco de muitos do que muito de poucos, como faz hoje, explica o diretor-titular do Departamento Jurídico. Leia mais na pág. 2 Saiba o que vale em regime de bens e como proteger os filhos O que é verdadeiramente imoral é ter desistido de si mesmo. Clarice Lispector

Lei 12.865 reabre Refis da crise e institui novos programas /ROTEIRO E CONDIÇÕES PARA ADESÃO

Lei 12.865 reabre Refis da crise e institui novos programas /ROTEIRO E CONDIÇÕES PARA ADESÃO GESTÃO TRIBUTÁRIA NOTÍCIAS - 2013 Lei 12.865 reabre Refis da crise e institui novos programas /ROTEIRO E CONDIÇÕES PARA ADESÃO A presidente Dilma Rousseff sancionou o projeto de lei de conversão resultante

Leia mais

1 Informações diversas Câmara aprova ampliação de parcelamento do Refis da crise O plenário da Câmara aprovou na noite desta quarta-feira (21) a medida provisória que amplia o parcelamento de débitos tributários,

Leia mais

IMPOSTOS SOBRE VENDAS! ICMS, PIS/COFINS, ISS e IPI! O que fazer com a CPMF?! As alterações da legislação tributária no cálculo da COFINS ASSOCIADOS

IMPOSTOS SOBRE VENDAS! ICMS, PIS/COFINS, ISS e IPI! O que fazer com a CPMF?! As alterações da legislação tributária no cálculo da COFINS ASSOCIADOS UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 46 IMPOSTOS SOBRE VENDAS! ICMS, PIS/COFINS, ISS e IPI! O que fazer com a CPMF?! As alterações da legislação tributária no cálculo da COFINS Dr. João Inácio Correia (advcor@mandic.com.br)

Leia mais

Email enviado em 09/09/2015 pedindo a presidente Dilma Rousseff pedindo mudanças no REDOM

Email enviado em 09/09/2015 pedindo a presidente Dilma Rousseff pedindo mudanças no REDOM Email enviado em 09/09/2015 pedindo a presidente Dilma Rousseff pedindo mudanças no De: Mario Avelino [mailto:marioavelino@domesticalegal.org.br] Enviada em: quarta-feira, 9 de setembro de 2015 23:50 Para:

Leia mais

INFORMATIVO JURÍDICO

INFORMATIVO JURÍDICO 1 ROSENTHAL E SARFATIS METTA ADVOGADOS INFORMATIVO JURÍDICO NÚMERO 5, ANO III MAIO DE 2011 1 ESTADO NÃO PODE RECUSAR CRÉDITOS DE ICMS DECORRENTES DE INCENTIVOS FISCAIS Fiscos Estaduais não podem autuar

Leia mais

EMPREENDEDOR INDIVIDUAL

EMPREENDEDOR INDIVIDUAL EMPREENDEDOR INDIVIDUAL Oportunidade de regularização para os empreendedores individuais, desde a vendedora de cosméticos, da carrocinha de cachorro-quente ao pipoqueiro. 2 Empresas em geral Microempresas

Leia mais

SIMPLES NACIONAL 1. NOÇÕES GERAIS

SIMPLES NACIONAL 1. NOÇÕES GERAIS SIMPLES NACIONAL 1. NOÇÕES GERAIS SIMPLES NACIONAL 1.1. O que é O Simples Nacional é um regime tributário diferenciado, simplificado e favorecido previsto na Lei Complementar nº 123, de 2006, aplicável

Leia mais

A Sombra do Imposto. Propostas para um sistema de impostos mais simples e justo Simplifica Já

A Sombra do Imposto. Propostas para um sistema de impostos mais simples e justo Simplifica Já A Sombra do Imposto Propostas para um sistema de impostos mais simples e justo Simplifica Já Expediente A Sombra do Imposto Cartilha produzida pelo Sistema Fiep (Federação das Indústrias do Estado do Paraná).

Leia mais

Orientações sobre Micro Empreendedor Individual

Orientações sobre Micro Empreendedor Individual Orientações sobre Micro Empreendedor Individual Micro Empreendedor individual Definição Microempreendedor Individual (MEI) é a pessoa que trabalha por conta própria e que se legaliza como pequeno empresário.

Leia mais

Tributos em orçamentos

Tributos em orçamentos Tributos em orçamentos Autores: Camila de Carvalho Roldão Natália Garcia Figueiredo Resumo O orçamento é um dos serviços mais importantes a serem realizados antes de se iniciar um projeto. É através dele

Leia mais

PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE E CLÍNICAS

PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE E CLÍNICAS PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE E CLÍNICAS IR? COFINS?? INSS? PIS SUMÁRIO 1 Introdução 3 2 Planejamento 5 3 Simples Nacional com a inclusão de novas categorias desde 01-2015 8 4 Lucro

Leia mais

Regime Tributário Unificado e Simplificado

Regime Tributário Unificado e Simplificado SUPER SIMPLES, uma abordagem para escolas de idiomas A partir de 1/7/07, estará em funcionamento o regime único de tributação, instituído pela Lei Complementar nº123, conhecida também como Super Simples

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 924, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2009

RESOLUÇÃO Nº 924, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2009 RESOLUÇÃO Nº 924, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2009 Institui o Programa de Parcelamento de Débitos Fiscais no âmbito do Sistema CFMV/ CRMVs, destinado à regularização de débitos de anuidades, multas, taxas, emolumentos

Leia mais

Conselho Temático Permanente da Micro e Pequena Empresa O Simples Nacional e o ICMS

Conselho Temático Permanente da Micro e Pequena Empresa O Simples Nacional e o ICMS Conselho Temático Permanente da Micro e Pequena Empresa O Simples Nacional e o ICMS Unidade de Pesquisa, Avaliação e Desenvolvimento Unidade de Política Econômica O Simples Nacional e o ICMS* Adesão ao

Leia mais

FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009

FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009 FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009 RELATÓRIO DE PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO: UM ESTUDO DE CASO EM EMPRESA QUE ATUA NO RAMO DE SITUADA NO MUNICÍPIO DE

Leia mais

Professor Alex Sandro.

Professor Alex Sandro. 1 (OAB 2009-3 CESPE Q. 58) Considere que João e Marcos tenham deliberado pela constituição de sociedade limitada, com atuação no segmento de transporte de cargas e passageiros na América do Sul. Nessa

Leia mais

06) Precisa atender o princípio da noventena: 01) Qual ente é destituído de poder para instituir tributo?

06) Precisa atender o princípio da noventena: 01) Qual ente é destituído de poder para instituir tributo? 01) Qual ente é destituído de poder para instituir tributo? a) União b) Estado c) Território Federal d) Distrito Federal 02) Qual diploma normativo é apto para estabelecer normas gerais em matéria de legislação

Leia mais

LEI N 12.973/14 (CONVERSÃO DA MP N 627/13) ALTERAÇÕES RELEVANTES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA FEDERAL

LEI N 12.973/14 (CONVERSÃO DA MP N 627/13) ALTERAÇÕES RELEVANTES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA FEDERAL LEI N 12.973/14 (CONVERSÃO DA MP N 627/13) ALTERAÇÕES RELEVANTES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA FEDERAL A Lei n 12.973/14, conversão da Medida Provisória n 627/13, traz importantes alterações à legislação tributária

Leia mais

Simples Nacional e o Planejamento Tributário RESUMO

Simples Nacional e o Planejamento Tributário RESUMO 1 Simples Nacional e o Planejamento Tributário Marcos A. Nazário De Oliveira marcosadinavi@gmail.com Egresso do curso de Ciências Contábeis Rafael Antônio Andrade rfaandrade@msn.com Egresso do curso de

Leia mais

As vantagens de partilhar seus bens em vida

As vantagens de partilhar seus bens em vida As vantagens de partilhar seus bens em vida Antecipar a herança por meio de doações pode sair mais em conta e protege a família de preocupações Planejar a partilha da herança poupa a família de gastos

Leia mais

SOARES & FALCE ADVOGADOS

SOARES & FALCE ADVOGADOS SOARES & FALCE ADVOGADOS ASPECTOS LEGAIS DA CAPTAÇÃO DE RECURSOS VIA BAZARES E VENDA DE PRODUTOS NAS ORGANIZAÇÕES Michael Soares 03/2014 BAZAR BENEFICENTE E VENDA DE PRODUTOS NAS ORGANIZAÇÕES Quais os

Leia mais

Uma agenda tributária para o Brasil. Fóruns Estadão Brasil Competitivo Bernard Appy Maio de 2014

Uma agenda tributária para o Brasil. Fóruns Estadão Brasil Competitivo Bernard Appy Maio de 2014 Uma agenda tributária para o Brasil Fóruns Estadão Brasil Competitivo Bernard Appy Maio de 2014 Sumário Introdução Problemas do sistema tributário brasileiro Sugestões de aperfeiçoamento 2 Sumário Introdução

Leia mais

A indevida contribuição de 10% sobre o FGTS

A indevida contribuição de 10% sobre o FGTS Informe Jurídico - nº I - 2014 A indevida contribuição de 10% sobre o FGTS De acordo com o artigo 1º da Lei Complementar nº 110, de 29 de junho de 2001, em caso de demissão de empregado sem justa causa,

Leia mais

C L I P P I N G DATA: 18.09.2015

C L I P P I N G DATA: 18.09.2015 C L I P P I N G DATA: 18.09.2015 Setor de serviços cresceu 2,1% em julho, menor taxa da série para o mês Alta acumulada em 12 meses também é a menor da série histórica do IBGE. Rondônia teve maior alta,

Leia mais

INFORMATIVO JURÍDICO

INFORMATIVO JURÍDICO 1 ROSENTHAL E SARFATIS METTA ADVOGADOS INFORMATIVO JURÍDICO NÚMERO 5, ANO 1I MAIO DE 2010 1 LUCRO IMOBILIÁRIO E O IMPOSTO DE RENDA A incidência do Imposto de Renda sobre o ganho de capital na venda de

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2011 (Complementar)

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2011 (Complementar) PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2011 (Complementar) Regulamenta o inciso VII do art. 153 da Constituição Federal, para dispor sobre a tributação de grandes fortunas O CONGRESSSO NACIONAL decreta: Art.

Leia mais

Acredite no seu trabalho que o Brasil acredita em você. Ministério do Desenvolvimento, Confiança no Brasil.

Acredite no seu trabalho que o Brasil acredita em você. Ministério do Desenvolvimento, Confiança no Brasil. Acredite no seu trabalho que o Brasil acredita em você. Ministério do Desenvolvimento, Confiança no Brasil. Indústria É assim que e Comércio a gente segue Exterior em frente. Introdução Atualmente, muitos

Leia mais

ESTADO DO TOCANTINS PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO NACIONAL PROCURADORIA GERAL DO MUNICÍPIO

ESTADO DO TOCANTINS PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO NACIONAL PROCURADORIA GERAL DO MUNICÍPIO LEI N.º 2.178, DE 02 DE JUNHO DE 2.014. *VERSÃO IMPRESSA ASSINADA Dispõe sobre o Programa de Recuperação e Estímulo à Quitação de Débitos Fiscais REFIS PORTO 2014 e dá outras providências. Eu, PREFEITO

Leia mais

LEI Nº 13.043, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2014 LEI DE CONVERSÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 651 ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA

LEI Nº 13.043, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2014 LEI DE CONVERSÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 651 ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA LEI Nº 13.043, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2014 LEI DE CONVERSÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 651 ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA A Medida Provisória (MP) nº 651/14 promoveu diversas alterações na legislação tributária

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2012

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2012 PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2012 (Do Sr. Vaz de Lima) Altera os Anexos da Lei Complementar nº 123, de 14 de dezembro de 2006, para permitir o abatimento de parcela dedutível do valor devido mensalmente

Leia mais

ASPECTOS IMPORTANTES SOBRE OS IMPOSTOS NA ELABORAÇÃO DE UM PROJETO

ASPECTOS IMPORTANTES SOBRE OS IMPOSTOS NA ELABORAÇÃO DE UM PROJETO ASPECTOS IMPORTANTES SOBRE OS IMPOSTOS NA! O que é Lucro Real?! O que é Lucro Presumido?! Como é calculada a tributação pelo SIMPLES?! Qual o regime tributável mais vantajoso para a elaboração de um projeto?!

Leia mais

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 2ª TURMA RECURSAL JUÍZO C

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 2ª TURMA RECURSAL JUÍZO C JUIZADO ESPECIAL (PROCESSO ELETRÔNICO) Nº201070510020004/PR RELATORA : Juíza Andréia Castro Dias RECORRENTE : LAURO GOMES GARCIA RECORRIDO : UNIÃO FAZENDA NACIONAL V O T O Dispensado o relatório, nos termos

Leia mais

PLANO DEMISSÃO VOLUNTÁRIA -NOSSA CAIXA

PLANO DEMISSÃO VOLUNTÁRIA -NOSSA CAIXA Sindicato dos Trabalhadores em Empresas do Ramo Financeiro do Grande ABC Rua Cel. Francisco Amaro, 87 - B. Casa Branca - Santo André CEP.: 09020-250 - Tel. ( 11 ) 4993-8299 Fax. ( 11 ) 4993-8290 CNPJ 43.339.597/0001-06

Leia mais

Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação.

Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação. Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação. 1) Tipos de Empresas Apresenta-se a seguir, as formas jurídicas mais comuns na constituição de uma Micro ou

Leia mais

Palestrante: Anderson Aleandro Paviotti

Palestrante: Anderson Aleandro Paviotti Palestrante: Anderson Aleandro Paviotti Perfil do Palestrante: Contador, Consultor e Professor Universitário Colaborador do Escritório Santa Rita desde 1991 Tributação das Médias e Pequenas Empresas Como

Leia mais

NOTAS FISCAL PAULISTA

NOTAS FISCAL PAULISTA NOTAS FISCAL PAULISTA 1. O que é Nota Fiscal Paulista? É um projeto de estimulo à cidadania fiscal no Estado de São Paulo, que tem por objetivo estimular os consumidores a exigirem a entrega do documento

Leia mais

Indústria brasileira de bens de capital mecânicos. Janeiro/2011

Indústria brasileira de bens de capital mecânicos. Janeiro/2011 AGENDA DE TRABALHO PARA O CURTO PRAZO Indústria brasileira de bens de capital mecânicos Janeiro/2011 UMA AGENDA DE TRABALHO (para o curto prazo) A. Financiamento A1. Taxa de juros competitiva face a nossos

Leia mais

INSTITUTO FÓRUM NACIONAL DOS SECRETÁRIOS E DIRIGENTES ESTADUAIS DE TURISMO - INFORUM ESTATUTO SOCIAL SUMÁRIO

INSTITUTO FÓRUM NACIONAL DOS SECRETÁRIOS E DIRIGENTES ESTADUAIS DE TURISMO - INFORUM ESTATUTO SOCIAL SUMÁRIO 1 INSTITUTO FÓRUM NACIONAL DOS SECRETÁRIOS E DIRIGENTES ESTADUAIS DE TURISMO - INFORUM ESTATUTO SOCIAL SUMÁRIO CAPITULO I - DA DENOMINAÇÃO, DOS FINS, DA SEDE E DO PRAZO Art. 2º Para a consecução dos seus

Leia mais

Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / www.sebrae.com.br

Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / www.sebrae.com.br REPRESENTATIVIDADE DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL 10 milhões de negócios formais (99%) e 9 milhões de informais 56,1% da força de trabalho que atua no setor formal urbano 26% da massa salarial 20% do

Leia mais

Super Simples Indícios da Reforma Tributária Brasileira

Super Simples Indícios da Reforma Tributária Brasileira Super Simples Indícios da Reforma Tributária Brasileira 1. Introdução O dia 7 de agosto do corrente ano entrou para a história como uma das mais importantes datas para a possível concretização da reforma

Leia mais

Sistema Tributário Brasileiro Breve Diagnóstico e Propostas de Mudanças

Sistema Tributário Brasileiro Breve Diagnóstico e Propostas de Mudanças Sistema Tributário Brasileiro Breve Diagnóstico e Propostas de Mudanças Carlos Roberto Teixeira Diretor de Assuntos Jurídicos Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal A INJUSTA DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL. Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas. Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014

SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL. Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas. Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014 SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014 Sistema Tributário Nacional Conjunto de regras jurídicas

Leia mais

RESENHA TRIBUTÁRIA ATUALIZADA

RESENHA TRIBUTÁRIA ATUALIZADA RESENHA TRIBUTÁRIA ATUALIZADA! As mudanças no PIS e no Cofins! Lucro real e presumido! IR e CSLL! Simples Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor da Cavalcante & Associados, empresa

Leia mais

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA TRIBUTOS CARGA TRIBUTÁRIA FLS. Nº 1 O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 1. - INTRODUÇÃO A fixação do preço de venda das mercadorias ou produtos é uma tarefa complexa, onde diversos fatores

Leia mais

Este Procedimento Operacional Padrão define as etapas necessárias de como fazer o Cadastro de Tributos no Sistema TOTVS RM. Índice

Este Procedimento Operacional Padrão define as etapas necessárias de como fazer o Cadastro de Tributos no Sistema TOTVS RM. Índice Este Procedimento Operacional Padrão define as etapas necessárias de como fazer o Cadastro de Tributos no Sistema TOTVS RM. Índice I. Acesso ao Cadastro... 2 II. Seleção de Filtros... 3 III. Cadastro...

Leia mais

COMO RESGATAR CRÉDITOS DE NOTA FISCAL PAULISTA PARA PESSOAS JURÍDICAS

COMO RESGATAR CRÉDITOS DE NOTA FISCAL PAULISTA PARA PESSOAS JURÍDICAS COMO RESGATAR CRÉDITOS DE NOTA FISCAL PAULISTA PARA PESSOAS JURÍDICAS Quem fará jus ao crédito? Pessoas jurídicas também podem se beneficiar. Neste caso, estão excluídas somente as que recaem nas seguintes

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fl. 35 Fls. 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta Interna nº 26 - Data 14 de novembro de 2014 Origem DELEGACIA ESPECIAL DE INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS EM SÃO PAULO ASSUNTO: NORMAS GERAIS DE

Leia mais

Falta integrar as leis do Mercosul

Falta integrar as leis do Mercosul Publicado em: Gazeta Mercantil, no dia 04-06-1998, pág. 1 e A8 Autores: Marta Watanabe, Juiiano Basile e Adriana Aguilar Falta integrar as leis do Mercosul Apesar do crescimento de 300% em quatro anos

Leia mais

COMPRA. certa. Treinamento para o profissional de compras. Tributação e seus impactos na rentabilidade. www.contento.com.br

COMPRA. certa. Treinamento para o profissional de compras. Tributação e seus impactos na rentabilidade. www.contento.com.br COMPRA certa Treinamento para o profissional de compras www.contento.com.br 503117 Tributação e seus impactos na rentabilidade editorial Calculando a rentabilidade Gerir uma farmácia requer conhecimentos

Leia mais

TRIBUTÁRIO EM FOCO # Edição 12

TRIBUTÁRIO EM FOCO # Edição 12 TRIBUTÁRIO EM FOCO # Edição 12 Dezembro de 2012 / Janeiro 2013 NOVIDADES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA IOF - OPERAÇÕES DE CÂMBIO - EMPRÉSTIMO EXTERNO - ALÍQUOTA - ALTERAÇÃO DO PRAZO MÉDIO MÍNIMO - DECRETO Nº

Leia mais

Pedro@ananadvogados.com.br

Pedro@ananadvogados.com.br Pedro@ananadvogados.com.br Sócio de Anan Advogados Especialista em Direito Empresarial pela PUC-SP MBA Controller pela FEA-USP Membro da Diretoria Jurídica da ANEFAC Diretor do Conselho Consultivo da APET

Leia mais

RETROATIVIDADE DO SEGURO: O Protector possibilita a contratação de cobertura retroativa para fatos desconhecidos de até 5 anos.

RETROATIVIDADE DO SEGURO: O Protector possibilita a contratação de cobertura retroativa para fatos desconhecidos de até 5 anos. SEGURADO: Sócio Administrador (Pessoa Física) Limite: São 6 opções entre R$ 100.000 e R$ 500.000. O limite do seguro poderá ser utilizado para um ou uma série de sinistros indenizados durante a vigência

Leia mais

1 Ver Castelo (2005). 2 GVconsult (2005).

1 Ver Castelo (2005). 2 GVconsult (2005). A Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas na Construção Civil Relatório de Pesquisa Equipe Técnica Prof. Dr. Fernando Garcia Profa. Ms. Ana Maria Castelo Profa.Dra. Maria Antonieta Del Tedesco Lins Avenida

Leia mais

A SEGURIDADE SOCIAL NA REFORMA TRIBUTÁRIA

A SEGURIDADE SOCIAL NA REFORMA TRIBUTÁRIA A SEGURIDADE SOCIAL NA REFORMA TRIBUTÁRIA Pepe Vargas* Dep. Federal PT-RS Este texto reforça o alerta dos movimentos sociais sobre os riscos que a seguridade social corre caso aprovada sem modificações

Leia mais

TERCEIRO SETOR, CULTURA E RESPONSABILIDADE SOCIAL

TERCEIRO SETOR, CULTURA E RESPONSABILIDADE SOCIAL TERCEIRO SETOR, CULTURA E RESPONSABILIDADE SOCIAL 22/12/2015 ATENÇÃO 1 Declaração de Imunidade Tributária Municipal deve ser enviada até 31.12.2015 Nos termos da Instrução Normativa nº 07/2015 da Secretaria

Leia mais

DIREITO TRIBUTÁRIO Parte II. Manaus, abril de 2013 Jorge de Souza Bispo, Dr. 1

DIREITO TRIBUTÁRIO Parte II. Manaus, abril de 2013 Jorge de Souza Bispo, Dr. 1 DIREITO TRIBUTÁRIO Parte II Manaus, abril de 2013 Jorge de Souza Bispo, Dr. 1 TRIBUTO Definido no artigo 3º do CTN como sendo toda prestação pecuniária compulsória (obrigatória), em moeda ou cujo valor

Leia mais

1. INVENTÁRIOS 1.2 INVENTÁRIO PERIÓDICO. AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Corrêa. 1..

1. INVENTÁRIOS 1.2 INVENTÁRIO PERIÓDICO. AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Corrêa. 1.. 1. INVENTÁRIOS 1..1 Periódico Ocorre quando os estoques existentes são avaliados na data de encerramento do balanço, através da contagem física. Optando pelo inventário periódico, a contabilização das

Leia mais

IMPOSTOS SOBRE O LUCRO! Imposto de Renda e Contribuição Social! As alterações mais recentes da legislação da Contribuição Social

IMPOSTOS SOBRE O LUCRO! Imposto de Renda e Contribuição Social! As alterações mais recentes da legislação da Contribuição Social UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 43 IMPOSTOS SOBRE O LUCRO! Imposto de Renda e Contribuição Social! As alterações mais recentes da legislação da Contribuição Social João Inácio Correia (advcor@mandic.com.br)

Leia mais

TRIBUTÁRIO EM FOCO #edição 6

TRIBUTÁRIO EM FOCO #edição 6 TRIBUTÁRIO EM FOCO #edição 6 Maio de 2012 NOVIDADE NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA "GUERRA DOS PORTOS" - ICMS NAS IMPORTAÇÕES - RESOLUÇÃO DO SENADO Nº 13, DE 26 DE ABRIL DE 2012 DECISÕES JUDICIAIS PARTICIPAÇÃO

Leia mais

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Nota Técnica n.º 8, de 2015. Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Subsídios acerca da adequação orçamentária e financeira da Medida Provisória nº 670, de 10 de março de 2015. Núcleo da Receita

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos MEDIDA PROVISÓRIA Nº 206, DE 6 DE AGOSTO 2004. Altera a tributação do mercado financeiro e de capitais, institui o Regime Tributário

Leia mais

DECRETO Nº 3.008, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2010.

DECRETO Nº 3.008, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2010. DECRETO Nº 3.008, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2010. Disciplina as consignações em folha de pagamento no âmbito da Administração Pública Direta, Autárquica e Fundacional do Poder Executivo do Estado de Mato Grosso.

Leia mais

Controladoria MANUAL DO Estratégica

Controladoria MANUAL DO Estratégica Controladoria MANUAL DO Estratégica ALUNO 2010 Universidade Cruzeiro do Sul www.cruzeirodosul.edu.br Unidade: Planejamento Tributário (Parte I) MATERIAL TEÓRICO Responsável pelo Conteúdo: Prof. Esp. Daniel

Leia mais

Cenário financeiro dos Municípios brasileiros em final de mandato

Cenário financeiro dos Municípios brasileiros em final de mandato 1 Cenário financeiro dos Municípios brasileiros em final de mandato Estudos Técnicos CNM Introdução Em decorrência da surpresa dos dirigentes municipais com a atual dificuldade financeira vivida pelos

Leia mais

Fiec entra na Justiça contra norma fiscal sobre importados

Fiec entra na Justiça contra norma fiscal sobre importados Fonte: Dr. Richard Dotoli (sócio do setor tributário na SCA Rio de Janeiro) MEDIDA DO CONFAZ Fiec entra na Justiça contra norma fiscal sobre importados 01.05.2013 A ação requer que indústrias importadoras

Leia mais

AULA 10 - PIS E COFINS

AULA 10 - PIS E COFINS AULA 10 - PIS E COFINS O PIS É A CONTRIBUIÇÃO PARA O PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO SOCIAL. A COFINS ÉA CONTRIBUIÇÃO PARA O FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL. FATO DO PIS E DA COFINS SÃO OS MESMOS: a)a RECEITA

Leia mais

MANUAL DOS DIREITOS DOS COMERCIÁRIOS

MANUAL DOS DIREITOS DOS COMERCIÁRIOS 11. DIREITOS NA HORA DA DEMISSÃO É de fundamental importância saber quais os direitos dos trabalhadores na hora da rescisão do contrato de trabalho. Devese ter especial atenção no caso de demissões sem

Leia mais

CARTILHA PARA EMPREGADORES E TRABALHADORES DIREITOS E DEVERES COM A PEC DAS DOMÉSTICAS

CARTILHA PARA EMPREGADORES E TRABALHADORES DIREITOS E DEVERES COM A PEC DAS DOMÉSTICAS DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO DO EMPREGADOR DOMÉSTICO = MENOS DEMISSÕES E MAIS FORMALIDADE Dê seu voto em www.domesticalegal.org.br CARTILHA PARA EMPREGADORES E TRABALHADORES DIREITOS E DEVERES COM

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM CONTABILIDADE CONTABILIDADE SOCIETÁRIA

CURSO TÉCNICO EM CONTABILIDADE CONTABILIDADE SOCIETÁRIA 1 CURSO TÉCNICO EM CONTABILIDADE CONTABILIDADE SOCIETÁRIA Prof. Carmem Haab Lutte Cavalcante 2012 2 CONTABILIDADE SOCIETARIA 2 3 1 CONTABILIDADE Conceito de contabilidade, campo de atuação, usuários, objetivos

Leia mais

Principais Formas de Tributação no Brasil Reginaldo Gonçalves

Principais Formas de Tributação no Brasil Reginaldo Gonçalves Principais Formas de Tributação no Brasil Reginaldo Gonçalves 2.1 A Tributação no Brasil 2.2 Opção pela Tributação - Lucro Real 2.3 Opção pela Tributação - Lucro Presumido 2.4 Opção pela Tributação - Lucro

Leia mais

também é chamada de e tem como objetivo principal analisar se todas as obrigações tributárias estão sendo seguidas corretamente em uma empresa.

também é chamada de e tem como objetivo principal analisar se todas as obrigações tributárias estão sendo seguidas corretamente em uma empresa. A também é chamada de e tem como objetivo principal analisar se todas as obrigações tributárias estão sendo seguidas corretamente em uma empresa. É responsável pelo controle e bom andamento dos procedimentos

Leia mais

1. Qual o significado da sigla MEI? 2. Qual é a definição de MEI? 3. Quem pode se enquadrar como MEI?

1. Qual o significado da sigla MEI? 2. Qual é a definição de MEI? 3. Quem pode se enquadrar como MEI? FAQ -MEI 1. Qual o significado da sigla MEI? R: MEI é a sigla utilizada para Micro Empreendedor Individual 2. Qual é a definição de MEI? R: O MEI é o empresário individual a que se refere o art. 966 do

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens a seguir, a respeito da Lei n.º 6.404/197 e suas alterações, da legislação complementar e dos pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). 71 Os gastos incorridos com pesquisa

Leia mais

Perguntas e Respostas do esocial Empregador Doméstico

Perguntas e Respostas do esocial Empregador Doméstico Perguntas e Respostas do esocial Empregador Doméstico Versão 2.0 21/10/2015 Alterações em relação à versão anterior Alterado: itens 11, 13, 22, 29, 30, 33, 34, 40, 45, 47 e 50 Incluído: itens 12, 14, 15,

Leia mais

Empresa Júnior constitui ou não Instituição de Educação?

Empresa Júnior constitui ou não Instituição de Educação? 1 Sumário I. Introdução... 3 II. Empresa Júnior constitui ou não Instituição de Educação?... 3 III. As Imunidades Tributárias das Empresas Juniores... 4 IV. Incidência de Tributos sobre Empresas Juniores:...

Leia mais

PARA ENTENDER O PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO EMPREGO

PARA ENTENDER O PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO EMPREGO PARA ENTENDER O PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO EMPREGO 2 CSB - Central dos Sindicatos Brasileiros CUT - Central Única dos Trabalhadores Força Sindical NCST - Nova Central Sindical de Trabalhadores UGT - União

Leia mais

Auxiliar Jurídico. Módulo IV. Aula 01

Auxiliar Jurídico. Módulo IV. Aula 01 Auxiliar Jurídico Módulo IV Aula 01 1 CÁLCULOS TRABALHISTAS Neste módulo você irá aprender a realizar os cálculos de verbas rescisórias e Liquidação de Sentença. I. VERBAS RESCISÓRIAS Podemos entender

Leia mais

N e w s l e t t e r AAPS

N e w s l e t t e r AAPS Caros Associados, A AAPS interessada nos temas que possam ser de utilidade aos associados, tem participado em eventos sobre o assunto em questão. No contexto das atividades desenvolvidas pelo GEPS (Grupo

Leia mais

ICMS ANTECIPADO ESPECIAL - NÃO OPTANTES DO SIMPLES NACIONAL

ICMS ANTECIPADO ESPECIAL - NÃO OPTANTES DO SIMPLES NACIONAL ICMS ANTECIPADO ESPECIAL - NÃO OPTANTES DO SIMPLES NACIONAL PERGUNTAS E RESPOSTAS 1. Em que se constitui o ICMS ANTECIPADO ESPECIAL? R= Em valor correspondente à diferença entre a alíquota interna e a

Leia mais

CUSTOS NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

CUSTOS NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS 1 CUSTOS NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Temos observado que é muito comum encontrar empresários do segmento da prestação de serviços que apresentam dificuldades na Gestão dos Custos em suas empresas. Essas dificuldades

Leia mais

A Reforma Tributária e o Desenvolvimento

A Reforma Tributária e o Desenvolvimento A Reforma Tributária e o Desenvolvimento Por que a Reforma Tributária é Fundamental? Acelera o crescimento econômico Torna o crescimento mais sustentável É a reforma econômica mais importante Reforma Tributária

Leia mais

Módulo Contábil e Fiscal

Módulo Contábil e Fiscal Módulo Contábil e Fiscal Escrita Fiscal Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Contábil e Fiscal Escrita Fiscal. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

Gestão da Carga Tributária. Clube de Empresários CIESP Leste 14/10/2015

Gestão da Carga Tributária. Clube de Empresários CIESP Leste 14/10/2015 Gestão da Carga Tributária Clube de Empresários CIESP Leste 14/10/2015 Âmbitos: Federal Estadual Municipal Previdenciário e Trabalhista A Carga Tributária Brasileira Produção Normativa Nos últimos 25 anos,

Leia mais

Sistema tributário brasileiro: Distorções e necessidade de mudança

Sistema tributário brasileiro: Distorções e necessidade de mudança Sistema tributário brasileiro: Distorções e necessidade de mudança Bernard Appy maio de 2015 Sistema tributário brasileiro Características desejáveis Características desejáveis de um sistema tributário

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES PREVIDENCIÁRIAS SOBRE O FATURAMENTO E A FOLHA. MP nº 540, de 02.08.2011. Lei nº 12.546, de 14.12.2011. MP nº 563, de 03.04.

CONTRIBUIÇÕES PREVIDENCIÁRIAS SOBRE O FATURAMENTO E A FOLHA. MP nº 540, de 02.08.2011. Lei nº 12.546, de 14.12.2011. MP nº 563, de 03.04. CONTRIBUIÇÕES PREVIDENCIÁRIAS SOBRE O FATURAMENTO E A FOLHA MP nº 540, de 02.08.2011 Plano Brasil Maior Lei nº 12.546, de 14.12.2011 Conversão da MP nº 540 MP nº 563, de 03.04.2012 Ampliação do benefício

Leia mais

Dívidas não parceladas anteriormente

Dívidas não parceladas anteriormente Débitos abrangidos Dívidas não parceladas anteriormente Artigo 1º da Portaria Conjunta PGFN/RFB nº 6, de 2009 Poderão ser pagos ou parcelados, em até 180 (cento e oitenta) meses, nas condições dos arts.

Leia mais

Resolução Conjunta SF/PGE Nº 1 DE 28/02/2013 (Estadual - São Paulo)

Resolução Conjunta SF/PGE Nº 1 DE 28/02/2013 (Estadual - São Paulo) Resolução Conjunta SF/PGE Nº 1 DE 28/02/2013 (Estadual - São Paulo) Data D.O.: 01/03/2013 Disciplina os procedimentos administrativos necessários à liquidação de débitos fiscais do Imposto sobre Operações

Leia mais

Faz parte de um grupo empresarial nacional voltado para a prestação de serviços às empresas privadas e públicas.

Faz parte de um grupo empresarial nacional voltado para a prestação de serviços às empresas privadas e públicas. A NK Assessoria Contábil e Fiscal Ltda. Faz parte de um grupo empresarial nacional voltado para a prestação de serviços às empresas privadas e públicas. Nossa organização iniciou suas atividades em 1977,

Leia mais

Fiscal - quando seu principal objetivo é a arrecadação de recursos financeiros para o Estado.

Fiscal - quando seu principal objetivo é a arrecadação de recursos financeiros para o Estado. TRIBUTO Conceito: É toda prestação pecuniária, compulsória, em moeda ou cujo valor nela possa se exprimir, que não constitua sanção de ato ilícito, instituída em lei e cobrada mediante atividade administrativa

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei regula os contratos de

O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei regula os contratos de Dispõe sobre os contratos de terceirização e as relações de trabalho deles decorrentes. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei regula os contratos de terceirização e as relações de trabalho deles

Leia mais

NOTA FISCAL ELETRÔNICA DE SERVIÇOS MUNICÍPIO DE SÃO PAULO

NOTA FISCAL ELETRÔNICA DE SERVIÇOS MUNICÍPIO DE SÃO PAULO NOTA FISCAL ELETRÔNICA DE SERVIÇOS MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Cortesia: FARO CONTÁBIL (www.farocontabil.com.br) Matéria publicada originalmente no Diário do Comércio Data: 01/08/2006 01 - CONCEITOS? 1.01.

Leia mais

NOTA TÉCNICA 48 2013. Lei nº 12.873 de 24/10/2013: PROSUS Registros de preços

NOTA TÉCNICA 48 2013. Lei nº 12.873 de 24/10/2013: PROSUS Registros de preços NOTA TÉCNICA 48 2013 Lei nº 12.873 de 24/10/2013: PROSUS Registros de preços Brasília, 29 de outubro de 2013 INTRODUÇÃO A Lei 12.873 de 24/10/13 trata de vários assuntos, altera algumas leis e entre os

Leia mais

DESONERAÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA PATRONAL SOBRE A FOLHA DE PAGAMENTOS: ALGUMAS ALTERNATIVAS

DESONERAÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA PATRONAL SOBRE A FOLHA DE PAGAMENTOS: ALGUMAS ALTERNATIVAS DESONERAÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA PATRONAL SOBRE A FOLHA DE PAGAMENTOS: ALGUMAS ALTERNATIVAS Jefferson José da Conceição* Patrícia Toledo Pelatieri** Fausto Augusto Junior*** SUMÁRIO: 1. Introdução

Leia mais

O futuro da tributação sobre o consumo no Brasil: melhorar o ICMS ou criar um IVA amplo? Perspectivas para uma Reforma Tributária

O futuro da tributação sobre o consumo no Brasil: melhorar o ICMS ou criar um IVA amplo? Perspectivas para uma Reforma Tributária 1 XI CONGRESSO NACIONAL DE ESTUDOS TRIBUTÁRIOS O futuro da tributação sobre o consumo no Brasil: melhorar o ICMS ou criar um IVA amplo? Perspectivas para uma Reforma Tributária Osvaldo Santos de Carvalho

Leia mais

PARECER SOBRE A LEI DA SOLIDARIEDADE-RS

PARECER SOBRE A LEI DA SOLIDARIEDADE-RS PARECER SOBRE A LEI DA SOLIDARIEDADE-RS 1) FUNDAMENTO LEGAL: Objetivando expressar nosso Parecer Técnico sobre a legislação que fundamenta o programa de incentivo fiscal (Programa de Apoio à Inclusão e

Leia mais

O FIM DA ISENÇÃO: O PAGAMENTO DA COFINS PELOS ESCRITÓRIOS DE ADVOCACIA Danielle Becker 1

O FIM DA ISENÇÃO: O PAGAMENTO DA COFINS PELOS ESCRITÓRIOS DE ADVOCACIA Danielle Becker 1 O FIM DA ISENÇÃO: O PAGAMENTO DA COFINS PELOS ESCRITÓRIOS DE ADVOCACIA Danielle Becker 1 RESUMO O artigo refere-se á análise da decisão proferida, no mês de setembro de 2008, pelo Supremo Tribunal Federal

Leia mais

INFORMATIVO JURÍDICO

INFORMATIVO JURÍDICO 1 ROSENTHAL E SARFATIS METTA ADVOGADOS INFORMATIVO JURÍDICO NÚMERO 03, ANO 1I MARÇO DE 2010 1 ACABA EM JUNHO O PRAZO PARA RECUPERAR TRIBUTO INDEVIDO DOS ÚLTIMOS DEZ ANOS STJ já julgou Lei Complementar

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO Nº 19/2014 ANO XI (07 de julho de 2014)

BOLETIM INFORMATIVO Nº 19/2014 ANO XI (07 de julho de 2014) BOLETIM INFORMATIVO Nº 19/2014 ANO XI (07 de julho de 2014) 01. PIS E COFINS OPERADORAS DE PLANOS DE SAÚDE 23/06/2014 - Operadora de planos de saúde não deve contribuição sobre faturamento total dos planos

Leia mais

Análise Panorâmica. Sumário 1. Introdução... 2

Análise Panorâmica. Sumário 1. Introdução... 2 Análise Panorâmica Análise Panorâmica Sumário 1. Introdução... 2 2. Indicadores de desempenho... 3 2.1 Carga Tributária da Empresa - Composição Anual... 3 2.2 Grau de Endividamento Tributário... 4 2.3

Leia mais