MUDANÇA ORGANIZACIONAL E ESTRESSE OCUPACIONAL. Autores: Maurício Reinert do Nascimento e Sergio Bulgacov

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MUDANÇA ORGANIZACIONAL E ESTRESSE OCUPACIONAL. Autores: Maurício Reinert do Nascimento e Sergio Bulgacov"

Transcrição

1 1 MUDANÇA ORGANIZACIONAL E ESTRESSE OCUPACIONAL Autores: Maurício Reinert do Nascimento e Sergio Bulgacov A proposta deste trabalho é compreender a possível relação entre mudanças organizacionais e o estresse. A investigação é um estudo exploratório; os dados primários foram coletados em questionário entre abril e maio de 1999, aplicados a 35 gerentes de nível intermediário e técnicos, de diferentes organizações, situadas em Curitiba e municípios circunvizinhos. Os resultados, nos limites do estudo e de sua metodologia, podem apontar parcial e resumidamente, este elenco de considerações: a) aparentemente as mudanças ocorrem em áreas significativas; b) as mudanças ocorrem principalmente pela decisão e ação dos dirigentes e identifica-se pouca relevância dada ao papel dos profissionais internos como agentes de mudança; c) não há programas significativos de apoio à mudança organizacional; c) percebe-se que a maioria dos respondentes indicam estar sofrendo pressões do processo de mudança; d) identifica-se relação entre os indivíduos que apresentam alto e moderado grau de estresse com a existência de maior número de fontes de estresse, ocasionado provavelmente pela gestão inadequada do processo de mudança. INTRODUÇÃO Mudança organizacional tornou-se sinônimo de competitividade e sucesso. O sucesso tem sido atribuído à habilidade com que as organizações mantêm e sustentam as estratégias de mudança 1 ; entretanto essa maneira de pensar a mudança como receituário acaba tornando-se simplista, ao retirar a complexidade e a sofisticação analítica necessária para caracterizar o assunto ( WILSON, 1995). Os estudos que se preocupam com a complexidade e a sofisticação analítica, na área de administração de empresas e organizações, abordam basicamente diversas perspectivas para estudar o assunto (WILSON, 1995; RAJAGOPALAN e SPREITZER, 1996); esses assuntos apontam pressões para mudança do ambiente técnico e institucional (SCOTT, 1995; MACHADO-DA-SILVA e FONSECA, 1996); bem como diferentes estratégias e dinâmicas de mudança (HININGS e GREENWOOD, 1989; MORGAN, 1988). Outros assuntos relacionados ao processo e implementação da mudança e suas conseqüências mais diretas para a organização serão contempladas a seguir. Com o aumento da velocidade e do números de mudanças o impacto desses fenômenos tem ampliado sua importância, não somente na organização como um todo, mas afetando também todos os seus participantes individualmente. Morgan (1988) aponta para a necessidade do aumento das habilidades e competências dos gerenciadores para poderem fazer frente às turbulências ambientais. O aumento da complexidade cognitiva é proposto por Bartunek et al. (1983) para melhorar a compreensão de eventos mais complexos. O impacto parece não ser somente positivo para o indivíduo e para a organização como um todo. Uma preocupação recente tem sido o efeito que essas mudanças podem trazer para a saúde ocupacional dos membros da organização. Segundo Chevalier et al. (1996), mudanças no trabalho e na organização parecem um fator de risco à saúde ocupacional. Estresse e doenças ocupacionais, tais como depressão e até doenças cardiovasculares estão sendo pesquisadas por sua possível associação com as mudanças (SIEGRIST e PETER, 1996; NAKAYAMA e BITENCOURT, 1998). Os problemas causados pelas doenças ocupacionais deveriam receber mais atenção por parte das organizações e de seus dirigentes, porque os custos decorrentes delas são 1 O termo mudança, neste texto, será utilizado como sinônimo de mudança organizacional.

2 2 significativos. Entre custos diretos (assistência médica, exames, etc.), custos indiretos (redução de produtividade, falta ao trabalho, etc.) e custos indiretos não relacionados com a doença em si (programas de prevenção, etc.) os Estados Unidos gastaram, segundo estimativas, $ 1,259 trilhões de dólares em 1994 (BRADY et al., 1997). Emmett (1996) sugere que a saúde ocupacional seja tratada como área estratégica dentro das organizações devido à importância de seus custos. Feitas essas considerações iniciais, a proposta do trabalho é discutir, mediante estudo exploratório, a existência de relação entre mudanças organizacionais e doenças ocupacionais, mais especificamente o estresse. Aborda-se primeiro o conceito de mudança em algumas de suas facetas, em seguida adentras-se o tema das doenças ocupacionais; por último, procede-se à análise da relação entre a mudança e o estresse ocupacional. MUDANÇA ORGANIZACIONAL A mudança organizacional traz à tona um leque bastante amplo de visões e perspectivas. WILSON (1995) faz uma tentativa de síntese, ao dispor as formas de pensar a mudança sobre duas dimensões (figura 1). A primeira dimensão é um continuum que tem como extremos a mudança planejada e emergente. A mudança planejada é caracterizada pelo voluntarismo, ou seja, enfatiza o papel da agência humana (p. 25). Os gerentes têm a capacidade de dirigir as mudanças, seja pela implementação de receitas prontas, tais como a gestão da qualidade, seja pelo treinamento e condicionamento de pessoal. Figura 1 Caracterização das visões sobre mudança Processo da mudança Implementação da mudança Mudança planejada Mudança emergente Incrementalismo lógico: através de sequência de passos atinge-se o objetivo Característica da decisão estratégica: modelos do processo político Fonte: WILSON (1995, p. 10) Reduzir resistência à mudança Contextualismo: implementação é uma função de fatores No outro extremo, o das mudanças emergentes, encontra-se o determinismo, cujas forças internas e/ou externas traçam o caminho das mudanças, sem que os dirigentes tenham total controle sobre elas. Dentro dessa visão estão as correntes que abordam a organização como sistema aberto e o ciclo de vida da organização. A segunda dimensão tem como extremos o processo e a implementação da mudança. Entender a implementação seria focar no gerenciamento da mudança. Implementação seria colocar em ação modelos preconcebidos de mudança, com o intuito de alcançar uma série de resultados esperados, desejados ou predeterminados (WILSON, 1995). Entender o processo é examinar criticamente o contexto, os antecedentes, o movimento e a história das mudanças, mantendo ao mesmo tempo um olho analítico nas teorias da organização atuais que possibilitam essa análise (p. 48). O papel do gerente é altamente enfatizado na implementação de uma mudança planejada; essa é a visão de mudança mais difundida entre as organizações. A responsabilidade da efetividade da mudança nesta visão acaba recaindo sobre esse gerente.

3 MORGAN (1988) sentencia que os gerentes do futuro terão de dirigir esta turbulência aumentando habilidades; muitas capacidades importantes serão necessárias. (p. 1). É baseado nos conceitos de arquétipo organizacional e track (movimento) que HININGS e GREENWOOD (1989) buscam compreender a mudança organizacional. Arquétipos são definidos como agrupamentos de estruturas e sistemas prescritos e emergentes que dão ordem e coerência, sendo sustentados por um conjunto de idéias, valores e crenças, por exemplo esquemas interpretativos (p. 22). Track (movimento) é o sentido do mudança que a organização percorre ao longo do tempo, mantendo-se dentro do mesmo arquétipo ou mudando de arquétipo. Essa mudança de arquétipo implica a reorganização de sistemas e estruturas para um novo conjunto de idéias e valores, de maneira parcial ou total. Em outras palavras, é mudança de esquemas interpretativos. Existem variações desses movimentos, os autores apontam quatro. a) Inércia: não existe mudança de arquétipo; b) excursão interrompida: onde começam a aparecer discordâncias nos esquemas interpretativos, entretanto o esquema antigo permanece; c) reorientação ou transformação: quando ocorre a mudança de arquétipo; d) excursão não resolvida: caso em que a contradição entre os esquemas se estabelece; nem o antigo esquema retorna, nem um novo é colocado no lugar. Em artigo mais recente, COOPER et al. (1996) utilizam a sedimentação como metáfora para representar uma mudança de arquétipo, na qual a reorientação é dialética. O arquétipo A não se transforma em arquétipo B. Acontece a sedimentação de um sobre o outro. A resultante apresenta resquícios do arquétipo A, embora não o seja. O ambiente tem participação fundamental na mudança organizacional, segundo LAUGHLIN (1991). O autor sugere que a organização pode ser conceitualizada como sendo formada por esquemas interpretativos (parte mais intangível), arquétipo e subsistemas (parte tangível da organização), e que existe equilíbrio entre esses três elementos. São distúrbios no ambiente que provocam desequilíbrio entre eles, obrigando-os a alguma mudança que restaure o equilíbrio. São sugeridos quatro modelos de mudança: modelos de transição, modelos de transformação, modelos de colonização e modelos de evolução. Os modelos de transição abrangem os subtipos de refutação ou rebuttal, e o de reorientação. Os modelos de transição não alteram os esquemas interpretativos e, no caso do rebuttal, somente o arquétipo sofre mudança e, mesmo assim, temporária, porquanto, passado o distúrbio, volta ao que era antes. Na reorientação o arquétipo e os subsistemas mudam, trazendo o equilíbrio. Os modelos de transformação são a colonização, em que a mudança começa pelos arquétipos e depois é transferida aos esquemas interpretativos e subsistemas, e a evolução, na qual os esquemas interpretativos é que mudam, trazendo mudança no arquétipo e nos subsistemas. Compreender o conceito de ambiente é fundamental para o entendimento da mudança. Dentro do estudo da administração nem sempre o ambiente foi visto como parte importante nas definições dos caminhos tomados pela organização. Inicialmente, como aponta MORGAN (1996), as organizações eram tratadas como sistema fechado, no qual a ênfase recaía sobre o planejamento interno. O ambiente começa a receber importância quando a organização passa a ser vista como sistema aberto, em que existe um processo contínuo de troca com o ambiente. Entretanto essa visão do ambiente não é homogênea. BURRELL e MORGAN (1994), quando descrevem as dimensões subjetiva e objetiva, mostram a diferença das visões realista, onde o ambiente é visto como sendo concreta e tangível, e uma visão nominalista, com o ambiente sendo constituído de nomes, conceitos e rótulos utilizados para estruturar a realidade. Essas duas visões são explicadas como extremos de um continuum, isto é, são visões dependentes e entre elas aparecem visões intermediárias. Uma dessas visões intermediárias é a de BERGER e LUCKMANN (1998), para os quais a vida cotidiana apresenta-se como uma realidade interpretada pelos homens e 3

4 subjetivamente dotada de sentido para eles, à medida que forma um mundo coerente (p. 35). GIDDENS (1989), com a teoria da estruturação procura furtar-se ao dualismo entre o objetivismo e subjetivismo, e transformá-lo em dualidade. Para ele, as atividades sociais humanas, à semelhança de alguns itens auto reprodutores na natureza, são recursivas (p. 2), isto é, o ator não cria, mas recria essas atividades. Já MORGAN (1988) direciona-se para uma visão mais objetiva do ambiente, quando aponta a possibilidade de leitura dele por parte dos dirigentes das organizações. Aqueles que guiam nossas organizações necessitam olhar externamente, ler o que está acontecendo no mundo em geral, e identificar as principais mudanças (p. 16). Ele trata a antecipação das mudanças como a habilidade do dirigente. A separação em técnico e institucional é outra importante diferenciação que se faz do ambiente. O ambiente técnico é aquele caracterizado pela busca de recursos e know-how tecnológico (SCOTT, 1995): a competição entre as organizações acontece na busca da eficiência na produção (MACHADO-DA-SILVA e FONSECA, 1996). No ambiente institucional a busca é pela legitimação social (SCOTT, 1987). Inicialmente a ênfase era dada ao ambiente técnico como o principal influenciador da organização; entretanto a teoria institucional trouxe nova perspectiva, apontando a importância do ambiente social e cultural (SCOTT, 1995). O ambiente institucional é apoiado em três pilares: o regulativo, o normativo e o cognitivo. O primeiro pilar, o regulativo, é legalmente sancionado, formado pelas leis, normas, e punições e recompensas. O segundo, o normativo, é moralmente governado, constituído por valores e normas. O terceiro é o pilar cognitivo, seu suporte é cultural e os pressupostos básicos dão a legitimidade. As pressões ambientais para a mudança estariam tanto relacionadas tanto com o ambiente técnico, quanto com o institucional. As pressões relativas ao primeiro seriam as mudanças tecnológicas, o surgimento de novos competidores, etc. Já as pressões institucionais seriam de três tipos: mimética, coercitiva e normativa (Dimaggio e POWELL, 1983). Segundo esses autores, os mecanismos institucionais pressionam as organizações ao isomorfismo. As pressões miméticas derivariam das incertezas do ambiente que forçam as organizações a se modelarem de acordo com organizações consideradas mais bem sucedidas, não sendo necessariamente a eficiência utilizada como definição de bem sucedida. O isomorfismo coercitivo resulta das pressões formais ou informais que as organizações recebem de outras organização com as quais mantenham relação de dependência. É o caso de um fornecedor que é obrigado a ajustar a sua forma de produção para atender as exigências de um comprador poderoso, ou para atender as novas leis de preservação do meio ambiente ditadas pelo governo. Pressões normativas surgem da profissionalização, cuja especialização acaba por criar normas de atuação, que condicionam o funcionamento das organizações. Outro ponto importante, observado por MACHADO-DA-SILVA e FONSECA (1996), é a ênfase diferenciada que organizações de diferentes ramos dão aos ambientes institucional e técnico. Por exemplo, organizações do ramo industrial tendem a valorizar mais o ambiente técnico, enquanto universidades enfatizam o institucional (CRUBELLATE e MACHADO- DA-SILVA, 1998). E o contexto institucional de referência adotado pelas organizações pode variar entre os níveis local, regional, nacional e internacional (MACHADO-DA-SILVA e FONSECA, 1996). A possibilidade de uma mudança que surge do interior da organização também é levantada. FINSTAD (1998); sugere a existência de mudança eruptiva, que seria uma das explicações para a não ocorrência do isomorfismo devido às pressões ambientais. A mudança eruptiva é caracterizada pelo criação de normas, empreendedorismo e autodesenvolvimento. Na tentativa de uma visão mais abrangente da mudança estratégica, surge a perspectiva multilentes. Sob esse viés, poder-se-ia enxergar a mudança, ao mesmo tempo 4

5 5 através da lente racional, da lente da aprendizagem e da lente cognitiva (RAJAGOPALAN e SPREITZER, 1996). A lente racional mostra a mudança como sendo a possibilidade de atingir uma adaptação ótima com o ambiente mediante um plano. O plano abrange as melhores soluções para os problemas por meio de objetivos a serem alcançados. Na lente da aprendizagem o processo de mudança é visto como sendo mais interativo, pois é acrescido das ações gerenciais. O ambiente já não é considerado estático, como na lente racional, é mais instável e dinâmico. A mudança estratégica é definida como sendo a mudança no conteúdo da estratégia, tal qual na lente racional, acrescentando as mudanças no ambiente e na organização, trazidas pelas ações dos gerentes no processo de mudança. A linearidade do processo de mudança estratégica dá lugar à continuidade (evolução ou mudança incremental) e a descontinuidade (transformação ou revolução). (RAJAGOPALAN e SPREITZER, 1996) Sob a lente cognitiva aumenta a complexidade da mudança, pois a cognição dos atores é levada em consideração; portanto as mudanças no conteúdo da estratégia são afetadas pelo ambiente e condições organizacionais, pelas ações dos gerentes e cognições. O ambiente passa a depender da interpretação dos gerentes. As ações gerenciais são influenciadas pela cognição e influenciam a cognição, criando assim percepções compartilhadas; os resultados das mudanças afetam também a cognição. A multilente é a integração dessas três perspectivas. Nela o ambiente e as condições organizacionais influenciariam diretamente o conteúdo da estratégia, bem como os próprios resultados organizacionais. A cognição dos gerentes influenciam a estratégia mediante as ações gerenciais. Ela tenta suprir a diferença entre o ambiente objetivo e subjetivo. DOENÇAS OCUPACIONAIS E ESTRESSE Na abordagem de estresse ocupacional, as doenças ocupacionais são mais reconhecidas como sendo aquelas de fácil identificação: suas causas estão ligadas ao trabalho, caso da exposição a altos níveis de ruídos ou à radiação; contudo diversos trabalhadores são expostos a situações que não aparentam ser a causa de doenças futuras, mas que podem trazer como conseqüência doenças ocupacionais (STELLMAN e DAUM, 1975). Segundo SPINK (1992) o Instituto Nacional de Saúde e Segurança Ocupacional dos Estados Unidos da América publicou, em 1987, dados, indicando que as desordens psicológicas no trabalho constituem atualmente uma das dez mais freqüentes categorias de doença ocupacional. (p. 92). Vários fatores têm sido pesquisados como variáveis organizacionais que contribuem para as desordens psicológicas no trabalho, nesses estão fatores do trabalho e relações interpessoais, entre outros. O autor considera que já existem dados suficientes que justifiquem ações para enfrentar a situação. Com o aumento da preocupação com as doenças ocupacionais sem causa física começam a aparecer estudos sobre o estresse. LADEIRA (1996) faz análise de duas correntes disciplinares que tratam da saúde mental do trabalhador. Uma delas é a abordagem da psicopatologia do trabalho, representada por DEJOURS (1992) e AUBERT (1996), que tem na psicanálise suas bases. A outra vertente é a do estresse ocupacional, de tradição anglosaxônica e descreve o fenômeno como processo de perturbação ocasionado principalmente pela mobilização excessiva da energia adaptativa do indivíduo diante das solicitações do meio (p. 64). Para DEJOURS (1992), o indivíduo é o beneficiário da produção, ao ter a oportunidade de consumo e melhoria de vida por meio do que adquire com seu trabalho, e ao mesmo tempo é vítima desse mesmo trabalho, por sofrer as pressões decorrentes dele. A pressão decorrente da separação entre execução e concepção do trabalho é apresentado por esse autor como o problema essencial no seu conceito de psicopatologia do trabalho. O sofrimento decorrente das pressões sobre o indivíduo pode ser encarado de maneira positiva;

6 6 temos o sofrimento criativo, que é o mais comum; ou a maneira negativa de sofrimento é tributária das psicopatologias. O conceito de neurose profissional, adotado por AUBERT (1996), diferencia o estresse e a neurose profissional. Segundo o autor, o estresse profissional é o processo de perturbação engendrado no indivíduo pela mobilização excessiva de sua energia de adaptação para enfrentar as solicitações de seu meio ambiente profissional, solicitações estas que ultrapassam as capacidades atuais, físicas ou psíquicas, deste indivíduo (p. 165), isto é, o estresse pode ser somente momentâneo, e voltar ao normal com a diminuição das pressões causadoras ou com a adaptação bem sucedida às novas exigências profissionais. Contudo, com a persistência intensa e repetição contínua e com a capacidade de adaptação definitivamente ultrapassada, o quadro pode evoluir para uma neurose profissional. Essa, como definição, é estado de desorganização persistente da personalidade, com conseqüente instalação de patologia, vinculada à situação profissional ou organizacional determinada (p. 165). Na segunda corrente, os autores representados são ALBRECHT (1988); ARROBA e JAMES (1988); COUTO (1987). Nesta visão o estresse é resposta adaptativa a pressões do ambiente. As pressões são as exigências colocadas sobre os indivíduos, que podem ser de natureza física ou psicológica (ARROBA e JAMES, 1988). O estresse é o mecanismo de defesa do organismo, agindo para manter o equilíbrio. Entre as fontes de pressão no trabalho estão fatores intrínsecos e extrínsecos a esse, tais como: condições de salubridade; ritmo; natureza e conteúdo do trabalho; o papel do indivíduo na organização; relacionamento interpessoal; a carreira e a realização; a estrutura e o clima organizacional; e a interface casa/trabalho entre outros (LADEIRA, 1996). As reações do indivíduo em relação ao estresse não dependem exclusivamente das fontes de pressão externas. Diferenças pessoais e de comportamento ajudam a explicar a maior ou menor vulnerabilidade da pessoa quanto à manifestação do estresse (LADEIRA, 1996). Em todos os casos, é o desequilíbrio entre os níveis desejados de estresse do indivíduo que representa uma ameaça (DOLAN e ARSENAULT, 1983). O estresse é apontado como fator importante no desencadeamento de diversas doenças ocupacionais. Entre os sintomas de estresse estão a dor de estômago e indisposições gástricas em face de exigências emocionais, angústia ou medo excessivo, o uso de cigarro, bebida alcoólica ou tranqüilizantes para aliviar a tensão, dor de cabeça, fadiga e muitos outros (COUTO, 1987). As conseqüências vão desde ligeiros incômodos até a morte, passando pela simples dor de cabeça, pressão arterial alta, dermatites, úlceras e ataques cardíacos (ALBRECHT, 1988). A seguir é abordada a interação entre as conseqüências das mudanças sobre as doenças ocupacionais. INTERAÇÃO MUDANÇA E DOENÇA OCUPACIONAL A mudança organizacional tem sido relacionada com reações psicológicas por parte dos indivíduos há algum tempo. Ao enfatizar a importância do conceito de rotinização, isto é, o caráter habitual e assente da maior parte das atividades da vida social cotidiana, para a continuidade da personalidade do indivíduo (GIDDENS, 1989, p. 304) implicitamente traz à tona as dificuldades que as mudanças podem causar. Para o autor situações que ameaçam ou destroem as certezas de rotinas institucionalizadas (p. 49), podem causar conseqüências psicológicas para o indivíduo. Pela observação realizada nos campos de concentração em que esteve, BETTELHEIM (apud GIDENS, 1989, p.50) mostra como a ruptura com as formas habituais de vida cotidiana afetaram os prisioneiros. A imprevisibilidade dos campos de concentração, a perda do sentimento de autonomia que os indivíduos possuem nas ações rotineiras da vida, criavam nos

7 prisioneiros grande insegurança ontológica. Segundo ele, eram tarefas absurdas, a falta de tempo para si mesmos, a incapacidade de fazer planos devido às súbitas mudanças nas normas do campo, que eram tão absurdamente destrutivas. Como resultado o autor cita a diminuição do senso do tempo, perda da capacidade de antever, atitudes infantis e oscilações bruscas de humor. O rompimento e a destruição, pelos ataques sistemáticos aos hábitos da vida diária, das rotinas cotidianas, causa um alto grau de ansiedade, eliminação das respostas socializadas associadas à segurança da administração do corpo e a estrutura previsível da vida social (GIDDENS, 1989, p. 51). Esse surto de ansiedade destrói os alicerces do sistema de segurança básica fundado na confiança em relação ao outro: quem não suporta a pressão é derrotado e afunda. Pode ser feito um paralelo entre os acontecimentos descritos acima e as mudanças organizacionais e ambientais nos dias correntes. Alguns trabalhos têm sido apresentados em que se mostra a relação entre a mudança organizacional e doenças ocupacionais. Em pesquisa realizada com gerentes de nível médio do sexo masculino em uma empresa automobilística, SIEGRIST e PETER (1996) chegam à conclusão de que alto grau de risco coronário, por exemplo hipertensão e elevado nível de gordura, está associado com a exposição crônica a um estressante contexto social de trabalho. Um dos principais fatores associados com esse contexto é falta de controle sobre o status do trabalho ou ocupação, que é caracterizado pela baixa perspectiva de promoção, mudança do trabalho forçada e instabilidade no trabalho. Entre esses três indicadores, o que se mostrou mais relevante foi o das mudanças impostas pelo trabalho. Outro estudo, cujos resultados sugerem que mudanças no conteúdo do trabalho ou na organização podem causar ou precipitar ansiedade ou depressão, foi realizado por CHEVALIER at al. (1996) com funcionários da Electricité de France e Gaz de France, companhias estatais francesas. Eis algumas das conclusões desse estudo. Primeiro, grandes mudanças e especialmente reestruturação de departamentos parecem ter efeito negativo sobre o trabalhador; entretanto trabalhos que expõem o trabalhador a riscos físicos ou estresse físico protegem o trabalhador desses efeitos. Segundo, o trabalho pode contribuir para o desenvolvimento da ansiedade e da depressão, e a maneira como o indivíduo percebe seu papel como trabalhador é importante fator nesse sentido. E por último, grandes mudanças no trabalho parecem ter maior influência sobre a ansiedade do que sobre a depressão, enquanto atividades relacionadas ao trabalho parecem interferir mais negativamente sobre aqueles que sofrem de depressão do que sobre aqueles que sofrem de ansiedade, especialmente entre os supervisores. No Brasil, NAKAYAMA e BITENCOURT (1998), em pesquisa realizada em quatro organizações, um banco, uma empresa estatal, uma prefeitura e uma fábrica de tratores constataram associação entre "as fases negativas do estresse e o alto índice de mudança,..., "principalmente quando as mudanças eram impostas de cima para baixo nas organizações, e quando eram transformacionais. Esses trabalhos dão suporte para que a forma com que se olha para a mudança organizacional seja melhorada. As conseqüência negativas existem, é preciso avaliá-las quando se pensa em mudança. Esses fundamentos apontam para a necessidade de se ampliar o conhecimento sobre a mudança organizacional e a doença ocupacional com estudos que se preocupam com a complexidade e a sofisticação analítica, por meio de diversas perspectivas para se estudar o assunto. Com o aumento da velocidade na implementação da mudança, a responsabilidade gerencial sobre as conseqüências mais diretas para a organização devem ser analisadas e compreendidas, considerando que essas afetam não somente a organização como um todo, mas afetam também todos os seus participantes individualmente. 7

8 8 A MUDANÇA E O ESTRESSE A presente investigação é um estudo exploratório da literatura e empírico que pretende subsidiar estudos futuros de maior amplitude e profundidade, visando a maior compreensão sobre as relações entre a mudança organizacional e as doenças ocupacionais, mais especificamente o estresse. Os dados empíricos são primários e foram coletados em questionário entre abril e maio de 1999, aplicados a 35 gerentes de nível intermediário e técnicos, de diferentes organizações, situadas em Curitiba e municípios circunvizinhos. Na pesquisa, tentou-se levantar, em nível de percepção individual, algumas características dos respondentes, as mudança por que passam suas organizações e as conseqüências percebidas. A metodologia de coleta de dados consistiu na aplicação de questionário semi-estruturado. Vinte e dois dos questionários foram aplicados a indivíduos que atuam na média gerência. Onze em profissionais subordinados a gerentes e cinco a gerentes de nível superior. O papel do gerente intermediário pode ser considerado como o elo de ligação entre o nível estratégico e o operacional. Está entre a tomada de decisão para as mudanças, e onde as mudanças efetivamente ocorrem. STONER (1999) diz que as principais atividades desse nível de gerência são dirigir as atividades que implementam as políticas da organização e equilibrar as exigências dos superiores com as capacidades de seus subordinados. (p.8). Sendo assim essa categoria está propensa a sofrer alto impacto das mudanças ocorridas na organização e, por conseqüência transmiti-lo para a parte da organização que lhes diz respeito. Tabela 1: Ramo, numero de funcionários e faturamento das empresas: Ramo % Nº de funcionários % Faturamento ano % 12 empresas de serviços 11 serviços públicos 09 indústrias 03 comerciais até 150 : 10 de 151 a 450 : 05 de 451 a 2000 : 08 acima de 2000: até 1 milhão : 07 de 1 a 20 milhões : 08 de 20 a 80 milhões : 08 acima 80 milhões : Fonte: dados coletados na pesquisa. Item 1: Significado do trabalho: Na questão do significado do trabalho, a grande maioria dos respondentes caracterizou como de duplo significado: o de manutenção econômica e o de realização pessoal e profissional e desenvolvimento pessoal e social. Tabela 2: Característica dos respondentes: sexo, idade, nível do cargo, titulação e renda. Sexo % Idade % Cargo % Titulação % Renda % Fem.: 18 Masc.: grad: 30 grad.e esp: até 30: 12 até 40: 20 acima 40: 3 Fonte: dados coletados da pesquisa ger. sup: 05 ger. méd: 10 ger. oper.: 10 técnicos: 10 Item 2: Áreas de mudanças identificadas como mais significativas. (113) Nos mecanismos de gestão financeira, orçamentos, custos, políticas de vendas (110) Estrutura ou processos de trabalho (108) Aquisição de novas tecnologias e/ou equipamentos (105) Mudanças nos produtos/serviços e mercados (100) Na gestão de pessoas e política de pessoal, estrutura salarial (84) Aspectos físicos e lay-out de escritórios até 1: 02 de 1 a 3: 25 acima 3: 06 não declar:

9 9 Por meio da análise ponderada das respostas identifica-se que as mudanças mais significativas ocorrem: em primeiro lugar nos mecanismos de gestão financeira, custos e políticas de vendas; em segundo lugar na estrutura e processo de trabalho; em terceiro na aquisição de novas tecnologias e equipamentos; em quarto lugar mudanças nos produtos e serviços e mercado; em quinto lugar na gestão de pessoas, política e estrutura salarial; e em sexto lugar mudanças nos aspectos físicos e lay-out da organização. Aparentemente as mudanças ocorrem em áreas significativas para os respondentes e não são percebidas como simples ou superficiais. Tabela 3: Origem identificada das mudanças. ( 2,78 ) Planejamento da direção (4,76 ) Profissionais da empresa ( 3,48 ) Concorrência ( 3,39 ) Restrições econômicas ( 4,22 ) Mudança de hábito ou comportamento ( 3,28 ) Adaptação a novas tecnologias do consumidor Observação: essa análise considera os números inferiores como mais relevantes. Fonte: dados coletados da pesquisa Na opinião dos respondentes as principais fontes de mudanças em ordem decrescente são: a) A direção da empresa. b) A adaptação a novas tecnologias. c) As restrições econômicas; d) A concorrência; e) Mudanças no hábito e comportamento do consumidor; f) Os profissionais da empresa. Há a opinião de que as mudanças ocorrem mais pela vontade da direção do que por mudanças externas em primeira ordem. Dessa forma, a mudança é centrada no planejamento e na implementação do dirigente, quando o papel do gerente é altamente enfatizado, e essa é a visão de mudança mais difundida entre as organizações (WILSON, 1995). MORGAN (1988); nesse sentido, especifica que os gerentes do futuro terão de ampliar suas habilidades e capacidades para dirigir essas mudanças. As mudanças do ambiente mais representativas na opinião dos respondentes são identificadas com imposições ambientais (LAUGHLIN, 1991), mas não provocando distúrbios internos significativos, ao se verificar que a grande maioria dos respondentes percebe como adequado o processo atual de mudanças. Identifica-se pouca relevância dada ao papel dos profissionais internos como agentes de mudança, apesar da relevância desse fator observada por SENGE (1995). Essa condição pode, ainda, ser extrapolada para o papel do gerente no processo de mudança; Stoner (1999) relata que a gerencia é o elo de ligação entre o nível estratégico e o operacional e afirma que as principais atividades desse agente comportam as atividades que implementam as políticas da organização, estando ele propenso a sofrer alto impacto das mudanças ocorridas na organização. Isso provavelmente ocorre pela pouca relevância e participação desses agentes no processo efetivo de mudança. Item 3: Estado de mudanças por que passa a organização. (14) Há mudanças significativas em algumas áreas. (11) Há mudanças significativas, com contradições entre os esquemas em que nem o antigo esquema permanece nem o novo é colocado no lugar. (07) Há mudanças significativas em todas as áreas. (03) Permanecem os esquemas anteriores com surgimento de mudanças eventuais.

10 10 (00) Não estão ocorrendo mudanças que possam ser consideradas importantes. Os respondentes consideram existirem mudanças significativas nas áreas de mudanças apontadas no item 6, mas também são identificadas contradições entre as condições de mudança; nem o antigo esquema permanece, nem o novo é colocado no lugar, conforme disposto por HININGS e GREENWOOD (1989). Item 4: Resultados esperados dessas mudanças pela direção da empresa. Os resultados mais esperados pela direção das empresas, na opinião dos respondentes, foram caracterizados como: (11) Maior produtividade. (8) Melhor atendimento ao consumidor. (7) Redução de custo. (5) Ampliação do mercado. (4) Maior competitividade. (3) Mais profissionalismo por parte dos func. (3) Adaptação ambiental. (3) Aumento do faturamento (3) Liderança no mercado. (2) Estabilidade da empresa no mercado. (2) Maior integração entre as unidades. (2) Destaque político da direção. (2) Atualização profissional. (1) Ambiente adequado de trabalho (1) Maior grau de autonomia financeira (1) Maior comprometimento. (1) Aumento da lucratividade. (1) Melhor distribuição de tarefas (1) Informações gerenciais consistentes. (1) Sobrevivência da empresa. (1) Atualização tecnológica Percebem-se propósitos difusos por parte da direção das empresas como resultados esperados dessas mudanças. Não há clareza ou consistência do que se espera, ou a divulgação dos resultados esperados não é efetivada pelas áreas responsáveis pelo processo estratégico de mudanças. Item 5: Resultados esperados dessas mudanças pelos funcionários. (18) de forma semelhante à da direção da empresa com algumas diferenças; (12) de forma semelhante à da direção da empresa; (05) de forma completamente diferente da visão da direção da empresa. Percebe-se que os resultados esperados das mudanças são citados pela maioria dos respondentes como semelhantes aos da direção da empresa, com diferenças ou de forma completamente diferente da visão da empresa. Essa diferença de expectativas pode estar relacionada à forma de gerenciamento impositivo das mudanças, conforme se verifica nos dois itens seguintes desta análise. Por outro lado não se verifica forte distanciamento entre as expectativas da direção e as expectativas dos funcionários em face das mudanças; portanto pode-se concluir que não existem empecilhos significativos por parte dos profissionais aos processos de mudança. Item 6: Resultados principais dessas mudanças para a organização. (21) bons resultados operacionais; (01) sem resultados identificados; (15) bons resultados financeiros; (01) falta de motivação; (08) queixas do pessoal; (01) conflito de culturas; (06) rotatividade do pessoal; (01) aumento da competitividade. (02) queda na produtividade;

11 11 Na percepção dos respondentes, os resultados das mudanças são identificados como operacional e financeiramente positivos, mas afetam a gestão de pessoas e geram queixas e rotatividade. Item 7: Visão dos funcionários sobre as mudanças na organização. (15) extremamente necessárias; (04) não alteram nada; (16) razoavelmente necessárias; (02) extremamente desnecessárias. As mudanças são percebidas como extremamente necessárias ou razoavelmente necessárias, completando a análise do item 2. Essa questão relaciona-se também com os resultados positivos auferidos nas questões operacionais e financeiras, excetuando-se as relacionadas à área de recursos humanos. Dessa forma, identifica-se que há percepção positiva em relação aos resultados auferidos pelos processos de mudança. Item 8: Iniciativas da organização para que as pessoas entendam o atual estado de mudança, tanto do ambiente como internamente. (14) Reuniões com chefias. (3) Insuficientes. (8) Não há iniciativas. (1) Busca da participação efetiva. (7) Palestras. (1) Delegação de autoridade. (6) Comunicação interna. (1) Transferências internas. (5) Através de treinamento. As iniciativas, na sua maioria, estão restritas a condições puramente informativas; a busca de participação efetiva e a delegação de autoridade no processo de mudança foram citados uma única vez. Verificam-se poucas iniciativas para esclarecimentos sobre o atual estado de mudanças. Item 9: Debates ou programas que visam a melhor entendimento sobre o estado atual de mudanças por que passa a organização e a participação do respondente nesse processo. (13) Não há debates ou programação. (1) Debates sem participação. (13) Participação em debates ou programas. (1) Debates com participação. ( 3) Coordenação de debates. (1) Organização de debates. (1) Planejamento de treinamento. Não há debates ou programas significativos que permitam a visualização, por parte dos participantes, do processo de mudança como um todo. Não há divulgação ou programas de alinhamento entre as ações e os resultados esperados numa ação deliberada pela direção da empresa; ou os propósitos e a extensão do processo de mudança não são ainda claramente visualizados e percebidos pelas áreas estratégicas das organizações. Item 10: Sintomas de desconforto ou estresse causados pelo processo de mudança. (17) sensação de cansaço e fadiga; (16) períodos de tristeza ou desalento; (10) dificuldade em concentração, dificuldade de memorização; (09) nervosismo, fácil irritabilidade, sentimento de raiva; (08) a mudança não tem causado desconforto; (07) dificuldade de tomada de decisão; (07) deseja freqüentemente trocar de trabalho; (06) dor de estômago, nuca, de cabeça; (05) diminuição da eficiência no trabalho;

12 12 (04) angústia ou pavor íntimo; (02) tontura, vertigem, nó na garganta, sensação de falta de ar; (02) uso de medicamentos. Entre os sintomas de estresse mais percebidos pelos respondentes estão pela ordem: cansaço e fadiga; períodos de tristeza e desalento; dificuldades de concentração e memorização; nervosismo e irritabilidade; dificuldade de tomada de decisão; desejo de trocar de trabalho; dor de estômago, cabeça e nuca; diminuição da eficiência do trabalho; angústia e pavor intimo; e tontura, vertigem, nó na garganta e falta de ar. A quantidade de sintomas apontados por pessoas indica, segundo COUTO (1987): a) Alto nível de estresse - acima de quatro sintomas - 25% dos respondentes. a) Indice moderado de estresse - entre dois e três sintomas - 34% dos respondentes. b) Estresse baixo - um item citado - 18% dos respondentes. c) Sem estresse - 23% dos respondentes. Percebe-se que a maioria dos respondentes indicam estar sofrendo pressões do processo atual de mudanças por que passam suas organizações. Aproximadamente sessenta por cento dos participantes responderam possuir altos índices ou índices moderados de estresse segundo os parâmetros de COUTO (1987). Item 11: Mudanças pessoais verificadas após o início das mudanças. (13) Vontade de fazer mudança completa em sua vida. (08) Não senti nenhuma alteração. (07) Dificuldade para lidar como outras pessoas. (07) Esquecer ou não fazer caso de compromissos sociais. (05) As pessoas ficam mais agressivas no trabalho. (06) Sente saudades da época em que a sociedade era melhor. (03) Deseja leis mais duras. (03) Os chefes passaram a me olhar com outros olhos. (02) Ímpeto de violação das regras sociais do meio em que vive. Percebe-se que não há relação entre os respondentes que identificaram possuir altos índices de estresse com os itens mais apontados como mudanças pessoais verificadas após o início das mudanças. Item 12: Principais fontes de estresse. (18) sobrecarga de trabalho; (15) insegurança de emprego; (15) conflitos de atribuições; (12) salário injusto; (10) ambigüidade na carreira; (10) ambigüidade nas funções; (09) ambigüidade nas metas e objetivos; (09) fraca participação no processo; (05) precariedade nas relações sociais; (02) constrangimento no comportamento; (04) dificuldade no desempenho de tarefas; (04) participação nas decisões; (03) ameaças do chefe imediato; (03) condições físicas de trabalho; (02) não percebo fontes de estresse. As principais fontes de estresse identificadas pelos respondentes podem ser agrupadas, em primeiro lugar, como fatores de trabalho, tais como sobrecarga e conflitos de atribuições. Em segundo lugar, insegurança de emprego. Em terceiro lugar, o salário injusto e a ambigüidade na carreira e nas funções. Apontavam-se também como conseqüência do processo de mudança impactos advindos da fraca participação no processo de mudança, a

13 13 queda na qualidade das relações sociais na empresa e, finalmente, constrangimentos e ameaças na relação com a chefia. Apenas dois dos entrevistados identificaram não perceber fontes importantes de estresse ocasionado pelo atual processo de mudança. Verifica-se existir, na amostra pesquisada, relação entre mudança e estresse, apesar de que a mudança é percebida como necessária pelos respondentes. Não foram identificadas relações entre os respondentes com altos graus de estresse e os fatores de estresse mais apontados, de forma isolada, mas relação significativa entre a incidência de maiores fontes de estresse existentes na empresa e graus elevados e moderados de estresse apontados no item 10. Identifica-se, portanto, relação entre os indivíduos que apresentam alto grau e moderado de estresse com a existência de maior número de fontes de estresse na organização, ocasionado provavelmente pela gestão inadequada do processo de mudança identificada também nos itens: 4, 6, 8 e 9. CONSIDERAÇÕES FINAIS As principais constatações obtidas por meio do levantamento dos dados coletados da amostra analisada, e nos limites do estudo e de sua metodologia, podem apontar parcial e resumidamente, este elenco de considerações: a) Aparentemente as mudanças ocorrem em áreas significativas para os respondentes e não são percebidas como simples ou superficiais; contudo são identificadas contradições entre as condições de mudança em que nem o antigo esquema permanece nem o novo é colocado no lugar. b) As mudanças ocorrem principalmente pela decisão e ação dos dirigentes, com ênfase no papel do dirigente. Dessa forma, a mudança é centrada no planejamento e na implementação do dirigente. Identifica-se pouca relevância dada ao papel dos profissionais internos como agentes de mudança c) Não há programas significativos que permitam a visualização, por parte dos participantes, do processo de mudança como um todo. Não há divulgação ou programas de alinhamento entre as decisões, as ações e os resultados esperados numa ação deliberada pela direção da empresa; ou os propósitos e a extensão do processo de mudança não são ainda claramente visualizados e percebidos pelas áreas estratégicas das organizações. d) Percebe-se que a maioria dos respondentes indicam estar sofrendo pressões do processo atual de mudanças por que passam suas organizações. Aproximadamente sessenta por cento dos participantes responderam possuir altos índices ou índices moderados de estresse. e) Identifica-se relação entre os indivíduos que apresentam alto e moderado grau de estresse com a existência de maior número de fontes de estresse na organização, ocasionado provavelmente pela gestão inadequada do processo de mudança. As conclusões parciais do estudo sugerem questões de investigação futura, que podem, considerar estes questionamentos, entre outros: a) Como os dados da região da aplicação deste estudo são comparados com estudos de outras regiões, ramos de atividade, gênero e perfil do respondente? b) Estudos em profundidade do tipo estudo de caso referendam essas constatações? c) Quais são as conseqüências das mudanças estratégicas e das mudanças incrementais analisadas separadamente? Existem ainda poucos estudos que relacionem as mudanças organizacionais com as doenças ocupacionais; todavia os estudos existentes possibilitam considerar a existência de tal

14 14 relação. Sendo assim, cumpre que as organizações passem a considerar os possíveis efeitos e seus custos sobre o processo. A preocupação em como administrar a mudança também precisa ser levada em consideração e, como especifica Morgan (1988), importa aumentar as habilidades e competências dos gerenciadores, para poderem fazer frente às turbulências ambientais. A mudança nos dias atuais não é mais uma questão de aceitá-la ou rejeitá-la; é preciso saber conviver com ela: compreender que a mudança traz conseqüências que precisam ser conhecidas em todas as suas extensões, sejam essas positivas ou negativas. É, portanto, questão de vida e sobrevivência se não para a organização, pelo menos para os indivíduos que dela fazem parte. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALBRECHT, Karl. O gerente e o estresse. Rio de Janeiro : Zahar, ARROBA, Tanya; JAMES, Kin. Pressão no trabalho. São Paulo : McGraw-Hill, AUBERT, Nicole. A neurose profissional. In : CHANLAT, Jean-François. O indivíduo na organização. v. II. São Paulo : Atlas, p BARTUNEK, Jean M.; GORDON, Judith R.; WEATHERSBY, Rita Preszler. Developing complicated understanding in administrators. Academy of Management Review, v.8, n.2, p , BERGER, Peter L.;LUCKMANN, Thomas. A construção social da realidade. 16. ed. Petrópolis : Vozes, BRADY, William et al. Defining total corporate health and safety costs : significance and impact. Journal of Occupational and Environmental Medicine, v. 39, n. 3, p , BURRELL, Gibson; MORGAN, Gareth. Sociological paradigms and organisational analysis. England : Arena, CHEVALIER, Anne; BONENFANT, Sébastien; PICOT, Marie-Christine et al. Occupational factors of anxienty and depressive disorders in the French National Eletricity and Gas Company. Journal of Occupational and Environmental Medicine, v. 38, n. 11, p , nov COOPER, David J.; HININGS, Bob; GREENWOOD, Royston et al. Sedimentation and transformation in organizational change : the case of canadian law firms. Organization Studies. v.17, n.4, p , COUTO, Hudson de Araújo. Stress e qualidade de vida do executivo. Rio de Janeiro : COP, CRUBELLATE, João Marcelo; MACHADO-DA-SILVA, Clóvis L. Valores/Crenças e interesses como mediadores de adaptação organizacional à mudança ambiental: estudo comparativo de casos. Encontro da ANPAD(22º : 1998 : Foz do Iguaçu). Anais. Rio de Janeiro : ANPAD, CD-Rom. DEJOURS, Chritophe. Uma nova visão do sofrimento humano nas organizações. In : CHANLAT, Jean-François. O indivíduo na organização. v. I. São Paulo : Atlas, p DIMAGGIO, Paul J.; POWELL, Walter W. The iron cage revisited : institutional isomorphism and collective rationality in organization fields. American Sociological Review, v.48, n.2, p , DOLAN, S.; ARSENAULT, A. O stress no trabalho e os seus efeitos sobre o indivíduo e a organização. Relatório de pesquisa, IRSST, EMMETT, Edward A. What is the strategic value of occupational and environmental medicine. Journal of Occupational and Environmental Medicine, v. 38, n. 11, p , nov

15 FINSTAD, Nils. The rhetoric of organizational change. Humam Relations. v.51, n.6, p , GIDDENS, Anthony. A constituição social da realidade. São Paulo : Martins Fontes, HININGS, C.R.; GREENWOOD, Royston. The dynamics of strategic change. New York : Basil Blackwell, LADEIRA, Marcelo Bronzo. O processo do estresse ocupacional e a psicopatologia do trabalho. Revista de Administração, v. 31, n. 1, p.64-74, jan./mar., LAUGHLIN, Richard C. Environmental disturbances and organizational transitions and transformations: some alternative models. Organization Studies, v.12, n.2, p , MACHADO-DA-SILVA, Clóvis L. ; FONSECA, Valéria Silva da. Competitividade organizacional : uma tentativa de reconstrução analítica. Organizações e Sociedade. v.4, n.?, p , dez MORGAN, Gareth. Imagens da organização. São Paulo : Atlas, MORGAN, Gareth. Ridding the waves of change. San Francisco : Jossey-Bass, NAKAYAMA, Marina Keiko; BITENCOURT, Cláudia. Processo de mudança e estresse ocupacional. Encontro da ANPAD (22º : 1998 : Foz do Iguaçu). Anais. Rio de Janeiro : ANPAD, CD-Rom. RAJAGOPALAN, Nandini; SPREITZER, Gretchen M. Toward a theory of strategic change: a multi-lens perspective and integrative framework. Academy of Management Review, v.22, n.1, p.48-79, SCOTT, W. Richard. Institutions and organizations. Thousand Oaks (California) : Sage, SCOTT, W. Richard. Institutions and organizations. Thousand Oaks (California) : Sage, SCOTT, W. Richard. The adolescence of institutional theory. Administrative Science Quaterly, v.32, p , SIEGRIST, Johannes; PETER, Richard. Threat to occupational status control and cardiovascular risk. Israel Journal of Medical Sciences, v. 32, p , mar./apr SPINK, Peter K. Saúde mental e trabalho : o bloqueio de uma prática acessível. In: CAMPOS, Florianita C. B. Pscicologia e saúde. São Paulo : Hucitec, p STELLMAN, Jeanne M.; DAUM, Susan M. Trabalho e saúde na indústria. v. I. São Paulo : Universidade de São Paulo, WILSON, David C. A Strategy of Change. London : Routledge,

MUDANÇA ORGANIZACIONAL E ESTRESSE OCUPACIONAL

MUDANÇA ORGANIZACIONAL E ESTRESSE OCUPACIONAL 1 MUDANÇA ORGANIZACIONAL E ESTRESSE OCUPACIONAL Autores: Maurício Reinert do Nascimento e Sergio Bulgacov A proposta deste trabalho é compreender a possível relação entre mudanças organizacionais e o estresse.

Leia mais

1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano. Vamos falar sobre isso?

1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano. Vamos falar sobre isso? 1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano Vamos falar sobre isso? Algumas estatísticas sobre Saúde Mental Transtornos mentais são frequentes e afetam mais de 25% das pessoas

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS Manual de Aplicação Questionário de Levantamento Organizacional e de Fatores Humanos Brasília, novembro

Leia mais

Organização da Aula. Cultura e Clima Organizacionais. Aula 3. Mudança: um Mal Necessário. Contextualização. O Capital Humano é Crítico

Organização da Aula. Cultura e Clima Organizacionais. Aula 3. Mudança: um Mal Necessário. Contextualização. O Capital Humano é Crítico Cultura e Clima Organizacionais Aula 3 Profa. Me. Carla Patricia Souza Organização da Aula Cultura e mudança Impactos da mudança Resistência à mudança Mudança: um Mal Necessário Contextualização O ambiente

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Conflitos. Conflitos, como superá-los com eficácia? por Alexandre Cristiano Rosaneli

Conflitos. Conflitos, como superá-los com eficácia? por Alexandre Cristiano Rosaneli Conflitos Conflitos, como superá-los com eficácia? por Alexandre Cristiano Rosaneli Conflitos, quem nunca passou por um momento de conflito? A palavra CONFLITO possui uma conotação negativa, sempre imaginamos

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

6 Referências bibliográficas

6 Referências bibliográficas 6 Referências bibliográficas BOIRAL, O. ISO 9000: Outside the iron cage. Organization Science, v. 14, n. 6, p. 720-737, nov-dez 2003. CARVALHO, C. A. P.; VIEIRA, M. M. F.; LOPES, F. D. Contribuições da

Leia mais

Planejamento de Recursos Humanos

Planejamento de Recursos Humanos UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Planejamento de Recursos Humanos Profa. Marta Valentim Marília 2014 As organizações

Leia mais

CULTURA ORGANIZACIONAL. Prof. Gilberto Shinyashiki FEA-RP USP

CULTURA ORGANIZACIONAL. Prof. Gilberto Shinyashiki FEA-RP USP CULTURA ORGANIZACIONAL Prof. Gilberto Shinyashiki FEA-RP USP Cultura é uma característica única de qualquer organização Apesar de difícil definição, compreende-la pode ajudar a: Predizer como a organização

Leia mais

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los.

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los. Decorrência da Teoria Neoclássica Processo Administrativo. A Teoria Neoclássica é também denominada Escola Operacional ou Escola do Processo Administrativo, pela sua concepção da Administração como um

Leia mais

Perfil de Competências de Gestão. Nome: Exemplo

Perfil de Competências de Gestão. Nome: Exemplo Perfil de Competências de Gestão Nome: Exemplo Data: 8 maio 2008 Perfil de Competências de Gestão Introdução Este perfil resume como é provável que o estilo preferencial ou os modos típicos de comportamento

Leia mais

AÇÕES EFETIVAS DE GERENCIAMENTO DO STRESS OCUPACIONAL: Desafio de Conciliar Embasamento Científico e Planejamento Estratégico

AÇÕES EFETIVAS DE GERENCIAMENTO DO STRESS OCUPACIONAL: Desafio de Conciliar Embasamento Científico e Planejamento Estratégico AÇÕES EFETIVAS DE GERENCIAMENTO DO STRESS OCUPACIONAL: Desafio de Conciliar Embasamento Científico e Planejamento Estratégico Sâmia Simurro Novembro/2011 FATOS SOBRE O STRESS Inevitável Nível positivo?

Leia mais

6 Considerações Finais

6 Considerações Finais 6 Considerações Finais Este capítulo apresenta as conclusões deste estudo, as recomendações gerenciais e as recomendações para futuras pesquisas, buscadas a partir da análise dos casos das empresas A e

Leia mais

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS Concurso para agente administrativo da Polícia Federal Profa. Renata Ferretti Central de Concursos NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS 1. Organizações como

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

EIM/UFPR AT086 Gestão de Projetos Prof. Umberto Klock. Gestão de pessoas

EIM/UFPR AT086 Gestão de Projetos Prof. Umberto Klock. Gestão de pessoas EIM/UFPR AT086 Gestão de Projetos Prof. Umberto Klock Gestão de pessoas PRINCIPAIS TÓPICOS 1. Cultura organizacional e outros desafios de projetos; 2. O papel do gerente de projetos; 3. O relacionamento

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra INTRODUÇÃO As organizações vivem em um ambiente em constante transformação que exige respostas rápidas e efetivas, respostas dadas em função das especificidades

Leia mais

Qualidade de vida no Trabalho

Qualidade de vida no Trabalho Qualidade de Vida no Trabalho Introdução É quase consenso que as empresas estejam cada vez mais apostando em modelos de gestão voltados para as pessoas, tentando tornar-se as empresas mais humanizadas,

Leia mais

Introdução. Uma forma comum de estabelecimento de metas usada nas organizações é a Administração por Objetivos - APO

Introdução. Uma forma comum de estabelecimento de metas usada nas organizações é a Administração por Objetivos - APO ADMINISTRAÇÃO POR OBJETIVOS 1 Introdução Uma forma comum de estabelecimento de metas usada nas organizações é a Administração por Objetivos - APO Este processo é uma tentativa de alinhar metas pessoais

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06 Questões sobre o tópico Avaliação de Desempenho: objetivos, métodos, vantagens e desvantagens. Olá Pessoal, Espero que estejam gostando dos artigos. Hoje veremos

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA. drivanmelo@yahoo.com.br

FUNDAMENTOS DE ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA. drivanmelo@yahoo.com.br FUNDAMENTOS DE ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA drivanmelo@yahoo.com.br ADMINISTRAÇÃO AD Prefixo latino = Junto de AD MINISTRAÇÃO MINISTER Radical = Obediência, Subordinação Significa aquele que realiza uma função

Leia mais

A comunicação empresarial e a gestão da mudança

A comunicação empresarial e a gestão da mudança Renato Dias Baptista Índice 1 As mudanças organizacionais 1 1.1 Comunicação e mudança organizacional............. 2 2 Considerações Finais 4 3 Referências Bibliográficas 4 1 As mudanças organizacionais

Leia mais

Organização da Aula. Gestão de Recursos Humanos. Aula 2. Liderança X Gerenciamento. Contextualização. Empreendedor Conflitos.

Organização da Aula. Gestão de Recursos Humanos. Aula 2. Liderança X Gerenciamento. Contextualização. Empreendedor Conflitos. Gestão de Recursos Humanos Aula 2 Profa. Me. Ana Carolina Bustamante Organização da Aula Liderança Competências gerenciais Formação de equipes Empreendedor Liderança X Gerenciamento Conceito e estilos

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Maria Celina Melchior Dados da autora Mestre em Educação, Avaliadora Institucional do INEP/SINAES/MEC, atuou como avaliadora in loco do Prêmio Inovação em Gestão

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2.1 IMPORTÂNCIA DA ADMINISTRAÇÃO Um ponto muito importante na administração é a sua fina relação com objetivos, decisões e recursos, como é ilustrado na Figura 2.1. Conforme

Leia mais

Pesquisa Clima Organizacional 2009. Relatório Embrapa Gado de Corte

Pesquisa Clima Organizacional 2009. Relatório Embrapa Gado de Corte Pesquisa Clima Organizacional 2009 Relatório Embrapa Gado de Corte 1. Fundamentação Teórica A Pesquisa de Cultura e Clima Organizacional é um instrumento de levantamento de informações, utilizado para

Leia mais

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1 Página 1 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL As pessoas que supervisionam as atividades das outras e que são responsáveis pelo alcance dos objetivos nessas organizações são os administradores. Eles tomam decisões,

Leia mais

3. Estratégia e Planejamento

3. Estratégia e Planejamento 3. Estratégia e Planejamento Conteúdo 1. Conceito de Estratégia 2. Vantagem Competitiva 3 Estratégias Competitivas 4. Planejamento 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Administração de Pequenas Empresas

Leia mais

Metodologia de Gestão de Riscos nos Projetos Estratégicos

Metodologia de Gestão de Riscos nos Projetos Estratégicos Metodologia de Gestão de Riscos nos Projetos Estratégicos Fevereiro/2014 AGENDA Gestão de Riscos Metodologia de Gestão de Riscos nos Projetos Estratégicos AGENDA Gestão de Riscos Metodologia de Gestão

Leia mais

2. Gerenciamento de projetos

2. Gerenciamento de projetos 2. Gerenciamento de projetos Este capítulo contém conceitos e definições gerais sobre gerenciamento de projetos, assim como as principais características e funções relevantes reconhecidas como úteis em

Leia mais

A GINÁSTICA LABORAL COMO FERRAMENTA PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA NO SETOR DE COZINHA EM RESTAURANTES

A GINÁSTICA LABORAL COMO FERRAMENTA PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA NO SETOR DE COZINHA EM RESTAURANTES A GINÁSTICA LABORAL COMO FERRAMENTA PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA NO SETOR DE COZINHA EM RESTAURANTES Alexandre Crespo Coelho da Silva Pinto Fisioterapeuta Mestrando em Engenharia de Produção UFSC

Leia mais

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I 1 TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I Administração é a maneira de governar organizações ou parte delas. É o processo de planejar, organizar, dirigir e controlar o uso de recursos

Leia mais

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO A presente pesquisa aborda os conceitos de cultura e clima organizacional com o objetivo de destacar a relevância

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

PARTE V ADMINISTRAÇÃO DE CONFLITOS

PARTE V ADMINISTRAÇÃO DE CONFLITOS PARTE V ADMINISTRAÇÃO DE CONFLITOS Ganhar, nem sempre. Amadurecer, sempre. Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br www.justocantins.com.br Introdução É impossível imaginar uma empresa onde não

Leia mais

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Carlos Alberto Rovedder, Gustavo Zanini Kantorski Curso de Sistemas de Informação Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Campus

Leia mais

Como desenvolver a resiliência no ambiente de Recursos Humanos

Como desenvolver a resiliência no ambiente de Recursos Humanos Como desenvolver a resiliência no ambiente de Recursos Humanos Edna Bedani Edna Bedani Mestre em Administração, Pós Graduada em Administração, com especialização em Gestão Estratégica de RH, graduada em

Leia mais

Aula Nº 13 A Dissonância Cognitiva pode ser eliminada

Aula Nº 13 A Dissonância Cognitiva pode ser eliminada Aula Nº 13 A Dissonância Cognitiva pode ser eliminada Objetivos da aula: Esta aula proporcionará ao aluno da disciplina de Marketing em Administração de Call Center compreender o sentido e a importância

Leia mais

DESAFIOS DA GESTÃO DAS PARTES INTERESSADAS DE UM PROJETO

DESAFIOS DA GESTÃO DAS PARTES INTERESSADAS DE UM PROJETO DESAFIOS DA GESTÃO DAS PARTES INTERESSADAS DE UM PROJETO João Souza Neto, Dr. joaon@ucb.br Diana L. N. dos Santos, MSc. dianas@mpdft.mp.br www.twitter.com/govtiapf http://govtiapf.com.br/blog/ Agenda Relacionamento

Leia mais

CONTROLE ESTRATÉGICO

CONTROLE ESTRATÉGICO CONTROLE ESTRATÉGICO RESUMO Em organizações controlar significa monitorar, avaliar e melhorar as diversas atividades que ocorrem dentro de uma organização. Controle é fazer com que algo aconteça como foi

Leia mais

CULTURA ORGANIZACIONAL, PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO E A SAÚDE DO TRABALHADOR (2012) 1

CULTURA ORGANIZACIONAL, PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO E A SAÚDE DO TRABALHADOR (2012) 1 CULTURA ORGANIZACIONAL, PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO E A SAÚDE DO TRABALHADOR (2012) 1 SILVEIRA, J.F²; BRANDT, B. O²; CORRÊA, D. M. W²; POTRICH, A. C. G³; ROHDE, C. L. C 4. 1 Trabalho de Pesquisa 2 Psicóloga,

Leia mais

Promoção de Experiências Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos

Promoção de Experiências Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos Universidade do Minho Escola de Psicologia rgomes@psi.uminho.pt www.psi.uminho.pt/ www.ardh-gi.com Esta apresentação não substitui a leitura

Leia mais

Parceria RH & Coaching: Soluções à organização pessoal e profissional Marcia Toscano

Parceria RH & Coaching: Soluções à organização pessoal e profissional Marcia Toscano Parceria RH & Coaching: Soluções à organização pessoal e profissional Marcia Toscano Socióloga - Consultora em Gestão de Pessoas - Personal & Professional Coach 1. Cenários organizacionais: Como delimitar

Leia mais

PESQUISA DO CLIMA ORGANIZACIONAL EM UMA EMPRESA DE MÁRMORES E GRANITOS DO MUNICÍPIO DE COLIDER - MT.

PESQUISA DO CLIMA ORGANIZACIONAL EM UMA EMPRESA DE MÁRMORES E GRANITOS DO MUNICÍPIO DE COLIDER - MT. PESQUISA DO CLIMA ORGANIZACIONAL EM UMA EMPRESA DE MÁRMORES E GRANITOS DO MUNICÍPIO DE COLIDER - MT. 1 NATÁLIA SALVADEGO, 2 FRANCIANNE BARONI ZANDONADI 1 Bacharel em Engenheira Florestal (UNEMAT) e Estudante

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE GESTÃO ESTRATÉGICA E DE ESTRATÉGIA. Profª. Danielle Valente Duarte

GESTÃO EMPRESARIAL INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE GESTÃO ESTRATÉGICA E DE ESTRATÉGIA. Profª. Danielle Valente Duarte GESTÃO EMPRESARIAL INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE GESTÃO ESTRATÉGICA E DE ESTRATÉGIA Profª. Danielle Valente Duarte 2014 Os Estudos e a Prática da Gestão Estratégica e do Planejamento surgiram no final da década

Leia mais

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores.

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores. Brand Equity O conceito de Brand Equity surgiu na década de 1980. Este conceito contribuiu muito para o aumento da importância da marca na estratégia de marketing das empresas, embora devemos ressaltar

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Estruturas Organizacionais

Estruturas Organizacionais Estruturas Organizacionais Deve ser delineado de acordo com os objetivos e estratégias estabelecidos pela empresa. É uma ferramenta básica para alcançar as situações almejadas pela empresa. Conceito de

Leia mais

Antecedentes individuais do comportamento organizacional

Antecedentes individuais do comportamento organizacional Antecedentes individuais do comportamento organizacional Capacidades - Intelectuais - Físicas Personalidade Valores Percepções Atribuições Atitudes Motivação Stress Comportamento Desempenho Satisfação

Leia mais

1 IDENTIFICAÇÃO 2 E CAUSA O QUE É O ESTRESSE? EDITORIAL INTRODUÇÃO DEFINIÇÃO EDITORIAL ÍNDICE COMBATA O ESTRESSE COMO IDENTIFICAR O ESTRESSE?

1 IDENTIFICAÇÃO 2 E CAUSA O QUE É O ESTRESSE? EDITORIAL INTRODUÇÃO DEFINIÇÃO EDITORIAL ÍNDICE COMBATA O ESTRESSE COMO IDENTIFICAR O ESTRESSE? EDITORIAL EDITORIAL INTRODUÇÃO COMBATA O ESTRESSE Sérgio Butka Presidente do Sindicato dos Metalúrgicos da Grande Curitiba O estresse é uma das grandes pragas do mundo moderno. Este problema sintetiza

Leia mais

O IMPACTO DA MUDANÇA NA CULTURA DAS ORGANIZAÇÕES. Fabiana Gonçalves, Priscila da C. Custódio Vanessa Mª B. dos Santos, Drª Vera Lúcia Ignácio Molina

O IMPACTO DA MUDANÇA NA CULTURA DAS ORGANIZAÇÕES. Fabiana Gonçalves, Priscila da C. Custódio Vanessa Mª B. dos Santos, Drª Vera Lúcia Ignácio Molina O IMPACTO DA MUDANÇA NA CULTURA DAS ORGANIZAÇÕES Fabiana Gonçalves, Priscila da C. Custódio Vanessa Mª B. dos Santos, Drª Vera Lúcia Ignácio Molina UNIVAP/ Estudante do curso de Administração de Empresas/fabianacgoncalves@eaton.com

Leia mais

REFLEXÃO. (Warren Bennis)

REFLEXÃO. (Warren Bennis) RÉSUMÉ Consultora nas áreas de Desenvolvimento Organizacional e Gestão de Pessoas; Docente de Pós- Graduação; Coaching Experiência de mais de 31 anos na iniciativa privada e pública; Doutorado em Administração;

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Instrutora: Aneliese Nascimento

ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Instrutora: Aneliese Nascimento Instrutora: Aneliese Nascimento O QUE É UM PROJETO? 4 Instrumento de comunicação. 4 Instrumento de intervenção em um ambiente ou situação para mudanças. 4 Instrumento para fazer algo inovador. O QUE DEVE

Leia mais

Promoção da qualidade de vida através de psicoterapia breve de grupo

Promoção da qualidade de vida através de psicoterapia breve de grupo Promoção da qualidade de vida através de psicoterapia breve de grupo PSICOTERAPIA Categoria: GRUPO Categoria: Custos administrativos e operacionais Área: Medicina Preventiva - Programa Viver Bem Responsáveis:

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

ASSÉDIO MORAL: Por: Claudia Regina Martins Psicóloga Organizacional CRP 08/13638

ASSÉDIO MORAL: Por: Claudia Regina Martins Psicóloga Organizacional CRP 08/13638 ASSÉDIO MORAL: Por: Claudia Regina Martins Psicóloga Organizacional CRP 08/13638 DEFINIÇÕES Moral: É o conjunto de regras adquiridas através da cultura, da educação, da tradição e do cotidiano, e que orientam

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável Felipe de Oliveira Fernandes Vivemos em um mundo que está constantemente se modificando. O desenvolvimento de novas tecnologias

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO: A IMPORTÂNCIA DE UMA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS BEM ELABORADA.

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO: A IMPORTÂNCIA DE UMA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS BEM ELABORADA. ISSN 1984-9354 QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO: A IMPORTÂNCIA DE UMA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS BEM ELABORADA. Marcelo Manarelli de Oliveira (LATEC/UFF) Ronnie Joshé Figueiredo de Andrade (LATEC/UFF)

Leia mais

PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS

PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS Marino, Reynaldo Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde - FASU/ACEG GARÇA/SP-

Leia mais

Desenvolvimento Humano

Desenvolvimento Humano ASSESSORIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Desenvolvimento Humano ADVISORY Os desafios transformam-se em fatores motivacionais quando os profissionais se sentem bem preparados para enfrentá-los. E uma equipe

Leia mais

o planejamento, como instrumento de ação permanente; a organização do trabalho, como produto efetivo do planejamento;

o planejamento, como instrumento de ação permanente; a organização do trabalho, como produto efetivo do planejamento; FRANCISCO BITTENCOURT Consultor Sênior do MVC VISÃO, AÇÃO, RESULTADOS Visão sem ação é um sonho, sonho sem visão é um passatempo. Fred Polak INTRODUÇÃO No conhecido diálogo entre Alice e o gato Ceeshire,

Leia mais

Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo

Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo INTRODUÇÃO O Balanced Scorecard (BSC) é uma metodologia desenvolvida para traduzir, em termos operacionais, a Visão e a Estratégia das organizações

Leia mais

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL Julia Ferreira de Moraes (EEL-USP) moraes.julia@hotmail.com Everton Azevedo Schirmer

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RECURSOS HUMANOS EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR COM PERSPECTIVA DE DESENVOLVIVENTO DO CLIMA ORGANIZACONAL: O CASO DO HOSPITAL WILSON ROSADO EM MOSSORÓ RN

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto

Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com PMBoK Organização do Projeto Os projetos e o gerenciamento

Leia mais

ESTRESSE OCUPACIONAL SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO

ESTRESSE OCUPACIONAL SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO ESTRESSE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO Página 1 de 9 1. OBJETIVO... 3 2. ESCOPO... 3 3. DEFINIÇÕES... 4 4. ESTRESSE OCUPACIONAL: CARACTERIZAÇÃO... 4 4.1. Conceitos fundamentais... 4 4.2. Conseqüências

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível.

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível. VALÊNCIAS FÍSICAS RESISTÊNCIA AERÓBICA: Qualidade física que permite ao organismo executar uma atividade de baixa para média intensidade por um longo período de tempo. Depende basicamente do estado geral

Leia mais

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler 2 Introdução A política corporativa de RH da Schindler define as estratégias relacionadas às ações para com seus colaboradores; baseia-se na Missão e nos

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS. Aula 12

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS. Aula 12 FACULDADE CAMÕES PORTARIA 4.059 PROGRAMA DE ADAPTAÇÃO DE DISCIPLINAS AO AMBIENTE ON-LINE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL DOCENTE: ANTONIO SIEMSEN MUNHOZ, MSC. ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: FEVEREIRO DE 2007. Gestão

Leia mais

Um novo olhar sobre o teto de vidro 1 - A perspectiva de cima

Um novo olhar sobre o teto de vidro 1 - A perspectiva de cima Um novo olhar sobre o teto de vidro 1 - A perspectiva de cima Helen Peters e Rob Kabacoff A Hewlett Packard tem uma mulher por presidente; a ex-primeira dama norte-americana [Hillary Clinton] é, hoje,

Leia mais

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil P e s q u i s a d a F u n d a ç ã o G e t u l i o V a r g a s I n s t i t u t o d e D e s e n v o l v i m e n t o E d u c a c i o n a l Conteúdo 1. Propósito

Leia mais

PRINCÍPIO DE ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA

PRINCÍPIO DE ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos o Processo sistemático o Análise e resposta aos riscos do projeto o Minimizar as consequências dos eventos negativos o Aumento dos eventos positivos Gerenciamento de Riscos o Principais

Leia mais

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA Prof. Gustavo Nascimento Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA A liderança e seus conceitos Liderança é a capacidade de influenciar um grupo para que as metas sejam alcançadas Stephen Robbins A definição de liderança

Leia mais

Idalberto Chiavenato Administração Teoria, Processo e Prática

Idalberto Chiavenato Administração Teoria, Processo e Prática Idalberto Chiavenato Administração Teoria, Processo e Prática Elsevier/Campus www.elsevier.com.br www.chiavenato.com SUMÁRIO RESUMIDO PARTE I: Os fundamentos da Administração PARTE II: O contexto em que

Leia mais

FIB- Faculdades Integradas de Bauru DISCIPLINA: FUNDAMENTOS E EVOLUÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO MODERNA. Profº MS. Carlos Henrique Carobino

FIB- Faculdades Integradas de Bauru DISCIPLINA: FUNDAMENTOS E EVOLUÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO MODERNA. Profº MS. Carlos Henrique Carobino FIB- Faculdades Integradas de Bauru DISCIPLINA: FUNDAMENTOS E EVOLUÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO MODERNA Profº MS. Carlos Henrique Carobino E-mail: carobino@bol.com.br 1 Pressões Externas MEGATENDÊNCIAS Competição

Leia mais

DIRETOR(A) DE SEDE ESCRITÓRIO TETO BRASIL BAHIA

DIRETOR(A) DE SEDE ESCRITÓRIO TETO BRASIL BAHIA DIRETOR(A) DE SEDE ESCRITÓRIO TETO BRASIL BAHIA Identificação do Cargo Departamento / Área Cargo a que reporta (Liderança direta) Cargos sob sua dependência (Liderança direta) Organograma Diretoria de

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram Esquema de Palestra I. Por Que As Pessoas Compram A Abordagem da Caixa Preta A. Caixa preta os processos mentais internos que atravessamos ao tomar uma

Leia mais

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS Amplitude de Controle Conceito Também denominada amplitude administrativa ou ainda amplitude de supervisão, refere-se ao número de subordinados que um

Leia mais

ATENDIMENTO AO CLIENTE

ATENDIMENTO AO CLIENTE ATENDIMENTO AO CLIENTE 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 PROBLEMAS PARA CLIENTES SÃO PROVOCADOS POR: PROPRIETÁRIOS GERENTES SUPERVISORES SINTOMAS DE MAU ATENDIMENTO VOCÊ PODE TER CERTEZA

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE Extraído do Livro "Maturidade em Gerenciamento de Projetos" - 1ª Edição Versão do Modelo 1..0-01/Fev/008 - Editora INDG-Tecs - 008 WWW.MATURITYRESEARCH.COM

Leia mais

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Objetivos da Aula: Nesta aula, iremos conhecer os diversos papéis e responsabilidades das pessoas ou grupos de pessoas envolvidas na realização de

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS Cesar Aparecido Silva 1 Patrícia Santos Fonseca 1 Samira Gama Silva 2 RESUMO O presente artigo trata da importância do capital

Leia mais

Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas

Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas As pessoas devem ser tratadas como parceiros da organização. ( Como é isso?) Reconhecer o mais importante aporte para as organizações: A INTELIGÊNCIA. Pessoas:

Leia mais

Do stress profissional ao burnout

Do stress profissional ao burnout Do stress profissional ao burnout Análise das causas e dos efeitos do stress profissional: do burnout ao coping e à resiliência Instituto Bissaya-Barreto. Seminário Prof. Doutor. Pierre Tap Tradução :

Leia mais

COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL

COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL São manifestações emergentes no contexto das organizações, indicando os controles, o processo decisório e os esquemas técnicoadministrativos assumidos num dado momento organizacional. Clima Organizacional

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO FEEDBACK NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO REALIZADO NAS ORGANIZAÇÕES DA ZONA DA MATA MINEIRA RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO FEEDBACK NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO REALIZADO NAS ORGANIZAÇÕES DA ZONA DA MATA MINEIRA RESUMO 1 A IMPORTÂNCIA DO FEEDBACK NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO REALIZADO NAS ORGANIZAÇÕES DA ZONA DA MATA MINEIRA Daniel de Souza Ferreira 1 RESUMO Ferreira, Daniel de Souza. A Impostância do Feedback

Leia mais

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA SUMÁRIO Apresentação ISO 14001 Sistema de Gestão Ambiental Nova ISO 14001 Principais alterações e mudanças na prática Estrutura de alto nível Contexto

Leia mais

TIPOS DE PROCESSOS Existem três categorias básicas de processos empresariais:

TIPOS DE PROCESSOS Existem três categorias básicas de processos empresariais: PROCESSOS GERENCIAIS Conceito de Processos Todo trabalho importante realizado nas empresas faz parte de algum processo (Graham e LeBaron, 1994). Não existe um produto ou um serviço oferecido por uma empresa

Leia mais

Palavras-chave: Alinhamento, domínio, tecnologia de informação.

Palavras-chave: Alinhamento, domínio, tecnologia de informação. RELACIONAMENTO ENTRE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E A ORGANIZAÇÃO: OS FATORES CRÍTICOS SOBRE O COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL NA IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO. José Aparecido Moura Aranha

Leia mais