UNIDADE 4 PRODUÇÃO, CONSUMO, EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO. PROCESSAMENTO TECNOLÓGICO DE OVOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIDADE 4 PRODUÇÃO, CONSUMO, EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO. PROCESSAMENTO TECNOLÓGICO DE OVOS"

Transcrição

1 UNIDADE 4 PRODUÇÃO, CONSUMO, EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO. PROCESSAMENTO TECNOLÓGICO DE OVOS 1

2 CONSUMO DE OVOS Dados da FAO (2010) para a América Latina apontam que o Brasil se encontra na oitava posição em relação a produção e consumo de ovos. México lidera produção: Tem o terceiro maior consumo per capita de ovos do planeta. O consumo per capita mexicano= 360 ovos 2 Fonte: ABPA (2014); Instituto Ovos Brasil (2015)

3 Os chineses detém a maior produção (37%), no consumo chinês, porém, entram ovos de diversas espécies de aves, enquanto o dos demais países está restrito, basicamente, aos ovos de galinha. O Brasil, em 2013 chegou a 168 ovos por habitante, em 2014 cerca de 182. A média mundial de consumo per capita de ovos é 220 ovos. 3 Fonte: ABPA (2014); Instituto Ovos Brasil (2015)

4 Fonte: FAO,

5 PRODUÇÃO DE OVOS NO BRASIL No que se refere à produção de ovos o país é o 7º maior produtor mundial (2014). No Brasil, maiores estados produtores de ovos, segundo o IBGE, são: SP, MG e ES, que juntos respondem por mais de 50% da produção brasileira. Os estados de PE e CE são os maiores produtores da Região Nordeste. Enquanto que a produção de ovos no Rio Grande do Norte é uma das menores entre os estados nordestinos, respondendo por menos de 1% do total produzido no país. 5

6 PRODUÇÃO DE OVOS DE GALINHA, BRASIL, 2012 Brasil NORTE NORDESTE CENTRO-OESTE SUDESTE SUL *Londrina 88 (milhões de unidades) Fonte: IBGE,

7 PRODUÇÃO E CONSUMO DE OVOS DE CODORNA Atividade relativamente nova, explorada a pouco tempo Sua comercialização e produção vêm aumentando devido seu sabor semelhante ao da galinha; devido à produção elevada ao mês de 23 a 25 ovos. pelo grande número de pessoas curiosas em consumir um produto que poucos tem a oportunidade de apreciar. Ele é um produto muito apreciado e apresenta características muito interessantes. Possui as vitaminas A, D, E as vitaminas do Complexo B e a vitamina C, que não existe no ovo de galinha. Além disso, são ricos em proteínas e os níveis de colesterol são baixos. 7

8 PRODUÇÃO E CONSUMO DE OVOS DE CODORNA Estima-se que o consumo de ovo de codorna per capita do brasileiro seja de apenas 9,5 ovos. A produção de seis milhões de aves a 75% de produtividade equivale a 1,62 bilhões de ovos/ ano. Supondo que nossa população seja de 170 milhões de pessoas, temos, portanto, 9,5 ovos /habitantes. Mesmo com esta porcentagem o ovo ainda é um produto considerado supérfluo. 8

9 EXPORTAÇÃO DE OVOS O Brasil é o 7 maior exportador. Em 2011 as exportações de ovos somaram 16,6 mil toneladas. A receita cambial foi de US$ 28,2 milhões ( com redução de 31%) África, com 11,2 mil toneladas, e Oriente Médio, com 3 mil toneladas. Angola, com 10,6 mil toneladas, e Emirados Árabes Unidos, com 3 mil toneladas 9

10 SUBPRODUTOS Ovo produtos = obtido a partir dos seus diferentes componentes, clara ou gema A casca e as membranas, são destinados ao consumo humano Produtos alimentares ou aditivo Encontrados na forma líquido, concentrado, desidratado, cristalizado, congelado e ultra congelado. Ovos em conserva (codornas) 10

11 COMPOSIÇÃO OVOS fontes de quase todos os nutrientes para o homem 65% água, 12% proteínas, 11% lipídios

12 COMPOSIÇÃO DA CASCA carbonato de cálcio (93,5%) carbonato de magnésio(1,2%) fosfato de cálcio (0,5%) matéria orgânica (3,3%) água (1,5%) a poros

13 COMPOSIÇÃO DA CLARA água (85,5%) gordura (0,3%) carboidratos (1%) proteínas (12,7%) vitaminas complexo B (riboflavina)

14 COMPOSIÇÃO DA GEMA água (51,8%) proteínas (16%) vitaminas lipossolúveis (A, D, E,K) sais minerais (1%) pigmentos (0,5%) lipídios (32 35%) colesterol (5,2%) Coloração varia com a alimentação

15 NUTRIENTES ENCONTRADOS NO OVO

16 16

17 BARREIRAS NATURAIS CONTRA A CONTAMINAÇÃO/MULTIPLICAÇÃO DE MICRO- ORGANISMOS EM OVOS IN NATURA Cutícula Casca Membranas internas Albúmen

18 Poros PRIMEIRA LINHA DE DEFESA: CUTÍCULA + CASCA Trocas gasosas, água e porta de entrada de micro-organismos 18 Fonte:

19 SEGUNDA LINHA DE DEFESA: MEMBRANAS INTERNAS Filamentos protéicos arranjados em forma de rede Atuam como filtros que retêm micro-organismos impedindo que eles atinjam o conteúdo dos ovos 19

20 TERCEIRA LINHA DE DEFESA: ALBÚMEN Alta viscosidade natural que dificulta o deslocamento das bactérias até a gema ph do albúmen 7,2 a 9,2 - auxilia no controle da multiplicação microbiana Componentes do albúmen: Ovotransferrina (12%) Lisozima Avidina 20

21 PRINCIPAIS CONTAMINANTES - Bactérias da família Enterobacteriaceae Salmonella enteretidis * Pseudomonas * Listeria * Pasteurella * Enterococos 21

22 FONTES DE CONTAMINAÇÃO PRIMÁRIA (transovariana) - Humprey et al (1989) SECUNDÁRIA: - Penetração através da casca - Manejo inadequado 22

23 FATORES QUE FAVORECEM A ENTRADA DE MICRO-ORGANISMOS UR TEMPERATURA DEFEITOS NA CASCA SUJIDADES ALTA CARGA MICROBIANA 23

24 24

25 25

26 26

27 Esteiras rolantes 27

28 COMO CONSERVAR OS OVOS NA GELADEIRA? 28

29 LEGISLAÇÃO Ministério da Agricultura (MAPA) RIISPOA (03/1952) (Última atualização em 2007). Decreto (7/1965) Classificação de Ovo: Grupo, Classe, Tipo. Portaria 1 (2/1990) - Aprovar as Normas Gerais de Inspeção de Ovos e Derivados. Resolução 5 (7/1991) - Padrão de Identidade e Qualidade para o Ovo Integral. Ministério da Saúde RDC 12 (02/2001) Padrão Microbiológico para Alimentos. RDC 35 (6/2009) - Dispõe sobre a obrigatoriedade de instruções de conservação e consumo na rotulagem de ovos 29

30 LEGISLAÇÃO 30

31 GRUPO I. Branco II. de cor 31

32 32

33 33

34 34

35 35

36 36

37 37

38 38

39 39

40 40

41 41

42 42

43 43

44 44

45 45

46 46

47 47

48 48

49 49

50 50

51 51

52 Processamento tecnológico de ovos: Os ovos processados podem ser encontrados em pó ou líquido e são classificados como: Ovo integral desidratado Gema de ovo desidratada Gema de ovo desidratada especial para maionese Clara de ovo desidratada Ovo integral pasteurizado resfriado Gema de ovo pasteurizada resfriada Clara de ovo pasteurizada resfriada Mistura de ovos pasteurizado resfriado Ovo integral pasteurizado congelado Gema de ovo pasteurizada congelada

53 Clara de ovo pasteurizada congelada Mistura de ovos pasteurizado congelado PROCESSAMENTO - Refere-se ao procedimento de classificação, ovoscopia, lavagem, quebra de ovo, filtração, homogeneização, estabilização, pasteurização, resfriamento, congelamento, secagem e embalagem do produto final. - É importante ser observado que a lavagem dos ovos só é recomendada quando da produção de conserva de ovos, quando então os ovos serão imediatamente quebrados.

54

55 Conforme as Normas Gerais de Inspeção de Ovos e Derivados (PORTARIA Nº 01, de ) e o Título IX do RIISPOA na comercialização de ovos são adotadas as seguintes denominações: - Ovo fresco: Entende-se o ovo em casca que não foi conservado por qualquer processo e se enquadre na classificação estabelecida. Este ovo perderá sua denominação de fresco se for submetido intencionalmente a temperaturas inferiores a 8ºC, visto que a temperatura recomendada para armazenamento do ovo fresco está entre 8ºC e 15ºC com uma umidade relativa do ar entre 70% - 90%.

56 - Ovo Frigorificado: Entende-se o ovo em casca conservado pelo frio industrial em temperatura de 0 a 1ºC em câmara com circulação de ar com grau higrométrico apropriado e de preferência com gás inerte. - Conserva de Ovos: Entende-se o produto resultante do tratamento do ovo sem casca ou partes do ovo, gema ou clara, que tenham sido pasteurizados, resfriados, congelados, adoçados, salgados, desidratados ou liofilizados conforme destacado na Figura 2.

57

58 5.1 Emprego da pasteurização e desidratação. "PASTEURIZAÇÃO" entende-se por pasteurização o emprego conveniente do calor com o fim de destruir microorganismos patogênicos sem alteração sensível da constituição física do ovo ou partes do ovo. "OVO DESIDRATADO" entende-se o produto resultante da desidratação do ovo em conformidade com Art. 753 do RIISPOA.

59 TABELA DE REQUISITOS TEMPO/TEMPERATURA PARA PASTEURIZAÇÃO Produtos Líquidos Requisitos Mínimos de Temperatura ( C) Requisitos Mínimos de Tempo (Minutos) Clara de ovo (sem utilização de produtos químicos) 56,7 55,5 Ovo integral 3,5 6,0 60,0 3,5 Misturas c/ ovo integral (com menos de 2% de ingredientes que não sejam ovos) 61,0 3,5 Ovo integral fortificado e misturas (24-38% de sólidos de ovo, 212% de ingredientes que não sejam ovos) 62,0 61,0 3,5 6,2 Ovo Integral salgado (c/ 2% mais de sal adicionado) 63,5 3,5 Ovo Integral doce (2 12% de açúcar adicionado) 61,0 3,5 Gema Pura Gema Doce (2 12% de açúcar adicionado) Gema Salgada (2 12% de adicionado) 61, 0 60, 0 63, 5 62, 0 63, 5 62, 0 3, 5 6,2 3, 5 6,2 3, 5 6, 2

60 Art. 753 do RIISPOA: - Os ovos desidratados devem satisfazer as seguintes condições: 1 não conter mais de mil germes por grama, ñ conter germes patogênicos, leveduras ou outros que indiquem deterioração ou manipulação defeituosa; 2 não conter mais de 6% de umidade; 3 revelar resíduo seco tendo aproximadamente a mesma composição que o deixado pelos ovos inteiros, clara ou gema; 4 não conter conservadores, exceção para o sal (cloreto de sódio) ou açúcar na proporção máxima de 10%, isoladamente ou quando associados, calculados sobre o resíduo seco; 5 satisfazer outras exigências deste regulamento

61 5.2 Aspectos relativos ao controle de qualidade - Normas Gerais de Inspeção de Ovos e Derivados, capítulo III (Aspectos higiênicos do processamento, Controle de qualidade industrial, )

62 Os ovos desempenham várias funções em produtos alimentícios, a saber: 1) Emulsificante 2) Agente formadora de gel 3) Invólucro 4) Agente espessante 5) Material estrutural 6) Agente de crescimento 7) Agente de ligação

63 Questões: 1) Por que alguns ovos flutuam? 2) Que outra maneiras são usadas para julgar a qualidade dos ovos? 3) Descreva as características dos ovos crus de alta qualidade fora da casca. Gema: Clara: Odor:

64 REFERÊNCIAS /tabelas_pdf/tab25.pdf expandir-as-exportacoes-de-ovos C3460C8C993A6?types=A tem-recorde-de-producao-consumo-e-exportacao-em- 2011/ _V_645 64

65 Obrigada pela atenção... 65

PROCESSAMENTO DE OVOS

PROCESSAMENTO DE OVOS PROCESSAMENTO DE OVOS Miryelle Freire Sarcinelli 1 (e-mail: miryelle@hotmail.com) Katiani Silva Venturini 1 (e-mail: katiani_sv@hotmail.com) Luís César da Silva 2 (website: www.agais.com) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

INSPEÇÃO DE OVOS. Edson Antonio Rios Orientadora: Prof. Dra. Vanerli Beloti

INSPEÇÃO DE OVOS. Edson Antonio Rios Orientadora: Prof. Dra. Vanerli Beloti INSPEÇÃO DE OVOS Edson Antonio Rios Orientadora: Prof. Dra. Vanerli Beloti Produção Mundial de Ovos 23 5,3 3,2 1,9 Índia Empraba,2011 Consumo Mundial O Brasil ocupa 21 com um consumo de 148,8 U/a Enquanto

Leia mais

Características dos Ovos

Características dos Ovos Características dos Ovos Miryelle Freire Sarcinelli 1 (e-mail: miryelle@hotmail.com) Katiani Silva Venturini 1 (e-mail: katiani_sv@hotmail.com) Luís César da Silva 2 (website: www.agais.com) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Por que investir em ovoprodutos?

Por que investir em ovoprodutos? Por que investir em ovoprodutos? Os ovoprodutos: rapidez, eficácia, comodidade, higiene e 100% natural. Um novo modo para consumir os ovos e que cumprem com as exigências do consumo de hoje em dia. Os

Leia mais

Art. 1º Aprovar o REGULAMENTO TÉCNICO PARA FIXAÇÃO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE LEITE EM PÓ MODIFICADO, em anexo.

Art. 1º Aprovar o REGULAMENTO TÉCNICO PARA FIXAÇÃO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE LEITE EM PÓ MODIFICADO, em anexo. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 27, DE 12 DE JUNHO DE 2007 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

Regulamentação das águas no Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA)

Regulamentação das águas no Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) Regulamentação das águas no Brasil (ANVISA) Elisabete Gonçalves Dutra Gerencia Geral de Alimentos LEI Nº 9.782, DE 26 DE JANEIRO DE 1999 Sistema Nacional de Vigilância Sanitária, cria a Agência Nacional

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Superintendência ncia Federal de Agricultura no Estado do Rio de Janeiro Serviço o de Inspeção o de Produtos Agropecuários rios RENATA PATRICIA LOURENÇO

Leia mais

b) preparado contendo laranja (fruta) e banana (fruta) corresponde a um ingrediente característico;

b) preparado contendo laranja (fruta) e banana (fruta) corresponde a um ingrediente característico; MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 17, DE 19 DE JUNHO DE 2013 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

Iogurte Sólido com Aroma

Iogurte Sólido com Aroma Escola Superior Agrária de Coimbra Licenciatura Engenharia Alimentar Processamento Geral dos Alimentos Iogurte Sólido com Aroma Elaborado por: Joana Rodrigues nº 20703020 José Sousa nº 20708048 Luís Jordão

Leia mais

Ovos e produtos derivados

Ovos e produtos derivados Ovos e produtos derivados Objectivos: Descrever a estrutura e a composição do ovo. Conhecer a composição química das diversas partes que constituem os ovos. Reconhecer as condições que afectam a qualidade

Leia mais

Características e informação nutricional do ovo

Características e informação nutricional do ovo Características e informação nutricional do ovo Há muito tempo foi confirmada a eficácia e grande importância do ovo na alimentação das pessoas. De fácil preparação e digestão não foi difícil incorporar

Leia mais

CARACTERÍSTICAS GERAIS DOS MICRORGANISMOS

CARACTERÍSTICAS GERAIS DOS MICRORGANISMOS CARACTERÍSTICAS GERAIS DOS MICRORGANISMOS Características fisiológicas das bactérias Oxigênio Temperatura Água Concentração hidrogênionica do meio (ph) Oxigênio Temperatura ambiental Grupo Temp. Temp.

Leia mais

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1 1 SEBASTIÃO RODRIGO DE LIMA NASCIMENTO¹, MARIA DA CONCEIÇÃO GONÇALVES MACÊDO 1, ANNE CAROLINE CÂMARA DE ALMEIDA 2, NATAN MEDEIROS GUERRA 3, MAURINA DE LIMA PORTO 4. ¹ Graduando(a) do Curso de Medicina

Leia mais

TA 421 - CARACTERÍSTICAS E PRÉ-PROCESSAMENTO DE LEITE E OVOS. 2 o SEMESTRE 2014 Profa. Mirna L. Gigante 5ª AULA PRÁTICA CONTROLE DE QUALIDADE DE OVOS

TA 421 - CARACTERÍSTICAS E PRÉ-PROCESSAMENTO DE LEITE E OVOS. 2 o SEMESTRE 2014 Profa. Mirna L. Gigante 5ª AULA PRÁTICA CONTROLE DE QUALIDADE DE OVOS TA - CARACTERÍSTICAS E PRÉ-PROCESSAMENTO DE LEITE E OVOS. o SEMESTRE 0 Profa. Mirna L. Gigante 5ª AULA PRÁTICA CONTROLE DE QUALIDADE DE OVOS PED C: Débora Parra Baptista Apoio: Elisabete Dias INTRODUÇÃO:

Leia mais

item 7.1 revogada(o) por: Resolução RDC nº 267, de 25 de setembro de 2003 revogada(o) por: Resolução RDC nº 266, de 22 de setembro de 2005

item 7.1 revogada(o) por: Resolução RDC nº 267, de 25 de setembro de 2003 revogada(o) por: Resolução RDC nº 266, de 22 de setembro de 2005 título: Portaria nº 379, de 26 de abril de 1999 ementa não oficial: Aprova o Regulamento Técnico referente a Gelados Comestíveis, Preparados, Pós para o Preparo e Bases para Gelados Comestíveis, constante

Leia mais

!"!"!! #$ % $ % & ' ()# * * '* + "!! (, -./. (!!0"!"!!!% (0 "!0"!!12

!!!! #$ % $ % & ' ()# * * '* + !! (, -./. (!!0!!!!% (0 !0!!12 !"!"!! #$ % $ % & ' ()# * * '* + "!! (, -./. (!!0"!"!!!% (0 "!0"!!12 !"+RDC Nº 274, de 22/09/2005, estabelece o regulamento técnico para águas envasadas e gelo #$%!RDC Nº 275, de 22/09/2005, estabelece

Leia mais

Características do Leite

Características do Leite Características do Leite Katiani Silva Venturini 1 (e-mail: katiani_sv@hotmail.com) Miryelle Freire Sarcinelli 1 (e-mail: miryelle@hotmail.com) Luís César da Silva 2 (website: www.agais.com) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

MEIOS DE CULTURA DESENVOLVIMENTO OU PRODUÇÃO DE MEIOS DE CULTURA. Necessidade Bactérias Leveduras

MEIOS DE CULTURA DESENVOLVIMENTO OU PRODUÇÃO DE MEIOS DE CULTURA. Necessidade Bactérias Leveduras MEIOS DE CULTURA Associação equilibrada de agentes químicos (nutrientes, ph, etc.) e físicos (temperatura, viscosidade, atmosfera, etc) que permitem o cultivo de microorganismos fora de seu habitat natural.

Leia mais

PROCESSAMENTO DO LEITE

PROCESSAMENTO DO LEITE PROCESSAMENTO DO LEITE Katiani Silva Venturini 1 (e-mail: katiani_sv@hotmail.com) Miryelle Freire Sarcinelli 1 (e-mail: miryelle@hotmail.com) Luís César da Silva 2 (website: www.agais.com) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

TECNOLOGIA DE ALIMENTOS

TECNOLOGIA DE ALIMENTOS TECNOLOGIA DE ALIMENTOS NUTRIÇÃO UNIC Profª Andressa Menegaz Conservação por irradiação A irradiação pode servir para: -destruir os microrganismos; -retardar a germinação de certos legumes; -destruir os

Leia mais

Leite e derivados. UHT, HTST, fermentos, maturação, coalho, flor de cardo.

Leite e derivados. UHT, HTST, fermentos, maturação, coalho, flor de cardo. Leite e derivados Objectivos: Conhecer a composição química e estrutura física do leite. Descrever leite inteiro, meio gordo magro e enriquecido. Descrever manteiga. Descrever natas. Descrever requeijão,

Leia mais

RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº. 273, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005.

RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº. 273, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005. RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº. 273, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe confere o art. 11 inciso IV do

Leia mais

Processamento do Iogurte Gordo Sólido

Processamento do Iogurte Gordo Sólido Escola Superior Agrária De Coimbra Processamento Geral dos Alimentos Processamento do Iogurte Gordo Sólido Trabalho realizado por: Pedro Sá nº20603025 Ana Oliveira nº 20603030 Lénia Belas nº 20603031 Elisabete

Leia mais

Função orgânica nossa de cada dia. Profa. Kátia Aquino

Função orgânica nossa de cada dia. Profa. Kátia Aquino Função orgânica nossa de cada dia Profa. Kátia Aquino Vamos analisar! Funções Carboidratros (ou Glicídios) Energética: eles são os maiores fornecedores de energia para os seres vivos, principalmente a

Leia mais

Resolução RDC nº 273, de 22 de setembro de 2005

Resolução RDC nº 273, de 22 de setembro de 2005 Resolução RDC nº 273, de 22 de setembro de 2005 Aprova o "REGULAMENTO TÉCNICO PARA MISTURAS PARA O PREPARO DE ALIMENTOS E ALIMENTOS PRONTOS PARA O CONSUMO". D.O.U. - Diário Oficial da União; Poder Executivo,

Leia mais

Art. 3º Esta Portaria entra em vigor sessenta dias após a sua publicação.

Art. 3º Esta Portaria entra em vigor sessenta dias após a sua publicação. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO PORTARIA Nº 364, DE 04 DE SETEMBRO DE 1997 O Ministro de Estado da Agricultura e do Abastecimento, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, parágrafo

Leia mais

Qualidade de Vegetais Congelados. Novas Técnicas de Avaliação

Qualidade de Vegetais Congelados. Novas Técnicas de Avaliação . Novas Técnicas de Avaliação Elsa Gonçalves Ano 2003 Objectivos Revisão crítica do estado de conhecimento sobre: A influência do processo de congelação na qualidade dos produtos vegetais; Novas técnicas

Leia mais

BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio!

BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio! BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio! Dra. Marlise Potrick Stefani, MSc Nutricionista Especialista e Mestre em Qualidade, Especialista em Alimentação Coletiva

Leia mais

Bolhas de ar, cristais de gelo e glóbulos de gordura: não há quem não adore! Muitas pessoas são doidas por sorvetes, uma das mais gostosas invenções

Bolhas de ar, cristais de gelo e glóbulos de gordura: não há quem não adore! Muitas pessoas são doidas por sorvetes, uma das mais gostosas invenções Bolhas de ar, cristais de gelo e glóbulos de gordura: não há quem não adore! Muitas pessoas são doidas por sorvetes, uma das mais gostosas invenções da humanidade. Embora possa ser encontrado em qualquer

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA NUTRIÇÃO NO DESEMPENHO DAS AVES POEDEIRAS

IMPORTÂNCIA DA NUTRIÇÃO NO DESEMPENHO DAS AVES POEDEIRAS IMPORTÂNCIA DA NUTRIÇÃO NO DESEMPENHO DAS AVES POEDEIRAS ALEXANDRE DA SILVA SECHINATO Médico veterinário Pesquisador Tortuga Cia Zootecnica Agrária INTRODUÇÃO Ovo é um excelente alimento Alimento completo

Leia mais

O que são e para que servem os produtos Diet, Light, Zero e Cia? Tipos de açúcares e adoçantes!

O que são e para que servem os produtos Diet, Light, Zero e Cia? Tipos de açúcares e adoçantes! O que são e para que servem os produtos Diet, Light, Zero e Cia? Tipos de açúcares e adoçantes! Coordenadora e Nutricionista Felícia Bighetti Sarrassini - CRN 10664 * Alimentos Diet: Alimento dietético

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS.

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS. RESOLUÇÃO.../SESA/PR O Secretário Estadual de Saúde, no uso de suas atribuições legais e: CONSIDERANDO a Portaria nº 326/1997/SVS/MS, a Resolução RDC nº275/2002, a Resolução RDC nº 216/2004, da ANVISA,

Leia mais

CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS PELO CALOR

CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS PELO CALOR CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS PELO CALOR Prof. ª Elessandra da Rosa Zavareze elessandrad@yahoo.com.br 1 Estratégias para controlar os agentes de alteração dos alimentos 2 Conhecimento dos seguintes fatores:

Leia mais

INCENTIVANDO O CONSUMO DE PESCADO À REDE EDUCACIONAL DO MUNICÍPIO DE SOLÂNEA - PARAÍBA

INCENTIVANDO O CONSUMO DE PESCADO À REDE EDUCACIONAL DO MUNICÍPIO DE SOLÂNEA - PARAÍBA INCENTIVANDO O CONSUMO DE PESCADO À REDE EDUCACIONAL DO MUNICÍPIO DE SOLÂNEA - PARAÍBA SOUZA, Weysser Felipe Cândido de 1 MAGALHÃES, Jeysiane Alves 2 SILVA, José Elenilson Ferreira 2 FILHO, Pedro Brito

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL DE PRODUTOS DE CERVEJARIA

REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL DE PRODUTOS DE CERVEJARIA MERCOSUL/GMC/RES. N 14/01 REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL DE PRODUTOS DE CERVEJARIA TENDO EM VISTA : O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, as Resoluções Nº 91/93, Nº 152/96 e Nº 38/98 do Grupo

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA. Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013.

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA. Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013. SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013. BOAS PRÁTICAS PARA COMÉRCIO AMBULANTE DE ALIMENTOS A Secretaria do

Leia mais

Valores em US$FOB/litro (leite UHT) e US$FOB/kg (leite em pó) LEITE UHT INTEGRAL LEITE UHT DESNATADO

Valores em US$FOB/litro (leite UHT) e US$FOB/kg (leite em pó) LEITE UHT INTEGRAL LEITE UHT DESNATADO CIRCULAR Nº 17/99. A SECRETÁRIA DE COMÉRCIO EXTERIOR, DO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR, nos termos do Acordo sobre a Implementação do Artigo VI do Acordo Geral sobre Tarifas

Leia mais

Universidade Comunitária da Região de Chapecó Área de Ciências Exatas e Ambientais Curso de Agronomia Disciplina: Bovinocultura de Leite

Universidade Comunitária da Região de Chapecó Área de Ciências Exatas e Ambientais Curso de Agronomia Disciplina: Bovinocultura de Leite Universidade Comunitária da Região de Chapecó Área de Ciências Exatas e Ambientais Curso de Agronomia Disciplina: Bovinocultura de Leite Introdução a Pecuária Leiteira Valdirene Zabot Zootecnista valdirene@unochapeco.edu.br

Leia mais

CURSO DE GASTRONOMIA Disciplina : matérias primas Conceito e Tipo de Matéria Prima

CURSO DE GASTRONOMIA Disciplina : matérias primas Conceito e Tipo de Matéria Prima CURSO DE GASTRONOMIA Disciplina : matérias primas Conceito e Tipo de Matéria Prima Profª. Nensmorena Preza ALIMENTO Toda substância ou mistura de substâncias, no estado sólido, líquido, pastoso ou qualquer

Leia mais

Disciplina: Tecnologia de Carnes, Pescados e Derivados (optativa) Acadêmicas: Ana Paula Roani e Giane Beatriz Friedrich

Disciplina: Tecnologia de Carnes, Pescados e Derivados (optativa) Acadêmicas: Ana Paula Roani e Giane Beatriz Friedrich Disciplina: Tecnologia de Carnes, Pescados e Derivados (optativa) Acadêmicas: Ana Paula Roani e Giane Beatriz Friedrich MORTADELA A mortadela tem uma história de mais de 2 mil anos, surgindo na época do

Leia mais

O manipulador de alimentos tem que conferir todas as informações do rótulo?

O manipulador de alimentos tem que conferir todas as informações do rótulo? Os consumidores têm o direito de conhecer as características e a composição nutricional dos alimentos que adquirem. A legislação nacional estabelece algumas normas para registro dessas informações na rotulagem

Leia mais

REGULAMENTO DA INSPEÇÃO INDUSTRIAL E SANITÁRIA DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL TÍTULO II CLASSIFICAÇÃO DOS ESTABELECIMENTOS

REGULAMENTO DA INSPEÇÃO INDUSTRIAL E SANITÁRIA DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL TÍTULO II CLASSIFICAÇÃO DOS ESTABELECIMENTOS 5 REGULAMENTO DA INSPEÇÃO INDUSTRIAL E SANITÁRIA DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL TÍTULO II CLASSIFICAÇÃO DOS ESTABELECIMENTOS Art. 20 - A classificação dos estabelecimentos de produtos de origem animal abrange:

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N o, DE DE DE 2008.

INSTRUÇÃO NORMATIVA N o, DE DE DE 2008. Portaria Nº 64, DE 23 DE ABRIL DE 2008 Situação: Vigente Publicado no Diário Oficial da União de 24/04/2008, Seção 1, Página 9 Ementa: Submete à Consulta Pública, pelo prazo de 60 (sessenta) dias a contar

Leia mais

Gestão Ambiental 19/3/2012. MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água. Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta

Gestão Ambiental 19/3/2012. MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água. Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta Gestão Ambiental Profª Denise A. F. Neves MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta Objetivos: Entender a distribuição da água no Planeta. Reconhecer

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO PARA REGISTRO DE PRODUTOS E RÓTULOS DE ORIGEM ANIMAL

INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO PARA REGISTRO DE PRODUTOS E RÓTULOS DE ORIGEM ANIMAL PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA BRÉSCIA SECRETARIA DA AGRICULTURA SERVIÇO DE INSPEÇÃO MUNICIPAL - SIM INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO PARA REGISTRO DE PRODUTOS E RÓTULOS DE ORIGEM

Leia mais

Alimentos Minimamente Processados : controle sanitário e legislação

Alimentos Minimamente Processados : controle sanitário e legislação Alimentos Minimamente Processados : controle sanitário e legislação REGINALICE MARIA DA GRAÇA A BUENO Gerência de Inspeção e Controle de Riscos de Alimentos - ANVISA Controle sanitário dos alimentos Ações

Leia mais

ANÁLISE DAS ENZIMAS PEROXIDASE E FOSFATASE EM AMOSTRAS DE LEITE CRU, PASTEURIZADO E LONGA VIDA

ANÁLISE DAS ENZIMAS PEROXIDASE E FOSFATASE EM AMOSTRAS DE LEITE CRU, PASTEURIZADO E LONGA VIDA Vol. 1, No. 1, Outubro-Dezembro de 2011 ARTIGO ORIGINAL ANÁLISE DAS ENZIMAS PEROXIDASE E FOSFATASE EM AMOSTRAS DE LEITE CRU, PASTEURIZADO E LONGA VIDA Bruno Souza Franco ¹, Susana Rubert Manfio 1, Cristiano

Leia mais

Tecnologia de leites e derivados Prof. Andréa Matta Ristow PROCESSAMENTO DO IOGURTE

Tecnologia de leites e derivados Prof. Andréa Matta Ristow PROCESSAMENTO DO IOGURTE Tecnologia de leites e derivados Prof. Andréa Matta Ristow PROCESSAMENTO DO IOGURTE Leites Fermentados Exemplos: iogurte, bebidas lácteas fermentadas, coalhada, kefir, entre outros. A fermentação pode

Leia mais

23/04/2014. PADRÕES DE QUALIDADE DE FARINHAS E GORDURAS (não comestíveis) NA VISÃO DO MAPA DIPOA. Secretaria de Defesa Agropecuária

23/04/2014. PADRÕES DE QUALIDADE DE FARINHAS E GORDURAS (não comestíveis) NA VISÃO DO MAPA DIPOA. Secretaria de Defesa Agropecuária ORGANOGRAMA DA SDA/MAPA PADRÕES DE QUALIDADE DE FARINHAS E GORDURAS (não comestíveis) NA VISÃO DO MAPA DIPOA/MAPA XIII Congresso Brasil Rendering 2014 Campinas DFIA Secretaria de Defesa Agropecuária DSV

Leia mais

NUTRICIUM INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA FICHA DE ESPECIFICAÇÃO SUSTEMIL KIDS MORANGO

NUTRICIUM INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA FICHA DE ESPECIFICAÇÃO SUSTEMIL KIDS MORANGO FICHA DE ESPECIFICAÇÃO SUSTEMIL KIDS MORANGO IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA NOME DA EMPRESA: NUTRICIUM INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA Endereço: Rua Pitangui, n 77 Bairro: Concórdia. Belo Horizonte MG CNPJ. 04.040.657/0001-33

Leia mais

Flora microbiana natural dos alimentos

Flora microbiana natural dos alimentos 1 Flora microbiana natural dos alimentos 2 Produtos cárneos crus e prontos a comer carcaças contêm diversos tipos de m.o., sobretudo bactérias bactérias patogénicas entéricas presentes, em pequeno número

Leia mais

COAGULAÇÃO DE PROTEÍNAS DO LEITE

COAGULAÇÃO DE PROTEÍNAS DO LEITE Universidade Federal do Rio de Janeiro Faculdade de Farmácia COAGULAÇÃO DE PROTEÍNAS DO LEITE Integrantes: Paula Floriano da Silva Virgínia Figueira Marques PROTEÍNAS PROTEÍNAS Ponto isoelétrico ou pi,

Leia mais

NOTA TÉCNICA SPEIS/VISA nº 02/2015

NOTA TÉCNICA SPEIS/VISA nº 02/2015 Prefeitura Municipal de Salvador- PMS Secretaria Municipal de Saúde- SMS Diretoria de Vigilância á Saúde- DVIS Subcoordenação de Vigilância Sanitária- VISA Setor de Produtos e Serviços de Interesse á Saúde-

Leia mais

Luz Solar. 1. Cite duas doenças que podem ser prevenidas com a luz solar? 3. Cite alguns benefícios da luz solar para os seres humanos.

Luz Solar. 1. Cite duas doenças que podem ser prevenidas com a luz solar? 3. Cite alguns benefícios da luz solar para os seres humanos. Luz Solar 1. Cite duas doenças que podem ser prevenidas com a luz solar? Raquitismo e Osteoporose 2. Em qual dia da criação, Deus criou a luz? 1 dia 3. Cite alguns benefícios da luz solar para os seres

Leia mais

revoga: Resolução nº 14 de junho de 1978 Resolução nº 15 de abril de 1978 RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº. 268, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005.

revoga: Resolução nº 14 de junho de 1978 Resolução nº 15 de abril de 1978 RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº. 268, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005. título: Resolução RDC nº 268, de 22 de setembro de 2005 ementa não oficial: Aprova o "REGULAMENTO TÉCNICO PARA PRODUTOS PROTÉICOS DE ORIGEM VEGETAL". publicação: D.O.U. - Diário Oficial da União; Poder

Leia mais

INFLUÊNCIA DO LOCAL E CONDIÇÕES DE ARMAZENAGEM SOBRE A QUALIDADE INTERNA DOS OVOS DE MESA, COMERCIALIZADOS EM VIDEIRA/SC.

INFLUÊNCIA DO LOCAL E CONDIÇÕES DE ARMAZENAGEM SOBRE A QUALIDADE INTERNA DOS OVOS DE MESA, COMERCIALIZADOS EM VIDEIRA/SC. INFLUÊNCIA DO LOCAL E CONDIÇÕES DE ARMAZENAGEM SOBRE A QUALIDADE INTERNA DOS OVOS DE MESA, COMERCIALIZADOS EM VIDEIRA/SC. Gustavo Ribeiro Bonatto 1 ; Marinês Kerber 2 INTRODUÇÃO Atualmente se busca qualidade

Leia mais

QUÍMICA CELULAR NUTRIÇÃO TIPOS DE NUTRIENTES NUTRIENTES ENERGÉTICOS 4/3/2011 FUNDAMENTOS QUÍMICOS DA VIDA

QUÍMICA CELULAR NUTRIÇÃO TIPOS DE NUTRIENTES NUTRIENTES ENERGÉTICOS 4/3/2011 FUNDAMENTOS QUÍMICOS DA VIDA NUTRIÇÃO QUÍMICA CELULAR PROFESSOR CLERSON CLERSONC@HOTMAIL.COM CIESC MADRE CLÉLIA CONCEITO CONJUNTO DE PROCESSOS INGESTÃO, DIGESTÃO E ABSORÇÃO SUBSTÂNCIAS ÚTEIS AO ORGANISMO ESPÉCIE HUMANA: DIGESTÃO ONÍVORA

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO PARA REGISTRO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL FOLHA 1

INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO PARA REGISTRO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL FOLHA 1 INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO PARA REGISTRO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL - O formulário deve ser preenchido em 2 vias. - Preencher a máquina ou por computador. FOLHA 1 IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Autoridade de Segurança Alimentar e Económica. Alexandra Veiga Manuel Barreto Dias

Autoridade de Segurança Alimentar e Económica. Alexandra Veiga Manuel Barreto Dias Alexandra Veiga Manuel Barreto Dias SEGURANÇA ALIMENTAR Prevenir a presença de agentes patogénicos nos alimentos agentes biológicos microrganismos parasitas agentes tóxicos origem microbiana origem no

Leia mais

Aplicação de enzimas na indústria de sucos e vinhos. Prof.Raquel Grando de Oliveira rgrando@gmail.com

Aplicação de enzimas na indústria de sucos e vinhos. Prof.Raquel Grando de Oliveira rgrando@gmail.com Aplicação de enzimas na indústria de sucos e vinhos Prof.Raquel Grando de Oliveira rgrando@gmail.com Tipos de sucos Naturais: frutas espremidas, maceradas Em pó: desidratação Concentrados: redução do volume,

Leia mais

Conservação da Carne Professora: Sandra Carvalho Princípios de Conservação Aplicado a Carne Controle da contaminação por microrganismos. Remoção de microrganismos. Controle do Crescimento e da atividade

Leia mais

SABOR. NUMEROSem. Fonte: Tabela Brasileira de Composição de Alimentos do Ministério da Saúde.

SABOR. NUMEROSem. Fonte: Tabela Brasileira de Composição de Alimentos do Ministério da Saúde. SABOR Fonte: Tabela Brasileira de Composição de Alimentos do Ministério da Saúde. Conteúdo produzido pela equipe de Comunicação e Marketing do Portal Unimed e aprovado pelo coordenador técnico-científico:

Leia mais

Manuseio Mínimo. Apoio. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Manuseio Mínimo. Apoio. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Manuseio Mínimo Apoio Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento BARRACÃO DO PRODUTOR FEIRAS SUPERMERCADOS SACOLÕES QUITANDAS ALIMENTAÇÃO ESCOLAR RESTAURANTES CEAGESP - CENTRO DE QUALIDADE EM

Leia mais

CONDIÇÕES DE RECEBIMENTO DE CARNES EM RESTAURANTE COMERCIAL NO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA (RS) 1

CONDIÇÕES DE RECEBIMENTO DE CARNES EM RESTAURANTE COMERCIAL NO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA (RS) 1 CONDIÇÕES DE RECEBIMENTO DE CARNES EM RESTAURANTE COMERCIAL NO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA (RS) 1 MEDEIROS, Laissa Benites 2 ; NAISSINGER, Maritiele 2 ; PEREIRA, Larissa 2 ; SACCOL, Ana Lúcia de Freitas 2.

Leia mais

PROF. KELTON WADSON OLIMPÍADA 8º SÉRIE ASSUNTO: TRANSFORMAÇÕES DE ESTADOS DA MATÉRIA.

PROF. KELTON WADSON OLIMPÍADA 8º SÉRIE ASSUNTO: TRANSFORMAÇÕES DE ESTADOS DA MATÉRIA. PROF. KELTON WADSON OLIMPÍADA 8º SÉRIE ASSUNTO: TRANSFORMAÇÕES DE ESTADOS DA MATÉRIA. 1)Considere os seguintes dados obtidos sobre propriedades de amostras de alguns materiais. Com respeito a estes materiais,

Leia mais

Aluno (a): Professor:

Aluno (a): Professor: 3º BIM P1 LISTA DE EXERCÍCIOS CIÊNCIAS 6º ANO Aluno (a): Professor: Turma: Turno: Data: / / Unidade: ( ) Asa Norte ( ) Águas Lindas ( )Ceilândia ( ) Gama ( )Guará ( ) Pistão Norte ( ) Recanto das Emas

Leia mais

Controle do crescimento de micro organismos nos alimentos

Controle do crescimento de micro organismos nos alimentos Departamento de Microbiologia Instituto de Ciências Biológicas Universidade Federal de Minas Gerais Controle do crescimento de micro organismos nos alimentos Introdução Os micro organismos estão diretamente

Leia mais

O consumidor deve estar atento às informações do rótulo?

O consumidor deve estar atento às informações do rótulo? Os consumidores têm o direito de conhecer as características e a composição nutricional dos alimentos que adquirem. A legislação nacional estabelece algumas normas para registro dessas informações na rotulagem

Leia mais

RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13)

RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13) RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13) O SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE, usando da atribuição que lhe confere o Art. 45, Inciso XIV, da Lei Estadual nº 8.485

Leia mais

considerando que os regulamentos técnicos da ANVISA de padrões de identidade e qualidade de alimentos devem priorizar os parâmetros sanitários;

considerando que os regulamentos técnicos da ANVISA de padrões de identidade e qualidade de alimentos devem priorizar os parâmetros sanitários; MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO-RDC Nº- 270, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, Nº uso

Leia mais

Os cereais. Trigo Arroz Centeio Milho Aveia Cevada Sorgo

Os cereais. Trigo Arroz Centeio Milho Aveia Cevada Sorgo Trigo Arroz Centeio Milho Aveia Cevada Sorgo O que são Cereais Integrais? São cereais que não foram processados. Consistem no gérmen, endosperma e casca. Endosperma: Constitui aproximadamente 83% do peso

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA PORTARIA Nº 362, DE 21 DE OUTUBRO DE 2009

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA PORTARIA Nº 362, DE 21 DE OUTUBRO DE 2009 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA PORTARIA Nº 362, DE 21 DE OUTUBRO DE 2009 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA, DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA

Leia mais

POTENCIAL DAS CARNES SALGADAS PARA O ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL

POTENCIAL DAS CARNES SALGADAS PARA O ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL Centro de Ciências Biológicas e da Saúde - CCBS Unidade de Tecnologia de Alimentos e Saúde Pública - UTASP POTENCIAL DAS CARNES SALGADAS PARA O ESTADO

Leia mais

PROVA DE BIOLOGIA I. A charge refere-se a um problema que afeta cada vez mais pessoas em várias regiões do nosso planeta.

PROVA DE BIOLOGIA I. A charge refere-se a um problema que afeta cada vez mais pessoas em várias regiões do nosso planeta. 26 PROVA DE BIOLOGIA I QUESTÃO 40 A charge refere-se a um problema que afeta cada vez mais pessoas em várias regiões do nosso planeta. Vai um baldinho aí? Fonte: conexaoambiental.zip.net/arch2007-11-01_2007-.

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com base em conceitos e metodologias introdutórios relativos à engenharia genética, julgue os itens a seguir. O alto rendimento de um processo fermentativo está diretamente relacionado

Leia mais

06/10/2014 UM POUCO DA HISTÓRIA CONSERVAÇÃO DOS ALIMENTOS O QUE SÃO MÉTODOS DE CONSERVAÇÃO?

06/10/2014 UM POUCO DA HISTÓRIA CONSERVAÇÃO DOS ALIMENTOS O QUE SÃO MÉTODOS DE CONSERVAÇÃO? UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ UM POUCO DA HISTÓRIA Os alimentos nem sempre estiveram tão disponíveis quanto estão nos dias atuais. 2 UM POUCO DA HISTÓRIA A conservação de alimentos remonta a épocas

Leia mais

NUTRICIUM INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA FICHA DE ESPECIFICAÇÃO SUSTEMIL BAUNILHA

NUTRICIUM INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA FICHA DE ESPECIFICAÇÃO SUSTEMIL BAUNILHA FICHA DE ESPECIFICAÇÃO SUSTEMIL BAUNILHA IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA NOME DA EMPRESA: NUTRICIUM INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA Endereço: Rua Pitangui, n 77 Bairo Concórdia, Belo Horizonte MG CNPJ. 04.040.657/0001-33

Leia mais

Boas práticas na cadeia produtiva de bebidas não alcoólicas

Boas práticas na cadeia produtiva de bebidas não alcoólicas Boas práticas na cadeia produtiva de bebidas não alcoólicas Agosto de 2010 Curso Teórico-Prático de Análises Microbiológicas de Àgua e Bebidas não Alcoólicas Palestrante Juliane Dias Gonçalves Eng de Alimentos,

Leia mais

TA 824 Processos Tecnológicos IV. Textos de apoio

TA 824 Processos Tecnológicos IV. Textos de apoio TA 824 Processos Tecnológicos IV Textos de apoio Profa. Marise A. R. Pollonio BRANEN, A. L. et al. Food Phosphates. In: Food Additives. 2.ed. New York: Marcel Dekker, 2002. P 809-886 1. Química dos fosfatos

Leia mais

Princípios e métodos de esterilização

Princípios e métodos de esterilização Princípios e métodos de esterilização FUNDAMENTOS DE ESTERILIZAÇÃO Bactérias (forma vegetativa ou esporulada) São os menores organismos vivos; Existem em maior número; São as maiores responsáveis pelos

Leia mais

APROVEITAMENTO INTEGRAL

APROVEITAMENTO INTEGRAL APROVEITAMENTO INTEGRAL DOS ALIMENTOS Fabiana Peres Nutricionista CRN2 6095 Especialista em Nutrição Humana Atualmente no Brasil, ainda existe grande desperdício de alimentos. Por isso, incentivar o aproveitamento

Leia mais

31/01/2015. Programa. Paulo Figueiredo paulo@pfigueiredo.org

31/01/2015. Programa. Paulo Figueiredo paulo@pfigueiredo.org Paulo Figueiredo paulo@pfigueiredo.org Programa 1. Processos de alteração dos alimentos: físicos, químicos e biológicos. 2. Processos de conservação de alimentos: métodos fermentativos, conservantes alimentares,

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br

Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública nº 28, de 01 de junho de 2000 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária no uso da atribuição que lhe

Leia mais

Econômico no uso Supersol LG é composto com alto teor de tensoativos, que permite sua utilização em altas diluições para uma limpeza perfeita.

Econômico no uso Supersol LG é composto com alto teor de tensoativos, que permite sua utilização em altas diluições para uma limpeza perfeita. JohnsonDiversey Suma Supersol LG Detergente em pó para limpeza geral. Versátil A formulação balanceada permite que o detergente Supersol LG seja utilizado tanto para limpeza geral, quanto para lavagem

Leia mais

HIDROPONIA Qualidade da água. Prof. Dr. Osmar Souza dos Santos UFSM

HIDROPONIA Qualidade da água. Prof. Dr. Osmar Souza dos Santos UFSM HIDROPONIA Qualidade da água Prof. Dr. Osmar Souza dos Santos UFSM CURIOSIDADES DA ÁGUA 75% da terra está coberta com água Terra plana: cobertura de 2,5 km de água 0,005% se move por dia no ciclo hidrológico

Leia mais

Como ler. Quantidade. Denominação do produto. Lista de ingredientes. Durabilidade. Fabricante/ Importador. Junho de 2008

Como ler. Quantidade. Denominação do produto. Lista de ingredientes. Durabilidade. Fabricante/ Importador. Junho de 2008 Como ler Flocos de arroz e de trigo integral, enriquecidos com vitaminas (B1, B2, B3, B6, ácido fólico, B12, C) e ferro Peso líquido: CONSUMIR DE PREFERÊNCIA ANTES DE Junho de 2008 Quantidade Denominação

Leia mais

Introdução. Conceitos aplicados a alimentação animal. Produção animal. Marinaldo Divino Ribeiro. Nutrição. Alimento. Alimento. Nutriente.

Introdução. Conceitos aplicados a alimentação animal. Produção animal. Marinaldo Divino Ribeiro. Nutrição. Alimento. Alimento. Nutriente. Conceitos aplicados a alimentação animal Introdução Produção animal Marinaldo Divino Ribeiro EMV Depto de Produção ão Animal - UFBA Genética Sanidade Nutrição Alimento Susbstância que, consumida por um

Leia mais

Processamento de bacalhau salgado seco

Processamento de bacalhau salgado seco Outubro 2007 LEAL Processamento Geral de Alimentos Processamento de bacalhau salgado seco Trabalho elaborado por: João Vaz n.º 20503003 Bruno Lopes n.º 20503026 Joana Sousa n.º 20603070 Introdução Quando

Leia mais

POR QUE INVESTIR EM OVOPRODUTOS?

POR QUE INVESTIR EM OVOPRODUTOS? 1 POR QUE INVESTIR EM OVOPRODUTOS? Os ovoprodutos transformam o ovo de seu estado original em casca para o estado transformado, segundo normas de higiene e de seguridade muito enérgicas. São obtidos a

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE APROVEITAMENTO DOS SUBPRODUTOS, DERIVADOS E RESÍDUOS DO CACAU Raimundo Camelo Mororó Pesquisador em pós-colheita de Cacau e Chocolates

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA MELHORAR SINTOMAS DA TPM

ORIENTAÇÕES PARA MELHORAR SINTOMAS DA TPM ORIENTAÇÕES PARA MELHORAR SINTOMAS DA TPM As mulheres sofrem durante a tensão pré-menstrual, seja por causa de cólicas, dores de cabeça ou compulsão alimentar. Mas, sempre podemos fazer com que tudo seja

Leia mais

Rotulagem de alimentos embalados. Prof. Ismar Araújo de Moraes Departamento de fisiologia e Farmacologia da UFF Medico Veterinário S/SUBVISA-RIO

Rotulagem de alimentos embalados. Prof. Ismar Araújo de Moraes Departamento de fisiologia e Farmacologia da UFF Medico Veterinário S/SUBVISA-RIO Rotulagem de alimentos embalados Prof. Ismar Araújo de Moraes Departamento de fisiologia e Farmacologia da UFF Medico Veterinário S/SUBVISA-RIO Rotulagem É toda inscrição, legenda, imagem ou toda matéria

Leia mais

PROJETO DE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº, DE DE DE 2009

PROJETO DE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº, DE DE DE 2009 PROJETO DE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº, DE DE DE 2009 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, parágrafo único, inciso II, da Constituição,

Leia mais

revogada(o) por: Resolução RDC nº 263, de 22 de setembro de 2005

revogada(o) por: Resolução RDC nº 263, de 22 de setembro de 2005 título: Resolução RDC nº 93, de 31 de outubro de 2000 ementa: Dispõe sobre o Regulamento Técnico para Fixação de Identidade e Qualidade de Massa Alimentícia. publicação: D.O.U. - Diário Oficial da União;

Leia mais

HISTÓRIA: PROCESSAMENTO LEITES FERMETADOS. Leite fermentado batido

HISTÓRIA: PROCESSAMENTO LEITES FERMETADOS. Leite fermentado batido LEITES FERMETADOS Profa.Dra.Vanerli Beloti HISTÓRIA: Consumido há século em todo Mediterrâneo Oriental Primeiro alimento transformado que se tem notícia na história da humanidade Iogurte é o mais popular

Leia mais

TIPOS DE SUJIDADES O QUE É SUJIDADE?

TIPOS DE SUJIDADES O QUE É SUJIDADE? TIPOS DE SUJIDADES O QUE É SUJIDADE? A sujidade é um residual físico, químico ou biológico considerado estranho ao produto original, que pode ser capaz de provocar efeitos deterioráveis, detectados visualmente

Leia mais

INFORME TÉCNICO N. 54/2013 TEOR DE SÓDIO NOS ALIMENTOS PROCESSADOS

INFORME TÉCNICO N. 54/2013 TEOR DE SÓDIO NOS ALIMENTOS PROCESSADOS INFORME TÉCNICO N. 54/2013 TEOR DE SÓDIO NOS ALIMENTOS PROCESSADOS 1.Introdução Em 13 de dezembro de 2011 o Ministério da Saúde e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) assinaram termo de

Leia mais

USO DE ADITIVOS EMULSIFICANTE E ESTABILIZANTE

USO DE ADITIVOS EMULSIFICANTE E ESTABILIZANTE USO DE ADITIVOS EMULSIFICANTE E ESTABILIZANTE Aditivos alimentares Cerca de 3.500 aditivos estão em uso atualmente. Os aditivos para alimentos são testados e seu uso aprovado por lei (também os naturais).

Leia mais

Professor Antônio Ruas. 1. Créditos: 60 2. Carga horária semanal: 4 3. Semestre: 2 4. Introdução ao estudo dos esgotos.

Professor Antônio Ruas. 1. Créditos: 60 2. Carga horária semanal: 4 3. Semestre: 2 4. Introdução ao estudo dos esgotos. Universidade Estadual do Rio Grande do Sul Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental Componente curricular: Saneamento Básico e Saúde Pública Aula 7 Professor Antônio Ruas 1. Créditos: 60 2. Carga

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E DA SAÚDE

FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E DA SAÚDE União Metropolitana de Educação e Cultura Faculdade: Curso: NUTRIÇÃO FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E DA SAÚDE Disciplina: INTRODUÇÃO A NUTRIÇÃO Carga horária: Teórica 40 Prática 40 Semestre: 1 Turno:

Leia mais