ANAIS A LEGITIMAÇÃO DO PROCESSO DE MUDANÇA ORGANIZACIONAL NA PERSPECTIVA DA ESTRATÉGIA COMO ATIVIDADE PRÁTICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANAIS A LEGITIMAÇÃO DO PROCESSO DE MUDANÇA ORGANIZACIONAL NA PERSPECTIVA DA ESTRATÉGIA COMO ATIVIDADE PRÁTICA"

Transcrição

1 A LEGITIMAÇÃO DO PROCESSO DE MUDANÇA ORGANIZACIONAL NA PERSPECTIVA DA ESTRATÉGIA COMO ATIVIDADE PRÁTICA MARCILENE FEITOSA DE ARAÚJO ( ) FACULDADE ESTÁCIO ATUAL ROSALIA ALDRACI BARBOSA LAVARDA ( ) INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE RESUMO O objetivo deste estudo foi verificar como ocorre a legitimação do processo de mudança organizacional considerando o modelo teórico de prática, práxis e praticantes de Jarzabkowski, Balogun e Seidl (2007). Foi adotada a metodologia qualitativa, por meio de estudo de caso. As técnicas de coleta de dados foram entrevista, análise de documentos e observação direta. Para análise dos dados foi adotada a técnica pattern matching e análise narrativa. Percebeu-se que a legitimação do processo de mudança na organização ocorre como consequência da interação entre os elementos da strategizing, os quais propiciam o adequado ajuste para o alcance da vantagem competitiva. Palavras-chave: mudança organizacional, estratégia como prática, strategizing, processo de formação da estratégia, legitimação da mudança, metodologia qualitativa, estudo de caso, competitividade 1 INTRODUÇÃO Os estudos em estratégia têm acompanhado a intensidade e a velocidade das mudanças organizacionais no cenário mundial, as quais exigem que as empresas avaliem e reavaliem constantemente suas ações. Atualmente, devido a ambientes cada vez mais instáveis, percebe-se que somente a estratégia deliberada não atende mais aos anseios das organizações, havendo a necessidade de um compartilhamento das decisões entre os diversos níveis e atores organizacionais (Daft; 1999; Whittington, 2006; Lavarda; Canet-Giner, 2010), sendo que o maior objetivo dessa inter-relação é a sobrevivência organizacional. Assim, a interligação entre todos os níveis organizacionais evidencia a estratégia acontecendo na prática, consolidando o pensamento de que as micro-atividades constituem-se em elementos fundamentais para o processo de formulação e implementação da estratégia (Jarzabkowski, 2003; Whittington, 2006; Jarzabkowski et al,2007). É na construção desse fluxo de atividades por meio de ações diversificadas que incluem hábitos, artefatos e modos socialmente definidos e que a atividade estratégica vai sendo construída (Jarzabkowski, 2003) com diferentes movimentos e processos que são direcionados ao cumprimento das metas organizacionais, e é nesse contexto que surgem as mudanças (Wood Jr. 1995), sejam elas planejadas ou não, incrementais, estruturais ou comportamentais (Wood. Jr, 1995; Daft, 1999; Robbins, 2003). 1/16

2 Por outro lado, entende-se que a legitimação das mudanças na organização ocorre quando as práticas são aceitas e desempenhadas (práxis) por todos os atores organizacionais (praticantes). A legitimidade pode ser entendida como as condições de conformidade entre a organização e os valores do sistema social, dessa forma, a transformação das ideias, crenças e valores vigentes de uma organização estão diretamente ligadas a sua estrutura e/ou processos, assim, as mudanças organizacionais ocorrem quando tais elementos são incorporados ao contexto institucional (Machado-da-Silva; Fonseca; Fernandes, 1999). Assim, define-se como questão de pesquisa: Como ocorre a legitimação do processo de mudança organizacional considerando o modelo teórico de prática, práxis e praticantes de Jarzabkowski; Balogun; Seidl (2007)? Para responder esta questão foi adotada a metodologia qualitativa, por meio do estudo de caso (Yin, 2005). A seleção do caso teve como critério principal que a empresa estivesse passando por um processo de mudança expressivo. As técnicas de coleta de dados utilizadas foram entrevista, análise de documentos e observação direta. A partir da análise dos dados, por meio da técnica pattern matching (teoria/ prática) e análise narrativa encontrou-se que a legitimação do processo de mudança na organização ocorre com a aceitação das novas práticas adotadas pela empresa, que são desempenhadas por todos os atores organizacionais, caracterizando a interação entre os elementos que constituem o strategizing. 2 PROCESSO DE FORMAÇÃO DA ESTRATÉGIA E A PERSPECTIVA DA ESTRATÉGIA COMO ATIVIDADE PRÁTICA O campo dos estudos em estratégia é marcado por uma diversidade de conceitos que vem desde a visão clássica até a mais contemporânea. Autores seminais conceituam a estratégia sob diferentes pontos de vista em uma vasta gama de estudos (Figura 1). No entanto, segundo Bulgacov et al. (2007, p. 57), há relativamente poucos pontos de convergências conceitual entre os mesmos. Whittington (2002) contempla os estudos em estratégia apresentando quatro abordagens básicas para o processo de formação da estratégia, que são elas: abordagem clássica, sistêmica, evolucionária, processual. Neste estudo, para melhor compreensão do processo de formação da estratégia será levado em consideração a visão clássica e a processual. Na visão clássica as ações são prédeterminadas, o estrategista usa o planejamento para maximizar os lucros da empresa; na visão processual valoriza-se o processo de aprendizagem contínua. Partindo da conexão entre essas duas abordagens surge a perspectiva da estratégia como prática social (Whittington, 1996; Jarzabkowski, 2003; Johnson; Melin; Whittington, 2003; Whittington, 2006; Jarzabkowski, et al, 2007), que direciona o seu foco para a análise das micro atividades (ações) dos atores organizacionais, no dia-a-dia das empresas por meio da continua interação entre os mesmos (Whittington, 1996; Whittington, 2002; Whittington, 2006; Jarzabkowski, et al, 2007). Neste sentido, correlacionam-se estas abordagens, resumindo-as na Figura 1. Assim, o processo de formação da estratégia diz respeito tanto à formulação como a implementação, pois a forma como a estratégia surge diverge de organização para organização, que consequentemente, sofre influência de fatores externos e internos, do ambiente no qual a empresa está inserida, bem como, das questões humanas e de recursos da mesma (Mintzberg, 1973; Mintzberg e Waters, 1985; Pettigrew, 1987). 2/16

3 A estratégia como prática considera a estratégia como uma prática social, preocupando-se em estudar as atividades humanas nas organizações, bem como, as ações dos atores organizacionais que realizam essas atividades (Jarzabkowski, 2003; Johnson; Melin; Whittington, 2003; Whittington, 2006; Jarzabkowski, et al., 2007). Abordagens Visão Clássica Visão processual Visão da estratégia como Estratégia Racional, formal e deliberada. Processo deliberado valoriza as estratégias que emergem do processo de aprendizagem e adaptação. prática social Enfatiza as ações diária dos atores organizacionais englobando formulação e a implementação da estratégia Processo Analítico e estruturado Aprendizagem conjunta Interação social Influência Militar e econômica Psicologia Sociologia Contribuições Ansoff (1965); por estudos Andrews (1980); Porter (1980). Mintzberg (1973); Quinn (1978); Pettigrew (1987); Farjoun (2002). Jarzabkowski (2003); Whittington (2006); Jarzabkowski, et al. (2007). Figura 1: Visões sobre estratégia Fonte: Adaptado de Whittington (2002, p. 46). Os estudos sobre estratégia como prática redirecionam o modo de pensar e agir sobre estratégia, dando ênfase no detalhamento dos processos, bem como, nas práticas do dia-a-dia dos atores organizacionais. Assim, a estratégia como prática relaciona atividades (processos) com os resultados (conteúdo), sendo que os atores atuam de forma compartilhada em cenários macroorganizacionais (Jarzabkowski, 2003; Jarzabkowski et al, 2007; Bulgacov et al, 2007) e micro na execução dos processos. Neste aspecto, a perspectiva da estratégia como prática traz a aproximação da teoria com a prática por meio da interação de três elementos que são: as práticas tradições, normas, regras, rotinas, e procedimentos de trabalho, as práxis, como o modo em que os processos são implementados e os praticantes, conjunto diversificado de indivíduos responsáveis pela implementação das atividades estratégicas. Assim, a intersecção desses elementos é identificada como strategizing (Figura 2). Figura 2: Modelo conceitual para analisar a Estratégia como Prática. Fonte: Adaptado - Jarzabkowski, Balogun e Seidl (2007: 11). O strategizing é resultante das atividades dos atores (praticantes) no fazer a estratégia acontecer (prática + práxis), já que essas ações são vistas como uma prática social, podendose verificar o que realmente acontece no dia-a-dia das organizações. Essa aproximação evidencia um equilíbrio, em que os três elementos apresentados (Figura 2) são interrelacionados necessitando um do outro para caracterizar a estratégia acontecendo = strategizing (Jarzabkowski; Balogun; Seidl, 2007). Assim, a prática é vista como a rotina do comportamento; a práxis como a atividade em si e o praticante, o indivíduo que se relaciona diretamente com as práticas, as práxis e o ambiente. 3/16

4 A linha de pesquisa da estratégia como prática preocupa-se com a estratégia enquanto uma atividade dirigida, realizada socialmente e construída através das ações e interações dos múltiplos atores organizacionais. A noção de prática tem um sentido amplo, composto por normas, habilidade e significados, que efetivamente compõe a prática legitimada. Conforme mencionado anteriormente, a ênfase da perspectiva da estratégia como prática, é no comportamento e nas atitudes dos atores organizacionais durante o processo de implementação da estratégia. Jarzabkowski (2004) destaca que fazer a estratégia acontecer, pode ser visto como uma mistura de ação e direção, no qual o conhecimento adquirido dessa interação faz com que de fato a estratégia aconteça. Assim, definem-se as seguintes proposições: P1a: As práticas são resultado das normas, regras e procedimentos padronizados (institucionalizados) da organização. P1b: A práxis é caracterizada por meio da interação dos atores sociais, cognição e forma peculiar de agir frente a diferentes situações que se apresentam. P1c: Os praticantes são todos os atores organizacionais empenhados (práxis) na realização das atividades práticas em prol do alcance dos objetivos organizacionais. Neste contexto, considerando os conceitos de estratégia como prática, passa-se a estudar a mudança organizacional, que faz parte do dia-a-dia das organizações. 3 MUDANÇA ORGANIZACIONAL: INCREMENTAL E COMPORTAMENTAL A mudança organizacional pode ser caracterizada sob diferentes visões e perspectivas; podendo ser tratada sob dois pontos de vista principais, o primeiro trata da modificação da estrutura e o segundo enfatiza a mudança do comportamento (Bertero, 1976). Por outro lado, os processos de mudança organizacional, podem ser classificados como incremental ou radical, segundo Tushman e Romanelli (1985); mudança contínua ou descontínua, ou mudança de primeira ordem versus de segunda ordem (Van De Ven e Poole, 1995). Para Van De Ven e Poole (1995) o processo de mudança pode ser explicado a partir de quatro diferentes teorias: ciclo de vida, teleológica, dialética e evolucionária, as quais embasam ou explicam o processo que desencadeia a mudança. Wood Jr., Curado e Campos (1994, p. 64) definem mudança organizacional como sendo qualquer transformação de natureza estrutural, estratégica, cultural, tecnológica e humana que seja capaz de gerar impacto em parte ou no conjunto da organização. O mundo dos negócios passa por um permanente processo de adaptação, forçando as empresas a mudarem para sobreviverem, tal processo exige a capacidade de se adaptarem as constantes transformações de cenário, substituindo a estrutura hierarquizada por formas mais flexíveis e dinâmicas de atuação (Wood Jr. et al, 1994; Daft, 1999; Robbins, 2003). Destaca-se que as organizações são influenciadas pelas ações dos seus membros por intermédio dos sentidos que esses produzem continuamente no ambiente (Weick, 1995). Neste contexto, o aumento da incerteza ambiental proporcionada pelo contínuo processo de busca por soluções de problemas gera a criação de sentidos (sensemaking) que influencia as atividades dos atores por meio das circunstâncias já vivenciadas anteriormente (Weick, 1995). Assim, o sucesso do processo de mudança está diretamente ligado ao gerenciamento das pessoas dentro das organizações. Neste sentido é importante que as empresas mantenham um alto nível de motivação entre seus membros para que o impacto provocado pelas mudanças seja minimizado e não venha prejudicar o alcance de metas (Wood Jr., 1995), já que, o comportamento individual e organizacional é influenciado por essa interação (Robbins, 4/16

5 2003). A mudança nos diferentes contextos, força as empresas a um contínuo processo de adaptação, tais processos referem-se à habilidade dos gestores em reconhecer, interpretar e implementar estratégias de acordo com as necessidades da empresa, de forma a assegurar a mesma vantagens competitivas (Rossetto; Rossetto, 2005). Dentre as tipologias que classificam a mudança, destaca-se a que pode ocorrer de forma radical ou incremental (Daft, 2005); na abordagem radical a mesma modifica completamente a estrutura de referencia da organização, sendo classificada como um surto de ruptura de paradigmas, criando nova estrutura e administração por meio de tecnologias inovadoras ou novos produtos que gerar novos mercados. Já na a abordagem incremental as alterações no ambiente ocorrem de forma continua, equilibrando a organização de uma forma geral, por meio da estrutura normal e dos processos gerenciais, na forma de melhorias na tecnologia e nos produtos; afetando assim, apenas parte da mesma. Na visão de Robbins (2003) sobre o processo de mudança nas organizações, além da estrutura, cultura e tecnologia já descritas por Daft (2005) existem ainda ambiente físico e pessoas, totalizando cinco categorias de mudanças. A mudança no ambiente físico está ligada a fatores internos como mudanças na iluminação, limpeza, mobília, decoração e demais fatores intrínsecos. A mudança nas pessoas é caracterizada por provocar alterações nas atitudes e no comportamento dos atores organizacionais, podendo ocorrer por meio das circunstâncias diárias do ambiente ou ser provocada por meio de cursos e treinamento (Robbins, 2003). Assim, levando-se em consideração que a conexão entre todos os envolvidos na organização favorece o processo de tomada de decisão e influencia no alcance dos objetivos organizacionais, considera-se, neste estudo, que a mudança pode ocorrer de forma incremental e de forma contínua em um processo de adaptação da estrutura e também adaptação comportamental. Neste contexto elaboraram-se as seguintes proposições: P2: A mudança organizacional ocorre de forma incremental em um processo contínuo de adaptação estrutural e comportamental. 4 A LEGITIMAÇÃO DA MUDANÇA ORGANIZACIONAL A teoria institucional é talvez uma das abordagens que melhor entende as organizações, uma vez que, busca interpretar as circunstâncias situacionais contidas no ambiente, fornecendo suporte para outras perspectivas (Amaral Filho, Machado-da-Silva, 2006). A mesma origina-se das áreas das ciências políticas, da economia e da sociologia, que tratam de aspectos importantes da estrutura social, mas que inegavelmente estão presentes em todos os outros aspectos mesmo os que não estejam explicitadas. Na vertente política, a análise favorece a complexidade dos sistemas, preocupando-se com a relação destes com a sociedade. A vertente sociológica concentra-se nos padrões, nas estruturas das ações legitimadas. Já na vertente econômica a análise é direcionada para o comportamento, fazendo uma construção social, levando-se em conta as forças históricas e culturas dos indivíduos e da sociedade (Carvalho, Vieira; Goulart, 2005; Guarido Filho, 2008). Assim, a teoria institucional busca investigar como esses elementos são criados, difundidos, adotados e adaptados nas organizações tal como a sua estreita relação com a sociedade (Machado-da-Silva; Fonseca; Fernandes, 1999). No entanto, para que de fato tais elementos sejam estabelecidos faz-se necessária a existência de três pilares que sustentam as empresas no cenário organizacional, quais sejam: o regulativo, normativo e cognitivo (Scott, 2001). O regulativo baseia-se no uso de mecanismos 5/16

6 coercitivos, a lógica de instrumentalidade e os indicadores, sendo representados por regras leis e sanções, a sua base de legitimidade é legalmente sancionada; no normativo a base de conformidade são as obrigações sociais, a lógica é de adaptação e os indicadores de certificação e aceitação, assim, sua legitimidade é legalmente governada; o cognitivo é baseado em pressupostos, seu mecanismo é mimético, lógica ortodoxa e os indicadores baseiam-se no predomínio e isomorfismo, sendo sua base de legitimidade culturalmente sustentada e conceitualmente correta (Scott, 2001). Tal estrutura apresentada por Scott (2001) encontra semelhança no mecanismo proposto por Dimaggio e Powell (1983) que retrata as mudanças sofridas pelas organizações para adaptar-se ao ambiente chamado de isomorfismo organizacional, sendo definidos como isomorfismo coercitivo, que retrata as pressões internas e externas sobre a organização para que adotem estruturas semelhantes entre si (influências políticas); o isomorfismo normativo que significa as expectativas sociais em relação às organizações para que mudem visando alcançarem padrões de profissionalismos entre os membros organizacionais, e isomorfismo mimético que se refere à pressão sobre a organização para que copie ou adote modelos de outras organizações consideradas de sucesso (Dimaggio; Powell, 1983; Scott, 2001). O isomorfismo é um conjunto de restrições que forçam uma unidade de uma população a se parecer com outras unidades que se colocam em um mesmo conjunto de condições ambientais (Daft, 1999; Rossetto; Rossetto, 2005). Neste sentido, o isomorfismo pressupõe que as organizações respondam do mesmo modo às pressões impostas pelo ambiente ao qual estão inseridas, ajustando-se às normas aceitáveis de suas populações, assumindo assim posições isomórficas, ou seja, iguais (Rossetto; Rossetto, 2005). Devido à formalização das estruturas organizacionais, os ambientes institucionais são caracterizados por ser difusores de normas, regras e procedimentos que proporcionam a instituição alcançar legitimidade (Tolbert e Zucker, 1999; Machado-da-Silva e Fonseca, 2007). Neste contexto, a legitimidade dos processos pode ser entendida como as condições de conformidade entre a organização e os valores do sistema social, dessa forma, a transformação das ideias, crenças e valores vigentes de uma organização estão diretamente ligadas a sua estrutura e/ou processos, assim, as mudanças organizacionais ocorrem quando tais elementos são incorporados ao contexto institucional (Machado-da-Silva; Fonseca; Fernandes, 1999). Dessa forma, as organizações estão inseridas em ambientes construídos por diversos elementos culturais (Machado, 2004; Machado-da-Silva e Fonseca 2007) que são criadas e consolidadas por meio da interação social, assim, a sobrevivência da organização depende do relacionamento entre seu coletivo (atores) e o contexto, uma vez que, a teoria institucional por meio de seu caráter legitimado molda a realidade social, tornando-se impregnada de valor e significado social (Daft, 2005; Rossetto e Rossetto, 2005). Em síntese, a teoria institucional contribui de forma significativa para a gestão administrativa explicando os processos de mudança pelos quais as organizações estão expostas, uma vez que, as organizações sofrem continuamente influência do ambiente externo (Organização/organizações e sociedade) e do interno (organização/atores organizacionais) por meio do comportamento e da interação dos indivíduos que as compõem (Machado, 2004; Rossetto; Rossetto, 2005; Machado-da-Silva e Fonseca 2007). Assim, considerando que o processo de mudança nas organizações favorece o compartilhamento das ações entres os diversos níveis e atores organizacionais, pressupõe-se que: P3: A legitimação da mudança organizacional ocorre como consequência da criação de sentido (sensemaking). 6/16

7 5 METODOLOGIA Os propósitos de pesquisa, a perspectiva teórica e o problema, apontam para a adoção de uma abordagem de pesquisa qualitativa. Tal abordagem é a mais indicada para explorar processos que ocorrem dentro da organização, uma vez que possibilita interpretar e explicar os fenômenos estudados (Yin, 2005; Godoi, Bandeira-de-Melo e Silva, 2006). De acordo com os objetivos traçados, esta pesquisa caracteriza-se como explicativa, já que visa identificar fatores que contribuem para a ocorrência de determinado fenômeno. A pesquisa explicativa trata de responder as questões como e porque de determinados fenômenos (Yin, 2005). Assim, para a questão geral de pesquisa, estabeleceram-se as seguintes questões específicas: Q1a: Como ocorrem as práticas estratégicas adotadas na organização? Q1b: Como é caracterizada a práxis nos diferentes níveis organizacionais? Q1c: Como estão caracterizados os praticantes que participam na strategizing? Q2: Como ocorre o processo de mudança na organização considerando a perspectiva da estratégia como prática? Q3: Como ocorre a legitimação da mudança organizacional? O tipo de pesquisa utilizado neste estudo foi o estudo de caso único. Tal método permite o agrupamento de um número expressivo de dados, exigindo uma coleta intensiva no local da pesquisa (Yin, 2005). A seleção do caso teve como critério principal que a empresa selecionada estivesse passando por um processo de mudança para se adaptar às exigências do mercado, bem como, pudesse apresentar um fluxo continuo e diversificado de atividades realizadas pelos atores organizacionais no dia-a-dia da empresa, fornecendo base para o estudo da estratégia como prática. A empresa selecionada é uma das mais antigas do ramo em hotelaria que continua em atividade na cidade de Boa Vista, Roraima, sendo uma organização tradicionalmente conhecida. A empresa passa desde 2010 por um processo de adaptação as novas tendências, as novas tecnologias, mudanças na estrutura física para maior conforto e comodidade dos seus clientes, bem como mudança no quadro funcional, com a contratação de pessoal qualificado e treinamento aos seus colaboradores. Este processo de mudança está relacionado a um fator externo, que é a chegada da concorrência que até então não existia, como um fator preocupante. Por outro lado, percebe-se a transformação no cenário, com a expansão do setor de hotelaria no Estado, motivado principalmente pela proximidade com a capital do Amazonas (Manaus) como uma das cidades-sede da copa do mundo de 2014; além do crescimento do Estado, pela proximidade com países como a Venezuela (Caribe) e Guiana Inglesa que tem trazido o desenvolvimento turístico de forma intensa, acirrando a competitividade. No desenho de pesquisa elaborou-se um protocolo de estudo, no qual foram definidas as técnicas de coletas de dados e o procedimento de análise dos mesmos. A coleta dos dados se deu por meio de entrevistas semi-estruturadas, que ocorreram no período de julho a agosto de 2010; as mesmas foram gravadas para posterior análise; foram entrevistados o gerente geral da empresa (alta direção), os responsáveis por cada departamento (média gerência), bem como, cozinheiros, camareiras e recepcionistas (operacional), Figura 3. As 16 questões buscaram saber como ocorre o processo de mudança e a implementação da estratégia na organização. Ainda como técnica de coleta de dados utilizou-se a análise documental, na qual foram analisados documentos relacionados à criação e a política da empresa, organograma, folhetos informativos e circulares, visitas na página Web da empresa, bem como, observação direta, a qual ocorreu por meio do acompanhamento das atividades diárias dos atores, analisando a cultura e modo habitual de desenvolver as atividades diárias dentro do ambiente organizacional. Adotou-se o bloco de notas e roteiro de seguimento dos dados observados. As 7/16

8 três fontes de coleta de dados propiciaram a triangulação dos mesmos, conferindo maior credibilidade ao estudo. Nível Hierárquico Cargo Instrumento Duração Gerencial Gerente geral Entrevista semi- estruturada 1 h 30 min. Técnico Gerente de alimentos e bebidas- A/B Entrevista semi- estruturada 45 min. Técnico Gerente financeiro/ RH Entrevista semi- estruturada 45 min. Técnico Gerente de eventos Entrevista semi- estruturada 45 min. Operacional Ax. administrativos Entrevista semi- estruturada 30 min. Operacional Recepcionistas/atendentes Entrevista semi- estruturada 30 min. Operacional Cozinheiros/ ajudantes Entrevista semi- estruturada 30 min. Operacional Camareiras serviços gerais/ Entrevista semi- estruturada 30 min. Figura 3: Planejamento das entrevistas Fonte: Elaboração própria Como técnica de análise dos dados foi usada a tática pattern matching (Trochim, 1989) e análise narrativa (Perez-Aguiar, 1999; Godoi, Bandeira-de-Melo e Silva, 2006). A tática pattern matching é utilizada para comparar acontecimentos, comportamentos, padrões e circunstância identificados na pesquisa (realidade) com o marco teórico revisado permitindo confirmar ou rejeitar as proposições de pesquisa (Trochim, 1989; Pérez-Aguiar, 1999). A geração de explicações é utilizada para complementar o exame de padrão de comportamento (pattern matching), uma vez que o mesmo busca explicar os acontecimentos com base na sua interação com outros, ou novas circunstâncias que se apresentam no contexto de forma narrativa. A análise narrativa, por sua vez, define-se como um entendimento geral (todo) partindo da sua totalidade para as particularidades do fenômeno estudado (Godoi, Bandeirade-Melo e Silva, 2006). Estas técnicas são as mais recomendadas para esta investigação, por se propor a analisar como ocorre a legitimação do processo de mudança organizacional considerando o modelo teórico de prática, práxis e praticantes de Jarzabkowski et al. (2007) estabelecendo a comparação entre a teoria e a prática (Trochim, 1989). Para operacionalizar a fase da análise foram adotadas as categorias de análise (CA) segundo Kerlinger (1979): CA1: strategizing [(a) práticas, (b) práxis; (c) praticante Jarzabkowski et al, 2007)]; CA2: mudança organizacional (mudanças incrementais, estruturais e comportamentais Wood Jr., 1995; Robbins, 2003) e CA3: legitimação das ações na organização (Machado-da-Silva, et al.; 1999). A análise das categorias permite buscar a resposta referente à questão de pesquisa, tendo como base o marco teórico revisado. 6 ANÁLISE DOS RESULTADOS Nesta etapa, descreve-se o processo de elaboração e implementação da estratégia da empresa, bem como as tradições, as rotinas compartilhadas de comportamento, normas e procedimentos adotadas pelos praticantes da ação, seguindo a tipologia de Jarzabkowski et al. (2007). É importante salientar o entendimento que quando implementada, a estratégia gera mudanças na organização e quando essas mudanças são de fato aceitas por todos na empresa tornam-se legitimadas (Machado, 2004). Para analisar a CA1 strategizing, considerou-se o conceito de Jarzabkowski et al. (2007) que analisa seus três elementos: Práticas, práxis e praticantes. As práticas (CA1a), categoria medida pelo conjunto de tradições, normas, regras e rotinas ou o que fazer, podem ser identificadas em diferentes atividades na organização, como por exemplo, nas regras de preparo e manipulação de alimentos e bebidas, nas rotinas diárias de limpeza e organização dos apartamentos, no atendimento prestado ao cliente por 8/16

9 cada colaborador; como destaca a gerente financeira e de RH: O atendimento prestado pelo hotel segue um padrão único da empresa, no qual se busca apresentar para o cliente por meio do atendimento, a verdadeira imagem da instituição. Tal imagem se reflete através do fardamento que é obrigatório, aparência, simpatia e disponibilidade do colaborador para com o cliente e para com a empresa. No que se refere ao padrão de atendimento único da empresa conforme relata a gerente financeira e de RH pode ser observado também no depoimento do gerente geral, quando destaca que realmente há necessidade de concatenação no grupo de trabalho, conforme é evidenciado na entrevista com o gerente geral: Todos os colaboradores da organização principalmente os que têm maior contato com os clientes como os recepcionistas, garçons e as camareiras estão prontos para proporcionar ao hospede/cliente uma atenção especial no surgimento de qualquer problema (...) primeiro é dado ao cliente à atenção necessária em seguida o colaborador entra em contato com o setor responsável, que tentará solucionar o problema. Dessa forma, nosso cliente sente-se satisfeito pela atenção e a estratégia da empresa acontece. Visto por este ângulo, o padrão de adequação que se forma dessa sequência de ações diárias (Jarzabkowski, 2003) possibilita a organização alcançar seus objetivos, uma vez que essas ações são construídas e reconstruídas continuamente formando novos padrões, e o resultado desse processo de interação é a estratégia realizada. As práticas dos atores organizacionais na empresa podem ser observadas em diversos momentos; assim, levando-se em consideração o depoimento do chefe da cozinha no qual destaca a limpeza e a higiene do local como um dos diversos fatores que contribui para o alcance das metas da organização, apresenta-se o depoimento de uma camareira: A limpeza para nós (hotel) é vista como algo de grande importância, o apartamento do cliente, assim como todo o ambiente tem que estar perfeito, por este motivo observamos tudo, uma cortina rasgada, um lençol amassado, todos os detalhes têm que ser vistos para que o cliente fique sempre satisfeito. Ainda neste sentido, destaca-se o depoimento de um garçom quando responde sobre o seu comportamento frente às normas da empresa: Estou a muitos anos trabalhando nessa mesma empresa (...) e tudo que os meus superiores e até mesmo o que os colegas me pedem para fazer, eu faço, mesmo não sendo o meu serviço, sabe por quê? Porque se a empresa tá bem eu também estou. Por esse motivo sigo todas as regras, chego no horário, ando sempre arrumado e com meu fardamento passado (camisa e calça), tiro minha barba; isso é exigência da empresa então eu cumpro. Com base nas entrevistas e na observação direta, todos os entrevistados destacaram como norma, regras e rotinas da empresa o fardamento, a boa aparência e o cumprimento dos horários de expediente. As práticas são as atividades diárias da organização e, neste caso, algumas ocorrem na presença do hóspede, como por exemplo, nos processos de prestação de serviços (recepção, restaurante, bar da piscina), tais práticas promovem o resultado imediato de satisfação (ou não) do cliente. A práxis (CA1b) ou como fazer corresponde as atividades do dia-a-dia dos atores organizacionais sendo desempenhadas por diferentes maneiras, caracterizando os processos diários (Jarzabkowski et al.,2007). A práxis é a forma como o colaborador executa a ação, ou seja, é o como fazer (conhecimento tácito) do praticante que é relevante, porque modifica ou caracteriza a ação, fazendo uma adaptação entre a estratégia existente e as particularidades que ocorrem no dia-a-dia da empresa (Whittington, 2006; Jarzabkowski, et al., 2007). 9/16

10 Dessa forma, a práxis pode ser identificada na elaboração das ações, como podemos observar no depoimento do gerente geral: O setor administrativo, na pessoa da alta e media gerência, dá suporte por meio de condições para que o colaborador execute bem suas atividades. O setor administrativo planeja a estratégia e os demais setores por meio dos colaboradores as colocam em prática, e o nosso papel (gerência) é dar aos colaboradores (setores) suporte, para que eles tenham condições de executar bem suas. A práxis, como decorrência das atividades do dia-a-dia dos atores organizacionais, ocorre quando o restaurante por meio dos seus colaboradores se empenha no preparo do café da manhã e almoço servido pelo hotel, como destaca o gerente (A e B): O hotel segue rigorosamente o horário para servir o café, assim como o almoço. Outra preocupação nossa (hotel) é a organização dos alimentos postos a disposição do cliente, uma vez que, seguimos uma rigorosa rotina de trabalho, como a disponibilidade da prataria (xícaras, talheres, pratos etc.) bem como, a organização da mesa com os alimentos que são servidos aos clientes, estes (alimentos) são colocados de modo a facilitar o auto-atendimento. Todas nossas ações revistas pela nossa equipe, para que tudo saia dentro do planejado e o cliente fique satisfeito. Neste sentido, apresentam-se as atividades diárias, consideradas como atividades vitais, referentes a alguns departamentos da organização. Tais atividades são realizadas diariamente, como atividades da recepção, manutenção e limpeza e o restaurante (Figura 5). Prática Atividade (o que faz) Recepção: Atendimento ao hóspede/cliente (check-in e/ou check-out ) Manutenção/ Limpeza Restaurante: Atendimento ao cliente Práxis Procedimento (como faz) Check-in: recebe o cliente; verifica/confirma reserva; designa a acomodação; passa informações sobre horários e serviços disponíveis; resolve dúvidas Check-out: confere consumo; apresenta a conta; tira dúvidas; finaliza a conta; recebe a conta; providencia transporte; confere satisfação do hóspede Faz limpeza dos pisos e móveis Arruma as camas e os toaletes Faz manutenção do ar condicionado, Corta a grama, Faz limpeza da área externa (piscina). Organiza louças (pratos, xícaras, talheres) para self-service; Dispõe alimentos para self-service Organiza mesas; Recebe/atende o cliente; Retira louças e talheres. Recebe a conta Confere satisfação do cliente Figura 5: Atividades práticas da organização Fonte: Elaboração própria Como podemos observar muitas das ações e atividades da organização são frequentes, e envolvem muitos atores que fazem e refazem diariamente essas ações, assim, a CA práxis é identificada na forma de fazer as atividades diárias que variam de acordo com cada praticante. Os Praticantes (CA1c) ou atores das práticas, como já sinalizado, são os indivíduos que compõem o ambiente organizacional fazendo e refazendo diariamente um sistema de práticas estratégicas compartilhadas (Jarzabkowski et al., 2007). Dessa forma, o acúmulo de informações das situações vivenciadas anteriormente influencia as decisões presentes e futuras dos atores organizacionais que por meio da criação de sentidos (sensemaking) possibilitam a adaptação da organização em ambientes cada vez mais instáveis. Neste contexto, destaca-se a importância do conhecimento destes atores para o alcance dos objetivos organizacionais. Assim, destaca-se o depoimento da gerente financeira e de RH: 10/16

11 Com base no conhecimento (tácito) de cada atividade realizada pelos colaboradores, e que acatamos (sugestões feita por eles durante nossas reuniões mensais), uma delas foi à mudança feita na forma de armazenar os alimentos e de identificar os mais antigos, isso facilita o trabalho da equipe agilizando o processo e minimizando o desperdício reduzindo custos para empresa e direcionando a mesma a vantagem competitiva. Com base na observação direta, foi encontrado que na recepção a prática do atendimento se desenvolve sempre buscando a qualidade e a satisfação do hóspede, assim, nos horários de chegada e saída de vôos a recepção que representa a primeira imagem da organização para o cliente, fica a inteira disposição do mesmo. Ainda neste sentido, foi observado também que durante o check in os recepcionistas coletam o máximo de informação sobre as preferências e gostos dos clientes para proporcionar ao mesmo uma estadia agradável e satisfatória. Assim, fica evidenciado que o praticante é o responsável pela execução de todas as atividades estratégicas da organização, pois por meio do conhecimento e informação adquirido vai transformando o ambiente organizacional. Para analisar CA2 mudanças organizacionais consideraram-se os conceitos de Wood JR. (1995); Daft (1999) e Robbins (2003) que classificam a mudança em: incremental, estrutural e comportamental; destaca-se que a mudança organizacional é caracterizada como um conjunto de ações adotadas pelas organizações para sobreviverem às constantes instabilidades do mercado, podendo ser definida, segundo Wood JR. (1995); Daft (1999) e Robbins (2003), como as constantes transformações de cenário que exigem das empresas mudanças na estrutura, nos processo e tecnologias, bem como, no comportamento das pessoas, ocorrendo na maioria das vezes de forma contínua. Neste contexto, a empresa vem passando por um processo de mudança para se adaptar às exigências do mercado, conforme destaca o gerente geral: Com a chegada de um novo concorrente no ramo hoteleiro e a proximidade com Manaus, que é uma das cidades da copa de 2014, sentimos a necessidade de uma mudança na nossa estrutura, e foi o que fizemos, estamos tentando não nos igualar com o concorrente porque sabemos que temos tradição no mercado local, mas sim nos adequar as novas exigências dos clientes. Assim, por questão de competitividade realizamos algumas mudanças na nossa estrutura física, essas mudanças vão acontecendo gradativamente até nos adaptarmos a esse novo cenário. As mudanças incrementais podem ser classificadas na visão de Daft (1999) como um avanço contínuo, algo que ocorre de forma gradual, afetando parte da organização. Contextualiza-se a assim, mudança incremental por ser percebida na melhoria nas tecnologias, nos processos gerenciais e nos produtos, como destaca o gerente geral: Atualmente a empresa passa por algumas mudanças, alguns apartamentos passaram por reformas, foram trocadas TVs normais por LCD, camas normais por camas boxes, ar condicionados por centrais de ar, o espaço físico de alguns apartamentos foi ampliado para maior comodidade. Está sendo colocado nos corredores do hotel câmeras para maior segurança do cliente. Há um projeto para que todos os outros apartamentos sejam reformados e adaptados a essas novas tecnologias, como economizador de energia, troca de chaves por cartão dentre outras melhorias. Ainda neste contexto, outra mudança que pode ser observada na organização foi à reforma e ampliação do restaurante e a criação de um salão de eventos (estrutura). Tais mudanças trouxeram novos clientes, como afirma o gerente geral: O que a empresa fez foi aproveitar um espaço que não tinha utilidade e transformar em algo rentável, o salão de eventos é hoje utilizado por diversas empresas, e o papel do hotel é dar o suporte necessário para que esses clientes saiam satisfeitos e 11/16

12 tragam cada vez mais novos clientes. As mudanças são necessárias, já que o mercado exige que as empresas sejam cada vez mais competitivas, pensando nisso, a organização em questão investe em capacitação dos seus colaboradores, incentivando e proporcionando espaço para o trabalho em equipe, fomentando a participação (Robbins, 2003) e comportamento proativo para que promovam a solução antecipada a determinadas situações; e, na contratação de mão de obra cada vez mais capacitada e empreendedora, como pode ser observado no depoimento da gerente financeira e RH: A empresa passa por muitas mudanças, uma delas é a valorização profissional por meio dos treinamentos e cursos oferecidos pela empresa para todos os colaboradores interessados, outra é a contratação de profissionais cada vez mais capacitados. Ainda nesse sentido, destaca-se o depoimento do gerente geral que salienta a importância em estabelecer parcerias para capacitar sua equipe: Visando a melhoria dos nossos serviços e que firmamos parcerias com algumas instituições profissionalizantes como o SENAI, SENAC, SENAT e próprio SEBRAE, e, sempre que tem cursos que são importantes para a melhoria dos nossos serviços estamos capacitando nos colaboradores. Assim, é importante destacar que o sucesso do processo de mudança está diretamente ligado as pessoas dentro das organizações (Wood Jr., 1995), neste sentido, se faz necessário, que as empresas mantenham um nível de motivação elevado entre seus colaboradores para que o impacto provocado pelas mudanças seja minimizado e não venha prejudicar as metas a serem alcançadas, uma vez que, o comportamento de cada colaborador influencia nesse resultado (Wood Jr., 1995; Robbins, 2003). Por outro lado, é preciso se analisar como que essas mudanças são absorvidas e incorporadas pelos colaboradores. Assim, passamos a analisar a terceira CA, a legitimação. CA3 Legitimação, como já descrito antes, pode ser entendida como as condições de conformidade entre a organização e os valores do sistema social (Machado-da-Silva, et al.; 1999; Machado, 2004; Machado-da-Silva e Fonseca, 2007). A legitimação da mudança organizacional ocorre como consequência da criação do sentido, uma vez que, os atores organizacionais por meio da incerteza durante o processo de busca por soluções para determinadas situações acumulam conhecimentos com base em experiências anteriores, e estas quando percebidas como diferencial são implementadas e legitimadas na organização. Destaca-se o depoimento do gerente geral que salienta: Ultimamente a empresa vem passando por uma serie de mudanças. O que se percebe é que quando anunciado que determinada atividade vai ser executada de outra forma, que vai ser acrescentado algo novo no cardápio ou um determinado setor vai ser responsável por alguma outra atividade, além da que já executa, isso gera uma alto nível de resistência por parte dos colaboradores, no entanto, quando estes executam e percebem que não é o que imaginavam, as atividades passam a ser aceitas e desempenhadas normalmente. O atual cenário de mudanças do mercado força nossa empresa também a mudar por meio das ações diárias dos nossos colaboradores. Neste caso, as atividades dos atores organizacionais vêm sofrendo constastes adaptações em função das mudanças que vem ocorrendo tanto na estrutura física como na readequação de pessoal, com treinamentos e promoções ou remanejamento de pessoal, no entanto, percebeu-se que estas mudanças e alterações na rotina organizacional tem sido implementadas e aceitas pelos colaboradores. Assim, a organização, por meio do seu caráter legitimado molda a realidade social e torna-se repleta de valor e significados (Daft, 1999; Rossetto e Rossetto, 2005). Visando responder a questão geral de pesquisa: Como ocorre a legitimação do 12/16

13 processo de mudança organizacional considerando o modelo teórico de prática, práxis e praticantes de Jarzabkowski; Balogun; Seidl (2007)? Passa-se a analisar conjuntamente as proposições elaboradas para este estudo. Para proposição P1a: As práticas são resultado das tradições, normas, regras, rotinas, e procedimentos (institucionalizados) da organização; Destaca-se que as tradições, normas, regras, rotinas, e procedimentos foram identificados na rotina diária de determinadas atividades da empresa, portanto, a proposição foi confirmada, uma vez que, foram encontradas evidências desses elementos culturais estabelecidos na organização. Os praticantes executam suas atividades com base nas suas experiências (conhecimento tácito), cumprem os horários de entrada e saída na organização, usam o fardamento e cumprem rigorosamente suas atividades (cozinha). Para proposição P1b: A práxis é caracterizada por meio da interação dos atores sociais, cognição e forma peculiar de agir frente a diferentes situações que se apresentam; Encontrou-se a práxis evidenciada no como fazer estando contidas nas micro-ações do praticante da estratégia e nos diferentes níveis da organização; A empresa trabalha focada nos seus objetivos; a práxis foi observada na determinação de todos entrevistados, desde o jardineiro, pessoal da recepção, restaurante até a gerência, confirmando P1b. Para P1c: Os praticantes (atores da ação) são todos os atores organizacionais empenhados (práxis) na realização das atividades práticas em prol do alcance dos objetivos organizacionais. Entende-se, a partir das evidências encontradas, que os atores organizacionais estão envolvidos nas ações estratégicas da organização, empenhados em implementar as mudanças necessárias na empresa que modificam o contexto organizacional. Os praticantes são todas as pessoas da organização, ou seja, todos aqueles que contribuem para a satisfação dos clientes que consequentemente influenciam no alcance dos objetivos da empresa. Assim, a proposição P1c foi confirmada. Para P2: A mudança organizacional ocorre de forma incremental como resposta ás alterações ambientais em um processo contínuo de adaptação estrutural e comportamental; Pode-se afirmar que, em virtude do novo cenário imposto pelo mercado, o Hotel vem implementando mudanças na sua estrutura física (como a reforma e ampliação do restaurante, criação de um salão de eventos; mudanças nos apartamentos, troca de ar condicionado por centrais de ar); Com todas essas mudanças, consequentemente, há mudanças também nas pessoas; os indivíduos que trabalham na organização; para enquadrar-se revisam as suas práticas e as práxis, influenciando no comportamento e nos padrões de trabalho (Wood Jr., 1995). Assim, a empresa, passa por um processo de readequação funcional, com algumas demissões e novas contratações. Considerando-se as evidências encontradas, verificou-se que as mudanças incrementais (Daft, 1999) se caracterizam por serem alterações no ambiente que ocorrem de forma continua, equilibrando a organização de uma forma geral, por meio da estrutura normal e dos processos gerenciais (Daft, 1999). Dessa forma, entende-se que a proposição P2 foi confirmada. Para P3: A legitimação da mudança organizacional ocorre como consequência da criação de sentido (sensemaking); Conforme análise do ambiente organizacional ficou evidenciada que todos os colaboradores da empresa, após o período de incerteza durante o processo de busca por soluções de determinadas situações, agregam conhecimento e experiência das atividades por estes executadas, daí estas atividades passam a ser aceitas, defendidas e desempenhadas por todos, tornando-se legitimadas, portnto, confirmando P3. Assim, entende-se que as proposições teóricas foram corroboradas no estudo 13/16

14 empírico respondendo que a legitimação do processo de mudança ocorre quando as decisões tomadas pela direção são implementadas e incorporadas por todos os atores no dia-a-dia (strategizing), quando se envolvem (dão sentido) nas atividades que desempenham, buscando cumprir com determinação o que foi proposto, em nome do alcance dos objetivos e de se manter fazendo frente a competitividade que se faz presente. 7 CONSIDERAÇÕES FINAIS A presente pesquisa teve como objetivo analisar como ocorre a legitimação do processo de mudança organizacional considerando o modelo teórico de prática, práxis e praticantes de Jarzabkowski et al. (2007). Ficou evidenciado na investigação empírica que a legitimação do processo de mudança organizacional ocorre por meio da interação dos três elementos da estratégia (strategizing) que corresponde à intersecção do que fazer (prática), com o como fazer (práxis) e quem faz (praticante), e que a adequada interação destes elementos promove a mudança e conduz a organização ao alcance dos objetivos traçados. Como contribuição no ambiente empresarial entende-se que os resultados encontrados indicam a importância de se tratar a estratégia como algo que a organização realiza no dia a dia e, que a realização destas atividades estratégicas está na mão de todos os atores organizacionais. Procurou-se evidenciar a necessidade de um compartilhamento das ações e interação da prática com o modo que os praticantes a desempenham, já que, esses elementos caracterizam o acontecimento da estratégia na prática e sua interação propicia o adequado ajuste da organização para o alcance da vantagem competitiva. No ambiente acadêmico, destaca-se que esta pesquisa oportunizou o aprofundamento do estudo sobre a estratégia como atividade prática, por meio da análise das atividades diárias dos praticantes, da ação em uma organização especifica. Reconhece-se que a principal contribuição deste estudo detém-se na combinação da estratégia como prática por meio dos seus elementos (strategizing) com a legitimação deste processo, caracterizando o processo de mudança organizacional como um cruzamento que precisa ser mais bem estudado e ainda relacionado com a medição dos resultados alcançados pela organização. A limitação da pesquisa está relacionada à questão do tempo disponibilizado para a coleta dos dados, bem como, as dificuldades, encontradas para a realização das entrevistas tais como: a falta de interesse ou vergonha dos entrevistados em responder as questões. Outra limitação reside na falta de trabalhos empíricos abordando o cruzamento proposto (strategizing-mudança-legitimação). Como futura linha de pesquisa indica-se a necessidade de aprofundamento dos estudos em estratégia-como-atividade-prática, uma vez que, este tema encontra-se em fase de construção. Sugere-se ainda que sejam realizados estudos comparativos sobre a estratégiacomo-prática; bem como, realizar o mesmo estudo em outros ambientes organizacionais. Diante do que foi explicitado, destaca-se que as organizações são ambientes propícios para os estudos de práticas estratégicas e que há muito a ser feito, uma vez que os caminhos estão abertos para a construção de novas teorias que permitirão uma maior compreensão da complexidade dos ambientes organizacionais. REFERÊNCIAS AMARAL FILHO, Ricardo Gomes do; MACHADO-DA-SILVA, Clóvis Luis. Estratégia e teoria institucional: uma proposta discursiva de integração. In: Encontro da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Administração, 30, Salvador, Anais... Rio de 14/16

15 Janeiro, ANDREWS, Kenneth R. Directors responsibility for corporate strategy. Harvard Business Review, v. 58, n. 6, p , ANSOFF, Igor. Corporate strategy: business policy for growth and expansion. New York: McGraw-Hill, BERTERO, Carlos Osmar. Mudança organizacional e processo decisório. Revista de Administração de Empresas, n. 16, v. 2, p , BULGACOV, Sergio, et al. Administração Estratégica. Teoria e Prática. São Paulo: Atlas, CARVALHO, Cristina Amélia, VIEIRA, Marcelo Milano Falcão e GOULART, Sueli. A trajetória conservadora da teoria institucional. Rio de Janeiro: FGV, Revista de Administração Publica, v. 39, n. 4, p , DAFT, Richard L. Teoria e projeto das organizações. 6. ed. Rio de Janeiro: LTC, DAFT, Richard L. Administração. São Paulo: Thompson, DIMAGGIO, Paul J.; POWELL, Walter W. The Iron Cage Revisited: Institutional Isomorphism and Collective Rationality in Organizational Fields. American Sociological Review, v. 48, p , FARJOUN, Moshe. Towards an Organic Perspective on Strategy, Strategic Management Journal, v. 23, p GODOI, Christiane Kleinubing; BANDEIRA-DE-MELLO, Rodrigo; SILVA, Anielson Barbosa da. Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: paradigmas, estratégias e métodos. São Paulo: Saraiva, GUARIDO FILHO, Edson R. A construção da teoria institucional nos estudos organizacionais no Brasil: o período Tese (Doutorado em Administração) Universidade Federal do Paraná, Curitiba, JARZABKOWSKI, Paula. Strategic practices: an activity theory perspective on continuity and change. Journal of Management Studies, v. 40, n. 1, p , JARZABKOWSKI, Paula. Strategy as practices: recursive, adaptive and practice-in-use. Organization studies, v. 25, n. 4, p , JARZABKOWSKI, Paula; BALOGUN, Julia; SEIDL, David. Strategizing: the challenges of a practice perspective. Human Relations, v. 60, n. 5, JARZABKOWSKI, Paula; SPEE, Andreas Paul. Strategy-as-practice: A review and future directions for the Field. International Journal of Management Reviews, v. 11, n.1, p JOHNSON, Gerry; MELIN, Leif.; WHITTINGTON, Richard. Micro Strategy and Strategizing: Towards an Activity-Based View. Journal of Management Studies, v. 40, n. 1, p. 3-33, KERLINGER, Fred N. Metodologia da pesquisa em ciências sociais: um tratamento conceitual. São Paulo: EPU/EDUSP, LAVARDA, Rosalia; CANET-GINER, Teresa; PERIS-BONET, Fernando. How Middle Managers Contribute to Strategy Formation Process: Connection of Strategy Processes and Strategy Practices. Revista de Administração de Empresas, v. 50, p , MACHADO; Denise Del Prá Netto. Inovação e Cultura Organizacional: Um estudo dos elementos culturais que fazem parte de um ambiente inovador Tese (Doutorado em Administração) Escola de Administração de Empresas de São Paulo - FGV, São Paulo, MACHADO-DA-SILVA, Clóvis; FONSECA, Valéria Silva Da. A teoria institucional. In: 15/16

16 CALDAS, M. FACHIN, R. FISCHER,T. (Org). Handbook de estudos organizacionais: modelos de análise e novas questões em estudos organizacionais. São Paulo: Atlas, MACHADO-DA-SILVA, Clóvis; FONSECA, Valéria Silva Da; FERNANDES, Bruno H. Rocha. Mudanças e estratégia nas organizações: perspectivas cognitivas e institucional. In: VIEIRA, M. F.; OLIVEIRA, L. M. B. (org). Administração contemporânea: perspectivas estratégicas. São Paulo: Atlas, MINTZBERG, Henry. The nature of managerial work. New York: Harper and How, MINTZBERG, Henry; WATERS, James A. Of Strategies, Deliberate and Emergent. Strategic Management Journal, v. 6, n. 3, p , PÉREZ-AGUIAR, Waldo. El estudio de Casos. En Sarabia, F. J. (Ed.): Metodología para la investigación en marketing y dirección de empresas, Madrid: Pirámide PETTIGREW, A. M. Context and Action in the Transformation of the Firm, Journal of Management Studies, v. 24, n. 6, p , PORTER, Michael. Competitive strategy, techniques of analyzing industries and competitors. Nova York: Free Press QUINN, James Brian. Strategic change: logical incrementalism. Sloan Management Review, v. 20, n. 1, p. 7-21, ROBBINS, Stephen Paul. Administração: Mudanças e Perspectivas. São Paulo: Saraiva, ROSSETTO, Carlos Ricardo; ROSSETTO, Adriana Marques. Teoria Institucional e dependência de recursos na adaptação organizacional: Uma visão complementar. Revista de administração de empresas, v. 4, n. 1, 2005 SCOTT, W. Richard. Institutions and Organizations. 2. ed. London: Sage Publications, TOLBERT, Pamela S., ZUCKER, Lynne G. A Institucionalização da Teoria Institucional. In: CLEGG, S. R. et al., Handbook de Estudos Organizacionais: modelos de análise e novas questões em estudos organizacionais. São Paulo: Atlas, TROCHIM, William. M. K. Outcome Pattern Matching and Program Theory. Evolution and Program Planning. v. 12, p , TUSHMAN, M. L.; ROMANELLI, E. Organizational evoltution. A metamorphosis model of governance. Research in Organizational Behaviour, n. 7, p , VAN DE VEN Andrew H; POOLE, Marshall Scott. Explaining development and change in organizations. Academy of Management Review, v. 20, n. 3, WEICK, K.E. Sensemaking in organizations. Thousand Oaks: Sage, 231 p WHITTINGTON, Richard. Strategy practice. Long Range Planning. v. 29, n. 5 p , WHITTINGTON, Richard. O que é estratégia. São Paulo: Thomson Learning, WHITTINGTON, Richard. Completing the Practice Turn in Strategy Research. Organization Studies, London: Sage, v. 27, n. 5. p , WOOD JR, Tomaz. CURADO, Isabela B.; CAMPOS, Humberto, M. de. Vencendo a crise: Mudança Organizacional na Rhodia Farma. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 34, n. 5, p , WOOD JR, Tomaz. Mudança organizacional: aprofundando temas atuais em administração. São Paulo: Atlas, YIN, Robert K. Estudo de Caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman, /16

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

4. BANCO DE COMPETÊNCIAS PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO DE CAPACITAÇÃO DE RH

4. BANCO DE COMPETÊNCIAS PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO DE CAPACITAÇÃO DE RH 4. BANCO DE COMPETÊNCIAS PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO DE CAPACITAÇÃO DE RH 1. INTRODUÇÃO Gilson da Silva Cardoso Antonio Carlos Francisco Luciano Scandelari O mundo está experimentando

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS Gilmar da Silva, Tatiane Serrano dos Santos * Professora: Adriana Toledo * RESUMO: Este artigo avalia o Sistema de Informação Gerencial

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

Gestão Estratégica de Marketing

Gestão Estratégica de Marketing Gestão Estratégica de Marketing A Evolução do seu Marketing Slide 1 O Marketing como Vantagem Competitiva Atualmente, uma das principais dificuldades das empresas é construir vantagens competitivas sustentáveis;

Leia mais

PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS

PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS Marino, Reynaldo Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde - FASU/ACEG GARÇA/SP-

Leia mais

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Estratégia de TI Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio 2011 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: compartilhamento de conhecimento; gestão do conhecimento; responsabilidade social.

PALAVRAS-CHAVE: compartilhamento de conhecimento; gestão do conhecimento; responsabilidade social. PROGRAMA DE VALORIZAÇÃO DOS SERVIDORES DA UNICENTRO, PROVARS: COMPARTILHANDO CONHECIMENTOS PARA A EFETIVAÇÃO DE UMA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL. RESUMO: O presente trabalho pretendeu verificar

Leia mais

WEBINAR INFORMAÇÃO NA ESTRATÉGIA COMO PRÁTICA. Palestrante: Profa. Esp. Vanessa Medeiros de Carvalho

WEBINAR INFORMAÇÃO NA ESTRATÉGIA COMO PRÁTICA. Palestrante: Profa. Esp. Vanessa Medeiros de Carvalho WEBINAR INFORMAÇÃO NA ESTRATÉGIA COMO PRÁTICA Palestrante: Profa. Esp. Vanessa Medeiros de Carvalho SUMÁRIO 1. Contextualização 2. Estratégia 3. Estratégia como Prática 4. Informação como ferramenta para

Leia mais

Estrutura do Curso. Planejamento Estratégico

Estrutura do Curso. Planejamento Estratégico Estrutura do Curso (Prof. Mauricio Neves) INTRODUÇÃO À ESTRATÉGIA EMPRESARIAL (Unidade I) MODELO PORTER: TÉCNICAS ANALÍTICAS (Unidade II) ESTRATÉGIA BASEADA EM RECURSOS, (Unidade IV) Planejamento Estratégico

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

6 Referências bibliográficas

6 Referências bibliográficas 6 Referências bibliográficas BOIRAL, O. ISO 9000: Outside the iron cage. Organization Science, v. 14, n. 6, p. 720-737, nov-dez 2003. CARVALHO, C. A. P.; VIEIRA, M. M. F.; LOPES, F. D. Contribuições da

Leia mais

cada fator e seus componentes.

cada fator e seus componentes. 5 CONCLUSÃO Conforme mencionado nas seções anteriores, o objetivo deste trabalho foi o de identificar quais são os fatores críticos de sucesso na gestão de um hospital privado e propor um modelo de gestão

Leia mais

ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ

ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ INTRODUÇÃO Estratégia é hoje uma das palavras mais utilizadas

Leia mais

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los.

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los. Decorrência da Teoria Neoclássica Processo Administrativo. A Teoria Neoclássica é também denominada Escola Operacional ou Escola do Processo Administrativo, pela sua concepção da Administração como um

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES CHAVES, Natália Azenha Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: natalya_azenha@hotmail.com

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL

INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL ZAROS, Raíssa Anselmo. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG E-mail: raissa_zaros@hotmail.com LIMA, Sílvia Aparecida Pereira

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação O artigo fala sobre os vários aspectos e desafios que devem ser levados em consideração quando se deseja transformar ou fortalecer uma cultura organizacional, visando a implementação de uma cultura duradoura

Leia mais

QUESTÃO 11 ENADE Administração/2009

QUESTÃO 11 ENADE Administração/2009 Universidade Federal Fluminense Oficina de Trabalho Elaboração de Provas Escritas Questões Objetivas Profª Marcia Memére Rio de Janeiro, janeiro de 2013 QUESTÃO 11 ENADE Administração/2009 Cada uma das

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DAS FERRAMENTAS ADMINISTRATIVAS CONTEMPORÂNEAS NA GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES HOSPITALARES

A UTILIZAÇÃO DAS FERRAMENTAS ADMINISTRATIVAS CONTEMPORÂNEAS NA GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES HOSPITALARES A UTILIZAÇÃO DAS FERRAMENTAS ADMINISTRATIVAS CONTEMPORÂNEAS NA GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES HOSPITALARES André F. Soares Correia, FSM, andre.s.correia@hotmail.com¹ Virginia Tomaz Machado, FSM, vtmachado@hotmail.com²

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta.

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta. Pesquisa IMAM/CEPEAD descreve os níveis de maturidade dos logísticos de empresas associadas Marcos Paulo Valadares de Oliveira e Dr. Marcelo Bronzo Ladeira O Grupo IMAM, em conjunto com o Centro de Pós-Graduação

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Existem três níveis distintos de planejamento: Planejamento Estratégico Planejamento Tático Planejamento Operacional Alcance

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design.

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design. Projetar, foi a tradução mais usada no Brasil para design, quando este se refere ao processo de design. Maldonado definiu que design é uma atividade de projeto que consiste em determinar as propriedades

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

componente de avaliação de desempenho para sistemas de informação em recursos humanos do SUS

componente de avaliação de desempenho para sistemas de informação em recursos humanos do SUS Informação como suporte à gestão: desenvolvimento de componente de avaliação de desempenho para sistemas de Esta atividade buscou desenvolver instrumentos e ferramentas gerenciais para subsidiar a qualificação

Leia mais

APRENDIZAGEM E INFORMÁTICA: UMA ANÁLISE SOBRE OS ALUNOS USUÁRIOS DO NPI

APRENDIZAGEM E INFORMÁTICA: UMA ANÁLISE SOBRE OS ALUNOS USUÁRIOS DO NPI APRENDIZAGEM E INFORMÁTICA: UMA ANÁLISE SOBRE OS ALUNOS USUÁRIOS DO NPI * Centro Universitário Filadélfia Unifil. mariana.munk@unifil.br Mariana Gomes Musetti Munck* Roberto Yukio Nishimura* Edison Sahd*

Leia mais

5 Conclusão e Considerações Finais

5 Conclusão e Considerações Finais 5 Conclusão e Considerações Finais Neste capítulo são apresentadas a conclusão e as considerações finais do estudo, bem como, um breve resumo do que foi apresentado e discutido nos capítulos anteriores,

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

FATORES CONDICIONANTES AO ACESSO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS A RECURSOS PÚBLICOS PARA INOVAÇÃO: ESTUDO DE CASOS MÚLTIPLOS NO ESTADO DO PARANÁ

FATORES CONDICIONANTES AO ACESSO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS A RECURSOS PÚBLICOS PARA INOVAÇÃO: ESTUDO DE CASOS MÚLTIPLOS NO ESTADO DO PARANÁ FATORES CONDICIONANTES AO ACESSO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS A RECURSOS PÚBLICOS PARA INOVAÇÃO: ESTUDO DE CASOS MÚLTIPLOS NO ESTADO DO PARANÁ Marlete Beatriz Maçaneiro (Professora do Departamento de Secretariado

Leia mais

Carreira: definição de papéis e comparação de modelos

Carreira: definição de papéis e comparação de modelos 1 Carreira: definição de papéis e comparação de modelos Renato Beschizza Economista e especialista em estruturas organizacionais e carreiras Consultor da AB Consultores Associados Ltda. renato@abconsultores.com.br

Leia mais

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso III Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí II Jornada Científica 9 a 23 de Outubro de 200 Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso Sablina

Leia mais

OS 5 P S DO MARKETING NO SETOR HOTELEIRO NA CIDADE DE BAMBUÍ-MG

OS 5 P S DO MARKETING NO SETOR HOTELEIRO NA CIDADE DE BAMBUÍ-MG 1 OS 5 P S DO MARKETING NO SETOR HOTELEIRO NA CIDADE DE BAMBUÍ-MG Camila Alves Teles 1 Maria Solange dos Santos 2 Rodrigo Honório Silva 3 Romenique José Avelar 4 Myriam Angélica Dornelas 5 RESUMO O presente

Leia mais

O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento. Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008

O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento. Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008 O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008 Apresentação Doutora e Mestre em Ciências da Comunicação / Bibliotecária (ECA/USP); Docente do curso de

Leia mais

Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos. Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil

Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos. Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil Novo cenário da mobilidade urbana Plano de Mobilidade Urbana:

Leia mais

Oficina de Planejamento Estratégico

Oficina de Planejamento Estratégico Oficina de Planejamento Estratégico Conselho Estadual de Saúde Secretaria Estadual da Saúde Paraná, agosto de 2012 Planejamento Estratégico Planejamento: atividade inerente ao ser humano Cada um de nós

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa 3 Metodologia Neste capítulo é descrita a metodologia da presente pesquisa, abordandose o tipo de pesquisa realizada, os critérios para a seleção dos sujeitos, os procedimentos para a coleta, o tratamento

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

FACULDADES DE ENSINOS ADMINISTRATIVOS FEAD NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO PAPER

FACULDADES DE ENSINOS ADMINISTRATIVOS FEAD NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO PAPER 1 FACULDADES DE ENSINOS ADMINISTRATIVOS FEAD NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO PAPER Nome: Herick Gonçalves Limoni Curso: Mestrado Profissional em Administração Data: 30/07/2010 Disciplina: Fundamentos de Gestão

Leia mais

A ESTRUTURA ORGANIZACIONAL COMO REFERÊNCIA PARA A GESTÃO DA EAD

A ESTRUTURA ORGANIZACIONAL COMO REFERÊNCIA PARA A GESTÃO DA EAD 1 A ESTRUTURA ORGANIZACIONAL COMO REFERÊNCIA PARA A GESTÃO DA EAD São Luís MA Maio/2012 Categoria: C Setor Educacional: 3 Classificação das Áreas de Pesquisa em EaD Macro: D / Meso: H / Micro: M Natureza:

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Variáveis Ambientais e Diagnóstico Estratégico (Análise SWOT)

Estratégias em Tecnologia da Informação. Variáveis Ambientais e Diagnóstico Estratégico (Análise SWOT) Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 5 Variáveis Ambientais e Diagnóstico Estratégico (Análise SWOT) Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

04/04/2014. Antes de 1940

04/04/2014. Antes de 1940 Prof. William Costa Rodrigues Eng. Agrônomo Um Sistema de Informação Gerenciais é um instrumento administrativo que contribui efetivamente para a otimização das comunicações e do processo decisório nas

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

O turismo e os recursos humanos

O turismo e os recursos humanos Introdução O turismo e os recursos humanos Belíssimas praias, dunas, cachoeiras, cavernas, montanhas, florestas, falésias, rios, lagos, manguezais etc.: sem dúvida, o principal destaque do Brasil no setor

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

Curso Balanced Scorecard como ferramenta de Gestão por Indicadores

Curso Balanced Scorecard como ferramenta de Gestão por Indicadores Curso Balanced Scorecard como ferramenta de Gestão por Indicadores O Planejamento Estratégico deve ser visto como um meio empreendedor de gestão, onde são moldadas e inseridas decisões antecipadas no processo

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

GESTÃO, SINERGIA E ATUAÇÃO EM REDE. Prof. Peter Bent Hansen PPGAd / PUCRS

GESTÃO, SINERGIA E ATUAÇÃO EM REDE. Prof. Peter Bent Hansen PPGAd / PUCRS GESTÃO, SINERGIA E ATUAÇÃO EM REDE Prof. Peter Bent Hansen PPGAd / PUCRS Agenda da Conferência O que são redes? O que são redes interorganizacionais? Breve histórico das redes interorganizacionais Tipos

Leia mais

Gestão Empresarial. Aula 5. A Estrutura Estratégica. Modelo de Gestão. Missão da Empresa. Prof. Elton Ivan Schneider.

Gestão Empresarial. Aula 5. A Estrutura Estratégica. Modelo de Gestão. Missão da Empresa. Prof. Elton Ivan Schneider. Gestão Empresarial Aula 5 Prof. Elton Ivan Schneider tutoriacomercioexterior@grupouninter.com.br A Estrutura Estratégica Comércio Exterior Fornecedores Macro Ambiente Organizacional Ambiente Organizacional

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

Inovação no acervo e acesso de informações: o sistema de repositório institucional nos Tribunais de Contas do Brasil

Inovação no acervo e acesso de informações: o sistema de repositório institucional nos Tribunais de Contas do Brasil Powered by TCPDF (www.tcpdf.org) Inovação no acervo e acesso de informações: o sistema de repositório institucional nos Tribunais de Contas do Brasil Sílvia Maria Berté Volpato (TCE/SC) - silviaberte@hotmail.com

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Questões sobre o tópico Desenvolvimento e treinamento de pessoal: levantamento de necessidades, programação, execução e avaliação. Olá Pessoal, hoje veremos outro

Leia mais

TIPOS DE PROCESSOS Existem três categorias básicas de processos empresariais:

TIPOS DE PROCESSOS Existem três categorias básicas de processos empresariais: PROCESSOS GERENCIAIS Conceito de Processos Todo trabalho importante realizado nas empresas faz parte de algum processo (Graham e LeBaron, 1994). Não existe um produto ou um serviço oferecido por uma empresa

Leia mais

3. Estratégia e Planejamento

3. Estratégia e Planejamento 3. Estratégia e Planejamento Conteúdo 1. Conceito de Estratégia 2. Vantagem Competitiva 3 Estratégias Competitivas 4. Planejamento 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Administração de Pequenas Empresas

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RECURSOS HUMANOS EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR COM PERSPECTIVA DE DESENVOLVIVENTO DO CLIMA ORGANIZACONAL: O CASO DO HOSPITAL WILSON ROSADO EM MOSSORÓ RN

Leia mais

Planejamento de Recursos Humanos

Planejamento de Recursos Humanos UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Planejamento de Recursos Humanos Profa. Marta Valentim Marília 2014 As organizações

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO CURSO: TURISMO ( bacharelado) Missão Formar profissionais humanistas, críticos, reflexivos, capacitados para planejar, empreender e gerir empresas turísticas, adaptando-se ao

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Seu futuro é o nosso compromisso. O presente documento visa trazer em seu conteúdo o posicionamento do INFRAPREV frente aos desafios propostos e impostos pelo desenvolvimento sustentável. Para formular

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS Cesar Aparecido Silva 1 Patrícia Santos Fonseca 1 Samira Gama Silva 2 RESUMO O presente artigo trata da importância do capital

Leia mais

SCRUM. Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM. Conhecimento em Tecnologia da Informação

SCRUM. Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação SCRUM Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM 2011 Bridge Consulting Apresentação Há muitos anos, empresas e equipes de desenvolvimento

Leia mais

RECONHECIMENTO, OPORTUNIDADES E AUTONOMIA COMO FATOR MOTIVACIONAL. UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF.

RECONHECIMENTO, OPORTUNIDADES E AUTONOMIA COMO FATOR MOTIVACIONAL. UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF. RECONHECIMENTO, OPORTUNIDADES E AUTONOMIA COMO FATOR MOTIVACIONAL. UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF. Danilo Domingos Gonzales Simão 1 Fábio Augusto Martins Pereira 2 Gisele Maciel de Lima 3 Jaqueline

Leia mais

Administração de Pessoas

Administração de Pessoas Administração de Pessoas MÓDULO 16: RESULTADOS RELATIVOS À GESTÃO DE PESSOAS 16.1 Área de RH e sua contribuição O processo de monitoração é o que visa saber como os indivíduos executam as atribuições que

Leia mais

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento Profa. Marta Valentim Marília 2014 Modelos,

Leia mais

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES Cassia Uhler FOLTRAN 1 RGM: 079313 Helen C. Alves LOURENÇO¹ RGM: 085342 Jêissi Sabta GAVIOLLI¹ RGM: 079312 Rogério Bueno ROSA¹ RGM:

Leia mais

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia MESQUITA NETO, Rui 1 DIAS, Vanessa Aparecida 2 NUNES, Ruth Vieira 3 RESUMO A organização depende das pessoas para atingir

Leia mais

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento M A N U A L TREINAMENTO 1. Introdução A velocidade das mudanças tecnológicas, o aumento da diversidade nos locais de trabalho e a acentuada mobilidade dos trabalhadores atuais são aspectos do mundo contemporâneo

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

A PRESTAÇAO DE SERVIÇOS EM RESTAURANTES E A QUALIFICAÇAO PROFISSIONAL

A PRESTAÇAO DE SERVIÇOS EM RESTAURANTES E A QUALIFICAÇAO PROFISSIONAL A PRESTAÇAO DE SERVIÇOS EM RESTAURANTES E A QUALIFICAÇAO PROFISSIONAL Junior Heberle 1 Esp Luziane Albuquerque 2 RESUMO Este artigo busca enfocar a questão da qualidade no atendimento nos restaurantes

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Pessoas tem por objetivo o fornecimento de instrumental que possibilite

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

1 Introdução. 1.1. A motivação e o problema da pesquisa

1 Introdução. 1.1. A motivação e o problema da pesquisa 1 Introdução O objetivo desse capítulo é propiciar uma visão abrangente do estudo aqui desenvolvido. Dessa forma, ele foi estruturado com as seguintes seções: A motivação e o problema da pesquisa: baseada

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

Quem Contratar como Coach?

Quem Contratar como Coach? Quem Contratar como Coach? por Rodrigo Aranha, PCC & CMC Por diversas razões, você tomou a decisão de buscar auxílio, através de um Coach profissional, para tratar uma ou mais questões, sejam elas de caráter

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO

IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO 503 IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO Christina Garcia(1); Franciane Formighieri(2); Taciana Tonial(3) & Neimar Follmann(4)(1) Acadêmica do 4º Ano do Curso de

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais