OS DESAFIOS DO PROCESSO DE MUDANÇA ORGANIZACIONAL NUMA EMPRESA FAMILIAR: UM ESTUDO DE CASO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OS DESAFIOS DO PROCESSO DE MUDANÇA ORGANIZACIONAL NUMA EMPRESA FAMILIAR: UM ESTUDO DE CASO"

Transcrição

1 CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA MESTRADO PROFISSIONAL EM ADMINISTRAÇÃO MATHEUS SANTANA ABREU OS DESAFIOS DO PROCESSO DE MUDANÇA ORGANIZACIONAL NUMA EMPRESA FAMILIAR: UM ESTUDO DE CASO Belo Horizonte 2014

2 MATHEUS SANTANA ABREU OS DESAFIOS DO PROCESSO DE MUDANÇA ORGANIZACIONAL NUMA EMPRESA FAMILIAR: UM ESTUDO DE CASO Dissertação apresentada ao Mestrado Profissionalizante em Administração do Centro Universitário UNA, como parte dos requisitos para a obtenção do título de Mestre em Administração. Área de concentração - Dinâmica Organizacional, Inovação e Sociedade. Orientadora: Profa Dra Cristiana Trindade Ituassu Belo Horizonte 2014

3 Cada pessoa que, em nossa vida, passa sozinha, é porque cada pessoa é única e nenhuma substitui a outra! Cada pessoa que passa em nossa vida sozinha e não nos deixa só porque deixa um pouco de si e leva um pouquinho de nós. Essa é a mais bela responsabilidade da vida e a prova de que as pessoas não se encontram por acaso. Charles Chaplin A mente que se abre a uma nova ideia jamais voltará ao seu tamanho original. Albert Eintein

4 DEDICATÓRIA À energia mais forte do universo, por sempre me conceder sabedoria nas escolhas dos melhores caminhos, coragem para acreditar, força para não desistir e proteção para me amparar. À minha familia, pelo amor com que me mostrou a direção correta e me deu suporte para sempre acreditar na vida A meu pai, pelo exemplo, a minha mãe, pela confiança, a meus irmãos, por sempre me darem perpctiva de futuro. A Carol e famila, por me acolherem e por estarmos, a todos os momentos, unidos. A meus amigos, avós, tios e tias, primos e primas, pelo amor, apoio, confiança e motivação incondicionais que sempre me impulsionam em direção às vitórias dos meus desafios. A meus grandes mestres da academia, que ensinaram muito mais que conteúdo, me deram uma lição de vida a cada aula. Durante esse dois anos, só tenho a agradecer a todos os que passaram pelo meu caminho e que, com certeza, deixaram um pouco de si. Os momentos de alegria serviram para me permitir acreditar na beleza da vida, e os de sofrimento serviram para um crescimento pessoal único (muita humildade é preciso na vida). É muito difícil transformar sentimentos em palavras, mas serei eternamente grato a vocês, pessoas imprescindíveis para a realização e conclusão deste trabalho.

5 AGRADECIMENTOS Primeiramente, agradeço à Profª. Dra. Cristiana Ituassu, por acreditar que eu era capaz e pela orientação. Mesmo assumindo meu trabalho como um desafio pessoal e com todas as complicações que sofremos ao longo desta caminhada, você abriu as portas e suportou meus devaneios. Você me faz acreditar que os guerreiros são os vencedores; que, sem esforço, não haverá vitoria, portanto, trabalhe, trabalhe e, quando estiver bem cansado, trabalhe mais um pouquinho. Não tenho como agradecer os milhares de s mandados e recebidos de madrugada, os milhões de refugos criados (e não aproveitados), os intermináveis fichamentos e os bilhões de obras, artigos e referências que lemos, relemos e discutimos. Não vamos nos esquecer da minha mineiridade, não tenho como expressar como aprendi naqueles tempos. E, finalmente, agradeço por me proporcionar minha primeira publicação de um artigo científico, outra batalha vencida com muita raça e amor. Certamente honramos o nome de Minas nesta batalha. Cris, muito obrigado. À Profª. Dra. Fernanda Wasner, que foi responsável direta por minha entrada nesta aventura do mestrado, sendo a primeira a acreditar e abrir as portas da universidade e do curso. Agradeço à senhora em nome de todos os participantes da entrevista, por ter sido responsável por me assumir e acreditar no meu trabalho, sabendo que talvez, mais que qualquer um, tenha ciência das modificações que sofri como homem e como estudante. Obrigado por toda técnica, mas, principalmente, pelas lições de vida. À Profª. Dra Iris Barbosa Goulart. Neste mundo, repleto de pessoas ruins, você me faz acreditar que os bons são a maioria. Só tenho a agradecer aos seus ensinamentos (pessoais e acadêmicos), orientações, palavras de incentivo, puxões de orelha, mais puxões de orelha, paciência e dedicação. Você é uma pessoa ímpar. Em você busco inspirações para me tornar melhor. Sigo e seguirei muito da sua filosofia daqui para frente. Tenho orgulho em dizer que um dia fui seu orientando. À Profª. Carolina Machado Saraiva de Albuquerque Maranhão, que me apresentou a área da administração crítica, abrindo uma via ainda inexplorada, dando motivação, muito fôlego e energia para que, provavelmente, siga em frente em busca de mais conhecimentos acadêmicos, muito devido à inspiração e vontade de explorar essa área do conhecimento. Sem

6 as suas aulas, não teríamos formados um grupo de estudos. Enfim, agradeço a todos, em especial, ao meu colega e amigo Rodrigo Fiche.

7 RESUMO Este estudo buscou analisar os desafios percebidos pelos gestores, no processo de mudança organizacional dentro de uma empresa familiar, sendo relevante, dentre outras razões, por conta da carência de estudos sobre a mudança organizacional dentro de empresas familiares. A pesquisa contemplou três constructos teóricos sendo: empresa familiar, cultura organizacional e mudança organizacional. Para entender tais constructos dentro da empresa familiar utilizou-se como estratégia o estudo de caso, tendo como método a coleta de dados por meio de entrevistas com os proprietários e gestores da organização. Os resultados foram analisados por meio da análise de conteúdo de Bardin, sendo encontrados desafios por parte dos gestores no processo de mudança organizacional quanto à constituição da empresa familiar, ao entendimento da mudança organizacional como um processo e à cultura organizacional como reflexo de ações das pessoas no ambiente da empresa. Palavras-chave - empresa familiar, mudança organizacional, cultura organizacional.

8 ABSTRACT The focus of this study is to investigate the challenges faced by the managers in organizational change processes within a family business; this research is relevant, among other reasons, due to the lack of studies regarding this topic. This survey includes three theoretical constructs; family business, organizational culture, and organizational change. In order to understand these theories within a family business we adopted the case study method; the data was collected by interviewing the owners and managers of this business. The results of those interviews were analyzed considering Bardin analysis' perspective. The managers faced some challenges considering the organizational change process in this family business. Organizational changes can be regarded as a process within the business, and organizational culture as the action of people in this organizational environment. Key-words - family business, organizational change, organizational culture.

9 LISTA DE ILUSTRAÇÕES 1 Lista de figuras Figura 1 Estrutura familiar...62 Figura 2 Organograma da empresa...66 Figura 3 Mapa de correlações entre as categorias de análise...74 Figura 4 Grade de análise empresa familiar...78 Figura 5 Grade de análise - empreendorismo...81 Figura 6 Grade de análise história da empresa objeto do estudo...83 Figura 7 Grade de análise afetividades/sentimentos...86 Figura 8 Grade de análise resistência...89 Figura 9 Grade de análise práticas de gestão...93 Figura 10 Grade de análise estratégias do negócio...95 Figura 11 Grade de análise pessoas...98 Figura 12 Grade de análise tradições...100

10 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Frequência das famílias de categorias nas entrevistas...75

11 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO Problema de pesquisa Objetivos Justificativa Estrutura do estudo REFERENCIAL TEÓRICO Empresa familiar Ciclo de vida da organização Sucessão familiar Mudança organizacional Resistência a mudança Cultura organizacional METODOLOGIA Caracterização da pesquisa Abordagem de pesquisa Estratégia de pesquisa Técnica de coleta de dados Unidade de análise e sujeitos de pesquisa Técnica de análise de dados ANÁLISE DO CONTEXTO DE ESTUDO ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DOS DADOS Empresa familiar Mudança organizacional...87

12 5.3 Cultura organizacional CONSIDERAÇÕES FINAIS Síntese dos resultados do estudo Limitações da pesquisa Sugestões para estudos futuros Implicações gerenciais REFERÊNCIAS APÊNDICE FOTOS...122

13 13 1 INTRODUÇÃO Um dos incentivos para a produção deste trabalho veio com o fato de muitas pessoas estarem envolvidas em organizações familiares. No Brasil, por exemplo, encontra-se uma dominância de 75% das atividades gerenciais efetuadas por essas empresas (MEZZARI, 2011). Além disso, a relevância deste estudo em relação às empresas familiares assenta-se também na carência de investigações voltadas para a mudança organizacional dentro desta realidade, pois a forma como a organização enfrenta as mudanças está relacionada diretamente a seu tipo de formação empresarial, nesse caso, empresa familiar. No caso do autor deste trabalho, pode-se dizer que ele sempre esteve envolvido com a realidade de uma organização familiar e que esta, no momento, passa por um processo de mudança organizacional. Essas duas condições propiciaram, então, uma oportunidade: colocar essa situação em foco. A empresa familiar, segundo Bernhoeft (1989), é aquela que tem sua origem e história vinculadas a uma família, ou a que mantém membros da família na administração dos negócios, sendo caracterizada como uma empresa de direção e tradição familiares. Segundo Lodi (1993), a empresa familiar apresenta características que se identificam com valores e tradições da família ou do fundador enquanto, para Donnelley (1967), a empresa, para ser considerada familiar, deve apresentar traços como: valores institucionais relacionados aos da família; relação familiar como determinante da sucessão administrativa; ação de algum membro da família, independentemente da sua atuação ou não na empresa, exercendo influência sobre a gestão; há um sentimento de obrigação para que familiares tenham em sua posse ações da empresa; o envolvimento do membro da família com a empresa deve ser no intuito de determinar sua carreira. A literatura sobre empresa familiar é vasta. Nas pesquisas sobre esse assunto, contudo, foram constatadas algumas lacunas, como se pode ver na fala de Carrão (1998), quando afirma que:

14 14 [...] as empresas familiares compõem um segmento importante da iniciativa privada que esteve sempre associado ao desenvolvimento das nações, inclusive no Brasil, o que não justifica o fato de serem estudadas com tão pouca ênfase. A literatura nacional especializada no assunto é resultado do esforço de poucos consultores e pesquisadores e, em função disso, a maior parte das obras que nos chegam é trabalho produzido em países como Estados Unidos, Inglaterra, Espanha, Argentina, nos quais a atenção dispensada a essas empresas levou, inclusive, à criação de centros de pesquisa e órgãos destinados ao seu estudo. Em função disso, falta aos alunos de nossos cursos de Administração uma literatura voltada para a realidade com a qual irão se defrontar (CARRÃO, 1998 p. 24). Muito se tem observado sobre as empresas familiares. O capitalismo familiar sobreviveu às Primeira e Segunda Revoluções Industriais (JONES e ROSE, 1993), permanecendo uma forma dominante de organização na contemporaneidade (CHURCH, 1993; ALLOUCHE e AMANN, 1995; BRULAND e O BRIEN, 1998). Mesmo atravessando e embasando significativamente as economias de países europeus, asiáticos, africanos e americanos, entre outros, a escala, escopo, limitações e estatuto legal dessas organizações variam historicamente, entre setores, entre países (JONES e ROSE, 1993) e entre regiões. Como afirmam Davel e Colbari (2000), a influência e os desdobramentos da família no âmbito das organizações não se dá de forma unívoca, nem tão pouco uniforme. Os graus de impactos são variados; as repercussões são qualitativamente diversificadas e quantitativamente consideráveis. Como exemplo de dificuldades básicas encontradas nas empresas familiares, Drucker (2000) cita o fato de a empresa familiar permitir-se uma organização informal, confusa e incompleta; adotar confiança pessoal, em prejuízo da competência, tornando-se incapaz de contar com técnicos e especialistas; praticar o nepotismo, impossibilitando a profissionalização e, finalmente, ser imediatista, dificultando qualquer forma de planejamento empresarial. Diante dos dilemas que a literatura aponta para esse tipo de organização, este trabalho admitiu, como problema de pesquisa, a pergunta que se segue. 1.1 Problema de pesquisa Quais os desafios percebidos pelos gestores no processo de mudança organizacional de uma empresa familiar?

15 Objetivos A fim de responder a eles, o estudo estabeleceu como objetivo geral analisar os desafios percebidos pelos gestores no processo de mudança organizacional de uma empresa familiar. Como objetivos específicos, admitem-se os seguintes: descrever o processo de mudança pelo qual a empresa passa no momento; identificar a percepção dos gestores a respeito dos maiores desafios enfrentados nesse processo de mudança organizacional; relacionar os dados obtidos com a literatura existente, verificando possíveis pontos de convergência e de divergência; discutir implicações teóricas e gerenciais dos resultados do estudo. A Empresa objeto desta pesquisa se encontra num momento muito peculiar, desde sua fundação, até os dias atuais talvez o momento mais complicado da sua história. Essa organização começou há três gerações em uma família mineira, sendo que hoje os dois gestores principais, irmãos e proprietários da maior parte da Empresa, parecem considerar que a sua missão está cumprida e que é necessária uma mudança na organização, envolvendo talvez a divisão da propriedade e da própria companhia. Hoje a organização é uma holding informal, composta por cinco empresas diferentes, e atua principalmente nos ramos de siderurgia, mineração, agricultura, proteína animal, locação de maquinários e imóveis rurais e urbanos. Conta com cerca de 120 colaboradores e apresenta um faturamento anual próximo aos 500 milhões de reais. Há distintos tipos de classificação quanto a seu porte como, por exemplo, o do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE), que utiliza o número de funcionários como base. Contudo, para esta pesquisa, adotou-se o critério do Banco Nacional de Desenvolvimento Social (BNDES), segundo o qual a empresa a ser estudada pode ser considerada de grande porte, classificadas assim aquelas com faturamento superior a trezentos milhões de reais. A necessidade dessa mudança organizacional, como se pode imaginar, envolve a vida de familiares e colaboradores, trazendo provavelmente um clima de insegurança e expectativas,

16 16 além da resistência comum em situações de mudança. Traçado esse cenário, acredita-se que esta organização é um terreno fértil para os estudos sobre empresas familiares, mais especificamente o processo de mudança organizacional dessas companhias. A questão da empresa familiar será discutida em um capítulo específico, partindo-se de autores relevantes da área como Donnelley (1967), Bernoeft (1989) e Lodi (1999). Além disso, outros dois grandes temas são importantes para a discussão que se pretende realizar. São eles: cultura organizacional e mudança organizacional, uma vez que são indispensáveis para a compreensão do fenômeno que está sendo investigado. Para tratar da cultura organizacional, serão utilizados autores como Geertz (1978), Ernst (apud Fleury, 1987), Trompenaars (1994), Hofstede et al( 1990) e Schein (1992). Reconhecendo que existe uma influência da cultura familiar, da cultura regional e da cultura que os membros da empresa internalizaram, retoma-se a concepção de cultura de uma forma geral. Esta suscita interpretações diferentes diante de postulados teóricos distintos. A definição de Geertz (1978), por exemplo, concebe a cultura como [...] um padrão de significados transmitidos historicamente, incorporado em símbolos, um sistema de concepções herdadas, expressas em formas simbólicas por meio das quais os homens comunicam, perpetuam e desenvolvem seu conhecimento e suas atividades em relação à vida (GEERTZ, 1978, p.103). Este padrão de significados é intergeracional, ou seja, passado de geração a geração, e compõe parte das relações intersubjetivas do grupo familiar. A cultura se expressa nestas relações intersubjetivas por permitir compreender, no plano histórico da herança, as concepções ou ideais de um grupo, para que haja harmonia e combinação de elementos determinantes do repertório existencial de uma família (GEERTZ, 1978). A cultura, ainda, implica um conjunto de símbolos, relações de sentido (crenças, valores, mitos, rituais) que promovem as diferenças culturais, a fim de que possam ser definidas regras estruturantes de um determinado universo de significações (ANZIEU, 1993; KAËS, 1997). Nesse contexto, uma família é marcada pela sua história cultural singular e composta de sujeitos com histórias singulares em relação a outros grupos. Portanto, a cultura compreende o que é da ordem do singular de um grupo e do sujeito e é, ao mesmo tempo, algo externo ao sujeito e ao grupo, a partir de sua relação com os outros (RUIZ CORREA, 2000).

17 17 Ao se estudar uma empresa, não se pode desconsiderar também a questão sobre a mudança organizacional que, no caso do histórico do empreendimento familiar, foco deste estudo, ocorreu várias vezes. Deve-se levar em conta todo esse processo histórico pelo qual os proprietários de uma empresa passaram até a consolidarem da forma como se encontra, na atualidade. Assim, para entender todas essas etapas de mudança dentro da organização, autores como Deal e Kennedy (1982), Hernandez e Caldas(2001), Basil e Cook (1974) serão utilizados no tópico sobre essa temática. Os estudos sobre a mudança costumam enfatizar aspectos como a percepção da mudança e a resistência a mudanças. Dentre os pesquisadores de mudança organizacional, há aqueles com forte ênfase clássica, que consideram a mudança como algo mais técnico, a exemplo de Brown (1991), que aponta o impacto das inovações tecnológicas na mudança organizacional, e Harari (1991), afirmando que ela deve ser encarada como um processo de melhoria contínua. Alguns autores descendentes da escola humanista, como Basil e Cook (1974), consideram, porém, que, além da tecnologia, outros fatores devem ser considerados, tais como o comportamento social e as estruturas. Para eles, grande parte das empresas tem seu processo de mudança mais como uma resposta reativa a períodos de crise do que como um comportamento proativo. Herzog (1991) considera que a mudança dentro do ambiente corporativo necessariamente abarca alterações no comportamento humano, nas relações de trabalho e nos valores organizacionais. Ele ainda ressalta que o ponto crítico para se obter êxito no processo de mudança é exatamente o bom gerenciamento de pessoas e que o grande desafio não é a inovação tecnológica, mas, sim, a mudança da cultura organizacional e das pessoas envolvidas. Em coerência com o que afirma o autor, escolheu-se a cultura organizacional como tema a ser discutido nesta pesquisa, exatamente por se reconhecer sua estreita ligação com a questão da mudança. Alguns autores como March (1981) e Elliot (1990) acreditam que as organizações estão em constante mudança, porém, tais mudanças não são passíveis de controle total. Eles afirmam, assim como Basil e Cook (1974), que as mudanças são respostas a alterações do meio em que essas organizações estão inseridas, e que surpresas ocorrem em meio a esse processo devido ao fato de que ele não é um processo exclusivamente de cunho consciente e racional, já que envolve representações simbólicas, emoções e muitas ambigüidades.

18 Justificativa A pesquisa se mostra relevante por alguns motivos. O primeiro reside nos benefícios que pode vir a oferecer aos membros da organização em estudo, tanto aos gestores alvo da pesquisa, quanto aos colaboradores, além da família envolvida com o negócio. Além disso, acrescenta-se que o presente estudo servirá como fonte de pesquisa para aqueles que, proprietários de empresas familiares, anseiam em vê-las crescer, se desenvolver e permanecer no mercado sob o domínio familiar e, para tanto, têm consciência da necessidade de um processo de mudança organizacional bem realizado. Isso implica a preparação das gerações futuras para assumirem o controle e darem continuidade ao negócio, expandindo-o, tornando-o cada vez mais sólido e gerador de riquezas e de aumento patrimonial, o que depende de uma melhor compreensão do fenômeno mudança. Acredita-se também que os resultados desta pesquisa devem contribuir para enriquecer a literatura a respeito de empresas familiares, na medida em que permitem que se discutam os principais desafios enfrentados por uma organização desse tipo, num processo de mudança pelos quais outras empresas familiares também devem passar, possibilitando maior aproximação com o objeto de estudo e um entendimento mais claro sobre ele. 1.4 Estrutura do estudo O presente estudo está dividido em cinco capítulos, iniciando-se com esta introdução. O capítulo 2 apresenta o referencial teórico, que aborda a empresa familiar no contexto mundial e nacional, os conceitos da empresa familiar, suas principais características, a gestão e o ciclo de vida da empresa familiar, além de cultura organizacional e mudança organizacional.

19 19 A metodologia do estudo é detalhada no capítulo 3, em que são especificados o método de pesquisa, os instrumentos utilizados para a coleta e tratamento de dados, além de uma referência aos sujeitos de pesquisa e à unidade de análise. A apresentação e a análise dos dados constam do capítulo 4. O capítulo 5 traz as considerações finais do estudo, apresentando também suas limitações, uma síntese dos mais relevantes resultados, sugestões para trabalhos futuros e implicações gerenciais das conclusões a que se chegou. Em seguida, encontram-se as referências e o apêndice.

20 20 2 REFERENCIAL TEÓRICO Para realizar o estudo da Organização que constitui o objeto desta dissertação, foram delimitados alguns conceitos que devem ser esclarecidos, tais como: empresa familiar, mudança organizacional e cultura organizacional, os quais serviram de embasamento para a compreensão do fenômeno aqui investigado. 2.1 Empresa familiar No intuito de elaborar um entendimento amplo sobre as características da empresa familiar, inicialmente serão tratados, de forma distinta, os termos família e empresa. A família, para Minuchin (1985, 1988), é um sistema de organização, com crenças, valores e práticas ligadas às transformações da sociedade, em busca de adaptação para a sobrevivência de seus membros e da instituição como um todo. Mudanças nesse sistema ocorrem à medida que a sociedade muda, afetando todos os membros por pressões internas e externas, fazendo com que a família mude para assegurar sua continuidade e o crescimento psicossocial de seus membros. A família pode ser entendida, também, como um pequeno grupo social no qual sentimentos como amor e ódio, empatias e repugnâncias, proximidade e rejeição, proteção e indiferença circulam e podem ser transferidos para a empresa familiar, surgindo relações perigosas que levam a jogos inconscientes da família, mas que não prejudicam uma empresa enquanto houver um patriarca na administração utilizando do seu poder absoluto para disciplinar os conflitos (GONÇALVES, 2000). É preciso considerar que, segundo Castells (1999), a principal transformação sofrida na família é o fim do patriarcalismo (autoridade do homem sobre a mulher). Esse fato se dá por conta da inserção da mulher no mercado de trabalho, de fatores como o controle da reprodução humana e o movimento feminista, tidos como fatos contextuais transformadores que levam a pensar a família de forma distinta da nuclear. Segundo Grybovski e Tedesco (1998), o conceito de família passa por uma difícil demarcação, pois se fala de um padrão nuclear de família (pai, mãe e filhos), mas que se encontra diluído. Novos padrões são

21 21 formados, conferindo-lhes características de heterogeneidade, pluralidade e flexibilidade. Essa modernização da família está ligada, também, ao processo industrial, que altera os papéis de gênero em direção a uma coexistência de características diferentes. Com tudo isso, a estrutura social, do ponto de vista das configurações familiares, se encontra mais complexa do que há duas décadas e a família patriarcal se mostra em crescente declínio (CASTELLS, 1999). Todd (1985) relata que o conceito de família está inserido em uma ideologia mais ampla e continua a desenvolver e reproduzir um sistema próprio de valores. Já Fonseca (2002) demonstra que não há um modelo homogêneo e hegemônico para se compreender as formas familiares predominantes na sociedade atual, pois o modelo atual é uma extensão do ideal de família preconizado que enfatiza o amor, o matrimônio e o afeto como base familiar. O lugar do sujeito na família precede sua entrada no grupo familiar, na medida em que ele está presente no imaginário dos pais, mesmo antes de seu nascimento. Assim, a construção de sua subjetividade advém da dimensão e da convergência de uma trama complexa de intermediações culturais e intergeracionais dessa grupalidade. Magalhães e Féres-Carneiro (2004) postulam que o processo de subjetivação se dá a partir de um investimento narcísico dos genitores e de uma trama identificada na teoria com os genitores e com outros membros da família, fruto de uma herança intergeracional transmutada nas múltiplas interpretações subjetivas da trama familiar, que são transmitidas de geração a geração. Considera-se que a identidade de um grupo familiar é composta, em parte, pelas subjetividades de seus membros e é sustentada pelos intercâmbios necessários nas relações que o indivíduo estabelece nos sentidos biológico, psíquico e social. Ao conceituar família, para Amendolara (1997), deve-se levar em conta sua representação nuclear socialmente construída, pois, ao nascer, o indivíduo liga-se a essa instituição biológica, nela permanecendo durante toda a sua existência. Conforme o autor, a família tem papel importante na construção do sujeito e sua prosperidade temporal, formando um homem que deve se sentir realizado por meio do seu trabalho. Já empresa, segundo Etzioni (1971), se refere a uma unidade social, orientada para a consecução de objetivos ou metas específicas. A ligação existente entre empresa e família, segundo Grzybovski e Tedesco (1998), pressupõe, no mínimo, duas gerações que levaram os interesses de uma empresa para a estrutura familiar. Além disso, os vínculos de parentesco e o

22 22 perfil institucional de uma empresa devem delimitar a identidade de papéis e fatores organizacionais, a ligação entre família e reputação empresarial, fidelidade e ideais. O equilíbrio entre família e empresa é de cunho psicológico, de senso de responsabilidade do pessoal da família com a empresa (DONNELLEY, 1967). Bernoeft (1989) configura a organização familiar como um grupo que defende uma guerra, por ser uma instituição-chave da sociedade capitalista que mantém a sobrevivência da família, mas, ao mesmo tempo, tenta conquistar novos espaços. No Brasil, como descreve Vidigal (1999), a empresa familiar foi considerada uma instituição falida, com tendência a desaparecer do mercado de maneira anacrônica. Enquanto isso, nos Estados Unidos e na Europa, esse pensamento sobre o desaparecimento da empresa familiar foi abandonado desde a década de 80, pois se percebeu a importância das empresas familiares para o mercado. Isso explica, pelo menos em parte, a forma como esse tema tem sido tratado, academicamente falando. O surgimento das empresas familiares ocorre por conta do desenvolvimento agrícola e suas atividades de troca, compra e venda de produtos e serviços. Com a substituição das manufaturas por fábricas, esse formato de empresa ganha força e se expande nos quesitos qualidade e tamanho (COSTA, 1997). Apenas no início da década de noventa, estudos sobre empresa familiar apareceram, no Brasil, levando autores como Lodi (GRZYBOVSKI, 2007), Gersick e Bernhoeft, além de Donnelley (influência na língua inglesa) a se destacarem (PAIVA, OLIVEIRA e MELO, 2008). Ainda, segundo Grzybovski (2007), somente no final da década de noventa houve interesse, de fato, por parte dos pesquisadores para a realização de estudos sobre essa temática devido à mudança de paradigma suscitada nessa década. Bernhoeft (1989) acredita na importância das empresas familiares no processo de transformação do País, considerando-se três esferas: política, com a participação dos membros da cúpula em instituições como associações de classe e contribuição para descentralização dos polos regionais de desenvolvimento; social e econômica que, juntas, fornecem a geração de empregos que auxilia na manutenção e expansão do mercado consumidor, além de melhorar a distribuição de renda. Para Lodi (1999), ao realizar estudos sobre essas organizações, é preciso considerar a realidade dentro de um contexto, sendo a empresa familiar sujeita a modificações do

23 23 ambiente. Assim, Machado (2005) pressupõe que, para se pensar a empresa familiar, é preciso compreender a noção de família existente no mundo contemporâneo, pois dos arranjos familiares emergem a noção dessa organização. Sem, contudo, priorizar essa questão, Lodi (1999) considera empresa familiar como sendo aquela organização empresarial que tem origem e história vinculadas a uma família há, pelo menos, duas gerações ou aquela que mantém membros da família na administração. Segundo Bornholdt (2005), há dificuldades em conceituar empresa familiar por um único aspecto. Por isso, o autor aponta seis características que, individualmente ou em grupo, permitem fazer com que a organização seja identificada como tal. Assim, tem-se que, nessas empresas: o controle acionário pertence a uma família ou aos herdeiros; laços familiares determinam a sucessão de poder dentro da empresa; familiares ocupam posições estratégicas, como a diretoria ou o conselho de administração; as crenças e os valores que rodeiam a esfera empresarial se identificam com as pertencentes ao âmbito familiar; atos de membros da família repercutem dentro da empresa, pertencendo ou não esse membro à esfera organizacional e, por fim, não há autonomia para realizar a venda parcial ou total de sua participação/quota acumulada ou herdada da empresa. Para Bornholdt (2005), além dessa forma de definir empresa familiar, também pode-se utilizar um conceito que se refere à forma da gestão. Dessa maneira, esse tipo de organização pode ser definido em sentido amplo, ligado à propriedade de uma ou mais famílias, sendo que sua direção está na responsabilidade de executivos não-familiares, ou em sentido ainda mais restrito, quando a empresa é mantida sob o comando de sócios familiares, mas apenas em termos de sua propriedade e gestão. Bernhoeft (1989) também define empresa familiar como aquela que tem sua origem e histórias vinculada a uma família, ou aquela que mantém membros da família na administração dos negócios, sendo caracterizada como uma empresa de direção e tradição familiar. Para ele, uma empresa não é familiar apenas por ter membros de vínculo direto com o fundador, mas por conta da existência de relacionamentos pautados na dedicação, afetividade, tempo de casa etc. Segundo o autor, a empresa familiar apresenta aspectos positivos e negativos. Dentre os primeiros, citam-se vantagens como: a proximidade entre a empresa e o centro do poder; a possibilidade de haver decisões ágeis; a existência de conhecimento sobre as características do país em que uma empresa está instaurada; a

1 Introdução 1.1 Contextualização do Problema

1 Introdução 1.1 Contextualização do Problema 1 Introdução 1.1 Contextualização do Problema O papel do líder é muito relevante numa pequena empresa familiar. Isso se dá devido a vários fatores, dentre outros, deve-se enfatizar a dificuldade de criação

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

MUDANÇA CULTURAL NAS ORGANIZAÇÕES

MUDANÇA CULTURAL NAS ORGANIZAÇÕES 1 MUDANÇA CULTURAL NAS ORGANIZAÇÕES Wainy Indaiá Exaltação Jesuíno 1 Marco Antônio 2 Resumo O objetivo deste trabalho é demonstrar a importância da análise do clima organizacional para mudança da cultura

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE GRUPOS EMPRESARIAIS FAMILIARES

GESTÃO ESTRATÉGICA DE GRUPOS EMPRESARIAIS FAMILIARES GESTÃO ESTRATÉGICA DE GRUPOS EMPRESARIAIS FAMILIARES Por: Luis Todo Bom Professor Associado Convidado do ISCTE Membro do Conselho Geral do IPCG Comunicação apresentada na Conferência sobre Corporate Governance

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

Administração de Pessoas

Administração de Pessoas Administração de Pessoas MÓDULO 14: QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO E RELAÇÕES SINDICAIS 14.1 O processo de segurança e qualidade de vida O processo de segurança é o que visa estabelecer disciplina e segurança,

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio

Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio Nome Desarrollo de Sistemas de Gobierno y Gestión en Empresas de Propiedad Familiar en el Perú Objetivo Contribuir

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1 Página 1 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL As pessoas que supervisionam as atividades das outras e que são responsáveis pelo alcance dos objetivos nessas organizações são os administradores. Eles tomam decisões,

Leia mais

EMPRESAS FAMILIARES NO BRASIL

EMPRESAS FAMILIARES NO BRASIL EMPRESAS FAMILIARES NO BRASIL OLIVEIRA,A.P.;SANTOS,S. RESUMO Este artigo tem como objetivo desenvolver uma reflexão sobre alguns dos principais aspectos relacionados com a administração das empresas familiares,

Leia mais

Pesquisas revelam que os fatores sexo e ordem de idade dentro da família, são os últimos e menos importantes para a escolha.

Pesquisas revelam que os fatores sexo e ordem de idade dentro da família, são os últimos e menos importantes para a escolha. PLANEJAMENTO DA SUCESSÃO É definido como a transferência do negócio familiar. Pesquisas revelam que os fatores sexo e ordem de idade dentro da família, são os últimos e menos importantes para a escolha.

Leia mais

Consciências de Desempenho Empresarial

Consciências de Desempenho Empresarial Quando o Design Thinking surgiu como uma alternativa para Solucionar Problemas, apresentando um novo perfil de raciocínio, considerando as partes interessadas como eixo de referência, ousando em pensar

Leia mais

SUCESSÃO EM EMPRESAS RURAIS FAMILIARES CONFLITO DE GERAÇÕES

SUCESSÃO EM EMPRESAS RURAIS FAMILIARES CONFLITO DE GERAÇÕES SUCESSÃO EM EMPRESAS RURAIS FAMILIARES CONFLITO DE GERAÇÕES *Ciloter Borges Iribarrem *Sandro Al-Alam Elias Manutenção da escala de produção, crescimento da empresa, resultados positivos dos negócios,

Leia mais

SUCESSÃO O papel do RH e a Perpetuidade da Empresa Familiar

SUCESSÃO O papel do RH e a Perpetuidade da Empresa Familiar SUCESSÃO O papel do RH e a Perpetuidade da Empresa Familiar Por EDUARDO NAJJAR Expert em Family Business eduardonajjar@empreenda.net Ribeirão Preto 24 Março 2013 DOWNLOAD DOS SLIDES http://slides.empreenda.net

Leia mais

Parceria RH & Coaching: Soluções à organização pessoal e profissional Marcia Toscano

Parceria RH & Coaching: Soluções à organização pessoal e profissional Marcia Toscano Parceria RH & Coaching: Soluções à organização pessoal e profissional Marcia Toscano Socióloga - Consultora em Gestão de Pessoas - Personal & Professional Coach 1. Cenários organizacionais: Como delimitar

Leia mais

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa 1 Introdu ç ão 1.1. A questão de pesquisa A temática estratégia é muito debatida no meio acadêmico e também possui destacado espaço nas discussões no meio empresarial. Organizações buscam continuamente

Leia mais

Os Desafios na Gestão da Carreira e do Desenvolvimento Profissional. Prof. Joel Dutra

Os Desafios na Gestão da Carreira e do Desenvolvimento Profissional. Prof. Joel Dutra Os Desafios na Gestão da Carreira e do Desenvolvimento Profissional Prof. Joel Dutra Agenda Análise de contexto Conceitos básicos Papel da Pessoa na Gestão da Carreira Análise de Contexto Mudança de Referências

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Gestão de Conflitos Organizacionais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Gestão de Conflitos Organizacionais UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Gestão de Conflitos Organizacionais Jefferson Menezes de Oliveira Santa Maria, dezembro de 2006 INTRODUÇÃO

Leia mais

UNESP - Botucatu. Gestão da Carreira e do Desenvolvimento Profissional. Prof. Joel Dutra

UNESP - Botucatu. Gestão da Carreira e do Desenvolvimento Profissional. Prof. Joel Dutra UNESP - Botucatu Gestão da Carreira e do Desenvolvimento Profissional Prof. Joel Dutra Prof. Joel Dutra Professor-Livre Docente da Faculdade de Economia e Administração da Universidade de São Paulo FEA-USP,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO REVOGADA PELA RESOLUÇÃO Nº 128/2014- COU/UNICENTRO. DISPOSITIVOS DO PROJETO PEDAGÓGICO APROVADO POR ESTA RESOLUÇÃO, ESTÃO ALTERADOS PELA RESOLUÇÃO Nº 26/2009-COU/UNICENTRO.

Leia mais

6 Considerações Finais

6 Considerações Finais 6 Considerações Finais Este capítulo apresenta as conclusões deste estudo, as recomendações gerenciais e as recomendações para futuras pesquisas, buscadas a partir da análise dos casos das empresas A e

Leia mais

Módulo IV. Delegação e Liderança

Módulo IV. Delegação e Liderança Módulo IV Delegação e Liderança "As pessoas perguntam qual é a diferença entre um líder e um chefe. O líder trabalha a descoberto, o chefe trabalha encapotado. O líder lidera, o chefe guia. Franklin Roosevelt

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Psicologia. O Presidente

Leia mais

GESTÃO DE EMPRESA FAMILIAR: Um estudo de caso da HEBRON

GESTÃO DE EMPRESA FAMILIAR: Um estudo de caso da HEBRON GESTÃO DE EMPRESA FAMILIAR: Um estudo de caso da HEBRON Antonio Henrique Neto, Discente da Faculdade Integrada de Pernambuco - FACIPE Suzane Bezerra de França, - FACIPE, SEDUC/PE docente. suzyfranca@yahoo.com.br

Leia mais

Administração e Gestão de Pessoas

Administração e Gestão de Pessoas Administração e Gestão de Pessoas Aula Gestão de Pessoas Prof.ª Marcia Aires www.marcia aires.com.br mrbaires@gmail.com Percepção x trabalho em equipe GESTÃO DE PESSOAS A Gestão de Pessoas é responsável

Leia mais

ALMEIDA GUILHERME Advogados Associados

ALMEIDA GUILHERME Advogados Associados REORGANIZAÇÃO SUCESSÓRIA E SEUS ASPECTOS por Luiz Fernando do Vale de Almeida Guilherme Sócio de Almeida Guilherme Advogados e Maria Eugênia Gadia Ulian Advogada de Almeida Guilherme Advogados I. Introdução

Leia mais

Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões. Diretor-Presidente do Sebrae Luiz Barretto

Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões. Diretor-Presidente do Sebrae Luiz Barretto 2012 Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae TODOS OS DIREITOS RESERVADOS A reprodução não autorizada desta publicação, no todo ou em parte, constitui violação dos direitos autorais (Lei n.º

Leia mais

A Gestão dos Processos de Comunicação e Relacionamentos Organizacionais. Professor MS Lauro d Avila

A Gestão dos Processos de Comunicação e Relacionamentos Organizacionais. Professor MS Lauro d Avila A Gestão dos Processos de Comunicação e Relacionamentos Organizacionais Professor MS Lauro d Avila Universidade do Vale do Rio dos Sinos - Unisinos Resumo O artigo tem como objetivo constatar e comentar

Leia mais

Vantagens e desvantagens a partir de diferentes visões

Vantagens e desvantagens a partir de diferentes visões Vantagens e desvantagens a partir de diferentes visões Carla Bottino carlabottino@portlatudoemfamilia.com.br Consultores observadores externos VANTAGENS Visão de longo prazo Maior autonomia para agir,

Leia mais

O Processo Sucessório em uma Empresa Familiar de Pequeno Porte

O Processo Sucessório em uma Empresa Familiar de Pequeno Porte Copyright Todos os direitos reservados Revisado em Junho 2013 Aceito em Agosto 2013 O Processo Sucessório em uma Empresa Familiar de Pequeno Porte Kethelyn P. Gasparoni¹, Taynara E. G. Chaves 1, Marcelo

Leia mais

Liderança, gestão de pessoas e do ambiente de trabalho

Liderança, gestão de pessoas e do ambiente de trabalho Glaucia Falcone Fonseca O que é um excelente lugar para se trabalhar? A fim de compreender o fenômeno dos excelentes locais de trabalho, devemos primeiro considerar o que as pessoas falam sobre a experiência

Leia mais

O IMPACTO DA MUDANÇA NA CULTURA DAS ORGANIZAÇÕES. Fabiana Gonçalves, Priscila da C. Custódio Vanessa Mª B. dos Santos, Drª Vera Lúcia Ignácio Molina

O IMPACTO DA MUDANÇA NA CULTURA DAS ORGANIZAÇÕES. Fabiana Gonçalves, Priscila da C. Custódio Vanessa Mª B. dos Santos, Drª Vera Lúcia Ignácio Molina O IMPACTO DA MUDANÇA NA CULTURA DAS ORGANIZAÇÕES Fabiana Gonçalves, Priscila da C. Custódio Vanessa Mª B. dos Santos, Drª Vera Lúcia Ignácio Molina UNIVAP/ Estudante do curso de Administração de Empresas/fabianacgoncalves@eaton.com

Leia mais

Unisal - Semana de Estudos de Administração e Contábeis - 2013

Unisal - Semana de Estudos de Administração e Contábeis - 2013 Governança e Sucessão nas Empresas Familiares Governança e Sucessão nas empresas familiares Os Marcos históricos da Governança 1. O Relatório Cadbury 2. Os Princípios da OCDE 3. A Difusão Mundial dos Códigos

Leia mais

Diretoria. DC 41 Rev.: 01 Página 1 de 15. Sumário

Diretoria. DC 41 Rev.: 01 Página 1 de 15. Sumário DC 41 Rev.: 01 Página 1 de 15 Sumário Parte 1 - Fundamentação do Código de Ética Societário 1.1 - Conceito 02 1.2 - Objetivos 02 1.3 - Princípios 02 1.4 - Governança Corporativa 04 1.5 - Diferencial Competitivo

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO #11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ÍNDICE 1. 2. 3. 4. 5. 6. Apresentação Níveis de planejamento Conceito geral Planejamento estratégico e o MEG Dicas para elaborar um planejamento estratégico eficaz Sobre a

Leia mais

Fundação Dom Cabral EDUCAÇÃO DE LIDERANÇAS PARA A SUSTENTABILIDADE (ELS)

Fundação Dom Cabral EDUCAÇÃO DE LIDERANÇAS PARA A SUSTENTABILIDADE (ELS) Fundação Dom Cabral Ritual de Passagem: A Educação de Lideranças para a Sustentabilidade INSTRUMENTO PARA AVALIAÇÃO ALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO DE LIDERANÇAS PARA A SUSTENTABILIDADE (ELS) Prof. Raimundo Soares

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Recursos Humanos 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Recursos Humanos 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Recursos Humanos 2011-1 DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO LIDERANÇA AUTOCRÁTICA: O RELACIONAMENTO

Leia mais

Ilca Maria Moya de Oliveira

Ilca Maria Moya de Oliveira Ilca Maria Moya de Oliveira Cargos e suas estruturas são hoje um tema complexo, com várias leituras e diferentes entendimentos. Drucker (1999, p.21) aponta que, na nova sociedade do conhecimento, a estrutura

Leia mais

Sistemas de Informação e o Processo de Gerência

Sistemas de Informação e o Processo de Gerência Sistemas de Informação e o Processo de Gerência É necessário que seja feita uma visão integrada do processo de administrar, para que se possa localizar adequadamente o sistema de informação neste mesmo

Leia mais

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO A presente pesquisa aborda os conceitos de cultura e clima organizacional com o objetivo de destacar a relevância

Leia mais

GOVERNANÇA EM TI. Prof. Acrisio Tavares

GOVERNANÇA EM TI. Prof. Acrisio Tavares GESTÃO ESTRATÉGICA DO SUPRIMENTO E O IMPACTO NO DESEMPENHO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS SÉRIE ESPECIAL PCSS A GOVERNANÇA EM TI, SEU DIFERENCIAL E APOIO AO CRESCIMENTO Prof. Acrisio Tavares G GOVERNANÇA EM

Leia mais

Risco. Conceitos Básicos

Risco. Conceitos Básicos Risco Conceitos Básicos Risco: definições 1 Mercado Financeiro Risco A análise deste conceito é um desafio no processo de tomada de decisão, realizado segundo três conjuntos de condições: certeza, análise

Leia mais

A Importância do Processo de Profissionalização nas Empresas Familiares

A Importância do Processo de Profissionalização nas Empresas Familiares A Importância do Processo de Profissionalização nas Empresas Familiares O QUE É GOVERNANÇA CORPORATIVA? Governança é sinônimo de transparência. As Pessoas precisam saber que não estão criando adversários

Leia mais

Disciplina:COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL Aula 1

Disciplina:COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL Aula 1 Sejam bem vindos!! Disciplina:COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL Aula 1 Dinâmica de apresentação dos Alunos. Informações relevantes. Apresentação dos Objetivos da Disciplina e Metodologia. Mini Currículo Luciana

Leia mais

Clima organizacional e o desempenho das empresas

Clima organizacional e o desempenho das empresas Clima organizacional e o desempenho das empresas Juliana Sevilha Gonçalves de Oliveira (UNIP/FÊNIX/UNESP) - jsgo74@uol.com.br Mauro Campello (MC Serviços e Treinamento) - mcampello@yahoo.com Resumo Com

Leia mais

Treinamento do Sistema RH1000

Treinamento do Sistema RH1000 Treinamento do Sistema RH1000 = Conceitos de Gestão por Competências = Ohl Braga Desenvolvimento Empresarial Atualizado em 21Ago2015 1 Tópicos abordados Principais processos 4 Vantagens 5 Avaliação de

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

UNIDADE 2 Empreendedorismo

UNIDADE 2 Empreendedorismo UNIDADE 2 Empreendedorismo O mundo tem sofrido inúmeras transformações em períodos de tempo cada vez mais curtos. Alguns conceitos relativos à administração predominaram em determinados momentos do século

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO. Tema : Fundamentos da Administração 1 Aula Conceitos da Administração História da Administração Funções do Administrador

ADMINISTRAÇÃO. Tema : Fundamentos da Administração 1 Aula Conceitos da Administração História da Administração Funções do Administrador ADMINISTRAÇÃO Tema : Fundamentos da Administração 1 Aula Conceitos da Administração História da Administração Funções do Administrador O que devemos.. Tirar todas as dúvidas a qualquer momento Participar

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I 1 TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I Administração é a maneira de governar organizações ou parte delas. É o processo de planejar, organizar, dirigir e controlar o uso de recursos

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO FEEDBACK NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO REALIZADO NAS ORGANIZAÇÕES DA ZONA DA MATA MINEIRA RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO FEEDBACK NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO REALIZADO NAS ORGANIZAÇÕES DA ZONA DA MATA MINEIRA RESUMO 1 A IMPORTÂNCIA DO FEEDBACK NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO REALIZADO NAS ORGANIZAÇÕES DA ZONA DA MATA MINEIRA Daniel de Souza Ferreira 1 RESUMO Ferreira, Daniel de Souza. A Impostância do Feedback

Leia mais

Toda e qualquer análise de mercado irá demandar uma série de etapas a ser seguida, dentre elas:

Toda e qualquer análise de mercado irá demandar uma série de etapas a ser seguida, dentre elas: Capítulo 16 - Os Stakeholders O termo foi originado na língua inglesa e hoje, foi completamente absorvido pela área da administração. Traduzido para o português como sendo parte interessada esse termo

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO PROJETO DE PESQUISA-ETENSÃO MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO MUNICÍPIO DE

Leia mais

Apresentação...4. Glossário...5. Princípios Éticos Suzano...6. Governança Corporativa...6. Integridade...7. Igualdade...9. Transparência...

Apresentação...4. Glossário...5. Princípios Éticos Suzano...6. Governança Corporativa...6. Integridade...7. Igualdade...9. Transparência... Índice Apresentação...4 Glossário...5 Princípios Éticos Suzano...6 Governança Corporativa...6 Integridade...7 Igualdade...9 Transparência...10 Desenvolvimento Sustentável...10 Valorização Profissional...11

Leia mais

O processo de planejamento participativo da unidade escolar

O processo de planejamento participativo da unidade escolar O processo de planejamento participativo da unidade escolar Pedro GANZELI 1 Resumo: Nos últimos anos, com o avanço das políticas educacionais que postulam a descentralização, a gestão da unidade escolar

Leia mais

NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES

NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES Por cerca de 50 anos, a série Boletim Verde descreve como a John Deere conduz os negócios e coloca seus valores em prática. Os boletins eram guias para os julgamentos e as

Leia mais

SAFRAS & CIFRAS SAFRAS & CIFRAS Assessoria e Consultoria Agropecuária Ltda.

SAFRAS & CIFRAS SAFRAS & CIFRAS Assessoria e Consultoria Agropecuária Ltda. Sucessão Familiar em Empresas Rurais Herança ou Negócio *Cilotér Borges Iribarrem Sucessão poderá gerar conflitos, angustias e desprazeres entre os membros da família, além de transformar um bom negócio

Leia mais

Perfil de Profissionalização Empresarial do Estado de São Paulo

Perfil de Profissionalização Empresarial do Estado de São Paulo Tabulação da Pesquisa Perfil de Profissionalização Empresarial do Estado de São Paulo 88 participantes 1 Pesquisa: Perfil de Profissionalização Empresarial do Estado de São Paulo I Perfil da Empresa 2

Leia mais

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL Com o advento da nova Constituição em 1988 e a promulgação e da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional em fins de 1996, novas perspectivas foram colocadas

Leia mais

Organização da Aula. Gestão de Recursos Humanos. Aula 2. Liderança X Gerenciamento. Contextualização. Empreendedor Conflitos.

Organização da Aula. Gestão de Recursos Humanos. Aula 2. Liderança X Gerenciamento. Contextualização. Empreendedor Conflitos. Gestão de Recursos Humanos Aula 2 Profa. Me. Ana Carolina Bustamante Organização da Aula Liderança Competências gerenciais Formação de equipes Empreendedor Liderança X Gerenciamento Conceito e estilos

Leia mais

A importância do RH Uma análise da área de Gestão de Recursos Humanos nas

A importância do RH Uma análise da área de Gestão de Recursos Humanos nas FATOR HUMANO A importância do RH Uma análise da área de Gestão de Recursos Humanos nas empresas brasileiras revela uma heterogeneidade de conceitos e práticas. Essa heterogeneidade ocorre porque a área

Leia mais

PSICOLOGIA DO TRABALHO E PSICANÁLISE: UMA POSSIBILIDADE DE COMPREENSÃO DO SOFRIMENTO PSÍQUICO

PSICOLOGIA DO TRABALHO E PSICANÁLISE: UMA POSSIBILIDADE DE COMPREENSÃO DO SOFRIMENTO PSÍQUICO 1 PSICOLOGIA DO TRABALHO E PSICANÁLISE: UMA POSSIBILIDADE DE COMPREENSÃO DO SOFRIMENTO PSÍQUICO Daniele Almeida Duarte Mariana Devito Castro Francisco Hashimoto Resumo: É fato que o indivíduo, quando é

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO

CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO Temporário: significa que cada projeto tem um início e um fim muito bem definidos. Um projeto é fundamentalmente diferente: porque ele termina quando seus objetivos propostos

Leia mais

Os Desafios da Gestão e da Liderança Marco Antonio Ornelas

Os Desafios da Gestão e da Liderança Marco Antonio Ornelas Os Desafios da Gestão e da Liderança Marco Antonio Ornelas Marco Antonio Ornelas Psicólogo com Especialização em Comportamento Organizacional pela Califórnia American University. Formação em Coaching pelo

Leia mais

Considerações Éticas sobre o Processo de Avaliação de Desempenho nas Organizações

Considerações Éticas sobre o Processo de Avaliação de Desempenho nas Organizações Considerações Éticas sobre o Processo de Avaliação de Desempenho nas Organizações Mirella Paiva 1 e Flora Tucci 2 Em uma sociedade marcada pela globalização, pelo dinamismo e pela competitividade, atingir

Leia mais

PLANO DIRETOR 2014 2019

PLANO DIRETOR 2014 2019 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL EMBRAPII PLANO DIRETOR 2014 2019 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 4 2. MISSÃO... 8 3. VISÃO... 8 4. VALORES... 8 5. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 8 6. DIFERENCIAIS

Leia mais

A FUNÇÃO SOCIAL DA EMPRESA SOB A ÓTICA DO DESENVOLVIMENTO

A FUNÇÃO SOCIAL DA EMPRESA SOB A ÓTICA DO DESENVOLVIMENTO A FUNÇÃO SOCIAL DA EMPRESA SOB A ÓTICA DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Bruna Medeiros David de Souza Advogada. Pós-graduanda em Direito Civil pela Faculdade de Direito Milton Campos. A função social da

Leia mais

O CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

O CURSO DE ADMINISTRAÇÃO O CURSO DE ADMINISTRAÇÃO IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. Missão Capacitar Administradores, propiciando uma base técnico-científica que lhes permita um aprendizado hábil a absorver, processar e adequar informações

Leia mais

ESTRATÉGIA E GESTÃO PATRIMONIAL EMPRESAS FAMILIARES. Domingos A Laudisio São Paulo, 15 de julho de 2014

ESTRATÉGIA E GESTÃO PATRIMONIAL EMPRESAS FAMILIARES. Domingos A Laudisio São Paulo, 15 de julho de 2014 ESTRATÉGIA E GESTÃO PATRIMONIAL EMPRESAS FAMILIARES Domingos A Laudisio São Paulo, 15 de julho de 2014 Existem argumentos pró e contra empresas familiares particularmente no Brasil os argumentos contra

Leia mais

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES 2º. Bimestre Capítulos: I Ética: noções e conceitos básicos II Processo de Decisão Ética III - Responsabilidade Social Apostila elaborada pela Profa. Ana

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 3 METODOLOGIA DA PESQUISA O objetivo principal deste estudo, conforme mencionado anteriormente, é identificar, por meio da percepção de consultores, os fatores críticos de sucesso para a implementação

Leia mais

GESTÃO DE CARREIRA E PROCESSO DE SUCESSÃO EM EMPRESAS FAMILIARES

GESTÃO DE CARREIRA E PROCESSO DE SUCESSÃO EM EMPRESAS FAMILIARES 1 GESTÃO DE CARREIRA E PROCESSO DE SUCESSÃO EM EMPRESAS FAMILIARES Carla Athauana Bazzanella Muran 1 Paula Regina Zarelli 2 Área de conhecimento: Administração. Eixo Temático: Administração de Pessoas,

Leia mais

Cultura Organizacional: Compreensão básica para a Gestão de Pessoas. Glaucia Falcone Fonseca

Cultura Organizacional: Compreensão básica para a Gestão de Pessoas. Glaucia Falcone Fonseca : Compreensão básica para a Gestão de Pessoas Glaucia Falcone Fonseca É importante verificar que há diversos grupos que compõem uma cultura. As subculturas, constituídas por grupos de pessoas com um padrão

Leia mais

Inscrições Abertas. Dia e horário das aula: Sexta-Feira 18h30 às 22h30 Quinzenal Sábado 08h30 às 17h30 Quinzenal

Inscrições Abertas. Dia e horário das aula: Sexta-Feira 18h30 às 22h30 Quinzenal Sábado 08h30 às 17h30 Quinzenal MBA Recursos Humanos Inscrições Abertas Dia e horário das aula: Sexta-Feira 18h30 às 22h30 Quinzenal Sábado 08h30 às 17h30 Quinzenal Carga horária: 600 Horas Duração: 24 meses *As informações podem sofrer

Leia mais

Família nuclear casal e filhos solteiros.

Família nuclear casal e filhos solteiros. Família Uma família é um conjunto de pessoas ligadas por parentesco de sangue, por casamento ou algum outro tipo de relacionamento acordado ou adoção, e que compartilha a responsabilidade básica de reprodução

Leia mais

Sucessão Familiar: Como Evitar que a passagem do bastão afete sua competitividade?

Sucessão Familiar: Como Evitar que a passagem do bastão afete sua competitividade? Sucessão Familiar: Como Evitar que a passagem do bastão afete sua competitividade? O tema acima tem passado longe das porteiras das propriedades rurais de nosso país. Aspectos de Sucessão e passagem de

Leia mais

GOVERNANÇA CORPORATIVA CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CONSELHO CONSULTIVO

GOVERNANÇA CORPORATIVA CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CONSELHO CONSULTIVO GOVERNANÇA CORPORATIVA CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CONSELHO CONSULTIVO O QUE É GOVERNANÇA CORPORATIVA? Conselho de Família GOVERNANÇA SÓCIOS Auditoria Independente Conselho de Administração Conselho Fiscal

Leia mais

MODELOS DE GESTÃO UTILIZADOS PELA EMPRESA FAMILIAR: MADEIREIRA PIRANGUINHENSE SITUADA NO SUL DE MINAS GERAIS

MODELOS DE GESTÃO UTILIZADOS PELA EMPRESA FAMILIAR: MADEIREIRA PIRANGUINHENSE SITUADA NO SUL DE MINAS GERAIS MODELOS DE GESTÃO UTILIZADOS PELA EMPRESA FAMILIAR: MADEIREIRA PIRANGUINHENSE SITUADA NO SUL DE MINAS GERAIS LUCIMARA APARECIDA DA SILVA BORGES Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas do Sul de Minas -

Leia mais

Maternidade, maternagem e mercado de trabalho: vivências e significações do gênero masculino em relação à mãe de seu (s) filho (s).

Maternidade, maternagem e mercado de trabalho: vivências e significações do gênero masculino em relação à mãe de seu (s) filho (s). Maternidade, maternagem e mercado de trabalho: vivências e significações do gênero masculino em relação à mãe de seu (s) filho (s). Dayanne Marcelo Zupo Leme Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP e-mail:

Leia mais

19/05/2010. Definições. Componentes. Tipos. Mensuração. Perfis de indivíduos. Gerenciamento

19/05/2010. Definições. Componentes. Tipos. Mensuração. Perfis de indivíduos. Gerenciamento Riscos Prof. Dr. Tharcisio Bierrenbach de Souza Santos Risco: definições, tipificação e relevância Definições Componentes Tipos Mensuração Perfis de indivíduos Gerenciamento 2 Risco: definições 1 Mercado

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO E A SISTEMATIZAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO

A ORGANIZAÇÃO E A SISTEMATIZAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO A ORGANIZAÇÃO E A SISTEMATIZAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO 1. A Pesquisa e a pós-graduação A pesquisa sistematizada na PUCPR proporcionou uma sinergia significativa com as atividades de ensino. Um resultado inicial

Leia mais

Pesquisa Clima Organizacional 2009. Relatório Embrapa Gado de Corte

Pesquisa Clima Organizacional 2009. Relatório Embrapa Gado de Corte Pesquisa Clima Organizacional 2009 Relatório Embrapa Gado de Corte 1. Fundamentação Teórica A Pesquisa de Cultura e Clima Organizacional é um instrumento de levantamento de informações, utilizado para

Leia mais

QUESTÃO 11 ENADE Administração/2009

QUESTÃO 11 ENADE Administração/2009 Universidade Federal Fluminense Oficina de Trabalho Elaboração de Provas Escritas Questões Objetivas Profª Marcia Memére Rio de Janeiro, janeiro de 2013 QUESTÃO 11 ENADE Administração/2009 Cada uma das

Leia mais

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO Nas últimas décadas a exclusão social tornou-se assunto de importância mundial nos debates sobre planejamento e direcionamento de políticas públicas (Teague & Wilson, 1995). A persistência

Leia mais

1ª SESSÃO. A evolução da teoria sobre a criação de valor através de boas práticas de Governança Corporativa

1ª SESSÃO. A evolução da teoria sobre a criação de valor através de boas práticas de Governança Corporativa 1ª SESSÃO A evolução da teoria sobre a criação de valor através de boas práticas de Governança Corporativa PROF. JOSÉ PASCHOAL ROSSETTI PROFESSOR E PESQUISADOR DA FUNDAÇÃO DOM CABRAL AUTOR DE GOVERNANÇA

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06 Questões sobre o tópico Avaliação de Desempenho: objetivos, métodos, vantagens e desvantagens. Olá Pessoal, Espero que estejam gostando dos artigos. Hoje veremos

Leia mais

Código de ética e Conduta

Código de ética e Conduta DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS GlobalPET Reciclagem S.A Agosto /2014 Código de ética e Conduta Sumário 1. Introdução 2. Objetivos 3. Código de Conduta 4. Código de Ética 5. Valores éticos 6. Princípios

Leia mais

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los.

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los. Decorrência da Teoria Neoclássica Processo Administrativo. A Teoria Neoclássica é também denominada Escola Operacional ou Escola do Processo Administrativo, pela sua concepção da Administração como um

Leia mais

TEORIA ESTRUTURALISTA

TEORIA ESTRUTURALISTA TEORIA ESTRUTURALISTA 1. Origens 2. Idéias Centrais 3. Contribuições à Teoria Estruturalista 4. Críticas à Teoria Estruturalista 1. Origens Alguns autores identificaram a corrente, que foi denominada corrente

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

Política Corporativa Setembro 2012. Política de Recursos Humanos da Nestlé

Política Corporativa Setembro 2012. Política de Recursos Humanos da Nestlé Política Corporativa Setembro 2012 Política de Recursos Humanos da Nestlé Autoria/Departamento Emissor Recursos Humanos Público-Alvo Todos os Colaboradores Aprovação Concelho Executivo, Nestlé S.A. Repositório

Leia mais

Os desafios futuros das Empresas familiares

Os desafios futuros das Empresas familiares Os desafios futuros das Empresas familiares A partir de um case real, apresentar alternativas técnicas e comportamentais que podem ampliar a longevidade média das empresas familiares e dar-lhes mais condições

Leia mais

Currículo nº2 DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

Currículo nº2 DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE SERVIÇO SOCIAL Turno: INTEGRAL Currículo nº2 Reconhecido pelo Decreto Federal n 82.413, de 16.10.78, D.O.U. nº198 de 17.10.78. Renovação de Reconhecimento Decreto Est. nº. 1064, de 13.04.11 DOE

Leia mais

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE SERVIÇO SOCIAL Turno: INTEGRAL Currículo nº Reconhecido pelo Decreto Federal n 8.1, de 16.10.78, D.O.U. nº198 de 17.10.78. Renovação de Reconhecimento Decreto Est. nº. 106, de 1.0.11 DOE nº 85

Leia mais