AS RELAÇÕES PÚBLICAS NO GERENCIMENTO DA COMUNICAÇÃO INTERNA FRENTE À MUDANÇA ORGANIZACIONAL NA CLAREAR BENEFICIAMENTO DE CONFECÇÕES LTDA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AS RELAÇÕES PÚBLICAS NO GERENCIMENTO DA COMUNICAÇÃO INTERNA FRENTE À MUDANÇA ORGANIZACIONAL NA CLAREAR BENEFICIAMENTO DE CONFECÇÕES LTDA"

Transcrição

1 1 AS RELAÇÕES PÚBLICAS NO GERENCIMENTO DA COMUNICAÇÃO INTERNA FRENTE À MUDANÇA ORGANIZACIONAL NA CLAREAR BENEFICIAMENTO DE CONFECÇÕES LTDA Andressa Cristina de Oliveira Lucas Fernandes Konishi Tiemy da Silva Moura Professora Orientadora: Maristela Romagnole de Araújo Jurkevicz 1 INTRODUÇÃO No cenário atual, em que apenas as mudanças são uma constante, exige-se cada vez mais preparo por parte das organizações para absorvê-las ou até mesmo prognosticá-las. Os empresários podem se proteger contra ameaças do ambiente de diversas formas, porém, há estratégias que posicionam a empresa positivamente no mercado, como a adoção de programas de qualidade, voltados para satisfazer as necessidades do cliente. Neste contexto, a empresa Clarear Beneficiamento de Confecções Ltda vivencia a implantação de um programa de qualidade que tem como meta alcançar a certificação ISO 9001:2000. Deste modo, para a organização atingir os objetivos pretendidos, a comunicação interna surge como um instrumento para alinhar os colaboradores, no que tange a novas práticas de trabalho, bem como equilibrar suas necessidades, para que todos tenham condições de desempenhar o trabalho de modo motivado e correto.

2 2 O trabalho do profissional de relações públicas é então, uma ferramenta estratégica para que, diante do contexto apresentado, possa-se fortalecer o relacionamento entre a organização e o público interno. Os capítulos que seguem, abordam temas que conceituam o leitor quanto à aplicação do plano de relações públicas na empresa, passando pelas mudanças organizacionais, programa de qualidade, cultura organizacional, comunicação interna e por fim, os programas e projetos de comunicação. 2 PANORAMA ATUAL: AS MUDANÇAS ORGANIZACIONAIS Revolução Industrial, Globalização e Era da Informação são momentos que provam as mudanças ocasionadas nas sociedades ao longo do tempo (TOFFLER, 2000). A Clarear é uma de muitas organizações que tem se deparado com cenários substancialmente modificados e vem sentindo a interferência de tais transformações. Para tanto, a empresa tem buscado firmemente a adaptação a esses novos cenários e uma de suas primeiras medidas está sendo a implantação de um programa de qualidade que visa a certificação da ISO 9001:2000. Neste sentido, as organizações devem encarar as mudanças como processos imprescindíveis para a busca de uma melhoria contínua, visto que, somente aquelas que mantiverem uma convivência harmoniosa com as mudanças serão capazes de compreendê-las como um fator de renovação. A condição de sucesso de uma empresa está na capacidade de inovação, tomada em sentido amplo, englobando da tecnologia às novas formas de gerenciamento (PORTER apud WOOD, 2002, p.151). Deste modo, a mudança organizacional suscita em mudança cultural,

3 3 uma vez que envolve novas formas de atuação e percepção do ambiente de trabalho, que podem causar emoções e reações que vão do o otimismo ao medo. Portanto, na Clarear há de se considerar todos os aspectos culturais e intelectuais envolvidos, pois é necessário mudar os valores, os símbolos e as crenças das pessoas, a fim de que a mudança seja positiva, fato este que somente será consumado por meio do gerenciamento da comunicação interna. 3 CLAREAR BENEFICIAMENTO DE CONFECÇÕES LTDA. Fundada em 10 de Dezembro de 1986, a Clarear Beneficiamento de Confecções Ltda está localizada à rua Seimu Oguido, n o 400, Parque ABC II, em Londrina, Paraná. Segundo a classificação utilizada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), que tem como base o número de empregados, a empresa é considerada de médio porte, pois emprega atualmente 220 funcionários, distribuídos nas áreas de atendimento, vendas, administração e produção. Deste modo, o proprietário montou a empresa e iniciou as atividades como lavanderia comercial. Logo em seguida, surgiu o stone wash, ou seja, o processo de estonagem de jeans e outros artigos. Momento decisivo para a Clarear, que passou, em 1987, a atuar como lavanderia industrial e expandir seu mercado. Esta expansão trouxe a necessidade de investimento em estrutura física, o que ocasionou a mudança para o atual endereço, em Com a adoção dos sistemas de lavagens em jeans e demais tecidos, houve aprimoramento da empresa, tornando-se as lavagens, a atividade que mais caracteriza os serviços prestados pela organização. Aa Clarear atende confecções que desenvolvem produtos para grandes, médias e pequenas marcas da indústria da moda, sendo que o serviço de

4 4 beneficiamento oferecido é considerado de efeitos irreversíveis. Assim, os erros ocasionados no processo de produção, bem como falta de um planejamento e controle efetivo e adequado para a produção, inexistência de integração entre as atividades específicas de cada setor, ausência de visão do todo da organização por parte dos funcionários, carência de mão-de-obra qualificada e especializada, e por fim, os funcionários, que de modo geral, estão insatisfeitos com questões salariais e de benefícios são os fatores que determinam as dificuldades pelas quais a Clarear está passando. Problemas como os citados acima, têm provocado conseqüências como a insatisfação dos clientes, uma vez que, as peças confeccionadas muitas vezes não atendem à qualidade esperada. Essas situações têm provocado um alto índice de indenizações pagas aos clientes mais exigentes, ocasionando em custos e prejuízos para a empresa. Fato este que contribui para a implantação do programa de qualidade na Clarear. Porém, a participação do colaborador é um fator a ser trabalhado, pois um programa de qualidade deve ser aceito segundo a motivação do funcionário, identificando-o com os objetivos da empresa e não em favor dos objetivos pessoais dos níveis hierárquicos superiores. Portanto, o trabalho de relações públicas visa motivar e envolver os funcionários para uma filosofia a ser adotada, não apenas como um trabalho a mais, além de informar e esclarecer o que é um programa de qualidade e sua finalidade não como forma de persuasão, mas de posicionar o colaborador como parte da empresa e conseqüentemente dos produtos que ela fabrica. A Clarear possui duas instalações no mesmo terreno, a primeira, da produção, é percebida como bastante estressante e confusa, em função do ritmo da produção; da visão deficitária de equipe de grande parte dos funcionários; das

5 5 dificuldades de comunicação interpessoal e intergrupal; do próprio ambiente de trabalho e dos riscos que ele oferece em função das atividades da empresa que não possui um controle eficiente. Já a segunda, administrativa, quando comparada a primeiro, apresenta-se mais amigável e organizada, apesar de tensa, isto em função do pequeno número de funcionários em setores como financeiro, diretoria, show room e gestão de pessoas, além do fato de que estes setores possuírem muito mais apurada a visão do todo da empresa (visão sistêmica) em relação aos demais. Esta cisão espacial torna-se uma quebra também de relacionamento, o que dificulta a atuação da empresa enquanto unidade. Desta forma, todos estes fatores apontados serviram de ponto de partida para uma intensa colaboração das atividades de relações públicas para o desenvolvimento da organização. 4 PROGRAMA DE QUALIDADE: O FATOR DE MUDANÇA Com a globalização e as mudanças freqüentes que estas provocam no mercado de produtos ou serviços, as empresas necessitam implementar meios para manutenção ou obter fatias maiores do mercado, a fim de garantir uma vantagem competitiva. Uma das medidas tomadas por muitas empresas para que o consumidor não tenha dúvidas da procedência daquilo que oferece ao mercado, são os programas de qualidade total, que inicialmente foram adotados por empresas norteamericanas com o intento de frear o consumo de bens advindos do oriente que possuíam qualidade superior e que ganhavam preferência entre os consumidores. Dentro do espectro de possíveis significações, as definições de

6 6 qualidade na visão de Juran são: A qualidade consiste nas características do produto que vão ao encontro das necessidades dos clientes e dessa forma proporcionam a satisfação em relação ao produto, [ou ainda], qualidade é ausência de falhas (JURAN, 1991, p.11). Conclui-se assim, que uma vez que a qualidade do produto ou serviço venha ao encontro das necessidades do cliente, a organização será competitiva no mercado, o que requer cuidados ao se implantar um programa de qualidade, devido à instabilidade que pode causar nos colaboradores. Tendo em vista que o programa de qualidade será implantado na Clarear, uma empresa que possui uma cultura já definida, dado seu tempo de existência, algumas considerações podem ser feitas. Primeiramente, um programa de qualidade não consiste somente em índices e metas anuais, como simples receitas a seguir: Modismos realmente parecem fazer parte do dia-a-dia das organizações. Existe procura de fórmulas mágicas, conceitos simples que condensem todo um corpo complexo de idéias. Dado a dificuldade de implementar mudanças, principalmente em grandes empresas, com intrincadas redes de poder, é fácil compreender os pacotes como uma possível via preferencial. Isto não elimina suas limitações, pois geralmente são soluções simplistas e nem sempre adequadas ao problema. (WOOD, 2002, p. 169). Em segundo lugar, a cultura que os colaboradores possuem podem ser um entrave para a adoção do programa, uma vez que podem resistir à nova filosofia por vê-la somente como um aumento da carga de trabalho, sem recursos adicionais ou outros benefícios. Enfim, a terceira consideração é que a adoção de um novo método de trabalho deve partir do estímulo do próprio colaborador e não em razão dos objetivos individuais dos dirigentes da empresa, de forma obrigatória. Assim, os funcionários podem não estar de acordo com a nova filosofia e se distanciarem dos objetivos propostos, atrapalhando o desenvolvimento do programa de qualidade. Estes três pontos colocados são os que devem ser evitados para que a

7 7 Clarear atinja os objetivos propostos, a fim de equilibrar a visão e conhecimento dos funcionários quanto ao programa de qualidade. Recentemente as normas ISO passaram por modificações em relação ao modelo anterior, de 1994, baseando-se agora em oito princípios para garantir a qualidade dos produtos para seus clientes. Sinteticamente, de acordo com Maranhão (2001, p.11), os pontos que norteiam a ISO 9001:2000 são: 1. Foco no cliente; 2. Liderança; 3. Engajamento das pessoas; 4. Abordagem dos processos; 5. Abordagem sistêmica para a gestão; 6. melhoria contínua; 7. Abordagem factual para tomada de decisões; 8. Benefícios mútuos nas relações com os fornecedores. Para que a atuação do profissional de relações públicas seja dirigida em função da filosofia de trabalho que a ISO 9001:2000 estabelece, aliada à especialidade em relacionamentos e comunicação, os pontos referentes à liderança e o engajamento das pessoas poderão ser trabalhados. Assim, com as atividades de relações públicas pretende-se suprir as necessidades de informações sobre as mudanças organizacionais referentes a adoção do programa de qualidade, especificamente as direcionadas aos líderes formais e informais. Estes devem transmitir as suas equipes de trabalho o modus operandi e obter a efetiva participação e comprometimento do funcionário neste processo, a fim de que haja uma sinergia entre as expectativas do colaborador com a exigência do programa de qualidade, por meio da disseminação constante de informações e valores que tragam os indivíduos para a atual realidade da empresa. 5 CULTURA ORGANIZACIONAL A cultura organizacional interfere diretamente nos processos da organização e o seu gerenciamento determina o sucesso ou fracasso das ações

8 8 empresariais a serem implementadas. Em um ambiente de mudança os indivíduos são afetados diretamente, o que altera o padrão de comportamento dos mesmos, conseqüentemente a cultura. Para que se possa chegar a um entendimento sobre cultura organizacional expõe-se a visão de Schein acerca da temática: Conjunto de pressupostos básicos que um grupo inventou, descobriu, ou desenvolveu, ao aprender a lidar com os problemas de adaptação externa e integração interna e que funcionaram bem o suficiente para serem considerados válidos e ensinados a novos membros como a forma correta de perceber, pensar e sentir com relação a esses problemas (SCHEIN, 1992, p.9). A cultura organizacional tem sua formação marcada por fases que se iniciam desde a fundação da organização, passando pelo crescimento organizacional, atingindo o nível de amadurecimento até a sua renovação ou falecimento. Dessa forma, por meio do estudo da cultura organizacional na Clarear, será possível conhecer de modo mais profundo e amplo, todas as nuances da organização, pois somente assim, as relações públicas estarão mais aptas a criar ações adequadas na busca dos resultados almejados. Diante deste fato, torna-se necessário superar as barreiras dos antigos comportamentos, uma vez que se conhecendo o comportamento do público interno, é possível direciona-los diante da instabilidade causada pela adoção do programa de qualidade, atingindo a adesão dos funcionários para o mesmo. 6 COMUNICAÇÃO INTERNA Diversos fatores como a revolução tecnológica e a globalização estabeleceram uma nova relação entre as organizações e o público interno, na qual a postura de ambos sofreu profundas modificações.

9 9 Na década de 60, a comunicação empresarial, diferentemente de como deve ser entendida atualmente, era segmentada e desenvolvida isoladamente. Segundo Bueno (2003, p.5), suas atividades implicavam basicamente em edição de house organs, organizações de eventos e campanhas internas. Além disso, tais atividades eram exercidas por profissionais de áreas distintas, o que gerava uma comunicação difusa, e na maioria das vezes contraditória, repleta de conflitos internos. Nos anos 90 a comunicação deixou de ser um conjunto desintegrado de funções e atividades para tornar-se um sistema de elementos interligados que devem trabalhar em sintonia com os objetivos e metas gerais da organização. Portanto, a comunicação interna apresenta-se como uma ferramenta estratégica para equilibrar os interesses dos funcionários e da empresa, por meio de estímulo ao diálogo, troca de informações e experiências, bem como a integração e participação de todos os níveis organizacionais. No entanto, observa-se que transformar o funcionário em integrante ativo com potencial para contribuir para o desenvolvimento da empresa no intuito de organizar e aplicar as novas demandas geradas pelas mudanças ambientais é o grande desafio, que somente será atingido por meio de uma comunicação planejada com ações voltadas para os colaboradores. Segundo Nassar (2003, p.16), entender a comunicação interna como fator estratégico é criar valor duradouro para a organização, já que, atualmente uma empresa é mais valorizada à medida que evidencia formas institucionais, administrativas e internas de comunicação, indo além da dimensão mercadológica. Item importante, uma vez que, os públicos percebem as organizações por qualquer uma de suas interfaces comunicacionais. As relações com o público interno, de acordo com Andrade (2003,

10 10 p.95), compreendem os funcionários da organização, seus familiares e dependentes, mesmo que nem todos estejam sob um mesmo teto. Deve-se levar em consideração o vínculo da venda do trabalho por algum tipo de remuneração. Defendo que público interno é o mais estratégico - e, portanto, o mais importante - para a organização. [...] É o que chamo de formadores de opinião para os demais públicos de interesse da empresa (MARCHESI, 2003, p.50). Portanto, os funcionários representam o público da organização que deve ser trabalhado de forma prioritária, pois sua aproximação e integração com a empresa concernem um grande impulso para alcançar os objetivos da mesma. Na realidade da Clarear, a implantação do programa afeta o ambiente interno, o que leva o funcionário a questionar-se sobre o seu papel dentro do processo de mudanças. Neste sentido Bueno (2003) trata da comunicação como espelho da cultura que a empresa possui em torno dela, sendo as ações um retrato que revela como a comunicação é tratada no universo da organização. A comunicação e a cultura de uma organização estão umbilicalmente associadas. Na verdade, a comunicação é o espelho da cultura organizacional, refletindo o processo de gestão. Uma empresa que estimula a participação de seus colaboradores contribuirá para a circulação das informações e para a implementação de canais, formais e informais, a fim de incrementar o relacionamento entre os vários segmentos da organização (BUENO, 2003, p.47). Sabendo-se que é por meio da comunicação interna que a Clarear terá condições para se adaptar às mudanças provocadas pela adoção do programa de qualidade, destaca-se um elemento decisivo para que o processo comunicacional aconteça corretamente: o líder. A liderança exerce papel fundamental no gerenciamento da comunicação interna, uma vez que, detém de influência pessoal e pode, mesmo involuntariamente, exercer controle no ambiente profissional, produzindo situações

11 11 positivas ou negativas em relação à comunicação, já que é o líder o responsável por conquistar níveis de comprometimento nos colaboradores. Uma outra questão referente à liderança que muito contribui para a viabilização do processo de comunicação é a atitude do indivíduo que lidera quanto ao relacionamento com as pessoas, pois, cabe a ele conviver e administrar diferenças de personalidades, fortalecendo relações interpessoais e sensibilizando a equipe, para que esta se torne ativa quanto à execução da comunicação interna e, para que tenha sucesso é preciso conhecer em profundidade o público interno, além de identificar e estimular os líderes a exercerem o seu devido papel. O gerenciamento da comunicação interna enquanto meio de atingir o público, informando-o a respeito das nuances da organização representa o grande desafio para as relações públicas no que tange a criação de formas e métodos de comunicação para promover um fluxo de informações adequado aos diferentes segmentos do público interno. 7 A GESTÃO DAS RELAÇÕES PÚBLICAS Diante das incertezas e instabilidades que as organizações enfrentam na atualidade em um mercado globalizado, é fundamental que estas se preparem para lidar com os novos desafios. Na realidade, qualquer empresa que está sujeita ao mercado e compartilha da livre-concorrência com as demais organizações é automaticamente cúmplice do processo das modificações e deve agir de forma a adaptar-se às mutações previstas, já que nenhuma empresa está imune as crises. Neste contexto, surge a oportunidade para as relações públicas cumprirem seu papel estratégico na construção de relacionamentos com os públicos

12 12 das organizações. Naquilo que tem de melhor para oferecer, relações públicas é uma ponte para as mudanças. É um meio para se ajustar a novas atitudes que foram causadas pelas mudanças. É um meio de estimular de modo a criar mudanças. Procura ajudar uma organização a ver a sociedade como um todo em vez de através de um único (e intensificado) ponto de vista. Supre o bom senso, criatividade e habilidades que fazem com que grupos em mudanças se ajustem uns aos outros (LESLY, 1995, p.20). Na perspectiva apresentada, emerge o conceito das relações públicas que implica a noção do interesse geral da informação útil a todos para a formação da opinião dos públicos favorável ao desenvolvimento organizacional. De acordo com definição oficial da ABRP (Associação Brasileira de Relações Públicas), entende-se por relações públicas: [...] o esforço deliberado, planificado, coeso e contínuo da alta administração, para estabelecer e manter uma compreensão mútua entre uma organização, pública ou privada, e seu pessoal, assim como entre essa organização e todos os grupos aos quais está ligada, direta ou indiretamente (ANDRADE, 1993, p.41). Portanto, conclui-se que as atividades de relações públicas não se restringem à aplicação de técnicas de comunicação, são também função administrativa, na medida em que transmite e interpreta as informações de uma organização para seus diferentes públicos, bem como traz à administração, conhecimentos quanto ao interesse público. A adoção de uma filosofia de relações públicas por uma empresa, implica em satisfazer os interesses particulares dos citados públicos e de outros os quais venha a se relacionar. Assim, a empresa que melhor satisfizer os interesses desses grupos conseguirá melhor relacionamento com eles. Entretanto, de acordo com o fundamento ético das relações públicas, uma correta filosofia não significa o que o público gosta de ouvir, mas consiste em fazer o que o público sabe que é certo (WEY, 1986, p.24). No entanto, para que os programas de relações públicas se tornem viáveis, as organizações devem considerar a importância do relacionamento com seus empregados, uma vez que, o público interno constitui a base para a performance organizacional frente às mudanças desejadas. Nessa dimensão, apresenta-se o profissional de relações públicas que procurará envolver, por meio do diálogo, o público interno ao processo de mudança, na

13 13 busca de comprometimento e engajamento dos mesmos, ao se trabalhar na essência os valores das pessoas que compõem o sistema empresarial. A estratégia de Relações Públicas [...] é a arte de empregar recursos de comunicação, para atingir objetivos e dar suporte técnico e administrativo para o desenvolvimento harmônico e humano da instituição e seus públicos, considerando a dimensão total dos conflitos que envolvem todos os campos: político, econômico e psicossocial (ALBUQUERQUE, 1983, p.21). Para tanto, torna-se imperativo que o profissional se responsabilize pela administração dos relacionamentos humanos, mediante um planejamento estratégico da comunicação. Para Andrade (2003, p.43), as funções de planejamento alcançam as programações específicas de relações públicas, com observância da política e de metas estabelecidas pela administração, envolvendo aspectos de orientação e formalização dos objetivos e de fixação de prioridades. 7.1 Plano de Comunicação em Relações Públicas Após as abordagens teóricas vistas no fluxo do trabalho que forneceram suporte para amenizar o quadro de incertezas causado aos colaboradores pela introdução da gestão da qualidade, o presente plano de comunicação buscou estreitar relacionamento entre a alta administração e seu público interno, uma vez que o segundo necessita ser direcionado quanto à adaptação da filosofia a ser adotada, a fim de que esteja apto a agir conjuntamente no contexto de mudança. 7.2 Objetivo Geral Gerenciar a comunicação interna a fim de conquistar o envolvimento e comprometimento dos colaboradores, para que a mudança mediante a implantação do

14 14 programa de qualidade seja efetiva. 7.3 Objetivos Específicos Sensibilizar e conquistar o envolvimento e comprometimento dos funcionários, engajando-os com a filosofia do programa de qualidade; Promover a Identificação do público interno com a empresa; Envolver líderes e subsidiá-los de informações para que estas sejam transmitidas aos demais colaboradores; Integrar os setores da organização; Auxiliar na implantação do programa de qualidade. 7.4 Estratégias Criação de veículos de comunicação adequados para os segmentos do público interno; Formalização da missão e visão da empresa; Resgate da história da empresa; Participação dos colaboradores na construção e elaboração dos veículos de comunicação; Desenvolvimento de oficinas voltadas para alcançar o espírito de equipe e liderança; Programação de reuniões com gerências e colaboradores; Auxílio na implantação de projetos vinculados ao programa de qualidade.

15 Programa informação Tendo em vista que a informação é matéria-prima para o conhecimento da realidade e das ações organizacionais, além da inserção do público interno na filosofia de trabalho exigida frente à implantação da gestão da qualidade, a finalidade deste programa foi manter este público informado sobre os acontecimentos na empresa e no ambiente em que está inserida, a fim de alcançar o envolvimento dos colaboradores com os objetivos da organização. Projeto Clarear em Reforma Com a mudança iniciada mediante a implantação do programa de qualidade na Clarear, tornou-se necessário construir um veículo de comunicação para informar os funcionários sobre o que é um programa de qualidade e quais as responsabilidades exigidas pelo mesmo. Desta forma, o projeto Clarear em Reforma constituiu-se na formulação de um manual auto-explicativo em formato de uma história em quadrinhos sobre a gestão da qualidade. Para chegar ao material final, foi elaborado um roteiro baseado em teorias voltadas para a gestão da qualidade, na qual buscou-se informar não apenas o que é um programa de qualidade e o papel de cada um neste processo, mas também quais são os benefícios do programa para os colaboradores, a fim de valorizá-los e estimulá-los com a proposta. A distribuição dos gibis está prevista para a segunda quinzena do mês de dezembro, na qual será realizado um café da manhã.

16 16 Projeto Clareando Os colaboradores possuíam poucas informações sobre a organização e sobre temáticas de cultura em geral. Deste modo buscou-se um meio que levasse informação a eles sobre assuntos úteis dentro e fora da Clarear. Assim, para a execução deste projeto criou-se um jornal mural, intitulado Antenado, na qual a linguagem utilizada foi trabalhada de acordo com a necessidade do colaborador, remetendo à língua falada, o que facilitou a recepção das mensagens. A periodicidade do jornal mural é semanal e teve início no final do mês de agosto de Até o momento nota-se que muitos colaboradores se interessam pelas informações que são veiculadas no Antenado e ajudam na construção das matérias, parabenizam a iniciativa e vêem o veículo como uma forma de serem ouvidos, devido às exigências que fazem via caixa de sugestões ou por meio de conversas informais, nas quais comentam e opinam sobre as matérias. 7.6 Programa identidade O programa Identidade objetivou-se em disseminar valores que permitiram fortalecer a identidade da empresa com o público interno. Deste modo, o projeto Memórias resgatou a história da Clarear, que diante da realidade vivenciada pelo programa da qualidade, foi transformada em instrumento de comunicação interna, no intuito de despertar nos colaboradores um maior comprometimento na viabilização das mudanças organizacionais. Ainda assim, foi necessário, por meio do projeto Quem Somos, injetar conhecimentos referentes à missão e visão, bem como, colocá-los em prática, para que

17 17 os colaboradores percebessem a importância de equilibrar interesses e objetivos próprios aos da empresa. Projeto Memórias Este projeto buscou resgatar e retratar a história da Clarear desde sua fundação aos dias atuais, visto que, sua trajetória desempenha um papel fundamental para a identificação e consolidação de valores que geram o comprometimento do colaborador para com a empresa. Após a realização de pesquisas e entrevistas com a diretoria e colaboradores, dividiu-se a história da Clarear em 16 capítulos que são apresentados semanalmente na coluna Conheça a Clarear do jornal mural Antenado. O encerramento deste projeto se dará no dia 18 de dezembro de 2005, quando ocorrerá a confraternização de fim de ano. Neste dia será montada uma exposição resgatando toda a história da empresa narrada no jornal mural, além de uma galeria de fotos, matérias e outros artigos coletados com os diretores e os colaboradores da Clarear. Todos esses materiais serão arquivados para que posteriormente todos os colaboradores tenham acesso. Projeto Quem Somos O presente projeto foi embutido no primeiro módulo da oficina Comunicação e Liderança que será vista mais adiante no programa Integração. Primeiramente, foi realizada uma reunião com o diretor Laércio João Rockenbach, para averiguar suas intenções quanto ao futuro que espera da Clarear e o que esta representa para a sociedade.

18 18 Após esta etapa, realizou-se a oficina para os líderes formais e informais da empresa, a fim de que estes iniciassem a formalização da missão e visão da Clarear. Trabalhou-se com o primeiro grupo no dia 25/10 com 18 convidados e com o segundo no dia 08/11, que teve a participação de 24 líderes. Ao fim da oficina foram escolhidas quatro missões e quatro visões, sendo estas arquivadas com as frases formalizadas pelo diretor. O projeto Quem Somos está em andamento. Será realizada uma reunião no dia 5 de dezembro para promover uma discussão sobre as missões e visões formuladas, para enfim serem levadas aos demais colaboradores, para que todos participem da construção das frases e definam a missão e visão final da Clarear por meio de uma eleição. 7.7 Programa aproximação O programa objetivou aproximar o público interno, fornecendo informações que o auxilie no cotidiano e melhore a qualidade de vida, além de adotar valores que prezam a organização enquanto unidade para aproximá-lo aos objetivos da empresa, favorecendo o diálogo com a alta administração. Projeto Educando Para a viabilização do projeto buscou-se trabalhar primeiramente temas abrangentes que sirvam de apoio para o colaborador em sua vida pessoal. A saúde foi um tema bastante pesquisado e, tendo em vista os parceiros da Clarear, dentre eles a Rede Drogamais, firmou-se parceria para a realização de uma palestra sobre sexualidade e qualidade de vida.

19 19 A palestra ocorreu no dia 5 de outubro em dois horários e a temática foi explanada pelo médico Fernando José Felipe de Paula, ginecologista, que expôs as características sexuais dos seres humanos desde a infância à velhice e que levantaram muitas dúvidas nos colaboradores. O evento foi marcado pela presença de um número elevado de funcionários, com a participação de 72, que aprovaram a iniciativa. Projeto Comemoração 19 anos de Clarear No dia 10 de dezembro de 2005, a empresa Clarear completará 19 anos de sua fundação. Assim, para criar a identificação do colaborador com a organização, para envolvê-lo, integrá-lo e valorizá-lo enquanto colaborador será promovido um evento de confraternização. O projeto será realizado mediante o dinheiro arrecado com a reciclagem de lixo, visto que foi implantada na empresa a coleta seletiva de acordo com o projeto Reciclando descrito no programa Auxiliar da Qualidade. O evento está marcado para ocorrer no dia 18 de dezembro de 2005 na sede campestre do SINTVEST (Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias de Vestuário de Londrina e Região). Neste dia haverá uma exposição resgatando toda a história da Clarear, conforme levantada pelo projeto Memórias do programa Identidade, para retratar a trajetória percorrida pela empresa. 7.8 Programa auxiliar da qualidade Com a implantação da gestão da qualidade na Clarear, este programa voltou-se para auxiliar o comitê da qualidade na aplicação dos 3 Rs (redução, reutilização e reciclagem) na empresa.

20 20 Deste modo, buscou-se por meio do projeto Reciclando, inserir conceitos que habituem o colaborador a agir corretamente em relação à cidadania e ao meio ambiente, incentivando-o a atuar em prol da sociedade. Projeto Reciclando O Projeto Reciclando buscou sensibilizar os colaboradores quanto ao respeito e consciência com o meio ambiente, além de revelar que a separação correta do lixo oferece vantagens para a qualidade de vida e melhorias nas condições de trabalho. Para a execução deste projeto foi instituído na empresa o sistema de coleta seletiva, e, para explicar e sensibilizar os colaboradores quanto à separação e reciclagem do lixo, além de sua responsabilidade em relação às questões ambientais, realizou-se uma palestra acerca do tema no dia 23 de setembro, em dois horários, ministrada pela professora Irene Mologni da UEL. Durante sua explanação, a convidada informou os benefícios da coleta seletiva, o tempo de decomposição dos materiais e ensinou aos colaboradores quais eram os lixos recicláveis e como separá-los corretamente. Além disso, os colaboradores receberam como material de apoio, uma cartilha com outras informações a respeito do lixo e o processo de reciclagem. O evento contou com a participação de 42 funcionários, sendo a maioria colaboradores de produção.

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Ana Carolina Trindade e-mail: carolinatrindade93@hotmail.com Karen

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável Felipe de Oliveira Fernandes Vivemos em um mundo que está constantemente se modificando. O desenvolvimento de novas tecnologias

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DO SERVIÇO FEDERAL DE PROCESSAMENTO DE DADOS (SERPRO) - PCS A Política de Comunicação do Serviço

Leia mais

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Cursos para Melhoria do desempenho & Gestão de RH TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Administração do Tempo Ampliar a compreensão da importância

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

Os Veículos de Comunicação Dirigida da Embrapa Soja

Os Veículos de Comunicação Dirigida da Embrapa Soja Os Veículos de Comunicação Dirigida da Embrapa Soja FERREIRA, L.L. 1, GALERANI, G.S.M. 2, 1 Universidade Estadual de Londrina UEL, Cx. Postal 6001 CEP 86051-990 - Londrina - PR, 2 Embrapa Soja O profissional

Leia mais

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.)

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Resenha Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Patrícia Morais da Silva 1 Superar as expectativas do mercado atendendo de forma satisfatória as demandas dos clientes

Leia mais

NOSSA MISSÃO OS PROGRAMAS METODOLOGIAS AVALIAÇÕES

NOSSA MISSÃO OS PROGRAMAS METODOLOGIAS AVALIAÇÕES Desde 1999 NOSSA MISSÃO AÇÕES DE TREINAMENTO OS PROGRAMAS METODOLOGIAS AVALIAÇÕES MISSÃO Inspirar nossos clientes para a expansão de ideias e formação de relacionamentos saudáveis e duradouros no ambiente

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação O artigo fala sobre os vários aspectos e desafios que devem ser levados em consideração quando se deseja transformar ou fortalecer uma cultura organizacional, visando a implementação de uma cultura duradoura

Leia mais

Negociação: conceitos e aplicações práticas. Dante Pinheiro Martinelli Flávia Angeli Ghisi Nielsen Talita Mauad Martins (Organizadores)

Negociação: conceitos e aplicações práticas. Dante Pinheiro Martinelli Flávia Angeli Ghisi Nielsen Talita Mauad Martins (Organizadores) Negociação: conceitos e aplicações práticas Dante Pinheiro Martinelli Flávia Angeli Ghisi Nielsen Talita Mauad Martins (Organizadores) 2 a edição 2009 Comunicação na Negociação Comunicação, visão sistêmica

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Plano de Comunicação para o Hospital Infantil Varela Santiago¹

Plano de Comunicação para o Hospital Infantil Varela Santiago¹ Plano de Comunicação para o Hospital Infantil Varela Santiago¹ José Alves de SOUZA² Maria Stella Galvão SANTOS³ Universidade Potiguar (UnP ), Natal, RN RESUMO Este Plano de Comunicação refere-se a um estudo

Leia mais

Capacitando Profissionais

Capacitando Profissionais Capacitando Profissionais 2014 Setup Treinamentos & Soluções em TI www.setuptreinamentos.com APRE SENTA ÇÃ O A atual realidade do mercado de trabalho, que cada dia intensifica a busca por mão-de-obra qualificada,

Leia mais

Construindo o Conteúdo da Liderança. José Renato S. Santiago Jr.

Construindo o Conteúdo da Liderança. José Renato S. Santiago Jr. Construindo o Conteúdo da Liderança José Renato S. Santiago Jr. Gestão Estratégica de RH Módulo 1: Alinhando Gestão de Pessoas com a Estratégia da Empresa Módulo 2: Compreendendo e Dinamizando a Cultura

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Elisa Maçãs IDÉIAS & SOLUÇÕES Educacionais e Culturais Ltda www.ideiasesolucoes.com 1

Leia mais

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional Carlos Henrique Cangussu Discente do 3º ano do curso de Administração FITL/AEMS Marcelo da Silva Silvestre Discente do 3º ano do

Leia mais

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES Cassia Uhler FOLTRAN 1 RGM: 079313 Helen C. Alves LOURENÇO¹ RGM: 085342 Jêissi Sabta GAVIOLLI¹ RGM: 079312 Rogério Bueno ROSA¹ RGM:

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

O gerenciamento da Comunicação Organizacional

O gerenciamento da Comunicação Organizacional O gerenciamento da Comunicação Organizacional Hilbert Reis Comunicação Social Jornalismo UFOP Pesquisador PIP/UFOP Índice 1 Otimização da comunicação integrada 1 2 Estratégias, planejamentos e a gestão

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RECURSOS HUMANOS EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR COM PERSPECTIVA DE DESENVOLVIVENTO DO CLIMA ORGANIZACONAL: O CASO DO HOSPITAL WILSON ROSADO EM MOSSORÓ RN

Leia mais

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO A presente pesquisa aborda os conceitos de cultura e clima organizacional com o objetivo de destacar a relevância

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas

MBA em Gestão de Pessoas REFERÊNCIA EM EDUCAÇÃO EXECUTIVA MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Profª. Dra. Ana Ligia Nunes Finamor A Escola de Negócios de Alagoas. A FAN Faculdade de Administração e Negócios foi fundada

Leia mais

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO ESPÍRITO SANTO FACASTELO Faculdade De Castelo Curso de Administração Disciplina: Qualidade e Produtividade PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO 1 Profa.: Sharinna

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Jornada de Aprendizado. Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização (CNseg)

Jornada de Aprendizado. Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização (CNseg) Jornada de Aprendizado Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização (CNseg) Promovendo os microsseguros: Educação Financeira Conteúdo

Leia mais

Como atrair e reter talentos

Como atrair e reter talentos Como atrair e reter talentos na Panificação PORQUE A DISCUSSÃO DE TALENTOS É IMPORTANTE PARA ORGANIZAÇÕES COMPETITIVAS? Em toda a história do mundo empresarial, nunca houve tanta preocupação e cuidados

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Questões sobre o tópico Desenvolvimento e treinamento de pessoal: levantamento de necessidades, programação, execução e avaliação. Olá Pessoal, hoje veremos outro

Leia mais

Proposta de Candidatura Diretoria da Presidência Agrobio Consultoria Júnior Gestão 2013. Isabella Assunção Cerqueira Procópio

Proposta de Candidatura Diretoria da Presidência Agrobio Consultoria Júnior Gestão 2013. Isabella Assunção Cerqueira Procópio Proposta de Candidatura Diretoria da Presidência Agrobio Consultoria Júnior Gestão 2013 Isabella Assunção Cerqueira Procópio Janeiro de 2013 1 Sumário 1. Dados Básicos de Identificação...3 2. Histórico

Leia mais

COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL INTERNA UM ESTUDO DE CASO RESUMO

COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL INTERNA UM ESTUDO DE CASO RESUMO COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL INTERNA UM ESTUDO DE CASO Fábio William da Silva Granado 1 Marluci Silva Botelho 2 William Rodrigues da Silva 3 Prof Ms. Edson Leite Lopes Gimenez 4 RESUMO Realizou-se uma análise

Leia mais

RECONHECIDO INTERNACIONALMENTE

RECONHECIDO INTERNACIONALMENTE RECONHECIDO INTERNACIONALMENTE COACHING EDUCATION By José Roberto Marques Diretor Presidente - Instituto Brasileiro de Coaching Denominamos de Coaching Education a explicação, orientação e aproximação

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA Elaine Schweitzer Graduanda do Curso de Hotelaria Faculdades Integradas ASSESC RESUMO Em tempos de globalização, a troca de informações

Leia mais

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil 10Minutos Futuro do trabalho Pesquisa sobre impactos e desafios das mudanças no mundo do trabalho para as organizações no B O futuro do trabalho Destaques Escassez de profissionais, novos valores e expectativas

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Pessoas tem por objetivo o fornecimento de instrumental que possibilite

Leia mais

Valores Pessoas; Trabalho em Equipe; Conduta Ética; Orientação ao Cliente; Orientação a Resultados; Inovação; e Comunidade e Meio Ambiente.

Valores Pessoas; Trabalho em Equipe; Conduta Ética; Orientação ao Cliente; Orientação a Resultados; Inovação; e Comunidade e Meio Ambiente. CÓDIGO DE ÉTICA EMPRESARIAL 1 INTRODUÇÃO O Código de Ética Empresarial da COELCE, apresenta os princípios direcionadores das políticas adotadas pela empresa e que norteiam as ações e relações com suas

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1.1 APRESENTAÇÃO O Plano de Comunicação e Participação Social subsidiará a elaboração do Plano Diretor de Mobilidade Urbana, criando as bases para

Leia mais

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade Eficácia e Liderança de Performance O Administrador na Gestão de Pessoas Grupo de Estudos em Administração de Pessoas - GEAPE 27 de novembro

Leia mais

ACTION LEARNING. O que é Action Learning? FUN D A MEN T OS D O

ACTION LEARNING. O que é Action Learning? FUN D A MEN T OS D O C L E O W O L F F O que é Action Learning? Um processo que envolve um pequeno grupo/equipe refletindo e trabalhando em problemas reais, agindo e aprendendo enquanto atuam. FUN D A MEN T OS D O ACTION LEARNING

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Desenvolvimento Humano

Desenvolvimento Humano ASSESSORIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Desenvolvimento Humano ADVISORY Os desafios transformam-se em fatores motivacionais quando os profissionais se sentem bem preparados para enfrentá-los. E uma equipe

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS O plano de negócios deverá conter: 1. Resumo Executivo 2. O Produto/Serviço 3. O Mercado 4. Capacidade Empresarial 5. Estratégia de Negócio 6. Plano de marketing

Leia mais

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA Prof. Gustavo Nascimento Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA A liderança e seus conceitos Liderança é a capacidade de influenciar um grupo para que as metas sejam alcançadas Stephen Robbins A definição de liderança

Leia mais

Business & Executive Coaching - BEC

Business & Executive Coaching - BEC IAC International Association of Coaching Empresas são Resultados de Pessoas José Roberto Marques - JRM O Atual Cenário no Mundo dos Negócios O mundo dos negócios está cada vez mais competitivo, nesse

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE

SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE Adriele Albertina da Silva Universidade Federal de Pernambuco, adrielealbertina18@gmail.com Nathali Gomes

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PLANO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA Flash Lan House: FOCO NO ALINHAMENTO ENTRE CAPITAL HUMANO E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Fatores e Indicadores de Desempenho ADP

Fatores e Indicadores de Desempenho ADP Fatores e Indicadores de Desempenho ADP RESPONSABILIDADE / COMPROMETIMENTO COM A INSTITUIÇÃO - Assumir o compromisso na realização das atribuições - Atuar com disposição para mudanças - Buscar qualidade

Leia mais

Sem Mais Desculpas Treinamentos E porque? O que é vender no mundo de hoje O que você verá neste curso:

Sem Mais Desculpas Treinamentos E porque? O que é vender no mundo de hoje O que você verá neste curso: A Sem Mais Desculpas Treinamentos defende um conceito chamado Comportamento Comercial. Acreditamos que todas as pessoas, em todas as funções, necessitam ter uma visão e uma atitude comercial daquilo que

Leia mais

Unidade de Projetos. Grupo Temático de Comunicação e Imagem. Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais.

Unidade de Projetos. Grupo Temático de Comunicação e Imagem. Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais. Unidade de Projetos de Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais Branding Agosto de 2009 Elaborado em: 3/8/2009 Elaborado por: Apex-Brasil Versão: 09 Pág: 1 / 8 LÍDER DO GRUPO

Leia mais

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS Nadia Al-Bdywoui (nadia_alb@hotmail.com) Cássia Ribeiro Sola (cassiaribs@yahoo.com.br) Resumo: Com a constante

Leia mais

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores!

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Empreendedores Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Por meio de um método de aprendizagem único,

Leia mais

Ano: 2012 MATRIZ DE COMPETÊNCIAS COMPORTAMENTAIS. Realiza Consultoria Empresarial Ltda. www.consultoriarealiza.com.br www.flaviopimentel.com.

Ano: 2012 MATRIZ DE COMPETÊNCIAS COMPORTAMENTAIS. Realiza Consultoria Empresarial Ltda. www.consultoriarealiza.com.br www.flaviopimentel.com. Ano: 2012 MATRIZ DE COMPETÊNCIAS COMPORTAMENTAIS Realiza Consultoria Empresarial Ltda. www.consultoriarealiza.com.br www.flaviopimentel.com.br MATRIZ DE COMPETÊNCIAS COMPORTAMENTAIS Alinhadas às Diretrizes

Leia mais

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores!

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Empreendedores Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Por meio de um método de aprendizagem único,

Leia mais

Enquete. O líder e a liderança

Enquete. O líder e a liderança Enquete O líder e a liderança Muitas vezes, o sucesso ou fracasso das empresas e dos setores são creditados ao desempenho da liderança. Em alguns casos chega-se a demitir o líder, mesmo aquele muito querido,

Leia mais

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade).

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). Coordenação Sindicato dos Centros de Formação de Condutores

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA 1. FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO 2. JUSTIFICATIVA. Promover a saúde e a segurança dos servidores e magistrados.

QUALIDADE DE VIDA 1. FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO 2. JUSTIFICATIVA. Promover a saúde e a segurança dos servidores e magistrados. QUALIDADE DE VIDA 1. FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO Promover a saúde e a segurança dos servidores e magistrados. 2. JUSTIFICATIVA Segundo França (1996), a Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) representa

Leia mais

União Metropolitana de Educação e Cultura. Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM

União Metropolitana de Educação e Cultura. Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM União Metropolitana de Educação e Cultura Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM Lauro de Freitas - BAHIA 2013 2 JUSTIFICATIVA A principal justificativa para o desenvolvimento e implementação

Leia mais

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica por Camila Hatsumi Minamide* Vivemos em um ambiente com transformações constantes: a humanidade sofre diariamente mudanças nos aspectos

Leia mais

Conflitos. Conflitos, como superá-los com eficácia? por Alexandre Cristiano Rosaneli

Conflitos. Conflitos, como superá-los com eficácia? por Alexandre Cristiano Rosaneli Conflitos Conflitos, como superá-los com eficácia? por Alexandre Cristiano Rosaneli Conflitos, quem nunca passou por um momento de conflito? A palavra CONFLITO possui uma conotação negativa, sempre imaginamos

Leia mais

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra INTRODUÇÃO As organizações vivem em um ambiente em constante transformação que exige respostas rápidas e efetivas, respostas dadas em função das especificidades

Leia mais

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa.

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa. DIREITO DOS CLIENTES O que esperar de sua empresa de Executive Search Uma pesquisa de executivos envolve um processo complexo que requer um investimento substancial do seu tempo e recursos. Quando você

Leia mais

Sindicato da Indústria de Calçados, Componentes para Calçados de Três Coroas

Sindicato da Indústria de Calçados, Componentes para Calçados de Três Coroas Sindicato da Indústria de Calçados, Componentes para Calçados de Três Coroas Responsável pelo Projeto: Sindicato da Indústria de Calçados, Componentes para Calçados de Três Coroas. 2015 CONCEITOS DE SUSTENTABILIDADE

Leia mais

A Academia está alinhada também aos Princípios para Sustentabilidade em Seguros UNPSI, coordenados pelo UNEP/FI órgão da ONU dedicado às questões da

A Academia está alinhada também aos Princípios para Sustentabilidade em Seguros UNPSI, coordenados pelo UNEP/FI órgão da ONU dedicado às questões da - 1 - Prêmio CNSeg 2012 Empresa: Grupo Segurador BBMAPFRE Case: Academia de Sustentabilidade BBMAPFRE Introdução A Academia de Sustentabilidade BBMAPFRE foi concebida em 2009 para disseminar o conceito

Leia mais

Gestor-líder: processo dinâmico de criação, habilidade, competência para perceber das limitações do sistema e propor solução rápida;

Gestor-líder: processo dinâmico de criação, habilidade, competência para perceber das limitações do sistema e propor solução rápida; AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Administração Escolar DISCIPLINA: Gestão de Políticas Participativas ALUNO(A):Mª da Conceição V. da MATRÍCULA: Silva NÚCLEO REGIONAL:Recife DATA:17/09/2013 QUESTÃO

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

leader coach COUTO Liberando potencial, maximizando resultados. P E R F O R M A N C E

leader coach COUTO Liberando potencial, maximizando resultados. P E R F O R M A N C E leader coach Liberando potencial, maximizando resultados. COUTO P E R F O R M A N C E Objetivo tualmente, vivemos em um mundo de constantes mudanças. ANesse contexto, tão importante, o treinamento Leader

Leia mais

Oficina de Planejamento Estratégico

Oficina de Planejamento Estratégico Oficina de Planejamento Estratégico Conselho Estadual de Saúde Secretaria Estadual da Saúde Paraná, agosto de 2012 Planejamento Estratégico Planejamento: atividade inerente ao ser humano Cada um de nós

Leia mais

REFLEXÃO. (Warren Bennis)

REFLEXÃO. (Warren Bennis) RÉSUMÉ Consultora nas áreas de Desenvolvimento Organizacional e Gestão de Pessoas; Docente de Pós- Graduação; Coaching Experiência de mais de 31 anos na iniciativa privada e pública; Doutorado em Administração;

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO Resende, J.M.; Nascimento Filho, W.G.; Costa S.R.R. INEAGRO/UFRuralRJ INTRODUÇÃO O patrimônio de uma empresa é formado por ativos tangíveis

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

Informações sobre o Curso de Administração

Informações sobre o Curso de Administração Objetivo Geral do Curso: Informações sobre o Curso de Administração Prover a sociedade de profissional dotado de senso crítico e comportamento ético-profissional qualificado. Um Administrador criativo,

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

1 O texto da Constituição Federal de 1988 diz: Art. 7. São direitos dos trabalhadores urbanos e

1 O texto da Constituição Federal de 1988 diz: Art. 7. São direitos dos trabalhadores urbanos e 1 Introdução A presente pesquisa tem como objeto de estudo a inserção da pessoa com deficiência física no mercado de trabalho. Seu objetivo principal é o de compreender a visão que as mesmas constroem

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE Revista Ceciliana Jun 5(1): 1-6, 2013 ISSN 2175-7224 - 2013/2014 - Universidade Santa Cecília Disponível online em http://www.unisanta.br/revistaceciliana EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA

Leia mais

Empreendedorismo de Negócios com Informática

Empreendedorismo de Negócios com Informática Empreendedorismo de Negócios com Informática Aula 5 Cultura Organizacional para Inovação Empreendedorismo de Negócios com Informática - Cultura Organizacional para Inovação 1 Conteúdo Intraempreendedorismo

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031 COORDENADOR PEDAGÓGICO E SUA IMPORTÂNCIA NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM Polyana Marques Lima Rodrigues 1 poly90lima@hotmail.com Willams dos Santos Rodrigues Lima 2 willams.rodrigues@hotmail.com RESUMO

Leia mais

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014 Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 Este relatório baseia-se nas respostas apresentadas no Inventário de Análise Pessoal comportamentos observados através questionário

Leia mais

O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão

O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão Esse artigo tem como objetivo apresentar estratégias para assegurar uma equipe eficiente em cargos de liderança, mantendo um ciclo virtuoso

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 Narjara Bárbara Xavier Silva 2 Patrícia Morais da Silva 3 Resumo O presente trabalho é resultado do Projeto de Extensão da Universidade Federal da

Leia mais

A COMUNICAÇÃO PARA A GESTÃO DA QUALIDADE

A COMUNICAÇÃO PARA A GESTÃO DA QUALIDADE A COMUNICAÇÃO PARA A GESTÃO DA QUALIDADE Narjara Bárbara Xavier Silva 1 Patrícia Morais da Silva 2 RESUMO Este artigo é resultado parcial do Projeto de Extensão da Universidade Federal da Paraíba (UFPB)

Leia mais

Como motivar e liderar uma equipe de alta performance no agronegócio?

Como motivar e liderar uma equipe de alta performance no agronegócio? Como motivar e liderar uma equipe de alta performance no agronegócio? Matheus Kfouri Marino Camila Dias de Sá* A competitividade do agronegócio brasileiro é incontestável e resulta em taxas expressivas

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais