AS RELAÇÕES PÚBLICAS NO GERENCIMENTO DA COMUNICAÇÃO INTERNA FRENTE À MUDANÇA ORGANIZACIONAL NA CLAREAR BENEFICIAMENTO DE CONFECÇÕES LTDA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AS RELAÇÕES PÚBLICAS NO GERENCIMENTO DA COMUNICAÇÃO INTERNA FRENTE À MUDANÇA ORGANIZACIONAL NA CLAREAR BENEFICIAMENTO DE CONFECÇÕES LTDA"

Transcrição

1 1 AS RELAÇÕES PÚBLICAS NO GERENCIMENTO DA COMUNICAÇÃO INTERNA FRENTE À MUDANÇA ORGANIZACIONAL NA CLAREAR BENEFICIAMENTO DE CONFECÇÕES LTDA Andressa Cristina de Oliveira Lucas Fernandes Konishi Tiemy da Silva Moura Professora Orientadora: Maristela Romagnole de Araújo Jurkevicz 1 INTRODUÇÃO No cenário atual, em que apenas as mudanças são uma constante, exige-se cada vez mais preparo por parte das organizações para absorvê-las ou até mesmo prognosticá-las. Os empresários podem se proteger contra ameaças do ambiente de diversas formas, porém, há estratégias que posicionam a empresa positivamente no mercado, como a adoção de programas de qualidade, voltados para satisfazer as necessidades do cliente. Neste contexto, a empresa Clarear Beneficiamento de Confecções Ltda vivencia a implantação de um programa de qualidade que tem como meta alcançar a certificação ISO 9001:2000. Deste modo, para a organização atingir os objetivos pretendidos, a comunicação interna surge como um instrumento para alinhar os colaboradores, no que tange a novas práticas de trabalho, bem como equilibrar suas necessidades, para que todos tenham condições de desempenhar o trabalho de modo motivado e correto.

2 2 O trabalho do profissional de relações públicas é então, uma ferramenta estratégica para que, diante do contexto apresentado, possa-se fortalecer o relacionamento entre a organização e o público interno. Os capítulos que seguem, abordam temas que conceituam o leitor quanto à aplicação do plano de relações públicas na empresa, passando pelas mudanças organizacionais, programa de qualidade, cultura organizacional, comunicação interna e por fim, os programas e projetos de comunicação. 2 PANORAMA ATUAL: AS MUDANÇAS ORGANIZACIONAIS Revolução Industrial, Globalização e Era da Informação são momentos que provam as mudanças ocasionadas nas sociedades ao longo do tempo (TOFFLER, 2000). A Clarear é uma de muitas organizações que tem se deparado com cenários substancialmente modificados e vem sentindo a interferência de tais transformações. Para tanto, a empresa tem buscado firmemente a adaptação a esses novos cenários e uma de suas primeiras medidas está sendo a implantação de um programa de qualidade que visa a certificação da ISO 9001:2000. Neste sentido, as organizações devem encarar as mudanças como processos imprescindíveis para a busca de uma melhoria contínua, visto que, somente aquelas que mantiverem uma convivência harmoniosa com as mudanças serão capazes de compreendê-las como um fator de renovação. A condição de sucesso de uma empresa está na capacidade de inovação, tomada em sentido amplo, englobando da tecnologia às novas formas de gerenciamento (PORTER apud WOOD, 2002, p.151). Deste modo, a mudança organizacional suscita em mudança cultural,

3 3 uma vez que envolve novas formas de atuação e percepção do ambiente de trabalho, que podem causar emoções e reações que vão do o otimismo ao medo. Portanto, na Clarear há de se considerar todos os aspectos culturais e intelectuais envolvidos, pois é necessário mudar os valores, os símbolos e as crenças das pessoas, a fim de que a mudança seja positiva, fato este que somente será consumado por meio do gerenciamento da comunicação interna. 3 CLAREAR BENEFICIAMENTO DE CONFECÇÕES LTDA. Fundada em 10 de Dezembro de 1986, a Clarear Beneficiamento de Confecções Ltda está localizada à rua Seimu Oguido, n o 400, Parque ABC II, em Londrina, Paraná. Segundo a classificação utilizada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), que tem como base o número de empregados, a empresa é considerada de médio porte, pois emprega atualmente 220 funcionários, distribuídos nas áreas de atendimento, vendas, administração e produção. Deste modo, o proprietário montou a empresa e iniciou as atividades como lavanderia comercial. Logo em seguida, surgiu o stone wash, ou seja, o processo de estonagem de jeans e outros artigos. Momento decisivo para a Clarear, que passou, em 1987, a atuar como lavanderia industrial e expandir seu mercado. Esta expansão trouxe a necessidade de investimento em estrutura física, o que ocasionou a mudança para o atual endereço, em Com a adoção dos sistemas de lavagens em jeans e demais tecidos, houve aprimoramento da empresa, tornando-se as lavagens, a atividade que mais caracteriza os serviços prestados pela organização. Aa Clarear atende confecções que desenvolvem produtos para grandes, médias e pequenas marcas da indústria da moda, sendo que o serviço de

4 4 beneficiamento oferecido é considerado de efeitos irreversíveis. Assim, os erros ocasionados no processo de produção, bem como falta de um planejamento e controle efetivo e adequado para a produção, inexistência de integração entre as atividades específicas de cada setor, ausência de visão do todo da organização por parte dos funcionários, carência de mão-de-obra qualificada e especializada, e por fim, os funcionários, que de modo geral, estão insatisfeitos com questões salariais e de benefícios são os fatores que determinam as dificuldades pelas quais a Clarear está passando. Problemas como os citados acima, têm provocado conseqüências como a insatisfação dos clientes, uma vez que, as peças confeccionadas muitas vezes não atendem à qualidade esperada. Essas situações têm provocado um alto índice de indenizações pagas aos clientes mais exigentes, ocasionando em custos e prejuízos para a empresa. Fato este que contribui para a implantação do programa de qualidade na Clarear. Porém, a participação do colaborador é um fator a ser trabalhado, pois um programa de qualidade deve ser aceito segundo a motivação do funcionário, identificando-o com os objetivos da empresa e não em favor dos objetivos pessoais dos níveis hierárquicos superiores. Portanto, o trabalho de relações públicas visa motivar e envolver os funcionários para uma filosofia a ser adotada, não apenas como um trabalho a mais, além de informar e esclarecer o que é um programa de qualidade e sua finalidade não como forma de persuasão, mas de posicionar o colaborador como parte da empresa e conseqüentemente dos produtos que ela fabrica. A Clarear possui duas instalações no mesmo terreno, a primeira, da produção, é percebida como bastante estressante e confusa, em função do ritmo da produção; da visão deficitária de equipe de grande parte dos funcionários; das

5 5 dificuldades de comunicação interpessoal e intergrupal; do próprio ambiente de trabalho e dos riscos que ele oferece em função das atividades da empresa que não possui um controle eficiente. Já a segunda, administrativa, quando comparada a primeiro, apresenta-se mais amigável e organizada, apesar de tensa, isto em função do pequeno número de funcionários em setores como financeiro, diretoria, show room e gestão de pessoas, além do fato de que estes setores possuírem muito mais apurada a visão do todo da empresa (visão sistêmica) em relação aos demais. Esta cisão espacial torna-se uma quebra também de relacionamento, o que dificulta a atuação da empresa enquanto unidade. Desta forma, todos estes fatores apontados serviram de ponto de partida para uma intensa colaboração das atividades de relações públicas para o desenvolvimento da organização. 4 PROGRAMA DE QUALIDADE: O FATOR DE MUDANÇA Com a globalização e as mudanças freqüentes que estas provocam no mercado de produtos ou serviços, as empresas necessitam implementar meios para manutenção ou obter fatias maiores do mercado, a fim de garantir uma vantagem competitiva. Uma das medidas tomadas por muitas empresas para que o consumidor não tenha dúvidas da procedência daquilo que oferece ao mercado, são os programas de qualidade total, que inicialmente foram adotados por empresas norteamericanas com o intento de frear o consumo de bens advindos do oriente que possuíam qualidade superior e que ganhavam preferência entre os consumidores. Dentro do espectro de possíveis significações, as definições de

6 6 qualidade na visão de Juran são: A qualidade consiste nas características do produto que vão ao encontro das necessidades dos clientes e dessa forma proporcionam a satisfação em relação ao produto, [ou ainda], qualidade é ausência de falhas (JURAN, 1991, p.11). Conclui-se assim, que uma vez que a qualidade do produto ou serviço venha ao encontro das necessidades do cliente, a organização será competitiva no mercado, o que requer cuidados ao se implantar um programa de qualidade, devido à instabilidade que pode causar nos colaboradores. Tendo em vista que o programa de qualidade será implantado na Clarear, uma empresa que possui uma cultura já definida, dado seu tempo de existência, algumas considerações podem ser feitas. Primeiramente, um programa de qualidade não consiste somente em índices e metas anuais, como simples receitas a seguir: Modismos realmente parecem fazer parte do dia-a-dia das organizações. Existe procura de fórmulas mágicas, conceitos simples que condensem todo um corpo complexo de idéias. Dado a dificuldade de implementar mudanças, principalmente em grandes empresas, com intrincadas redes de poder, é fácil compreender os pacotes como uma possível via preferencial. Isto não elimina suas limitações, pois geralmente são soluções simplistas e nem sempre adequadas ao problema. (WOOD, 2002, p. 169). Em segundo lugar, a cultura que os colaboradores possuem podem ser um entrave para a adoção do programa, uma vez que podem resistir à nova filosofia por vê-la somente como um aumento da carga de trabalho, sem recursos adicionais ou outros benefícios. Enfim, a terceira consideração é que a adoção de um novo método de trabalho deve partir do estímulo do próprio colaborador e não em razão dos objetivos individuais dos dirigentes da empresa, de forma obrigatória. Assim, os funcionários podem não estar de acordo com a nova filosofia e se distanciarem dos objetivos propostos, atrapalhando o desenvolvimento do programa de qualidade. Estes três pontos colocados são os que devem ser evitados para que a

7 7 Clarear atinja os objetivos propostos, a fim de equilibrar a visão e conhecimento dos funcionários quanto ao programa de qualidade. Recentemente as normas ISO passaram por modificações em relação ao modelo anterior, de 1994, baseando-se agora em oito princípios para garantir a qualidade dos produtos para seus clientes. Sinteticamente, de acordo com Maranhão (2001, p.11), os pontos que norteiam a ISO 9001:2000 são: 1. Foco no cliente; 2. Liderança; 3. Engajamento das pessoas; 4. Abordagem dos processos; 5. Abordagem sistêmica para a gestão; 6. melhoria contínua; 7. Abordagem factual para tomada de decisões; 8. Benefícios mútuos nas relações com os fornecedores. Para que a atuação do profissional de relações públicas seja dirigida em função da filosofia de trabalho que a ISO 9001:2000 estabelece, aliada à especialidade em relacionamentos e comunicação, os pontos referentes à liderança e o engajamento das pessoas poderão ser trabalhados. Assim, com as atividades de relações públicas pretende-se suprir as necessidades de informações sobre as mudanças organizacionais referentes a adoção do programa de qualidade, especificamente as direcionadas aos líderes formais e informais. Estes devem transmitir as suas equipes de trabalho o modus operandi e obter a efetiva participação e comprometimento do funcionário neste processo, a fim de que haja uma sinergia entre as expectativas do colaborador com a exigência do programa de qualidade, por meio da disseminação constante de informações e valores que tragam os indivíduos para a atual realidade da empresa. 5 CULTURA ORGANIZACIONAL A cultura organizacional interfere diretamente nos processos da organização e o seu gerenciamento determina o sucesso ou fracasso das ações

8 8 empresariais a serem implementadas. Em um ambiente de mudança os indivíduos são afetados diretamente, o que altera o padrão de comportamento dos mesmos, conseqüentemente a cultura. Para que se possa chegar a um entendimento sobre cultura organizacional expõe-se a visão de Schein acerca da temática: Conjunto de pressupostos básicos que um grupo inventou, descobriu, ou desenvolveu, ao aprender a lidar com os problemas de adaptação externa e integração interna e que funcionaram bem o suficiente para serem considerados válidos e ensinados a novos membros como a forma correta de perceber, pensar e sentir com relação a esses problemas (SCHEIN, 1992, p.9). A cultura organizacional tem sua formação marcada por fases que se iniciam desde a fundação da organização, passando pelo crescimento organizacional, atingindo o nível de amadurecimento até a sua renovação ou falecimento. Dessa forma, por meio do estudo da cultura organizacional na Clarear, será possível conhecer de modo mais profundo e amplo, todas as nuances da organização, pois somente assim, as relações públicas estarão mais aptas a criar ações adequadas na busca dos resultados almejados. Diante deste fato, torna-se necessário superar as barreiras dos antigos comportamentos, uma vez que se conhecendo o comportamento do público interno, é possível direciona-los diante da instabilidade causada pela adoção do programa de qualidade, atingindo a adesão dos funcionários para o mesmo. 6 COMUNICAÇÃO INTERNA Diversos fatores como a revolução tecnológica e a globalização estabeleceram uma nova relação entre as organizações e o público interno, na qual a postura de ambos sofreu profundas modificações.

9 9 Na década de 60, a comunicação empresarial, diferentemente de como deve ser entendida atualmente, era segmentada e desenvolvida isoladamente. Segundo Bueno (2003, p.5), suas atividades implicavam basicamente em edição de house organs, organizações de eventos e campanhas internas. Além disso, tais atividades eram exercidas por profissionais de áreas distintas, o que gerava uma comunicação difusa, e na maioria das vezes contraditória, repleta de conflitos internos. Nos anos 90 a comunicação deixou de ser um conjunto desintegrado de funções e atividades para tornar-se um sistema de elementos interligados que devem trabalhar em sintonia com os objetivos e metas gerais da organização. Portanto, a comunicação interna apresenta-se como uma ferramenta estratégica para equilibrar os interesses dos funcionários e da empresa, por meio de estímulo ao diálogo, troca de informações e experiências, bem como a integração e participação de todos os níveis organizacionais. No entanto, observa-se que transformar o funcionário em integrante ativo com potencial para contribuir para o desenvolvimento da empresa no intuito de organizar e aplicar as novas demandas geradas pelas mudanças ambientais é o grande desafio, que somente será atingido por meio de uma comunicação planejada com ações voltadas para os colaboradores. Segundo Nassar (2003, p.16), entender a comunicação interna como fator estratégico é criar valor duradouro para a organização, já que, atualmente uma empresa é mais valorizada à medida que evidencia formas institucionais, administrativas e internas de comunicação, indo além da dimensão mercadológica. Item importante, uma vez que, os públicos percebem as organizações por qualquer uma de suas interfaces comunicacionais. As relações com o público interno, de acordo com Andrade (2003,

10 10 p.95), compreendem os funcionários da organização, seus familiares e dependentes, mesmo que nem todos estejam sob um mesmo teto. Deve-se levar em consideração o vínculo da venda do trabalho por algum tipo de remuneração. Defendo que público interno é o mais estratégico - e, portanto, o mais importante - para a organização. [...] É o que chamo de formadores de opinião para os demais públicos de interesse da empresa (MARCHESI, 2003, p.50). Portanto, os funcionários representam o público da organização que deve ser trabalhado de forma prioritária, pois sua aproximação e integração com a empresa concernem um grande impulso para alcançar os objetivos da mesma. Na realidade da Clarear, a implantação do programa afeta o ambiente interno, o que leva o funcionário a questionar-se sobre o seu papel dentro do processo de mudanças. Neste sentido Bueno (2003) trata da comunicação como espelho da cultura que a empresa possui em torno dela, sendo as ações um retrato que revela como a comunicação é tratada no universo da organização. A comunicação e a cultura de uma organização estão umbilicalmente associadas. Na verdade, a comunicação é o espelho da cultura organizacional, refletindo o processo de gestão. Uma empresa que estimula a participação de seus colaboradores contribuirá para a circulação das informações e para a implementação de canais, formais e informais, a fim de incrementar o relacionamento entre os vários segmentos da organização (BUENO, 2003, p.47). Sabendo-se que é por meio da comunicação interna que a Clarear terá condições para se adaptar às mudanças provocadas pela adoção do programa de qualidade, destaca-se um elemento decisivo para que o processo comunicacional aconteça corretamente: o líder. A liderança exerce papel fundamental no gerenciamento da comunicação interna, uma vez que, detém de influência pessoal e pode, mesmo involuntariamente, exercer controle no ambiente profissional, produzindo situações

11 11 positivas ou negativas em relação à comunicação, já que é o líder o responsável por conquistar níveis de comprometimento nos colaboradores. Uma outra questão referente à liderança que muito contribui para a viabilização do processo de comunicação é a atitude do indivíduo que lidera quanto ao relacionamento com as pessoas, pois, cabe a ele conviver e administrar diferenças de personalidades, fortalecendo relações interpessoais e sensibilizando a equipe, para que esta se torne ativa quanto à execução da comunicação interna e, para que tenha sucesso é preciso conhecer em profundidade o público interno, além de identificar e estimular os líderes a exercerem o seu devido papel. O gerenciamento da comunicação interna enquanto meio de atingir o público, informando-o a respeito das nuances da organização representa o grande desafio para as relações públicas no que tange a criação de formas e métodos de comunicação para promover um fluxo de informações adequado aos diferentes segmentos do público interno. 7 A GESTÃO DAS RELAÇÕES PÚBLICAS Diante das incertezas e instabilidades que as organizações enfrentam na atualidade em um mercado globalizado, é fundamental que estas se preparem para lidar com os novos desafios. Na realidade, qualquer empresa que está sujeita ao mercado e compartilha da livre-concorrência com as demais organizações é automaticamente cúmplice do processo das modificações e deve agir de forma a adaptar-se às mutações previstas, já que nenhuma empresa está imune as crises. Neste contexto, surge a oportunidade para as relações públicas cumprirem seu papel estratégico na construção de relacionamentos com os públicos

12 12 das organizações. Naquilo que tem de melhor para oferecer, relações públicas é uma ponte para as mudanças. É um meio para se ajustar a novas atitudes que foram causadas pelas mudanças. É um meio de estimular de modo a criar mudanças. Procura ajudar uma organização a ver a sociedade como um todo em vez de através de um único (e intensificado) ponto de vista. Supre o bom senso, criatividade e habilidades que fazem com que grupos em mudanças se ajustem uns aos outros (LESLY, 1995, p.20). Na perspectiva apresentada, emerge o conceito das relações públicas que implica a noção do interesse geral da informação útil a todos para a formação da opinião dos públicos favorável ao desenvolvimento organizacional. De acordo com definição oficial da ABRP (Associação Brasileira de Relações Públicas), entende-se por relações públicas: [...] o esforço deliberado, planificado, coeso e contínuo da alta administração, para estabelecer e manter uma compreensão mútua entre uma organização, pública ou privada, e seu pessoal, assim como entre essa organização e todos os grupos aos quais está ligada, direta ou indiretamente (ANDRADE, 1993, p.41). Portanto, conclui-se que as atividades de relações públicas não se restringem à aplicação de técnicas de comunicação, são também função administrativa, na medida em que transmite e interpreta as informações de uma organização para seus diferentes públicos, bem como traz à administração, conhecimentos quanto ao interesse público. A adoção de uma filosofia de relações públicas por uma empresa, implica em satisfazer os interesses particulares dos citados públicos e de outros os quais venha a se relacionar. Assim, a empresa que melhor satisfizer os interesses desses grupos conseguirá melhor relacionamento com eles. Entretanto, de acordo com o fundamento ético das relações públicas, uma correta filosofia não significa o que o público gosta de ouvir, mas consiste em fazer o que o público sabe que é certo (WEY, 1986, p.24). No entanto, para que os programas de relações públicas se tornem viáveis, as organizações devem considerar a importância do relacionamento com seus empregados, uma vez que, o público interno constitui a base para a performance organizacional frente às mudanças desejadas. Nessa dimensão, apresenta-se o profissional de relações públicas que procurará envolver, por meio do diálogo, o público interno ao processo de mudança, na

13 13 busca de comprometimento e engajamento dos mesmos, ao se trabalhar na essência os valores das pessoas que compõem o sistema empresarial. A estratégia de Relações Públicas [...] é a arte de empregar recursos de comunicação, para atingir objetivos e dar suporte técnico e administrativo para o desenvolvimento harmônico e humano da instituição e seus públicos, considerando a dimensão total dos conflitos que envolvem todos os campos: político, econômico e psicossocial (ALBUQUERQUE, 1983, p.21). Para tanto, torna-se imperativo que o profissional se responsabilize pela administração dos relacionamentos humanos, mediante um planejamento estratégico da comunicação. Para Andrade (2003, p.43), as funções de planejamento alcançam as programações específicas de relações públicas, com observância da política e de metas estabelecidas pela administração, envolvendo aspectos de orientação e formalização dos objetivos e de fixação de prioridades. 7.1 Plano de Comunicação em Relações Públicas Após as abordagens teóricas vistas no fluxo do trabalho que forneceram suporte para amenizar o quadro de incertezas causado aos colaboradores pela introdução da gestão da qualidade, o presente plano de comunicação buscou estreitar relacionamento entre a alta administração e seu público interno, uma vez que o segundo necessita ser direcionado quanto à adaptação da filosofia a ser adotada, a fim de que esteja apto a agir conjuntamente no contexto de mudança. 7.2 Objetivo Geral Gerenciar a comunicação interna a fim de conquistar o envolvimento e comprometimento dos colaboradores, para que a mudança mediante a implantação do

14 14 programa de qualidade seja efetiva. 7.3 Objetivos Específicos Sensibilizar e conquistar o envolvimento e comprometimento dos funcionários, engajando-os com a filosofia do programa de qualidade; Promover a Identificação do público interno com a empresa; Envolver líderes e subsidiá-los de informações para que estas sejam transmitidas aos demais colaboradores; Integrar os setores da organização; Auxiliar na implantação do programa de qualidade. 7.4 Estratégias Criação de veículos de comunicação adequados para os segmentos do público interno; Formalização da missão e visão da empresa; Resgate da história da empresa; Participação dos colaboradores na construção e elaboração dos veículos de comunicação; Desenvolvimento de oficinas voltadas para alcançar o espírito de equipe e liderança; Programação de reuniões com gerências e colaboradores; Auxílio na implantação de projetos vinculados ao programa de qualidade.

15 Programa informação Tendo em vista que a informação é matéria-prima para o conhecimento da realidade e das ações organizacionais, além da inserção do público interno na filosofia de trabalho exigida frente à implantação da gestão da qualidade, a finalidade deste programa foi manter este público informado sobre os acontecimentos na empresa e no ambiente em que está inserida, a fim de alcançar o envolvimento dos colaboradores com os objetivos da organização. Projeto Clarear em Reforma Com a mudança iniciada mediante a implantação do programa de qualidade na Clarear, tornou-se necessário construir um veículo de comunicação para informar os funcionários sobre o que é um programa de qualidade e quais as responsabilidades exigidas pelo mesmo. Desta forma, o projeto Clarear em Reforma constituiu-se na formulação de um manual auto-explicativo em formato de uma história em quadrinhos sobre a gestão da qualidade. Para chegar ao material final, foi elaborado um roteiro baseado em teorias voltadas para a gestão da qualidade, na qual buscou-se informar não apenas o que é um programa de qualidade e o papel de cada um neste processo, mas também quais são os benefícios do programa para os colaboradores, a fim de valorizá-los e estimulá-los com a proposta. A distribuição dos gibis está prevista para a segunda quinzena do mês de dezembro, na qual será realizado um café da manhã.

16 16 Projeto Clareando Os colaboradores possuíam poucas informações sobre a organização e sobre temáticas de cultura em geral. Deste modo buscou-se um meio que levasse informação a eles sobre assuntos úteis dentro e fora da Clarear. Assim, para a execução deste projeto criou-se um jornal mural, intitulado Antenado, na qual a linguagem utilizada foi trabalhada de acordo com a necessidade do colaborador, remetendo à língua falada, o que facilitou a recepção das mensagens. A periodicidade do jornal mural é semanal e teve início no final do mês de agosto de Até o momento nota-se que muitos colaboradores se interessam pelas informações que são veiculadas no Antenado e ajudam na construção das matérias, parabenizam a iniciativa e vêem o veículo como uma forma de serem ouvidos, devido às exigências que fazem via caixa de sugestões ou por meio de conversas informais, nas quais comentam e opinam sobre as matérias. 7.6 Programa identidade O programa Identidade objetivou-se em disseminar valores que permitiram fortalecer a identidade da empresa com o público interno. Deste modo, o projeto Memórias resgatou a história da Clarear, que diante da realidade vivenciada pelo programa da qualidade, foi transformada em instrumento de comunicação interna, no intuito de despertar nos colaboradores um maior comprometimento na viabilização das mudanças organizacionais. Ainda assim, foi necessário, por meio do projeto Quem Somos, injetar conhecimentos referentes à missão e visão, bem como, colocá-los em prática, para que

17 17 os colaboradores percebessem a importância de equilibrar interesses e objetivos próprios aos da empresa. Projeto Memórias Este projeto buscou resgatar e retratar a história da Clarear desde sua fundação aos dias atuais, visto que, sua trajetória desempenha um papel fundamental para a identificação e consolidação de valores que geram o comprometimento do colaborador para com a empresa. Após a realização de pesquisas e entrevistas com a diretoria e colaboradores, dividiu-se a história da Clarear em 16 capítulos que são apresentados semanalmente na coluna Conheça a Clarear do jornal mural Antenado. O encerramento deste projeto se dará no dia 18 de dezembro de 2005, quando ocorrerá a confraternização de fim de ano. Neste dia será montada uma exposição resgatando toda a história da empresa narrada no jornal mural, além de uma galeria de fotos, matérias e outros artigos coletados com os diretores e os colaboradores da Clarear. Todos esses materiais serão arquivados para que posteriormente todos os colaboradores tenham acesso. Projeto Quem Somos O presente projeto foi embutido no primeiro módulo da oficina Comunicação e Liderança que será vista mais adiante no programa Integração. Primeiramente, foi realizada uma reunião com o diretor Laércio João Rockenbach, para averiguar suas intenções quanto ao futuro que espera da Clarear e o que esta representa para a sociedade.

18 18 Após esta etapa, realizou-se a oficina para os líderes formais e informais da empresa, a fim de que estes iniciassem a formalização da missão e visão da Clarear. Trabalhou-se com o primeiro grupo no dia 25/10 com 18 convidados e com o segundo no dia 08/11, que teve a participação de 24 líderes. Ao fim da oficina foram escolhidas quatro missões e quatro visões, sendo estas arquivadas com as frases formalizadas pelo diretor. O projeto Quem Somos está em andamento. Será realizada uma reunião no dia 5 de dezembro para promover uma discussão sobre as missões e visões formuladas, para enfim serem levadas aos demais colaboradores, para que todos participem da construção das frases e definam a missão e visão final da Clarear por meio de uma eleição. 7.7 Programa aproximação O programa objetivou aproximar o público interno, fornecendo informações que o auxilie no cotidiano e melhore a qualidade de vida, além de adotar valores que prezam a organização enquanto unidade para aproximá-lo aos objetivos da empresa, favorecendo o diálogo com a alta administração. Projeto Educando Para a viabilização do projeto buscou-se trabalhar primeiramente temas abrangentes que sirvam de apoio para o colaborador em sua vida pessoal. A saúde foi um tema bastante pesquisado e, tendo em vista os parceiros da Clarear, dentre eles a Rede Drogamais, firmou-se parceria para a realização de uma palestra sobre sexualidade e qualidade de vida.

19 19 A palestra ocorreu no dia 5 de outubro em dois horários e a temática foi explanada pelo médico Fernando José Felipe de Paula, ginecologista, que expôs as características sexuais dos seres humanos desde a infância à velhice e que levantaram muitas dúvidas nos colaboradores. O evento foi marcado pela presença de um número elevado de funcionários, com a participação de 72, que aprovaram a iniciativa. Projeto Comemoração 19 anos de Clarear No dia 10 de dezembro de 2005, a empresa Clarear completará 19 anos de sua fundação. Assim, para criar a identificação do colaborador com a organização, para envolvê-lo, integrá-lo e valorizá-lo enquanto colaborador será promovido um evento de confraternização. O projeto será realizado mediante o dinheiro arrecado com a reciclagem de lixo, visto que foi implantada na empresa a coleta seletiva de acordo com o projeto Reciclando descrito no programa Auxiliar da Qualidade. O evento está marcado para ocorrer no dia 18 de dezembro de 2005 na sede campestre do SINTVEST (Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias de Vestuário de Londrina e Região). Neste dia haverá uma exposição resgatando toda a história da Clarear, conforme levantada pelo projeto Memórias do programa Identidade, para retratar a trajetória percorrida pela empresa. 7.8 Programa auxiliar da qualidade Com a implantação da gestão da qualidade na Clarear, este programa voltou-se para auxiliar o comitê da qualidade na aplicação dos 3 Rs (redução, reutilização e reciclagem) na empresa.

20 20 Deste modo, buscou-se por meio do projeto Reciclando, inserir conceitos que habituem o colaborador a agir corretamente em relação à cidadania e ao meio ambiente, incentivando-o a atuar em prol da sociedade. Projeto Reciclando O Projeto Reciclando buscou sensibilizar os colaboradores quanto ao respeito e consciência com o meio ambiente, além de revelar que a separação correta do lixo oferece vantagens para a qualidade de vida e melhorias nas condições de trabalho. Para a execução deste projeto foi instituído na empresa o sistema de coleta seletiva, e, para explicar e sensibilizar os colaboradores quanto à separação e reciclagem do lixo, além de sua responsabilidade em relação às questões ambientais, realizou-se uma palestra acerca do tema no dia 23 de setembro, em dois horários, ministrada pela professora Irene Mologni da UEL. Durante sua explanação, a convidada informou os benefícios da coleta seletiva, o tempo de decomposição dos materiais e ensinou aos colaboradores quais eram os lixos recicláveis e como separá-los corretamente. Além disso, os colaboradores receberam como material de apoio, uma cartilha com outras informações a respeito do lixo e o processo de reciclagem. O evento contou com a participação de 42 funcionários, sendo a maioria colaboradores de produção.

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

Os Veículos de Comunicação Dirigida da Embrapa Soja

Os Veículos de Comunicação Dirigida da Embrapa Soja Os Veículos de Comunicação Dirigida da Embrapa Soja FERREIRA, L.L. 1, GALERANI, G.S.M. 2, 1 Universidade Estadual de Londrina UEL, Cx. Postal 6001 CEP 86051-990 - Londrina - PR, 2 Embrapa Soja O profissional

Leia mais

A ATUAÇÃO ESTRATÉGICA DE RELAÇÕES PÚBLICAS NA COMUNICAÇÃO INTERNA. Palavras-chave: Comunicação Interna; Público Interno; Relações Públicas.

A ATUAÇÃO ESTRATÉGICA DE RELAÇÕES PÚBLICAS NA COMUNICAÇÃO INTERNA. Palavras-chave: Comunicação Interna; Público Interno; Relações Públicas. A ATUAÇÃO ESTRATÉGICA DE RELAÇÕES PÚBLICAS NA COMUNICAÇÃO INTERNA Thais P. P. Jerônimo Duarte A comunicação permeia todas as atividades de uma organização, uma vez que é por meio dela que todos os públicos

Leia mais

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DO SERVIÇO FEDERAL DE PROCESSAMENTO DE DADOS (SERPRO) - PCS A Política de Comunicação do Serviço

Leia mais

COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL INTERNA UM ESTUDO DE CASO RESUMO

COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL INTERNA UM ESTUDO DE CASO RESUMO COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL INTERNA UM ESTUDO DE CASO Fábio William da Silva Granado 1 Marluci Silva Botelho 2 William Rodrigues da Silva 3 Prof Ms. Edson Leite Lopes Gimenez 4 RESUMO Realizou-se uma análise

Leia mais

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável Felipe de Oliveira Fernandes Vivemos em um mundo que está constantemente se modificando. O desenvolvimento de novas tecnologias

Leia mais

Fundação Parque Zoológico de São Paulo Projeto Experimental 1

Fundação Parque Zoológico de São Paulo Projeto Experimental 1 Fundação Parque Zoológico de São Paulo Projeto Experimental 1 Fabiane Silveira GOMES 2 Claudia Nociolini REBECHI 3 Universidade Metodista de São Paulo - UMESP, São Paulo, SP RESUMO Em posse de dados cruciais

Leia mais

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÕES GERENCIAIS UM ESTUDO DE CASO

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÕES GERENCIAIS UM ESTUDO DE CASO COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÕES GERENCIAIS UM ESTUDO DE CASO Fábio William da Silva Granado 1 Marluci Silva Botelho 2 William Rodrigues da Silva 3 Prof Ms. Edson Leite Lopes Gimenez 4 RESUMO O presente trabalho

Leia mais

Plano de Comunicação para o Hospital Infantil Varela Santiago¹

Plano de Comunicação para o Hospital Infantil Varela Santiago¹ Plano de Comunicação para o Hospital Infantil Varela Santiago¹ José Alves de SOUZA² Maria Stella Galvão SANTOS³ Universidade Potiguar (UnP ), Natal, RN RESUMO Este Plano de Comunicação refere-se a um estudo

Leia mais

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec Capital Intelectual O Grande Desafio das Organizações José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago Novatec 1 Tudo começa com o conhecimento A gestão do conhecimento é um assunto multidisciplinar

Leia mais

O PAPEL DA COMUNICAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES 1. Luciana Jacomini Faculdade de Agudos - FAAG

O PAPEL DA COMUNICAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES 1. Luciana Jacomini Faculdade de Agudos - FAAG O PAPEL DA COMUNICAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES 1 Luciana Jacomini Faculdade de Agudos - FAAG RESUMO A comunicação interna é uma ferramenta fundamental para as organizações no que se refere à obtenção de excelentes

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Contribuições à Criação e Organização de um Núcleo de Voluntariado

Contribuições à Criação e Organização de um Núcleo de Voluntariado Terceiro Setor Contribuições à Criação e Organização de um Núcleo de Voluntariado Para que possamos atuar com voluntários, em projetos sociais, em instituições públicas ou privadas é fundamental que se

Leia mais

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Ana Carolina Trindade e-mail: carolinatrindade93@hotmail.com Karen

Leia mais

Palavras-chave: comunicação, plano de comunicação, impactos organizacionais, ambiente organizacional.

Palavras-chave: comunicação, plano de comunicação, impactos organizacionais, ambiente organizacional. A COMUNICAÇÃO ENTRE SETORES NO AMBIENTE ORGANIZACIONAL AUTORES Fernanda Hiromi Iwai Okabe Jocimara Jane dos Santos Paula e Oliveira Marlon Subtil Pazinato Mayra de Albuquerque Vita Ulisses Fernandes Alves

Leia mais

Palavras-chave: comunicação interna; relacionamento, relações públicas; stakeholder

Palavras-chave: comunicação interna; relacionamento, relações públicas; stakeholder Comunicação Interna na Gestão do Relacionamento com os Funcionários 1 Mestranda Vera Elisabeth Damasceno Corrêa PPGCOM/UFRGS 2 e Professora do Curso de Relações Públicas das Faculdades Integradas de Taquara

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Sindicato da Indústria de Calçados, Componentes para Calçados de Três Coroas

Sindicato da Indústria de Calçados, Componentes para Calçados de Três Coroas Sindicato da Indústria de Calçados, Componentes para Calçados de Três Coroas Responsável pelo Projeto: Sindicato da Indústria de Calçados, Componentes para Calçados de Três Coroas. 2015 CONCEITOS DE SUSTENTABILIDADE

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS Manual de Aplicação Questionário de Levantamento Organizacional e de Fatores Humanos Brasília, novembro

Leia mais

Comunicação Interna e Publicidade: uma relação de ajuda mútua 1

Comunicação Interna e Publicidade: uma relação de ajuda mútua 1 1 Comunicação Interna e Publicidade: uma relação de ajuda mútua 1 Danielle Rocha Gonzales 2 Resumo: A comunicação de uma organização, para ser eficiente depende de diversos setores e de como os diversos

Leia mais

Competitividade e Resultados: conseqüência do alinhamento de estratégia, cultura e competências.

Competitividade e Resultados: conseqüência do alinhamento de estratégia, cultura e competências. 1 Programa Liderar O Grupo Solvi é um conglomerado de 30 empresas que atua nas áreas de saneamento, valorização energética e resíduos. Como alicerce primordial de seu crescimento encontrase o desenvolvimento

Leia mais

PLANO DE CAPACITAÇÃO DO

PLANO DE CAPACITAÇÃO DO www.unp.br PLANO DE CAPACITAÇÃO do Corpo Técnico-Administrativo 2015 Plano de Capacitação do Corpo Técnico-Administrativo 2015 Natal/RN 2015 DIRIGENTES DA UNIVERSIDADE POTIGUAR PRESIDENTE Prof. Marcus

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Recursos Humanos 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Recursos Humanos 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Recursos Humanos 2011-1 DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO LIDERANÇA AUTOCRÁTICA: O RELACIONAMENTO

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO RELACIONAMENTO INTERPESSOAL NO AMBIENTE DE TRABALHO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO

A INFLUÊNCIA DO RELACIONAMENTO INTERPESSOAL NO AMBIENTE DE TRABALHO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO A INFLUÊNCIA DO RELACIONAMENTO INTERPESSOAL NO AMBIENTE DE TRABALHO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO Micaele Rodrigues Feitosa 3, Agna Ligia Pinheiro Máximo 1. Correspondência para: micaele-melo@hotmail.com Palavras-chave:

Leia mais

Negociação: conceitos e aplicações práticas. Dante Pinheiro Martinelli Flávia Angeli Ghisi Nielsen Talita Mauad Martins (Organizadores)

Negociação: conceitos e aplicações práticas. Dante Pinheiro Martinelli Flávia Angeli Ghisi Nielsen Talita Mauad Martins (Organizadores) Negociação: conceitos e aplicações práticas Dante Pinheiro Martinelli Flávia Angeli Ghisi Nielsen Talita Mauad Martins (Organizadores) 2 a edição 2009 Comunicação na Negociação Comunicação, visão sistêmica

Leia mais

RELAÇÕES PÚBLICAS E MARKETING? EIS A QUESTÃO. NA FACULDADE E NO MERCADO DE TRABALHO 1

RELAÇÕES PÚBLICAS E MARKETING? EIS A QUESTÃO. NA FACULDADE E NO MERCADO DE TRABALHO 1 RELAÇÕES PÚBLICAS E MARKETING? EIS A QUESTÃO. NA FACULDADE E NO MERCADO DE TRABALHO 1 Jeaine Cardoso Soares 2 Resumo Parafraseando a célebre indagação Shakespeariana: Ser ou não ser, eis a questão e aproveitando

Leia mais

Comunicação dirigida nas organizações: o caso da GPS Net 1. Franciele PIMENTA 2 Joseane Curtis REINAÇO 3

Comunicação dirigida nas organizações: o caso da GPS Net 1. Franciele PIMENTA 2 Joseane Curtis REINAÇO 3 Comunicação dirigida nas organizações: o caso da GPS Net 1 Franciele PIMENTA 2 Joseane Curtis REINAÇO 3 Marcela Guimarães e SILVA 4 Universidade Federal do Pampa, Rio Grande do Sul, RS Resumo: A atividade

Leia mais

RECONHECIDO INTERNACIONALMENTE

RECONHECIDO INTERNACIONALMENTE RECONHECIDO INTERNACIONALMENTE COACHING EDUCATION By José Roberto Marques Diretor Presidente - Instituto Brasileiro de Coaching Denominamos de Coaching Education a explicação, orientação e aproximação

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE Revista Ceciliana Jun 5(1): 1-6, 2013 ISSN 2175-7224 - 2013/2014 - Universidade Santa Cecília Disponível online em http://www.unisanta.br/revistaceciliana EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA

Leia mais

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional Carlos Henrique Cangussu Discente do 3º ano do curso de Administração FITL/AEMS Marcelo da Silva Silvestre Discente do 3º ano do

Leia mais

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES 2º. Bimestre Capítulos: I Ética: noções e conceitos básicos II Processo de Decisão Ética III - Responsabilidade Social Apostila elaborada pela Profa. Ana

Leia mais

PREPARANDO-SE PARA EMPREENDER

PREPARANDO-SE PARA EMPREENDER PREPARANDO-SE PARA EMPREENDER C. Bringhenti, M. Eng.* E. M. Lapolli, Dra.** G. M. S. Friedlaender, M. Eng* * Doutorandos do Curso de Pós Graduação em Engenharia de Produção. Universidade Federal de Santa

Leia mais

MICRO E PEQUENAS EMPRESAS E A SUSTENTABILIDADE

MICRO E PEQUENAS EMPRESAS E A SUSTENTABILIDADE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS E A SUSTENTABILIDADE JULIANA APARECIDA DE SOUZA REIS MAIARA NATALIA MARINHO DUARTE SUSELI SANTOS DIAS RESUMO Neste artigo temos por objetivo apresentar que as micros e pequenas

Leia mais

APLICAÇÃO DA GESTÃO DO CONHECIMENTO NO AUMENTO DA COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL

APLICAÇÃO DA GESTÃO DO CONHECIMENTO NO AUMENTO DA COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL APLICAÇÃO DA GESTÃO DO CONHECIMENTO NO AUMENTO DA COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL Fábio Augusto Aquino Gonçalves 1, Vilma da Silva Santos 2, Paulo Cesar Ribeiro Quintairos 3, Edson Aparecida de Araújo Querido

Leia mais

A Comunicação Interna Perante as Instituições: Um Recorte da Literatura 1

A Comunicação Interna Perante as Instituições: Um Recorte da Literatura 1 A Comunicação Interna Perante as Instituições: Um Recorte da Literatura 1 Cláudio Henrique DOERNER 2 Katyanne Karinne KRULL 3 Valeska dos Santos Dias FRONZA 4 André MUNZLINGER 5 Centro Universitário para

Leia mais

9001:2000 - EPS - UFSC)

9001:2000 - EPS - UFSC) Implantação de um sistema de gestão da qualidade conforme a norma ISO 9001:2000 numa pequena empresa de base tecnológica, estudo de caso: Solar Instrumentação, Monitoração e Controle Ltda. Gustavo Slongo

Leia mais

QUALIDADE NA EDUCAÇÃO

QUALIDADE NA EDUCAÇÃO QUALIDADE NA EDUCAÇÃO Flavia Donel 1, Denise P. Botega 2, Raquel C. Scher 2, João Helvio Righi de Oliveira 3 Engenharia de Produção UFSM 1 Tuiuti, 19/ Santa Maria; RS donel@bol.com.br Universidade Federal

Leia mais

Pesquisa de Clima tornou-se uma ação estratégica de Gestão de Pessoas

Pesquisa de Clima tornou-se uma ação estratégica de Gestão de Pessoas Pesquisa de Clima tornou-se uma ação estratégica de Gestão de Pessoas Boas propostas são essenciais para que uma gestão tenha êxito, mas para que isso ocorra é fundamental que os dirigentes organizacionais

Leia mais

Proposta de Candidatura Diretoria da Presidência Agrobio Consultoria Júnior Gestão 2013. Isabella Assunção Cerqueira Procópio

Proposta de Candidatura Diretoria da Presidência Agrobio Consultoria Júnior Gestão 2013. Isabella Assunção Cerqueira Procópio Proposta de Candidatura Diretoria da Presidência Agrobio Consultoria Júnior Gestão 2013 Isabella Assunção Cerqueira Procópio Janeiro de 2013 1 Sumário 1. Dados Básicos de Identificação...3 2. Histórico

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA NECESSÁRIA RELAÇÃO PARA A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA. Dayane

Leia mais

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Cursos para Melhoria do desempenho & Gestão de RH TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Administração do Tempo Ampliar a compreensão da importância

Leia mais

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 Narjara Bárbara Xavier Silva 2 Patrícia Morais da Silva 3 Resumo O presente trabalho é resultado do Projeto de Extensão da Universidade Federal da

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG.

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Bambuí/MG - 2008 A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Ana Cristina Teixeira AMARAL (1); Wemerton Luis EVANGELISTA

Leia mais

EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO

EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO MÓDULO 15 - Sugestões que podem melhorar a coordenação organizacional O objetivo final da coordenação é obter a sinergia organizacional. Não existem regras mágicas

Leia mais

SALAS INTERATIVAS E AÇÕES COMUNITÁRIAS: EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM TERRÁ INDÍGENA

SALAS INTERATIVAS E AÇÕES COMUNITÁRIAS: EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM TERRÁ INDÍGENA SALAS INTERATIVAS E AÇÕES COMUNITÁRIAS: EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM TERRÁ INDÍGENA Leilane Oliveira Chaves Graduanda em Geografia Universidade Federal do Ceará - UFC, Brasil E-mail: leilane_chaves@hotmail.com

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.)

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Resenha Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Patrícia Morais da Silva 1 Superar as expectativas do mercado atendendo de forma satisfatória as demandas dos clientes

Leia mais

São distintos os conteúdos expostos pela comunicação interna e externa:

São distintos os conteúdos expostos pela comunicação interna e externa: 31 6 COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL Um dos principais objetivos da comunicação institucional é o estabelecimento de relações duradouras com os seus públicos. Isso é possível através de ações personalizadas

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas

MBA em Gestão de Pessoas REFERÊNCIA EM EDUCAÇÃO EXECUTIVA MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Profª. Dra. Ana Ligia Nunes Finamor A Escola de Negócios de Alagoas. A FAN Faculdade de Administração e Negócios foi fundada

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

BIC AMAZÔNIA S.A. RELATÓRIO DE DESEMPENHO SOCIAL JANEIRO DE 2015 I - APRESENTAÇÃO

BIC AMAZÔNIA S.A. RELATÓRIO DE DESEMPENHO SOCIAL JANEIRO DE 2015 I - APRESENTAÇÃO BIC AMAZÔNIA S.A. RELATÓRIO DE DESEMPENHO SOCIAL JANEIRO DE 2015 I - APRESENTAÇÃO A unidade BIC Amazônia está localizada na cidade de Manaus, no Estado do Amazonas, onde são produzidos canetas, lápis,

Leia mais

Plano de Comunicação da Associação dos Catadores de Lixo de Parintins ASCALPIN 1

Plano de Comunicação da Associação dos Catadores de Lixo de Parintins ASCALPIN 1 1 Plano de Comunicação da Associação dos Catadores de Lixo de Parintins ASCALPIN 1 Sebastião Janderson Torres da Silva 1 Soriany Simas Neves 2 Universidade Federal do Amazonas - UFAM Resumo: Este artigo

Leia mais

SUGESTÕES DE ATIVIDADES PARA APLICAÇÃO DA METODOLOGIA DE ACOMPANHAMENTO DE ACADÊMICOS DO PROJETO COMUNITÁRIO DA PUCPR

SUGESTÕES DE ATIVIDADES PARA APLICAÇÃO DA METODOLOGIA DE ACOMPANHAMENTO DE ACADÊMICOS DO PROJETO COMUNITÁRIO DA PUCPR PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PUCPR PRÓ-REITORIA COMUNITÁRIA DIRETORIA DE PASTORAL E IDENTIDADE INSTITUCIONAL NÚCLEO DE PROJETOS COMUNITÁRIOS SUGESTÕES DE ATIVIDADES PARA APLICAÇÃO DA METODOLOGIA

Leia mais

NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES

NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES Por cerca de 50 anos, a série Boletim Verde descreve como a John Deere conduz os negócios e coloca seus valores em prática. Os boletins eram guias para os julgamentos e as

Leia mais

O PLANEJAMENTO ESTRATÉGIO EM RECURSOS HUMANOS: Um Estudo de Caso das Melhores Empresas para se Trabalhar segundo o Guia VOCÊ S/A EXAME

O PLANEJAMENTO ESTRATÉGIO EM RECURSOS HUMANOS: Um Estudo de Caso das Melhores Empresas para se Trabalhar segundo o Guia VOCÊ S/A EXAME O PLANEJAMENTO ESTRATÉGIO EM RECURSOS HUMANOS: Um Estudo de Caso das Melhores Empresas para se Trabalhar segundo o Guia VOCÊ S/A EXAME Felipe Barbetta Soares da Silva 1, Vilma da Silva Santos 2, Paulo

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

CollaborativeBook. número 1. Gestão. Processos. por

CollaborativeBook. número 1. Gestão. Processos. por CollaborativeBook número 1 Gestão por Processos Gestão por Processos 2 www.apoenarh.com.br Transformar conhecimento em ação e resultado com o desenvolvimento e aplicação de soluções de aprendizagem diferenciadas

Leia mais

Capacitando Profissionais

Capacitando Profissionais Capacitando Profissionais 2014 Setup Treinamentos & Soluções em TI www.setuptreinamentos.com APRE SENTA ÇÃ O A atual realidade do mercado de trabalho, que cada dia intensifica a busca por mão-de-obra qualificada,

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis APRESENTAÇÃO A FGV é uma instituição privada sem fins lucrativos, fundada em

Leia mais

PARTICIPAÇÃO, A DIFERENÇA QUE VOCÊ PODE FAZER!

PARTICIPAÇÃO, A DIFERENÇA QUE VOCÊ PODE FAZER! 1 PARTICIPAÇÃO, A DIFERENÇA QUE VOCÊ PODE FAZER! AUTOR E APRESENTADOR: Cristina Garvil Diretora da Superintendência de Água e Esgotos de Ituiutaba SAE Arquiteta, Mestranda em Engenharia de Produção com

Leia mais

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Comunicação empresarial eficiente: Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Sumário 01 Introdução 02 02 03 A comunicação dentro das empresas nos dias de hoje Como garantir uma comunicação

Leia mais

Orientadora: Profa. Dra. Sonia Aparecida Cabestré (USC)

Orientadora: Profa. Dra. Sonia Aparecida Cabestré (USC) Título (Limite de 250 caracteres incluindo os espaços) Título: Relações Públicas e Ferramentas de Comunicação um estudo abordando à realidade de Ibitinga A capital nacional do bordado 1 Autores (Incluir

Leia mais

LIDERANÇA: UMA CHAVE PARA O SUCESSO DA ADMINISTRAÇÃO

LIDERANÇA: UMA CHAVE PARA O SUCESSO DA ADMINISTRAÇÃO 1 LIDERANÇA: UMA CHAVE PARA O SUCESSO DA ADMINISTRAÇÃO Elisângela de Aguiar Alcalde (Docente MSc. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Linda Jennyfer Vaz (Discente do 2º ano do curso de Administração-

Leia mais

O PROCESSO NO GERENCIAMENTO DE EQUIPES NA EMPRESA RS CALDEIRARIA

O PROCESSO NO GERENCIAMENTO DE EQUIPES NA EMPRESA RS CALDEIRARIA O PROCESSO NO GERENCIAMENTO DE EQUIPES NA EMPRESA RS CALDEIRARIA Ana Priscila da Silva Vieira 1 Elizabete Rodrigues de Oliveira 2 Tatiana Nogueira Dias 3 Élcio Aloisio Fragoso 4 Edson Leite Gimenez 5 RESUMO

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROGRAMAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: UMA PERSPECTIVA PARA A IMPLANTAÇÃO DO ESCRITÓRIO DE PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROGRAMAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: UMA PERSPECTIVA PARA A IMPLANTAÇÃO DO ESCRITÓRIO DE PROJETOS GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROGRAMAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: UMA PERSPECTIVA PARA A IMPLANTAÇÃO DO ESCRITÓRIO DE PROJETOS Luis Fernando Vitorino 1, Moacir José dos Santos 2, Monica Franchi Carniello

Leia mais

Planejamento Estratégico de Comunicação Institucional para o IBAMETRO: uma experiência governamental 1

Planejamento Estratégico de Comunicação Institucional para o IBAMETRO: uma experiência governamental 1 Planejamento Estratégico de Comunicação Institucional para o IBAMETRO: uma experiência governamental 1 Gustavo Figueiredo 2 Resumo O IBAMETRO - Instituto Baiano de Metrologia e Qualidade, autarquia ligada

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

ELABORAÇÃO DE WEBSITE PARA AUXÍLIO NA ABERTURA DE MICROEMPRESAS

ELABORAÇÃO DE WEBSITE PARA AUXÍLIO NA ABERTURA DE MICROEMPRESAS 110. ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( x ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ELABORAÇÃO DE WEBSITE PARA

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

Relações Públicas: utilizando a ferramenta essencial para diagnosticar 1

Relações Públicas: utilizando a ferramenta essencial para diagnosticar 1 Relações Públicas: utilizando a ferramenta essencial para diagnosticar 1 Marcio José ARIAS 2 Adriana Simões ESTEVES 3 Ana Aline da SILVA 4 Aline Cristina da ROCHA 5 Mariana de Souza FIGUEIREDO 6 Natalia

Leia mais

TREINAMENTO COMO FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA O CRESCIMENTO ORGANIZACIONAL.

TREINAMENTO COMO FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA O CRESCIMENTO ORGANIZACIONAL. TREINAMENTO COMO FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA O CRESCIMENTO ORGANIZACIONAL. André Murilo de Souza Cavalcante Resumo: Este artigo estuda as etapas do treinamento e suas características, Desta maneira, o

Leia mais

Gestão de Pessoas Diversidade e Competências

Gestão de Pessoas Diversidade e Competências Gestão de Pessoas Diversidade e Competências Gestão de Pessoas ESTRATEGICA 1985 a hoje Aumentar o envolvimento dos colaboradores e integrar sistemas de suporte ADMINISTRATIVA 1965 a 1985 Foco: indivíduos

Leia mais

Sustentabilidade aplicada aos negócios: um estudo de caso da empresa Natura S.A.

Sustentabilidade aplicada aos negócios: um estudo de caso da empresa Natura S.A. Sustentabilidade aplicada aos negócios: um estudo de caso da empresa Natura S.A. Autoria: Silas Dias Mendes Costa 1 e Antônio Oscar Santos Góes 2 1 UESC, E-mail: silas.mendes@hotmail.com 2 UESC, E-mail:

Leia mais

OS CONHECIMENTOS DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA PARA A ESCOLA HOJE

OS CONHECIMENTOS DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA PARA A ESCOLA HOJE OS CONHECIMENTOS DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA PARA A ESCOLA HOJE KOGUT, Maria Cristina - PUCPR Cristina.k@pucpr.br SOUZA, Franciely Prudente de Oliveira - PUCPR franciely.oliveira@pucpr.br TREVISOL,

Leia mais

O gerenciamento da Comunicação Organizacional

O gerenciamento da Comunicação Organizacional O gerenciamento da Comunicação Organizacional Hilbert Reis Comunicação Social Jornalismo UFOP Pesquisador PIP/UFOP Índice 1 Otimização da comunicação integrada 1 2 Estratégias, planejamentos e a gestão

Leia mais

Programa de Desenvolvimento de Competências Comportamentais

Programa de Desenvolvimento de Competências Comportamentais Treinamentos Comportamentais Palestras Motivacionais Processos de Coaching Programa de Desenvolvimento de Competências Comportamentais 1) Objetivos Gerais Desenvolver com a equipe o perfil comportamental

Leia mais

Site institucional da Secretaria de Saúde de Goiânia como comunicação estratégica¹

Site institucional da Secretaria de Saúde de Goiânia como comunicação estratégica¹ Site institucional da Secretaria de Saúde de Goiânia como comunicação estratégica¹ Serena Veloso GOMES² Thamara Rocha Ribeiro FAGURY³ Kalyne Menezes SOUZA4 Silvana Coleta Santos PEREIRA5 Universidade Federal

Leia mais

A Comunicação Digital inserida na Comunicação Organizacional: uma abordagem a partir do Paradigma Relacional no Portal Copa 2014 1

A Comunicação Digital inserida na Comunicação Organizacional: uma abordagem a partir do Paradigma Relacional no Portal Copa 2014 1 1 A Comunicação Digital inserida na Comunicação Organizacional: uma abordagem a partir do Paradigma Relacional no Portal Copa 2014 1 Ana Isaia Barretto 2 Mestranda da Faculdade de Comunicação Social da

Leia mais

Fatores e Indicadores de Desempenho ADP

Fatores e Indicadores de Desempenho ADP Fatores e Indicadores de Desempenho ADP RESPONSABILIDADE / COMPROMETIMENTO COM A INSTITUIÇÃO - Assumir o compromisso na realização das atribuições - Atuar com disposição para mudanças - Buscar qualidade

Leia mais

Motivação de Equipes de Projeto O papel do Gerente de Projetos

Motivação de Equipes de Projeto O papel do Gerente de Projetos Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação em Gestão de Projetos - Turma 150 Agosto/2015 Motivação de Equipes de Projeto O papel do Gerente de Projetos Lucas Rossi Analista de Negócios lucasrossi_@hotmail.com

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 444 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

VIII-003 PREPARO DE RECURSOS HUMANOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA ISO 14001 EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS

VIII-003 PREPARO DE RECURSOS HUMANOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA ISO 14001 EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS VIII-003 PREPARO DE RECURSOS HUMANOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA ISO 14001 EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS Andréia Guaracho Ramos (1) Bacharel em Química e Pós Graduada em Química Industrial pela Fundação

Leia mais

Gestão por Competências

Gestão por Competências Gestão por Competências 2 Professora: Zeila Susan Keli Silva 2º semestre 2012 1 Contexto Economia globalizada; Mudanças contextuais; Alto nível de complexidade do ambiente; Descoberta da ineficiência dos

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

Pós-graduação lato sensu.

Pós-graduação lato sensu. MBA Desenvolvimento e Gestão de Pessoas Pós-graduação lato sensu 1 MBA Desenvolvimento e Gestão de Pessoas Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

1 APRESENTAÇÃO. Página 3 de 16

1 APRESENTAÇÃO. Página 3 de 16 Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 OBJETIVOS... 4 3 PÚBLICO-ALVO DA GESTÃO ESTRATÉGICA... 4 4 INFORMAÇÕES SOBRE O MODELO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DO TCE/RN... 5 4.1 DIRECIONADORES ESTRATÉGICOS... 5 4.2 OBJETIVOS

Leia mais

Faça amizades no trabalho

Faça amizades no trabalho 1 Faça amizades no trabalho Amigos verdadeiros ajudam a melhorar a saúde, tornam a vida melhor e aumentam a satisfação profissional. Você tem um grande amigo no local em que trabalha? A resposta para essa

Leia mais

Profa. Lenimar Vendruscolo Mery 2013 APOSTILA DE GESTÃO DE PESSOAS

Profa. Lenimar Vendruscolo Mery 2013 APOSTILA DE GESTÃO DE PESSOAS APOSTILA DE GESTÃO DE PESSOAS SUMÁRIO 1. O QUE SIGNIFICA GESTÃO DE PESSOAS... 3 2. PRINCIPAIS PROCESSOS DE GESTÃO DE PESSOAS... 3 3. O CONTEXTO DA GESTÃO DE PESSOAS... 4 4. EVOLUÇÃO DOS MODELOS DE GESTÃO...

Leia mais

A beleza é resultado do trabalho de todos. Responsabilidade Compartilhada

A beleza é resultado do trabalho de todos. Responsabilidade Compartilhada Responsabilidade Compartilhada A beleza é resultado do trabalho de todos A preocupação e o fortalecimento do relacionamento com nossos públicos estão presentes em toda a história do Grupo Boticário. Desde

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS Cesar Aparecido Silva 1 Patrícia Santos Fonseca 1 Samira Gama Silva 2 RESUMO O presente artigo trata da importância do capital

Leia mais

Análise de Estratégias e Plano de Comunicação Digital para a Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte 1

Análise de Estratégias e Plano de Comunicação Digital para a Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte 1 Análise de Estratégias e Plano de Comunicação Digital para a Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte 1 Aline Silveira SANTOS 2 Lorena PADRINI 3 Maria Claudia COSTA 4 João de CASTRO 5 Centro Universitário

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

PROJETO GUIA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS. Oficina 5 de Fevereiro de 2013 ENAP Brasília - DF

PROJETO GUIA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS. Oficina 5 de Fevereiro de 2013 ENAP Brasília - DF PROJETO GUIA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Oficina 5 de Fevereiro de 2013 ENAP Brasília - DF 1 Agenda 9h Abertura da Oficina ( 15 min ) o Boas vindas e apresentação individual de todos os participantes e

Leia mais

Seminários Públicos Hay Group 2010

Seminários Públicos Hay Group 2010 Seminários Públicos Hay Group 2010 São Paulo, outubro de 2009 É com grande satisfação que estamos lhe apresentando nosso portfólio de seminários abertos Hay Group 2010. Esclarecemos que todos os seminários

Leia mais

UCAM UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES FRANCISCO DE ASSIS GURGEL A IMPORTÂNCIA DO ERP NA GESTÃO EMPRESARIAL

UCAM UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES FRANCISCO DE ASSIS GURGEL A IMPORTÂNCIA DO ERP NA GESTÃO EMPRESARIAL UCAM UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES FRANCISCO DE ASSIS GURGEL A IMPORTÂNCIA DO ERP NA GESTÃO EMPRESARIAL NATAL RN 2013 UCAM UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES FRANCISCO DE ASSIS GURGEL A IMPORTÂNCIA DO ERP NA GESTÃO

Leia mais

REFLEXÃO. (Warren Bennis)

REFLEXÃO. (Warren Bennis) RÉSUMÉ Consultora nas áreas de Desenvolvimento Organizacional e Gestão de Pessoas; Docente de Pós- Graduação; Coaching Experiência de mais de 31 anos na iniciativa privada e pública; Doutorado em Administração;

Leia mais