Os Desafios das Mudanças nas Tecnologias da Informação para as Empresas de Telecomunicações no Contexto da Estratégia de Customização Maciça

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Os Desafios das Mudanças nas Tecnologias da Informação para as Empresas de Telecomunicações no Contexto da Estratégia de Customização Maciça"

Transcrição

1 Os Desafios das Mudanças nas Tecnologias da Informação para as Empresas de Telecomunicações no Contexto da Estratégia de Customização Maciça Heitor Luiz Murat de Meirelles Quintella, DSc Departamento de Engenharia de Produção - UFF Silvia Zveiter de Albuquerque Rocha Mestranda da UFF Este artigo tem como objetivo analisar, no escopo do setor das telecomunicações, os problemas causados pelas mudanças nas tecnologias da informação (TI), as ações tomadas pelos gestores de sistemas de informação para contornar esses problemas e o grau de sucesso que têm obtido. Analisa também os projetos prioritários para as empresas do setor, de forma a verificar se estão em consonância com a estratégia de Customização Maciça. Hipóteses são levantadas e testadas através de pesquisa de campo. As conclusões da análise dos resultados são: 1- os problemas que afetam com mais intensidade os departamentos de sistemas da informação (SI) das empresas pesquisadas são aqueles relacionados a dilemas de aquisição de novas TI, necessidade de integração de sistemas e demandas de treinamento; 2 como mecanismos de reação a estes problemas, os departamentos de SI das empresas pesquisadas utilizam com mais intensidade as ações relacionadas a educação e treinamento; suporte do fornecedor; suporte interno e implantação de novos procedimentos, e estas ações estão entre aquelas que apresentam maior intensidade de sucesso; 3 as empresas do setor de telecomunicações não priorizam os sistemas de informação que suportam os processos das atividades de valor associadas ao paradigma da customização maciça. Palavras-chave: customização maciça; tecnologia da informação; impacto ambiental.

2 2 Introdução As empresas do setor de telecomunicações têm enfrentado um mercado turbulento em todo o mundo. Especificamente no Brasil, com a aprovação da quebra do monopólio estatal das telecomunicações, pelo Congresso Nacional, em 1995, iniciaram-se profundas transformações nas empresas do setor. Fatores como o aumento da concorrência, o mercado consumidor mais exigente e heterogêneo, e o surgimento freqüente de novas tecnologias indicam a necessidade de mudança estratégica para o paradigma da customização maciça (Pine, 1994). Além disso, pesquisas recentes (Cunha, 2004; Paim, 2002) indicam que as empresas do setor de telecomunicações estão de fato se transformando em direção a este paradigma. A inovação tecnológica é a base fundamental da Customização Maciça, pois permite maior flexibilidade de produção e menores ciclos de desenvolvimento de produtos e serviços (Pine et al., 1993). Entretanto, a adoção de novas tecnologias traz consigo novos problemas, que, se não forem bem resolvidos, ou mesmo evitados, podem levar ao fracasso da estratégia competitiva da empresa. Este trabalho utiliza o modelo de impacto do ambiente na gestão de TI (Lederer e Mendelow, 1990) refinado posteriormente por Benamati (Benamati et al., 1997), que o modificou para estudar os impactos das mudanças nas tecnologias da informação sobre a gestão de TI. Além disso, o presente trabalho investiga a prioridade dos projetos de desenvolvimento, implantação e suporte a sistemas de informação pelas empresas do setor de telecomunicações. Os sistemas de informação em questão são aqueles que suportam as atividades primárias da cadeia de valor (Porter, 1986). A seleção destes sistemas de informação foi feita com base em pesquisas anteriores (Cunha, 2004; Quintella e Costa, 1997). O objetivo do trabalho de pesquisa aqui apresentado é investigar de que forma os gestores de SI das empresas do setor de telecomunicações têm buscado o sucesso no desenvolvimento, implantação e suporte dos sistemas de informação sob sua responsabilidade. Visa, além disso, verificar se os projetos de SI prioritários para essas empresas são aqueles que suportam a estratégia de customização maciça. A pesquisa é feita através da investigação de três pontos: a) Os projetos de SI prioritários para as empresas de telecomunicações; b) Os problemas encontrados durante o desenvolvimento, implantação e suporte dos SI, nessas empresas; c) As ações empreendidas pelos gestores de SI dessas empresas para solucionar ou evitar tais problemas e o grau de sucesso dessas ações.

3 3 Três hipóteses são levantadas para esta pesquisa: Hipótese 1: Os problemas que afetam com mais intensidade os departamentos de SI das empresas pesquisadas são aqueles das categorias de Dilemas de aquisição, Nova integração e Demandas de treinamento. Hipótese 2: Os departamentos de TI das empresas pesquisadas utilizam com mais intensidade as ações das categorias Educação e treinamento ; Suporte do fornecedor ; Suporte interno e Novos procedimentos, como mecanismo de reação aos problemas decorrentes da introdução de novas TI. Estas categorias são as que aparesentam maior intensidade de sucesso. Hipótese 3: Os projetos prioritários para os departamentos de SI das empresas pesquisadas são aqueles que favorecem a estratégia da Customização Maciça. Referencial teórico Três modelos formam a base teórica para esta pesquisa: 1) Estabilidade dinâmica (Pine, 1994); 2) Cadeia de valor (Porter, 1986); 3) Impacto do ambiente na gestão de TI (Lederer e Mendelow, 1990; Benamati et al., 1997). O modelo da Estabilidade Dinâmica foi desenvolvido inicialmente por Boynton e Victor, em Posteriormente, Joseph Pine II, desenvolveu uma extensa pesquisa em empresas americanas tomando como base este modelo e explorando o tema da Customização Maciça (Pine, 1993). Para desenvolver, produzir, comercializar e distribuir produtos e serviços feitos sob medida e em massa com ciclos de vida do produto decrescentes, as companhias estão investindo em processos de finalidades gerais mais flexíveis, mais responsivos e mais facilmente reutilizáveis em produtos e famílias de produtos. Essas empresas têm processos de ciclos de vida mais longos relativamente aos produtos e serviços que criam - se comparadas às empresas que praticam a Produção em Massa -, e podem portanto proporcionar uma base estável para o fluxo dinâmico dos produtos e serviços. Isso significa que, uma vez desenvolvidos os processos, sua alteração é evolucionária e freqüentemente desenvolvida para sua aplicabilidade potencial em uma faixa ampla de produtos futuros, em vez de concentrar-se em um produto apenas (Pine, 1993). A figura abaixo ilustra a estabilidade dinâmica. É uma matriz de mudança produto-processo. O eixo horizontal é um continuum de mudanças no processo, começando com mudanças estáveis, evolucionárias. Mudanças estas que são construídas sobre a capacidade da organização em desenvolver, produzir, comercializar e entregar produtos ou serviços. A outra ponta do eixo corresponde às mudanças rápidas e dinâmicas, que exigem novas capacidades e tornam obsoletos o velho know-how e experiências. O eixo vertical mostra um continuum de mudança de produto,

4 4 começando com produtos e serviços estáveis que estão muito padronizados ao longo do tempo, e terminando com produtos dinâmicos que incorporam grande variedade e customização individual. Mudança de Produto Dinâmico Estável Customização Maciça Produção em Massa Invenção Melhoria Contínua Estável Dinâmico Mudança de Processo Ilustração 1 - Matriz de mudança produto-processo (Pine, 1993) As empresas que se enquadram no paradigma da Produção em Massa têm processos estáveis para produtos estáveis. Há momentos em que, devido às inovações de ruptura, deslocam-se para o quadrante superior direito, voltando em seguida ao inferior esquerdo. As empresas que, devido à turbulência do mercado, iniciam um processo de deslocamento para o quadrante da Customização Maciça, devem fazê-lo passando antes pelo quadrante da Melhoria Contínua, para que seus processos possam ser redesenhados e preparados para a nova realidade. O principal indicador da mudança do paradigma da Produção em Massa para a Customização Maciça é a turbulência do mercado, que envolve: diminuição nos níveis da estabilidade de absorção da produção, mudança das necessidades e vontades dos consumidores, nível de saturação de um produto num nicho de mercado, ciclos econômicos, incertezas e choques tecnológicos. Quanto maior a turbulência do mercado, mais provável que o setor esteja se movendo em direção ao novo paradigma, e que as empresas precisem mudar para se manterem competitivas. O modelo da Cadeia de Valor descreve que toda empresa é uma reunião de atividades que são executadas para projetar, produzir, comercializar, entregar e sustentar o produto ou serviço. Todas estas atividades podem ser representadas, fazendo-se uso de uma cadeia de valores. Em termos competitivos, valor é o montante que os compradores estão dispostos a pagar por aquilo que uma empresa lhes fornece. Um negócio é lucrativo se o valor que cria excede o custo de realizar as atividades de valor. Estas atividades podem ser divididas em primárias e de apoio (Porter, 1985). As atividades primárias são as envolvidas na criação física do produto ou serviço, na sua venda e transferência para o comprador, bem como na assistência após a venda (logística interna, operações, logística externa, marketing, vendas e serviço). As atividades de apoio sustentam as atividades primárias e a si mesmas, fornecendo insumos adquiridos, tecnologia, recursos humanos e várias funções no âmbito da empresa.

5 5 As atividades de valor são, portanto, os blocos de construção da vantagem competitiva. O modo como cada atividade é executada, combinada com sua economia, determinará se uma empresa tem custo alto ou baixo em relação à concorrência. Também irá determinar sua contribuição para as necessidades do comprador. Na ilustração 2 é apresentado o modelo gráfico da cadeia de valor proposto por Porter (1985). Infra-estrutura Gerenciamento de Recursos Humanos Logística Interna Desenvolvimento de Tecnologia Aquisição e Compras Operações Logística Externa Marketing & Vendas Serviços Produtos & Serviços Ilustração 2 - Modelo da Cadeia de Valor (Porter, 1985) Correlação entre os modelos de estabilidade dinâmica e cadeia de valor acima. Em Paim (2002) encontramos um esquema (Ilustração 3) que correlaciona os modelos citados ATIVIDADES DE APOIO Infra-estrutura Gerência de RH Produção em Massa Desenv. de tecnol. Aquisição Melhoria contínua Invenção Customização em Massa ATIVIDADES PRIMÁRIAS Logística interna Operações Logística externa Mkt & Vendas Serviços Ilustração 3 - Estabilidade Dinâmica e Cadeia de Valor (Fonte: Paim, 2002) As empresas do quadrante produção em massa utilizam a TI mais intensamente na parte superior do modelo da cadeia de valor (atividades de apoio infra-estrutura e RH). As empresas do quadrante invenção utilizam a TI mais intensamente para o desenvolvimento de tecnologia e para flexibilizar e otimizar os processos, visando suportar a produção de novos produtos em pequena escala. Posicionam-se no modelo de cadeia de valor na categoria operações apoiada pelas categorias desenvolvimento de tecnologia e aquisição.

6 6 Empresas do quadrante de melhoria contínua buscam aumento de competitividade pela melhoria do desempenho operacional. Usam a TI mais nas categorias logística interna e operações das atividades básicas suportadas pelas categorias desenvolvimento de tecnologia e aquisição das atividades de apoio. Empresas do quadrante de customização em ma ssa utilizam a TI mais nas categorias logística externa, marketing & vendas e serviços, também apoiadas pelas categorias desenvolvimento de tecnologia e aquisição. O modelo de Impacto do Ambiente na Gestão de Sistemas de Informação foi proposto por Lederer e Mendelow, em 1990, para descrever a relação entre o ambiente e a organização de Sistemas da Informação (SI) dentro das empresas. Partiram da premissa de que a gestão efetiva de SI requer a compreensão da diversidade das influências ambientais, da importância dessas influências e dos processos gerenciais utilizados para lidar com os problemas que elas podem criar. PROBLEMAS F Nova integração Sobrecarga de suporte Demandas de treinamento Resistência Dilemas de aquisição Falsa promessa do fornecedor Necessidades em cascata Negligência do fornecedore Desempenho pobre Falhas inexplicáveis Erros DIMENSÃO DO AMBIENTE Tecnologia da informação D A B MECANISMOS DE REAÇÃO Consultores e outros usuários Educação e treinamento Suporte de fornecedor Novos procedimentos Staffing Atraso Inação Suporte interno Persuasão Tecnologia adicional Tolerância (Resistência) C E Ilustração 4 Impactos das Mudanças na TI sobre a gestão de SI (Benamati, Lederer e Singh, 1997)

7 7 Em 1997, Benamati, Lederer e Singh investigaram uma das variáveis do ambiente compreendidas no modelo de Lederer e Mendelow a tecnologia da informação -, derivando um modelo de Impacto das Mudanças na Tecnologia da Informação sobre a Gestão da Tecnologia da Informação. A ilustração 4 exibe este modelo. O ambiente do departamento de SI é composto pelo ambiente da organização que o abriga além de tudo que está dentro da organização e que fica fora dos limites do departamento de SI. A conceitualização do ambiente do departamento de SI é análoga à conceitualização do ambiente da organização, entretanto, além dos clientes, stockholders, fornecedores, sindicatos, tecnologia, governo, condições gerais da economia, o ambiente do departamento de SI inclui usuários atuais e potenciais. Dentre todos esses fatores ambientais, o modelo estuda a interação de um deles a tecnologia da informação -, com a organização de SI. O modelo mostra as conecções entre a dimensão do ambiente selecionada para estudo (TI), as categorias de problemas associadas a esta dimensão e as categorias de mecanismos de reação usados pela organização de SI. A seta A mostra que a tecnologia da informação mais especificamente, as mudanças dessa tecnologia -, causa problemas. A seta B mostra que esses problemas criam a necessidade por mecanismos de reação. A seta C mostra que os mecanismos de reação enfrentam os problemas. A seta D mostra que os mecanismos de reação também tentam modificar o ambiente para reduzir os problemas. A seta E mostra que os mecanismos de reação podem criar outros problemas. A seta F indica que os problemas podem causar outros problemas. As categorias de problemas do modelo são: Demandas de treinamento: As mudanças na TI têm criado um aumento considerável na demanda por treinamento. Isso se dá porque a ausência de experiência com as novas tecnologias da informação dificulta sua seleção, instalação, suporte e utilização. Promessas do fornecedor (vendor oversell): O aumento das novas tecnologias da informação produzem promessas exageradas por parte dos fornecedores, sobre as capacidades dos novos produtos de TI. Talvez a rápida mudança na TI tenha exacerbado este problema, devido à ampla variedade de novas tecnologias disponíveis e ao mercado altamente competitivo. As promessas excessivas do fornecedor podem levar a organização a adquirir um produto que ela poderia ter ignorado. Dilemas de aquisição: As mudanças nas tecnologias da informação geram dilemas para os gestores responsáveis pela recomendação ou autorização da sua compra. O processo de tomada de decisão é difícil, porque novos produtos com opções atraentes aparecem muito rapidamente e o gestores têm poucas informações confiáveis sobre eles. Os gestores devem escolher entre produtos concorrentes. Além disso precisam escolher entre comprar no momento ou esperar por produtos com mais opções a preços possivelmente mais baixos. Estes dilemas paralizam alguns gestores. Forçam outros a tomar decisões rápidas e às vezes a substituir uma TI por outra em projetos em andamento.

8 8 Nova integração: As mudanças nas tecnologias da informação resultaram em desafios de integração entre a grande variedade de novas TI com aquelas existentes ou com outras novas TI. A interface entre os dados de uma aplicação ou programa de uma TI para outra é freqüentemente essencial. Entretanto, a afirmação de um fornecedor de que uma nova TI integra-se facilmente com outra pode ignorar o fato de que são necessários tempo e esforço nesta integração. Sobrecarga de suporte: As mudanças rápidas têm aumentado os esforços de suporte das TI novas e existentes. Os usuários que são cada vez mais auto-suficientes aumentam o problema, na medida que tentam instalar por conta própria novos softwares não suportados pelo departamento de SI. Resistência: Novas tecnologias sempre geraram resistência. A relutância em adotar uma nova TI pode vir da equipe de SI, dos usuários ou até mesmo de parceiros externos à organização. Negligência do fornecedor: Algumas tecnologias da informação são tão novas que até mesmo seus fornecedores carecem de experiência suficiente para suportá-las. Mesmo quando provêem algum suporte, pode ser num nível inadequado. Este problema tende a piorar quando um projeto envolve mais de um fornecedor, porque um pode jogar a culpa dos problemas sobre o outro. Desempenho inferior: O desempenho da nova TI pode não atingir as expectativas do gestor de SI. Isso inclui o uso ineficiente de recursos com o tempo de processamento ou memória. Falhas inexplicáveis: Novas tecnologias da informação podem falhar sem explicação. Tais falhas aparecem aleatoriamente e assim, não são reproduzíveis. Desta forma, a determinação do problema, mesmo pelo fornecedor, pode ser muito difícil e cara. Algumas vezes o problema simplesmente some sem explicação. Necessidades em cascata: A aquisição de uma nova TI pode demandar a aquisição de outra que não era prevista, ou então exigir a execução de tarefas inesperadas. A medida que o número e diversidade de novas TI tem crescido, este problema tem piorado. Os custos imprevistos podem ser grandes. Erros: Na corrida para colocar os produtos no mercado, o fornecedor pode não ter tempo de depurar seus produtos adequadamente. Logo que o produto é lançado, tais problemas acontecem com mais freqüência. Ao contrário da categoria de erros inexplicáveis, esta categoria contém erros que são reproduzíveis e que podem ser corrigidos. As categorias de mecanismos de reação do modelo são: Educação e treinamento: Esta categoria inclui tanto a instrução formal quanto informal, dentro da empresa ou fora, fornecida pelo fornecedor, por terceiros ou internamente. Inação: A ausência de qualquer ação específica sugeriu esta categoria. Isso pode acontecer quando não há recursos suficientes ou na ausência de problemas severos.

9 9 Suporte interno: Esta categoria representa as ações onde a organização resolve o problema internamente. Suporte do fornecedor: As organizações tentam evitar ou minimizar os problemas com as mudanças na TI obtendo suporte do fornecedor. Isto ocorre tanto para atacar problemas específicos quanto para definir junto ao fornecedor melhorias para novas versões. Novos procedimentos: Novos procedimentos são adotados pela organização para diminuir os problemas causados por mudanças na TI. Exemplos incluem procedimentos para selecionar, testar e usar TI, bem como para controlar mudanças. Persuasão: Os gerentes participam dos esforços para lidar com os problemas de mudanças na TI através da persuasão dos fornecedores para resolver problemas e através do convencimento da equipe de TI e dos usuários para aceitar a nova TI. Resistência: Esta categoria é semelhante à categoria de suporte interno, porém a resistência é tipificada pela ausência de recursos adequados para endereçar o problema. Talvez seja um dos mecanismos menos efetivos. Tecnologia adicional: Em alguns casos, as organizações adquirem ou atualizam uma tecnologia para resolver os problemas causados por outra nova TI. Mudanças na equipe (staffing): Algumas organizações respondem às mudanças na TI com decisões de alteração da equipe. Mudam práticas de contratação e a estrutura da equipe. Consultores e outros usuários: Consultores externos e em usuários de outras firmas podem ajudar a lidar com mudanças na TI. Esses terceiros podem ajudar na seleção de novas TI e na solução de problemas de novas TI. Atraso: Algumas organizações respondem à disponibilidade de novas tecnologias através do adiamento intencional da decisão de comprá-las. A natureza deliberada desta categoria à diferencia da categoria de inação. A organização pode postergar para esperar por novas capacidades. Também pode aguardar para que os primeiros a adotarem a TI encontrem as falhas e que os fornecedores as corrijam. Metodologia A presente pesquisa se enquadra no perfil de uma pesquisa de campo do tipo quantitativodescritivo. Mais especificamente é um estudo de verificação de hipótese que é um tipo de estudo quantitativo-descritivo que contêm, em seu projeto de pesquisa, hipóteses explícitas que devem ser verificadas. Para verificar as hipóteses, utiliza o método hipotético-dedutivo (Popper, 1975). Premissas 1) O setor de telecomunicações está passando por uma mudança de paradigma de modelo estratégico para customização em massa (Cunha, 2004);

10 10 2) Os sistemas de suporte aos negócios de telecomunicações precisam ser adaptados aos novos requisitos do modelo estratégico (Cunha, 2004); 3) O modelo da Estabilidade Dinâmica se relaciona com o modelo da Cadeia de Valor de forma que indica as atividades primárias prioritárias para a estratégia de customização maciça (Paim, 2002); 4) Existe um relacionamento válido entre as atividades primárias prioritárias para a estratégia de customização maciça e os tipos de sistemas de informação que suportam seus processos (Cunha, 2004; Quintella e Costa, 1997) 4) O modelo de Impacto das Novas Tecnologias da Informação sobre a Gestão de Tecnologia da Informação é válido para investigar o relacionamento das organizações de Sistemas de Informação dentro das empresas com o seu ambiente, em especial com as mudanças na TI (Benamati et. al, 1997); População e amostra A pesquisa tem escopo nacional, sendo que o universo (população) compõem-se dos profissionais seniores da área de sistemas de informação, das empresas do setor de telecomunicações. Foram selecionadas empresas prestadoras de Serviço de Telefonia Fixa Comutada, de Serviço de Comunicação Móvel, de Serviço de Comunicação Multimídia e de Serviço de Rede e Circuito Especializado, além de fabricantes de equipamentos de telecomunicações. Os respondentes selecionados para preencher os questionários foram sempre os responsáveis pela gestão de sistemas de informação nas empresas. Nos casos onde foi impossível contactar diretamente o responsável de mais alto nível hierárquico, foram selecionados gestores de nível médio, que tivessem sob seu comando equipes de desenvolvimento ou suporte a tecnologias da informação da empresa. Apenas um respondente de cada empresa participou da pesquisa. A lista inicial da amostra continha 88 empresas, entretanto somente 50 responderam o questionário de forma suficiente para que fosse utilizado na análise dos dados. O instrumento de coleta de dados Foi utilizado um questionário com questões fechadas em sua maioria. Este questionário ficou disponível na internet e o acesso a ele só era possível mediante digitação de nome de usuário e senha. As opções selecionadas pelos respondentes da pesquisa foram armazenadas diretamente em um banco de dados, para posterior análise. O questionário é composto de 125 questões divididas em 6 seções: 1. Identificação do respondente: permite traçar um perfil dos respondentes, de forma a garantir a significância dos dados coletados;

11 11 2. A organização: permite traçar um perfil das organizações pesquisadas, de forma a garantir que os dados tenham sido obtidos de empresas relevantes no mercado de serviços de telecomunicações; 3. A TI na organização: permite identificar o grau de importância da TI dentro das organizações pesquisadas; 4. Projetos prioritários: permite a verificação da prioridade dos projetos de desenvolvimento/implantação de SI, sendo esses sistemas selecionados a partir de pesquisas anteriores (Cunha, 2004; Quintella e Costa, 1997); 5. Problemas advindos das mudanças nas tecnologias da informação: permite a verificação da intensidade de ocorrência dos problemas que decorrem do impacto da adoção de novas TI, de acordo com o modelo de Benamati et al. (1997); 6. Ações: permite a verificação da intensidade de utilização de determinadas ações, tomadas para evitar ou solucionar os problemas listados na seção 5 do questionário; também verifica o grau de sucesso destas ações (Benamati et al., 1997). Para colocar o questionário a prova, assegurando sua clareza, precisão dos termos e melhor formato, foi realizado o pré-teste em duas etapas: (i) Primeiro com um profissional de TI escolhido pela facilidade de acesso, independente de fazer parte do grupo alvo da pesquisa; (ii) Segundo com 2 profissionais de TI que trabalham em departamentos de SI de empresas do grupo alvo da pesquisa, independente de serem responsáveis por estes departamentos. De acordo com as observações feitas por esses respondentes, fizemos uma redução no questionário e algumas modificações no texto, de forma a aumentar a clareza das questões. Apresentação e discussão dos resultados Qualificação da amostra A amostra de empresas é representativa do setor, pois contém empresas de diferentes regiões do país, de diferentes segmentos e tamanhos. Além disso, inclui algumas das empresas de maior porte do setor, como Embratel, Telemar, Claro e Vivo, entre outras. A maioria das empresas da amostra são prestadoras de serviços especializados. Dentre as prestadoras de serviço de telefonia fixa comutada (STFC) temos algumas das grandes operadoras e algumas empresas espelho. Temos também quatro grandes operadoras de telefonia móvel (SMP). A ilustração 4 mostra a distribuição das empresas da amostra por tipo, sendo que algumas empresas prestam mais de um tipo de serviço. A maior parte das empresas (74%) têm sua matriz em SP, RJ ou MG. Quase todas as empresas (94%) possuem planejamento estratégico formal, sendo que 82% tem o planejamento de TI alinhado ao planejamento da empresa.

12 12 Catorze empresas não informaram o número de funcionários. Do restante, todas possuem pelo menos 50 funcionários e há empresas com até 9000 funcionários. Distribuição das Empresas por Tipo Fabr.Equip. Serv.Esp. SCE SCM SMP STFC Ilustração 4 - Distribuição das empresas por ramo de atuação O perfil dos respondentes é o seguinte: são homens (88%) com idade média de 36 anos; mais da metade (52%) possui especialização ou pós-graduação; a maioria (64%) ocupam cargos de direção ou gerência. A maior parte (78%) é responsável por equipes pequenas, de até 10 subordinados. Trabalham, em média, há 4,8 anos na empresa atual e há 12,3 anos na área de SI. Na maioria das organizações pesquisadas a função de gestão de TI/SI fica em nível de Diretoria ou Gerência (82%). Além disso, há alto grau de comprometimento da administração nos esforços de informatização ou de melhor gestão da informação, em 74% delas. É baixo, entretanto, a porcentagem de empresas em que há um profissional ou um grupo dedicado a investigar tecnologias emergentes: 28%. Projetos prioritários Foram considerados prioritários os projetos que tiveram a média da prioridade igual ou acima de 2, já que havia quatro níveis de prioridade para selecionar: 0 nenhuma, 1 baixa, 2 média e 3 alta. Tabela 1 - Projetos de SI prioritários nas empresas pesquisadas Projeto Prioridade média Registro de reclamações de falhas, problemas e perda de desempenho dos serviços oferecidos aos clientes 2,4 Acompanhamento dos registros de reclamações (feitas diretamente pelo cliente, pela empresa e por terceiros credenciados). Gestão integrada de contatos do cliente com a empresa, independente do canal (online, via agentes credenciados, parceiros, etc.). Gestão interna do andamento das solicitações dos clientes. 2,1 Gestão de contratos de QoS (qualidade de serviço) e SLA (acordo de nível de serviço). 2,1 Configuração e instalação de redes e equipamentos no cliente. 2,0 Gestão e controle de contratos de serviços (próprios e com parceiros). 2,0 2,3 2,3

13 13 Problemas de maior ocorrência Com relação aos problemas que ocorrem durante o desenvolvimento, implantação e suporte aos sistemas de informação, devidos às mudanças nas tecnologias da informação, foram considerados problemas de maior ocorrência aqueles que tiveram intensidade média de ocorrência maior ou igual a 4, numa escala de 1 a 7. Tabela 2 - Problemas de maior ocorrência Intensidade Problema média de ocorrência Treinamento exigido sobre as novas TI 5,62 Tempo exigido para se tornar eficiente com as novas TI 5,04 Atrasos inesperados causados pelas novas TI adotadas 4,70 Trabalhos inesperados causados pelas novas TI adotadas 4,50 Dificuldade de manter o pessoal que tem experiência com as novas TI 4,24 Customização exigida das novas TI 4,18 Dificuldade de escolha entre as novas TI disponíveis 4,04 Mecanismos de reação de maior utilização Com relação aos mecanismos de reação utilizados pelas organizações de SI das empresas de telecomunicações para evitar ou diminuir os problemas relatados acima, foram considerados os mecanismos de reação com maior utilização aqueles que tiveram intensidade de uso maior ou igual a 5, numa escala de 1 a 7. Tabela 3 - Mecanismos de reação de maior utilização Ação Ler para se manter informado sobre as novas TI disponíveis 6,16 Assistir conferências para se manter informado sobre as novas TI disponíveis 6,04 Educar formalmente profissionais de SI sobre novas TI (aulas, palestras, seminários) 5,80 Pressionar os fornecedores de novas TI para prover apoio ou suporte 5,78 Usar um procedimento bem definido de implementação de TI 5,18 Reduzir problemas atribuíveis às novas TI 5,14 Usar um procedimento bem definido de aquisição da TI 5,10 Reduzir trabalho inesperado atribuível às novas TI 5,08 Reduzir atrasos inesperados atribuíveis às novas TI 5,06 Mecanismos de reação de maior sucesso Intensidade média de uso Foram considerados mecanismos de reação de maior sucesso aqueles que tiveram intensidade média de sucesso maior ou igual a 5, numa escala de 1 a 7.

14 14 Tabela 4 - Mecanismos de reação de maior sucesso Intensidade Ação média de sucesso Ler para se manter informado sobre as novas TI disponíveis 6,42 Usar um procedimento bem definido de implementação de TI 6,13 Motivar a manutenção (retenção) do pessoal que tem conhecimento em novas TI 6,07 Usar um procedimento bem definido de aquisição da TI 5,91 Assistir conferências para se manter informado sobre as novas TI disponíveis 5,88 Educar formalmente profissionais de SI sobre novas TI (aulas, palestras, seminários) 5,86 Pressionar os profissionais de SI para usar as novas TI 5,44 Comprometer um consultor para ajudar na implementação das novas TI 5,43 Documentar as diferenças entre as novas e as antigas TI 5,42 Levar em consideração apenas as novas TI compatíveis com as já existentes 5,36 Usar o pessoal interno para escrever ou conceber as interfaces exigidas entre as TI 5,36 Comprometer um consultor para ajudar a identificar e solucionar problemas 5,32 Aprender sobre novas TI através dos fornecedores 5,32 Comprometer um consultor para ajudar no planejamento para a adoção das novas TI 5,08 Teste das hipóteses Para o teste das hipóteses 1 e 2 foi necessário agrupar os problemas e ações em suas categorias, calculando a intensidade média de ocorrência de cada categoria de problema e de mecanismos de reação e calculando a intensidade média de sucesso de cada categoria de mecanismos de reação. No anexo A há uma lista das categorias de problemas com seus problemas associados. No anexo B há uma lista de categorias de mecanismos de reação com suas ações associadas. Tabela 5 - Intensidade média de ocorrência das categorias de problemas Categorias de Problemas Intensidade média de ocorrência Geral 4,60 Demandas de treinamento 3,89 Nova Integração 3,52 Dilemas de aquisição 3,37 Erros de causa desconhecida 3,26 Pressão do fornecedor 3,17 Necessidades em cascata 3,07 Desempenho pobre 2,86 Sobrecarga de suporte 2,85 Resistência 2,85 Negligência do fornecedor 2,74 Erros de causa conhecida 2,19 Tabela 6 - Intensidade média de uso e de sucesso das categorias de mecanismos de reação Categorias de Mecanismos de Reação Intensidade média de uso Geral 5,09 3,97 Suporte Interno 4,74 5,65 Novos Procedimentos 4,53 5,51 Intensidade média de sucesso

15 15 Categorias de Mecanismos de Reação Intensidade média de uso Suporte do Fornecedor 4,26 4,31 Educação e Treinamento 4,12 4,77 Persuasão 3,99 4,97 Atraso 3,60 3,13 Equipe Interna 3,35 5,22 Apoio Externo 3,22 4,73 Resistência 2,73 3,99 Inação 2,48 3,19 Tecnologia adicional 2,36 4,71 Intensidade média de sucesso Os resultados encontrados na pesquisa corroboram a hipótese 1. Sendo que a categoria Demandas de treinamento inclui os únicos problemas que tiveram uma alta porcentagem de respondentes que marcaram o grau máximo de intensidade (7: Muita intensidade). Quando os problemas são agrupados em suas categorias, aparecem, em ordem decrescente de intensidade média de ocorrência, as categorias: Geral, Demandas de Treinamento, Nova Integração e Dilemas de Aquisição. A categoria Geral, na verdade, não faz parte do modelo em que foi baseada esta pesquisa (Benamati et al., 1997), mas compreende duas questões inseridas no questionário apenas para dar uma visão da intensidade geral dos problemas enfrentados pelas empresas: trabalhos inesperados causados pelas novas TI adotadas e atrasos inesperados causados pelas novas TI adotadas. As empresas do setor de telecomunicações têm enfrentado com muita intensidade o problema de ter que treinar suas equipes de SI e seus usuários, internos ou externos, no uso das novas tecnologias da informação. O tempo exigido para que os envolvidos se tornem eficientes no uso das novas TI também se configura num problema de ocorrência intensa para essas empresas. A dificuldade de manter o pessoal que tem experiência com as novas TI é um dos problemas enfrentados com maior intensidade, dentro desta categoria. Os outros problemas da categoria ocorrem com menor intensidade. Dentre os problemas da categoria Nova Integração, a necessidade de customização das novas TI é o que ocorre com maior intensidade nas empresas do setor de telecomunicações. Na categoria Dilemas de Aquisição, o problema mais intenso é a dificuldade de escolher entre novas tecnologias da informação disponíveis. As categorias que contêm as ações utilizadas com maior intensidade forma, nessa ordem: Geral, Suporte Interno, Novos Procedimentos, Suporte do Fornecedor e Educação e Treinamento. Todas com média de intensidade superior a 4. Da mesma forma que o modelo no qual estamos nos baseando não inclui a categoria Geral nos resultados, também não serão incluídas aqui. Esta categoria compreende ações não específicas e as questões compreendidas por ela foram incluídas no

16 16 questionário apenas para dar uma idéia geral da intensidade com que as empresas vêm empreendendo ações para evitar ou diminuir os problemas advindos da introdução de novas TI. As outras categorias listadas são as que interessam para o teste da hipótese 2, e, neste caso, a intensidade média com que as empresas vêm empreendendo as ações contidas nas categorias Suporte Interno, Novos Procedimentos, Suporte do Fornecedor e Educação e Treinamento colabora com a corroboração da hipótese 2. As categorias que têm obtido maior grau de sucesso são, nesta ordem: Suporte Interno, Novos Procedimentos, Equipe Interna, Persuasão, Educação e Treinamento, Apoio Externo, Tecnologia Adicional e Suporte do Fornecedor. Todas estas categorias tiveram intensidade média de sucesso superior a 4. As ações utilizadas com maior intensidade estão incluídas na lista das ações com maior intensidade de sucesso. Isso contribui para a corroboração da hipótese 2. Entretanto, é importante notar que há outras categorias de ações que, embora não sejam utilizadas com tanta intensidade, também levam a alto grau de sucesso. Portanto, para que a hipótese 2 fosse totalmente corroborada, ela precisaria ser reescrita da seguinte forma: os departamentos de TI das empresas pesquisadas utilizam com mais intensidade as ações das categorias Educação e treinamento ; Suporte do fornecedor ; Suporte interno e Novos procedimentos, como mecanismo de re ação aos problemas decorrentes da introdução de novas TI. Estas categorais estão entre aquelas que apresentam maior intensidade de sucesso. A hipótese 3 foi rejeitada porque os projetos que suportam os processos das atividades primárias da cadeia de valor relacionadas à customização maciça não estão na lista dos projetos prioritários das empresas do setor de telecomunicações. Conclusão A necessidade de sistemas de informação que suportem os processos das atividades primárias de Serviços, Marketing & Vendas e Logística Externa, nas empresas do setor de telecomunicações, é evidenciada em pesquisas anteriores, onde se conclui que as empresas deste setor estão se transformando para o modelo estratégico da customização maciça. Apesar disso, esses sistemas de informação ainda não são totalmente prioritários para as empresas do setor. As mudanças freqüentes nas tecnologias da informação fazem parte do ambiente turbulento em que estão inseridas as empresas do setor de telecomunicações. Essas mudanças causam problemas para as organizações de SI dessas empresas. Os principais problemas causados são aqueles compreendidos pelas categorias de Demandas de Treinamento, Nova Integração e Dilemas de Aquisição.

17 17 As organizações de SI reagem a esses problemas de forma a evitá-los ou diminuí-los. Os principais mecanismos de reação que utilizam são aqueles incluídos nas categorias Educação e Treinamento, Suporte do Fornecedor, Suporte Interno e Novos Procedimentos. Os mecanismos de reação dessas categorias estão entre aqueles que obtêm maior grau de sucesso.

18 18 Referências Benamati, J., Lederer, Albert L. e Singh, Meenu. Changing information technology and information technology management. Information & Management, v.31, 1997, p Cunha, Américo Brígido. Convergência nas Telecomunicações no Brasil: Análise nas Transformações no Ambiente de Negócios, Estratégias e Competitividade das Empresas de Telecomunicações. Dissertação de Mestrado em Engenharia de Produção, Universidade Federal Fluminense, Niterói, Rio de Janeiro, Lederer, Albert L.; Mendelow, Aubrey L. The impact of the environment on the management of information systems. Information Systems Research, 1(2), jun. 1990, p Paim, Dario José Braga. Indústria de telecomunicações, uma análise de competitividade a luz dos modelos de estabilidade dinâmica e cadeia de valor. Curso de Mestrado em Sistemas de Gestão da Universidade Federal Fluminense. Niterói, RJ Pine, B.J.; Victor, B.; Boynton, A.C. Making Mass Customization Work. Harvard Business Review, Sep/Oct93, Vol. 71 Issue 5, p108 Pine, B. Joseph, tradução Edna E.O. Veiga; revisão técnica Heitor M. Quintella. Personalizando Produtos e Serviços Customização maciça: A Nova Fronteira da Competição dos Negócios. São Paulo: Makron Books, p. Tradução de : Mass Customization The New Frontier in Business Competition. Popper, K. A Lógica da Pesquisa Científica. 2ed. São Paulo : Cultrix, Porter, E. Michael, Estratégia Competitiva, Editora Campus, Quintella, Heitor L. Meirelles; Costa, Sérgio G. A informática e a mudança do paradigma competitivo. Conjuntura Econômica, Rio de Janeiro, p , mar

19 19 Anexo A Categorias de Problemas Problemas de forma geral: Categoria Demandas de Treinamento: Categoria Pressão do Fornecedor Categoria Nova Integração Categoria Sobrecarga de Suporte Categoria Dilemas de aquisição Categoria Resistência Categoria Negligência do Fornecedor Categoria Necessidades em cascata Categoria Desempenho pobre Categoria Erros de causa desconhecida Categoria Erros de causa conhecida Trabalhos inesperados causados pelas novas TI adotadas Atrasos inesperados causados pelas novas TI adotadas Dificuldade de manter o pessoal que tem experiência com as novas TI Treinamento exigido sobre as novas TI Tempo exigido para se tornar eficiente com as novas TI Produtividade diminuída com as novas TI Planejamento incorreto para o uso das novas TI Inabilidade do quadro gerencial para lidar com problemas não rotineiros das novas TI Marketing prematuro do fornecedor sobre uma TI não disponível Vendas ou ofertas de capacidades não existentes numa nova TI Falta de flexibilidade das novas TI Necessidade de criar novas interfaces entre as múltiplas TI Necessidade de reescrever as interfaces existentes Incompatibilidade entre as múltiplas TI Customização exigida das novas TI Estrutura inadequada do SI da sua organização para dar suporte às novas TI Falta de profissional externo habilitado nas novas TI Muitas novas TI Inabilidade para prevenir usuários de reconfigurações inadequadas das novas TI Dificuldade de escolha entre as novas TI disponíveis Dificuldade de permanecer informado sobre as novas TI disponíveis Alto custo de novas TI Discordância sobre o uso de novas TI Não é tirado o máximo proveito das novas TI Diminuição do entusiasmo por uma nova TI quando outra se torna popular Relutância dos usuários para aceitar novas TI Apoio insuficiente de um fornecedor de TI Experiência insuficiente de um fornecedor de TI com sua própria TI Pressão de um fornecedor de TI para mudar para novas TI Falta de conhecimento do fornecedor de TI sobre a integração de múltiplas TI Insucesso ou falha do fornecedor de TI em permanecer no mercado ou negócio Inabilidade para identificar problemas ao integrar múltiplas TI Necessidades não antecipadas para novas TI adicionais Custo de um ambiente de teste para novas TI Dependência não antecipada por novas TI Necessidade de reavaliar processos de negócios para aumentar retorno das novas TI Desempenho insatisfatório (ou pobre) das novas TI Interface inadequada entre as múltiplas TI Erros inexplicáveis ou injustificáveis nas novas TI Erros explicáveis ou justificáveis nas novas TI Documentação inadequada (incompleta, insuficiente) das novas TI

20 20 Anexo B Categorias de Mecanismos de Reação Reduzir trabalho inesperado atribuível às novas TI Geral Reduzir atrasos inesperados atribuíveis às novas TI Reduzir problemas atribuíveis às novas TI Educar formalmente profissionais de SI sobre novas TI (aulas, palestras, seminários) Customizar (personalizar ou adaptar) a educação sobre as novas TI Educação e Treinamento Aprender informalmente novas TI (sem aulas ou sessões formais) Manter seu próprio pessoal de treinamento sobre as novas TI Documentar as diferenças entre as novas e as antigas TI Falta de ação Ignorar os problemas Usar o pessoal interno para escrever ou conceber as interfaces exigidas entre as TI Suporte Interno Usar o pessoal interno para reescrever os aplicativos Assistir conferências para se manter informado sobre as novas TI disponíveis Ler para se manter informado sobre as novas TI disponíveis Depender dos fornecedores de TI para prover soluções para os problemas Categoria Suporte do Fornecedor Trabalhar com os fornecedores de TI para melhorar versões futuras da TI Fazer os fornecedores customizarem as novas TI Comprometer o fornecedor para escrever as interfaces requeridas entre as TI Novos Procedimentos Usar um procedimento bem definido de aquisição da TI Levar em consideração apenas as novas TI compatíveis com as já existentes Levar em consideração apenas as novas TI bem-sucedidas em outras organizações Aprender sobre novas TI através dos fornecedores

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

Terceirização de Serviços de TI

Terceirização de Serviços de TI Terceirização de Serviços de TI A visão do Cliente PACS Quality Informática Ltda. 1 Agenda Terceirização: Perspectivas históricas A Terceirização como ferramenta estratégica Terceirização: O caso específico

Leia mais

SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português

SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português 1 de 7 28/10/2012 16:47 SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português RESULTADO DO SIMULADO Total de questões: 40 Pontos: 0 Score: 0 % Tempo restante: 55:07 min Resultado: Você precisa

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

Fundamentos de Gestão de TI

Fundamentos de Gestão de TI Fundamentos de Gestão de TI Tópico V Transição de Serviço (ITIL V3) José Teixeira de Carvalho Neto transição de serviço transição de serviço Objetivo: orientar e coordenar o desenvolvimento e a implantação

Leia mais

Gerenciamento de Projeto

Gerenciamento de Projeto UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Gerenciamento de Projeto Engenharia de Software 2o. Semestre/ 2005

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

Solução Integrada para Gestão e Operação Empresarial - ERP

Solução Integrada para Gestão e Operação Empresarial - ERP Solução Integrada para Gestão e Operação Empresarial - ERP Mastermaq Softwares Há quase 20 anos no mercado, a Mastermaq está entre as maiores software houses do país e é especialista em soluções para Gestão

Leia mais

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Universidade Federal do Vale do São Francisco Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Prof. Ricardo Argenton Ramos Aula 6 ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Leia mais

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house ERP: Pacote Pronto versus Solução in house Introdução Com a disseminação da utilidade e dos ganhos em se informatizar e integrar os diversos departamentos de uma empresa com o uso de um ERP, algumas empresas

Leia mais

www.jrsantiago.com.br

www.jrsantiago.com.br www.jrsantiago.com.br Gestão do Conhecimento em Projetos José Renato Santiago Cenário Corporativo Muitas empresas gastam parte significativa de seu tempo no planejamento e desenvolvimento de atividades,

Leia mais

Liderança e tecnologia: uma comparação do custo total de propriedade de Comunicações unificadas e Colaboração

Liderança e tecnologia: uma comparação do custo total de propriedade de Comunicações unificadas e Colaboração WHITE PAPER Liderança e tecnologia: uma comparação do custo total de propriedade de Comunicações unificadas e Colaboração Patrocinado pela Cisco Systems, Inc setembro de 2013 Resumo executivo As empresas

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DE UMA DIRETORIA DE PROJETOS

CONTRIBUIÇÃO DE UMA DIRETORIA DE PROJETOS www.tecnologiadeprojetos.com.br Diretoria de Acompanhamento e Avaliação de Projetos da Secretaria de Estado da Educação de Minas Gerais DAPE/SEE-MG RELATÓRIO DE PESQUISA 1 : CONTRIBUIÇÃO DE UMA DIRETORIA

Leia mais

Ricardo Scheurer Sonda Supermercado

Ricardo Scheurer Sonda Supermercado Tema: Apresentador: Plano Diretor de Tecnologia da Informação Ricardo Scheurer Sonda Supermercado Objetivo desta palestra será resolver as seguintes questões: Porque fazer um PDTI? Quais os benefícios

Leia mais

Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio?

Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio? Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio? A Tecnologia da Informação vem evoluindo constantemente, e as empresas seja qual for seu porte estão cada

Leia mais

Gestão de Armazenamento

Gestão de Armazenamento Gestão de Armazenamento 1. Introdução As organizações estão se deparando com o desafio de gerenciar com eficiência uma quantidade extraordinária de dados comerciais gerados por aplicativos e transações

Leia mais

Exame de Fundamentos da ITIL

Exame de Fundamentos da ITIL Exame de Fundamentos da ITIL Simulado A, versão 5.1 Múltipla escolha Instruções 1. Todas as 40 perguntas devem ser respondidas. 2. Todas as respostas devem ser assinaladas na grade de respostas fornecida.

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL

Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL Information Technology Infrastructure Library ou Biblioteca de Infraestrutura da Tecnologia da Informação A TI de antes (ou simplesmente informática ),

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais

Contrato de Suporte End.: Telefones:

Contrato de Suporte End.: Telefones: Contrato de Suporte Contrato de Suporte Desafios das empresas no que se refere à infraestrutura de TI Possuir uma infraestrutura de TI que atenda as necessidades da empresa Obter disponibilidade dos recursos

Leia mais

PROJETO NOVAS FRONTEIRAS. Descrição dos processos de gerenciamento da qualidade

PROJETO NOVAS FRONTEIRAS. Descrição dos processos de gerenciamento da qualidade PROJETO NOVAS FRONTEIRAS PLANO DE GERENCIAMENTO DA QUALIDADE QUALITY MANAGEMENT PLAN Preparado por Mara Lúcia Menezes Membro do Time Versão 3 Aprovado por Rodrigo Mendes Lemos Gerente do Projeto 15/11/2010

Leia mais

Administração de Ativos de TI. Prof. André Montevecchi

Administração de Ativos de TI. Prof. André Montevecchi Administração de Ativos de TI Prof. André Montevecchi Introdução a ITIL Em um mundo altamente competitivo, de mudanças constantes e inesperadas, é preciso ter flexibilidade e agilidade suficientes para

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Referência: An Introductory Overview of ITIL v2 Livros ITIL v2 Cenário de TI nas organizações Aumento da dependência da TI para alcance

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PEQUENAS EMPRESAS INDUSTRIAIS NO SUL DO BRASIL: PERFIL, PROBLEMAS E AÇÕES

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PEQUENAS EMPRESAS INDUSTRIAIS NO SUL DO BRASIL: PERFIL, PROBLEMAS E AÇÕES Referência completa para citação: MARTENS, (C. D. P.) e FREITAS (H.). A tecnologia da informação (TI) em pequenas empresas industriais do Vale do Taquari/RS. Porto Alegre/RS: Anais do XXXVII CLADEA, Outubro

Leia mais

Coca-Cola Bottling Co. Consolidated maximiza a lucratividade

Coca-Cola Bottling Co. Consolidated maximiza a lucratividade Coca-Cola Bottling Co. Consolidated maximiza a lucratividade Fornecendo insights mais profundos sobre a demanda dos clientes quatro vezes mais rápido com a Solução IBM FlashSystem Visão geral A necessidade

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Disciplina: Administração de Departamento de TI. Professor: Aldo Rocha. Aula III - 25/08/2011

Disciplina: Administração de Departamento de TI. Professor: Aldo Rocha. Aula III - 25/08/2011 Disciplina: Administração de Departamento de TI Professor: Aldo Rocha Aula III - 25/08/2011 ITIL 1.A Central de Serviços; 1.1 Necessidade da Central de Serviços; 1.2 Dilema do Suporte; 1.3 Evolução do

Leia mais

//Sobre VISÃO MISSÃO. Honestidade, Responsabilidade. Respeito. Colaboração.

//Sobre VISÃO MISSÃO. Honestidade, Responsabilidade. Respeito. Colaboração. . Quem somos //Sobre A Oficina1 é uma consultoria direcionada à tecnologia da informação, com foco na implementação dos ERPs Protheus e OpenBravo, além do aplicativo de Service Desk SysAid, abrangendo

Leia mais

O papel dominante da mobilidade no mercado de trabalho

O papel dominante da mobilidade no mercado de trabalho Um perfil personalizado de adoção da tecnologia comissionado pela Cisco Systems Fevereiro de 2012 Dinâmica de ganhos com as iniciativas de mobilidade corporativa Os trabalhadores estão cada vez mais remotos,

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS BRASILEIRAS E PORTUGUESAS

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS BRASILEIRAS E PORTUGUESAS 1 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS BRASILEIRAS E PORTUGUESAS São Carlos SP Abril 2011 Euro Marques Júnior USP eurojr@uol.com.br Educação Universitária Serviços

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA 1 OBJETIVOS 1. O que os administradores precisam saber sobre organizações para montar e usar sistemas de informação com sucesso? 2. Que

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 05 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Qualidade Percebida e Tecnologia da Informação na Indústria de Jeanswear

Qualidade Percebida e Tecnologia da Informação na Indústria de Jeanswear Qualidade Percebida e Tecnologia da Informação na Indústria de Jeanswear Heitor M. Quintella D.Sc Professor da Universidade Federal Fluminense UFF Certified Management Consultant hquintel@uninet.com.br

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos

PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos As organizações em torno do mundo estão implantando processos e disciplinas formais

Leia mais

COBIT Um kit de ferramentas para a excelência na gestão de TI. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com

COBIT Um kit de ferramentas para a excelência na gestão de TI. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com COBIT Um kit de ferramentas para a excelência na gestão de TI Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com Introdução Atualmente, é impossível imaginar uma empresa sem uma forte área de sistemas

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu. Gestão e Tecnologia da Informação

PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu. Gestão e Tecnologia da Informação IETEC - INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu Gestão e Tecnologia da Informação BAM: Analisando Negócios e Serviços em Tempo Real Daniel Leôncio Domingos Fernando Silva Guimarães Resumo

Leia mais

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a...

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... INNOVA Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... Maximizar o rendimento e a produtividade Estar em conformidade com os padrões de qualidade e garantir a segurança dos alimentos Obter

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONCEITOS

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONCEITOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONCEITOS 1. Sabe-se que o conceito de Sistema de Informação envolve uma série de sistemas informatizados com diferentes características e aplicações, os quais, porém, têm em comum

Leia mais

CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10

CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10 CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10 Planejar e Organizar Gerenciar Projetos Pedro Rocha http://rochapedro.wordpress.com RESUMO Este documento trás a tradução do objetivo de controle PO10 (Gerenciamento

Leia mais

Contract Compliance Services

Contract Compliance Services RISK CONSULTING Contract Compliance Services Obtendo mais valor dos seus relacionamentos com terceiros kpmg.com/br 2 / Obtendo mais valor dos seus relacionamentos com terceiros Gerenciando o risco e aumentando

Leia mais

ASSUNTO DO MATERIAL DIDÁTICO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET

ASSUNTO DO MATERIAL DIDÁTICO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET AULA 05 ASSUNTO DO MATERIAL DIDÁTICO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET JAMES A. O BRIEN MÓDULO 01 Páginas 26 à 30 1 AULA 05 DESAFIOS GERENCIAIS DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Estrutura de um Sistema de Informação Vimos

Leia mais

Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação

Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação RESUMO DO CAPÍTULO Este capítulo trata do processo de resolução de problemas empresariais, pensamento crítico e etapas do processo de tomada

Leia mais

qual é o segredo para obter PPM de forma fácil e econômica em quatro semanas?

qual é o segredo para obter PPM de forma fácil e econômica em quatro semanas? RESUMO DA SOLUÇÃO Pacote CA Clarity PPM on Demand Essentials for 50 Users qual é o segredo para obter PPM de forma fácil e econômica em quatro semanas? agility made possible Agora a CA Technologies oferece

Leia mais

A Biblioteca: Gerenciamento de Serviços de TI. Instrutor : Cláudio Magalhães E-mail: cacmagalhaes@io2.com.br

A Biblioteca: Gerenciamento de Serviços de TI. Instrutor : Cláudio Magalhães E-mail: cacmagalhaes@io2.com.br A Biblioteca: Gerenciamento de Serviços de TI Instrutor : Cláudio Magalhães E-mail: cacmagalhaes@io2.com.br 2 A Biblioteca ITIL: Information Technology Infrastructure Library v2 Fornece um conjunto amplo,

Leia mais

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING 1 ÍNDICE 03 04 06 07 09 Introdução Menos custos e mais controle Operação customizada à necessidade da empresa Atendimento: o grande diferencial Conclusão Quando

Leia mais

1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário. Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar

1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário. Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar 1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar Prof. Dr. Stavros Panagiotis Xanthopoylos stavros@fgv.br Brasília, 27 de novembro de 2009

Leia mais

CONSULTORIA E SERVIÇOS DE INFORMÁTICA

CONSULTORIA E SERVIÇOS DE INFORMÁTICA CONSULTORIA E SERVIÇOS DE INFORMÁTICA Quem Somos A Vital T.I surgiu com apenas um propósito: atender com dedicação nossos clientes. Para nós, cada cliente é especial e procuramos entender toda a dinâmica

Leia mais

Apagando Incêndios em Organizações. Macroplan Prospectiva, Estratégia e Gestão

Apagando Incêndios em Organizações. Macroplan Prospectiva, Estratégia e Gestão Apagando Incêndios em Organizações Macroplan Prospectiva, Estratégia e Gestão Dezembro de 2005 A síndrome de apagar incêndios é um dos problemas mais sérios e frequentes de muitas organizações. Esta síndrome

Leia mais

ERP Enterprise Resource Planning

ERP Enterprise Resource Planning ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Evolução dos SI s CRM OPERACIONAL TÁTICO OPERACIONAL ESTRATÉGICO TÁTICO ESTRATÉGICO OPERACIONAL TÁTICO ESTRATÉGICO SIT SIG SAE SAD ES EIS

Leia mais

Software de gerenciamento de trabalho

Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho GoalPost O software de gerenciamento de trabalho (LMS) GoalPost da Intelligrated fornece informações sob demanda para medir,

Leia mais

Por que utilizar o modelo ITIL

Por que utilizar o modelo ITIL Por que utilizar o modelo ITIL... O que não é definido não pode ser controlado... O que não é controlado não pode ser medido... O que não é medido não pode ser melhorado Empregado para definir, controlar,

Leia mais

Prof.: Gilberto Onodera

Prof.: Gilberto Onodera Automação de Sistemas Prof.: Gilberto Onodera Aula 21-maio maio-2007 Revisão Conceitos de Macro-economia: Globalização Objetivo: Entender os principais drivers de mercado Economia de escala Paradigma da

Leia mais

Formas de Aumentar a Lucratividade da Sua Empresa com o Big Data

Formas de Aumentar a Lucratividade da Sua Empresa com o Big Data 9 Formas de Aumentar a Lucratividade da Sua Empresa com o Big Data Planejamento Performance Dashboard Plano de ação Relatórios Indicadores Sua empresa sabe interpretar os dados que coleta? Para aumentar

Leia mais

I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N

I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N Dan Vesset Vice-presidente de Programa, Business Analytics P r át i cas recomendadas para uma estr a t ég i a d e B u s i n e s s I n teligence e An a l yt i c s

Leia mais

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CIÊNCIAS CONTÁBEIS e ADMINISTRAÇÃO Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT maio/2014 APRESENTAÇÃO Em um ambiente onde a mudança é a única certeza e o número de informações geradas é desmedido,

Leia mais

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Adilson Sérgio Nicoletti Blumenau, SC - setembro de 2001 Conteúdo Apresentação

Leia mais

Gerenciamento do escopo

Gerenciamento do escopo Gerenciamento do escopo Gerenciamento do escopo Escopo pode ser definido como a soma dos produtos de um projeto, bem como a descrição de seus requisitos. O momento de definir o escopo é a hora em que o

Leia mais

Pesquisa realizada com os participantes do 16º Seminário Nacional de Gestão de Projetos APRESENTAÇÃO

Pesquisa realizada com os participantes do 16º Seminário Nacional de Gestão de Projetos APRESENTAÇÃO Pesquisa realizada com os participantes do de APRESENTAÇÃO O perfil do profissional de projetos Pesquisa realizada durante o 16 Seminário Nacional de, ocorrido em Belo Horizonte em Junho de, apresenta

Leia mais

Uma visão abrangente dos negócios. Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa

Uma visão abrangente dos negócios. Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa Uma visão abrangente dos negócios Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa Negócios sem barreiras O fenômeno da globalização tornou o mercado mais interconectado e rico em oportunidades.

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

Organização e a Terceirização da área de TI. Profa. Reane Franco Goulart

Organização e a Terceirização da área de TI. Profa. Reane Franco Goulart Organização e a Terceirização da área de TI Profa. Reane Franco Goulart Como surgiu? A terceirização é uma ideia consolidada logo após a Segunda Guerra Mundial, com as indústrias bélicas americanas, as

Leia mais

INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa

INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa ACESSE Informações corporativas a partir de qualquer ponto de Internet baseado na configuração

Leia mais

Palavras-chave: startups, gerenciamento de pessoas em projetos, processos do PMBOK.

Palavras-chave: startups, gerenciamento de pessoas em projetos, processos do PMBOK. PMBOK NA GESTÃO DE RH EM STARTUPS AUTORES Elaine Cristhina Castela Oyamada Henrique Spyra Gubert Juliana da Costa e Silva Juliana Theodoro de Carvalho Leitão Ricardo Takeshita ORIENTADOR Fábio Judice CURSO

Leia mais

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Histórico de Revisões Data Versão Descrição 30/04/2010 1.0 Versão Inicial 2 Sumário 1. Introdução... 5 2. Público-alvo... 5 3. Conceitos básicos...

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS Cilene Loisa Assmann (UNISC) cilenea@unisc.br Este estudo de caso tem como objetivo trazer a experiência de implantação

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti e d a id 4 m IN r fo a n m Co co M a n ua l Governança AMIGA Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti Um dos grandes desafios atuais da administração

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

GROUP PEDREIRA S PROJECTO IN AIR CONDITIONING SERVICE

GROUP PEDREIRA S PROJECTO IN AIR CONDITIONING SERVICE Serviços de Instalação - VRV e VRF O ar condicionado está se tornando rapidamente a tecnologia favoreceu para fornecer aquecimento e soluções para escritórios, comércio e lazer de refrigeração. Ele está

Leia mais

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Conceitos de Governança de TI Fatores motivadores das mudanças Evolução da Gestão de TI Ciclo da Governança

Leia mais

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED Implantação de um Sistema de GED Gerenciamento Eletrônico de Documentos Importância do GED O GED tem uma importante contribuição na tarefa da gestão eficiente da informação; É a chave para a melhoria da

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

PARA QUE SERVE O CRM?

PARA QUE SERVE O CRM? Neste mês, nós aqui da Wiki fomos convidados para dar uma entrevista para uma publicação de grande referência no setor de varejo, então resolvemos transcrever parte da entrevista e apresentar as 09 coisas

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

Resultados da Pesquisa

Resultados da Pesquisa Resultados da Pesquisa 1. Estratégia de Mensuração 01 As organizações devem ter uma estratégia de mensuração formal e garantir que a mesma esteja alinhada com os objetivos da empresa. Assim, as iniciativas

Leia mais

Projeto de Redes Top-Down

Projeto de Redes Top-Down Projeto de Redes Top-Down Referência: Slides extraídos (material de apoio) do livro Top-Down Network Design (2nd Edition), Priscilla Oppenheimer, Cisco Press, 2010. http://www.topdownbook.com/ Alterações

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PLANO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA Flash Lan House: FOCO NO ALINHAMENTO ENTRE CAPITAL HUMANO E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Objetivos da Aula: Nesta aula, iremos conhecer os diversos papéis e responsabilidades das pessoas ou grupos de pessoas envolvidas na realização de

Leia mais

Adapte. Envolva. Capacite.

Adapte. Envolva. Capacite. Adapte. Envolva. Capacite. Ganhe produtividade em um Ambiente de trabalho digital #DigitalMeetsWork Os benefícios de um ambiente de trabalho digital têm impacto na competitividade do negócio. Empresas

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

PROGRAMA DE PROTEÇÃO DE PI

PROGRAMA DE PROTEÇÃO DE PI GUIA PARA MELHORAR O SEU Principais Práticas para a Proteção de PI PROGRAMA DE PROTEÇÃO DE PI 2013 Centro para Empreendimento e Comércio Responsáveis TABELA DE CONTEÚDO CAPÍTULO 1: Introdução à Proteção

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

Melhores práticas para gerenciamento de suporte a serviços de TI

Melhores práticas para gerenciamento de suporte a serviços de TI Melhores práticas para gerenciamento de suporte a serviços de TI Adriano Olimpio Tonelli Redes & Cia 1. Introdução A crescente dependência entre os negócios das organizações e a TI e o conseqüente aumento

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL. Guia Prático de Compra O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO. Edição de julho.2014

ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL. Guia Prático de Compra O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO. Edição de julho.2014 ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL Guia Prático de Compra Edição de julho.2014 O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO Í n d i c e 6 perguntas antes de adquirir um sistema 4 6 dúvidas de quem vai adquirir

Leia mais

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Unidade II GOVERNANÇA DE TI Estratégia e governança em TI Estratégia empresarial A palavra estratégia vem do grego strategus = "o general superior ou "generalíssimo. Strategia

Leia mais