O REFLEXO DA MUDANÇA ORGANIZACIONAL SOBRE O DESEMPENHO DE UMA EMPRESA DE AUTOPEÇAS: UM ESTUDO DE CASO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O REFLEXO DA MUDANÇA ORGANIZACIONAL SOBRE O DESEMPENHO DE UMA EMPRESA DE AUTOPEÇAS: UM ESTUDO DE CASO"

Transcrição

1 XXII Encnt Ncinl de Engenhi de Pduçã Cuitib PR, de utub de 2002 O REFLEXO DA MUDANÇA ORGANIZACIONAL SOBRE O DESEMPENHO DE UMA EMPRESA DE AUTOPEÇAS: UM ESTUDO DE CASO Fncisc Alexnde de Olivei Deptment de Engenhi de Pduçã d Univesidde Fedel de Itjubá UNIFEI E-mil: Av. BPS, 1303, Bi Pinheiinh Itjubá / MG CEP: Rbet Nunes Dute Deptment de Engenhi de Pduçã d Univesidde Fedel de Itjubá UNIFEI E-mil: Av. BPS, 1303, Bi Pinheiinh Itjubá / MG CEP: Pf. D. Jsé Anld B Mntevechi Deptment de Engenhi de Pduçã d Univesidde Fedel de Itjubá UNIFEI E-mil: Av. BPS, 1303, Pinheiinh Itjubá / MG CEP: Abstct Mny eseches hve develped sme studies in the e f chnge gniztinl stuctue. But, thee e sme questins but this subject. On this wy, this ticle imed t get cse study but the cnsequence f gniztinl chnge n the pefmnce f mnufctuing industy tht ws functinl nd nw it hs mticil stuctue. The industy ws bken dwn in five mini fcties with bse n its line pduct nd ech mini fcty is mngement by bss with multiskil gup. The fim ws evluted n tw spects: mngement humn esuce nd qulity pcess. The esults shw tht the qulity f pducts nd the gniztinl enviment impved. Keywds: gniztinl fmewk, humn esuce, qulity. 1. Intduçã A utilizçã ds sistems de gestã, tis cm JIT (Just in time), Ttl Qulity Mngement (TQM), u simplesmente geenciment ds pcesss cm visã fcd n cliente, tem cusd gnde impct n estutu ds gnizções. P NETO e FILHO (2000), um ds zões pincipis p mudnç gnizcinl ds empess é busc pel flexibilidde gnizcinl, que cespnde cpcidde de eçã ds gnizções fente s sbesslts impsts pels mviments de invçã. N entnt, segund GONÇALVES (2000), ests mudnçs nã sã fáceis de se cnduzi, lgums empess cbm dnd lguns psss e desistem lg depis, sem sbe cet cm pssegui. NETO e FILHO (2000) ind fimm que há escssez de estuds empíics bdnd mudnç n estutu ds gnizções e eflex dests mudnçs n desempenh d empes. Deste md, este tig pesent s esultds btids cm mudnç gnizcinl em um indústi d set de utpeçs, fbicnte de sistems e cmpnentes p mtes. Nest empes, especificmente em um plnt, ceu um pfund mudnç n estutu gnizcinl, pssnd de um estutu funcinl e hiequizd p um estutu mis flexível e um gnizçã mticil p pi d áe pdutiv. O bjetiv d tig é vli eflex dests mudnçs cnsidend dis spects: gestã de ecuss humns e gestã d qulidde d pcess. A gestã de ecuss humns se efee impct d nv estutu gnizcinl sbe cultu gnizcinl existente, pinciplmente ppcinnd mi utnmi s setes d empess, gend um nv mbiente n plnt. ENEGEP 2002 ABEPRO 1

2 XXII Encnt Ncinl de Engenhi de Pduçã Cuitib PR, de utub de A estutu ds gnizções A estutu gnizcinl pde se definid, segund GHANI et l (2002), cm lcçã fml de egs de tblh e mecnisms dministtivs p cntl e integ tividdes de tblh. YAUCH e STEUDEL (2002) fimm que estutu ds gnizções é fut d cultu gnizcinl. Deste md, cultu gnizcinl cespnde um cnjunt de vles que nteim cmptment de seus membs, cuj mi bjetiv é gnti su sbevivênci n mecd. CURY (1995) fim que um imptnte fement p nálise d estutu gnizcinl é um epesentçã gáfic e bevid d estutu d empes, denmind gngm. JOHANSON (2000) fim que estutu ds gnizções, é ftemente influencid pel esttégi d empes, u sej, qund um decisã esttégic que defini ntuez e dieçã d gnizçã é fmuld, tn-se necessái dçã de um estutu que pemit gnizçã tingi bjetiv pevist. Est ccteístic d estutu gnizcinl fi demnstd p CHANDLER (1962). Cm bse em um estud elizd em empess nte meicns, CHANDLER (1962) pud CURY fim que estutu d gnizçã é eflex d cmptment esttégic d empes fente cmpetitividde d mecd n qul está inseid. 3. Mudnç Ognizcinl A mudnç é um pcess cmplex, pdend se plnejd u simplesmente cntece. NETO (1999) fim que s mudnçs n estutu ds gnizções pdem se de dus ntuezs: mudnç nã plnejd e mudnç plnejd u esttégic. N pcess nã plnejd u etiv, gnizçã pcu mnte um cus fime, slucinnd pblems medid que pecem. A cntái d mudnç nã plnejd, mudnç plnejd u esttégic pcu tingi um bjetiv estbelecid, e que pcu influenci seus membs. GHANI et l (2002) fim que mudnç plnejd pde se vist cm um esfç ptiv d gnizçã, n sentid de envlve seus membs e edefini sus tividdes p tingi um bjetiv ppst pel lt dministçã d gnizçã. YAUCH e STEUDEL (2002) fimm que existe, dente uts, tês ftes cnside qund se nlis mudnç gnizcinl, que sã: estimuldes d mudnç gnizcinl; cpcidde d gnizçã em se dpt ests mudnçs, incluind s esistêncis ineentes pcess; e, pinciplmente eflex dests mudnçs n desempenh d gnizçã. 3.1 Estimuldes d mudnç gnizcinl As mudnçs que se pcessm em um gnizçã, tem cm fntes divess ftes. Deste md, ALTAMIRANO (1999), estud pcess de mudnç gnizcinl em um empes, fim que s estimuldes de mudnçs ns gnizções pdem se iunds d exigênci d mecd, vnçs tecnlógics u simplesmente um titude esttégic d gnizçã, desencded p lgum bjetiv. As eções n mecd pdem se epesentd cm titude ds clientes cd vez mis pecupds em dquii pduts cm lt vl gegd, ssim s empess tem desfi de desenvlve nvs metdlgis de pduçã u dt s sistems de gestã que pssibilitem s su sbevivênci n mecd. Cntud, tis sistems exigem um eestutuçã gnizcinl que pemit lcnç s bjetivs ppsts. Cm exempl, pde-se cit pesquis elizd p AHIRE et l (1996). Neste tblh, s pesquisdes veificm que se utiliz sistem de geenciment ttl d qulidde (Ttl Qulity Mngemen, TQM),cm enfque ns necessiddes d cliente, e necessái cnduzi um eestutuçã gnizcinl, u sej, mpe cm s métds tdicinis e ge um mbiente, nde s empegds fssem fvecids cm pgm de utnmi, envlviment e teinment. ENEGEP 2002 ABEPRO 2

3 XXII Encnt Ncinl de Engenhi de Pduçã Cuitib PR, de utub de 2002 GHANI (2002) fim que eflex d vnç d tecnlgi de mnuftu sbe estutu ds gnizções é um mpl cmp de estud em muits píses. Cntud, mesm ut fim que pós dt um vnçd tecnlgi de mnuftu, gnizçã necessit de edefini funções e tefs u, té mesm elimin lguns cgs dent d empes. O que se pde fim, segund NOORI (1997), é que muits empess que pssuem um estutu tdicinl, mecnicist e pdnizd nã cnseguem bte vntgem cmpetitiv dt nvs tecnlgis pque ests estutus nã pssibilitm que seus elements tenhm um visã ptiv em elçã seu futu. GONÇALVES (2000) fim que s elements que fetm estutu ds gnizções nã tum de um fm isld, ms que cd ft tem um espectiv celçã cm ut. Deste md, cnfme mst figu 01, empes lh p mbiente que cec e tduz est visã p seu mbiente inten, pcund se egniz de mnei espnde s estímuls que ecebe. Ambiente exten empes Ambiente inten empes Exigênci d mecd Tecnlgi Visã esttégic d Empes Reestutuçã Ognizcinl Figu 01-Visã esttégic d empes fente s ftes de mudnç 3.2 A esistênci mudnç gnizcinl HERNANDEZ e CALDAS (2001) fimm que um bei p mudnç u invções dent ds gnizções sã s esistêncis s mudnçs. Segund s utes, est esistênci individul pss p sete níveis: pimei cespnde expsiçã mudnç, segund pcessment inicil, espst inicil, pcessment estendid u pecepçã d mudnç (clet de mis infmções), ceitçã u esistênci emcinis, integçã e, finlmente, cnclusã ( dçã de cmptment: tiv u pssiv). Cntud, segund fim YAUCH et l (2002), mis imptnte que isl s ftes d esistênci mudnç é lt dministçã dt plns e esttégis que tenuem esistênci ds pesss dt detemind invçã. 4. Estud de Cs 4.1 A empes A empes em estud sfeu váis tnsfmções, ptind de um cmpnhi fmili, tnsfmnd-se em um multincinl. As mudnçs cmeçm pti d betu d mecd ncinl de utpeçs p imptções, cm cnseqüênci incement d cncênci ente s váis empess deste set. Deste md, empes dtu cm ltentiv inici um pcess de melhi visnd eduzi custs e ument cmpetitividde. A segund gnde mudnç ceu dunte pcess sucessói cuj esultd fi divisã d empes em tês negócis (fundiçã, sistems de exustã e peçs p mtes e sistems de suspensã p veículs) e su vend p um gup ENEGEP 2002 ABEPRO 3

4 XXII Encnt Ncinl de Engenhi de Pduçã Cuitib PR, de utub de 2002 ncinl d áe de fundiçã e dus multincinis (Alemã e Itlin) d set de ut peçs. A tecei mudnç fi dissluçã d sciedde ente s dus multincinis e cm ist cind empes de peçs p mtes. Est nv empes pssu se um divisã de negócis d multincinl lemã que nã pssuí este tip de cmpnente em su linh. Est quisiçã pssibilitu mesm s meis necessáis p pduzi dent d gup um sistem cmplet pistã/nel/biel/cmis/bnzin p mntgem n mt e cnseqüentemente feece mecd um pdut cm mi vl gegd. Atulmente est divisã é cmpst de dus plnts n Bsil e tês n extei, plnt 1, lv deste estud de cs é mi, cm pximdmente dis mil clbdes. A gnizçã d plnt 1 e tdicinl, cm um diet pecinl, geentes de engenhi, pduçã, qulidde, ecuss humns e lgístic. O póxim nível e cmpst pels chefes, supevises, encegds e lídees. Os setes de cmp e cntldi em cptivs. A ntig estutu gnizcinl d plnt é mstd n figu 2, send clssificd cm Estutu Ognizcinl Funcinl (CURY, 1995). Cm este tip de estutu juntmente cm lidenç d épc, cd deptment pev fechd em si mesm, u sej, nã existi espíit de equipe s infmções nã fluím ente s áes dministtivs, dv-se gnde enfque esultd individul de cd áe e nã esultd cletiv d plnt. Neste mbiente utnmi e extemmente ceced, ádi peã e instument de disseminçã ds infmções e tunve cnsided lt. Cm pcess de fbicçã sfe influênci diet ds clbdes, s pblems cm qulidde d pdut fbicd e efug estvm umentnd. As cnseqüêncis dest situçã pdeim se bsevds tvés d cnsum de ecuss cm etblhs, teinment de nvs clbdes, qued de pdutividde e ument d estutu de inspeçã, lém ds pblems cm tss de entegs e eclmções de clientes. 4.2 As mudnçs cids n empes Cm ciçã d dieti d negóci A e euniã de tds s plnts sb mesm ientçã fi desenhd um pln meste, dietizes e mets, visnd cdençã e diecinment ds esfçs d divisã. Em julh de 2001 n plnt 1 ceu eestutuçã gnizcinl, cind-se um mdel difeente de gestã em elçã ntei. Fi elbd um nv gngm, cnfme pde se vist n figu 3, dividind-se set de pduçã em áes de cd cm tip de pdut fbicd e intduzid cnceit de mini fábics. Segund SILVESTRO (2002), qund s empess eestutum seu nj físic, lgum juste n estutu gnizcinl é necessái. Cm bse nest idéi, nv estutu gnizcinl deve cnfei flexibilidde necessái p dminist cd mini fábic. Os justes n estutu gnizcinl cmeçm cm eliminçã d funçã de diet pecinl, cind-se em seu lug de geente pecinl cm ligçã cm s setes de pduçã, engenhi e mnutençã. Qunt s setes, s setes de qulidde e lgístic eptm dietmente diet d negóci e set de RH pssu se cptiv cm s setes de cmp e cntldi. O set de pduçã fi dividid em cinc mini fábics e elimind figu d geente de pduçã, send cid chefe de mini fábic. A funçã d chefe de mini fábic é geenci su áe, tvés d plnejment e cntle d pduçã, geencind cust, mnutençã, qulidde e engenhi de pcess. Cm este nv enfque, gest d mini fábic pssu te espnsbilidde e utidde ttnd su áe hlisticmente, send um empeended d seu negóci. P vibiliz est dministçã fi cid um estutu mticil cm s áes de pi p cd mini fábic, cnfme mst figu 4. ENEGEP 2002 ABEPRO 4

5 XXII Encnt Ncinl de Engenhi de Pduçã Cuitib PR, de utub de Análise ds mudnçs cids n plnt 1 O pcess de mudnç cmeç cm empenh d geenci em gniz e fment envlviment e cmpmetiment de tds s pesss n pcess de mudnç. Este fi um ds pnts chves d egnizçã, pis td pcess de mudnç ge esistênci ns pesss envlvids p mud seu sttus qu (HERNANDEZ e CALDAS, 2001) e est esistênci pde signific fcss ttl d pjet. O envlviment fi cnquistd cm ções que tnsmitim tnspênci d pcess infmnd pquê ds mudnçs e que se espev d equipe pós ests tnsfmções. As pincipis medids fm fundmentds n desenvlviment e vlizçã d clbd d pis de fábic cm, p exempl, um escl de fmçã/cmplementçã técnic, pln de cgs e sláis, pgm de sugestões, betu d cnl de cmunicçã d ped cm seu chefe e investiment n desenvlviment ds supevises. Um ut pnt fundmentl p sucess d mudnç fi pefil de lidenç e fm de tuçã d diet e geente pecinl, tçnd s mets, ientnd e eslvend s cnflits iniciis. Os chefes tmbém tivem um ppel fundmentl n pcess fzend intefce ente s mets tçds e s clbdes d pis de fábic Pesidente RH Finncei Negóci A Negóci P Negóci F Opecin l Plnt 1 Opeci Opecin l Plnt 3 Engenhi Pduçã Fundiçã Pduçã Usingem Lgístic Qulid de mnutenç ã Peventiv mnutenç ã Engenhi Pcess Engenhi Métds Qulidd Engenhei Pcesss Engenhi Industil Fundiçã es Aç Cmum Cmd Supevis Anlist Pcesss Desenhist Engenhei Desenhist Encegd Enceg d Encegd Encegd e e Clbdes Figu 2 Ognizçã Funcinl d Empes ENEGEP 2002 ABEPRO 5

6 XXII Encnt Ncinl de Engenhi de Pduçã Cuitib PR, de utub de 2002 Pesiden t RH Negóci A Mundil Geent e RH Qulid de Lgístic Opecinl Plnt 1 -Bsil Opecinl Plnt 2 -Bsil Opecinl Plnt 3 Plnt 4 - Áusti Plnt 5 - Austáli Engenhi Pcess Engenhi Métds mnutençã Minifábic Anéis cm Cbetu Minifábic Anéis sem Cbetu Minifábic Pduts de ç Minifábic Fundiçã Minifábic Pé usingem Engenhi Engenhei Pcesss Engenhei Engenhi pjets Anlist Pcesss lyutist Anlist Temps e Métds Pjetist Desenhist Enceg d Enceg d Enceg d Enceg d Enceg d Enceg Clbdes Figu 03 Estutu d Ognizçã pós eestutuçã OPERAÇÕES CHEFE 1 CHEFE 2 CHEFE 3 CHEFE 4 CHEFE 5 FUNDIÇÃO PRE USINAGEM ANÉIS SEM COBERTURA ANÉIS COM COBERTURA PRODUTOS DE AÇO QUALIDADE Q1 Q2 Q3 Q4 Q5 PRODUÇÃO P1 P2 P3 P4 P5 ENGENHARIA E1 E2 E3 E4 E5 LOGÍSTICA L1 L2 L3 L4 L5 MANUTENÇÃO M1 M2 M3 M4 M5 GERENTES "ALÉM DAS FRONTEIRAS" EQUIPE DAS MINI-FÁBRICAS EMPRESÁRIOS - AUTONOMIA / AUTORIZAÇÃO Figu 4 Ognizçã mticil de pi s mini fábics ENEGEP 2002 ABEPRO 6

7 XXII Encnt Ncinl de Engenhi de Pduçã Cuitib PR, de utub de 2002 Os indicdes qui utilizds sã, em su mii, indicdes de pdutividde. AHIRE et l (1996) diz que estes indicdes devem evidenci qulidde ds pduts e cliente. Deste md, s índices esclhids fm: eclmções de clientes, cust d qulidde/cust fbicçã, tendiment à msts; enteg d pduçã estque, evluçã deste indicd ntes e pós estutu mticil pde se vist n figu 5, nde pde se pecebid clmente melh d índice n fse de utilizçã d estutu mticil; mesm pde se visulizd p indicd quils bns/hs tblhds ( fundiçã ), efug p mini fábics. O gáfic de pdutividde d mã de b d empes pde se vist n figu 7, neste gáfic sã levds em cnt bsenteísm e, tun ve A evluçã d efug gel é bsevd n figu 6. As eclmções ds clientes tmbém sfeu um impct psitiv tvés d utilizçã d nv estutu gnizcinl. Qtde. pd. P/funcin. HD (mil) 30 qtde. pduzid p funcinái b/01 mi/01 jun/01 jul/01 g/01 set/01 ut/01 nv/01 dez/01 jn/02 fev/02 m/02 meses 4 Qtde. pd. P/funcin. HD (mil) Figu 5 Evluçã d Pdutividde ntes e pós eestutuçã gnizcinl Vl 20,0 16,0 Pcentgem 12,0 8,0 4,0 0,0 m/01 b/01 mi/01 jun/01 jul/01 g/01 set/01 ut/01 nv /01 dez/01 jn/02 fev /02 m/02 Meses PLANTA 1 META Figu 6 Evluçã d índice de efug gel 5. Cnclusã Segund fimm VERGARA e BRANCO (2001) eliz um mudnç gnizcinl e tmbém cultul em um gnde empes eque plnejment p pep e nteve s dificulddes de cd etp d pcess e um fte lidenç d lt dministçã cm pi d geênci intemediái (neste cs chefi) e fc ns pesss (clbdes, clientes, fnecedes e cmunidde). A lng dest pesquis, fi pssível nlis cm eestutuçã gnizcinl sfe impcts significtivs se lte um ds cmpnentes que cmpõe sistem pdutiv, que neste cs sã: ecuss humns, nj físic ds equipments e mudnç de visã esttégic d empes. ENEGEP 2002 ABEPRO 7

8 XXII Encnt Ncinl de Engenhi de Pduçã Cuitib PR, de utub de 2002 Assim, cm bse nestes citéis empes deve se vlid p tingi s bjetivs pels quis se empenh. Agdeciments: À empes que ns fneceu s dds e à Cdençã de Apefeiçment de Pessl de Nível Supei-CAPES Bibligfi JOHANSON, J. E. Fml stuctue nd int-gnistinl netwks. An nlysis in cmbined scil nd helth gnistin in Finlnd. Scndinvin Junl f Mngement, CURY, A.Ognizçã e Métds:Um visã Hlístic. 6ª Ediçã-Revist e Amplid. Edit Atls-S.A.Sã Pul, GHANI, A.K., JAYAKABALAN,V., SUGUMAR, M. Impct f dvnced mnufctuing technlgy n gniztinl stuctue. The Junl f High Technlgy Mngement Resech, Elsevie Science, YAUCH, C. A., STEUDEL, H. J. Cellul Mnufctuing f smll business:key cultul fcts tht impct the cnvesin pcess. Junl f Opetins Mngement, Elsevie Science, GONÇALVES, J. E. L. Pcess, que Pcess? Revist Administçã de Empess RAE - vlume 40-págins 8 10, Fundçã Getúli Vgs, Sã Pul, Outub/ Dezemb AHIRE, S. L., WALLER, M. A., GOLHAR, D. Y.Qulity Mngement in TQM vesus nn TQM fims: n empiicl investigtin.intentinl Junl f Qulity Mngement, Elsevie Science, 1996 ALTAMIRO, A. V. Metdlgi p integçã d Mketing e d Mnuftu. Tese de Dutd. Univesidde Fedel de Snt Ctin-UFSC, Flinóplis,1999 HERNANDEZ, J. M. C., CALDAS, M. P. Resistênci mudnç: um evisã cític. Revist Administçã de Empess RAE - vlume 41-págins 31 45, Fundçã Getúli Vgs, Sã Pul, Abil/ Junh KING, A. W., FOWLER, S. W., ZEITHAMI, C. P., Cmpetêncis gnizcinis e vntgem cmpetitiv: O desfi d geenci intemediái. Revist Administçã de Empess RAE - vlume 42-págins 36 49, Fundçã Getúli Vgs, Sã Pul, Jnei/ Mç NOORI, H. Implementing dvnced mnufctuing technlgy : the pespective f newly industilized Cunty (Mlsy).Junl f High Technlgy Mngement Resech, VERGARA, S. C., BRANCO, P. D., Empes Humnizd: gnizçã necessái é pssível. Revist Administçã de Empess RAE - vlume 41-págins 20 30, Fundçã Getúli Vgs, Sã Pul, Abil/ Junh ENEGEP 2002 ABEPRO 8

Arte e tecnologia na formação continuada de professores de. artes visuais: uma proposta educacional inovadora

Arte e tecnologia na formação continuada de professores de. artes visuais: uma proposta educacional inovadora F i g u Ate e tecnologi n fomção continud de pofessoes de F tes visuis: um popost educcionl inovdo F ii g u Simone Woytecken De Cvlho I An Luiz Ruschel Nunes (Oientdo) II 3 21 - -- Resumo: Este estudo

Leia mais

O defensor das águas. A história do pingo d água 2ª EDIÇÃO - FEVEREIRO / 2008 ELABORAÇÃO DA 1ª EDIÇÃO - FEVEREIRO / 2004

O defensor das águas. A história do pingo d água 2ª EDIÇÃO - FEVEREIRO / 2008 ELABORAÇÃO DA 1ª EDIÇÃO - FEVEREIRO / 2004 história do pingo d água defensor das águas 2ª EDIÇÃ - FEVEEI / 2008 IP - INTITUT EGINL D PEQUEN GPECUÁI PPID ELBÇÃ D 1ª EDIÇÃ - FEVEEI / 2004 CÁIT NCINL BCMC - CIÇÃ BILEI DE CPTÇÃ E MNEJ DE ÁGU DE CHUV

Leia mais

INFLUÊNCIA DA ZCAS EM BACIAS HIDROGRÁFICAS NAS REGIÕES SUDESTE E CENTRO-OESTE DO BRASIL

INFLUÊNCIA DA ZCAS EM BACIAS HIDROGRÁFICAS NAS REGIÕES SUDESTE E CENTRO-OESTE DO BRASIL INFLUÊNCIA DA EM BACIAS HIDROGRÁFICAS NAS REGIÕES SUDESTE E CENTRO-OESTE DO BRASIL Mci ds Sts Se 1, Wllce Figueied Meezes 2 e Ott Cê Rtu Filh 2 RESUMO Este tlh peset um liçã de episódis em cis hidgáfics

Leia mais

Aula 7-1 Campos Magnéticos produzidos por Correntes Lei de Biot-Savart Física Geral e Experimental III Prof. Cláudio Graça Capítulo 7

Aula 7-1 Campos Magnéticos produzidos por Correntes Lei de Biot-Savart Física Geral e Experimental III Prof. Cláudio Graça Capítulo 7 Aul 7-1 Cmps Mgnétics pduzids p Centes Lei de Bit-Svt Físic Gel e Expeimentl III Pf. Cláudi Gç Cpítul 7 Cmp B p cente elétic Expeiênci de Oested Fi n iníci d sécul XIX (em 180) que físic dinmquês Hns Chistin

Leia mais

Estudo de impacto das mudanças climáticas sobre os recursos hídricos superficiais e sobre os níveis dos aqüíferos na Bacia do Rio Tocantins.

Estudo de impacto das mudanças climáticas sobre os recursos hídricos superficiais e sobre os níveis dos aqüíferos na Bacia do Rio Tocantins. Estud de impct ds mudnçs climátics sbre s recurss hídrics superficiis e sbre s níveis ds qüífers n Bci d Ri Tcntins. Jvier Tmsell, Dniel Andrés Rdrigue, Lu Adrin Curts, Mônic Ferreir, Juli Cér Ferreir

Leia mais

GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE - ICMBIO

GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE - ICMBIO Pln de Mnej Encte 3 GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA INSTITUTO HIO MENDES DE ONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE - IMBIO GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM DO DISTRITO

Leia mais

RECURSOS HUMANOS ANÁLISE DO FLUXO DE TRABALHO

RECURSOS HUMANOS ANÁLISE DO FLUXO DE TRABALHO RECURSOS HUMANOS Intduçã Cncits dfiniçã Digms d flux d pcsss Gáfics d flux d pcsss Estud d cs: DDT d FPFutbl Intduçã Cncits dfiniçã Digms d flux d pcsss Gáfics d flux d pcsss Estud d cs: DDT d FPFutbl

Leia mais

O atrito de rolamento.

O atrito de rolamento. engengens. Obseve-se que s foçs de tito de olmento epesentds n figu (F e f ) têm sentidos opostos. (Sugeimos que voê, ntes de possegui, poue i um modelo que pemit expli s foçs de tito de olmento). "Rffiniet

Leia mais

a sua nova pedida, e a dos seus clientes também

a sua nova pedida, e a dos seus clientes também TOP! su nv pedid, e ds seus clientes tmbém A mrc Riz d Bem trduz cncepçã de liments sudáveis, nde prticmente td cdei limentíci prte d gricultur. Um nme simples, diret e frte em um lingugem de fácil entendiment

Leia mais

Questão 1. Questão 2. alternativa E. alternativa C

Questão 1. Questão 2. alternativa E. alternativa C Quesã Pedr iru mens de um cenen de fs d fes em cmemrçã seu niversári e quer clcá-ls ds num álbum de 0 págins. Em cd págin desse álbum cbem, n máxim, 0 fs. Inicilmene, Pedr enu clcr 6 fs em cd págin. A

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SALINAS Estado de Minas Gerais Administração Fazendária Municipal DECRETO Nº 6.661, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2014.

PREFEITURA MUNICIPAL DE SALINAS Estado de Minas Gerais Administração Fazendária Municipal DECRETO Nº 6.661, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2014. Estd de Mins Geis Administçã Fzendái Municipl DECRETO Nº 6.661, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2014. Estbelece Mp Genéic de Vles MG p efeit de tulizçã ds vles venis ds imóveis ubns e uis d Municípi n execíci 2015

Leia mais

MECÂNICA VETORES AULA 3 1- INTRODUÇÃO

MECÂNICA VETORES AULA 3 1- INTRODUÇÃO AULA 3 MECÂNICA VETOES - INTODUÇÃO N Físic usmos dois gupos de gndezs: s gndezs escles e s gndezs vetoiis. São escles s gndezs que ficm ccteizds com os seus vloes numéicos e sus espectivs uniddes. São

Leia mais

5ª LISTA DE EXERCÍCIOS - CINEMÁTICA

5ª LISTA DE EXERCÍCIOS - CINEMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE FÍSICA DEPARTAMENTO DE FÍSICA DA TERRA E DO MEIO AMBIENTE CURSO: FÍSICA GERAL E EXPERIMENTAL I E SEMESTRE: 2008.1 5ª LISTA DE EXERCÍCIOS - CINEMÁTICA Cnsidee

Leia mais

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis PCP Vensis PCP O PCP é módul de planejament e cntrle de prduçã da Vensis. Utilizad n segment industrial, módul PCP funcina de frma ttalmente integrada a Vensis ERP e permite às indústrias elabrar

Leia mais

Artigo 12 Como montar um Lava Jato

Artigo 12 Como montar um Lava Jato Artig 12 Cm mntar um Lava Jat Antigamente era cmum bservar as pessas, n final de semana, cm seus carrs, bucha e sabã nas mãs. Apesar de ainda haver pessas que preferem fazer serviç suj szinhas, s lava

Leia mais

ESTIMATIVAS DOS TERMOS RADIATIVOS E AERODINÂMICOS E EVAPOTRANSPIRAÇÃO EM CULTURA DE SOJA NA AMAZÔNIA.

ESTIMATIVAS DOS TERMOS RADIATIVOS E AERODINÂMICOS E EVAPOTRANSPIRAÇÃO EM CULTURA DE SOJA NA AMAZÔNIA. ESTIMATIVAS DOS TERMOS RADIATIVOS E AERODINÂMICOS E EVAPOTRANSPIRAÇÃO EM CULTURA DE SOJA NA AMAZÔNIA. COSTA, J. P. R, MORAES, D. S. dos S. 2, RIBEIRO, A. 3, ROCHA, E. J. P. 4, PINHEIRO, N. D. F. 5. Pof.

Leia mais

Eu só quero um xodó. Música na escola: exercício 14

Eu só quero um xodó. Música na escola: exercício 14 Eu só qu u xdó Músic n scl: xcíci 14 Eu só qu u xdó Ptitus Mi, hni lt Aut: Dinguinhs stáci Rgiã: Pnbuc : 1973 Fix: 14 Anj: Edsn Jsé Alvs Músics: Edsn Jsé Alvs vilã Pvt clints, sx t Jsé Alvs Sbinh Zzinh

Leia mais

TEMA 5 2º/3º ciclo. A LIndo de perguntas. saudável? Luísa, 15 anos

TEMA 5 2º/3º ciclo. A LIndo de perguntas. saudável? Luísa, 15 anos 2º/3º cicl s O Ã Ç T N E M I d pguns u m mu um p z pdms f ps O qu sudávl? blnç d i c n c id p Sá d p d n cm p, ic mbém é g á s n v ic. Dsc ís f m f civ b id v m u i d lóics. c s impânc s g õs sb ç n s

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação Os nvs uss da tecnlgia da infrmaçã nas empresas Sistemas de Infrmaçã Prf. Marcel da Silveira Siedler siedler@gmail.cm SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Planejament

Leia mais

CAPA APENAS PARA INDICAÇÃO Favor retirar essa informação, mas não retire o QR CODE ao lado.

CAPA APENAS PARA INDICAÇÃO Favor retirar essa informação, mas não retire o QR CODE ao lado. CP PENS PR INDICÇÃ Favor retirar essa informação, mas não retire o QR CDE ao lado. LINH FRM LINH ELETR LINH SUPER LINH MTEC LINH DPTS C T Á L G D E P R D U T S LINH EXP LINH EXPSIÇÃ SEGUR nossa história

Leia mais

MATRIZES. Em uma matriz M de m linhas e n colunas podemos representar seus elementos da seguinte maneira:

MATRIZES. Em uma matriz M de m linhas e n colunas podemos representar seus elementos da seguinte maneira: MATRIZES Definiçã Chm-se mtriz d tip m x n (m IN* e n IN*) td tel M frmd pr númers reis distriuíds em m linhs e n cluns. Em um mtriz M de m linhs e n cluns pdems representr seus elements d seguinte mneir:

Leia mais

Plano de ação para o tema: resíduos

Plano de ação para o tema: resíduos Pln çã pr tem: resídus Dignóstic (situções melhrr) Objetiv(s) Met(s) Ações e Ativids Prevists Cncretizçã Avliçã- instruments e Indicdres ( mnitrizçã e vliçã Recurss Interveniente s Clendrizçã ções) Lix;

Leia mais

CPV O cursinho que mais aprova na GV

CPV O cursinho que mais aprova na GV O cursinho que mis prov n GV FGV Administrção 04/junho/006 MATEMÁTICA 0. Pulo comprou um utomóvel fle que pode ser bstecido com álcool ou com gsolin. O mnul d montdor inform que o consumo médio do veículo

Leia mais

Unidade 7: Sínteses de evidências para políticas

Unidade 7: Sínteses de evidências para políticas Unidade 7: Sínteses de evidências para plíticas Objetiv da Unidade Desenvlver um entendiment cmum d que é uma síntese de evidências para plíticas, que inclui e cm pde ser usada 3 O que é uma síntese de

Leia mais

tre L' y 4or, n p g ;q..40, A /... 401#' 1 / #114/ f ... Il PREJUDICA 4110f Af \. I - ) v n / 1 1::: 11 1::: is! n::1 ;:i C) C) e ui LIDO HOJE.

tre L' y 4or, n p g ;q..40, A /... 401#' 1 / #114/ f ... Il PREJUDICA 4110f Af \. I - ) v n / 1 1::: 11 1::: is! n::1 ;:i C) C) e ui LIDO HOJE. LDO HOJE. n Ai 0 2 -- ÀS COMSSÕES DE: nual 9)50.;.:)...(á 3 i / J. 99 5 j::'(445:,dw).., 0... E 3 S... A T :: V () H P. / 9 5 c-.4 7-- Õ.t_ cem A CaARA 3:CPLL PREJUDCA C.', n id e. 't t. :. de j. el a

Leia mais

Instituto de Física USP. Física Moderna I. Aula 29. Professora: Mazé Bechara

Instituto de Física USP. Física Moderna I. Aula 29. Professora: Mazé Bechara Institut d Físic USP Físic Mdn I Aul 9 Pfss: Mzé Bch Aul 9 O átm d hidgêni n ti d Schding 1. A sluçã d átm d H n ti d Schding. Cmpçã cm s sultds d Bh.. Os stds dgnds m ngi: stds d msm ngi divss móduls

Leia mais

Supply Chain Game. EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autor: Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves

Supply Chain Game. EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autor: Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Supply Chain Game EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autr: Prf. Dr. Daniel Bertli Gnçalves Exercíci Prátic Simuland Cadeias de Supriments v2.0 Lcal: em sala de aula Material Necessári:

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

SISTEMA PROGRESSIVO 2011.2 SÁBAD O TARDE 23.08 27.08 24.08 02.09 SEXTA MANHA 9H SEXTA MANHA 7H SEXTA TARDE 14H SEXTA MANHA 7H SEXTA TARDE 14H

SISTEMA PROGRESSIVO 2011.2 SÁBAD O TARDE 23.08 27.08 24.08 02.09 SEXTA MANHA 9H SEXTA MANHA 7H SEXTA TARDE 14H SEXTA MANHA 7H SEXTA TARDE 14H SISTEM PRGRESSIV 2011.2 DMINISTRÇÃ DE RECURSS MTERIIS E PTRIMNIIS TERÇ QURT QUINT NITE 23.08 27.08 24.08 DMINISTRÇÃ PLICD ENFERMGEM TERÇ QURT QUINT NITE 23.08 24.08 DMINISTRÇÃ D PRDUÇÃ TERÇ QURT QUINT

Leia mais

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se . Logritmos Inicilmente vmos trtr dos ritmos, um ferrment crid pr uilir no desenvolvimento de cálculos e que o longo do tempo mostrou-se um modelo dequdo pr vários fenômenos ns ciêncis em gerl. Os ritmos

Leia mais

Ondas Eletromagnéticas Interferência

Ondas Eletromagnéticas Interferência Onds Eletomgnétics Intefeênci Luz como ond A luz é um ond eletomgnétic (Mxwell, 1855). Ess ond é fomd po dois cmpos, E (cmpo elético) e B (cmpo mgnético). Esses cmpos estão colocdos de um fom pependicul

Leia mais

Desvio do comportamento ideal com aumento da concentração de soluto

Desvio do comportamento ideal com aumento da concentração de soluto Soluções reis: tividdes Nenhum solução rel é idel Desvio do comportmento idel com umento d concentrção de soluto O termo tividde ( J ) descreve o comportmento de um solução fstd d condição idel. Descreve

Leia mais

( ) Logaritmos. Logaritmos. a é a base do logaritmo, b é o logaritmando, x é o logaritmo. Exemplos

( ) Logaritmos. Logaritmos. a é a base do logaritmo, b é o logaritmando, x é o logaritmo. Exemplos UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA Lgritms. Cneit de lgritm

Leia mais

TIPOS DE GRANDEZAS. Grandeza escalar necessita apenas de uma. Grandeza vetorial Além do MÓDULO, ela

TIPOS DE GRANDEZAS. Grandeza escalar necessita apenas de uma. Grandeza vetorial Além do MÓDULO, ela TIPO DE GRANDEZA Gndez escl necessit pens de um infomção p se compeendid. Nesse cso, qundo citmos pens o MÓDULO d gndez (intensidde unidde) el fic definid. Exemplo: tempetu(30ºc), mss(00kg), volume(3400

Leia mais

Quantidade de oxigênio no sistema

Quantidade de oxigênio no sistema EEIMVR-UFF Refino dos Aços I 1ª Verificção Junho 29 1. 1 kg de ferro puro são colocdos em um forno, mntido 16 o C. A entrd de oxigênio no sistem é controld e relizd lentmente, de modo ir umentndo pressão

Leia mais

INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ

INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ Ricrdo S. Blrdin Mrcelo G. Mdlosso Mônic P. Debortoli Giuvn Lenz. Dep. Defes Fitossnitári - UFSM; Instituto Phytus. Em nos

Leia mais

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa Manual Cm intrduzir emplyeeship na empresa Índice Intrduçã Pass 1 - Cnheça as vantagens d emplyeeship para a empresa Pass 2 - Saiba que é a cultura emplyeeship Pass 3 - Aprenda a ter "bns" empregads Pass

Leia mais

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Questão 4. Resposta. Resposta. Resposta. ATENÇÃO: Escreva a resolução COM- PLETA de cada questão no espaço reservado

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Questão 4. Resposta. Resposta. Resposta. ATENÇÃO: Escreva a resolução COM- PLETA de cada questão no espaço reservado ATENÇÃO: Escreva a resluçã COM- PLETA de cada questã n espaç reservad para a mesma. Nã basta escrever apenas resultad final: é necessári mstrar s cálculs racicíni utilizad. Questã Caminhand sempre cm a

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR 1. Históric da Jrnada AGIR Ns ambientes crprativs atuais, a adçã de um mdel de gestã integrada é uma decisã estratégica n api às tmadas

Leia mais

LINHA RESIDENCIAL Catálogo de Produtos 2008/2009

LINHA RESIDENCIAL Catálogo de Produtos 2008/2009 LINHA RESIDENCIAL Catálg de Pduts 200/2009 Líde Mundial em Sistemas de Limpeza Cist Redent - Ri de Janei - Basil Mais de 70 ans de históia passada a limp. Paça Sã Ped - Rma - Itália A KÄRCHER é líde mundial

Leia mais

a FICHA DE AVALIAÇÃO FORMATIVA 9.º ANO

a FICHA DE AVALIAÇÃO FORMATIVA 9.º ANO Cristin Antunes Mnuel Bispo Pul Guindeir FICHA DE AVALIAÇÃO FORMATIVA 9.º ANO Escol Turm N.º Dt Grupo I Documento I É um serviço de tendimento telefónico de Trigem, Aconselhmento e Encminhmento, Assistênci

Leia mais

1 a) O que é a pressão atmosférica? No S.I. em que unidades é expressa a pressão?

1 a) O que é a pressão atmosférica? No S.I. em que unidades é expressa a pressão? Escol Secundái Anselmo de Andde Ciêncis Físico - Químics 8º Ano Ano Lectivo 07/08 ACTIVIDADES: Execícios de plicção Pof. Dulce Godinho 1 ) O que é pessão tmosféic? No S.I. em que uniddes é expess pessão?

Leia mais

Escla Superir Agrária de Cimbra Prcessament Geral de Aliments LEAL 2009/2010 Aqueciment Óhmic Brenda Mel, nº 20803030 Inês Ricard, nº 20090157 Nádia Faria, nº 20803060 O que é? Prcess nde a crrente eléctrica

Leia mais

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C.

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C. As grndezs A, B e C são tis que A é diretmente proporcionl B e inversmente proporcionl C. Qundo B = 00 e C = 4 tem-se A = 5. Qul será o vlor de A qundo tivermos B = 0 e C = 5? B AC Temos, pelo enuncido,

Leia mais

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Resposta. Resposta

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Resposta. Resposta ATENÇÃO: Escreva a resluçã COMPLETA de cada questã n espaç a ela reservad. Nã basta escrever resultad final: é necessári mstrar s cálculs u racicíni utilizad. Questã Uma pessa pssui a quantia de R$7.560,00

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS Sã Paul 2013 1 1 INTRODUÇÃO Este Manual tem a finalidade de servir à nrmalizaçã da elabraçã de Trabalhs de Cnclusã de Curs TCC pr mei de artigs científics,

Leia mais

Apresentação do Curso

Apresentação do Curso At endi m ent acl i ent e Apr es ent aç ãdc ur s Apresentaçã d Curs O curs Atendiment a Cliente fi elabrad cm bjetiv de criar cndições para que vcê desenvlva cmpetências para: Identificar s aspects que

Leia mais

Questão 1. Questão 2. Resposta. Resposta

Questão 1. Questão 2. Resposta. Resposta Questã 1 Numa cidade d interir d estad de Sã Paul, uma prévia eleitral entre.000 filiads revelu as seguintes infrmações a respeit de três candidats A, B, ec, d Partid da Esperança (PE), que cncrrem a 3

Leia mais

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL ÍNDICE I. Apresentaçã e bjectivs d wrkshp II. III. Resultads ds inquérits Ambiente cmpetitiv Negóci Suprte Prcesss

Leia mais

Substituição de descodificadores antigos

Substituição de descodificadores antigos Substituiçã de descdificadres antigs De md a assegurar a dispnibilizaçã cntínua da tecnlgia mais recente as seus subscritres a MultiChice África irá realizar um prcess de actualizaçã ds descdificadres

Leia mais

VIBRAÇÃO NO NÚCLEO ESTATÓRICO DO GERADOR DA UG-05 DA USINA HIDRELÉTRICA ENGº. SÉRGIO MOTTA (PORTO PRIMAVERA) 1.0 INTRODUÇÃO

VIBRAÇÃO NO NÚCLEO ESTATÓRICO DO GERADOR DA UG-05 DA USINA HIDRELÉTRICA ENGº. SÉRGIO MOTTA (PORTO PRIMAVERA) 1.0 INTRODUÇÃO GGH/008 6 de Outubr de 00 Cmpins - Sã Pul - Brsil GRUPO I GRUPO DE ESTUDO DE GERAÇÃO HIDRÁULICA - GGH VIBRAÇÃO NO NÚCLEO ESTATÓRICO DO GERADOR DA UG-05 DA USINA HIDRELÉTRICA ENGº. SÉRGIO MOTTA (PORTO PRIMAVERA)

Leia mais

2ª Lei de Newton. Quando a partícula de massa m é actuada pela força a aceleração da partícula tem de satisfazer a equação

2ª Lei de Newton. Quando a partícula de massa m é actuada pela força a aceleração da partícula tem de satisfazer a equação ª Lei de Newton ª Lei de Newton: Se foç esultnte ctunte num ptícul é difeente de zeo, então ptícul teá um celeção popocionl à intensidde d foç esultnte n diecção dess esultnte. P um ptícul sujeit às foçs

Leia mais

Capítulo V. Técnicas de Análise de Circuitos

Capítulo V. Técnicas de Análise de Circuitos Capítul V Técnicas de Análise de Circuits 5.1 Intrduçã Analisar um circuit é bter um cnjunt de equações u valres que demnstram as características de funcinament d circuit. A análise é fundamental para

Leia mais

Proposta. Treinamento Lean Thinking Mentalidade Enxuta. Apresentação Executiva

Proposta. Treinamento Lean Thinking Mentalidade Enxuta. Apresentação Executiva Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta www.masterhuse.cm.br Prpsta Cm Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta Apresentaçã Executiva Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta Cpyright 2011-2012

Leia mais

MRP / MRP II MRP MRP / MRP II 28/04/2009. www.paulorodrigues.pro.br. Material Required Planning (anos 60) Manufacturing Resource Planning (anos 80)

MRP / MRP II MRP MRP / MRP II 28/04/2009. www.paulorodrigues.pro.br. Material Required Planning (anos 60) Manufacturing Resource Planning (anos 80) MSc. Pulo Cesr C. Rodrigues pulo.rodrigues@usc.br www.pulorodrigues.pro.br Mestre em Engenhri de Produção MRP Mteril Required Plnning (nos 60) Mnufcturing Resource Plnning (nos 80) MRP = Mteril Requirement

Leia mais

Figura 13-Balança de torção

Figura 13-Balança de torção Capítul-Cagas eléticas, islantes e cndutes ças eléticas A Lei de Culmb Augustin Culmb aceditava na teia de açã a distância paa a eleticidade Ele inventa e cnstói em 785 uma balança de tçã paa estuda a

Leia mais

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE 07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE SEMENTES NA QUALIDADE FISIOLOGICA DA SEMENTE E A EFICIENCIA NO CONTROLE DE PRAGAS INICIAIS NA CULTURA DA SOJA Objetivo Este trblho tem como objetivo vlir o efeito

Leia mais

FORMATURA ENSINO TÉCNICO

FORMATURA ENSINO TÉCNICO FORMATURA ENSINO TÉCNICO Assessri e Prduçã de Events Frmtur Técnic Assessri e Prduçã de Events FORMATURA ENSINO TÉCNICO ASSESSORIA E PRODUÇÃO DE EVENTOS S l ã A cmbinr cm s frmnds. D e c r ç ã c m p l

Leia mais

Resolução A primeira frase pode ser equacionada como: QUESTÃO 3. Resolução QUESTÃO 2 QUESTÃO 4. Resolução

Resolução A primeira frase pode ser equacionada como: QUESTÃO 3. Resolução QUESTÃO 2 QUESTÃO 4. Resolução (9) - www.elitecmpins.com.br O ELITE RESOLVE MATEMÁTICA QUESTÃO Se Améli der R$, Lúci, então mbs ficrão com mesm qunti. Se Mri der um terço do que tem Lúci, então est ficrá com R$, mis do que Améli. Se

Leia mais

Caderno 1 : Domínios de Definição, Limites e Continuidade

Caderno 1 : Domínios de Definição, Limites e Continuidade Institut Superir de Ciências d Trabalh e Empresa Curs: Gestã e GEI, An Cadeira: Optimizaçã Cadern : Dmínis de Definiçã, Limites e Cntinuidade (Tópics de teria e eercícis) Elabrad pr: Diana Aldea Mendes

Leia mais

Soluções do Capítulo 9 (Volume 2)

Soluções do Capítulo 9 (Volume 2) Soluções do pítulo 9 (Volume ) 1. onsidee s ests oposts e do tetedo. omo e, os pontos e estão, mbos, no plno medido de, que é pependicul. Logo, et é otogonl, po est contid em um plno pependicul.. Tomemos,

Leia mais

Vedação. Fig.1 Estrutura do comando linear modelo ST

Vedação. Fig.1 Estrutura do comando linear modelo ST 58-2BR Comando linea modelos, -B e I Gaiola de esfeas Esfea Eixo Castanha Vedação Fig.1 Estutua do comando linea modelo Estutua e caacteísticas O modelo possui uma gaiola de esfeas e esfeas incopoadas

Leia mais

Projetos, Programas e Portfólios

Projetos, Programas e Portfólios Prjets, Prgramas e Prtfólis pr Juliana Klb em julianaklb.cm Prjet Segund PMBOK (2008): um prjet é um esfrç temprári empreendid para criar um nv prdut, serviç u resultad exclusiv. Esta definiçã, apesar

Leia mais

SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY

SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY IDENTIFICAÇÃO PLANO DE ENSINO Curso: Engenhri de Produção Período/Módulo: 6º Período Disciplin/Unidde Curriculr: Simulção de Sistems de Produção

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K) ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turm K) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Celso Mnuel Lim Docente Celso Mnuel

Leia mais

CAPÍTULO 5 CINEMÁTICA DO MOVIMENTO PLANO DE CORPOS RÍGIDOS

CAPÍTULO 5 CINEMÁTICA DO MOVIMENTO PLANO DE CORPOS RÍGIDOS 4 CPÍTULO 5 CINEMÁTIC DO MOVIMENTO PLNO DE CORPOS RÍGIDOS O estudo d dinâmic do copo ígido pode se feito inicilmente tomndo plicções de engenhi onde o moimento é plno. Neste cpítulo mos nlis s equções

Leia mais

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial º semestre de Engenhri Civil/Mecânic Cálculo Prof Olg (º sem de 05) Função Eponencil Definição: É tod função f: R R d form =, com R >0 e. Eemplos: = ; = ( ) ; = 3 ; = e Gráfico: ) Construir o gráfico d

Leia mais

CAPÍTULO 10 TRANSLAÇÃO E ROTAÇÃO DE EIXOS

CAPÍTULO 10 TRANSLAÇÃO E ROTAÇÃO DE EIXOS CAPÍTULO 0 TRANSLAÇÃO E ROTAÇÃO DE EIXOS TRANSLAÇÃO DE EIXOS NO R Sejam O e O s eis primitivs, d Sistema Cartesian de Eis Crdenads cm rigem O(0,0). Sejam O e O s nvs eis crdenads cm rigem O (h,k), depis

Leia mais

Supply Chain Game. EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autor: Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves

Supply Chain Game. EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autor: Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Supply Chain Game EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autr: Prf. Dr. Daniel Bertli Gnçalves Exercíci Prátic 1 Simuland uma Cadeia e planejand seus estques Lcal: em sala de aula Material

Leia mais

Apostila De Matemática GEOMETRIA: REVISÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL, PRISMAS E PIRÂMIDES

Apostila De Matemática GEOMETRIA: REVISÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL, PRISMAS E PIRÂMIDES posti De Mtemátic GEOMETRI: REVISÃO DO ENSINO FUNDMENTL, PRISMS E PIRÂMIDES posti de Mtemátic (por Sérgio Le Jr.) GEOMETRI 1. REVISÃO DO ENSINO FUNDMENTL 1. 1. Reções métrics de um triânguo retânguo. Pr

Leia mais

Atividades para classe

Atividades para classe RESLUÇÃ DE TIIDDES pítulo 5 Módulo 1: Áes de egiões poligonis Em cd item bio está indicdo o nome do polígono e lgums medids. Detemine áe de cd polígono. PÁGIN 1 oe Desfio ) tiângulo c) losngo áe do polígono

Leia mais

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Pulo/SP PNRS E O WASTE-TO-ENERGY Definições do Artigo 3º - A nov ordenção básic dos processos Ordem de prioriddes do Artigo 9º

Leia mais

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito*

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* 20 Api O Setr Elétric / Julh de 2009 Desenvlviment da Iluminaçã Pública n Brasil Capítul VII Prjets de eficiência energética em iluminaçã pública Pr Lucian Haas Rsit* Neste capítul abrdarems s prjets de

Leia mais

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza Operdores momento e energi e o Princípio d Incertez A U L A 5 Mets d ul Definir os operdores quânticos do momento liner e d energi e enuncir o Princípio d Incertez de Heisenberg. objetivos clculr grndezs

Leia mais

3.18 EXERCÍCIOS pg. 112

3.18 EXERCÍCIOS pg. 112 89 8 EXERCÍCIOS pg Investigue continuidde nos pontos indicdos sen, 0 em 0 0, 0 sen 0 0 0 Portnto não é contínu em 0 b em 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Portnto é contínu em 0 8, em, c 8 Portnto, unção é contínu

Leia mais

Poder e escola: Uma analise acerca das relações entre professor e aluno.

Poder e escola: Uma analise acerca das relações entre professor e aluno. Pder e escla: Uma analise acerca das relações entre prfessr e alun. Marcs Paul A. Rdrigues 1 Andersn Silva Nunes 2 Intrduçã: O presente trabalh expõe s tips de pder exercid pels prfessres sbre s aluns,

Leia mais

VENDAS MIX DE MARKETING AVON. Preço. Produto. Praça. Promoção. Mesmos Fornecedores. Definido pelo Mercado DIFERENCIAL. Grandes Redes de TV

VENDAS MIX DE MARKETING AVON. Preço. Produto. Praça. Promoção. Mesmos Fornecedores. Definido pelo Mercado DIFERENCIAL. Grandes Redes de TV 1 CO CO MP N S OR UM T ID M E OR N ES TO O ÇÃ R T EN I NC TR CO DÚS IN VENDS CO PR M O OD D UT ITIZ OS Ç O NT CI M E ÊN R R IR OR C NC CO ÃO MIX DE MRKETING VON Produto Promoção Preço Praça Mesmos Fornecedores

Leia mais

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário Trnsporte de solvente trvés de membrns: estdo estcionário Estudos experimentis mostrm que o fluxo de solvente (águ) em respost pressão hidráulic, em um meio homogêneo e poroso, é nálogo o fluxo difusivo

Leia mais

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões:

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões: Pessal, vislumbr recurss na prva de cnheciments específics de Gestã Scial para as seguintes questões: Questã 01 Questã 11 Questã 45 Questã 51 Questã 56 Vejams as questões e arguments: LEGISLAÇÃO - GESTÃO

Leia mais

Recordando produtos notáveis

Recordando produtos notáveis Recordndo produtos notáveis A UUL AL A Desde ul 3 estmos usndo letrs pr representr números desconhecidos. Hoje você sbe, por exemplo, que solução d equção 2x + 3 = 19 é x = 8, ou sej, o número 8 é o único

Leia mais

PARLA, PARLAMENTO PARLAMENTO. s:4 ÇÁ-À

PARLA, PARLAMENTO PARLAMENTO. s:4 ÇÁ-À . ARLAMENT ARLAMENT ARLA s:4 ÇÁÀ waet Ê 5khsl t C m * M _ " dtw. lê 74 EME.4; t DCNÁR DE HSTÓRA DA REÚBLCA E D REUBLCANSM VLUME : NZ 978 TRANSRTE DE ASSAGERS E DE MERCADRAS ndecd cm s medlhs mlt de t d

Leia mais

ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA. O ENCONTROCAS é um evento semestral realizado pelo Instituto Superior de

ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA. O ENCONTROCAS é um evento semestral realizado pelo Instituto Superior de Faculdade de Ciências Sciais Aplicadas de Bel Hriznte Institut Superir de Educaçã Curs de Pedaggia ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA O ENCONTROCAS é um event semestral

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE ALENQUERdÁ~*~ CONTRATO-PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DESPORTIVO

CÂMARA MUNICIPAL DE ALENQUERdÁ~*~ CONTRATO-PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DESPORTIVO / CÂMARA MUNICIPAL DE ALENQUERdÁ~*~ 258 318 ALENQUER Telel 263 73 9 Fx 263 711 54 gerl@cm lenquer pt www cm lenquer pt CONTRATO-PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DESPORTIVO Entre: Primeir utrgnte Câmr Municipl

Leia mais

Eu sou feliz, tu és feliz CD Liturgia II (Caderno de partituras) Coordenação: Ir. Miria T. Kolling

Eu sou feliz, tu és feliz CD Liturgia II (Caderno de partituras) Coordenação: Ir. Miria T. Kolling Eu su iz, s iz Lirgi II (drn d prtirs) rdnçã: Ir. Miri T. King 1) Eu su iz, s iz (brr) & # #2 4. _ k.... k. 1 Eu su "Eu su iz, s iz!" ( "Lirgi II" Puus) iz, s _ iz, & # º #.. b... _ k _. Em cm Pi n cn

Leia mais

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600 1 - INTRODUÇÃO Ests instruções têm por objetivo fornecer s orientções pr utilizção do critério pr cálculo d demnd de edifícios residenciis de uso coletivo O referido critério é plicável os órgãos d COPEL

Leia mais

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 6.1 Recursos de curto przo 6.2 Administrção de disponibiliddes 6.3 Administrção de estoques 6.4 Administrção de conts 6.1 Recursos de Curto Przo Administrção Finnceir e

Leia mais

Vo t a ç ão TEXTO DO CONGRESSO. PROPOSTA DO GOVERNO / Partidos da Base PROPOSTAS DAS BANCADAS DE OPOSIÇÃO E / OU ATEMPA / SIMPA

Vo t a ç ão TEXTO DO CONGRESSO. PROPOSTA DO GOVERNO / Partidos da Base PROPOSTAS DAS BANCADAS DE OPOSIÇÃO E / OU ATEMPA / SIMPA PROPOSTA DO GOVERNO / Prtidos d Bse PROPOSTAS DAS BANCADAS DE OPOSIÇÃO do Governo (Mensgem Retifictiv) E / OU ATEMPA / SIMPA Vo t ç ão TEXTO DO CONGRESSO Diverss estrtégis pr tingir s mets Emend 1- exclui

Leia mais

Classificação Periódica dos Elementos

Classificação Periódica dos Elementos Classificação Periódica dos Elementos 1 2 3 1 Massa atômica relativa. A incerteza no último dígito é 1, exceto quando indicado entre parênteses. Os valores com * referemse Número Atômico 18 ao isótopo

Leia mais

HARDWARE e SOFTWARE. O Computador é composto por duas partes: uma parte física (hardware) e outra parte lógica (software).

HARDWARE e SOFTWARE. O Computador é composto por duas partes: uma parte física (hardware) e outra parte lógica (software). HARDWARE e SOFTWARE O Cmputadr é cmpst pr duas partes: uma parte física (hardware) e utra parte lógica (sftware). Vcê sabe qual é a diferença entre "Hardware" e "Sftware"? Hardware: é nme dad a cnjunt

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

BALIZA. Cor central.da PLAYMOBIL podes fazer passes. verde-claro curtos, passes longos e, até, rematar para com a nova função de rotação.

BALIZA. Cor central.da PLAYMOBIL podes fazer passes. verde-claro curtos, passes longos e, até, rematar para com a nova função de rotação. PONTAP DE SAÍDA TCNICAS DE Pntpé bliz Est lnc cntc n iníci jg pós cd gl. Est Gnhs cntr p dis"d jg- bl qund cm dis st jgdrs cir list d cmp tu d quip: pntpé é dd REMATE ntr d círcul cntrl. Os jgdrs jg cm

Leia mais

Versão 14.0 Junho 2015 www.psr-inc.com Contato: sddp@psr-inc.com. Representação mais detalhada da operação em cada estágio: 21 blocos

Versão 14.0 Junho 2015 www.psr-inc.com Contato: sddp@psr-inc.com. Representação mais detalhada da operação em cada estágio: 21 blocos Versã 14.0 Junh 2015 www.psr-inc.cm Cntat: sddp@psr-inc.cm SDDP VERSÃO 14.0 Nvidades Representaçã mais detalhada da peraçã em cada estági: 21 blcs Tradicinalmente, a peraçã de cada estági (semana u mês)

Leia mais

Lista de Exercícios Funções

Lista de Exercícios Funções PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL Faculdade de Matemática Departament de Matemática Cálcul Dierencial e Integral I Lista de Eercícis Funções ) O gráic abai epressa a temperatura em

Leia mais

PARLA, PARLAMENTO PARLAMENTO. s:4 ÇÁ-À

PARLA, PARLAMENTO PARLAMENTO. s:4 ÇÁ-À . ARLAMENT ARLAMENT ARLA s:4 ÇÁÀ waet Ê 5khsl t C m * M _ " dtw. lê 74 EME.4; t DCNÁR DE HSTÓRA DA REÚBLCA E D REUBLCANSM VLUME : NZ 794 SERVÇS NDUSTRAS FCAS de te e quelg d Estd u muncs cm exceçã ds mu

Leia mais

Quem são? Um refugiado é toda pessoa que devido a temores de ser perseguida por motivos de raça,

Quem são? Um refugiado é toda pessoa que devido a temores de ser perseguida por motivos de raça, g u f R d Qum ã? Um fugd é td p qu dvd tm d pgud p mtv d ç, lgã, ncnldd, p ptnc dtmnd gup cl p u pnõ plítc, ncnt f d pí d u ncnldd nã p u nã qu c à ptçã d tl pí. Ou qu, ccnd d ncnldd tnd f d pí nd tv u

Leia mais

METAS DE COMPREENSÃO:

METAS DE COMPREENSÃO: 1. TÓPICO GERADOR: Vivend n sécul XXI e pensand n futur. 2. METAS DE COMPREENSÃO: Essa atividade deverá ter cm meta que s aluns cmpreendam: cm se cnstrói saber científic; cm as áreas d saber estã inter-relacinadas

Leia mais

Projecções Cotadas. Luís Miguel Cotrim Mateus, Assistente (2006)

Projecções Cotadas. Luís Miguel Cotrim Mateus, Assistente (2006) 1 Projecções Cotds Luís Miguel Cotrim Mteus, Assistente (2006) 2 Nestes pontmentos não se fz o desenvolvimento exustivo de tods s mtéris, focndo-se pens lguns items. Pelo indicdo, estes pontmentos não

Leia mais

PROJETO 23ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 28 e 29 DE OUTUBRO DE 2015 CURSO: SEGURANÇA DO TRABALHO

PROJETO 23ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 28 e 29 DE OUTUBRO DE 2015 CURSO: SEGURANÇA DO TRABALHO PROJETO 23ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 28 e 29 DE OUTUBRO DE 2015 CURSO: SEGURANÇA DO TRABALHO Objetivs: SEGURANÇA DO TRABALHO Desenvlver cmpetências para eliminar u minimizar s riscs de acidentes

Leia mais

Quem falou foi Henrieta, toda arrumada com a camisa de goleira. E tinha mais um monte de gente: Alice, Cecília, Martinha, Edilene, Luciana, Valdete,

Quem falou foi Henrieta, toda arrumada com a camisa de goleira. E tinha mais um monte de gente: Alice, Cecília, Martinha, Edilene, Luciana, Valdete, Cpítul 3 N ã p! Abu! On já viu? Et qu é n! Cê minh mã? Qun mnin chgm p jg nqul ming, qu ncntm? Um gup mnin. D cmit, têni, clçã muit ipiçã. E g? Afinl, qum tinh ti qul ii mluc? D qun vcê gtm futl? pguntu

Leia mais

SEMINARIO PARA ODESENVOLVIMENTO DE TOMADA DE DECISÃO. o o < UJ. o I- o... o (/) > z. o:::... o::: o::: ... o::: ... ::> :I: (/) (/) UJ

SEMINARIO PARA ODESENVOLVIMENTO DE TOMADA DE DECISÃO. o o < UJ. o I- o... o (/) > z. o:::... o::: o::: ... o::: ... ::> :I: (/) (/) UJ :::... UJ ::: (.!) UJ...J < I- ::: CL SEMINARIO PARA ODESENVOLVIMENTO DE EXECUTIVOS: TOMADA DE DECISÃO z :I: UJ... < :::... ::> ::: U - UJ I- :::... > UJ I- UJ Z > UJ UJ ~ Z... >...J I- > z Z

Leia mais