PASSOS DA MUDANÇA NA COMPRA COLETIVA ESTUDO DE CASO EM EMPRESAS DA SERRA GAÚCHA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PASSOS DA MUDANÇA NA COMPRA COLETIVA ESTUDO DE CASO EM EMPRESAS DA SERRA GAÚCHA"

Transcrição

1 PASSOS DA MUDANÇA NA COMPRA COLETIVA ESTUDO DE CASO EM EMPRESAS DA SERRA GAÚCHA Kelly Menezes Crespi Universidade de Caxias do Sul - UCS Paulo Fernando Pinto Barcellos Universidade de Caxias do Sul - UCS Resumo: Atualmente devido características como globalização e integrações com fornecedores e clientes de forma on-line, o comércio eletrônico tem se tornado a nova forma de realização de negócios. Uma das modalidades de comércio eletrônico que mais tem se destacado são os sites de compra coletiva. Os mesmos têm oportunizado que empresas de qualquer porte, especialmente pequeno e médio porte, consigam ofertar seus produtos e serviços a uma grande gama de consumidores. O objetivo deste estudo é identificar como as empresas de Caxias do Sul Serra Gaúcha estão administrando e adaptando as mudanças ocorridas durante o período de divulgação de ofertas. As informações foram coletas utilizando o questionário de Avaliação Rápida da Mudança proposto por Cohen (2005). O mesmo avalia a mudança baseado em oito passos, onde identificamos as dificuldades e oportunidades que surgiram neste período. O resultado obtido evidenciou que as três empresas pesquisadas passaram pelos oito passos da mudança. Também se constatou que as empresas conseguiram expressar o senso de urgência e direcionar os colaboradores para a nova visão, mas houveram algumas falhas de planejamento que afetaram os demais passos. As empresas precisam aprender a tirar lições de seus erros e agregar esse conhecimento ao seu dia-a-dia. Palavras-chave: comércio eletrônico, compra coletiva, mudança. Abstract: Currently due to features such as globalization and integration with suppliers and customers in an online way, the e-commerce has become the new way of doing business. One of the forms of e-commerce that has most prominent are the collective purchasing sites. They have nurtured that companies of all sizes, especially small and medium-sized, be able to offer their products and services to a wide range of consumers. The objective of this study is to identify how companies in Caxias do Sul Serra Gaúcha are managing and adapting the changes during the disclosure of the offers period. Information was collected using the Rapid Assessment of Change survey proposed by Cohen (2005). The same evaluates changes based on eight steps, where we identify the difficulties and opportunities that arisen during this period. The results showed that the three companies surveyed passed by eight steps of change. Also found that companies were able to express the sense of urgency and direct the employees to the new vision, but there were mistakes of management that affected the other steps. Companies need to learn from their mistakes and add this knowledge in their day by day. Key words: e-commerce, collective purchasing, change.

2 1. Introdução O novo ambiente empresarial é fundamentalmente baseado no ambiente digital, que tem como componente básico a Internet, considerada infraestrutura de comunicação pública de acesso fácil, livre e de baixo custo. A Internet e seus serviços complementares como o correio eletrônico têm criado um novo espaço para a realização de negócios. Esse novo ambiente tem fornecido para os agentes econômicos, tanto empresas quanto indivíduos, canais alternativos para trocar informações, comunicar-se, transferir diferentes tipos de produtos e serviços e iniciar transações comerciais. O comércio eletrônico faz parte deste novo espaço de realização de negócios. O mesmo já atinge diversos setores da economia e encontra-se em constante evolução. O e- commerce teve início a partir de empresas de grande porte. Atualmente identifica-se que empresas de médio e pequeno porte também estão procurando sua fatia de mercado na Internet. Uma modalidade de comércio eletrônico que surgiu para auxiliar estas empresas de menor porte foi a compra coletiva. Neste cenário, a empresa tem oportunidade de ofertar seus produtos ou serviços sem a necessidade de investir na construção de sites, campanhas de marketing, etc. Contudo, nada garante que em breve teremos empresas de grande porte ofertando também seus produtos em sites de compra coletiva. As empresas que ofertam seus produtos em sites de compra coletiva sofrem mudanças significativas na administração e adaptação das atividades durante o período da oferta, especialmente durante o período de resgate dos produtos ou serviços adquiridos pelos consumidores. O objetivo deste estudo é identificar em quais dos oitos passos da mudança propostos por Kotter e Cohen (2002), as empresas de Caxias do Sul Serra Gaúcha tiveram dificuldades e se as mesmas utilizaram esta oportunidade para iniciar ou potencializar um processo de mudança em sua organização. Para obtenção destas informações utilizou-se o questionário de Avaliação Rápida de Mudança proposto por Cohen (2005), que foi aplicado em três empresas que oferecem diferentes produtos/serviços e que recentemente ofertaram no site de compra coletiva Groupon. 2. Comércio Eletrônico (E-Commerce) O comércio eletrônico representa para a Revolução da Informação o que a ferrovia foi para a Revolução Industrial: um avanço totalmente inusitado e inesperado. Assim como a ferrovia de 170 anos atrás, o comércio eletrônico está gerando um boom novo e distinto, provocando transformações aceleradas na economia, na sociedade e na política (DRUCKER, 2000). Segundo Kalokata e Whinston (1997), o comércio eletrônico pode ser definido como a compra e a venda de informações, produtos e serviços por meio de redes de computadores. Bloch, Pigneur e Segev (1996) estendem essa definição, incluindo que o comércio eletrônico é o suporte para qualquer tipo de transações de negócio sobre uma infraestrutura digital. Cabe mencionar o argumento de Connoly (1997), segundo o qual os estudos de comércio eletrônico em geral são fortemente focados em segurança, criptografia, moedas e pagamentos eletrônicos. Contudo, o comércio eletrônico não é somente troca de dinheiro, mas também pesquisa, desenvolvimento, marketing, propaganda, negociação, vendas e suporte, para citar alguns aspectos.

3 Uma definição mais recente de comércio eletrônico foi feita pelo autor Albertin (2000), onde o mesmo definiu que comércio eletrônico é a realização de toda a cadeia de valores dos processos de negócio em um ambiente eletrônico, por meio da aplicação intensa das tecnologias de comunicação e de informação, atendendo aos objetivos de negócio. Os processos podem ser realizados de forma completa ou parcial, incluindo as transações negócio-a-negócio, negócio-a-consumidor e intra-organizacional, em uma infraestrutura de informação e comunicação predominantemente pública, de acesso fácil, livre e de baixo custo. Na nova geografia mental criada pela ferrovia a humanidade dominou a distância. Na geografia mental do comércio eletrônico a distância foi eliminada. Existe apenas uma economia e um mercado. Uma consequência disso é que toda empresa precisa de tornar competitiva em nível global, mesmo que produza ou venda apenas dentro de um mercado local ou regional. A concorrência já deixou de ser local. Na verdade, não conhece fronteiras (DRUCKER, 2000). Nos últimos anos o comércio eletrônico tem sofrido grandes mudanças e novas modalidades de compra e venda estão surgindo em curtos espaços de tempo. Uma das mais modalidades que se destaca é a compra coletiva que é a baseada em uma velha regra de mercado. 3. Compra Coletiva 1 Compra Coletiva é quando um grupo de consumidores se reúne para alcançar o menor preço possível com um produto ou serviço. Atualmente empresas de Internet têm trabalhado esse conceito, através da modalidade de e-commerce que tem como objetivo vender produtos e serviços para um número mínimo pré-estabelecido de consumidores por oferta. Este modelo de negócio foi criado nos Estados Unidos por Andrew Mason, quando lançou o primeiro site do gênero em novembro de 2008, o Groupon. No Brasil o pioneiro foi o Peixe Urbano, iniciando suas atividades em março de Desde então, a compra coletiva se consolidou entre os brasileiros, beneficiando tanto as empresas que podem vender suas mercadorias em maior volume por conta de seu baixo preço, assim como os consumidores, que poderão adquirir bens com generosos descontos por estarem realizando uma Compra Coletiva. Por meio deste comércio os compradores geralmente usufruem da mercadoria após um determinado número de interessados aderirem à oferta, para compensar os descontos oferecidos que em média vão até 90% de seu preço habitual. Por padrão deste mercado, os consumidores dispõem de um tempo limite para adquirir a oferta, que varia entre 24 horas e 48 horas após seu lançamento. Caso não atinja o número mínimo de pedidos dentro deste intervalo a oferta é cancelada. Atualmente o segmento de compra coletiva é composto de fornecedores de pequeno e médio porte, comercializando em sua maior parte bens de consumo não duráveis, como serviços de estética, fotografia, academia, hospedagem, pet shop, refeições, além de tantos outros que até pouco tempo não possuíam presença expressiva no e-commerce. A tendência para os próximos três anos (2011, 2012, 2013) é que o e-commerce de compra coletiva brasileiro passe por uma série de fusões, transformando muitas destas pequenas empresas que surgem a cada dia em gigantes do comércio eletrônico. Para os demais países do mundo é esperada uma evolução semelhante, principalmente em mercados onde a compra coletiva vem evoluindo rapidamente, como nos Estados Unidos e China. 1 E-Commerce News. Disponível em: Acesso em: 20 jul. 2011

4 4. Mudança O mundo contemporâneo assiste a um período de grandes transformações sociais, políticas e econômicas em esfera mundial. (SACOMANO NETO; ESCRIVÃO FILHO, 2000). Com o crescimento da sociedade de consumo, as organizações buscam adaptar-se a um novo cenário competitivo. As inovações tecnológicas e as transformações sociais dominam a sociedade e mudam profundamente a produção de bens e a vida das pessoas (MOTTA, 1998). A flexibilidade organizacional que corresponde à capacidade de reação da organização frente aos sobressaltos impostos pelos movimentos de inovação, representa uma das vantagens competitivas na concorrência de mercado (SACOMANO NETO; ESCRIVÃO FILHO, 2000). As mudanças podem ocorrer externamente, através da tecnologia, clientes, concorrência, estrutura de mercado ou mesmo no ambiente sociopolítico ou internamente, ou seja, como a organização se adapta ao meio ambiente (SENGE et al, 1999). A necessidade de mudança para uma maior competitividade pode ser proveniente de distintos fatores, tais como o esforço exportador, adequações impostas por multinacionais instaladas no país, exigências provenientes de clientes, leis trabalhistas, aumento de produtividade, aumento de qualidade, crises econômicas, etc. (FLEURY; FLEURY, 2008). As autoras Moreno et al, 2000 explicam a ideia de mudança como parte da natureza das coisas prósperas e aplica-se paulatinamente à constituição de nosso próprio planeta e ao universo inteiro que, rompendo seu estatismo, expande-se infinitamente. A ideia de mudança penetra também a psicologia quando começa a observar o ser humano como um ser que evolui; mas em toda mudança há algo que permanece, e a conjunção da permanência e da mudança aumenta a complexidade dos novos fenômenos que se vislumbram, surgindo a necessidade de modelos capazes de dar conta da complexidade. Segundo Kotter e Cohen (2002) é comum ocorrer dissonâncias cognitivas durante processos de mudanças dentro das organizações. Há pessoas que se deixam dominar pela frustração a fim de protegerem-se psicologicamente, tentam convencer-se de que a necessidade de mudança é pequena, mas forças poderosas e incessantes agravam a turbulência. Há outras pessoas que são dominadas pelo desânimo e que para protegerem-se psicologicamente tentam convencer-se de que os problemas são inevitáveis e incontroláveis e finalmente outras que lidam com a mudança de maneira extremamente eficaz. 4.1 Oito Passos para a Mudança Entre os anos de 1995 e 2002 Kotter e Cohen (2002) realizaram uma pesquisa que envolveu cerca de 400 pessoas de 130 organizações. O resultado desta pesquisa foi à criação dos oito passos para a implantação de mudanças bem sucedidas dentro das organizações. Sendo elas: (I) Criação do senso de urgência; (II) Formação da coalizão; (III) Criação de uma visão; (IV) Comunicar a visão; (V) Empowering os atores para a visão; (VI) Criar diretrizes que estabeleçam vitórias de curto prazo; (VII) Consolidar melhorias e aprofundar as mudanças e, (VIII) Tornar a mudança duradoura. Dentro de cada um dos oito passos existem dois modos de promover mudanças de comportamento, sendo Ver-Sentir-Mudar e Analisar-Pensar-Mudar. Quase sempre o método básico é Ver-Sentir-Mudar onde se criam situações a fim de ajudar as pessoas envolvidas a vislumbrar a necessidade da realização da alteração e

5 transformam o que viram, em sentimento. Com isso, algumas atitudes indesejadas, como complacência, medo, raiva e cinismo, tornam-se menos frequentes. Podemos dizer que a motivação para mudança está muito mais próxima da alteração de sentimentos do que da alteração de pensamentos. Contudo, algumas pessoas mudam seu pensamento através de dados e análises que afetam seu raciocínio. No método Analisar-Pensar-Mudar coletam-se e analisam-se informações, escrevem-se relatórios e fazem-se apresentações dos problemas no ímpeto de criar novos raciocínios que mudam comportamentos antigos e reforçam novos comportamentos (KOTTER; COHEN, 2002). Com a finalidade de detalhar os oito passos do processo de mudança criados por Kotter e Cohen (2002) descrevemos as principais características e recomendações feitas pelos autores em cada um deles. Os autores recomendam que o processo de mudança siga a sequencia apresentada abaixo, mas em alguns momentos, em algumas organizações, haverá sobreposição de passos. Passo I - Criação do senso de urgência nesta primeira fase, é importante contar com certa massa crítica de pessoas, ou seja, pessoas que estão cientes da necessidade da implantação de mudança e que, ao mesmo tempo espalhem pela organização esse sentimento. Alguns fatores podem desfavorecer a implantação da urgência, como por exemplo: complacência, imobilidade, raiva e excesso de pessimismo. A complacência é observada com frequência, ou seja, muitos colaboradores não conseguem vislumbrar que existe uma necessidade real de mudança na organização. A complacência pode ser fruta da ausência de uma crise, do excesso de recursos aparentes, da insuficiência ou mesmo da ausência de feedback externo, da capacidade de recusa do ser humano, entre outros motivos. Com o intuito de estimular o senso de urgência nos membros da organização, pode ser utilizados artifícios como: gerar uma crise fictícia, suprimir situações claras de excesso de gastos, estabelecer objetivos ambiciosos de forma que somente serão atingidos com a efetivação de mudanças, incentivar contato frequente com clientes e acionistas insatisfeitos, entre outras formas. Passo II - Formação da coalizão nesta etapa é criado uma equipe para orientar a implantação da mudança e também a criação de condições adequadas para que a equipe possa desempenhar um bom trabalho. Para que a equipe tenha um bom desempenho deve-se selecionar cautelosamente as pessoas que irão participar da mesma a fim de que consigam trabalhar em conjunto. Os autores também sugerem que na formação da equipe sejam observados alguns pontos, tais como: inicialmente selecione uma pessoa que esteja certa da necessidade da mudança e após selecione os demais membros com base na junção de capacidades diversas (conhecimentos externos relevantes, credibilidade, experiência na organização, autoridade formal e habilidades gerenciais e de liderança). Passo III - Criação de uma visão neste momento, o grupo formado tem como objetivo o desenvolvimento da nova visão da organização, uma visão que seja nítida, simples, sensata e ao mesmo tempo, motivadora, proporcionando a criação das estratégias. No processo de mudança a existência da visão tem por objetivo esclarecer a direção geral da mudança, motivar os colaboradores para a tomada de medidas adequadas e colaborar para a coordenação das ações dos mesmos. A visão ainda contempla seis características importantes, sendo elas: (i) ser imaginável, ou seja, possibilitar a visualização da organização no futuro, (ii) ser desejável para todos os envolvidos na mudança, (iii) ser viável no sentido de algo que possa ser atingido, (iv) ser concentrada, proporcionando clareza e diretrizes, (v) ser flexível

6 dando espaço para iniciativas e ações alternativas e (vi) ser comunicável no sentido de ser facilmente explicada e compreendida por todos. Passo IV - Comunicar a visão neste estágio da implantação da mudança em grande escala, os objetivos compreendem-se em comunicar a nova visão de forma clara e sucinta, ao mesmo tempo em que se deve fazer com que os colaboradores de fato compreendam e passem a agir de acordo com a nova visão aproximando a organização cada vez mais da situação deseja para o futuro. Passo V - Empowering os atores para a visão neste passo os objetivos podem ser divididos em duas linhas. A primeira consiste em prover aos colaboradores meios e condições para que a visão seja atingida. A segunda é liberar o caminho, considerando que poderão existir barreiras que irão dificultar o cumprimento dos objetivos propostos pela visão. As quatro principais barreiras encontradas são: estruturas formais da organização, deficiência de habilidades necessárias, sistemas de informação deficientes ou inadequados para o processo que está sendo implantado e coordenadores/supervisores que não guiam suas ações de acordo com a visão. Os autores lembram que as barreiras podem ser combatidas ou anuladas, mas também alertam que não se tente executar ajustes nas quatro fontes de barreiras ao mesmo tempo, isso evitará dispersão de energia e tempo. Passo VI - Criar diretrizes que estabeleçam vitórias de curto prazo considerando a dificuldade em implantar mudanças em empresas de grande porte é importante apresentar aos colaboradores as pequenas vitórias durante o processo de mudança. Essas vitórias não servem somente para motivar as pessoas, mas também como um feedback positivo com relação ao trabalho que vem sendo desempenhado. Reconhecer as vitórias de curto prazo, também acabam gerando um reforço sobre a real possibilidade de se atingir o sucesso na implantação da mudança, e isto, por sua vez, acaba por atrair os colaboradores que por sua vez ainda não estavam participando e acreditando na necessidade de mudar. Vale ressaltar, que as vitórias de curto prazo devem ser entendidas como vitórias parciais. Podemos dizer que as comemorações das vitórias de curto prazo são como placas na estrada que nos avisam que estamos no caminho certo, mas que não podem ser consideradas como o pórtico da cidade na qual estamos rumando. Passo VII - Consolidar melhorias e aprofundar as mudanças neste passo procura-se consolidar as vitórias de curto prazo obtidas até o momento, além de fomentar a geração de mais vitórias de curto prazo. Isto ajudará com que o desânimo comece a se instalar. Porém, o principal problema que pode passar a ocorrer nesta fase é o enfraquecimento da urgência. Equivocadamente as pessoas podem interpretar, de forma inconsciente, que as vitórias de curto prazo autorizam a baixa do nível de urgência e por fim esquecem-se da necessidade de implantação da mudança propostas pela nova visão. Passo VIII - Tornar a mudança duradoura decorridas os sete passos anteriormente descritos, este último passo descreve a necessidade de transformar a visão implantada como parte da cultura da organização. Não sendo observada e implantada esta etapa, logo antigos vícios existentes antes da implantação irão se manifestar de forma inapropriada e irão causar transtornos para a organização e seus colaboradores. Depois de todos os esforços e mudanças implantadas, cabe garantir que a nova visão realmente se torne parte da cultura da empresa.

7 5. Metodologia Quanto sua natureza este estudo classifica-se como aplicada. A natureza da pesquisa, seu delineamento, pode ser definida como sendo o plano e a estrutura da investigação, sendo concebidos de forma a obter as respostas para os questionamentos da pesquisa (KERLINGER, 1980). Quanto a seus procedimentos técnicos a forma de investigação definida é o estudo de caso. Procedimento justificável pelo caráter exploratório que tem por objetivo fornecer um quadro de referência que possa facilitar o processo de dedução de questões pertinentes na investigação de um fenômeno. A partir dessa exploração, é possível ao pesquisador a formulação de conceitos e hipóteses a serem aprofundadas em estudos posteriores (TRIPODI; FELLIN; MEYER, 1975). No que se refere a sua abordagem esta pesquisa classifica-se como qualitativa. A pesquisa qualitativa permite lidar com a complexidade de determinado problema, analisando a interação das variáveis, de modo a identificar e compreender processos dinâmicos vividos por grupos sociais, ampliando e aprofundando o entendimento de particularidades comportamentais (RICHARDSON, 1999). Desta forma, utilizando o Questionário de Avaliação Rápida de Mudança proposto por Cohen (2005) foram realizadas presencialmente três entrevistas com empresas que oferecem diferentes produtos e/ou serviços (2 empresas de prestação de serviços em alimentação e uma empresa que trabalha na prestação de serviços estéticos) no município de Caxias do Sul Serra Gaúcha e que disponibilizaram entre os meses de Maio e Junho de 2011 ofertas no site de compra coletiva Groupon. A escolha das empresas que ofertaram produtos/serviços através do site Groupon foi realizada baseada na fundamentação teórica onde se identificou que o Groupon, que possui abrangência internacional, foi o pioneiro nesta modalidade de comércio eletrônico. A escolha das três empresas foram baseadas na localidade de Caxias do Sul Serra Gaúcha e pelas vendas expressivas de seus produtos e/ou serviços. 6. Análises Quando aplicado o questionário de Avaliação Rápida de Mudança durante o acontecimento da mudança, é possível identificar as ameaças potenciais e neutralizá-las para que não se tornem barreiras à medida que a ela avança. Contudo, neste estudo o questionário foi aplicado ao término das ofertas no site de compra coletiva Groupon. Ou seja, a maioria dos oito passos da mudança já havia ocorrido (ou estavam em andamento). Quanto à análise dos dados referente às três empresas que colocaram seus produtos e/ou serviços à disposição dos consumidores por meio do site de compras coletivas Groupon temos a amostra demográfica abaixo apresentada: Empresa Grupo de Interessados Função Anos de Sexo Serviço Empresa A Profissional Administração 1 5 anos Masculino Empresa B Profissional Marketing 6 10 anos Feminino Empresa C Outro (Proprietário) Outro (Proprietário) 1 5 anos Masculino Quadro1 Amostra demográfica das três empresas. Fonte: Elaboração Própria.

8 Algumas informações relevantes referentes às três empresas que participaram deste estudo: Empresa A - Prestação de Serviços em Alimentação Vendeu em uma única oferta via o site de compra coletiva cupons de desconto. A empresa não dispõe de um setor específico de Marketing. O entrevistado foi o responsável pela estratégica de divulgação dos produtos e/ou serviços junto ao site de compra coletiva. Empresa B - Prestação de Serviços em Alimentação Vendeu em uma de suas ofertas via site de compra coletiva cupons de desconto. A colaborada entrevistada é responsável pelas atividades de Marketing e pela divulgação de ofertas via sites de compra coletiva. Empresa C - Prestação de Serviços de Estética Vendeu em uma oferta via site de compra coletiva 67 cupons de desconto. O entrevistado é proprietário da empresa que por sua vez não conta com funcionários na parte administrativa e Marketing, dado seu pequeno porte. Após as questões demográficas avaliam-se cada um dos oito passos da mudança que contam com um grupo de questões que foram classificadas pelos entrevistados dentro de uma escala Likert que varia de 1 Discordo Firmemente até 6 Concordo Firmemente ou ainda pode ser respondido como Não Sei. Cada passo foi pontuado conforme proposto por Cohen (2005). Para calcular deve-se atribuir para cada questão a pontuação conforme sua escala e posteriormente somar a coluna horizontalmente. Por fim, somam-se os totais de cada coluna para se obter o resultado do respectivo passo. Empresa Passo 1 Passo 2 Passo 3 Passo 4 Passo 5 Passo 6 Passo 7 Passo 8 Empresa A Empresa B Empresa C Média Aritmética 20, , ,33 12,67 Mediana Quadro 2 Totais de cada passo e suas respectivas médias aritméticas e medianas. Fonte: Elaboração Própria. Segundo Cohen (2005) os resultados até quatro pontos significam grande risco no referido passo da mudança; resultados abaixo de 16 são considerados um risco e até 24 pontos considerados de baixo risco. Baseado nos critérios de avaliação de risco propostos por Cohen (2005), podemos realizar as inferências abaixo: Avaliando de forma singular podemos dizer que a Empresa A apresentou maior dificuldade nos Passos 5 e 8. Foi identificado que em ambos os passos que tiveram pontuação inferior a 16 pontos, os mesmos contaram com respostas Não Sei as quais não pontuam. Identificou-se pelas respostas que a empresa tem uma intenção clara de mudança e melhorias

9 em sua estrutura física a fim de expandir seus negócios. Contudo, a mesma falhou não considerando que existiria barreiras que iriam dificultar o cumprimento dos objetivos propostos pela visão. Neste caso, a falta de funcionários para atender a demanda. A Empresa A teve que contratar em medida de emergência garçons e auxiliares de cozinha, além de alguns inconvenientes e atrasos terem sido causados pela demora no atendimento. Pode-se concluir que a empresa falhou em trabalhar a mudança de forma emergencial e não se preocupou em tornar a mudança permanente, logo não se criou uma cultura baseada na aprendizagem que obtiveram no período de compra coletiva. A Empresa B por sua vez teve bons resultados nos oito passos para a mudança durante o período que foi ofertado seus produtos e/ou serviços no site de compra coletiva. Enfatizamos o Passo 4 onde a empresa obteve 23 pontos. A empresa foi muito habilidosa em comunicar a visão prevendo uma necessidade de esforço maior para atender o aumento da demanda. Também houve a preocupação em manter todos os envolvidos informados sobre as metas e estratégias da mudança. Apostamos nas compras coletivas como forma de aumentar nossas vendas e alcançar o público em horários e dias da semana que antes não eram ocupados em sua capacidade máxima. (Profissional de Marketing da Empresa B). A Empresa C obteve pontuações abaixo de 16 pontos em todos os passos, exceto o Passo 1 - Criação do senso de urgência, onde de certa forma, a maior parte deste passo é conduzido pelo site de compra coletiva. Identificamos que grande parte das questões foram respondidas como Não Sei, sendo que, esta opção não marca pontuações. A empresa por vezes, devido seu pequeno porte, não possui tal procedimento e/ou não antecipou as mudanças provenientes da oferta via site de compra coletiva. O entrevistado verbalizou a importância de ter ofertado seus produtos e/ou serviços no site de compra coletiva, pois divulgou a sua empresa e a partir disso pretende expandir seu negócio. Pessoas que antes não conheciam a empresa puderam conhecê-lo e independe de promoções via site de compra coletiva continuaram adquirindo produtos e/ ou serviços. O imprescindível é manter a qualidade dos serviços, diz o proprietário da Empresa C. Analisando a pluralidade das informações através de suas médias aritméticas e medianas obtidas, pode-se observar que o site de compra coletiva está cumprindo com sua finalidade que é criar o senso de urgência (Passo 1) nos consumidores. Os consumidores sentem-se atraídos em adquirir determinado serviço e/ou produtos devido o desconto que será concedido. As empresas por sua vez, estabelecem o senso de urgência entre seus colaboradores a fim de motivá-los e mantê-los focados no atendimento da nova demanda. Outras questões que se destacam estão relacionadas a apresentar aos colaboradores as vitórias de curto prazo (Passo 6) e não permitir o desânimo (Passo 7), para que se mantenha o senso de urgência presente durante todo o período da oferta. As empresas trabalham para manter seus colaboradores motivados e comprometidos com a nova visão, especialmente no que se refere à mudança do aumento da demanda. Contudo, nota-se que as médias aritméticas e medianas mais baixas ocorreram nos Passos 5 e 8, onde as empresas deveriam prover aos colaboradores meios e condições para que a visão seja atingida e posteriormente continuar a vigília para que essa nova visão incorpore-se a cultura da empresa. Através das três empresas estudadas identificamos que o Passo 5 foi afetado devido a falta de planejamento diante do aumento da demanda e o Passo 8 demonstra que as empresas não estão preocupadas em manter as mudanças ocorridas pelo

10 período de compra coletiva. Sendo assim, perdendo a oportunidade de incorporar melhorias em suas atividades diárias. 7. Considerações Finais A mudança de sucesso de qualquer porte passa por todas as oito etapas, usualmente na sequência mostrada Rosabeth Moss Manter, Harvard Business School. Através deste estudo, foi possível visualizar que todas as empresas pesquisadas passaram pelos oito passos da mudança, alguns passos bem definidos e outros que sofreram alguns tropeços. Todas as empresas foram unânimes ao afirmar que encontraram nos sites de compra coletiva uma boa oportunidade para divulgar seus produtos e/ou serviços e que pretendem continuar utilizando esta modalidade de comércio eletrônico. Desta forma, empresas de pequeno e médio porte conseguem destacar-se através dos bons preços. Contudo, não bastam bons preços, se os produtos e/ou serviços não forem entregues com agilidade e qualidade a fim de conquistar uma gama de consumidores fiéis. Com a ajuda dos sites de compra coletiva as empresas conseguem criar facilmente o senso de urgência (Passo 1) nos consumidores e baseado na necessidade da empresa em atender a nova demanda, alguns passos ocorrerão naturalmente se houver planejamento de recursos e pessoas e se as mesmas forem motivadas para ver o sentido da mudança. Destacamos pelas evidências obtidas que as empresas precisam atentar mais no que se refere às lições aprendidas, para que em outros momentos, mesmo fora do período de oferta em sites de compra coletiva, os mesmos erros não voltem a ocorrer. As mudanças devem servir como aprendizado e serem enraizadas aos valores da empresa. Este estudo foi direcionado a identificar como o período de compra coletiva aferiu sobre o ambiente das empresas e como foram administradas e adaptadas as atividades que compõem os oito passos da mudança. Sugerimos a expansão deste estudo para outras modalidades de comércio eletrônico a fim de identificar se os resultados serão semelhantes aos obtidos neste trabalho. 8. Referências Bibliográficas ALBERTIN, A. L. Comércio eletrônico: modelo, aspectos e contribuições de sua aplicação. 2 ed. São Paulo: Atlas, BLOCH, M.; PIGNEUR, Y.; SEGEV, A. On the road of electronic commerce: a business value framework, gaining competitive advantage and some research issues. Paris: Université de Lausanne, Ecole des Hautes Etudes Commerciales/Institut L Informatique et Organisation, COHEN, D. S. The heart of change field guide: tools and tatics for leading change in your organization. Boston: Harvard Business School Press, CONNOLY, D. W. Na evaluation of the world wide web as a platform for electronic commerce. In: KALAKOTA, R.; WHISTON, A. Readings in electronic commerce. Reading, MA: Addison-Wesley, DRUCKER, Peter. O futuro já chegou. Revista Exame Digital, São Paulo, ed. 710, p , mar

11 E-Commerce News. Disponível em: Acesso em: 20 jul FLEURY, A.; FLEURY, M. T. L. Aprendizagem e inovação organizacional as experiências de Japão, Coréia e Brasil. São Paulo: Atlas, KALAKOTA, R.; WHISTON, A. Frontiers of electronic commerce. Reading, MA: Addison-Wesley, KERLINGER, F. Metodologia da pesquisa em ciências sociais. Um tratamento conceitual. São Paulo: EDUSP, KOTTER, J. P.; COHEN, D. S. O coração da mudança. Rio de Janeiro: Campus, MORENO, M. et al. Conhecimento e mudança. São Paulo: Unicamp, MOTTA, P. R. Transformação organizacional. Rio de Janeiro: Qualitymark, RICHARDSON, R. J. Pesquisa social: métodos e técnicas. 3. ed. São Paulo: Atlas, SACOMANO NETO, M; ESCRIVÃO FILHO, E. Estrutura organizacional e equipes de trabalho: estudo da mudança organizacional em quatro grandes empresas industriais. Gestão & Produção, v. 7, n. 2, p , SENGE, P. M. et al. A dança das mudanças. Rio de Janeiro: Elsevier, ª Reimpressão. TRIPODI, T.; FELLIN, P.; MEYER, H. Análise da pesquisa social. Petrópolis: F. Alves, 1975.

ANÁLISE DE ESTÁGIO DE MUDANÇA DE UMA EMPRESA MOVELEIRA DA SERRA GAÚCHA

ANÁLISE DE ESTÁGIO DE MUDANÇA DE UMA EMPRESA MOVELEIRA DA SERRA GAÚCHA ISSN 1984-9354 ANÁLISE DE ESTÁGIO DE MUDANÇA DE UMA EMPRESA MOVELEIRA DA SERRA GAÚCHA Rosimeri Machado (Universidade de Caxias do Sul) Mauricio Caetano Nedeff (Universidade de Caxias do Sul) Paulo Fernando

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL

INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL ZAROS, Raíssa Anselmo. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG E-mail: raissa_zaros@hotmail.com LIMA, Sílvia Aparecida Pereira

Leia mais

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS Nadia Al-Bdywoui (nadia_alb@hotmail.com) Cássia Ribeiro Sola (cassiaribs@yahoo.com.br) Resumo: Com a constante

Leia mais

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ANA LAURA CANASSA BASSETO (UTFPR) alcanassa@hotmail.com Caroline Marqueti Sathler (UTFPR)

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Elisa Maçãs IDÉIAS & SOLUÇÕES Educacionais e Culturais Ltda www.ideiasesolucoes.com 1

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas PIM PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO COM O MERCADO GUIA DE CURSO Tecnologia em Sistemas de Informação Tecnologia em Desenvolvimento Web Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnologia em Sistemas

Leia mais

Os desafios para a inovação no Brasil. Maximiliano Selistre Carlomagno

Os desafios para a inovação no Brasil. Maximiliano Selistre Carlomagno Os desafios para a inovação no Brasil Maximiliano Selistre Carlomagno Sobre a Pesquisa A pesquisa foi realizada em parceria pelo IEL/RS e empresa Innoscience Consultoria em Gestão da Inovação durante

Leia mais

TÍTULO: COMERCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: COMERCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO TÍTULO: COMERCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES): EBERSON EVANDRO DA SILVA GUNDIN, PAULO

Leia mais

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites 5 Conclusão Trade Marketing é um termo conhecido por grande parte dos profissionais das áreas comercial e de marketing, principalmente entre as indústrias de bens de consumo. Muitas empresas já incluíram

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 APLICAÇÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL (Estudo de Caso: Rede Eletrosom Ltda em Pires do Rio - GO) MÁRCIO FERNANDES 1, DÉBORA DE AMORIM VIEIRA 2, JOSIANE SILVÉRIA CALAÇA MATOS

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio Capítulo 12 Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente Acadêmica: Talita Pires Inácio Empresa ABC Crescimento atribuído a aquisições de empresas de menor porte; Esforços de alianças estratégicas e joint-ventures

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA

MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA ORIENTAÇÕES PARA OS ESTUDOS EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Caro (a) Acadêmico (a), Seja bem-vindo (a) às disciplinas ofertadas na modalidade a distância.

Leia mais

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES t COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES Joaquim Domingos Maciel Faculdade Sumaré joaquim.mackim@gmail.com RESUMO: Este artigo pretende alertar estudantes e profissionais para a compreensão

Leia mais

DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO

DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO 1 DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO Cesar Simões Salim Professor e Autor de livros de empreendedorismo cesar.salim@gmail.com Visite meu blog: http://colecaoempreendedorismo.blogspot.com/

Leia mais

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 TI com foco nos Negócios: Áreas envolvidas (Parte II) Flávio I. Callegari www.flaviocallegari.pro.br O perfil do profissional

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

Intranets e Capital Intelectual

Intranets e Capital Intelectual Intranets e Capital Intelectual Intranets e Capital Intelectual As mídias sociais ultrapassaram os limites da vida privada. Os profissionais são 2.0 antes, durante e depois do expediente. É possível estabelecer

Leia mais

Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo Silvério POLIDORIO 2

Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo Silvério POLIDORIO 2 COMO QUEBRAR PARADIGMAS SEM CAUSAR UM IMPACTO NEGATIVO NO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DO MARKETING DE RELACIONAMENTO, CRM E DBM EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

Implementação de estratégias

Implementação de estratégias Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Implementação de estratégias Agenda: Implementação de Estratégias Visão Corporativa sobre

Leia mais

Gestão da Mudança nas Organizações. Leila Oliva

Gestão da Mudança nas Organizações. Leila Oliva Gestão da Mudança nas Organizações Leila Oliva O roteiro Conduzir a mudança e o papel da liderança: Os papeis que vivemos; Jornada emocional da mudança. Conduzir a mudança organizacional: Os 8 passos do

Leia mais

OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING

OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING 1. Estabelecer a constância de propósitos para a melhoria dos bens e serviços A alta administração deve demonstrar constantemente seu comprometimento com os objetivos

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

www.fgvsp.br/cia/ned 5 ª EDIÇÃO MARÇO DE 2003 RESUMO *

www.fgvsp.br/cia/ned 5 ª EDIÇÃO MARÇO DE 2003 RESUMO * CENTRO DE INFORMÁTICA APLICADA PROGRAMA DE EXCELÊNCIA DE NEGÓCIOS NA ERA DIGITAL PESQUISA FGV COMÉRCIO ELETRÔNICO NO MERCADO BRASILEIRO www.fgvsp.br/cia/ned 5 ª EDIÇÃO MARÇO DE 2003 RESUMO * COORDENADOR:

Leia mais

FMU - FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS E-COMMERCE, SOCIAL COMMERCE, MOBILE MARKETING E MARKETING DE PERMISSÃO.

FMU - FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS E-COMMERCE, SOCIAL COMMERCE, MOBILE MARKETING E MARKETING DE PERMISSÃO. FMU - FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS E-COMMERCE, SOCIAL COMMERCE, MOBILE MARKETING E MARKETING DE PERMISSÃO. São Paulo - SP 2016 RENAN ROCHA ALVES - RA: 6448758 E-COMMERCE, SOCIAL COMMERCE, MOBILE MARKETING

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Princípios da Teoria de Sistemas 1 Grupos diferentes dentro de uma organização necessitam

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS FERRAMENTAS DO MARKETING NAS PEQUENAS EMPRESAS. PAES, Paulo César 1 SARAIVA, Antonio Wanderlan Pereira 2 RESUMO

A IMPORTÂNCIA DAS FERRAMENTAS DO MARKETING NAS PEQUENAS EMPRESAS. PAES, Paulo César 1 SARAIVA, Antonio Wanderlan Pereira 2 RESUMO A IMPORTÂNCIA DAS FERRAMENTAS DO MARKETING NAS PEQUENAS EMPRESAS PAES, Paulo César 1 SARAIVA, Antonio Wanderlan Pereira 2 RESUMO A Ferramenta do Marketing nas Pequenas Empresas atualmente vem sendo utilizada

Leia mais

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial Sumário executivo À medida que as organizações competem e crescem em uma economia global dinâmica, um novo conjunto de pontos cruciais

Leia mais

O IMPACTO DO ENSINO DE EMPREENDEDORISMO NA GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA : RESULTADOS E PERSPECTIVAS.

O IMPACTO DO ENSINO DE EMPREENDEDORISMO NA GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA : RESULTADOS E PERSPECTIVAS. O IMPACTO DO ENSINO DE EMPREENDEDORISMO NA GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA : RESULTADOS E PERSPECTIVAS. Fernando Toledo Ferraz - ferraz@cybernet.com.br Departamento de Engenharia de Produção Myriam Eugênia R.

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

CONCLUSÃO das implicações estratégicas das redes e alianças de relacionamento mais significativas da Embratel enquanto empresa do grupo Telmex

CONCLUSÃO das implicações estratégicas das redes e alianças de relacionamento mais significativas da Embratel enquanto empresa do grupo Telmex 177 6 CONCLUSÃO A presente investigação das implicações estratégicas das redes e alianças de relacionamento mais significativas da Embratel enquanto empresa do grupo Telmex, atingiu seu objetivo de evidenciar

Leia mais

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 109 GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Claudinei Higino da Silva,

Leia mais

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação O artigo fala sobre os vários aspectos e desafios que devem ser levados em consideração quando se deseja transformar ou fortalecer uma cultura organizacional, visando a implementação de uma cultura duradoura

Leia mais

Caro(a) aluno(a), Estaremos juntos nesta caminhada. Coordenação NEO

Caro(a) aluno(a), Estaremos juntos nesta caminhada. Coordenação NEO Caro(a) aluno(a), seja bem-vindo às Disciplinas Online da Faculdade Presidente Antônio Carlos de Bom Despacho e Faculdade de Educação de Bom Despacho. Em pleno século 21, na era digital, não poderíamos

Leia mais

Como trabalhar com voluntários na captação de recursos Andrea Goldschmidt*

Como trabalhar com voluntários na captação de recursos Andrea Goldschmidt* Como trabalhar com voluntários na captação de recursos Andrea Goldschmidt* Quando falamos de captação de recursos para uma organização, podemos estar falando em captação de dinheiro, de materiais, de produtos,

Leia mais

O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações

O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações Mariane Frascareli Lelis Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho UNESP, Bauru/SP e-mail: mariane_lelis@yahoo.com.br;

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

A GESTÃO DE PESSOAS NA ÁREA DE FOMENTO MERCANTIL: UM ESTUDO DE CASO NA IGUANA FACTORING FOMENTO MERCANTIL LTDA

A GESTÃO DE PESSOAS NA ÁREA DE FOMENTO MERCANTIL: UM ESTUDO DE CASO NA IGUANA FACTORING FOMENTO MERCANTIL LTDA ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 A GESTÃO DE PESSOAS NA ÁREA DE FOMENTO MERCANTIL: UM ESTUDO DE CASO NA IGUANA FACTORING FOMENTO MERCANTIL

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

WORKER SISTEMA COMERCIAL PARA COMÉRCIO VAREJISTA E PRESTADORES DE SERVIÇO

WORKER SISTEMA COMERCIAL PARA COMÉRCIO VAREJISTA E PRESTADORES DE SERVIÇO WORKER SISTEMA COMERCIAL PARA COMÉRCIO VAREJISTA E PRESTADORES DE SERVIÇO VILAS BOAS, M. A. A. 1 ; GOMES, E. Y. 2 1- Graduando em Sistemas de Informação na FAP - Faculdade de Apucarana 2- Docente do Curso

Leia mais

MODELO PLANO DE NEGÓCIO

MODELO PLANO DE NEGÓCIO MODELO PLANO DE NEGÓCIO Resumo dos Tópicos 1 EMPREENDEDOR... 3 1.1. O EMPREENDIMENTO... 3 1.2. OS EMPREENDEDORES... 3 2 GESTÃO... 4 2.1. DESCRIÇÃO DO NEGÓCIO... 4 2.3. PLANO DE OPERAÇÕES... 4 2.4. NECESSIDADE

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

AS MÍDIAS SOCIAIS E O SEU ALCANCE PARA A IMAGEM E O AUMENTO DAS VENDAS DAS PEQUENAS EMPRESAS VAREJISTAS DE SANTA FÉ DO SUL (SP) RESUMO

AS MÍDIAS SOCIAIS E O SEU ALCANCE PARA A IMAGEM E O AUMENTO DAS VENDAS DAS PEQUENAS EMPRESAS VAREJISTAS DE SANTA FÉ DO SUL (SP) RESUMO 200 AS MÍDIAS SOCIAIS E O SEU ALCANCE PARA A IMAGEM E O AUMENTO DAS VENDAS DAS PEQUENAS EMPRESAS VAREJISTAS DE SANTA FÉ DO SUL (SP) RESUMO Clayton Cardoso de MORAES 1 Guilherme Bernardo SARDINHA 2 O presente

Leia mais

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Nada é mais perigoso do que uma idéia, quando ela é a única que temos. (Alain Emile Chartier) Neste módulo, faremos, a partir

Leia mais

O valor da informação e da comunicação em sistemas de gestão da qualidade ISO 9001

O valor da informação e da comunicação em sistemas de gestão da qualidade ISO 9001 O valor da informação e da comunicação em sistemas de gestão da qualidade ISO 9001 Alexandre Nixon Soratto, Msc. (INMETRO) ansoratto@inmetro-sc.gov.br Gregório Varvakis, PhD. (UFSC) grego@egc.ufsc.br Resumo

Leia mais

Pesquisa FGV-EAESP de Comércio Eletrônico no Mercado Brasileiro 16 a Edição 2014

Pesquisa FGV-EAESP de Comércio Eletrônico no Mercado Brasileiro 16 a Edição 2014 Resumo Introdução O Comércio Eletrônico é um dos aspectos relevantes no ambiente empresarial atual e tem recebido atenção especial das empresas nos últimos anos, primeiro por ser considerado como uma grande

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: MONSENHOR ANTONIO MAGLIANO Código: 088 Município: GARÇA SP Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICA EM NÍVEL MÉDIO

Leia mais

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas 1) Resumo Executivo Descrição dos negócios e da empresa Qual é a ideia de negócio e como a empresa se chamará? Segmento

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL Introdução A partir da década de 90 as transformações ocorridas nos aspectos: econômico, político, social, cultural,

Leia mais

Público Interno e crises organizacionais: um estudo abordando a incidência de demissões motivadas pelo uso inadequado das redes sociais digitais

Público Interno e crises organizacionais: um estudo abordando a incidência de demissões motivadas pelo uso inadequado das redes sociais digitais Público Interno e crises organizacionais: um estudo abordando a incidência de demissões motivadas pelo uso inadequado das redes sociais digitais Penélope da Silva Almeida SANTOS Universidade Sagrado Coração

Leia mais

USO DA COMUNICAÇÃO ALINHADA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E TOMADA DE DECISÃO

USO DA COMUNICAÇÃO ALINHADA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E TOMADA DE DECISÃO USO DA COMUNICAÇÃO ALINHADA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E TOMADA DE DECISÃO Alexandra Lemos Ferraz 1 Evandro Oliveira da Silva 2 Edimar Luiz Bevilaqua 3 Fernando Nobre gomes da silva 4 Matheus Trindade

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

6 Modelo proposto: projeto de serviços dos sites de compras coletivas

6 Modelo proposto: projeto de serviços dos sites de compras coletivas 6 Modelo proposto: projeto de serviços dos sites de compras coletivas A partir do exposto, primeiramente apresentam-se as fases discriminadas no modelo proposto por Mello (2005), porém agora direcionadas

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DA GESTÃO ESTRATÉGICA. Profª. Danielle Valente Duarte

GESTÃO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DA GESTÃO ESTRATÉGICA. Profª. Danielle Valente Duarte GESTÃO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DA GESTÃO ESTRATÉGICA Profª. Danielle Valente Duarte 2014 Abrange três componentes interdependentes: a visão sistêmica; o pensamento estratégico e o planejamento. Visão Sistêmica

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Variáveis Ambientais e Diagnóstico Estratégico (Análise SWOT)

Estratégias em Tecnologia da Informação. Variáveis Ambientais e Diagnóstico Estratégico (Análise SWOT) Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 5 Variáveis Ambientais e Diagnóstico Estratégico (Análise SWOT) Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR &DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR Toda comunicação publicitária visa atender a alguma necessidade de marketing da empresa. Para isso, as empresas traçam estratégias de comunicação publicitária, normalmente traduzidas

Leia mais

Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia

Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia Processo de EO Procedimentos que são, ou podem ser, usados para formular as estratégias de operações que a empresa deveria adotar (SLACK,

Leia mais

Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG

Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG Bruna Jheynice Silva Rodrigues 1 ; Lauriene Teixeira Santos 2 ; Augusto Chaves Martins 3 ; Afonso Régis Sabino

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias O Programa Esporte e Lazer da Cidade e o seu processo formativo para egressos do curso de educação física da Universidade Federal

Leia mais

Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário

Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário Departamento de Letras Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário Aluna: Esther Ruth Oliveira da Silva Orientadora: Profª. Bárbara Jane Wilcox Hemais Introdução O presente projeto se insere

Leia mais

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Não há mais dúvidas de que para as funções da administração - planejamento, organização, liderança e controle

Leia mais

Empreendedorismo. Tópico 4 Plano de Negócios: Visão Geral

Empreendedorismo. Tópico 4 Plano de Negócios: Visão Geral Empreendedorismo Tópico 4 Plano de Negócios: Visão Geral Conteúdo 1. Objetivos do Encontro... 3 2. Introdução... 3 3. Planejar. Por quê?... 3 4. O Plano é produto do empreendedor... 4 5. Estrutura do Plano

Leia mais

FAQ Escrita de Cases

FAQ Escrita de Cases FAQ Escrita de Cases 1. Sobre o que escrever um case e com qual foco? Sua EJ poderá escrever cases de sucesso ou insucesso que tenha trazido muito aprendizado e superação, ou seja, cases distintos da realidade

Leia mais

O que é? pode ser chamado de Recrutamento e Seleção.

O que é? pode ser chamado de Recrutamento e Seleção. Processo Seletivo O que é? O Processo Seletivo é um conjunto de técnicas e instrumentos, empregados para avaliação de materiais, técnicas ou candidatos visando identificar as habilidades, tendências e

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM LOGÍSTICA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO E - COMMERCE UM ESTUDO DE CASO NA LOJASMEL

A IMPORTÂNCIA DO E - COMMERCE UM ESTUDO DE CASO NA LOJASMEL 1 A IMPORTÂNCIA DO E - COMMERCE UM ESTUDO DE CASO NA LOJASMEL Jaqueline Kelly Stipp 1 Jéssica Galindo de Souza 2 Luana Alves dos Santos Lemos 3 Edson Leite Lopes Gimenez 4 RESUMO Esse artigo tem como objetivo

Leia mais

O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG

O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG Caroline Passatore¹, Dayvid de Oliveira¹, Gustavo Nunes Bolina¹, Gabriela Ribeiro¹, Júlio César Benfenatti Ferreira² 1

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS APRESENTAÇÃO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS Breve histórico da instituição seguido de diagnóstico e indicadores sobre a temática abrangida pelo projeto, especialmente dados que permitam análise da

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE CIENCIAS ECONOMICAS E EMPRESARIAIS. Curso de Marketing, Gestão Comercial e Empreendedorismo 3º ano

INSTITUTO SUPERIOR DE CIENCIAS ECONOMICAS E EMPRESARIAIS. Curso de Marketing, Gestão Comercial e Empreendedorismo 3º ano INSTITUTO SUPERIOR DE CIENCIAS ECONOMICAS E EMPRESARIAIS Curso de Marketing, Gestão Comercial e Empreendedorismo 3º ano Disciplina Jogos de Marketing RELATÓRIO FINAL DA INFORNET Página 1 Conteúdo 1-Análise

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro Anexo 3 PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro 1. Capa 2. Sumário 3. Sumário executivo 4. Descrição da empresa 5. Planejamento Estratégico do negócio 6. Produtos e Serviços 7. Análise de Mercado 8. Plano de Marketing

Leia mais

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NA GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NA GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NA GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE CENECISTA DE SETE LAGOAS

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE NÍVEL EMPRESARIAL. Administração Estratégica Conceitos. Autores Peter Wright Mark J. Kroll John Parnell

ESTRATÉGIAS DE NÍVEL EMPRESARIAL. Administração Estratégica Conceitos. Autores Peter Wright Mark J. Kroll John Parnell Administração Estratégica Conceitos Autores Peter Wright Mark J. Kroll John Parnell Alternativas Estratégicas É a estratégia que a alta administração formula para toda a empresa. Reestruturação Empresarial

Leia mais

Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença?

Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença? Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença? * Daniela Ramos Teixeira A Inteligência vem ganhando seguidores cada vez mais

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER?

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? Anderson Katsumi Miyatake Emerson Oliveira de Almeida Rafaela Schauble Escobar Tellis Bruno Tardin Camila Braga INTRODUÇÃO O empreendedorismo é um tema bastante

Leia mais

softwares que cumprem a função de mediar o ensino a distância veiculado através da internet ou espaço virtual. PEREIRA (2007)

softwares que cumprem a função de mediar o ensino a distância veiculado através da internet ou espaço virtual. PEREIRA (2007) 1 Introdução Em todo mundo, a Educação a Distância (EAD) passa por um processo evolutivo principalmente após a criação da internet. Os recursos tecnológicos oferecidos pela web permitem a EAD ferramentas

Leia mais

Apresentação Institucional. Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida

Apresentação Institucional. Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida Apresentação Institucional Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida A empresa que evolui para o seu crescimento A VCN Virtual Communication Network, é uma integradora de Soluções Convergentes

Leia mais

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Resumo: A finalidade desse documento é apresentar o projeto de planejamento

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico

Leia mais

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente A Importância do Marketing nos Serviços da Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente Hellen Souza¹ Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS RESUMO Este artigo aborda a importância

Leia mais

Marketing Visão 360º. O nosso objetivo é ter uma visão ampla dos temas de Marketing, abordando os seguintes tópicos.

Marketing Visão 360º. O nosso objetivo é ter uma visão ampla dos temas de Marketing, abordando os seguintes tópicos. Marketing Visão 360º O Mundo do Marketing em parceria com a TNS Research International está realizando pesquisas mensais com profissionais da área de marketing para investigar temas relacionados ao dia-a-dia

Leia mais

5 Conclusão e Considerações Finais

5 Conclusão e Considerações Finais 5 Conclusão e Considerações Finais Neste capítulo são apresentadas a conclusão e as considerações finais do estudo, bem como, um breve resumo do que foi apresentado e discutido nos capítulos anteriores,

Leia mais

Entrevista a Idalberto Chiavenato, guru mundial de recursos humanos

Entrevista a Idalberto Chiavenato, guru mundial de recursos humanos Entrevista a Idalberto Chiavenato, guru mundial de recursos humanos Entrada: Um dos maiores peritos em administração de empresas e recursos humanos, o brasileiro Idalberto Chiavenato, está de regresso

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais