MUDANÇA ORGANIZACIONAL O CASO DE UMA EMPRESA DE TELECOMUNICAÇÕES NO BRASIL RESUMO. Palavras-chaves: Mudança, Telecomunicações, Mudança Planejada.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MUDANÇA ORGANIZACIONAL O CASO DE UMA EMPRESA DE TELECOMUNICAÇÕES NO BRASIL RESUMO. Palavras-chaves: Mudança, Telecomunicações, Mudança Planejada."

Transcrição

1 MUDANÇA ORGANIZACIONAL O CASO DE UMA EMPRESA DE TELECOMUNICAÇÕES NO BRASIL Autoria: Mônica Pereira da Silva, Camila Guimarães Monteiro de Freitas Alves RESUMO Os processos de transformação e mudança vivenciados a nível econômico, tecnológico, social, político ou cultural quando visto sob a ótica organizacional despertam o interesse da pesquisa na compreensão de como este fenômeno se manifesta no seio de uma organização. As dinâmicas e as configurações das organizações são alteradas face aos processos de mudança. Este artigo se propõe a analisar este contexto de mudança em uma empresa de telecomunicações cujo processo de fusão compreendeu grandes reconfigurações em sua estrutura organizacional, mercadológica e física. Pretendem-se, pois, analisar sob a ótica da mudança planejada quais os modelos de intervenção adotados neste processo de mudança. Palavras-chaves: Mudança, Telecomunicações, Mudança Planejada. 1. Introdução No contexto contemporâneo de grandes transformações mundiais seja a nível econômico, social, cultural, político ou tecnológico percebe-se que processos de mudança têm se tornado uma constante. Tais processos vistos sob a ótica organizacional despertam o interesse da pesquisa na compreensão de como este fenômeno se manifesta no seio de uma organização e de que forma altera suas dinâmicas e configurações à medida que necessita adaptar-se à realidade de novos cenários. Contudo, abordar a temática mudança organizacional não tem sido das mais fáceis tarefas dado a complexidade do tema e a dificuldade na obtenção de uma sistematização teórica aderente à realidade organizacional (Motta, 2001; Wood, 1992, Oliveira,1995). Este fato se manifesta sobremaneira em contextos nos quais a mudança se legitima pelo seu caráter estrutural implicando em profundas transformações nas organizações. Tais transformações são evidenciadas por processos de fusões, aquisições e incorporações que são inerentes à realidade das empresas modernas. Neste cenário de mudanças insere-se o setor de telecomunicações caracterizado por especificidades que o singularizam tais como a utilização intensiva de novas tecnologias, a vivência de processos contínuos de competição seja no mercado interno ou externo e, principalmente, uma estrutura setorial sedimentada por grupos de corporações que promovem arranjos societários, novos posicionamentos mercadológicos e que implicam em constantes mudanças em suas estruturas organizacionais. O objeto deste estudo trata-se de uma empresa de telecomunicações de grande porte de origem europeia e que se faz presente no Brasil por meio de uma das maiores operadoras de telecomunicações do país. Esta operadora de telecomunicações é resultado da união de duas outras empresas do segmento de telecomunicações: uma que atua nos serviços de telefonia 1

2 fixa no Estado de São Paulo e outra como braço de telefonia móvel com atuação em todo território nacional. O processo de integração concluído em março de 2012 seguiu passos de preparação e implementação que compreenderam desde a unificação da marca, execução de um programa de demissão voluntária, implementação de nova estrutura de gestão até a reestruturação de seu ambiente físico. Pergunta-se, então: quais foram os aspectos e modelos de intervenção adotados no processo de reestruturação desta empresa multinacional de telecomunicações sob a ótica da mudança planejada? Torna-se uma questão pertinente e relevante quando se precisa compreender a maneira mais adequada de gerenciar a mudança devido aos muitos modelos de intervenção e do alto volume de informações, além das dúvidas relacionadas à condução do processo, ao foco de intervenção, ao tempo necessário e ao papel da gestão de pessoas como forma de auxílio ao alinhamento dos indivíduos aos processos de mudança. Neste sentido, este artigo pretende analisar, frente à ótica de mudança planejada, as transformações recentes ocorridas nesta empresa de telecomunicações. Para tanto, tentar-se-á levantar quais modelos de intervenção foram identificados no processo de reestruturação no que tange as transformações em suas estruturas organizacionais, físicas, mercadológicas. O artigo encontra-se estruturado em torno de cinco seções, além da introdução. A primeira propõe uma reflexão teórico-conceitual sobre mudança organizacional e estabelecendo um panorama dos principais pensamentos dos autores. Na segunda, discutemse os modelos de intervenção utilizados em processos de mudança organizacional bem como suas principais categorizações. A terceira seção concentrou-se na análise da ótica da mudança planejada e suas formas de implementação. Na quarta seção é apresentado o caso de unificação da operadora de telecomunicações. Na quinta seção tenta-se estabelecer as relações entre o referencial teórico apresentado e o caso analisado. O artigo é finalizado com as principais conclusões e contribuições do estudo. 2. Reflexão sobre os conceitos de mudança organizacional Esta seção tem por objetivo propor uma reflexão teórico-conceitual sobre mudança organizacional identificando os diversos modelos propostos pelos autores no que tange à análises de mudanças. A intenção não é de estabelecer complementariedade ou conexões entre as ideias dos autores, mas sim de traçar um panorama sobre seus pensamentos e ideias. Na tentativa de analisar as abordagens de mudança organizacional alguns autores a vêm como fenômeno de forma evolutiva, contínua e inerente ao próprio desenvolvimento e crescimento da organização, enquanto outros já a interpretam como algo episódico e planejado motivado por objetivos determinados. Dentro da lógica de compreender a mudança organizacional como um processo contínuo, Bruno-Faria (2003) a define como qualquer alteração, planejada ou não, na organização e que necessariamente traz um impacto nos seus resultados e/ou nas relações entre os indivíduos que atuam dentro dela. A autora esclarece que estas alterações podem ocorrer nas estruturas físicas, nos valores, nos processos e nas rotinas. Cardoso e Freire (2003) consideram que a mudança organizacional representa uma nova maneira de estruturar a percepção e as ações da organização quanto ao ambiente. Para ele, este fenômeno é visto como oportunidade de realinhamento e readequação ao surgimento de novos cenários. Lima e Bressan (2003) compreendem que a mudança organizacional ocorre quando há uma alteração nos componentes da organização ou nas relações entre a organização e seu 2

3 ambiente que geram consequências para a eficiência, eficácia e/ou sustentabilidade organizacional. Portanto, para os autores a mudança organizacional deve ser vista como um processo de melhoria contínua. Morgan (2010) permeia seu livro com várias metáforas que tentam explicar como acontece a mudança organizacional. O autor compara o funcionamento das organizações a máquinas, organismo, cérebro, como conflitos de poder e exploração psíquica e, sobretudo como fluxo e transformação elucidando as relações estabelecidas entre a organização e seu ambiente em meio a mecanismos de mudança. Além das diversas definições sobre mudança, existem também alguns aspectos importantes das dimensões da mudança, tais como sua intencionalidade, temporalidade e relevância. Em relação à temporalidade, Lima e Bressan (2003) as classificam como contínuas ou descontínuas, sendo que mudanças de natureza contínua consomem menos tempo para se consolidar do que mudanças radicais. Neiva (2003) também classifica as mudanças em contínuas ou descontínuas, sendo as contínuas incrementais e as descontínuas transformacionais. Robbins (1999) também categoriza a temporalidade da mudança em dois tipos: a de primeira ordem, que é linear, contínua e não altera os pressupostos dos membros da organização; e a mudança de segunda ordem, que é descontínua e radical e implica em transformações nas pressuposições sobre a organização e seu ambiente. Quanto à relevância Lima e Bressan (2003) caracterizam duas formas de mudança em que há que envolve apenas pequenas alterações na organização e outra, na qual há uma ruptura de padrões anteriores e o redirecionamento da organização. Quanto à intencionalidade, Lima e Bressan (2003) destacam que a mudança pode ser planejada ou não planejada. Neiva (2003) as classifica em episódicas e contínuas. Nas mudanças episódicas, o processo é planejado, intencional, direcionado a objetivos e motivado pelo desequilíbrio. O agente de mudança é alguém que direciona e prevê a mudança. Já a mudança contínua destaca a intervenção como algo que redireciona o que já está em um caminho certo. Neste caso, o processo é cíclico e as intervenções visam restaurar o equilíbrio. O agente de mudança é alguém que comunica o sentido do que está ocorrendo, redirecionando a mudança. Já Robbins (1999) afirma que as mudanças são atividades intencionais proativas e direcionadas. A tabela 1 demonstra uma síntese sobre os aspectos de temporalidade, relevância e intencionalidade da mudança organizacional de acordo com pensamento de seus respectivos autores. Tabela 1 Quadro síntese de dimensões da mudança organizacional Temporalidade Relevância Intencionalidade Lima e contínuas ou pequenas alterações planejada ou não planejada Bressan descontinuas ou ruptura de padrões linear/contínua ou Atividades intencionais Robbins - radical/descontínua proativas e direcionadas contínuas ou Neiva - episódicas ou contínuas descontínuas Fonte: organizado pelas autoras Outra discussão importante refere-se aos fatores que impulsionam à mudança organizacional e sobre a observância dos aspectos da organização que serão afetados pela mudança. 3

4 Robbins (1999) destaca seis fatores que levam à mudança organizacional: a natureza da força de trabalho, choques econômicos, tendências sociais, política mundial, tecnologia e concorrência. Dentro desta lógica, Lima e Bressan (2003) destacam duas hipóteses que sustentam a realização de mudanças organizacionais: a existência de uma relação entre mudança organizacional e sustentabilidade institucional e a acontecimento da mudança visando obter maior eficiência organizacional. Quanto aos aspectos da organização afetados pela mudança, Lima e Bressan (2003) alertam que se deve ter uma visão de uma organização composta por quatro componentes: o trabalho, as pessoas, a estrutura formal e a organização informal. Para os autores, uma organização em equilíbrio apresenta uma coerência entre esses quatro elementos e a estratégia organizacional, sendo que quando há uma alteração na estratégia todos os elementos devem sofrer uma alteração para que se restaure a congruência. Além dos componentes internos, a relação da organização com o seu ambiente também sofre o processo de mudança. Salienta-se, portanto, que em face deste universo teórico e prático tão complexo, as tentativas de analisar e classificar mudança organizacional devem ser compreendidas como formas de aproximação de uma realidade. Após o levantamento conceitual e tipológico, abordar-se-á, nas seções seguintes, as formas de condução e de intervenção utilizadas em um processo de mudança organizacional. 3. Modelos de intervenção na mudança organizacional Inicialmente, nesta seção, serão elencadas as principais dimensões organizacionais abordadas na implementação da mudança organizacional. Em seguida, serão examinadas quais as premissas que permeiam a intenção do processo de mudança, isto é, quais são as ideias centrais que principiam e impulsionam a mudança. Morgan (2010, p.30), alerta em seu livro sobre metáforas que toda teoria ilumina e esconde. Da mesma forma, no processo de mudança organizacional, algumas dimensões organizacionais são privilegiadas em detrimento de outras. Tal fato ocorre conforme a perspectiva na qual se baseia a tomada de decisão, e, sobretudo a forma de se ver a organização e sobre quais objetivos se deseja atingir com a mudança. Neste sentido, Motta (2001) destaca seis perspectivas ou modelos de análise organizacionais: estratégica, estrutura, tecnológica, humana, cultural e política. A perspectiva estratégica busca a racionalidade e privilegia a relação da organização com a sociedade, entendendo a organização como um sistema aberto e inserido em um contexto social, econômico e político. Assim, na visão desta perspectiva, para modificar uma organização é mister redefinir sua missão, seus objetivos e suas formas de selecionar cursos de ação. Para a perspectiva estrutural, os principais conceitos são hierarquia, autoridade, responsabilidade e subordinação. Esta perspectiva vê a organização como um sistema de autoridade e responsabilidade, estando o papel formal dos funcionários previamente definidos. Com relação à mudança, para alterar uma organização é indispensável modificar a distribuição de autoridade e responsabilidade. A perspectiva tecnológica destaca a divisão do trabalho, a especialização de funções e a tecnologia utilizada. Sua atenção volta-se para a racionalidade do processo produtivo. No que tange a mudança, é preciso alterar sua tecnologia e seus processos produtivos, revendo como são utilizados os recursos materiais e intelectuais. 4

5 Já a perspectiva humana vê a organização como um conjunto de indivíduos e grupos. Assim, para se transformar uma organização é imperativo alterar atitudes, comportamentos e a forma de participação dos indivíduos, envolvendo o incentivo a colaboração, motivação, liderança, sistema de recompensas, de carreira e de aperfeiçoamento pessoal. Para a perspectiva cultural, a organização é um conjunto de valores, crenças e hábitos coletivamente compartilhados, que tornam a organização singular. Ao contrário da perspectiva humana, preocupa-se mais com o coletivo e menos com comportamentos individuais. Nesta perspectiva, a mudança é coletiva e acontece por meio da mobilização das pessoas para se alterar seus valores, hábitos, ritos, mitos, símbolos e interesses comuns. No que diz respeito à perspectiva política, vê-se a organização como um sistema de poder no qual objetiva-se maior influência no processo decisório. Presume-se que os funcionários agem de forma a maximizar seus interesses ou conservar seus recursos de poder. Quanto à mudança, para que esta aconteça é necessário redistribuir o poder, de forma a satisfazer novas prioridades de ação. Na tabela 2 há uma correlação entre cada modelo conceitual apresentado por Motta e as ações essenciais para a implementação da mudança organizacional. Tabela 2 Principais ações na mudança organizacional Perspectiva Principais ações Estratégica Redefinir missão, objetivos e formas de escolher seu plano de ação Estrutural Modificar a distribuição de autoridade e responsabilidade o papel normativo Tecnológica Alterar sua tecnologia e seus processos produtivos Humana Alterar atitudes e comportamentos Cultural Alterar do coletivo e não do individual por meio da mobilização de pessoas Política Redistribuir o poder Fonte: Adaptada de Motta, 2001, p.73. Além dos modelos conceituais apresentados, Motta (2001, p. 129) identifica premissas distintas na abordagem da mudança organizacional. Tais premissas, de acordo com o autor, principiam e motivam o desejo da mudança. Neste sentido, alguns modelos de processo de mudança podem ser concebidos como produto de ideias predefinidas, valorizando o planejamento do processo; outros, julgados a partir de ideias novas como advindas da necessidade de se resolver problemas; e outros compreendidos como emergentes e por isso tende-se a preconizar modelos menos dependentes de programações. Estes modelos exemplificados por Motta (2001) são categorizados em três divisões quanto à iniciação do processo de mudança: intenção estratégica, reação adaptativa e aprendizado contínuo. A intenção estratégica busca modificar as organizações através da deliberação racional de intervir na realidade por meio de uma ação planejada. Com o conhecimento antecipado das oportunidades e ameaças, as organizações podem readaptar-se ao seu ambiente de forma planejada. A reação adaptativa denota ver a mudança como uma resposta planejada a situações problemáticas. A mudança estava relacionada à consciência de um problema a ser resolvido. Já o aprendizado contínuo prevê que ideias inovadoras já estão disponíveis na organização e fazem parte da experiência das pessoas, assumindo o aprendizado em grupo como base da mudança organizacional, pois a inovação requer questionamentos, percepções e ação colaborativa. Neste modelo, o processo de mudança é amplo e experimental. O processo de mudança mescla expectativas positivas e receios em relação ao indivíduo, suas tarefas e sua organização. 5

6 Há outra proposta distinta sobre como deve ser elaborada a implementação e a condução da mudança organizacional que é defendida por Kilmann (1991). Segundo o autor, um programa de mudança completamente integrado deve envolver pelo menos três elementos: (1) as variáveis controláveis que definem o êxito da organização, (2) as abordagens múltiplas, que consistem em instrumentos e procedimentos que podem modificar as variáveis controláveis, e (3) as atividades em andamento que gerenciam a mudança em âmbito organizacional. No que tange ao primeiro elemento, um programa completamente integrado deve ser dirigido com base em uma visão holográfica dos problemas e oportunidades que têm de ser avaliados para que o objetivo organizacional seja alcançado. O segundo elemento, este diz respeito às abordagens múltiplas, visando influenciar os pontos de alavancagem que possam modificar o comportamento do indivíduo, do grupo e da organização. Nesta etapa, diversas ferramentas são organizadas em uma sequencia de cinco trilhas: cultura, habilidades gerenciais, formação de equipes, estratégia-estrutura e sistema de recompensas, as quais podem transformar as variáveis controláveis entre o ambiente externo à organização e o psiquismo do indivíduo. O terceiro componente refere-se ao fato de como a mudança pode ser gerenciada em uma organização, face às complexidades e à dinâmica de um sistema vivo. Verifica-se, portanto, que os modelos apresentados são tentativas propostas no intuito de abordar e conduzir da melhor maneira o processo de mudança organizacional e não pretendem ser concebidos como receitas prontas na implementação da mudança. Modelos organizacionais são formas particulares de ser ver um fenômeno complexo e amplo como mudança organizacional. Contudo, a teoria tem a capacidade de explicar a realidade e partir para uma aplicação prática na resolução dos problemas corporativos. Na seção seguinte será abordado o conceito teórico sobre mudança planejada estabelecendo o detalhamento das etapas e descrições das ações exigidas para sua implementação. 4. A escolha pela mudança planejada Cunha e Rego (2002) sintetizam e simplificam o conceito de mudança planejada quando afirmam ser um processo guiado pela gestão e destinado a conduzir à organização de um estado A para um estado B mais favorável. Kilmann (1991) declara que embora um processo de mudança possa ser gerido por um número arbitrário de fases destacando cinco estágios importantes: (a) dar início ao programa, (b) diagnosticar os problemas, (c) programar as trilhas, (d) implantar as trilhas e (e) avaliar os resultados. Na fase de início do programa, analisam-se as oportunidades para iniciar uma mudança planejada, sendo que algumas organizações conseguem prever os problemas antes que uma crise se instale. Deve-se analisar se existem condições para que o esforço de melhoria seja bem-sucedido, como por exemplo, se haverá comprometimento com a implantação do programa completo de mudança planejada. Na etapa de diagnóstico, o objetivo é desenvolver uma compreensão dos problemas que a organização enfrenta, assim como as oportunidades. O autor aborda um modelo, denominado modelo de obstáculos ao êxito, o qual é usado para verificar os obstáculos que impedem o êxito e que podem ser transformados em oportunidades. O modelo consiste em cinco categorias, que representam os aspectos aparentes de uma organização, e três aspectos 6

7 não aparentes. As cinco categorias são: ambiente, que envolve a complexidade dinâmica; organização, que engloba a estratégia-estrutura e o sistema de recompensas; gerência, que abarca as habilidades gerenciais; grupo, voltando-se para a tomada de decisão; e resultados, que envolvem a performance. Os três aspectos não aparentes são a cultura, as hipóteses e os psiquismos. A cultura envolve valores, convicções e normas compartilhadas. Já as hipóteses são convicções aceitas como verdadeiras, mas que, após uma analise, poderão ser consideradas falsas. O terceiro aspecto é o mais profundo: as qualidades mais íntimas do espírito e da mente humana. Embora os psiquismos não possam ser mudados em curto espaço de tempo, é essencial uma compreensão precisa da natureza humana para que as organizações sejam gerenciadas e os problemas resolvidos. De acordo com Kilmann (1991), o próximo estágio é a programação das trilhas, que envolve (1) a seleção da primeira unidade a participar do programa e sua extensão às demais unidades, (2) a seleção dos métodos para realizar a mudança que comporão cada uma das cinco trilhas, e (3) a programação das cinco trilhas em uma sequencia de atividades de duração preestabelecida. A partir do momento que o plano de ação tenha sido formalizado, passa-se a trabalhar na aplicação desse plano com a implantação das trilhas. O último estágio refere-se à avaliação dos resultados, por meio da qual se observa os obstáculos que ainda requerem atenção se o programa atingiu os resultados pretendidos. Já Cunha e Rego (2002) destacam três fases principais no processo de mudança organizacional: preparação, implementação e reforço da mudança. A fase de preparação corresponde à análise do que se pretende com a mudança. Entre outras vantagens, a visão pode gerar envolvimento emocional das pessoas e disponibilidade para lidarem com a mudança e as suas implicações. A etapa da implementação incide em se colocar em prática as ações necessárias para alcançar os objetivos estipulados na etapa anterior, incluindo a comunicação da visão, a explanação das responsabilidades, o apoio sócio-afetivo aos colaboradores. Já a fase de reforço envolve a criação e divulgação de resultados positivos, ainda que de pequena escala, visando-se gerar entusiasmo e transmitir a mensagem de que a mudança é um desafio compensador, reforçando-se os comportamentos facilitadores da mudança. Os autores elencam algumas vantagens e riscos inerentes à opção pela mudança planejada, quais sejam: As vantagens: Focalizam a atenção de toda a organização nos objetivos de mudança devido ao fato de serem normalmente antecedidas de campanhas intensivas de comunicação; Normalmente está alinhada com a distribuição do poder, o que pode facilitar a sua implementação; Fornece uma aparência de racionalidade, o que pode aumentar a legitimidade; Possibilita a análise de diversas alternativas; A legitimidade permite que os processos sejam mais facilmente conduzidos. Os riscos: O planejado nem sempre é implementado; A informação pode ser distribuída assimetricamente entre as unidades, formando visões diferentes do problema e do processo; 7

8 Pode induzir a adoção de práticas que funcionaram bem em outros contextos, mas que não se adequam às especificidades da organização; Pode ser formulada por pessoas que desconhecem as particularidades locais. Há outros estudos nos quais a cerne funcionalista que determina a lógica das propostas apresentadas não se faz tão presente. O trabalho empírico de Silva e Vergara (2003) realizado em cinco organizações no Rio de Janeiro dispõe de uma nuance diferente da ótica do planejamento e identifica que os principais problemas relativos à gestão de mudanças organizacionais planejadas ou intencionais referem-se: (a) à dificuldade de comunicar os objetivos da mudança à organização, (b) tornar este objetivos compreensíveis aos indivíduos e (c) fazer com que os assimilem e adotem a mudança. Os autores reforçam que a mudança organizacional, não pode se entendida somente sob a ótica da estratégia e da tecnologia. É preciso que se veja a mudança organizacional também como uma mudança de relações. Afirmam também que o processo de mudança poderá ser menos traumático à medida que se criem oportunidades para que os indivíduos construam um significado para sua atuação no novo contexto. A partir destes argumentos, pode-se entender que as vertentes, funcionalista ou não, que explicam a mudança planejada, compreendem etapas que envolvem desde a avaliação, preparação e implementação de mudança. Tais etapas perpassam em dimensões especificas da organização e têm por objetivo levar a organização a um novo contexto desejado. A seção a seguir aborda sobre o caso da reestruturação de uma empresa de telecomunicações. Serão relatadas as principais ações tomadas durante o processo da mudança organizacional. 5. O lado empírico da mudança organizacional O setor de telecomunicações é sedimentado por grupos de grandes corporações que promovem constantes arranjos societários, novos posicionamentos mercadológicos e que implicam em mudanças em suas estruturas organizacionais. No Brasil, este setor é caracterizado por processos de aquisições, fusões e incorporações. O objeto deste estudo faz parte de um grupo espanhol de telecomunicações que representa a terceira maior empresa de telecomunicações no mundo e, no Brasil, se faz presente por meio de uma grande operadora de telecomunicações que opera tanto no segmento de telefonia fixa como móvel. Esta operadora de telecomunicações é resultado da união de duas outras empresas do mesmo segmento: uma que atua nos serviços de telefonia fixa no Estado de São Paulo e outra como braço de telefonia móvel. O processo de integração das operações fixa e celular demandou 18 meses e foi concluído em março de Neste processo de mudança foram seguidos passos de preparação e implementação. Os principais passos na realização desta integração foram: A unificação da marca e logo da nova empresa; A execução de um programa de demissão voluntária (PDV); A implementação de uma nova estrutura de gestão; A implementação da integração tecnológica; A reestruturação de suas instalações físicas. 8

9 O modelo de integração foi deflagrado em julho de 2010 quando a empresa espanhola assumiu o controle do seu braço de telefonia móvel no Brasil, antes compartilhado com outra empresa de telecomunicações europeia. Este modelo de integração seguiu ao adotado pela matriz espanhola em outros países e está refletido no formato da marca, nos aspectos comportamentais, mercadológicos e formatos de trabalho estabelecidos na operadora no Brasil. O modelo de unificação da marca e do logo, seguiu ao adotado pela matriz espanhola: o de unir todas as operações sob uma única marca. Assim, o processo de unificação da marca abrangeu uma nova estratégia de marca para a operadora. A marca de origem espanhola foi definida como única marca institucional de comunicação com os stakeholders: governo, investidores, sociedade e funcionários. E foi definida também uma marca comercial e tem relação direta com a comunicação aos clientes, conforme site institucional da Empresa. No processo de implementação do Programa de Demissão Voluntária (PDV), segundo fontes do Sindicato dos Trabalhadores do Estado de São Paulo (Sintetel), foram reduzidos aproximadamente postos de trabalho em São Paulo e no Rio de Janeiro. As condições do pacote incluíram a extensão temporária por seis meses de benefícios como plano de saúde, pagamento proporcional ao tempo de serviço e assistência especializada para recolocação no mercado. Segundo a Sintetel, esta decisão de negociar acordo sindical foi uma forma encontrada para minimizar os impactos sobre os empregados para que lhes fosse permitido conciliar as perspectivas individuais dos funcionários, seu momento de vida e carreira e a necessidade da empresa em se reestruturar para melhor atender à sua nova realidade. Ainda assim, a Empresa permanece entre os cinco maiores empregadores no Brasil com 107 mil empregos distribuídos entre as quatro empresas do Grupo, conforme dados de junho de 2012 da Teleco, site especializado em telecomunicações. A implementação de uma nova estrutura de gestão organizacional iniciou-se pela troca de seu principal executivo do cargo de diretor-presidente. Tal estratégia privilegiou, segundo a companhia, a integração dos negócios fixo e móvel. Outro aspecto deste processo de mudança da estrutura organizacional foi a segmentação das operações comerciais divididas em duas unidades: a mercado individual, gerida por um executivo do braço móvel, que abriga os segmentos individual e residencial e a unidade mercado empresas, gerida por um executivo do braço da fixa, que reúne cliente corporativos. (Globo. G1, 2012) O processo de implementação de integração tecnológica foi finalizado em setembro de 2012 e compreendeu a inauguração de um novo Data Center em Santana do Parnaíba - SP, que atende às infraestruturas de TI (Tecnologia da Informação) das operações fixa e móvel. Neste Data Center trabalham 200 empregados e nele estão armazenados os dados da companhia e de seus clientes, como cadastros, contratos, origem, destino e duração das chamadas, conforme site institucional da Empresa. O processo de reestruturação do seu ambiente físico teve como medida a localização dos postos de trabalho nas instalações da empresa com a integração das equipes em uma nova sede central em São Paulo. Esta estratégia considerou conceitos de ocupação modernos e obtenção de sinergia que facilitem o fluxo de trabalho e as atividades entre as áreas, conforme intranet corporativa da Empresa. Na seção a seguir, serão discutidas ações do processo de implementação de mudança organizacional sob a ótica da mudança planejada. 6. A mudança planejada no âmbito da empresa de telecomunicações 9

10 O processo de mudança da operado de telecomunciações foi ao mesmo tempo impulsionado e caracterizado pela fusão de duas empresas distintas em suas configurações e advindas de diferentes segmentos no setor de telefonia e que, resultou no surgimento de uma nova companhia igualmente distinta das duas anteriores. Tal fato se refletiu em vários aspectos organizacionais da companhia como a estrutura organizacional, física, mercadológica e a de gestão de pessoas. Como salientado por Motta (2001) este modelo de iniciação do processo de mudança está calcado na intenção estratégica, pois há uma deliberação racional de intervir na realidade por meio de uma ação planejada. Desta forma, as ações implementadas nesta desarticulação organizacional foram postas de forma lógica e intencional para que se estabelecesse um novo patamar na companhia. A partir da base teórica referenciadas nas seções anteriores, podem-se estabelecer algumas relações nas dimensões que a mudança assumiu na companhia neste processo de reestruturação, quais sejam: a dimensão de temporalidade assume um caráter radical dado às profundas alterações estabelecidas em suas configurações; a dimensão de relevância assume um papel de ruptura na qual se estabeleceu como afirmado por Lima e Bressan (2003), uma ruptura dos padrões anteriores e o redirecionamento da organização; e, quanto à dimensão de intencionalidade, a mudança caracteriza-se como planejada, intencional e com objetivos determinados. As perspectivas de mudança organizacional evidenciadas por Motta (2001) denotam quais os focos foram evidenciados no processo de mudança da companhia. Ressaltamos no estudo do caso a perspectiva estratégica para a compreensão do fenômeno. Dentro da perspectiva estratégica, destacam-se, sobretudo as ações de mudanças que privilegiaram a estratégia da convergência fixo-móvel tanto na estrutura de gestão quanto na mercadológica. Outro ponto refere-se aos propósitos da companhia legitimados por sua visão e valores calcados no poder da transformação conforme site institucional da Empresa. Os modelos de mudança planejada propostos por Kilmann (1991), Cunha e Rego (2002) são formas particulares de se enxergar um fenômeno amplo e global. Todavia, conseguem refletir os estratos da reconfiguração organizacional ocorrida na Telefônica Vivo. Neste sentido, as etapas de inicio/preparação, implementação/implantação e reforço de mudança/avaliação de resultados são identificadas nas principais ações tomadas pela companhia no seu processo de mudança. A unificação da marca e do logo se configurou como uma das estratégias iniciais na mudança e detonou o processo de unificação da companhia de forma se alinhar aos moldes da matriz espanhola. Desta forma, esta ação estratégica principiou a fusão de duas empresas com operações distintas na convergência em uma única consolidando seu posicionamento no setor de telecomunicações. O programa de demissão voluntária (PDV) refletiu a continuidade do processo de integração e caracterizou uma das etapas de implementação do plano de mudanças. Com a fusão entre as duas empresas e a integração dos negócios resultaram no enxugamento do headcount como forma de atender ao novo cenário de atuação. Da mesma maneira, a reorganização de uma nova estrutura organizacional que privilegiou executivos de ambas as operações reforçou a estratégia de convergência adotada pela companhia. As integrações tecnológicas e do ambiente físico finalizaram e consolidaram a fase de implantação do processo de mudança à medida que criaram espaços únicos de convivência e de relação tecnológica. Conclui-se, portanto, que as profundas transformações vivenciadas pela companhia se legitimaram em mudança planejada de caráter radical e que provocaram ruptura de padrões. As ações de mudança, sejam em nível de gestão ou mercadológicas, privilegiaram a 10

11 convergência das operações fixas e móveis da operadora. Esta dinâmica revela o esforço empreendido pela organização em atender e se adequar aos novos cenários de setor de telecomunicações. 7. Considerações finais Falar sobre mudança organizacional, como já explicitado no inicio deste estudo, não é tarefa fácil dada a dificuldade de sistematizar o tema à realidade das organizações. Este artigo tentou elaborar um panorama que pudesse revelar alguns pensamentos sobre como sistematizar o processo de mudança no seio de uma organização. O estudo do caso tornou-se oportuno, haja vista os momentos de mudança radical pelo qual a organização tem passado. Neste sentido, conclui-se que os processos de unificação e integração organizacional, permeados pela mudança do tipo planejada, possuem peculiaridades no seu formato. Tais peculiaridades se refletem na constatação de que duas empresas distintas, de ambientes distintos, fundiram-se em outra, com composição também diferente. Para que isso ocorresse foram necessárias profundas alterações em suas dinâmicas: etapas de implementação marcadas por fortes reconfigurações e solidificação da visão da companhia. Foram etapas marcadas pela racionalidade e objetividade. Para complementar este estudo sugerimos pesquisas futuras, tal qual como dito por Silva e Vergara (2003), que tenham a mudança organizacional sob a ótica da mudança de relações do indivíduo com a organização e com seus grupos. Para que além da análise da ótica da sistematização da mudança planejada, se descubra esta implicação para os indivíduos que atuam nas organizações. 8. Referências BRUNO-FARIA, Maria de Fátima. Criatividade, inovação e mudança organizacional. In: LIMA, Suzana Maria Valle. Mudança Organizacional: Teoria e Gestão. Rio de Janeiro: Editora FGV, CARDOSO, Heden; FREIRE, Luís Carlos. Mudança e aprendizagem nas organizações. In: LIMA, Suzana Maria Valle. Mudança Organizacional: Teoria e Gestão. Rio de Janeiro: Editora FGV, CUNHA, Miguel Pina e; REGO, Arménio. As duas faces da mudança organizacional: planejada e emergente. Revista Portuguesa e Brasileira de Gestão, V.1, Nº2, Jul./Set GARETH, Morgan. Imagens da Organização. São Paulo: Atlas, GLOBO G1. Acesso site em 02/09/

12 INSTITUCIONAL TELEFÔNICA. Acesso site em Acesso em 10/09/2012. INSTITICIONAL TELEFÔNICA, Assessoria de Imprensa. Acesso site em em 08/09/12. INTRANET CORPORATIVA, Telefônica Vivo Acesso site Acesso em 09/10/2012 KILMANN, Ralph H. Gerenciando sem recorrer a soluções paliativas: um programa totalmente integrado para criar e manter o sucesso organizacional. Rio de Janeiro: Qualitymark, LIMA, Suzana Maria Valle; BRESSAN, Cyndia Laura. Mudança organizacional: uma introdução. In: LIMA, Suzana Maria Valle. Mudança Organizacional: Teoria e Gestão. Rio de Janeiro: Editora FGV, MOTTA, Paulo Roberto. Transformação Organizacional: teoria e a prática de inovar. Rio de Janeiro: Qualitymark NEIVA, Elaine Rabelo. Metodologia para avaliação da mudança organizacional. In: LIMA, Suzana Maria Valle. Mudança Organizacional: Teoria e Gestão. Rio de Janeiro: Editora FGV, OLIVEIRA, Marco A. A dinâmica da mudança: fatos geradores e geradores de fatos nas empresas. São Paulo: Nobel, ROBBINS, S. P. Comportamento organizacional. Rio de Janeiro, LTC, SILVA, José Roberto Gomes; VERGARA, Sylvia Constant. Sentimentos, subjetividade e supostas resistências à mudança organizacional. RAE, vol. 43, n o 3, SINTETEL. Sindicato dos Trabalhadores do Estado de São Paulo. Acesso site Acesso em 02/09/2012. SOUKI, Gustavo Quiroga; PEREIRA, Cláudia Aparecida. Impactos das Práticas Organizacionais sobre as Atitudes dos Funcionários: um estudo empírico no setor de telecomunicações. ENANPAD, TELECO Disponível em Acesso em 09/10/2012. YIN, R.K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 3ª ed, Porto Alegre: Bookman, WOOD, Thomaz Jr. Mudança Organizacional: aprofundamento de temas atuais em Administração. São Paulo: Atlas, WOOD, Thomaz Jr. Mudança Organizacional: Uma abordagem preliminar. RAE, vol.32, n o 3, p , jul/ago,

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS Inter-American Development Bank Banco Interamericano de Desarrollo Banco Interamericano de desenvolvimento Banque interámericaine de développment BR-P1051 Departamento de Países do Cone Sul (CSC) Rascunho

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROGRAMAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: UMA PERSPECTIVA PARA A IMPLANTAÇÃO DO ESCRITÓRIO DE PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROGRAMAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: UMA PERSPECTIVA PARA A IMPLANTAÇÃO DO ESCRITÓRIO DE PROJETOS GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROGRAMAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: UMA PERSPECTIVA PARA A IMPLANTAÇÃO DO ESCRITÓRIO DE PROJETOS Luis Fernando Vitorino 1, Moacir José dos Santos 2, Monica Franchi Carniello

Leia mais

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade As empresas têm passado por grandes transformações, com isso, o RH também precisa inovar para suportar os negócios

Leia mais

Implementação de estratégias

Implementação de estratégias Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Implementação de estratégias Agenda: Implementação de Estratégias Visão Corporativa sobre

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

QUESTÃO 11 ENADE Administração/2009

QUESTÃO 11 ENADE Administração/2009 Universidade Federal Fluminense Oficina de Trabalho Elaboração de Provas Escritas Questões Objetivas Profª Marcia Memére Rio de Janeiro, janeiro de 2013 QUESTÃO 11 ENADE Administração/2009 Cada uma das

Leia mais

Ilca Maria Moya de Oliveira

Ilca Maria Moya de Oliveira Ilca Maria Moya de Oliveira Cargos e suas estruturas são hoje um tema complexo, com várias leituras e diferentes entendimentos. Drucker (1999, p.21) aponta que, na nova sociedade do conhecimento, a estrutura

Leia mais

CONDUZINDO MUDANÇAS TRANSFORMADORAS

CONDUZINDO MUDANÇAS TRANSFORMADORAS CONDUZINDO MUDANÇAS TRANSFORMADORAS por David Miller The European Business Review, março/abril 2012 As mudanças estão se tornando mais frequentes, radicais e complexas. Os índices de falha em projetos

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA Ementário/abordagem temática/bibliografia básica (3) e complementar (5) Morfofisiologia e Comportamento Humano Ementa: Estudo anátomo funcional

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

Administração de Pessoas

Administração de Pessoas Administração de Pessoas MÓDULO 16: RESULTADOS RELATIVOS À GESTÃO DE PESSOAS 16.1 Área de RH e sua contribuição O processo de monitoração é o que visa saber como os indivíduos executam as atribuições que

Leia mais

Pesquisa Clima Organizacional 2009. Relatório Embrapa Gado de Corte

Pesquisa Clima Organizacional 2009. Relatório Embrapa Gado de Corte Pesquisa Clima Organizacional 2009 Relatório Embrapa Gado de Corte 1. Fundamentação Teórica A Pesquisa de Cultura e Clima Organizacional é um instrumento de levantamento de informações, utilizado para

Leia mais

Organização da Aula. Cultura e Clima Organizacionais. Aula 3. Mudança: um Mal Necessário. Contextualização. O Capital Humano é Crítico

Organização da Aula. Cultura e Clima Organizacionais. Aula 3. Mudança: um Mal Necessário. Contextualização. O Capital Humano é Crítico Cultura e Clima Organizacionais Aula 3 Profa. Me. Carla Patricia Souza Organização da Aula Cultura e mudança Impactos da mudança Resistência à mudança Mudança: um Mal Necessário Contextualização O ambiente

Leia mais

Trilhas de aprendizagem UCSebrae um caminho em construção

Trilhas de aprendizagem UCSebrae um caminho em construção Trilhas de aprendizagem UCSebrae um caminho em construção Trilhas de aprendizagem Trilhas de desenvolvimento Foco no desenvolvimento de competências Foco no desenvolvimento de carreiras O Sebrae O Serviço

Leia mais

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DO SERVIÇO FEDERAL DE PROCESSAMENTO DE DADOS (SERPRO) - PCS A Política de Comunicação do Serviço

Leia mais

MUDANÇAS NO PERFIL ORGANIZACIONAL DE EMPRESAS PRIVADAS NA ATUALIDADE BRASILEIRA 1. Fabíola dos Santos Passanha. Faculdade de Agudos - FAAG RESUMO

MUDANÇAS NO PERFIL ORGANIZACIONAL DE EMPRESAS PRIVADAS NA ATUALIDADE BRASILEIRA 1. Fabíola dos Santos Passanha. Faculdade de Agudos - FAAG RESUMO MUDANÇAS NO PERFIL ORGANIZACIONAL DE EMPRESAS PRIVADAS NA ATUALIDADE BRASILEIRA 1 Fabíola dos Santos Passanha Faculdade de Agudos - FAAG RESUMO Adotar estratégias de mudança que sejam efetivas envolve

Leia mais

A POSSIBILIDADE DE ATUAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE

A POSSIBILIDADE DE ATUAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE A POSSIBILIDADE DE ATUAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE Ana Paula Moura da Silva (UNEAL / SENAI-AL) Israel Silva de Macêdo (SENAI-AL, UNIAFRA, FRM) Resumo Esta pesquisa apresenta uma reflexão sobre

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DA CEMIG COM A COMUNIDADE Substitui a NO-02.15 de 23/06/2009

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DA CEMIG COM A COMUNIDADE Substitui a NO-02.15 de 23/06/2009 03/08/2010 Pág.01 POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DA CEMIG COM A COMUNIDADE Substitui a NO-02.15 de 23/06/2009 1. INTRODUÇÃO 1.1 A Política de Comunicação da CEMIG com a Comunidade explicita as diretrizes que

Leia mais

Novos Caminhos Grupo JCA Uma estratégia de transformação organizacional a partir da cultura e dos valores.

Novos Caminhos Grupo JCA Uma estratégia de transformação organizacional a partir da cultura e dos valores. Novos Caminhos Grupo JCA Uma estratégia de transformação organizacional a partir da cultura e dos valores. Período: Março 2010 a junho 2011 Categoria: Adesão dos Colaboradores Sumário: O trabalho relata

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

Ilca Maria Moya de Oliveira

Ilca Maria Moya de Oliveira Ilca Maria Moya de Oliveira As necessidades de seleção de pessoal na organização são inúmeras e vão exigir diferentes ações da área de Gestão de Pessoas para cada uma delas. A demanda de seleção de pessoal

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS RECURSOS HUMANOS

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS RECURSOS HUMANOS COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS RECURSOS HUMANOS DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

MBA EM GESTÃO COMERCIAL E INTELIGÊNCIA DE MERCADO

MBA EM GESTÃO COMERCIAL E INTELIGÊNCIA DE MERCADO MBA EM GESTÃO COMERCIAL E INTELIGÊNCIA DE MERCADO O programa irá desenvolver no aluno competências sobre planejamento e força de Vendas, bem como habilidades para liderar, trabalhar em equipe, negociar

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

Autor: Ricardo José Pereira Monteiro Professora Responsável: Prof. Dra. Nilda Maria de Clodoaldo Pinto Guerra Leone Número de Páginas: 6

Autor: Ricardo José Pereira Monteiro Professora Responsável: Prof. Dra. Nilda Maria de Clodoaldo Pinto Guerra Leone Número de Páginas: 6 Arquivo Título: A Influência da Cultura Organizacional nos Processos de Fusão e Aquisição Empresarial Autor: Ricardo José Pereira Monteiro Professora Responsável: Prof. Dra. Nilda Maria de Clodoaldo

Leia mais

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo:

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo: 3 METODOLOGIA Apresenta-se a seguir a descrição da metodologia utilizada neste trabalho com o objetivo de expor os caminhos que foram percorridos não só no levantamento dos dados do estudo como também

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos

Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos Combining the ISO 10006 and PMBOK to ensure successful projects 1 Por Michael Stanleigh Tradução e adaptação para fins didáticos

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

PEDAGOGIA DO ESPORTE: A IMPORTÂNCIA DA UTILIZAÇÃO DA SITUAÇÃO PROBLEMA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DOS JOGOS ESPORTIVOS COLETIVOS

PEDAGOGIA DO ESPORTE: A IMPORTÂNCIA DA UTILIZAÇÃO DA SITUAÇÃO PROBLEMA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DOS JOGOS ESPORTIVOS COLETIVOS PEDAGOGIA DO ESPORTE: A IMPORTÂNCIA DA UTILIZAÇÃO DA SITUAÇÃO PROBLEMA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DOS JOGOS ESPORTIVOS COLETIVOS Prof. Ms.Camila Corrêa Moura Prof. Ms. Larissa Rafaela Galatti

Leia mais

Motivação. O que é motivação?

Motivação. O que é motivação? Motivação A motivação representa um fator de sobrevivência para as organizações, pois hoje é um dos meios mais eficazes para atingir objetivos e metas. Além de as pessoas possuírem conhecimento, habilidades

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 3 METODOLOGIA DA PESQUISA O objetivo principal deste estudo, conforme mencionado anteriormente, é identificar, por meio da percepção de consultores, os fatores críticos de sucesso para a implementação

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas

MBA em Gestão de Pessoas REFERÊNCIA EM EDUCAÇÃO EXECUTIVA MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Profª. Dra. Ana Ligia Nunes Finamor A Escola de Negócios de Alagoas. A FAN Faculdade de Administração e Negócios foi fundada

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

Gestão Estratégica no Serviço Público

Gestão Estratégica no Serviço Público Projeto Maricá Coordenador: José Geraldo Abunhaman Gestão Estratégica no Serviço Público Prof. Joel de Lima Pereira Castro Junior, PhD joelpcastro@uol.com.br Por que planejar? O processo de liberdade do

Leia mais

5. Análise conjunta dos casos

5. Análise conjunta dos casos 5. Análise conjunta dos casos Após analisar como tem ocorrido o processo de institucionalização da responsabilidade social corporativa nas empresas farmacêuticas estudadas concluiu-se que nas quatro empresas

Leia mais

VARIÁVEIS FUNDAMENTAIS NA DISCUSSÃO E NO PLANEJAMENTO DO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DOS INSTITUTOS SUPERIORES DE EDUCAÇÃO

VARIÁVEIS FUNDAMENTAIS NA DISCUSSÃO E NO PLANEJAMENTO DO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DOS INSTITUTOS SUPERIORES DE EDUCAÇÃO VARIÁVEIS FUNDAMENTAIS NA DISCUSSÃO E NO PLANEJAMENTO DO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DOS INSTITUTOS SUPERIORES DE EDUCAÇÃO Maria Beatriz de Carvalho Melo Lobo Roberto Leal Lobo e Silva Filho Diante da nebulosidade

Leia mais

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO A presente pesquisa aborda os conceitos de cultura e clima organizacional com o objetivo de destacar a relevância

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS Ana Carolina Freitas Teixeira¹ RESUMO O gerenciamento de projetos continua crescendo e cada

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Mudanças das organizações e os SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução n A mudança nos sistemas de informação das organizações é, ou deve ser, considerada

Leia mais

TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA RESUMO

TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA RESUMO TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA Hewerton Luis P. Santiago 1 Matheus Rabelo Costa 2 RESUMO Com o constante avanço tecnológico que vem ocorrendo nessa

Leia mais

Termo de Referência para Política Nacional de Apoio ao Desenvolvimento de Arranjos Produtivos Locais

Termo de Referência para Política Nacional de Apoio ao Desenvolvimento de Arranjos Produtivos Locais 1 POLÍTICA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Termo de Referência para Política Nacional de Apoio ao Desenvolvimento de Arranjos Produtivos Locais Versão para Discussão do GT Interministerial

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

TREINAMENTO COMO FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA O CRESCIMENTO ORGANIZACIONAL.

TREINAMENTO COMO FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA O CRESCIMENTO ORGANIZACIONAL. TREINAMENTO COMO FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA O CRESCIMENTO ORGANIZACIONAL. André Murilo de Souza Cavalcante Resumo: Este artigo estuda as etapas do treinamento e suas características, Desta maneira, o

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO SUPERIOR DE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2011.1 BRUSQUE (SC) 2014 Atualizado em 6 de junho de 2014 pela Assessoria de

Leia mais

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 Análise de Tendências e Inovação Estratégica Levar o aluno a compreender os conceitos e as ferramentas de inteligência preditiva e inovação estratégica. Analisar dentro

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Universidade Federal do Ceará Faculdade de Economia, Administração, Atuária, Contabilidade e Secretariado Curso de Administração de Empresas GESTÃO POR COMPETÊNCIAS MAURICIO FREITAS DANILO FREITAS Disciplina

Leia mais

Ilca Maria Moya de Oliveira

Ilca Maria Moya de Oliveira Plano de Desenvolvimento Relação Ergonomia e Moda e Educação Corporativa Ilca Maria Moya de Oliveira Segundo Dutra (2004), a preparação para o futuro exige investimentos simultâneos: um na modernização

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 43 3 METODOLOGIA DA PESQUISA Medeiros (2005) esclarece que a pesquisa científica tem por objetivo maior contribuir para o desenvolvimento humano. Para isso, conta com métodos adequados que devem ser planejados

Leia mais

Função Gerencial. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua

Função Gerencial. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua Função Gerencial Autor: Ader Fernando Alves de Pádua 1. INTRODUÇÃO Este artigo tem por objetivo levar aos seus leitores à uma aproximação teórica dos estudos da administração empresarial, enfocando a importância

Leia mais

Réplica 2 - Análise de Conteúdo como Técnica de Análise de Dados Qualitativos no Campo da Administração: Potencial e Desafios

Réplica 2 - Análise de Conteúdo como Técnica de Análise de Dados Qualitativos no Campo da Administração: Potencial e Desafios Disponível em http:// RAC, Curitiba, v. 15, n. 4, pp. 761-765, Jul./Ago. 2011 Documentos e Debates: Réplica 2 - Análise de Conteúdo como Técnica de Análise de Dados Qualitativos no Campo da Administração:

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO SUPERIOR DE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2011.1 BRUSQUE (SC) 2014 Atualizado em 6 de junho de 2014 pela Assessoria

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

Perfil e Competências do Coach

Perfil e Competências do Coach Perfil e Competências do Coach CÉLULA DE TRABALHO Adriana Levy Isabel Cristina de Aquino Folli José Pascoal Muniz - Líder da Célula Marcia Madureira Ricardino Wilson Gonzales Gambirazi 1. Formação Acadêmica

Leia mais

CULTURA ORGANIZACIONAL. Prof. Gilberto Shinyashiki FEA-RP USP

CULTURA ORGANIZACIONAL. Prof. Gilberto Shinyashiki FEA-RP USP CULTURA ORGANIZACIONAL Prof. Gilberto Shinyashiki FEA-RP USP Cultura é uma característica única de qualquer organização Apesar de difícil definição, compreende-la pode ajudar a: Predizer como a organização

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas e Comportamento Organizacional -Matutino e Noturno

MBA em Gestão de Pessoas e Comportamento Organizacional -Matutino e Noturno MBA em Gestão de Pessoas e Comportamento Organizacional -Matutino e Noturno Apresentação CAMPUS STIEP Inscrições Abertas Turma 12 (Noturno) -->Últimas Vagas até o dia 27/05/2013 CAMPUS IGUATEMI Turma 13

Leia mais

MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA

MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA 2012.1 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS É uma instituição de direito privado, sem fins lucrativos, fundada em 20 de dezembro de 1944, com o objetivo de ser um centro voltado

Leia mais

XVI SEMINÁRIO DE PESQUISA DO CCSA ISSN 1808-6381

XVI SEMINÁRIO DE PESQUISA DO CCSA ISSN 1808-6381 GESTÃO DE PESSOAS APLICADA ÀS UNIDADES DE INFORMAÇÃO 1 Mailza Paulino de Brito e Silva Souza 2 Sandra Pontual da Silva 3 Sara Sunaria Almeida da Silva Xavier 4 Orientadora: Profª M.Sc. Luciana Moreira

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO Porto Alegre RS Abril 2010 Bianca Smith Pilla Instituto Federal de Educação,

Leia mais

MBA em Administração e Gestão do Conhecimento

MBA em Administração e Gestão do Conhecimento MBA em Administração e Gestão do Conhecimento Gestão do Conhecimento Aula 3 Profa. Me. Ana Carolina Bustamante Olá! Bem-vindos à nossa terceira aula. Antes de mais nada, assista ao vídeo a seguir e conheça

Leia mais

quinta-feira, 16 de maio de 13

quinta-feira, 16 de maio de 13 POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 08 Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua FORMULAÇÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS A Teoria dos Múltiplos Fluxos e Teoria do Equilíbrio Pontuado análise da política pública como um processo

Leia mais

Especialização em Comunicação Organizacional e Reputação Corporativa - NOVO

Especialização em Comunicação Organizacional e Reputação Corporativa - NOVO Especialização em Comunicação Organizacional e Reputação Corporativa - NOVO Apresentação Previsão de Início Julho/2013 Inscrições em Breve - Turma 01 - Campus Stiep O curso de Comunicação Organizacional

Leia mais

Gestão por Competências

Gestão por Competências Gestão por Competências 2 Professora: Zeila Susan Keli Silva 2º semestre 2012 1 Contexto Economia globalizada; Mudanças contextuais; Alto nível de complexidade do ambiente; Descoberta da ineficiência dos

Leia mais

Conteúdo. 1. Origens e Surgimento. Origens e Surgimento

Conteúdo. 1. Origens e Surgimento. Origens e Surgimento 1 2 Planejamento Estratégico: conceitos e evolução; administração e pensamento estratégico Profª Ms Simone Carvalho simonecarvalho@usp.br Profa. Ms. Simone Carvalho Conteúdo 3 1. Origens e Surgimento 4

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Gestão de Conflitos Organizacionais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Gestão de Conflitos Organizacionais UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Gestão de Conflitos Organizacionais Jefferson Menezes de Oliveira Santa Maria, dezembro de 2006 INTRODUÇÃO

Leia mais

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.)

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Resenha Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Patrícia Morais da Silva 1 Superar as expectativas do mercado atendendo de forma satisfatória as demandas dos clientes

Leia mais

Fusões e aquisições no Brasil

Fusões e aquisições no Brasil GESTÃO Fusões e aquisições no Brasil Fusões e aquisições estão entre as mais relevantes e dramáticas formas de mudança organizacional. Entretanto, os mecanismos estratégicos e organizacionais que contribuem

Leia mais

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL MBA e Pós-Graduação Cursos inovadores e alinhados às tendências globais Nossos cursos seguem modelos globais e inovadores de educação. Os professores

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Por Maria Luiza Panchihak

BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Por Maria Luiza Panchihak BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS Por Maria Luiza Panchihak Este artigo apresenta os benefícios do gerenciamento de projetos e mostra a importância desse processo, dentro de uma organização, para

Leia mais

A gestão pública a serviço de todos os brasileiros

A gestão pública a serviço de todos os brasileiros Programa da Qualidade no Serviço Público GUIA Avaliação Continuada da Gestão Pública 25 pontos A gestão pública a serviço de todos os brasileiros Programa da Qualidade no Serviço Público PQSP: Avaliação

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS Manual de Aplicação Questionário de Levantamento Organizacional e de Fatores Humanos Brasília, novembro

Leia mais

Curso Empreendedorismo Corporativo

Curso Empreendedorismo Corporativo Curso Empreendedorismo Corporativo Todos os fatores relevantes atuais mostram que a estamos em um ambiente cada vez mais competitivo, assim as pessoas e principalmente as organizações devem descobrir maneiras

Leia mais

O Paradigma da nova liderança

O Paradigma da nova liderança O Paradigma da nova liderança Robert B. Dilts Um dos mais importantes conjuntos de habilidades Um dos mais importantes conjuntos de habilidades necessárias num mundo em transformação são as habilidades

Leia mais

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial remuneração para ADVOGADOS Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados advocobrasil Não ter uma política de remuneração é péssimo, ter uma "mais ou menos" é pior ainda. Uma das

Leia mais

A Gestão dos Processos de Comunicação e Relacionamentos Organizacionais. Professor MS Lauro d Avila

A Gestão dos Processos de Comunicação e Relacionamentos Organizacionais. Professor MS Lauro d Avila A Gestão dos Processos de Comunicação e Relacionamentos Organizacionais Professor MS Lauro d Avila Universidade do Vale do Rio dos Sinos - Unisinos Resumo O artigo tem como objetivo constatar e comentar

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Desenvolvimento Humano de Gestores

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Desenvolvimento Humano de Gestores NÚCLEO AVANÇADO DE PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Desenvolvimento Humano de Gestores De acordo com a Resolução n o 1 de 08/06/2007 da CES do CNE do MEC Coordenação

Leia mais

União Metropolitana de Educação e Cultura. Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM

União Metropolitana de Educação e Cultura. Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM União Metropolitana de Educação e Cultura Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM Lauro de Freitas - BAHIA 2013 2 JUSTIFICATIVA A principal justificativa para o desenvolvimento e implementação

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável Felipe de Oliveira Fernandes Vivemos em um mundo que está constantemente se modificando. O desenvolvimento de novas tecnologias

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO HOSPITAL REGIONAL DO LITORAL PROVA ADMINISTRAÇÃO

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO HOSPITAL REGIONAL DO LITORAL PROVA ADMINISTRAÇÃO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO HOSPITAL REGIONAL DO LITORAL PROVA ADMINISTRAÇÃO 01. Assinale nas questões abaixo com falso (F) ou verdadeiro (V): ( ) A administração reconhece a importância do estudo do

Leia mais

Comportamento Organizacional GRUPOS

Comportamento Organizacional GRUPOS Comportamento Organizacional GRUPOS Objetivos da Seção Ampliar a compreensão sobre a dinâmica dos grupos e equipes nas organizações. Apresentar algumas dicas para a criação e manutenção de equipes eficazes

Leia mais

1 - Apresentação... 3. 2 - Objetivos... 6. 3 - Público Alvo... 7. 4 - Metas e Resultados Esperados... 7

1 - Apresentação... 3. 2 - Objetivos... 6. 3 - Público Alvo... 7. 4 - Metas e Resultados Esperados... 7 1 Presidente Paulo Marchiori Buss Vice Presidente de Desenvolvimento Institucional e Gestão do Trabalho Paulo Ernani Gadelha Vieira Diretora de Recursos Humanos Leila de Mello Yañez Nogueira Departamento

Leia mais

GOVERNANÇA CORPORATIVA CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CONSELHO CONSULTIVO

GOVERNANÇA CORPORATIVA CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CONSELHO CONSULTIVO GOVERNANÇA CORPORATIVA CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CONSELHO CONSULTIVO O QUE É GOVERNANÇA CORPORATIVA? Conselho de Família GOVERNANÇA SÓCIOS Auditoria Independente Conselho de Administração Conselho Fiscal

Leia mais

Parte integrante da Metodologia Tear de Trabalho em Cadeia de Valor

Parte integrante da Metodologia Tear de Trabalho em Cadeia de Valor Parte integrante da Metodologia Tear de Trabalho em Cadeia de Valor 2 Apresentando as etapas da Metodologia Tear de forma simplificada, esta versão resumida foi preparada para permitir um acesso rápido

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

MBA Gestão de Negócios e Pessoas

MBA Gestão de Negócios e Pessoas PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Nome do Curso MBA Gestão de Negócios e Pessoas Área de Conhecimento Ciências Sociais Aplicadas Nome do Coordenador do Curso e Breve Currículo: Prof.

Leia mais

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Democracia na escola Ana Maria Klein 1 A escola, instituição social destinada à educação das novas gerações, em seus compromissos

Leia mais

Gestão de Processos Estratégicos

Gestão de Processos Estratégicos Gestão de Processos Estratégicos Fevereiro/2014 DEFINIÇÕES Rede de Desenvolvimento Integrado Arranjos que estimulam e proporcionam um comportamento (em rede) cooperativo entre agentes governamentais e

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 2ª Série Processos Gerenciais CST em Gestão Financeira A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem desenvolvido por meio de um conjunto

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E DO TRABALHO: CONCEITOS INTRODUTÓRIOS

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E DO TRABALHO: CONCEITOS INTRODUTÓRIOS PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E DO TRABALHO: CONCEITOS INTRODUTÓRIOS 2011 Paola Lucena dos Santos Bolsista de Iniciação Científica, CNPq Acadêmica de Psicologia pela PUC/RS, Brasil Laura Traub Acadêmica de

Leia mais