Jorge Almeida Pereira. Instituto Politécnico de Setúbal, Portugal Resumo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Jorge Almeida Pereira. Instituto Politécnico de Setúbal, Portugal jorgeapereir@gmail.com. Resumo"

Transcrição

1 Intelligence como factor de risco nos Sistemas de Informação Jorge Almeida Pereira Instituto Politécnico de Setúbal, Portugal Resumo A importância crescente da informação na tomada de decisão e o emprego de meios tecnológicos conducentes ao aumento da eficiência organizacional colocam um desafio social que envolve pessoas e organizações de uma forma em que a cumplicidade se torna factor primordial para o sucesso de ambos. Através da visão sistémica do ambiente urbano em que se inserem, apesar da crescente complexidade das arquitecturas disponíveis, podem simplificar-se os processos de obtenção da informação económica relevante. Como o recurso a meios ilícitos de pesquisa ou a indução em erro dos oponentes são factores concorrenciais que não podem ser desprezados, as pessoas, mais do que os processos e a tecnologia, são a origem e o objecto da introdução de factores de risco intangíveis numa análise organizacional dos Sistemas de Informação (SI). Da necessidade de promover a consolidação interpretativa do conhecimento nesta área e uma reflexão estratégica sobre a segurança das fontes, dos dados e da informação resulta o objectivo deste artigo. Palavras chave: competitividade, risco, vigilância, intelligence 1. Introdução A evolução semântica do conceito de novidade tende a deixar definitivamente de ser sinónimo de primeira vez, como o que tinha no século XV, quando novas rotas eram concebidas, investigadas e desenvolvidas, secreta e minuciosamente pela Ordem de Cristo a mando do Infante D. Henrique. Registadas nas páginas da História encontram-se definições onde os descobrimentos portugueses representam a reconversão de uma acção de guerra naval numa actividade de exploração científica [Saraiva 2001]. Nos nossos dias, a diferenciação e exclusividade competitivas, base fundamental para o desafio da inovação imposto pela abrangente difusão de informação e globalização dos mercados, induzem as preocupações de carácter económico e dirigem os estudos científicos, na tentativa de combater e evitar desestabilizações mais profundas nos ambientes social e geostratégico. Faz hoje sentido voltar a falar de guerra, quer esta seja fria, convencional, electrónica, contra o terrorismo ou, sobretudo, da guerra económica, porquanto a luta pelo registo de procedimentos de vanguarda permite decidir, em termos de eficácia, a diferença entre vencedores e vencidos. A continuidade das organizações depende, fundamentalmente, da sua capacidade de adaptação à mudança. Quanto melhor se conhecerem os fundamentos que levam à tomada de decisão de

2 indivíduos e organizações, sendo que estas possuem o capital de conhecimento tácito e explícito [Nonaka e Takeuchi 1995] daqueles que as compõem, mais eficientes se tornam os processos, permitindo uma interpretação mais eficaz dos dados registados e da informação alcançada. Logo, a sensibilização de todos os actores da vida económica para a necessidade de integração da informação nos processos de tomada de decisão é primordial para promover conscientemente a sua recolha, tratamento e protecção. A aquisição, processamento e comunicação de informações impõem-se num quadro muito competitivo, face a um contexto económico, político, social e cultural onde a informação se tornou matéria-prima fundamental e principal fonte de poder. Considerando que existe ainda sensibilização insuficiente para as questões da segurança, em particular para a necessária prevenção, com implicações graves num quadro de ameaça à integridade das informações nas organizações, sustenta-se neste artigo a necessidade de avaliar convenientemente as ameaças e permitir uma investigação mais alargada, com o consequente aproveitamento de oportunidades. Desta forma, evitar ou mitigar o risco, associando-o a pontos fracos e pontos fortes, escondendo o que é estrutural e estrategicamente importante, apresentase em função das formas com que se elaboram os planos para a concretização dos objectivos, longe dos olhares alheios. Embora todos possam ver os aspectos exteriores, ninguém deve compreender a forma como se cria a vitória [Sun Tzu 2007]. Decorrente do facto de o potencial económico estar cada vez mais ligado à capacidade de controlar e manipular informação [Miguel 2002], a confusão ética produzida pelo exame dos conceitos de Inteligência Competitiva (IC) e de espionagem merece um exaustivo detalhe analítico [Kaplan e Norton 2004], no qual possam operar as organizações, em ambiente socioeconómico e tecnológico turbulento que desafia a sua própria sobrevivência. Com origem num passado recente de práticas distintas nos diferentes países, a União Europeia persiste na indefinição em relação a uma hipotética política comum, enquanto que nos EUA, o investimento em actividades de Intelligence técnica e humana continua a ser gigantesco, garantindo a liderança mundial. A espionagem económica e industrial, sendo um crime punido por lei (Artigo 317º, do Código Penal) e, nos termos do Artigo 21º da Lei Orgânica n.º 4/2004, pode interferir decisivamente na avaliação de risco dos Sistemas de Informação (SI). Tem, portanto, importância relevante na análise das definições e fronteiras do conhecimento organizacional que se pretendem avaliar, paralelamente e com o mesmo objectivo de outras formas de recolha de informação eticamente aceitáveis.

3 2. Intelligence O sentido comum da inteligência social, como capacidade do ser humano para pensar, conceber, compreender, aprender e julgar, e o de inteligência económica, que tem contornos que se enquadram na perspectiva de acordo secreto entre duas ou mais pessoas no intuito de enganar alguém [DLPC 2001], diluem-se como um risco desconhecido se limitados por esta definição. Os governos recolhem, processam e usam informação secreta. Apesar das organizações possuírem os seus sistemas de informação próprios, e o termo Intelligence ser aplicado em todos eles e à informação que produzem, é a nível governamental que se usa o sentido mais restrito, associado a relações internacionais, defesa, segurança nacional e segredo [Herman 1996]. Na literatura militar a Intelligence resulta da busca de informações relevantes sobre o ambiente estrangeiro e o adversário. Sistemas de vigilância monitorizam os alvos e ambientes prioritários para reduzir a incerteza e aumentar o conhecimento e a confiança. Definir a estratégia, a partir da informação, avaliando as oportunidades ou ameaças existentes e a sua capacidade de accionar os seus activos para responder aos novos desafios, tem sido a ocupação principal dos generais, líderes e outros decisores [McGee e Prusak 1993]. No âmbito dos Sistemas de Informação (SI), exemplos de preocupação na definição do termo, apresentados pela Society of Competitive Intelligence Professionals (SCIP) foram tomados em consideração na comunidade profissional mundial e são seguidos por muitos como tópicos essenciais ao dispor das comunidades organizacionais que pretendam proteger os interesses dos seus membros, através do uso de Intelligence. O constante apelo ao cumprimento de normas e a divulgação de regras de conduta instituem o dever de preservar os princípios éticos subjacentes aos Sistemas de Informação Organizacionais. Deste modo, afasta-se da palavra Intelligence o seu significado principal com conotação menos própria, e limita-se a sua utilização ao socialmente correcto no ambiente organizacional, na observância dos direitos e deveres das partes interessadas. Haverá razões que levem a ultrapassar os rígidos princípios éticos? As organizações devem ter bem presente o que não é Inteligência Competitiva (IC), pois as fronteiras éticas e práticas estão bem definidas, no entanto, não é muito clara a definição dos campos em que se podem desenhar essas fronteiras [Brody 2008]. A recolha e análise da informação sobre as capacidades, vulnerabilidades e intenções dos concorrentes do negócio, de forma ética e legal [SCIP 2007] é uma definição que tem levado os profissionais a conseguir delimitar correctamente os objectivos da sua acção perante a gestão de topo das organizações, cada vez mais preocupadas e dependentes da evolução das tecnologias, dos processos e das pessoas, e da sua forma de participação nas actividades económicas.

4 3. Inteligência Competitiva A informação económica tornou-se uma das principais fontes de preocupação dos serviços secretos ocidentais [Boniface 2003]. No entanto, a evolução recente e o futuro incerto garantem que muito ainda há para fazer na elaboração de padrões e modelos que identifiquem peremptoriamente os limites da actividade profissional nesta área. A guerra económica é defendida por autores de uma escola de pensamento que se baseia na constatação da existência de uma forma de violência económica. Na Europa, um especialista francês, fundador da Escola de Guerra Económica, em Paris, constitui uma referência no despertar de uma nova abordagem do problema; Christian Harbulot, historiador e politólogo, é considerado o criador do conceito de guerra cognitiva, que tenta responder, entre outras, à seguinte pergunta: Pode um estado ou uma empresa sobreviver, no âmbito hiper-competitivo deste tempo de globalização, sem inteligência económica? [TDSnews 2007] Os ataques da espionagem industrial e económica destinam-se a ganhar vantagem competitiva sobre a concorrência. Tentando alcançar os segredos dos concorrentes, à margem da proclamada ética empresarial, as organizações podem investir fundos na espionagem, conscientes do elevado retorno do investimento [Costa 2004]. Embora muitos questionem a utilização do termo para designar a competição entre empresas e nações, a evidência das ameaças e confrontos duríssimos, denunciados publicamente pelos média, apontam diariamente para a existência de alegados utilizadores de práticas ilegais e posicionam estas práticas no universo das possibilidades mais susceptíveis de afectar o desenvolvimento e a utilização de processos seguros nos SI. Neste teatro de guerra constata-se que os média se transformaram num poderoso instrumento à disposição dos actores que têm interesse em produzir uma percepção da realidade que lhes seja estrategicamente favorável. Sejam eles económicos, políticos, militares ou de outra natureza [Santos 2007]. Na definição dos objectivos estratégicos devem ser ponderados os factores críticos de sucesso aliados à segurança e integridade organizacionais, no intuito de obter, por recurso a um conjunto de meios de acesso condicionado, controlado e dirigido ao mais alto nível de gestão, a informação que melhor sirva de apoio à tomada de decisão. Desta forma a inteligência que se deverá impor na Sociedade da Informação como objecto de estudo, e se substitui frequentemente pelo termo, quase considerado anglicismo, Intelligence, tenderá exclusivamente para o significado de recolha secreta de informação. Partindo desta perspectiva, a globalização, competição, inovação, informação e conhecimento como recursos económicos, estando presentes nas propostas de desenvolvimento dos países e das organizações, devem constar dos

5 relatórios de Business Intelligence e integrar os processos de avaliação de risco nos SI das empresas, mas a Competitive Intelligence tem implícita uma vertente de secretismo que poderá fazer a diferença. A utilização de argumentos menos claros, considera-se no âmbito deste estudo e das supostas opções de escolha das organizações, ao nível do admissível pelos padrões éticos e legais. Por um lado, só assim se evitam situações constrangedoras e perigosas para a continuidade da organização, e por outro, porque é esse o limite das duas definições inultrapassáveis no âmbito dos SI que importa referenciar: Business Intelligence, define-se como a ferramenta que permite ter acesso aos dados ou à informação certa, na forma certa, no sentido de tomar as decisões de negócio certas em tempo certo [Stackowiak et al. 2007], ou, numa outra perspectiva, uma arquitectura e um conjunto operacional integrado bem como uma aplicação e base de dados de suporte à decisão que fornecem acesso facilitado a informação de relevo para o negócio [Moss e Atre 2003]; Competitive Intelligence, um processo para gerir estrategicamente a informação em ambiente organizacional que tem as suas raízes práticas, conceptuais, e históricas no campo da estratégia militar e nos organismos de segurança e Intelligence. A IC apresenta-se como um processo organizacional de recolha e análise da informação, que por sua vez é disseminado como inteligência aos utilizadores em apoio à tomada de decisão, tendo em vista a geração ou sustentação de vantagens competitivas [Herring 1996]. No primeiro caso temos uma das mais recentes novidades anunciadas pelas consultoras de SI. Pela sua característica de ferramenta analítica, é proposta como um pacote de software que permite aos responsáveis das organizações, aos mais diversos níveis, em tempo real, não apenas a informação para a gestão corrente, mas também a informação para a decisão, ou seja, a informação tratada e agregada de modo a produzir os indicadores que suportam as decisões. Utilizam os dados disponíveis nas organizações para disponibilizar informação relevante para a tomada de decisão, combinando ferramentas de interrogação e exploração dos dados com ferramentas que permitem a geração de relatórios [Santos e Ramos 2006]. Todo o ambiente envolvente é considerado através da informação que pertence ao domínio do conhecimento organizacional sendo consolidada com base na qualidade dos processos usados. Como de facto importa analisar outros factores de referência para além dos enunciados, partimos da segunda definição de referência assinalando que a Intelligence aliada à

6 competitividade permite às organizações: monitorizar mudanças no ambiente competitivo; identificar ameaças e oportunidades de mercado; perceber os movimentos competitivos da concorrência; identificar novos parceiros, produtos ou serviços; identificar vantagens competitivas; melhorar a gestão organizacional e promover a inovação. Pode realizar-se através de processos cíclicos ou de Key Intelligence Topics (KIT) [Herring 1999] e resulta da interligação harmoniosa de três componentes fundamentais: Vigilância sistemática do ambiente competitivo, pela recolha tratamento e difusão de informação estratégica de apoio à decisão (intelligence); Protecção do património face às ameaças externas, sobretudo de cariz informacional (desinformação, rumores, manipulação de informações); Influência do meio, de modo a criar as condições favoráveis à prossecução dos desígnios estratégicos das empresas. Para o estudo e reflexão pretendidos para alcançar um padrão de avaliação de risco, a componente vigilância é a mais significativa, sobretudo porque engloba, entre outros, aspectos internamente controláveis. Sabendo que as organizações precisam desenvolver continuamente a sua capacidade de criar conhecimento [Nonaka e Takeuchi 1995] e é desse conhecimento que pode surgir a diferenciação competitiva que faz sentido e permite a tomada de decisão na organização do conhecimento [Choo 2006] a vigilância implica um estado de alerta permanente. Neste contexto, a importância do conceito estratégico, que enaltece o valor da informação, impede que se esqueça o facto de que possuir grande quantidade de informações ou de dados não é suficiente. A diferenciação consiste em seleccionar e analisar essa profusão de informações, transformando-as em inteligência [Gomes e Braga 2004], de modo a que as organizações se possam, conscientemente, adaptar às exigências do ambiente em que estão inseridas. 4. Avaliação de Risco Numa análise comparativa, dado a sua difusão e peso económico, a tecnologia situa-se actualmente numa posição de independência e igualdade de oportunidades para a classificação das vantagens dos operadores. Todos os actores podem dispor e utilizar armas e sistemas amplamente divulgados, incluindo os criados em regime de código aberto e disponibilizados através de General Public Licence (GNU). Existem utilizações comuns de Data Warehouses, o recurso a Business Activity Monitoring (BAM) e a decisões tomadas com base em Activity- Based Management (ABM), pelo que a diferenciação pode resultar de apreciações em sectores

7 menos convencionais. Convém, no entanto, salientar que em certas situações, as aplicações comerciais disponíveis na área do Business Intelligence não correspondem aos requisitos do negócio e são preferíveis as ferramentas customizáveis [Stackowiak et al. 2007]. Com a generalização do recurso ao outsourcing, a diferenciação por processos deixa também de ser notória e, numa Sociedade da Informação e do Conhecimento em que o fornecimento de serviços em SI atinge muitos e diferentes sectores de actividade, as parcerias podem representar um risco imprevisível ou insuficientemente calculado. Resta acentuar a importância das pessoas, e a compreensão do ambiente para o qual a estratégia vai ser dirigida e executada, sendo esse o primeiro passo para o desenvolvimento estratégico [Kerzner 2001]. O factor principal da inteligência económica é o papel das pessoas no seio da organização. Numa perspectiva de análise de risco podem referir-se as fases de identificação dos activos, identificação dos riscos, atribuição de prioridade dos riscos e identificação dos controlos e medidas preventivas [Peltier 2001], considerando ainda os componentes intangíveis dos activos [Kaplan e Norton 2004]: Capital humano Capital informacional Capital organizacional Como são todos demasiado importantes para as organizações e nenhuma concebe adequadamente os seus objectivos estratégicos sem os levar em consideração, as flutuações de capital de conhecimento que podem fluir entre os concorrentes carecem de acompanhamento constante e apertado, no sentido de preservar a sua integridade, confidencialidade e disponibilidade [Freire 2007]. Importa pensar a segurança relacionando-a com a protecção dos activos contra a perda, má utilização, revelação, ou dano, sabendo que as ameaças incluem erros e omissões, fraude, acidentes e prejuízos causados intencionalmente [NCC 2005]. Um dos maiores problemas da segurança é a inadaptação dos modelos propostos à filosofia global de segurança da organização [Albanese 2004]. Ao examinar com atenção a sociedade organizacional encontra-se, com maior ou menor dificuldade, uma nebulosa teia de conhecimento, não referenciado pelo sistema, que flui livremente entre elementos de organizações diferentes, concorrentes ou não. O exame desse conjunto de dados disponível, mas não tratado nem classificado, permitirá iniciar uma avaliação dos riscos associados à transferência de valor de forma oculta, se avaliarmos a sua importância para a organização. Podemos chamar-lhe a nuvem escura da informação e representar a sua evolução em torno das organizações (figura 1).

8 5. Vigilância Da direcção e esforço que cada organização atribui à Intelligence depende a origem da recolha e a quantidade de informação. No entanto, existem dados que podem chegar de uma nuvem de vigilância formada espontaneamente, não sendo por isso menos válidos, mas justificando a inexistência de uma indicação de origem nesse sentido, ou seja, nem sempre é necessário provocar ou efectuar a vigilância para obter resultados ou dar início à formação de uma nuvem. Figura 1 A vigilância na produção de dados No triângulo das Tecnologias de Informação (TI) pode considerar-se que as pessoas são acérrimas defensoras de uma política de segurança bem estruturada, porém, a vigilância pode ser dirigida para a obtenção de dados aparentemente menos importantes, mas com potencial interesse para terceiros. Cresce a preocupação sobre a forma descuidada como muitas vezes se justifica e concretiza a adopção de TI [Amaral 2005]. Por isso, na área dos SI, abrangendo as medidas de segurança associadas ao comportamento de todos os elementos intervenientes nos processos internos e externos da organização [Peltier 2002], [Silva 2004], os regulamentos e as normas devem condicionar todos os fluxos de dados que entram, saem ou são processados e armazenados no espaço de intervenção das unidades que compõem o sistema.

9 Gerir a informação não se reduz à tarefa operacional de garantir a racionalidade e a eficiência na produção e circulação de dados, mas prepara-a para uma resposta eficaz aos desafios ambientais [Zorrinho 1991]. Configura-se a partir desta informação um modelo potencialmente importante de análise baseado em dados concretos, disponíveis e úteis na tomada de decisão que só depende de um factor, a perspectiva da vigilância, individualizando distintamente, deste modo, as potencialidades das organizações associadas ao grau de exposição que detêm. Esta aparente variedade de situações, necessidades e características de análise da mesma nuvem, transparente para uns e opaca para outros, determina as diferenças e as potencialidades de utilização das informações no universo da informação organizacional ou a sua ignorância. Da mesma forma que se consegue distinguir informação de informações, em termos de conceitos, a gestão pode preocupar-se com o primeiro e esquecer o segundo na sua análise estratégica. Essa discrepância, colocada ao nível da competitividade, da análise de risco e dos consequentes factores de apoio e suporte à decisão, constitui uma componente adicional ainda pouco divulgada no ambiente organizacional nacional. Assim, a inteligência competitiva tende a centrar-se exclusivamente no estudo do ambiente interno e na rentabilização do capital tácito e explícito, na informação, permitindo a existência descontrolada de informações e a fraca utilização de nuvens escuras em benefício próprio. O actual estado de evolução económica e de desenvolvimento tecnológico, aliado à globalização dos mercados e ao aumento da competitividade, faz com que possamos afirmar peremptoriamente que o segredo, ainda é a alma do negócio. Nas organizações devem ser calculados os riscos de ser o alvo de actividades ilícitas de espionagem ou vigilância, sabendo que algumas pessoas apresentam um factor de risco mais elevado que outros, por inerência da sua posição financeira, ocupação, situação legal, ou doméstica. Há que lembrar sempre que qualquer pessoa com dinheiro, poder, influência, ou que tenha acesso a matéria considerada como sensível, classificada, ou de informação pessoal poderá estar em situação de risco pessoal sério. No entanto, no âmbito desta análise importa referir que os dados circulam livremente através da organização e do meio que a envolve, embora só se transformem em informação quando devidamente contextualizados. Ora, identificar a nuvem que paira sobre o nosso ambiente organizacional torna-se desta forma imprescindível para definir estrategicamente a posição de competitividade e Intelligence mais adequada. Talvez não haja almoços grátis, mas em certa medida pode tornar-se importante saber quem almoça com quem, e essa, pode ser uma informação valiosa, sem que para obtê-la se tenha comprometido qualquer princípio ético ou legal.

10 6. Conclusão Ao promover e aprofundar o conceito de inteligência competitiva, refletindo sobre a estratégia aplicada aos Sistemas de Informação no âmbito da segurança, determinam-se potenciais factores de risco que concorrem para a necessidade de definição de políticas mais exigentes e abrangentes, permitindo a monitorização da denominada nuvem escura da informação. Os riscos inerentes à pretensa ausência de conhecimento do ambiente organizacional assumem um papel determinante na inadequada utilização da inteligência competitiva. A fronteira entre os conceitos de Intelligence e dos padrões que lhe estão associados carece de uma exaustiva e contínua pesquisa, abordando alguns campos que podem ir para além dos limites da ética e da legalidade. O conhecimento das matérias consideradas secretas poderá ser interpretado na sua componente teórica como parte integrante da avaliação de risco nos Sistemas de Informação Organizacionais, contribuindo eficazmente para a elaboração das políticas de segurança. Tendo por referência o carácter holístico da segurança, aos vulgares processos de recolha, análise, tratamento e comunicação da informação devem juntar-se os associados a políticas de Sistemas de Informações, vulgarmente denominados por Intelligence, conseguindo, dessa forma, controlar um conjunto de elementos que de outro modo flutuariam livremente nas fronteiras do conhecimento organizacional. O aumento significativo da sensibilidade da gestão de topo nesta área irá contribuir definitivamente para o sucesso da organização, protegendo melhor os activos tangíveis e intangíveis e promovendo a cultura organizacional segura que se torna imprescindível num ambiente competitivo cada vez mais exigente. O capital humano é demasiado volátil nas organizações para que se não considere essencial a manutenção de regras apertadas de controlo. A criação de processos e metodologias que o permitam fazer, caso não existam, é fundamental na salvaguarda dos interesses comuns e no respeito pela ética e legalidade que se exige. Este processo tem de contar com as possibilidades tecnológicas actuais que permitem, cada vez mais facilmente, a obtenção de informações relevantes em tempo útil, e usar a seu favor as potencialidades da inteligência competitiva, protegendo dos ataques dos concorrentes. Pensar que não é necessário, é ingenuidade. A longevidade das organizações depende da forma como interna e externamente encaram a mudança, de como se integram com o meio que as rodeia e da capacidade em manter um elevado nível de protecção dos seus activos em paralelo com os ataques concorrenciais com que lutam nos mercados económicos pela sobrevivência. Os factores intangíveis continuarão a definir, secreta e incompreensivelmente, a diferença que separa o sucesso do fracasso na contínua evolução das organizações.

11 7. Referências Amaral, L. Da Gestão ao Gestor de Sistemas de Informação: Expectativas Fundamentais no Desempenho da Profissão, in Amaral, L. et al. Sistemas de Informação Organizacionais, Edições Sílabo, Lisboa, Boniface, P., Guerras do Amanhã, Editorial Inquérito, Mem-Martins, Brody, R., Issues in Defining Competitive Intelligence: An Exploration, The Journal of Competitive Intelligence and Management, SCIP, 4, 3, Choo, C.W., The Knowing Organization: How Organizations Use Information to Construct Meaning, Create Knowledge, and Make Decisions, 2 nd Ed., Oxford University Press, New York, Costa, J., Segurança da Informação no Contexto das Novas Tecnologias. Um modelo para o Exército, Curso Superior de Comando e Direcção 2003/2004 Trabalho Individual de Longa Duração, Lisboa, Instituto de Altos Estudos Militares, DLPC, Dicionário da Língua Portuguesa Contemporânea, Academia das Artes e Ciências de Editora Verbo, Lisboa, Freire, M., Interoperability Among Intrusion Detection Systems in Khadraoui, D., Herrmann, F. (2008). Advances in enterprise information technology security, Information Science Reference, London, 2007, Gomes, E. Braga, F., Inteligência Competitiva: Como transformar informação em um negócio lucrativo. 2ª Ed., Editora Campos, Brasil, Herman, M., Intelligence Power in Peace and War, Cambridge University Press, New York, Herring, J., Measuring the effectiveness of Competitive Intelligence, Society of Competitive Intelligence Professionals, Alexandria, Herring, J., Key Intelligence Topics: A process to identify and define intelligence needs, Competitive Intelligence Review, 10, 2 (1999) Kaplan, R. Norton, D., Strategy Maps: Converting Intangible Assets into Tangible Outcome, Harvard Business School Publishing Corporation, Kerzner, H., Strategic planning for project management using a project management maturity model, John Wiley & Sons Inc., New York, McGee, J. Prusak, L., Managing Information Strategically, John Wiley & Sons Inc., New York, Miguel, A., Gestão do Risco e da Qualidade no Desenvolvimento de Software, FCA Editora de Informática, Lisboa, Moss, L. Atre, S. Business Intelligence Roadmap: The Complete Project Lifecycle for Decision-Support Applications, Pearson Education Inc., Boston, NCC, IT Governance - Developing a successful governance strategy: A Best Practice Guide for decision makers in IT, The National Computing Centre, Nonaka, I. Takeuchi, H. The Knowledge-Creating Company: How Japanese Companies Create the Dynamics of Innovation, Oxford University Press, New York, Peltier, T., Information security policies, procedures, and standards: Guidelines for Effective information security management, Auerbach Publications, Boca Raton, 2001.

12 Santos, M. Ramos, I., Business Intelligence: Tecnologias da Informação na Gestão de Conhecimento, FCA Editora de Informática, Lisboa, 2006 Santos, L., Informações e Comunicação Social, Conferência proferida em 8 de Maio de 2007, no Simpósio promovido pela AFCEA Portugal, sobre Intelligence in Global Age, Saraiva, J., História de Portugal, 6ª Ed., Publicações Europa-América Lda., Mem-Martins, Silva, P. Carvalho, H.Torres, C., Segurança dos Sistemas de Informação - Gestão Estratégica da Segurança Empresarial, Centro Atlântico Lda., Lisboa, Stackowiak, R. Rayman, J. Greenwald, R., Oracle Data Warehousing and Business Intelligence Solutions, Wiley Publishing Inc., Indianapolis, Society of Competitive Intelligence Professionals, About SCIP, (30/05/08) Sun Tzu, A arte da guerra: Nova edição ilustrada, Evergreen, Colónia, TDSnews - newsletter de inteligência económica das tecnologias de defesa e segurança, A importância vital da inteligência económica, (27 de Maio de 2008), Zorrinho, C., Gestão da Informação, Editorial Presença, Lisboa, 1991.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Neste curso serão abordadas as melhores práticas que permitem gerir estrategicamente a informação, tendo em vista a criação de valor para

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular GESTÃO DO CONHECIMENTO Ano Lectivo 2012/2013

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular GESTÃO DO CONHECIMENTO Ano Lectivo 2012/2013 Programa da Unidade Curricular GESTÃO DO CONHECIMENTO Ano Lectivo 2012/2013 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (2º Ciclo) 2. Curso Mestrado em Gestão de Recursos Humanos e Análise Organizacional

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS E DE PROJECTOS PEDAGÓGICOS

AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS E DE PROJECTOS PEDAGÓGICOS AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS E DE PROJECTOS PEDAGÓGICOS Prof. Domingos Fernandes/Portugal* A avaliação é uma prática social cuja presença é cada vez mais indispensável para caracterizar, compreender, divulgar

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

Política de Segurança da Informação

Política de Segurança da Informação ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 AUDIÊNCIA 3 IMPORTÂNCIA DA INFORMAÇÃO E DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 3 POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 5 RESPONSABILIDADES NA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 6 MANUTENÇÃO E COMUNICAÇÃO DAS

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

6 de Maio de 2009 Anabela Lagorse Pontes

6 de Maio de 2009 Anabela Lagorse Pontes Códigos de Conduta e Ética 6 de Maio de 2009 Anabela Lagorse Pontes Códigos de Conduta e de Ética ETICA COMPROMISSO CONDUTA EMPRESAS PROFISSIONAL PRINCÍPIOS INDEPENDÊNCIA DEVERES CLIENTES EXIGÊNCIAS PÚBLICO

Leia mais

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial 2 PRIMAVERA BSS Qpoint Rumo à Excelência Empresarial Numa era em que a competitividade entre as organizações é decisiva para o sucesso empresarial, a aposta na qualidade e na melhoria contínua da performance

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. Adoptado a 25 de Junho de 1999 pelas três Associações:

CÓDIGO DE ÉTICA. Adoptado a 25 de Junho de 1999 pelas três Associações: CÓDIGO DE ÉTICA Adoptado a 25 de Junho de 1999 pelas três Associações: APDIS Associação Portuguesa de Documentação e Informação na Saúde BAD Associação Portuguesa de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas

Leia mais

Qualidade e Inovação. CONTROLO DA QUALIDADE Qualidade e Inovação Trabalho de grupo

Qualidade e Inovação. CONTROLO DA QUALIDADE Qualidade e Inovação Trabalho de grupo CONTROLO DA QUALIDADE Qualidade e Inovação Trabalho de grupo Curso de Arte e Multimédia/Design 2º Semestre 1º Ciclo Ano lectivo 2007/2008 Docente: José Carlos Marques Discentes: Ana Pedro nº 2068207/ Encarnação

Leia mais

Ambiente externo à empresa. Resumo

Ambiente externo à empresa. Resumo Ambiente externo à empresa Fábio Bruno Tavares de Sousa 1 1) Fábio Sousa fabiobtsousa@gmail.com Resumo O ambiente empresarial é bastante complexo. Na actualidade, é imprescindível avaliar o comportamento

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA

MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos

Leia mais

TP.100. Política de Segurança da Informação

TP.100. Política de Segurança da Informação Manual do utilizador TP.100 Política de Segurança da Informação Órgão: Versão: 1.0 Data inicial: 2006/05/25 Última alteração: 2006/05/25 (referência) 2/8 Índice de conteúdos 1.- INTRODUÇÃO... 3 2.- INFORMAÇÃO...

Leia mais

Estudo As TIC para um mundo mais seguro. Mário do Carmo Durão

Estudo As TIC para um mundo mais seguro. Mário do Carmo Durão Seminário: As TIC para um Mundo Mais Seguro Segurança na Era Digital 25 de Novembro de 2010 Instituto de Estudos Superiores Militares Estudo As TIC para um mundo mais seguro Mário do Carmo Durão Patrocinadores

Leia mais

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL CADERNOS DE MUSEOLOGIA Nº 28 2007 135 GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL INTRODUÇÃO Os Sistemas da Qualidade

Leia mais

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade:

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade: Evolução do conceito 2 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da :. evolução do conceito. gestão pela total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9000:2000 gestão pela total garantia da controlo

Leia mais

DOCUMENTO DE CONSULTA PÚBLICA

DOCUMENTO DE CONSULTA PÚBLICA DOCUMENTO DE CONSULTA PÚBLICA N.º 8/2010 Projecto de Orientação Técnica relativa ao desenvolvimento dos sistemas de gestão de riscos e de controlo interno das entidades gestoras de fundos de pensões 31

Leia mais

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações NP ISO 10001:2008 Gestão da qualidade. Satisfação do cliente. Linhas de orientação relativas aos códigos de conduta das organizações CT 80 2008 NP ISO 10002:2007 Gestão da qualidade. Satisfação dos clientes.

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009 IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões Lisboa, 15 de Abril de 2009 Foi com todo o gosto e enorme interesse que aceitei o convite do Diário Económico para estar presente neste IV Fórum do sector

Leia mais

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados;

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados; VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos e electrónicos, oferecendo

Leia mais

Política de Segurança da Informação

Política de Segurança da Informação ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 3 2. AUDIÊNCIA 3 3. VALOR DA INFORMAÇÃO 4 4. IMPORTÂNCIA DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 5 5. MODELO DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 6 6. RESPONSABILIDADES NA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 7 7. MANUTENÇÃO

Leia mais

M1 DIRECTIVA DO CONSELHO de 10 de Setembro de 1984 relativa à publicidade enganosa e comparativa. (JO L 250 de 19.9.1984, p. 17)

M1 DIRECTIVA DO CONSELHO de 10 de Setembro de 1984 relativa à publicidade enganosa e comparativa. (JO L 250 de 19.9.1984, p. 17) 1984L0450 PT 12.06.2005 002.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições B M1 DIRECTIVA DO CONSELHO de 10 de Setembro de 1984 relativa à publicidade enganosa

Leia mais

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA 1/21 ANÁLISE DA ENVOLVENTE EXTERNA À EMPRESA... 3 1. Análise do Meio Envolvente... 3 2. Análise da Evolução do Mercado... 7 3. Análise da Realidade Concorrencial...

Leia mais

sistemas de informação nas organizações

sistemas de informação nas organizações sistemas de nas organizações introdução introdução aos sistemas de objectivos de aprendizagem avaliar o papel dos sistemas de no ambiente empresarial actual definir um sistema de a partir de uma perspectiva

Leia mais

Controlo da Qualidade Aula 05

Controlo da Qualidade Aula 05 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da qualidade:. evolução do conceito. gestão pela qualidade total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9001:2000 Evolução do conceito 2 gestão pela qualidade

Leia mais

ASSINATURA DA CARTA DE AALBORG

ASSINATURA DA CARTA DE AALBORG PROPOSTA ASSINATURA DA CARTA DE AALBORG Desde sempre, desde as sociedades primitivas, o Homem usou os recursos naturais para viver. Porém durante muito tempo, a exploração de recursos era diminuta e a

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013

CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013 CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013 1 ÍNDICE INTRODUÇÃO...3 I. Âmbito de Aplicação e Princípios Gerais...4 Artigo 1.º Âmbito Pessoal...4 Artigo 2.º Âmbito Territorial...4 Artigo 3.º Princípios Gerais...4 Artigo

Leia mais

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A partir de meados do século xx a actividade de planeamento passou a estar intimamente relacionada com o modelo racional. Uma das propostas que distinguia este do anterior paradigma era a integração

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA Na defesa dos valores de integridade, da transparência, da auto-regulação e da prestação de contas, entre outros, a Fundação Casa da Música,

Leia mais

Índice Descrição Valor

Índice Descrição Valor 504448064 Índice Descrição Valor 1 Missão, Objectivos e Princípios Gerais de Actuação 11 Cumprir a missão e os objectivos que lhes tenham sido determinados de forma económica, financeira, social e ambientalmente

Leia mais

T&E Tendências & Estratégia

T&E Tendências & Estratégia FUTURE TRENDS T&E Tendências & Estratégia Newsletter número 1 Março 2003 TEMA deste número: Desenvolvimento e Gestão de Competências EDITORIAL A newsletter Tendências & Estratégia pretende ser um veículo

Leia mais

FUNDAÇÃO MINERVA CULTURA ENSINO E INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA NOTA EXPLICATIVA

FUNDAÇÃO MINERVA CULTURA ENSINO E INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA NOTA EXPLICATIVA NOTA EXPLICATIVA DA AQUISIÇÃO DE COMPETÊNCIAS NO ÂMBITO DO 1º CICLO DE ESTUDOS DO CURSO DE LICENCIATURA/MESTRADO INTEGRADO EM ARQUITECTURA, CONDUCENTE AO GRAU DE LICENCIADO EM CIÊNCIAS DA ARQUITECTURA.

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO PARA ATRIBUIÇÃO DO

REGULAMENTO DO CONCURSO PARA ATRIBUIÇÃO DO REGULAMENTO DO CONCURSO PARA ATRIBUIÇÃO DO Considerando que Tem estado nas preocupações da COTEC Portugal a promoção de iniciativas que visam activamente a promoção de uma cultura empresarial inovadora;

Leia mais

POLÍTICA DE AMBIENTE, QUALIDADE E SEGURANÇA

POLÍTICA DE AMBIENTE, QUALIDADE E SEGURANÇA HOMOLOGAÇÃO: José Eduardo Carvalho 14-03- Pág. 2 de 5 A Tagusgás subscreve a Política AQS da Galp Energia. A Política AQS da Tagusgás foi definida tendo em consideração os Objectivos Estratégicos do Grupo

Leia mais

A Normalização e a Gestão do Risco

A Normalização e a Gestão do Risco A Normalização e a Gestão do Risco ISO 26000 e a Gestão do Risco 22 de Maio 2014 João Simião Algumas reflexões para partilhar 2 Curiosidades sobre riscos Sabia que o termo risco (risk) é referido em 141

Leia mais

F I C H A D A D I S C I P L I N A

F I C H A D A D I S C I P L I N A Pós-Graduações MBA Master em Gestão F I C H A D A D I S C I P L I N A I D E N T I F I C A Ç Ã O D A D I S C I P L I N A Curso: Disciplina: Docente: e-mail: MBA - Master em Gestão Sistemas de Informação

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR - CONSULTA PÚBLICA -

PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR - CONSULTA PÚBLICA - PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR - CONSULTA PÚBLICA - 1. ENQUADRAMENTO Na sequência da consulta pública acima mencionada, promovida conjuntamente pelos reguladores português e espanhol, vem

Leia mais

Ética A GUARDIAN disponibiliza o presente Código de Conduta a todos os colaboradores, Clientes, Fornecedores e Parceiros.

Ética A GUARDIAN disponibiliza o presente Código de Conduta a todos os colaboradores, Clientes, Fornecedores e Parceiros. Âmbito de aplicação O presente Código de Conduta aplica-se a toda a estrutura GUARDIAN Sociedade de Mediação de Seguros, Lda., seguidamente designada por GUARDIAN, sem prejuízo das disposições legais ou

Leia mais

Newsletter Número 1/09 Março 2009

Newsletter Número 1/09 Março 2009 ASSUNTOS DE RELEVÂNCIA PARA OS REVISORES/AUDITORES EM TEMPOS DE CRISE FINANCEIRA Foram publicados recentemente tanto pelo IAASB (International Auditing and Assurance Standards Board) como pela FEE (Fédération

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

A Análise DAFO. Toward a Theory of Library Administration Alan R. Samuels & Charles R. McClure.

A Análise DAFO. Toward a Theory of Library Administration Alan R. Samuels & Charles R. McClure. A Análise DAFO Nunca conseguiríamos atingir a plenitude sem a Teoria. Sobrepor-se-á sempre à prática, por uma simples razão: a prática é estática. Consegue fazer bem apenas o que sabe. Não tem, contudo,

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XIX Gestão da Prevenção um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

Vital para a Competitividade da sua Organização

Vital para a Competitividade da sua Organização ISO 27001 Segurança da Informação Vital para a Competitividade da sua Organização Quem Somos? Apresentação do Grupo DECSIS Perfil da Empresa Com origem na DECSIS, Sistemas de Informação, Lda., fundada

Leia mais

O POSICIONAMENTO DA ARQUITETURA DA INFORMAÇÃO NA GOVERNANÇA DE TI

O POSICIONAMENTO DA ARQUITETURA DA INFORMAÇÃO NA GOVERNANÇA DE TI O POSICIONAMENTO DA ARQUITETURA DA INFORMAÇÃO NA GOVERNANÇA DE TI Claudio Gottschalg Duque Professor Departamento de Ciência da Informação Universidade de Brasília (UnB) Brasil Mauricio Rocha Lyra Aluno

Leia mais

Código de Ética e Conduta

Código de Ética e Conduta Código de Ética e Conduta Índice Apresentação... 3 Principais Objectivos do Código... 3 Finalidade do Código de Ética... 4 Âmbito de Aplicação... 4 Serviço Público... 4 Missão... 5 Visão... 5 Responsabilidade

Leia mais

Contabilidade é entendida como um sistema de recolha, classificação, interpretação e exposição de dados económicos.

Contabilidade é entendida como um sistema de recolha, classificação, interpretação e exposição de dados económicos. Contabilidade Contabilidade Contabilidade é entendida como um sistema de recolha, classificação, interpretação e exposição de dados económicos. É uma ciência de natureza económica, cujo objecto é a realidade

Leia mais

foram previstas inicia-se um círculo vicioso em que é feito um pedido aos informáticos, esse pedido entra na «linha de montagem» das queries, e num

foram previstas inicia-se um círculo vicioso em que é feito um pedido aos informáticos, esse pedido entra na «linha de montagem» das queries, e num PREFÁCIO Actualmente estamos confrontados com um mundo fascinante em que todos os dias surgem novidades no universo das novas tecnologias da informação, mas em que velhos problemas no que concerne à falta

Leia mais

Negócios Internacionais

Negócios Internacionais International Business 10e Daniels/Radebaugh/Sullivan Negócios Internacionais Capítulo 3.2 Influencia Governamental no Comércio 2004 Prentice Hall, Inc Objectivos do Capítulo Compreender a racionalidade

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL EM PORTUGAL REALIDADE OU FICÇÃO?

RESPONSABILIDADE SOCIAL EM PORTUGAL REALIDADE OU FICÇÃO? RESPONSABILIDADE SOCIAL EM PORTUGAL REALIDADE OU FICÇÃO? O mundo sindical tem tido várias reacções a este conceito, nem sempre favoráveis, sendo certo que deve haver consciência de que uma certa medida

Leia mais

ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ

ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ INTRODUÇÃO Estratégia é hoje uma das palavras mais utilizadas

Leia mais

MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais

MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais Intervenção de SEXA o Secretário de Estado Adjunto do Ministro

Leia mais

3. Estratégia e Planejamento

3. Estratégia e Planejamento 3. Estratégia e Planejamento Conteúdo 1. Conceito de Estratégia 2. Vantagem Competitiva 3 Estratégias Competitivas 4. Planejamento 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Administração de Pequenas Empresas

Leia mais

A Gestão, os Sistemas de Informação e a Informação nas Organizações

A Gestão, os Sistemas de Informação e a Informação nas Organizações Introdução: Os Sistemas de Informação (SI) enquanto assunto de gestão têm cerca de 30 anos de idade e a sua evolução ao longo destes últimos anos tem sido tão dramática como irregular. A importância dos

Leia mais

a LRQA Desenvolvimento Sustentável

a LRQA Desenvolvimento Sustentável ISO 14001:2004 e Responsabilidade Ambiental Engº Vítor Gonçalves CONFERÊNCIA RESPONSABILIDADE AMBIENTAL Eficiência e Eficácia na redução de Riscos Ambientais Lisboa, 15 de Maio de 2007 ISO 14001:2004 e

Leia mais

Utilizando a Inteligência Competitiva para Tomar Decisões

Utilizando a Inteligência Competitiva para Tomar Decisões Utilizando a Inteligência Competitiva para Tomar Decisões São Paulo, 9 de outubro de 2006. 0 Apresentação da MKM Consulting 1 Mauro Martins Sócio Diretor da MKM Consulting MKM Consulting Mauro Martins

Leia mais

Governo societário de Sistemas de Informação

Governo societário de Sistemas de Informação Governo societário de Sistemas de Proposta de princípios e recomendações para o governo societário de Sistemas de «Governo do Sistema de : O conjunto de práticas relativas à tomada de decisões políticas

Leia mais

ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho

ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia/Espinho ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho Sumário País Portugal Sector Saúde Perfil do Cliente O Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia/Espinho envolve

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional das Beiras Departamento de Economia, Gestão e Ciências Sociais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional das Beiras Departamento de Economia, Gestão e Ciências Sociais UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional das Beiras Departamento de Economia, Gestão e Ciências Sociais UNIDADE CURRICULAR Qualidade Total e Gestão das Operações MESTRADO Gestão Negócios ANO E

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão. Evento IDC PME 24.set.2008. Carlos Neves

Sistema Integrado de Gestão. Evento IDC PME 24.set.2008. Carlos Neves Sistema Integrado de Gestão Evento IDC PME 24.set.2008 Carlos Neves Agradecimentos Carlos Neves - 24.Set.08 2 Sumário 1. Oportunidades e desafios para as PME 2. Os projectos SI/TI e a Mudança 3. Perspectivas

Leia mais

MLM Master in Law and Management

MLM Master in Law and Management MLM Master in Law and Management diploma CONJUNTO novaforum.pt MLM Master in Law and Management Os participantes que completem com aproveitamento a componente lectiva do Programa receberão um Diploma de

Leia mais

As parcerias e suas dinâmicas: considerações a ter em conta para a promoção da mudança

As parcerias e suas dinâmicas: considerações a ter em conta para a promoção da mudança Centro de Recuperação de Menores D. Manuel Trindade Salgueiro Assumar 26 e 27 de Abril de 2013 As parcerias e suas dinâmicas: considerações a ter em conta para a promoção da mudança João Emílio Alves ESE-IPP

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume I - Princípios Gerais. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume I - Princípios Gerais. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume I - Princípios Gerais um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

XI Mestrado em Gestão do Desporto

XI Mestrado em Gestão do Desporto 2 7 Recursos Humanos XI Mestrado em Gestão do Desporto Gestão das Organizações Desportivas Módulo de Gestão de Recursos Rui Claudino FEVEREIRO, 28 2 8 INDÍCE DOCUMENTO ORIENTADOR Âmbito Objectivos Organização

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Objectivos do Curso. No final deste os alunos deverão: Identificar os principais objectivos associados à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ) Compreender

Leia mais

Gestão em Farmácia. Marketing 3. Manuel João Oliveira. Identificação e Selecção da Estratégia

Gestão em Farmácia. Marketing 3. Manuel João Oliveira. Identificação e Selecção da Estratégia Gestão em Farmácia Marketing 3 Manuel João Oliveira Análise Externa Análise do Cliente Segmentação, comportamento do cliente, necessidades não-correspondidas Análise dos Concorrentes Grupos estratégicos,

Leia mais

POLÍTICA ANTI-CORRUPÇÃO. Política Anti-corrupção Versão 02 1/9

POLÍTICA ANTI-CORRUPÇÃO. Política Anti-corrupção Versão 02 1/9 POLÍTICA ANTI-CORRUPÇÃO Política Anti-corrupção Versão 02 1/9 RESUMO Resumo dos princípios fundamentais A Securitas acredita num mercado livre para a prestação dos seus serviços, e num ambiente competitivo

Leia mais

CONTABILIDADE, TOMADA DE DECISÃO E AMBIENTE: CONTRIBUTOS PARA REFORÇO DO DESEMPENHO ECONÓMICO DAS ORGANIZAÇÕES

CONTABILIDADE, TOMADA DE DECISÃO E AMBIENTE: CONTRIBUTOS PARA REFORÇO DO DESEMPENHO ECONÓMICO DAS ORGANIZAÇÕES 3D CONTABILIDADE, TOMADA DE DECISÃO E AMBIENTE: CONTRIBUTOS PARA REFORÇO DO DESEMPENHO ECONÓMICO DAS ORGANIZAÇÕES Maria da Conceição da Costa Marques, Ph.D Doutora em Gestão, especialidade em Contabilidade

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

Gestão da inovação A avaliação e a medição das actividades de IDI

Gestão da inovação A avaliação e a medição das actividades de IDI Gestão da inovação A avaliação e a medição das actividades de IDI Projecto GAPI 2.0 Universidade de Aveiro, 19 de Fevereiro de 2010 João M. Alves da Cunha Introdução Modelo de Interacções em cadeia Innovation

Leia mais

TIC Unidade 2 Base de Dados. Informação é todo o conjunto de dados devidamente ordenados e organizados de forma a terem significado.

TIC Unidade 2 Base de Dados. Informação é todo o conjunto de dados devidamente ordenados e organizados de forma a terem significado. Conceitos relativos à Informação 1. Informação O que á a informação? Informação é todo o conjunto de dados devidamente ordenados e organizados de forma a terem significado. 2. Dados Em informática designa-se

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AERONÁUTICA. Departamento de Relações Públicas e Comunicação

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AERONÁUTICA. Departamento de Relações Públicas e Comunicação Departamento de Relações Públicas e Comunicação Regulamento 1. Do Departamento de Relações Públicas e Comunicação 1.1 Definição 1.2. Constituição 1.3. Articulação e procedimentos 1.4. Local de funcionamento

Leia mais

CÓDIGO INTERNACIONAL ICC/ESOMAR PARA A INVESTIGAÇÃO SOCIAL E DE MERCADO

CÓDIGO INTERNACIONAL ICC/ESOMAR PARA A INVESTIGAÇÃO SOCIAL E DE MERCADO CÓDIGO INTERNACIONAL ICC/ESOMAR PARA A INVESTIGAÇÃO SOCIAL E DE MERCADO INTRODUÇÃO O primeiro Código para a Prática de Investigação Social e de Mercado foi publicado pela ESOMAR em 1948. Depois deste foram

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Inovar para Ganhar Paulo Nordeste Portugal tem apresentado nos últimos anos casos de sucesso em inovação; como novos produtos, serviços e modelos de

Leia mais

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1.

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1. rota 3 CLIENTES Rota 3 Índice Enquadramento e benefícios 6 Percurso 1. Comunicação Ética 8 Percurso 2. Ética nos Negócios 11 Percurso 3. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13 responsabilidade

Leia mais

AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A.

AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A. AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A. Empresa especializada na concepção, instalação e manutenção de equipamentos para a indústria hoteleira, restauração e similares. Primeira empresa do sector a nível

Leia mais

Índice. rota 4. Enquadramento e benefícios 6. Selecção de fornecedores 8. Monitorização do desempenho de fornecedores 11

Índice. rota 4. Enquadramento e benefícios 6. Selecção de fornecedores 8. Monitorização do desempenho de fornecedores 11 rota 4 FORNECEDORES Rota 4 Índice Enquadramento e benefícios 6 Percurso 1. Selecção de fornecedores 8 Percurso 2. Monitorização do desempenho de fornecedores 11 Percurso 3. Promoção do Desenvolvimento

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

REGULAMENTO DO VI CONCURSO DE IDEIAS DE NEGÓCIO DO CONCELHO DE CASCAIS REGULAMENTO DO CINC CASCAIS

REGULAMENTO DO VI CONCURSO DE IDEIAS DE NEGÓCIO DO CONCELHO DE CASCAIS REGULAMENTO DO CINC CASCAIS REGULAMENTO DO CINC CASCAIS VI CONCURSO DE IDEIAS DE NEGÓCIO DO CONCELHO DE CASCAIS Preâmbulo O CINC CASCAIS - VI Concurso de Ideias de Negócio do Concelho de Cascais é uma iniciativa de captação de ideias

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

DECLARAÇÃO DA PRAIA: MEMORANDO DOS JUÍZES DE LÍNGUA PORTUGUESA SOBRE POLÍTICAS DE DROGAS E DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO DA PRAIA: MEMORANDO DOS JUÍZES DE LÍNGUA PORTUGUESA SOBRE POLÍTICAS DE DROGAS E DIREITOS HUMANOS DECLARAÇÃO DA PRAIA: MEMORANDO DOS JUÍZES DE LÍNGUA PORTUGUESA SOBRE POLÍTICAS DE DROGAS E DIREITOS HUMANOS Os juízes representantes dos vários países de língua oficial portuguesa e que integram a União

Leia mais

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de Ficha de Leitura Tipo de documento: Artigo Título: Colaboração em Ambientes Online na Resolução de Tarefas de Aprendizagem Autor: Miranda Luísa, Morais Carlos, Dias Paulo Assunto/Sinopse/Resenha: Neste

Leia mais

«As organizações excelentes gerem, desenvolvem e libertam todo o potencial dos seus colaboradores ao nível individual, de equipa e organizacional.

«As organizações excelentes gerem, desenvolvem e libertam todo o potencial dos seus colaboradores ao nível individual, de equipa e organizacional. A melhoria não é um acontecimento pontual ( ) um processo que necessita de ser planeado, desenvolvido e concretizado ao longo do tempo em sucessivas vagas, produzindo uma aprendizagem permanente. De acordo

Leia mais

Uma globalização consciente

Uma globalização consciente Uma globalização consciente O apelo a uma globalização mais ética tornou se uma necessidade. Actores da globalização como as escolas, devem inspirar por estes valores às responsabilidades que lhes são

Leia mais

Assunto: Consulta Pública nº1/2010. Exmos. Senhores,

Assunto: Consulta Pública nº1/2010. Exmos. Senhores, Assunto: Consulta Pública nº1/2010 Exmos. Senhores, Fundada em 13 de Outubro de 1994 por diversas empresas de Rádio e Televisão e Associações de Imprensa e de Rádio, a Confederação Portuguesa dos Meios

Leia mais

INTRODUÇÃO objectivo

INTRODUÇÃO objectivo INTRODUÇÃO O tema central deste trabalho é o sistema de produção just-in-time ou JIT. Ao falarmos de just-in-time surge de imediato a ideia de produção sem stocks, inventários ao nível de zero, produção

Leia mais

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO EPSU, UNI Europa, ETUCE, HOSPEEM, CEMR, EFEE, EuroCommerce,

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

Procifisc Engenharia e Consultadoria, Lda.

Procifisc Engenharia e Consultadoria, Lda. 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa, com sede em Castelo Branco, é uma empresa criada em 2007 que atua nos domínios da engenharia civil e da arquitetura. Atualmente, é uma empresa

Leia mais

Optimização das organizações através da inovação das Tecnologias

Optimização das organizações através da inovação das Tecnologias Optimização das organizações através da inovação das Tecnologias Índice Quem Somos O SGI da AMBISIG; A implementação do SGIDI na AMBISIG; Caso de Sucesso. Quem somos? Somos uma empresa com 16 anos de experiência

Leia mais

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DO SERVIÇO FEDERAL DE PROCESSAMENTO DE DADOS (SERPRO) - PCS A Política de Comunicação do Serviço

Leia mais

REGULAMENTO BOLSA DE IDEIAS. Preâmbulo

REGULAMENTO BOLSA DE IDEIAS. Preâmbulo REGULAMENTO Preâmbulo A Bolsa de Ideias CAIE (BI) é uma iniciativa desenvolvida pelo Projecto CAIE Centro de Apoio à Inovação e ao Empreendedorismo, financiado pela Iniciativa Comunitária EQUAL. Esta iniciativa

Leia mais

Mónica Montenegro António Jorge Costa

Mónica Montenegro António Jorge Costa Mónica Montenegro António Jorge Costa INTRODUÇÃO... 4 REFERÊNCIAS... 5 1. ENQUADRAMENTO... 8 1.1 O sector do comércio em Portugal... 8 2. QUALIDADE, COMPETITIVIDADE E MELHORES PRÁTICAS NO COMÉRCIO... 15

Leia mais