Utilização de Ferramentas de Análise Financeira nas Micro e Pequenas Empresas da Região Sul de Santa Catarina como apoio a Tomada de Decisão

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Utilização de Ferramentas de Análise Financeira nas Micro e Pequenas Empresas da Região Sul de Santa Catarina como apoio a Tomada de Decisão"

Transcrição

1 MARCOS KOITI NISHIOKA Utilização de Ferramentas de Análise Financeira nas Micro e Pequenas Empresas da Região Sul de Santa Catarina como apoio a Tomada de Decisão Criciúma, Maio de 2004

2 2 MARCOS KOITI NISHIOKA Utilização das Ferramentas de Análise Financeira nas Micro e Pequenas Empresas da Região Sul de Santa Catarina como apoio a Tomada de Decisão Monografia apresentada a Diretoria de Pós- Graduação da Universidade do Extremo Sul Catarinense - UNESC, para a obtenção do título de especialista em Gerência Financeira. Criciúma, Maio de 2004

3 3 Dedico este trabalho a minha esposa Edi Luiza e meu filho Marquinhos, meus amores, que sempre estiveram ao meu lado, proporcionando-me a paz necessária para conseguir concluí-lo...

4 4 AGRADECIMENTOS A minha esposa Edi e meu filho Marquinhos, pela paciência e companheirismo durante este período. A meus pais, Koya e Leiko, pela minha vida e pelo incentivo incondicional aos meus estudos. A meus amigos empresários Márcio, Giovani, Marcos, Ricardo, Sebastião, João, Célio, Rainor, Juarez, Jacira, Aldori, Suzy, Pedro (in memorian), Pedrinho, Albertina, Vilmar, Jane, Antônio, Vera, Fábio, Fabrício, Cláudio, Guilherme, Maria Cláudia, Rangel, Laura, Wolmar, Eliege, Paulo, Edivane, Nivaldo, que me proporcionaram o convívio, as informações e a experiência necessária para o meu crescimento profissional. Aos colaboradores Gilmara, Gislaine, Fernando, Moacir e Márcia que muito auxiliaram nas informações de suas empresas. A todas as empresas visitadas, que tiveram a gentileza de participar da pesquisa, possibilitando um retrato fiel do perfil da região Sul de Santa Catarina. Ao SEBRAE/SC, através das agências de atendimento de Criciúma, Araranguá e Tubarão que muito contribuíram para a conclusão da pesquisa. Aos coordenadores Isabel e Euclides, que tiveram grande competência nas ações durante o curso. Aos colegas de curso, pela companhia e pela experiência trocada durante esta jornada. Aos amigos, que direta ou indiretamente contribuíram para a conclusão desta caminhada. A Deus... O meu OBRIGADO!!!

5 5 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO Definição do Trabalho Objetivos Objetivo Geral Objetivos Específicos Justificativa Metodologia Métodos Predominantes Amostragem Plano de Coleta e Análise dos Dados Estrutura do Trabalho Limitações FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Pequenas Empresas Controladoria como Instrumento de Gestão Financeira Planejamento Financeiro Indicadores Financeiros Lucratividade Rentabilidade Controle de Caixa Liquidez Corrente Capital de Giro Necessidade de Capital de Giro (NCG) Demonstrativo de Apuração de Resultados Estrutura Patrimonial... 35

6 6 3. LEVANTAMENTO, ANÁLISE E CONCLUSÕES DA PESQUISA PROPOSTA DE FERRAMENTA DE AUXÍLIO NO CONTROLE DOS RECURSOS FINANCEIROS RESULTADOS OBTIDOS COM A FERRAMENTA Empresa de Confecções Comércio de Combustíveis, Mercado e Loja de Confecções Empresa Metalúrgica Empresa Moveleira Comércio e Prestação de Serviços de Telecomunicações CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES BIBLIOGRAFIA ANEXOS... 70

7 7 RESUMO Este trabalho contempla o levantamento de informações realizado nos últimos dois anos em trabalhos de consultoria e assessoria empresarial em micro e pequenas empresas da região sul do estado de Santa Catarina. Constatou-se com este a dificuldade com que os empresários de micro e pequenas empresas possuem para controlar os recursos financeiros disponíveis, bem como de planejar adequadamente a utilização destes para minimizar os impactos negativos de tomadas de recursos de terceiros para o equilíbrio financeiro da empresa. Desta forma, constatou-se então a necessidade de criação de uma ferramenta de auxílio nos controles financeiros ao empresariado, facilitando desta forma a administração de seus negócios e conseqüentes tomadas de decisão. O trabalho contempla ainda a criação deste instrumento de auxílio, condicionando sua utilização ao manuseio de computador, mais especificamente do aplicativo Microsoft EXCEL, versão 5.0 ou versões mais avançadas. A forma de pesquisa utilizada na confecção do trabalho foi interdisciplinar, tentando focar a administração financeira sob diversos aspectos, desde sua utilização como controle para diminuição dos desperdícios, a fonte de informações para tomadas de decisão, gerando conhecimentos para a aplicação prática no cotidiano das mesmas, através de uma ferramenta de auxílio nos controles financeiros essenciais, direcionando o mesmo à solução de problemas específicos como controle de caixa, controle de contas a pagar e a receber e confecção do fluxo de caixa.

8 8 Finalmente, este levantamento constata uma triste realidade da economia brasileira, ou seja, a fragilidade da administração financeira nas micro e pequenas empresas, refletida nas estatísticas levantadas pelo SEBRAE/SC, onde há uma grande taxa de mortalidade das empresas em seus três primeiros anos de existência.

9 9 1. INTRODUÇÃO Este estudo teve origem nas experiências vivenciadas na prestação de serviços de consultoria e assessoria empresarial realizadas pela empresa MK Consultoria e Treinamento Ltda, entre o período de Setembro de 2002 e Março de 2004 em micro e pequenas empresas da região sul do estado de Santa Catarina, mais precisamente nas regiões onde se situam as cidades de Criciúma, Araranguá e Tubarão. Neste período verificou-se a precariedade de informações com que os empresários destas empresas trabalham, aumentando os riscos de insucesso nas tomadas de decisão, baseando-se muitas vezes em sua experiência cotidiana, ao invés de adotar critérios analíticos, obtendo informações estratégicas e tomando as decisões baseadas nestes critérios. Constatou-se então a necessidade de se criar uma ferramenta de auxílio para estas empresas de pequeno porte, utilizando-a como fonte de informação, auxiliando-as nas tomadas de decisão. Utilizou-se como base de dados para este trabalho 51 empresas de pequeno porte assistidas pela empresa de consultoria, numa região de aproximadamente empresas de pequeno porte. Nestas foi apresentado um questionário com 13 perguntas, cujo conteúdo pretende determinar o perfil das empresas de pequeno porte da região, identificando as características da administração financeira das mesmas e tentando determinar, a partir destas características, as principais causas de falência e de fechamento destas empresas. Concluindo, poder-se-á sugerir alternativas para diminuir a taxa de mortalidade das micro e pequenas empresas com a adoção de medidas no intuito de melhorar seus controles e, consequentemente, suas tomadas de decisão.

10 Definição do Trabalho 1.2. Objetivos A pesquisa teve como objetivos identificar o perfil das micro e pequenas empresas da região Sul do estado de Santa Catarina, trazendo informações básicas sobre os controles financeiros das micro e pequenas empresas e procurando formas de auxiliá-las na minimização de seus problemas de administração financeira, utilizando-se de uma ferramenta de controle financeiro, integrando os processos rotineiros (controle de caixa e de bancos), com os processos de planejamento financeiro (contas a pagar, contas a receber e fluxo de caixa) Objetivo Geral A finalidade principal desta pesquisa foi desenvolver e apresentar uma proposta em forma de planilha eletrônica no Microsoft Excel, para auxiliar os empresários de micro e pequenas empresas a utilizarem as ferramentas de análise financeira em seu cotidiano, conscientizando-os da importância da utilização destas ferramentas nas tomadas de decisão, contribuindo desta forma para o aumento de sua competitividade, e consequentemente, de seu sucesso em um mercado cada vez mais competitivo e exigente.

11 Objetivos Específicos a) Demonstrar a importância da utilização das ferramentas de análise financeira nas tomadas de decisão para as micro e pequenas empresas da região sul de Santa Catarina, tendo possibilidade de identificar os seus pontos críticos com antecedência; b) Conscientizar os empresários das vantagens que os mesmos irão obter com a utilização das ferramentas na sua rotina diária de trabalho, possibilitando tomadas de decisão com mais subsídios e diminuindo desta forma os riscos de decisões equivocadas; c) Desenvolver uma planilha eletrônica no software Microsoft Excel para auxiliar as micro e pequenas empresas no controle e acesso a informações estratégicas, melhorando assim a qualidade e a velocidade do fluxo de informações existentes na empresa; d) Capacitar os gestores das micro e pequenas empresas para a utilização da planilha eletrônica; e) Apresentar os resultados obtidos em empresas da região sul de Santa Catarina, assistidas durante o período de assessoria técnica na área administrativo-financeira, após a implementação dos controles financeiros e dos relatórios gerenciais, além de outras micro e pequenas empresas que foram assistidas durante o processo de desenvolvimento da pesquisa;

12 Justificativa A grande relevância das micro e pequenas empresas reside no fato das mesmas possuírem um importante papel sócio-econômico no país. As micro e pequenas empresas não somente geram riquezas, mas pode-se evidenciar como mais importante o seu papel na geração de empregos e o seu desempenho nas cadeias produtivas, em forma de fornecedores terceirizados ou quarteirizados de grandes empreendimentos produtores de bens intermediários e finais, ou mesmo como fornecedores de pequenos lotes de produção em nichos de mercado, ou em mercados especializados. Em pesquisas realizadas pelo SEBRAE - Serviço Brasileiro de Apoio as Micro e Pequenas Empresas (2000), demonstrou que estas empresas representam 95% das empresas industriais, 98% das comerciais e 99% das prestadoras de serviços. Destaca-se ainda que, segundo ALVIM (1998): As empresas de pequeno porte no Brasil são responsáveis por cerca de 4 milhões de empresas constituídas, 60% da oferta total de empregos formais, 42% dos salários pagos, 21% da participação no PIB (Produto Interno Bruto), 96,3% do número de estabelecimentos. Um dos grandes problemas enfrentados pela economia mundial é a escassez de trabalho. Sabemos que as micro e pequenas empresas são responsáveis pela maior parte do empregos. Segundo CUNHA (2002:23): De 1995 a 2000 as empresas formais no Brasil com mais de 100 funcionários criaram apenas empregos. No mesmo período, as empresas de até 100 funcionários, consideradas pequenas, criaram 1,9 milhão de empregos. Traduzindo em percentuais, o crescimento do emprego nas pequenas empresas foi de 19,2%. Nas médias e grandes, 0,6%. Neste ritmo, estas precisariam de pelo menos 100 anos para criar o mesmo número de empregos gerados nos últimos cinco anos pelas pequenas.

13 13 Pode-se dizer ainda que, embora as micro e pequenas empresas tenham significativa importância na economia mundial, no Brasil estas empresas ainda carecem de apoio técnico gerencial, contando apenas com o apoio de órgãos como SEBRAE, SENAI e SENAC. Segundo MORAES (apud DEMORI, 1991:36): A formação e o desenvolvimento destas empresas proporcionam oportunidades para a dinamização da economia, descentralizando o capital, criando novos empregos e regionalizando a produção industrial. Poder-se-á identificar a importância desta pesquisa através de um levantamento elaborado pelo SEBRAE (1999), sobre a taxa de mortalidade das micro e pequenas empresas no Brasil entre os anos de 1997 e 1999: Tabela 01: Taxa de Mortalidade das Micro e Pequenas Empresas Taxa de Mortalidade das MPE s criadas no início de 1997 ANO SC Brasil % 61% % 67% % 73% Fonte: SEBRAE/SC Verificou-se neste levantamento que, das empresas de pequeno porte que foram abertas no estado de Santa Catarina no início de 1997, 49% destas fecharam antes do final do mesmo ano. Ao final de 1998, o número acumulado de empresas que abriram no início de 1997 e fecharam antes do final de 1998 já aumentara para 58% e, ao fim de 1999, o número já alcançara expressivos 63%. Com relação à média brasileira, que é de 61%, 67% e 73%, respectivamente, as taxas de mortalidade do estado de Santa Catarina são inferiores, porém ainda muito

14 14 preocupantes e retratam uma triste realidade, ou seja, há grandes problemas de gestão nas micro e pequenas empresas. Pode-se então identificar algumas causas que justifiquem o problema: Falta de planejamento financeiro, causando como conseqüência a falta de capital de giro, necessitando desta forma tomada de recursos de terceiros; Desequilíbrio entre os prazos de pagamento e de recebimento, ou seja, prazos de pagamento menores que os prazos de recebimento, causando um aumento demasiado na necessidade de capital de giro, trazendo necessidade da busca de recursos de terceiros; Tomada de recursos financeiros sem planejamento, buscando-se recursos pelos meios menos burocráticos, em função da urgência dos recursos, porém mais onerosos, diminuindo desta forma a lucratividade da empresa; Tributos elevados, diminuindo a competitividade de produtos e serviços frente à concorrência externa, que possuem produção em maior escala e preços bastante competitivos; Falta de capacitação (técnica, administrativa, empreendedora, estratégica e de liderança), dos empreendedores nas respectivas áreas de atuação; Para CAVALCANTI, FARAH e MELLO (1981:14): É de vital importância oferecer conhecimentos gerenciais para o pequeno e médio empresário, sobretudo, quando se considera que, nestas organizações, muitas vezes, o fator se encontra confundido com a direção dos negócios.

15 15 Ao se efetuar uma comparação entre as pequenas empresas e as grandes corporações, verifica-se que as pequenas têm menos capital humano, menor tecnologia e uma gestão na maioria das vezes familiar. Segundo MORAES (apud ALTRÃO, 2001:33): Em uma pequena empresa quase sempre os problemas recaem sobre os sócios ou proprietários, e a eles cabe buscar soluções para problemas de diversas áreas da empresa, tais como: pessoal, materiais, manutenção, finanças, propaganda. Isso acontece pelo fato de numa pequena empresa não haver departamentos distintos para cada área de atuação, e isso por si só já é um problema, pois o sócio ou proprietário não é especialista em todas as áreas, e acaba buscando as soluções à sua maneira que nem sempre são as mais adequadas; isso porque para uma pequena empresa é inviável, e, às vezes, até impossível ter departamentos específicos para cada uma destas áreas. Pode-se acrescentar ainda que no período de atuação da empresa MK Consultoria e Treinamento Ltda, assistindo micro e pequenas empresas em parceria com o SEBRAE/SC na área administrativo financeira, nenhuma das empresas assistidas (cerca de 100), possuía todas as ferramentas de controle e análise financeira implementadas. Em sua maioria, as empresas possuem somente os controles financeiros básicos (Contas a Pagar, Contas a Receber e Movimento de Caixa). Outros controles básicos como o controle de estoques e o fluxo de caixa não existiam, verificando os resultados de suas empresas somente pela situação momentânea do caixa da empresa. Assim, a solicitação por uma profissional da área financeira (consultor), para resolver seus problemas financeiros foi inevitável. Com a complementação dos controles financeiros básicos, somados a inclusão de outros controles na empresa (Administração de Custos, Demonstrativo de Resultados e Balancete de Verificação), constata-se uma significativa mudança de posicionamento dos empresários, compreendendo desta forma a importância dos controles recém implementados nas suas empresas.

16 16 Assim, pretende-se conscientizar os empresários das micro e pequenas empresas da região sul do estado de Santa Catarina, com este trabalho, da importância em se possuir controles financeiros eficazes e de se utilizar as ferramentas de análise financeira nas suas decisões. Que a utilização de uma ou outra ferramenta de controle não é suficiente para avaliar corretamente a empresa, sendo necessária à utilização de conjunto de ferramentas para que a análise traga subsídios consistentes para a correta tomada de decisão Metodologia A metodologia indica o caminho a ser seguido para se atingir o objetivo proposto. Segundo MORAES apud ANDRADE (1997:18): O método é o caminho que se percorre na busca do conhecimento. Etimologicamente, método é uma palavra que vem do grego methodos (meta + hodós), que significa: caminho para se chegar a um fim. Levando-se em consideração as características e os propósitos desta pesquisa, adotou-se o método de pesquisa-ação de caráter explicativo, utilizando-se como fonte de coleta de dados, a observação participante, entrevistas e questionário. Estima-se que a amostragem da pesquisa (51 empresas de um total de cerca de ), seja suficiente para construir o perfil da situação da administração das micro e pequenas empresas da região sul do estado de Santa Catarina.

17 Métodos Predominantes Do ponto de vista dos procedimentos técnicos, optou-se, nesta pesquisa, pelo Método de Pesquisa Ação, pois a mesma é concebida e realizada em estreita associação com a resolução de um problema coletivo. Tanto pesquisadores como participantes representativos do problema estão envolvidos de modo participativo, ou seja, todos estão envolvidos com a pesquisa, atuando para a solução do problema. Com relação aos objetivos da pesquisa, a mesma é de caráter explicativo, pois se tem a intenção de identificar as características da administração financeira das micro e pequenas empresas da região sul do estado de Santa Catarina, procurando as causas das altas taxas de mortalidade das micro e pequenas empresas Amostragem Devido ao tipo de pesquisa, ou seja, pesquisa-ação, e pela assistência a empresas situadas na região em questão, optou-se por escolher a amostra intencionalmente, ou seja, a amostra pré-determinada para a pesquisa, utilizando-se desta forma as empresas assistidas pela MK Consultoria e Treinamento Ltda Plano de Coleta e Análise dos Dados Na coleta de dados foram abordadas as técnicas de: a) Observação participante, onde através de várias visitas, identificou-se as causas dos problemas financeiros das empresas assistidas;

18 18 b) Entrevistas, onde foram entrevistados os colaboradores responsáveis pela área financeira das empresas, muitos destes os próprios proprietários; c) Questionário, coletando as informações iniciais das empresas sobre as informações disponíveis para as tomadas de decisão; 1.5. Estrutura do Trabalho O texto está organizado em seis capítulos a serem comentados a seguir: No primeiro capítulo, faz-se a definição do trabalho, apresentando-se a contextualização, o tema e a sua problemática, os objetivos do trabalho, as justificativas pela escolha do tema, a estrutura do trabalho, sua metodologia e suas limitações; O segundo capítulo aborda a literatura sobre as características das pequenas empresas, administração financeira, planejamento financeiro e indicadores financeiros; O terceiro capítulo aborda o levantamento, os resultados obtidos na pesquisa efetuada em 51 empresas da região sul do estado de Santa Catarina e algumas conclusões sobre os resultados obtidos; O quarto capítulo aborda a ferramenta proposta para auxiliar as micro e pequenas empresas nos controles financeiros; O quinto capítulo aborda os resultados obtidos em algumas empresas após a utilização da ferramenta de auxílio nos controles financeiros; O sexto capítulo trata das considerações finais e recomendações;

19 Limitações As limitações encontradas neste trabalho foram: o Embora haja grande variedade de setores entrevistados e assistidos, a amostragem não conseguiu atingir todos os segmentos da economia local; o Todas as empresas que foram entrevistadas e que foram assistidas pela empresa MK Consultoria e Treinamento Ltda, possuíam algum tipo de problema administrativo/financeiro. Assim excluiu-se uma minoria de micro e pequenas empresa bem geridas, que são exceção nesta categoria, das análises deste trabalho; o As análises dos resultados obtidos nas empresas após a implementação da ferramenta de auxílio foram baseados em apenas cinco empresas, não havendo disponibilidade de tempo para a conclusão nas outras empresas entrevistadas. Anteriormente, foi instalado o arquivo em 15 das 51 empresas entrevistadas; o A conclusão nas cinco empresas foi realizada em um espaço estreito de tempo, em termos de análises financeiras (cerca de quatro meses). Há entre os casos relatados apenas uma empresa com mais de seis meses de implementação do arquivo. Melhores resultados são esperados nas análises com um prazo maior de comparação (aproximadamente 01 ano); o Embora tenha sido desenvolvida a ferramenta de auxílio nos controles financeiros, há a necessidade de conhecimento profundo do Microsoft Excel, havendo grandes dificuldades para os usuários que não tem familiaridade com o aplicativo;

20 20 2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Muito se tem falado nos últimos anos em controlar despesas e reduzir custos. Com a abertura do mercado para a iniciativa externa no início dos anos 90, grandes corporações internacionais instalaram-se no país, aumentando a competição entre as empresas e contribuindo para o aumento nos índices de mortalidade das micro e pequenas empresas no Brasil. Com o advento do Plano Real em 1994, a inflação que atingia níveis absurdos de dois dígitos mensais, reduziu-se a níveis de menos de um dígito anual. Consequentemente, muitas deficiências e ineficiências das empresas, que anteriormente eram escondidas pela simples elevação de preços de seus produtos e serviços, começaram a ter grande dificuldade em repassar os aumentos aos mesmos, pois os consumidores começaram a ter maior noção do valor do dinheiro e puderam assim efetuar comparações entre produtos e serviços concorrentes. Assim, houve a necessidade das empresas em começar a tratar seus custos com maior atenção, procurando diminuir os desperdícios e melhorando suas ineficiências. Em face deste ambiente globalizado, a sobrevivência das organizações torna-se cada dia mais difícil, sendo disputado cada milímetro de espaço no mercado. Desta forma, a administração financeira eficaz em uma empresa tornou-se de vital importância no seu sucesso ou no seu fracasso, quer estas sejam pequenas, médias ou grandes corporações. TUNG (1993:31): Podemos definir a Administração Financeira de uma empresa conforme

21 21 Pode-se definir a administração financeira como sendo a responsabilidade por obter e utilizar eficientemente os recursos necessários ao bom funcionamento da empresa Pequenas Empresas Muitos são os fatores que caracterizam as micro e pequenas empresas. A sua classificação em micro e pequenas empresas não é tão simples. Segundo MATIAS e JÚNIOR (2001:01): empregados: Podem ser utilizados vários critérios. Entidades governamentais, bancos e entidades de classe usam critérios diferentes. Alguns dos critérios mais utilizados para classificar as empresas de pequeno porte: número de empregados, faturamento, investimento (ativo permanente), capital registrado e quantidade produzida. A primeira está diretamente relacionada à questão fiscal e legal; já a segunda é, em termos gerais, a mais usada, inclusive pelo SEBRAE e por outras instituições de amparo a pequena empresa. A Tabela 02 apresenta as classificações das empresas pelo número de Tabela 02: Classificação de Porte por Número de Empregados Porte da Empresa Indústria Comércio e Serviços Micro Até 19 empregados Até 09 empregados Pequeno Porte De 20 a 99 empregados De 10 a 49 empregados Média De 100 a 499 empregados De 50 a 99 empregados Grande Maior que 500 empregados Maior que 100 empregados Fonte: SEBRAE/SP, 1997 Verifica-se que na indústria, as empresas de pequeno porte são as que possuem menos de 100 empregados em seu quadro de colaboradores. Já no comércio e na prestação de serviços, este número diminui para menos de 50 colaboradores para serem enquadradas empresas de pequeno porte. Este é o foco de nossa pesquisa, ou seja, micro e pequenas empresas.

22 22 A Tabela 03 traz outra forma de classificação para o porte das empresas. Esta faz a classificação de acordo com seu faturamento: Tabela 03: Classificação de Porte por Faturamento Porte da Empresa Faturamento Anual Micro Até R$ ,00 Pequeno Porte Acima de R$ ,00 até R$ ,00 Média e Grande Acima de R$ ,00 Fonte: SEBRAE/SC, 2003 Esta classificação está de acordo com a lei nº 9.317/96 que institui a Lei do Simples, ou seja, das empresas que poderão se beneficiar de pagamento simplificado de impostos. Para tanto, devem se enquadrar na faixa de faturamento descrita na Tabela 03. Caso a empresa fature acima de R$ ,00 anuais, a mesma fica impossibilitada de usufruir da Lei do Simples. As pequenas empresas (micro e pequeno porte) caracterizam-se pela forma de administrar e pelas deficiências de recursos, tanto financeiros, técnicos, quanto estratégicos. Segundo MORAES apud ALTRÃO (2002): A administração normalmente é centralizada na pessoa do proprietário, que tem um lado positivo, torna-se ágil o processo, com decisões rápidas e desburocratizadas. Mas tem o lado negativo, que é a sobrecarga, que pode trazer o esgotamento tanto físico quanto mental, o que pode causar erros na solução dos problemas. A afirmação mostra uma realidade: embora torne o processo mais ágil e dinâmico, sobrecarrega o gestor da empresa, que centraliza todas as tomadas de decisão da empresa em todos os níveis, ou seja, desde o nível operacional até o nível estratégico. Assim, há carência de tempo para traçar adequadamente o planejamento estratégico da empresa, para administrar os recursos financeiros, para

23 23 administrar a produção. Comparativamente, em uma grande organização, há pessoas específicas para cada uma das atividades, tendo assim vantagem com relação às micro e pequenas que centralizam todas as atividades em uma única pessoa. Segundo MATIAS e JÚNIOR (2001:03): O pequeno empresário geralmente é um empreendedor. O empreendedor tem uma visão do futuro e faz de tudo para transformar o presente em um futuro de sucesso. O empreendedor, na maioria dos casos, é uma pessoa que consegue antecipar acontecimentos em suas empresas, procurando planejar de forma adequada sua empresa para que os acontecimentos gerem situações favoráveis ao seu negócio, e monitorando estes acontecimentos para efetuar as correções necessárias para que os efeitos negativos sejam minimizados. MATIAS e JÚNIOR identificam os pontos fortes e fracos das micro e pequenas empresas. Pontos fortes: Flexibilidade, obtida através de sua estrutura menor; Pouca Burocracia e Administrativo reduzido, trazendo agilidade em suas decisões, podendo alterar situações que poderiam ser desastrosas para a empresa em prazo muito inferior as grandes corporações; Maior integração entre pequenos empresários, empregados, clientes, fornecedores e comunidade (cadeia produtiva), criando um ambiente colaborativo maior que os encontrados nas grandes corporações; Atendimento diferenciado aos clientes devido a sua maior integração, administrando suas necessidades;

24 24 Pontos fracos: Dificuldade na obtenção de recursos financeiros (crédito, financiamentos e investimentos). Os investidores têm pouco interesse em empresas de menor porte devido ao longo prazo para o retorno dos investimentos; Falta de resistência a momentos de instabilidade e dificuldade da empresa devido ao capital de giro limitado; Visão de curto prazo da maioria dos empresários de pequenas empresas; Falta de profissionais bem qualificados nas pequenas empresas; Inexistência de políticas de segurança, incentivos, benefícios, treinamento e desenvolvimento dos colaboradores, visando sua motivação e satisfação; Burocracias legais; Ter de se sujeitar às imposições de preços de grandes fornecedores e/ou grandes clientes, limitando-se assim as negociações de valores e de margens; Concorrência das grandes corporações; A pequena empresa é muito sensível a desentendimentos entre sócios e a eventos pessoais como doenças, morte; Pouca organização política, não defendendo os interesses das pequenas empresas no que tange às decisões relacionadas ao governo; Desinformação sobre os acontecimentos econômicos, sociais e políticos; Falta de disciplina e de organização;

25 25 As pequenas empresas, por questões de recursos, normalmente, não têm condições de ter em suas linhas de produção, a mesma tecnologia em equipamentos e o mesmo nível de planejamento que as médias e grandes empresas, dificultando assim a obtenção de produtos de qualidade exigidos pelo mercado com a produtividade solicitada. A maioria das pequenas empresas têm pouca ou nenhuma tolerância com relação aos desperdícios. Assim, o controle de custos e despesas é considerado um ponto crítico para as micro e pequenas empresas. Para MORAES apud RESNIK: A administração de uma pequena empresa é a arte do essencial. É tirar o máximo do mínimo Controladoria como Instrumento de Gestão Financeira Com o aumento da concorrência entre as empresas e o aumento da complexidade das organizações empresariais, a função de controle passa a ser de essencial importância para o desenvolvimento e o sucesso das organizações. Segundo PIAI apud KANITZ (1976): Mas a controladoria não é apenas administrar o sistema contábil da empresa. Por isso os conhecimentos de contabilidade ou finanças não são mais suficientes para o desempenho da função de controladoria. Atualmente o controlador se cerca de um verdadeiro batalhão de administradores organizacionais, psicólogos industriais, analistas de sistemas, especialistas em computação, estatísticos e matemáticos que têm a tarefa de analisar e dirigir, à luz de cada um dos seus campos de conhecimento, um imenso volume de informações necessárias ao cumprimento da função de controladoria. Estes profissionais que assessoram o controlador não se limitam às informações quantitativas.

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Introdução Definir o papel da gestão financeira; Conceitos de Gestão Financeira; Assim como sua importância na gestão de uma organização;

Leia mais

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro.

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro. Plano de Ensino Conceito A Função Financeira nas Empresas Utilização das informações contábeis Áreas de Decisões Financeiras Objetivos do Administrador Financeiro Organização da Função Financeira Estrutura

Leia mais

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Prof. Paulo Cesar C. Rodrigues E mail: prdr30@terra.com.br INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS O que é administração financeira? Qual sua importância para as corporações? Como são tomadas as decisões financeiras?

Leia mais

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO Lúcia de Fátima de Lima Lisboa RESUMO O presente artigo apresenta o fluxo de caixa como uma ferramenta indispensável para a gestão financeira

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

CONCEITOS BÁSICOS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA January, 99 1 CONCEITOS BÁSICOS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Paulo César Leite de Carvalho 1. INTRODUÇÃO A administração financeira está estritamente ligada à Economia e Contabilidade, e pode ser vista

Leia mais

Determinação do Capital de Giro

Determinação do Capital de Giro Determinação do Capital de Giro Foco da Palestra Orientar e esclarecer os conceitos básicos para determinação e gerenciamento do Capital de Giro da empresa. Classificar e analisar as fontes e aplicações

Leia mais

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional O tamanho que a micro ou pequena empresa assumirá, dentro, é claro, dos limites legais de faturamento estipulados pela legislação para um ME ou EPP, dependerá do

Leia mais

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira darianer@fia.com.br www.fia.com.br/proced Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira 1 Objetivo Planejamento

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA A atividade empresarial requer a utilização de recursos financeiros, os quais são obtidos na forma de crédito e de

Leia mais

O caixa é um dos itens mais importantes na administração de uma empresa. O controle é o primeiro passo para mantê-lo saudável e sempre no azul

O caixa é um dos itens mais importantes na administração de uma empresa. O controle é o primeiro passo para mantê-lo saudável e sempre no azul O caixa é um dos itens mais importantes na administração de uma empresa. O controle é o primeiro passo para mantê-lo saudável e sempre no azul Educação financeira. Esta é a palavra-chave para qualquer

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade II FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivos Ampliar a visão sobre os conceitos de Gestão Financeira; Conhecer modelos de estrutura financeira e seus resultados; Conhecer

Leia mais

ANÁLISE FINANCEIRA VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA

ANÁLISE FINANCEIRA VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA ANÁLISE FINANCEIRA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA NAS EMPRESAS INTEGRAÇÃO DOS CONCEITOS CONTÁBEIS COM OS CONCEITOS FINANCEIROS FLUXO DE OPERAÇÕES E DE FUNDOS VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA Possibilita um diagnóstico

Leia mais

ESTUDOS DE CAPITAL DE GIRO

ESTUDOS DE CAPITAL DE GIRO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS Pedro Schubert

SISTEMAS INTEGRADOS Pedro Schubert SISTEMAS INTEGRADOS Pedro Schubert Vamos abordar os tópicos para a implantação da contabilidade moderna nas empresas. A contabilidade é legalmente utilizada nas empresas para atender aos enfoques legal

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS Claudio Barbosa Cardoso Orientador: Benedito Giovani Martins de Paula Linha de Pesquisa: Demonstrações Financeiras Universidade

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul GESTÃO FINANCEIRA para ficar no azul índice 03 Introdução 04 Capítulo 1 O que é gestão financeira? 06 Capítulo 2 Gestão financeira e tomada de decisões 11 13 18 Capítulo 3 Como projetar seu fluxo financeiro

Leia mais

Palavras-chave: Gestão Estratégica de Custos, competitividade, lucratividade

Palavras-chave: Gestão Estratégica de Custos, competitividade, lucratividade GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS COMO FERRAMENTA DE COMPETITIVIDADE NO SETOR MOVELEIRO: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA COIMBRA & FILHOS LTDA. Franciane de Oliveira Alvarenga Especialista em Auditoria e Contabilidade

Leia mais

CONTABILIDADE GERENCIAL: SUA APLICAÇÃO E UTILIDADE NA PEQUENA EMPRESA

CONTABILIDADE GERENCIAL: SUA APLICAÇÃO E UTILIDADE NA PEQUENA EMPRESA CONTABILIDADE GERENCIAL: SUA APLICAÇÃO E UTILIDADE NA PEQUENA EMPRESA Marco Antonio Henrique 1, Marlene Ferreira Santiago 2, Monica Franchi Carniello 3, Fábio Ricci 4 1,2,3,4 Universidade de Taubaté/ Pró-reitoria

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA EM UMA ORGANIZAÇÃO

A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA EM UMA ORGANIZAÇÃO A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA EM UMA ORGANIZAÇÃO Nádia Nascimento Cardoso 1, Carla Cristina Ferreira de Miranda orientadora 2 1 Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas Universidade do Vale Paraíba,

Leia mais

Gestão Contábil e Financeira nas Pequenas e Médias Empresas PMEs

Gestão Contábil e Financeira nas Pequenas e Médias Empresas PMEs Gestão Contábil e Financeira nas Pequenas e Médias Empresas PMEs. 1 A Contabilidade como Ferramenta de Gestão: Nova Visão Empresarial Benefícios e Vantagens; Parceria do Administrador e do Profissional

Leia mais

Análise das Demonstrações Contábeis

Análise das Demonstrações Contábeis Análise das Demonstrações Contábeis Prof. José MANOEL da Costa As demonstrações contábeis para usuário externo, publicadas aos usuários em geral, como já visto, são publicadas conforme princípios e normas

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS NOTA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Curso: Administração de Empresas Turma: Disciplina: Administração Financeira Professor : Maxwell Lucena / Aluno(a): Maxwe R.A.: Assinatura: Data: / / 1ª. Questão

Leia mais

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios Vanessa da Silva Sidônio vanessa_sidonio@hotmail.com Professor Heber Lavor Moreira heber@peritocontador.com.br Trabalho da Disciplina Administração

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

QUALIDADE DA INFORMAÇÃO Sem Precisar Trocar o Sistema da Sua Empresa

QUALIDADE DA INFORMAÇÃO Sem Precisar Trocar o Sistema da Sua Empresa PERFIL Nome: SILVIO LUIZ DO PRADO Contato: (062) 8201-2226 - Goiânia GO E-mail: silvio.controller@terra.com.br Skype: silvio.prado1 Profissão: Contador CRC-GO 60645 Formação: Bacharel em Ciências Contábeis

Leia mais

BENEFÍCIOS COM A SMALL

BENEFÍCIOS COM A SMALL BENEFÍCIOS COM A SMALL 2012. Small Consultoria Avenida Engenheiro Caetano Álvares, 530 Casa Verde, São Paulo S.P. Tel. 11 2869.9699 / 11 2638.5372 Todos os direitos reservados. A IDEIA Dentre os exemplos

Leia mais

O caso da loja de confecção da dona Marieta da Modda

O caso da loja de confecção da dona Marieta da Modda GESTÃO FINANCEIRA Quando temos problemas de saúde procuramos um médico, sendo ele clínico geral ou especialista, conforme o caso. Normalmente, selecionamos um médico bastante conhecido e com boas referências

Leia mais

CLEVERSON FORATO ORÇAMENTO E FINANÇAS 1

CLEVERSON FORATO ORÇAMENTO E FINANÇAS 1 ORÇAMENTO E FINANÇAS 1 ORÇAMENTO E FINANÇAS 2 SUMÁRIO: 1) INTRODUÇÃO A GESTÃO FINANCEIRA a. A IMPORTANCIA DA INFORMAÇÃO NA GESTÃO DAS EMPRESAS b. O CONTEXTO DA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA c. A FUNÇÃO DO ADMINISTRADOR

Leia mais

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO OS NEGÓCIOS Odilio Sepulcri* INTRODUÇÃO A sobrevivência dos negócios, dentre outros fatores, se dará pela sua capacidade de gerar lucro. O lucro, para um determinado produto, independente da forma como

Leia mais

SUCESSO EM ALGUMAS EM OUTRAS... XXXXX. Salário para boa condição de vida. Leva à PRODUTIVIDADE que é buscada continuamente

SUCESSO EM ALGUMAS EM OUTRAS... XXXXX. Salário para boa condição de vida. Leva à PRODUTIVIDADE que é buscada continuamente ADMINISTRAR ----- NÃO É ABSOLUTO. SUCESSO EM ALGUMAS EM OUTRAS... INTEGRAÇÃO = PESSOAS / EMPRESAS = ESSENCIAL SATISFAÇÃO FINANCEIRA RESULTANTE DA SINERGIA Leva à PRODUTIVIDADE que é buscada continuamente

Leia mais

Análise do Perfil da Gestão Financeira Realizada Pelas Micro e Pequenas Empresas da Cidade de Itajubá

Análise do Perfil da Gestão Financeira Realizada Pelas Micro e Pequenas Empresas da Cidade de Itajubá Análise do Perfil da Gestão Financeira Realizada Pelas Micro e Pequenas Empresas da Cidade de Itajubá Adriano_fernandes_vianna@ymail.com cca@facesm.br Facesm João Paulo Guerreiro Gonçalves cca@facesm.br

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. O que são

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES

TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA

Leia mais

Ciclo Operacional. Venda

Ciclo Operacional. Venda Sumário 1 Introdução... 1 2 Dinâmica dos Fluxos de Caixa... 2 3 Capital Circulante Líquido (CCL) e Conceitos Correlatos... 4 4 Necessidade de capital de giro (NCG)... 6 5 Saldo em Tesouraria (ST)... 9

Leia mais

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL 0401 01 IDENTIFICAÇÃO Título: CONTABILIDADE E EFICIÊNCIA NA ADMINISTRAÇÃO DO NEGÓCIO Atributo: ADMINISTRAÇÃO EFICIENTE Processo: ACOMPANHAMENTO CONTÁBIL O QUE É : Este é

Leia mais

Planejamento Financeiro

Planejamento Financeiro Planejamento Financeiro Geralmente quando um consultor é chamado a socorrer uma empresa, ele encontra, dentre outros, problemas estruturais, organizacionais, de recursos humanos. O problema mais comum

Leia mais

XXVI ENEGEP - Fortaleza, CE, Brasil, 9 a 11 de Outubro de 2006

XXVI ENEGEP - Fortaleza, CE, Brasil, 9 a 11 de Outubro de 2006 Grau de utilização dos sistemas de fluxo de caixa na administração financeira das micro e pequenas empresas da cidade de Ponta Grossa Márcia Cristina de Mello Kaspczak (UTFPR) mcmjk@ig.com.br Luciano Scandelari

Leia mais

Bloco Contábil e Fiscal

Bloco Contábil e Fiscal Bloco Contábil e Fiscal Contabilidade e Conciliação Contábil Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos Contabilidade e Conciliação Contábil, que fazem parte do Bloco Contábil

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS: ESTUDO DE CASO DA EMPRESA MA PROMOTORA DE EVENTOS LTDA. Luciana da Silva Moraes 1. Moisés Araújo Guarda 2

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS: ESTUDO DE CASO DA EMPRESA MA PROMOTORA DE EVENTOS LTDA. Luciana da Silva Moraes 1. Moisés Araújo Guarda 2 1 ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS: ESTUDO DE CASO DA EMPRESA MA PROMOTORA DE EVENTOS LTDA. Luciana da Silva Moraes 1 Moisés Araújo Guarda 2 Sara Alexssandra Gusmão França 3 RESUMO Este artigo versa

Leia mais

ANÁLISE DE BALANÇOS MÓDULO 1

ANÁLISE DE BALANÇOS MÓDULO 1 ANÁLISE DE BALANÇOS MÓDULO 1 Índice Análise Vertical e Análise Horizontal...3 1. Introdução...3 2. Objetivos e técnicas de análise...4 3. Análise vertical...7 3.1 Cálculos da análise vertical do balanço

Leia mais

5 Análise dos resultados

5 Análise dos resultados 5 Análise dos resultados Neste capitulo será feita a análise dos resultados coletados pelos questionários que foram apresentados no Capítulo 4. Isso ocorrerá através de análises global e específica. A

Leia mais

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO Odilio Sepulcri odilio@emater.pr.gov.br www.odiliosepulcri.com.br www.emater.pr.gov.br Telefone: (41) 3250-2252 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO 1. Perfil para empreender

Leia mais

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC. Graduação em Administração

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC. Graduação em Administração Trabalho de Conclusão de Curso - TCC Graduação em Administração Educação Presencial 2011 1 Trabalho de Conclusão de Curso - TCC O curso de Administração visa formar profissionais capacitados tanto para

Leia mais

Modelo de Plano de Negócios

Modelo de Plano de Negócios Modelo de Plano de Negócios COLEÇÃO DEBATES EM ADMINISTRAÇÃO Empreendedorismo Modelo de Plano de Negócios Elaboração Marcelo Marinho Aidar Escola de Administração de Empresas de São Paulo (EAESP) F U N

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução O que são

Leia mais

USO DA CONTABILIDADE DE GESTÃO NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE DOURADOS-MS

USO DA CONTABILIDADE DE GESTÃO NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE DOURADOS-MS VIII CIAEC 046 USO DA CONTABILIDADE DE GESTÃO NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE DOURADOS-MS Luciana Crispim de Souza Universidade Federal da Grande Dourados (Brasil) Antonio Carlos Vaz Lopes Universidade

Leia mais

Controles financeiros Edição de bolso

Controles financeiros Edição de bolso 03 Controles financeiros Edição de bolso A série SAIBA MAIS esclarece as dúvidas mais frequentes dos empresários atendidos pelo SEBRAE-SP nas seguintes áreas: Organização Empresarial Finanças Marketing

Leia mais

AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ):

AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ): Contabilidade Gerencial e Controladoria Prof. Oscar Scherer Dia 23/03/2012. AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ): Parte importante da administração financeira, devendo

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO Plano de Ação Estratégico Estratégias empresariais Anexo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE Unidade de Capacitação Empresarial Estratégias

Leia mais

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira Aula 2 Gestão de Fluxo de Caixa Introdução Ao estudarmos este capítulo, teremos que nos transportar aos conceitos de contabilidade geral sobre as principais contas contábeis, tais como: contas do ativo

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

Gestão orçamentária na Construção Civil

Gestão orçamentária na Construção Civil Um retrato dos desafios, práticas e resultados do planejamento orçamentário Maio, 2014 Agenda Metodologia e amostra Desafios e cultura da organização na gestão orçamentária Processos e riscos do planejamento

Leia mais

MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEGMENTOS DE ASSOCIADOS

MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEGMENTOS DE ASSOCIADOS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEGMENTOS DE ASSOCIADOS Joel Queiroz 1 COOPERATIVAS DE CRÉDITO INSTRUMENTO DE ORGANIZAÇÃO ECONÔMICA Associação voluntária de pessoas para satisfação de necessidades econômicas,

Leia mais

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011 Resumo Executivo Modelo de Planejamento O Resumo Executivo é comumente apontada como a principal seção do planejamento, pois através dele é que se perceberá o conteúdo a seguir o que interessa ou não e,

Leia mais

FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO

FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO Odilio Sepulcri 1 Conforme ROSE 1, pode-se representar a administração de uma empresa, de uma forma geral, dividindo em três níveis: operações, estratégia

Leia mais

Um Modelo de Sistema de Informação Contábil para Mensuração do Desempenho Econômico das Atividades Empresariais

Um Modelo de Sistema de Informação Contábil para Mensuração do Desempenho Econômico das Atividades Empresariais 1 UM MODELO DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL PARA MENSURAÇÃO DO DESEMPENHO ECONOMICO DAS ATIVIDADES EMPRESARIAIS Autor: Reinaldo Guerreiro Professor Assistente Doutor do Departamento de Contabilidade

Leia mais

Avenida Jamaris, 100, 10º e 3º andar, Moema São Paulo SP 04078-000 55 (11) 5051-8880

Avenida Jamaris, 100, 10º e 3º andar, Moema São Paulo SP 04078-000 55 (11) 5051-8880 APRESENTAÇÃO DA EMPRESA E DOS SERVIÇOS AUDITORIA CONSULTORIA EMPRESARIAL CORPORATE FINANCE EXPANSÃO DE NEGÓCIOS CONTABILIDADE INTRODUÇÃO A FATORA tem mais de 10 anos de experiência em auditoria e consultoria

Leia mais

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BALANÇO PATRIMONIAL: é a representação quantitativa do patrimônio de uma entidade. REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DO BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis Resumo Demonstrações contábeis são informações e dados que as empresas oferecem ao fim de cada exercício, com a finalidade de mostrar aos acionistas, ao governo e todos os interessados,

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

Ementário e Bibliografia do curso de. Ciências Contábeis. Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04

Ementário e Bibliografia do curso de. Ciências Contábeis. Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04 01 - ADMINISTRAÇÃO Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04 Introdução à Administração. Antecedentes históricos da Administração. Escolas de Administração. Administração e suas perspectivas. Variáveis

Leia mais

A CONTABILIDADE COMO FERRAMENTA DE GESTÃO EMPRESARIAL

A CONTABILIDADE COMO FERRAMENTA DE GESTÃO EMPRESARIAL A CONTABILIDADE COMO FERRAMENTA DE GESTÃO EMPRESARIAL Gestão Empresarial Márlio Lúcio Ribeiro Gomes Coorientador: Prof. Evânio de Carvalho Cruz Universidade do Vale do Sapucaí RESUMO Este trabalho tem

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais

DVA Demonstração do Valor Adicionado

DVA Demonstração do Valor Adicionado DVA Demonstração do Valor Adicionado A DVA foi inserida pela Lei nº 11.638/2007, (artigo 176, inciso V), no conjunto de demonstrações financeiras que as companhias abertas devem apresentar ao final de

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Entradas a) contas à receber b) empréstimos c) dinheiro dos sócios

FLUXO DE CAIXA. Entradas a) contas à receber b) empréstimos c) dinheiro dos sócios FLUXO DE CAIXA É a previsão de entradas e saídas de recursos monetários, por um determinado período. Essa previsão deve ser feita com base nos dados levantados nas projeções econômico-financeiras atuais

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 QUOCIENTES DE RENTABILIDADE Os Quocientes de Rentabilidade servem para medir a capacidade econômica da empresa, isto é, evidenciam o grau de êxito econômico obtido pelo

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1 Matriz Curricular aprovada pela Resolução nº 16/09-CONSUNI, de 1º de dezembro de 2009. MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1 Fase Cód. I

Leia mais

A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO RESUMO

A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO RESUMO A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO Flávio Augusto da Silva Dias flavinhokaf@hotmail.com Julio Cesar Sgarbi Julio.uru@hotmail.com RESUMO Com a busca de melhores resultados e maximização dos lucros

Leia mais

UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE-FAC-CG

UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE-FAC-CG UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE-FAC-CG CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING MÓDULO I 304101 FUNDAMENTOS DE MARKETING Fundamentos do Marketing. Processo de Marketing.

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 2. Finanças 2.1 Orçamento anual integrado Objetivo: Melhorar

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Organizando e administrando o negócio

Organizando e administrando o negócio NEGÓCIO CERTO COMO CRIAR E ADMINISTRAR BEM SUA EMPRESA Organizando e administrando o negócio Manual Etapa 4/Parte 1 Boas vindas! Olá, caro empreendedor! É um prazer estar com você nesta etapa de sua viagem

Leia mais

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA SUMÁRIO DE PROJETOS WORKFLOW... 03 ALINHAMENTO ESTRATÉGICO... 04 IDENTIDADE CORPORATIVA... 04 GESTÃO DE COMPETÊNCIAS... 05 TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO... 05 REMUNERAÇÃO...

Leia mais

ROTEIRO DE LEVANTAMENTO DE DADOS E INFORMAÇÕES PARA UM DIAGNÓSTICO INTEGRADO DE PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA

ROTEIRO DE LEVANTAMENTO DE DADOS E INFORMAÇÕES PARA UM DIAGNÓSTICO INTEGRADO DE PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS BUSINESS GAME UGB VERSÃO 2 Luís Cláudio Duarte Graduação em Administração de Empresas APRESENTAÇÃO (DADOS DE IDENTIFICAÇÃO) O Business Game do Centro Universitário Geraldo Di Biase (BG_UGB) é um jogo virtual

Leia mais

Gestão do Fluxo de Caixa em Épocas de Crise

Gestão do Fluxo de Caixa em Épocas de Crise Gestão do Fluxo de Caixa em Épocas de Crise Lucro que não gera caixa é ilusão "Se você tiver o suficiente, então o fluxo de caixa não é importante. Mas se você não tiver, nada é mais importante. É uma

Leia mais

Anderson Geraldo da Silva Faculdade Maurício de Nassau Caruaru-PE

Anderson Geraldo da Silva Faculdade Maurício de Nassau Caruaru-PE Anderson Geraldo da Silva Faculdade Maurício de Nassau Caruaru-PE 1. Diagnóstico Empresarial 2. Definição e Gestão da Estrutura Organizacional 2.1. Administração Estratégica 2.1.1. Processos 2.1.2. Resultados

Leia mais

8º Congresso de Pós-Graduação PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO E OPERACIONAL PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

8º Congresso de Pós-Graduação PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO E OPERACIONAL PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS 8º Congresso de Pós-Graduação PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO E OPERACIONAL PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Autor(es) CLAUDIO JAIR DE ALMEIDA Orientador(es) CLÓVIS LUIS PADOVEZE 1. Introdução Boa parte da literatura

Leia mais

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP Sistema de gestão ERP MÓDULOS E CLIENTES Os módulos podem ser adquiridos separadamente, conforme a sua necessidade. ÁREA COMERCIAL ÁREA ADMINISTRATIVA FINANCEIRA ÁREA PRODUÇÃO E SUPRIMENTOS ÁREA FISCAL

Leia mais

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP Sistema de gestão ERP Módulo MÓDULOS E CLIENTES Os módulos podem ser adquiridos separadamente, conforme a sua necessidade. COMERCIAL ADMINISTRATIVA FINANCEIRA PEDIDOS EXPORTAÇÃO CONTAS A RECEBER TELEMARKETING

Leia mais

Planejamento Econômico-Financeiro

Planejamento Econômico-Financeiro Planejamento Econômico-Financeiro São Paulo, Junho de 2011 Esse documento é de autoria da E Cunha Consultoria. A reprodução deste documento é permitida desde que citadas as fontes e a autoria do estudo.

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Gestão Financeira I Prof.ª Thays Silva Diniz 1º Semestre 2011 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Cap.1 A decisão financeira e a empresa 1. Introdução 2. Objetivo e Funções da

Leia mais

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI Prof. Fernando Rodrigues Quando se trabalha com projetos, é necessária a utilização de técnicas e ferramentas que nos auxiliem a estudálos, entendê-los e controlá-los.

Leia mais

CONTABILIDADE PARA PEQUENAS EMPRESAS: A Utilização da Contabilidade como Instrumento de Auxílio às Micro e Pequenas Empresas

CONTABILIDADE PARA PEQUENAS EMPRESAS: A Utilização da Contabilidade como Instrumento de Auxílio às Micro e Pequenas Empresas CONTABILIDADE PARA PEQUENAS EMPRESAS: A Utilização da Contabilidade como Instrumento de Auxílio às Micro e Pequenas Empresas Geovana Alves de Lima Fedato 1 Claiton Pazzini Goulart 2 Lyss Paula de Oliveira

Leia mais

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros Quem somos Nossos Serviços Processo de Negociação Clientes e Parceiros O NOSSO NEGÓCIO É AJUDAR EMPRESAS A RESOLVEREM PROBLEMAS DE GESTÃO Consultoria empresarial a menor custo Aumento da qualidade e da

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

A Importância da Contabilidade como instrumento de Gestão nas Micro e pequenas Empresas Industriais¹, no Município de Teresina-Pi.

A Importância da Contabilidade como instrumento de Gestão nas Micro e pequenas Empresas Industriais¹, no Município de Teresina-Pi. 1 A Importância da Contabilidade como instrumento de Gestão nas Micro e pequenas Empresas Industriais¹, no Município de Teresina-Pi. Fernanda Borges Ventura Especializanda em Gestão Contábil e Financeira

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1 BUSINESS GAME UGB Eduardo de Oliveira Ormond Especialista em Gestão Empresarial Flávio Pires Especialista em Gerencia Avançada de Projetos Luís Cláudio Duarte Especialista em Estratégias de Gestão Marcelo

Leia mais

Análises de demonstrações financeiras

Análises de demonstrações financeiras Análises de demonstrações financeiras Professor: Me. Claudio Kapp Junior Email: juniorkapp@hotmail.com Análise da demonstrações financeiras Demonstrações: Importante veículo de comunicação entre empresa

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS CASTELO BRANCO CONSULTORIA E ASSESSORIA CONTÁBIL LTDA

PLANO DE NEGÓCIOS CASTELO BRANCO CONSULTORIA E ASSESSORIA CONTÁBIL LTDA Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins PLANO DE NEGÓCIOS CASTELO BRANCO CONSULTORIA E ASSESSORIA CONTÁBIL LTDA Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins PLANO DE NEGÓCIOS

Leia mais

PÓS GRADUAÇÃO DIRETO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DE CONTABILIDADE E LIVROS EMPRESARIAS PROF. SIMONE TAFFAREL FERREIRA

PÓS GRADUAÇÃO DIRETO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DE CONTABILIDADE E LIVROS EMPRESARIAS PROF. SIMONE TAFFAREL FERREIRA PÓS GRADUAÇÃO DIRETO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DE CONTABILIDADE E LIVROS EMPRESARIAS PROF. SIMONE TAFFAREL FERREIRA DISTRIBUIÇÃO DA APRESENTAÇÃO - Aspectos Conceituais - Definições Teóricas e Acadêmicas

Leia mais

Ciências Contábeis. Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04

Ciências Contábeis. Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04 01 - ADMINISTRAÇÃO Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04 Introdução à Administração. Antecedentes históricos da Administração. Escolas de Administração. Administração e suas perspectivas. Variáveis

Leia mais