Brasília, DF Outubro de 2001

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Brasília, DF Outubro de 2001"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA - MCT SECRETARIA DE POLÍTICA TECNOLÓGICA EMPRESARIAL SEPTE COORDENAÇÃO DE SISTEMAS LOCAIS DE INOVAÇÃO INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA 1 Brasília, DF Outubro de O conteúdo desta publicação é de responsabilidade de Públio Vieira Valadares Ribeiro, bolsista do Programa de Capacitação Interna do MCT e mestrando do Programa de Pós-Graduação do Departamento de Sociologia da Universidade de Brasília. Contribuíram também para versão definitiva do texto: João Bosco de Carvalho Lima Freitas, Américo Rodrigues Filho, Francisco Eloi dos Santos; Luciana Gurgel Machado e Francisco Mesquita do Amaral.

2 2 Índice Apresentação...3 I. Inovação tecnológica na Sociedade do Conhecimento...4 A Inovação Tecnológica...4 Sistema de Inovação (interação Governo-Universidade-Empresa)...5 O ambiente brasileiro...7 II. Inovação tecnológica nas micro e pequenas empresas...10 Inovação e competitividade nas MPE s Inovação por meio da P&D Instrumentos de apoio à inovação...13 III. Transferência de tecnologia...15 Atores do processo de geração e transferência de tecnologia O patenteamento da inovação Algumas formas de transferência de tecnologia Diretrizes e fases para a negociação de tecnologia Negociação e escolha do instrumento mais adequado Aquisição de Tecnologia Externa Apoio Governamental Incentivos Fiscais para a Capacitação Tecnológica Ambientes institucionais de transferência de tecnologia Incubadoras de empresas Parques Tecnológicos Aglomerados Produtivos ( Clusters )...26 IV. Programas de apoio à inovação tecnológica e transferência de tecnologia...28 ALFA / PATME Programa Nacional de Apoio às Incubadoras de Empresas - PNI Projeto INOVAR PROGEX NACIONAL Programa de Apoio à Competitividade e Difusão Tecnológica...30 Programa de Apoio às Tecnologias Apropriadas PTA Programa de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico PADCT/TIB Programa de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico PADCT/CDT Entidades Tecnológicas Setoriais ETS Programa de Capacitação de Recursos Humanos para Atividades Estratégicas RHAE V. BIBLIOGRAFIA UTILIZADA...38

3 3 Apresentação A dinâmica de desenvolvimento da economia mundial, nos tempos atuais, vem sendo fortemente influenciada pela consolidação de um novo paradigma técnico-econômico, onde a globalização da economia leva o setor produtivo a um esforço crescente na busca da competitividade. O binômio inovação competitividade, neste contexto, constitui-se um elemento fundamental para a modernização do parque produtivo nacional, com vistas à ampliação de sua participação no comércio internacional de bens e serviços. A inovação tecnológica - entendida aqui como a transformação do conhecimento em produtos, processos e serviços que possam ser colocados no mercado - torna-se cada vez mais importante para o desenvolvimento socioeconômico dos mais diversos países, os quais reconhecem que, para melhorar e ampliar suas estruturas industriais e de exportação, são necessárias medidas cuidadosamente formuladas para estimular atividades de ciência e tecnologia, que estejam articuladas com as demandas do setor produtivo. A transferência, para o setor produtivo, de tecnologias geradas em centros de pesquisa, universidades, institutos e em outras empresas é de fundamental importância dentro de uma estratégia de aumento da competitividade das indústrias em busca de novos mercados e da própria sobrevivência no mercado nacional e internacional. O Objetivo do Programa de Apoio à Capacitação Tecnológica da Indústria PACTI consiste em apoiar, orientar e articular as ações relativas à capacitação tecnológica da indústria, para aumentar a competitividade dos bens e serviços produzidos no país. Esta publicação tem por finalidade divulgar para empresários, universidades, instituições de pesquisa, centros de transferência de tecnologia e outros, alguns conceitos e instrumentos que vêm sendo utilizados pelo Ministério da Ciência e Tecnologia- MCT com o objetivo de dar suporte a uma política de apoio à inovação tecnológica e transferência de tecnologia para o setor produtivo nacional.

4 4 Inovação tecnológica na Sociedade do Conhecimento A Inovação Tecnológica O momento crucial da mudança tecnológica refere-se à entrada da invenção no processo produtivo, que possui grande impacto para o desenvolvimento econômico. Podemos distinguir invenção de inovação para demarcar esse momento: a invenção, em si mesma, não teria dimensão econômica, referindo-se à descoberta de princípios que podem permanecer restritos ao campo do conhecimento. A inovação, por outro lado, teria aplicação prática, possibilitando o emprego de recursos econômicos de uma forma ainda não efetivada. Essa distinção tem o mérito de destacar o fato de que nem todo avanço no conhecimento tem, necessariamente, implicações na produção, circulação e consumo de mercadorias. No entanto, não podemos ver estes dois processos como sendo independentes: a descoberta de novos princípios cria a possibilidade de sua aplicação a curto ou longo prazo, assim como um novo emprego de recursos econômicos pode conduzir à descoberta de novos conhecimentos. Em sua acepção mais geral, inovação refere-se à introdução de conhecimento novo ou de novas combinações de conhecimentos existentes. Por sua própria definição, o conceito supõe e impõe uma relação estreita entre inovação e conhecimento. Já a inovação tecnológica, refere-se a novos produtos e/ou processos de produção e aperfeiçoamentos ou melhoramentos de produtos e/ou processos já existentes. No entanto, um conceito mais abrangente de inovação foi introduzido por Chistopher Freemam 2 no âmbito das discussões realizadas pela OCDE, em meados de 1970, para responder à necessidade sentida nos países desenvolvidos de ações governamentais que integrassem políticas econômicas e de ciência e tecnologia, P&D e indústria, sistema de pesquisa e sistema produtivo, visando a aumentar a competitividade internacional. Hoje em dia, diante da constatação de que a inovação tecnológica stricto sensu não garante competitividade e não resolve sérios problemas sociais ligados a processos de produção, amplia-se o alcance do conceito para incluir também: a organização e gestão do trabalho dentro da empresa; formas de atualização e qualificação profissional dos trabalhadores; desenvolvimento de novas formas de relação capital/trabalho e/ou de organização do trabalho na empresa; descentralização com integração (social, produtiva, administrativa e política); formação de recursos humanos qualificados em colaboração com as universidades, etc. Em seu sentido ampliado, a inovação objetiva não só a produtividade e a competitividade como também o bem-estar social e qualidade de vida da população. Podemos dizer que, de modo geral, a capacidade de inovar depende da capacidade das sociedades e das relações entre seus agentes, movimentos, organizações e instituições para: (i) empenhar-se nas escolhas que lhe são mais adequadas entre as disponíveis e as acessíveis e; (ii) aplicar os resultados de suas opções, como e onde serão mais produtivos social e economicamente.

5 5 Sistema de Inovação (interação Governo-Universidade-Empresa) As mudanças que ocorreram nas esferas da produção material e da produção do conhecimento estabeleceram estreitas relações entre esses dois processos, de forma que não se pode mais imaginar a produção material sem o aporte cada vez maior de conhecimento produzido e, por outro lado, não se pode conceber a produção e comunicação de conhecimento sem a contribuição da produção material das novas tecnologias, nem sem a relação social e econômica de demandas e necessidades sociais. É por isso que se torna cada vez mais importante a relação entre universidade-empresa, ou seja, entre sistema de produção imaterial e material. A noção de sistema de inovação responde à constatação da necessidade de ações integradas e coordenadas entre vários atores sociais visando o desenvolvimento socioeconômico. Hoje, destaca-se como condição indispensável ao desenvolvimento a interação entre três grandes grupos de atores: (i) instituições governamentais (incluindo os poderes Executivo, Legislativo e Judiciário em seus três níveis federal, estadual e municipal); (ii) setor empresarial (incluindo organizações, associações e entidades ligadas a este setor) e; (iii) instituições de pesquisa (públicas e privadas). Este modelo de interação ficou conhecido como triple helix e foi amplamente divulgado por Etzkowitz e Leydesdorff 3. Já a noção de ambiente procura dar conta do conjunto de condições (limites, obstáculos, possibilidades, estímulos) da inovação numa determinada formação social circunscrita no tempo e no espaço. Nesse sentido, falar de um ambiente de inovação significa dar conta dos fatores sociais da capacidade de inovação, ou seja, do conjunto de fatores políticos, econômicos, sociais, culturais e ambientais que estimulam ou dificultam a inovação. No contexto contemporâneo, a modernização do sistema produtivo pressupõe a democratização do conhecimento e das decisões, ou seja, a inovação e o desenvolvimento de novas formas de produzir, aplicar e distribuir o conhecimento. De acordo com Freemam, os problemas atuais relativos ao desemprego estrutural e à desaceleração da produtividade resultam da incompatibilidade entre as novas tecnologias e sistemas sociais e organizacionais obsoletos. A partir desta constatação, podemos inferir que a coerência entre o sistema social e o sistema tecnoprodutivo só pode ser restabelecida se o primeiro se adequar às transformações operadas neste último pelo desenvolvimento científico e tecnológico. Neste sentido, podemos sem dúvida afirmar que a difusão do conhecimento torna-se mais importante que a invenção ou produção Deste modo, podemos compreender que a capacidade inovadora de uma empresa ou nação não depende pura e simplesmente de sua capacidade (econômica) de investir em novas tecnologias e sim da capacidade social, cultural e política de aplicar produtivamente e aproveitar socialmente os resultados da pesquisa científico e tecnológica. Os processos de acumulação, descentralização e democratização do conhecimento como pressupostos da inovação referem-se à ação necessária das instituições de 2 Cf. Chris Freemam. Grounds for hope: technology, progress and quality of life in Science and Public Policy. 3 Cf. Henry Etzkowitz and Loet Leydesdorff. Introducion to special issue on science policy dimensions of the Triple Helix of university-industry-government relations in Science and Public Policy.

6 6 pesquisa, do Estado e do setor produtivo. A promoção eficaz e efetiva desses processos resulta da ação conjunta das instituições e depende da cooperação entre os agentes sociais, condição indispensável da construção de sistemas de inovação. Assim, podemos dizer que os limites e potencialidades da capacidade inovadora de determinada localidade, região ou país, encontram-se na relação mais ou menos bem sucedida entre o Estado e a Sociedade Civil. As pressões atuais no sentido de diminuir os gastos e aumentar a arrecadação não impedem que o Estado assuma suas responsabilidades de assegurar infra-estrutura para o desenvolvimento de novas tecnologias; criar ambiente favorável ao desenvolvimento de micro, pequenas e médias empresas; promover políticas de educação, formação e treinamento; estimular a difusão e circulação de informação; apoiar programas e projetos de P&D; estimular e coordenar a articulação entre produção material e imaterial. Ao mesmo tempo, observamos a exigência de novas estratégias e táticas de gestão empresarial e universitária, sobretudo visando a aumentar a participação privada nos investimentos de P&D. O advento do novo paradigma tecnológico, o processo de globalização e a abertura dos mercados são fatores determinantes na definição de mudança social em curso, aumentando a exposição das empresas à competição internacional, assim como às novas tecnologias, práticas e princípios de capacitação empresarial, que passam a determinar não apenas o sucesso ou fracasso, mas a própria sobrevivência das empresas no mercado. Neste sentido, podemos afirmar que a contribuição social do empresariado torna-se uma conseqüência da lógica econômica da sobrevivência e da competição no mercado. Diante do aumento da competição, as empresas se deparam ao mesmo tempo com a necessidade e a possibilidade de aumentar sua capacidade de competição, buscando novos critérios de excelência empresarial. Neste contexto, a modernização da produção significa a busca por maior produtividade e competitividade dentro dos princípios do novo paradigma, que tem conduzido à tentativas de criar melhores condições para a absorção de tecnologia e também de novas práticas gerenciais e organizacionais cuja implementação depende, fundamentalmente, da democratização do conhecimento e da informação. No novo patamar de competitividade exigido pela economia globalizada a empresa não pode prescindir de uma interação estreita com os produtores de conhecimento para a manutenção e incremento de seu desempenho no mercado. Mas também as universidades (instituições de pesquisa) precisam se abrir para essa interação por diversas razões: (i) primeiro do ponto de vista pragmático, pois a tão desejada autonomia universitária pressupõe capacidade ampliada de captação de recursos que não poderão mais vir exclusivamente do Estado; (ii) também não se pode fugir da exigência de responsabilidade social perante o financiamento público da pesquisa, formação de recursos humanos e da necessária capacidade de legitimação do trabalho das universidades e, por fim; (iii) os desafios de resolver demandas sociais diversas e a interação com o setor produtivo (e com a sociedade civil) tendem a estimular a geração de novos conhecimentos, que estimulam transformações no setor empresarial, que por sua vez podem resultar em efeitos benéficos para o desenvolvimento econômico e social. A conquista dessa articulação tríplice (Governo-Universidade-Empresa) pode resultar em aumento da arrecadação a ser investida no melhoramento dos sistemas educacionais, base

7 7 indispensável da sociedade do conhecimento. As universidades aprenderiam a interagir com mais autonomia e diversificariam suas pesquisas e suas fontes de recursos e seus egressos também encontrariam melhores oportunidades no mercado de trabalho. As empresas, por sua vez, adquiririam maior capacitação tecnológica para competir interna e externamente. É neste sentido que podemos falar de um circulo virtuoso na cooperação universidade-empresa. De fato, podemos observar que a democratização do conhecimento não é só fator, mas também resultado da inovação e principal elo entre esta e a mudança social (MACIEL, 1999). O ambiente brasileiro Percebemos que, no mundo contemporâneo, a consolidação de relações de cooperação entre universidades e empresas tem sido considerada cada vez mais um componente fundamental para o incremento da competitividade e do desenvolvimento econômico a nível local, regional e, mesmo, nacional. Isto porque o êxito e à sobrevivência de empresas, regiões e nações num mercado cada vez mais globalizado e competitivo, depende do investimento no processo de inovação tecnológica, que torna-se progressivamente uma variável estratégica fundamental na aquisição de vantagens competitivas. O processo de inovação tecnológica pode ser caracterizado, resumidamente, por três fases: a formulação da idéia, a partir da pesquisa básica; o desenvolvimento do produto ou processo, a partir da pesquisa aplicada, da engenharia e elaboração de protótipos ou plantas-piloto e, finalmente; a produção em escala e o lançamento do produto/processo no mercado. A grosso modo, podemos localizar a universidade e a empresa nas duas pontas do processo, sendo que a universidade desempenha um papel fundamental no ciclo de P&D, enquanto as empresas são as principais responsáveis pelo lançamento de novos produtos/processos no mercado. No contexto internacional, encontramos vários exemplos de arranjos institucionais bem sucedidos que envolvem empresas, universidades e outras instituições de cunho tecnológico, como os casos clássicos da Route 128 e Silicon Valley, encontrados nos EUA. Já nos chamados países em desenvolvimento, especialmente no Brasil, os esforços governamentais para tentar reproduzir esses casos de sucesso têm esbarrado em condições institucionais adversas, entre elas citamos: o baixo investimento privado em P&D; a situação precária das instituições de ensino superior; uma certa resistência ideológica presente nestas instituições para atuar em conjunto com a iniciativa privada e, sobretudo; a inexistência de uma cultura empreendedora nas empresas e nas universidades. Por isto, é importante destacar o papel que algumas instituições tecnológicas têm desempenhado para difundir parcerias entre universidades e empresas e para consolidar o processo de inovação tecnológica. No caso brasileiro, vários estudos vêm ressaltando que a criação e a consolidação de micro e pequenas empresas contribui diretamente para o desenvolvimento socioeconômico, pois são estas pequenas unidades produtivas que geram grande parte da produção industrial e criam a maior parte dos

8 8 postos de trabalho no país. Dados do SEBRAE 4 mostram que as micro, pequenas e médias empresas constituem cerca de 98% das empresas existentes, empregam 60% da população economicamente ativa e geram 42% da renda produzida no setor industrial, contribuindo com 21% do Produto Interno Bruto PIB. As micro e pequenas empresas enfrentam várias dificuldades que impedem sua sobrevivência no mercado, o SEBRAE aponta uma taxa de mortalidade de 80% dessas empresas antes de completarem o primeiro ano de funcionamento. Entre as várias razões que ocasionam essa elevada taxa de mortalidade, o SEBRAE detectou problemas gerenciais como a principal. Outras razões, citadas pelo Sindicato da Micro e Pequena Indústria do Estado de São Paulo SIMPI, não menos importantes, são as dificuldades burocráticas, que incluem uma legislação complexa, exigente e que acarreta altos custos burocráticos, tributários, de produção e comercialização, além das dificuldades concorrenciais para os micro e pequenos empresários que atuam em mercados oligopolizados, onde grandes empresas ditam prazos e condições de pagamentos para a aquisição de produtos e fornecimento de insumos. Além disso, sabe-se que as elevadas taxas de juros sobre os empréstimos, superiores às que pagam as grandes empresas, bem como as exigências dos financiadores por garantias reais, que geralmente o micro e pequeno empresário não pode oferecer, deixam-no sem acesso ao crédito. Completa esse quadro de entraves o difícil acesso a tecnologias para a inovação em produtos e em processos de produção. Os micro e pequenos empresários, de modo geral, têm seu tempo consumido pelo trabalho cotidiano e rotineiro, enfrentam dificuldades financeiras, contam com um quadro de recursos humanos diminuto, muitas vezes recrutado na própria família, quase sempre sem especialização e capacitação para incorporar inovações à empresa. Sabemos também que a cultura empresarial brasileira revela uma tendência mais forte à dependência que à autonomia na posição de boa parte do empresariado ante o Estado (tanto local quanto nacional) devido a fatores históricos e culturais, com a persistência de modelos patrimonialistas, clientelistas e paternalistas. De maneira geral, o empresariado espera mais do Estado do que de sua própria capacidade de iniciativa e também a falta de consciência de seu papel social e de uma visão de médio e longo prazos impedem a percepção dos limites de sua própria expansão. Por isso, a preocupação com a distribuição do conhecimento e dos frutos da inovação tecnológica é rara e recente. Da mesma forma, estados e municípios também tendem a aguardar as providências e verbas do governo federal. No entanto, diante de evidências de sucessos descentralizados em outros países e dos limites de atuação do Estado Nacional, alguns municípios têm demonstrado criatividade e energia na busca de soluções próprias para os problemas locais. No Brasil, com suas dimensões territoriais e disparidades socioeconômicas regionais, a descentralização da produção nacional toma um significado e uma urgência de proporções significativas. 4 Cf. Manual para implantação de incubadoras de empresas.

9 9 Por parte do Estado, constata-se a falta de coordenação e de continuidade de políticas; dificuldade em identificar nichos de mercado promissores e prioridades de setores a serem desenvolvidos; aonde existem programas interessantes a informação não circula, a maioria dos pequenos empresários não tem conhecimento dos programas de instituições que podem lhes beneficiar e, de uma forma geral; existe uma grande distância entre o discurso e a prática no que diz respeito a relação universidade-empresa. Na Universidade, também se constata uma certa resistência a mudanças vistas por alguns como ameaça a territórios conquistados e à pureza da pesquisa básica. No confronto entre o corporativismo universitário e premências sociais e econômicas externas nascem alguns mecanismos que permitem uma relação com o mundo lá fora, mas que constituem na maioria das vezes órgãos à parte, estruturas paralelas cuja ação não repercute nas atitudes e relações internas.

10 10 Inovação tecnológica nas micro e pequenas empresas As discussões sobre a constituição de sistemas de inovação nos levam a procurar entender como se dá o processo de inovação no interior das empresas. Mas antes de debatermos a questão da inovação tecnológica nas micro e pequenas empresas (MPE s), gostaríamos de fazer uma distinção de ordem fundamental entre as empresas de base tecnológica e empresas de setores tradicionais da economia. Desta forma, procuramos definir: Empresas de Base Tecnológica - são empresas cujos produtos, processos ou serviços são gerados a partir de resultados de pesquisas aplicadas, nos quais o conhecimento representa alto valor agregado. Empresas dos Setores Tradicionais - são empresas ligadas aos setores tradicionais da economia, as quais detém tecnologia largamente difundida e podem agregar valor aos seus produtos, processos ou serviços por meio de um incremento em seu nível tecnológico. Tais empresas devem estar comprometidas com a absorção ou o desenvolvimento de novas tecnologias. Inovação e competitividade nas MPE s 5 A inovação tecnológica é uma atividade complexa e pode ser entendida como o processo capaz de tornar uma invenção rentável para a empresa. Este processo, se inicia com a concepção de uma nova idéia, passa pela solução de um problema e vai até a real utilização de um novo item de valor econômico ou social. Vários modelos têm sido propostos para esclarecer como se dá o processo de inovação tecnológica na empresa. Sabemos que diferentes modelos se aplicam para a explicação de cada inovação. Porém, o denominado modelo paralelo de inovação parece se adequar bem a maioria das situações no contexto das MPE s de setores tradicionais da economia. De acordo com o modelo paralelo de inovação, o estímulo para a deflagração de um processo de inovação na empresa pode originar-se em diferentes setores externos ou internos à organização e será concretizado com a participação destes segmentos através da combinação, da criação e da integração de elementos extraídos do estoque de conhecimentos científicos e tecnológicos existentes e do agregado de aspirações e necessidades da sociedade. 5 Cf. Isak Kruglianskas. Tornando a pequena e média empresa competitiva.

11 11 Modelo Paralelo de inovação Estado Corrente de Necessidades e Aspirações da Sociedade fl Idéias fi Pesquisa Desenvolvimento Engenharia Produção Comercialização fi Novos Produtos Estado corrente de Conhecimentos Científicos e Tecnológicos As inovações constituem, essencialmente, mudanças empreendidas e adotadas pela empresa. Quando uma empresa introduz um novo bem ou serviço, ou usa um novo método, seja em atividades de manufatura, seja em serviços ou práticas gerenciais, ou, ainda, quando utiliza outros tipos de insumos que são novos para tal empresa, está implantando uma mudança tecnológica. Mesmo que esta mudança não seja inédita em termos do conhecimento universal, mas esteja sendo adotada pela primeira vez por esta empresa, constituirá, do ponto de vista da própria empresa, uma inovação tecnológica. Portanto, sob esta perspectiva, a cópia ou a busca da imitação, na medida que implique a aquisição de novos conhecimentos e/ou habilidades por parte da empresa, não deixa de constituir-lhe uma inovação tecnológica. Tendo em vista a multiplicidade de situações abarcadas pelo conceito de inovação tecnológica, tornase conveniente diferenciar categorias distintas de inovação. Segundo Marquis (apud Kruglianskas, p. 19), de forma mais ampla, podemos ter três tipos de inovação tecnológica: Inovações complexas são inovações que resultam de processos longos e complexos, que consomem volumes altos de recursos, durante um longo período de tempo. Estas inovações decorrem de ações sistemáticas com planejamento altamente formalizado, como, por exemplo: o Programa Espacial Americano; o Programa de Combate à AIDS; o Programa de Desenvolvimento do Submarino Brasileiro etc. Inovações radicais são inovações baseadas em descobertas tecnológicas capazes de alterar a estrutura produtiva de todo um setor da economia, criando novos paradigmas. Como exemplos, pode-se citar a descoberta da máquina a vapor, do transistor, da xerografia, do laser, dos raios X e tantas outras conquistas científicas e tecnológicas que alteraram profundamente o panorama socioeconômico que prevalecia na época de sua aplicação na indústria.

12 12 Inovações incrementais são aquelas realizadas mediante pequenas mudanças, em geral no interior das empresas, e que levam à melhoria de produtos, redução de custos, diversificação na utilização dos produtos e mudanças de insumos. São inovações singelas, mas fundamentais para manter a competitividade das empresas. As inovações tecnológicas complexas e radicais podem ser descartadas como atividade de maior interesse gerencial para as PMEs de setores tradicionais. Vale ressaltar que, para as empresas de base tecnológica, as inovações radicais constituem um tema relevante, pois estas empresas, atuando em segmentos industriais emergentes, têm potencial de deflagrar processos importantes de inovação radical. A globalização e regionalização dos mercados em nível mundial tem desencadeado um processo no qual a competitividade das empresas é dependente não só de sua competitividade individual, mas também da competitividade das demais empresas que integram sua cadeia produtiva e também da denominada competitividade sistêmica (relacionada a infra-estrutura e facilidades logísticas). A competitividade requer preço e qualidade de produtos e serviços, organização eficaz da produção, rapidez de resposta aos clientes e processos tecnológicos atualizados. Na economia aberta e exposta ao mercado globalizado, as empresas de nível internacional lançam, incessantemente, novos produtos com melhor qualidade, com desempenho percebido como mais satisfatório pelo cliente e a custos cada vez menores. Inovação por meio da P&D Para se manterem tecnologicamente atualizadas, as empresas investem na busca de novos conhecimentos. A sistematização e a formalização deste processo de aquisição de novos conhecimentos, especialmente nas empresas de maior porte, dá-se por meio de pesquisa e desenvolvimento (P&D). A sigla P&D subentende um conjunto muito amplo de atividades que possuem características bastantes distintas. Dessa forma, P&D cobre uma gama variada de atividades, desde aquelas orientadas para a busca de conhecimentos com pouca aplicabilidade prática como, por exemplo, a pesquisa básica até as de caráter eminentemente pragmático, como campanhas de lançamentos de novos produtos no mercado. Alguns autores consideram que a P&D em sentido restrito só deve abranger as atividades de pesquisa básica, pesquisa aplicada e desenvolvimento experimental. A pesquisa básica tem como propósito gerar conhecimentos que permitam melhor entender a natureza que nos cerca, sem necessariamente visar a solução a curto e médio prazo de um problema específico. É, em geral, realizada nas universidades e instituições de pesquisa e envolve, em alguns casos, parceria com empresas de grande porte que são líderes em seu campo de atuação. Excepcionalmente, pode ocorrer a realização da pesquisa básica em empresas de pequeno porte, que

13 13 atuam em setores industriais emergentes (biotecnologia, novos materiais, microeletrônica, etc.), muitas vezes denominadas empresas de base tecnológica ou de alta tecnologia. A pesquisa aplicada pode ser entendida como investigação original, concebida pelo interesse em adquirir novos conhecimentos com finalidades práticas. No setor empresarial, a distinção entre pesquisa básica e aplicada será freqüentemente caracterizada pela execução de um projeto para explorar resultados promissores de um programa de pesquisa básica. O desenvolvimento experimental envolve o uso sistemático de conhecimento técnico-científico, com vistas a demostrar a viabilidade da adoção de novos materiais, produtos, equipamentos, serviços e processos. Como resultado da atividade de desenvolvimento, são construídos protótipos, produções com séries experimentais, plantas piloto e outros experimentos, que possibilitam identificar os parâmetros necessários ao dimensionamento em escala industrial e as estimativas quanto à viabilidade comercial, quanto se tratar de novos bens ou serviços. Instrumentos de apoio à inovação Existem vários instrumentos de suporte à inovação tecnológica nas empresas, que podem ser utilizados para avaliar o risco e aumentar a chances de sucesso do lançamento de um novo produto/processo no mercado. Inicialmente, podemos citar dois instrumentos de grande importância que devem ser especialmente empregados pelas MPE s: a) Estudo de Viabilidade Técnica e Econômica (EVTE) - Este estudo concentra-se nos aspectos técnicos de produção e de desenvolvimento de um novo produto ou processo e também a relação deste produto/processo com o mercado. Ele procura demonstrar ao empresário ou a um potencial agente de financiamento para o protótipo, se uma idéia proposta é viável ou não, sendo portanto uma ferramenta muito útil no auxílio à tomada de decisão. É no Estudo de Viabilidade Técnica e Econômica que os componentes críticos do produto ou processo são tecnicamente estudados e a viabilidade econômica da inovação junto ao mercado é estimada. É também através de estudos de viabilidade que são verificadas as necessidades e mesmo as adaptações que um produto ou processo precisam sofrer para que seja viabilizada sua produção em escala. b) Plano de Negócios - o plano de negócios é um instrumento de auxílio à tomada de decisão e de ordenamento lógico do negócio com o novo produto ou processo. O plano de negócios terá como principal finalidade a capacitação do empresário no sentido de orientar todo o planejamento e organização da empresa de forma a torná-la mais competitiva e apta a lidar com variáveis externas à empresa, principalmente aquelas ligadas a tecnologias. Numa seqüência, a empresa tendo verificado a viabilidade do produto com o mercado e tendo resolvido os problemas de adequação do produto aos meios de produção existentes, estaria apta a buscar no mercado financeiro recursos para viabilizar a produção em escala. Um bom plano de negócio, com fortes argumentações e com uma expectativa de bom retorno financeiro é atraente para os mais diversos investidores. O plano de negócio deve ser capaz

14 14 de auxiliar o empresário na busca de novos recursos para a alavancagem da empresa procurando, no entanto, preservar a preocupação com o melhor tipo de recurso, seja ele de empréstimo, de capital de risco ou fontes mistas com recursos reembolsáveis e não reembolsáveis. Existem também diversos instrumentos que podem dar suporte à inovação tecnológica ligada a grupos de empresas de uma mesma cadeia produtiva, setor ou setores correlatos, envolvidas em arranjos produtivos locais. Vamos citar dois instrumentos que vêm sendo amplamente difundidos e que foram introduzidos no Componente de Desenvolvimento Tecnológico do Programa de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico CDT/PADCT do Ministério da Ciência e Tecnologia em São eles: c) Plataformas Tecnológicas - são foros onde as partes interessadas da sociedade se reúnem para identificar os gargalos tecnológicos ligados à uma determinada cadeia, setor ou região e para definir as ações prioritárias para eliminá-los. Como partes interessadas da sociedade entende-se os agentes do sistema de inovação e difusão de tecnologia: usuários e produtores de conhecimento técnico-científico, empresários, investidores, agências de fomento, representantes dos governos federal, estadual e municipal e outros. O resultado esperado das plataformas é a formação de parcerias entre institutos de P&D, universidades e representantes do setor produtivo para a elaboração de projetos cooperativos que venham a contribuir para o aumento da competitividade da indústria nacional. Além de propostas de projetos cooperativos, outras ações podem resultar da prática de plataformas, como a promoção de negócios, a criação de associações específicas e/ou de mecanismos permanentes de informação, etc. d) Projetos Cooperativos - a pesquisa cooperativa se caracteriza por um projeto de pesquisa aplicada, de desenvolvimento tecnológico ou engenharia, objetivando a busca de novos conhecimentos sobre um determinado produto, sistema ou processo, ou de seus componentes. O projeto é executado de forma conjunta entre instituições tecnológicas geradoras de conhecimento e empresas usuárias do mesmo, que participam com recursos financeiros ou técnicos, custeando ou executando partes do projeto, tendo acesso as informações nele geradas. São objetivos dos projetos cooperativos: (i) otimizar os investimentos em P&D e engenharia, através do compartilhamento de recursos humanos e financeiros entre os agentes envolvidos; (ii) aumentar a confiabilidade em tecnologias a serem adotadas; (iii) reduzir incertezas de mercado e comercialização de inovações tecnológicas; (iv) Fornecer serviços técnicocientíficos para empresas, inclusive treinamento, relacionados com os objetivos do projeto; (v) desenvolver tecnologias de relevância setorial ou regional.

15 15 Transferência de tecnologia Em linhas gerais, a expressão Transferência de Tecnologia significa uma transferência formal de novas descobertas e/ou inovações resultantes de pesquisa científica administrada pelas instituições de pesquisa ou empresas para o setor industrial e comercial. Patentear e autorizar o uso das inovações é uma forma de as instituições de pesquisa transferirem tecnologia pronta. Os passos principais neste processo incluem: 1) a descoberta ou invenção; 2) proteção com patenteamento da inovação e simultânea publicação da pesquisa científica; e, por último, 3) autorização dos direitos para utilização das inovações para a indústria e para o desenvolvimento comercial. O Brasil, historicamente, consolidou sua base industrial através da importação maciça de tecnologias. As empresas que aqui se instalavam traziam seus processos de produção, sem que fosse feito qualquer esforço de nossa parte em termos de geração de novas tecnologias. Esse modelo gerou diversos problemas para o desenvolvimento nacional, especialmente no campo da geração do conhecimento. A adoção de um modelo assentado na importação de tecnologias não colocou para a comunidade científica brasileira, e também para o empresariado, o desafio do desenvolvimento tecnológico de novos produtos e processos produtivos. Na maior parte dos casos, a transferência de tecnologia ocorreu, quase que exclusivamente, através da compra de máquinas, equipamentos, manuais, treinamento de pessoal e, eventualmente, pelo pagamento de royalties. Atualmente, é fundamental que o país reveja sua posição frente à proteção e ao encaminhamento das descobertas científicas e tecnológicas ao mercado. Apesar dos avanços tecnológicos registrados nos últimos anos, o Brasil continua com um baixo número de patentes nacionais e internacionais. De acordo com dados recentes da Organização Mundial de Propriedade Intelectual OMPI, 98% das patentes de países em desenvolvimento registradas na organização são geradas por apenas seis países Coréia do Sul, China, África do Sul, Cingapura, Índia e Brasil -, sendo que o número de patentes registradas pela Coréia do Sul é dez vezes superior ao do Brasil. Enquanto no ano 2000 a coréia registrou patentes internacionais, apenas 161 patentes foram apresentadas pelo Brasil. São vários os mecanismos e instrumentos que podem ser empregados para estimular e facilitar o processo de transferência de tecnologia das universidades e centros de pesquisa para o setor produtivo. Especial ênfase tem sido dada à constituição de redes cooperativas de pesquisa envolvendo os diversos atores do circuito de interação Governo-Universidade-Empresa. As abordagens sistêmicas sobre esse processo têm ressaltado a importância da constituição e da consolidação de ambientes favoráveis a promoção da inovação tecnológica de forma interinstitucional, envolvendo arranjos de empresas, centros de pesquisa e instituições voltadas para a promoção do desenvolvimento tecnológico.

16 16 Atores do processo de geração e transferência de tecnologia Em um processo de transferência de tecnologia, algumas das seguintes entidades estão normalmente envolvidas: Empresa produtora de bens e serviços Empresa de engenharia/consultoria Empresa detentora de tecnologia Fabricantes e fornecedores de equipamentos Agente financiador do investimento e pré-investimento Universidade Instituto ou centro de P&D público ou privado Órgão de propriedade industrial Órgão gestor de incentivos Empresas seguradoras Entidade de normalização da qualidade industrial Outros O patenteamento da inovação A pesquisa e o desenvolvimento para elaboração de novos produtos (no sentido mais abrangente) requerem, na maioria das vezes, grandes investimentos. Proteger esse produto através de uma patente significa prevenir-se de que competidores copiem e vendam esse produto a um preço mais baixo, uma vez que eles não foram onerados com os custos da pesquisa e desenvolvimento do produto. A proteção conferida pela patente é, portanto, um valioso e imprescindível instrumento para que a invenção e a criação industrializável se torne um investimento rentável. Patente é um título de propriedade temporária sobre uma invenção ou modelo de utilidade, outorgados pelo Estado aos inventores ou autores ou outras pessoas físicas ou jurídicas detentoras de direitos sobre a criação. Em contrapartida, o inventor se obriga a revelar detalhadamente todo o conteúdo técnico da matéria protegida pela patente. Durante o prazo de vigência da patente, o titular tem o direito de excluir terceiros, sem sua prévia autorização, de atos relativos à matéria protegida, tais como fabricação, comercialização, importação, uso, venda, etc.. Em outros países, há duas formas de realizar o depósito do pedido de patente: diretamente no país onde se deseja obter a proteção ou através do PCT (Tratado de Cooperação de Patentes) para as invenções e modelos de utilidade.

17 17 Na primeira opção é necessário conhecer a legislação de cada país, sendo que a maioria dos países exige que o pedido seja apresentado por um procurador ou agente de propriedade industrial no país, junto ao órgão responsável pela concessão de patentes do país onde se deseja proteger a invenção. Na segunda opção, através do PCT, o interessado poderá fazer o depósito inicial do pedido no INPI, já designando os países que escolheu para solicitar sua patente. Uma vez realizado o depósito, os critérios para concessão e as obrigações do depositante ou titular seguirão as leis dos países escolhidos. Algumas formas de transferência de tecnologia a) Compra e absorção de tecnologia A forma mais comum e imediata de se obter uma tecnologia é a compra direta no país ou no exterior de uma empresa ou instituição que a detenha. Não é necessariamente a mais simples, pois essa opção também envolve todo um processo de avaliação e negociação para que sejam definidas a adequabilidade, viabilidade, condições de transferência, preços e prazos, bem como acertadas as bases segundo as quais será procedida a absorção pela empresa adquirente. Vale reforçar que a absorção de uma tecnologia comprada só ocorre efetivamente quando a receptora possui equipe técnica competente para tal. A fase de negociação é crucial e muitas vezes determina o sucesso ou o fracasso da transferência ou de seu uso adequado. A tecnologia pode ser adquirida de centros de pesquisa, outras empresas industriais ou de empresas de engenharia ou de desenvolvimento tecnológico. Pode ter sido patenteada ou não, caso em que, geralmente, negocia-se o know-how ou segredo de fabricação. Uma vez adquirida, a tecnologia torna-se propriedade da empresa receptora, devendo o fornecedor transmitir à empresa compradora todas as informações necessárias para seu uso adequado. É de fundamental importância a negociação sobre a propriedade dos melhoramentos desenvolvidos pela compradora durante o prazo de vigência do contrato de transferência de tecnologia. É importante conhecer as fontes alternativas de tecnologia para escolher tecnicamente as melhores condições de negociação. b) Prestação de serviços técnicos e de assistência técnica e científica Estes serviços devem ser objeto de contrato firmado entre as partes, definindo direitos e deveres de ambas. O pagamento deve ser feito à medida que o serviço avança, e o valor deve estar previsto no contrato ou documento hábil que o substitua e defina as condições básicas. Somente devem ser averbados no INPI aqueles contratos que tratem exclusiva e efetivamente de transferência de tecnologia. Caso seja uma negociação com o exterior, a averbação permite a remessa oficial de divisas e a dedução fiscal, definida em normas legais específicas.

18 18 Como exemplo de serviços de assistência técnica podem-se citar engenharia básica, engenharia em detalhamento, montagem, start-up de unidades produtivas, regulagem e recuperação de equipamentos, cursos tecnológicos e técnicos e treinamento de técnicos. Diretrizes e fases para a negociação de tecnologia Prospecção Tecnológica Industrial Entende-se por prospecção tecnológica industrial a atividade sistemática pela qual são identificados produtos ou processos produtivos que assegurem vantagens competitivas a uma empresa. Este procedimento deve apresentar um abordagem sistêmica, ou seja, devem ser analisadas as mudanças nas tecnologias, no mercado, no perfil dos recursos humanos, assim como os aspectos geopolíticos e as mudanças econômicas, tecnológicas e científicas. Devem ser levados em conta também os fatores de incerteza, a estrutura legal/normativa, as interdependências setoriais e até mesmo as mudanças sociais. a) Necessidades e perspectivas da empresa O processo de prospecção deve ser continuamente monitorado para tornar possível sua utilização permanente na formulação de políticas. Nessa formulação, é importante oferecer alternativas e garantir a necessária flexibilidade, de modo a permitir mudanças no processo de desenvolvimento. Uma vez que a definição de políticas influencia o futuro, é necessário incorporar os efeitos dos impactos dessas políticas no processo de prospecção, para que seus efeitos possam ser absorvidos e falhas corrigidas. Como mecanismo de planejamento estratégico para as empresas, a prospecção tecnológica desempenha um importante papel na busca de maior competitividade, nesta fase de globalização dos mercados. b) Seleção de fontes de tecnologia A identificação de novas fontes de tecnologia, notadamente nos institutos de pesquisa e nos laboratórios universitários, representa o novo paradigma no desenvolvimento tecnológico das indústrias. A abertura do mercado nacional aos produtores estrangeiros torna a compra de tecnologia externa mais difícil, uma vez que os detentores da tecnologia podem vender seus produtos diretamente ao mercado brasileiro. O desafio agora é desenvolver produtos com alta qualidade, que obedeçam as normas internacionais e superem as chamadas barreiras não tarifárias ao comércio de bens e serviços (metrologia, calibração, certificação, etc.) c) Escolha da tecnologia Para que a empresa passe a ser mais competitiva, a escolha da tecnologia é de fundamental importância, o que torna a prospecção tecnológica indispensável ao processo de desenvolvimento industrial. A absorção e/ou adaptação de uma tecnologia certamente exige uma maior capacitação, não só do corpo técnico da empresa como também de seus operários. Os resultados serão mais efetivos, se

19 19 os técnicos participantes do processo forem capazes de aprender e reproduzir a técnica utilizada, o que implica uma formação técnica adequada e uma preocupação em manter seu quadro técnico atualizado. d) Absorção e adaptação da tecnologia A capacitação de recursos humanos para a absorção/adaptação de tecnologia de ponta guarda semelhança com a formação de pessoal para o desenvolvimento tecnológico em geral. Com uma base educacional bem orientada e estruturada, poderemos ter um contingente de pessoas capaz de adaptar, absorver ou gerar novas tecnologias, aumentando assim a competitividade das empresas nacionais. As atividades geradoras de tecnologias avançadas costumam proporcionar maior número de empregos diretos e indiretos, maior valor agregado ao produto final e aumento de divisas, pois a corrida por produtos tecnologicamente avançados é mundial. A empresa ou o país que apresentar primeiro ao mercado uma inovação tecnológica leva grande vantagem em relação aos seus competidores. Negociação e escolha do instrumento mais adequado No Brasil, todos os contratos de transferência de tecnologia estão sujeitos, por lei, à averbação pelo Instituto Nacional de Propriedade industrial - INPI. Assim, as empresas com interesse em transferir tecnologia, nacional ou estrangeira, devem submeter o pedido de averbação de contrato ao INPI em seus estados, para poder usufruir os benefícios de dedução fiscal e a possibilidade de remessa oficial de divisas para o exterior. A averbação do Contrato no INPI é condição para : Legitimar pagamentos para o exterior; Permitir, quando for o caso, a dedutibilidade fiscal para a empresa cessionária dos pagamentos contratuais efetuados; Efeitos perante terceiros. As formas e os prazos de pagamento são de acordo com a negociação contratual, devendo ser levados em conta os níveis de preços praticados nacional e internacionalmente em contratações similares, excetuando-se os contratos de Prestação de Serviços de Assistência Técnica e Científica, cujo valor é usualmente calculado a partir dos salários dos técnicos contratados. No caso de empresa com vínculo majoritário de capital, além dos níveis de mercado devem ser respeitados os limites estabelecidos na Lei nº 4131/62 e na Portaria MF nº. 436/58, conforme artigo 50 da Lei nº /91. Os contratos de transferência de tecnologia em geral são averbados por um prazo máximo de 5 (cinco) anos conforme Lei nº 4131/62, excetuando-se os que tenham por objeto, direitos de propriedade industrial. As licenças de patentes ou marcas são averbáveis pelo prazo de validade desses privilégios.

20 20 Os contratos de transferência de tecnologia se classificam da seguinte forma: a) Exploração de Patentes (EP) Contratos que objetivam o licenciamento de patente concedida ou pedido de patente depositado junto ao INPI. Esses contratos deverão indicar o número e o título da patente e/ou pedido de patente, devendo respeitar o disposto nos Artigos 61, 62, 63 e 121 da Lei n. 9279/96 - Lei da Propriedade Industrial. b) Uso de Marcas (UM) Contratos que objetivam o licenciamento de uso de marca registrada ou pedidos de registros depositados junto ao INPI. Esses contratos deverão indicar o número e a marca registrada ou depositada, devendo respeitar o disposto nos Artigos 139 e 140 da Lei n. 9279/96 - Lei da Propriedade Industrial. c) Fornecimento de Tecnologia (FT) Contratos que objetivam a aquisição de conhecimentos e de técnicas não amparados por direitos de propriedade industrial, destinados à produção de bens industriais e serviços. d) Prestação de Serviços de Assistência Técnica e Científica (SAT) Contratos que estipulam as condições de obtenção de técnicas, métodos de planejamento e programação, bem como pesquisas, estudos e projetos destinados à execução ou prestação de serviços especializados. Nestes contratos será exigida a explicitação do custo de homem/hora detalhado por tipo de técnico, o prazo previsto para a realização do serviço ou a evidenciação de que o mesmo já fora realizado e o valor total da prestação do serviço, ainda que estimado. e) Franquia (FRA) Contratos que destinam-se à concessão temporária de direitos que envolvam, uso de marcas, prestação de serviços de assistência técnica, combinadamente ou não, com qualquer outra modalidade de transferência de tecnologia necessária à consecução de seu objetivo. Aquisição de Tecnologia Externa Em síntese, o ciclo de análise e aprovação de um contrato de transferência de tecnologia no Brasil deve obedecer a três etapas: a) Instituto Nacional de Propriedade Industrial INPI Analisa e averba contratos de transferência de tecnologia, permitindo, com isto, a exploração de patentes, a absorção de tecnologia não patenteada, com a possibilidade de remessa de divisas para o exterior, e a dedução fiscal, nos limites da legislação vigente.

Guia de incentivos fiscais à inovação tecnológica

Guia de incentivos fiscais à inovação tecnológica recursos para inovação Centro de Conhecimento recursos para inovação Guia de incentivos fiscais à inovação tecnológica Lei 11.196/05 (Lei do Bem) Estratégia Incentivos Fiscais e Recursos Educação e Cultura

Leia mais

III WORKSHOP DAS UNIDADES DO MCT E A INOVAÇÃO TECNOLÓGICA CTI/CAMPINAS

III WORKSHOP DAS UNIDADES DO MCT E A INOVAÇÃO TECNOLÓGICA CTI/CAMPINAS III WORKSHOP DAS UNIDADES DO MCT E A INOVAÇÃO TECNOLÓGICA CTI/CAMPINAS Carlos Alberto Teixeira Agosto 2010 Criação, Invenção e Inovação A criatividade existe no universo das idéias, em que os processos

Leia mais

Financiamento de Projetos para a Inovação

Financiamento de Projetos para a Inovação GESTÃO Financiamento de Projetos para a Inovação Objetivos da Aula Conhecer sobre o financiamento de projetos de pesquisa aplicada; Conhecer a dinâmica do processo de elaboração de projetos de pesquisa

Leia mais

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação CONCEITOS DE INOVAÇÃO Título da Apresentação Novo Marco Legal para Fomento à P,D&I Lei de Inovação. Nº 10.973 (02.12.04) Apresenta um conjunto de medidas de incentivos à inovação científica e tecnológica,

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br C1 Introdução Este guia traz noções essenciais sobre inovação e foi baseado no Manual de Oslo, editado pela Organização para a Cooperação

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX

POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX Março de 2009 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...4 1.1 Objetivos...4 1.2 Público alvo deste documento...4 2 GLOSSÁRIO...5 3 POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX...7 3.1 Em relação aos ambientes

Leia mais

Incentivos Fiscais para P,D&I Lei 11.196/2005 (Lei do Bem)

Incentivos Fiscais para P,D&I Lei 11.196/2005 (Lei do Bem) Incentivos Fiscais para P,D&I Lei 11.196/2005 (Lei do Bem) Características Básicas dos Incentivos Fiscais: Atende empresas que operam em regime de lucro real e que realizam atividades de P&D; Introduziu

Leia mais

ATOS DO PODER EXECUTIVO DECRETO N.º 5.798, DE 7 DE JUNHO DE 2006

ATOS DO PODER EXECUTIVO DECRETO N.º 5.798, DE 7 DE JUNHO DE 2006 ATOS DO PODER EXECUTIVO DECRETO N.º 5.798, DE 7 DE JUNHO DE 2006 Regulamenta os incentivos fiscais às atividades de pesquisa tecnológica e desenvolvimento de inovação tecnológica, de que tratam os arts.

Leia mais

Licença de Uso de Marca (UM)

Licença de Uso de Marca (UM) Licença de Uso de Marca (UM) Definição: Contratos que objetivam o licenciamento de uso de marca registrada ou pedido de registro depositado no INPI. Esses contratos deverão indicar o número do pedido ou

Leia mais

Incentivos Fiscais à Inovação Tecnológica nas empresas (previstos no Capítulo III da Lei do Bem )

Incentivos Fiscais à Inovação Tecnológica nas empresas (previstos no Capítulo III da Lei do Bem ) 1. Nome do Programa/Atividade/Ação fomentado: Incentivos Fiscais à Inovação Tecnológica nas empresas (previstos no Capítulo III da Lei do Bem ) 2. O que é? A Lei n.º 11.196, de 21 de novembro de 2005,

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

CAPÍTULO II DO ESTÍMULO À CONSTRUÇÃO DE AMBIENTES ESPECIALIZADOS E COOPERATIVOS DE INOVAÇÃO

CAPÍTULO II DO ESTÍMULO À CONSTRUÇÃO DE AMBIENTES ESPECIALIZADOS E COOPERATIVOS DE INOVAÇÃO LEI Nº 3095, de 17 de Novembro de 2006 DISPÕE sobre incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo no âmbito do Estado do Amazonas, e dá outras providências O GOVERNADOR

Leia mais

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE AUMENTAR O INVESTIMENTO PRIVADO EM P&D ------------------------------------------------------- 3 1. O QUE É A PDP? ----------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

A importância do crédito para as pequenas e médias empresas. Condicionantes da oferta de crédito

A importância do crédito para as pequenas e médias empresas. Condicionantes da oferta de crédito A importância do crédito para as pequenas e médias empresas Condicionantes da oferta de crédito Distribuição de empresas por porte MICRO PEQUENA MÉDIA GRANDE 0,4% 0,7% 6,2% Micro e Pequenas empresas 98,9%

Leia mais

Diretrizes para a Construção de uma Política Tecnológica com Foco na Inovação 1

Diretrizes para a Construção de uma Política Tecnológica com Foco na Inovação 1 Diretrizes para a Construção de uma Política Tecnológica com Foco na Inovação 1 No mundo atual, um dos campos prioritários de intervenção do Estado está sendo a promoção do desenvolvimento tecnológico,

Leia mais

GESTÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE TECNOLOGIA INPI/DIRTEC/CGTEC

GESTÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE TECNOLOGIA INPI/DIRTEC/CGTEC GESTÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE TECNOLOGIA INPI/DIRTEC/CGTEC 1 INTRODUÇÃO APRESENTAÇÃO Contexto do módulo Gestão e Comercialização de Tecnologia Serviços de apoio da DIRTEC/CGTEC Perspectivas de análise da

Leia mais

Cooperação Técnica para Modernização dos Serviços Relativos à Propriedade Industrial

Cooperação Técnica para Modernização dos Serviços Relativos à Propriedade Industrial Programa 0393 PROPRIEDADE INTELECTUAL Objetivo Garantir a propriedade intelectual e promover a disseminação de informações, visando estimular e diversificar a produção e o surgimento de novas tecnologias.

Leia mais

A RELAÇÃO UNIVERSIDADE-EMPRESA NA UFS: UMA INVESTIGAÇÃO A PARTIR DO DIRETÓRIO DOS GRUPOS DE PESQUISA DO CNPQ

A RELAÇÃO UNIVERSIDADE-EMPRESA NA UFS: UMA INVESTIGAÇÃO A PARTIR DO DIRETÓRIO DOS GRUPOS DE PESQUISA DO CNPQ XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. A RELAÇÃO UNIVERSIDADE-EMPRESA NA UFS: UMA INVESTIGAÇÃO A PARTIR DO DIRETÓRIO DOS GRUPOS DE PESQUISA DO CNPQ Felipe Andrade Martins (UFS) felipe.amartins@yahoo.com.br

Leia mais

Tributação e Incentivos à Inovação

Tributação e Incentivos à Inovação VIII Seminário do Setor de Saúde - BRITCHAM Tributação e Incentivos à Inovação São Paulo/SP, 17 de junho de 2009 Inovação Tecnológica no Brasil 30% das empresas industriais realizam algum tipo de inovação

Leia mais

VII Encontro de Propriedade Intelectual e Comercialização de Tecnologia. Angela Uller

VII Encontro de Propriedade Intelectual e Comercialização de Tecnologia. Angela Uller VII Encontro de Propriedade Intelectual e Comercialização de Tecnologia Angela Uller P&D Invenção Saber C&T Descoberta Conhecimento Um dos maiores problemas para se tratar da Inovação, seja para o estabelecimento

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia Sessão Plenária 5: Programas Nacionais de Estímulo e Apoio às Incubadoras de Empresas e Parques Tecnológicos Ana Lúcia Vitale Torkomian Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério

Leia mais

Tutorial: Lei da Informática (Leis 8.248, 10.176 e 11.077)

Tutorial: Lei da Informática (Leis 8.248, 10.176 e 11.077) Tutorial: Lei da Informática (Leis 8.248, 10.176 e 11.077) Sobre a autora Eng. Adelice Leite de Godoy Obteve sua graduação em Engenharia Química pela Unicamp em 1992, completando sua formação com o Curso

Leia mais

PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO

PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO 1 Paulo Bastos Tigre Professor titular Instituto de Economia da UFRJ Seminário Implementando uma cultura de inovação em P&D. São Paulo, 8 julho 2010 PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO Conceitos de inovação

Leia mais

Disciplina: Recursos e Tecnologia Prof.: Sidney

Disciplina: Recursos e Tecnologia Prof.: Sidney Disciplina: Recursos e Tecnologia Prof.: Sidney 1 A inovação pode ocorrer em diferentes modalidades: A introdução de novos produtos ou de melhorias substanciais em produtos existentes na produção de bens

Leia mais

POLÍTICA DE PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA ELETROSUL

POLÍTICA DE PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA ELETROSUL POLÍTICA DE PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA ELETROSUL Departamento de Planejamento, Pesquisa e Desenvolvimento - DPD Diretoria de Engenharia 1 ÍNDICE 1 PÚBLICO ALVO... 3 2 FINALIDADE...3 3 FUNDAMENTOS...

Leia mais

Tecnologia e Inovação

Tecnologia e Inovação Painel 1 Tecnologia e Inovação Tadeu Pissinati Sant Anna Rio de Janeiro, 24 de agosto de 2010 Sumário I. Conceitos de Tecnologia e Inovação II. A inovação tecnológica no Brasil I. Conceitos 1) Tecnologia

Leia mais

VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013

VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013 Comentários de Peter Hansen sobre interação Universidade- Empresa no Brasil e Experiências Práticas. VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013 Apresentação Prof. Peter

Leia mais

SOCIEDADE, TECNOLOGIA & INOVAÇÃO

SOCIEDADE, TECNOLOGIA & INOVAÇÃO SOCIEDADE, TECNOLOGIA & INOVAÇÃO CARGA: 02 H/A POR SEMANA TOTAL.: 40 H/A NO SEMESTRE Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Endereço disciplina: http://stinovacao.blogspot.com.br/ 1 TECNOLOGIA & INOVAÇÃO Aula 08...

Leia mais

Prioridades e Recomendações (2011-2014) INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA

Prioridades e Recomendações (2011-2014) INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA Prioridades e Recomendações (2011-2014) INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA Documento de Trabalho SESSÃO TEMÁTICA INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA Indicador de importância das prioridades (Resultado

Leia mais

Me. GIOVANA F. PUJOL giopujol@windowslive.com

Me. GIOVANA F. PUJOL giopujol@windowslive.com Me. GIOVANA F. PUJOL giopujol@windowslive.com BRASIL - TERRITÓRIO, POPULAÇÃO E ECONOMIA: COMBINAÇÃO VITORIOSA Indonésia Área População > 4 milhões km 2 > 100 milhões Nigéria Canadá Rússia EUA Brasil China

Leia mais

A Mobilização Empresarial pela Inovação: 25/05/2011

A Mobilização Empresarial pela Inovação: 25/05/2011 A Mobilização Empresarial pela Inovação: Desafios da Inovação no Brasil Rafael Lucchesi Rafael Lucchesi 25/05/2011 CNI e vários líderes empresariais fizeram um balanço crítico da agenda empresarial em

Leia mais

INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO

INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO Prof. Nicolau Afonso Barth, Dr. Universidade Tecnológica Federal do Paraná Assessoria de Projetos Cooperados / Assessoria de Assuntos Estudantis ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO: Lei

Leia mais

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS Fábio Luiz Papaiz Gonçalves Faculdade de Administração CEA Centro de Economia e Administração fabiopapaiz@gmail.com

Leia mais

Resolução nº 02-07 CONSUNI

Resolução nº 02-07 CONSUNI Resolução nº 02-07 CONSUNI O Conselho Universitário da Universidade de Caxias do Sul UCS, no uso das suas atribuições estatutárias e regimentais, e considerando a Portaria n. º 170, de 15 de maio de 1998,

Leia mais

do Bem e outras considerações

do Bem e outras considerações Politicas públicas de fomento a inovação: Lei do Bem e outras considerações 8 de setembro de 2014 Legislação Lei do Bem (Lei No. 11.196/2005) Decreto No. 5.798/2006 Lei No. 11.487/2007 (Dec. No. 6.260/2007)

Leia mais

Apoiamos grandes empresas a otimizar os investimentos em P,D&I e reduzir os riscos de inovar

Apoiamos grandes empresas a otimizar os investimentos em P,D&I e reduzir os riscos de inovar Apoiamos grandes empresas a otimizar os investimentos em P,D&I e reduzir os riscos de inovar Com quase 10 anos de atuação no Brasil, é uma das empresas pioneiras especializadas em mecanismos financeiros

Leia mais

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP OUTUBRO, 2002 ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP - APU INTRODUÇÃO A Associação

Leia mais

UNESCO - PROJETO 914BRA1123 CNE/MEC DOCUMENTO TÉCNICO B. Apresentado em atendimento às exigências estabelecidas no EDITAL CNE No 05/2008

UNESCO - PROJETO 914BRA1123 CNE/MEC DOCUMENTO TÉCNICO B. Apresentado em atendimento às exigências estabelecidas no EDITAL CNE No 05/2008 Ministério da Educação - MEC Conselho Nacional de Educação - CNE Câmara de Educação Superior - CES UNESCO - PROJETO 9BRA CNE/MEC DOCUMENTO TÉCNICO B Apresentado em atendimento às exigências estabelecidas

Leia mais

EXPANSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPTANDO DESAFIOS

EXPANSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPTANDO DESAFIOS EXPANSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPTANDO DESAFIOS Maria da Graça Ramos GEUIpesq/UFPel Resumo: No presente texto procura-se estabelecer as relações fundamentais entre a produção da ciência com a

Leia mais

SERVIÇOS E MEDIDAS UTILIZADOS PELO SEBRAE PARA A PROMOÇÃO DA INOVAÇÃO E DA CRIATIVIDADE NO AMBIENTE DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO BRASIL

SERVIÇOS E MEDIDAS UTILIZADOS PELO SEBRAE PARA A PROMOÇÃO DA INOVAÇÃO E DA CRIATIVIDADE NO AMBIENTE DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO BRASIL SERVIÇOS E MEDIDAS UTILIZADOS PELO SEBRAE PARA A PROMOÇÃO DA INOVAÇÃO E DA CRIATIVIDADE NO AMBIENTE DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO BRASIL Paulo Íris Ferreira SEMINÁRIO SOBRE PROPRIEDADE INDUSTRIAL E PEQUENAS

Leia mais

COMO TORNAR-SE UM FRANQUEADOR

COMO TORNAR-SE UM FRANQUEADOR COMO TORNAR-SE UM FRANQUEADOR O que é Franquia? Objetivo Esclarecer dúvidas, opiniões e conceitos existentes no mercado sobre o sistema de franquias. Público-Alvo Empresários de pequeno, médio e grande

Leia mais

Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso?

Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? i n o v a ç ã o 8 Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? Carla Conti de Freitas Yara Fonseca de Oliveira e Silva Julia Paranhos Lia Hasenclever Renata

Leia mais

DECRETO N 38.722 DE 29 DE DEZEMBRO DE 2005.

DECRETO N 38.722 DE 29 DE DEZEMBRO DE 2005. DECRETO N 38.722 DE 29 DE DEZEMBRO DE 2005. DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DO PROGRAMA DE FOMENTO AO DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO RIOTECNOLOGIA E REVOGA O DECRETO Nº 31.079, DE

Leia mais

O BNDES E A INOVAÇÃO

O BNDES E A INOVAÇÃO O BNDES E A INOVAÇÃO LUCIANO COUTINHO PRESIDENTE DO BNDES FÓRUM NACIONAL - INAE 17 de Maio de 2007 1 Onde Estamos A indústria de transformação precisa voltar a funcionar como motor propulsor da economia

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR +

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + Ponta Delgada, 28 de Abril de 2014 Intervenção do Presidente do Governo Regional

Leia mais

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL Com o advento da nova Constituição em 1988 e a promulgação e da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional em fins de 1996, novas perspectivas foram colocadas

Leia mais

Módulo 2: Introdução à Propriedade Intelectual

Módulo 2: Introdução à Propriedade Intelectual Nota: O estudo deste módulo requer cerca de 02 horas. Módulo 2: Introdução à Propriedade Intelectual O que é Propriedade Intelectual? Você provavelmente sabe a resposta desta questão. Sabemos que o inventor

Leia mais

2013 Inventta Todos os direitos reservados.

2013 Inventta Todos os direitos reservados. Agenda Quem Somos Gerindo a Inovação nas Empresas Estímulos Governamentais à Inovação Resultados da pesquisa FDC/Inventta Conclusões O GRUPO A Inventta é uma consultoria especializada em gestão da inovação,

Leia mais

Identificação do questionário. 02 - Data da coleta: / / Identificação da empresa. Informações adicionais. 04 - E-mail do entrevistado:

Identificação do questionário. 02 - Data da coleta: / / Identificação da empresa. Informações adicionais. 04 - E-mail do entrevistado: IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Diretoria de Pesquisas Coordenação de Indústria PESQUISA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA 005 PROPÓSITO DA PESQUISA - As informações fornecidas por sua empresa

Leia mais

PLANO DIRETOR 2014 2019

PLANO DIRETOR 2014 2019 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL EMBRAPII PLANO DIRETOR 2014 2019 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 4 2. MISSÃO... 8 3. VISÃO... 8 4. VALORES... 8 5. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 8 6. DIFERENCIAIS

Leia mais

XIV ENCONTRO DA REDE MINEIRA DE PROPRIEDADE INTELECTUAL CONTRATOS DE TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA MELLINA MAMEDE

XIV ENCONTRO DA REDE MINEIRA DE PROPRIEDADE INTELECTUAL CONTRATOS DE TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA MELLINA MAMEDE XIV ENCONTRO DA REDE MINEIRA DE PROPRIEDADE INTELECTUAL CONTRATOS DE TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA MELLINA MAMEDE O que são Contratos de Transferência de Tecnologia? CONTRATOS DE TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA

Leia mais

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 1º SEMESTRE 7ECO003 ECONOMIA DE EMPRESAS I Organização econômica e problemas econômicos. Demanda, oferta e elasticidade. Teoria do consumidor. Teoria da produção e da firma, estruturas e regulamento de

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO As ações de pesquisa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas constituem um processo educativo

Leia mais

INFORMAÇÕES DO FORMULÁRIO ON-LINE

INFORMAÇÕES DO FORMULÁRIO ON-LINE Núcleo de Inovação Tecnológica REPITTec INFORMAÇÕES DO FORMULÁRIO ON-LINE Pedido Nº 5272/2005 1. INSTITUIÇÃO PROPONENTE DE VINCULO DO COORDENADOR DA PROPOSTA Instituição: UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

Políticas de Propriedade

Políticas de Propriedade Políticas de Propriedade Intelectual Rubens de Oliveira Martins SETEC/MCT Ministério da Ciência e Tecnologia Propriedade Intelectual Conceito: sistema de proteção que gera direito de propriedade ou exclusividade

Leia mais

MARINHA DO BRASIL SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIAE INOVAÇÃO DA MARINHA NORMAS PARA PROTEÇÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NA MB

MARINHA DO BRASIL SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIAE INOVAÇÃO DA MARINHA NORMAS PARA PROTEÇÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NA MB Anexo(5), da Port nº 26/2011, da SecCTM MARINHA DO BRASIL SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIAE INOVAÇÃO DA MARINHA NORMAS PARA PROTEÇÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NA MB 1 PROPÓSITO Estabelecer orientações

Leia mais

Of. 36 FOPROP Porto Alegre, 25 de agosto de 2009.

Of. 36 FOPROP Porto Alegre, 25 de agosto de 2009. Of. 36 FOPROP Porto Alegre, 25 de agosto de 2009. Prezado Secretário Ronaldo Motta: Seguem as sugestões do FOPROP (Fórum dos Pró-Reitores de Pesquisa e PG das Universidades Brasileiras) com relação ao

Leia mais

DECRETO LEGISLATIVO Nº 489 DE 16 DE NOVEMBRO DE 2010

DECRETO LEGISLATIVO Nº 489 DE 16 DE NOVEMBRO DE 2010 DECRETO LEGISLATIVO Nº 489 DE 16 DE NOVEMBRO DE 2010 Autoriza o Poder Executivo Estadual adotar medidas de incentivo à inovação tecnológica no Estado de Mato Grosso do Sul e dá outras providências. O PRESIDENTE

Leia mais

A Importância da Propriedade Intelectual no Contexto do Desenvolvimento Tecnológico e Industrial

A Importância da Propriedade Intelectual no Contexto do Desenvolvimento Tecnológico e Industrial A Importância da Propriedade Intelectual no Contexto do Desenvolvimento Tecnológico e Industrial Jorge Avila INPI Presidente Florianópolis, 12 de maio de 2009 Cenário Geral Aprofundamento do processo de

Leia mais

Lei de Informática - Incentivos Fiscais para Investimentos em Tecnologia e Inovação

Lei de Informática - Incentivos Fiscais para Investimentos em Tecnologia e Inovação Lei de Informática - Incentivos Fiscais para Investimentos em Tecnologia e Inovação Prof. Dr. Elvis Fusco 2014 Prefeitura Municipal de Garça Apresentação Prof. Dr. Elvis Fusco Centro Universitário Eurípides

Leia mais

INT VIDEO INSTITUCIONAL

INT VIDEO INSTITUCIONAL INT VIDEO INSTITUCIONAL Carlos Alberto Teixeira 16 de Fevereiro de 2011 Investimentos e Incentivos Fiscais - Projetos de Inovação em Ciência e Tecnologia Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos A formação em Farmácia Seminário do BNDES 7 de maio de 2003 Por que RH para Fármacos e Medicamentos? Fármacos e Medicamentos como campo estratégico

Leia mais

Avaliação das Políticas de. Incentivo à P&D e. Inovação Tecnológica no Brasil. João Alberto De Negri * Mauro Borges Lemos **

Avaliação das Políticas de. Incentivo à P&D e. Inovação Tecnológica no Brasil. João Alberto De Negri * Mauro Borges Lemos ** Avaliação das Políticas de Incentivo à P&D e Inovação Tecnológica no Brasil João Alberto De Negri * Mauro Borges Lemos ** NOTA TÉCNICA IPEA Avaliação das Políticas de Incentivo à P&D e Inovação Tecnológica

Leia mais

Agência USP de Inovação A visão da Universidade sobre a importância da parceria com o setor empresarial

Agência USP de Inovação A visão da Universidade sobre a importância da parceria com o setor empresarial Agência USP de Inovação A visão da Universidade sobre a importância da parceria com o setor empresarial Prof. Dr. Vanderlei Salvador Bagnato Coordenador Missão Promover a utilização do conhecimento científico,

Leia mais

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012 Programa 2047 - Micro e Pequenas Empresas Número de Ações 10 Tipo: Operações Especiais 0473 - Honra de Aval decorrente de Garantia do Risco das Operações de Financiamento a Micro, Pequenas e Médias Empresas

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 Conteúdo 1. O Sistema SEBRAE; 2. Brasil Caracterização da MPE; 3. MPE

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS PARA. Márlon Alberto Bentlin Santa Cruz do Sul RS 04 de agosto de 2014

CAPTAÇÃO DE RECURSOS PARA. Márlon Alberto Bentlin Santa Cruz do Sul RS 04 de agosto de 2014 CAPTAÇÃO DE RECURSOS PARA INVESTIMENTOS EMPRESARIAIS Márlon Alberto Bentlin Santa Cruz do Sul RS 04 de agosto de 2014 Márlon Alberto Be INVESTIMENTO NA ATIVIDADE EMPRESARIAL? Márlon Alberto Be INVESTIMENTO

Leia mais

VI Conferência Anpei: Inovação como Estratégia Competitiva

VI Conferência Anpei: Inovação como Estratégia Competitiva REVISTA DO BNDES, RIO DE JANEIRO, V. 13, N. 26, P. 303-308, DEZ. 2006 VI Conferência Anpei: Inovação como Estratégia Competitiva Data: 5 a 7 de junho de 2006 Local: Rio de Janeiro (RJ) Representante do

Leia mais

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br Pequenos Negócios no Brasil Pequenos Negócios no Brasil Clique no título para acessar o conteúdo, ou navegue pela apresentação completa Categorias de pequenos negócios no Brasil Micro e pequenas empresas

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA CAPÍTULO I DA FINALIDADE E DOS OBJETIVOS Art. 1 - O presente regulamento tem por finalidade regulamentar as atividades do Núcleo de Inovação Tecnológica (NIT)

Leia mais

A contratação de serviços técnicos do exterior e a necessidade de registro pelo INPI

A contratação de serviços técnicos do exterior e a necessidade de registro pelo INPI A contratação de serviços técnicos do exterior e a necessidade de registro pelo INPI 24 de outubro de 2013 Marina Inês Fuzita Karakanian marina@dannemann.com.br SERVIÇOS TÉCNICOS Legislação/Histórico Lei

Leia mais

PORTARIA Nº 3064, de 5 de novembro de 1998

PORTARIA Nº 3064, de 5 de novembro de 1998 PORTARIA Nº 3064, de 5 de novembro de 1998 A REITORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL, no uso de suas atribuições e tendo em vista o que consta no Programa Tecnológico, que integra o Plano

Leia mais

Título da Apresentação

Título da Apresentação Título da Apresentação FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil 1º Workshop Platec E&P Onshore Sondeas de Perfuração Onshore Equipamentos

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012.

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. Dispõe sobre concessão de incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no âmbito do Estado do Rio Grande do Norte.

Leia mais

Curso de MBA. Especialização em GESTÃO SUSTENTÁVEL DO AGRONEGÓCIO (COM ÊNFASE NO NOVO CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO)

Curso de MBA. Especialização em GESTÃO SUSTENTÁVEL DO AGRONEGÓCIO (COM ÊNFASE NO NOVO CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO) Curso de MBA Especialização em GESTÃO SUSTENTÁVEL DO AGRONEGÓCIO (COM ÊNFASE NO NOVO CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO) 1 2 SUMÁRIO 4. FORMATO. 5. CONCEPÇÃO. 7. OBJETIVO. 7. PÚBLICO ALVO. 8. DIFERENCIAIS INOVADORES

Leia mais

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012 Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios Curitiba, 20 de novembro de 2012 PBM: Dimensões Dimensão Estruturante: diretrizes setoriais

Leia mais

O entendimento e os benefícios de aplicação da Lei Federal de Inovação Tecnol. Florianópolis

O entendimento e os benefícios de aplicação da Lei Federal de Inovação Tecnol. Florianópolis O entendimento e os benefícios de aplicação da Lei Federal de Inovação Tecnol ológica Florianópolis polis,, 02 de abril de 2008. 1 CRONOLOGIA OS TRABALHOS: 1. Indicativos do quadro brasileiro de inovação;

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa LEI Nº 13.196, DE 13 DE JULHO DE 2009. (publicada no DOE nº 132, de 14 de julho de 2009) Estabelece medidas de incentivo

Leia mais

1. Introdução: 2. Desafios da automação no Brasil

1. Introdução: 2. Desafios da automação no Brasil A automação no processo produtivo: desafios e perspectivas Bruciapaglia, A. H., Farines, J.-M.; e Cury, J. E. R. Departamento de Automação e Sistemas Universidade Federal de Santa Catarina 1. Introdução:

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO E A SISTEMATIZAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO

A ORGANIZAÇÃO E A SISTEMATIZAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO A ORGANIZAÇÃO E A SISTEMATIZAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO 1. A Pesquisa e a pós-graduação A pesquisa sistematizada na PUCPR proporcionou uma sinergia significativa com as atividades de ensino. Um resultado inicial

Leia mais

Propriedade Intelectual e Lei de Inovação questão jurídica ou gerencial? Rodolfo Politano Núcleo de Inovação Tecnológica IPEN

Propriedade Intelectual e Lei de Inovação questão jurídica ou gerencial? Rodolfo Politano Núcleo de Inovação Tecnológica IPEN Propriedade Intelectual e Lei de Inovação questão jurídica ou gerencial? Rodolfo Politano Núcleo de Inovação Tecnológica IPEN AGENDA Lei de Inovação e demais legislação. Propriedade Intelectual na Lei

Leia mais

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos Os Desafios da Fileira da Construção As Oportunidades nos Mercados Externos Agradeço o convite que me foi dirigido para participar neste Seminário e felicito a AIP pela iniciativa e pelo tema escolhido.

Leia mais

ÍNDICE QUEM SOMOS & O QUE PROPOMOS; CAPTAÇÃO DE FINANCIAMENTO : 1.FINEP; 2.BNDES; 3.AGE-RIO; 4.DESENVOLVE SP; 5.BNB;

ÍNDICE QUEM SOMOS & O QUE PROPOMOS; CAPTAÇÃO DE FINANCIAMENTO : 1.FINEP; 2.BNDES; 3.AGE-RIO; 4.DESENVOLVE SP; 5.BNB; ÍNDICE QUEM SOMOS & O QUE PROPOMOS; CAPTAÇÃO DE FINANCIAMENTO : 1.FINEP; 2.BNDES; 3.AGE-RIO; 4.DESENVOLVE SP; 5.BNB; 2 QUEM SOMOS & O QUE PROPOMOS Soluções conservadoras e com total segurança para nossos

Leia mais

INSTRUMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE INOVAÇÃO. I. Objetivos e Metas. Objetivo (o quê) Alcance (quanto) Prazo de realização (quando)

INSTRUMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE INOVAÇÃO. I. Objetivos e Metas. Objetivo (o quê) Alcance (quanto) Prazo de realização (quando) INSTRUMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE INOVAÇÃO I. Objetivos e Metas 1. Liste os 5 principais objetivos de inovação para o horizonte de cinco anos, identificando: Objetivo 1 Objetivo 2 Objetivo 3 Objetivo

Leia mais

O Sistema de Propriedade Intelectual no Brasil

O Sistema de Propriedade Intelectual no Brasil O Sistema de Propriedade Intelectual no Brasil Estrutura do INPI Propriedade Intelectual Sistema criado para garantir a propriedade ou exclusividade resultante da atividade intelectual nos campos industrial,

Leia mais

A Gestão do Conhecimento vai, no entanto, muito além, do investimento em tecnologia ou o gerenciamento da inovação.

A Gestão do Conhecimento vai, no entanto, muito além, do investimento em tecnologia ou o gerenciamento da inovação. Aponta a Gestão do Conhecimento como uma estratégia central para desenvolver a competitividade de empresas e países, discute o investimento em pesquisa e desenvolvimento, e os avanços da tecnologia gerencial

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSU 018/2014

RESOLUÇÃO CONSU 018/2014 RESOLUÇÃO CONSU 018/2014 Estabelece as diretrizes da Política Institucional de Propriedade Intelectual, Transferência de Tecnologia e Inovação da UEFS e dá outras providências. O Reitor da Universidade

Leia mais

Inovar para competir. Competir para crescer.

Inovar para competir. Competir para crescer. Inovar para competir. Competir para crescer. Plano 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Plano 2011/2014 sumário Plano Brasil Maior...7 Dimensões do Plano...8 Dimensão Estruturante...11

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

BRDE INOVA. Joaçaba, 12 de maio de 2014. Apresentador: Paulo César Antoniollo

BRDE INOVA. Joaçaba, 12 de maio de 2014. Apresentador: Paulo César Antoniollo BRDE INOVA Joaçaba, 12 de maio de 2014 Apresentador: Paulo César Antoniollo Contextualização Primeiro Agente Financeiro do País credenciado junto ao BNDES Primeiro Agente Financeiro do País credenciado

Leia mais

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Dispõe sobre o Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico FNDCT, e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º O Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

Gestão. Curso Superior de Tecnologia em Gestão da Qualidade. Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos

Gestão. Curso Superior de Tecnologia em Gestão da Qualidade. Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos da Qualidade Gestão O tecnólogo em Gestão da Qualidade é o profissional que desenvolve avaliação sistemática dos procedimentos, práticas e rotinas internas e externas de uma entidade, conhecendo e aplicando

Leia mais

Kit Metodológico PARA A INOVAÇÃO EMPRESARIAL

Kit Metodológico PARA A INOVAÇÃO EMPRESARIAL Kit Metodológico PARA A INOVAÇÃO EMPRESARIAL APRESENTAÇÃO Este documento reúne informações sobre as principais ferramentas de gestão da inovação, com uma dupla finalidade: por um lado, servir de auxílio

Leia mais

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA Miranda Aparecida de Camargo luckcamargo@hotmail.com Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Luana Sokoloski sokoloski@outlook.com

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais

Formação do Engenheiro de Produção: Competências Acadêmicas e Profissionais

Formação do Engenheiro de Produção: Competências Acadêmicas e Profissionais Formação do Engenheiro de Produção: Competências Acadêmicas e Profissionais Propriedade Intelectual e seu impacto nos programas de pós-graduação XVI ENCEP Encontro Nacional de Coordenadores de Cursos de

Leia mais