ESCRITÓRIO FISCO-CONTÁBIL DE CONSULTORIA FINANCEIRA E TRIBUTÁRIA ÀS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS 1 RESUMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESCRITÓRIO FISCO-CONTÁBIL DE CONSULTORIA FINANCEIRA E TRIBUTÁRIA ÀS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS 1 RESUMO"

Transcrição

1 v.5, Jan. Jul ISSN ESCRITÓRIO FISCO-CONTÁBIL DE CONSULTORIA FINANCEIRA E TRIBUTÁRIA ÀS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS 1 RESUMO Geraldino Lúcio Leite de Souza 2 Janaína Estêvam Vieira 3 A sobrevivência das empresas atualmente está cada vez mais ligada a capacidade destas em se adaptarem as constantes mudanças do mundo globalizado. Não é diferente para as micros e pequenas empresas, principalmente porque esses empreendimentos dispõem de menos recursos financeiros. Muitas dessas empresas por não terem uma assessoria contábil enfrentam muitas dificuldades financeiras e gerenciais. O Escritório Fisco-Contábil de Consultoria Financeira e Tributária pretende assessorar as pequenas e médias empresas, não só nas habituais práticas fiscais e contábeis, mas também no planejamento financeiro e tributário, com o objetivo de produzir informações gerenciais ao processo decisório para pequenos empresários. Com esta ferramenta, as pequenas organizações poderão se manter competitivas e bem sucedidas no mercado. Palavras-chave: Informações gerenciais. Tomada de decisão. Sucesso empresarial. ABSTRACT The survival of businesses today are increasingly linked their ability to adapt the everchanging globalized world. There s no difference between the micro and small enterprises, mainly because these enterprises have fewer financial resources. Many of these companies don t have an accounting advice, facing many financial and managerial difficulties. The Office of Accounting Financial Consultancy and Tax intends to assist small and medium companies, not just the usual tax and accounting practices, but also in financial planning and taxation, in order to produce management information to decision-making process for small business. With this tool, small organizations can remain competitive and successful in the market. Keywords: Managerial information. Getting decision. Sucess interprise. 1 Trabalho de conclusão do curso de Pós-graduação em Administração Financeira da Faculdade de Ciências de Administração de Pernambuco FCAP, em 2011, e selecionado para Prêmio FCAP Projeto Empresarial de Sucesso Graduado em Ciências Contábeis pela Universidade Federal de Pernambuco UFPE, pós-graduado em Administração Financeira pela Faculdade de Ciências de Administração de Pernambuco FCAP. 3 Graduada em Ciências Contábeis pela Universidade Federal de Pernambuco UFPE, pós-graduada em Administração Financeira pela Faculdade de Ciências de Administração de Pernambuco FCAP. 1

2 1 INTRODUÇÃO Muito tem se discutido sobre as micros e pequenas empresas, denominadas MPEs. Estas entidades vêm ganhando representatividade no cenário econômico e social, tanto em nível nacional quanto internacional. Esta representatividade diz respeito à quantidade de empresas existentes, pois as MPEs representam a grande maioria das empresas brasileiras, conforme mostra o quadro a seguir: Região Quantidade Centro-Oeste Nordeste Norte Sudeste Sul Fonte: SEBRAE (2008) QUADRO 1 Número de MPEs por Região Com esse crescimento, as MPEs exercem um papel importante na geração de empregos, dando oportunidade de trabalho a grande parte dos trabalhadores da iniciativa privada. Além disso, essas empresas têm participação relevante na geração de riquezas, inclusive com o crescimento de suas exportações, contribuindo com uma parcela significativa para o Produto Interno Bruto - PIB brasileiro, desempenhando importante papel na economia do país, uma vez que colaboram para o desenvolvimento econômico e social. Por outro lado, cabe ressaltar um problema grave: o fato das altas taxas de mortalidade dessas empresas, o que compromete a grande parte da geração de riqueza e de empregos para o país. Em Pernambuco, as MPEs também apresentam bons números pelos respectivos segmentos da economia, conforme mostra o quadro a seguir: 2

3 Indicador Valor Unidade Medida Fonte Referência Número de MPE Quantidade RAIS/MTE 2008 Número de MPE - Comércio Quantidade RAIS/MTE 2008 Número de MPE - Serviço Quantidade RAIS/MTE 2008 Número de MPE - Indústria e Construção Civil Quantidade RAIS/MTE 2008 Número de Empreendimentos Rurais Quantidade IBGE 2006 Número de MPE com Empregados Quantidade RAIS/MTE 2008 Número de Empregados com Carteira Assinada Quantidade RAIS/MTE 2008 Número de Empreendimentos Informais Quantidade IBGE 2003 Número de MPE Exportadoras 117 Quantidade SECEX/MDIC 2009 Valor Exportado pelas MPE 19,19 US$ milhões SECEX/MDIC 2009 Taxa de Sobrevivência das MPE 77,3 Taxa SEBRAE 2005 Municípios com a Lei Geral Regulamentada 87 Quantidade SEBRAE 31/01/2011 Percentual de Municípios com a Lei Geral regulamentada 47,03 Percentual SEBRAE 31/01/2011 Número de MPE Optantes pelo Simples Quantidade Receita Federal do Brasil 31/01/2011 Número de Empreendedores Individuais Quantidade Receita Federal do Brasil 31/01/2011 Saldo de Empresas Registradas Quantidade DNRC/MDIC 2009 Compras Governamentais das MPE 1.150,42 R$ milhões SLTI/MPOG 2009 Percentual das Compras Governamentais das MPE 66,9 Percentual SLTI/MPOG 2009 Fonte: SEBRAE (diversos anos em análise, conforme coluna "Referência") QUADRO 2 Indicadores Pernambuco O que acontece hoje para essas empresas é um cenário cada vez mais favorável. Isto se deve a criação de novas legislações que beneficiam o desenvolvimento dessas empresas no mercado brasileiro. Em contrapartida, observa-se que muitos empresários não sabem gerir seus negócios por falta de informações gerenciais, comprometendo a sobrevivência de seus empreendimentos. Neste contexto de expansão dos negócios de médio e pequeno porte, observase a existência de potencial mercado para as empresas que prestam serviços contábeis. Pela própria característica legal da atividade, as empresas são obrigadas a apresentarem ao final de cada exercício social os relatórios econômico-financeiros pertinentes às atividades, conforme dispõe artigo da Lei de 2002, que instituiu o Código Civil de 2002: Art O empresário e a sociedade empresária são obrigados a seguir um sistema de contabilidade, mecanizado ou não, com base na escrituração uniforme de seus livros, em correspondência com a documentação respectiva, e a levantar anualmente o balanço patrimonial e o de resultado econômico. Poucos são os escritórios que vão mais além, principalmente quando se trata de médias e pequenas empresas, abrangendo também serviços importantes para a manutenção e sobrevivência das empresas no mercado, sejam eles de cunho 3

4 financeiro, tributário e gerencial. Muitas organizações buscam formas de planejamento para se manterem competitivas no mercado. É neste sentido que o presente trabalho se apóia: criar uma empresa que forneça serviços fiscais e contábeis, abrangendo também serviços contábeis gerenciais, de planejamento financeiro e tributário, dando subsídios aos seus clientes de tomarem decisões cada vez mais coerentes com a realidade econômico-financeira da empresa e com a conjuntura econômica do mercado. O presente estudo também é relevante na medida em que proporciona aos autores a identificar o atual panorama das empresas que prestam serviços contábeis, visto a formação acadêmica de ambos ser na área das ciências sociais aplicadas, conhecida também como as empresas empresariais. 4

5 2 DESCRIÇÃO DA ATIVIDADE É importante esclarecer o conceito de serviço para facilitar a caracterização das Empresas de Serviços Contábeis - ESC. Lyra (2003, p. 21) destaca que: Serviço é um conjunto de ações e interações que, sem necessariamente assumir a forma de um bem tangível, deve satisfazer as necessidades do cliente. O cliente é visto como o elemento principal desta relação, pois são as suas necessidades que devem ser satisfeitas. Sendo os clientes os elementos principais da relação, neste trabalho representados pelas MPEs, estes portanto clientes das ESCs, devem ser atendidos de forma satisfatória, por meio da prestação de serviços de qualidade. Em função da representatividade das MPEs, observa-se a necessidade de que estas empresas se mantenham em operação, e também que ocorra a diminuição da taxa de mortalidade. Diante desse contexto, entende-se como essencial que sejam desenvolvidos estudos que contribuam para a continuidade destas empresas e a conseqüente diminuição das altas taxas de mortalidade. Ressalta-se, dessa forma, o papel das ESCs, já que, no Brasil, normalmente, estas são as responsáveis pela geração das informações contábeis e fiscais das micros e pequenas empresas. Nesse sentido, destaca-se às possíveis utilidades e à importância das empresas de serviços contábeis para as micros e pequenas empresas, sendo as ESCs elemento fundamental na gestão do negócio, buscando os melhores resultados. As ESCs têm a função de auxiliar as MPEs na confecção de declarações de tributos, solicitações de captação de recursos e avaliação dos ativos e passivos, para que estas empresas possam verificar a situação real de seu negócio e em que direção seguir, visando gerenciar de maneira eficiente e conseguir maximizar seus lucros. Com o intuito de atender às necessidades de informações para o suporte à gestão das MPEs, a empresa de serviços contábeis proposta neste trabalho prestará três grandes serviços: 5

6 Fisco-Contábil: serviços fiscais relativos às operações industriais, comerciais e de serviço das empresas (clientes) a exemplo de recolhimentos de tributos federais, estaduais e municipais. Elaboração dos relatórios contábeis e financeiros; Planejamento Financeiro: serviços relacionados às operações financeiras das empresas (clientes), tais como alternativas de investimentos de renda fixa e variável, análise da situação econômico-financeira da empresa visando maximizar os ganhos financeiros e minimizar os custos, proporcionando alavancagem financeira, e análise financeira dos relatórios gerenciais (indicadores econômico-financeiros); Planejamento Tributário: serviços de elisão fiscal através de um planejamento tributário, visando minimizar os custos e despesas tributárias com impostos, taxas e etc. Analisar alternativas de regimes tributários dispostos na legislação que viabilizem o menor custo para as empresas (clientes) coerente com momento e a realidade desta no mercado. 6

7 3 ANÁLISE EXTERNA 3.1 Geral No ambiente externo acredita-se no mercado potencial existente das pequenas e médias empresas que representam pelo menos 84% dos empreendimentos no país (Departamento Nacional de Registro do Comércio DNRC, 2010) o que revela um ambiente bastante favorável aos escritórios de contabilidade. A conjuntura econômica mostra elevada participação das MPEs no Produto Interno Bruto - PIB do país. As legislações específicas que norteiam as MPEs também favorecem a redução da informalidade e o desenvolvimento destas no mercado. No âmbito tecnológico, o desenvolvimento de novas tecnologias ajuda a identificar as reais necessidades das médias e pequenas empresas corroborando para o sucesso dessas organizações. Em contrapartida, a limitação de recursos financeiros desses clientes para investimento em tecnologia da informação dificulta o gerenciamento das informações. No que tange o aspecto sócio-cultural, a conjuntura atual de constantes fraudes no âmbito corporativo leva aos empresários a uma nova postura. Além disso, aspectos cognitivos de empreendedorismo e a percepção dos sócios em relação ao ambiente competitivo interferem diretamente na tomada de decisão das empresas. Os profissionais de contabilidade devem analisar todos esses aspectos do ambiente geral em que estão inseridos não só seus clientes (pequenos e médios empresários), como também o próprio escritório de contabilidade. 7

8 3.1.1 Econômica A economia brasileira não vive somente da participação das grandes empresas. As pequenas e as médias empresas desempenham papel importante no cenário econômico brasileiro, já que respondem por boa parte das ocupações geradas e contribuem para grande percentual do PIB brasileiro. Em 2010, as micros e pequenas empresas venderam para o governo federal R$ 15,9 bilhões em bens e serviços. O valor nominal representa cerca de 30% dos R$ 57,3 bilhões em aquisições feitas por parte da administração direta, autarquias e fundações. O resultado é R$ 1,3 bilhão maior do que os R$ 14,6 bilhões comprados pelo governo em 2009 e R$ 13,9 bilhões acima dos R$ 2 bilhões registrados em O crescimento da participação das MPEs nas compras governamentais é conseqüência da aprovação, em 2006, da Lei Geral da Micro e Pequena Empresa (Lei Complementar 123 de 2006). O capítulo V da lei cria mecanismos que possibilitam maior acesso dos pequenos negócios às compras públicas, como a exclusividade em compras de até R$ 80 mil. De acordo com o Ministério do Planejamento, em 2010, em valores corrigidos pelo IPCA do mesmo ano, os pequenos negócios participaram de 67% - R$ 2,3 bilhões das compras efetuadas até R$ 80 mil. A maior participação dos pequenos negócios nas compras públicas federais se deu via pregão eletrônico, respondendo por R$ 12,8 bilhões do total adquirido por essa modalidade. Conforme o ministério, dos R$ 7 bilhões economizados pelo poder público federal com o uso do pregão eletrônico, quase a metade, R$ 3,4 bilhões, deve-se aos micros e pequenos negócios. (SEBRAE, 2010) Barros apud Lacerda (2006, p. 42) ainda revela outras contribuições das MPEs para a economia do país: a. A significativa contribuição na geração do Produto Nacional; b. A excelência na absorção de grande contingente da mão-de-obra a baixo custo; c. A sua alta flexibilidade locacional, desempenhando importante papel na interiorização do desenvolvimento; d. A capacidade de gerar uma classe empresarial nacional, através da absorção de uma tecnologia gerencial produzida em seu próprio ambiente; 8

9 e. A possibilidade de atuação no comércio exterior, proporcionando uma salutar diversificação na pauta de exportações; f. A sua condição de ação complementar aos grandes empreendimentos. Diante do exposto observa-se a grande participação dos pequenos empreendimentos na economia e a sua devida importância, uma vez que representam fonte de renda para geração de riqueza do país. Assim, contribuem diretamente para o desenvolvimento da nação. De fato as legislações que beneficiam as atividades dessas empresas são responsáveis por esta evolução econômica. É neste contexto que os escritórios de contabilidade se enquadram, um mercado de constante evolução, responsável por grande participação do PIB do Brasil Político-legal Diante do cenário tributário brasileiro observa-se um tratamento diferenciado para as MPEs quanto ao regime de tributação. É assim que define a Constituição Federal de 1988 no artigo 179: A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios dispensarão às microempresa e às empresa de pequeno porte, assim definidas em lei, tratamento jurídico diferenciado, visando a incentivá-las pela simplificação de suas obrigações administrativas, tributárias, previdenciárias e creditícias, ou pela eliminação ou redução destas por meio de lei. Neste contexto foi instituído o Simples Nacional, Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas microempresas e empresas de pequeno porte. Esta norma geral de tributação das micros e pequenas empresas vigora desde julho de 2007, mediante a Lei Complementar n 123 de 2006, assim denominada como Lei Geral. Esta lei simplificou as contribuições federais e os impostos federais, estaduais e municipais: Imposto sobre a Renda da Pessoa Jurídica - IRPJ; Imposto sobre Produtos Industrializados IPI; Contribuição Social sobre o Lucro Líquido - CSLL; 9

10 Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social - COFINS; Contribuição para o PIS/Pasep; Contribuição para a Seguridade Social INSS (Patronal); Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e Sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação - ICMS; Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza - ISS. A Lei Geral prevê tratamento jurídico diferenciado, simplificado e favorecido para as micros e pequenas empresas. A lei também estabelece normas relativas aos incentivos fiscais, inovação tecnológica e educação empreendedora, associativismo e regras de inclusão, geração de empregos, formalização de empreendimentos, unicidade do processo de registro e legalização de empresários e de pessoas jurídicas, criação de um banco de dados com informações, orientações e instrumentos para os usuários. Em todo o país, dos municípios (50,1%) já aprovaram suas leis. Eles concentram 68,7% da população brasileira e 68,9% das empresas registradas no Simples Nacional. Mato Grosso e o Espírito Santo estão com 100% dos seus municípios com a lei regulamentada. Em Santa Catarina (97,9%), Rio de Janeiro (94,5%), Paraná (79,7%), Tocantins (74,8%) e Rio Grande do Norte (70,6%) o cenário também é promissor. (SEBRAE, 2010) Na ótica do escritório fisco-contábil de consultoria empresarial e tributária, analisando às modalidades de tributação constantes das legislações vigentes, observase que o segmento de consultoria do escritório não poderá optar pelo Simples Nacional - Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte, por expressa vedação legal emitida pela Secretaria da Receita Federal do Brasil (SRF), através do artigo 17 da Complementar n 123 de 2006, incisos XI e XIII: 10

11 Art. 17. Não poderão recolher os impostos e contribuições na forma do Simples Nacional a microempresa ou a empresa de pequeno porte: XI - que tenha por finalidade a prestação de serviços decorrentes do exercício de atividade intelectual, de natureza técnica, científica, desportiva, artística ou cultural, que constitua profissão regulamentada ou não, bem como a que preste serviços de instrutor, de corretor, de despachante ou de qualquer tipo de intermediação de negócios; XIII - que realize atividade de consultoria. Dessa forma, por configurar a prestação de serviços decorrentes do exercício de atividade intelectual, de natureza técnica, científica, desportiva, artística ou cultural, que constitua profissão regulamentada ou assemelhados, o segmento de negócio de consultoria deverá optar por um dos regimes de tributação abaixo: A) Lucro Real: É o lucro líquido do período de apuração ajustado pelas adições, exclusões ou compensações estabelecidas em nossa legislação. Este sistema é o mais complexo de todos; entretanto, dependendo de uma série de fatores a serem avaliados, o lucro real pode ser opção vantajosa para o segmento. Alíquotas: - IRPJ - 15% sobre a base de cálculo (lucro líquido). Haverá um adicional de 10% para a parcela do lucro que exceder o valor de R$ ,00, multiplicado pelo número de meses do período. O imposto poderá ser determinado trimestralmente ou com opção do Lucro estimado mensalmente e apuração anual; - CSLL - 9%, determinada nas mesmas condições do IRPJ; - PIS - 1,65% - sobre a receita bruta total, compensável; - COFINS 7,6% - sobre a receita bruta total, compensável. B) Lucro Presumido: É o lucro que se presume através da receita bruta de vendas de mercadorias e / ou prestação de serviços. Trata-se de uma forma de tributação simplificada utilizada para determinar a base de cálculo do Imposto de Renda - IRPJ e da Contribuição Social sobre o Lucro - CSLL das pessoas jurídicas que não estiverem obrigadas à apuração do lucro real. Nesse regime a apuração do imposto será feita trimestralmente. 11

12 A base de cálculo para determinação do valor presumido IRPJ e da CSLL é de 32%, sobre a receita bruta, para a atividade de escritório de consultoria. Sobre o resultado da base de calculo (Receita Bruta x 32%), aplica-se as alíquotas de: - IRPJ - 15% sobre a base de cálculo (após a aplicação do percentual sobre a receita bruta). Haverá um adicional de 10% para a parcela do lucro que exceder o valor de R$ ,00, multiplicado pelo número de meses do período. O imposto poderá ser determinado trimestralmente ou anualmente; - CSLL - 9%, determinada nas mesmas condições do IRPJ; - PIS - 0,65% - sobre a receita bruta total; - COFINS 3% - sobre a receita bruta total. Vale salientar algumas considerações: As pessoas jurídicas exclusivamente prestadoras de serviços em geral, cuja receita bruta anual seja de até R$ ,00, poderão utilizar, para determinação da base de cálculo do Imposto de Renda mensal, o percentual de 16% (dezesseis por cento). Já no caso das contribuições previdenciárias (tanto para o lucro real quanto para o lucro presumido): - INSS - Valor devido pela Empresa - 20% sobre a folha de pagamento de salários, prólabore e autônomos; - acordo com a atividade da empresa, de 1% a 3%; - Valor devido pelo Empresário e Autônomo - A empresa também deverá descontar e reter na fonte, 11% da remuneração paga devida ou creditada a qualquer título no decorrer do mês, ao autônomo e empresário (sócio ou titular), observado o limite máximo do salário de contribuição (o recolhimento do INSS será feito através da Guia de Previdência Social - GPS); 12

13 - ISS - Calculado sobre a receita de prestação de serviços, varia conforme o município onde o segmento estiver sediado. Orienta-se ao empreendedor que atente ao tópico Exigências legais especificas, que inclui as normas e regulamentos que devem ser atendidos para operacionalização dessa atividade Tecnológico Em que pese a importância das MPEs no processo de geração de emprego e na descentralização do desenvolvimento, constituindo-se numa relevante fonte de renda, sua fragilidade, caracterizada pelas suas altas taxas de mortalidade, tem sido um fator de grande preocupação para àqueles que operam no setor, sejam como empresários / empreendedores, instituições patronais, governos, instituições de apoio etc. Os impactos sócio-econômicos representados pela mortalidade das MPEs são bastante expressivos. Estudo do SEBRAE (2010), Fatores Condicionantes e Taxa de Mortalidade de Empresas no Brasil, indica que a extinção de empresas, com até quatro anos da data de sua constituição, resultaram na perda de ocupação para 2,4 milhões de pessoas. Na mesma linha, o trabalho aponta para uma perda de R$ 19,8 bilhões das inversões na atividade econômica, oriundos das empresas encerradas, com até 4 anos de constituição, considerando os anos de 2000 a Em contrapartida, o estudo do SEBRAE (2010) também destaca como um dos fatores de sucesso, segundo a logística operacional, o acesso a novas tecnologias. Nesse sentido, a questão tecnológica foi apontada por 17% dos empresários participantes da pesquisa que fundamentou o trabalho. Estes elementos ajudam a revelar a importância de se compreender melhor as micros e pequenas empresas, suas características, necessidades, dificuldades e 13

14 fragilidades, justificando os esforços consistentes e focados na questão do desenvolvimento tecnológico e na inovação Sócio-cultural Fraudes empresariais Conforme já foi explicado, muitos são os fatores responsáveis pela causa do insucesso das pequenas empresas. Somado a estes fatores, existem outros socioculturais que afetam diretamente a sobrevivência das empresas no mercado. Alguns empresários não dão importância a mecanismos essenciais de controles internos. Empresários de médio e pequeno porte vivem com a crescente ameaça de fraudes e erros presentes na realidade empresarial dos dias atuais. A principal característica das últimas décadas é velocidade das mudanças que ocorrem em todas as áreas, sejam elas econômicas, sociais, culturais, científicas, tecnológicas, institucionais e de capital humano. (DAVIS, 2006) Desta forma, esses empreendedores que administram seu próprio negócio estão sujeitos a deterioração de seu patrimônio frente a esta realidade. Segundo Davis (2006, p. 54): Ao contrário do que possa parecer, por não ter o mesmo destaque na mídia que as grandes corporações, as pequenas e médias empresas não estão imunes às fraudes. Na realidade estão mais suscetíveis a fraudes, praticadas por empregados ou por terceiros estranhos à empresa, seja na manipulação de relatórios financeiros ou no desvio de ativos. Na verdade o que ocorre nas pequenas e médias empresas é a ausência de controles internos básicos, cultuado por um alto nível de confiança dentro da organização e por isso são essas empresas são pouco auditadas. (DAVIS, 2006) 14

15 A NBC T 11 IT 03 (Fraude e Erro) disposta na Resolução CFC nº 836 de 1999, conceitua fraude como o... ato intencional de omissão ou manipulação de transações, adulteração de documentos, registros e demonstrações contábeis. Ainda caracteriza fraude por: a) manipulação, falsificação ou alteração de registros ou documentos, de modo a modificar os registros de ativos, passivos e resultados; b) apropriação indébita de ativos; c) supressão ou omissão de transações nos registros contábeis; d) registro de transações sem comprovação; e e) aplicação de práticas contábeis indevidas. Já o erro, segundo a mesma Resolução:... refere-se a ato não-intencional na elaboração de registros e demonstrações contábeis, que resulte em incorreções deles, consistente em: a) erros aritméticos na escrituração contábil ou nas demonstrações contábeis; b) aplicação incorreta das normas contábeis; e c) interpretação errada das variações patrimoniais. Davis (2006, p. 58) mostra os principais esquemas de fraudes:... roubo de dinheiro e cheques da empresa; pagamento de cheques para empregados fantasmas e por horas extras excessivas; contas de fornecedores inexistentes; aceitação de subornos de consumidores e fornecedores; desvio de dinheiro de vendas antes de serem registradas; desvio de material e emissão de reembolsos fictícios. Diante do exposto observa-se que fraudes e erros são fatores que afetam diretamente as empresas, sejam elas grandes corporações ou pequenas e médias empresas. Os empreendedores devem estar atentos a controles rígidos que inibam atividades fraudulentas. Além disso, os próprios executivos devem praticar a ética e integridade, conforme dispõe Davis (2006, p. 59) Os exemplos de integridade e ética devem vir de cima. Os executivos devem demonstrar a integridade pessoal no controle de seu negócio com clientes, fornecedores, agências reguladoras e empregados. 15

16 Os profissionais da área contábil devem estar atentos a essa realidade, pois precisam evidenciar nos relatórios econômico-financeiros a real posição patrimonial das empresas Estilo cognitivo dos empreendedores Para entender o funcionamento de pequena empresa no mercado, faz-se necessário uma análise psicológica do estilo cognitivo dos empreendedores. Kirton apud Gimenez (1998, p. 28) define estilo cognitivo como... as diferenças individuais estáveis na preferência por modos de obter, de organizar e utilizar a informação na tomada de decisões. Quando se fala em estratégia competitiva, pouco se fala em estilo cognitivo, que tem impacto direto no estilo de gestão dos administradores de uma empresa. E não é diferente nas micros e pequenas empresas. As razões que levam os dirigentes a determinadas escolhas estratégicas, feitas pelos próprios sócios no caso das pequenas empresas, ainda não são claramente entendidas. Em contrapartida, a escolha de uma direção estratégica qualquer pode ser associada à avaliação que os dirigentes fazem do seu ambiente competitivo. Entendese por estratégia um conjunto de diretrizes conscientemente deliberadas que orientam as decisões organizacionais. Muitas vezes as estratégias surgem como padrões percebidos em decisões passadas e passam ater caráter de plano para o futuro (GIMENEZ, 1998). Diante do exposto observa-se que as decisões gerenciais daqueles que comandam empresas de pequeno e médio porte estão diretamente relacionadas ao estilo cognitivo dos dirigentes e da percepção que estes tem em relação ao seu ambiente competitivo. 16

17 Portanto, o contabilista deve atentar aos fatores sócio-culturais existentes no mundo de hoje. Esses profissionais são responsáveis pelas informações de cunho econômico, financeiro ou tributário que subsidiam a tomada de decisão dos sócioempreendedores. Assim estão diretamente ligados ao sucesso do empreendimento. 17

18 4 ANÁLISE DO SETOR DA ATIVIDADE 4.1 Evolução do setor O mercado para escritório de contabilidade é crescente e carece bastante de contabilistas que agreguem valor à aplicação das técnicas e princípios contábeis no cotidiano das empresas, tanto na escrituração contábil quanto na orientação aos empresários, visando dotá-los de todas as informações necessárias para a tomada de decisão no dia-a-dia. Toda empresa precisa de um contabilista seja de que ramo ou segmento empresarial for. Mas é o ramo da consultoria que os escritórios de contabilidade deixam a desejar, pois a grande maioria só se preocupa com as obrigações fiscais, trabalhistas e societárias. Em contrapartida, o mercado para escritório exclusivamente de consultoria apresentou na última década um crescimento bastante expressivo. Esse crescimento se deu em grande parte pela pouca experiência do brasileiro em trabalhar com inovações tecnológicas avançadas e também com a necessidade de se encontrar novas formas de gerir melhor sua empresa, sem, contudo, ter que contratar profissionais com amplos conhecimentos e deixar aqueles colaboradores que estavam na empresa a anos relegados a segundo plano. No Brasil a grande abertura desse mercado ocorreu no início dos anos 90, fato que culminou com a ascensão da profissão de consultor terceirizado, tornando-se então uma boa opção para aqueles profissionais com amplos conhecimentos em determinada área, de forma a possibilitar tanto a prestação de serviço de consultoria quanto o de qualificar sua equipe interna com outras experiências profissionais. Segundo alguns autores, vivemos atualmente na Era da Competitividade. Nos dias atuais, em que a atividade econômica está cada vez mais globalizada, é necessário que as empresas e as pessoas concentrem seus esforços num foco de negócio específico que as tornem mais competitivas e com maiores chances de sucesso. A busca de parcerias, a obtenção de conhecimento e modelos de gestão mais avançados são essenciais para a sobrevivência dos negócios. Nessa ambiência de ebulição e de competitividade da economia é que a consultoria empresarial recebe uma longa faixa de atenção, prestando serviços diversos com grande abrangência em todos os setores econômicos - indústria, comércio e serviços, tanto nas empresas públicas quanto nos 18

19 estabelecimentos privados. A maioria das empresas bem sucedidas está constantemente em mudanças, oferecendo oportunidades e enfrentando ameaças. Identificar e conhecer quem são seus futuros clientes, quais são seus projetos em andamento, orçamento de investimento, áreas de interesse, suas carências e necessidades, assim como, o tempo em que estas demandas se materializarão é essencial o sucesso de seu negócio. Uma visão clara do capital intelectual da empresa e uma análise do próprio mercado em que a empresa vai atuar é essencial para sucesso no mercado de consultoria. (SEBRAE, 2010) Segundo o Sebrae (2010), existem alguns fatores gerados pelo aumento da demanda de consultoria que são: a) Busca de novos conhecimentos e de inovações para enfrentar a globalização da economia; b) Necessidade de consolidar vantagem competitiva; c) Necessidade de questionamento progressivo da realidade da empresa visando um processo de melhoria contínua e sustentada; d) Proporcionar metodologias, técnicas e processo que determinem a garantia para os executivos das empresas tomarem suas decisões com qualidade. É neste setor de evolução para os profissionais de contabilidade que o escritório em questão se apóia. É agregando a técnica contábil ao serviço de consultoria financeira e tributária que o escritório proposto pretende contribuir para o sucesso dos seus clientes, pois estes munidos de informações úteis ao processo decisório, em consonância com a conjuntura fiscal, econômica e financeira do mercado, mantêm-se cada vez mais competitivos. 4.2 Mortalidade das micros e pequenas empresas no Brasil No Brasil, as pequenas e médias empresas constituem boa parte do universo dos empreendimentos, segundo SEBRAE (2010), mais de cinco milhões e meio de entidades, dados de Apesar da alta representatividade das micros e pequenas empresas no mercado brasileiro, observa-se que também é alta a taxa de mortalidade 19

20 dessas empresas. De acordo com SEBRAE (2010), a taxa de mortalidade das pequenas empresas vem diminuindo, mas ainda é alta, conforme mostram os quadros a seguir: TAXA DE MORTALIDADE BRASIL 59,90% 56,40% 49,40% 35,90% 31,30% 22,00% NORTE 53,40% 51,60% 47,50% 27,80% 28,40% 29,90% NORDESTE 62,70% 53,40% 46,70% 38,60% 29,00% 18,90% CENTRO-OESTE 53,90% 54,60% 49,40% 37,50% 34,60% 21,60% SUDESTE 61,10% 56,70% 48,90% 39,10% 28,10% 16,10% SUL 59,90% 60,10% 52,90% 36,30% 36,60% 23,90% Fonte: SEBRAE (2008) QUADRO 3 Índice de mortalidade das MPEs Estado Taxa Alagoas 81,3 Bahia 82,4 Ceará 78,0 Maranhão 77,6 Paraíba 80,8 Pernambuco 77,3 Piaui 84,0 Rio Grande do Norte 83,5 Sergipe 85,3 Região Taxa Centro-Oeste 78,4 Nordeste 81,1 Norte 70,1 Sudeste 83,9 Sul 76,1 Fonte: SEBRAE (2005) QUADRO 4 - Taxa de sobrevivência das MPEs nos 2 primeiros anos de vida 20

Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados.

Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados. Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados. Todos nós já vivenciamos casos de empreendedores, na família ou no grupo de

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA A atividade empresarial requer a utilização de recursos financeiros, os quais são obtidos na forma de crédito e de

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 Conteúdo 1. O Sistema SEBRAE; 2. Brasil Caracterização da MPE; 3. MPE

Leia mais

Simples Nacional e o Planejamento Tributário RESUMO

Simples Nacional e o Planejamento Tributário RESUMO 1 Simples Nacional e o Planejamento Tributário Marcos A. Nazário De Oliveira marcosadinavi@gmail.com Egresso do curso de Ciências Contábeis Rafael Antônio Andrade rfaandrade@msn.com Egresso do curso de

Leia mais

MANTENEDOR E CONTADOR

MANTENEDOR E CONTADOR MANTENEDOR E CONTADOR No ano de 2000, Darci de Paula, Contador formado pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, em Ciências Contábeis e Pós graduado em MBA IFRS(Normas Internacionais de Contabilidade),

Leia mais

Legislação Básica da Micro e Pequena Empresa

Legislação Básica da Micro e Pequena Empresa Legislação Básica da Micro e Pequena Empresa A Constituição Federal e o Estatuto Os artigos 146, 170, 179 da Constituição de 1988 contêm os marcos legais que fundamentam as medidas e ações de apoio às

Leia mais

O atual contexto do ambiente econômico das MPEs

O atual contexto do ambiente econômico das MPEs O atual contexto do ambiente econômico das MPEs Brasil e Minas Gerais Belo Horizonte, outubro de 2013 1 Presidente Roberto Luciano Fortes Fagundes Superintendência Geral Gilson Elesbão de Siqueira Departamento

Leia mais

Contmatic - Escrita Fiscal

Contmatic - Escrita Fiscal Lucro Presumido: É uma forma simplificada de tributação onde os impostos são calculados com base num percentual estabelecido sobre o valor das vendas realizadas, independentemente da apuração do lucro,

Leia mais

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional O tamanho que a micro ou pequena empresa assumirá, dentro, é claro, dos limites legais de faturamento estipulados pela legislação para um ME ou EPP, dependerá do

Leia mais

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL Conheça as condições para recolhimento do Simples Nacional em valores fixos mensais Visando retirar da informalidade os trabalhadores autônomos caracterizados como pequenos

Leia mais

A RELEVÂNCIA DA EVIDENCIAÇÃO DO CRÉDITO TRIBUTÁRIO DECORRENTE DE ADIÇÕES INTERTEMPORAIS E DE PREJUÍZO FISCAL NAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

A RELEVÂNCIA DA EVIDENCIAÇÃO DO CRÉDITO TRIBUTÁRIO DECORRENTE DE ADIÇÕES INTERTEMPORAIS E DE PREJUÍZO FISCAL NAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS IDENTIFICAÇÃO DO TRABALHO TÍTULO: A RELEVÂNCIA DA EVIDENCIAÇÃO DO CRÉDITO TRIBUTÁRIO DECORRENTE DE ADIÇÕES INTERTEMPORAIS E DE PREJUÍZO FISCAL NAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS AUTOR: JOSÉ ANTONIO DE FRANÇA

Leia mais

MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil

MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil Categorias de pequenos negócios no Brasil MPE Indicadores MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI) Receita bruta anual de até R$ 60 mil MICROEMPRESA Receita bruta

Leia mais

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br Pequenos Negócios no Brasil Pequenos Negócios no Brasil Clique no título para acessar o conteúdo, ou navegue pela apresentação completa Categorias de pequenos negócios no Brasil Micro e pequenas empresas

Leia mais

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO Prof. Cássio Marques da Silva 2015 SIMPLES NACIONAL LC 123, 14 de Dezembro de 2006 Alterada pela LC 127, 14 de Agosto de 2007 Alterada pela LC 128, 19 de Dezembro de 2008 Alterada pela LC 133, 28 de Dezembro

Leia mais

XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América.

XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América. XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América. La Gestión Contable, Administrativa y Tributaria en las PYMES e Integración Europa-América 23 24 de junio 2006 Santa Cruz de la Sierra (Bolívia)

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

Empresa Júnior constitui ou não Instituição de Educação?

Empresa Júnior constitui ou não Instituição de Educação? 1 Sumário I. Introdução... 3 II. Empresa Júnior constitui ou não Instituição de Educação?... 3 III. As Imunidades Tributárias das Empresas Juniores... 4 IV. Incidência de Tributos sobre Empresas Juniores:...

Leia mais

ROBSON ZANETTI & ADVOGADOS ASSOCIADOS AS HOLDINGS COMO ESTRATÉGIA DE NEGÓCIOS, PROTEÇÃO PATRIMONIAL E SUCESSÃO FAMILIAR

ROBSON ZANETTI & ADVOGADOS ASSOCIADOS AS HOLDINGS COMO ESTRATÉGIA DE NEGÓCIOS, PROTEÇÃO PATRIMONIAL E SUCESSÃO FAMILIAR AS HOLDINGS COMO ESTRATÉGIA DE NEGÓCIOS, PROTEÇÃO PATRIMONIAL E SUCESSÃO FAMILIAR Robson Zanetti Advogados 1 1. Origem legal da holding no Brasil Lei nº. 6.404 (Lei das S/A s). No Brasil as holdings surgiram

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011 Orientações Básicas INFORMAÇÕES GERAIS PESSOA JURÍDICA 1) DCTF : (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais) ATENÇÃO! Apresentação MENSAL obrigatória pelas Pessoas

Leia mais

PLANO DA DISCIPLINA 2014. Disciplina: Orçamento e Planejamento Tributário. Carga Horária: 60 Série: 4ª Turno : Noturno

PLANO DA DISCIPLINA 2014. Disciplina: Orçamento e Planejamento Tributário. Carga Horária: 60 Série: 4ª Turno : Noturno PLANO DA DISCIPLINA 2014 Disciplina: Orçamento e Planejamento Tributário Curso : Ciências Contábeis Formação : Profissional Carga Horária: 60 Série: 4ª Turno : Noturno Professor Responsável: Carlos Otávio

Leia mais

SIMPLES NACIONAL 1. NOÇÕES GERAIS

SIMPLES NACIONAL 1. NOÇÕES GERAIS SIMPLES NACIONAL 1. NOÇÕES GERAIS SIMPLES NACIONAL 1.1. O que é O Simples Nacional é um regime tributário diferenciado, simplificado e favorecido previsto na Lei Complementar nº 123, de 2006, aplicável

Leia mais

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS ANA BEATRIZ DALRI BRIOSO¹, DAYANE GRAZIELE FANELLI¹, GRAZIELA BALDASSO¹, LAURIANE CARDOSO DA SILVA¹, JULIANO VARANDAS GROPPO². 1 Alunos do 8º semestre

Leia mais

Regime Tributário Unificado e Simplificado

Regime Tributário Unificado e Simplificado SUPER SIMPLES, uma abordagem para escolas de idiomas A partir de 1/7/07, estará em funcionamento o regime único de tributação, instituído pela Lei Complementar nº123, conhecida também como Super Simples

Leia mais

Orientações sobre Micro Empreendedor Individual

Orientações sobre Micro Empreendedor Individual Orientações sobre Micro Empreendedor Individual Micro Empreendedor individual Definição Microempreendedor Individual (MEI) é a pessoa que trabalha por conta própria e que se legaliza como pequeno empresário.

Leia mais

C O N S U L T O R I A. T r i b u t á r i a & F i n a n c e i r a. Serviços

C O N S U L T O R I A. T r i b u t á r i a & F i n a n c e i r a. Serviços C O N S U L T O R I A Consultoria Tributária Serviços Os serviços de consultoria tributária oferecidos pela GT Consultoria são extremamente abrangentes e com perfis diferenciados para cada demanda. Entre

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Sem. CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS I II III IV V VI VI I Matriz Curricular válida para os acadêmicos ingressantes

Leia mais

CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA LUCRO REAL POR ESCRITURAÇÃO

CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA LUCRO REAL POR ESCRITURAÇÃO CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA LUCRO REAL POR ESCRITURAÇÃO Prof. Emanoel Truta CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA Conceito Ramo da contabilidade responsável pelo gerenciamento dos tributos incidentes

Leia mais

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL 0405 05 IDENTIFICAÇÃO: Título: ORÇAMENTO EMPRESARIAL Atributo: ADMINISTRAÇÃO EFICIENTE Processo: PLANEJAMENTO E CONTROLE ORÇAMENTÁRIO O QUE É : É um instrumento de planejamento

Leia mais

AS COMPRAS GOVERNAMENTAIS E O SEBRAE. Denise Donati Coordenadora do Projeto Compras Governamentais Sebrae Nacional

AS COMPRAS GOVERNAMENTAIS E O SEBRAE. Denise Donati Coordenadora do Projeto Compras Governamentais Sebrae Nacional AS COMPRAS GOVERNAMENTAIS E O SEBRAE Denise Donati Coordenadora do Projeto Compras Governamentais Sebrae Nacional Desafio Fomentar o Uso do Poder de Compra do Governo Junto aos Pequenos Negócios para Induzir

Leia mais

O que muda com a Lei Geral (para maiores informações acessar WWW.LEIGERAL.COM.BR)

O que muda com a Lei Geral (para maiores informações acessar WWW.LEIGERAL.COM.BR) O que muda com a Lei Geral (para maiores informações acessar WWW.LEIGERAL.COM.BR) Pontos Lei Geral Como é hoje 1 Alcance da Lei A lei do Simples está voltada para os tributos federais. Os sistemas de tributação

Leia mais

Principais Formas de Tributação no Brasil Reginaldo Gonçalves

Principais Formas de Tributação no Brasil Reginaldo Gonçalves Principais Formas de Tributação no Brasil Reginaldo Gonçalves 2.1 A Tributação no Brasil 2.2 Opção pela Tributação - Lucro Real 2.3 Opção pela Tributação - Lucro Presumido 2.4 Opção pela Tributação - Lucro

Leia mais

SAD Gestor ERP. Módulo Estoque. Cadastro de Produto Escrita Fiscal. Seja Bem Vindo!

SAD Gestor ERP. Módulo Estoque. Cadastro de Produto Escrita Fiscal. Seja Bem Vindo! SAD Gestor ERP Módulo Estoque Cadastro de Produto Escrita Fiscal Seja Bem Vindo! Introdução O planejamento tributário deve fazer parte do cotidiano da empresa. É uma decisão estratégica que pode determinar

Leia mais

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ AREA TEMÁTICA: TRABALHO LAIS SILVA SANTOS 1 CARLOS VINICIUS RODRIGUES 2 MARCELO FARID PEREIRA 3 NEUZA CORTE DE OLIVEIRA

Leia mais

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA TRIBUTOS CARGA TRIBUTÁRIA FLS. Nº 1 O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 1. - INTRODUÇÃO A fixação do preço de venda das mercadorias ou produtos é uma tarefa complexa, onde diversos fatores

Leia mais

www.avantassessoria.com.br

www.avantassessoria.com.br www.avantassessoria.com.br Nossa Empresa A AVANT Assessoria Contábil e Tributária é uma empresa de contabilidade especializada em consultoria e assessoria de empresas e profissionais liberais, oferecendo

Leia mais

Análise Panorâmica. Sumário 1. Introdução... 2

Análise Panorâmica. Sumário 1. Introdução... 2 Análise Panorâmica Análise Panorâmica Sumário 1. Introdução... 2 2. Indicadores de desempenho... 3 2.1 Carga Tributária da Empresa - Composição Anual... 3 2.2 Grau de Endividamento Tributário... 4 2.3

Leia mais

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu Coordenação Acadêmica: Prof. José Carlos Abreu, Dr. 1 OBJETIVO: Objetivos Gerais: Atualizar e aprofundar

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

ASPECTOS FISCAIS NAS EXPORTAÇÕES

ASPECTOS FISCAIS NAS EXPORTAÇÕES ASPECTOS FISCAIS NAS EXPORTAÇÕES 1 INCIDÊNCIAS TRIBUTÁRIAS NAS EXPORTAÇÕES Optantes do SIMPLES Os transformadores plásticos exportadores optantes do SIMPLES devem analisar a conveniência da continuidade

Leia mais

Ementário e Bibliografia do curso de. Ciências Contábeis. Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04

Ementário e Bibliografia do curso de. Ciências Contábeis. Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04 01 - ADMINISTRAÇÃO Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04 Introdução à Administração. Antecedentes históricos da Administração. Escolas de Administração. Administração e suas perspectivas. Variáveis

Leia mais

Palestrante: Anderson Aleandro Paviotti

Palestrante: Anderson Aleandro Paviotti Palestrante: Anderson Aleandro Paviotti Perfil do Palestrante: Contador, Consultor e Professor Universitário Colaborador do Escritório Santa Rita desde 1991 Tributação das Médias e Pequenas Empresas Como

Leia mais

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS AUDITORIA INTERNA DA ATLAS A auditoria interna serve à administração como meio de identificação de que todos os processos internos e políticas definido pela ATLAS, assim como sistemas contábeis e de controle

Leia mais

OBRIGATORIEDADE DA EVIDENCIAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

OBRIGATORIEDADE DA EVIDENCIAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS OBRIGATORIEDADE DA EVIDENCIAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Marivane Orsolin 1 ; Marlene Fiorentin 2 ; Odir Luiz Fank Palavras-chave: Lei nº 11.638/2007. Balanço patrimonial. Demonstração do resultado

Leia mais

Informações e orientações para organização do processo decisório

Informações e orientações para organização do processo decisório Informações e orientações para organização do processo decisório Prof. Pedro Paulo H. Wilhelm, Dr. Eng. Prod (Dep. Economia) WILHELM@FURB.BR Prof. Maurício C. Lopes, Msc. Eng. Prod. (Dep. Computação) MCLOPES@FURB.BR

Leia mais

Simples Nacional: Saiba mais sobre os benefícios para a advocacia OABRJ

Simples Nacional: Saiba mais sobre os benefícios para a advocacia OABRJ Simples Nacional: Saiba mais sobre os benefícios para a advocacia OABRJ Simples Nacional: Saiba mais sobre os benefícios para a advocacia A advocacia foi inserida no Simples Nacional por meio da Lei Complementar

Leia mais

Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação.

Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação. Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação. 1) Tipos de Empresas Apresenta-se a seguir, as formas jurídicas mais comuns na constituição de uma Micro ou

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9

FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9 FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9 Índice 1. Lucro presumido...3 2. Lucro real...4 2 Dentre os regimes tributários, os mais adotados são os seguintes: 1. LUCRO PRESUMIDO Regime de tributação colocado

Leia mais

PARECER SOBRE A LEI DA SOLIDARIEDADE-RS

PARECER SOBRE A LEI DA SOLIDARIEDADE-RS PARECER SOBRE A LEI DA SOLIDARIEDADE-RS 1) FUNDAMENTO LEGAL: Objetivando expressar nosso Parecer Técnico sobre a legislação que fundamenta o programa de incentivo fiscal (Programa de Apoio à Inclusão e

Leia mais

Resumo Aula-tema 03: Fundamentos do Microempreendedorismo e Estrutura Patrimonial

Resumo Aula-tema 03: Fundamentos do Microempreendedorismo e Estrutura Patrimonial Resumo Aula-tema 03: Fundamentos do Microempreendedorismo e Estrutura Patrimonial Após traçadas as estratégias através da análise de mercado propiciada pelo plano de negócios - e se mesmo diante das dificuldades

Leia mais

REFERENCIAIS TEÓRICO-METODOLÓGICOS

REFERENCIAIS TEÓRICO-METODOLÓGICOS 1 TRIBUTOS E ENCARGOS PREVIDENCIÁRIOS PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE NEVES. B. K. B. Resumo: O resumo trata, dos tributos e encargos previdenciários das Micro Empresa e Empresa de Pequeno

Leia mais

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Fonte: Apresentação da Coordenação Geral de Contabilidade STN/CCONT do Tesouro Nacional Última Atualização: 14/09/2009 1 Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor

Leia mais

Agenda para Micro e Pequenas Empresas

Agenda para Micro e Pequenas Empresas Agenda para Micro e Pequenas Empresas As Micro e Pequenas Empresas (MPE) são de vital importância para o desenvolvimento econômico de Goiás, pois atuam em diversas atividades econômicas, tais como indústria,

Leia mais

RADIOGRAFIA DA TRIBUTAÇÃO DAS EMPRESAS CORRETORAS DE SEGUROS E RESSEGUROS E OS REFLEXOS DA INCLUSÃO DA ATIVIDADE NO SIMPLES NACIONAL

RADIOGRAFIA DA TRIBUTAÇÃO DAS EMPRESAS CORRETORAS DE SEGUROS E RESSEGUROS E OS REFLEXOS DA INCLUSÃO DA ATIVIDADE NO SIMPLES NACIONAL RADIOGRAFIA DA TRIBUTAÇÃO DAS EMPRESAS CORRETORAS DE SEGUROS E RESSEGUROS E OS REFLEXOS DA INCLUSÃO DA ATIVIDADE NO SIMPLES NACIONAL Gilberto Luiz do Amaral INTRODUÇÃO A REFERÊNCIA PRINCIPAL deste trabalho

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis Resumo Demonstrações contábeis são informações e dados que as empresas oferecem ao fim de cada exercício, com a finalidade de mostrar aos acionistas, ao governo e todos os interessados,

Leia mais

1 Ver Castelo (2005). 2 GVconsult (2005).

1 Ver Castelo (2005). 2 GVconsult (2005). A Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas na Construção Civil Relatório de Pesquisa Equipe Técnica Prof. Dr. Fernando Garcia Profa. Ms. Ana Maria Castelo Profa.Dra. Maria Antonieta Del Tedesco Lins Avenida

Leia mais

Lei Geral da Micro e Pequena Empresa Empreendedor Individual

Lei Geral da Micro e Pequena Empresa Empreendedor Individual 10/07 12/08 07/09 12/06 03/07 03/07 07/07 09/07 09/07 Sanção da Lei Geral da MPE (re)fundação da Frente Parlamentar da MPE Criação da subcomissão Permanente da MPE Entrada em vigor do Simples Nacional

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Demonstrativo de Preço de transferência - Transfer Pricing consolidado na matriz

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Demonstrativo de Preço de transferência - Transfer Pricing consolidado na matriz Demonstrativo de Preço de transferência - Transfer Pricing consolidado na matriz 18/12/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria...

Leia mais

Avaliação do Plano de Desenvolvimento Produtivo Departamento de Competitividade DECOMTEC / FIESP

Avaliação do Plano de Desenvolvimento Produtivo Departamento de Competitividade DECOMTEC / FIESP PROPOSTA DE DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTOS NA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE COMPETITIVIDADE E TECNOLOGIA DECOMTEC Avaliação do Plano de Desenvolvimento Produtivo MAIO Departamento de Competitividade

Leia mais

AS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS INDICADORES ECONÔMICO- FINANCEIROS: IMPORTANTE CONHECIMENTO NAS TOMADAS DE DECISÕES.

AS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS INDICADORES ECONÔMICO- FINANCEIROS: IMPORTANTE CONHECIMENTO NAS TOMADAS DE DECISÕES. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ UFPA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS AS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS INDICADORES ECONÔMICO- FINANCEIROS: IMPORTANTE CONHECIMENTO

Leia mais

Programa de Formalização do Micro Empreendedor Individual Sustentabilidade Social. Florianópolis - SC

Programa de Formalização do Micro Empreendedor Individual Sustentabilidade Social. Florianópolis - SC Programa de Formalização do Micro Empreendedor Individual Sustentabilidade Social Florianópolis - SC 27 de outubro de 2014 A INFORMALIDADE NO BRASIL A INFORMALIDADE Pesquisa ECINF IBGE Pertencem ao setor

Leia mais

A Reforma Tributária e o Desenvolvimento

A Reforma Tributária e o Desenvolvimento A Reforma Tributária e o Desenvolvimento Por que a Reforma Tributária é Fundamental? Acelera o crescimento econômico Torna o crescimento mais sustentável É a reforma econômica mais importante Reforma Tributária

Leia mais

Prezado empreendedor,

Prezado empreendedor, Prezado empreendedor, Caderno do Empreendedor Este é o Caderno do Empreendedor, criado para facilitar o dia-a-dia da sua empresa. Com ele você poderá controlar melhor suas despesas, saber quanto está vendendo

Leia mais

Tributos em orçamentos

Tributos em orçamentos Tributos em orçamentos Autores: Camila de Carvalho Roldão Natália Garcia Figueiredo Resumo O orçamento é um dos serviços mais importantes a serem realizados antes de se iniciar um projeto. É através dele

Leia mais

BREVE ANÁLISE SOBRE AS ALTERAÇÕES DA LEI COMPLEMENTAR Nº 123 DE 2006 (LEI DO SIMPLES NACIONAL) PELO PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 60 DE 2014

BREVE ANÁLISE SOBRE AS ALTERAÇÕES DA LEI COMPLEMENTAR Nº 123 DE 2006 (LEI DO SIMPLES NACIONAL) PELO PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 60 DE 2014 BREVE ANÁLISE SOBRE AS ALTERAÇÕES DA LEI COMPLEMENTAR Nº 123 DE 2006 (LEI DO SIMPLES NACIONAL) PELO PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 60 DE 2014 (com ênfase nas sociedades prestadoras de serviços médicos)

Leia mais

CARTILHA Previdência. Complementar REGIMES TRIBUTÁRIOS

CARTILHA Previdência. Complementar REGIMES TRIBUTÁRIOS CARTILHA Previdência Complementar REGIMES TRIBUTÁRIOS Índice 1. Os planos de Previdência Complementar e os Regimes Tributários... Pág. 3 2. Tratamento tributário básico... Pág. 4 3. Características próprias

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR nº, de 2014.

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR nº, de 2014. PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR nº, de 2014. (do Sr. Guilherme Campos e outros) Altera a Lei Complementar nº 123, de 14 de dezembro de 2006 para reorganizar e simplificar a metodologia de apuração do imposto

Leia mais

Gestão de Pequenas e Medias Empresas

Gestão de Pequenas e Medias Empresas Gestão de Pequenas e Medias Empresas Os pequenos negócios são definidos por critérios variados ao redor do mundo. Para o Sebrae, eles podem ser divididos em quatro segmentos por faixa de faturamento, com

Leia mais

APOSTILA DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS POR ÍNDICES PADRONIZADOS

APOSTILA DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS POR ÍNDICES PADRONIZADOS UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA ESCOLA SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E GERÊNCIA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS PROGRAMA DE EXTENSÃO: CENTRO DE DESENVOLVIMENTO EM FINANÇAS PROJETO: CENTRO DE CAPACITAÇÃO

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

RESENHA TRIBUTÁRIA ATUALIZADA

RESENHA TRIBUTÁRIA ATUALIZADA RESENHA TRIBUTÁRIA ATUALIZADA! As mudanças no PIS e no Cofins! Lucro real e presumido! IR e CSLL! Simples Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor da Cavalcante & Associados, empresa

Leia mais

COMISSÃO MISTA PARA DISCUSSÃO DA LEGISLAÇÃO DA MICRO EMPRESA E EMPRESA DE PEQUUENO PORTE

COMISSÃO MISTA PARA DISCUSSÃO DA LEGISLAÇÃO DA MICRO EMPRESA E EMPRESA DE PEQUUENO PORTE PROPOSTAS PARA TRATAMENTO TRIBUTÁRIO DA MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE EM MATO GROSSO Comissão criada pela Portaria nº 030/SUGP/SEFAZ de 04/05/04 LEGENDA ATENDIDO PTA RP 2004 1. MINUTA DE LEI

Leia mais

Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. 1 - INTRODUÇÃO. nº 123/2006, com a redação dada pela Lei Complementar nº 128/2008.

Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. 1 - INTRODUÇÃO. nº 123/2006, com a redação dada pela Lei Complementar nº 128/2008. Trabalhistas MICROEMPREENDEDOR - Alterações INDIVIDUAL - MEI - Aspectos Previdenciários e Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. Sumário: 12 Conceito Introdução 3.1 - Tributação

Leia mais

Conselho Temático Permanente da Micro e Pequena Empresa O Simples Nacional e o ICMS

Conselho Temático Permanente da Micro e Pequena Empresa O Simples Nacional e o ICMS Conselho Temático Permanente da Micro e Pequena Empresa O Simples Nacional e o ICMS Unidade de Pesquisa, Avaliação e Desenvolvimento Unidade de Política Econômica O Simples Nacional e o ICMS* Adesão ao

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ITG 1000

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ITG 1000 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ALCANCE 1.... estabelece critérios e procedimentos específicos a serem observados pelas entidades

Leia mais

INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA 1.1

INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA 1.1 1.0 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA 1.1 1.2 ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Qual o objetivo das empresas para a administração financeira? Maximizar valor de mercado da empresa; Aumentar a riqueza dos acionistas.

Leia mais

O que é Finanças? instituições, mercados e instrumentos envolvidos na transferência de fundos entre pessoas, empresas e governos.

O que é Finanças? instituições, mercados e instrumentos envolvidos na transferência de fundos entre pessoas, empresas e governos. Demonstrações Financeiras O Papel de Finanças e do Administrador Financeiro Professor: Roberto César O que é Finanças? Podemos definir Finanças como a arte e a ciência de administrar fundos. Praticamente

Leia mais

Aspectos Tributários

Aspectos Tributários Aspectos Tributários Principais Tributos IMPOSTOS Imposto sobre a Renda de Pessoas Jurídicas (IRPJ); Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS); Imposto sobre serviços de qualquer natureza

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2013

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2013 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2013 INFORMAÇÕES GERAIS Pessoa Jurídica Lucro Real Tributação com base no lucro efetivo demonstrado através do livro diário de contabilidade (obrigatório) 1. Empresas obrigadas à apuração

Leia mais

Quem somos? Nossa Missão:

Quem somos? Nossa Missão: Bem Vindos! Quem somos? A GEPC Consultoria Tributária é uma empresa especializada em consultoria para Farmácias e Drogarias com mais de 6 anos de mercado neste seguimento. Apoiando e atualizando nossos

Leia mais

SPED Contábil e SPED ECF

SPED Contábil e SPED ECF SPED Contábil e SPED ECF Impactos nas Rotinas Empresárias Prof. Marcos Lima Marcos Lima Contador (graduado pela UECE) Especialista em Auditoria (UNIFOR) Diretor de Relacionamentos da Fortes Contabilidade

Leia mais

CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA

CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA Curitiba tem se mostrado uma cidade dinâmica e de grandes oportunidades para os trabalhadores e empreendedores.

Leia mais

JUROS SOBRE CAPITAL PRÓPRIO

JUROS SOBRE CAPITAL PRÓPRIO JUROS SOBRE CAPITAL PRÓPRIO Alunos: Gleidiane Lacerda de Souza Raichelle Piol Professor: Aldimar Rossi RESUMO: O presente trabalho tem a finalidade de falar de Juros sobre capital próprio (JSCP) é uma

Leia mais

MBA GESTÃO TRIBUTÁRIA

MBA GESTÃO TRIBUTÁRIA MBA GESTÃO TRIBUTÁRIA Apresentação FIPECAFI A Faculdade FIPECAFI é mantida pela Fundação Instituto de Pesquisa Contábeis, Atuariais e Financeiras, criada em 1974. Seus projetos modificaram o cenário Contábil,

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL SIMPLIFICADA PARA MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL SIMPLIFICADA PARA MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL SIMPLIFICADA PARA MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE ORIENTAÇÕES RECEBIDAS DO FÓRUM PERMANENTE DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE,

Leia mais

CLIPPING Mídias de Primeiro Foco. Cliente: Fharos Data: 17/09/08 Veículo: DCI

CLIPPING Mídias de Primeiro Foco. Cliente: Fharos Data: 17/09/08 Veículo: DCI CLIPPING Mídias de Primeiro Foco Cliente: Fharos Data: 17/09/08 Veículo: DCI Cliente: Fharos Data: 10/09/08 Veículo: Executivos Financeiros 2 3 Cliente: Fharos Data: 12/09/08 Veículo: Canal Executivo 4

Leia mais

REQUERIMENTO nº, de 2015. (Do Sr. Carlos Melles)

REQUERIMENTO nº, de 2015. (Do Sr. Carlos Melles) REQUERIMENTO nº, de 2015 (Do Sr. Carlos Melles) Requer a Convocação de Sessão Solene em 2016, em Homenagem ao vigésimo aniversário da Lei que criou o SIMPLES no Brasil. Senhor Presidente, Representando

Leia mais

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios Vanessa da Silva Sidônio vanessa_sidonio@hotmail.com Professor Heber Lavor Moreira heber@peritocontador.com.br Trabalho da Disciplina Administração

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenção do PCC nos Pagamentos por Compensação

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenção do PCC nos Pagamentos por Compensação 17/09/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 4. Conclusão... 5 5. Referências... 5 6. Histórico de alterações... 5 2 1.

Leia mais

IMPOSTOS SOBRE O LUCRO! Imposto de Renda e Contribuição Social! As alterações mais recentes da legislação da Contribuição Social

IMPOSTOS SOBRE O LUCRO! Imposto de Renda e Contribuição Social! As alterações mais recentes da legislação da Contribuição Social UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 43 IMPOSTOS SOBRE O LUCRO! Imposto de Renda e Contribuição Social! As alterações mais recentes da legislação da Contribuição Social João Inácio Correia (advcor@mandic.com.br)

Leia mais

98,3% 90,3% 64,2% 38% 63,3% 3º trimestre/2014. das empresas avaliaram o sistema 80,7% tributário brasileiro qualitativamente como ruim ou muito ruim.

98,3% 90,3% 64,2% 38% 63,3% 3º trimestre/2014. das empresas avaliaram o sistema 80,7% tributário brasileiro qualitativamente como ruim ou muito ruim. 3º trimestre/2014 das empresas avaliaram o sistema 80,7% tributário brasileiro qualitativamente como ruim ou muito ruim. 98,3% 90,3% 64,2% 38% 63,3% das indústrias gaúchas avaliam que o número de tributos

Leia mais

LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA FEDERAL COMERCIO DE VEÍCULOS USADOS

LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA FEDERAL COMERCIO DE VEÍCULOS USADOS LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA FEDERAL COMERCIO DE VEÍCULOS USADOS LUCRO PRESUMIDO (COM RESTRIÇÕES) LUCRO REAL SIMPLES NACIONAL (COM RESTRIÇÕES) LEI nº 9.716/98 Artigo 5º As pessoas jurídicas que tenham como objeto

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Transferência de Crédito de ICMS de Fornecedor Optante do Simples Nacional

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Transferência de Crédito de ICMS de Fornecedor Optante do Simples Nacional 09/01/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1 Transferência de Crédito do ICMS pelos Optantes do... 4 3.2 Do Ressarcimento

Leia mais

DURAÇÃO DO CURSO O Curso de Ciências Contábeis, bacharelado poderá ser integralizado em um período de no mínimo 8 (oito) semestres e no máximo 16

DURAÇÃO DO CURSO O Curso de Ciências Contábeis, bacharelado poderá ser integralizado em um período de no mínimo 8 (oito) semestres e no máximo 16 DURAÇÃO DO CURSO O Curso de Ciências Contábeis, bacharelado poderá ser integralizado em um período de no mínimo 8 (oito) semestres e no máximo 16 (dezesseis) semestres. PERFIL DO EGRESSO O perfil desejado

Leia mais

FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009

FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009 FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009 RELATÓRIO DE PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO: UM ESTUDO DE CASO EM EMPRESA QUE ATUA NO RAMO DE SITUADA NO MUNICÍPIO DE

Leia mais

Entendendo custos, despesas e preço de venda

Entendendo custos, despesas e preço de venda Demonstrativo de Resultados O empresário e gestor da pequena empresa, mais do que nunca, precisa dedicar-se ao uso de técnicas e instrumentos adequados de gestão financeira, para mapear a situação do empreendimento

Leia mais

Uma agenda tributária para o Brasil. Fóruns Estadão Brasil Competitivo Bernard Appy Maio de 2014

Uma agenda tributária para o Brasil. Fóruns Estadão Brasil Competitivo Bernard Appy Maio de 2014 Uma agenda tributária para o Brasil Fóruns Estadão Brasil Competitivo Bernard Appy Maio de 2014 Sumário Introdução Problemas do sistema tributário brasileiro Sugestões de aperfeiçoamento 2 Sumário Introdução

Leia mais

A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO

A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO Este artigo cientifico, apresenta de maneira geral e simplificada, a importância do capital de giro para as empresas,

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS. CPC 12 Ajuste a Valor Presente.

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS. CPC 12 Ajuste a Valor Presente. COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS - CPC CPC 12 Ajuste a Valor Presente. Estabelece a obrigatoriedade do ajuste a valor presente nos realizáveis e exigíveis a longo prazo e, no caso de efeito relevante,

Leia mais

Gestão Financeira e Contábil para o Terceiro Setor. Transparência, Prestação de Contas e Orçamento

Gestão Financeira e Contábil para o Terceiro Setor. Transparência, Prestação de Contas e Orçamento Gestão Financeira e Contábil para o Terceiro Setor Transparência, Prestação de Contas e Orçamento Reflexão Como acontece a Gestão Financeira e Contábil na minha Entidade? Gestão Assim, como nas entidades

Leia mais

Objetivos 29/09/2010 BIBLIOGRAFIA. Administração Financeira I UFRN 2010.2 Prof. Gabriel Martins de Araújo Filho. Tópicos BALANÇO DE TAMANHO COMUM

Objetivos 29/09/2010 BIBLIOGRAFIA. Administração Financeira I UFRN 2010.2 Prof. Gabriel Martins de Araújo Filho. Tópicos BALANÇO DE TAMANHO COMUM Objetivos Administração Financeira I UFRN 2010.2 Prof. Gabriel Martins de Araújo Filho A EMPRESA NO MODELO DO BALANÇO PATRIMONIAL: análise das demonstrações financeiras Compreender a importância da padronização

Leia mais