MANUAL OPERACIONAL. Assunto PROGRAMA SEBRAETEC DE CONSULTORIA TECNOLÓGICA. Publicação (Implantação) Gestor Vigência

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL OPERACIONAL. Assunto PROGRAMA SEBRAETEC DE CONSULTORIA TECNOLÓGICA. Publicação (Implantação) Gestor Vigência"

Transcrição

1 Objetivo Abrangência Normalizar os procedimentos relativos à operacionalização do Programa SEBRAETEC de Consultoria Tecnológica do SEBRAE-SP. Entidades Cadastradas ao nº e todas as Unidades do SEBRAE-SP. SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO OBJETIVOS DO PROGRAMA LINHA DE ATUAÇÃO DA CONTRAPARTIDA DOS ATORES E SEUS PAPÉIS DA EXCLUSÃO CADASTRAL ANÁLISE E APROVAÇÃO DAS PROPOSTAS DE PROJETOS / ATENDIMENTOS DO ACOMPANHAMENTO E DA AVALIAÇÃO DOS PRAZOS DA PRESTAÇÃO DE CONTAS DOS CRITÉRIOS PARA EXECUÇÃO DOS SERVIÇOS DO INSTRUMENTO JURÍDICO DAS DISPOSIÇÕES FINAIS GLOSSÁRIO

2 1. INTRODUÇÃO O Programa SEBRAETEC de Consultoria Tecnológica, permite às micro e pequenas empresas(mpes), dos setores da indústria, comércio, serviços e agronegócios, acessar os conhecimentos tecnológicos existentes e disponíveis nas Instituições de Ciência, Tecnologia e Inovação - CT&I, por meio de subsídio aos custos dos serviços de consultoria tecnológica. O SEBRAETEC atua prioritariamente, em ações coletivas com foco nos territórios de forte presença de pequenos negócios (Arranjos Produtivos Locais, Incubadoras, Redes, Agrupamentos, Cadeias Produtivas, Pólos, Consórcios de Exportação, Núcleos, Projetos Setoriais e Setores Prioritários), através de ações integradas com o conjunto de ações do SEBRAE-SP, no apoio às MPEs, como estratégia para o aumento da competitividade e produtividade. O presente Manual tem por objetivo disciplinar as regras de operacionalização desse mecanismo, nos aspectos relacionados a finalidade, conceitos e gestão do Programa, na contratação dos serviços de Consultoria Tecnológica, definidos por esse documento, para as entidades cadastradas ao edital nº, unidades do SEBRAE-SP e empresas participantes. A elaboração, revisão, atualização e divulgação desta metodologia é de responsabilidade da Unidade de Desenvolvimento e Inovação do SEBRAE-SP. 2. OBJETIVOS DO PROGRAMA O Programa SEBRAETEC de Consultoria Tecnológica tem por objetivo promover a melhoria contínua de processos e produtos, bem como a agregação de novas funcionalidades ou características ao produto ou processo que implique melhorias incrementais e efetivo ganho de qualidade ou produtividade, resultando maior competividade no mercado, por meio de: Estimulo a transferência de tecnologia entre entidades públicas e privadas de ensino, pesquisa, desenvolvimento e extensão tecnológica e às MPEs; Superação de gargalos tecnológicos; Fomento ao processo de inovação e tecnologia nas MPEs. 2

3 3. LINHA DE ATUAÇÃO 3.1. APERFEIÇOAMENTO TECNOLÓGICO Detalhamento da Linha de Aperfeiçoamento Tecnológico PRODUTOS E PROCESSOS SUBSÍDIO: 80% CONTRAPARTIDA: Financeira obrigatória, mínima de 20% do valor total do atendimento e financeira obrigatória mínima de 6,25% do valor total do atendimento vinculado ao Programa Agrosebrae. CLIENTES ATENDIDOS: Micro e Pequenas Empresas dos setores da indústria, comércio, serviços e agronegócios. PRAZO DE EXECUÇÃO: Até 08 (meses), a partir da aprovação do atendimento pelo SEBRAE-SP. VALOR POR HORA DE CONSULTORIA E LABORATÓRIO: R$ 120,00 (cento e vinte reais) Até 400 horas/ano, incluindo hora/homem e hora/laboratório, sendo permitida a utilização de no máximo LIMITE DE APOIO: 10% das horas para transferência de conhecimento e no máximo 10% das horas, para reuniões preparatórias e elaboração de relatórios. No mês subsequente a conclusão do atendimento e/ou no mês subsequente da LIBERAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS: conclusão e entrega de marcos intermediários mensuráveis e avaliáveis pelo cliente. MONITORAMENTO: Unidade Região Metropolitana Para efeitos deste Manual Operacional define-se inovação como: Inovação em Produtos (bens ou serviços) - quando há mudança no que se faz, ou seja, desenvolvimento de novos produtos, os quais antes não existiam, ou melhoramento significativo de produtos já existentes, atendendo melhor às necessidades do mercado. Inovação em Processos - quando há mudança no como se faz, aprimorando ou desenvolvendo novas formas de fabricação ou de distribuição de bens e novos meios de prestação de serviços. Inovação incremental - Quando existe melhoria no que se faz e/ou aperfeiçoamento do modo como se faz, por acrescentar novos materiais, desenhos ou embalagens que tornam mais práticos, produtos ou processos, já anteriormente existentes, ou ainda, acrescentando utilidades diferenciadas ou melhorias evidentes que os tornam mais desejados pelos seus clientes/consumidores e, portanto mais competitivos. (OECD. Manual de Oslo terceira edição, OCDE/Eurostat/FINEP, 1997.) Tendo em vista as definições acima, a atuação do SEBRAE-SP no apoio ao processo inovativo nas MPEs se dará por meio de uma modalidade de atendimento denominada Aperfeiçoamento Tecnológico. As ações tecnológicas voltadas para os setores de comércio e serviço serão realizadas através de Termos de Utilização e para os temas design e sustentabilidade serão através de Termos de Referência. As ações tecnológicas voltadas para os projetos coletivos de Agronegócios seguirão a Metodologia do Termo de Referência de Agronegócios. 3

4 São exemplos de Aperfeiçoamento Tecnológico: Melhoria, atualização e modernização tecnológica de máquinas e equipamentos, com vistas ao aumento da produtividade e eficiência na produção e à melhoria da qualidade do produto ou serviço; Superação de barreiras técnicas, visando ao atendimento às normas técnicas de mercados alvo, adaptando os produtos ao mercado internacional e às exigências de cada país; Serviços tecnológicos, através de Unidades Móveis (veículos utilitários) por setor de atuação, com equipamentos e instrumentos laboratoriais para realização de testes/ensaios in loco - Metrologia/Normalização, complementares às ações de melhorias de processos ou produtos; Preparação para certificação voluntária ou compulsória incluindo eventuais análises, testes e ensaios; Planejamento e controle da produção, como: administração de materiais, layout, formulação e padronização de produtos, armazenagem, aproveitamento de resíduos, e outros problemas de natureza semelhante, quando parte integrante da ação de melhoria ou desenvolvimento de um processo ou produto; Adequação de instrumentos, equipamentos, produtos e insumos às normas e regulamentos técnicos (calibração, medição e ensaios) inseridos no processo produtivo da empresa, com vistas à garantia da qualidade dos produtos, quando parte integrante da ação de melhoria ou desenvolvimento de um processo ou produto; Logística (transporte, armazenagem e distribuição), quando parte integrante da ação de melhoria ou desenvolvimento de um processo ou produto; Design Estratégico aprimoramento ou desenvolvimento de novas formas de inserção de tecnologia em projetos e processos durante o percurso do ciclo de vida da produção (adequação da idéia do produto ou serviço, indicação de uso de matéria prima com tecnologia de ponta, projeto ergonômico etc), soluções projetuais inovadoras com base nos conceitos do design thinking, quando parte integrante da ação de melhoria ou desenvolvimento de um processo ou produto; Design Gráfico de produtos e/ou serviços: projetos de elaboração de rótulos, etiquetas, embalagens, logotipos, material promocional de pontos de venda, identidade visual da marca (relacionamento/posicionamento do produto e/ou serviço no mercado), quando parte integrante da ação de melhoria ou desenvolvimento de um processo ou produto; 4

5 Web Design elaboração de projeto de layout para web site, identidade visual, e-comerce, computação gráfica, prototipagem rápida, CAD-CAM e comando numérico computadorizado (CNC), quando parte integrante da ação de melhoria ou desenvolvimento de um processo ou produto; Design de Ambientes desenvolvimento de projetos de layout, projetos de estruturação paisagística e de ambientes interiores (comerciais, corporativos e promocionais), quando parte integrante da ação de melhoria ou desenvolvimento de um processo ou produto; Design voltado ao turismo melhoria na Infra-estrutura quanto ao acesso, ergonomia, sinalização turística dos atrativos/equipamentos turísticos; logotipia e identidade visual; adaptação de acessos com base nos itens de segurança; adequação dos equipamentos turísticos as normas técnicas de acessibilidade a edificações, mobiliários, espaços na empresa e propriedade rural (exceto em áreas urbanas e públicas), quando parte integrante da ação de melhoria ou desenvolvimento de um processo ou produto; Ecodesign e Sustentabilidade desenvolvimento de soluções para produtos, processos/serviços com utilização de matéria prima e formas de produção que não impactem na degradação do meio ambiente, que possibilitem a redução do uso de recursos não-renováveis e/ou que minimizem o seu impacto ambiental, quando parte integrante da ação de melhoria ou desenvolvimento de um processo ou produto; Melhoria tecnológica da produção artesanal (qualidade, design e embalagem) quando parte integrante da ação de melhoria ou desenvolvimento de um processo ou produto; Sistemas informatizados - quando parte integrante do desenvolvimento ou adequação de um produto; Desenvolvimento de ações relacionadas a doenças em animais e pragas nas plantações; Desenvolvimento de ações relacionadas ao manejo de pastagens, técnicas de correção e aproveitamento do solo, utilização de máquinas e equipamentos; Técnicas na formulação de rações animais; inseminação artificial; cultivo orgânico, hidroponia; cultivo protegido, aqüicultura; produtividade em culturas, rebanhos, criações; processamento de produtos de origem animal, vegetal e mineral na propriedade; armazenagem, conservação, embalagem, rotulagem e distribuição de alimentos para criação na propriedade rural etc; Identificação de culturas/manejos apropriados para cada tipo de solo e clima; 5

6 Ações tecnológicas na agroindústria para melhorias de processos voltadas para a agregação de valor às matérias primas agrícolas, apícolas, produtos agropecuários, pesca e silvestres; Ações tecnológicas voltadas à agregação de valor na apicultura e meliponicultura; Ações voltadas para boas práticas agropecuárias/manejo, agricultura de baixo carbono; uso correto de agrotóxicos; manejo sustentável; Ações voltadas ao atendimento de requisitos legais, técnicos junto a órgãos de vigilância e inspeção sanitárias (exceto segurança alimentar em estabelecimentos industriais, agroindustriais, apicultura e atividade leiteira) normas e regulamentos técnicos, etc, quando parte integrante da ação de melhoria ou desenvolvimento de um processo ou produto; Adequação de processos produtivos, visando à implementação de requisitos de certificação de produtos e/ou sistemas e/ou rastreabilidade, por exemplo: normas da série NBR ISO 9000, série NBR ISO 17000, entre outras (exceto a NBR ISO 15635); Tecnologias de gestão ambiental: redução de consumo de água, energia, matéria prima, resíduos e poluição, reciclagem de produtos, matérias primas, resíduos e tratamento de efluentes, otimização ambiental: uso eficiente de energia, água, iluminação, sonorização, acústica etc; Ações de desenvolvimento de análises (levantamentos), planejamento em tecnologias para baixa emissão de carbono e/ou elaboração de projetos para obtenção de créditos de carbono; Ações de planejamento e/ou adequação para alinhamento de processos, produtos e/ou empresas para atendimento a requisitos de certificações, atendimento a códigos ou padrões de boas práticas em sustentabilidade de ramos específicos de atividade econômica, produção mais limpa e normas da série NBR ISO e NBR ISO (saúde e segurança no trabalho); Ações de desenvolvimento de análises (levantamentos), planejamento e projetos de tecnologias para eficiência energética e/ou fontes alternativas de energia. Adequação/preparação na certificação na NBR ISO 50001; Ações voltadas ao atendimento de requisitos legais, técnicos junto a órgãos de ambientais, de saúde e segurança ocupacional/trabalho, quando parte integrante da ação de melhoria ou desenvolvimento de um processo ou produto. 6

7 4. DA CONTRAPARTIDA Para execução do SEBRAETEC, serão alocados recursos, obrigatoriamente de natureza financeira, conforme a seguinte especificação: 4.1.Contrapartida Financeira A MPE aportará, no mínimo, 20% do valor total da Consultoria Tecnológica ao SEBRAE-SP; 4.2.Subsídios O SEBRAE-SP, participará com até 80% do valor total da Consultoria Tecnológica, limitado a 400 horas por atendimento; A contrapartida financeira é obrigatória, e será paga pelo cliente (contratante) ou Fonte Pagadora diretamente ao SEBRAE-SP; Cliente (contratante) e Fonte Pagadora poderão ser atores distintos e não haverá neste caso, qualquer responsabilização do SEBRAE-SP na relação jurídica estabelecida entre eles; A Fonte Pagadora não poderá cobrar do Cliente (contratante) valor igual ou superior ao valor cobrado pelo SEBRAE-SP. Neste caso, o contrato deverá ser estabelecido diretamente entre SEBRAE-SP e Cliente, que passará ser a Fonte Pagadora; As Condições Gerais Consultoria Tecnológica estão explícitas no Contrato Unificado e todas as partes interessadas. Cliente (contratante), Fonte Pagadora e SEBRAE-SP terão ciência das cláusulas contratuais. 5. DOS ATORES E SEUS PAPÉIS Unidade de Desenvolvimento e Inovação do SEBRAE-SP A Unidade de Desenvolvimento e Inovação, através da coordenação Estadual do SEBRAETEC é responsável por: Desenvolver melhorias e gerir o programa; Definir as estratégias e diretrizes do programa; Articular parcerias com entidades públicas e privadas, assim definidas no e neste Manual; Prospectar instituições para ampliar a base de fornecedores cadastrados. Unidade Região Metropolitana do SEBRAE-SP A Unidade Região Metropolitana é responsável por: Orientar e disseminar aos Escritórios Regionais informações sobre a operação do SEBRAETEC, dos Termos de Utilização dos setores de comércio e serviços, e dos Termos de Referência agronegócios, design e sustentabilidade; Alinhar as entidades com a missão institucional do programa; Promover a realização de encontros, seminários e visitas técnicas, dentre outros; Identificar as melhores práticas de gestão do programa e disseminá-las para os Escritórios Regionais e Entidades; Monitorar a qualidade da implementação das ações desenvolvidas no Estado de São Paulo. 7

8 Escritórios Regionais do SEBRAE-SP Os Escritórios Regionais do SEBRAE-SP são responsáveis por: Identificar, captar e organizar a demanda; Articular projetos e atendimentos entre as Entidades Cadastradas, que possuem conhecimento, especialização e competência para atuação tecnológica e as MPEs beneficiárias do programa; Analisar e validar em conjunto com o cliente, as atividades a serem desenvolvidas pela entidade cadastrada, quantidade de horas necessárias e resultados esperados com o atendimento; Acompanhar as ações, gestão dos projetos, atendimentos, pagamentos das consultorias realizadas, bem como recebimento e operacionalização das contrapartidas das empresas participantes; Monitorar os projetos, e atendimentos nas empresas beneficiárias para verificação da execução e satisfação do cliente; Avaliar em conjunto com o cliente, as atividades desenvolvidas pela entidade cadastrada bem como o resultado alcançado com o atendimento; Zelar pela correta utilização do produto; Autorizar os pagamentos conforme os critérios definidos neste Manual e no previamente autorizados pela Diretoria Executiva do SEBRAE-SP; Reportar as demais unidades responsáveis acontecimentos que possam comprometer o bom andamento do produto. Unidade Tecnologia da informação do SEBRAE-SP A Unidade de Tecnologia da Informação do SEBRAE-SP é responsável por: Capacitar os usuários para utilização do sistema; Disponibilizar manuais e tutoriais; Realizar melhorias no sistema SEBRAETEC propostas pelas unidades usuárias; Garantir o funcionamento eficiente do sistema. Entidades Cadastradas As Entidades Cadastradas são responsáveis por: Designar coordenador técnico para a gestão do Programa SEBRAETEC, que será responsável pelo acompanhamento, recebimento e se necessário distribuição das demandas, envio dos relatórios e documentos contábeis, referente à prestação de serviços para os Escritórios Regionais demandantes do SEBRAE-SP; Elaborar Plano de Ação para o atendimento (após abertura do atendimento no sistema e aprovação dos Escritórios Regionais do SEBRAE-SP); Executar o atendimento tecnológico à empresa beneficiária; 8

9 Para cada ação realizada, preencher o Formulário de Acompanhamento de Ações SEBRAETEC e inseri-lo no sistema O formulário está disponível no portal do SEBRAE-SP; Elaborar relatório dos serviços prestados que deve conter minimamente: Identificação por meio de papel timbrado e assinatura da entidade; Introdução com descrição do problema ou necessidade inicialmente relatado pelo Escritório Regional, solução proposta e resultados esperados; Atividades realizadas, relatando técnicas e métodos adotados; Considerações finais com relatos objetivos e resultados observados; Entregar cópia dos projetos e relatórios detalhados às empresas atendidas; Digitalizar todos os documentos gerados e inseri-los no sistema bem como os demais documentos obrigatórios; Responsabilizar-se pela qualidade do trabalho executado nas empresas beneficiárias; Responsabilizar-se pela veracidade das informações de horas de consultoria efetivamente prestadas, sob pena de, havendo divergências no número de horas registradas, serem excluídas do programa; Acompanhar os resultados dos projetos e disponibilizar-se, a qualquer momento, a prestar informações sobre os seus resultados; Realizar reuniões com os Escritórios Regionais do SEBRAE-SP, para articular propostas de projetos, prestar informações dos serviços realizados às empresas beneficiárias, sempre que necessário; Prestar novo atendimento, sem ônus ao SEBRAE-SP e às empresas, no caso dos atendimentos irregulares ou insatisfatórios; Manter atualizadas as infra-estruturas laboratoriais necessárias à execução dos projetos; Trabalhar somente nas áreas de conhecimento informadas no Sistema de Atendimento para os quais deve possuir corpo técnico efetivo especializado e/ou profissionais técnicos especializados mediante contrato formalizado. 9

10 Empresas Beneficiárias Micro e Pequenas Empresas dos setores da indústria, comércio, serviços e agronegócios, cujo faturamento anual, conforme prevê a Lei Geral da MPE (Lei Complementar nº 123/2006 e suas alterações), não supere R$ 3,6 milhões, cujo papel é: Aprovar e assinar a proposta de projeto Plano de Ação elaborado pela entidade cadastrada, em conjunto com o Escritório Regional do SEBRAE-SP; Discutir e avaliar a sua capacidade de investimento diante das propostas sugeridas para implantação do projeto; Avaliar a sua participação no SEBRAETEC objetivando cumprir a contrapartida e a implantação das orientações da consultoria; Acompanhar e responsabilizar-se pela implantação das ações propostas, observando o prazo e as horas de consultoria, estabelecidos de acordo com o cronograma e proposta de projeto Plano de Ação; Articular-se com o Escritório Regional do SEBRAE-SP responsável pelo atendimento, sempre que julgar que o atendimento não está sendo satisfatório; Avaliar os trabalhos realizados pelos consultores e a efetividade do acompanhamento feito pela entidade cadastrada e pelo Escritório Regional do SEBRAE-SP; Disponibilizar, a qualquer momento, informações sobre os resultados dos projetos e consultorias quando solicitados pelo SEBRAE-SP; Responsabilizar-se pelo pagamento da contrapartida financeira obrigatória; Responder as pesquisas de satisfação da consultoria e de efetividade do SEBRAETEC realizadas pelo SEBRAE-SP, ou empresa de pesquisa contratada para esse fim. Obs.: Clientes inadimplentes junto ao SEBRAETEC poderão ficar impossibilitados de receber novos atendimentos até que a contrapartida obrigatória seja efetivada. 10

11 6. DA EXCLUSÃO CADASTRAL A exclusão cadastral será realizada pelo SEBRAE-SP, sempre que a Entidade: Descumprir a Chamada Pública, o e as regras contidas no Manual Operacional do SEBRAETEC; Assumir atitudes antiéticas ou incompatíveis com o Programa; Fizer uso de consultores não preparados para a execução de serviços de consultoria tecnológica, descuidando da qualidade na prestação dos serviços; Apresentar resultados insatisfatórios nas avaliações de desempenho do Programa e às MPEs; Não divulgar o nome do SEBRAE-SP nos projetos apoiados pelo SEBRAETEC; Fazer uso do nome/imagem do SEBRAE-SP em ações não correlatas ao SEBRAETEC; Prejudicar, de qualquer forma, a empresa para a qual o serviço fora contratado; Informar incorretamente as horas de consultoria empregadas e demais custos inerentes ao projeto; Não apresentar as informações e as documentações solicitadas pelo SEBRAE-SP; Apresentar, em qualquer fase do processo de cadastramento ou na vigência do contrato de prestação de serviços, documentos que contenham informações inverídicas; Iniciar atendimento à empresa beneficiária antes da abertura do atendimento pelo o Escritório Regional do SEBRAE-SP. 7. ANÁLISE E APROVAÇÃO DAS PROPOSTAS DE PROJETOS / ATENDIMENTOS Não é Considerado Atendimento SEBRAETEC Atendimento rápido e específico, fornecendo informações de domínio público, disponíveis no acervo do SEBRAE e/ou da entidade cadastrada em diferentes suportes (revistas, vídeos, bases de dados etc); Custeio da área de Gestão Tecnológica; Gestão de Projetos (não ligados à tecnologia); Consultoria Gerencial; 11

12 Consultoria de Custos de Produção; Ações de gestão /consultoria empresarial de qualquer natureza; Treinamento e/ou consultoria básica em áreas de administração e segurança alimentar (indústria, comércio, agroindústria, apicultura e atividade leiteira); Treinamento para formação de mão de obra; Análises e ensaios, quando desvinculado da ação de melhoria ou desenvolvimento de um processo ou produto; Perfil/oportunidades de investimento (Guia Prático); Lista de fornecedores; Linhas de crédito; Informações sobre Núcleos de Tecnologia; Manutenção de equipamento; Pesquisa de mercado; Diagnósticos, quando desvinculados da ação de melhoria ou desenvolvimento de um processo ou produto; Diagnósticos para monitoramento e acompanhamento de projetos; Elaboração e Editoração de guias, roteiros, projetos de sinalização de ruas, vídeos, levantamentos iconográficos e material de divulgação; Técnicas de Organização & Método; Desenvolvimento de coleções de moda; Desenvolvimento de moldes para o setor calçadista, confecção entre outros; 12

13 Desenvolvimento de protótipos funcionais; Desenvolvimento e/ou assessoria em blogs web site, identidade visual, e-comerce entre outros; Assessoria empresarial e tecnológica; Assistência técnica; Elaboração de plantas para edificações e/ou projetos arquitetônicos; Ações de melhoria de processos ou produtos que envolvam responsabilidade técnica (engenheiros, químico, farmacêutico etc); Metodologias de gestão, técnica e/ou tecnológica, entre outras. Restrições de Atendimento SEBRAETEC Os limites de atendimento definidos neste Manual Operacional consideram o ano fiscal, ou seja, um atendimento iniciado em um ano não comprometerá o limite de horas do ano seguinte. Caso um cliente utilize todas as horas limite permitidas pela modalidade de atendimento num mesmo anofiscal, a abertura de um novo contrato de atendimento, somente poderá ser realizada no ano seguinte, estando também condicionada à análise e aprovação do Escritório Regional do SEBRAE-SP. Não será admitida a abertura de atendimentos simultâneos. A abertura de um novo atendimento somente poderá ser autorizada pelo Escritório Regional do SEBRAE-SP, após o término do anterior, respeitadas as condições e limites de horas/ano previstas neste Manual, ressalvados os casos de atendimentos no segmento de Agronegócios. As ações tecnológicas voltadas para os setores de comércio e serviço serão realizadas através de Termos de Utilização e para os temas design e sustentabilidade serão através de Termos de Referência. Atendimentos para o segmento de Agronegócios Para os produtores/empresários rurais clientes vinculados ao programa Agrosebrae do SEBRAE-SP, o subsídio na Modalidade Aperfeiçoamento Tecnológico será de 6,25% do atendimento. Os demais produtores/empresários rurais clientes seguem a regra geral da Modalidade Aperfeiçoamento Tecnológico. 13

14 As ações tecnológicas voltadas para os projetos coletivos de Agronegócios seguirão a Metodologia do Termo de Referência de Agronegócios. Os Escritórios Regionais, após análise e averiguação de sua pertinência, poderão autorizar a realização de dois atendimentos simultâneos para um mesmo cliente. Essa situação somente será permitida no caso de clientes que atuam no segmento de agronegócios e que em seus micro e pequenos negócios apresentem a produção de duas ou mais culturas agrícolas. Neste caso, cada atendimento aberto para o mesmo cliente deverá oferecer consultoria tecnológica direcionada e especializada à determinada cultura de produção, mantendo o limite total de até 400 horas/ano para o cliente. Essa situação deverá ser expressamente registrada no sistema SEBRAETEC, devendo estar devidamente clara sob pena de análise de auditoria e passível de punição. Prospecção de clientes Somente os Escritórios Regionais poderão prospectar demandas e projetos. As demandas prospectadas estão condicionadas à existência de recursos orçamentários, ao planejamento estratégico do Escritório Regional do SEBRAE-SP, bem como, a manifestação formal (pessoalmente, , carta etc.) de interesse por parte do cliente e a validação dos critérios para execução dos serviços, conforme previsto no item 11 deste Manual. Divulgação e Publicidade O SEBRAE-SP empreenderá seu melhor esforço para divulgar o programa SEBRAETEC de Consultoria Tecnológica e entidades cadastradas. Os atendimentos executados poderão ser utilizados como case de divulgação, mencionando, sempre que possível, a instituição responsável pelo atendimento. Em toda divulgação realizada pela Entidade Cadastrada deverá ser mencionado o Programa SEBRAETEC de Consultoria Tecnológica, realização, e onde couber o logotipo do SEBRAE-SP, desde que aprovado o uso da entidade visual pela Unidade de Inteligência de Mercado do SEBRAE-SP. 8. DO ACOMPANHAMENTO E DA AVALIAÇÃO 8.1.Do Monitoramento Os serviços prestados pelas entidades cadastradas serão permanentemente monitorados e avaliados pelo SEBRAE-SP, em conformidade com o e regras contidas neste Manual. 8.2.Da Avaliação O SEBRAE-SP realizará pesquisa de satisfação das empresas atendidas, bem como pesquisa de avaliação de 14

15 impacto da ação do SEBRAETEC, contemplando as atividades dos atores participantes do programa; O Escritório Regional do SEBRAE-SP será responsável pela aplicação e registro da Avaliação, da empresa beneficiária. A Avaliação poderá ser feita de duas formas: Por forma presencial : deverá conter assinatura do responsável ou pessoa chave da empresa beneficiária que recebeu o atendimento; Por meio eletrônico: enviada por ao responsável ou pessoa chave da empresa beneficiária que responderá pelo mesmo canal. Este procedimento terá vigência até o dia 31/03/ DOS PRAZOS 9.1. Prazo para execução dos projetos pelas Entidades Cadastradas As Entidades Cadastradas deverão observar os prazos estabelecidos no item 3.1 deste Manual Operacional. 10. DA PRESTAÇÃO DE CONTAS Toda prestação de contas do Programa SEBRAETEC de Consultoria Tecnológica se dará por meio eletrônico, através do registro dos contratos de atendimentos efetuados na base de dados do SEBRAE-SP, no sistema especialmente desenvolvido para este fim. Os documentos que darão suporte aos pagamentos são os relatórios gerados pelo sistema de Atendimento Da Remuneração a. Os atendimentos no SEBRAETEC serão remunerados conforme o valor da Hora/Homem e Hora/Laboratório estabelecidos neste Manual Operacional; b. O Programa SEBRAETEC de Consultoria Tecnológica não cobre despesas de locomoção e hospedagem; c. Mensalmente cada Entidade Cadastrada e Escritórios Regionais do SEBRAE-SP deverão conferir os relatórios de atendimento, extraídos do sistema de atendimento que conterá a indicação de todos os contratos de atendimento, concluídos no mês antecedente; d. O SEBRAE-SP pagará à entidade pela execução dos serviços, conforme os critérios exigidos no edital e neste Manual Operacional; e. Os pagamentos referentes à totalização dos contratos de atendimentos concluídos no mês antecedente serão efetuados mediante a apresentação de Nota Fiscal (série A se o serviço for tributável ou série C se o serviço for não tributável), discriminando no corpo da mesma a 15

16 quantidade de horas de consultoria e fazendo referência também aos Contratos de Atendimentos realizados em cada Escritório Regional do SEBRAE-SP; f. Na impossibilidade do cumprimento do item precedente, o pagamento poderá ser efetuado mediante apresentação de recibo, desde que acompanhado de certidão de dispensa de emissão de nota fiscal, expedida pela respectiva Prefeitura Municipal; g. Na falta de apresentação de um dos documentos acima mencionados, o SEBRAE-SP efetuará o pagamento mediante a apresentação de recibo, desde que formalmente justificado, e ciente da retenção do Imposto Sobre Serviços (ISS) na alíquota devida; h. Sob pena de suspensão, o pagamento respectivo fica vinculado à manutenção da validade das negativas fiscais. São elas: i. CND (Certidão Negativa de Débito), expedida pelo INSS; ii. iii. CRF (Certificado de Regularidade do FGTS), expedido pela Caixa Econômica Federal; Certidão Conjunta Negativa de Débitos Relativos a Tributos Federais e à Dívida Ativa da União. 11. DOS CRITÉRIOS PARA EXECUÇÃO DOS SERVIÇOS As demandas são organizadas ou validadas pelo SEBRAE-SP, através de seus Escritórios Regionais, que deverão escolher entre as entidades cadastradas de acordo com os seguintes critérios: a. Competência técnica para o atendimento, verificada conforme as informações registradas no sistema de atendimento b. Proximidade geográfica do cliente que demanda o serviço; c. Disponibilidade de atendimento imediato. 12. DO INSTRUMENTO JURÍDICO Contrato em formato eletrônico, contrato eletrônico de atendimento a ser celebrado entre o SEBRAE-SP e as entidades cadastradas, para formalizar o início do atendimento. 13. DAS DISPOSIÇÕES FINAIS Ações realizadas no SEBRAETEC não poderão confrontar ou sobrepor com as Metodologias ou Produtos já existentes no Portfólio do SEBRAE-SP; O SEBRAE-SP promoverá uma reunião apresentando o uso do sistema de atendimento e suas funcionalidades. 16

17 14. GLOSSÁRIO PALAVRA SIGNIFICADO CONTRATO DE ATENDIMENTO CONTRATO UNIFICADO DEMANDA TECNOLÓGICA ENTIDADE CADASTRADA Contrato em formato eletrônico, celebrado entre o as Unidades do SEBRAE-SP e a Entidade Cadastrada para formalizar o início de atendimento. Contrato utilizado pelas Unidades do SEBRAE-SP para formalizar a contrapartida que deve ser paga pelos clientes finais do programa (MPEs e empreendedores). Exigência de criação de novos processos ou produtos provocada pela disseminação e produção de conhecimento, que se faz através de consultoria, centro de demonstração e aprendizado contínuo. A demanda tecnológica estimula a transformação do conhecimento tácito em conhecimento codificado, maximiza benefícios para a empresa na busca de soluções tecnológicas. Instituição cadastrada pelo SEBRAE-SP que realiza atendimentos na modalidade estipulada pelo presente edital. HABILITAÇÃO Ato ou efeito de habilitar; formalidades jurídicas necessárias para a aquisição de um direito ou a demonstração de capacidade legal. IN LOCO (Latim) No lugar; in situ. INOVAÇÃO Introdução de novidade e/ou aprimoramento com resultados econômicos. CÓDIGO Código sanitário, por exemplo. TECNOLOGIA DESIGN THINKING RELATÓRIO DETALHADO Conjunto de conhecimentos, especialmente princípios científicos, que se aplicam a um determinado ramo de atividade. Propõe que um novo olhar seja adotado ao se deparar problemas complexos, um ponto de vista mais empático que permita colocar as pessoas no centro do desenvolvimento de um projeto e gerar resultados que são mais desejáveis para elas, mas que ao mesmo tempo financeiramente interessantes e tecnicamente possíveis de serem transformados em realidade. Relatório detalhado do andamento das atividades. 17

TECNOLOGIA O QUE É O SEBRAETEC A QUEM SE DESTINA COMO PARTICIPAR SETORES ATENDIDOS VANTAGENS AÇÕES NÃO COBERTAS CONTATO

TECNOLOGIA O QUE É O SEBRAETEC A QUEM SE DESTINA COMO PARTICIPAR SETORES ATENDIDOS VANTAGENS AÇÕES NÃO COBERTAS CONTATO Um investimento indispensável para o crescimento da sua empresa. O Sebrae viabiliza serviços de consultoria prestados por uma rede de instituições/empresas detentoras de conhecimento tecnológico. Através

Leia mais

Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de São Paulo

Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de São Paulo 11 Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de São Paulo 13 1. Considerações iniciais O programa SEBRAEtec é um serviço de consultoria tecnológica. Sua finalidade é facilitar o acesso dos empreendedores

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL

PROCEDIMENTO OPERACIONAL Objetivo Abrangência Normalizar os procedimentos relativos à operacionalização do Programa SEBRAEtec de Consultoria Tecnológica do SEBRAE-SP. Entidades Credenciadas ao nº e todas as Unidades do SEBRAE-SP.

Leia mais

Edital para Exposição de Oportunidades de Negócios na 5ª Edição da SEMANA SEBRAE DE TECNOLOGIA E INOVAÇÃO 2015 I DA CONVOCAÇÃO II DO EVENTO

Edital para Exposição de Oportunidades de Negócios na 5ª Edição da SEMANA SEBRAE DE TECNOLOGIA E INOVAÇÃO 2015 I DA CONVOCAÇÃO II DO EVENTO I DA CONVOCAÇÃO O SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SEBRAE/RJ, entidade associativa de direito privado, sem fins lucrativos, comunica e convida empresas do setor

Leia mais

Chamada Interna Projeto Voluntários BB Aposentados 2015

Chamada Interna Projeto Voluntários BB Aposentados 2015 Chamada Interna Projeto Voluntários BB Aposentados 2015 Brasília (DF), 13 de outubro de 2015. Unidade Negócios Sociais e Desenvolvimento Sustentável - UNS Chamada Interna Projeto Voluntários BB Aposentados

Leia mais

EDITAL PARA EXPOSIÇÃO DE OPORTUNIDADES NA FEIRA DO EMPREENDEDOR DO RIO DE JANEIRO Edição 2015 I DA CONVOCAÇÃO

EDITAL PARA EXPOSIÇÃO DE OPORTUNIDADES NA FEIRA DO EMPREENDEDOR DO RIO DE JANEIRO Edição 2015 I DA CONVOCAÇÃO I DA CONVOCAÇÃO SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO Sebrae/RJ, entidade associativa de direito privado, sem fins econômicos, torna público que promoverá seleção de expositores para

Leia mais

CAFÉ COM CRÉDITO. Santo André - SP. 06 de outubro de 2009

CAFÉ COM CRÉDITO. Santo André - SP. 06 de outubro de 2009 CAFÉ COM CRÉDITO Santo André - SP 06 de outubro de 2009 Missão Banco do DESENVOLVIMENTO Competitividade e sustentabilidade Redução das desigualdades sociais e regionais Áreas de atuação Inovação Bens de

Leia mais

OFERTA DE CONSULTORIAS TÉCNICAS E DE GESTÃO PARA NEGÓCIOS

OFERTA DE CONSULTORIAS TÉCNICAS E DE GESTÃO PARA NEGÓCIOS OFERTA DE CONSULTORIAS TÉCNICAS E DE GESTÃO PARA NEGÓCIOS A Universidade do Estado do Pará (UEPA) através da (RITU) com apoio do Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE), disponibiliza ao

Leia mais

Conhecer o cenário de atuação de micro e pequenas empresas é fundamental para subsidiar estratégias de atuação do Sebrae junto a esses negócios.

Conhecer o cenário de atuação de micro e pequenas empresas é fundamental para subsidiar estratégias de atuação do Sebrae junto a esses negócios. Conhecer o cenário de atuação de micro e pequenas empresas é fundamental para subsidiar estratégias de atuação do Sebrae junto a esses negócios. Só assim é possível identificar oportunidades de melhorias

Leia mais

REGULAMENTO. PROGRAMA SEBRAEtec - SERVIÇOS EM INOVAÇÃO E TECNOLOGIA

REGULAMENTO. PROGRAMA SEBRAEtec - SERVIÇOS EM INOVAÇÃO E TECNOLOGIA REGULAMENTO PROGRAMA SEBRAEtec - SERVIÇOS EM INOVAÇÃO E TECNOLOGIA 1. CONDIÇÕES GERAIS 1.1. O SEBRAEtec Serviços em Inovação e Tecnologia constitui um instrumento do Sistema SEBRAE que permite às EMPRESAS

Leia mais

comparações interlaboratoriais propostos pelo MAPA e avaliação do desempenho dos técnicos do laboratório em treinamentos.

comparações interlaboratoriais propostos pelo MAPA e avaliação do desempenho dos técnicos do laboratório em treinamentos. ANEXO CRITÉRIOS PARA CREDENCIAMENTO, RECONHECIMENTO, EXTENSÃO DE ESCOPO E MONITORAMENTO DE LABORATÓRIOS NO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO - MAPA Art. 1º Os critérios constantes deste

Leia mais

DELIBERAÇÃO PLENÁRIA N 20, DE 26 DE MAIO DE 2015.

DELIBERAÇÃO PLENÁRIA N 20, DE 26 DE MAIO DE 2015. DELIBERAÇÃO PLENÁRIA N 20, DE 26 DE MAIO DE 2015. Regulamenta a concessão de apoio institucional pelo Conselho de Arquitetura e Urbanismo de Goiás (CAU/GO), caracteriza as suas modalidades e dá outras

Leia mais

O BNDES mais perto de você. abril de 2009

O BNDES mais perto de você. abril de 2009 O BNDES mais perto de você abril de 2009 Quem somos Fundado em 20 de junho de 1952; Empresa pública de propriedade integral da União Federal; Principal fonte de crédito de longo prazo; Apoio ao mercado

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS 2016 TRANSFORMANDO PESSOAS E IDEIAS.

CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS 2016 TRANSFORMANDO PESSOAS E IDEIAS. CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS 2016 TRANSFORMANDO PESSOAS E IDEIAS. CHAMADA PÚBLICA 2016 A Política de Responsabilidade Social da AngloGold Ashanti define como um de seus princípios que a presença de nossa

Leia mais

SEBRAEtec Diferenciação

SEBRAEtec Diferenciação SEBRAEtec Diferenciação REGULAMENTO Investir em inovação tecnológica é fundamental para a competitividade das micro e pequenas empresas gaúchas. 2 2014 Mais recursos para as MPEs representam mais desenvolvimento

Leia mais

Guia de incentivos fiscais à inovação tecnológica

Guia de incentivos fiscais à inovação tecnológica recursos para inovação Centro de Conhecimento recursos para inovação Guia de incentivos fiscais à inovação tecnológica Lei 11.196/05 (Lei do Bem) Estratégia Incentivos Fiscais e Recursos Educação e Cultura

Leia mais

Soluções tecnológicas aplicadas a serviços laboratoriais no apoio aos pequenos negócios

Soluções tecnológicas aplicadas a serviços laboratoriais no apoio aos pequenos negócios Soluções tecnológicas aplicadas a serviços laboratoriais no apoio aos pequenos negócios Hulda O. Giesbrecht Enqualab 2013 Congresso da Qualidade em Metrologia São Paulo, 27 de agosto de 2013 Diretoria

Leia mais

Apoio à Inovação. Junho de 2013

Apoio à Inovação. Junho de 2013 Apoio à Inovação Junho de 2013 Inovação: Conceito (...) implementação de um produto (bem ou serviço) novo ou significativamente aprimorado, ou um processo, ou um novo método de marketing, ou um novo método

Leia mais

Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade

Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade EDITAL 2015 PROJETO BRA/11/023 Desenvolvimento de capacidades, de justiça econômica sustentável e promoção de boas

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo PROCEDIMENTO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 07 01/12/2011 01/12/2011 APROVADO POR Marcio Adriano Franco SUMÁRIO 1. RESUMO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES... 3 3. OBJETIVO...

Leia mais

Edital FAPESB/SECTI/SECOMP/SEBRAE/IEL/REDE SOCIAL 001/2006 SELEÇÃO DE PROPOSTAS PARA O PROGRAMA BAHIA INOVAÇÃO - EMPREENDEDOR SOCIAL -

Edital FAPESB/SECTI/SECOMP/SEBRAE/IEL/REDE SOCIAL 001/2006 SELEÇÃO DE PROPOSTAS PARA O PROGRAMA BAHIA INOVAÇÃO - EMPREENDEDOR SOCIAL - Edital FAPESB/SECTI/SECOMP/SEBRAE/IEL/REDE SOCIAL 001/2006 SELEÇÃO DE PROPOSTAS PARA O PROGRAMA BAHIA INOVAÇÃO - EMPREENDEDOR SOCIAL - A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia FAPESB e a Secretaria

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC TERMO DE REFERÊNCIA Nº 002/2009 SERVIÇOS DE CONSULTORIA DE COORDENAÇÃO DO PROJETO Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Relações Institucionais)

Leia mais

Linhas de Financiamento para a Construção Civil

Linhas de Financiamento para a Construção Civil Linhas de Financiamento para a Construção Civil Câmara Brasileira da Indústria de Construção 16 de dezembro de 2009 Quem somos Fundado em 20 de junho de 1952; Empresa pública de propriedade integral da

Leia mais

DECRETO Nº 45.013, DE 15 DE JULHO DE 2004. MARTA SUPLICY, Prefeita do Município de São Paulo, no uso das atribuições que lhe são conferidas por lei,

DECRETO Nº 45.013, DE 15 DE JULHO DE 2004. MARTA SUPLICY, Prefeita do Município de São Paulo, no uso das atribuições que lhe são conferidas por lei, DECRETO Nº 45.013, DE 15 DE JULHO DE 2004 Regulamenta a Lei nº 13.833, de 27 de maio de 2004, que dispõe sobre a criação do Programa de Incentivos Seletivos para a área leste do Município de São Paulo.

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

Palestra MPME. 30 de junho de 2011

Palestra MPME. 30 de junho de 2011 Palestra MPME 30 de junho de 2011 Como apoiamos? Operações Diretas Contratadas diretamente com o BNDES Operações Indiretas Instituições financeiras credenciadas pelo BNDES Empresário Informação e Relacionamento

Leia mais

A Inovação. como Fator de Desenvolvimento das MPEs. Luiz Carlos Barboza. Diretor-Técnico del SEBRAE Nacional. 27 de outubro 2009

A Inovação. como Fator de Desenvolvimento das MPEs. Luiz Carlos Barboza. Diretor-Técnico del SEBRAE Nacional. 27 de outubro 2009 A Inovação como Fator de Desenvolvimento das MPEs Luiz Carlos Barboza Diretor-Técnico del SEBRAE Nacional 27 de outubro 2009 Ambiente Institucional Pro-inovaç inovação Fundos setoriais (16) estabilidade

Leia mais

SELO ALIMENTOS DO PARANÁ INFORMAÇÕES GERAIS

SELO ALIMENTOS DO PARANÁ INFORMAÇÕES GERAIS SELO ALIMENTOS DO PARANÁ INFORMAÇÕES GERAIS Curitiba, 18 de março de 2015. 1 SELO ALIMENTOS DO PARANÁ INFORMAÇÕES GERAIS Sumário APRESENTAÇÃO... 3 JUSTIFICATIVAS E BENEFÍCIOS... 3 COMO OBTER O SELO...

Leia mais

CHAMADA DE PROJETOS 001/2013- APOIO PARA SOLUÇÕES DE INOVAÇÃO JUNTO AS MPE S de Uberaba

CHAMADA DE PROJETOS 001/2013- APOIO PARA SOLUÇÕES DE INOVAÇÃO JUNTO AS MPE S de Uberaba CHAMADA DE PROJETOS 001/2013- APOIO PARA SOLUÇÕES DE INOVAÇÃO JUNTO AS MPE S de Uberaba 1 OBJETIVO 1.1 Realizar, em 2013, apoio financeiro para viabilizar a execução de serviços em inovação e tecnologia

Leia mais

1. OBJETO...3 2. PREAMBULO...3 3. CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO...3 4. OFICIALIZAÇÃO DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO...3 5. PAGAMENTO, FORMAS E CONDIÇÕES...

1. OBJETO...3 2. PREAMBULO...3 3. CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO...3 4. OFICIALIZAÇÃO DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO...3 5. PAGAMENTO, FORMAS E CONDIÇÕES... ConsultoriaTecnológicaConsultoriaTecnológicaConsultoriaTecnológicaConsultoriaTecnológicaCons ultoriatecnológicaconsultoriatecnológicaconsultoriatecnológicaconsultoriatecnológicaconsultori atecnológicaconsultoriatecnológicaconsultoriatecnológicaconsultoriatecnológicaconsultoriatec

Leia mais

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA Prestação de Serviços em Assessoria e Consultoria Tributária para as empresas do Arranjo Produtivo Local. 1. OBJETIVO

Leia mais

Para atender o presente Edital, os projetos deverão estar enquadrados em uma das seguintes modalidades:

Para atender o presente Edital, os projetos deverão estar enquadrados em uma das seguintes modalidades: GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA (SEDECT) FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA DO ESTADO DO PARÁ (FAPESPA) SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PESQUENAS EMPRESAS

Leia mais

Questionário de Governança de TI 2014

Questionário de Governança de TI 2014 Questionário de Governança de TI 2014 De acordo com o Referencial Básico de Governança do Tribunal de Contas da União, a governança no setor público compreende essencialmente os mecanismos de liderança,

Leia mais

Sede Sebrae Nacional

Sede Sebrae Nacional Sede Sebrae Nacional Somos o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresa, uma entidade privada sem fins lucrativos, e a nossa missão é promover a competitividade e o desenvolvimento sustentável

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA COTAÇÃO PRÉVIA Nº 10/2014, REFERENTE AO CONVÊNIO SICONV Nº 794450/2013

TERMO DE REFERÊNCIA COTAÇÃO PRÉVIA Nº 10/2014, REFERENTE AO CONVÊNIO SICONV Nº 794450/2013 TERMO DE REFERÊNCIA COTAÇÃO PRÉVIA Nº 10/2014, REFERENTE AO CONVÊNIO SICONV Nº 794450/2013 O Instituto Tribos Jovens, associação civil sem fins lucrativos, com sede em Porto Seguro/BA, na Rua Saldanha

Leia mais

Financiamento de Projetos para a Inovação

Financiamento de Projetos para a Inovação GESTÃO Financiamento de Projetos para a Inovação Objetivos da Aula Conhecer sobre o financiamento de projetos de pesquisa aplicada; Conhecer a dinâmica do processo de elaboração de projetos de pesquisa

Leia mais

PROPOSTA SUPORTE TECNOLÓGICO CLÍNICA TECNOLÓGICA SEBRAETEC... 37 ANEXO 2.4... 39 PROPOSTA SUPORTE EMPRESARIAL... 39 ANEXO 2.4.1...

PROPOSTA SUPORTE TECNOLÓGICO CLÍNICA TECNOLÓGICA SEBRAETEC... 37 ANEXO 2.4... 39 PROPOSTA SUPORTE EMPRESARIAL... 39 ANEXO 2.4.1... Manual Operacional 1 ÍNDICE 1. IDENTIFICAÇÃO, CAPTAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DA DEMANDA... 4 2. APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS DE PROJETOS... 5 3. ANÁLISE DE PROPOSTAS DE PROJETOS... 6 4. OPERACIONALIZAÇÃO DAS LINHAS

Leia mais

Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste

Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste O que é FCO? O Fundo de Financiamento do Centro-Oeste (FCO) é um fundo de crédito criado pela Constituição Federal de 1988 com o objetivo de promover

Leia mais

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012 Programa 2047 - Micro e Pequenas Empresas Número de Ações 10 Tipo: Operações Especiais 0473 - Honra de Aval decorrente de Garantia do Risco das Operações de Financiamento a Micro, Pequenas e Médias Empresas

Leia mais

Este regulamento define e torna públicas as regras gerais para participação no Edital de Projetos da Fundação Aperam Acesita 2014.

Este regulamento define e torna públicas as regras gerais para participação no Edital de Projetos da Fundação Aperam Acesita 2014. 1. Objeto EDITAL DE PROJETOS FUNDAÇÃO APERAM ACESITA 2014 REGULAMENTO GERAL Este regulamento define e torna públicas as regras gerais para participação no Edital de Projetos da 2014. São objetivos do presente

Leia mais

ANEXO C.1. Formulário de Apresentação de Projetos das Empresas

ANEXO C.1. Formulário de Apresentação de Projetos das Empresas Proposta de Projeto ANEXO C.1 Formulário de Apresentação de Projetos das Empresas Carta de Encaminhamento Ao (Nome do Agente Financeiro) Encaminhamos, em anexo, a proposta do projeto ao programa INOVACRED.

Leia mais

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA Prestação de Serviços em Assessoria, Consultoria e Treinamento na área de Recursos Humanos. 1. OBJETIVO Os objetivos

Leia mais

EDITAL. Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade

EDITAL. Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade EDITAL Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade 1. Justificativa Geral A Declaração do Milênio deixa clara a importância da participação social ao considerar

Leia mais

INSTRUMENTO CONVOCATÓRIO

INSTRUMENTO CONVOCATÓRIO INSTRUMENTO CONVOCATÓRIO Processo de compra nº 011/2012 Modalidade: Carta Convite nº 003/2012 Tipo da Licitação: Técnica e Menor preço global Data da abertura dos envelopes: 15/05/2012 às 17h00min I Justificativa

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Município de Sério Rua 17 de Novembro,1075 Centro CEP: 95.918-000 CNPJ 94.706.033/0001-03

Estado do Rio Grande do Sul Município de Sério Rua 17 de Novembro,1075 Centro CEP: 95.918-000 CNPJ 94.706.033/0001-03 Estado do Rio Grande do Sul Município de Sério Rua 17 de Novembro,1075 Centro CEP: 95.918-000 CNPJ 94.706.033/0001-03 LEI MUNICIPAL N 1012, DE 04 DE JANEIRO DE 2010. Dispõe sobre a criação de programa

Leia mais

ENCONTROS DA REDE DE SERVIÇOS TECNOLÓGICOS SEBRAETEC PR

ENCONTROS DA REDE DE SERVIÇOS TECNOLÓGICOS SEBRAETEC PR ENCONTROS DA REDE DE SERVIÇOS TECNOLÓGICOS SEBRAETEC PR PERIODO: 13 a 17 de outubro de 2014 CIDADES: Ponta Grossa, Pato Branco, Cascavel, Maringá, Londrina e Curitiba. OBJETIVO: Fortalecimento da rede

Leia mais

INCULTEC. Centro de Referência em Incubação de Empresas e Projetos de Ouro Preto

INCULTEC. Centro de Referência em Incubação de Empresas e Projetos de Ouro Preto INCULTEC Centro de Referência em Incubação de Empresas e Projetos de Ouro Preto EDITAL 01/2015 SELEÇÃO DE NOVOS EMPREENDIMENTOS DE BASE CULTURAL E/OU TECNOLÓGICA PARA PARTICIPA ÇÃO NO PROGRAMA DE INCUBAÇÃO

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA Nº 03/2015 EDUCAÇÃO EMPREENDEDORA PARA O ENSINO SUPERIOR

CHAMADA PÚBLICA Nº 03/2015 EDUCAÇÃO EMPREENDEDORA PARA O ENSINO SUPERIOR 1. PREÂMBULO CHAMADA PÚBLICA Nº 03/2015 EDUCAÇÃO EMPREENDEDORA PARA O ENSINO SUPERIOR I. O SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO ESTADO DO PARANÁ - SEBRAE/PR, entidade associativa de direito

Leia mais

SELO ABRAIDI Programa de BPADPS

SELO ABRAIDI Programa de BPADPS SELO ABRAIDI Programa de BPADPS Reuniões: Julho a Agosto de 2010 Associação Brasileira de Importadores e Distribuidores de Implantes PAUTA * OBJETIVOS * ASPECTOS FUNDAMENTAIS * HISTÓRICO * SITUAÇÃO ATUAL

Leia mais

A competitividade das Micro e Pequenas Empresas. Bruno Quick

A competitividade das Micro e Pequenas Empresas. Bruno Quick A competitividade das Micro e Pequenas Empresas Bruno Quick Indicadores TOTAL ME e EPPs Empresas formais em operação (2005) Cenário Nacional Part.% ME e EPPs 5.134.934 5.083.585 99% Empregos formais (2005)

Leia mais

TEXTO FINAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 330, DE 2011

TEXTO FINAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 330, DE 2011 TEXTO FINAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 330, DE 2011 Dispõe sobre os contratos de integração, estabelece condições, obrigações e responsabilidades nas relações contratuais entre produtores integrados e

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS SEBRAE/PR SISTEMA FECOMÉRCIO SESC/SENAC Nº 05/2015

CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS SEBRAE/PR SISTEMA FECOMÉRCIO SESC/SENAC Nº 05/2015 CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS SEBRAE/PR SISTEMA FECOMÉRCIO SESC/SENAC Nº 05/2015 SELEÇÃO DE EMPRESAS PARA PARTICIPAÇÃO NA MISSÃO DO COMÉRCIO 2015 DESTINOS: CURITIBA/PR E SÃO PAULO/SP Curitiba Julho/2015

Leia mais

Manual de Relacionamento com Fornecedor

Manual de Relacionamento com Fornecedor 1 Manual de Relacionamento com Fornecedor 2 I Introdução... 3 1. Missão, visão e valores... 4 II Relacionamento com Fornecedor... 5 1. Qualificação... 6 2. Transporte... 6 3. Veículo... 6 4. Entrega/Recebimento...

Leia mais

O BNDES Mais Perto de Você. julho de 2009

O BNDES Mais Perto de Você. julho de 2009 O BNDES Mais Perto de Você julho de 2009 Quem somos Fundado em 20 de junho de 1952; Empresa pública de propriedade integral da União Federal; Principal fonte de crédito de longo prazo; Subsidiárias BNDESPar

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA Nº 03/2015. Seleção de Empresas para Participação na Feira Anuga

CHAMADA PÚBLICA Nº 03/2015. Seleção de Empresas para Participação na Feira Anuga CHAMADA PÚBLICA Nº 03/2015 Seleção de Empresas para Participação na Feira Anuga Porto Alegre 2015 2 PREÂMBULO SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SEBRAE/RS, entidade

Leia mais

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia ANEXO XIII XXXIII REUNIÓN ESPECIALIZADA DE CIENCIA Y TECNOLOGÍA DEL MERCOSUR Asunción, Paraguay 1, 2 y 3 de junio de 2005 Gran Hotel del Paraguay Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia Anexo XIII Projeto:

Leia mais

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR PROGRAMA DE MUNICIPALIZAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR É com satisfação que a Fundação Procon/SP apresenta o novo Programa de Municipalização que tem como objetivo fortalecer o Sistema Estadual

Leia mais

Cartão BNDES. Volta Redonda RJ. 06 de abril de 2011

Cartão BNDES. Volta Redonda RJ. 06 de abril de 2011 Cartão BNDES Volta Redonda RJ 06 de abril de 2011 Cartão BNDES Baseado no conceito de cartão de crédito, visa financiar de forma ágil e simplificada os investimentos das MPMEs. Como Funciona? Ambiente

Leia mais

Linhas e Programas de Financiamento às MPMEs Inovadoras. Florianópolis, 09 de abril de 2010

Linhas e Programas de Financiamento às MPMEs Inovadoras. Florianópolis, 09 de abril de 2010 Linhas e Programas de Financiamento às MPMEs Inovadoras Florianópolis, 09 de abril de 2010 Quem somos Fundado em 20 de junho de 1952; Empresa pública de propriedade integral da União Federal; Principal

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA Nº 04/2014. Seleção de Empresas para Participação na Feira SIAL Paris

CHAMADA PÚBLICA Nº 04/2014. Seleção de Empresas para Participação na Feira SIAL Paris CHAMADA PÚBLICA Nº 04/2014 Seleção de Empresas para Participação na Feira SIAL Paris Porto Alegre 2014 2 PREÂMBULO SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SEBRAE/RS,

Leia mais

ESTRATÉGIA DE FIDELIZAÇÃO

ESTRATÉGIA DE FIDELIZAÇÃO ESTRATÉGIA DE FIDELIZAÇÃO PLANEJAMENTO, SEGMENTAÇÃO E AÇÕES DE PROMOÇÃO CASO ABIHPEC EIXOS ESTRATÉGICOS DO PROJETO DE (Resultado do Workshop out 2008) Objetivos Relacionados: 11 - AUMENTAR A DECLARAÇÃO

Leia mais

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS Sistema Eletrobrás Política de Logística de Suprimento do Sistema Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO 4 POLÍTICA DE Logística de Suprimento

Leia mais

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM GESTÃO FINANCEIRA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 02/2012

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM GESTÃO FINANCEIRA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 02/2012 INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM GESTÃO FINANCEIRA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 02/2012 Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Coord. de Relações Institucionais) Fone: 55

Leia mais

Sustentabilidade nas Micro e Pequenas Empresas

Sustentabilidade nas Micro e Pequenas Empresas Sustentabilidade nas Micro e Pequenas Empresas Promover a competitividade e o desenvolvimento sustentável das micro e pequenas empresas e fomentar o empreendedorismo. Otimizar o uso dos recursos naturais

Leia mais

ANEXO I SISTEMA NACIONAL DE INFORMAÇÕES EM ECONOMIA SOLIDÁRIA (SIES) TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I SISTEMA NACIONAL DE INFORMAÇÕES EM ECONOMIA SOLIDÁRIA (SIES) TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I SISTEMA NACIONAL DE INFORMAÇÕES EM ECONOMIA SOLIDÁRIA (SIES) TERMO DE REFERÊNCIA 1. INTRODUÇÃO O Ministério do Trabalho e Emprego, por meio da Secretaria Nacional de Economia Solidária tem entre

Leia mais

Projeto Agricultura de Baixo Carbono e Desmatamento Evitado para a Redução da Pobreza no Brasil

Projeto Agricultura de Baixo Carbono e Desmatamento Evitado para a Redução da Pobreza no Brasil CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ELABORAÇÃO, E IMPLEMENTAÇÃO DE UM PLANO DE COMUNICAÇÃO PARA O PROJETO AGRICULTURA DE BAIXO CARBONO E DESMATAMENTO EVITADO PARA A REDUÇÃO DE POBREZA NO BRASIL. País - Brasil Projeto

Leia mais

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 Dispõe sobre a Política de Governança de Tecnologia da Informação do Tribunal de Contas da União (PGTI/TCU). O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso de suas

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.813, DE 22 DE JUNHO DE 2006. Aprova a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos e dá outras providências.

Leia mais

CHAMADA DE PROJETOS Nº 01/2015 APOIO A PROJETOS NA MODALIDADE DIFERENCIAÇÃO DO PROGRAMA SEBRAETEC - SEBRAE/BA

CHAMADA DE PROJETOS Nº 01/2015 APOIO A PROJETOS NA MODALIDADE DIFERENCIAÇÃO DO PROGRAMA SEBRAETEC - SEBRAE/BA CHAMADA DE PROJETOS Nº 01/2015 APOIO A PROJETOS NA MODALIDADE DIFERENCIAÇÃO DO PROGRAMA SEBRAETEC - SEBRAE/BA PREÂMBULO O SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO ESTADO DA BAHIA - SEBRAE/BA, entidade

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01 Sumário 1 Objetivo 2 Últimas Alterações 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão de qualidade 5 Responsabilidade da direção 6 Gestão de recursos 7 Realização do produto 8 Medição, análise e melhoria.

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Prefeitura Municipal de Boa Vista do Buricá SECRETARIA MUNICIPAL DE AGRICULTURA EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 001/2014

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Prefeitura Municipal de Boa Vista do Buricá SECRETARIA MUNICIPAL DE AGRICULTURA EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 001/2014 ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Prefeitura Municipal de Boa Vista do Buricá SECRETARIA MUNICIPAL DE AGRICULTURA EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 001/2014 O Município de Boa Vista do Buricá, comunica aos interessados

Leia mais

Política de Logística de Suprimento

Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento 5 1. Objetivo Aumentar a eficiência e competitividade das empresas Eletrobras, através da integração

Leia mais

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD)

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD) 1/22 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Emissão do documento baseado nos requisitos da ISO 9001:2008 Vendas Gestão de Contratos Service Demais envolvidos na análise e aprovação Área / Processo Responsável

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLÓGIA DO RN CAMPUS NATAL CENTRAL INCUBADORA TECNOLÓGICA NATAL CENTRAL - ITNC

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLÓGIA DO RN CAMPUS NATAL CENTRAL INCUBADORA TECNOLÓGICA NATAL CENTRAL - ITNC INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLÓGIA DO RN CAMPUS NATAL CENTRAL INCUBADORA TECNOLÓGICA NATAL CENTRAL - ITNC EDITAL Nº 02/2015 - SELEÇÃO DE IDEIAS EMPREENDEDORAS E MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

Leia mais

INSTRUÇÕES DE FATURAMENTO

INSTRUÇÕES DE FATURAMENTO INSTRUÇÕES DE FATURAMENTO 1. ENTREGA DAS FATURAS: 1.1. Datas de faturamento 1.1.1. Observar as datas especificadas pelo STJ para entrega das faturas (Cronograma de entrega de faturas). Quando essas datas

Leia mais

Política de Patrocínio

Política de Patrocínio SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...02 1. OBJETIVO INSTITUCIONAL...03 2. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS...04 3. LINHAS DE ATUAÇÃO...05 3.1 Projetos prioritários...05 3.2 Projetos que não podem ser patrocinados...05 4. ABRANGÊNCIA...06

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM MARKETING EMPRESARIAL E PESSOAL TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM MARKETING EMPRESARIAL E PESSOAL TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012 INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM MARKETING EMPRESARIAL E PESSOAL TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012 Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Coord. de Relações Institucionais)

Leia mais

Política de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação Política de P&D+I

Política de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação Política de P&D+I Política de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação Política de P&D+I julho 2009 Política de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação Política de P&D+I Política de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação Política

Leia mais

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM VENDAS E COACHING EM PLANO DE VIDA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 07/2012

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM VENDAS E COACHING EM PLANO DE VIDA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 07/2012 INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM VENDAS E COACHING EM PLANO DE VIDA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 07/2012 Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Coord. de Relações Institucionais)

Leia mais

INFORMAÇÕES AOS FORNECEDORES SEJA NOSSO FORNECEDOR REGULAMENTO PARA EMISSÃO DO CRC COCEL (parte integrante do site www.cocel.com.

INFORMAÇÕES AOS FORNECEDORES SEJA NOSSO FORNECEDOR REGULAMENTO PARA EMISSÃO DO CRC COCEL (parte integrante do site www.cocel.com. 1/7 INFORMAÇÕES AOS FORNECEDORES SEJA NOSSO FORNECEDOR REGULAMENTO PARA EMISSÃO DO CRC COCEL (parte integrante do site www.cocel.com.br) INFORMAÇÕES I. O interessado na inscrição no Cadastro de Fornecedores

Leia mais

POLÍTICA DE PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA ELETROSUL

POLÍTICA DE PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA ELETROSUL POLÍTICA DE PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA ELETROSUL Departamento de Planejamento, Pesquisa e Desenvolvimento - DPD Diretoria de Engenharia 1 ÍNDICE 1 PÚBLICO ALVO... 3 2 FINALIDADE...3 3 FUNDAMENTOS...

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, BACHARELADO Administração LFE em Administração de Empresas Administração LFE em Análise de Sistemas

Leia mais

EDITAL DE CREDENCIAMENTO

EDITAL DE CREDENCIAMENTO EDITAL DE CREDENCIAMENTO 01 Convênio ATN/ME- 11533-BR Cooperação Técnica Não- Reembolsável. Desenvolvimento de Metodologia para Implantação de Microfranquias 02 Identificação do Edital de Credenciamento

Leia mais

Incentivos Fiscais à Inovação Tecnológica nas empresas (previstos no Capítulo III da Lei do Bem )

Incentivos Fiscais à Inovação Tecnológica nas empresas (previstos no Capítulo III da Lei do Bem ) 1. Nome do Programa/Atividade/Ação fomentado: Incentivos Fiscais à Inovação Tecnológica nas empresas (previstos no Capítulo III da Lei do Bem ) 2. O que é? A Lei n.º 11.196, de 21 de novembro de 2005,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONOMICO E EMPREGO CENTRO DE INOVAÇÃO E ACELERAÇÃO DE EMPRESAS DE PALMAS - CIAP

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONOMICO E EMPREGO CENTRO DE INOVAÇÃO E ACELERAÇÃO DE EMPRESAS DE PALMAS - CIAP PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONOMICO E EMPREGO CENTRO DE INOVAÇÃO E ACELERAÇÃO DE EMPRESAS DE PALMAS - CIAP Palmas TO Ciap CENTRO DE INOVAÇÃO E ACELERAÇÃO DE EMPRESAS

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA E SERVIÇOS

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA E SERVIÇOS CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA E SERVIÇOS Este documento tem por finalidade regulamentar o fornecimento de equipamentos e serviços pela ENGEVAP ENGENHARIA E EQUIPAMENTOS LTDA., de acordo com a legislação em

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIAS INOVADORAS CDTI/UNITINS SELEÇÃO DE EMPRESAS EDITAL Nº 007, 13/08/2009.

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIAS INOVADORAS CDTI/UNITINS SELEÇÃO DE EMPRESAS EDITAL Nº 007, 13/08/2009. 1 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIAS INOVADORAS CDTI/UNITINS SELEÇÃO DE EMPRESAS EDITAL Nº 007, 13/08/2009. A Fundação Universidade do Tocantins UNITINS torna público

Leia mais

Edital de Abertura de SELEÇÃO PÚBLICA - PROGRAMA TECNOVA Subvenção Econômica à Inovação Edital SECITECE/FUNDASTEF/FINEP Nº 01/2013

Edital de Abertura de SELEÇÃO PÚBLICA - PROGRAMA TECNOVA Subvenção Econômica à Inovação Edital SECITECE/FUNDASTEF/FINEP Nº 01/2013 Edital de Abertura de SELEÇÃO PÚBLICA - PROGRAMA TECNOVA Subvenção Econômica à Inovação Edital SECITECE/FUNDASTEF/FINEP Nº 01/2013 1. OBJETIVO Apoiar por meio da concessão de recursos de subvenção econômica

Leia mais

Reunião de Trabalho da cadeia produtiva de Defesa e Segurança do Grande ABC. São Bernardo do Campo - SP 18 de abril de 2013

Reunião de Trabalho da cadeia produtiva de Defesa e Segurança do Grande ABC. São Bernardo do Campo - SP 18 de abril de 2013 Reunião de Trabalho da cadeia produtiva de Defesa e Segurança do Grande ABC São Bernardo do Campo - SP 18 de abril de 2013 Agenda 1. Informações Institucionais 2. Apoio às Micro, Pequenas e Médias Empresas

Leia mais

Edital nº: 008/2010 Processo nº: 03023/2010

Edital nº: 008/2010 Processo nº: 03023/2010 Edital nº: 008/2010 Processo nº: 03023/2010 EMPRETEC e d i t a l d e c a d a s t r o d e f o r n e c e d o r e s 0 2 d e o u t u b r o d e 2 0 1 2 Edital nº: 008/2010 Processo nº: 03023/2010 Página 1 de

Leia mais

Institui, no âmbito do Programa de Pesquisa em Biodiversidade - PPBio, a Política de Dados.

Institui, no âmbito do Programa de Pesquisa em Biodiversidade - PPBio, a Política de Dados. PORTARIA Nº 693, DE 20 DE AGOSTO DE 2009 Institui, no âmbito do Programa de Pesquisa em Biodiversidade - PPBio, a Política de Dados. O MINISTRO DE ESTADO DA CIÊNCIA E TENOLOGIA, no uso de suas atribuições

Leia mais

Chamada Interna BB Educar Integração. BB Educar. Brasília (DF), 01 de julho de 2015.

Chamada Interna BB Educar Integração. BB Educar. Brasília (DF), 01 de julho de 2015. Chamada Interna BB Educar Integração BB Educar Brasília (DF), 01 de julho de 2015. Unidade Negócios Sociais e Desenvolvimento Sustentável - UNS Chamada Interna BB Educar Integração O Banco do Brasil, por

Leia mais

Câmara Municipal de Itatiba

Câmara Municipal de Itatiba DOCUMENTOS PARA EFETUAR CADASTRO PARA EMISSÃO DO CERTIFICADO DE REGISTRO CADASTRAL "CRC" INFORMAÇÕES PARA CADASTRO DE FORNECEDORES Razão Social: Endereço: Bairro: Cidade: CEP: CNPJ: Inscrição Estadual:

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 336/2014

RESOLUÇÃO N.º 336/2014 MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 336/2014 EMENTA: Estabelece o currículo do Curso de Pós-graduação, nível Especialização, MBA em Desenvolvimento Gerencial

Leia mais

Atuação das Instituições GTP- APL. Sebrae. Brasília, 04 de dezembro de 2013

Atuação das Instituições GTP- APL. Sebrae. Brasília, 04 de dezembro de 2013 Atuação das Instituições GTP- APL Sebrae Brasília, 04 de dezembro de 2013 Unidade Central 27 Unidades Estaduais 613 Pontos de Atendimento 6.554 Empregados 9.864 Consultores credenciados 2.000 Parcerias

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 330, DE 2011

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 330, DE 2011 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 330, DE 2011 Dispõe sobre a parceria de produção integrada agropecuária, estabelece condições, obrigações e responsabilidades nas relações contratuais entre produtores

Leia mais