Introdução. Material e métodos. Lavanderias (Caruaru, Riacho das Almas e Toritama) e Panificação (Região Metropolitana do Recife).

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Introdução. Material e métodos. Lavanderias (Caruaru, Riacho das Almas e Toritama) e Panificação (Região Metropolitana do Recife)."

Transcrição

1 PROPOSTA METODOLÓGICA PARA ESTUDO DA GESTÃO AMBIENTAL EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Robéria Karine Lemos Gomes 1, Heitor Felipe da Silva 2, Tais Saraiva de Melo Pinheiro 3, Betânia Maria Filha Soares Bacelar 4, Marcus Metri Correa 5, Valdinete Lins e Silva 6, Epaminondas Luis Borges 7, Itamar Cordeiro 8, Soraya Giovanetti El-Deir 9 Introdução A Gestão Ambiental no campo empresarial já foi foco de diversos trabalhos [1, 2] os quais tratavam da implementação do sistema ISO principalmente [3]. Observou-se que em empresas brasileiras de porte grande apresentaram esforço inicial para a incorporação das normas internacionais ambientais, buscando agregar valor aos seus produtos, melhoria nos processos de produção e respondendo a demandas dos consumidores e do mercado internacional. Entretanto este esforço não foi similar no setor das Micro e Pequenas Empresas (MPEs), ora pelos custos de implementação das normas, ora por incompreensão de que estas denotariam diminuição de custos processuais, sendo tal temática retratada generadoicamente em publicação patrocinada pelo Serviço de Apoio as Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) [4]. Para as MPEs o foco da Gestão Ambiental refletiu a busca de implementação de boas práticas e a identificação de perdas processuais que denotassem desperdícios [5, 6]. Mas mesmo esta visão não foi assumida pelo setor como um todo, sendo adotada apenas por algumas empresas líderes setoriais, transformando-se em exemplos de benchmarking. Por compreender a necessidade da adoção de práticas ambientalmente sustentáveis pelas MPEs, por meio de iniciativas pró-ativas empresariais e governamentais, o Sebrae contratou serviço de consultoria para estudo dos setores de Pousadas de Porto de Galinhas (Ipojuca), Lavanderias (Caruaru, Riacho das Almas e Toritama) e Panificação (Região Metropolitana do Recife). Esta iniciativa tem como propósito (i) Redução dos impactos ambientais associados à produção de bens e serviços nos três setores focais da proposta; (ii) Definição dos parâmetros gerais para o delineamento de estratégias empresariais e governamentais voltadas à adoção de práticas ambientais voltadas a sustentabilidade dos setores; (iii) Identificação de instrumentos de planejamento e gestão ambientais dos três setores; (iv) Delineamento de instrumentos econômicos que possam dar sustentação às práticas de gestão ambiental nos três setores da pesquisa e (v) Elevação da consciência ambiental por parte dos empresários de cada setor. Face tal iniciativa ser pioneira, buscou-se o desenho inicial de metodologia para o cumprimento dos resultados esperados. Material e métodos A. Metodologia proposta Visando o desenvolvimento de consultoria para estruturação de proposta de Gestão Ambiental para as MPEs, usou-se a construção dialógica de metodologia via discussões com especialistas da área e os contratantes, visando realizar desenho metodológico mais próximo das necessidades do Sebrae e da forma mais ágil de levantamento dos dados necessários para a estruturação de tal modelo gerencial. 1 Graduanda do Curso de Engenharia Agrícola e Ambiental e Colaboradora do Grupo Gestão Ambiental em Pernambuco (GAMPE), do Departamento de Tecnologia Rural (DTR) da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE). Av. Dom Manuel de Medeiros, s/n, Dois Irmãos, Recife, PE, CEP Graduando do Curso de Engenharia Agrícola e Ambiental e Colaborador do GAMPE, do DTR, UFRPE. Av. Dom Manuel de Medeiros, s/n, Dois Irmãos, Recife, PE, CEP , 3 Graduanda do Curso de Engenharia Agrícola e Ambiental e Colaboradora do GAMPE, do DTR, UFRPE. Av. Dom Manuel de Medeiros, s/n, Dois Irmãos, Recife, PE, CEP , 4 Graduanda do Curso de Engenharia Agrícola e Ambiental e Colaboradora do GAMPE, do DTR, UFRPE. Av. Dom Manuel de Medeiros, s/n, Dois Irmãos, Recife, PE, CEP Professor Adjunto e Colaborador do GAMPE, do DTR, UFRPE. Av. Dom Manuel de Medeiros, s/n, Dois Irmãos, Recife, PE, CEP Professora Assitente do Departamento de Química, Universidade Federal de Pernambuco e colaboradora do GAMPE, do DTR, UFRPE. Av. Prof. Moraes Rego, 1235, Cidade Universitária, Recife, PE, CEP Professor Adjunto do Campus Garanhuns da UFRPE. 8 Colaborador do GAMPE, do DTR, UFRPE. Av. Dom Manuel de Medeiros, s/n, Dois Irmãos, Recife, PE, CEP , 9 Professora Assistente e Colaboradora do GAMPE, do DTR, UFRPE. Av. Dom Manuel de Medeiros, s/n, Dois Irmãos, Recife, PE, CEP Apoio Financeiro: Serviço Brasileiro de Apoio as Micro e Pequenas Empresas (Sebrae)

2 A metodologia proposta foi tal para alcançar o desenho de 5 produtos: (i) diagnóstico setorial, (ii) planejamento estratégico, (iii) instrumentos econômicos, (iv) indicadores de monitoramento e (v) instrumento de socialização das informações. Seguindo esta lógica, a construção da metodologia foi arquitetada de maneira a responder, ao longo de 6 meses, este desafio. Resultados e Discussão Para a realização da presente proposta, foram selecionadas 400 micros e pequenas empresas dos setores de confecção, gesso e turismo do Estado de Pernambuco. A metodologia construída para cada produto pode ser sumarizada como: A. Diagnóstico setorial Para melhor compreender os setores das MPEs buscou-se a realização de um diagnóstico setorial. Tal processo foi dividido em etapas subseqüentes: (i) levantamento de dados secundários, através de levantamento bibliográfico; (ii) levantamento de dados primários, por meio de pesquisa de campo, a qual contou com a elaboração de um instrumento de pesquisa. Esta etapa foi dividida em duas sub-etapas, a primeira com o levantamento simplificado de informações gerais, donde foi estudada a tipologia do setor, por meio de confecção de dendrograma, gerando agrupamentos de empresas similares. Para cada um dos setores estudados, foi desenvolvido dendrograma específico. A partir destes agrupamentos, foram elencadas empresas, num total de 10% do universo estudado, para um diagnóstico completo, onde parâmetros de ecoeficiência e economicidade foram estudadas in locu. Desta foram identificados os pontos onde há possibilidade de melhoria via implantação de preceitos de Gestão Ambiental. B. Planejamento estratégico O fim último de uma análise SWOT é o de desenhar estratégias que melhorem as chances de sucesso de uma empresa. Isto se torna possível através do cruzamento das informações coletadas sobre os pontos fracos e fortes, e sobre as oportunidades e ameaças. A partir da matriz SWOT, as estratégias podem ser desenhadas de várias formas. Neste estudo utilizaram-se dois tipos: SO (os pontos fortes para aproveitar as oportunidades e para amenizar (ou na melhor das hipóteses, eliminar) os efeitos negativos das ameaças. Nesta mesma perspectiva, também se devem considerar os pontos fracos de modo que os mesmos não inviabilizem a possibilidade de aproveitar as oportunidades, nem permitam que as ameaças se concretizem. Para a identificação dos pontos positivos e negativos foi feito inicialmente (i) levantamento de dados secundários via estudos bibliográficos visando compreender o estado da arte do setor. Através de (ii) oficina seguindo a Metodologia Ad Hoc [7], com consulta de especialistas de diversas áreas e conhecimentos teóricos e práticos em setores relacionados às características do empreendimento em análise, foi realizada análise multidisciplinar sobre a problemática em questão. Buscou-se a identificar fatores impactantes do setor, características locais e regionais e políticas públicas setoriais, além de potenciais melhorias nestes aspectos e possíveis proposições técnico-operacionais, em particular no campo da Gestão Ambiental. Estas reuniões foram dirigidas de maneira a permitir uma visão integrada da questão ambiental, permitindo obter informações relativas aos impactos prováveis e possibilidades de alternativas mitigadoras. Feita esta identificação, foi realizado (iii) desenho inicial de Planejamento Estratégico Ambiental (PEA) [8], via análise de micro ambiente, macro ambiente e ambiente interno, por meio do Método SWOT 10 [9], cruzando-se pontos fortes e fracos, ameaças e oportunidades. Para (iv) elevar o grau de percepção do grupo de especialistas, foram realizadas observações in loco com a visita a estabelecimentos dos três setores. Fruto deste momento foi realizada nova discussão, para aprofundar a percepção e ajustar leituras sobre detalhes observados, além de socializar a visão de cada um a todo o grupo. Aplicando-se o (v) Método Delphi, foram reanalisados os dados advindos do Método SWOT e foram (vi) sugeridas algumas diretrizes para a elaboração de estratégias de gestão ambiental os setores focais. Tais dados serão validados em oficina com os próprios empresários, os quais terão oportunidade de externar a sua visão de mundo, construir/validar/alterar a analise realizada e consolidar cenários setoriais e estratégias para a implementação da Gestão Ambiental em cada uma das empresas trabalhadas. C. Instrumentos econômicos O desenvolvimento de Instrumento econômicos (IEs) para as MPEs é um desafio, visto que estes instrumentos são comumente usados para grandes empresas [10]. Estes serão fruto do cruzamento das tipologias com a análise mercadológica e as políticas públicas para o setor em tela, focados na melhoria da qualidade ambiental e estarão vinculados ao princípio do Comando-e-controle, podendo ter como parâmetro para sua implementação padrões ambientais, limites de emissões, banimento de tecnologias inapropriadas ou restrições de uso; ou vinculados a Taxas e Mecanismos de mercado, estando articulados com taxas de poluição, taxas de uso, depósito- 10 O termo SWOT é um acrônimo de Strengths (Forças), Weaknesses (Fraquezas), Opportunities (Oportunidades) e Threats (Ameaças). Trata-se de um método desenvolvido nos anos 60 para análise de cenário e desenho de estratégias para empresas. Consiste basicamente na elaboração e interpretação de uma matriz onde constam as características do ambiente interno (Forças e Fraquezas) e do ambiente externo (Oportunidades e Ameaças) à empresa.

3 reembolso, mecanismos de licenças e mecanismos de alavancagem de mercados limpos. Todos estarão voltados para a sustentabilidade setorial, visando favorecer a implantação de tecnologias mais limpas D. Indicadores de monitoramento Visando identificar progressos e retrocessos, serão identificados indicadores físico/químicos, biológicos e socioeconômicos que servirão de parâmetros para o monitoramento do processo, antes da implantação das ações de Gestão Ambiental, buscando assim fazer um processo de melhoria contínua com análise periódica. Estes indicadores serão identificados a partir do diagnóstico setorial, e estarão relacionados com a eficiência energética e a economicidade processual de produção de produtos e venda de serviços, a depender do setor a ser focado. E. Instrumento de socialização das informações. O instrumento focal para o setor, uma cartilha, foi elaborada seguindo sete etapas subseqüentes. A primeira consiste em (i) definir o objetivo da cartilha. É importante que o objetivo fique claro logo de início, pois, do contrário, corre-se o risco de que a cartilha transforme-se num artefato meramente ilustrativo [7]. Não é pelo fato de tratar-se de um instrumento educacional informal que se exigirá menos atenção ou rigor na sua elaboração. Deve-se sublinhar que a participação do proprietário da empresa (e se possível de funcionários) nesta fase é imprescindível. A segunda etapa consiste em (ii) promover uma tempestade de idéias (brainstorming) sobre o assunto em questão. Trata-se de um método de geração coletiva de novas idéias através da participação de diversos indivíduos em um grupo. Seu pressuposto básico é o de que um grupo gera mais idéias do que os indivíduos isoladamente. É precisamente através deste compartilhamento e apresentação de idéias que surgem as propostas sobre o enredo da cartilha e as personagens que a comporão. Entretanto, a proposta começa efetivamente a tomar corpo quando (iii) busca-se definir qual será efetivamente a mensagem principal e as mensagens específicas a serem transmitidas, por meio da definição do enredo e falas que irão compor a cartilha. Deve-se optar por aquelas idéias que melhor se adéqüem à realidade da empresa em questão. O enredo deve ser simples e acessível (de fácil entendimento) ao público alvo para o qual foi destinada, refletindo o cotidiano da empresa (pois é nele que o funcionário desenvolve suas atividades) e seus aspectos e impactos ambientais 11 específicos. Trata-se de fazer com que o funcionário reconheçase nas ações retratadas na cartilha; compreenda de que 11 Aspecto ambiental pode ser entendido como o elemento das atividades, produtos ou serviços de uma organização que pode interagir com o meio ambiente [3]. qualquer modificação do meio ambiente, adversa ou benéfica, que resulte, no todo ou em parte, dos aspectos ambientais da organização [8]. forma suas atividades impactam o meio ambiente e; o que pode fazer para ajudar. Entende-se, assim, que quanto mais se identificar com o que vê, maiores são as chances de que a cartilha obtenha êxito em seus propósitos. Uma equipe que concebe um instrumento de educação ambiental como uma cartilha não precisa, necessariamente, ter a capacidade de transformar a idéia em arte. Para este fim, pode-se contar com especialistas em artes visuais e design. Contudo os desenhos devem estar de acordo à realidade. Assim (iv) é imprescindível que se faça um registro fotográfico in loco de modo que as reproduções na cartilha estejam o mais próximo possível da realidade. Para a (v) definição das cenas é preciso que o grupo encarregado da elaboração da cartilha conceba situações-chave que permitam transmitir as mensagens específicas definidas na etapa três. Recomenda-se que as cenas representem os principais setores da empresa e que apresentem os aspectos e impactos ambientais mais significativos da mesma de uma forma clara e direta. Depois deve-se (vi) concentrar nas falas das personagens. Uma ação educativa engloba os processos de ensino e aprendizagem que são mediados pelo processo de comunicação [11]. Comunicação, por sua vez, envolve basicamente três ações: codificação, transmissão e decodificação de uma mensagem. A aprendizagem só ocorre quando esta mensagem é devidamente recepcionada e incorporada pelo indivíduo. Por isso deve-se buscar uma maneira adequada de codificação e transmissão da mensagem. Portanto, as falas presentes nas cartilhas devem: ser sucintas; possuir linguagem simples; ser adequadas ao nível técnico dos leitores e introduzir termos técnicos. Por fim, uma (vii) validação do que foi elaborado deve ter lugar. Trata-se de realizar um pré-teste com os próprios funcionários e com os proprietários das empresas e a fim de aferir a percepção dos mesmos sobre o que foi produzido. A partir da reação dos mesmos, é possível realizar adequações ou modificações, permitindo obter um produto final que seja o mais eficaz possível. Agradecimentos Os autores agradecem ao Sebrae-PE, na pessoa de Maurício Correa e sua equipe, pelas informações e auxílio técnico prestado na realização desta pesquisa. Referências [1] CERUTI, F. C.; SILVA, M. L. N. da. Dificuldades de implantação de sistema de gestão ambiental (SGA) em empresas. Revista Acadêmica, Ciências Agrárias e Ambientais, v. 7, n. 1, jan/mar, p., Disponível em? 99=view [2] FARIAS,Hh. M.. Uma discussão a respeito dos benefícios econômicos da gestão ambiental. Dissertação. Disponível em:

4 [3] CAJAZEIRA, J. M. R. ISO ; Manual de implantação. Rio de Janeiro: Qualitymark [4]MAINON, D. ISO ; Passo a passo da implantação nas pequenas e médias empresas. Rio de Janeiro: Qualitymark [5] ALMEIDA, F. o bom negócio da sustentabilidade. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, ] BARBIERE, J. C. Gestão Ambiental Empresarial; conceitos, modelos e instrumentos. 2. ed. São Paulo: Saraiva, [7] ALVES, I. ; REZENDE, S. O. ; OLIVEIRA NETO, O. J. de; SANTANA, C. D. R. Aplicação do Modelo e Análise SWOT no Diagnóstico Estratégico de uma Propriedade Rural Especializada em Recria e Engorda de Bovinos de Corte. Disponível em: f4/02.pd [8] ALMEIDA, M. I. R. de, Modelo de desenvolvimento de Planejamento estratégico para pequenas empresas. Disponível em: A7%C3%B5es/martinho/31.pdf [9] DANTAS, N. G. de S. ; MELO, R. de S. O método de análise SWOT como ferramenta para promover o diagnóstico turístico de um local: o caso do município de Itabaiana / PB. Caderno virtual de turismo, vol. 8, n. 1, p., 2008, disponível em: ID=2083 [10] OLIVEIRA, J. A. P. de. Instrumentos econômicos para Gestão Ambiental; lições das experiências nacional e internacional. Savabor: CRA, [11]SANTOS, S Princípios e técnicas de comunicação. In: PHILIPPI JR., A.; PELICIONI, M.C. (eds.). Educação ambiental e sustentabilidade. Barueri: Manole, p

5

Gestão Ambiental em Micro e Pequenas Empresas, uma proposta metodológica

Gestão Ambiental em Micro e Pequenas Empresas, uma proposta metodológica Gestão Ambiental em Micro e Pequenas Empresas, uma proposta metodológica Soraya Giovanetti EL-DEIR (UFRPE) Marcus Metri CORRÊA (UFRPE) Valdinete Lins da SILVA (UFPE) Itamar Dias e CORDEIRO (CPRH-PE) Epaminondas

Leia mais

Sustentabilidade nas Micro e Pequenas Empresas

Sustentabilidade nas Micro e Pequenas Empresas Sustentabilidade nas Micro e Pequenas Empresas Promover a competitividade e o desenvolvimento sustentável das micro e pequenas empresas e fomentar o empreendedorismo. Otimizar o uso dos recursos naturais

Leia mais

Empresa organizada tem melhor desempenho

Empresa organizada tem melhor desempenho Empresa organizada tem melhor desempenho O SEBRAE e o que ele pode fazer pelo seu negócio Consultorias SEBRAE Mais Programas setoriais Palestras Trilha de aprendizagem empresarial EAD Na Medida Cursos

Leia mais

VI-277 - PROPOSTA DE ELABORAÇÃO DE POLÍTICA AMBIENTAL PARA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR IES DO SUL DO PAÍS

VI-277 - PROPOSTA DE ELABORAÇÃO DE POLÍTICA AMBIENTAL PARA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR IES DO SUL DO PAÍS VI-277 - PROPOSTA DE ELABORAÇÃO DE POLÍTICA AMBIENTAL PARA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR IES DO SUL DO PAÍS Camila Cardoso dos Reis (1) Acadêmica de Engenharia Ambiental na Universidade de Santa Cruz

Leia mais

Empresa organizada tem melhor desempenho

Empresa organizada tem melhor desempenho Empresa organizada tem melhor desempenho O SEBRAE e o que ele pode fazer pelo seu negócio Consultorias SEBRAE Mais Programas setoriais Palestras Trilha de aprendizagem empresarial EAD Na Medida Cursos

Leia mais

Estruturação da Área Ambiental em uma Empresa do Parceria Empresa Universidade

Estruturação da Área Ambiental em uma Empresa do Parceria Empresa Universidade Estruturação da Área Ambiental em uma Empresa do Setor de Transportes de Pernambuco através de Parceria Empresa Universidade Yenê Medeiros Paz Raísa Prota Lins Bezerra (raisaprota@gmail.com) Ntáli Natália

Leia mais

Conhecer o cenário de atuação de micro e pequenas empresas é fundamental para subsidiar estratégias de atuação do Sebrae junto a esses negócios.

Conhecer o cenário de atuação de micro e pequenas empresas é fundamental para subsidiar estratégias de atuação do Sebrae junto a esses negócios. Conhecer o cenário de atuação de micro e pequenas empresas é fundamental para subsidiar estratégias de atuação do Sebrae junto a esses negócios. Só assim é possível identificar oportunidades de melhorias

Leia mais

APRESENTAÇÃO DIRETORIA DE INOVAÇÃO. OFICINA DA INOVAÇÃO

APRESENTAÇÃO DIRETORIA DE INOVAÇÃO. OFICINA DA INOVAÇÃO APRESENTAÇÃO DIRETORIA DE INOVAÇÃO. OFICINA DA INOVAÇÃO Página 1 de 18 ÍNDICE DA PROPOSTA Apresentação da Empresa... 3 Apresentação dos serviços da Oficina da Inovação... 6 Consultoria... 6 Capacitação...

Leia mais

Gerenciamento de Riscos em Projetos. Msc. Fernando Simon AFS SOLUTIONS

Gerenciamento de Riscos em Projetos. Msc. Fernando Simon AFS SOLUTIONS Gerenciamento de Riscos em Projetos Apresentação Fernando Simon fsimonbr@gmail.com.br Sócio proprietário da AFS Solutions www.afssolutions.com.br Consultor em Gerenciamento de Riscos em Projetos Docente

Leia mais

Estruturação da Área Ambiental em uma Empresa do Setor de Transportes de Pernambuco através de Parceria Empresa- Universidade

Estruturação da Área Ambiental em uma Empresa do Setor de Transportes de Pernambuco através de Parceria Empresa- Universidade Estruturação da Área Ambiental em uma Empresa do Setor de Transportes de Pernambuco através de Parceria Empresa- Universidade Y. M. Paz a, R. Prota b, N. S. Cavalcanti c, S. G. El-Deir d, V. L. L. Bezerra

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS GERADOS PELAS INDÚSTRIAS DE CONFECÇÃO DE COLATINA/ES

GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS GERADOS PELAS INDÚSTRIAS DE CONFECÇÃO DE COLATINA/ES INSTITUTO FEDERAL ESPÍRITO SANTO Campus Colatina GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS GERADOS PELAS INDÚSTRIAS DE CONFECÇÃO DE COLATINA/ES Regina Clara dos Santos Alencar Sarina Francisca de Assis Orientador: Msc.

Leia mais

Palavras-chaves: Ambiental, Ferramentas de Gestão, Indicadores Ambientais

Palavras-chaves: Ambiental, Ferramentas de Gestão, Indicadores Ambientais VALIDAÇÃO DAS FERRAMENTAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA ESTRUTURAÇÃO DO MODELO NA FORMAÇÃO DE AGENTES AMBIENTAIS E APLICAÇÃO DE TÉCNICAS SUSTENTÁVEIS DE CONSUMO Davi Alves Fernandes (UFPE ) davifernandes01@gmail.com

Leia mais

Parte integrante da Metodologia Tear de Trabalho em Cadeia de Valor

Parte integrante da Metodologia Tear de Trabalho em Cadeia de Valor Parte integrante da Metodologia Tear de Trabalho em Cadeia de Valor 2 Apresentando as etapas da Metodologia Tear de forma simplificada, esta versão resumida foi preparada para permitir um acesso rápido

Leia mais

APLICABILIDADE DA ESPECIFICAÇÃO PAS 99:2006 COMO MODELO INTEGRADO DE GESTÃO - UM ESTUDO DE CASO

APLICABILIDADE DA ESPECIFICAÇÃO PAS 99:2006 COMO MODELO INTEGRADO DE GESTÃO - UM ESTUDO DE CASO ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5FE)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& APLICABILIDADE DA ESPECIFICAÇÃO PAS 99:2006 COMO

Leia mais

FINANÇAS AS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS AS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS AS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 2.1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 Fundamentos de Risco e Retorno Se todos soubessem com antecedência qual seria o preço futuro de uma ação, o investimento

Leia mais

Eixo Temático ET-13-025 - Educação Ambiental

Eixo Temático ET-13-025 - Educação Ambiental 546 Anais do Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental e Sustentabilidade - Vol. 1: Congestas 2013 Eixo Temático ET-13-025 - Educação Ambiental AVALIAÇÃO DO CONSUMO CONSCIENTE DE ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS

Leia mais

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento Profa. Marta Valentim Marília 2014 Modelos,

Leia mais

FORMAÇÃO DE JOVENS EM EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA SEMEARTE: SEMEANDO ARTE E AÇÃO

FORMAÇÃO DE JOVENS EM EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA SEMEARTE: SEMEANDO ARTE E AÇÃO FORMAÇÃO DE JOVENS EM EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA SEMEARTE: SEMEANDO ARTE E AÇÃO Jéssika Luane SILVA¹; Danilo I. de URZEDO¹; Lucas B. VIÉGAS¹; Juliana V. FLORENZANO¹; Fátima C. M. PIÑA-RODRIGUES²; Eliana Cardoso

Leia mais

GUIA RÁPIDO: ANÁLISE SWOT

GUIA RÁPIDO: ANÁLISE SWOT GUIA RÁPIDO: ANÁLISE SWOT A melhor ferramenta para você se preparar para o planejamento estratégico da sua empresa e conseguir ter informações essenciais do que priorizar SUMÁRIO 02 Introdução 03 1. A

Leia mais

Análise SWOT. Filipe Vana Leonardo Monteiro Marcus Voloch

Análise SWOT. Filipe Vana Leonardo Monteiro Marcus Voloch Análise SWOT Filipe Vana Leonardo Monteiro Marcus Voloch SWOT O significado ANÁLISE SWOT Criada por Kenneth Andrews e Roland Christensen, dois professores da Harvard Business School, e posteriormente aplicada

Leia mais

Etec Paulino Botelho Rua Marechal Deodoro 3183 Vila Nery São Carlos SP (16) 3371 1027 -www.etepb.com.br. Plano de Trabalho Docente 2ºsem / 2015

Etec Paulino Botelho Rua Marechal Deodoro 3183 Vila Nery São Carlos SP (16) 3371 1027 -www.etepb.com.br. Plano de Trabalho Docente 2ºsem / 2015 Plano de Trabalho Docente 2ºsem / 2015 Ensino Técnico Etec Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico

Leia mais

PERCEPÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL EM UM AMBIENTE MICRO- EMPRESARIAL: ABORDANDO UM NOVO CONCEITO DE ECO- DESENVOLVIMENTO.

PERCEPÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL EM UM AMBIENTE MICRO- EMPRESARIAL: ABORDANDO UM NOVO CONCEITO DE ECO- DESENVOLVIMENTO. Goiânia/GO 19 a 22/11/2012 PERCEPÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL EM UM AMBIENTE MICRO- EMPRESARIAL: ABORDANDO UM NOVO CONCEITO DE ECO- DESENVOLVIMENTO. Camila Souza de Andrade Universidade Federal da Grande Dourados

Leia mais

Comunicação Social. Planejamento de Marketing. Análise SWOT

Comunicação Social. Planejamento de Marketing. Análise SWOT Comunicação Social Planejamento de Marketing 1 Análise SWOT 2 1 Análise SWOT Slide 3 A Análise SWOT é uma ferramenta utilizada para fazer análise de cenário (ou análise de ambiente), sendo usado como base

Leia mais

A EDUCAÇÃO AMBIENTAL ATRAVÉS DA APROPRIAÇÃO DE PROBLEMAS AMBIENTAIS LOCAIS COM ALUNOS DO ENSINO MÉDIO EM CAMPINA GRANDE-PB.

A EDUCAÇÃO AMBIENTAL ATRAVÉS DA APROPRIAÇÃO DE PROBLEMAS AMBIENTAIS LOCAIS COM ALUNOS DO ENSINO MÉDIO EM CAMPINA GRANDE-PB. A EDUCAÇÃO AMBIENTAL ATRAVÉS DA APROPRIAÇÃO DE PROBLEMAS AMBIENTAIS LOCAIS COM ALUNOS DO ENSINO MÉDIO EM CAMPINA GRANDE-PB. Maria Célia Cavalcante de Paula e SILVA Licenciada em Ciências Biológicas pela

Leia mais

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa 1 Introdu ç ão 1.1. A questão de pesquisa A temática estratégia é muito debatida no meio acadêmico e também possui destacado espaço nas discussões no meio empresarial. Organizações buscam continuamente

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA DE MARKETING PARA GESTORES DE NEGÓCIO

A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA DE MARKETING PARA GESTORES DE NEGÓCIO A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA DE MARKETING PARA GESTORES DE NEGÓCIO Mariana Ferreira Soares, Priscila Petrusca Messias Gomes Silva e Marcos Alexandre de Melo Barros. Faculdade Senac de Pernambuco. E-mail:

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DA QUALIDADE - UMA PROPOSTA DE INSTRUMENTALIZAÇÃO EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS

PLANO DE GERENCIAMENTO DA QUALIDADE - UMA PROPOSTA DE INSTRUMENTALIZAÇÃO EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS ISSN 1984-9354 PLANO DE GERENCIAMENTO DA QUALIDADE - UMA PROPOSTA DE INSTRUMENTALIZAÇÃO EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS Maíra Cecília Lewin (LATEC/UFF) Resumo Em uma organização certificada e projetizada,

Leia mais

Metodologia do Projeto de Acesso a Mercados PAM

Metodologia do Projeto de Acesso a Mercados PAM Metodologia do Projeto de Acesso a Mercados PAM PAM Projeto de Acesso a Mercados 1 2008. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE-SP TODOS OS DIREITOS RESERVADOS A reprodução não

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR LUZ, Janes Socorro da 1, MENDONÇA, Gustavo Henrique 2, SEABRA, Aline 3, SOUZA, Bruno Augusto de. 4 Palavras-chave: Educação

Leia mais

Observação: Aqui não esta sendo exposto a questão da estratégia competitiva e os fatores internos e externos à companhia.

Observação: Aqui não esta sendo exposto a questão da estratégia competitiva e os fatores internos e externos à companhia. Avaliação de Desempenho- Professor: Robson Soares Capítulo 2 Alinhamento do desempenho humano ao organizacional Veremos agora o alinhamento do desempenho humano ao organizacional. Segundo Souza (2005),

Leia mais

PROJETO BÁSICO AMBIENTAL UHE TELES PIRES

PROJETO BÁSICO AMBIENTAL UHE TELES PIRES PROJETO BÁSICO AMBIENTAL UHE TELES PIRES P.38 - Programa de Apoio a Revitalização e incremento da Atividade de Turismo Relatório Semestral de Atividades Realizadas EQUIPE TÉCNICA RESPONSÁVEL PELO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico. Componente Curricular: ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico. Componente Curricular: ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÂ Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO Qualificação:

Leia mais

INSTITUIÇÕES APRENDENTES: EMPREENDIMENTOS SOLIDÁRIOS EM COMUNIDADES LOCAIS.

INSTITUIÇÕES APRENDENTES: EMPREENDIMENTOS SOLIDÁRIOS EM COMUNIDADES LOCAIS. INSTITUIÇÕES APRENDENTES: EMPREENDIMENTOS SOLIDÁRIOS EM COMUNIDADES LOCAIS. Ana Lícia de Santana Stopilha Professora Assistente da Universidade do Estado da Bahia Campus XV Doutoranda em Difusão do Conhecimento

Leia mais

COMO UM CSC PODE ALAVANCAR FUSÕES E AQUISIÇÕES. Vanessa Saavedra, Manuela Dantas, Maurício Cavalieri e Rafael Pinheiro

COMO UM CSC PODE ALAVANCAR FUSÕES E AQUISIÇÕES. Vanessa Saavedra, Manuela Dantas, Maurício Cavalieri e Rafael Pinheiro COMO UM CSC PODE ALAVANCAR FUSÕES E AQUISIÇÕES Vanessa Saavedra, Manuela Dantas, Maurício Cavalieri e Rafael Pinheiro Fusão e aquisição (F&A) são termos, por vezes, tratados como sinônimos. Entretanto,

Leia mais

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA Prestação de Serviços em Assessoria e Consultoria Tributária para as empresas do Arranjo Produtivo Local. 1. OBJETIVO

Leia mais

www.idestur.org.br - info@idestur.org.br

www.idestur.org.br - info@idestur.org.br ROTEIROS PAULISTAS DE TURISMO EQUESTRE O Turismo Eqüestre que tem nos eqüídeos o principal atrativo ou, pelo menos, uma das principais motivações, já é reconhecido em diferentes países como um importante

Leia mais

O uso de blogs no ensino de Matemática 2

O uso de blogs no ensino de Matemática 2 Claudinei Flavia Batista Santos Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil bs_flavia@hotmail.com Sirlândia Souza Santana sirlandiasantana@hotmail.com Resumo Este trabalho tem como principal objetivo

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL

IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL PARTE: I Conceitos da gestão ambiental Aplicação: micro, pequenas e médias empresas. Referência: Norma NBR ISO 14001:2004 Tempo para implantação: de 5 à 12 meses. Duas Momentos (fases): planejamento implementação

Leia mais

A EXPERIÊNCIA EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL ADQUIRIDA DENTRO DA COORDENADORIA DE GESTÃO AMBIENTAL DA UFRGS

A EXPERIÊNCIA EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL ADQUIRIDA DENTRO DA COORDENADORIA DE GESTÃO AMBIENTAL DA UFRGS A EXPERIÊNCIA EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL ADQUIRIDA DENTRO DA COORDENADORIA DE GESTÃO AMBIENTAL DA UFRGS A. Krummenauer, D. Campani, P. Samuel Coordenadoria de Gestão Ambiental da Universidade Federal do Rio

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

APLICAÇÃO DE UM MODELO DE GESTÃO AMBIENTAL EM UMA EMPRESA DO ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE CONFECÇÕES DO AGRESTE PERNAMBUCANO (APLCAPE).

APLICAÇÃO DE UM MODELO DE GESTÃO AMBIENTAL EM UMA EMPRESA DO ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE CONFECÇÕES DO AGRESTE PERNAMBUCANO (APLCAPE). APLICAÇÃO DE UM MODELO DE GESTÃO AMBIENTAL EM UMA EMPRESA DO ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE CONFECÇÕES DO AGRESTE PERNAMBUCANO (APLCAPE). Jose Andro de Souza (UFPE-CAA) andro-souza@hotmail.com Gilson Lima

Leia mais

MOTIVAÇÃO NOS CURSOS DE HOSPEDAGEM E EVENTOS: a quebra de barreiras na EaD

MOTIVAÇÃO NOS CURSOS DE HOSPEDAGEM E EVENTOS: a quebra de barreiras na EaD MOTIVAÇÃO NOS CURSOS DE HOSPEDAGEM E EVENTOS: a quebra de barreiras na EaD Autores: ANNARA MARIANE PERBOIRE DA SILVA, MARÍLIA FERREIRA PAES CESARIO e MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA Introdução A Educação

Leia mais

Hospedagem Sustentável: Gestão Ambiental em meios de hospedagem para o município de São Roque. Darlyne de Aquino Silva

Hospedagem Sustentável: Gestão Ambiental em meios de hospedagem para o município de São Roque. Darlyne de Aquino Silva Hospedagem Sustentável: Gestão Ambiental em meios de hospedagem para o município de São Roque Darlyne de Aquino Silva Instituto Federal de Educação Ciência e tecnologia de São Paulo. São Roque, SP 2011

Leia mais

Pós-graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO TERMO DE REFERÊNCIA Nº 05/2012

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO TERMO DE REFERÊNCIA Nº 05/2012 INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO TERMO DE REFERÊNCIA Nº 05/2012 Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Coord. de Relações Institucionais) Fone:

Leia mais

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE OUTUBRO DE 2012 EREM JOAQUIM NABUCO

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE OUTUBRO DE 2012 EREM JOAQUIM NABUCO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PERNAMBUCO PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA CÍCERO WILLIAMS DA SILVA EMERSON LARDIÃO DE SOUZA MARIA DO CARMO MEDEIROS VIEIRA ROBERTO GOMINHO DA SILVA

Leia mais

DEPARTAMENTO DA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA FIESP/DEMPI

DEPARTAMENTO DA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA FIESP/DEMPI DEPARTAMENTO DA MICRO, PEQUENA FIESP/DEMPI DEMPI DEPARTAMENTO DA MICRO, PEQUENA QUAL PERFIL DAS MPEs NO CENÁRIO ECONÔMICO DO PAÍS? REPRESENTATIVIDADE BRASIL SÃO PAULO Total de Empresas: 5,6 milhões Micro

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PROGRAMA ENSINO MÉDIO COM INTERMEDIAÇÃO TECNOLÓGICA (EMITEC): POSSIBILIDADES EFETIVAS NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PROGRAMA ENSINO MÉDIO COM INTERMEDIAÇÃO TECNOLÓGICA (EMITEC): POSSIBILIDADES EFETIVAS NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO 1 SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PROGRAMA ENSINO MÉDIO COM INTERMEDIAÇÃO TECNOLÓGICA (EMITEC): POSSIBILIDADES EFETIVAS NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO Salvador BA Maio de 2012 Letícia Machado dos Santos Secretaria

Leia mais

Formulário de Planejamento Estratégico

Formulário de Planejamento Estratégico Formulário de Planejamento Estratégico Para Empreendimentos Sociais 1. Missão É o propósito da organização, bem como sua amplitude de operações e responde às perguntas: qual é a razão de existir daquela

Leia mais

HOTEL FAZENDA: AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO AMBIENTAL

HOTEL FAZENDA: AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO AMBIENTAL HOTEL FAZENDA: AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO AMBIENTAL Protasio Ferreira e Castro (UFF ) pfcastro@oi.com.br Monique Barbosa Paiva (UFF ) paiva.nit@gmail.com Os sistemas de mensuração do desempenho ambiental

Leia mais

PROFILE RESUMIDO LIDERANÇA DAS EQUIPES

PROFILE RESUMIDO LIDERANÇA DAS EQUIPES PROFILE RESUMIDO LIDERANÇA DAS EQUIPES A Prima Consultoria A Prima Consultoria é uma empresa regional de consultoria em gestão, fundamentada no princípio de entregar produtos de valor para empresas, governo

Leia mais

Métodos qualitativos: Pesquisa-Ação

Métodos qualitativos: Pesquisa-Ação Métodos AULA 12 qualitativos: Pesquisa-Ação O que é a pesquisa-ação? É uma abordagem da pesquisa social aplicada na qual o pesquisador e o cliente colaboram no desenvolvimento de um diagnóstico e para

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: MONSENHOR ANTONIO MAGLIANO Código: 088 Município: GARÇA SP Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICA EM NÍVEL MÉDIO

Leia mais

Como um CSC pode alavancar Fusões e Aquisições

Como um CSC pode alavancar Fusões e Aquisições Como um CSC pode alavancar Fusões e Aquisições Supply Chain Finance 2011 3 Como um CSC pode alavancar Fusões e Aquisições Autores: Vanessa Saavedra/ Manuela Dantas/ Maurício Cavalieri/ Rafael Pinheiro

Leia mais

Programa de Educação Ambiental e de Comunicação Social. Projeto de Implantação de Depósito de Celulose. Klabin S.A

Programa de Educação Ambiental e de Comunicação Social. Projeto de Implantação de Depósito de Celulose. Klabin S.A Programa de Educação Ambiental e de Comunicação Social Projeto de Implantação de Depósito de Celulose Klabin S.A Ref.: Condicionante para obtenção de Licença de Instalação Telêmaco Borba, 12 de janeiro

Leia mais

ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL REALIZADAS NA COMUNIDADE ILHA DE DEUS, RECIFE-PE

ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL REALIZADAS NA COMUNIDADE ILHA DE DEUS, RECIFE-PE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL REALIZADAS NA COMUNIDADE ILHA DE DEUS, RECIFE-PE Juliana dos Santos Silva 1, Anália Carmem Silva de Almeida 2, Arlindo de Paula Machado Neto 3 e Carlos Augusto Sampaio

Leia mais

Palavras-chave: Desenvolvimento profissional, Desenvolvimento organizacional, Parceria Universidade-Empresa

Palavras-chave: Desenvolvimento profissional, Desenvolvimento organizacional, Parceria Universidade-Empresa PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL PARA EMPRESAS INTEGRADAS: UMA PARCERIA UNIVERSIDADE EMPRESA Gislaine Zainaghi zainaghi@sc.usp.br Prof. Dr. Carlos F. Bremer bremer@sc.usp.br Escola de Engenharia

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DAS DISCIPLINAS DE CONTABILIDADE NA FORMAÇÃO DO GRADUANDO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS

CONTRIBUIÇÕES DAS DISCIPLINAS DE CONTABILIDADE NA FORMAÇÃO DO GRADUANDO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS 6.00.00.00-7 CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS 6.02.00.00-6 ADMINISTRAÇÃO CONTRIBUIÇÕES DAS DISCIPLINAS DE CONTABILIDADE NA FORMAÇÃO DO GRADUANDO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS ADONILTON ALMEIDA DE SOUZA Curso

Leia mais

P11 Proposta da equipe. Abril/2013

P11 Proposta da equipe. Abril/2013 P11 Proposta da equipe Abril/2013 Matriz SWOT AMBIENTES Interno FORÇAS Comprometimento da Diretoria com as questões ambientais; Capacidade da ANTAQ em interagir com os demais setores; Possibilidade da

Leia mais

UNIDADE 5 A estrutura de um Plano de Negócios

UNIDADE 5 A estrutura de um Plano de Negócios UNIDADE 5 A estrutura de um Plano de Negócios É evidente a importância de um bom plano de negócios para o empreendedor, mas ainda existem algumas questões a serem respondidas, por exemplo: Como desenvolver

Leia mais

1 Introdução 1.1. Motivação

1 Introdução 1.1. Motivação 9 1 Introdução 1.1. Motivação Ao longo das últimas décadas, observou-se um aumento enorme na complexidade dos sistemas de software desenvolvidos, no número de profissionais que trabalham nesta área, na

Leia mais

Apresentação da disciplina e proposta didática Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza

Apresentação da disciplina e proposta didática Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Apresentação da disciplina e proposta didática Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Este documento está sujeito a copyright. Todos os direitos estão reservados para o todo ou quaisquer partes do documento, em

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: São José do Rio Pardo Código: 150 Município: São José do Rio Pardo Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico em Administração

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PEA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL 1

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PEA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL 1 1 1. APRESENTAÇÃO O presente Termo de Referência visa orientar e fornecer subsídios para a elaboração e conseqüente implantação do Programa de Educação Ambiental (PEA) a ser apresentado à Coordenadoria

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 Narjara Bárbara Xavier Silva 2 Patrícia Morais da Silva 3 Resumo O presente trabalho é resultado do Projeto de Extensão da Universidade Federal da

Leia mais

G t es ã tão E t s t ra é té i g? ca O Que é isso? TEORIA TE DAS DA ORGANIZA OR Ç GANIZA Õ Ç ES E Prof. Marcio Peres

G t es ã tão E t s t ra é té i g? ca O Que é isso? TEORIA TE DAS DA ORGANIZA OR Ç GANIZA Õ Ç ES E Prof. Marcio Peres Gestão Et Estratégica? téi O Que é isso? TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES Prof. Marcio Peres Estratégias Linhas de ação ou iniciativas altamente relevantes que indicam como serão alcançados os Objetivos Estratégicos.

Leia mais

VIII-003 PREPARO DE RECURSOS HUMANOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA ISO 14001 EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS

VIII-003 PREPARO DE RECURSOS HUMANOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA ISO 14001 EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS VIII-003 PREPARO DE RECURSOS HUMANOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA ISO 14001 EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS Andréia Guaracho Ramos (1) Bacharel em Química e Pós Graduada em Química Industrial pela Fundação

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos 3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos Este capítulo tem como objetivo a apresentação das principais ferramentas e metodologias de gerenciamento de riscos em projetos, as etapas do projeto onde o processo

Leia mais

Avaliação da Viabilidade Ambiental de Projetos: Pressupostos, Conceitos e Etapas do Processo PROF. ELIAS SILVA

Avaliação da Viabilidade Ambiental de Projetos: Pressupostos, Conceitos e Etapas do Processo PROF. ELIAS SILVA IV SEMINÁRIO NACIONAL DE GESTÃO DE RESÍDUOS I WORKSHOP INTERNACIONAL DE SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA Tecnologias Ambientais: Energia Renovável vel a partir de Biomassa e Resíduos Agrícolas (Agosto/2009)

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DA METODOLOGIA PM CANVAS PARA O GERENCIAMENTO DE TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO

A UTILIZAÇÃO DA METODOLOGIA PM CANVAS PARA O GERENCIAMENTO DE TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO A UTILIZAÇÃO DA METODOLOGIA PM CANVAS PARA O GERENCIAMENTO DE TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Ricardo Takazu Hatae 1, Rogério Homem da Costa 2, Reinaldo Lourenso 3 1. Especializando do Curso de Pós-Graduação

Leia mais

Mobilização para a transformação socioambiental

Mobilização para a transformação socioambiental Mobilização para a transformação socioambiental 1. Apresentação Conforme Lino (2013), a Mobilização Social é um processo educativo que promove a participação (empoderamento) de muitas e diferentes pessoas

Leia mais

Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade

Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade Existe a compreensão evidente por parte das lideranças empresariais, agentes de mercado e outros formadores de opinião do setor privado

Leia mais

FAMÍLIA X ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DA PARTICIPAÇÃO NAS TOMADAS DE DECISÕES

FAMÍLIA X ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DA PARTICIPAÇÃO NAS TOMADAS DE DECISÕES FAMÍLIA X ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DA PARTICIPAÇÃO NAS TOMADAS DE DECISÕES Erika Alencar de Moura 1 ; Ângela Maria da Silva 2 ; Nailde Gonçalves da Silva 3 ; Maria dos Prazeres Albuquerque 4 ; Luciana Maria

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DOUTORADO EM DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O PMBOK E A ISO-31000

GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O PMBOK E A ISO-31000 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O E A -31000 Maildo Barros da Silva 1 e Fco.Rodrigo P. Cavalcanti 2 1 Universidade de Fortaleza (UNIFOR), Fortaleza-CE, Brasil phone: +55(85) 96193248,

Leia mais

UNIDADE 3 O QUE REPRESENTA PARA NÓS O PPP? ÉTICA E LIBERDADE NA CONSTRUÇAO DA AUTONOMIA DA ESCOLA

UNIDADE 3 O QUE REPRESENTA PARA NÓS O PPP? ÉTICA E LIBERDADE NA CONSTRUÇAO DA AUTONOMIA DA ESCOLA UNIDADE 3 O QUE REPRESENTA PARA NÓS O PPP? ÉTICA E LIBERDADE NA CONSTRUÇAO DA AUTONOMIA DA ESCOLA Módulo 3 - Direitos Humanos e o Projeto Político Pedagógico da escola Objetivos: Nesta unidade vamos discutir

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico em Administração Qualificação:

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

Programa Tear. Objetivo: Propósito: Sustentabilidade. Competitividade

Programa Tear. Objetivo: Propósito: Sustentabilidade. Competitividade Programa Tear Objetivo: Competitividade & Sustentabilidade Propósito: Implementação da RSE em PMEs da cadeia de valor de empresas estratégicas em 07 setores da economia Parceiros Parceiros do projeto:

Leia mais

PLANEJAMENTO DE PRÁTICAS DE ECOTURISMO NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO AMBIENTAL DA BARRA DO RIO MAMANGUAPE, PARAÍBA

PLANEJAMENTO DE PRÁTICAS DE ECOTURISMO NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO AMBIENTAL DA BARRA DO RIO MAMANGUAPE, PARAÍBA PLANEJAMENTO DE PRÁTICAS DE ECOTURISMO NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO AMBIENTAL DA BARRA DO RIO MAMANGUAPE, PARAÍBA José Rodrigo Lima Torres 1 Ingrid Almeida Da Silva 2 Cibelle Batista Gondim 3 RESUMO As áreas

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Conteúdos e Metodologia de Educação Física Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 7º 1 - Ementa (sumário, resumo) Educação

Leia mais

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA Daniela Vaz Munhê 1 Jenifer Oliveira Custódio Camara 1 Luana Stefani 1 Murilo Henrique de Paula 1 Claudinei Novelli 2 Cátia Roberta Guillardi

Leia mais

DTR DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO REGIONAL. ADEOSC Agência de Desenvolvimento do Extremo Oeste de Santa Catarina

DTR DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO REGIONAL. ADEOSC Agência de Desenvolvimento do Extremo Oeste de Santa Catarina DTR DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO REGIONAL ADEOSC Agência de Desenvolvimento do Extremo Oeste de Santa Catarina Sistema Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina FIESC Instituto Euvaldo Lodi IEL

Leia mais

Inovação nas pequenas, médias e grandes empresas: vantagens e desvantagens

Inovação nas pequenas, médias e grandes empresas: vantagens e desvantagens Inovação nas pequenas, médias e grandes empresas: vantagens e desvantagens Armando Paulo da Silva (CEFET-PR/CP) armando@cp.cefetpr.br Eurico Pedroso de Almeida Júnior (CEFET-PR/CP) eurico@cp.cefetpr.br

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO E PLANO ESTRATÉGICO DE MARKETING DO APL MERS SEMINÁRIO 1. Porto Alegre, 20 de Novembro de 2014

PLANO DE DESENVOLVIMENTO E PLANO ESTRATÉGICO DE MARKETING DO APL MERS SEMINÁRIO 1. Porto Alegre, 20 de Novembro de 2014 PLANO DE DESENVOLVIMENTO E PLANO ESTRATÉGICO DE MARKETING DO APL MERS SEMINÁRIO 1 Porto Alegre, 20 de Novembro de 2014 Agenda Divulgação dos resultados da análise de desafios e oportunidades de desenvolvimento

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÕES GERENCIAIS UM ESTUDO DE CASO

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÕES GERENCIAIS UM ESTUDO DE CASO COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÕES GERENCIAIS UM ESTUDO DE CASO Fábio William da Silva Granado 1 Marluci Silva Botelho 2 William Rodrigues da Silva 3 Prof Ms. Edson Leite Lopes Gimenez 4 RESUMO O presente trabalho

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: São José do Rio Pardo Código: 150 Município: São José do Rio Pardo Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível

Leia mais

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA Prestação de Serviços em Assessoria, Consultoria e Treinamento na área de Recursos Humanos. 1. OBJETIVO Os objetivos

Leia mais

Autora: MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA

Autora: MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA PERSPECTIVAS PARA OS CURSOS TÉCNICOS DO EIXO HOSPITALIDADE E LAZER: um estudo de caso aplicável ao Curso Técnico de Nível Médio em Eventos da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente de Pernambuco.

Leia mais

PROGRAMA CERTIFICA MINAS CAFÉ COMO UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA NA PRODUÇÃO DE CAFÉ DE MINAS GERAIS

PROGRAMA CERTIFICA MINAS CAFÉ COMO UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA NA PRODUÇÃO DE CAFÉ DE MINAS GERAIS PROGRAMA CERTIFICA MINAS CAFÉ COMO UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA NA PRODUÇÃO DE CAFÉ DE MINAS GERAIS Tertuliano de Andrade Silveira; Renato José de Melo; Eduardo Carvalho Dias; Priscila Magalhães de Carli

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO EDITAL Nº 05/2015- ESPECÍFICO DE ABERTURA DE CONCURSO

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO EDITAL Nº 05/2015- ESPECÍFICO DE ABERTURA DE CONCURSO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO EDITAL Nº 05/2015- ESPECÍFICO DE ABERTURA DE CONCURSO A REITORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO, no uso de suas atribuições regimentais e em conformidade

Leia mais

PEDAGOGIA HOSPITALAR: as politícas públicas que norteiam à implementação das classes hospitalares.

PEDAGOGIA HOSPITALAR: as politícas públicas que norteiam à implementação das classes hospitalares. PEDAGOGIA HOSPITALAR: as politícas públicas que norteiam à implementação das classes hospitalares. Marianna Salgado Cavalcante de Vasconcelos mary_mscv16@hotmail.com Jadiel Djone Alves da Silva jadieldjone@hotmail.com

Leia mais