Consultoria Contábil e Gerencial para Micros e Pequenos Empreendedores do Shopping Popular Edson Diniz em Campina Grande Paraíba

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Consultoria Contábil e Gerencial para Micros e Pequenos Empreendedores do Shopping Popular Edson Diniz em Campina Grande Paraíba"

Transcrição

1 Consultoria Contábil e Gerencial para Micros e Pequenos Empreendedores do Shopping Popular Edson Diniz em Campina Grande Paraíba Karoline Varão de Almeida Graduada em Ciências Contábeis pela UEPB e graduanda do curso de administração pela UFCG; Resumo: As constantes inovações tecnológicas e a abertura dos mercados levaram as micro e pequenas empresas buscarem novas estratégias para vencerem desafios que lhes são impostos. O objetivo do estudo é verificar a importância de um sistema de consultoria voltado para os micro e pequenos empreendedores informais do Shopping Popular Edson Diniz em Campina Grande Paraíba, que proporcione informações úteis, dando apoio para que possam gerenciar seu próprio negócio com eficiência e eficácia e sempre agindo com sustentabilidade e profissionalismo, atendendo desta forma, as demandas do mercado. Como metodologia, inicialmente realizou-se uma pesquisa bibliográfica utilizando-se dos conceitos voltados para Micro e pequena empresa, empreendedorismo e Consultoria Empresarial. A segunda etapa do projeto é a operacionalização em campo, com visitas, reuniões e pesquisas para a realização de consultoria e cursos. O universo considerado neste estudo envolve 300 pequenos empreendedores que atuam naquele espaço em lojas-boxes. Os resultados demonstram que o perfil do empreendedor do Shopping Popular contempla na sua maioria mulheres (59%), no entanto com boa participação masculina (49%), com faixa etária média entre 25 a 47 anos (66%), e escolaridade média (68%). Em relação à formalização do negócio, 73% estão na informalidade. A área de interesse em cursos e consultoria mais procurada é em vendas. Chega-se à conclusão que tem sido positiva a interação universidadeempreendedor, envolvendo professores e alunos que podem fornecer conhecimento e assistência a esse público-alvo, podendo colaborar para o crescimento desses profissionais. Palavras chave: Consultoria; Contabilidade; Gestão; Empreendedores; Shopping. 1. Introdução Com o advento da globalização houve uma maior abertura do mercado e com isso as empresas viram seus limites fronteiriços se ampliarem, barreiras foram quebradas e o fácil acesso a aquisição de serviços e mercadorias obrigaram a ter um melhor controle dos seus custos, do investimento em tecnologia de ponta e a qualificar sua mão-de-obra, para que possam competir com um diferencial no atual cenário mundial. (SEBRAE, 2005). De acordo com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas - Sebrae (2005), as empresas de maior porte puderam se preparar melhor para a disputa com empresas de outros países, no entanto merece um destaque fundamental as Micro e Pequenas Empresas, considerando que o maior número de empresas que compõem o mercado nacional é composto por este tipo de organizações, além de empresas informais. O Shopping Popular Edson Diniz em Campina Grande Paraíba é um exemplo de reunião de micro-empresários informais, que atuavam como camelôs no centro da cidade e que conseguiram com a Prefeitura, um espaço para desenvolverem as suas atividades de forma compartilhada. Considerando a necessidade de desenvolver estratégias competitivas de planejamento e gestão entre os micros e pequenos empresários, levantou-se questionamentos sobre a importância de um acompanhamento de consultoria no controle da administração das Micro e Pequenas Empresas. Com base nessas considerações, elaborou-se um Projeto de Extensão, envolvendo professores e alunos dos cursos de Administração e Ciências Contábeis da Universidade

2 Estadual da Paraíba - UEPB, que foi aprovado pela Pró-Reitoria de Extensão e Assuntos Comunitários PROEAC da Instituição. O objetivo do estudo é verificar a importância de um sistema de consultoria voltado para os micro e pequenos empreendedores informais do Shopping Popular Edson Diniz que proporcione informações úteis, dando apoio para que possam gerenciar seu próprio negócio com eficiência e eficácia e sempre agindo com sustentabilidade e profissionalismo, atendendo desta forma às demandas do mercado. Os objetivos específicos são: Demonstrar como realizar um maior controle de caixa através de Fluxo de Caixa; Orientar na elaboração e execução de um plano de ação; Dar suporte técnico no desenvolvimento e na implementação do negócio. Orientar na parte fiscal, demonstrando as vantagens da adesão ao MEI ou ao simples nacional e as vantagens que esse programa proporciona ao micro e pequeno empresário; Organizar a tabela de preços de venda, de acordo com as tendências de mercado e os modelos de formação de preços; Organizar planilha de custos e índices que indiquem a vida útil da empresa; Fazer uma pesquisa de mercado voltada para identificar as necessidades de conhecimento nas áreas de contabilidade e administração; Realizar cursos de capacitação voltados para as necessidades encontradas com a pesquisa de mercado. 1. REVISÃO DA LITERATURA 1.1. PEQUENAS E MICRO EMPRESAS Segundo FIGUEIREDO e YADA (2003), a presença das pequenas empresas nas sociedades, após a Revolução Industrial, na segunda metade do século XVIII, sempre foi percebida como fato natural. A partir da segunda metade do século XIX, foram desenvolvidas políticas específicas de promoção das micro e pequenas empresas, visando a oferecer melhores condições de sobrevivência. Ágeis, flexíveis em suas estruturas, são capazes de se adaptarem rapidamente às transformações que o momento exige e, de gerar empregos em menor tempo. A partir de 1999 foi aprovado um novo Estatuto das Micro e Pequenas Empresas, pela Lei 9.841/99, com fundamentos nos artigos 170 e 179 da Constituição Federal, regulamentada pelo Decreto N 3.474/00. Esse novo Estatuto simplificou o registro de novas MPE s e estabeleceu diretrizes para a concessão de tratamento diferenciado aos pequenos negócios no campo administrativo, tributário, previdenciário, trabalhista, creditício e de desenvolvimento empresarial. Para a classificação das empresas alguns órgãos adotam diferentes critérios; o SEBRAE utiliza a quantidade de empregados, enquanto a Lei N 9.841/99, alterada pelo Decreto 5.028/04 e revogada pela Lei Complementar 123/06, a receita bruta anual é o critério que melhor define o tamanho das empresas. As Tabelas 1 e 2 a seguir distinguem os dois critérios adotados: TABELA 1: Classificação das MPE s pelo SEBRAE:

3 CLASSIFICAÇÃO Nº de EMPREGADOS (PORTE) Indústria Comércio/ Serviços Pequena Empresa De 20 a 99 De 10 a 49 Média Empresa De 100 a 499 De 50 a 99 Grande Empresa Acima de 500 Acima de 100 Fonte: SEBRAE (2003) TABELA 2: Enquadramento das empresas pela Lei Complementar 123/06 Enquadramento (porte) Receita Bruta Anual Acumulada (R$) Micro Empresa (ME) Até ,00 Empresa de Pequeno Porte (EPP) De ,01 Até ,00 Fonte: Lei Complementar n o 123/06. Na Paraíba, no ano de 2007 de acordo com a Junta Comercial, novos estabelecimentos foram registrados em relação ao ano de A Lei Geral da Micro e Pequena Empresa contribuiu para o crescimento, por ter simplificado a vida dos microempresários. Pesquisa realizada pelo Sebrae em 2004, revela que metade das empresas encerram suas atividades com até dois anos de existência e 60% não sobrevivem além dos 4 anos. As principais causas dessa mortalidade estão na falta de conhecimentos gerenciais do empresariado e na falta de informações estratégicas para a tomada de decisão. A Constituição Federal garante tratamento diferenciado às Micro e Pequenas Empresas, visando incentivá-las pela simplificação ou redução das obrigações administrativas, tributárias, previdenciárias e creditícias, por meio de lei; com isso esse tipo de empresa dispõe de um incentivo para competir com um diferencial entre as concorrentes de maior porte, mas para que isso aconteça é necessário que se tenha uma boa contabilidade para que a empresa controle melhor seu patrimônio e gere informações úteis para a tomada de decisão gerencial. Existem vários órgãos de apoio às Micro e Pequenas Empresas, que concedem crédito e informações de planejamento e controle da organização, além de uma pesquisa de mercado, como o Sebrae, no entanto ainda são insuficientes para a demanda de pequenos empreendedores. No caso do Shopping Popular Edson Diniz em Campina Grande, ainda existe uma carência que precisa ser tratada por serem empreendedores populares informais, que muitas vezes não têm a oportunidade de fazer cursos de capacitação para administrarem suas empresas. As micro e pequenas empresas são essenciais para a economia brasileira, pois são uma alternativa de trabalho para pessoas que encontram dificuldade de ocupação em empresas de maior porte devido à falta de qualificação exigida e uma oportunidade para os segmentos da população que têm condição financeira de ter seu próprio negócio. As dificuldades enfrentadas pelas micro e pequenas empresas, como, por exemplo, a alta taxa de mortalidade, podem ser amenizadas se forem criados mecanismos de apoio. Estudos e pesquisas, ao serem direcionados para este setor, podem contribuir para o fortalecimento destas empresas no Brasil EMPREENDEDORISMO Empreendedorismo é a capacidade de transformar uma idéia inovadora ou não, em realidade. Ser empreendedor é ser capaz de desenvolver uma visão do ambiente, identificar oportunidades;

4 ser capaz de contagiar pessoas com suas idéias; é estar pronto para assumir riscos e aprender com os erros; é ser um profundo conhecedor do todo e não só de algumas partes; é, dentre outras atribuições, ser capaz de utilizar essas informações para seu próprio aperfeiçoamento. Segundo DRUCKER (2001), O Empreendedorismo não é nem Ciência nem Arte, é uma prática. De acordo com MELO (2003), o sucesso empresarial não consiste apenas no desenvolvimento de habilidades específicas, tais como finanças, marketing, produção, etc., e sim na concessão de incentivos creditícios e/ou também nas atitudes empreendedoras. Ao empreendedor é necessário trabalhar a questão do sucesso como função da aquisição de habilidades: competência, saber fazer, motivação, querer fazer e criatividade, fazer mais com menos, desde que toda essa energia seja canalizada para um foco bem definido, ou seja, metas claras, desafiadoras, mas sempre com êxito CONSULTORIA EMPRESARIAL Segundo Oliveira (2001, p. 21): Consultoria Empresarial é um processo interativo de um agente de mudanças externo à empresa, o qual assume a responsabilidade de auxiliar os executivos e profissionais da referida empresa nas tomadas de decisões, não tendo, entretanto, o controle direto da situação. Vivemos atualmente a era da informação e do conhecimento, em que as empresas podem ter sucesso ou estarem fadadas ao fracasso, dependendo da maneira como estas empresas, em especial as Micro e Pequenas Empresas, se utilize das informações geradas a partir da observação e análise das atividades referentes ao processo organizacional dos seus negócios. As Micro e Pequenas Empresas devem tomar decisões, referentes à gestão empresarial, baseadas em informações colhidas pela observação e estudo de fatores internos e externos a estas. Os fatores internos dizem respeito principalmente a como a empresa está organizada para atingir suas metas, se a maneira como está funcionando é a mais adequada para que faça parte de uma fatia de um acirrado e globalizado mercado comercial. A fórmula para que se gerencie uma empresa reduzindo custos e obtendo o lucro esperado não é tão simples assim; deve haver uma mudança na cultura desenvolvida por alguns Micro e Pequenos Empresários, os quais esperam resultados a curto ou a curtíssimo prazo e não há um planejamento para que esses resultados só venham a acontecer a longo prazo, tendo em vista que a espera pelo retorno de um negócio não deve ser imediata, pois sempre há correções a serem feitas para que se consiga chegar ao mais próximo possível do ideal. No caso das Micro e Pequenas Empresas a figura do Gerente não existe, o proprietário da empresa é a pessoa responsável por todas as decisões tomadas, não dispondo, muitas vezes, de informações que contribuam para uma decisão baseada em dados confiáveis. Dessa forma uma equipe de bons profissionais, que desenvolvam um sistema de consultorias num conjunto de Micros e Pequenas Empresas, pode beneficiar, assim como auxiliar num melhor controle das suas atividades, reduzindo o desperdício e levando ao crescimento dessas empresas. A Consultoria Empresarial envolve desde o projetos para financiamentos, a regularização da empresa, busca e registro de marcas, a formação do preço de venda, palestras e aperfeiçoamento contínuo tanto de funcionários como a aquisição de tecnologias de ponta. Dessa maneira, o consultor estará realizando satisfatoriamente o seu trabalho e gerando novas oportunidades para a empresa na qual presta seus serviços, além de se valorizar perante

5 outros usuários dos seus serviços; tudo isso através de um bom sistema de consultoria empresarial mantido para controlar as atividades da empresa. As características de um consultor, são apresentadas por Oliveira (2001, p ), divididas em três grupos: Características Comportamentais (ter atitude interativa perante as diversas situações que as empresas colocam em sua frente; ter uma atitude racional; fazer parte do mundo; ter adequado relacionamento com as pessoas; ter diálogo amplo e otimizado; ser negociador; ter valores culturais consolidados; ter interesse pelo negócio da empresa-cliente; ter atuação com ênfase nas pessoas; desenvolver clima de confiança; saber trabalhar com erros; ter comprometimento com as pessoas e ter lealdade à empresa-cliente, á empresa de consultoria e às pessoas); Características de Habilidades (estar voltado para o processo de inovação; ter adequado processo de auxílio na tomada de decisões e de estabelecimento de prioridades; ter processo adequado de autocontrole gerencial e estratégico; ter pensamento estratégico; ser um agente de mudanças; ter intuição; transmitir otimismo e segurança; saber trabalhar em equipe; trabalhar com realismo; saber trabalhar aspectos quantitativos e qualitativos; saber assumir responsabilidades; ter respeito, ter capacidade de resolver conflitos; saber administrar o tempo; ter visão abrangente; ser ético; ter adequados focos de ataque e saber trabalhar com o elemento surpresa) e, Características do Conhecimento (ter elevado conhecimento de sua especialidade em consultoria; ter conhecimento de administração; desenvolver situações alternativas interessantes; ter visão de longo e curto prazo; saber pensar grande; ser generalista com forte especialização; trabalhar em tempo real; estar voltado para as necessidades de mercado; ter raciocínio lógico; saber buscar e consolidar informações; ter inteligência empresarial; possuir conhecimentos de economia e política internacional; saber transformar o impossível em possível e criar condições par que o trabalho seja gratificante, não apenas no ponto de vista financeiro). As etapas de uma consultoria podem variar de acordo com: o ambiente organizacional, método de trabalho do consultor, fases do projeto, técnicas etc. Existem vários materiais e literaturas sobre esse assunto. Dentro do contexto de problema e soluções, são divididas em algumas fases, conforme metodologia abaixo (CHIAVENATO, 2004 p. 350 (adaptado)): 1. Formular o problema: fase onde é feito o Levantamento de Necessidades e Diagnósticos - LND. Na tentativa de construir o modelo de solução, são analisados os problemas e necessidades da organização. Busca-se entender como a consultoria pode agregar valor aos sistemas, objetivos e ações da empresa, somando forças para alcançar resultados. 2. Construir um modelo matemático para representar o sistema no qual possa ser identificado uma ou mais variáveis para realização possível de controle. 3. Deduzir uma solução do modelo onde é selecionada a melhor solução. 4. Testar o modelo e a solução construindo um modelo capaz de prever os efeitos da ação. 5. Estabelecer controle sobre a solução enquanto outras ações são realizadas dentro da empresa. 6. Colocar a solução em funcionamento com a implementação e testes, seguidos de uma seqüência de processos operacionais que visam solucionar o problema na empresa ou pelo menos minimizar o impacto do problema.

6 Nestas etapas a consultoria empresarial visa entender, identificar e implementar soluções aos problemas das organizações, avaliando periodicamente se a solução implementada ainda continua funcionando dentro da empresa. Agregar os conhecimentos de uma consultoria empresarial com o espírito empreendedor dos proprietários de uma empresa, no mínimo, acarretará em uma tentativa salutar de manutenção e evolução das organizações, independentemente do porte em que encontrem-se classificadas, se: micro ou pequena empresa. 2. Procedimentos Metodológicos Inicialmente realizou-se uma pesquisa bibliográfica sobre conceitos voltados para micro e pequena empresa, empreendedorismo e consultoria empresarial. A pesquisa bibliográfica tem como objetivo, segundo Cervo e Bervian (2002, p.89): [...] encontrar respostas aos problemas formulados, e o recurso é a consulta dos documentos bibliográficos. Através dessa pesquisa buscamos embasamento na solução do problema que nos propusemos a solucionar. Dessa forma iniciamos analisando a possibilidade da implementação de um sistema de Consultoria Empresarial nas Micro e Pequenas Empresas, voltado para a geração de informações úteis ao desenvolvimento e controle dessas empresas. Em seguida, iniciou-se o trabalho de campo que envolveu um contato inicial com o público alvo, convidando-os para uma reunião no Centro de Ciências Sociais Aplicadas da UEPB, onde foi apresentado o projeto, solicitando a concordância dos mesmos em participar, o que proporcionou uma relação de confiança e de respeito com os empreendedores. No segundo momento, foi realizada uma pesquisa de campo a fim de delinear o perfil dos empreendedores e identificar as necessidades de conhecimento nas áreas de administração e de contabilidade. O instrumento de coleta de dados foi um questionário aplicado com setenta e três empreendedores que se propuseram a participar do projeto UNIVERSO E AMOSTRA A área de atuação ou universo é definida por Richardson (1999) como o conjunto de elementos que possuem determinadas características. O universo considerado neste estudo teve como base a listagem fornecida pela Direção do Shopping Popular Edson Diniz em Campina Grande, e envolve 250 pequenos empreendedores que atuam naquele espaço em lojas-boxes. Para Richardson (1999) pode-se definir amostra como qualquer subconjunto do conjunto universal ou da população, quando se toma certo número de elementos para averiguar algo sobre a população a que pertence. No caso do publico-alvo atendido pelo Projeto, a amostra é não probabilística, por acessibilidade, que para Vergara (1997, p. 49) [...] seleciona elementos pela facilidade de acesso a eles [...]. 3. Resultados e discussões O perfil do empreendedor do Shopping Popular Edson Diniz contempla os seguintes resultados: Sexo: 59% são mulheres, enquanto 41% é masculino (Fig. 1). Faixa etária: variou entre 18 a 61 anos. Destes, 35% estão na faixa etária entre 37 a 49 anos, seguido por 31% com idade entre 25 a

7 37 anos, 20% com 49 a 61 anos e 14% com idade entre 18 a 25 anos como identificado na Figura 2. 41% Sexo Feminino Masculino. 59% Figura 1: Distribuição segundo o sexo. 14% 31% Faixa Etária 20% 35% Figura 2: Distribuição segundo a faixa etária. Quanto a escolaridade, os dados da Figura 3 revelam que, 68% dos pesquisados possui o ensino médio completo, 18% possui o ensino fundamental e 14% possui o ensino superior. Com relação a formalização dos empreendimentos e do número de funcionários (Fig. 4), 73% não estão inscritos no cadastro nacional de pessoas jurídicas e não possui funcionário, apenas 27% dos participantes possuem registro e funcionário. Escolaridade 18% 14% 68% EM EF ES Figura 3: Distribuição segundo a escolaridade. Registro e Funcionários 73% 27% Tem Não tem

8 Figura 4: Distribuição segundo o CNPJ e o número de funcionários. A Figura 5 demonstra as áreas de interesses para cursos de capacitação e consultorias. O tema preferido foi vendas (23%), seguido de: interesse em todos os assuntos apresentados (17%); dos que não precisam dos cursos (14%), dos temas marketing e administração (6%); estoque, atendimento ao cliente, contabilidade e lucro (6%) e o assunto que menos interessou foi sobre registro de empresa. Áreas das Consultorias e Cursos ESTOQUE 2% 17% 6% 10% MARKETING NÃO PRECISA ATENDIMENTO 10% 6% 23% 6% 14% 6% CONTABILIDADE VENDAS LUCRO ADMINISTRAÇÃO REAGISTRO TODOS OS ASSUNTOS Figura 5: Distribuição segundo áreas de interesses. 4. Considerações finais Este projeto teve como objetivo verificar a importância de um sistema de consultoria voltado para os micro e pequenos empreendedores informais do Shopping Popular Edson Diniz que proporcione informações úteis, dando apoio para que possam gerenciar seu próprio negócio com eficiência e eficácia e sempre agindo com sustentabilidade e profissionalismo, atendendo desta forma às demandas do mercado Os resultados demonstram que o perfil do empreendedor do Shopping Popular contempla na sua maioria mulheres (59%), no entanto com boa participação masculina (49%), com faixa etária média entre 25 a 47 anos (66%), e escolaridade média (68%). Em relação à formalização do negócio, 73% estão na informalidade. A área de interesse em cursos e consultoria mais procurada é em vendas. Chega-se à conclusão que tem sido positiva a interação universidadeempreendedor, envolvendo professores e alunos que podem fornecer conhecimento e assistência a esse público-alvo, podendo colaborar para o crescimento desses profissionais. Os participantes tem se mostrado muito interessados, reconhecendo a importância do projeto para o sucesso do seu negócio. 4. Referências CHIAVENATO, Idalberto; Introdução a Teoria Geral da Administração: uma visão abrangente da moderna administração das organizações: edição compacta. 3. ed. rev. e atualizada Rio de Janeiro: Elsevier, ª Reimpressão.

9 DRUCKER, Peter Ferdinand. A profissão de administrador. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, FIGUEIREDO, Roberto e YADA, Antônio. Disponível em:<www.nota6.hpj.ig.com.br/empresas.doc>. Acesso em 23/03/2003 MELO, Álvaro. Associação Brasileira para Desenvolvimento do Empreendedorismo. Disponível em: <http://www.geocities.com/eureka/24/1/poteempree.html>. Acesso em: 21 de maio de OLIVEIRA, Djalma de Pinho Rebouças de. Manual de consultoria empresarial: conceitos, metodologia, prática. 3. ed. São Paulo: Atlas, SEBRAE. Fatores Condicionantes e Taxa de Mortalidade de Empresas no Brasil Disponível em: <http://www.biblioteca.sebrae.com.br/bds/bds.nsf/8f5bde79736cb cbad3/ $File/NT pdf >. Acesso em: 10 de outubro de SEBRAE. Fatores Condicionantes e Taxa de Mortalidade das Mpe na Paraíba Disponível em: <http://www.biblioteca.sebrae.com.br/bds/bds.nsf/8bd4a00ae6bc6eaa c006585f1 /$File/NT pdf>. Acesso em: 8 de outubro de 2009.

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE.

A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE. A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE. Jander Neves 1 Resumo: Este artigo foi realizado na empresa Comercial Alkinda, tendo como objetivo

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS Cesar Aparecido Silva 1 Patrícia Santos Fonseca 1 Samira Gama Silva 2 RESUMO O presente artigo trata da importância do capital

Leia mais

Empresas no Desenvolvimento do Mercado Nacional PROF. LÍVIO GIOSA

Empresas no Desenvolvimento do Mercado Nacional PROF. LÍVIO GIOSA O papel das Micro e Pequenas Empresas no Desenvolvimento do Mercado Nacional PROF. LÍVIO GIOSA PROF. LÍVIO GIOSA Especialista em modelos de Gestão Empresarial Presidente do CENAM: Centro Nacional de Modernização

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados.

Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados. Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados. Todos nós já vivenciamos casos de empreendedores, na família ou no grupo de

Leia mais

Entendendo custos, despesas e preço de venda

Entendendo custos, despesas e preço de venda Demonstrativo de Resultados O empresário e gestor da pequena empresa, mais do que nunca, precisa dedicar-se ao uso de técnicas e instrumentos adequados de gestão financeira, para mapear a situação do empreendimento

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

Programa de Formalização do Micro Empreendedor Individual Sustentabilidade Social. Florianópolis - SC

Programa de Formalização do Micro Empreendedor Individual Sustentabilidade Social. Florianópolis - SC Programa de Formalização do Micro Empreendedor Individual Sustentabilidade Social Florianópolis - SC 27 de outubro de 2014 A INFORMALIDADE NO BRASIL A INFORMALIDADE Pesquisa ECINF IBGE Pertencem ao setor

Leia mais

Palavras-chave: Gestão Estratégica de Custos, competitividade, lucratividade

Palavras-chave: Gestão Estratégica de Custos, competitividade, lucratividade GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS COMO FERRAMENTA DE COMPETITIVIDADE NO SETOR MOVELEIRO: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA COIMBRA & FILHOS LTDA. Franciane de Oliveira Alvarenga Especialista em Auditoria e Contabilidade

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 Conteúdo 1. O Sistema SEBRAE; 2. Brasil Caracterização da MPE; 3. MPE

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Controle Contábil e Financeiro, Desenvolvimento Empresarial, Associação Paraibana da Beleza.

PALAVRAS-CHAVE: Controle Contábil e Financeiro, Desenvolvimento Empresarial, Associação Paraibana da Beleza. 7CCSADFCOUT1 CONTROLE FINANCEIRO: UMA FERRAMENTA PARA O DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL DOS SALÕES DA ASSOCIAÇÃO PARAIBANA DA BELEZA Jannielly Krystianne Laurentino dos Santos (1) ; Luzivalda Guedes Damascena

Leia mais

Ementário do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial

Ementário do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial 01 ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS I EMENTA: Introdução à administração de recursos humanos; orçamento de pessoal; processo de recrutamento e seleção de pessoal; processo de treinamento e desenvolvimento

Leia mais

Sobre o Professor e os Discentes

Sobre o Professor e os Discentes FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

Semeando Competência Gerencial em Micro e Pequenas Empresas e Colhendo Emprego, Renda e Inclusão Social.

Semeando Competência Gerencial em Micro e Pequenas Empresas e Colhendo Emprego, Renda e Inclusão Social. Semeando Competência Gerencial em Micro e Pequenas Empresas e Colhendo Emprego, Renda e Inclusão Social. Prof. Dr. Cleber Carvalho de Castro Universidade Federal de Lavras clebercastro@ufla.br Andréia

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

GESTÃO FINANCEIRA PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS GESTÃO FINANCEIRA PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Thais Peixoto de Medeiros(1); Estephany Calado(2); Gisele Gregório Araújo(2); Márcio André Veras Machado (3); Francisco Roberto Guimarães Júnior(4) Centro

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

O REFLEXO DA CARGA TRIBUTÁRIA NA MORTALIDADE DAS MICROEMPRESAS

O REFLEXO DA CARGA TRIBUTÁRIA NA MORTALIDADE DAS MICROEMPRESAS 110. ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( x ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA O REFLEXO DA CARGA TRIBUTÁRIA

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO TREINAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO

A IMPORTÂNCIA DO TREINAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO A IMPORTÂNCIA DO TREINAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO 2009 Renata Araújo Volpe Estudante do curso de Engenharia de Produção (Brasil) Docente orientadora Carla Bittencourt Lorusso Email: revolpe@pop.com.br

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2010.2 A BRUSQUE (SC) 2014 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INFORMÁTICA APLICADA À... 4 02 MATEMÁTICA APLICADA À I... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA... 4 04 PSICOLOGIA... 5 05

Leia mais

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 Narjara Bárbara Xavier Silva 2 Patrícia Morais da Silva 3 Resumo O presente trabalho é resultado do Projeto de Extensão da Universidade Federal da

Leia mais

SEBRAE - SP apresenta :

SEBRAE - SP apresenta : SEBRAE - SP apresenta : 2015 O SEBRAE-SP O Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) - em SP, tem a missão de promover a competitividade e o desenvolvimento sustentável dos empreendimentos

Leia mais

ELABORAÇÃO DE WEBSITE PARA AUXÍLIO NA ABERTURA DE MICROEMPRESAS

ELABORAÇÃO DE WEBSITE PARA AUXÍLIO NA ABERTURA DE MICROEMPRESAS 110. ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( x ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ELABORAÇÃO DE WEBSITE PARA

Leia mais

O Uso do Sistema de Informação Contábil como Ferramenta para a Tomada de Decisão nas Empresas da Região de Contagem - Minas Gerais.

O Uso do Sistema de Informação Contábil como Ferramenta para a Tomada de Decisão nas Empresas da Região de Contagem - Minas Gerais. O Uso do Sistema de Informação Contábil como Ferramenta para a Tomada de Decisão nas Empresas da Região de Contagem - Minas Gerais. Elaine Raquel Fernandes carlosadm@bol.com.br SENAC Flávia Cristina Pereira

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no início do ano 2000, para os matriculados no 1º semestre.

R E S O L U Ç Ã O. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no início do ano 2000, para os matriculados no 1º semestre. RESOLUÇÃO CONSEPE 30/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso da atribuição

Leia mais

Apresentação. - Palestrante Quem é? - Sebrae O que é? - Atendimento à Indústria? - Carteira de Alimentos? Sorvetes?

Apresentação. - Palestrante Quem é? - Sebrae O que é? - Atendimento à Indústria? - Carteira de Alimentos? Sorvetes? Apresentação - Palestrante Quem é? - Sebrae O que é? - Atendimento à Indústria? - Carteira de Alimentos? Sorvetes? 2 Importância dos Pequenos Negócios 52% dos empregos formais 40% da massa salarial 62%

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

CONTABILIDADE PARA PEQUENAS EMPRESAS: A Utilização da Contabilidade como Instrumento de Auxílio às Micro e Pequenas Empresas

CONTABILIDADE PARA PEQUENAS EMPRESAS: A Utilização da Contabilidade como Instrumento de Auxílio às Micro e Pequenas Empresas CONTABILIDADE PARA PEQUENAS EMPRESAS: A Utilização da Contabilidade como Instrumento de Auxílio às Micro e Pequenas Empresas Geovana Alves de Lima Fedato 1 Claiton Pazzini Goulart 2 Lyss Paula de Oliveira

Leia mais

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Um jeito Diferente, Inovador e Prático de fazer Educação Corporativa Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Objetivo: Auxiliar o desenvolvimento

Leia mais

HAFRA Assessoria Empresarial, Contábil & Jurídica. Apresentação de Serviços Profissionais

HAFRA Assessoria Empresarial, Contábil & Jurídica. Apresentação de Serviços Profissionais HAFRA Assessoria Empresarial, Contábil & Jurídica Apresentação de Serviços Profissionais SOBRE A Hafra Assessoria Empresarial, Contábil & Jurídica tem atuação no mercado empresarial do Rio de Janeiro e

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO Plano de Ação Estratégico Estratégias empresariais Anexo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE Unidade de Capacitação Empresarial Estratégias

Leia mais

CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA

CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA Curitiba tem se mostrado uma cidade dinâmica e de grandes oportunidades para os trabalhadores e empreendedores.

Leia mais

Escolha os melhores caminhos para sua empresa

Escolha os melhores caminhos para sua empresa Escolha os melhores caminhos para sua empresa O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio

Leia mais

Instituto Federal de Brasília PLANO DE CURSO FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA FIC. Campus Ceilândia

Instituto Federal de Brasília PLANO DE CURSO FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA FIC. Campus Ceilândia Instituto Federal de Brasília PLANO DE CURSO FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA FIC Campus Ceilândia GESTÃO E PRÁTICAS EMPREENDEDORAS PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Ceilândia, Fevereiro de 2014. CURSO DE FORMAÇÃO

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ AREA TEMÁTICA: TRABALHO LAIS SILVA SANTOS 1 CARLOS VINICIUS RODRIGUES 2 MARCELO FARID PEREIRA 3 NEUZA CORTE DE OLIVEIRA

Leia mais

8º Congresso de Pós-Graduação PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO E OPERACIONAL PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

8º Congresso de Pós-Graduação PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO E OPERACIONAL PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS 8º Congresso de Pós-Graduação PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO E OPERACIONAL PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Autor(es) CLAUDIO JAIR DE ALMEIDA Orientador(es) CLÓVIS LUIS PADOVEZE 1. Introdução Boa parte da literatura

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. O que são

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América.

XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América. XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América. La Gestión Contable, Administrativa y Tributaria en las PYMES e Integración Europa-América 23 24 de junio 2006 Santa Cruz de la Sierra (Bolívia)

Leia mais

Manual Administrativo. A.D.M Consultoria Jr. Gestão 2009

Manual Administrativo. A.D.M Consultoria Jr. Gestão 2009 Manual Administrativo A.D.M Consultoria Jr. Gestão 2009 Teresina 07/10/2009 SUMÁRIO Empresa Júnior ICF 03 Áreas de atuação da A.D.M Consultoria Jr. 04 Organograma 08 Competências 09 Das Atribuições do

Leia mais

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Profª. Vânia Amaro Gomes Coordenação de Curso DIADEMA, 2015 Introdução Atualmente há uma grande dificuldade dos alunos egressos das Faculdades em obter emprego

Leia mais

CONTROLADORIA: UM MECANISMO DE AUXILIO A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E A TOMADA DE DECISÃO 1 RESUMO

CONTROLADORIA: UM MECANISMO DE AUXILIO A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E A TOMADA DE DECISÃO 1 RESUMO CONTROLADORIA: UM MECANISMO DE AUXILIO A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E A TOMADA DE DECISÃO 1 GELAIN, Anna Júlia Lorenzzon 2 ; LORENZETT, Daniel Benitti 3 ; GODOY, Taís Pentiado 4 ; LOSEKANN, Andresa Girardi

Leia mais

PLANO DE AÇÃO . TREINAMENTOS . PROGRAMAS . PALESTRAS PARANAÍBA MS

PLANO DE AÇÃO . TREINAMENTOS . PROGRAMAS . PALESTRAS PARANAÍBA MS PLANO DE AÇÃO. TREINAMENTOS. PROGRAMAS. PALESTRAS PARANAÍBA MS 2015 TREINAMENTO - Ciclo de Palestras - Auxiliar o empresário, ou potencial empreendedor, desde a tomada de decisão de abrir um novo negócio

Leia mais

DO DESENVOLVIMENTO. Brasília março 2011

DO DESENVOLVIMENTO. Brasília março 2011 OS PEQUENOS NEGÓCIOS NANA LIDERANÇA OS PEQUENOS NEGÓCIOS LIDERANÇA DO DESENVOLVIMENTO DO DESENVOLVIMENTO Brasília março 2011 Servi«o Brasileiro de Apoio s Micro e Pequenas Empresas Miss o Institucional

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

Título: Gestão dos custos em Micro e Pequenas empresas

Título: Gestão dos custos em Micro e Pequenas empresas Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão de Projetos - Turma nº150 31/08/2015 Título: Gestão dos custos em Micro e Pequenas empresas Geanderson Geraldo Silva Oliveira geandersongg@yahoo.com.br

Leia mais

MICRO E PEQUENAS EMPRESAS E A SUSTENTABILIDADE

MICRO E PEQUENAS EMPRESAS E A SUSTENTABILIDADE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS E A SUSTENTABILIDADE JULIANA APARECIDA DE SOUZA REIS MAIARA NATALIA MARINHO DUARTE SUSELI SANTOS DIAS RESUMO Neste artigo temos por objetivo apresentar que as micros e pequenas

Leia mais

Edital PROEX/IFRS nº 028/2015. Seleção de estudantes para participação no curso Bota pra fazer - crie seu negócio de alto impacto

Edital PROEX/IFRS nº 028/2015. Seleção de estudantes para participação no curso Bota pra fazer - crie seu negócio de alto impacto Edital PROEX/IFRS nº 028/2015 Seleção de estudantes para participação no curso Bota pra fazer - crie seu negócio de alto impacto A Pró-reitora de Extensão do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

Avaliação de programa governamental: o Micro Empreendedor Individual (MEI) no Estado de Rondônia.

Avaliação de programa governamental: o Micro Empreendedor Individual (MEI) no Estado de Rondônia. CHAMADA MCTI-CNPq/MDS-SAGI Nº 24/2013 DESENVOLVIMENTO SOCIAL Linha temática: Tema 3: Inclusão Produtiva. Critério de Avaliação escolhido: Avaliar o acesso, a implantação e os efeitos de ações do Programa

Leia mais

ATENDIMENTO AO CLIENTE - 15H (R$ 90,00)

ATENDIMENTO AO CLIENTE - 15H (R$ 90,00) 3 ABRIL ATENDIMENTO AO CLIENTE - 15H (R$ 90,00) DATA: 06 a 10/04/2015 HORÁRIO: 19h às 22h CONTEÚDO PROGRAMÁTICO: Bem tratado ou bem atendido? Momentos da verdade das empresas O perfil do profissional de

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Inscrições Abertas. Dia e horário das aula: Sexta-Feira 18h30 às 22h30 Quinzenal Sábado 08h30 às 17h30 Quinzenal

Inscrições Abertas. Dia e horário das aula: Sexta-Feira 18h30 às 22h30 Quinzenal Sábado 08h30 às 17h30 Quinzenal MBA Recursos Humanos Inscrições Abertas Dia e horário das aula: Sexta-Feira 18h30 às 22h30 Quinzenal Sábado 08h30 às 17h30 Quinzenal Carga horária: 600 Horas Duração: 24 meses *As informações podem sofrer

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE COMPETIVIDADE PARA UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR DE CONFECÇÕES.

ESTRATÉGIAS DE COMPETIVIDADE PARA UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR DE CONFECÇÕES. ESTRATÉGIAS DE COMPETIVIDADE PARA UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR DE CONFECÇÕES. Virgínia do S. Motta Aguiar Departamento de Administração Universidade Federal da Paraíba Campus II End. Res. Rua João Julião

Leia mais

ESCRITÓRIO MODELO DA FACULDADE DO GUARUJÁ.

ESCRITÓRIO MODELO DA FACULDADE DO GUARUJÁ. ESCRITÓRIO MODELO DA FACULDADE DO GUARUJÁ. Prof. Marat Guedes Barreiros Agosto/2013 Introdução É notória nos dias de hoje a dificuldade dos alunos egressos das Faculdades em obter emprego nas empresas

Leia mais

Curso de pós Graduação em Auditoria Fiscal e Contábil

Curso de pós Graduação em Auditoria Fiscal e Contábil IBRACON Instituto dos Auditores do Brasil 6 Regional UCS Universidade de Caxias do Sul -Campus Universitário de Bento Gonçalves Curso de pós Graduação em Auditoria Fiscal e Contábil Aula Inaugural tema:a

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO MONTESSORI DE IBIÚNA ESTÁCIO FMI SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

FACULDADE ESTÁCIO MONTESSORI DE IBIÚNA ESTÁCIO FMI SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ADMINISTRAÇÃO - BACHARELADO MISSÃO DO CURSO Formar profissionais de elevado nível de consciência crítica, competência técnica empreendedora, engajamento

Leia mais

ASSOCIATIVISMO. Fonte: Educação Sebrae

ASSOCIATIVISMO. Fonte: Educação Sebrae ASSOCIATIVISMO Fonte: Educação Sebrae O IMPORTANTE É COOPERAR A cooperação entre as pessoas pode gerar trabalho, dinheiro e desenvolvimento para toda uma comunidade COOPERAR OU COMPETIR? Cooperar e competir

Leia mais

MBA Gestão de Negócios e Pessoas

MBA Gestão de Negócios e Pessoas PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Nome do Curso MBA Gestão de Negócios e Pessoas Área de Conhecimento Ciências Sociais Aplicadas Nome do Coordenador do Curso e Breve Currículo: Prof.

Leia mais

Resolução 038/2001 CONSEPE

Resolução 038/2001 CONSEPE Resolução 038/2001 CONSEPE Aprova as normas de funcionamento do Curso de Administração do Centro de Ciências da Administração CCA/ESAG. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Objetivo Geral da Disciplina: Compreender

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

Campus Cabo Frio. Projeto: Incubadora de Empresas criação de emprego e renda.

Campus Cabo Frio. Projeto: Incubadora de Empresas criação de emprego e renda. Campus Cabo Frio Trabalho de Microeconomia Prof.: Marco Antônio T 316 / ADM Grupo: Luiz Carlos Mattos de Azevedo - 032270070 Arildo Júnior - 032270186 Angélica Maurício - 032270410 Elias Sawan - 032270194

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. (Resumido)

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. (Resumido) FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRATIVAS DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM ES Curso de Administração reconhecido pelo Decreto Federal nº 78.951, publicado no D.O.U. de 16-12-1976 Curso de Ciências Contábeis

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. O que são palestras

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução O que são

Leia mais

Consultoria Empresarial

Consultoria Empresarial Consultoria Empresarial Referência : OLIVEIRA, Djalma CROCCO, Luciano; GUTIMANNN, Erick Prof- Daciane de O.Silva SURGIMENTO- Desde os tempos imemoriais COMO ISSO ACONTECIA? Os rabinos aconselhavam os fieis,

Leia mais

VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013

VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013 Comentários de Peter Hansen sobre interação Universidade- Empresa no Brasil e Experiências Práticas. VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013 Apresentação Prof. Peter

Leia mais

OS IMPACTOS DE IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO (ENTERPRISE RESOURCE PLANNING - ERP) EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

OS IMPACTOS DE IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO (ENTERPRISE RESOURCE PLANNING - ERP) EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS OS IMPACTOS DE IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO (ENTERPRISE RESOURCE PLANNING - ERP) EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SELMA MARIA DA SILVA (IFG) profasms@hotmail.com Sandrerley Ramos Pires (UFG)

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

USO DA COMUNICAÇÃO ALINHADA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E TOMADA DE DECISÃO

USO DA COMUNICAÇÃO ALINHADA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E TOMADA DE DECISÃO USO DA COMUNICAÇÃO ALINHADA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E TOMADA DE DECISÃO Alexandra Lemos Ferraz 1 Evandro Oliveira da Silva 2 Edimar Luiz Bevilaqua 3 Fernando Nobre gomes da silva 4 Matheus Trindade

Leia mais

ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS

ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS Patrícia de Oliveira 1 Angélica Patrícia de Souza 2 Roginéia de Araújo Paula 3 RESUMO Buscou-se apresentar neste artigo, os principais pontos das estratégias empresarias e quais

Leia mais

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA Habilidades Computacionais 32 h/a Oferece ao administrador uma visão sobre as potencialidades da tecnologia

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS Pedro Schubert

SISTEMAS INTEGRADOS Pedro Schubert SISTEMAS INTEGRADOS Pedro Schubert Vamos abordar os tópicos para a implantação da contabilidade moderna nas empresas. A contabilidade é legalmente utilizada nas empresas para atender aos enfoques legal

Leia mais

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br Pequenos Negócios no Brasil Pequenos Negócios no Brasil Clique no título para acessar o conteúdo, ou navegue pela apresentação completa Categorias de pequenos negócios no Brasil Micro e pequenas empresas

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

GRADUAÇÃO CIÊNCIAS CONTÁBEIS DENOMINAÇÃO: CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS

GRADUAÇÃO CIÊNCIAS CONTÁBEIS DENOMINAÇÃO: CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS GRADUAÇÃO CIÊNCIAS CONTÁBEIS CARACTERIZAÇÃO DO CURSO DENOMINAÇÃO: CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS DIPLOMA CONFERIDO: BACHAREL NÚMERO DE VAGAS: 100 VAGAS ANUAIS NÚMERO DE ALUNOS POR TURMA: 50 alunos

Leia mais

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros Quem somos Nossos Serviços Processo de Negociação Clientes e Parceiros O NOSSO NEGÓCIO É AJUDAR EMPRESAS A RESOLVEREM PROBLEMAS DE GESTÃO Consultoria empresarial a menor custo Aumento da qualidade e da

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: UMA FERRAMENTA PARA A PRÁTICA DA ADMINISTRAÇÃO E SUA UTILIZAÇÃO EM DISCENTES DOS DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO.

EMPREENDEDORISMO: UMA FERRAMENTA PARA A PRÁTICA DA ADMINISTRAÇÃO E SUA UTILIZAÇÃO EM DISCENTES DOS DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO. EMPREENDEDORISMO: UMA FERRAMENTA PARA A PRÁTICA DA ADMINISTRAÇÃO E SUA UTILIZAÇÃO EM DISCENTES DOS DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO. MICHEL, Murillo Docente do Curso de Administração da Faculdade de Ciências

Leia mais

Las PYMES y los pequeños y medianos despachos profesionales como motor de crecimiento en Latinoamérica

Las PYMES y los pequeños y medianos despachos profesionales como motor de crecimiento en Latinoamérica Las PYMES y los pequeños y medianos despachos profesionales como motor de crecimiento en Latinoamérica O QUE É CONSIDERADO PEQUENO NEGÓCIO NO BRASIL MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI) Receita bruta anual

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: MONSENHOR ANTONIO MAGLIANO Código: 088 Município: GARÇA SP Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICA EM NÍVEL MÉDIO

Leia mais

CONSULTORIA MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO

CONSULTORIA MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO CONTEÚDO 1 APRESENTAÇÃO 2 PÁGINA 4 3 4 PÁGINA 9 PÁGINA 5 PÁGINA 3 APRESENTAÇÃO 1 O cenário de inovação e incertezas do século 21 posiciona o trabalho

Leia mais

Aula 3. Consolidação do profissional como consultor

Aula 3. Consolidação do profissional como consultor Aula 3 Consolidação do profissional como consultor Profa. Ms. Daniela Cartoni daniela.cartoni@veris.edu.br Capítulo 2 OLIVEIRA, Djalma de Pinho Rebouças de. Manual de consultoria empresarial: conceitos,

Leia mais

CONSULTORIA EMPRESARIAL

CONSULTORIA EMPRESARIAL D DE P R DE O JALMA INHO EBOUÇAS LIVEIRA Manual de CONSULTORIA EMPRESARIAL Conceitos Metodologia Práticas MANUAL DO PROFESSOR ESTRUTURA DE APRESENTAÇÃO ESTE MANUAL DO PROFESSOR DA DISCIPLINA CONSULTORIA

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE 1. INTRODUÇÃO A contabilidade foi aos poucos se transformando em um importante instrumento para se manter um controle sobre o patrimônio da empresa e prestar contas e informações sobre gastos e lucros

Leia mais

CONTABILIDADE GERENCIAL: SUA APLICAÇÃO E UTILIDADE NA PEQUENA EMPRESA

CONTABILIDADE GERENCIAL: SUA APLICAÇÃO E UTILIDADE NA PEQUENA EMPRESA CONTABILIDADE GERENCIAL: SUA APLICAÇÃO E UTILIDADE NA PEQUENA EMPRESA Marco Antonio Henrique 1, Marlene Ferreira Santiago 2, Monica Franchi Carniello 3, Fábio Ricci 4 1,2,3,4 Universidade de Taubaté/ Pró-reitoria

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO

METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) atamanczuk@hotmail.com Prof. Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br RESUMO:

Leia mais

Como funcionam as micro e pequenas empresas

Como funcionam as micro e pequenas empresas Como funcionam as micro e pequenas empresas Introdução Elas são 99,2% das empresas brasileiras. Empregam cerca de 60% das pessoas economicamente ativas do País, mas respondem por apenas 20% do Produto

Leia mais

O PAPEL DA UNIVERSIDADE NA FORMAÇÃO DE EMPREENDEDORES NO MUNICÍPIO DE CAMPO MOURÃO

O PAPEL DA UNIVERSIDADE NA FORMAÇÃO DE EMPREENDEDORES NO MUNICÍPIO DE CAMPO MOURÃO O PAPEL DA UNIVERSIDADE NA FORMAÇÃO DE EMPREENDEDORES NO MUNICÍPIO DE CAMPO MOURÃO Andrieli Ariane Borges Avelar (IC), (UNESPAR/FECILCAM), andri-avelar@hotmail.com João Marcos Borges Avelar (OR), (UNESPAR/FECILCAM),

Leia mais