Abrir e manter o quebra fogo

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Abrir e manter o quebra fogo"

Transcrição

1

2 Abrir e manter o quebra fogo P O que faz o Sr. Camilo com a sua esposa Sra. Laurinda na imagem? R O Sr. Camilo e a Sra. Laurinda estão abrindo o quebra fogo em volta da machamba de cajueiros. P Porque é que a família do Camilo abre o quebra fogo em volta da machamba? R Eles fazem isto para prevenir a entrada do fogo nos cajueiros. P Quando é que eles abrem o quebra fogo? R Eles abrem o quebra fogo no inicio do tempo seco. P Como é feito este trabalho? R O trabalho é realizado a volta da machamba, eliminando o capim e arbustos com uma largura mínima de 10 metros. Info adicionais: O quebra fogo para as culturas anuais ajuda a manter o caminho limpo.

3 Limpeza do cajual para a apanha P O que faz a família do Sr. Camilo? R A família do Sr. Camilo limpa o seu cajual. P Porque é que a família Camilo limpa o seu cajual? R Para permitir que o caju caia num lugar limpo e visível. P Em que período do ano limpam o seu cajual? R Esta actividade se faz antes da maturação dos frutos P Como é que eles fazem o trabalho? R Fazem no limpando o capim e removendo os restos em volta do cajual. P Quais são os materiais que eles utilizam para a limpeza do cajual? R Eles utilizam enxadas e catana para remover o capim e para tirar os restos usam ancinho ou vassouras tradicionais.

4 Preparação de materiais p ç para a colheita e a conservação da castanha P O que fazem o Sr. Camilo e a Sra. Laurinda? R Eles estão a preparar todo o material para a colheita da castanha de caju. P Porque é que a família Camilo prepara estes materiais? R O material é para assegurar que o trabalho da colheita seja bem feito. P Quais são esses materiais que eles preparam? R Eles preparam cestos, baldes para a colheita, sacos de sisal para armazenar as castanha e constroem secadores para a secagem da castanha.

5 A colheita P O que faz o Sr. Camilo com a sua esposa Sra. Laurinda? R Eles apanham as castanhas e as colocam no cesto. P Porque que a família recolhe a castanha? R A família recolhe a castanha porque é rendimento da família. P Quando e que a família apanha castanha? R Eles apanham a castanha quando o fruto esta no chão. Isto significa que estão maduros. P Com qual frequência a família apanha a castanha? R Todos os dias, sempre que haja castanhas no em volta do cajueiro. P A família faz uma colheita completa? R A família recolhe todas as castanhas menos as castanhas claramente chochas. Discute o que é castanha chocha ou não aproveitável.

6 Transporte das castanhas apanhadas P O que faz a Sra. Laurinda? R A Sra. Laurinda transporta as castanhas apanhas até o lugar de acumulação. P Porque é que a Sra. Laurinda transporta as castanhas? R Ela acumula a colheita em sítios com sombra para que facilite a separação da maça e a castanha. P Quando é que a família transporta o caju colhido para o local da acumulação? R A família transporta o caju apanhando para o local da acumulação quando o recipiente está cheio. P Como que é que a família transporta o caju? R A família transporta em cestos ou baldes.

7 Separação da castanha da maça P O que faz a família do Sr. Camilo em baixo do cajueiro? R Eles separam a castanha da maça. P Porque e que a família separa a castanha da maça? R Eles separam porque a castanha deve ser limpa sem anexo do fruto durante a secagem e também no acto de comercialização. P Quando é que a família faz a separação da castanha da maça? R A família faz a separação da castanha da maça no mesmo dia da colheita quando está acumulado. P Como é que a família faz a separação do maça? R A separação se faz manualmente com um instrumento para a separação. P Como funciona este ferramenta da separação? R O instrumento da separação é composto por um fio de nylon amarado com dois pauzinhos. O fio envolve se em volta do caju e separa facilmente a castanha da maça. Demonstração do uso do instrumento de separação. Tem que ter um fio apropriado consigo.

8 Secagem da castanha no secador P O que o Sr. Camilo e a Sra. Laurinda fazem? R O Sr. Camilo e a Sra. Laurinda estão colocando e espalhando as castanhas no secador. P Porque eles colocam e espalham as castanha no secador? R Eles colocam e espalham as castanhas no secador para assegurar uma boa secagem reduzindo o teor da humidade. P Porque deve se reduzir a humidade das castanhas? R Quando a castanha está bem seca diminui se o risco de apodrecimento durante a armazenagem. P Como a família faz a secagem? R A família do Sr. Camilo faz a secagem da castanha em cima de um secador remexendo diariamente para apanhar o ar. P Quando tempo deve secar a castanha? R A secagem dura 2 á 3 dias no ar livre. P Onde a família do Sr. Camilo faz a secagem da castanha? R A família do Sr. Camilo faz a secagem da castanha no pátio da casa. Tem que ter cuidado com o excesso de sol, porque quando as castanhas aquecem liberta se o óleo de casca (LCC) e isso afecta negativamente o sabor da amêndoa.

9 Secagem da Castanha na esteira P O que o Sr. Moito vizinho do Sr. Camilo esta a fazer? R O Sr. Moita também esta a secar a castanha. P Como o Sr. Moito faz a secagem? R O Sr. Moita faz a secagem da castanha numa esteira, remexendo diariamente. P Porque o Sr. Moito está remexendo a castanha diariamente? R Isso é para assegurar que todas as castanhas recebem o ar livre e não ficam cobertas com outras castanhas. P Porque o Sr. Moita usa uma esteira e não um secador? R A função da esteira é a mesma do secador, evitar o contacto directo entre as castanhas e o solo que pode transmitir humidade e sujar as castanhas. P Quanto tempo deve secar a castanha quando está na esteira? R A secagem dura 2 á 3 dias no ar livre. Outro objectivo de remexer a castanha é para evitar que a mesma camada apanha muito sol e assim aquecem e libertam o óleo de casca (LCC).

10 Selecção ou revisão da castanha P O que a família do Sr. Camilo está a fazer? R A família do Sr. Camilo está a seleccionar a castanha. P Porque eles seleccionam a castanha? R A selecção é para assegurar que não entram castanha chocas, castanhas pequenas e restos de maça ou outra sujidade no saco. P Qual é a vantagem da selecção? R A vantagem é que os compradores pagam o melhor preço para a castanha de boa qualidade. P Como a família do Sr. Camilo faz a selecção da castanha? R Eles fazem a selecção da castanha de acordo com a qualidade, isto é, o tamanho e estado físico da castanha, sem nenhuma alteração no saco conforme o acordo com os compradores. P Onde a família do Sr. Camilo faz a selecção da castanha? R A família do Sr. Camilo faz a selecção em um sitio no seu quintal. Deve se alertar que estas operações não ocupam tanto tempo ao produtor. Se a colheita e a secagem são bem feitas a revisão não leva muito tempo. Se existem acordos com os compradores com benefícios para amplas partes em seleccionar em tamanho, discute se que tamanhos (pequenas, medias e grandes)

11 Controlo Interno P O que fazem o Sr. Camilo e a Sra. Laurinda? R Eles controlam as castanhas que estão bem secas antes que levem para o armazém. P Porque eles controlam as castanha que estão bem secas? R Eles fazem este controlo porque se as castanhas ainda têm humidade vão apodrecer no armazém e transmitir a humidade a outras castanhas. P Como é que eles verificam se esta bem seca? R A Sra. Laurinda sacode a castanha para ouvir se as castanhas tocam que é o sinal de ser secas e o Sr. Camilo está com o mão dentro do saco para sentir a temperatura. P Como a Sra. Laurinda liga a temperatura dentro do saco com castanha seca? R Ela sabe que se sente que as castanhas aquecem dentro do saco é por causa de excesso da humidade. Explique a diferença entre o uso de sacos de ráfia e sacos de sisal.

12 Pesagem da Castanha P O que a família Camilo esta a fazer? R A família Camilo esta a fazer a pesagem da castanha P Porque eles pesagem os sacos? R Eles precisam calibrar os sacos de sisal em 81 kg cada e saber o resultado da colheita antes da armazenagem. P Como eles pesam a Castanha? R Pesam a castanha usando a balança e o saco de sisal. P Porque eles usam sacos de sisal? R Eles usam sacos de sisal porque permitem a circulação do ar dentro e assim evitam o aquecimento dentro do saco. A associação tem esta norma. P Onde eles pesam a castanha? R A pesagem é feita na casa deles ou na associação no acto de entrega. P Quem faz a pesagem da castanha da família Camilo? R A pesagem da castanha da família Camilo faz se junto com o fiel do armazém da associação. O peso do saco de sisal é 1 kg, significa que o peso total deve ser de 81 kg.

13 Armazenamento da castanha P O que o Sr. Camilo e a Sra. Laurinda estão a fazer? R A família Camilo esta a armazenar a castanha deles. P Onde a família do Camilo armazena a castanha? R Eles armazenam a castanha dentro do armazém da sua associação. P Porque a família Camilo armazena a castanha? R Eles armazenam a castanha para melhor conservação esperando que a associação negocia um bom preço. P Como a castanha está armazenada? R Os sacos de castanha estão armazenados em sacos de sisal de 81 kg em forma de pilhas em cima de paletes. As pilhas sempre tem uma distancia de 20 cm da parede para permitir a passagem do ar. P Quem controla o armazenamento da castanha da família Camilo? R O fiel do armazém controla as entradas junto com o dono e assina se uma guia de entrada com 3 copias. Uma copia fica com a família Camilo. Devem ter atenção que a castanha provavelmente vai perder peso no armazém por ser fresca. Assim, é importante de ter registos antes e depois com a presença de mais pessoas, se não começam ter complicações e aquisições internas no grupo de desfalque.

14 Análise da qualidade da castanha de caju P O que q fazem o Sr. Camilo e a Sra. Laurinda? R Eles cortam as castanhas para conhecer a qualidade da amêndoa. P Porque é que eles querem conhecer a qualidade da castanha? R Eles usam a determinação da qualidade de castanha quando negociam o preço com o comprador. P Como é que eles vão saber se é de boa qualidade? R Existem vários critérios: a casca deve estar totalmente preenchida com a amêndoa sem manchas e sem sinais de ser prematura ou húmida. P Que instrumento eles usam no corte? R Eles usam uma tesoura especial que os processadores e exportadores normalmente usam para fazer o teste de out turn. P O que significa teste de out turn? R O teste de out turn mostra a quantidade da castanha que pode ser aproveitada no processamento. P Onde se faz o teste de out turn? R Nos armazéns das fábricas, dos exportadores e no porto. Existem também ssociações com grandes quantidade de castanha que fazem o out turn. O out turn é o peso em libras da amêndoa boa (com a película), retirada da castanha de um saco de 80kgs por meio de corte transversal. O outturn é sempre expresso em libras. Por exemplo: 44 libras de qualidade, 48 libras de qualidade, etc. Veja o panfleto de IDENTIFICAÇÃO DAS CASTANHAS DE CAJÚ

15

16 Venda da castanha P O Sr. Camilo e a Sra. Laurinda fazem parte de uma associação de produtores. O que a associação está a fazer? R O presidente da associação está a negociar com o comprador o preço da castanha. P Porque alguns membros da associação estão a atender a negociação? R Um maior numero de membros por parte da associação dá um peso maior à posição do presidente frente ao comprador da castanha. Assim a associação pode alcançar o melhor preço possível. P Que tipo de castanha a associação está a vender? R A castanha da associação é de boa qualidade. Ela está bem seca e foi bem armazenada em sacos de sisal. O comprador deve pagar mais para uma castanha bem secada e selecionada. P Quem controla a pesagem na hora da venda da castanha? R O fiel da associação controla junto com o comprador ou o seu assistente o peso dos sacos na hora da venda. O preço por saco é anotado nos cadernos da associação.

17 Selecção de plantas boas e não produtivas P O que faz o Sr. Camilo? R Ele corta um dos cajueiro dele. P Porque ele corta o cajueiro? R Este cajueiro não produz e ele não quer cajueiros que não produzem. P Como ele sabe que este cajueiro não produz? R Ele sempre observa os seus cajueiros durante a colheita e coloca um sinal em forma de cinto no tronco dos melhores cajueiros e faz também uma sinalização dos piores cajueiros. Quando verifica que um cajueiro em anos seguidos não produz satisfatoriamente abate se. P Porque ele sinaliza os melhores cajueiros? R Quando ele tem um cajueiro com uma boa produção durante 3 anos ele usa material deste para multiplicar outros cajueiros com as mesmas características. Ele tem o seu pequeno viveiro e o INCAJU também tem interesse do material. P Quando é que a família do Camilo selecciona as plantas? R Eles fazem este durante a colheita. P Quem faz a selecção das plantas menos produtivas. R A selecção é feita pelo dono com a assistência do técnico.

18 Os dois últimos desenhos são para alertar ao produtor em observar o resultado da colheita dos seus cajueiros. Existem vários padrões na avaliação de um bom cajueiro, aqui só tratamos a colheita! A ideia é que o extensionista fornece o cinto de plástico e ajude os produtores com este interesse.

19 Melhoramento da capacidade produtiva do cajual P O que faz o Sr. Camilo no seu cajual? R O Sr. Camilo esta plantando novas mudas de cajueiros no cajual dele. P Porque o Sr. Camilo planta novos cajueiros no meio da machamba com antigas arvores? R Ele quer ganhar o máximo possível através da produção do cajual, por isso substitui cajueiros não produtivos com o novo plantio de alta qualidade. O desenho é simbólico, não se plantam mudas durante a colheita e não é uma sessão de novo plantio, mas uma mobilização em planificar o melhoramento do cajual.

20 Introducão O album seriado serve para facilitar a animação das sessões com os produtores de castanhas de cajú nos temas relacionados com: A preparação para a colheita, a colheita, práticas pós colheita, a qualidade da castanha de caju, a comercialização e decisões de melhoramento do cajual baseadas nas observações durante as colheitas. A parte frontal do album é um desenho que atrás tem um texto de apoio que ajude o extensionista em apontar a mensagem chave com o objectivo de melhorar a as práticas actuais. O tempo planificado para comunicar as mensagens chaves é estimado entre 1 ¼ 1 ½ horas criando passos de seguimentos. As perguntas e respostas servem como um guião para o extensionista e não é para ler em voz alta durante a sessão com os produtores. São os produtores que respondem. Se as respostas dos produtores não vão ao encontro da mensagem chave, continua a estimular os produtores em descobrir a mensagem chave através de mais perguntas. O numero máximo de participantes terá de ser 20 para um bom aproveitamento.

Introducão. Seleccao e Preparacao da terra Plantio de mudas enxertadas Limpeza das novas plantacoes

Introducão. Seleccao e Preparacao da terra Plantio de mudas enxertadas Limpeza das novas plantacoes Introducão O album seriado serve para facilitar a animação das sessões com os produtores de castanha de cajú nos temas relacionados com: Seleccao e preparacao da terra, plantio das mudas e limpeza das

Leia mais

Rotação milho e soja para aumento do rendimento

Rotação milho e soja para aumento do rendimento Rotação milho e soja para aumento do rendimento Para mais informações contacte: O seu agente de extensão ou Departamento de Formação Documentação e Difusão do IIAM/CZC Contacto: +25123692 Chimoio, Moçambique.

Leia mais

Código de Boas Práticas. para a Prevenção e Redução. de Micotoxinas em Cereais

Código de Boas Práticas. para a Prevenção e Redução. de Micotoxinas em Cereais Código de Boas Práticas para a Prevenção e Redução de Micotoxinas em Cereais Índice: Introdução... 3 I. Práticas recomendadas com base nas Boas Práticas Agrícolas (BPA) e nas Boas Práticas de Fabrico (BPF)...

Leia mais

Produçaõ de peixes. Adaptado de: "Better Farming Series 27 - FreshWater Fish Farming: How to Begin" (FAO, 1979)

Produçaõ de peixes. Adaptado de: Better Farming Series 27 - FreshWater Fish Farming: How to Begin (FAO, 1979) Produçaõ de peixes Adaptado de: "Better Farming Series 27 - FreshWater Fish Farming: How to Begin" (FAO, 1979) Onde pôr seu tanque de peixes 1. Você tem que escolher um lugar bom para sua tanque. 2. Lembra

Leia mais

Método PHAST TABELA DE CONTEUDOS METODOLOGIA PHAST... 2

Método PHAST TABELA DE CONTEUDOS METODOLOGIA PHAST... 2 Método PHAST TABELA DE CONTEUDOS METODOLOGIA PHAST... 2 Fases do método PHAST... 3 1. Técnica: Historias Comunitárias... 4 2. Técnica: Enfermeira Felicidade... 5 3. Técnica: Mapeamento comunitário... 6

Leia mais

BOAS PRÁTICAS. Fonte: Manual Boas Práticas Agrícolas para a Agricultura Familiar http://rlc.fao.org/es/agricultura/bpa

BOAS PRÁTICAS. Fonte: Manual Boas Práticas Agrícolas para a Agricultura Familiar http://rlc.fao.org/es/agricultura/bpa BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS Fonte: Manual Boas Práticas Agrícolas para a Agricultura Familiar http://rlc.fao.org/es/agricultura/bpa O QUE SÃO AS BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS (BPA)? Os consumidores estão cada vez

Leia mais

Cozinha Industrial. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho

Cozinha Industrial. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Cozinha Industrial Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Serviços de alimentação Este tipo de trabalho aparenta não ter riscos, mas não é bem assim, veja alguns exemplos: Cortes

Leia mais

ARMAZENAGEM DE PRODUTOS QUÍMICOS

ARMAZENAGEM DE PRODUTOS QUÍMICOS ARMAZENAGEM DE PRODUTOS QUÍMICOS 2011 Índice 1. Sinalização... 3 2. Organização do Armazém... 3 3. Estabelecer um esquema de armazenamento para:... 4 4. Manter em local visível... 6 5. Deveres do Responsável

Leia mais

ATENÇÃO. www.poscolheita.com.br. juarez@ufv.br ESTA PALESTRA E OUTROS MATERIAIS IMPORTANTES PARA A PÓS-COLHEITA DO CAFÉ ESTÃO DISPONÍVEIS NO ENDEREÇO:

ATENÇÃO. www.poscolheita.com.br. juarez@ufv.br ESTA PALESTRA E OUTROS MATERIAIS IMPORTANTES PARA A PÓS-COLHEITA DO CAFÉ ESTÃO DISPONÍVEIS NO ENDEREÇO: ATENÇÃO ESTA PALESTRA E OUTROS MATERIAIS IMPORTANTES PARA A PÓS-COLHEITA DO CAFÉ ESTÃO DISPONÍVEIS NO ENDEREÇO: www.poscolheita.com.br juarez@ufv.br CAFEICULTURA DE MONTANHA & CAFÉ COM QUALIDADE Tecnologias

Leia mais

com a qualidade e características deste produto, mas recomendados que leia cuidadosamente estas instruções para tirar o melhor partido da sua compra.

com a qualidade e características deste produto, mas recomendados que leia cuidadosamente estas instruções para tirar o melhor partido da sua compra. ÍNDICE 1. Introdução 3. Instruções de segurança 4. Características do produto 5. Instruções de utilização 6. Manutenção 8. Informação de eliminação de pilhas e produto 9. Declaração de conformidade 1.

Leia mais

Galinhas Saudáveis Pessoas Saudáveis

Galinhas Saudáveis Pessoas Saudáveis Galinhas Saudáveis Pessoas Saudáveis Projecto Celeiro da Vida Album Seriado Manual de Facilitação de Práticas Agrárias e de Habilidades para a Vida Para os Facilitadores das Jffls Galinhas saudáveis

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ARMAZENISTA

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ARMAZENISTA Luis Figueiredo 2014.02.06 16:35:35 Z PROCEDIMENTO 1. OBJECTIVO Definição de Procedimentos nos Armazenistas que aderiram à VALORMED. 2. ÂMBITO A VALORMED tem por objectivo a implementação e gestão de um

Leia mais

GUIÃO: A AVALIAÇÃO FINAL E A PROVA FINAL

GUIÃO: A AVALIAÇÃO FINAL E A PROVA FINAL GUIÃO: A AVALIAÇÃO FINAL E A PROVA FINAL INFORMAÇÕES BASICAS Anota as informações abaixo na pagina titular do relatório Nome do círculo, Bairro Municipio Nome do facilitador Como contactar Ex: Igreja Pentecostal,

Leia mais

Processamento da Congelação de Sardinha

Processamento da Congelação de Sardinha Processamento da Congelação de Sardinha 2ºAno LEAL 09/10 Disciplina de PGA Trabalho realizado por: Sara Cipriano nº20803011 Telma Cantante nº 20803047 Soraia Santos nº 20603014 Adriana Calçada nº 20803023

Leia mais

ÍNDICE GUIA DE CONSULTA RÁPIDA INSTRUÇÕES DE UTILIZAÇÃO TABELA DE PROGRAMAS BROCHURA

ÍNDICE GUIA DE CONSULTA RÁPIDA INSTRUÇÕES DE UTILIZAÇÃO TABELA DE PROGRAMAS BROCHURA ÍNDIE GUIA DE ONSULTA RÁPIDA TABELA DE PROGRAMAS PREPARAÇÃO DA ROUPA SELEIONAR AS OPÇÕES E O PROGRAMA INIIAR E TERMINAR UM PROGRAMA MODIFIAR UM PROGRAMA INTERROMPER UM PROGRAMA MANUTENÇÃO E LIMPEZA DIÁRIAS

Leia mais

MANUAL DE FOTOGRAFIA

MANUAL DE FOTOGRAFIA MANUAL DE FOTOGRAFIA 1. A máquina fotográfica. Breve história As primeiras fotografias tiradas, datam de 1826, mas só em 1870, é que foi possível obter um sistema que permitisse a comercialização de chapas

Leia mais

Boas práticas na manipulação do pescado

Boas práticas na manipulação do pescado Boas práticas na manipulação do pescado O Brasil tem uma grande variedade de pescados e todas as condições para a produção deste alimento saudável e saboroso. Para que o pescado continue essa fonte rica

Leia mais

Refrigerador Frost Free

Refrigerador Frost Free GUIA RÁPIDO Comece por aqui Se você quer tirar o máximo proveito da tecnologia contida neste produto, leia o Guia Rápido por completo. Refrigerador Frost Free Frost Free Seu refrigerador usa o sistema

Leia mais

PRÁTICAS SILVICULTURAIS

PRÁTICAS SILVICULTURAIS CAPÍTULO 10 PRÁTICAS SILVICULTURAIS 94 Manual para Produção de Madeira na Amazônia APRESENTAÇÃO Um dos objetivos do manejo florestal é garantir a continuidade da produção madeireira através do estímulo

Leia mais

Processamento de bacalhau salgado seco

Processamento de bacalhau salgado seco Outubro 2007 LEAL Processamento Geral de Alimentos Processamento de bacalhau salgado seco Trabalho elaborado por: João Vaz n.º 20503003 Bruno Lopes n.º 20503026 Joana Sousa n.º 20603070 Introdução Quando

Leia mais

PNV Divulgação de Boas Práticas. Rede de Frio. Ana Paula Abreu

PNV Divulgação de Boas Práticas. Rede de Frio. Ana Paula Abreu PNV Divulgação de Boas Práticas Rede de Frio Dezembro 2011 Ana Paula Abreu S. Farmacêuticos A efectividade e a segurança das vacinas dependem também das suas condições de transporte, de conservação e de

Leia mais

epotech aqua Ficha técnica Aplicações recomendadas Materiais Suportes Características

epotech aqua Ficha técnica Aplicações recomendadas Materiais Suportes Características Ficha técnica epotech aqua epotech aqua é uma nova linha de massas de base epoxídica para a selagem de juntas em ladrilhos cerâmicos. Massa bicomponente isenta de solventes orgânicos, caracteriza-se pela

Leia mais

O SEU GUIA DA COMPOSTAGEM

O SEU GUIA DA COMPOSTAGEM O SEU GUIA DA COMPOSTAGEM O SEU GUIA DA COMPOSTAGEM Ficha Técnica Título Projecto Compostagem no Seixal O Seu Guia da Compostagem Concepção Gráfica e Revisão Sector de Apoio Gráfico e Edições Edição Câmara

Leia mais

Passos para se proteger do Ébola enquanto aguarda por assistência Documento para a Guiné-Bissau

Passos para se proteger do Ébola enquanto aguarda por assistência Documento para a Guiné-Bissau Passos para se proteger do Ébola enquanto aguarda por assistência Documento para a Guiné-Bissau 1 Lembre-se de três coisas Não tocar Isole a pessoa doente Ligue para a linha de apoio 2 Se pensa que alguém

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA A COLETA SELETIVA DO LIXO E DICAS DE CONSUMO CONSCIENTE

INSTRUÇÕES PARA A COLETA SELETIVA DO LIXO E DICAS DE CONSUMO CONSCIENTE 12:43 Page 1 INSTRUÇÕES PARA A COLETA SELETIVA DO LIXO E DICAS DE CONSUMO CONSCIENTE Jardins é Page 2 LIXO UM PROBLEMA DE TODOS Reduzir a quantidade de lixo é um compromisso de todos. Uma pessoa é capaz

Leia mais

Esta tarefa pretende desenvolver nos alunos algumas competências ao nível dos temas indicados, da comunicação matemática e do trabalho de grupo.

Esta tarefa pretende desenvolver nos alunos algumas competências ao nível dos temas indicados, da comunicação matemática e do trabalho de grupo. TAREFA: Projecto: Instrumentos de Medida Actividade desenvolvida pela Escola Básica 2,3 de Nery Capucho. ENQUADRAMENTO CURRICULAR: Alunos do 3º ciclo Área Temática: Números e Operações. Unidades de Medida.

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO EQUIPAMENTOS DE IONIZAÇÃO DE AR. Airgenic Unidades para Dutos de Arcondicionados. Linha DX. Índice. Modo de Usar Paginas 3 4

MANUAL DO USUÁRIO EQUIPAMENTOS DE IONIZAÇÃO DE AR. Airgenic Unidades para Dutos de Arcondicionados. Linha DX. Índice. Modo de Usar Paginas 3 4 MANUAL DO USUÁRIO EQUIPAMENTOS DE IONIZAÇÃO DE AR Airgenic Unidades para Dutos de Ar-condicionados Linha DX Airgenic Unidades para Dutos de Arcondicionados centrais - Linha DX Índice Modo de Usar Paginas

Leia mais

Pleiones. Pleiones são um grupo de orquídeas que crescem em zonas mais frescas ou temperadas intermédias. São originárias maioritariamente

Pleiones. Pleiones são um grupo de orquídeas que crescem em zonas mais frescas ou temperadas intermédias. São originárias maioritariamente 7 Pleiones são um grupo de orquídeas que crescem em zonas mais frescas ou temperadas intermédias. São originárias maioritariamente dachina,nortedaíndia,tailândiaenepal.a maior parte cresce na orla das

Leia mais

Segurança, Equipamentos e Investigação Científica

Segurança, Equipamentos e Investigação Científica Segurança, Equipamentos e Investigação Científica Folha do Professor Resumo: O professor fará uma demonstração do que não se deve fazer no laboratório e os alunos tentarão adivinhar os erros. Em seguida,

Leia mais

S1 Seiri Separar o desnecessário. Resultado esperado Um local de trabalho desimpedido. Definição Remover objectos não essenciais do local de trabalho

S1 Seiri Separar o desnecessário. Resultado esperado Um local de trabalho desimpedido. Definição Remover objectos não essenciais do local de trabalho S1 Seiri Separar o desnecessário Remover objectos não essenciais do local de trabalho 1. Tirar fotografias à área onde se inicia o projecto 5S; 2. Rever os critérios para separar os objectos desnecessários;

Leia mais

1 INSTRUÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA

1 INSTRUÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA [M01 29032010] 1 INSTRUÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA É muito importante que você leia atentamente todas as instruções contidas neste manual antes de utilizar o produto, pois elas garantirão segurança na

Leia mais

KERN KHP V20 Versão 1.0 11/2014 P

KERN KHP V20 Versão 1.0 11/2014 P KERN & Sohn GmbH Ziegelei 1 D-72336 Balingen E-mail: info@kern-sohn.com Telefone: +49-[0]7433-9933-0 Fax: +49-[0]7433-9933-149 Internet: www.kern-sohn.com Instrução de instalação Ponte de pesagem ( 3000

Leia mais

BROCH. Mecanização cultivo do alho

BROCH. Mecanização cultivo do alho ROH Mecanização cultivo do alho ebulhadora de cabeças de alho ebulhar cuidadoso e selecção dos dentes separação e classificação dos dentes é o primeiro passo para uma plantação homogénea e regular. O alto

Leia mais

O Manual do ssc. Peter H. Grasch

O Manual do ssc. Peter H. Grasch Peter H. Grasch 2 Conteúdo 1 Introdução 6 2 Usar o ssc 7 2.1 Gerir os utilizadores.................................... 7 2.1.1 Adicionar um utilizador.............................. 8 2.1.1.1 Associar-se

Leia mais

TEOR DE UMIDADE DOS GRÃOS

TEOR DE UMIDADE DOS GRÃOS Teor de Umidade dos Grãos TEOR DE UMIDADE DOS GRÃOS O teor de umidade dos grãos representa a quantidade de água por unidade de massa do grão úmido ou seco. Pode ser expresso pela relação entre a quantidade

Leia mais

Código: CHCB.PI..EST.01 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas:1 de 12. 1. Objectivo. 2. Aplicação

Código: CHCB.PI..EST.01 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas:1 de 12. 1. Objectivo. 2. Aplicação Código: CHCB.PI..EST.01 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas:1 de 12 1. Objectivo o Estabelecer normas para o processamento dos dispositivos médicos, baseadas em padrões de qualidade. o Estabelecer condições de

Leia mais

A Reprodução da Galinha

A Reprodução da Galinha A Reprodução da Galinha Projecto Celeiro da Vida Album Seriado Manual de Facilitação de Práticas Agrárias e de Habilidades para a Vida Para os Facilitadores das Jffls A reprodução da galinha 2 Rascunho

Leia mais

Guia de utilização. Gestão de Mensagens. Março 2009

Guia de utilização. Gestão de Mensagens. Março 2009 Guia de utilização Gestão de Mensagens Março 2009 Índice Índice... 2 Novo Serviço de Gestão de Mensagens... 3 Criar Mensagens... 4 Layout Criar Mensagens... 5 Processo Criar Mensagens... 7 Gestão das Mensagens...

Leia mais

PRINCIPAIS DICAS Escute o Mister Maker e siga o seu conselho e sugestões. cada atividade para mais detalhes.

PRINCIPAIS DICAS Escute o Mister Maker e siga o seu conselho e sugestões. cada atividade para mais detalhes. P2 Entertainment Guia de Início Rápido do Aplicativo Mister Maker: Vamos fazer Arte! PARA OS PAIS Mister Maker: Vamos fazer Arte! contém muitas características únicas e divertidas e permite que as crianças

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO EQUIPAMENTOS DE IONIZAÇÃO DE AR. Airgenic Unidade de Teto CX 300-F3-IC. Airgenic Unidade de Teto CX 300-F3-IC.

MANUAL DO USUÁRIO EQUIPAMENTOS DE IONIZAÇÃO DE AR. Airgenic Unidade de Teto CX 300-F3-IC. Airgenic Unidade de Teto CX 300-F3-IC. MANUAL DO USUÁRIO EQUIPAMENTOS DE IONIZAÇÃO DE AR Airgenic Unidade de Teto Índice Airgenic Unidade de Teto Modo de Usar Paginas 3 4 Regulagens do Equipamento Pagina 5 Falhas e Soluções Pagina 6 Limpeza

Leia mais

BS 29. Beurer GmbH Söflinger Str. 218 89077 Ulm (Germany) Tel. +49 (0) 731 / 39 89-144 Fax: +49 (0) 731 / 39 89-255 www.beurer.de Mail: kd@beurer.

BS 29. Beurer GmbH Söflinger Str. 218 89077 Ulm (Germany) Tel. +49 (0) 731 / 39 89-144 Fax: +49 (0) 731 / 39 89-255 www.beurer.de Mail: kd@beurer. BS 29 P P Espelho de bolso iluminado Instruções de utilização Beurer GmbH Söflinger Str. 218 89077 Ulm (Germany) Tel. +49 (0) 731 / 39 89-144 Fax: +49 (0) 731 / 39 89-255 www.beurer.de Mail: kd@beurer.de

Leia mais

Etapa 1: A Diarreia: Identificar e reconhecer a doença

Etapa 1: A Diarreia: Identificar e reconhecer a doença GUIA DO/DA FACILITADOR(A) DE SAUDE Luta contra doenças diarreicas e a Malária Inter Aide Projecto Agua e Saneamento Luta contra Malaria CP 6 Nacala a Velha 82 78 29 956 MENSAGENS CHAVES Etapa 1: A Diarreia:

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO DISTRIBUIDOR DAS FARMÁCIA COMUNITÁRIAS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO DISTRIBUIDOR DAS FARMÁCIA COMUNITÁRIAS Luis Figueiredo 2016.01.19 12:27:21 Z PROCEDIMENTO 1. OBJECTIVO Definição de procedimentos nos distribuidores das farmácias comunitárias aderentes à VALORMED. 2. ÂMBITO A VALORMED tem por objectivo a implementação

Leia mais

CONTRATO. a) Nos termos do nº 1 do artigo 4º, os operadores económicos são coresponsáveis pela gestão das pilhas e acumuladores usados;

CONTRATO. a) Nos termos do nº 1 do artigo 4º, os operadores económicos são coresponsáveis pela gestão das pilhas e acumuladores usados; CONTRATO Entre: a) Ecopilhas, Sociedade Gestora de Resíduos de Pilhas e Acumuladores, Lda., sociedade comercial por quotas, com sede na Praça Nuno Rodrigues dos Santos, 7, 1600-171 Lisboa, pessoa colectiva

Leia mais

ATENÇÃO INFORMAÇÕES SOBRE A GARANTIA

ATENÇÃO INFORMAÇÕES SOBRE A GARANTIA ATENÇÃO INFORMAÇÕES SOBRE A GARANTIA Motor vertical 2 tempos LER O MANUAL DO PROPRIETÁRIO. TRABALHE SEMPRE COM ROTAÇÃO CONSTANTE, NO MÁXIMO 3.600 RPM EVITE ACELERAR E DESACELERAR O EQUIPAMENTO. NÃO TRABALHE

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/7 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ARMAZENAGEM DE MATERIAIS, EQUIPAMENTOS E RESÍDUOS 2 DESCRIÇÃO O trabalho preventivo no armazenamento de produtos perigosos, visa não só a protecção

Leia mais

SECAGEM DE GRÃOS. Disciplina: Armazenamento de Grãos

SECAGEM DE GRÃOS. Disciplina: Armazenamento de Grãos SECAGEM DE GRÃOS Disciplina: Armazenamento de Grãos 1. Introdução - grãos colhidos com teores elevados de umidade, para diminuir perdas:. permanecem menos tempo na lavoura;. ficam menos sujeitos ao ataque

Leia mais

Sistemas de Lubrificação AutoJet

Sistemas de Lubrificação AutoJet Sistemas de Lubrificação AutoJet Sistemas de lubrificação AutoJet Sistemas de lubrificação oferece-lhe um método eficiente na aplicação de lubrificantes e líquidos anti-corrosivos. Em adição, moldes, estampagem,

Leia mais

O LIXO É UM LUXO! Atividade prática sobre reciclagem

O LIXO É UM LUXO! Atividade prática sobre reciclagem Projetos para a Sala de Aula O LIXO É UM LUXO! Atividade prática sobre reciclagem 5 a a 8 a SÉRIES Softwares necessários: Microsoft excel 97 Microsoft powerpoint 97 Microsoft publisher 97 Guia do Professor

Leia mais

TECNOLOGIAS DEMONSTRADAS NO ECHO: PRENSAS DE BRIQUETES PARA COMBUSTÍVEIS ALTERNATIVOS

TECNOLOGIAS DEMONSTRADAS NO ECHO: PRENSAS DE BRIQUETES PARA COMBUSTÍVEIS ALTERNATIVOS TECNOLOGIAS DEMONSTRADAS NO ECHO: PRENSAS DE BRIQUETES PARA COMBUSTÍVEIS ALTERNATIVOS DE JASON DAHLMAN COM CHARLIE FORST Uma NOTA TÉCNICA de ECHO Publicado 2001 INTRODUÇÃO Briquetes feitos de materiais

Leia mais

Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante do Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural

Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante do Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural Guião de Programa de Rádio e Televisão Tema: Redução de Emissões de Desmatamento e Degradação Florestal (REDD+) Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante

Leia mais

BEBEDOURO COMPACTO COMPRESSOR MASTERFRIO MANUAL DE INSTRUÇÕES

BEBEDOURO COMPACTO COMPRESSOR MASTERFRIO MANUAL DE INSTRUÇÕES BEBEDOURO COMPACTO COMPRESSOR MASTERFRIO MANUAL DE INSTRUÇÕES Prezado Cliente, A Masterfrio cumprimenta-o pela escolha feita ao comprar nosso bebedouro. Tudo foi feito para que este aparelho preste bons

Leia mais

Reabilitação experimental de lavouras de café abandonadas como pequenas unidades de produção familiar em Angola CFC/ICO/15 (AEP: INCA)

Reabilitação experimental de lavouras de café abandonadas como pequenas unidades de produção familiar em Angola CFC/ICO/15 (AEP: INCA) PJ 29 fevereiro 2012 Original: inglês 29/12 Add. 1 (P) P Comitê de Projetos/ Conselho Internacional do Café 5 8 março 2012 Londres, Reino Unido Resumo dos relatórios de andamento apresentados pelas Agências

Leia mais

Suprimentos 1. Cartuchos de toner. Imprimindo. Usando cores. Manuseio de papel. Manutenção. Solução de problemas. Administração.

Suprimentos 1. Cartuchos de toner. Imprimindo. Usando cores. Manuseio de papel. Manutenção. Solução de problemas. Administração. Cartuchos de toner Suprimentos 1 Aviso: Não toque no rolo do cartucho de toner, localizado sob a tampa. Tampa Sua impressora utiliza quatro cartuchos de toner separados, um para cada cor: ciano, amarelo,

Leia mais

Dia da Conservação do Solo - 15 de Abril

Dia da Conservação do Solo - 15 de Abril Dia da Conservação do Solo - 15 de Abril Tema: Comemoração do Dia da Conservação do Solo Destinatários: Crianças dos 6 aos 10 anos - 1º ciclo Objectivo: Pretende-se que no final das actividades as crianças

Leia mais

Agroindústria Processamento Artesanal de Frutas - Compotas (limão, goiaba, manga, figo) Menu Introdução Figo Goiaba Limão Manga. 1.

Agroindústria Processamento Artesanal de Frutas - Compotas (limão, goiaba, manga, figo) Menu Introdução Figo Goiaba Limão Manga. 1. 1 de 5 10/16/aaaa 10:42 Agroindústria Agroindústria: Processamento Artesanal de Frutas - Compotas Processamento artesanal de frutas: Nome compotas de limão, goiaba, manga e figo Produto Informação Tecnológica

Leia mais

Informações básicas para fazer compostagem 1.

Informações básicas para fazer compostagem 1. Educação Ambiental Desenvolvimento Sustentável. www.ecophysis.com.br Informações básicas para fazer compostagem 1. COMPOSTAR para reduzir a quantidade de resíduos orgânicos 2. REUSAR os resíduos compostados

Leia mais

1. Introdução 2. 2. As funções da embalagem 2. 3. Classificação das embalagens 5. 4. Principais características dos materiais de embalagem 6

1. Introdução 2. 2. As funções da embalagem 2. 3. Classificação das embalagens 5. 4. Principais características dos materiais de embalagem 6 Capítulo I CONCEITOS GERAIS SOBRE EMBALAGEM 1. Introdução 2 2. As funções da embalagem 2 3. Classificação das embalagens 5 4. Principais características dos materiais de embalagem 6 5. O ambiente e a embalagem

Leia mais

PROGRAMA: A FAMÍLIA (1º ano do 1º ciclo)

PROGRAMA: A FAMÍLIA (1º ano do 1º ciclo) PROGRAMA: A FAMÍLIA (1º ano do 1º ciclo) Duração: 5 Sessões (45 minutos) Público-Alvo: 6 a 7 anos (1º Ano) Descrição: O programa A Família é constituído por uma série de cinco actividades. Identifica o

Leia mais

Manual de Instruções Gama AIKIA. AK-X/AK-XP aparelho intra-canal

Manual de Instruções Gama AIKIA. AK-X/AK-XP aparelho intra-canal Manual de Instruções Gama AIKIA AK-X/AK-XP aparelho intra-canal Indice Nestas instruções o aparelho auditivo, os utensílios de limpeza e outros equipamentos podem ter um aspecto diferente do seu próprio

Leia mais

Aparelho de correcção auditiva atrás-do-ouvido

Aparelho de correcção auditiva atrás-do-ouvido Aparelho de correcção auditiva atrás-do-ouvido Instrucções de uso Este manual de instruções que acompanha o aparelho descreve o manuseamento rápido e cómodo do seu aparelho auditivo. Aqui encontrará todas

Leia mais

11/13 1033-09-05 789867 REV 0 SOMENTE PARA USO DOMÉSTICO UMIDIFICADOR FRESH 3L. Manual de Instruções

11/13 1033-09-05 789867 REV 0 SOMENTE PARA USO DOMÉSTICO UMIDIFICADOR FRESH 3L. Manual de Instruções 11/13 1033-09-05 789867 REV 0 SOMENTE PARA USO DOMÉSTICO UMIDIFICADOR FRESH 3L Manual de Instruções INTRODUÇÃO Parabéns pela escolha de mais um produto de nossa linha. Para garantir o melhor desempenho

Leia mais

Com este pequeno guia pode, finalmente, tirar partido do seu lixo... e sentir-se bem por isso!

Com este pequeno guia pode, finalmente, tirar partido do seu lixo... e sentir-se bem por isso! Com este pequeno guia pode, finalmente, tirar partido do seu lixo... e sentir-se bem por isso! Os restos de comida, as folhas do jardim ou as plantas secas do quintal ganham vida nova através de um processo

Leia mais

BAR TENDA ELECTRÓNICA FESTAS DE SÃO PEDRO 2014

BAR TENDA ELECTRÓNICA FESTAS DE SÃO PEDRO 2014 BAR TENDA ELECTRÓNICA FESTAS DE SÃO PEDRO 2014 REGULAMENTO ARTIGO 1º (Objecto e Âmbito) O presente Regulamento tem por objectivo a definição das condições de concessão e utilização do bar da Tenda Electrónica,

Leia mais

Termossifão pressurizado (EA8896) Manual de instruções. Manual de instruções. Termossifão pressurizado (EA8896)

Termossifão pressurizado (EA8896) Manual de instruções. Manual de instruções. Termossifão pressurizado (EA8896) Manual de instruções Termossifão pressurizado (EA8896) Índice 1. Aviso... 3 2. Caracteristicas técnicas... 4 3. Princípios da Operação... 4 3.1. Tubos de vácuo... 4 3.2. Heat Pipe... 5 4. Instalação...

Leia mais

3.ª e 4.ª SÉRIES/4.º e 5.º ANOS

3.ª e 4.ª SÉRIES/4.º e 5.º ANOS 3.ª e 4.ª SÉRIES/4.º e 5.º ANOS 1) Qual das planificações abaixo não é a planificação de um cubo? Resposta: I Existem 11 planificações diferentes para o cubo, indicadas pelas letras A, B, C, D, E, F, G,

Leia mais

Manual do Utilizador Rocker! O seu parceiro para uma vida elegante

Manual do Utilizador Rocker! O seu parceiro para uma vida elegante Manual do Utilizador Rocker! O seu parceiro para uma vida elegante Conteúdo Prefácio Características Preparação Funcionamento LIGAR e DESLIGAR Como utilizar o seu aparelho auditivo Controlo de volume

Leia mais

37 3231-4615 www.levemix.com.br GUIA PRÁTICO DE APLICAÇÃO CONCRETO LEVEMIX. Comodidade, economia e segurança ENTREGAMOS PEQUENAS QUANTIDADES

37 3231-4615 www.levemix.com.br GUIA PRÁTICO DE APLICAÇÃO CONCRETO LEVEMIX. Comodidade, economia e segurança ENTREGAMOS PEQUENAS QUANTIDADES GUIA PRÁTICO DE APLICAÇÃO CONCRETO LEVEMIX Orientações técnicas para o melhor desempenho de sua concretagem Comodidade, economia e segurança 37 3231-4615 www.levemix.com.br ENTREGAMOS PEQUENAS QUANTIDADES

Leia mais

NOTA IMPORTANTE Claro cliente, muito obrigado por ter escolhido a balança eletrônica UMA, da Casa Bugatti. Como a maioria dos eletrodomésticos, esta balança deve ser usada com cuidado e atenção para prevenir

Leia mais

Utilização do SOLVER do EXCEL

Utilização do SOLVER do EXCEL Utilização do SOLVER do EXCEL 1 Utilização do SOLVER do EXCEL José Fernando Oliveira DEEC FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO MAIO 1998 Para ilustrar a utilização do Solver na resolução de

Leia mais

http://tecnologia.uol.com.br/album/2012/05/04/meu-computador-molhou-e-agora.jhtm

http://tecnologia.uol.com.br/album/2012/05/04/meu-computador-molhou-e-agora.jhtm Imagem 1 de 11 Derrubou um copo de água no teclado do seu notebook? Seu celular caiu na piscina? Alguém derramou chá na tela do seu tablet? Não se desespere! Especialistas indicam o que - e o que não -

Leia mais

ESPAÑOL Instrucciones de uso Página 4 PORTUGUÊS Instruções de utilização Página 10

ESPAÑOL Instrucciones de uso Página 4 PORTUGUÊS Instruções de utilização Página 10 ESPAÑOL Instrucciones de uso Página 4 PORTUGUÊS Instruções de utilização Página 10 3 UTILIZAR PELA PRIMEIRA VEZ Ligue o aparelho à tomada de corrente. Nos modelos com parte eletrónica, será emitido um

Leia mais

HORTICULTURA EM MODO BIOLÓGICO

HORTICULTURA EM MODO BIOLÓGICO HORTICULTURA EM MODO BIOLÓGICO A COMPOSTAGEM O composto é uma substância semelhante ao solo, resultante da decomposição de matérias orgânicas. A compostagem é uma maneira natural de reciclar as plantas,

Leia mais

Microsoft Access: Criar consultas para um novo banco de dados. Vitor Valerio de Souza Campos

Microsoft Access: Criar consultas para um novo banco de dados. Vitor Valerio de Souza Campos Microsoft Access: Criar consultas para um novo banco de Vitor Valerio de Souza Campos Conteúdo do curso Visão geral: consultas são essenciais Lição: inclui sete seções Tarefas práticas sugeridas Teste.

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO PRANCHA DE CABELOS CADENCE CHIARO PRO

MANUAL DO USUÁRIO PRANCHA DE CABELOS CADENCE CHIARO PRO MANUAL DO USUÁRIO PRANCHA DE CABELOS CADENCE CHIARO PRO Obrigado por adquirir a Prancha de cabelos Chiaro PRO um produto de alta tecnologia, seguro e eficiente. É Muito importante ler atentamente este

Leia mais

Um Quintal com Plantas Medicinais é uma Farmácia Viva na Porta de Casa

Um Quintal com Plantas Medicinais é uma Farmácia Viva na Porta de Casa Você sabe como deve fazer para coletar as plantas medicinais de forma correta? Veja a seguir alguns conselhos retirados da cartilha Plantas Medicinais, os remédios do Sertão (Dr. Celerino Carriconde do

Leia mais

Garmin Swim Manual de Início Rápido

Garmin Swim Manual de Início Rápido Garmin Swim Manual de Início Rápido Setembro 2012 190-01453-54_0B Impresso em Taiwan Introdução AVISO Consulte sempre o seu médico antes de iniciar ou alterar o seu programa de exercícios. Consulte no

Leia mais

MANUAL DA PRÁTICA DA COMPOSTAGEM DOMÉSTICA

MANUAL DA PRÁTICA DA COMPOSTAGEM DOMÉSTICA MANUAL DA PRÁTICA DA COMPOSTAGEM DOMÉSTICA Maria Inês de Sousa Carmo i Índice 1. Introdução... 2 2. O que é a Compostagem?... 3 2.1. Porquê fazer a compostagem?... 3 2.2. Quais as suas vantagens?... 4

Leia mais

Quadro Interactivo GUIÃO DE APOIO

Quadro Interactivo GUIÃO DE APOIO Quadro Interactivo GUIÃO DE APOIO Para o correcto funcionamento do Quadro Interactivo é necessário: Quadro Interactivo; Projector de Vídeo; Software específico (ActivInspire); Caneta ActivPen. 1 CALIBRAÇÃO

Leia mais

MANUAL INFORMATIVO PARA ORDENHA MECÂNICA BPA 34 3818-1300 34 9684-3150. bpa@cemil.com.br REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

MANUAL INFORMATIVO PARA ORDENHA MECÂNICA BPA 34 3818-1300 34 9684-3150. bpa@cemil.com.br REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA ilustra BPA REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA Normativa nº 51 18/09/2002. Regulamentos Técnicos de Produção, Identidade e Qualidade do Leite tipo A, do Leite tipo B, do Leite tipo C, do Leite Pasteurizado e do

Leia mais

Colheita e Envio de Amostras para Análise Microbiológica das Superfícies

Colheita e Envio de Amostras para Análise Microbiológica das Superfícies Página 1 de 6 Colheita e Envio de Amostras para Análise Microbiológica das Superfícies ALTERAÇÃO (ÕES) À ÚLTIMA VERSÃO Pág. 3 RESPONSÁVEIS PELO DOCUMENTO Nome Função Rubrica/Data Elaborado por Isabel Costa

Leia mais

LGTi Tecnologia. Manual - Outlook Web App. Soluções Inteligentes. Siner Engenharia

LGTi Tecnologia. Manual - Outlook Web App. Soluções Inteligentes. Siner Engenharia LGTi Tecnologia Soluções Inteligentes Manual - Outlook Web App Siner Engenharia Sumário Acessando o Outlook Web App (Webmail)... 3 Email no Outlook Web App... 5 Criar uma nova mensagem... 6 Trabalhando

Leia mais

CADERNOS DE SOCIOMUSEOLOGIA Nº 14 1999 27

CADERNOS DE SOCIOMUSEOLOGIA Nº 14 1999 27 CADERNOS DE SOCIOMUSEOLOGIA Nº 14 1999 27 3 - MANUAL DO UTILIZADOR Diogo Mateus 3.1. REQUISITOS MÍNIMOS * Computador Pessoal com os seguintes Programas * Microsoft Windows 95 * Microsoft Access 97 A InfoMusa

Leia mais

MANUAL DO PRODUTO APARELHO MULTIFUNÇÕES PARA UNHAS CÓD: 5867

MANUAL DO PRODUTO APARELHO MULTIFUNÇÕES PARA UNHAS CÓD: 5867 MANUAL DO PRODUTO APARELHO MULTIFUNÇÕES PARA UNHAS CÓD: 5867 ATENÇÃO Sob nenhuma circunstância abrir ou inspecionar os componentes internos do aparelho. Se for necessária uma inspeção, por favor, contate

Leia mais

Capacetes de Segurança H-700

Capacetes de Segurança H-700 Dados Técnicos Página 1 de 8 Capacetes de Segurança H-700 DESCRIÇÃO GERAL: O capacete de segurança H-700 é composto de: Casco ventilado (com ou sem tira refletiva) ou sem ventilação (com ou sem tira refletiva),

Leia mais

AQUECEDOR CADENCE DILLETA AQC 412 LIGADO

AQUECEDOR CADENCE DILLETA AQC 412 LIGADO AQUECEDOR CADENCE DILLETA AQC 412 LIGADO Obrigado por adquirir o Aquecedor Cadence Dilleta, um produto de alta tecnologia, seguro e eficiente. É muito importante ler atentamente este manual de instruções,

Leia mais

Vírus (H1N1)v. Medidas de Prevenção e Controlo Informação para Assistentes Operacionais 14 de Setembro 2009

Vírus (H1N1)v. Medidas de Prevenção e Controlo Informação para Assistentes Operacionais 14 de Setembro 2009 ESCOLA SECUNDÁRIA D. MARIA II PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA A PANDEMIA DA GRIPE A Vírus (H1N1)v Medidas de Prevenção e Controlo Informação para Assistentes Operacionais 14 de Setembro 2009 Formas de Transmissão

Leia mais

Compostagem doméstica

Compostagem doméstica Compostagem doméstica Na Natureza tudo se transforma 1 2 3 Este guia vai ser-lhe útil! Com este pequeno guia pode, finalmente, tirar partido do seu lixo e sentir-se bem por isso! Os restos de comida, as

Leia mais

Fair Trade USA Condições especiais do Preço e do Prêmio

Fair Trade USA Condições especiais do Preço e do Prêmio Fair Trade USA Condições especiais do Preço e do Prêmio www.fair TradeUSA.org Fair Trade USA 2013. Todos os direitos reservados. Condições especiais do Preço e do Prêmio Esse anexo contém Termos de Preço

Leia mais

MANUAL DO ANIMAIL 1.0.0.1142 Terti Software

MANUAL DO ANIMAIL 1.0.0.1142 Terti Software O Animail é um software para criar campanhas de envio de email (email Marketing). Você pode criar diversas campanhas para públicos diferenciados. Tela Principal do sistema Para melhor apresentar o sistema,

Leia mais

Passo a Passo Para Pequenos Produtores Produzirem Mudas Com Qualidade

Passo a Passo Para Pequenos Produtores Produzirem Mudas Com Qualidade PRODUÇÃO E PLANTIO DE MUDAS NATIVAS DA CAATINGA (através de sementes) ELABORAÇÃO MAGNUM DE SOUSA PEREIRA Engº Agrônomo Coordenador de Projetos da Associação Caatinga FUAD PEREIRA NOGUEIRA FILHO Graduando

Leia mais

RISCOS E SEGURANÇA FRASES R NATUREZA DOS RISCOS ESPECÍFICOS ATRIBUÍDOS ÀS SUBSTÂNCIAS E PREPARAÇÕES PERIGOSAS

RISCOS E SEGURANÇA FRASES R NATUREZA DOS RISCOS ESPECÍFICOS ATRIBUÍDOS ÀS SUBSTÂNCIAS E PREPARAÇÕES PERIGOSAS RISCOS E SEGURANÇA FRASES R NATUREZA DOS RISCOS ESPECÍFICOS ATRIBUÍDOS ÀS SUBSTÂNCIAS E PREPARAÇÕES PERIGOSAS R1 R2 Explosivo no estado seco. Risco de explosão por choque, fricção, fogo ou outras fontes

Leia mais

Município de Reguengos de Monsaraz MANUAL DE BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS NAS HORTAS URBANAS

Município de Reguengos de Monsaraz MANUAL DE BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS NAS HORTAS URBANAS Município de Reguengos de Monsaraz MANUAL DE BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS NAS HORTAS URBANAS 0 1. O que são as Boas Práticas Agrícolas? Os consumidores estão cada vez mais preocupados em obter alimentos saudáveis,

Leia mais

REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS. Orientações para o armazenamento de medicamentos, produtos farmacêuticos e dispositivos médicos

REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS. Orientações para o armazenamento de medicamentos, produtos farmacêuticos e dispositivos médicos REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS Orientações para o armazenamento de medicamentos, produtos farmacêuticos e dispositivos médicos 2009 1 INTRODUÇÃO Numerosas empresas, entidades, instituições

Leia mais

Use, demostre e venda

Use, demostre e venda Use, demostre e venda Esse material foi criado para você fazer demonstração e venda de produtos onde quer que você esteja! Esses momentos de demonstração são chamados de ENCONTROS DE BELEZA. Essa é a hora

Leia mais

Regras para instalação de pavimentos colados WICANDERS com a base em cortiça WRT; UV; PU Pre finished and sanded.

Regras para instalação de pavimentos colados WICANDERS com a base em cortiça WRT; UV; PU Pre finished and sanded. Regras para instalação de pavimentos colados WICANDERS com a base em cortiça WRT; UV; PU Pre finished and sanded. Regras para instalação de pavimentos colados WICANDERS com a base em PVC HPS and Vinilcomfort.

Leia mais

Papel Reciclado Artesanal Branco com Sisal

Papel Reciclado Artesanal Branco com Sisal Papel Reciclado Artesanal Branco com Sisal 1 Técnica utilizada: reciclagem de papel Materiais 2 Papel para reciclar (sulfite, formulário contínuo ou outros papéis que não contenham vernizes, plásticos

Leia mais

ESCOLA EB 2,3 DE EIRÍZ. O caderno

ESCOLA EB 2,3 DE EIRÍZ. O caderno ESCOLA EB 2,3 DE EIRÍZ O caderno da compostagem Saudações ambientais! Um dos maiores problemas ambientais dos nossos dias é a enorme quantidade de lixo que todos produzimos. A compostagem permite não só

Leia mais

Como Aproveitar ao Máximo a Sua Página Pessoal Nunca terá uma segunda oportunidade para causar uma primeira impressão

Como Aproveitar ao Máximo a Sua Página Pessoal Nunca terá uma segunda oportunidade para causar uma primeira impressão Como Aproveitar ao Máximo a Sua Página Pessoal Nunca terá uma segunda oportunidade para causar uma primeira impressão O que é a Página Pessoal? A Página Pessoal dá a oportunidade a um EA de criar a sua

Leia mais

Aula 1: Conhecendo a Calculadora

Aula 1: Conhecendo a Calculadora Nome completo do(a) aluno(a): Nº Ano: Turma: Data: / / Aula 1: Conhecendo a Calculadora Nosso objetivo é que vocês consigam identificar os conteúdos matemáticos já aprendidos na sala de aula de uma forma

Leia mais