Mais Alimentos, Desenvolvimento e Energia P R O J E T O

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mais Alimentos, Desenvolvimento e Energia P R O J E T O"

Transcrição

1 Mais Alimentos, Desenvolvimento e Energia P R O J E T O M A T E R I A L I N F O R M A T I V O

2 Riquezas da nossa terra O nosso planeta se formou ao longo de milhões de anos. Nesse período a Terra passou por muitas transformações, provocadas por erupções de vulcões, movimentações de terrenos e mudanças do clima. Tudo isto fez com que os minerais que hoje conhecemos e utilizamos - como o ouro, o ferro, a prata, o fosfato, o petróleo, por exemplo - se formassem e se concentrassem em alguns pontos da Terra. No solo de Santa Quitéria, debaixo dos angicos, juazeiros, catingueiras e imburanas, encontram-se milhões de toneladas de dois minérios que são raros na maioria dos países e por isso têm muito valor no mundo inteiro: o fosfato e o urânio. O fosfato é uma das principais matériasprimas usadas na fabricação de fertilizantes agrícolas. É encontrado em rochas. Na forma de fósforo, acelera o crescimento das plantas e o amadurecimento dos frutos. O fósforo é essencial também para o bom funcionamento do organismo dos seres humanos e dos animais, além de ajudar na formação dos ossos e dentes. O urânio é usado principalmente para produzir energia elétrica porque ele é capaz de gerar calor nas usinas nucleares. A energia nuclear é considerada uma energia limpa, porque a geração dessa eletricidade não produz gases que provocam o aquecimento do planeta e nem é preciso alagar grandes extensões de terra.

3 A Jazida É em Santa Quitéria que se encontra a maior reserva de urânio de nosso País, ela foi descoberta em 1975, através de estudos geológicos feitos pelo governo federal. A INB - Indústrias Nucleares do Brasil é a empresa responsável pela exploração desse mineral. Nessa reserva o urânio se encontra associado ao fosfato. São 80 mil toneladas de minério contendo urânio entre quase 66 milhões de toneladas de reserva de fosfato, ou seja, uma quantidade 800 vezes maior de fosfato que de urânio. A exploração da reserva será feita por empresas que têm experiência na mineração e no beneficiamento de cada um desses minérios. Para isso, foi criado o Consórcio Santa Quitéria, uma parceria entre a INB, especialista em urânio, e o Grupo Galvani, empresa que atua no setor de fertilizantes há mais de 40 anos. Mineração e Processos Industriais Método de lavra Para que a exploração da mina seja feita de forma segura e econômica, preservando a qualidade de vida da população e o meio ambiente, e ainda assegurando o melhor aproveitamento dos minérios, foi elaborado um planejamento detalhado de como serão executados os trabalhos em Santa Quitéria. A lavra será realizada a céu aberto e em cava, da qual será extraído minério e material estéril. O estéril será armazenado para utilização futura na recomposição ambiental das áreas mineradas. O urânio em estado natural, depois de separado do fosfato, será beneficiado inicialmente na unidade industrial de Santa Quitéria. Desse beneficiamento resultará um concentrado de cor amarelada, em pó - que é ainda urânio natural - chamado pelos técnicos de yellowcake, ou bolo amarelo, em português. Toda a produção de urânio de Santa Quitéria será transportada para o exterior, onde será convertido em gás e enriquecido. 20 anos é a vida útil prevista para a jazida mineral de Santa Quitéria. Colofanito é o nome que recebe o minério de fosfato associado ao urânio. A extração e produção do concentrado de urânio chamado de yellowcake são somente as duas primeiras etapas de um longo ciclo industrial que levará ao enriquecimento do urânio e, no final do processo, a sua utilização para a geração de energia elétrica em uma usina nuclear. Estéril é o termo usado para as rochas das quais já foram retiradas o urânio e o fosfato. A CNEN - Comissão Nacional de Energia Nuclear, órgão do Governo Federal responsável por regular, fiscalizar e controlar o uso da energia nuclear no Brasil, acompanha permanentemente as atividades da INB. É também a CNEN a responsável pela pesquisa e o desenvolvimento de aplicações da energia nuclear na engenharia, na agricultura e na medicina que beneficiam um número cada vez maior de brasileiros. Como nos exames médicos e tratamentos, o órgão exige sempre total segurança na operação dos materiais e equipamentos radioativos.

4 O Consórcio Santa Quitéria A INB é uma empresa do Governo Federal que tem como missão abastecer as usinas nucleares brasileiras com o urânio necessário para gerar energia elétrica. Ela atua desde a mineração e beneficiamento do urânio até a produção do combustível que aciona os reatores das usinas nucleares de Angra dos Reis, no estado do Rio de Janeiro. Vinculada ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, a INB, que exerce em nome da União o monopólio do urânio no País, está presente nos estados do Rio de Janeiro, Bahia, Ceará, Minas Gerais e São Paulo. O Grupo Galvani tem sua origem na década de 1930, em São João da Boa Vista, interior de São Paulo. Na década de 1970, iniciou a atuação no mercado de fertilizantes. E a partir de 1983, instalou sua sede em Paulínia (SP), com a implantação de um grande complexo industrial de produção de fertilizantes. Atualmente, é o único grupo empresarial de capital 100% brasileiro, que faz a mineração, o beneficiamento, produção e distribuição de fertilizantes fosfatados. Possui unidades nos estados de São Paulo, Minas Gerais, Bahia, Mato Grosso, Sergipe e Ceará. Santa Quitéria Fortaleza CEARÁ O Projeto Santa Quitéria O Projeto Santa Quitéria está baseado na instalação de um Complexo Mínero-industrial dedicado à exploração e beneficiamento do Colofanito, que é o nome técnico do minério de fosfato associado ao urânio. O empreendimento será constituído por uma mina e duas unidades industriais: uma para o processamento do fosfato e outra para produção de concentrado de urânio. No processo industrial, para a fabricação do fertilizante, está prevista ainda a produção de ácido sulfúrico e ácido fosfórico. Uma completa infraestrutura física de apoio a produção, segurança, saúde e preservação do meio ambiente, complementam o projeto. C A P A C I D A D E D E P R O D U Ç Ã O Rocha fosfática Ácido sulfúrico Ácido fosfórico Fertilizantes granulados Fosfato bicálcico (nutrição animal) Concentrado de urânio 380 milhões de dólares 800 mil toneladas / ano 970 mil toneladas / ano 240 mil toneladas / ano 810 mil toneladas / ano 240 mil toneladas / ano toneladas / ano ou cerca de 860 milhões de reais serão investidos no Projeto Santa Quitéria.

5 O Brasil precisa de mais Fosfato e Urânio Mais Alimentos e Mais Energia Elétrica O Projeto Santa Quitéria contribuirá para reduzir a dependência do agricultor nacional em relação à importação de fertilizantes. Isto vai favorecer a produção de mais alimentos, tanto na agricultura, quanto na pecuária. Os investimentos a serem realizados vão também fortalecer o desenvolvimento econômico do interior do Nordeste brasileiro Energia elétrica é sinônimo de melhor qualidade de vida. É um bem essencial para o desenvolvimento de qualquer país. O urânio a ser extraído de Santa Quitéria vai multiplicar por quatro a produção nacional do concentrado usado na fabricação de combustível nuclear, o que permitirá um aumento de 6% na capacidade atual de produção de energia nas usinas nucleares brasileiras. A diversificação das fontes de geração é essencial para expandir a oferta de energia elétrica e evitar a dependência de uma única fonte; e dará ao Brasil uma posição estratégica em relação à demanda de fontes energéticas. Desenvolvimento Econômico e Social da Região O Projeto Santa Quitéria proporcionará a criação de um Polo Regional de Desenvolvimento, no interior do Ceará, que dinamizará a economia local, com geração de empregos e renda e arrecadação de impostos. Isso significará, entre outros benefícios: Melhorias na infraestrutura de abastecimento de água, energia elétrica, educação básica, acesso rodoviário, telefonia, capacitação de mão de obra e apoio tecnológico Previsão de receita anual de R$ 600 milhões a R$ 1 bilhão Geração de R$ 125 milhões/ano de ICMS - Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços. Geração de empregos na fase de operação: 800 postos de trabalho diretos

6 Quando será o início Para produzir com segurança, é preciso proteger o que temos de mais precioso. Preservar o meio ambiente e a saúde da população é essencial para a instalação e funcionamento de qualquer atividade mineradora. Por conta disso, foi feito um estudo completo sobre a natureza, a população e a economia dos municípios de Santa Quitéria, Canindé, Itatira e Madalena. A pesquisa foi feita por uma empresa especializada, que identificou as plantas, os animais, os cursos d água e os açudes que existem nas bacias dos rios Jaguaribe, Curu e Acaraú. E levantou ainda as condições das escolas, moradias, estrutura de saúde e de emprego, o comércio e a agricultura da região. Com base nesse trabalho foram elaborados estudos para o IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e para a CNEN - Comissão Nacional de Energia Nuclear. Só depois da aprovação desses dois órgãos é que o Consórcio irá começar as obras do empreendimento. Cuidados Ambientais Os estudos de impacto ambiental já foram realizados e demonstram os principais aspectos ambientais, culturais e econômicos, bem como as transformações que a atividade industrial poderá causar desde a abertura até o fechamento da mina. O EIA\Rima está à disposição para consulta. Estudo de Impacto Ambiental EIA. Documento em linguagem técnica Relatório de Impacto Ambiental Rima. Documento de conteúdo mais acessível. Para garantir a saúde de todos Toda a atividade de mineração deve ser feita de maneira a não colocar em risco a saúde dos trabalhadores e da comunidade, nem provocar danos ao ambiente. O Consórcio Santa Quitéria adotará padrões rígidos de segurança em suas unidades industriais, que vão garantir a qualidade de seus produtos, a preservação do meio ambiente, a segurança de seus empregados, e o bem estar da população. Na mineração de urânio as regras são ainda mais restritivas e tudo o que se faz é fiscalizado por dois órgãos do Governo Federal: o IBAMA, órgão responsável pela proteção do meio ambiente e pela CNEN, entidade que regula todas as atividades nucleares no País. A Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), órgão da Organização das Nações Unidas (ONU), realiza também fiscalizações em unidades da cadeia produtiva do urânio no Brasil. Além da fiscalização, outra missão da AIEA é a promoção do uso pacífico da energia nuclear. Essa fiscalização é feita todo o tempo. Os trabalhadores, por exemplo, são monitorados permanentemente, porque a saúde de todos é um fator essencial para que a mineração possa funcionar de acordo com as exigências dos órgãos Um programa de controle de emissões irá avaliar periodicamente a qualidade do ar. O objetivo é assegurar a menor interferência possível no meio ambiente e na qualidade de vida da comunidade. Transparência Os estudos e relatórios de impacto ambiental estão disponíveis para todos. Conhecer e debater o que será realizado na região são direitos de cada cidadão. Faz parte do processo de licenciamento a realização de Audiência Pública.

7 Saiba mais: Fosfato Qual a importância da produção de fertilizantes para o País? Os fertilizantes têm um papel fundamental para agricultura ao repor os nutrientes do solo, aumentar a produtividade da terra e diminuir a necessidade de abertura de novas áreas para o plantio. O Brasil, apesar de ser um dos principais produtores agrícolas do mundo, ainda precisa importar 70% dos fertilizantes que a nossa agricultura necessita. Isso significa que de cada 10 quilos de fertilizantes que são utilizados nas lavouras, sete quilos precisam ser comprados em outros países e somente três são fabricados aqui. Para conseguirmos aumentar a nossa competitividade e produzir alimentos mais baratos, o Brasil precisa reduzir essa dependência. Por isso, o governo tem incentivado a abertura de novas minas, por entender que a produção de fertilizantes é estratégica para o desenvolvimento de uma agricultura independente. Com a mina de Santa Quitéria, por exemplo, será possível aumentar em 10% a produção brasileira de fosfato para a agricultura e a saúde animal. A produção de fertilizantes com rocha fosfática associada ao urânio pode levar radiação para as plantações? Não. O urânio na rocha, em estado natural, tem nível de radioatividade mínimo e não oferece perigo. O processo industrial vai separar a rocha fosfática do urânio e de outros elementos. O fosfato será utilizado para a produção de fertilizantes e não trará radiação. O concentrado de urânio será enviado para enriquecimento fora do Brasil em seguida e só depois de várias etapas industriais será utilizado na geração de energia elétrica. Com a instalação do empreendimento haverá benefícios para a comunidade local? Sim. Esses benefícios vão chegar de diversas formas: em primeiro lugar, a instalação do Consórcio significará mais empregos, mais receita para os cofres do município e do estado e crescimento do comércio, entre outros. Para o Projeto Santa Quitéria, o Governo do Estado do Ceará também está comprometido com várias melhorias na infraestrutura da região (estradas, abastecimento de água e energia elétrica etc.). Os fertilizantes e corretivos agrícolas são os insumos mais importantes para aumentar a produtividade das lavouras. A grande maioria dos fertilizantes é composta por três elementos combinados, utilizados para repor os nutrientes essenciais ao desenvolvimento vegetal: Nitrogênio (N), Fósforo (P) e Potássio (K). O Nitrogênio atua na formação das proteínas das folhas, do caule e da raiz; o Potássio participa da defesa contra doenças e do desenvolvimento das sementes; e o Fósforo, obtido através do fosfato, compõe a produção de energia, acelera o crescimento e o amadurecimento dos frutos. Em Santa Quitéria será produzido também o fosfato bicálcico, que é utilizado para fabricação de ração animal, para a formação e fortalecimento dos ossos e dos dentes. A aplicação de todo e qualquer fertilizante requer uma avaliação prévia das condições do solo. Para isso, antes do plantio, é necessário fazer uma análise por um técnico especializado, que irá verificar os possíveis sintomas de má nutrição vegetal e determinar o tipo de fertilizante necessário, bem como sua quantidade. O excesso de adubo pode ser tão ruim para a planta quanto sua carência. Para crescerem as plantas retiram os nutrientes do solo, através das raízes. Por isso, depois da colheita, será preciso fazer nova análise e nova adubação, para devolver a terra, os nutrientes que estão faltando, antes de um novo plantio. Somente com a utilização correta de fertilizantes será possível produzir mais alimentos, na mesma área que já foi plantada.

8 Saiba mais: Urânio O que é o urânio? É um elemento que se encontra na crosta da Terra desde a formação de nosso planeta. Ele foi descoberto em 1789 e recebeu este nome em homenagem ao planeta Urano. O urânio é um mineral naturalmente radioativo e essa é a razão para ser tão útil e valioso na sociedade atual: é utilizado por diversos setores industriais como a indústria siderúrgica, automobilística, de fibras óticas e de cerâmicas especiais. Também tem utilização na medicina e na agricultura. Mas sua principal utilização se dá para a produção de energia elétrica, em usinas nucleares. Por que a mineração de urânio é importante? Para continuar crescendo o Brasil vai precisar de muita energia elétrica e por isso, desde 2007, o Governo Federal retomou o Programa Nuclear Brasileiro para fins pacíficos, destinado a diversificar as fontes de geração de energia elétrica, investindo no aumento da produção de urânio e na construção de novas usinas. O Brasil tem uma das maiores reservas de urânio do mundo, o que dá ao País a garantia de um futuro com energia, evitando a dependência de uma única fonte, seja hidrelétrica ou termoelétrica. O urânio é perigoso para a saúde humana? Diversas pesquisas internacionais, realizadas em locais onde há exploração de grandes reservas desse minério, demonstram que a radiação do urânio no estado natural, não é responsável por aumento do número de casos de câncer, nem de qualquer outra doença decorrente da atividade de mineração e manipulação do minério. Na mina da INB em Caetité, na Bahia, a dose de radiação que os trabalhadores recebem por ano, é igual àquela que as pessoas recebem quando tiram uma radiografia do dente, numa visita ao dentista. Isto quer dizer que este nível de radioatividade está 20 vezes abaixo do limite estabelecido pela CNEN. O monitoramento constante dos níveis de radiação é um dos pontos mais importantes em todas as atividades ligadas ao urânio. E é preservando a saúde dos trabalhadores e o meio ambiente que se produz com segurança. O Consórcio Santa Quitéria seguirá normas internacionais de segurança e saúde para garantir o bem estar de seus empregados e dos moradores das comunidades. Da extração e beneficiamento do minério até a geração de energia elétrica, o urânio passa por várias etapas industriais é o que se chama de ciclo do combustível nuclear. A rocha que contém urânio é extraída do solo e em seguida submetida a um processo industrial para retirada do minério. Desse beneficiamento resultará um concentrado de cor amarelada, é o concentrado de urânio, ou yellowcake (bolo amarelo). Depois de enriquecido, e na forma de um pó escuro, são fabricadas pequenas pastilhas que são colocadas dentro de varetas feitas de um aço especial e organizadas numa estrutura, também de aço, chamada de elemento combustível. Colocado no reator das usinas nucleares, o urânio contido no elemento combustível libera calor que esquenta a água, produzindo o vapor que faz girar as turbinas e gerar energia elétrica. Exatamente como acontece nas usinas termelétricas. A grande vantagem de uma usina nuclear é a enorme quantidade de energia que pode ser gerada com o uso de pouco material. Apenas 1 kg de urânio produz cerca de 1 milhão de vezes mais energia do que 1 kg de petróleo ou 3 mil toneladas de carvão. A energia gerada nas usinas nucleares é chamada de energia limpa, porque não emite gases poluentes na atmosfera. Também não exige o alagamento de grandes extensões de terras e não depende de fatores climáticos, como a quantidade de chuvas ou de ventos. Hoje, no mundo, a energia nuclear participa com 17% do total de 12 trilhões de quilowatts-hora da energia elétrica produzida. Segundo relatório da ONU, por volta do ano 2050, o mundo terá dez bilhões de habitantes, que precisarão cada vez mais de energia. Como as outras fontes de energia (usinas hidrelétricas e termelétricas que queimam petróleo ou carvão) são limitadas, cada vez mais se usará a energia nuclear.

9 Quer saber mais? CONSÓRCIO SANTA QUITÉRIA Área de Sustentabilidade Av. Prof. Benedicto Montenegro, 1300 Betel CEP Paulínia SP

PROGRAMAS MOBILIZADORES EM ÁREAS ESTRATÉGICAS ENERGIA NUCLEAR

PROGRAMAS MOBILIZADORES EM ÁREAS ESTRATÉGICAS ENERGIA NUCLEAR Programas mobilizadores em áreas estratégicas PROGRAMAS MOBILIZADORES EM ÁREAS ESTRATÉGICAS ENERGIA NUCLEAR Legenda: branco = PDP original Amarelo = modificação posterior ao lançamento da PDP Vermelho

Leia mais

Disciplina: Fontes Alternativas de Energia

Disciplina: Fontes Alternativas de Energia Disciplina: Fontes Alternativas de Parte 1 Fontes Renováveis de 1 Cronograma 1. Fontes renováveis 2. Fontes limpas 3. Fontes alternativas de energia 4. Exemplos de fontes renováveis 1. hidrelétrica 2.

Leia mais

Fonte: Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Balanço de Energia Nacional (BEN - 2010)

Fonte: Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Balanço de Energia Nacional (BEN - 2010) Aspectos Químicos Basicamente, a química envolvida nas matrizes energéticas se relaciona à obtenção de energia a partir de combustíveis fósseis (carvão, petróleo e gás natural) e a partir de fissão nuclear.

Leia mais

As Principais Fontes De Energia Presentes No Mundo

As Principais Fontes De Energia Presentes No Mundo As Principais Fontes De Energia Presentes No Mundo INTRODUÇÃO: Desde a pré-história o homem vem se utilizando de diversas fortes e formas de energia, para suprir suas necessidades energéticas, por isso,

Leia mais

Quanto maior o desenvolvimento econômico de um país

Quanto maior o desenvolvimento econômico de um país Capítulo 8 Quanto maior o desenvolvimento econômico de um país Maior é o consumo de energia: -Economia dinâmica; - Elevado padrão de consumo da população Aumento da capacidade produtiva Aumento do consumo

Leia mais

Tipos de Energia. Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear.

Tipos de Energia. Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear. Fontes de Energia Tipos de Energia Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear. Fontes de Energia Primaria fontes que quando empregadas diretamente num trabalho ou geração de calor. Lenha, para produzir

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD)

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL RAQUEL ALVES DA SILVA CRUZ Rio de Janeiro, 15 de abril de 2008. TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL TERMOELÉTRICAS

Leia mais

A questão energética. Capítulo 28

A questão energética. Capítulo 28 A questão energética Capítulo 28 Balanço energético mundial Energia é a capacidade de produzir trabalho; Aumento da capacidade produtiva Aumento do consumo Necessidade de novas fontes de energia Ciclos

Leia mais

Tempo necessário para que a atividade radioativa de uma amostra seja reduzida à metade da atividade inicial.

Tempo necessário para que a atividade radioativa de uma amostra seja reduzida à metade da atividade inicial. Radioatividade II e Energia Nuclear Meia-vida Tempo necessário para que a atividade radioativa de uma amostra seja reduzida à metade da atividade inicial. Meia-vida Tempo necessário para que a atividade

Leia mais

Nossa História. Ajudando o mundo a produzir os alimentos de que precisa

Nossa História. Ajudando o mundo a produzir os alimentos de que precisa Nossa História Ajudando o mundo a produzir os alimentos de que precisa O desafio é imenso: acabar com a fome, dobrar a produção de alimentos até 2050 e ajudar a reduzir o impacto ambiental da agricultura

Leia mais

Conceito. são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos:

Conceito. são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos: Conceito são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos: Renováveis renovação em um curto período de tempo; Não renováveis

Leia mais

Grandes Problemas Ambientais

Grandes Problemas Ambientais Grandes Problemas Ambientais O aumento do efeito de estufa; O aquecimento global; A Antárctica; A desflorestação; A Amazónia; A destruição da camada de ozono; As chuvas ácidas; O clima urbano; Os resíduos

Leia mais

Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento

Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento Capítulo 1: América: Um continente de Contrastes Capítulo 2: Estados Unidos e Canadá Apresentação elaborada pelos alunos do 8º Ano B Montanhas Rochosas

Leia mais

MINIMIZAÇÃO DE RESÍDUOS. Clédola Cássia Oliveira de Tello Serviço de Gerência de Rejeitos - SEGRE

MINIMIZAÇÃO DE RESÍDUOS. Clédola Cássia Oliveira de Tello Serviço de Gerência de Rejeitos - SEGRE CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DA TECNOLOGIA NUCLEAR COMISSÃO NACIONAL DE ENERGIA NUCLEAR MINIMIZAÇÃO DE RESÍDUOS Clédola Cássia Oliveira de Tello Serviço de Gerência de Rejeitos - SEGRE Rio de Janeiro, 18

Leia mais

Geração de Energia a partir de Cavaco de Madeira (Biomassa) Author: Michael Vahrenkamp / Marcio Teixeira Date: 25/11/13

Geração de Energia a partir de Cavaco de Madeira (Biomassa) Author: Michael Vahrenkamp / Marcio Teixeira Date: 25/11/13 Geração de Energia a partir de Cavaco de Madeira (Biomassa) Author: Michael Vahrenkamp / Marcio Teixeira Date: 25/11/13 Geração de Energia a partir de Cavaco de Madeira (Biomassa) Necessidade de projetos

Leia mais

SEMINÁRIO RECURSOS ENERGÉTICOS DO BRASIL: PETRÓLEO, GÁS, URÂNIO E CARVÃO Rio de Janeiro 30 de setembro de 2004 - Clube de Engenharia

SEMINÁRIO RECURSOS ENERGÉTICOS DO BRASIL: PETRÓLEO, GÁS, URÂNIO E CARVÃO Rio de Janeiro 30 de setembro de 2004 - Clube de Engenharia Urânio: Alguns Aspectos relacionados com as Pesquisas, Produção, Demanda e Mercado de Urânio no Brasil e no Mundo SEMINÁRIO RECURSOS ENERGÉTICOS DO BRASIL: PETRÓLEO, GÁS, URÂNIO E CARVÃO Rio de Janeiro

Leia mais

RECURSOS HÍDRICOS DISPONÍVEIS NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

RECURSOS HÍDRICOS DISPONÍVEIS NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA RECURSOS HÍDRICOS DISPONÍVEIS NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Deodato do Nascimento Aquino Técnico

Leia mais

O Carvão Mineral e sua Importância Estratégica para o Estado do Rio Grande do Sul. Ivan De Pellegrin

O Carvão Mineral e sua Importância Estratégica para o Estado do Rio Grande do Sul. Ivan De Pellegrin O Carvão Mineral e sua Importância Estratégica para o Estado do Rio Grande do Sul Ivan De Pellegrin Comparação dos Recursos e Reservas Energéticas Brasileiras Não Renováveis em 2012 4% 12% 19% 65% Fonte

Leia mais

DEFINIÇÃO: Matriz energética é toda a energia disponibilizada para ser transformada, distribuída e consumida nos processos produtivos.

DEFINIÇÃO: Matriz energética é toda a energia disponibilizada para ser transformada, distribuída e consumida nos processos produtivos. R O C H A DEFINIÇÃO: Matriz energética é toda a energia disponibilizada para ser transformada, distribuída e consumida nos processos produtivos. O petróleo e seus derivados têm a maior participação na

Leia mais

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO Agropecuária É o termo utilizado para designar as atividades da agricultura e da pecuária A agropecuária é uma das atividades mais antigas econômicas

Leia mais

Parte A - Questões Múltipla Escolha

Parte A - Questões Múltipla Escolha Matriz Energética Professor: Marcio Luiz Magri Kimpara Parte A - Questões Múltipla Escolha LISTA DE EXERCÍCIOS 1 1) Uso de fontes renováveis de energia no mundo. Fonte: Rio de Janeiro: IBGE, 21 O uso de

Leia mais

ETAPAS NA PRODUÇÃO DE COMBUSTIVEL PARA UMA USINA NUCLEAR

ETAPAS NA PRODUÇÃO DE COMBUSTIVEL PARA UMA USINA NUCLEAR 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ETAPAS NA PRODUÇÃO DE COMBUSTIVEL PARA UMA USINA NUCLEAR Lucas Ferreira de Souza 1, Luana Thayse Moreira 2, Arquimedes Luciano 3 RESUMO: O Programa de

Leia mais

Efeitos da Corrente Elétrica. Prof. Luciano Mentz

Efeitos da Corrente Elétrica. Prof. Luciano Mentz Efeitos da Corrente Elétrica Prof. Luciano Mentz 1. Efeito Magnético Corrente elétrica produz campo magnético. Esse efeito é facilmente verificado com uma bússola e será estudado no eletromagnetismo. 2.

Leia mais

ETENE. Energias Renováveis

ETENE. Energias Renováveis Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste ETENE Fonte: http://www.noticiasagronegocios.com.br/portal/outros/1390-america-latina-reforca-lideranca-mundial-em-energias-renovaveis- 1. Conceito

Leia mais

Tecnologia & Engenharia Desafio Prático. Temporada 2014. Tecnologia & Engenharia. Desafio Prático. Torneio Brasil de Robótica

Tecnologia & Engenharia Desafio Prático. Temporada 2014. Tecnologia & Engenharia. Desafio Prático. Torneio Brasil de Robótica Temporada 2014 Tecnologia & Engenharia Desafio Prático Tecnologia & Engenharia Desafio Prático 7 3 1 4 5 6 2 1. Agroenergia: Descrição: trata-se da fabricação e uso dos diversos tipos de biocombustíveis

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO E VIABILIDADES DE FONTES ENERGÉTICAS

CLASSIFICAÇÃO E VIABILIDADES DE FONTES ENERGÉTICAS CLASSIFICAÇÃO E VIABILIDADES 1 INTRODUÇÃO NA PRÉ HISTÓRIA O HOMEM UTILIZAVA SUA PRÓPRIA ENERGIA PARA DESENVOLVER SUAS ATIVIDADES TRANSFERÊNCIA DO ESFORÇO PARA OS ANIMAIS 2 APÓS A INVENSÃO DA RODA: UTILIZAÇÃO

Leia mais

O capitalismo e a sociedade de consumo

O capitalismo e a sociedade de consumo O capitalismo e a sociedade de consumo Sociedade de consumo As sociedades dos países capitalistas desenvolvidos que usufruem intensamente dos bens e serviços existentes no mundo moderno. O consumismo contribui

Leia mais

Unidade IV Ser Humano e saúde. Aula 17.1

Unidade IV Ser Humano e saúde. Aula 17.1 Unidade IV Ser Humano e saúde. Aula 17.1 Conteúdo: O efeito estufa. Habilidade: Demonstrar uma postura crítica diante do uso do petróleo. REVISÃO Reações de aldeídos e cetonas. A redução de um composto

Leia mais

FERTILIZANTES. Fertilizantes/Fosfato/Potássio

FERTILIZANTES. Fertilizantes/Fosfato/Potássio Informações e Análises da Economia Mineral Brasileira 7ª Edição FERTILIZANTES Os produtores de Fertilizantes vêm pleiteando há anos uma reforma fiscal que possa trazer a isonomia tributária entre o produto

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA QUÍMICA I TRIMESTRE CIÊNCIAS NATURAIS SABRINA PARENTE

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA QUÍMICA I TRIMESTRE CIÊNCIAS NATURAIS SABRINA PARENTE INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA QUÍMICA I TRIMESTRE CIÊNCIAS NATURAIS SABRINA PARENTE A química é a ciência que estuda a estrutura, a composição, as propriedades e as transformações da matéria. Ela é frequentemente

Leia mais

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA PÓS - GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AGRÍCOLA ADP8088 - SEMINÁRIOS EM ENGENHARIA AGRÍCOLA II USO DO GÁS NATURAL DE

Leia mais

Termoelétricas Ou Termelétricas

Termoelétricas Ou Termelétricas Termoelétricas Ou Termelétricas É uma instalação industrial usada para geração de energia elétrica/eletricidade a partir da energia liberada em forma de calor, normalmente por meio da combustão de algum

Leia mais

AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Prof.Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Faculdade de Engenharia de Sorocaba Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento

Leia mais

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira Clusters para exportação sustentável nas cadeias produtivas da carne bovina e soja Eng Agrônomo Lucas Galvan Diretor

Leia mais

Aula 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é um início

Aula 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é um início Aula 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é um início Itens do capítulo 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é o início 5. A energia não é o começo de tudo, mas já é o início 5.1 O consumo

Leia mais

A questão da energia: na perspectiva brasileira

A questão da energia: na perspectiva brasileira A questão da energia: na perspectiva brasileira Resen AnSegurançaCar Resenha Desenvolvimento / Segurança Joana Laura M. Nogueira 24 de abril de 2008 A questão da energia: a perspectiva brasileira Resenha

Leia mais

Como se produz eletricidade Os vários meios de obtê-la transformando outros tipos de energia

Como se produz eletricidade Os vários meios de obtê-la transformando outros tipos de energia A geracao de eletricidade Como se produz eletricidade Os vários meios de obtê-la transformando outros tipos de energia valdemir cunha/horizonte Unidades geradoras da usina hidrelétrica de Promissão, no

Leia mais

ESPELHO DE EMENDA DE APROPRIAÇÃO DE DESPESA

ESPELHO DE EMENDA DE APROPRIAÇÃO DE DESPESA Avaliação dos Recursos Minerais do Brasil Página: 1 de 5 CPRM 22.663.1115.2399.0001 Avaliação dos Recursos Minerais do Brasil Relatório elaborado(unidade) 100 9 Reserva de Contingência 00 Res. de Contingencia

Leia mais

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017)

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017) Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017) PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA JANEIRO/2009 Paulo César Ribeiro Lima 2 Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017)

Leia mais

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com. 1 Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.br e baixe todas as cartilhas, ou retire no seu Sindicato Rural. E

Leia mais

Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável

Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável Anexo III da Resolução n o 1 da CIMGC Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução A atividade de projeto do Projeto de MDL das Usinas Eólicas Seabra, Novo Horizonte

Leia mais

Para produzir energia elétrica e

Para produzir energia elétrica e Produção de energia elétrica A UU L AL A uma notícia de jornal: Leia com atenção o texto a seguir, extraído de Seca agrava-se em Sobradinho e ameaça causar novo drama social no Nordeste Para produzir energia

Leia mais

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução O Projeto Granja São Roque de redução

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL. Avaliação de Impactos Ambientais ... Camila Regina Eberle camilaeberle@hotmail.com

GESTÃO AMBIENTAL. Avaliação de Impactos Ambientais ... Camila Regina Eberle camilaeberle@hotmail.com ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL GESTÃO AMBIENTAL Avaliação de Impactos Ambientais

Leia mais

Boletim Informativo Energia

Boletim Informativo Energia Boletim Informativo 01 A Rio Tinto é uma empresa líder internacionai envolvida em todos os estágios da produção de metais e minerais. O Grupo é composto pela Rio Tinto plc, cujas ações são negociadas

Leia mais

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE Sustentabilidade significa permanecer vivo. Somos mais de 7 bilhões de habitantes e chegaremos a 9 bilhões em 2050, segundo a ONU. O ambiente tem limites e é preciso fazer

Leia mais

Profa. Dra. Vivian C. C. Hyodo

Profa. Dra. Vivian C. C. Hyodo Profa. Dra. Vivian C. C. Hyodo A Energia e suas Fontes Fontes de Energia Renováveis Fontes de Energia Não-Renováveis Conclusões Energia: Capacidade de realizar trabalho Primeira Lei da Termodinâmica: No

Leia mais

Tipos e fontes de energias alternativas e convencionais.

Tipos e fontes de energias alternativas e convencionais. Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Agrícola Programa de Pós-Graduação em Engenharia Agrícola Tipos e fontes de energias alternativas e convencionais. Robson

Leia mais

A Vida no Solo. A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local;

A Vida no Solo. A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local; A Vida no Solo A Vida no Solo A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local; O solo é constituído por alguns componentes: os minerais, o húmus, o ar, a água e os seres

Leia mais

Conviver Rural Jaíba. Para se ter eficiência energética é preciso ter inteligência. Grandes resultados para os pequenos produtores do Jaíba.

Conviver Rural Jaíba. Para se ter eficiência energética é preciso ter inteligência. Grandes resultados para os pequenos produtores do Jaíba. Para se ter eficiência energética é preciso ter inteligência Desde 1998, por lei, toda distribuidora de energia precisa investir em ações que reduzam o desperdício de energia elétrica. Uma determinação

Leia mais

Clipping, Quarta-feira, 25 de Junho de 2008 Rede Energia Blog - (12/06/08) - Online. Cerona fecha contrato com a ENGEVIX

Clipping, Quarta-feira, 25 de Junho de 2008 Rede Energia Blog - (12/06/08) - Online. Cerona fecha contrato com a ENGEVIX Rede Energia Blog - (12/06/08) - Online Cerona fecha contrato com a ENGEVIX A Cerona - Companhia de Energia Renovável acaba de anunciar a escolha da ENGEVIX como gestora de todo o processo de instalação

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA

FACULDADE DE ENGENHARIA FACULDADE DE ENGENHARIA Avaliação de Impactos Ambientais e Licenciamento Ambiental Profa. Aline Sarmento Procópio Dep. Engenharia Sanitária e Ambiental Avaliação de Impactos Ambientais CONAMA 01/1986 estabeleceu

Leia mais

Empresas mineradoras no Brasil

Empresas mineradoras no Brasil Em 211, a Produção Mineral Brasileira (PMB) deverá atingir um novo recorde ao totalizar US$ 5 bilhões (valor estimado), o que configurará um aumento de 28% se comparado ao valor registrado em 21: US$ 39

Leia mais

NOVAS FONTES DE ENERGIAS LIMPAS, PRÁTICAS NECESSÁRIAS PARA UM FUTURO SUSTENTÁVEL

NOVAS FONTES DE ENERGIAS LIMPAS, PRÁTICAS NECESSÁRIAS PARA UM FUTURO SUSTENTÁVEL NOVAS FONTES DE ENERGIAS LIMPAS, PRÁTICAS NECESSÁRIAS PARA UM FUTURO SUSTENTÁVEL Jessica Barbosa Tavares 1 Everton da Silva Ferraz 2 Silvia Helena Antunes dos Santos 3 RESUMO: De cunho bibliográfico a

Leia mais

Combustíveis. Radioativos

Combustíveis. Radioativos Combustíveis Radioativos Introdução Os combustíveis radioativos São compostos de elementos químicos instáveis que liberam energia térmica t através s de ondas eletromagnéticas ticas (alfa, beta e gama).

Leia mais

https://www.youtube.com/watch?v=ejyyhuxkn8y

https://www.youtube.com/watch?v=ejyyhuxkn8y https://www.youtube.com/watch?v=ejyyhuxkn8y Definição é a camada superficial da crosta terrestre formada por quatro elementos principais: a, o, a e os. Possui importância fundamental para variadas atividades

Leia mais

USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA. Lisandra C. Kaminski

USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA. Lisandra C. Kaminski USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA Lisandra C. Kaminski Casca de café Estudo realizado em 2008, pelo agrônomo Luiz Vicente Gentil, da UnB. Pode ser uma excelente opção como substituição

Leia mais

Linha Economia Verde

Linha Economia Verde Linha Economia Verde QUEM SOMOS Instituição Financeira do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com inicio de atividades em Março/2009 Instrumento institucional de apoio àexecução de políticas

Leia mais

Identificando os tipos de fontes energéticas

Identificando os tipos de fontes energéticas Identificando os tipos de fontes energéticas Observe a figura abaixo. Nela estão contidos vários tipos de fontes de energia. Você conhece alguma delas? As fontes de energia podem ser renováveis ou não-renováveis,

Leia mais

Dia Mundial do Meio Ambiente 2007

Dia Mundial do Meio Ambiente 2007 Dia Mundial do Meio Ambiente 2007 Haroldo Mattos de Lemos Presidente, Instituto Brasil PNUMA Vice Presidente, ISO TC 207 (ISO 14000) Presidente, Conselho Técnico da ABNT Presidente, Conselho Empresarial

Leia mais

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o 1.Introdução O fenômeno da corrente elétrica é algo conhecido pelo homem desde que viu um raio no céu e não se deu conta do que era aquilo. Os efeitos de uma descarga elétrica podem ser devastadores. Há

Leia mais

CORELAÇÃO DE FORÇAS E NÚMEROS DA CSN

CORELAÇÃO DE FORÇAS E NÚMEROS DA CSN CORELAÇÃO DE FORÇAS E NÚMEROS DA CSN CONJUNTURA INTERNACIONAL E NACIONAL A crise mundial não acabou está cozinhando em banho-maria. Países ricos estão exportando empresas para os BRICs, para ocupar todo

Leia mais

Sugestão de avaliação

Sugestão de avaliação Sugestão de avaliação 6 CIÊNCIAS Professor, esta sugestão de avaliação corresponde ao terceiro bimestre escolar ou às Unidades 3 e 4 do livro do Aluno. Avaliação Ciências NOME: TURMA: escola: PROfessOR:

Leia mais

Programa Gerdau Germinar (MG) é uma das mais importantes iniciativas de educação ambiental da Empresa. Relatório Anual Gerdau 2014

Programa Gerdau Germinar (MG) é uma das mais importantes iniciativas de educação ambiental da Empresa. Relatório Anual Gerdau 2014 40 41 Programa Gerdau Germinar (MG) é uma das mais importantes iniciativas de educação ambiental da Empresa. MEIO AMBIENTE 42 Gerdau é reconhecida pela eficiência de suas práticas de proteção ao meio ambiente

Leia mais

A Questão da Energia no Mundo Atual

A Questão da Energia no Mundo Atual A Questão da Energia no Mundo Atual A ampliação do consumo energético Energia é a capacidade que algo tem de realizar ou produzir trabalho. O aumento do consumo e a diversificação das fontes responderam

Leia mais

ESPELHO DE EMENDA DE APROPRIAÇÃO DE DESPESA

ESPELHO DE EMENDA DE APROPRIAÇÃO DE DESPESA PLN 6 / 9 - LOA Apoio a estudos de viabilidade e projetos de pesquisas em energia hidrelétrica e outras energias renováveis Aprop.- Inclusão Data: 18/11/9 Página: 1 de 6 ÁREA DE GOVERNO Minas e Energia

Leia mais

Usina Hidrelétrica de Belo Monte

Usina Hidrelétrica de Belo Monte Usina Hidrelétrica de Belo Monte PA Ao dar continuidade ao maior programa de infraestrutura do Brasil desde a redemocratização, o Governo Federal assumiu o compromisso de implantar um novo modelo de desenvolvimento

Leia mais

Noções de Cidadania. Profª Karin

Noções de Cidadania. Profª Karin Noções de Cidadania Profª Karin Meio Ambiente e Saúde Ecologia: estudo seres vivos, ambiente, solo, água, ar, animais e vegetais. Equilíbrio entre o homem e meio ambiente. Avaliar as atitudes e consequências

Leia mais

CONDOMINIO INDUSTRIAL MARITIMO

CONDOMINIO INDUSTRIAL MARITIMO PORTO CENTRAL CONDOMINIO INDUSTRIAL MARITIMO VITORIA, 01/8/2012 Jose Maria Novaes 3-8-2012 Copyright - PORTO CENTRAL - 2012 1 Porto Central Visão Ser um complexo portuário indústrial de águas profundas

Leia mais

ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS ESTATAIS

ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS ESTATAIS ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS ESTATAIS Agência de Fomento e Desenvolvimento do Estado do Piauí S.A PIAUÍ FOMENTO Águas e Esgotos do Piauí S/A AGESPISA Companhia Administradora da Zona de Processamento

Leia mais

Clipping, Segunda-feira, 04 de Janeiro de 2010 Jornal do Commercio PE (28/12/09) - online Porto Gente (04/01/10) online

Clipping, Segunda-feira, 04 de Janeiro de 2010 Jornal do Commercio PE (28/12/09) - online Porto Gente (04/01/10) online Clipping, Segunda-feira, 04 de Janeiro de 2010 Jornal do Commercio PE (28/12/09) - online Porto Gente (04/01/10) online Pernambuco Na indústria, mais demanda por trabalho Texto publicado em 28 de Dezembro

Leia mais

ENERGIA Fontes e formas de energia Impactos ambientais. Prof. Dra. Carmen Luisa Barbosa Guedes

ENERGIA Fontes e formas de energia Impactos ambientais. Prof. Dra. Carmen Luisa Barbosa Guedes ENERGIA Fontes e formas de energia Impactos ambientais Prof. Dra. Carmen Luisa Barbosa Guedes Disciplina: - 2014 A energia esta envolvida em todas as ações que ocorrem no UNIVERSO FONTES DE ENERGIA FONTES

Leia mais

Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS

Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS 4 2º INVENTÁRIO BRASILEIRO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA 5 PERSPECTIVAS E DESAFIOS 6

Leia mais

GEOGRAFIA. Brasil dos Recursos Minerais e Energéticos

GEOGRAFIA. Brasil dos Recursos Minerais e Energéticos Brasil dos Recursos Minerais e Energéticos GEOGRAFIA O Brasil apresenta um território dotado de recursos minerais e bem diversificado, porém não são bem aproveitados isso devido a uma falta de conhecimento

Leia mais

Combate as alterações climáticas. Reduz a tua pegada e muda o mundo!!

Combate as alterações climáticas. Reduz a tua pegada e muda o mundo!! Combate as alterações climáticas Reduz a tua pegada e muda o mundo!! O dióxido de carbono é um gás naturalmente presente na atmosfera. À medida que crescem, as plantas absorvem dióxido de carbono, que

Leia mais

Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante do Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural

Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante do Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural Guião de Programa de Rádio e Televisão Tema: Redução de Emissões de Desmatamento e Degradação Florestal (REDD+) Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante

Leia mais

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL GESEL / SINERGIA / EDF A OPÇÃO NUCLEAR PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL Altino Ventura Filho Secretário de Planejamento

Leia mais

COLÉGIO SALESIANO SÃO JOSÉ Geografia 9º Ano Prof.º Daniel Fonseca. Recursos Minerais e Energéticos

COLÉGIO SALESIANO SÃO JOSÉ Geografia 9º Ano Prof.º Daniel Fonseca. Recursos Minerais e Energéticos COLÉGIO SALESIANO SÃO JOSÉ Geografia 9º Ano Prof.º Daniel Fonseca Recursos Minerais e Energéticos O que são recursos minerais? Recursos minerais são substâncias naturais inorgânicas que foram descobertas

Leia mais

Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97 7/10/2010

Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97 7/10/2010 LICENCIAMENTO AMBIENTAL NA ATIVIDADE DE MINERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E TÉCNICOS GEÓLOGO NILO SÉRGIO FERNANDES BARBOSA Art. 1º - Para efeito desta Resolução são adotadas as seguintes definições: I - Licenciamento

Leia mais

Engenharia Florestal. Desenvolvimento Rural

Engenharia Florestal. Desenvolvimento Rural Engenharia Florestal Desenvolvimento Rural 2/05/2010 Trabalho realizado por : Ruben Araújo Samuel Reis José Rocha Diogo Silva 1 Índice Introdução 3 Biomassa 4 Neutralidade do carbono da biomassa 8 Biomassa

Leia mais

Energia nuclear 1 INTRODUÇÃO 2 FISSÃO NUCLEAR. leve usa como combustível o urânio 235 (também chamado de urânio enriquecido) e como

Energia nuclear 1 INTRODUÇÃO 2 FISSÃO NUCLEAR. leve usa como combustível o urânio 235 (também chamado de urânio enriquecido) e como 1 INTRODUÇÃO Energia nuclear Energia nuclear, energia liberada durante a fissão ou fusão dos núcleos atômicos. As quantidades de energia que podem ser obtidas mediante processos nucleares superam em muito

Leia mais

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica Apresentação CEI Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica A CEI é produtora independente de energia em MG, com 9 usinas em operação, 15 empreendimentos hidrelétricos em desenvolvimento (130MW) e

Leia mais

TERMELÉTRICA. Eficiência Energética 11/2015

TERMELÉTRICA. Eficiência Energética 11/2015 TERMELÉTRICA Eficiência Energética 11/2015 O que é uma Termelétrica? É uma instalação industrial usada para geração de energia elétrica/eletricidade a partir da energia liberada por qualquer produto que

Leia mais

Roadmap Tecnológico para Produção, Uso Limpo e Eficiente do Carvão Mineral Nacional

Roadmap Tecnológico para Produção, Uso Limpo e Eficiente do Carvão Mineral Nacional Roadmap Tecnológico para Produção, Uso Limpo e Eficiente do Carvão Mineral Nacional Elyas Medeiros Assessor do CGEE Líder do Estudo Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Ciência, Tecnologia e Inovação

Leia mais

Geografia Energia. Maurinto

Geografia Energia. Maurinto Geografia Energia Maurinto 1951/56 1957 1962 Estiagem No Brasil *JK Furnas MG (Rio Grande) Eletrobrás (Holding do Sist. Energético) Energia está sob controle Do capital externo. (Não investe) Empresas

Leia mais

Parte III Fontes não-renováveis

Parte III Fontes não-renováveis Energia Nuclear Capítulo 8 Parte III Fontes não-renováveis 8 Energia Nuclear Atlas de Energia Elétrica do Brasil 117 Capítulo 8 Energia Nuclear Box 8 O ciclo do combustível nuclear O valor do minério urânio

Leia mais

PROBLEMAS AMBIENTAIS INVERSÃO TÉRMICA INVERSÃO TÉRMICA 14/02/2014. Distribuição aproximada dos principais poluentes do ar de uma cidade (SP)

PROBLEMAS AMBIENTAIS INVERSÃO TÉRMICA INVERSÃO TÉRMICA 14/02/2014. Distribuição aproximada dos principais poluentes do ar de uma cidade (SP) PROBLEMAS AMBIENTAIS Distribuição aproximada dos principais poluentes do ar de uma cidade (SP) Liga-se com a hemoglobina impedindo o O2 de ser conduzido INVERSÃO TÉRMICA *Inversão térmica é um fenômeno

Leia mais

Energias Renováveis Palestrante: Lucas Redecker Secretário de Minas e Energia do RS

Energias Renováveis Palestrante: Lucas Redecker Secretário de Minas e Energia do RS Energias Renováveis Palestrante: Lucas Redecker Secretário de Minas e Energia do RS Dia: 15 desetembro/2015 Local: Auditório Central do Colégio Teutônia Horário: 19h30min Configuração dos Sistemas de Distribuição

Leia mais

Construção do Alto-Forno 3. Uma nova Coqueria. Terceira Máquina de Lingotamento Contínuo. Um terceiro Convertedor. Geração de novos empregos

Construção do Alto-Forno 3. Uma nova Coqueria. Terceira Máquina de Lingotamento Contínuo. Um terceiro Convertedor. Geração de novos empregos Construção do Alto-Forno 3 Uma nova Coqueria Um terceiro Convertedor Terceira Máquina de Lingotamento Contínuo Geração de novos empregos A CST Companhia Siderúrgica de Tubarão implantará o seu processo

Leia mais

Pesquisa e Desenvolvimento que geram avanços

Pesquisa e Desenvolvimento que geram avanços P&D O compromisso das empresas com o desenvolvimento sustentável por meio da energia limpa e renovável será demonstrado nesta seção do relatório. Nela são disponibilizados dados sobre a Pesquisa, Desenvolvimento

Leia mais

Lista de exercícios: Modelagem matemática Otimização Combinatória

Lista de exercícios: Modelagem matemática Otimização Combinatória Lista de exercícios: Modelagem matemática Otimização Combinatória Nas questões abaixo: i) Formule e apresente o modelo matemático. Caso não esteja, coloque na forma padrão. ii) Especicar as variáveis,

Leia mais

CONGRESSO TOCANTINENSE DE ENGENHARIA E MINERAÇÃO. Gestão para a Sustentabilidade na Mineração 20 anos de história

CONGRESSO TOCANTINENSE DE ENGENHARIA E MINERAÇÃO. Gestão para a Sustentabilidade na Mineração 20 anos de história CONGRESSO TOCANTINENSE DE ENGENHARIA E MINERAÇÃO Gestão para a Sustentabilidade na Mineração 20 anos de história Palmas, 13 de maio de 2014 IBRAM-Instituto Brasileiro de Mineração Organização privada,

Leia mais

Conceitos e definições do setor de gás natural

Conceitos e definições do setor de gás natural Conceitos e definições do setor de gás natural O que é o gás natural O gás natural é um combustível fóssil que se encontra na natureza, associado ou não ao petróleo, formado por hidrocarbonetos com predominância

Leia mais

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DE MINAS GERAIS ANO BASE 2005 O Governo do Estado, por meio da Fundação Estadual de Meio Ambiente FEAM, entidade da Secretaria Estadual de Meio

Leia mais

Região Norte e Amazônia não são sinônimos

Região Norte e Amazônia não são sinônimos REGIÃO NORTE Região Norte e Amazônia não são sinônimos Não existe uma Amazônia, e, sim, várias. Amazônia Internacional: região natural coberta pela floresta Amazônica, que se estende por alguns países

Leia mais

POLÍTICA DE ESTADO PARA O CARVÃO MINERAL

POLÍTICA DE ESTADO PARA O CARVÃO MINERAL POLÍTICA DE ESTADO PARA O CARVÃO MINERAL Política energética sustentável: objetivos Segurança de suprimentos Compatibilidade ambiental Mix energético balanceado Eficiência econômica Carvão mineral no mundo

Leia mais

Café Sustentável. Riqueza do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento CAPA. MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO.

Café Sustentável. Riqueza do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento CAPA. MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO. 12 MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO.indd 12-1 CAPA 1 30.10.09 16:08:10 Data (M/D/A): 10/30/09 Contato: (61) 3344-8502 Formato (F): 200x200 mm Formato (A): 400x200 mm Data (M/D/A): 10/30/09 Ministério

Leia mais

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS APRESENTAÇÃO A Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico SEPLAN em parceria com a SUFRAMA e sob a coordenação

Leia mais

Projetos Nova Alvorada do Sul - MS

Projetos Nova Alvorada do Sul - MS Projetos Nova Alvorada do Sul - MS Projeto Cursos Profissionalizantes Para atender à demanda de profissionais das indústrias de Nova Alvorada do Sul e região, a Comissão Temática de Educação elaborou o

Leia mais

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade DECLARAÇÃO DOS MINISTROS DA AGRICULTURA, SÃO JOSÉ 2011 1. Nós, os Ministros e os Secretários de Agricultura

Leia mais