ENTRE O VIVIDO E O VENDIDO: TURISMO E FRAGMENTAÇÃO DO ESPAÇO LITORÂNEO DO MUNICÍPIO DE BEBERIBE CEARÁ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ENTRE O VIVIDO E O VENDIDO: TURISMO E FRAGMENTAÇÃO DO ESPAÇO LITORÂNEO DO MUNICÍPIO DE BEBERIBE CEARÁ"

Transcrição

1 ENTRE O VIVIDO E O VENDIDO: TURISMO E FRAGMENTAÇÃO DO ESPAÇO LITORÂNEO DO MUNICÍPIO DE BEBERIBE CEARÁ Francileuda Pontes Paz Bolsista do Programa de Educação Tutorial em Geografia - PETGeo Universidade Estadual do Ceará UECE Raysa Pinheiro Lemos Bolsista do Programa de Educação Tutorial em Geografia - PETGeo Universidade Estadual do Ceará UECE Érica Lima de Oliveira dos Santos Bolsista do Programa de Educação Tutorial em Geografia - PETGeo Universidade Estadual do Ceará UECE Profa. Dra. Claudia Maria Magalhães Grangeiro Professora Orientadora INTRODUÇÃO O estudo do turismo na Geografia acentua-se na década de sessenta, do século XX, respondendo ao acelerado desenvolvimento do fenômeno turístico, ligado à prosperidade econômica que marcou o período de pós-guerra nos países centrais do capitalismo. Pode-se dizer que o turismo é um fenômeno expressivo por movimentar um grande fluxo de pessoas que buscam o lazer, no tempo de não-trabalho. As conquistas sociais alcançadas pelos trabalhadores no século XX, ampliando o tempo livre, que incorporaram novas necessidades ao homem, estas criadas pela sociedade capitalista e apropriada pelo capital. O turismo é definido segundo a Organização Mundial de Turismo - OMT - como forma de deslocamento espacial, envolvendo meios de transporte, permanência de pelo menos 24 horas no destino, motivado por lazer, negócios, saúde e outros motivos que não correspondam a qualquer maneira de remuneração direta. Sua pratica é

2 segmentada em vários setores como turismo de massa, turismo alternativo, turismo em espaços rurais e turismo Sol e Mar. Nesse artigo, o segmento analisado se adéqua ao turismo de Sol e Mar ou Sol e Praia. Consiste na prática turística na zona litorânea, priorizando o entretenimento, o descanso e a recreação em função da presença da água, sol e calor, sendo estes a principal combinação para a prática da balneabilidade. É neste segmento que se insere o recorte desse artigo. Seu objetivo consubstancia-se em compreender o turismo como importante e complexo fenômeno social do mundo contemporâneo e seu papel na produção do espaço, na transformação/apropriação dos recursos naturais e culturais observando impactos da atividade turística do segmento Sol e Praia sobre o meio ambiente e as comunidades locais. Para a realização desse trabalho utilizou-se leituras sobre a conceituação de turismo, segundas residências, bem como coletas de dados e informações junto à administração pública em foco, documentação in loco que possibilitou a visualização e compreensão das mudanças nas dinâmicas socioambientais. POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O TURISMO NO ESTADO DO CEARÁ No Ceará, o turismo tem sido um dos principais responsáveis pelo crescimento econômico de acordo com o Estado, o que o leva a grandes investimentos voltados, sobretudo, para a urbanização, principalmente das localidades onde as atividades turísticas estão mais presentes. A diversidade ambiental é um dos principais aspectos que fazem desse Estado um diferencial para o turismo. Para que as práticas turísticas aconteçam, são planejadas políticas públicas de âmbitos nacional e estadual, que cumprem um papel relevante no que diz respeito aos investimentos no turismo cearense. Assim, para um melhor entendimento do crescimento econômico no Estado ligado ao turismo, é necessário ressaltar algumas políticas empregadas no Ceará e no objeto de estudo ao qual se reporta este artigo. Dentre elas destacam-se as seguintes políticas: PRODUTURIS, PRODETUR 1 e 2; e o PRODETUR NACIONAL.

3 Em 1989, é criado pelo governo estadual o Programa de Desenvolvimento do Turismo em Zona Prioritária do Ceará (PRODETURIS). Com ele tinha-se o objetivo de zonear áreas litorâneas com prioridades para investimentos. No entanto, esse programa não obteve êxito em sua execução por falta de recursos que demandavam altos custos. Porém, os dados coletados pelo PRODETURIS foram reutilizados por um novo programa criado no ano de o Programa de Ação Para o Desenvolvimento do Turismo (PRODETUR 1). O PRODETUR 1, no estado cearense, visava investir, principalmente, em infraestrutura (construção de rodovias, saneamento básico, construção de aeroportos, recuperação de patrimônios públicos e outros) no litoral oeste cearense - pois a capital crescia no setor leste do estado e as infraestruturas eram precárias no setor oeste - e na capital fortalezense. Em 2004, inicia-se o PRODETUR 2 com o objetivo de ampliar os investimentos já iniciados, mas desta vez o programa passa a abranger as áreas do oeste do estado, que não tinham sido, ainda, contempladas anteriormente. No Ceará, os municípios que receberam investimentos foram: Aquiraz, Fortaleza, Caucaia, São Gonçalo do Amarante, Paraipaba, Paracuru, Trairi, Itapipoca, Amontada, Itarema, Acaraú, Cruz, Jijoca de Jericoacoara, Camocim, Barroquinha, Chaval, Granja e Viçosa do Ceará. Uma nova política pública surge em 2009 o PRODETUR NACIONAL - que mudara as tomadas de decisões dos investimentos de escala estadual para a municipal, assim outros municípios cearenses, como o município de Beberibe, inseremse em contexto maior de investimentos a nível nacional e global. BREVE HISTÓRICO SOBRE BEBERIBE O município de Beberibe está localizado entre os rios Choró e Piranji, seus primeiros habitantes foram os índios Potyguara e os Jenipapo-Kanyndé. Foi no século XVII que houve as primeiras expedições de portugueses religiosos e militares para realizar o processo de aldeamento e catequização dos índios da região. Os primeiros

4 registros do perímetro urbano do município datam de 1691, a partir da sesmaria concedida a Manuel Nogueira Cardoso, Sebastião Dias Freire, João Carvalho de Nobrega e ao Capitão Domingos Ferreira Chaves, porém, apenas no século XIX iniciou-se o processo de ocupação do local com a chegada de Baltazar Ferreira do Vale e Pedro Queiroz Lima. Beberibe, antes de se tornar um município foi distrito de Cascavel, antes conhecido como sitio Lucas, pertencia a Baltazar Ferreira do Vale. O local oferecia boas condições de povoamento, devido a quantidade de engenho de cana de açúcar na região, o que mais tarde deu origem a cidade de Beberibe. Por várias vezes, segundo Novaes (2012) ocorreu mudanças de distrito a município e de município a distrito, somente em 1951 é que foi sancionada a Lei de nº que definitivamente deu autonomia ao município. O LITORAL DE BEBERIBE E O TURISMO Beberibe se sobressai pelo seu litoral, que possui uma extensão de 54 km, destacando-se a praia das Fontes, Praia do Morro Branco, Praia do Uruaú, Praia do Canto Verde e Praia do Parajuru. Este trabalho tem por objetivo relacionar a atividade turística e sua interação entre o vivido e o vendido enfatizando e analisando, como recorte principal, as praias de Morro Branco e Uruaú. Essas duas praias fazem parte da rota turística do município e do estado cearense, onde Morro Branco se destaca por suas falésias e artesanatos e a praia do Uruaú por ser palco das vilegiaturas. Em Beberibe o turismo tornou-se mola propulsora de crescimento. Pode-se destacar o incentivo de implantação de Equipamentos Turísticos Imobiliários, incentivando, assim a ocupação do litoral do município, possibilitando dessa forma a especulação do lugar e o afastamento de moradores. Dantas (2002) comenta a ligação entre processo de litoralização do Ceará e as práticas marítimas do turismo e do veraneio. Essa ligação e a busca em desenvolver o Nordeste, não apenas o Ceará é responsável pela criação de projetos para ascender à prática do turismo, ressaltando o estado cearense pela sua privilegiada localização.

5 A praia de Morro Branco, tornou-se referência para o turismo na década de 1980, como relata Colaço (2008) época em que começa a se destacar como forma de lazer e de não trabalho, transformando a prática do turismo como principal fonte de renda. Com o desenvolvimento do município e os investimentos para o turismo na região, época em que o Ceará torna-se polo receptor turístico, Morro Branco, segundo Colaço (2008), torna-se alvo do mercado imobiliário, através da compra de terrenos na década de 1990, iniciando o fenômeno das segundas residências. Morro Branco é uma das praias mais notada no cenário turístico em Beberibe, por ser mais próxima da sede municipal e por ter no seu litoral o Parque das Falésias (Labirinto das Falésias), conhecido como Monumento Natural das Falésias de Beberibe, além do Centro de Artesanato e a Trilha Buggy. Um dos principais objetivos da prática turística em Beberibe é propiciar o desenvolvimento local, através da Secretaria de Turismo e Cultura do Município de Beberibe - SETCult, criada no ano 2000 para este fim. A SETCult-Beberibe tem por missão coordenar políticas governamentais na área do turismo e cultura, planejar e promover o Plano de Desenvolvimento do Turismo no município, além de ampliar políticas relacionadas ao marketing do município, segundo salientou a Secretária da SETCult-Beberibe. Em 2013, uma das prioridades, foi oficializar as Cooperativas de Bugueiros, através da Lei do Bugueiro, Lei de nº1.100, que entrou em vigor em 13 de junho de 2013, regulamentando a atividade de bugueiro no município. Segundo esta Lei a atividade de bugueiro deverá está cadastrada na secretaria do município, tanto o profissional como o seu veículo, passando por fiscalização e por cursos de qualificação para a prática da atividade. Para a efetivação da Lei é necessária, através da Secretaria de Turismo: 1. Regulamentar/ fiscalizar a atividade de serviço de Buggy-turismo através de atos administrativos, podendo ainda expedir, suspender e cassar permissões a qualquer tempo; 2. Realizar cursos, seminários e eventos para a atualização e aperfeiçoamento da atividade; 3. Definir áreas geográficas territoriais onde será desenvolvido o serviço de Buggy-turismo; 4. Credenciar/registrar veículos para a atividade promovendo a colocação de placas de aluguel exclusivas para o exercício da atividade de bugueiro. (Lei do Bugueiro Lei nº de 13 de junho de 2013)

6 Além da regulamentação da trilha Buggy, foi iniciado um processo de regulamentação do turismo no município, através da fiscalização e profissionalização das pessoas inseridas nas atividades turísticas (Bugueiros, artesãos, donos de barracas); criação de uma marca para o município, tendo por título: Praia de Beberibe: vento, sol e mar e a capacitação para a população (cursos de jovens guias com apoio da Secretaria de Educação). Tais medidas refletem a venda do lugar e a desapropriação de moradores da região. O FENÔMENO DA VILEGIATURA MARÍTIMA As políticas públicas que já foram citadas, criadas e implantadas pelo Estado, impulsionaram às novas práticas de uso dos espaços litorâneos. Assim, segundo Urbain, no final do século XIX e inicio do século XX, a [...] implementação das práticas marítimas modernas no Brasil pela elite e cujos desdobramentos vão possibilitar aproximação gradativa da sociedade local em relação aos espaços litorâneos. Com os banhos de mar, voltados inicialmente para o tratamento terapêutico, a sociedade local se aproxima timidamente dos espaços litorâneos, modificando suas atitudes vis-à-vis este elemento líquido. Tal movimento é seguido e potencializado pela vilegiatura marítima e, mais recentemente, pelo turismo litorâneo associado aos banhos de sol (URBAIN, p.). O termo vilegiatura marítima é definido por Dantas (2009) nos estudos turísticos para descrever o acontecimento das segundas residências no litoral. Segundo ele, vilegiatura marítima é um termo Europeu utilizado para expressar o fenômeno litorâneo através das segundas residências nas orlas marítimas. Em Fortaleza, tal processo se materializa em 1930, com a incorporação da Praia de Iracema pelo veraneio associada, de um lado, ao tratamento da tuberculose (DANTAS, p. 47). As segundas residências chegaram ao Brasil na década de 1950, como relata Becker tornando o litoral palco do mercado imobiliário e mais tarde, mercadoria turística. Novas formas de lazer foram criadas para atender a elite local, surgindo, com isso, um novo setor turístico. Essa prática tornou-se a fuga das elites dos grandes centros urbanos em busca de lugares mais tranquilos e lazer em áreas verdes. Becker

7 (1995) salienta que as segundas residências surgiram pela emergência de novos estratos sociais médios e urbanos que começaram a incorporar valores socioculturais à ideologia da atividade turística e de lazer. As segundas residências é uma forma de hospedagem ligada ao turismo de férias e de fins de semana, tal fenômeno visível no recorte desse trabalho localizado na praia do Uruaú. Este fenômeno, atualmente se faz presente principalmente no litoral, a partir da valorização dos espaços litorâneos em detrimento dos espaços não litorâneos, caracterizado pelas práticas predatórias e especulatórias de mercado, prática que pode ser observada na praia do Uruaú, onde foi verificada a grande quantidade de segundas residências. Assim, o veraneio ou o descanso dos fins de semana se transformaram em valor social cuja satisfação levaria ao turismo, de um modo muitas vezes predatório e desordenado a regiões acessíveis de todo o país, principalmente, aquelas em que eram ressaltados os seus atributos ambientais como as zonas costeiras ou serranas. (OLIVEIRA, p. 8) É evidente na praia do Uruaú a saída de moradores para dar lugar às segundas residências. Esse processo, segundo Dantas (2002, p. 73) gera conflitos, expulsando os antigos residentes relegando-os a lugares menos valorizados, longe da praia e de seus instrumentos de trabalho. Neste local podemos notar a vilegiatura marítima acentuada, com a presença de pousadas, hotéis e residências de alto padrão, fazendo com que seus antigos moradores saiam do seu lugar para o entorno da praia, em benefício do capital imobiliário. CONSIDERAÇÕES FINAIS Dos dados coletados e da observação feita conclui-se que as belezas naturais do município de Beberibe estão sendo utilizadas como mercadoria, através do marketing do município. É notório a construção de segundas residências, hotéis e resorts para um

8 público de fora que não há relação com a comunidade, transformando as relações sociais e agindo como atividade predatória. Algumas pessoas da comunidade se sentem prejudicadas, pois o desenvolvimento local prioriza o público externo, o que leva os moradores a perderem afinidade com o lugar. Para alguns o turismo prejudica a comunidade, pois se sentem barrados da vivência em Beberibe, uma vez que os terrenos são ocupados e vendidos para as novas funções espaciais, ou seja, para a vilegiatura marítima e os serviços voltados para o turismo. Além disso, a comunidade participa desses serviços apenas como mão de obra, mas não usufruem da prática turística. Há um marketing realizado pelo poder público associado ao setor privado, ligado ao turismo e com as associações locais de bugueiros, legalizados pela lei municipal nº 1.100, voltado para o crescimento e consolidação desse turismo, mas visando um público externo. No tocante aos problemas do meio ambiente, percebeu-se uma intensa ocupação de áreas de dunas, falésias, espelhos d'água. Onde ocorrem construções de casas de veraneio, hotéis, condomínios fechados, trilhas guiadas, barracas de praias, fragmentando o espaço e, em alguns casos, ocorrendo privatização de espaços públicos, prática esta que fragmenta o litoral refletindo o espaço entre o vivido e o vendido na zona costeira de Beberibe, litoral do estado cearense. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

9 ARAUJO, Enos Feitosa de; DANTAS, Eustógio Wanderley Correia. As políticas públicas e o turismo litorâneo na região metropolitana de Fortaleza Ceará. Revista Geográfica da América Central, Costa Rica, ago. /dez ASSIS, Lenilton. Turismo de segunda residência: a expressão espacial do fenômeno e as possibilidades de análise geográfica. In: Revista território, Rio de Janeiro, BECKER, Bertha K. Levantamento e avaliação da política federal de turismo e seu impacto na região costeira. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, dos Recursos Hídricos, BEDIM, Pereira Bruno. Turismo. Espaço e tempo social: acepções teóricas da modernidade em movimento. In: geografias.2008, p CARLOS, Ana Fani Alessandri. (org.) Novos Caminhos da Geografia São Paulo: Contexto,2012. COLAÇO, Soraia. Beberibe: a História de um Povo. Fortaleza: Omni, DANTAS, Eustógio Wanderley Correia; FERREIRA, Ângela Lúcia; CLEMENTINO, Maria do Livramento Miranda. [coordenação]. Turismo e imobiliário nas metrópoles - Rio de Janeiro:Letra Capital, Mar à Vista: estudo da maritimidade em Fortaleza. Fortaleza: Museu do Ceará/SECUL, Maritimidade nos trópicos: por uma geografia do litoral. Fortaleza: Edições UFC, NOVAES, Lucila N. Soares. Turismo de Sol e Mar: empreendimentos turísticos imobiliários e o desenvolvimento urbano e socioeconômico no litoral do Ceará - O caso de Beberibe. São Paulo, (Tese de Doutorado) OLIVEIRA. Elizângela Justino de; LIMA, Renata Mayara Moreira de. Segunda Residência: um alojamento turístico. In: Seminário Nacional, Governança Urbana e Desenvolvimento Metropolitano. Natal, Rio Grande do Norte: Universidade Federal do Rio Grande do Norte, 2010.

METROPOLIZAÇÃO TURÍSTICA E AS POLÍTICAS PÚBLICAS NA PRODUÇÃO DO ESPAÇO LITORÂNEO DA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA

METROPOLIZAÇÃO TURÍSTICA E AS POLÍTICAS PÚBLICAS NA PRODUÇÃO DO ESPAÇO LITORÂNEO DA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA METROPOLIZAÇÃO TURÍSTICA E AS POLÍTICAS PÚBLICAS NA PRODUÇÃO DO ESPAÇO LITORÂNEO DA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA Enos Feitosa de Araujo 1 RESUMO Este trabalho resulta de estudos realizados no Laboratório

Leia mais

Locais a serem visitados

Locais a serem visitados Apresentação Este projeto trata da elaboração de um livro, bilíngüe, que utilizará a fotografia como forma de expressão artística e que terá como tema central o Litoral do Ceará. A publicação, composta

Leia mais

Palavras-chave: Metropolização, Políticas públicas de turismo, Resorts residenciais

Palavras-chave: Metropolização, Políticas públicas de turismo, Resorts residenciais INCORPORAÇÃO DO VERANEIO ÀS ATIVIDADES TURÍSTICAS NA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA-CE 1 Marília Natacha de Freitas SILVA 2 RESUMO O presente artigo tem por objetivo analisar o processo crescente de

Leia mais

Projeto Cidade da Copa : influência na mobilidade da Zona da Mata Norte do Estado de Pernambuco

Projeto Cidade da Copa : influência na mobilidade da Zona da Mata Norte do Estado de Pernambuco Danilo Corsino de Queiróz Albuquerque¹ Ana Regina Marinho Dantas Barboza da Rocha Serafim² ¹Graduando do 5º Período no Curso de Licenciatura em Geografia pela Universidade de Pernambuco (UPE), E-mail:

Leia mais

POLÍTICAS DE TURISMO E URBANIZAÇÃO NO LITORAL OESTE DO CEARÁ: DINÂMICAS, INSUCESSOS E POSSIBILIDADES

POLÍTICAS DE TURISMO E URBANIZAÇÃO NO LITORAL OESTE DO CEARÁ: DINÂMICAS, INSUCESSOS E POSSIBILIDADES POLÍTICAS DE TURISMO E URBANIZAÇÃO NO LITORAL OESTE DO CEARÁ: DINÂMICAS, INSUCESSOS E POSSIBILIDADES RESUMO TIAGO DA SILVA CASTRO 1 ALEXANDRE QUEIROZ PEREIRA 2 As últimas décadas foram marcadas por intensas

Leia mais

As políticas públicas e o turismo litorâneo no Ceará: o papel da Região Metropolitana de Fortaleza

As políticas públicas e o turismo litorâneo no Ceará: o papel da Região Metropolitana de Fortaleza As políticas públicas e o turismo litorâneo no Ceará: o papel da Região Metropolitana de Fortaleza Enos Feitosa Araujo 1 Resumo Este ensaio visa compreender as redefinições socioespaciais no litoral da

Leia mais

ÁREAS DE LAZER NA PRAIA DA LESTE-OESTE

ÁREAS DE LAZER NA PRAIA DA LESTE-OESTE Diego Teixeira de Araújo Universidade Federal do Ceará diegogeoufc@gmail.com ÁREAS DE LAZER NA PRAIA DA LESTE-OESTE INTRODUÇÃO O litoral hoje se constitui como importante área de lazer, veraneio, vilegiatura,

Leia mais

Aluno: Antero Vinicius Portela Firmino Pinto Orientadora: Regina Célia de Mattos. Considerações Iniciais

Aluno: Antero Vinicius Portela Firmino Pinto Orientadora: Regina Célia de Mattos. Considerações Iniciais AS TRANSFORMAÇÕES ESPACIAIS NA ZONA OESTE DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO A PARTIR DOS INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA PARA COPA DO MUNDO EM 2014 E AS OLIMPÍADAS DE 2016 Aluno: Antero Vinicius Portela Firmino

Leia mais

APL DE TURISMO NO LITORAL DO PIAUÍ

APL DE TURISMO NO LITORAL DO PIAUÍ APL DE TURISMO NO LITORAL DO PIAUÍ (A) Teresina; (B) Cajueiro da Praia; (C) Luis Correia; (D) Parnaíba; (E) Ilha Grande Rota das Emoções: Jericoacoara (CE) - Delta (PI) - Lençóis Maranhenses (MA) Figura

Leia mais

Indicadores Turísticos 1995/2012. Março de 2013 Fortaleza - Ceará - Brasil

Indicadores Turísticos 1995/2012. Março de 2013 Fortaleza - Ceará - Brasil Indicadores Turísticos 1995/2012 Março de 2013 Fortaleza - Ceará - Brasil GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Governador: Cid Ferreira Gomes SECRETARIA DO TURISMO DO ESTADO DO CEARÁ Secretário: Bismarck Maia Secretário

Leia mais

Metodologia. Resultados

Metodologia. Resultados ENCONTRO INTERNACIONAL PARTICIPAÇÃO, DEMOCRACIA E POLÍTICAS PÚBLICAS: APROXIMANDO AGENDAS E AGENTES UNESP SP 23 a 25 de abril de 2013, UNESP, Araraquara (SP) AGENTES SOCIAIS E A PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO

Leia mais

3.14 Demanda atual e potencial

3.14 Demanda atual e potencial 3.14 Demanda atual e potencial O Estado do Ceará vem adquirindo, no cenário nacional, uma importância turística crescente. Em 1998, por exemplo, ocupou o terceiro lugar dentre os destinos mais visitados

Leia mais

ROSEMARY OLIVEIRA DE LIMA

ROSEMARY OLIVEIRA DE LIMA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA - CCT CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS - CESA MESTRADO PROFISSIONAL EM GESTÃO DE NEGÓCIOS TURÍSTICOS MPGNT ROSEMARY OLIVEIRA DE LIMA

Leia mais

A PRODUÇÃO DO ESPAÇO E OS PROBLEMAS AMBIENTAIS OCASIONADOS POR INUNDAÇÕES URBANAS NO RIO MARANGUAPINHO: O BAIRRO HENRIQUE JORGE, FORTALEZA- CE.

A PRODUÇÃO DO ESPAÇO E OS PROBLEMAS AMBIENTAIS OCASIONADOS POR INUNDAÇÕES URBANAS NO RIO MARANGUAPINHO: O BAIRRO HENRIQUE JORGE, FORTALEZA- CE. A PRODUÇÃO DO ESPAÇO E OS PROBLEMAS AMBIENTAIS OCASIONADOS POR INUNDAÇÕES URBANAS NO RIO MARANGUAPINHO: O BAIRRO HENRIQUE JORGE, FORTALEZA- CE. Karinne Wendy Santos de Menezes Universidade Estadual do

Leia mais

UMA ANÁLISE GEOGRÁFICA SOBRE O DESENVOLVIMENTO DA PRÁTICA SOCIAL DO TURISMO EM FLECHEIRAS (TRAIRI CE BRASIL).

UMA ANÁLISE GEOGRÁFICA SOBRE O DESENVOLVIMENTO DA PRÁTICA SOCIAL DO TURISMO EM FLECHEIRAS (TRAIRI CE BRASIL). Revista Geográfica de América Central Número Especial EGAL, 2011- Costa Rica II Semestre 2011 pp. 1-11 UMA ANÁLISE GEOGRÁFICA SOBRE O DESENVOLVIMENTO DA PRÁTICA SOCIAL DO TURISMO EM FLECHEIRAS (TRAIRI

Leia mais

AS POTENCIALIDADES TURÍSTICAS DO ESTADO DO CEARÁ

AS POTENCIALIDADES TURÍSTICAS DO ESTADO DO CEARÁ ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2 GERÊNCIA SETORIAL DE TURISMO Data: Outubro/99 N o 08 AS POTENCIALIDADES TURÍSTICAS DO ESTADO DO CEARÁ 1 INTRODUÇÃO O Estado do Ceará está localizado na região Nordeste

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL APA SERRA DO LAJEADO

EDUCAÇÃO AMBIENTAL APA SERRA DO LAJEADO PLANO DE AÇÃO EDUCAÇÃO AMBIENTAL APA SERRA DO LAJEADO 2014 1 -OBJETIVO GERAL APA Serra do Lajeado foi instituída pela Lei nº 906 de 20 de maio de 1997, está no entorno do Parque Estadual do Lajeado e tem

Leia mais

SUMÁRIO VOLUME I. Pág TOR LISTA DE TABELAS. ii LISTA DE FIGURAS. v LISTA DE MAPAS. viii LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS

SUMÁRIO VOLUME I. Pág TOR LISTA DE TABELAS. ii LISTA DE FIGURAS. v LISTA DE MAPAS. viii LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS SUMÁRIO VOLUME I Pág TOR LISTA DE TABELAS ii LISTA DE FIGURAS v LISTA DE MAPAS viii LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS ix 1. INTRODUÇÃO 01 1.1 Os Municípios impactados pelo PRODETUR/CE I: Aquiraz, Camocim

Leia mais

Turismo em Fortaleza: City Marketing e Reestruturação Urbana

Turismo em Fortaleza: City Marketing e Reestruturação Urbana Turismo em Fortaleza: City Marketing e Reestruturação Urbana Autora: Amíria Bezerra Brasil e-mail: amiria@uol.com.br Instituição: Mestrado em Desenvolvimento Urbano (MDU), Universidade Federal de Pernambuco

Leia mais

Autores: ANNARA MARIANE PERBOIRE DA SILVA, MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA

Autores: ANNARA MARIANE PERBOIRE DA SILVA, MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA RELAÇÕES ENTRE A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O SETOR DE HOSPITALIDADE: um estudo de caso aplicável ao curso Técnico de Hospedagem Secretaria de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente de Pernambuco Autores: ANNARA

Leia mais

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO SEDURB DIRETORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO SEDURB DIRETORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO SEDURB DIRETORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS Seminário Internacional Planejamento Urbano em Região Metropolitana - O caso de Aracaju Aracaju,

Leia mais

ESPELHO DE EMENDAS DE INCLUSÃO DE META

ESPELHO DE EMENDAS DE INCLUSÃO DE META COMISSÃO MISTA DE PLANOS, ORÇAMENTOS E FISCALIZ S AO PLN 0002 / 2007 - LDO Página: 987 de 2393 ESPELHO DE S DE INCLUSÃO DE META AUTOR DA 16580001 0235 Corredor Nordeste 10ET ADEQU DE TRECHOS RODOVIÁRIOS

Leia mais

AS TRANSFORMAÇÕES RECENTES DA VILEGIATURA MARITIMA ESPACIALIZADA NO LITORAL DE FORTALEZA, CEARÁ

AS TRANSFORMAÇÕES RECENTES DA VILEGIATURA MARITIMA ESPACIALIZADA NO LITORAL DE FORTALEZA, CEARÁ AS TRANSFORMAÇÕES RECENTES DA VILEGIATURA MARITIMA ESPACIALIZADA NO LITORAL DE FORTALEZA, CEARÁ Antonio Tadeu Pinto Soares Junior 1 RESUMO A vilegiatura marítima destaca-se como uma prática socioespacial

Leia mais

AÇÕES EXTENSIONISTAS DE EDUCACAO AMBIENTAL EM COMUNIDADES PESQUEIRAS DO CEARÁ, BRASIL

AÇÕES EXTENSIONISTAS DE EDUCACAO AMBIENTAL EM COMUNIDADES PESQUEIRAS DO CEARÁ, BRASIL AÇÕES EXTENSIONISTAS DE EDUCACAO AMBIENTAL EM COMUNIDADES PESQUEIRAS DO CEARÁ, BRASIL Nicolly Santos Leite- Graduanda, Universidade Federal do Ceará Wallason Farias de Souza- Graduando, Universidade Federal

Leia mais

TURISMO DE SEGUNDA RESIDÊNCIA: AVANÇOS E IMPACTOS NO TERRITÓRIO POTIGUAR.

TURISMO DE SEGUNDA RESIDÊNCIA: AVANÇOS E IMPACTOS NO TERRITÓRIO POTIGUAR. TURISMO DE SEGUNDA RESIDÊNCIA: AVANÇOS E IMPACTOS NO TERRITÓRIO POTIGUAR. Ivaneza Silva de Albuquerque 1 Resumo: O turismo é uma atividade complexa e multidisciplinar que incide, consome e transforma diretamente

Leia mais

TURISMO LITORÂNEO E VILEGIATURA MARÍTIMA NA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA, CEARÁ, BRASIL*

TURISMO LITORÂNEO E VILEGIATURA MARÍTIMA NA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA, CEARÁ, BRASIL* TURISMO LITORÂNEO E VILEGIATURA MARÍTIMA NA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA, CEARÁ, BRASIL* Eustógio Wanderley Correia DANTAS Prof. Associado da Universidade Federal do Ceará Programa de Pós-Graduação

Leia mais

OS IMPACTOS DAS OBRAS DA COPA DE 2014 NO PORTO DO MUCURIPE (FORTALEZA- CEARÁ): A IMPLANTAÇÃO DO TERMINAL MARÍTIMO DE PASSAGEIROS.

OS IMPACTOS DAS OBRAS DA COPA DE 2014 NO PORTO DO MUCURIPE (FORTALEZA- CEARÁ): A IMPLANTAÇÃO DO TERMINAL MARÍTIMO DE PASSAGEIROS. OS IMPACTOS DAS OBRAS DA COPA DE 2014 NO PORTO DO MUCURIPE (FORTALEZA- CEARÁ): A IMPLANTAÇÃO DO TERMINAL MARÍTIMO DE PASSAGEIROS. Gabriela Bento Cunha 1 Dr. Alexandre Queiroz 2 aqp@metrowiki.com Universidade

Leia mais

Política Nacional de Meio Ambiente

Política Nacional de Meio Ambiente Política Nacional de Meio Ambiente O Brasil, maior país da América Latina e quinto do mundo em área territorial, compreendendo 8.511.996 km 2, com zonas climáticas variando do trópico úmido a áreas temperadas

Leia mais

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL Trabalho apresentado no III ENECULT Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura, realizado entre os dias 23 a 25 de maio de 2007, na Faculdade de Comunicação/UFBa, Salvador-Bahia-Brasil. METODOLOGIA

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO É claro que o Brasil não brotou do chão como uma planta. O Solo que o Brasil hoje ocupa já existia, o que não existia era o seu território, a porção do espaço sob domínio,

Leia mais

A DIVERSIDADE DA GEOGRAFIA BRASILEIRA: ESCALAS E DIMENSÕES DA ANÁLISE E DA AÇÃO DE 9 A 12 DE OUTUBRO

A DIVERSIDADE DA GEOGRAFIA BRASILEIRA: ESCALAS E DIMENSÕES DA ANÁLISE E DA AÇÃO DE 9 A 12 DE OUTUBRO PLANEJAMENTO TERRITORIAL E TURISMO: UM ESTUDO DAS ESTÂNCIAS TURÍSTICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO RIBEIRO, RENATA MARIA 1 MARGARETE ARAUJO TELES 2 Resumo: Esse estudo defende a pertinência em aliar o planejamento

Leia mais

Odebrecht TransPort traça novas rotas brasileiras

Odebrecht TransPort traça novas rotas brasileiras nº 342 outubro 2014 Odebrecht TransPort traça novas rotas brasileiras Odebrecht 70 anos: projetos que contribuem para melhorar as opções de mobilidade urbana das comunidades Odebrecht Infraestrutura Brasil

Leia mais

Uma reflexão sobre o processo de turismo e suas implicações socioespaciais no município de Angra dos Reis RJ 1

Uma reflexão sobre o processo de turismo e suas implicações socioespaciais no município de Angra dos Reis RJ 1 Uma reflexão sobre o processo de turismo e suas implicações socioespaciais no município de Angra dos Reis RJ 1 Renata da Silva Corrêa 2 É preciso ampliar o conceito de vocação turística de Angra dos Reis

Leia mais

Concessão Rodoviária Estadual Trecho Litoral Norte

Concessão Rodoviária Estadual Trecho Litoral Norte Concessão Rodoviária Estadual Trecho Litoral Norte Descrição Concessão à iniciativa privada dos principais eixos rodoviários de acesso ao litoral norte de Alagoas, visando a melhoria operacional, manutenção,

Leia mais

PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO: A APROPRIAÇÃO DA PLANICIE DE INUNDAÇÃO DO RIO MARANGUAPINHO EM FORTALEZA-CEARÁ.

PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO: A APROPRIAÇÃO DA PLANICIE DE INUNDAÇÃO DO RIO MARANGUAPINHO EM FORTALEZA-CEARÁ. PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO: A APROPRIAÇÃO DA PLANICIE DE INUNDAÇÃO DO RIO MARANGUAPINHO EM FORTALEZA-CEARÁ. Denis Melo da Silva Universidade Estadual do Ceará UECE. Bolsista do Programa de Educação Tutorial

Leia mais

SUMÁRIO Volume III. Pág TOR LISTA DE TABELAS. iii LISTA DE FIGURAS. ix LISTA DE MAPAS. xv LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS

SUMÁRIO Volume III. Pág TOR LISTA DE TABELAS. iii LISTA DE FIGURAS. ix LISTA DE MAPAS. xv LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS SUMÁRIO Volume III Pág TOR LISTA DE TABELAS iii LISTA DE FIGURAS ix LISTA DE MAPAS xv LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS xvi 3.4 Patrimônio histórico e cultural 01 3.3.4 3.4.1 Bens tombados 03 3.4.2 Bens com

Leia mais

Conceitos básicos: Cuidar, Inovar e Avançar

Conceitos básicos: Cuidar, Inovar e Avançar PROGRAMA DE GOVERNO PAULO ALEXANDRE BARBOSA Conceitos básicos: Cuidar, Inovar e Avançar O programa de governo do candidato Paulo Alexandre Barbosa está baeado em três palavras-conceito: cuidar, inovar

Leia mais

3.8 Produtos e atrativos turísticos A ÁREA DE PLANEJAMENTO possui um expressivo conjunto de atrativos turísticos, tanto naturais quanto culturais.

3.8 Produtos e atrativos turísticos A ÁREA DE PLANEJAMENTO possui um expressivo conjunto de atrativos turísticos, tanto naturais quanto culturais. 3.8 Produtos e atrativos turísticos A ÁREA DE PLANEJAMENTO possui um expressivo conjunto de atrativos turísticos, tanto naturais quanto culturais. São, ao todo, 58 praias com usos e paisagens extremamente

Leia mais

REQUERIMENTO DE INDICAÇÃO Nº, DE 2011 (Da Sra. Deputada Fátima Bezerra e outros)

REQUERIMENTO DE INDICAÇÃO Nº, DE 2011 (Da Sra. Deputada Fátima Bezerra e outros) REQUERIMENTO DE INDICAÇÃO Nº, DE 2011 (Da Sra. Deputada Fátima Bezerra e outros) Requer o envio de Indicação a Sra. Ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, sugerindo a criação da Unidade de Conservação

Leia mais

Centro Adm. Gov. Virgílio Távora - Ed. SEPLAG Térreo - Cambeba CEP: 60.830-120 Home Page: www.setur.ce.gov.br - e-mail: gabinete@setur.ce.gov.

Centro Adm. Gov. Virgílio Távora - Ed. SEPLAG Térreo - Cambeba CEP: 60.830-120 Home Page: www.setur.ce.gov.br - e-mail: gabinete@setur.ce.gov. ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO TURISMO BANCO INTERAMERICANO DE DESENVOLVIMENTO - BID PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DO TURISMO PRODETUR CEARÁ 2321/OC - BR Fortaleza - CE Janeiro de 2012 Centro Adm. Gov. Virgílio

Leia mais

Planejamento Urbano Governança Fundiária

Planejamento Urbano Governança Fundiária Planejamento Urbano Governança Fundiária Instrumentos de Gestão, Conflitos Possibilidades de Inclusão Socioespacial Alexandre Pedrozo agosto. 2014 mobiliza Curitiba...... de antes de ontem...... de ontem......

Leia mais

Realizado de 25 a 31 de julho de 2010. Porto Alegre - RS, 2010. ISBN 978-85-99907-02-3

Realizado de 25 a 31 de julho de 2010. Porto Alegre - RS, 2010. ISBN 978-85-99907-02-3 AS CONTRADIÇÕES DA VILA DE JERICOACOARA NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DA IMAGEM TURÍSTICA Autor: Débora Raquel Freitas da Silva/bolsista PET/UFC deboraquel08@gmail.com Co-autor: Jéssica Girão Lopes/bolsista

Leia mais

Infraestrutura turística: como Natal vai receber o turista em 2014?

Infraestrutura turística: como Natal vai receber o turista em 2014? Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Turismo PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DO TURISMO PRODETUR Infraestrutura turística: como Natal vai receber o turista em 2014? 29.09.2011 INFRA-ESTRUTURA

Leia mais

PRODUÇÃO DO ESPAÇO E A VERTICALIZAÇÃO EM PONTA NEGRA, NATAL-RN

PRODUÇÃO DO ESPAÇO E A VERTICALIZAÇÃO EM PONTA NEGRA, NATAL-RN Mariana de Vasconcelos Pinheiro¹ Márcio Moraes Valença (Orientador da Pesquisa)² ¹UFRN - marianavasconcelos@globo.com ²UFRN marciovalenca@ufrnet.br PRODUÇÃO DO ESPAÇO E A VERTICALIZAÇÃO EM PONTA NEGRA,

Leia mais

Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6. Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo

Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6. Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6 Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo Justificativa: Art. 225 da Constituição Federal: SNUC: Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente

Leia mais

GEOPROCESSAMENTO APLICADO AO PLANEJAMENTO URBANO UM OLHAR SOBRE AS TRANSFORMAÇÕES NA PAISAGEM URBANA OCORRIDAS NO BAIRRO JABOTIANA, ARACAJU/SE.

GEOPROCESSAMENTO APLICADO AO PLANEJAMENTO URBANO UM OLHAR SOBRE AS TRANSFORMAÇÕES NA PAISAGEM URBANA OCORRIDAS NO BAIRRO JABOTIANA, ARACAJU/SE. GEOPROCESSAMENTO APLICADO AO PLANEJAMENTO URBANO UM OLHAR SOBRE AS TRANSFORMAÇÕES NA PAISAGEM URBANA OCORRIDAS NO BAIRRO JABOTIANA, ARACAJU/SE. Rafael da Cruz 1, Anna Allice Souza Silva 2, Luana Pereira

Leia mais

FECOMÉRCIO VEÍCULO: NOVO JORNAL DATA: 06.02.15 EDITORIA: CAPA E CIDADES

FECOMÉRCIO VEÍCULO: NOVO JORNAL DATA: 06.02.15 EDITORIA: CAPA E CIDADES FECOMÉRCIO VEÍCULO: NOVO JORNAL DATA: 06.02.15 EDITORIA: CAPA E CIDADES Classificação: Positiva VEÍCULO: TRIBUNA DO NORTE DATA: 06.02.15 EDITORIA: ECONOMIA Classificação: Positiva VEÍCULO: TRIBUNA DO

Leia mais

GT PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DO TURISMO AS REDES COMO MECANISMO DE ARTICULAÇÃO E FORTALECIMENTO DO TURISMO COMUNITÁRIO: ANÁLISE DA REDE TUCUM

GT PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DO TURISMO AS REDES COMO MECANISMO DE ARTICULAÇÃO E FORTALECIMENTO DO TURISMO COMUNITÁRIO: ANÁLISE DA REDE TUCUM GT PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DO TURISMO AS REDES COMO MECANISMO DE ARTICULAÇÃO E FORTALECIMENTO DO TURISMO COMUNITÁRIO: ANÁLISE DA REDE TUCUM Débora Goes Urano Mestranda do Programa de Pós Graduação em

Leia mais

6.00.00.00-7 CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS TURISMO 6.13.00.00-4

6.00.00.00-7 CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS TURISMO 6.13.00.00-4 6.00.00.00-7 CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS TURISMO 6.13.00.00-4 QUALIDADE E EXCELÊNCIA DISNEY, UM EXEMPLO PARA HOTÉIS DE TODO O MUNDO Fábio Ricardo Barros da Silva Acadêmico do Curso de Turismo e Hotelaria

Leia mais

Natal - RN Os impactos, processos e dinâmicas na Cidade do Natal

Natal - RN Os impactos, processos e dinâmicas na Cidade do Natal Natal - RN Os impactos, processos e dinâmicas na Cidade do Natal Metropolização e Megaeventos Seminário Nacional Rio de Janeiro, 11 de dezembro de 2013 Equipe do Projeto Núcleo RMNatal Prof. Alexsandro

Leia mais

www.idestur.org.br - info@idestur.org.br

www.idestur.org.br - info@idestur.org.br ROTEIROS PAULISTAS DE TURISMO EQUESTRE O Turismo Eqüestre que tem nos eqüídeos o principal atrativo ou, pelo menos, uma das principais motivações, já é reconhecido em diferentes países como um importante

Leia mais

A COPA DE 2014: IMPACTOS OU LEGADO PARA AS CIDADES-SEDES DO NORDESTE?.

A COPA DE 2014: IMPACTOS OU LEGADO PARA AS CIDADES-SEDES DO NORDESTE?. A COPA DE 2014: IMPACTOS OU LEGADO PARA AS CIDADES-SEDES DO NORDESTE?. AS CIDADES-SEDES DO NORDESTE. Hipótese: Os processos de reestruturação urbana implementados para as cidades sedes da região Nordeste

Leia mais

ENTRE A PESCA E A REDE : PESCADORES E VILEGIATURISTAS NO PROCESSO DE (RE)PRODUÇÃO DO ESPAÇO LITORÂNEO EM CUMBUCO-CAUCAIA-CE

ENTRE A PESCA E A REDE : PESCADORES E VILEGIATURISTAS NO PROCESSO DE (RE)PRODUÇÃO DO ESPAÇO LITORÂNEO EM CUMBUCO-CAUCAIA-CE ENTRE A PESCA E A REDE : PESCADORES E VILEGIATURISTAS NO PROCESSO DE (RE)PRODUÇÃO DO ESPAÇO LITORÂNEO EM CUMBUCO-CAUCAIA-CE 1. INTRODUÇÃO Edson Oliveira de Paula Mestrando PRODEMA/UFC edsonoliveirapx@gmail.com

Leia mais

DINAMIZAR O TURISMO E SERVIÇOS SUPERIORES GERADORES DE EMPREGO E RENDA

DINAMIZAR O TURISMO E SERVIÇOS SUPERIORES GERADORES DE EMPREGO E RENDA DIRETRIZ ESTRATÉGICA DINAMIZAR O TURISMO E SERVIÇOS SUPERIORES GERADORES DE EMPREGO E RENDA O segmento do turismo vem se constituindo na Bahia uma importante atividade na geração de ocupação e renda, especialmente

Leia mais

O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARTICIPATIVO DENTRO DE UM MUNDO GLOBALIZADO

O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARTICIPATIVO DENTRO DE UM MUNDO GLOBALIZADO O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARTICIPATIVO DENTRO DE UM MUNDO GLOBALIZADO A EVOLUÇÃO HISTÓRICA E O SÉCULO XX 1- A MAIORIDADE DAS CIDADES LIMITES DE EXPANSÃO 2- A OPÇÃO URBANA EM TODOS OS NÍVEIS 3- A CIDADE

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável de Pólo Turístico Ribeirão Branco - SP

Desenvolvimento Sustentável de Pólo Turístico Ribeirão Branco - SP Desenvolvimento Sustentável de Pólo Turístico Ribeirão Branco - SP NOVA CAMPINA 1 Objetivo para potencializar o desenvolvimento sustentável de Pólos Turísticos Fortalecimento e integração dos elos da Cadeia

Leia mais

(Fonte: SETUR, 2002) (Fonte: SETUR, 2002)

(Fonte: SETUR, 2002) (Fonte: SETUR, 2002) 3.13 Investimentos futuros do setor privado no setor turístico 3.13.1 Investimentos em construção ou projeto Em toda a ÁREA DE PLANEJAMENTO existem 14 empreendimentos em fase de construção ou projeto,

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS História da Cultura CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1º PERÍODO Repassar ao alunado a compreensão do fenômeno da cultura e sua relevância para

Leia mais

Invista no hotel certo

Invista no hotel certo Invista no hotel certo O QUE VOCÊ PROCURA EM UM INVESTIMENTO HOTELEIRO ESTÁ AQUI. A economia de minas gerais cresce acima da média nacional: 5,15% no 1º trim./2011. Fonte: Informativo CEI-PIB MG _Fundação

Leia mais

Capítulo VI PROPOSTA DE GESTÃO INTEGRADA DA FRENTE MARÍTIMA DE NATAL

Capítulo VI PROPOSTA DE GESTÃO INTEGRADA DA FRENTE MARÍTIMA DE NATAL Capítulo VI PROPOSTA DE GESTÃO INTEGRADA DA FRENTE MARÍTIMA DE NATAL 354 355 1 - PROPOSTA DE GESTÃO INTEGRADA DA FRENTE MARÍTIMA DE NATAL A Frente Marítima de Natal está afetada por intensas modificações,

Leia mais

Marketing Territorial: uma aposta regional?

Marketing Territorial: uma aposta regional? Marketing Territorial: uma aposta regional? Conferência Alentejo Atractivo: nas rotas do Investimento Global Évora, 10 de Março de 2012 Contexto Contexto de competição entre territórios - regiões, cidades,

Leia mais

TURISMO DE NEGÓCIOS EM VOLTA REDONDA, RJ: ESTUDO COMPARATIVO DE GESTÃO HOTELEIRA

TURISMO DE NEGÓCIOS EM VOLTA REDONDA, RJ: ESTUDO COMPARATIVO DE GESTÃO HOTELEIRA TURISMO DE NEGÓCIOS EM VOLTA REDONDA, RJ: ESTUDO COMPARATIVO DE GESTÃO HOTELEIRA Alexandro Ferreira Reis Carlos Eduardo Brasil Campos Rossana Souza Almeida, Esp. (Orientadora) Este estudo tem como objetivo

Leia mais

Lazer: estratégia da rede hoteleira de Natal/RN

Lazer: estratégia da rede hoteleira de Natal/RN Lazer: estratégia da rede hoteleira de Natal/RN Francisco Muniz Jales de Oliveira (UFRN/PEP) muniz@ufrnet.br Luiz Carlos de Oliveira (UFRN/PEP) lcarlos@eaj.ufrn.br Ider Freire de Paula (UFRN/PEP) ider@eaj.ufrn.br

Leia mais

Sedimentos Água Ar. Biota Marinha Ecossistemas Costeiros Unidades de Conservação

Sedimentos Água Ar. Biota Marinha Ecossistemas Costeiros Unidades de Conservação II.4 ÁREA DE ESTUDO II.4.1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS O estabelecimento da Área de Estudo provém da necessidade de instituir um recorte territorial onde é observada a continuidade dos fatores ambientais físicos,

Leia mais

Produto turístico no Ceará em meio à Natureza.

Produto turístico no Ceará em meio à Natureza. Produto turístico no Ceará em meio à Natureza. Como surgimos A ideia foi a de construir um parque de aventuras em meio à um espaço de natureza exuberante. No Espaço funcionava um antigo engenho de cana-deaçúcar,

Leia mais

Capítulo. Organização político- -administrativa na América portuguesa

Capítulo. Organização político- -administrativa na América portuguesa Capítulo Organização político- -administrativa na América portuguesa 1 O Império Português e a administração da Colônia americana Brasil: 1500-1530 O interesse português pelo território americano era pequeno

Leia mais

AULA DE CAMPO COMO FERRAMENTA EDUCATIVA: Práticas na Orla Marítima de Fortaleza/CE

AULA DE CAMPO COMO FERRAMENTA EDUCATIVA: Práticas na Orla Marítima de Fortaleza/CE AULA DE CAMPO COMO FERRAMENTA EDUCATIVA: Práticas na Orla Marítima de Fábio de Oliveira Matos Doutorando do Programa de Pós-graduação em Geografia da UFC Universidade Federal do Ceará fabiomoria@yahoo.com.br

Leia mais

A força do turismo ECONOMIA. por Ana Lygia Monteferrario Leite Pezco Pesquisa & Consultoria e Frederico Araujo Turolla FGV-EESP e ESPM

A força do turismo ECONOMIA. por Ana Lygia Monteferrario Leite Pezco Pesquisa & Consultoria e Frederico Araujo Turolla FGV-EESP e ESPM ECONOMIA A força do turismo O Brasil é descrito como país privilegiado pela existência de exuberantes recursos naturais, pelo clima agradável e pela cultura receptiva. Por si só, essas características

Leia mais

ABORDAGENS SOBRE O TURISMO: O CASO DE LONDRINA - PR

ABORDAGENS SOBRE O TURISMO: O CASO DE LONDRINA - PR ABORDAGENS SOBRE O TURISMO: O CASO DE LONDRINA - PR Sérgio Kaoru Nakashima Universidade Estadual de Londrina E-mail: sergioknbr@hotmail.com INTRODUÇÃO Apesar de ser uma prática bastante antiga, o turismo

Leia mais

PROCESSO DE METROPOLIZAÇÃO. desigualmente mudando de natureza e de composição, exigindo

PROCESSO DE METROPOLIZAÇÃO. desigualmente mudando de natureza e de composição, exigindo Geografia urbana Costa, 2002 1 PROCESSO DE METROPOLIZAÇÃO! As porções do território ocupadas pelo homem vão desigualmente mudando de natureza e de composição, exigindo uma nova definição. As noções de

Leia mais

PROGRAMAS E PROJETOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO

PROGRAMAS E PROJETOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO º PROGRAMAS E S PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO Programa de utilização sustentável dos atrativos turísticos naturais Implementação do Plano de Manejo do Parque do Cantão Garantir

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE TURISMO NA SERRA DA IBIAPABA 1

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE TURISMO NA SERRA DA IBIAPABA 1 ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE TURISMO NA SERRA DA IBIAPABA 1 1. Localização (discriminação): Municípios de Viçosa do Ceará, Ipú, Tianguá, Ubajara, São Benedito, Carnaubal e Guaraciaba do Norte. (Total de

Leia mais

Empreendimentos no Litoral Norte Costa dos Corais

Empreendimentos no Litoral Norte Costa dos Corais Empreendimentos no Litoral Norte Costa dos Corais Descrição Empreender projetos de investimento voltados ao turismo (resorts, marinas), lazer (aquários, passeios) e serviços, que sejam ambientalmente compatíveis

Leia mais

A reforma urbana e o subúrbio carioca na historiografia 1

A reforma urbana e o subúrbio carioca na historiografia 1 A reforma urbana e o subúrbio carioca na historiografia 1 CRISTIANE REGINA MIYASAKA 2 Ainda que a historiografia a respeito das reformas urbanas empreendidas no Rio de Janeiro no início do século XX seja

Leia mais

Políticas e Programas de Desenvolvimento Regional

Políticas e Programas de Desenvolvimento Regional Políticas e Programas de Desenvolvimento Regional Silvana Parente Secretária do Planejamento e Gestão Desequilíbrio Intra- Estadual População Total - 8.185.286 PIB - R$ 46,3 bilhão PIB per capita - R$

Leia mais

TESTE DE LONGA DURAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA PRODUÇÃO DE WAIMEA PLANO DE TRABALHO. BLOCO BM-C-41, BACIA DE CAMPOS Processo IBAMA Nº 02022.

TESTE DE LONGA DURAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA PRODUÇÃO DE WAIMEA PLANO DE TRABALHO. BLOCO BM-C-41, BACIA DE CAMPOS Processo IBAMA Nº 02022. TESTE DE LONGA DURAÇÃO E PLANO DE TRABALHO BLOCO BM-C-41, BACIA DE CAMPOS Processo IBAMA Nº 02022.000204/10 Volume 00 Revisão 02 Agosto/2011 RESPOSTA AO PARECER TÉCNICO CGPEG/DILIC/IBAMA Nº 330/11 Projeto

Leia mais

A MODERNIZAÇÃO DO LITORAL CEARENSE: TERRITÓRIO, ESTADO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE TURISMO

A MODERNIZAÇÃO DO LITORAL CEARENSE: TERRITÓRIO, ESTADO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE TURISMO A MODERNIZAÇÃO DO LITORAL CEARENSE: TERRITÓRIO, ESTADO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE TURISMO GERARDO FACUNDO DE SOUZA NETO 1 Resumo: Entender as transformações sobre o litoral cearense desde o final da década

Leia mais

O TURISMO SOB A ÓTICA DA PLATAFORMA DE SUSTENTABILIDADE DO LITORAL NORTE

O TURISMO SOB A ÓTICA DA PLATAFORMA DE SUSTENTABILIDADE DO LITORAL NORTE Contratantes: O TURISMO SOB A ÓTICA DA PLATAFORMA DE SUSTENTABILIDADE DO LITORAL NORTE Tópicos da apresentação: Turismo Sustentável sob a Ótica da PSLN. Tópicos: I Informações gerais sobre a PSLN; II Diagnóstico

Leia mais

Planejamento Urbano e a Dinâmica da Cidade. Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro Secretaria de Urbanismo - SMU

Planejamento Urbano e a Dinâmica da Cidade. Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro Secretaria de Urbanismo - SMU Planejamento Urbano e a Dinâmica da Cidade Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro Secretaria de Urbanismo - SMU Dinâmica do Licenciamento Evolução da Área Licenciada 1980-2011 5,3 mil Evolução da Área

Leia mais

A decolagem do turismo

A decolagem do turismo A decolagem do turismo OBrasil sempre foi considerado detentor de um enorme potencial turístico. Em 1994, no entanto, o país recebeu menos de 2 milhões de turistas internacionais, um contingente que, na

Leia mais

Planejamento e ordenamento territorial do turismo na Região Metropolitana de Natal-RN

Planejamento e ordenamento territorial do turismo na Região Metropolitana de Natal-RN P á g i n a 1 Planejamento e ordenamento territorial do turismo na Região Metropolitana de Natal-RN Larissa da Silva Ferreira 1 Orientadora: Rita de Cássia da Conceição Gomes 2 O presente trabalho é produto

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO

DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO POR UM CEARÁ MELHOR PRA TODOS A COLIGAÇÃO POR UM CEARA MELHOR PRA TODOS, com o objetivo de atender à Legislação Eleitoral e de expressar os compromissos

Leia mais

TURISMO, POLÍTICAS PÚBLICAS E URBANIZAÇÃO NA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA. Ricardo Alexandre Paiva i

TURISMO, POLÍTICAS PÚBLICAS E URBANIZAÇÃO NA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA. Ricardo Alexandre Paiva i GRANDES PROJETOS, PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO E GESTÃO TERRITORIAL TURISMO, POLÍTICAS PÚBLICAS E URBANIZAÇÃO NA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA. Ricardo Alexandre Paiva i RESUMO O artigo destaca o papel

Leia mais

DINÂMICA ESPECULATIVA NO PROCESSO DE EXPANSÃO URBANA DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON-PR Josiane de Oliveira Medeiros Führ 1 Edson dos Santos Dias 2

DINÂMICA ESPECULATIVA NO PROCESSO DE EXPANSÃO URBANA DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON-PR Josiane de Oliveira Medeiros Führ 1 Edson dos Santos Dias 2 DINÂMICA ESPECULATIVA NO PROCESSO DE EXPANSÃO URBANA DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON-PR Josiane de Oliveira Medeiros Führ 1 Edson dos Santos Dias 2 Introdução Impulsionado por fatores econômicos, o processo

Leia mais

CORREDOR LESTE-OESTE: LIGAÇÃO ENTRE A ÁREA CENTRAL DO RECIFE E A CIDADE DA COPA EM SÃO LOURENÇO DA MATA 1

CORREDOR LESTE-OESTE: LIGAÇÃO ENTRE A ÁREA CENTRAL DO RECIFE E A CIDADE DA COPA EM SÃO LOURENÇO DA MATA 1 Andresa Maria Mendes da Silva¹ Ana Regina Marinho Dantas Barboza da Rocha Serafim² ¹ Graduanda do Curso de Licenciatura em Geografia do Campus Mata Norte da Universidade de Pernambuco. Bolsista PFA/UPE.

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MPH0813 PLANO NACIONAL DE TURISMO: UM CAMINHO PARA A BUSCA DO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Dinamização imobiliária no entorno da unidade de conservação Mata de Santa Genebra, Campinas (SP)

Dinamização imobiliária no entorno da unidade de conservação Mata de Santa Genebra, Campinas (SP) Dinamização imobiliária no entorno da unidade de conservação Mata de Santa Genebra, Campinas (SP) Mariana Ferreira Cisotto maricisotto@yahoo.com.br IG/UNICAMP Antonio Carlos Vitte IG/UNICAMP Palavras-chave:

Leia mais

FERRAMENTAS UTILIZADAS PELO SEBRAE / MT

FERRAMENTAS UTILIZADAS PELO SEBRAE / MT MISSÃO SEBRAE Missão: Ser uma organização de desenvolvimento, ética e séria, gerando alternativas de soluções para nossos clientes tornarem-se competitivos alinhados à sustentabilidade da vida. ÁREA DE

Leia mais

ANÁLISE DOS IMPACTOS AMBIENTAIS CAUSADAS PELA ESPECULAÇÃO IMOBILIÁRIA NO CAMPO DE DUNAS DA TAÍBA, SÃO GONÇALO DO AMARANTE CE.

ANÁLISE DOS IMPACTOS AMBIENTAIS CAUSADAS PELA ESPECULAÇÃO IMOBILIÁRIA NO CAMPO DE DUNAS DA TAÍBA, SÃO GONÇALO DO AMARANTE CE. ANÁLISE DOS IMPACTOS AMBIENTAIS CAUSADAS PELA ESPECULAÇÃO IMOBILIÁRIA NO CAMPO DE DUNAS DA TAÍBA, SÃO GONÇALO DO AMARANTE CE. DANTAS, F. N. M.; SILVA, A. de A.; VIEIRA, F. F. de S.; SOUSA, D. V. de; RIBEIRO,

Leia mais

A Ocupação do Sítio Urbano de São Paulo: implicações de ordem socioeconômica, espacial e ambiental. Plano de Aula

A Ocupação do Sítio Urbano de São Paulo: implicações de ordem socioeconômica, espacial e ambiental. Plano de Aula A Ocupação do Sítio Urbano de São Paulo: implicações de ordem socioeconômica, espacial e ambiental. Plano de Aula Urbanização em São Paulo Brasil Crise no Campo Estrutura Fundiária Mecanização Questões

Leia mais

Sessão de Divulgação do Subprograma 3 do PRODER

Sessão de Divulgação do Subprograma 3 do PRODER Sessão de Divulgação do Subprograma 3 do PRODER Vendas Novas 27 de Janeiro de 2012 SUBPROGRAMA 3 - Dinamização das Zonas Rurais 3.1 DIVERSIFICAÇÃO DA ECONOMIA E CRIAÇÃO DE EMPREGO 3.1.1 Diversificação

Leia mais

CSP: III EIMO 2012. Marcelo M. Baltazar 30 novembro de 2012

CSP: III EIMO 2012. Marcelo M. Baltazar 30 novembro de 2012 CSP: III EIMO 2012 Marcelo M. Baltazar 30 novembro de 2012 Quem somos? Acionistas: Vale, Dongkuk e Posco, com 50%, 30% e 20%, respectivamente Somos a primeira usina siderúrgica integrada da Região Nordeste

Leia mais

PROGRAMA DE PROSPECÇÃO E RESGATE ARQUEOLÓGICO

PROGRAMA DE PROSPECÇÃO E RESGATE ARQUEOLÓGICO PROGRAMA DE PROSPECÇÃO E RESGATE ARQUEOLÓGICO O Programa de Prospecção e Resgate Arqueológico da CSP visa atender aos requisitos legais de licenciamento ambiental, identificar e preservar o patrimônio

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

PROGRAMA COMPROMISSO META INICIATIVA

PROGRAMA COMPROMISSO META INICIATIVA Secretaria de 1 Produtivo 1. Ampliar a oferta de infraestrutura adequada para promover a segurança no consumo de gêneros alimentícios em mercados municipais 1. Oferecer espaços adequados para comercialização

Leia mais

METAMORFOSES NA PAISAGEM PELA TURISTIFICAÇÃO DO RURAL EM UBERLÂNDIA - MG

METAMORFOSES NA PAISAGEM PELA TURISTIFICAÇÃO DO RURAL EM UBERLÂNDIA - MG METAMORFOSES NA PAISAGEM PELA TURISTIFICAÇÃO DO RURAL EM UBERLÂNDIA - MG Raphaella Karla Portes Beserra raphaella_udi@hotmail.com Geografia - Universidade Federal de Uberlândia 375 Resumo Jéssica Soares

Leia mais

Condomínios empresariais na Região Metropolitana de Campinas: intencionalidade e fatores locacionais

Condomínios empresariais na Região Metropolitana de Campinas: intencionalidade e fatores locacionais Condomínios empresariais na Região Metropolitana de Campinas: intencionalidade e fatores locacionais Rodolfo Finatti rodolfofinatti@yahoo.com.br FFLCH/USP Palavras-chave: condomínio empresarial, Região

Leia mais

PROGRAMA SERTÃO EMPREENDEDOR

PROGRAMA SERTÃO EMPREENDEDOR PROJETO SERTÃO EMPREENDEDOR PROGRAMA SERTÃO EMPREENDEDOR UM NOVO TEMPO PARA O SEMIÁRIDO PROJETO SERTÃO EMPREENDEDOR PROGRAMA SERTÃO EMPREENDEDOR UM NOVO TEMPO PARA O SEMIÁRIDO OBJETIVO DO PROJETO Promover

Leia mais

Palavras-chave: desenvolvimento, expansão capitalista e distribuição da renda.

Palavras-chave: desenvolvimento, expansão capitalista e distribuição da renda. 1 NORDESTE GOIANO, DISTORÇÕES NO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO ESTADUAL. Carolina Bittencourt 1,3, Guillermo Hel Azanky 2,3, César Augustos L.L Freitas 4,3 1. Voluntária Iniciação Científica PVIC/UEG 2. Voluntário

Leia mais

Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso?

Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? i n o v a ç ã o 8 Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? Carla Conti de Freitas Yara Fonseca de Oliveira e Silva Julia Paranhos Lia Hasenclever Renata

Leia mais