o reconhecimento precoce do ferimento vascular permite o tratamento seguro e precoce, com a menor incidência de seqüelas.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "o reconhecimento precoce do ferimento vascular permite o tratamento seguro e precoce, com a menor incidência de seqüelas."

Transcrição

1 Artigo Original ARTEROGRAFA OS FERMETOS DOS MEMBROS ~EM MAFESTAÇOES CLf CAS DE LESA0 VASCULAR* RicardoAun' FabioTozzi" elsonwolosker" Milton J. Bechara'", Maximiano T. V. Alber O reconhecimento precoce do trauma vascular permite o melhor resultado no seu tratamento. o entanto, nem todos os ferimentos vasculares são prontamente reconhecidos e as complicações tardias como trombose, fístula arteriovenosa e falso aneurisma podem ocorrer. Em 29 pacientes com ferimentos dos membros e pescoço, sem manifestações clínicas da lesão vascular foram realizadas arteriografias que foram: arteriografia por punção femoral em 23, Seldinger em 4, Sones em um e angiografia digital por subtração em um. Estas angiografias revelaram trauma arterial em 10 pacientes; lesão de coxa com ferimento da artéria femoral superfial em quatro; lesão de artéria femoral profunda em dois; trombose de artéria radial em um e da peroneira em outro. Lesão de artéria subclávia em um e finalmente lesão de artéria femoral profunda em um. Ocorreram sete procedimentos cirúrgicos, sendo cinco para restauraçi!o e dois para ligadura. TRODUÇÃO o reconhecimento precoce do ferimento vascular permite o tratamento seguro e precoce, com a menor incidência de seqüelas. Todavia, nem sempre o ferimento arterial é acompanhado das manifestações clínicas que lhe são habituais, a isquemia, o hematoma e a hemorragia. Freqüentemente estes ferimentos evoluem para a formação de aneurismas traumáticos e fístulas arteriovenosas 1. O aparecimento tardio destas seqüelas se deve ao fato de não reconhecer a lesão vascular em sua fase aguda. Grande número de ferimentos penetrantes de extremidades, são em alguns serviços, submetidos à exploração cirúrgica imediata 1, 2, 3, ao passo que em outros a indicação do estudo angiográfico ou cirúrgico é baseada apenas nos sinais clínicos. As arteriografias de emergência são, via de regra, aceitas como método diagnóstico adequado no tratamento de pacientes com traumatismos das extremidades, das fossas supra-claviculares e do pescoço, porém sua indicação varia de serviço parr. serviço e não há padrões para definir sua realização 2,3,4. A dificuldade em se reconhecer a lesão vascular é maior nos pacientes traumatizados que não apresentam sinais clínicos de ferimento arterial como hematoma, isquemia ou hemorragia. Com o objetivo de se reconhecer a lesão vascular precocemente para se evitar seqüelas tardias estabelecemos o presente protocolo em pacientes portadores de ferimentos de extremidades por fratura de ossos longos ou nos ferimentos penetrantes nos quais não havia sinais clínicos. CASUÍSTCA E RESULTADOS Unitermos: Trauma arterial; Arteriografia. Trabalho realizado nas disciplinas de Cirurgia Vascular (Prof. Dr. Erasmo M.C. Tolosa) e de Cirurgia do Trauma (Prof. Dr. Dario Birolini) do Departamento de Cirurgia da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Mestre em Cirurgia. Médico Assistente - Disciplina de Cirurgia Vascular do Hospital das Clínicas da F.M.U.S.P. Residentes - Disciplina de Cirurgia Vascular do Hospital das Clínicas da F.M.U.S.P. &-Preceptor de Clínica - Disciplina de Cirurgia Vascular do Hospital das Clínicas da F.M.U.S.P. Professor Livre-Docente - Disciplina de Cirurgia Vascular do Hospital das Clínicas da F.M.U.S.P. CR. VASCo AG. 4(3); 19, 24, 1988 Durante o período de janeiro a outubro de 1987 foram atendidos no Pronto Socorro do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, 29 pacientes portadores de traumatismos diversos envolvendo as extremidades e o pescoço. Em todos foram pesquisados sinais clínicos de Íesão arterial através da palpação dos pulsos periféricos, da presença de hematomas, de sangramento atual ou referido e da pesquisa de sopros ou frêmitos. Estes sinais estavam ausentes em todos os pacientes. Quanto à natureza do trauma, predominaram os ferimentos penetrantes por projétil de arma de fogo em 25 destes (86,2%) e nos outros quatro pacierttes a causa estava relacionada à fratura dos ossos longos. 19

2 Ricardo Aun e cals. TodQs foram submetidos à radiografia simples da região acometida, encontrando-se fraturas em 6 pacientes (20,6%), hemotórax em um e 20 radiografias de membros normais, uma cervical normal e outra cervical mostrando projétil ao lado de C-6. Todos os pacientes foram submetidos então ao estudo angiográfico da região acometida, levando-se em consideração a possibilidade de lesão vascular pelo trajeto do projétil ou pela localização da fratura, apesar de o quadro clínico ser normal em todos. A técnica angiográfica utilizada (Tabela ) foi a punção femoral em 23 pacientes. O cateterismo per cutâneo pela técnica de Seldinger foi utilizado em 5, o cateterismo por via umeral em um e a angiografia digital por subtração foi realizada uma vez. Tabela 1- Técnica angiográfica empregada nos 28 pacientes Técnica. Pacientes A quantidade de contraste utilizada em cada caso está representada na Tabela 11. A quantidade variou de 20 ml de Hexabrix a 80 ml, situandose a média em 34.0 ml por exame. Os efeitos colaterais foram de pouca monta, vômitos em dois pacientes (7,0%), tremores em um paciente e hematoma local em outro. Todos os pacientes foram vigiados em regime de internação hospitalar por pelo menos 24 horas e os que apresentaram o estudo angiográfico normal receberam alta, porém seguem em regime ambulatorial. Os casos com manifestações angiográficas são apresentados na Tabela. Tabela 111. Achado cirúrgico em função do achado radiológico nos pacientes com arteriografia revelando lesão CASO SEXO DADE CAUSA LOCAL ART. ACH. CR. 1 M 37 FPAF Coxa O rreg. Falso Aneurisma 11 M 23 FPAF Coxa E [rreg. Cont. Parietal 12 M 60 FPAF Peina D Tr.Peron. 13 M 24 FPAF Anteb D Tr.Radial 15 M 27 FPAF Ombro D rreg. Um. Prof. 18 M 33 FRAT Coxa E Extr.Pero. Prof. Laceração 24 M 24 FRAT. Coxa E Extr. Fero. Prol'. Laceração 27 M 19 FRAT Coxa D Extr. Fem. Sup. Laceração 28 M 28 FPAF Coxa E rfeg. Par Tromb. Parietal 29 F 19 FPAF Ombro D Extr. Subclavia Laceração Punção Pemoral 23 Seldinger 04 Cal. Umeral 01 Ang. Digital 01 Total 29 Tabela 11 - Quantidade de em cada paciente contraste utilizado Volume. Pacientes 10 m m m ml ml m ml m. 2 Média = 34,0 ml/exame Fig. l.a - Arteriografia por punção femoral mostrando ir regularidade no terço dista da artéria femoral superficial (seta). 20 '\;lg. 4(3); 19, 24, 1988

3 Ricardo Aun e co/s. Arteríografia em trauma Fig. l.b - Arteriografia por punção femoral feita sete dias depois do ferimento, no mesmo caso. Evidencia-se falso aneurisma traumático ao nível do ferimento (seta). Fig. 2.A - Arteriografia por punção femoral em paciente portador de ferimento de coxa por projétil. ota-se irregularidade na transição do terço médio para proximal da artéria femoral superficial (seta). Dentre as 29 arteriografias realizadas dez delas apresentaram sinais de lesão vascular (34,4%). o primeiro caso havia irregularidade parietal ao nível do 1/3 dista da artéria femoral, porém sem extravasamento de contràste. O paciente foi internado e um novo estudo angiográfico cerca de dez dias depois evidenciou a formação de um falso aneurisma (Fig. A e lb). O achado cirúrgico, realizado no 6 0 dia de trauma confirmou o achado. Achado semelhante foi observado em outro caso, que operado imediatamente revelou perda de' substância parcial da parede do 1/3 médio da artéria femoral superficial (Fig. 2A e 2B). Ambos pacientes foram submetidos a ressecção do segmento lesado e a substituição com veia safena autógena obtida do outro membro. A evolução foi boa com reaparecimento dos batimentos arteriais distais. estes dois pacientes a causa do ferimento foi lesão da extremidade por projétil de arma de fogo. C/R. VASCo AG. 4(3); 19, 24, 1988 Três dos oito pacientes com alterações arteriográficas não foram submetidos à intervenção cirúrgica e permaneceram internados por poucos dias e posteriormente em controle ambulatorial. estes foram observados trombose da artéria peroneira por lesão por projétil no 1/3 médio da perna. Esta trombose estendia-se desde a porção inicial da artéria até a porção dista. ão havia manifestações clínicas. Em outro houve trombose da artéria radial no seu terço médio por lesão também por projétil. A arteriografia mostrou reenchimento do segmento dista da artéria pelos arcos palmares superficial e profundo, e o pulso radial estava presente, por circulação colateral. (Fig.3) Em dois pacientes com fraturas de têrço proximal e médio do fêmur, evidenciou-se extravasamento de contrasté da artéria femara! profunda e seus ramos. o primeiro paciente havia hipotensão de origem inexplicada. o outro não havia sinais clínicos. Ambos foram submetidos à intervenção cirúrgica e ligadura do vaso lesado~ 21

4 Ricardo Aun e cals. ) ) ~ (.t.) \),f:;. U (7) Fig. 2.B - Especimen cirúrgico obtido por ressecção do segmento lesado da artéria femoral superficial, evidenciando-se lesão nas três camadas da parede arterial. Fig. 4 - Ferimento de coxa por.projétil de arma de fogo. Evidencia-se irregularidade parietal ao nível do terço dista da artéria femoral superficial (seta). Em outro paciente a arteriografia mostrava irregularidade da parede da artéria femoral superficial (Fig.4), causada por ferimento por projétil. A exploração cirúrgica revelou hematoma subintimal ao nível da lesão. A restauração empregada foi derivação fêmoro-femoral com veia safena autóloga que evoluiu com bom resultado. Finalmente, em uma paciente, vítima de ferimento cervical, por projétil, a arteriografia demonstrou imagem de dilatação da artéria vertebral, na sua origem, junto à subclávia. A exploração cirúrgica revelou lesão térmica da artéria vertebral, junto sua origem sendo então submetida à ligadura do coto dista e rafia da origem da subclávia. Fig. 3 - Arteriografia de membro superior em paciente portador de ferimento penetrante de antebraço; nota-se trombose segmentar da artéria radial. Laceração de artéria femoral superficial por fratura de fêmur foi encontrada em um paciente, com extravasamento de contraste e permeabilidade distal. Este paciente também foi submetido a tratamento cirúrgico, com fxação da fratura e restauração arterial com veia safena autógena contralateral, que evoluiu com bom resultado. 22 os 29 pacientes com ausência de manifestações clínicas de lesão arterial, o emprego do estudo angiográfico evidenciou lesão arterial em 10 pacientes (34,4%), sendo que 7 destes necessitaram cdrreção cirúrgica (24,13%), ligaduras arteriais em dois e restauração em cinco. DSCUSSÃO A dificuldade em se reconhecer ferimentos arteriais associados a fraturas ou por ferimentos penetrantes de extremidade que não apresentem C/R. VASCo Af'lG. 4(3); 19, 24, 1988

5 Ricardo Aun e cals. manifestações clínicas traz evidentes prejulzos à evolução tardia destas lesões com formação de pseudo-aneurismas e fístulas arteriovenosas traumáticaj. As lesões arteriais cujas manifestações clínicas são mínimas ou ausentes na fase aguda são pequenos hematomas parietais, solução de continuidade com pouco extravasamento e necrose térmica ou por contato de parede. A maior parte destas lesões apresenta manifestações angiográficas características, conforme foi observado por diversos autores 2,3,4, geralmente através de pequenas falhas de enchimento intraluminar, elevação da íntima e extravasamento de contra,ste através da parede do tronco principal ou de ramo. A indicação do estudo angiográfico tem se expandido progressivamente através de métodos mais acurados, eficazes, simples e menos agressivos. Há facilidade de execução em qualquer serviço de emergência 2. Os critérios de indicação angiográfica variam conforme os diversos autores. Smith 3, define os seguintes critérios: 1) proximidade do trauma junto a vaso de grosso calibre, 2) ausência ou diminuição de pulsos distais, 3) hematoma tenso ou expansivo, 4) alterações de sensibilidade ou motricidade, 5) fraturas que por proximidade possam lesar troncos vasculares maiores e 6) hipotensão. Von Risto~, (1985) além dos critérios acima acrescenta a indicação de arteriografia nos ferimentos penetrantes nos quais o agente lesivo acompanha o trajeto vascular por longa extensão e paralelo ao m~smo. o presente estudo, utilizados estes critérios, separamos 28 pacientes com ferimentos penetrantes ou por fraturas nos quais não havia sinais clínicos de lesão vascular e constatamos que a arteriografia foi útil em determinar lesões arteriais em oito destes (32,14%), obrigando a intervenção cirúrgica-em seis (21,43%). Alguns trabalhos apresentam resultados semelhantes para ferimentos vasculares sem manifestações clínicas 6,7. Goodman 6, verificou 27% de alterações em 44 pacientes assintomáticos, praticamente semelhante aos 21% que havia encontrado em estudo anterior 7 através de angiografia convencional. Os achados deste autor foram semelhantes aos encontrados no presente estudo: extravasamento de pequenos vasos, pseudo-aneurisma e fístula arteriovenosa; no entanto nesta série não foram encontradas lesões intimais e trombose parietal. Das lesões encontradas na presente série, nenhuma seria detectada sem a arteriografia, uma vez que o exame clínico foi normal em todos os pacientes. CR. VASCo AG. 4(3); 19, 24, 1988 Dois pacientes apresentaram lesões obstrutivas de,ramos de menor calibre e importância secundária, em um havia trombose da artéria radial e em outro trombose da artéria peroneira. Mais freqüentes foram as lesões dos vasos femorais, os quais foram lesados em seis ocasiões. Em dois pacientes houve fratura do terço proximal do fêmur com laceração da artéria femoral profunda o que obrigou a ligadura deste ramo. Falso aneurisma traumático da artéria femoral superficial foi encontrado em dois pacientes, que foram submetidos à restauração com veia safena contralateral com anastomoses término-laterais. Os outros dois pacientes apresentavam irregularidade parietal. O primeiro provavelmente por lesão intimai isolada e o achado cirúrgico foi de coágulos aderidos à parede sem solução de continuidade. o segundo deste caso havia hematoma subintimal e o corte transversal da peça ressecada mostrava solução de continuidade da parede. Ambos os pacientes foram submetidos à restauração com veia safena contralateral com anastomoses término-laterais. O fato de que os ferimentos arteriais extensos possam ocorrer sem os sinais clínicos clássicos de isquemia distai levou à formulação, por alguns autores da possibilidade de se indicar a exploração cirúrgica nos ferimentos penetrantes de extremidade 10. Alguns critérios adicionais, como a proximidade do ferimento penetrante a um vaso maior, evidência de história de sangramento, mesmo que judiciosamente aplicados, podem resultar um número desnecessário de explorações cirúrgicas com sua própria morbidade e mortalidade 11,12 Tal risco pode ser diminuido com a utilização adequada do estudo arteriográfico que não trouxe nenhum maior problema a qualquer dos pacientes da série. A quantidade de contraste variou de 20 a 80 ml sendo a média de 34 ml por exame. O uso liberal da arteriografia nos traumas permite um reconhecimento precoce do trauma vascular, localização precisa e informações a respeito da patologia, resposta terapêutica e prognóstico 12. Concluindo, podemos ver que a arteriografia em ferimentos em trajetos vasculares sem evidências clínicas mostrou 34,4% de lesões, obrigando a 24,13% de reparação arterial. 23

6 Ricardo Aun e cols. SUMMARY ARTERlOGRAPHY TRAUMA OF THE EX TREMTES WTHOUT SGS OF VASCULAR VOLVEMET The early recognition of vascular injuries allows the best result in it's treatment. Although not ali vascular trauma are promply recognited and late complications such thrombosis, arteriovenous tistula and talse aneurism may occur. n 29 patients with limb and neck injuries without clinicai pictures of vascular injuries we performed angiograms which are: femoral percutaneous arteriogram in 23, Seldinger in 4, Sones in 1 and digital subtraction angiogram in 1. These angiograms revealed arterial injuries in 10 patients: Thigh lesion with superficial femoral artery lesion in four, profunda lesion in two, radial artery thrombosis in one, peroneal artery in one, subclavia artery in one and umerallesion in one. 6. GOODJl..lA, P.e.; JEEFREY, RB.; BRAT-ZA W ADZK, M. - Digital Subtraction Angiography in Extremity Trauma. Radiology, 153,1: 61-64, McDOALD, E.J.; GOODMA, P.e.; WESTOCK, D.P. - The Clinicai ndications for Arteriography in Trauma to Extremity. Radiology, 116: 45-47, Julho PERRY, M.O.; THAL, E.R; SHlRES, G.T. - Management. of Arterial njuries. Ann.Surg., 173: , SHAH, P.M.; VATUR, RR; BABU, S.e.; ALLATHAM- 81, M..; CLAUSS, RH. & STAHL, W.M. - s Limb Loss voidable in Civilian Vascular njuries. Amer.J.Surg., 154: O'GORMA, R.B.; FELCAO, D.V. - Arteriography Performed in the Emergency Center. Am.J.Surg., 152: , GEDER, J.w.; HOBSO, RW.; PADBERGER, F.T.; L YCH, T.G.; LEE, B.e. and DAML, Z. - The Role of Contrast Arteriography in Suspected Arterial njuries of the extremities. Am.Surg., 51: 89-93, McDOALD, E.J.; GOODMA, P.e. and WSTOCH, D.P. - The Clinicai ndications for arteriographr in Trauma to Extremity. A Review of 114 cases. Radiology, 116: 45-47, There were seven surgical procedures in these patients, restauration in tive and ligatures in two. Uniterms: Vascular trauma, arteriography. REFERÍCAS BBLOGRAFCAS 1. RlCH,.M. & SPECER, F.e. - Clinicai Evaluation in Vascular Trauma in RlCH,.M. & SPECER, F.e., Vascular Trauma. W.B. Saunders Company, Philadelphia, FREEARK, RJ. - Role of Angiography in the management of multiple injuries. Surg.Gyneco.Obstetrics., 128,4: , SMTH, P.L.; LM,.; FERRlS, E.J. & CASSAL, RE. - Emergency Arteriography in Extremity Trauma: Assestment of ndications. Amer.Joumal of Radiol., 173: , LUMPK, M.B.; LOGA, W.B.; COUVES, e.m.; HOW- ARD, J.M. - Arteriography as an aid in t~e diagnosis and localization of acute arterial injuries. Ann.Surg., 147,3: , RlSTOW, A.V.B. - Traumatismos vasculares dos Membros, in RlSTOW, A.V.B. & PERlSSE, RS. - Urgências Vasculares. Cultura Médica. Rio de Janeiro, 19-62, CR. VASCo AG. 4(3); 19, 24, 1988

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Essencial para a utilização bem sucedida da prótese para o amputado da extremidade inferior:

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Essencial para a utilização bem sucedida da prótese para o amputado da extremidade inferior: 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CIRURGIA VASCULAR 21. Essencial para a utilização bem sucedida da prótese para o amputado da extremidade inferior: I. Reserva cardiopulmonar. II. Coto construído corretamente.

Leia mais

Sessão Cardiovascular

Sessão Cardiovascular Sessão Cardiovascular Dr Carlos Jader Feldman Priscila Schenkel R3 26/10/2012 Sexo feminino, 46 anos Hemiplegia à esquerda Dissecção arterial 3 camadas: -intima, média, adventícia Dissecção = ruptura na

Leia mais

CAV - Centro de Acesso Vasculares

CAV - Centro de Acesso Vasculares CAV - Centro de Acesso Vasculares Exames Complementares Paulo Almeida Cirurgião Vascular Centro Hospitalar do Porto Hospital Santo António GEV- Grupo Estudos Vasculares Consulta de AcessosVasculares: Mapeamento

Leia mais

URGÊNCIAS VASCULARES TRAUMAS VASCULARES

URGÊNCIAS VASCULARES TRAUMAS VASCULARES URGÊNCIAS VASCULARES Trauma Trombo-Embolia Infecções Aneurismas Iatrogenia Arterial Venosa Pé Diabético Roto -Roto Os serviços de cirurgia vascular da SES/DF são encontrados nos seguintes hospitais: HBDF

Leia mais

[213] 96. LESÕES MÚSCULO-ESQUELÉTICAS

[213] 96. LESÕES MÚSCULO-ESQUELÉTICAS Parte IV P R O T O C O L O S D E T R A U M A [213] rotina consiste em infundir 20 ml/kg em bolus de solução de Ringer e reavaliar o paciente em seguida. Manter a pressão sistólica entre 90 e 100 mmhg.

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO VASCULAR

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO VASCULAR 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO VASCULAR QUESTÃO 21 Paciente com síndrome isquêmica crônica dos membros inferiores de longa data apresentando queixa de claudicação incapacitante

Leia mais

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar:

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar: A cirurgia endovascular agrupa uma variedade de técnicas minimamente invasivas mediante as quais CIRURGIA ENDOVASCULAR = CIRURGIA SEM CORTES! Técnicas Minimamente Invasivas As técnicas de cirurgia endovascular

Leia mais

TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM)

TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM) Protocolo: Nº 63 Elaborado por: Manoel Emiliano Última revisão: 30/08/2011 Revisores: Samantha Vieira Maria Clara Mayrink TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM) DEFINIÇÃO: O Trauma Raquimedular (TRM) constitui o conjunto

Leia mais

COMPRESSÃO DO NERVO MEDIANO NO PUNHO (SÍNDROME DO

COMPRESSÃO DO NERVO MEDIANO NO PUNHO (SÍNDROME DO COMPRESSÃO DO NERVO MEDIANO NO PUNHO (SÍNDROME DO TÚNEL DO CARPO) Roberto Sergio Martins A síndrome do túnel do carpo (STC) é a neuropatia de origem compressiva mais frequente, incidindo em cerca de 1%

Leia mais

Síndrome de compartimento de perna pós fratura de tornozelo bilateral: Relato de caso

Síndrome de compartimento de perna pós fratura de tornozelo bilateral: Relato de caso Introdução As fraturas e luxações do tornozelo são as lesões mais comuns do sistema músculo-esquelético 1, e dentre as articulações de carga, o tornozelo é a que apresenta maior incidência de fraturas

Leia mais

7/4/2011 ABORDAGEM AO PACIENTE TRAUMATIZADO GRAVE: Reconhecer as lesões músculoesqueléticas. Reconhecer a biomecânica do trauma.

7/4/2011 ABORDAGEM AO PACIENTE TRAUMATIZADO GRAVE: Reconhecer as lesões músculoesqueléticas. Reconhecer a biomecânica do trauma. TRAUMATISMOS DOS MEMBROS Atendimento Inicial e Imobilizações ABORDAGEM AO PACIENTE TRAUMATIZADO GRAVE: Manter as prioridades da avalição ABC Não se distrair com lesões músculo-esqueléticas dramáticas que

Leia mais

ANEURISMA DE AORTA. ESTADO DA ARTE

ANEURISMA DE AORTA. ESTADO DA ARTE ANEURISMA DE AORTA. CORREÇÃO POR VIA ENDO-VASCULAR ESTADO DA ARTE Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia Seção Médica de Radiologia 2010 ACCF/AHA/AATS/ACR/ASA/SCA/SCAI/SIR/STS SVM Guidelines for the

Leia mais

REUNIÃO TEMÁTICA ANGIOGRAFIA: DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DE PATOLOGIA ISQUÉMICA MEMBROS INFERIORES. Frederico Cavalheiro Março 2011

REUNIÃO TEMÁTICA ANGIOGRAFIA: DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DE PATOLOGIA ISQUÉMICA MEMBROS INFERIORES. Frederico Cavalheiro Março 2011 REUNIÃO TEMÁTICA ANGIOGRAFIA: DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DE PATOLOGIA ISQUÉMICA MEMBROS INFERIORES Frederico Cavalheiro Março 2011 INTRODUÇÃO Doença vascular periférica, pode corresponder a qualquer entidade

Leia mais

PROFISSIONAL(IS) SOLICITANTE(S) Clínico Geral; Clínica Médica; Pediatra; Ginecologista; Geriatra.

PROFISSIONAL(IS) SOLICITANTE(S) Clínico Geral; Clínica Médica; Pediatra; Ginecologista; Geriatra. CONSULTA EM ANGIOLOGIA - GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2 Motivos para encaminhamento: 1. Varizes em membros inferiores 2. Úlceras de pernas 3. Insuficiência circulatória arterial/venosa com dor e

Leia mais

Estágio de Doppler Clínica Universitária de Imagiologia Hospitais da Universidade de Coimbra

Estágio de Doppler Clínica Universitária de Imagiologia Hospitais da Universidade de Coimbra Doppler venoso dos membros inferiores Estágio de Doppler Clínica Universitária de Imagiologia g Hospitais da Universidade de Coimbra Filipa Reis Costa Interna complementar de Radiologia Hospital de S.

Leia mais

Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC

Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS HEPÁTICOS BENIGNOS Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS HEPÁTICOS

Leia mais

Setor de Radiologia do Abdome Reunião Clínica. Dr. Murilo Rodrigues R2 Dr. Matheus Gonzalez R3

Setor de Radiologia do Abdome Reunião Clínica. Dr. Murilo Rodrigues R2 Dr. Matheus Gonzalez R3 Setor de Radiologia do Abdome Reunião Clínica Dr. Murilo Rodrigues R2 Dr. Matheus Gonzalez R3 Quadro clínico - LBT, 26 a, sexo masculino. - Vítima de acidente moto x auto de alta energia. - Estável hemodinamicamente

Leia mais

Diretrizes Assistenciais TRAUMA RAQUIMEDULAR

Diretrizes Assistenciais TRAUMA RAQUIMEDULAR Diretrizes Assistenciais TRAUMA RAQUIMEDULAR Versão eletrônica atualizada em fev/2012 Março - 2009 1. Conceito, Etiologia e Epidemiologia 1. Trauma raquimedular é a lesão da medula espinhal que provoca

Leia mais

Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Integração e Regulação do Sistema

Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Integração e Regulação do Sistema PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES DE ANGIOGRAFIA RADIODIAGNÓSTICA GRUPO 13 SUBGRUPO DEZEMBRO 2007 1 A ANGIOGRAFIA RADIODIAGNÄSTICA CARACTERIZA-SE POR SER EXAME DE ALTA COMPLEXIDADE E ALTO CUSTO, PORTANTO DEVE

Leia mais

TRAUMATISMO RAQUIMEDULAR TRM. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc

TRAUMATISMO RAQUIMEDULAR TRM. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc TRAUMATISMO RAQUIMEDULAR TRM Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc 1 TRM Traumatismo Raqui- Medular Lesão Traumática da raqui(coluna) e medula espinal resultando algum grau de comprometimento temporário ou

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia e Ressonância Magnética (RM)

Imagem da Semana: Radiografia e Ressonância Magnética (RM) Imagem da Semana: Radiografia e Ressonância Magnética (RM) Imagem 01. Radiografia anteroposterior do terço proximal da perna esquerda. Imagem 02. Ressonância magnética do mesmo paciente, no plano coronal

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE PROCEDIMENTOS EM RADIOLOGIA INTERVENCIONISTA E CIRURGIA ENDOVASCULAR

PADRONIZAÇÃO DE PROCEDIMENTOS EM RADIOLOGIA INTERVENCIONISTA E CIRURGIA ENDOVASCULAR PADRONIZAÇÃO DE PROCEDIMENTOS EM RADIOLOGIA INTERVENCIONISTA E CIRURGIA ENDOVASCULAR Sociedade Brasileira de Radiologia Intervencionista e Cirurgia Endovascular SoBRICE Colégio Brasileiro de Radiologia

Leia mais

ÁREA/ESPECIALIDADE: MEDICINA / CIRURGIA VASCULAR

ÁREA/ESPECIALIDADE: MEDICINA / CIRURGIA VASCULAR UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO ÁREA/ESPECIALIDADE: MEDICINA / CIRURGIA VASCULAR 115 INSTRUÇÕES

Leia mais

Fábio del Claro. 3ª edição

Fábio del Claro. 3ª edição Fábio del Claro 3ª edição Autor Fábio Del Claro Graduado pela Faculdade de Medicina do ABC (FMABC). Especialista em Cirurgia Geral e em Cirurgia Plástica pela FMABC, onde é pós-graduado em Microcirurgia,

Leia mais

TRAUMA RAQUIMEDULAR. Epidemiologia: Incidência : de 32 a 52 casos/m. Sexo : preferencialmente masculino. Faixa etária : entre 15 e 40 anos

TRAUMA RAQUIMEDULAR. Epidemiologia: Incidência : de 32 a 52 casos/m. Sexo : preferencialmente masculino. Faixa etária : entre 15 e 40 anos TRAUMA RAQUIMEDULAR Dr Antonio Eulalio TRAUMA RAQUIMEDULAR Epidemiologia: Incidência : de 32 a 52 casos/m Nº casos/ano : 8.000 Sexo : preferencialmente masculino Faixa etária : entre 15 e 40 anos Custo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA PÓS PARTO HEMORRAGIA PAULO ROBERTO MUNIZ DANTAS Universidade Federal da Paraíba CONSIDERAÇÕES HEMORAGIA PÓS PARTO SITUAÇÃO DRAMÁTICA

Leia mais

RESIDÊNCIA MÉDICA 2014 PROVA OBJETIVA

RESIDÊNCIA MÉDICA 2014 PROVA OBJETIVA RESIDÊNCIA MÉDICA 2014 1 Questão 1 A confecção de acessos vasculares definitivos para hemodiálise (FAV) tornou-se um dos principais procedimentos realizados pelos cirurgiões vasculares em todo o mundo.

Leia mais

Doenças Vasculares. Flebite ou Tromboflebite. Conceito:

Doenças Vasculares. Flebite ou Tromboflebite. Conceito: Doenças Vasculares Tromboflebiteé uma afecção na qual se forma um coágulo numa veia, em conseqüência de flebite ou devido à obstrução parcial da veia. Flebiteé a inflamação das paredes de uma veia. Causas:

Leia mais

Grupamento de Socorro de Emergência Dr Sidney Franklin

Grupamento de Socorro de Emergência Dr Sidney Franklin Grupamento de Socorro de Emergência Dr Sidney Franklin Conceito Básico do Pré-Hospitalar O tratamento definitivo é hospitalar Redução do tempo na cena < 10 m. Estabilização do quadro clínico Redução da

Leia mais

Em que situações se deve realizar um eco- doppler arterial dos membros inferiores.

Em que situações se deve realizar um eco- doppler arterial dos membros inferiores. O que é um eco- doppler? O eco- doppler, ultrassonografia vascular ou triplex- scan é um método de imagem que se baseia na emissão e reflecção de de ondas de som (ultra- sons). Através deste exame é possível

Leia mais

ARTÉRIAS E VEIAS. Liga Acadêmica de Anatomia Clínica. Hugo Bastos. Aula III

ARTÉRIAS E VEIAS. Liga Acadêmica de Anatomia Clínica. Hugo Bastos. Aula III ARTÉRIAS E VEIAS Aula III Liga Acadêmica de Anatomia Clínica Hugo Bastos Salvador BA 23 de Agosto de 2011 Sistema circulatório Responsável pelo transporte de líquidos (sangue ou linfa) por todo o corpo.

Leia mais

Protocolo Clínico e de Regulação para Epistaxe

Protocolo Clínico e de Regulação para Epistaxe Protocolo Clínico e de Regulação para Epistaxe Fabiana C. P. Valera 1, Edwin Tamashiro 1, Miguel A. Hyppolito 2, Wilma T. Anselmo-Lima 2 INTRODUÇÃO E JUSTIFICATIVA A epistaxe é definida como o sangramento

Leia mais

Secretaria de Saúde de Pernambuco SES Processo Seletivo à Residência 2006 CONHECIMENTOS EM CIRURGIA VASCULAR

Secretaria de Saúde de Pernambuco SES Processo Seletivo à Residência 2006 CONHECIMENTOS EM CIRURGIA VASCULAR CONHECIMENTOS EM CIRURGIA VASCULAR Considerando a classificação de FONTAINE para o estadiamento da Doença Arterial Oclusiva Periférica, é correto afirmar: A) Não se justifica a indicação de revascularização

Leia mais

Secretaria de Saúde de Pernambuco SES Processo Seletivo à Residência 2006 CONHECIMENTOS EM CIRURGIA VASCULAR

Secretaria de Saúde de Pernambuco SES Processo Seletivo à Residência 2006 CONHECIMENTOS EM CIRURGIA VASCULAR CONHECIMENTOS EM CIRURGIA VASCULAR Considerando a classificação de FONTAINE para o estadiamento da Doença Arterial Oclusiva Periférica, é correto afirmar: A) Não se justifica a indicação de revascularização

Leia mais

ANGIOGRAFIA DOS ACESSOS, SÃO ASSIM TÃO DISPENDIOSAS? JORGE SILVA, ALMADA

ANGIOGRAFIA DOS ACESSOS, SÃO ASSIM TÃO DISPENDIOSAS? JORGE SILVA, ALMADA ANGIOGRAFIA DOS ACESSOS, SÃO ASSIM TÃO DISPENDIOSAS? JORGE SILVA, ALMADA Há que distinguir: Custo real do procedimento O que o hospital gasta para executar o procedimento Preço da faturação Em quanto é

Leia mais

VARIZES DOS MEMBROS INFERIORES PROF. ABDO FARRET NETO

VARIZES DOS MEMBROS INFERIORES PROF. ABDO FARRET NETO VARIZES DOS MEMBROS INFERIORES PROF. ABDO FARRET NETO VARIZES DOS MEMBROS INFERIORES CONCEITO Veias do Sistema Superficial, dilatadas, tortuosas, e com alterações FUNCIONAIS. VARIZES DOS MEMBROS INFERIORES

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 12

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 12 8 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 12 QUESTÃO 17 Na cirurgia eletiva de aneurisma de aorta, associada a rim em ferradura com o istmo funcionante e cobrindo grande parte da aorta abdominal, qual

Leia mais

02 de Agosto de 2015 (Domingo)

02 de Agosto de 2015 (Domingo) 02 de Agosto de 2015 (Domingo) Horário Programação 8:00: 08:30 Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:45 10:10 MESA REDONDA: AFECCOES VASCULARES FREQUENTES NA PRATICA DIARIA DO CIRURGIAO 8:45-9:00

Leia mais

CAPÍTULO 10 HEMORRAGIA E CHOQUE

CAPÍTULO 10 HEMORRAGIA E CHOQUE CAPÍTULO 10 HEMORRAGIA E CHOQUE 1. Introdução Para um melhor entendimento dos mecanismos (da hemorragia e do choque) faz-se necessário uma pequena revisão de alguns aspectos conceituais de anatomia e fisiologia

Leia mais

Fraturas Proximal do Fêmur: Fraturas do Colo do Fêmur Fraturas Transtrocanterianas do Fêmur

Fraturas Proximal do Fêmur: Fraturas do Colo do Fêmur Fraturas Transtrocanterianas do Fêmur Prof André Montillo Fraturas Proximal do Fêmur: Fraturas do Colo do Fêmur Fraturas Transtrocanterianas do Fêmur Fraturas Proximal do Fêmur: Anatomia: Elementos Ósseos Cabeça do Fêmur Trocanter Maior Colo

Leia mais

AMPUTAÇÃO E RECONSTRUÇÃO NAS DOENÇAS VASCULARES E NO PÉ DIABÉTICO

AMPUTAÇÃO E RECONSTRUÇÃO NAS DOENÇAS VASCULARES E NO PÉ DIABÉTICO livro: AMPUTAÇÃO E RECONSTRUÇÃO NAS DOENÇAS VASCULARES E NO PÉ DIABÉTICO autor: Nelson De Luccia editora Revinter - 2005, São Paulo CPAM - CENTRO DE PRESERVAÇÃO E APAPTAÇÃO DE MEMBROS AV. SÃO GUALTER,

Leia mais

Cód. 25 Médico Cirurgião Vascular

Cód. 25 Médico Cirurgião Vascular PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL CONCURSO PÚBLICO Nº 001/2007 Cód. 25 Médico Cirurgião Vascular 1. Quanto à etiologia da embolia arterial aguda, podemos dizer que: A) ocorre freqüentemente naqueles

Leia mais

DISSECÇÃO AÓRTICA. Eurival Soares Borges Revisão - Ronaldo Ducceschi Fontes DEFINIÇÃO HISTÓRICO ETIOLOGIA CLASSIFICAÇÃO PATOGÊNESE E HISTÓRIA NATURAL

DISSECÇÃO AÓRTICA. Eurival Soares Borges Revisão - Ronaldo Ducceschi Fontes DEFINIÇÃO HISTÓRICO ETIOLOGIA CLASSIFICAÇÃO PATOGÊNESE E HISTÓRIA NATURAL Eurival Soares Borges Revisão - Ronaldo Ducceschi Fontes DISSECÇÃO AÓRTICA DEFINIÇÃO HISTÓRICO ETIOLOGIA CLASSIFICAÇÃO PATOGÊNESE E HISTÓRIA NATURAL QUADRO CLÍNICO DIAGNÓSTICO TRATAMENTO CLÍNICO INDICAÇÃO

Leia mais

SIMPÓSIO DE ELETROCARDIOGRAMA

SIMPÓSIO DE ELETROCARDIOGRAMA SIMPÓSIO DE ELETROCARDIOGRAMA www.gerenciamentoetreinamento.com Treinamentos Corporativos Contato: XX 12 9190 0182 E mail: gomesdacosta@gerenciamentoetreinamento.com SIMPÓSIO DE ELETROCARDIOGRAMA Márcio

Leia mais

LESÕES TRAUMÁTICAS DA COLUNA VERTEBRAL LESÃO MEDULAR (CHOQUE MEDULAR)

LESÕES TRAUMÁTICAS DA COLUNA VERTEBRAL LESÃO MEDULAR (CHOQUE MEDULAR) LESÕES TRAUMÁTICAS DA COLUNA VERTEBRAL E LESÃO MEDULAR (CHOQUE MEDULAR) Prof. Dr. Gabriel Paulo Skroch SUMÁRIO I Avaliação inicial e tratamento de emergência 1- Incidência, Etiologia e Demografia 2- Anatomia

Leia mais

Intestino Delgado. Bárbara Andrade Silva Allyson Cândido de Abreu

Intestino Delgado. Bárbara Andrade Silva Allyson Cândido de Abreu Intestino Delgado Bárbara Andrade Silva Allyson Cândido de Abreu Irrigação do Intestino Delgado Duodeno Artérias duodenais Origem Irrigação Duodeno proximal Duodeno distal Anastomose Jejuno e íleo

Leia mais

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas Pós Operatório Cirurgias Torácicas Tipos de Lesão Lesões Diretas fratura de costelas, coluna vertebral ou da cintura escapular, hérnia diafragmática, ruptura do esôfago, contusão ou laceração pulmonar.

Leia mais

Patologia por tomografia. Profº Claudio Souza

Patologia por tomografia. Profº Claudio Souza Patologia por tomografia Profº Claudio Souza Patologia Patologia derivado do grego pathos, sofrimento, doença, e logia, ciência, estudo) é o estudo das doenças em geral Conhecimento Dentro da tomografia

Leia mais

Indicações e Resultados do Tratamento Percutâneo de Obstruções à Via de Saída do VD

Indicações e Resultados do Tratamento Percutâneo de Obstruções à Via de Saída do VD Indicações e Resultados do Tratamento Percutâneo de Obstruções à Via de Saída do VD Carlo B Pilla e Cardiologia Intervencionista SBHCI 2012 Obstruções à VSVD Estenose subvalvar pulmonar* Estenose valvar

Leia mais

TERMO DE ESCLARECIMENTO E CONSENTIMENTO LIVRE E INFORMADO PARA PARTO

TERMO DE ESCLARECIMENTO E CONSENTIMENTO LIVRE E INFORMADO PARA PARTO TERMO DE ESCLARECIMENTO E CONSENTIMENTO LIVRE E INFORMADO PARA PARTO O objetivo deste Termo de Esclarecimento e Consentimento Informado, utilizado pelo HOSPITAL E MATERNIDADE SANTA JOANA, é esclarecer

Leia mais

AULA 4: TRAUMA CRANIOENCEFÁLICO (TCE)

AULA 4: TRAUMA CRANIOENCEFÁLICO (TCE) AULA 4: TRAUMA CRANIOENCEFÁLICO (TCE) 1- TRAUMA CRANIOENCEFÁLICO TCE é o principal motivo de morte na população jovem, cujas causas mais frequentes compreendem acidentes automobilísticos e agressões interpessoais.

Leia mais

Complicações relacionadas ao cateterismo cardíaco e intervenção percutânea

Complicações relacionadas ao cateterismo cardíaco e intervenção percutânea Hospital Dr. Hélio Angotti Complicações relacionadas ao cateterismo cardíaco e intervenção percutânea Dr. Achilles Gustavo da Silva Introdução Procedimento relativamente seguro Riscos bem definidos de

Leia mais

ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR APH

ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR APH Protocolo: Nº 01 Elaborado por: Arlen Ramos Wilhma Alves Ubiratam Lopes Última revisão: 03/08/2011 Revisores: Manoel E. Macedo Ubiratam Lopes Wilhma Alves Frederico Willer ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR APH

Leia mais

Portaria nº 451 de 12 de Julho de 2002. O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais,

Portaria nº 451 de 12 de Julho de 2002. O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais, Portaria nº 451 de 12 de Julho de 2002. O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais, Considerando que a angioplastia arterial periférica associada ao uso de prótese endovascular

Leia mais

Dissecção Aguda da Aorta

Dissecção Aguda da Aorta Dissecção Aguda da Aorta SD de Dissecção Aguda da Aorta PAM não invasiva, monitorização cardíaca, débito urinário, acesso IV com Gelco 14(02). Se choque / ICC ou hipotensão instalar Swan-Ganz para PCP,

Leia mais

AULA 1 TEÓRICO-PRÁTICA: ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO E METÓDO START. 1.1- Triagem de prioridades na urgência sistema de Manchester.

AULA 1 TEÓRICO-PRÁTICA: ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO E METÓDO START. 1.1- Triagem de prioridades na urgência sistema de Manchester. AULA 1 TEÓRICO-PRÁTICA: ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO E METÓDO START 1- ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO 1.1- Triagem de prioridades na urgência sistema de Manchester. Sistema de triagem inicial

Leia mais

5ª Reunião de Casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/

5ª Reunião de Casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/ 5ª Reunião de Casos www.digimaxdiagnostico.com.br/ Caso 1 Paciente J.M., 81 anos, sexo masculino. TC sem contraste TC com contraste Diagnóstico Aneurisma roto da aorta abdominal, parcialmente trombosado,

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE ARTIGO MARCELO TELES R3

APRESENTAÇÃO DE ARTIGO MARCELO TELES R3 APRESENTAÇÃO DE ARTIGO MARCELO TELES R3 US Doppler Hepático de Forma Simples RadioGraphics 2011; 31:161 Dean Alexander McNaughton; Monzer M. Abu-Yousef Objetivos Discutir os conceitos básicos e terminologia

Leia mais

Fratura do acrômio associada a lesão arterial: relato de caso

Fratura do acrômio associada a lesão arterial: relato de caso RELTO DE CSO Fratura do acrômio associada a lesão arterial: relato de caso Fracture of the acromion associated with arterial lesion: case report Marcos Rassi Fernandes, Rui José Fernandes* Resumo fratura

Leia mais

HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE EDITAL Nº 05/2007 DE PROCESSOS SELETIVOS GABARITO APÓS RECURSOS

HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE EDITAL Nº 05/2007 DE PROCESSOS SELETIVOS GABARITO APÓS RECURSOS FAURGS HCPA Edital 05/2007 1 HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE EDITAL Nº 05/2007 DE PROCESSOS SELETIVOS GABARITO APÓS RECURSOS PROCESSO SELETIVO 22 MÉDICO (Urologia) 01. A 11. B 02. C 12. A 03. B 13.

Leia mais

PRÓTESE NÃO CONVENCIONAL

PRÓTESE NÃO CONVENCIONAL PRÓTESE NÃO CONVENCIONAL PARA RECONSTRUÇÃO DE MEMBROS INFERIORES FEMUR PROXIMAL/FEMUR PROXIMAL EXPANSIVA Técnica Cirúrgica - 30.30 Prótese Não Convencional para Reconstrução de Membros Inferiores Femur

Leia mais

Última revisão: 08/08/2011 TRACIONADOR DE FÊMUR

Última revisão: 08/08/2011 TRACIONADOR DE FÊMUR Protocolo: Nº 72 Elaborado por: Antônio Osmar Wilhma Castro Ubiratam Lopes Manoel Emiliano Luciana Noronha Última revisão: 08/08/2011 Revisores: Manoel Emiliano Ubiratam Lopes Wilhma Alves Luciana Noronha

Leia mais

Introdução à Neuroimagem

Introdução à Neuroimagem FACULDADE DE MEDICINA/UFC-SOBRAL MÓDULO SISTEMA NERVOSO NEUROANATOMIA FUNCIONAL Introdução à Neuroimagem Prof. Gerardo Cristino Aula disponível em: www.gerardocristino.com.br Neuroimagem Técnicas de Imagem

Leia mais

A propósito de um caso clínico

A propósito de um caso clínico A propósito de um caso clínico 30 Janeiro 2014 Serviço de Ortopedia A José Caldeira Interno Ortopedia Ricardo Rocha Interno Ortopedia Pedro Lemos - Assistente Graduado Ortopedia José Inácio Assistente

Leia mais

Trauma do Sistema Nervoso Central

Trauma do Sistema Nervoso Central Trauma do Sistema Nervoso Central Técnica WWW.FISIOKINESITERAPIA.BIZ Fraturas A demonstração de uma fratura em imagens do crânio indica que foi aplicada uma força significativa à abóboda boda óssea. Entretanto,

Leia mais

Resolução CNRM Nº 02, de 20 de agosto de 2007

Resolução CNRM Nº 02, de 20 de agosto de 2007 Resolução CNRM Nº 02, de 20 de agosto de 2007 Dispõe sobre a duração e o conteúdo programático da Residência Médica de Cirurgia da Mão O PRESIDENTE DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA, no uso das

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO Escola Paulista de Medicina Departamento de Diagnóstico por Imagem Adenocarcinoma de Pâncreas Bruno Sérgio de Souza Bernardes Sólidos: Tumores do Pâncreas Classificação

Leia mais

LESOES MENISCAIS Ricardo Yabumoto Curitiba, 09 de Abril de 2007 Introdução Forma aproximada de C Integram o complexo biomecânico do joelho Servem de extensões da tíbia para aprofundar as superfícies articulares,

Leia mais

TRATAMENTO PERCUTÂNEO DA AORTA TORÁCICA

TRATAMENTO PERCUTÂNEO DA AORTA TORÁCICA TRATAMENTO PERCUTÂNEO DA AORTA TORÁCICA Álvaro Laranjeira Santos Serviço de Cirurgia Cardiotorácica CHLC- Hospital Santa Marta Sistematização Grupo 1 Aorta descendente c TEVAR isolado Grupo 2 Arco aórtico

Leia mais

Revisão Bibliográfica

Revisão Bibliográfica Director: Prof. Doutor Filipe Caseiro Alves Revisão Bibliográfica 9 de Maio de 2007 Belarmino J. Gonçalves Espectro de achados em TC de Aneurismas da Aorta Abdominal em situação de rotura ou rotura iminente

Leia mais

Retinopatia Diabética

Retinopatia Diabética Retinopatia Diabética A diabetes mellitus é uma desordem metabólica crónica caracterizada pelo excesso de níveis de glicose no sangue. A causa da hiper glicemia (concentração de glicose igual ou superior

Leia mais

Protocolo de Procedimentos para Cirurgia Endovascular

Protocolo de Procedimentos para Cirurgia Endovascular Protocolo de Procedimentos para Cirurgia Endovascular Presidente Guilherme Benjamin Brandão Pitta Secretário Geral Marcelo Araujo Coordenador Dino Fecci Colli Protocolo de Angiorradiologia e Cirurgia

Leia mais

AFECÇÕES CIRÚRGICAS DA REGIÃO INGUINAL

AFECÇÕES CIRÚRGICAS DA REGIÃO INGUINAL AFECÇÕES CIRÚRGICAS DA REGIÃO INGUINAL MALFORMAÇÕES NA REGIÃO INGUINAL As afecções congênitas da região inguinal correspondem, na sua maioria, a alterações dependentes da persistência de uma estrutura

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DA UFMG DEPARTAMENTO DE CIRURGIA

FACULDADE DE MEDICINA DA UFMG DEPARTAMENTO DE CIRURGIA 1 FACULDADE DE MEDICINA DA UFMG DEPARTAMENTO DE CIRURGIA Av. Prof. Alfredo Balena 190-2 0 andar Caixa postal 340 - CEP 30130-100 031-3409-9759 e 3409-9760 cirurgia@medicina.ufmg.br CIR TÓPICOS CLÍNICA

Leia mais

Diagnóstico por Imagem no Abdome Agudo Obstrutivo

Diagnóstico por Imagem no Abdome Agudo Obstrutivo Curso de Diagnóstico por Imagem do Abdome Agudo EPM/UNIFESP - Março de 2011 Diagnóstico por Imagem no Abdome Agudo Obstrutivo Rogério Caldana Obstrução intestinal 20 % dos casos cirúrgicos de abdome agudo

Leia mais

TRAUMA TESTICULAR 1 TESTICLE TRAUMA

TRAUMA TESTICULAR 1 TESTICLE TRAUMA RELATO DE CASO TRAUMA TESTICULAR 1 TESTICLE TRAUMA Daniel Santos MAIA 2, Daniel Mourão FRANÇA 2, Marcelo Esteves Chaves CAMPOS 2, Rafael da Silveira de Castilho JACOB 3, José Eduardo Fernandes TÁVORA 4

Leia mais

Fratura da Porção Distal do Úmero

Fratura da Porção Distal do Úmero Fratura da Porção Distal do Úmero Dr. Marcello Castiglia Especialista em Cirurgia do Ombro e Cotovelo O cotovelo é composto de 3 ossos diferentes que podem quebrar-se diversas maneiras diferentes, e constituem

Leia mais

Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna

Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna 10 Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna As úlceras tróficas de perna constituem uma doença mutilante comum, que surge geralmente a partir de um pequeno trauma ou de uma infecção secundária em regiões da

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia de Tórax

Imagem da Semana: Radiografia de Tórax Imagem da Semana: Radiografia de Tórax Figura 1: Radiografia de tórax realizada em decúbito dorsal Enunciado MHS, sexo feminino, 63 anos, foi atendida no Centro de Saúde de seu novo bairro. Apresentava

Leia mais

Trombólise farmacomecânica na TVP: Quando e como

Trombólise farmacomecânica na TVP: Quando e como Trombólise farmacomecânica na TVP: Quando e como Daniel Mendes Pinto Angiologia e Cirurgia Vascular Hospital Mater Dei Hospital Felício Rocho Belo Horizonte - MG Encontro Mineiro de Angiologia e Cirurgia

Leia mais

Sumário. Data: 17/12/2012

Sumário. Data: 17/12/2012 Nota Técnica: 53 /2012 Solicitante: Des. Vanessa Verdolim Hudson Andrade 1ª Câmara Cível TJMG Numeração: 1.0439.12.014415-9/001 Data: 17/12/2012 Medicamento Material X Procedimento Cobertura TEMA: Uso

Leia mais

hipertensão arterial

hipertensão arterial hipertensão arterial Quem tem mais risco de ficar hipertenso? Quais são as consequências da Hipertensão Arterial? quem tem familiares Se a HTA» hipertensos não for controlada, causa lesões em diferentes

Leia mais

CAPÍTULO 28 CATÁSTROFES OU ACIDENTES COM MULTIPLAS VÍTIMAS

CAPÍTULO 28 CATÁSTROFES OU ACIDENTES COM MULTIPLAS VÍTIMAS CAPÍTULO 28 CATÁSTROFES OU ACIDENTES COM MULTIPLAS VÍTIMAS 1. Introdução Pela Organização Mundial de Saúde, catástrofe é um fenômeno ecológico súbito de magnitude suficiente para necessitar de ajuda externa.

Leia mais

Choque incapaz perda de sangue

Choque incapaz perda de sangue Choque Profª Karin O bom samaritano Para ser um socorrista é necessário ser um bom samaritano, isto é, aquele que presta socorro voluntariamente, por amor ao seu semelhante. Para tanto é necessário três

Leia mais

EXAME 2014 RESIDÊNCIA COM PRÉ-REQUISITO: CIRURGIA VASCULAR

EXAME 2014 RESIDÊNCIA COM PRÉ-REQUISITO: CIRURGIA VASCULAR EXAME 2014 RESIDÊNCIA COM PRÉ-REQUISITO: CIRURGIA VASCULAR Instruções Leia atentamente e cumpra rigorosamente as instruções que seguem, pois elas são parte integrante das provas e das normas que regem

Leia mais

PROVAS NEUROMUSCULARES 1 2009

PROVAS NEUROMUSCULARES 1 2009 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE UNIDADE DE TRAUMA ORTOPÉDICO Hospital Universitário Miguel Riet Corrêa - Rua Visconde de Paranaguá, 102 Rio Grande, RS CEP 96200/190 Telefone:

Leia mais

Hospital Universitário Cajuru. Pontifícia Universidade Católica Paraná

Hospital Universitário Cajuru. Pontifícia Universidade Católica Paraná Hospital Universitário Cajuru Pontifícia Universidade Católica Paraná Grupo de Cirurgia Quadril Dr. Ademir Schuroff Dr. Marco Pedroni Dr. Mark Deeke Dr. Josiano Valério Fraturas Peri Protéticas Conceitos

Leia mais

A. Patologias vasculares B. Choque C. Hemostasia. 2 Letícia C. L. Moura

A. Patologias vasculares B. Choque C. Hemostasia. 2 Letícia C. L. Moura Alterações Circulatórias Edema, Hiperemiae e Congestão, Hemorragia, Choque e Hemostasia PhD Tópicos da Aula A. Patologias vasculares B. Choque C. Hemostasia 2 Patogenia Edema A. Patologias Vasculares Fisiopatogenia

Leia mais

DISCURSIVA CIRURGIA VASCULAR/ANGIOLOGIA CIRURGIA ENDOVASCULAR

DISCURSIVA CIRURGIA VASCULAR/ANGIOLOGIA CIRURGIA ENDOVASCULAR HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO DISCURSIVA CIRURGIA VASCULAR/ANGIOLOGIA CIRURGIA ENDOVASCULAR ATIVIDADE DATA LOCAL Divulgação do

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Curso de Graduação em Enfermagem Liga de Enfermagem em Neurologia

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Curso de Graduação em Enfermagem Liga de Enfermagem em Neurologia UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Curso de Graduação em Enfermagem Liga de Enfermagem em Neurologia Acidente Vascular Cerebral Isquêmico em Crianças, as, Acidente Vascular Cerebral Hemorrágico na Criança

Leia mais

DISCIPLINA DE EMERGÊNCIAS EM ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA 6º ANO

DISCIPLINA DE EMERGÊNCIAS EM ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA 6º ANO DISCIPLINA DE EMERGÊNCIAS EM ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA 6º ANO - 2012 - Período: 04/06/2012 a 24/06/2012 Coordenador: Prof. Dr. Carga Horária: 3 semanas 120 horas Grupo: 2C OBJETIVOS Os alunos do último

Leia mais

Uso do Dímero D na Exclusão Diagnóstica de Trombose Venosa Profunda e de Tromboembolismo Pulmonar

Uso do Dímero D na Exclusão Diagnóstica de Trombose Venosa Profunda e de Tromboembolismo Pulmonar Uso do Dímero D na Exclusão Diagnóstica de Trombose Venosa Profunda e de Tromboembolismo Pulmonar 1- Resumo O desequilíbrio das funções normais da hemostasia sangüínea resulta clinicamente em trombose

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO 5. PROVA OBJETIVA CONHECIMENTOS GERAIS E CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS AGUARDE A ORDEM DO FISCAL PARA ABRIR ESTE CADERNO DE QUESTÕES.

CONCURSO PÚBLICO 5. PROVA OBJETIVA CONHECIMENTOS GERAIS E CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS AGUARDE A ORDEM DO FISCAL PARA ABRIR ESTE CADERNO DE QUESTÕES. CONCURSO PÚBLICO 5. PROVA OBJETIVA CONHECIMENTOS GERAIS E CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Médico Classe I Cirurgia Vascular INSTRUÇÕES VOCÊ RECEBEU SUA FOLHA DE RESPOSTAS E ESTE CADERNO CONTENDO 50 QUESTÕES

Leia mais

Abordagem da reestenosee. Renato Sanchez Antonio

Abordagem da reestenosee. Renato Sanchez Antonio Abordagem da reestenosee oclusões crônicas coronárias Renato Sanchez Antonio Estudos iniciais de seguimento clínico de pacientes com angina estável demonstraram que o percentual de mortalidade aumentou

Leia mais

EstudoDirigido Exercícios de Fixação Doenças Vasculares TCE Hipertensão Intracraniana Hidrocefalia Meningite

EstudoDirigido Exercícios de Fixação Doenças Vasculares TCE Hipertensão Intracraniana Hidrocefalia Meningite EstudoDirigido Exercícios de Fixação Doenças Vasculares TCE Hipertensão Intracraniana Hidrocefalia Meningite SOMENTE SERÃO ACEITOS OS ESTUDOS DIRIGIDOS COMPLETOS, MANUSCRITOS, NA DATA DA PROVA TERÁ O VALOR

Leia mais

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR)

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR) HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR) REVISÃO DE DOENÇA DE ARTÉRIA CORONÁRIA Seu coração é uma bomba muscular poderosa. Ele é

Leia mais

Acidente Vascular Cerebral Isquêmico - AVCI. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc

Acidente Vascular Cerebral Isquêmico - AVCI. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc Acidente Vascular Cerebral Isquêmico - AVCI Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc Acidente Vascular Cerebral Terceira causa de morte nos EUA. Todos os anos 600 mil americanos tem um AVC sendo que 85% são

Leia mais

O que são Varizes? Varizes: um problema conhecido desde a antiguidade

O que são Varizes? Varizes: um problema conhecido desde a antiguidade O que são Varizes? Varizes dos membros inferiores são veias doentes da superfície dos membros inferiores, que se tornam progressivamente dilatadas, alongadas e tortuosas. Existe uma tendência hereditária

Leia mais

O que é Hemofilia? O que são os fatores de coagulação? A hemofilia tem cura?

O que é Hemofilia? O que são os fatores de coagulação? A hemofilia tem cura? Volume1 O que é? O que é Hemofilia? Hemofilia é uma alteração hereditária da coagulação do sangue que causa hemorragias e é provocada por uma deficiência na quantidade ou qualidade dos fatores VIII (oito)

Leia mais