Variabilidade da produção, volatilidade de preços e o comportamento do faturamento do mercado de soja no Paraná

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Variabilidade da produção, volatilidade de preços e o comportamento do faturamento do mercado de soja no Paraná"

Transcrição

1 Variabilidade da produção, volatilidade de preços e o comportamento do faturamento do mercado de soja no Paraná Andreia Cristina de Oliveira Adami Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada Vitor Augusto Ozaki Universidade de São Paulo Adriano Lênin Cirilo de Carvalho Universidade de São Paulo Mateus Gosser Universidade de São Paulo Lucas Eloy Resumo Universidade de São Paulo A literatura acadêmica sobre estratégias de hedge com mercados futuros e de opções agropecuários é extensa, e tem evoluído com a crescente complexidade e dinâmica dos mercados. O 1

2 RESUMO Diante da necessidade de se avaliar a viabilidade de implantação de um Seguro para Faturamento para o mercado de soja, este trabalho teve como objetivo estudar a evolução da produção e preços para o mercado de soja no Paraná. A proposta foi investigar a evolução da variabilidade na produção agrícola da soja, a volatilidade de preços no estado e a interação entre essas variáveis que compõem o faturamento do setor. Como ferramental metodológico, utilizou-se a análise de regressão e estatística descritiva entre as duas séries. Os resultados da pesquisa mostraram que embora a correlação entre as duas séries tenha apresentado sinal negativo, houve pouca associação entre elas, indicando que nem sempre os preços responderão contrariamente a quebras de safra. A análise do coeficiente de variação, medida do risco relativo, mostrou que a variabilidade da série de produtividade tem apresentado maior risco ao produtor quando comparada com a volatilidade de preços. O principal fator que limitou as pesquisas foi a disponibilidade de informações. Palavras-chave: Seguro Faturamento, Seguro rural, volatilidade de preços, variabilidade da produção. ABSTRACT Faced with the need to evaluate the feasibility of developing a Revenue Insurance for the soybean market, this study aimed to study the evolution of production and market prices for soybean in Paraná. The proposal was to investigate the variability in agricultural production of soybean, the price volatility in the state and the interaction between these variables that compose the sector's revenues. It was applied as methodological tools the regression analysis and descriptive statistics between the two series. The results showed that the correlation between the two series has made a negative sign, but there is little association between them, indicating that prices do not always respond as opposed to crop failures. Analysis of the variation coefficient, a measure of relative risk, showed that the variability of the series of productivity has shown a greater risk to the producer than price volatility. The main factor that limited research was the availability of information. Keywords: Revenue Insurance, Rural Insurance, price volatility, production variability. 2

3 1. INTRODUÇÃO O Brasil ocupa lugar de destaque no mercado mundial de alimentos por estar entre os maiores produtores e exportadores de produtos agropecuários. Em 2009, o país foi o 5º maior exportador mundial de alimentos e foi responsável por 5,6% do total exportado mundialmente (FOOD AND AGRICULTURE ORGANIZATION OF THE UNITED NATIONS - FAO, 2012). Em 2010, de acordo com dados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA (BRASIL, 2012), o Brasil ocupou a primeira posição no ranking dos maiores produtores e exportadores mundiais de açúcar, café e suco de laranja. Foi também, o segundo maior produtor e maior exportador de carne bovina, tabaco, cana-de-açúcar/etanol e aves. No caso da soja, ocupou a segunda posição tanto como produtor quanto exportador. Eventos climáticos adversos podem, como ocorreu em alguns municípios do Sul do país na safra 2011/2012, reduzir significativamente o volume de produção, trazendo sérios prejuízos econômicos para o produtor e a comunidade local, pois pode reduzir significativamente a renda em circulação no município ou até mesmo no estado como um todo. Reduções bruscas de preços também podem reduzir drasticamente a renda agrícola, prejudicando além da safra atual as safras posteriores, já que a redução na renda gera menor disponibilidade de recursos para investimento na unidade de produção agrícola. Devido aos riscos de produção e preços inerentes ao negócio agrícola, crises de endividamento e renegociação de dívidas tornaram-se recorrentes no Brasil. O seguro rural surge como instrumento de política pública, através do Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural PSR, para amenizar os efeitos de quebra de safra por eventos climáticos (OZAKI, 2010). Os produtores de soja do Paraná têm sido os que mais recorrem ao programa. Para se proteger contra risco de preços os produtores podem utilizar vários instrumentos, dentre eles contratos de futuros e/ou opções. Estuda-se a viabilidade de implantação do Seguro Faturamento e/ou Receita, pois espera-se que uma redução na produção resulte em preços maiores no mercado. Assim, a queda no faturamento não seguiria a queda total do volume de produção, já que se espera aumento de preços quando a oferta se retrai. Diante da necessidade de se avaliar a viabilidade de implantação de um Seguro para Faturamento, este trabalho teve como objetivo estudar a evolução da produção e preços para o mercado de soja no Paraná. A proposta foi investigar a evolução da variabilidade na produção agrícola da soja e da volatilidade de preços no estado e a interação entre essas variáveis que compõem o faturamento do setor. 3

4 2. SEGURO TRADICIONAL E SEGURO FATURAMENTO Em 2003, o Governo Federal, através da Lei criou o Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural (PSR) com o objetivo de estimular o seguro rural no país e reduzir o prêmio do seguro pago pelos produtores rurais. A criação do PSR foi a primeira iniciativa de impacto do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), por meio do Departamento de Gestão de Risco Rural (DEGER), no sentido de criar condições para o desenvolvimento do seguro rural nos últimos anos. Apesar da Lei ter sido sancionada em 2003, sua regulamentação ocorreu apenas em 2004, por intermédio do Decreto 5.121/04 (OZAKI, 2008). Para o ano de 2005, os percentuais e os limites de subvenção foram determinados pelo Decreto 5.514/05 - Tabela 1. Tabela 1. Percentuais e limites de subvenção para o ano de 2005 Culturas Subvenção (%) Limite por Produtor (R$) Algodão 40 Arroz Irrigado 30 Feijão 50 Milho Milho (2o safra) 40 Soja 30 Trigo 40 Maçã 30 Uva Fonte: MAPA (2008) O Decreto 5.514/05 foi revogado pelo Decreto 5.782/06 que fixou novos limites e patamares de subvenção para o ano de O novo Decreto ainda incluiu novas culturas, além das modalidades: pecuária, florestal e aquícola. Ainda em 2006, foi sancionado o Decreto 6.002, que fixou os percentuais para o triênio 2007 a Quadro 1. As culturas elegíveis ao PSR permaneceram as mesmas de 2006 para o triênio 2007/09, a única diferença foi o aumento do percentual dos grupos 3 e 4, para 50% e 40%, respectivamente. 4

5 Quadro 1. Percentuais e limites de subvenção para o ano de 2006 e para o triênio 2007/09. Grupos Culturas Subvenção (%) /09 Limite por Produtor (R$) 1 Feijão, milho segunda safra e trigo 60 2 Algodão, arroz, aveia, canola, centeio, cevada, milho, soja, sorgo e triticale 50 3 Maçã e uva Abacaxi, alface, alho, ameixa, amendoim, batata, berinjela, beterraba, café, cana-de-açúcar, caqui, 4 cebola, cenoura, couve-flor, figo, girassol, goiaba, kiwi, laranja, limão e demais cítricos, morango, nectarina, pepino, pêra, pêssego, pimentão, repolho, tomate e vagem Pecuário 30 Florestal 30 Aqüícola 30 Fonte: MAPA (2008) Apesar de existirem oito modalidades para o seguro rural, apenas quatro delas participam do PSR. São elas: agrícola, pecuário, aquícola e florestal. Para cada uma dessas modalidades, os planos trienais determinam os percentuais de subvenção para o período. O quadro 2 resume os resultados do PSR, de 2005 a Percebe-se que o número de produtores participantes do PSR passou de 849, em 2005, para , em 2009, sofrendo redução nos dois anos posteriores. Por sua vez, o capital segurado aumentou de R$ 126,6 milhões, em 2005, para quase R$ 10 bilhões, em 2009, sofrendo também redução nos dois anos posteriores. Área segurada e prêmio arrecadado pelo mercado também apresentaram um crescimento elevado durante o período. Esse crescimento foi possível em razão do aumento dos recursos públicos alocados ao PSR. Verifica-se que os recursos utilizados pelo mercado aumentaram de R$ 2,3 milhões, em 2005, para quase R$ 260 milhões, em 2009 e R$254 milhões em

6 Quadro 2 - Resultados do PSR - de 2005 a Ano Número de apólices Número de produtores Subvenção Milhões de R$ 2,3 31,1 60,9 157,5 259,6 198,2 253,5 Área segurada Milhões ha 0,07 1,56 2,28 4,76 6,67 4,79 5,58 Capital segurado - Milhões de R$ Prêmio arrecadado Milhões de R$ 8,7 71,1 127,7 324,7 477,8 368,1 466,4 Fonte: MAPA (2012) O PSR é fundamental para o desenvolvimento do mercado na medida em que reduz o preço do seguro. Algumas implicações diretas desse fato são o aumento da demanda pelos produtores rurais e o melhor gerenciamento do risco por parte das empresas seguradoras na medida em que ocorre uma maior pulverização do risco em diversas regiões do país. No Quadro 3 apresentam-se os percentuais de subvenção previstos no orçamento do Governo para o triênio Para o triênio 2010/2012, os valores máximos de subvenção ao prêmio do seguro rural, por beneficiário (pessoa física ou jurídica), em cada ano civil, foram estabelecidos em: i. Modalidade agrícola: R$ ,00; e, ii. Modalidades pecuário, florestal e aquícola: R$ ,00 (para cada uma delas). O produtor pode receber a subvenção para mais de uma modalidade, desde que o somatório do benefício não ultrapasse o valor máximo de R$ ,00, por ano civil (BRASIL, 2010). Não obstante, será possível contratar o seguro rural utilizando recursos da subvenção ao prêmio para a mesma atividade na qual tenha operação de crédito enquadrada no Proagro, desde que as lavouras sejam implantadas em áreas diferentes. 6

7 Milhões de R$ Quadro 3 - Percentuais e limites de subvenção para o triênio 2010 a Modalidade de Seguro Grupos de culturas Subvenção (%) Limite por Produtor (R$) 2010/12 Agrícola Pecuário Florestal Aquícola Fonte: Brasil (2010) Feijão, milho segunda safra e trigo. 70 Ameixa, aveia, canola, caqui, cevada, centeio, figo, kiwi, linho, maçã, nectarina, pêra, pêssego, 60 sorgo, triticale e uva. 50 Algodão, arroz, milho e soja. Abacate, abacaxi, abóbora, abobrinha, alface, alho, amendoim, atemóia, banana, batata, berinjela, beterraba, cacau, café, caju, cana-de-açúcar, cebola, cenoura, cherimóia, chuchu, couve-flor, ervilha, escarola (chicória), fava, girassol, goiaba, graviola, jiló, laranja, lichia, lima, limão e demais cítricos, mamão, mamona, mandioca, manga, maracujá, melancia, melão, morango, pepino, pimentão, pinha, quiabo, repolho, sisal, tangerina, tomate, vagem e demais hortaliças e legumes Ressalta-se que os recursos disponibilizados para o PSR são orçados no ano anterior com base nas expectativas das seguradoras da demanda para subvenção por produto e modalidade de seguro rural. Desta forma, os recursos orçados em 2004 e utilizados em 2005 foram da ordem de R$ 10 milhões. Porém, apenas R$ 2,3 milhões foram demandados pelo mercado. Na Figura 1 mostra-se a evolução dos recursos orçados e os gastos efetivos * 2011 Recurso Orçado Gasto Efetivo Figura 1 - Evolução dos recursos liberados e gastos efetivos, no período de 2005 a 2010, em milhões de reais. Fonte: MAPA (2012) 7

8 Percebe-se que tanto os recursos alocados ao PSR quanto os gastos efetivos cresceram ano a ano, desde Figura 1. Até 2008, os recursos foram suficientes para cobrir a demanda do mercado. Em 2009, no entanto, a demanda superou os recursos disponibilizados pelo Governo em R$ 90 milhões em virtude do atraso do pagamento da subvenção às seguradoras. Apesar de o governo ter sancionado a lei para liberação dos recursos, ainda assim, o orçamento inicial de R$ 238 milhões foi reduzido para R$ 190 milhões. Em 2011, dos R$406 milhões orçados apenas R$253,5 milhões foram efetivamente alocados ao PSR. O PSR é um programa que visa proteger o produtor contra riscos climáticos, que afetam o volume de produção e, portanto, a oferta do produto. No entanto, algumas regiões do país são menos suscetíveis ao risco climático, como a região Centro-Oeste. Em algumas regiões a volatilidade de preços pode ser mais crítica do que a perda de produção por risco climático. Numa tentativa de resolver o problema, em 2011 e 2012, algumas seguradoras incluíram em seu portfólio o seguro faturamento e/ou receita. Nesse tipo de seguro é oferecido ao produtor rural proteção contra a queda de seu faturamento, garantindo de forma conjunta preço e produtividade. Há que se ressaltar que até o momento não existe legislação específica para o Seguro Faturamento e/ou receita, no entanto, essas operações têm recebido apoio do Governo através dos recursos alocados ao PSR. Embora o Seguro Faturamento seja novo no Brasil, há algumas modalidades em operação nos Estados Unidos. Nesse tipo de seguro, o desafio é definir além da produtividade esperada, também o preço a ser garantido. Quando a projeção do preço e a produtividade esperada são bem definidos, o contrato torna-se atrativo tanto ao produtor quanto à seguradora. 3. MERCADO DE SOJA E FORMAÇÃO DE PREÇOS O Brasil ocupa lugar de destaque no mercado mundial de alimentos por estar entre os maiores produtores e exportadores de produtos agropecuários. Em 2009, o país foi o 5º maior exportador mundial de alimentos e foi responsável por 5,6% do total exportado mundialmente (FAO, 2012). Em 2010, de acordo com dados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (BRASIL, 2012), o país foi o segundo maior produtor e também exportador de soja. Observa-se através dos dados do Quadro 1 que o país tem sido o segundo maior produtor do grão desde o ano safra 2000/2001 atrás apenas dos Estados Unidos (EUA), maior produtor mundial, e para a safra 2012/2013 há a possibilidade de que o Brasil supere os EUA, passando ocupar o primeiro lugar na produção de soja. A China por sua vez possui pequena participação na produção 8

9 mundial, mas é o principal país consumidor da oleaginosa. Juntos, EUA, Brasil, Argentina e China têm produzido aproximadamente 90% da produção mundial de soja. Quadro 1 Produção mundial de soja em grãos (em milhões de toneladas) principais países produtores. Fonte: USDA (2012) No Brasil, os principais estados produtores de soja são Mato Grosso, Paraná, Rio Grande do Sul e Goiás Quadro 2. Desde a safra 2000/2001 Mato Grosso e Goiás têm aumentado sua participação na produção nacional, na safra 2011/2012 estima-se que a participação do Mato Grosso fique em torno de 33% da produção brasileira. Já o Paraná, segundo maior produtor brasileiro, apresentou participação em torno de 20% em todo período analisado no Quadro 2, na safra 2011/2012 no entanto, sofreu redução devido à forte perda de produção por consequência da grave seca no Sul do país. Ano Safra EUA Brasil Argentina China Mundo 2000/ , ,8 15,4 175, / ,67 43, ,41 184, / , ,5 16,51 197, / ,778 50, , , / , ,4 215, / , ,5 16,35 220, / , ,8 15, , / , , , / ,749 57, ,54 211, / , ,5 14,98 261, / ,605 75, ,1 264, / ,192 66, ,48 239,216 Quadro 2 Produção brasileira de soja em grãos (em milhões de toneladas) principais estados produtores. Ano Safra MT PR RS GO MS BA Brasil 2000/2001 9,64 8,62 7,11 4,16 3,13 1,45 38, / ,73 9,50 5,64 5,42 3,28 1,46 42, / ,95 10,97 9,63 6,36 4,10 1,56 52, / ,01 10,04 5,56 6,15 3,32 2,22 49, / ,94 9,71 2,85 6,99 3,86 2,40 52, / ,70 9,65 7,78 6,53 4,45 1,99 55, / ,36 11,92 9,92 6,11 4,88 2,30 58, / ,85 11,90 7,78 6,54 4,57 2,75 60, / ,96 9,51 7,91 6,84 4,18 2,42 57, / ,77 14,08 10,22 7,34 5,31 3,11 68, / ,41 15,42 11,62 8,18 5,17 3,51 75, / ,85 10,94 6,53 8,25 4,63 3,18 66,38 Fonte: Conab (2012) 9

10 Por ser um dos estados brasileiros que mais sofrem com perda de safra por problemas climáticos, os produtores do estado do Paraná são os que mais recorrem ao programa do seguro rural. Em 2011, o estado ficou com 27,9% do total dos recursos da subvenção, sendo que desse total a soja participou com 53,5% (BRASIL, 2012). Os produtores de soja do estado de Mato Grasso, principal produtor brasileiro, apresentaram participação de apenas 3% em toda subvenção destinada pra soja brasileira (BRASIL, 2012). Essas informações mostram que no formato atual, o seguro rural tem beneficiado os estados onde o faturamento de soja tem sido afetado por problemas climáticos. Em outros estados, como Mato Grosso, principal produtor nacional e que tem aumentado sua participação na produção brasileira nos últimos anos, eventos climáticos não têm afetado fortemente a produção, mas a volatilidade dos preços recebidos pelos produtores tem se apresentado elevada, principalmente nos últimos anos devido às recorrentes crises financeiras, impactando o faturamento do setor no estado. Assim, devido aos problemas relacionados tanto à variabilidade da produção quanto à volatilidade dos preços recebidos pelos produtores, que impactam a renda do produtor agrícola e pode até mesmo definir sua continuidade no campo; e a abrangência da política agrícola brasileira através do seguro rural, estuda-se o desenvolvimento de um modelo de seguro faturamento, que visa segurar perda de produção e queda de preços conjuntamente. Enquanto a perda de produção tem sua variabilidade afetada principalmente por eventos climáticos adversos, a volatilidade dos preços da soja no mercado pode ser afetada tanto por eventos internos quanto externos. Alguns trabalhos apresentados na literatura apontam que o Brasil apesar de sua importância no agronegócio da soja tem as variações de seus preços influenciadas pelo mercado internacional. Assim, o país não é um formador de preço desse produto e, sim, um tomador de preço (MARGARIDO et al., 1998). Barros et al. (1997) apontam que os preços da soja são formados nos mercados internacionais e os produtores nacionais, diante da informação do preço atribuído ao grão neste mercado, exigem que os valores praticados internamente estejam em consonância com o do mercado externo. A decisão do produtor no momento da comercialização quanto ao preço da soja a ser negociado, além da referência dos preços cotados nas bolsas de internacionais ainda passa pelas ofertas de preços pagos pelos corretores, indústria esmagadora local, traders de importação e exportação, cooperativas e compradores de produtos agropecuários, seja na comercialização à vista, por meio da cédula do produto rural (CPR) ou contratos a termo. Margarido et al. (1998) observaram, porém, que, na análise de preços da soja na Bolsa de Chicago (CME), as variações das cotações da soja no mercado internacional não são integralmente repassadas aos preços recebidos pelos produtores brasileiros e paranaenses. Os modelos utilizados 10

11 na composição do estudo mostraram que variações das cotações da soja nos Estados Unidos são transmitidas instantaneamente, sem defasagem temporal para os preços recebidos pelos produtores do grão no Brasil e no Paraná. No que se refere às elasticidades de transmissão de preços entre o Brasil e os Estados Unidos, os resultados apontaram que variações em um mercado, no longo prazo, são repassadas quase totalmente para o outro mercado analisado (SILVA et al., 2009). Em termos de transmissão de preços internos, Moraes (2002) aponta que se chegando ao nível de preços nos portos brasileiros, deduzidos os custos portuários, fretes etc, chega-se ao preço na processadora. Desse preço, deduzindo-se os custos de frete, operacionais, entre outros, obtém-se o preço que juntamente com a concorrência em cada região. Outro ponto interessante encontrado no trabalho de Margarido et al. (1998) é a evidenciação de que os preços médios recebidos pelos produtores do Paraná são muito próximos da média nacional. Os resultados permitem afirmar que o preço médio recebido pelos produtores paranaenses é uma boa estimativa ou proxy do preço médio nacional, podendo servir como preço de referência para os produtores de outros estados. Nesse sentido, pode-se inferir que, considerando-se o período analisado, a utilização do estado do Paraná para o cálculo do indicador da soja para liquidação dos contratos futuros deve refletir adequadamente os preços da soja brasileira. A discussão sobre o processo de formação de preços no mercado de soja no Paraná, que possui forte influência dos mercados internacionais, evidencia um dos desafios da precificação dos contratos de Seguro Faturamento e/ou Receita que é a definição do preço a ser garantido ao produtor. 4. METODOLOGIA 4.1 Fundamentos Estatísticos aplicados à Função Faturamento O principal desafio nos contratos de seguro faturamento é a definição da produtividade esperada e do preço a ser garantido. Como o contrato é fechado no período de plantio e o período de apuração do sinistro, caso ocorra, no período de colheita, o preço é fixado com base em expectativas na entressafra do preço a vigorar na safra. A produtividade esperada por sua vez é definida com base no histórico das produtividades passadas. Assim, o faturamento esperado (FAE) é calculado considerando um preço base da saca de 60 quilos de soja, definido de acordo com uma referência de preço futuro e na produtividade esperada em sacas de 60 quilos por hectare, definida com base no histórico de produtividade por hectare equação (1): 11

12 FAE Preçobase * produtividade* area (1) A equação 1 define a função para o faturamento esperado definido nos contratos de seguro de faturamento. Nessa equação, preço base se refere a cotação futura do preço da saca de 60 quilos de soja, produtividade se refere a produção em sacas de 60 quilos por hectare e a área se refere ao tamanho da área com soja da propriedade a ser segurada em hectares. O Faturamento garantido (FAG) se refere à parcela do faturamento esperado garantido no contrato do seguro. O produtor poderá escolher um nível de cobertura (α) entre 0 e 100% ( 0 100% ). Assim, o Faturamento garantido será dado por equação (2): FAG FAE (2) O produtor rural terá direito de receber a indenização quando o faturamento obtido (FAO) ou efetivo (que ocorre na safra) se situar abaixo do faturamento garantido. O FAO depende da produtividade obtida na safra e preços de mercado à época da colheita, variáveis que podem sofrer redução devido a eventos climáticos e outros que afetem a demanda pela soja - equação (3). FAO Preço * produtividade* area (3) Na função FAO, preço (P) e produtividade (PR) são variáveis aleatórias. Assim, pode-se deduzir as relações estatísticas entre as duas variáveis, de acordo com Mood (1974), a esperança matemática fica equação (4): FAO E PPR E P E PR COV P PR E, (4) Observa-se da equação (4) que a esperança matemática de uma função multiplicativa não é simplesmente a multiplicação da esperança matemática de cada variável aleatória, mas devese considerar também a covariância (COV) entre as duas variáveis aleatórias, ou seja, o movimento conjunto entre as variáveis. A função de covariância pode ser definida como: COV P, PR P, PR P PR, com P, PR representando o coeficiente de correlação entre preço e produtividade, produtividade. P o desvio padrão da série de preços e PR o desvio padrão da série de 12

13 A variância teórica é uma das principais medidas de dispersão ou variabilidade (em torno da esperança matemática) de uma variável aleatória. Sabe-se da Lei dos grandes números que a variância amostral converge para a variância teórica na medida em que o número de observações cresce. A função variância (V) entre preço e produtividade pode ser definida como (MOOD, 1974) equação (5): PR 2 2 V FAO V PPR E P V PR E PR V P 2E[ P] E[ PR] COV P, (5) A correlação ente as variáveis definirá o impacto da covariância sobre variabilidade do FAO. Se as duas variáveis apresentarem correlação nula, a COV não impactará na variabilidade do FAO, mas se preço e produtividade foram negativamente correlacionados, perdas de produção serão compensadas por ganhos de preço impactando em menor queda de faturamento ou menor variabilidade do FAO. 4.2 Modelo Econométrico A correlação é uma medida da associação entre duas variáveis e situa-se entre: 1 1, P PR. Pode-se expressar o relacionamento entre duas variáveis por meio de uma equação linear, ou, através de regressão linear equação (6): ^ ^ P PR (6) A equação de regressão (6) dá o comportamento dos preços de mercado a possíveis variações na produtividade; ^ Pode-se expressar o coeficiente angular como: a variações na produtividade. é o intercepto da reta de regressão e ^ COV V ( PR) PR, P ^ o coeficiente angular da reta., indicando como os preços respondem Neste trabalho, primeiramente foram calculadas as estatísticas descritivas dos dados - média, desvio-padrão, coeficiente de variação e coeficiente de correlação entre produção e preço. A análise de regressão foi aplicada aos valores anuais de preço e produtividade através do método de mínimos quadrados ordinários. Estimou-se também uma regressão linear com as séries na primeira diferença temporal a fim de eliminar o problema de tendência nos dados. 13

14 04/ / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / Dados A base de dados foi composta pelos dados de produção do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE, 2012) e preços de mercado do Departamento de Economia Rural (Deral) da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do estado do Paraná. Os dados são de periodicidade mensal e os preços foram deflacionados pelo Índice Geral de Preços Disponibilidade Interna IGP- DI da Fundação Getúlio Vargas (2012) para reais de agosto de RESULTADOS E DISCUSSÃO O Faturamento da soja no estado do Paraná é definido pelos preços de mercado e pela produção do grão no estado. Essas duas variáveis tem sofrido impactos significativos, a oferta por eventos climáticos adversos e os preços pelas condições de oferta e demanda mundial. Da Figura 1 observa-se que a produção de soja no estado tem crescido continuamente desde 1998, em 2000, 2005 e 2006 o volume de produção apresentou redução próxima de 7%, já nos períodos mais recentes, e redução foi de 20% em 2009 e quase 30% em Durante o período analisado, a perda por problemas climáticos se apresentou mais severas nos períodos mais recentes e em intervalos de tempo mais curtos. Quanto aos preços de mercado, esses têm apresentado variabilidade maior que o volume de produção ao longo do período estudado. O efeito sobre os preços da quebra de safra de 2012 foi significativo, crescimento de 23%, pois a oferta mundial foi afetada por reduções dos principais países produtores, EUA, Brasil e Argentina Figura ,00 500,00 400,00 300,00 200,00 100,00 0,00 Produção Preço Figura 1 - Evolução da previsão da safra de soja no Paraná e dos preços pagos aos produtores. Fonte: IBGE (2012) e DERAL (2012). 14

15 04/ / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / /2012 Na Figura 2 mostra-se a evolução do Faturamento proveniente da produção do estado do Paraná. A Produção do estado cresceu em todos os anos com exceção daqueles em que houve problemas climáticos. Os preços apresentaram forte volatilidade, com períodos de forte queda e recuperação, já o faturamento segue o efeito combinado entre preços e produção, apresentando forte retração no início dos anos 2000 e em Produção Preço Faturamento Figura 2 - Evolução da produção de soja, preços de mercado e Faturamento do setor no Paraná - médias anuais. Fonte: Dados da pesquisa. Na Figura 3 evidencia-se a relação entre preço e estoques mundiais. Observa-se que as duas séries apresentam movimentos contrários, dessa forma, em anos de baixos estoques, os preços no mercado do Paraná tenderam a ser mais elevados. Isso mostra a forte influência das condições de oferta em nível internacional sobre os preços no mercado paranaense de soja Estoques Mundiais Preço no Paraná Figura 3: Evolução dos preços no Paraná e dos Estoques Mundiais de soja dados mensais Fonte: USDA (2012) e DERAL (2012). 15

16 Na Tabela 1 apresenta-se a estatística descritiva dos dados. Observa-se que o estado do Paraná produziu em média 10 milhões de toneladas de soja e o preço médio real foi de R$50,00, para a saca de sessenta quilos. O coeficiente de correlação entre as duas séries foi de -0,00032 e, embora tenha apresentado sinal negativo, ficou próximo de zero. Esse resultado foi corroborado pela análise de regressão, na qual o coeficiente beta também apresentou sinal negativo e próximo de zero. A baixa associação entre as duas séries ficou evidenciada pelo baixo poder explicativo do R quadrado tanto das séries no nível quanto nas diferenças. Pode-se avaliar também qual série apresentou maior risco relativo, dado pelo coeficiente de variação. Nesse estudo, a série de produtividade apresentou maior risco quando comparada com a série de preços, apresentando coeficiente de correlação de 0,24 enquanto o coeficiente de correlação apresentado pela série de preços foi de 0,17. Tabela 1 Estatística descritiva das séries de preços e produção de soja Produção Preço Média ,00 Desvio padrão ,48 Correlação -0, ,00032 Coeficiente de variação 24% 17% Fonte: Dados da pesquisa. 6. CONSIDERAÇÕES FINAIS O Faturamento da soja no estado do Paraná é definido pelos preços de mercado e pela produção do grão no estado. Essas duas variáveis tem sofrido impactos significativos, a oferta por eventos climáticos adversos e os preços pelas condições de oferta e demanda mundial. Para auxiliar os produtores de soja do estado o Governo Federal tem atuado através do PSR. Em 2011 e 2012, algumas seguradoras incluíram em seu portfólio o seguro faturamento e/ou receita. Nesse tipo de seguro é oferecido ao produtor rural proteção contra a queda de seu faturamento, garantindo de forma conjunta preço e produtividade. Há que se ressaltar que até o momento não existe legislação específica para o Seguro Faturamento e/ou receita, no entanto, essas operações têm recebido apoio do Governo através dos recursos alocados ao PSR. O Seguro de Faturamento é uma modalidade nova no Brasil. Nesse tipo de seguro, o desafio é definir além da produtividade esperada, também o preço a ser garantido. Quando a projeção do preço e a produtividade esperada são bem definidos, o contrato torna-se atrativo tanto ao produtor quanto à seguradora. 16

17 Na tentativa de entender o comportamento do faturamento da soja no Paraná, um dos principais produtores nacionais e que mais utilizam os recursos do PSR alocados para a cultura da soja, neste trabalho estimaram-se as relações estatísticas entre preços de mercado e produtividade da cultura. Os resultados da pesquisa mostraram que embora a correlação entre as duas séries tenha apresentado sinal negativo, há pouca associação entre elas, indicando que nem sempre os preços responderão contrariamente a quebras de safra. A análise do coeficiente de variação, medida do risco relativo, mostrou que a variabilidade da série de produtividade tem apresentado maior risco ao produtor quando comparada com a volatilidade de preços. Neste trabalho foram utilizadas médias anuais de preços e produtividade para o estado como um todo na tentativa de melhor entender o comportamento do faturamento da cultura e devido principalmente a indisponibilidade de dados de propriedades e municípios. Outro fator que limita a análise é o tamanho da mostra que possui apenas 15 observações. Para futuras pesquisas sugere-se avançar nas análises utilizando-se dados de municípios e até mesmo de propriedades, caso estejam disponíveis, para melhor entender o comportamento da função faturamento e de modo a gerar informações que possam auxiliar a desenhar um contrato de seguro que seja atrativo tanto para a seguradora quanto para o produtor, o que ainda apresenta muitas discussões. 7. REFERÊNCIAS CITADAS BARROS, G. S. C.; MARQUES, P. V.; BACCHI, M. R. P.; CAFFAGNI, L. C. Elaboração de indicadores de preços da soja: um estudo preliminar. Piracicaba: ESALQ, Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada, p. BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA). Política Agrícola. Seguro Rural, Legislação. Disponível em: < Acesso em: 20 BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA). Agronegócio Brasileiro em números. Disponível em: < Acesso em: 20 jan CONAB Companhia Nacional de Abastecimento. Produtos e serviços. Safras, séries históricas. Disponível em: < Acesso em: 26/11/

18 DERAL Departamento de Economia Rural (Secretaria de Agricultura e Abastecimento/PR). Preços médios nominais mensais recebidos pelos produtores no Paraná. Soja. Disponível em: < Acesso em: 10 nov ENDERS, W. Applied econometric time series. New York: John Wiley & Sons, p. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Levantamento sistemático da produção agrícola (LSPA). Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/indicadores/agropecuaria/lspa/>. Acesso em: 12 ago FOOD AND AGRICULTURE ORGANIZATION OF THE UNITED NATIONS (FAO). FAO Corporate Statistical Database. Disponível em: < Acesso em: 20 jan MARGARIDO, M. A.; SOUZA, E. L. de.. Formação de preços da soja no Brasil. In: XXXVI Congresso da Sociedade Brasileira de Economia, Administração e Sociologia Rural, 1998, Poços de Caldas (MG). Anais... Brasília: SOBER, p MOOD, Alexander McFarlane. Introduction to the theory of statistics. 3. ed. Nova Iorque: McGraw-Hill, p. MORAES, M. de. Prêmio de exportação da soja brasileira f. Dissertação (Mestrado) - ESALQ/USP, Piracicaba, OZAKI, V.A. Análise espacial da produtividade agrícola no estado do Paraná: implicações para o seguro agrícola. Revista de Economia e Sociologia Rural, v. 46, p , OZAKI, V. A. Uma digressão sobre o programa de subvenção ao prêmio do seguro rural e as implicações para o futuro do mercado do seguro rural. Revista de Economia e Sociologia Rural, Brasília, DF, v.48, n.4, p , SILVA, F. M. da; MACHADO, T. de A.. Transmissão de preços da soja entre o Brasil e os Estados Unidos no período de 1997 a Revista Economia e Desenvolvimento, n. 21, p , USDA United States Department of Agriculture. Foreign Agriculture Service. Production, Supply, and Distribution (PS&D). Table 07: Soybeans: World Supply and Distribution. Disponível em: < Acesso em: 13 dez

SEGURO RURAL BRASILEIRO. Elaine Cristina dos Santos Ferreira

SEGURO RURAL BRASILEIRO. Elaine Cristina dos Santos Ferreira SEGURO RURAL BRASILEIRO Elaine Cristina dos Santos Ferreira MODALIDADES OFERTADAS DE SEGURO RURAL Agrícola Pecuário Florestas Aqüícola Penhor rural Benfeitorias e produtos agropecuários CPR Vida do Produtor

Leia mais

SEGURO RURAL BRASILEIRO

SEGURO RURAL BRASILEIRO SEGURO RURAL BRASILEIRO Gestão de Risco Rural Programa de Subvenção Econômica ao Prêmio do Seguro Rural 2011 O QUE É O SEGURO RURAL? O seguro rural é uma importante ferramenta de gestão de riscos que protege

Leia mais

SEGURO RURAL AVANÇOS E PERSPECTIVAS

SEGURO RURAL AVANÇOS E PERSPECTIVAS SEGURO RURAL AVANÇOS E PERSPECTIVAS Histórico do Seguro Agrícola no Brasil 1878 - Congresso Agrícola do Recife; Lei n 2.168, de 11 de janeiro de 1954, estabelece normas para a instituição do seguro agrário

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DE PROGRAMA DE SUBVENÇÃO PARA O SEGURO RURAL. www.brasileirarural.com.br

A IMPORTÂNCIA DE PROGRAMA DE SUBVENÇÃO PARA O SEGURO RURAL. www.brasileirarural.com.br A IMPORTÂNCIA DE PROGRAMA DE SUBVENÇÃO PARA O SEGURO RURAL INSTRUMENTOS DE Minimização de Riscos I Proagro Mais II Seguro Privado. Coberturas: - Variações Climáticas - Preços - Índices III Cobertura Complementar

Leia mais

Seguro Rural. Desafios para a sua Operacionalização

Seguro Rural. Desafios para a sua Operacionalização Seguro Rural Desafios para a sua Operacionalização GESTÃO DE RISCO RURAL Riscos Rurais: - Climatológicos; Incêndio; Vida animal; Propriedades; Equipamentos; Armazenagem; Transporte; e, Preço. Seguro Rural

Leia mais

VI Congresso Brasileiro de Algodão. Seguro Agrícola como Alternativa para redução dos Riscos Agropecuários

VI Congresso Brasileiro de Algodão. Seguro Agrícola como Alternativa para redução dos Riscos Agropecuários VI Congresso Brasileiro de Algodão Seguro Agrícola como Alternativa para redução dos Riscos Agropecuários Segmentação do Mercado Segurador Brasileiro Danos SEGUROS Pessoas PREVI- DÊNCIA CAPITA- LIZAÇÃO

Leia mais

Projeções da demanda por fertilizantes no Brasil

Projeções da demanda por fertilizantes no Brasil Projeções da demanda por fertilizantes no Brasil índice 3 4 5 6 8 9 o mercado Números e importância do setor projeções de longo prazo planos/produtos metodologia condições, prazo e investimento formulário

Leia mais

O SEGURO RURAL NO BRASIL: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS

O SEGURO RURAL NO BRASIL: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS O SEGURO RURAL NO BRASIL: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS Organização das Cooperativas Brasileiras OCB Gerência de Apoio ao Desenvolvimento em Mercados GEMERC 1. INTRODUÇÃO O agronegócio brasileiro representa

Leia mais

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE realizou, em outubro, o primeiro prognóstico para

Leia mais

CÂMARA TEMÁTICA DE SEGUROS DO AGRONEGÓCIO (CTSA) MAPA GT ESTUDO SEGURO RURAL Até onde avançamos PEDRO LOYOLA Economista FAEP Julho - 2012 1 2 3 4 5 6 7 Seguro Agrícola no Brasil Uma visão estratégica de

Leia mais

Estado do Paraná Secretaria da Agricultura e do Abastecimento - SEAB Departamento de Economia Rural - DERAL

Estado do Paraná Secretaria da Agricultura e do Abastecimento - SEAB Departamento de Economia Rural - DERAL - SEAB Apresentação Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA Câmara Setorial de Seguros Brasília - DF Junho de 2013 Programa de Subvenção ao Prêmio de Base Legal Lei Estadual 16.166/2009

Leia mais

SEGURO RURAL NO BRASIL: PERSPECTIVAS MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO

SEGURO RURAL NO BRASIL: PERSPECTIVAS MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEGURO RURAL NO BRASIL: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SOCORRO PÚBLICO - ASPECTOS NEGATIVOS Elevado custo político Baixa eficiência econômica Elevado

Leia mais

PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS

PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL D E R A L PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS 20/03/06 O levantamento de campo realizado pelo DERAL, no

Leia mais

Apresentação AGRIANUAL 2015

Apresentação AGRIANUAL 2015 Apresentação Em anos de eleições, os empresários costumam ficar apreensivos quanto às posições dos candidatos em relação ao segmento em que operam. Mas quem está no agronegócio não precisa ter grandes

Leia mais

Vitor Augusto Ozaki Andreia C. O. Adami

Vitor Augusto Ozaki Andreia C. O. Adami 1 Novos contratos brasileiros de Seguro Faturamento Vitor Augusto Ozaki Andreia C. O. Adami 27/11/2013 2 Estrutura Introdução Metodologia Resultados Considerações finais 3 Introdução Importância Agronegócio

Leia mais

CAMARA SETORIAL DA BORRACHA CARLOS ALFREDO B GUEDES BRASILIA JULHO 2015

CAMARA SETORIAL DA BORRACHA CARLOS ALFREDO B GUEDES BRASILIA JULHO 2015 CAMARA SETORIAL DA BORRACHA A CARLOS ALFREDO B GUEDES BRASILIA JULHO 2015 LEGISLAÇÃO Decreto nº 68.678, de 25 de maio de 1971 cria a Comissão Especial de Planejamento, Controle e Avaliação das Estatísticas

Leia mais

Avaliação do Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural 2005 a 2012 1

Avaliação do Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural 2005 a 2012 1 Avaliação do Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural 2005 a 2012 1 José Alderir da Silva 2 Maria do Socorro Gondim Teixeira 3 Vinicius Gonçalves dos Santos 4 Resumo O presente artigo tem por objetivo

Leia mais

AJUSTE E FIXAÇÃO DE ÍNDICES DE RENDIMENTO

AJUSTE E FIXAÇÃO DE ÍNDICES DE RENDIMENTO AJUSTE E FIXAÇÃO DE ÍNDICES DE RENDIMENTO QUE INFORMAM O CONCEITO DE PRODUTIVIDADE Março 2005 APLICAÇÃO DOS ÍNDICES Função Social da Propriedade exige níveis satisfatórios de produtividade Vistoria do

Leia mais

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 ROSEMEIRE SANTOS Superintendente Técnica Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária

Leia mais

DERAL - Departamento de Economia Rural. Fruticultura - Análise da Conjuntura Agropecuária

DERAL - Departamento de Economia Rural. Fruticultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Fruticultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Dezembro de 2012 PANORAMA MUNDIAL A produção mundial de frutas se caracteriza pela grande diversidade de espécies cultivadas, e constituí-se em grande

Leia mais

ZONEAMENTO AGRÍCOLA DE RISCO CLIMÁTICO SPA/MAPA

ZONEAMENTO AGRÍCOLA DE RISCO CLIMÁTICO SPA/MAPA ZONEAMENTO AGRÍCOLA DE RISCO CLIMÁTICO SPA/MAPA III Reunião Técnica do CEMADEN Tema: Extremos Climáticos e Colapso de Produção Agrícola Fortaleza/CE 02 e 03 de abril de 2012 Antecedentes Altos índices

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEAPA SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEAPA SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEAPA SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO (VBP) AGROPECUÁRIO Julho/2015 R$ milhões VBP PRINCIPAIS PRODUTOS AGRÍCOLAS LAVOURAS

Leia mais

PROGRAMA DE SUBVENÇÃO AO PRÊMIO DO SEGURO RURAL 2006

PROGRAMA DE SUBVENÇÃO AO PRÊMIO DO SEGURO RURAL 2006 PROGRAMA DE SUBVENÇÃO AO PRÊMIO DO SEGURO RURAL 2006 Programa de ao Prêmio do Seguro Rural - PSR 2006 Subvenções Pagas por culturas/modalidades de seguro Total 21.779 100,0 1.560.349 100,0 2.869.325.774

Leia mais

PA02 IBGE Área plantada nas regiões do Brasil com lavouras anuais.

PA02 IBGE Área plantada nas regiões do Brasil com lavouras anuais. PA2 IBGE Área plantada nas regiões do Brasil com lavouras anuais. Abacaxi 8 7 6 5 4 3 2 1 199 1995 2 25 21 A produção nacional de abacaxi que vinha crescendo até 22 sofreu uma inflexão, voltou a subir

Leia mais

Camara Temática de Seguros Rurais

Camara Temática de Seguros Rurais Camara Temática de Seguros Rurais Ministério da Agricultura,Pecuária e Abastecimento 07.06.2011 Camara Temática Seguro Rural Agenda 1 - Legislação O seguro rural: setor, abrangência e legislação 2 - Modelo

Leia mais

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Outubro de 2012. MUNDO O milho é o cereal mais produzido no mundo. De acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), a produção média do

Leia mais

AGRICULTURA FAMILIAR NA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR

AGRICULTURA FAMILIAR NA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR AGRICULTURA FAMILIAR NA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR P N A E 250 mil famílias poderão ser beneficiadas (estimativa) Cerca de R$1 bilhão 47 milhões de alunos da educação básica da rede pública GRANDE DESAFIO: AS

Leia mais

Fernando Penteado Secretário Executivo

Fernando Penteado Secretário Executivo Fundo de Expansão do Agronegócio Paulista O Banco do Agronegócio Familiar FEAP-BANAGRO Fernando Penteado Secretário Executivo Fundo de Expansão do Agronegócio Paulista (FEAP) O que é o FEAP É um Fundo

Leia mais

Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura

Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura A safra de grãos do país totalizou 133,8 milhões de toneladas em 2009, de acordo com o Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA) de dezembro,

Leia mais

Síntese dos desafios do seguro rural no Brasil: onde falhamos e até onde avançamos. Vitor Ozaki Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz

Síntese dos desafios do seguro rural no Brasil: onde falhamos e até onde avançamos. Vitor Ozaki Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Síntese dos desafios do seguro rural no Brasil: onde falhamos e até onde avançamos Vitor Ozaki Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz ONDE FALHAMOS? SÍNTESE HISTÓRICA - Criação da Federal Crop

Leia mais

Pedro Loyola Federação da Agriculturas do Estado do Paraná (FAEP) - Brasil ALASA 2012 - QUEBEC - CANADA

Pedro Loyola Federação da Agriculturas do Estado do Paraná (FAEP) - Brasil ALASA 2012 - QUEBEC - CANADA Pedro Loyola Federação da Agriculturas do Estado do Paraná (FAEP) - Brasil ALASA 2012 - QUEBEC - CANADA SEGURO RURAL EVOLUÇÃO PSR 2005-2014 SITUAÇÃO 2015 ORÇAMENTO PSR 2016 NOVAS REGRAS 2016-2018 CONCLUSÕES

Leia mais

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO O Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio brasileiro estimado pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e pelo Centro de Estudos Avançados

Leia mais

Agronegócio. Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ. Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze. 41 3379 8719 brandalizze@uol.com.

Agronegócio. Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ. Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze. 41 3379 8719 brandalizze@uol.com. Agronegócio Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze 41 3379 8719 brandalizze@uol.com.br GRÃOS Produção (milhões de T. USDA - Fevereiro de 2014; Projeções

Leia mais

Maçăs e Pêras CORES DA TERRA

Maçăs e Pêras CORES DA TERRA Maçăs e Pêras CORES DA TERRA 12 Maçă Mini Pequena Média Grande Super Extra I Super Extra II Escultural Escultural II Branca 5010 5003 5006 5009 6006 6055 31001 31026 Preta Verde 5032 5011 5031 5001 5030

Leia mais

Plano Abras Maior Apresentação maio/2013

Plano Abras Maior Apresentação maio/2013 Plano Abras Maior Apresentação maio/2013 Gestão Abras PLATAFORMA ABRAS 2013-2014 - 2014 SETOR HOJE PLATAFORMA ABRAS 2013-2014 Setor faturou R$ 242,9 bilhões em 2012 Supermercados respondem por 83,7% do

Leia mais

Sugestão de Cardápio para o Jejum de 21 dias do MIESF12

Sugestão de Cardápio para o Jejum de 21 dias do MIESF12 ALMOÇO 1 Dia 2 Dia 3 Dia de ervas -Pão torrado -Mamão - fruta (melão) ou água de côco -Salada de folhas temperadas c/ azeite e orégano. -1 prato de sobremesa de legumes cozidos ou purê de batatas. - Arroz

Leia mais

Evolução da Produção Regional dos Principais Grãos (2010-2015)

Evolução da Produção Regional dos Principais Grãos (2010-2015) Evolução da Produção Regional dos Principais Grãos (2010-2015) Gráfico 1 Evolução da produção de grãos (Em milhões de toneladas) A produção brasileira de cereais, leguminosas e oleaginosas cresceu, em

Leia mais

Assunto: falta de recursos do governo federal para agricultura do Paraná

Assunto: falta de recursos do governo federal para agricultura do Paraná Assunto: falta de recursos do governo federal para agricultura do Paraná A FAEP tem solicitado ao governo federal que libere os recursos anunciados de R$ 5,6 bilhões na Política de Garantia de Preços Mínimos

Leia mais

08/09/2015. Mundo Evolução da área (índice 100= safra 2000/01) Bolsa de Chicago Relação soja/milho no 1º contrato PROPHETX/AGRURAL

08/09/2015. Mundo Evolução da área (índice 100= safra 2000/01) Bolsa de Chicago Relação soja/milho no 1º contrato PROPHETX/AGRURAL PERSPECTIVAS PARA A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA NOS PRÓXIMOS 5 ANOS FERNANDO MURARO JR. Engenheiro agrônomo e analista de mercado da AgRural Commodities Agrícolas ANDA 5º CONGRESSO BRASILEIRO DE FERTILIZANTES

Leia mais

Milho Período: 11 a 15/05/2015

Milho Período: 11 a 15/05/2015 Milho Período: 11 a 15/05/2015 Câmbio: Média da semana: U$ 1,00 = R$ 3,0203 Nota: A paridade de exportação refere-se ao valor/sc desestivado sobre rodas, o que é abaixo do valor FOB Paranaguá. *Os preços

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011

PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011 PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011 Mais crédito, mais segurança e juros menores. Do Plano Safra 2002/2003 ao Plano Safra 2010/2011, o volume de recursos oferecidos por meio do Pronaf para custeio

Leia mais

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro 2015 PARANÁ A estimativa de área para a safra 2015/16 de soja é recorde no Paraná. Segundo os técnicos de campo serão semeados 5,24 milhões de hectares,

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento POLITICA de GARANTIA de PREÇOS MINIMOS

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento POLITICA de GARANTIA de PREÇOS MINIMOS POLITICA de GARANTIA de PREÇOS MINIMOS 04 de maio de 2009 RAZÃO DA POLÍTICA AGRÍCOLA CARACTERÍSTICA DA PRODUÇÃO Concentrada no tempo Consumo ao longo do ano Perecibilidade Baixo valor agregado Alta dispersão

Leia mais

SUMÁRIO. 1 - Lavouras... 5. 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra 2012 Brasil...

SUMÁRIO. 1 - Lavouras... 5. 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra 2012 Brasil... ...... PRODUÇÃO DAS LAVOURAS EM MARÇO DE 2012 SUMÁRIO 1 - Lavouras... 5 TABELAS DE RESULTADOS Safra 2012 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA ÍNDICE PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO...

Leia mais

SEGURO RURAL PSR. Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural Privado

SEGURO RURAL PSR. Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural Privado SEGURO RURAL PSR Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural Privado O QUE É O PSR Apoio do Governo Federal ao produtor rural para contratação de apólice de seguro rural, por meio de subvenção econômica.

Leia mais

Seminário Riscos e Gestão do Seguro Rural no Brasil

Seminário Riscos e Gestão do Seguro Rural no Brasil Seminário Riscos e Gestão do Regulamentação para gestão do seguro rural em eventos catastróficos Otávio Ribeiro Damaso Secretário Adjunto de Política Econômica / otavio.damaso@fazenda.gov.br Campinas,

Leia mais

EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO DE FEIJÃO NO BRASIL DE 1976-2009 Paulo Roberto Vieira de ALMEIDA¹; Alcido Elenor WANDER² INTRODUÇÃO

EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO DE FEIJÃO NO BRASIL DE 1976-2009 Paulo Roberto Vieira de ALMEIDA¹; Alcido Elenor WANDER² INTRODUÇÃO EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO DE FEIJÃO NO BRASIL DE 1976-2009 Paulo Roberto Vieira de ALMEIDA¹; Alcido Elenor WANDER² ¹ Mestrando do Programa de Pós Graduação em Agronegócio na Escola de Agronomia e Engenharia

Leia mais

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 1. INTRODUÇÃO O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), por meio da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), realiza sistematicamente

Leia mais

POLÍTICA de GARANTIA de PREÇOS MÍNIMOS - PGPM

POLÍTICA de GARANTIA de PREÇOS MÍNIMOS - PGPM Diretoria de Política Agrícola e Informações - Dipai Superintendencia de Gestão da Oferta - Sugof POLÍTICA de GARANTIA de PREÇOS MÍNIMOS - PGPM Por: Carlos Eduardo Tavares Maio de 2012 RAZÃO DA POLÍTICA

Leia mais

O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO E O SETOR DE MÁQUINAS AGRÍCOLAS TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 E OS CENÁRIOS DE LONGO PRAZO Carlos Cogo Agosto/2012 LA NIÑA PROVOCA FORTES QUEBRAS EM SAFRAS DE GRÃOS O

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA

MINISTÉRIO DA FAZENDA MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Política Econômica CMN 29.07.2009 Votos Agrícolas Brasília-DF, 29 de julho de 2009. RESUMO DOS VOTOS DA ÁREA AGRÍCOLA REUNIÃO DO CMN JULHO 2009 1 ESTABELECE NOVO PRAZO

Leia mais

Programa de Seguro Rural Brasileiro. Aplicação de recursos com base em informações de risco climático

Programa de Seguro Rural Brasileiro. Aplicação de recursos com base em informações de risco climático Programa de Seguro Rural Brasileiro Aplicação de recursos com base em informações de risco climático Programa de Subvenção ao Prêmio do seguro Rural - PSR Evolução do Programa Estudo sobre Priorização

Leia mais

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO GRÃOS: SOJA, MILHO, TRIGO e ARROZ TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 NO BRASIL E NO MUNDO Carlos Cogo Setembro/2012 PRODUÇÃO MUNDIAL DEVE RECUAR 4,1% NA SAFRA 2012/2013 ESTOQUES FINAIS MUNDIAIS DEVEM

Leia mais

03/10/2014. Roteiro da Apresentação FINANCEIRIZAÇÃO DO MERCADO ANÁLISE TÉCNICA E DE CICLOS OFERTA E DEMANDA

03/10/2014. Roteiro da Apresentação FINANCEIRIZAÇÃO DO MERCADO ANÁLISE TÉCNICA E DE CICLOS OFERTA E DEMANDA OS MERCADOS DE SOJA, MILHO E TRIGO EM 2015 FERNANDO MURARO JR. Engenheiro agrônomo e analista de mercado da AgRural Commodities Agrícolas OCEPAR Curitiba (PR), 02/out/14 www.agrural.com.br A INFORMAÇÃO

Leia mais

VARIAÇÃO ESTACIONAL DE PREÇOS DA MAMONA NO PARANÁ INTRODUÇÃO

VARIAÇÃO ESTACIONAL DE PREÇOS DA MAMONA NO PARANÁ INTRODUÇÃO Página 1927 VARIAÇÃO ESTACIONAL DE PREÇOS DA MAMONA NO PARANÁ Gerson Henrique da Silva 1 ; Maura Seiko Tsutsui Esperancini 2 ; Cármem Ozana de Melo 3 ; Osmar de Carvalho Bueno 4 1Unioeste Francisco Beltrão-PR,

Leia mais

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008 BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008 Mercado Internacional Em 2007, a produção anual de milho atingiu quase 720 milhões de tonelada (Tabela 1), quando os Estados Unidos,

Leia mais

Estudo Para Subsidiar a Proposta de Resolução de Santa Catarina ao CONAMA relativa à Lei 11.428 / 2006

Estudo Para Subsidiar a Proposta de Resolução de Santa Catarina ao CONAMA relativa à Lei 11.428 / 2006 Estudo Para Subsidiar a Proposta de Resolução de Santa Catarina ao CONAMA relativa à Lei 11.428 / 2006 1 - Introdução e Objetivos O presente estudo foi elaborado pela EPAGRI/CIRAM com base na proposta

Leia mais

MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO

MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO Paulo Magno Rabelo (1) A análise de desempenho da produção de trigo no mundo desperta apreensões fundamentadas quanto aos indicadores de área

Leia mais

O MERCADO DE CAFÉ 1. INTRODUÇÃO

O MERCADO DE CAFÉ 1. INTRODUÇÃO O MERCADO DE CAFÉ 1. INTRODUÇÃO O presente boletim tem o objetivo de apresentar a situação atual do mercado, por meio dos dados disponibilizados pelo USDA, CONAB e MAPA. Apresenta-se, posteriormente, a

Leia mais

BB Seguro Agrícola Faturamento. Brasília (DF), 06 de Julho de 2011

BB Seguro Agrícola Faturamento. Brasília (DF), 06 de Julho de 2011 BB Seguro Agrícola Faturamento Brasília (DF), 06 de Julho de 2011 1 Mitigadores de Produção/Intempéries. 2 Mitigadores de Preço. 3 Seguro de Faturamento. Exemplos. Mitigadores de Produção/Intemp ão/intempéries

Leia mais

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado AGROSSÍNTESE Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado Edilson de Oliveira Santos 1 1 Mestre em Economia, Gestor Governamental da SEAGRI; e-mail: edilsonsantos@seagri.ba.gov.br

Leia mais

AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS

AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS AGRONEGÓCIOS AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS Argentina Estados Unidos Indonésia Brasil Canadá Russia Índia Japão Austrália China México Área Agricultável > 30 milhões de ha População urbana > 80

Leia mais

DERAL - Departamento de Economia Rural. Olericultura - Análise da Conjuntura Agropecuária

DERAL - Departamento de Economia Rural. Olericultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Olericultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Dezembro de 0 INTRODUÇÃO Para Filgueira, Fernando Reis, Olericultura é um termo técnico-científico, muito preciso, utilizado no meio agronômico. Derivado

Leia mais

Programa de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar PGPAF

Programa de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar PGPAF PGPAF Programa de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar PGPAF O QUE É O PGPAF Programa do Governo Federal que garante aos agricultores familiares que tem financiamento no âmbito do Pronaf a indexação

Leia mais

Margem de comercialização da carne bovina nos diferentes elos da cadeia. Novembro de 2009

Margem de comercialização da carne bovina nos diferentes elos da cadeia. Novembro de 2009 Margem de comercialização da carne bovina nos diferentes elos da cadeia Novembro de 2009 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 2 2. METODOLOGIA... 2 2.1. BASE DE DADOS... 2 2.2. MÉTODO DE ANÁLISE... 3 3. EVOLUÇÃO DOS

Leia mais

Subsídios para uma nova política agropecuária com gestão de riscos

Subsídios para uma nova política agropecuária com gestão de riscos Subsídios para uma nova política agropecuária com gestão de riscos Evandro Gonçalves Brito Diretoria de Agronegócios / Banco do Brasil Uberlândia (MG), 18 de novembro de 2010. Desafios Globais Os dez maiores

Leia mais

REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Senhor Presidente:

REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Senhor Presidente: REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Requer o envio de Indicação ao Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento, no sentido de implantar um Programa de Redução de Perdas de Produtos Agrícolas. Senhor

Leia mais

1 Lavouras 160.000.000 +11,6 % Cereais, leguminosas e oleaginosas. Área e Produção - Brasil 1980 a 2010 Produção (t) 60.000.

1 Lavouras 160.000.000 +11,6 % Cereais, leguminosas e oleaginosas. Área e Produção - Brasil 1980 a 2010 Produção (t) 60.000. 1 Lavouras 1.1 Produção de cereais, leguminosas e oleaginosas A décima segunda estimativa da safra nacional de cereais, leguminosas e oleaginosas, indica uma produção da ordem de 149,5 milhões de toneladas,

Leia mais

chave para a sustentabilidade do escoamento da produção agrícola

chave para a sustentabilidade do escoamento da produção agrícola Infra-estrutura como fator chave para a sustentabilidade do escoamento da produção agrícola Ieda Kanashiro Makiya Rogério Carlos Traballi UNIP BRASIL: 10º PIB mundial (FMI, 2005) x PIB per capita abaixo

Leia mais

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita)

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita) Fornecer aos agentes envolvidos no agronegócio, notadamente as indústrias de insumos agropecuários e de alimentos, além dos produtores, Governo e academia, informações estratégicas sobre a dinâmica futura

Leia mais

Análise da Oportunidade Indústria de produção de caixas plásticas (bins)

Análise da Oportunidade Indústria de produção de caixas plásticas (bins) Análise da Oportunidade Indústria de produção de caixas plásticas (bins) 1.1 Sobre o Projeto Contratante: ABPM- Associação Brasileira de Produtores de Maçãs Objetivo: Desenvolvimento de um projeto de Análise

Leia mais

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14 Soja Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro de 2013 MUNDO A economia mundial cada vez mais globalizada tem sido o principal propulsor responsável pelo aumento da produção de soja. Com o aumento do

Leia mais

1 Lavouras. 1.1 Produção de cereais, leguminosas e oleaginosas quinta estimativa da safra 2012, em relação à produção obtida em 2011

1 Lavouras. 1.1 Produção de cereais, leguminosas e oleaginosas quinta estimativa da safra 2012, em relação à produção obtida em 2011 1 Lavouras 1.1 Produção de cereais, leguminosas e oleaginosas quinta estimativa da safra 212, em relação à produção obtida em 211 A quinta avaliação da safra nacional de cereais, leguminosas e oleaginosas

Leia mais

Índice de Confiança do Agronegócio

Índice de Confiança do Agronegócio Índice de Confiança do Agronegócio Terceiro Trimestre 2014 Principais Resultados:» Índice de Confiança do Agronegócio» Índice da Indústria (antes e depois da porteira)» Índice do Produtor Agropecuário

Leia mais

P R O A G R O. Programa de Garantia da Atividade Agropecuária. Deoclécio Pereira de Souza. Rio Branco (AC) 22-07-2008

P R O A G R O. Programa de Garantia da Atividade Agropecuária. Deoclécio Pereira de Souza. Rio Branco (AC) 22-07-2008 P R O A G R O Programa de Garantia da Atividade Agropecuária Deoclécio Pereira de Souza Rio Branco (AC) 22-07-2008 1 1.a S E G U R O A - M U N D O ANO > 1347 LOCAL > GÊNOVA - Itália FATO > 1º CONTRATO

Leia mais

Boletim DATALUTA Artigo do mês II: setembro de 2015. ISSN 2177-4463

Boletim DATALUTA Artigo do mês II: setembro de 2015. ISSN 2177-4463 MERCADOS INSTITUCIONAIS COMO ALTERNATIVA PARA O FORTALECIMENTO DOS MERCADOS LOCAIS DE ALIMENTOS: O CASO DO PROGRAMA DE AQUISIÇÃO DE ALIMENTOS (PAA) NO MUNICÍPIO DE TUPI PAULISTA/SP Valmir José de Oliveira

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 OTIMIZAÇÃO DA EFETIVIDADE DE HEDGE NA COMPRA DE MILHO POR MEIO DE CONTRATOS FUTUROS PARA PRODUÇÃO DE BOVINOS DE CORTE RESUMO GUSTAVO DE SOUZA CAMPOS BADARÓ 1, RENATO ELIAS FONTES 2 ; TARCISIO GONÇALVES

Leia mais

A crise atual da agricultura brasileira e da gaúcha* Este texto faz uma análise da evolução recente da agricultura brasileira e da gaúcha, baseada

A crise atual da agricultura brasileira e da gaúcha* Este texto faz uma análise da evolução recente da agricultura brasileira e da gaúcha, baseada Análise setorial Agropecuária A crise atual da agricultura brasileira e da gaúcha* Vivian Fürstenau** Economista da FEE Introdução Este texto faz uma análise da evolução recente da agricultura brasileira

Leia mais

SEGURO RURAL: ASPECTOS GERAIS E PRINCIPAIS TENDÊNCIAS. PROCAD UFMG Novembro/09

SEGURO RURAL: ASPECTOS GERAIS E PRINCIPAIS TENDÊNCIAS. PROCAD UFMG Novembro/09 SEGURO RURAL: ASPECTOS GERAIS E PRINCIPAIS TENDÊNCIAS PROCAD UFMG Novembro/09 SEGURO RURAL Modalidades Seguro Rural Modalidades Seguro Agrícola; Seguro Pecuário; Seguro de Benfeitorias e Produtos Agropecuários;

Leia mais

Segurança e Qualidade dos Alimentos Rastreabilidade

Segurança e Qualidade dos Alimentos Rastreabilidade Segurança e Qualidade dos Alimentos Rastreabilidade Segurança e Qualidade dos Alimentos Lei 12.593/12 institui o PPA 2012-2015 Programa 2028 Defesa Agropecuária Objetivo 0570 Assegurar a qualidade dos

Leia mais

Apesar de menor, deflação continua

Apesar de menor, deflação continua 1 São Paulo, 06 de julho de 2006. NOTA À IMPRENSA Apesar de menor, deflação continua Pelo terceiro mês consecutivo, o Índice do Custo de Vida (ICV) calculado pelo DIEESE - Departamento Intersindical de

Leia mais

GUSTAVO ROBERTO CORRÊA DA COSTA SOBRINHO E JOSÉ MACIEL DOS SANTOS EFEITOS DA CRISE FINANCEIRA GLOBAL SOBRE A AGRICULTURA BRASILEIRA.

GUSTAVO ROBERTO CORRÊA DA COSTA SOBRINHO E JOSÉ MACIEL DOS SANTOS EFEITOS DA CRISE FINANCEIRA GLOBAL SOBRE A AGRICULTURA BRASILEIRA. EFEITOS DA CRISE FINANCEIRA GLOBAL SOBRE A AGRICULTURA BRASILEIRA. GUSTAVO ROBERTO CORRÊA DA COSTA SOBRINHO E JOSÉ MACIEL DOS SANTOS Consultores Legislativos da Área X Agricultura e Política Rural MARÇO/2009

Leia mais

Mudanças na composição agropecuária e florestal paulista - 1999 e 2008

Mudanças na composição agropecuária e florestal paulista - 1999 e 2008 Mudanças na composição agropecuária e florestal paulista - 1999 e 2008 José Alberto Ângelo Danton Leonel de Camargo Bini Denise Viane Caser Paulo José Coelho Carlos Nabil Ghobril alberto@iea.sp.gov.br

Leia mais

INVESTIMENTO E RETORNO NA FRUTICULTURA. Prof. Dr. Ricardo Antonio Ayub 1 e Mariane Gioppo 2

INVESTIMENTO E RETORNO NA FRUTICULTURA. Prof. Dr. Ricardo Antonio Ayub 1 e Mariane Gioppo 2 INVESTIMENTO E RETORNO NA FRUTICULTURA Prof. Dr. Ricardo Antonio Ayub 1 e Mariane Gioppo 2 1 Universidade Estadual de Ponta Grossa - Professor Doutor Associado Departamento de Fitotecnia e Fitossanidade

Leia mais

VALOR DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA DO BRASIL EM 2003, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO 1

VALOR DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA DO BRASIL EM 2003, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO 1 VALOR DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA DO BRASIL EM 2003, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO 1 Alfredo Tsunechiro 2 Vagner Azarias Martins 3 1 - INTRODUÇÃO 1 2 3 Qual a verdadeira magnitude do valor da produção agropecuária

Leia mais

SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE SEGURO DE EMERGÊNCIA E SEGURO AGRÍCOLA

SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE SEGURO DE EMERGÊNCIA E SEGURO AGRÍCOLA SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE SEGURO DE EMERGÊNCIA E SEGURO AGRÍCOLA Porto Alegre - Brasil 29 de junho a 2 de julho de 2005 O IRB-BRASIL RE COMO RESSEGURADOR E GESTOR DO FUNDO DE ESTABILIDADE DO SEGURO

Leia mais

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: SOJA Safra 2010/11 e Expectativas 2011/12

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: SOJA Safra 2010/11 e Expectativas 2011/12 Safra 2010/11 e Expectativas 2011/12 BOLETIM ANUAL DO Safra 2010/11 e Expectativas 2011/12 1. Mercado Internacional A produção mundial de soja mantém a sua tendência de crescimento, porém, a taxas variáveis.

Leia mais

RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO

RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO PANORAMA SEMANA DE 21 A 25 DE SETEMBRO de 2009 Semana de preço estável no mercado de Boi Gordo no Rio Grande do Sul, com o preço encerrando a semana a R$ 4,61/kg carcaça.

Leia mais

AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL

AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL IMPORTÂNCIA ECONOMICA 1- Exportações em 2014: Mais de US$ 100 bilhões de dólares; 2- Contribui com aproximadamente 23% do PIB brasileiro; 3- São mais de 1 trilhão de Reais e

Leia mais

Caminhos da Soja Conquistas da Soja no Brasil

Caminhos da Soja Conquistas da Soja no Brasil Caminhos da Soja Conquistas da Soja no Brasil Francisco Sérgio Turra Presidente Executivo Soja no Mundo Mil toneladas Evolução da produção de soja por país (mil toneladas) 100 75 50 Brasil - 84 EUA - 82

Leia mais

Indicadores IBGE. Estatística da Produção Agrícola. Abril de 2012. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE

Indicadores IBGE. Estatística da Produção Agrícola. Abril de 2012. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Indicadores IBGE Estatística da Produção Agrícola Abril de 2012 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Presidenta da República Dilma Rousseff Ministra do Planejamento, Orçamento e Gestão

Leia mais

O Agronegócio Mundial e Brasileiro

O Agronegócio Mundial e Brasileiro O Agronegócio Mundial e Brasileiro Eugênio Stefanelo Segundo Porter, você é competitivo quando tem um desempenho em longo prazo acima da média dos concorrentes. O agronegócio, que engloba as operações

Leia mais

Título da. Apresentação

Título da. Apresentação SITUAÇÃO ATUAL DO SISTEMA DE PRODUÇÃO INTEGRADA PI-BRASIL Título da Coordenação de Produção Integrada da Cadeia Agrícola Apresentação Luzia Maria Souza Gisele Ventura Garcia Grilli Brasília-DF Setembro-2014

Leia mais

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência: JULHO/2011 CEPEA - SOJA I - Análise Conjuntural II - Séries Estatísticas 1. Diferenciais de preços 2. Estimativa do valor das alternativas

Leia mais

BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014

BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014 BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014 Milho: Os preços no mercado brasileiro ficaram estáveis e até mesmo um pouco mais baixos em algumas praças. A incerteza dos produtores quanto à produtividade do milho

Leia mais

TÍTULO. Políticas de Financiamento e Proteção da Produção - MDA

TÍTULO. Políticas de Financiamento e Proteção da Produção - MDA TÍTULO Políticas de Financiamento e Proteção da Produção - MDA Lei 11.326/06 Art. 3o Para os efeitos desta Lei, considera-se agricultor familiar e empreendedor familiar rural aquele que pratica atividades

Leia mais

Commodities Agrícolas

Commodities Agrícolas Commodities Agrícolas CAFÉ CAFÉ Bolsas BM&F ICE FUTURES Contrato Fechamento Máxima Mínimo Variação Fechamento Máxima Mínimo Variação set/13 144,45 150,00 143,95-4,05 120,60 124,25 119,35-2,85 dez/13 148,50

Leia mais

Evolução, Perspectivas e Desafios. J.C. Zukowski

Evolução, Perspectivas e Desafios. J.C. Zukowski SEAF Evolução, Perspectivas e Desafios J.C. Zukowski Coordenador Geral do SEAF SEGUROS AGRÍCOLAS NO BRASIL Emergência ou Básico Agricultura Familiar Agricultura Comercial Garantia-Safra Subsídio ao Prêmio

Leia mais